Você está na página 1de 16

Ética académica

Metodologias de Investigação

ISCAL
2019/2020
Plágio académico
(Adaptado de Ferro, J. & Martins, H. (2016). Academic Plagiarism: Yielding to
Temptation. British Journal of Education, Society & Behavioural Science, 13(1), 1-11.)

O termo «plágio» tem 0rigem no étimo latino


plagarius, que significa «raptor», «ladrão»,
«saqueador».

2
Plágio académico

Após a invenção da imprensa (séc. XV), tornou-se


mais fácil descobrir semelhanças entre os textos que
circulavam. Ganhou-se uma maior consciência
desta forma de fraude, que chocava contra os ideais
então emergentes de originalidade e de
individualidade.
As primeiras leis de direito autoral surgem em 1710
em Inglaterra, e em 1790 nos EUA.

3
Plágio académico

Atualmente, o termo «plágio» pode ser entendido


como a utilização de palavras, ideias ou de outras
produções artísticas de outrem fazendo passá-las
como próprias.

4
Plágio académico

Por vezes, o plágio pode ser não intencional. Pode


ser resultante de um fenómeno psicológico
designado por criptomnésia, em que certas
imagens da memória são reconhecidas como
criações originais.
Trata-se de um «plágio inconsciente», recorrente
na literatura e na música.

5
Plágio académico

Mas será que os alunos que copiam parágrafos


inteiros de outros autores sofrem de criptomnésia?

O plágio académico ocorre quando um escritor usa


deliberadamente a linguagem de outro, as suas
ideias ou outro material (que não seja do
conhecimento geral) sem identificar a sua fonte.

6
Plágio académico

Existem dois tipos fundamentais de plágio


académico.

Utilização direta e literal de


Plágio
texto, imagens, gráficos,
explícito tabelas, etc.

Plágio Utilização de ideias, conceitos,


ideológico teorias, exemplos, etc.

7
Exemplos de plágio académico
Entrevista semidiretiva, semiestruturada ou Entrevista semiestruturada ou semidirectiva
semidirigida
Na entrevista semiestruturada ou
Neste tipo de entrevista, o entrevistador semidirectiva, o entrevistador orienta-se por
orienta-se por um guião de temas que serão um guião de temas que serão abordados
abordados livremente, sem obedecer a uma livremente sem obedecer a uma ordem
ordem determinada. Deste modo, o determinada. Deste modo, o entrevistador
entrevistador pode alterar a ordem das pode alterar a ordem das questões
questões preparadas ou introduzir novas preparadas ou introduzir novas questões no
questões no decorrer da entrevista, decorrer da entrevista, solicitando
solicitando esclarecimentos ou informação esclarecimentos ou informação adicional, não
adicional, não estando regulado por um estando, portanto, regulado por um guião
guião rígido. Além disso, o entrevistado rígido (Simões, 2006). Por outro lado, o
também não está condicionado a responder entrevistado também não está condicionado a
apenas ao que lhe é perguntado, pois as responder apenas ao que lhe é perguntado,
perguntas são abertas, podendo expandir-se pois as perguntas são abertas, podendo
para outros temas não previstos pelo expandir-se para outros temas não previstos
entrevistador. pelo entrevistador.

8
Exemplos de plágio académico
A análise de conteúdo constitui um conjunto de A análise de conteúdo constitui uma metodologia
métodos de pesquisa usada para descrever e de pesquisa usada para descrever e interpretar o
interpretar o conteúdo de todo o tipo de conteúdo de toda a classe de documentos e
documentos e textos. textos.

A sua matéria-prima pode constituir-se de qualquer A matéria-prima da análise de conteúdo pode


fonte oriunda de comunicação verbal ou não- constituir-se de qualquer material oriundo de
verbal, exemplo: jornais, revistas, livros, comunicação verbal ou não-verbal como cartas,
entrevistas, relatórios, mas não só de fontes de cartazes, jornais, revistas, informes, livros, relatos
origem escrita, mas também de fontes de natureza auto-biográficos, discos, gravações, entrevistas,
iconográfica e cinematográfica, exemplo: filmes, diários pessoais, filmes, fotografias, vídeos, etc.
fotografias, vídeos.

