Você está na página 1de 20

LIÇÃO 2

O INTÉRPRETE BÍBLICO

Um sistema de interpretação torna-se cuidadoso quando evitamos suposições e


aplicamos os princípios corretos da hermenêutica; e é completo, quando adquirimos
perfeito conhecimento desses princípios e dos meios pelos quais são aplicados em todo
tipo de literatura bíblica.

No entanto, ainda que todos os intérpretes bíblicos usassem conscienciosamente


um sistema sólido de hermenêutica, existiria uma variedade de opiniões por causa das
diferenças entre a capacidade e os antecedentes de cada intérprete. Estas diferenças são
inevitáveis e devem ser geridas, mas existem quatro características do estudioso da
Bíblia que são exigidas de todos os que manejam bem a palavra da verdade. O
intérprete deve ser:
1. regenerado pelo Espírito Santo;
2. obediente às Escrituras;
3. orientado pelo Espírito Santo;
4. diligente em seu estudo.

A falta de qualquer dessas características prejudica a interpretação bíblica fiel.


Veremos o por quê, estudando cada uma delas.
Regeneração pelo Espírito Santo Esboço da Lição
Submissão ao Espírito Santo
Iluminação pelo Espírito Santo
Cooperação com o Espírito Santo
A Bíblia foi dada pelo Espírito Santo

Quando você terminar esta lição, deverá ser capaz de: Objetivos da Lição

• Explicar resumidamente o significado da declaração: O crente tem mais capacidade de


compreender a Bíblia do que o incrédulo.
• Contrastar as capacidades espiritual e carnal do crente na compreensão da Bíblia.
• Comparar os papéis da iluminação e da inspiração no entendimento da revelação de
Deus.
• Distinguir entre as quatro características principais da inspiração bíblica.

1. Leia atentamente esta lição. Atividades de


Aprendizagem
2. Faça todas as questões de estudo.
3. Separe, no mínimo, 3 horas diárias para estudar.
4. Faça o autoteste no final desta lição.
Desenvolvimento REGENERAÇÃO PELO ESPÍRITO SANTO
da Lição

OBJETIVO 1 Imagine dois homens estudando a Bíblia. O primeiro é douto em literatura


Distinguir entre aquilo que o
descrente pode e não pode
antiga por uma universidade de prestígio. Embora criado em lar cristão, nunca se
compreender quando estuda dedicou pessoalmente a Cristo: ele não é crente. É um disciplinado estudioso da Bíblia
a Bíblia. e respeita grandemente os seus ensinamentos morais e éticos.

O segundo homem é crente, salvo de situação extremamente ímpia há apenas


três meses. É sincero, mas não gosta de estudar, e considera a leitura extensiva da Bíblia
maçante. Ele luta contra hábitos claramente antibíblicos e ora apenas quando vai à igreja.

1. Qual destes dois conseguirá interpretar corretamente a Palavra de Deus? Escreva


sua resposta e a justifique.

Obviamente, a pessoa que estuda a Bíblia tende a saber mais a respeito dela do
que aquela que não a estuda. Mesmo assim, um incrédulo não pode entender
corretamente as Escrituras. A Bíblia nunca afirmou que um ímpio não pode possuir
entendimento acadêmico dela. Ao contrário, declara que o coração (espírito)
irregenerado do descrente está limitado a isso, pois nunca aceitará esse conhecimento
de modo pessoal. Paulo nos diz que o homem não espiritual é duplamente limitado na
sua compreensão da Bíblia:
14
Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de
Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque
elas se discenem espiritualmente. (1Co 2.14)

A necessidade de acolher a Verdade

O exame deste texto e seu contexto mostra-nos que as coisas que o homem
natural não consegue entender são as verdades que Deus tem revelado aos crentes
(no-las, v. 10). É uma revelação dada em palavras, “as que o Espírito Santo ensina” (v.
13). A revelação escrita a que Paulo se refere é a Bíblia. O homem que não pode
acolher ou entender essa revelação é classificado como natural, isto é, sem o Espírito.
Em outras palavras, o versículo diz que o irregenerado está limitado no seu
entendimento das Escrituras. Este é o caso de estudiosos que não tem fé pessoal em
Deus, e mesmo assim ofereceram análises maravilhosas de partes técnicas da
mensagem da Bíblia.

Note as duas palavras no v. 14 que indicam como o incrédulo está limitado.


Primeiro, o versículo diz que ele não consegue aceitar as coisas do Espírito. A palavra

32 | PRINCÍPIOS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA


grega que aqui é traduzida por compreende (ARC) ou aceita (decomai) e refere-se à
idéia de aceitar de bom grado. É relevante que Paulo não empregou o sinônimo
lambanõ que teria subentendido o simples recebimento. Ele escolheu a palavra mais
enfática e que denota a atitude de acolher com boas-vindas a Palavra de Deus.

Esse fato pode ser ilustrado com o exemplo de uma carta de amor. Uma pessoa
que lê uma carta que não foi endereçada a ela e que não conhece pessoalmente o autor,
talvez compreenda o conteúdo sem, porém, ser comovido por ele. Entretanto, a jovem
que receber a carta do noivo acolherá com boas-vindas as suas palavras de uma
maneira que o estudioso não o poderia.

2. A palavra traduzida por compreende (ou aceita) em 1Co 2.14 é dechomai em


grego. Tendo por certo que Deus inspirou a escolha desta palavra ao invés do seu
sinônimo lambanõ, como o significado teria mudado se lambanõ tivesse sido
usado?
a) O incrédulo não pode demonstrar nem sequer o mínimo interesse pelas Escrituras.
b) O significado seria essencialmente o mesmo se Deus tivesse usado o sinônimo.
c) O crente demonstraria tanto interesse pelas Escrituras quanto o incrédulo.

