Você está na página 1de 46

GUIA TÉCNICO

INTRODUÇÃO
A inseminação artificial (IA) é uma das principais deficiência em relação a cobertura natural;
biotécnicas utilizadas na reprodução equina.
Textos árabes de 1322, apontam que a espécie • Ajuda a reduzir os riscos de disseminação de
equina foi a primeira a ser submetida com sucesso doenças sexualmente transmissíveis;
à inseminação artificial sendo mundialmente
reconhecida por ser de suma importância no cenário • Possibilita o uso de sêmen de garanhões
da equinocultura. Seu uso traz diversas vantagens, com qualidade inferior entre diversas outras
tais como: vantagens.

• Acelera o melhoramento genético das raças;

• Aumenta os índices de fertilidade;

• Viabiliza a obtenção de produtos de reprodutores


que estão em outros países;

• Facilita a realização de testes de progênie;

• Permite o uso de animais que possuem alguma

3
INTRODUÇÃO

Entretanto, são necessários alguns cuidados Além disso, você vai aprender como selecionar
fundamentais para obter sucesso em programas de garanhões, as técnicas de coleta e conservação
inseminação artificial. Entre eles, uma mão de obra do sêmen entre outros assuntos que interferem no
especializada e com conhecimentos atualizados sucesso da IA.
de todos os aspectos importantes da IA, assim
como o entendimento do ciclo estral e da fisiologia Esperamos que os conhecimentos transmitidos aqui
reprodutiva dos equinos. sejam enriquecedores e ajudem a aprimorar a sua
rotina de produção.
Neste material você vai entender isso e muito mais!
Vamos falar detalhadamente sobre a importância da
IA para a melhoria genética dos equinos, a duração
e as fases do ciclo estral, a fisiologia reprodutiva das
éguas e os protocolos hormonais para sincronização
de cios, a estação de monta, a melhor época para
inseminar e o uso de iluminação artificial para
antecipar a estação de monta.

4
CICLO ESTRAL E FISIOLOGIA
REPRODUTIVA DA ÉGUA
CICLO ESTRAL E FISIOLOGIA REPRODUTIVA DA ÉGUA

Hoje é possível encontrar diferentes técnicas de IA em


equinos, por isso, é extremamente importante conhecer
o ciclo estral e a fisiologia reprodutiva da égua. Esse
conhecimento é uma das melhores maneiras para se
obter êxito na reprodução animal.

As éguas são consideradas poliéstricas estacionais


(sazonais), isso significa que possuem mais de um cio a
cada período de tempo, e, em determinada época do
ano. Neste caso, a concentração de estros é no período
de maior luminosidade (primavera e verão).

Esse é o período em que os dias são mais quentes


e longos, ou seja, com maior incidência de luz
(fotoperíodo positivo). Porém, além do fotoperíodo,
outros fatores como nutrição, temperatura, latitude,
genótipo ou o estado sanitário também podem interferir
nos padrões do ciclo estral.

6
CICLO ESTRAL E FISIOLOGIA REPRODUTIVA DA ÉGUA

Já durante a época do ano com menor luminosidade égua ao cio: o hormônio estimulante do folículo (FSH)
as fêmeas equinas entram em estação de anestro e o hormônio luteinizante (LH), que estimulam o
sazonal. O anestro em éguas é um período prolongado crescimento folicular e a ovulação. Por isso, a luz é tão
de inatividade ovariana. Ou seja, o estro ou seus sinais importante para o cio.
podem até ocorrer, mas raramente há ovulação.
O ciclo estral é o período que corresponde ao
Como dito, as éguas necessitam de mais luminosidade intervalo entre uma ovulação e a próxima. Sendo
para ciclar. Nos dias de menor luminosidade, acontece assim, ele inicia no dia 0 na ovulação (início) e termina
uma elevação na síntese de melatonina pela glândula no dia anterior a próxima ovulação da égua no dia da
pineal. Basicamente, a retina detecta a falta de luz e aplicação do luteolítico. Mas, em geral, a presença
envia a resposta para a glândula pineal para liberar de grandes folículos diminui o tempo até a ovulação
melatonina. por alterar rapidamente a relação estrógeno-
progesterona (intervalo luteolítico ovulação).
O problema é que a melatonina tem efeito inibidor
na produção do hormônio que libera a gonadotrofina
(GnRH). Este é o estimulante da produção de dois
outros hormônios que atuam nos ovários e levam a

