Você está na página 1de 9

MEMORIAL DE CÁLCULO 2015 – 046 – A – 5

SISTEMA DE GUARDA CORPO PROVISÓRIO PARA EDIFICAÇÕES EM CONSTRUÇÃO

CLIENTE: ECCEL ENGENHARIA LTDA.

CNPJ: 00.965.914/0001-97

ENDEREÇO: RUA DR. MONTAURY Nº 2090, SALA 601, BAIRRO EXPOSIÇÃO, CAXIAS DO SUL - RS

OBRA: E 105 – CENTURY HOME & OFFICE

ENDEREÇO: RUA SINIMBÚ, 520, BAIRRO NOSSA SENHORA DE LOURDES, CAXIAS DO SUL - RS

TELEFONE: (54) 3028 0077

Elaborado por:

Eng°. Paulo Dario Busellato Garay

CREA RS199165

MOVVER ENGENHARIA - Desenvolvimento, projeto e responsabilidade técnica.


garay@movver.com.br – Rua Angelo Agostini, 72, Pioneiro - Caxias do Sul – RS Fone: (54) 3019 7399 | (54) 8166 0055

Document shared on www.docsity.com


Downloaded by: Rodrigo.Bertulucci (roboas@gmail.com)
2
1. OBJETIVO

Este memorial de cálculo tem por objetivo dimensionar a capacidade de carga e demonstrar as condições
de segurança do equipamento em análise, sob o ponto de vista do dimensionamento estrutural de seus
componentes críticos.

2. CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO

O dimensionamento é efetuado em conformidade com as especificações da Norma Regulamentadora NR


18 e normas complementares onde aplicáveis. Os critérios dimensionais para instalação do sistema são
dados conforme segue:

 Espaçamento máximo dos montantes verticais_________________________________ 1,5 metros


 Força aplicada a estrutura__________________________________________________ 150 kgf
 Seção das travessas superior e intermediária__________________________________ 2,5 x 15 cm
 Seção do rodapé_________________________________________________________ 2,5 x 20 cm
 Tensão de flexão admissível da madeira______________________________________ 19,05 Mpa
 Tensão de cisalhamento admissível___________________________________________ 1,4 MPa
Tensão de flexão admissível do aço_____________________________________________ 205 Mpa

Será considerado os dados comuns para o eucalipto comercial, conforme tabela abaixo:

MADEIRA: EUCALIPTO TERETICORNIS DADOS


Peso específico a 15% de umidade – ρ 15% 0,95 g/cm³
Módulo de Elasticidade Longitudinal 13320 Mpa
Tensão Limite de Resistência – Compressão Paralelo 53 MPa
– σcp rup
Tensão Limite de Resistência – Tração Paralelo ou 127 MPa
Flexão- σtp rup
Tensão Limite de Resistência – Cisalhamento – 14 Mpa
σcis rup

MOVVER ENGENHARIA - Desenvolvimento, projeto e responsabilidade técnica.


garay@movver.com.br – Rua Angelo Agostini, 72, Pioneiro - Caxias do Sul – RS Fone: (54) 3019 7399 | (54) 8166 0055

Document shared on www.docsity.com


Downloaded by: Rodrigo.Bertulucci (roboas@gmail.com)
3
3. DIMENSIONAMENTO DOS COMPONENTES

3.1 DETERMINAÇÃO DO COMPORTAMENTO DAS TRAVESSAS SUPERIOR E INTERMEDIÁRIA

3.1.1 Carga aplicada nas travessas

Fx = 150 Kgf/m

3.1.2 Determinação do momento fletor máximo atuante nas travessas

M = Fx x D

M = 150 x 135

M = 20250 Kgf.cm

3.1.3 Determinação das tensões atuantes nas travessas

3.1.3.1. Determinação da tensão de flexão atuante nas travessas

A tensão de flexão atuante nas travessas é dada por:

σ1 = (M x Y)/I = M/(b x e³/12)

Onde:

 σ1 = tensão de flexão
 M = Momento aplicado às travessas
 Y = distância da linha neutra a fibra mais externa;
 I = momento de inércia das travessas

Para as travessas selecionada:

σ1 = 20250 x 7,5 / (5 x 15³/12)

σ1 = 151875 / 1406,25

σ1 = 108 Kgf/cm² = 10,59 MPa

3.1.3.2. Determinação do fator de segurança das travessas em relação à tensão de flexão

O fator de segurança é dado por:

FS = σe / σ1

FS = 19,05 / 10,59

FS = 1,8

3.1.3.3. Determinação da tensão de cisalhamento atuante nas travessas

A tensão de cisalhamento atuante nas travessas é dada por:

τ1 = Fx / Ae = Fx / (b x e)

