Você está na página 1de 488

Manual do Operador e de Referência Técnica

TM

Puritan Bennett
Sistema Ventilador Série 800
Para obter informações sobre uma garantia, se houver, contacte os Serviços Técnicos
da Covidien pelo 1.800.635.5267 ou o seu representante local.
A compra deste instrumento não confere uma licença explícita ou implícita, nos termos de
qualquer patente da Covidien, para usar o instrumento com qualquer sistema de ventilação
que não seja fabricado ou licenciado pela Covidien.
Informações de Copyright
Copyright 2011 Covidien. Todos os direitos reservados. O Sistema Ventilador Puritan
Bennett™ 840 é fabricado de acordo com informação sigilosa da Covidien. Patentes dos E.U.A.
5,271,389; 5,319,540; 5,339,807; 5,771,884; 5,791,339; 5,813,399; 5,865,168; 5,881,723;
5,884,623; 5,915,379; 5,915,380; 6,024,089; 6,161,539; 6,220,245; 6,269,812; 6,305,373;
6,360,745; 6,369,838; 6,553,991; 6,668,824; 6,675,801; 7,036,504; 7,117,438; RE39225.
COVIDIEN, COVIDIEN com logótipo, o logótipo da Covidien e “positive results for life” são
marcas registadas da Covidien AG nos E.U.A. e internacionalmente. Todas as restantes
marcas são marcas comerciais de uma sociedade Covidien.
As informações contidas neste manual são propriedade exclusiva da Covidien e não podem
ser replicadas sem permissão. Este manual pode ser revisto ou substituído pela Covidien a
qualquer altura e sem aviso prévio.
O utilizador deve garantir que possui a versão aplicável mais recente deste manual; em
caso de dúvida, contacte a Covidien ou visite a página web do manual do produto Puritan
Bennett™ 840 em:
http://www.puritanbennett.com/serv/manuals.aspx
Apesar de as informações ora contidas serem consideradas exactas, não substituem o
exercício de um juízo profissional.
O ventilador só deve ser utilizado e assistido por profissionais treinados. A responsabilidade
exclusiva da Covidien's relativamente ao ventilador e à sua utilização encontra-se descrita na
garantia limitada fornecida.
Nada do presente manual irá limitar ou restringir de qualquer forma o direito de a Covidien's
rever, alterar ou modificar o equipamento (incluindo o seu software) ora descrito sem aviso
prévio. Na ausência de um acordo escrito expresso em contrário, a Covidien não tem a
obrigação de facultar essas revisões, alterações ou modificações ao proprietário ou utilizador
do equipamento (incluindo o seu software) ora descrito.

Aplicabilidade
As informações deste manual se aplicam às versões do ventilador
Puritan Bennett™ 840 fabricadas ou atualizadas a partir de agosto de
2005. Algumas dessas informações podem não se aplicar às versões
anteriores. Entre em contato com um representante da Covidien em
caso de dúvida.

Definições
Este manual usa três indicadores especiais para transmitir informações
de teor específico. Como estas:

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador e de Referência Técnica
Advertência
Indica uma condição que pode colocar em risco o paciente ou o
operador do ventilador.

Cuidado
Indica uma condição que pode danificar o equipamento.

OBSERVAÇÃO:
Indica aspectos de especial importância que tornam a
operação do ventilador mais eficiente ou prática.

Advertências, cuidados e notas


Reserve um tempo para se familiarizar com as considerações de segurança,
os requisitos especiais de manuseio e as instruções que determinam o uso
correto do Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840. 
• Para garantir uma manutenção apropriada e evitar a possibilidade de
ferimentos, somente técnicos qualificados devem realizar a manutenção
ou fazer modificações autorizadas no ventilador.
O usuário deste produto terá total responsabilidade pelo mau
funcionamento do ventilador decorrente de operação ou manutenção
realizada por pessoas que não tenham sido treinadas pela Covidien.
• Para evitar o risco de choque elétrico, ao fazer a manutenção do
ventilador, desconecte-o da fonte de alimentação e desligue as chaves de
alimentação.
• Para evitar risco de incêndio, mantenha fósforos, cigarros acesos e
qualquer outra fonte de ignição (por exemplo, anestésicos inflamáveis
e/ou aquecedores) longe do Sistema de Ventilação Puritan Bennett 840
e dos tubos de oxigênio.
Não use os tubos de oxigênio se eles estiverem gastos, estragados
ou contaminados por substâncias inflamáveis como graxa ou óleo.
Materiais têxteis, óleos e outras substâncias inflamáveis incendeiam
facilmente e queimam com grande intensidade na presença de ar
enriquecido com oxigênio.

ii Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador e de Referência Técnica
No caso de incêndio ou cheiro de queimado, desconecte imediatamente
o ventilador da fonte de oxigênio, da tomada elétrica e da fonte de
alimentação auxiliar.
• Ao manusear qualquer componente do Sistema de Ventilação
Puritan Bennett 840, siga as diretrizes de controle de infecção
hospitalar da sua instituição para lidar com material infeccioso. 
A Covidien reconhece que as práticas de limpeza, esterilização,
saneamento e desinfecção variam enormemente entre as instituições
da área de saúde. A Covidien não pode estipular ou exigir práticas
específicas que atendam a todas as necessidades, nem se responsabilizar
pela eficiência das práticas de limpeza, esterilização ou de qualquer outro
tipo realizadas no local em que o paciente está sendo tratado. Como
fabricante, a Covidien não possui quaisquer diretrizes ou recomendações
referentes a patógenos específicos em relação ao Manual de Referência
Técnica e do Operador do Sistema de Ventilador Puritan Bennett™ 840
Series com respeito do uso dos nossos produtos. Em relação à
transmissão de qualquer patógeno específico, a Covidien pode oferecer
especificações de nossos produtos, bem como recomendações de
limpeza e esterilização. Qualquer esclarecimento adicional em relação
a patógenos com respeito a nossos produtos devem ser levados aos
patologistas de seu laboratório, bem como ao pessoal de controle
de infecções e/ou comitê de riscos. 
• Os pacientes que fazem uso de equipamentos para manutenção das
funções vitais devem ser devidamente monitorados por uma equipe
médica competente e por dispositivos de monitoração adequados.
O Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 não foi projetado para ser
usado como um dispositivo de monitoração abrangente, e não aciona
alarmes para todas as condições de perigo para os pacientes que fazem
uso de equipamentos para manutenção das funções vitais. 
• Para ter total conhecimento das operações do ventilador, leia este manual
na íntegra antes de usar o sistema.
• Antes de ativar qualquer componente do ventilador, verifique se o
equipamento está funcionando de forma apropriada e, se necessário,
execute um autoteste rápido (SST), conforme descrito neste manual.
• Não use objetos pontiagudos para fazer seleções no mostrador da
interface gráfica do usuário (GUI) ou no teclado.
• De acordo com a legislação federal dos Estados Unidos, este produto
só deve ser vendido sob prescrição médica.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador e de Referência Técnica iii
• Verifique o ventilador periodicamente, conforme descrito no
Manual de Serviços do Sistema de Ventilação Covidien 800 Series.
Não utilize o equipamento se ele apresentar algum defeito.
Substitua imediatamente peças quebradas, ausentes ou visivelmente
gastas, deformadas ou contaminadas.
• Sempre deve haver uma fonte de ventilação alternativa disponível
durante o uso do Sistema de Ventilação Puritan Bennett 840.
• Este ventilador oferece diversas opções de modos e tipos de ventilação.
Ao longo de todo o tratamento do paciente, o médico deve selecionar
cuidadosamente o modo de ventilação e/ou tipo de respiração a ser
usado com esse paciente. Essa seleção deve ser baseada no julgamento
clínico do médico, considerando as condições e necessidades do paciente
específico, já que tais condições e necessidades mudam periodicamente,
bem como os benefícios, limitações e características operacionais de cada
modo e/ou tipo de respiração.

Garantia
O Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 possui garantia contra defeitos
de material e fabricação, conforme a Garantia de Equipamento Médico da
Covidien fornecida junto com o ventilador. Mantenha um registro de
manutenção para garantir a validade da garantia.

Ano de fabricação
A interface gráfica do usuário (GUI), a unidade de fornecimento de respiração
(BDU), a fonte de alimentação de reserva (BPS) e o compressor têm um ano de
fabricação específico aplicável apenas a esse conjunto. O ano de fabricação é
indicado pelos quinto e sexto dígitos do número de série, localizado na parte
posterior da GUI, da BDU e da BPS e na lateral do compressor.

Fabricante

Covidien llc
15 Hampshire Street
Mansfield, MA 02048
USA

iv Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador e de Referência Técnica
Suscetibilidade eletromagnética
O Sistema de Ventilação Puritan Bennett 840 está em conformidade com os
requisitos do padrão IEC 60601-1-2:2004 (EMC Collateral Standard), incluindo
os requisitos de suscetibilidade de campo eletrônico em um nível de 10 volts
por metro, com freqüências de 80 MHz a 2,5 GHz, e os requisitos de descarga
eletrostática (ESD) desse padrão. 
Porém, mesmo com esse nível de imunidade, determinados aparelhos de
transmissão (telefones celulares, aparelhos transmissores/receptores
portáteis, telefones sem fio, pagers, etc.) emitem radiofreqüências que podem
interromper o funcionamento do ventilador se forem utilizados muito perto
do equipamento. É difícil determinar quando a intensidade de campo desses
dispositivos se torna excessiva.
Os profissionais devem estar cientes de que as emissões de radiofreqüência
são cumulativas e de que o ventilador deve ser posicionado a uma distância
adequada dos aparelhos de transmissão para evitar interrupções. Não opere
o ventilador em ambientes onde sejam realizadas imagens por ressonância
magnética (RM). 

Advertência
Equipamentos acessórios conectados à tomada de alimentação de
energia, interfaces analógicas e digitais devem ser certificados de acordo
com a norma IEC 60601-1. Além disso, todas as configurações devem
obedecer ao padrão de sistema IEC 60601-1-1. Qualquer pessoa que
conectar equipamentos à tomada de alimentação de energia, porção
de entrada de sinais ou porção de saída de sinais do ventilador
Puritan Bennett™ 840 estará configurando um sistema médico e, assim,
é responsável por assegurar que o sistema cumpra os requisitos do
padrão de sistema IEC 60601-1-1. Em caso de dúvida, consulte os Serviços
Técnicos Covidien em 1.800.255.6774 ou o representante local.

Este manual descreve os possíveis alarmes emitidos pelo ventilador e os


procedimentos adequados a serem seguidos nessas situações. Consulte o
departamento de engenharia biomédica da sua instituição no caso de
interrupção da operação do ventilador e antes de reposicionar qualquer
equipamento para manutenção das funções vitais.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador e de Referência Técnica v
Assistência ao cliente
Para obter assistência adicional, entre em contato com o representante local
da Covidien.
Para suporte técnico on-line, acesse a
base de conhecimentos SolvITSM Center, em
http://www.puritanbennett.com O SolvIT Center
dispõe de respostas a perguntas frequentes sobre
o Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 e outros produtos da
Covidien 24 horas por dia, 7 dias por semana. 

Prefácio
Este manual está dividido em duas partes: o guia do operador e o manual de
referência técnica. O guia do operador descreve como operar o Puritan Bennett™
840 da Covidien. Fornece também especificações do produto e números para
solicitação de acessórios. O manual de referência técnica contém informações
práticas sobre o funcionamento do ventilador, incluindo detalhes sobre os
modos de operação, autotestes e outros recursos. No sumário e no índice, o
prefixo MO- identifica números de páginas do guia do operador e o prefixo RT-
identifica números de páginas do manual de referência técnica.
Qualquer referência às opções de software BiLevel, Volume Ventilation Plus
(VV+) que inclui os tipos de respiração VC+ e VS, NeoMode, Proportional
Assist™* Ventilation (PAV™*+) e Tube Compensation (TC) neste manual
pressupõem que a opção esteja instalada no ventilador. Se essas opções
não estiverem instaladas, as referências às suas funções não serão aplicáveis.  
Embora este manual abranja as configurações do ventilador atualmente
aceitas pela Covidien, ele pode não estar completo nem ser aplicável ao seu
ventilador. No caso de dúvidas sobre a aplicabilidade das informações, entre
em contato com a Covidien.
Algumas ilustrações e imagens incluem um carrinho RTA (ready-to-assemble,
pronto para montar), um carrinho de montagem com o compressor do
ventilador Puritan Bennett™ 800 Series ou o carrinho do ventilador Puritan
Bennett 800 Series. Leve em conta que essas imagens são para fins
exclusivamente ilustrativos e, independentemente do tipo de carrinho que
você possua, as informações necessárias são fornecidas. 
O termo “carrinho RTA” refere-se ao carrinho ready-to-assemble (pronto para
montar) e versões anteriores de carrinho. 

vi Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador e de Referência Técnica
Conteúdo

Manual do operador

1 Introdução........................................................................................... MO 1-1
1.1 Descrição técnica ..............................................................................................MO 1-3
1.1.1 Informações preliminares ....................................................................MO 1-3
1.1.2 Disparo por pressão e fluxo ................................................................MO 1-5
1.1.3 Combinação de gás respiratório .......................................................MO 1-5
1.1.4 Pneumática inspiratória .......................................................................MO 1-6
1.1.5 Circuito do paciente ..............................................................................MO 1-6
1.1.6 Alimentação AC e sistema de alimentação de reserva .............MO 1-7
1.1.7 Estados de emergência do ventilador.............................................MO 1-8
1.2 Interface gráfica do usuário...........................................................................MO 1-9
1.3 Controles e indicadores da interface do usuário ................................ MO 1-11
1.3.1 Símbolos e abreviações exibidos na tela .................................... MO 1-18
1.4 Símbolos das etiquetas do Sistema de Ventilador............................. MO 1-24

2 Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840  ................ MO 2-1


2.1 Conexão da fonte de alimentação elétrica .............................................MO 2-4
2.2 Conexão do fornecimento de ar e oxigênio......................................... MO 2-10
2.3 Conexão dos componentes do circuito do paciente ........................ MO 2-12
2.3.1 Seleção e conexão do circuito do paciente................................ MO 2-13
2.3.2 Instalação do filtro expiratório e do frasco coletor.................. MO 2-16
2.3.3 Instalação do braço flexíve............................................................... MO 2-19
2.3.4 Instalação do umidificador............................................................... MO 2-21
2.3.5 Uso do carrinho do ventilador ........................................................ MO 2-24

3 Como executar um Autoteste rápido [Short Self Test (SST)]..... MO 3-1


3.1 Introdução ao SST .............................................................................................MO 3-1
3.2 Quando executar o SST...................................................................................MO 3-2
3.3 Componentes e requisitos do SST ..............................................................MO 3-3
3.4 Procedimento de SST.......................................................................................MO 3-4
3.5 Resultados do SST .......................................................................................... MO 3-12
3.5.1 Interpretação dos resultados individuais do teste SST .......... MO 3-14
3.5.2 Resultados do SST................................................................................ MO 3-15

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador e de Referência Técnica i
4 Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840 ............................ MO 4-1
4.1 Estrutura da interface do usuário ................................................................ MO 4-2
4.2 Configuração do paciente .............................................................................MO 4-3
4.2.1 Ventilação com os parâmetros de controle mais recentes...... MO 4-4
4.2.2 Ventilação com novos parâmetros de controle .......................... MO 4-4
4.2.3 Dados do paciente e configurações atuais ................................... MO 4-7
4.2.4 Peso ideal (IBW) .................................................................................... MO 4-10
4.3 Alteração dos parâmetros de controle principais
do ventilador.................................................................................................. MO 4-17
4.4 Outras alterações de parâmetro ............................................................... MO 4-17
4.5 Variável de constante de tempo durante alterações
na frequência ................................................................................................. MO 4-19
4.6 Alteração das configurações de ventilação de apneia ..................... MO 4-21
4.7 Configuração dos alarmes .......................................................................... MO 4-22
4.8 Alteração de outras configurações.......................................................... MO 4-24
4.9 Manobras de pausa expiratória ................................................................ MO 4-25
4.10 Manobras de pausa inspiratória............................................................. MO 4-26
4.11 Interpretação dos resultados da manobra de pausa...................... MO 4-28
4.12 Utilização da NIV .......................................................................................... MO 4-29
4.12.1 Utilização da NIV................................................................................ MO 4-29
4.12.2 Interfaces de respiração da NIV.................................................... MO 4-30
4.12.3 Configuração de NIV ........................................................................ MO 4-31
4.12.4 Limite máximo do tempo inspiratório espontâneo ............. MO 4-33
4.12.5 Configuração de apnéia.................................................................. MO 4-34
4.12.6 Configuração de alarme ................................................................. MO 4-34
4.12.7 Alteração do tipo de ventilação INVASIVA para NIV............. MO 4-36
4.12.8 Alteração do tipo de ventilação NIV para INVASIVA............. MO 4-37
4.12.9 Dados do paciente durante a NIV ............................................... MO 4-37

5 Como gerenciar os alarmes.............................................................. MO 5-1


5.1 Classificações de alarme do ventilador ..................................................... MO 5-1
5.2 Silêncio do alarme............................................................................................. MO 5-3
5.3 Reinício de alarme............................................................................................. MO 5-4
5.4 Registro de alarmes.......................................................................................... MO 5-6
5.5 Volume do alarme............................................................................................. MO 5-7
5.6 Mensagens de alarme...................................................................................... MO 5-8

iii Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


6 Como visualizar os gráficos.............................................................. MO 6-1
6.1 Função de gráfico..............................................................................................MO 6-1
6.2 Como configurar os gráficos .........................................................................MO 6-3
6.3 Os gráficos exibem detalhes e cálculos.....................................................MO 6-4
6.4 Como ajustar os gráficos ................................................................................MO 6-5
6.5 A função CONGELAR ........................................................................................MO 6-6
6.6 Como imprimir os gráficos de dados do paciente ................................MO 6-7
6.7 Exibição automática dos gráficos................................................................MO 6-7
6.8 Quando os gráficos não estão acessíveis .................................................MO 6-7

7 Manutenção preventiva ................................................................... MO 7-1


7.1 Como descartar as peças usadas .................................................................MO 7-1
7.2 Como limpar, desinfetar e esterilizar as peças........................................MO 7-2
7.2.1 Como limpar os componentes ..........................................................MO 7-6
7.3 Desinfecção e esterilização............................................................................MO 7-7
7.4 Procedimentos de manutenção preventiva para o operador ....... MO 7-10
7.4.1 Total de horas de operação.............................................................. MO 7-10
7.4.2 Filtros de bactéria expiratório e inspiratório.............................. MO 7-14
7.4.3 Diariamente ou conforme necessário: frasco
coletor e bolsa de drenagem...................................................... MO 7-15
7.4.3.1 Como remover o frasco coletor............................................ MO 7-15
7.4.3.2 Como remover a bolsa de drenagem................................. MO 7-16
7.4.4 Diariamente ou conforme necessário: sifões em linha .......... MO 7-16
7.4.5 A cada 250 horas: filtro de entrada do compressor ................ MO 7-17
7.4.6 Anualmente: inspeção do ventilador ........................................... MO 7-18
7.4.7 Todo ano ou conforme necessário: sensor de oxigênio ....... MO 7-18
7.4.7.1 Procedimento de substituição do sensor
de oxigênio .......................................................................................... MO 7-18
7.5 Procedimentos adicionais de manutenção preventiva ................... MO 7-24
7.6 Armazenamento............................................................................................. MO 7-26
7.7 Reembalagem e transporte........................................................................ MO 7-26

A Especificações ......................................................................................MO A-1


A.1 Características físicas ...................................................................................... MO A-2
A.2 Condições ambientais.................................................................................... MO A-4
A.3 Especificações pneumáticas ........................................................................ MO A-5

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador e de Referência Técnica iii
A.4 Especificações elétricas ................................................................................. MO A-6
A.5 Conformidade e aprovações ..................................................................... MO A-10
A.5.1 Declaração do fabricante ................................................................. MO A-12
A.6 Especificações técnicas................................................................................ MO A-21
A.7 Variações, resoluções e precisões............................................................ MO A-27
A.7.1 Limites recomendados...................................................................... MO A-28
A.7.2 Opções de software............................................................................ MO A-29

B Números das peças..............................................................................MO B-1

C Diagrama esquemático da pneumática ..........................................MO C-1

D Teste de calibração do sensor de oxigênio e alarmes ................. MO D-1


D.1 Teste de alarmes .............................................................................................. MO D-1
D.2 Teste de calibração do sensor de oxigênio............................................ MO D-8

E Portas de alarme remoto e RS-232 ................................................... MO E-1


E.1 Porta de alarme remoto.................................................................................. MO E-2
E.2 Porta RS-232........................................................................................................ MO E-3
E.3 Como configurar as portas RS-232 ............................................................. MO E-4
E.4 Impressoras e cabos ......................................................................................... MO E-6
E.5 Comandos da porta RS-232........................................................................... MO E-7

Referência técnica

1 Introdução ao fornecimento de respiração .................................... RT 1-1

2 Detectando e iniciando a inspiração ................................................ RT 2-1


2.1 Inspiração disparada internamente ............................................................. RT 2-2
2.1.1 Sensibilidade de pressão ...................................................................... RT 2-2
2.1.2 Sensibilidade de fluxo............................................................................. RT 2-4
2.1.3 Inspiração de ciclo programado.......................................................... RT 2-6
2.2 Inspiração disparada pelo operador ............................................................ RT 2-6

3 Detectando e iniciando a expiração ................................................. RT 3-1


3.1 Expiração disparada internamente............................................................... RT 3-1
3.1.1 Expiração de ciclo programado........................................................... RT 3-1

iiv Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


3.1.2 Método de fluxo inspiratório final ...................................................... RT 3-2
3.1.3 Método de pressão das vias aéreas.................................................... RT 3-3
3.2 Limites de reserva ............................................................................................... RT 3-4
3.2.1 Limite de tempo........................................................................................ RT 3-4
3.2.2 Limite máximo de pressão no circuito.............................................. RT 3-4
3.2.3 Limite máximo de pressão do ventilador ........................................ RT 3-4

4 Fornecimento de respiração mandatória........................................ RT 4-1


4.1 Comparação entre respirações mandatórias baseadas
em pressão e em volume................................................................................ RT 4-1
4.2 Comparação entre respirações mandatórias baseadas
em volume ........................................................................................................... RT 4-4
4.3 Compensação de BTPS para respirações mandatórias
baseadas em volume ....................................................................................... RT 4-5
4.4 Inspiração manual............................................................................................... RT 4-6

5 Fornecimento de respiração espontânea ....................................... RT 5-1

6 Modo assistido/controlado (A/C)...................................................... RT 6-1


6.1 Fornecimento de respiração em A/C ........................................................... RT 6-1
6.2 Alteração de freqüência durante A/C  ......................................................... RT 6-3
6.3 Alteração para o modo A/C ............................................................................. RT 6-3

7 Ventilação mandatória, intermitente e sincrônica (SIMV) ........... RT 7-1


7.1 Fornecimento de respiração em SIMV......................................................... RT 7-4
7.2 Ventilação de apnéia em SIMV....................................................................... RT 7-5
7.3 Alteração para o modo SIMV .......................................................................... RT 7-6
7.4 Alteração de freqüência durante o modo SIMV....................................... RT 7-8

8 Modo espontâneo (ESPONT) ............................................................. RT 8-1


8.1 Fornecimento de respiração no modo ESPONT ...................................... RT 8-1
8.2 Alteração para o modo ESPONT .................................................................... RT 8-2

9 Ventilação de apnéia........................................................................... RT 9-1


9.1 Detecção de apnéia............................................................................................ RT 9-1
9.2 Transição para a ventilação de apnéia ........................................................ RT 9-3
9.3 Entradas de teclas durante a ventilação de apnéia ................................ RT 9-3

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador e de Referência Técnica v
9.4 Reconfiguração da ventilação de apnéia ................................................... RT 9-4
9.4.1 Reconfiguração como A/C..................................................................... RT 9-4
9.4.2 Reconfiguração como SIMV.................................................................. RT 9-4
9.4.3 Reconfiguração como ESPONT............................................................ RT 9-5
9.5 Implementação em novos intervalos de apnéia ..................................... RT 9-5

10 Detecção de obstrução e desconexão .........................................RT 10-1


10.1 Obstrução ..........................................................................................................RT 10-1
10.2 Desconexão ......................................................................................................RT 10-3
10.3 Anúncio de obstruções e desconexão....................................................RT 10-5

11 Implementação das alterações de configuração.......................RT 11-1

12 Configurações do ventilador .........................................................RT 12-1


12.1 Ventilação de apnéia .....................................................................................RT 12-2
12.2 Tipo de circuito e IBW ..................................................................................RT 12-3
12.3 Sensibilidade de desconexão.....................................................................RT 12-4
12.4 Sensibilidade expiratória .............................................................................RT 12-4
12.5 Tempo expiratório..........................................................................................RT 12-5
12.6 Padrão de fluxo................................................................................................RT 12-5
12.7 Sensibilidade de fluxo...................................................................................RT 12-5
12.8 Limite máximo de tempo inspiratório espontâneo ..........................RT 12-6
12.9 Tipo de umidificação .....................................................................................RT 12-7
12.10 Relação I:E .......................................................................................................RT 12-7
12.11 Peso ideal ........................................................................................................RT 12-8
12.12 Pressão inspiratória .....................................................................................RT 12-8
12.13 Tempo inspiratório ......................................................................................RT 12-8
12.14 Modo e tipo de respiração mandatória................................................RT 12-9
12.15 O2% ................................................................................................................ RT 12-12
12.16 Fluxo inspiratório de pico ...................................................................... RT 12-13
12.17 PEEP................................................................................................................ RT 12-13
12.17.1 Restauração de PEEP ..................................................................... RT 12-14
12.18 Tempo de platô.......................................................................................... RT 12-14
12.19 Sensibilidade de pressão........................................................................ RT 12-14
12.20 Suporte de pressão................................................................................... RT 12-15
12.21 Freqüência respiratória ........................................................................... RT 12-15

ivi Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


12.22 Percentual de aceleração de fluxo ...................................................... RT 12-16
12.23 Ventilação de segurança ........................................................................ RT 12-17
12.24 Tipo de respiração espontânea............................................................ RT 12-18
12.25 Volume corrente........................................................................................ RT 12-19
12.26 Tipo de ventilação..................................................................................... RT 12-19

13 Alarmes..............................................................................................RT 13-1
13.1 Manejando os alarmes..................................................................................RT 13-1
13.1.1 Mensagens de alarme.........................................................................RT 13-3
13.1.2 Resumo do alarme ...............................................................................RT 13-5
13.2 Alarme de PERDA DE ALIMENTAÇÃO AC ........................................... RT 13-28
13.3 Alarme de APNEIA ....................................................................................... RT 13-28
13.4 Alarme de CIRCUITO DESCONECTADO................................................ RT 13-29
13.5 Alarme de ALERTA DE DISPOSITIVO ..................................................... RT 13-29
13.6 Alarme de pressão máxima do circuito ............................................... RT 13-30
13.7 Alarme de alta % de O2 fornecida.......................................................... RT 13-31
13.8 Alarme de volume máximo expirado por minuto ........................... RT 13-31
13.9 Alarme de volume corrente máximo expirado................................. RT 13-32
13.10 Alarme de volume corrente máximo inspirado ............................. RT 13-32
13.11 Alarme de alta frequência respiratória .............................................. RT 13-33
13.12 Alarme de INSPIRAÇÃO MUITO LONGA ............................................ RT 13-33
13.13 Alarme de pressão baixa no circuito .................................................. RT 13-34
13.14 Alarme de baixa % de O2 fornecida.................................................... RT 13-34
13.15 Alarme de volume corrente mínimo mandatório expirado ...... RT 13-35
13.16 Alarme de volume corrente mínimo espontâneo expirado...... RT 13-36
13.17 Alarme de volume total mínimo expirado por minuto .............. RT 13-36
13.18 Alarme de ERRO DE PROCEDIMENTO ................................................ RT 13-37

14 Dados do paciente...........................................................................RT 14-1


14.1 Percentual de O2 fornecido.........................................................................RT 14-1
14.2 Pressão expiratória final ...............................................................................RT 14-2
14.3 Pressão inspiratória final ..............................................................................RT 14-2
14.4 Volume expirado por minuto.....................................................................RT 14-3
14.5 Volume corrente expirado...........................................................................RT 14-4
14.6 Relação I:E..........................................................................................................RT 14-4
14.7 PEEP intrínseco (auto) e PEEP total ..........................................................RT 14-5

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador e de Referência Técnica vii
14.8 Pressão média do circuito ...........................................................................RT 14-5
14.9 Pressão de pico no circuito .........................................................................RT 14-5
14.10 Pressão de platô ...........................................................................................RT 14-6
14.11 Volume espontâneo por minuto ............................................................RT 14-6
14.12 Complacência e resistência estáticas....................................................RT 14-7
14.13 Freqüência respiratória total................................................................. RT 14-13

15 Rede de segurança ..........................................................................RT 15-1


15.1 Problemas do paciente.................................................................................RT 15-2
15.2 Falhas do sistema ...........................................................................................RT 15-2
15.3 Verificações ininterruptas em segundo plano .....................................RT 15-3
15.4 Circuito de monitoração do hardware....................................................RT 15-4
15.5 Autoteste de ativação (POST).....................................................................RT 15-5
15.6 Autoteste rápido (SST) ..................................................................................RT 15-5
15.7 Autoteste estendido (EST) ...........................................................................RT 15-5
15.8 Calibração do sensor de oxigênio ............................................................RT 15-6
15.9 Calibração da válvula de expiração..........................................................RT 15-6
15.10 Teste de ventilador inoperante...............................................................RT 15-6
15.11 Calibração de deslocamento do sensor de fluxo..............................RT 15-7
15.12 Calibração do transdutor de pressão atmosférica ...........................RT 15-7

16 Autoteste de ativação (POST)........................................................RT 16-1


16.1 Segurança..........................................................................................................RT 16-2
16.2 Características do POST................................................................................RT 16-2
16.3 POST depois de interrupções de energia...............................................RT 16-4
16.4 Tratamento de falhas do POST ..................................................................RT 16-4
16.5 Interface do sistema POST...........................................................................RT 16-5
16.6 Interface do POST com o usuário..............................................................RT 16-5

17 Autoteste rápido (SST)....................................................................RT 17-1


17.1 Resultados do SST ..........................................................................................RT 17-2
17.2 Manipulação de falha do SST .....................................................................RT 17-2

18 Autoteste estendido (EST)..............................................................RT 18-1


18.1 Resultados do EST ..........................................................................................RT 18-2
18.2 Tratamento de falhas do EST......................................................................RT 18-3

iviii Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


18.3 Considerações sobre segurança do EST .................................................RT 18-3

19 Comandos RS-232............................................................................RT 19-1


19.1 Comando RSET ................................................................................................RT 19-1
19.2 Comando SNDA ..............................................................................................RT 19-1
19.3 Comando SNDF ...............................................................................................RT 19-8

Glossário ...........................................................................................Glossário-1

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador e de Referência Técnica ix
Esta página foi deixada em branco intencionalmente.

x Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador e de Referência Técnica
Figuras
Manual do operador
Figura 1-1. Diagrama do Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840  . . MO 1-4
Figura 1-2. Interface gráfica do usuário (GUI) do Sistema de Ventilação
Puritan Bennett™ 840 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 1-10
Figura 2-1. Como levantar os componentes do ventilador. . . . . . . . . . . . . . . MO 2-3
Figura 2-2. Como conectar o cabo de força do ventilador . . . . . . . . . . . . . . . MO 2-6
Figura 2-3. Chave de alimentação, indicador de alimentação AC
e painel de alimentação AC do ventilador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 2-7
Figura 2-4. Armazenamento do cabo de alimentação de energia
no carrinho RTA  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 2-8
Figura 2-5. Armazenamento do cabo de alimentação de energia no
carrinho de montagem com o compressor do ventilador
Puritan Bennett™ 800 Series e no carrinho de haste do
ventilador Puritan Bennett 800 Series (mostrado)  . . . . . . . . . . . MO 2-9
Figura 2-6. Como conectar os fornecimentos de ar e oxigênio . . . . . . . . . . . MO 2-11
Figura 2-7. Como conectar o circuito do paciente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 2-15
Figura 2-8. Como instalar o filtro expiratório e o frasco coletorl . . . . . . . . . . MO 2-16
Figura 2-9. Como usar o dreno coletor com ou sem a bolsa
de drenagem  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 2-18
Figura 2-10. Como instalar o braço articulado em um carrinho RTA . . . . . . . MO 2-19
Figura 2-11. Como instalar a haste flexível em um carrinho
de montagem com o compressor do ventilador
Puritan Bennett™ 800 Series ou em um carrinho de
haste do ventilador Puritan Bennett 800 Series . . . . . . . . . . . . . . MO 2-20
Figura 2-12. Como instalar o umidificador (versão Fisher & Paykel™*
mostrada) para ventiladores montados em carrinhos RTA  . . . MO 2-23
Figura 2-13. Localização da etiqueta do número do lote do carrinho. . . . . . MO 2-25
Figura 2-14. Como travar e destravar as rodas frontais do carrinho RTA . . . MO 2-26
Figura 2-15. Como travar e destravar as rodas frontais do carrinho
de montagem com o compressor do ventilador
Puritan Bennett™ 800 Series e do carrinho de haste
do ventilador Puritan Bennett 800 Series . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 2-26
Figura 3-1. Botão de teste, localização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 3-5
Figura 4-1. Interface do usuário da tela sensível ao toque . . . . . . . . . . . . . . . MO 4-2
Figura 4-2. Tela de Inicialização do ventilador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 4-3

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador e de Referência Técnica xi
Figura 4-3. Aparência da tela durante a ventilação normal
(mostrada com silêncio do alarme e 100% O2/CAL
em andamento) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 4-9
Figura 4-4. TI (ou TH) selecionada como constante durante
alteração da freqüência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 4-20
Figura 4-5. Configuração de alarme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 4-23
Figura 4-6. Tela de configuração de novo paciente — NIV . . . . . . . . . . . . . . . MO 4-31
Figura 4-7. Tela de configurações de ventilação NIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 4-33
Figura 4-8. Configurações padrão de alarme para novo paciente . . . . . . . . MO 4-35
Figura 4-9. Tela de mais dados do paciente — NIV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 4-38
Figura 5-1. Indicadores de alarme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 5-1
Figura 5-2. Indicador do silêncio do alarme ativo (tela inferior) . . . . . . . . . . MO 5-4
Figura 5-3. Registro de alarmes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 5-6
Figura 5-4. Formato da mensagem de alarme. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 5-9
Figura 6-1. Loop de pressão-volume. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 6-2
Figura 6-2. Loop de fluxo-volume . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 6-3
Figura 7-1. Como esvaziar o frasco coletor e a bolsa de drenagem . . . . . . . MO 7-16
Figura 7-2. Compressor 806 com filtro de entrada. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 7-17
Figura 7-3. Levante a tampa de acesso ao sensor de O2 . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 7-20
Figura 7-4. Abra a porta de acesso ao sensor de O2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 7-21
Figura 7-5. Localize o sensor de O2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 7-22
Figura A-1. Configurações recomendadas do circuito do paciente . . . . . . . MO A-26
Figura B-1. Acessórios do ventilador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO B-2
Figura B-2. Acessórios do ventilador (Carrinho de montagem
de compressor de ventilador Puritan Bennett™ 800 Series
mostrado) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO B-10
Figura B-3. Puritan Bennett™ 840 Ventilator System mostrado
montado em Carrinho de haste de ventilador
Puritan Bennett 800 Series . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO B-18
Figura C-1. Diagrama esquemático da pneumática. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO C-1
Figura E-1. Portas de alarme remoto e RS-232. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO E-1
Figura E-2. Pinos da porta de alarme remoto (visão posterior da GUI) . . . . MO E-3
Figura E-3. Pinos da porta serial RS-232 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO E-3

xii Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Figuras
Referência técnica
Figura 2-1. Disparo da inspiração através da sensibilidade de pressão . . . RT 2-3
Figura 2-2. Disparo da inspiração através da sensibilidade de fluxo . . . . . . RT 2-4
Figura 2-3. Inspiração de ciclo programado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 2-6
Figura 3-1. Início da expiração através do método de fluxo
inspiratório final . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 3-2
Figura 3-2. Início da expiração através do método de pressão
das vias aéreas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 3-3
Figura 6-1. Modo A/C, nenhum esforço do paciente detectado . . . . . . . . . . RT 6-2
Figura 6-2. Modo A/C, esforço do paciente detectado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 6-2
Figura 6-3. Modo A/C, respirações VIM e PIM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 6-2
Figura 7-1. Ciclo respiratório SIMV (intervalos mandatório
e espontâneo)  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 7-2
Figura 7-2. Ciclo respiratório SIMV, PIM fornecida no intervalo
mandatório  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 7-3
Figura 7-3. Ciclo respiratório SIMV, PIM não foi fornecida no
intervalo mandatório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 7-3
Figura 7-4. Ventilação de apnéia em SIMV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 7-6
Figura 9-1. Intervalo de apnéia igual ao período respiratório . . . . . . . . . . . . RT 9-2
Figura 9-2. Intervalo de apnéia maior do que o período respiratório . . . . . RT 9-2
Figura 9-3. Intervalo de apnéia menor do que o período respiratório . . . . RT 9-3
Figura 12-1. Tipos de respiração e modos do Sistema de Ventilação
Puritan Bennett™ 840 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 12-11
Figure 13-1. Formato da mensagem de alarme (tela superior da GUI) . . . . . RT 13-3

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador e de Referência Técnica xiii
Esta página foi deixada em branco intencionalmente.

xiv Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador e de Referência Técnica
Tabelas
Manual do operador
Tabela 1-1. Controles e indicadores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 1-11
Tabela 1-2. Indicadores da BDU . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 1-17
Tabela 1-2. Símbolos e abreviaturas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 1-18
Tabela 2-1. Circuito do paciente e valores de IBW . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 2-14
Tabela 3-1. Seqüência de testes do SST . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 3-8
Tabela 3-1. Resultados dos testes individuais do SST . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 3-14
Tabela 3-2. Resultados gerais do SST . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 3-15
Tabela 4-1. Determinação do peso ideal (IBW) com base
na altura do paciente (cm para kg) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 4-10
Tabela 4-2. Determinação do IBW com base na altura do paciente
(pés, polegadas para libras) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 4-13
Tabela 4-3. Faixas de limites flexíveis para peso ideal e diâmetro
interno (DI) do tubo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 4-15
Tabela 4-4. Circuito do paciente e valores de IBW . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 4-16
Tabela 4-5. Parâmetros de controle monitorados do ventilador. . . . . . . . . . . MO 4-17
Tabela 4-6. Alterações automáticas nas configurações —
INVASIVA para NIV no mesmo paciente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 4-36
Tabela 4-7. Alterações automáticas nas configurações —
NIV para INVASIVA no mesmo paciente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 4-37
Tabela 5-1. Mensagens de alarme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 5-10
Tabela 7-1. Procedimentos de limpeza, desinfecção e esterilização
das peças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 7-3
Tabela 7-2. Procedimentos de desinfecção e esterilização . . . . . . . . . . . . . . . . MO 7-8
Tabela 7-3. Procedimentos e freqüência de manutenção preventiva
realizada pelo operador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 7-11
Tabela 7-4. Procedimentos de manutenção preventiva e seus
respectivos intervalos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO 7-25
Tabela A-1. Características físicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO A-2
Tabela A-2. Condições ambientais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO A-4
Tabela A-3. Especificações pneumáticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO A-5
Tabela A-4. Especificações elétricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO A-6
Tabela A-5. Conformidade e aprovações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO A-10
Tabela A-6. Emissões eletromagnéticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO A-13

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador e de Referência Técnica xv
Tabela A-7. Imunidade eletromagnética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO A-14
Tabela A-8. Imunidade eletromagnética – RF conduzida e irradiada. . . . . . . MO A-16
Tabela A-9. Distâncias recomendadas entre equipamentos
de comunicação portáteis e móveis de RF e o
Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 . . . . . . . . . . . . . . . . . MO A-18
Tabela A-10. Cabos compatíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO A-20
Tabela A-11. Especificações técnicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO A-22
Tabela A-13. Configurações do ventilador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO A-29
Tabela A-14. Configurações de alarme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO A-48
Tabela A-15. Dados do paciente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO A-56
Tabela A-16. Outras telas — dados exibidos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO A-62
Tabela B-1. Peças e acessórios do ventilador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO B-3
Tabela B-2. Peças e acessórios do ventilador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MO B-11
Tabela B-3. Peças e acessórios do carrinho de haste do ventilador . . . . . . . . MO B-19

Tabelas
Referência técnica
Tabela 4-1. Comparação entre respirações mandatórias
baseadas em pressão e em volume . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 4-2
Tabela 4-2. Fatores do volume de complacência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 4-5
Tabela 5-1. Características do fornecimento de respiração espontânea . . . RT 5-1
Tabela 12-1. Modos e tipos de respiração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 12-9
Tabela 13-1. Níveis de urgência do alarme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 13-2
Tabela 13-2. Resumo do alarme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 13-5
Tabela 13-2. Perda da tela da GUI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 13-26
Tabela 13-3. Aplicabilidade dos símbolos do alarme de volume
corrente máximo inspirado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 13-32
Tabela 14-1. Exibições da manobra de pausa inspiratória . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 14-9
Tabela 19-1. Resposta MISCA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 19-2
Tabela 19-2. Resposta MISCF . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RT 19-9

xvi Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador e de Referência Técnica
Introdução

O Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 foi projetado


para ser usado no tratamento intensivo e semiintensivo de
pacientes adultos, pediátricos e neonatais. As opções de
software, disponibilizadas pela Covidien, oferecem funções
adicionais de ventilação.
O Sistema de Ventilação Puritan Bennett 840 facilita a
administração do trabalho respiratório do paciente, oferece
seleção de modos ventilatórios e auxilia o corpo clínico a ajustar
parâmetros mais apropriados para a ventilação do paciente.
A interface do usuário é intuitiva e facilmente operada por
profissionais que já saibam como o ventilador funciona.
A interface do usuário inclui telas sensíveis ao toque DualView,
que exibem dados monitorados do paciente, para facilitar
a avaliação da condição clínica do paciente. As telas sensíveis
ao toque também exibem os parâmetros atuais de controle
do ventilador.
A área SandBox na tela sensível ao toque possibilita que
o médico visualize os parâmetros de controle do ventilador
selecionados antes de ativar a ventilação do paciente.
O sistema SmartAlert intercepta alarmes ou eventos, fornece
informações específicas sobre a causa e notifica o usuário
sobre as ações para solucionar as condições reportadas.
A unidade de fornecimento de respiração (BDU) é composta
pelo sistema pneumático e pelo circuito do paciente.
Introdução

O ventilador usa duas unidades de processamento central (CPUs)


independentes:
• CPU da unidade de fornecimento de energia (BDU)
• CPU da interface gráfica do usuário (GUI)
A CPU da BDU usa os parâmetros de controle do ventilador, selecionados
pelo médico, para fornecer as respirações ao paciente. E também executa
verificações operacionais em segundo plano, contínuas e extensivas, para
garantir o funcionamento adequado do ventilador.
A CPU da GUI monitora o ventilador e a interação entre o ventilador e o paciente.
Além de monitorar a operação da CPU da BDU e impedir que ocorram falhas
simultâneas nas funções de controle e de monitoração quando uma única
falha é reportada.
O Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 fornece respirações
mandatórias ou espontâneas com um nível predefinido de pressão
expiratória final positiva (PEEP), sensibilidade de disparo e concentração de
oxigênio. Uma respiração mandatória pode ser controlada por volume ou por
pressão, mas é sempre controlada por pressão no modo opcional BiLevel.
Uma respiração espontânea possibilita fluxos inspiratórios do paciente de até
200 L/min, com ou sem pressão de suporte.
A unidade do Compressor 806 opcional fornece ar comprimido para a BDU
e pode ser usado no lugar do ar engarrafado ou de parede. A unidade do
compressor é alimentada pela BDU e se comunica com ela.
A bateria (BPS, Backup Power Source) 802 ou a bateria estendida (Extended
Backup Power Source) 803 fornece alimentação DC à BDU e à GUI no caso de
perda da alimentação AC. Uma BPS nova, totalmente carregada, pode operar o
ventilador (sem o compressor ou um umidificador) por, no mínimo, 60 minutos
(30 minutos em ventiladores fabricados antes de julho de 2007), possibilitando
o transporte do paciente e do ventilador pela instituição hospitalar. A BPS
estendida 803 (disponível a partir de outubro de 2009) pode alimentar o
ventilador por pelo menos quatro horas, sob as mesmas condições. As mesmas
condições se aplicam, respectivamente, ao conjunto de bateria BPS de uma hora
ou quatro horas para a montagem com o carrinho com compressor do
ventilador Puritan Bennett 800 Series e das baterias de uma hora ou quatro
horas para o carrinho de haste do ventilador Puritan Bennett 800 Series.
Este manual oferece instruções sobre como operar o Sistema de Ventilação
Puritan Bennett™ 840 e realizar procedimentos simples de manutenção.
Familiarize-se com este manual e com as etiquetas que o acompanham antes
de operar o ventilador ou fazer a sua manutenção.

MO 1-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Introdução

Para garantir o desempenho ideal do Sistema de Ventilação Covidien 840,


a Covidien recomenda fortemente que técnicos em engenharia biomédica
qualificados, ou outros profissionais com experiência e treinamento
equivalentes nesse tipo de serviço, realizem uma manutenção periódica
do ventilador. Para obter mais informações, entre em contato com um
representante da Covidien.

1.1 Descrição técnica

1.1.1 Informações preliminares


O médico usa as telas sensíveis ao toque da GUI, as teclas fora da tela e o
botão da GUI para selecionar os parâmetros de controle do ventilador e os
dados de entrada (veja a Figura 1-1). A CPU da GUI processa essas informações
e as armazena na memória do ventilador. A CPU da BDU usa essas informações
armazenadas para controlar e monitorar o fluxo de gás inspirado e expirado
pelo paciente. As duas CPUs se comunicam para transferir e verificar qualquer
parâmetro de controle do ventilador ou limite de alarme que seja novo.
Em seguida, cada CPU realiza uma verificação contínua, em segundo plano,
da integridade operacional e dos dados.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 1-3


Introdução

Interface gráfica do
usuário (GUI)

Módulo expiratório: Módulo inspiratório:


Válvula de expiração PSOLs Válvula
ativa Transdutor de de segurança
pressão Sensor Sensor de
de fluxo oxigênio Transdutores
de pressão
Sensores de fluxo

Regulador Regulador
inspiratório: de ar de oxigênio

Fornecimento de ar

Fornecimento de
Filtro oxigênio
expiratório

(Tubo
expiratório) Filtro
Frasco (Tubo
coletor inspiratório) inspiratório

Circuito
do paciente
Dispositivo
de umidificação

Figura 1-1. Diagrama do Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 

MO 1-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Introdução

1.1.2 Disparo por pressão e fluxo


O ventilador usa disparo por fluxo ou pressão para reconhecer o esforço do
paciente. Quando o disparo por pressão está ativado, o ventilador monitora a
pressão no circuito do paciente. O ventilador fornece uma respiração quando
o paciente inala gás do circuito e a pressão das vias aéreas cai até pelo menos
o valor selecionado para a sensibilidade de pressão.
Quando o disparo por fluxo (Flow-by) está ativado, o ventilador monitora
a diferença entre as medições do sensor de fluxo inspiratório e expiratório.
À media que o paciente inspira, o ventilador mede menos o fluxo expiratório
enquanto o fluxo fornecido permanece constante. O resultado é um aumento
na diferença entre os fluxos inspiratório e expiratório. Quando a diferença
equivale a pelo menos o valor selecionado pelo operador para a sensibilidade
de fluxo, o ventilador fornece uma respiração.
Se o paciente não estiver inspirando, qualquer diferença entre o fluxo fornecido
e o fluxo expirado será decorrente de alguma imprecisão do sensor ou da
presença de vazamentos no sistema do paciente. Para compensar vazamentos
no sistema do paciente que possam causar um disparo automático, o operador
pode aumentar a configuração de sensibilidade de fluxo.
A sensibilidade de pressão de 2 cmH2O também está ativa como um método
de reserva de disparo por inspiração. Embora essa configuração seja a mais
sensível possível, e ainda suficientemente abrangente para impedir o disparo
automático, ela causa o disparo com algum esforço aceitável do paciente.

1.1.3 Combinação de gás respiratório


O ar e o oxigênio dos cilindros, fornecimentos de parede ou do compressor
(somente ar) entram no ventilador através de tubos e encaixes (os encaixes
estão disponíveis em diversas versões). Uma vez dentro do ventilador, o ar e o
oxigênio são ajustados à pressão apropriada para o ventilador e, em seguida,
são combinados de acordo com a porcentagem de O2 selecionada.
O ar e o oxigênio combinados que saem do ventilador passam pelo módulo
inspiratório e depois vão para o paciente. A concentração de oxigênio do
gás fornecido é monitorada aqui, com um sensor galvânico de oxigênio.
O sensor galvânico gera uma tensão proporcional à concentração do
oxigênio. O ventilador reporta um alarme quando o sensor de O2 está ativado
e a concentração de oxigênio monitorado atinge o valor de mais de 7%
superior ou inferior à configuração de O2% ou fica abaixo de 18% depois
que a concentração se estabiliza.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 1-5


Introdução

O tubo inspiratório também possui uma válvula de segurança para liberar a


pressão do paciente se necessário (por exemplo, caso o circuito do paciente
esteja torcido ou obstruído). O módulo inspiratório também se ajusta à
umidade e temperatura do gás, com base no tipo de umidificação definido
pelo médico.

1.1.4 Pneumática inspiratória


A pneumática inspiratória do ventilador consistem em dois circuitos paralelos:
um para o oxigênio e outro para o ar. Os principais elementos da pneumática
inspiratória são duas válvulas solenóides proporcionais (PSOLs), que
controlam o fluxo de gás fornecido ao paciente. Os sensores de fluxo de
ar e de oxigênio, junto com os sinais de pressão provenientes do circuito
do paciente, fornecem um feedback que a CPU da BDU usa para controlar
as válvulas PSOLs.
Como resultado, o ventilador fornece o gás respiratório combinado ao
paciente, com base nos parâmetros de controle do ventilador definidos pelo
médico. O ar e o oxigênio combinados passam pelo circuito do paciente na
parte externa do ventilador. O sistema fornece a combinação de gás
respiratório ao paciente no tubo em forma de Y, localizado no circuito
externo do paciente.

1.1.5 Circuito do paciente


O circuito do paciente é formado pelos componentes externos ao ventilador
que conduzem o gás entre o ventilador e o paciente. Esses componentes
incluem:
• um filtro inspiratório que impede contaminações entre o paciente e
o ventilador
• um aparelho de umidificação (opcional) integrado ao circuito do paciente
• os tubos inspiratório e expiratório do circuito do paciente que conduzem
o gás respiratório inspirado e expirado pelo paciente
• um frasco coletor que protege a pneumática expiratória da umidade
excessiva no gás expirado
• um filtro expiratório que impede o escapamento de microorganismos
e partículas existentes no gás expirado pelo paciente no ambiente ou
dentro da pneumática de expiração do ventilador

MO 1-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Introdução

O ventilador mantém um controle ativo da válvula de expiração que o


software posiciona precisamente posicionada durante a inspiração e
expiração do paciente. Essa válvula possibilita que o ventilador forneça
respirações dinâmicas enquanto minimiza os limites excedidos de pressão,
controla a PEEP e alivia pressões excessivas do paciente. O sistema de
expiração monitora o gás expirado que sai do circuito do paciente pela
espirometria.

OBSERVAÇÃO:
O Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 não tem a
capacidade de reduzir a pressão abaixo da pressão PEEP
durante a fase expiratória. 

Durante todo o ciclo respiratório, os transdutores de pressão monitoram as


pressões inspiratória, expiratória e atmosférica. O gás expirado é aquecido a
uma temperatura acima do seu ponto de condensação para evitar que ocorra
condensação no compartimento de expiração. Para obter um diagrama
detalhado do sistema pneumático do ventilador e do circuito do paciente,
consulte o Apêndice C.

1.1.6 Alimentação AC e sistema de alimentação de reserva


O ventilador funciona com a alimentação AC principal (parede) ou com o
sistema de alimentação de reserva (BPS). A fonte de alimentação integral da
BDU foi projetada para oferecer proteção contra voltagens, temperaturas ou
correntes excessivas. O retentor do cabo de força impede que a BDU seja
desconectada acidentalmente da alimentação AC principal. A tampa da
chave de alimentação na parte anterior da BDU protege contra
derramamento de líquidos e desativação acidental da alimentação AC.
O ventilador se conecta à bateria BPS 802 ou 803, que fornece alimentação
DC no caso de perda da alimentação AC. Uma BPS 802 totalmente carregada,
operando sob condições ambiente nominais, pode alimentar o ventilador
por pelo menos 60 minutos (30 minutos no caso de ventiladores fabricados
antes de julho de 2007). A BPS estendida 803 pode alimentar o ventilador por
pelo menos 4 horas, sob as mesmas condições. Nenhuma das baterias BPS
alimenta a unidade de compressor ou o umidificador, se presente. A BPS 803
deve ser usada em ventiladores Puritan Bennett™ 840 com software
versão AB ou superior (número de componente 4-070212-85) ou equivalente.
A operação e os alarmes da BPS 803 são idênticos aos da BPS 802. A GUI
indica quando o ventilador está usando alimentação da bateria BPS em
vez da alimentação AC da rede elétrica. 

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 1-7


Introdução

Quando a alimentação AC é conectada, ela recarrega a bateria BPS. A BPS


continua a ser recarregada pela alimentação AC durante o funcionamento
normal do ventilador. Se o ventilador estiver montado em um carrinho de
montagem com compressor do ventilador Puritan Bennett™ 800 Series e tiver
uma bateria BPS de quatro horas ou estiver montado no carrinho de haste do
ventilador Puritan Bennett 800 Series com uma bateria de quatro horas, a
versão do software, duração da carga da bateria e condições operacionais são
as mesmas que as descritas para a BPS 803. A duração da carga da bateria e
condições operacionais para cada carrinho com uma BPS de uma hora ou
bateria de uma hora são equivalentes à descrição referente à BPS 802. 

1.1.7 Estados de emergência do ventilador


Os estados de emergência incluem ventilador inoperante e válvula de
segurança aberta (SVO). A condição de ventilador inoperante sempre inclui o
estado SVO. Um estado SVO também pode ocorrer independentemente de
uma condição de ventilador inoperante.
Estes são os dois estados de emergência do ventilador:
• Válvula de segurança aberta (SVO): O ventilador
entra em um estado SVO quando não há
fornecimento de ar nem de oxigênio, quando
uma obstrução é detectada ou quando o
ventilador entra na condição de Ventilador
inoperante.
O estado válvula de segurança aberta (SVO)
permite que o paciente respire o ar ambiente
sem assistência do ventilador. O ventilador
permanece no estado SVO até que a condição que causou o estado de
emergência seja corrigida.
Quando o ventilador entra no estado SVO, o indicador SVO na parte anterior
da BDU acende e é emitido um alarme sonoro de urgência máxima.
Caso ocorra algum problema que impeça o software de abrir a válvula de
segurança, um circuito analógico existente abre a válvula quando a
pressão do sistema excede 100 a 120 cmH2O.

MO 1-8 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Introdução

•Ventilador inoperante: O ventilador considera


uma condição inoperante quando ocorre uma
falha de hardware ou um erro crítico de
software que possa comprometer a segurança
da ventilação para o paciente.
Quando ocorre essa condição, o indicador de
ventilador inoperante na parte anterior da BDU
acende e o ventilador entra no estado SVO em que
é emitido um alarme sonoro de urgência máxima.
Nesse caso, interrompa o uso do ventilador imediatamente até que um
técnico qualificado avalie e corrija a condição Vent Inop.
Se o ventilador considerar um estado de ventilador inoperante, o autoteste
de ativação (POST) deverá verificar primeiro se os níveis de alimentação do
ventilador são aceitáveis e se as funções dos principais sistemas eletrônicos
estão satisfatórias antes que a ventilação normal possa ser retomada. O téc-
nico qualificado deve reparar o ventilador para solucionar o problema e exe-
cutar um teste EST bem-sucedido para que a ventilação normal volte a ser
fornecida.