7
CICLO ESTRAL E FISIOLOGIA REPRODUTIVA DA ÉGUA

1.1 FASES DO CICLO ESTRAL 1.1.1 ESTRO

O ciclo estral pode ser entendido como uma Estro é o período durante o qual a égua está
sequência de eventos comportamentais, sexualmente receptiva ao garanhão, o trato genital está
morfológicos, anatômicos e endócrinos que ocorrem preparado para aceitar e transportar os espermatozóides
na preparação da fêmea para a ovulação. Ele possui e a ovulação ocorre.
períodos regulares e limitados de receptividade sexual
e acontece preferencialmente entre os meses de Durante o estro, o(s) folículo(s) dominante(s) se
setembro a março. desenvolve(em) e secreta(am) estrógeno, o qual induz à
receptividade sexual. O estrógeno produzido no ovário
Para grande parte das éguas, o período cíclico normal atua por mecanismo de feedback positivo, estimulando a
tem duração média de 21 dias, podendo variar entre produção de LH, que por sua vez induz a maturação final
18 e 25 dias de acordo com fatores específicos. O cio do folículo e ovulação. A ovulação, evento onde ocorre a
compreende um período médio de 7 dias, por isso liberação do oócito, acontece aproximadamente 24 a 48
exige muita observação. horas antes do final da receptividade sexual.

Na égua, podemos dividir o ciclo estral em duas fases, Com a grande secreção de estrógenos, o útero fica maior,
estro (cio, fase folicular ou estrogênica) com duração ainda mais túrgido e erétil. A cérvix fica completamente
de 5 a 7 dias; e diestro (fase luteal ou progesterônica) relaxada e com muco intenso, mais viscoso e levemente
com duração de 14 a 15 dias. Veja a seguir: opaco.

8
CICLO ESTRAL E FISIOLOGIA REPRODUTIVA DA ÉGUA

COMO IDENTIFICAR O PERÍODO DO ESTRO?

No período do estro a égua apresenta algumas


características específicas que podem ajudar a
identificá-lo. Entre elas:

• Receptividade ao garanhão;

• Lábios da vulva muito inchados;

• Levantamento da cauda;

• Abertura dos posteriores e abaixamento da pélvis;

• Movimentação do clítoris;

• Relinchar a procura do macho;

• Micção frequente e com odor característico.

9
CICLO ESTRAL E FISIOLOGIA REPRODUTIVA DA ÉGUA

1.1.2 DIESTRO

O diestro é a fase de maior secreção da progesterona


pelo corpo lúteo. É o período no qual a égua rejeita o
garanhão e o trato genital apresenta condições favoráveis
para receber e manter o desenvolvimento do embrião.

Após a ovulação, ocorre luteinização das células


foliculares da granulosa e da teca, formando assim o
corpo lúteo (CL) que sintetiza e secreta progesterona. A
progesterona inibe o comportamento de cio, mantém a
cérvice fechada e prepara o útero para manter a prenhez.
Também inibe o pico pré-ovulatório de LH, entretanto em
No entanto, algumas éguas possuem o cio silencioso, no contraste com outras espécies, não inibe completamente
qual essas manifestações psíquicas não são demonstradas. a foliculogênese e ovulação, podendo, durante a fase
Nesses casos, esse período de receptividade sexual só luteal, os folículos continuam a crescer e ovular com
é identificado através do acompanhamento folicular, por níveis elevados de progesterona (ovulação de diestro).
meio de exames ultrassonográficos.

10
CICLO ESTRAL E FISIOLOGIA REPRODUTIVA DA ÉGUA

O final do diestro é marcado por um pico de produção COMO IDENTIFICAR O DIESTRO?


de FSH pela regressão do CL (luteólise). A luteólise é
provocada pela síntese e liberação de Prostaglandina • Afastamento e rejeição do garanhão;
F2alfa (PGF2α) pelo endométrio na ausência de
reconhecimento materno da gestação, entre o 13° e 16° dia • Mordidas no garanhão;
após ovulação.
• Escoiceamento;
O aumento dos níveis de FSH durante o final do diestro
é responsável pelo recrutamento e desenvolvimento • Abaixamento das orelhas;
de um grupo de folículos. Esse grupo cresce até um
determinado momento, quando um ou dois folículos • Abaixamento da cauda;
são selecionados e continuam seu desenvolvimento. O
folículo em crescimento que possuir mais receptores para • Vulva e a vagina ficam mais secas e pálidas;
LH e atingir o tamanho pré-ovulatório é selecionado para
ser o dominante. O folículo dominante começa a produzir • O útero fica flácido;
estrógeno e inibina, suprimindo a secreção hipofisária do
FSH, levando à atresia dos demais, culminando em outro • Cérvix fechada.
período de estro.

