Você está na página 1de 48

INFORMAÇÃO

Revista da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul • Assessoria de Comunicação Social • Ano XXXI • Nº 141 • Setembro/Outubro/2008

O remédio ideal
Universidade e Eurofarma começam a testar substância
à base de resveratrol contra os males do envelhecimento
PáginaS 6 A 9

Um olhar sobre três décadas da PUCRS Páginas 26 e 27


Delfos guarda tesouros da arquitetura de Wiederspahn Página 37
NESTA EDIÇÃO

16 CAPA 3 Pelo Campus | Campus terá central de atendimento unificado


4 espaço do leitor
5 Panorama | Doutorandos poderão obter dupla-diplomação
10 Novidades Acadêmicas | Aulas do doutorado em Ciências Criminais começam em 2009
PUCRS e Eurofarma 12 Pesquisa | PUCRS é referência na detecção de meningite eosinofílica
começam testes
de medicamento 13 Pesquisa | Projeto visa a reduzir gravidez não planejada na adolescência
14 Pesquisa | Municípios da Região Metropolitana investem em segurança pública
15 Radar | Universidade entre as mil melhores do mundo
24 entrevista
16 Saúde | Estudo testa realidade virtual contra estresse pós-traumático
17 saúde | Projeto avalia efeitos da literatura na cognição dos idosos
Abdeljalil Akkari, 18 saúde | Revelados processos do cérebro associados ao medo
consultor da Unesco,
fala sobre os desafios 19 ciência | Salão de Iniciação Científica incentiva a pesquisa
dos professores no 20 ciência | “A vida não pode ser instrumentalizada”
século 21
22 Tecnologia | Laboratório avalia equipamentos usados em atmosfera explosiva
23 tecnologia | Clima, fauna e flora monitorados no Litoral Sul
37 cultura
26 destaque | Um olhar sobre três décadas
28 alunos da pucrs
32 lançamentos da edipucrs
Delfos guarda 33 bastidores | Informática tem prédio modelo
tesouros da
arquitetura de 34 memória | Transformação pelas pessoas
Wiederspahn 35 pelo rio grande | Laboratório do Campus Uruguaiana recebe destaque
36 cultura | Festa dos olhos puxados
44 perfil 38 ação comunitária | Em busca da popularização do conhecimento científico
39 univers idade aberta | UNITV: uma década de diálogo entre instituições e comunidade
40 sinopse
45 eu estudei na pucrs | Satisfação de pilotar aviões e sem receio do preconceito
Juremir Machado 46 social | Telemedicina leva mais saúde ao Xingu
da Silva e a paixão
pelo texto 47 opinião | Marion Creutzberg – A avaliação na PUCRS

Repórteres Arquivo Fotográfico Conselho Editorial PUCRS Informação é editada pela Assessoria de Comunicação
Ana Paula Acauan Cléo Belicio Jorge Audy Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Bianca Garrido Camila da Rosa Paes Maria Eunice Moreira Avenida Ipiranga, 6681, Prédio 1, 2º andar, sala 202.02
Eduardo Borba Revisão Solange Medina Ketzer CEP 90619-900 – Porto Alegre – RS
Reitor
Mariana Vicili José Renato Schmaedecke Fone: (51) 3320-3500, ramais 4446 e 4338
Joaquim Clotet Impressão
Circulação Fax: (51) 3320-3603
Sandra Modena Epecê-Gráfica
Vice-Reitor Mirela Vieira pucrsinfo@pucrs.br | www.pucrs.br/revista
Evilázio Teixeira Estagiários da Cunha Carvalho Tiragem: 45 mil exemplares
Projeto Gráfico
Editora Executiva Greta Mello Webmaster e Editoração
Magda Achutti Rafael Borges Rodrigo Ojeda Pense Design A PUCRS é uma Instituição filiada à ABRUC

2 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008


pe l o campus

Campus terá central de atendimento


C
om o objetivo de reunir
os setores de atendimen-
to num mesmo local, em
breve estará funcionando uma
central de atendimento unifica-
do para alunos, diplomados e
comunidade em geral, localizada
no térreo do prédio 15. Instalado
no “coração” do Campus Central,
o espaço de mais de mil metros
quadrados contará com diver-
sos serviços necessários durante
toda a passagem do aluno pela
Universidade, e até depois. Con-
fira no quadro a lista de setores. Novo espaço funcionará no térreo do prédio 15 Mais de 100 lugares em ambiente agradável
A Pró-Reitora de Assuntos
Comunitários, professora Jacqueline Poersch Morei- Um jardim especial estará integrado à área,
ra, diz que a Prac terá boa parte de suas atividades com bancos ecológicos de tábua plástica e pontos
transferida para lá, principalmente pelo fato de ter de chamada eletrônica para que aqueles que aguar- Os setores
muita demanda de atendimentos. Ela acredita que dam não percam a sua vez. Pró-Reitoria de Administração e Finanças
um espaço projetado especialmente para isso, junto A programação visual da central de aten- (Proaf) – Setor Financeiro Acadêmico;
de outras áreas, será importante para a melhoria e dimento unificado lembrará muito a da nova Bi- Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) – Aten-
qualificação. blioteca Central, ambas concebidas pela arquiteta dimento da Coordenadoria de Registro Aca-
Haverá uma área comum para o atendimento, Eliane Salvi da Divisão de Obras da Universidade. dêmico (CRA);
contando com mais de cem lugares, onde as pes- Com tons verdes e terrosos, o espaço foi pensa-
Pró-Reitoria de Assuntos Comunitários
soas poderão aguardar num ambiente confortável, do como um todo para que lá o público se sinta à
(Prac) – Créditos e Benefícios, Atendimen-
moderno e agradável. Além das cadeiras, estarão vontade e possa interagir com a Universidade. A
to, Ouvidoria e Diplomados;
disponíveis poltronas no local, que também terá obra está prevista para ser entregue em setembro,
rede wireless para acesso à internet e bancadas entrando em funcionamento ainda no segundo se- Prograd/Prac – Estágios.
para auto-atendimento. mestre deste ano.

Um ano da “borboleta” na PUCRS


O
Núcleo Vida Urgente da Fundação Thiago Serviço Social, Pedagogia e Medicina têm procurado
de Moraes Gonzaga na PUCRS completou a Fundação como parceira em trabalhos de aula.
um ano, em junho, quando promoveu um “O Núcleo dentro da PUCRS é uma experiência
curso de capacitação para professores, alunos e fantástica, com ações e programas permanentes”,
funcionários da Universidade. Diza Gonzaga, pre- destaca Diza, lembrando que a Fundação participa
sidente da Fundação, comemorou duplamente o dos grandes eventos da Universidade, como o Ves-
primeiro aniversário, que coincidiu com a apro- tibular, Momento Formandos e Feira das Profissões,
vação da Lei Seca no Brasil, proibindo o consumo por exemplo. Além da tradicional blitz, realizada
de qualquer quantidade de bebidas alcoólicas por às sextas-feiras nos estacionamentos do Campus
condutores de veículos. Central, nas quais os voluntários conversam com os Festa de aniversário do Núcleo Vida Urgente
“A PUCRS é uma ‘cidade’ de formadores de motoristas sobre os perigos do trânsito. “Lutamos
opinião, assim como o Vida Urgente é um progra- há 12 anos para que a combinação de álcool e di-
ma de mobilização da sociedade sobre a valori-
zação da vida. A comunidade acadêmica passa a
reção acabe. A lei foi aplicada somente agora, pois
a sociedade está preparada, devido ao trabalho de
Quem foi Thiago Gonzaga
ser uma multiplicadora dos ideais da Fundação fundações como a nossa”, afirma. A Fundação Thiago de Moraes Gonzaga
dentro da sala de aula, da família, do trabalho”, As aulas de capacitação ocorrem durante cinco foi criada pelo casal Régis e Diza Gonzaga
afirma Diza. O próximo curso de capacitação vol- dias num dos turnos na sede da Fundação Thiago de no dia 13 de maio de 1996, quase um ano
tado ao público acadêmico está sendo planejado Moraes Gonzaga (Rua Botafogo, 918, em Porto Ale- depois da data em que o seu filho Thiago
para este semestre. gre). No curso são abordados conteúdos sobre cida- morreu num acidente de trânsito, às véspe-
Os alunos são recebidos pelos voluntários dania, trânsito, convivência e a “cultura do herói”, ras de completar 19 anos. O objetivo é evitar
Maitê Bernardes e Alex Camargo no térreo do pré- além das ações da Fundação e do Núcleo da PUCRS. que outros jovens percam a vida quando o
dio 9, onde o Núcleo Vida Urgente está instalado. O telefone do Núcleo Vida Urgente no Campus é (51) que mais querem é viver.
Alunos de Publicidade e Propaganda, Química, 3320-3716.
espaço do l eitor

Meu nome é Carla, tenho 28 anos, e traba- Vocês já pensaram em imprimir a revista PUCRS Como sempre li com muita atenção e extrema
lho na Estratégia de Saúde da Família, de Lindolfo Informação em papel reciclado e utilizar envelopes satisfação a revista de julho/agosto deste ano. Mais
Collor, como agente comunitária de saúde. Gosta- de material reciclado? O custo pode ser mais alto, uma vez parabéns pelas excelentes matérias e te-
ria de parabenizá-los pela revista PUCRS Informa- mas a causa vale a pena, não? mas propostos. Apreciei, em especial, Instituto do
ção. Conheci a publicação numa mostra gaúcha de cérebro terá terapias inovadoras e Comércio de ór-
produção de saúde da família e peguei uma para gãos fere a dignidade humana. Senti, não obstante,
mim. Aprendi muito. A revista é altamente educati- Vanessa Mello na página Radar, a omissão do nome de Thais Rus-
va e auxilia na qualificação do meu tipo de trabalho. Porto Alegre/RS somano, que fez o discurso de saudação ao Dou-
Fiquei maravilhada com as matérias sobre acom- tor Honoris Causa, John Ernsting. Thais é Phd pelo
panhamento multiprofissional e ações de solidarie- King’s College, tendo sido orientada por Ernsting na
dade. Um abraço caloroso e parabéns pelo trabalho sua tese de doutorado, é coordenadora do Centro de
de vocês. Em nome da equipe multidisciplinar do COM, Microgravidade da PUCRS e, recentemente, realizou
gostaria de agradecer pelo apoio na divulgação da pós-doutorado em Londres, também no King’s Col-
ciência praticada nesta Universidade, mais especi- lege, sob a direção de John Ernsting. Entendo que o
Carla Maristela Schwaab ficamente na área da saúde. A excelente qualidade Radar tem inúmeros assuntos para “rastrear”, mas
Lindolfo Collor/RS das matérias publicadas na revista PUCRS Infor- lamento essa omissão nas homenagens ao ilustre
mação engrandece o trabalho desenvolvido pelos professor, que incluíram a inauguração da sala 216
profissionais no Hospital São Lucas. Destacaria, em do prédio 30F, com a distinção conferida ao profes-
especial, a edição nº 140, que abordou a investi- sor Ernsting no Laboratório de Microgravidade, do
Li a reportagem De colegas a sócios: construin- gação das conseqüências da apnéia em obesos e qual Thais foi uma das idealizadoras nos idos de
do a carreira na Universidade. Ficou muito bacana. sobre o único protocolo de pesquisa aprovado pelo 1998. Apesar do lapso, volto a enfatizar a excelência
Obrigado pela oportunidade e parabéns pelo exce- Comitê de Ética e Pesquisa, autorizando a cirurgia da revista e seu prestígio como legítima informado-
lente trabalho. do diabetes tipo 2, doença que atinge mais de seis ra da multiplicidade de valores da PUCRS em nosso
milhões de pessoas no Brasil. Estado, País, e como referência no âmbito interna-
cional. Com admiração.
Alexandre Samberg Filho
Cláudio Corá Mottin
Porto Alegre/RS Nailê Russomano
Diretor técnico e coordenador cirúrgico
do Centro da Obesidade e Síndrome Porto Alegre/RS
Metabólica (COM) do Hospital São Lucas
A edição nº 133 de PUCRS Informação desper-
tou enorme interesse em nossos professores, justa-
mente pelas pesquisas com o resveratrol. A revista, Gostaria de cumprimentar a repórter Ana Paula
disputadíssima em nosso meio acadêmico, traz in- Acauan e toda a equipe que trabalhou na reporta-
formações muito úteis quanto à qualidade de vida. gem sobre o Instituto do Cérebro publicada na revis-
Esperamos que incluam a nossa instituição entre as ta PUCRS Informação de julho/agosto. Está muito
que recebem a publicação. boa em conteúdo e padrão gráfico. Parabéns.

Prof. Nicola Romano Prof. Jaderson Costa da Costa


Centro de Orientação Educacional – Diretor do Instituto de Pesquisas
Biblioteca Rui Barbosa da PUCMinas – Biomédicas da PUCRS
Campus Poços de Caldas
Poços de Caldas/MG

El Sistema de Bibliotecas de la Universidad de


La Salle, acusa recibo y agradece el envío de las re-
Acho que a PUCRS têm muita tradição no en- vistas PUCRS Informação. El material documental
sino e gostaria de sugerir que criassem um canal recibido se incorporará a nuestras colecciones bi-
aberto com a comunidade para que possa apre- bliográficas y se procesará técnicamente, para que
sentar novas idéias que resultariam em pesquisas estudiantes y profesores tengan un adecuado acceso
e novas patentes compartilhadas. Tenho 27 anos, al mismo. Queremos reafirmar nuestro compromiso
sou muito criativo, mas não tenho dinheiro e capital de cooperación y apoyo en todas las actividades y Escreva para a Redação:
intelectual para empreender um protótipo para pa- consolidar nuestras relaciones para el recibimiento
tentear meu produto e comercializá-lo. Acho muito de nuevas ediciones. Av. Ipiranga, 6681 – Prédio 1 – 2º andar
difícil ser inovador sem apoio. CEP 90619-900 – Porto Alegre – RS
E-mail: pucrsinfo@pucrs.br
Luis Carlos Ramirez Cortes Fone: (51) 3320-3500, ramais 4446 e 4338
Adriano Scavoni Coordinador Hemerotecas/Universidad de Fax: (51) 3320-3603
Porto Alegre/RS La Salle – Bogotá/Colombia

4 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008


panorama

Doutorandos poderão Servidores


obter dupla-diplomação do TRF terão
especialização
O a distância
s futuros alunos dos cursos de doutorado da outra Universidade em questão, a língua de reda-
PUCRS terão a oportunidade de optar pela ção da tese, os orientadores, o período de viagem e
co-tutela e dupla-diplomação. Por meio da de permanência no Brasil, entre outras, que devem
co-tutela, o curso é conduzido pelo aluno com o ser estabelecidas antes do ingresso no curso. Os
auxílio de dois orientadores, um em cada uma das convênios serão estudados caso a caso, devendo
instituições envolvidas. Na modalidade dupla-diplo- ser feitos por meio da Assessoria de Assuntos In-
mação são obtidos dois diplomas, um emitido pela ternacionais e Interinstitucionais e da Procuradoria
PUCRS e outro pela instituição conveniada, ambos Jurídica.
referentes ao mesmo curso realizado. Em cada di- A princípio serão aceitas parcerias com algu-
ploma constará o convênio correspondente e as nor- mas universidades francesas, mas em breve insti-
mas estabelecidas. tuições da Alemanha também serão incluídas. A ex-
O primeiro caso de co-tutela na Universidade pectativa é de que a modalidade de dupla-titulação
foi aprovado em 2005 para um estudante francês. possa valer a partir da seleção do doutorado para
O doutorando do Programa de Pós-Graduação em ingresso em 2009.
Comunicação Social Erwan Pottier é orientado pelo Segundo a coordenadora de pós-graduação,
professor Juremir Machado da Silva e por um pro- professora Vera Strube de Lima, dentre as vanta-
fessor da Universidade Paris 5 – Sorbonne. gens dessa nova modalidade está a possibilidade
Atualmente uma resolução especial estabele- de concorrer em concursos públicos de outros paí- Cerimônia no tribunal oficializou a parceria
cendo as regras está sendo finalizada, em fase de ses, além de favorecer a empregabilidade. Informa-

A
aprovação pela Câmara de Pesquisa e Pós-Gra­ ções adicionais podem ser obtidas na Pró-Reitoria PUCRS assinou, em agosto, convênio
duação. Dentre as exigências previstas estão o es- de Pesquisa e Pós-Graduação, pelo telefone (51) com o Tribunal Regional Federal da 4ª
tabelecimento de um convênio entre a PUCRS e a 3320-3513 ou e-mail prppg@pucrs.br. Região (TRF4) para o desenvolvimento
de um curso de especialização em Direito Pro-
cessual Civil, na modalidade a distância. Com
duração de 18 meses e previsão de início para
o mês de setembro, o curso será direcionado

Stand Calouros apresenta a Universidade exclusivamente a 350 funcionários de primeiro


e segundo graus do Judiciário Federal do TRF
dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio

C
om as boas-vindas do Reitor da Grande do Sul.
PUCRS Joaquim Clotet e da Pró- A cerimônia, realizada no Tribunal, contou
Reitora de Assuntos Comunitá- com a participação do Reitor Joaquim Clotet,
rios Jacqueline Poersch Moreira, em dos Pró-Reitores João Dornelles e Jorge Audy,
agosto foi realizada mais uma edição da direção da Faculdade de Direito e de Luis
do Stand Calouros, ambiente de lazer, Gustavo Andrade Madeira, coordenador do De-
troca de experiências e acolhida mon- partamento de Direito Processual Civil, área
tado no Centro de Eventos da Univer- objeto do contrato. Também estiveram pre-
sidade. Os cerca de 700 estudantes sentes a presidente do TRF4 Sílvia Goraieb, a
que participaram da abertura pude- diretora-geral Fádia Zanini e o vice-presidente,
ram curtir as atrações e conhecer a João Surreaux Chagas.
Instituição. Os jovens foram recebidos O Reitor destacou que é motivo de alegria,
numa ampla sala escura com efeitos Jovens foram acolhidos em ambiente descontraído satisfação e de dever cumprido que a Uni-
de luz, semelhante ao ambiente que versidade possa colaborar com o tribunal. “A
encontram nas discotecas, e receberam um kit com- No local foram oferecidas várias opções PUCRS tem a possibilidade de ajudar na for-
posto por agenda e camiseta. de atividades, como pintura, música, cama mação adequada dos servidores, como a so-
Na ocasião, os calouros puderam apreciar tam- elástica, jogos, entre outros. O Museu de Ci- ciedade necessita”, disse Clotet.
bém um espetáculo musical, conduzido pela Orques- ências e Tecnologia também esteve presente A presidente do TRF4 afirmou que o curso
tra Filarmônica da PUCRS, e assistir a um vídeo es- com alguns experimentos, bem como o Par- resultou da cooperação do Tribunal e das três
pecialmente produzido para o evento, apresentado que Esportivo, oferecendo aparelhos de gi- seções judiciárias e lembrou que a Universi-
em duas telas e realizado pelo Centro de Produção nástica. Marcaram presença, ainda, a Rede dade é uma referência, especialmente na área
Multimídia da Faculdade de Comunicação Social. Marista e o Núcleo Vida Urgente. do Direito.

PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 | 5


capa

PUCRS e Eurofarma começ 


Substância à base de resveratrol é estuda 
Por ana paula acauan

T
ão propagados em estudos internacionais, os
efeitos benéficos do resveratrol – molécula en-
contrada no suco de uva preta, vinho tinto e
plantas – começam a ser testados na PUCRS. Cinco
laboratórios das Faculdades de Química e Biociên-
cias participam do desenvolvimento de uma patente
da Universidade licenciada pela Eurofarma. Trata-se
de uma formulação que aumenta a biodisponibilidade
(absorção) da molécula, buscando resolver um dos
seus obstáculos: a perda rápida pelo organismo. O
responsável pelo invento é o professor da Química
André Arigony Souto. Há expectativa de que de seis
meses a um ano a empresa tenha os primeiros resul-
tados pré-clínicos, decisivos para as próximas eta-
pas. A possibilidade é de lançamento do medicamen-
to no mercado em 2013.
Nos testes feitos na Universidade, com a parti-
cipação de professores e alunos de graduação, mes-
trado e doutorado, se buscará identificar os impactos
dessa substância nos animais em relação a fatores André Arigony Souto: resveratrol pode ser a resposta para várias doenças
como neurotoxicidade (intoxicação, lesão neurológi-
ca) e memória, doenças neurodegenerativas e dia- grau de pureza. Depois de realizada a formulação que
betes. Paralelamente, a empresa passa a trabalhar aumenta a biodisponibilidade, amostras serão enca-
em escala industrial. Antes da comercialização, são minhadas aos outros pesquisadores.
necessários ensaios clínicos (com humanos), confor- A professora Nadja Schröder e a equipe do La-
me determinação da Agência Nacional de Vigilância boratório de Biologia e Desenvolvimento do Sistema
Sanitária. Serão detectados a ação do medicamento, Nervoso, da Faculdade de Biociências, analisarão a
suas propriedades, segurança, efeitos colaterais e se ação do resveratrol quanto a vários parâmetros de
há restrições entre faixas etárias. comportamento, por meio da realização de testes
A Eurofarma conta com profissionais, consul- validados internacionalmente por cientistas e pela
tores e o grupo técnico capacitado da Universidade indústria farmacêutica antes do lançamento de pro-
para minimizar os riscos de um empreendimento dutos. Nessa área a expectativa por novos medica-
como esse, diz a gerente de Novos Negócios, Taís Ra- mentos é enorme, pois as doenças neurodegenerati-
madan Hollaender. Os alvos do futuro medicamen- vas (como Alzheimer e Parkinson), que acometem os
to devem ser a diabetes e as doenças degenerativas idosos, não têm tratamento eficaz, apenas paliativo
que, lembra a gerente, estão entre as classes tera- para os sintomas. “Não digo cura, mas poderemos
pêuticas que mais crescem no mundo, ao lado da comemorar se conseguirmos retardar a progressão
oncologia. dos problemas”, diz a professora.
Arigony diz que o ideal dos cientistas é um re- Parte dos ratos estudados receberá o resveratrol,
médio que atue no organismo como um todo. “Não e parte, uma substância inerte (grupo controle) para
existe um medicamento multialvo. Quando envelhe- detectar, por exemplo, alteração do sistema nervoso,
cemos há uma série de problemas que se somam.” mostrando se a molécula tem potencial ansiolítico.
Para ele, a magia do resveratrol é a sua possibilidade Também haverá comparação com os efeitos do dia-
de, com apenas uma medicação, encontrar respostas zepam (um tipo de fármaco padrão usado contra an-
para várias doenças. siedade).
O Laboratório de Química de Produtos Naturais, Os estudos da memória partem da experiência
da Química, coordenado por Arigony, é responsável do Laboratório com um modelo de amnésia. Os resul-
pela extração do composto, análise e detecção do tados apontam que fármacos conhecidos provocam Ir. Armando Bortolini descobriu a azeda

6 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008


 am testes de medicamento
 da em cinco laboratórios da Universidade
melhora nos animais. Para o atual projeto, o desafio
é descobrir se o resveratrol tem propriedades neuro-
protetoras. Os testes envolverão a memória emocio-
nal ou aversiva e de reconhecimento.
O acordo com a Eurofarma também reúne anti-
gos parceiros de pesquisas, os professores Maurício
Bogo, do Laboratório de Biologia Genômica e Mole-
cular, e Carla Bonan, do Laboratório de Neuroquími-
ca e Psicofarmacologia, ambos da Biociências. Eles
utilizarão o zebrafish (espécie de peixe ornamental
que apresenta o genoma com muitas similaridades
ao humano) como modelo experimental para inves-
tigar se o resveratrol os protege contra lesões cere-
brais, intoxicação e crises convulsivas, por exem-
plo. A dupla é pioneira no estudo do animal quanto
ao sistema purinérgico – que tem duas moléculas
sinalizadoras – ATP e adenosina. A primeira contro-
la mecanismos relacionados com a dor, inflamação,
agregação plaquetária, contração muscular, controle
da resposta imune, memória e aprendizagem, entre
outras funções biológicas. A adenosina é ansiolítica,
anticonvulsivante, indutora do sono e tem ações an-
tiinflamatórias.
Além desses aspectos, os Laboratórios examina- Maurício Bogo e Carla Bonan usam o zebrafish como modelo experimental
rão os possíveis efeitos benéficos do resveratrol sobre
o sistema colinérgico, que tem como neurotransmis- Os peixes serão divididos em quatro grupos. Um
sor mais importante a acetilcolina, molécula sinali- deles será exposto ao etanol (simulando os efeitos
zadora de diversas ações, como memória, aprendi- do consumo de álcool no organismo) antes de rece-
zagem e coordenação motora. “Dada à validação do ber resveratrol e outro depois, permitindo análise dos
zebrafish como modelo, os resultados servirão de efeitos de proteção e reversão que o resveratrol pode
subsídios para testes em humanos”, assegura Bogo. produzir sobre os efeitos tóxicos promovidos pelo
etanol. Um terceiro gru-
po não será afetado pelo
etanol e terá resveratrol.
A partir das pesquisas
também se pode detec-
tar alterações na expres-
são gênica (produção)
de proteínas relaciona-
das com os sistemas
purinérgico e colinérgico.
O estudo de diabe-
tes caberá ao Laborató-
rio de Biofísica Celular e
Inflamação, também da
Biociências. O professor
Jarbas de Oliveira atua-
rá ao lado de duas far-
macêuticas contratadas
para o projeto. Ele admi-
Estudo do diabetes no Laboratório de Biofísica Celular e Inflamação te a dificuldade de trata- Nadja: teste no sistema nervoso de ratos

PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 | 7


capa

mento da doença, mas acredita que se pode diminuir de ratos. Haverá quatro grupos de estudo: um de tum, utilizada na Índia e no Japão para tratar doenças
os níveis de glicose, o que, conseqüentemente, exigi- controle (com a doença, mas sem tratamento), um como dermatite e hiperlipemia (aumento de triglice-
ria menos insulina, reduzindo os efeitos colaterais da que recebe insulina, outro que ingere resveratrol e o rídeos). Pela primeira vez foi relatada a existência da
sua ingestão, além dos impactos da própria doença a quarto saudável e com a molécula. Todos receberão molécula na azeda. Usada como salada no interior do
longo prazo. “Não tenho a expectativa de cura, mas, dieta normal. Estado, a hortaliça tem origem asiá­tica. Arigony ela-
se a substância for um adjuvante na terapia, valerá A outra patente da PUCRS licenciada pela Euro- borou um método de depuração da azeda e Polygo-
muito.” farma se refere a uma planta – azeda (Rumex ace- num cuspidatum. Criou um sistema seletivo que re-
Serão avaliados glicose, hemoglobina glicada tosa), que tem alta concentração de resveratrol na tira um dos contaminantes do resveratrol, a emodina,
(que mostra o controle glicêmico de três meses an- sua raiz: pelo menos cem vezes mais do que o suco que não pode ser ingerida pelo ser humano por cau-
teriores), estresse oxidativo, peso e ingestão de água de uva ou o vinho e similar à Polygonum cuspida- sar diarréia.