1.2 Interface gráfica do usuário


Esta seção descreve a interface gráfica do usuário (GUI), suas teclas e seus
indicadores e os símbolos exibidos na tela.
A interface gráfica do usuário (GUI) do Sistema de Ventilação Puritan
Bennett™ 840 é composta pelas telas sensíveis ao toque DualView, pelas
teclas localizadas abaixo das telas e um botão giratório. Use o botão para
definir determinado parâmetro de controle do ventilador com o valor
desejado. Pressione a tecla ACEITAR — que fica fora da tela, em cima e à direita
do botão — para inserir o valor ou parâmetro selecionado na memória.
A Figura 1-2 identifica os componentes da GUI e o local das informações nas
telas sensíveis ao toque DualView.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 1-9


Introdução

Tela superior:
informações Dados vitais do paciente Indicadores
monitoradas
(alarmes, dados Status de alarme e do ventilador de status
do paciente)
Dados agrupados do paciente,
incluindo gráficos

Registro de alarme ativo, se


aplicável

Parâmetros principais do paciente

Tela inferior: Configuração de parâmetros de


parâmetros de controle do ventilador, limites de
controle do alarme, parâmetros de definição de Teclas fora da
ventilador tempo de respiração, e outros
Tecla
tela
parâmetros ANULAR

Área do
Tecla
filtro ACEITAR
Definições de símbolos

Botão

Figura 1-2. Interface gráfica do usuário (GUI) do Sistema de Ventilação


Puritan Bennett™ 840

MO 1-10 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Introdução

1.3 Controles e indicadores da interface do usuário


A Tabela 1-1 a seguir contém descrições dos controles e indicadores da
interface gráfica do usuário.

Tabela 1-1: Controles e indicadores

Controle ou indicador Função

Tecla de bloqueio da tela: Quando a luz amarela na tecla de


bloqueio da tela está acesa, os controles na tela ou fora (incluindo
o botão e a tecla ACEITAR) não funcionam até que a tecla de
bloqueio da tela seja novamente pressionada. Novos alarmes
desbloqueiam automaticamente a tela e os controles.
O bloqueio possibilita a limpeza da tela sensível ao toque
e impede alterações acidentais das configurações e dos
mostradores.

Tecla de volume do alarme: Permite que você ajuste o volume


do alarme pressionando-a enquanto gira o botão. Não é possível
desativar o volume do alarme.

Tecla de silêncio do alarme: Desativa o som do alarme por dois


minutos. A luz amarela na tecla de silêncio do alarme fica acesa
durante o período de silêncio. Um indicador de SILÊNCIO DO
ALARME ATIVO será exibido na tela inferior, com a opção
CANCELAR, se não houver um alarme com maior prioridade ativo.
Para desativar o silêncio do alarme, toque no botão CANCELAR.
O sistema desativa automaticamente o silêncio do alarme após
o intervalo de dois minutos. Alarmes de urgência máxima como
alertas de dispositivos, válvula de segurança aberta, obstrução
e perda de um dos fornecimentos de ar cancelam o silenciador
de alarme.
Cada vez que você pressiona a tecla de silêncio do alarme, o
período de silêncio é redefinido em dois minutos. E cada vez que
você pressiona a tecla de silêncio do alarme (independentemente
de haver ou não um alarme ativo), esse pressionamento é gravado
no registro de alarmes.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 1-11


Introdução

Tabela 1-1: Controles e indicadores (cont.)

Controle ou indicador Função

Tecla de reinício do alarme: Cancela os alarmes ativos ou redefine


os alarmes de urgência máxima e cancela os silenciadores de
alarme ativos e é gravada no registro de alarmes. Todo
RECONFIG. pressionamento da tecla de reinício do alarme é gravado no
registro de alarmes, se houver um alarme ativo. Não é possível
VEN_10376_A redefinir um alarme do tipo ALERTA DE DISPOSITIVO.

Tecla de informação: Exibe informações operacionais básicas


sobre o ventilador. Pressione esta tecla para exibir um menu dos
tópicos de informações, depois toque no botão correspondente
ao tópico desejado. Navegue pelos tópicos usando os botões
DIAGRAMA , , e RETORNARlocalizados no cabeçalho da
informação.

Tecla de calibração do sensor de oxigênio: Ventiladores mais


antigos usam a tecla O2/CAL 2 min key e ventiladores mais
novos usam a tecla AUMENTAR O2 2 min. Fornece 100% de
oxigênio (se disponível) por dois minutos e calibra o sensor de
oxigênio. O indicador luminoso verde acende e uma mensagem
(100% O2/CAL em andamento) na tela inferior indica que o
fornecimento de 100% de O2 está ativado. Se você pressionar
novamente a tecla O2, o sistema reiniciará o intervalo de
fornecimento de dois minutos. Pressione CANCELAR para
interromper a calibração. Consulte a página RT 15-5 para
informações sobre como calibrar o sensor de oxigênio. 
Use o procedimento descrito na Seção D.2 para testar a calibração
do sensor de oxigênio.

Tecla de inspiração manual: Nos modos A/C, SIMV e ESPONT,


I NSP fornece uma respiração manual ao paciente de acordo com os
MANUAL parâmetros atuais de respiração mandatória. No modo BILEVEL,
passa de PEEP baixa (PEEPL) a PEEP alta (PEEPH) (ou vice-versa).
VEN_10381_A Para evitar acúmulo de respirações, não é fornecida uma
inspiração manual durante a inspiração ou durante a fase restrita
de expiração.
Use a tecla INSP MANUAL para adicionar volume minuto ou
auxiliar a medição de um parâmetro de dados do paciente, como
pressão inspiratória de pico ou para executar uma manobra de
pausa inspiratória no modo ESPONT. 

MO 1-12 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Introdução

Tabela 1-1: Controles e indicadores (cont.)

Controle ou indicador Função

Tecla de pausa expiratória: Faz com que o ventilador vede o


circuito de respiração do paciente quando a fase expiratória de
determinada respiração, mandatória ou espontânea, é seguida por
uma inspiração mandatória cíclica. A pausa expiratória é usada
para estimar a PEEPTOT e a PEEPI (PEEP automática).
O ventilador realiza dois tipos de manobra de pausa: automática,
que você inicia pressionando momentaneamente a tecla PAUSA
EXP e manual, que você controla pressionando continuamente a
tecla PAUSA EXP. A pausa automática realiza a manobra até que a
pressão se estabilize, depois são feitas as medições. A pausa leva,
no mínimo, 0,5 segundo e não excede 3,0 segundos.
Durante uma pausa manual, o ventilador faz as medições assim que
a pressão se estabiliza ou a pausa termina. O ventilador continua a
manobra até que você solte a tecla PAUSA EXP. A pausa não pode
exceder 20 segundos. A Seção 4.9 na página MO-25 descreve
detalhadamente como usar a tecla PAUSA EXP.

Tecla de pausa inspiratória: Faz com que o ventilador vede o


circuito de respiração do paciente quando é concluída a fase
de fornecimento de gás de determinada inspiração mandatória,
controlada por volume ou por pressão. A manobra de pausa
inspiratória permite medir a complacência estática pulmonar-
torácica (CSTAT), a resistência estática (RSTAT) e a pressão de platô
(PPL). Além de manter os pulmões inflados.
O ventilador realiza dois tipos de manobra de pausa: automática,
que você inicia pressionando momentaneamente a tecla PAUSA
INSP e manual, que você controla pressionando continuamente
essa tecla.
A pausa automática realiza a manobra até que a pressão se
estabilize, depois o sistema faz as medições. O evento de pausa
leva no mínimo 0,5 segundo e não excede 2,0 segundos. 
Em uma pausa manual, a manobra continua até que você solte a
tecla PAUSA INSP, mas não pode exceder 7 segundos. O ventilador
calcula os valores de CSTAT e RSTAT no final da pressão de platô
e os exibe ao terminar a manobra. O valor de PPL é calculado
e atualizado continuamente durante a pressão de platô e é
congelado no final da pressão de platô. A Seção 4.10 na
página MO-26 descreve detalhadamente como usar a tecla
PAUSA INSP.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 1-13


Introdução

Tabela 1-1: Controles e indicadores (cont.)

Controle ou indicador Função

Botão: Ajusta o valor de uma configuração. Um botão realçado


em uma tela sensível ao toque significa que ele está vinculado a
essa configuração. Onde aplicável, ao girar o botão para a direita,
o valor realçado aumenta e, ao virar o botão para a esquerda, o
valor realçado diminui.

Anular: Cancela uma alteração sugerida para o valor de algum


parâmetro do ventilador.
LI MPA R
VEN_10384_A

Aceitar: Aplica e salva novos valores de parâmetro do ventilador.

ACEITAR
VEN_10385_A

Indicador vermelho de alarme de urgência máxima ( ! ! ! ):


Esse indicador de alarme pisca rapidamente quando está ativo,
e permanece aceso quando é autoconfigurado.
Indicador amarelo de alarme de urgência média ( ! ! ):
Este indicador de alarme pisca lentamente quando está ativo e
apaga quando é autoconfigurado.
Indicador amarelo de alarme de urgência baixa ( ! ):
Este indicador fica constantemente aceso quando está ativo
e apaga quando é autoconfigurado.
Indicador verde de funcionamento normal do ventilador:
VEN_10396_A
Quando a ventilação está ativa e não existe nenhum estado de
alarme, o indicador fica constantemente aceso. Ele apaga quando
o ventilador não está em um modo de ventilação; por exemplo,
durante o modo de serviço ou autoteste rápido (SST).

MO 1-14 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Introdução

Tabela 1-1: Controles e indicadores (cont.)

Controle ou indicador Função

Indicador cinza de funcionamento normal do ventilador: Não


há uma condição de ventilador inoperante quando o indicador
não está aceso.

Indicador vermelho de ventilador inoperante: O ventilador não


pode fornecer a ventilação e precisa de reparo. O ventilador entra
no estado de segurança (ventilação de segurança) e pára de
detectar novos dados do paciente ou novas condições de alarme.
Um técnico qualificado deve reparar o ventilador para solucionar
o problema e executar um teste EST bem-sucedido para que a
ventilação normal volte a ser fornecida. Este indicador é
acompanhado por um sinal sonoro e não pode ser redefinido.

Indicador cinza de funcionamento normal da GUI: Não há uma


condição de falha da GUI quando o indicador não está aceso.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 1-15


Introdução

Tabela 1-1: Controles e indicadores (cont.)

Controle ou indicador Função

Indicador vermelho de válvula de segurança aberta (SVO):


O ventilador entrou no estado de segurança e abriu a válvula
de segurança para que o paciente possa respirar o ar ambiente
sem assistência do ventilador.

Indicador verde de BPS pronta: O ventilador detecta que a


bateria BPS está instalada e em funcionamento e tem pelo menos
dois (2) minutos de execução estimado. 

Indicador de alimentação por bateria: Quando a barra amarela à


direita de um indicador aceso de BPS pronta (símbolo da bateria)
estiver acesa, o ventilador está funcionando com a BPS, e a
alimentação AC não é suficiente para a operação do ventilador.
Durante o funcionamento com a BPS, a alimentação para a
unidade do compressor e para a tomada do umidificador (se
disponível) é desligada.

Indicador verde de compressor pronto: O cabo lógico e o tubo


de suprimento de ar do compressor estão conectados ao
ventilador. O compressor está pronto para a pressão operacional,
mas não está fornecendo gás ao ventilador. O motor do
compressor é ativado de forma intermitente para manter
a câmara do compressor pressurizada.

Indicador verde de compressor em operação: Quando o símbolo


à direita de um indicador aceso de unidade do compressor pronta
estiver aceso, o compressor está fornecendo ar ao ventilador. Esse
indicador acende apenas quando o compressor realmente está
fornecendo ar ao ventilador.

MO 1-16 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Introdução

A Tabela 1-2 mostra os indicadores da unidade de fornecimento de


respiração.

Tabela 1-2: Indicadores da BDU


Indicador vermelho de ventilador inoperante: O ventilador
mantém a ventilação e precisa de manutenção. O ventilador entra
em modo de segurança (ventilação de segurança) e interrompe
a detecção de novos dados do paciente ou condições de alarme.
Profissionais qualificados devem reparar o ventilador para corrigir
o problema e executar EST de forma bem-sucedida antes da
ventilação normal ser liberada. Este indicador é acompanhado
por um sinal de áudio e não pode ser redefinido.

Indicador vermelho de válvula de segurança aberta (SVO):


O ventilador entrou em modo de segurança e abriu sua válvula
de segurança para permitir que o paciente respire o ar ambiente
sem auxílio.

Indicador vermelho de perda da GUI: O ventilador detectou


uma avaria que impede a GUI de exibir ou receber informações de
forma confiável. Caso se depare com uma perda da tela da
GUI, consulte a Tabela 13-4 na página RT 13-32 para ter
acesso a uma lista de ações recomendadas.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 1-17


Introdução

1.3.1 Símbolos e abreviações exibidos na tela


Toque em um símbolo na tela para exibir sua definição no canto inferior
esquerdo da tela inferior. A Tabela 1-3 oferece um resumo dos símbolos e
abreviações usados pelo ventilador.
Por exemplo, se você tocar em:

VMAX
L
21,8 min

A área de definição do símbolo mostrará esta mensagem:

VMAX = Fluxo de pico

Tabela 1-3: Símbolos e abreviaturas

Símbolo ou
Definição
abreviação

Existem mais alarmes ativos relacionados às informações


(intermitente) monitoradas. O símbolo pisca quando não há espaço suficiente
na tela para a exibição de todos os alarmes ativos.

Limite de alarme máximo

Limite de alarme mínimo

Pressione para acessar o registro de alarmes

O registro de alarmes contém eventos ainda não visualizados 

MO 1-18 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Introdução

Tabela 1-3: Símbolos e abreviaturas (cont.)

Símbolo ou
Definição
abreviação

P Aceleração de fluxo %

Padrão de fluxo

RAMPA QUADRADO

O valor que você selecionou para um parâmetro de controle do


ventilador excedeu o limite recomendado (limite flexível) e requer
confirmação para prosseguir
ou
O valor selecionado excede o limite mínimo ou máximo permitido
(limite fixo)

Pressione para visualizar mais dados do paciente

Pressione para visualizar mais gráficos do paciente

Pressione para visualizar mais telas

Ajuste do eixo X (tempo ou pressão) dos gráficos de dados do


paciente

Ajuste do eixo Y (pressão, volume ou fluxo) dos gráficos de dados


do paciente

Ajuste da pressão de base (PEEP)

A/C Modo de ventilação assistida/controlada

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 1-19


Introdução

Tabela 1-3: Símbolos e abreviaturas (cont.)

Símbolo ou
Definição
abreviação

AV Ventilação de apnéia

CSTAT Complacência estática

ESENS Porcentagem de sensibilidade expiratória espontânea

EST Autoteste estendido

f Freqüência respiratória (parâmetro de controle do ventilador)

f TOT Freqüência respiratória total (monitorada)

f TOT Alarme de freqüência respiratória máxima

GUI Interface gráfica do usuário

HME Aparelho para troca de umidade e calor

I:E Relação entre o tempo de inspiração e o tempo de expiração

O2 Porcentagem de oxigênio monitorado (dados do paciente)

O2 Porcentagem de oxigênio (parâmetro de controle do ventilador)

1O2% Alarme de limite máximo do percentual de O2 fornecido

O2% Alarme de limite mínimo do percentual de O2 fornecido

PC Controlada por pressão (tipo de respiração mandatória)

PMEAN Pressão média do circuito

 PPEAK Alarme de pressão máxima do circuito

2P PEAK Limite do alarme de pressão máxima do circuito

3PPEAK Alarme de pressão mínima do circuito

4PPEAK Limite do alarme de pressão mínima do circuito

PPEAK Pressão de pico do circuito (dados do paciente)

MO 1-20 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Introdução

Tabela 1-3: Símbolos e abreviaturas (cont.)

Símbolo ou
Definição
abreviação

PEEP Pressão expiratória final positiva (parâmetro de controle do


ventilador)

PEEPH PEEP alta (parâmetro de controle do ventilador, somente modo


BILEVEL)

PEEPI PEEP intrínseca (dados do paciente)

PEEPL PEEP baixa (parâmetro de controle do ventilador, somente modo


BILEVEL)

PEEPTOT PEEP total (dados do paciente)

PEEP Pressão expiratória final (dados do paciente)

PI Pressão inspiratória (parâmetro de controle do ventilador)

PI END Pressão inspiratória final (dados do paciente)

PPL Pressão de platô (dados do paciente)

POST Autoteste de ativação

PS Pressão de suporte (tipo de respiração espontânea)

PSENS Sensibilidade de pressão

PSUPP Pressão de suporte (parâmetro de controle do ventilador)

P-TRIG Disparo por pressão

 P VENT Alarme de pressão interna do ventilador alta

RSTAT Resistência estática

SIMV Modo de ventilação mandatória, intermitente e sincrônica

SPONT Modo de ventilação espontânea

SST Autoteste rápido

TA Intervalo de apnéia

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 1-21


Introdução

Tabela 1-3: Símbolos e abreviaturas (cont.)

Símbolo ou
Definição
abreviação

TE Tempo expiratório

TH Tempo de PEEP alta (somente modo BILEVEL)

TI Tempo inspiratório

1TI SPONT Alarme de tempo de inspiração espontânea alto

2TI SPONT Limite de alarme de tempo de inspiração espontânea alto

TL Tempo de PEEP baixa (somente modo BILEVEL)

TPL Tempo de platô

V E SET Definir volume por minuto (calculado a partir dos parâmetros


de controle do ventilador)

VE SPONT Volume expirado por minuto em modo espontâneo

1VE TOT Alarme de volume máximo expirado por minuto

3VE TOT Alarme de volume mínimo expirado por minuto

VC Controlada por volume (tipo de respiração mandatória)

VMAX Fluxo de pico (parâmetro de controle do ventilador)

VSENS Sensibilidade de fluxo

VT Volume corrente

VTE Volume corrente expirado

1 VTE Alarme de volume corrente máximo expirado

3 VTE MAND Alarme de volume corrente mandatório mínimo expirado

3 VTE SPONT Alarme de volume mínimo corrente espontâneo expirado

VTI Volume corrente inspirado

MO 1-22 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Introdução

Tabela 1-3: Símbolos e abreviaturas (cont.)

Símbolo ou
Definição
abreviação

1 VTI Alarme de volume corrente máximo (mandatório ou espontâneo)


inspirado*

VTI MAND Volume corrente mandatório inspirado

1 VTI MAND Alarme de volume corrente máximo mandatório inspirado*

VTI SPONT Volume corrente espontâneo inspirado

1 VTI SPONT Alarme de volume corrente máximo espontâneo inspirado*

V-TRIG Disparo por fluxo

*Para obter informações referentes aos alarmes de volume corrente inspirado, consulte a
seção 13.10 da Referência Técnica.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 1-23


Introdução

1.4 Símbolos das etiquetas do Sistema de Ventilador


Os seguintes símbolos aparecem nos diversos componentes do Sistema de
Ventilação Puritan Bennett™ 840. 

OBSERVAÇÃO:
Todas as etiquetas são exemplos e talvez não reflitam a configuração
exata do seu ventilador.

Posições da chave de alimentação: I representa a posição ligada


e . representa a posição desligada. A chave de alimentação,
localizada no painel frontal da BDU, liga/desliga a BDU e a GUI.
Quando a chave de alimentação estiver na posição desligada, a BPS
continuará a ser carregada se houver alimentação AC.

Consulte o manual: Quando este símbolo aparece no produto,


você deve consultar a documentação para obter informações.

Equipamento tipo B, de acordo com IEC 60601-1

Ponto de equalização potencial (terra): Fornece um meio de


conexão entre o equipamento e o condutor de equalização
potencial da conexão elétrica. Um ponto de aterramento comum
para todo o ventilador.

Indica o grau de proteção fornecido pelo chassi


(à prova de vazamento)

Marca de certificação CSA indicando que o produto foi avaliado


pelos padrões aplicáveis do ANSI/Underwriters Laboratories Inc.
(UL) e CSA para uso nos EUA e no Canadá.

Etiqueta de data de fabricação


1996-05

MO 1-24 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Introdução

SN Número de série

Indicador do status do carga da bateria BPS 802 em andamento:


Quando o ventilador está funcionando com a alimentação
principal, o símbolo superior (LED verde ao lado do ícone cinza de
bateria), na parte anterior da BPS 802, indica que a BPS está
carregada e o símbolo inferior (LED amarelo ao lado do ícone cinza
de bateria), na parte anterior da BPS, indica que a BPS está sendo
carregada. 

Indicador do status da carga da bateria BPS 803 em andamento:


Indica o status da carga da BPS 803. Um LED amarelo ao lado do
ícone da bateria parcialmente cheia indica que a bateria está
carregando. Um LED verde ao lado do ícone da bateria
parcialmente cheia indica que a bateria está carregada. 

Indicador de status da carga do carrinho de Montagem com o


compressor do ventilador Puritan Bennett™ 800 Series: Indica
o status da carga da BPS. Um LED amarelo ao lado do ícone da
bateria parcialmente cheia indica que a bateria está carregando.
Um LED verde ao lado do ícone da bateria parcialmente cheia
indica que a bateria está carregada. 

Etiqueta indicadora de bateria: Indica que uma bateria de uma


hora está instalada no carrinho de montagem com o compressor
do ventilador Puritan Bennett™ 800 Series. 

Etiqueta indicadora de bateria: Indica que uma bateria de quatro


horas está instalada no carrinho de montagem com o compressor
do ventilador Puritan Bennett 800 Series. 

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 1-25


Introdução

Indicador de status da carga do carrinho de haste do ventilador


Puritan Bennett 800 Series: Indica o status da carga da bateria.
Um indicador amarelo ao lado do ícone da bateria parcialmente
cheia indica que a bateria está carregando. Um indicador verde ao
lado do ícone da bateria parcialmente cheia indica que a bateria
está carregada. 

Etiqueta indicadora de bateria: Indica que uma bateria de uma


hora está instalada no carrinho de haste do ventilador Puritan
Bennett 800 Series. 

Etiqueta indicadora de bateria: Indica que uma bateria de quatro


horas está instalada no carrinho de haste do ventilador Puritan
Bennett 800 Series.

Conexão da chave de dados

Cuidado
Não remova a chave de dados. A chave de dados ativa as
opções de software e armazena as horas operacionais do
ventilador, as horas operacionais da unidade do compressor
e os números de série da BDU e da GUI. O ventilador não
funcionará sem a chave de dados instalada na fábrica.

TEST Botão TESTE (serviço): Após tocar na tecla de autoteste rápido


(SST) exibida na tela (disponível apenas durante a inicialização do
ventilador), você precisa pressionar o botão TESTE por 5 segundos
para acessar o SST.

PTS 2000 Conexão do Sistema de Teste de Desempenho do PTS 2000, para


ser usado apenas por pessoal técnico qualificado. 

Conexão da GUI

Disjuntor para a fonte de alimentação do ventilador, localizada na


BDU.
VEN_10409_A

MO 1-26 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Introdução

Disjuntor do circuito do ventilador para o compressor e o


umidificador

OBSERVAÇÃO:
Apenas os ventiladores com voltagem 100 - 120 V têm conexão
para umidificador.

Corrente alternada (no indicador de entrada AC e alimentação AC)

VEN_10410_A

Saída máxima permitida para o soquete de alimentação auxiliar


5.6 A Máx.
(conexão elétrica do compressor)
VEN_10412_A

Conexão elétrica da BPS

VEN_10707_A

Trava/destrava o filtro expiratório

VEN_10708_A

Indicador de trava aberta do filtro expiratório: Este indicador


vermelho está localizado na parte posterior da trava fechada e
pode ser facilmente visualizado quando a trava do filtro é aberta.
Trava/destrava suporte da GUI

VEN_10709_A

Porta de alarme remoto

IOIOI Porta RS-232

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 1-27


Introdução

Suscetível a descarga eletrostática

VEN_10711_A

Risco de choque elétrico

VEN_10712_A

Perigo de explosão

VEN_10713_A

Perigo de incêndio

VEN_10714_A

Etiqueta de informação sobre o produto BPS 802

VEN_10
Etiqueta de informação sobre o produto BPS 803

MO 1-28 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Introdução

Etiqueta de informação sobre o produto GUI

VEN_10
Etiqueta de portas da GUI
Porta de alarme remoto e RS-232 (somente GUI de 9,4 polegadas). Para obter informações
sobre as especificações da porta de alarme remoto e RS-232 da GUI, consulte o Apêndice E.

VEN_10718_A

Etiqueta elétrica do umidificador


(Esta etiqueta só pode ser visualizada quando a placa de cobertura sobre a conexão elétrica
do umidificador é removida. Apenas os ventiladores com voltagem 100 - 120 V têm conexão
para umidificador).

VEN_10719_A

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 1-29


Introdução

Etiqueta de entrada de gás da BDU

VEN_10720_A

Etiqueta Para o paciente da BDU

VEN_10710_A

VEN_10721_A

Etiqueta de conexão de gás do compressor

VEN_10722_A

MO 1-30 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Introdução

Etiqueta de informação sobre o compressor

VEN_10

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 1-31


Introdução

Etiqueta de informação sobre a BDU

VEN_10

MO 1-32 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Introdução

Etiqueta do ventilador de refrigeração da BDU

VEN_10725_A

Etiqueta de desconexão de entrada/saída da BDU

VEN_10726_A

Etiqueta de informação sobre escape da BDU

VEN_10727_A

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 1-33


Introdução

Etiqueta de conexão elétrica da BPS

VEN_10728_A

Etiqueta do filtro de tecido do compressor

VEN_10729_A

Conector do tubo expiratório no filtro expiratório

Do paciente

VEN_10730_A

MO 1-34 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

O capíutulo 2 descreve como configurar o Sistema de


Ventilação Puritan Bennett™ 840:
• Como conectar a fonte elétrica
• Como conectar os fornecimentos de ar e oxigênio
• Como conectar o circuito do paciente e os acessórios
Antes que o ventilador seja acoplado a um paciente pela
primeira vez, é preciso que um engenheiro do atendimento ao
cliente (CSE) da Covidien instale o ventilador e execute um
autoteste estendido (EST) para calibrar a válvula de expiração,
os sensores de fluxo e o transdutor de pressão atmosférica.
Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

Advertência
• Levante o ventilador somente com a ajuda de outra pessoa
e de acordo com as precauções de segurança apropriadas.
A Figura 2-1 mostra a técnica adequada para levantar cada
componente do ventilador.
• Para evitar interrupção do funcionamento ou possíveis danos
ao ventilador, use-o sempre sobre uma superfície nivelada,
na posição correta.
• Para evitar riscos de ferimento ao paciente e garantir o
funcionamento correto do ventilador, não conecte nenhum outro
aparelho à porta indicada como EXHAUST (escape) a não ser que
o aparelho seja especificamente autorizado pela Covidien.
• Para minimizar o risco potencial de incêndio devido a um
ambiente com bastante oxigênio, não use o ventilador em
câmaras hiperbáricas.
• Para evitar o aumento da concentração de oxigênio no ar, use o
ventilador em um local devidamente arejado.

MO 2-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

Levante a GUI
Levante a BDU pelas pela base e
superfícies horizontais pela alça
conforme mostrado.
Levante a GUI pela base
pela alça.

São necessárias duas pessoas para


levantar o compressor pela base e
pelas alças.

Figura 2-1. Como levantar os componentes do ventilador

Cuidado
• Não conecte ou desconecte a interface gráfica do usuário (GUI),
a fonte de alimentação de reserva (BPS) ou o compressor do ventilador
enquanto a chave de alimentação estiver ligada ou enquanto
o ventilador estiver conectado à alimentação AC.
• Todos os componentes devem ser seguramente montados e
conectados por técnicos qualificados, de acordo com as instruções
de instalação apropriadas fornecidas pela Covidien.
• Não obstrua a unidade de fornecimento de respiração (BDU),
a GUI nem a ventilação de refrigeração ou do compressor.
• Para evitar riscos de dano aos componentes do ventilador,
não coloque ou empilhe objetos sobre as superfícies horizontais
do ventilador.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 2-3


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

OBSERVAÇÃO:
Antes de usar o ventilador pela primeira vez, higienize a parte externa,
limpe e esterilize os componentes de acordo com as instruções na
capíutulo 7 deste manual. Siga a norma da sua instituição para limpar e
esterilizar o ventilador e os componentes.

2.1 Conexão da fonte de alimentação elétrica

Advertência
• Para minimizar o risco de choque elétrico, sempre conecte o cabo
de força do ventilador a uma tomada AC aterrada.
• Caso você esteja usando um carrinho RTA, a bateria BPS 802 ou a
BPS 803 precisa sempre estar instalada. Sem ela, o ventilador não
está protegido contra queda ou perda de alimentação AC. Não
use o ventilador sem que uma BPS, com pelo menos carga
mínima, esteja instalada. 
• Se estiver usando um carrinho de montagem com o compressor
do ventilador Puritan Bennett™ 800 Series ou um carrinho de
haste do ventilador Puritan Bennett 800 Series, você precisa se
assegurar de conectar o cabo da bateria ao ventilador. 
• Não desconecte a bateria se a GUI ou o compressor do ventilador
estiverem em uso. 
• Quando possível, conecte o ventilador a uma tomada ligada ao
sistema de alimentação de reserva de emergência do hospital.
Para obter informações sobre as especificações elétricas do
ventilador, consulte a Seção A.4.

Normalmente, o Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 é alimentado


a partir da rede de energia elétrica. O sistema de bateria de reserva BPS 802
ou 803 do carrinho de montagem com o compressor do ventilador Puritan
Bennett 800 Series e do carrinho de haste do ventilador Puritan Bennett 800
Series opera o ventilador quando a alimentação AC é perdida ou cai abaixo
de um nível mínimo. 

MO 2-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

Uma bateria BPS 802 nova, totalmente carregada, pode operar o ventilador
(sem o compressor ou um umidificador) por, no mínimo, 60 minutos
(30 minutos em ventiladores fabricados antes de julho de 2007),
possibilitando que o ventilador seja usado em situações que requerem
transporte pela instituição hospitalar.
Uma bateria BPS 803 nova, totalmente carregada (disponível a partir de
outubro de 2009) pode operar o ventilador (sem o compressor ou um
umidificador) por pelo menos quatro horas. As mesmas condições se
aplicam, respectivamente, ao conjunto de BPS de uma hora ou
quatro horas do carrinho de montagem com o compressor do ventilador
Puritan Bennett 800 Series e das baterias de uma hora ou quatro horas
no carrinho de haste do ventilador Puritan Bennett 800 Series. 

Advertência
As baterias BPS 802 e 803 e os sistemas de bateria de reserva do
carrinho de montagem com o compressor do ventilador Puritan
Bennett 800 Series e do carrinho de haste do ventilador Puritan
Bennett 800 Series foram projetadas exclusivamente para uso em
períodos de tempo curtos, e não para serem usadas como fontes de
alimentação de energia alternativa. As BPS e os sistemas de bateria
de reserva foram projetadas para alimentar apenas a BDU e a GUI.
No caso de perda de alimentação AC, não há energia disponível para
operar o compressor ou o umidificador. 

Se você ligar o ventilador após um longo período sem utilização, pode ser
que o alarme de BATERIA FRACA seja emitido. Se isso ocorrer, recarregue
a bateria BPS 802 ou 803 ou o sistema de bateria de reserva do carrinho
de montagem com o compressor do ventilador Puritan Bennett™ 800 Series
ou do carrinho de haste do ventilador Puritan Bennett 800 Series, deixando-
a conectada a um ventilador conectado à alimentação AC por até oito horas
(o ventilador em si não precisa ficar ligado). Devido à maior capacidade de
bateria, a BPS 803 e a BPS ou bateria de quatro horas do carrinho de
montagem com o compressor do ventilador Puritan Bennett 800 Series e
do carrinho de haste do ventilador Puritan Bennett 800 Series pode levar até
20 horas para recarregar. Se, após ligar o ventilador novamente, o alarme de
BATERIA FRACA ainda estiver ativo ou se o alarme de BATERIA INOPERANTE
estiver ativo, será preciso chamar a assistência técnica qualificada para
substituir a bateria. As baterias devem ser recarregadas sempre que sua carga
for esgotada. Deixá-las descarregadas por mais de 24 horas pode reduzir sua
capacidade. As mesmas condições se aplicam, respectivamente, ao conjunto
de BPS de uma hora ou quatro horas do carrinho de montagem com o

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 2-5


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

compressor do ventilador Puritan Bennett 800 Series e das baterias de


uma hora ou quatro horas do carrinho de haste do ventilador Puritan
Bennett 800 Series. 
A Figura 2-2 mostra como conectar o cabo de força a uma tomada AC.
As abas embutidas do retentor do cabo de força protegem contra
desconexão acidental. Antes de iniciar a operação, verifique se o cabo de
força está firmemente preso ao receptáculo AC. Para soltar o cabo de força,
aperte as guias na parte de cima e de baixo do conector e puxe.

Cabo de
força

Abas do retentor do cabo de força.


Para soltar o cabo de força, aperte as
abas e puxe.
Alimentação AC

Figura 2-2. Como conectar o cabo de força do ventilador

A Figura 2-3 mostra a chave de alimentação e o indicador de alimentação


AC. Quando aceso, o indicador AC indica que o ventilador está recebendo
alimentação AC e a BPS 802 ou 803 ou o sistema de bateria de reserva do
carrinho de montagem com o compressor de ventilador Puritan Bennett 800
Series ou do carrinho de haste do ventilador Puritan Bennett 800 Series
será recarregado de acordo com a necessidade. O indicador de corrente
alternada é independente dainterruptor de alimentação eo interruptor
de alimentação não desliga a alimentação AC à fonte de alimentação
do ventilador. Quando ambos alternar o poder eIndicador AC estão no,
o poder está disponível para o aparelho ecompressor.

MO 2-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

Disjuntor da fonte
de alimentação Conexão de
do ventilador alimentação AC

Painel de
alimentação AC

indicador de alimentação AC

Chave de
alimentação do Disjuntor do
ventilador umidificador Equalização
e compressor potencial (ponto
de aterramento)

Conexão do compressor

Figura 2-3. Chave de alimentação, indicador de alimentação AC e painel


de alimentação AC do ventilador

Se o disjuntor da fonte de alimentação do ventilador (localizado no painel


de alimentação AC do ventilador, Figura 2-3) abrir mas ainda houver
alimentação AC e o ventilador estiver funcionando com a BPS, haverá
energia disponível para os conectores do umidificador e do compressor
(embora o software do ventilador desative a operação do compressor).

OBSERVAÇÃO:
Apenas os ventiladores com voltagem 100 - 120 V têm conexão para
umidificador.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 2-7


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

Quando o cabo de força não estiver em uso, enrole-o ao redor do gancho na


parte de trás do carrinho para que seja armazenado de forma conveniente
(figuras 2-4 e 2-5). O cabo de força é armazenado da mesma maneira no
carrinho de montagem como compressor do ventilador Puritan Bennett™
800 Series e no carrinho de haste do ventilador Puritan Bennett 800 Series. 

Figura 2-4. Armazenamento do cabo de alimentação de energia no


carrinho RTA 

MO 2-8 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

Figura 2-5. Armazenamento do cabo de alimentação de energia no


carrinho de montagem com o compressor do ventilador Puritan
Bennett™ 800 Series e no carrinho de haste do ventilador Puritan
Bennett 800 Series (mostrado) 

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 2-9


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

2.2 Conexão do fornecimento de ar e oxigênio


O Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 pode usar oxigênio e ar
provenientes de cilindros ou de fontes na parede. Siga estas etapas para
conectar os fornecimentos de oxigênio e ar:
1. Verifique se as pressões do fornecimento estão entre 35 e 100 psi (241 a
690 kPa) e que o sistema de tubulação de gás do hospital atenda à norma
ISO 7396:1987, Non-flammable Medical Gas Pipeline Systems, ou um padrão
equivalente. As tubulações de gás devem atender aos requisitos das normas
EN 739:1998, Low-pressure Hose Assemblies for use with Medical Gases,
e NFPA 99:2002, Standard for Healthcare Facilities. 

Advertência
Devido à restrição excessiva de determinados conjuntos de tubos
(listados na Tabela B-1), o desempenho do ventilador pode diminuir
quando forem empregadas pressões de ar ou oxigênio de < 50 psi
(345 kPa).

2. Conecte os tubos de fornecimento aos conectores de entrada na parte


posterior do ventilador (veja a Figura 2-6).

Advertência
• Conecte somente ar à entrada de ar e somente oxigênio à
entrada de oxigênio. Não tente trocar os fornecimento de ar
e de oxigênio ou conectar qualquer outro gás.
• Sempre conecte pelo menos duas fontes de gás ao ventilador
para garantir ao paciente um fornecimento constante. Existem
três conexões de fonte de gás: o compressor, a entrada de ar
e a entrada de oxigênio.
• Não use tubos antiestáticos ou condutores de eletricidade no
sistema de respiração do ventilador. 
• Use somente os tubos de fornecimento de alta pressão
recomendados pela Covidien. Outros tubos podem ser limitados
e impedir o funcionamento adequado do ventilador.

MO 2-10 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

Cuidado
Para evitar danos ao ventilador, certifique-se de que as conexões dos
fornecimentos de ar e de oxigênio estejam limpas e não estejam lubrificadas e
de que não haja água no gás do fornecimento de ar ou de oxigênio. No caso de
suspeita de água no gás de fornecimento de ar, use um dreno do ar de parede
externo para impedir que a água danifique o ventilador ou seus componentes.

OBSERVAÇÃO:
Ao se conectar uma fonte de ar ou oxigênio pressurizado, os reguladores
de ar e oxigênio do ventilador apresentam uma taxa máxima de vazamento
de 3 L/min, mesmo quando o ventilador não está em uso. Ao calcular o uso
de ar e de oxigênio, lembre-se sempre de considerar essa taxa de vazamento.

Quando não estiverem em uso, os tubos de ar e de oxigênio podem ser


enrolados no gancho na parte posterior do carrinho para que sejam
armazenados de forma conveniente (Figura 2-6).

Conector de
entrada de ar

Conector de
entrada de
oxigênio

Tubo de oxigênio
(do fornecimento
de ar)

Tubo de ar
(do fornecimento de ar)

Figura 2-6. Como conectar os fornecimentos de ar e oxigênio

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 2-11


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

2.3 Conexão dos componentes do circuito do paciente

Advertência
• Para minimizar os riscos de contaminação bacteriana
ou danos ao componente, os filtros expiratórios e
inspiratórios sempre devem ser manuseados com cuidado
e conectados ao ventilador durante o uso.
• Para minimizar os riscos de ferimentos ao paciente, use
somente circuitos de paciente qualificados para ambientes
enriquecidos com oxigênio com o Sistema de Ventilação
Puritan Bennett™ 840. Não use tubos antiestáticos ou
condutores de eletricidade no sistema de respiração do
ventilador. Para garantir uma conexão sem vazamentos, use
somente conectores e tubos com encaixes de cone e soquete
que tenham padrão ISO (ou use adaptadores para conectar os
encaixes farpados com manguito aos encaixes de padrão ISO). 
• O uso de um nebulizador externo com alimentação
pneumática com o Sistema de Ventilação Puritan Bennett 840
aumenta o fluxo do circuito do paciente e pode haver
comprometimento da espirometria, da porcentagem de O2
administrada, dos volumes correntes fornecidos e do disparo
da respiração. Além disso, partículas aerossolizadas no
circuito do ventilador podem causar aumento da resistência
do filtro expiratório.
• Use um dos circuitos do paciente listados no Apêndice B para
garantir que os valores máximos de pressão/fluxo
especificados pelo padrão IEC 60601-2-12:2001 não sejam
excedidos (veja a Tabela A-11 na página MO A-22 para obter
informações sobre as especificações de teste do circuito do
paciente). A utilização de um circuito com resistência maior
não impede a ventilação, mas pode causar falha em um
autoteste rápido (SST) ou comprometer a capacidade de
respiração do paciente pelo circuito.

MO 2-12 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

OBSERVAÇÃO:

• A Covidien recomenda que um teste autoteste rápido [Short Self


Test (SST)] seja executado a cada 15 dias, entre a troca de pacientes
e ao se alterar o circuito do paciente (especialmente ao se alterar o
tipo de circuito do paciente, por exemplo, de adulto para pediátrico
ou neonatal). 
• A Covidien reconhece que as práticas para execução dos testes SST
podem apresentar ampla variação entre as instituições da área de
saúde. A Covidien não pode estipular ou exigir práticas específicas
que atendam às necessidades de todas as instituições, nem a
Covidien pode se responsabilizar pela eficiência das práticas
institucionais.

2.3.1 Seleção e conexão do circuito do paciente


Use circuitos do paciente de baixa complacência para garantir uma ótima
compensação de complacência e use circuitos de paciente pediátrico
quando o peso ideal (IBW) do paciente for maior que 7 kg (15 lb) e menor ou
igual a 24 kg (53 lb). Use a opção de software NeoMode e circuitos de paciente
neonatal para os pacientes cujo IBW for menor ou igual a 7 kg.
Para os pacientes cujo IBW for menor ou igual a 24 kg, o limite do volume
de compensação de complacência corresponderá a quatro vezes o volume
corrente definido, além do volume corrente definido. Para evitar que um
alarme de obstrução severa seja emitido, use somente circuitos de paciente
neonatal com a opção de software NeoMode.
A Tabela 2-1 mostra valores de IBW e tipos de circuito de paciente.
As variações de “Permitido mas não recomendado” requerem domínio
profissional.

Advertência
As variações recomendadas existem para garantir a segurança
do paciente. Somente profissionais capacitados para avaliar as
circunstâncias apropriadas devem ignorar essas variações
recomendadas.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 2-13


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

Tabela 2-1: Circuito do paciente e valores de IBW

Recomendação Peso ideal (IBW) em kg (lb)

Recomendado Recém-nascido (neonatal): 0,3 a 7,0 kg (0,66 a 15 lb)*


Pediátrico: 7,0 a 24 kg (15 a 53 lb)
Adulto: 25 a 150 kg (55 a 330 lb)
* Pressupõe que a opção de software NeoMode 2.0
esteja instalada 

Permitido mas não Recém-nascido (neonatal): Não aplicável


recomendado Pediátrico: 3,5 a 6,5 kg (7,7 a 14,3 lb) e 25 a 35 kg
(55-77 lb)
Adulto: 7 a 24 kg (15 a 53 lb)

A Figura 2-7 mostra como conectar o circuito do paciente, incluindo o filtro


inspiratório, o umidificador (se usado), o ramo inspiratório, o Y do paciente,
o ramo expiratório, e o filtro expiratório com o dreno coletor.

MO 2-14 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

(Do paciente)

Filtro expiratório

Tubo expiratório (Para o paciente)


do circuito do
Tubo em forma paciente Filtro
de Y do paciente inspiratório

Tubos

Frasco
coletor

Tubo inspiratório do
circuito do paciente Umidificador

VEN_10733_A

Figura 2-7. Como conectar o circuito do paciente

Advertência
Para garantir que todas as conexões do circuito do paciente não
tenham vazamento, sempre execute um SST toda vez que você
instalar o filtro expiratório no ventilador.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 2-15


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

Advertência
A adição de acessórios ao ventilador pode aumentar a resistência
do sistema. Certifique-se de que qualquer alteração das
configurações recomendadas do circuito do ventilador não exceda
os valores especificados para a resistência inspiratória e expiratória
(Apêndice A). Ao adicionar acessórios ao circuito do paciente,
sempre execute um teste SST para avaliar a complacência do
circuito antes de iniciar a ventilação do paciente. 

2.3.2 Instalação do filtro expiratório e do frasco coletor


Instale o filtro expiratório e o frasco coletor da seguinte maneira:
1. Vire a trava do filtro expiratório para cima (veja a Figura 2-8).
2. Deslize o filtro expiratório até a área do compartimento, com a conexão
do tubo expiratório voltada para você.
3. Empurre a trava do filtro expiratório para baixo; isso posicionará o filtro
corretamente.
4. Acople o tubo expiratório do circuito do paciente ao conector do tubo
expiratório do filtro.
Se você não estiver usando uma bolsa de drenagem, lembre-se de tampar
a porta de drenagem do frasco coletar do filtro expiratório (Figura 2-9).

2
1

Figura 2-8. Como instalar o filtro expiratório e o frasco coletorl

MO 2-16 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

Item Descrição

1 Puxe a trava para cimapara instalar o filtro,puxe para baixo


paraprender o filtro e ofrasco coletor no lugar

2 Deslize a borda do filtrona direção dessas trilhas

3 Área do compartimento do filtro

4 Filtro expiratório

5 Conexão dotubo expiratório (do paciente)

6 Frasco coletor

Se você estiver usando uma bolsa de drenagem:


1. Instale o filtro expiratório. (Consulte as instruções anteriores.)
2. Instale o grampo no tubo da bolsa de drenagem, certificando-se de
que o grampo esteja fechado.
3. Destampe a porta de drenagem do frasco coletor na base do frasco coletor.
4. Conecte o tubo da bolsa coletora à porta de drenagem do frasco.
5. Conecte a outra extremidade do tubo à bolsa de drenagem.
6. Se o ventilador estiver montado no carrinho, coloque a bolsa de
drenagem na gaveta do carrinho (se você tiver um carrinho RTA,
mais antigo) ou pendure a bolsa de drenagem no botão existente
na lateral do carrinho de montagem com o compressor do ventilador
Puritan Bennett™ 800 Series ou do carrinho de haste do ventilador
Puritan Bennett 800 Series, mais recentes (Figura 2-9). 

Advertência
Não tente limpar, reprocessar ou reutilizar a bolsa de drenagem,
já que fazer isso representa um risco de infecção à equipe médica
e ao paciente. 

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 2-17


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

Coloque a bolsa de drenagem na gaveta do


carrinho RTA ou pendure a bolsa de drenagem
no botão existente na lateral do carrinho
Bolsa de drenagem Tubos
Grampo

A porta de drenagem do frasco coletor deverá


ser tampada se você não estiver usando uma
bolsa de drenagem

Figura 2-9. Como usar o dreno coletor com ou sem a bolsa de drenagem 

OBSERVAÇÃO:
Verifique os tubos expiratórios e inspiratórios do circuito do paciente,
o frasco coletor e os sifões regularmente para evitar acúmulo de água.
Em determinadas condições, eles podem encher rapidamente.
Esvazie e limpe o frasco coletor e os sifões, conforme necessário.

MO 2-18 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

2.3.3 Instalação do braço flexíve


O braço articulado apóia o circuito do paciente entre o ventilador e o
paciente. As figuras 2-10 e 2-11 mostram como instalar o braço articulado em
um dos dois (em carrinhos RTA) ou quatro (em carrinhos de montagem com o
compressor do ventilador Puritan Bennett™ 800 Series e carrinhos de haste
do ventilador Puritan Bennett 800 Series) soquetes rosqueados no carrinho
do ventilador. 

Haste
flexível

Soquete rosqueado 
(um dos dois) 

Figura 2-10. Como instalar o braço articulado em um carrinho RTA

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 2-19


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

Haste flexível

Soquete rosqueado 
(um dos dois) 

Figura 2-11. Como instalar a haste flexível em um carrinho de montagem


com o compressor do ventilador Puritan Bennett™ 800 Series ou em um
carrinho de haste do ventilador Puritan Bennett 800 Series

Cuidado
Mova o ventilador somente pelas alças do carrinho. Não puxe ou empurre
o ventilador usando a haste flexível.

MO 2-20 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

As peças de substituição do braço articulado podem ser encontradas no


Manual de Serviços do Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 800 Series.

2.3.4 Instalação do umidificador


Na parte frontal da BDU há uma tomada elétrica para o umidificador.
A Figura 2-12 mostra como instalar um umidificador Fisher & Paykel™* nos
ventiladores montados em carrinhos RTA. Para umidificadores montados em
carrinhos de montagem com o compressor do ventilador Puritan Bennett 800
Series e carrinhos de haste do ventilador Puritan Bennett 800 Series,
instruções separadas para a instalação do umidificador são fornecidas com
os kits de montagem de umidificador listados nas tabelas B-2 e B-3 do
Apêndice B, respectivamente. 

Advertência
• Ao usar um umidificador Fisher & Paykel™* com o Sistema de
Ventilação Puritan Bennett 840, use câmaras de umidificação
Fisher & Paykel™* apropriadas para pacientes adultos,
pediátricos e neonatais. 
• Tome as devidas providências para evitar condensação e jatos
d'água no circuito do paciente durante desconexões do circuito
e condições de freqüência de fluxo excessivamente altas.
• Para evitar possíveis ferimentos ao paciente ou danos ao sistema
ventilador, siga as práticas da sua instituição para o lidar de
forma adequada com a condensação do circuito do paciente.

Cuidado
• Primeiro, o hardware de montagem do umidificador deverá ser
instalado pela equipe de assistência técnica qualificada.
• Para evitar danos ao equipamento decorrentes da entrada de líquido:
- Instale a tampa do plugue quando o umidificador for acoplado
ao ventilador.
- Instale a placa de cobertura plana sobre a tomada elétrica do
umidificador na parte frontal da BDU quando o umidificador
não estiver acoplado ao ventilador.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 2-21


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

OBSERVAÇÃO:
• Para garantir que o ventilador funcione sem interrupção, não
instale um umidificador cuja capacidade de corrente máxima seja
superior a 2,3 A, com um consumo máximo de potência de 270 VA.
• Ao instalar um umidificador Fisher & Paykel™*, certifique-se de
que o umidificador possua um plugue elétrico de ângulo reto.
É preferível usar um cabo de força curto.
• Para garantir o bom funcionamento da detecção de obstruções
do ventilador, não use umidificadores Puritan Bennett™ Cascade
com o Sistema de Ventilação Puritan Bennett 840. 
• No caso de dúvida sobre os umidificadores qualificados para uso
com o Sistema de Ventilação Puritan Bennett 840, entre em contato
com um representante da Puritan Bennett.
• Apenas os ventiladores com voltagem 100 - 120 V têm conexão
para umidificador.

MO 2-22 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

BDU

Tampa do plugue

Umidificador

Suporte de 
montagem, 
na frente do 
ventilador 

Figura 2-12. Como instalar o umidificador (versão Fisher & Paykel™*


mostrada) para ventiladores montados em carrinhos RTA 

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 2-23


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

2.3.5 Uso do carrinho do ventilador


Três carrinhos opcionais estão disponíveis para uso com o ventilador Puritan
Bennett™ 840: O carrinho pronto para montar [ready-to-assemble (RTA)], o
carrinho de montagem com o compressor do ventilador Puritan Bennett 800
Series e o carrinho de haste do ventilador Puritan Bennett 800 Series. O RTA
pode ser usado com as baterias BPS 802 e 803, ao passo que o carrinho de
montagem com o compressor do ventilador Puritan Bennett 800 Series pode
ser usado com uma BPS que tenha uma bateria de uma hora ou uma bateria
opcional de quatro horas. O carrinho de haste do ventilador Puritan Bennett
800 Series também conta com uma bateria de uma hora, ou uma bateria
opcional de quatro horas, como parte de seu sistema de bateria de reserva. 

Advertência
Advertência Instale somente BDUs de ventilador com números
de série começando com 3512 em carrinhos de montagem com o
compressor do ventilador Puritan Bennett 800 Series e carrinhos
de haste do ventilador Puritan Bennett 800 Series. Ventiladores
com outros números de série não são compatíveis com esses
carrinhos mais recentes. 

O carrinho de montagem com o compressor do ventilador Puritan Bennett 800


Series e do carrinho de haste do ventilador Puritan Bennett 800 Series podem
não estar disponíveis em todas as regiões. Para obter maiores informações, entre
em contato com um representante da Covidien.
Para indicar o número do lote do carrinho, uma etiqueta é aplicada abaixo
da alça do carrinho, na solda do mesmo (Figura 2-13). 

MO 2-24 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

Etiqueta do número do lote

Figura 2-13. Localização da etiqueta do número do lote do carrinho

Advertência
Trave as rodas do carrinho antes de instalar ou remover
componentes do ventilador. 

As figuras 2-14 e 2-15 mostram como travar e destravar as rodas frontais


do carrinho. 

Advertência
Para evitar interrupção do funcionamento do ventilador ou danos
aos seus componentes, use o carrinho para movê-lo. Não use os
cabos, o cabo de força ou os componentes do circuito do paciente
para puxar ou empurrar o ventilador.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 2-25


Como configurar o ventilador Puritan Bennett™ 840 

Pressione a aba grande Pressione a aba


para baixo para travar pequena para
baixo para
destravar

Posição destravada Posição travada

Figura 2-14. Como travar e destravar as rodas frontais do carrinho RTA 

Pressione para
baixo para travar

Levante para
destravar 

Posição destravada  Posição travada

Figura 2-15. Como travar e destravar as rodas frontais do carrinho de


montagem com o compressor do ventilador Puritan Bennett™ 800 Series e
do carrinho de haste do ventilador Puritan Bennett 800 Series 

MO 2-26 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como executar um Autoteste rápido [Short Self Test (SST)]

A Capítulo 3 descreve:
• Quando executar o SST
• Equipamento necessário para executar o SST
• Como configurar e executar o SST
• Os testes do SST e suas funções
• Como interpretar os resultados do SST

3.1 Introdução ao SST


O SST usa uma seqüência interna e programada de testes para:
• Verificar o funcionamento correto dos sensores de fluxo e
pressão
• Verificar se existem vazamentos no circuito do paciente
• Medir a resistência do filtro expiratório
• Medir a resistência do circuito do paciente
• Medir a complacência do circuito do paciente
O SST requer aproximadamente três minutos para ser concluído.
Como executar um Autoteste rápido [Short Self Test (SST)]

Advertência
• Sempre desconecte o ventilador do paciente antes de executar
o SST. Se você executar o SST enquanto o ventilador estiver
conectado ao paciente, poderão ocorrer ferimentos no paciente.
• Um ALERTA reportado pelo SST indica que o ventilador ou um
componente relacionado está com defeito. Conserte o ventilador
ou o componente relacionado antes de usar o ventilador em um
paciente, a não ser que seja possível determinar com certeza que
o defeito não criará uma situação de risco para o paciente ou
condições de perigo que possam resultar de outras situações
de risco. 
• Ao executar um SST, configure o circuito do paciente exatamente
como ele será usado no paciente (por exemplo, com os mesmos
acessórios). Se você adicionar acessórios ao circuito do paciente
depois de executar um SST, será preciso executar novamente o
SST com os novos acessórios instalados antes de fornecer
ventilação ao paciente.

3.2 Quando executar o SST


OBSERVAÇÃO:
A Covidien reconhece que as instituições da área de saúde
podem ter suas próprias práticas relacionadas ao uso do ventilador.
No entanto, a Covidien não pode se responsabilizar pela eficiência
das práticas institucionais. Nem é possível que a Covidien estipule
ou exija práticas específicas que atendam às necessidades de todas
as instituições. 

A Covidien recomenda que o SST seja executado quando ocorrer um ou mais


dos seguintes eventos: 
• Quando você substituir o circuito do paciente e o filtro de expiração após
15 dias de uso
• Quando você estiver pronto para conectar um novo paciente ao ventilador
• Quando você conectar um circuito do paciente diferente ao ventilador
• Quando você instalar um filtro expiratório novo ou esterilizado
• Quando você alterar o tipo de circuito do paciente

MO 3-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como executar um Autoteste rápido [Short Self Test (SST)]

• Quando você alterar o tipo de aparelho de umidificação


• Quando você remover acessórios do circuito do paciente ou adicionar
acessórios, como umidificador, sifão ou bolsa de drenagem
Use o SST a qualquer momento, desde que o paciente não esteja conectado
ao ventilador, para:
• Verificar se existem vazamentos no circuito do paciente
• Calcular a complacência e a resistência do circuito do paciente
• Calcular a resistência do filtro expiratório
Após o início do SST, o sistema solicita que você prepare o ventilador ou
execute determinados testes. O sistema fica aguardando até que você
execute uma ação e responda apropriadamente.

3.3 Componentes e requisitos do SST


Durante um SST, todos os componentes e equipamentos que serão usados
no paciente devem estar disponíveis:
• Tubos do paciente
• Filtro expiratório e frasco de coleta
• Filtro inspiratório
• Umidificador, se aplicável
• Outros acessórios (por exemplo, sifões, bolsa de drenagem),
conforme aplicável
Os requisitos adicionais incluem:
• Uma tampa de borracha No. 1 para bloquear as vias aéreas no tubo
em forma de Y do paciente
• Duas fontes de gás (ar e oxigênio) conectadas ao ventilador
• A pressão de cada fonte de gás deve estar entre 35 e 100psi (241 a 690 kPa)

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 3-3


Como executar um Autoteste rápido [Short Self Test (SST)]

Cuidado
• Para que não ocorram falhas no SST causadas por vazamentos, confira
se todos os componentes do circuito, como a tampa da porta do dreno
coletor (se não estiver usando uma bolsa de drenagem), a vedação
entre o filtro expiratório e dreno coletor e as vedações dos copos
coletores do circuito (se usados) estão devidamente instalados. 
• Se estiver usando uma bolsa de drenagem, verifique se o tubo está
corretamente instalado na porta de drenagem do frasco coletor e se o
tubo está grampeado. Se o tubo da bolsa de drenagem não estiver
grampeado durante o SST, os valores de complacência e vazamento
poderão ser muito altos, o que pode fazer com que o SST reporte
ALERTAS ou FALHAS.