11
ESTAÇÃO DE MONTA - MELHOR
ÉPOCA PARA INSEMINAR E USO DE
ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL
ESTAÇÃO DE MONTA - MELHOR ÉPOCA PARA INSEMINAR
E USO DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL

A estação de monta em equinos tem início na primavera.


As altas temperaturas e a luz do sol desse período são
fundamentais para o sucesso na reprodução desses
animais. Portanto, o acasalamento com monta natural, por
transferência de embriões ou inseminação artificial devem
preferencialmente acontecer entre primavera e verão.

Como a estação de monta acontece apenas em uma


época do ano, é essencial muito planejamento para
potencializar as chances de sucesso na reprodução
equina. Neste sentido, o responsável deve ter total
conhecimento do ciclo estral das éguas e saber que tipo
de equino ele quer que nasça.

Vale salientar que, mesmo no inverno, os ciclos das éguas


podem ser antecipados. Isso se torna possível com o uso
de luz artificial, que aumenta o fotoperíodo e estimula a
atividade ovariana.

13
ESTAÇÃO DE MONTA - MELHOR ÉPOCA PARA INSEMINAR
E USO DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL

A luz artificial atua na glândula pineal dos equinos, Além disso, vale salientar que os trabalhos precisam
fazendo com que a produção de melatonina diminua começar bem antes com a realização de exames
e a ciclicidade retorne. Por isso, pode ser usada em e cuidados com a nutrição, suplementação ou
períodos de dias curtos (com pouca luminosidade) para a condição corporal, por exemplo. O sucesso da
antecipar o momento da primeira ovulação da estação eficácia reprodutiva está totalmente atrelado a muito
reprodutiva. planejamento e estratégias que devem ser adotadas
muito antes do início estação.
A técnica de iluminação artificial é uma forma muito
eficiente de manipular as condições ambientais,
alterando a estação de monta de acordo com a Dica: O tempo de exposição à luz
necessidade do proprietário. artificial não deve ultrapassar ao
recomendado para os dias de alta
Mas atenção, a duração do tratamento, o tempo de luminosidade. Durante a noite os
exposição diária e a intensidade da luz, devem ser animais necessitam do escuro para
indicados somente por profissionais especializados. descansar e evitar o estresse.

14
TÉCNICAS E MÉTODOS ATUAIS DE
INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM EQUINOS
TÉCNICAS E MÉTODOS ATUAIS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM EQUINOS

De acordo com relatos históricos, a primeira evidência do melhor método e da técnica mais adequada.
do uso da inseminação artificial é do século XIV. Nessa
época, chefes árabes coletaram o sêmen de um Além disso, ainda existe a possibilidade de optar por
garanhão de uma tribo rival depositado no genital de métodos de conservação do sêmen que é utilizado
uma égua em cio e, com auxílio de uma esponja de na inseminação artificial. Veja a seguir alguns métodos
algodão limpo, inseminaram suas próprias éguas. de processamento que permitem a conservação do
sêmen e consequentemente a disseminação da IA.
O desenvolvimento da técnica em equinos ficou restrito
por muitos anos, devido a imposição de associações de MÉTODO 1: SÊMEN FRESCO
criadores. Com o passar do tempo e a flexibilização da
legislação, hoje já é possível registrar potros oriundos A utilização do sêmen fresco é simples e, quando
dessa biotecnologia. aplicada corretamente, apresenta as melhores taxas
de gestação. No entanto possui como desvantagem a
Muitos testes foram realizados em diversos animais pouca durabilidade.
e recentemente sabemos que o uso da inseminação
artificial pode ser muito vantajoso, para o grande e o
pequeno criador, no manejo reprodutivo do plantel
equino. Entretanto, o sucesso desses programas está
atrelado a diversos fatores, entre eles a escolha correta

16
TÉCNICAS E MÉTODOS ATUAIS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM EQUINOS

Este tipo de sêmen é mais indicado para ser utilizado


assim que coletado, ou seja, no próprio local. O
tempo estimado de validade é de 30 minutos a uma
hora, a depender dos diluentes utilizados.