A necessidade de aceitação pessoal da Verdade

A segunda palavra-chave no v. 14 é entender. Aqui, o apóstolo usou o verbo


grego ginõskõ (ginwskw), que significa abraçar o ensino como realidade, e isso de
modo pessoal. Uma palavra semelhante que poderia ter escolhido é oida, que
subentende um simples entendimento mental (Radmacher 1984, 436).

Um descrente pode ter habilidade de entender intelectualmente o Evangelho,


mas lhe faltará a ajuda do Espírito para ter a convicção da Palavra de Deus. A pessoa
pode até ser hábil no estudo da Bíblia como obra literária, no entanto, está seriamente
limitada enquanto não aceitar a Palavra de maneira pessoal. Esta aplicação completa da
verdade de Deus no coração do homem é efetivada apenas pelo Espírito de Deus.

Semelhantemente, alguém criado em lar cristão, mas que rejeitou a fé, talvez
saiba expressar conceitos bíblicos importantes, e até mesmo citar versículos; mas essas
verdades nunca lhe pertencerão pessoalmente até que se torne um homem espiritual.
Uma exceção óbvia é o incrédulo que está buscando a Deus. O Espírito o declara
culpado e o convence, levando-o à salvação mediante as Escrituras (2Tm 3.15).

3. Associe cada palavra grega com a definição que melhor a descreve.


__1__ a) Acolher com boas vindas. 1. Dechomai
__3__ b) Abraçar de modo pessoal como 2. Lambanõ
realidade. 3. Ginõskõ
__4__ c) Aceitação simples. 4. Oida
__2__ d) Simples entendimento
mental.

33 | LIÇÃO 2 - O INTÉRPRETE BÍBLICO


4. Assinale cada afirmação correta a respeito do homem irregenerado.
a) Não consegue entender a Bíblia, nem sequer intelectualmente.
b) Nunca poderá ser erudito na sua abordagem ao estudo da Bíblia.
c) Nunca poderá acolher alegremente e compreender pessoalmente as verdades bíblicas.
d) O crente, ao lhe ser apresentado um texto da Bíblia, interpretá-lo-ia de modo
mais exato do que qualquer incrédulo.

OBJETIVO 2 SUBMISSÃO AO ESPÍRITO SANTO


Descreva o relacionamento
entre obedecer à Palavra de
Deus e compreendê-la. Paulo alerta que algumas das limitações do homem natural podem estender-se
também ao crente. Estas restrições afetam o convertido que resiste a obra diária do
Espírito em sua vida, ou que age como homem carnal (natural). Em outras palavras,
quanto mais luz o crente recebe, tanto mais ele consegue compreender. Rejeitar a luz,
por outro lado, deixa-o quase tão cego diante das Escrituras quanto o incrédulo.

Examine o trecho a seguir, e observe que à medida que progride em sua


descrição concernente ao incrédulo que não recebe a Palavra de Deus, Paulo comenta
a respeito de certos membros da igreja em Corinto que eram limitados na compreensão
espiritual da Escritura em razão da vida carnal que levavam:

1
E eu, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, mas como a
carnais, como a meninos em Cristo. 2Com leite vos criei e não com
manjar, porque ainda não podíeis, nem tampouco ainda agora
podeis; 3porque ainda sois carnais, pois, havendo entre vós inveja,
contendas e dissensões, não sois, porventura, carnais e não andais
segundo os homens? (1Co 3.1-3)

Paulo está falando aos cristãos, pois os chama de irmãos. Mas são meninos em
Cristo, imaturos, que agem segundo os homens e não como espirituais. Os pecados
deles são a inveja, brigas e manobras políticas. Paulo está dizendo que, por causa desses
pecados, muitos crentes em Corinto ainda se alimentam de leite ao invés de manjar.
Lastimavelmente, mesmo depois de terem experimentado o Evangelho, ainda estavam
limitados na compreensão da Escritura. E assim acontece, não pela falta de conhecimento
dos fatos, mas porque estão agindo como homens naturais (carnais), e não como crentes
maduros. A essência do problema deles era a desobediência aos critérios divinos.
Quando o crente não deixa que a Bíblia o transforme, seu coração torna-se insensível a
Escritura. O problema é de rebelião contra Deus, e não de incapacidade intelectual.

5. O que quer dizer o texto “Sou mais prudente do que os velhos, pois guardo os
teus preceitos” (Sl 119.100)?
a) Os velhos eram estudantes muito preguiçosos da Palavra de Deus.
b) A obediência às Escrituras afeta nosso entendimento delas.
c) Tinha recebido revelações importantes da parte de Deus.
d) O estudo da Palavra de Deus não é tão importante quanto a obediência a ela.

34 | PRINCÍPIOS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA


Comparemos 1Co 3 com o texto paralelo de Hb 5.11-14. De novo, o autor
quer instruir crentes rebeldes, mas precisa contentar-se em dar-lhes leite ao invés de
mantimento sólido. Veja a verdade óbvia ensinada neste trecho: os negligentes para
ouvir e aprender não estão aptos para discernir entre o bem e o mal. Invertendo:
aqueles que se exercitam na obediência estão prontos para o mantimento sólido
(Radmacher n.d., Cassete 2):

11
Do qual muito temos que dizer, de difícil interpretação, porquanto
vos fizestes negligentes para ouvir. 12Porque, devendo já ser mestres
{ou instruidores} pelo tempo, ainda necessitais de que se vos torne a
ensinar quais sejam os primeiros rudimentos das palavras de Deus;
e vos haveis feito tais que necessitais de leite e não de sólido
mantimento. 13Porque qualquer que ainda se alimenta de leite não
está experimentado na palavra da justiça, porque é menino. 14Mas o
mantimento sólido é para os perfeitos, os quais, em razão do
costume, têm os sentidos exercitados para discernir tanto o bem
como o mal.