Depois de ligar o ventilador, aguarde pelo menos 10 minutos antes de


executar o SST. O tempo de aquecimento de dez minutos estabilizará o
ventilador e garantirá a precisão dos testes SST. 

3.4 Procedimento de SST

Advertência
Sempre desconecte o ventilador do paciente antes de executar
o SST. Se você executar o SST enquanto o ventilador estiver
conectado ao paciente, poderão ocorrer ferimentos no paciente.

1. Desligue a chave de alimentação (localizada na parte frontal da BDU).


O sistema realiza o autoteste de ativação [power-on self test (POST)] e
exibe a tela de Inicialização do ventilador.
2. Deixe o ventilador ligado e aguarde dez minutos até que se estabilize.
3. Instale o circuito do paciente, os filtros expiratório e inspiratório que
serão usados para a ventilação do paciente. 

Cuidado
O circuito do paciente deve estar desobstruído e devidamente conectado
ao ventilador para garantir uma medição precisa da resistência do circuito.

4. Na tela de Inicialização do ventilador, toque no botão SST (tela inferior) e


pressione o botão TESTE (no lado esquerdo da BDU) em cinco segundos.
(Veja a Figura 3-1 para saber a localização do botão de TESTE.)

MO 3-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como executar um Autoteste rápido [Short Self Test (SST)]

O sistema exibe a tela de Configuração do SST (tela inferior).

OBSERVAÇÃO:
Pressione o botão TESTE em cinco segundos após tocar o botão SST
ou o autoteste não será iniciado. 

Botão
de teste

VEN_10738_A

Figura 3-1. Botão de teste, localização

Cuidado
Não pressione o botão de teste durante a inicialização do ventilador. Isso pode
fazer com que o ventilador entre no modo de serviço. Se isso acontecer, não
execute um autoteste estendido (EST) no circuito do paciente. Isso faz com que
o EST falhe. Se o EST falhar, o ventilador permanecerá no estado Ventilador
inoperante até que o EST seja concluído sem erros.
Se você entrar acidentalmente no modo de serviço, toque no botão SAIR na
tela inferior da GUI e, depois, pressione a tecla ACEITAR para sair do modo
de serviço.

5. Toque na tecla de CIRCUITO DO PACIENTE na tela inferior e use o botão


para selecionar o tipo de circuito do paciente, Adulto, Pediátrico ou
Neonatal (Recém-nascido) (se a opção de software NeoMode estiver
instalada).
6. Toque na tecla TIPO DE UMIDIFICAÇÃO na tela inferior e use o botão
giratório para selecionar o tipo de umidificação para a ventilação do
paciente. 

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 3-5


Como executar um Autoteste rápido [Short Self Test (SST)]

Se não for utilizar um umidificador, defina o tipo de umidificação como HME.


7. Pressione ACEITAR para concluir a seleção dos tipos de circuito do
paciente e umidificação.

Advertência
A especificação incorreta do tipo de circuito do paciente ou a
alteração do tipo de circuito do paciente após a execução de SST
pode afetar a precisão do cálculo de complacência, do volume
corrente expirado medido e dos volumes correntes inspirados
fornecidos/medidos. É preciso executar novamente o SST quando
você altera o tipo de circuito.
A precisão do cálculo de complacência e do volume corrente
também pode ser afetada pela especificação incorreta ou pela
alteração do umidificador após a execução do SST. Caso altere os
umidificadores, certifique-se que o tipo de umidificação seja
alterado conforme descrito na Seção 4.8. Para garantir a precisão,
execute novamente o SST usando o novo umidificador.

8. O ventilador inicia automaticamente a seqüência de teste. Veja a


Tabela 3-1 para obter detalhes sobre cada etapa de teste SST.
Os testes de Sensor de fluxo, Filtro expiratório, Resistência do circuito e
Calibração da complacência exigem sua participação. O sistema ficará
aguardando as suas respostas. Do contrário, você não precisará fazer
nada a não ser que o resultado de um teste seja ALERTA ou FALHA ou o SST
esteja incompleto.
9. Conforme cada teste é executado, a tela de Status do SST mostra os
resultados do teste (veja a Tabela 3-2).

Advertência
Para garantir que o SST apresente resultados confiáveis, não repita
um teste individual com outro circuito do paciente se o resultado do
teste for FALHA ou ALERTA. No caso de suspeita de defeito no
circuito do paciente, substitua o circuito do paciente e reinicie o SST.

10. Toque em SAIR DO SST se quiser interromper o andamento do teste.


Toque novamente em SAIR DO SST para retomar o teste ou pressione
ACEITAR para reiniciar o ventilador (se o SST não tiver detectado um
ALERTA ou uma FALHA).

MO 3-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como executar um Autoteste rápido [Short Self Test (SST)]

Advertência
Para garantir uma compensação correta da resistência e da
complacência do circuito, não saia do SST até que ele seja concluído
com êxito. Não inicie a ventilação normal até que o SST seja
concluído com êxito com o circuito do paciente correto instalado.

11. Quando todos os testes no SST forem concluídos, a tela Status do SST exibirá
todos os resultados dos testes individuais e um resultado geral. A Tabela 3-3
resume os resultado geral do SST e como proceder em cada caso.
12. Para iniciar uma ventilação normal, (se o SST não tiver detectado um
ALERTA ou umaFALHA), toque em SAIR DO SST e pressione ACEITAR.
13. O ventilador executa novamente o POST.
14. E exibe a tela Inicialização do ventilador. Prossiga com a Inicialização do
ventilador para configurar o sistema para o paciente.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 3-7


Como executar um Autoteste rápido [Short Self Test (SST)]

Tabela 3-1: Seqüência de testes do SST

Etapa do teste Função Comentários

Configuração O sistema solicita que você 1 Especifique o tipo de


do SST especifique o tipo de circuito do paciente.
circuito do paciente e o tipo
2 Especifique o tipo de
de umidificação que serão
umidificação.
usados para a ventilação do
paciente. Você pode selecionar um
destes três tipos de
umidificação:
• Tubo expiratório aquecido
• Tubo expiratório não-
aquecido
• HME (aparelho para troca
de umidade e calor)
3 Para umidificadores não-
HME, especifique o
volume do umidificador a
seco. Use o volume
especificado, e não o
volume compactado, do
umidificador.
4 Pressione a tecla ACEITAR.

Advertência
Selecione os tipos
corretos de circuito do
paciente e de
umidificação. Do
contrário, poderão
ocorrer falhas na
detecção de
obstruções e na
espirometria
expiratória.

OBSERVAÇÃO:
O botão VOLUME DO UMIDIFICADOR não estará visível na tela se você
selecionar HME.

MO 3-8 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como executar um Autoteste rápido [Short Self Test (SST)]

Tabela 3-1: Seqüência de testes do SST (cont.)

Etapa do teste Função Comentários

Configuração O sistema solicita que você 1 Conecte o circuito do


do SST (cont.) conecte o circuito do paciente ao filtro
paciente ao filtro inspiratório — mas sem
inspiratório. o umidificador.
Use a Figura 2-7 na 2 Pressione ACEITAR para
página MO 2-15 para iniciar o teste.
conectar o circuito do
paciente.

OBSERVAÇÃO:
Não execute o Teste do sensor de fluxocom um umidificador
instalado, mesmo que você pretenda utilizá-lo quando
iniciar a ventilação do paciente.

O sistema solicita que você 3 Bloqueie o tubo em forma


bloqueie o tubo em forma de Y com uma tampa
de Y do paciente. No. 1.
4 Pressione ACEITAR.

O sistema verifica a precisão Se o status do Teste do sensor


dos sensores de fluxo de fluxo do SST for FALHA, você
inspiratório e expiratório. não poderá usar a função
Após a conclusão do teste, o IGNORAR.
sistema solicita que você
conecte o umidificador.

OBSERVAÇÃO:
Caso pretenda utilizar um umidificador durante a ventilação do paciente,
conecte o umidificador ao circuito do paciente depois que o sistema for
aprovado no Teste do sensor de fluxo do SST. Veja a Figura 2-7 na
página MO 2-15 para obter informações de conexão.

Teste de pressão O sistema verifica o Se o status do Teste de pressão


do circuito funcionamento correto dos do circuito for FALHA, você não
sensores de pressão da BDU. poderá usar a função IGNORAR.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 3-9


Como executar um Autoteste rápido [Short Self Test (SST)]

Tabela 3-1: Seqüência de testes do SST (cont.)

Etapa do teste Função Comentários

Teste de O sistema determina a Se o sistema reportar um


vazamento do capacidade de retenção de ALERTA e você optar por
circuito pressão do circuito. ignorá-lo, poderá ocorrer uma
O sistema exibe a queda de compensação imprópria da
pressão do circuito em um complacência, um
intervalo de 10 segundos. fornecimento incorreto de
volume corrente ou um
disparo automático durante
a ventilação do paciente.
Se vazamentos excessivos
forem detectados, o sistema
reportará uma FALHA.

Teste de O sistema solicita que você 1 Desconecte o circuito do


resistência do desconecte os tubos do paciente do filtro
filtro expiratório circuito do filtro inspiratório. expiratório.
2 Pressione ACEITAR para
iniciar o teste.

Na conclusão do Teste de Se o sistema reportar um


resistência do filtro ALERTA para o Teste de
expiratório, o sistema exibirá resistência do filtro expiratório
a queda de pressão ocorrida e você optar por ignorar esse
no filtro expiratório. ALERTA, poderá ocorrer uma
estimativa incorreta da
pressão do paciente.
O sistema reportará uma
FALHA se o teste detectar uma
obstrução no compartimento
de expiração ou no filtro
expiratório.
Se você não seguir
corretamente as instruções
para desconectar e conectar o
circuito do paciente, o sistema
reportará uma FALHA.

O sistema solicita que você 3 Reconecte o circuito do


reconecte o circuito do paciente ao filtro
paciente. expiratório.
4 Pressione ACEITAR para
iniciar o próximo teste.

MO 3-10 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como executar um Autoteste rápido [Short Self Test (SST)]

Tabela 3-1: Seqüência de testes do SST (cont.)

Etapa do teste Função Comentários

Resistência do O sistema solicita que você 1 Remova a tampa do tubo


circuito desbloqueie o tubo em em forma de Y.
forma de Y do paciente.
2 Pressione ACEITAR para
iniciar o teste.

O sistema exibe a queda de Se o sistema reportar um


pressão que ocorre nos ALERTA para a queda de
tubos inspiratório e pressão que ocorre nos dois
expiratório. tubos e você optar por ignorar
A queda de pressão esse ALERTA, poderá ocorrer
reportada inclui o efeito de uma estimativa incorreta da
todos os aparelhos pressão do paciente.
instalados em cada tubo, O sistema reporta uma FALHA
como filtros, sifões ou quando o teste detecta uma
umidificador. resistência excessivamente
alta ou baixa do tubo ou se
você não segue as instruções
de desbloqueio do tubo em
forma de Y.

Calibração da O sistema solicita que você 1 Bloqueie o tubo em forma


complacência bloqueie o tubo em forma de Y com uma tampa
de Y do paciente. No. 1.
2 Pressione ACEITAR para
iniciar o teste de
complacência do circuito
do paciente.

Se você tiver selecionado o 3 Pressione ACEITAR para


tipo de umidificação Tubo SIM ou CANCELAR para
expiratório aquecido ou Tubo NÃO, conforme
expiratório não-aquecido, o apropriado, para indicar
ventilador solicitará que se existe ou não água
você indique se existe água no umidificador.
no umidificador.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 3-11


Como executar um Autoteste rápido [Short Self Test (SST)]

Tabela 3-1: Seqüência de testes do SST (cont.)

Etapa do teste Função Comentários

Calibração da O sistema exibe a Se o sistema reportar um


complacência complacência do circuito ALERTA para a complacência
(cont.) do paciente. do circuito do paciente e você
optar por ignorar esse ALERTA,
poderá ocorrer uma
compensação imprópria
da complacência ou um
fornecimento incorreto do
volume corrente.
O sistema reportará uma
FALHA se o teste detectar
uma condição de
complacência fora da faixa.

O sistema solicita que você 4 Remova a tampa do tubo


desbloqueie o tubo em em forma de Y do
forma de Y do paciente. paciente.
5 Pressione ACEITAR para
concluir a seqüência de
testes do SST.

3.5 Resultados do SST


O Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 usa quatro categorias de
status para caracterizar os resultados dos testes individuais e o resultado
geral do SST. 
ALERTA
Você poderá ignorar um ALERTA reportado para um teste individual se puder
determinar com certeza que o defeito no ventilador ou componente
relacionado não possa criar uma situação de risco para o paciente ou
condições de perigo que possam resultar de outras situações de risco.

OBSERVAÇÃO:
Se for reportado um ALERTA e você sair do SST sem ignorá-lo, o ventilador
entrará no estado de válvula de segurança aberta (SVO) e não poderá ser
usado para ventilação normal até que o SST seja concluído sem erros ou o
ALERTA seja ignorado.

MO 3-12 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como executar um Autoteste rápido [Short Self Test (SST)]

FALHA
Quando o sistema declara uma FALHA para um teste individual na seqüência
do SST, o ventilador entra no estado SVO. Quando o ventilador apresentar
uma FALHA, interrompa o uso do equipamento imediatamente até que um
técnico qualificado faças as verificações e os ajustes necessários.
IGNORADO
IGNORADO é um status final do resultado geral do SST e indica que você
usou o recurso ignorar quando o sistema reportou uma condição de ALERTA.
(O ventilador deve ter concluído o teste com uma condição de ALERTA.)
PASSOU
PASSOU é o status final do resultado geral do SST em que nenhum alerta
ou falha foi detectado.
Veja a Tabela 3-3 e a Tabela 3-3 para saber como interpretar e responder
a cada uma dessas categorias de status do SST.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 3-13


Como executar um Autoteste rápido [Short Self Test (SST)]

3.5.1 Interpretação dos resultados individuais do teste SST


O SST reporta um status de resultado para cada um dos testes individuais.
Use a Tabela 3-2 para interpretar os resultados dos testes do SST e
determinar como responder a eles.

Tabela 3-2: Resultados dos testes individuais do SST

Se o status
Significa que: Faça isto:
do teste for:

PASSOU O sistema não detectou Você não precisa fazer nada, a não ser que seja
falhas nos testes solicitado pelo ventilador.
individuais.

ALERTA O resultado do teste Quando o sistema solicitar, toque em um destes


não é o ideal, mas não é botões e depois pressione ACEITAR:
crítico.
SAIR DO SST Interrompa o SST
Se o SST estiver em
andamento, os demais
testes serão Repita o SST desde o início
REINICIAR SST
interrompidos e você
será solicitado a tomar
uma decisão. Vá para o próximo teste
PRÓX.

Repita o teste
REPETIR

FALHA Foi detectado um Toque em um destes botões e pressione


problema crítico e o SST ACEITAR:
não pode ser concluído
Interrompa o SST
até que o ventilador SAIR DO SST
seja aprovado no teste.
Repita o SST
REINICIAR SST
desde o início

REPETIR
Repita o teste

MO 3-14 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como executar um Autoteste rápido [Short Self Test (SST)]

3.5.2 Resultados do SST


Quando o SST tiver concluído todos os testes, use a Tabela 3-3 para
determinar como proceder.

Tabela 3-3: Resultados gerais do SST

Se o resultado
Significa que: Faça isto:
do SST for:

PASSOU Todos os testes foram Toque em um destes botões e pressione


aprovados. ACEITAR:

Saia do SST e inicie a


SAIR DO SST
ventilação normal

Repita o SST desde o


REINICIAR SST
início

ALERTA Uma ou mais falhas Toque em um destes botões e pressione


foram detectadas. Se ACEITAR:
puder determinar com
certeza que isso não Interrompa o SST
SAIR DO SST
criará uma situação de
risco para o paciente ou
REINICIAR SST Repita o SST desde o início
condições de perigo
que possam resultar de
outras situações de
IGNORAR
Pressione ACEITAR para
risco, você poderá optar ignorar o ALERTA, conforme
por ignorar o status de permitido pelas práticas da sua
ALARME e autorizar a instituição. Toque em SAIR DO
ventilação. SST e pressione ACEITAR para
iniciar a ventilação normal.

FALHA Uma ou mais falhas Reinicie o SST com outro circuito do paciente.
críticas foram Toque em um destes botões e pressione
detectadas. O ACEITAR:
ventilador entra no
estado SVO e não pode Interrompa o SST
SAIR DO SST
ser usado para
ventilação normal até Pressione ACEITAR para repetir
REINICIAR SST o SST desde o início. Se a falha
que o SST seja
concluído sem erros. persistir, entre em contato com
Requer assistência o pessoal técnico qualificado.
técnica.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 3-15


Esta página foi deixada em branco intencionalmente.

MO 3-16 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

A Capítulo 4 descreve:
• Como a interface do usuário do Sistema de Ventilação
Puritan Bennett™ 840 está estruturada
• Como iniciar o ventilador para um paciente novo ou anterior
• Como alterar as principais configurações
• Como alterar as outras configurações
• Como definir o tipo de umidificação, a sensibilidade de
expiração e a sensibilidade de desconexão
• Para ativar ou desativar o sensor de oxigênio
• Como selecionar e definir a variável que permanece
constante quando a freqüência respiratória é alterada
• Como definir os limites de alarme
• Como realizar manobras de pausa inspiratória e expiratória
• Como interpretar os mostradores da manobra de pausa
inspiratória
• Como usar a ventilação não-invasiva (NIV)

OBSERVAÇÃO:
A tela sensível ao toque DualView usa feixes de luz para
detectar onde ocorreu o toque. Para evitar um alarme
de ALERTA DE DISPOSITIVO, não coloque outras
substâncias ou objetos na tela.
Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

4.1 Estrutura da interface do usuário


Os botões a seguir estão disponíveis nas telas superior e inferior. Eles
aparecem na parte inferior de cada uma das duas telas sensíveis ao toque.
Tela superior

Mostrador Mais dados do Registro de Alarmes ativos Outras telas Análise de


paciente (por alarmes (hora, tendências
exemplo, evento, urgência, (se a opção
percentual alarme, análise) estiver
de O2, PI END) instalada)

Registro do Registro do Registro do Configuração Resumo do do


código do horário resultado do ventilador teste (data,
diagnóstico operacional (revisões, hora,
(diagnóstico (horas do resultado
do sistema, números de
compressor, série, números geral do SST,
informações ventilador)
do do sistema, de peça, opções EST)
registros de instaladas)
diagnóstico do
EST/SST)

Tela inferior

CONFIG. CONFIG. CONFIG.


VENT APNÉIA ALARME

Configurações Configurações Configurações Outras telas


de alarme de alarme de alarme
corrente/ corrente/ correntes/
proposta (tipo proposta propostas
de ventilação,
modo, tipos de
respiração, tipo Configuração de Hora/Data Mais configurações
de disparo, de comunicação data/hora (tipo de umidificação,
configurações) (impressora/DCI, sensor de O2 ativado/
taxa de desativado,
transmissão, bits sensibilidade de
de dados, modo desconexão, volume
de paridade) do umidificador e
acesso a opções
adicionais) 

Figura 4-1. Interface do usuário da tela sensível ao toque

MO 4-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

4.2 Configuração do paciente

Advertência
Sempre conclua a configuração do paciente antes de conectá-lo ao
ventilador. Se você conectar um paciente antes que o procedimento
de configuração seja concluído, o ventilador emitirá um alarme de
procedimento errado e entrará no modo de ventilação de
segurança.

Quando você liga o ventilador, o POST (autoteste de ativação) é


automaticamente executado. Após o POST ser concluído sem erros, o sistema
exibe a tela de Inicialização do ventilador (veja a Figura 4-2) na tela inferior.
A área de aviso, localizada no canto inferior direito da tela inferior, contém
instruções de configuração.

Figura 4-2. Tela de Inicialização do ventilador

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-3


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

4.2.1 Ventilação com os parâmetros de controle mais recentes


Para continuar a ventilação com os parâmetros de controle mais recentes,
toque em Mesmo Paciente e pressione ACEITAR. A ventilação não é iniciada
até que o paciente seja conectado. Uma seta de lembrete intermitente
solicita que você considere os valores anteriores de diâmetro interno do tubo
e tipo de tubo se o tipo de ventilação espontânea anterior usava esses
parâmetros. 

4.2.2 Ventilação com novos parâmetros de controle


Consulte a Tabela A-13 no Apêndice A para obter descrições, variações,
resoluções, precisões e valores para novo paciente referentes aos parâmetros
de controle do ventilador disponíveis.
1. Toque no botão Novo Paciente para selecionar os novos parâmetros
de controle do ventilador para a ventilação do paciente.
Se quiser voltar à tela de Inicialização do ventilador, toque no botão
REINICIAR. 
2. O sistema exibe a tela de Configurações de novo paciente com os botões
a seguir e usa o botão giratório ou os menus suspensos para exibir as
seleções disponíveis. 
IBW: Ideal body weight (peso ideal corporal): Gire o botão para ajustar
o IBW. O valor proposto é realçado. 

Advertência
Sempre forneça o IBW apropriado para o paciente. O sistema usa o
IBW do paciente para definir automaticamente determinados
valores, limites de alarmes e delimitadores para diversos
parâmetros iniciais. (Os valores de IBW relacionados ao peso do
paciente estão listados nas Tabelas 4-1 e 4-2.) Se mudar o IBW para
um novo valor, todas as configurações não aplicáveis atualmente
serão automaticamente ajustadas, se necessários, para seus valores
de Novo Paciente ou para o valor mínimo ou máximo permitido
para o novo IBW. 

MO 4-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

Tipo de vent.: Determina o tipo de ventilação


• INVASIVA — ventilação convencional usando tubos endotraqueal
(ET) ou de traqueostomia (trach)
• NIV (não-invasiva) — ventilação que utiliza máscara facial total,
máscara nasal, cânula nasal infantil ou tubos ET sem manguito
(consulte a Seção 4.12 para obter informações específicas sobre
como usar a ventilação NIV)
Modo: Determina o tipo e a seqüência de fornecimento da respiração
• A/C (Assistida/Controlada)
• SIMV (Ventilação mandatória, intermitente e sincrônica)
• SPONT (Espontânea)
• CPAP (pressão positiva contínua nas vias aéreas, disponível apenas com
a opção de software NeoMode quando o tipo de ventilação é NIV) 
• BILEVEL (disponível apenas com a opção de software BiLevel
quando o tipo de ventilação é INVASIVA)
Tipo mandatório: Determina o tipo de controle de respiração
mandatória
• PC (Controlada por pressão)
• VC (Controlada por volume)
• VC+ (Volume Control Plus disponível apenas com a opção de software
Volume Ventilation Plus (VV+) quando o Tipo de ventilação é INVASIVA) 
(Se o Modo selecionado for ESPONT, o Tipo mandatório será aplicado
somente às inspirações manuais.)
Tipo espontâneo: Determina o tipo de suporte para as respirações
espontâneas
• PS (Pressão de suporte)
• TC (compensação de tubo disponível apenas com a opção de
software TC quando o tipo de ventilação é INVASIVA)
• VS (volume de suporte disponível apenas com a opção de software
VV+ quando o tipo de ventilação é INVASIVA)
• PA (Proportional Assist™* disponível apenas com a opção de
software PAV™*+ quando o tipo de ventilação é INVASIVA)
• NENHUM

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-5


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

(Se o Modo selecionado for A/C, o botão Tipo espontâneo não


aparecerá.)
Tipo de disparo: Determina o método usado para detectar o esforço
inspiratório do paciente
• P-TRIG (Pressão) (não disponível quando o tipo de ventilação é NIV
ou quando se usa a opção NeoMode)
• V-TRIG (Fluxo)
3. Toque no botão e gire o botão do aparelho para definir as configurações
desejadas. Ao concluir as alterações na configuração, toque em
CONTINUAR. (Você deve tocar primeiro no botão IBW para que o botão
CONTINUAR seja exibido.) 
4. A tela final Configurações de novo paciente aparece. Toque no botão
de cada parâmetro a ser alterado, depois, gire o botão do aparelho para
selecionar o valor apropriado. Para cancelar essa alteração, pressione
a tecla LIMPAR. Para cancelar todas as alterações e recomeçar, toque
no botão REINICIAR.

OBSERVAÇÃO:
O parâmetro de controle do ventilador que está sendo definido pode
depender de outras configurações do ventilador que determinem
seus limites. Consulte a área de aviso na tela inferior da GUI
(Figura 1-2) para obter mais informações.

5. Pressione ACEITAR para efetivar todas as configurações de controle


do ventilador. A ventilação normal é iniciada assim que o paciente
é conectado.
6. A tela Config de Apnéia aparece. As configurações de apnéia são
automaticamente determinadas com base no IBW, no tipo de circuito e
no tipo de respiração mandatória, mas podem ser alteradas. Se você alterar
alguma configuração de apnéia, pressione ACEITAR para que ela seja aplicada.
Embora não seja necessário alterar ou confirmar as configurações de
apnéia, você deve verificar se elas são apropriadas para o paciente antes
de iniciar a ventilação.
7. Pressione o botão CONFIG ALARME para visualizar as configurações de limite
de alarme atuais na tela Config Alarme. Certifique-se de que essas
configurações sejam apropriadas para o paciente. Para alterar qualquer
limite, toque no botão e gire o botão do aparelho. Para cancelar, toque em
ALARME PROPOSTO. Para aplicar as configurações, pressione a tecla ACEITAR.

MO 4-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

8. Você pode optar por calibrar o sensor de oxigênio do ventilador nessa


etapa. Pressione a tecla 100% O2 / CAL 2 min ou AUMENTAR O2 2 min,
localizada no teclado abaixo das telas sensíveis ao toque. Consulte a
página RT 15-5 para mais informações sobre como calibrar o sensor
de oxigênio. 
Durante a calibração do sensor de oxigênio, o ventilador fornece 100%
de oxigênio (se disponível) por dois minutos e calibra o sensor
de oxigênio na unidade de fornecimento de respiração (BDU).
O ventilador sempre monitora o fornecimento de oxigênio para o
paciente, a não ser que você desative o sensor de oxigênio. Toque
no botão MAIS CONFIGURAÇÕES para acessar as funções de ativação
ou desativação do sensor de oxigênio.
9. Após aceitar os parâmetros de controle do ventilador, você pode conectar
o paciente ao ventilador. A ventilação só é iniciada quando o ventilador
detecta que o paciente está conectado.
Se você conectar um paciente antes de concluir a configuração, o ventilador
será iniciado no modo de ventilação de segurança e emitirá um alarme
de PROCEDIMENTO ERRADO que será redefinido quando a configuração
do paciente for concluída.

Advertência
Cada tipo de circuito do paciente é apropriado para uma faixa
específica de valores de IBW. Essas informações estão resumidas
na Tabela 4-4.
As variações recomendadas existem para garantir a segurança
do paciente. Somente profissionais capacitados para avaliar as
circunstâncias apropriadas devem ignorar essas variações
recomendadas.

4.2.3 Dados do paciente e configurações atuais


A parte superior da tela superior mostra os dados vitais do paciente.
(Os dados fora da faixa ficam piscando para alertá-lo.) O tipo de respiração
atual é indicado no canto superior esquerdo.
• C = Controlada
• S = Espontânea
• A = Assistida

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-7


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

É possível acessar dados adicionais do paciente ao se tocar no botão MAIS


DADOS DO PACIENTE.

Você pode exibir as definições de qualquer símbolo usado nos dados do


paciente, no registro de alarmes ou nas áreas de configuração tocando
no símbolo. As definições dos símbolos aparecem na parte inferior da tela
inferior.
As configurações atuais de controle do ventilador são exibidas na parte superior
da tela inferior (Figura 4-6). Se você pressionar a tecla 100% O2/CAL 2 min ou a
tecla AUMENTAR O2 2 min, a tela inferior exibirá automaticamente o indicador de
EM ANDAMENTO. Se você tocar na tecla Silêncio do Alarme, o indicador de EM
ANDAMENTO aparecerá se não houver outra exibição de maior prioridade ativa.
Pressione o botão CANCELAR para qualquer um dos indicadores para cancelar o
silêncio do alarme ou a calibração do sensor de oxigênio que está em
andamento.

MO 4-8 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

Área de dados vitais do paciente

Tipo de
respiração
(C = Controlada)

Área de
alarme

Dados do
paciente
(tela superior)

Área da subtela

Principais
configurações
de controle do
ventilador

Configurações do
ventilador
(tela inferior)

Área da subtela

Figura 4-3. Aparência da tela durante a ventilação normal


(mostrada com silêncio do alarme e 100% O2/CAL em andamento)

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-9


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

4.2.4 Peso ideal (IBW)


Inicialmente, o sistema define os limites superiores e inferiores com base no
IBW do paciente. Após fornecer o IBW, revise e altere essas configurações de
alarme, conforme necessário. As Tabelas 4-1 e 4-2 fornecem as informações
necessárias para determinar o IBW do paciente, usando a altura do mesmo.
O valor de Novo Paciente é o valor máximo de diâmetro interno do tubo para
o IBW escolhido na Tabela 4-3. 

Tabela 4-1: Determinação do peso ideal (IBW) com base


na altura do paciente (cm para kg)

Altura do Altura do Altura do


IBW IBW
paciente IBW (kg) paciente paciente
(kg) (kg)
(cm) (cm) (cm)

52 3,5 92 14 129 31

55 4 95 15 131 32

57 4,5 98 16 133 33

60 5 100 17 134 34

62 5,5 103 18 136 35

65 6 105 19 138 36

67 6,5 107 20 139 37

69 7 110 21 141 38

71 7,5 112 22 142 39

73 8 114 23 144 40

75 8,5 116 24 145 41

77 9 118 25 147 42

79 9,5 120 26 148 43

80 10 122 27 150 44

84 11 124 28 151 45

87 12 126 29 153 46

90 13 127 30 154 47

MO 4-10 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

Tabela 4-1: Determinação do peso ideal (IBW) com base


na altura do paciente (cm para kg) (cont.)

Altura do Altura do Altura do


IBW IBW
paciente IBW (kg) paciente paciente
(kg) (kg)
(cm) (cm) (cm)

155 48 182 70 204 92

157 49 183 71 205 93

158 50 184 72 206 94

159 51 185 73 207 95

161 52 186 74 208 96

162 53 187 75 209 97

163 54 188 76 210 98

164 55 189 77 211 99

166 56 190 78 211 100

167 57 192 79 212 101

168 58 193 80 213 102

169 59 194 81 214 103

171 60 195 82 215 104

172 61 196 83 216 105

173 62 197 84 217 106

174 63 198 85 218 107

175 64 198 86 218 108

176 65 199 87 219 109

178 66 200 88 220 110

179 67 201 89 221 111

180 68 202 90 222 112

181 69 203 91 223 113

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-11


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

Tabela 4-1: Determinação do peso ideal (IBW) com base


na altura do paciente (cm para kg) (cont.)

Altura do Altura do Altura do


IBW IBW
paciente IBW (kg) paciente paciente
(kg) (kg)
(cm) (cm) (cm)

223 114 234 127 244 140

224 115 235 128 244 141

225 116 235 129 245 142

226 117 236 130 246 143

227 118 237 131 247 144

228 119 238 132 247 145

228 120 238 133 248 146

229 121 239 134 249 147

230 122 240 135 249 148

231 123 241 136 250 149

232 124 241 137 251 150

232 125 242 138

233 126 243 139

MO 4-12 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

Tabela 4-2: Determinação do IBW com base na altura do paciente


(pés, polegadas para libras)

Altura do paciente Altura do paciente


IBW IBW
(libras) (libras)
pés polegadas pés polegadas

1 9 8 3 6 44

1 10 9 3 7 46

1 11 10 3 8 49

2 0 11 3 9 51

2 1 13 3 10 53

2 2 14 3 11 57

2 3 15 4 0 60

2 4 17 4 1 62

2 5 18 4 2 66

2 6 19 4 3 68

2 7 21 4 4 71

2 8 22 4 5 75

2 9 24 4 6 79

2 10 26 4 7 82

2 11 29 4 8 86

3 0 31 4 9 90

3 1 33 4 10 93

3 2 35 4 11 97

3 3 37 5 0 101

3 4 40 5 1 104

3 5 42 5 2 108

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-13


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

Tabela 4-2: Determinação do IBW com base na altura do paciente


(pés, polegadas para libras) (cont.)

Altura do paciente Altura do paciente


IBW IBW
(libras) (libras)
pés polegadas pés polegadas

5 3 112 7 1 231

5 4 117 7 2 238

5 5 121 7 3 245

5 6 126 7 4 251

5 7 130 7 5 258

5 8 134 7 7 269

5 9 141 7 8 278

5 10 146 7 9 287

5 11 150 7 10 293

6 0 154 7 11 300

6 1 161 8 0 309

6 2 165 8 1 317

6 3 172 8 2 324

6 4 176 8 3 331

6 5 183

6 6 187

6 7 194

6 8 201

6 9 207

6 10 212

6 11 218

7 0 225

MO 4-14 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

Tabela 4-3: Faixas de limites flexíveis para peso ideal e diâmetro


interno (DI) do tubo

IBW (kg) Low ID tubo valor em mm ID Alta tubo valor em mm

< 7,0 Neste IBW, ID tubo não Neste IBW, ID tubo não
é um cenário admissível é um cenário admissível

7-10 Nenhum 4,5

11-13 Nenhum 5,0

14-16 Nenhum 5,5

17-18 Nenhum 6,0

19-22 5,0 6,0

23-24 5,0 6,5

25-27 5,5 6,5

28-31 5,5 7,0

32-35 6,0 7,0

36 6,0 7,5

37-42 6,5 7,5

43-49 6,5 8,0

50 7,0 8,0

55 7,0 8,5

60 7,0 9,0

65 7,5 9,0

70 7,5 9,5

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-15


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

Tabela 4-3: Faixas de limites flexíveis para peso ideal e diâmetro


interno (DI) do tubo (cont.)

IBW (kg) Low ID tubo valor em mm ID Alta tubo valor em mm

75 8,0 9,5

80-100 8,0 Nenhum

110-130 8,5 Nenhum

140-150 9,0 Nenhum

O tipo de circuito do paciente especificado durante o SST (auto teste rápido)


determina diversas configurações padrão e as faixas disponíveis para
operação do ventilador (Tabela 4-4). 

Tabela 4-4: Circuito do paciente e valores de IBW

Recomendação Peso ideal (IBW) em kg (lb)

Recomendado Circuito de pacientes recém-nascidos (neonatal):


0,3 a 7,0 kg (0,66 a 15 lb)1*
Circuito de paciente pediátrico: 7,0 a 24 kg
(15 a 53 lb)
Circuito de paciente adulto: 25 a 150 kg (55 a 330 lb)
*A faixa de IBW pressupõe que a opção de software
NeoMode 2.0 esteja instalada 

Permitido mas não Circuito de pacientes recém-nascidos (neonatal):


recomendado (operador Não aplicável.
precisa usar a função Circuito de paciente pediátrico: 3,5 a 6,5 kg
ignorar) (7,7 a 14,3 lb) e 25 a 35 kg (55-77 lb)
Circuito de paciente adulto: 7,0 a 24 kg (15 a 53 lb)

1. Para usar um circuito de paciente recém-nascido, o ventilador deve ter a opção de software
NeoMode e o hardware NeoMode instalados.

MO 4-16 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

4.3 Alteração dos parâmetros de controle principais do ventilador


Os principais parâmetros de controle do ventilador são os botões exibidos
na parte superior da tela inferior. Siga estas etapas para alterar os principais
parâmetros:
1. Toque no botão do parâmetro a ser alterado.
2. Gire o botão do aparelho para definir o valor desejado. Para cancelar essa
alteração, pressione a tecla LIMPAR para retornar ao valor anterior. 
3. Repita as etapas 1 e 2 para cada parâmetro a ser alterado.
4. Para cancelar as alterações, pressione o botão CANCELAR TUDO ou
pressione ACEITAR para aplicar os novos parâmetros de controle do
ventilador.
A tela inferior exibirá os parâmetros de controle monitorados (Tabela 4-5)
se você selecionar ou alterar outros parâmetros de controle que os afetem. 

Tabela 4-5: Parâmetros de controle monitorados do ventilador


Definir volume Exibido junto com a barra de definição de tempo de
por minuto respiração sempre que você seleciona ou altera a freqüência
(VE SET ) respiratória (f ) ou os parâmetros de controle de volume.

Relação de Exibido quando você seleciona ou altera o volume corrente


volume por peso (VT , quando o tipo de respiração é VC) ou o volume
(VT/IBW) pretendido (VT , quando o tipo de respiração é VC+).

VT SUPP/IBW Relação de volume por peso: exibido quando você seleciona


ou altera o parâmetro de controle do volume de suporte
pretendido (VT SUPP, quando o tipo de respiração é VS).

4.4 Outras alterações de parâmetro


1. Toque no botão CONFIG VENT na tela inferior. A tela Config Vent atual
aparece.
2. Para alterar a configuração de ventilação (IBW, tipo de ventilação, modo, tipo
de respiração mandatória, tipo espontâneo ou tipo de/disparo), toque no
botão correspondente e, em seguida, gire o botão do aparelho para definir
o valor. As alterações propostas são realçadas. Para cancelar a alteração mais
recente, pressione a tecla LIMPAR para retornar à configuração anterior.
Pressione CONFIGURAÇÃO PROPOSTA para cancelar todas as alterações e
recomeçar.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-17


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

Uma vez que altere o IBW, você não pode mudar o modo, tipo de ventilação,
tipo mandatório ou tipo espontâneo; entretanto, pode alterar o tipo de
(disparo). Se retornar o IBW a seu valor original, você pode alterar qualquer
uma das configurações de controle principais novamente. De forma análoga,
se alterar qualquer uma das configurações de controle principais, a GUI
impede-o de alterar o IBW até que você retorne as configurações de controle
principais a seus valores originais. Além disso, se estiver ventilando com TC ou
PA como o tipo espontâneo, você deve se assegurar de que o diâmetro
interno (DI) do tubo especificado seja apropriado para o novo IBW. 

OBSERVAÇÃO:
• A intenção de permitir que o IBW seja alterado é que as configurações
do ventilador não sejam alteradas automaticamente. Uma exceção é
quando o DI do tubo é inferior a 6 mm.
• Dadas as configurações atuais do ventilador, se a PAV™* for, de
outra forma, um tipo espontâneo permitido (exceto se o DI do tubo
< 6 mm), então PAV™* se torna selecionável.
• Se PAV™* for selecionada quando o DI do tubo < 6 mm, o DI do tubo
é configurado automaticamente para seu valor de Novo Paciente,
com base no novo IBW (consulte a Tabela 4-3 para faixas de DI do
tubo e IBW correspondentes).
Um ícone de atenção para o DI do tubo (seja novo ou inalterado) é
exibido sempre que PAV™* é selecionada. 

3. Após fazer quaisquer alterações necessárias, toque em CONTINUAR.


As configurações apropriadas que você selecionou para o ventilador
aparecem na tela inferior. 
4. Para cada configuração do ventilador a ser alterada, toque no botão
correspondente e, em seguida, gire o botão do aparelho para selecionar
o valor apropriado. Para cancelar esse valor, pressione a tecla LIMPAR.
Pressione CONFIGURAÇÃO PROPOSTA para cancelar todas as alterações e
recomeçar.
5. Depois que tiver feito todas as alterações necessárias, revise os
parâmetros de controle e pressione ACEITAR, para aplicar todos os novos
parâmetros de controle ao mesmo tempo. 

MO 4-18 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

OBSERVAÇÃO:
Depois que as alterações forem efetivadas, o botão
CONFIG ANTERIOR aparecerá na tela inferior quando você
pressionar CONFIG VENT. Isso possibilita que você
restaure toda a configuração anterior (incluindo
configurações de alarme e de apnéia) vigente no
momento imediatamente anterior às alterações
efetuadas com a tela Config Vent. Para restaurar a
configuração anterior, toque em CONFIG ANTERIOR e
pressione ACEITAR.

4.5 Variável de constante de tempo durante alterações


na frequência
Se o tipo de respiração mandatória na configuração do ventilador for
controlada por pressão (PC) ou VC+, ou se você tiver selecionado o modo
BILEVEL, será possível selecionar uma das três variáveis de tempo disponíveis
para ser mantida como constante quando a freqüência respiratória sofrer
alguma alteração. A variável de tempo selecionada é aquela que se mantém
constante durante as alterações da freqüência e também é a única das três
variáveis de tempo que você pode ajustar diretamente. 
As três variáveis de tempo disponíveis para respirações mandatórias PC ou
VC+ são definidas:
• TI representa o tempo inspiratório. Essa variável de tempo determina o
intervalo inspiratório para respirações mandatórias PC.
• I:E representa a relação entre o tempo de inspiração e o tempo de
expiração. Essa variável de tempo determina a relação entre o tempo
de inspiração e o tempo de expiração para respirações mandatórias PC.
• TE representa o tempo expiratório. Essa variável de tempo determina
a duração da expiração para respirações mandatórias PC.
As três variáveis de tempo disponíveis o modo BILEVEL são definidas:
• TH representa o intervalo de tempo para o nível de PEEP alta (PEEPH).
• TH:TL determina a relação entre o intervalo de tempo de PEEP alta e o
intervalo de tempo de PEEP baixa para respirações BiLevel.
• TL representa o intervalo de tempo para o nível de PEEP baixa (PEEPL).

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-19


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

Siga estas etapas para visualizar ou alterar a variável de tempo que se


mantém constante durante as alterações da freqüência respiratória:
1. Toque em CONFIG VENT.
2. Toque em CONTINUAR. A tela inferior exibe um gráfico da barra de
definições tempo da respiração, com um ícone de cadeado acima
de cada uma das três variáveis de tempo (Figura 4-4).

VEN_10742_A

TI ou TH I:E ou TE ou TL
TH:TL

Figura 4-4. TI (ou TH) selecionada como constante durante alteração


da freqüência

3. Toque no ícone de cadeado da variável de tempo que você deseja que seja
constante quando a configuração da freqüência respiratória sofrer alguma
alteração. O ícone de cadeado da sua seleção não deve estar fechado, como
o que aparece acima da variável de tempo TI/TH na Figura 4-4.
Além disso, o valor atual da variável de tempo selecionada aparece
realçado no gráfico de definições de tempo da respiração, e tanto o
nome dessa variável quanto seu valor atual são exibidos em uma caixa
realçada abaixo do parâmetro de controle do ventilador PC.
4. Gire o botão do aparelho para ajustar o valor da variável constante
de tempo.

5. Verifique a variável de tempo selecionada e seu valor. Se necessário,


faça alterações e pressione ACEITAR.

MO 4-20 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

OBSERVAÇÃO:
É possível alterar o valor da variável de tempo constante
quando desejado; entretanto, o valor não será alterado se
houver mudanças na configuração da freqüência
respiratória. Por exemplo, mesmo que você selecione TI
para permanecer constante durante a alteração da
freqüência, será possível alterar o valor de TI. Do
contrário, o valor de TI não será alterado (e os valores de I:E
e TE serão alterados) quando você alterar a configuração
da freqüência respiratória. Isso também é verdadeiro para
as variáveis BiLevel TH, TH:TL, e TL.

4.6 Alteração das configurações de ventilação de apneia


1. Toque no botão CONFIG. DE APNÉIA na tela inferior. A tela atual
Config. de Apnéia aparece.
2. Se você selecionar a configuração de tipo de ventilação mandatória de
apnéia (botão MUDAR VC/PC), aparecerá um botão indicando a configuração
atual de tipo de ventilação mandatória. Toque no botão para visualizar um
menu suspenso das opções disponíveis com a seleção atual realçada. Se
desejar, gire o botão do aparelho para selecionar um novo tipo de ventilação
mandatória e pressione CONTINUAR para visualizar as configurações
aplicáveis ao tipo selecionado de ventilação mandatória de apnéia.
3. Para cada configuração a ser alterada, toque no botão correspondente e,
em seguida, gire o botão do aparelho para selecionar o valor apropriado.
As alterações propostas são realçadas. Pressione APNÉIA PROPOSTA para
cancelar as alterações e recomeçar.

OBSERVAÇÃO:
O botão MUDAR VC/PC desaparece quando você altera outras
configurações de apnéia até que a tecla ACEITAR seja pressionada
para aplicar as alterações.

4. Depois que tiver feito todas as alterações desejadas, verifique as


configurações e pressione ACEITAR para aplicar todas as novas
configurações ao mesmo tempo.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-21


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

4.7 Configuração dos alarmes


Inicialmente, o sistema define a maioria das configurações de alarme com
base no IBW do paciente. Você deve verificar todas as configurações de
alarme, mas não precisa confirmar ou alterar nada na inicialização.
1. Toque no botão CONFIG ALARME (tela inferior) para visualizar a
configuração atual de alarme (veja a Figura 4-5). O indicador à esquerda
de cada barra mostra o valor atual dos dados do paciente para cada
parâmetro e os blocos realçados representam a variação recente de
dados correspondentes do paciente. Os botões à direita de cada barra
mostram os limites de alarme para cada parâmetro.
2. Toque no botão de cada limite de alarme a ser alterado.
3. Gire o botão do aparelho para definir o valor desejado (o botão do limite
de alarme ativo muda para mais ou para menos com o valor
selecionado). Os valores propostos são realçados. Você pode alterar mais
de uma configuração de alarme antes de aplicar as alterações. Para
cancelar a alteração mais recente, pressione a tecla LIMPAR para retornar à
configuração anterior. Pressione ALARME PROPOSTO para cancelar todas
as alterações e recomeçar.

OBSERVAÇÃO:
• Não pode haver conflito entre os limites superiores e
inferiores de um alarme.
• Os limites superiores para os alarmes de volume corrente
expirado no modo espontâneo e o volume corrente
expirado no modo mandatório sempre têm o mesmo
valor. A alteração do limite superior de um alarme altera
automaticamente o limite superior do outro.

MO 4-22 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

VEN_10743_A

Figura 4-5. Configuração de alarme

4. Depois que tiver feito todas as alterações desejadas e tiver verificado


as configurações, pressione ACEITAR para aplicá-las.
Você pode tocar no botão CONFIG ALARME a qualquer momento durante a
ventilação para exibir os limites atuais e os valores monitorados do paciente
(dentro das setas brancas na Figura 4-5) para cada limite de alarme.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-23


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

4.8 Alteração de outras configurações


O botão Outras Telas permite configurar as portas de comunicação
(RS-232), definir ou alterar a data e a hora, e acessar as configurações
do umidificador, do sensor de oxigênio (O2) e da sensibilidade de
desconexão.
Para configurar as portas de comunicação, consulte o Apêndice E Portas
de alarme remoto e RS-232.
O botão para Alterar data/hora permite definir a hora e a data atuais.
O formato de data é selecionável e inclui uma verificação do número
correto de dias de cada mês. Por exemplo, você não pode inserir
30 de fevereiro. 
Os formatos de data disponíveis são:
DD MMM ‘AA (DD.MM) (padrão)
‘AA MMM DD (MM-DD)
‘AA/MM/DD (MM-DD)
MM/DD/’AA (MM-DD)
MM/DD/’AA (MM/DD)
DD/MM/’AA (DD.MM) 
A hora é mostrada com os minutos, no formato de 24 horas.
Para definir ou alterar a data e a hora:
1. Toque no botão Outras Telas e, em seguida, toque no botão para
Alterar data/hora.
2. Toque no botão Formato de Data e gire o botão do aparelho para
selecionar o formato de data desejado. 
3. Toque no botão correspondente e gire o botão do aparelho para
alterar os valores de dia, mês, ano, hora e minuto. Para cancelar as
alterações, toque novamente no botão Outras Telas.
4. Pressione ACEITAR para aplicar as novas configurações.
O botão Mais Configurações exibe as configurações que normalmente
não sofrem alterações. Há três configurações disponíveis:
• Tipo de umidificação
• Sensor de oxigênio (O2)

MO 4-24 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

• DSENS (sensibilidade de desconexão)


Para alterar o tipo de umidificação, o volume do umidificador (para
umidificadores não-HME) ou a sensibilidade de desconexão (DSENS) ou para
ativar ou desativar o sensor de O2 e para alterar o tipo de tubo ou o diâmetro
interno do tubo ao usar a opção TC, siga estas etapas:
1. Toque no botão Outras telas, depois toque no botão Mais Configurações.
2. Toque no botão do parâmetro a ser alterado, depois, gire o botão do
aparelho para definir o valor apropriado. (É possível alterar vários
parâmetros e depois aplicar todas as alterações de uma só vez.)
Para os umidificadores não-HME, toque no botão de volume do
umidificador e, em seguida, gire o botão do aparelho para selecionar o
volume de umidificador a seco. (O botão de volume do umidificador não
está visível quando HME está selecionado.)
Para manter as configurações inalteradas, toque novamente no botão
Outras Telas.
3. Verifique os parâmetros propostos.
4. Pressione ACEITAR para aplicar as novas configurações.

4.9 Manobras de pausa expiratória


Ao pressionar a tecla PAUSA EXP, você veda o circuito de respiração durante a
fase expiratória de determinada respiração. A respiração em questão pode
ser mandatória ou espontânea e deve ser seguida por uma inspiração
mandatória. A manobra de pausa expiratória permite que a pressão nos
pulmões do paciente se equilibre à pressão existente no circuito de
respiração do ventilador, e resulta em pressão elevada no circuito se a PEEP
intrínseca (PEEPI) estiver presente. A pausa expiratória é usada para estimar a
PEEPTOT e a PEEPI.
Há dois tipos de manobras de pausa expiratória:
• Uma pausa automática começa quando você pressiona momentaneamente
a tecla PAUSA EXP. A manobra de pausa automática continua até que a
pressão se estabilize. A pausa expiratória automática leva no mínimo
0,5 segundo e não excede 3,0 segundos. 
A manobra de pausa expiratória automática é mais apropriada para
os pacientes cujas vias aéreas permanecem abertas durante a expiração.
Para cancelar uma manobra de pausa expiratória automática, pressione
o botão CANCELAR na tela inferior.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-25


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

• A pausa manual é iniciada quando você mantém pressionada a tecla


PAUSA EXP. A pausa expiratória manual continua até que você solte a tecla,
por no máximo 20 segundos.
A manobra de pausa expiratória manual é mais apropriada para os pacientes
cujo fluxo expiratório final mais próximo mostre sinais de obstrução.
Os últimos gráficos selecionados são exibidos e congelados quando começa
uma manobra de pausa expiratória, para que você possa ver quando a
pressão expiratória se estabiliza. Ao final da manobra, o sistema exibe os
valores da PEEPI e da PEEPTOT.

OBSERVAÇÃO:
• Se o paciente disparar respirações durante o período de
espera, antes do início da manobra de pausa expiratória, o
ventilador aguardará aproximadamente um minuto
enquanto ele detecta as condições apropriadas para
iniciar a manobra. Se as condições não forem atingidas
durante o período de espera, o ventilador cancelará a
manobra.
• Se o paciente iniciar uma respiração ou ocorrer um
alarme durante a manobra de pausa expiratória, o
ventilador cancelará a manobra e retornará à ventilação
normal. Aparece uma mensagem nos gráficos,
indicando que a manobra foi cancelada.

4.10 Manobras de pausa inspiratória


Quando você pressiona a tecla PAUSA INSP, o circuito de respiração é vedado
após o término da fase de fornecimento de gás de determinada inspiração
mandatória com base em volume ou pressão. Isso permite que a pressão nos
pulmões se equilibre à pressão existente no circuito de respiração, o que
resulta em uma pressão de platô. A manobra de pausa inspiratória começa no
final do fornecimento de gás (respiração VC) ou quando o tempo inspiratório
definido (TI) acaba (respiração PC ou VC+). A manobra começa ao final da fase
de fornecimento de gás da respiração atual ou da próxima respiração.
Essa manobra possibilita medir a complacência estática pulmonar-torácica
(CSTAT ), a resistência estática (RSTAT ) e a pressão de platô (PPL) do paciente ou
manter os pulmões inflados.

MO 4-26 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

Há dois tipos de manobra de pausa inspiratória:


• Uma pausa automática começa quando você pressiona momentaneamente a
tecla PAUSA INSP. A manobra de pausa automática continua até que a pressão
se estabilize, dura no mínimo 0,5 segundo e não excede 2,0 segundos. 
Use a pausa automática para medir a CSTAT, RSTAT (somente em respirações
VC, com onda quadrada), e a PPL. Para cancelar uma manobra de pausa
inspiratória automática, pressione o botão CANCELAR na tela inferior.
• A pausa manual começa quando você mantém pressionada a tecla
PAUSA INSP e continua até que você solte a tecla PAUSA INSP, por no
máximo 7 segundos.
Use a pausa manual para manter a inflação do pulmão, por exemplo,
durante um procedimento de raio-x.
Se você selecionar um tempo de platô (TPL), será possível estender a pausa
inspiratória ou o TPL. Por exemplo, durante uma pausa automática, o TPL pode
ser estendido para até 2,0 segundos. Se o TPL exceder 2,0 segundos e a
manobra de pausa terminar antes que o TPL acabe, o platô permanecerá por
todo o intervalo de TPL. Durante uma pausa manual, a pausa dura o tempo da
configuração de TPL ou do intervalo manual, mas nunca mais de 7 segundos.
É possível calcular a CSTAT e a RSTAT com dados válidos. Por exemplo, um
vazamento pode impedir que o platô seja tingido ou pode ser que os
pulmões não estejam vazios no início de uma inspiração. Enquanto a
manobra de pausa está em andamento, o software verifica a qualidade dos
dados e indica quando as estimativas de CSTAT e RSTAT são questionáveis.
Os últimos gráficos selecionados são exibidos e congelados quando começa
uma manobra de pausa inspiratória, para que você possa avaliar quando a
pressão inspiratória se estabiliza. A PPL é continuamente atualizada e exibida
durante a pausa inspiratória. A CSTAT e a RSTAT são exibidas no início da
próxima fase inspiratória. O valor da RSTAT é calculado e exibido apenas
quando o tipo de respiração mandatória é VC com forma de onda de fluxo
quadrada.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-27


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

4.11 Interpretação dos resultados da manobra de pausa


A complacência (CSTAT ) é uma estimativa da elasticidade dos pulmões do
paciente, é expressa em mL/cmH2O. A resistência (RSTAT ) corresponde à
resistência inspiratória total pelo sistema respiratório e pelas vias aéreas
artificiais. É uma estimativa do grau de restrição das vias aéreas do
paciente, baseada na queda de pressão em determinado fluxo. É expressa
em cmH2O/L/segundo. Esses valores são calculados durante uma pausa
inspiratória iniciada pelo operador, em que as válvulas inspiratórias e
expiratórias são fechadas. A CSTAT é calculada durante uma respiração
mandatória. A RSTAT é calculada durante uma respiração VC mandatória
com forma de onda quadrada.
Se o software determinar que as variáveis nas equações ou os valores
resultantes de CSTAT ou RSTAT estiverem fora dos limites, ele identificará
os valores questionáveis de CSTAT e RSTAT com formatação especial e
mensagens de texto: 
CSTAT xxx
ou
RSTAT yyy
Se o software determinar que as variáveis nas equações ou os valores resultantes
de CSTAT ou RSTAT estiverem fora dos limites, ele identificará os valores
questionáveis de CSTAT e RSTAT com formatação especial e mensagens de texto:
• Parênteses ( ) indicam valores questionáveis de CSTAT ou RSTAT, derivados
de variáveis questionáveis.
• Valores intermitentes de CSTAT ou RSTAT estão fora dos limites.
• Asteriscos (******) indicam que as variáveis estão abaixo dos limites
de nível de ruído. 
• RSTAT(------) indica que não foi possível calcular a resistência porque a
respiração não era do tipo VC mandatória com forma de onda de fluxo
quadrada.
Consulte a Seção 14.12 na parte de Referência Técnica deste manual para
obter informações detalhadas sobre complacência e resistência estáticas.
A Tabela 14-1 resume o significado e as possíveis ações corretivas para as
CSTAT e RSTAT exibidas.

MO 4-28 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

4.12 Utilização da NIV


Ao configurar ou alterar os parâmetros de controle de ventilação, é preciso
selecionar NIV (ventilação não-invasiva) usando o botão TIPO DE VENT. que
aparece nas telas Configuração de Novo Paciente ou Configuração Atual.
Selecionar NIV permite uma ventilação com várias interfaces não-invasivas e
com tubos endotraqueais sem manguito em NeoMode.