MÉTODO 2: SÊMEN REFRIGERADO

No caso de necessidade de transportar o sêmen a


curta distância, a recomendação é o refrigeramento.
O material deve ser mantido a uma temperatura de
aproximadamente 5º C, para ser conservado por um
período mais longo (até 24h). Ou por volta de 15ºC
para ser usado dentro de 12 horas.

A diluição deve ser feita com extensores específicos


e o transporte em containers adequados.

O Brasil é o segundo país que mais realiza esse


procedimento. Em primeiro lugar está os Estados
Unidos da América.

17
TÉCNICAS E MÉTODOS ATUAIS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM EQUINOS

MÉTODO 3: SÊMEN CONGELADO


Para garantir a qualidade fértil do material, é
O Sêmen congelado possui a vantagem de ser o fundamental fazer uso de um bom diluente, que seja
mais flexível dos três quanto ao uso. Por isso, é o próprio para o congelamento. Assim como a adição
mais utilizado quando precisa ser transportado por de agentes que promovem a proteção celular contra
longas distâncias ou quando o proprietário deseja o congelamento.
guardar um sêmen especial.
Independente do método utilizado, para garantir a
O material é mantido em tanques de nitrogênio eficiência reprodutiva, o sêmen deve passar pela
líquido, a uma temperatura de aproximadamente colheita, avaliação e processamento. E atenção, a
-196º C, por tempo indeterminado. escolha do melhor procedimento e a sua realização
só podem ser feitas por profissionais especializados.
Porém, o grande estresse térmico, mecânico,
osmótico e químico pode diminuir a
viabilidade espermática drasticamente após o
descongelamento. Isso faz com que esse método
tenha baixo índice de prenhez.

18
FATORES QUE INTERFEREM NO
SUCESSO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL
FATORES QUE INTERFEREM NO SUCESSO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

MANEJO E CONTROLE SANITÁRIO


O sucesso da IA está atrelado a diversos fatores,
entre eles: Para o bom controle sanitário é preciso manter um
calendário sanitário juntamente com o apoio de um
HIGIENE veterinário. Com o calendário fica mais fácil identificar e
controlar qualquer tipo de doença que possa prejudicar
Os animais também precisam ser bem higienizados. o desempenho reprodutivo dos equinos.
O garanhão na hora da coleta do sêmen, e a égua
antes da inseminação. Uma boa limpeza no ambiente impede a proliferação
de insetos, parasitas ou qualquer organismo que pode
O local onde a inseminação acontece precisa ser prejudicar a saúde dos animais.
mantido sempre limpo e organizado, assim como
todos os equipamentos utilizados.

Por fim, o cuidado com a higienização de todo os


materiais e ferramentas, usadas desde a coleta do
sêmen até a inseminação é essencial para evitar
contaminação e garantir o sucesso da técnica.

20
FATORES QUE INTERFEREM NO SUCESSO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

MÃO DE OBRA ESPECIALIZADA E


ACOMPANHAMENTO TÉCNICO

A mão de obra especializada, e com


conhecimento técnico avançado, é que vai
assegurar o andamento adequado de todo o
procedimento. Já o acompanhamento técnico
é fundamental tanto para avaliar os índices
obtidos, como para acompanhar a implantação,
a manutenção e o andamento do trabalho.

Os inseminadores, por sua vez, precisam passar


por qualificação, treinamentos e reciclagem para
se atualizar. Portanto, é fundamental contar com
uma equipe habilitada para acompanhar todo o
trabalho, visto que os resultados de cada etapa vão
influenciar diretamente na taxa de concepção.

21
FATORES QUE INTERFEREM NO SUCESSO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

Além desses, podemos citar outros fatores que • Exame reprodutivo satisfatório das fêmeas;
interferem no sucesso da IA:
• Acompanhamento adequado, pré e pós
• Potencial genético dos animais; inseminação;

• Confirmação da qualidade do sêmen; • Diagnóstico de gestação correto, por volta de


15 dias pós inseminação.
• Cuidados com a coleta, armazenamento e manejo
do sêmen;

• Manejo nutricional;

• Exame reprodutivo detalhado do garanhão no início


da época reprodutiva;

22
SELEÇÃO DE GARANHÃO
COMO FAZER?
SELEÇÃO DE GARANHÃO - COMO FAZER?

Tenha 3 anos ou mais, apresentando bom desempenho


competitivo e sêmen de qualidade comprovada.

