Você está na página 1de 182

ELIJAH WOLFE

SANDI LYNN

T RADUÇÃO I NDEPENDENTE
CONTEÚDO

Declaração de missão
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
capítulo 5
Capítulo 6
Capítulo 7
Capítulo 8
Capítulo 9
Capítulo 10
Capítulo 11
Capítulo 12
Capítulo 13
Capítulo 14
Capítulo 15
Capítulo 16
Capítulo 17
Capítulo 18
Capítulo 19
Capítulo 20
Capítulo 21
Capítulo 22
Capítulo 23
Capítulo 24
Capítulo 25
Capítulo 26
Capítulo 27
Capítulo 28
Capítulo 29
Capítulo 30
Capítulo 31
Capítulo 32
Capítulo 33
Capítulo 34
Capítulo 35
Capítulo 36
Capítulo 37
Capítulo 38
Capítulo 39
Capítulo 40
Capítulo 41
Capítulo 42
Capítulo 43
Capítulo 44
Capítulo 45
Capítulo 46
Capítulo 47
Sobre o autor
ELIJAH WOLFE
New York Times, USA Today & Wall Street Journal
Bestselling Author
Sandi Lynn
Elijah Wolfe
Copyright © 2019 Sandi Lynn Romance, LLC

Todos os direitos reservados.


Esta é uma obra de ficção. Nomes, personagens, lugares e incidentes são produtos dos autores
imaginação ou são usados ficticiosamente.
Qualquer semelhança com eventos, locais ou pessoas reais, vivos ou mortos, é inteiramente coincidência.

Foto da capa: Wander Aguiar


Modelo: Gil S.
Elijah:

Quando entro na sala do tribunal, as coisas acontecem.


O conselho de oposição se encolhe e os juízes tomam uma respiração profunda,
porque sabem o que está por vir.
Eles têm me desprezado mais vezes, do que posso contar, e nunca perdi um caso.
Eles não me chamam de “Wolfe1” por nada. Sou decisivo, agressivo e forte, tanto no
tribunal, quanto no quarto. Gosto de ordem e controle, e todos sabem disso.
Todos, exceto Aspen Michaelson, a nova associada que minha mãe contratou para
trabalhar em nossa empresa. Em sua entrevista, não foi a primeira vez que coloquei
meus olhos sobre ela e seu corpo sexy. Nós compartilhamos uma mágica noite
juntos, no Havaí. Éramos dois estranhos, que só conheciam uns dos outros, os
nomes. Ela saiu no meio da noite, sem uma palavra. Eu nunca a perdoei por isso. Eu
era o único que sempre deixava, e não ao contrário. Agora que ela trabalha para
mim, farei tudo ao meu alcance, para fazê-la pagar por aquela noite, para mostrar-
lhe que eu era o chefe, tanto no escritório, quanto no quarto. Mas encontrei-me
perdendo todo o controle em torno dela e de seus modos peculiares e não sabia
como pará-lo.

Aspen:

Depois que meu pai faleceu, me mudei de Connecticut a Nova York, onde minha
irmã e seu marido viviam. Trabalhar em um escritório de advocacia de prestígio, em
Nova York, sempre foi um sonho meu.
Caitlin Wolfe fez esse sonho realidade, quando me contratou para trabalhar em seu
escritório de advocacia. Mal sabia eu, que Elijah Wolfe, o homem com quem tive uma
incrível noite, no Havaí, era seu filho, sócio sênior e CEO futuro do Wolfe & Associates.
Ele parecia tão sexy em Nova York, quanto pareceu no Havaí, mas estava diferente.
Ele foi frio e calculista. Não era o homem que me seduziu e me levou para sua suite.
Ele era meu chefe, e estava me preparando para falhar.
A única coisa que ele não sabia sobre mim, era que eu faria um jogo tão bom, quanto
o dele, se não melhor.
Eu precisava manter o controle de ambos, meu corpo e minha mente.

1 Lobo
DECLARAÇÃO DE MISSÃO

Sandi Lynn Romance

Fornecer aos leitores,


romances que os levarão embora para outro mundo
e para fora da rotina diária da vida
- um livro de cada vez.
CAPÍTULO 1

A SPEN

"Há algo que preciso falar com você", Ron sussurrou em meu ouvido, enquanto se
aproximava de mim e colocava a mão no meu ombro.
"Certo." Eu sorri.
Eu disse à minha prima, Carrie, que falaria com ela mais tarde e segui Ron até o
pátio, onde estava silencioso.
“O que há, querido? Você teve a chance de experimentar o molho de espinafre, da
minha tia Patti?”
"Aspen, eu não te chamei aqui, para falar sobre o molho de espinafre, da sua tia
Patti."
"OK. Sobre o que você quer falar?"
Ele colocou as mãos nos bolsos da calça, respirou fundo e se afastou de mim, por um
momento.
"Ron, o que está acontecendo?"
"Estou terminando com você", ele deixou escapar.
"O que? Isso não tem graça, Ron.”
"Não é para ser engraçado, Aspen." Ele se virou e me encarou. "Não quero mais ficar
com você."
Quando ouvi as palavras escaparem de seus lábios, uma doença se formou na boca
da minha barriga e meu coração começou a acelerar.
"O que? Por quê?" Perguntei em choque. “Estamos juntos há mais de um ano. O que
mudou?"
"Eu mudei, e finalmente percebi algumas coisas."
"Existe outra mulher?"
"Não." Ele balançou sua cabeça.
Ele estava mentindo, e eu sabia disso. Eu sabia toda vez que ele mentia. De repente,
uma raiva surgiu dentro de mim. Uma raiva tão feroz, que não pude controlá-la.
"Besteira!" Eu gritei. "Você está mentindo. Você sabe como eu sei, que você está
mentindo? Essa pequena veia entre seus olhos, sempre pulsa.”
Tirei o sapato e joguei nele. Ele levantou os braços e protegeu o rosto, quando meu
sapato o atingiu.
"O que está acontecendo aqui?" Minha irmã, Geneva, perguntou, quando abriu a
porta do pátio.
"Seu filho da puta." Enfiei meu dedo em seu peito, enquanto ele caminhava para trás
e tropeçava dentro da porta. "Quão mais? Há quanto tempo você a vê pelas minhas
costas?”
“Não importa, Aspen. Você precisa se acalmar!”
“Te dei um ano da minha vida. Te dei meu coração, e é assim que você me trata? Me
traindo e terminando comigo, no funeral de meu pai?” Eu gritei.
Todos pararam suas conversas e todos os olhos estavam em nós. Ele continuou
andando para trás pela sala, enquanto meu dedo pressionava seu peito.
"Eu sinto Muito. Eu não aguentava mais.”
- “Você é uma merda inútil, Ronald Needham. Dê o fora da minha casa!” Eu gritei,
enquanto atirava-lhe meu outro sapato e ele saiu correndo pela porta. Engoli em seco,
enquanto eu estava lá na sala silenciosa, onde minha família e amigos se reuniram, para
prestar homenagem a meu pai. "Peço desculpas. Se vocês me derem licença, vou para o
meu quarto, por um tempo. Por favor, peguem outro prato de comida. Há muito na
cozinha”. Sorri graciosamente, enquanto subia lentamente as escadas.
No momento em que fechei a porta, me deitei na cama. Chorar por isso, não era uma
opção para mim. Eu nunca chorei. A última vez que chorei, foi quando criança. Eu nem
chorei no funeral do meu próprio pai.
"Amor?" Ouvi a voz de minha mãe, quando ela abriu a porta, entrou e se sentou na
beira da cama. "Você está bem?"
"Parece que estou bem, mãe?"
Ela esfregou minhas costas suavemente, e eu queria gritar para ela parar.
“Nunca gostei dele. A coragem dele fazer isso com você, no funeral de seu pai...”
"Você não está ajudando." Minhas sobrancelhas franziram.
“Sinto muito, Aspen. Eu sei que dói agora, mas com o tempo, você verá isso como
uma bênção disfarçada. De qualquer forma, você não pode sentar aqui e ficar de mau
humor, até que todos os convidados tenham partido. Então vamos lá." Ela me deu um
tapa na bunda.
Suspirei quando me sentei e fui enfrentar o constrangimento, devido aos eventos
anteriores. Sorrisos simpáticos me receberam, enquanto eu descia as escadas.
"Você está bem?" Geneva passou o braço em volta de mim, quando entramos na
cozinha.
"Como ele pode fazer isso comigo? E especialmente hoje, de todos os dias?”
“Ele é um idiota. Claro e simples. Você pode ter alguem muito melhor.”
Assim que o último dos convidados saiu, peguei uma garrafa de vinho aberta e a
levei para o sofá. Levando meus joelhos até o peito, comecei a engolir.
"Uau, vá devagar, suicida", disse meu cunhado Lucas, quando pegou a garrafa de
mim e derramou um pouco de vinho em um copo. "Aqui."
"Obrigada. Ele deveria estar aqui para mim durante esse tempo, não terminar
comigo.”
Lucas suspirou quando se sentou e passou o braço em volta de mim.
“Eu sei, Aspen, mas o cara é um idiota. Você pode ter alguem muito melhor que
ele.”
"Por que eu sempre me apaixono pelos idiotas?" Eu deitei minha cabeça em seu
ombro.
"Talvez porque você saiba, que eles acabarão saindo."
“Oh. Você está me acusando agora?” Eu sorri.
"Não. Mas posso, se você quiser.”
"Não estou realmente de bom humor."
"OK." Ele beijou o lado da minha cabeça. “Estou subindo para verificar meus e-
mails. Se você quiser conversar, me avise.”
Assim que ele se levantou e saiu, minha mãe e seu marido, Raphael, entraram na
sala.
“Querida, nós temos que ir. Nosso voo sai em três horas.”
"Eu pensei que você não iria embora, até amanhã."
"Mudança de planos. Precisamos voltar para LA. Raphael tem uma demonstração,
para a qual precisa se preparar. ”
"OK. Ligue-me quando voltar”. Levantei-me do sofá e a abracei.
"Eu vou. Você vai ficar bem?”
“Eu estou bem, mãe. Tchau, Rafael.”
"Adeus, querida. Foi um bom serviço”. Ele me abraçou forte.
Peguei a garrafa de vinho da mesa de café, liguei algumas músicas e comecei a
dançar pela sala de estar.
"Oh, ei, uma festa de dança!" Geneva sorriu, quando se juntou a mim.
Dançar sempre foi minha fuga. Foi o meu calmante. Algumas pessoas tomavam
banho, praticavam ioga ou passeavam. Mas eu não. Eu dançava muito.
CAPÍTULO 2

E lijah

"Nós, o júri, consideramos o réu inocente."


"Sim." Eu silenciosamente falei e me virei para meu cliente, que soltou um suspiro
de alívio. "Parabéns, Bob." Eu sorri, quando o abracei levemente.
“Obrigado, Elijah. Isso não teria sido possível sem você.”
Fechei minha pasta, agarrei-a da mesa e saí da sala do tribunal. Puxando meu
telefone do bolso, notei que tinha três chamadas perdidas de Vi, uma mensagem de
texto de meu irmão, Nathan, e uma mensagem de voz de Vi.
"Elijah, precisamos conversar."
Suspirei, enquanto revirei os olhos e abri a mensagem de texto de Nathan.
“Ei, mano. Vou partir para Paris daqui a pouco. Encontro você e
Mason no Havaí, em alguns dias. Mal posso esperar por estas
férias. Muito atrasado. Te vejo em breve."
Sorrio, enquanto digito minha resposta.
"Tenha um voo seguro. Praias, sol e mulheres bonitas, aqui vamos
nós.”
Voltei para a empresa e, quando estava indo para meu escritório, minha secretária,
Marie, pulou da cadeira.
"Elijah, pensei em avisar que Vi está esperando por você, em seu escritório."
"Merda. Há quanto tempo, ela está aqui?”
"Uma hora."
"Obrigado pelo aviso, Marie."
Abri a porta do meu escritório e entrei.
"Como você não pode se incomodar, em me ligar de volta, eu decidi que iria sentar
aqui e esperar por você."
Eu poderia dizer que o tom dela era zangado, mas não a deixaria arruinar meu bom
humor.
“Vi, eu estava no tribunal. Eu te disse hoje de manhã, que não estaria por aqui hoje.”
"Que pena. Recebi uma ligação mais cedo de Patsy. Ela me disse que te viu há dois
dias, jantando com uma morena, que parecia uma prostituta. Foi na mesma noite em
que você cancelou nosso encontro, porque tinha muito trabalho a fazer, para um caso
próximo. Quero uma explicação agora, Elijah” - ela exigiu no tom áspero, que eu não
aguentava mais.
Merda. Coloquei minha maleta e me encostei na minha mesa, colocando as mãos nos
bolsos, enquanto a olhava.
“Ela era uma cliente. Fim de discussão."
"Você é um mentiroso!" ela falou bastante alto.
“Vi, não tenho tempo para isso. Nem hoje, nem amanhã. Você não questiona o que
eu faço. Me compreende?" Eu falei em um tom autoritário.
“Então você está vendo outras mulheres? Eu assumi que éramos exclusivos.”
“Eu te disse que éramos exclusivos? Você sabe o que dizem, sobre pessoas que
assumem. ” Sentei-me atrás da minha mesa.
“Estamos nos vendo há dois meses, Elijah. Dois meses, e nunca olhei para outro
homem. Eu até ignorei o fato, de que você não me deixaria ir ao Havaí com você.”
“Essa é uma viagem para mim e meus irmãos. Não são permitidas mulheres.”
“Sim, então você pode foder quantas mulheres quiser. Deus, você é apenas um
idiota mentiroso patético. Minhas amigas me avisaram sobre você e eu deveria ter
ouvido.”
“Talvez você devesse. Tudo o que você pensou que tínhamos, acabou. Tenho
trabalho a fazer, então você precisa sair.”
“Eu não entendo como você convive consigo mesmo. Qualquer coisa que você tenha
deixado na minha casa, eu queimarei. Boa viagem, bastardo.” Ela saiu do meu
escritório.
Um momento depois, Marie entrou.
"E outra morde a poeira." Ela sorriu.
Recostei-me na cadeira e suspirei.
"Bloqueie o número dela e informe à segurança, que ela não é bem vinda ao prédio."
"Feito. Parabéns por vencer o caso.”
"Obrigado. Eu sabia que o júri balançaria a nosso favor”. Eu sorri.
"Não se esqueça que a festa de despedida de Harry, é no Rudy's, às sete."
“Eu não esqueci. Já encontramos o substituto dele?”
"Não. Sua mãe disse que começará a agendar entrevistas, quando você voltar do
Havaí, porque ela quer que você as dirija, como sempre. Enquanto isso, Roger está
aceitando seus casos abertos.”

##########

“H omem, eu preciso tanto dessas férias ”, disse meu irmão Mason,

enquanto tomavamos nossas bebidas, na primeira classe. "Então, eu ouvi dizer que você
deu a bota a Vi." Ele sorriu.
"E de onde você ouviu isso?" Eu arqueei minha sobrancelha.
"Allison disse, que Marie contou a ela."
“Eu continuo esquecendo que vocês dois trabalham juntos, no quartel dos
bombeiros. Ela estava me esperando no escritório, quando voltei do
tribunal. Aparentemente, uma amiga dela viu eu e Danielle jantando, na mesma noite
em que cancelei meu encontro com ela. Ela exigiu respostas”. Revirei os olhos.
"Boa decisão. Se uma mulher exigisse respostas de mim, eu me livraria dela
também. Não há nada mais irritante, do que uma mulher tentando controlar sua
vida. Já é ruim o suficiente, que mamãe ainda tente fazer isso.”
"Aqui está o encontro com Nathan, relaxando e fodendo mulheres bonitas, que não
precisaremos nos preocupar em ver novamente." Eu sorri, enquanto segurava meu
copo.
- “Touché, mano. Touché.”
Aterrissamos em Honolulu e encontramos Nathan, na área de bagagens.
"Já era hora de vocês dois babacas, chegarem aqui." Ele sorriu, enquanto nos
abraçava.
"Como foi em Paris?" Eu perguntei.
"Bonito como sempre. Bom clima e ótimo sexo. ”
"Você esteve lá apenas três dias e marcou?" Perguntou Mason.
"As francesas não podem resistir a mim e ao meu charme." Um sorriso cruzou seus
lábios.
“Bem, espero que tenhamos a mesma sorte aqui. Cuidado Honolulu, os irmãos
Wolfe chegaram ”, falei, enquanto nós três caminhávamos juntos.
CAPÍTULO 3

A spen

O desejo agonizante de meu pai era espalhar suas cinzas, pelas águas do
Havaí. Honolulu para ser exata. Era sua casa, longe de casa. Ele passava férias lá todos
os anos, por três semanas e até considerava se mudar, antes de ficar doente.
Eu segurei a urna firmemente contra o meu peito, enquanto navegávamos pelas
águas azuis do Pacífico. Geneva, Lucas e eu, alugamos um barco, para cumprir o desejo
de nosso pai.
"Parece um bom lugar", falou Geneva. "Você está pronta?"
"Sim. Acho que sim."
O vento leve varreu-me, enquanto eu removia a tampa. Geneva colocou as mãos nas
minhas, enquanto caminhávamos pelo barco e espalhamos suas cinzas sobre a água.
"Adeus, pai."
- “Descanse em paz eterna, pai” - falou Geneva.
"Eu já sinto falta dele", eu disse, enquanto olhavamos para o oceano.
"Eu também", Geneva falou, enquanto limpava os olhos e depois passava o braço em
volta de mim.

###########

E RA

a nossa última noite no Havaí, então Genebra e Lucas, foram passear de última hora,
enquanto eu descia ao bar do hotel.
"Tem certeza de que não quer vir conosco?" ela perguntou.
“Vocês dois vão e não se preocupam comigo. Eu só quero sentar no bar e tomar
algumas bebidas.”
"Você quer dizer, que quer ficar sozinha por um tempo", disse Geneva.
"Sim." Eu dei um sorriso suave para ela.
"OK. Entendi. Só não afogue demais suas mágoas. Temos um vôo cedo para pegar.”
"Eu sei. Vá se divertir. Eu tenho um encontro, com um pouco de vodka”. Eu sorri .
Subi para meu quarto, vesti um vestido branco curto, com tiras de espaguete e fui
para o bar. Felizmente, havia um assento disponível.
“Aloha. O que eu posso te pegar? ” O barman bonitinho sorriu, quando colocou um
guardanapo na minha frente.
"Um cosmopolitan, por favor."
"Um cosmopolitan chegando."
Olhei em volta aos meus arredores. A noite havia caído e a festa estava apenas
começando. As pessoas se reuniam nas pequenas mesas que enchiam o
espaço. Fogueiras estavam acesas por toda parte, e tochas foram colocadas
estrategicamente. Risos e conversas me cercavam. Todo mundo estava se divertindo,
enquanto eu estava sentada no banquinho, lamentando meu pai e pensando em quanto
eu odiava Ron.
"Aqui está. Posso servi-la com algo mais?" O barman perguntou.
"Outro, quando esse acabar." Eu sorri.
"Vou ficar de olho em você." Ele piscou.
Terminei minha bebida e sinalizei para o barman.
"Outro?"
"Por favor. Você pode olhar para que ninguém se sente aqui? Eu preciso usar o
banheiro feminino.”
"Pode ir."
Depois de usar o banheiro, tirei meu telefone da bolsa, abri a porta e bati com
alguém, enquanto ele estava saindo do banheiro masculino.
"Oh meu Deus. Sinto muito” – falei, quando olhei para cima e quase parei de
respirar.
"Eu não sinto." O cara gostoso como o inferno, parado na minha frente, falou com
um sorriso.
Eu podia sentir o calor subir nas minhas bochechas, enquanto mordia meu lábio
inferior.
"Eu estava olhando para o meu telefone e não vi você."
"Como eu disse, não sinto muito."
"OK. Bem, aproveite a sua noite” - falei nervosamente, enquanto voltava ao meu
banquinho no bar.
Respirando fundo, peguei minha bebida e tomei um grande gole. Com um pouco
mais de um metro e oitenta de altura, cabelos castanhos curtos, olhos castanhos
chocolate sonhadores, um queixo masculino e a minha mais favorita: uma sombra de
barba perfeita de cinco horas. Merda, ele era sexy como o pecado e eu nunca esqueceria
o cheiro da colônia, que irradiava dele. Era nítida, mas refinada com uma pitada de
citros e madeira. Meu coração ainda estava disparado. Talvez fosse do álcool. Não,
definitivamente era aquele homem sexy, que eu encontrei.
"Se você realmente sente muito por esbarrar em mim, então me deixe lhe pagar uma
bebida", ouvi uma voz baixa e familiar por trás.
Oh, meu Deus. Era ele.
"Com licença, amigo, se você desistir de seu banquinho, seus próximos três drinques
são por minha conta", ele falou ao senhor mais velho, sentado ao meu lado.
"Certo. Pegue."
O homem sexy levantou o dedo e o barman se aproximou.
"As próximas três bebidas para o meu amigo aqui, estão na minha conta", disse ele.
"Claro, cara."
"E também, qualquer bebida que essa linda mulher tenha tido e terá, também está na
minha conta."
"Realmente, você não precisa fazer isso." Eu sorri.
“Eu sei que não. Eu quero." Um sorriso malicioso, cruzou seus lábios.
Ele sentou-se no banquinho e pediu um uísque.
"Voce está aqui sozinha?" ele perguntou.
“Nesse bar sim. No Havaí, não. Estou aqui com minha irmã e seu
marido. Espalhamos as cinzas de meu pai, no Pacífico.”
"Sinto muito, pela sua perda." Ele colocou a mão no meu joelho, e eu pensei em
perder todo o controle.
"Obrigada." Eu Corei. "E quanto a você?"
"Estou aqui com meus dois irmãos mais novos."
“Quanto mais jovem? Você é bem jovem”. Eu sorri.
“Tenho trinta e dois, Nathan tem trinta e Mason tem vinte e oito. Eu diria que você
tem o quê? Vinte e cinco?" Ele sorriu.
"Obrigada. Mas adicione cinco anos.”
"Você não parece ter mais de vinte e cinco anos." Ele piscou. "Meu nome é
Elijah." Ele estendeu a mão.
"Aspen". No momento em que nossas mãos se tocaram, parecia um raio passando
por mim.
"Prazer em conhecê-la, Aspen."
Eu rapidamente tirei minha mão da dele e peguei minha bebida.
- “Prazer em conhecê-lo também, Elijah. Não é meio estranho que nós dois estamos
aqui, com nossos irmãos?” Eu perguntei como uma idiota.
"Desde que você coloca dessa maneira, sim." Ele sorriu. "Mas, para ser sincero, estou
surpreso que seu namorado em casa, não tenha vindo com você, durante esse período
difícil."
"Haha". Eu ri. “Meu namorado, agora ex-namorado, terminou comigo no funeral de
meu pai. Então isso me faz solteira”. Tomei um gole da minha bebida. "Muito solteira."
"Uau. Ele soa como um completo idiota.”
"Ele é." Coloquei meu copo no balcão.
"Posso contar um pequeno segredo?"
"Certo."
Ele se inclinou, até seus lábios estarem a meros centímetros do meu ouvido.
"Eu acho que você é uma mulher muito sexy e bonita e seu ex é um completo idiota,
por deixá-la ir", ele sussurrou.
O calor de seu hálito na minha pele, me fez tremer. Ele queria sexo, e ele queria
muito. Quanto a mim, minhas partes femininas não conseguiam se controlar e eu podia
sentir a umidade na minha calcinha. Eu estava vulnerável e sabia disso. Talvez ele
também soubesse. Ele era um cara sexy, e a única coisa que flutuava na minha mente
suja, era seu corpo perfeito em cima do meu. Eu tive alguns momentos de uma noite, na
minha vida. Nada demais. Era o Havaí e o que acontecia no Havaí, ficava no Havaí. Eu
nunca mais o veria, para não haver vergonha. E um dia, quando eu contasse a história
de como fiz uma viagem e espalhei as cinzas de meu pai no Pacífico, a memória desse
homem sexy e nosso caso de uma noite, me viria à mente.
“Obrigada, Elijah. Você quer fazer sexo comigo, não é?”
"Você é muito observadora, Aspen." Ele sorriu.
"Você está dividindo um quarto, com seus irmãos?"
"Não. Cada um de nós, tem quartos próprios.”
“Bem, estou dividindo uma suíte com minha irmã. Então, se vamos fazer isso, temos
que ir ao seu quarto.”
Ele se levantou do banquinho, com um sorriso no rosto e estendeu o
braço. Enganchando o meu no dele, saímos do bar e seguimos para o elevador.
CAPÍTULO 4

E lijah

Ela era sexy como o inferno. Todo o metro e sessenta dela. A maneira como seu
vestido branco abraçou sua figura de ampulheta, me deixou duro, desde o momento em
que a vi. Ou talvez fosse a maneira como seus longos cabelos loiros ondulados, fluíam
sobre os ombros ou seus penetrantes olhos azuis bebê. Ela estava embrulhada em um
pequeno pacote, pronto para ser aberto.
No momento em que entramos no elevador e as portas se fecharam, eu não
conseguia me controlar. Agarrando seus pulsos, coloquei minha boca na dela, enquanto
a pressionava contra a parede, com os braços sobre a cabeça. Eu apresentei minha
língua na dela e elas se entrelaçaram como ninguém. O elevador apitou, alertando-me
de que havia parado no meu andar. As portas se abriram, mas nossos lábios nunca se
separaram, até chegarmos à minha suíte. Tirando meu cartão-chave do bolso, acenei
sobre a fechadura e abri a porta. Ela entrou primeiro, suas costas viradas para mim,
enquanto eu suavemente acariciava minha língua em seu ombro, enquanto meus dedos
abriam o zíper do seu vestido. Um gemido suave escapou de seus lábios, quando puxei
seu vestido para fora de seu corpo. Seus seios macios e alegres estavam nus, e sua
bunda perfeitamente redonda, estava vestida com nada, além de uma tanga branca,
tornando meu pau ainda mais duro do que já era. Minha boca explorou seu pescoço,
enquanto minhas mãos acariciavam seus seios. Com a leve virada de cabeça, nossos
lábios se encontraram. Pegando-a, eu a carreguei para o quarto e a deitei na
cama. Pairando sobre ela, tracei o contorno de seu peito com o dedo.
“Enquanto me dispo, quero que você brinque com você. Você pode fazer isso por
mim?"
"Sim", ela respondeu com um sussurro.
Tomando sua mão, deslizei dois dedos dela, na minha boca.
"Você está pronta?"
"Sim." Um pequeno sorriso cruzou seus lábios.
Eu desci e lentamente tirei sua calcinha. Enquanto estava no final da cama, tirei
minha carteira da calça, tirei uma camisinha e a joguei na cama. Os dedos dela
percorreram o tronco e o lugar ideal. Eu assisti enquanto ela se divertia, e eu tirava
minhas roupas. Os gemidos leves que lhe escapavam, eram demais para suportar. Eu
precisava terminar o trabalho para ela, prová-la e depois enterrar meu pau
profundamente dentro dela.
"Deixe-me." Eu sorri, quando meus dedos tomaram seu lugar e minha língua
deslizou lentamente por sua coxa.

###########

A spen

Meu corpo estava em chamas, enquanto minha pele tremia com seu toque. A
maneira como sua língua e dedos exploravam minha área sensível, era pura
maestria. Eu nunca tinha estado tão ligada ou sintonizada em meu corpo, como estava
naquele momento. A alegria aumentou através de mim, quando meus gemidos sexuais
se aprofundaram. Tão incrível quanto ele me fez sentir, eu sabia que o melhor ainda
estava por vir, pois ele era mais do que abençoado, no departamento de
mercadorias. Ele me tocou de maneiras que eu nunca havia sido tocada antes,
empurrando meu corpo para um orgasmo de abalar a terra. Jogando minha cabeça para
trás, soltei um uivo, quando a intensidade me atravessou como nunca antes. Ele
levantou a cabeça e sorriu para mim, quando pegou o preservativo da cama, rasgou o
pacote com os dentes e o rolou sobre seu pau duro. Pairando sobre mim, ele empurrou-
se dentro polegada a polegada, enquanto gemidos profundos escapavam de seus
lábios. Ele empurrou dentro e fora de mim, com movimentos suaves e lentos. Sua boca
encontrou a minha e, quando nossos lábios se contorceram com prazer e com cada
impulso, meu corpo se dirigiu para O-Céu mais uma vez. Meus dedos cavaram a carne
de sua pele, enquanto nossos gemidos se sincronizavam e nós dois chegamos ao grande
O, ao mesmo tempo.
"Foda-se", ele gemeu, antes de cair em cima de mim.
Eu sorri, quando ele enterrou o rosto na lateral do meu pescoço e meu corpo desceu
lentamente da adrenalina. Ele levantou a cabeça e afastou uma mecha de cabelo do meu
rosto.
"Isso foi incrível." Ele sorriu.
"Foi muito incrível." Eu sorri de volta.
Seus olhos olharam nos meus por um momento, antes de ele descer de mim e entrar
no banheiro.
"Fique comigo esta noite", disse ele, enquanto voltava para o quarto. "A menos que
você precise voltar para sua irmã e cunhado."
"Não. Eu não tenho que voltar para eles. Mas preciso enviar uma mensagem de texto
para minha irmã ou ela se preocupará e fará algo estúpido, como chamar a polícia.”
Ele riu. “Onde está o seu telefone? Vou buscá-lo para você.”
"Minha bolsa está onde quer que eu a deixei cair, na sala de estar."
Um momento depois, ele entrou e me entregou minha bolsa. Puxando meu telefone,
vi que havia uma ligação perdida dela e duas mensagens de texto.
“Lucas e eu fomos ao bar, e você não estava lá. Liguei e você não
respondeu. Você não está no seu quarto. O que está acontecendo?"
"Agora estou preocupada e, se não tiver notícias suas, suponho que
alguém tenha sequestrado você e chamarei a polícia."
"Estou bem. Desculpe. Eu estou com alguém. Vou explicar tudo de
manhã. Boa noite."
Em segundos, uma mensagem dela chegou.
- “Com quem diabos você está? Você está bem? Diga-me onde você
está e Lucas e eu vamos buscá-la”
“Confie em mim, G, nunca estive melhor. Estou aqui no hotel. Pare de
se preocupar. Vejo você de manhã.”
"Ela está pirando, não é?" Elijah perguntou.
"Sim. Algo parecido." Sorri, enquanto colocava meu telefone na mesa de cabeceira e
rolava.
Antes que eu percebesse, seu braço estava apertado em volta de mim. Deitei lá,
esperando ele adormecer profundamente, antes de escapar. Por mais incrível e
surpreendente que o sexo fosse, era hora de nos separarmos, antes que o álcool acabasse
e eu percebesse o que tinha feito com um completo estranho, no Havaí.
CAPÍTULO 5

A spen

Meus olhos se abriram e quando olhei para o relógio na mesa de cabeceira, eram três
horas da manhã. Eu devo ter adormecido, enquanto esperava ele dormir. Seu braço não
estava mais ao meu redor, e ele estava de frente para o outro lado. Graças a Deus. Seria
muito mais fácil escapar dessa maneira. Cuidadosamente saindo da cama, peguei meu
telefone, bolsa e calcinha e fui na ponta dos pés, até a sala de estar. Coloquei meu
vestido, peguei meus sapatos e abri a porta com cuidado, saí para o corredor e depois
silenciosamente, fechei a porta atrás de mim. Corri pelo corredor até o elevador, apertei
o botão e as portas se abriram imediatamente. Soltei um suspiro de alívio, quando
entrei.
Puxei meu cartão-chave da minha bolsa e silenciosamente, abri a porta do meu
quarto. Enquanto eu andava na ponta dos pés para dentro, a voz da minha irmã me
assustou.
"Você tem algumas explicações para fazer, irmãzinha", disse Geneva, enquanto
ligava o interruptor na parede e ficava ali com os braços cruzados.
"Por que você está acordada?" Eu sussurrei, para não acordar Lucas.
“Eu não conseguia dormir, porque estava preocupada com você. Onde diabos você
estava?"
"Com um cara." Eu sorri, enquanto guardava meus sapatos e minha bolsa.
“Eu meio que percebi isso. Que cara e por quê?”
“O nome dele é Elijah. Eu esbarrei nele, enquanto saía do banheiro. Ele me
encontrou sentada no bar, comprou minhas bebidas e depois fomos para a suíte dele.”
“Você transou com um cara, que conheceu no bar? Quem é Você?" Ela sorriu.
"Eu fiz, e foi incrível." Eu sorri “Oh, meu Deus, G, você deveria vê-lo. Ele não é
apenas lindo, ele é sexy como o inferno. Eu nunca coloquei os olhos em um homem tão
sexy, na minha vida. No minuto em que o vi, tive todos os sentimentos, se é que você
me entende.” Eu sorri, enquanto levantei minha sobrancelha.
"E o sexo?" ela perguntou.
"Surpreendente. Para ser honesta, eu nem pensei que era possível para o meu corpo,
reagir da maneira que reagiu, quando ele me tocou. ”
"O que está acontecendo?" Lucas bocejou, quando entrou na sala.
"Aspen fez sexo com um cara gostoso, que ela conheceu no bar e ela está me dando
os detalhes suculentos."
“Ugh. Eu vou voltar pra cama. Que bom que você está segura, Aspen. Vocês duas
percebem que temos um vôo para pegar, em quatro horas, certo?”
"Sim. Sim. Volte para a cama, mal-humorado” - Geneva falou, enquanto acenava
com a mão. "Eu quero ouvir mais." Ela sorriu, quando me agarrou e me levou para o
sofá.

##############

E lijah

Abri os olhos e vi o espaço vazio ao meu lado. Ela deve ter saído no meio da
noite. Por quê? Eu estava esperando uma última rodada com ela, antes de voltar para
Nova York.
"Bro, você está acordado?" Ouvi a voz de Nathan, quando ele bateu na porta.
Ao sair da cama, vesti a calça do pijama e abri a porta.
“Estou agora e tenho certeza que todos os outros neste andar, também estão. Entre.”
Quando fui fechar a porta, Mason parou com a mão.
“Vamos tomar um café da manhã. Estou faminto."
"Sim. Talvez sua nova amiga do bar, possa se juntar a nós”. Nathan sorriu.
"Ela se foi."
"Ela já foi embora?" Mason olhou para o relógio.
"Ela escapou no meio da noite."
“Droga, Elijah. Você está perdendo o jogo” - falou Mason. “As mulheres não
deixam você no meio da noite. Geralmente é o contrário.”
"Eu sei."
"Ela é um inferno para quem olha." Nathan sorriu.
"Sim. Ela é." Um leve sorriso, cruzou meu rosto. "Vou tomar um banho rápido e
depois podemos tomar o café da manhã."
Eu fiquei no chuveiro e deixei a água quente escorrer por mim, enquanto pensava
nela. A química sexual entre nós era incrível e diferente de tudo que eu já havia
experimentado antes. Nenhuma mulher tinha escapado de mim, no meio da noite, e eu
fiquei chateado porque ela o fez. Depois que terminei o banho, vesti algumas roupas e
saí correndo do quarto, abri a porta e olhei para os meus irmãos, que estavam ali.
“Que porra vocês estão esperando? Eu pensei que vocês estavam morrendo de
fome.”
"Bro, qual é o seu problema?" Perguntou Mason.
"Ele finalmente está percebendo, o quanto está chateado que a garota tenha saído no
meio da noite." Nathan riu.
“Fodam-se vocês dois. Vamos."

##############

A spen

Eu voei do Havaí, ontem à noite e hoje foi meu primeiro dia de volta ao trabalho,
desde a morte de meu pai. Congratulei-me com a distração, embora ainda tivesse muito
o que fazer.
"Você queria me ver, Charlie?" Eu perguntei, quando entrei no escritório do meu
chefe.
"Bem vinda de volta. Como vai você?"
"Estou bem." Sentei-me na cadeira em frente à sua mesa. "Sabe, eu esperava ver
muitos arquivos de casos na minha mesa, quando entrei."
“É sobre isso, que quero falar com você. Estamos transferindo você, para a Lei de
falências, a partir de hoje.”
"O que? Por quê?"
“Ouça, Aspen, serei honesto com você e não estou escondendo nada, porque eu a
respeito completamente. Você trabalhando diretamente para mim, está causando um
problema no meu casamento.”
"O que?" Soltei uma risada leve, porque pensei que ele estava brincando.
“Minha esposa não se sente confortável conosco, trabalhando juntos. Ela disse que
você é linda demais e tem problemas com isso.”
Fiquei ali, em choque e sem acreditar que essa conversa estava acontecendo.
“As inseguranças de sua esposa em seu casamento, não deveriam afetar meu
trabalho. Charlie, isso é ridículo.”
“Eu concordo, Aspen, mas não há nada que eu possa fazer. Se quero que meu
casamento permaneça intacto, tenho que fazer o que é melhor para ele. ”
Sou uma das suas melhores advogadas nesta firma. Sou advogada, não uma
escrituraria, atrás de uma mesa o dia todo. Eu não fui para Yale e me formei no topo da
minha classe, para fazer direito de falência. ”
“Eu sei disso e sinto muito. Eu realmente sinto. Mas preciso que você entenda minha
posição aqui.”
- “Sua posição é que você é um homem que traiu a esposa, há alguns anos e ela não
confia mais em você e nunca confiará. E por causa de suas infidelidades, minha vida
fica de cabeça para baixo? Não, obrigada, Charlie”. Eu levantei-me. “Não quero
trabalhar em uma empresa, em que a esposa do proprietário, dite quem pode e não
pode trabalhar aqui, com base em sua aparência. Eu desisto e processarei você e esta
empresa.”
“Vamos lá, Aspen. Não pule em nada do que se arrependa.”
"Arrepender?" Eu ri. “Você vai se arrepender de sua decisão. Você sabe melhor que
isso, Charlie. Faça um favor a si mesmo e apenas se divorcie. Ah, espere, você não vai,
porque isso custará muito dinheiro, entre metade da empresa, suas contas bancárias,
casas de veraneio e pensão alimentícia. Homem tipico." Balancei minha cabeça, quando
saí do escritório dele, peguei minhas coisas e saí dali.
Eu fiquei furiosa, tão furiosa, que não conseguia ver direito. No momento em que
entrei no carro, peguei meu telefone da bolsa e liguei para meu amigo Joe.
CAPÍTULO 6

A spen

"Não acredito, Aspen", disse Geneva, enquanto conversávamos no FaceTime.