6. De acordo com Hb 5.11-14, os leitores desta epístola estavam limitados no seu


recebimento da verdade divina porque eles
a) eram novos na fé.
b) não tinham recebido a sã doutrina.
c) não exerciam a obediência.
d) ainda eram gentios não-salvos.

7. Você está desobedecendo em alguma área específica de sua vida? Se você não
entregar o caso a Deus, qual efeito esta desobediência terá em seu estudo da Bíblia?
Complete a frase a seguir escolhendo quantas respostas quiser: “A desobediência
a um ensino da Bíblia em qualquer área me levará a...
a) resistir o estudo de textos sobre aquele assunto”.
b) ser mais submisso ao texto sobre aquele assunto”.
c) torcer os textos que condenam meu pecado, a fim de que eu possa tolerá-lo em
minha vida”.
d) desconsiderar partes da Bíblia porque não são importantes para mim”.
e) melhor compreender os outros quando pecarem.”

ILUMINAÇÃO PELO ESPÍRITO SANTO OBJETIVO 3


Identificar declarações que
descrevem corretamente a
Apenas com o Espírito Santo habitando em nós, podemos acolher e nos obra do Espírito Santo no
apropriar dos ensinos das Escrituras. Mesmo assim, esta capacidade de acolher bem e processo da interpretação da
Bíblia.
de aceitar a Palavra de Deus não é igual em todos os crentes. O modo de vida carnal
estorva a receptividade do crente às Escrituras. Vejamos como a oração e a intimidade
com Deus podem nos levar a acolher melhor a mensagem da Palavra. A iluminação
divina recebida durante o estudo da Bíblia em comunhão com Deus é frequentemente
chamada esclarecimento:

35 | LIÇÃO 2 - O INTÉRPRETE BÍBLICO


17
para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos
dê em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação,
18
tendo iluminados os olhos do vosso entendimento, para que
saibais qual seja a esperança da sua vocação e quais as riquezas da
glória da sua herança nos santos

O coração e não só a cabeça

Qualquer professor experiente já aprendeu que pelo menos metade do processo


do ensino é motivar o aluno a aprender. Os alunos desejosos por aprender assimilam
a matéria mais rapidamente do que aqueles que meramente a estudam a fim de
cumprir uma exigência. O processo didático realmente começa no coração e então
passa para a cabeça. Embora algumas traduções usem entendimento ao invés de
coração, a palavra grega é kardia (kardia). Literalmente, é coração, mas
metaforicamente refere-se ao órgão central da vida pessoal. Controla os pensamentos,
sentimentos, vontade, e motivações. É aí que o Espírito começa a obra no intérprete,
preparando o seu coração para acolher a verdade.

A obra da iluminação do coração é primariamente de recepção mais do que


percepção. Certamente, devemos orar para compreendermos com mais exatidão as
Escrituras, mas também devemos estar dispostos a abandonar o pecado. Para o Espírito
Santo atender nossa oração é necessário sermos convencidos por Ele de nossos
pecados, preconceitos e dúvidas, como o primeiro passo em direção a este
entendimento mais profundo.

8. Assinale cada alternativa correta quanto a atuação do Espírito Santo no processo


da interpretação bíblica: O Espírito Santo...
a) aumenta nossa capacidade mental para compreendermos mais rapidamente a Bíblia.
b) torna o estudo das Escrituras supérfluo para o intérprete piedoso.
c) remove os impedimentos no coração do intérprete, a fim de que este possa
compreender mais claramente.
d) motiva o estudante a querer compreender e obedecer as Escrituras.
e) opera inicialmente com a percepção da verdade, mais do que com a recepção da verdade.

OBJETIVO 4 Iluminação não é uma nova Revelação


Distinguir entre a obra do
Espírito Santo na ilumina-ção
e na inspiração. Não existe nenhuma atividade mais perigosa para o intérprete cristão do que
usar seus sentimentos como teste da verdade em lugar da Bíblia. Ela é infalível, os
sentimentos não são! Esta prática é assustadora porque subverte os propósitos pelos
quais a Bíblia foi escrita, entre eles o de dar à Igreja um critério sólido da verdade, que
não seja afetado pela sabedoria humana (1Co 2.12 e 13).

Qualquer obra interior que o Espírito Santo realize no coração do intérprete


passará pela lente mental pessoal do leitor; de modo que, forçosamente, será afetada,

36 | PRINCÍPIOS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA


ao menos em parte, pelos preconceitos dele. Por isso, todos temos a necessidade de
que outros testem as nossas interpretações, assim como os bereanos testavam os
ensinos de Paulo (At 17.11). Cada interpretação deve ser examinada para determinar
se está claramente ensinada no respectivo texto bíblico ou se contradiz os ensinos
globais das Escrituras.

Figura 2.1

O Espírito Santo nunca revelará novas verdades no processo de iluminação. Seu


papel na interpretação não é revelar novos segredos a poucos místicos, mas remover
impedimentos no coração do intérprete, para viabilizar a interpretação correta.

Deve ser feita uma distinção entre a revelação bíblica (resultado da inspiração
divina) e a iluminação pessoal (entender a revelação). A primeira é uma revelação
infalível dada por Deus na Bíblia: o testemunho interno da veracidade de uma verdade.
Posto que a iluminação pessoal está sujeita aos erros do coração humano, não pode ser
considerada infalível; deve, portanto, sempre ser comparada com a declaração das
Escrituras. A inspiração divina sobre os santos escritores resultou na verdade absoluta
e eterna da Escritura – a doutrina para a Igreja em todos os séculos. A iluminação, no
entanto, fornece a compreensão de um trecho bíblico e a sua aplicação à vida pessoal.
A iluminação guia o interessado na compreensão da verdade existente, ao invés de
revelar alguma verdade nova. O Espírito Santo nunca revelará ao intérprete uma nova
doutrina que Deus já não tenha revelado nas Escrituras.