O exame andrológico é um excelente aliado para quem


deseja avaliar as condições clínicas gerais, a fertilidade e
a capacidade reprodutiva do garanhão. Ele possui muitas
etapas como:

• Identificar raça;

Você sabia que com apenas um ejaculado do • Peso, idade, alimentação, atividades;
garanhão é possível inseminar várias éguas,
por meio da IA? Mas, para garantir o sucesso da • Possíveis doenças;
reprodução, algumas características são desejáveis
tanto nas fêmeas como no garanhão. O primeiro • Registro do animal;
passo é saber selecioná-los.
• Dados do proprietário;
O ideal é que ele seja saudável, tenha uma boa
genética, boa nutrição, um bom temperamento. • Exames físicos e específicos do aparelho reprodutor.

24
SELEÇÃO DE GARANHÃO - COMO FAZER?

Ele comumente é usado para mensurar a qualidade Com esse exame, é possível garantir que o animal
do sêmen, evitar problemas de subfertilidade ou está livre de patologias que depreciam sua qualidade
infertilidade, identificar possíveis alterações no espermática e apresentando um bom potencial
sistema genital. Além de, aumentar o desempenho reprodutivo. Por isso, sempre que for programado
do equino ao diagnosticar e tratar doenças e uma estação de monta, é fundamental selecionar os
anormalidades. garanhões por meio do exame andrológico.

Atenção: O exame andrológico deve


realizado próximo a estação de monta. Em
hipótese alguma aceite um laudo emitido
com validade superior a 60 dias, que é o
tempo de duração da espermatogênese e
do trânsito epididimário.

25
TÉCNICAS DE COLETA DE
SÊMEN DO GARANHÃO
TÉCNICAS DE COLETA DE SÊMEN DO GARANHÃO

A coleta de sêmen é uma das principais etapas da IA e


tem sido muito utilizada para preservar raças e ajudar
na produção e melhoramento genético. É também
uma das fases que mais exige cuidados para garantir
a qualidade do material colhido e a eficiência da
inseminação.

Por isso, a dica para evitar qualquer tipo de problema,


é que a coleta seja realizada por centrais regularizadas.
Os profissionais especializados conhecem todas
as etapas da coleta, as regras de segurança,
higiene e habilidade para realizar as técnicas. Além
de conhecerem os cuidados fundamentais de
processamento, armazenamento e conservação do
material coletado.

27
TÉCNICAS DE COLETA DE SÊMEN DO GARANHÃO

Hoje, é possível encontrar muitas técnicas de coleta No entanto, a técnica mais utilizado é a da vagina
sêmen do garanhão. Veja algumas delas: artificial. Com esse método de coleta, é necessário
utilizar uma égua contida como manequim que
• Modelos artesanais feitos com tubos de PVC; precisa estar no cio ou ovariectomizada e estimulada
hormonalmente.
• Preservativo de látex especial;

• Camisa-de-vênus (camisinha);

• Combinação de fármacos indutores de ejaculação;

• Estímulo manual do pênis;

Manipulação do pênis com auxílio de compressas


aquecidas.

28
ESTRUTURA E MATERIAIS NECESSÁRIOS
ESTRUTURA E MATERIAIS NECESSÁRIOS

Para realizar a IA não é necessário muito investimento


com infraestrutura. O que não pode faltar no ambiente
são os troncos de contenção e aparelhos de ultrassom
veterinário para a realização de exames.

Vale destacar que a ultrassonografia é fundamental


durante todo o ciclo estral. Com ela é possível obter
bons resultados tanto na pré-cobertura quanto depois.
Os aparelhos mais modernos permitem acompanhar o
desenvolvimento folicular ovulatório e a vascularização
da região, para determinar o melhor momento para uma
inseminação.

Após a inseminação, ela também auxilia na identificação


da gestação de forma precoce e no acompanhamento
da mesma. Além disso, pode ajudar a identificar
inflamações ou perdas embrionárias, garantindo
melhores resultados no manejo reprodutivo.