"Agora estou sem emprego."
"Escute, não leve a mal, mas estou feliz que tenha acontecido."
"O que? Como você pode dizer isso?"
"Pense sobre isso por um minuto. Qual sempre foi o seu sonho, além de ir à
faculdade de direito?”
"Trabalhar para um escritório de advocacia de alto nível, na cidade de Nova
York." Eu sorri.
"Exatamente. Só que você não poderia fazer isso, porque ficou em casa para cuidar
do papai. Agora que ele se foi e você não tem emprego, o que a mantém aí em
Connecticut? Nada, é isso. Você tem eu e Lucas, em Nova York e queremos você
aqui. Você pode morar conosco, até encontrar um apartamento e conseguir um
emprego. Eu preciso de você aqui e você também precisa de mim. Admita. Não há mais
motivo, para ficar em Connecticut. Você até disse quando estávamos no Havaí, que
estava pensando em colocar a casa à venda. Faça isso e mude para Nova York. Comece
de novo. Você ama aqui.”
"Vou pensar sobre isso. Eu tenho muita coisa acontecendo agora. Deixe-me clarear
minha cabeça.”
"Bem, apresse -se." Ela sorriu. "Eu tenho que ir. Eu preciso participar de uma
chamada em conferência. Eu te amo."
"Eu também te amo, irmã."
Entrei na cozinha para lavar a louça do café da manhã e, enquanto as lavava e
carregava a lava-louças, pensei em Elijah. Um sorriso cruzou meus lábios, quando meu
corpo formigou com pensamentos de nossa noite mágica juntos. Era uma lembrança
agradável e fiquei feliz por tê-la. Eu admitiria que me arrependi de ter saído
furtivamente. Mais uma rodada com ele, teria sido a cereja no topo do bolo.
Uma batida na porta, me assustou da minha fantasia. Secando as mãos, abri a porta
e vi Ron parado lá. Instantaneamente, eu a fechei e comecei a me afastar, quando a ouvi
abrir novamente e ele entrou.
"Que parte da porta batendo na sua cara, você não entendeu?" Eu falei, quando me
virei.
“Aspen, eu só quero conversar. Não gosto da maneira, como deixamos as coisas.”
- “Que pena, Ron. Eu amo o jeito que deixamos as coisas e o jeito que meu sapato
bateu em você, quando você saiu pela porta. Agora por favor, saia.”
"Não. Não até você ouvir, o que tenho a dizer.”
“Você me traiu e terminou comigo, no funeral do meu pai. Você nem teve a decência
de esperar outro dia. Não quero ouvir nada, que você tenha a dizer.”
"Eu sei. Eu sou um idiota. Um imbecil enorme e me desculpe.”
"Bem. Você está arrependido”. Revirei os olhos, quando entrei na cozinha e limpei
os balcões.
"Você quer saber o verdadeiro motivo, pelo qual eu terminei com você?"
"Esclareça-me, por favor", eu disse.
“Porque você me afastou. Você nunca deu tempo para nós. Você sempre esteve
ocupada com seus casos e cuidando de seu pai. Merda. Eu tinha sorte se tivéssemos
relações sexuais, a cada duas semanas. Eu esperava que as coisas mudassem, mas não
mudaram. Eu também tenho necessidades.”
"E você satisfez essas necessidades, com outra pessoa."
“Escute, você é uma mulher incrível, mas nunca me deixa entrar. Não
completamente. Você me disse naquele dia, que me deu seu coração. Não, você não fez,
Aspen. Às vezes eu me sentia um estranho para você.”
Suspirei enquanto colocava o pano no balcão, entrei na sala e me sentei no sofá.
"Por que você está me dizendo tudo isso, Ron?"
"Porque eu amo você. Eu sempre vou amar e só quero que você seja feliz. Eu acho
que você me amava também, mas era apenas como amigo”. Ele se sentou ao meu lado.
Eu tinha vergonha de admitir, que ele estava certo.
"Eu sinto Muito." Eu deitei minha cabeça em seu ombro. "Eu não quis fazer você se
sentir assim."
"Está bem. Percebi que isso não estava nos cartões e sei que você também
sabia. Provavelmente mais cedo do que eu. Mas isso não significa, que não podemos ser
amigos.”
"Gostaria disso." Eu sorri, quando levantei minha cabeça do ombro dele. "Eu tenho
algumas noticias."
"O que?"
"Vou realizar meu sonho e trabalhar para um escritório de advocacia de alto nível,
em Nova York."
"Você está se mudando?"
"Sim. Eu acho que estou. Não há mais razão, para eu ficar em Connecticut e quero
estar perto de Geneva e Lucas. Está na hora de colocar meu plano em ação.”
“Sentirei sua falta, mas estou feliz por você. Você vai se sair muito bem, em Nova
York”. Ron sorriu, enquanto beijava o lado da minha cabeça. "É melhor eu ir."
Nós dois nos levantamos e fomos em direção à porta.
"Ron?"
"Sim?"
"Obrigado por vir e me dizer a verdade."
"Seja bem-vinda. Boa sorte e prometa que ficará em contato.”
"Eu vou." Eu sorri quando ele saiu pela porta.
"Parece que estou me mudando para Nova York", eu disse em voz alta, enquanto
ligava algumas músicas e começava a dançar.

#############

Uma semana depois

E U

estava do lado de fora do escritório de advocacia, com dois envelopes legais na minha
mão. Respirando fundo, entrei e fui direto para o escritório de Charlie.
"Eu sabia que você voltaria, depois de se acalmar." Ele sorriu. "Sente-se e vamos
conversar."
"Sim, vamos conversar." Eu sorri, quando coloquei o primeiro envelope em sua mesa
e deslizei para ele.
"O que é isso?" Ele pegou e abriu. "Você está falando sério, sobre me processar?"
"Eu ainda não apresentei, porque sei que podemos chegar a um acordo monetário,
como dois bons advogados."
- “Você não está ganhando um centavo, Aspen. Vou contratá-la de volta, para o
departamento de falências. É pegar ou largar. Mas é só isso, que você está recebendo.”
"É assim mesmo? Você não está nem um pouco curioso, sobre o que há neste
envelope?” Eu segurei.
Ele se mexeu nervosamente na cadeira.
"Deixe-me te mostrar." Sorri quando tirei as fotos dele e de uma mulher que não era
sua esposa, entrando em um hotel, abraçados um ao outro.
“Que porra é essa! Onde voce comprou isso?"
“Eu tenho minhas fontes. Você deveria saber disso. Eu me pergunto o que sua
esposa diria, se isso aparecesse na sua caixa de correio. Ou melhor ainda, se eu entregá-
los em mão durante o dia, enquanto você estiver aqui no escritório.”
"Você não ousaria."
“Na verdade, eu faria. Você estava disposto a atrapalhar minha vida e tirar um
emprego que eu amo, porque sua esposa não pode confiar em você, perto de mulheres
bonitas. E por uma boa razão, pela aparência dessas fotos. Desde que você foi tão
honesto comigo, sobre as exigências dela, deixe-me ser honesta com você. Esta mulher
com quem você está, não tenho certeza do que vê nela, mas sua esposa é muito mais
bonita.”
"O que você quer, Aspen?" ele fez uma careta.
“Um salário de um ano, mais meu bônus. Depois que eu conseguir, você pode
rasgar o processo. Quanto às fotos, são suas e você não me verá mais.”
"Como eu sei, que você não tem cópias?"
"Você tem minha palavra. Eu só quero acabar com isso, para que eu possa seguir em
frente. O que você fez foi errado.”
Ele olhou para mim, quando se recostou na cadeira. Eu podia ver as rodas girando
em sua cabeça. Ele não tinha escolha e sabia disso.
"Bem. Eu volto já." Ele suspirou, quando se levantou da cadeira e saiu do escritório.
Cerca de quinze minutos depois, ele voltou e me entregou um envelope branco. Abri
e tirei o cheque que me era pago, em um montante fixo.
"Obrigada." Entreguei-lhe as fotos. "Foi um prazer trabalhar para você, Charlie." Eu
sorri.
"Apenas vá embora, Aspen." Ele balançou sua cabeça.
CAPÍTULO 7

E lijah

"Como está indo o caso de Cox?" Minha mãe perguntou, quando entrou no meu
escritório.
"Bom. Vamos a julgamento, na próxima semana.”
"Excelente. O que você achou da nossa última candidata à entrevista? Qual é mesmo
o nome dela?" Ela inclinou a cabeça.
"Angélica." Eu sorri. "Eu pensei que ela era ótima."
"Porque você estava pensando com a cabeça errada." Ela ergueu a sobrancelha.
Suspirei, quando me recostei na cadeira.
"Eu senti que nenhum deles era adequado, para a empresa", ela falou.
"O que havia de errado com Angélica?"
“Além do fato de que ela se formou, na parte inferior da classe, todo tipo de
coisa. Você teria notado, se tivesse verificado o currículo dela, em vez de verificar seus
seios.”
“Pelo amor de Deus, mãe. Como se você fosse alguém para conversar. Estou
surpreso que você não tenha oferecido esse trabalho ao Jaden. Vi como você o estava
olhando, como um cachorrinho apaixonado.”
"Eu sei." Ela sorriu. “Por mais bonito que ele fosse, seu currículo não estava à altura
desta empresa. De qualquer forma, temos alguém chegando amanhã, às dez da manhã,
para uma entrevista. Ela é de Connecticut. Verifique se você está disponível.”
"Eu estarei lá."
"Não esqueça que o jantar em família, é hoje às sete."
"Eu não esqueci."

###########
D esci do táxi ,que parou na calçada da casa da minha mãe, na rua 92

leste. Abrindo a porta da frente, entrei e o cheiro da lasanha caseira, se infiltrava no


ar. Entrando na cozinha, eu a encontrei curvada sobre o forno, enquanto Nathan fazia a
salada e Mason colocava a mesa.
- “Desculpe, estou alguns minutos atrasado. Fiquei no escritório e o tráfego era
terrível. ”
"Tudo bem, querido." Minha mãe sorriu. "Vocês garotos bebam algo e sentem-se à
mesa."
Fui até o bar e servi três uísques. Um para mim e cada um dos meus irmãos. As
noites de quinta-feira, eram sempre jantar em família e tínhamos que ter certeza de que
estávamos disponíveis. Exceto Nathan, com seus horários de voo. Mas quando ele
estava em casa, ele nunca perdia uma refeição. Na maioria das vezes, minha mãe
cozinhava e, quando não sentia vontade, íamos a um restaurante. A regra era que o
jantar em família, era apenas para nós quatro, independentemente de estarmos vendo
alguém. Sempre fomos só nós. Meu pai decolou quando Mason nasceu, deixando
minha mãe como mãe solteira. Eu tinha quatro anos quando ele saiu e realmente não
me lembro muito dele.
"Então, Nathan, você começa", minha mãe falou. "O que está acontecendo na sua
vida?"
“Nada demais, mãe. Apenas viajando de um lugar para outro, como sempre.”
"Você está vendo alguém?" ela perguntou.
"Algumas mulheres aqui e ali." Ele sorriu.
"E você, Mason?"
"Mesmo. Algumas mulheres aqui e ali.”
"Como está a vida no quartel dos bombeiros?"
“Está boa, mãe. Apagando muitos incêndios.”
“Bem, você sabe como me sinto, sobre sua linha de trabalho. É perigoso."
"É uma adrenalina pura." Ele sorriu. "E você não acha que o trabalho de Nathan é
perigoso, como piloto?"
"Sim, eu acho. Eu me preocupo com vocês, todos os dias.”
“Vamos mãe. Você não se preocupa com Elijah?" Nathan perguntou.
“Ele é advogado, Nathan. Não preciso me preocupar com ele. Agora, quero ouvir
tudo sobre sua viagem ao Havaí.”
"Cuidado, mãe." Nathan sorriu. "Esse é um assunto delicado para Elijah."
"Cale-se!" Eu joguei um rolo nele.
"Por quê? O que aconteceu?" ela perguntou.
“Elijah conheceu uma garota gostosa, quente, no bar do hotel e a levou para sua
suíte. Ela escapou no meio da noite. Adeus. Nenhuma nota. Nada." Mason riu.
"Ele estava tão chateado no dia seguinte, que descontou em nós", disse Nathan.
"Eu não. Não dê ouvidos a eles.”
"Por que ela escaparia assim, querido?"
“Como diabos eu sei? Pedi-lhe para passar a noite e ela concordou. Acordei na
manhã seguinte e ela se foi.”
“Bem, isso não importa. Você sabia, que nunca mais a veria.”
"Sim, mas com certeza machucou seu ego", Nathan falou rindo.
Suspirei, enquanto tomava minha bebida.
"Acontece. Eu já fiz isso antes. Agora deixe Elijah em paz.”
Depois que terminamos de comer, nós três ajudamos a limpar e então era hora de
partir.
"Obrigado pelo jantar, mãe." Nathan beijou sua bochecha.
- “De nada, querido. Tenha um voo seguro amanhã.”
“Obrigado mãe. Eu te amo” - disse Mason, enquanto beijava sua bochecha.
"Eu também te amo, Mason."
"Tchau mãe. Obrigado pelo jantar. Vejo você de manhã”. Eu beijei sua bochecha.
Assim que saí do elevador e entrei no saguão da minha cobertura, tirei meu paletó e
me servi de uma bebida. Toda aquela conversa sobre o Havaí, me fez pensar nela
novamente. Droga. Eu não precisava pensar nela. Eu tinha trabalho a fazer e um caso
para me preparar.
CAPÍTULO 8

A spen

Cheguei a Nova York e peguei um táxi, para o apartamento da Upper East Side, de
minha irmã. Ela não tinha ideia de que eu estava vindo e muito menos me mudando
para cá. Quando ela me perguntou outro dia, se eu tinha tomado minha decisão, eu
disse a ela, que ainda estava pensando nisso, porque queria surpreende-la e a Lucas.
Donnie, o porteiro, sorriu enquanto mantinha a porta aberta, e eu enrolava minhas
duas grandes malas, com minha bolsa de mão, presa à maçaneta.
"É maravilhoso vê-la novamente, Aspen."
“Obrigada, Donnie. É bom ver você também.”
"Sua irmã não me disse, que você estava vindo para uma visita."
“Ela não sabe. É uma surpresa. E eu não estou visitando desta vez. Eu me mudei
oficialmente para cá.”
“Excelentes notícias!” Ele sorriu, quando apertou o botão do elevador.
As portas se abriram e eu entrei, subindo até o décimo primeiro andar. Eu fiquei na
frente da porta do apartamento dela, bati levemente e esperei ansiosamente, que ela
abrisse.
"OH, MEU DEUS!" ela gritou quando pulou para cima e para baixo, antes de me
abraçar com força. “Lucas, Aspen está aqui! Diga-me que você está aqui, para ficar.”
"Eu estou aqui para ficar." Eu sorri
"Bem-vinda a Nova York, Aspen." Lucas beijou minha bochecha e pegou minha
bagagem de mim.
"Eu não posso acreditar que você está aqui e você não me disse, que com certeza
estava se mudando", Geneva falou, enquanto me entregava uma taça de vinho.
“Queria que fosse uma surpresa. Adivinha?"
"O que?"
"Eu tenho uma entrevista de emprego amanhã."
“Oh, meu Deus, já? Onde?"
"Wolfe & Associates na East 82nd Street." Eu sorri
"Você está falando sério? Eles são um dos maiores escritórios de advocacia, de Nova
York. ”
"Eu sei. Me chocou, quando eles ligaram.”
"E se você não conseguir o emprego?" ela fez beicinho.
“Existem milhares de escritórios de advocacia aqui. Vou continuar me inscrevendo.”

###############

E ntrei pelas portas do prédio, na East 82nd Street e peguei o elevador até o 37º

andar. Quando as portas se abriram, pisei no piso de mármore em mosaico preto e


branco e uma jovem loira, sentada atrás de uma mesa de mogno, me cumprimentou.
"Posso ajudar?" Ela sorriu alegremente.
"Estou aqui para uma entrevista com Caitlin Wolfe."
"Você é, Aspen Michaelson?"
"Sim."
"Sente-se, por favor, e eu avisarei a assistente dela, que você está aqui."
Sentei-me no sofá alongado, cruzei as pernas e bati nervosamente o pé. A empresa
em que trabalhei em Connecticut era grande, mas isso - era maior e melhor.
“Olá, senhorita Michaelson, sou Amy, assistente da sra. Wolfe. Siga-me e vou levá-la
ao escritório dela. Posso pegar um café ou água para você?”
“Não, obrigada. Eu estou bem."
Ela me levou pelo corredor, até que paramos na frente de uma grande porta de
mogno. Colocando a mão na maçaneta, ela lentamente abriu e anunciou minha
chegada.
"Senhorita Michaelson está aqui, para a entrevista", ela falou.
"Excelente. Mande-a entrar.”
No momento em que entrei, a mulher atrás da mesa se levantou e o homem sentado
na cadeira em frente à mesa dela, virou a cabeça e olhou para mim. Engoli em seco,
quando nossos olhos se encontraram e uma sensação de mal estar na boca da barriga,
emergiu.
Oh Deus. Minha estada de uma noite no Havaí estava lá e provavelmente me acharia uma
prostituta.
“Srta. Michaelson, é um prazer conhecê-la. Sou Caitlin Wolfe”. Ela estendeu a mão,
enquanto se aproximava de mim.
"Prazer em conhecê-la." Coloquei minha mão na dela.
“Este é meu filho, Elijah. Ele estará na entrevista conosco.”
Ele se aproximou com um pequeno sorriso nos lábios e estendeu a mão para mim.
"Prazer em conhecê-la, senhorita Michaelson." Ele inclinou a cabeça.
"O prazer é todo meu, Sr. Wolfe."
Ele estava fingindo que nunca nos conhecemos, e eu precisava ir junto.
"Por favor, sente-se." Ele gesticulou.
O nervosismo que eu já havia sentido, aumentou, quando me sentei ao lado dele.
"Devo dizer que estou muito impressionada, com o seu currículo", falou
Caitlin. “Vejo que você é de Connecticut. Devo assumir que você está se mudando para
Nova York?”
"Eu já me mudei. Cheguei ontem e vou ficar com minha irmã, até encontrar um
apartamento.”
Ela balançou a cabeça lentamente , enquanto segurava meu currículo em suas mãos.
"Você é graduada em Yale com honras e trabalhou anteriormente, para Charlie
Connors."
"Sim." Olhei para Elijah, que estava olhando para mim.
"Por que você deixou a empresa dele?"
“Eu sempre quis trabalhar, para uma grande empresa em Nova York. Esse era o
meu plano, quando me formei em Direito, mas meu pai ficou doente e eu fiquei em
Connecticut, para cuidar dele. Minha irmã e seu marido já estavam aqui, então eu
realmente não tive escolha. ”
“Isso é muito admirável da sua parte. Espero que meus meninos, façam o mesmo
por mim.” Ela sorriu para Elijah. “Há uma coisa que está me incomodando. Tenho uma
amiga que trabalha no departamento tributário da Connors, Platt & Associates, então
liguei para ela. O nome dela é Mariana. Talvez você a conheça?”
"Sim. Eu conheço Mariana.” Eu sorri nervosamente.
“Ela me disse que você desistiu abruptamente, sem aviso prévio. Ela disse que viu
você saindo do escritório do Sr. Connor, no dia em que você foi embora. Gostaria de
explicar por quê?”
Maldita seja ela.
"Senhor Connors e eu, tivemos um desacordo.”
"Então você acabou saindo, por causa de um desacordo?" Ela ergueu a sobrancelha.
"Qual foi o desacordo?" Elijah perguntou.
"Eu preferiria não dizer." Mordi meu lábio inferior, enquanto olhava para minhas
mãos.
“Senhorita Michaelson, você está enfrentando outros candidatos, para o único cargo
que temos aberto. Preciso de sua total honestidade, se você quiser que eu a considere” -
falou Caitlin. “Abandonar abruptamente seu emprego anterior, sem aviso prévio, não
parece bom. Fala muito pouco do seu profissionalismo. Como vou saber, que você não
faria o mesmo aqui, se a contratássemos e tivéssemos um desacordo?”
“Está bem então.” Ela já achava que eu não era profissional, então não teria nada a
perder, contando a verdade. Aparentemente, Mariana já estragou tudo para
mim. Coloquei minhas mãos nos braços da cadeira e me levantei do meu assento.
"Bem. Você quer saber, por que eu parei? Porque eu sou muito bonita.”
"Desculpe?" Ela e Elijah, falaram ao mesmo tempo.
Andei pelo escritório dela. Não era profissional, mas eu não estava conseguindo o
emprego, de qualquer maneira. Especialmente, desde que eu dormi com Elijah no
Havaí. Eu tinha certeza, que ele cuidaria disso.
“A esposa de Charlie disse a ele, que eu era bonita demais, e ela não se sentia
confortável conosco, trabalhando juntos. Então ele decidiu me transferir para a lei de
falências. Sou uma boa advogada e não mereço isso, por causa das inseguranças de sua
esposa. Não é minha culpa, que ele seja um trapaceiro, e ela não confia nele.”
"Interessante." Caitlin sorriu. “Sente-se e me conte mais. O que você disse a ele?"
“Eu disse não e que seus problemas no casamento, não tinham nada a ver
comigo. Ele não se importou e disse que precisava fazer o que sua esposa dizia, por
causa de seu casamento, então eu desisti”.
"E você acabou de deixar por isso?" Elijah perguntou.
"Não. Eu preparei a papelada, para uma ação judicial.”
"Você registrou?" Caitlin perguntou.
"Não. Fiz outra rota primeiro.”
"E foi isso?" Elijah perguntou.
“Eu o segui uma noite, porque sabia que ele estava traindo a esposa
novamente. Algumas fotos apareceram dele e de outra mulher, entrando em um
hotel. Trouxe o processo e lhe disse que não entraria, se elaborássemos um acordo
monetário. Ele riu e disse que não, então eu entreguei as fotos.”
"Isso é bom." Caitlin sorriu. "Então o que?"
Ele entrou em pânico. Então eu disse a ele, que queria um ano de salário, mais o meu
bônus e depois sairia silenciosamente, e as fotos ficariam com ele. ”
"Então você o chantageou?" Elijah perguntou.
"Eu fiz. Não tenho vergonha e não vou me desculpar por isso. O que ele fez foi
errado."
"Você é um pouco cuspidora de fogo." Caitlin sorriu. “O que você fez foi antiético,
mas, para ser sincera, eu provavelmente teria feito a mesma coisa, se estivesse no seu
lugar. Isso era arriscado e ser uma boa advogada, envolve correr riscos. Senhorita
Michaelson, acredito que você é exatamente, o que esta empresa precisa. Há momentos
em que essa empresa fica suja. Apenas pergunte a Elijah”. Ela sorriu. "Ele é o mestre
nisso."
Olhei e dei um pequeno sorriso.
"Então, se você estiver interessada em trabalhar para nós, o trabalho é seu e você
poderá começar amanhã." Ela sorriu.
"Obrigada, senhora Wolfe."
“É Srta. E me chame de Caitlin. Elijah vai te mostrar por aí. Planeje estar aqui,
amanhã de manhã, às oito da manhã. Agora, se vocês me dão licença, eu tenho um
almoço com um cliente. Bem-vinda à Wolfe and Associates, Srta. Michaelson. Eu sei que
você vai se encaixar muito bem.” Ela estendeu a mão.
“Obrigada novamente, Caitlin. Estou ansiosa, para trabalhar com você." Eu sorri.
Ela saiu do escritório e me deixou ali sozinha com Elijah.
"Bem, isso é uma surpresa", eu disse, enquanto olhava para ele.
“Certamente é. Não fazia ideia, de que você era advogada”.
“E eu não tinha ideia, de que você também era um. Não é como se realmente
tivéssemos conversado, naquela noite. ”
"Não. Nós não conversamos”.
CAPÍTULO 9

E lijah

Eu não podia acreditar que ela estava em pé, na minha frente, e eu não podia
acreditar, que minha mãe a contratou. Merda. Ela estava tão bonita diante de mim,
como na noite em que a vi pela primeira vez, no Havaí. Mas, independentemente da
aparência dela, ainda me irritava, que ela tivesse escapado no meio da noite.
"Isso vai ser estranho?" ela perguntou. "Eu não quero que as coisas sejam estranhas
entre nós."
"O que? O fato de termos transado uma noite no Havaí, com a noção de que nunca
mais nos veríamos? Sim, é meio estranho, mas teremos que superar isso. Eu quero
deixar algo muito claro. O que aconteceu entre nós no Havaí, foi algo único e não
acontecerá novamente. Me compreende?"
"Isso é tão estranho." Ela inclinou a cabeça para mim.
"O que?"
“Eu só estava lhe dizendo, a mesma coisa. Eu tenho regras sobre namoro, no local de
trabalho. ”
"Ninguém disse nada, sobre namoro."
"Eu sei. A mesma regra se aplica ao sexo.”
"Bom. Agora que tiramos isso do caminho, eu mostrarei a você o escritório e
apresentarei sua secretária.”
Saí do escritório e ela me seguiu, quando a apresentei à equipe e a levei ao seu
escritório.
“Colleen, gostaria que você conhecesse sua nova chefe, Aspen Michaelson. Aspen,
esta é Colleen, sua secretária.”
"Prazer em conhecê-la, senhorita Michaelson." Ela sorriu.
- “Prazer em conhecê-la, Colleen. Por favor, me chame de Aspen.”
"Aspen começará amanhã de manhã, então verifique, se está tudo pronto para ela."
"Eu irei, Elijah."
Ficamos no escritório dela e ela olhou em volta.
“O tribunal está a uma curta distância daqui. Quando minha mãe começou esta
firma, ela fez isso, com a intenção de que tivéssemos acesso rápido e fácil, ao prédio do
tribunal. ”
"Mulher inteligente." Ela sorriu.
“Ela é muito inteligente. Agora, se você me der licença, preciso voltar ao
trabalho”. Puxei meu telefone do meu bolso. “Eu preciso do seu número de
telefone. Todos nós trabalhamos em estreita colaboração e, como você estará
trabalhando diretamente comigo, devo poder contatá-la, o tempo todo. “
"Sim. Claro."
Enquanto ela falava, eu salvei e enviei uma mensagem de texto para ela. “Acabei de
enviar uma mensagem, para você ter meu número. Vejo você amanhã de manhã.”
Voltei para o meu escritório e Marie me seguiu para dentro.
"Ela é uma mulher bonita, Elijah." Ela sorriu.
"E? Qual é o seu ponto, Marie?” Eu perguntei com irritação.
"Apenas dizendo que você precisa se importar com suas maneiras."
"Muito tarde. Essa é a mulher com quem dormi no Havaí.”
"Aquela que escapou no meio da noite?"
"Sim."
“Oh. Isso vai ser bom”. Ela sorriu, quando saiu do meu escritório.
Suspirei, quando abri o arquivo na minha mesa.

###########

O lhei para cima e vi minha mãe passando, pelo meu escritório.

"Mãe, você pode vir aqui por um momento?" Eu gritei.


"O que é, Elijah?" ela perguntou com um sorriso.
"Feche a porta, por favor." Coloquei minha caneta na mesa e me recostei na
cadeira. "Quero discutir a contratação de Aspen Michaelson."
"O que há?" ela perguntou, enquanto se sentava do outro lado da minha mesa.
“Você foi muito rápida em contratá-la, sem sequer discutir comigo primeiro. Você
nunca fez isso antes. Normalmente você dispensa o candidato em potencial e depois
discutimos. Sempre tomamos uma decisão conjunta. ”
"Você tem algum problema com Aspen?" Ela levantou a sobrancelha.
Olhei para baixo, peguei minha caneta e brinquei com ela, hesitando com a minha
resposta.
"Não. Essa não é a questão."
“Sinceramente, não vejo qual é o problema, Elijah. Aspen é uma mulher bonita e
inteligente. Não me diga, que você se oporia a contratá-la.”
"Eu teria dito não."
"Por quê?" Ela riu. “Você nem a conhece. Espere um pouco, você a conhece?” Seu
olhar constantemente estreitado fixou em mim. “Vi sua reação, quando ela entrou pela
porta. Eu também notei, o jeito que ela ficou olhando para você. E não foi do jeito
'eu acho que você é sexy e gostoso', era como se ela conhecesse você. Não minta para sua
mãe, Elijah. Eu te ensinei melhor que isso.”
"Bem!" Joguei minha caneta sobre a mesa. "Ela é a mulher que eu conheci no Havaí."
"A mulher que escapou de você, no meio da noite?"
"Sim."
Ela começou a rir, quando se levantou da cadeira e foi em direção à porta.
“Eu sabia que gostaria dela. Supere isso, Elijah, e mantenha seu ego fora do
escritório. Guarde para o tribunal.” Ela abriu a porta e saiu.
CAPÍTULO 10

A spen

Saí do prédio, coloquei minha mão na minha barriga e soltei o maior suspiro da
minha vida. Isso não era possível, mas aconteceu. Se eu pensava que ele era sexy como
o pecado no Havaí, ele estava ainda mais sexy, naquele maldito terno de grife que
usava. Merda. No momento em que o vi, meu corpo tremeu instantaneamente,
lembrando o que ele havia feito comigo, naquela noite. Merda. Merda. Merda.
Quando o táxi parou no prédio de apartamentos de Geneva e eu saí, Donnie abriu a
porta para mim.
"Como está seu dia, Aspen?"
"Eu consegui um emprego." Eu sorri
"Parabéns. Aonde?"
"Escritório de advocacia Wolfe & Associates".
"Uau. Eles são uma das maiores empresas de Nova York. ”
"Eu sei. Agora que estou segura, preciso procurar um apartamento.”
"Acho que hoje pode ser seu dia de sorte." Ele sorriu. “A unidade 402, acabou de
abrir. Se eu fosse você, iria direto ao escritório e conversaria com Charlene.”
"Oh meu Deus. Eu adoraria morar aqui. Eu vou vê-la agora. Obrigada, Donnie”. Eu
sorri, quando beijei sua bochecha.
Conversei com Charlene, e ela me levou para o apartamento 402, para um passeio.
"Esta é uma unidade de dois quartos e 2 banheiros", ela falou quando entramos.
O apartamento inteiro era branco. Paredes brancas, cozinha branca e piso de
carvalho branco, por toda parte. Era perfeito, até as bancadas de quartzo branco na
cozinha e o piso de mármore no banheiro. Mas a única coisa que me vendeu
imediatamente sobre o apartamento, foram as enormes janelas personalizadas de dois
metros e meio, por todo o lugar.
"Eu vou levar." Eu sorri
"Excelente. Vamos voltar para o escritório e vou começar a papelada. Depois de
aprovado, você pode se mudar.” Ela sorriu.
Meu segundo dia em Nova York e minha vida já estava em alta. Exceto pelo fato de
que eu estaria trabalhando para Elijah Wolfe. Um homem que fazia meu interior
queimar de desejo, toda vez que eu o via.
Fui ao apartamento de Geneva, servi-me de uma taça de vinho e me sentei no
sofá. Tudo o que eu conseguia pensar era sobre ele e como seria estranho, trabalhar no
escritório de advocacia, onde eu o veria e interagia com ele, todos os dias. Ele estava
diferente. Ele parecia meio frio e quase como se não pudesse se afastar de mim, rápido o
suficiente. Minha regra sobre namoro no local de trabalho, era falsa. Eu só disse isso,
por causa do que ele disse, que o sexo nunca mais aconteceria entre nós. Ele não gostou
que sua mãe me contratou. Isso eu poderia dizer. Ah, bem. Ele teria que superar isso,
porque eu não estava indo a lugar algum. Eu não deixaria-o esmagar o meu sonho.
O toque do meu telefone me assustou e, quando atendi, a voz de Charlene estava do
outro lado.
"Olá."
“Aspen, é Charlene. Parabéns, você foi aprovada para o apartamento. Tudo o que eu
preciso que você faça é descer, para sua conveniência, assinar o contrato e pagar o
aluguel e o depósito de segurança do primeiro mês, e entregarei suas chaves.
“Isso é ótimo, Charlene. Posso descer agora?”
"Claro. Estarei esperando."
Fiz uma dança alegre, quando terminei meu vinho, peguei minha bolsa e meu talão
de cheques e fui para o escritório de Charlene.

############

P rocurei na loja de móveis e peguei todos os móveis novos para meu

apartamento. Enquanto eu estava na seção do quarto, meu telefone tocou e Geneva


estava ligando.
"Olá."
"Onde você está? Não tenho notícias suas, o dia todo.”
"Estou executando algumas tarefas."
“O que aconteceu na entrevista? Eu esperava uma ligação ou uma mensagem de
texto.”
"Eu estarei em casa em breve, e eu vou lhe contar tudo sobre isso."
“Bem, se apresse . Lucas está cozinhando sua famosa massa com almôndegas.”
"Eu vou. Estou apenas terminando. Falo com você em breve."
Depois de concluir minha compra de móveis e agendar a entrega, voltei para o
apartamento.
"Querida, estou em casa", anunciei, quando entrei pela porta.
"Oh, meu Deus. Onde você esteve? Não vejo sacolar em suas mãos. O que diabos
você tem feito, o dia todo?” Perguntou Geneva.
Tirei os sapatos, enfiei a mão na bolsa e tirei as chaves da minha nova casa.
"Eu tenho um apartamento hoje." Eu sorri
"Já?" Ela me deu um olhar irritado. "Onde? Espero que esteja em algum lugar por
perto.”
"Sim." Eu continuei a sorrir. “De fato, está bem aqui no prédio. Unidade 402. "
Ela me agarrou, enquanto gritava e nós duas pulavamos para cima e para baixo.
"Quando? Eu não sabia que uma unidade estava disponível. Eu tenho verificado.”
“Aparentemente, acabou de abrir hoje. Donnie me disse, quando voltei da minha
entrevista.”
"Parabéns, Aspen." Lucas sorriu, quando beijou minha bochecha e me entregou uma
taça de vinho.
"Obrigada, Lucas."
“E a entrevista? Como foi?"
"Eu começo amanhã!"
"Ah!" ela gritou de novo.
"Por mais emocionante que seja, há um problema com isso", falei, enquanto me
sentava à mesa.
"O que?"
"Elijah trabalha lá, e eu vou trabalhar para ele."
Ela se sentou à minha frente, com um olhar perplexo no rosto.
"Quem é Elijah?"
"Eu acredito que ele é o cara do Havaí", Lucas entrou na conversa.
"O que?!" Geneva exclamou. “Oh, Aspen. Droga. Isso deve ter sido um choque.”
"Para dizer o mínimo." Eu apunhalei uma almôndega com meu garfo. "Confie em
mim. Ele ficou tão chocado quanto eu. A mãe dele, Caitlin Wolfe, é dona da empresa”.
"Então, o que ele disse para você?"
"Ele me disse que o que aconteceu no Havaí, foi algo único e nunca mais aconteceria
novamente". Eu sorri, enquanto empurrava uma almôndega na minha boca. "Ele só
queria deixar isso muito claro."
“Que pau. Como você respondeu?”
"Eu disse a ele, que concordava, porque tenho uma regra sobre namoro no
escritório".
"Você não tem essa regra."
"Eu sei. Mas eu não o deixaria pensar, que estava no controle.”
CAPÍTULO 11

E lijah

Saí do escritório e fui ao lado, no bar de Rudy, onde encontrei Mason para tomar
uma bebida.
"Ei, Elijah." Hanna, a barman flertou. "O de sempre?"
"Hanna". Eu assenti. "Sim. Eu estarei naquela mesa, com meu irmão.”
Ela me deu um sorriso e uma piscadela, e eu fui até onde Mason estava sentado.
"Ei, mano", disse ele, enquanto tomava um gole de sua bebida.
"Você nunca vai acreditar, no que aconteceu hoje."
Hanna se aproximou e colocou meu uísque na minha frente.
"Obrigado, querida." Eu pisquei para ela.
Mason e eu assistimos, enquanto ela se afastava, em sua curta saia preta apertada,
que mal cobria sua bunda.
"O que aconteceu?" Perguntou Mason.
"Mamãe contratou uma nova advogada para a empresa, hoje." Peguei meu copo.
"E?" A testa dele arqueou.
"Ela contratou Aspen Michaelson."
"Devo saber quem tem esse nome?"
“Aspen? Toca alguns sinos?”
"Merda. Não é a mulher com quem você dormiu, no Havaí?”
"Sim. A própria." Joguei de volta minha bebida.
"Droga." Ele riu. "Eu não sabia, que ela era advogada."
"Eu também não. Mamãe a amou. Ela a contratou na hora.”
"Você está fodido." Ele sorriu, quando apontou o dedo para mim. "Você disse a ela,
que não apreciou-a se esgueirando no meio da noite?"
"Não. Mas eu disse a ela, que o que aconteceu entre nós foi algo único e nunca mais
aconteceria novamente. ”
"O que ela disse sobre isso?"
"Ela concordou e me disse que tem regras, sobre namoro no escritório".
Eu terminei minha bebida, e Hanna me serviu, enquanto eu segurava meu copo
vazio.
“Ela é linda e inteligente. Como você vai lidar com isso?” ele perguntou.
“Eu vou lidar com isso, como sempre faço. A única coisa entre nós no Havaí, eram
os lençóis da cama. Ela foi uma ótima foda, e foi isso. Nada mais que uma estranha, que
conheci no bar do hotel.”
“Ela não é mais uma estranha, Elijah. Ela é sua funcionária agora. Veja, é sempre por
isso que, quando você viaja, tem de descobrir de onde a garota é. Talvez se você
soubesse que ela era de Nova York, não teria dormido com ela.”
“Ela não é de Nova York. Ela é de Connecticut e acabou de se mudar para cá,
ontem.”
"Droga. Quais são as hipóteses?" Ele balançou a cabeça, enquanto terminava a
bebida.
Levantei da minha cadeira e dei um tapinha nas costas dele.
"Eu tenho que ir. Eu tenho que me preparar para um fechamento, amanhã.”
Saí do bar e fui para casa. Sentando-me no meu escritório, abri meu laptop e
procurei por Aspen Michaelson. Sua foto apareceu como associada, em seu escritório de
advocacia anterior. Eu olhei para ela e não conseguia tirar as imagens da nossa noite, da
minha cabeça. Comecei a ficar duro, tão duro, que eu precisava liberar a sensação
latejante, que se enchia dentro de mim. Quando terminei, fechei meu laptop, peguei
meu bloco de notas e o levei para a sala de estar. Depois de me servir de uísque,
comecei a trabalhar no meu argumento final para o tribunal, amanhã. Eu não tinha
certeza, de como lidaria com Aspen amanhã.
CAPÍTULO 12

A spen

Havia algo a ser dito, sobre o simples ato de dançar. Não apenas liberava endorfinas
de bem-estar, que faz uma pessoa se sentir viva, mas também estimulava a
confiança. Minha mãe me disse que eu dançava no seu ventre e nunca parei, mesmo
depois que nasci. Eu estava dançando, minha vida inteira. Eu não estava falando sobre
dança profissional ou tendo aulas de dança. Eu estava falando sobre dança
livre. Sempre e onde eu precisasse. Descobri aos oito anos de idade, que a dança
desempenhava um papel significativo na minha vida. Isso me acalmava e limpava
minha cabeça, quando eu estava estressada, nervosa ou deprimida, com alguma coisa.
Eu tinha conseguido o papel principal, em uma peça da escola. Foi a primeira vez
que tive que me levantar e me apresentar na frente de uma multidão inteira. Eu não
pensei que poderia fazer isso. Minha mente divagava sem parar, com cenários de eu
estragando tudo e a platéia rindo de mim. Isso me petrificou. Então, na noite da peça,
liguei algumas músicas, fiquei na frente do espelho e comecei a mover meu corpo. Eu
dancei ao redor do meu quarto ao ritmo e apenas soltei tudo o que eu temia. Preguei a
peça e recebi uma ovação de pé. Isso era um grande negócio, para qualquer um. Mas
para uma criança de oito anos, era mágico. Foi nessa noite, que descobri o verdadeiro
poder da dança, em qualquer situação da minha vida.
Eu estava nervosamente em frente ao espelho, em meu terno preto de saia. A única
razão pela qual eu estava nervosa, era por causa de Elijah. Não gostei da reação dele ao
me ver e tive a sensação de que ele não se sentiria diferente hoje. Liguei algumas
músicas e comecei a mover meus ombros ao ritmo, enquanto me olhava no espelho. De
repente, a porta do meu quarto se abriu e Geneva entrou dançando e agarrou minha
mão. Dançamos ao redor da sala, por alguns minutos e então era hora de eu sair.
"Você vai se sair bem." Ela sorriu.
"Eu sei." Eu sorri
Coloquei meus sapatos, peguei minha pasta e saí pela porta. A única coisa perfeita
em trabalhar na Wolfe & Associates, era o fato de estar a apenas dez minutos a pé, do
meu apartamento.
D epois de parar na Starbucks e pegar um café, entrei no prédio e peguei o

elevador até os escritórios.