Tendo em vista essa verdade, deve ser enfatizado que os dons do Espírito, ativos
na igreja hoje, não visam fornecer novas doutrinas ou ensinar novos critérios para a
vida. Pelo contrário, devemos aplicar a Palavra de Deus às novas circunstâncias na
Igreja. Os propósitos pelos quais Deus concede os dons à igreja são: fortalecer,
encorajar e confortar, mas nunca revelar novas doutrinas (1Co 14.3).

Verdade
e não
viva,
e uma
e não e uma
nãonãodoutrina
uma
e uma
não doutrina
morta
doutrina
doutrina
uma morta
morta
doutrina
morta morta

O Espírito Santo não está meramente envolvido em determinar o que o texto


significa, mas em convencer e persuadir o intérprete que a Bíblia é a Palavra de Deus.
Note de novo nos versículos citados acima que a oração de Paulo é para que os
efésios conheçam melhor a Deus e se convençam da esperança da sua vocação.

Combinar a oração com o estudo tem o efeito de tornar a Palavra de Deus real
na vida do intérprete. Certamente não basta pregar a doutrina correta, mas pregá-la
com convicção urgente.
9. Escreva 1 para inspiração divina; e 2 para iluminação divina.
_1__ a) Resulta em doutrina nova, aplicável à igreja inteira.
_2__ b) Edifica o coração do intérprete na fé.
_2__ c) Ajuda o intérprete a compreender verdades existentes.
__1_ d) Resulta em uma verdade que não tem a possibilidade de erro.
_2__ e) Sempre deve ser confirmada pelo texto da própria Bíblia.

COOPERAÇÃO COM O ESPÍRITO SANTO

Frequentemente vejo pregadores justificarem a sua falta de estudo da Bíblia


dizendo que preferem orar e contar com a unção quando falam a perder
tempo estudando. A oração é sempre nobre, mas a falta de estudo produz uma
pregação tão superficial que dificilmente seria atribuida ao Espírito Santo. A
tendência ao estudo superficial da Palavra de Deus não é exclusividade da nossa
geração. Há mais de cem anos, um velho ministro deu esse conselho a um pastor
que estava sendo ordenado:
Se você se mantiver somente no nível superficial, ficará cansado
disso. Alguns ministros há, que começam o seu ministério com uma
certa quantidade de doutrina religiosa na sua mente, e o que fazem
durante toda a sua vida a partir de então é escolher textos e
transformá-los em vasos para conter parte dessa doutrina. Os vasos
são de formas e tamanhos diferentes, mas todos estão cheios da
mesma coisa; e (oh!) que matéria inferior ela é, por mais ortodoxa e
evangélica que pareça (Kaiser 1983, 243).

OBJETIVO 5 O estudo pessoal e a iluminação divina


Defender a necessidade do
estudo diligente da Palavra
de Deus em adição à “O propósito do Espírito Santo na interpretação da Bíblia não é tornar inútil
iluminação das Escrituras. o estudo, mas torná-lo eficaz” (Radmacher, sem data, Cassete 3). Assim como a
capacidade de reconhecer o brilho do ouro não isenta o mineiro de cavar, assim
também a iluminação que Deus dá para a compreensão das Escrituras não isenta o
intérprete da labuta do estudo. Semelhantemente, a capacidade do apaixonado de
compreender uma carta da sua noiva não subentende que ele dedicará menos tempo
à leitura da carta do que um terceiro desinteressado. Certo pregador observou: “Deus
alimenta os pássaros, conforme disse Jesus, mas os pássaros trabalham muito para
buscar aquele alimento” (Sterrett 1974, 14). Outro explicou: “Embora a iluminação
seja dom da parte do Espírito, o dom vem enquanto o intérprete se dedica à sua
tarefa” (Klooster 1984, 451). O estudo da Palavra de Deus e a dependência da ajuda
do Espírito Santo na interpretação são inseparáveis. Sem a diligência em nossos
estudos, o Espírito nada terá para iluminar; sem a iluminação, os conhecimentos bíblicos
serão erudição calculada.

Às vezes, o crente pode experimentar um impulso de iluminação depois de um


período breve de estudo, ou talvez sem estudo imediatamente anterior, mas realmente
a iluminação resulta de estudos prévios. Não significa que iluminação cancela a
necessidade de estudos.

38 | PRINCÍPIOS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA


Ao mesmo tempo, o estudante não deve considerar o estudo da Bíblia como
irrelevante e cansativo mas necessário. Não! Ao contrário: o estudo da Bíblia junto
com a oração, é o meio através do qual Deus derrama graça sobre o crente. Nosso alvo
no estudo não deve ser simplesmente achar um sermão, estabelecer uma doutrina ou
compreender uma verdade. É necessário um encontro direto com Deus enquanto
estudamos a Sua revelação de si mesmo. Note a atitude de Paulo, um dos maiores
estudiosos da Bíblia. Encarcerado e moribundo, ansiava por ler as Escrituras (os
pergaminhos), não a fim de preparar um sermão para os guardas, mas para conhecer
melhor a Deus:

6
Porque eu já estou sendo oferecido [Gr. derramado como libação]
por aspersão de sacrifício, e o tempo da minha partida está próximo.
7
Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. [...]
13
Quando vieres, traze a capa que deixei em Trôade, em casa de
Carpo, e os livros, principalmente os pergaminhos. (2Tm 4.6, 7 e 13)

Fique avisado de antemão que nem os conhecimentos bíblicos, nem o amor aos
estudos bíblicos são obtidos através do interesse fútil ou da leitura ocasional. Se o
estudioso da Bíblia espera achar uma bênção pessoal ou uma experiência emocional em
cada versículo, e pressupõe que cada momento dos seus estudos será altamente
prazeiroso, está fadado a uma grande decepção. Algumas das verdades mais grandiosas
das Escrituras requerem muitas pesquisas minuciosas e trabalhosas para serem
entendidas. Não desanime se você precisar labutar para compreender a revelação de
Deus. O efeito que isso terá sobre a sua vida e a do seu próximo valerá todos os
esforços que você fizer.