30
ESTRUTURA E MATERIAIS NECESSÁRIOS

Veja a seguir os principais materiais para a boa prática


da inseminação artificial em equinos, lembrando • Garrafa térmica;
sempre que é fundamental cuidar da higiene e
esterilização dos mesmos: • Ficha de anotações;

• Botijão com nitrogênio líquido; • Vagina artificial ou outro coletor de sêmen;

• Luvas descartáveis, botas e avental; • Filtro para acoplar no copo coletor;

• Tesoura; • Recipientes próprios para resfriamento e


congelamento do sêmen;
• Termômetro;
• Recipiente para descongelamento de sêmen.
• Pinça anatômica;

• Ebulidor;

31
MANEJO NUTRICIONAL
MANEJO NUTRICIONAL

Os equinos são animais herbívoros, especializados na Para realizar o manejo nutricional de forma adequada,
digestão de fibras. Eles possuem um comportamento muitos outros fatores devem ser levados em
alimentar diferenciado e são altamente seletivos. consideração como: idade, raça, atividades exercidas e o
Comparado a antigamente, é possível perceber várias estado reprodutivo ou fisiológico.
mudanças na dieta desses animais e muitos fatores
estão relacionados a esse fato, como a domesticação, as Independente de qualquer fator, todos eles necessitam
mudanças bruscas nas estações ou a falta de pastagens de água fresca, de boa qualidade e sempre a disposição.
adequadas. Além disso, carboidratos, proteínas, vitaminas, minerais e
gorduras em quantidades adequadas.
O fato é que, uma boa nutrição faz toda diferença na
saúde e bem estar dos equinos. Por isso, a alimentação Tanto as éguas quanto os garanhões precisam se
desses animais exige muita atenção e conhecimentos alimentar de pastagens de boa qualidade, fenos e
específicos de seus cuidadores, principalmente no que rações concentradas. Os garanhões em serviço, devem
diz respeito a suas necessidades nutricionais e seu receber 10% de proteína bruta por dia e cerca de 2 Kg de
sistema digestivo. volumoso para cada 100 kg de peso vivo.O concentrado
para a suplementação e o sal mineralizado também
devem ser fornecidos.

33
MANEJO NUTRICIONAL

No período da reprodução, a alimentação da


égua deve ser uma das principais preocupações
para garantir uma boa condição corporal antes da
monta ou inseminação. Tudo isso, porque a taxa de
concepção pode ser influenciada pela condição
corporal. O cuidado também precisa continuar
durante a gestação e lactação com fornecimento
de vitaminas e minerais para garantir o bom
crescimento do potro.

Além das consequências drásticas para a


reprodução, uma alimentação incorreta pode
afetar de forma negativa o desenvolvimento ósseo,
estimular a ocorrência de cólicas, dores abdominais,
distensão, diarréia, fermentação, causar aprumos
deficientes por excesso de peso, infertilidade em
éguas entre outros problemas.

34
COMO MELHORAR OS ÍNDICES
REPRODUTIVOS COM O USO DA IA
COMO MELHORAR OS ÍNDICES REPRODUTIVOS COM O USO DA IA

Para melhorar os índices reprodutivos com o uso da o manejo do fotoperíodo, a identificação correta do
IA, é preciso conhecer detalhadamente cada uma das cio e a atuação de profissionais com conhecimentos
etapas e seus principais componentes. específicos e avançados também contribuem para o
maior sucesso da IA.
Entre os fatores mais importantes para o sucesso dessa
biotecnologia está o manejo e a seleção dos garanhões
e das fêmeas receptoras. O planejamento e os
cuidados específicos na realização dos procedimentos
são cruciais para obter bons resultados.

A égua deve estar livre de problemas reprodutivos e


passar por um controle rígido de saúde. Os garanhões
também precisam passar por avaliações físicas e
específicas rigorosas.

O controle rígido da saúde dos animais, o


acompanhamento sanitário, o uso de equipamentos
modernos, a higiene das instalações, dos materiais,

36
CONCLUSÃO
CONCLUSÃO

Por ser um instrumento direto do melhoramento


genético, a IA se coloca como uma importante
ferramenta a serviço da equideocultura. Como
visto, além da sua aplicação convencional, ela
pode ser usada em combinação com novas
biotecnologias proporcionando ainda mais
vantagens e impactos na produção equina,
quando usadas de forma eficiente.