O inventor e sua obsessão pelo conhecimento Foto: Arquivo Pessoal


André Arigony Souto, 42 trações da molécula nos vi-
anos, lê de três a quatro ar- nhos nacionais e comparou
tigos sobre resveratrol por com estrangeiros. Procurou
dia. Ter informação o ajuda em plantas outras fontes
a conceber e desenvolver no- com o objetivo de gerar um
vas idéias. Saber tudo quanto fármaco.
possível sobre ciência tam- A azeda foi levada ao
bém é um hábito que culti- seu laboratório pelo Ir. Ar-
va de longo tempo. O jovem mando Bortolini, assessor
que queria ser médico hoje da Reitoria da PUCRS. Nas-
só pensa em pesquisar. “Para cido em Garibáldi e descen-
mim é uma obsessão. Signifi- dente de italianos, desde
ca ter acesso a algo pela pri- criança o irmão marista se
meira vez.” Quando começou envolveu na fabricação de
a dar aulas na PUCRS, seguia vinhos e nos últimos anos
o padrão tradicional e se preo­ apresentava amostras para
cupava mais com o número Arigony analisar. Depois
de publicações. Seu caminho passou aos sucos e às plan-
com patentes licenciadas por tas. Observando as carac-
uma empresa muda esse pa- terísticas dos vegetais com
radigma. Valoriza a pesquisa resveratrol, orientado pelo
básica e a busca por ter o seu Promessa paga: Arigony esculpiu São Marcelino Champagnat para seu invento sair do papel professor, Ir. Armando che-
trabalho citado por cientistas, gou à azeda, que consome
mas segue outra via, com foco na produção de patente. Trata sobre um derivado fluorescente de pa- como salada. Com os resultados positivos das
conhecimento que chega de forma mais rápida à clitaxel chamado flutax com atividade antineoplásica, análises, o marista recebeu uma recompensa: a
população. Arigony acredita tanto na promessa da hoje comercializado pela Merck. imagem de Champagnat.
molécula da longevidade que desde 2006 passou A vitória recente teve uma repercussão ainda Como manda o seu perfil de pesquisador, Ari-
a ingerir diariamente 50 mg do pó sintetizado. Mas maior. Logo após a divulgação da assinatura do con- gony não se acomoda com a conquista. O resvera-
não recomenda a ninguém: como bom cientista, trato com a Eurofarma, o professor deu dezenas de trol não será o seu principal foco a partir de ago-
está atrás de comprovação. entrevistas para veículos de comunicação do Estado ra. Quer descobrir tudo sobre a sirtuína (proteína
Em sala de aula e no laboratório fica a ima- e do País, além de ser pauta da Agência France Press. existente no organismo que regula os mecanismos
gem de um professor exigente. Até ganhou de duas Contou 20 minutos somente para televisão. E-mails e da longevidade e é capaz de ativar processos celu-
orientandas um fêmur de mamífero com a inscri- telefonemas de empresas se sucedem. lares, como câncer de mama e de próstata, apop-
ção: “Para um osso duro de roer”. “Gosto de mos- Depois do acerto com a Eurofarma, Arigony co- tose glomerular, carcinoma hepático, resistência
trar aos alunos que sou filho da PUCRS, para que meçou a fazer uma escultura em pedra sabão com a ao estresse e hipertrofia cardíaca). O resveratrol
sintam orgulho de onde estão. Saí daqui, fiz pós- imagem de São Marcelino Champagnat. O dom fora parece ser uma das substâncias envolvidas nesse
graduação fora (na UFRGS e na Espanha) e voltei descoberto em janeiro. Era o pagamento de uma pro- mecanismo. Citando David Sinclair, da Universida-
para ser o primeiro pesquisador a ter uma patente messa para que seu invento não ficasse no papel, o de de Harvard (EUA), acredita que quem descobrir
licenciada.” coroamento de um trabalho que começou em 1999. como ela funciona dominará a medicina do século
No doutorado pela Universidade Complutense O pesquisador se interessou na época em investigar 21. Tese de doutorado de Helena Schirmer, do Pro-
de Madri, um dos orientadores o desmotivou, lem- o paradoxo francês: acredita-se que o alto consumo grama de Pós-Graduação em Biologia Molecular e
brando sua condição de sul-americano. “Sempre de vinho possa explicar o fato de a França ter uma Celular da PUCRS, orientada por Arigony, procura
pensei que era possível.” O descrédito resultou em baixa incidência de doenças cardiovasculares apesar desvendar o funcionamento dessa proteína, pouco
mais trabalho: conseguiu o primeiro depósito de de uma dieta rica em gorduras. Estudou as concen- estudada no Brasil.

8 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008


Apostando na inovação
O caminho para
chegar à população
Depósito da primeira patente (relativa à plan-
ta azeda) – janeiro de 2007
Acordo de confidencialidade entre PUCRS e
Eurofarma – março de 2007
Depósito da segunda patente (relativa à bio-
disponibilidade) – julho de 2007
Início da negociação – julho de 2007
Assinatura do contrato – abril de 2008
Início do desenvolvimento do produto – agos-
to de 2008
Equipe de profissionais de propriedade intelectual e gestão conduziu o processo
Publicação da primeira patente – agosto de
A Eurofarma licenciou duas patentes da PUCRS da empresa se baseou na comercialização de gené- 2008
com resultados experimentais e preliminares. A aná- ricos e similares. Os desafios são ampliar negócios Projeção de lançamento do medicamento –
lise está em andamento no Instituto Nacional de Pro- como esse feito com a PUCRS. 2013
priedade Industrial. O inventor André Arigony reco- A coordenadora do ETT, Elizabeth Ritter, também
nhece que é “fascinante” ter conseguido negociá-las destaca o esforço institucional para o acordo, sem
tendo apenas “grandes possibilidades”. Para o pes- deixar de apontar o papel preponderante do pesquisa-
quisador, esse tipo de pesquisa é feito por várias uni- dor no processo. “Se não há um resultado de pesqui-
versidades, mas “o diferencial da PUCRS é apostar
na inovação, dar condições ao seu profissional para
sa de boa qualidade, o trabalho não avança.” Depois
do invento e do contato inicial com a empresa, chega
A Eurofarma
estabelecer a relação com a indústria”, citando seto- a vez de o Escritório atuar. A coordenadora enfatiza Foto: Fabiano Feijó

res como o Escritório de Transferência de Tecnologia que Arigony não interferiu no processo de negociação,
(ETT) e Agência de Gestão Tecnológica (AGT) e o Par- facilitando o andamento adequado. “A existência de
que Científico e Tecnológico (Tecnopuc). mais de um interlocutor junto à empresa pode atra-
A combinação desse ambiente nas áreas de pro- palhar. O pesquisador é chamado quando se discute
priedade intelectual e gestão com a evolução da pes- um assunto técnico.” Arigony concorda com a neces-
quisa na Universidade criou as condições para um sidade de divisão de papéis: “Como pesquisador, não
momento como esse, avalia o Pró-Reitor de Pesquisa tenho formação para lidar com as estratégias de ne-
e Pós-Graduação, Jorge Audy. “A PUCRS se prepa- gociação. Cabe a mim convencer sobre a relevância
rou ao longo dos anos para chegar a esse patamar. e a aplicabilidade da minha idéia”.
Os mecanismos institucionais que se consolidam na A interação com a administração da Universida-
Rede INOVAPUC favorecem o desenvolvimento de de e a Procuradoria Jurídica foi enfatizada pela coor-
pesquisas, proteção do conhecimento e transferência denadora do ETT. Também foi contratado um consul-
para a sociedade por meio de empresas.” tor privado. As dificuldades no processo se deveram Entre os maiores laboratórios farmacêu-
A infra-estrutura oferecida pela Instituição aos à novidade para ambas as instituições. “A indústria ticos no mercado brasileiro, a Eurofarma é a
profissionais pesou na decisão da Eurofarma de fir- nacional tem uma preocupação grande para não as- terceira maior fabricante de medicamentos
mar a parceria, segundo a gerente de Novos Negó- sumir riscos”, constata Elizabeth. Ligado à Pró-Rei- genéricos do País. Por meio de suas Unida-
cios, Taís Ramadan Hollaender, que cita o Tecnopuc toria de Pesquisa e Pós-Graduação, o ETT liderou a des de Negócios – Prescrição Médica (Farma),
como referência. Outro fato preponderante se deveu à negociação com a Eurofarma e agora acompanhará Genéricos, Hospitalar & Licitações, Oncologia,
consistência dos dados apresentados por Arigony, já as novas etapas. Sobre o impacto das primeiras pa- Serviços a Terceiros e Pearson (Veterinária) –
que estuda o assunto há dez anos. O investimento em tentes licenciadas, Elizabeth destaca a disseminação a empresa produz aproximadamente 150 mi-
inovação da indústria farmacêutica no Brasil, em re- da importância de proteger a propriedade intelectual lhões de unidades (caixas) por ano. O Comple-
lação ao faturamento, ainda é baixo – apenas 0,72%, e ampliar o valor social da Universidade. xo Industrial no município de Itapevi, em São
de acordo com dados do Instituto Inovação. Em 2007, Os ganhos financeiros com o licenciamento Paulo, completou um ano de atividades e de-
a Eurofarma aplicou 5% do seu faturamento em pes- das patentes garantirão ao pesquisador liberdade verá estar integralmente concluído em 2009.
quisa e desenvolvimento. “A iniciativa mostra como o para trabalhar sem a necessidade de prestar con-
setor deveria unir-se. A indústria brasileira ainda tem tas de cada projeto específico. “Isso possibilita os Fonte: Gaspar & Associados
um investimento tímido em inovação”, diz Taís. A ge- insights”, comemora Arigony, com a projeção de no- Comunicação Empresarial
rente relata que nos últimos cinco anos o crescimento vos inventos.

PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 | 9


NOVIDADES ACADÊMICAS

Direito lança novas especializações


A
Foto: Divulgação/Governo do Estado do Amazonas
Faculdade de Direito lança duas novas es- ciativa do Núcleo de Estudos e Pesquisas
pecializações com início neste segundo se- em Cultura Indígena (NEPCI) da PUCRS.
mestre. Uma delas é voltada para a área de Entre os objetivos está compreender a
Direito da Propriedade Intelectual. Com duração cultura e as formas de contato existentes
de 360 horas/aula, é direcionada a profissionais entre as populações indígenas e outras
com formação superior em Direito, Administração populações do Brasil. Além disso, discutir
e Economia. meios de solucionar problemas existentes
Dentre as disciplinas abordadas estarão as de junto a essa população, dentro dos mais
Direitos de propriedade intelectual no âmbito in- diversos setores.
ternacional; Direito de autor e os paradigmas das Os temas abordados nas discipli-
criações intelectuais; Programas de computador nas serão multidisciplinares: A proteção
e a sua proteção; Concorrência desleal, abuso de judicial dos direitos indígenas; Ética e
poder econômico e transferência de tecnologia e bioética nos povos indígenas; Educação,
Contratos de cessão, licenciamento e de transfe- arquitetura e arte indígena; Sistemas in-
rência de tecnologia, entre outras. As aulas ocor- ternacionais de proteção dos direitos hu-
rerão nas quintas e sextas-feiras à noite e aos sá- manos e Populações indígenas: crimino- Problemas da população indígena serão estudados
bados pela manhã. O início está previsto para o logia e direito penal.
mês de setembro. A previsão é de que as aulas iniciem em setem- de ambos os cursos pelo telefone (51) 3320-3537,
Outra novidade é a especialização em Direito e bro, sendo realizadas nas sextas-feiras (tarde e noite) e-mail mestradodir@pucrs.br ou no site www.
Cultura Indígena, curso pioneiro no Brasil e uma ini- e aos sábados pela manhã. Inscrições e informações pucrs.br/pos/especializacao.

Aulas do doutorado
Gastronomia Francesa na PUCRS em Ciências Criminais
A
Foto: Lo Gilbert/stock.XCHNG

começam em 2009
Faculdade
de Comuni-
cação pro-

O
move o primeiro curso de doutorado em Ciên- guagens”, destaca a coordenado-
curso de extensão cias Criminais, vinculado ao ra, professora Ruth Gauer.
Gastronomia Fran- Programa de Pós-Gradua- O Programa formou 169 mes-
cesa – Ênfase em ção de mesmo nome da Faculdade tres que hoje atuam por todo o
Eventos, em par- de Direito foi aprovado, em julho, Brasil e Moçambique. Também
ceria com o Centro pela Coordenação de Aperfeiçoa- desenvolve parcerias com a Uni-
de Gastronomia mento de Pessoal de Nível Supe- versidade Pablo de Olavide (Es-
Marcelo Jacobi. Os rior (Capes), sendo hoje o único do panha) e Universidade de Coim-
encontros sema- País na área de Sistema Penal e bra (Portugal) e com instituições
nais, realizados Violência. O tema do curso reme- nacionais por meio de convênios
de junho a dezem- A base das técnicas de cozinha clássica é francesa te aos campos básicos de reflexão com os Ministérios Público Federal
bro, contam com a das Ciências Criminais, contem- e Estadual, Magistratura Estadual
participação de renomados chefs, como Luigi Tartari e Claude Troisgros. plando a análise e a compreensão e Secretaria de Justiça e de Segu-
As aulas, ministradas pela equipe de Jacobi, são baseadas na prática, da vida em sociedade em seus as- rança Pública do RS. Tem recebido
sendo programadas quatro horas de cozinha por encontro. O objetivo é a qua- pectos mais fundamentais. bolsas de mestrado da Capes, da
lificação e o domínio das técnicas pelos alunos. Outros módulos estão previs- O Programa de Pós-Gradu- Fundação Ford e de outras fontes.
tos – como Confeitaria e Gastronomia Italiana –, porém o módulo francês não ação em Ciências Criminais da A revista de Estudos Crimi-
PUCRS se distingue, desde a cria- nais, com quatro edições anuais,
foi escolhido por acaso. “A base das técnicas de cozinha clássica é francesa”,
ção do mestrado, em 1997, por é a publicação especializada do
justifica a professora Bete Duarte, uma das organizadoras, juntamente com
inovar na abordagem dos pro- Programa. Os pesquisadores tam-
o professor Luís Gustavo, coordenador do curso de Hotelaria, e da professora blemas relacionados ao sistema bém publicam os resultados das
Luísa Castro, de Nutrição. penal e à violência em sentido pesquisas em livros e revistas na-
As aulas são realizadas no Laboratório de Nutrição e contam com a parti- amplo. “Sua vasta produção aca- cionais e estrangeiras.
cipação de professoras do curso, que orientam quanto à higiene e segurança dêmica tem como nota distintiva, O edital de seleção para in-
alimentar. “É um curso multidisciplinar”, explica Bete Duarte. Para participar a marca da integração das Ciên- gresso na primeira turma do dou-
é necessário um ano de experiência como cozinheiro profissional. Informa- cias Criminais com diferentes áre- torado em Ciências Criminais está
ções: (51) 3320-3680 e www.pucrs.br/proex/cursoseeventos. as em termos de construção de no site www.pucrs.br/pos. Infor-
novos conhecimentos e novas lin- mações: (51) 3320-3537.

10 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008


PUCRS capacita profissionais
de segurança pública
Foto: Sanja Gjenero/stock.Xchng

A
PUCRS foi credenciada pela Secretaria Na- pública selecionados, a atividade não
cional de Segurança Pública para a promoção terá nenhum custo. Serão distribuídas
do curso de especialização em Segurança Pú- 40 bolsas de estudo. Aos demais inte-
blica e Justiça Criminal. Voltado para profissionais ressados ainda haverá dez vagas.
como policiais civis e militares, guardas municipais Segundo o coordenador do curso,
e agentes penitenciários que possuam curso supe- professor Rodrigo Ghiringhelli de Aze-
rior, está vinculado à Faculdade de Direito. vedo, além da qualificação desses
Com duração de um ano, as aulas abordarão profissionais, o objetivo é a integração
temas como Direito e Processo Penal, Sociologia e entre os servidores que atuam nesse
Criminologia e Gestão em Administração Pública, e contexto e a produção de conhecimen-
serão ministradas por professores dos Programas to por meio dos trabalhos de conclusão Curso é voltado para policiais civis e militares
de Pós-Graduação em Ciências Criminais e em Ci- de curso, articulando os conhecimen-
ências Sociais, e da graduação em Direito. Ao final tos práticos, adquiridos no dia-a-dia profissional, A previsão é de que a seleção seja feita ain-
do curso, os alunos deverão apresentar um trabalho com os conhecimentos produzidos no ambiente da em 2008. Informações pelo telefone (51)
de conclusão. Para os profissionais de segurança acadêmico. 3320-3537 ou e-mail patsouza@pucrs.br.

Formação para EAD Entrega on-line de


P
rimeira edição do curso de extensão
Formação de Professores para Edu-
cação a Distância, promovido pela
trabalhos de conclusão
A
Foto: Ivaylo Georgiev/stock.XCHNG
PUCRS Virtual, conta com cerca de 200 alu- partir deste se- fias dos cursos de Ciências
nos de todo o Brasil. O objetivo é capacitar os mestre, as Fa- Contábeis e Administração
docentes a utilizar o ambiente virtual, além culdades de In- foram entregues em CD.
de mostrar as possibilidades do sistema de formática (Facin) e A meta é de que no
EAD. “Usamos a tecnologia como suporte à Administração, Con- próximo semestre, todos
proposta pedagógica”, afirma a coordenado- tabilidade e Economia os cursos da Face recebam
ra, Elaine Turk Faria. (Face) dispensarão a os trabalhos por meio do
O educador deve fazer a mediação pedagó- versão imprensa dos sistema desenvolvido pela
gica e não apenas apresentar o conteúdo. “Um trabalhos de conclusão GTIT, dispensando o uso do
excelente professor presencial não necessaria- de curso (TCC). As mo- CD e no qual os alunos po-
mente será um ótimo docente virtual. O edu- nografias – que atual- derão desenvolver seu tra-
cador precisa interagir e conhecer os alunos”, mente podem ser entregues em CD na maioria balho e o software salvará a última versão até a
explica Elaine. O curso tem ainda preocupação das unidades acadêmicas – serão publicadas finalização. “Os trabalhos são publicados em PDF,
ecológica, não sendo obrigatória a impressão numa intranet – elaborada pela Gerência de sendo impossível qualquer alteração”, destaca o
dos materiais, ficando a critério do aluno. Tecnologia da Informação e Telecomunicação professor Celso Kruger, da Face. Os objetivos são
O conteúdo será dividido em quatro mó- (GTIT) –, ou na internet – no ambiente dispo- de eliminar papel, criar uma biblioteca digital com
dulos: Inserção em EAD, Proposta Didático- nibilizado pela PUCRS Virtual. sistema de consulta aos TCCs, melhorar os con-
Pedagógica e Tecnológica em Cursos Virtuais, Na Face, a primeira etapa do processo troles administrativos, diminuir custos e poupar o
Planejamento e Avaliação em EAD e Gestão ocorreu no segundo semestre de 2007, quan- meio ambiente.
de Ambientes Virtuais de Aprendizagem, mi- do 66 trabalhos do curso de Ciências Contábeis No primeiro semestre de 2008 todos os forman-
nistrados pelos professores Adriana Beiler, foram entregues em CD. Os professores uti- dos da Facin entregaram seus TCCs impressos e
Lúcia Giraffa, Márcia Moraes, Paulo Wag- lizaram o Banco de Dados Tede – sistema de pela web. “Foi um teste com resultados ótimos. Em
ner e Elaine Faria. São 90 horas de aula, publicação eletrônica de Teses e Dissertações 2008/2 receberemos somente pela internet”, afir-
das quais são necessárias cerca de oito a –, desenvolvido pelo Instituto Brasileiro de In- ma o diretor, Avelino Zorzo, destacando como prin-
dez horas semanais de dedicação dos estu- formação e Tecnologia, vinculado ao Ministério cipal benefício a agilidade do processo. “Utilizamos
dantes para as atividades e aprendizagem da Ciência e Tecnologia, para publicação dos o mesmo sistema das disciplinas a distância. É um
dos contéudos. Serão feitos trabalhos e uma trabalhos, criando uma biblioteca virtual. No ambiente com o qual o aluno está familiarizado, fa-
avaliação, na qual o aluno será aprovado ou primeiro semestre de 2008, as 401 monogra- cilitando a entrega”, explica.
reprovado, ficando a critério desse concei-
to a entrega dos certificados. Informações
www.ead.pucrs.br. PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 | 11
pesquisa

PUCRS é referência na detecção


de meningite eosinofílica
Doença causada pelo parasito A. cantonensis pode causar a morte de humanos

O
Foto: Juliano Romanzini
s Labo- Prevention (CDC), de método, enquanto o imunológico não é preci-
ratórios em Atlanta (EUA), so, devido à ocorrência de reações cruzadas com
de Biolo- centro de referên- outros parasitos. Para a realização da PCR em
gia Parasitária cia mundial para tempo real, é coletado o liquor (líquido cefalor-
da Faculdade diagnóstico de raquiano), por meio da punção da medula óssea
de Biociências doenças infeccio- do paciente, para extração do DNA. Mais rápido e
e de Parasito- sas. No local, ela caro do que a PCR convencional, a PCR em tempo
logia Molecular padronizou a téc- real é de dez a cem vezes mais sensível e especí-
do Instituto de nica da PCR em fica. “No CDC, tive a oportunidade de padronizar
Pesquisas Bio- tempo real para a a especificidade do teste, utilizando amostras de
médicas foram detecção da me- pacientes com os parasitos Naegleria, Toxocara,
chamados pelo ningite eosinofílica Balamuthia e Achantamoeba”, informa a profes-
Ministério da causada pelo An- sora.
Saúde para fa- giostrongylus can- Participam da pesquisa os alunos da Facul-
zer o diagnósti- Parasito infecta moluscos, seus hospedeiros intermediários tonensis. Segundo dade de Farmácia Rafael Munareto do Nascimen-
co de meningite ela, o CDC está to e Bárbara Rodrigues Alves, estagiários no La-
eosinofílica nos primeiros casos detectados no interessado na pesquisa desse parasito por sua boratório de Biologia Parasitária.
Brasil, causados pelo Angiostrongylus cantonen- prevalência no Havaí, New Orleans e Miami. Foto: Henry Bishop

sis. O parasito é oriundo da Ásia e se estabeleceu Como o Laboratório de Parasitologia Molecu-


no País via portos. Infecta moluscos, seus hos- lar realiza o diagnóstico imunológico dessa
pedeiros intermediários, em alguns casos usados parasitose, o CDC enviará amostras para rea-
na gastronomia, como o escargot. O objetivo ago- lização dos testes na PUCRS. Essa integração
ra é adquirir um equipamento para realização na permite também que alunos da Universidade
PUCRS da PCR em tempo real, que permite mais se aperfeiçoem no CDC. Uma doutoranda da
eficiência e precisão. Da sigla em inglês Reação PUCRS está com programação agendada. O
em Cadeia da Polimerase, a PCR é um teste de pesquisador Alexandre Januário da Silva, co-
detecção de ácidos nucleicos, que cria múltiplas ordenador do Laboratório do CDC, visitará na
cópias de DNA. Universidade em setembro.
“A padronização e aprimoramento de méto- A diferença entre o Teste de Elisa (detec-
dos diagnósticos na meningite cerebral é impor- ção de anticorpos) e a PCR em tempo real é
tante para o diagnóstico individual, monitorar a a especificidade garantida pelo segundo tipo Ana Cristina padronizou a PCR em tempo real
incidência e prevalência, conhecer a história na-
tural da infecção e avaliar a importância dessas
parasitoses como determinantes de morbidade na
população humana no País”, explica a professora Os riscos aumentam no Brasil
e pesquisadora Ana Cristina Arámburu da Silva. Os pacientes com meningite eosinofílica A professora Ana Cristina Arámburu da
As técnicas de biologia molecular (que permitem podem apresentar febre, dor de cabeça, rigidez Silva diz que os riscos aumentarão no Brasil
detectar DNA ou RNA de microorganismos) são na nuca, visão dupla de um objeto e sensibilida- com a rápida proliferação da Achatina fuli-
essenciais devido à dificuldade de fazer diagnós- de excessiva a qualquer estímulo. Com risco de ca, molusco hospedeiro, nas regiões litorâne-
tico parasitológico. Na infecção pelo Angiostron- até mesmo causar a morte, a doença é tratada as. “Tentaram introduzi-lo como substituto do
gylus cantonensis, as lesões se estabelecem pela com mebendazol (anti-helmíntico) e dexameta- escargot, mas não teve aceitação ao paladar
passagem das larvas e jovens adultos pelo sis- sona intravenosa (prednisolona – esteróides). brasileiro. Mesmo assim, os caramujos foram
tema nervoso central, antes de haver maturação A meningite eosinofílica é causada por An- soltos na natureza e as pessoas, ao se alimen-
sexual e eliminação de larvas nas fezes. giostrongylus cantonensis, Toxocara e Gna- tarem, podem infectar-se.” Embora a baixa
O Laboratório de Biologia Parasitária mantém thostoma, entre outros. Nas meningites cau- suscetibilidade das populações desses molus-
o ciclo do parasito desde 1999. Com uma bolsa sadas por parasitos, o liquor apresenta em cos ocorrentes no Sul do Brasil, o risco para
de pós-doutorado da Coordenação para Aperfei- torno de 70% de eosinófilos (um tipo de gló- saúde pública existe e precisa ser alvo da vigi-
çoamento de Pessoal (Capes), Ana Cristina ficou bulo branco). lância epidemiológica, alerta a professora.
dois meses no Centers for Disease Control and

12 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008


Projeto visa a reduzir gravidez
não planejada na adolescência
Na comunidade Luís Quevedo, maioria teve o primeiro filho antes dos 16 anos