10
10. Responda: “Sinto-me tão destituído de vida espiritual quando procuro estudar a
Bíblia. Você não acha que seria mais importante que eu passasse meu tempo
orando e buscando a Deus, para receber entendimento e orientação diretamente da
parte do Espírito?”. Responda em seu caderno.

O estudo pessoal e os recursos humanos OBJETIVO 6


Reconhecer declarações que
descrevam como usar
Aqueles que receberam o dom do ensino na igreja (1Co 12.28; Ef 4.11) têm uma corretamente os comen-
tremenda responsabilidade para serem exatos nos seus estudos. Paulo advertiu Timóteo: tários bíblicos.

Procure apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de


que se enver-gonhar, que maneja bem a palavra da verdade (2Tm 2.15).

Paulo não tomou por certo que Timóteo teria automaticamente a mente do
Senhor na interpretação; pelo contrário, deu a entender que isso envolveria um
processo cuidadoso e árduo de estudo. O termo por procure ressalta, na sua forma
grega original, a diligência, ao passo que a expressão que maneja bem é literalmente
cortar reto no texto original. A idéia subentende traçar o leito a fim de construir uma
estrada, assim como o intérprete cuidadoso precisa manter um caminho direto na
Palavra para aqueles que dele dependem para receberem instrução.

39 | LIÇÃO 2 - O INTÉRPRETE BÍBLICO


O contexto imediato desse versículo também é importante para compreender a
passagem. No v. 14 vemos que essa interpretação correta é vital para aqueles que estão
escutando o pregador, que fazem parte da sua congregação. Nossa exatidão ou erro na
interpretação determinará o modo de vida deles. No v. 16 notamos que a interpretação
correta também é crucial como defesa contra a gangrena dos falsos mestres. Estes
homens concorrem com o pregador para obterem a atenção da congregação, e
somente uma interpretação correta desviará o impacto negativo deles. Fica claro,
baseado nestes versículos, que edificamos uma Igreja forte sobre a interpretação
correta da Palavra da Verdade. Para isso, precisamos de estudos diligentes. John Albert
Bengel fez a mesma observação há dois séculos, quando escreveu:

A igreja é a zeladora das Escrituras. Quando a igreja está com saúde


boa, a luz das Escrituras brilha fortemente; quando a igreja está
doente, as Escrituras ficam corroídas pela falta de uso [...] Como regra
geral, a maneira das Escrituras serem tratadas está em direta
correspondência com a condição da igreja. (Kaiser 1981, 7)

Quero acrescentar que o nosso zelo pelo estudo pessoal, não deve ser
confundido a arrogância que nos impede de aprender com os outros crentes. E a Bíblia
declara que devemos aprender uns dos outros, e que alguns até mesmo são separados
para serem mestres. Podem ensinar através de mensagens faladas ou da página
impressa. Uma das fontes principais de entendimento para o cristão é a literatura: bons
livros-textos e comentários ortodoxos. Embora estes não devam substituir o estudo
bíblico pessoal, devem fornecer informações que você, talvez, por não ter recursos ou
tempo, não descobriria de outra forma. Podem ajudá-lo a manter o equilíbrio e evitar
perspectivas estreitas e individualistas; podem, também, aumentar a capacidade para a
interpretação bíblica diligente.

Quando um homem se jacta de não ter lido nenhum outro livro senão a Bíblia,
creio que está escondendo arrogância extrema debaixo da capa da super-
espiritualidade. Nenhum crente está tão perfeitamente equilibrado na sua
personalidade, tão devoto na sua hora devocional e tão diligente nos seus estudos da
Bíblia, que não possa tirar proveito da sabedoria de outros crentes, compilada no
decurso dos séculos. Apolo forma um contraste com o intérprete orgulhoso, que limita
seu entendimento àquilo que estuda pessoalmente. Embora Apolo fosse um homem de
cultura, que tivesse conhecimento eficiente da Escritura e a capacidade de pregar com
exatidão a respeito de Jesus (VIDE At 18.24-26), aceitava, de bom grado, a instrução de
dois humildes artesões (v. 26). Como resultado, conseguia ajudar extraordinariamente
a igreja (v. 27).

11
11. Alguém tem dito que, sem a pregação sólida da Palavra de Deus, uma igreja
refletirá a cultura em seu redor, ao invés de afetá-la. Explique como isso poderia
acontecer.

40 | PRINCÍPIOS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA


Quero declarar abertamente que os comentários e os livros de estudo bíblico
nunca poderão substituir o estudo pessoal, mas poderão ampliar nossos horizontes,
ajudar a explicar fatos técnicos e verificar as nossas interpretações.

12
12. Assinale cada declaração que descreve o uso correto de comentários e de livros
cristãos no estudo bíblico.
a) Evitar o esforço pessoal do estudo bíblico.
b) Achar matéria nova e profissional para sermões.
c) Verificar nossa própria interpretação de um texto.
d) Compreender palavras técnicas tais como Sinédrio.
e) Ampliar nossa própria perspectiva em determinada área.

A BÍBLIA FOI DADA PELO ESPÍRITO SANTO

Em 303 d.C., Diocleciano, imperador de Roma, ordenou que fossem queimadas


todas as Bíblias nos seus domínios. A ameaça dele conturbou uma geração de cristãos,
mas foi de pouco efeito contra a existência da Bíblia. Hoje, a Bíblia é publicada em
1.600 idiomas, e milhões de exemplares estão à disposição no mundo inteiro. Por
estranho que pareça, a Bíblia tem sofrido muito mais nas mãos dos crentes que têm
duvidado da sua inspiração plenária, do que nas mãos dos imperadores que
procuraram destruí-la. Esta dúvida lançada contra a Bíblia por aqueles que limitam ou
rejeitam a inspiração divina da Escritura, tem abalado profundamente a igreja e afetado
negativamente a fé de incontáveis crentes.

