Você está na página 1de 215

ÍNDICE

PRAIA GRANDE
MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE PRAIA GRANDE
DO ESTADO DE SÃO PAULO

COMUM AOS CARGOS DE PROFESSOR III:


• Ciências Físicas • Biológicas
• Educação Especial – DI • Educação Física • Geografia
• História • Inglês • Língua Portuguesa • Matemática

170NB-S9
EDITAL Nº 004/2019
ÍNDICE

Língua Portuguesa
Português: - Questões que possibilitem avaliar a capacidade de Interpretação de texto, conhecimento da norma culta na modalidade
escrita do idioma e aplicação da Ortografia oficial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Acentuação gráfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
Pontuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Classes gramaticais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Concordância verbal e nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Pronomes: emprego e colocação e Regência nominal e verbal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

Conhecimentos Pedagógicos
Concepção de educação e escola. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Função social da escola e compromisso social do educador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
A construção de identidades nas interações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
A ludicidade como dimensão humana. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Educação: cuidar e educar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Políticas educacionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Projeto político-pedagógico: fundamentos para orientação, planejamento e implementação de ações na criação de condições para o
desenvolvimento humano, com foco no educando, dentro do processo ensino-aprendizagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Currículo como construção sócio histórico e cultural. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Avaliação e registro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Organização da escola centrada no processo de aprendizagem e desenvolvimento do educando: ciclos – os tempos da vida hu-
mana. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Educação inclusiva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Gestão participativa na escola. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. 21ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
GADOTTI, M. Educação Integral no Brasil: inovações em processo. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009. . . . . . 38
HARGREAVES, A. O Ensino na sociedade do conhecimento: educação na era da insegurança. Porto Alegre: Artmed, 2004. . . . . . . 41
HOFFMANN, Jussara. Avaliar para promover. Porto Alegre: Mediação, 2002. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Indagações sobre o Currículo: - Caderno 1 – Os Educandos, seus direitos e o Currículo – Arroyo, Miguel; Caderno 2 – Currículo e De-
senvolvimento Humano – Elvira Souza Lima; Caderno 3 – Currículo, Conhecimento e Cultura – Antonio Flávio Moreira e Vera Maria
Candau; Currículo e Avaliação – Claudia Moreira Fernandes e Luiz Carlos de Freitas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, UNESCO, 2000. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000. ______________. Os ciclos de aprendizagem. Um
caminho para combater o fracasso escolar. Porto Alegre: Artmed, 2004. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
RIOS, T. A. Compreender e ensinar: por uma docência da melhor qualidade. São Paulo: Cortez, 2001. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
VASCONCELLOS, Celso S. Planejamento - Projeto de Ensino Aprendizagem e Projeto Político Pedagógico, São Paulo: Libertad,
2002. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
VYGOTSKY, L.S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Tecnologia Educacional: Descubra Suas Possibilidades na Sala de Aula. Ligia Silva Leite- Editora Vozes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

Conhecimentos da Legislação
Constituição da República Federativa do Brasil - promulgada em 5 de outubro de 1988, Artigos 5°, 37 ao 41, 205 ao 214, 227 ao
229 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Lei Federal n.° 8.069, de 13/07/90 - Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Lei Federal n.° 9.394, de 20/12/96 - Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Lei Federal n.º 13.005, de 25/06/14 – Aprova o Plano Nacional de Educação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Lei Federal nº. 12.764, de 27/12/2012 - Política Nacional de Proteção aos Direitos da Pessoa com o Espectro . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
Lei Federal nº. 13.146, de 06/07/2015. Capítulo IV – Do Direito à Educação. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. . 83
Resoluções da Câmara de Educação Básica – 2010 a 2018 disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?Itemid=866&i-
d=12816&option=com_content&view=articl . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
ÍNDICE

MEC – Publicações para a Educação Especial disponíveis em: http://portal.mec.gov.br . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84


Lei Complementar 761, de 30 de novembro de 2017, que dispõe sobre o Plano de Carreira e o Estatuto do Magistério Público Munici-
pal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Lei Complementar 15/92 de 28 de Maio de 1992, que dispõe sobre o Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Praia Gran-
de. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
DICA

Como passar em um concurso público?

Todos nós sabemos que é um grande desafio ser aprovado em concurso público, dessa maneira é muito importante o concurseiro
estar focado e determinado em seus estudos e na sua preparação.
É verdade que não existe uma fórmula mágica ou uma regra de como estudar para concursos públicos, é importante cada pessoa
encontrar a melhor maneira para estar otimizando sua preparação.
Algumas dicas podem sempre ajudar a elevar o nível dos estudos, criando uma motivação para estudar. Pensando nisso, a Solução
preparou esse artigo com algumas dicas que irá fazer toda diferença na sua preparação.
Então mãos à obra!

Separamos algumas dicas para lhe ajudar a passar em concurso público!

- Esteja focado em seu objetivo: É de extrema importância você estar focado em seu objetivo, a aprovação no concurso. Você vai
ter que colocar em sua mente que sua prioridade é dedicar-se para a realização de seu sonho.
- Não saia atirando para todos os lados: Procure dar atenção em um concurso de cada vez, a dificuldade é muito maior quando
você tenta focar em vários certames, devido as matérias das diversas áreas serem diferentes. Desta forma, é importante que você
defina uma área se especializando nela. Se for possível realize todos os concursos que saírem que englobe a mesma área.
- Defina um local, dias e horários para estudar: Uma maneira de organizar seus estudos é transformando isso em um hábito, de-
terminado um local, os horários e dias específicos para estar estudando cada disciplina que irá compor o concurso. O local de estudo
não pode ter uma distração com interrupções constantes, é preciso ter concentração total.
- Organização: Como dissemos anteriormente, é preciso evitar qualquer distração, suas horas de estudos são inegociáveis, preci-
sa de dedicação. É praticamente impossível passar em um concurso público se você não for uma pessoa organizada, é importante ter
uma planilha contendo sua rotina diária de atividades definindo o melhor horário de estudo.
- Método de estudo: Um grande aliado para facilitar seus estudos, são os resumos. Isso irá te ajudar na hora da revisão sobre o
assunto estudado, é fundamental que você inicie seus estudos antes mesmo de sair o edital, caso o mesmo ainda não esteja publica-
do, busque editais de concursos anteriores. Busque refazer a provas dos concursos anteriores, isso irá te ajudar na preparação.
- Invista nos materiais: É essencial que você tenha um bom material voltado para concursos públicos, completo e atualizado.
Esses materiais devem trazer toda a teoria do edital de uma forma didática e esquematizada, contendo muito exercícios. Quando
mais exercícios você realizar, melhor será sua preparação para realizar a prova do certame.
- Cuide de sua preparação: Não é só os estudos que é importante na sua preparação, evite perder sono, isso te deixará com uma
menor energia e um cérebro cansado. É preciso que você tenha uma boa noite de sono. Outro fator importante na sua preparação, é
tirar ao menos 1 (um) dia na semana para descanso e lazer, renovando as energias e evitando o estresse.

Se prepare para o concurso público!

O concurseiro preparado não é aquele que passa o dia todo estudando, mas está com a cabeça nas nuvens, e sim aquele que se
planeja pesquisando sobre o concurso de interesse, conferindo editais e provas anteriores, participando de grupos com enquetes so-
bre o mesmo, conversando com pessoas que já foram aprovadas absorvendo as dicas e experiências, analisando a banca examinadora
do certame.
O Plano de Estudos é essencial na otimização dos estudos, ele deve ser simples, com fácil compreensão e personalizado com sua
rotina, vai ser seu triunfo para aprovação, sendo responsável pelo seu crescimento contínuo.
Além do plano de estudos, é importante ter um Plano de Revisão, será ele que irá te ajudar na memorização dos conteúdos estu-
dados até o dia da realização da prova, evitando a correria para fazer uma revisão de última hora próximo ao dia da prova.
Está em dúvida por qual matéria começar a estudar?! Uma dica, comece pela Língua Portuguesa, é a matéria com maior requisi-
ção nos concursos, a base para uma boa interpretação, no qual abrange todas as outras matérias.
DICA

Vida Social!

Sabemos que faz parte algumas abdicações na vida de quem estuda para concursos públicos, sempre que possível é importante
conciliar os estudos com os momentos de lazer e bem-estar. A vida de concurseiro é temporária, quem determina o tempo é você,
através da sua dedicação e empenho. Você terá que fazer um esforço para deixar de lado um pouco a vida social intensa, é importante
compreender que quando for aprovado, verá que todo o esforço valeu a pena para realização do seu sonho.
Uma boa dica, é fazer exercícios físicos, uma simples corrida por exemplo é capaz de melhorar o funcionamento do Sistema Ner-
voso Central, um dos fatores que são chaves para produção de neurônios nas regiões associadas à aprendizagem e memória.

Motivação!

A motivação é a chave do sucesso na vida dos concurseiros. Compreendemos que nem sempre é fácil, e as vezes bate aquele
desânimo com vários fatores ao nosso redor. Porém a maior garra será focar na sua aprovação no concurso público dos seus sonhos.
É absolutamente normal caso você não seja aprovado de primeira, é primordial que você PERSISTA, com o tempo você irá adquirir
conhecimento e experiência.
Então é preciso se motivar diariamente para seguir a busca da aprovação, algumas orientações importantes para conseguir mo-
tivação:
- Procure ler frases motivacionais, são ótimas para lembrar dos seus propósitos;
- Leia sempre os depoimentos dos candidatos aprovados nos concursos públicos;
- Procure estar sempre entrando em contato com os aprovados;
- Escreve o porque que você deseja ser aprovado no concurso, quando você sabe seus motivos, isso te da um ânimo maior para
seguir focado, tornando o processo mais prazeroso;
- Saiba o que realmente te impulsiona, o que te motiva. Dessa maneira será mais fácil vencer as adversidades que irá aparecer.
- Procure imaginar você exercendo a função da vaga pleiteada, sentir a emoção da aprovação e ver as pessoas que você gosta,
felizes com seu sucesso.
Como dissemos no começo, não existe uma fórmula mágica, um método infalível. O que realmente existe é a sua garra, sua
dedicação e motivação para estar realizando o seu grande sonho, de ser aprovado no concurso público. Acredite em você e no seu
potencial.
A Solução tem ajudado há mais de 35 anos quem quer vencer a batalha do concurso público. Se você quer aumentar as suas
chances de passar, conheça os nossos materiais, acessando o nosso site: www.apostilasolucao.com.br
LÍNGUA PORTUGUESA

Português: - Questões que possibilitem avaliar a capacidade de Interpretação de texto, conhecimento da norma culta na modalidade
escrita do idioma e aplicação da Ortografia oficial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Acentuação gráfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
Pontuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Classes gramaticais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Concordância verbal e nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Pronomes: emprego e colocação e Regência nominal e verbal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
LÍNGUA PORTUGUESA

Num texto, cada uma das partes está combinada com as


PORTUGUÊS: - QUESTÕES QUE POSSIBILITEM AVA- outras, criando um todo que não é mero resultado da soma das
LIAR A CAPACIDADE DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO, partes, mas da sua articulação. Assim, a apreensão do signifi-
CONHECIMENTO DA NORMA CULTA NA MODALIDADE cado global resulta de várias leituras acompanhadas de várias
ESCRITA DO IDIOMA E APLICAÇÃO DA ORTOGRAFIA hipóteses interpretativas, levantadas a partir da compreensão
OFICIAL; de dados e informações inscritos no texto lido e do nosso conhe-
cimento do mundo.
LEITURA, COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO A interpretação do texto é o que podemos concluir sobre
DE TEXTOS ele, depois de estabelecer conexões entre o que está escrito e
a realidade. São as conclusões que podemos tirar com base nas
Leitura ideias do autor. Essa análise ocorre de modo subjetivo, e são
relacionadas com a dedução do leitor.
A leitura é prática de interação social de linguagem. A leitu- A interpretação de texto é o elemento-chave para o resul-
ra, como prática social, exige um leitor crítico que seja capaz de tado acadêmico, eficiência na solução de exercícios e mesmo na
mobilizar seus conhecimentos prévios, quer linguísticos e tex- compreensão de situações do dia-a-dia.
tuais, quer de mundo, para preencher os vazios do texto, cons- Além de uma leitura mais atenta e conhecimento prévio
truindo novos significados. Esse leitor parte do já sabido/conhe- sobre o assunto, o elemento de fundamental importância para
cido, mas, superando esse limite, incorpora, de forma reflexiva, interpretar e compreender corretamente um texto é ter o domí-
novos significados a seu universo de conhecimento para melhor nio da língua.
entender a realidade em que vive. E mesmo dominando a língua é muito importante ter um
dicionário por perto. Isso porque ninguém conhece o significado
Compreensão de todas as palavras e é muito difícil interpretar um texto desco-
nhecendo certos termos.
A compreensão de um texto é a análise e decodificação do
que está realmente escrito nele, das frases e ideias ali presentes. Dicas para uma boa interpretação de texto:
A compreensão de texto significa decodificá-lo para entender o
que foi dito. É a análise objetiva e a assimilação das palavras e - Leia todo o texto pausadamente
ideias presentes no texto. - Releia o texto e marque todas as palavras que não sabe o
Para ler e entender um texto é necessário obter dois níveis significado
de leitura: informativa e de reconhecimento. - Veja o significado de cada uma delas no dicionário e anote
Um texto para ser compreendido deve apresentar ideias se- - Separe os parágrafos do texto e releia um a um fazendo o
letas e organizadas, através dos parágrafos que é composto pela seu resumo
ideia central, argumentação/desenvolvimento e a conclusão do - Elabore uma pergunta para cada parágrafo e responda
texto. - Questione a forma usada para escrever
Quando se diz que uma pessoa tem a compreensão de algo, - Faça um novo texto com as suas palavras, mas siga as
significa que é dotada do perfeito domínio intelectual sobre o ideias do autor.
assunto.
Para que haja a compreensão de algo, como um texto, por Lembre-se que para saber compreender e interpretar mui-
exemplo, é necessária a sua interpretação. Para isso, o indivíduo to bem qualquer tipo de texto, é essencial que se leia muito.
deve ser capaz de desvendar o significado das construções tex- Quanto mais se lê, mais facilidade de interpretar se tem. E isso é
tuais, com o intuito de compreender o sentido do contexto de fundamental em qualquer coisa que se faça, desde um concur-
uma frase. so, vestibular, até a leitura de um anúncio na rua.
Assim, quando não há uma correta interpretação da men-
sagem, consequentemente não há a correta compreensão da Resumindo:
mesma.
Compreensão Interpretação
Interpretação
É o que podemos
É a análise do que
concluir sobre o que
Interpretar é a ação ou efeito que estabelece uma relação está escrito no texto,
está escrito no texto.
de percepção da mensagem que se quer transmitir, seja ela si- O que é a compreensão das
É o modo como
multânea ou consecutiva, entre duas pessoas ou entidades. frases e ideias pre-
interpretamos o
A importância dada às questões de interpretação de textos sentes.
conteúdo.
deve-se ao caráter interdisciplinar, o que equivale dizer que a
competência de ler texto interfere decididamente no aprendiza- A informação está
do em geral, já que boa parte do conhecimento mais importante A informação está fora do texto, mas
Informação
nos chega por meio da linguagem escrita. A maior herança que presente no texto. tem conexão com
a escola pode legar aos seus alunos é a competência de ler com ele.
autonomia, isto é, de extrair de um texto os seus significados.

1
LÍNGUA PORTUGUESA

Trabalha com a Não é de hoje que o discurso da segurança na Internet é


Trabalha com a sub- usado para tentar atacar o caráter livre, plural e diverso da In-
objetividadem, com
jetividade, com o que ternet. Como há dificuldades de se apurar crimes na rede, as
Análise as frases e palavras
você entendeu sobre soluções buscam criminalizar o máximo possível e transformar a
que estão escritas no
o texto. navegação em algo controlado, violando o princípio da presun-
texto.
ção da inocência previsto na Constituição Federal. No caso dos
crimes contra a honra, a solução adotada pode ter um impacto
QUESTÕES
trágico para o debate democrático nas redes sociais – atualmen-
01. SP Parcerias - Analista Técnic - 2018 - FCC te tão importante quanto aquele realizado nas ruas e outros lo-
cais da vida off line. Além disso, as propostas mutilam o Marco
Uma compreensão da História Civil da Internet, lei aprovada depois de amplo debate na socie-
dade e que é referência internacional.
Eu entendo a História num sentido sincrônico, isto é, em (*BLOG DO SAKAMOTO, L. 04/04/2016)
que tudo acontece simultaneamente. Por conseguinte, o que
procura o romancista - ao menos é o que eu tento fazer - é es- Após a leitura atenta do texto, analise as afirmações feitas:
boçar um sentido para todo esse caos de fatos gravados na tela I. O jornalista Jonas Valente está fazendo um elogio à visão
do tempo. Sei que esses fatos se deram em tempos distintos, equilibrada e vanguardista da Comissão Parlamentar que legisla
mas procuro encontrar um fio comum entre eles. Não se trata sobre crimes cibernéticos na Câmara dos Deputados.
de escapar do presente. Para mim, tudo o que aconteceu está a II. O Marco Civil da Internet é considerado um avanço em
acontecer. E isto não é novo, já o afirmava o pensador italiano todos os sentidos, e a referida Comissão Parlamentar está que-
Benedetto Croce, ao escrever: “Toda a História é História con- rendo cercear o direito à plena execução deste marco.
temporânea”. Se tivesse que escolher um sinal que marcasse III. Há o temor que o acesso a filmes, séries, informações
meu norte de vida, seria essa frase de Croce. em geral e o livre modo de se expressar venham a sofrer censura
(SARAMAGO, José. As palavras de Saramago. São Paulo: com a nova lei que pode ser aprovada na Câmara dos Deputa-
Companhia das Letras, 2010, p. 256) dos.
IV. A navegação na internet, como algo controlado, na visão
José Saramago entende que sua função como romancista é do jornalista, está longe de se concretizar através das leis a se-
A) estudar e imaginar a História em seus movimentos sin- rem votadas no Congresso Nacional.
crônicos predominantes. V. Combater os crimes da internet com a censura, para o jor-
B) ignorar a distinção entre os tempos históricos para man- nalista, está longe de ser uma estratégia correta, sendo mesmo
tê-los vivos em seu passado. perversa e manipuladora.
C) buscar traçar uma linha contínua de sentido entre fatos
dispersos em tempos distintos.
Assinale a opção que contém todas as alternativas corretas.
D) fazer predominar o sentido do tempo em que se vive so-
A) I, II, III.
bre o tempo em que se viveu.
B) II, III, IV.
E) expressar as diferenças entre os tempos históricos de
modo a valorizá-las em si mesmas. C) II, III, V.
D) II, IV, V.
02. Pref. de Chapecó – SC – Engenheiro de Trânsito – 2016
- IOBV 03. Pref. de São Gonçalo – RJ – Analista de Contabilidade
– 2017 - BIO-RIO
Por Jonas Valente*, especial para este blog.
Édipo-rei
A Comissão Parlamentar de Inquérito sobre Crimes Ciber-
néticos da Câmara dos Deputados divulgou seu relatório final. Diante do palácio de Édipo. Um grupo de crianças está ajoe-
Nele, apresenta proposta de diversos projetos de lei com a lhado nos degraus da entrada. Cada um tem na mão um ramo de
justificativa de combater delitos na rede. Mas o conteúdo des- oliveira. De pé, no meio delas, está o sacerdote de Zeus.
sas proposições é explosivo e pode mudar a Internet como a (Edipo-Rei, Sófocles, RS: L&PM, 2013)
conhecemos hoje no Brasil, criando um ambiente de censura
na web, ampliando a repressão ao acesso a filmes, séries e ou- O texto é a parte introdutória de uma das maiores peças
tros conteúdos não oficiais, retirando direitos dos internautas e trágicas do teatro grego e exemplifica o modo descritivo de or-
transformando redes sociais e outros aplicativos em máquinas ganização discursiva. O elemento abaixo que NÃO está presente
de vigilância. nessa descrição é:
A)a localização da cena descrita.
B) a identificação dos personagens presentes.
C) a distribuição espacial dos personagens.
D) o processo descritivo das partes para o todo.
E) a descrição de base visual.

2
LÍNGUA PORTUGUESA

04. MPE-RJ – Analista do Ministério Público - Processual – 05. MPE-RJ – Técnico do Ministério Público - Administrati-
2016 - FGV va – 2016 - FGV

Problemas Sociais Urbanos O futuro da medicina


Brasil escola
O avanço da tecnologia afetou as bases de boa parte das
Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a profissões. As vítimas se contam às dezenas e incluem músicos,
questão da segregação urbana, fruto da concentração de renda jornalistas, carteiros etc. Um ofício relativamente poupado até
no espaço das cidades e da falta de planejamento público que aqui é o de médico. Até aqui. A crer no médico e “geek” Eric To-
vise à promoção de políticas de controle ao crescimento desor- pol, autor de “The Patient Will See You Now” (o paciente vai vê-
denado das cidades. A especulação imobiliária favorece o enca- -lo agora), está no forno uma revolução da qual os médicos não
recimento dos locais mais próximos dos grandes centros, tor- escaparão, mas que terá impactos positivos para os pacientes.
nando-os inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, Para Topol, o futuro está nos smartphones. O autor nos
à medida que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas coloca a par de incríveis tecnologias, já disponíveis ou muito
e de fácil acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que próximas disso, que terão grande impacto sobre a medicina. Já
a grande maioria da população pobre busque por moradias em é possível, por exemplo, fotografar pintas suspeitas e enviar as
regiões ainda mais distantes. imagens a um algoritmo que as analisa e diz com mais precisão
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais do que um dermatologista se a mancha é inofensiva ou se pode
de residência com os centros comerciais e os locais onde traba- ser um câncer, o que exige medidas adicionais.
lham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes que so- Está para chegar ao mercado um apetrecho que transforma
frem com esse processo são trabalhadores com baixos salários. o celular num verdadeiro laboratório de análises clínicas, reali-
Incluem-se a isso as precárias condições de transporte público e zando mais de 50 exames a uma fração do custo atual. Também
a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que às vezes é possível, adquirindo lentes que custam centavos, transformar
não contam com saneamento básico ou asfalto e apresentam o smartphone num supermicroscópio que permite fazer diag-
elevados índices de violência. nósticos ainda mais sofisticados.
A especulação imobiliária também acentua um problema Tudo isso aliado à democratização do conhecimento, diz To-
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas pol, fará com que as pessoas administrem mais sua própria saú-
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por de, recorrendo ao médico em menor número de ocasiões e de
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da popula- preferência por via eletrônica. É o momento, assegura o autor,
ção que possui terrenos, mas que não possui condições de cons- de ampliar a autonomia do paciente e abandonar o paternalis-
truir neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que es- mo que desde Hipócrates assombra a medicina.
ses se tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes Concordando com as linhas gerais do pensamento de Topol,
vagos geralmente apresentam problemas como o acúmulo de mas acho que, como todo entusiasta da tecnologia, ele prova-
lixo, mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como velmente exagera. Acho improvável, por exemplo, que os hos-
a dengue. pitais caminhem para uma rápida extinção. Dando algum des-
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urba- conto para as previsões, “The Patient...” é uma excelente leitura
nos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com. para os interessados nas transformações da medicina.
br/brasil/problemas-ambientais-sociais-decorrentes-urbaniza- Folha de São Paulo online – Coluna Hélio Schwartsman –
ção.htm. Acesso em 14 de abril de 2016. 17/01/2016.

A estruturação do texto é feita do seguinte modo: Segundo o autor citado no texto, o futuro da medicina:
A) uma introdução definidora dos problemas sociais urba- A) encontra-se ameaçado pela alta tecnologia;
nos e um desenvolvimento com destaque de alguns problemas; B) deverá contar com o apoio positivo da tecnologia;
B) uma abordagem direta dos problemas com seleção e ex- C) levará à extinção da profissão de médico;
plicação de um deles, visto como o mais importante; D) independerá completamente dos médicos;
C) uma apresentação de caráter histórico seguida da explici- E) estará limitado aos meios eletrônicos.
tação de alguns problemas ligados às grandes cidades;
D) uma referência imediata a um dos problemas sociais ur- RESPOSTAS
banos, sua explicitação, seguida da citação de um segundo pro-
blema; 01 C
E) um destaque de um dos problemas urbanos, seguido de
sua explicação histórica, motivo de crítica às atuais autoridades. 02 C
03 D
04 B
05 B

3
LÍNGUA PORTUGUESA

NORMA CULTA Norma Padrão: está vinculada a uma língua modelo. Segue
prescrições representadas na gramática, mas é marcada pela lín-
A norma culta é um conjunto de padrões que definem quan- gua produzida em certo momento da história e em uma deter-
do um idioma está sendo empregado corretamente pelos seus minada sociedade. Como a língua está em constante mudança,
falantes. Trata-se de uma expressão empregada pelos linguistas diferentes formas de linguagem que hoje não são consideradas
brasileiros para designar o conjunto de variedades linguísticas pela Norma Padrão, com o tempo podem vir a se legitimar.
produzidas pelos falantes classificado como cidadãos nascidos Norma Popular:teria menos prestígio opondo-se à Norma
e criados em zona urbana e com nível de escolaridade elevado. Culta mais prestigiada, e a Norma Padrão se eleva sobre as duas
Assim, a norma culta define o uso correto da Língua Portuguesa anteriores. A Norma Popular é aquela linguagem que não é for-
com base no que está escrito nos livros de gramática. mal, ou seja, não segue padrões rígidos, é a linguagem popular,
A aprendizagem da língua inicia-se em casa, no contexto fa- falada no cotidiano.
miliar, que é o primeiro círculo social para uma criança. A criança O nível popular está associado à simplicidade da utilização
imita o que ouve e aprende, aos poucos, o vocabulário e as leis linguística em termos lexicais, fonéticos, sintáticos e semânticos.
combinatórias da língua. Um falante ao entrar em contato com É utilizado em contextos informais.
outras pessoas em diferentes ambientes sociais como a rua, a
escola e etc., começa a perceber que nem todos falam da mes- Dúvidas mais comuns da norma culta
ma forma. Há pessoas que falam de forma diferente por per-
tencerem a outras cidades ou regiões do país, ou por fazerem - Obrigada ou Obrigado?
parte de outro grupo ou classe social. Essas diferenças no uso da O indivíduo do sexo masculino, ao agradecer por algo, deve
língua constituem as variedades linguísticas. dizer obrigado;
Certas palavras e construções que empregamos acabam de- O indivíduo do sexo feminino, ao agradecer por algo, deve
nunciando quem somos socialmente, ou seja, em que região do dizer obrigada.
país nascemos, qual nosso nível social e escolar, nossa formação
- Encima ou em cima?
e, às vezes, até nossos valores, círculo de amizades e hobbies. O
A palavra em questão pode ser utilizada em ambos os for-
uso da língua também pode informar nossa timidez, sobre nos-
matos, porém, “encima”, escrita de modo junto, é um formato
sa capacidade de nos adaptarmos às situações novas e nossa
de verbo unicamente utilizado na linguagem formal, na 3ª pes-
insegurança.
soa do singular do indicativo ou na segunda pessoa do imperati-
A norma culta é a variedade linguística ensinada nas esco-
vo, com o significado de coroar ou colocar alguma coisa no alto.
las, contida na maior parte dos livros, registros escritos, nas mí-
Exemplo: “Uma coroa amarela encima ao cabelo daquele
dias televisivas, entre outros. Como variantes da norma padrão
homem”.
aparecem: a linguagem regional, a gíria, a linguagem específica
de grupos ou profissões. O ensino da língua culta na escola não
Já a palavra ‘em cima’, em seu formato separado, é muito
tem a finalidade de condenar ou eliminar a língua que falamos mais comum – tanto na linguagem coloquial como formal. O ob-
em nossa família ou em nossa comunidade. O domínio da língua jetivo dela é dizer que algo está em uma posição mais alta e/ou
culta, somado ao domínio de outras variedades linguísticas, tor- elevada do que outra.
na-nos mais preparados para nos comunicarmos nos diferentes Exemplo: “Coloquei suas chaves de casa em cima da escri-
contextos lingísticos, já que a linguagem utilizada em reuniões vaninha”.
de trabalho não deve ser a mesma utilizada em uma reunião de
amigos no final de semana. - Mau ou mal?
Portanto, saber usar bem uma língua equivale a saber em- “Mau” é um adjetivo que significa algo contrário ao que é
pregá-la de modo adequado às mais diferentes situações sociais bom. Sendo assim, ele é comumente utilizado em frases que in-
de que participamos. dicam uma pessoa com atitudes ruins ou como um sinônimo de
palavras como: difícil, indelicado, indecente, incapaz.
Norma culta, norma padrão e norma popular Exemplo: “Eu acho ele um mau aluno”.

Norma Culta: é uma expressão empregada pelos linguistas A palavra ‘mal’ é caracterizada como um advérbio utilizado
brasileiros para designar o conjunto de variantes linguísticas efe- como um antônimo do que é de bem. Sendo assim, ele indica
tivamente faladas, na vida cotidiana pelos falantes cultos, sendo algo sendo feito errônea ou incorretamente.
assim classificando os cidadãos nascidos e criados em zonas ur- Exemplo: “Ele mal sabe como lidar com essa situação”.
banas e com grau de instrução superior completo. É a variante
de maior prestígio social na comunidade, sendo realizada com Além disso, a palavra ‘mal’ também pode ser utilizada – nes-
certa uniformidade pelos membros do grupo social de padrão te caso, como substantivo – para significar uma angústia, doença
cultural mais elevado ou desgosto, retratando algo que aparentemente é nocivo ou
De modo geral, um falante culto, em situação comunicativa perigoso. Neste sentido.
formal, buscará seguir as regras da norma explícita de sua língua Exemplo: “Você precisa colocar o seu sono em dia, pois está
e ainda procurará seguir, no que diz respeito ao léxico, um reper- dormindo muito mal”.
tório que, se não for erudito, também não será vulgar.