U
ruguaiana registrou índices de gravidez conversar sobre temas relacionados à sexualida- O Programa Saúde e Prevenção nas Escolas
na adolescência em média de 20,8% en- de com os professores. Em relação à participação possibilita ações como o engajamento das esco-
tre 1993 a 2007. Para investigar e mu- do pai, 4% das que já engravidaram o apontaram las e sensibilização de equipes de postos de saúde
dar essa realidade, orientando jovens para uma como sendo a figura familiar que mais as enten- para atendimentos dos alunos – consultas médi-
vida sexual saudável, os Ministérios da Saúde e de, 2% afirmaram ter obtido informações sobre a cas, exames, pré-natal, orientações sobre méto-
da Educação realizam o Programa Saúde e Pre- sexualidade com ele e 3% conversam com o pai dos contraceptivos e entrega de preservativos e
venção nas Escolas. A Faculdade de Filosofia, Ci- sobre o assunto. Isso pode indicar dificuldade de anticoncepcionais. Foi promovida capacitação de
ências e Letras (Fafiur) do Campus Uruguaiana relacionamento. agentes comunitários de saúde. Neste semestre
participa da equipe de gestão do Programa, que A gravidez na adolescência também parece está prevista a realização de curso para alunos da
promove ações, beneficiando 1.333 jovens de 10 estar relacionada à mesma experiência vivida Fafiur e da Universidade Federal do Pampa (Uni-
a 19 anos, ligados às Escolas Municipal de Ensi- pelas mães nessa faixa etária – 60% seguem o pampa), como forma de preparar os futuros pro-
no Fundamental Cabo Luís Quevedo e Estadual de exemplo de casa. Mais da metade das jovens que fissionais para atuarem na prevenção.
Ensino Médio João Batista Luzardo – CIEP. engravidaram na adolescência declararam que A Fafiur integra a iniciativa dando suporte
O trabalho de Uruguaiana foi escolhido entre não usam mais o preservativo “depois de confiar acadêmico às ações, ao lado da Unipampa. Além
os três de maior destaque na 1ª Mostra Gaúcha no parceiro”. de Brito, participaram da PUCRS os professores
de Saúde e Prevenção nas Escolas, promovida em O levantamento quantitativo foi feito com Patrícia Kraft Hoewell e Rudi Albino Hermann e os
Porto Alegre, de 24 a 25 de abril de 2008. Para o 201 adolescentes com histórico de gravidez e 200 alunos Lucas Socoloski Gudolle (curso de Admi-
evento foram pré-selecionadas 15 ações, entre as sem. Também foi realizada pesquisa qualitativa, nistração de Empresas) e Mariele Benites Moreira
28 feitas no Rio Grande do Sul. incluindo grupos focais e entrevistas em profun- (Pedagogia), bolsistas de iniciação científica.
Para subsidiar a implantação de um proje- didade, com as jovens e seus pais.
to piloto na comunidade Luís Quevedo, visando Idade da primeira gravidez da mãe
a diminuir os índices de gravidez não planejada Idade aproximada da primeira relação sexual
na adolescência, a Fafiur desenvolveu pesquisa,
coordenada pelo professor Édison Brito da Silva.
Estão incluídos nessa área os bairros Cabo Luis
Quevedo, Promorar, Prolar, Anita Garibaldi, Assen-
tamento Irmã Maria, Áreas Azuis, Tabajara Brites
e Rio Branco. A comunidade lidera as estatísticas
de gravidez na adolescência na cidade – 33,77%.
Conforme a pesquisa, 52% das adolescentes ti- Antes dos 12 anos Dos 17 aos 18 anos
veram o primeiro filho antes dos 16 anos; destas, Dos 12 aos 14 anos Acima dos 18 anos
8% antes dos 13 anos. Dos 15 aos 16 anos Após o casamento
Entre as razões para o índice tão alto, o pro-
fessor cita a precocidade das relações sexuais. Perfil das jovens grávidas
Trinta e cinco por cento das jovens com histórico Com quem aprendeu sobre sexo
Abandonaram os estudos
de gravidez revelaram que fizeram sexo pela pri- Não freqüentam/não acreditam em religião
meira vez antes dos 12 anos e 10%, antes dos Não trabalham
14. Apenas 10% afirmaram ter medo de alguma Têm uma escolaridade relativamente boa
reprovação social dessa atitude. No imaginário de (comparadas aos índices brasileiros)
quase metade das adolescentes que já estiveram Têm uma situação familiar relativamente
grávidas e de um terço das demais, a formaliza- estável (os pais são casados e as mães de
ção do casamento não é algo importante. Ter um se casaram uma única vez)
filho surge como forma de emancipação e busca Não têm opções de lazer e oportunidade de
de independência em relação à família. trabalho
O professor salienta ainda que fica clara a Não realizam consultas ginecológicas pe­
pouca influência da escola e da família, princi- rió­dicas
palmente da figura paterna, na orientação sexual.
Resultados da pesquisa realizada
Somente 4% das jovens sem histórico de gravi- na comunidade Luís Quevedo
dez, todas escolares, e 2% das demais disseram

PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 | 13


pesquisa

Municípios da Região Metropolitana


investem em segurança pública
Demanda da população de oito cidades e verbas federais acionam as prefeituras

P
Foto: Cristine Rochol/PMPA
esquisa coordenada pelo professor Ro-
drigo Ghiringhelli de Azevedo, dos Pro-
gramas de Pós-Graduação em Ciências
Criminais e em Ciências Sociais, investigou as
ações de segurança pública praticadas por mu-
nicípios da Região Metropolitana: Porto Alegre,
Alvorada, Canoas, Cachoeirinha, Gravataí, São
Leopoldo, Novo Hamburgo e Sapucaia do Sul. O
crescimento da sensação social de inseguran-
ça e os repasses de recursos do governo federal
são justificativas para o envolvimento das pre-
feituras. “É nas cidades que os governos têm
contato mais próximo com a população. Pode-
se pensar no município como um novo ator na
área, principalmente em ações de prevenção
da violência”, afirma Azevedo.
A participação mais ativa dos municípios
não substitui os estados no âmbito da repressão
à criminalidade através da atuação das Polícias Guarda Municipal passa a ser mais atuante. Em Porto Alegre os agentes usam armas desde 2007
Civil e Militar. As prefeituras realizam prevenção,
por meio das recém-criadas Secretarias de Se- Experiências bem-sucedidas podem ser (como a construção de postos de saúde e da
gurança Urbana, atuando em parceria com ou- notadas no estado de São Paulo, que registra BM) e prevê a solução de conflitos em escolas e
tros órgãos públicos e setores da sociedade civil, queda das taxas de homicídio nos últimos seis estímulo de denúncias contra vandalismo pelo
incluindo empresas, escolas, igrejas e associa- anos. Para Azevedo, um dos motivos é o en- Disque-Pichação (fone 153).
ções de moradores. Entre as iniciativas se des- volvimento dos municípios. Em Diadema, foram A verba direcionada às prefeituras tem ori-
tacam a busca de melhoria do espaço urbano e adotadas medidas drásticas, como o fecha- gem na Secretaria Nacional de Segurança Pú-
identificação de focos de violência. “A entrada mento de bares a partir das 23h, para impedir blica e no Fundo Nacional de Segurança Públi-
em cena dos municípios contribui para combi- a comercialização de bebidas e drogas, e a co- ca. Um dos requisitos para o envio do dinheiro
nar ações de repressão ao crime, de responsa- locação de câmeras de vigilância. é a existência de gabinete de gestão integrada,
bilidade dos estados, com políticas sociais, que No Rio Grande do Sul, segundo a pesquisa com a participação das secretarias municipais,
têm impacto efetivo na redução da criminalida- da PUCRS, Novo Hamburgo e São Leopoldo têm Brigada Militar e Polícia Civil. “Esse órgão pode
de. Incluem profissionalização e disponibilização os resultados mais avançados até o momen- contribuir para a integração, mas o processo
de acesso à cultura, lazer e esportes a jovens, to. Num cenário de altos índices de violência e está atrasado no Estado.”
atendimento a vítimas, projetos ligados à cida- desemprego, foram os primeiros a criar as Se- Azevedo cita obstáculos na Constituição
dania e vinculados a melhorias da qualidade de cretarias da Segurança e a reciclar os guardas para essa atuação dos municípios. “Em 1988
vida da população”, exemplifica o professor. municipais. Antes vigilantes, com papel restrito o tema não tinha a atenção dispensada hoje.
Segundo ele, o modelo puramente puniti- de defesa do patrimônio público e baixa escola- Existe defasagem na legislação considerando
vo e repressivo se mostra ineficaz no combate ridade, agora os servidores patrulham áreas e a evolução do problema da segurança na úl-
à criminalidade e, desde a década de 90, são atuam na mediação de problemas. Nos novos tima década.” A Conferência Nacional de Se-
propostas novas formas de atuação. Cita o au- concursos públicos são admitidos funcionários gurança Pública, em 2009, feita a partir de de-
tor Theodomiro Dias Neto, que trabalha com o com o Ensino Médio completo. bates em todos os municípios, deverá discutir
conceito de Nova Prevenção, trazido da expe- Os agentes usam armas em Porto Alegre o assunto.
riência da Itália, buscando uma compreensão desde 2007. Segundo a prefeitura, a Guarda faz Financiado pelo Conselho Nacional de Pes-
interdisciplinar do problema, ao detectar uma a média de 852 averiguações e 1,2 mil patru- quisa e Desenvolvimento Tecnológico, o estudo
série de variáveis que influencia na questão lhamentos diários. Também na Capital foi ins- contou com a participação dos alunos de Direi-
(gênero, etnia, classe social e localização geo­ tituído o Vizinhança Segura, que envolve dife- to da PUCRS Eduardo Pazinato da Cunha, Mar-
gráfica). Para essa concepção, a atuação re- rentes secretarias municipais, Brigada Militar e celo Luchese Cordeiro e Ana Maria Izolan e a
pressiva frente a conflitos sociais é apenas uma Polícia Civil. O Programa identifica problemas e colaboração das mestrandas Andréa Fagundes
medida reativa e não chega a tratar a causa. em parceria com a comunidade sugere práticas e Tatiana Baierle, ambas da UFRGS.

14 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008


radar Aranhas em
exposição no Museu
Universidade está entre A
final, as ara-
nhas são nos-
Foto: Juliane Bentes Picanço

as mil melhores do mundo


sas inimigas
ou aliadas? Para res-
ponder a essa per-
gunta, o Museu de
Ciências e Tecnologia

R
ecentemente foi divulgado o ranking da We- melhores. O ranking completo pode ser visto no site (MCT) apresenta uma
bometrics, considerado um dos mais confiá- www.webometrics.info. exposição, visando
veis de avaliação de universidades no mundo, A Universidade também se destacou num estu- desmitificar certas
realizado pelo National Research Concil (Espanha), do encomendado pela empresa alemã Bosch. Nele crenças sobre esses
seguindo os Princípios de Berlim de Educação Supe- foram identificadas as principais universidades lati- animais, divididos em
rior. Tendo por base dados de mais de 16 mil insti- no-americanas na área de Engenharia de Sistemas 40 mil espécies. Além São 40 mil espécies
tuições (pesquisas, publicações internacionais qua- e Software. A PUCRS ficou em 2º lugar, tendo a pri- de imagens microscó-
lificadas dos docentes e pesquisadores), a PUCRS meira colocação entre as universidades privadas do picas em ampliações impressionantes, haverá
ocupou a posição número 969. No Brasil, a Univer- Brasil e da América Latina. Dentre os indicadores aranhas vivas. No espaço serão realizadas pa-
sidade ficou em 14º lugar, sendo a segunda comu- observados estavam as publicações, qualidade e lestras e apresentados trabalhos em Aracnolo-
nitária e particular do País, e a primeira da Região quantidade de projetos (principalmente envolvendo gia. A exposição ocorre até 30 de novembro, na
Sul. Em relação à América Latina, está entre as 30 empresas), parcerias, entre outros. área de exposições. O MCT funciona de terças-
feiras a domingos, das 9h às 17h. Mais infor-
mações no www.pucrs.br/mct/eventos.

Simpósio discute Giuseppe Garibaldi


Olimpíada PUCRS
O
Programa de Pós- O objetivo é registrar a
Graduação em Histó- passagem do bicentenário de
ria promove, de 10 a nascimento de Garibaldi, como
12 de setembro, o Simpósio personagem destacado na his-
A Globalização do Pensa- tória latino-americana e euro-
mento Libertário: Garibaldi péia, ao integrar ações inter-
em Movimentos Internacio- nacionais. Haverá painéis com
nais. As atividades realiza- especialistas de várias partes
das na PUCRS representam do mundo, além da presença
a última etapa de um gran- de Anitta Garibaldi Jallet, bis-
de evento internacional, cujo neta de Garibaldi, professora
primeiro momento desenvol- das Universidades de Siena e
veu-se na Universidade de LUISS e diretora administrativa
Urbino (Itália), em novembro do Museu da Família Garibaldi,
de 2007, e o segundo, na em Roma. Inscrições e infor-
Universidade de Carolina do mações no site www.pucrs.br/
Sul (EUA), em abril. Bicentenário do político eventos/garibaldi. Estádio Universitário sediará o evento

A
s Pró-Reitorias de Extensão e de Assun-
tos Comunitários lançaram, em agos-
to, a primeira edição das Olimpíadas
PUCRS, que serão realizadas em outubro no
Parque Esportivo da Universidade. A ativida-

Convênio com Coimbra permite intercâmbio de tem entre seus objetivos promover um am-
biente de convívio social na comunidade inter-

A
na e estabelecer canais efetivos e afetivos com
PUCRS e a Universidade de Coimbra Jornalísticos da Universidade de Coimbra, a
os alunos e egressos. Podem participar univer-
assinaram um convênio de cooperação diretora da Faculdade de Comunicação Social
sitários matriculados neste semestre em cur-
acadêmica, científica e cultural para in- (Famecos), Mágda Cunha, e as professoras da
sos de gra­duação ou pós-graduação, além de
tercâmbio entre estudantes e professores e Famecos Ana Maria Steffen e Cláudia Moura.
diplomados em qualquer um dos campi (Cen-
realização de eventos. O Assessor de Assun- Isabel ministrou o Seminário Teorias da Glo-
tral, Viamão e Uruguaiana). Os jogos ocorre-
tos Internacionais e Interinstitucionais da Uni- balização, Mídia e Identidade aos alunos do
rão em três finais de semana nas modalida-
versidade, Dario de Azevedo, recebeu a pro- Programa de Pós-Graduação em Comunica-
des futebol de campo, futsal, voleibol e tênis.
fessora Isabel Ferin, do Instituto de Estudos ção da PUCRS.
As inscrições serão mediante a doação de 1kg
de alimento não-perecível ou um agasalho por
atleta e devem ser feitas até 15 de setembro
no DCE (térreo do prédio 9). Informações: (51)
3320-3500, ramal 4035.
sa ú de

Estudo testa realidade virtual


contra estresse pós-traumático
C
erca de 6,8% da população sofre de estresse nando noutro lugar. Com a realidade
pós-traumático. Como o nome sugere, esse virtual poderíamos manipular o que
transtorno pode ser causado por eventos está ocorrendo, parando situações
traumáticos fortes, como estupros ou assaltos, por para conversar e reavaliar”, observa
exemplo. Pesquisadores das Faculdades de Psicolo- o professor.
gia e Informática pretendem verificar se a realidade A situação escolhida para o teste
virtual pode auxiliar no tratamento desse distúrbio, é um assalto a banco, visando a um
de maneira eficaz e mais rápida. futuro tratamento de bancários que
Um dos coordenadores do projeto, o professor apresentam estresse pós-traumático
Christian Kristensen, da Psicologia, conta que esse após essa experiência. Kristensen ex-
transtorno é muito incapacitante. “Ele gera grandes plica que a escolha se deve ao fato de
prejuízos nas relações interpessoais e no trabalho, ser um grupo, em geral, homogêneo,
podendo evoluir para co-morbidades como depres- com semelhanças entre o perfil das
são e abuso de substâncias químicas”, relata. pessoas e as estruturas dos bancos.
O tratamento normal é feito por meio de terapia Participarão dos testes voluntários Cenário virtual de agência bancária para simular um assalto
cognitivo-comportamental (psicoterapia) e, depen- que não apresentam traumas.
dendo do caso, com o uso de medicamentos recei- A parte técnica está sendo desenvolvida pelo dos), além de óculos especiais de realidade virtual e
tados por um psiquiatra. Como parte da psicoterapia Grupo de Realidade Virtual da Faculdade de Infor- dispositivos para captar alguns movimentos.
é feita a terapia de exposição, que expõe o paciente, mática, coordenado pelo professor Márcio Pinho. O O professor Pinho conta que o maior desafio
gradualmente, à situação semelhante à causadora objetivo é simular virtualmente o ambiente de uma será a interatividade. “Queremos avaliar se será
do trauma para que, aos poucos, tenha uma res- agência bancária, com imagens, sons e a possi- possível produzir algum tipo de interação e sensa-
posta de relaxamento. Essa terapia pode ser feita bilidade de executar tarefas, como caminhar pela ções. Conseguiremos provocar uma resposta de an-
num lugar real ou ser simulada num consultório ou agência ou mexer num caixa eletrônico. Baseando- siedade, por exemplo? A pessoa perceberá de onde
clínica, em que a pessoa é estimulada a imaginar a se na tecnologia utilizada em jogos, pretendem usar vem um som?”. Apresentando resultados positivos,
situação. “O terapeuta não tem controle sobre o que uma tela com recursos de estereoscopia (sensação essa tecnologia poderia ser adaptada para utiliza-
o paciente está pensando. Ele pode estar se imagi- de que objetos se aproximam e que podem ser toca- ção em clínicas e consultórios.

Inaugurado Centro de Diagnóstico e Tratamento Intervencionista


O
Centro de Diagnóstico e Tratamento Inter- também o tratamento de várias doenças
vencionista (CDTI) do Hospital São Lucas cardíacas, vasculares ou neurológicas
(HSL), inaugurado em julho, substituiu o através da introdução de pequenos ca-
Serviço de Hemodinâmica. Depois das reformas teteres (na maioria das vezes com dois
estruturais e investimentos de US$ 1,5 milhão milímetros) na circulação. Por meio da
em novos equipamentos, no novo espaço pode- intervenção são diagnosticados e solucio-
rão ser solucionados com agilidade e segurança nados, por exemplo, obstruções de veias e
casos complexos ou que antes exigiam cirurgias artérias causadoras de angina e enfarte.
extensas. O CDTI permite a realização de procedi- “Com cateteres extremamente flexíveis é
mentos em diferentes áreas médicas: radiologia possível atingir diferentes partes do corpo
intervencionista, neurorradiologia intervencionis- que necessitem tratamentos minimamen-
ta, terapia endovascular, eletrofisiologia cardíaca te invasivos e de rápida recuperação do
e cardiologia intervencionista, atendendo a pa- paciente”, explica o cardiologista interven- Equipamentos de ponta: agilidade e segurança
cientes particulares, conveniados e usuários do cionista Paulo Caramori, chefe do CDTI.
Sistema Único de Saúde (SUS). Luiz Carlos Bodanese, chefe do Serviço de Car- O Centro recebe estudantes de Medicina e
A capacidade de atendimento foi ampliada diologia do HSL, destaca a agilidade como principal recém-formados do interior, de outros estados e
em 50% e a nova área física dispõe de três sa- benefício. “Muitas vezes temos minutos para decidir do Uruguai para treinamento. O CDTI está locali-
las de procedimentos e 14 leitos na sala de recu- e tratar o paciente. São minutos que salvam vidas”, zado no 3º pavimento do HSL. Informações: (51)
peração. Os exames possibilitam o diagnóstico e enfatiza. 3336-8797 e 3320-3494.

16 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008


U
m projeto inovador preten- passaram a se integrar mais com

Foto: Horton/stock.Xchng
de verificar o que ocorre outras pessoas, a contar histó-
com idosos expostos a um rias para a família e criaram até
programa cultural envolvendo lei- um grupo de passeios culturais.
tura, análise e produção de textos Deu tão certo que resolvemos
literários. Unindo os esforços de montar um projeto de pesquisa,
professores e bolsistas das Fa- agora com apoio da Psicologia”,
culdades de Letras e Psicologia, observa.
a pesquisa envolve 15 voluntá- A professora da Faculdade
rios com mais de 60 anos. Eles se de Psicologia Rochele Paz Fonse-
reú­nem na PUCRS, semanalmen- ca, também coordenadora do es-
te, para analisar diferentes tipos tudo, aponta como possíveis efei-

Projeto avalia efeitos


de textos, como crônicas, contos tos positivos, após três meses de
e poemas, além de assistirem a atividades, uma melhora signi-
filmes e desenvolverem outras ficativa na atenção, concentra-
atividades de expressão escrita. ção e motivação desses idosos.
Todos os encontros, realiza- Espera-se também estimular a

da literatura na
dos pela equipe da Letras, são linguagem oral e escrita, melho-
gravados, para que os pesquisa- rar as memórias episódica (que
dores da Psicologia possam, pos- envolve eventos datados), visual
teriormente, analisar a reação e a e semântica (significados, con-

cognição dos idosos


participação dos voluntários. ceitos), melhorar as funções exe-
Dentre os requisitos dos par- cutivas (planejar, criar, uma das
ticipantes selecionados estão: ter primeiras funções a declinar com
no mínimo cinco anos de escola- a idade), entre outros avanços.
ridade formal e estar em convívio Dependendo dos resulta-
social com outro grupo que não en- dos, poderá haver repercussão
volva um programa cultural, para que os reais efeitos A professora Maria Tereza Amodeo, da Facul- em políticas públicas. “Poderemos comunicar aos
das atividades propostas sejam analisados. A equipe dade de Letras, uma das coordenadoras do estudo, governos que profissionais podem ser contratados
da Psicologia fez alguns testes com os idosos antes do conta que a idéia surgiu a partir de um outro projeto, para intervir nesse meio com esse tipo de atividade,
início do projeto, como avaliação do funcionamento da também com idosos, realizado pela Faculdade des- que visa a melhorar a qualidade de vida do idoso”,
memória, que serão refeitos ao final para comparação. de 2002, o Muita Prosa e Muito Verso. “Os idosos observa a professora.

Descobrindo um novo mundo depois dos 60 anos


E
Foto: Divulgação
les testemunharam grandes avanços tec- to de qualidades inteligentes e
nológicos, como a chegada da televisão ao da cidadania, além da desco-
Brasil e do homem à Lua. Hoje, não se con- berta das próprias potenciali-
tentam em ser espectadores e querem usufruir dades, contribuindo para uma
dos benefícios da sociedade atual, navegando melhora na qualidade de vida.
pela internet, criando blogs e utilizando o compu- A cada final de semestre
tador para aprender outras línguas. Trata-se de os participantes mostram os
um grupo de idosos que participa gratuitamente trabalhos desenvolvidos num
do Projeto PotencialIdade, promovido pelo Pro- evento chamado PotencialIda-
grama de Pós-Graduação em Gerontologia Bio- de em Foco. A última edição
médica, vinculado ao Instituto de Geriatria e Ge- teve direito até a um teatro en-
rontologia (IGG) da PUCRS. cenado por eles em espanhol.
Criado em 2004 pela professora Valdemarina “Eles estão sempre preocupa-
de Azevedo e Souza, tem como objetivo principal dos em se manter atualizados.
a inclusão digital dos idosos para exercício da ci- Têm blog, MSN, e agora pedi-
dadania. Inicialmente é oferecida uma oficina de ram aulas de Matemática e Ativos e integrados: grupo do Projeto PotencialIdade
informática, onde aprendem a navegar pela in- Português. É importante essa
ternet, a utilizar softwares como Word e Power participação deles, construindo o seu próprio co- a leitura. Dentre eles está o do participante Edson
Point, entre outros. Também estudam inglês e es- nhecimento”, comenta a coordenadora do projeto, Pereira de Oliveira, 75 anos: “Desde que tenho par-
panhol e têm oficinas de terapia ocupacional. Os professora Carla Schwanke. ticipado das oficinas, minha vida mudou no sentido
professores são os mestres e alunos do Progra- Para a 54ª Feira do Livro de Porto Alegre, que de valorização pessoal. Sinto-me mais confiante no
ma, que analisam os resultados da participação ocorre de 31 de outubro a 16 de novembro, está pre- futuro, embora a idade avance inexoravelmente”.
em suas pesquisas. visto o lançamento de um livro sobre o projeto. In- O Projeto foi agraciado com o troféu e selo
Dentre os efeitos esperados estão a amplia- titulado Inclusão Digital de Idosos: a descoberta de Top Cidadania em 2007, concedido pela Associa-
ção/manutenção da memória, a mudança na um novo mundo trará entre outras coisas, relatos dos ção Brasileira de Recursos Humanos do Rio Gran-
concepção de envelhecimento, o desenvolvimen- idosos, impressos com uma letra maior para facilitar de do Sul.
sa ú de

Revelados processos do cérebro


associados ao medo
P
Foto: Jan Roger Johannesen/stock.XCHNG
esquisadores do Centro de Memória, do Ins- multidimensionais.
tituto de Pesquisas Biomédicas (IPB) da Os pesquisadores
PUCRS, publicaram, no mês de julho, um dessa área ainda
artigo no Proceedings of the National Academy of buscam descobrir
Sciences (PNAS), no qual demonstraram que duas como essas di-
áreas do cérebro, o hipocampo e a amígdala baso- mensões intera-
lateral, processam em paralelo informações relacio- gem entre si, como
nadas a uma memória aversiva. Enquanto informa- as informações
ções emocionais são processadas na amígdala, o são processadas,
mesmo ocorre no hipocampo com os dados espaço- armazenadas e
temporais. Até então se sabia que a memória estava reestruturadas.
ligada a essas duas áreas, mas existia dúvida se o O próximo pas-
processamento da informação ocorria de forma se- so do grupo agora
qüencial ou paralela. No estudo, baseado em expe- é desvendar essa
rimentos com ratos e análises bioquímicas e farma- interação, se a
cológicas, descobriu-se esse efeito paralelo. memória pode ser
Segundo o professor Martín Cammarota, vi- considerada mutá-
ce-diretor do IPB e um dos autores do trabalho, o vel, imutável, se é Pesquisadores buscam descobrir como as dimensões da memória interagem entre si
estudo sugere que é possível modular farmacolo- definida por módu-
gicamente, de maneira independente, diferentes los que se reúnem quando necessário, entre outros membro da Academia Americana de Ciências, foi
aspectos de memórias traumáticas, ou seja, elas questionamentos que serão, aos poucos, respondi- também assinado por Lia Bevilaqua, Janine Rossato
podem ser controladas em vias distintas, mexendo dos pelos experimentos, o que também não deixa de e Ramón Lima. Janine foi uma das cinco homena­
num componente sem que se interfira em outro. passar, de certa forma, pela Filosofia. geadas no País pelo Programa de Bolsa-Auxílio
O professor observa que as memórias, tanto O trabalho publicado no PNAS, que constitui o (Grant) L’Oréal Brasil para Mulheres da Ciência –
dos seres humanos quanto de outros animais, são arquivo inaugural do professor Iván Izquierdo como 2008, em agosto.