Por essa razão, é uma verdade fundamental da interpretação bíblica que o


intérprete bíblico deve crer que a Bíblia é a Palavra de Deus e que ela é a única
autoridade para determinar a doutrina e a prática.

Os meios de inspiração OBJETIVO 7


Escolher pelo menos duas
descrições corretas do duplo
Em certo sentido, podemos dizer que a Bíblia deve ser atribuída a um único papel dos autores humanos
Autor, embora tenha sido composta por cerca de quarenta escritores. e divino na formação da
Bíblia.

Sua autoria divina é vista no texto clássico sobre a inspiração em 2Tm 3.16.
Aqui, Paulo declara que “Toda a Escritura é divinamente inspirada”. A palavra grega
Theopneustos (qeopneusto~), aqui traduzida por divinamente inspirada, significa que
foi respirada por Deus.

Esta palavra grega não é usada em nenhuma outra parte da Bíblia e nunca
foi achada em nenhuma literatura grega escrita antes deste texto. É possível que
esta palavra tenha sido criada pelo Espírito Santo para descrever a incomparável
inspiração divina das Escrituras. Literalmente, significa dada pelo Espírito de Deus,
o que enfatiza que o produto final é assim: Deus falando diretamente à
humanidade.

41 | LIÇÃO 2 - O INTÉRPRETE BÍBLICO


Certamente, Deus é, em última análise, o Autor da Bíblia. Mesmo assim,
os homens que deixaram por escrito os pensamentos de Deus não agiam como
meros secretários anotando um ditado. Escreviam livre e espontaneamente diante
das suas circunstâncias históricas, expressando seus próprios estilos literários e suas
próprias personalidades à medida que eram movidos e controlados pelo Espírito
Santo.

Essa co-autoria é ilustrada apropriadamente pelos esforços cooperativos do


maestro e dos músicos de uma orquestra. Cada instrumento, refletindo os esforços e a
capacidade do músico individual, fornece um som musical incomparável; mesmo assim,
a contribuição de cada instrumento só tem valor na medida em que é guiada e
controlada pelo regente, para harmonizar-se com outros instrumentos. Debaixo da
orientação pericial, o resultado harmonioso é uma delícia de variedade – mas também
unidade – de som.

Como regente da orquestra, o Espírito Santo controlou os quarenta escritores das


Escrituras sem suprimir a individualidade deles. Deus optou por usar as suas circunstâncias
históricas, personalidades e culturas incomparáveis para ilustrar a verdade divina. Com
efeito, Deus acomodou a Sua mensagem por meio de falar através de uma variedade de
escritores. Imagine como seria difícil captar muitas verdades bíblicas à parte do contexto
histórico interessante de eventos e personalidades humanos que Deus usou tão
apropriadamente a fim de ilustrá-los. As implicações da co-autoria dos livros da Bíblia
são extremamente importantes para o intérprete atual. Elas nos deixam entender que
Deus usou as circunstâncias da vida do próprio autor humano, o estilo literário dele e
seu contexto cultural para ensinar e ilustrar as suas verdades. Por isso, é vital conhecer as
circunstâncias em que um Livro ou Epístola foi escrito, a cultura daqueles dias e o estilo
literário empregado, a fim de compreender totalmente a sua mensagem.

13
13. Assinale cada alternativa correta a respeito do relacionamento entre Deus e os
escritores bíblicos.
a) O autor humano apenas anotou o texto ditado por Deus; a personalidade dele não
influenciou o texto.
b) A cultura, as circunstâncias históricas e o estilo literário de cada livro bíblico reflete
a vida do autor humano.
c) Deus usou circunstâncias na vida dos escritores bíblicos para ilustrar verdades divinas.
d) Os escritos na Bíblia não refletem a personalidade e a situação histórica (contexto)
dos autores humanos.

Deus também orientou os escritores no sentido de transmitirem a sua verdade


sem erros. Naturalmente, consideramos suspeito o envolvimento humano; parece
subentender erros e deficiências. Mas não acontece assim em se escrevendo a Palavra
de Deus. Segundo a explicação de certo estudioso:

A parte humana da Bíblia não é sinal de que ela contenha erros,


assim como a natureza humana de Cristo não pressupõe que o
pecado habite nela” (Pinnock 1971, 94)

42 | PRINCÍPIOS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA


Embora Deus tenha usado a vida e o estilo dos autores humanos a fim de
fornecer variedade e interesse para deixar clara a Sua mensagem, nenhum pormenor
da revelação é supérfluo ou errôneo. Seguem-se dois trechos bíblicos que explicam
esta autoria dual. No primeiro, Deus expressou a sua mensagem através da boca do
profeta. No segundo, Pedro nos garante que nenhum profeta registrou suas próprias
teorias e interpretações; cada um falava em nome de Deus conforme o Espírito Santo
o inspirava:

9
Eis que ponho as minhas palavras na tua boa. (Jr 1.9)

20
sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é
de particular interpretação; 21porque a profecia nunca foi produzida
por vontade homem algum, mas homens santos de Deus falaram
inspirados pelo Espírito Santo. (2Pe 2.20 e 21)

14
14. Assinale cada alternativa correta: “Segundo Jr 1.9 e 2Pe 1.20 e 21, ficamos sabendo
que os autores humanos da Bíblia
a) raras vezes refletiam suas próprias interpretações e opiniões ímpias naquilo que
escreviam.
b) nunca davam sua própria interpretação, mas estavam debaixo da total orientação
do Espírito.
c) eram tão controlados pelo Espírito Santo que os textos que escreveram não
refletem nenhum erro na fé ou nos fatos.
d) foram coautores dos Livros e Epístolas da Bíblia, e produziram uma mensagem
inspirada que é ensinada através das vidas das pessoas.