4
LÍNGUA PORTUGUESA

- Mas ou mais pela hora do primeiro trem partir, qualquer trem - menos ficar
‘Mas’ é uma palavra que pode ser utilizada como sinônimo naquela estação vazia, menos ter que refrear o cavalo que corre-
de todavia ou porém, transmitindo a ideia de oposto. ria de coração batendo para outros, outros cavalos.
Exemplo: “Queria comprar roupas, mas não tenho dinhei- Passamos afinal à sala para um almoço que não tinha a
ro”. bênção da fome. E foi quando surpreendidos deparamos com a
mesa. Não podia ser para nós...
A palavra ‘mais’ é um advérbio que tem como principal ob- Era uma mesa para homens de boa-vontade. Quem seria o
jetivo o de transmitir noções de acréscimo ou intensidade, sen- conviva realmente esperado e que não viera? Mas éramos nós
do também um oposto a palavra ‘menos’. mesmos. Então aquela mulher dava o melhor não importava a
quem? E lavava contente os pés do primeiro estrangeiro. Cons-
Exemplo: Ela é a mais chata do curso. trangidos, olhávamos.
A mesa fora coberta por uma solene abundância. Sobre a
QUESTÕES toalha branca amontoavam-se espigas de trigo. E maçãs ver-
melhas, enormes cenouras amarelas [...]. Os tomates eram re-
01. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2016 - dondos para ninguém: para o ar, para o redondo ar. Sábado era
FEPESE de quem viesse. E a laranja adoçaria a língua de quem primeiro
Assinale a alternativa que apresenta incorreção na regência chegasse.
verbal de acordo com a norma culta: Junto do prato de cada mal convidado, a mulher que lavava
A) Quero a Pedro. pés de estranhos pusera - mesmo sem nos eleger, mesmo sem
B) Custou-lhe aceitar a verdade nos amar - um ramo de trigo ou um cacho de rabanetes ardentes
C) Eles se referiram sobre o outro governo. ou uma talhada vermelha de melancia com seus alegres caro-
D) Esta é a cidade com a qual sonhamos. ços. Tudo cortado pela acidez espanhola que se adivinhava nos
E) Assisti à conferência e não gostei. limões verdes. Nas bilhas estava o leite, como se tivesse atraves-
sado com as cabras o deserto dos penhascos. Vinho, quase ne-
02. Pref. de Piracicaba - SP - Professor de Educação Física gro de tão pisado, estremecia em vasilhas de barro. Tudo diante
– 2017 – RBO de nós. Tudo limpo do retorcido desejo humano. Tudo como é,
Assinale a alternativa correta, de acordo com a norma culta não como quiséramos. Só existindo, e todo. Assim como existe
e padrão da língua portuguesa. um campo. Assim como as montanhas. Assim como homens e
mulheres, e não nós, os ávidos. Assim como um sábado. Assim
A) Preferia vôlei à futebol.
como apenas existe. Existe.
B) Preferia vôlei a futebol.
Em nome de nada, era hora de comer. Em nome de nin-
C) Preferia vôlei do que futebol.
guém, era bom. Sem nenhum sonho. E nós pouco a pouco a par
D) Preferia mais vôlei a futebol.
do dia, pouco a pouco anonimizados, crescendo, maiores, à al-
E) Preferia mais vôlei que futebol.
tura da vida possível. Então, como fidalgos camponeses, aceita-
mos a mesa.
03. SEGEP/MA – Agente Penitenciário – 2016 - FUNCAB
Não havia holocausto: aquilo tudo queria tanto ser comi-
do quanto nós queríamos comê-lo. Nada guardando para o dia
A Repartição dos Pães seguinte, ali mesmo ofereci o que eu sentia àquilo que me fazia
sentir. Era um viver que eu não pagara de antemão com o sofri-
Era sábado e estávamos convidados para o almoço de obri- mento da espera, fome que nasce quando a boca já está perto
gação. Mas cada um de nós gostava demais de sábado para da comida. Porque agora estávamos com fome, fome inteira que
gastá-lo com quem não queríamos. Cada um fora alguma vez abrigava o todo e as migalhas. [...]
feliz e ficara com a marca do desejo. Eu, eu queria tudo. E nós E não quero formar a vida porque a existência já existe. Exis-
ali presos, como se nosso trem tivesse descarrilado e fôssemos te como um chão onde nós todos avançamos. Sem uma palavra
obrigados a pousar entre estranhos. Ninguém ali me queria, eu de amor. Sem uma palavra. Mas teu prazer entende o meu. Nós
não queria a ninguém. Quanto a meu sábado - que fora da ja- somos fortes e nós comemos.
nela se balançava em acácias e sombras - eu preferia, a gastá-lo Pão é amor entre estranhos.
mal, fechá-la na mão dura, onde eu o amarfanhava como a um LISPECTOR, Clarice. A legião estrangeira. Rio de Janeiro:
lenço. À espera do almoço, bebíamos sem prazer, à saúde do Rocco, 1999.
ressentimento: amanhã já seria domingo. Não é com você que
eu quero, dizia nosso olhar sem umidade, e soprávamos devagar Do ponto de vista da norma culta, a única substituição/mu-
a fumaça do cigarro seco. A avareza de não repartir o sábado, dança que poderia ser feita, sem alteração de valor semântico e
ia pouco a pouco roendo e avançando como ferrugem, até que linguístico, seria:
qualquer alegria seria um insulto à alegria maior. A) ali mesmo ofereci o que eu sentia àquilo que me fazia
Só a dona da casa não parecia economizar o sábado para sentir.” = ali mesmo ofereci o que eu sentia àquilo que fazia-me
usá-lo numa quinta de noite. Ela, no entanto, cujo coração já sentir.
conhecera outros sábados. Como pudera esquecer que se quer B) “tudo cortado pela acidez espanhola que se adivinhava
mais e mais? Não se impacientava sequer com o grupo hetero- nos limões verdes.” = tudo cortado pela acidez espanhola que
gêneo, sonhador e resignado que na sua casa só esperava como adivinhava-se nos limões verdes.

5
LÍNGUA PORTUGUESA

C) “mas cada um de nós gostava demais de sábado para gas- “Nesse segundo ciclo de visitas, os agentes já visitaram 22,4
tá-lo com quem não queríamos.” = mas cada um de nós gostava milhões de imóveis. Desses, 3,8 milhões não foram vistoriados,
demais de sábado para o gastar com quem não queríamos. de acordo com informações do Ministério da Saúde”. As formas
D) “só a dona casa não parecia economizar o sábado para demonstrativas “nesse” e “desses”:
usá-lo numa quinta de noite.” = só a dona da casa não parecia A) obedecem a uma mesma regra de estruturação textual.
economizar o sábado para usar-lhe numa quinta de noite. B) referem-se a termos afastados temporalmente.
E) “quanto a meu sábado - que fora da janela se balançava C) estão ligados a termos espacialmente próximos.
em acácias e sombras - eu preferia, a gastá-lo mal.” = Quanto a D) comprovam um emprego contrário à norma culta.
meu sábado - que fora da janela se balançava em acácias e som- E) demonstram um uso coloquial na língua portuguesa.
bras - eu preferia, do que gastá-lo mal.
06. Pref. de Lauro Muller/SC – Auxiliar Administrativo –
04. (SEDU/ES – Professor - Língua Portuguesa – FCC/2016) 2016 - FAEPESUL
Assim, a expressão norma culta deve ser entendida como Assinale o período em que a concordância verbal NÃO é
designando a norma linguística praticada, em determinadas si- aceita pela gramática culta da Língua Portuguesa:
tuações (aquelas que exigem certo grau de formalidade), por A) Promovem-se muitas festas beneficentes nesta institui-
aqueles grupos sociais mais diretamente relacionados com a ção de ensino.
cultura escrita, em especial por aquela legitimada historicamen- B) Os Estados Unidos comemora novas eleições.
te pelos grupos que controlam o poder social. [...] A cultura es- C) Fala-se de crises políticas, corrupção e propina.
crita, associada ao poder social, desencadeou também, ao longo D) Deve haver orientações para as famílias prejudicadas pe-
da história, um processo fortemente unificador, que visou e visa las enchentes.
uma relativa estabilização linguística, buscando neutralizar a va- E) Segundo a reportagem, fazia anos que estavam afastados
riação e controlar a mudança. Ao resultado desse processo, a dos pais.
essa norma estabilizada, costumamos dar o nome de norma-pa-
drão ou língua padrão. Respostas
(FARACO, 2002, p.40)
Depreende-se da leitura do texto que a 01. (C) 02. (B) 03. (C) 04. (C) 05. (A) 06. (B)
a) norma culta é a língua falada pelos que, detendo maior
prestígio social, buscam impô-la aos menos favorecidos. ORTOGRAFIA
b) norma culta e a norma–padrão são expressões sinôni-
mas, pois ambas neutralizam as variedades incultas e populares. A Ortografia estuda a forma correta de escrita das palavras
c) norma-padrão é escrita e refratária à variação linguística, de uma língua. Do grego “ortho”, que quer dizer correto e “gra-
pois busca estabilizar a língua, normatizando-a. fo”, por sua vez, que significa escrita.
d) norma-padrão restringe-se às situações comunicativas É influenciada pela etimologia e fonologia das palavras.
sociais em que o falante tem reconhecido poder social. Além disso, são feitas convenções entre os falantes de uma mes-
e) norma-padrão é aquela falada pela maioria da população ma língua que visam unificar a sua ortografia oficial. Trata-se dos
em situações que exijam formalidade discursiva. acordos ortográficos.

05. Pref. de Itupeva/SP – Procurador Municipal – 2016 - Alfabeto


FUNRIO O alfabeto é formado por 26 letras
Vogais: a, e, i, o, u, y, w.
DENGUE E VISTORIA Consoantes: b,c,d,f,g,h,j,k,l,m,n,p,q,r,s,t,v,w,x,z.
Alfabeto: a,b,c,d,e,f,g,h,i,j,k,l,m,n,o,p,q,r,s,t,u,v,w,x,y,z.
As equipes de combate ao Aedes aegypti já vistoriaram 18,6
milhões de imóveis em todo país. O balanço é do segundo ciclo Regras Ortográficas
de campanha de caça ao mosquito, iniciado este mês. Mas nem
todo mundo atendeu ao chamado dos agentes de saúde: muitos Uso do x/ch
imóveis visitados estavam fechados ou os moradores não abri-
ram suas portas. Até agora, a vistoria só aconteceu de fato em O x é utilizado:
33,4% do total de 67 milhões de residências que deveriam ser - Em geral, depois dos ditongos: caixa, feixe.
monitoradas. - Depois da sílaba -me: mexer, mexido, mexicano.
Nesse segundo ciclo de visitas, os agentes já visitaram 22,4 - Palavras com origem indígena ou africana: xavante, xingar.
milhões de imóveis. Desses, 3,8 milhões não foram vistoriados, - Depois da sílaba inicial -en: enxofre, enxada.
de acordo com informações do Ministério da Saúde. A abran- - Exceção: O verbo encher (e palavras derivadas) escreve-se
gência das visitas também foi divulgada. Dos 5.570 municípios com ch.
brasileiros, 4.438 já registraram as visitas no Sistema Informati-
zado de Monitoramento da Presidência da República (SIM-PR), Escreve-se com x Escreve-se com ch
segundo o novo balanço, concluído no dia 24. Os agentes de
saúde encontraram focos de larvas de Aedes aegypti em 3,2% bexiga bochecha
dos locais visitados.

6
LÍNGUA PORTUGUESA

bruxa boliche Escreve-se com g Escreve-se com j


caxumba broche estrangeiro berinjela
elixir cachaça gengibre cafajeste
faxina chuchu geringonça gorjeta
graxa colcha gíria jiboia
lagartixa fachada ligeiro jiló
tangerina sarjeta
Uso do h
Parônimos e Homônimos
O h é utilizado:
- No final de interjeições: Ah!, Oh! Há diferentes formas de escrita que existem, mas cujo sig-
- Por etimologia: hoje, homem. nificado é diferente.
- Nos dígrafos ch, lh, nh: tocha, carvalho, manhã.
- Palavras compostas: sobre-humano, super-homem. Palavras parônimas são parecidas na grafia ou na pronúncia,
- Exceção: Bahia quando se refere ao estado. O acidente ge- mas têm significados diferentes.
ográfico baía é escrito sem h. Exemplos:
Uso do s/z
cavaleiro (de cavalos) cavalheiro (educado)
O s é utilizado: descrição (descrever) discrição (de discreto)
- Adjetivos terminados pelos sufixos -oso/-osa que indicam
emigrar (deixar o país) imigrar (entrar no país)
grande quantidade, estado ou circunstância: maudoso, feiosa.
- Nos sufixo -ês, -esa, -isa que indicam origem, título ou pro-
fissão: marquês, portuguesa, poetisa. Palavras homônimas têm a mesma pronúncia, mas signifi-
- Depois de ditongos: coisa, pousa. cados diferentes.
- Na conjugação dos verbos pôr e querer: pôs, quiseram. Exemplos:

O z é utilizado: cela (cômodo pequeno) sela (de cavalos)


ruço (pardo claro) russo (da Rússia)
- Nos sufixos -ez/-eza que formam substantivos a partir de
adjetivos: magro - magreza, belo - beleza, grande - grandeza. tachar (censurar) taxar (fixar taxa)
- No sufixo - izar, que forma verbo: atualizar, batizar, hospi-
talizar. Consoantes dobradas

- Só se duplicam as consoantes C, R, S.
Escreve-se com s Escreve-se com z - Escreve-se com CC ou CÇ quando as duas consoantes soam
Alisar amizade distintamente: convicção, cocção, fricção, facção, etc.
atrás azar - Duplicam-se o R e o S em dois casos: Quando, intervocáli-
cos, representam os fonemas /r/ forte e /s/ sibilante, respecti-
através azia vamente: carro, ferro, pêssego, missão, etc. Quando há um ele-
gás giz mento de composição terminado em vogal a seguir, sem inter-
posição do hífen, palavra começada com /r/ ou /s/: arroxeado,
groselha prazer
correlação, pressupor, etc.
invés rodízio
Uso do hífen
Uso do g/j
Desde a entrada em vigor do atual acordo ortográfico, a
O g é utilizado: escrita de palavras com hífen e sem hífen tem sido motivo de
- Palavras que terminem em -ágio, -égio, -ígio, -ógio, -úgio: dúvidas para diversos falantes.
pedágio, relógio, refúgio.
- Substantivos que terminem em -gem: lavagem, viagem. Palavras com hífen:
segunda-feira (e não segunda feira);
O j é utilizado: bem-vindo (e não benvindo);
- Palavras com origem indígena: pajé, canjica. mal-humorado (e não mal humorado);
- Palavras com origem africana: jiló, jagunço. micro-ondas (e não microondas);
bem-te-vi (e não bem te vi).

7
LÍNGUA PORTUGUESA

Palavras sem hífen: 03. MPE SP – ANALISTA DE PROMOTORIA – 2015 - VUNESP


dia a dia (e não dia-a-dia);
fim de semana (e não fim-de-semana);
à toa (e não à-toa);
autoestima (e não auto-estima);
antirrugas (e não anti-rugas).

QUESTÕES

01. SEAP-MG - Agente de Segurança Penitenciário – 2018


- IBFC

A ortografia estuda a forma correta da escrita das palavras


de uma determinada língua, no caso a Língua Portuguesa. É in-
fluenciada pela etimologia e fonologia das palavras, assim sendo (Dik Brownie, Hagar. www.folha.uol.com.br, 29.03.2015.
observe com atenção o texto. Agente Penitenciário, Agente Pri- Adaptado)
sional, Agente de Segurança Penitenciário ou Agente Estadual/ Considerando a ortografia e a acentuação da norma-padrão
Federal de Execução Penal. Entre suas atribuições estão: manter da língua portuguesa, as lacunas estão, correta e respectiva-
a ordem, diciplina, custódia e vigilância no interior das unida- mente, preenchidas por:
des prisionais, assim como no âmbito externo das unidades, A) mal ... por que ... intuíto
como escolta armada para audiências judiciais, transferência de B) mau ... por que ... intuito
presos etc. Desempenham serviços de natureza policial como C) mau ... porque ... intuíto
aprensões de ilícitos, revistas pessoais em detentos e visitan- D) mal ... porque ... intuito
tes, revista em veículos que adentram as unidades prisionais, E) mal ... por quê ... intuito
controle de rebeliões e ronda externa na área do perímetro de
segurança ao redor da unidade prisional. Garantem a seguran- 04. PBH Ativos S.A. - Analista Jurídico – 2018 – IBGP
ça no trabalho de ressosialização dos internos promovido pelos Assinale a alternativa em que todas as palavras estão grafa-
pisicólogos, pedagogos e assistentes sociais. Estão subordinados das conforme as regras do Novo Acordo Ortográfico relativas à
às Secretarias de Estado de Administração Penitenciária - SEAP, sistematização do emprego de hífen ou de acentuação.
secretarias de justiças ou defesa social, dependendo da nomen- A) Vôo, dêem, paranóico, assembléia, feiúra, vêem, baiúca.
clatura adotada em cada Estado. B) Interresistente, superrevista, manda-chuva, paraquedas.
Fonte: Wikipedia – *com alterações ortográficas. C) Antirreligioso, extraescolar, infrassom, coautor, antiaé-
reo.
Assinale a alternativa que apresenta todas as palavras, reti- D) Préhistória, autobservação, infraxilar, suprauricular, iná-
radas do texto, com equívocos em sua ortografia. bil.
A) atribuições; diciplina; audiências; desempenham.
B) diciplina; aprensões; ressosialização; pisicólogos. 05. MPE-GO - Auxiliar Administrativo – 2018 – MPE-GO
C) audiências; ilícitos; atribuições; desempenham. Assinale a opção que completa corretamente as lacunas do
D) perímetro; diciplina; desempenham; ilícitos. período abaixo.
E) aprensões; ressosialização; desempenham; audiências.
Agora que há uma câmera de________. isto provavelmente
02. ELETTROBRAS – LEITURISTA – 2015 – IADES não _____acontecerá, mas _____vezes em que, no meio de uma
Considerando as regras de ortografia, assinale a alternativa noite __________, o poeta levantava de seu banco [...]
em que a palavra está grafada corretamente.
A) Dimencionar. A) investigassâo mas ouve chuvosa
B) Assosciação. B) investigassâo mais houve chuvoza
C) Capassitores. C) investigação mais houve chuvosa
D) Xoque. D) investigação mas houve chuvosa
E) Conversão. E) investigação mais ouve chuvoza

RESPOSTAS

01 B
02 E
03 D
04 C
05 C

8
LÍNGUA PORTUGUESA

ACENTUAÇÃO GRÁFICA; Apóia (verbo) Apoia


Paranóico Paranoico

ACENTUAÇÃO - “i” e “u” tônicos formarem hiato com a vogal anterior,


acompanhados ou não de “s”, desde que não sejam seguidos
A acentuação gráfica é feita através de sinais diacríticos que, por “-nh”, haverá acento: (saída – baú – país).
sobrepostos às vogais, indicam a pronúncia correta das palavras - Não serão mais acentuados “i” e “u” tônicos formando hia-
no que respeita à sílaba tônica e no que respeita à modulação to quando vierem depois de ditongo:
aberta ou fechada das vogais.
Esses são elementos essenciais para estabelecer organiza- Antes agora
damente, por meio de regras, a intensidade das palavras das
sílabas portuguesas. Bocaiúva Bocaiuva
Feiúra Feiura
Acentuação tônica Sauípe Sauipe
Refere-se à intensidade em que são pronunciadas as sílabas - Acento pertencente aos hiatos “oo” e “ee” foi abolido.
das palavras. Aquela que é pronunciada de forma mais acentua-
da é a sílaba tônica. As demais, pronunciadas com menos inten-
sidade, são denominadas de átonas. Antes agora
De acordo com a posição da sílaba tônica, os vocábulos com crêem creem
mais de uma sílaba classificam-se em:
Oxítonos: quando a sílaba tônica é a última: café, rapaz, es- vôo voo
critor, maracujá.
Paroxítonos: quando a sílaba tônica é a penúltima: mesa, - Vogais “i” e “u” dos hiatos se vierem precedidas de vogal
lápis, montanha, imensidade. idêntica, não tem mais acento: (xi-i-ta, pa-ra-cu-u-ba).
Proparoxítonos: quando a sílaba tônica é a antepenúltima: - Haverá o acento em palavra proparoxítona, pois a regra
árvore, quilômetro, México. de acentuação das proparoxítonas prevalece sobre a dos hiatos:
(se-ri-ís-si-mo)
Acentuação gráfica - Não há mais acento nas formas verbais que possuíam o
acento tônico na raiz com “u” tônico precedido de “g” ou “q” e
- Proparoxítonas: todas acentuadas (místico, jurídico, béli- seguido de “e” ou “i”.
co).
- Palavras oxítonas: oxítonas terminadas em “a”, “e”, “o”, Antes agora
“em”, seguidas ou não do plural (s): (Paraná – fé – jiló (s)).
- Também acentuamos nos casos abaixo: averigúe (averiguar) averigue
- Monossílabos tônicos terminados em “a”, “e”, “o”, segui- argúi (arguir) argui
dos ou não de “s”: (pá – pé – dó)
- Formas verbais terminadas em “a”, “e”, “o” tônicos segui- - 3ª pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos
das de lo, la, los, las: (recebê-lo – compô-lo) ter e vir e dos seus compostos (conter, reter, advir, convir etc.)
- Paroxítonas:Acentuam-se as palavras paroxítonas termi- tem acento.
nadas em: i, is (táxi – júri), us, um, uns (vírus, fórum), l, n, r, x, ps
(cadáver – tórax – fórceps), ã, ãs, ão, ãos (ímã – órgãos).
Singular plural
- Ditongo oral, crescente ou decrescente, seguido ou não de
“s”: (mágoa – jóquei) ele tem eles têm
ele vem eles vêm
Regras especiais:
ele obtém eles obtêm
- Ditongos de pronúncia aberta “ei”, “oi”, perderam o acento
com o Novo Acordo. → Palavras homógrafas para diferenciá-las de outras seme-
lhantes não se usa mais acento. Apenas em algumas exceções,
como:
Antes agora A forma verbal pôde (3ª pessoa do singular - pretérito per-
Assembléia Assembleia feito do indicativo) ainda é acentuada para diferenciar-se de
pode (3ª pessoa do singular - presente do indicativo). Também o
Idéia Ideia
verbo pôr para diferenciá-lo da preposição por.
Geléia Geleia
Jibóia Jiboia

9
LÍNGUA PORTUGUESA

Alguns homógrafos: Os estudos desenvolvidos por Paul Gauguin e Émile Bernard


pera (substantivo) - pera (preposição antiga) marcam a segunda parte da exposição, chamada de Núcleo Mis-
para (verbo) - para (preposição) terioso do Pensamento. Entre as obras que compõe esse conjun-
pelo(s) (substantivo) - pelo (do verbo pelar) to está o quadro Marinha com Vaca, em que o animal é visto em
um fundo de uma passagem com penhascos que formam um
Atenção, pois palavras derivadas de advérbios ou adjetivos precipício estreito. As formas são simplificadas, em um contorno
não são acentuadas grosso e escuro, e as cores refletem a leitura e impressões do
artista sobre a cena.
Exemplos: O Autorretrato Octogonal, de Édouard Vuillard, é uma das
Facilmente - de fácil pinturas de destaque do terceiro momento da exposição. Intitu-
Habilmente - de hábil lada Os Nabis, Profetas de Uma Nova Arte, essa parte da mostra
Ingenuamente – de ingênuo também reúne obras de Félix Vallotton e Aristide Maillol. No au-
Somente - de só torretrato, Vuillard define o rosto a partir apenas da aplicação
Unicamente - de único de camadas de cores sobrepostas, simplificando os traços, mas
Dinamicamente - de dinâmico criando uma imagem de forte expressão.
Espontaneamente - de espontâneo O Mulheres do Taiti, de Paul Gauguin, é um dos quadros
da última parte da mostra, chamada de A Cor em Liberalidade,
Uso da Crase que tem como marca justamente a inspiração que artistas como
Gauguin e Paul Cézanne buscaram na natureza tropical. A pin-
tura é um dos primeiros trabalhos de Gauguin desenvolvidos
- É usada na contração da preposição a com as formas fe-
na primeira temporada que o artista passou na ilha do Pacífico,
mininas do artigo ou pronome demonstrativo a: à (de a + a), às
onde duas mulheres aparecem sentadas a um fundo verde-es-
(de a + as).
meralda, que lembra o oceano.
A exposição vai até o dia 7 de julho, com entrada franca.
- A crase é usada também na contração da preposição “a” http://agenciabrasil.ebc.com.br/cultura/noticia/2016-05/
com os pronomes demonstrativos: mostra-otriunfo-da-cor-traz-grandes-nomes-do-pos-impressio-
àquele(s) nismo-para-sp Acesso em: 29/05/2016.
àquela(s)
àquilo “As palavras ‘módulos’ e ‘última’, presentes no texto,
àqueloutro(s) são ____________ acentuadas por serem ____________ e
àqueloutra (s) ____________, respectivamente”.
As palavras que preenchem correta e respectivamente as
Uso do Trema lacunas do enunciado acima são:
A) diferentemente / proparoxítona / paroxítona
- Só é utilizado nas palavras derivadas de nomes próprios. B) igualmente / paroxítona / paroxítona
Müller – de mülleriano C) igualmente / proparoxítona / proparoxítona
D) diferentemente / paroxítona / oxítona
QUESTÕES
02. Pref. De Caucaia/CE – Agente de Suporte e Fiscalização
01. Pref. Natal/RN - Agente Administrativo – 2016 - CKM -2017 - CETREDE
Serviço Indique a alternativa em que todas as palavras devem re-
Mostra O Triunfo da Cor traz grandes nomes do pósimpres- ceber acento.
sionismo para SP Daniel Mello - Repórter da Agência Brasil A A) virus, torax, ma.
exposição O Triunfo da Cor traz grandes nomes da arte moderna B) caju, paleto, miosotis .
para o Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo. São 75 obras C) refem, rainha, orgão.
de 32 artistas do final do século 19 e início do 20, entre eles ex- D) papeis, ideia, latex.
poentes como Van Gogh, Gauguin, Toulouse-Lautrec, Cézanne, E) lotus, juiz, virus.
Seurat e Matisse. Os trabalhos fazem parte dos acervos do Mu-
03. MPE/SC – Promotor de Justiça-2017 - MPE/SC
sée d’Orsay e do Musée de l’Orangerie, ambos de Paris.
“Desde as primeiras viagens ao Atlântico Sul, os navegado-
A mostra foi dividida em quatro módulos que apresentam
res europeus reconheceram a importância dos portos de São
os pintores que sucederam o movimento impressionista e rece-
Francisco, Ilha de Santa Catarina e Laguna, para as “estações da
beram do crítico inglês Roger Fry a designação de pósimpressio- aguada” de suas embarcações. À época, os navios eram impul-
nistas. Na primeira parte, chamada de A Cor Cientifica, podem sionados a vela, com pequeno calado e autonomia de navega-
ser vistas pinturas que se inspiraram nas pesquisas científicas ção limitada. Assim, esses portos eram de grande importância,
de Michel Eugene Chevreul sobre a construção de imagens com especialmente para os navegadores que se dirigiam para o Rio
pontos. da Prata ou para o Pacífico, através do Estreito de Magalhães.”
(Adaptado de SANTOS, Sílvio Coelho dos. Nova História de
Santa Catarina. Florianópolis: edição do Autor, 1977, p. 43.)

10
LÍNGUA PORTUGUESA

No texto acima aparecem as palavras Atlântico, época, Pací- Tais sinais têm papéis variados no texto escrito e, se utili-
fico, acentuadas graficamente por serem proparoxítonas. zados corretamente, facilitam a compreensão e entendimento
() Certo () Errado do texto.

04. Pref. De Nova Veneza/SC – Psicólogo – 2016 - FAEPESUL Ponto ( . )


Analise atentamente a presença ou a ausência de acento Usamos para:
gráfico nas palavras abaixo e indique a alternativa em que não - indicar o final de uma frase declarativa: não irei ao sho-
há erro: pping hoje.
A) ruím - termômetro - táxi – talvez. - separar períodos entre si: Fecha a porta. Abre a janela.
B) flôres - econômia - biquíni - globo. - abreviaturas: Av.; V. Ex.ª
C) bambu - através - sozinho - juiz
D) econômico - gíz - juízes - cajú. Vírgula ( , )
E) portuguêses - princesa - faísca. Usamos para:
- marcar pausa do enunciado a fim de indicar que os ter-
05. INSTITUTO CIDADES – Assistente Administrativo VII – mos separados, apesar de serem da mesma frase ou oração, não
2017 - CONFERE formam uma unidade sintática: Maria, sempre muito simpática,
Marque a opção em que as duas palavras são acentuadas acenou para seus amigos.
por obedecerem à regras distintas: Não se separam por vírgula:
A) Catástrofes – climáticas. - predicado de sujeito;
B) Combustíveis – fósseis. - objeto de verbo;
C) Está – país. - adjunto adnominal de nome;
D) Difícil – nível. - complemento nominal de nome;
- predicativo do objeto;
06. IF-BA - Administrador – 2016 - FUNRIO - oração principal da subordinada substantiva (desde que
Assinale a única alternativa que mostra uma frase escrita esta não seja apositiva nem apareça na ordem inversa).
inteiramente de acordo com as regras de acentuação gráfica vi-
gentes. A vírgula também é utilizada para:
A) Nas aulas de Ciências, construí uma mentalidade ecoló- - separar o vocativo: João, conte a novidade.
gica responsável. - separar alguns apostos: Célia, muito prendada, preparou
B) Nas aulas de Inglês, conheci um pouco da gramática e da a refeição.
cultura inglêsa. - separar o adjunto adverbial antecipado ou intercalado: Al-
C) Nas aulas de Sociologia, gostei das idéias evolucionistas gumas pessoas, muitas vezes, são falsas.
e de estudar ética. - separar elementos de uma enumeração: Vendem-se pães,
D) Nas aulas de Artes, estudei a cultura indígena, o barrôco tortas e sonho.
e o expressionismo - separar conjunções intercaladas: Mário, entretanto, nunca
E) Nas aulas de Educação Física, eu fazia exercícios para glu- mais deu notícias.
teos, adutores e tendões. - isolar o nome de lugar na indicação de datas: Londrina, 25
de Setembro de 2017.
RESPOSTAS - marcar a omissão de um termo (normalmente o verbo):
Ele prefere dormir, eu me exercitar. (omissão do verbo preferir)
01 C
Ponto-e-Vírgula ( ; )
02 A Usamos para:
03 CERTO - separar os itens de uma lei, de um decreto, de uma peti-
ção, de uma sequência, etc.:
04 C
Art. 217. É dever do Estado fomentar práticas desportivas
05 C formais e não formais, como direito de cada um, observados:
06 A I -a autonomia das entidades desportivas dirigentes e asso-
ciações, quanto a sua organização e funcionamento;
II -a destinação de recursos públicos para a promoção prio-
ritária do desporto educacional e, em casos específicos, para a
PONTUAÇÃO; do desporto de alto rendimento;
III -o tratamento diferenciado para o desporto profissional
PONTUAÇÃO e o não profissional;
IV -a proteção e o incentivo às manifestações desportivas
Pontuação são sinais gráficos empregados na língua escrita de criação nacional.
para demonstrar recursos específicos da língua falada, como: - separar orações coordenadas muito extensas ou orações
entonação, silêncio, pausas, etc. coordenadas nas quais já tenham sido utilizado a vírgula.