Assim, é possível perceber que esse é um


procedimento viável que pode gerar lucros
em diversos setores, desde que suas diversas
especificidades sejam respeitadas.

38
VAMOS COLOCAR EM PRÁTICA?
VAMOS COLOCAR EM PRÁTICA?

É muito bom ler sobre o assunto, mas se você quer • Professores especializados e altamente qualificados
realmente se aprofundar e ser um especialista na área
precisa de um conhecimento profundo e prático. • Laboratório completo com diversas lupas
estereomicroscópicas
Para colocar em prática tudo que você aprendeu
nesse material e produzir muitos potros geneticamente Vamos te ensinar na prática esse técnica altamente lucrativa
melhorados é só clicar no curso abaixo: para que você seja ainda mais valorizado como profissional!
É só clicar no botão abaixo e conferir todos os detalhes da
Cursos de Coleta de Sêmen e Inseminação programação, professores e orçamento:
Equina

Aprenda na prática a biotecnologia com maior impacto


na reprodução equina para a obtenção de mais potros e Acompanhe a gente nas redes sociais!
melhoramento genético do plantel.

Temos uma estrutura voltada para que você aprenda na


prática! Confira o que te espera: E não perca nenhuma novidade sobre o mundo da Medicina
Veterinária e Agropecuária.
• Animais suficiente para você aprender na prática

40
VAMOS COLOCAR EM PRÁTICA?

Pós-Graduação em Reprodução Equina

Uma pós-graduação focada no treinamento


prático individual que fará de você um profissional
diferenciado em uma área altamente rentável.Você
aprenderá as técnicas modernas de biotecnologias
da reprodução animal.

Acompanhe a gente nas redes sociais!

41
REFERÊNCIAS
REFERÊNCIAS

1. ANDRADE, L.S. Fisiologia e manejo da reprodução Eletrônica de Medicina Veterinária. Número 21,
eqüina. Recife: s.n., 1986. Julho de 2013. Disponível em: http://faef.revista.
inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/
2. ALBERNAZ, Raquel. Ouro Fino- Saúde Animal. 07 j1OsKEw0s5EtDHD_2013-8-13-18-21-19.pdf
de Julho de 2014. Disponível em: https://www.
ourofinosaudeanimal.com/ourofinoemcampo/ 5. CANISSO, I. F. et al. Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient.,
categoria/artigos/inicio-da-estacao-de-monta-em- Curitiba, v. 6, n. 3, p. 389-398, jul./set. 2008.
equinos/
6. CARVALHO, G. R. et al. Efeito de diferentes
3. BARROS, Bárbara Souza; OLIVEIRA, Rodrigo Arruda concentrações espermáticas sobre a fertilidade
de. Cio do potro: o que é e quando utilizar? Rev. Bras. de éguas inseminadas com sêmen eqüino diluído,
Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.41, n.3, p.665-670, resfriado a 20ºC e transportado. Revista Brasileira de
jul./set. 2017. Disponível em: http://www.cbra.org.br/ Zootecnia., v. 27, n. 3, p. 695-699, 1998.
portal/downloads/publicacoes/rbra/v41/n3/p665-
670%20(RB699).pdf 7. CAZAUX, Ana Luíza. Centro Universitário Dinâmico das
Cataratas. Medicina Veterinária. Foz do Iguaçu, 2018.
4. BORTOT, Diene do Carmo; ZAPPA, Vanessa. Disponível em: http://www.udc.edu.br/libwww/udc/
ASPECTOS DA REPRODUÇÃO EQUINA: INSEMINAÇÃO uploads/uploadsMateriais/06112018192701Aula%20
ARTIFICIAL E TRANFERÊNCIA DE EMBRIÃO: 15-%20Ciclo%20estral.pdf
REVISÃO DE LITERATURA. Revista Científica