"Bom dia, Colleen." Eu sorri, antes de entrar no meu escritório.
"Bom dia, Aspen." Ela me seguiu para dentro. "Bem-vinda à Wolfe & Associates."
"Obrigada."
Coloquei minha pasta no chão e me sentei atrás da minha nova mesa, olhando ao
redor, para o espaço à minha frente.
“Sou um pouco ocupada e sei tudo o que acontece nesta empresa. Então, se você
quiser saber alguma coisa, basta perguntar. ” Ela sorriu. “E só para você saber, pode
confiar em mim. Seus segredos são meus segredos.”
"Definitivamente, vou manter isso em mente." Eu sorri, quando ela saiu.
"Você conseguiu", Elijah falou, enquanto estava do lado de fora, da porta do meu
escritório.
"Por que eu não conseguiria?" Minha sobrancelha se levantou.
“Há uma nova cliente chegando e eu quero que você a encontre. O nome dela é
Vivian Kind. Ela e o marido, estão se divorciando e ela quer processar a mulher, que
teria sido sua substituta. Não tenho certeza, de todos os detalhes. “
"Hã?" Minhas sobrancelhas franziram.
“Ela estará aqui, em cerca de quinze minutos. Nos encontraremos, na sala de
conferências.”
E assim ele saiu. Ele não era o mesmo homem charmoso, que conheci no
Havaí. Levantei da minha cadeira e fui até a porta, pedindo para Colleen entrar.
"Tudo o que você precisa fazer é pressionar isso, se precisar de mim", ela falou
enquanto me mostrava o botão do interfone, no telefone na minha mesa. "Além disso,
aqui está a senha do seu computador."
"Obrigada. O que você pode me dizer, sobre o Sr. Wolfe?” Eu perguntei.
Um sorriso malicioso cruzou seu rosto, quando ela se sentou na cadeira, em frente à
minha mesa.
"Ele é tão sexy, certo?"
"Sim. Eu acho." Minhas sobrancelhas franziram. “Ele não parece muito amigável. Ele
é sempre assim, com os novos associados?”
"Não. Normalmente não. Ele é um grande paquerador e um pouco
mulherengo. Estou surpresa, que ele não esteja sendo muito amigável com você”. O
rosto dela se contorceu.
Se ela soubesse sobre o Havaí.
"Espere até conhecer seus irmãos." Ela colocou a mão, sobre o coração. "Senhora
Wolfe, sabe como produzir filhos lindos.”
Eu queria dizer a ela, que já os tinha visto e concordado totalmente . Os irmãos
Wolfe eram uma distração para os olhos, quando estavam todos juntos.
“Elijah não foi mau para você. Foi?" ela perguntou.
"Não. Acho que meio que esperava, que ele fosse um pouco mais amigável. Mas
tenho certeza, de que a namorada dele, gostaria de saber que ele não foi”. Eu estreitei
meus olhos.
“Elijah não tem namorada. Ele nunca mantém uma mulher por tempo suficiente,
para estabelecer esse título. Ele gosta de jogar no campo e, pelo que ouvi, fica entediado
com facilidade. ”
"É assim mesmo?" Eu arqueei minha sobrancelha.
Ela se inclinou para mais perto da minha mesa.
"Não conte a ninguém que eu te disse isso, mas a mãe dele é da mesma maneira", ela
sussurrou.
"Interessante. Obrigada, Colleen.”
"A qualquer momento." Ela sorriu.
"O cliente está aqui", Elijah falou, enquanto bateu no batente da porta e continuou
andando.
Suspirei e revirei os olhos.
"Você pode me mostrar, onde fica a sala de conferências?" Eu perguntei a Colleen.
"Me siga."
CAPÍTULO 13

E lijah

Aspen já era uma distração, e ela só estava aqui, há meia hora. A maneira como seu
terno preto e justo, abraçava sua figura de ampulheta, era irritante. Geralmente, a
mulher da empresa, usava as saias logo acima do joelho. Mas não Aspen. A saia
revelava mais pernas longas e magras, do que deveria. Mas quem era eu para reclamar?
"Olá, Vivian." Eu sorri, enquanto estendi minha mão.
"Olá, Sr. Wolfe."
“Esta é Aspen Michaelson. Ela é uma das nossas novas associadas.”
"Prazer em conhecê-la, Sra. Kind." Ela sorriu , enquanto estendia a mão.
"Por favor, me chame de Vivian."
Nós três nos sentamos à mesa.
"Então, o que a traz à Wolfe & Associates?" Eu perguntei.
"Quero processar a mulher, que eu e meu marido contratamos, para ser nossa
substituta".
"Diga-nos o porquê?" Aspen entrou.
“Meu marido e eu, estamos tentando ter um bebê, há dez anos. Logo descobri que
não podia carregar um filho. Como queríamos um dos nossos, contratamos alguém
para levar nosso bebê para nós. Foi quando encontramos Melissa Marsh. Ela era
inteligente, saudável e precisava do dinheiro.”
"Posso perguntar, quantos anos Melissa tem?" Aspen perguntou.
"Ela tem vinte e nove anos."
"E você e seu marido?" Eu perguntei.
- “Nós dois temos trinta e sete. Passamos muito tempo com ela, a convidamos para
entrar em nossa casa e nos tornamos amigáveis , para garantir que ela era a pessoa
certa, para carregar nosso filho. Nós instantaneamente, nos tornamos amigas. No dia da
fertilização in vitro, descobrimos que ela estava grávida. Ela nem sabia ainda, até que o
médico disse a ela. Como você pode imaginar, meus sonhos foram destruídos.”
"Não sei se entendi, por que você a está processando", falou Aspen. "É porque ela
engravidou, enquanto estava de acordo com você, para carregar seu filho?"
“Estou processando-a, porque meu marido é o pai de seu filho. Eles estavam tendo
um caso, nas minhas costas.”
"Oh." Os olhos dela se arregalaram.
“Vivian, contratos de barriga de aluguel, não são aplicáveis em Nova
York. Portanto, qualquer acordo que você tenha feito com ela, é nulo” - falei. "Suponho
que você entrou em contato com um advogado, para aconselhamento jurídico, antes de
entrar no contrato de aluguel .”
“Nós não passamos por um advogado. Redigimos nosso próprio contrato privado. ”
"Elijah está certo, sobre o contrato de aluguel, mas podemos processar seu marido
por adultério, no processo de divórcio e podemos processar Melissa, por infligir
intencionalmente, sofrimento emocional", falou Aspen. “O adultério ainda é um crime
em Nova York. Colocaremos o caso na frente de um júri e deixaremo-os decidir.”
Eu olhei para ela, porque não havia como isso acontecer no tribunal e eu não seria
tolo.
“Você disse que Melissa precisava do dinheiro, e é por isso que ela concordou em se
tornar uma substituta para você. Se você processá-la e vencer, ela não tem nada para lhe
dar” - falei.
“Estou ciente, senhor Wolfe. Mas se eu ganhar pelo que Aspen disse, ela passará o
resto de sua vida, me pagando. Vou ser um lembrete constante, de como ela roubou
meu marido e ficou grávida de seu filho”. Lágrimas começaram a escorrer por seu
rosto.
“Vivian. O divórcio está bom, e posso garantir que podemos obter mais recursos
para você na divisão. Processar Melissa será cansativo e muito caro. Isso causará ainda
mais estresse para você” - falei. "Você realmente, quer passar por tudo isso?"
“O dinheiro não é uma opção, senhor Wolfe. Eu tenho bastante e farei o que for
preciso, para fazer os dois pagarem pela dor e pelo sofrimento que causaram.” Ela
estendeu os pulsos, com as novas cicatrizes. "Um amigo me indicou você, porque você é
o melhor e eu confio em você."
"Nós vamos ganhar isso, Vivian." Aspen pegou a mão dela, do outro lado da mesa.
"Exigimos uma taxa de retenção antecipadamente, para iniciar a papelada e os
arquivos do caso ", falei.
"Eu posso pagar a taxa de retenção agora."
"Aspen começará a papelada para o seu caso e espero que possamos recebê-lo
perante o juiz, dentro de alguns dias", eu disse.
Levantei-me, apertei a mão de Vivian e, no momento em que ela saiu, me virei para
Aspen.
“Os testemunhos de Vivian, seu marido e Melissa, não se sustentam no
tribunal. Nova York não reconhece essa lei. Como você pode sentar lá e prometer à
pobre mulher, que ela vencerá?”
“Porque eu vencerei este caso. O que aconteceu com ela, estava errado.”
“Ela tentou se matar. Qualquer júri será rápido em dizer, que ela é mentalmente
instável. Sem mencionar o fato de que infligir intencionalmente sofrimento emocional, é
um, em um milhão de tiros. ”
"Um, em um milhão de tiros, que pretendo ganhar." Eu sorri.
Eu balancei minha cabeça e saí. Não havia como este caso passar pelo juiz e chegar
às mãos de um júri. Entrei no meu escritório e Marie me seguiu.
"Bem?" ela perguntou.
"Bem o que?"
"Como foi a reunião?"
"Bem. Vivian está nos mantendo para pedir o divórcio e processar a amante do
marido, por angústia emocional.” Sentei-me atrás da minha mesa.
"O estado de Nova York, aboliu essa lei."
"Eu sei." Eu sorri. “Aspen parece pensar que podemos pegar a amante, por infligir
intencionalmente, um sofrimento emocional e colocá-lo na frente de um júri. Não vai
chegar tão longe. O juiz rejeitará o caso, assim como todos os outros casos, que
envolvem trapaça. De fato, ele pode até ficar chateado conosco, por desperdiçar seu
tempo”.
"Então por que você não disse isso a Aspen?" Os olhos de Marie se estreitaram para
mim.
"Deixe-a descobrir por si mesma."
“Você está fazendo com que ela falhe. Não é?”
"Suas palavras, não minhas." Eu sorri.
“O que há de errado com você, Elijah? Você ainda guarda rancor, porque ela saiu no
meio da noite, sem dizer uma palavra?”
"Não. Ela não deveria estar aqui, ponto final. Não preciso desta complicação na
minha vida. Eu tenho o suficiente para lidar.”
"Que complicação?"
"Dela. Dormimos juntos e nunca mais deveríamos nos ver. Agora que ela está
trabalhando aqui, ela espera mais de mim e isso cria um ambiente de trabalho
desconfortável. ”
Ela soltou uma risada.
"Então você acha, que só porque vocês dois dormiram juntos, ela se tornará essa
perseguidora psicótica e vai querer mais de você?"
"Sim." Eu arqueei minha sobrancelha.
"Foi uma noite, Elijah."
“Leva apenas uma noite. Você vê como as mulheres, com quem me relaciono, se
comportam.”
Ela revirou os olhos e começou a sair do meu escritório.
"Seu ego precisa seriamente de esvaziamento."
Eu sorri quando ela saiu e fechou a porta. Eu não disse nada, que não fosse verdade.
CAPÍTULO 14

A spen

Depois que Vivian saiu, entreguei o arquivo a Colleen e pedi que ela digitasse a
papelada.
“Estou indo almoçar. Volto em uma hora”. Eu sorri.
"OK. Diverta-se."
Peguei o elevador até o saguão e saí do prédio. Minha lanchonete favorita, ficava
perto do quarteirão, então eu fui lá, para pegar um sanduíche.
“Oi, Aspen. Você voltou." Elie sorriu ,de trás do balcão.
“Ei, Elie. Estou de volta e desta vez não estou visitando. Eu me mudei para cá, há
alguns dias.”
"Impressionante!" Ele sorriu. "Geneva tem que estar encantada."
"Ela está. Estou trabalhando ao virar da esquina na Wolfe & Associates, então você
me verá por aí bastante. ”
“Maldita garota. Wolfe & Associates? Você está jogando nas grandes ligas.”
"Eu sei." Eu sorri
“Sanduíche habitual?” ele perguntou.
"Sim. Com uma salada e o molho da casa.”
“Chegando logo. O sanduíche e a salada, estão por minha conta hoje.”
"Elie, eu não posso deixar você fazer isso."
- “Que pena, Aspen. Considere-se bem-vinda ao presente de Nova York. Vá pegar
uma mesa e eu levarei para você.”
"Você é tão doce. Obrigada." Eu sorri.
Fui até uma pequena mesa, perto da janela e me sentei. Puxando meu telefone,
recebi uma mensagem de voz da minha mãe.
"Olá querida. Ligando para ver como está o seu primeiro dia de trabalho. Estou
saindo agora e passarei a maior parte do dia fora. Vou tentar ligar para você, hoje à
noite.”
Quando coloquei meu telefone de volta na bolsa, ouvi os sininhos acima da porta
tocarem. Quando olhei para cima, vi Elijah entrar. Instantaneamente, minha barriga
começou a tremer.
"Eu estarei com você em um momento", disse Elie, enquanto caminhava trazendo
meu sanduíche e salada. "Desfrute." Ele sorriu.
“Obrigada, Elie. Você sabe que eu vou."
Depois de fazer seu pedido, Elijah enfiou as mãos nos bolsos da calça e caminhou
até onde eu estava sentada.
"Você está aqui um dia e já está recebendo serviços especiais do proprietário."
"Do que você está falando?"
"Sua comida. Eu o vi trazê-la para você.”
“Oh. Conheço Elie há alguns anos. Sempre que eu visitava minha irmã, vinhamos
aqui.”
"Eu vejo."
"Senhor Wolfe, seu sanduíche está pronto “ - falou Elie.
“Venho aqui há anos e ainda tenho que pegar meu sanduíche. Acho que não sou tão
especial quanto você.
"Não. Eu acho que você não é”. Eu sorri.
Ele me lançou um olhar, foi ao balcão, pegou seu sanduíche e sentou-se à minha
frente. Não gostei da atitude dele.
"Tudo bem se eu sentar aqui, certo?"
"Você já está sentado, não está?" Eu apunhalei meu garfo na salada.
“Eu só tenho alguns minutos. Eu tenho que estar no tribunal. Para o caso Kind , vou
deixar você lidar com isso e ser a primeira cadeira. Vendo que você é nova na empresa,
você precisa começar de algum lugar. ”
"Isso é bom." Eu sorri.
"Você sabe que esse caso, nunca chegará a um júri."
"Claro que vai."
“Ah. Vejo que você é uma daquelas advogadas ilusórias.”
“Eu não diria ilusória, Elijah. Eu diria otimista.”
"Quantos casos você perdeu, em Connecticut?"
"Eu não perco." Eu levantei minha cabeça, com um arco na minha testa.
"Realmente? Se você é tão boa quanto diz, Charlie nunca teria tentado levá-la para
outro lugar. Se há uma coisa que eu sei, os negócios vêm antes de uma esposa.”
"Como você saberia disso? Você não é casado. Você é?" Eu levantei minha
sobrancelha.
"Não. Claro que não sou. Confie em mim. Negócios são a coisa mais importante para
um homem. Negócios e ganhar dinheiro. ”
"Hmm. Eu sempre pensei, que a coisa mais importante para um homem, era em
quem ele colocaria seu pau em seguida. ”
"Isso também." Ele apontou para mim, com um sorriso malicioso.
“Charlie estava pensando em seus negócios, quando decidiu que me mudaria. Ele
estava pensando nos milhões que teria que desembolsar para sua esposa, se ela se
divorciasse de seu traseiro traidor.”
Ele olhou para o relógio, tomou um gole de água e se levantou.
“Eu tenho que estar no tribunal. Vejo você mais tarde."
Antes que eu pudesse responder, ele voou para fora da lanchonete. Algo estava
acontecendo com ele. Ele agia como se não gostasse de mim. Quando terminei o
almoço, eu tinha cerca de quinze minutos , antes de voltar ao escritório, então parei na
loja de animais na esquina. Olhando em volta, vi o mais impressionante peixe betta
composto de fúcsia brilhante e roxo profundo.
"Olá. Posso lhe ajudar com algo?"
"Eu estava apenas admirando a beleza desse peixe betta". Eu sorri.
“Ele é linda. Não é?”
“Suas cores são tão vibrantes. Eu o levarei”.
"Excelente. Vou pegá-lo para você. Você tem uma tigela ou um tanque?”
"Não, eu não."
“Posso sugerir este tanque de meia-lua e 1,5 galão de LED? Ou você pode optar por
algo maior, se quiser.”
"Isso será perfeito para minha mesa, no escritório."
Enquanto ele pegou meu peixe, peguei algumas plantinhas para o tanque e uma
sacola de belas pedras azuis brilhantes para o fundo. Depois que paguei, ele me
entregou minhas sacolas e voltei ao trabalho.
"O que há na bolsa?" Colleen sorriu, enquanto me seguia para o meu escritório.
Coloquei a bolsa na minha mesa, puxei o peixe e o segurei.
“Oh meu Deus, Aspen. Esse peixe é lindo. Ele tem um nome?"
"Fantasia." Eu sorri
"Eu amo isso. Vou pegar um pouco de água para o tanque”.
Depois que eu montei o tanque e Fantasia estava em sua nova casa, Colleen se
sentou na cadeira, em frente à minha mesa.
"Eu preciso te dizer uma coisa", ela falou.
"O que?"
"Você conhece o caso Kind?"
"Sim."
"Ouvi dizer que Elijah só aceitou, porque ele não acha que você pode vencer."
"O que?" Eu inclinei minha cabeça em descrença.
“Eu acho que ele está preparando você para falhar. Para ser sincera, não sei por que
ele está agindo assim, em relação a você.”
"Tenho certeza que tem algo a ver, com o Havaí", soltei por engano.
"Havaí?" As sobrancelhas dela se franziram.
Suspirei, enquanto recostei minha cabeça na cadeira.
"Você é leal a mim, certo?"
"Sim. Foi por isso que te contei sobre ele.” Ela sorriu.
“Então, o que estou prestes a dizer a você, fica entre nós. Compreende?"
"Claro."
“Elijah e eu dormimos juntos, no Havaí. Eu não sabia quem ele era, e ele não sabia
quem eu era. Foi uma noite e nunca pensei em vê-lo novamente. Eu nem sabia o
sobrenome dele.”
"Você dormiu com ele?" Os olhos dela se arregalaram. "Como você o deixou na
manhã seguinte?"
"Eu saí no meio da noite, enquanto ele estava dormindo." Mordi meu lábio inferior.
"Isso explica tudo." Ela balançou a cabeça lentamente.
"Explica o que?"
“Por que ele está te tratando do jeito que está. Elijah é meio louco por controle e é ele
quem sai. Tenho certeza que você machucou, o ego excessivamente grande dele. Além
disso, ele gosta de guardar rancor.”
"Seriamente?"
"Sim. Seriamente."
Os telefones começaram a tocar e Colleen voltou para sua mesa. Eu não podia
acreditar, que ele estava me preparando para falhar. Se era assim que ele queria jogar,
então que continuasse. Eu mostraria a ele.
CAPÍTULO 15

E lijah

Saí do tribunal e voltei para o escritório. Enquanto passava pelo escritório de Aspen,
olhei para dentro e imediatamente, parei do lado de fora da porta dela.
"Posso ajudar?" Ela olhou para cima.
"O que é isso?" Apontei para a mesa dela, quando entrei.
“Esse é Fantasia. Ele não é lindo?” Ela sorriu.
"Por que você tem um peixe em sua mesa?"
“Porque é relaxante sentar e assistir. Especialmente se estou me sentindo um pouco
estressada ou oprimida. Eu apenas tomo um momento e o vejo nadar. Fico tranquila.”
"Eu vejo." Eu estreitei meus olhos para ela.
"Você deve pegar um e ver por si mesmo." O sorriso em seu rosto aumentou. "Você
pode emprestá-lo, se quiser."
"Não, obrigado. Eu estou bem. Você recebeu os documentos arquivados, para
o caso Kind ?”
"Sim. Colleen entrou em contato com o outro advogado e tomaremos depoimentos
amanhã, às dez da manhã.
"Você não ia me contar?"
“Acabei de descobrir, há alguns minutos atrás. Eu ia lhe contar, quando você
voltasse do tribunal.”
"Quem é o advogado do réu?"
“Lawrence Romeo.”
"Ele é bom. Na verdade, ele é muito bom.”
"Eu não estou preocupada." Ela ergueu a sobrancelha.
“Você deveria estar. Falo com você mais tarde.”
Coloquei minhas mãos no bolso e, ao sair do escritório, vi Colleen me encarando,
com um sorriso no rosto.
"O que?" Eu perguntei a ela.
"Nada." Ela rapidamente, olhou para os papéis à sua frente.
Revirando os olhos, voltei ao meu escritório. Puxando meu telefone do bolso, notei
que recebi uma mensagem de texto de Mason, em nosso bate-papo em grupo.
"Academia. Seis horas. Não se atrase.”
"Eu estarei lá, mano", Nathan respondeu.
"Eu também."

############

N ós entrou no ginásio e pegamos o único banco disponível. Geralmente nos

encontravamos no início da manhã, mas Nathan não voou de volta até esta
tarde. Enquanto Mason e eu, estávamos carregando os pratos no balcão, Nathan olhou e
me bateu no braço.
"Bro, aquela não é a Aspen?"
Eu olhei e com certeza era ela. Droga. Meu pau começou a tremer, quando olhei
para seu corpo em forma, em sua legging preta apertada e sutiã esportivo rosa
quente. Seu cabelo estava em um coque bagunçado, que estava no topo de sua
cabeça. Foda-se a minha vida, ela parecia muito sexy.
“Droga, Elijah. Ela é quente!" Mason disse.
"E você tem que trabalhar com isso, o dia todo?" Nathan perguntou. "Merda. Não
tenho certeza, se faria alguma coisa.”
"Pare com isso."
"Quem é essa garota com ela?" Perguntou Mason.
"Eu não sei. Talvez a irmã dela.”
Ela se virou e percebeu que estávamos olhando. Nossos olhos se encontraram por
um momento e então ela veio andando.”
"Ei, Elijah."
“Aspen. O que você está fazendo aqui?"
"Malhando."
"Oi. Ainda não nos conhecemos oficialmente. Sou Nathan e este é meu irmão
Mason.”
"É um prazer conhecer vocês dois." Ela sorriu, enquanto apertava suas mãos. "Esta é
minha irmã, Geneva."
"Prazer em conhecê-la." Estendi minha mão. "Você é um membro aqui, Aspen?"
"Estou com um passe de convidada, mas acho que vou participar."
"Não leve a mal, mas você tem um abdominal incrível", disse Nathan, e eu quase o
joguei no chão.
"Obrigada." Os cantos da boca dela se curvaram para cima. “Foi um prazer conhecer
vocês. Nós vamos terminar nosso treino e voltar para casa. Vejo você amanhã, Elijah.”
"Sim. Te vejo amanhã."
Ela e Geneva foram embora e bati no peito de Nathan.
“Ai. Por que foi isso?"
'Você tem um ‘abdominal incrivel’. Seriamente?"
"O que? Ela tem. Eu a estava elogiando.”
“Vocês dois mantenham seus olhos para si mesmos. Me compreendem?" Eu apontei
para eles.
Nathan revirou os olhos, quando se deitou no banco e começou a fazer alguns
exercícios de supino. Eu assisti, enquanto Aspen pegava dois halteres de trinta quilos e
sentava em um banco, na frente do espelho. Ela lentamente levantou os braços acima da
cabeça e começou a pressionar os ombros. Droga. Notei os outros homens na área,
olhando para ela. Eles tinham os mesmos pensamentos sujos na cabeça, que eu tinha na
minha.
"Elijah, é a sua vez", disse Mason.
Deitei no banco e fiz algumas prensas. Quando terminei, olhei para encontrar um
cara conversando com Aspen. Ele estava sorrindo; ela estava sorrindo e eu não gostei.
“Vocês dois terminem aqui. Eu preciso falar com Aspen, por um minuto.”
Fui até ela e o cara com quem ela estava falando, olhou para mim.
- “Com licença, amigo, preciso falar com ela, por um momento. É relacionado ao
trabalho, e sou o chefe dela”. Eu arqueei minha sobrancelha para ele.
"Certo. OK. Vejo você por aí, Aspen.”
"Ansiosa por isso, Jake." Ela sorriu. "O que houve, Elijah?"
“Eu tenho algumas coisas para fazer de manhã. A que horas é o depoimento de
novo?”
"Dez horas."
"Isso foi o que eu pensei. OK. Vou deixar você voltar ao seu treino.”
Assim que comecei a me afastar, Aspen chamou meu nome.
"Elijah?"
"Sim." Eu me virei.
“Era só isso? Era sobre isso, que você tinha que falar comigo?”
"Sim. Era isso. Como eu disse, vou deixar você voltar ao seu treino. Mas espero que
você esteja preparada para o depoimento amanhã.”
“Eu estarei preparada. Não se preocupe com isso” - ela falou com uma atitude.
Afastei-me e voltei para o banco, onde estavam meus irmãos.
"Sobre o que era tudo isso?" Nathan perguntou.
"Nada. Eu só tinha que verificar, que horas era um depoimento amanhã. ”
"E você não poderia simplesmente enviar uma mensagem de texto para ela, mais
tarde?" Perguntou Mason.
"Parece-me que nosso irmão não gostou, de outro cara conversando com sua nova
funcionária." Nathan sorriu.
- “Cale a boca, mano. Eu poderia me importar menos, com quem fala com ela. Ela
está aqui, então eu perguntei. Qual o problema?”
"Então você poderia ter esperado, até que eles terminassem de conversar", disse
Mason.
"Você não tem fogo para apagar ou algo assim?" Eu estreitei meus olhos para ele.
Nathan e Mason, começaram a rir. Revirando os olhos, deitei no banco e comecei
outra rodada de prensas.
CAPÍTULO 16

A spen

“Eu posso ver, porque você dormiu com ele. Se eu não fosse casada, também
teria”. Geneva sorriu. "Ele é gostoso."
"Talvez por fora, mas por dentro, ele é um idiota total."
Ela ficou lá e olhou para Elijah e seus irmãos.
"Você vai parar de encará-los?" Eu disse, enquanto guardava meus pesos.
“Eu não posso evitar. Eles são todos tão sexys”. Ela sorriu.
Agarrei seu braço e a conduzi ao vestiário.
"Eu tenho que ir. Quero mudar as pequenas coisas, que tenho para o meu
apartamento.”
"Quando o resto das suas coisas está chegando?" ela perguntou.
"Em alguns dias. Meus móveis chegarão amanhã, entre uma e quatro. Não tenho
certeza do que vou fazer. Acho que não vou conseguir sair do escritório. “
“Pergunte a Lucas, se ele vai esperar. Acho que ele está trabalhando em casa
amanhã.”

################

Na manhã seguinte, parei na Starbucks, peguei o meu habitual e fui para o escritório.
"Bom dia, Colleen." Eu sorri, quando entrei no meu escritório.
"Bom Dia."
"Bom dia, Fantasia", eu disse, enquanto colocava minha maleta.
"Você diz bom dia para o peixe?" Eu ouvi a voz de Elijah, vindo da porta.
Eu me virei e sorri para ele. Ugh. Ele parecia tão sexy.
"Eu digo. Ele merece um bom dia, como todo mundo. Bom dia, Elijah.”
Ele revirou os olhos e franziu os lábios.
"Há uma reunião de equipe, em cinco minutos, na sala de conferências."
"OK. Vou descer em um segundo.”
Ele se afastou e o encarei. Colleen viu e riu, quando entrou no meu escritório.
"Ainda não estão se dando bem?"
"Ele é um idiota." Suspirei.
"Mas ele é um idiota sexy." Ela sorriu.
“Eu tenho uma reunião de equipe, para participar. Falo com você mais tarde. Você
pode alimentar Fantasia para mim?”
"Eu com certeza posso."
Fui até a sala de conferências e me sentei.
"Bom dia, Aspen." Caitlin sorriu.
"Bom dia, Caitlin."
Elijah entrou, foi até onde eu estava sentada e ficou ali com os braços cruzados.
"Posso ajudar?" Eu arqueei minha sobrancelha, quando olhei para ele.
“Este é o meu lugar. Você pode sentar na cadeira de Harry, já que ele não está mais
aqui.”
"E onde pode estar a cadeira de Harry?" Eu falei com uma atitude leve.
"Ali." Ele apontou para a cadeira, em frente a onde eu estava sentada”.
Levantei-me graciosamente, peguei meu bloco de notas e caminhei para o outro lado
da mesa. Todo mundo estava olhando, e isso me deixou um pouco desconfortável.
"Agora que Elijah está aqui, vamos começar esta reunião", falou Caitlin. “O caso
Kind pertence a Elijah e Aspen. Elijah, de quem será a primeira cadeira?”
“Aspen será a primeira cadeira e eu serei a segunda. Hoje estamos aceitando
depoimentos às dez.”
Ela olhou para ele por um momento, antes de prosseguir. "O que está acontecendo
com o caso Quinn?"
“Nós vamos ao tribunal em dois dias. Este é um caso ganho e não deve demorar
muito tempo.”
"Excelente."

############
E stava voltando para o meu escritório, quando Colleen me parou, no meio do

corredor.
“Aspen. Há uma mulher esperando por você, em seu escritório.”
"Quem é ela?"
"Não tenho certeza. Ela entrou e disse que precisava de um advogado, o mais rápido
possível.”
"OK." Eu sorri. "Obrigada."
Quando entrei no meu escritório, a senhora de cabelos castanhos, na altura dos
ombros virou-se e olhou para mim.
"Oi. Eu sou Aspen Michaelson.” Eu sorri, enquanto colocava minha xícara de café na
minha mesa e estendia minha mão para ela.
“Eu sou Renae Quinn. Obrigada por se encontrar comigo.”
Quinn. Por que esse nome parecia tão familiar?
"O que posso fazer para você?" Eu perguntei, quando me sentei atrás da minha
mesa.
"Preciso de um novo advogado para me representar, e sei que sua empresa é a
melhor em Nova York."
"OK. Posso perguntar por que?”
"Destruição maliciosa de propriedade."
"Você tinha um advogado anterior?"
“Sim e depois dos nossos depoimentos, ele me largou. Ele disse que não quer ir
contra o Sr. Wolfe.”
"Eu entendo. Que propriedade você destruiu?” Eu perguntei.
"O violão vintage do meu marido, sua Lamborghini e sua pintura favorita, valem 1,5
milhão de dólares."
“Oh. Isso é muito dano. ”
“Recentemente, descobri que ele tem uma amante. Uma prostituta com metade da
idade dele, que ele vê nos últimos seis meses.”
Enquanto escrevia tudo, a porta do meu escritório se abriu.
"Oh, desculpe. Eu não sabia que você estava ...” Elijah parou no meio da frase,
quando a Sra. Quinn se virou e olhou para ele. “Aspen, preciso falar com você por um
momento. É importante."
"Eu volto já." Eu sorri para a senhora Quinn.
Levantando-me do meu lugar, encontrei Elijah fora do meu escritório.
"O que ela está fazendo aqui?"
"Quem?"
"Sra. Quinn. Essa é a ex mulher, do meu cliente, que será processada em breve”.
"O advogado dela a deixou, após seus depoimentos e agora ela quer que eu a
represente."
"De jeito nenhum. Nós não podemos. Já estamos representando o marido dela. Você
volta lá e diz que não - ele falou em tom autoritário, enquanto apontava o dedo para
mim.
"E por que seu cliente tem privilégio suficiente, para ser representado por esta
empresa?" Eu perguntei. "Ela tem os mesmos direitos que ele."
"É antiético, Aspen!" ele gritou. "E um enorme conflito de interesses."
"Então, faremos com que ambos assinem, uma renúncia de conflito de interesses."
"Não. De jeito nenhum!"
"Vocês dois no meu escritório agora!" Caitlin falou, enquanto passava por nós.
Elijah se afastou balançando a cabeça e o segui.
"O que diabos está acontecendo? Eu podia ouvi-los do banheiro!”
“Vou te contar o que está acontecendo. A esposa de Jonathan Quinn, quer contratar
Aspen para representá-la.”
"Já estamos representando-o", falou Caitlin.
"Exatamente. Mas Aspen não parece achar, que é um problema.”
"Por que ela deveria receber menos tratamento que o marido?" Eu perguntei.
"Ela não tem um advogado?" Caitlin perguntou.
“Ele a deixou, após o depoimento com Elijah. Ele disse que não vai contra ele. Ela
tem o direito de ter a melhor representação, assim como o marido. Por que ela deveria
ser penalizada, porque outros advogados não querem ir contra ele?” Eu apontei para
Elijah.
"Você realmente vai ficar aí e deixá-la defender seu caso?" ele perguntou.
"Não é um problema, se os dois assinarem uma isenção de conflito de interesses",
falei calmamente.
Ela se inclinou contra a mesa, com os braços cruzados e olhou para nós dois, por um
momento.
"Se os dois assinarem a renúncia, Aspen pode representar a Sra. Quinn", ela falou.
"Você não pode estar falando sério!" Elijah falou com raiva.
“Estou falando sério, Elijah. Vocês dois podem sair agora.”
"Eu não posso acreditar nisso", Elijah murmurou, enquanto saía do escritório dela.
"Obrigada, Caitlin."
“Não me agradeça ainda. O Sr. Quinn pode não assinar. Para ser honesta, Aspen,
isso é altamente antiético. Mas você fez um bom argumento, sobre a senhora Quinn ter
o direito de ter a melhor representação possível. Esteja avisada, Elijah fará tudo para
garantir que ele ganhe, e as coisas podem ficar feias. ”
"Eu não tenho medo de Elijah." Eu dei um pequeno sorriso para ela e voltei para o
meu escritório.
"Está tudo bem?" Renae Quinn perguntou.
“Eu posso representá-la, desde que você e o Sr. Quinn, assinem uma isenção de
conflito de interesses. Para ser sincera, não tenho tanta certeza de que ele queira fazer
isso. Você destruiu as posses premiadas dele, e ele pode não querer, que essa firma
represente os dois. “
- “Com licença, Aspen” - Colleen falou, enquanto enfiava a cabeça pela
porta. "Senhor Romeu cancelou o depoimento para o caso Kind . “
"Por quê?"
“Ele diz que não há necessidade de um, pois não haverá nenhum tipo de acordo. Ele
disse que a verá no tribunal.”
“Obrigada, Colleen. Ligue para o escritório do secretário e veja se podemos chegar à
frente do juiz, o mais rápido possível.”
Depois que Renae Quinn saiu, fui até o escritório de Elijah.
"Ei", falei enquanto estava na porta.
"Veio aqui para se gabar?" ele perguntou.
"Não. Lawrence Romeo cancelou o depoimento, para o caso Kind .”
"Não estou surpreso", ele falou, enquanto continuava olhando para o seu bloco de
notas.
"Você não vai dizer ao Sr. Quinn, para não assinar a renúncia, vai?"
Ele largou a caneta, recostou-se na cadeira e olhou para mim.
"Não. Se ele quer assinar, então está certo. Não vou influenciar sua decisão. Mas não
se engane, esses dois não serão os únicos a lutar no tribunal. Você está preparada para
perder?” A testa dele arqueou.
"Você está?" Eu perguntei, quando me virei e voltei para o meu escritório.
Ugh, aquele homem me irritava. Como eu pude ser tão estúpida, em fazer sexo com
ele?
CAPÍTULO 17

A spen

Meu telefone tocou e era Lucas.