11
LÍNGUA PORTUGUESA

Dois-Pontos ( : ) Colchetes ( [] )
Usamos para: Usamos para:
- iniciar a fala dos personagens: O pai disse: Conte-me a ver- - linguagem científica.
dade, meu filho.
- antes de apostos ou orações apositivas, enumerações ou Asterisco ( * )
sequência de palavras que explicam, resumem ideias anteriores: Usamos para:
Comprei alguns itens: arroz, feijão e carne. - chamar a atenção do leitor para alguma nota (observação).
- antes de citação: Como dizia minha mãe: “Você não é todo
mundo.” QUESTÕES

Ponto de Interrogação ( ? ) 01. CLIN – Auxiliar de Enfermagem do Trabalho – 2015 -


Usamos para: COSEAC
- perguntas diretas: Onde você mora?
- em alguns casos, junto com o ponto de exclamação: Quem Primavera
você ama? Você. Eu?!
A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu
Ponto de Exclamação ( ! ) nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para re-
Usamos: cebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os
- Após vocativo: Volte, João! habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam
- Após imperativo: Aprenda! pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a prima-
- Após interjeição: Psiu! Eba! vera que chega.
- Após palavras ou frases que tenham caráter emocional: Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da
Poxa! terra, nesse mundo confidencial das raízes, - e arautos sutis
acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espí-
Reticências ( ... ) rito das flores.
Usamos para: Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão
- indicar dúvidas ou hesitação do falante: Olha...não sei se
todos cor-de-rosa, como os palácios de Jaipur. Vozes novas de
devo... melhor não falar.
passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua na-
- interrupção de uma frase deixada gramaticalmente incom-
ção. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pe-
pleta: Você queria muito este jogo novo? Bom, não sei se você
los ares, - e certamente conversam: mas tão baixinho que não
merece...
se entende.
- indicar supressão de palavra(s) numa frase transcrita:
Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inver-
Quando ela começou a falar, não parou mais... terminou uma
no, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremen-
hora depois.
te, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.
Aspas ( “” ) Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as
Usamos para: árvores cobertas de folhas, - e só os poetas, entre os humanos,
- isolar palavras ou expressões que fogem à norma culta: sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos
gírias, estrangeirismos, palavrões, neologismos, arcaísmos e ex- bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem
pressões populares. dançar neste mundo cálido, de incessante luz.
- indicar uma citação textual. Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não
se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da
Parênteses ( () ) sua perpetuação.
Usamos para: Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, tal-
- isolar palavras, frases intercaladas de caráter explicativo vez, os homens terão a primavera que desejarem, no momen-
e datas: No dia do seu nascimento (08/08/984) foi o dia mais to em que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem,
quente do ano. deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com ou-
- podem substituir a vírgula ou o travessão. tros cantos e outros hábitos, - e os ouvidos que por acaso os
ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora, se
Travessão (__ ) entendeu e amou.
Usamos para: Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos
- dar início à fala de um personagem: Filó perguntou: __Ma- atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos
ria, como faz esse doce? para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores,
- indicar mudança do interlocutor nos diálogos. __Mãe, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sen-
você me busca? __Não se preocupe, chegarei logo. timentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás
- Também pode ser usado em substituição à virgula, em ex- roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em
pressões ou frases explicativas: Pelé – o rei do futebol – está cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gar-
muito doente. dênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flo-
res agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.

12
LÍNGUA PORTUGUESA

Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado Em “Júnior, hoje jantaremos fora!”, a presença da vírgula é
ao vento, - por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na obrigatória porque serve para:
rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida - e A) Isolar o vocativo.
efêmera. B) Isolar o adjunto adverbial deslocado.
(MEIRELES, Cecília. “Cecília Meireles - Obra em Prosa? C) Separar orações coordenadas.
Vol. 1. Nova Fronteira: Rio de Janeiro, 1998, p. 366.) D) Intercalar expressões explicativas.

“...e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ain- 04. - IF-MT - Direito – 2018 - IF-MT
da circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida O uso adequado da pontuação é fundamental para o bom
para a primavera que chega” (1º §) entendimento do texto. Nos casos abaixo, a vírgula está usada
de forma inadequada em:
No fragmento acima, as vírgulas foram empregadas para: A) Todos os cidadãos brasileiros, são iguais perante a lei,
A) marcar termo adverbial intercalado. conforme a Constituição Federal.
B) isolar oração adjetiva explicativa. B) Além disso, à noite, fazer caminhada até a minha casa é
C) enfatizar o termo sujeito em relação ao predicado. inseguro.
D) separar termo em função de aposto. C) Agora, em relação à tecnologia, os jovens dispõem de
uma série de comodidades, salientou o pesquisador.
02. PC – CE - Escrivão da Policia Civil de 1ª classe – 2015 – D) “Eu sei, mas não devia” (Marina Colasanti).
VUNESP E) Ainda havia muito a se deliberar, todavia, considerando o
Assinale a alternativa correta quanto ao uso da vírgula, con- horário avançado, a reunião foi encerrada.
siderando-se a norma-padrão da língua portuguesa. 05. EMATERCE - Agente de ATER - Ciências Contábeis –
A) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar, que 2018 – CETREDE
demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era algo Analise as duas frases a seguir em relação à ambiguidade.
demorado. I. Karla comeu um doce e sua irmã também.
B) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar que II. Mataram a vaca da sua tia.
demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de-
morado Marque a opção CORRETA.
C) Os amigos, apesar de terem esquecido, de nos avisar que A) O problema da frase I pode ser corrigido com uma vír-
demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de- gula.
morado. B) As duas frases podem ser corrigidas com o uso de pro-
D) Os amigos apesar de terem esquecido de nos avisar que, nome.
demoraria tanto, informaram-nos, de que a gravidez era algo C) Ao colocarmos apenas um verbo, corrigiremos a frase II.
demorado. D) Apenas a frase I apresenta problema de ambiguidade.
E) Os amigos, apesar de, terem esquecido de nos avisar E) Uma preposição resolveria o problema da frase II.
que demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era
algo demorado. RESPOSTAS

03. IPC - ES - Procurador Previdenciário I 2018 - IDECAN 01 D


02 B
03 A
04 A
05 A

CLASSES GRAMATICAIS;

CLASSE GRAMATICAIS

ARTIGO

Artigo é a palavra que colocamos antes dos substantivos,


com a finalidade de determina-los e especificarmos seu gênero
e número.
Os artigos podem ser:
- definidos: o, a, os, as (Determinam os substantivos de for-
ma particular).

13
LÍNGUA PORTUGUESA

- indefinidos: um, uma, uns, umas (Determinam os substan- Substantivo Próprio: Designa um ser específico, determina-
tivos de forma inespecífica). do, como: Recife, Mariana, Brasil, etc.

Exemplos: Substantivo Concreto: Designa seres propriamente ditos


Comprei o carro. (Um carro específico) (pessoas, objetos, lugares), independentemente de sua existên-
Comprei um carro. (Um carro qualquer) cia real. Assim sendo, são exemplos: fada, saci, mesa, cinema,
etc.
Artigo Definido
Substantivo Abstrato: Designa ações qualidades, ou esta-
Indica um substantivo específico, determinado. Dependen- dos, tomados como seres. Indica coisas que não existem por si,
do da flexão de gênero e de número, assume as formas o, a, os, que são resultado de uma abstração. É o caso de felicidade, po-
as. breza, caridade, etc..
Formação dos substantivos
Observe as possíveis variações de gênero e número:
Substantivo Primitivo: erve de base para a formação de ou-
O professor me repreendia. tros substantivos. Exemplo: rosa, pedra, gelo, etc.
A professora me repreendia.
Os professores me repreendiam. Substantivo Derivado: É formado a partir de um substanti-
vo primitivo, como: roseiral, pedregulho, geleira, etc.
Artigo Indefinido Substantivo Simples: É formado por um só radical, como:
janela, livro, trem, etc.
Indica m ser qualquer dentre outros da mesma espécie. De-
pendendo da flexão de gênero e de número, assume as formas Substantivo Composto: É formado por mais de um radical,
um, uma, uns, umas. como em: arco-íris, arranha-céu, etc.
Observe as possíveis variações de gênero e número, usan-
do o mesmo exemplo anterior: Substantivo Coletivo: É coletivo o substantivo no singular
que designa um conjunto de seres da mesma espécie.
Um professor me repreendia. - buquê – de flores
Uma professora me repreendia. - alcateia – de lobos
Uns professores me repreendiam. - elenco – de artistas
- legião – de soldados
Além das formas simples, os artigos apresentam formas
combinadas com preposições. O artigo definido combina-se Gênero
com as preposições a, de, em, por, originando, por exemplo, as
formas ao, do, nas, pelos, etc. De acordo com o gênero (feminino e masculino) das pala-
Quando o artigo definido feminino (a, as) aparece combi- vras substantiva, são classificadas em:
nado com a preposição a, temos um caso que merece destaque
especial: a essa fusão de duas vogais idênticas, graficamente re- Substantivos Biformes: apresentam duas formas, uma para
presentada por um a com acento grave (à, às), dá-se o nome de o masculino e outra para o feminino. Exemplo: médico e médica;
crase. namorado e namorada.

Exemplo: Substantivos Uniformes: somente um termo especifica os


Eles lançaram um alerta à nação. (à = preposição a + artigo dois gêneros (masculino e feminino), sendo classificados em:
definido a) - Epicenos: palavra que apresenta somente um gênero e
refere-se aos animais, por exemplo: baleia (macho ou fêmea).
O artigo indefinido combina-se com as preposições em e - Sobrecomum: palavra que apresenta somente um gênero
de, originando, por exemplo, as formas num, numas, duns, etc. e refere-se às pessoas, por exemplo: criança (masculino e femi-
nino).
SUBSTANTIVO - Comum de dois gêneros: termo que se refere aos dois gê-
neros (masculino e feminino), identificado por meio do artigo
Os substantivos nomeiam seres, coisas, ideias. Como pala- que o acompanha, por exemplo: “o dentista” e “a dentista”.
vra variável, apresenta flexões de gênero, número e grau.
Número
Classificação
São classificados em:
Substantivo Comum: Designa os seres de uma espécie de
forma genérica: casa, felicidade, mesa, criança, etc. Singular: palavra que designa uma única coisa, pessoa ou
um grupo, por exemplo: cama, homem.

14
LÍNGUA PORTUGUESA

Plural: palavra que designa várias coisas, pessoas ou gru- Número


pos, por exemplo: camas, homens.
Os adjetivos podem vir no singular ou plural, concordando
Grau com o número do substantivo referido. Assim, a sua formação é
parecida à dos substantivos.
São classificados em aumentativo e diminutivo:
Grau
Aumentativo: Indica o aumento do tamanho de algum ser
ou alguma coisa. Divide-se em: São classificados em:
- Analítico: substantivo acompanhado de adjetivo que indi-
ca grandeza, por exemplo: menino grande. - Grau Comparativo: utilizado para comparar qualidades.
- Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indica-
dor de aumento, por exemplo: meninão. Comparativo de Igualdade – Chocolate é tão bom quanto
Diminutivo: Indica a diminuição do tamanho de algum ser pizza.
ou alguma coisa. Divide-se em: Comparativo de Superioridade – Rui é mais esforçado que
- Analítico: substantivo acompanhado de um adjetivo que Marcos.
indica pequenez, por exemplo: menino pequeno. Comparativo de Inferioridade – Mariana é menos feliz que
- Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indica- Paula.
dor de diminuição, por exemplo: menininho. - Grau Superlativo - utilizado para intensificar qualidades.

ADJETIVO Superlativo Absoluto:


Analítico - A casa é extremamente luxuosa.
Adjetivo é a palavra que modifica o substantivo, atribuindo- Sintético - Larissa é organizadíssima.
-lhe um estado, qualidade ou característica. Superlativo Relativo de:
Superioridade - A cidade é a mais bonita da região.
Inferioridade - Este computador é o menos moderno do
Classificação escritório.

Simples - formado por um só radical. Exemplo: bonita. Somente seis adjetivos têm o grau comparativo de superio-
Composto - formado por mais de um radical. Exemplo: lati- ridade sintético. Veja-os:
no-americano. bom – melhor
Primitivo - não deriva de outra palavra. Exemplo: claro, mau – pior
grande. grande – maior
Derivado - tem origem em outra palavra. Exemplo: toleran- pequeno – menor
te (vem de tolerar). alto – superior
Pátrio - é o que se refere a países, estados, cidades, etc. baixo – inferior
Exemplo: brasileiro, mineiro, carioca, etc.
NUMERAL
Locução Adjetiva
O numeral é a palavra que indica, em termos numéricos,
É toda reunião de duas ou mais palavras com valor de uma um número exato ou a posição que tal coisa ocupa numa série.
só. Geralmente, as locuções adjetivas são formadas por uma
preposição e um substantivo, ou uma preposição e um advér- Classificação
bio.
Exemplos: Cardinais: Forma básica dos números, indicam contagem,
- dente de cão (= canino) medida. Exemplo, um, dois, três…
- água de chuva (= pluvial)
- pneus de trás (= traseiro) Ordinais: Indica ordem de uma sequência. Exemplo, primei-
ro, segundo, terceiro…
Flexão
Fracionários: Indicam a diminuição das proporções numé-
Gêneros ricas, ou seja, representam uma parte de um todo. Exemplo,
meio, terço, quarto, quinto…
- Adjetivos Uniformes: uma forma para os dois gêneros (fe-
minino e masculino). Exemplo: alegre. Multiplicativos: Determina o aumento da quantidade por
- Adjetivos Biformes: varia conforme o gênero (masculino e meio de múltiplos. Exemplo, dobro, triplo, quádruplo, quíntu-
feminino). Exemplo: dengoso, dengosa. plo…

15
LÍNGUA PORTUGUESA

Coletivos: Número exato que faz referência a um conjunto Pronomes Possessivo


de seres. Exemplo: dúzia (conjunto de 12), dezena (conjunto de
10), centena (conjunto de 100), semestre (conjunto de 6), bi- Os pronomes possessivos são aqueles que transmitem a
mestre (conjunto de 2). ideia de posse, por exemplo: Esse carro é seu?

Cardinal Ordinal Cardinal Ordinal Pessoas Verbais Pronomes Possessivos


Um Primeiro Vinte Vigésimo
Dois Segundo Trinta Trigésimo 1ª pessoa do singular meu, minha (singular); meus,
(eu) minhas (plural)
Três Terceiro Cinquenta Quinquagésimo
Quatro Quarto Sessenta Sexagésimo 2ª pessoa do singular teu, tua (singular); teus, tuas
(tu, você) (plural)
Cinco Quinto Oitenta Octogésimo
Seis Sexto Cem Centésimo 3ª pessoa do singular seu, sua (singular); seus, suas
Sete Sétimo Quinhentos Quingentésimo (ele/ela) (plural)
Oito Oitavo Setecentos Setingentésimo 1ª pessoa do plural nosso, nossa (singular); nossos,
Nove Nono Novecentos Noningentésimo (nós) nossas (plural)
Dez Décimo Mil Milésimo
2ª pessoa do plural vosso, vossa (singular); vossos,
PRONOME (vós, vocês) vossas (plural)

Pronome é a palavra que substitui ou acompanha o subs- 3ª pessoa do plural seu, sua (singular); seus, suas
tantivo, indicando sua posição em relação às pessoas do discur- (eles/elas) (plural)
so ou mesmo situando-o no espaço e no tempo.
Pronomes Demonstrativos
Pronomes Pessoais
Os pronomes demostrativos são utilizados para indicar algo.
Retos – têm função de sujeito da oração: eu, tu, ele, nós, Reúnem palavras variáveis (esse, este, aquele, essa, esta, aque-
vós, eles. la) e invariáveis (isso, isto, aquilo).
Oblíquostêm função de complemento do verbo (objeto di-
reto / objeto indireto) ou as, lhes. - Ele viajará conosco. (elepro- Relação ao tempo
nome reto / vaiverbo / conosco complemento nominal). Este (s), esta (s), isto: indicam o tempo presente em relação
- tônicos com preposição: mim, comigo, ti, contigo,si, consi- ao momento em que se fala. Exemplo: Esta semana é a última
go, conosco, convosco; antes da prova.
- átonos sem preposição: me, te, se, o, a, lhe, nos, vos, Esse (s), essa (s), isso: indicam tempo no passado ou no fu-
os,pronome oblíquo) turo. Exemplos: Onde você foi esse feriado? / Serei reconhecido
pelo meu esforço. Quando esse dia chegar, estarei satisfeito.
Pronomes de Tratamento Aquele (s), aquela (s), aquilo: indicam um tempo distante
em relação ao momento em que se fala. Exemplo: Lembro-me
Dependendo da pessoa a quem nos dirigimos, do seu cargo, bem aquele tempo em que viajávamos de trem.
idade, título, o tratamento será familiar ou cerimonioso: Vossa
Alteza (V.A.) - príncipes, duques; Vossa Eminência (V.Ema) - car- Relação ao espaço
deais; Vossa Excelência (V.Ex.a) - altas autoridades, presidente, Este (s), esta (s), isto: o ser ou objeto que está próximo da
oficiais; Vossa Magnificência (V.Mag.a) - reitores de universida- pessoa que fala. Exemplo: Este é o meu filho.
des; Vossa Majestade (V.M.) – reis, imperadores; Vossa Santida- Esse (s), essa (s), isso: a pessoa ou a coisa próxima daquela
de (V.S.) - Papa; Vossa Senhori (V.Sa) - tratamento cerimonioso. com quem falamos ou para quem escrevemos. Exemplo: Por fa-
vor, poderia passar esse copo?
- Além desses, são pronomes de tratamento: senhor, senho- Aquele (s), aquela (s), aquilo: o ser ou objeto que está longe
ra, senhorita, dona, você. de quem fala e da pessoa de quem se fala (3ª pessoa). Exemplo:
- A forma Vossa (Senhoria, Excelência) é empregada quando Com licença, poderia dizer o preço daquele casaco?
se fala com a própria pessoa: Vossa Senhoria não compareceu à
reunião dos semterra? (falando com a pessoa) Pronomes Indefinidos
- A forma Sua (Senhoria, Excelência ) é empregada quando
se fala sobre a pessoa: Sua Eminência, o cardeal, viajou paraum Empregados na 3ª pessoa do discurso, o próprio nome já
Congresso. (falando a respeito do cardeal) mostra que os pronomes indefinidos substituem ou acompa-
nham o substantivo de maneira vaga ou imprecisa.

16
LÍNGUA PORTUGUESA

Os verbos estão agrupados em três conjugações:


Classificação Pronomes Indefinidos 1ª conjugação – ar: amar, caçar, começar.
2ª conjugação – er: comer, derreter, beber.
algum, alguma, alguns, algumas, 3ª conjugação – ir: curtir, assumir, abrir.
nenhum, nenhuma, nenhuns, nenhumas,
muito, muita, muitos, muitas, pouco, O verbo pôr e seus derivados (repor, depor, dispor, compor,
pouca, poucos, poucas, todo, toda, impor) pertencem a 2ª conjugação devido à sua origem latina
todos, todas, outro, outra, outros, outras, poer.
Variáveis
certo, certa, certos, certas, vário, vária,
vários, várias, tanto, tanta, tantos, tantas, Pessoas: 1ª, 2ª e 3ª pessoa, em 2 situações: singular e plu-
quanto, quanta, quantos, quantas, ral.
qualquer, quaisquer, qual, quais, um, 1ª pessoa do singular – eu; ex.: eu viajo
uma, uns, umas. 2ª pessoa do singular – tu; ex.: tu viajas
3ª pessoa do singular – ele; ex.: ele viaja
quem, alguém, ninguém, tudo, nada, 1ª pessoa do plural – nós; ex.: nós viajamos
Invariáveis
outrem, algo, cada. 2ª pessoa do plural – vós; ex.: vós viajais
3ª pessoa do plural – eles; ex.: eles viajam
Pronomes Relativos
Tempos do Verbo
Os pronomes relativos se referem a um substantivo já dito
anteriormente na oração. Podem ser palavras variáveis e inva- Presente: Ocorre no momento da fala. Ex.: trabalha
riáveis. Essa palavra da oração anterior chamase antecedente: Pretérito: Ocorrido antes. Ex.: trabalhou
Viajei para uma cidade que é muito pequena. ercebese que o Futuro: Ocorrido depois. Ex.: trabalhará
pronome relativo que, substitui na 2ª oração, a cidade, por isso O pretérito subdivide-se em:
a palavra que é um pronome relativo. - Perfeito: Ação acabada. Ex.: Eu limpei a sala.
São divididos em: - Imperfeito: Ação inacabada no momento a que se refere à
Variáveis: o qual, os quais, a qual, as quais, cujo, cujos, cuja, narração. Ex.: Ele ficou no hospital por dias.
cujas, quanto, quantos; - Mais-que-perfeito: Ação acabada, ocorrida antes de outro
Invariáveis: que, quem, quando, como, onde. fato passado. Ex.: Para ser mais justo, ele partira o bolo em fatias
pequenas.
Pronomes Interrogativos
O futuro subdivide-se em:
São palavras variáveis e invariáveis empregadas para formu- - Futuro do Presente: Refere-se a um fato imediato e certo.
lar perguntas diretas e indiretas. Ex.: Participarei do grupo.
- Futuro do Pretérito: Pode indicar condição, referindo-se
a uma ação futura, ligada a um momento já passado. Ex.: Iria
Pronomes ao show se tivesse dinheiro. (Indica condição); Ele gostaria de
Classificação Exemplos
Interrogativos assumir esse compromisso.

Quanto custa? Modos Verbais


qual, quais,
Variáveis quanto, quantos,
Quais sapatos Indicativo: Mostra o fato de maneira real, certa, positiva.
quanta, quantas.
você prefere? Ex.: Eu falo alemão.
Subjuntivo: Pode exprimir um desejo e apresenta o fato
Quem estragou como possível ou duvidoso, hipotético. Ex.: Se eu tivesse dinhei-
meu vestido? ro, compraria um carro.
Invariáveis quem, que. Imperativo: Exprime ordem, conselho ou súplica. Ex.: Des-
Que problema canse bastante nestas férias.
ocorreu?
Formas nominais
VERBO
Temos três formas nominais: Infinitivo, gerúndio e particí-
Exprime ação, estado, mudança de estado, fenômeno da pio, e são assim chamadas por desempenhar um papel parecido
natureza e possui inúmeras flexões, de modo que a sua conjuga- aos dos substantivos, adjetivos ou advérbios e, sozinhas, não se-
ção é feita em relação as variações de pessoa, número, tempo, rem capazes de expressar os modos e tempos verbais.
modo, voz e aspeto.

17
LÍNGUA PORTUGUESA

Infinitivo - Imperativo Negativo (Formado pelo presente do subjunti-


vo): Não abram a porta.
Pessoal: Refere às pessoas do discurso. Não é flexionado - Imperativo Afirmativo (Formado do presente do subjunti-
nas 1ª e 3ª pessoas do singular e flexionadas nas demais: vo, com exceção da 2ª pessoas do singular e do plural, que são
Estudar (eu) – não flexionado retiradas do presente do indicativo sem o “s”. Ex: Anda – Ande
Estudares (tu) – flexionado – Andemos – Andai – Andem: Abram a porta.
Estudar(ele) – não flexionado
Estudarmos (nós) – flexionado Obs.: O imperativo não possui a 1ª pessoa do singular, pois
Estudardes (voz) – flexionado não se prevê a ordem, conselho ou pedido a si mesmo.
Estudarem (eles) – flexionado
Tempos compostos: Formados pelos auxiliares ter ou haver.
Impessoal: É o infinitivo impessoal quando não se refere às
pessoas do discurso. Exemplos: caminhar é bom. (a caminhada Infinitivo:
é boa); É proibido fumar. (é proibido o fumo) Pretérito impessoal composto - ter falado, ter vendido, etc.
Pretérito pessoal composto - ter (teres) falado, ter (teres)
Gerúndio vendido.
Gerúndio pretérito composto – tendo falado, tendo vendi-
Caracteriza-se pela terminação -ndo. O verbo não se flexio- do.
na e pode exercer o papel de advérbio e de adjetivo.
Indicativo:
Exemplo: Ela estava trabalhando quando telefonaram. Pretérito perfeito composto - tenho cantado, tenho vendi-
do, etc.
Particípio Pretérito mais-que-perfeito composto - tinha cantado, tinha
vendido, etc.
Pode ser regular e irregular. Futuro do presente composto - terei cantado, terei vendido,
Particípio regular: se caracteriza pela terminação -ado, -ido. etc.
Futuro do pretérito composto - teria cantado, teria vendido,
Exemplo: Eles tinham partido em uma aventura sem fim. etc.

Particípio irregular: pode exercer o papel de adjetivo. Subjuntivo:


Pretérito perfeito composto - tenha cantado, tenha vendi-
Exemplo: Purê se faz com batata cozida. do, etc.
Pretérito mais-que-perfeito composto - tivesse cantado, ti-
Por apresentar mais que uma forma, o particípio é classi- vesse vendido, etc.
ficado como verbo abundante. É importante lembrar que nem Futuro composto - tiver cantado, tiver vendido, etc.
todos os verbos apresentam duas formas de particípio: (aberto,
coberto, escrever). ADVÉRBIO

Tempos Simples e Tempos Compostos São palavras que modificam um verbo, um adjetivo ou ou-
tro advérbio.
Tempos simples: formados apenas pelo verbo principal.
Indicativo: Classificação dos Advérbios
Presente - canto, vendo, parto, etc.
Pretérito perfeito - cantei, vendi, parti, etc. Modo: Bem, mal, assim, adrede, melhor, pior, depressa,
Pretérito imperfeito - cantava, vendia, partia, etc. acinte, debalde, devagar, ás pressas, às claras, às cegas, à toa,
Pretérito mais-que-perfeito - cantara, vendera, partira, etc. à vontade, às escondas, aos poucos, desse jeito, desse modo,
Futuro do presente - cantarei, venderei, partirei, etc. dessa maneira, em geral, frente a frente, lado a lado, a pé, de
Futuro do pretérito - cantaria, venderia, partiria, etc. cor, em vão e a maior parte dos que terminam em -mente:
calmamente, tristemente, propositadamente, pacientemente,
Subjuntivo: apresenta o fato, a ação, mas de maneira incer- amorosamente, docemente, escandalosamente, bondosamen-
ta, imprecisa, duvidosa ou eventual. te, generosamente.
Presente - cante, venda, parta, etc.
Pretérito imperfeito - cantasse, vendesse, partisse, etc. Intensidade: Muito, demais, pouco, tão, menos, em exces-
Futuro - cantar, vender, partir. so, bastante, pouco, mais, menos, demasiado, quanto, quão,
tanto, assaz, que (equivale a quão), tudo, nada, todo, quase, de
Imperativo: Ao indicar ordem, conselho, pedido, o fato ver- todo, de muito, por completo, bem (quando aplicado a proprie-
bal pode expressar negação ou afirmação. São, portanto, duas dades graduáveis).
as formas do imperativo:

18
LÍNGUA PORTUGUESA

Lugar: Aqui, antes, dentro, ali, adiante, fora, acolá, atrás, Ao empregamos dois ou mais advérbios terminados em –
além, lá, detrás, aquém, cá, acima, onde, perto, aí, abaixo, aon- mente, acrescentamos o sufixo apenas no último. Ex.: Muito fez
de, longe, debaixo, algures, defronte, nenhures, adentro, afora, pelo seu povo; trabalhou duro, árdua e ininterruptamente.
alhures, nenhures, aquém, embaixo, externamente, a distância,
a distância de, de longe, de perto, em cima, à direita, à esquer- PREPOSIÇÃO
da, ao lado, em volta.
Palavra invariável que liga dois termos da oração, numa
Tempo: Hoje, logo, primeiro, ontem, tarde, outrora, ama- relação de subordinação donde, geralmente, o segundo termo
nhã, cedo, dantes, depois, ainda, antigamente, antes, doravan- subordina o primeiro. As preposições estabelecem a coesão tex-
te, nunca, então, ora, jamais, agora, sempre, já, enfim, afinal, tual e possuem valores semânticos indispensáveis para a com-
amiúde, breve, constantemente, entrementes, imediatamente, preensão do texto.
primeiramente, provisoriamente, sucessivamente, às vezes, à
tarde, à noite, de manhã, de repente, de vez em quando, de Tipos de Preposição
quando em quando, a qualquer momento, de tempos em tem-
pos, em breve, hoje em dia. Lugar: O voo veio de São Francisco.
Modo: Os alunos eram colocados em carteiras.
Negação: Não, nem, nunca, jamais, de modo algum, de for- Tempo: Ele viajou por três anos.
ma nenhuma, tampouco, de jeito nenhum. Distância: A vinte quilômetros daqui há um pedágio.
Causa: Parou de andar, pois estava com sede.
Dúvida: Acaso, porventura, possivelmente, provavelmente, Instrumento: Ela cortou o bolo com uma faca pequena.
quiçá, talvez, casualmente, por certo, quem sabe. Finalidade: A igreja foi enfeitada para o casamento.