43
REFERÊNCIAS

8. CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA uploads/sites/397/delightful-downloads/2018/07/


DO BRASIL – CNA. Estudo do Reprodu%C3%A7%C3%A3o-nas-f%C3%AAmeas.pdf

9. complexo do agronegócio do cavalo no Brasil. 13. NOSSO CAMPO, TV TEM. Época de estação de ‘monta’
Brasília: CNA, 2006. marca período reprodutivo das éguas. Sorocaba, 19 de
novembro de 2017. Disponível em: https://g1.globo.com/
10. KER, Pedro Gama; LOURENÇO, Gilberto sp/sorocaba-jundiai/nosso-campo/noticia/epoca-de-
Guimarães. Curso de Manejo Reprodutivo em estacao-de-monta-marca-periodo-reprodutivo-das-
Equinos. 2ª Edição. Viçosa, MG. CPT Cursos eguas.ghtml
Presenciais 2019.
14. ORSOLINI, Alexandre. SANIDADE ANIMAL- Manejo
11. MARTINS, Carlos Frederico [et al.]. Inseminação e controle sanitário são fundamentais na criação de
artificial: uma tecnologia para o pequeno e o equinos. Jornal dia de campo. Disponível em: http://
grande produtor. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, www.diadecampo.com.br/zpublisher/materias/Materia.
2009. Disponível em: https://www.infoteca.cnptia. asp?id=21162&secao=Sanidade%20Animal
embrapa.br/bitstream/doc/697385/1/doc261.pdf
15. PIMENTEL, M. M. L.; SANTOS, F. A. dos; DIAS, R. V. C.;
12. MORAES, I.A. Reprodução nas fêmeas. MACÊDO, L. B. de; FONSECA, Z. A. A. de S.; ANDRÉ, W. P. P.;
Disponível em: http://fisiovet.uff.br/wp-content/ RIBEIRO, W. L. C. Monitoramento do ciclo estral de fêmeas
equinas por meio de citologia vaginal, ultrassonografia

44
REFERÊNCIAS

e dosagem hormonal. Arq. Ciênc. Vet.Zool. UNIPAR, 19. Tamires; Danyane Pereira Marques; Moisés Sena
Umuarama, v. 17, n. 1, p. 69-75, jan./mar. 2014. Disponível Pessoa; Flávia Oliveira Abrão. Revista Nutri Time-
em: https://www.revistas.unipar.br/index.php/veterinaria/ Aspectos nutricionais relacionados à reprodução em
article/viewFile/4920/2861 equinos: Vol. 16, Nº 03, maio/jun de 2019 ISSN: 1983-
9006. Disponível em: www.nutritime.com.br. https://
16. REVISTA VETERINÁRIA. As diferenças entre o sêmen www.nutritime.com.br/wp-content/uploads/2019/05/
fresco, resfriado e congelado Artigo-490.pdf

17. 27 de agosto de 2013. Disponível em: http://www. 20. VALLE, G.R. Efeito da rufiação e manipulação do
revistaveterinaria.com.br/as-diferencas-entre-o-semen- sistema genital e transporte de sêmen, em container
fresco-resfriado-e-congelado/ “Celle”modificado, na avaliação de uma técnica de
inseminação artificial em eqüinos. Belo Horizonte, MG:
18. SANTOS, S.A. Recomendações sobre manejo nutricional UFMG, 1997. 349p. Dissertação (Mestrado em Medicina
para eqüinos criados em pastagens nativas no Pantanal. Veterinária) - Escola de Veterinária/Universidade
Corumbá: EMBRAPA-CPAP, 1997. Disponível em: https:// Federal de Minas Gerais, 1997.
ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/CPAP-
2010/35354/1/DOC22.pdf

45
O mundo está cada vez mais competitivo e exige que os Assim, nós oferecemos cursos ministrados por conceituados
estudantes e profissionais, estejam mais capacitados para professores do país, em mais de 16 áreas. Levando a prática
atuar com sucesso no mercado de trabalho. ao alcance dos alunos, com infraestrutura própria, moderna e
com alta tecnologia.
E para fazer a diferença é fundamental deter o conhecimento
das técnicas inovadoras tanto na teoria quanto na prática. Não é à toa que hoje somos a maior empresa de
Prática que muitos não tiveram acesso em sua vida como disseminação de conhecimento através de cursos de curta
estudante e profissional. duração nas áreas de Medicina Veterinária e Agropecuária
com mais de 37.000 alunos qualificados.
Esse cenário permitiu a idealização e criação do CPT Cursos
Presenciais - CENVA Pós-Graduação. Nossa missão é Nossos especialistas estão à disposição para ajudar e fazer a
possibilitar que as pessoas vivam seus sonhos, paixões e sua fazenda se destacar!
realizações.