4.12.1 Utilização da NIV


A NIV deve ser utilizada com pacientes recém-nascidos, pediátricos e adultos
que tenham acoplamento neuro-ventilatório adequado e estímulo
respiratório sustentável e estável.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-29


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

4.12.2 Interfaces de respiração da NIV


A Covidien testou com êxito as seguintes interfaces não ventiladas com NIV:
Máscara facial total: Máscara facial total Benefit Covidien™ (grande, número
de peça 4-005253-00), Máscara facial total não ventilada ResMed Mirage™*
(média)
Máscara nasal: Máscara não ventilada ResMed Ultra Mirage™* (média)
Cânula nasal infantil: Cânula nasal de PCPVA Sherwood Davis & Geck
Argyle™* (pequena), Sistema nasal infantil de PCPVA Hudson RCI™* (No. 3)
Tubo endotraqueal neonatal sem manguito: Tubo endotraqueal sem
manguito Mallinckrodt™, Murphy (3,0 mm)

Advertência
• Utilize apenas interfaces para paciente não ventiladas com a NIV.
• As máscaras faciais totais usadas para ventilação não-invasiva
devem fornecer visibilidade do nariz e da boca do paciente para
reduzir o risco de aspiração de vômito.
• Não ventile pacientes com tubo endotraqueal ou de traqueostomia
com manguito usando o tipo de ventilação NIV.

MO 4-30 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

4.12.3 Configuração de NIV


A NIV pode ser iniciada na tela Configuração de Novo Paciente durante o início
da ventilação ou enquanto o paciente estiver sendo ventilado invasivamente.
A Figura 4-6 mostra a tela de Configuração de Novo Paciente quando o tipo
de ventilação selecionado é NIV.

2 5

1. Botão Tipo de vent.: Novo botão utilizado para selecionar entre INVASIVA e
NIV.
2. Modo de respiração: Somente os modos A/C, SIMV e ESPONT são
permitidos com NIV.
3. Tipo mandatório: Somente VC e PC ficam disponíveis com NIV.
4. Tipo espontâneo: Somente PS ou NENHUM ficam disponíveis com NIV
quando o modo de respiração SIMV ou SPONT está selecionado.
5. Tipo de disparo: Somente o disparo de fluxo fica disponível com NIV.

Figura 4-6. Tela de configuração de novo paciente — NIV

Consulte as seções “Alteração do tipo de ventilação INVASIVA para NIV” na


página 36, e “Alteração do tipo de ventilação NIV para INVASIVA” na página 37, para
obter informações sobre as alterações que ocorrem na configuração
automática quando se alternar entre os tipos de ventilação. 

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-31


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

Siga estas etapas a fim de configurar o ventilador para NIV:

Para configurar para um novo Para configurar para um paciente


paciente: que está sendo ventilado:

1. Ligue o ventilador. 1. Toque no botão CONFIG VENT.


Prossiga para a etapa 3.
2. Selecione NOVO PACIENTE.
3. Insira o IBW (peso ideal) do paciente.
4. Toque no botão TIPO DE VENT. e gire o botão do aparelho para alterar para
NIV.
5. Toque no botão MODO e gire o botão do aparelho para selecionar AC, SIMV ou
ESPONT. (O modo BILEVEL não fica disponível com a NIV).
6. Toque no botão TIPO MANDATÓRIO e gire o botão do aparelho para escolher
controlada por pressão (PC) ou controlada por volume (VC). (VC+ não fica
disponível com a NIV.)
7. Se SIMV ou ESPONT tiver sido selecionado na etapa 5, toque no botão TIPO
ESPONTÂNEO e gire o botão do aparelho para selecionar PS ou NENHUM.
(TC, PA, e VS não ficam disponíveis com a NIV.)

OBSERVAÇÃO:
Com NIV selecionada como o tipo de ventilação, o único tipo de disparo
permitido é o disparo por fluxo (V -TRIG).

8. Pressione CONTINUAR e ajuste as configurações conforme necessário. Veja a


Seção 4.12.4, abaixo, para informações sobre a configuração de limite de
tempo inspiratório espontâneo máximo do ventilador. 

OBSERVAÇÃO:
Com NIV selecionada como o tipo de ventilação, o botão
SENSIBILIDADE DE DESCONEXÃO (D SENS) aparece na tela Configurações
definido como OFF (desativado). Se desejar, toque no botão e gire o
botão do aparelho para definir um valor. Para alterar a sensibilidade de
desconexão após ter realizado as configurações do ventilador, toque no
botão OUTRAS TELAS e, em seguida, em MAIS CONFIGURAÇÕES e faça
as alterações.

A Figura 4-7 mostra a tela de configurações da NIV.


9. Pressione ACEITAR para aplicar as configurações. Verifique as configurações
de apnéia e alarme conforme descrito abaixo.

MO 4-32 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

“N” no
cabeçalho
indica o tipo de
ventilação NIV.

Botão de
configuração
de 2TI SPONT.
Observe que o
padrão de
DSENS é
desativado.

Figura 4-7. Tela de configurações de ventilação NIV

4.12.4 Limite máximo do tempo inspiratório espontâneo


A NIV inclui uma configuração nos modos SIMV ou ESPONT para limite de
tempo inspiratório espontâneo alto (2TI SPONT ). Quando o tempo inspiratório
de um paciente atinge ou excede esse limite, o ventilador varia de inspiração
para expiração e o símbolo 1TI SPONT aparece na tela superior da GUI,
indicando que o ventilador truncou a respiração (veja a Figura 4-9).
A configuração 1TI SPONT não restringe alterações ao IBW; se o IBW for
diminuído, 2TI SPONT pode ser reduzido automaticamente, para permanceer
dentro dos seus limites permitidos. 

Advertência
Nenhum alarme sonoro é emitido associado ao indicador visual 1TI
SPONT e o indicador não aparece nem no registro de alarmes nem nas
mensagens de alarme.

É possível que a pressão inspiratória pretendida não seja atingida se a


configuração de 2TI SPONT não for suficientemente longa ou se os vazamentos
do sistema forem tão grandes a ponto de fazer o ventilador truncar a
respiração com a configuração máxima permitida de 2TI SPONT.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-33


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

OBSERVAÇÃO:
Para reduzir a possibilidade de que a pressão pretendida não seja
atingida, minimize os vazamentos no sistema e aumente o
percentual de aceleração de fluxo e/ou diminua a configuração
de ESENS , se apropriado.

4.12.5 Configuração de apnéia


Defina os parâmetros de apnéia do paciente conforme descrito na Seção 4.6.
A NIV não muda a forma como os parâmetros de apnéia são definidos.

4.12.6 Configuração de alarme


Toque no botão de CONFIGURAÇÃO DE ALARME para exibir as configurações de
alarme atuais e alterá-las conforme necessário. Um alarme de pressão baixa
no circuito (3 PPEAK) fica disponível durante a NIV para detectar possíveis
desconexões do circuito ou grandes vazamentos do sistema com base em
medições da pressão no circuito do paciente. Veja a Tabela 5-1, a Tabela A-14
e a Tabela 13-1 para obter mais informações sobre o alarme 3 PPEAK. O alarme
3 PPEAK pode ser desativado (OFF), se desejar. A Figura 4-8 mostra a tela de
alarme da NIV com as configurações padrão para o novo paciente.

MO 4-34 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

Um fundo
amarelo com
letras pretas
na tela inferior
da GUI indica
tipo de
ventilação NIV
e modo de
respiração.

Limite de
alarme
4PPEAK

VEN_10746_A

Figura 4-8. Configurações padrão de alarme para novo paciente

Advertência
Com a opção NIV selecionada para o tipo de ventilação, o valor do
novo paciente em cada um dos seguintes limites de alarme é
desativado:

2fTOT 4VE TOT 4VTE MAND 4VTE spont

Além disso, o alarme 4PPEAK pode ser definido como DESLIGADO.


Certifique-se de que esses alarmes tenham sido definidos
adequadamente antes de conectar o paciente ao ventilador. 

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-35


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

4.12.7 Alteração do tipo de ventilação INVASIVA para NIV


Algumas configurações do ventilador disponíveis durante a ventilação
INVASIVA não ficam disponíveis durante a NIV.

Tabela 4-6: Alterações automáticas nas configurações — INVASIVA


para NIV no mesmo paciente

Configuração atual INVASIVA Nova configuração NIV

Modo de respiração: BILEVEL Modo de respiração: A/C

Modo de respiração: SIMV ou SPONT Configuração de limite alto de


TI SPONT (2TI SPONT ) disponível

Tipo mandatório: VC+ Tipo mandatório:


Adulto/pediátrico: VC
Recém-nascido (neonatal): PC

Tipo espontâneo: Qualquer tipo, Tipo espontâneo: PS


exceto NENHUM ou PS Se o tipo espontâneo for definido como
NENHUM ou PS durante a ventilação
INVASIVA, o tipo espontâneo de NIV não
será alterado.

OBSERVAÇÃO:
No caso de uma respiração espontânea fornecida, seja INVASIVA
ou NIV, se a pressão de suporte for definida como NENHUM ou 0,
sempre será aplicada uma pressão inspiratória pretendida de
1,5 cmH2O.

Tipo de disparo: Pressão Tipo de disparo: Fluxo


(O disparo por fluxo é o único tipo de
disparo permitido durante a NIV)

Configurações de alarme: 4PPEAK Configurações de alarme: 4PPEAK, 4VE TOT,


(se aplicável), 4VE TOT, 4VTE MAND, 4VTE MAND, 4VTE SPONT padrão para valores
4VTE SPONT, INSPIRAÇÃO MUITO de novo paciente em NIV (veja a
LONGA (não definível pelo usuário) Tabela 13-2). Alarme de INSPIRAÇÃO
MUITO LONGA não disponível.

D SENS O padrão da configuração para D SENS é


OFF (desativado).

MO 4-36 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

4.12.8 Alteração do tipo de ventilação NIV para INVASIVA


Tabela 4-7: Alterações automáticas nas configurações — NIV para
INVASIVA no mesmo paciente

Configuração atual NIV Nova configuração INVASIVA

Configurações do ventilador: 2TI SPONT N/D

Configurações de alarme: 4PPEAK, Configurações de alarme: O padrão


4VE TOT, 4VTE MAND, 4VTE SPONT para os valores do novo paciente
depende das configurações do
ventilador selecionadas em
INVASIVA (veja a Tabela A-14).
O alarme de INSPIRAÇÃO MUITO
LONGA torna-se disponível.

D SENS O padrão da configuração de D SENS


é INVASIVA para o valor de novo
paciente (veja a Tabela A-12).

Advertência
Ao alterar o tipo de ventilação no mesmo paciente, confira as
alterações automáticas de configuração descritas nas Tabelas 4-6 e
4-7 e ajuste as configurações adequadamente.

4.12.9 Dados do paciente durante a NIV


Os dados do paciente exibidos durante a NIV são diferentes dos dados
exibidos durante a ventilação INVASIVA. Durante a NIV, a tela superior da GUI
indica que o tipo de ventilação selecionado é NIV exibindo um indicador
“NIV” amarelo na subtela Mais Dados do Paciente. O volume corrente
inspirado ( VTI) é exibido na área de dados vitais do paciente e o valor
monitorado de PEEP é mostrado quando você pressiona o botão MAIS DADOS
DO PACIENTE.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 4-37


Como usar o ventilador Puritan Bennett™ 840

Durante a NIV,
VTI aparece na
área de dados
vitais do paciente
no lugar da PEEP.
Indicadores de
NIV e 1TI SPONT
na subtela Mais
Dados do
Paciente. Ocultos
se houver dois
ou mais alarmes
presentes.

A PEEP mudou
para a subtela
Mais Dados
do Paciente
durante a NIV.

VEN_10747_A

Figura 4-9. Tela de mais dados do paciente — NIV

MO 4-38 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como gerenciar os alarmes

A Capítulo 5 descreve:
• O que são os alarmes do ventilador
• O que fazer quando um alarme do ventilador é emitido
• O que são os indicadores de alarme do ventilador
• Quais são as classificações de alarme do ventilador

5.1 Classificações de alarme do ventilador


Os alarmes do Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 são
classificados como de prioridade alta, média ou baixa.
A Figura 5-1 mostra a localização dos indicadores de alarme na
GUI e o símbolo usado para cada uma das classificações de
alarme.

Indicador de alarme
de urgência máxima
Indicador de alarme
de urgência média
Indicador de alarme
de urgência baixa

Figura 5-1. Indicadores de alarme


Como gerenciar os alarmes

• Os alarmes de prioridade alta exigem atenção imediata para garantir


a segurança do paciente. Durante um alarme de prioridade alta, o
indicador vermelho de prioridade alta pisca rapidamente e o alarme
sonoro de prioridade alta é emitido (em uma seqüência repetida de
cinco tons que é reproduzida duas vezes, pára, e volta a ser reproduzida),
e a tela superior exibe uma mensagem de alarme. Se um alarme de
prioridade alta for desligado espontaneamente (autoconfiguração),
seu indicador continuará aceso (não piscará) até que a tecla de reinício
do alarme seja pressionada.
• Os alarmes de prioridade médiaexigem atenção imediata. Durante um
alarme de prioridade média, o indicador amarelo de prioridade média
pisca lentamente, o alarme sonoro de prioridade média (uma seqüência
repetida de três tons) é emitido e a tela superior exibe uma mensagem de
alarme. Se um alarme de urgência média for reiniciado automaticamente,
o indicador será desativado e a autoconfiguração será gravada no
registro de histórico do alarme.
• Os alarmes de prioridade baixa informam que ocorreu uma alteração no
sistema de ventilador do paciente. Durante um alarme de prioridade
baixa, o indicador amarelo de prioridade baixa acende, o alarme sonoro
de prioridade baixa (dois tons, sem repetição) é emitido e a tela superior
exibe uma mensagem de alarme. Se um alarme de urgência baixa for
reiniciado automaticamente, o indicador será desativado e a
autoconfiguração será gravada no registro de histórico do alarme.

OBSERVAÇÃO:
É possível alterar um parâmetro de alarme mesmo
quando os alarmes estão ativos. Não é preciso pressionar
a tecla de reinício de alarme ou aguardar que o alarme
seja autoconfigurado. Se o alarme passar a urgência
máxima e você alterar sua configuração, o indicador de
alarme de urgência máxima continuará aceso até que a
tecla de reinício seja pressionada.

MO 5-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como gerenciar os alarmes

5.2 Silêncio do alarme

Advertência
Nunca deixe o paciente sozinho se o recurso de silêncio do alarme
estiver ativado.

Pressione a tecla de silêncio para desligar o alarme por dois minutos. A tecla
acende durante o período de silêncio e desliga, se a tecla de reset DO ALARME
for pressionada. Um indicador de SILÊNCIO DO ALARME ATIVO será exibido na
tela inferior, com a opção CANCELAR, se não houver um alarme com maior
prioridade ativo. Para desativar o silêncio do alarme, toque no botão
CANCELAR ou pressione a tecla de REINÍCIO DO ALARME.
O sistema desativa automaticamente o silêncio do alarme após o intervalo de
dois minutos. Um novo alarme de prioridade alta (não relacionado a dados
do paciente como, por exemplo, obstrução) cancela o silêncio e o som volta a
ser ativado. Os alarmes de dados do paciente (por exemplo, INSPIRAÇÃO
MUITO LONGA, VTE MAND) e os alarmes de desconexão do circuito não
cancelam o silêncio de um alarme.
Cada vez que você pressiona a tecla de silêncio do alarme, o período de
silêncio é redefinido em dois minutos. E cada vez que você pressiona a tecla
de silêncio do alarme (independentemente de haver ou não um alarme
ativo), esse pressionamento é gravado no registro de alarmes. O ventilador
grava uma nova entrada no registro de alarmes quando o período de silêncio
termina (seja porque o intervalo de silêncio do alarme acabou, porque foi
detectado um alarme de urgência máxima ou porque o alarme foi reiniciado).
Se não aparecerem telas de prioridade mais elevada na tela inferior (isto é,
Config Vent, Config. de Apnéia, Config Alarme, Outras Telas ou um novo
alarme de prioridade alta não relacionado a dados do paciente), o indicador
de silêncio do alarme ativo será exibido (Figura 5-2). 

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 5-3


Como gerenciar os alarmes

Figura 5-2. Indicador do silêncio do alarme ativo (tela inferior)

5.3 Reinício de alarme


Se você pressionar a tecla de REINÍCIO DO ALARME, o sistema redefinirá os
algoritmos de detecção de todos os alarmes ativos, exceto nestes casos:
RECONFIG. • PERDA DE ALIMENT. AC
• COMPRESSOR INOPERANTE
• ALERTA DE DISPOSITIVO
• BATERIA INOPERANTE
• ALIMENT. AC BAIXA
• BATERIA FRACA
• SEM FORNECIMENTO DE AR
• SEM FORNECIMENTO DE O2

• SENSOR DE O2
• ERRO DE PROCEDIMENTO
• bloqueio da tela

MO 5-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como gerenciar os alarmes

Se você pressionar a tecla de REINÍCIO DO ALARME, nenhuma alteração afeta a


função de 100% O2/CAL 2 min, se estiver ativa. O ventilador grava uma nova
entrada no registro de alarmes quando um alarme ativo é reiniciado e
quando o período de silêncio de um alarme é encerrado porque a tecla de
reinício do alarme foi pressionada. As ações referentes às teclas pressionadas
são gravadas apenas quando há um alarme ativo.
Se uma condição de alarme persistir, o alarme se reativará, de acordo com o
algoritmo de detecção para esse alarme. Por exemplo, se o alarme de APNÉIA
estiver ativo, a tecla de reinício do alarme redefinirá o algoritmo de detecção
de apnéia com o seu valor inicial e retornará o ventilador à ventilação normal.
Se você pressionar a tecla de reinício do alarme, o sistema cancelará o silêncio
do alarme, se ele estiver ativo (isso impede que o silêncio de uma condição de
alarme que tenha ocorrido logo após a tecla de reinício do alarme ser
pressionada). Se você pressionar a tecla de reinício do alarme, o sistema
cancelará todos os alarmes de urgência máxima que tiverem sido
autoconfigurados (e o indicador de alarme de urgência máxima
constantemente aceso apagará).
A tecla de reinício do alarme retorna o ventilador ao funcionamento normal
quando a condição de alarme é solucionada, sem necessidade de os
algoritmos de detecção de alarme redefinirem o alarme. O ventilador notifica
novamente qualquer condição de alarme persistente depois que a tecla de
reinício do alarme é pressionada.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 5-5


Como gerenciar os alarmes

5.4 Registro de alarmes


Para visualizar o registro de alarmes (Figura 5-3), toque no botão de registro
de alarmes na tela superior. O registro de alarmes mostra os eventos de
alarme (incluindo alarmes com indicação de data e hora, silêncios e reinícios)
na ordem em que ocorrem, sendo que o mais recente no topo da lista.

VEN_10551_A
Botão de registro Toque nos símbolos Toque na barra de rolagem,
de alarmes para ver a definição gire o botão para percorrer
na parte inferior da o registro
(indica que o
tela inferior
registro
inclui entradas
não lidas) 

Figura 5-3. Registro de alarmes

Aparece um triângulo com um ponto de interrogação no botão de REGISTRO


DE ALARMES quando o registro contém um evento que ainda não foi
visualizado. Para percorrer o registro de alarmes, toque na barra de rolagem
localizada à direita do registro de alarmes e, em seguida, gire o botão.
O ventilador grava uma entrada com indicação de data e hora no registro de
alarmes sempre que:
• um alarme é detectado
• um alarme muda o nível de urgência
• um alarme é autoconfigurado
• você pressiona a tecla de reinício do alarme quando há um alarme ativo
• você pressiona a tecla de SILÊNCIO DO ALARME

MO 5-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como gerenciar os alarmes

• o período de silêncio do alarme termina


• um reinício encerra o silêncio do alarme
• um novo alarme de urgência máxima encerra o silêncio do alarme
O registro de alarmes armazena no máximo 80 entradas mais recentes.
Quando você conclui a configuração de um NOVO PACIENTE, o sistema apaga
o registro de alarmes do paciente anterior.

5.5 Volume do alarme


A tecla de volume do alarme localizada fora da tela ajusta o volume de todos
os alarmes sonoros, independentemente do nível de urgência. Para ajustar
o volume do alarme, mantenha a tecla de volume pressionada enquanto gira
o botão. O som que você ouve ao fazer um ajuste tem o volume equivalente
ao som de um alarme sonoro e é diferente dos sons dos alarmes sonoros de
urgência máxima, média e baixa. Esse som continua a ser emitido enquanto
você mantém a tecla pressionada e tem prioridade sobre os alarmes
sonoros ativos.
O volume de alarme selecionado permanece inalterado após o ventilador
ser desligado e ligado novamente. Como um alarme pode requerer atenção
imediata do médico, seu volume não deve ser desligado.

Advertência
A faixa de volume do alarme selecionável garante que você possa
diferenciar um alarme do ventilador dos demais ruídos do
ambiente. Avalie o nível de ruído existente e certifique-se de ajustar
apropriadamente o volume do alarme mantendo a tecla de volume
pressionada. Se necessário, repita o procedimento descrito
anteriormente para ajustar novamente o volume do alarme.

Consulte a Seção A.4 para obter informações sobre as especificações de


volume do alarme.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 5-7


Como gerenciar os alarmes

5.6 Mensagens de alarme


A tela superior exibe os dois alarmes ativos de maior urgência. Um ícone
pisca no botão MAIS ALARMES quando há outros alarmes ativos. Toque no
botão MAIS ALARMES para visualizar uma tela inteira com até oito
alarmes ativos.
Cada mensagem de alarme é composta por uma mensagem básica, uma
mensagem de análise (informações complementares que incluem todas as
condições de alarme associadas) e uma mensagem de solução que sugere
ações corretivas.
Um esquema de aumento de alarmes é incorporado ao software do Sistema
de Ventilação Puritan Bennett™ 840, para tratar situações em que a causa
inicial de um alarme apresenta o potencial de precipitar um ou mais alarmes
relacionados. Quando ocorre um alarme, qualquer alarme subseqüente
relacionado a causa deste alarme inicial “aumenta” o alarme inicial, em vez
de aparecer na tela superior da GUI como um novo alarme. A mensagem de
análise exibida para o alarme inicial é atualizada com as informações do
alarme relacionado, e a coluna Evento do registro de alarmes mostra o alarme
inicial como “Aumentou”. 
A Figura 5-4 mostra como uma mensagem de alarme é exibida na tela
superior. A Tabela 5-1 lista as possíveis mensagens de alarme.

OBSERVAÇÃO:
Quando mais de um alarme está ativo e suas mensagens apresentam
diferentes níveis de gravidade, você deve assumir como aplicável a
mensagem mais grave.

MO 5-8 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como gerenciar os alarmes

A mensagem básica identifica A mensagem de análise informa a causa do


o alarme. Toque no símbolo do alarme. Pode incluir também alarmes
alarme para visualizar a associados que possam ter sido gerados
definição na tela inferior. devido ao alarme inicial.

As duas

}
mensagens de
alarme ativas de
maior prioridade
são exibidas aqui.

A mensagem de
solução sugere como
solucionar a condição
de alarme.

Toque no botão de mais alarmes


para visualizar as mensagens de até
seis alarmes ativos adicionais.

Figura 5-4. Formato da mensagem de alarme

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 5-9


Como gerenciar os alarmes

Tabela 5-1: Mensagens de alarme

Quando
aparecer esta Significa que... Faça isto...
mensagem...

PERDA DE A chave de alimentação está • Prepare-se para uma perda


ALIMENT. AC ligada, a alimentação AC de energia.
não está disponível e o • Procure uma fonte de
ventilador está sendo ventilação alternativa.
alimentado pela BPS. • Verifique a integridade da
fonte de alimentação AC.
• Solicite manutenção, se
necessário.

APNÉIA Acabou o intervalo de • Verifique o paciente.


apnéia definido sem que • Verifique os parâmetros de
uma respiração tenha sido controle do ventilador.
disparada pelo ventilador,
pelo paciente ou pelo
operador. O ventilador
entrou no modo de
ventilação de apnéia.

CIRCUITO Há uma desconexão no • Verifique o paciente.


DESCONECTADO circuito do paciente. O • Reconecte o circuito do
ventilador passa para o paciente.
modo ocioso e exibe o • Pressione a tecla de reinício
tempo decorrido sem do alarme.
suporte.

COMPLACÊNCIA O limite de compensação de • Verifique o paciente.


LIMITADA V T complacência foi atingido. • Verifique se o tipo de
O volume inspirado pode circuito do paciente
ser menor que o valor do selecionado corresponde
parâmetro de controle. ao circuito que foi
instalado.

MO 5-10 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como gerenciar os alarmes

Tabela 5-1: Mensagens de alarme (cont.)

Quando
aparecer esta Significa que... Faça isto...
mensagem...

COMPRESSOR O compressor não é capaz • Verifique o paciente.


INOPERANTE de manter a pressão de • Procure uma fonte de
fornecimento suficiente ventilação alternativa.
devido à alimentação AC • No caso de alimentação
baixa, perda de alimentação baixa ou perda de
AC ou defeito do alimentação, o alarme será
compressor. reiniciado quando a
alimentação AC completa
for restaurada.
• No caso de defeito do
compressor, interrompa o
uso do ventilador e chame
a assistência técnica.

COMPRESSOR O compressor não está • Verifique o paciente.


INOPERANTE conectado corretamente à • Reconecte o tubo de ar do
BDU. compressor, o cabo de
força do compressor e o
cabo de dados do
compressor.

ALERTA DE O teste em segundo plano • Verifique o paciente.


DISPOSITIVO ou o POST detectou um • Se for solicitado, procure
problema. uma ventilação alternativa
e chame a assistência
técnica.

1PPEAK A pressão das vias aéreas • Verifique o paciente.


(Pressão alta do medida é maior ou igual ao • Verifique o circuito do
circuito) limite definido. paciente.
Provavelmente, volume • Verifique o tubo
corrente reduzido. endotraqueal.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 5-11


Como gerenciar os alarmes

Tabela 5-1: Mensagens de alarme (cont.)

Quando
aparecer esta Significa que... Faça isto...
mensagem...

1O2% A porcentagem de O2 • Verifique o paciente, os


(Porcentagem medida durante qualquer fornecimentos de ar e de
alta de fase de um ciclo respiratório oxigênio, o analisador de
fornecimento de está 7% (12% durante a oxigênio e o ventilador.
O2) primeira hora de
funcionamento) ou mais
acima do parâmetro de
porcentagem de O2
definido por, pelo menos,
30 segundos.
Quando você diminui o
parâmetro de porcentagem
de O2, a porcentagem
aumenta em cerca de 5%
durante os próximos quatro
minutos de ventilação.

1VTE O volume corrente expirado • Verifique o paciente e os


(Volume pelo paciente para qualquer parâmetros de controle do
corrente respiração é maior ou igual ventilador.
expirado alto) ao limite definido. • Verifique se ocorreram
alterações na complacência
ou na resistência do
paciente.

 VE TOT O volume expiratório por • Verifique o paciente e os


(Volume total minuto do paciente é maior parâmetros de controle do
expirado por ou igual ao limite definido. ventilador.
minuto alto)

1fTOT A freqüência de todas as • Verifique o paciente e os


(Freqüência respirações é maior ou igual parâmetros de controle do
respiratória alta) ao limite definido. ventilador.

MO 5-12 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como gerenciar os alarmes

Tabela 5-1: Mensagens de alarme (cont.)

Quando
aparecer esta Significa que... Faça isto...
mensagem...

1PVENT O transdutor de pressão • Verifique o paciente, o


(Pressão interna inspiratória mediu uma circuito do paciente
do ventilador pressão de pelo menos (incluindo os filtros) e o
100 cmH2O. tubo endotraqueal.
alta)
Verifique se o tamanho do
O ventilador passa para a
tubo endotraqueal (ET) é
expiração. Provavelmente, correto. Verifique o fluxo do
volume corrente reduzido. ventilador e/ou as
configurações de volume.
• Execute novamente o SST.
• Procure uma fonte de
ventilação alternativa.
• Interrompa o uso do
ventilador e chame a
assistência técnica.

BATERIA A BPS está instalada, mas • Interrompa o uso do


INOPERANTE não está funcionando. ventilador e chame a
assistência técnica.

INSPIRAÇÃO O período inspiratório • Verifique o paciente.


MUITO LONGA baseado no peso ideal (IBW) • Verifique se existem
para uma respiração vazamentos no circuito do
espontânea excede o limite paciente.
definido pelo ventilador. • Verifique as configurações
Ativa somente quando o de aceleração de fluxo e
tipo de ventilação for ESENS.
INVASIVA.

PERDA DE A chave de alimentação do • Verifique a integridade das


ALIMENTAÇÃO ventilador está ligada, mas conexões da alimentação
não há energia suficiente da AC e da BPS.
fonte de alimentação AC • Procure uma ventilação
principal e da BPS. alternativa, se necessário.
Talvez não haja um • Desligue a chave de
indicador visual para esse alimentação para reiniciar o
alarme, mas um alarme alarme.
sonoro independente é
emitido durante, pelo
menos, 120 segundos.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 5-13


Como gerenciar os alarmes

Tabela 5-1: Mensagens de alarme (cont.)

Quando
aparecer esta Significa que... Faça isto...
mensagem...

ALIMENT. AC A alimentação AC principal • Prepare-se para uma


BAIXA ficou abaixo de 80% da possível perda de energia.
potência nominal durante, • Verifique a integridade da
pelo menos, um segundo. conexão de alimentação AC.
A mensagem de erro sinaliza • Verifique a fonte de
que a alimentação AC alimentação AC.
apresentou uma queda
significativa e que pode
ocorrer uma queda ainda
maior.
O ventilador desliga o
compressor (se instalado),
mas fora isso, continua
funcionando normalmente.

BATERIA FRACA A BPS está instalada, mas • Substitua a BPS ou deixe-a


restam menos de dois recarregando durante a
minutos de tempo de operação normal do
operação. ventilador.

3O2% A porcentagem de O2 • Verifique o paciente, os


(Porcentagem medida durante qualquer fornecimentos de ar e de
baixa de fase de um ciclo respiratório oxigênio, o analisador de
está 7% (12% durante a oxigênio e o ventilador.
fornecimento
de O2) primeira hora de • Calibre o sensor de
funcionamento) ou mais oxigênio (pressione a tecla
abaixo do parâmetro de 100% O2/CAL 2 min).
porcentagem de O2 por, Consulte a página RT 15-5
pelo menos, 30 segundos. para informações sobre
como calibrar o sensor
O visor de porcentagem de oxigênio. 
aumenta em 5% durante
• Use um monitor externo
4 minutos depois que
de O2 e desative o sensor
você aumenta o valor de
de O2.
porcentagem de O2. 

MO 5-14 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como gerenciar os alarmes

Tabela 5-1: Mensagens de alarme (cont.)

Quando
aparecer esta Significa que... Faça isto...
mensagem...

3PPEAK A pressão inspiratória de • Verifique se existem


(Pressão baixa pico no circuito do paciente vazamentos no sistema de
no circuito) ficou abaixo do limite de respiração.
alarme definido.
Esse alarme está disponível
apenas quando NIV é o tipo
de ventilação selecionado
ou quando VC+ é o tipo de
respiração mandatória
selecionado durante a
ventilação INVASIVA.

Advertência
Como o algoritmo de
controle por pressão
VC+ não permite que
a pressão inspiratória
pretendida caia para
menos de PEEP +
5 cm H2O, tentar
definir o limite do
alarme 4PPEAK para
esse nível, ou abaixo
dele, desliga o
alarme. 

3VTE MAND O volume corrente • Verifique o paciente.


(Volume mandatório expirado pelo • Verifique se existem
corrente paciente é menor ou igual vazamentos no circuito do
mandatório ao limite definido. paciente.
expirado baixo) • Verifique se ocorreram
alterações na complacência
ou na resistência do
paciente.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 5-15


Como gerenciar os alarmes

Tabela 5-1: Mensagens de alarme (cont.)

Quando
aparecer esta Significa que... Faça isto...
mensagem...

3VTE SPONT O volume relativo • Verifique o paciente.


(Volume relativo espontâneo expirado pelo • Verifique os parâmetros
espontâneo paciente é menor ou igual de controle do ventilador.
expirado baixo) ao limite definido.

VE TOT O volume por minuto para • Verifique o paciente.


(Volume total todas as respirações é • Verifique os parâmetros
expirado por menor ou igual ao limite de controle do ventilador.
minuto baixo) definido.

SEM A pressão de fornecimento • Verifique o paciente.


FORNECIMENTO de ar é menor que a pressão • Verifique as fontes de ar e
DE AR mínima necessária para o de oxigênio.
funcionamento correto do • Procure uma ventilação
ventilador. O ventilador alternativa, se necessário.
fornece 100% de O2 se
disponível. A porcentagem
de fornecimento de O2
pode estar comprometida.
Se não houver um
fornecimento de oxigênio
disponível, a válvula de
segurança se abrirá.
O ventilador exibe o tempo
decorrido sem suporte. Esse
alarme não pode ser
definido ou desativado.

MO 5-16 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como gerenciar os alarmes

Tabela 5-1: Mensagens de alarme (cont.)

Quando
aparecer esta Significa que... Faça isto...
mensagem...

SEM A pressão de fornecimento • Verifique o paciente.


FORNECIMENTO de oxigênio é menor que a • Verifique as fontes de ar e
DE O2 pressão mínima necessária de oxigênio.
para o funcionamento • Procure uma ventilação
correto do ventilador. alternativa, se necessário.
O ventilador fornece 100%
de ar se disponível.
A porcentagem de
fornecimento de O2 pode
estar comprometida.
Se não houver um
fornecimento de ar
disponível, a válvula
de segurança se abrirá.
O ventilador exibe o tempo
decorrido sem suporte.
Esse alarme não pode ser
definido ou desativado.

SENSOR DE O2 As verificações em segundo • Pressione a tecla O2 CAL ou


plano detectaram um AUMENTAR O2 2 min, para
problema com o sensor de recalibrar o sensor de
oxigênio (o sensor precisa oxigênio. 
ser calibrado ou está com • Desative o sensor de
defeito). A ventilação do oxigênio.
paciente não é afetada. • Substitua o sensor de
oxigênio.

ERRO DE O ventilador foi colocado • Procure uma ventilação


PROCEDIMENTO no paciente antes da alternativa, se necessário.
inicialização ter sido • Conclua o procedimento
concluída. A ventilação de inicialização do
de segurança está ativa. ventilador.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 5-17


Como gerenciar os alarmes

Tabela 5-1: Mensagens de alarme (cont.)

Quando
aparecer esta Significa que... Faça isto...
mensagem...

OBSTRUÇÃO Possível bloqueio do feixe • Remova a obstrução da tela


DE TELA de luz ou falha na tela sensível ao toque ou
sensível ao toque. chame a assistência
técnica.

OBSTRUÇÃO O circuito do paciente • Verifique o paciente.


SEVERA apresenta uma obstrução • Procure uma ventilação
severa. O ventilador entra alternativa.
no ciclo de obstrução. O • Verifique se o circuito do
tempo decorrido sem paciente está com excesso
suporte do ventilador é de líquido, ondulações ou
exibido. algum filtro bloqueado.
Se o NeoMode estiver em • Se o problema persistir,
uso, o ventilador fornecerá interrompa o uso do
40% de O2 se disponível. ventilador e chame a
assistência técnica.

MO 5-18 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como visualizar os gráficos

A Capítulo 6 descreve:
• Como configurar os gráficos de dados do paciente.
• Como congelar um gráfico de dados do paciente.
• Como ajustar as escalas vertical e horizontal de um gráfico.

6.1 Função de gráfico


A função de gráfico exibe os dados do paciente em tempo real.
Há cinco formatos de dados do paciente disponíveis: 
• Curva de pressão-tempo
• Curva de fluxo-tempo
• Curva de volume-tempo
• Loop de pressão-volume
• Loop de fluxo-volume 
A Figura 6-1 mostra um exemplo de um loop de pressão-volume.
Como visualizar os gráficos

Área inspiratória

Figura 6-1. Loop de pressão-volume

O loop de fluxo-volume pode ser usado com ou sem a opção de software


Respiratory Mechanics (RM) (Figura 6-2). 
A escala é selecionável pelo usuário, de -2000 a 6000 mL para o volume
(eixo X) e até 200 L/min para o fluxo (eixo Y). O traçado começa no início
da inspiração, com a curva de fluxo inspiratório traçada acima do eixo X e
a curva de fluxo expiratório traçada abaixo do eixo X. 

OBSERVAÇÃO:
Tradicionalmente, loops de fluxo-volume são apresentados com
o fluxo inspiratório traçado abaixo do eixo X e o fluxo expiratório
acima dele, com o traçado começando no início da expiração. 

MO 6-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como visualizar os gráficos

Figura 6-2. Loop de fluxo-volume

6.2 Como configurar os gráficos


Você pode exibir uma ou duas curvas de tempo de cada vez. O loop de
pressão-volume usa a tela inteira; portanto, nenhuma outra forma de ondas
pode ser exibida ao mesmo tempo.

1. Toque no botão de GRÁFICO na parte


inferior esquerda da tela superior.
O gráfico aparecerá.

2. Toque em CONFIGURAÇÃO DE TRAÇADO


CONFIGURAÇÃO
na parte superior esquerda da tela.
DE TRAÇADO

3. Se o tipo de respiração espontânea for


Sombreado
TC ou PA, toque em Sombreado e gire
Ativado
o botão para ativar ou desativar o recurso
de Sombreado.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 6-3


Como visualizar os gráficos

4. Toque em TRAÇADO 1: Aparecerá um menu


Traçado 1
suspenso das opções disponíveis com a
Pressão-Tempo
seleção atual realçada. Gire o botão para
selecionar a função de gráfico.
Se você selecionar pressão-volume, que usa a
tela inteira, a opção TRAÇADO 2 desaparecerá.

5. Toque em TRAÇADO 2, se for o caso. Gire


Traçado 2
o botão para realçar a seleção do menu
Fluxo-Tempo
suspenso.
Se você selecionar NENHUMA, somente um
traçado aumentado (com maior
resolução) aparecerá.

6. Toque em CONTINUAR para exibir o gráfico


CONTINUAR selecionado. Não é necessário pressionar
ACEITAR.

6.3 Os gráficos exibem detalhes e cálculos


• Se você selecionar o loop de pressão-volume, o loop da próxima
respiração completa será exibido e, em seguida, o gráfico será atualizado
a cada duas respirações.
• A curva de pressão-tempo mostra uma estimativa da pressão carinal
(PCARI) conforme a área sombreada na forma de onda quando a opção TC
e o recurso de sombreado estão ativados.
• A curva de pressão-tempo mostra uma estimativa da pressão pulmonar
(PLUNG) conforme a área sombreada na forma de onda quando a opção PA
e o recurso de sombreado estão ativados.

OBSERVAÇÃO:
O gráfico das pressões carinal e pulmonar são estimativas,
não correspondem a uma medida real.

• A área inspiratória é calculada com base na área dentro do loop


à esquerda da linha de base.
• As curvas (pressão-tempo, fluxo-tempo e volume-tempo) são traçadas
na tela no início de uma respiração, iniciando no último ½ segundo
da respiração anterior.

MO 6-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como visualizar os gráficos

6.4 Como ajustar os gráficos

• Para mover a linha de base em um loop de


pressão-volume, toque no botão da linha de
cm
0.0 H2 O
base de pressão e, em seguida, use o botão
giratório para posicionar a linha de base.
A posição padrão da linha de base
corresponde ao parâmetro da pressão
expiratória final positiva (PEEP). Se o
parâmetro de PEEP for alterado, a linha de
base será redefinida com o valor de PEEP.

• Para ajustar as escalas vertical e horizontal,


toque nos botões de seta e, em seguida, gire o
botão para selecionar. Não é necessário
pressionar ACEITAR.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 6-5


Como visualizar os gráficos

6.5 A função CONGELAR


Siga as etapas abaixo para congelar os gráficos da tela para visualizá-los por
um período prolongado.

1. Toque em CONGELAR. A mensagem


CONGELAR CONGELADO ficará piscando na tela, o botão
DESCONGELAR será exibido e os botões de
escala desaparecerão. O traçado continuará
sendo desenhado até que a tela seja
preenchida.

OBSERVAÇÃO:
A tela é automaticamente congelada
quando as manobras de PAUSA INSP e
PAUSA EXP são realizadas.

2. Depois que a tela estiver preenchida e


congelada, os outros botões da tela de escala
aparecerão novamente. Você poderá, agora,
reconfigurar o traçado e ajustar as escalas dos
últimos 48 segundos de dados congelados.
A exibição da pressão-volume mostrará
apenas a respiração completa mais recente
dentro do período de congelamento de
48 segundos.
Os gráficos permanecerão congelados
mesmo que você passe para outra tela
(por exemplo, MAIS ALARMES) e depois retorne
à tela de gráficos.

3. Toque no botão DESCONGELAR quando quiser


DESCONGELAR visualizar os gráficos atuais.

MO 6-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Como visualizar os gráficos

6.6 Como imprimir os gráficos de dados do paciente


Quando os gráficos estiverem congelados, IMPRIMIR aparecerá no canto
superior esquerdo da tela. Siga estas etapas para imprimir os gráficos
congelados na tela:

1. Toque no botão IMPRIMIR. A mensagem


IMPRIMIR intermitente IMPRIMINDO substitui os
botões CONFIGURAÇÃO DE TRAÇADO,
DESCONGELAR e IMPRIMIR. É possível
interromper a impressão pressionando
CANCELAR.

2. Depois que todos os dados dos gráficos


forem enviados para a impressora, as opções
CONFIGURAÇÃO DE TRAÇADO, DESCONGELAR
e IMPRIMIR aparecerão de novo.

OBSERVAÇÃO:
Para imprimir os gráficos, é preciso que uma impressora
esteja conectada à porta serial RS-232 1, que deve ser
configurada com IMPRESSORA como dispositivo
selecionado, e as configurações de comunicação e da
a impressora devem coincidir. Consulte a Seção E.3
para obter instruções sobre como configurar a porta
RS-232, e a Seção E.4 para obter informações sobre
cabos e impressoras. 

6.7 Exibição automática dos gráficos


Sempre que você pressionar PAUSA EXP ou PAUSA INSP, os gráficos
selecionados mais recentemente serão exibidos e congelados. Assim você
poderá observar quando a pressão expiratória ou inspiratória se estabiliza.

6.8 Quando os gráficos não estão acessíveis


Em algumas condições, os gráficos não estão acessíveis:

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 6-7


Como visualizar os gráficos

• Se o ventilador passar para a ventilação de apnéia ou de segurança, os


gráficos de dados do paciente não serão exibidos. No entanto, você pode
exibir novamente os gráficos pressionando o botão de GRÁFICOS.
• Se você tocar em MAIS DADOS DO PACIENTE, REGISTRO DE ALARME, MAIS
ALARMES ou OUTRAS TELAS, todos os gráficos exibidos desaparecerão.

Se você tocar no botão de gráficos enquanto os gráficos estiverem em


exibição, a tela de gráficos desaparecerá. A não ser que a tela tenha sido
congelada, os traçados de forma de onda serão apagados.

MO 6-8 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Manutenção preventiva

A Capítulo 7 descreve:
• Como limpar, desinfetar e esterilizar os componentes e
acessórios do Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840. 
• Como realizar os procedimentos de manutenção
preventiva de rotina.
• Como guardar o ventilador por um período longo.
• Como reembalar e transportar o ventilador.
Para garantir uma operação correta do ventilador, siga os
procedimentos de manutenção nos intervalos recomendados.
Todos os procedimentos descritos na Capítulo 7 devem ser
adaptados ao protocolo e às diretrizes de sua instituição.
A Covidien recomenda que somente pessoal especializado
realize procedimentos de manutenção adicionais. Entre em
contato com o suporte técnico ou representante local da
Covidien para obter mais informações. 

7.1 Como descartar as peças usadas


Descarte todas as partes removidas do ventilador durante os
procedimentos de manutenção de acordo com o protocolo de
sua instituição. Antes de descartar, esterilize o que não for
destrutível. Respeite a legislação local e os planos para
reciclagem ao descartar ou reciclar os sensores.
Manutenção preventiva

7.2 Como limpar, desinfetar e esterilizar as peças


A Tabela 7-1 informa como limpar, desinfetar e esterilizar os componentes
do ventilador.

Advertência
• Não tente remover ou limpar o sensor de fluxo com líquidos ou ar
pressurizado.
• Para evitar a exposição do paciente aos produtos de esterilização,
certifique-se de esterilizar as peças de acordo com as técnicas
descritas na Tabela 7-1. A exposição a produtos de esterilização
poderá reduzir a vida útil de algumas peças.
• Manuseie os filtros com cuidado para minimizar o risco de
contaminação por bactérias ou a ocorrência de danos físicos.
• Siga sempre as diretrizes de controle de infecção de sua instituição.

OBSERVAÇÃO:
A Covidien reconhece que as práticas sanitárias variam
enormemente entre as instituições de saúde. Não é
possível para a Covidien especificar ou exigir práticas
específicas que satisfaçam a todas as necessidades, ou ser
responsável pela eficiência da limpeza, desinfecção e
esterilização e por outras práticas realizadas no âmbito do
cuidado com o paciente. Este manual pode apenas
fornecer diretrizes gerais de limpeza, desinfecção e
esterilização das peças. É de responsabilidade do usuário
garantir a validade e a eficácia dos métodos utilizados.

MO 7-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Manutenção preventiva

Tabela 7-1: Procedimentos de limpeza, desinfecção


e esterilização das peças

Peça Procedimento Comentários

Parte externa do Limpe com um pano úmido e • Não permita que


ventilador solução leve de sabão, com uma líquidos ou borrifos
(incluindo a tela das substâncias químicas listadas entrem no ventilador
sensível ao a seguir ou equivalentes. Use água ou nas conexões dos
toque e a haste para retirar resíduos químicos se cabos.
flexível) necessário. • Não tente esterilizar o
• Detergente suave de máquina ventilador expondo-o
de lavar louça ao gás de óxido de
etileno (ETO).
• Álcool isopropílico (solução a
70%) • Não use ar
pressurizado para
• Alvejante (solução a 10%)
limpar ou secar o
• Solução de limpar vidro ventilador, incluindo
(com álcool isopropílico e as aberturas de
amônia) ventilação da GUI.
• Amônia (solução a 15%)
• Água oxigenada (solução a 3%)
• Produto de limpeza Formula
409™* (Clorox Company)
• Desinfetante Amphyl™*
(Reckitt Benckiser Inc.)
• Desinfetante de superfície
Cavicide™* (Metrex Research
Corporation)
• Germicida Control III™*
(Meril Products Inc.)
• Glutaraldeído (solução a 3,4%)
Aspire os ventiladores na parte
traseira da interface gráfica com o
usuário (GUI) para remover a poeira.

Cuidado
• Para evitar danificar os materiais do filtro usados na
parte traseira da GUI, não use peróxido de hidrogênio
para limpar a GUI. (Isso aplica-se a uma versão anterior
da GUI de 9,4 polegadas.)
• Para evitar danos às etiquetas e às superfícies em geral,
utilize somente os produtos químicos listados para a
limpeza da parte externa do ventilador.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 7-3


Manutenção preventiva

Tabela 7-1: Procedimentos de limpeza, desinfecção


e esterilização das peças (cont.)

Peça Procedimento Comentários

Tubos do Desmonte e limpe, em seguida, • Se submerso em


circuito do esterilize em autoclave, pasteurize líquido, use ar
paciente ou desinfete quimicamente. pressurizado para
retirar a umidade de
Circuitos descartáveis: descarte.
dentro dos tubos antes
de usar.
• Verifique se há talhes e
cortes e substitua se
estiverem danificados.
• Execute o SST para
verificar se há
vazamentos quando
um novo circuito for
instalado.

Cuidado
A esterilização a vapor é um método viável para os
circuitos de paciente do fornecidos pela Covidien, mas esse
procedimento pode diminuir a vida útil do tubo.
A descoloração (amarelamento) e a perda da flexibilidade
do tubo são efeitos esperados da esterilização a vapor. Tais
efeitos são cumulativos e irreversíveis. 

Sifões em linha Desmonte e limpe, em seguida, Inspecione para ver se há


esterilize em autoclave, pasteurize rachaduras. Substitua se
ou desinfete quimicamente. estiver danificado.

Acoplamentos e Esterilize em autoclave, pasteurize • Se submerso em


conectores ou desinfete quimicamente. líquido, use ar
pressurizado para
retirar a umidade de
dentro da peça antes
de usar.
• Inspecione para ver se
há talhes e cortes.
Substitua se estiverem
danificados.

MO 7-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Manutenção preventiva

Tabela 7-1: Procedimentos de limpeza, desinfecção


e esterilização das peças (cont.)

Peça Procedimento Comentários

Frasco coletor Conjunto de filtro expiratório Inspecione para ver se há


expiratório reutilizável: Limpe, em seguida, rachaduras. Substitua se
esterilize em autoclave ou estiver danificado.
desinfete quimicamente o frasco
coletor.
Conjunto de filtro expiratório de
uso descartável: descarte.

Filtros de Reutilizáveis: Esterilize em • A esterilização eficaz


bactéria autoclave. dos filtros expiratórios
expiratório e Descartáveis: descarte. e inspiratórios é feita
inspiratório com autoclave de
Antes de descartar, desinfete ou vapor a 132 °C (270 °F)
esterilize de acordo com o por 20 minutos para
protocolo de sua instituição. ciclos de
deslocamento de
gravidade. 
• Não desinfete
quimicamente ou
exponha ao gás ETO.
• Verifique a resistência
do filtro antes de usá-
lo.
• Siga as
recomendações de
reutilização do
fabricante.

Filtro de entrada A cada 250 horas ou de acordo Substitua o filtro se estiver


do compressor com a necessidade: lave em rasgado ou danificado.
solução de sabão leve, enxágüe e
deixe secar.

Bolsa de Descarte a bolsa quando estiver • Não esterilize


drenagem, totalmente cheia ou quando o grampo em
tubos e grampo houver alteração de circuito. autoclave.
Limpe e esterilize em autoclave os • Substitua o grampo se
tubos reutilizáveis. ele estiver
visivelmente
Lave o grampo com álcool ou danificado.
pasteurize.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 7-5


Manutenção preventiva

Tabela 7-1: Procedimentos de limpeza, desinfecção


e esterilização das peças (cont.)

Peça Procedimento Comentários

Reservatório do Lave a parte externa com solução • Evite expor a solventes


filtro de entrada leve de sabão se necessário. aromáticos,
de ar especialmente
cetonas.
• Substitua se houver
rachaduras ou fissuras.

Outros Siga as instruções do fabricante.


acessórios

7.2.1 Como limpar os componentes


Não limpe ou reutilize produtos de uso descartável. Quando limpar as peças,
não use escovas de cerdas duras ou outros instrumentos que possam
danificar as superfícies.
1. Lave as peças em água morna e solução leve de sabão.
2. Enxágüe as peças completamente em água limpa e morna (pode ser
água da torneira) e seque com um pano.
3. Após a limpeza, inspecione todos os componentes, verifique se não há
rachaduras ou fissuras. Substitua as peças que estiverem danificadas.
Sempre que substituir ou reinstalar peças no ventilador, execute o autoteste
rápido (SST) antes de iniciar a ventilação do paciente.

Cuidado
Siga as instruções do fabricante do sabão. A exposição a uma solução de
sabão mais concentrada do que o necessário pode reduzir a vida útil dos
produtos. Resíduos de sabão podem marcar ou criar rachaduras finas,
especialmente em peças expostas a temperaturas elevadas durante a
esterilização.

MO 7-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Manutenção preventiva

7.3 Desinfecção e esterilização


Não desinfete, esterilize ou reutilize produtos de uso descartável.
Ao esterilizar os tubos, enrole-os em um grande rolo. Evite dobrá-los ou
amassá-los. O lúmen não deve conter qualquer gotícula visível antes de a
tubulação ser embrulhada em papel de musselina ou equivalente durante o
preparo para a esterilização em autoclave.
A Tabela 7-2 resume os procedimentos de desinfecção e esterilização.

Cuidado
Formaldeído e desinfetantes a base de fenol não são recomendados
porque podem rachar as peças plásticas.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 7-7


Manutenção preventiva

Tabela 7-2: Procedimentos de desinfecção e esterilização

Esterilização em
Pasteurização Desinfecção química
autoclave

Uma esterilização em Coloque as peças no Mergulhe as peças em


autoclave eficaz é pasteurizador entre 76 desinfetante de acordo com
feita com vapor a e 79 C (169 e 174 F) as instruções do fabricante.
132 C (270 F) por por 30 minutos. Os desinfetantes aceitáveis
20 minutos para incluem os enumerados
ciclos de desloca- abaixo ou seus equivalentes:
mento de gravidade.
• amônia (solução a 15%)
Siga as instruções do
fabricante do esterili- • Amphyl™*
zador a vapor. • alvejante (solução a 10%)
• Cavicide™*
• Cidex™*, Control III™*
• álcool isopropílico
(solução a 70%)

OBSERVAÇÃO:
A exposição das
peças a uma
solução de
desinfetante mais
concentrada do
que o necessário
pode reduzir a
vida útil do
produto.

1 Desmonte o 1 Desmonte o 1 Desmonte o


componente. componente. componente.

2 Limpe as peças. 2 Limpe as peças. 2 Limpe as peças.


(Consulte a (Consulte a (Consulte a Seção 7.2.1
Seção 7.2.1 para Seção 7.2.1 para para obter detalhes.)
obter detalhes.) obter detalhes.)

MO 7-8 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Manutenção preventiva

Tabela 7-2: Procedimentos de desinfecção e esterilização (cont.)

Esterilização em
Pasteurização Desinfecção química
autoclave

3 Embrulhe todas 3 Coloque as peças no 3 Coloque as peças na


as peças em pasteurizador e solução de limpeza para
papel de musse- realize a serem desinfetadas.
lina ou equiva- pasteurização.
lente durante
o preparo para a
esterilização em
autoclave.

4 Coloque as peças 4 Inspecione as peças 4 Inspecione as peças


embrulhadas na pasteurizadas para desinfetadas para
autoclave de verificar se há verificar se há danos.
vapor e esterilize. danos. Descarte o Descarte o componente
componente se se apresentar algum
apresentar algum dano.
dano.

5 Inspecione 5 Remonte o 5 Remonte o


as peças componente. componente.
esterilizadas para
verificar se há
danos. Descarte
o componente se
apresentar algum
dano.

6 Remonte o 6 Instale o 6 Instale o componente


componente. componente no no ventilador.
ventilador.

7 Instale o 7 Execute o SST. 7 Execute o SST.


componente no
ventilador.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 7-9


Manutenção preventiva

Tabela 7-2: Procedimentos de desinfecção e esterilização (cont.)

Esterilização em
Pasteurização Desinfecção química
autoclave

8 Execute o SST.

OBSERVAÇÃO:
Para evitar manchas e marcas nas peças
quando expostas a temperaturas eleva-
das, enxágüe-as e seque-as completa-
mente antes da esterilização em autoclave
ou da pasteurização.

7.4 Procedimentos de manutenção preventiva para o operador


A Tabela 7-3 resume os procedimentos de manutenção preventiva e a
freqüência recomendada pela Covidien. O operador deve realizar
rotineiramente estes procedimentos de manutenção preventiva nos
intervalos recomendados. A Tabela 7-3 resume as instruções para os
procedimentos de manutenção preventiva.

7.4.1 Total de horas de operação


Determine o total de horas de operação do ventilador e do compressor
da seguinte maneira:
1. Pressione OUTRAS TELAS na tela sensível ao toque do ventilador.
2. Pressione TEMPO OPERACIONAL para obter as horas de operação.

Cuidado
Para evitar a danificação do componente devido a uso excessivo, realize a
manutenção preventiva e substitua os componentes nos intervalos
recomendados. Talvez seja conveniente anotar as datas previstas para
substituição de todos os componentes com base na frequência normal de
uso ou nos intervalos recomendados.

MO 7-10 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Manutenção preventiva

Tabela 7-3: Procedimentos e freqüência de manutenção preventiva


realizada pelo operador

Freqüência Peça Manutenção

Várias vezes ao Circuito do paciente: tubos • Verifique se há excesso de


dia ou inspiratório e expiratório água
conforme • Esvazie e limpe conforme
determinado necessário
pela diretriz de
sua instituição Filtros de bactéria • Inspecione os filtros para
inspiratório e expiratório ver se há danos e substitua-
os se estiverem danificados.
Se algum filtro for
substituído, execute
novamente o SST antes de
voltar a utilizar o ventilador.
• Verifique a resistência dos
filtros inspiratórios e
expiratórios da seguinte
maneira:
– antes de cada utilização
– após 15 dias de uso
contínuo no tubo
expiratório
– ou se você suspeitar de
que há excesso de
resistência
Execute um SST para verificar a
resistência do filtro expiratório.

Frasco coletor, sifões e Verifique e esvazie conforme


bolsa de drenagem necessário.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 7-11


Manutenção preventiva

Tabela 7-3: Procedimentos e freqüência de manutenção preventiva


realizada pelo operador (cont.)

