Você está na página 1de 2

1

CURSO DE DIREITO
DIREITO CIVIL VIII – Direito das Sucessões
Prof. Ms. Karla Ferreira de Camargo Fischer

TRABALHO – SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA

Saibam os quantos esta Escritura Pública de Testamento virem que aos dez dias do mês de janeiro de 2006,
perante mim, João Tavares, Tabelião que esta escreve e subscreve, compareceu o Outorgante Testador
Paulo de Oliveira, brasileiro, casado pelo regime de separação total de bens com Luiza Oliveira, portadora
da CI/RG 666.666-6, residente e domiciliada nesta Cidade na Rua Argentina, 1821, reconhecido como tal
por mim e pelas testemunhas idôneas, adiante nomeadas, qualificadas e subscritas, por mim reconhecidas e
que espontaneamente compareceram a este ato do que dou fé. Perante estas mesmas testemunhas disse-
me o Outorgante Testador Paulo de Oliveira que se acha em seu pleno juízo e no uso e gozo de suas
faculdades mentais e intelectuais, segundo o parecer meu e das testemunhas, e, ainda, livre de todo e
qualquer induzimento ou coação, foi-me dito, usando em suas declarações o idioma nacional que, de seu
livre e espontâneo arbítrio, resolve fazer seu testamento e disposição de ultima vontade, revogando todo e
qualquer outro anterior, como de fato e na verdade, pela presente escritura publica e na melhor forma de
direito ora o faz, declarando o seguinte: “Que se chama Paulo de Oliveira, que tem 82 anos de idade, tendo
nascido em 10 de janeiro de 1937 na cidade de Curitiba; qual é filho de Marcio de Oliveira e Vania de
Oliveira, ambos já falecidos; que é casado sob o regime de separação total de bens com Luiza Oliveira, de
cuja união resultou no nascimento de três filhos, Rafael de Oliveira, Marcia de Oliveira e Dominique de
Oliveira”.
Disse ainda o testador que desta forma, usando do direito de dispor de seus bens, deixa a metade
disponível de seu patrimônio aos seguintes herdeiros e legatários, assim instituídos: para Luiza Oliveira
deixa seu piano de meia cauda; para Igor de Jesus deixa todos os livros de sua biblioteca, situada em seu
apartamento na Rua Marechal Floriano Peixoto; para Heitor de Andrade deixa a quitação das dividas
contraídas até esta data, bem como sua cobertura situada no n° 666 da Rua República Argentina, nesta
capital; para Pedro Antonio deixa um credito de 20 mil reais, decorrente de sentença já transitada em
julgado, e que se encontra em fase de execução junta a 14° Vara Cível desta Capital; para Hector Souza e
Fabio Lima deixa um terreno situado na Rua Argentina n° 1900; institui, como substituto eventual apenas de
Fabio Lima, caso este não venha a aceitar o legado ou venha a falecer antes do testador, Matheus Silveira;
para Lucas Silveira deixa 5% de sua herança; para José Lucas da Silva, César Augusto e Marcelo Viana
deixa em conjunto, 20% de sua herança. O restante da parte disponível ficará integralmente com seu filho
Rafael de Oliveira”. Disse, finalmente, o testador “que, pela presente escritura, revoga todo e qualquer outro
testamento que porventura tenha feito anteriormente, para que só este tenha inteira e plena eficácia como
manifestação de sua ultima vontade, rogando a justiça do País, dê a este inteiro e fiel cumprimento, tanto
quanto em direito se lhe possa dar”. Assim o disse o testador perante mim e na presença da testemunha, do
que dou fé; pediu-me e lavrei a presente escritura de testamento, a qual lhe sendo lida em voz alta e clara,
ante a testemunha a tudo presente, foi aceita, por estar em tudo conforme a sua vontade e ao que me foi
ditado, outorgando e assinando perante mim, com a testemunha Gustavo Cruz, brasileiro, solteiro, maior,
escritor, portador da CI/RG 777.777-7, residente e domiciliado na Rua Acre, nesta Capital. Porto por fé
haverem sido cumpridas as formalidades dos artigos 1864 e seguintes do Código Civil, no que se refere a
testamentos públicos. Curitiba 12 de janeiro de 2004 ------------- Eu, João Tavares, Tabelião a escrevi e
subscrevi. Subscrevem esta escritura o Outorgante Paulo de Oliveira e a Testemunha Gustavo Cruz.

XXXXXXXXXXX XXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXX


Testador Tabelião Testemunha
2

Paulo de Oliveira fez, em 10 de janeiro de 2006, o testamento apresentado acima. Paulo


de Oliveira morreu em 09 de maio de 2019, deixando um patrimônio no valor de 400 mil
reais. Um dia antes dele morrer, morreram em um acidente aéreo Marcelo Viana e Hector
Souza.

Os valores dos legados são os seguintes:

a) Biblioteca: 15 mil reais.


b) Dívidas de Heitor de Andrade: 20 mil reais.
c) Cobertura na Rua República Argentina: 100 mil reais.
d) Terreno na Rua Argentina: 35 mil reais.
e) Crédito deixado a Pedro Antonio: 20 mil reais.

Paulo de Oliveira morre sem jamais ter tido no seu patrimônio um piano de meia-cauda.
Caso julgue necessário, suponha que um piano como esse custa em media 30 mil reais.

Diante dos fatos narrados e do teor do testamento, responda, justificando suas respostas
e citando os respectivos dispositivos legais:

1) O testamento acima é válido? Indique os dispositivos legais que tratam da validade


do presente testamento, apontando se todos os requisitos foram cumpridos ou não.

2) Supondo que seja válido o testamento, calcule a divisão dos bens/valores definidos
em testamento, levando em consideração todas as regras atinentes ao direito das
sucessões. Especifique quanto caberá a cada um dos herdeiros legítimos,
testamentários e legatários, citando os respectivos dispositivos legais utilizados
para se chegar a cada valor.

DIRETIVAS PARA A ELABORAÇÃO DO TRABALHO:

1. O trabalho deverá ser resolvido em até 5 pessoas. Trabalhos com número maior de
5 pessoas serão zerados.

2. O aluno deverá indicar, para cada uma das respostas às questões formuladas, qual
fundamentação legal de sua resposta, incluindo o artigo legal respectivo (caput,
parágrafo e inciso). A ausência da indicação do diploma legal implicará em redução
da nota em 50% do valor atribuído à questão.

3. É permitida a consulta a qualquer material (códigos comentados, doutrina,


jurisprudência etc), entretanto, não será permitida a entrega de trabalhos iguais por
equipes diferentes, o que implicará na divisão da nota pelas duas equipes que
entregaram o trabalho igual.

4. O trabalho deverá ser entregue de forma digitada e, impreterivelmente, na


semana que antecede a prova, conforme já definido em aula.