MOVVER ENGENHARIA - Desenvolvimento, projeto e responsabilidade técnica.


garay@movver.com.br – Rua Angelo Agostini, 72, Pioneiro - Caxias do Sul – RS Fone: (54) 3019 7399 | (54) 8166 0055

Document shared on www.docsity.com


Downloaded by: Rodrigo.Bertulucci (roboas@gmail.com)
4
τ1 = 150 / (2,5 x 15)

τ1 = 4 Kgf/cm² = 0,39 MPa

3.1.3.4. Determinação do fator de segurança das travessas em relação à tensão de cisalhamento

O fator de segurança é dado por:

FS = τe / τ1

FS = 1,4 / 0,39

FS = 3,6

3.2 DETERMINAÇÃO DO COMPORTAMENTO DO RODAPÉ

3.2.1 Carga aplicada no rodapé

Fx = 150 Kgf/m

3.2.2 Determinação do momento fletor máximo atuante no rodapé

M = Fx x D

M = 150 x 135

M = 20250 Kgf.cm

3.2.3 Determinação das tensões atuantes no rodapé

3.2.3.1. Determinação da tensão de flexão atuante no rodapé

A tensão de flexão atuante no rodapé é dada por:

σ1 = (M x Y)/I = M/(b x e³/12)

Onde:

 σ1 = tensão de flexão
 M = Momento aplicado ao rodapé
 Y = distância da linha neutra a fibra mais externa;
 I = momento de inércia do rodapé

Para o rodapé selecionado:

σ1 = 20250 x 10 / (5 x 20³/12)

σ1 = 151875 / 1406,25

σ1 = 60,75 Kgf/cm² = 5,96 MPa

3.2.3.2. Determinação do fator de segurança do rodapé em relação à tensão de flexão

O fator de segurança é dado por:

MOVVER ENGENHARIA - Desenvolvimento, projeto e responsabilidade técnica.


garay@movver.com.br – Rua Angelo Agostini, 72, Pioneiro - Caxias do Sul – RS Fone: (54) 3019 7399 | (54) 8166 0055

Document shared on www.docsity.com


Downloaded by: Rodrigo.Bertulucci (roboas@gmail.com)
5
FS = σe / σ1

FS = 19,05 / 5,96

FS = 3,19

3.2.3.3. Determinação da tensão de cisalhamento atuante no rodapé

A tensão de cisalhamento atuante no rodapé é dada por:

τ1 = Fx / Ae = Fx / (b x e)

τ1 = 150 / (2,5 x 20)

τ1 = 3 Kgf/cm² = 0,29 MPa

3.2.3.4. Determinação do fator de segurança do rodapé em relação à tensão de cisalhamento

O fator de segurança é dado por:

FS = τe / τ1

FS = 1,4 / 0,29

FS = 4,83

3.3 DETERMINAÇÃO DO COMPORTAMENTO DO MONTANTE VERTICAL DO SUPORTE METÁLICO

O perfil de construção do montante vertical tem momento de inércia da sua seção transversal equivalente
a 5,67 cm4 e área da seção transversal equivalente a 2,85 cm².

3.3.1 Carga aplicada no montante

Fx = 150 Kgf/m

3.3.2 Determinação do momento fletor máximo atuante no montante

M = Fx x D

M = 150 x 120

M = 18000 Kgf.cm

3.3.3 Determinação das tensões atuantes no montante

Como o montante vertical está apoiado pela mão francesa e esta suporta o momento gerado pela carga de
150 Kgf, o montante está sujeito apenas a tensão de cisalhamento.

3.3.3.1. Determinação da tensão de cisalhamento atuante no montante

A tensão de cisalhamento atuante nas travessas é dada por:

τ1 = Fx / Ae

τ1 = 150 / (2,85)

MOVVER ENGENHARIA - Desenvolvimento, projeto e responsabilidade técnica.


garay@movver.com.br – Rua Angelo Agostini, 72, Pioneiro - Caxias do Sul – RS Fone: (54) 3019 7399 | (54) 8166 0055

Document shared on www.docsity.com


Downloaded by: Rodrigo.Bertulucci (roboas@gmail.com)
6
τ1 = 53 Kgf/cm² = 5,2 MPa

3.3.3.2. Determinação do fator de segurança do montante em relação à tensão de cisalhamento

O fator de segurança é dado por:

FS = τe / τ1

FS = 205 / 5,2

FS = 39

3.4 DETERMINAÇÃO DO COMPORTAMENTO DA MÃO FRANCESA

A mão francesa está submetida unicamente ao esforço de compressão ou tração, conforme o sentido da
aplicação da força decorrente do sentido de montagem do guarda corpo.

O perfil de construção da mão francesa tem momento de inércia da sua seção transversal equivalente a 2,2
cm4 e área da seção transversal equivalente a 2,25 cm².