Uso de tecnologias da informação e comunicação na saúde


A
Foto: Arquivo Pessoal
professora Thais Russomano, coordenado- a que tratava de Políticas de eHealth Nacionais, da
ra do Centro de Microgravidade, vinculado qual participou a professora da PUCRS, que também
à Faculdade de Engenharia, e docente da coordena o Laboratório de Telemedicina do Centro de
Faculdade de Medicina, integrou um seleto grupo Microgravidade.
de profissionais convidados a participar de uma Thais Russomano conta que ouviu os relatos do
reunião internacional sobre eHealth, organizada que tem sido feito em outros países, e que a expe-
pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pro- riência pode servir de inspiração para aprimorar as
movida pela Fundação Rockefeller. atividades voltadas à eHealth realizadas na Univer-
O termo eHealth se refere ao uso das tec- sidade, envolvendo as áreas da pesquisa, ensino
nologias da informação e comunicação para médico e assistência em saúde. “A telemedicina é
melhorar a saúde, enfrentando desafios como apenas um dos ramos da eHealth, pode-se atuar de
reforçar cuidados preventivos para reduzir as maneira muito mais abrangente”, observa.
pandemias. Para a Organização Mundial da Saúde a
Realizada entre 13 de julho e 8 de agosto no eHealth deve estar entre os principais assuntos de-
Campus da Fundação em Bellagio, na Itália, a batidos nos países, atualizando leis e regulamenta-
reunião teve como objetivo principal estabelecer ções ultrapassadas, atribuindo financiamento ade-
diretrizes para a política de telessaúde no mundo quado a projetos na área, facilitando a cooperação
a partir de experiências selecionadas entre seis entre os governos e as indústrias, criando padrões
países, incluindo o Brasil. A conferência foi dividi- para a troca, segurança e privacidade de informa- Grupo de trabalho: Thais (de preto) com
da em diferentes sessões, dentre as quais estava ções, entre outras iniciativas. profissionais de Uganda, Argentina e África do Sul

18 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008


ciência

Salão de Iniciação Científica


incentiva a pesquisa
D
urante qua-
Destaques
tro dias movi-
mentados de Ciências Sociais Aplicadas
agosto, 1.300 traba- Camila Zardo
lhos foram apresen- Carolina Vestena
tados no 9º Salão Fernanda Lima
de Iniciação Cien- Thiago Araujo
tífica da PUCRS. O Ciências Exatas e da Terra
número é recorde no
evento, que ofereceu Carlos Rosa
Cleomar Oliveira
também a 3ª mostra
Diogo Schwanck
de Pesquisa da Pós- Filipe Collioni
Graduação e a 1ª
Mostra de Trabalhos Ciências Humanas
Científicos das Esco- Daiane Bitencourt
las Maristas. Denize Freitas
A competição Fernanda Streppel
é dividida em seis José Ruivo
grandes áreas – Ci- Marjorie Machado
ências Sociais Apli- Ciências Biológicas
cadas, Ciências da Os grandes vencedores do evento da PUCRS obtiveram a maior nota Anamélia Jesus
Saúde, Ciências Gabriel Larre
Exatas e da Terra, Ciências Humanas, Ciências O físico e lama budista Padma Santem mi- Dos 1.300 tra-
Biológicas e Lingüística, Letras e Artes –, cujos nistrou a palestra de abertura, cujo tema foi Ci- balhos apresenta- Ciências da Saúde
vencedores foram, respectivamente, Diego Silva, ência e conhecimento na cultura da paz, assunto dos, 60% eram de Ananda Rucatti
Marcele Peretto, Natacha Alves, Sabrina Rusch, do Salão deste ano. “À medida que os jovens se alunos da PUCRS. Caroline Abud
Sabine Oliveira e Jonas Saraiva. Os premiados ob- conectam com a ciência, estão buscando a paz, Os outros vinham de Caroline David
tiveram a maior nota, assim como outros colegas. pois começam a conhecer os outros e as outras mais de 50 universi- Josiane Machado
O critério de desempate foi a avaliação do currículo perspectivas”, disse. “Talvez não percebamos que dades e institutos de
dos concorrentes. Sendo assim, os outros alunos a ciência está envolvida com a busca da felicida- ensino e pesquisa. Mais de 350 avaliadores de uni-
que receberam a nota, foram diferenciados com de, mas temos que entender que ela não deve ferir versidades e cerca de três mil alunos estiveram en-
destaque (quadro). essa busca”, observou. volvidos diretamente.

Museu fará um palco para a ciência


N
os dias 21 e 22 de outubro, o térreo do pré- Cada escola pôde inscrever dois trabalhos, com, Os objetivos são de incentivar o desenvolvi-
dio 50, no Campus Central, será transfor- no máximo, um professor orientador e quatro alu- mento de feiras de ciências, estimular o interes-
mado num grande laboratório de ciências. nos, a partir da 5ª série. Os temas tratados serão se do conhecimento científico dos jovens e de-
A mudança será por conta da 1ª Feira de Ciências de livre escolha dos estudantes. “A Feira será to- safiar os alunos para que eles possam ir além.
& Inovação do Museu de Ciências e Tecnologia talmente realizada pelas escolas. O Museu forne- “Queremos que eles conheçam uma universida-
(MCT), com apoio do Ministério da Educação. O cerá a estrutura”, afirma Marcos Salami, assisten- de e se sintam próximos do ambiente acadêmi-
evento terá a participação de 33 escolas federais, te do MCT e um dos responsáveis pela organização co, incentivando-os a cursar o nível superior”,
estaduais e municipais de Ensino Médio e Funda- do evento. Além do certificado de participação, os afirma a professora Elaine Vieira, da Faculda-
mental. A visitação será gratuita, das 9h às 17h. alunos e professores inscritos ganharão almoço, de de Educação e uma das responsáveis pelo
O evento proporcionará que os alunos pes- lanche e um ingresso para o MCT. Os rea­lizadores evento. Entre as metas também está fortalecer
quisem e aprendam sobre ciência antes mes- organizam reuniões com os professores das esco- os vínculos entre a Universidade, as escolas e
mo da realização da Feira, pois os materiais ex- las, onde orientam como montar uma oficina e fa- a comunidade, aprimorando os conhecimentos
postos serão criados pelos próprios estudantes. zer um pôster. dos professores.

PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 | 19


ciência

“A vida não pode ser instrumenta 


Para a bióloga e química alemã, devem surgir alternativas ao uso de embriões
Complementa que as investigações com o
Por ana paula acauan material do próprio paciente têm-se mos-
trado flexíveis e versáteis.

A
professora da Universidade de Ham- De 2002 até hoje, a Alemanha deu li-
­burgo (Alemanha) Regine Kollek, cença a 28 projetos com células-tronco em-
integrante dos Comitês de Bioética brionárias. No país, é permitida a pesquisa
da Unesco e Nacional de Ética, diz que apenas a partir da importação do material
as opiniões contra e a favor de pesqui- criado antes de maio de 2007. A regra ante-
sas com células-tronco embrionárias têm rior estabelecia o limite de janeiro de 2002, o
como base diferentes contextos: de reli- que reduzia as linhagens disponíveis. Sobre
gião, ética, filosofia, história, interesses o motivo de não se produzir na Alemanha
de grupos específicos, ciência e medicina. os embriões para pesquisa, Regine explica
O passado nazista deixou a lição: “A vida que seria necessário revisar o rígido códi-
não pode ser instrumentalizada”. Qual- go de proteção. Julgamento da Corte Federal
quer experimento deve ter consentimento de 1975 estabeleceu que a vida existe pelo
prévio. Regine argumenta que a proteção menos a partir do 14º dia depois da nidação
de embriões contra a sua instrumentali- (fixação do óvulo fecundado no útero). Em
zação e comercialização se justifica inclu- 1993, o início foi definido pela fecundação.
sive no caso de uma prática socialmente Sobre essas questões, Regine concedeu en-
aceita de interrupção da gravidez. trevista à revista PUCRS Informação.
Em palestra na PUCRS, a convite da
Faculdade de Filosofia e Ciências Huma- A Alemanha faz pesquisas só com célu-
nas, Instituto de Bioética, Escritório de las-tronco embrionárias importadas. O
Ética em Pesquisa da Pró-Reitoria de Pes- que se discute atualmente?
quisa e Pós-Graduação e Instituto Goe­ Nós temos uma lei de proteção rígi-
the, a professora lembra dúvidas sobre o da na Alemanha proibindo a destruição de
potencial terapêutico das células embrio- embriões. Só podem ser criados com fins
nárias e o risco de formação de tumores. Regine Kollek lembra as “lições” deixadas pelo passado nazista de reprodução. Entretanto, permitiu-se a

Universidade manterá pesquisas com células-tronco adultas


Além das controvérsias quanto às questões éti- periférico ou alterações cardíacas. “A Universidade cias, Clarice Alho, há um sem-número de perguntas
cas envolvidas, as pesquisas e a aplicação clínica de entende que as pesquisas envolvendo células-tron- sobre o desenvolvimento do embrião e a formação
células-tronco embrionárias têm um longo caminho a co adultas devem continuar, sendo uma das insti- dos órgãos. A pesquisa básica poderá respondê-
percorrer. Referência no uso de células adultas para tuições brasileiras que se destacam nessa área”, las. Porém, defende que sejam antes ampliadas
tratamento de lesões de nervo periférico (fora da co- afirma. A PUCRS tem um Escritório de Ética em as investigações em outros modelos experimentais.
luna), o cirurgião Jefferson Braga Silva, professor da Pesquisa e um sistema de Comitês de Ética para Há seqüências de genes de moscas, por exemplo,
Faculdade de Medicina da PUCRS, acredita que leva- analisar essas questões que visam a garantir a in- que sintetizam proteínas idênticas às humanas. “As
rá pelo menos 20 anos até que comecem a aparecer tegridade das investigações desenvolvidas. condutas com material humano devem ter uma jus-
os resultados das investigações com as embrioná- Outro empecilho das embrionárias, segundo tificativa muito plausível. Por que usar embriões?”,
rias. Ao contrário, no consultório de Braga Silva vá- Braga Silva, é o alto custo, por envolver investiga- questiona, destacando todo seu status de ser hu-
rios casos apresentam melhora mais rápida e eficaz ção bioquímica. Lembra que no Brasil existem ape- mano. Em relação à pesquisa aplicada, Clarice cita
com o material extraído dos próprios pacientes. nas pesquisas básicas in vitro, pois só em maio o que as células embrionárias, por terem crescimento
O Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, Supremo Tribunal Federal, ao analisar ação direta descontrolado, podem gerar tumores.
Jorge Audy, reforça que a PUCRS conta com diver- de inconstitucionalidade, aprovou estudos com em- Durante a fase embrionária, que acontece du-
sos centros e núcleos de pesquisa desenvolvendo briões congelados há três anos ou mais na data de rante a gestação, as células-tronco dão origem a
estudos com células-tronco adultas para combater publicação da Lei de Biossegurança (24 de março todos os tipos de células que formarão o organismo.
males como Parkinson e epilepsia, além da recu- de 2005). É preciso o consentimento dos genitores. Após o nascimento, são encontradas células-tronco
peração de lesões traumáticas do sistema nervoso Para a vice-diretora da Faculdade de Biociên- em diversos tecidos ou órgãos (adultas).

20 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008


 lizada” Jogadores da dupla Gre-Nal
participam de estudo clínico Foto: Alexandre Lops/Internacional

importação porque as células-tronco não são


os embriões. O Parlamento fez uma lei que em
princípio proíbe as pesquisas, mas em certas
condições se pode importar. São células criadas
nos Estados Unidos, Irlanda, entre outros, talvez
não-ideais para uso voltado a terapias. Cientis-
tas dizem que primeiro deveriam fazer pesquisa
básica, entender como funcionam as células.

Não há ainda resultados clínicos com o uso


de células-tronco embrionárias. O que a se-
nhora pensa a respeito?
Pesquisas em células embrionárias podem
ser interessantes para entender os processos
básicos, como se diferenciam e se transformam
em funcionais. Esse estudo pode ser feito com
animais. As células têm um grande problema: é
muito difícil controlar o processo de diferencia-
ção e isolá-las em estado puro. Há um risco de
que se transformem em cancerígenas, prolife-
rando tumores. Nós devemos buscar alternati- Pesquisa visa ao tratamento de lesões musculares dos atletas

O
vas. Com certeza, as células adultas o são. Mas
não é simples usá-las. Houve muito progresso Serviço de Cirurgia da Mão e Microcirur- por semanas ou até meses a participação dos
nos últimos três anos nos Estados Unidos e no gia do Hospital São Lucas (HSL), o Labo- jogadores nos campeonatos.
Japão no desenvolvimento de pele e tecidos. ratório de Pesquisa Cirúrgica da Faculda- A pesquisa dividirá os atletas em três gru-
Muitos cientistas que trabalhavam com célu- de de Medicina e o Programa de Pós-Graduação pos. No primeiro, serão submetidos ao tratamen-
las embrionárias estão agora mudando para as em Medicina começaram, no final de agosto, to da lesão muscular com PRP. No segundo, ha-
adultas porque é mais fácil controlá-las e há um estudo com atletas profissionais do Grêmio verá aspiração do hematoma, o que geralmente
mais modelos. É interessante em termos eco- e Internacional visando ao tratamento de lesões os clubes fazem nesses casos. O terceiro grupo
nômicos. Provavelmente o trabalho com as em- musculares. O coordenador da pesquisa, médico terá assistência clínica (repouso, gelo, antiinfla-
brionárias não será realmente necessário. Tal- e professor Jefferson Braga Silva, explica que o matórios, elevação da perna e mobilidade). En-
vez para pesquisa básica, não para terapia. objetivo é verificar a utilização de plasma rico em velopes contendo as três formas de tratamento
plaquetas (PRP) na recuperação dos jogadores. serão sorteados ao acaso.
Uma questão complicada: quando a vida co- “Dentre as várias opções de tratamento estuda- Todos os pacientes serão encaminhados para
meça? das, essa é uma alternativa promissora para re- um médico especializado em medicina do espor-
Em meu entendimento, o verdadeiro início generar o músculo lesionado e com menor forma- te visando à reabilitação funcional. O profissional
é quando o esperma e o óvulo se fundem e um ção de tecido cicatricial.” O atendimento, feito no não saberá que tipo de tratamento o paciente re-
novo organismo começa a viver. Não é plausível HSL, terá o acompanhamento dos médicos dos cebeu previamente.
dizer que isso se dá 14 dias depois. Por quê? clubes, Márcio Bolzoni (Grêmio) e Márcio Rabello
Seria quando se inicia o desenvolvimento do (Inter). A pesquisa deverá durar seis meses.
Integram o estudo jogadores de 19 a 29
sistema nervoso? Isso é arbitrário. Esses são
diferentes estágios de desenvolvimento, mas anos, com lesão intramuscular aguda e tempo o procedimento
não vale como argumento escolher um deles. de evolução inferior ou igual a sete dias, com
Mas a minha opinião não necessariamente sig- diagnóstico clínico comprovado por ressonân- Para a pesquisa, será utilizada a con-
nifica que não poderemos destruir ou abortar cia magnética. Estarão excluídos os que tiverem centração de plaquetas no plasma depois da
um embrião. Existem situações de conflito en- doenças que alteram o processo de reparação centrifugação de uma amostra de sangue. As
tre duas vidas, como mulheres grávidas doen- (diabetes, doenças do colágeno e hematológi- plaquetas atuam na cicatrização de feridas,
tes ou necessidade de defesa pessoal em caso cas, processos infecciosos locais e sistêmicos) contêm fatores de crescimento que, em con-
de ataque. Em pesquisa, essa não é a questão. e lesões osteomusculares associadas. As le- tato com receptores específicos, promovem a
Destruir embriões é para saber como conduzir sões intramusculares são freqüentemente ori- angiogênese (para a criação de vasos sangüí-
uma nova terapia. Dizem que isso se justifica ginadas de sobrecarga dinâmica durante saltos, neos, importantes na cicatrização e neoforma-
para que outras vidas possam viver. Mas os ar- chutes e corridas rápidas. Podem impossibilitar ção tecidual), induzem a proliferação e migra-
gumentos devem ser outros. ção de fibroblastos (células que fazem parte
do processo de reparação tecidual), estimulam
a síntese de matriz extracelular e de colágeno.
Fonte: Jefferson Braga Silva
tecno l ogia

Laboratório avalia equipamentos


usados em atmosfera explosiva
R
ecentemente foi concluída a montagem do Labo-
ratório de Equipamentos para Áreas Classificadas,
que integra o Labelo (Laboratórios Especializados
em Eletroeletrônica, Calibração e Ensaios). Criado para
Ventiladores
analisar equipamentos elétricos utilizados em ambientes
com risco de explosão, pode ser considerado um dos mais
de teto são
modernos do mercado mundial em função da automatiza-
ção dos postos de ensaio que utilizam gases inflamáveis.
testados na
Devido à alta complexidade das atividades realizadas, a
equipe teve de passar por treinamentos nos EUA, na Hun-
Universidade
gria e na Alemanha.
O vice-diretor do Labelo, Álvaro Theisen, conta que
no Brasil, assim como em vários outros países, os equi- Local está entre os mais modernos do mercado mundial
pamentos elétricos usados em locais onde há gases in-
flamáveis, como plataformas de petróleo e minas, por zem respeito a invólucros à prova de explosão, imersão em
exemplo, necessitam de certificação de acordo com as areia, proteção de equipamentos por segurança aumenta-
normas de segurança aplicáveis. Uma simples lanterna da, entre outros. Ele acredita que as atividades ali desenvol-
pode causar um acidente de grandes proporções se não vidas ajudarão a atender à grande demanda dos fabrican-
for projetada adequadamente e avaliada em laboratório tes pelos ensaios. Atualmente, muitos acabam optando por
para se comprovar que ela não provocará uma explosão fazer testes fora do país devido à sobrecarga dos laborató-
em ambientes contendo gases inflamáveis. rios existentes no Brasil, localizados no eixo Rio-São Paulo.
Segundo o engenheiro responsável pelo Laboratório O novo laboratório, é uma parceria entre a PUCRS, a
de Equipamentos para Áreas Classificadas, Antonio Cesar Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e a Underwri-
Manfrin, o Labelo está apto a realizar os ensaios mecânicos, ters Laboratories (UL), organização norte-americana de
térmicos e elétricos exigidos pelas normas, como os que di- ensaios de segurança, certificação e inspeção. Etiqueta de eficiência energética

D
esde o mês de agosto, todos
os ventiladores de teto co-
mercializados no Brasil são
ETT gerencia registro de marcas testados no Labelo (Laboratórios
Especializados em Eletroeletrôni-

O
Escritório de Transferência de Tecno- Raiar também procuram o ETT para o ser- ca, Calibração e Ensaios), para que
logia (ETT), ligado à Pró-Reitoria de viço. A KW Informática obteve o registro e a recebam a etiqueta indicadora da
Pesquisa e Pós-Graduação, passa Pandorga e PowerSysLab aguardam a con- eficiência energética (consumo de
a concentrar todo o processo de registro de cessão de suas marcas. energia). O Labelo é o único lugar
marcas na Universidade. Até o momento, A coordenadora do ETT, Elizabeth Rit- no País que realiza esse tipo de en-
há 43 solicitações ao Instituto Nacional de ter, diz que o registro da marca é importan- saio.
Propriedade Industrial (Inpi), 15 conces- te para proteger e agregar valor a um bem Antes de adquirir um eletrodo-
sões e 11 publicações. Entre as aceitas, es- intangível. Ao conferir exclusividade, impe- méstico é importante verificar qual
tão a marca PUCRS, com seu brasão e o de que outras empresas usem o seu nome letra indica a sua eficiência energé-
lema Ad Verum Ducit (Conduz à Verdade), em produtos e serviços, beneficiando-se tica. Um produto classificado como
União Brasileira de Educação e Assistência da sua imagem ou causando dano a ela. “A”, por exemplo, consume menos
(Ubea), Laboratórios Especializa- A partir da capacitação da energia do que um produto classi-
dos em Eletroeletrônica (Labelo), equipe, o ETT realiza o registro, ficado como “E”.
Faculdade de Informática (Facin) e além de acompanhar os proces- Além da eficiência dos venti-
Instituto de Geriatria e Gerontologia sos. Os interessados devem pro- ladores, fabricados no Brasil e no
(IGG). Recentemente, foram enca- curar o setor (no prédio 96 do Tec- exterior, é testada a sua segurança
minhados os pedidos do Parque Científico e Tecnológico nopuc), que providencia o pedido após se certificar de elétrica. Como os testes ainda são
(Tecnopuc), Incubadora Raiar, Delfos – Espaço de Docu- que não existe a marca dentro da mesma classe (por recentes, não há como comparar
mentação e Memória Cultural, Centro de Modelos Bio- exemplo, de serviços de educação ou produtos). Antes se a eficiência desses equipamen-
lógicos Experimentais (Cembe), Rota do Conhecimento o gerenciamento era feito externamente por escritório tos tem melhorado ou não.
e Método Trevisan de Educação Marista (Metramar), do contratado para essa finalidade. O registro da marca
ex-diretor e vice-diretor do Instituto Marista Graças, de é válido por dez anos, prorrogável por período igual su-
Viamão, Irmão Albino Trevisan. Aguardam publicação cessivamente, sem limite de tempo. Caso contrário,
22as |marcas InovaPUC,
PUCRS AGT e Pró-Mata.
INFORMAÇÃO Empresas da fica extinto
Nº 141 • setembro/outubro 2008 o registro e a marca estará disponível.
Clima, fauna e flora PUCRS tem
primeira
monitorados no Litoral Sul patente
concedida
P nos EUA
Foto: Divulgação/Trevisa
esquisadores da Fa-
culdade de Biociências

D
(Fabio) e do Centro de
epois de licenciar suas duas
Energia Eólica (CE-Eólica) da
primeiras patentes para uma
PUCRS, vinculado à Faculda-
grande indústria farmacêuti-
de de Engenharia, realizam
ca nacional, a PUCRS obteve a con-
um estudo sobre clima, fauna
cessão da primeira patente nos EUA.
e flora de uma área próxima
Trata-se da invenção Concurrent
à reserva ecológica do Taim,
process for blind deconvolution of
no Litoral Sul do Estado, loca-
digital signals (Processo para des-
lizada a cerca de 80km da ci-
convolução autodidata concorrente),
dade de Rio Grande. O projeto
de autoria dos professores Maria
faz parte de um convênio da
Cristina de Castro e Fernando César
Universidade com a empresa
de Castro, vinculados ao Centro de
Trevisa, por meio de sua con-
Pesquisa em Tecnologias Wireless
trolada Trevo Florestal, e pre-
da Faculdade de Engenharia. A pa-
vê o mapeamento ambiental Estudo fará mapa ambiental da região de 12 mil hectares
tente, também concedida na Coréia,
de uma região de 12 mil hec- Foto: Divulgação/CE-Eólica
foi requerida no exterior, por meio do
tares pertencentes à Trevisa,
Escritório de Transferência de Tecno-
onde há plantação de pínus e
logia da Universidade, em março de
eucalipto.
2002, e tem pedidos tramitando na
Na primeira parte do tra-
China, Japão, Alemanha, Finlândia,
balho foi feito um reconheci-
França, Inglaterra e Suécia.
mento inicial do local por par-
A professora Maria Cristina ex-
te da equipe, coordenada pelo
plica que a nova tecnologia elimina
professor Jorge Villar Alé, do
o problema de interferência inter-
CE-Eólica, e da qual ainda fa-
simbólica em sinais digitais, proble-
zem parte o professor Cláudio
ma decorrente do efeito dispersivo
Mondin, da Fabio, técnicos e
estagiários da Fabio e da Fa- (multipercurso) presente em qual-
culdade de Engenharia. Os quer canal de transmissão prático
próximos passos serão o le- Equipe técnica da PUCRS fez reconhecimento do local (“fantasma” na imagem analógica
vantamento de dados sobre a e, no caso da TV Digital, interrupção
fauna e a flora da área e a instalação de uma torre meteo­ Pelo convênio, além de colocar a área de 12 mil hec- no sinal, por exemplo).
rológica para fazer medições climáticas. Posteriormente, tares à disposição do projeto, a Trevisa se compromete a A patente é aplicável em siste-
será feita uma análise estatística dos dados levantados oferecer a infra-estrutura de apoio no local para a equipe mas de telecomunicações digitais
no monitoramento. “Com isso, teremos um banco de da- da PUCRS. “Colocamos à disposição dados de nossa área em geral, como telefonia celular,
dos que poderá nos mostrar como se comporta o clima que tem ecossistema muito rico para a Universidade fa- televisão digital, rádio digital entre
em diferentes períodos”, conta Alé. O professor acredita zer pesquisas acadêmicas. Acreditamos que isso vai pro- outros, além de sistemas de tele-
que, com esses dados, inclusive a atividade naval será porcionar, no futuro, a difusão dessas informações sobre metria, sensoriamento remoto, loca-
beneficiada, pois haverá um maior conhecimento das va- flora, fauna e clima da região para a sociedade. Em con- lização e medição geodésica (GPS,
riáveis climáticas da região. trapartida, a empresa terá maior conhecimento da sua por exemplo), de auxílio à navega-
Com o projeto de pesquisa, que terá duração de oito área”, diz Jorge Lindemann, diretor da Trevisa. Na região, ção, de prospecção sísmica por re-
meses, pretende-se monitorar também dados sobre as por ser de banhado, espera-se encontrar muitas aves, flexão e refração de ondas e, ainda,
velocidades e direção do vento, importantes para várias anfíbios, como jacarés, e pequenos mamíferos. sistemas de radar e sonar. “Trata-
atividades. A região a ser estudada tem um indicativo O professor Jorge Alé acredita que o projeto também se de um processo de baixo custo
histórico de muito vento, pois se localiza próxima ao mar. permitirá avaliar o potencial para geração de energia eóli- computacional, considerado o esta-
Novos levantamentos sobre ventos ainda não foram fei- ca em pequena ou grande escala. Entretanto, no momen- do da arte em equalização adaptati-
tos, mas o professor Alé observa que poderá ser avaliado to, poderia haver restrições por o local estar próximo à va autodidata, sendo capaz de des-
o potencial eólico assim como ser correlacionado o efeito Reserva Ecológica do Taim. “Desta forma, o resultado do convoluir os mais complexos canais
do vento com os aspectos do comportamento florestal e estudo ambiental que será realizado na região é funda- de transmissão”, salienta.
vegetal nas áreas expostas aos ventos predominantes. mental”, observa.

PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 | 23


entrevista

O papel do educador na so Abdeljalil Akkari, consultor da Unesco, fala so


Por mariana vicili

E
m julho a PUCRS sediou o 3º Congresso Na-
cional Marista de Educação, reunindo mais
de 2,5 mil professores de todo o País. O foco
principal dos debates foram as novas configura-
ções da profissão e da missão do educador no
século 21. Entre os conferencistas internacionais
estava o professor Abdeljalil Akkari, da Univer-
sidade de Genebra, na Suíça. Akkari é consultor
da Organização das Nações Unidas para a Edu-
cação, a Ciência e a Cultura (Unesco), e diretor
de pesquisa na Haute École Pédagogique. Reali-
za pesquisas sobre desigualdades educacionais,
educação comparada e conexões entre culturas
e educação. Na ocasião, realizou palestra sobre
O ofício de educador na sociedade do conheci-
mento: profissão e missão. Antes da conferência,
concedeu entrevista exclusiva à revista PUCRS
Informação falando sobre o tema e comentando
a respeito da educação no Brasil.

Quais são os maiores desafios dos educadores na


sociedade do conhecimento?
Percebo três desafios principais. Primeiro, aju-
dar os alunos a selecionarem as informações mais
importantes. Numa internet, num banco de dados,
existe muita informação. O problema é identificar a
informação que tem valor científico, valor numa dis-
ciplina. A segunda missão é ajudar os alunos a ver
a informação do ponto de vista crítico. Significa que
nem tudo o que encontramos na internet e em outras
fontes é bom. Não precisamos aceitar tudo sem dis-
cussão. A terceira condição é pensar que a internet
é só um meio para melhorar a nossa produtividade
como educando, que deve ser um instrumento, e não
uma finalidade da educação. É preciso conectar o que
encontramos na internet com outro meio de conheci-
mento, valorizando a relação do professor diretamen-
te com o educando.