Afirmação: Sim, certamente, realmente, decerto, efetiva- Classificação


mente, certo, decididamente, realmente, deveras, indubitavel-
mente. As preposições podem ser divididas em dois grupos:
- Preposições Essenciais –palavras que só funcionam como
Exclusão: Apenas, exclusivamente, salvo, senão, somente, preposição, a saber: a, ante, após, até, com, contra, de, desde,
simplesmente, só, unicamente. em, entre, para, per, perante, por, sem, sob, sobre, trás.
Inclusão: Ainda, até, mesmo, inclusivamente, também. - Preposições Acidentais –palavras de outras classes grama-
ticais que, podem funcionar como preposição, a saber: afora,
Interrogação: porque? (causa), quanto? (preço e intensida- como, conforme, consoante, durante, exceto, mediante, menos,
de), onde? (lugar), como? (modo), quando? (tempo), para que? salvo, segundo, visto etc.
(finalidade).
Locuções prepositivas: são formadas por duas ou mais pa-
Ordem: Depois, primeiramente, ultimamente. lavras com o valor de preposição, sempre terminando por uma
preposição, por exemplo: Abaixo de, acerca de, acima de, ao
Designação: Eis lado de, a respeito de, de acordo com, em cima de, embaixo de,
em frente a, ao redor de, graças a, junto a, com, perto de, por
Flexão causa de, por cima de, por trás de.
São consideradas palavras invariáveis por não terem flexão
de número (singular e plural) e gênero (masculino, feminino); A preposição é invariável. Porém, pode unir-se a outras pa-
entretanto, são flexionadas nos graus comparativo e superlativo. lavras e estabelecer concordância em gênero ou em número.
Ex.: por + o = pelo; por + a = pela.
Grau Comparativo: O advérbio pode caracterizar relações Essa concordância não é característica da preposição e sim
de igualdade, inferioridade ou superioridade. Para indicar esse das palavras a que se ela se une. Esse processo de junção de
grau utilizam as formas tão…quanto, mais…que, menos…que. uma preposição com outra palavra pode se dar a partir de dois
Pode ser: processos:
- de igualdade. Ex.: Enxergo tão bem quanto você.
- de superioridade. Ex.: Enxergarei melhor que você. - Combinação: A preposição não sofre alteração.
- de inferioridade. Ex.: Enxergaremos pior que você. preposição a + artigos definidos o, os
Grau Superlativo: A circunstância aparecerá intensificada. a + o = ao
Pode ser formado tanto pelo processo sintético (acréscimo de preposição a + advérbio onde
sufixo), como pelo analítico (outro advérbio estará indicando o a + onde = aonde
grau superlativo).
- Contração: Quando a preposição sofre alteração.
- superlativo (ou absoluto) sintético: Acréscimo de sufixo. Preposição + Artigos
Ex.: Este conteúdo é facílimo. De + o(s) = do(s)
- superlativo (ou absoluto) analítico: Precisamos de um ad- De + a(s) = da(s)
vérbio de intensidade. Ex.: Este conteúdo é muito fácil. De + um = dum

19
LÍNGUA PORTUGUESA

De + uns = duns Tipos de Interjeições


De + uma = duma
De + umas = dumas Mesmo não havendo uma classificação rigorosa, já que a
Em + o(s) = no(s) mesma interjeição pode expressar sentimentos ou sensações
Em + a(s) = na(s) diferentes, as interjeições ou locuções interjetivas são classifi-
Em + um = num cadas em:
Em + uma = numa
Em + uns = nuns Advertência: Cuidado!, Olhe!, Atenção!, Fogo!, Calma!, De-
Em + umas = numas vagar!, Sentido!, Vê bem!, Volta aqui!
A + à(s) = à(s) Afugentamento: Fora!, Toca!, Xô!, Passa!, Sai!, Roda!, Arre-
Por + o = pelo(s) da!, Rua!, Cai fora!, Vaza!
Por + a = pela(s) Agradecimento: Graças a Deus!, Obrigado!, Agradecido!,
Muito obrigada!, Valeu!
- Preposição + Pronomes Alegria: Ah!, Eh!, Oh!, Oba!, Eba!, Viva!, Olá!, Eita!, Uhu!,
De + ele(s) = dele(s) Que bom!
De + ela(s) = dela(s) Alívio: Ufa!, Uf!, Arre!, Ah!, Eh!, Puxa!, Ainda bem!
De + este(s) = deste(s) Ânimo: Coragem!, Força!, Ânimo!, Avante!, Vamos!, Firme!,
De + esta(s) = desta(s) Bora!
De + esse(s) = desse(s) Apelo: Socorro!, Ei!, Ô!, Oh!, Alô!, Psiu!, Olá!, Eh!
De + essa(s) = dessa(s) Aplauso: Muito bem!, Bem!, Bravo!, Bis!, É isso aí!, Isso!,
De + aquele(s) = daquele(s) Parabéns!, Boa!
De + aquela(s) = daquela(s) Chamamento: Alô!, Olá!, Hei!, Psiu!, ô!, oi!, psiu!
De + isto = disto Concordância: Claro!, Sem dúvida!, Então!, Sim!, Pois não!,
De + isso = disso Tá!, Hã-hã!
De + aquilo = daquilo Contrariedade: Droga!, Credo!
De + aqui = daqui Desculpa: Perdão!, Opa!, Desculpa!, Foi mal!
De + aí = daí Desejo: Oxalá!, Tomara!, Queira Deus!, Quem me dera!
De + ali = dali Despedida: Adeus!, Até logo!, Tchau!, Até amanhã!
De + outro = doutro(s) Dor: Ai!, Ui!, Ah!, Oh!, Meu Deus!, Ai de mim!
De + outra = doutra(s) Dúvida: Hum?, hem?, hã?, Ué!
Em + este(s) = neste(s) Espanto: Oh!, Puxa!, Quê!, Nossa!, Caramba!, Xi!, Meu
Em + esta(s) = nesta(s) Deus!, Crê em Deus pai!
Em + esse(s) = nesse(s) Estímulo: Ânimo!, Coragem!, Vamos!, Firme!, Força!
Em + aquele(s) = naquele(s) Medo: Oh!, Credo!, Cruzes!, Ui!, Ai!, Uh!, Socorro!, Que
Em + aquela(s) = naquela(s) medo!, Jesus!
Em + isto = nisto Satisfação: Viva!, Oba!, Boa!, Bem!, Bom!
Em + isso = nisso Saudação: Alô!, Oi!, Olá!, Adeus!, Tchau!, Salve!
Em + aquilo = naquilo Silêncio: Psiu!, Shh!, Silêncio!, Basta!, Calado!, Quieto!, Bico
A + aquele(s) = àquele(s) fechado!
A + aquela(s) = àquela(s)
A + aquilo = àquilo CONJUNÇÃO

INTERJEIÇÃO É um termo que liga duas orações ou duas palavras de mes-


mo valor gramatical, estabelecendo uma relação (de coordena-
É uma palavra invariável, que representa um recurso da lin- ção ou subordinação) entre eles.
guagem afetiva, expressando sentimentos, sensações, estados
de espírito, sempre acompanhadas de um ponto de exclamação Classificação
(!).
As interjeições são consideradas “palavras-frases” na me- Conjunções Coordenativas: Ligam duas orações indepen-
dida em que representam frases-resumidas, formadas por sons dentes.
vocálicos (Ah! Oh! Ai!), por palavras (Droga! Psiu! Puxa!) ou por
um grupo de palavras, nesse caso, chamadas de locuções inter- -Conjunções Aditivas: Exprimem soma, adição de pensa-
jetivas (Meu Deus! Ora bolas!). mentos: e, nem, não só...mas também, não só...como também.

Exemplo: João não lê nem escreve.

-Conjunções Adversativas: Exprimem oposição, contraste,


compensação de pensamentos: mas, porém, contudo, entre-
tanto, no entanto, todavia.

20
LÍNGUA PORTUGUESA

Exemplo: Não viajamos, porém, poupamos dinheiro.

-Conjunções Alternativas: Exprimem escolha de pensamentos: ou...ou, já...já, ora...ora, quer...quer, seja...seja.

Exemplo: Ou você casa, ou compra uma bicicleta.

Conjunções Conclusivas: Exprimem conclusão de pensamento: logo, por isso, pois (quando vem depois do verbo), portanto, por
conseguinte, assim.

Exemplo: Estudou bastante, portanto será aprovado.

-Conjunções Explicativas: Exprimem razão, motivo: que, porque, assim, pois (quando vem antes do verbo), porquanto, por con-
seguinte.

Exemplo: Não pode ligar, pois estava sem bateria.

Conjunções Subordinativas: Ligam orações dependentes uma da outra.

-Conjunções Integrantes: Introduzem orações subordinadas com função substantiva: que, se.

Exemplo: Quero que sejas muito feliz.

-Conjunções Causais: Introduzem orações subordinadas que dão ideia de causa: que, porque, como, pois, visto que, já que, uma
vez que.
Exemplo: Como tive muito trabalho, não pude ir à festa.

-Conjunções Comparativas: Introduzem orações subordinadas que dão ideia de comparação: que, do que, como.

Exemplo: Meu cachorro é mais inteligente do que o seu.

-Conjunções Concessivas: Iniciam orações subordinadas que exprimem um fato contrário ao da oração principal: embora, ainda
que, mesmo que, se bem que, posto que, apesar de que, por mais que, por melhor que.

Exemplo: Vou ao mercado, embora esteja sem muito dinheiro.

-Conjunções Condicionais: Iniciam orações subordinadas que exprimem hipótese ou condição para que o fato da oração principal
se realize ou não: caso, contanto que, salvo se, desde que, a não ser que.

Exemplo: Se não chover, irei à festa.

-Conjunções Conformativas: Iniciam orações subordinadas que exprimem acordo, concordância de um fato com outro: segundo,
como, conforme.

Exemplo: Cada um oferece conforme ganha.

-Conjunções Consecutivas: Iniciam orações subordinadas que exprimem a consequência ou o efeito do que se declara na oração
principal: que, de forma que, de modo que, de maneira que.

Exemplo: Estava tão linda, de modo que todos pararam para olhar.

-Conjunções Temporais: Iniciam orações subordinadas que dão ideia de tempo: logo que, antes que, quando, assim que, sempre
que.

Exemplo: Quando as visitas chegarem, comporte-se.

-Conjunções Finais: Iniciam orações subordinadas que exprimem uma finalidade: a fim de que, para que.
Exemplo: Estudou a fim de conseguir algo melhor.

21
LÍNGUA PORTUGUESA

-Conjunções Proporcionais: Iniciam orações subordinadas que exprimem concomitância, simultaneidade: à medida que, à propor-
ção que, ao passo que, quanto mais, quanto menos, quanto menor, quanto melhor.

Exemplo: Ao passo que cresce, sua educação diminui.

QUESTÕES

01. IF-AP – Auxiliar em Administração – 2016 - FUNIVERSA

No segundo quadrinho, correspondem, respectivamente, a substantivo, pronome, artigo e advérbio:


a) “guerra”, “o”, “a” e “por que”.
b) “mundo”, “a”, “o” e “lá”.
c) “quando”, “por que”, “e” e “lá”.
d) “por que”, “não”, “a” e “quando”.
e) “guerra”, “quando”, “a” e “não”.

02. MPE/SP - Oficial de Promotoria I – 2017 - VUNESP

Japão irá auxiliar Minas Gerais com a experiência no enfrentamento de tragédias

Acostumados a lidar com tragédias naturais, os japoneses costumam se reerguer em tempo recorde depois de catástrofes. Mi-
nas irá buscar experiência e tecnologias para superar a tragédia em Mariana

A partir de janeiro, Minas Gerais irá se espelhar na experiência de enfrentamento de catástrofes e tragédias do Japão, para tentar
superar Mariana e recuperar os danos ambientais e sociais. Bombeiros mineiros deverão receber treinamento por meio da Agência
de Cooperação Internacional do Japão (Jica), a exemplo da troca de experiências que já acontece no Estado com a polícia comunitária,
espelhada no modelo japonês Koban.
O terremoto seguido de um tsunami que devastou a costa nordeste do Japão em 2011 deixando milhares de mortos e desapareci-
dos, e prejuízos que quase chegaram a US$ 200 bilhões, foi uma das muitas tragédias naturais que o país enfrentou nos últimos anos.
Menos de um ano depois da catástrofe, no entanto, o Japão já voltava à rotina. É esse tipo de experiência que o Brasil vai buscar para
lidar com a tragédia ocorrida em Mariana.
(Juliana Baeta, http://www.otempo.com.br, 10.12.2015. Adaptado)

No trecho – Bombeiros mineiros deverão receber treinamento... – (1o parágrafo), a expressão em destaque é formada por subs-
tantivo + adjetivo, nessa ordem. Essa relação também se verifica na expressão destacada em:
Parte superior do formulário
a) A imprudente atitude do advogado trouxe-me danos.
b) Entrou silenciosamente, com um espanto indisfarçável.
c) Alguma pessoa teve acesso aos documentos da reunião?
d) Trata-se de um lutador bastante forte e preparado.
e) Estiveram presentes à festa meus estimados padrinhos.

22
LÍNGUA PORTUGUESA

03. CISMEPAR/PR - Técnico Administrativo – 2016 - FAUEL Os revestimentos das paredes isolam o calor. E a direção dos
ventos foi estudada para criar corredores de brisa.
“Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignida- (Adaptado de: “Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com
de e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir tudo movido a energia solar”. Disponível em:http://g1.globo.
uns para com os outros em espírito de fraternidade. Todo indiví- com/globoreporter/noticia/2016/04/abu-dhabi-constroi-cida-
duo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. Toda de-do-futuro-com-tudo-movido-energia-solar.html)
a pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, Considere as seguintes passagens do texto:
a condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à proteção I. E foi exatamente por causa da temperatura que foi cons-
contra o desemprego”. truída em Abu Dhabi uma das maiores usinas de energia solar
do mundo. (1º parágrafo)
De acordo com a gramática da língua portuguesa, adjetivo é II. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra por
a palavra que qualifica um substantivo. Aponte a afirmativa que mais 100 anos pelo menos. (2º parágrafo)
contenha somente adjetivos retirados do texto. III. Um traçado urbanístico ousado, que deixa os carros de
a) livres, iguais, equitativas, satisfatórias. fora. (3º parágrafo)
b) todos, dever, fraternidade, liberdade.
IV. As ruas são bem estreitas para que um prédio faça som-
c) trabalho, ter, direito, desemprego.
bra no outro. (3º parágrafo)
d) espírito, seres, nascer, livre.
O termo “que” é pronome e pode ser substituído por “o
qual” APENAS em
04. Prefeitura de Barra de Guabiraba/PE - Nível Funda-
mental Completo – 2016 - IDHTEC Parte superior do formulário
Assinale a alternativa em que o numeral está escrito por a) I e II.
extenso corretamente, de acordo com a sua aplicação na frase: b) II e III.
a) Os moradores do bairro Matão, em Sumaré (SP), temem c) I, II e IV.
que suas casas desabem após uma cratera se abrir na Avenida d) I e IV.
Papa Pio X. (DÉCIMA) e) III e IV.
b) O acidente ocorreu nessa terça-feira, na BR-401 (QUA-
TROCENTAS E UMA) 06. Pref. de Itaquitinga/PE - Assistente Administrativo –
c) A 22ª edição do Guia impresso traz uma matéria e teve a 2017 - IDHTEC
sua página Classitêxtil reformulada. (VIGÉSIMA SEGUNDA)
d) Art. 171 - Obter, para si ou para outrem, vantagem ilíci- Morto em 2015, o pai afirma que Jules Bianchi não
ta, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, __________culpa pelo acidente. Em entrevista, Philippe Bian-
mediante artifício, ardil. (CENTÉSIMO SETÉSIMO PRIMEIRO) chi afirma que a verdade nunca vai aparecer, pois os pilotos
e) A Semana de Arte Moderna aconteceu no início do sécu- __________ medo de falar. “Um piloto não vai dizer nada se
lo XX. (SÉCULO DUCENTÉSIMO) existir uma câmera, mas quando não existem câmeras, todos
__________ até mim e me dizem. Jules Bianchi bateu com seu
05. ELETROBRAS-ELETROSUL - Técnico de Segurança do carro em um trator durante um GP, aquaplanou e não conseguiu
Trabalho – 2016 - FCC __________para evitar o choque.
(http://espn.uol.com.br/noticia/603278_pai-diz-que-pilo-
Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com tudo movido a tos-da-f-1-temmedo-de-falar-a-verdade-sobre-o-acidente-fatal-
energia solar -de-bianchi)
Bem no meio do deserto, há um lugar onde o calor é extre- Complete com a sequência de verbos que está no tempo,
mo. Sessenta e três graus ou até mais no verão. E foi exatamente modo e pessoa corretos:
por causa da temperatura que foi construída em Abu Dhabi uma
a) Tem – tem – vem - freiar
das maiores usinas de energia solar do mundo.
b) Tem – tiveram – vieram - frear
Os Emirados Árabes estão investindo em fontes energéticas
c) Teve – tinham – vinham – frenar
renováveis. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra
d) Teve – tem – veem – freiar
por mais 100 anos pelo menos. O que pretendem é diversificar e
poluir menos. Uma aposta no futuro. e) Teve – têm – vêm – frear
A preocupação com o planeta levou Abu Dhabi a tirar do pa-
pel a cidade sustentável de Masdar. Dez por cento do planejado 07. (UNIFESP - Técnico em Segurança do Trabalho – VU-
está pronto. Um traçado urbanístico ousado, que deixa os carros NESP/2016)
de fora. Lá só se anda a pé ou de bicicleta. As ruas são bem es-
treitas para que um prédio faça sombra no outro. É perfeito para É permitido sonhar
o deserto.
Os bastidores do vestibular são cheios de histórias – curio-
sas, estranhas, comoventes. O jovem que chega atrasado por
alguns segundos, por exemplo, é uma figura clássica, e patética.
Mas existem outras figuras capazes de chamar a atenção.

23
LÍNGUA PORTUGUESA

Takeshi Nojima é um caso. Ele fez vestibular para a Faculda- local indicado, mas não disse nada. No silêncio sério que se for-
de de Medicina da Universidade do Paraná. Veio do Japão aos mara, apenas contemplava a dança das chamas em torno das
11 anos, trabalhou em várias coisas, e agora quer começar uma achas da lenha, que ardiam. Ao cabo de alguns minutos, o líder
carreira médica. examinou as brasas que se formaram. Cuidadosamente, selecio-
Nada surpreendente, não fosse a idade do Takeshi: ele tem nou uma delas, a mais incandescente de todas, empurrando-a
80 anos. Isto mesmo, 80. Numa fase em que outros já passaram ______ lado. Voltou, então, a sentar-se, permanecendo silen-
até da aposentadoria compulsória, ele se prepara para iniciar cioso e imóvel. O anfitrião prestava atenção a tudo, fascinado
nova vida. E o faz tranquilo: “Cuidei de meus pais, cuidei dos e quieto. Aos poucos, a chama da brasa solitária diminuía, até
meus filhos. Agora posso realizar um sonho que trago da infân- que houve um brilho momentâneo e seu fogo se apagou de vez.
cia”. 4º Em pouco tempo, o que antes era uma festa de calor e
Não faltará quem critique Takeshi Nojima: ele está tirando o luz agora não passava de um negro, frio e morto pedaço de car-
lugar de jovens, dirá algum darwinista social. Eu ponderaria que vão recoberto _____ uma espessa camada de fuligem acinzen-
nem tudo na vida se regula pelo critério cronológico. Há pais tada. Nenhuma palavra tinha sido dita antes desde o protocolar
que passam muito pouco tempo com os filhos e nem por isso cumprimento inicial entre os dois amigos. O líder, antes de se
são maus pais; o que interessa é a qualidade do tempo, não a preparar para sair, manipulou novamente o carvão frio e inútil,
quantidade. Talvez a expectativa de vida não permita ao vesti- colocando-o de volta ao meio do fogo. Quase que imediatamen-
bulando Nojima uma longa carreira na profissão médica. Mas os te ele tornou a incandescer, alimentado pela luz e calor dos car-
anos, ou meses, ou mesmo os dias que dedicar a seus pacientes vões ardentes em torno dele. Quando o líder alcançou a porta
terão em si a carga afetiva de uma existência inteira. para partir, seu anfitrião disse:
Não sei se Takeshi Nojima passou no vestibular; a notícia 5º – Obrigado. Por sua visita e pelo belíssimo sermão. Estou
que li não esclarecia a respeito. Mas ele mesmo disse que isto voltando ao convívio do grupo.
não teria importância: se fosse reprovado, começaria tudo de RANGEL, Alexandre (org.). As mais belas parábolas de to-
novo. E aí de novo ele dá um exemplo. Os resultados do difícil dos os tempos –Vol. II.Belo Horizonte: Leitura, 2004.
exame trazem desilusão para muitos jovens, e não são poucos Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacu-
os que pensam em desistir por causa de um fracasso. A estes nas do texto:
eu digo: antes de abandonar a luta, pensem em Takeshi Nojima, a) a – ao – por.
pensem na força de seu sonho. Sonhar não é proibido. É um b) da – para o – de.
dever. c) à – no – a.
(Moacyr Scliar. Minha mãe não dorme enquanto eu não d) a – de – em.
chegar, 1996. Adaptado)
09. IF-PE - Técnico em Enfermagem – 2017 - IF-PE
Observe as passagens:
– … e agora quer começar uma carreira médica. (2° pará- Crônica da cidade do Rio de Janeiro
grafo);
– … ele tem 80 anos. Isto mesmo, 80. (3° parágrafo); No alto da noite do Rio de Janeiro, luminoso, generoso, o
– Talvez a expectativa de vida não permita… (4° parágrafo). Cristo Redentor estende os braços. Debaixo desses braços os ne-
tos dos escravos encontram amparo.
As expressões destacadas expressam, respectivamente, Uma mulher descalça olha o Cristo, lá de baixo, e apontando
sentido de seu fulgor, diz, muito tristemente:
a) lugar, modo e causa. - Daqui a pouco não estará mais aí. Ouvi dizer que vão tirar
b) tempo, afirmação e dúvida. Ele daí.
c) afirmação, afirmação e dúvida. - Não se preocupe – tranquiliza uma vizinha. – Não se pre-
d) tempo, modo e afirmação. ocupe: Ele volta.
e) modo, dúvida e intensidade. A polícia mata muitos, e mais ainda mata a economia. Na
cidade violenta soam tiros e também tambores: os atabaques,
08. Ceron/RO - Direito – 2016 - EXATUS ansiosos de consolo e de vingança, chamam os deuses africanos.
Cristo sozinho não basta.
A lição do fogo (GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre:
L&PM Pocket, 2009.)
1º Um membro de determinado grupo, ao qual prestava
serviços regularmente, sem nenhum aviso, deixou de participar Na construção “A polícia mata muitos, e mais ainda mata a
de suas atividades. economia”, a conjunção em destaque estabelece, entre as ora-
2º Após algumas semanas, o líder daquele grupo decidiu ções,
visitá-lo. Era uma noite muito fria. O líder encontrou o homem Parte superior do formulário
em casa sozinho, sentado diante ______ lareira, onde ardia um a) uma relação de adição.
fogo brilhante e acolhedor. b) uma relação de oposição.
3º Adivinhando a razão da visita, o homem deu as boas-vin- c) uma relação de conclusão.
das ao líder, conduziu-o a uma cadeira perto da lareira e ficou d) uma relação de explicação.
quieto, esperando. O líder acomodou-se confortavelmente no e) uma relação de consequência.

24
LÍNGUA PORTUGUESA

Parte inferior do formulário Adjetivos e um substantivo: Quando houver mais de um


adjetivo para um substantivo, os adjetivos concordam em gêne-
10. (IF-PE - Auxiliar em Administração – IF-PE/2016) ro e número com o substantivo.

A fome/2 Amava suco gelado e doce.

Um sistema de desvinculo: Boi sozinho se lambe melhor... O Substantivos e um adjetivo: Quando há mais do que um
próximo, o outro, não é seu irmão, nem seu amante. O outro é substantivo e apenas um adjetivo, há duas formas de concordar:
um competidor, um inimigo, um obstáculo a ser vencido ou uma
coisa a ser usada. O sistema, que não dá de comer, tampouco dá - Quando o adjetivo vem antes dos substantivos, o adjetivo
de amar: condena muitos à fome de pão e muitos mais à fome deve concordar com o substantivo mais próximo.
de abraços.
(GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre: Lindo pai e filho.
L&PM Pocket, 2009, p. 81.)
- Quando o adjetivo vem depois dos substantivos, o adjeti-
No trecho “O sistema, que não dá de comer, tampouco dá vo deve concordar com o substantivo mais próximo ou também
de amar”, a conjunção destacada estabelece, entre as orações, com todos os substantivos.
a relação de
a) conclusão. Comida e bebida perfeita.
b) adversidade. Comida e bebida perfeitas.
c) adição. - Palavras adverbiais x palavras adjetivas: há palavras que
d) explicação. têm função de advérbio, mas às vezes de adjetivo.
e) alternância. Quando advérbio, são invariáveis: Há bastante comida.
RESPOSTAS Quando adjetivo, concordam com o nome a que se referem:
01 E Há bastantes motivos para não gostar dele.
Fazem parte desta classificação: pouco, muito, bastante, ba-
02 E
rato, caro, meio, longe, etc.
03 A
04 C - Expressões “anexo” e “obrigado”: tratam-se de palavras
adjetivas, e devem concordar com o nome a que se referem.
05 B
06 E Seguem anexas as avaliações.
07 B Seguem anexos os conteúdos.
Muito obrigado, disse ele.
08 B
Muito obrigada, disse ela.
09 B
10 C Sob a mesma regra, temos palavras como: incluso, quite,
leso, mesmo e próprio.

Concordância Verbal
CONCORDÂNCIA VERBAL E NOMINAL;
A concordância verbal ocorre quando o verbo de flexiona
CONCORDÂNCIA NOMINAL VERBAL para concordar com o sujeito gramatical. Essa flexão verbal é
feita em número (singular ou plural) e em pessoa (1.ª, 2.ª ou 3.ª
Segundo Mattoso câmara Jr., dá-se o nome de concordância pessoa).
à circunstância de um adjetivo variar em gênero e número de
acordo com o substantivo a que se refere (concordância nomi- Sujeito composto antes do verbo: O sujeito é composto e
nal) e à de um verbo variar em número e pessoa de acordo com vem antes do verbo que deve estar sempre no plural.
o seu sujeito (concordância verbal). Entretanto, há casos em que
existem dúvidas. João e Paulo conversaram pelo telefone.

Concordância Nominal Sujeito composto depois do verbo: O sujeito composto vem


depois do verbo, tanto pode ficar no plural como pode concor-
O adjetivo e palavras adjetivas (artigo, numeral, pronome dar com o sujeito mais próximo.
adjetivo) concordam em gênero e número com o nome a que
se referem. Brincaram Pedro e Vítor.
Brincou Pedro e Vítor.