Até que ponto a Bíblia é inspirada? OBJETIVO 8


Distinguir as seguintes expressões
teológicas: inspiração verbal,
Lembro-me de ter perguntado a um professor modernista de teologia por que plenária, infalível e inerrante.
ele não acreditava na inspiração da Bíblia. Fiquei abismado quando respondeu: “Mas eu
creio!”. Senti-me chocado, pois sabia que ele rejeitava grandes porções da Bíblia, dizendo
que não eram inspiradas por Deus. Parecia haver uma falha de comunicação. A pergunta
que eu deveria ter feito era: “Você crê que a Bíblia é totalmente inspirada?”

Aceitar a Bíblia como parcialmente inspirada não é adequado para a correta


interpretação. Devemos tê-la como a revelação de Deus e isso abrange sua totalidade,
palavra por palavra. Devemos reconhecer que ela não contém erro algum quanto aos
fatos da história, da ciência ou de fé e conduta. Isso nos leva a usar quatro palavras para
descrever o nível da inspiração das Escrituras: verbal, plenária, infalível e inerrante.

Figura 2.1
Verbal
A crença de que cada palavra da Bíblia é inspirada nos seus autógrafos originais
(os próprios manuscritos compostos pelos autores) é chamada de inspiração verbal (Mt
5.18). Uma crença oposta, sustentada por alguns, é que somente os pensamentos por
detrás das palavras são inspirados.

Plenária
Quando os estudiosos falam de inspiração plenária da Bíblia, estão afirmando
que toda ela, em sua totalidade, é inspirada (2Tm 3.16). Fica claro que plenária significa
completo, inteiro.

Alguns asseveram que a Bíblia somente contém a Palavra de Deus ao invés de


ser a Palavra de Deus. Estas pessoas insistem que somente aqueles trechos que tratam
dos aspectos salvíficos são inspirados. Outros dizem existir diferentes níveis de
inspiração, sendo que, por exemplo, as palavras de Cristo seriam mais inspiradas do
que as genealogias do AT. Certamente, as palavras de Cristo desempenham um papel
mais substancial em nossa fé do que as genealogias de 1 Crônicas, mas tudo isso é
igualmente inspirado.

Infalível
Quando dizemos que a Bíblia é infalível, o significado é que ela não pode
cometer enganos nas questões de fé e moralidade (Sl 19.7-9; Tt 1.2). Alguns têm
acusado os autores bíblicos de refletirem as tendências morais de sua cultura em
questões tais como o homossexualismo, no entanto, esse argumento é falso. Embora
um costume cultural possa ser citado para ilustrar uma verdade e não ser imposto
como uma prática normativa para a Igreja; o padrão moral regular da Igreja permanece
o mesmo de geração em geração.

Inerrante
Quando falamos da fidelidade da Bíblia nas áreas doutrinária e moral, referimo-
nos à infalibilidade. Quando nos referimos à sua fidedignidade quanto aos fatos
históricos e científicos, estamos falando da inerrância.

Os eventos relatados na Bíblia devem ser considerados fatos históricos. O


arqueólogo pode errar, mas Deus nunca erra. Semelhantemente, a Bíblia, embora não
seja abordada como um texto científico, não contradiz os verídicos fatos científicos,
embora talvez discorde das opiniões dos cientistas.

Obviamente, se existissem erros de questões históricas e científicas dentro das


Escrituras, a veracidade da totalidade da Bíblia ficaria sob suspeita. Cristo não deixou
nenhuma possibilidade para semelhantes dúvidas, porque ele asseverou: “A Escritura
não pode ser anulada” (Jo 10.35). Semelhantemente, Pv 30.5 argumenta que “Toda a
palavra de Deus é pura [sem falha]”.

O aluno deve notar que a inerrância não exclui a possibilidade de linguagem


fenomenal. Isso significa que entendemos que cada escritor bíblico escreveu de dentro
do seu ponto de referência, e não daquele de um cientista moderno. Quando, por
exemplo, o salmista diz que o sol se põe, não está falando cientificamente (é óbvio que

44 | PRINCÍPIOS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA


a terra está em rotação e que o sol não se levanta nem se põe); apesar disso, está
usando um método legítimo de comunicar a verdade. Em outras palavras, a linguagem
do observador. A Bíblia, a respeito das ciências, limita-se à linguagem do observador.
Ela não se propõe a ser um manual às ciências exatas, mas a revelação de Deus, em
termos que as pessoas possam compreender.

1155. Sublinhe a palavra que corresponde a frase antecedente.


a) As genealogias do AT e as palavras de Cristo são igualmente inspiradas.
(Inspiração Verbal | Inspiração Plenária)
b) Não apenas os pensamentos, mas também as palavras individuais são inspiradas.
(Inspiração Plenária | Inspiração Verbal)
c) A Bíblia não comete erros nas questões da ciência, embora talvez empregue
linguagem não científica para descrever certos aspectos da natureza.
(Infalível | Inerrante)
d) O ensino da Bíblia sobre as questões morais e doutrinárias vale para todas as
gerações.
(Infalível | Inerrante)

16
16. Imaginemos que um aluno universitário questionasse a inerrância da Bíblia,
baseando-se em um alegado erro nas medidas do mar da fundição no templo de
Salomão. A Bíblia cita as medidas assim: 10 côvados de uma borda a outra e 30
côvados em derredor (1Rs 7.23). Usando p (3,14159265) para calcular a
circunferência citada na Bíblia, descobriu um ligeiro erro nestas medidas. Como
você explicaria esta alegada discrepância?