Freqüência Peça Manutenção

Diariamente ou Sensor de oxigênio Pressione a tecla 100% O2/CAL


conforme 2 MIN ou a tecla AUMENTAR O2
necessário 2 min para calibrar o sensor de
oxigênio. Consulte o Apêndice
D deste manual para testar a
calibração do sensor de oxigê-
nio. 

Reservatório do filtro de • Se estiver rachado,


entrada de ar substitua o reservatório.
• Se houver algum sinal
visível de umidade, tire o
ventilador de uso e entre
em contato com o pessoal
de serviço ou manutenção.

A cada Filtro de entrada do Limpe.


250 horas compressor
(ou com maior
freqüência, se
necessário)

MO 7-12 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Manutenção preventiva

Tabela 7-3: Procedimentos e freqüência de manutenção preventiva


realizada pelo operador (cont.)

Freqüência Peça Manutenção

A cada ano, Sensor de oxigênio • Substitua o sensor de


desde o oxigênio conforme a
primeiro uso do necessidade. Ao substituir o
ventilador, ou sensor, siga as informações
conforme a contidas na embalagem do
necessidade. sensor de oxigênio
substituto em relação às
datas de vencimento ou as
datas e informações de
instalação fornecidas nas
instruções de uso do sensor
de oxigênio. De acordo
com o protocolo da
instituição, é necessário
registrar a substituição do
sensor de oxigênio e a data
da substituição.
• A vida útil real do sensor
depende do ambiente de
operação. A operação a
temperaturas ou níveis de
% de O2 mais altos resulta
em uma vida útil mais curta
do sensor. Consulte o
Apêndice D para saber o
procedimento de
substituição do sensor de
oxigênio.

A cada 2 anos Filtros de bactéria • Substitua o filtro.


ou conforme inspiratórios reutilizáveis • Esterilize nos intervalos
necessário entre pacientes e quando
mudar de circuito ou de
acordo com as diretrizes
de sua instituição.
• Antes de descartar,
esterilize o que não for
destrutível.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 7-13


Manutenção preventiva

7.4.2 Filtros de bactéria expiratório e inspiratório

Advertência
O uso de medicação nebulizadora pode aumentar a resistência do
fluxo expiratório e até bloqueá-lo. Inspecione e teste os filtros
expiratórios ao configurar o paciente e várias vezes durante o uso.

• Inspecione e verifique a resistência nos filtros inspiratórios e expiratórios


antes de cada utilização e após 15 dias de uso contínuo no tubo
expiratório.
• Execute um SST para verificar a resistência nos filtros inspiratórios e
expiratórios antes de cada utilização e após 15 dias de uso contínuo no
tubo expiratório.
• A cada mudança de circuito, esterilize em autoclave os filtros reutilizáveis
ou descarte os filtros descartáveis.
• Substitua os filtros inspiratórios reutilizáveis no máximo após um ano
de serviço. Verifique a resistência do filtro após cada esterilização em
autoclave. Descarte o filtro se ele exceder a resistência recomendada.
• Substitua os filtros expiratórios reutilizáveis no máximo após um ano de
serviço. Ao utilizar um filtro pela primeira vez, anote nele a data prevista
para substituição.
Resistência aceitável para os filtros inspiratórios:
• A resistência do filtro de 4 cmH2O (4 hPa) ou menos a 60 L/min de fluxo
ou 0,5 cmH2O (0,5 hPa) ou menos a 30 L/min de fluxo pode indicar uma
ruptura no filtro. Descarte o filtro.
• A resistência do filtro maior do que 4 cmH2O a 100 L/min de fluxo ou
maior do que 2 cmH2O (2 hPa) a 30 L/min de fluxo pode indicar uma
obstrução no filtro.
Para filtros reutilizáveis, esterilize em autoclave e verifique a resistência
novamente. Para filtros descartáveis, descarte e substitua o filtro por
um novo.
Resistência aceitável para os filtros expiratórios:
• A resistência do filtro de 0,6 cmH2O (0,6 hPa) ou menos a 60 L/min de fluxo
ou 0,3 cmH2O (0,3 hPa) ou menos a 30 L/min de fluxo pode indicar uma
ruptura no filtro. Descarte o filtro.

MO 7-14 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Manutenção preventiva

• A resistência do filtro maior do que 2,4 cmH2O (2,4 hPa) a 60 L/min


de fluxo ou 1,2 cmH2O (1,2 hPa) a 30 L/min de fluxo pode indicar
uma obstrução no filtro.
Para filtros reutilizáveis, esterilize em autoclave e verifique a resistência
novamente. Para filtros descartáveis, descarte e substitua o filtro por
um novo.

7.4.3 Diariamente ou conforme necessário: frasco coletor e


bolsa de drenagem

Advertência
• Esvazie o frasco coletor antes que o fluido atinja a linha de
preenchimento máxima. O transbordamento do frasco coletor
pode fazer com que o fluido entre no filtro ou no circuito do
paciente e aumentar a resistência do fluxo.
• A remoção do frasco coletor enquanto o paciente está conectado ao
ventilador pode causar a perda de pressão do circuito, ciclo automá-
tico do ventilador ou contato direto com o líquido contaminado.

• A cada mudança do circuito do paciente, esterilize em autoclave ou


desinfete os frascos coletores reutilizáveis. Descarte os frascos coletores
descartáveis.
• Para evitar o aumento da resistência expiratória, esvazie o frasco coletor
antes que o fluido atinja a linha de preenchimento máxima (veja a
Figura 7-1). Em determinadas condições, o frasco coletor pode ser
preenchido em apenas duas horas.

7.4.3.1 Como remover o frasco coletor


1. Gire o anel na parte inferior do filtro expiratório para soltar o frasco.
2. Substitua o frasco vazio.
3. Gire o anel para prender o frasco corretamente ao filtro expiratório.

OBSERVAÇÃO:
Se você remover o frasco coletor durante a ventilação normal, o
ventilador emitirá um alarme de CIRCUITO DESCONECTADO.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 7-15


Manutenção preventiva

7.4.3.2 Como remover a bolsa de drenagem


1. Aperte o grampo para drenar o líquido do frasco coletor para a bolsa de
drenagem.
2. Quando a bolsa de drenagem estiver cheia, desconecte-a da tubulação.
3. Em seguida, insira o encaixe da bolsa na aba para vedá-la antes do descarte.
4. Bolsa de drenagem. (Veja a Figura 7-1.)
Descarte a bolsa de drenagem e a tubulação a cada 24 horas (ou conforme
necessário) e a cada troca do circuito.

Advertência
Não tente limpar, reprocessar ou reutilizar a bolsa de drenagem, já
que fazer isso representa um risco de infecção à equipe médica e ao
paciente. 

OBSERVAÇÃO:
O grampo é reutilizável. Lembre-se de removê-lo antes de
descartar a bolsa.

Tubos
Bolsa de drenagem
Grampo

Desconecte aqui
A abertura de drenagem do
frasco coletor deverá ficar
tampada se a bolsa de
drenagem não estiver em uso

Insira o encaixe na aba para


vedar a bolsa de drenagem
antes do descarte 

Figura 7-1. Como esvaziar o frasco coletor e a bolsa de drenagem

7.4.4 Diariamente ou conforme necessário: sifões em linha


Drene conforme necessário.

MO 7-16 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Manutenção preventiva

7.4.5 A cada 250 horas: filtro de entrada do compressor


O filtro de entrada do compressor fornece uma pré-filtragem para o filtro
silenciador de entrada do compressor. O filtro de entrada está localizado
na parte superior do painel frontal do compressor.
Se necessário, remova e lave o filtro com uma freqüência maior do que a
cada 250 horas (programação de manutenção preventiva recomendada).
Em alguns ambientes, há um acúmulo mais rápido de poeira e resíduos.
1. Para remover o filtro, puxe cuidadosamente em um dos cantos.
2. Lave o filtro em uma solução leve de sabão.
3. Depois, enxágüe bem e seque completamente para garantir um fluxo
de ar irrestrito através do compartimento do compressor.
Substitua o filtro se ele estiver danificado.
4. Para instalar o filtro de entrada, alinhe o filtro limpo e seco sobre a
abertura no painel frontal do compressor. Comprima cuidadosamente as
bordas do filtro.

Filtro de
entrada

Figura 7-2. Compressor 806 com filtro de entrada

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 7-17


Manutenção preventiva

7.4.6 Anualmente: inspeção do ventilador


Inspecione a parte externa do ventilador para verificar se há danos mecânicos
e etiquetas ilegíveis. Se houver danos ou etiquetas ilegíveis, peça a um
representante de serviço qualificado para fazer a manutenção no ventilador.

7.4.7 Todo ano ou conforme necessário: sensor de oxigênio 


O sensor de oxigênio do ventilador tem uma vida nominal de um ano.
Sua vida útil efetiva depende do ambiente operacional.  A operação em
temperaturas mais elevadas ou níveis mais elevados de FiO2 reduzirá a vida
útil do sensor.
A BDU do Puritan Bennett™ 840 com uma tampa removível, localizada na
borda superior direita da BDU, permite que o operador substitua com
praticidade o sensor de oxigênio. 
Os ventiladores 840 anteriores que não possuem essa tampa de acesso requerem
que um técnico de serviço qualificado substitua o sensor de oxigênio.

7.4.7.1 Procedimento de substituição do sensor de oxigênio

Advertência
Para evitar riscos de ferimento ou morte, não tente realizar nenhum
tipo de serviço no ventilador enquanto um paciente, ou qualquer
outra pessoa, estiver conectado ao ventilador.

Advertência
Para evitar o risco de ferimento, sempre desconecte as fontes de ar e
de oxigênio do ventilador antes de substituir o sensor de oxigênio.

Advertência
Para evitar o risco de choque elétrico e ferimento, sempre
desconecte as fontes de alimentação antes de substituir o sensor de
oxigênio.

MO 7-18 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Manutenção preventiva

Advertência
Use equipamento de proteção pessoal sempre que houver
possibilidade de exposição a gazes, vapores e resíduos tóxicos,
patógenos sanguíneos e outras doenças transmissíveis ou material
contaminado. No caso de dúvida, consulte um especialista em
saúde e segurança ambiental ou um higienista industrial antes
de realizar os procedimentos de manutenção.

Advertência
Ao substituir o sensor de oxigênio, leia atentamente e siga com
rigor todas as etiquetas de cuidados e advertências de segurança
presentes no ventilador e em seus componentes. A não obediência
a essas etiquetas de cuidados e advertências de segurança pode
resultar em ferimentos ou danos.

Advertência
Para evitar o risco de ferimento, nunca tente empurrar ou puxar um
ventilador instalado em um carrinho enquanto os freios estiverem
travados nos rodízios.

Advertência
Para evitar riscos de ferimento e danos ao equipamento, certifique-
se de que os freios nos rodízios estejam travados para impedir que o
carrinho se movimente acidentalmente durante a manutenção de
rotina.

Advertência
Para evitar riscos de ferimento e danos ao equipamento, sempre
levante o ventilador ou qualquer um de seus principais
componentes com a ajuda de outra pessoa.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 7-19


Manutenção preventiva

Advertência
Investigue e determine a causa de qualquer anormalidade
detectada no ventilador. Antes de colocar um paciente no
ventilador, submeta o ventilador ao reparo ou entre em contato
com o Suporte Técnico ou com o representante local da Covidien
para obter mais assistência.

1. Localize a tampa flexível de acesso ao sensor de oxigênio, na borda


superior do gabinete.
2. Empurre com firmeza o centro da aba inferior da tampa de acesso até
que ela se desloque do gabinete.

Figura 7-3. Levante a tampa de acesso ao sensor de O2

3. Aperte com firmeza até unir as abas superior e inferior da tampa de


acesso e puxe-a do gabinete. O sensor de oxigênio é o componente
branco instalado no compartimento da válvula de verificação.

MO 7-20 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Manutenção preventiva

Figura 7-4. Abra a porta de acesso ao sensor de O2

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 7-21


Manutenção preventiva

OBSERVAÇÃO:
A tampa de acesso não se solta do equipamento, possui
uma haste de fixação.

Figura 7-5. Localize o sensor de O2

4. Localize a aba de travamento no conector do sensor de oxigênio.


Pressione essa aba, afastando-a do conector do cabo do sensor,
enquanto puxa cuidadosamente o conector para soltar.

MO 7-22 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Manutenção preventiva

Tampa de
acesso
Tira de
retenção da
tampa

Cabo do
sensor

Conector Sensor de oxigênio


do cabo
do sensor Aba de liberação
do conector

5. Desenrosque (para a esquerda) e remova o sensor de oxigênio.

6. Remova o sensor de oxigênio substituto da embalagem.


7. Verifique se o anel em O está pré-instalado na base rosqueada do sensor
de oxigênio.

Cuidado
O conector circular deve ser corretamente colocado no sensor de oxigênio
antes da instalação no ventilador. Do contrário, poderão ocorrer
vazamentos.

8. Insira a base rosqueada do sensor de oxigênio no compartimento da válvula


de verificação e rosqueie (para a direita) o sensor de oxigênio no
compartimento até que fique firme.

Cuidado
Aperte o sensor de oxigênio sem fazer muita força. Se você apertar demais,
o sensor poderá rachar. Verifique se o sensor não está rosqueado
corretamente visto que ele é rosqueado no compartimento da válvula de
verificação. 

9. Conecte o conector do cabo do sensor ao conector de sensor de oxigênio,


orientando o sulco no conector do cabo em direção à aba de liberação no
conector do sensor de oxigênio. Alinhe os pinos do conector do sensor com
o conector do cabo e empurre o conector no local correto.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 7-23


Manutenção preventiva

10. Recoloque a tampa de acesso deslizando primeiro a aba superior da tampa


em direção à abertura na parte superior do gabinete do ventilador.
11. Depois, usando os dois polegares, pressione simultaneamente os dois
cantos externos da aba inferior na borda do gabinete, encaixando-os na
abertura do gabinete.
12. Ainda usando os dois dedos, encaixe com firmeza a aba inferior na posição
correta. Passe seus dedos ao redor da aba, dos cantos externos para a parte
central inferior, para vedar a tampa de acesso.
Confira se a tampa vedou corretamente a abertura do gabinete. 
13. Calibre o sensor de oxigênio, pressionando a tecla 100% O2/CAL 2 min
ou a tecla AUMENTAR O2 2 min. Consulte a página RT 15-5 para mais
informações sobre como calibrar o sensor de oxigênio. Certifique-se de
que essa calibração seja concluída com êxito.
14. Execute um SST para verificar o sistema antes de colocar um paciente no
ventilador.

7.5 Procedimentos adicionais de manutenção preventiva


Existem outros procedimentos de manutenção preventiva que devem ser
realizados apenas por pessoal qualificado.
A Tabela 7-4 apresenta um resumo desses procedimentos de manutenção
preventiva e seus respectivos intervalos. Você pode obter informações
detalhadas sobre cada um dos procedimentos de manutenção preventiva
no Manual de Serviço do Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 800 Series. 

MO 7-24 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Manutenção preventiva

Tabela 7-4: Procedimentos de manutenção preventiva e seus


respectivos intervalos

Freqüência Peça Manutenção

A cada 6 meses Todo o ventilador Execute o autoteste


estendido (EST).

Anualmente Teste de transdutor de Faça a calibração/teste.


pressão atmosférica, válvula
expiratória, sensores de
fluxo e ventilador
inoperante

Todo o ventilador Execute a verificação do


desempenho. Isso inclui a
execução de um teste elétrico
de segurança e inspeção para
ver se há danos mecânicos e
etiquetas ilegíveis no
ventilador.

Quando o Transdutor de pressão Faça a calibração do


ventilador sofre atmosférica transdutor de pressão
mudança de atmosférica.
local para uma
altitude de
300 metros
(1000 pés)

A cada 2 anos Pacote de bateria interna Substitua o pacote de bateria


ou conforme BPS interna BPS.
necessário A vida útil real da BPS
depende do histórico de
utilização e das condições
ambientais.

A cada 10.000 Várias peças Use o kit de manutenção


horas preventiva correto.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 7-25


Manutenção preventiva

7.6 Armazenamento
Se você pretende armazenar o ventilador por 6 meses ou mais, a Covidien
recomenda desconectar ou recarregar a bateria BPS a cada 3 - 6 meses,
dependendo das temperaturas do armazenamento (consulte as
especificações no Apêndice A). 

Cuidado
• Desconecte o fornecimento de oxigênio caso não tenha a intenção de
usar o ventilador imediatamente.
• Para evitar danificar o ventilador, não coloque o carrinho de costas ou
de lado com a unidade de fornecimento de respiração (BDU) ou a GUI
conectada. Para armazenar ou mover o carrinho de costas ou de lado,
primeiro desconecte a GUI e a BDU do carrinho.

OBSERVAÇÃO:
Um alarme sonoro será acionado por pelo menos 2 minutos depois
da perda de energia se não houver uma bateria conectada.

7.7 Reembalagem e transporte


Se for necessário transportar o ventilador, use o material de embalagem
original. Se esse material não estiver disponível, encomende um kit de
embalagem. Consulte o Manual de Serviço do Sistema de Ventilação Puritan
Bennett™ 800 Series para obter instruções de reembalagem.

MO 7-26 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Manutenção preventiva

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO 7-27


Esta página foi deixada em branco intencionalmente.

MO 7-28 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Especificações

O Apêndice A fornece as seguintes especificações para


o Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840:
• Físicas
• Ambientais
• Pneumáticas e elétricas
• De conformidade e aprovações
• Técnicas
• De faixas, resoluções e precisões de configurações
de ventilador e de alarme e dados monitorados 
A.1 Características físicas
Tabela A-1: Características físicas
Peso Unidade de fornecimento de respiração (BDU): 19,5 kg (43,0 lb)
Interface gráfica do usuário (GUI): 6,7 kg (14,7 lb)
Fonte de alimentação de reserva bateria (BPS) 802 (para uso
com carrinho RTA): 7,6 kg (16,8 lb)
BPS estendida 803 (para uso com carrinho RTA) (com pacote
de bateria, suporte de montagem e batente) 19,5 kg (43,0 lb)
Carrinho RTA: 15,5 kg (34,2 lb)
Carrinho de montagem com o compressor do ventilador
Puritan Bennett™ 800 Series (com BPS de uma hora):
31,6 kg (69,7 lb)
Carrinho de montagem com o compressor do ventilador
Puritan Bennett 800 Series (com BPS de quatro horas):
37,7 kg (83,1 lb)
Carrinho de haste do ventilador Puritan Bennett 800 Series (com
bateria de uma hora): 34,4 kg (75,8 lb)
Carrinho de haste do Ventilador Puritan Bennett 800 Series
(com bateria de quatro horas): 40,5 kg (89,3 lb) 
Unidade do compressor 804 (não está mais disponível):
31,6 kg (69,7 pés)
Unidade do compressor 806 (100V, 120V): 23,6 kg (52 pés)
Unidade do compressor 806 (220 V): 24,5 kg (54 pés)

MO A-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-1: Características físicas (cont.)
Dimensões BDU: 330 mm de altura x 457 mm de largura x 254 mm
profundidade (13 pol. x 18 pol. x 10 pol.)
GUI: 460 mm de altura x 394 mm de largura x 170 mm
profundidade (18,1 pol. x 15,5 pol. x 6,7 pol.)
BPS 802: 83 mm de altura x 244 mm de largura x 254 mm
profundidade (3,25 pol. x 9,6 pol. x 10 pol.)
BPS 803 (BPS estendida): 95 mm de altura x 438 mm de largura x
260 mm profundidade (3,75 pol. x 17,25 pol. x 10,25 pol.),
incluindo corpo e suporte
Carrinho RTA: 998 mm de altura x 582 mm de largura x 602 mm
profundidade (39,3 pol. x 22,9 pol. x 23,7 pol.)
Carrinho de montagem com o compressor do ventilador
Puritan Bennett™ 800 Series: 1041 mm de altura x 686 mm de
largura x 839 mm profundidade (41 pol. x 27 pol. x 33 pol.), com
as rodas na posição mais externa
Carrinho de haste do ventilador Puritan Bennett 800 Series:
1041mm de altura x 686 mm de largura x 839 mm profundidade
(41 pol. x 27 polegadas de largura x 33 polegadas de
profundidadecom as rodas na posição mais externa)
Compressor 804 (não está mais disponível): 417 mm de altura x
458 mm de largura x 362 mm de profundidade (16,4 pol. x
18 pol. x 14,25 pol.)
Compressor 806: 425 mm de altura x 458 mm de largura x 362 mm
de profundidade (17 pol. x 18 pol. x 14,25 pol.)

Conectores Conector do tubo inspiratório: macho cônico ISO 22 mm


Conector do tubo expiratório (em filtro expiratório):
macho cônico ISO 22 mm
Entradas de ar e oxigênio: DISS macho, DISS fêmea, NIST,
Air Liquide™* ou adaptador SIS (dependendo do país e
da configuração)

Filtros Consulte as folhas de instruções do filtro para obter


inspiratório/ especificações completas.
expiratório

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-3


Tabela A-1: Características físicas (cont.)
Sistema de Variação do fluxo do sistema de combinação: Pode ser definido
combinação para temperatura e pressão padrão, seca, de 150 L/min (STPD).
de gás Um fluxo adicional está disponível (até 30 L/min para tipo de
circuito neonatal, até 80 L/min para tipo de circuito pediátrico e
até 200 L/min para tipo de circuito adulto) para compensação
de complacência.
Vazamento de um sistema de gás para outro: Em conformidade
com o padrão
Variação da pressão operacional: 35 a 100 psi (241 a 690 kPa)
Dreno do regulador de ar/oxigênio: Até 3 L/min.

Volume do 45 dB(A) a 85 dB(A)


alarme

A.2 Condições ambientais

Tabela A-2: Condições ambientais


Temperatura Funcionamento: 10 a 40 C (50 a 104 F) com 10 a 95% de
umidade relativa, não condensada
Armazenamento: -20 a 50 C (-4 a 122 F) com 10 a 95% de
umidade relativa, não condensada

Pressão Funcionamento: 700 a 1060 hPa (10,2 a 15,4 psi)


atmosférica Armazenamento: 500 a 1060 hPa (7,3 a 15,4 psi)

Altitude Funcionamento: -443 a 3280 m (-1350 a 10.000 pés)


Armazenamento: Até 6560 m (20.000 pés)

MO A-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


A.3 Especificações pneumáticas
Tabela A-3: Especificações pneumáticas
Entradas de Pressão: 241 a 690 kPa (35 a 100 psi)
oxigênio e ar
Advertência
Devido à restrição excessiva nas montagens
de tubos Dräger™*, SIS e Air Liquide™*, o
desempenho do ventilador pode diminuir
quando forem empregadas pressões de ar ou
de oxigênio de < 50 psi (345 kPa).

Fluxo: Máximo de 200 L/min

Vida útil do A vida útil do sensor de oxigênio é de um ano, nominal após


sensor de o primeiro uso do ventilador. Ao substituir o sensor, siga as
oxigênio informações contidas na embalagem do sensor de oxigênio
substituto em relação às datas de vencimento ou as datas e
informações de instalação fornecidas nas instruções de uso do
sensor de oxigênio. De acordo com o protocolo da instituição,
é necessário registrar a substituição do sensor de oxigênio e a
data da substituição. A vida útil real do sensor depende do
ambiente de operação: A operação a temperaturas ou níveis
de % de O2 mais altos diminuirá a vida útil do sensor.

Sistema de Variação do fluxo do sistema de combinação: Pode ser definido


combinação para temperatura e pressão padrão, seca, de 150 L/min (STPD).
de gás Um fluxo adicional está disponível (até 30 L/min para tipo de
circuito neonatal, até 80 L/min para tipo de circuito pediátrico
e até 200 L/min para tipo de circuito adulto) para uma
compensação de complacência.
Vazamento de um sistema de gás para outro:
Em conformidade com o padrão IEC 60601-2-12:2001.
Variação da pressão operacional: 35 a 100 psi (241 a 690 kPa)
Dreno do regulador de ar/oxigênio: Até 3 L/min

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-5


A.4 Especificações elétricas

Tabela A-4: Especificações elétricas


Alimentação Operação do ventilador sem compressor:
de entrada 100 V~, 50 Hz; 5,1 A
100 V~, 60 Hz; 5,1 A
120 V~, 60 Hz; 4,5 A
220 - 240 V~, 50 Hz; 1,5 A
220 - 240 V~, 60 Hz; 1,5 A
Operação do ventilador com compressor:
100 V~, 50 Hz; 10,7 A
100 V~, 60 Hz; 10,7 A
120 V~, 60 Hz; 10,1 A
220 - 240 V~, 50 Hz; 4.1 A
220 - 230 V~, 60 Hz; 4.1 A
Liberação de sobrecorrente:
Ventilador: 5 A, 100-120 V~; 5 A, 220-240 V~
Correntes auxiliares: 10 A, 100-120 V~; 5 A, 220-240 V~

OBSERVAÇÃO:
As especificações de fonte de alimentação listadas acima destinam-se a
ventiladores com umidificadores Fisher & Paykel™* MR730, e são
configurados com os seguintes parâmetros de ventilador a uma
temperatura ambiente de 22 C (conexão do umidificador disponível
somente em ventiladores de 100 - 120 V):
• Modo: A/C
• Tipo mandatório: PC
• IBW: 85 kg
• fTOT: 20/min
• PSUPP: 30 cmH2O
• TI: 1 segundo
• Aceleração de fluxo %: 50 %
• O2%; 50 %
• PPEAK: 50 cmH2O
• PSENS: 3 cmH2O

MO A-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-4: Especificações elétricas (cont.)
Corrente de Corrente de vazamento aterrada:
vazamento Operação com 100 a 120 V~: 300 A
Operação com 220 a 240 V~: 500 A
Corrente de vazamento do chassi/paciente:
Operação com 100 a 120 V~: 100 Máximo de A
Operação com 100 a 240 V~: 100 Máximo de A
Corrente de vazamento do umidificador:
Operação com 100 a 120 V~: 50 Máximo de A
Operação com 100 a 240 V~: 100 Máximo de A
Corrente de vazamento auxiliar do paciente: Não aplicável.

Advertência
No caso de haver um condutor aterrado defeituoso,
poderá ocorrer um aumento na corrente de vazamento
do paciente para um valor superior ao limite permitido,
se você conectar o equipamento aos soquetes da
corrente auxiliar (isto é, a conexão do compressor ou
do umidificador).

Volume do 45 dB(A) a 85 dB(A)


alarme

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-7


Tabela A-4: Especificações elétricas (cont.)
Fonte de 24 V DC, 7 Ah
alimentação de Tempo operacional (de uma bateria nova, totalmente
reserva bateria carregada): pelo menos 60 minutos (30 minutos para
(BPS) 802 e ventiladores fabricados antes de 2007). A duração efetiva
carrinhos mais depende das configurações do ventilador, da idade da bateria
novos do e do nível de carga da bateria. 
ventilador
Puritan Tempo de recarga: Recarrega automaticamente no máximo
Bennett™ 800 em 8 horas enquanto o ventilador estiver conectado à
Series com BPS alimentação AC.
ou bateria de Vida útil: 24 meses a partir da data de fabricação.
uma hora  Condições de armazenamento: Armazene em uma
temperatura entre -20 a 50 C (-4 a 122 °F), 25 a 85% de
umidade relativa; evite luz direta do sol.
Requisitos para recarga:
A cada 6 meses quando a temperatura de armazenamento
estiver entre -20 a 29 °C (-5 a 84 °F)
A cada 3 meses quando a temperatura de armazenamento
estiver entre 30 a 40 °C (86 a 104 °F)
A cada 2 meses quando a temperatura de armazenamento
estiver entre 41 a 50 °C (105 a 122 °F).

MO A-8 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-4: Especificações elétricas (cont.)
Fonte de 24 V DC, 17 Ah 
alimentação de Tempo operacional (de uma bateria nova, totalmente
reserva carregada): pelo menos 60 minutos (30 minutos para
estendida ventiladores fabricados antes de 2007). A duração efetiva
803 e carrinhos depende das configurações do ventilador, da idade da bateria
mais novos do e do nível de carga da bateria.
ventilador
Puritan Tempo de recarga: Recarrega automaticamente no máximo
Bennett 800 em 20 horas enquanto o ventilador estiver conectado à
Series com BPS alimentação AC.
ou bateria de Vida útil: 24 meses a partir da data de fabricação.
quatro horas  Condições de armazenamento: Armazene em uma
temperatura entre -20 a 50 °C (-4 to 122 °F), com 25 a 85% de
umidade relativa; evite luz direta do sol.
Requisitos para recarga:
A cada 6 meses quando a temperatura de armazenamento
estiver entre -20 e 29 °C (-5 e 84 °F)
A cada 3 meses quando a temperatura de armazenamento
estiver entre 30 e 40 °C (86 e 104 °F)
A cada 2 meses quando a temperatura de armazenamento
estiver entre 41 e 50 °C (105 e122 °F). 

OBSERVAÇÃO:
As especificações da vida útil da bateria BPS são
aproximadas. Para garantir o máximo de vida útil da
bateria, mantenha a carga total e minimize o número de
descargas totais.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-9


A.5 Conformidade e aprovações
O Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 foi desenvolvido de acordo
com as orientações do FDA pertinentes e com os padrões norte-americanos e
internacionais (Tabela A-5). 
A classificação IEC 60601-1/EN 60601-1 do ventilador é classe I de proteção,
Tipo B, com fonte de alimentação interna, equipamento resistente a líquidos
IPX1, de operação contínua.

Tabela A-5: Conformidade e aprovações

Agência de
Padrões/certificações Configurações
certificação

América do Norte

Autorizado a utilizar a marca de 120 V, 60 Hz CSA (Canadian


certificação CSA com o indicador 220-240 V, 50 Hz Standards
NRTL/C, o que significa que o produto 220-240 V, 60 Hz Association)
foi avaliado de acordo com os padrões
aplicáveis do ANSI/Underwriters
Laboratories Inc. (UL) e CSA para uso
nos E.U.A. e no Canadá.
CSA Std. No. 601-1-M90
CSA 601-1 Supplement 1:1994
CSA Std. No. 60601-2.12-1994
UL No. 60601-1 (1st Edition)
IEC 60601-1:1988
IEC 60601-1 Amendment 1:1991
IEC 60601-1 Amendment 2:1995
IEC 60601-2-12:2001

IEC 60601-1-2:2007 Auto-certificação


do fabricante

MO A-10 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-5: Conformidade e aprovações (cont.)

Agência de
Padrões/certificações Configurações
certificação

Internacional

Certificação do Esquema CB: 100 V, 50/60 Hz CSA (Canadian


IEC 60601-1:1988 120 V, 60 Hz Standards
IEC 60601-1 Amendment 1:1991 220 – 240 V, 50 Hz Association)
IEC 60601-1 Amendment 2:1995 220 – 240 V, 60 Hz
IEC 60601-2-12:2001

IEC 60601-1-2:2001+A1:2004 100 V, 50/60 Hz Auto-certificação


120 V, 60 Hz do fabricante
220 – 240 V, 50 Hz
220 – 240 V, 60 Hz

Europa

Aprovado para os requisitos de teste 220-240 V, 50 Hz TÜV Product


de tipo do Anexo III da Diretiva de 220-240 V, 60 Hz Service
Aparelhos Médicos.
EN 60601-1:1990
EN 60601-1 Amendment 1:1993
EN 60601-1 Amendment 11:1993
EN 60601-1 Amendment 12:1993
EN 60601-1 Amendment 2:1995
EN 60601-1 Amendment 13:1996
IEC 60601-2-12:2001

EN 60601-1-2:2001+A1:2006 Auto-certificação
do fabricante

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-11


A.5.1 Declaração do fabricante
As seguintes tabelas contêm as declarações do fabricante sobre emissões
eletromagnéticas, imunidade eletromagnética do Sistema de Ventilação
Puritan Bennett™ 840, distâncias recomendadas entre o ventilador e o
equipamento de comunicações RF móvel e portátil e uma lista de cabos
compatíveis. 

Advertência
Equipamentos de comunicação de RF (radiofrequência) portáteis e móveis
podem afetar o Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840. Instale e use
o aparelho de acordo com as informações contidas neste manual.

Advertência
O Sistema de Ventilação Puritan Bennett 840 não deve ser usado
adjacente a ou empilhado junto com outros equipamentos, exceto
conforme seja especificado em outras partes deste manual. Caso uma
dessas situações seja necessária, verifique se o funcionamento do
Sistema de Ventilação Puritan Bennett 840 está normal, dentro das
configurações em que está sendo usado. 

OBSERVAÇÃO:
Este é um produto classe A, destinado a ser usado exclusivamente em
ambientes hospitalares. Se usado fora de ambients hospitalares, este
equipamento pode não oferecer proteção adequada a serviços de
comunicação de radiofrequência. O usuário pode precisar tomar
medidas de redução, tais como mudar a localização ou a orientação
do equipamento. 

MO A-12 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-6: Emissões eletromagnéticas

O Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 destina-se a uso no ambiente


eletromagnético especificado a seguir. O cliente Ou o usuário do Sistema de
Ventilação Puritan Bennett 840 deve se certificar de que ele seja usado em tal
ambiente. 

Teste de emissões Conformidade Guia de ambientes eletromagnéticos

Emissões de RF Grupo 1 O Sistema de Ventilação Puritan


irradiadas CISPR 11 Classe A Bennett 840 utiliza energia de RF
somente para suas funções
internas. Por isso, suas emissões
de RF são muito baixas e não é
provável que causem interferência
em equipamentos eletrônicos
próximos.

Emissões de RF Grupo 1 O Sistema de Ventilação Puritan


conduzida  Classe A Bennett 840 é apropriado para uso
CISPR 11 em qualquer local, incluindo
ambientes domésticos e aqueles
conectados diretamente à rede
Emissões Classe A
pública de fornecimento de energia
harmônicas
de baixa voltagem que abastecem
IEC 61000-3-2 edifícios residenciais. 

Emissões flutuantes/ Compatível


flutuações de
voltagem
IEC 61000-3-3

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-13


Tabela A-7: Imunidade eletromagnética

O Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 destina-se a uso no ambiente


eletromagnético especificado a seguir. O cliente ou o usuário do Sistema de Ventilação
Puritan Bennett 840 deve se certificar de que ele seja usado em tal ambiente. 

Teste de Nível de teste Nível de Guia de ambientes


imunidade IEC 60601-1-2  conformidade eletromagnéticos

Descarga ± 6 kV para ± 6 kV para O chão deve ser de madeira,


eletrostática contato contato concreto ou cerâmica. Se o
(ESD) chão for revestido de material
IEC 61000-4-2 ± 8 kV para ar ± 8 kV para sintético, a umidade relativa
ar deve ser de no mínimo 30%.

Explosão/ ± 2 kV para ± 2 kV para A qualidade da corrente


temporária linhas de linhas de principal deve ser a de um
elétrica fonte de fonte de ambiente hospitalar ou
IEC 61000-4-4 alimentação alimentação comercial comum.

± 1 kV para ± 1 kV para
linhas de linhas de
entrada/ entrada/
saída saída

Sobretensão ± 1 kV linhas/ ± 1 kV A qualidade da corrente


IEC 61000-4-5 linhas linhas/linhas principal deve ser a de um
± 2 kV linhas/ ± 2 kV ambiente hospitalar ou
terra linhas/terra comercial comum.

MO A-14 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-7: Imunidade eletromagnética (cont.)

O Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 destina-se a uso no ambiente


eletromagnético especificado a seguir. O cliente ou o usuário do Sistema de Ventilação
Puritan Bennett 840 deve se certificar de que ele seja usado em tal ambiente. 

Teste de Nível de teste Nível de Guia de ambientes


imunidade IEC 60601-1-2  conformidade eletromagnéticos

Quedas da < 5% de UT < 5% de UT A qualidade da energia


voltagem da (> queda de (> queda de elétrica da rede deve ser a
linha, 95% em UT 95% em UT mesma de um ambiente
interrupções para meio para meio comercial ou hospitalar típico.
curtas e ciclo) ciclo) Se o usuário do Sistema de
variações de Ventilação Puritan Bennett
voltagem nas 840 precisar de
linhas de entrada 40% UT 40% UT funcionamento contínuo
da fonte de (queda de (queda de durante interrupções no
alimentação 60% em UT 60% em UT fornecimento de energia, é
IEC 61000-4-11 para 5 ciclos) para 5 ciclos) recomendável que o Sistema
de Ventilação Puritan Bennett
840 seja alimentado com uma
70% UT 70% UT fonte de energia ininterrupta
(queda de (queda de ou uma bateria. 
30% em UT 30% em UT
para 25 para 25
ciclos) ciclos)

< 5% de UT < 5% de UT
(> queda de (> queda de
95% em UT 95% em UT
para 5 s) para 5 s)

Campo 3 A/m 3 A/m Os campos magnéticos de


magnético freqüência de energia devem
(50/60 Hz) estar em níveis característicos
da freqüência de um local comum em um
de energia ambiente comercial ou
IEC 61000-4-8 hospitalar comum.

OBSERVAÇÃO:
UT é a voltagem AC antes da aplicação em nível de teste.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-15


Tabela A-8: Imunidade eletromagnética –
RF conduzida e irradiada
O Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 é apropriado para uso no ambiente
eletromagnético especificado abaixo. O cliente ou usuário do Sistema de Ventilação
Puritan Bennett 840 deve certificar-se de usá-lo em um desses ambientes.

Teste de Nível do teste Nível de Guia de ambientes


imunidade IEC 60601-1-2 conformidade eletromagnéticos

Os equipamentos de
comunicação de RF portáteis e
móveis devem estar
RF conduzida 3 Vrms 3 Vrms
separados de qualquer peça
IEC 61000-4-6 Faixas ISM Faixas ISM do Sistema de Ventilação
externas de externas de Puritan Bennett 840, incluindo
150 kHz a 150 kHz a cabos, de acordo com a
80 MHza 80 MHz distância recomendada,
calculada a partir da equação
apropriada para a freqüência
do transmissor.
10 Vrms 10 Vrms
dentro ISM dentro ISM Distância recomendada
bandasa bandas

10 V/m 10 V/m
RF irradiada
80 MHz a 80 MHz a d = 0,35 P
IEC 61000-4-3 2,5 GHz 2,5 GHz

d = 1,2 P

d = 1,2 P 80 MHz a 800


MHz

d = 2,3 P 800 MHz a 2,5


GHz

MO A-16 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-8: Imunidade eletromagnética –
RF conduzida e irradiada (cont.)
Onde P é a saída máxima de faixa de energia do transmissor em watts (W), de
acordo com o fabricante do transmissor, e d é a distância recomendada em metros
(m)b. As intensidades dos campos dos Transmissores de RF fixos, de acordo com
verificação da área eletromagnéticac, devem ser menores do que o nível de
conformidade em cada faixa de freqüênciad. 

Poderá ocorrer interferência perto do equipamento marcado com o seguinte


símbolo:

OBSERVAÇÃO:
• A 80 MHz e 800 MHz, aplica-se a maior faixa de freqüência.
• Talvez essas diretrizes não se apliquem a todas as situações.
A propagação eletromagnética é afetada pela absorção e reflexão
de estruturas, objetos e pessoas.
a As faixas ISM (industrial, científica e médica) entre 150 kHz e 80 MHz são 6,765 MHz a 6,795 MHz’;
13,553 MHz a 13,567 MHz; 26,957 MHz a 27,283 MHz e 40,66 MHz a 40,70 MHz.
b Os níveis de conformidade nas faixas de freqüência ISM entre 150 kHz e 80 MHz e na faixa de freqüência
de 80 MHz a 2,5 GHz são destinados a diminuir a probabilidade de equipamentos de comunicação
móveis/portáteis causarem interferência se estiverem, inadvertidamente, em áreas próximas a pacientes.
Por esse motivo, um fator adicional de 10/3 é usado no cálculo da distância recomendada para
transmissores nessas faixas de freqüência.
c As intensidades de campo de transmissores fixos, tais como estações rádio base de telefones móveis
(celulares/sem fio), radioamadores, emissoras de rádio AM e FM e emissoras de TV, não podem ser
previstas teoricamente com precisão. Para avaliar o ambiente eletromagnético decorrente de
transmissores de RF fixos, recomenda-se um levantamento eletromagnético do local. Se a intensidade do
campo, medida no local em que o Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 é usado, exceder o nível
de observância de RF aplicável descrito acima, deve-se observar o Sistema de Ventilação Puritan Bennett
840, para verificar o seu funcionamento normal. Se um desempenho anormal for observado, medidas
complementares podem ser necessárias, como a realocação ou relocação do ventilador. 
d Acima da faixa de freqüência de 150 kHz a 80 MHz, as intensidades dos campos devem ser menores do
que 10 V/m.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-17


Tabela A-9: Distâncias recomendadas entre equipamentos
de comunicação portáteis e móveis de RF e o Sistema de Ventilação
Puritan Bennett™ 840
O Sistema de Ventilação Puritan Bennett 840 destina-se ao uso em um ambiente
eletromagnético em que distúrbios de RF irradiados sejam controlados. O cliente
ou usuário do Sistema de Ventilação Puritan Bennett 840 pode ajudar a impedir
interferência eletromagnética, mantendo uma distância mínima entre
equipamentos de comunicação de RF portáteis e móveis (transmissores) e o
ventilador conforme recomendado a seguir, de acordo com a potência de saída
máxima dos equipamentos de comunicação. 

Distância de acordo com a freqüência do transmissor em metros (m).

Faixa da Faixas ISM Faixas ISM 80 MHz a 800 MHz a


potência externas de internas de 800 MHz 2,5 GHz
máxima de
saída do 150 kHz a 150 kHz a
transmissor 80 MHz 80 MHz
em watts (W)
d = 0,35 P d = 1,2 P d = 1,2 P d = 2,3 P

0,01 0,035 0,12 0,12 0,23

0,1 0,11 0,38 0,38 0,73

1 ,35 1,2 1,2 2,3

10 1,1 3,8 3,8 7,3

100 3,5 12 12 23

MO A-18 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-9: Distâncias recomendadas entre equipamentos
de comunicação portáteis e móveis de RF e o Sistema de Ventilação
Puritan Bennett™ 840 (cont.)
Para transmissores que variam em uma potência máxima de saída não listada acima,
a distância recomendada d em metros (m) pode ser determinada com a equação
aplicável na freqüência do transmissor, onde P é a saída máxima da faixa de potência
do transmissor em watts (W) de acordo com o fabricante do transmissor.

OBSERVAÇÕES:
• A 80 MHz e 800 MHz, aplica-se a distância para a faixa mais alta
de freqüência.
• As faixas ISM (industrial, científica e médica) entre 150 kHz e
80 MHz são de 6,765 MHz a 6,795 MHz; 13,553 MHz a 13,567 MHz;
26,957 MHz a 27,283 MHz e de 40,66 MHz a 40,70 MHz.
• Um fator adicional de 10/3 é usado para calcular a distância
recomendada para transmissores nas faixas de freqüências
ISM entre 150 kHz e 80 MHz e na faixa de freqüências de 80 MHz
a 2,5 GHz para diminuir a probabilidade de equipamentos de
comunicação móveis/portáteis causarem interferência se
estiverem, inadvertidamente, em áreas próximas a pacientes. 
• Talvez essas diretrizes não se apliquem a todas as situações.
A propagação eletromagnética é afetada pela absorção e reflexão
de estruturas, objetos e pessoas.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-19


Tabela A-10: Cabos compatíveis
A Covidien não fornece cabos de alarme remoto (chamar a enfermagem) ou de
porta serial. Para manter conformidade com padrões de compatibilidade
eletromagnética (EMC) internacionais, a Covidien recomenda o uso de cabos
blindados para tais aplicações.

Advertência

O uso de acessórios e componentes diferentes dos especificados, exceto


peças vendidas pela Covidien para reposição de componentes internos,
pode resultar no aumento de emissões ou redução da imunidade do
Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840. 

4-078107-00, 4-078107-SP 3 m (10 pés)


Cabo de força, trava, América do
Norte

4-078108-00, 4-078108-SP 3 m (10 pés)


Cabo de força, trava, Europa

4-078109-00, 4-078109-SP 3 m (10 pés)


Cabo de força, trava, Japão

4-078110-00, 4-078110-SP 3 m (10 pés)


Cabo de força, trava, Austrália

4-071421-00 3 m (10 pés)


Cabo de força, Dinamarca

4-071422-00 3 m (10 pés)


Cabo de força, Índia/África do Sul

4-071423-00 3 m (10 pés)


Cabo de força, Israel

4-078144-00 3 m (10 pés)


Cabo de força, Reino Unido

4-078107-00, 4-078107-SP 3 m (10 pés)


Cabo de força, trava, América do
Norte

4-031323-00 3 m (10 pés)


Cabo de força, Itália

MO A-20 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-10: Cabos compatíveis (cont.)
A Covidien não fornece cabos de alarme remoto (chamar a enfermagem) ou de
porta serial. Para manter conformidade com padrões de compatibilidade
eletromagnética (EMC) internacionais, a Covidien recomenda o uso de cabos
blindados para tais aplicações.

Advertência

O uso de acessórios e componentes diferentes dos especificados, exceto


peças vendidas pela Covidien para reposição de componentes internos,
pode resultar no aumento de emissões ou redução da imunidade do
Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840. 

4-031325-00 3 m (10 pés)


Cabo de força, Suíça

4-075864-00 91 m (3 pés)
Montagem do cabo, GUI para BDU

4-071441-00 3 m (10 pés)


Montagem do cabo, GUI para BDU

A.6 Especificações técnicas


OBSERVAÇÃO:
Quando a unidade de pressão do Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840
estiver configurada para hPa, o fornecimento de pressão e a espirometria
estarão sujeitos a um erro adicional de 2%. 

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-21


Tabela A-11: Especificações técnicas
Limite de pressão 127,5 cmH2O (125 hPa)
máxima
Pressão máxima 100 cm H2O (98,1 hPa), assegurada pelo limite máximo
de funcionamento de pressão de 90 cm H2O (ventilação baseada em pressão) 
Aparelhos de Pressão:
exibição e medição Tipo: Transdutor de silicone em estado sólido de pressão
diferencial
Posição de detecção: Tubos inspiratórios e expiratórios
(usados para aproximar algoritmicamente a pressão no
tubo em forma de Y do circuito)
Medições:
Pressão média do circuito
Variação: -20 a 120 cmH2O, (-20,4 a 122 hPa)
Pressão de pico do circuito
Variação: -20 a 130 cmH2O (-20,4 a 133 hPa)
Volume:
Tipo: Anemômetro de filme quente
Posição de detecção: Compartimento de expiração
Medições:
Volume corrente expirado
Variação: 0 a 6.000 mL
Volume total por minuto
Variação: 0 a 99,9 L
Medição de oxigênio:
Tipo: Célula galvânica
Posição de detecção: Tubo inspiratório
Medição: Percentual fornecido de O2
Variação: 0 a 103%
Exibição de configurações, alarmes e dados monitorados:
Tipo: Duas telas sensíveis ao toque de monitores de
cristal líquido (LCD)
Volume por minuto 25a 75 L/min
(VE TOT )

MO A-22 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-11: Especificações técnicas (cont.)
Resultados do teste Queda da pressão inspiratória da entrada da válvula
de circuito do de segurança aberta para a porta de saída sem o filtro
paciente do inspiratório:
ventilador, usando Com o padrão de 5 litros por minuto (SL/min):
circuitos 0,06 cmH2O
identificados para
Com o padrão de 30 litros por minuto (SL/min):
uso com o Sistema
0,28 cmH2O
de Ventilação
Puritan Bennett™ A 60 SL/min: 0,95 cmH2O
840 (Figura A-1) Queda de pressão inspiratória no filtro inspiratório:
A 5 SL/min: 0,17 cmH2O
A 30 SL/min: 0,56 cmH2O
A 60 SL/min: 1,37 cmH2O
Queda da pressão inspiratória da entrada da válvula
de segurança aberta com o filtro inspiratório:
A 5 SL/min: 0,17 cmH2O
A 30 SL/min: 0,84 cmH2O
A 60 SL/min: 2,32 cmH2O
Queda de pressão no tubo inspiratório ou expiratório
a 1,68 m (5,5 pés) com o sifão, para o tubo em forma
de Y do paciente:
Circuito de pacientes recém-nascidos1: Não aplicável
(sem sifão)
Circuito de pacientes pediátricos a 30 SL/min:
0,73 cmH2O
Circuito de pacientes adultos a 60 SL/min: 1,05 cmH2O
Queda de pressão do tubo inspiratório ou expiratório
a 1,22 m (4 pés) sem o sifão, para o tubo em forma de
Y do paciente:
Circuito de pacientes recém-nascidos a 5 SL/min:
0,45 cmH2O (tubo inspiratório)
Circuito de pacientes recém-nascidos a 5 SL/min:
0,40 cmH2O (tubo expiratório)
Circuito de pacientes pediátricos a 30 SL/min:
0,56 cmH2O
Circuito de pacientes adultos a 60 SL/min: 0,70 cmH2O
1 Use somente um circuito de paciente recém-nascido com a opção de software NeoMode e
com o hardware NeoMode.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-23


Tabela A-11: Especificações técnicas (cont.)
Resultados do teste Queda de pressão no umidificador Fisher & Paykel™* e tubo
de circuito do de descida:
paciente com Circuito de pacientes recém-nascidos a 5 SL/min:
ventilador (cont) 0,14 cmH2O
Circuito de pacientes pediátricos a 30 SL/min:
0,28 cmH2O
Circuito de pacientes adultos a 60 SL/min: 0,93 cmH2O
Queda de pressão expiratória no compartimento de
expiração:
A 5 SL/min: 0,21 cmH2O (com filtro e frasco para
recém nascido)
A 30 SL/min: 1,5 cmH2O
A 60 SL/min: 3,40 cmH2O
Queda total de pressão inspiratória:
Circuito de pacientes recém-nascidos com filtro/frasco
para recém-nascido a 5 SL/min: 0,76 cmH2O
Circuito de pacientes pediátricos com sifões a 30 SL/min:
1,85 cmH2O
Circuito de pacientes pediátricos sem sifões a 30 SL/min:
1,68 cmH2O
Circuito de pacientes adultos com sifões a 60 SL/min:
4,30 cmH2O
Circuito de pacientes adultos sem sifões a 60 SL/min:
3,95 cmH2O
Queda total de pressão expiratória:
Circuito de pacientes pediátricos com sifões a 30 SL/min:
2,23 cmH2O
Circuito de pacientes pediátricos sem sifões a 30 SL/min:
2,06 cmH2O
Circuito de pacientes adultos com sifões a 60 SL/min:
4,45 cmH2O
Circuito de pacientes adultos sem sifões a 60 SL/min:
4,10 cmH2O

MO A-24 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-11: Especificações técnicas (cont.)
Resultados do teste Volume interno:
de circuito do Pneumáticas inspiratórias: 50 mL 5 mL
paciente com
Pneumáticas expiratórias: 1000 mL 25 mL (incluindo
ventilador (cont)
filtro expiratório e frasco coletor)
O Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 ajusta
automaticamente as perdas de volume devido à
compressão de gás (isto é, compensação automática
de complacência), sujeito a um volume de fornecimento
máximo de 2500 mL. 

OBSERVAÇÃO:
• As especificações de teste de circuito do paciente são executadas com o ven-
tilador desligado e se baseiam nas configurações recomendadas mostradas
na Figura A-1 (umidificador com fio aquecido sem sifões e umidificador com
fio não aquecido com sifões). Os números das peças do circuito do paciente
estão listados no Apêndice B.
• Para garantir que a compensação de complacência funcione corretamente,
o usuário precisa executar o SST com o circuito configurado para uso no
paciente.

Eficácia do filtro 99,97% para tamanho de partícula nominal de 0,3 m


de bactéria (mícron) a 100 L/min

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-25


1
3
2

5
8
7
6

(Configuração com cabo aquecido)

2
3
4

5
9
7 6
8

(Configuração com cabo não aquecido)

Figura A-1. Configurações recomendadas do circuito do paciente

OBSERVAÇÃO:
Consulte o complemento da opção NeoMode para obter
informações sobre as configurações recomendadas de
circuito do paciente recém-nascido.

Tabela A-12: Configurações do circuito do paciente 

Configuração com cabo aquecido

Item Descrição

1 Tubo em forma de Y do paciente

2 Tubo expiratório (tubo com interior liso)

MO A-26 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-12: Configurações do circuito do paciente 

Configuração com cabo aquecido

3 Tubos/bolsa de drenagem

4 PB Re/X800 ou Filtro expiratório D/X800 e o frasco coletor

5 Conector para paciente

6 PB Re/Flex ou D/Flex filtro inspiratório

7 Tubo inspiratório (tubo com interior liso)

8 Nebulizador (apenas para posicionamento)

Configuração com cabo não aquecido

Item Descrição

1 Tubo em forma de Y do paciente

2 Sifão

3 Tubo expiratório (tubo com interior liso)

4 PB Re/X800 ou Filtro expiratório D/X800 e o frasco coletor

5 Conector para paciente

6 PB Re/Flex ou D/Flex filtro inspiratório

7 Tubo inspiratório (tubo com interior liso)

8 Sifão

9 Nebulizador (apenas para posicionamento)

A.7 Variações, resoluções e precisões


• A Tabela A-13 contém faixas, resoluções e precisões para configurações
de ventilador. Ela também contêm, onde aplicável, configurações que
dependem do ventilador.
• A Tabela A-14 contém configurações de alarmes.
• A Tabela A-15 contém dados do paciente.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-27


• A Tabela A-16 contém descrições de outros dados exibidos, incluindo
códigos de diagnósticos, tempo operacional, nível de revisão do software
E configuração da data/hora. 

A.7.1 Limites recomendados


Algumas configurações recomendam limites que você pode ignorar, os
chamados limites flexíveis. Quando você fornecer uma configuração que
exceda os limites recomendados, o ventilador soará um tom de alerta e
pedirá que você confirme se deseja substituir a faixa recomendada. 

Advertência
Os valores de pressão exibidos são estimados, e não diretamente
medidos. As pressões exibidas normalmente são bastante aproximadas
da pressão real do tubo em forma de Y; mas em algumas circunstâncias,
como obstruções parciais do tubo inspiratório, as pressões exibidas serão
mais aproximadas à pressão na porta inspiratória.
Se as circunstâncias clínicas sugerirem que a validade da pressão
exibida estimada é questionável, examine o circuito respiratório.
Corrija qualquer obstrução e execute novamente o SST. Você também
pode usar um manômetro portátil separado para medir a pressão.

MO A-28 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


A.7.2 Opções de software
Consulte o complemento da opção de software adequado para obter
informações referentes a configurações de ventilador, de alarme e de dados
monitorados específicos de uma opção de ventilação instalada, que inclui:
BILEVEL (Opção BiLevel)
NeoMode (Opção NeoMode)
NeoMode Update (Opção NeoMode atualizada)
NeoMode 2.0 (Opção NeoMode capaz de fornecer volumes correntes
de até 2 mL)
TC (Opção Tube Compensation ou Compensação de Tubo)
LC (Opção Leak Compensation ou Compensação de Vazamentos)
VS, VC+ (Opção Volume Ventilation Plus ou Ventilação Volume Plus)
PAV+ (Opção Proportional Assist™* Ventilation Plus
ou Ventilação Assistida Proporcional Plus)
RM (Opção Respiratory Mechanics ou Mecânica Respiratória)
Trending (Opção Trending ou Tendências) 

Tabela A-13: Configurações do ventilador

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Ventilação de Um modo de segurança iniciado Consulte as configurações


apnéia caso o paciente não receba uma de apnéia individuais
respiração durante um período que
exceda o intervalo de apnéia. 

Tempo O mesmo tempo expiratório da Variação: TE 0,2 segundos


expiratório de ventilação que não é de apnéia. Resolução: A mesma para a
apnéia (TE) que não é de apnéia
Precisão: A mesma para a
que não é de apnéia

Padrão de O mesmo padrão de fluxo Consulte padrão de fluxo


fluxo de da ventilação que não é de apnéia. abaixo.
apnéia

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-29


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Relação I:E de A mesma relação I:E da ventilação Variação: 1,00:1


apnéia que não é de apnéia. Resolução: Consulte
relação I:E abaixo.
Precisão: Consulte
relação I:E abaixo.

Pressão A mesma pressão inspiratória da Consulte pressão


inspiratória de ventilação que não é de apnéia. inspiratória abaixo.
apnéia (PI)

Tempo O mesmo tempo inspiratório da Consulte tempo inspiratório


inspiratório de ventilação que não é de apnéia. abaixo.
apnéia (TI)
Intervalo de Define um intervalo de tempo de Variação: 10 a 60 segundos
apnéia (TA) apnéia depois do qual o ventilador Resolução: 1 segundo
declara apnéia. TA 60/fA
Precisão: + 0,350 segundo 
Valor para novo paciente:
Recém-nascido
(neonatal): 10 s
Pediátrico: 15 s
Adulto: 20 s

Tipo O mesmo tipo mandatório da Consulte tipo mandatório


mandatório de ventilação que não é de apnéia. abaixo.
apnéia Valor para novo paciente:
Recém-nascido
(neonatal): Mesmo tipo
mandatório que não é de
apnéia quando ele for PC
ou VC. PC quando o tipo
mandatório que não é
de apnéia for VC+.
Pediátrico/Adulto:
Mesmo tipo mandatório
que não é de apnéia
quando ele for PC ou VC.
VC quando o tipo
mandatório que não é de
apnéia for VC+.

