Você está na página 1de 2

Produção Oral em Português III

Prof. Mgter. Adriana E. SUAREZ


Analía Celina Cairo

TRABALHO PRÁTICO Nº 4

CONSIDERANDO A TEORIA E EXEMPLO DAS PÁGINAS 31-33 DA NOSSA


APOSTILA, ELABORE UMA RESENHA CRÍTICA SOBRE UM FILME.
SUA RESENHA DEVE POSSUIR NO MÍNIMO 20 LINHAS.

Objetivos deste trabalho:


·         (Re)conhecer uma resenha;
·         Compreender o uso de estratégias textuais e discursivas das resenhas de filme;
·         Identificar os usos sociais das resenhas;
·         Reconhecer as sequências textuais/tipológicas que compõem uma resenha de
filme;
·         Identificar estratégias argumentativas utilizadas nas resenhas.

RESENHA CRÍTICA DO FILME “O CORINGA” (Joker, 2019). Diretor: Tod Phillips.


Título: A interpretação mais revoltada e perversa do mítico personagem.
O Coringa é uns dois vilões mais icônicos da cultura pop. Um cara desajustado que
trabalha como palhaço de propaganda de rua acaba-se dirigindo cada vez mais por um
caminho sórdido. Depois que perde o emprego para encarar os fantasmas do passado,
envolvendo-se no mundo da doidice e do crime sem retorno. É um homem de
mediana idade com transtornos psicológicos que se vê fora da sociedade. Ele tenta ser
palhaço ao mesmo tempo que tenta ser comediante.
Ao começo do filme, o personagem se apresenta perdido, inseguro, uma pessoa frágil,
triste e vulnerável. À medida que avança encontra sua liberdade na loucura, e se
mostra forte, atemorizante e muito mais decidido. Ele possui uma mente sofrida que
vai gradualmente se tornando revoltada e perversa. O diretor Tod Phillips alcança
misturar as diferentes personagens com um suspenso psicológico delirante. Ele
consegue manter o clima crescentemente desconfortante e as cenas se ligam de um
jeito em que o personagem fica ainda mais esquisito. A risada perturbadora acontece
como um distúrbio que não pode controlar, o riso que começa a importunar e ele
tenta parar, mas não consegue. Ele tose, se engasga como na cena que está sentado
no metro.
A ambientação lembra a Nova Iorque dos anos oitenta.
A fotografia e incrível com destaque das tonalidades azuladas para os momentos mais
dramáticos e amarelas, e de cores mais vibrantes em outras cenas.
Joaquin Phoenix encara o homem que se-vinga de forma violenta, indiferente e brutal
porque a sociedade falou com ele. Ate quando ele se encontra com a psicóloga se
percebem os buracos no sistema de saúde. A gente começa a sentir pena do
personagem principal.
Todo isso busca enfatizar a performance de Joaquin Phoenix e já desponta como uns
dos favoritos para a temporada de premiações.