25
LÍNGUA PORTUGUESA

Sujeito formado por pessoas gramaticais diferentes: O su- Eu pedi para eles fazerem a tarefa.
jeito é composto, mas as pessoas gramaticais são diferentes. O
verbo também deve ficar no plural e concordará com a pessoa - Concordância verbal com o infinitivo impessoal: o infinitivo
que, a nível gramatical, tem prioridade. não é flexionado em locuções verbais e em verbos preposicio-
1.ª pessoa (eu, nós) tem prioridade em relação à 2.ª (tu, nados:
vós) e a 2.ª tem prioridade em relação à 3.ª (ele, eles).
Foram impedidos de entender a razão.
Nós, vós e eles vamos à igreja.
- Concordância verbal com o verbo ser: a concordância em
Casos específicos de concordância verbal número é estabelecida com o predicativo do sujeito:

- Concordância verbal com verbos impessoais: como não Isto é verdade!


apresentam sujeito, são conjugados sempre na 3.ª pessoa do Isto são verdades!
singular:
Faz cinco anos que eu te conheci. (verbo fazer indicando - Concordância verbal com um dos que: o verbo fica sempre
tempo decorrido) na 3.ª pessoa do plural:

- Concordância verbal com a partícula apassivadora se: o Um dos que foram…


objeto direto assume a função de sujeito paciente, e o verbo Um dos que podem…
estabelece concordância em número com o objeto direto:
QUESTÕES
Vende-se ovo.
Vendem-se ovos. 01. Pref. de Nova Veneza/SC – Psicólogo – 2016 - FAEPESUL
- Concordância verbal com a partícula de indeterminação A alternativa que está coerente com as regras da concor-
do sujeito se: Quando atua como indeterminadora do sujeito, o dância nominal é:
verbo fica sempre conjugado na 3.ª pessoa do singular: A) Ternos marrons-claros.
Precisa-se de vendedor. B) Tratados lusos-brasileiros.
Precisa-se de vendedores. C) Aulas teórico-práticas.
D) Sapatos azul-marinhos.
- Concordância verbal com a maioria, a maior parte, a meta- E) Camisas verdes-escuras.
de,...: o verbo fica conjugado na 3.ª pessoa do singular. Porém, já
se considera aceitável o uso da 3.ª pessoa do plural: 02. SAAEB – Engenheiro de Segurança do Trabalho – 2016
- FAFIPA
Indique a alternativa que NÃO apresenta erro de concor-
A maioria dos meninos vai…
dância nominal.
A maior parte dos meninos vai…
A) O acontecimento derrubou a bolsa brasileira, argentina
A maioria dos meninos vão…
e a espanhola.
A maior parte dos meninos vão…
B) Naquele lugar ainda vivia uma pseuda-aristocracia.
C) Como não tinham outra companhia, os irmãos viajaram
- Concordância verbal com pronome relativo que: o verbo
só.
concorda com o termo antecedente ao pronome relativo que:
D) Simpáticos malabaristas e dançarinos animavam a festa.
Fui eu que contei o segredo. 03. CISMEPAR/PR – Advogado – 2016 - FAUEL
Foi ele que contou o segredo. A respeito de concordância verbal e nominal, assinale a al-
Fomos nós que contamos o segredo. ternativa cuja frase NÃO realiza a concordância de acordo com a
norma padrão da Língua Portuguesa:
- Concordância verbal com pronome relativo quem: o verbo
concorda com o termo antecedente ao pronome relativo quem A) Meias verdades são como mentiras inteiras: uma pessoa
ou fica conjugado na 3.ª pessoa do singular: meia honesta é pior que uma mentirosa inteira.
B) Sonhar, plantar e colher: eis o segredo para alcançar seus
Fui eu quem contei o segredo. objetivos.
Fomos nós quem contamos o segredo C) Para o sucesso, não há outro caminho: quanto mais dis-
Fui eu quem contou o segredo. tante o alvo, maior a dedicação.
Fomos nós quem contou o segredo. D)Não é com apenas uma tentativa que se alcança o que
se quer.
- Concordância verbal com o infinitivo pessoal: o infinitivo é
flexionado, principalmente, quer definir o sujeito e o sujeito da
segunda oração é diferente da primeira:

26
LÍNGUA PORTUGUESA

04. TRF – 3ª Região – Analista Judiciário-Área Administra- C) Os investimentos realizados e os custos trabalhistas fize-
tiva – 2017 - FCC ram com que muitas empresas optassem por manter seus fun-
A respeito da concordância verbal, é correto afirmar: cionários.
A) Em “A aquisição de novas obras devem trazer benefícios D) São as dívidas que faz com que grande número dos con-
a todos os frequentadores”, a concordância está correta por se sumidores não estejam em dia com suas obrigações.
tratar de expressão partitiva. E) Dados recentes da Associação Nacional dos Birôs de Cré-
B) Em “Existe atualmente, no Brasil, cerca de 60 museus”, dito mostra que 59 milhões de consumidores não pode obter
a concordância está correta, uma vez que o núcleo do sujeito é novos créditos.
“cerca”.
C) Na frase “Hão de se garantir as condições necessárias à 06. COPEL – Contador Júnior -2017 - NC-UFPR
conservação das obras de arte”, o verbo “haver” deveria estar Assinale a alternativa em que os verbos sublinhados estão
no singular, uma vez que é impessoal. corretamente flexionados quanto à concordância verbal
D) Em “Acredita-se que 25% da população frequentem am- A) A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou recen-
bientes culturais”, a concordância está correta, uma vez que a temente a nova edição do relatório Smoke-free movies (Filmes
porcentagem é o núcleo do segmento nominal. sem cigarro), em que recomenda que os filmes que exibem ima-
E) Na frase “A maioria das pessoas não frequentam o mu- gens de pessoas fumando deveria receber classificação indicati-
seu”, o verbo encontra-se no plural por concordar com “pesso- va para adultos.
as”, ainda que pudesse, no singular, concordar com “maioria”. B) Pesquisas mostram que os filmes produzidos em seis pa-
íses europeus, que alcançaram bilheterias elevadas (incluindo
05. MPE-SP – Oficial de Promotoria I – 2016 - VUNESP alemães, ingleses e italianos), continha cenas de pessoas fuman-
do em filmes classificados para menores de 18 anos.
Fora do jogo C) Para ela, a indústria do tabaco está usando a “telona”
como uma espécie de última fronteira para anúncios, mensa-
Quando a economia muda de direção, há variáveis que logo gens subliminares e patrocínios, já que uma série de medidas
se alteram, como o tamanho das jornadas de trabalho e o paga- em diversos países passou a restringir a publicidade do tabaco.
mento de horas extras, e outras que respondem de forma mais D) E 90% dos filmes argentinos também exibiu imagens de
lenta, como o emprego e o mercado de crédito. Tendências ne- fumo em filmes para jovens.
gativas nesses últimos indicadores, por isso mesmo, costumam E) Os especialistas da organização citam estudos que mos-
ser duradouras. tram que quatro em cada dez crianças começa a fumar depois
Daí por que são preocupantes os dados mais recentes da de ver atores famosos dando suas “pitadas” nos filmes.
Associação Nacional dos Birôs de Crédito, que congrega empre-
sas do setor de crédito e financiamento. RESPOSTAS
Segundo a entidade, havia, em outubro, 59 milhões de con-
sumidores impedidos de obter novos créditos por não estarem
01 C
em dia com suas obrigações. Trata-se de alta de 1,8 milhão em
dois meses. 02 D
Causa consternação conhecer a principal razão citada pelos 03 A
consumidores para deixar de pagar as dívidas: a perda de em-
prego, que tem forte correlação com a capacidade de pagamen- 04 E
to das famílias. 05 C
Até há pouco, as empresas evitavam demitir, pois tendem 06 C
a perder investimentos em treinamento e incorrer em custos
trabalhistas. Dado o colapso da atividade econômica, porém,
jogaram a toalha.
O impacto negativo da disponibilidade de crédito é imedia- PRONOMES: EMPREGO E COLOCAÇÃO E REGÊNCIA
to. O indivíduo não só perde a capacidade de pagamento mas NOMINAL E VERBAL.
também enfrenta grande dificuldade para obter novos recursos,
pois não possui carteira de trabalho assinada. COLOCAÇÃO DOS PRONOMINAL
Tem-se aí outro aspecto perverso da recessão, que se soma
às muitas evidências de reversão de padrões positivos da última A colocação dos pronomes oblíquos átonos é um fator im-
década – o aumento da informalidade, o retorno de jovens ao portante na harmonia da frase. Ela respeita três tipos de posição
mercado de trabalho e a alta do desemprego. que os pronomes átonos me, te, o, a, lhe, nos, vos, os, as, lhes
(Folha de S.Paulo, 08.12.2015. Adaptado) podem ocupar na oração:
Assinale a alternativa correta quanto à concordância verbal. Próclise - o pronome é colocado antes do verbo.
A) A mudança de direção da economia fazem com que se Mesóclise - o pronome é colocado no meio do verbo.
altere o tamanho das jornadas de trabalho, por exemplo. Ênclise - o pronome é colocado depois do verbo.
B) Existe indivíduos que, sem carteira de trabalho assinada,
enfrentam grande dificuldade para obter novos recursos.

27
LÍNGUA PORTUGUESA

Próclise Arrepiei-me com tal relato.

- Orações negativas, que contenham palavras como: não, - Verbo no gerúndio (sem a preposição em, pois regido pela
ninguém, nunca. preposição em usa-se a Próclise).
Não o vi ontem. Vivo perguntando-me como pode ser tão falso.
Nunca o tratei mal. Faço muitos apontamentos, perguntando-lhe o motivo do
fingimento.
- Pronomes relativos, indefinidos ou demonstrativos.
Foi ele que o disse a verdade. Com Locução Verbal
Alguns lhes custaram a vida.
Isso me lembra infância. Todos os exemplos até agora têm apenas um verbo atrain-
do o pronome. Vejamos como fica a colocação do pronome nas
- Verbos antecedidos por advérbios ou expressões adver- locuções verbais (seguindo todas as regras citadas anteriormen-
biais, a não ser que haja vírgula depois do advérbio, pois assim o
te).
advérbio deixa de atrair o pronome.
Ontem me fizeram uma proposta.
- Ênclise depois do verbo auxiliar ou depois do verbo princi-
Agora, esqueça-se.
pal nas locuções verbais em que o verbo principal está no infini-
- Orações exclamativas e orações que exprimam desejo que tivo ou no gerúndio.
algo aconteça. Devo chamar-te pelo primeiro nome.
Deus nos ajude. Devo-lhe chamar pelo primeiro nome.
Espero que me dês uma boa notícia.
- Caso não haja palavra que atraia a Próclise, Ênclise é usada
- Orações com conjunções subordinativas. depois do verbo auxiliar onde o verbo principal está no particí-
Exemplos: pio.
Embora se sentisse melhor, saiu. Foi-lhe dito como deveria impedir isso.
Conforme lhe disse, hoje vou sair mais cedo. Tinha-lhe feito as malas para que partisse o mais rápido
- Verbo no gerúndio regido da preposição em. possível.
Em se tratando de Brasil, tudo pode acontecer.
Em se decidindo pelo vestido, opte pelo mais claro.
QUESTÕES
- Orações interrogativas.
Quando te disseram tal mentira? 01. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2017 - FE-
Quem te ligou? PESE
Analise a frase abaixo:
Mesóclise “O professor discutiu............mesmos a respeito da desa-
vença entre .........e ........ .
É possível apenas com verbos do Futuro do Presente ou do
Futuro do Pretérito. Se houver palavra atrativa, dá-se preferên- Assinale a alternativa que completa corretamente as lacu-
cia ao uso da Próclise. nas do texto.
Encontrar-me-ei com minhas raízes. A) com nós • eu • ti
Encontrar-me-ia com minhas raízes. B) conosco • eu • tu
C) conosco • mim • ti
Ênclise
D) conosco • mim • tu
E) com nós • mim • ti
Usa-se a Ênclise quando o uso da Próclise e Mesóclise não
forem possíveis. A colocação de pronome depois do verbo é
atraída pelas seguintes situações: 02. Pref. de Caucaia/CE – Agente de Suporte a Fiscalização
– 2016 - CETREDE
- Verbo no imperativo afirmativo. Marque a opção em que ocorre ênclise.
Depois de avaliar, chamem-nos. A) Disseram-me a verdade.
Ao iniciar, distribuam-lhes as senhas! B) Não nos comunicaram o fato.
C) Dir-se-ia que tal construção não é correta.
- Verbo no infinitivo impessoal. D) A moça se penteou.
Preciso apresentar-te a minha irmã. E) Contar-me-ão a verdade?
O seu pior pesadelo é casar-se.

- Verbo inicia a oração.


Disse-lhe a verdade sobre nosso amor.

28
LÍNGUA PORTUGUESA

03. MPE/RS – Agente Administrativo – 2017 - MPE-RS


Assinale a alternativa que preenche correta e respectivamente as lacunas dos enunciados abaixo.
1. Quanto ao pedido do Senhor Secretário, a secretaria deverá ________ que ainda não há disponibilidade de recursos.
2. Apesar de o regimento não exigir uma sindicância neste tipo de situação, a gravidade
da ocorrência ________, sem dúvida.
3. Embora os novos artigos limitem o alcance da lei, eles não ________.

A) informar-lhe – a justificaria – revogam-na


B) informar-lhe – justificá-la-ia – a revogam
C) informá-lo – justificar-lhe-ia – a revogam
D) informá-lo – a justificaria – lhe revogam
E) informar-lhe – justificá-la-ia – revogam-na

04. IPSMI – Procurador – 2016 - VUNESP


Assinale a alternativa em que a colocação pronominal e a conjugação dos verbos estão de acordo com a norma-padrão.
A) Eles se disporão a colaborar comigo, se verem que não prejudicarei-os nos negócios.
B) Propusemo-nos ajudá-lo, desde que se mantivesse calado.
C) Tendo avisado-as do perigo que corriam, esperava que elas se contessem ao dirigir na estrada.
D) Todos ali se predisporam a ajudar-nos, para que nos sentíssemos à vontade.
E) Os que nunca enganaram-se são poucos, mas gostam de que se alardeiem seus méritos.

05. BAHIAGÁS - Analista de Processos Organizacionais - Administração e Psicologia – 2016 - IESES


Assinale a opção em que a colocação dos pronomes átonos está INCORRETA:
A) Não considero-me uma pessoa de sorte; me considero uma pessoa que trabalha para se sustentar e esforça-se para se colocar
bem na vida.
B) Pagar-lhes-ei tudo o que lhes devo, mas no devido tempo e na devida forma.
C) A situação não é melhor na Rússia, onde os antigos servos tornaram-se mujiques famintos, nem nos países mediterrâneos,
onde os campos sobrecarregados de homens são incapazes de alimentá-los.
D) Deus me livre desse maldito mosquito! Nem me falem nessas doenças que ele transmite!
E) Pede a Deus que te proteja e dê muita vida e saúde a teus pais.

06. TRT – 14ª Região – Técnico Judiciário – Área Administrativa – 2017 - FCC

No que se refere ao emprego do acento indicativo de crase e à colocação do pronome, a alternativa que completa corretamente
a frase O palestrante deu um conselho... É:
A) à alguns jovens que escutavam-no.
B) à estes jovens que o escutavam.
C) àqueles jovens que o escutavam
D) à juventude que escutava-o.
E) à uma porção de jovens que o escutava.

29
LÍNGUA PORTUGUESA

RESPOSTAS Regência de Advérbios: são importantes os advérbios: lon-


ge [de], perto [de] e proximamente [a, de]. Todos os advérbios
01 E terminados em -mente, tendem a apresentar a mesma preposi-
ção dos adjetivos: Compatível [com]; compativelmente [com].
02 A Relativo [a]; relativamente [a]
03 B
Regência Verbal
04 B
05 A É a parte da língua que se ocupa da relação entre os verbos
06 C e os termos que se seguem a ele e completam o seu sentido. Os
verbos são os termos regentes, enquanto os objetos (direto e
REGÊNCIA NOMINAL E VERBAL indireto) e adjuntos adverbiais são os termos regidos. Os verbos
podem ser:
Regência é a relação de subordinação que ocorre entre um - Verbos Transitivos: Exigem complemento (objetos) para
verbo (ou um nome) e seus complementos. Ocupa-se em esta- que tenham sentido completo. Podem ser: Transitivos Diretos;
belecer relações entre as palavras, criando frases não ambíguas, Transitivos Indiretos; Transitivos Diretos e Indiretos.
que expressem efetivamente o sentido desejado, que sejam cor- - Verbos Intransitivos: Existem verbos intransitivos que pre-
retas e claras. cisam vir acompanhados de adjuntos adverbiais apenas para da-
rem um sentido completo para a frase.
Regência Nominal
Exemplos de regência verbal não preposicionada
Há nomes de sentido incompletos. Substantivos, adjetivos, Leu o jornal.
e, certos advérbios, podem, como no caso dos verbos, precisar Comeu o chocolate.
de um complemento (complemento nominal) para completar Bebeu o vinho.
seu sentido: Sou devoto (nome de sentido incompleto) ao Santo Ouviu a música.
Expedito (compl. Nominal). Estudou a matéria.
Fez o jantar
O substantivo devoto rege um complemento nominal pre-
cedido da preposição (ao). Sendo assim, a relação particular Exemplos de regência verbal preposicionada
entre o nome e complemento, está sempre marcada por uma Procedeu à leitura do livro.
preposição. Pagou ao fornecedor.
Contudo, cabe observar, que certos substantivos e adjetivos Desobedeceu aos mandamentos.
admitem mais de uma regência (mais de uma preposição). Apoiou-se na mesa.
Vejamos alguns nomes com as preposições que as regem: Apaixonou-se por sua melhor amiga.
Acessível [a, para] - acostumado [a, com] - adequado [a] - Meditou sobre a possibilidade.
admiração [a, por] - alheio [a, de] - aliado [a, com] - amante [de] Quando a regência verbal é feita através de uma prepo-
– amigo [de] - amor [a, de, para com, por] –ansioso [de, para, sição, as mais utilizadas são: a, de, com, em, para, por, sobre.
por] - apto [a, para] - assíduo [a, em] - atenção [a] - atento [a, agradar a;
em] - atencioso [com, para com] - benéfico [a] - benefício [a] obedecer a;
– bom [para] - capacidade [de, para] - capaz [de, para] – cego assistir a;
[a] - certeza [de] - comum [de] - conforme [a, com] - consulta visar a;
[a] - contente [com, de, em, por] - cuidadoso [com] – curioso lembrar-se de;
[de, por] descontente [com] - desfavorável [a] –desrespeito [a] simpatizar com;
- diferente [de] - dificuldade [com, de, em, para] – digno [de] comparecer em;
- dúvida [acerca de, em, sobre] – entendido [em] – essencial convocar para;
[para] – fácil [a, de, para] - facilidade [de, em, para] - fiel [a] - trocar por;
feliz [de, com, em, por] - grato [a] -horror [a, de, por] -– idêntico alertar sobre.
[a] - impaciência [com] – incapaz [de, para] –influência [sobre]
- insensível [a] - intolerante [com] - junto [a, de] - leal [a] - lento
QUESTÕES
[em] – liberal [com] - maior [de] – manifestação [contra] - medo
[de, a] – menor [de] –morador [em] - natural [de] - necessário
01. MPE-GO - Secretário Auxiliar – Goiás – 2018 – MPE-GO
[a] - obediente [a] - ódio [a, contra] - orgulhoso [de, com] - pai-
xão [de, por] – parecido [a, com] - referência [a, por] –propício
Embora de ocorrência frequente no cotidiano, a gramática
[a] - próximo [a, de] - pronto [para, em] - propensão [para] - re-
normativa não aceita o uso do mesmo complemento para ver-
lação [a, com, de, por, para com] - relacionado [com] - rente [a,
bos com regências diferentes. Assinale a opção em que esse tipo
de, com] - responsável [por] - rico [de, em] –satisfeito [com, de,
de transgressão não ocorre.
em, por] - semelhante [a] - suspeito [a, de] - tentativa [contra,
de, para, para com] –único [em] - vazio [de]– visível [a] - vizinho A) “Pode-se concordar ou discordar, até radicalmente, de
[a, de, com] – zelo [a, de, por]. toda a política externa brasileira.” (Clóvis Rossi)

30
LÍNGUA PORTUGUESA

B) “Educador é todo aquele que confere e convive com es- 03. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2016 - FE-
ses conhecimentos.” (J. Carlos de Sousa) PESE
C) Vi e gostei muito do filme O jardineiro fiel cujo diretor é
um brasileiro. A linguagem poética
D) A sociedade brasileira quer a paz, anseia por ela e a ela
aspira. Em relação à prosa comum, o poema se define de certas
E) Interessei-me e desinteressei-me pelo assunto quase que restrições e de certas liberdades. Frequentemente se confunde
simultaneamente. a poesia com o verso. Na sua origem, o verso tem uma função
mneumotécnica (= técnica de memorizar); os textos narrativos,
02. CODEBA – Analista Portuário – Administrador – 2016 líricos e mesmo históricos e didáticos eram comunicados oral-
- FGV mente, e os versos – repetição de um mesmo número de sílabas
ou de um número fixo de acentos tônicos e eventualmente re-
Relatórios petição de uma mesma sonoridade (rima) – facilitavam a me-
morização. Mais tarde o verso se tornou um meio de enfeitar o
Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de discurso, meio que se desvalorizou pouco a pouco: a poesia con-
perfil bem específico. Os relatórios de inquérito, por exemplo, temporânea é rimada, mas raramente versificada. Na verdade
são lidos pelas pessoas diretamente envolvidas na investigação o valor poético do verso decorre de suas relações com o ritmo,
de que tratam. Um relatório de inquérito criminal terá como lei-
com a sintaxe, com as sonoridades, com o sentido das palavras.
tores preferenciais delegados, advogados, juízes e promotores.
O poema é um todo.
Autores de relatórios que têm leitores definidos podem
(…)
pressupor que compartilham com seus leitores um conhecimen-
Os poetas enfraquecem a sintaxe, fazendo-a ajustar-se às
to geral sobre a questão abordada. Nesse sentido, podem fazer
um texto que focalize aspectos específicos sem terem a necessi- exigências do verso e da expressão poética. Sem se permitir
dade de apresentar informações prévias. verdadeiras incorreções gramaticais, eles se permitem “licenças
Isso não acontece com relatórios de circulação mais ampla. poéticas”.
Nesse caso, os autores do relatório devem levar em considera- Além disso, eles trabalham o sentido das palavras em dire-
ção o fato de terem como interlocutores pessoas que se inte- ções contrárias: seja dando a certos termos uma extensão ou
ressam pelo assunto abordado, mas não têm qualquer conhe- uma indeterminação inusitadas; seja utilizando sentidos raros,
cimento sobre ele. No momento de elaborar o relatório, será em desuso ou novos; seja criando novas palavras.
preciso levar esse fato em consideração e introduzir, no texto, Tais liberdades aparecem mais particularmente na utiliza-
todas as informações necessárias para garantir que os leitores ção de imagens. Assim, Jean Cohen, ao estudar o processo de
possam acompanhar os dados apresentados, a análise feita e a fabricação das comparações poéticas, observa que a linguagem
conclusão decorrente dessa análise. corrente faz espontaneamente apelo a comparações “razoáveis”
(pertinentes) do tipo “a terra é redonda como uma laranja” (a
“Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de redondeza é efetivamente uma qualidade comum à terra e a
perfil bem específico”. uma laranja), ao passo que a linguagem poética fabrica compa-
No caso desse segmento do texto, a preposição a é de uso rações inusitadas tais como: “Belo como a coisa nova/Na pra-
gramatical, pois é exigida pela regência do verbo dirigir. teleira até então vazia” (João Cabral de Melo Neto). Ou, então
estranhas como: “A terra é azul como uma laranja” (Paul Éluard).
Assinale a opção que indica a frase em que a preposição “a” Francis Vanoye
introduz um adjunto e não um complemento.
A) O Brasil dá Deus a quem não tem nozes, dentes etc. Assinale a alternativa correta quanto à regência verbal.
B) É preciso passar o Brasil a limpo. A) Chamaram Jean de poeta.
C) Um memorando serve não para informar a quem o lê, B) “Não obedeço a rima das estrofes”, disse o poeta.
mas para proteger quem o escreve. C) Todos os escritores preferem o elogio do que a crítica
D) Quem é burro pede a Deus que o mate e ao diabo que D) Passou no cinema o filme sobre aquele poeta que gosto
o carregue.
muito.
E) O desenvolvimento é uma receita dos economistas para
E) Eu me lembrei os dias da leitura de poesia na escola.
promover os miseráveis a pobres – e, às vezes, vice-versa.
04. TJ/SP - Escrevente Técnico Judiciário - 2016 - VUNESP

Assinale a alternativa em que o período, adaptado da re-


vista Pesquisa Fapesp de junho de 2012, está correto quanto à
regência nominal e à pontuação.
A) Não há dúvida que as mulheres ampliam, rapidamente,
seu espaço na carreira científica ainda que o avanço seja mais
notável em alguns países, o Brasil é um exemplo, do que em
outros.

31
LÍNGUA PORTUGUESA

B) Não há dúvida que as mulheres ampliam rapidamente, RESPOSTAS


seu espaço na carreira científica, ainda que, o avanço seja mais
notável em alguns países (o Brasil é um exemplo) do que em 01 D
outros.
C) Não há dúvida de que, as mulheres, ampliam rapidamen- 02 B
te seu espaço na carreira científica; ainda que o avanço seja mais 03 A
notável, em alguns países, o Brasil é um exemplo!, do que em
04 E
outros.
D) Não há dúvida de que as mulheres, ampliam rapidamen- 05 B
te seu espaço, na carreira científica, ainda que o avanço seja
mais notável, em alguns países: o Brasil é um exemplo, do que
em outros. ANOTAÇÃO
E) Não há dúvida de que as mulheres ampliam rapidamente
seu espaço na carreira científica, ainda que o avanço seja mais
notável em alguns países – o Brasil é um exemplo – do que em ————————————————————————
outros. ————————————————————————
05. MPE-PE - Analista Ministerial - Área Auditoria – 2018 ————————————————————————
– FCC
————————————————————————
Para onde vão as palavras ————————————————————————
Como se sabe, a palavra durante algum tempo foi obrigada ————————————————————————
a recuar diante da imagem, e o mundo escrito e impresso diante
do falado na tela. Tiras de quadrinhos e livros ilustrados com um ————————————————————————
mínimo de texto hoje não se destinam mais somente a inician- ————————————————————————
tes que estão aprendendo a soletrar. De muito mais peso, no
entanto, é o recuo da notícia impressa em face da notícia falada ————————————————————————
e ilustrada. A imprensa, principal veículo da esfera pública no
século X I X assim como em boa parte do século XX, dificilmente ————————————————————————
será capaz de manter sua posição no século X X I.
————————————————————————
Mas nada disso pode deter a ascensão quantitativa da lite-
ratura. A rigor, eu quase diría que - apesar dos prognósticos pes- ————————————————————————
simistas - o mais importante veículo tradicional da literatura, o
livro impresso, sobreviverá sem grande dificuldade, com poucas ————————————————————————
exceções, como as das enciclopédias, dos dicionários, dos com-
————————————————————————
pêndios de informação etc., os queridinhos da internet.
(Adaptado de: HOBSBAWM, Eric. Tempos fraturados. São ————————————————————————
Paulo: Companhia das Letras, 2013, p. 29-30.)
————————————————————————
O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se de
modo a concordar com o elemento sublinhado na seguinte fra-
————————————————————————
se: ————————————————————————
A) Entre as várias atrações que (conter) um livro, uma é a de
tornar-se um obieto do afeto de quem o possui. ————————————————————————
B) Se há imagens pelas quais se (deixar) prender um espec-
tador, há palavras que encantam um leitor. ————————————————————————
C) Quando há num livro imagens excessivas, que (contami- ————————————————————————
nar) um texto, as palavras saem desvalorizadas.
D) A despeito de (haver) nele figuras demais, esse livro in- ————————————————————————
fantil atrai também um leitor adulto.
E) Aos frequentadores da internet (atrair) sobretudo o volu- ————————————————————————
me de informações que nela circulam. ————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————

32
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Concepção de educação e escola. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01


Função social da escola e compromisso social do educador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
A construção de identidades nas interações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
A ludicidade como dimensão humana. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Educação: cuidar e educar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Políticas educacionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Projeto político-pedagógico: fundamentos para orientação, planejamento e implementação de ações na criação de condições para o
desenvolvimento humano, com foco no educando, dentro do processo ensino-aprendizagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Currículo como construção sócio histórico e cultural. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Avaliação e registro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Organização da escola centrada no processo de aprendizagem e desenvolvimento do educando: ciclos – os tempos da vida hu-
mana. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Educação inclusiva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Gestão participativa na escola. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. 21ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
GADOTTI, M. Educação Integral no Brasil: inovações em processo. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009. . . . . . 38
HARGREAVES, A. O Ensino na sociedade do conhecimento: educação na era da insegurança. Porto Alegre: Artmed, 2004. . . . . . . 41
HOFFMANN, Jussara. Avaliar para promover. Porto Alegre: Mediação, 2002. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Indagações sobre o Currículo: - Caderno 1 – Os Educandos, seus direitos e o Currículo – Arroyo, Miguel; Caderno 2 – Currículo e De-
senvolvimento Humano – Elvira Souza Lima; Caderno 3 – Currículo, Conhecimento e Cultura – Antonio Flávio Moreira e Vera Maria
Candau; Currículo e Avaliação – Claudia Moreira Fernandes e Luiz Carlos de Freitas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, UNESCO, 2000. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000. ______________. Os ciclos de aprendizagem. Um
caminho para combater o fracasso escolar. Porto Alegre: Artmed, 2004. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
RIOS, T. A. Compreender e ensinar: por uma docência da melhor qualidade. São Paulo: Cortez, 2001. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
VASCONCELLOS, Celso S. Planejamento - Projeto de Ensino Aprendizagem e Projeto Político Pedagógico, São Paulo: Libertad, 2002. . . . . 52
VYGOTSKY, L.S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Tecnologia Educacional: Descubra Suas Possibilidades na Sala de Aula. Ligia Silva Leite- Editora Vozes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

- Aprender a conviver
CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO E ESCOLA. - Aprender a fazer

Concepção Pedagógica da Escola Valores:


- Inclusão
A escola é considerada por todos, como um espaço e lugar - Solidariedade
privilegiado de ensino-aprendizagem. Nesse contexto, surgem - Transparência
alguns questionamentos junto aos professores e demais profis- - Trabalho Unificado
sionais da educação, especialmente, no momento da elaboração - Coletivo
do Projeto Político Pedagógico da Escola: Que forma devemos - Criar para humanizar
conceber o papel social da escola? Como devemos conduzir as - Compromisso
orientações pedagógicas e os conteúdos de ensino? Com efeito,
a escola tem um papel importante na evolução do processo de Abaixo abordaremos vertentes de concepções que per-
aprendizagem de cada cidadão que consegue passar por uma meiam os temas Educação e Escola.
instituição educativa, cuja função é orientar e preparar social-
mente. Concepção Tradicionalista da Educação
A escola contemporânea tem passado por expressivas
transformações de caráter social, político e econômico. Essas 1. Origem histórica - Desde o poder aristocrático antigo e
transformações originam-se nos pressupostos que vêm sendo feudal. Buscou inspiração nas tradições pedagógicas antigas e
direcionados aos modos de vida. Os modos de vida estão sendo cristãs. Predominou até fins do século XIX. Foi elitista, pois ape-
vivenciados pela escola. São variantes de diversos matizes, que nas o clero e a nobreza tinham acesso aos estudos.
se multiplicam a cada dia. Observamos situações espetaculares, 2. Conceito de homem - O homem é um ser originalmen-
dignas, responsáveis, equilibradas, criativas. Mas, enfrentamos te corrompido (pecado original). O homem deve submeter-se
também, situações lastimáveis, como se as pessoas estivessem aos valores e aos dogmas universais e eternos. As regras de vida
perdendo o senso da aprendizagem do bem-viver, de relacionar- para o homem já forma estabelecidas definitivamente (num
-se, de aprender, de querer e de respeitar-se. Este é o ponto das mundo “superior”, externo ao homem).
discussões, encontros, leituras e reformas no cotidiano da esco- 3. Ideal de homem - É o homem sábio (= instruído, que de-
la. Sempre buscando considerar que a escola tem papel social tém o saber, o conhecimento geral, apresenta correção no falar
expressivo na construção e reconstrução daqueles que passam e escrever, e fluência na oratória) e o homem virtuoso (= dis-
parte de suas vidas sendo orientados e preparados por ela. ciplinado). A Educação Tradicionalista supervaloriza a formação
intelectual, a organização lógica do pensamento e a formação
A escola é uma instituição com objetivo explícito: o desen- moral.
volvimento das potencialidades físicas, cognitivas e afetivas dos 4. Educação - Tem como função: corrigir a natureza cor-
alunos, por meio da aprendizagem dos conteúdos (conhecimen- rompida do homem, exigindo dele o esforço, disciplina rigorosa,
tos, habilidades, procedimentos, atitudes, e valores) que, aliás, através de vigilância constante. A Educação deve ligar o homem
deve acontecer de maneira contextualizada desenvolvendo nos ao “mundo superior” que é o seu destino final, e destruir o que
discentes a capacidade de tornarem-se cidadãos participativos prende o homem à sua existência terrestre.
na sociedade em que vivem. Eis o grande desafio da escola, fazer 5. Disciplina - Significa domínio de si mesmo, controle emo-
do ambiente escolar um meio que favoreça o aprendizado, onde cional e corporal. Predominam os incentivos extrínsecos: prê-
a escola deixe de ser apenas um ponto de encontro e passe a ser, mios e castigos. A Escola é um meio fechado que prepara o edu-
além disso, encontro com o saber com descobertas de forma cando.
prazerosa e funcional, conforme Libâneo (2005, p.117): 6. Educador - É aquele que já se disciplinou, conseguiu cor-
rigir sua natureza corrompida e já detém o saber. Tem seu saber
“Devemos inferir, portanto, que a educação de qualidade é
reconhecido e sua autoridade garantida. Ele é o centro da deci-
aquela mediante a qual a escola promove, para todos, o domínio
são do processo educativo.
dos conhecimentos e o desenvolvimento de capacidades cogni-
7. Relacionamento inter-pessoal. - A disposição na sala de
tivas e afetivas indispensáveis ao atendimento de necessidades
aula, um atrás do outro, reduz ao mínimo as possibilidades
individuais e sociais dos alunos.”
de comunicação direta entre as pessoas. É cada um só com o
mestre. A relação professor-aluno é de obediência ao mestre.
A escola deve oferecer situações que favoreçam o apren-
dizado, onde haja sede em aprender e também razão, entendi- Incentiva a competição. É preciso ser o melhor. O outro é um
mento da importância desse aprendizado no futuro do aluno. concorrente.
Se ele compreender que, muito mais importante do que possuir 8. O conteudo - Ênfase no passado, ao já feito, aos conte-
bens materiais, é ter uma fonte de segurança que garanta seu údos prontos, ao saber já instituido. O futuro é reprodução do
espaço no mercado competitivo, ele buscará conhecer e apren- passado. O saber é enciclopédico e é preciso conhecer e praticar
der sempre mais. as leis morais.
9. Procedimentos pedagogicos - O conteúdo é apresentado
Eixos Norteadores: de forma acabada, há ênfase na quantidade de informação dada
- Aprender a aprender e memorizada. O aluno ouve informações gerais nas situações
- Aprender a ser particulares.