A filosofia marista de ensino valoriza muito essa


relação, além de buscar a formação do aluno
como um todo, como profissional e como pessoa. que não tem como objetivo só uma preparação ins- mano. Tive a oportunidade de participar do primeiro
O que o senhor acha? trumental. É uma perspectiva interessante, porque a congresso marista em 1997, em Curitiba, e fui con-
Na perspectiva marista, o estudante é prepara- tendência é menos ética, menos moral. Em vários lu- vidado para uma intervenção durante este evento. O
do para o emprego, para a universidade, mas sem- gares no mundo, inclusive no Brasil, a educação virou que me impressionou mais é que este congresso é um
pre com uma visão histórica e filosófica de prepará-lo um mercado para gerar lucro, vender curso, enrique- encontro da comunidade marista de todo o Brasil. Tem
para ser responsável pela sua vida, com uma postu- cer. A educação marista procura conviver com essa heterogeneidade, diversidade cultural, diversidade de
ra crítica. É importante existir esse tipo de instituição realidade, mas num aspecto mais espiritual, mais hu- instituições, o que é uma questão muito importante.

24 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008


ociedade do conhecimento
obre os desafios dos professores no século 21
No Brasil, a educação enfrenta um problema mui- para participar realmente da vida social, política e
to sério: cada vez menos pessoas querem traba- educacional. No Brasil, historicamente, o programa
lhar como professores, principalmente nos En- educacional foi inspirado no dos Estados Unidos. O
sinos Fundamental e Médio. O que poderia ser programa norte-americano é baseado nas catego-
feito? A melhora do salário resolveria? rias raciais. Significa que o cidadão americano se
Estou pesquisando agora mesmo a questão encaixa em categorias, como branco, mestiço, ne-
da qualidade da educação básica no Brasil. A idéia gro, entre outros. O problema é que aqui no Brasil a
é ver a opinião dos professores que atuam na rede pessoa é que tem que dizer a sua “categoria”. Deixa
particular e pública sobre a qualidade da educação. muita margem à interpretação de cada um, e essa
A maioria dos professores que entrevistamos conta designação da raça dá problema. Na França a ação
que o salário tem relação com o desempenho deles, é territorial, ou seja, quando você mora num bairro
porém, muitos acreditam que melhorar o salário não periférico, o Estado vai ajudá-lo, não você, mas o
vai necessariamente implicar a melhoria do trabalho bairro. Por exemplo, o professor que trabalha numa
do professor. Não é só salário, é uma questão de re- favela ganha mais do que um que trabalha no centro
conhecimento social. No Brasil, percebo que o pro- da cidade. O que acho interessante na perspectiva
fessor não tem esse reconhecimento. Alguns até co- brasileira é a questão social, sobretudo os alunos
mentaram: “Quando as pessoas sabem que a gente é que passaram pela rede pública e podem ingressar
professor de Ensino Fundamental, dizem: ‘que pena, em universidade pública ou privada.

‘‘
você não encontrou outro trabalho?’ ”. Não tenho so-
lução para reformar isso, mas essa pesquisa pode E quanto à educação a distância no ensino supe-
ajudar a ver por que a questão é assim. rior? O senhor acredita que é uma tendência?
Vejo que havia muita esperança nos cursos a
Alguns países com o mesmo nível de desenvol- distância. Vou falar da minha própria experiência lá
vimento do Brasil conseguiram avanços nessa na Universidade de Genebra. Estou experimentando Em vários lugares no
área. O que poderia ser tomado como exemplo? cursos semipresenciais e percebo que, para se ter
Para melhorar a educação básica num país, um bom curso a distância, você precisa trabalhar mundo, inclusive no
estudam-se vários países no mundo, sobretudo os mais do que com cursos tradicionais. Quando deci- Brasil, a educação
asiá­ticos, que alcançaram um bom nível educacio- di fazer uma parte do curso nessa modalidade, não
nal. O que se pode observar? Primeiro: tem que in- tive tempo suficiente para melhorá-lo para que fosse virou um mercado
vestir mais na educação. O Brasil investe bastan- adaptado. Um curso a distância pede muita prepa-
te, mas não investe o correspondente à sua riqueza ração no aspecto técnico, gráfico. Esse tipo de curso para gerar lucro,
econômica. A qualidade da educação não pode sair tem muita interatividade com os alunos. O que sig- vender curso,
de uma escola que não tem banheiro, não tem teto, nifica que podemos contatar o professor a qualquer
não tem água. Todos os estudos internacionais apon- momento do dia, da noite. Há uma relação privilegia- enriquecer. A
tam a importância da questão da infra-estrutura. Há da com cada estudante. O problema é que isso tam-
também os livros didáticos. Não existe um lugar no bém precisa de tempo. Mas isso depende também da educação marista
mundo onde a educação melhorou sem livro didático disciplina. Tenho uma postura bastante crítica sobre procura conviver
apropriado, publicado no lugar, de acordo com reali- uso e abuso de cursos a distância na educação supe-
dade cultural e social local. O terceiro ponto é a for- rior. A questão é, queremos curso a distância porque com essa realidade,
mação e a condição do trabalho do professor. é mais barato ou mais eficiente para conseguir um
objetivo de aprendizagem?
mas num aspecto
Passando do ensino básico para o superior. O que mais espiritual,
o senhor acha da experiência do ProUni e das co- Aqui na PUCRS nós temos alguns cursos com
tas no Brasil? disciplinas a distância na graduação, uma ou mais humano. É
É difícil para um pesquisador estrangeiro opinar duas... uma perspectiva
de forma lúcida sobre isso, mas vou tentar. Eu mi- Penso que não se deve parar a experiência com
nistro um curso sobre educação comparada e relato cursos a distância. O que não acredito é num pro- interessante, porque
sobre essa experiência brasileira. Algumas pessoas grama inteiro nessa modalidade. A presença de uma
falam que a educação tem que se basear na ques- ou duas disciplinas com material bem preparado é a tendência é menos
tão do mérito. Outra parte da população acha que válida. O melhor curso a distância é aquele criado na ética, menos moral.
existem alguns grupos discriminados socialmente, universidade que ajuda o professor a prepará-lo, que
e que o Estado tem o papel de ajudar esse grupo investe.

PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 | 25


O Um olhar sobre
lhando-se para os últimos 30 anos da história da Pontifícia Uni-
versidade Católica do Rio Grande do Sul, descortina-se um perío­
do em que não faltaram grandes momentos. Alguns revestidos
de profunda solenidade, outros de importantes conquistas científicas,
acadêmicas e inúmeros de iniciativas sociais e comunitárias. PUCRS
Informação acompanhou cada um deles, procurando descrever os fatos,
desvendar suas chaves explicativas e, mais recentemente, interpretan- PUCRS Informação completa 30 anos
do-os para os seus leitores.
Embora em três décadas a publicação
tenha mudado tanto quanto a PUCRS, na
essência mantém algumas características
básicas que nasceram com ela. Continua di-
nâmica, bem informada e influente.
O reconhecimento dessa influência vem
pelo expressivo retorno de seus leitores e a
conquista de prêmios de destaque em comu-
nicação. Torna-se visível também porque mui-
tas de suas reportagens servem como pauta
para outros veículos de comunicação, jornais,
revistas, televisão, rádio e internet. “Nosso de-
safio é traduzir a linguagem acadêmica, cien-
tífica, para a jornalística. Qualquer pessoa pode ter acesso ao saber Desafio: traduzir a linguagem acadêmica para
produzido na Universidade. Temos a preocupação em nos expressar
didaticamente”, afirma a editora executiva, Magda Achutti. letim para jornal até se transformar numa
O público leitor ultrapassa os limites da PUCRS. Além dos alunos, revista, registrando passo a passo a his-
professores e funcionários, a revista é enviada para outras univer- tória da Instituição. Com o passar do tem-
sidades, governos, imprensa e pessoas interessadas em recebê-la. po, apresentou sensíveis mudanças tanto
“A repercussão é surpreendente. Recebemos cartas e e-mails vindos na forma como no conteúdo, periodicida-
de todo o País e do exterior”, diz Magda. Todos os alunos da graduação de, aumento do número de páginas e de exemplares, além de impressão
recebem a revista pelo correio, multiplicando o número de leitores que em cores.
inclui suas famílias. Há ainda displays com a publicação espalhados A primeira capa colorida, na edição número 53, em dezembro de
estrategicamente em todos os campi. 1993, coincidiu com os 45 anos da PUCRS e a inauguração do Centro
PUCRS Informação foi criado em novembro de 1978, no formato de de Ciência e Cultura. Em agosto de 1998, PUCRS Informação começou
boletim, durante as comemorações do aniversário de 30 anos da Uni- a ser impresso totalmente em policromia. Encartes especiais em papel
versidade – atendendo a um antigo desejo do Reitor Ir. José Otão, que cuchê, marcaram os 50 anos da Universidade e a inauguração do Mu-
morrera naquele ano. Em três décadas, assinalou sua passagem de bo- seu de Ciências e Tecnologia, em dezembro de 1998.
e três décadas Época de mudanças
 registrando a história da Universidade e avanço tecnológico
N
A partir de 2000, PUCRS Informação os últimos dez anos, escrever, até a gráfica. Lembra
transformou-se em revista bimestral, com avanços sem preceden- da fase em que a publicação
identidade e design avançados. A tiragem tes no campo tecnológi- era finalizada em fotocompo-
aumentou para 35 mil exemplares e as re- co tornaram obsoletas práticas sição, processo no qual a pá-
portagens também ficaram disponíveis na de trabalho que tinham atra- gina era montada com títulos,
internet. Novos projetos gráficos lançaram vessado incólumes as décadas textos e fotos colados, antes de
mão de recursos mais atraentes para va- anteriores. Das velhas máqui- ser fotolitada (etapa anterior à
lorizar as matérias jornalísticas. A tiragem nas de escrever, os jornalistas impressão). Ele e Mágda revi-
pulou para 45 mil exemplares e o núme- hoje escrevem suas reporta- savam todo o periódico de 12
ro de páginas alcançou 48, em 2004. Em gens em computadores conec- páginas pelo menos três vezes
maio de 2005, na edição 124, nova con- tados à internet e conversam em busca da margem de erro
quista: a revista é impressa em papel entre si de uma mesa para ou- zero. Não esquecem uma noite
cuchê, ganhando maior qualidade gráfica. tra. Esse é apenas um exemplo em que faltou energia elétrica e
a jornalística Em março de 2005, o site da publica- de como a evolução da ciência a tarefa foi concluída à luz de
ção foi reformado e desenvolvido em sin- e da técnica não é apenas re- velas e lanternas. Certa vez, o
tonia com o projeto gráfico, preservando sua identidade visual. Mostra tratada nas reportagens da re- título de uma reportagem des-
os destaques da edição, links para todas as matérias, conteúdo na ínte- vista PUCRS Informação, mas colou-se antes de ser fotolita-
gra em formato PDF, além das edições anteriores. também permite que elas se- do e o jornal quase foi impres-
A cada edição um trabalho exaustivo e cuidadoso é realizado pela jam preparadas de forma muito so assim. “Já pensou sair uma
equipe do núcleo editorial da Assessoria de Comunicação Social, forma- mais rápida e eficiente do que matéria sem título?”, recorda
do por repórteres, editora, fotógrafos, estagiários e revisor, com auxílio dos há 30 anos, quando tudo co- Carvalho, que chegou a tempo
integrantes do Arquivo Fotográfico, que guarda mais de cem mil imagens meçou. de corrigir a falha na Gráfica
digitalizadas da PUCRS. O projeto gráfico e a editoração são realizados pela Carlos Alberto Carvalho, Epecê.
empresa Pense Design. Assuntos são peneirados, centenas de fotos se- coordenador do Setor de TV da A informatização começou
lecionadas, várias filtragens, entrevistas, redação, edição e revisão até o PUCRS e presidente da UNI- em 1995, quando uma das pá-
material estar pronto para a impressão na Gráfica Epecê. O resultado é um TV, assumiu a coordenação da ginas foi enviada em disquete
conjunto de leitura dinâmica e agradável, que relata não apenas as notícias Assessoria de Comunicação para o diagramador. “Na linha
da Universidade, mas o contexto no qual elas se inserem na sociedade. Social em 1989 e transformou editorial, o objetivo era não fa-
os projetos gráfico e editorial zer do jornal um grande relise.
da publicação. “A Universidade As notícias traziam ligações
crescia e precisava de um veí- com a atualidade, eram con-
culo que fosse além de um bo- textualizadas”, destaca Mágda,
letim voltado apenas para seu hoje diretora da Faculdade de
público interno. A idéia era dar Comunicação Social da PUCRS,
uma nova dimensão, atingin- enfatizando que, durante uma
do diversos segmentos da co- década, PUCRS Informação foi
munidade pela necessidade de o grande canal de comunicação
dialogar com ela”, pondera. da Universidade. “É um veículo
Carvalho acompanhava que caiu no gosto dos leitores,
com a então editora executi- eles começaram a sugerir pau-
va, Mágda Cunha, toda a pro- tas, participar e, rapidamente,
dução de PUCRS Informação, toda a PUCRS se integrou”,
da redação, em máquinas de completa.
a l unos da pucrs

Diário do Campus
completa cinco anos
D
iário do Campus, revista eletrônica produ- ra podemos aproveitar bons materiais que eram
zida e apresentada por alunos da Faculda- descartados por falta de espaço e tempo, colo-
de de Comunicação (Famecos), é reestru- cando-os à disposição dos telespectadores no
turada ao comemorar cinco anos. O programa é site”, destaca o professor.
transmitido diariamente, às 20h50min, pela UNI- O Diário do Campus estreou apresentan-
TV (canal 15 da Net) e também está disponível no do apenas uma matéria de três minutos por dia.
site da PUCRS (www.pucrs.br). O Centro de Pro- Essa é a segunda grande reformulação do progra-
dução e Multimídia (CPM), unidade responsável ma – a outra ocorreu em 2006. Hoje as edições Estudantes apresentam a revista eletrônica
pela atração, também está de aniversário. têm cerca de dez minutos. “O projeto gráfico foi
Com novo cenário, linguagem renovada e no- desenvolvido apenas para a televisão, por isso conteúdo ao meio”, explica Pellanda. Desde abril,
vos repórteres, o objetivo é aproximar-se do pú- parecia ‘deslocado’ no site. Percebemos que ne- o Diário está disponível via bluetooth, no térreo
blico, formado principalmente por jovens acadê- cessitava de uma atenção especial, de adaptar o do prédio 7.
micos. Produzido, apresentado e editado por dez
estagiários do CPM, estudantes de Jornalismo,
chega a atingir picos de mil visualizações por dia
no site. Os futuros profissionais de comunicação Treinamento para o mercado
vivem o ambiente de uma redação e fazem rodízio O Centro de Produção e Multimídia (CPM) conta com dois estúdios,
de funções a cada semana. “A meta é que eles um laboratório e duas salas de edição, somando 24 computadores para
façam o programa sozinhos. Técnicos e professo- edição de vídeo. “Somos uma redação modelo para o mercado”, diz Edu-
res apenas orientam o trabalho”, diz o professor ardo Pellanda destacando o papel que o espaço tem de auxiliar na forma-
do CPM Eduardo Pellanda. “Aqui temos a oportu- ção de alunos de praticamente todos os cursos da Famecos. “Ter feito parte
nidade de explorar todas as funções e aprender da equipe do CPM faz diferença na hora de concorrer a uma vaga no mercado. Eles valorizam o
muito”, concorda CÍNTHIA BARBOSA, estagiária profissional que tem uma formação completa, sabendo editar, produzir, escrever e até ser câme-
do local há um ano. ra”, afirma VERÔNICA PIAS, integrante do primeiro grupo de estagiários da unidade que, depois
Estão programadas extensões de conteúdo de cinco anos no mercado, retornou para a PUCRS, agora como funcionária.
para internet, matérias interativas e links. “Ago-

Diplomada conquista medalha inédita em Pequim


A
Fotos: Divulgação
ex-aluna da tores, orientado
Faculdade de pela professora
Administração, Stefânia Ordo-
Contabilidade e Eco- vás de Almeida.
nomia, FERNANDA “Durante a mo-
RYFF MOREIRA DE nografia a Fer-
OLIVEIRA, e sua par- nanda também
ceira, Isabel Swan, estava em pre-
foram as primeiras paração para
velejadoras brasilei- o Pré-Olímpico
ras a conquistar uma de Atenas. Foi
medalha olímpica. um período que
A dupla ficou com a exigiu bastante, Velejadoras brasileiras competem na classe 470
medalha de bronze mas ela soube
na categoria 470 fe- utilizar a disciplina do espor- conquista do Campeonato Europeu de Optimist
minino nas Olimpía- te para conciliar o estudo com e as participações nas duas últimas Olimpía-
das de Beijing 2008, as competições”, diz a orienta- das. Agora realizou um sonho, conforme escre-
em prova disputada Fernanda conquistou o bronze dora, lembrando que a escolha veu em seu blog www.fernandaoliveira.com.br.
em Qingdao (China). do tema surgiu das dificuldades Ela começou a velejar numa colônia de férias
A velejadora concluiu o curso de Adminis- que a atleta-estudante enfrentava para conseguir no Clube Jangadeiros, de Porto Alegre. A diver-
tração no primeiro semestre de 2004, com o patrocínio. são passou a ser mais séria em 1997, quando
trabalho intitulado Plano de incentivo ao patro- Fernanda, que iniciou na vela aos 11 anos, tornou-se profissional e iniciou nas competi-
cínio esportivo para a empresa WCA – Consul- considerava as maiores emoções no esporte a ções na classe 470.
Um dia de Cientista
Fotos: Divulgação

A
tividade integrada dos PETs Psicologia e muito mais que uma simples relação de traba-
Química proporcionou uma manhã de cien- lho. Existe um forte elo de companheirismo e de
tista para 15 alunos carentes da Escola Es- confiança. É muito mais do que se deter a teorias
tadual de Ensino Fundamental Profª Léa Rosa Ce- em sala de aula. É ver a aplicabilidade de nos-
chini Brum, que aprenderam a fazer sorvete com so conhecimento e, frente a isso, a valorização do
nitrogênio líquido, geleca (tipo de massa de mo- ser humano.”
delar), reações químicas e ainda viram o açúcar Os materiais foram cedidos pelo PET-Quími-
ser transformado em carvão. Seis acadêmicos da ca, sem custo algum para a escola. “A atividade
Química e três da Psicologia, com os tutores dos confirma um dos objetivos do PET, de atuar nas
PETs, Marcos Seferin e Helena Scarparo, respec- áreas de pesquisa, ensino e extensão, permitin- Alunos da Escola Léa Cechini Brum
tivamente, auxiliaram as crianças, de dez a 12 do ao aluno da PUCRS conhecer um mundo maior
anos, nas atividades realizadas no Laboratório do do que a esfera acadêmica de seu curso”, afirma dia-a-dia, como em fazer sorvete, por exemplo.
prédio 12. “Eles voltaram para a escola dizendo o professor, que projeta continuar com a turma. Foi uma descoberta importante, e os acadêmicos
que querem ser cien- “Pretendemos acom- se viram como mediadores desse processo, fa-
tistas”, conta Seferin. panhar este grupo, pro- zendo as crianças se enxergarem como possíveis
HENRIQUE FER- movendo outras ações cientistas”, constata Helena.
REIRA, acadêmico do e fornecendo uma vi- Os alunos redigiram uma matéria sobre a ex-
PET Psicologia, definiu são mais ampla do que periência para o jornal Soltando as Idéias, publi-
a experiência: “Tra- é ciência”. Depois da cação feita em parceria com os acadêmicos da
balhar com as crian- experiência os alunos Psicologia. “Chegamos lá, vestimos jalecos e luvas
ças é um processo de da Psicologia fizeram plásticas e aprendemos a fazer várias coisas. Tira-
constante aprendiza- uma avaliação da ati- mos muitas fotos e parecíamos químicos”, escre-
do, de ‘mão dupla’, vidade. “As crianças veram os pequenos. Interessados podem entrar em
pois aprendemos tanto entenderam que a Quí- contato com os PETs pelos e-mails petpsicologia@
quanto elas. Criamos Crianças entenderam mais a Química mica está presente no pucrs.br e petquimica@pucrs.br.

A relação dos jovens Famecos vai ao Festival de Gramado


com o dinheiro
O
Fotos: Divulgação
36º Festival de Ci-
nema de Gramado

O
s jovens nunca estão satisfeitos, contradizem-se so- contou com ampla
bre o que gostariam de fazer e o que realmente fazem participação dos alunos da
com o seu dinheiro, são sustentados pelos pais, usam Faculdade de Comunicação
o cartão de crédito como a principal via para pagamentos Social (Famecos). Além do
e são informados sobre economia. Estas são algumas das tradicional estande, quatro
conclusões da pesquisa A relação do jovem com o dinhei- acadêmicos do curso de Jor-
ro desenvolvida no Laboratório de Tendências e Criativida- nalismo estiveram na cidade
de (LabT) da Faculdade de Comunicação pelos alunos BRU- produzindo reportagens para
NA TOCCHETTO e MAURÍCIO MONTARDO. O LabT funciona o Diário do Campus, Hiper-
como uma agência de Publicidade e serve como estágio – texto, TV Foca e Cyberfam.
voluntário e curricular – para acadêmicos do curso de Publi- Filmes dos estudantes do
cidade e Propaganda. curso superior de Tecnologia
Para descobrir como o jovem gasta seu dinheiro, Bruna em Produção Audiovisual,
e Montardo decidiram pesquisar universitários entre 18 e 24 Cinema e Vídeo participaram Acadêmicos entrevistaram os atores
anos, das classes A e B. Trabalharam com uma amostra de de mostras paralelas, como
seis estudantes, e investigaram quais suas fontes de renda o Gramado Cine Vídeo, no qual a atriz tre FERNANDA SEVERO e JAQUELINE
e qual o valor que eles dão ao dinheiro dependendo de sua Luciana Verch recebeu menção honro- ALVES DE BASTIANE, que concorreram
fonte (estágio, mesada, pais). Montardo participou do LabT sa pelo filme Fragmentos de bolo, da na categoria Vídeo Universitário Brasi-
durante o último semestre do curso. aluna PAOLA WINK, do terceiro se- leiro/Experimental. Na mostra de Cur-
A dupla constatou que a mídia é apontada como uma mestre. tas Gaúchos, do Prêmio Assembléia
das principais vilãs do capitalismo, o shopping está presente Além do filme citado, participaram Legislativa, Mesa de Bar, do aluno do
na vida dos jovens – por mais que eles sejam contra esse es- do Gramado Cine Vídeo os filmes A céu quinto nível PEDRO NORA, represen-
tabelecimento – investir é considerada uma boa idéia, mas aberto, de ALEXANDRE KUPINSKI, do tou a Famecos. O curta Um dia como
não agora, o dinheiro serve como motivação para trabalhar e segundo nível, que competiu na ca- hoje, do professor Eduardo Wannma-
eles pensam sempre em gastar mais. Apesar de fazer parte tegoria Vídeo Universitário Brasileiro/ cher, foi premiado como o melhor fil-
da faixa etária do grupo pesquisado, Montardo disse que não Documentário-Mostra Paralela e Ana- me da Mostra de Curtas Gaúchos do
se identificou com o resultado. grama, das alunas do terceiro semes- Festival.
a l unos da pucrs

Maratona de Arquitetura Monografia em


forma de ficção
premia os vencedores U m assassinato, contado por meio
de cartas e jornais. Esse é o tema
de Jogando Xadrez Consigo Mes-
mo, a primeira monografia em forma de
ficção da PUCRS, escrita em inglês –
aprovada com nota 9,8. A autora é DA-
NIELA ASPIS, que se graduou em Le-
tras – Licenciatura Dupla em Português
e Inglês no primeiro semestre de 2008 e
também é jornalista formada na Facul-
dade de Comunicação Social da Univer-
sidade. “Escrever ficção deu uma carga
de adrenalina ao trabalho e me deixou
muito satisfeita”, analisa Daniela, que
nunca havia escrito texto ficcional antes.
Marc Ferbis, o personagem princi-
pal da trama, tem 41 anos e é jornalista.
No primeiro capítulo, faz sua autobiogra-
fia – sem saber que será assassinado.
A segunda parte do trabalho é composta
por cartas que Ferbis enviou a um ami-
go/amiga, contando detalhes de sua vida
íntima. Com medo de ser descoberto, o
jornalista passa a assinar com pseudô-
nimos. A terceira parte traz notícias de
Desafio dos campeões: solucionar o problema de orientação no Tecnopuc jornais que acompanham desde o crime
até o julgamento do possível assassino,

O
s alunos GABRIELA MENGARDA, GUSTAVO da para solucionar uma deficiência diagnostica- tema do último capítulo. “É uma mistura
RICK, ISANA MIRANDA, NATALÍ BALDISSE- da pela direção do Parque”, afirma o professor de gêneros”, define a autora.
NA e ROBERTA AYALA venceram a 3ª Marato- Paulo Regal, diretor da FAU. Depois de passar Os capítulos têm nome de um mo-
na da Faculdade de Arquitetura (FAU). O desafio era por uma análise e aperfeiçoamento na Divisão vimento de xadrez. “Cada tópico é como
solucionar o problema de orientação no Parque Cien- de Obras, o projeto será implementado no local se fosse um jogo, nos quais o persona-
tífico e Tecnológico (Tecnopuc). “Temos 40 operações e haverá uma placa de agradecimento aos estu- gem vai se mostrando”, explica Danie-
instaladas no Parque em 5,4 hectares. Mesmo com dantes. A equipe vencedora foi premiada com um la. A orientação do trabalho de conclu-
a numeração dos prédios, o acesso não é objetivo, laptop. “Não há nada maior para um estudante são foi do professor Pedro Theobald,
fazendo com que as pessoas tenham dificuldade de do que o reconhecimento pela sua dedicação”, com a coordenação da professora Erica
orientação”, explica Roberto Moschetta, diretor do afirma Roberta. Schultz. “As principais cobranças eram
Tecnopuc. “Buscamos a Arquitetura com o objetivo ENELLI SOUZA, GABRIELA MENGARDA, MO- a precisão na ortografia, a concordância
de lançar um desafio aos alunos”, acrescenta. NIQUE FONTES, CARINA RESTELATTO e RAMA- verbal e a estrutura, para não compro-
“Levamos um susto com a proposta, pois achá- DAM PALUDO venceram o desafio da 2ª Maratona meter a veracidade dos personagens”,
vamos que iríamos construir e não resolver um pro- de construir um projeto para amenizar o calor do diz. Na banca de avaliação Daniela fa-
blema de comunicação visual. Mas a equipe con- saguão do prédio nove – onde ocorrem as apre- lou sobre o processo criativo da obra.
seguiu trabalhar em harmonia e fomos os primeiros sentações do projeto Sobremesa Musical, do Insti- “Tu inventas uma história e finges que é
a entregar o trabalho”, lembra Natalí. “Associamos tuto de Cultura Musical. O trabalho é baseado num verdade”, brinca. Para o futuro, apenas
o Tecnopuc a uma cidade, denominamos uma cor sistema de persianas. A equipe teve cuidado em planeja continuar escrevendo.
para cada uma das nove ruas que serão expos- manter a característica original do prédio e mantê-
tas em um totem”, explica Rick. “Talvez não seja lo iluminado. O projeto está com os arquitetos da
a solução mais bonita, mas com certeza é a mais Divisão de Obras para aperfeiçoamento.
funcional”, define Roberta. A comissão julgadora foi O projeto vencedor da 1ª edição está pronto
formada pelo professor Paulo Regal, pelo diretor do para ser executado. Trata-se de um Café Bar que,
Tecnopuc, Roberto Moschetta, por três professores no momento, a Faculdade de Arquitetura está em
da FAU, por um arquiteto da Divisão de Obras e por fase de escolha de quem irá operá-lo. Os vencedo-
um ex-aluno da Faculdade de Arquitetura. res foram os acadêmicos ANDRÉ COLOMBO, CAR-
“A grande diferença dessa maratona para as LA KRUG, MARIANA GALVANI, MARIANA PITTA e
anteriores é que agora foi feita uma encomen- MARIANA SPESSATTO.