"Ei, você", eu respondi.
"Ei. Eu só queria que você soubesse que seus móveis chegaram e estão ótimos.”
“Obrigada Lucas. Agradeço por você ter esperado por isso.”
- “De nada, querida. A qualquer momento."
Eu precisava usar o banheiro. Enquanto passava pelo escritório de Elijah, parei na
porta, que estava ligeiramente aberta, quando ouvi meu nome ser mencionado.
"Quem é essa Aspen, e por que eu nunca ouvi falar dela antes?" O homem sentado
no banco em frente à mesa de Elijah. perguntou.
“Ela é uma nova associada e ontem foi seu primeiro dia na empresa. Escute,
Jonathan, sinceramente, acho que você não tem nada com que se preocupar. Eu nem
tenho certeza. se ela é tão boa assim. Além disso, o julgamento é em dois dias e ela não
sabe nada sobre o caso.”
"Se ela não é tão boa, então por que você a contratou?"
―”Eu não fiz. Minha mãe fez. Se eu tivesse uma palavra a dizer, não a teria
contratado.”
Aquele bastardo.
Respirei fundo e fui para o banheiro. Olhando-me no espelho, jurei que não deixaria
o todo-poderoso Elijah Wolfe, chegar até mim. Eu não tinha nada a provar para ele. Eu
era uma advogada fantástica e todos que me conheciam, sabiam disso.”
Quando voltei ao meu escritório, Colleen me seguiu.
"O escritório do funcionário ligou."
"E?" Eu perguntei.
"Você vai na frente do juiz, amanhã de manhã, às nove horas, para o caso Kind ." Ela
sorriu.
"Excelente. Você pode deixar Elijah saber, por mim?” Eu olhei para o meu
relógio. "Estou saindo para a noite."
"Claro. Tenha uma boa noite."
"Você também." Eu sorri.
Peguei os arquivos da minha mesa e os enfiei na minha pasta, juntamente com
alguns livros de direito, que eu precisava.
Quando cheguei ao meu prédio, Donnie alegremente segurou a porta aberta para
mim.
“Boa noite, Aspen. Vejo que seus móveis chegaram hoje.”
“Olá, Donnie. Sim. Estou animada para chegar ao meu apartamento e vê-los”.
Peguei o elevador até o meu andar e enfiei minha chave dentro da
fechadura. Quando abri a porta, sorri ao ver a mesa de jantar e os móveis da sala de
estar ali. Definitivamente, estava começando a me sentir em casa.
"Batendo, batendo", Geneva falou, quando abriu a porta. "Uau, olhe para isso." Ela
sorriu.
"Você gosta disso?"
"Eu amo isso." Ela passou o braço em volta de mim. “Venha jantar. Lucas está
fazendo o seu favorito.”
"Fettucine Alfredo?" Eu olhei para ela.
"Sim, e pãezinhos de mel caseiros."
"Eu tenho que estar no tribunal, amanhã às nove e tenho muito trabalho a fazer."
“Bem, você precisa comer, e eu sei que você ainda não tem comida aqui. Então,
venha, coma um jantar rápido e então você pode trabalhar. ”
"OK." Eu sorri
Enquanto jantávamos, contei a Lucas e Geneva o que ouvi Elijah dizer a seu cliente.
"Parece-me que ele se sente ameaçado por você", Lucas falou.
"Por que ele se sentiria ameaçado?"
"Só pelo pouco que você me disse, parece que ele é um maníaco por controle e você
estar aqui, depois de dormir com ele, está perturbando seu equilíbrio."
"Eu não entendi?" Franzi minhas sobrancelhas quando peguei meu copo.
“Vocês dormiram juntos no Havaí. Você não trocou informações sobre si mesma,
exceto seus nomes. Ele estava no controle, porque sabia que nunca mais a veria. Então,
você aparece na empresa dele e a mãe dele a contrata sem consultá-lo. Seu controle está
sendo comprometido e a única maneira de lidar com isso. é se comportar da maneira
que ele vem, em relação a você. A melhor coisa que você pode fazer, é ignorá-lo.”
"Isso é meio difícil de fazer, quando ele é um deus do sexo ambulante." Eu
sorri. “Mas você está certo. Eu acho que ele é um maníaco por controle. Pelo menos foi o
que minha secretária, Colleen, disse sobre ele.”
Dei um abraço em Lucas e Geneva e agradeci pelo jantar. Sentada no meu sofá
confortável, peguei o arquivo Kind, abri um livro de direito e comecei a trabalhar na
minha apresentação para amanhã. Quando terminei, pesquisei o caso Quinn . Como
não tinha muito tempo para me preparar, precisava usar meu tempo com sabedoria.

###############

L evantei-me às cinco da manhã e fui à academia, antes de ir para o

escritório. Quando entrei pela porta, meus olhos instantaneamente se voltaram para a
esteira, onde estavam os três irmãos Wolfe. Merda. Eu rapidamente desviei o olhar,
antes que eles me vissem e olhei para frente, enquanto caminhava para o vestiário.
"Aspen!" Ouvi alguém gritar meu nome.
Quando me virei, vi os três olhando para mim e apenas Nathan e Mason, estavam
acenando. Eu dei um aceno amigável e continuei até o vestiário. Fazendo o meu
caminho para a área de peso, encontrei um banco aberto e comecei a levantar alguns
pesos, tentando não perceber os três se aproximando. O único banco aberto, era o que
estava ao meu lado. Por favor, não venham aqui. Por favor, não venham aqui.
"Bom Dia." Mason sorriu.
"Bom Dia."
"Você está aqui muito cedo", Nathan disse, quando Elijah pegou um peso e nem
reconheceu minha existência.
"Assim como vocês três." Eu sorri.
"Gostamos de começar nossos treinos, antes que o caos do dia comece", disse Mason.
"Eu também."
"Bem, faça um bom treino, Aspen."
“Obrigada, Nathan. Você também."
Continuei meu treino, roubando pequenos olhares no espelho, enquanto Elijah fazia
cachos de bíceps. Fiquei pensando naquela noite e como seus braços fortes, estavam em
volta de mim. Engoli em seco, enquanto apertava minhas pernas. Não importa o quão
cruel ou rude ele fosse comigo, eu nunca esqueceria o Havaí e nunca esqueceria o
homem que ele era, naquela noite.
CAPÍTULO 18

E lijah

"Você está sendo um idiota, mano", Mason falou.


"Como eu estou sendo idiota?"
“Nem mesmo dizendo bom dia para Aspen. Você está agindo, como se ela nem
existisse.”
"Largue isso, Mason."
"Não. Não vou. O que há de errado com você? Eu nunca vi você agir tão idiota
antes. Quero dizer, você sempre foi um idiota, mas você levou a um nível totalmente
novo com Aspen.”
"Ele está certo, Elijah", Nathan falou. “Você quer saber o que eu acho? Eu acho que
você gosta dela, e desde o Havaí, e você não pode controlá-lo. Agora que ela está aqui,
você está enlouquecendo, por causa disso.”
“Vocês dois são perdedores. Falo com vocês dois, mais tarde. Eu tenho que ir para
casa e me arrumar para o trabalho.”
Entrei no vestiário e peguei minha bolsa.

###############

Q uando eu estava saindo pela porta, me virei para ver se havia alguém atrás

de mim. Com certeza, Aspen estava de saia curta e paletó.”


"Obrigada", ela falou, enquanto eu mantinha a porta aberta para ela.
"Seja bem-vinda. Você já está indo para o escritório?” Eu perguntei, quando pisamos
na calçada.
"Sim. Tenho trabalho a fazer, antes de irmos ao tribunal.”
"Espero que você esteja bem preparado para isso", eu disse.
"Eu estou. Espero que você também esteja.”
“Eu não preciso estar. Estou confiando em você.”
Eu levantei minha mão e um táxi parou no meio-fio.
"Você precisa de uma carona para o escritório?" Eu perguntei.
"Não. Eu andarei." Ela me lançou um olhar e desceu a rua.
"Briga de amante?" o motorista do táxi perguntou, quando entrei.
"Deus não. Ela trabalha para mim.”
“Você é um cara de sorte. Eu daria tudo para ter uma mulher com essa, trabalhando
para mim”. Ele sorriu.
Revirei os olhos e lhe dei meu endereço.

##############

O lhando para o meu relógio, eram oito e meia e precisávamos sair para o

tribunal. Ao me aproximar do escritório de Aspen, pude ouvir música vindo


dele. Abrindo lentamente a porta, vi Colleen e Aspen, dançando pelo escritório.
"O que diabos está acontecendo aqui?"
"Estamos dançando, Elijah." Colleen sorriu. "Junte-se a nós."
"Eu não. Desligue essa música, Aspen. Temos de ir!"
Ela se aproximou e desligou a música.
"Você precisa relaxar." Colleen sorriu, quando saiu do escritório.
"O que é isso? Por que diabos você está dançando, quando temos que sair?”
“É algo que faço para clarear minha cabeça, diante do tribunal. Isso me ajuda a ter a
mentalidade certa. ” Ela pegou sua maleta.
"Você é estranha. Oh meu Deus, não acredito nisso” – falei, enquanto saía do
escritório dela.
Saímos pela porta e caminhamos até o tribunal.
"Você sabe, Elijah, você não deve criticar o que os outros fazem, porque não é sua
coisa."
"Desculpe?"
"Você me ouviu. Você me acha estranha porque danço. Talvez você seja estranho
por não dançar.”
"Há um lugar para dançar e o escritório não é um deles."
"Quem disse?" ela perguntou.
"É apenas senso comum, Aspen." Franzi minhas sobrancelhas para ela.
Encontramos Vivian do lado de fora do tribunal e do outro lado estava o Sr. Kind, e
uma mulher, que eu suspeitava ser Melissa.
"Elijah", falou o advogado deles, Lawrence Romeo.
"Lawrence". Eu dei-lhe um leve aceno de cabeça.
"Então foi você quem cancelou o depoimento?" Aspen se aproximou e perguntou.
"Sim. Não haverá negociações de acordo. O depoimento teria sido um desperdício
de ambos os nossos tempos. Me desculpe, quem é você?”
“Aspen Michaelson. Sou a advogada de Vivian.”
"É hora de entrar", falei.
Entramos no tribunal e sentamos. Alguns instantes depois, o oficial de justiça se
aproximou e nos disse que o juiz queria nos ver, em seus aposentos.
"Por que ele quer nos ver?" Aspen perguntou.
“Como diabos eu sei. Provavelmente jogar fora esse maldito caso, antes mesmo de
começar.”
Entramos no gabinete do juiz e instantaneamente, um sorriso cruzou os lábios de
Aspen.
“Aspen, querida. Como você está?" O juiz Bloom levantou-se de trás de sua mesa,
foi até onde ela estava e deu-lhe um abraço.
“Estou ótima, Meritíssimo. Uau. Eu não acredito nisso. Faz muito tempo.”
"Olhe para você. Toda crescida. Sinto muito pelo seu pai. Ele foi um excelente
advogado.”
"Pensei que o juiz Hamilton, estivesse presidindo", falei.
“Ele pegou gripe e o caso foi colocado no meu bolso. Quando vi o nome de Aspen,
não pude acreditar. Você está morando em Nova York agora?” Ele perguntou a ela.
"Eu estou. Acabei de me mudar para cá. Desde que meu pai faleceu, não havia mais
motivo, para eu ficar em Connecticut.”
“Bem, estou feliz por tê-la em meu tribunal e vê-la em ação. Eu sei que você será tão
boa, quanto seu pai.”
Quando voltamos para o tribunal e sentamos, olhei para ela.
"Eu não sabia que seu pai era advogado."
“Como você saberia? Você nunca se incomodou em me conhecer.”
"Talvez eu tivesse, se você não tivesse escapado do meu quarto de hotel, no meio da
noite."
CAPÍTULO 19

A spen

"O que você disse?" Eu perguntei a ele.


Antes que ele pudesse responder, o juiz Bloom entrou no tribunal e o oficial de
justiça, começou a falar.
"Todos se levantem. O tribunal está agora em sessão. O honorável juiz Bloom, está
presidindo.”
"Bom Dia. Vocês podem se sentar. No caso de Kind vs. Marsh. Os dois lados estão
prontos?”
"Sim, Meritíssimo", todos falamos.
“Michaelson. Ainda é 'Senhorita', certo? ” Ele perguntou com um sorriso.
"Sim, sua honra." Eu graciosamente sorri de volta. "Sra. Kind está processando Srta
Marsh, por infligir intencionalmente estresse emocional e ter um caso com o marido.”
"Senhorita Michaelson, você sabe que Nova York não tem mais uma lei de afeto
estranho, certo?"
"Eu sei, sua honra."
"Os advogados, por favor, venham até o banco?"
Nós três nos aproximamos do banco e o juiz Bloom, olhou diretamente para mim.
"O que está acontecendo aqui, senhorita Michaelson?"
"Senhor, a Sra. Kind contratou a Srta. Marsh como sua barriga substituta, para o
bebê que ela não podia carregar e, em seguida, os dois criaram seu próprio filho,
causando à Sra. Kind, uma grande angústia emocional, a ponto de tentar cometer
suicídio. A senhorita Marsh sabia desde o momento em que conheceu os Kind, que eles
tentavam há anos, ter um filho. Ela sabia que a Sra. Kind estava sofrendo uma grande
dor, que não podia suportar. Então o que ela faz? Fica grávida do filho do marido, antes
da fertilização in vitro. “
- “Protesto, Meritíssomo” - falou Lawrence. “Você não pode processar a senhora, no
estado de Nova York. Sinto muito, mas isso é uma perda de tempo de todos. Meus
clientes tiveram um caso. Isso acontece o tempo todo. É por isso que Nova York, não
tem uma lei contra isso. Os tribunais estariam lotados de casos de cônjuges trapaceiros,
todos os dias. Mais da metade da cidade, estaria aqui.”
“Michaelson?” O juiz Bloom olhou para mim.
“Minha cliente foi emocional e psicologicamente prejudicada, pelas ações da
senhorita Marsh. Ela sabia que o Sr. Kind era casado, e sabia o sofrimento emocional
que a Sra. Kind estava passando, por não ser capaz de ter um filho. Ela agiu de maneira
intencional e imprudente, dormindo com o marido e engravidando. ”
"Oh, vamos lá", falou Lawrence. "Como se ela planejasse engravidar."
"Se duas pessoas não usam proteção, é um risco e é imprudente."
"Sua honra?" Ele balançou sua cabeça.
“Michaelson tem razão, até certo ponto. Vou colocar isso, nas mãos de um júri. Data
marcada, daqui a uma semana. Tribunal será adiado.”
"Sim!" Eu sorri, enquanto olhava para Elijah.
Ele não retornou meu entusiasmo. Fui até a mesa e Vivian me abraçou.
"Obrigada."
“Não agradeça ainda. Agora temos que convencer um júri” - falou Elijah.
Saímos do tribunal e voltamos para o escritório.
"O que você quis dizer, quando disse que teria me conhecido, se eu não tivesse
escapado no meio da noite?"
"Nada."
"Besteira, Elijah." Agarrei seu braço e paramos de andar.
Ele olhou para a minha mão no seu braço e depois voltou para mim. Eu deixei ir, e
ficamos lá na rua, enquanto as pessoas passavam por nós.
“Por que você foi embora, Aspen? Pedi para você ficar a noite e você disse que
faria. Então acordo na manhã seguinte e você se foi.”
“É por isso que você está me tratando como uma merda? Porque eu fui embora? Nós
fizemos sexo, Elijah. Isso foi tudo. Que diferença faria, se eu ficasse? Não é como,
voltáriamos a nos ver, por que ficar aconchegante e se envolver em uma conversa
significativa?”
Ele ficou lá por um momento e lentamente acenou com a cabeça.
"Você está certa." Ele começou a se afastar.
"Eu sinto Muito. OK?" Eu andei com ele. "É isso que você quer ouvir?"
“Sente muito pelo quê? Partir ou mentir?”
"Você age como se eu tivesse te machucado", eu disse.
"Haha". Ele riu. “As mulheres não me machucam, Aspen. Sou eu que sempre
machucou.”
“Oh, tudo bem. Então eu machuquei seu ego. Uma mulher saiu no meio da noite,
depois de fazer sexo com o todo-poderoso Elijah Wolfe. Supere a si mesmo."
Atravessamos a porta do prédio e pegamos o elevador em silêncio.
"Você não vai dizer nada?" Falei, quando entramos no chão de mármore do
escritório de advocacia.
"Não. Você não vale a pena, senhorita Michaelson.” Ele foi em direção ao seu
escritório.
"Você é um idiota, Elijah." Eu gritei pelo corredor.
"Eu sei e não vou me desculpar por isso."
"UGH!"
"O que diabos foi isso tudo?" Colleen perguntou, enquanto me seguia para o meu
escritório.
“Exatamente o que eu disse. Ele é um idiota!” Exclamei, quando me sentei e deitei
minha testa, na minha mesa.
“Mudança de assunto então. Como foi no tribunal?”
"O caso será apresentado a um júri, daqui a uma semana", falei com a cabeça ainda
plantada na mesa.
“Aspen, são ótimas notícias! Vamos comemorar no Rudy, depois do trabalho.”
CAPÍTULO 20

E lijah

Bati minha maleta e caí na minha cadeira, virando-a e olhando para a cidade
movimentada. Como ela ousa falar comigo assim. Puxei meu telefone do bolso e enviei
uma mensagem de texto em grupo, para meus irmãos.
“Eu preciso de algumas bebidas. Vocês podem me encontrar no
Rudy's às sete?”
"Eu estarei lá, mas tenho um voo cedo amanhã, então não posso ficar
até tarde", respondeu Nathan.
"Vou sair nos próximos três dias, então estarei lá ", respondeu
Mason. "Tudo bem, mano?"
"Apenas um dia muito estressante."
"Como foi?" minha mãe perguntou, quando abriu a porta e entrou no meu escritório.
"O caso será apresentado a um júri, daqui a uma semana."
"Excelente. Ela fê-lo. Você acha que vocês dois , podem ganhar o caso?”
“Quem diabos sabe. Acho que vou me retirar do caso e colocar Marty na segunda
cadeira.”
"Por que você faria isso, Elijah?"
"Porque eu não quero trabalhar com ela."
"Eu não disse para você deixar seu ego, fora do escritório?"
“Isso não tem nada a ver com o meu ego. Ela é apenas estranha e rude. Quando fui
ao escritório dela, hoje de manhã, para levá-la à corte, ela tocava música e dançava no
escritório. ”
"Por quê?"
“Porque ela é uma maldita esquisita. É por isso."
"Então você está me dizendo, que ela estava dançando por aí, logo de manhã?"
“Ela falou um pouco sobre isso, disse que coloca-a na mentalidade certa, perante o
tribunal e isso ajuda a clarear a cabeça. Você acredita nisso?"
“Bem, todo mundo tem seu próprio jeito de clarear a cabeça. Isso não a torna
estranha.”
"Tanto faz, mãe." Revirei os olhos.
“Jogue bem na caixa de areia, Elijah. Você ficará no caso Kind . Fim de
discussão." Ela girou nos calcanhares e saiu.

################

E ntrei no Rudy's e olhei em volta, à procura de uma mesa. Instantaneamente,

meus olhos avistaram Aspen e Colleen. O que diabos elas estavam fazendo aqui?
"Ei, Elijah!" Colleen me acenou.
Merda.
Hesitante, caminhei até onde ela e Aspen, estavam sentadas.
"Junte-se a nós. Estamos comemorando o caso indo a um júri”. Colleen sorriu.
"Não, obrigado. Vou encontrar meus irmãos.”
"Bem, eles podem se juntar a nós também." Ela deu um sorriso paquerador .
"Talvez outra hora. Eles estão aqui agora”. Eu me afastei.
Eu não conseguia nem olhar para Aspen, depois do que aconteceu antes. Atravessei
o bar e me juntei aos meus irmãos, que apenas nos pegaram uma mesa.
"Garotos, o de sempre?" Hanna sorriu, enquanto se aproximava.
"Sim." Todos nós falamos em uníssono. "Faça o meu duplo", eu disse.
"Então, que estresse estava com você hoje?" Nathan perguntou.
“Aspen. Ela tem um caso para ir a um júri. Eu teria apostado dinheiro, que o juiz
teria jogado fora.”
"Isso é bom. Não é?” Perguntou Mason.
“A parte difícil será convencer o júri, a dar à nossa cliente, o que ela quer. Eu não
acho que isso vai acontecer.”
"Bro, ela parece ser uma boa advogada", disse Nathan.
“Ela é uma cadela. Ela me disse hoje, que o motivo pelo qual saiu no meio da noite
no Havaí, foi porque nunca mais nos veríamos. Por que se preocupar em ficar
aconchegante e se envolver em uma conversa significativa? Você acredita nisso?”
Assim que Hanna pousou nossas bebidas, peguei meu copo e tomei um grande gole.
"OK? Ela tem razão” - Nathan falou. “É assim que eu faço. Foda-se e vá
embora. Você também, Elijah.”
"Exatamente!" Eu apontei para ele. "Eu faço."
Mason soltou um suspiro. "Apenas admita que você gosta dela, e você se sentiu
rejeitado, quando ela saiu."
Eu constantemente estreitei meus olhos para ele.
“Eu não gosto dessa mulher. Ela me chamou de idiota”.
Nathan e Mason riram.
"Você é um e sabe disso", disse Mason.
"Assim como vocês dois."
“Umm. Não é que Aspen ali, está dançando com Colleen? Nathan perguntou.
Virei minha cabeça e a observei, enquanto ela dançava na pista de dança. Revirei os
olhos, joguei meu uísque no fundo da garganta e encerrei a noite.
"Eu tenho que ir. Eu tenho tribunal amanhã e preciso estar totalmente preparado. ”
"É esse o caso, em que você está enfrentando Aspen?"
"Sim."
Saí do bar e parei no meio-fio, levantando a mão, para pegar um táxi.
"Boa noite, Sr. Wolfe."
Eu me virei e vi Aspen começar a andar pela rua.
"Onde você vai?"
"Casa."
"Você está andando?"
"Eu moro apenas a alguns quarteirões de distância."
"Tenha uma boa noite de sono. Você vai precisar para amanhã.” Eu gritei.
Ela levantou a mão e acenou para mim, enquanto virava a esquina. Ugh. Aquela
mulher me deixava louco.
CAPÍTULO 21

A spen

Na manhã seguinte, quando eu estava saindo do meu prédio, parei para conversar
com Donnie.
“Bom dia, Donnie. Você pode me fazer um favor?"
"Claro, Aspen, qualquer coisa."
- “Minhas caixas de Connecticut estão chegando hoje e ficarei no tribunal a maior
parte do dia. Quando o caminhão chegar, você pode deixá-las no meu apartamento e
depois trancar, quando eles forem embora?”
“Eu ficaria feliz. Boa sorte hoje." Ele sorriu.
"Obrigada. Eu vou precisar disso”. Eu sorri de volta para ele.
Depois de parar na Starbucks, eu coloquei meu café na minha mesa e alimentei
Fantasia.
"Bom Dia." Colleen sorriu, quando entrou.
"Bom Dia."
"Você está pronta para enfrentar Elijah hoje?"
“Tão pronta quanto eu sempre estarei. Eu acho." Mordi meu lábio inferior.
"Bem, boa sorte."
"Obrigada. Eu vou precisar disso.”
Eu me olhei no espelho pendurado , na parede do meu escritório. Seria difícil e, com
apenas um dia e meio para me preparar, eu não estava me sentindo muito confiante. De
fato, o pensamento de enfrentar Elijah, me deixou nervosa. Tirei os sapatos e comecei a
me mover lentamente ao ritmo, começando pelos meus ombros até começar a relaxar e
deixar o resto do meu corpo seguir. Antes que eu percebesse, eu estava no modo de
dança completa e todo o resto desapareceu. Até que a porta do meu escritório se abriu e
Elijah ficou lá, com os braços cruzados e um olhar de desaprovação no rosto.
"Você já terminou?" ele perguntou, enquanto olhava para o relógio.
Desliguei a música e olhei para ele, com um sorriso no rosto.
"Sim."
Sentada na cadeira, coloquei meus sapatos, agarrei minha maleta e nós dois
saímos. Enquanto andávamos pela rua, contei a ele o que ouvira. Eu queria que ele
soubesse, que sabia exatamente, o que ele pensava de mim.
"Eu ouvi o que você disse ao Sr. Quinn."
"O que você ouviu?"
“Que eu provavelmente não sou tão boa e ele não tem com o que se
preocupar. Além disso, se você tivesse uma opinião, não teria me contratado. Eu só
queria que você soubesse, que ouvi cada palavra e realmente não dou a mínima, para o
que você pensa de mim.”
"Você já terminou?" ele perguntou.
"Sim."
"Bom."
Idiota.
Entramos no tribunal. Eu me encontrei com meu cliente e Elijah se encontrou com o
dele. Entramos no tribunal e sentamos.
"Você pode fazer isso, certo?" Perguntou Renae.
"Eu posso fazer isso. Não se preocupe." Coloquei minha mão em seu braço.
“Todo mundo se levante. O tribunal está agora em sessão. O honorável juiz Swift
está presidindo. ”
Todos nos levantamos, quando o juiz entrou. Olhei para o júri e estudei cada um dos
rostos deles.
“Quinn vs. Quinn. Estou lendo isso certo? Ambos os advogados, trabalham na
mesma empresa?”
"Sim, Meritíssimo", falou Elijah.
“Isso é altamente incomum. Ambas as partes assinaram uma renúncia a conflito de
interesses? ”
"Sim. Eles fizeram, Meritíssimo” - respondi.
"Senhor Wolfe, é bom vê-lo novamente. Você gostou da sua estadia, na cela da
prisão que te coloquei, na última vez que você esteve no meu tribunal?”
"Foi uma aventura, Meritíssimo."
“Espero que não precise fazer isso de novo. Você pode chamar sua primeira
testemunha.”
Elijah chamou o Sr. Quinn para o stand. Pegando minha caneta, tomei notas e
estudei a reação do júri, com cada resposta que o Sr. Quinn deu.
"Sem mais perguntas, Meritíssimo."
“Michaelson, você pode fazer o exame.”
Eu me levantei e fui até o Sr. Quinn.
“Deixe-me perguntar uma coisa, Sr. Quinn. Você realmente esperava que sua esposa
de vinte e cinco anos não reagisse, quando descobriu que você estava tendo um caso?”
“Claro que sim. Imaginei que ela gritaria, gritaria e choraria. Eu nunca pensei que
ela destruiria o que sabia ser tão precioso e valioso para mim.”
"Você e sua esposa, já tiveram dificuldades em seu casamento, antes de seu caso?"
"Na verdade, não."
"Vocês dois discutiam?"
"As vezes. Mas não com muita frequência”.
"Você já bateu nela?"
"Deus não. Eu nunca fiz. Eu a amava.”
"Se você a amava, por que procurou a companhia de outra mulher?"
“OBJEÇÃO, Meritíssimo. O caso do Sr. Quinn não está sendo julgado” - Elijah se
levantou.
"Sustentado."
"Você diria que seu casamento foi feliz?"
"A maior parte do tempo."
"Você contou à sua esposa, quando não estava se sentindo feliz com isso?"
"Não. Eu não fiz. Não queria aborrecê-la.”
"Eu vejo. Você não queria aborrecê-la”. Eu balancei a cabeça. "Por quê? Você tinha
medo que ela fizesse algo terrível, se você contasse a ela?”
"Não. Como eu disse, não queria magoar os sentimentos dela.”
"Sua esposa já foi violenta com você ou com alguém?"
"Não. Ela nem mataria uma mosca ou uma aranha que estava na casa. De fato, ela os
prenderia e os deixaria sair. “
"Eu vejo. Então, o que a Sra. Quinn fez com seus pertences, era muito estranho para
ela?”
"OBJEÇÃO!" Sua honra.
“Substituído. Sente-se, Sr. Wolfe.”
“Responda à pergunta, Sr. Quinn, e lembre-se de que está sob juramento. Era do
caráter da Sra. Quinn, destruir seus pertences?”
"Sim." Ele olhou para baixo.
"Sem mais perguntas, Meritíssimo."
Olhei para Elijah quando voltei para o meu assento, apenas para encontrá-lo
olhando para mim. Chamei a senhora Quinn e a questionei. Elijah a incomodou. As
coisas ficaram feias, e eu joguei muitas objeções em seu caminho. Todas elas
sustentadas. Ele cumpriu sua reputação e se orgulhava disso.
“Retomaremos este caso, segunda-feira de manhã, às nove horas. A corte está
suspensa ”, falou o juiz Swift.
CAPÍTULO 22

E lijah

Ela era muito boa, e o júri estava relacionado a ela. Eu poderia dizer, pela maneira
como eles a observavam. Levantei-me do meu lugar e segui Aspen para fora do prédio.
"Você é boa", falei , enquanto caminhávamos pela rua.
"Sei quem eu sou." Ela sorriu. "Pronto para largar o estojo?"
"Haha". Eu ri. "De jeito nenhum. Mas talvez eu possa conversar com meu cliente e
ver se ele está disposto a se contentar, com uma quantia menor."
“Negado. Meu cliente não está pagando um centavo.”
“Vamos lá, Aspen. Ela deveria ter que pagar pelo que fez.”
Atravessamos as portas do prédio e ela parou no meio do saguão.
"O mesmo pode ser dito, para o seu cliente."
"Por quê? Porque ele teve um caso?”
"Sim." Ela caminhou até o elevador. "E eu pensaria com muito cuidado, nas
próximas palavras que sairão da sua boca."
"Ele não deveria ter seus bens valiosos destruídos, porque dormiu com outra
mulher."
"E ela não deve ter sua dignidade e autoestima destruídas, por um homem que
amou e que a dedicou sua vida por 25 anos."
Ela entrou em seu escritório e fechou a porta na minha cara. Olhei para Colleen, que
estava sentada lá, com um sorriso.
"Você não tem trabalho a fazer?" Franzi minhas sobrancelhas.
Entrando no meu escritório, Marie me seguiu para dentro.
"Como foi?"
"Ela é boa." Suspirei.
"Bem, você já descobriu isso, quando ela conseguiu que o juiz levasse o caso Kind, a
um júri."
“Ela é melhor do que eu pensava. Ela pode realmente ganhar neste caso, Marie”. Eu
olhei para ela.
"Uau. Você está falando sério?"
"Sim. Sou muito sério." Recostei-me na cadeira. "Ela é inteligente e pensa fora da
caixa."
"Isso é bom para a empresa, certo?"
"Sim. Isto é. Faça-me um favor. Ligue para Charlie Connors, em Connecticut e diga
que preciso me encontrar com ele amanhã. Além disso, ligue para Mario e veja a que
horas, ele pode me levar até lá, em seu helicóptero. “
"Por que você quer se encontrar com o empregador anterior de Aspen?"
"Eu preciso descobrir exatamente, com quem estou lidando."
"OK. Vou ligar para ele agora.”

##############

D eixei meu escritório, por volta das oito da noite e fui ao Rudy's, onde

encontrei Mason, para tomar um drinque. Quando cheguei lá, vi Aspen sentada à mesa
com Colleen, sua irmã, Geneva, e um homem que presumi, ser o marido de Geneva.
"Bro, aqui", ouvi Mason gritar.
Fui até onde ele estava sentado e me sentei em frente a ele.
"Eu já tomei a liberdade de pedir seu uísque." Ele sorriu. “Imaginei que você
precisaria disso, depois do tribunal hoje. Como foi?"
“Tudo correu bem. Ela é ótima. Estou indo para Connecticut amanhã, para me
encontrar com seu ex-chefe, Charlie Connors” – falei, enquanto pegava meu copo.
"Por quê?" As sobrancelhas dele se franziram.
“Porque eu quero saber mais sobre ela e seu estilo de litígio. Eu já tive um
vislumbre, mas sei que há mais nela.”
“Então por que você não pergunta, a ela mesma? Leve-a para jantar e converse fora
do escritório.”
"Não." Tomei um gole do meu uísque.
"Ela com certeza, parece estar se divertindo", Mason falou, enquanto olhava para a
pista de dança.
Virando-me, a observei, enquanto ela dançava com Colleen e sua irmã. Ela estava
pulando para cima e para baixo, agitando as mãos no ar, com um sorriso largo
espalhado pelo rosto. Involuntariamente, os cantos da minha boca ligeiramente se
curvaram para cima. Ela era linda, inteligente e extremamente independente. Ela era o
tipo de pessoa, que não se importava com ninguém, mas os informava de uma maneira
educada. Ela dançou em seu escritório e manteve um peixe em sua mesa. Por mais
estranho que eu a achasse, ainda achava que ela era a mulher mais bonita, que meus
olhos já tinham visto.

#############

"C harlie, obrigado por se encontrar comigo no sábado. ”

“Sem problemas, Elijah. Sente-se. Posso pegar uma bebida para você? Eu tenho
uísque.”
"Scotch seria ótimo."
Ele foi até o carrinho do bar e serviu uma bebida, para cada um de nós.
"Então, a que devo o prazer desta reunião?" ele perguntou. "Você tem um caso ou
algo que precisa de uma consulta?"
"Ah, não. Na verdade, quero falar com você, sobre Aspen Michaelson.”
Instantaneamente, a cor caiu de seu rosto.
"Então e ela? Como você a conhece?"
"Ela trabalha para mim, na minha empresa."
"Você é casado?" ele perguntou.
"Não."
"Bom. Mantenha assim. Então e ela?"
"Além do que ela fez com você, quero saber sobre suas habilidades em litígios."
"Ela te disse?"
“Ela foi forçada por minha mãe. Foi ela quem a contratou. Aparentemente, um de
seus associados, em outro departamento, disse a ela que a viu em seu escritório um dia
e depois saiu abruptamente.”
Ele suspirou. “Escute, a última coisa que eu queria fazer, era transferir Aspen deste
departamento. Ela é uma das melhores advogadas que já vi, há muito tempo. Ela atraiu
muitos clientes e ganhou quase todos os casos que tentou. Ela é uma mestra em
assentamentos e não pára no tribunal. Eu simplesmente não podia arriscar, minha
esposa me deixando e me arruinando financeiramente. Passei minha vida construindo
essa empresa e fazendo dela, o que é hoje. Não vou entregar metade para minha
esposa. Se você fosse casado, entenderia.”
"Talvez", eu falei. “Então o que você está dizendo, é que Aspen fará o que for
preciso, para ganhar um caso? Ética ou antiética? ”
"Sim. Não deixe seu belo exterior te enganar. Ela pode parecer uma mulher doce e
inocente, mas por dentro está cheia de fogo e é feroz. Ela herdou isso de seu pai, que
também era um advogado excepcional. E não se esqueça, ela me chantageou. Ela fica
quieta sobre suas estratégias. Ela só permite que você saiba, o que ela quer que você
saiba.”
"Eu vejo."
"Posso perguntar, por que você quer saber tudo isso?"
"Eu vou contra ela, em um caso."
"Estou confuso. Você disse que ela trabalha para você.”
"Exatamente. Eu tenho um cliente que está processando a esposa, por três milhões
de dólares. Ela destruiu alguns bens valiosos e pessoais no valor de dois milhões e ele
está procurando o resto em danos de sofrimento emocional. Sua esposa veio à empresa
e pediu que Aspen a representasse. Aspen convenceu minha mãe a deixá-la, se ambas
as partes assinassem uma renúncia. No começo, não era grande coisa, porque ela tinha
apenas um dia e meio para revisar e preparar-se para o tribunal. Agora, acho que ela
pode ganhar o caso.”
“Ela provavelmente vai. Sua melhor aposta, é tentar chegar a um acordo.”
“Eu já tentei. Ela disse não."
“Não estou surpreso. Aspen gosta de uma boa luta. No entanto, vou lhe dizer, que
você tem muita sorte em tê-la. Ela ganhará muito dinheiro para sua empresa. Eu já
estou sofrendo as conseqüências de sua partida. Mas é um centavo do que eu teria que
pagar, se minha esposa se divorciasse de mim.
CAPÍTULO 23

A spen

Passei o dia descompactando e organizando meu apartamento. Foi bom colocar tudo
em seu devido lugar. Lucas desceu e pendurou minha TV de setenta polegadas na
parede e algumas outras fotos que eu tinha. Eu abasteci minha geladeira com frutas e
legumes e meus armários com os grampos. Eu estava exausta, antes do cair da noite e
ainda tinha que trabalhar em alguns casos.
Tomei um banho quente para relaxar e depois vesti meu roupão curto
e confortável . Enquanto eu estava na cozinha fazendo um chá, meu telefone do lobby
tocou.
"Ei, Donnie."
"Sinto muito incomodá-la, Aspen, mas há um Sr. Wolfe aqui para vê-la."
Franzi minhas sobrancelhas, quando uma sensação de desconforto, se instalou na
minha barriga.
"Envie-o."
A chaleira começou a assobiar, então fui até o fogão e a desliguei. De repente, ouvi
uma batida na porta. Abrindo, Elijah estava lá, com as mãos dobradas firmemente nos
bolsos da calça, enquanto me olhava da cabeça aos pés.
"Elijah."
"Aspen".
"Como você sabia, onde eu morava?"
“Eu posso descobrir qualquer coisa. Posso entrar?"
"Por quê?" Eu estreitei meus olhos para ele.
Ele suspirou, quando passou por mim.
"Está bem então. Apenas entre.”
“Lugar agradável, que você tem aqui. Você está gostando?”
"Eu gosto muito. Já parece um lar.”
"Bom de se ouvir. Dois milhões."
"O que?" Eu perguntei, enquanto despejava um pouco de água quente, na minha
xícara.
“Dois milhões para o meu cliente. A quantia exata dos danos. Vamos esquecer as
acusações de sofrimento emocional.”
“Nós já discutimos isso, Elijah. Meu cliente não está pagando um centavo, ao seu
cliente.”
"Eu sei o que você está fazendo, Aspen." Ele andou, acenando com o dedo.
"O que estou fazendo, Elijah?"
“Você receberá o cartão de insanidade temporária. Você vai sugerir alguma coisa
para contar ao júri , que a sra. Quinn estava temporariamente louca, quando descobriu
a amante do marido, blá, blá.”
"E como você sabe disso?" Eu arqueei minha sobrancelha para ele.
“Porque é o que eu faria. Você está usando algo, por baixo desse roupão”?
Peguei minhas mãos e apertei com mais força.
"Por quê?"
"Só me pergunto, porque parece que você não está." Sua sobrancelha se levantou de
uma maneira sexy, que fez minhas pernas apertarem.
“Mantenha seus olhos, longe do meu roupão. Entendeu?"
"Desculpe. É meio difícil não notar. Enfim, você não vai se mexer. Você poderia?"
"Não. Como eu te disse anteriormente, seu cliente burro de merda mereceu o que
conseguiu.”
"Bem. Vamos continuar lutando no tribunal, e não se engane, senhorita Michaelson,
ficará feio.” Ele apontou para mim.
- “Vamos lá, Sr. Wolfe. Talvez outros advogados, tenham medo de se opor a você,
mas eu não.”
Ele ficou lá e balançou a cabeça lentamente, enquanto seus olhos se estreitavam
constantemente para mim.
"Bem. Nós terminamos aqui”. Ele começou a caminhar em direção à porta.
"Sim. Nós terminamos aqui” – falei, enquanto estava de pé com os braços cruzados.
Ele colocou a mão na maçaneta da porta e parou.
"Foda-se", ele falou quando se virou, caminhou até onde eu estava e esmagou seus
lábios nos meus.
Fiquei chocada, mas gostei. Eu pensei sobre aqueles lábios nos meus, desde aquela
noite no Havaí. Isso era tão errado, mas eu não consegui impedi-lo. Voltei seu beijo,
enquanto nossas línguas se enredavam na noite. O beijo foi quente e pesado, e ele sabia
que eu não o impediria, de fazer o que quisesse. Seus dedos desfizeram o laço do meu
roupão e o deslizou dos meus ombros. Minhas mãos se atrapalharam com cada botão
em sua camisa, até que ela foi aberta e jogada ao chão.
"Eu sabia que você não estava usando nada, por baixo desse roupão", ele murmurou.
Suas mãos percorreram meu corpo, agarrando minha bunda, antes que ele me
pegasse em seus braços e me carregasse para o quarto. Minha pele estava em chamas e
meu corpo estava cambaleando de emoção. Ele me deitou na cama e pairou sobre mim,
enquanto sua língua acariciava meus seios de uma maneira tão sensual, que eu pensei
que estava indo para o orgasmo. Ele colocou a mão entre as minhas pernas e lentamente
a moveu, até seus dedos sentirem a umidade que escorria de mim. Um gemido escapou
dele, quando ele mergulhou o dedo dentro de mim. Eu ofeguei com o prazer e fiquei
mais intoxicada, quando ele me explorou.
“Eu não vou parar, até que você venha. Voce entende?"
"Sim", eu gemi, quando joguei minha cabeça para trás, dando a seus lábios , acesso
ao meu pescoço.
Ele encontrou pontos dentro de mim, que eu não sabia que existiam e me enviou
voando alto, enquanto meu corpo tremia com o orgasmo que ele me deu. Meu coração
bateu forte no meu peito, enquanto eu lutava para recuperar o fôlego. Subindo na cama,
ele tirou a calça e vestiu uma camisinha.
"De quatro", ele ordenou.
Droga. O pensamento dele me levando por trás, me excitou ainda mais.
Eu fiz o que ele disse, e ele empurrou dentro de mim. Nós dois ofegamos e depois
soltamos gemidos agradáveis, ao mesmo tempo. Sua natureza animalesca era
quente. Ele se moveu dentro e fora de mim, com tanta força, que suas bolas atingiram
meu clitóris a cada impulso, levando-me ao orgasmo mais rápido do que nunca. Soltei
um grito, quando meu corpo caiu de graça.
"Oh, meu Deus", ele gemeu. "É isso aí. Deus, eu vou explodir”. Seu movimento
diminuiu, pois era sua vez de vir.
Caí na cama e ele caiu comigo. O calor de nossos corpos colidiu, enquanto
estávamos lá, tentando recuperar o fôlego, e senti o calor de seus lábios, pressionando
contra meu ombro. Ele desceu de mim e foi ao banheiro, para descartar a
camisinha. Rolando, sentei-me e vesti meu robe. Agora vinha o constrangimento de
toda essa situação.
Ele saiu do banheiro e pegou a calça do chão.
"Isso não pode acontecer novamente", ele falou.
"Não. Não pode.” Eu olhei para ele da beira da cama.
Levantei-me, entrei na sala e peguei um pedaço de papel da pasta Kind. Depois de
entregá-lo, ele olhou para ele.
“Uma lista atualizada de testemunhas, com o nome Dr. Gregory Spiel. Surpresa
surpresa."
Um sorriso cruzou meus lábios.
"Vejo você na segunda-feira", ele falou, enquanto se dirigia para a porta.
"Se você gostaria de se juntar a mim no meu escritório, para uma rápida sessão de
dança no tribunal, você é bem-vindo." Eu sorri.
Os cantos de sua boca se curvaram levemente para cima , quando ele abriu a porta e
saiu. Fechei meus olhos lentamente e respirei fundo , enquanto tentava extinguir o fogo,
que ainda residia dentro de mim.
CAPÍTULO 24

E lijah

Saí do prédio dela e chamei um táxi para casa. Não deveria ter acontecido, mas
aconteceu. Eu não consegui me controlar. Especialmente, quando a vi parada lá, em
nada, além daquele roupão. A atração por ela era inegável, assim como a química
sexual. Mas era tudo o que tinha que ser. De fato, quando eu disse a ela, que isso não
poderia acontecer novamente, eu não estava brincando. Eu quis dizer isso desta vez
porque eu não estava prestes a começar algo com ela sexualmente e, depois, as coisas se
complicariam quando eu não pudesse dar mais nada a ela. Ela esperaria mais. Elas
sempre faziam.