1
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Concepção Liberalista da Educação 11. Conteudo - As crianças podem ordenar o conhecimento


conforme os seus interesses. Evita-se mostrar o mundo “mau”
1. Origem histórica - A concepção liberalista da Educação aos educandos. O mundo é apresentado de modo idealizado,
foi se constituindo ao longo da História em reação à concepção bonito, “colorido”.
Tradicionalista, seus primeiros indícios podem se reportar ao 12. Procedimento pedagogico - Enfatiza a técnica de des-
Renascimento( séc. XV - XVI); prosseguindo com a instalação do coberta, o método indutivo (do particular ao geral). Defende
poder burguês liberalista (séc. XVIII) e culminando com a emer- técnicas globalizantes que garantam o sentido, a compreensão,
gência da chamada “Escola Nova” (início do séc. XX) e com a a inter-relação e sequenciação do conteúdo. Utiliza técnicas va-
divulgação dos pressupostos da Psicologia Humanista (1950). riadas: música, dança, expressão corporal, dramatização, pes-
2. Pressuposto básico da concepção liberalista da Educa- quisa, solução de problemas, discussões grupais, dinâmica gru-
ção. Referências para vida do homem não podem ser os valores pais, trabalho prático. Muito som, luz, cor e movimento, supõe a
pré dados por fontes supra-humanas, exteriores ao homem. A aprendizagem como processo intrínseco que requer elaboração
Educação (como toda a vida social) deve basear-se nos próprios interna do aprendiz. Aprender a aprender é mais fundamental
homens, como eles são concretamente. O homem pode buscar do que acumular grandes quantidades de conteúdos, permite
em si próprio o sentido da sua vida e as normas para a sua vida. a variedade e manipulação efetiva de materiais didáticos pelos
3. Concepção de homem - O homem é naturalmente bom, educandos. Ênfase no jogo, descontração, prazer. Enfatiza avalia-
mas ele pode ser corrompido na vida social. O homem é um ser ção qualitativa, a auto-avaliação, a discussão de critérios e ava-
livre, capaz de decidir, escolher com responsabilidade e buscar liação com os educandos.
seu crescimento pessoal. 13. Relação educacão-sociedade - A concepção liberalista
4. Conceito de infância - A criança é inocente. A criança está de Educação é coerente com o moderno capitalismo que pro-
mais perto da verdadeira humanidade. É preciso protegê-la, isolá- põe a livre iniciativa individual, adaptação dos trabalhadores a
-la, do contato com a sociedade adulta e não ter pressa de trans- situações mutáveis, concepção de Educação é conivente com o
formar a criança em adulto. O importante não é preparar para a sistema capitalista de sociedade porque:
vida futura apenas, mas vivenciar intensamente a infância.
1. Contribui com a manutenção da estrutura de classes so-
5. Ideal de homem. É a pessoa livre, espontânea, de inicia-
ciais , quando realiza a elitização do saber, organizando o ensino
tiva, criativa, auto determinada e responsável. Enfim, autorrea-
de modo a desfavorecer o prosseguimento da escolarização dos
lizada.
mais pobres: o mundo da escola é o mundo burguês no visual,
6. A função da educação - A função da educação é possibili-
na linguagem, nos meios, nos fins. A escola vai selecionando os
tar condições para a atualização e uso pleno das potencialidades
mais “capazes”. Os outros vão sutilmente se mantendo nas bai-
pessoais em direção ao autoconhecimento e autorrealização
xas camadas de escolaridade. A pirâmide escolar também con-
pessoal. A Educação não deve destruir o homem concreto e sim
tribui, portanto, com a reprodução contínua da pirâmide social .
apoiar-se neste ser concreto. Não deve ir contra o homem para 2. Inculca a concepção burguesa de mundo, de modo pre-
formar o homem. A Educação deve realizar-se a partir da própria dominante, divulgando sua ideologia através do discurso explí-
vida e experiência do educando, apoiar-se nas necessidades e cito e implícito (na fala das autoridades, nos textos de leitura,
interesses naturais, expectativas do educando, e contribuir para nas atitudes manifestas). Veicula conteúdos idealizadores da
seu desenvolvimento pessoal. Os três princípios básicos da Edu- realidade, omitindo questionamentos críticos desveladores do
cação liberalista: liberdade, subjetividade, atividade. social real.
7. Educador - Deve abster-se de intervir no processo do de- 3. Seu projeto de mudança social é reformista e acredita na
senvolvimento do educando. Deve ser elemento facilitador des- mudança social sem conflito, não levando em consideração as
se desenvolvimento. Essa concepção enfatiza as atividades do contradições reais geradas pelo poder burguês. Quando fala em
mestre: compreensão, empatia (perceber o ponto de referência mudança social, acredita que esta se processa das partes para o
interno do outro), carinho, atenção, aceitação, permissividade, todo: mudam as pessoas - as instituições - a sociedade.
autenticidade, confiança no ser humano.
8. Disciplina - As regras disciplinares são discutidas por to- 14. Contradição básica - da concepção liberalista de Educa-
dos os educandos e assumidas por eles com liberdade e respon- ção: Ao contestar o autoritarismo, a opressão e ressaltar a livre
sabilidade. Essas regras são o limite real para o clima de per- expressão e os direitos do ser humano, a Educação Liberalista
missividade. O trabalho ativo e interessado substitui a disciplina abre espaço para que seja possível inclusive a ultrapassagem de
rígida. si própria em sua nova pedagogia que rejeita os seus pressupos-
9. Relacionamento interpessoal - A relação privilegiada é tos ideológicos e construa outros pressupostos com nova con-
do grupo de educandos que cooperam, decidem, se expres- cepção de mundo, de sociedade, de homem. O liberalismo pe-
sam. Enfatiza as relações interpessoais, busca dar espaço para dagógico torna possível esta ultrapassagem, mas não a realiza.
as emoções, sentimentos, afetos, fatos imprevistos emergentes
no aqui-agora do encontro grupal. Permite o pensamento diver- Concepção Técnico-Burocrática Da Educação
gente, a pluralidade de opções, respostas mais personalizadas. É
centrada no estudante. 1. Origem histórica - Esta concepção é também conhecida
10. Escola - É um meio fechado, se possível especialmente como concepção TECNICISTA. Penetrou nos meios educacionais
distanciado da vida social para proteger o educando. A escola a partir dos meados do séc. XX (1950) com o avanço dos mode-
torna-se uma mini sociedade ideal onde o educando pode agir los de organização EMPRESARIAL. Representa a introdução do
com liberdade, espontaneidade, alegria. modelo capitalista empresarial na escola.

2
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

2. Concepção de homem - É um ser condicionado pelo meio Concepção Dialética de Educação


físico-social.
3. Ideal de homem - É o homem produtivo e adaptado à 1. Conceito de dialetica. A dialética é uma Filosofia porque
sociedade. implica uma concepção do homem, da sociedade e da relação
4. Função da educacão - É modeladora, modificadora do homem-mundo. É também um método de conhecimento. Na
comportamento humano previsto. Educação é adaptação do in- Grécia antiga a dialética significava “arte do diálogo”. Desde
divíduo à sociedade. suas origens mais antigas a dialética estava relacionada com as
5. Escola - Deve ser uma comunidade harmoniosa. Todo discussões sobre a questão do movimento, da transformação
problema deve ser resolvido administrativamente. O adminis- das coisas. A dialética percebe o mundo como uma realidade
trativo e o pedagógico são departamentos separados. em contínua transformação. Em tudo o que existe há uma con-
6. Educador - É um especialista, já possui o saber. Quem tradição interna. (Por exemplo, numa sociedade há forças con-
possui saber são os cientistas, os especialistas. Esses produzem servadoras interessadas em manter o sistema social vigente, e
a cultura. Esses é que deverão comandar os demais homens. há forças emancipadoras). Essas forças são interdependentes e
Eles produziram a teoria e é esta que vai dirigir a prática. Os estão em luta. Essa luta força o movimento, a transformação de
especialistas é que devem planejar, decidir e levar os demais a ambos os termos contrários em um terceiro termo. No terceiro
cumprirem as ordens, e executar o fazer pedagógico. A equipe termo ha superação do estar-sendo anterior.
de comando técnico deve fiscalizar o cumprimento das ordens. 2. Condicoes historicas. A dialética é muito antigo podendo
7. Relação inter-pessoal - Valoriza a hierarquia, ordem, a im- ser reportada a sete séculos antes de Cristo. Sócrates (469-399
pessoalidade, as normas fixas e precisas, o pensamento conver- A.C.) é considerado o maior dialético grego. No séc. XIX, Hegel e
gente, a uniformidade, a harmonia. Karl Marx revivem a dialética e a partir deles novos autores têm
8. Conteudo - Supervaloriza o conhecimento técnico-pro- retomado e ampliado a questão da dialética. A dialética como
fissional, enfatiza o saber pronto provindo das fontes culturais fundamentação filosófica e metodológica da Educação existiu
estrangeiros, super desenvolvidas. desde os tempos antigos, mas não como concepção dominante.
9. Procedimento pedagogico - Enfatiza a técnica, o saber- Prevaleceu ao longo da História uma concepção tradicionalista
-fazer sem discutir a questão dos valores envolvidos. Privilegia o e metafísica de Educação. (Metafísica: teoria abstrata, desvin-
saber técnico, os métodos individualizantes na obtenção do co- culada da realidade concreta, com uma visão estática de mun-
nhecimento. Enfatiza a objetividade, mensuração rigorosa dos do). Essa concepção tradicional correspondia ao interesse das
resultados, a eficiência dos meios para alcançar o resultado final classes dominantes, clero e nobreza, de impedir transformações
previsto. Tudo é previsto, organizado, controlado pela equipe de Como as transformações radicais da sociedade só interessam às
comando. classes desprivilegiadas compete a essas a retomada da dialéti-
10. Disciplina - A indisciplina deve ser corrigida utilizando ca. Assim é que o projeto pedagógico da classe trabalhadora foi
reforçamentos de preferência positivos (recompensas, prêmios, elaborado por ocasião de revolta dos trabalhadores na França
promoções profissionais). (“Comuna de Paris”, 1871), assumida rapidamente pelo poder
11. Relação educação-sociedade - Nesta concepção de burguês. O projeto pedagógico da classe trabalhadora é hoje re-
Educação predomina a função reprodutiva do modelo social. vivido na luta dos trabalhadores em vários pontos do mundo. A
As relações capitalistas se manifestam no trabalho pedagógico concepção dialética de Educação supõe, pois, a luta pelo direito
de modos diversos e complementares: a) pela expropriação do da classe trabalhadora à Educação, e exige ainda, a participação
saber do professor pelos “planejadores” ou pelos programas e na luta pela mudança radical das suas condições de existência. A
máquinas importadas. b) pela crescente proletarização do pro- concepção dialética sempre foi reprimida pelo poder dominan-
fessor arrocho salarial para manutenção dos lucros. c) pela con- te, mas resistindo aos obstáculos, ela vai conquistando espaço.
tenção de despesas e de investimento na qualidade de ensino e Ainda não está estruturada, está se fazendo. A todo educador
na formação do educador, buscando mínimos gastos e máximos progressista-dialético uma tarefa se coloca: a de contribuir com
lucros para os proprietários da instituição. d) pela preocupação essa construção: sistematizar a teoria e a prática dialética de
exclusiva com a formação técnico-profissional necessária à pre- educação.
paração da mão-de-obra coerente com as exigências do merca- 3. Conceito de homem - O homem é sujeito, agente do pro-
do de trabalho. e) pelo uso da tecnologia à serviço do capital : cesso histórico. “A História nos faz, refaz e é feito por nós conti-
redução da mão-de-obra remunerada. nuamente”. (Paulo Freire).
12. Contradição básica. Há bases materiais, concretas que 4. Ideal de homem. A educação dialética visa a construção
sustentam a concepção tecnoburocrática de Educação. Mas a do homem histórico, compromissado com as tarefas do seu
própria dominação gera o seu contrário: a resistência, a luta. A tempo: participar do projeto de construção de uma nova rea-
proletarização do professor tem sido a base material que tem lidade social. Busca a realização plena de todos os homens e
levado a categoria dos docentes a sair de seus movimentos rei- acredita que isto não será possível dentro do modelo capitalista
vindicatórios corporativistas para unir suas forças à dos proletá- de sociedade. Sendo assim se coloca numa perspectiva transfor-
rios. A luta do educador é mais ampla: do nível da luta interna madora da realidade. O homem dessa outra realidade não será
na instituição escolar e junto à categoria profissional à luta social mais o homem unilateral, excluído dos bens sociais, explorado
contra o sistema que tem gerado esta Educação. no trabalho, mas será um homem novo, o homem total: “É o
chegar histórico do homem a uma totalidade de capacidade, a
uma totalidade de possibilidade de consumo e gozo, podendo
usufruir bens espirituais e materiais” (Moacir Gadotti).

3
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

5. Educação - Numa sociedade de classes, a educação tem 9. O educador - O professor dialético assume a diretividade,
uma função política de criar as condições necessárias à hege- a intervenção. O professor deve ser mediador do diálogo do alu-
monia da classe trabalhadora. Hegemonia implica o direito de no com o conhecimento e não o seu obstáculo. O professor não
todos participarem efetivamente da condução da sociedade, se faz um igual ao aluno, assume a diferença, a assimetria inicial.
poder decidir sobre sua vida social; supõe direção cultural, polí- O trabalho educativo caminha na direção da diminuição gradati-
tica ideológica. As condições para hegemonia dos trabalhadores va dessa diferença. Dirigir é ter uma proposta clara do trabalho
passam pela apropriação da capacidade de direção. A Educação pedagógico. É propor, não impor.
é projeto e processo. Seu projeto histórico é explícito: criação de 10. Relacionamento inter-pessoal e disciplina. A educação
uma nova hegemonia, a da classe trabalhadora. O ato educativo, dialética valoriza a seriedade na busca do conhecimento, a dis-
cotidiano não é um ato isolado, mas, integrado num projeto so- ciplina intelectual, o esforço. Questiona reduzir a aprendizagem
cial e global de luta da classe trabalhadora. A educação dialética ao que é apenas “gostoso”, prazeroso em si mesmo. Busca res-
é processo de formação e capacitação: apropriação das capaci- gatar o lúdico: trabalho com prazer, momento de plenitude.
dades de organização e direção, fortalecimento da consciência Valoriza o rigor científico que não é incompatível com os pro-
de classe para intervir de modo criativo, de modo organizado, na cedimentos democráticos. Um não exclui o outro. Nega o au-
transformação estrutural da sociedade. “Essa educação é liber- toritarismo e espontaneismo. Reconhece que o uso legítimo da
tadora na medida em que tiver como objetivo a ação e reflexão autoridade do educador se faz em sintonia com a expressivida-
consciente e criadora das classes oprimidas sobre seu próprio de e espontaneidade. A disciplina (regras de comportamento) é
processo de libertação.”(Paulo Freire). algo que se constrói coletivamente. Valoriza a afetividade no en-
6. Concepção metodologica básica: prática - teoria - prática contro interpessoal, sem a chantagem ou exploração do afetivo.
1o. Partir da prática concreta: Perguntar, problematizar a Mas não basta amar, compreender e querer bem o educando.
prática. São as necessidades práticas que motivam a busca do O amor deve aliar-se à competência profissional, iluminada por
conhecimento elaborado. Essas necessidades constituem o pro- um compromisso político claro.1
blema: aquilo que é necessário solucionar. É preciso, pois, iden-
tificar fatos e situações significativas da realidade imediata.
2o. Teorizar sobre a prática: ir além das aparências imedia-
tas. Refletir, discutir, buscar conhecer melhor o tem problemati-
zado, estudar criativamente. FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA E COMPROMISSO SO-
3o. Voltar à prática para transformá-la: voltar à prática com CIAL DO EDUCADOR.
referenciais teóricos mais elaborados e agir de modo mais com-
petente. A prática é o critério de avaliação da teoria. Ao colocar
A escola tem como função criar uma forte ligação entre o
em prática o conhecimento mais elaborado surgem novas per-
formal e teórico, ao cotidiano e prático. Reúne os conhecimen-
guntas que requerem novo processo de teorização abrindo-nos
tos comprovados pela ciência ao conhecimento que o aluno ad-
ao movimento espiralado da busca contínua do conhecimento.
7. Conteudo e procedimento pedagogico: A educação dialé- quire em sua rotina, o chamado senso comum. Já o professor,
tica luta pela escola pública e gratuita. Uma escola de qualidade é o agente que possibilita o intermédio entre escola e vida, e o
para o povo. Para assumir a hegemonia, a classe trabalhadora seu papel principal é ministrar a vivência do aluno ao meio em
precisa munir-se de instrumentais: apropriação de conhecimen- que vive.
tos, métodos e técnicas, hoje restritos à classe dominante. Im-
plica a apropriação crítica e sistemática de teorias, técnicas pro- Função social da escola
fissionais, o ler, escrever e contar com eficiência e mais ainda, A escola, principalmente a pública, é espaço democrático
apropriar-se de métodos de aquisição, produção e divulgação do dentro da sociedade contemporânea. Servindo para discutir
conhecimento: pesquisar, discutir, debater com argumentações suas questões, possibilitar o desenvolvimento do pensamento
precisas, utilizar os mais variados meios de expressão, comuni- crítico, trazer as informações, contextualizá-las e dar caminhos
cação e arte. A Educação dialética enfatiza técnicas que propi- para o aluno buscar mais conhecimento. Além disso, é o lugar de
ciem o fazer coletivo, a capacidade de organização grupal, que sociabilidade de jovens, adolescentes e também de difusão só-
permitem a reflexão crítica, que permitem ao educando posicio- ciocultural. Mas é preciso considerar alguns aspectos no que se
nar-se como sujeito do conhecimento. Busca partir da realidade refere a sua função social e a realidade vivida por grande parte
dos educandos, suas condições de “partida” e interferir para dos estudantes brasileiros.
superar esse momento inicial. Avalia continuamente a prática Na atualidade alguns discursos tenham ganhado força na
global, não apenas os conteúdos memorizados. O aluno é tam- teoria da educação. Estes discursos e teorias, centrados na pro-
bém sujeito da avaliação. A avaliação serve para diagnosticar, blemática educacional e na contradição existente entre teoria e
evidenciar o que deve ser mudado. prática produzem certas conformações e acomodações entre os
8. A escola - É lugar de contradição numa sociedade de clas- educadores.
ses. Há forças contrárias em luta. Para a educação dialética a Muitos atribuem a problemática da educação às situações
escola não deve ser uma sociedade ideal em miniatura. Ela não associadas aos valores humanos, como a ausência e/ou ruptura
esconde o conflito social. O conflito deve ser pedagogicamente de valores essenciais ao convívio humano. Assim, como alegam
codificado (não cair nas “leis da selva”), deve ser evidenciado despreparo profissional dos educadores, salas de aula superlo-
para ser enfrentado e superado. A escola deve preparar, ao mes- tadas, cursos de formação acelerados, salários baixos, falta de
mo tempo, para a cooperação e para a luta. 1 Por Coordenação de Ação Cultural MOVA-SP

4
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

recursos, currículos e programas pré-elaborados pelo governo, Perde-se em valores e valorações, não consegue discernir situa-
dentre tantos outros fatores, tudo em busca da redução de cus- ções e atitudes, vive para o trabalho e trabalha para sobreviver.
tos. Sendo levado a esquecer de que é um ser humano, um integran-
Todas essas questões contribuem de fato para a crise edu- te do meio social em que vive, um cidadão capaz de transformar
cacional, mas é preciso ir além e buscar compreender o núcleo a realidade que o aliena, o exclui.
dessa problemática, encontrar a raiz desses fatores, entendendo Há uma contribuição de Saviani (2000, p.36) que a respei-
de onde eles surgem. A grande questão é: qual a origem desses to do homem considera “(...) existindo num meio que se define
fatores que impedem a qualidade na educação? pelas coordenadas de espaço e tempo. Este meio condiciona-o,
Certamente a resposta para uma discussão tão atual como determina-o em todas as suas manifestações.” Vê-se a relação
essa surja com o estudo sobre as bases que compõem a socie- da escola na formação do homem e na forma como ela reproduz
dade atual. Pois, ao analisar o sistema capitalista nas suas mais o sistema de classes.
amplas esferas, descobre-se que todas essas problemáticas sur- Para Duarte (2003) assim como para Saviani (1997) o traba-
gem da forma como a sociedade está organizada com bases na lho educativo produz nos indivíduos a humanidade, alcançando
propriedade privada, lucro, exploração do ser humano e da na- sua finalidade quando os indivíduos se apropriam dos elemen-
tureza e se manifestam na ideologia do sistema. tos culturais necessários a sua humanização.
Um sistema que prega a acumulação privada de bens de O essencial do trabalho educativo é garantir a possibilida-
produção, formando uma concepção de mundo e de poder ba- de do homem tornar-se livre, consciente, responsável a fim de
seada no acumular sempre para consumir mais, onde quanto concretizar sua humanização. E para issotanto a escola como as
mais bens possuir, maior será o poder que exercerá sobre a so- demais esferas sociaisdevem proporcionar a procura, a investi-
ciedade, acaba por provocar diversos problemas para a popula- gação, a reflexão, buscando razões para a explicação da realida-
ção, principalmente para as classes menos favorecidas, como: de, uma vez que é através da reflexão e do diálogo que surgem
falta de qualidade na educação, ineficiência na saúde, aumento respostas aos problemas.
da violência, tornando os sistemas públicos, muitas vezes, caó- Saviani (2000, p.35) questiona “(...) a educação visa o ho-
ticos. mem; na verdade, que sentido terá a educação se ela não estiver
Independentemente do discurso sobre a educação, ele sem- voltada para a promoção do homem?” E continua sua indagação
pre terá uma base numa determinada visão de homem, dentro ao refletir “(...) uma visão histórica da educação mostra como
e em função de uma realidade histórica e social específica. Acre- esta esteve sempre preocupada em formar determinado tipo de
dita-se que a educação baseia-se em significações políticas, de homem. Os tipos variam de acordo com as diferentes exigências
classe. Freitag (1980) ressalta a frequente aceitação por parte das diferentes épocas. Mas a preocupação com o homem é uma
de muitos estudiosos de que toda doutrina pedagógica, de um constante.”
modo ou de outro, sempre terá como base uma filosofia de vida, Os espaços educativos, principalmente aqueles de forma-
uma concepção de homem e, portanto, de sociedade. ção de educadores devem orientar para a necessidade da rela-
Ainda segundo Freitag (1980, p.17) a educação é respon- ção subjetividade-objetividade, buscando compreender as rela-
sável pela manutenção, integração, preservação da ordem e do ções, uma vez que, os homens se constroem na convivência, na
equilíbrio, e conservação dos limites do sistema social. E reforça troca de experiências. É função daqueles que educam levar os
“para que o sistema sobreviva, os novos indivíduos que nele in- alunos a romperem com a superficialidade de uma relação onde
gressam precisam assimilar e internalizar os valores e as normas muitos se relacionam protegidos por máscaras sociais, rótulos.
que regem o seu funcionamento.” A educação, vista de um outro paradigma, enquanto me-
A educação em geral, designa-se com esse termo a trans- canismo de socialização e de inserção social aponta-se como o
missão e o aprendizado das técnicas culturais, que são as téc- caminho para construção da ética. Não usando-a para cumprir
nicas de uso, produção e comportamento, mediante as quais funções ou realizar papéis sociais, mas para difundir e exercitar
um grupo de homens é capaz de satisfazer suas necessidades, a capacidade de reflexão, de criticidade e de trabalho não-alie-
proteger-se contra a hostilidade do ambiente físico e biológico e nado.
trabalhar em conjunto, de modo mais ou menos ordenado e pa- (...) sem ingenuidade, cabe reconhecer os limites impostos
cífico. Como o conjunto dessas técnicas se chama cultura, uma pela exploração, pela exclusão social e pela renovada força da
sociedade humana não pode sobreviver se sua cultura não é violência, da competição e do individualismo. Assim, se a educa-
transmitida de geração para geração; as modalidades ou formas ção e a ética não são as únicas instâncias fundamentais, é inegá-
de realizar ou garantir essa transmissão chama-se educação. vel reconhecer que, sem a palavra, a participação, a criatividade
(ABBAGNANO, 2000, p. 305-306) e apolítica, muito pouco, ou quase nada, podemos fazer para
Assim a educação não alienada deve ter como finalidade a interferir nos contextos complexos do mundo contemporâneo.
formação do homem para que este possa realizar as transforma- Esse é o desafio que diz respeito a todos nós. (RIBEIRO; MAR-
ções sociais necessárias à sua humanização, buscando romper QUES; RIBEIRO 2003, p.93)
com o os sistemas que impedem seu livre desenvolvimento. A escola não pode continuar a desenvolver o papel de agên-
A alienação toma as diretrizes do mundo do trabalho no cia produtora de mão de obra. Seu objetivo principal deve ser
seio da sociedade capitalista e no modo como esse modelo formar o educando como homem humanizado e não apenas
de produção nega o homem enquanto ser, pois a maioria das prepará-lo para o exercício de funções produtivas, para ser con-
pessoas vive apenas para o trabalho alienado, não se completa sumidor de produtos, logo, esvaziados, alienados, deprimidos,
enquanto ser, tem como objetivo atingir a classe mais alta da so- fetichizados.2
ciedade ou, ao menos, sair do estado de oprimido, de miserável. 2 Fonte: www.webartigos.com

