Você está na página 1de 1

IMPLICAÇÕES PSICOLÓGICAS DO “BULLYING”:

Agressividade e Indisciplina na Escola

Maria das Graças Teles Martins


Psicóloga clinica e hospitalar, mestre em educação,
Conselheira e Coordenadora da Comissão de Educação do CRP 13/PB
mgtmartins@gmail.com

Bullying

Bullying - é um termo de origem inglesa utilizado para descrever atos de violência física ou
psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo (bully) ou grupo de indivíduos
com o objetivo de intimidar ou agredir outro indivíduo (ou grupo de indivíduos) incapazes de se
defender. A palavra "Bully" significa "valentão", o autor das agressões. Os alvos de Bullying - são
os alunos que só sofrem bullying; os alvos/autores - são os alunos que ora sofrem, ora praticam
bullying; os autores - são os alunos que só praticam bullying; as testemunhas - são os alunos que
não sofrem nem praticam Bullying, mas convivem em um ambiente onde estas situações ocorrem.

O bullying é definido em três termos essenciais: o comportamento é agressivo e negativo; o


comportamento é executado repetidamente e o comportamento ocorre num relacionamento onde
há um desequilíbrio de poder entre as partes envolvidas. Algumas ações que costumam estar
presentes nessas práticas são: colocar apelidos, ofender, humilhar, discriminar, excluir, intimidar,
perseguir, assediar, amedrontar, agredir, bater, roubar ou quebrar pertences, entre outras formas.

A agressividade esta alcançando grandes proporções dentro e fora da escola uma vez que
fortes questões sociais como: desemprego, moradia, fome, saúde e educação abalam a estrutura
familiar refletindo no contexto escolar, pois a criança reproduz o que ela vivencia. Estas questões
relacionadas com a desigualdade e exclusão social têm conduzido ao crescimento da delinqüência e
da violência, quer na sociedade ou no interior da escola. Assim a indisciplina é percebida como uma
das principais queixas tanto de professores quanto de alunos ao mesmo tempo em que está sendo
considerada o principal problema nas escolas.

Podem ocorrer diferentes implicações psicológicas em crianças e jovens vitimas do


Bullying. O impacto imediato percebido é a queda do desempenho escolar em razão da convivência
da criança em ambiente agressivo, que gera medo, ansiedade, insegurança, repercutindo no seu
nível de aprendizado. Elas não conseguem reagir e acabam sendo alvos freqüentes dessas agressões,
gerando sentimentos de vergonha e de medo, fazendo com que passem a se isolar cada vez mais,
com receio de ficarem expostas. Essas crianças e jovens podem ter poucos amigos e manifestam
reações de rejeição à escola (fobia escolar). Elas simulam mal-estar, dor de cabeça e dor de barriga
em casa para não ir à escola. Podem desenvolver medo, baixa auto-estima, ansiedade, pânico,
depressão, distúrbios psicossomáticos. Poderão, ainda, crescer com sentimentos negativos,
apresentando sérios problemas de relacionamento no futuro e, em casos extremos, poderão tentar ou
cometer suicídio.

Assim sendo, nosso esforço enquanto educadores é tentar entender as atitudes de nossos
alunos, buscar o diálogo para compreender as mensagens que eles estão nos passando por meio da
linguagem da indisciplina e da agressividade. É importante questionar por que eles desobedecem e
desafiam, insistem em atrapalhar as aulas e os colegas, são agressivos e desrespeitosos e por que
destroem sua própria sala de aula e sua escola. Para isso, é necessário um trabalho conjunto entre o
corpo técnico da escola, educadores, família e sociedade a fim de reduzir e combater o Bullying no
contexto escolar.