#############

N o dia seguinte, nos encontramos para jantar em família, já que era quinta-

feira. Estaríamos todos lá, desde que Nathan estava voltando hoje e Mason não voltava
ao trabalho, por mais alguns dias.
"Oi, mãe", falei, enquanto entrava na cozinha e colocava a garrafa de vinho, que eu
trouxe, na ilha.
"Olá, Elijah." Ela sorriu, enquanto beijava minha bochecha. "Como está seu fim de
semana até agora?"
“Sem queixas. Nathan e Mason, ainda não estão aqui?”
"Ainda não. Os dois ligaram e disseram que estavam a caminho.”
O cheiro de uma carne assada no forno, se infiltrou no ar.
"Voce precisa de ajuda com algo?" Eu perguntei.
"Você pode me servir um copo daquele bom vinho, que você trouxe." Um sorriso
cruzou seus lábios. “Como está indo o caso Quinn? Está tudo bem entre você e Aspen?”
“Ela é boa, mãe. Talvez um pouco boa demais.”
“Eu sabia que ela seria. Ela me lembra o pai dela.”
"O que?" Parei de servir o vinho e olhei para ela.
“Eu conheci o pai dela. Nos conhecemos há vinte anos, em Connecticut, quando
participei de uma conferência de direito, em que ele era palestrante. Quando a
conferência terminou, ele me convidou para uma bebida. Eu aceitei, e a bebida se
transformou em jantar. Ele era um homem maravilhoso e um dos maiores advogados,
que eu já conheci.”
"E?" Eu perguntei cautelosamente.
"Se você está perguntando se dormimos juntos, a resposta é sim."
"Mãe!" Eu exclamei.
"Não se preocupe. Ele não era casado.”
"Foi apenas uma vez, certo?"
"Não." Um pequeno sorriso, emoldurou seu rosto. "Realizamos nosso pequeno
encontro secreto, por quase um ano."
"Jesus Cristo. Eu não acredito nisso. Como eu não sabia?
"Eu escondi isso de vocês, meninos."
"O que aconteceu entre vocês dois?"
“Eventualmente, ele queria divulgar nosso relacionamento e queria conhecer vocês,
meninos, e ele queria que eu conhecesse suas garotas. A distância era difícil para nós
dois, mas ele não conseguiu mais.”
"Quando vocês dois se viram?"
“Principalmente nos fins de semana. Às vezes, ele voava aqui, em um dia da semana
ou eu voava para lá e depois saía à noite.”
Eu fiquei lá, enquanto lembranças enchiam minha mente.
“Vovó nos assistia muito, nos finais de semana. Foi nesta época?”
"Sim. Eu disse a vocês meninos, que eu tinha que ir embora a negócios. Você não
sabia. Você era jovem. Ele queria que eu me mudasse para Connecticut. Eu estava
apenas começando a empresa, e não era possível para mim, fazer as malas e ir
embora. Gabrielle disse que ele entendeu, mas eu não acho que ele realmente
entendeu. Ele me disse que me amava e queria que fossemos uma família. Minha
carreira estava no auge de todos os tempos e eu não desistiria, não por ele ou por
qualquer outro homem. Eu tinha trabalhado muito duro, então eu terminei. Mas nunca
parei de pensar nele. Quando soube que ele faleceu, a dor no meu coração que sempre
esteve lá, ressurgiu. Quando vi a inscrição de Aspen, fiquei emocionada. Ele sempre
falava sobre suas garotas, mas principalmente sobre Aspen. Ele me contava como ela
adorava discutir e que ela seria uma ótima advogada um dia.”
"Você planejou contratá-la, antes mesmo de conhecê-la, não é?"
"Sim. Eu fiz."
"Uau. Eu não acredito nisso. E não acredito, que você não me contou.”
"Todos temos nossos segredos, Elijah."
"Ei mãe. Ei, mano.” Nathan sorriu, quando ele e Mason entraram.
“Olá meninos. Mason, arrume a mesa para mim. Nathan, por favor, tire a carne do
forno e Elijah, comece a cortar o pão.”
Depois que comemos, Nathan ajudou nossa mãe a limpar, enquanto Mason e eu,
fomos para a sala de estar, onde nos servimos um uísque.
"Você foi para Connecticut?" ele perguntou.
"Eu fiz."
"E? Você descobriu o que queria saber?”
"Eu fiz. E agora eu sei, que tenho que cuidar de minhas costas com ela.”
"Ela é tão boa?"
"Melhor." Eu balancei minha cabeça, quando joguei de volta meu uísque. “Eu fui à
casa dela, ontem à noite, quando voltei, para tentar fazê-la ter um acordo. Ela recusou,
mas isso não me impediu de ...”
“De jeito nenhum, mano. Você não fez.”
"Eu fiz, e eu disse a ela, que isso não pode acontecer novamente."
"O que ela disse sobre isso?"
"O que, quem disse, para o quê?" Nathan perguntou, enquanto entrava na sala.
"Elijah dormiu com Aspen novamente, na noite passada."
Nathan deu de ombros. "Eu sabia que era apenas uma questão de tempo. Você está
fodido, cara.” Ele apontou para mim.
"Não. Eu não estou. Nós dois concordamos, que isso não aconteceria novamente, e
se você contar à mamãe, eu mato você.”
"Oh sim? Vamos. Tente." Ele sorriu.
Arregacei as mangas e comecei a caminhar em direção a ele.
"Ei vocês. Vamos. Não” - disse Mason.
Peguei Nathan e joguei-o no chão. Nós dois começamos a lutar como sempre. Mason
tentou nos separar, mas nós o puxamos também. Ficamos um pouco ásperos, quando
batemos na mesa e o vaso de nossa mãe caiu e se espatifou no chão.
"Merda", Nathan disse, quando todos paramos.
“O que diabos está acontecendo ...” minha mãe disse, enquanto entrava. “Oh meu
Deus! Vocês três estavam lutando de novo? Eu te disse para fazer isso lá fora! Agora
levantem-se do chão e limpem isso. Quero que este vaso seja substituído e todos vocês
têm uma semana para encontrá-lo e trazê-lo para mim!”
CAPÍTULO 25

A spen

Fiquei na frente do espelho, no meu escritório e respirei fundo. Eu ainda não tinha
visto Elijah, esta manhã, e seria estranho, considerando o que aconteceu entre nós, no
sábado à noite. O caso de hoje terminaria e o júri tomaria sua decisão. Eu precisava estar
no topo do meu jogo, porque agora, Elijah daria todos os socos, já que eu não
aceitaria. Peguei o controle remoto, liguei algumas músicas, chutei os sapatos e comecei
a dançar. Assim que Colleen ouviu a música, ela se juntou a mim. Nós dançamos e
rimos. Todo o peso e preocupação do caso, desapareceram e a ansiedade que eu senti
antes, se dissipou.
"Pelo amor de Deus", disse Elijah, quando abriu a porta do meu escritório. "Isso é tão
pouco profissional."
Desliguei a música e coloquei-me nos sapatos.
"Sente-se pronta agora?" ele perguntou irritado.
"Sim." Eu sorri. "Estou pronta para chutar sua bunda, no tribunal."
"Você deseja", ele falou, enquanto abotoava o paletó.
Enquanto andávamos pela rua, eu trouxe o sábado à noite.
"Você não acha que devemos conversar, sobre sábado à noite?"
"O que tem isso?"
"O sexo quente e incrível que tivemos", falei.
“Foi só sexo, Aspen. Nada mais. Assim como no Havaí.”
"Mas você disse antes, que isso nunca aconteceria novamente e veja, aconteceu."
“E você disse a mesma coisa. O que aconteceu com sua regra de escritório?” Ele
olhou para mim.
“Eu não conseguia parar de pensar nos orgasmos incríveis, que você me deu no
Havaí. Acho que só queria experimentar de novo.”
Fiquei tão indiferente a isso, que ele parou na frente dos degraus do tribunal e me
encarou.
"O que você disse?"
"Tenho certeza que você me ouviu, Elijah."
"Bom Deus." Ele balançou a cabeça e caminhou em direção à porta.
“E do jeito que você foi um animal, sábado à noite. Batendo pontos dentro de mim,
que eu nem sabia que existiam. Parece que ainda posso sentir seu pau duro, dentro de
mim.”
Eu o observei, quando ele engoliu em seco e abriu a porta com uma mão, enquanto a
outra estava enfiada firmemente, no bolso da calça.
"Que diabos está errado com você?" ele perguntou enquanto entramos.
"Nada. Estou te elogiando. Você é incrível” - olhei em volta – “foda-se” - sussurrei
em seu ouvido.
Antes que ele tivesse tempo de reagir, o Sr. Quinn foi até ele e eu entrei na sala com
um sorriso e encontrei Renae. Quando Elijah entrou com seu cliente e se sentou, olhei
para ele, quando pegou seu copo de água e o engoliu. Peguei meu telefone e enviei uma
mensagem de texto para ele.
"Você deve se orgulhar da facilidade com que você me faz gozar e de
quantas vezes."
Olhei para ele, enquanto ele lia a mensagem, no momento em que o oficial de justiça
entrava.
"Todos se levantem. O tribunal está agora em sessão. O honorável juiz Swift, está
presidindo. ”
Todos nos levantamos e olhei para ele novamente. Um sorriso cruzou meus lábios,
porque ele estava perturbado e agora estava fora de jogo. Chamei Renae Quinn e
comecei a interrogá-la. Quando terminei, Elijah fez uma pergunta.
"Objeção, sua honra!" Eu levantei-me. "Senhor Wolfe está atormentando a
testemunha.”
"Sustentado."
"Objeção! Não há relevância para a pergunta dele!”
"Sustentado."
“Objeção, sua honra. Argumentativo!"
"Sustentado. Sr. Wolfe, observe-se” - falou o juiz Swift.
Ele terminou de interrogá-la e chamei minha próxima testemunha: Dr. Gregory
Spiel. Eu o questionei, e quando terminei, Elijah se levantou do assento para interrogar,
eu discretamente empurrei minha pasta de arquivos da mesa, ao chão. Papéis
espalharam-se por toda parte. Elijah se virou e olhou para mim.
"Peço desculpas, Meritíssimo." Inclinei-me para recolher os papéis e Elijah se
aproximou e me ajudou. "Obrigada." Eu sorri, enquanto roçava meus dedos nos dele.
Ele olhou para mim, levantou-se e começou seu interrogatório, no qual estava
tropeçando com suas perguntas. Eu fiquei sentada em silêncio, sorrindo.
"Vamos ouvir as discussões finais, depois do almoço", falou o juiz Swift.
"Posso falar com você em particular, por um momento?" Elijah agarrou meu braço
levemente.
"Certo. Renae, encontro você no saguão.”
"E aí?" Eu perguntei com um sorriso.
"Eu sei exatamente o que você fez e não posso acreditar que fui tão estúpido, em me
deixar levar por isso."
"Do que você está falando?"
“A conversa sobre o sábado à noite, a mensagem de texto, a queda dos papéis e a
escovagem dos dedos contra os meus, foi para me deixar todo enrolado, para que eu
não conseguisse me concentrar! Você usou sexo para me distrair do caso!” ele falou com
os dentes cerrados.
“Eu nunca faria uma coisa dessas. Peço desculpas por ser honesta, sobre o quão
bom, o sexo é com você.”
"Mantenha sua honestidade para si mesma, a partir de agora."
"Bem. Eu irei” - falei com uma atitude.
"Bom", ele retrucou enquanto se afastava.
Depois do almoço, chegou a hora de encerrar as discussões. Elijah fechou primeiro, e
eu assisti o júri. A maneira como eles mudaram de lugar e a expressão em seus
rostos. Eu não mentiria, o argumento final dele era bom, mas o meu seria ainda
melhor. Levantei-me do meu lugar, fui até onde o júri estava sentado e apresentei meu
argumento final. Quando terminei, o juiz Swift deu instruções ao júri e eles deixaram a
sala do tribunal. Olhei para Elijah, que se recusou a olhar para mim. Ele sabia que meu
fechamento era excepcional.
"O que acontece agora?" Perguntou Renae.
"Esperaremos que o júri volte, com um veredicto."
Levantei-me e fui para o banheiro feminino. Enquanto eu estava na frente do
espelho, olhei para mim mesma e respirei fundo, tendo uma limpeza. Eu tinha que
vencer. Não era uma opção. Eu apenas rezei a Deus, para convencer o júri a ficar do
lado da Sra. Quinn. Eu também me preocupei com o que aconteceria entre eu e Elijah, se
ele perdesse.
Quando eu estava saindo do banheiro, Elijah saiu do banheiro masculino e, mais
uma vez, eu o encontrei. Assim como eu fiz no Havaí. Eu olhei para cima do meu
telefone, enquanto a mão dele segurava em um leve aperto, no meu braço.
"Desculpe. Por que diabos eles têm que ter os banheiros próximos um do outro?”
"Não é a questão de onde os banheiros estão localizados, mas a pessoa que está
saindo dele, para prestar atenção, em vez de enterrar o nariz no telefone".
"Tanto faz." Revirei os olhos, enquanto me afastava.
"Seu argumento final foi bom", ele falou, enquanto me seguia.
“Eu sei que foi. Eu ficaria preocupada, se fosse você.”
De repente, nossos dois telefones tocaram, ao mesmo tempo.
"Merda. O júri está de volta” - falei.
“Isso com certeza não demorou muito. Eu ficaria preocupado, se fosse você”. Ele
sorriu, enquanto segurava a porta do tribunal aberta, para mim.
"Veremos o que acontece." Eu levantei minha sobrancelha.
Assim que me sentei, Renae agarrou meu braço.
“Eles não ficaram fora por tanto tempo. Isso é um mau sinal. Não é?”
"Nem sempre", eu meio que menti.
O fato de o júri ter retornado tão rapidamente, me preocupou.
- “O réu, por favor, se levantará?” Encarregado, o júri chegou a um
veredicto?” Perguntou o juiz Swift.
"Sim, sua honra."
"O que você diz?"
"No caso de Quinn vs. Quinn, por destruição maliciosa de propriedades, nós, o júri,
achamos a favor do autor."
Meu coração pulou na minha garganta.
"E ordenamos que o réu pague ao demandante, no valor de um dólar."
Soltei um suspiro, enquanto olhava para Renae.
"Oh meu Deus. Obrigada, Aspen. Muito obrigada." Ela me abraçou forte.
"Seja bem-vinda. Parabéns." Eu sorri.
"Parabéns", Elijah falou, enquanto estendia a mão.
"Obrigada." Eu sorri
CAPÍTULO 26

E lijah

"Esse pequeno truque que você fez foi cortador", falei, enquanto caminhávamos pela
rua até o escritório.
Ela virou a cabeça e olhou para mim, com um sorriso malicioso nos lábios.
"Sinto muito por isso", ela falou.
“Nunca peça desculpas, por jogar sujo no tribunal. Você fez bem, Aspen. Minha mãe
fez o certo, trazendo você para a empresa.”
“Obrigada, Elijah. Agradeço por você ter dito isso. Como está o Sr. Quinn?”
“Irritado. Ele está reclamando e dizendo que vai nos despedir. “
"Ele deveria saber melhor, do que subestimar uma mulher desprezada", disse ela.
Pegamos o elevador até os escritórios. Assim que as portas se abriram, vi minha mãe
em pé na recepção. Ela virou a cabeça e olhou para nós dois.
"Bem? Como foi?" ela perguntou nervosamente.
Aspen olhou para mim.
"Continue. Diga a ela” - falei.
"Eu venci."
“Parabéns, Aspen. Bom trabalho. Elijah, como está?”
"Estou bem. Ela apresentou um bom caso e apresentou um fechamento
excepcional. Ela tinha o júri, na palma da mão. “
“Isso exige uma celebração. Rudy esta noite as seis horas” - minha mãe falou. “Vou
ligar para seus irmãos e ver se eles podem se juntar a nós. Você já encontrou meu
vaso?” A testa dela arqueou.
“Ainda não tive chance de fazer compras. Eu tive? Você nos deu uma semana.”
"Apenas checando." Ela sorriu, enquanto se afastava.
"Vaso? Sobre o que é isso?" Aspen perguntou.
“Nós estávamos no nosso jantar semanal em família, na noite passada. Quando eu e
meus irmãos estávamos lutando, derrubamos um dos vasos dela e quebrou. Agora,
temos uma semana para substituí-lo. ”
"Oh." Ela riu, quando entrou no escritório.

##############

F ui até Rudy por volta das seis e meia e todos já estavam lá, incluindo Nathan.

"Onde está Mason?" Eu perguntei.


“Ele foi chamado para a delegacia. Um dos caras está doente e no hospital. Achei
estranho quando mamãe ligou e me pediu para vir comemorar a vitória de
Aspen. Como vai você?"
"Eu estou bem. Você nunca vai acreditar, no que diabos ela fez.”
"O que?" Nathan perguntou.
"Ela usou a conversa sobre sexo, para me distrair do caso."
"O que?" Ele riu. "O que você quer dizer?"
“Ela continuou falando sobre sábado à noite e que animal eu era e como ela ainda
podia sentir meu pau dentro dela. Então ela me enviou uma mensagem de texto no
tribunal, dizendo como eu deveria me orgulhar, de quantas vezes eu a fiz gozar. Você
acredita nisso? Ela decidiu me tirar do jogo e deu certo. Isso funcionou.”
“Jesus Cristo, ela é boa. Merda." Ele riu. “Ela realmente pegou você. Eu preciso
parabenizá-la.”
Revirei os olhos.
"Continue. Estou pegando uma bebida no bar. Eu estarei lá, em um minuto”.
"Ei, Elijah", falou Rudy, o barman e proprietário do bar. "Escocês?"
"Sim. Faça um duplo.”
"Chegando." Ele sorriu.
Enquanto esperava minha bebida, um pequeno sorriso cruzou meus lábios, quando
me virei e olhei para Aspen, enquanto ela se sentava à mesa. Ela estava rindo e se
divertindo. Resistir a ela, estava se tornando mais difícil e agora que estávamos
trabalhando no caso Kind , estaríamos passando algumas horas juntos. Havia mais do
que apenas uma atração física e sexual. Eu me senti atraído por sua mente e o desejo de
querer conhecê-la melhor, cresceu a cada dia. Eu estava pisando em território perigoso e
precisava tomar cuidado.
"Aqui está, Elijah."
"Obrigado, Rudy", falei, enquanto jogava algum dinheiro no bar.
Peguei minha bebida e fui até a mesa, sentando ao lado de Nathan.
"Oh, eu amo essa música!" Colleen exclamou. “Vamos lá, Aspen. Vamos dançar." Ela
pegou a mão dela.
Nathan e eu estávamos conversando, quando Marie se aproximou da mesa.
"Quem é aquele cara, dançando com Aspen e Colleen?" ela perguntou.
Olhei para a pista de dança e estreitei os olhos.
"Não é esse o cara, com quem ela estava conversando na academia?" Nathan
perguntou.
"Sim." Tomei um gole da minha bebida, enquanto os observava.
Uma música lenta começou a tocar, e ele passou o braço em volta da cintura dela e
os dois começaram a dançar.
"Droga. Ele não perde tempo” - falou Nathan. "Parece-me que ele realmente gosta
dela."
"Marie, vamos lá." Estendi minha mão.
"Sério, Elijah?"
"Sim, seriamente."
Eu a levei para a pista de dança e me certifiquei de dançar perto de Aspen e o cara
da academia.
"Jake, não é?" Eu olhei para ele.
"Sim. O chefe de Aspen, certo?”
"Você entendeu. Você se importaria de trocar de parceiro de dança comigo? Eu
preciso conversar com Aspen, sobre um caso.”
“Umm. Certo."
"Eu vou te matar", Marie sussurrou em meu ouvido.
"Você vai ficar bem", falei.
"O que você está fazendo?" Aspen perguntou, enquanto dançávamos.
"Você gosta desse cara?"
“Eu realmente não o conheço, mas ele parece legal. Por quê?"
“Precisamos nos sentar e discutir o caso Kind. Vamos a julgamento, daqui a alguns
dias e preciso ter certeza, de que estaremos prontos. ”
"Eu pensei que você estava deixando, em minhas mãos?" ela perguntou.
"Decidi me envolver e estamos trabalhando juntos."
"E você não podia esperar, para me contar isso de manhã?"
"Não. Não temos tempo a perder, e tenho outros casos para trabalhar. De fato, por
que não voltamos ao escritório e podemos conversar sobre isso? ”
“Deixei o arquivo em casa. Eu sabia que estaríamos no tribunal o dia todo e
planejava trabalhar nessa noite.”
"Então eu acho que vamos voltar, para o seu apartamento."
CAPÍTULO 27

A spen

No caminho para o meu apartamento, paramos em um restaurante chinês e nos


empolgamos, pois nenhum de nós comia desde o almoço. Eu estava cansada, mas Elijah
estava certo; precisávamos nos preparar para o tribunal e, quanto mais cedo
começássemos, melhor estaríamos.
Entramos no meu apartamento e Elijah colocou a sacola na ilha e começou a pegar a
comida, enquanto eu pegava dois pratos do armário.
"Podemos comer, enquanto trabalhamos", ele falou.
"Isso é o que eu estava pensando." Eu sorri.
Levei os pratos para a mesa, peguei a pasta e a abri. Discutimos o caso e como eu o
apresentaria ao júri, enquanto comíamos.
“Eu acho que sua estratégia é boa. Mas não tenho certeza, se é boa o suficiente para
convencer o júri.”
"É boa o suficiente", eu disse, enquanto levava meu prato para a pia.
Elijah me seguiu com o dele e quando me virei, ele estava tão perto de mim, que eu
estava praticamente presa ao balcão.
"Aqui, eu pego isso", eu disse, enquanto agarrava o prato da mão dele, virei e
coloquei na pia.
Meu coração disparou, quando o cheiro delicioso dele, se infiltrou no meu
espaço. Ele precisava parar de usar aquela maldita colônia. Eu ainda podia senti-lo atrás
de mim, absorvendo o oxigênio que eu precisava, para me acalmar. Eu me virei
lentamente e nossos olhos se encontraram, quando me encostei na pia.
"Existe algo que você precisa?" Eu perguntei, enquanto mordia meu lábio.
"Existe algo que você precisa?" ele perguntou, quando seu dedo varreu meus lábios.
Eu podia sentir o calor subir nas minhas bochechas, quando a dor que eu já sentia lá
embaixo, se intensificou.
"Prometemos um ao outro, que o que nós dois queremos, não aconteceria
novamente."
"Sim, eu concordo." Ele deslizou a mão pela minha saia e empurrou minha calcinha
para o lado. “Mas veja, você está extremamente molhada e eu já estou duro. Você
realmente acha, que devemos deixar um desses se desperdiçar?” ele falou em voz baixa
e sensual. "Acho que podemos quebrar nossa promessa desta vez." Seu dedo mergulhou
dentro de mim e ofeguei.
Envolvi minha mão na parte de trás de sua cabeça e o puxei para mim, esmagando
minha boca na dele. Soltei seu cinto e tirei sua calça, enquanto seu dedo explorava cada
centímetro de mim. Envolvendo minha mão em torno do eixo de seu pau duro, eu dei
alguns puxões, enquanto gemidos escapavam de seus lábios. Em segundos, ele me deu
um orgasmo. Eu gritei de prazer, enquanto meu corpo tremia com a sensação. Ele
rapidamente pegou minha camisa, levantou-a sobre minha cabeça e depois me colocou
no balcão. Instantaneamente, minhas pernas enrolaram-se firmemente em torno dele,
quando ele não perdeu tempo, empurrando dentro de mim com tanta força, que fez
meus dedos do pé se enrolarem. Nossos lábios encontraram o caminho um para o outro,
enquanto ele entrava e saía de mim, em um ritmo tão rápido, que nós dois viemos
simultaneamente.
"Eu sei que é um pouco tarde para perguntar, mas por favor me diga, que você está
no controle de natalidade."
"Eu estou. Você pode relaxar."
Ele soltou um suspiro profundo, quando saiu de mim, puxou a calça e me levantou
do balcão.
"Está ficando tarde. É melhor eu ir” - ele falou.
"Certo. OK."
"Você sabe o que? Eu tenho tempo para mais uma bebida. Talvez possamos nos
sentar no sofá e você possa me contar sobre você. Continuamos fazendo sexo e eu
realmente, não sei nada sobre você.”
"Gostaria disso." Eu sorri.
"Ótimo. Então vá se sentar e eu vou servir um copo de vinho para nós.”
“Vou mudar para algo mais confortável. Encontro você no sofá.”
Ele me deu um aceno de cabeça, quando entrei no quarto e vesti uma calça de
pijama e uma blusa. Quando entrei na sala, Elijah já estava sentado. Ele me entregou
uma taça de vinho, quando me sentei ao lado dele.
"O que você quer saber?" Eu perguntei.
“Qualquer coisa que você quiser me dizer. Eu já sei que você se formou em Yale,
com honra.”
"Bem, vamos ver. Você sabe que eu tenho uma irmã. O que você provavelmente não
sabe, é que ela e Lucas, moram neste edifício, alguns andares acima. “
"Não. Eu não sabia disso.”
"Estamos muito perto. Ela é alguns anos mais velha que eu. Ela se casou e se mudou
para Nova York, há alguns anos atrás. Meu plano era mudar para cá, depois que me
formei em Direito, mas meu pai teve câncer no pâncreas e eu precisava ficar e cuidar
dele. ”
"Isso é compreensível. E a sua mãe? Você nunca falou dela.”
“Minha mãe nos deixou, quando eu era muito jovem. Ela e meu pai tiveram seus
problemas, mas os problemas eram principalmente ela. Ela pediu o divórcio e depois
partiu para se encontrar. Quando ela voltou, dois anos depois, ela tinha um namorado e
pensou que poderia voltar para nossas vidas, como se nunca tivesse saído. Eu estava
com raiva e Geneva também. Não a recebemos de braços abertos. Que tipo de mãe
deixa suas duas filhas para trás, por dois anos? Levou muitos anos, para reconstruir
nosso relacionamento, mas eu nunca a perdoei totalmente, por sair. Agora ela mora na
Califórnia com o marido e eles possuem uma galeria de arte. Ele é um artista.”
"Eu posso me relacionar. Meu pai nos deixou, quando eu tinha quatro anos e logo
após o nascimento de Mason. Ele disse que simplesmente, não podia mais fazer a coisa
do pai. Eu mal me lembro dele”.
"Você nunca mais o viu?" Eu perguntei.
"Não. Ele deixou Nova York e desapareceu. Minha mãe e meus avós nos criaram.”
"Sua mãe nunca se casou?"
"Não. No dia em que ele saiu, ela disse que nunca mais seria enganada por outro
homem. Ela teve sua parcela de relacionamentos, ao longo dos anos. Mas quando o cara
fica sério, ela o despeja. E quanto ao seu pai? Ele nunca se casou?”
"Não. Ele namorava dentro e fora, mas nunca ficava sério com ninguém, exceto com
uma mulher. Eu nunca a conheci. Tudo o que sei, é que ele a amava profundamente, e
ela o interrompeu e a seu coração. Depois disso, ele desistiu de encontrar alguém, com
quem compartilhar sua vida. Mas de qualquer maneira, minha cor favorita é
rosa. Minha comida favorita de todos os tempos é mexicana. Você já sabe que eu amo
dançar por razões terapêuticas, e amo música. Também gosto de cozinhar, embora
nunca tenha muito tempo para fazê-lo. ”
"E você gosta de manter o peixe em sua mesa." Ele sorriu.
"Sim. Isso também." Eu ri. "Sua vez. Eu já sei que você se formou em Harvard.”
"E como você sabe disso?"
"Vi seu diploma, pendurado na parede do seu escritório."
“Ah”. Ele sorriu.
"Cor favorita?" Eu perguntei.
"Preto."
"Chato. Comida favorita?"
"Mexicana."
Um sorriso cruzou meus lábios.
"Você gosta de dançar?"
"Não."
“Estranho. Você gosta de jogar?”
"Sim. No quarto." Ele piscou.
"De alguma forma, eu sabia que você diria isso", falei. "Você gosta de cozinhar?"
"Sim. Cozinhar para mim, é como dançar para você.”
"Realmente?" Eu levantei minha cabeça.
"Sim."
"Então você deve cozinhar para mim, algum dia."
"Definitivamente vou." Os cantos da boca dele, se curvaram para cima.
"Quanto tempo durou, o seu último relacionamento?" Eu perguntei.
"Nunca tive um."
"O que?" Eu ri. "Você nunca esteve em um relacionamento?"
"Não. Às vezes, vejo a mesma mulher por um tempo, mas é apenas
casual. Companheirismo casual, é o que eu gosto de chamar. Se elas tentam me dizer o
que fazer ou me controlar, estão fora. Se elas começam a se apaixonar, estou fora”.
"Parece que você tem problemas de compromisso."
“Não é um problema. É assim que eu prefiro as coisas. Eu me recuso a ser amarrado
a alguém. O pensamento de me comprometer com alguém, não é atraente. Causa muito
caos na vida de uma pessoa e não tenho tempo para isso. Veja o caso Quinn & Kind, por
exemplo. Se todos ficassem casuais, ficariam muito mais felizes. ”
"Você está feliz, Elijah?" Eu perguntei.
"Sim. Estou muito feliz. Eu tenho tudo o que eu poderia pedir. Tenho uma ótima
família, sou bem-sucedido e tenho muito dinheiro. Eu posso viajar para qualquer lugar
que eu quiser no mundo e fazer o que quiser. Além disso, conseguir mulheres não é um
problema. Veja como foi fácil levá-la para a cama, no Havaí.” Um sorriso cruzou seus
lábios.
"Caramba, valeu. Agora você me faz sentir, como uma prostituta”. Eu bati no braço
dele. – “Além disso, você teve sorte naquela noite, porque eu estava deprimida e
vulnerável. Se eu não estivesse triste e vulnerável, não teria dormido com você.”
"Mentirosa." Ele sorriu.
Ele estava certo. Eu era uma mentirosa.
Ele levou a mão à minha bochecha e acariciou-a suavemente.
“Eu realmente preciso ir. Está tarde."
"Eu sei." Eu sorri levemente.
Ele se inclinou e suavemente roçou seus lábios nos meus. Meu interior ainda ardia
de desejo por ele e eu me vi não querendo, que ele fosse embora. Nosso beijo ficou
apaixonado. Apaixonado o suficiente, para acabarmos na minha cama, fazendo amor
pela segunda vez, naquela noite. Quando acabou, eu me aconcheguei nele, colocando
minha cabeça em seu peito, enquanto seu braço se segurava em volta de
mim. Sentimentos surgiram dentro de mim. Sentimentos desconhecidos. Fechei os olhos
e adormeci.
Quando acordei, esse sentimento se foi e ele também. Peguei meu telefone na mesa
de cabeceira e verifiquei a hora. Eram três horas da manhã, imbecil. Eu não podia
acreditar, que ele foi embora. Este foi o seu retorno.
CAPÍTULO 28

E lijah

Esperei até saber que ela estava dormindo e depois fui embora. Segurá-la em meus
braços, depois que fizemos sexo pela segunda vez, me fez sentir muito bem e quando
fechei os olhos, nos vi. Talvez fosse apenas pelas conversas que tivemos, no início da
noite. Quem diabos sabia? Mas a única coisa que eu sabia, era que passar a noite com
ela, não era uma opção para mim. Eu precisava dar o fora dali. Eu senti como se
estivesse me afogando e a água que encheu meus pulmões me sufocava.
Fui para casa, tirei minhas roupas e subi na cama. Ela ficaria chateada quando
acordasse e descobrisse que eu tinha saído. Ela deveria ter esperado isso. Cheguei à
empresa por volta das sete horas da manhã e quando passei pelo escritório de
Aspen; Olhei pela janela e continuei andando. Eu não sabia o que esperar ou qual seria
a reação dela, mas era muito cedo para descobrir, porque eu ainda não tinha tomado
meu café.
Quando entrei na sala de descanso, para pegar uma xícara de café, vi Aspen parada
lá.
"Bom dia", falei. "Você não parou na Starbucks, hoje de manhã?"
"A fila era muito longa", ela falou, enquanto servia café na xícara e se afastava.
Ela estava chateada. Assim como eu sabia, que ela estaria. Depois de servir um café,
peguei minha xícara e fui para o escritório dela.
"Precisamos trabalhar mais no caso Kind ."
“Eu já fiz muito disso. Eu vou falar com você mais tarde. Tenho alguns outros casos
para trabalhar e tenho um cliente chegando às dez. ”
- “São apenas oito e meia. Desde que horas você está aqui?"
"Desde as cinco e meia", ela falou, enquanto mantinha o nariz enterrado, em um
livro de direito.
“Oh. Não conseguiu dormir?” Eu perguntei cautelosamente.
"Eu dormi muito bem." Ela olhou para mim com um sorriso. "Eu só não quero ficar
para trás."
"Eu vejo. Qual cliente está entrando? ”
“Ele é um novo cliente. Sua esposa faleceu durante um procedimento cirúrgico de
rotina e ele está processando o hospital. Segundo ele, o médico ficou intoxicado ao
realizar a cirurgia. Então, se você me dá licença, tenho muito trabalho a fazer, antes que
ele chegue aqui. “
"OK. Eu tenho que estar no tribunal às onze, então planeje me encontrar mais tarde”.
"Claro", ela falou.
Afastei-me com uma sensação desconfortável. Ela estava mentindo. Ela não dormiu
bem. Ela não conseguira dormir, porque estava chateada que eu saí, daí o motivo pelo
qual ela estava no escritório tão cedo. Quando voltei ao meu escritório, vi Olivia
sentada na cadeira, em frente à minha mesa.
“Olivia. A que devo o prazer?”
"Olá, Elijah." Ela sorriu. “Meu cliente se contentará com os duzentos e cinquenta mil
dólares, que seu cliente ofereceu. Eu tentei fazer com que ele não aceitasse, mas ele
estava convencido de que quer que tudo isso desapareça. Acho que você o assustou,
com aquela pequena façanha que fez.”
"Excelente." Eu sorri "Vou deixar meu cliente saber, que resolvemos o caso."
"Que tal jantar, hoje à noite?" ela perguntou. "Faz algum tempo."
Olivia Jude era uma das minhas casuais. Hesitei por um momento e não tinha
certeza do porquê.
"Certo. Vou buscá-la às sete.”
"Ótimo. Estou ansiosa”. Ela sorriu quando se levantou.
"Eu ouvi isso", Marie falou, enquanto entrava no meu escritório e colocava um
arquivo na minha mesa.
"Ouviu o que?"
"Seu jantar hoje à noite, com Olivia."
"Então?" Franzi minhas sobrancelhas.
"Eu apenas pensei, que talvez você e Aspen...-"
“Eu e Aspen, somos colegas de trabalho. É isso aí. Você deveria saber melhor,
Marie.”
- “Sim, mas vi como você dançou com ela, ontem à noite e vi algo em seus olhos. É a
maneira como você olha para ela.”
"Desculpe? Eu olho para ela, como qualquer outra mulher bonita.”
"Não, você não faz." Ela sorriu. “Continue brincando. Até Nathan disse, alguma
coisa.”
"Nathan não sabe do que diabos está falando e você também não." Eu apontei para
ela. "O que é isso? Algum tipo de viagem de culpa?”
"Por que você se sentiria culpado?" ela perguntou.
“Não me sinto culpado. Não tenho motivos para isso.”
“Obviamente você saberia, se acabou de perguntar se foi algum tipo de viagem de
culpa. Por que essa palavra, entra em sua mente?”
"Você sabe o que? Você tem trabalho a fazer. Vá fazê-lo!"
"Apenas dizendo." Ela apertou os lábios, quando saiu do meu escritório.