5
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Função social do educador De acordo com Trillo (200, p.35) as crianças imitam os com-
Quando se fala na função social do professor, observa-se portamentos em sua volta, de maneira que são estimuladas
que existe um conjunto de situações relacionadas como atitu- através de exemplos de atitudes positivas, o que proporciona
des, valores, éticas, que formam itens fundamentais para o seu a autoestima.
desenvolvimento no papel da educação. No primeiro momento [...] Nesta perspectiva, os mecanismos básicos da aquisição
ira se fazer um análise sobre as atitudes e valores de ensino, e são a imitação e o esforço. As crianças pequenas vão imitando
em seguida sobre o papel da educação no desenvolvimento de os comportamentos que observam a sua volta e, desta forma,
competências éticas e de valores. esses comportamentos vão se fixando ou desaparecendo, como
Percebe-se que existe uma série de fatores que se relacio- consequência do reforço positivo ou negativo que recebem (em
nam com o processo de aprendizagem, que envolvem professor, forma de aprovação e reconhecimento dos outros ou em forma
aluno e escola. Esses fatores são: Atitudes e valores vão se for- de autogratificação: sentir-se bem, reforçar a própria autoesti-
mando ao longo da vida, através de influências sociais; A esco- ma, etc [...]
la tem papel fundamental no desenvolvimento das atitudes e Um ponto importante no processo de construção das ati-
valores através de um modelo pedagógico eficiente; O ensino tudes esta o papel do professor. Ele tem a função de criar um
e a aprendizagem estão relacionados num processo de desen- processo de aprendizagem dinâmico entendendo a necessidade
volvimento das atitudes e valores de acordo com a diversidade e diversidade do aluno, mostrando os caminhos corretos para o
cultural; O Professor como ponte de ligação entre a escola e o desenvolvimento das atitudes.
aluno, proporcionando o desenvolvimento das atitudes no pro- Segundo Trillo ( 2000, p.44) o professor tem que ter a habi-
cesso de aprendizagem. lidade de estimular os alunos através de trabalhos dinâmicos de
Quando se fala em atitude, é comum escutar frases como: expressão pessoal, em meio a diversidade e perspectivas dife-
ela é uma pessoa de atitude, ou não vejo que ela tenha atitude. rentes, acompanhando e valorizando os pontos dos trabalhos,
Mas afinal o que é atitude. de modo a enriquecer as atitudes dos aluno.
De acordo com Trilo (2000, p.26) atitude é algo interno que [...] O professor /a que procura nos trabalhos a expressão
se manifesta através de um estado mental e emocional, e que pessoal dos seus estudantes, e que os adverte valorará a ori-
não tem como ser realizadas medições para avaliação de desem- ginalidade como um dos pontos importantes dos seus traba-
penho e não esta exposto de forma que possam ser visualizados lhos, esta a estabelecer as bases de uma atitude de expressão
de maneira clara. livre. E se isto ampliar, no sentido em que, numa fase posterior
[...] Que se trata de uma dimensão ou de um processo in- do processo, cada um deverá ir expondo e justificando as suas
terior das pessoas, uma espécie de substrato que orienta e pre- conclusões pessoais, parece provável que a atitude de trabalho
dispõe atuar de uma determinada maneira. Caso se trate de um pessoal será enriquecida com a componente de reflexão e a que
estado mental e emocional interior, não estará acessível direta- diz respeito a diversidade e as diferentes perspectivas sobre as
mente (não será visível de fora e nem se poderá medir) se não coisas [...]
através de suas manifestações internas. [...] As atitudes de valores de ensino é um processo dinâmico
A atitude é um processo dinâmico que vai se desenvolvendo e construtivo, e cada vez mais necessita da presença da escola,
no decorrer da vida mediante situações que estão em sua volta professor, aluno e demais ambientes sociais, visto que o proces-
como escola, família, trabalho. Trillo(2000) relata que “atitude é so de aprendizagem se torna eficiente e eficaz, quando todos os
mas uma condição adaptável as circunstâncias: surgem e man- envolvidos tenham discernimento de trabalhar o conhecimento
tém-se interação que individuo tem com os que o rodeiam”. tomando atitudes corretas de acordo com os valores éticos, mo-
A escola é fator importante no desenvolvimento da atitu- rais e sociais.
de, pois no decorrer de nossa vida se passa boa parte do tempo
numa unidade de ensino, o que proporciona uma inserção de O Papel da Educação no Desenvolvimento de Competências
conhecimento. Éticas e de Valores
Segundo Trillo (2000, p.28) a escola através ações educa- Desenvolver a educação alinhada a ferramentas como ética
tivas, proporciona os estímulos necessários na natureza para a e valores não é tarefa fácil quando se depara com uma diversi-
construção de valores. dade de situações que se encontra na sociedade do mundo de
[...] Do ponto de vista da teoria das atitudes, pelo nos casos hoje.
em que se acedeu ao seu estudo a partir de casos de deline- A educação não é a única alternativa para todas as dificulda-
amentos vinculados a educação, não surgem controvérsias im- des que se encontra no mundo atual. Mas, a educação significa
portantes no que se refere ao facto de se tratar ou não natureza um importante caminho para que o conhecimento, seja uma se-
humana susceptíveis de serem estimulados através da ação edu- mente de uma nova era para ser plantada e que cresça para dar
cativa. Ou seja, parece existir um acordo geral segundo o qual as bons frutos para sociedade.
atitudes e os valores poderiam se ensinados na escola [...] De acordo com Johann (2009, p.19) a ética é um fator pri-
As ações das atitudes começam a se desenvolver logo na mordial na educação, pois já é parte do principio da existência
criança quando ela esta rodeada de exemplos de família, amigos humana.
e principalmente pelos ensinamentos da escola. É interessante [...] Se a educação inclui a ética como uma condição para
que quando se tem um ambiente favorável e principalmente dos que ela se construa de acordo com a sua tarefa primordial, antes
pais, acompanhando e orientando a criança, percebe-se a cons- de tudo, buscaremos compreender o que se entende por educar
trução de boas atitudes. e de que tarefa se trata aqui. Para explicitar o conceito de edu-

6
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

cação que assumimos ao relacioná-la com a ética, começaremos comunicações, de intenções e das operações de sentido – sim-
por contextualizar a existência humana, razão da emergência do bólicas. Cada instituição social possui estrutura, modos e meios
fenômeno educativo e das exigências éticas [...] de funcionamento específicos. Nelas, as relações sociais são ins-
Percebe-se a importância da ética no processo de apren- tituídas dentro de modelos culturais pré-estabelecidos, investi-
dizagem, onde alunos professores e escolas, devem selar este das de afetos e representações acerca do conjunto de relações
principio na troca de informações para o crescimento do conhe- e práticas que tem uma referência em comum, de tal forma que
cimento. sejam acessíveis aos atores sociais.
Os valores a serem desenvolvidos como uma competência O desafio a ser enfrentado, neste trabalho, é o de levar a
educacional, é um desafio para escolas, professores e alunos de- discussão da construção da identidade dos adolescentes para
vido a diversidade social, em que tem que ter um alinhamento dentro da instituição escolar, por considerá-la um local privile-
flexível do modelo pedagógico das escolas e da didática do pro- giado de transmissão cultural específica e de produção de sen-
fessor. tido para as diversas práticas sociais. As escolas, portanto, fun-
Segundo Araujo e Puig ( 2007, p.35) os valores mundo edu- cionariam como fio condutor que une, orienta e exibe todo um
cacional devem ser construídos com base num envolto de fer- conjunto de referências acerca da construção da identidade dos
ramentas como democracia, cidadania e direitos humanos, de adolescentes. Para além das instituições, as escolas são comuni-
modo que estes valores a todo instante se relacionam com a dades de vida e de destino, cujos membros vivem juntos e numa
diversidade social no ambiente interno e externo da escola. ligação absoluta (BAUMAN, 2005).
[...] Assim o universo educacional em que os sujeitos vivem Embora as escolas se configurem muito mais como institui-
devem estar permeados por possibilidades de convivência coti- ções formais, burocráticas, preocupadas em afirmar o poder e a
diana com valores éticos e instrumentos que facilitem as rela- disciplina, por meio de atividades institucionais como avaliações,
ções interpessoais pautadas em valores vinculados a democra- chamadas e sala de aula rigidamente organizadas, elas também
cia, a cidadania e aos direitos humanos. Com isso, fugimos de podem ser consideradas como um espaço comunicacional, de
um modelo de educação em valores baseado exclusivamente reprodução e de divulgação de diferentes fontes culturais, pre-
baseado em aulas de religião, moral ou ética e compreendemos sentes na sociedade em que estiver inserida. No entanto, por
que a construção de valores se da a todo instante, dentro e fora causa de sua complexidade, não podemos compreender a edu-
da escola. Se a escola e a sociedade propiciarem possibilidades cação apenas sob a perspectiva da escola ou da família, uma vez
constantes e significativas de convívio com temáticas éticas, ha- que, na atualidade, a cultura de massa se faz presente na vida
verá maior probabilidade de que tais valores sejam construídos das pessoas, socializando muitas gerações, transmitindo valores
pelo sujeitos [...] e padrões de comportamento (SELTON, 2002).
Contudo, a função social do professor é um ambiente bem Se considerarmos que as identidades são modos de inscri-
complexo de se analisar, visto que ela esta relacionada a situa- ção que vinculam as instituições e os seres ao meio e à cultura,
ções como atitudes, valores e éticas, estes itens de grande im- a escola, querendo ou não, estará sempre presente no processo
portância para o desenvolvimento além do professor, mas para identitário dos adolescentes, funcionando, também, como um
escolas e alunos, pois a sociedade em que se vive, é cada vez espaço em que a experiência subjetiva se confrontaria com o
mais diversificada, exigindo do professor flexibilidade de méto- mundo social. Nessa perspectiva, Gomes (2003) aponta que para
dos de ensino, e das escolas modelos pedagógicos mais dinâmi- uma melhor compreensão da construção das diversas identida-
cos, para satisfazer a necessidade dos alunos diversificados a fim des dos adolescentes, deve-se considerar a importância de suas
de construir uma sociedade com conhecimento.3 articulações com a cultura e a com a educação. Uma articulação
que se dá nos processos educativos escolares e não-escolares.
O debate em torno das identidades, na sociedade contem-
porânea, está marcado por várias concepções e referências Num
A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES NAS INTERAÇÕES. ambiente social midiático e de consumo sujeito a rápidas trans-
formações, somos confrontados, a todo momento, por informa-
ções que se apresentam como referências, para a obtenção de
A reflexão sobre a identidade aponta para o processo de algum grau de ancoragem sócio-cultural. Nesse cenário, depa-
interação dos indivíduos nos diversos espaços sociais nos quais ramo-nos com a pluralidade cultural, com a espetacularização e
buscam construir uma gama de sentidos de si mesmos e, simul- com as tecnologias reforçadoras da interatividade.
taneamente, do outro. Esse processo de conhecimento não se No contexto escolar, as identidades devem ser tratadas
reduz, contudo, apenas a um conjunto de crenças e representa- como sendo realizadas em diversos espaços sociais, midiáticos,
ções sobre si mesmo e do outro, mas, também, pelo ambiente familiares e organizacionais, entre outros, onde novos sentidos
social no qual estão inseridos que se convergem na produção da e narrativas, por vezes contraditórios, podem afetar comporta-
identidade. Afinal, quando nos perguntamos “quem somos” a mentos e provocar novas interrelações sociais. Ao se levar essa
resposta vai muito além de um conhecimento estático e solip- discussão para o interior da escola, tornar-se-ão ainda maiores
sista: nossa identidade se engendra em infinitas possibilidades as dificuldades para compreender a sua dinâmica, as suas gra-
proporcionadas pela experiência social. Nesse aspecto, as insti- dações e as suas oscilações em sujeitos no pleno processo de
tuições sociais adquirem um importante significado no processo transformação biopsicossocial.
de construção da identidade, posto que constituem-se no espa- Para tratar do tema “a construção das identidades no es-
ço de produção de saberes, de experiências, de interrelações, de paço escolar”, talvez seja necessário apresentar, inicialmente,
3 Fonte: www.meuartigo.brasilescola.uol.com.br algumas considerações sobre as identidades, tendo em vista o

7
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

embate existente entre as transformações contemporâneas dos Segundo Louro (1999), são muitas as identidades que os
meios de comunicação de massa e a afirmação da tradição, já alunos podem construir no espaço escolar, podendo ser provi-
um tanto desvitalizada, presentes ainda nas escolas. sórias, descartáveis, rejeitadas e abandonadas. São eles, desse
modo, sujeitos de identidades transitórias e contingentes e,
CONSTRUINDO IDENTIDADES NO ESPAÇO ESCOLAR “nada proíbe pensar que diferentes quadros identitários se im-
Ao se buscar uma melhor compreensão da construção das bricam uns aos outros, a fim de contribuir para o sentimento de
identidades em alunos adolescentes, há que se levar em con- identidade” (DESCHAMPS; MOLINER, 2009, p.147).
ta os elementos discursivos, a intertextualidade, a ludicidade, a Nessa mesma perspectiva, Hall (2005) assinala que há,
contextualidade e a intersubjetividade, presentes no processo dentro de nós, identidades contraditórias, empurrando-nos em
de interação escolar. Para que o simbólico seja reconhecível pelo diferentes direções, de tal modo que nossas identificações es-
grupo, a escola se comportaria como uma instituição codifica- tão sendo continuamente deslocadas. Consequentemente, as
dora. Nela seriam elaborados ou introduzidos valores, idéias, identidades sociais têm caráter fragmentado, instável, histórico
conhecimentos e símbolos presentes na sociedade e indireta- e plural. Serão as diferenças e semelhanças individuais dos alu-
mente relacionados à construção das identidades. Cada escola nos, seus conflitos de valores, necessidades de reconhecimento
deveria ser considerada como um ecossistema, como uma co- recíproco com seus pares e julgamentos de imagem de si e dos
munidade de organismos (corpos docente, discente e adminis- outros que balizarão a constituição dos diversos grupos no espa-
trativo), relacionando-se entre si e com o meio social. ço escolar e, simultaneamente, a de suas próprias identidades.
Diferenças à parte dos “trobriandeses”, estudados por Ma- A “passagem” da infância para a vida adulta não somente
linowski (1982), na nossa sociedade o cotidiano dos adolescen- envolve uma dramática transformação anátomo-fisiológica, mas
tes está basicamente marcado por três grupos de referência: a também entalha novos significados de identidades e de gênero.
família, os vizinhos e a escola. A diversidade é uma tônica co- É claro que a identidade do sujeito já começa a ser construída
mum a cada um desses mundos, tanto no tocante ao número desde a mais tenra idade até a velhice, por meio da transmissão,
de pessoas, quanto ao de modelos de tempo, de espaço e de da aprendizagem e da influência social (DESCHAMPS; MOLINER,
identidades. Comparativamente à família e à vizinhança, o nú- 2009). Contudo, nesse processo de mudança biopsicossocial, o
corpo do adolescente passa a tornar-se um objeto próprio de
mero de relacionamentos tende a ser numericamente maior na
práticas sociais, não existindo, portanto, uma única adolescência
escola. Esta última constitui-se num espaço mais populoso e bu-
e, sim, várias.
rocrático, em que poucos adultos organizam e continuamente
Ao utilizar a categoria adolescência, há que se considerá-la
avaliam as atividades de um grande número de adolescentes.
intimamente vinculada com as categorias de classe social, etnia,
Nela, o ritmo de tempo está regulado e controlado: horário de
raça, sexualidade, idade e outras presentes no contexto escolar.
entrada e de saída, horário de aula, semana de provas, ativida-
Ciampa (1984) argumenta que no processo de construção das
des extra-classe e um sem número de rituais que caracterizam
identidades não podemos isolar os elementos biológicos, psico-
o cotidiano escolar.
lógicos e sociais, que caracterizam um indivíduo, de suas repre-
Diversamente do meio familiar, onde o adolescente pode sentações acerca de si mesmo.
ter aumentadas sua privacidade e sua individualidade, na esco- A construção social das identidades de adolescentes, por
la é impossível escapar à rede social. De um lado, na família, ser transitória, é um processo ativo e contínuo similar a um
tem-se um lugar privilegiado da interrelação e da aprendizagem jogo, com seus componentes de preparação, engajamento, di-
social que desempenha uma função psicossocial no desenvol- vertimento e encenação. Jogar com as identidades é dramatizá-
vimento do adolescente e, particularmente, na construção da -la. Os adolescentes expressam o seu imaginário pelo jogo, pelo
sua identidade. De outro, na escola, o adolescente observa os gesto e pelo corpo durante seu processo de construção de iden-
outros, adquire o reconhecimento dos seus próprios comporta- tidade. Quando eles se reúnem para formar grupos nos pátios,
mentos, assim como avalia intenções, valores e normas subja- na cantina, nos corredores, na saída ou na entrada do colégio,
centes (LOURO, 2004). se envolvem na situação, projetando seus estados afetivos. Nes-
Nesse processo de interrelação, segundo Castells (1999), as ses momentos, adotam papéis sociais, de referência de grupo e
identidades se ligam às atividades, à história de vida, ao futuro, gênero para “jogar conversa fora”, para “jogar cartas”, brincar,
aos sonhos e fantasias de cada adolescente. As identidades per- correr, ouvir músicas, fumar, namorar, ou seja, para “jogar” com
mitem, de um lado, sua percepção como sujeito único, tomando as idéias e significados de classe social, gênero, etnia, raça, se-
posse de sua realidade individual e, portanto, da consciência de xualidade e idade.
si mesmo. De outro, permitem a diferenciação entre o eu e o Ao se comportarem assim, ressignificam a história, o coti-
outro, termo de comparação que possibilita o destaque das ca- diano e a cultura. A ênfase na ação e na atividade da construção
racterísticas identitárias de cada um. social das identidades como um “jogo”, contrastando com as
A questão da identidade só surge com a exposição à comu- suas atividades curriculares cotidianas, apontam como, às ve-
nidade – escolar (BAUMAN, 2005). O universo escolar possibilita zes, elas são contraditórias, um indicativo de que os adolescen-
um entrelaçamento de grupos de diferentes tamanhos e refe- tes não são passivamente socializados (THORNE, 1994, WEEKS,
rências sociais, regidos por um sistema de normas e regras de 1995, LOURO, 2004).
funcionamento, capazes de se atualizarem conforme os inte- De modo geral, os estudantes adolescentes utilizam, como
resses de seus participantes. Comparando com o caráter quase base de diferenciação identitária, o sexo, a raça, a etnia, a classe
compulsório dos grupos familiar e de vizinhos, na escola o estu- social e a religião. A reflexão sobre a construção das identida-
dante tem uma liberdade maior de formar seus próprios grupos. des, adverte Gomes (2003), não pode prescindir da discussão da

8
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

formação humana como processo mais amplo, mais complexo. riculares, a discussão das identidades espraia-se, na realidade,
Nesse processo, as dimensões pessoais não podem ser separa- pelo currículo oculto escolar. Diante desse dilema, talvez fosse
das da vivência concreta das relações sociais, pois estão interli- necessário encontrar, na instituição escolar, uma elaboração que
gadas e se constroem no cotidiano de cada adolescente. Con- permitisse chegar ao termo “diversidade”, uma ética de interre-
tudo, quando adolescentes estão em grupo, essas diferenças lação que tem como tarefa norteadora desenvolver o senso de
tendem a se tornarem menos manifestas, prevalecendo como relacionamentos humanos baseados na responsabilidade e no
fator de coesão, a idade, o gênero, a identificação, a realização cuidado pessoal e coletivo ou, “[...] endossar a diversidade sem,
comum das tarefas e regras escolares (CARVALHO, 2000). contudo, sucumbir num relativismo absoluto, que anula qual-
A maioria dos adolescentes confirma a representação so- quer tentativa de realização coletiva mínima de interação social”
cial3 de que as escolas, fortemente, se configuram como insti- (WEEKS 1995, p.60).
tuições formais, burocráticas, preocupadas em afirmar o poder Na nossa sociedade há, de fato, muitos modelos de identi-
e a disciplina, através de atividades institucionais como avalia- dade em constante transformação, em cuja construção a escola
ções, chamadas e participação em sala de aula. Isso se deve, em poderia ter um papel fundamental em termos de proposição de
parte, à existência de vínculos entre a escola e a sociedade que, parâmetros, instrução e escolhas dos mesmos. Ela, além de re-
de alguma maneira, se expressam nas atividades curriculares. A velar as formas macro e micro de imposição de valores sociais
escola não trata de qualquer conhecimento; ela lida, como afir- hegemônicos, pode também mostrar a possibilidade de outras
ma Forquin; formas de vida que são construídas na prática cotidiana.
[...] com alguns aspectos da cultura que foram selecionados Weeks chama atenção para a necessidade do estudo das
por serem reconhecidos como podendo ou devendo dar lugar a identidades no espaço escolar “[...] pois podem possibilitar im-
uma transmissão deliberada e mais ou menos institucionalizada, portantes contribuições para se repensar a natureza de nossos
ou seja, aquilo que uma dada sociedade considera digno de inte- valores sociais e culturais” (WEEKS, 1995, p.101). A pluralida-
grar o currículo (FORQUIN, 1993, p. 11) de cultural presente no cotidiano escolar ratifica a diversidade
Há um descompasso entre a realidade vivida dos alunos e a como traço fundamental na construção das identidades, que
representação social que a escola faz sobre a construção de suas se reconstroem a todo momento em que se manifestam outras
identidades. A escola, enquanto uma instituição social, pode formas concretas e diversas de interrelação social. Semelhante-
impor, ou constranger de modo legítimo, aos diversos grupos mente, Bauman analisa que “[...] a identidade só nos é revelada
sociais nela presentes, os valores, atitudes e comportamento da como algo a ser inventado, e não descoberto; como alvo de um
cultura que se afirma como hegemônica, num jogo de relações esforço, um objetivo [...]” (BAUMAN, 2005, p.21-22). A partici-
(des) articuladas entre o saber, a relação social e afirmação das pação do contexto educativo nesse “esforço” é fundamental,
identidades. pois a escola pode contribuir para a superação da discriminação,
Dessa forma, e sob uma aparência de neutralidade, a escola formando novos vínculos e novos comportamentos em relação
acaba por reproduzir e divulgar a ideologia de que as identida- às práticas e identidades que, historicamente, se manifestam
des e comportamentos sexuais são definidos, essencialmente, no cotidiano escolar e são alvo de injustiças. A luta é, portanto,
pela “natureza” e que a divisão de gênero é distinta, reforçando colocá-las em evidência, no “campo de batalha”, e não de ocul-
a imagem estereotipada de relacionamentos divulgados pela tá-las, mas destacá-las no espaço escolar como um dos grandes
mídia ou pelo mercado. Para Santos (2006), essa visão represen- desafios da sociedade contemporânea (BAUMAN, 2005).
ta uma estratégia de se tornarem incomunicáveis as identidades O estudo da construção das identidades no espaço escolar,
e para dificultar a concentração de resistências emancipatórias. como um tema transversal recomendado pelos PCNs (1997),
Depreende-se disso, que a representação, feita pelos alunos alinha-se com as políticas de inclusão presentes no Plano Na-
sobre o ensino da sexualidade/afetividade, da ênfase aos aspec- cional de Educação (2000) e pode ampliar a compreensão dos
tos formais trabalhados pelas disciplinas no espaço escolar, da educadores no tocante ao respeito e à valorização das diferen-
discussão de suas próprias identidades, parece estar, no geral, ças, da diversidade de práticas sociais e de identidades, o que,
impregnada da idéia de que a instituição escolar é conservadora certamente, não significa aderir à escolha das minorias, mas
e está defasada em relação a outras fontes de divulgação de sig- respeitá-las como expressão da variabilidade humana, sem dis-
nificados, facilmente encontráveis na internet, na televisão, nas criminação, injustiça ou preconceito. Dela se exigirão mudanças
revistas ou na roda de amigos. significativas em termos de atitudes, capacidades e conheci-
as identidades são resultantes de construções sociais e pes- mentos, no sentido de se desenvolverem práticas que respei-
soais que se entrecruzam numa configuração particular em cada tem, reconheçam e valorizem as diferenças individuais sem cair
sujeito, sendo a instituição escolar um espaço social no qual os na armadilha ideológica do destino de classe, da vontade divina
adolescentes compartilhariam significados, referências, repre- ou da herança biológica. Sim, a identidade é uma faca de dois
sentações e outras práticas identitárias presentes na socieda- gumes, daí é preciso um cuidado para não tornar a abordagem
de. Sem alimentar uma postura reducionista ou ingênua, como desse tema num instrumento de estereotipização, de desuma-
alerta Louro (1997), que supõe ser possível transformar toda a nização, de estigmatização, ou o pior deles, de negação da iden-
sociedade a partir da escola ou eliminar as relações de poder, ao tidade (BAUMAN, 2005).
reconhecer e valorizar, no espaço escolar, as identidades como Boa ou ruim, parafraseando Benjamin (1993), na epígrafe
produto da diversidade cultural e ao atuar no sentido de superar deste texto, a experiência escolar (evidentemente, para aque-
as discriminações, o educador poderá contribuir para a forma- les que podem tê-la) é central na vida de qualquer adolescente
ção de novas mentalidades e para a criação de uma sociedade e fundamental para a construção de suas identidades. A escola
mais democrática. Porém, presente ou não nas atividades cur- oferece a possibilidade do encontro com conhecimentos, com

9
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

representações, com condições objetivas de existência pelos Já a brincadeira é a ação que a criança desempenha ao con-
quais os adolescentes elaboram e constroem as suas identida- cretizar as regras de um jogo, ao mergulhar na ação lúdica, po-
des. Nesse processo, portanto, que a escola poderia dar uma dendo se dizer que é o lúdico em ação. (Kishimoto 2003 p. 21)
importante contribuição se ampliasse caminhos, discutisse es- Segundo Grassi, o termo jogo compreende uma atividade
colhas e nos ensinasse a conviver com a nossa irredutível diver- de ordem física ou mental, que mobiliza ações motrizes, pensa-
sidade. O direito à diferença especifica, aprofunda e amplia o mentos e sentimentos, no alcance de um objetivo, com regras
direito à igualdade. Dessa capacidade de articular as múltiplas previamente determinadas, e pode servir como um passatem-
cidadanias e identidades, sobre a qual se trava hoje a luta pelos po, uma atividade de lazer, ter finalidade pedagógica ou ser uma
direitos, depende o futuro dos novos vínculos sociais que alicer- atividade profissional. (Grassi, 2008 p. 70)
çarão a construção de uma sociedade democrática.4 A brincadeira é o ato ou efeito de brincar, momento em que
utilizando-se de brinquedos a criança brinca. Na brincadeira di-
versas funções são mobilizadas: as psicomotoras, as neuropsico-
lógicas, a cognitiva além de sentimentos e afetos. (Grassi, 2008,
p. 46)
A LUDICIDADE COMO DIMENSÃO HUMANA. E o brinquedo se configura em instrumentos para brincar.
(Grassi 2008, p. 55)
O brincar é um comportamento que percorre séculos e É perceptível a falta de atenção que é dada ao brincar; mui-
independente da cultura ou classe social, faz parte da vida do tos adultos ainda acreditam que brincar é improdutivo, inútil e
ser humano onde todos consequentemente se divertem, apren- sem significado. Mas brincar é tão importante que é direito ga-
dem, socializam, comunicam, trocam experiências, desafiam rantido por lei.
uns aos outros e se interagem. A Lei Federal 8069/90- Estatuto da Criança e do Adolescen-
O aspecto lúdico torna-se importante instrumento na me- te, capítulo II, artigo16 que diz o seguinte no inciso IV- Brincar,
diação do processo de aprendizagem, principalmente das crian- praticar esportes e divertir-se. Nota-se que o documento sugere
ças, pois elas vivem num universo de encantamento, fantasia e que toda criança deve desfrutar de jogos e brincadeiras, os quais
deverão estar dirigidos para a educação. Ficando toda pessoa,
sonhos onde o faz de conta e realidade se mistura, favorecendo
em especial pais e professores, responsáveis em promover o
o uso do pensamento, a concentração, o desenvolvimento so-
exercício desse direito.
cial, pessoal e cultural, facilitando o processo de construção do
A criança constrói e reconstrói sua compreensão de mun-
pensamento.
do por meio do brincar; amadurecem algumas capacidades de
O trabalho aborda concepções de Vygotsky, Piaget, Winni-
socialização, por meio da interação, da utilização e experimenta-
cott entre outros, com comentários e reflexão teórica objetivan-
ção de regras e papéis sociais presentes nas brincadeiras.
do buscar a compreensão do lúdico no cotidiano e sua influencia
Por meio do lúdico há o desenvolvimento das competências
no processo de aquisição de aprendizagem.
de aprender a ser, aprender a conviver, aprender a conhecer e
aprender a fazer; desenvolvendo o companheirismo; aprenden-
A ludicidade na aprendizagem do a aceitar as perdas, testar hipóteses, explorar sua esponta-
Alguns educadores têm dificuldade em perceber a impor- neidade criativa, possibilitando o exercício de concentração,
tância da ludicidade no processo de ensino e aprendizagem. Po- atenção e socialização. O jogo é essencial para que seja mani-
rém profissionais da educação comprometidos com a qualidade festada a criatividade e a criança utilize suas potencialidades de
de sua pratica pedagógica, reconhecem a importância do lúdico maneira integral, indo de encontro ao seu próprio eu.
como veiculo para o desenvolvimento social, intelectual e emo- É brincando que a criança constrói sua identidade, conquis-
cional de seus alunos. Para entender o universo da ludicidade é ta sua autonomia, aprende a enfrentar medos e descobre suas
necessário compreender que ele envolve os jogos, os brinque- limitações, expressa seus sentimentos e melhora seu convívio
dos e as brincadeiras. com os demais, aprende entender e agir no mundo em que vive
Brincar é uma atividade que facilita o desenvolvimento físi- com situações do brincar relacionadas ao seu cotidiano, com-
co, cognitivo, psicológico, estimula o desenvolvimento intelec- preende e aprende a respeitar regras, limites e os papéis de
tual, possibilita as aprendizagens. Mas conceituar o termo não cada um na vida real; há a possibilidade de imaginar, criar, agir e
é tarefa fácil. Kishimoto salienta que é muito complexo definir interagir, auxiliando no entendimento da realidade.
jogo, brinquedo e brincadeira. Uma mesma conduta pode ser A discussão sobre a importância dos jogos e brincadeiras
jogo ou não jogo em diferentes culturas, dependendo do signifi- na educação vem se consolidando, pois as crianças apresentam
cado a ela atribuído. (Kishimoto 2003, p.15) nessas atividades grande capacidade de raciocinar e resolver
O jogo para Kishimoto pode ser aceito como consequência situações-problemas. Brincadeira ou jogo em sala de aula são
de um sistema linguístico inserido num contexto social; um sis- importantes para o desenvolvimento social, pois existem alu-
tema de regras; e um objeto. nos com dificuldade no relacionamento, que gera insegurança
Com relação ao brinquedo Kishimoto afirma que é um su- ou medo de perguntar suas duvidas ao professor, mas que com
porte para a brincadeira. a aplicação das brincadeiras e jogos surge a oportunidade de
Sendo o brinquedo diferente do jogo, o brinquedo supõe socializar os alunos, a cooperação mútua, participação em equi-
uma relação íntima com a criança e a indeterminação de regras pe na solução de situações-problemas propostas pelo professor
em sua utilização. (Kishimoto 2003 p. 18) oportunizando a troca de experiências entre os alunos e várias
4 Fonte: www.online.unisc.br possibilidades para resolvê-los.