Na sua vertente qualitativa, a análise de conteúdo A análise de conteúdo em sua vertente


inicia-se com uma série de pressupostos, os quais, qualitativa, parte de uma série de pressupostos, os
no estudo de um texto não têm um único quais, no exame de um texto servem de suporte
significado, ou seja, um texto contém muitos para captar o seu sentido simbólico. Este sentido
significados e o seu sentido pode ser interpretado nem sempre é manifesto e o seu significado não é
de diversas formas, que poderá ser diferente de único. Poderá ser enfocado em função de
acordo com cada leitor. diferentes perspetivas.
9
Como evitar o plágio:
Referenciação correta das fontes

Plágio

Paráfrase Citação direta

Citação indireta
10
Citação direta

Transcrição textual de parte de uma obra:

A este propósito, Fernandes (2006: 145) destaca


que, enquanto modalidade do contrato de
prestação de serviços, é o «contrato de
empreitada, porventura até a mais importante».

11
Citação indireta (ou paráfrase)

Utilização das ideias de um autor, sem se


fazer uma transcrição textual das suas
palavras:
Desta forma, os bancos, e também as companhias
de seguros e os fundos mútuos, transformam os
contratos financeiros e os títulos (Gurley e Shaw,
1960; Benston e Smith, 1976; Fama, 1980).

12
Casos em que é necessário usar
referências bibliográficas
1. Assinalar a fonte de tabelas, dados estatísticos, gráficos,
fotografias e outras ilustrações.
2. Quando se discute uma teoria, um modelo ou uma prática
associados a um autor em particular.
3. Para dar peso e credibilidade a um argumento.
4. Para enfatizar uma teoria, um modelo ou uma prática que é
amplamente aceite por especialistas da área.
5. Para fornecer as fontes de citações diretas ou de certas
definições.
6. Quando se parafraseia o trabalho de outra pessoa, o qual se
encontra fora do domínio do conhecimento geral e pode ser
motivo de debate. 13
Formas de desonestidade
académica
Exame ou teste Trabalho ou dissertação Outras formas
Receber ou fornecer Outro aluno elaborar o Uso inadequado de
informação durante a prova. trabalho ou elaborar o referências bibliográficas.
trabalho de outro aluno.
Usar notas não autorizadas. Receber reconhecimento pelo Manipular os professores ou
trabalho de outrem. outros funcionários.
Conseguir acesso prévio a Apresentar o mesmo trabalho Inventar desculpas para o não
uma cópia da prova. em mais do que uma cumprimento de prazos.
disciplina.
Conseguir acesso prévio a Inventar dados. Impedir outros alunos de
respostas. completarem as suas tarefas.
Outro aluno realizar a prova Receber ajuda não autorizada. Falsificar informação nos
em vez de quem deve realizá- registos académicos.
-la.
Usar algum dispositivo não Comprar trabalhos ou Trabalho colaborativo não
autorizado para auxiliar na dissertações (pré-escritos ou autorizado.
realização da prova. escritos para o efeito). 14
Como evitar o plágio e outras formas de
desonestidade académica

• Saber o que é o plágio e o que ele implica;


• Encarar cada tarefa como uma valiosa
oportunidade de aprendizagem;
• Distinguir entre plágio, paráfrase e citação
direta;
• Analisar e organizar as fontes utilizadas;
• Tornar claro quando se está a recorrer a
ideias de outros autores, mesmo quando
não se usam as suas palavras exatas;
15
Como evitar o plágio e outras formas de
desonestidade académica

• Identificar as citações diretas com o


número exato de página;
• Fornecer sempre as referências devidas
para ideias, opiniões, teorias, factos,
estatísticas, gráficos, imagens;
• Iniciar a sua investigação atempadamente
- evitar ser apanhado pela falta de tempo;
• Quando em dúvida, jogar pelo seguro:
mais vale pecar por excesso de referências.
16

Você também pode gostar