3.4.1 Carga aplicada na mão francesa

P = Fx / sen 22,5°

P = 150 / sen 22,5°

P = 391 Kgf

3.4.1 Determinação das tensões atuantes na mão francesa

3.4.1.1. Determinação da tensão de compressão atuante na mão francesa

A tensão de compressão atuante na mão francesa é dada por:

σ2 = P / Ae

Onde:

 σ2 = tensão de flexão
 Ae = área efetiva de suporte

Para a mão francesa selecionada:

σ2 = 391 / 2,25

σ2 = 174 Kgf/cm² = 17 MPa

3.4.1.2. Determinação do fator de segurança da mão francesa em relação à tensão de compressão

O fator de segurança é dado por:

FS = σe / σ1

FS = 205 / 17

MOVVER ENGENHARIA - Desenvolvimento, projeto e responsabilidade técnica.


garay@movver.com.br – Rua Angelo Agostini, 72, Pioneiro - Caxias do Sul – RS Fone: (54) 3019 7399 | (54) 8166 0055

Document shared on www.docsity.com


Downloaded by: Rodrigo.Bertulucci (roboas@gmail.com)
7
FS = 12

3.5 DETERMINAÇÃO DO COMPORTAMENTO DO CHUMBADOR DE FIXAÇÃO

Os chumbadores de fixação estão submetidos a carga de cisalhamento, equivalente a carga Fx e a tensão


de arrancamento, equivalente ao momento gerado por esta carga.

3.5.1 Determinação da carga de arrancamento do parabolt

O chumbador instalado na parte mais distante da fixação de piso está sujeito a maior carga da
arrancamento.

CA = 18000 / 120

CA = 150 Kgf

Onde:

 CA = Carga de arrancamento

Os chumbadores estarão sujeitos aos carregamentos dados acima conforme segue:

Fx = 150 Kfg

CA = 150 Kgf

3.5.2. Fator de segurança em relação ao cisalhamento

Será considerada a força Fx como maior força que provoca cisalhamento nos chumbadores. Comparando
os dados de tabela com os dados calculados anteriormente, segue:

FS = 2 x CS / Fx

Onde:

 CS = carga de cisalhamento

FS = 2 x 1731 / 150

FS = 23

3.5.3. Fator de segurança em relação ao arrancamento

Será considerada a carga CA como maior força que provoca arrancamento nos chumbadores. Comparando
os dados de tabela com os dados calculados anteriormente, segue:

MOVVER ENGENHARIA - Desenvolvimento, projeto e responsabilidade técnica.


garay@movver.com.br – Rua Angelo Agostini, 72, Pioneiro - Caxias do Sul – RS Fone: (54) 3019 7399 | (54) 8166 0055

Document shared on www.docsity.com


Downloaded by: Rodrigo.Bertulucci (roboas@gmail.com)
8
FS = 2 x CAt / CA

Onde:

 CAt = carga de arrancamento da tabela

FS = 2 x 2820 / 150

FS = 37,6

MOVVER ENGENHARIA - Desenvolvimento, projeto e responsabilidade técnica.


garay@movver.com.br – Rua Angelo Agostini, 72, Pioneiro - Caxias do Sul – RS Fone: (54) 3019 7399 | (54) 8166 0055

Document shared on www.docsity.com


Downloaded by: Rodrigo.Bertulucci (roboas@gmail.com)
9
4 CONCLUSÃO

Este memorial de cálculo considera o uso do sistema de guarda corpo por operadores devidamente
treinados e qualificados. Conforme os dados apresentados neste memorial de cálculo, o guarda corpo
apresenta plenas condições de segurança, considerando seu dimensionamento estrutural, para operação
considerando cargas de impacto máximas equivalentes a 150 kgf, uma vez que não se verificam tensões
superiores às admissíveis nos diversos pontos analisados. A carga de 150 kgf é limitada pela resistência
mecânica da travessa superior, que apresenta os menores coeficientes de segurança para esta configuração
do equipamento.

Este PROJETO está Registrado no CREA RS sob ART N° 7972289.

Caxias do Sul, 14 de maio de 2015.

Elaborado por: Aprovado por:

Eng°. Paulo Dario Busellato Garay Eng°. Sélvio Carlos Araújo de Souza

CREA RS199165 CREA RS126548

MOVVER ENGENHARIA - Desenvolvimento, projeto e responsabilidade técnica.


garay@movver.com.br – Rua Angelo Agostini, 72, Pioneiro - Caxias do Sul – RS Fone: (54) 3019 7399 | (54) 8166 0055

Document shared on www.docsity.com


Downloaded by: Rodrigo.Bertulucci (roboas@gmail.com)