30 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008


Pós-graduandos norte-americanos
conhecem a PUCRS
D
ezoito alunos do programa de Pós-Gradua­ tudantes da Universidade, visitaram
ção em Educação da New York University três escolas municipais, uma ONG e
(NYU) vieram a Porto Alegre conhecer a um programa de reciclagem de uma
PUCRS e pesquisar a educação no Brasil. Os es- vila da Capital. Acadêmicos da Le-
tudantes foram ainda ao Rio de Janeiro e a Salva- tras colaboraram fazendo a tradução
dor. O programa está em sua terceira edição e é simultânea de palestras e conversas
organizado pelos professores Bettina dos Santos, informais para os norte-americanos.
da Faculdade de Educação, e Fernando Naiditch, “É uma oportunidade incrível para os
da NYU e ex-docente da Faculdade de Letras. Dois estudantes da língua inglesa”, desta- Alunos da New York University pesquisam educação
educadores da universidade estrangeira acompa- ca Naiditch.
nharam o grupo e ministraram aulas aos brasi- Karen Smith estava interessada no contraste Marti procurou conversar com outros estudantes
leiros. entre Brasil e EUA. “Escolhi vir a Porto Alegre para e professores. “Vim ver o que outros educadores
Os pós-graduandos assistiram a palestras ver as diferenças entre o sistema de educação fazem ao redor do mundo, as diferenças e manter
de professores da PUCRS, conversaram com es- norte-americano e o brasileiro”, explica. Alejandro o diálogo aberto”, resume.

Fotos: Divulgação

destaques
Filmes, pipocas, platéia cheia: a mostra A doutoranda da Faculdade de Letras
Sessões Teccine fechou o semestre dos alunos DANIELA SILVA retornou da Universidade de
do curso de Produção Audiovisual – Cinema e Stanford (EUA) onde pesquisou para sua tese
Vídeo com chave de ouro. Foram apresentadas de doutorado-sanduíche, programa no qual
16 obras no auditório da Faculdade de Comu- uma parte do curso é realizada no exterior e a
nicação Social. “O nosso trabalho começa com outra na universidade de origem. A acadêmi-
uma idéia e só termina com o filme na tela”, ca planeja ser professora de literatura. “Meus
lembra o coordenador do curso, João Guilherme planos são de concluir a tese e iniciar um pós-
Barone. A cada semestre, 24 filmes são feitos doutorado”, projeta. Em seu trabalho, Daniela
pelos alunos da primeira à última etapa do cur- pretende propor novos modelos para escrita da
so. Os outros oito filmes serão apresentados O curta-metragem Chá das Três, desenvolvi- história da literatura e, para isso, utiliza alguns
no próximo semestre. “Trabalhamos como uma do por alunos de Produção Audiovisual – Cinema conceitos da área da informática. Na Califór-
grande produtora, dividida em cinco departa- e Vídeo, foi premiado na categoria documentário nia, recebeu co-orientação do professor Hans
mentos – referentes aos níveis”, define o pro- no 5º Putz – Festival Universitário de Cinema e Gumbrecht (foto). “Conheci o docente num se-
fessor. Depois da apresentação dos trabalhos, Vídeo de Curitiba. O filme aborda a sexualida- minário na PUCRS e esse primeiro contato de-
é feito um debate com o público, profissionais de na terceira idade, a partir do depoimento de finiu a escolha da universidade estrangeira. Em
do mercado e os diretores. “O evento gera a in- três mulheres com mais de 60 anos. O coorde- Stanford minha rotina era de aulas e de pes-
tegração dos alunos com a comunidade, com nador do curso, professor João Guilherme Barone, quisas na biblioteca, cujo acervo de literatura
os pais, com o mercado, além de promover a acredita que o tema escolhido pelos estudantes brasileira é muito rico”, lembra. Gumbrecht re-
troca entre os acadêmicos dos diferentes ní- foi determinante para o destaque: “É difícil ver tornará à PUCRS em janeiro de 2010, para a
veis”, destaca. jovens preo­cupados com a terceira idade”. IVO banca de Daniela, cuja orientadora é a profes-
SCHERGL JÚNIOR, diretor e roteirista, entregou sora Maria Eunice Moreira.
uma câmera para cada uma das protagonistas
e pediu que elas falassem sobre o tema. Schergl
conduziu a narrativa por meio de um questionário
entregue às participantes. SCHEILA MARAFON,
diretora de fotografia, diz que o tema é ainda mais
amplo. “Trata da mudança de valores, o que tu
pensas sobre o assunto quando és adolescente
e na terceira idade. O que será que vamos pen-
sar quando tivermos essa idade?”, questiona. Em
sua primeira participação em festivais, Chá das
Três venceu cerca de 50 concorrentes. Os alunos
mantêm um blog sobre o documentário: www.
docchadastres.blogspot.com.
l an Ç amentos da edipucrs

CONSCIÊNCIA EM EXPANSÃO: OS CAMINHOS DA ABORDAGEM


TRANSPESSOAL NA EDUCAÇÃO, NA CLÍNICA E NAS ORGANIZAÇÕES
Maria Cristina Monteiro de Barros (org.)
277p.

A obra é fruto de uma seleção das principais confe-


rências e mesas-redondas, bem como de alguns tra-
balhos que se destacaram nos temas livres, apresen-
tados no 1º Fórum Sul-Brasileiro de Transpessoal,
realizado na PUCRS em 2006. A abordagem transpes- CIBERCULTURA E
soal surge como um movimento científico-cultural de PÓS-HUMANISMO
interface entre as artes, religiões e ciências, resgatan-
do a importância da espiritualidade ao trazê-la à luz da Francisco Rüdiger – 239p. –
ciência e da prática profissional. Coleção Comunicação 44
O humanismo marca importante
época na história universal: será
a cibercultura o pano de fundo
para seu sepultamento? A partir
desse questionamento, o autor
explora o problema do pós-hu-
MATRIZES DETERMINANTES mano, conforme ele se apresen-
SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES ta nos cenários da cibercultura e
do pensamento tecnológico con-
José Teixeira Baratojo temporâneo.
87p.

O trabalho não objetiva apresentar a teoria matricial,


mas desenvolver algoritmos na aplicação do cálculo
matricial. É voltado para a formação de profissionais
das áreas de Matemática Aplicada, Física, Química,
Economia, Administração, Informática, Engenharia,
Estatística, entre outras. Traz em cada capítulo defi-
nições, notações usuais, questões resolvidas com ex-
plicações complementares e proposição de questões
com respostas.

ENCENANDO GÊNERO: CULTURA, ARTE E COMUNICAÇÃO ALEMÃES NA GUERRA


Marlene Neves Strey DOS FARRAPOS
Maria Eliza Vernet Machado Wilke Hilda Agnes Hübner Flores –
Roberta de Alencar Rodrigues 128 – Coleção História 6 (2ª
Viviane Giusti Balestrin (orgs.) edição revista e ampliada)
370p. – Coleção Gênero e Contemporaneidade 5 Visando recuperar a participa-
ção dos imigrantes alemães na
O volume apresenta um conjunto de textos que discu- Guerra dos Farrapos, a pesqui-
tem as diversas facetas sobre o gênero na cultura, na sadora realiza uma avaliação
mídia, nas artes, na literatura e no cinema. Vem auxiliar da documentação referente à
e consolidar o estudo da temática de gênero na contem- participação de dois grupos dis-
poraneidade com a indicação de que a transmissão de tintos de imigrantes alemães na
estereótipos de gênero se dá também pela mediação de Revolução Farroupilha: os solda-
espaços culturais. dos remanescentes do Regimen-
to de Estrangeiros criado por D.
Pedro I, mercenários e voltados
para as armas, e os colonos com
atenção voltada para o minifún-
32 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 dio agrário.
b as t idores

Informática
tem prédio
modelo
Beleza também é uma marca da construção Quinto andar: ponto de distribuição da rede
Salas e laboratórios são equipados
O
professor Avelino Zorzo, diretor da Facul- cin, onde os professores que atuam em tempo
dade de Informática (Facin), trabalha em com tecnologia de ponta integral têm um gabinete individual. Alunos de
seu gabinete no quinto andar do prédio mestrado, doutorado e graduação, que traba-
32, no Campus Central. O “veranico” de agosto fez a de estudante da Universidade. “Isso traz segurança
lham em projetos, contam com um espaço des-
temperatura subir em Porto Alegre. Sem se mexer da e agilidade. Temos registrado quem entrou e quem tinado à pesquisa. Esses andares possuem ainda
cadeira, apenas com alguns movimentos no mouse saiu de cada sala em cada horário”, informa Zorzo.
salas de reunião e um local de estudo com 96 pon-
de seu computador, Zorzo liga o ar-condicionado de Retroprojetores e quadros brancos estão pre-tos de trabalho, a maioria equipada com compu-
qualquer sala do prédio e continua suas atividades. sentes em todas as salas de aula, possibilitando aos
tadores. No sétimo e no oitavo andares está lo-
Este é um exemplo da “inteligência” do mais novo professores usarem diversos recursos, o que tornacalizada, provisoriamente, a empresa Dell. O nono
edifício da PUCRS, inaugurado em junho. Uma rede o aprendizado mais interessante para os acadêmi- andar é composto pelas caixas de água e demais
wireless está presente nos nove andares do local. A cos. Parte dos alunos utiliza seu notebook como um
equipamentos do prédio, como máquinas de ar-
beleza e a sofisticação da construção também des- verdadeiro caderno. Os ramais telefônicos são as-condicionado e elevadores.
pertam a curiosidade dos visitantes. sociados ao número da sala, facilitando a comuni- A Faculdade de Informática abriga atualmen-
A Faculdade conta com mais de mil alunos em cação interna. te dois cursos de graduação, os bacharelados em
seus cursos de graduação e pós-graduação. Todas O arquiteto Henrique Rocha foi um dos respon-
Ciência da Computação e Sistemas de Informação,
as salas têm detectores de movimento, que regis- sáveis pela obra. “O grande destaque é a economiaalém de oferecer, em parceria com a Faculdade de
tram se o ambiente está vazio e, se estiverem, as de energia, já que muitas das áreas não têm contato
Engenharia, o curso de Engenharia de Computa-
luzes são apagadas automaticamente. Em diversos com o exterior, diminuindo o uso do ar-condicionado,
ção. Além disso, a Facin conta com um Progra-
pontos no prédio, o acesso às salas é restrito, sendo o maior responsável pelos gastos”, diz. ma de Pós-Graduação que oferece os cursos de
controlado por computador. Os funcionários são ca- No primeiro piso estão instalados dois centros
mestrado e doutorado em Ciência da Computação
dastrados pelo crachá e os acadêmicos pela carteira de pesquisas da Faculdade, um em parceria com a e especializações em Informática na Educação e
Dell e outro com a HP, além de um auditório (com Gerenciamento de Projetos com ênfase em Tecno-
capacidade para 260 pessoas), um restaurante, o logia da Informação.
diretório acadêmico e a recepção. O segun-
A opinião dos alunos do, o terceiro e o quarto andares têm salas
de aula e laboratórios especiais para alu-
Acadêmicos que estudam no prédio 32 nos de graduação. No quinto andar está a
destacam as vantagens do local: sala dos servidores e ativos de redes, onde
“Os retroprojetores e as tomadas ins- trabalha parte da equipe da Gerência de
taladas nas salas facilitam a aula. Os profes- Tecnologia e Informação da PUCRS. O an-
sores trazem eslaides e nós podemos ligar o dar também é sede do setor administrativo,
notebook”, afirma Marcelo Mandelli, do 10º onde ficam as secretarias da Faculdade de
semestre de Engenharia da Computação. Informática e do Programa de Pós-Gradua-
“No interior do prédio o clima é ameno ção em Ciência da Computação, e as salas
mesmo no verão”, diz Fagner Zanata, do 5º de aula de pós-graduação e de orientação
semestre de Engenharia da Computação. aos alunos. Os 64 professores da Facin
“Os computadores dos laboratórios são contam, cada um deles, com um ambiente
muito bons”, constata Felipe Araujo, do 2º específico para trabalharem.
semestre de Sistemas de Informação. “A rede O sexto e parte do sétimo andar abri-
wireless é muito utilizada pelos alunos. Quem gam o programa de Pós-Graduação da Fa- Laboratórios especiais para alunos da graduação
leva o notebook consegue assistir aos eslaides
que o professor projeta no quadro no seu com-
putador por meio do moodle”, completa. PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 | 33
mem ó ria

Transformação pelas pessoas


PUCRS alcança novo patamar com a capacitação docente
Após o início da expansão do espaço físico, 1988, a Pró-Reito-
ampliação das Faculdades e do investimento em ria de Pesquisa e
pesquisa, percebeu-se que a PUCRS estava pronta Pós-Gradua­ção foi
para buscar um novo patamar. Para se tornar um a responsável pela
lugar de referência em educação superior e produ- elaboração inicial do
ção de novos conhecimentos, além de pólo inova- Plano de Capacitação
dor, era necessário investir no capital humano. E Docente, com o obje-
assim se fez. Os detalhes estão nesta reportagem, tivo de consolidar os
a penúltima da série sobre os 60 anos da Universi- programas de pós-gra-
dade, que serão comemorados em novembro. duação e criar novos
que atendessem às
demandas em áreas
Por mariana vicili não exploradas. Em
entrevista ao então

D
urante os 26 anos de gestão do ex-Reitor Nor- boletim PUCRS In-
berto Rauch (1978-2004), o fator considera- formação, em 1989,
do decisivo para a qualidade da Universidade o Pró-Reitor de Pes-
foi o foco no quadro docente, pesquisadores, téc- quisa e Pós-Gradua-
nicos, administradores e auxiliares. Após enfrentar ção da época, Urbano Cursos e seminários no programa de capacitação de professores
um desequilíbrio financeiro no período do regime mi- Zilles, enfatizou: “O tí-
litar no Brasil, que teve reflexos sérios sobre a polí- tulo de mestre ou doutor é apenas um dos indi- em abril de 1997, e o convênio de Plano de Saúde
tica de pessoal, foi possível corrigir a defasagem da cadores de qualidade, pois o professor necessita Unimed, disponibilizado desde 1996.
questão salarial dos colaboradores da Universidade de um dinamismo interior que o motive à atualiza- Atualmente, a qualificação e atualização do-
e avançar para uma profunda transformação. A mu- ção permanente. Além disso, o docente precisa ter cente é constante por meio de atividades, como cur-
dança do perfil da PUCRS estava em marcha. uma disposição de abertura que o leve a partilhar sos e seminários, promovidas pelas Pró-Reitorias de
Um programa de titulação e qualificação do- o saber e a produzir cientificamente”. Graduação e Pesquisa e Pós-Graduação. O Progra-
cente teve início na década de 80. Em O movimento foi tomando grandes proporções ma de Capacitação Docente na PUCRS se realiza ao
com a Política Interna de Capacitação final de cada semestre, reunindo professores de to-
Docente. Em 1991, foi lançado o desafio das as unidades acadêmicas.
Mil para dois mil. A meta era chegar ao O gerente de recursos humanos da PUCRS,
ano 2000 com mil professores titulados Júlio César de Bem, conta que, nos últimos anos,
mestres e/ou doutores. No livro Trajetó- a Universidade vem intensificando e qualificando
ria de um período: 1978-2004, Rauch suas ações para a capacitação de técnicos admi-
comenta sobre o sucesso do plano. “A nistrativos. “A maior delas foi a implantação da
resposta do corpo docente foi ótima. Ul- Política de Incentivo à Educação da PUCRS. Além
trapassamos a meta estabelecida antes disso, a Gerência de Recursos Humanos está es-
do prazo estipulado”. Confira na tabe- truturando seus processos de treinamento e capa-
la a evolução do número de mestres e citação, com o objetivo de qualificar, padronizar e
doutores nos últimos anos. profissionalizar ainda mais suas ações internas,
Dentre as formas de incentivo à ti- proporcionando um melhor atendimento às de-
tulação estavam licenças remuneradas, mandas da Instituição”.
bolsas de estudo, redução de horas-au-
la sem alteração do salário e adicional Evolução da Titulação dos Docentes da PUCRS
de 10% e 25% aos professores mes-
tres ou doutores, respectivamente. Aos Ano Mestrado Doutorado
integrantes do quadro administrativo 1987 98 62
intensificaram-se as oportunidades de 1991 418 116
participação em cursos de treinamento
e aperfeiçoamento. 1996 508 241
Pode-se destacar também a cria- 2000 775 394
ção do Plano de Benefícios Previden-
2004 883 607
ciários ou Aposentadoria Complemen-
tar, por adesão, voltado a professores 2008/1 632 688
Anos 2000: novo patamar investindo no capital humano e funcionários, que passou a vigorar Fonte: Gerência de Recursos Humanos

34 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008


pe l o rio grande

Laboratório do Campus Uruguaiana


recebe destaque
O
Laboratório de Análise de Solos do Campus A partir de amostras de solo são
Uruguaiana recebeu, durante os cinco pri- realizados testes de argila, pH em
meiros meses de 2008, quatro conceitos A e água, pH SMP, matéria orgânica, fós-
um B pela Rede Oficial de Laboratórios de Análise foro, potássio, cálcio, magnésio, alumí-
de Solo do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina nio, cobre e zinco. Nos próximos meses
(ROLAS), significando quase 100% de exatidão nos serão quantificados os elementos ferro
resultados das análises. O Laboratório, criado em e manganês. Estuda-se a possibilidade
1983, realiza de 50 a 70 amostras por mês e ocupa da realização de análise foliar e análi-
a terceira colocação no ranking do ROLAS, que conta se de água. As amostras de solo são
com 22 filiados. moí­das e submetidas a soluções que Testes apresentam quase 100% de exatidão
As análises de solo são importantes para man- extraem determinados tipos de ele-
ter e/ou melhorar a produtividade das lavouras, já mentos. Depois é realizada a leitura do material em
que as mesmas são dependentes da fertilidade dos aparelhos específicos para serem quantificados os
solos. “Desta forma, as análises fornecem subsídios teores dos elementos avaliados. O agricultor recebe
para a recomendação de calagem e adubação que os laudos num período de 10 a 12 dias.
devem ser realizadas por um engenheiro agrônomo, Gonçalves destaca como principais elementos
objetivando suprir as deficiências dos nutrientes e para a exatidão nos resultados a utilização de rea-
corrigir a toxidez de outros”, explica o professor Gus- gentes químicos de alta pureza e dentro da validade,
tavo Kruger Gonçalves, responsável pelo laboratório. a higiene dos equipamentos e das vidrarias utiliza-
Saul Mandrácio Fagundes, formado em Zooctenia, é das, aparelhos de leituras conservados e calibrados
funcionário do local. e a competência dos profissionais. Elementos são extraídos de amostras de solo

Fruticultura sustentável é tema de estudos


O
grupo de estudos Fruticultura Sustentável,
coordenado pelo professor Carlos Martins,
da Faculdade de Zootecnia, Veterinária e
Agronomia do Campus Uruguaiana, estuda a vi-
tivinicultura e fruticultura sustentável do local.
As pesquisas aproximam a comunidade do meio
acadêmico e buscam novas possibilidades de
fonte econômica para a região.
Com a pesquisa de vitivinicultura, o grupo
busca caracterizar o vinho da região. Para isso,
uvas colhidas naquela zona da Fronteira Oeste
foram levadas a Bento Gonçalves, transformadas Parreirais se adaptaram à Fronteira Oeste Mínimo de agrotóxico é usado nas frutas
em vinho e estudadas. São observadas caracte-
rísticas como a quantidade de resveratrol, a pre- dos do trabalho foram apresentados em artigos cien- e baixos salários”, diz. O cuidado com o meio
sença de pragas e doenças, a presença de defi- tíficos, palestras e encontros nacionais sobre o tema. ambiente não é esquecido, sendo utilizada a
ciências e como as mudas, vindas da França, se “O trabalho abriu portas para outras pesquisas e adubação orgânica, com o mínimo de agrotóxi-
adaptaram à região, além das técnicas utilizadas para a expansão da vitivinicultura da região”, cons- co. “As técnicas são copiadas de outras regiões,
pelos produtores. “Os parreirais têm mais de 13 tata Martins. Um dos resultados recentes é a criação mas o nosso clima é único”, afirma o professor.
anos e nunca haviam sido estudados”, afirma o de uma vinícola pela associação de vitivinicultores. O professor projeta que as novas possibilidades
professor Carlos Martins. Com a fruticultura sustentável, o grupo busca venham a trazer como resultado a diminuição
As pesquisas constataram a boa adaptação trazer uma nova alternativa para a região. “Temos do impacto do êxodo rural. A técnica tem sido
das mudas – principalmente cabernet sauvignon, a predominância da monocultura do arroz e da pe- aplicada em mudas de uva, framboesa, maçã e
merlot e variedades de vinho branco. Os resulta- cuária, com poucas possibilidades de empregos amoras-pretas.

PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 | 35


cu l tura

Festa dos olhos puxados Edipucrs lança


produtos de
O papelaria ecológicos
Instituto de Cultura Japone-
sa da PUCRS (ICJ) comemo-
ra seus 25 anos e a forma-
ção de milhares de alunos. Cursos
de língua japonesa, cerâmica, ori-
gami (dobradura de papel), bonsai
(árvore miniatura) e culinária são
algumas das atividades que atra-
em os gaúchos a conhecer a cul-
tura da terra do sol nascente. O
Instituto conta ainda com o único
computador com software em ja-
ponês da Universidade, atraindo
intercambistas vindos do Japão.
Nas comemorações, realizadas em
julho, houve espetáculos tradicio-
Sacolas, cadernos, blocos e canetas
nais. Apresentações da Orquestra

E
Filarmônica da PUCRS ocorrem em m agosto, a Livraria da Edipucrs passou
setembro. Em outubro, a Universi- Espetáculos tradicionais de música no evento de 25 anos a comercializar a Linha Eco, projeto de-
dade será sede da 16ª Bienal da senvolvido para estimular a consciência
Cultura Japonesa e do 27º Concurso de Oratória em desde 1994, quando só havia dois cursos promo- ecológica dentro das comemorações de seus
Língua Japonesa. vidos pela unidade. “Mais de 95% dos alunos da 20 anos. São oferecidos produtos de papela-
O ICJ funciona como uma ponte entre japoneses graduação não são descendentes de japoneses. A ria que respeitam o meio ambiente e buscam
e brasileiros. “O Instituto é feito para os gaúchos”, maioria quer aprender o idioma pelo interesse nos alternativas que não agridam a natureza, como
diz o diretor, médico geriatra Yukio Moriguchi, que desenhos animados, ideogramas e videogames ou a caneta esferográfica ecológica, com corpo em
também criou o Instituto de Geriatria e Gerontolo- em bolsas de pós-graduação”, observa. “Queremos material reciclado; clipes de madeira reflores-
gia da PUCRS. “Há 50 diminuir o desconheci- tada; blocos e cadernos de folhas recicladas
anos os gaúchos não mento sobre a cultura e sacolas de algodão. Além disso, o objetivo
comiam salada. O hábi-
to de consumir verduras Cem anos no Brasil oriental. Japoneses, chi-
neses e coreanos não
é criar uma marca própria de produtos com
consciência ambiental e que compensem o im-
é uma tradição vinda do O ano de 2008 marca o centenário da imi- são iguais. Mostramos pacto causado pela impressão dos livros. Cada
Japão. Assim ajudamos gração japonesa no Brasil. Os imigrantes co- nossa cultura e nossa mil quilos de papel reciclado correspondem a
a prolongar a vida dos meçaram a chegar no Rio Grande do Sul em importância”, afirma. 20 árvores poupadas, por exemplo.
habitantes do Estado”, 20 de agosto de 1956, quando 23 japoneses O ICJ está instalado A Livraria da Edipucrs está localizada
assegura. desembarcaram no porto de Rio Grande. A par- na sala 501 do prédio 8, no prédio 41 do Campus Central (Av. Ipiran-
Em 23 de junho de tir dessa data mais 2.800 imigrantes do Japão onde dispõe de uma bi- ga, 6681 – Porto Alegre). Outras informações
1983 foi inaugurado o fizeram do Sul do Brasil seu lar. Atualmente blioteca composta por pelo telefone (51) 3320-3711 ou pelo e-mail
Centro de Cultura Ja- um 1,4 milhão de descendentes de japoneses aproximadamente mil livraria@pucrs.br.
ponesa que, em 1998, moram no Brasil e aproximadamente 4 mil no obras escritas em inglês,
passou a ser chamado Estado. No dia 24 de abril, o diretor do Instituto japonês e português.
de Instituto de Cultu- de Cultura Japonesa, Yukio Moriguchi, esteve Cerca de 700 alunos ECONOMIA FEITA COM A RECICLAGEM
ra Japonesa – tornan- em Tóquio com o imperador do Japão, Akihito, participam por ano das 1000Kg de papel reciclado = 20 árvores
do real o sonho de seu para uma comemoração da data. Mil brasilei- atividades. São ofereci- poupadas
idealizador, o professor ros foram convidados para festividade. dos cursos de ikebana 1000Kg de vidro reciclado = 1300Kg de
Yukio Moriguchi, de tra- (arranjos florais), kendô areia extraída poupada
zer um pouco da cultu- (arte marcial), shorin- 1000Kg de plástico reciclado = milhares de
ra de seu país aos gaú- ji kempo (defesa pes- litros de petróleo poupados
chos. O curso de língua soal), mangá e cultura 1000Kg de alumínio reciclado = 5000Kg de
japonesa iniciou em japonesa (histórias em minérios extraídos poupados
1961, ainda no Colégio quadrinhos), igo (xadrez
Rosário. Pioneiro no Sul japonês) e aikido (arte
do Brasil, passou a atu- marcial). O Instituto pro- VANTAGENS PARA A SOCIEDADE
ar com o apoio do Con- move ainda o concurso Geração de empregos
sulado Geral no Japão. de oratória da língua ja- Redução da poluição
Isao Ishibashi é Selo comemorativo marca festividades ponesa e provas de pro- Economia de energia
professor do Instituto ficiência do idioma. Melhoria da limpeza e higiene da cidade
Diminuição da extração de recursos naturais
36 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 Diminuição do lixo no aterro
Delfos guarda tesouros da
arquitetura de Wiederspahn
Alemão se notabilizou, em Porto Alegre, por obras como Margs, Casa de Cultura e Memorial
gal, diz que boa parte foi demolida. “Com o acervo
Por ana paula acauan poderemos guardar o registro de obras admiráveis
que não existem mais, bem como analisar a docu-

A
PUCRS recebeu em agosto o acervo do arqui- mentação gráfica das preservadas.”
teto Theodor Alexander Josef Wiederspahn, no- Para o professor da FAU Paulo Bicca, as cons-
tabilizado por obras como o Museu de Arte do truções marcam fortemente os lugares onde estão.
Rio Grande do Sul (Margs), Edifício Ely (Tumelero), “Wiederspahn, um dos mais importantes profissio-
Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ) e Memorial nais do Estado na sua área, tinha consciência de que
do Rio Grande do Sul, todos no Centro de Porto Ale- desenhava um espaço urbano. Deixou-nos como le-
gre, Faculdade de Medicina da UFRGS e Cervejaria gado a sensibilidade de relacionar a arquitetura ao
Brahma (hoje Shopping Total). Alemão, Wiederspahn ambiente.” Bicca exemplifica com o pórtico formado
migrou para o Brasil no início do século 20. Morreu pelos torreões em frente ao Margs e Memorial, que
em 1952. No acervo há 687 pastas com plantas e ligam a Praça da Alfândega à Avenida Sepúlveda,
estudos, além de desenhos e aquarelas feitos pelo em direção ao Cais do Porto. Outra mostra dessa
arquiteto, livros, fotografias e orçamentos. O mate- idéia é o Hotel Majestic (CCMQ) com sua travessa,
rial ficará no Espaço de Documentação e Memória representando a interpenetração dos espaços priva-
Cultural, no 7º andar da Biblioteca Central Irmão do e público (transmitindo a sensação de estar na As netas Marion e Vera: “acima das expectativas”
José Otão, que será inaugurado em dezembro. rua e dentro do prédio ao mesmo tempo). Bicca diz
O arquiteto é autor de centenas de projetos de que o arquiteto é historicista, tem como referência A assinatura do contrato de cessão do material
edificação no Rio Grande do Sul. O diretor da Facul- linguagens e estilos do passado. A sua obra pode ocorreu no Salão Nobre da Reitoria, quando o Rei-
dade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), Paulo Re- ser classificada como eclética por carregar aspec- tor Joaquim Clotet recebeu os familiares do arquite-
tos do neobarroco e neoclassicismo, com “sotaque” to. A neta Vera Maria Lütz Uber teve uma surpresa
alemão, define o docente. agradável ao conhecer o Delfos. “Está acima das ex-
Günter Weimer, professor convidado do pós- pectativas”, comenta, com a concordância da irmã
graduação da Arquitetura, que escreveu a biografia Marion Lütz Kroeff. Vera conta que com o livro de
de Wiedespahn, a ser lançada na Feira do Livro de Weimer a família pôde conhecer mais sobre o avô,
Porto Alegre deste ano, se diz satisfeito porque o inclusive que tem obras tombadas na Alemanha. Al-
acervo estará bem guardado e à disposição do pú- guns assuntos não eram falados pela avó devido às
blico. Ele teve acesso ao material por meio do filho guerras e à origem alemã de Wiederspahn. A lem-
de Theodor Wiederspahn, Heinz, também arquite- brança mais remota da neta, além do trabalho na
to. Viu duas vezes os papéis num sítio no bairro prancha, é a dedicação à marcenaria. Os descen-
Ponta Grossa, em Porto Alegre, até que a família dentes guardam bancos, mesas e carrinhos. Inclu-
contou com sua ajuda para destiná-los a um local sive fez um apoio para amarrar o par de botas usado
No acervo há 687 pastas com plantas adequado. com a bombacha à moda gaúcha.