MO A-30 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Percentual de O mesmo que percentual de O2 para Variação:


O2 de apnéia ventilação que não é de apnéia. 21 a 100% e não abaixo
do percentual de O2 que
não é de apnéia
Resolução: 1%
Precisão: Consulte
percentual de O2 abaixo.
Fluxo O mesmo fluxo inspiratório de pico Consulte fluxo inspiratório
inspiratório de da ventilação que não é de apnéia. de pico abaixo.
pico de apnéia
(VMAX)
Freqüência A mesma freqüência respiratória da Variação: 2,0 a 40/min
respiratória de ventilação que não é de apnéia. Resolução:
apnéia (f ) Apnéia
0,1/min para 2,0 a 9,9/
f 60/TA min
1/min para 10 a 40/min
Precisão:
0,1/min (+0,6% da
configuração)
Valor para novo paciente:
Recém-nascido
(neonatal):
20/min
Pediátrico: 14/min
Adulto: 10/min

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-31


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Volume Estabelece o volume de gás Faixa:


corrente de fornecido aos pulmões do paciente Recém-nascido (neonatal):
apnéia (VT )  durante uma respiração de apnéia 3 mL a 315 mL*
mandatória baseada em volume
(somente VC é permitido durante a Pediátrico/Adulto: 25 mL a
ventilação de apnéia).  2500 mL (a faixa baseada
em IBW é de no mínimo
O volume corrente de apnéia é
compensado pela temperatura e 1,16 x IBW e no máximo
pressão corporais saturadas (BTPS) e 45,7 x IBW) 
a complacência do circuito do Precisão:
paciente. 
0,1 mL para 3 a 5 mL*
1 mL para 5 a 100 mL
5 mL para 100 a 400 mL
10 mL para 400 a 2500 mL 
Precisão:
Compensada por BTPS e
complacência: 
Para TI < 600 ms:
± 10 mL (+ 10% x (600 ms/
TI)
da configuração)
Para TI > 600 ms: ± 10 mL
(+ 10% da configuração)
Valor para novo paciente:

MO A-32 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Constante Especifica qual das três variáveis de Variáveis de tempo:


durante tempo respiratório pode ser Tempo inspiratório,
alteração de ajustada diretamente pelo operador relação I:E ou tempo
freqüência e permanece constante quando a expiratório; TH, TL, TH:TL
freqüência respiratória definida é em BILEVEL
alterada. Aplicável somente na Resolução: Não aplicável
ventilação controlada por pressão
Precisão: Não aplicável
(PC) e na ventilação VC+ (Volume
Control Plus). Valor para novo paciente:
Tempo inspiratório

OBSERVAÇÃO:
Você pode alterar o valor da variável selecionada quando
quiser, mas o valor muda como resultado da alteração da
configuração da freqüência respiratória.

Sensibilidade Define a perda permitida (em %) do Variação: 20 a 95%


de volume retornado que, se excedido, Resolução: 1%
desconexão faz com que o ventilador detecte
(DSENS) um alarme de CIRCUITO Precisão: Não aplicável
DESCONECTADO. Quanto maior a Valor para novo paciente
configuração, mais volume (tipo de ventilação
retornado deverá ser perdido antes INVASIVA): 75%
de uma situação de CIRCUITO Valor para novo paciente
DESCONECTADO ser detectada. (tipo de ventilação NIV):
Por exemplo, uma configuração de OFF (desligado)
95% significa que mais de 95% do
volume retornado deve ser perdido
para que o ventilador detecte um
alarme de CIRCUITO
DESCONECTADO.

Sensibilidade O percentual de pico do fluxo Faixa: 1 a 80% (1 a 10 %


expiratória inspiratório no qual o ventilador quando o tipo espontâneo é
(ESENS) passa do ciclo de inspiração para o PA) 
de expiração em respirações Resolução: 1%
espontâneas.
Precisão: Não aplicável
Valor para novo paciente:
25% (3 % quando o tipo
espontâneo é PA) 

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-33


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Tempo Define o período expiratório de Variação: TE  0,2 segundos


expiratório respirações mandatórias Resolução: 0,01 segundo
(TE) controladas por pressão (PC ou
Precisão: ±0,01 segundo
VC+).
Valor para novo paciente:
60/f (novo paciente) - TI
segundos (novo paciente)
Depende de: relação I:E, TI, f
Padrão de O padrão de fluxo de gás das Variação:
fluxo respirações mandatórias Rampa descendente ou
(disponível controladas por volume (VC). O quadrada
somente padrão de fluxo não pode ser Resolução: Não aplicável
quando o tipo selecionado quando o tipo
mandatório é mandatório é PC ou VC+. Precisão: Não aplicável
VC)  Valor para novo paciente:
Rampa descendente
Todos os tipos de ciruito:
Rampa descendente 

Sensibilidade O fluxo inspirado pelo paciente que Faixa:


de fluxo dispara o ventilador para fornecer Recém-nascido
(VSENS) uma respiração mandatória ou (neonatal): 0,1 a 10 L/
espontânea (quando o disparo por min
fluxo está selecionado). Pediátrico/Adulto:
0,2 a  20 L/min
Resolução: 0,1 L/min
Precisão: Não aplicável
Valor para novo
paciente: Recém-nascido
(neonatal): 0,5 L/min
Pediátrico: 2,0 L/min
Adulto: 3,0 L/min 

MO A-34 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Limite de Define o tempo máximo de Variação:


tempo inspiração permitido durante Recém-nascido
máximo de ventilação não invasiva. Se o tempo (neonatal):
inspiração inspiratório atingir o limite definido,  0,2 s a (1 + (0,1 x IBW))
espontânea o ventilador passará para a s
(2TI SPONT ) expiração. Pediátrico/Adulto:  0,4
(Disponível s a (1,99 + (0,02 x IBW)) s 
somente Valor para novo paciente:
quando o tipo Recém-nascido
de ventilação (neonatal):
é NIV) (1 + [0,1 x IBW])
segundos
Pediátrico/Adulto:
(1,99 + [0,02 x IBW])
segundos
Depende de: Tipo de
circuito, IBW

Tipo de Indica o tipo de dispositivo de Variação:


umidificação umidificação usado no ventilador. O HME, tubo expiratório
tipo pode ser alterado durante a não aquecido ou
ventilação SST e normal (consulte a aquecido
tela Mais Configurações). Resolução: Não aplicável
Precisão: Não aplicável
Valor para novo paciente:
Configuração anterior

Volume do O volume vazio do umidificador Freqüência: 100 mL a 1000


umidificador instalado (volume especificado, e mL
não volume compactado). Resolução: 10 mL
Valor para novo paciente:
Configuração anterior

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-35


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Peso ideal Indica um valor aproximado do Variação:


(IBW) peso do paciente, considerando os Recém-nascido
níveis normais de fluido e de (neonatal): 0,3 kg (0,66
gordura. lb) a 7,0 kg
O IBW estabelece os limites (15 lb)* 
absolutos para volume corrente e Pediátrico:
fluxo de pico. O ventilador usa o IBW 3,5 kg (3,49 kg) a 35 kg
para determinar as configurações (34,93 kg)
iniciais do novo paciente para Limites flexíveis entre 7
alarmes relacionados a volume, kg e 24 kg
fluxo de pico e volume corrente. Adulto:
7,0 kg (15 lb) a 150 kg
(330 lb)
Limite flexível em 25 kg
Resolução:
0,1 kg para 0,3 a 3,5 kg*
0,5 kg para 3,5 a 10 kg
1,0 kg para 10 a 50 kg
5 kg para 50 a 100 kg
10 kg para 100 a 150 kg
Precisão: Não aplicável
Valor para novo paciente:
Recém-nascido
(neonatal):
3,0 kg
Pediátrico: 15,0 kg
Adulto: 50 kg
Depende de: Tipo de
circuito
* Pressupõe que a opção de
software NeoMode 2.0

MO A-36 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Relação I:E Define a relação entre o tempo Variação:


ou inspiratório e o tempo expiratório. 1:299  I:E 4.00:1
Aplicável somente a respirações 1:299 < TH:TL < 149:1
TH:TL em
mandatórias controladas por (somente modo BILEVEL)
BILEVEL
pressão (PC) em SIMV, VC+, BILEVEL
Resolução:
ou A/C.
1 para 1:299 para 1:100
0,1 para 1:99,9 para
1:10,0
0,01 para 1:9,99 para
4,00:1
Precisão:
0,01 segundo do
tempo inspiratório
determinado pelas
configurações de
freqüência respiratória e
relação I:E
Depende de: TI, TE ou TH, TL
Pressão Define a pressão inspiratória no Variação: 5 a 90 cmH2O;
inspiratória tubo em forma de Y do paciente PI + PEEP < 90 cmH2O;
(PI) (acima da PEEP) durante uma PI + PEEP + 2 cmH2O 
respiração mandatória controlada 2PPEAK
por pressão (PC). Resolução: 1,0 cmH2O
Precisão:
±3,0 (+2,5% de
configuração) cmH2O,
medida no tubo em forma
de Y do paciente
(pressão inspiratória final
após 1 segundo) quando o
percentual da aceleração de
fluxo for de 100%
Valor para novo paciente:
15 cmH2O
Depende de: PEEP, 2PPEAK

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-37


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Tempo Define a duração da inspiração Variação:


inspiratório durante as respirações mandatórias 0,20 a 8,00 segundos TH
(TI) controladas por pressão (PC ou 0,2 s a 30 s (somente
VC+). modo BILEVEL)
Não é definível em VC, mas TI é Resolução:
exibido na barra de definições de 0,01 s quando o tipo de
tempo de respiração e muda de respiração mandatória
acordo com alterações for PC ou VC+; 0,02 s
nas configurações de VC. quando o tipo de
respiração mandatória
for VC
Precisão: ±0,01 s
Valor para novo paciente:
Baseado nas
configurações de VC,
IBW e tipo de circuito
Depende de: I:E, f, TE

Tipo Define o tipo de respiração Variação: VC, PC ou VC+


mandatório mandatória: controlada por volume Resolução: Não aplicável
(VC), controlada por pressão (PC) ou
VC+ (volume control plus). O tipo Precisão: Não aplicável
VC+ só está disponível com o tipo Valor para novo paciente:
de ventilação INVASIVA selecionado Recém-nascido
e com a opção Volume Ventilation (neonatal): PC
Plus (VV+) instalada, quando Pediátrico/Adulto: VC
o modo for A/C ou SIMV.

MO A-38 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Modo Define o modo ventilatório, que define Faixa:


os tipos de respiração permitidos: A/C, SIMV, SPONT, CPAP
A/C permite as respirações (opcional), ou BILEVEL
mandatórias controladas por (opcional) 
pressão (PC), controladas por Resolução: Não aplicável
volume (VC) ou VC+. Quando o tipo Precisão: Não aplicável
de ventilação for NIV, A/C só
permitirá as respirações Valor para novo paciente:
mandatórias PC ou VC. Recém-nascido (neonatal):
SIMV permite respirações mandatórias SIMV
(PC, VC ou VC+) e respirações Pediátrico/Adulto: A/C
espontâneas (com ou sem PS ou TC).
Quando o tipo de ventilação for NIV,
SIMV permitirá as respirações
mandatórias PC ou VC e as respirações
espontâneas com ou sem PS.
SPONT permite apenas respiração
espontânea [com ou sem apoio de
pressão (PS), compensação de tubo
(TC), suporte de volume (VS), ou
Proportional Assist™* (PA)], excepto
para inspiração manual, que pode
ser respiração PC ou VC obrigatória.
Estas mesmas definições são
igualmente permitidas se o Tipo de
Ventilação for NIV, com a excepção
de que TC, VS e PA não se
encontram disponíveis.
BILEVEL (opcional) permite
respirações mandatórias e
espontâneas (com ou sem PS ou TC).
BILEVEL estabelece dois níveis de
pressão positiva das vias aéreas.
BILEVEL não está disponível quando
o tipo de ventilação é NIV.

OBSERVAÇÃO:
As configurações do ventilador exclusivas do modo BILEVEL
estão descritas no complemento da opção BiLevel deste
manual.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-39


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Percentual Define o percentual de oxigênio no Variação: 21 a 100%


de O2 gás fornecido. Resolução: 1% O2
Precisão:
3% por volume em
toda a respiração
Valor para novo paciente:
Recém-nascido
(neonatal): 40%
Pediátrico/Adulto: 100%

OBSERVAÇÃO:
Uma alteração significativa na configuração do
percentual de O2 pode fazer com que o VTE (volume
corrente expirado) apareça momentaneamente como
inferior ou superior ao volume real expirado. Isso é um
resultado de cálculos espirométricos iniciais e não reflete
o volume real expirado pelo paciente.

Tipo de Indica o tipo de circuito usado no Variação:


circuito do ventilador. A configuração só pode Neonatal, Pediátrico ou
paciente ser alterada durante o SST. Adulto. Neonatal está
disponível somente com
a opção de software
NeoMode instalada
Resolução: Não aplicável
Precisão: Não aplicável

OBSERVAÇÃO:
Para garantir a compensação de complacência ideal,
especifique o circuito do paciente como PEDIÁTRICO
quando o IBW do paciente for  24 kg.

MO A-40 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Fluxo Define o fluxo inspiratório de pico Variação:


inspiratório de (máximo) durante respirações Recém-nascido (neonatal):
pico (VMAX) mandatórias VC. 1,0 L/min para  30 L/min
Pediátrico:
3,0 L/min para  60 L/min
Adulto:
3,0 L/min para  150 L/
min
Resolução:
0,1 L/min para fluxos
de 1 a 20 L/min
1 L/min para fluxos
de 20 L/min e superiores
Precisão:
 (0,5 + 10% da
configuração) L/min
Temperatura e pressão
corporais, saturadas
(BTPS) após os primeiros
100 ms de inspiração, sem
compensação de
complacência
Valor para novo paciente:
Quando o tipo de circuito
é adulto e o padrão de fluxo
é rampa descendente:
2 x 0,435 x IBW. Quando
o padrão de fluxo é
quadrado: 0,435 x IBW.
Quando o tipo de circuito
é pediátrico e o padrão de
fluxo é quadrado:
MÁX(0,572 x IBW), 3,0).
Quando o padrão de fluxo
é rampa descendente 2 x
0,572 x IBW. Quando o tipo
de circuito é recém-nascido
(neonatal): MÁX(2 x 0,750 x
IBW),1,0). 

Depende de: Tipo de


circuito, IBW, V T, f, padrão
de fluxo, TPL, I:E, TE

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-41


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

PEEP Estabelece a pressão expiratória Variação: 0 a 45 cmH2O


final positiva, definida como pressão Resolução:
positiva a ser aplicada no circuito do
0,5 cmH2O para 0 a
paciente durante a expiração 19,5 cmH2O
(também denominada pressão de 1 cmH2O para 20 a
base). 45 cmH2O
Precisão:
± (2,0 + 4% da
configuração) cmH2O
medido no tubo em
forma de Y do paciente
PEEP medido com fluxo
retornado: < 5 L/min
Valor para novo paciente:
3 cmH2O
Depende de: 2PPEAK, PI

Tempo de Define a extensão de uma Variação: 0,0 a 2,0 segundos


platô (TPL) respiração mandatória VC durante a Resolução: 0,1 segundo
qual o fornecimento de gás é
interrompido e a expiração é Precisão: 0,01 segundo
bloqueada. Aumenta o tempo de Valor para novo paciente:
permanência do gás fornecido nos 0,0 segundos
pulmões do paciente. Depende de: VT, f, padrão
de fluxo, VMAX, I:E, TE
Sensibilidade Define a queda de pressão abaixo Variação:
de pressão de PEEP necessária para começar 0,1 a 20 cmH2O
(PSENS) uma respiração iniciada pelo abaixo de PEEP
paciente (quando o disparo por Resolução: 0,1 cmH2O
pressão está selecionado).
Precisão: Não aplicável
Valor para novo paciente:
2 cmH2O

MO A-42 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Suporte de Define a pressão inspiratória Variação: 0 a 70 cmH2O;


pressão assistida (acima de PEEP) no tubo PSUPP + PEEP 90cmH2O;
(PSUPP) em forma de Y do paciente durante PSUPP + PEEP + 2 cmH2O
uma respiração espontânea do  2 PPEAK
tipo PS. Resolução: 1 cmH2O
Precisão:
± (3,0 + 2,5% da
configuração) cmH2O
medida no tubo em
forma de Y do paciente
(pressão inspiratória final
após 1 segundo)
Valor para novo paciente:
0 cmH2O
Depende de: 2PPEAK

Freqüência Define o número mínimo de Variação:


respiratória (f ) respirações mandatórias que Recém-nascido
o paciente recebe por minuto. Ativa (neonatal):
nos modos A/C, SIMV e BILEVEL. 1,0 a 150/min
Pediátrico/Adulto:
1,0 a 100/min
Resolução:
0,1/min para 1,0 a 10/min
1/min para 10 a 150/min
Precisão:
(0,1 +0,6% da
configuração)
média de 1/min por 60 s
ou 5 respirações, o que
ocorrer por último
Valor para novo paciente:
Recém-nascido
(neonatal): 20/min
Pediátrico: 14/min
Adulto: 10/min

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-43


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Aceleração de Define a rapidez com que a pressão Variação: 1 a 100%


fluxo % inspiratória se eleva para atingir a Resolução: 1%
P pressão inspiratória (alvo) definida Precisão: Não aplicável
% nas respirações controladas por Valor para novo
pressão (PC) ou com pressão de paciente: 50%
suporte (PS). Um valor mais alto
significa que a pressão pretendida
será alcançada mais rapidamente.

Advertência
Em determinadas circunstâncias, como pulmões com pouca
complacência ou alta resistência das vias aéreas, uma
aceleração de fluxo > 50% pode causar um excesso de
pressão temporária e uma transição prematura para a
expiração. Avalie cuidadosamente a condição do paciente
antes de definir o percentual de aceleração de fluxo acima da
configuração padrão de 50%.

Ventilação de Um modo de ventilação seguro é As configurações da


segurança ativado se você conectar o circuito ventilação de segurança
(estado do paciente antes de concluir a incluem:
seguro) inicialização do ventilador. (Não é Modo = A/C
possível modificar as configurações Tipo mandatório = PC
padrão da ventilação de
Freqüência respiratória =
segurança.)  16/min
A ventilação de segurança anuncia Tempo inspiratório =
um alarme de ERRO DE 1 segundo
PROCEDIMENTO de alta urgência e Pressão inspiratória =
define estes limites de alarme: 10 cmH2O
Pressão alta no circuito = PEEP = 3 cmH2O
20 cmH2O
Tipo de disparo =
Volume baixo expirado por
pressão
minuto = 0,05 L
Sensibilidade de pressão
Todos os outros alarmes estão = 2 cmH2O
inativos.
Aceleração de fluxo % =
50%
O2 % = 100% ou 40% em
NeoMode (21% se O2 não
estiver disponível)

MO A-44 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Tipo Define o tipo de respiração Variação:


espontâneo espontânea: sem suporte de Quando o tipo de
pressão (NENHUM), com suporte de ventilação for INVASIVA:
pressão (PS), compensada por tudo Recém-nascido
(TC), com suporte de volume (VS) (neonatal): PS, NENHUM,
ou proporcionalmente VS
assistida (PA). Pediátrico: NENHUM, PS,
TC só está disponível com a opção TC, VS
Tube Compensation quando o tipo Adulto: NENHUM, PS, TC,
de circuito do paciente for VS, PA
pediátrico ou adulto. PA só está Quando o tipo de
disponível com a opção PAV™*+ ventilação for NIV:
quando o tipo de circuito for adulto, Recém-nascido/
o IBW  25,0 kg e o DI do tubo Pediátrico/Adulto: PS,
 6,0 mm. VS só está disponível NENHUM
com a opção Volume Ventilation
Resolução: Não aplicável
Plus. 
Precisão: Não aplicável
Valor para novo paciente:
PS

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-45


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Volume Define o volume de gás fornecido Variação:


corrente aos pulmões do paciente durante Recém-nascido (neonatal):
(para VC) ou uma respiração mandatória baseada 2 mL a 315 mL* 
em volume. Pediátrico/Adulto: 25 mL a
Volume-alvo 2500 mL (a variação
(for VC+) O volume corrente é compensado baseada em IBW é de, no
(VT ) pela temperatura e pressão mínimo, 1,16 x IBW; e de,
corporais saturadas (BTPS) e a no máximo, 45,7 x IBW)
complacência do circuito do Resolução:
paciente. 0,1 mL para 2 a 5 mL* 
5 mL para 100 a 400 mL
10 mL para 400 a 2500 mL
Precisão:
Compensada por
BTPS e complacência:
Para TI < 600 ms:
±10 mL (+ 10% x (600 ms/TI)
da configuração)
Para TI > 600 ms:
±10 mL (+10% da
configuração)
Valor para novo paciente:
Recém-nascido
(neonatal):
MÁX (2 mL, (7,25 * IBW)),
quando o tipo de circuito =
NEONATAL e o tipo
mandatório = VC+*
MÁX (3 mL, (7,25 * IBW)),
quando o tipo de circuito =
NEONATAL e o tipo
mandatório = VC* 
Adulto/Pediátrico: (7,25 X
IBW)
Depende de: Tipo de
circuito, IBW, f, VMAX, padrão de
fluxo, TPL, I:E, TE
* Pressupõe que a opção
de software NeoMode 2.0
esteja instalada 

MO A-46 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-13: Configurações do ventilador (cont.)

Variação, resolução,
Configuração Função
precisão

Tipo de Determina se o fluxo ou a pressão Variação:


disparo disparam as respirações do Recém-nascido
paciente. (neonatal): Fluxo
Consulte também sensibilidade de (V-TRIG)
fluxo e sensibilidade de pressão. Pediátrico/Adulto:
Tipo de ventilação
INVASIVA: Pressão
(P-TRIG) ou
Fluxo (V-TRIG)
Tipo de ventilação NIV:
Fluxo (V-TRIG)
Resolução: Não aplicável
Precisão: Não aplicável
Valor para novo paciente:
Fluxo (V-TRIG)

Tipo de vent. Permite ao usuário selecionar o tipo Variação: INVASIVA ou NIV


de ventilação invasiva ou não (não invasiva)
invasiva de acordo com o tipo de Resolução: Não aplicável
interface de respiração usada.
Precisão: Não aplicável
INVASIVA: Tubos endotraqueais ou
traqueais NIV: máscaras, cânulas Valor para novo paciente:
nasais infantis ou tubos INVASIVA
endotraqueais sem manguito.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-47


Tabela A-14: Configurações de alarme

Configuração Função Variação, resolução, precisão

Intervalo de Define o tempo máximo Faixa: MÁX (10 s, 60/Apnéia f s) 


apnéia (TA) do início de uma Resolução: 1 segundo
inspiração até o início da
Valor para novo paciente:
próxima, depois da qual o
ventilador entra na Recém-nascido (neonatal):
ventilação de apnéia. 10 segundos
Pressione o botão Pediátrico: 15 segundos
APNÉIA para alterar a Adulto: 20 segundos
definição de TA.

Limite máximo Define a pressão máxima Variação: 7 a 100 cmH2O


de pressão no no circuito (relativa ao Resolução: 1 cmH2O
circuito ambiente) permitida
Valor para novo paciente:
(2PPEAK) durante a inspiração.
Quando o limite máximo Recém-nascido (neonatal):
de pressão no circuito é 30 cmH2O
atingido durante a Pediátrico/Adulto:
inspiração, o ventilador 40 cmH2O
interrompe a inspiração e
começa a expiração.

MO A-48 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-14: Configurações de alarme (cont.)

Configuração Função Variação, resolução, precisão

Sensor de O2 A ativação do sensor de Variação: Sensor de O2 Ativado,


O2 permitirá que o alarme Desativado ou Calibração
de alto ou baixo Valor para novo paciente:
fornecimento do Ativado 
percentual de O2%
funcione. Esse alarme
OBSERVAÇÃO:
indica que o percentual
de O2 medido durante O alarme somente
qualquer fase de um ciclo ocorre se o sensor de
de respiração será mais O2 estiver Ativado.
alto ou mais baixo do que
os limites programados
internamente. Os limites
do alarme são
automaticamente
ajustados durante
aspiração de 100% O2,
ventilação de apnéia,
desconexão do circuito
do paciente, entrada de
gás com pressão baixa e
quando a configuração
do percentual de O2 for
alterada.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-49


Tabela A-14: Configurações de alarme (cont.)

Configuração Função Variação, resolução, precisão

Limite máximo Define o limite máximo Variação:


de volume de volume expirado por OFF (desligado)
expirado por minuto em respirações
ou
minuto espontâneas e
(2VE TOT ) mandatórias.  0,10 L/min e > limite de
volume por minuto total
mínimo expirado
e
Recém-nascido (neonatal):
 10 L/min
Pediátrico: 30 L/min
Adulto: 100 L/min
Resolução:
0,005 L para 0,100 a 0,495
0,05 L para 0,50 a 4,95 L
0,5 L para 5,0 a 100,0 L
Valor para novo paciente:
Recém-nascido (neonatal):
[(20 x 0,001 L/mL x (7,5 mL/kg x
IBW) x 1,30) + 0,05]
Pediátrico:
[(14 x 0,001 L/mL x (7,5 mL/kg x
IBW) x 1,30) + 0,05]
Adulto:
[(10 x 0,001 L/mL x
(7,5 mL/kg x IBW) x 1,30) +
0,05] 

MO A-50 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-14: Configurações de alarme (cont.)

Configuração Função Variação, resolução, precisão

Limite máximo Define o limite máximo Variação:


de volume de volume corrente OFF (desligado)
corrente expirado em respirações ou
expirado espontâneas e > expiração mínima
(2VTE) mandatórias. espontânea
limite de volume corrente
> limite mínimo de volume
corrente mandatório
expirado
e
Recém-nascido (neonatal):
5 mL a 500 mL
Pediátrico: 25 mL a 1500 mL
Adulto: 25 mL a 3000 mL
Resolução:
1 mL para 5 mL a 100 mL
5 mL para 100 a 400 mL
10 mL para 400 a 3000 mL
Valor para novo paciente:
MÁX [(7,25 mL/kg x IBW x 1,30),
5 mL]

Limite máximo Define o limite máximo da Variação:


de freqüência freqüência respiratória. OFF (desligado)
respiratória ou
(2fTOT )
Recém-nascido (neonatal):
10/min a 170/min
Pediátrico/Adulto:
10/min a 110/min
Resolução: 1/min
Valor para novo paciente: OFF
(desligado)

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-51


Tabela A-14: Configurações de alarme (cont.)

Configuração Função Variação, resolução, precisão

Limite mínimo Define o limite do volume Variação:


de volume corrente mandatório OFF (desligado)
corrente mínimo expirado.
ou
mandatório
expirado 1 mL
(4VTE MAND) < limite máximo do volume
corrente expirado
e
Recém-nascido (neonatal):
 300 mL
Pediátrico:  1000 mL
Adulto:  2500 mL
Resolução:
1mL para 1 a 100 mL
5 mL para 100 a 400 mL
10 mL para 400 a 2500 mL
Valor para novo paciente
(tipo de ventilação INVASIVA):
(7,25 mL/kg x IBW x 0,70) 
Valor para novo paciente
(tipo de ventilação NIV): OFF
(desligado)

MO A-52 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-14: Configurações de alarme (cont.)

Configuração Função Variação, resolução, precisão

Limite de Define o limite mínimo de Variação:


volume por volume expirado nos OFF (desligado) ou
minuto total tipos de respiração < limite máximo do volume
mínimo mandatória e espontânea. expirado por minuto
expirado
e
(4VE TOT )
Recém-nascido (neonatal):
OFF ou 0,010 L/min a
10 L/min.
Pediátrico: 0,05 L/min a
30 L/min.
Adulto: 0,05 L/min a
60 L/min.
Resolução:
0,005 L/min para 0,01 a
0,495 L/min.
0,05 L/min para 0,05 a
4,95 L/min
0,5 L/min para 5,0 a
60,0 L/min
Valor para novo paciente
(tipo de ventilação INVASIVA):
Neonatal:
MÁX [((20 x 0,001 L/mL x
(7,25 mL/kg x IBW) x 0,70) -
0,05), 0,01]
Pediátrico:
[(14 x 0,001 L/mL x (7,25 mL/kg
x IBW) x 0,70) - 0,05]
Adulto:
[(10 x 0,001 L/mL x (7,25 mL/kg
x IBW) x 0,70) - 0,05]
Valor para novo paciente (tipo
de ventilação NIV): OFF
(desligado)

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-53


Tabela A-14: Configurações de alarme (cont.)

Configuração Função Variação, resolução, precisão

Limite mínimo Define o limite mínimo do Variação:


de volume volume corrente OFF ou
corrente espontâneo expirado. 1 mL
espontâneo < limite máximo do volume
expirado corrente expirado
(4VTE SPONT )
e
Recém-nascido (neonatal):
 300 mL
Pediátrico: 1000 mL
Adulto: 2500 mL
Resolução:
1 mL para 1 a 100 mL
5 mL para 100 a 400 mL
10 mL para 400 a 2500 mL
Valor para novo paciente (tipo
de ventilação INVASIVA):
(7,25 mL/kg x IBW x 0,70)
Valor para novo paciente (tipo
de ventilação NIV ou quando o
tipo espontâneo for PA): OFF
(desligado)

MO A-54 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-14: Configurações de alarme (cont.)

Configuração Função Variação, resolução, precisão

Limite do Define a pressão mínima Variação:


alarme de permitida no circuito. NIV: OFF para 2PPEAK - 1 cmH2O
pressão baixa Disponível somente
VC+: PEEP para 2PPEAK -
no circuito durante NIV ou quando
1 cmH2O
(4PPEAK) VC+ for selecionado como
tipo mandatório durante
a ventilação INVASIVA. OBSERVAÇÃO:
Quando VC+ é
selecionado, 4PPEAK
só pode ser definido
como OFF (desligado)
se PEEP estiver
definida como 0.

Valor para novo paciente:


PEEP + 6 cmH2O
Resolução:
0,5 cmH2O para pressões
< 20 cmH2O
1 cmH2O para pressões
 20 cmH2O

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-55


Tabela A-15: Dados do paciente

Parâmetro Função Variação, resolução, precisão

Tipo de respiração Indica o tipo de respiração Tipo: Controlada (C), assistida


e a fase de fornecimento, (A) ou espontânea (S)
inspiratória ou expiratória. Fase: Inspiração ou expiração
O fundo fica luminoso
Resolução: Não aplicável
durante a inspiração,
e escuro durante a Precisão: Não aplicável
expiração.
Essa tela fica ligada
durante todo o ciclo
respiratório e é atualizada
no início de cada
inspiração e expiração. A
tela do indicador de
respiração não é
sincronizada com a de
volume corrente (VTE)
expirado, que se aplica ao
ciclo respiratório anterior.

O percentual de O2 Indica o percentual de Variação: 0 a 103%


(O2%) fornecido oxigênio no gás fornecido Resolução: 1% O2
ao paciente, medido na
Precisão: ±3 % O2 da escala
parte ascendente da saída
completa
do ventilador do filtro
inspiratório. Os alarmes
máximo e mínimo do
percentual de O2 são
definidos internamente e
baseiam-se no valor do
percentual de O2 definido.

Pressão expiratória Indica a pressão no fim da Variação: -20,0 a 130 cmH2O


final (PEEP) fase expiratória da Resolução:
respiração anterior.
0,1 cmH2O para -20,0 a
Atualizado no início da 9,9 cmH2O
inspiração seguinte. Se a 1 cmH2O para 10 a
pausa expiratória estiver 130 cmH2O
ativa, o valor exibido
Precisão:
refletirá o nível de
qualquer PEEP de pulmão ± (2 + 4% de leitura) cmH2O
ativo. relativo à pressão medida no
lado da expiração do tubo
em forma de Y do paciente

MO A-56 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-15: Dados do paciente (cont.)

Parâmetro Função Variação, resolução, precisão

Pressão inspiratória Indica a pressão no fim da Variação: -20,0 a 130 cmH2O


final (PI END) fase inspiratória da Resolução:
respiração atual.
0,1 cmH2O para -20,0 a
Atualizada no início da 9,9 cmH2O
fase de expiração. Se a 1 cmH2O para 10 a
pressão de platô estiver 130 cmH2O
ativa, o valor exibido
Precisão:
refletirá o nível da pressão
de platô final.  (2 + 4% de leitura) cmH2O
relativo ao tubo em forma de
Y do paciente para respira-
ções controladas por pressão
com tempos inspiratórios de
1 segundo ou mais

Volume expirado Exibe um total calculado Variação: 0,00 a 99,9 L


por minuto (VE TOT ) dos volumes expirados Resolução:
pelo paciente para
0,01 L para 0,00 a 9,99 L
respirações mandatórias e
0,1 L para 10,0 a 99,9 L
espontâneas no intervalo
de 1 minuto anterior. O Precisão:
valor exibido tem Para TE < 600 ms:
compensação de 10 x freqüência respiratória
complacência e BTPS. O (+10% x (600 ms/TE) da
volume expirado por leitura) mL
minuto é atualizado no Para TE > 600 ms:
início da inspiração 10 x freqüência respiratória
seguinte. (+10% da leitura) mL

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-57


Tabela A-15: Dados do paciente (cont.)

Parâmetro Função Variação, resolução, precisão

Volume corrente Indica o volume expirado Variação: 0 a 6000 mL


expirado (V TE) pelo paciente na Resolução:
respiração mandatória ou
0,1 mL para 0,0 a 9,9 mL
espontânea. O valor
exibido tem 1 mL para 10 a 6000 mL
compensação de Precisão:
complacência e BTPS. Para TI < 600 ms:  (10 + 10%
O volume corrente (600 ms/TE) da
expirado é atualizado configuração) mL
no início da inspiração Para TI > 600 ms:  (10 + 10%
seguinte. da configuração) mL
Compensada por
BTPS e complacência:
TE = tempo para liberar 90%
do volume expirado

OBSERVAÇÃO:
Uma alteração significativa na configuração do
percentual de O2 pode fazer com que o VTE
(volume corrente expirado) apareça momentanea-
mente como inferior ou superior ao volume real
expirado. Isso é um resultado de cálculos espiro-
métricos iniciais e não reflete o volume real expi-
rado pelo paciente.

Relação I:E Indica a relação entre o Variação:


tempo inspiratório e o 1:599 a 149:1
expiratório da respiração Resolução:
anterior,
0,1 para 1:9,9 a 9,9:1
independentemente do
tipo. Atualizado no início 1 para 1:599 a 1:10 e
da inspiração seguinte. 10:1 a 149:1
Devido às limitações para Precisão: ± 1%
definir a relação I:E na
ventilação PC, a
configuração e a tela de
dados monitorados talvez
não coincidam
exatamente.

MO A-58 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-15: Dados do paciente (cont.)

Parâmetro Função Variação, resolução, precisão

PEEP intrínseca Indica uma estimativa Variação: -20,0 a 130 cmH2O


(PEEPI ) calculada da pressão Resolução:
acima do nível PEEP no
0,1 cmH2O para -20,0 a
final da expiração. 9.9 cmH2O
Determinada durante 1 cmH2O para 10 a
uma manobra de pausa 130 cmH2O
expiratória.

Pressão de pico no Indica a pressão máxima Variação: -20,0 a 130 cmH2O


circuito (PPEAK) durante a respiração Resolução:
anterior, relativa ao tubo
0,1 cmH2O para -20,0 a
em forma de Y do 99,9 cmH2O
paciente, incluindo as
1,0 cmH2O para 10 a
fases inspiratória e
130 cmH2O
expiratória. Atualizada no
final da inspiração.

Pressão média no Indica a pressão média no Variação: -20,0 a 130 cmH2O


circuito (PMEAN) circuito no intervalo de Resolução:
um minuto anterior,
0,1 cmH2O para -20,0 a
independentemente do 9,9 cmH2O
tipo. Atualizado no início
1,0 cmH2O para 10 a
da inspiração seguinte.
130 cmH2O
Precisão:
± (3 + 4% de leitura) cmH2O

Pressão de platô Exibe a pressão no circuito Variação: -20,0 a 130 cmH2O


(PPL) de respiração do Resolução:
ventilador no final de uma
0,1 cmH2O para -20,0 a
manobra de pausa 9,9 cmH2O
inspiratória. Uma
1 cmH2O para 10 a
estimativa da pressão nos
130 cmH2O
pulmões do paciente. PPL
é atualizado Precisão:
continuamente. ± (2 + 4% de leitura) cmH2O

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-59


Tabela A-15: Dados do paciente (cont.)

Parâmetro Função Variação, resolução, precisão

Índice de Exibe a relação da Variação: 0,0 a 600 1/min-L


respiração freqüência respiratória Resolução:
superficial rápida com as medidas de
0,1 para f/VT < 10 1/min-L
(f/VT ) volume inspirado na tela
MAIS DADOS DO 1 para f/VT  10 1/min-L
PACIENTE. Disponível Precisão: Não aplicável
somente para respirações
espontâneas (modo
ESPONT).
Acessível durante a
ventilação normal quando
se toca no botão MAIS
DADOS DO PACIENTE na
tela superior da interface.

Tempo inspiratório Exibe o tempo inspiratório Variação: 0,00 a 10,00 s


espontâneo do paciente medido na Resolução: 0,01 s
(TI SPONT ) tela MAIS DADOS DO
PACIENTE. Disponível Precisão: Não aplicável
somente para respirações
espontâneas. Acessível
durante a ventilação
normal quando se
pressiona o botão MAIS
DADOS DO PACIENTE na
tela superior da interface.

Volume Exibe um total calculado Variação: 0,00 a 99,9 L


espontâneo por dos volumes expirados Resolução:
minuto pelo paciente para
0,01 L para 0,00 a 9,99 L
(VE SPONT ) respirações espontâneas
no intervalo anterior de 0,1 L para 10,0 a 99,9 L
um minuto. Os valores Precisão:
para respirações Para TE < 600 ms: 10 x
mandatórias durante esse freqüência respiratória
período não são incluídos. +10% (600 ms/TE)
O valor exibido tem de leitura)] mL
compensação de Para TE > 600 ms:(10 x
complacência e BTPS. freqüência respiratória
Atualizado no início da +10% de leitura) mL
inspiração seguinte. 

MO A-60 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-15: Dados do paciente (cont.)

Parâmetro Função Variação, resolução, precisão

Percentual de Exibe a relação do tempo Variação: 0,00 a 1,00


tempo inspiratório inspiratório com as Resolução: 0,01
espontâneo medições de tempo de
(TI/TTOT ) ciclo respiratório total na
tela MAIS DADOS DO
PACIENTE. Disponível
somente para respirações
espontâneas (modo
ESPONT). Acessível
durante a ventilação
normal quando se
pressiona o botão MAIS
DADOS DO PACIENTE na
tela superior.

Complacência Exibe uma estimativa da Variação: 0 a 500 mL/cmH2O


estática (CSTAT ) elasticidade dos pulmões Resolução:
do paciente.
0,1 mL/cmH2O para
0 a 9,9 mL/cmH2O
1 mL/cmH2O para 10 a
500 mL/cmH2O
Precisão:
± (1 + 20% do valor real)
mL/cmH2O para
1 a 100 mL/cmH2O

Resistência estática Exibe uma estimativa da Variação: 0 a 500 cmH2O/L/s


(RSTAT ) limitação das vias aéreas Resolução:
do paciente.
0,1 cmH2O/L/s para 0 a
9,9 cmH2O/L/s
1 cmH2O/L/s para 10 a
500 cmH2O/L/s
Precisão:
± (3 + 20% do valor real)
cmH2O/L/s
(Não se aplica se
CSTAT < 5 mL/cmH2O ou
VMAX < 20 L/min)

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-61


Tabela A-15: Dados do paciente (cont.)

Parâmetro Função Variação, resolução, precisão

PEEP total Exibe a pressão durante Variação: -20,0 a 130 cmH2O


(PEEPTOT ) uma manobra de pausa Resolução:
expiratória. É uma
0,1 cmH2O para -20,0 a
estimativa da pressão 9,9 cmH2O
total no final da expiração 1 cmH2O para 10 a
em relação à atmosfera. 130 cmH2O

Freqüência Exibe um valor calculado Variação: 0 a 200/min


respiratória total do número de respirações Resolução:
(fTOT ) mandatórias e
0,1/min para 0,0 a 9,9/min
espontâneas fornecidas
ao paciente no intervalo 1/min para 10 a 200/min
anterior de 1 minuto. fTOT Precisão: 0,8/min
é atualizado no início da
inspiração seguinte. 

Esta página foi deixada em branco intencionalmente.

Tabela A-16: Outras telas — dados exibidos

Dados exibidos Função

No modo Serviço, toque no botão na parte de baixo da tela superior da interface,


ou durante a ventilação normal, toque no botão Outras Telas na parte de baixo da
tela superior da interface para que apareçam os seguintes botões referentes a
outros dados exibidos:

Códigos de Informações para auxiliar a equipe de suporte qualificada a


diagnósticos solucionar problemas do ventilador.

Tempo Exibe os tempos operacionais do ventilador e do


operacional compressor. Use essa informação para programar
procedimentos de manutenção do operador e uma
manutenção preventiva conduzida pela equipe de suporte
qualificada. A precisão de tempos operacionais informados
é de  2% por 10.000 horas.

Resultados do Exibe os resultados de cada teste durante o SST mais


SST recente.

MO A-62 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela A-16: Outras telas — dados exibidos (cont.)

Dados exibidos Função

Configuração do Exibe os números de série da interface e da BDU, além


ventilador dos níveis de revisão de software, número de série do
compressor, nível de revisão de firmware SAAS e opções
de software instaladas. As atualizações ou modificações
alteram as informações de revisão do software.

Resumo do teste Exibe os resultados gerais do SST e EST executados


mais recentemente.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO A-63


Esta página foi deixada em branco intencionalmente.

MO A-64 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Números das peças

Este apêndice lista as peças e acessórios que podem ser


substituídos pelo usuário. A Figura B-1 mostra as peças do
Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 que
correspondem aos números das peças listadas na Tabela B-1.
A Figura B-2 mostra os mesmos acessórios montados no
ventilador (é mostrado o carrinho de montagem com o
compressor do ventilador Puritan Bennett 800 Series).
A Tabela B-2 lista essas peças e acessórios do ventiladdor.
A Figura B-3 mostra o ventilador montado no carrinho de haste
do ventilador Puritan Bennett 800 Series e a Tabela B-3 lista as
peças e acessórios. 

OBSERVAÇÃO:
Os acessórios listados na Tabela B-1 (exceto os kits de
sifão de ar de parede e de montagem de umidificador) e
na Tabela B-2 podem ser pedidos para ventiladores
montados em carrinhos de haste do ventilador
Puritan Bennett 800 Series. As Tabelas B-2 e B-3 contêm
números de peça para kits de montagem de
umidificador, de sifão de ar de parede e de montagem
de cilindro usados em ventiladores montados em
carrinhos de montagem com o compressor do
ventilador Puritan Bennett 800 Series e carrinhos
de haste do ventilador Puritan Bennett 800 Series.
1

4
5

10 8
12
14
9

11
13 7

15

Figura B-1. Acessórios do ventilador

MO B-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela B-1: Peças e acessórios do ventilador

Número Número da
Descrição
do item peça

1 Montagem com haste flexível 4-032006-00

2 Circuito respiratório do ventilador, adulto, reutilizável. G-061208-SP


Inclui:
Tubo, adulto, 120 cm (2 unidades)
Tubo, adulto, 40 cm (2 unidades)
Tubo, adulto, 15 cm (2 unidades)
Tubo em forma de Y, adulto, com porta de
temperatura G-061213-00
Sifão, no circuito (2 unidades)
Adaptador, 22 mm macho x 22 mm macho
Gancho do tubo
Tubo em forma de Y, adulto, reutilizável

Circuito respiratório do ventilador, adulto, reutilizável, G-061235-00


com cabo aquecido, para umidificadores Fisher &
Paykel™* Inclui:
Tubo, adulto, 15 cm (2 unidades)
Tubo, adulto, 150 cm (2 unidades)
Tubo em forma de Y, adulto, com porta de
temperatura
Adaptador, 22 mm macho x 22 mm macho
Gancho do tubo
Adaptador, aquecedor de tubo
Sonda de temperatura, conduto de ventilação
duplo
Cabo do aquecedor, tubo inspiratório
Cabo do aquecedor, tubo expiratório
Cabo de sonda, 1,5 m
*Não aparece na Figura B-1.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO B-3


Tabela B-1: Peças e acessórios do ventilador (cont.)

Número Número da
Descrição
do item peça

2 Circuito respiratório do ventilador, pediátrico, G-061223-00


(cont.) reutilizável.* Inclui:
Tubo, pediátrico, 120 cm (2 unidades)
Tubo, pediátrico, 40 cm (2 unidades)
Tubo, pediátrico, 15 cm (2 unidades)
Tubo em forma de Y, pediátrico, liso
Sifão, no circuito (2 unidades)
Adaptador, 22 mm macho/15 mm fêmea, com porta
de temperatura
Adaptador, 22 mm macho/15 mm fêmea
(2 unidades)
Gancho do tubo
Adaptador, 15 mm macho x 15 mm macho
Adaptador, 22 mm macho/15 mm fêmea x 22 mm
macho/15 mm fêmea

Circuito respiratório do ventilador, pediátrico, G-061237-00


reutilizável, com cabo aquecido, para umidificadores
Fisher & Paykel™*. Inclui:
Tubo, pediátrico, 15 cm (2 unidades)
Tubo, pediátrico, 150 cm (2 unidades)
Tubo em forma de Y, pediátrico, liso
Adaptador, 15 mm macho x 15 mm macho
Adaptador, 22 mm macho/15 mm fêmea x 22 mm
macho/15 mm fêmea
Gancho do tubo
Adaptador, aquecedor de tubo
Sonda de temperatura, conduto de ventilação
duplo
Cabo do aquecedor, tubo inspiratório
Cabo do aquecedor, tubo expiratório
Cabo de sonda, 1,5 m
Adaptador, 22 mm macho/15 mm fêmea, com porta
de temperatura
Adaptador, 22 mm macho/15 mm fêmea
(2 unidades)
*Não aparece na Figura B-1.

MO B-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela B-1: Peças e acessórios do ventilador (cont.)

Número Número da
Descrição
do item peça

2(cont.) Circuito respiratório do ventilador, adulto, descartável* 6-003030-00


Inclui:
Tubo em forma de Y
Tubo em forma de Y do paciente, sem porta
Conector do tubo
Tubo do ventilador, 72 polegadas (183 cm)
Tubo do ventilador de borracha, com manguito
Tampa da porta do tubo em forma de Y
Tampa protetora
Gancho do tubo

3 Dispositivo para teste pulmonar 4-000612-00

4 Conjunto de tubos, oxigênio, DISS, para os EUA 4-001474-00

Conjunto de tubos, de oxigênio, para a França 4-074697-00


(Air Liquide™*)

Advertência
Devido à restrição excessiva para esse conjunto
de tubos, o desempenho do ventilador pode
diminuir quando forem empregadas pressões
< 50 psi (345 kPa).

Conjunto de tubos, de oxigênio, para o Reino Unido/ 4-074698-00


Irlanda (NIST/BOC)

Conjunto de tubos, de oxigênio, para os Países Baixos 4-074700-00


(NIST)

Conjunto de tubos, de oxigênio, para Israel, Japão, 4-074702-00


Arábia Saudita (DISS)

Conjunto de tubos, de oxigênio, para Egito, Índia, Itália, 4-074705-00


Kuwait, Polônia, Portugal, África do Sul (DISS)

Conjunto de tubos, de oxigênio, para a Suíça (DISS) 4-074708-00

Conjunto de tubos, de oxigênio, para o Canadá (DISS) 4-074710-00


*Não aparece na Figura B-1.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO B-5


Tabela B-1: Peças e acessórios do ventilador (cont.)

Número Número da
Descrição
do item peça

4 Conjunto de tubos, de oxigênio, para a Austrália/Nova 4-074711-00


(cont.) Zelândia (SIS)

Advertência
Devido à restrição excessiva para esse conjunto
de tubos, o desempenho do ventilador pode
diminuir quando forem empregadas pressões
< 50 psi (345 kPa).

Conjunto de tubos, de oxigênio, para a Alemanha 4-074715-00


(DISS/Dräger™*)

Advertência
Devido à restrição excessiva para esse conjunto
de tubos, o desempenho do ventilador pode
diminuir quando forem empregadas pressões
< 50 psi (345 kPa).

5 Conjunto de tubos, de ar, para os EUA (DISS) 4-006541-00

Conjunto de tubos, de ar, para a França (Air Liquide™*) 4-074696-00

Advertência
Devido à restrição excessiva para esse conjunto
de tubos, o desempenho do ventilador pode
diminuir quando forem empregadas pressões
< 50 psi (345 kPa).

*Não aparece na Figura B-1.

MO B-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela B-1: Peças e acessórios do ventilador (cont.)

Número Número da
Descrição
do item peça

5 Conjunto de tubos, de ar, para o Reino Unido/Irlanda 4-074713-00


(cont.) (NIST/BOC)

Conjunto de tubos, de ar, para os Países Baixos (NIST) 4-074701-00

Conjunto de tubos, de ar, para Israel, Japão, Kuwait, 4-074703-00


Polônia, Portugal, África do Sul (DISS)

Conjunto de tubos, de ar, para a Arábia Saudita (DISS) 4-074704-00

Conjunto de tubos, de ar, para Egito, Índia, Itália (DISS) 4-074706-00

Conjunto de tubos, de ar, para a Suíça (DISS) 4-074707-00

Conjunto de tubos, de ar, para o Canadá (DISS) 4-074709-00

Conjunto de tubos, de ar, para a Austrália/Nova 4-074712-00


Zelândia (SIS)

Advertência
Devido à restrição excessiva para esse conjunto
de tubos, o desempenho do ventilador pode
diminuir quando forem empregadas pressões
< 50 psi (345 kPa).

Conjunto de tubos, de ar, para a Alemanha (DISS/ 4-074714-00


Dräger™*)

Advertência
Devido à restrição excessiva para esse conjunto
de tubos, o desempenho do ventilador pode
diminuir quando forem empregadas pressões
< 50 psi (345 kPa).

6 Cabo de força, para a América do Norte 4-071420-00

Cabo de força, para o Japão 4-071424-00

Cabo de força, para a Austrália 4-031320-00


*Não aparece na Figura B-1.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO B-7


Tabela B-1: Peças e acessórios do ventilador (cont.)

Número Número da
Descrição
do item peça

6 Cabo de força, para a Europa continental 4-031321-00


(cont.)

Cabo de força, para a Dinamarca 4-071421-00

Cabo de força, para a Índia/África do Sul (tomada no 4-071422-00


antigo estilo britânico com pinos redondos)

Cabo de força, para Israel 4-071423-00

Cabo de força, para a Itália 4-031323-00

Cabo de força, para a Suíça 4-031325-00

Cabo de força, para o Reino Unido 4-031322-00

7 Carrinho RTA, ventilador  4-076102-00

8 Filtro de bactéria expiratório com conectores ISO 22 mm, 4-076887-00


com frasco coletor, descartável (D/X800, caixa com 12)

Filtro de bactéria expiratório, conectores ISO 22 mm, 4-070305-00


reutilizáveis (Re/X800, cada)*

9 Frasco coletor, reutilizável (Re/X 800, cada) 4-074647-00

10 Bolsa de drenagem, descartável (embalagem com 25 4-048491-00


unidades)

11 Tubos, bolsa de drenagem, descartável (embalagem 4-048493-00


com 10 unidades)

12 Grampo, reutilizável (caixa com 5) 4-048492-00

13 Tampa do dreno 4-074613-00

14 Vedação, filtro expiratório 4-070311-00

15 Filtro de bactéria inspiratório com conectores ISO 22 4-074601-00


mm ISO, descartável (D/Flex, caixa com 12)

Filtro de bactéria inspiratório, conectores ISO 22 mm, 4-074600-00


reutilizáveis (Re/Flex, cada)
*Não aparece na Figura B-1.

MO B-8 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela B-1: Peças e acessórios do ventilador (cont.)

Número Número da
Descrição
do item peça

Kit de sifão de ar de parede, montado em carrinho RTA, 4-075315-00


DISS macho (inclui sifão, suporte com hardware de
montagem e tubo de interconexão)* 

Kit de montagem, umidificador 480/730 4-075313-00


Fisher & Paykel™**

Kit de montagem, umidificador Hudson RCI™* Concha- 4-075312-00


Therm™* (inclui somente peças que conectam o umidifi-
cador ao ventilador. Entre em contato com a Hudson
RCI™* para obter os suportes para instalar o umidificador
no carrinho do ventilador).*

Manual de referência técnica e do operador, inglês* 10067720

Manual de referência técnica e do operador, francês* 10068817

Manual de referência técnica e do operador, alemão* 10068816

Manual de referência técnica e do operador, italiano* 10068821

Manual de referência técnica e do operador, japonês* 10068818

Manual de referência técnica e do operador, português* 10068839

Manual de referência técnica e do operador, espanhol* 10068819

Manual de referência técnica e do operador, tcheco* 10068850

Manual de referência técnica e do operador, grego* 10068896

Manual de referência técnica e do operador, eslovaco* 10068851

Manual de referência técnica e do operador, húngaro* 10068840

Manual de referência técnica e do operador, turco* 10068852

Manual de serviço, inglês* 10067703

Sensor de oxigênio (para ser substituído a cada ano, ou 10097559


conforme a necessidade. Consulte a Seção 7.4.7, na
página MO 7-18)* 

Filtro, entrada do compressor* 4-074374-00


*Não aparece na Figura B-1.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO B-9


Tabela B-1: Peças e acessórios do ventilador (cont.)

Número Número da
Descrição
do item peça

Tubo de teste (padrão ouro), 21 polegadas (53 cm) 4-018506-00


(para uso com o EST)*

Conjunto de cabos, extensão da GUI à BDU, 10 pés* 4-071441-00

Conjunto de máscaras, grande (para ventilação não- 4-005253-00


invasiva)*
*Não aparece na Figura B-1.

1 6

4
5

11
13 9
15
10

12
14
16
7, 8

Figura B-2. Acessórios do ventilador (Carrinho de montagem de


compressor de ventilador Puritan Bennett™ 800 Series mostrado)

MO B-10 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela B-2: Peças e acessórios do ventilador

Número Número
Descrição
do item da peça

1 Montagem com haste flexível 4-032006-00

2 Circuito respiratório do ventilador, adulto, reutilizável. G-061208-SP


Inclui:
Tubo, adulto, 120 cm (2 unidades)
Tubo, adulto, 40 cm (2 unidades)
Tubo, adulto, 15 cm (2 unidades)
Tubo em forma de Y, adulto, com porta de temperatura
Sifão, no circuito (2 unidades) G-061213-00
Adaptador, 22 mm macho x 22 mm macho
Gancho do tubo
Tubo em forma de Y, adulto, reutilizável

Circuito respiratório do ventilador, adulto, reutilizável, com G-061235-00


cabo aquecido, para umidificadores Fisher & Paykel™* Inclui:
Tubo, adulto, 15 cm (2 unidades)
Tubo, adulto, 150 cm (2 unidades)
Tubo em forma de Y, adulto, com porta de temperatura
Adaptador, 22 mm macho x 22 mm macho
Gancho do tubo
Adaptador, aquecedor de tubo
Sonda de temperatura, conduto de ventilação duplo
Cabo do aquecedor, tubo inspiratório
Cabo do aquecedor, tubo expiratório
Cabo de sonda, 1,5 m
* Não aparece na Figura B-2.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO B-11


Tabela B-2: Peças e acessórios do ventilador (cont.)

