Você está na página 1de 41

CASE

Certificação BRC BELLO ALIMENTOS “A”

Luciana Chicarelli Bogoni

Engenheira de Alimentos
Especialista em Gestão e Segurança de Alimentos

Gerente Garantia da Qualidade Corporativa


Bello Alimentos
luciana.chicarelli@belloalimentos.com.br
067-984020931
Atendimento da Fornecedores
Legislação Qualificados

Padronização
Conquista
e Qualidade
de processos
BRC de Clientes
e produtos

Segurança Rastreabilidade
Alimentar Completa

 Certificado reconhecido internacionalmente, que pode ser utilizado em substituição à


auditoria de clientes, economizando tempo e dinheiro.
 Empresas certificadas aparecem no diretório de Normas Globais do BRC e permite o uso
do logotipo para fins comerciais.
FERRAMENTAS UTILIZADAS
ELEMENTO 3. SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E QUALIDADE DE ALIMENTO
3.1 MANUAL DE SEGURANÇA EQUAL
3.2 CONTROLE DE DOCUMENTOS EQUAL
3.5 APROVACAO DE FORNECEDORES Gestão da Qualidade
3.6 ESPECIFICAÇÕES Gestão da Qualidade
3.9 RASTREABILIDADE Gestão da Qualidade
ELEMENTO 4. PADRÕES DA PLANTA
4.15 INSTALAÇÕES DE ARMAZENAMENTO Módulo Industrial
ELEMENTO 5. CONTROLE DE PRODUTOS
5.7 LIBERAÇÃO DE PRODUTO Gestão da Qualidade
ELEMENTO 6. CONTROLE DE PROCESSO
6.3 QUANTIDADE – CONTROLE DE PESO, Módulo Industrial
VOLUME E UNIDADES
Elemento 3 – SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E QUALIDADE DE ALIMENTOS

Item 3.1 – MANUAL DA QUALIDADE E SEGURANÇA DE ALIMENTOS

Os processos e procedimentos da empresa para atender os requisitos desta


norma devem ser documentados para permitir uma aplicação consistente, facilitar
o treinamento e apoiar a produção de um produto seguro.

3.1.2 - O manual de segurança e qualidade de


alimentos deve ser totalmente implementado e o
manual ou componentes relevantes devem estar
prontamente disponíveis para o pessoal relevante.
NOTIFICAÇÃO DOS USUÁRIOS
 Envio de notificação via e-mail após documentos serem aprovados e
distribuídos para pessoal envolvido.
Elemento 3 – SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E QUALIDADE DE ALIMENTOS

Item 3.2 – CONTROLE DE DOCUMENTOS

A empresa deve operar um sistema efetivo de controle de documentos para


garantir que somente as versões corretas dos documentos, incluindo os
formulários de registro, estejam disponíveis e em uso.

3.2.1 - A empresa deve ter um procedimento para gerenciar


documentos que fazem parte do sistema de segurança e
qualidade dos alimentos.
3.2 - CONTROLE DE DOCUMENTOS
 3.2.1 - LISTA DE TODOS OS DOCUMENTOS CONTROLADOS QUE INDICAM O NÚMERO DA
VERSÃO MAIS RECENTE
3.2 - CONTROLE DE DOCUMENTOS

 3.2.1 - MÉTODO PARA IDENTIFICAÇÃO E AUTORIZAÇÃO DE DOCUMENTOS CONTROLADOS


3.2 - CONTROLE DE DOCUMENTOS

3.2.1 - REGISTRO DO MOTIVO DE QUAISQUER ALTERAÇÕES OU ALTERAÇÕES EM


DOCUMENTOS.

 Quaisquer alterações realizadas em registros eletrônicos precisam ser autorizadas e


justificadas, sendo que essas alterações ficam registradas no sistema com data da
modificação, usuário que realizou a modificação e justificativa da mesma.
3.2 - CONTROLE DE DOCUMENTOS
3.2.1 - SISTEMA PARA A SUBSTITUIÇÃO DE DOCUMENTOS EXISTENTES QUANDO
ESTES SÃO ATUALIZADOS.
3.2 - CONTROLE DE DOCUMENTOS
3.2.1 - SER ARMAZENADOS DE FORMA SEGURA (POR EXEMPLO, COM ACESSO
AUTORIZADO, CONTROLE DE ALTERAÇÕES OU PROTEGIDO POR SENHA).

TER BACKUP PARA EVITAR PERDA.


 O sistema Agrosys® possui backup diário para evitar a perda de registros e
documentos, sendo que os documentos ficam arquivados por um período de 5
anos.
O QUE É NECESSÁRIO PARA BOA GESTÃO DE DOCUMENTOS
Uso de um software de GESTÃO DE DOCUMENTOS garante muito mais
FACILIDADE e segurança para o trabalho da equipe.

 Deve permitir o gerenciamento de vários tipos


de documentos (Programas de autocontrole,
Procedimentos Operacionais Padrão, Instruções
de Trabalho, planilhas de monitoramento);

 Deve facilitar a ELABORAÇÃO, REVISÃO e


APROVAÇÃO de documentos direcionando
para quem tem a responsabilidade sobre o
mesmo;

 Deve sempre direcionar o usuário para a versão


mais ATUALIZADA dos documentos;

 Deve permitir visualização de fluxos de revisão


em andamento, pendências com documentos e
pendências de leitura dos usuários.
CONCILIAÇÃO DE DOCUMENTOS
Ao receber um documento para o consenso, o colaborador
deve sempre realizar a análise crítica do conteúdo, aprovando
ou não o mesmo. Em caso de reprovação, o documento
retorna automaticamente para quem elaborou.