Fotos da Revista do Globo de posse da PUCRS


O
acervo fotográfico da Revista do Globo, com herdou a paixão pelos livros de seu avô, José Berta- portância cultural, política, social e econômica
mais de 45 mil fotos catalogadas, estará so, sócio da empresa a partir de 1918 e funcionário para o Estado, pois retrata algumas décadas
disponível para consulta de alunos, docen- desde menino. em que o País teve grandes transformações
tes e pesquisadores da Universidade no Delfos – O coordenador-geral do Delfos, Luiz Antonio em todas essas áreas, a começar pela Re-
Espaço de Documentação e Memória Cultural. O de Assis Brasil, caracterizou o material como uma volução de 1930.” A revista, que circulou de
contrato de cessão foi assinado em solenidade no peça que dita algumas décadas de história rio- 1929 a 1967, é fonte de pesquisa para muitas
Salão Nobre da Reitoria, com a presença do di- grandense. “Ele é um acervo muito importante, áreas e tem rico material literário sobre cultura
retor da Livraria do Globo, Cláudio Bertaso, que pois vai além do literário. Tem relevância e im- e vida social.

PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 | 37


ação comuni t ária

Em busca da popularização do
conhecimento científico
Alunos da Educação Básica podem expor trabalhos no Museu

P
rojeto do Museu de Ciências e Tecnologia Depois de receberem o Promusit – também
(MCT) da PUCRS e das Faculdades de Bioci- aberto à visitação das comunidades –, as escolas
ências, Física, Matemática e Química foi um serão incentivadas a realizarem mostras interativas
dos seis escolhidos da Região Sul do País e dos 58 de trabalhos. A avaliação das pesquisas para parti-
aprovados no Edital do Ministério da Ciência e Tecno- cipar dessa etapa será feita em conjunto por escolas Crianças de escolas públicas vão participar
logia/Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientí- e visitantes. Os melhores trabalhos farão parte de
fico e Tecnológico para promover a difusão e a po- uma exposição no MCT. Na mesma oportunidade, os natureza da ciência, conhecimento cognitivo da ciên-
pularização da ciência e da tecnologia. Houve 1.232 alunos e seus professores participarão da atividade cia e impacto da ciência e tecnologia na sociedade.
inscritos. A iniciativa da Universidade, que deverá Uma Noite no Museu, na qual os estudantes “acam- Jeckel diz que essa é uma oportunidade de o
concretizar-se a par- parão” no MCT, que ficará aber- Museu ajudar a tornar significativo o que as crian-
tir deste semestre, to à noite exclusivamente para ças aprendem na escola. Mas, para isso, o projeto
incluirá diretamente esse público. “Eles terão aces- deverá contar com a parceria dos professores dos
15 escolas públicas so a um novo mundo de ciência municípios envolvidos, a partir de um trabalho pré-
de três municípios e tecnologia e poderão participar vio. “O projeto tem de estar adequado ao contexto
com mais baixo Ín- ativamente das atividades pro- da escola para que a visita ao MCT não seja apenas
dice de Desenvol- gramadas”, destaca o coorde- um momento estanque.” Jeckel lembra a necessi-
vimento da Educa- nador-geral do projeto, Maurivan dade de ampliar a educação científica no País, que
ção Básica (Ideb), Ramos, professor da Química. começa com a descoberta do prazer de conhecer.
em 2007, além de O diretor do MCT, Emilio Ana Maria concorda: “O cidadão da sociedade atual
comunidades vizi- Jeckel Neto, ressalta a integra- não pode ser analfabeto em ciências e tecnologia.
nhas. A expectativa Objetivo: aprender a pensar cientificamente ção de unidades acadêmicas e Mais do que conhecer ciência, as pessoas precisam
é da participação de do Museu com a iniciativa. Os saber pensar cientificamente”.
1.800 alunos e 300 professores das séries finais do cursos de licenciatura das áreas científicas ofere- A equipe do projeto é composta por 19 pesso-
Ensino Fundamental. cerão ações aos estudantes que vierem à PUCRS, as. A PUCRS pretende fazer outras duas edições em
Professores de Ciências farão capacitações no por exemplo, atividades em laboratórios. Os uni- 2009, atingindo assim, nesta primeira fase, três
MCT conduzidas por docentes da PUCRS. Na volta a versitários, docentes e mestrandos do Programa de municípios-pólos. O projeto poderá continuar, de-
seus municípios, prepararão os alunos para receber Pós-Graduação em Educação em Ciências e Mate- pendendo de outras fontes de financiamento, além
o Programa Museu Itinerante (Promusit), caminhão mática farão parte da iniciativa. “Essa forte integra- de empresas, tais como entidades públicas, prefei-
equipado com até 80 experimentos interativos, pa- ção entre graduação, pós-graduação e comunidade turas e estado, ONGs e fundações.
lestras e oficinas. O projeto contribui para o melhor externa apresenta um grande potencial para o de-
aproveitamento do Promusit, pois a sua utilização senvolvimento de pesquisas envolvendo diagnósti-
depende de patrocínios. cos da educação básica em nossa região, avaliação
de propostas inovadoras e interativas Índice de Desenvolvimento da Educação
na educação científica/tecnológica e Básica/2007 para as séries finais do
contribuições do Museu à educação Ensino Fundamental – rede estadual*
de jovens e adultos”, destaca a dire- Cerrito: 1,6
tora da Faculdade de Física, Ana Ma- Lindolfo Collor: 1,8
ria Marques da Silva. Mostardas: 2,5
A experiência envolve o acompa- Hulha Negra: 2,6
nhamento e a avaliação do nível de al- Lajeado do Bugre: 2,6
fabetização científica e tecnológica do Pinheiro Machado: 2,7
público escolar. Antes e depois de in- Alvorada: 2,9
tegrarem o processo responderão a um Capela de Santana: 2,9
questionário para avaliar atitudes em Entre Ijuís: 2,9
relação ao conhecimento e à natureza Itacurubi: 2,9
da ciência. O instrumento será adap-
tado de um modelo criado pelo norte- * Calculado pelo Ministério da Educação com base nas
americano Jon Miller e aplicado na Áfri- informações sobre rendimento escolar (aprovação, repro-
Museu Itinerante: caminhão tem 80 experimentos interativos ca do Sul, que contém as dimensões vação e abandono) do Censo Escolar da Educação Básica
e no desempenho dos estudantes em exames elaborados
pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educa-
cionais Anísio Teixeira/Sistema Nacional de Avaliação da
38 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 Educação Básica e Prova Brasil. A meta era 3 para 2007.
universidade a b er t a

UNITV: uma década de diálogo


entre instituições e comunidade
Canal universitário se prepara para entrar na era da televisão digital

N
Fotos: Arquivo PUCRS
o mês de setembro a TV Universidade de Porto Tempo de Letras, programa que trata de
Alegre (UNITV), uma das primeiras do gêne- autores, idéias, livros, mercado editorial
ro criadas no Brasil, comemora dez anos de e tudo que diga respeito à literatura.
transmissões pelo canal 15 da NET. A emissora, que Cada instituição de ensino superior
reúne instituições de ensino superior da capital gaú- participante é responsável pela produ-
cha, surgiu graças à lei da TV a Cabo (8.977/95), que ção e edição dos seus programas. Na
prevê canais universitários para uso compartilhado PUCRS, por exemplo, tudo é feito no
entre universidades localizadas nos municípios da Centro de Produção Multimídia da Fa-
área de prestação de serviço das operadoras. culdade de Comunicação Social (Fame-
Em abril de 1998, de forma experimental, inicia- cos). Os programas devem seguir uma
ram as atividades da UNITV, que no dia 3 de setem- linha, baseando-se em informação, cul-
bro daquele ano foi inaugurada e começou a trans- tura, ciência, educação e entretenimen-
mitir sua programação regular. Desde o começo, a to sadio. Um conselho gestor, integrado
sede, a central geradora e os estúdios da emissora por representantes dessas instituições,
funcionam na PUCRS, decisão tomada por consenso dá a última palavra sobre a programa-
pelos representantes das instituições participantes, ção, avaliando e determinando o horário Entrevistas & Debates está há dez anos no ar
por oferecer a melhor infra-estrutura e condições de cada atração.
para a realização das atividades. Os programas são feitos com a participação de levisão Universitária (RITU), pela Associação Bra-
O presidente da UNITV e representante da alunos e professores das universidades, mesmo as- sileira de Televisão Universitária. Trata-se de um
PUCRS no canal universitário, Carlos Alberto Carva- sim, Carvalho alerta que não se trata de uma emis- sistema de compartilhamento de programação via
lho, conta que a emissora nasceu com a marca de sora laboratorial. “Há sempre uma finalização pro- internet banda larga, uma alternativa de baixo custo
uma iniciativa inovadora ao permitir, desde o início, fissional. O objetivo é valorizar a competência para e facilidade operacional. Um programa da UNITV, por
a participação de Faculdades, pois a lei prevê ape- assegurar a realização de um trabalho com alta exemplo, pode ser transmitido pelo canal universi-
nas o ingresso de universidades nesse tipo de emis- qualidade editorial e técnica”, observa. tário da cidade de São Paulo, e vice-versa. Para ca-
sora. Atualmente, as instituições integrantes são a Dentre as programações marcantes da UNITV, o nais universitários de menor porte, a RITU pode ser
PUCRS, a UFRGS, o UniRitter e a Universidade Fede- presidente da emissora destaca as transmissões ao uma solução para o provimento da programação. A
ral de Ciências da Saúde de Porto Alegre. vivo de eventos importantes, como o Fórum Social Rede está funcionando em caráter experimental.
Dos programas transmitidos em 98, três ainda Mundial, realizado em 2002 e 2003, e um Gre-nal A cada aniversário da emissora é realizado um
fazem parte da grade de programação: UNITV En- de juniores, em junho de 2005, que marcou a inau- jantar especial para a entrega do troféu Destaque
trevistas & Debates, que focaliza, semanalmente, guração do Estádio Universitário da PUCRS. Nessa UNITV, destinado a premiar trabalhos expressivos
assuntos em destaque local ou nacional; Viver com ocasião, as reportagens foram feitas por alunos da nas áreas social, cultural e científica, e distinguir a
Saúde, contando com a participação de profissio- Famecos, enquanto a narração foi realizada pelo lo- atuação marcante de pessoas e organizações. Neste
nais de saúde, dando informações e orientações so- cutor Marco Antônio Pereira (Rádio Gaúcha), com ano, o evento será no dia 25 de setembro no Restau-
bre a área, e o Letras Nossas, que antes se chamava comentários de Luiz Carlos Reche (Rádio Guaíba). rante Panorama da PUCRS, homenageando perso-
Atualmente, também são feitas matérias em nalidades e projetos que se destacaram durante a
acontecimentos de destaque, como os reali- primeira década de atividades do canal universitário
zados no Centro de Eventos da PUCRS e no de Porto Alegre.
Festival de Cinema de Gramado.
Com a chegada da TV digital e a futura
criação de um canal especial para a educa-
ção, as expectativas são grandes. “As TVs uni-
versitárias deverão ter oportunidades para di-
vulgar suas produções nesse canal. Por outro
lado, a interatividade possibilitará, de forma
concreta, a aproximação entre a universidade
e o telespectador. Queremos nos inserir nesse
contexto”, afirma Carvalho. Assista à programação em tempo real
Uma novidade de efeitos mais próximos é no site www.unitv.tv.br
Na PUCRS: Centro de Produção Multimídia o lançamento da Rede de Intercâmbio de Te-

PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 | 39


sinopse

PRÊMIO COLGATE
Ciência & Saúde PEDAGOGIA NO ESPORTE
Fotos: Divulgação Foi lançada a primeira edição da Re-
vista Ciência & Saúde, veículo eletrônico
de divulgação científica da Faculdade de
Enfermagem, Nutrição e Fisioterapia (Fa-
enfi). A publicação on-line terá periodici-
dade semestral e pode ser acessada no
site http://revistaseletronicas.pucrs.br/
ojs/index.php/faenfi. A revista se destina
à divulgação de artigos técnico-científicos
relacionados à área da saúde, desenvol-
vidos na Faenfi ou em instituições afins.
Informações: (51) 3320-3646.

O professor Roberto Mesquita, da Faculda-


Torneio de de Educação Física e Ciências do Desporto,
apresentou trabalho sobre o tema Pedagogia
Empreendedor
O professor da Faculdade de Odon-
do esporte no Congresso Pré-Olímpico, reali-
tologia Luiz Cesar da Costa Filho foi um
zado na China. O evento é considerado um dos
dos três premiados do 2º Prêmio Colgate
O 2º Torneio Empreendedor da mais importantes no âmbito olímpico. Mesqui-
e ABO (Associação Brasileira de Odon-
PUCRS terá um patrono, André Johannpe- ta é um dos docentes da disciplina de Estudos
tologia) com o trabalho Implantação de
ter, presidente do Grupo Gerdau e forma- Olímpicos na PUCRS e membro da Academia
um serviço odontológico de promoção
do em Administração de Empresas pela Olímpica Brasileira. O tema do trabalho apre-
de saúde bucal e seus impactos na as-
PUCRS. O evento, promovido pelo Núcleo sentado é fruto de sua tese de doutorado rea-
sistência. No concurso, que tem como
Empreendedor da Universidade, terá pre- lizada na Faculdade de Educação.
objetivo incentivar o levantamento de
dados e a divulgação de temas relacio- miação no dia 20 de novembro. Os três
nados à saúde bucal, foram inscritos 67 primeiros colocados receberão bolsas de

Tecnologia
artigos de profissionais de todo o Brasil. estudo (R$ 14,4 mil para o 1º lugar), po-
derão entrar na etapa final de seleção na
Incubadora Raiar e ganharão cursos. O
grande vencedor terá ainda seis meses O diretor da Agência de Gestão Tecnológica da

Arquitetura de incubação no Instituto de Pesquisa e


Desenvolvimento (Idéia). Podem partici-
PUCRS, professor Ricardo Bastos, foi eleito vice-
presidente do Conselho Municipal de Tecnologia
par equipes de dois a quatro alunos de (Comcet) para a gestão 2008-2010, representando a
A Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da graduação. O objetivo é despertar o espí- Universidade. A presidência do Comcet ficou com Rita
PUCRS forma os melhores arquitetos em uni- rito empreendedor. Carnevale, da SBPC-RS.
versidades privadas no País. A informação foi
divulgada na edição nº 342, de agosto, da re-
vista Projeto Design, publicação de referência
na área de arquitetura. Houve destaque para a
participação qualificada das instituições de en- CENTENÁRIO DE CYRO MARTINS
sino superior como resultado do concurso Ope-
ra Prima, que identifica os melhores trabalhos A PUCRS sediou em agosto o semi-
de conclusão de curso de todas as Faculdades nário Cyro Martins 100 anos – Múltiplas
de Arquitetura no Brasil. Professores e arquite- Leituras, homenagem ao centenário de
tos de renome nacional constituíram o júri que nascimento do escritor e psicanalista. O
destacou os 66 trabalhos premiados. O concur- evento foi promovido pelo Centro de Estu-
so, organizado pela revista, é realizado anual- dos de Literatura e Psicanálise Cyro Mar-
mente há 20 edições. tins (Celpcyro). O professor Luiz Antônio de
Assis Brasil, também coordenador do Del-
fos – Espaço de Documentação e Memória
Intercom Cultural, fez a abertura do evento com Ma-
ria Helena Martins, filha de Cyro Martins,
O professor da Faculdade de Comunicação criadora e diretora-presidente do Celpcyro.
Social Antonio Hohlfeldt foi eleito presidente Em debate, assuntos relacionados à litera-
da Sociedade Brasileira de Estudos Interdis- tura, comunicação, cinema e psicanálise.
ciplinares da Comunicação (Intercom) para a Participaram convidados como Alcy Cheui-
gestão 2009/2011. O anúncio oficial e a posse che, Tabajara Ruas, Ruy Carlos Ostermann,
ocorrem em seis de setembro, último dia do 31º David Zimmermann, entre outros.
Congresso da Intercom.

40 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008


MÉRITO UNIVERSITÁRIO
Desafio RBS Set
A Faculdade de Comunicação Social e o
A PUCRS concedeu o título de Mérito Universitário à Grupo RBS organizam o Desafio RBS Set. Será
professora e pesquisadora Maria Lúcia Martinelli (foto), baseado num ícone da publicidade da déca-
da Faculdade de Serviço Social da PUC-SP. Na cerimônia, da de 1960: Hora de dormir, que divulgava a
a diretora da Faculdade de Serviço Social, Jussara Men- marca dos cobertores Parahyba e “lembrava”
des, destacou a contribuição de Maria Lúcia para a forma- às crianças a hora de ir para a cama. Os fu-
ção de alunos e docentes, lembrando que por 17 anos a turos profissionais devem criar uma solução
professora participou, como visitante, de seminários, ban- adaptada às plataformas e à linguagem do
cas e palestras na Universidade. A honraria é outorgada público contemporâneo. Participam equipes
à personalidade cuja contribuição ao ensino, à pesquisa, de até seis integrantes, representando, no mí-
à extensão ou à causa universitária seja considerada de nimo, dois cursos distintos de Comunicação
grande valia à coletividade ou à Instituição. e matriculados na mesma instituição. Serão
selecionados até 30 grupos escolhidos por
um júri que avaliará a resposta à pergunta:
“Por que linguagem é um desafio pra você?”.
As equipes defendem suas idéias em blogs no

BRAZ BRANCATO
Parques www.desafiorbs.com.br até 15 de setembro.
Os vencedores serão apresentados no RBS
tecnológicos Debates, dia 22 de setembro, durante a aber-
tura do 21º Set Universitário.
O Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Gradua-
ção, Jorge Audy, foi convidado para compor a
Comissão Especial dos Parques Tecnológicos,
criada pela Assembléia Legislativa do Rio Gran-
de do Sul. A comissão, instalada em agosto, ORQUESTRA NO
tem como objetivo contribuir para a consoli-
dação dos parques tecnológicos como modelo PRESÍDIO CENTRAL
de desenvolvimento socioeconômico sustentá-
vel para o Estado. O relatório final da comissão
será votado no dia 20 de novembro.

Feira das
Profissões 2008
Em julho faleceu o professor Braz Conhecer melhor as profissões e os cur-
Brancato, aos 63 anos. Ele lecionou no sos de graduação pode ajudar na difícil escolha
Programa de Pós-Graduação em His- que representa o vestibular. Com esse intuito,
tória até março, quando se aposentou. a PUCRS promove, nos dias 12 e 13 de setem-
Formado em História e Direito pela Uni- bro, a edição 2008 da Feira das Profissões. A
versidade, foi um dos fundadores do atividade tem entrada franca e será realizada A Camerata da Orquestra Filarmô-
Programa de Pós-Graduação em His- das 9h às 22h, no Centro de Eventos da Univer- nica da PUCRS, com os solistas Adriana
tória da Faculdade de Filosofia e Ciên- sidade, prédio 41 do Campus Central. A Feira de Almeida e Pedro Spohr, participou de
cias Humanas, onde se destacou como apresentará aos futuros universitários os cur- cerimônia no Presídio Central de entre-
pesquisador e coordenador. Também foi sos oferecidos pela PUCRS, por meio de ações ga das Carteiras de Liberdade Condicio-
avaliador na área de História da Capes, que esclarecerão as características de cada um nal e em alusão ao Dia dos Pais. Com a
além de chefe de Gabinete da Reitoria deles, além de proporcionar bate-papo com os presença da governadora Yeda Crusius,
do Ir. José Otão. Durante os 38 anos de professores e estudantes. Dentre as ativida- a Superintendência dos Serviços Peni-
trabalho na PUCRS, o professor colabo- des previstas, há o Simulado, que será reali- tenciários (Susepe) e o Conselho Peni-
rou significativamente na formação de zado no dia 13 de setembro, das 9h às 12h. tenciário destinaram as carteiras a 50
várias gerações de historiadores que As vagas são limitadas e as inscrições devem apenados de várias casas prisionais. A
hoje atuam em diversas instituições de ser feitas pelo site www.pucrs.br/eventos/ Camerata executou músicas como Can-
ensino superior brasileiras. Deixa viúva feiradasprofissoes, até 8 de setembro. Os ins- to Alegretense (Ernesto Fagundes Filho
a professora Sandra Brancato, que tam- critos que realizarem a prova do Simulado terão e Antônio Augusto Fagundes), Amigo
bém lecionou na PUCRS, com quem ti- desconto especial de 50% na inscrição para o (Roberto Carlos e Erasmo Carlos), Guri
nha dois filhos. próximo Vestibular de Verão. Informações: (51) (César Passarinho) e Pai (Fábio Júnior).
3320-3708 ou no endereço eletrônico.

PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 | 41


sinopse

INVERNO SOLIDÁRIO Idéia enade


Foto: Divulgação
O Idéia – Instituto de Pes-
quisa e Desenvolvimento rece-
beu, em agosto, coordenadores
dos três projetos contemplados
(quadro) no edital de pré-incu-
bação 2/2008 para assinatura
do termo de entrada. Concor-
reram trabalhos de todas as
áreas, coordenados por profes-
sores e pesquisadores da Uni-
versidade. A escolha foi basea­
da em critérios como nível de
interdisciplinaridade, opor-
tunidade de participação de
O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes
alunos, perspectiva de capta-
(Enade) conta agora com uma página especial no site
ção de recursos de fomento, ní-
A Campanha Inverno Solidário rea- da Universidade. No endereço www.pucrs.br/avaliacao/
vel de inovação, relevância so-
lizada na PUCRS arrecadou 4.370 itens. enade é possível obter informações gerais sobre o exa-
cial e econômica e potencial de
As doações foram organizadas em dois me, orientações para responder às questões, ver o cro-
desenvolvimento de patentes.
movimentados brechós realizados na nograma do ano, dados sobre exames de anos anterio-
Informações: (51) 3320-3565
Vila Fátima. Alunos de diferentes cursos res, entre outras facilidades. O Enade é um dos meios
ou www.pucrs.br/ideia.
envolveram-se na contagem e organiza- pelos quais o Ministério da Educação avalia a qualidade
ção das doações (foto), que superaram do ensino nas instituições de ensino superior.
as expectativas. A comunidade teve a Centro de Respirologia – Infant/
oportunidade de comprar roupas, sapa- Brasil: Renato Stein (Instituto de
Pesquisas Biomédicas)
tos e acessórios por preços acessíveis.
As roupas não comercializadas nos bre-
chós foram encaminhadas para a Ilha
As “Ouvidorias” Virtuais em
Instituições de Ensino Superior:
Cleusa Scroferneker (Faculdade
Resultado de seleção
na Incubadora Raiar
Grande dos Marinheiros. A comunidade
acadêmica também doou 431kg de ali- de Comunicação Social)
mentos e 23 litros de leite repassados Sustentabilidade Social e Avalia-
para o Centro Social Ir. Donato. A Cam- ção Pós-Ocupacional: a Arquite- A Incubadora Raiar da PUCRS divulgou o resultado da se-
panha foi promovida pelo Centro de Pas- tura na Construção da Cidada- leção para entrada de três empresas na unidade do Campus
toral e Solidariedade, com parcerias. nia: Marcos Diligenti (Faculdade Central – Confecção de Modelos para a Área Médica, Go Mar­
de Arquitetura e Urbanismo) ket e Química Limpa. As selecionadas ficarão incubadas por
dois anos recebendo acompanhamento na gestão dos empre-
endimentos. A seleção incluiu criterioso processo que buscou
identificar as idéias mais inovadoras e viáveis no mercado.
Os candidatos entregaram proposta de empreendimento e
CIÊNCIAS AERONÁUTICAS realizaram um curso de plano de negócios. Uma equipe de
gestão da Incubadora analisou o perfil empreendedor, o que
Na aula inau- foi uma novidade nesse processo de seleção. A comissão de
gural da Facul- seleção, formada por professores da Universidade, avaliou a
dade de Ciências viabilidade técnica do projeto, segundo critérios estabelecidos
Aeronáuticas, rea­ pela coordenação da Incubadora.
lizada em agosto,
o vice-presidente
operacional da
Azul Linhas Aé-
Prêmio Sucesu-RS
reas Brasileiras, Na festa dos 40 anos da Associação dos Usuários de In-
Miguel Dau, dis- formática e Telecomunicações do RS (Sucesu-RS), realizada
se para a platéia em agosto, a PUCRS foi a vencedora do Prêmio Categoria Fatos
lotada do auditó- de Destaque Sucesu, tendo vencido com a criação do Parque
rio do prédio 9, no Científico e Tecnológico (Tecnopuc), considerado pela entidade
Campus Central, que os alunos do curso da PUCRS são “potenciais funcioná- como o principal fato da década de 1998 a 2008. O Pró-Reitor
rios” da nova companhia aérea. A empresa, que programou o início das opera- de Pesquisa e Pós-Graduação, Jorge Audy, recebeu o prêmio
ções para janeiro, mas pode antecipá-la em um mês, conta hoje com menos de representando a Universidade. Na ocasião foi destacado o pio-
100 funcionários e deve ter 400 até dezembro. neirismo e a inovação que o Tecnopuc representou na história
da informática no Estado.