##############

E ram três horas, quando cheguei ao escritório.

"Ei. Estou de volta do tribunal. Você está pronta para voltar ao trabalho
no caso Kind ?” Eu perguntei a Aspen.
"Certo. Apenas me dê um segundo. Encontro você na sala de conferências.”
Essa foi a primeira vez que falei com ela, desde esta manhã. Espero que ela tenha
superado sua atitude, em relação a mim. Peguei uma xícara de café e entrei na sala de
conferências. Enquanto olhava para o meu telefone, Aspen entrou, fechou a porta e
sentou-se no banco à minha frente.
"Como foi sua reunião com seu cliente, esta manhã?" Eu perguntei.
“Foi tudo bem. Os depoimentos são amanhã.”
"Qual hospital ele está processando?"
“Monte Sinai e um Dr. Bernie Goodwin. Vamos trabalhar no caso Kind . “
Fizemos algum trabalho, e ela parecia estar bem. Eu fui embora, ontem à noite,
sozinho. Ela não falou, então eu também não. Não lhe devo nenhuma explicação, sobre
o motivo de eu ter saído.
CAPÍTULO 29

A spen

Eu queria estrangulá-lo, por sair ontem à noite. Por perturbar meus sentimentos de
conforto e segurança. Mas o que eu esperava? Ele era Elijah Wolfe. Prostituto, usuário e
jogador. Apenas um homem que não tinha nada, além de companheiras casuais.
Depois do trabalho, fui para casa, troquei de roupa e fui até o apartamento de
Geneva, para buscar ela e Lucas para jantar. Tínhamos reservas no Eleven Madison
Park, às sete e meia.
"O que há de errado?" Geneva perguntou, quando nos sentamos no banco de trás do
táxi.
"Nada."
“Besteira, Aspen. Você sabe que não pode esconder nada de mim.”
“Realmente não é nada. Eu apenas tive um dia ocupado.”
Ela estendeu a mão e pegou a minha.
"O que está acontecendo com você e Elijah?"
“Não está acontecendo nada comigo e Elijah. Nós trabalhamos juntos. Isso é tudo."
Saímos do táxi e entramos no restaurante. Enquanto a anfitriã nos conduzia à nossa
mesa, vi Elijah e uma mulher, sentados em uma mesa pequena para duas pessoas, perto
da janela. Um sentimento de doença, se instalou na boca da minha barriga. Mas, como a
pessoa legal e às vezes falsa que eu era, fui até a mesa deles, com um sorriso no rosto.
"Olá, Elijah."
Olhei para a mulher atraente, sentada à sua frente e instantaneamente a odiei.
"Oi. Eu sou Aspen Michaelson. Eu trabalho na empresa de Elijah”. Estendi minha
mão para ela.
“Olivia Jude. Prazer em conhecê-la, Aspen. Você é advogada lá?”
"Sim. Acabei de começar na semana passada.”
"Emocionante. Você está gostando?"
"Por enquanto, tudo bem." Eu sorri.
"Puxa, eu amo seu cabelo." Ela me elogiou. "E sua roupa."
Ela estava sendo falsa, e eu poderia dizer, que ela se sentiu ameaçada por mim.
"Obrigada. Você é tão doce. Bem, é melhor eu voltar para a minha mesa. Foi um
prazer conhecê-la, Olivia. Elijah, vejo você amanhã.”
“Umm. Sim. Vejo você no escritório.”
"Foi um prazer conhecê-la também, Aspen."
Eu caminhei com confiança para a minha mesa e me sentei.
"Você está bem?" Perguntou Geneva.
"Estou bem. Por que eu não ficaria bem? Estou bem. Na verdade, eu estou ótima. Eu
não ligo com quem ele janta. Por que eu deveria? Não é como se estivéssemos
namorando ou algo assim. Só porque nós fizemos sexo várias vezes, não significa que
ele não pode ver outras pessoas. De fato, a única coisa que ele tem, são companheiras
casuais. Você sabia que ele nunca esteve em um relacionamento? Me pergunte como eu
sei. Ele me disse ontem à noite, depois que fizemos sexo na minha cozinha. Ele não
acredita em compromissos de relacionamento. O pensamento de se comprometer com
uma pessoa, não é atraente”. Eu divaguei em um ritmo acelerado.
"Aspen". Lucas colocou a mão na minha e apertou-a suavemente.
Parei de falar e olhei para ele.
"O que?"
"Pare. É óbvio que você está chateada e só precisa respirar fundo.”
"OK. E honestamente, não estou chateada, Lucas.”
Eu estava chateada? Claro que sim. Eu pensei que talvez - oh, quem diabos sabia o
que eu pensava.
Eu pedi um bourbon e disse à garçonete, para fazer o dobro.
“Bourbon é a bebida problemática de um homem, Aspen. De alguma forma, sempre
ajuda a ver as coisas um pouco mais claras. ” Meu pai costumava dizer para mim.
"Ela está chateada", disse Geneva a Lucas. “Ela pediu um bourbon. Diz-me o que se
passa?"
"Nada. Nós fizemos sexo. Trabalhamos juntos e fizemos sexo. Eu estava deitada nos
braços dele, ontem à noite e não sei como explicar, mas senti as coisas.”
"Que tipo de coisas?" Perguntou Lucas. "Coisas que você nunca sentiu antes?"
"Sim. Eu me senti segura e protegida. Estúpida, certo? Acho que fui pega no
momento. Estávamos conversando sobre nossa família e eu contei a ele sobre mamãe.”
"Eu acho que você pode estar se apaixonando por ele", Lucas falou.
Peguei meu copo e o trouxe aos meus lábios.
“Eu garanto que não estou me apaixonando por ele. Enfim, ele não é totalmente
apaixonado por material digno de namorado. Ele tem problemas.”
- “E você também” - Geneva falou com um arco na testa.
"Pish". Eu acenei minha mão. “Eu gosto de estar em um relacionamento. Você sabe
que eu já tive muitos deles. “
"E você sabotou todos ", disse Geneva.
"Eu não. Eu estive com Ron, por um ano”. Eu franzi meus lábios.
- “E você o afastou, Aspen. Bem nos braços de outra pessoa.”
"Obrigada, mana." Eu estreitei meus olhos para ela.
"É verdade. Quando você se sente confortável com alguém, você se afasta e eles
acabam saindo, e então é como se você estivesse aliviada. ”
Suspirei, enquanto terminava minha bebida. Enquanto estávamos comendo, tentei
não olhar para o lado de Elijah, mas não pude evitar.
"Vejo você olhando para ele", disse Geneva.
"Não estou."
"Está sim."
"Vocês duas precisam parar", disse Lucas.
Terminamos o jantar e voltamos aos nossos apartamentos. Quando entramos no
prédio, Geneva passou o braço em volta de mim.
"Você sabe que eu te amo, certo?"
"Sim. Eu sei. Eu também te amo." Eu sorri.
“Só que às vezes, me preocupo com você. Eu quero que você seja feliz."
"Estou feliz, irmã."
"Eu falo com você amanhã", ela falou, quando o elevador parou no meu andar.
“Obrigada pelo jantar, Lucas. Da próxima vez eu pagarei”.
- “De nada, querida. Fique longe de problemas, no que diz respeito a Elijah.” Ele
sorriu.
A primeira coisa que fiz, quando entrei no meu apartamento, foi tirar os sapatos e
ligar alguma música. Comecei a dançar pelo apartamento, me perdendo em
pensamentos. Eu não seria a companheira casual de ninguém. O sexo com Elijah, tinha
chegando ao fim.
CAPÍTULO 30

E lijah

Eu não podia acreditar, que ela estava jantando no mesmo restaurante. Ela era a
última pessoa, que eu esperava ver.
"Ela parece legal", Olivia falou, enquanto pegava sua bebida.
"Ela é."
"Ela é uma boa advogada?"
"Muito boa."
Eu mantive minhas respostas curtas e doces.
"Ela é linda. Você não acha?”
"Sim. Ela é bonita."
Suas perguntas pararam, e fiquei agradecido. Eu não ia sentar lá e conversar sobre
Aspen com ela. Nem eu falaria sobre Olivia com Aspen, amanhã. Terminamos de comer
e, quando saímos do restaurante, Olivia se virou e pegou as lapelas do meu casaco.
"Então, minha casa ou a sua?" Ela sorriu, quando levou os lábios aos meus.
Deus, ela me tentou. Mas eu não conseguia tirar Aspen da cabeça e isso me deixou
louco.
"Por mais que eu goste, Olivia, vou ter que sair de fininho dessa vez."
"Por quê? Você nunca saiu de fininho”.
"Eu tenho esse grande caso, para o qual estou me preparando e tenho que estar no
escritório no raiar do dia", eu menti. "Eu sinto Muito."
"OK. Mas estou segurarei você numa próxima, para que não sai de fininho
novamente e quero isso em breve.”
Eu sorri para ela e chamei-lhe um táxi.
"Eu me diverti muito", falei.
"Eu também. Obrigada pelo jantar. Mantenha contato, Elijah” - ela disse, enquanto
entrava na traseira do táxi.
Eu balancei a cabeça e fechei a porta. Colocando as mãos nos bolsos do casaco,
caminhei pela rua por um tempo, antes de pegar um táxi para casa.

#####################

N a manhã seguinte, bati na academia. Nathan estava fora da cidade

novamente e Mason estava trabalhando, então fui sozinho. Rezei para que Aspen não
estivesse lá. Quando entrei e fiz o check-in, fui para o vestiário e dei de cara com ela no
corredor.
"Ei." Ela sorriu. "Bom Dia."
"Bom Dia. Você acabou de chegar aqui?”
"Sim. Senti a necessidade de me exercitar, antes de ir para o escritório. ”
"Eu também."
"Você está encontrando seus irmãos aqui?"
"Não. Os dois estão trabalhando.”
“Ah. Bem, tenha um bom treino. ” Um sorriso cruzou seus lábios.
"Você também."
Quando entrei na área de peso, vi Aspen conversando com o cara Jake
novamente. Que porra era essa? Ele parecia estar sempre por perto, e isso estava me
irritando. Peguei alguns pesos e comecei a fazer bíceps. Eu os observei, através do
espelho, enquanto eles se levantavam e conversavam. Ela tocou o braço dele e soltou
uma risada. Comecei a suar, enquanto fazia mais bíceps do que pretendia. Ele pegou o
telefone e ela também. Eu apostaria que eles estavam trocando números. Ela sorriu. Ele
sorriu e depois saiu. Eu podia sentir a raiva dentro de mim se formando, quando me
deitei no banco e fiz algumas pressões. Depois que terminei, sentei-me, deixei cair os
pesos e notei que ela se fora. Olhando em volta, eu a vi indo para o vestiário. Fiz mais
algumas impressões e depois encerrei o dia. Eu não conseguia me concentrar.

############
C aminhei pelo corredor e quando passei pelo escritório de Aspen, ouvi-a dizer:

"Você fez um bom treino?"


Parei em sua porta e a encarei, enquanto ela estava sentada, com um sorriso no
rosto.
"Eu fiz. Você?"
"Sim. Foi bom. Diga bom dia, para Fantasia.”
“Uh. Não. Uma hora. Meu escritório para uma reunião.”
"OK." Ela sorriu.
Afastei-me mais irritado, do que estava antes. Por que diabos ela estava tão feliz?
"Como foi o seu encontro com Olivia, na noite passada?" Marie perguntou, enquanto
me seguia para o meu escritório.
"Estava tudo bem", falei irritado, enquanto colocava minha pasta na mesa.
"Bem?"
- “Aspen esteve no restaurante, ontem à noite, com seu cunhado. Ela caminhou até a
nossa mesa e se apresentou a Olivia.”
"Preso!" Ela sorriu.
"Não. Eu não fui preso. Por que você diria isso?" Eu agarrei.
"E por que você está de mau humor?"
"Eu não sei. Eu vi Aspen na academia, hoje de manhã e ela estava conversando com
Jake Idiota e então eu estava passando pelo escritório dela e ela estava toda feliz e
merda. ”
"Parece-me que você está com ciúmes."
"Ciumes de quê?"
“Aspen e aquele Jake idiota, conversando. Ou talvez você esteja chateado, por ela
não estar chateada, quando viu você ontem à noite, com Olivia.”
"Você está sendo ridícula. Eu não dou a mínima, com quem ela fala. Ela não é
problema meu.”
"Uh, hein." Ela balançou a cabeça lentamente.
"Volte para o trabalho."
"Eu vou." Ela sorriu, enquanto se dirigia para a porta. "A propósito." Ela se
virou. "Desde que trabalho para você e te conheço, nunca vi você se comportar dessa
maneira, sobre uma mulher."
"Saia daqui!" Eu gritei, e ela riu, antes de fechar a porta.
############

O lhei para o meu relógio e eram dez minutos depois da uma. Onde diabos ela

estava? Apertando o botão do interfone, gritei para Marie ir encontrá-la.


“Não há necessidade de gritar. Eu estou aqui” - Aspen falou, quando abriu a porta e
entrou.
“Eu te disse especificamente uma hora. Você está dez minutos atrasada”.
“Sinto muito, mas eu estava em uma teleconferência com o advogado do Monte
Sinai. Eles vão receber depoimentos às três horas, já que estaremos no tribunal o dia
todo amanhã.”
“Você se sente preparada para amanhã? Totalmente preparada?” Eu perguntei.
"Sim. Você?"
“Como eu disse antes, estou confiando em você. Você é a primeira cadeira. Mas vou
avisá-la por causa da natureza deste caso, não quero que essa empresa seja enganada. “
"OK." Seus olhos se estreitaram para mim. "Por que você está de mau humor?"
“Eu não estou de mau humor, pelo amor de Deus. Por que todo mundo continua
dizendo isso? ”
"Talvez por causa do tom áspero, em sua voz?"
De repente, a porta do meu escritório se abriu e minha mãe entrou.
"Bom, vocês dois estão aqui", ela falou, enquanto se sentava ao lado de
Aspen. "Onde você está, no caso do hospital?" ela perguntou.
"Eles estão chegando hoje, para depoimentos."
“Este é um grande caso para você. Você é a segunda cadeira, Elijah?”
"Não. Este é o caso de Aspen.”
"Na verdade, Brad é a segunda cadeira", falou Aspen.
“Gosto de Brad e tudo, mas prefiro Elijah. Você já lidou com um caso tão grande,
Aspen?”
"Não. Eu não tenho.”
“Ok, então está resolvido. Você e Elijah, vão lidar com isso. Vou avisar Brad.”
"Eu tenho outros casos, que estou lidando", falei em um tom áspero.
“Primeiro, Elijah, eu não gosto do seu tom, e segundo, você pode lidar com isso. Não
há mais argumentos. Hoje não estou de bom humor” - ela falou, enquanto saía do meu
escritório.
Suspirei, enquanto jogava minha caneta sobre a minha mesa.
"Não se preocupe. Vou levá-los a resolver. Este caso não chegará ao tribunal.”
“Um caso tão grande e você acha que eles vão se contentar com milhões de
dólares? Eles farão tudo o que puderem, para provar que não houve negligência e
lutarão conosco até o fim. Isso será levado a tribunal e a um júri.”
"Veremos. Nós terminamos aqui? Eu tenho algumas coisas a fazer, antes dos
depoimentos. Eu sei que você está ocupado, então deixe-me lidar com isso.”
"Vá." Fiz um gesto com a mão.
CAPÍTULO 31

A spen

Corri para o prédio e apertei ferozmente o botão no elevador. Eu estava dez minutos
atrasada para meu depoimento, mas não foi possível. Quando saí do elevador, corri
para a sala de conferências, abri a porta e entrei completamente sem fôlego. Elijah
estava sentado lá com os braços cruzados, olhando para mim.
“Sinto muito por estar atrasada. Peço desculpas." Coloquei minha pasta na
mesa. "Aspen Michaelson." Estendi minha mão.
“Will Owens”, falou o homem bonito, de terno caro e cabelos grisalhos.
“Vamos direto ao assunto. Vinte milhões” - falei.
"Desculpe?" Sr. Owens perguntou.
"Vinte milhões pelo erro do Dr. Goodwin e por matar a esposa do meu cliente,
enquanto estava sob influência."
"Você é louca. Meu cliente não estava sob influência. Ele é um cirurgião renomado,
com muitos elogios e é homenageado todos os anos, por sua caridade hospitaleira. E
você não tem provas”. Ele apontou para mim. “É tudo boato. A palavra do seu cliente
contra a minha. “
“Eu não ligo se o seu cliente, é o próprio filho de Madona. Ele estava bebendo e
nunca deveria estar realizando uma cirurgia.”
"Como eu disse, você não tem provas, de que ele estava bebendo."
“Meu cliente sentiu o cheiro de álcool no hálito, quando o Dr. Goodwin saiu da
cirurgia, para lhe contar sobre a morte da esposa. Esta não é a primeira vez, que seu
cliente é repreendido por beber no trabalho. ” Eu abri meu arquivo. “Em 2018, uma das
enfermeiras notou uísque em seu hálito, antes de entrar na sala cirúrgica, relatou a
outro médico e o removeu da cirurgia. O médico então informou à administração, que
lhe deu um tapa no pulso, com um aviso e avisou a enfermeira e o outro médico, para
ficarem quietos. ” Eu levantei um pedaço de papel.
"Como você conseguiu isso?"
“A única coisa que importa é que eu fiz. Tenho enfermeiras dispostas a testemunhar
que o Dr. Goodwin parecia diferente, no dia da cirurgia da esposa do meu cliente. Ele
não tinha certeza de si mesmo e pediu as ferramentas cirúrgicas erradas, duas vezes,
pelas quais o residente assistente, teve que corrigi-lo.”
"Essa foi sua última cirurgia, em um turno de quarenta e oito horas", falou Owens.
"Realmente? E isso é uma desculpa? Um paciente morreu em sua mesa. Uma jovem
perfeitamente saudável. Também tenho testemunhos de suas ex-esposas, que
afirmaram que ele estava balançando a linha do alcoolismo. Também houve uma
queixa de um ex-paciente, que também disse que cheirava álcool no hálito, durante uma
consulta. Graças a Deus, ele teve o bom senso de encontrar outro médico.”
"Já chega", falou Owens.
“O Monte Sinai se orgulha de ter um dos urologistas mais bem classificados do país,
como o Dr. Goodwin, em sua equipe. As pessoas vêm de todo o país apenas para vê-
lo. Não seria uma pena, se isso fosse público? Os repórteres teriam um dia de campo,
especialmente, porque o hospital conhecia o problema de álcool do dr. Goodwin. O
hospital fez um bom trabalho, mantendo isso fora dos olhos do público. Se você quer
que isso seja levado a julgamento, ficarei feliz em levá-lo, Sr. Owens. Não cometa
erros. Arruinarei o nome e a reputação do hospital, junto com o Dr. Goodwin. Vou
cavar e cavar, até encontrar todos os contratempos que o hospital ignorou e optou por
ignorar, e me certificarei de que o Dr. Goodwin, nunca pratique medicina novamente
aqui ou em qualquer outro estado e país! Vinte milhões de dólares para resolver e tudo
isso desaparece silenciosamente.”
"Você é louca!" Ele apontou para mim. "Cinco milhões, é tudo o que ofereceremos."
"Elijah, você não tem contato no New York Times?" Eu perguntei, enquanto olhava
para ele.
"Sim. Sim, eu tenho." Ele sorriu, quando olhou para o Sr. Owens.
“Cinco milhões é um insulto, Sr. Owens. Seu hospital é responsável pela segurança
de seus pacientes e eles falharam em manter a sra. Larson segura, enquanto um de seus
médicos a operava, sob influência. ” Inclinei-me sobre a mesa e apontei meu dedo para
ele. “Você não pode ignorar as evidências ou os testemunhos. Se o hospital tivesse
punido adequadamente o Sr. Goodwin, após a primeira reclamação, talvez isso não
tivesse acontecido. Mas é tudo sobre a fama do hospital, não é? Bem, adivinhem, eles
realmente terão sua fama agora.”
"Você pode me dar licença, por um momento?" ele perguntou.
"Claro." Eu olhei para o meu relógio. Você tem cerca de quinze minutos. Eu tenho
outro caso, que preciso atender.
Ele me lançou um olhar e saiu da sala de conferências. Me servi de um copo de água
e notei Elijah me encarando.
"Droga. Eu acho que eles vão acertar” - ele falou.
"Veremos." Eu sorri.
Dez minutos depois, o Sr. Owens voltou para a sala de conferências.
“Diga ao seu cliente, que estamos acertando vinte milhões. Vou redigir o acordo” -
ele falou, enquanto pegava sua pasta e se dirigia para a porta.
“Foi bom fazer negócios com você, Sr. Owens. Espero que eu possa ter o prazer
novamente, algum dia”. Eu sorri.
Ele virou a cabeça e me lançou um olhar sujo, antes de sair.
"Eu serei amaldiçoado." Elijah sorriu. "Como você conseguiu todas essas
informações, tão rapidamente?"
“Trabalhei muito, ontem à noite, depois do jantar e um amigo do meu cunhado,
trabalha no departamento administrativo do hospital. Ele lhe devia um favor. Eu lhe
disse, que isso não chegaria ao tribunal.”
“Você fez muito bem. Que tal irmos jantar hoje à noite e comemorar?”
“Obrigada, Elijah. Mas tenho planos esta noite.”
“Oh. OK. Outra hora então.”

#################

E lijah

Ela saiu da sala de conferências e eu imediatamente peguei o telefone e toquei para


Marie entrar.
"Sim?" ela perguntou.
Quero que descubra que planos Aspen tem, para esta noite. Quero saber o que ela
está fazendo e com quem está saindo. Descubra com Colleen. Ela sabe tudo o que se
passa com todos, nesta empresa. Mas seja discreta sobre isso. E tente se apressar.
"Por que você quer saber?"
"Eu só quero. Agora mexa-se.”
Eu garantiria que ela tinha planos com aquele Jake idiota, e se ela tivesse, eu
interceptaria. Ele não era certo para ela. Havia algo nele, que não se encaixava bem
comigo.
Voltei ao meu escritório e, quinze minutos depois, Marie entrou.
"Aspen vai sair hoje à noite, com Jake."
"Obrigado, Marie."
"O que está rolando?" Ela estreitou os olhos para mim.
“Nada. Você pode ir agora."
Fui até o escritório de Aspen e abri a porta.
“Ei, estou muito preocupado, com o caso amanhã e quero todos os detalhes que você
tiver. Então, planeje trabalhar até tarde, hoje à noite. Vamos pedir algo para o jantar.”
"Eu disse que tenho planos, hoje à noite", disse ela.
"Eu sei. Sinto muito, mas você terá que cancelá-los.”
"Mas você disse...-"
“Eu sei o que disse, Aspen. Mas mudei de idéia. Sala de conferências, às seis horas”
– falei, enquanto fechava a porta e me afastava.
CAPÍTULO 32

A spen

"Ugh!"
Peguei meu telefone e enviei uma mensagem de texto para Jake.
“Sinto muito, mas tenho que cancelar nosso encontro, para hoje à
noite. Meu chefe idiota, precisa que eu fique, para discutir um caso que
temos para o tribunal, amanhã.”
“Isso é péssimo. Que tal sexta-feira à noite?"
"Sexta-feira está ótimo."
"Ótimo. Vejo você então."
Por que a mudança repentina de opinião, sobre o caso? Que diabos ele estava
fazendo?
Às cinco e cinquenta e cinco, juntei os arquivos do caso e entrei na sala de
conferências.
“Vamos nos apressar e fazer isso. Estou morrendo de fome” - falou Elijah.
"Você disse, que estávamos fazendo o pedido."
"Eu mudei de ideia. Eu preciso sair do escritório. Eu pensei que poderíamos ter
mexicano”. Ele sorriu.
"Então você me fez cancelar meus planos, porque queria examinar todos os detalhes
deste caso e agora mudou de idéia?" Eu levantei minha cabeça para ele.
"Sim. E como seu chefe, eu posso fazer isso.”
Eu fiquei lá e constantemente estreitei meus olhos para ele.
"O que?"
"Você fez isso de propósito, porque eu não iria sair com você e comemorar esta
noite."
Ele ficou sentado e deu de ombros, e uma raiva tomou conta de mim.
Aqui estão os arquivos. Examine você mesmo. Joguei-os sobre a mesa e comecei a
sair.
"Você esqueceu, que sou seu chefe?"
"Não. Eu não esqueci. Mas não vou ficar parada e aceitar essa falta de respeito de
você! Você não tinha o direito de fazer o que fez.”
“Eu tenho todo o direito. Você é minha empregada e há trabalho que precisa ser
feito. Se eu disser que estamos analisando o caso, então estamos analisando o caso!” Ele
se levantou da cadeira. “O trabalho vem primeiro, Aspen. Não é sua maldita vida
pessoal. Goste você ou não! Agora sente-se!” Ele comandou em um tom áspero.
"Você, Elijah Wolfe, é um idiota!" Eu gritei de volta. “Você me persegue, desde que
entrei para a entrevista. Tenho mente suficiente, para processar sua bunda por assédio
sexual.”
"Oh, eu gostaria de ver você tentar, senhorita Michaelson!"
"Não me subestime, Sr. Wolfe."
"Eu tenho uma boa mente, para demiti-la por insubordinação!"
Eu fiquei lá por um momento em choque, depois que ele disse isso. Bem. Se era
assim que ele se sentia.
- “Deixe-me lhe poupar o problema, Sr. Wolfe. Eu desisto!" Eu gritei e saí da sala de
conferência.
Corri para o meu escritório, vesti meu casaco, peguei minha bolsa e Fantasia e voltei
para casa.

#############

E lijah

"Merda", eu disse, enquanto colocava minha mão na testa.


"Eu ouvi cada palavra desse argumento", Marie falou, enquanto entrava na sala de
conferências. – “Você tem sorte de eu ser a única ainda aqui. O que você fez, Elijah? Sua
mãe vai te matar.”
A raiva me encheu. Tanta raiva que eu não conseguia ver direito. Deus, o que eu
fiz? O pensamento de machucá-la e fazê-la chorar me estripou. Porra. Respirei fundo
algumas vezes, para me acalmar.
"Eu vou consertar", eu disse calmamente a Marie.
- “Seu plano deu errado, Elijah. Agora veja, ela desistiu”.
“Eu disse que vou acertar. Eu estou indo para o apartamento dela agora”.
"Boa sorte com isso. Tenho certeza, que ela não vai deixar você entrar. Eu não
deixaria.”
Lancei um olhar para ela, quando peguei meu casaco e saí. Quando cheguei ao
prédio dela, disse ao porteiro que estava lá para vê-la.
"Desculpe incomodá-la, Aspen, mas o Sr. Wolfe está aqui para vê-la." Ele olhou para
mim, com uma expressão estranha no rosto. "Ela me disse para lhe dizer, que você é um
idiota egoísta e que pode ir para o inferno."
Revirei os olhos e soltei um suspiro.
"Me dê isso", eu disse, enquanto pegava o telefone dele. "Aspen, vou falar com você,
goste ou não."
Eu devolvi o telefone e peguei o elevador. Quando cheguei ao apartamento dela,
comecei a bater na porta. Ela não teve escolha, a não ser abrir ou eu continuaria
batendo.
“Abra, Aspen. Detestaria continuar incomodando seus vizinhos.”
De repente, a porta se abriu e ela ficou lá, com um olhar zangado no rosto.
"Obrigado." Eu a empurrei.
“Vá embora, Elijah. Eu não tenho nada, para dizer a voce."
"Bem, eu tenho coisas que preciso dizer e uma delas é me desculpe."
"E sobre o que exatamente, você sente muito?"
Ela ficou lá com as mãos nos quadris, parecendo sexy pra caralho.
“Sinto muito por ter levantado minha voz e lhe dizer que deveria demiti-la. Eu não
quis dizer isso, Aspen.”
"Sente-se", disse ela, apontando para o sofá.
"O que?"
"Eu disse, sente-se."
Fui até o sofá e sentei-me, enquanto ela estava lá, com as mãos atrás das costas.
"Por que você me fez cancelar meus planos, para esta noite?"
"Porque eu queria revisar o caso, antes de amanhã."
"Mas então você mudou de idéia, correto?"
"Tipo assim." Franzi minhas sobrancelhas para ela.
"Sim ou não? Você estava com raiva, por eu ter recusado você para jantar, hoje à
noite.”
Pelo amor de Deus, ela estava me colocando em julgamento.
"Não no começo."
"Você pode esclarecer sua resposta?"
- “Suspeitei que você estivesse saindo com aquele idiota da academia. Quando
descobri que era verdade, fiquei desconfortável com isso. ”
"E como você descobriu o meu encontro com Jake?"
"Eu tive Marie descobrindo com Colleen."
“Então, quando você descobriu, colocou um plano em movimento, para me impedir
de ir. Correto?"
"Sim."
"E você convidou para um lugar mexicano, porque pensou que isso faria você
parecer melhor, querendo me levar para a minha comida favorita?"
"Não. Eu também gosto de mexicano. Você sabe disso."
"Senhor Wolfe, você me enganou proposital e intencionalmente? Sim ou não?"
Eu sentei lá e olhei em seus lindos olhos.
"Sim."
"Por quê? Por que você faria isso?"
“Porque eu não queria, que você saísse com ele. Eu queria que você fosse
comigo. OK? Lá, eu disse”. Eu me levantei do sofá, me aproximei e agarrei seus
quadris. "Eu sinto Muito. Eu realmente sinto. Deixe-me levá-la para sair e fazer as pazes
com você.”
"Num encontro?" Ela ergueu a sobrancelha.
Eu respirei fundo. "Sim. Num encontro."
"Antes de concordar, você precisa ser honesto comigo, sobre algo."
"O que?" Eu perguntei.
"Por que você saiu, na outra noite?"
Merda. Eu sabia que essa pergunta estava chegando.
"Eu não sei. Talvez eu quisesse que você soubesse como é a sensação.”
"Justo", ela falou.
CAPÍTULO 33

A spen

Sua maldita colônia. Isso sempre me pegou. Como eu poderia dizer não, a um
homem sexy, que cheirava tão bem? Saímos para jantar em um restaurante mexicano
incrível, que eu considerava meu novo lugar favorito. Quando ele me levou para casa,
não perdemos tempo atingindo o quarto. O sexo foi tão incrível, como sempre foi, se
não melhor. Saí da cama, fui ao banheiro e liguei a água, para tomar um banho.
"O que você está fazendo?" Elijah sorriu, quando ficou nu na porta.
"Tomando um banho. Eu estava esperando, que você se juntasse a mim”. Eu
sorri "Eu não acho que quero que você saia ainda." Estendi minha mão.
"Gostaria disso." Ele colocou a mão na minha e subiu na banheira primeiro.
Ficamos ali, em uma banheira de água quente borbulhante. Minhas costas estavam
contra seu peito forte, enquanto seus braços estavam em volta de mim.
"Sinto muito, se eu fiz você chorar mais cedo", ele falou.
“Você não me fez chorar. Por que você acha que eu chorei?”
“Porque eu gritei com você? Eu não sei. Só imaginei que você estava tão chateada,
que chorou.”
"Eu não choro." Eu suavemente acariciei seu braço.
"Como assim você não chora?"
"Não chorei uma única lágrima, desde criança."
"Nem no funeral do seu pai?"
"Não."
"Nem quando seu namorado, terminou com você?"
"Não." Inclinei minha cabeça para trás e olhei para ele.
"Há algo de errado com você?"
Eu soltei uma risada leve.
"Segundo Lucas, meu cunhado psiquiatra, o trauma de minha mãe saindo, impediu
que as lágrimas voltassem a fluir novamente."
"Acho que não entendo."
“A última vez que chorei, foi quando ela nos deixou. Lembro-me dela andando pela
porta com suas malas e fui correndo atrás dela. Eu estava chorando quando vesti o
casaco dela, implorando para ela não sair. Eu nunca chorei tanto antes e nunca senti
meu coração partir como naquele dia. Naquela noite, enquanto estava deitada na cama
com Geneva, as lágrimas pararam de repente e nunca mais chorei uma única
lágrima. Lucas disse, que não vou me permitir sentir esse tipo de dor novamente.
"Eu acho que posso entender isso", ele falou, enquanto beijava o topo da minha
cabeça. “Me desculpe, você teve que passar por isso. Eu mal me lembro quando meu
pai foi embora. Suponho que o tenha bloqueado da minha memória. Eu sei que é tarde,
mas você se importaria, se eu ficasse a noite? Posso acordar cedo e voltar para minha
casa para tomar banho e pegar roupas limpas.”
"Eu adoraria que você ficasse a noite." Eu sorri. "Mas, se eu acordar e você tiver ido,
não será bonito."
Ele soltou uma risada. “Eu prometo que não vou me esgueirar e você não vai ficar
brava. Eu não sairei. Você me entende?"
"Eu entendo você, Sr. Wolfe."
"Bom." Ele sorriu.

############

N a manhã seguinte, o alarme disparou às cinco da manhã. Quando abri os

olhos, sorri ao sentir o braço de Elijah firmemente, em volta de mim e a sensação de


seus lábios, pressionando a parte de trás da minha cabeça.
"Bom Dia." Eu me virei e o encarei.
"Bom Dia."
"Você ficou."
"Eu te disse que sim." Ele ternamente beijou meus lábios.
"Você gostaria de um café antes de ir?"
"Isso seria bom."
Eu saí da cama e vesti meu roupão. Entrando na cozinha, disse bom dia a Fantasia e
depois joguei uma xícara de café no Keurig e esperei seu café fermentar. Ele veio por
trás e passou os braços em volta de mim.
"Diga bom dia para Fantasia", falei, enquanto me virei em seus braços.
"Não." Ele beijou meus lábios.
Tirei a xícara de café e a ergui no ar.
"Diga bom dia a Fantasia, caso contrário, você não terá esse café com cheiro incrível."
"Você vai derramar isso e se queimar", ele falou.
"Se você quiser, precisa mostrar algum respeito pelo peixe." Eu sorri
"Vamos lá, Aspen." Ele pegou a xícara e eu dei alguns passos para trás.
"Diga a Fantasia, bom dia."
"Bem." Ele foi até onde eu o tinha na ilha. "Bom dia, Fantasia."
"Obrigada." Eu sorri, enquanto lhe entregava o café.
Ele levou para o quarto e vestiu sua roupa, enquanto eu fiquei lá com minha xícara e
o observei.
"Obrigado pelo café." Ele me beijou. Eu tenho que chegar em casa. Vejo você em
breve.”
"Seja bem-vindo. Vejo você no escritório.”
Assim que ele saiu, eu pulei no chuveiro e corri minhas mãos ao longo do meu
corpo. Eu ainda podia sentir os efeitos remanescentes dos seis orgasmos que ele me
deu, durante nossas três festas sexual, na noite passada. Não havia dúvida em minha
mente ,que as emoções que senti quando estava com ele, eram amor. Pela primeira vez
na minha vida, eu estava me apaixonando e isso me assustou muito.
CAPÍTULO 34

E lijah

A noite passada foi indescritível. Os sentimentos avassaladores que pairavam


através de mim, eram um pouco perturbadores, enquanto eles me dominavam. Eles me
assumiram de tal maneira, que começou a me assustar.
Entrando no meu escritório, Marie pulou e me seguiu.
“Vi que Aspen está aqui. Bom trabalho, para suavizar as coisas. Como você
conseguiu, que ela o perdoasse?” Ela sorriu.
"E pelo que Aspen precisava perdoar você?" minha mãe perguntou, enquanto
entrava.
"Bom dia, Srta. Wolfe", Marie falou, enquanto saía e fechava a porta.
"O que você fez, Elijah?"
“Nada, mãe. Nós apenas tivemos um desacordo. Isso é tudo."
- “Você está mentindo, meu querido filho. Ainda é sobre ela se esgueirando de volta
ao Havaí?”
"Não. Eu superei isso. Acabamos de discordar sobre o caso Kind . Eu disse algumas
coisas que não deveria e pedi desculpas. Está tudo bem agora.”
"OK." Ela me deu aquele olhar severo de mãe. “Estou impressionada com ela e, se
ela continuar do jeito que está, pode apenas fazer parceria. A maneira como ela
conseguiu que o hospital se estabelecesse, sem sequer pisar em um tribunal, foi muito
admirável. Sem mencionar, que ela também bateu em você no tribunal.” Ela sorriu.
"Sim. Sim." Eu acenei minha mão. “Há mais alguma coisa? Eu preciso ir ao tribunal.”
“Não esqueça que o jantar em família, é hoje à noite. Espero você às sete horas.”
"Você sabe que eu estarei lá." Eu sorri.
Peguei meu casaco e minha pasta e fui até o escritório de Aspen. Quando me
aproximei da porta, eu já podia ouvir a música tocando. Abrindo a porta, sorri quando
a vi dançando. Em vez de incomodá-la como sempre, fechei a porta e esperei que ela
terminasse.
"Você está se acostumando com ela fazendo isso." Colleen sorriu.
"Sim. Talvez eu esteja” – falei, quando me inclinei contra a mesa dela, com as mãos
nos bolsos.
De repente, a música parou, a porta se abriu e Aspen ficou ali, segurando a pasta na
mão.
"Você está pronta agora?" Eu sorri.
"Eu estou. Você está?"
"Vamos fazer isso."