APROVAÇÃO DE DOCUMENTOS
Após ser aprovado na fase de consenso, o documento é enviado
para o aprovador final. Se for aprovado, o documento é
automaticamente enviado para distribuição. Se não, retorna ao
elaborador para revisão, junto com uma justificativa.
GESTÃO DA QUALIDADE
Elemento 3 – SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E QUALIDADE DE ALIMENTOS

Item 3.5 – APROVAÇÃO DE FORNECEDORES E MATÉRIAS-PRIMAS E


MONITORAMENTO DE DESEMPENHO
Elemento fundamental

A empresa deve ter um sistema eficaz de aprovação e monitoramento de


fornecedores para garantir que quaisquer riscos potenciais de matérias-primas
(incluindo embalagem primária) à segurança, autenticidade, legalidade e qualidade
do produto final sejam compreendidos e gerenciados.

AUTOAVALIAÇÃO AUDITORIA
GESTÃO DE AUTOAVALIAÇÃO E AUDITORIA DE FORNECEDORES

 Controle e gestão do envio de formulários de Autoavaliação e Auditoria de


Fornecedores;
GESTÃO DE AUTOAVALIAÇÃO E AUDITORIA DE FORNECEDORES

 Envio de Autoavaliações e Auditorias integrados via sistema Agrosys / e-mails;


 Preenchimento integrado ao sistema através de link de acesso;
GESTÃO DE AUTOAVALIAÇÃO E AUDITORIA DE FORNECEDORES

 Gestão de fornecedores aprovados para fornecimento de matérias-primas;


Elemento 3 – SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E QUALIDADE DE ALIMENTOS

Item 3.6 – ESPECIFICAÇÕES

Devem existir especificações para matérias-primas (incluindo embalagem primária),


produtos acabados e qualquer produto ou serviço que possa afetar a integridade do
produto acabado.

PRODUTO ACABADO
MATÉRIA-PRIMA
ESPECIFICAÇÕES
 Disponíveis para os usuários sempre na versão atualizada;
ESPECIFICAÇÕES
 Aprovadas pelo líder APPCC;
 Assinatura Eletrônica;
Elemento 3 – SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E QUALIDADE DE ALIMENTOS

Item 3.9 – RASTREABILIDADE

Elemento fundamental

A empresa deve ser capaz de rastrear todos os lotes de produtos, de matérias-


primas (incluindo embalagens primárias) de seus fornecedores, passando por todas
as etapas de processamento e envio aos seus clientes e vice-versa.
RASTREABILIDADE DE EMBALAGENS
 Recebimento de embalagens, através do sistema;
RASTREABILIDADE DE EMBALAGENS
 Avaliação e inspeção do veículo;
RASTREABILIDADE DE EMBALAGENS
 Avaliação e inspeção da carga (matéria-prima);
RASTREABILIDADE DE EMBALAGENS
 Avaliação dos atributos da carga – sendo que as amostragens seguem de acordo
com a norma ABNT;
RASTREABILIDADE DE EMBALAGENS
 Após recebimento, distribuição de etiqueta para cada lote (saco/bobina) para
distribuição ao setor produtivo e garantia da rastreabilidade das embalagens;

Distribuição de embalagens e
insumos ao setor produtivo vincula
ao item, recebimento, lote e nota
fiscal
RASTREABILIDADE DE PRODUTO FINAL
 Rastreabilidade vinculada ao produto, data de produção e turno;
RASTREABILIDADE DE PRODUTO FINAL
 Rastreabilidade vinculada ao produto, data de produção e turno
 Inclui quantidade produzida, quantidade em túnel de congelamento/câmara,
quantidade expedida;
RASTREABILIDADE DE PRODUTO FINAL
 Quantidade expedida por cliente;
RASTREABILIDADE DE PRODUTO FINAL
 Certificado de Rastreabilidade por romaneio carregado;
RASTREABILIDADE DE PRODUTO FINAL
 Etiqueta com dados rastreáveis;
Elemento 4 – PADRÕES DA PLANTA

Item 4.15 – INSTALAÇÕES DE ARMAZENAMENTO

Todas as instalações utilizadas para o armazenamento de matérias-primas,


embalagens, produtos em processo e produtos acabados devem ser adequados à
finalidade.

A empresa deve facilitar a correta


rotação de estoque de matérias-
primas, produtos intermediários e
produtos acabados armazenados e
garantir que os matérias sejam
usados na ordem correta em relação
à sua data de fabricação e dentro do
prazo de validade prescrito
ENDEREÇAMENTO E GESTÃO DE ESTOQUE

Etiqueta com dados do pallet;

Etiqueta para endereçamento do pallet;


ENDEREÇAMENTO E GESTÃO DE ESTOQUE
 Gerenciamento de estoque através de mapeamento da câmara -WMS;
Elemento 5 – CONTROLE DE PRODUTOS

Item 5.7 – LIBERAÇÃO DE PRODUTO

A empresa deve assegurar que o produto acabado não seja liberado, a menos que
todos os procedimentos acordados tenham sido seguidos

Sequestro de produtos para


evitar que os mesmos fiquem
disponíveis para carregamento.
Elemento 6 – CONTROLE DE PROCESSO
Item 6.3 – QUANTIDADE – CONTROLE DE PESO, VOLUME E UNIDADES

A planta deve operar um sistema de controle de quantidade que esteja em


conformidade com os requisitos legais no país onde o produto é vendido e
quaisquer códigos adicionais do setor industrial ou requisitos específicos do cliente.
QUANTIDADE E PESO

 Importante ter um sistema de pesagem automática

Você também pode gostar