45 | LIÇÃO 2 - O INTÉRPRETE BÍBLICO


autoteste MÚLTIPLA ESCOLHA: Assinale a única alternativa correta.
MÚLTIPLA

1. O irregenerado que procura estudar a Palavra de Deus é limitado porque


a) não pode acolhê-la totalmente nem aceitá-la pessoalmente.
b) nunca poderá compreendê-la intelectual, nem espiritualmente.
c) nunca poderá interessar-se por ela, nem estudá-la com seriedade.
d) não compreende sequer os princípios mais fundamentais das
Escrituras.
2. Assinale a única alternativa errada.
a) A desobediência do crente pode limitar a sua compreensão da Bíblia.
b) A consciência espiritual do crente diante das verdades da Bíblia aumenta
juntamente com a sua obediência a estas verdades.
c) Hb 5 nos conta que o mantimento sólido das Escrituras é somente para aqueles
que estão exercitados no viver reto.
d) É mais importante para a compreensão espiritual da Bíblia que o intérprete a
estude em vez de obedecê-la.

3. Quanto a coautoria da Bíblia, qual das declarações a seguir está correta?


a) Os escritores humanos eram simplesmente secretários que copiavam as palavras
de Deus sem envolver nenhuma das suas próprias personalidades ou
circunstâncias históricas no texto.
b) Embora Deus tenha usado a vida e o estilo dos autores humanos para dar
variedade, vitalidade e clareza à sua mensagem, nenhum pormenor das revelações
é supérfluo ou errôneo.
c) Partes da Bíblia são inspiradas, ao passo que outras partes refletem a humanidade
dos escritores originais.
d) Os autores humanos sempre ouviam uma voz divina do céu antes de escreverem;
por isso, suas próprias emoções nunca são vistas nos seus escritos.

4. Os comentários bíblicos devem


a) ampliar nossa própria perspectiva em determinada área.
b) substituir o estudo bíblico pessoal.
c) ser usados para verificar a nossa própria interpretação.
d) a), b) e c) estão corretas.
e) apenas a) e c) estão corretas.

CERTO-ERRADO:
CERTO-ERRADO: Escreva C para as afirmações certas; e E para as erradas.

_E_ 5. A iluminação é a obra do Espírito Santo pela qual verdades não-ensinadas


diretamente pela Bíblia são reveladas.
_E_ 6. Se o pregador não tem tempo para estudar a Bíblia, o Espírito lhe dará
revelação direta.
_E_ 7 . Quanto mais espiritual o homem se torna, menos precisa dedicar-se ao estudo.

46 | PRINCÍPIOS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA


_E_ 8. Se o crente tiver mentalidade espiritual, sempre gostará do estudo da Bíblia
e receberá dela uma bênção.
_C_ 9 . A obra do Espírito Santo na iluminação é primariamente uma questão de
recepção mais do que de percepção.
_C_ 1100. A ajuda do Espírito Santo na interpretação não torna inútil o estudo; pelo
contrário, o torna eficaz.
_E_ 11
1 1. O pecado particular do cristão afetará negativamente sua objetividade de
modo que não possa interpretar a Bíblia com exatidão.
_E_ 1122. Deus nunca permitiu que a Bíblia refletisse as circunstâncias e personalidades
individuais do autor.

ASSOCIAÇÃO: Siga as instruções para cada grupo de questões.

13-16.
13-16 Associe cada palavra (direita) com a sua definição

(esquerda). _C 13
1 3. A Bíblia não pode cometer enganos
nas questões de fé e de moralidade.
_D_ 14
1 4. A Bíblia não pode cometer enganos a. Verbal
nos fatos históricos e científicos. b. Plenária
_B_ 15
1 5. A Bíblia é igualmente inspirada em c. Infalível
todas as partes. d. Inerrância
_A 16
1 6 . São as palavras da Bíblia, e não
apenas os pensamentos, que são
inspirados.

17
17. Qual a relação entre o propósito da iluminação em determinar a vontade de Deus
para as nossas vidas com o da inspiração bíblica?

18
18. Contraste as capacidades que o crente possui para compreender a Bíblia com as do
incrédulo.

47 | LIÇÃO 2 - O INTÉRPRETE BÍBLICO


RESPOSTAS ÀS QUESTÕES DE ESTUDO

9. a) 1 3) a) 1
b) 2 b) 3
c) 2 c) 2
d) 1 d) 4
e) 2
12) b), d) e e) estão corretas.
1. Na realidade, cada um pode interpretar da sua
própria maneira e considerar melhor. O estudioso 4) c) está correta.
não-cristão talvez compreenda mais alguns
aspectos linguísticos e histórico do texto; por outro
13) b) e c) estão corretas.
lado, não pode acolher pes-soalmente a Bíblia, de
todo o coração. O recém-convertido, por contraste,
acolhe de bom grado a Bíblia como a Palavra de 5) b) está correta.
Deus e a aceita prontamente com fé e emoção,
embora esteja limitado quanto aos aspectos
14) b), c) e d) estão corretas.
técnicos da compreensão.

6) c) está correta.
10
10. Posso sentir-me seco porque o estudo é
frequentemente uma tarefa que exige esmerado
esforço. Mesmo assim, as recompensas de 15) a) Inspiração Plenária
compreender corretamente às Escrituras bem b) Inspiração Verbal
valem o esforço necessário. Em última análise, esta c) Inerrante
compreensão produzirá um aumento sempre
d) Infalível
maior do amor e devoção a Deus, bem como uma
bênção pessoal. Por isso, devo simples-mente
obedecer à ordem de Deus no sentido de estudar 7) a), c) e d) estão corretas.
com diligência, esperando que Ele recompense a
minha obediência por meio de uma apreciação 16) Você pode explicar-lhe o conceito da linguagem
mais profunda por Sua Palavra. fenomenal e que o escritor não citaria uma medida
científica que seus leitores não possam
2. a) está correta. compreender.

11
11. Sem diretrizes na interpretação, o intérprete 8) c) e d) estão corretas.
compreenderia a Bíblia segundo os conceitos de sua
cultura.

48 | PRINCÍPIOS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA


49 | RESPOSTAS ÀS QUESTÕES DE ESTUDO

Você também pode gostar