Número Número
Descrição
do item da peça

2 Circuito respiratório do ventilador, pediátrico, reutilizável.* G-061223-00


(cont.) Inclui:
Tubo, pediátrico, 120 cm (2 unidades)
Tubo, pediátrico, 40 cm (2 unidades)
Tubo, pediátrico, 15 cm (2 unidades)
Tubo em forma de Y, pediátrico, liso
Sifão, no circuito (2 unidades)
Adaptador, 22 mm macho/15 mm fêmea, com porta
de temperatura
Adaptador, 22 mm macho/15 mm fêmea (2 unidades)
Gancho do tubo
Adaptador, 15 mm macho x 15 mm macho
Adaptador, 22 mm macho/15 mm fêmea x 22 mm macho/
15 mm fêmea

Circuito respiratório do ventilador, pediátrico, reutilizável, G-061237-00


com cabo aquecido, para umidificadores Fisher & Paykel™*.
Inclui:
Tubo, pediátrico, 15 cm (2 unidades)
Tubo, pediátrico, 150 cm (2 unidades)
Tubo em forma de Y, pediátrico, liso
Adaptador, 15 mm macho x 15 mm macho
Adaptador, 22 mm macho/15 mm fêmea x 22 mm
macho/15 mm fêmea
Gancho do tubo
Adaptador, aquecedor de tubo
Sonda de temperatura, conduto de ventilação duplo
Cabo do aquecedor, tubo inspiratório
Cabo do aquecedor, tubo expiratório
Cabo de sonda, 1,5 m
Adaptador, 22 mm macho/15 mm fêmea, com porta de
temperatura
Adaptador, 22 mm macho/15 mm fêmea (2 unidades)
* Não aparece na Figura B-2.

MO B-12 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela B-2: Peças e acessórios do ventilador (cont.)

Número Número
Descrição
do item da peça

2 (cont.) Circuito respiratório do ventilador, adulto, descartável* 6-003030-00


Inclui:
Tubo em forma de Y
Tubo em forma de Y do paciente, sem porta
Conector do tubo
Tubo do ventilador, 72 polegadas (183 cm)
Tubo do ventilador de borracha, com manguito
Tampa da porta do tubo em forma de Y
Tampa protetora
Gancho do tubo

3 Dispositivo para teste pulmonar 4-000612-00

4 Conjunto de tubos, oxigênio, DISS, para os EUA 4-001474-00

Conjunto de tubos, de oxigênio, para a França (Air Liquide™*) 4-074697-00

Advertência
Devido à restrição excessiva para esse conjunto de
tubos, o desempenho do ventilador pode diminuir
quando forem empregadas pressões< 50 psi (345 kPa).

Conjunto de tubos, de oxigênio, para o Reino Unido/Irlanda 4-074698-00


(NIST/BOC)

Conjunto de tubos, de oxigênio, para os Países Baixos (NIST) 4-074700-00

Conjunto de tubos, de oxigênio, para Israel, Japão, Arábia 4-074702-00


Saudita (DISS)

Conjunto de tubos, de oxigênio, para Egito, Índia, Itália, 4-074705-00


Kuwait, Polônia, Portugal, África do Sul (DISS)

Conjunto de tubos, de oxigênio, para a Suíça (DISS) 4-074708-00

Conjunto de tubos, de oxigênio, para o Canadá (DISS) 4-074710-00


* Não aparece na Figura B-2.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO B-13


Tabela B-2: Peças e acessórios do ventilador (cont.)

Número Número
Descrição
do item da peça

4 Conjunto de tubos, de oxigênio, para a Austrália/Nova 4-074711-00


(cont.) Zelândia (SIS)

Advertência
Devido à restrição excessiva para esse conjunto de
tubos, o desempenho do ventilador pode diminuir
quando forem empregadas pressões< 50 psi (345 kPa).

Conjunto de tubos, de oxigênio, para a Alemanha (DISS/ 4-074715-00


Dräger™*)

Advertência
Devido à restrição excessiva para esse conjunto de
tubos, o desempenho do ventilador pode diminuir
quando forem empregadas pressões< 50 psi (345 kPa).

5 Conjunto de tubos, de ar, para os EUA (DISS) 4-006541-00

Conjunto de tubos, de ar, para a França (Air Liquide™*) 4-074696-00

Advertência
Devido à restrição excessiva para esse conjunto de
tubos, o desempenho do ventilador pode diminuir
quando forem empregadas pressões< 50 psi (345 kPa).

* Não aparece na Figura B-2.

MO B-14 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela B-2: Peças e acessórios do ventilador (cont.)

Número Número
Descrição
do item da peça

5 Conjunto de tubos, de ar, para o Reino Unido/Irlanda (NIST/ 4-074713-00


(cont.) BOC)

Conjunto de tubos, de ar, para os Países Baixos (NIST) 4-074701-00

Conjunto de tubos, de ar, para Israel, Japão, Kuwait, Polônia, 4-074703-00


Portugal, África do Sul (DISS)

Conjunto de tubos, de ar, para a Arábia Saudita (DISS) 4-074704-00

Conjunto de tubos, de ar, para Egito, Índia, Itália (DISS) 4-074706-00

Conjunto de tubos, de ar, para a Suíça (DISS) 4-074707-00

Conjunto de tubos, de ar, para o Canadá (DISS) 4-074709-00

Conjunto de tubos, de ar, para a Austrália/Nova Zelândia (SIS) 4-074712-00

Advertência
Devido à restrição excessiva para esse conjunto de
tubos, o desempenho do ventilador pode diminuir
quando forem empregadas pressões< 50 psi (345 kPa).

Conjunto de tubos, de ar, para a Alemanha (DISS/Dräger™*) 4-074714-00

Advertência
Devido à restrição excessiva para esse conjunto de
tubos, o desempenho do ventilador pode diminuir
quando forem empregadas pressões< 50 psi (345 kPa).

6 Cabo de força, para a América do Norte 4-071420-00

Cabo de força, para o Japão 4-071424-00

Cabo de força, para a Austrália 4-031320-00


* Não aparece na Figura B-2.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO B-15


Tabela B-2: Peças e acessórios do ventilador (cont.)

Número Número
Descrição
do item da peça

6 Cabo de força, para a Europa continental 4-031321-00


(cont.)

Cabo de força, para a Dinamarca 4-071421-00

Cabo de força, para a Índia/África do Sul (tomada no antigo 4-071422-00


estilo britânico com pinos redondos)

Cabo de força, para Israel 4-071423-00

Cabo de força, para a Itália 4-031323-00

Cabo de força, para a Suíça 4-031325-00

Cabo de força, para o Reino Unido 4-031322-00

7 Carrinho de montagem de compressor de ventilador 10046822


Puritan Bennett™ 800 Series com bateria de uma hora

8 Carrinho de montagem de compressor de ventilador 10046823


Puritan Bennett™ 800 Series com bateria de quatro horas

9 Filtro de bactéria expiratório com conectores ISO 22 mm, 4-076887-00


com frasco coletor, descartável (D/X800, caixa com 12)

Filtro de bactéria expiratório, conectores ISO 22 mm, 4-070305-00


reutilizáveis (Re/X800, cada)*

10 Frasco coletor, reutilizável (Re/X 800, cada) 4-074647-00

11 Bolsa de drenagem, descartável (embalagem com 25 unidades) 4-048491-00

12 Tubos, bolsa de drenagem, descartável (embalagem com 4-048493-00


10 unidades)

13 Grampo, reutilizável (caixa com 5) 4-048492-00

14 Tampa do dreno 4-074613-00

15 Vedação, filtro expiratório 4-070311-00

16 Filtro de bactéria inspiratório com conectores ISO 22 mm ISO, 4-074601-00


descartável (D/Flex, caixa com 12)

Filtro de bactéria inspiratório, conectores ISO 22 mm, 4-074600-00


reutilizáveis (Re/Flex, cada)

MO B-16 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela B-2: Peças e acessórios do ventilador (cont.)

Número Número
Descrição
do item da peça

Kit de sifão de ar de parede* 10045588

Kit de montagem de umidificador* 10045589

Kit de montagem de cilindro* 10045586

Manual de referência técnica e do operador, inglês* 10067720

Manual de referência técnica e do operador, francês* 10068817

Manual de referência técnica e do operador, alemão* 10068816

Manual de referência técnica e do operador, italiano* 10068821

Manual de referência técnica e do operador, japonês* 10068818

Manual de referência técnica e do operador, português* 10068839

Manual de referência técnica e do operador, espanhol* 10068819

Manual de referência técnica e do operador, tcheco* 10068850

Manual de referência técnica e do operador, grego* 10068896

Manual de referência técnica e do operador, eslovaco* 10068851

Manual de referência técnica e do operador, húngaro* 10068840

Manual de referência técnica e do operador, turco* 10068852

Manual de serviço, inglês* 10067703

Sensor de oxigênio (para ser substituído a cada ano, ou 10097559


conforme a necessidade. Consulte a Seção 7.4.7 na
página MO 7-18)*

Filtro, entrada do compressor* 4-074374-00


* Não aparece na Figura B-2.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO B-17


1,2

Figura B-3. Puritan Bennett™ 840 Ventilator System mostrado montado


em Carrinho de haste de ventilador Puritan Bennett 800 Series

MO B-18 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Tabela B-3: Peças e acessórios do carrinho de haste do ventilador

Número do Número da
Descrição
item peça

1 Carrinho de haste de ventilador Puritan Bennett™ 800 Series 10046826


com bateria de uma hora

2 Carrinho de haste de ventilador Puritan Bennett™ 800 Series 10046827


com bateria de quatro horas

Kit, montagem de umidificador* 10042364

Kit, montagem de cilindro* 10045578

Kit, sifão de ar de parede* 10045588

* Não aparece na Figura B-3.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO B-19


Esta página foi deixada em branco intencionalmente.

MO B-20 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Diagrama esquemático da pneumática

Figura C-1. Diagrama esquemático da pneumática


Esta página foi deixada em branco intencionalmente.

MO C-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Teste de calibração do sensor de oxigênio e alarmes

Teste os alarmes e a calibração do sensor de oxigênio conforme


necessário, usando os procedimentos descritos abaixo.

OBSERVAÇÃO:
Ao realizar testes de alarme, use um ventilador
configurado para uso com um circuito de
paciente adulto.

D.1 Teste de alarmes


Os testes de alarme requerem uma fonte de oxigênio e ar e
uma fonte de alimentação AC estável. O teste de fornecimento
máximo e mínimo de O2 requer um tubo flexível descartável
para adultos, e um tubo para fornecimento de oxigênio de
baixa pressão com um conector de oxigênio na extremidade.
Se algum alarme não for anunciado como indicado, verifique a
instalação do ventilador, suas configurações e repita o teste de
alarmes. O teste verifica a operação dos seguintes alarmes:
• CIRCUITO DESCONECTADO
• VOLUME CORRENTE MANDATÓRIO EXPIRADO BAIXO (3VTE MAND)
• VOLUME MINUTO TOTAL MÍNIMO EXPIRADO (3VE TOT ) 
• PRESSÃO DO VENTILADOR ALTA (1PVENT )
• PRESSÃO DO CIRCUITO ALTA (1PPEAK)
• OBSTRUÇÃO SEVERA
• PERDA DE ALIMENT. AC
• APNÉIA
• VOLUME CORRENTE ESPONTÂNEO MÍNIMO EXPIRADO (3V TE SPONT ) 
• SEM FORNECIMENTO DE O2
• O2% (3O2%) FORNECIDO BAIXO
• O2% (1O2%) FORNECIDO ALTO

1 Desconecte o circuito do paciente do ventilador e desligue o


ventilador por ao menos 5 minutos.
2. Ligue o ventilador. Ele executará automaticamente o
autoteste de ativação (POST).
3. Na subtela inferior da GUI, selecione NOVO PACIENTE.
4. Configure o novo paciente da seguinte maneira:
IBW: 70 kg
Tipo de vent.: INVASIVA
Modo: A/C
Tipo mandatório: VC
.
Tipo de disparo: V-TRIG
5. Defina as configurações do novo paciente da seguinte maneira:
f: 6/min
VT: 500 mL
VMAX : 30 L/min
TPL: 0 segundos
Padrão de fluxo: QUADRADO
VSENS: 3 L/min
O2 : 21%
PEEP: 5 cmH2O
6. Defina as configurações de apnéia da seguinte maneira:
TA: 10 segundos
f: 6,0/min
O2: 21%
VT: 500 mL 
7. Defina as configurações de alarme da seguinte maneira:

MO D-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


2PPEAK : 70 cmH2O
fTOT : OFF (desligado)
4VE TOT: 1 L/min, 2VE TOT: 3,5 L/min
4VTE MAND: 300 mL, 2VTE MAND: OFF (desligado)
4VTE SPONT: OFF (desligado), 2VTE SPONT: OFF (desligado)
8. Configura os gráficos para um traçado de volume-tempo (para uso no
teste de alarme de APNÉIA). 
9. Conecte um circuito de paciente adulto ao ventilador e acople um
dispositivo para teste pulmonar (P/N 4-000612-00) ao tubo em forma de Y
do paciente.

OBSERVAÇÃO:
Para garantir resultados corretos do teste, não toque no dispositivo para
teste pulmonar ou no circuito do paciente durante as três etapas
seguintes.

10. Teste do alarme de CIRCUITO DESCONECTADO: Deixe o ventilador


fornecer pelo menos quatro respirações. Durante a fase inspiratória de
uma respiração, desconecte o filtro inspiratório da porta Para o paciente.
O ventilador aciona o alarme de CIRCUITO DESCONECTADO depois da
desconexão do filtro inspiratório.
Conecte o filtro inspiratório à porta Para o paciente.
11. Teste do alarme VOLUME CORRENTE MANDATÓRIO EXPIRADO BAIXO:
Defina VT como 200 mL.
O ventilador aciona um alarme de VOLUME CORRENTE MANDATÓRIO
EXPIRADO BAIXO (3VTE MAND) na terceira respiração consecutiva depois
que ACEITAR é pressionado.
Pressione a tecla de reinício do alarme para reinicializar o alarme. 
12. Teste do alarme VOLUME MINUTO TOTAL MÍNIMO EXPIRADO:
Defina o limite do alarme 4VE TOT como 3,45 L/min.
O ventilador anuncia um alarme VOLUME MINUTO TOTAL MÍNIMO
EXPIRADO na próxima respiração após ACEITAR ter sido pressionada. 

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO D-3


13. Teste do alarme de PRESSÃO DE VENTILADOR ALTA:
Defina as configurações do paciente e de alarme da seguinte maneira:
VT : 1000 mL
V MAX :100 L/min
2PPEAK :100 cmH2O
4V E TOT : 0,050 L/min, 2V E TOT : OFF (desligado)
4VTE MAND: OFF (desligado) 
Deixe o ventilador fornecer pelo menos quatro respirações e, em seguida.
Remova o dispositivo para teste pulmonar e bloqueie o tubo em
forma de Y.
A GUI aciona um alarme de PRESSÃO DE VENTILADOR ALTA (1PVENT )
durante a primeira respiração depois que o tubo em forma de Y é
bloqueado.
Desbloqueie o tubo em forma de Y e conecte o dispositivo para teste
pulmonar ao tubo em forma de Y do paciente. O alarme se reinicializa
automaticamente (pode levar diversas respirações até reinicializar
automaticamente). 
14. Teste do alarme de PRESSÃO DE CIRCUITO ALTA:
Defina as configurações do paciente e de alarme da seguinte maneira:
VMAX :30 L/min
PPEAK: 20 cmH2O
Depois de uma respiração, o ventilador aciona um alarme de PRESSÃO DE
CIRCUITO ALTA (PPEAK). Se o alarme não soar, verifique se há vazamentos
no circuito do paciente.
15. Teste do alarme de OBSTRUÇÃO SEVERA:
Defina as configurações do paciente e de alarme da seguinte maneira:
VT : 500 mL

2PPEAK: 50 cmH2O
Pressione a tecla para reiniciar todos os alarmes.
Aperte cuidadosamente qualquer ponto do ramo expiratório do circuito
do paciente até que a GUI acione um alarme de OBSTRUÇÃO SEVERA.
Enquanto você mantém a obstrução, assegure-se de que o indicador de

MO D-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


abertura da válvula de segurança se acenda, a tela superior mostre o
tempo decorrido sem o suporte da ventilação normal e o dispositivo para
teste pulmonar infle periodicamente, enquanto o ventilador fornece
respirações baseadas em pressão. 
Solte o tubo expiratório. O ventilador deverá voltar à ventilação normal
dentro de três respirações. Pressione a tecla para reiniciar todos os
alarmes.
16. Teste do alarme de PERDA DE ALIMENT. AC: Deixe que o ventilador
forneça pelo menos quatro respirações, pressione a tecla para reiniciar
todos os alarmes e, em seguida, desconecte o cabo de força da
alimentação AC.
Se a BPS estiver carregada, a GUI acionará o alarme de PERDA DE
ALIMENT. AC. Se houver menos de 2 minutos de reserva de bateria
disponíveis, a GUI anunciará o alarme de BATERIA FRACA. Se a BPS não
estiver instalada, a BDU acionará o alarme de PERDA DE ALIMENTAÇÃO.
Conecte o cabo de força à alimentação AC. O alarme de PERDA DE
ALIMENT. AC, BATERIA FRACA ou PERDA DE ALIMENTAÇÃO é
reconfigurado automaticamente.
17. Teste do alarme de APNÉIA:
Defina as configurações do paciente e de alarme da seguinte maneira:
2PPEAK: 70 cm H2O
Modo: SPONT
Tipo espontâneo: PS

OBSERVAÇÃO:
Para evitar o disparo de uma respiração durante o intervalo de apnéia,
não toque no dispositivo para teste pulmonar ou no circuito do paciente.

A GUI acionará o alarme de APNÉIA dentro de 10 segundos a partir do


pressionamento de ACEITAR. 
Pressione o dispositivo para teste pulmonar duas vezes para simular duas
respirações subseqüentes iniciadas pelo paciente. O alarme de APNÉIA é
reconfigurado automaticamente.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO D-5


OBSERVAÇÃO:
O volume corrente expirado (VTE) exibido na área de dados
monitorados do paciente precisa ser maior do que metade
do volume fornecido mostrado no traçado de volume-tempo
da tela de gráficos para que a apnéia seja reinicializada
automaticamente (consulte o Capítulo da Referência Técnica
para uma descrição técnica da ventilação de apnéia). 

Deixe o ventilador retornar à ventilação de apnéia.


18. Teste do alarme VOLUME CORRENTE ESPONTÂNEO MÍNIMO EXPIRADO:
Defina as configurações do paciente e de alarme da seguinte maneira:
Tipo de disparo: P- TRIG
PSENS: 4,0 cm H2O
4VTE SPONT: 2500 mL
Pressione a tecla de reinício do alarme para reinicializar o alarme de
apnéia.
Pressione lentamente o dispositivo para teste pulmonar, para simular
respirações espontâneas. O ventilador anuncia um Teste do alarme
VOLUME CORRENTE ESPONTÂNEO MÍNIMO EXPIRADO no início da
terceira inspiração espontânea consecutiva.
Defina as configurações do paciente da seguinte maneira:
Modo: A/C
4VTE SPONT: OFF (desligado) 
Pressione a tecla de reinício do alarme para reinicializar
o alarme de apnéia.

MO D-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


19. Teste do alarme SEM FORNECIMENTO DE O2:
Desconecte o fornecimento de entrada de oxigênio.
O ventilador acionará um alarme SEM FORNECIMENTO DE O2 em uma
respiração.
Conecte o fornecimento de entrada de oxigênio.
O alarme SEM FORNECIMENTO DE O2 é reconfigurado automaticamente
dentro de duas respirações depois que o oxigênio é reconectado.
20. Teste do alarme de PERCENTUAL DE O2 FORNECIDO BAIXO e
PERCENTUAL DE O2 FORNECIDO ALTO:
Defina as configurações do paciente e de alarme da seguinte maneira:
PSENS: 2 cmH2O
O2: 100%
Defina as configurações de apnéia da seguinte maneira:
TA: 60 segundos
Substitua o filtro inspiratório por um tubo flexível descartável para adulto
de seis polegadas com um corte lateral de ¼ de polegada na lateral, a
aproximadamente 3 polegadas da extremidade. Insira um segmento de
tubo para o fornecimento de oxigênio de baixa pressão no corte e
aproximadamente 1½ polegada na porta Para o paciente. Conecte a outra
extremidade do tubo de fornecimento de oxigênio a uma fonte de ar
conhecida (por exemplo, um cilindro de ar para fins médicos).
Defina o fluxo do fornecimento de ar como 1 L/min e observe a tela
superior da GUI. O valor de O2 (percentual fornecido de O2) deverá
diminuir e o ventilador deverá acionar o alarme de O2% dentro de
30 segundos.
Remova o tubo de fornecimento de oxigênio da fonte de ar e conecte-o a
uma fonte conhecida de 100% O2 (por exemplo, um cilindro de ar para
fins médicos). Defina o percentual de O2 como 21%. Defina o fluxo da
fonte de oxigênio como 1 L/min e observe a tela superior da GUI. O valor
de O2 (percentual fornecido de O2) deverá aumentar e o ventilador
deverá acionar o alarme 1O2% dentro de 30 segundos.
Remova o tubo flexível descartável e o tubo de fornecimento de oxigênio,
substitua o filtro inspiratório e o circuito padrão do paciente e, em
seguida, pressione a tecla de reinício do alarme para anular todos os
alarmes.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO D-7


D.2 Teste de calibração do sensor de oxigênio
Teste a calibração do sensor de oxigênio da seguinte maneira:
1 Conecte a mangueira de oxigênio do ventilador a uma fonte conhecida
de 100% de O2 (por exemplo, um cilindro de oxigênio medicinal).
Pressione a tecla 100% O2/CAL 2 min ou a tecla AUMENTAR O2 2 min para
calibrar o sensor de oxigênio. Quando a luz da tecla se apagar, passe para
a etapa seguinte. 
2. Conecte o tubo de oxigênio do ventilador a uma outra fonte conhecida
de 100% O2 (por exemplo, um outro cilindro de oxigênio para fins
médicos).
3. Defina o percentual de O2 com os valores abaixo e espere um minuto
depois de cada configuração para que os valores monitorados se
estabilizem: 
21%
40%
90%
4. Observe a tela superior para verificar se o valor de O2 (percentual
fornecido de O2) está dentro de 3% de cada configuração selecionada em
1 minuto da seleção de cada configuração.

MO D-8 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Portas de alarme remoto e RS-232

O Apêndice E descreve como usar a porta de alarme remoto


do Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 (recurso
para chamar a enfermagem) e as três portas de comunicação
RS-232. As portas de alarme remoto e RS-232 estão localizadas
na parte traseira da GUI. 

RS-232 porta 2 RS-232 porta 3

Porta de alarme remoto RS-232 porta 1

Figura E-1. Portas de alarme remoto e RS-232


Advertência
Para garantir que o ventilador esteja corretamente aterrado e
protegê-lo contra riscos elétricos, sempre conecte o cabo de força
AC do ventilador a uma tomada de parede aterrada (mesmo que o
ventilador esteja funcionando com a fonte de alimentação de
reserva BPS 802 ou 803) ou o sistema de bateria de reserva do
ventilador Puritan Bennett 800 Series quando o ventilador estiver
conectado a um aparelho externo através da porta RS-232 ou de
alarme remoto.

Cuidado
Para evitar o risco de fuga de corrente em excesso do equipamento externo
conectado às portas RS-232 e de alarme remoto, providencie um meio de
separação externa dos caminhos condutores de terra. Consulte o Manual
de Serviço do Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 800 Series para obter
informações e instruções sobre a instalação de conjuntos de cabos com
separação elétrica, ou entre em contato com a Covidien, para obter
assistência.

E.1 Porta de alarme remoto


O recurso de alarme remoto (chamar a enfermagem) do ventilador
permite que condições de alarme de média e máxima urgência sejam
acionadas em locais distantes do ventilador (por exemplo, quando
o ventilador estiver em um local isolado). O ventilador sinaliza um
alarme usando um sinal normalmente aberto ou normalmente fechado.
O ventilador emite um alarme remoto quando há uma condição de
alarme de média ou máxima urgência, caso o recurso de silêncio do
alarme não esteja ativado.

OBSERVAÇÃO:
O alarme remoto também é acionado quando a chave de
alimentação do ventilador é desligada.

MO E-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


2 3

1 4
VEN_10205_A

Figura E-2. Pinos da porta de alarme remoto (visão posterior da GUI)

Pino Sinal
1 Fechado normalmente (NC)
2 Relé comum
3 Aberto normalmente (NO)
4 Não conectado

OBSERVAÇÃO:
A corrente permitida é de 100 mA em 12 V CC (mínimo) e 500 mA em
30 V CC (máximo).

E.2 Porta RS-232


A porta serial RS-232 é um conector macho de 9 pinos configurado como DTE
(Data Terminal Equipment). A Figura E-3 mostra os pinos da porta serial.

1 2 3 4 5

6 7 8 9
1
Figura E-3. Pinos da porta serial RS-232

Pino Sinal

1 Não conectado

2 Dados de recebimento (RxD)

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO E-3


3 Dados de transmissão (TxD)

4 Sinal DTR (Data Terminal Ready),


sinal máximo de terminação

5 Terra (GND)

6 Não conectado

7 Sinal RTS (solicitação de envio)

8 Sinal CTS (livre para enviar)

9 Não conectado

E.3 Como configurar as portas RS-232


As portas RS-232 devem ser configuradas para selecionar o aparelho
conectado, a taxa de transmissão, os bits de dados e a paridade. Siga estas
etapas para configurar as portas RS-232:
1. Na tela CONFIG VENT, pressione OUTRAS TELAS.
2. Pressione o botão para configuração de comunicações. A tela
Comunicação Atual aparece.

Configuração da comunicação atual

1 2 3

Taxa de Taxa de Taxa de


transmissão transmissão transmissão

Bits de Bits de Bits de


dados dados dados

Modo de Modo de Modo de


paridade paridade paridade

Observação: Apenas para referência. Desenho sem escala. Alguns detalhes foram
omitidos por questões de clareza.

MO E-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


3. Toque no botão correspondente à porta 1 e então gire o botão do
aparelho para selecionar o dispositivo acoplado (DCI, IMPRESSORA,
SPACELABS OU PHILLIPS). Selecione DCI, se o dispositivo acoplado for um
monitor de ventilador ou um dispositivo portátil, CliniVision, Impressora,
se for uma impressora, SpaceLabs, se for um monitor de ventilador
SpaceLabs™*, ou Phillips, para o Phillips™* IntelliBridge™*. Se desejar
selecionar formas de onda em tempo real, selecione a porta 2 ou 3 e a
configuração Formas de onda. 
4. Toque no botão TAXA DE TRANSMISSÃO e então gire o botão do aparelho
para selecionar a taxa de transmissão (1200, 2400, 4800, 9600, 19200 ou
38400). Se você configurar o ventilador para formas de onda em tempo
real, a taxa de transmissão será colocada automaticamente em 38400. 
5. Toque na opção de BITS DE DADOS, gire o botão para selecionar os bits
de dados (7 ou 8).
6. Toque na opção de MODO DE PARIDADE, gire o botão para selecionar
a paridade (NENHUMA, PAR ou ÍMPAR).

OBSERVAÇÃO: Estas são as opções possíveis para bits de dados e


modo de paridade:

Bits de dados Modo de paridade

7 Nenhuma, Par, Ímpar

8 Nenhuma

7. Pressione ACEITAR para aplicar as alterações ou pressione OUTRAS TELAS


para cancelar as alterações.
Formas de onda em tempo real transmitem continuamente valores de
pressão, fluxo e números de seqüência, em formato ASCII, a partir da porta
serial selecionada (2 ou 3), em uma taxa de transmissão de 38400 pulsos/s,
e os bits de parada e paridade selecionados pelo operador. Uma linha de
leituras de pressão e fluxo é feita a cada 20 ms. O conjunto de leituras é
transmitido pela porta serial selecionada ao final de cada respiração, para
freqüencias respiratórias de 10 ou mais por minuto. Para respirações de maior
duração, são transmitidos pelo menos os oito primeiros segundos da
respiração. O formato dos dados é o seguinte: O início da inpiração é indicado
por “BS, S:nnn,<LF>”, onde ‘BS’ identifica o início da respiração (de Breath

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO E-5


Start), ‘S:nnn’ é um número de seqüência incrementado a cada respiração e
<LF> é um caractere de alimentação (avanço) de linha. Os campos fff e ppp
mostram os dados de fluxo da respiração e pressão. O final da expiração é
indicado por “BE<LF>”, onde ‘BE’ indica final da respiração (de Breath End)
e <LF> é um caractere de alimentação (avanço) de linha. Se houver algum
vazamento no dispositivo para teste pulmonar ou no circuito, a pressão será
inferior àquela configurada no ventilador. 

E.4 Impressoras e cabos


Os seguintes equipamentos podem ser usados para a impressão de gráficos
a partir do Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840: 
Impressoras
Impressoras seriais RS-232 com o protocolo de comunicação Hewlett-
Packard PCL5 podem ser utilizadas com o Sistema de Ventilação Puritan
Bennett™ 840. Impressoras com o protocolo de comunicação HP PCL5,
mas com outras interfaces de conexão como USB ou paralela, podem ser
utilizadas desde que possuam um cabo conversor serial RS-232 apropriado.
Cabos
Um cabo serial (DB9 a DB9 ou conectores DB25) deve ser utilizado para
a conexão com impressoras seriais RS-232. Um cabo conversor de serial
para paralela RS-232 (conectores DB9 para Centronics macho de 36 pinos)
deve ser utilizado com impressoras conectadas por meio de porta paralela.
Um cabo conversor de serial para USB RS-232 (conectores DB9 para USB)
deve ser utilizado com impressoras conectadas por meio de porta USB.
Esses cabos devem possui componentes eletrônicos para converter os sinais
da RS-232 em sinais apropriados que possam ser lidos pelas impressoras
paralelas ou USB, e podem precisar ser configurados para corresponder
à taxa de transmissão, bits de dados e de paridade da impressora. 
Para configurar o ventilador, a impressora e o cabo para impressão:
1 Determine a configuração da taxa de transmissão, da paridade e dos bits
de dados da impressora a ser utilizada. Consulte o Manual do Operador
para obter essas informações.
2 Configure a porta serial 1 para uma impressora, conforme as instruções
da Seção E.3, usando configurações iguais às da impressora. 
3 Se estiver usando um cabo conversor, configure-o para usar as mesmas
configurações da impressora e do Sistema de Ventilação Puritan
Bennett™ 840. Consulte as instruções fornecidas pelo fabricante do cabo. 

MO E-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


4 Com a impressora desligada, conecte o cabo ao Sistema de Ventilação
Puritan Bennett™ 840 e à impressora. 
5 Ligue a impressora.
6 Imprima os gráficos, conforme descrito na Seção 6.6, na página
página MO 6-7.

E.5 Comandos da porta RS-232


Consulte a Referência Técnica Capítulo 19 para obter informações sobre o
protocolo de comando da porta RS-232.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador MO E-7


Esta página foi deixada em branco intencionalmente.

MO E-8 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual do Operador


Introdução ao fornecimento de respiração

O Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 fornece e


mede volumes expirados nas precisões especificadas quando é
utilizada umidificação convencional, sistemas de cabos
aquecidos ou trocadores de calor e umidade (HMEs).
Na ventilação controlada por volume (VC), o ventilador
compensa a complacência do volume corrente para garantir
que o volume corrente definido pelo clínico está sendo
fornecido ao pulmão. Independentemente do modo e do tipo
de respiração, todos os volumes expiratórios são compensados
por complacência. Tanto o volume inspiratório quanto
o expiratório são informados em unidades BTPS (pressão
e temperatura do corpo saturadas).
O oxigênio e o ar são conectados diretamente à unidade de
fornecimento de respiração (BDU), fornecendo gás às duas
válvulas de solenóide proporcionais (PSOL). O software
controla cada válvula independentemente e, de acordo com
o percentual de O2 definido pelo operador, combina o gás da
respiração à medida que ele é fornecido. O gás de respiração
combinado passa pela válvula de segurança e, em seguida, por
uma válvula unidirecional, filtro de bactéria e umidificador até
chegar ao paciente. O gás expirado é direcionado para o
compartimento expiratório, que inclui um frasco coletor, um
filtro de bactéria, uma válvula unidirecional, um sensor de fluxo
e uma válvula expiratória ativa (“ativa” significa que a válvula
expiratória pode ser aberta e fechada em incrementos precisos
durante toda a inspiração e expiração, permitindo que o
ventilador forneça respirações fortes enquanto minimiza
as alterações de pressão, controla o PEEP e alivia pressões
excessivas). Normalmente, o ventilador não usa a válvula
de segurança para regular a pressão.
Introdução ao fornecimento de respiração

Em vez de medir o fluxo e a pressão no ambiente áspero do tubo em forma


de Y do paciente, o ventilador usa dois sensores de fluxo no lado do
fornecimento (“Para o paciente”) da BDU para fornecer e medir o fluxo
inspirado, e um sensor de fluxo no compartimento expiratório (“Do
paciente”) para medir o fluxo expirado. A pressão do circuito relativa ao ajuste
do tubo em forma de Y é medida por dois transdutores de pressão: um no
compartimento expiratório, e outro no sistema pneumático inspiratório, bem
no fluxo de descida das válvulas PSOL.
Com o objetivo de calcular os dados do paciente (incluindo gráficos em
forma de ondas), o ventilador usa os transdutores de pressão inspiratória e
expiratória para calcular a pressão do tubo em forma de Y. Todos os sensores
(incluindo os de fluxo, pressão e temperatura) são monitorados
continuamente por testes realizados em segundo plano a fim de garantir que
o fornecimento de gás e a expiração ocorram de acordo com as
configurações do ventilador. 

RT 1-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Detectando e iniciando a inspiração

Para garantir uma respiração mandatória ou espontânea,


a unidade de fornecimento de respiração (BDU) usa as
configurações do operador com uma das seguintes estratégias
de disparo para iniciar uma respiração mandatória ou
espontânea:
• Disparo interno: Esforço do paciente ou um sinal de relógio.
Um sinal de relógio pode se basear em uma configuração
do ventilador (por exemplo, freqüência respiratória ou
intervalo de apnéia) ou no tempo respiratório de um modo
(por exemplo, no modo SIMV, o ventilador fornece uma
respiração mandatória se o paciente não iniciar uma
respiração no começo de um intervalo respiratório).
Um sinal de relógio pode ocorrer também durante os
modos de ventilação alternada como ventilação de apnéia,
ventilação durante obstrução e ventilação de segurança.
• Disparo pelo operador: O operador pressiona INSP MANUAL.
A BDU não permite que ocorra uma segundo inspiração
mandatória durante uma inspiração mandatória ou
espontânea. Para evitar o ciclo automático e permitir um
tempo expiratório mínimo, uma respiração mandatória não
pode ser fornecida durante a fase restrita de expiração. A fase
restrita de expiração é concluída quando a) ou b) e c) (abaixo)
tiverem ocorrido ou se d) ocorrer independentemente das
condições descritas nos itens de a) a c):
a O fluxo expiratório medido cair para menos de 50%
do fluxo expiratório de pico
b O fluxo expiratório for menor ou igual a 0,5 L/min
Detectando e iniciando a inspiração

c Tiverem decorridos os primeiros 200 ms de expiração


(independentemente do tipo de respiração)
d tiverem decorridos, pelo menos, 5 segundos de expiração
Uma respiração mandatória pode ser fornecida se uma inspiração
mandatória estiver programada internamente para iniciar o ciclo,
independentemente da freqüência de fluxo expirado.

2.1 Inspiração disparada internamente


O ventilador dispara a inspiração internamente de acordo com:
• definida pelo operador
• sensibilidade de fluxo
• ciclo programado
• outros sinais gerados pelo software
As respirações mandatórias disparadas através da sensibilidade de pressão
ou de fluxo são chamadas respirações mandatórias iniciadas pelo paciente
(PIM). O ventilador foi concebido para evitar a cativação automática quando
a sensibilidade de pressão é superior a 1 cmH2O ou quando a sensibilidade
de fluxo é superior a 1 L/min para pacientes neonatais ou pediátricos ou
1,5 L/min para pacientes adultos ou 1,5 L/min para pacientes neonatais e
pediátricos e 2,0 L/min para pacientes adultos se se utiliza um compressor.

2.1.1 Sensibilidade de pressão


Quando o disparo por pressão (P-TRIG) é selecionado, o ventilador inicia as
respirações com base na pressão monitorada em dois locais do circuito do
paciente: a pressão inspiratória (PI ) é monitorada dentro do fluxo de descida
do tubo inspiratório das válvulas de solenóide proporcionais (PSOL) e a
pressão expiratória (PE ) é monitorada logo depois da válvula de verificação
expiratória.
À medida que o paciente extrai o gás do circuito (evento A), a pressão das vias
aéreas cai abaixo da linha de base (Figura 2-1). Quando a pressão das vias
aéreas cai abaixo da linha de base no valor selecionado para a sensibilidade
de pressão (evento B), o ventilador inicia uma inspiração disparada pelo
paciente. O intervalo A-B depende de dois fatores:
• A velocidade com a qual a pressão do circuito diminui (isto é, a
intensidade do esforço inspiratório). Quando maior for o esforço
inspiratório, menor será o intervalo A-B.

RT 2-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Detectando e iniciando a inspiração

• A configuração da sensibilidade de pressão (PSENS). Quanto menor for


a configuração, menor será o intervalo A-B. (A configuração mínima de
PSENS é limitada pelo ciclo automático, e os critérios de disparo incluem
os algoritmos de filtragem que minimizam a probabilidade de disparo
do ciclo automático.)

Expiração Inspiração

A
Pressão do PEEP (linha de base)
circuito
(cmH2O)
Sensibilidade de pressão
definida pelo operador

Fluxo
da BDU
(L/min)

O paciente A inspiração disparada


inspira pelo paciente começa
tempo

Figura 2-1. Disparo da inspiração através da sensibilidade de pressão

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 2-3
Detectando e iniciando a inspiração

2.1.2 Sensibilidade de fluxo


.
Quando o disparo por fluxo ( V-TRIG ) é selecionado, a BDU mantém um fluxo
de gás constante através do circuito do paciente (chamado fluxo de base) no
final da expiração. O valor desse fluxo de base é de 1,5 L/min maior que o
valor selecionado pelo operador para sensibilidade de fluxo (estado A),
indicado na Figura 2-2.
A

Fluxo Fluxo de base


expirado definido pelo
B Sensibilidade de software (L/min)
(L/min)
fluxo definida
C pelo operador

0 1,5 L/min

Fluxo de base e
Fluxo sensibilidade de fluxo
fornecido Fluxo de base
definido pelo
software (L/min)

Início do esforço O fornecimento de


do paciente gás é iniciado
time

Figura 2-2. Disparo da inspiração através da sensibilidade de fluxo

RT 2-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Detectando e iniciando a inspiração

Os sensores de fluxo inspiratório do ventilador medem o fluxo fornecido


e o sensor de fluxo expiratório mede o fluxo expirado. O ventilador mede
indiretamente o fluxo do paciente (pressupondo vazamentos mínimos)
através da monitoração da diferença entre as medidas dos dois fluxos.
Se o paciente não estiver inspirando, qualquer diferença entre o fluxo
fornecido e o fluxo expirado será decorrente de alguma imprecisão do sensor
ou da presença de vazamentos no sistema do paciente. Para compensar
vazamentos no sistema do paciente, o operador pode aumentar a
sensibilidade de fluxo, que teoricamente iguala a sensibilidade de fluxo
desejada + fluxo do vazamento.
À medida que o paciente inspira a partir do fluxo de base, o ventilador mede
menos fluxo expirado (evento B), enquanto o fluxo fornecido permanece
constante. À medida que o paciente continua a inspirar, a diferença entre os
dois fluxos medidos pelos transdutores inspiratório e expiratório aumenta.
O ventilador anuncia uma inspiração quando o fluxo inspirado pelo paciente
(isto é, a diferença entre os fluxos medidos) é igual ou maior do que o valor
selecionado pelo operador para a sensibilidade de fluxo (evento C).
Assim como no disparo por pressão, o intervalo entre o início do esforço
do paciente e o fornecimento de gás depende de dois fatores:
• A velocidade com a qual o fluxo expirado diminui (isto é, a intensidade
do esforço inspiratório). Quanto maior for o esforço inspiratório, menor
será o intervalo.
.
• A configuração da sensibilidade de fluxo (VSENS ). Quanto menor for a
configuração, menor será o intervalo.
Quando o disparo por fluxo é selecionado, o paciente recebe o fluxo durante o
intervalo entre o início do seu próprio esforço e o início do fornecimento de
gás. Quando o disparo por pressão é selecionado, o esforço do paciente
durante esse intervalo é isométrico.
A sensibilidade de pressão de 2 cmH2O também está ativa como um método
de reserva de disparo por inspiração. Embora essa configuração seja a mais
sensível possível, e ainda suficientemente abrangente para impedir o disparo
automático, ela causa o disparo com algum esforço aceitável do paciente.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 2-5
Detectando e iniciando a inspiração

2.1.3 Inspiração de ciclo programado


O ventilador monitora os intervalos de tempo de um evento específico (por
exemplo, o disparo de uma respiração PIM ou a transição da inspiração para a
expiração). Durante A/C, na ausência de esforço do paciente, o ventilador
fornece uma inspiração no início de cada período respiratório, como mostra a
Figura 2-3. Essa respiração é chamada de respiração mandatória iniciada pelo
ventilador (VIM). Se os esforços de inspiração do paciente gerarem um disparo
por pressão ou fluxo antes que o ciclo respiratório tenha decorrido, o
ventilador fornecerá uma respiração PIM.

VIM PIM VIM

Atividade
respiratória
Tb Tb

Tb =__
60 Tb
f

Figura 2-3. Inspiração de ciclo programado

2.2 Inspiração disparada pelo operador


As respirações mandatórias disparadas quando o operador pressiona a tecla
INSP MANUAL são chamadas de respirações mandatórias iniciadas pelo
operador (OIM). O ventilador não fornece uma respiração OIM durante:
• uma inspiração
• a fase restrita de expiração
• condições de obstrução e desconexão de alarmes

RT 2-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Detectando e iniciando a expiração

O Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 pode anunciar


uma expiração com base em disparadores internos ou em
limites de reserva. 

3.1 Expiração disparada internamente


Os disparadores de expiração interna são:
• o método de ciclo programado
• o método de fluxo inspiratório final
• o método de pressão das vias aéreas

3.1.1 Expiração de ciclo programado


O método de ciclo programado usa um tempo inspiratório
especificado para interromper a inspiração e passar para
a expiração. O ventilador interrompe a inspiração com
base no valor definido ou calculado do tempo inspiratório.
Esse método opera durante as respirações mandatórias
baseadas na pressão ou no volume.
Para as respirações mandatórias baseadas na pressão
(incluindo VC+), o tempo inspiratório (TI) define a duração
da fase inspiratória. Para as respirações mandatórias baseadas
no volume, as definições de volume corrente, fluxo de pico,
padrão de fluxo e tempo de platô definem o tempo
inspiratório. A compensação de complacência aumenta o fluxo
de pico conforme necessário, a fim de garantir que o volume
corrente definido seja fornecido ao paciente no tempo
inspiratório estabelecido.
Detectando e iniciando a expiração

3.1.2 Método de fluxo inspiratório final


Durante as respirações espontâneas (com ou sem pressão de suporte), o
ventilador usa de preferência medidas de fluxo inspiratório final para iniciar
a expiração. O ventilador monitora o fluxo fornecido durante toda a fase
inspiratória. Independentemente de o paciente começar a expirar, o fluxo
fornecido diminui devido ao grau de pressão reduzido do tubo em forma
de Y do paciente para os alvéolos (evento A da Figura 3-1). Quando o fluxo
inspiratório final é igual ou menor do que (fluxo de pico x ESENS %)/100, o
ventilador inicia a expiração (evento B).

A (o fluxo fornecido começa a diminuir)

Fluxo
de pico
Sem disparador
de expiração
Fluxo Fluxo de pico x ESENS
inspiratório 0 100
(L/min)
B (o ventilador inicia a expiração)

Disparador
Inspiracão

tempo

Figura 3-1. Início da expiração através do método de fluxo inspiratório


final

RT 3-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Detectando e iniciando a expiração

3.1.3 Método de pressão das vias aéreas


Se a sensibilidade expiratória (ESENS) for definida com um valor muito baixo
para a combinação paciente-ventilador, um esforço expiratório intenso pode
fazer com que a pressão do circuito (PPEAK) aumente até o limiar de disparo
por pressão. O ventilador monitora a pressão do circuito durante toda a fase
inspiratória e inicia uma expiração quando a pressão é igual ao valor de
destino especificado da pressão inspiratória + um valor de incremento.
A Figura 3-2 mostra um exemplo de uma expiração iniciada através do
método de pressão das vias aéreas.

OBSERVAÇÃO:
O valor de incremento permitido acima da pressão pretendida é de
1,5 cmH2O depois que uma parte do tempo de inspiração (Tn) tiver
decorrido. Antes de Tn, o valor de incremento é maior a fim de permitir
que a pressão transitória se altere. Durante os primeiros 200 ms de
inspiração, a pressão incremental é de 10% da pressão pretendida, até um
máximo de 8 cmH2O. De 200 ms até Tn, a pressão incremental diminui de
forma linear do valor inicial até 1,5 cmH2O.

Pressão pretendida
+ valor incremental
Pressão 1,5 cmH2O
pretendida

Pressão
do circuito
(cmH2O)

Início 200 ms Tn
respiração
tempo

Figura 3-2. Início da expiração através do método de pressão das vias


aéreas

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 3-3
Detectando e iniciando a expiração

3.2 Limites de reserva


Além dos métodos internos de disparo de expiração, os limites de reserva
têm como objetivo impedir que as inspirações tenham uma duração ou
pressão excessivas. Se determinada respiração estiver sujeita a mais de um
limite de reserva, a expiração será disparada pelo primeiro limite
ultrapassado.

3.2.1 Limite de tempo


O limite de tempo se aplica apenas a respirações espontâneas, que, em geral,
não têm limite de tempo inspiratório. Se a expiração não for disparada depois
que o tempo de 1,99 + 0,02 x IBW (tipo de circuito adulto e pediátrico) ou
1,0 + 0,1 x IBW (tipo de circuito para recém-nascido) segundos de inspiração
tiver decorrido, o ventilador iniciará a expiração. Quanto o tipo de ventilação
é NIV, a configuração de limite de tempo de inspiração espontânea alto
(2TI SPONT ) serve como o limite de tempo para início da expiração.

3.2.2 Limite máximo de pressão no circuito


O limite máximo de pressão no circuito se aplica a todas as respirações. Se a
pressão das vias aéreas for igual ou maior do que o limite máximo de pressão
no circuito durante qualquer inspiração (exceto durante o ciclo de estado de
obstrução, OSC), o ventilador interromperá a inspiração e iniciará a expiração.

3.2.3 Limite máximo de pressão do ventilador


O limite máximo de pressão do ventilador se aplica somente às respirações
mandatórias baseadas em volume e às respirações espontâneas TC ou PA.
Se a pressão inspiratória for igual ou maior do que 100 cmH2O, o ventilador
passará para a expiração.

RT 3-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Fornecimento de respiração mandatória

A Capítulo 4 descreve os seguintes aspectos do fornecimento


de respiração mandatória:
• Respirações mandatórias baseadas em pressão e em
volume (incluindo VC+)
• Compensação de complacência e da pressão e
temperatura do corpo saturadas (BTPS) em respirações
mandatórias baseadas em volume
• Inspirações manuais

4.1 Comparação entre respirações mandatórias


baseadas em pressão e em volume
A Tabela 4-1 mostra a comparação feita entre o fornecimento
de respiração baseada em pressão e em volume.

OBSERVAÇÃO:
Como regra geral, quando há vários métodos de detecção,
a inspiração ou expiração é disparada pela estratégia que
a anuncia primeiro.
Fornecimento de respiração mandatória

Tabela 4-1: Comparação entre respirações mandatórias


baseadas em pressão e em volume

Característica Baseada em pressão Baseada em volume

Detecção Sensibilidade de pressão, Consulte respiração baseada em


inspiratória sensibilidade de fluxo (incluindo a pressão.
reserva de disparo por pressão) ou
ciclo programado. A inspiração
também pode ser disparada pelo
operador usando a INSP MANUAL.

Pressão ou A pressão pretendida é As trajetórias do fluxo inspiratório


fluxo durante a equivalente à soma do PEEP são definidas pelas configurações
inspiração selecionado pelo operador + a do volume corrente, do fluxo
pressão inspiratória. O fluxo inspiratório de pico e do padrão de
máximo é de 200 L/min com fluxo (incluindo a compensação de
circuito de paciente adulto, 80 L/ complacência). A configuração
min com circuito de paciente máxima do fluxo de pico é de 150
pediátrico, e 30 L/min com circuito L/min para pacientes adultos, 60 L/
de paciente recém-nascido. A min para pacientes pediátricos e
trajetória da pressão no tubo em 30 L/min para pacientes recém-
forma de Y depende das nascidos. Um fluxo adicional está
configurações da pressão disponível (de até 200 L/min) para
inspiratória, do tempo inspiratório a compensação de complacência.
e do percentual de aceleração de
fluxo. O perfil de fornecimento de
fluxo é uma função da
configuração do percentual de
aceleração de fluxo, da
complacência e resistência do
paciente e do esforço inspiratório
do paciente (caso haja). À medida
que a configuração do percentual
de aceleração de fluxo aumenta do
mínimo para o máximo, o tempo
para alcançar a pressão pretendida
diminui.

Válvula de É ajustada para minimizar a Fechada.


expiração alteração de pressão e manter a
durante a pressão pretendida.
inspiração

Válvulas São ajustadas para manter a São ajustadas para atingir a


inspiratórias pressão pretendida. trajetória do fluxo pretendido.
durante a
inspiração

RT 4-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Fornecimento de respiração mandatória

Tabela 4-1: Comparação entre respirações mandatórias


baseadas em pressão e em volume (cont.)

Característica Baseada em pressão Baseada em volume

Detecção A expiração é iniciada pelo O operador especifica o volume


expiratória método de ciclo programado. corrente, o fluxo de pico, o padrão
Quando o tempo decorrido desde de fluxo e o tempo de platô e o
o início da inspiração for igual ao ventilador calcula um tempo
tempo inspiratório (um valor inspiratório. A expiração inicia-se
selecionado pelo operador), o depois do tempo inspiratório
ventilador inicia a expiração. O calculado. Os alarmes PCIRC e
limite máximo de pressão também PVENT também podem disparar a
pode disparar a expiração como expiração como uma estratégia de
uma estratégia de reserva. reserva.

Pressão ou A pressão é controlada para o PEEP. Se o disparo por fluxo for selecionado,
fluxo durante a o fluxo de base será novamente estabelecido próximo ao fim do fluxo
expiração expiratório. Várias estratégias funcionam para minimizar o ciclo
automático.

Válvula Para o disparo por pressão: próximo ao fim do fluxo expiratório, ela é
inspiratória aberta para estabelecer um fluxo de tendência de 1 L/min. Para o disparo
durante a por fluxo: definido para fornecer fluxo de base.
expiração

Válvula de É ajustada para manter o valor de PEEP selecionado pelo operador.


expiração
durante a
expiração

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 4-3
Fornecimento de respiração mandatória

4.2 Comparação entre respirações mandatórias baseadas em


volume
Quando o ventilador fornece um volume de gás ao circuito do paciente, nem
todo o gás entra realmente no sistema respiratório do paciente. Parte do
volume fornecido, chamado de volume de complacência ( VC), permanece no
circuito do paciente.
VC = Cpt ckt (Pinsp final - Pexp final)
onde:
Cpt ckt é a complacência do circuito do paciente
Pinsp final é a pressão no tubo em forma de Y do paciente no final da
inspiração atual
Pexp final é a pressão no tubo em forma de Y do paciente no final da
expiração atual
Para ventilação de volume, os clínicos em geral calculam VC para estimar
a perda de volume no circuito do paciente e, em seguida, aumentam a
configuração de VT com esse valor. O aumento do volume corrente em um
único incremento para compensar o volume de complacência oferece
somente uma compensação parcial e requer um esforço e compreensão
extras por parte do clínico. Além disso, Pinsp final e Pexp final podem alterar com
o tempo.
No Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840, um algoritmo iterativo
calcula automaticamente o volume de complacência. Para todos os padrões
de fluxo, a compensação de complacência não altera o tempo inspiratório
(TI). A compensação de complacência é obtida através do aumento de fluxo
(aumentando a amplitude dos padrões de fluxo). Se TI permanecer constante,
a relação I:E original não será alterada.
Há um volume de complacência máximo para reduzir o potencial de
dilatação excessiva devido a um cálculo errado do volume de complacência.
O volume de complacência máximo é determinado pelo tipo de circuito do
paciente selecionado e pelo peso ideal (IBW) e pode ser resumido pela
seguinte equação:
Vcomp,máx = Fator x Volume corrente
onde:
Vcomp,máx é o volume de complacência máximo

RT 4-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Fornecimento de respiração mandatória

Fator é a interpolação linear dos valores na Tabela 4-2 para os tipos de


circuito de pacientes adultos e pediátricos ou recém-nascidos:
MÍN(10, MÁX(2,5, 1,0 + (2,0/0,3 x IBW)))
Por exemplo, considerando que o recém-nascido tenha IBW = 1 kg
1. Calcule 1,0 + (2,0/0,3 x 1) = 7,67
2. Compare o resultado com 2,5 e use o valor máximo: 7,67 > 2,5
3. Compare o resultado da etapa anterior com 10 e use o valor mínimo:
7,67 < 10
O fator do volume de complacência para um circuito de paciente recém-
nascido com IBW = 1 kg é 7,67.

Tabela 4-2: Fatores do volume de complacência

Tipo de circuito de paciente


Tipo de circuito de paciente adulto
pediátrico

IBW (kg) Fator IBW (kg) Fator

 10 5  10 5

15 4,6 11 3,5

30 3,4 12,5 2,9

60 2,75 15 2,7

 150 2,5  30 2,5

4.3 Compensação de BTPS para respirações mandatórias


baseadas em volume
O objetivo da ventilação por volume é fornecer um volume especificado de
gás de concentração de oxigênio conhecida aos pulmões do paciente. Como
o volume do gás depende da temperatura, pressão e composição do gás, os
clínicos relatam e especificam o volume corrente de acordo com as condições
de temperatura do corpo (37C), pressão barométrica existente e totalmente
saturada com vapor d’água (100% de umidade). É o que chamamos de
temperatura e pressão do corpo saturadas (BTPS). Todos os volumes (fluxos)
definidos ou relatados pelo ventilador estão a uma pressão barométrica
existente, 37C, e totalmente saturados com vapor d’água (BTPS). Os dados
do gráfico não têm compensação de BTPS.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 4-5
Fornecimento de respiração mandatória

4.4 Inspiração manual


Uma inspiração manual é uma inspiração mandatória iniciada pelo operador
(OIM). Quando o operador pressiona a tecla INSP MANUAL, o ventilador
fornece a respiração mandatória especificada no momento (se for permitido),
baseada no volume ou na pressão. A inspiração manual baseada em volume
tem compensação de complacência.

RT 4-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Fornecimento de respiração espontânea

A Tabela 5-1 descreve várias características do fornecimento


de respiração e como elas são implementadas durante as
respirações espontâneas (disponíveis nos modos SIMV,
ESPONT e BILEVEL).

OBSERVAÇÃO:
Como regra geral, quando há vários métodos de detecção,
a inspiração ou expiração é disparada pelo método que o
anuncia primeiro. 

Tabela 5-1: Características do fornecimento de


respiração espontânea

 Característica   Implementação 

Detecção inspiratória Sensibilidade de pressão ou de fluxo,


a que estiver selecionada.

Pressão ou fluxo A pressão aumenta de acordo com o


durante a inspiração percentual de aceleração de fluxo
Tipo espontâneo = selecionado e a configuração do IBW,
NENHUM e a pressão pretendida é equivalente
1,5 cmH2O acima do PEEP para
melhorar o trabalho respiratório.
Fornecimento de respiração espontânea

Tabela 5-1: Características do fornecimento de


respiração espontânea (cont.)

 Característica   Implementação 

Pressão ou fluxo A pressão aumenta de acordo com o


durante a inspiração percentual de aceleração de fluxo
Tipo espontâneo = PS selecionado e a configuração do IBW, e
a pressão pretendida é equivalente à
PSUPP < 5 cmH2O
pressão efetiva + PEEP:
PSUPP Pressão efetiva (cmH2O)
0 1,5
1 2,2
2 2,9
3 3,6
4 4,3

Pressão ou fluxo A pressão aumenta de acordo com o


durante a inspiração percentual de aceleração de fluxo
Tipo espontâneo = PS selecionado e a configuração de IBW, e
a pressão pretendida é equivalente a
PSUPP  5 cmH2O
PSUPP + PEEP.

Perfil do fluxo O perfil de fluxo inspiratório é


inspiratório determinado pela demanda do
paciente e pela configuração do
percentual de aceleração de fluxo.
À medida que a configuração do
percentual de aceleração de fluxo
aumenta do mínimo para o máximo,
o tempo para alcançar a pressão
pretendida diminui. O fluxo máximo
disponível é de até 30 L/min para
pacientes recém-nascidos, 80 L/min
para pacientes pediátricos e até
200 L/min para pacientes adultos.