42 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008


ODONTOLOGIA

Poemas e conto Faculdade de Direito


Os alunos Diego Petrarca, Angelita Silva O professor Fabrício Dreyer de Ávi-
e Emanuella Santos, da Faculdade de Letras, la Pozze­bon é o novo diretor da Faculdade
foram premiados em concursos da Secretaria de Direito da PUCRS. Sua posse ocorreu em
Municipal de Cultura de Porto Alegre. Petrar- agosto. Doutor em Direito, Pozzebon é advo-
ca, estudante do mestrado em Escrita Criati- gado criminalista, gradua­do e pós-graduado
va, recebeu destaque nas competições Histó- pela PUCRS, onde é professor titular. O novo
rias de Trabalho e Poemas no ônibus, com os diretor atua na área de Direito Penal e Proces-
poemas Descrição da dançarina e Mais que a sual Penal, principalmente nos temas relacio-
sede, respectivamente. Colega de Petrarca no nados aos crimes contra a ordem tributária Os formandos de Odontologia Hum-
mestrado, Angelita foi premiada com a poesia e econômica, contra o sistema financeiro e berto Braga Etges, Mercedes Polking,
Falsos amantes. Rotina, o conto de Emanuella, de trânsito. Pozzebon substituirá Orci Paulino Natalia Souza e Suzane Rauch presta-
acadêmica do oitavo semestre, destacou-se no Bretanha Teixeira. ram atendimento odontológico à comu-
concurso Histórias de Trabalho. nidade carente do município de Santo
Antônio. A atividade faz parte do Projeto

Psicologia Diplomados Litoral, coordenado pelo professor Edgar


Erdmann. Os acadêmicos foram recebi-
As Faculdades de Direito, Matemática e dos pelo Secretário Municipal da Saúde
A aluna Jeanice da Cunha Ozorio, da Fa- Psicologia e o curso de Nutrição promoveram, da cidade, Giovani Sassi.
culdade de Psicologia, recebeu o prêmio de em agosto, reencontros de professores e diplo-
destaque especial no Salão de Iniciação Cien- mados. No Direito houve um almoço de con-
tífica da Ulbra. Durante um ano, Jeanice de- fraternização, alusivo ao Dia do Advogado. O
senvolveu pesquisa sobre a história do Con- encontro da Matemática ocorreu na secretaria
selho Regional de Psicologia do Rio Grande do da Faculdade, seguido de almoço. A Psicolo-
Sul, fundado em 1974. A acadêmica é bolsista gia também realizou almoço comemorativo ao edipucrs
da Fapergs e foi orientada pela professora He- Dia do Psicólogo. As Faculdades de Informáti-
lena Scarparo. “Desenvolver esse projeto foi ca e de Medicina realizarão reencontros, res-
muito trabalhoso, mas prazeroso também”, pectivamente, nos dias 28 de setembro e 6 de
diz. A aluna projeta criar um site com o resul- dezembro. Informações no site www.pucrs.br/
tado de sua pesquisa. diplomados.

repórter esso
A história do
Repórter Esso, um
dos maiores su-
cessos radiofôni-
cos mundiais, é Como parte do Programa de Apoio
relatada no livro O à Bibliografia, lançado no início do ano,
Repórter Esso – A a Editora da PUCRS (Edipucrs) oferece
síntese radiofôni- apoio na aquisição de obras indicadas
ca mundial que fez nos planos de ensino de disciplinas de
história pelo jor- cursos de todos os campi da Universi-
nalista e professor dade. Para participar, o professor deve
Luciano Klöckner, preencher um formulário disponível no
da Faculdade de site www.pucrs.br/edipucrs. O material
Comunicação So- será adquirido pela Livraria Edipucrs
cial. A obra resgata e repassado aos alunos e professores
a história e apre- com preços especiais. Para obras pu-
senta uma análise crítica das notícias, além de depoimentos de historiadores, radialistas e jor- blicadas por editoras universitárias e
nalistas. A edição é compartilhada entre a Edipucrs e a AGE Editora. O lançamento ocorreu em pela Edi­pucrs, o desconto será de 30%.
agosto na livraria Saraiva do Shopping Praia de Belas, em Porto Alegre. Além do autor, estiveram As de editoras comerciais terão o maior
presentes os locutores do noticiário, Lauro Hagemann (Porto Alegre), Fabbio Perez (São Paulo) e desconto possível, de acordo com as
Roberto Figueiredo (Rio de Janeiro). Os locutores e o autor também realizaram uma palestra no tratativas feitas. Informações pelo tele-
auditório da Faculdade de Comunicação Social. fone (51) 3320-3906 ou no site citado.

PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 | 43


perfi l

Juremir Machado da Silva


e a paixão pelo texto
Para ele, escrever não é trabalho, é prazer
compreendia um pouco o que estava aconte-
Por MARIANA VICILI cendo, mas fiquei fascinado com a coisa do rá-
dio, mais do que com a Copa”, conta.

P
esquisador, professor, jornalista, escritor Em 1980 ingressou no curso de Jornalismo
e, por que não dizer, polemista, uma de da PUCRS. Dois anos depois, começou o de His-
suas características mais conhecidas. tória. O professor lembra que passava o dia in-
Ele conta que, no início, não gostava desse ró- teiro na Universidade e que conviveu muito mais
tulo, mas depois percebeu ser algo inerente à com pessoas da História. “As duas Faculdades
sua personalidade. Mesmo assim, conhecendo foram muito importantes. A História me deu mui-
um pouco de sua trajetória, é possível perceber ta bagagem para fazer Jornalismo, e o Jornalismo
que há mais do que polêmica em Juremir Ma- realmente me preparou para exercer minha pro-
chado da Silva. fissão. Devo tudo a essas Faculdades, foram de-
Nascido em 1962, em Santana do Livra- cisivas na minha vida, do ponto de vista de ami-
mento, iniciou seus estudos antes do tempo zade, de formação, de abertura de caminhos”.
numa escola rural, acompanhando as irmãs No Jornalismo fez de tudo um pouco: atuou
mais velhas. “Qualquer coisa que fosse leitura como repórter e editor no jornal Zero Hora, foi
me interessava. Um dia descobri que vendiam correspondente do jornal em Paris e depois co-
gibis no trem que ia de Santa Maria a Livra- lunista, passou brevemente pela Revista IstoÉ,
mento. Fazia de tudo para conseguir comprar entre outras coisas. O que mais gostou foi ser
aquelas revistinhas”, recorda Juremir, também correspondente. “O correspondente é um jor-
um assíduo freqüentador das bibliotecas dos nal inteiro sozinho. Um dia faz esporte, no ou-
colégios onde estudou. tro, cultura e política. Tem que organizar suas
Seus primeiros escritos com alguma con- viagens, fazer fotografia, o processo todo. Foi
seqüência foram textos para teatro. “Eu gosta- muito bom, com muita viagem e liberdade de
va muito de teatro, de escrever, de atuar. Meu descobrir assuntos”, conta. Hoje, além de apre-
objetivo número um era sair de Livramento sentar programas na UNITV, tem uma coluna
para estudar teatro no Rio de Janeiro, mas não quase diária no jornal Correio do Povo, com
tinha a menor chance de fazer isso.” grande retorno do público.
Em 1979, num festival de teatro em Laje- O estilo polêmico rendeu-lhe também sé-
ado, apresentou com os colegas a peça Os Re- rios problemas, como quando criticou o escritor
beldes, escrita por ele, o que lhe trouxe proble- Erico Verissimo, dizendo que não foi um opositor
mas quando retornou para casa. “Era o fim da da ditadura como poderia ter sido. A polêmica dando cultura, pesquisando. Aprende-se o tem-
ditadura militar, e eu não tinha a menor cons- culminou em demissão de Zero Hora. “Não me po inteiro”, observa. Atualmente é professor na
ciência disso. Fui chamado pela Polícia Fede- arrependo de nada, o que não quer dizer que graduação e no pós, e coordenador do Programa
ral, e meu pai teve que ir junto. Chegando lá, faria tudo exatamente igual. Tentaria fazer de de Pós-Graduação em Comunicação Social.
me perguntaram se eu era subversivo, e outras uma maneira mais inteligente, evitando alguns Além das atividades como professor, pes-
coisas. Quando voltei para a escola, lembro que erros, de uma forma que não me prejudicasse quisador e colunista, tem se dedicado ao tra-
as pessoas diziam: ‘esse menino está cada vez tanto”, confessa. balho de escritor. Seu novo livro, Solo, será
mais polêmico.’”. A entrada na vida acadêmica foi um cami- lançado no segundo semestre deste ano. O pró-
Os pais queriam que ele fosse “doutor”, nho natural. Desde cedo percebeu que tinha pro- ximo acredita que será sobre uma pesquisa que
mas optou por estudar Jornalismo, acreditando pensão para ser professor, tendo cursado parte desenvolverá a respeito da Revolução Farrou-
que a profissão poderia aproximá-lo de coisas do Ensino Médio na modalidade Magistério. Co- pilha. “Será no estilo leitura e desconstrução
que lhe interessavam. Dentre elas, as trans- meçou a lecionar na PUCRS a convite do então de mitos. Um livro... polêmico (risos)”. Como
missões esportivas pelo rádio, que ele adorava Reitor Norberto Rauch, em 1995. Os dois se co- projeto de vida, seu objetivo maior se resume
ouvir quando criança. “As minhas lembranças nheceram na França, quando fazia reportagem a duas palavras: ser feliz. Ser feliz com a es-
do rádio são da Copa de 70. Morávamos em com uma comitiva gaúcha que visitava o país. posa, com quem está há quase 19 anos, como
Palomas, não havia TV, e todos se reuniam em Da vida acadêmica, afirma gostar de tudo professor, intelectual e como escritor. Mas acha
grupos para escutar o rádio. O Brasil ganhou e um pouco. “A vida na universidade é muito boa, que uma coluna num veículo nacional também
foi toda aquela mobilização. Eu tinha oito anos, encontramos pessoas inteligentes, transbor- lhe cairia bem.

44 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008


eu estudei na pucrs

Satisfação de pilotar aviões


e sem receio do preconceito
Conhecimento adquirido na Universidade faz a diferença para Roberta Quadros

U
ma semana foi o tempo que Roberta Quadros,
26 anos, conseguiu ficar longe do aeroporto
durante as férias. Com olhos brilhantes e
sorriso franco, a egressa da Faculdade de Ciências
Aeronáuticas (FACA) da PUCRS fala na realização
profissional e descreve a emoção de voar: “O nascer
do sol, o pôr-do-sol, as nuvens... É tudo tão diferen-
te... Outra vida. Quando a gente começa a ficar meio
chateada, com uma ou duas semanas sem vôo, ao
voltar, é tão maravilhoso”.
Ela e os colegas da Bertol Aerotáxi também
cumprem expediente e fazem serviços burocráticos.
Mas ficar no escritório não agrada a ninguém. “O
que a gente gosta é de arrumar o avião na rua, pre-
parar, movimentar o abastecimento, procurar aero-
porto, ver se está operando e como está o tempo no
local. Fora o vôo em si.”
Co-piloto de aeronave turbo hélice, Roberta es-
pera em breve uma promoção para comandante de
aeronave a pistão Sêneca. Seu objetivo maior é in-
gressar numa linha aérea. “No táxi aéreo não tenho
muitos horários definidos.” Essa vida atribulada fez
Roberta optar por ficar sem namorado. “Não que- Egressa da Faculdade de Ciências Aeronáuticas, a jovem tem paixão por voar
ro cobranças. Casamento e filhos nem pensar por
enquanto.” Chega a fazer quatro vôos num dia, em Para ser piloto, não há exigência de curso su- sítio da família em Guaíba, a menina tinha olhos
especial para levar malotes bancários ao interior do perior, mas Roberta não abriria mão de vivenciar apenas para os tratores e o maquinário. Aprendeu
Estado. É tempo só de abastecer o avião, pegar o o ambiente acadêmico. “Pago o Programa de Trei- a dirigir aos 11 anos. Aos cinco, teve um patinete
material para entrega e sair de novo. namento Prático de Vôo da PUCRS até hoje e com a motor.
Convidados pela revista PUCRS Informação prazer, sem arrependimento. A Universidade não me Roberta nunca se preocupou com os riscos da
para uma sessão de fotos no simulador de transição deu as tintas para encarar o mundo real. Mas a ba- carreira e atribui o atual pânico aos episódios de
para jato (Jet Trainer) da FACA, Roberta e o diretor gagem teórica me deu embasamento para dizer que 2006 e 2007 (acidente envolvendo um jato Legacy
da Faculdade, Elones Ribeiro, esqueceram as len- alguém está errado. Isso a Faculdade me concedeu: e um Boeing da Gol que fazia a rota Manaus-Rio de
tes e pareciam duas crianças brincando, enquanto a o conhecimento. Ter discernimento, mesmo estando Janeiro e outro com um Airbus da TAM no Aeroporto
ex-aluna se abastecia das novidades do curso, com ao lado de um comandante, de saber que ele não é de Congonhas, em São Paulo). “Está uma bagun-
sede de aprender mais. o dono da verdade. Toda hora tenho que avaliar e ça lamentável e falta infra-estrutura. Mas, no mais,
Para ela, ter feito a graduação é fundamental na ver se o que ele está fazendo é correto. Isso é um não há problema.”
hora de tomar decisões e se relacionar no trabalho. treinamento que a gente recebe na Faculdade, de Ao se formar, fez cursos de planador e instrutor
“Com o conhecimento, tenho base para ver quando comunicação e interação”, destaca. de vôo, reboque de planador e deu aulas no Aeroclu-
não são tomadas decisões corretas e sentir a me- Na família nunca houve surpresa com a troca be. Experiência que serviu para a atual função na
lhor forma de dizer isso aos colegas.” Refere-se a da opção de Medicina para Ciências Aeronáuticas. Flight Escola de Aviação. Para tanto teve de retomar
situações como tempo e abastecimento. Roberta soube detalhes da graduação com um cole- os conteúdos teóricos e se reencontrar com um dos
Ao longo da profissão, ela enfrentou muito pre- ga de cursinho pré-vestibular. Antes de fazer o curso temas de que gosta muito: segurança de vôo. Ensina
conceito pelo fato de ser mulher. O contrário do que de piloto privado no Aeroclube do Rio Grande do Sul, comissários e já lecionou para pilotos e mecânicos.
viveu na Faculdade até 2005. “Éramos apenas três veio à FACA e conversou com o professor Cláudio No tempo livre, gosta de sair com amigos, ir a
ante 36 homens, mas nunca fazíamos grupo juntas, Scherer. Ele sugeriu que fizesse o primeiro vôo no Guaíba, ao cinema e fazer compras. Nas férias pre-
tal a boa convivência. Isso que era um número re- Aeroclube e adorou. Estava tomada a decisão. fere ficar em casa, pois durante o ano tem a opor-
corde de mulheres para o curso, quatro, mas uma O interesse por motores desde criança pesou. tunidade de conhecer as cidades para as quais voa
saiu e só voltou mais adiante. Por isso meu choque Enquanto o avô e o pai, engenheiro eletricista, que- a trabalho, ao esperar pelos passageiros. Uma das
depois que deixei a PUCRS.” riam despertar nela a sua paixão pelos cavalos, no vantagens da profissão.

PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 | 45


socia l

Telemedicina leva
mais saúde ao Xingu Eduardo Araújo, estudante de Medicina, gostou da experiência

Universitários convivem com indígenas e possibilitam diagnósticos a distância

C
Fotos: Arquivo Pessoal
onviver com indígenas e contribuir para a kuro, Matipu, Nafukuá, Kamaiurá, Aweti e Yawalapti.
ampliação de seu acesso a serviços de saú- Por meio de um software desenvolvido por Denver
de foram resultados da Missão Xingu, realiza- Marchese Orsolin, aluno de Engenharia Mecatrônica
da em julho no Mato Grosso, com a participação de e bolsista do MicroG, os dados foram enviados dia-
sete universitários da PUCRS, de Medicina, Odonto- riamente a professores da Universidade para darem
logia, Farmácia, Biociências e Engenharia, além de uma hipótese diagnóstica. O médico responsável pelo
um aluno estrangeiro, coordenados pelos professo- atendimento aos indígenas decidiu então os tratamen-
res Thaís Russomano e tos. Participaram como
Ir. Édison Hüttner. Par- especialistas o derma-
“Lembro muito das ações da Missão,
te do Programa Missão tologista Sérgio Célia, o
camaradagem, jeito simples, aceite incondi-
Amazônia, do Núcleo cardiologista Bernardo Seis horas de barco até o Alto Xingu
cional do precário espaço físico onde o grupo
de Estudos e Pesqui- Sukienik, o estomatolo-
ficou. Os representantes da PUCRS conquista-
sa em Cultura Indígena gista Alexandre Futter, o
ram o Alto Xingu com seriedade e profissiona-
(Faculdade de Direito), cirurgião-dentista Eder
lismo. Muito contribuíram para o crescimento
em parceria com o Cen- Hüttner e a farmacêutica
da saúde do povo indígena. Daqui para fren-
tro de Microgravidade Marlise Araújo dos San-
te vamos caminhar mais longe, em direção à
(MicroG, Faculdade de tos, com colaboração da
verdadeira integração da vontade de ajudar e
Engenharia), o trabalho vice-diretora da Facul-
o desejo de receber. Penso que a telemedici-
se baseou na telemedi- dade de Medicina Maria
na trará uma contribuição eficaz para o difícil
cina para proporcionar Helena Itaqui Lopes e da
problema de deslocamento do indígena para
uma segunda opinião professora da Odontolo-
fora da sua casa em busca de um diagnóstico
especializada em Der- gia Helena Willhelm de
de ponta e conseqüente terapêutica.”
matologia, Cardiologia, Oliveira.
Vitor Tarouco Oliveira de Oliveira Índios convivem em aldeias na reserva
Odontologia, Farmácia O aluno de Medici-
Médico gaúcho que atua no posto
e Nutrição a indígenas na Eduardo Araújo, 22 tudante de Medicina que também integrou o Missão
Leonardo Villas Boas pela Funasa
do Alto Xingu, em auxí- anos, diz que a experi- Amazônia em Ji-Paraná (Rondônia), acredita que
lio ao trabalho do Posto ência mostrou a possi- os povos do Xingu vivem melhor por preservarem
Leonardo Villas Boas, às margens do Rio Tuatuari. bilidade de uso da telemedicina no Xingu e em outros mais a sua cultura. Fabrício Freitas, 21, estudante
Houve a parceria com a Fundação Nacional de Saú- locais afastados dos meios urbanos. O responsável de Odontologia, lembra que, ao prestar atendimento
de (Funasa) e líderes indígenas da região. A cidade técnico do projeto, Ricardo Bertoglio Cardoso, esta- aos índios, acaba-se interferindo no seu cotidiano.
mais próxima, Canarana, fica a 240 quilômetros. giário do MicroG e estudante de Engenharia Elétri- Também participaram do Kuarup, com o choro pelos
O grupo, ao lado dos profissionais do local e ca, lembra que, além de precisarem ir de barco ou mortos e as competições entre as aldeias.
agentes indígenas de saúde, realizou exames e anali- avião a hospitais, sair da aldeia é um choque para O programa foi realizado em 2004 no Alto Soli-
sou casos clínicos das comunidades de Kapalo, Kui- os indígenas. “A partir de uma segunda opinião es- mões (Amazonas) e dois anos depois, em Ji-Paraná.
pecializada, pode-se fazer um diagnóstico de forma Ir. Édison acredita que esses trabalhos representam
rápida em casos mais graves e, nos simples, evitar uma importante contribuição da Universidade para
deslocamentos desnecessários”, argumenta. com os povos que vivem na região amazônica, de
Os alunos da Missão Xingu fazem parte da Liga modo particular, no Alto Xingu.
de Telemedicina e Telessaúde, criada em dezem-
bro. Dedicam o tempo livre ao estudo sobre o co-
nhecimento e tecnologias voltadas ao cuidado com
a saúde. Além da experiência prática, ir ao Alto Xingu
representou várias lições. Para chegar lá, são ne-
Parque do Xingu
cessárias duas horas por terra para percorrer 120 Localizado no Noroeste do Mato Grosso,
km e depois seis horas de barco. na Bacia do Rio Xingu, foi criado em 14 de abril
A forma de viver dos indígenas, sua organização de 1961 pelo presidente Jânio Quadros. É con-
e a relação de respeito com os profissionais de saú- siderado uma das maiores reservas indígenas,
de causaram admiração. Ricardo ficou espantado com 2.642.003 hectares. Atualmente, vivem
Grupo da PUCRS com a comunidade local com “a paz que eles têm”. Márcio Kessler, 24, es- na área 5.500 índios, de 14 etnias: Kuikuro,
Kalapálo, Nahukuá, Matipú, Txikão, Mehináku,
Waurá, Yawalapití, Awetí, Kamaiurá, Juruna,
46 | PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2008 Kayabí, Trumãi e Suiá.
OPINIÃO

A avaliação na PUCRS
A
avaliação na PUCRS registra representantes dos Campus de Uru-
uma história com significati- guaiana e de Viamão e de setores
vas experiências em diferen- como a Coordenadoria de Avaliação
tes momentos e instâncias e reflete da Pró-Reitoria de Graduação, a Ge-
a posição expressa no marco refe- rência de Tecnologia da Informação
rencial da Universidade, no qual se e Telecomunicação, a assessoria
afirma a disposição à “permanente estatística, dentre outros.
auto-avaliação de desempenho, em Embora essas diferentes ins-
busca de seu aperfeiçoamento ins- tâncias participem dos processos
titucional e do cumprimento mais avaliativos, é no contexto das Fa-
perfeito de seus objetivos”. culdades que ocorre, de forma mais
O final da década de 70 consti- intensa, o envolvimento da comu-
tuiu um importante marco dessa tra- nidade acadêmica à avaliação. As
jetória, mas na década de 80 é que Faculdades, por meio das direções,
foram implantados projetos avalia- coordenações, docentes e discentes
tivos amplos e sistemáticos. Nos participam das diversas etapas do
anos 90, observou-se o aprofunda- planejamento, execução e análise
mento de processos nas diferentes dos resultados de avaliações.
unidades acadêmicas, com novos As modalidades de avaliação
instrumentos e a inclusão de abor- externa, rea­lizadas pelo MEC, são,
dagens qualitativas. Essas experi- igualmente, subsídios para as refle-
ências trouxeram como resultado, xões internas. Assim, no âmbito da
entre outros, a qualificação dos cur- graduação, por exemplo, os resulta-
rículos de cursos e o incremento na dos da Avaliação in loco, os resulta-
infra-estrutura para o ensino, além dos do recém-implantado Conceito
de suscitar inúmeras monografias, Preliminar de Curso (CPC), os resul-
dissertações e teses elaboradas ou tados do Exame Nacional de Cursos
orientadas por docentes da PUCRS, (ENADE) e o resultado do Índice de
deixando importante legado e contri-
buições nessa trajetória.
MARION CREUTZBERG Diferença entre os Desempenhos
Observado e Esperado (IDD) são
Em 2004, dando continuidade à
Coordenadora de Avaliação minuciosamente analisados e con-
história de avaliação somada à pro- da Pró-Reitoria de Graduação tribuem para a contínua reorienta-
posição da Lei do Sistema Nacional ção das ações universitárias.
de Avaliação da Educação Superior A avaliação, independentemen-
(SINAES), a PUCRS iniciou um novo período no sociação dos Funcionários, Diretório Central te de sua dimensão, é imprescindível. Consti-
que diz respeito à avaliação. Em 2005, foi de- dos Estudantes, Assessoria de Planejamento e tui imperativo ético e reflete o compromisso da
sencadeada a Auto-Avaliação Institucional, um Marketing e Faculdade de Educação. Integram, Universidade com a comunidade interna e ex-
amplo e complexo processo, que envolveu toda ainda, dois representantes da sociedade civil, terna, na permanente busca de seu aperfeiçoa-
a comunidade acadêmica, em dois momentos para que o olhar externo seja garantido na ava- mento como espaço de ensino e de aprendiza-
distintos: um com método qualitativo e outro liação. Para a execução dos processos avaliati- gem, de pesquisa e de extensão, que responda
por meio de procedimento quantitativo de auto- vos, a CPA conta com comissões técnicas com- às demandas e desafios do mundo contempo-
avaliação. Em 2006, como resultado da Auto- postas por representantes das Pró-Reitorias, râneo.
Avaliação Institucional, foi implantada a Ava-
liação de Disciplinas de Graduação, que ocorre
semestralmente. No Plano de Desenvolvimento
Institucional 2006-2010 da PUCRS, esses pro-
cessos constituem as três dimensões de Auto- “A avaliação, independentemente de sua
Avaliação Institucional.
A articulação e o acompanhamento dos
dimensão, é imprescindível. Constitui imperativo
diferentes processos de avaliação são de res-
ponsabilidade da Comissão Própria de Avalia-
ético e reflete o compromisso da Universidade
ção (CPA/PUCRS). Criada em 2005, é nomea­ com a comunidade interna e externa, na
da anualmente pelo Reitor. Representantes de
diferentes instâncias e públicos da PUCRS in- permanente busca de seu aperfeiçoamento.”
tegram a CPA: Pró-Reitoria de Graduação, As-
sociação dos Docentes e Pesquisadores, As-

PUCRS INFORMAÇÃO Nº 141 • setembro/outubro 2007 | 47