####################

A spen

"Você sabia que a luta e a depressão que a sra. Kind teve, ao tentar engravidar",
gritei. "Ela pediu ajuda para realizar seu sonho e o que você fez ?!"
“Objeção, sua honra! Ela está atormentando a testemunha.”
"Sustentado."
"Você dormiu com o marido dela!"
"Meritíssimo, objeção!"
"E não só você dormiu com ele, como ficou grávida!"
"OBJEÇÃO!"
"Sustentado. Estou avisando, senhorita Michaelson.”
"A única coisa que a Sra. Kind queria mais com o marido e você roubou!"
"OBJEÇÃO!" O advogado adversário se levantou e bateu com o punho na mesa.
"SUSTENTADO!"
"Sem mais perguntas, sua honra."
“Michaelson, agora em meus aposentos!”
Suspirei quando o oficial de justiça me escoltou e a Elijah, para os aposentos do juiz
Bloom.
"Bom trabalho." Elijah sorriu. “Eu vou te libertar da prisão. Não se preocupe."
"Obrigada."
“Michaelson, não vou tolerar esse tipo de comportamento, em minha sala de
audiências. Você me entende?"
“Sim, sua honra. Peço desculpas."
“Este é seu primeiro aviso. Se você apresentar esse comportamento no meu tribunal
novamente, não terei outra opção, a não ser desprezá-lo”.
“Desculpe sua honra. Isso não vai acontecer novamente.”
"Todo mundo de volta ao tribunal", ele falou.

#####################

Q uando terminamos o dia, voltamos ao escritório. Até agora, fiquei satisfeita,

com o andamento do julgamento.


"Você teve o júri." Elijah sorriu, enquanto caminhávamos pela rua.
"Você pensa?"
"Eu estava assistindo as reações deles, quando você estava interrogando Melissa."
"Apenas espere até eu interrogar, Sr. Kind." Eu sorri.
"Eu comecei a pensar que você nunca esteve na minha cobertura."
"Não. Eu não estive”.
"Que tal eu fazer o jantar para você, amanhã à noite?"
"Gostaria disso." Eu sorri para ele.
"Bom. Vou mandar uma mensagem, com meu endereço”. Um sorriso sexy cruzou
seus lábios.
Quando chegamos ao prédio, pegamos o elevador e ele foi ao seu escritório e eu fui
ao meu. Eu estava feliz. Não apenas porque o caso estava indo bem, mas porque Elijah
estava preparando o jantar para mim. Merda! Acabei de lembrar que eu tinha feito
planos com Jake, para amanhã à noite. Ugh. Puxando meu telefone, enviei uma
mensagem de texto para ele.
"Oi. Sinto muito ter que fazer isso, mas preciso cancelar para amanhã
à noite. Esqueci completamente que tinha planos de jantar com minha
irmã.”
Eu sei. Eu sei. Eu menti. Mas eu não podia dizer a ele, que estava cancelando nosso
encontro, para ficar com outro cara.
"Ei. Tudo bem. Parece que você está ocupada o tempo todo. Eu
realmente queria sair com você, mas acho que você pode estar um pouco
ocupada demais, para o meu gosto. Vejo você por aí, Aspen.“
Eu sentei lá e li sua mensagem, com as sobrancelhas franzidas. Que diabos? Talvez
Elijah estivesse certo, em chamá-lo de idiota.
CAPÍTULO 35

E lijah

Entrei na casa de minha mãe e encontrei Nathan e Mason, sentados na sala de estar.
"O que vocês dois estão fazendo? Por que você não está ajudando mamãe na
cozinha?”
"Mamãe ainda não está em casa", Nathan falou.
"Onde ela está? Ela deixou o escritório , algumas horas atrás.”
"Eu não sei. Enviei- lhe uma mensagem e ela disse que estaria em casa, em cerca de
quinze minutos”. Ele olhou para o relógio. "Isso foi quinze minutos atrás."
Enquanto eu caminhava até o bar, para servir uma bebida, a porta da frente se abriu
e minha mãe entrou carregando, duas sacolas grandes. Mason e Nathan saltaram do
sofá e as agarraram.
"Desculpe o atraso", ela falou, enquanto eu a seguia até a cozinha. "Parei no caminho
de casa e peguei algo daquele lugar tailandês fofinho, ao virar da esquina."
"Nenhuma refeição caseira, hoje à noite, mãe?" Mason fez beicinho.
"Hoje não, querido."
Ela tirou o casaco e notei que o botão da blusa, estava errado.
"Então, onde você estava?" Eu perguntei, quando peguei os pratos do armário.
"Eu tinha alguns recados para executar."
"Realmente? Não vejo sacolas além da comida. Que recados? Você deixou o
escritório, há mais de duas horas atrás.”
“Eu disse que tinha recados, Elijah. Pode me servir um copo de vinho? Vou subir
para me trocar.”
"Eu vou. Mas não até você responder minha pergunta. Com quem você estava?"
Ela parou no meio da cozinha, virou-se e olhou para mim.
"O que faz você pensar, que eu estava com alguém?" ela perguntou.
"A evidência." Apontei para a blusa dela.
Ela olhou para baixo.
"Mãe, vamos lá", disse Nathan.
“Sim, mãe. Nojento” - Mason entrou na conversa.
Ela suspirou e revirou os olhos.
"Se vocês três devem saber, eu estava com Tommy McNeil."
"Procurador Distrital McNeil?" Eu perguntei em choque.
"Mãe, ele não é vinte anos mais novo que você?" Perguntou Mason.
"Vá, mãe!" Nathan sorriu.
“A idade não importa, quando você chegar à minha idade. Eu não quero discutir
isso. Eu vou descer em um minuto. Comece a comer, antes que a comida esfrie.”
"Acho que de repente, perdi o apetite", disse Mason.
Eu bati na parte de trás de sua cabeça.
"Vá se sentar."
Nós três nos sentamos e começamos a comer.
"Nossa mãe é uma puma", disse Nathan.
“Esqueça a parte do puma. Ela está dormindo com o promotor público. Merda” -
falei.
"Você terminou de falar de mim?" ela perguntou, enquanto entrava na sala de
jantar. “Eu tenho necessidades como vocês, meninos. Eu questiono sua vida sexual? Eu
questiono como vocês três são playboys e dormem com qualquer mulher, que olha na
sua direção?”
"Isso não é verdade", disse Mason.
"Acho que a maçã, não cai longe da árvore." Nathan sorriu.
“Tommy e eu, estamos nos vendo há um tempo. Mas estamos mantendo isso em
baixa. Então vocês não mencionem isso para ninguém.”
"E quanto tempo faz esse tempo?" Eu perguntei.
"Um par de meses."
"E você não poderia nos dizer, por quê?"
"Eu pergunto a você toda semana, com quem você está dormindo?" Ela
sorriu. “Agora, vamos mudar de assunto. Como foi o tribunal hoje?”
"Foi bom. Deveríamos ser capazes de encerrar amanhã e apresentar os argumentos
finais na segunda-feira. Você deveria ter visto Aspen.” Eu sorri. “O juiz chamou-a em
seus aposentos e deu-lhe um aviso. Sinceramente, não achei que ela fosse parar.”
"Eu amo o jeito que seus olhos se iluminam, quando você fala sobre a doce
Aspen." Nathan sorriu.
"Cale a boca, mano!"
“Já chega, Nathan. Elijah, observe seu idioma.”
Depois que terminamos de comer, tomamos a sobremesa e tomamos algumas
bebidas e depois a encerramos. Eu, Nathan e Mason, saímos juntos.
"Então, o que está acontecendo com você e Aspen?" Perguntou Mason.
"Somos amigos de benefícios." Eu sorri.
"Até que ela se apaixone por você", Nathan falou. "Ou vice-versa."
"Nós três somos incapazes de amar", disse Mason.
"Verdade", disse Nathan.
“Eu não vou me apaixonar por ela. Já estive com muitas mulheres e já me
apaixonei?” Eu perguntei.
"Não. Mas há uma primeira vez para tudo.” Nathan sorriu.
"Confie em mim. Se ao menos ver uma dica, dela se apaixonando por mim,
acabou. Assim como todo o resto.”
"Mas isso não tornará as coisas estranhas, no escritório?" Perguntou Mason.
"Eu vou lidar com isso."
CAPÍTULO 36

A spen

“Marsh, quantas vezes você e o Sr. Kind, usaram camisinha?”


“Nós não precisamos. Eu tinha um DIU.”
"Você tinha o DIU, quando foi à consulta de fertilização in vitro?"
"Não. Eu o tirei cinco dias antes.”
"Você e o Sr. Kind, fizeram sexo depois que foi retirado?"
"Não."
"Você se lembra da data, em que teve a consulta do seu médico, para remover o
DIU?"
"Eu acredito que era 1º de agosto."
"Eu tenho uma cópia do seu registro de compromisso do OB / GYN, durante todo o
mês de agosto e isso mostra, que você nunca teve um compromisso."
"Talvez eu estivesse enganada sobre a data e fosse 31 de julho."
"Não." Eu balancei minha cabeça. “Você também não tinha um compromisso em
julho. De fato, de acordo com os registros do seu médico, a última vez que você esteve
no consultório, foi há mais de um ano.”
“Eles provavelmente cometeram um erro. Eu estava lá."
"Quantas vezes, você já ficou grávida?"
"Objeção, sua honra!"
"Deixe-me refazer a pergunta. Esta é sua primeira gravidez? E lembre-se de que você
está sob juramento.”
"Não. Não é. Eu tive um aborto, há dois anos.”
"E quem era o pai dessa criança?"
“Objeção, sua honra. Relevância?"
“Eu prometo, sua honra. Eu estou indo a algum lugar com isso.”
- “Melhor para você, senhorita Michaelson. Substituído.”
"Apenas um cara."
"Um cara chamado Ben Carraway, talvez?"
"Sim. Ele era meu namorado.”
“Ele também era o marido de Jean Carraway. Você a conheceu? Mais uma vez, você
está sob juramento. E caso você não saiba, perjúrio é crime e pode ser punido com até
sete anos de prisão. ”
"Sim. Eu a conhecia.”
"Por favor, diga ao júri, como você a conheceu."
Ela hesitou.
“Marsh, responda à pergunta” - falou o juiz Bloom.
"Ela me contratou para ser a barriga substituta deles."
"Deixe-me ver se entendi. Carraway contratou você para ser a barriga substituta
deles, como os Kinds fizeram. Eles confiaram em você o suficiente, para querer que você
carregasse o filho deles e você dormiu com os dois maridos, sem proteção alguma e
engravidou dos dois homens. Vejo um padrão aqui, senhorita Marsh.”
“Objeção, sua honra. Especulação!"
“Como é especulação, advogado? Você acabou de ouvir o testemunho do seu
cliente. Substituído.”
"Você nunca esteve no controle da natalidade, esteve?"
Ela ficou sentada lá, enquanto lágrimas escorriam pelo seu rosto e hesitou.
"Responda à pergunta, senhorita Marsh."
"Não."
"Então você mentiu para o Sr. Kind, sobre ter um DIU?"
"Sim", ela chorou.
"Sem mais perguntas."
Quando voltei para a mesa, Elijah piscou para mim.
“O tribunal está suspenso por hoje. Vamos retomar na segunda-feira de manhã e
ouvir os argumentos finais.

###################

E lijah morava no One West End, no Upper West Side, em um belo arranha-céu

de vidro escultural. Subindo no elevador, ao trigésimo andar, bati na porta da cobertura


B.
"Oi." Elijah sorriu, quando abriu a porta.
"Oi." Um sorriso largo cruzou meus lábios, enquanto ele estava lá em uma calça
cáqui e uma camisa preta de botão.
"Entre."
Entrei no vestíbulo e meu queixo caiu, com a vista que estava na minha frente. Os
tetos tinham pelo menos onze pés de altura. Havia janelas do chão ao teto, com as mais
incríveis vistas do horizonte da cidade e amplo piso de tábuas de nogueira, por toda
parte.
“Uau, Elijah. Este lugar é lindo.”
"Obrigado. Vou te dar o passeio, depois que comermos. O jantar está quase pronto.”
Eu o segui até a cozinha. Uma cozinha composta de armários de nogueira, com
painéis de champanhe e belas bancadas de mármore, que incluíam uma placa de fogão,
dois fornos, duas máquinas de lavar louça, uma estação de café embutida, um bar e
uma assadeira.
"Um chef morou aqui, antes de você?" Eu perguntei.
"Sim." Ele sorriu. "Você pode dizer?"
"Eu posso. Lucas morreria se visse isso. Sua segunda paixão é cozinhar. Ele vem de
uma família de chefs.”
"Traga-o por uma noite."
Eu sorri para ele e perguntei se havia algo, que eu pudesse ajudar. Eu me senti
idiota, só de pé lá.
"Tudo está quase pronto", disse ele, enquanto me entregava uma taça de vinho.
"Que cheiro delicioso é esse?" Eu sorri, enquanto levava o copo aos meus lábios.
"Lombo de ervas com alho, batatas vermelhas assadas e aspargos."
“Como você teve tempo, para preparar isso? Estivemos no tribunal o dia todo.”
"Eu preparei o lombo, ontem à noite e minha faxineira colocou no forno para mim,
antes de sair."
"Você tem uma faxineira?" Eu arqueei minha sobrancelha.
"Sim. Ela vem uma vez por semana” - ele falou, quando abriu a porta do forno e se
inclinou, para puxar o lombo do forno.
A vista por trás foi incrível. Este homem não era apenas sexy, bem-sucedido, um
deus no quarto, e cheirava como se tivesse saído das páginas da GQ, ele também
cozinhava. Meu corpo inteiro estava cheio de emoção. Uma emoção que eu precisava
conter, até depois do jantar.
CAPÍTULO 37

A spen

Acabei passando a noite, na casa de Elijah e depois passamos o dia inteiro


juntos. Demos um passeio no Central Park, fomos ao museu de arte, fizemos algumas
compras na Times Square, jantamos e depois voltamos para o meu apartamento, onde
ele passou a noite. Domingo de manhã, tomamos café juntos, depois ele saiu, porque
tinha planos com os irmãos. Foi um dos melhores finais de semana da minha vida e eu
não queria que terminasse.
"Eu acho que ele é o único", falei com Geneva, enquanto estávamos na cozinha dela
e assavamos biscoitos.
"Diga o quê?" Ela olhou para mim. "Acabei de ouvi-la certo?"
"É louco. É muito cedo, mas não posso evitar esse sentimento, que tenho por
ele. Passei a sexta-feira à noite com ele, durante todo o dia sábado, parte da manhã e já
sinto falta dele.”
"Eu acho que você está na luxúria." Ela sorriu.
"Acho que não. Eu realmente gosto dele. Meu coração fica feliz, quando penso nele e
quando estou com ele.”
Ela colocou os biscoitos no forno e virou-se para mim.
"Quem é Você? A Aspen que eu conheço, não fala assim de um cara.”
"Eu sei." Sentei-me na ilha e abaixei a cabeça. "Eu também não posso acreditar."
"Escute, Aspen." Ela alcançou a ilha e agarrou minhas mãos. "Eu não quero que você
se machuque."
"Eu não vou me machucar."
“Você me disse, que ele nunca esteve em um relacionamento real e só tem
companheiras casuais. Você acha que homens assim, podem mudar? Eu não. Você já
está se apaixonando por ele. O que você vai fazer, quando ele não puder ou não quiser
devolver seu carinho?”
O temporizador do forno tocou. Ela soltou minhas mãos e tirou os biscoitos do
forno.
"Eu não acho que preciso me preocupar com isso."
"Lucas, você dirá que homens como Elijah Wolfe, não mudam?" ela disse, enquanto
ele entrava na cozinha.
"Bem, isso depende."
"Obrigado, Lucas." Eu sorri.
“Mas há uma razão, pela qual ele nunca esteve em um relacionamento e só quer
companheiras casuais. Até que ele resolva esses motivos, provavelmente continuará
nesse padrão de comportamento. Ele te disse por que, Aspen?”
“Ele acabou de dizer, que se recusa a ficar preso a alguém e que o pensamento de se
comprometer com alguém, não é atraente. Ele disse que isso causa muito caos, na vida
de uma pessoa. ”
"Você disse que o pai dele foi embora, quando ele era criança?"
"Sim."
"E ele não o vê, desde então?"
"Não. Acho que não."
“Parece-me que ele tem alguns problemas de abandono. Assim como alguém, que
eu conheço”. Ele sorriu.

##############

E u estava deitada na cama, trabalhando no meu argumento final para amanhã,

quando meu telefone tocou, com uma mensagem de texto de Elijah.


"Oi. O que você está fazendo?"
“Deitada na cama, trabalhando no meu argumento final. O que você
está fazendo?"
“Isso parece sexy. Talvez eu deva me juntar a você.”
Instantaneamente, um sorriso largo, cruzou meus lábios.
" Venha."
"Eu já estou aqui. Você vai me deixar entrar ou me deixar de pé no
corredor, com um pau duro? ”
Eu pulei da cama e corri para a porta. Abrindo, Elijah estava lá, com um sorriso no
rosto.
"Entre aqui." Peguei sua camisa e o puxei para dentro.
Nossos lábios se beijaram apaixonadamente, quando ele me pegou e me levou para
o quarto.

##############

"E ncarregado, você chegou a um veredicto?”

"Sim, sua honra."


"O que você diz?"
"No caso de Kind vs. Marsh e pela acusação de infligir intencionalmente, sofrimento
emocional, somos a favor do autor e ordenamos que o réu pague ao autor, o valor de
dois milhões de dólares".
Fiquei em choque, porque estávamos pedindo, apenas um milhão.
"Obrigada." Vivian sorriu, enquanto me abraçava.
Elijah e eu, pegamos nossas pastas e saímos do prédio.
"Eu admito, eu não pensei que você pudesse conseguir." Ele sorriu.
"Eu sei que você não fez, o que me deixou ainda mais determinada a vencer." Eu
sorri "Não acredito, que o júri concedeu-lhe dois milhões."
"Eu sei. Fiquei chocado. Isso só mostra que advogada incrível, você é. ” Ele piscou.
Quando voltei ao meu escritório, notei uma pilha de arquivos, em cima da minha
mesa.
"Marie, o que são esses?"
"Senhora Wolfe queria que eu desse isso a você. São seus novos casos.”
Suspirei, quando caí na minha cadeira e abri o primeiro arquivo.
CAPÍTULO 38

DOIS MESES DEPOIS

E lijah

Joguei minha caneta sobre a mesa e me recostei na cadeira. Não dormi bem e fiquei
inquieto. Enquanto Aspen estava dormindo no meu peito, ontem à noite, ela disse que
me amava. Eu não sabia se ela estava sonhando ou o quê, mas congelei, e então saí em
silêncio. Agora, eu teria que lidar com as consequências hoje e não estava ansioso por
isso. Eu tentei evitá-la, o máximo que pude. Cheguei ao escritório por volta das seis da
manhã. Quando Marie chegou para trabalhar, disse-lhe que não queria ser incomodado,
sob nenhuma circunstância, nem mesmo por Aspen.
Enquanto eu tentava me concentrar em um caso, minha porta se abriu e Aspen
estava lá.
"O que está acontecendo?" ela perguntou.
“Agora não, Aspen. Estou ocupado."
Ela entrou e fechou a porta. Suspirei.
“Você saiu no meio da noite, sem dizer uma palavra. Por quê?"
"Eu não conseguia dormir e não queria mantê-la acordada."
"Por que você não conseguiu dormir?"
"Eu não sei. Eu simplesmente não consegui. Se você me der licença, tenho este caso
em que estou trabalhando e preciso me concentrar.”
"Sim. Certo. Jantar hoje a noite?"
"Não essa noite. Vou me encontrar com meus irmãos.”
“Oh. OK. Falo com você mais tarde.”
Ela saiu e fechou a porta. Apertando o botão do interfone, eu disse a Marie, para
entrar no meu escritório.
"Sim, Elijah?"
"Pensei ter dito, que não queria ser incomodado."
“Sinto muito, mas eu estava no banheiro. O que está acontecendo?"
“Nada está acontecendo. Estou trabalhando nesse processo coletivo e preciso me
concentrar sem interrupções. ”
"Bem. Vou gravar um sinal na sua porta, então.”
Revirei os olhos, quando ela saiu.

##############

A spen

Ele estava agindo de forma estranha, e não fiquei surpresa. Então, apenas o deixei
sozinho. Me chateou não o ver hoje à noite. Passamos todas as noites juntos, nos últimos
dois meses, mesmo quando ele tinha planos com seus irmãos. Ele sempre aparecia
depois. Mas parecia que ele não faria isso, hoje à noite.
Colleen e eu, fomos ao Rudy's depois do trabalho, para tomar algumas bebidas. Eu
não tinha conversado com Elijah o resto do dia, desde que entrei no escritório
dele. Nem mesmo uma mensagem de texto. O sentimento que eu esperava, rastejou
dentro de mim. Um sentimento que não pude abalar. Eu enviei uma mensagem de texto
mais tarde, naquela noite. Sem resposta.
Na manhã seguinte, enquanto eu me preparava para um depoimento, Colleen
entrou no meu escritório e colocou um relatório na minha mesa.
"Elijah já chegou?"
"Sim. Ele está aqui há um tempo. Você não o viu?”
"Não."
“Todo mundo está aqui, para o depoimento. Eles estão esperando na sala de
conferências por você.”
"Obrigada. Vou descer em um minuto.”
Os depoimentos foram bem, e quando eu estava voltando para o meu escritório, vi
Olivia Jude e Elijah, do lado de fora do escritório conversando. O que diabos ela estava
fazendo aqui? Fiz uma curva rápida e segui o longo caminho de volta ao meu escritório,
para não encontrar com eles.
"Aspen". Olivia sorriu, quando enfiou a cabeça pela porta.
“Olivia. Oi." Os cantos da minha boca se curvaram para cima, em um sorriso
falso. "O que você está fazendo aqui?"
“Elijah e eu, estamos trabalhando juntos em um caso. O cliente dele, está
processando o meu.”
"Eu não sabia, que você era uma advogada."
"Eu sou. Eu trabalho para Kaufmann, Goldberg e Sands. ” Ela entrou. "Seu nome é
bastante movimentado, em torno de nossa empresa."
"Meu?" Apontei para mim mesma.
"Sim. Não se surpreenda, se os parceiros entrarem em contato com você. Eu estava
perguntando a Elijah sobre você, ontem à noite.”
"Noite passada?" Eu levantei minha cabeça.
"Sim. Nós jantamos."
Um sentimento doentio, surgiu na boca da minha barriga.
“De qualquer forma, eu só tinha que aparecer e dizer oi. Talvez possamos nos
encontrar para almoçar, em algum momento.”
"Certo." Eu dei a ela, um sorriso falso.
"Ótimo. Eu ligo para você e vamos arrumar alguma coisa.”
Eu fiquei lá em choque. Ele mentiu para mim, sobre ter planos com seus irmãos. Que
porra ele estava fazendo? Eu queria descobrir? Ou deixá-lo em paz e deixá-lo vir para
mim com mais mentiras?
Eu ainda não tinha visto ou ouvido falar dele, a manhã toda, nem ele respondeu à
minha mensagem de texto, ontem à noite. Então enviei a ele, outra.
"Ei, vou almoçar na lanchonete e esperava que você se juntasse a
mim."
"Desculpe. Não posso. Não vou almoçar. Tenho muito trabalho para
fazer."
Isso me irritou, porque agora eu sabia, que ele estava me evitando. Levantei-me do
meu assento e fui direto para o escritório dele.
"OK. O que diabos está acontecendo?" Eu perguntei, quando entrei e fechei a porta.
"Estou ocupado, Aspen", ele falou, sem sequer olhar para mim.
"Você nunca respondeu à minha mensagem de texto, ontem à noite."
"Cheguei em casa tarde e não queria acordar você."
"Tarde de sair com seus irmãos ou tarde de voltar para casa, após o seu encontro
com Olivia Jude?"
Isso chamou sua atenção, quando ele olhou para mim.
"Sim. Eu sei sobre o seu jantar. Olivia parou no meu escritório, hoje de manhã e me
contou.”
"Precisávamos discutir um caso."
"Certo. Seu cliente está processando o cliente dela. Você mentiu para mim,
Elijah. Você me disse, que estava saindo com seus irmãos.”
"Esse era o plano, até Olivia ligar e insistir em nos encontrarmos, para discutir o
caso."
"E você não poderia me dizer, por quê?"
“Por que eu te disse? Não é da sua conta o que eu faço.”
Engoli em seco, quando a raiva e a dor subiram dentro de mim.
"Você está certo. Peço desculpas, por querer saber o motivo que você mentiu para
mim.”
“Eu não menti. Os planos mudaram no último minuto. Só porque passamos algum
tempo juntos e fizemos sexo regularmente, não lhe dá o direito de saber o que estou
fazendo o tempo todo. ”
"De onde tudo isso vem?" Eu perguntei em um tom áspero.
- “De onde vem o que, Aspen? Você é quem invadiu aqui, exigindo respostas. Estou
lhe dizendo como foi” - ele falou com uma voz áspera. “Falaremos sobre isso mais
tarde. Estou ocupado."
"Nós conversamos sobre isso agora ou nada."
"Bem. Acho que passamos muito tempo juntos e isso precisa parar” - ele falou,
enquanto se recostava na cadeira.
"De repente?"
"Sim."
"Importa-se de explicar o porquê?"
"Eu não quero machucar você."
"Eu vejo. Então é isso? Chega de almoços ou jantares? Não há mais passeios no
Central Park? Chega de festa do pijama?”
"Não. Nada disso. Tínhamos uma coisa e agora acabou.”
De repente, senti algo que não sentia há anos. Meus olhos começaram a se encher de
lágrimas. Oh meu Deus, não. Agora não. Não na frente dele.
"Bem. Acabou."
Corri para o meu escritório e peguei minha bolsa.
"Vou almoçar", eu disse a Colleen, enquanto passava por sua mesa e saía do prédio.
Quando meus pés chegaram às ruas, chamei um táxi e um imediatamente parou.
"Para onde?" o taxista perguntou.
124 West 79th Street.
CAPÍTULO 39

A spen

Meus olhos ainda estavam cheios de lágrimas, quando paguei ao motorista e saí do
táxi. Subindo o elevador até o quinto andar, abri a porta e entrei no escritório.
"Ei, Aspen." Lindsey sorriu.
"Lucas está lá, com um paciente?"
"Não. Ele está entre os pacientes no momento.”
Abri a porta do escritório e ele olhou para mim da mesa.
"Aspen, o que você ...-"
No momento em que ele olhou para mim, eu deixei tudo sair. As lágrimas que eu
estava segurando, começaram a escorrer incontrolavelmente, pelo meu rosto.
"Ele não quer mais me ver."
"O que? Venha aqui."
Ele foi até onde eu estava e passou o braço em volta de mim e me levou para o sofá.
"Quem? Elijah?”
"Sim. Ele está agindo de forma estranha, nos últimos dias e então eu descobri que ele
jantou com outra mulher. Eu o confrontei e ele disse algumas coisas más e
ofensivas. Então ele disse, que precisamos parar de nos ver.”
Ele pegou um lenço de papel da mesa e me entregou.
"Olhe para mim. Veja o que está acontecendo. Por que isso está acontecendo, depois
de todos esses anos? Porque você realmente o ama. Ele machucou você e você está
respondendo, da maneira que a maioria dos humanos faz. Aconteceu algo entre vocês,
para essa mudança repentina nele?”
Hesitei por um momento.
“Ele saiu no meio da noite, na outra noite. Quando perguntei o porquê, ele disse que
não conseguia dormir e não queria me acordar. Foi quando eu notei a mudança nele.”
"Hmm. Você não teve uma briga ou argumento de algum tipo?”
"Não. Nada. Tudo foi ótimo. Fomos dormir felizes.”
"Eu sinto Muito." Ele beijou o lado da minha cabeça. "Ele obviamente está lidando
com alguns problemas ou talvez seus sentimentos por você, o assustaram."
"Ele disse que estávamos gastando muito tempo juntos e precisava parar".
“Ah. Bem, posso lhe dizer que parece que ele estava chegando muito perto e se
assustou.”
Conversamos um pouco mais e depois tive que voltar ao trabalho. Parei no
banheiro, antes de ir para o meu escritório, para me certificar de que parecia
decente. Não queria que ninguém percebesse, que estava chorando.
"Como foi o teu almoço?" Colleen sorriu.
"Foi bom. Tenho muito trabalho a fazer, não quero ser incomodada. A única pessoa
para quem você pode me incomodar, é a srta. Wolfe.”
"Entendi. E Elijah?
"Não. Especialmente ele.”
Entrei no meu escritório e fechei a porta.

###############

E lijah

Tinha que ser feito. As coisas estavam ficando fora de controle, especialmente para
mim. O olhar em seu rosto e a mágoa em seus olhos, eram insuportáveis. As coisas por
aqui seriam difíceis por um tempo, mas com o tempo, ela superaria isso. Eu sabia
melhor, e deveria ter ficado longe, como planejava. Eu sabia que ela se apaixonaria, e foi
a chance que eu aproveitei, para passar algum tempo com ela. Ela era uma mulher
incrível e não merecia alguém como eu. Era melhor que eu partisse o coração dela
agora, do que em alguns anos adiante.
Saí do escritório tarde e não estava com disposição, para conversar com
ninguém. Passei pelo escritório de Aspen e a luz dela estava apagada. Ela já tinha saído
para a noite. No momento em que entrei na minha cobertura, eu ainda podia sentir o
cheiro persistente de seu perfume. Talvez fosse apenas a minha imaginação. Meu
telefone tocou e Nathan estava ligando. Enviei para o correio de voz. Ele ligou de
novo. Enviei para o correio de voz. De repente, uma mensagem de texto chegou.
“Pare de ser um idiota. Eu sei que você está em casa. Estou
chegando.”
Suspirei, quando fui até o bar e servi duas bebidas. As portas do elevador se abriram
e meu irmão saiu e entrou na sala de estar. Eu entreguei a ele sua bebida.
“Estou aqui, por causa da mãe. Ela disse que você estava agindo como um tirano
hoje e me enviou aqui, para descobrir o que está acontecendo”. Então derrame.
"Eu disse a Aspen, que não queria mais vê-la."
"OK. Porque você fez isso?"
“Porque as coisas estavam ficando complicadas. E ela disse enquanto dormia, que
me amava.”
“Vejo que chegou o dia. É um pouco mais cedo do que eu pensava, mas sabia que
estava chegando. Você quer saber o que eu acho?”
"Não. Na verdade, não.”
“Bem, estou lhe dizendo, de qualquer maneira. Eu acho que você a ama também e
não o culpo por ser um idiota, porque eu também seria. Mas vejo vocês dois
juntos. Quando olho para o meu futuro estilo playboy, vejo vocês dois nele. Vejo você
em um grande condomínio, com duas crianças e uma babá. Talvez um cachorro ou
dois, para completar a família perfeita. “
"Você é louco pra caralho."
"Talvez eu esteja ou talvez não." Ele levou o copo aos lábios. “Agora, deixe-me dizer
o que não vejo. Não vejo você saindo como papai.”
"Acabou, Nathan."
“Adapte-se. Eu gosto muito de Aspen. Ela é boa para você, mano. Só a conheço há
alguns meses, mas sinto que a conheço, desde sempre. Mason disse a mesma coisa. E
você sabe, que mamãe a ama.”
“Não importa o que todos vocês pensam. Eu disse que acabou.”
"E o que devo dizer à mamãe, quando ela me perguntar, o que está acontecendo?"
“Você diga que eu lhe disse a mesma coisa, que disse a ela. Estou estressado com
este processo de ação coletiva. Nada mais. Entendeu?"
"Você sabe que eu sempre vou te apoiar."
Eu mudei de assunto e conversamos sobre esportes e outras coisas. Depois que ele
saiu, fui para a cama. Eu precisava esquecer esse dia.
CAPÍTULO 40

A spen

Eu acordei com uma ressaca. Depois que saí do escritório, fui ao apartamento de
Geneva e conversamos, dançamos e bebemos, até meia-noite. Eu me senti usada por
Elijah, mas em parte, foi minha culpa. Eu deixei-o, sabia muito bem como ele era. Ele
não escondeu nada, sobre seus não relacionamentos. Eu era estúpida em decepcionar as
defesas que eu mantinha e segurava firmemente, desde que minha mãe saiu, todos
esses anos atrás. Mas por mais que eu me culpasse por me machucar, isso não me fez
sentir melhor.
No momento em que entrei no meu escritório, Colleen me informou que havia uma
reunião de equipe.
"Eu pensei que a reunião fosse amanhã."
"Senhora Wolfe teve que reagendar. Ela tem mais alguma coisa acontecendo.”
"Ótimo." Revirei os olhos.
Coloquei minhas coisas na mesa e fui para a sala de conferências. Quando entrei,
Elijah olhou diretamente para mim. Eu o ignorei e me sentei.
"Como está indo o caso do Crumple?" ela me perguntou.
“Espero resolver hoje. Caso contrário, iremos a tribunal.”
“Tivemos um caso ontem. Um que eu quero, que você e Elijah manejem.”
"Não", Elijah falou abruptamente.
"Desculpe?" Ela se virou para ele.
“Eu já estou acima do meu limite, com casos. Especialmente com este de ação
coletiva. Arrume outra pessoa.”
Ela olhou para ele, por um momento e depois se virou para mim. Eu imediatamente
olhei para baixo.
"OK. Shannon, você estará trabalhando com Aspen.”
Quando a reunião terminou, peguei meu bloco de notas e voltei para o meu
escritório. Eu não conseguia me afastar o suficiente, daquele idiota.
Enquanto eu estava sentada, olhando para Fantasia, Elijah entrou.
“Ei, eu só quero que você saiba, que quando eu disse não, não foi porque eu não
queria trabalhar com você. Só estou um pouco sobrecarregado agora.”
"E eu realmente não dou a mínima, para o que você faz ou quis dizer." Eu
sorri. "Agora saia. Estou ocupada."
“Ouça, Aspen. Eu ainda sou seu chefe.”
"Que pena para mim." Eu fiz beicinho.
Ele ficou lá e balançou a cabeça lentamente, antes de sair.

Duas semanas depois

N as duas últimas semanas, Elijah e eu, tivemos muito pouco contato. Ele só

falou comigo quando precisava, e sentei lá e escutei. Eu me mantive ocupada,


enterrando-me no meu trabalho. Eu realmente não tive escolha, porque estava cheia de
casos. O Dia de Ação de Graças, seria daqui a duas semanas, e Geneva e Lucas, iriam
passá-lo com a família dele, na Flórida. Eles me imploraram para ir, mas tive que
recusar, devido à minha carga de trabalho.
- “Não me sinto bem em deixá-a aqui, no Dia de Ação de Graças, sozinha. Você pode
voar mais tarde do que nós.”
“Geneva, pare de se preocupar comigo. Eu vou ficar bem."
"Talvez você possa ter mamãe e Raphael, no Dia de Ação de Graças?"
"Deus não. O que você tem? Pare! Eu ficarei bem. Eu prometo."
"Mas é o primeiro dia de ação de graças, sem o pai."
“Eu sei e novamente, eu vou ficar bem. Eu tenho que ir. Tenho trabalho a fazer. Falo
com você mais tarde.”
Encerrei a ligação e voltei ao trabalho. Quando eu estava saindo do meu escritório e
olhando para o meu telefone, encontrei Elijah. Ele segurou meu braço levemente.
"Você não está prestando atenção novamente", ele falou em um tom leve.
“Eu sou tola. Acho que nunca vou aprender” - falei enquanto me afastava.
A dor no meu coração, ainda estava lá. Doeu todas as noites, quando fui para a cama
e doeu todos os dias, quando o vi. Colleen continuou me empurrando, para sair com
outros caras, mas eu não queria. Eu estava na cena do homem, por um tempo.

################

Dia Anterior ao Dia de Ação de Graças

E u acabara de voltar do tribunal , quando encontrei Caitlin no corredor.

“Oh bom. Você voltou. Posso te ver no meu escritório?”