Válvula de expiração É ajustada para minimizar a alteração


durante a inspiração de pressão e manter a pressão
pretendida.

RT 5-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Fornecimento de respiração espontânea

Tabela 5-1: Características do fornecimento de


respiração espontânea (cont.)

 Característica   Implementação 

Válvulas inspiratórias São ajustadas para manter a pressão


durante a inspiração pretendida.
Como a válvula de expiração age
como uma válvula de alívio que ventila
qualquer excesso de fluxo, o fluxo
inspiratório pode ser fornecido de
forma vigorosa e permite melhorar o
trabalho respiratório. 

Detecção expiratória O método de fluxo inspiratório final ou


de pressão das vias aéreas, o que
detectar a expiração primeiro.
O tempo de reserva e o alarme PCIRC
também estão disponíveis como
estratégias de reserva.

Pressão ou fluxo A pressão é controlada para o PEEP.


durante a expiração Para o disparo por pressão: definida
para fornecer um fluxo de tendência
de 1 L/min próximo ao fim do fluxo
expiratório.
Para o disparo por fluxo: definido para
fornecer fluxo de base.

Válvula inspiratória Para o disparo por pressão: definida


durante a expiração para fornecer um fluxo de tendência
de 1 L/min próximo ao fim do fluxo
expiratório.
Para o disparo por fluxo: definida para
fornecer fluxo de base próximo ao fim
do fluxo expiratório.

Válvula de expiração É ajustada para manter o valor de PEEP


durante a expiração selecionado pelo operador.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 5-3
Esta página foi deixada em branco intencionalmente.

RT 5-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Modo assistido/controlado (A/C)

No modo A/C, o Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840


fornece somente respirações mandatórias. Quando detectar
um esforço inspiratório do paciente, o ventilador fornecerá
uma respiração mandatória iniciada pelo paciente (PIM)
(também denominada respiração assistida). Se não detectar
um esforço inspiratório, o ventilador fornecerá uma respiração
mandatória iniciada pelo ventilador (VIM) (também
denominada respiração controlada) com intervalo baseado
na freqüência respiratória definida. As respirações podem
ser disparadas por pressão ou por fluxo no modo A/C.

6.1 Fornecimento de respiração em A/C


No modo A/C, o ventilador calcula o período de respiração (Tb)
como:
Tb = 60/f
onde:
Tb é o período respiratório em segundos
f é a freqüência respiratória definida em respirações por
minuto
A duração da fase inspiratória depende das configurações de
fornecimento de respiração atuais. O ventilador passa para a
fase expiratória no fim da fase inspiratória. O ventilador calcula
a duração da fase expiratória como:
TE = Tb - TI
onde:
TE é a duração da fase expiratória em segundos
Modo assistido/controlado (A/C)

Tb é o período respiratório em segundos


TI é a duração da fase inspiratória em segundos (incluindo TPL, tempo de
platô)
Figura 6-1 mostra o fornecimento de respiração A/C quando nenhum esforço
inspiratório do paciente é detectado e todas as inspirações são VIM.

VIM VIM VIM

Tb Tb Tb

Figura 6-1. Modo A/C, nenhum esforço do paciente detectado

A Figura 6-2 mostra o fornecimento de respiração A/C quando o esforço


inspiratório do paciente é detectado. O ventilador fornece respirações PIM
em uma freqüência maior ou igual à freqüência respiratória definida.

PIM PIM PIM PIM

Tb set
Tb set
Tb set

Figura 6-2. Modo A/C, esforço do paciente detectado

A Figura 6-3 mostra o fornecimento de respiração A/C quando há uma


combinação das respirações VIM e PIM.

VIM PIM PIM VIM

Tb set
Tb set
Tb set

Figura 6-3. Modo A/C, respirações VIM e PIM

RT 6-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Modo assistido/controlado (A/C)

6.2 Alteração de freqüência durante A/C 


As alterações na configuração da freqüência respiratória são implementadas
somente durante a expiração. O novo período de respiração, baseado na
nova freqüência respiratória, corresponde ao início da respiração atual e
segue as seguintes regras:
• O tempo inspiratório da respiração atual não é alterado.
• Uma nova inspiração só é fornecida depois de, pelo menos, 200 ms
de expiração.
• O tempo máximo t até que a primeira VIM da nova freqüência seja
fornecida será 3,5 vezes o tempo de inspiração atual ou o tempo de
duração do novo ciclo de respiração (o que for maior), porém t não durará
mais do que o período de respiração antigo.
• Se o paciente gerar uma PIM depois que o ventilador reconhecer a
alteração de freqüência e antes do tempo t, a nova freqüência será
iniciada com a PIM.

6.3 Alteração para o modo A/C


Alternar o ventilador para A/C a partir de qualquer outro modo faz com que
ele implemente uma respiração VIM e defina a hora de início para o começo
do próximo ciclo de respiração A/C. Após essa VIM e antes do início do novo
ciclo A/C, o ventilador responde aos esforços inspiratórios do paciente
fornecendo respirações mandatórias.
A primeira respiração A/C (VIM) é implementada de acordo com as seguintes
regras:
• A respiração não é fornecida durante uma inspiração.
• A respiração não é fornecida durante a fase restrita de expiração.
• O ventilador garante que o intervalo de apnéia termine, pelo menos,
cinco segundos depois do início da expiração. 
• Qualquer outro evento especialmente programado (como uma posição
mecânica respiratória ou qualquer posição de pausa) será cancelado e
reprogramado no intervalo seguinte.
A primeira VIM do novo modo A/C fornecida dependerá do tipo de respiração
e do modo que estiverem ativos quando a alteração de modo for solicitada.
• Se o modo atual for SIMV ou ESPONT e o último tipo de respiração tiver
sido espontâneo ou OIM, o tempo t até a primeira VIM do novo modo A/C
será o que for menor entre:

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 6-3
Modo assistido/controlado (A/C)

 3,5 x o tempo inspiratório atual, ou


 a duração do intervalo de apnéia.
• Se o modo for SIMV e a respiração atual ou a última é ou foi mandatória
(mas não OIM), o tempo t até a primeira VIM do novo modo A/C será a que
for menor entre:
 3,5 x o tempo inspiratório atual, ou
 a duração do intervalo de apnéia, ou
 a duração do ciclo de respiração atual.
• Se o modo atual for BILEVEL no estado PEEPH e a respiração atual for
mandatória:
 o nível PEEP será reduzido quando a fase de expiração for detectada.
O tempo t até a primeira VIM do novo modo A/C for o menor entre:
 o tempo de transição PEEP + 2,5 x a duração da fase de fornecimento
de gás ativo, ou
 a duração do intervalo de apnéia, ou
 a duração do ciclo de respiração atual.
• Se o modo atual for BILEVEL no estado PEEPH e a respiração atual for
espontânea:
 o nível PEEP será reduzido quando a fase de expiração for detectada.
O tempo t até a primeira VIM do novo modo A/C for o menor entre:
 o tempo de transição PEEP + 2,5 x a duração da inspiração
espontânea, ou
 a hora de início da respiração espontânea + a duração do intervalo
de apnéia.
• Se o modo atual for BILEVEL no estado PEEPL e a respiração atual for
mandatória, o tempo t até a primeira VIM do novo modo A/C for o menor
entre:
 o tempo de transição PEEP + 2,5 x a duração da fase de fornecimento
de gás ativo, ou
 a duração do intervalo de apnéia, ou
 a duração do ciclo de respiração atual.

RT 6-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Modo assistido/controlado (A/C)

• Se o modo atual for BILEVEL no estado PEEPL e a respiração atual for


espontânea e a hora de início espontânea tiver ocorrido durante o PEEPL,
o tempo t até a primeira VIM do novo modo A/C será o que for menor
entre:
 3,5 x a duração da inspiração espontânea, ou
 a duração do intervalo de apnéia.
• Se o modo atual for BILEVEL no estado PEEPL e a respiração atual for
espontânea e a hora de início espontânea tiver ocorrido durante o PEEPH,
o tempo t até a primeira VIM do novo modo A/C será o que for menor
entre:
 o tempo de transição PEEP + 2,5 x a duração da inspiração
espontânea, ou
 a hora de início da respiração espontânea + a duração do intervalo
de apnéia.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 6-5
Esta página foi deixada em branco intencionalmente.

RT 6-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Ventilação mandatória, intermitente e sincrônica (SIMV)

SIMV é um modo de ventilação combinado que permite tanto


a respiração mandatória quanto a espontânea. As respirações
mandatórias podem se basear em volume ou em pressão; e as
espontâneas podem ser assistidas por pressão (por exemplo,
quando o suporte de pressão estiver ativado). Você pode
selecionar o disparo por pressão ou por fluxo no modo SIMV.
O algoritmo SIMV foi criado para garantir uma respiração
mandatória em cada ciclo de respiração SIMV. Essa é uma
respiração mandatória iniciada pelo paciente (PIM) - também
denominada respiração assistida - ou uma respiração
mandatória iniciada pelo ventilador (VIM) (no caso de o esforço
inspiratório do paciente não ser detectado durante o ciclo
respiratório).
Como a Figura 7-1 mostra, cada ciclo de respiração SIMV (Tb)
consiste em duas partes: A primeira parte do ciclo é o intervalo
mandatório (Tm) e é reservado para uma PIM. Se uma PIM for
fornecida, o intervalo Tm terminará e o ventilador passará para
a segunda parte do ciclo, o intervalo espontâneo (Ts), que é
reservado para a respiração espontânea em todo o resto do
ciclo respiratório. No final do ciclo respiratório SIMV, ele se
repetirá. Se uma PIM não for fornecida, o Sistema de Ventilação
Puritan Bennett™ 840 fornecerá uma VIM no fim do intervalo
mandatório e, depois, passará para o intervalo espontâneo. 
Ventilação mandatória, intermitente e sincrônica (SIMV)

Tb = ciclo respiratório SIMV


(inclui Tm e Ts)

Tb

Tm Ts

Tm = Intervalo mandatório Ts = Intervalo espontâneo


(reservado para uma (VIM fornecida caso nenhuma PIM
respiração PIM) tenha sido fornecida durante Tm)

Figura 7-1. Ciclo respiratório SIMV (intervalos mandatório e espontâneo) 

RT 7-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Ventilação mandatória, intermitente e sincrônica (SIMV)

A Figura 7-2 mostra um ciclo respiratório SIMV onde uma PIM é fornecida no
intervalo mandatório.

PIM

(Esforços de disparo subseqüentes durante Ts


geram respirações espontâneas)

Tm passa para Ts quando uma PIM é fornecida


Tm Ts

Tb

Figura 7-2. Ciclo respiratório SIMV, PIM fornecida no intervalo


mandatório 

A Figura 7-3 mostra um ciclo respiratório SIMV, em que uma PIM não é
fornecida no intervalo mandatório.

VIM

VIM fornecida no final de Tm caso nenhuma


PIM tenha sido fornecida durante Tm

Tm Ts

Tb

Figura 7-3. Ciclo respiratório SIMV, PIM não foi fornecida


no intervalo mandatório

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 7-3
Ventilação mandatória, intermitente e sincrônica (SIMV)

7.1 Fornecimento de respiração em SIMV


As respirações mandatórias no modo SIMV são idênticas às respirações
mandatórias no modo A/C; e as respirações espontâneas no modo SIMV
são idênticas às respirações espontâneas no modo ESPONT. O disparo do
paciente deve ser compatível com os requisitos de sensibilidade de fluxo e
de pressão.
O procedimento para a configuração da freqüência respiratória SIMV é igual
ao de A/C. Depois que a freqüência respiratória (f ) for definida, o ciclo de
intervalo SIMV (Tb) em segundos será:
Tb = 60/f
O algoritmo de respiração SIMV fornece uma respiração mandatória em cada
intervalo de ciclo, independentemente da capacidade do paciente de
respirar de forma espontânea. Depois que uma PIM ou uma VIM for fornecida,
todos os esforços com êxito do paciente produzirão respirações espontâneas
até o fim intervalo do ciclo. O ventilador fornece uma respiração mandatória
durante o intervalo mandatório, independentemente do número de esforços
com êxito do paciente detectados durante o intervalo espontâneo. (Um OIM
fornecido durante o intervalo mandatório atende aos requisitos de respiração
mandatória e faz com que Tm passe para Ts.)
Durante o intervalo mandatório, se o paciente acionar uma respiração de
acordo com a configuração atual de sensibilidade de pressão ou de fluxo,
o ventilador fornecerá uma PIM. Depois que uma respiração mandatória for
acionada, Tm terminará, Ts começará, e qualquer outro esforço de disparo
produzirá respirações espontâneas. Durante o intervalo espontâneo, o
paciente pode ter um número ilimitado de respirações espontâneas.
Se não for fornecida nenhuma PIM ou OIM no final do intervalo mandatório,
o ventilador fornecerá uma VIM e transições para o intervalo espontâneo
no início da VIM.
O intervalo mandatório máximo de qualquer configuração de freqüência
respiratória válida em SIMV é definido pelo que for menor entre:
• 0,6 x o ciclo de intervalo SIMV (Tb) ou
• 10 segundos.
No modo SIMV, o intervalo entre respirações mandatórias pode durar até
1,6 x o intervalo do ciclo SIMV (mas não mais do que o intervalo do ciclo +
10 segundos). Em freqüências respiratórias altas e volumes correntes muito
grandes, o acúmulo de respirações (o fornecimento de uma segunda
inspiração antes da conclusão da primeira expiração) é inevitável. Na
ventilação por volume, o acúmulo de respirações durante a inspiração e no

RT 7-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Ventilação mandatória, intermitente e sincrônica (SIMV)

início da expiração provoca uma hiperinflação e o aumento das pressões do


pulmão e das vias aéreas, o que pode ser detectado por um alarme de limite
de pressão alta. Na ventilação controlada por pressão (com a pressão
inspiratória constante), o acúmulo de respirações provoca volumes correntes
reduzidos, que podem ser detectados por alarmes de ventilação por minuto e
volume corrente baixo.
Se uma respiração espontânea ocorrer próxima ao fim do intervalo
espontâneo, a inspiração ou a expiração talvez ainda estejam em andamento
quando o intervalo SIMV terminar. Nenhuma VIM, PIM ou OIM é permitida
durante a fase restrita de expiração. No máximo, uma ou mais respirações
mandatórias esperadas podem ser omitidas. Quando a fase expiratória da
respiração espontânea terminar, o ventilador retornará aos seus critérios
normais de fornecimento de respirações mandatórias.
No modo SIMV, a freqüência respiratória pode ficar temporariamente abaixo
da configuração f (diferente do modo
A/C, no qual fTOT é sempre maior ou igual à configuração f ). Se o paciente
disparar uma respiração no início de um ciclo respiratório, nenhuma outra
respiração será acionada até o intervalo mandatório máximo da próxima
respiração terminar. Isso pode resultar em uma freqüência respiratória
monitorada inferior à configuração de freqüência respiratória.

7.2 Ventilação de apnéia em SIMV


A estratégia a seguir foi criada para que o modo SIMV evite o disparo da
ventilação de apnéia, caso seja possível fornecer uma respiração VIM:
• Se o intervalo de apnéia (TA) terminar durante o intervalo mandatório, o
ventilador fornecerá uma VIM em vez de iniciar uma ventilação de apnéia.
• Se TA terminar durante o intervalo espontâneo, a ventilação de apnéia
será iniciada.
A Figura 7-4 mostra como o modo SIMV foi criado para, sempre que possível,
fornecer uma VIM em vez de disparar uma ventilação de apnéia.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 7-5
Ventilação mandatória, intermitente e sincrônica (SIMV)

VIM Se TA terminar durante Tm, o


ventilador fornecerá uma VIM
em vez de iniciar a ventilação
Última de apnéia.
respiração

Tb Tm, max Tb Tm, max Tb


TA TA

Tm Ts

Figura 7-4. Ventilação de apnéia em SIMV

7.3 Alteração para o modo SIMV


Alternar o ventilador para o modo SIMV a partir de qualquer outro modo faz
com que ele implemente uma respiração VIM e defina a hora de início para
o próximo ciclo SIMV. Após essa VIM e antes do início do novo ciclo SIMV,
o ventilador responde aos esforços inspiratórios com êxito fornecendo
respirações espontâneas. A primeira VIM do modo SIMV é implementada
de acordo com as seguintes regras:
• A respiração VIM não é fornecida durante uma inspiração ou durante
a fase restrita de expiração.
• Se o modo atual for A/C, a primeira VIM de SIMV será fornecida depois da
fase restrita de expiração e dos menores períodos dos intervalos a seguir,
referentes ao início da última ou atual inspiração: 3,5 x TI, TA atual ou a
duração do ciclo de respiração atual.
• Se o modo atual for ESPONT e o último tipo de respiração ou o atual tiver
sido espontâneo ou OIM, a primeira VIM de SIMVserá fornecida depois da
fase restrita de expiração e dos menores períodos dos intervalos a seguir,
referentes ao início da última ou atual inspiração: 3,5 x TI ou TA atual.
• Se o modo atual for BILEVEL no estado PEEPH e a respiração atual for
mandatória:
 o nível PEEP será reduzido quando a fase de expiração for detectada.
O tempo t até a primeira VIM do novo modo A/C for o menor entre:
 o tempo de transição PEEP + 2,5 x a duração da fase de fornecimento
de gás ativo, ou
 a duração do intervalo de apnéia, ou
 a duração do ciclo de respiração atual.

RT 7-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Ventilação mandatória, intermitente e sincrônica (SIMV)

• Se o modo atual for BILEVEL no estado PEEPH e a respiração atual for


espontânea:
 o nível PEEP será reduzido quando a fase de expiração for detectada.
O tempo t até a primeira VIM do novo modo A/C for o menor entre:
 o tempo de transição PEEP + 2,5 x a duração da inspiração espontâ-
nea, ou
 a hora de início da respiração espontânea + a duração do intervalo
de apnéia.
• Se o modo atual for BILEVEL no estado PEEPL e a respiração atual for
mandatória, o tempo t até a primeira VIM do novo modo A/C for o menor
entre:
 o tempo de transição PEEP + 2,5 x a duração da fase de fornecimento
de gás ativo, ou
 a duração do intervalo de apnéia, ou
 a duração do ciclo de respiração atual.
• Se o modo atual for BILEVEL no estado PEEPL e a respiração atual for
espontânea e a hora de início espontânea tiver ocorrido durante o PEEPL,
o tempo t até a primeira VIM do novo modo A/C será o que for menor
entre:
 3,5 x a duração da inspiração espontânea, ou
 a duração do intervalo de apnéia.
• Se o modo atual for BILEVEL no estado PEEPL e a respiração atual for
espontânea e a hora de início espontânea tiver ocorrido durante o PEEPH,
o tempo t até a primeira VIM do novo modo A/C será o que for menor
entre:
 o tempo de transição PEEP + 2,5 x a duração da inspiração espontâ-
nea, ou
 a hora de início da respiração espontânea + a duração do intervalo de
apnéia.
Se o comando para alterar para SIMV ocorrer depois do fim da fase restrita de
expiração e antes da conclusão da próxima respiração ou do intervalo de
apnéia, o ventilador fornecerá a primeira VIM do modo SIMV no momento em
que o comando for reconhecido.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 7-7
Ventilação mandatória, intermitente e sincrônica (SIMV)

7.4 Alteração de freqüência durante o modo SIMV


Uma alteração na freqüência respiratória é implementada somente durante
a expiração. O novo intervalo SIMV é determinado pela nova freqüência
respiratória e refere-se ao início do intervalo de ciclo SIMV atual, seguindo
estas regras:
• O tempo de inspiração da respiração atual não é truncado nem
estendido.
• A nova inspiração só é fornecida depois de 200 ms de expiração.
O tempo até o novo intervalo SIMV começar é:
• o que for maior entre: O novo intervalo do ciclo SIMV ou 3,5 x o TI último
ou atual,
• mas menor do que o intervalo de ciclo SIMV atual.
O ponto em que a nova freqüência é implementada depende da fase atual do
intervalo SIMV e de quando o comando de alteração de freqüência for aceito.
Se a alteração da freqüência ocorrer durante o intervalo mandatório, o
intervalo máximo mandatório será o da freqüência nova ou antiga, o que for
menor. Se o paciente gerar um esforço inspiratório com êxito durante o
intervalo espontâneo, o ventilador responderá fornecendo uma respiração
espontânea.

RT 7-8 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Modo espontâneo (ESPONT)

No modo espontâneo (ESPONT), a inspiração normalmente é


iniciada pelo esforço do paciente. As respirações são iniciadas
através do disparo por pressão ou por fluxo, o que estiver ativo.
Um operador também pode iniciar uma inspiração manual
durante o modo ESPONT. As respirações VIM não são possíveis
no modo ESPONT.

8.1 Fornecimento de respiração no modo ESPONT


A fase inspiratória começa quando o Sistema de Ventilação
Puritan Bennett™ 840 detecta o esforço do paciente durante a
expiração. A menos que a respiração seja OIM, o fornecimento
de respiração durante a fase inspiratória é determinado pelas
configurações de suporte de pressão, PEEP, percentual de
aceleração de fluxo e sensibilidade expiratória.
Se o modo de compensação de tubo (TC) ou Proportional
Assist™* (PA) for selecionado como o tipo espontâneo, o
fornecimento de respiração durante a fase inspiratória será
determinado pelas configurações de percentual de suporte,
sensibilidade expiratória, I.D. do tubo e tipo de tubo.
Se o suporte de volume (VS) for selecionado como o tipo
espontâneo, o fornecimento de respiração durante a fase
inspiratória será determinado pelo percentual de aceleração
de fluxo, nível de suporte de volume (VT SUPP), sensibilidade
expiratória e PEEP.
As pausas de inspiração somente são possíveis após as
respirações OIM, e as pausas expiratórias não são permitidas
durante o modo ESPONT.
Modo espontâneo (ESPONT)

8.2 Alteração para o modo ESPONT


Se o operador mudar para o modo ESPONT durante uma inspiração A/C ou
SIMV (mandatória ou espontânea), a inspiração será concluída sem ter sido
afetada pela mudança do modo. Como o modo ESPONT não precisa de
requisitos especiais de horários respiratórios, o ventilador fornecerá a fase de
expiração e aguardará a detecção do esforço inspiratório do paciente, da
inspiração manual ou da detecção de apnéia.

RT 8-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Ventilação de apnéia

A estratégia de detecção de apnéia do Sistema de Ventilação


Puritan Bennett™ 840 segue estas regras:
• A apnéia não é declarada quando a configuração do seu
intervalo é igual ou excede o período respiratório. Por
exemplo, se a configuração da freqüência respiratória for
de 4/min, um intervalo de apnéia de 15 segundos ou mais
impedirá a detecção da apnéia.
• O ventilador baseia a detecção de apnéia no fluxo
inspiratório (não expiratório) e permite detectar uma
desconexão ou obstrução durante a ventilação de apnéia.
• A detecção de apnéia foi criada para acomodar
interrupções no padrão típico de respiração devido
a outros recursos do ventilador (por exemplo, pausa
expiratória) e ainda assim detectar um evento de apnéia
verdadeiro.

9.1 Detecção de apnéia


O ventilador declara apnéia quando nenhuma respiração tiver
sido fornecida até o fim do intervalo de apnéia selecionado
pelo operador e um pequeno acréscimo de tempo (350 ms).
Esse acréscimo permite a um paciente que tenha iniciado
uma respiração disparar a inspiração e evitar que o ventilador
declare apnéia quando o intervalo de apnéia for igual ao
período respiratório.
O cronômetro de apnéia é reiniciado sempre que uma
inspiração começa, independentemente de a inspiração
ser iniciada pelo operador, ventilador ou pelo paciente.
O ventilador então define um novo intervalo de apnéia a partir
Ventilação de apnéia

do início da inspiração atual. Para suspender a ventilação de apnéia, outra


inspiração precisa ser fornecida antes (o intervalo de apnéia atual + 350 ms)
do seu término. A detecção de apnéia é suspendida durante um estado de
desconexão, obstrução ou válvula de segurança aberta (SVO).
A Figura 9-1 mostra um intervalo de apnéia igual ao período respiratório.
PIM PIM

Intervalo de
Tb0 apnéia Tb1

Figura 9-1. Intervalo de apnéia igual ao período respiratório

A Figura 9-2 mostra um intervalo de apnéia maior do que o período


respiratório.

PIM VIM

Tb0 Tb1
Intervalo de
apnéia

Figura 9-2. Intervalo de apnéia maior do que o período respiratório

RT 9-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Ventilação de apnéia

A Figura 9-3 mostra um intervalo de apnéia menor do que o período


respiratório..
PIM ou OIM necessária para bloquear a ventilação de apnéia
PIM
para evitar Apnéia Apnéia
PIM apnea VIM VIM

Tb0 Apnéia Tb0 Apnéia Tb1


Intervalo de
apnéia Ventilação de
apnéia
Tb (TA < Tb)

Figura 9-3. Intervalo de apnéia menor do que o período respiratório

9.2 Transição para a ventilação de apnéia


Quando a apnéia é declarada, o ventilador fornece a ventilação de apnéia de
acordo com as configurações adequadas atuais e as exibe na tela superior da
interface gráfica do usuário (GUI). Independentemente da configuração do
intervalo de apnéia, a ventilação de apnéia não pode começar até que a
inspiração termine e a fase restrita de expiração esteja concluída.

9.3 Entradas de teclas durante a ventilação de apnéia


Todas as configurações, sejam de apnéia ou não, permanecem ativas na GUI
durante a ventilação de apnéia. As alterações nessas configurações são
implementadas, de acordo com as regras aplicáveis (consulte a Capítulo 11
para obter mais informações sobre o assunto). Se a ventilação de apnéia
estiver ativa, novas configurações serão aceitas, mas não serão
implementadas até que a ventilação que não é de apnéia comece. O uso de
entradas das teclas depois da detecção de apnéia permite que você ajuste o
intervalo de apnéia na configuração, independentemente de a apnéia ter ou
não sido detectada. Durante a ventilação de apnéia, a tecla INSP MANUAL fica
ativada, mas as teclas PAUSA EXP e PAUSA INSP não. A tecla 100% O2/CAL 2
min ou a tecla AUMENTAR O2 2 min fica ativa durante a ventilação de apnéia,
pois é provável que a apnéia seja detectada durante uma aspiração.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 9-3
Ventilação de apnéia

9.4 Reconfiguração da ventilação de apnéia


A ventilação de apnéia foi projetada para funcionar como um modo de
backup de ventilação, quando não há esforço inspiratório do paciente.
A ventilação de apnéia pode ser reconfigurada como ventilação normal
pelo operador (reconfiguração manual) ou pelo paciente (reconfiguração
automática). Ela também é reconfigurada quando uma alteração é feita
na freqüência, tornando a ventilação de apnéia inaplicável.
Se o paciente recuperar o controle inspiratório, o ventilador retornará
ao modo selecionado pelo operador da ventilação que não é de apnéia.
O ventilador determina se o paciente recuperou o controle respiratório
monitorando as inspirações disparadas e o volume expirado. Se o paciente
disparar duas inspirações consecutivas e o volume expirado for igual ou
maior do que 50% do volume fornecido (incluindo qualquer volume
compatível com os requisitos), o ventilador será reconfigurado com a
ventilação que não é de apnéia. O volume expirado é monitorado para evitar
a reconfiguração por disparo automático, causado por grandes vazamentos
no circuito do paciente.

9.4.1 Reconfiguração como A/C


Alternar a ventilação de apnéia para A/C faz com que o ventilador forneça
uma VIM e defina a hora do começo do primeiro ciclo A/C. A segunda
respiração VIM é implementada de acordo com as seguintes regras:
• A VIM não é fornecida durante uma inspiração.
• A VIM não é fornecida até os primeiros 200 ms de expiração terem
terminado e o fluxo expiratório ser  50% do pico do fluxo expiratório.
• O tempo até a primeira VIM ser fornecida é 3,5 vezes o tempo inspiratório
de apnéia ou o período respiratório de apnéia, o que ocorrer primeiro.

9.4.2 Reconfiguração como SIMV


Alternar a ventilação de apnéia para SIMV faz com que o ventilador forneça
uma VIM e defina a hora do começo do primeiro ciclo SIMV. A menos que o
paciente dispare primeiro uma PIM sincronizada, a respiração VIM será
implementada de acordo com as seguintes regras:
• A VIM não é fornecida durante uma inspiração.
• A VIM não é fornecida durante a fase restrita de expiração.
• O tempo até a primeira VIM ser fornecida é 3,5 vezes o tempo inspiratório
de apnéia ou o período respiratório de apnéia, o que ocorrer primeiro.

RT 9-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Ventilação de apnéia

9.4.3 Reconfiguração como ESPONT


Depois que o ventilador alternar da ventilação de apnéia para ESPONT,
o intervalo de apnéia iniciará no começo da atual respiração de apnéia,
ou da última. O ventilador aguardará a detecção do esforço inspiratório,
uma inspiração manual ou a detecção de apnéia. Se uma respiração válida
não for fornecida antes do fim do intervalo de apnéia, o ventilador entrará
novamente na ventilação de apnéia.

9.5 Implementação em novos intervalos de apnéia


Estas regras se aplicam às configurações de apnéia:
• A freqüência respiratória de apnéia deve ser maior ou igual a 60/TA.
• As configurações de apnéia não podem resultar em uma relação I:E maior
do que 1.00:1.
A forma como o intervalo de apnéia é implementado depende de a
ventilação de apnéia estar ou não ativa. Se a ventilação de apnéia estiver
ativa, o ventilador aceitará e implementará a nova configuração
imediatamente. Durante a ventilação normal (isto é, quando a ventilação
de apnéia não está ativa), estas regras são aplicadas:
• Se a nova configuração do intervalo de apnéia for menor do que o
intervalo de apnéia atual (ou temporariamente estendido), o novo valor
será implementado na inspiração seguinte.
• Se a nova configuração do intervalo de apnéia for maior do que o intervalo
de apnéia atual (ou temporariamente estendido), o intervalo antigo será
estendido para corresponder ao novo intervalo imediatamente.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 9-5
Esta página foi deixada em branco intencionalmente.

RT 9-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Detecção de obstrução e desconexão

O Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 detecta


obstruções severas no circuito do paciente para proteger o
paciente contra pressões excessivas nas vias aéreas durante
longos períodos. O ventilador também foi projetado para
detectar desconexões do circuito do paciente, pois podem
fazer com que o paciente receba pouco ou nenhum gás do
ventilador e exija atenção clínica imediata.

10.1 Obstrução
O ventilador detecta uma obstrução severa se:
• O tubo inspiratório ou expiratório ficar parcial ou
totalmente obstruído (condensação de umidade ou
secreções coletadas em um loop dependente de
gravidade, tubos dobrados ou enrolados, etc.).
• A porta ESCAPE do ventilador ou o aparelho conectado
a ela estiver totalmente bloqueado.
• A válvula de expiração falha na posição fechada (a
detecção da obstrução na porta “Do paciente” começa
após 200 ms de expiração).
O ventilador não anuncia uma obstrução severa se:
• A diferença de pressão entre os transdutores inspiratório
e expiratório for igual ou menor do que 5 cmH2O.
• A válvula de expiração falhar na posição fechada e a
pressão no tubo expiratório for menor do que 2 cmH2O.
• Um tubo de silicone for conectado à porta ESCAPE do
ventilador (por exemplo, para fins de monitoração
metabólica).
Detecção de obstrução e desconexão

O ventilador verifica se há obstruções no circuito do paciente durante todos


os modos de respiração (exceto no modo ocioso e de válvula de segurança
aberta) a cada ciclo de fornecimento de respiração. Depois que a verificação
do circuito é iniciada, o ventilador detecta uma obstrução severa no circuito
do paciente dentro de 200 ms. O ventilador verifica se já obstruções na porta
ESCAPE durante a fase expiratória de cada respiração (exceto quando
desconectada e com a válvula de segurança aberta). Uma vez iniciada a
verificação da porta ESCAPE, o ventilador detecta uma obstrução severa
dentro de 100 ms após os primeiros 200 ms de expiração. Toda a verificação
de obstrução fica desativada durante o autozero do sensor de pressão.
O ventilador usa diferentes algoritmos para detectar obstruções no circuito
de respiração e na porta de escape da expiração. Para obstruções do circuito
de respiração, foi estabelecido um limite de queda de pressão baseado no
tipo de circuito (adulto, pediátrico ou neonatal) e o máximo de fluxos
inspiratórios ou expiratórios. Para obstruções na porta de escape da
expiração, foi estabelecido um limite de queda de pressão usando-se valores
de fluxo expirado, a pressão expiratória e PEEP. Durante a ventilação, as
quedas de pressão reais ao longo do circuito do paciente e da válvula
expiratória são constantemente monitorados e comparados com seus
valores-limite respectivos. Se os valores reais ultrapassarem seus valores-
limite durante intervalos de tempo especificados, uma obstrução severa
é detectada. 
Quando uma obstrução severa é detectada, o ventilador procura minimizar
a pressão nas vias aéreas. Como toda obstrução severa coloca o paciente
em risco, o ventilador minimiza o risco enquanto exibe o período em que
o paciente esteve sem suporte ventilatório. A obstrução severa é detectada
independentemente do modo ou da estratégia de disparo ativado. Ao ser
detectada uma obstrução severa, o ventilador encerra a ventilação normal,
cancela qualquer silêncio do alarme ativo, anuncia um alarme de obstrução
e entra em estado de segurança (válvula de expiração e inspiração
desenergizadas e válvula de segurança aberta) por 15 segundos ou até que
a pressão inspiratória caia para 5 cmH2O ou menos, o que ocorrer primeiro.

RT 10-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Detecção de obstrução e desconexão

Durante uma obstrução severa, o ventilador entra no ciclo de estado de


obstrução (OSC), no qual tenta periodicamente fornecer uma respiração com
base na pressão enquanto monitora as fases de inspiração e expiração para
confirmar a existência de uma obstrução severa. Se a obstrução severa for
corrigida, o ventilador detectará a condição de correção depois de dois ciclos
respiratórios OSC completos durante os quais nenhuma obstrução é
detectada. Quando fornece uma respiração OSC, o ventilador fecha a válvula
de segurança e aguarda 500 ms pelo seu fechamento completo, fornece uma
respiração com uma pressão pretendida de 15 cmH2O por 2000 ms e, em
seguida, inicia o ciclo de expiração. Essa respiração é seguida de uma
respiração mandatória conforme as configurações definidas no momento,
porém com PEEP=0 e O2% igual a 100% (adulto/pediátrico) ou 40% (recém-
nascido). Durante o OSC (e somente durante o OSC), o limite de alarme
1PCIRC (pressão máxima do circuito) é desativado para que ele não interfira na
capacidade do ventilador de detectar uma obstrução corrigida. Quando não
detecta uma obstrução severa, o ventilador reinicia o alarme de obstrução,
restabelece o PEEP e reinicia o fornecimento de respiração de acordo com
as configurações estabelecidas.
A detecção de apnéia, pausa expiratória e inspiratória e inspirações manuais
são suspensas durante uma obstrução severa. As manobras de pausa são
canceladas por uma obstrução severa. É possível alterar as configurações
do ventilador durante uma obstrução severa.

10.2 Desconexão
O ventilador baseia sua estratégia de detecção de desconexão em variáveis
específicas a cada tipo de respiração. Essa estratégia do ventilador foi
desenvolvida para detectar desconexões reais (no tubo inspiratório, tubo
expiratório ou no tubo em forma de Y do paciente) e rejeitar detecções falsas.
O ventilador monitora a pressão e o fluxo expiratórios, o volume fornecido
e o volume expirado para anunciar uma desconexão por meio de um destes
métodos:
• O ventilador detecta uma desconexão quando o transdutor de pressão
expiratória não mede nenhuma pressão do circuito e nenhum fluxo
expirado durante os primeiros 200 ms de expiração. O ventilador adia
o anúncio da desconexão por mais 100 ms para permitir que uma
obstrução (se detectada) seja anunciada primeiro, pois é possível
que uma obstrução apresente as mesmas características da detecção
de desconexão.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 10-3
Detecção de obstrução e desconexão

• Apesar de haver muitas variações possíveis de desconexões do circuito


e/ou grandes vazamentos, o paciente pode gerar algum fluxo e pressão
de expiração. O ventilador utiliza a configuração de sensibilidade de
desconexão (DSENS, o percentual de volume fornecido perdido durante
a fase de expiração da mesma respiração para que uma desconexão
seja declarada) para detectar uma desconexão. 
• A desconexão ocorrida durante uma respiração espontânea será
anunciada quando a inspiração for interrompida pelo tempo inspiratório
máximo (ou a configuração do limite de 2TI SPONT quando o tipo de
ventilação for NIV) e o ventilador detectar que o fluxo inspiratório chegou
ao máximo permitido. 
• Se a desconexão ocorrer no tubo endotraqueal do paciente, o volume
expirado será bem menor do que o volume fornecido para a inspiração
anterior. O ventilador anuncia uma desconexão se o volume expirado
for inferior ao valor definido para DSENS por três respirações consecutivas.
O valor definido para DSENS ajuda a evitar detecções falsas decorrentes de
vazamentos no circuito ou nos pulmões do paciente, e o requisito de três
respirações consecutivas ajuda a evitar detecções falsas caso o paciente
tenha retirado o ventilador durante as respirações controladas por
volume (VC).
• O fluxo inferior a um valor determinado usando a configuração de DSENS e
a pressão inferior a 0,5 cmH2O detectada por dez segundos consecutivos
durante a expiração.

Advertência
Quando o tipo de ventilação for NIV e a configuração de DSENS estiver
em OFF (desligado), o sistema pode não detectar grandes vazamentos
e algumas condições de desconexão que seriam anunciados como
alarmes durante uma ventilação INVASIVA. 
.

Após detectar uma desconexão do circuito do paciente, o ventilador anuncia


um alarme de urgência máxima e entra no modo ocioso, independentemente
do modo (inclusive o de apnéia) que estava ativo quando a desconexão foi
detectada. Casa o silêncio do alarme esteja ativado durante a desconexão, o
silêncio NÃO será cancelado. O ventilador exibe o período durante o qual o
paciente ficou sem suporte ventilatório. Durante o modo ocioso, a válvula
de expiração é aberta, o fluxo ocioso (fluxo de 10 L/min a 100% O2 ou 40% O2
em NeoMode, se disponível) inicia e o disparo de respiração é desativado.

RT 10-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Detecção de obstrução e desconexão

O ventilador monitora o fluxo expiratório e as pressões do circuito para


detectar a reconexão. Ele anuncia uma reconexão se um destes critérios for
atendido no intervalo de tempo aplicável: o fluxo ocioso expirado dentro
do limiar de reconexão for detectado; as pressões inspiratória e expiratória
estiverem ambas acima ou ambas abaixo dos níveis do limiar de reconexão;
ou a pressão inspiratória se elevar até um nível de reconexão. Se a condição
de detecção for corrigida, o ventilador detectará a condição corrigida dentro
de 100 a 1000 ms.
O disparo por pressão ou fluxo, a detecção de apnéia, as pausas expiratória
e inspiratória, inspirações manuais e manobras programadas ou eventos
únicos são suspensos durante uma desconexão do circuito do paciente.
A espirometria não é monitorada durante uma desconexão e todos os
alarmes baseados nos valores espirométricos são desativados. É possível
alterar as configurações do ventilador durante uma condição de desconexão.
Se o alarme de desconexão for reconfigurado automática ou manualmente,
o ventilador restabelecerá o PEEP. Uma vez restabelecido o PEEP, o ventilador
reinicia o fornecimento de respiração de acordo com as configurações ativas
antes da desconexão ser detectada. As manobras de pausa são canceladas
durante a desconexão. 

10.3 Anúncio de obstruções e desconexão


Não é possível anunciar obstrução e desconexão ao mesmo tempo. Por isso,
o ventilador sinaliza apenas o primeiro evento a ser anunciado. Entretanto,
qualquer obstrução ocorrida durante o modo ocioso pode ser detectada se
o circuito de respiração se desconecta no tubo em forma de Y do paciente
ou no filtro expiratório.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 10-5
Esta página foi deixada em branco intencionalmente.

RT 10-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Implementação das alterações de configuração

O Sistema de Ventilação Puritan Bennett™ 840 implementa


alterações de configuração seguindo estas regras: 
• As configurações individuais são tratadas separadamente
e implementadas de acordo com a regra de cada
configuração.
• As configurações em lote e as configurações individuais
ainda não implementadas são mescladas. Se houver
configurações conflitantes, o último valor inserido será
usado.
• As configurações em lote de fornecimento de respiração
são implementadas de acordo com os requisitos das
configurações individuais. As configurações são
implementadas da maneira mais econômica, com a
aplicação das regras mais restritivas.
• O intervalo de apnéia, as sensibilidades de fluxo, de
pressão, de expiração e de desconexão são consideradas
independentes e implementadas de acordo com suas
próprias regras.
• Durante uma ventilação que não seja de apnéia, as
configurações específicas são ativadas quando a ventilação
de apnéia for iniciada.
• Durante a ventilação de apnéia, as configurações que não
sejam de apnéia são ativadas quando a ventilação normal
for iniciada. As configurações de apnéia e as configurações
compartilhadas (como, por exemplo, PEEP) são
implementadas de acordo com as regras de configuração
em lote.
Esta página foi deixada em branco intencionalmente.

RT 11-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Configurações do ventilador

Este capítulo contém informações complementares sobre


configurações selecionadas do Sistema de Ventilação
Puritan Bennett™ 840. Para obter informações sobre variações
de configurações, resoluções, valores de novo paciente e
precisão de todas as configurações do ventilador, consulte a
Tabela A-13 no Apêndice A deste manual.
As configurações atuais são salvas em memória não volátil.
Todas as configurações do ventilador têm limites absolutos,
cujo objetivo é impedir o uso de configurações fora da faixa de
operação permitida para o ventilador. Algumas configurações
exigem confirmação para serem estabelecidas além do limite
recomendado. A maioria dos limites de configuração limita-se
ao peso ideal (IBW), ao tipo de circuito ou à relação com outras
configurações.
Configurações do ventilador

12.1 Ventilação de apnéia


A ventilação de apnéia é um modo de reserva. Ela é iniciada se o paciente não
respirar por um período superior ao intervalo de apnéia (TA) ativo no momento.
TA é uma configuração definida pelo operador que determina o tempo
máximo permitido entre o início de uma inspiração e o da inspiração
seguinte. As configurações da ventilação de apnéia incluem freqüência
respiratória (f), percentual de O2, tipo mandatório (controlado por volume,
VC, ou controlado por pressão, PC), volume corrente (VT ), padrão de fluxo,
fluxo inspiratório de pico (vMAX), pressão inspiratória (PI) e tempo inspiratório
(TI). Se o tipo de respiração mandatória de apnéia for VC, o tempo de platô
(TPL) será 0,0 segundos. Se o tipo de respiração mandatória de apnéia for PC,
o percentual de aceleração de fluxo será 50% e TI será constante durante a
alteração da freqüência.
Como o valor mínimo de TA é 10 segundos, a ventilação de apnéia não pode
ser solicitada quando o valor de f que não seja de apnéia for de 5,8/min ou
mais. O ventilador não entrará em ventilação de apnéia se TA for igual ao
intervalo do ciclo respiratório. É possível definir o TA com um valor menor
do que o esperado ou com o intervalo do ciclo respiratório atual para que
o paciente possa iniciar respirações, mas ficar protegido das conseqüências
da apnéia.
As configurações de apnéia estão sujeitas às seguintes regras:
• O percentual de O2 da ventilação de apnéia deve ser definido com um
valor maior ou igual do que o percentual de O2 da ventilação normal.
• A f mínima de apnéia é (60/TA).
• As configurações de ventilação de apnéia não podem resultar em uma
relação I:E maior do que 1.00:1.
Se a apnéia for possível (ou seja, se (60/f ) > TA) e você aumentar a
configuração do percentual de O2 que não seja de apnéia, o percentual de O2
da ventilação de apnéia será automaticamente alterado para coincidir com
esse valor, caso ainda não esteja definido com um valor mais alto do que o
percentual de O2 que não seja de apnéia. O percentual de O2 da ventilação de
apnéia não será alterado automaticamente se você diminuir o percentual de
O2 que não seja de apnéia. Sempre que houver uma alteração automática em
uma configuração de apnéia, uma mensagem aparecerá na interface gráfica
do usuário (GUI) e a subtela de configurações de apnéia será exibida.

RT 12-2 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Configurações do ventilador

Durante a ventilação de apnéia, é possível alterar o valor de TA e todas as


configurações que não sejam de apnéia, exceto as novas, só serão ativadas
quando o ventilador reiniciar a ventilação normal. A possibilidade de alterar o
valor de TA durante a ventilação de apnéia evita que a ventilação de apnéia
inicie imediatamente quando a ventilação normal for retomada.

12.2 Tipo de circuito e IBW


Em conjunto, as configurações de tipo de circuito e do peso corporal ideal
(PCI) determinam os valores do novo paciente e os limites absolutos em
várias configurações de apneia e não apneia, incluindo V T e VMAX
É necessário executar o SST para alterar o tipo de circuito. O valor do IBW que
está sendo definido ou visualizado aparece em quilogramas (kg) e libras (lb). 
Com base no tipo de circuito e no IBW, o ventilador calcula as configurações
de VT da seguinte maneira:

VT padrão de
Tipo de circuito VT mínimo VT máximo
novo paciente

Recém-nascido maior do que 2 2 mL  45,7 mL/kg x IBW


mL ou 7,25 mL/kg e configuração de
x IBW limite de alarme
< VTI MAND em
Pediátrico 7,25 mL/kg x IBW 25 mL VC+
Adulto 7,25 mL/kg x IBW 1,16 mL/kg x IBW

Com base no tipo de circuito, o ventilador calcula o VMAX da seguinte


maneira:
• Máximo VMAX = 30 L/min para circuitos de paciente recém-nascido
• Máximo VMAX = 60 L/min para circuitos de paciente pediátrico
• Máximo VMAX = 150 L/min para circuitos de paciente adulto
A configuração de IBW também determina as constantes usadas nos
algoritmos de fornecimento de respiração, alguns alarmes que podem ser
definidos pelo usuário, o alarme de INSPIRAÇÃO MUITO LONGA, que não
pode ser definido pelo usuário, além da configuração de limite máximo de
tempo inspiratório espontâneo (2TI SPONT ).

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 12-3
Configurações do ventilador

12.3 Sensibilidade de desconexão


A configuração de sensibilidade de desconexão (DSENS) define o percentual
de volume retornado perdido, acima do qual o ventilador declara um alarme
de CIRCUITO DESCONECTADO. Quando está definida com seu valor mais
baixo (20%), a opção DSENS tem a sensibilidade mais alta para detecção de
desconexão ou vazamento. Quando a opção DSENS está definida com seu
valor mais alto (95%), o ventilador tem a sensibilidade mais baixa para
detecção de desconexão de circuito, já que mais de 95% do volume
retornado deverá se perder antes do alarme ocorrer. Durante a respiração NIV,
a configuração de DSENS padrão é OFF (desligado), que equivale a uma perda
de volume retornado de 100%.

OBSERVAÇÃO:
Mesmo que a opção DSENS esteja definida como OFF durante a
respiração NIV, o ventilador poderá acionar um alarme de CIRCUITO
DESCONECTADO.

12.4 Sensibilidade expiratória


A configuração da sensibilidade expiratória (ESENS) define o percentual do
fluxo inspiratório máximo projetado no qual o ventilador muda de inspiração
para expiração. Quando o fluxo inspiratório cai até o nível definido por ESENS,
a expiração é iniciada. ESENS fica ativa durante toda respiração espontânea.
ESENS é uma configuração primária que pode ser acessada na tela inferior da
GUI. As alterações na configuração de ESENS são implementadas em qualquer
momento durante a inspiração ou a expiração.
ESENS complementa o percentual de aceleração de fluxo. O percentual de
aceleração de fluxo deve ser ajustado para corresponder ao esforço
inspiratório do paciente, e a configuração de ESENS deve provocar a expiração
do ventilador no momento mais apropriado para o paciente. Quanto mais
alta for a configuração de ESENS, menor será o tempo inspiratório. Em geral,
a opção ESENS mais apropriada é a compatível com a condição do paciente,
sem aumento nem redução da fase inspiratória intrínseca do paciente.

RT 12-4 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Configurações do ventilador

12.5 Tempo expiratório


A configuração de tempo expiratório (TE) define a duração da expiração
somente para respirações VC+ e mandatórias PC. As alterações realizadas na
configuração de TE são implementadas no início da inspiração. A
configuração de f e TE determina automaticamente o valor da relação I:E e TI.

12.6 Padrão de fluxo


A configuração do padrão de fluxo define o padrão de fluxo de gás de
respirações mandatórias controladas por volume (VC). Os valores selecionados
para VT e VMAX se aplicam ao padrão de fluxo de quadrado ou de rampa
descendente. Se VT e VMAX forem mantidos constantes, TI cai até
aproximadamente a metade quando o padrão de fluxo muda de rampa
descendente para quadrado (e praticamente dobra quando o padrão de fluxo
muda de quadrado para rampa descendente). Também ocorrem alterações
correspondentes à relação I:E. As alterações no padrão de fluxo são
implementadas durante a expiração ou no início da inspiração.
As configurações do padrão de fluxo, VT, f e VMAX são relacionadas, e a
alteração de uma delas faz com que o ventilador gere novos valores para as
outras configurações. Se a alteração de uma configuração provocar uma das
seguintes condições indicadas, o ventilador não permitirá que essa
configuração seja selecionada e exibirá uma mensagem de violação de limite:
• Relação I:E > 4:1
• TI > 8,0 segundos ou TI < 0,2 segundo
• TE < 0,2 segundos

12.7 Sensibilidade de fluxo


A configuração de sensibilidade de fluxo (VSENS) define a taxa de fluxo
inspirado por um paciente que dispara o fornecimento, pelo ventilador, de
uma respiração espontânea ou mandatória. Quando VSENS está ativada, um
fluxo de gás de base passa pelo circuito do paciente. O paciente inspira o
fluxo de base. Quando o fluxo inspiratório do paciente se iguala à
configuração de VSENS o ventilador fornece uma respiração. Após um valor
ser selecionado para a sensibilidade de fluxo, o ventilador fornece um fluxo
de base igual a VSENS + 1,5 L/min (o fluxo de base não é selecionado pelo
usuário). Alterações de VSENS são implementadas no início da expiração ou
durante a inspiração. 

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 12-5
Configurações do ventilador

Por exemplo, se for selecionado um valor de 4 L/min para VSENS, o ventilador


estabelecerá um fluxo de base de 5,5 L/min para o circuito do paciente.
Quando o paciente inspira a uma freqüência de 4 L/min, a redução
correspondente de 4 L/min no fluxo de base aciona o ventilador para
fornecer uma respiração.
Quando VSENS está ativada, ela substitui a sensibilidade de pressão (PSENS).
A configuração de VSENS não afeta a configuração de PSENS. VSENS pode ser
ativada em qualquer modo de ventilação (inclusive suporte de pressão,
controlada por volume, controlada por pressão e ventilação de apnéia).
Quando VSENS está ativada, uma configuração de reserva de PSENS de
2 cmH2O é ativada para detectar o esforço inspiratório do paciente,
mesmo se os sensores de fluxo não detectarem fluxo.
Embora a configuração mínima de VSENS de 0,2 L/min (tipos de circuito
adulto/pediátrico) ou 0,1 L/min (tipo de circuito neonatal) possa resultar
no disparo do ciclo automático (ou seja, quando o ventilador fornece uma
respiração com base em fluxos flutuantes que não decorram de demanda do
paciente), ela pode ser apropriada para pacientes muito fracos. A configuração
máxima de 20 L/min (tipos de circuito adulto/pediátrico) ou 10 L/min (tipo de
circuito neonatal) é indicada para impedir o disparo do ciclo automático
quando houver vazamentos significativos no circuito do paciente. A VSENS
selecionada é implementada durante a inspiração ou no início da expiração,
caso o paciente não consiga disparar uma respiração usando a configuração
de sensibilidade anterior.

12.8 Limite máximo de tempo inspiratório espontâneo


A configuração do limite máximo do tempo inspiratório espontâneo (2TI SPONT )
está disponível apenas nos modos SIMV ou SPONT durante a NIV e fornece
meios para o estabelecimento de um tempo inspiratório máximo, após o qual
o ventilador muda automaticamente para a expiração. Ela substitui o alarme
de INSPIRAÇÃO MUITO LONGA, não configurável pelo usuário, que fica ativo
quando o tipo de ventilação é INVASIVA. A configuração de 2TI SPONT é
baseada no tipo de circuito e no IBW. Para tipos de circuito neonatais, o valor
padrão para novo paciente é:
(1 + [0,1 x IBW]) segundos
Para tipos de circuito pediátrico/adulto, o valor padrão para novo paciente é:
(1,99 + [0,02 x IBW]) segundos

RT 12-6 Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica
Configurações do ventilador

O indicador de 1TI SPONT aparece no início de uma expiração iniciada pelo


ventilador e permanece visível durante todo o tempo em que o ventilador
truncar respirações em resposta à configuração de 2TI SPONT. O indicador de
1TI SPONT desaparece quando o tempo inspiratório do paciente volta a ser
inferior à configuração de 2TI SPONT ou após passados 15 segundos desde
o início da expiração da última respiração truncada.

12.9 Tipo de umidificação


A configuração do tipo de umidificação permite selecionar o tipo de sistema
de umidificação (tubo expiratório aquecido, tubo expiratório não aquecido
ou aparelho para troca de umidade e calor -- HME) usado no ventilador e
pode ser alterada durante a ventilação normal ou durante o autoteste rápido
(SST). As alterações no tipo de umidificação são implementadas no início da
inspiração.
O SST calibra a espirometria em parte com base no tipo de umidificação.
Se o tipo de umidificação for alterado sem o SST ser executado novamente,
a precisão da espirometria e do fornecimento poderá ser afetada.
A informação gerada pelo sensor de fluxo de expiração varia conforme o
conteúdo do vapor d’água do gás expiratório, o que depende do tipo de
sistema de umidificação usado. Tanto a temperatura e a umidade de gás que
entram no filtro expiratório quanto os cálculos de espirometria diferem de
acordo com o tipo de umidificação. Para obter máxima precisão, execute o
SST novamente para alterar o tipo de umidificação.

12.10 Relação I:E


A configuração de I:E define a relação entre o tempo inspiratório e o tempo
expiratório em respirações mandatórias PC. O ventilador aceita a variação
especificada de configurações de relação I:E diretas desde que o valor
resultante das configurações de TI e TE esteja dentro das variações
estabelecidas para respirações mandatórias. Não é possível definir
diretamente a relação I:E em respirações mandatórias VC. As alterações
realizadas na relação I:E são implementadas no início da inspiração.
Os valores de TI e TE são determinados automaticamente para a configuração
de f e I:E. A configuração máxima da relação I:E de 4.00:1 é o valor máximo
que oferece tempo suficiente para a expiração, e é indicada para a ventilação
controlada por pressão de relação inversa.

Sistema Ventilador Puritan Bennett™ Série 800 Manual de Referência Técnica RT 12-7
Configurações do ventilador

12.11 Peso ideal


Consulte a Seção 12.2.

12.12 Pressão inspiratória


A configuração de pressão inspiratória (PI) determina a pressão na qual o
ventilador fornece gás ao paciente durante uma respiração PC mandatória.
A configuração de PI afeta somente o fornecimento de respirações
mandatórias PC. O valor selecionado de PI é a pressão acima do PEEP.
(Por exemplo, se o PEEP estiver definido como 5 cmH2O e PI for 20 cmH2O,
o ventilador fornecerá gás ao paciente a 25 cmH2O.) As alterações feitas na
configuração de PI são implementadas durante a expiração ou no início
da inspiração.
A soma de PEEP + PI + 2 cmH2O não pode exceder o limite máximo de
pressão do circuito (2PCIRC). Para aumentar a soma das pressões, é necessário
primeiro elevar o limite de 2PCIRC antes de aumentar as configurações de
PEEP ou PI.

12.13 Tempo inspiratório


A configuração de tempo inspiratório (TI) define o tempo durante o qual
uma inspiração é fornecida ao paciente para respirações PC mandatórias.
Não é possível definir TI em respirações mandatórias VC. O ventilador aceita
uma configuração de TI desde que os valores resultantes das configurações
da relação I:E e TE sejam válidos. As alterações realizadas no TI são
implementadas no início da inspiração.
O ventilador rejeita configurações de TI que resultem em uma relação I:E
maior do que 4.00:1, um valor de TI maior do que 8 oito ou menor do que
0,2 segundo ou um valor de TE menor do que 0,2 segundo, a fim de assegurar
que o paciente tenha o tempo adequado para a expiração. (P