"Certo."
"Sente-se." Ela sorriu. “Almocei mais cedo com Bob Kaufmann, da Kaufmann,
Goldberg & Sands. Ele estava fazendo muitas perguntas sobre você.”
"Por quê?"
“Eu acho que eles estão interessados, em trazer você para a empresa deles. Alguém
dos parceiros, entrou em contato com você?”
"Não. Como eles me conhecem?”
“As notícias circulam muito rapidamente, aqui em Nova York. Você é feliz aqui,
certo?”
Eu queria lhe dizer isso, além de seu filho da puta; Eu era.
"Sim. Eu sou."
“Ultimamente, notei alguma tensão entre você e Elijah. Está tudo bem?"
"Está tudo bem." Eu sorri.
"Se você não estivesse feliz aqui, você viria para mim, certo?"
“Claro que sim. O que é isso tudo?"
“Eu não quero que você saia, da minha empresa. Você é uma boa advogada e eu
gosto de você”. Ela sorriu. "Então, se houver algum problema, eu quero que você venha
até mim e nós vamos resolver isso."
“Obrigada, Caitlin. Eu agradeço."
"Você está passando o Dia de Ação de Graças, com sua irmã?" ela perguntou.
"Não, Geneva e Lucas, voaram para a Flórida, para ver seus pais."
“Oh. O que você fará então?"
"Tenho um encontro em casa com lareira, um cobertor quente e um monte de
arquivos de casos".
"Absolutamente não. Você vem à minha casa, no Dia de Ação de Graças.”
“Obrigada, mas não. Não posso.”
"Sim, você pode."
"Caitlin"
“Sem argumentos. Você não está passando seu primeiro Dia de Ação de Graças
sozinha, em Nova York. Esteja em minha casa, às duas horas. Vou mandar uma
mensagem, com meu endereço.
O que eu poderia fazer? O que eu poderia dizer? Ela era minha chefe e não aceitaria
não como resposta. Ugh. Isso seria um desastre.
“Obrigada, Caitlin. Você é muito gentil."
Eu estava arrumando as malas para a noite e pronta para ir para casa, quando Elijah
entrou no meu escritório.
"Minha mãe acabou de me dizer, que você vai ao Dia de Ação de Graças."
“Eu não tive escolha. Você não diz à mulher que se arriscou e lhe deu um emprego,
não.”
"Vejo você amanha." Ele foi embora.
Revirei os olhos e recostei-me na cadeira. Muito obrigada, Geneva.
CAPÍTULO 41

A spen

Eu tinha acabado de sair da banheira, quando meu telefone tocou. Ao atender, vi


Elijah ligando. Suspirei e recusei a ligação. Um segundo depois, ele ligou
novamente. Recusado. Um momento depois, chegou uma mensagem de texto.
“Pegue a porra do seu telefone! É importante!"
Meu telefone tocou novamente e atendi imediatamente.
"O que é?"
“Estou a caminho do seu apartamento. Esteja lá fora esperando. Recebi uma ligação
de um de nossos melhores clientes. A esposa de seu filho, foi encontrada
assassinada. Precisamos chegar em casa. Estarei aí, em menos de dez minutos.”
"OK. Estarei esperando."
Joguei meu telefone na cama, rapidamente vesti alguma roupa, peguei minha bolsa
e voei para o saguão. Assim que eu pisei fora das portas do prédio, um táxi parou e a
porta se abriu. Entrei e Elijah me deu um olhar estranho.
"O que?"
"Seu cabelo?"
"Merda." Tirei a gravata que segurava meu cabelo, em um coque
bagunçado. “Acabei de sair do banho. O que diabos está acontecendo?"
"Vamos abordar outra questão primeiro", ele falou. “O declínio das minhas
ligações. Eu sou seu chefe e quando ligo, você responde.”
“Peço desculpas, mas não achei que fosse um caso. Pensei que fosse uma ligação
pessoal e não queria falar com você.”
“Você não queria falar comigo? Você está falando sério?"
"Sim. Agora, com o que estamos lidando?”
"Brady Marcus é um de nossos clientes sofisticados e seu filho, Finn, está sendo
interrogado, sobre o assassinato de sua esposa."
“Brady Marcus? Como nas fragrâncias Marcus?”
"Sim. Você pode por favor pisar nisso? ” ele perguntou ao taxista.
Quando entramos no elevador, Elijah olhou para mim.
"Você já teve um caso de assassinato?"
"Sim."
"E?" A testa dele arqueou.
"Meu cliente foi considerado inocente."
"Bom. Você já viu um cadáver antes?”
"Não."
"Então é melhor você se preparar."
Quando chegamos à cobertura, policiais e investigadores, ocupavam o espaço.
"Nós somos os advogados de Finn Marcus", Elijah falou com o policial que nos
parou na porta. "Onde ele está?"
"Na cozinha."
Elijah andou na minha frente e parei quando vi a sra. Marcus caída no chão, em uma
poça de sangue.
"Aspen, vamos lá."
Entramos na cozinha e encontramos o Sr. Marcus sentado em uma cadeira, sendo
interrogado por um policial.
“Você terminou aqui. Representamos o Sr. Marcus e ele não está dizendo outra
palavra.”
"Eu não fiz isso, Elijah", Finn falou em pânico.
“Não diga outra palavra, Finn. Nem mais uma palavra.”
"O que aconteceu aqui?" Eu perguntei ao policial.
"Sra. Marcus sofreu um traumatismo contuso na cabeça.”
"Você tem a arma usada?" Eu perguntei.
"Ainda não. Seu cliente afirma que chegou em casa e a encontrou. Precisamos dele
na delegacia, para mais perguntas.”
"Vamos levá-lo lá", disse Elijah.
"Senhor Marcus, sou Aspen Michaelson, da Wolfe & Associates. Precisamos ir até a
delegacia.”
"Eu não fiz isso", ele falou em tom de pânico.
"Eu sei. Nós vamos descobrir isso. Eu prometo."
Os policiais encontraram a arma do crime, em uma lixeira a dois quarteirões de
distância.
"Finn Marcus, estamos colocando você em prisão, pelo assassinato de Natalie
Marcus."
"Que evidência?" Eu falei.
- “Suas impressões digitais estavam por toda a arma do crime, senhorita
Michaelson. É tudo o que precisamos, para prendê-lo”.
"Eu não fiz isso!" Finn exclamou.
Elijah e eu saímos da sala e nos encontramos com o promotor Tommy McNeil.
"Elijah", ele assentiu.
“Tommy. Esta é Aspen Michaelson. Ela trabalha na nossa empresa.”
"Ah sim." Ele sorriu, enquanto estendia a mão. "Eu ouvi muito sobre você."
Eu dei a ele um olhar confuso, enquanto colocava minha mão na dele.
"Prazer em conhecê-lo."
"Estamos acusando seu cliente de assassinato em primeiro grau e pedindo vida sem
liberdade condicional".
"Oh, vamos lá, Tommy", Elijah falou. “Ele não tem antecedentes e tem um registro
estridente. Ele disse que não fez isso.”
"Todos dizem isso, Elijah."
"Estamos solicitando uma audiência de emergência."
"Boa sorte em conseguir um juiz tão tarde." Ele sorriu. "A propósito, não estamos
pedindo fiança." Ele foi embora.
"Aquele pau." Elijah balançou a cabeça.
"Como ele ouviu falar de mim?" Eu perguntei.
“Provavelmente da minha mãe. Ela está dormindo com ele.”
"Oh." Franzi minhas sobrancelhas. "Eu volto já."
Fui para o lado onde estava silencioso, peguei meu telefone e fiz uma ligação.
"O que você está fazendo?" Elijah perguntou, enquanto caminhava atrás de mim.
"O juiz Bloom estará no tribunal, em quinze minutos." Eu sorri.
"Muito bem, senhorita Michaelson." Os cantos de sua boca, ficaram ligeiramente
curvados para cima.
CAPÍTULO 42

E lijah

"Meritíssimo, o Sr. Marcus não tem antecedentes, e ele não é um risco de fuga", falei.
“Ele é um homem muito rico, de uma família muito influente. Ele pode pegar um
avião e fugir do país, sempre que quiser ”, falou McNeil.
"Senhor Marcus, você vai fugir do país?” O juiz Bloom perguntou.
"Não, sua honra."
"Meritíssimo, só porque ele diz ..."
“Fiança fixada, em um milhão de dólares. O tribunal está suspenso. Todos nós
podemos ir para casa agora?”
Aspen e eu, subimos em um táxi e pedi ao motorista, que a deixasse primeiro.
"Pelo menos Finn pode passar o Dia de Ação de Graças, com sua família", ela falou.
“Falando em família. Onde está a sua?"
“Minha mãe está na Califórnia, e Geneva e Lucas foram para a Flórida, para ficar
com sua família. Eles me pediram para ir, mas eu disse não.”
"Por quê?"
"Eu não sei. Eu realmente não queria viajar. Além disso, é o primeiro dia de ação de
graças, sem meu pai.”
"Então você prefere ficar sozinha?"
"Sim. Bastante."
"Bem, isso não está acontecendo, graças à minha mãe."
"Não. Eu acho que não." Ela sorriu suavemente.
O táxi parou em seu prédio e ela desceu.
"Vejo você amanhã", ela falou.
“Obrigado por hoje à noite. Você fez bem."
"Sem problemas." Ela fechou a porta e entrou.
Foi o máximo que conversamos em semanas. Senti falta dela e de nossas
conversas. Talvez um pouco demais.

###############

Q uando cheguei à casa de minha mãe, Nathan e Mason, já estavam lá.

"Feliz Dia de Ação de Graças, mano." Mason e Nathan me abraçaram.


"Feliz Dia de Ação de Graças."
"Aí está você." Minha mãe sorriu. "Feliz Dia de Ação de Graças, Elijah."
“Obrigado mãe. Feliz Dia de Ação de Graças."
"Vocês, rapazes, vão tomar uma bebida, enquanto termino na cozinha."
No momento em que me aproximei do bar, a campainha tocou e Nathan atendeu.
“Aspen. Feliz Dia de Ação de Graças." Ele a abraçou.
“Ei, Aspen. Feliz Dia de Ação de Graças." Mason sorriu, quando pegou o que
parecia uma torta, que ela estava segurando e colocou na cozinha.
Ela tirou o casaco e estava linda como sempre.
“Elijah está fazendo algumas bebidas. Entre aqui” - Nathan falou.
Coloquei um uísque para ela e entreguei-lhe.
"Feliz Dia de Ação de Graças." Eu sorri.
"Feliz Dia de Ação de Graças. Obrigada."
A campainha tocou novamente, então eu fui até a porta e fiquei chocado, com quem
estava lá.
"Feliz Dia de Ação de Graças, Elijah." Tommy McNeil sorriu.
"Feliz Dia de Ação de Graças. Entre."
"Tommy". Minha mãe sorriu, quando entrou no vestíbulo e ele beijou sua bochecha.
Fui até onde meus irmãos e Aspen estavam.
"Bem, isto é constrangedor." Aspen olhou para mim.
"Muito." Suspirei.
"Eu não sabia, que eles estavam tão sérios." Nathan disse.
“Ele é apenas mais um brinquedo, para mamãe. Não vai durar.”
"Vejo que a maçã não cai longe da árvore", falou Aspen e se afastou.
"NA LATA!" Nathan riu. "Porra, ela é boa."
"Cale-se." Eu balancei minha cabeça, enquanto me afastava e entrei na cozinha.
“Agora, eu sei tudo sobre o caso Marcus e não quero nada discutido aqui
hoje. Compreendem?" Minha mãe disse, enquanto olhava para nós três. "Vocês três
guarduem para o tribunal."
Todos nos sentamos e desfrutamos de um ótimo jantar.
"Hora da sobremesa." Minha mãe sorriu. “Aspen teve a gentileza, de trazer esta
deliciosa torta de maçã. Também temos abóbora e cereja. A maçã é a favorita de Elijah, a
abóbora é de Nathan e a cereja é de Mason.”
"Eu vou comer a torta de maçã." Eu sorri, enquanto olhava para Aspen e ela
estreitou os olhos para mim. "Uau. Isto é fantástico. Onde você comprou isso?" Eu
perguntei a ela.
"Eu não comprei." Ela sorriu.
"Estou impressionado."
"Lucas fez."
"Por um segundo, pensei que sim."
"Eu nunca faria uma torta de maçã para você." Ela sorriu.
Depois da sobremesa, Tommy ajudou minha mãe a limpar, enquanto ela nos dizia
para irmos à sala de mídia. Aspen tentou ajudar, mas minha mãe não estava tendo.
"Vamos jogar algumas cartas", disse Nathan. "Aspen, você sabe jogar poker?"
"Eu sei." Ela sorriu.
"Bom. Deixe-me ver se consigo encontrá-las.”
Ele caminhou até os armários onde estava o bar e começou a abri-los, procurando
um baralho de cartas.
"Ei. O que é isso?" Ele puxou uma moldura, para fora do armário. “É mamãe e um
cara. Cara, veja como ela era jovem.”
Mason e eu, fomos até onde ele estava, e olhei para a foto. Eu suspeitava de quem
era, quando o peguei rapidamente das mãos de Nathan.
"Esse é o meu pai", Aspen falou, enquanto estava atrás de mim. "Por que meu pai
está com sua mãe?"
"Merda", disse Nathan.
"Tudo bem pessoal, hora de um jogo." Minha mãe disse, enquanto entrava na sala.
Ela congelou, quando viu todos nós olhando para ela. Aspen tirou a foto das minhas
mãos e caminhou até minha mãe.
"Por que você está com meu pai, Caitlin?"
"Querida", ela falou em um mero sussurro, enquanto a olhava com simpatia.
“Era você, não era? Você era a mulher de quem meu pai sempre falava. Você foi
quem quebrou o coração dele.”
"Sim." Minha mãe olhou para baixo. “Sinto muito, Aspen. Nós deveríamos
conversar."
“Obrigada pelo jantar. Eu tenho que sair agora."
Ela pegou o casaco e saiu de casa.
"Droga." Eu olhei para minha mãe.
Agarrando meu casaco, corri atrás dela.
CAPÍTULO 43

A spen

Andei pela rua, enquanto a neve clara caía do céu. Eu não podia acreditar no que vi,
e não podia acreditar que Caitlin Wolfe, foi a mulher que partiu o coração do meu pai.
"Aspen!" Ouvi Elijah chamar meu nome.
"Deixe-me em paz, Elijah."
"Aspen, pare." Ele segurou meu braço levemente. "Fale comigo."
Instantaneamente, parei e me virei para ele.
"Falar com você? Mal nos falamos há semanas, e agora você quer conversar? Você
não entende direito.”
Continuei andando e depois parei abruptamente novamente.
"Você sabia? " Eu gritei.
“Ela me disse, há um tempo atrás. Não sabia se devia contar ou não. Não queria
incomodar você.”
“Que merda, Elijah! Você deveria ter me dito. Mas, novamente, não estou surpresa”.
Eu continuei andando.
"O que diabos isso significa?"
"Apenas me deixe em paz!"
"Para onde você está caminhando?"
"Eu não sei!" Eu gritei.
Depois de andar por outro quarteirão, tropecei em um bar, então entrei e sentei-me
no banquinho.
"Feliz Dia de Ação de Graças. O que eu posso te pegar? ” o barman perguntou.
“Um bourbon, por favor. E faça um duplo.”
"Chegando."
Quando o barman pousou minha bebida, Elijah se sentou no banquinho ao meu
lado. Ele pediu um uísque, mas não disse uma palavra. Ele apenas ficou sentado ao
meu lado, em silêncio.
"Ele estava tão feliz, durante esse tempo", falei. “O mais feliz que eu já o vi. Ele nos
disse que estava animado, por conhecermos alguém especial para ele e esperava que
fosse em breve. Então, um dia, lembro-me dele sentado no quarto, chorando. Perguntei
a ele o que havia de errado, e ele me disse que a pessoa que era muito especial para ele,
decidiu que não deveria mais o ver. Eu tinha apenas dez anos na época e realmente não
entendi. Mas a única coisa que entendi, foi como meu pai estava magoado. Depois
disso, ele se enterrou em seu trabalho, para tentar esquecê-la. Mas ele nunca fez. E com
o passar dos anos, ele ainda falava sobre a mulher, pela qual se apaixonara
loucamente. “
Eu me virei e olhei para Elijah.
"Agora tudo faz sentido."
"O que?" ele perguntou.
“Por que sou do jeito que sou. A única coisa que eu já vi, foram relacionamentos
quebrados, mágoa e dor. É por isso que sabotei propositadamente, todos os meus
relacionamentos. Porque quando fico muito confortável, quero provar que as coisas
nunca duram. Como quando eu disse que te amava”. Uma lágrima caiu do meu olho.
Peguei algum dinheiro da minha bolsa, joguei no bar e saí. Chamei um táxi e,
quando entrei, Elijah voou pela porta do bar. Quando o táxi se afastou do meio-fio,
olhei para ele, enquanto ele olhava de volta com um olhar de choque, em seu rosto.

##############

M e dirigi à empresa. Eu tinha trabalho a fazer, e era a melhor maneira de

tirar minha mente, de tudo o que estava acontecendo. Quando entrei no meu escritório,
sentei-me na minha mesa e olhei para Fantasia, que ainda estava no fundo do seu
pequeno tanque.
"Fantasia?" Eu bati no copo. "Fantasia!" Eu continuei batendo.
Ele não se mexeu, aumentando a miséria que eu já sentia.
"Sinto muito, garoto."
"Aspen?"
Eu olhei para cima e vi Elijah, parado na porta.
"O que há de errado com Fantasia?" ele perguntou.
"Ele está morto."
"Eu sinto Muito."
"Eu também. Eu tenho que lhe dar um funeral.”
Peguei a pequena rede, peguei-a e saí do meu escritório.
"Você vem ao funeral?" Eu perguntei a Elijah.
“Umm. Certo."
Ele me seguiu até o banheiro, e levei Fantasia para uma barraca. Elijah ficou ao meu
lado.
“Você era um ótimo peixe e um bom amigo. Você tinha uma personalidade tão
grande e sentirei falta de nossas conversas. Adeus, meu amigo. Que você encontre paz e
nade livremente, com todos os outros peixes que já morreram.”
Eu segurei a rede, perto do vaso sanitário e virei de cabeça para baixo, quando ela se
jogou na água. Olhando para Elijah, gesticulei para que ele fosse o único a derrubá-lo.
"Eu? Você quer que eu faça isso?”
"Sim. Você nunca gostou dele, de qualquer maneira.
“Isso não é verdade, Aspen. Ele era bonito."
E assim ela se foi. Suspirei, enquanto lavava a rede e voltei para o meu escritório.
"Eu sei que talvez não seja o melhor momento, mas precisamos conversar."
"Eu tenho trabalho a fazer, Elijah, e você não vê que estou de luto, pela morte de
Fantasia?"
“É ação de graças. Você não está trabalhando no Dia de Ação de Graças e,
novamente, sinto muito pelo seu peixe.”
“Temos um cliente, que está sendo acusado de assassinato em primeiro grau. Eu
tenho coisas para descobrir.”
"E nós vamos amanhã", ele falou. “Você sabia que me disse, que me amava? Eu
pensei que você estivesse falando, enquanto dormia.”
"Não. Eu disse quando estava totalmente acordada, porque estava na hora de ver
como você realmente se sentia, em relação a mim. E agora eu sei. Missão cumprida. No
momento em que falei essas três pequenas palavras, você saiu o mais rápido
possível. Então você me evitou e jantou na noite seguinte, com outra mulher, depois de
recusar meu convite para jantar.”
“Eu vou te contar pela última vez. Foi uma coisa de última hora. Não foi
planejado. Não liguei para ela, para jantar. Ela me ligou para discutir um acordo, para
seu cliente.”
"Você dormiu com ela?"
"Não. Claro que não. Ela tentou, e eu a rejeitei. Eu não acredito que você me
enganou assim. Quem faz isso?"
“Uma mulher que sabota relacionamentos por medo. E você é um homem que foge,
por causa de seu medo. Somos apenas duas pessoas ligadas ao medo, que não têm
negócios juntos. ”
"Deus. Eu não posso nem olhar para você agora” - ele falou irritado.
"Então vá. Ninguém está parando você. Por que você veio me procurar?”
"Porque você está chateada."
"Então? Você não parecia se importar, com o quão chateada eu estava, quando me
disse que tinha terminado comigo.”
"Aspen, não."
“Não o que? Diga a verdade? Não é isso que nós, adultos, devemos fazer? Apenas
me diga, a porra da verdade!”
"Sim. Eu me importei em incomodá-la, mas não havia nada que eu pudesse fazer
sobre isso. Eu tive que terminar, depois que você me disse que me amava. E acho que é
exatamente isso, que você queria.” Ele apontou para mim.
"Você é louco." Eu ri.
"Não. Na verdade, eu não sou. Você sabia exatamente, como eu me sentia sobre as
mulheres se apaixonarem por mim. Você sabia como eu me sentia sobre
relacionamentos e, no entanto, ainda disse isso, sabendo como me sentia. Você estava
tão assustada com o que tínhamos, como eu e essa era a sua maneira de sair, sem
parecer o cara mau.
"Eu chorei por você!" Eu apontei para o chão. "Pela primeira vez em anos, lágrimas
caíram dos meus olhos naquele dia!"
“Mas você não planejou que isso acontecesse. Você fez? Isso te pegou
desprevenida”.
"Talvez. Eu estava tão magoada e com raiva e não esperava me sentir tão mal. Quero
dizer, eu sabia que ficaria chateada por um tempo, porque realmente gostava de você,
mas ainda dói muito, e odeio não poder me esquecer.”
Ele caminhou até mim e colocou as mãos, em cada lado do meu rosto.
- “Sinto sua falta, Aspen, e não tenho medo de lhe contar. Eu odeio que também não
possa nos esquecer.”
"Também sinto sua falta."
"Então agora o que?" ele perguntou. "O que duas pessoas vinculadas pelo medo
fazem?"
Eu me afastei dele e suspirei.
“Eu não sei, Elijah. Nós dois estamos fodidos.”
"Isso é verdade." Ele riu. “Somos duas pessoas fodidas, que vêm de famílias
desfeitas, com problemas com os quais nunca lidamos. Mas talvez possamos ser fodidos
juntos e nos curar um dia de cada vez ”
"Você está me pedindo, para entrar em um relacionamento com você?"
"Não sejamos apressados." Ele levantou a mão. “Talvez possamos passar algum
tempo juntos e ver o que acontece. Enquanto concordarmos que, se algum de nós
começar a surtar ou o medo nos consumir, falaremos sobre isso. ” Ele sorriu.
"Acho que podemos tentar e ver." Eu sorri suavemente.
"Que tal eu te levar para casa?" Ele estendeu o braço.
"Eu acho que tudo ficaria bem." Coloquei meu casaco, meu chapéu de tricô e peguei
minha bolsa.
Coloquei meu braço em volta do dele e saímos juntos do prédio.
"Suponho que você queira sexo, quando voltarmos para minha casa", eu disse,
enquanto caminhávamos pela rua, na neve caindo levemente.
"Você foi quem trouxe isso à tona." Ele beijou o lado da minha cabeça. "Se você
quiser, não vou fazer objeção e ficarei feliz, em atender às suas necessidades."
"Eu tenho uma regra ou não vai acontecer."
"E que regra é essa?" Ele sorriu.
"Você tem que dançar comigo, quando voltarmos para a minha casa."
"Dança lenta?" Os olhos dele se estreitaram para mim.
"Não." Eu sorri
“Se eu não dançar com você, você não fará sexo comigo? É isso que você está
dizendo?”
"Sim."
"Vou pensar sobre isso." Ele piscou.
CAPÍTULO 44

UM MÊS DEPOIS

E lijah

"Nós, o júri, consideramos o réu acusado de assassinato em primeiro grau, não


culpado."
Soltei o maior suspiro da minha vida, enquanto apertava a mão de Finn.
“Obrigado, Elijah. Obrigado, Aspen. Muito obrigado."
"Formamos uma equipe muito boa." Sorri para Aspen, quando voltamos para o
escritório.
"Nós fazemos. Não é?”
As coisas entre nós, eram realmente boas. Na verdade, elas eram ótimas. Aspen e
minha mãe, tiveram uma longa conversa, que me deixou nervoso, mas tudo deu
certo. Elas conversaram sobre o pai de Aspen e minha mãe contou coisas, que ela nunca
soube. Elas estavam se aproximando e, por mais que eu tenha ficado feliz em ver, isso
também me assustou.
Eu não mentia e dizia que meus medos se foram, porque não. Assim como Aspen
também não. Nós dois estávamos casualmente nos vendo, sem
expectativas. Encontrávamos Geneva e Lucas uma vez por semana, para jantar, e agora
ela fazia parte dos jantares de nossa família, a pedido de minha mãe.
Fiz algo depois do Dia de Ação de Graças, que pensei que nunca faria. Saí e comprei
um peixe novo, para sua mesa. Ela estava agradecida, mas agora eu tinha que dizer
bom dia à maldita coisa, todos os dias, quando entrava em seu escritório. Eu não me
importei. Fiquei feliz em fazê-la feliz.
Dia de Natal

S uavemente acariciei seu braço, enquanto olhava para ela dormindo. Um sorriso

suave cruzou seus lábios, quando ela abriu os olhos.


"Feliz Natal." Eu sorri, enquanto escovava meus lábios contra os dela.
"Feliz Natal. Que maneira bonita de acordar.” Ela levou a mão ao meu rosto.
"Vou fazer um café para nós e depois podemos abrir presentes."
"Eu amo essa idéia." Ela sorriu.
Quando nós dois saímos da cama, vesti minha calça de pijama e ela vestiu sua túnica
de seda rosa suave. Fiz uma xícara de café para nós e nos sentamos ao lado da
árvore. Ela me fez abrir todos os meus presentes primeiro, e amei cada um
deles. Especialmente, a edição rara de um livro de direito, que eu sempre quis.
"Como você encontrou isso? Estou procurando há meses?”
"Eu tenho meus segredos, Sr. Wolfe."
Eu sorri, quando beijei seus lábios.
"Sua vez."
Eu entreguei-lhe o primeiro presente. Um casaco novo, que ela estava olhando no
mês passado. O segundo presente que dei-lhe, foi um par de botas Jimmy Choo, que ela
também estava de olho, mas não compraria para si mesma. Depois de muitos abraços e
beijos, eu disse-lhe que voltaria logo. Entrei no quarto, abri a gaveta e puxei uma
pequena caixa, embrulhada em papel de folha de ouro.
"Eu tenho mais um para você." Entreguei-lhe a caixa.
Ela pegou a caixa com um sorriso e removeu delicadamente a fita e depois o
papel. Erguendo a tampa, seus olhos se iluminaram, quando viu o anel de ouro branco
e safira, envolto em diamantes.
"Elijah, isso é tão bonito."
“É um anel de compromisso, Aspen. Acho que devemos oficializar nossa
companhia.”
“Como em um casal oficial? Nós dois juntos, como casal? Um casal tipo namorado e
namorada?”
"Sim." Engoli em seco. “Acredito que é o que já somos. Mas agora estou
oficializando. Isso se você aceitar.”
"Isso não te assusta?" ela perguntou.
“Bem, sim, um pouco. Eu nunca fiz isso antes e estou com medo, de não ser bom
nisso. “
Um sorriso largo cruzou seu rosto.
"Você já é perfeito nisso." Ela beijou meus lábios. "E sim, eu serei oficialmente sua
namorada."
Tirei o anel da caixa e coloquei-o no dedo anelar direito.
"Você não vai tentar sabotar isso, vai?" Eu estreitei meus olhos para ela.
“Não. Estou muito apaixonada por você, Elijah Wolfe.”
Eu levantei minha mão no rosto dela e acariciei suavemente sua bochecha, enquanto
olhava nos olhos dela.
"Eu também te amo, Aspen Michaelson."
CAPÍTULO 45

UM ANO DEPOIS

A spen

Elijah e eu demos um passo adiante e nos mudamos juntos, cerca de três meses
depois do Natal. Eu desisti do meu apartamento e me mudei para a cobertura dele. Eu
estava feliz. Éramos felizes e nosso relacionamento era perfeito, embora gostássemos de
discutir. Mas éramos advogados, e foi o que fizemos. Foi tudo divertido.
"O que está acontecendo?" Elijah perguntou, quando saiu do elevador.
"Estou enlouquecendo e estou avisando."
"OK. Do que você está pirando?”
"Bem, eu não menstruo há dois meses."
“Oh. Você foi ao médico?” Ele perguntou nervosamente.
"Não. Fiz uma viagem à farmácia e comprei isso”. Eu levantei a caixa, que continha
um teste de gravidez.
“Oh. Agora eu estou enlouquecendo”.
"Boa. Eu estava esperando que você estivesse. Veja como isso funcionará. Vou ao
banheiro, fazer xixi na bengala e depois esperaremos e leremos os resultados juntos.”
"OK. Vamos fazer isso." Ele estendeu a mão para mim.
Peguei sua mão, o levei para cima e o trouxe no banheiro comigo.
"Como isso teria acontecido?" ele perguntou, enquanto eu segurava o graveto sob a
corrente de urina.
“Nós fomos imprudentes. Lembra quando troquei as pílulas anticoncepcionais e lhe
disse que deveríamos usar preservativos, apenas para garantir a segurança e você disse
que não, estavamos bem?” Eu sorri.
"Sim. Eu lembro." Ele suspirou.
Coloquei o pau no balcão e, quando comecei a ajustar o cronômetro, Elijah me
parou.
“Não há necessidade de ajustar o cronômetro. Veja. Sim. Você está definitivamente
grávida. Veja, está escrito aqui.” Ele apontou para a palavra.
"Está bem então." Eu respirei fundo. "Acho que estamos tendo um bebê."
"Eu acho que estamos", disse ele, enquanto olhava nos meus olhos.
“Eu não vou mentir. Estou com medo, Elijah.”
"Eu também querida." Ele passou os braços em volta de mim e me abraçou
forte. "Mas, por mais assustados que possamos estar, podemos fazer isso." Ele beijou
minha testa.
"Certo?" Eu quebrei nosso abraço. “Somos dois advogados profissionais, que
vencem muitos casos. Casos difíceis. Não há nada que não possamos fazer. Pfft.” Eu
acenei minha mão. "Nós podemos fazer essa coisa de pais."
“Com certeza podemos. Criar um bebê será um pedaço de bolo, comparado ao
trabalho que fazemos. ”
"Exatamente. Está no papo."
"Sim. Está no papo." Ele sorriu, quando me puxou de volta para um abraço.

###################

A spen

Depois de receber a confirmação do meu médico, fomos ao jantar em família, onde


faríamos o grande anúncio à família de Elijah. Já tínhamos contado a Geneva e Lucas,
alguns dias antes e ambos estavam na lua, mesmo que não planejassem ter
filhos. Inferno, eu também não planejei, mas aqui estávamos.
Nós nos sentamos à mesa. Elijah e eu, discutimos nosso plano com antecedência e
decidimos que era melhor divulgar as notícias, enquanto comíamos, esperando que
ninguém engasgasse com a comida, quando lhes disséssemos.
"Temos algo a lhes dizer", disse Elijah.
Caitlin, Nathan e Mason pararam de comer e nos encararam.
"Oh, meu Deus. Vocês dois vão se casar!” Caitlin exclamou. "Já estava na hora. Você
já definiu a data? Teremos a festa de noivado, aqui em casa.”
"Mãe. Pare. Nós não vamos nos casar.”
Nathan começou a rir. "Então o que? Vocês dois estão tendo um filho ou algo
assim?”
"Sim. Estamos tendo um bebê” - falou Elijah.
Nathan largou o garfo e Mason cuspiu a água, que estava bebendo.
"O que?" Caitlin perguntou, enquanto inclinava a cabeça.
"Estamos tendo um bebê." Eu sorri.
Ela colocou a mão sobre a boca, levantou-se da cadeira e deu um abraço em cada um
de nós.
"Eu vou ser avó?"
"Sim, mãe, você vai ser avó."
“Vovó Caitlin. Eu amo isso." Mason riu.
"Uau. Parabéns a vocês dois.” Nathan sorriu. "Nós vamos ser tios." Ele olhou para
Mason.
"Parabéns a vocês dois." Mason levantou o copo.
CAPÍTULO 46

SETE MESES DEPOIS

A spen

Elijah e eu nos sentimos muito preparados, para a chegada de nossa filha. Tínhamos
lido todos os livros, preparamos o berçário e assistimos às aulas de Lamaze. Sim. Está
certo. NÓS. ESTAVAMOS. PRONTOS. Eu estava chegando ao fim desta gravidez. Eu
estava enorme, meus pés estavam inchados, minhas costas doíam e eu não conseguia
dormir. Eu tinha duas semanas e mal podia esperar, para que essa criança
nascesse. Desconfortável, era um eufemismo.
"Estou com fome", eu disse , enquanto nos deitávamos na cama, nós dois em nossos
laptops trabalhando.
"Você acabou de comer, uma hora atrás."
Eu lentamente virei minha cabeça e estreitei meus olhos para ele.
"Eu sinto Muito. Deixe-me reformular isso. Sua filha está com fome!”
"E o que minha filha, gostaria de comer?"
"Ainda temos algum sorvete de chocolate?"
"Não. Você terminou com ele, ontem à noite.”
"E os brownies que Lucas fez?"
"Não. Você terminou com eles também.”
“Ugh. Bem, preciso de algo doce e açucarado!”
Ele me deu um sorriso, quando chegou debaixo da cama e pegou uma grande caixa
de Chocolates Godiva.
"Onde você conseguiu isso ?!" Eu perguntei com emoção.
“Eu peguei hoje, no caminho de casa. De alguma forma, eu sabia que você estaria
querendo algo doce e açucarado e você já comeu todo o resto da casa.”
"Eu já te disse, o quanto te amo?" Eu sorri , quando beijei seus lábios.
"Me diga de novo."
"Eu te amo."
“E eu também te amo. Agora abra essa caixa e aproveite”.
Soltei a fita e levantei lentamente a tampa, antecipando os chocolates de dar água na
boca, que estavam lá dentro. Quando tirei a parte superior da caixa, ofeguei, quando vi
o anel de diamante mais bonito que já vi, no meio, entre os chocolates de luxo. Olhei
para Elijah, quando ele tirou o anel da caixa e o levantou.
“Eu te amo, Aspen. Você deixou de ser minha companheira, minha namorada e
agora a mãe de minha filho. Eu faria qualquer coisa neste mundo, para ter você como
minha esposa. Você quer se casar comigo?"
"Isso não te assusto?" Eu perguntei.
"Não. Na verdade, não.” Ele sorriu.
“Nesse caso, sim, Elijah. Eu casarei com você! Eu não acredito nisso!” Eu o plantei
com mil beijos. "Eu te amo muito."
"Eu também te amo, querida, e mal posso esperar, para você se tornar a sra. Elijah
Wolfe."

#######################

Uma semana depois

"Q uinhentos mil dólares e nem um centavo a menos.”

“Michaelson” - disse Adams.


Sentei-me na sala de conferências, com a mão na barriga, tentando esconder o fato,
de que sentia muita dor.
"Senhor Adams.” Parei por um momento e comecei
a respirar profundamente . Dentro e fora.
“Michaelson, você está bem?”
"Estou bem. Seu cliente negou ao meu cliente, a promoção que ele prometeu e
depois a demitiu, porque ela não dormia com ele. OH DEUS!"
“Ele demitiu seu cliente, por causa do fraco desempenho. Tem certeza de que está
bem? “
"Você está se referindo ao desempenho no trabalho ou no desempenho sexual?"
“Michaelson.”
Levantei-me, agarrei a borda da mesa e olhei para Rhonda, a repórter da corte.
“Minha bolsa simplesmente estourou. Pode ir buscar o Sr. Wolfe?”
Elijah entrou correndo, na sala de conferências.
"O que há de errado, querida?"
"Minha bolsa estourou e estou em trabalho de parto."
"Vamos. Vamos levá-la ao hospital” - ele disse, enquanto segurava meu braço
levemente.
"Não. Não vou a lugar nenhum, até resolvermos isso.”
"Aspen"
“Cala a boca, Elijah. Quinhentos mil dólares ou vamos a julgamento, onde irei expor
todos os pequenos segredos sujos do Sr. Peterson. OH DEUS!" Inclinei-me sobre a mesa.
- “A que pequenos segredos sujos, você está se referindo?”
“Seu vício em jogos de azar. Suas frequentes visitas a clubes de striptease. Suas
reuniões noturnas, com uma certa garota de programa e uma declaração assinada de
um ex-funcionário, que testemunhou a má conduta sexual de Peterson, em relação a
outras funcionárias. ”
“Você está blefando. Meu cliente é um cidadão honesto, desta comunidade. Ele não
só vai à igreja, todos os domingos, como doa milhões de dólares, para instituições de
caridade, para crianças. Ele é um verdadeiro empresário respeitado. “
“Que santo. Puta merda!” Eu respirei fundo.
“Aspen. Temos que ir” - disse Elijah.
Deslizei um envelope de tamanho legal sobre a mesa, para o Sr. Adams. Ele abriu,
pegou o conteúdo e depois olhou para mim.
“Um júri provavelmente premiará mais, depois de ver essas fotos. Vamos levar isso
ao tribunal. Obrigada pelo seu tempo. Agora, se você me der licença, preciso ir ter esse
bebê.”
Elijah passou o braço em volta de mim e me levou para a porta.
“Michaelson?”
"Sim, Sr. Adams?" Eu me virei e olhei para ele.
"Quatrocentos mil dólares e essa é a nossa oferta final."
"Combinado. Avisarei meu cliente, que o caso está resolvido. Tenha um bom dia, Sr.
Adams.”
Elijah me segurou, enquanto me levava para fora do prédio.
"Bom trabalho lá." Ele beijou o lado da minha cabeça. "Você teria trezentos mil, não
é?"
"Sim." Eu sorri, enquanto continuava minha respiração.
CAPÍTULO 47

SEIS MESES DEPOIS

E lijah

A vida era louca, mas uma boa loucura. Eu tinha duas garotas incríveis, na minha
vida. Minha futura esposa e minha filha, Mila Rose. Eu nunca pensei que era possível
amar tanto, duas pessoas. No período de dois anos, minha vida havia atingido um total
de 180. Eu deixei de ser um homem, que só se importava com o trabalho e utilizava as
mulheres para minhas próprias necessidades, e me tornei um homem, cuja família era
antes de tudo, uma prioridade. Nada neste mundo, era mais importante para mim, do
que Aspen e minha filhinha.
"Eu tenho que admitir, mano, isso é meio estranho", disse Nathan. "Eu nunca pensei
que estaria andando pela rua com você , empurrando um carrinho de bebê."
"Sim. Parece estranho” - falou Mason.
“Obrigado por ter vindo. Nossa babá está gripada e Aspen estará no tribunal, o dia
todo.”
"Confira." Mason bateu no braço de Nathan. "Confira as mulheres que ficam
olhando para nós, enquanto passam."
“As mulheres sempre nos olham, mano. Nada de novo."
"Não. Isto é diferente. Eu acho que é por causa da criança.”
"Dê-me o carrinho, Elijah", Nathan falou, enquanto me empurrava para fora do
caminho.
"Oh, meu Deus. Que menina adorável”. Uma jovem atraente nos parou.
"Obrigado." Nathan sorriu.
“Aposto que você é um papai incrível. Eu poderia cuidar dela” - ela disse,
inclinando-se e olhando para Mila.
"Eu adoraria aceitar essa oferta." Ele sorriu e bati nele.
"A criança é minha, não dele, e nós realmente precisamos ir", eu disse, enquanto
agarrava o carrinho de Nathan.
“Oh. Bem, ela é adorável.”
Ela se afastou e Nathan me lançou um olhar.
"Muito obrigado, mano."
"Que diabos está errado com você? Espere até eu contar para Aspen, que você está
usando nossa filha, para buscar mulheres.”
“Você faz parecer que é uma coisa ruim. Posso emprestá-la algum dia?”
"Não, você não pode! Vá ter seu próprio filho.”
"Tenho certeza de que há algum Wolfe correndo, em algum lugar do
mundo." Mason riu.
"Hilariante, idiota."

#####################

C heguei em casa e coloquei Mila para dormir. No momento em que me sentei

para relaxar, Aspen saiu do elevador.


"Você está em casa cedo." Eu sorri, enquanto estendi meus braços.
“Eu vim direto da corte. Senti sua falta e de Mila”. Ela sentou no meu colo e beijou
meus lábios.
"Também sentimos sua falta."
"Como foi o seu dia com ela?"
"Foi bom. Fizemos algumas tarefas e fomos para o Central Park, por um
tempo. Nathan e Mason, estavam tentando usar nossa filha, para buscar mulheres.
"Eu não estou surpresa." Ela riu. "Ela está dormindo?"
"Sim. Acabei de colocá-la, para tirar uma soneca.”
"Bom." Ela começou a desabotoar minha camisa. "Então, temos um tempo a sós e
acho melhor tirar vantagem disso."
"Eu amo o jeito que você pensa, minha advogada", falei, enquanto a beijava
apaixonadamente.
FIM
Fiquem atentos
para mais dos irmãos Wolfe,
que será lançando em 2020.

Nathan Wolfe

Mason Wolfe
SOBRE O AUTOR

Sandi Lynn é autora de best-sellers do New York Times, do USA Today e do Wall Street Journal e passa todos os
dias escrevendo. Ela publicou seu primeiro romance, Forever Black , em fevereiro de 2013 e não parou de
escrever desde então. Sua missão é fornecer aos leitores romances que os levarão para outro mundo e para a
rotina diária da vida - um livro de cada vez.

Você também pode gostar