10
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

O lúdico, ferramenta importante na mediação do conhe- vence suas dificuldades, modifica sua realidade, propicia con-
cimento, estimula a criança enquanto trabalha com material dições de liberação da fantasia e a transforma em uma grande
concreto, jogos, ou seja, tudo o que ela possa manusear, refletir fonte de prazer. E isso não está apenas no ato de brincar, está no
e reorganizar; a aprendizagem acontece com mais facilidade e ato de ler, no apropriar-se da literatura como forma natural de
entusiasmo, pois ela aprende sem perceber, aprende brincando. descobrimento e compreensão do mundo, proporciona o desen-
O brincar enriquece a dinâmica das relações sociais em sala volvimento da linguagem, do pensamento e da concentração.
de aula, fortalecendo a relação entre o ser que ensina e o ser Torna-se uma ponte que auxilia na melhoria dos resultados
que aprende. por parte dos educadores interessados em promover mudan-
Brincadeiras fazem parte do patrimônio cultural, traduzin- ças no aprendizado. As atividades lúdicas possibilitam a incor-
do valores, costumes, forma de pensamentos e gerando apren- poração de valores, o desenvolvimento cultural, assimilação de
dizagem, para isso o educador deve traçar objetivo e metas a novos conhecimentos, o desenvolvimento da sociabilidade da
serem alcançados, assim como regras a serem respeitadas. Os criatividade. Assim, a criança encontra o equilíbrio entre o real
jogos e as brincadeiras fornecem à criança a possibilidade de e o imaginário e tem a oportunidade de se desenvolver de ma-
ser um sujeito ativo, construtor do seu próprio conhecimento, neira prazerosa.
tornando-o autônomo progressivamente diante dos estímulos O lúdico na sala de aula torna-se um espaço de reelabo-
de seu ambiente. ração do conhecimento vivencial e constituído com o grupo ou
Ao movimentar o corpo e buscar soluções a criança inventa individualmente e a criança passa a ser a protagonista de sua
brincadeiras e estratégias, assim, constitui o seu eu, sua imagi- história social, o sujeito da construção de sua identidade, bus-
nação e seus pensamentos. Quando há qualidade na atividade cando uma autoafirmação social, dando continuidade nas suas
lúdica e envolvimento por parte da criança, melhor poderá ser ações e atitudes, possibilitando o despertar para aprender.
seu desenvolvimento cognitivo. Porém, a dificuldade encontra- Sendo diversas as possibilidades e causas das dificuldades
da é que muitos adultos limitam esse movimento e impedem escolares, o lúdico tem grande importância como estratégia de
a criança de se desenvolver nesse sentido, julgando ser uma superação das dificuldades de aprendizagem.
atividade apenas de lazer, sem importância no seu desenvolvi- Derdyk (1989, p.73) observa que a ação criadora que en-
mento, e com isso as crianças estão brincando cada vez menos, volve o jogo possibilita uma série de relações que por vezes não
seja pelo amadurecimento precoce, redução do espaço físico e conseguimos unir a outras atividades convencionais da sala de
do tempo de brincar ou ao excesso de atividades atribuídas às aula.
crianças. O jogo pode se firmar como uma estratégia de desenvolvi-
Com tantas transformações na realidade atual, a infância mento da atenção, fator necessário para a aprendizagem, além
vem perdendo seu espaço com um processo de renuncia às do respeito, confiança e uma relação de aproximação no grupo.
brincadeiras, sendo substituídas por outras atividades passivas Para aprender, o aluno precisa de um ambiente de confian-
como assistir televisão, jogos em computadores ou videogames, ça, respeito e colaboração com os colegas.
preenchendo o tempo de muitas crianças que ficam em casa
sozinhas. De acordo com Brougére (1995, p.50), “A televisão As diferentes visões e teorias envolvendo a ludicidade
transformou a vida e a cultura da criança, as referências de que A preocupação em educar as crianças uma maneira melhor,
ela dispõe. Ela influenciou, particularmente, sua cultura lúdica”. tem sido alvo de muitos debates e estudos. Há reflexões sobre a
Nota-se que os meios de comunicação, principalmente a TV, mo- utilização de materiais e atividades lúdicas no sentido de tornar
dificaram totalmente o modo de vida das crianças, diminuindo o ensino aprendizagem um processo dinâmico e significativo.
as oportunidades e espaços de brincar, importantes no desen- O jogo no passado, já era visto como importante ferramenta
volvimento da autonomia. de auxilio ao processo de educação das crianças. Era recomen-
Garcia (2003) afirma que: dada que as crianças deveriam ser ocupadas com jogos educati-
... além das crianças, dos adolescentes e dos jovens atual- vos e utilizava o jogo para ensinar matemática. (Apud Marinho;
mente não possuírem o espaço da rua para desenvolver a so- Junior; Filho; Finck, 2007, p.81).
cialização, também não possuem um rol de convivência familiar Estudos apontam diferentes formas de analisar os aspectos
que lhes permita estabelecer maiores relações com o diferente do brincar e suas consequências na vida do ser humano. Pode-
(em idade, gênero, classe social, étnica, geracional e outros). mos destacar a linha fisiológica e motora; a linha sociológica e a
(GARCIA,2003, p.126- 127 apud GOMES, 2006, p.20) linha psicológica entre outras.
A TV, e a mídia em geral, tem ocupado um papel destruidor Do ponto de vista fisiológico e motor, o brincar auxilia no
no mundo atual, interferindo no espaço, no tempo e participa- gasto de energia; na aquisição de habilidades para sobrevivência
ção dos pais no brincar e relação com seus filhos. na idade adulta; desenvolve os músculos, a motricidade e a for-
O brincar deveria ser mais valorizado pelos adultos, um ça. Do ponto de vista sociológico, permite a observação, intera-
momento de brincadeiras promove a integração da família de ção e troca de modelos de comportamento; e do ponto de vista
maneira prazerosa. psicológico e tão importante quanto os outros, o brincar sugere
Conforme Winnicott (1995), o lúdico é considerado praze- o entendimento da realidade.
roso, devido a sua capacidade de absorver o indivíduo de forma Para Freud, o brincar reproduz os sentimentos da criança.
intensa e total, criando um clima de entusiasmo. Ela não brinca apenas para reproduzir situações e acontecimen-
É este aspecto de envolvimento emocional que torna uma tos satisfatórios, mas também para expressar suas angustias,
atividade de forte teor motivacional, capaz de gerar um estado sendo em sua concepção o brincar uma representação da re-
de vibração e euforia. O lúdico canaliza as energias das crianças, alidade.

11
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Vygotsky deu enorme importância para o brinquedo no de- Para Piaget há uma estreita relação entre os jogos e a cons-
senvolvimento da criança. Vygotsky (1988) quando discute em trução da inteligência. O jogo espontâneo influencia o processo
sua teoria do desenvolvimento humano, parte do princípio que de aprendizagem uma vez que faz a criança utilizar sua inteligên-
o sujeito se constitui nas relações com os outros, por meio de cia de modo significativo e a estimula a investigar e a explorar.
atividades humanas que ocorrem em contextos sociais específi- (Grassi 2008, p. 75).
cos, não ocorrendo o processo de forma passiva nem direta. O Interessante notar que embora Piaget não tenha ligação di-
desenvolvimento humano é visto como um processo, marcado reta com a Pedagogia, seus estudos foram sobre a Epistemologia
por etapas qualitativamente diferentes e determinadas pelas Genética, a teoria do conhecimento, que mais tarde contribuí-
atividades mediadas. ram significativamente para a Pedagogia e para outros teóricos.
Nesta visão, o brincar tem posição privilegiada; a brincadei- Outro que se destaca pela sua importante contribuição em
ra e o jogo de faz de conta seriam considerados espaços de cons- relação ao papel do jogo é Froebel, que deu muita importância
trução de conhecimento pelas crianças, as situações que fazem à criança, destacando suas atividades estimuladas e dirigidas,
parte do seu cotidiano e os significados que transitam nas brin- valorizando a liberdade de expressão e o interesse das crianças,
cadeiras são apropriados por elas de forma específica. Vygotsky percebidos por meio de brincadeiras livres e espontâneas.
afirma que, Froebel foi o primeiro pedagogo a incluir o jogo no sistema
A importância do brincar para o desenvolvimento infantil educativo por acreditar que as crianças aprendem através do
reside no fato de esta atividade contribuir para a mudança na brincar e que sua personalidade pode ser aperfeiçoada e enri-
relação da criança com os objetos, pois estes perdem sua força quecida pelo brinquedo. (Marinho; Junior; Filho e Finck, 2007
determinadora na brincadeira. A criança vê um objeto, mas age p.81)
de maneira diferente em relação ao que vê. Assim, é alcançada Froebel pregava uma pedagogia da ação. Ele dizia que a
uma condição que começa a agir independentemente daquilo criança para se desenvolver não devia apenas olhar e escutar,
que vê. (Vygotsky, 1988, p. 127). mas agir e produzir.
Vygotsky ainda ressalta que a criança satisfaz algumas ne- Importante salientar que todos os jogos de que as crianças
cessidades por meio do ato de brincar. Porem o que acontece participam, inventam ou pelos quais se interessam, são estímu-
los que enriquecem os esquemas perceptivos (visuais, auditivos,
é que muitos desejos não são realizáveis, sendo o brinquedo,
sinestésicos) e operativos (memória, imaginação, lateralidade,
uma forma de solucionar o problema; elas entram no mundo da
representação, análise, síntese, causa efeitos), que quando
fantasia e imaginação e os realizam por meio das brincadeiras.
combinados com a estimulação psicomotora (coordenação), de-
(...) se as necessidades não realizáveis imediatamente, não
finem alguns aspectos básicos, dando condições para o domínio
se desenvolvem durante os anos escolares, não existiriam os
da leitura e escrita.
brinquedos, uma vez que eles parecem ser inventados justa-
As manifestações lúdicas que acompanham o desenvolvi-
mente quando as crianças começam experimentar tendências
mento da inteligência estão associadas aos estágios de desen-
irrealizáveis. (Vygotsky, 1988, p. 106)
volvimento cognitivo, segundo Piaget. Cada etapa do desen-
Para Vygotsky, é nessa situação que as crianças tornam-se volvimento está relacionada a um tipo de atividade lúdica que
capazes de transformação e toda situação imaginária contém se sucede da mesma maneira para todos os indivíduos. Piaget
regras que a criança precisa vivenciar e respeitar. Diz ele que, identifica três tipos de estruturas mentais que surgem na evo-
(...) jogos puros com regras são essencialmente, jogos com situa- lução do brincar infantil, o exercício, os símbolos e os jogos de
ções imaginárias da mesma forma que uma situação imaginária regras. Grassi diz, O jogo, segundo Piaget, pode ser classificado
tem que conter regras de comportamento (...) (Vygotsky, 1988, de três formas de acordo com as fases do desenvolvimento em
p. 125) que aparecem: jogos de exercícios psicomotores, jogos simbó-
Como não existe brinquedo sem regras, qualquer situação licos e jogos de regras, sendo que essas três modalidades de
imaginária ou forma de brinquedo contém regras de comporta- atividades lúdicas podem coexistir de forma paralela ao adulto.
mento, e a criança ao brincar adquire diferentes funções sub- (Grassi 2008, p. 76)
metendo-a às regras exigidas durante a brincadeira, tomando-a
como regra de comportamento através da brincadeira. Jogo de exercício – Manifesta-se de zero a dois anos. Repre-
Para Piaget, o intelectual não pode ser separado do físico, senta o jogo inicial na criança e caracteriza o período sensório-
assim, não há aprendizado sem um funcionamento total do or- -motor do desenvolvimento. É através dele que a criança repete
ganismo. A brincadeira e o jogo, neste aspecto, assumem fun- gestos, assimila ações, incorporando novo fazeres. O principio é
ções fundamentais no desenvolvimento do indivíduo. Piaget de exploração e repetição. O jogo consiste em manipulação de
(1998) diz que a atividade lúdica é o berço obrigatório das ativi- objetos em função dos desejos e hábitos motores das crianças.
dades intelectuais da criança, indispensável à prática educativa. A função dos jogos de exercício psicomotor é a ação, o exer-
Piaget (1976, p.48) afirma que o jogo é uma atividade in- cício das funções psicomotoras através de atividades lúdicas que
fluente para o exercício da vida social e da atividade construtiva envolvem prazer pelo funcionamento, pela exploração, pela ex-
da criança. É possível observar que todo jogo, mesmo os que perimentação, pela ação e pelo movimento. (Grassi 2008, p.78).
envolvem regras ou uma atividade corporal, abre espaço para a
imaginação, a fantasia e a projeção de conteúdos afetivos, além Jogo simbólico – Compreende de dois aos sete anos apro-
de toda a organização lógica implícita. Por isso “deve-se compre- ximadamente. A ludicidade nesse estágio adquire o caráter sim-
ender as manifestações simbólicas dessas atividades lúdicas e bólico. É a aplicação do que foi assimilado anteriormente. É a
procurar-se adequá-las às necessidades das crianças”. substituição do real por símbolos. Nesta fase o faz de conta ga-

12
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

nha destaque. Os jogos simbólicos têm características próprias: Uma das tarefas centrais do desenvolvimento nos primei-
liberdade de regras, ausências de objetivos, ausência de uma ros anos de vida é a construção dos sistemas de representação,
lógica da realidade, adaptações da realidade aos desejos. tendo papel-chave neste processo a capacidade de “jogar” com
A função do jogo simbólico é transformar o real para satisfa- a realidade. É neste sentido que podemos dizer que o jogo sim-
zer as necessidades do eu em função dos desejos. bólico constitui a gênese da metáfora, possibilitando a própria
Grassi diz que o jogo do símbolo possibilita à criança a rea- construção do pensamento e a aquisição do conhecimento.
lização de sonhos e fantasias, revelam conflitos interiores, me- (Kishimoto 2003, p. 46 – 47)
dos, angústia, alivia as tensões e frustações. A natureza lúdica e prazerosa de diferentes tipos de jogos,
Possibilita a imitação de situações vividas pela criança, que brinquedos e brincadeiras têm servido de argumento de que,
podem ser modificadas, com a introdução de outros elemen- aprende-se brincando. Ao brincar a criança constrói o conheci-
tos, a vivência de outros papeis e a criação de cenas diferentes. mento, afirmação esta, encontrada em Grassi quando diz:
(Grassi 2008, p. 80) Brincando, a criança vai elaborando teorias sobre o mundo,
sobre suas relações, sua vida. Ela vai se desenvolvendo, apren-
Jogo de regras – Tem quando a criança começa a se inte- dendo e construindo conhecimentos. Age no mundo, interage
ressar pelas regras. Permite a relação entre ideia e pensamento, com outras crianças, com os adultos e com os objetos, explora,
antecipa jogadas, planeja estratégias, utiliza o raciocínio ope- movimenta-se, pensa, sente, imita, experimenta o novo e rein-
ratório. Trabalha acima de tudo, respeito e ética, pois apesar venta o que já conhece e domina. (Grassi 2008, p. 33)
da estratégia, é necessário observar regras, esperar sua vez de O brincar reflete a maneira que a criança, ordena, organiza,
jogar e lidar com o imprevisto, lidar com perdas e ganhos, são desorganiza, destrói e reconstrói o mundo ao seu modo. Poden-
importantes para o desenvolvimento das estruturas cognitivas. do ela expressar suas fantasias, desejos, medos, sentimentos
Nesse estágio o jogo provoca muitos conflitos internos, a neces- e conhecimentos novos que vão incorporando a sua vida, uti-
sidade de buscar saída, é desses conflitos que o pensamento sai lizando uma das qualidades mais importantes do lúdico, que é
enriquecido. a confiança que a criança tem quanto à própria capacidade de
Montessori (1870-1952) que devido à preocupação em con- encontrar solução. Segundo Piaget, há uma estreita relação en-
siderar a infância e dar-lhe uma educação específica a sua idade
tre os jogos e a construção da inteligência.
desenvolveu um método educativo baseado em materiais lúdi-
(...) O jogo espontâneo influencia o processo de aprendiza-
cos, onde utilizou jogos e brincadeiras para exercitar e desenvol-
gem, uma vez que faz a criança utilizar sua inteligência de modo
ver cada um dos sentidos.
significativo e a estimula a investigar e explorar. (...) Nesse pro-
Perceberam que na brincadeira a criança, transmite o amor
cesso o jogo ocupa um papel importante ele é essencialmen-
pela ordem, números, figuras, cor, movimento, além da harmo-
te assimilação, assimilação predominando sobre acomodação.
nia e equilíbrio, tendo cada criança no seu respectivo grau de
(Grassi 2008, p. 75)
desenvolvimento, experimenta certas necessidades que a im-
Através dos jogos e brincadeiras observa-se grande desen-
pulsiona, em circunstâncias externas favoráveis a uma atividade
livre e concentrada. ( Apud Piletti, 1986 p. 145 – 146) volvimento, a partir da manipulação de materiais variados, a
De acordo com ela o respeito à individualidade é fundamen- criança passa a reconstruir a realidade que vive, reinventa coisas
tal visto que cada criança tem interesses e ritmos próprios, sen- e objetos o que consiste num grande processo de assimilação e
do essa, condição necessária para uma aprendizagem efetiva. acomodação.
De acordo com a forma como são conduzidos, os jogos e Com isso, a criança através do brincar evolui internamente,
brincadeiras ativam e desenvolvem os esquemas de conhe- transformando pouco a pouco esse processo em conhecimen-
cimento, colaborando na aprendizagem de qualquer novo co- to, resultando num equilíbrio pessoal do mundo físico e social.
nhecimento, como observar e identificar, comparar e classificar, Para Vygotsky (1988) a imaginação em ação ou brinquedo é a
conceituar e relacionar. primeira possibilidade de ação da criança numa esfera cognitiva
Também são esquemas de conhecimento os procedimentos permitindo ultrapassar a dimensão perceptiva motora do com-
utilizados no jogo como o planejamento, a previsão, a antecipa- portamento, através do jogo simbólico. Na criança a imaginação
ção, o método de registro e contagem, entre outros. criadora, nasce em forma de jogo, instrumento de pensamento
As crescentes e rápidas alterações na sociedade exigem no enfrentamento da realidade, ampliando suas possibilidades
que as pessoas pensem por si próprias e solucionem problemas de ação e compreensão de mundo.
de forma rápida. É necessário que o professor tome a consci- O brincar com fins pedagógicos e psicopedagógicos ganhan-
ência de que estas brincadeiras são ricas e produtivas, a base do força e expansão, é justificado pelos estudos que mostram a
fundamental da construção do conhecimento, visa o raciocínio, importância dessa proposta como um recurso que ensina, de-
o pensar, o estímulo à pesquisa e o esforço para a resolução de senvolve e educa. Grassi afirma que:
diferentes situações problemas. A utilização dos jogos e brincadeiras na educação, no tra-
balho pedagógico e psicopedagógico com sujeitos que apresen-
A ludicidade e a construção do conhecimento tam ou não dificuldades de aprendizagem apresenta-se como
O universo lúdico tornou-se atualmente, objeto de interes- uma alternativa interessante, pois pode despertar o interesse
se de pesquisadores, psicólogos e educadores resultando de sua e o desejo de aprender e, ao mesmo tempo, pode possibilitar
importância para a criança e da comprovação de que esta práti- o desenvolvimento de estruturas de pensamento mais elabora-
ca auxilia o desenvolvimento infantil, a construção e/ou poten- das, a apropriação e a construção de conhecimentos, enfim a
cialização do conhecimento. Kishimoto afirma que: aprendizagem. (Grassi 2008, p. 103)

13
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

A brincadeira, como já dito, permite que a criança desen- do espaço, a mediação do profissional participando das ativida-
volva a imaginação, afetividade, competências cognitivas e inte- des, intervindo através de conversação que possibilite a analise
rativas, favorece a autoestima e oportuniza vivenciar diferentes das ações durante a realização das atividades, despertando o
papéis. Importante função do lúdico é a elaboração de conflitos interesse e desejo dos participantes, possibilitando o desenvol-
e ansiedades e a criança demonstra ativamente enquanto brinca vimento do pensamento, a expressão de sentimentos e a apren-
o que sofre passivamente. dizagem. No que se refere às atitudes são enfatizados que os
Brincando, as crianças constroem seu próprio mundo, res- profissionais devem ficar atento ao limite de cada um; usar o
significam e reelaboram os acontecimentos que deram origem lúdico de forma a intervir no processo de aprendizagem; usar a
as vivencias e sentimentos. crítica para encorajar a continuidade da atividade, mostrando o
Por meio do simbólico, elas aprendem a agir, estimula a quanto o sujeito é capaz; participar do jogo caso seja requisita-
curiosidade, a iniciativa e o exercício de autonomia. O brincar do; desenvolver a capacidade de observação; mostrar interesse
se tornou uma importante ferramenta no trabalho pedagógico e prazer durante as atividades; ser claro nas explicações e dar
e psicopedagógico, um parceiro silencioso que desafia a criança, tempo para que as atividades sejam assimiladas; oportunizar a
possibilitando descobertas, envolvimento, compreensão, de- participação de todos; reduzir e aumentar as dificuldades quan-
senvolvimento e aprendizado. Oliveira diz que: A promoção de do necessário; conhecer e compreender a forma de aprender e
atividades que favoreçam o envolvimento da criança em brin- pensar do educando para que a atividade lúdica escolhida tenha
cadeiras, principalmente aquelas que promovem a criação de contextualização e significado; encorajar a espontaneidade, a
situações imaginárias, tem nítida função pedagógica. A escola iniciativa e o enfrentamento; planejar e organizar-se para usar
e, particularmente a pré-escola poderiam se utilizar deliberada- os jogos. (Marinho; Junior; Filho; Finck, 2007 P. 94 - 98)
mente desse tipo de situação para atuar no processo de desen- O professor não pode também excluir a dimensão lúdica do
volvimento das crianças. (Oliveira 1988, p. 67) brincar; as atividades lúdicas possuem dupla função: o lúdico e
Nessa perspectiva as atividades pedagógicas devem ser ba- o educativo. É necessário o educador aliar o caráter lúdico da
seadas na vivencia da criança, suas relações afetivas, experiên- atividade, ou seja, o divertimento e o prazer a outras como de-
cias de interação com o mundo, movimento e, naturalmente, senvolvimento afetivo, cognitivo, social e moral.
as brincadeiras que envolvem as crianças nos mais diversos as- Por isso trabalhar com recursos lúdicos é uma tarefa que
exige planejamento rigoroso, com objetivos claros, conside-
pectos.
rando o público a quem se destina a seleção de materiais, faixa
O brincar, recurso este que ensina, desenvolve e educa de
etária, habilidades, interesses, desejos, espaço físico, etc, com a
forma prazerosa tem um papel de grande importância, podendo
intenção de possibilitar o desenvolvimento, a aprendizagem e a
utilizar-se dele no espaço pedagógico e psicopedagógico, seja na
construção de conhecimentos.
prevenção, seja na atuação terapêutica.
No espaço psicopedagógico a utilização do lúdico surge
Devido à importância que é dada às possibilidades de
como forma de compreender o funcionamento dos processos
aprendizagem através do lúdico e da preparação e capacitação
cognitivos, a maneira como a criança aprende, permitindo ao
de profissionais para a atuação adequada, Oliveira destaca que sujeito expressar-se livremente, de forma prazerosa, com tran-
os profissionais deveriam ser capacitados para a prática lúdica, quilidade e de forma agradável.
tendo as instituições educacionais que investir nos seus educa- O lúdico também facilita a formação de vinculo entre o pro-
dores, proporcionando uma formação que os levasse a incor- fissional e a criança, diminuindo as possíveis resistências com
porar o lúdico em suas propostas pedagógicas, ressaltando que relação à avaliação.
seu uso não é uma perda de tempo, mas um parceiro. (Oliveira Pode-se dizer que a aprendizagem se dá de forma natural
2009, p. 113) através do lúdico, um meio que motiva e estimula a criatividade
Sabe- se que muitos educadores necessitam desenvolver a num processo de aprendizagem e aquisição do conhecimento
capacidade lúdica reconhecer seu valor na constituição do sujei- mediante ao prazer.
to, desenvolvimento e aprendizagem. Acreditar no brincar e ver O brincar no sistema de ensino, ainda encontra-se pouco
essa atividade como facilitadora do trabalho pedagógico, recur- explorado, parte das escolas ainda persistem com a visão de que
so a ser utilizado em qualquer disciplina, auxiliando o aprender uma boa aula é a convencional, com alunos em fila, no seu lugar
do aluno. em silêncio realizando a atividade proposta. Sabe-se que para
Profissionais como pedagogos e psicopedagogos devem estimular o sujeito e promover seu desenvolvimento é preciso
perceber que o brincar pelo brincar, já é feito em casa, por isso propor atividades desafiadoras, significativas, que desperte o
é preciso ter um tratamento didático, direcionado, um planeja- interesse, e as atividades lúdicas podem ser uma excelente fer-
mento, com objetivo do que ensinar para promover o desenvol- ramenta pedagógica e psicopedagógica.
vimento e a aprendizagem dos envolvidos. Como brincadeiras são aprendizagens que pressupõem um
Ao aplicar o recurso lúdico o professor ou o psicopedago- papel ativo do sujeito, são úteis para detectar problemas de or-
go torna-se o mediador e exercendo papel fundamental, ativo dem emocional, físicos, psicológicos e cognitivo. Dessa forma, o
e dinâmico no processo, levando os alunos a agirem, pensarem, universo lúdico torna-se um importante recurso de intervenção
sentirem, também de modo ativo e dinâmico, estimulando al- pedagógica e psicopedagógica, para que se façam a mediação,
cançar sua autonomia. Para a aplicação adequada do lúdico al- proponham atividades lúdicas que possibilitem aos sujeitos in-
gumas atitudes e ações se tornam necessárias e importantes aos teragirem, explorarem, construírem suas hipóteses e conceitos;
profissionais. Segundo os autores Filho, Finck, Junior e Marinho com seleção de atividades e materiais de acordo com os objeti-
as ações são: o planejamento, com a organização da atividade, a vos, o público a ser trabalhado, garantindo o desenvolvimento e
seleção dos materiais, a definição dos objetivos e a organização a construção de conhecimentos necessários.

14
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

É perceptivel que a abordagem lúdica seja integradora dos A Pedagogia da Infância admite como pressuposto básico
aspectos motores, cognitivos, afetivos e sociais, partindo do a criança como um sujeito de direitos (a provisão, a proteção e
pressuposto de que é brincando e jogando que a criança apren- a participação social), com base na Convenção dos Direitos das
de e ordena o mundo a sua volta, assimilando experiências e Crianças (1989). Nessa perspectiva de afirmação das crianças
informações e, sobretudo, incorporando conceitos, atitudes e como sujeitos de direitos, exige a definição de indicativos peda-
valores. gógicos que possibilitem às crianças a experiência da infância de
É necessário repensar a prática pedagógica a partir da didá- forma a tomar parte em projetos educacionais fundados na de-
tica do lúdico no processo de construção do conhecimento de mocracia, na diversidade, na participação social, a partir de prá-
mundo, buscando a valorização da criança e a formação de sua ticas educativas que privilegiem as relações sociais entre todos
cidadania, assim como o papel construtivo que o lúdico tem no os segmentos envolvidos (crianças, familiares e educadores).
desenvolvimento do aluno, permitindo a iniciativa, imaginação, Tomando como pressuposto que toda apropriação cultural e
criatividade e interesse. qualquer aprendizagem é resultado de uma relação social e par-
tilhada de significados coletivos, indica propostas pedagógicas
Neste contexto, percebe-se a necessidade de atualização
onde as interações, as brincadeiras, a ludicidade e as linguagens
dos professores proporcionando uma ação didática, interdiscipli-
estejam vinculadas aos conhecimentos das artes, da cultura, da
nar facilitadora de vivências lúdicopedagógicas, contemplando,
ciência e da tecnologia. No Brasil, a elaboração teórica acerca
o caráter lúdico do movimento humano como fonte de prazer e
da Pedagogia da Infância teve seu início logo após a aprovação
alegria, no ambiente escolar e, em especial, no processo de de- da Educação Infantil como primeira etapa da Educação Básica
senvolvimento da construção dos saberes e do conhecimento. - Constituição Nacional (1988) e Lei de Diretrizes e Bases da Edu-
Paulo Freire, um dos maiores pensadores em educação de cação Nacional (1996).
todos os tempos, afirma que: “Ensinar exige a convicção de que As discussões sobre as especificidades de uma Pedagogia
a mudança é possível”. Todos os seres humanos são agentes de da Educação Infantil sedimentaram os princípios daquilo que
transformação, assim, um transforma o outro na relação intrín- será, posteriormente, instituído como Pedagogia da Infância
seca ensino e aprendizagem; juntos por via do conhecimento (Faria, 1999; Rocha,1999). A consolidação de uma perspectiva
transformam a sociedade. Aprendendo, ensinando, buscando e pedagógica assim denominada: Pedagogia da Infância emerge
aperfeiçoando sempre.5 de uma acumulação científica da área da educação que passa
a criticar a reprodução de modelos educativos reducionistas e
conservadores de educação/ensino, produção/transmissão de
conhecimentos, vida coletiva/sala de aula e crianças/alunos.
EDUCAÇÃO: CUIDAR E EDUCAR. Rocha (1999) e Faria (2009) indicaram, a princípio, a Pedagogia
da Infância como uma perspectiva de educação pública para a
Educação Infantil, porém, a seguir, estenderam-na para todos
Constitui-se de um conjunto de fundamentos e indicações aqueles que estão entre 0 e 10 anos de vida. 6
de ação pedagógica que tem como referência as crianças e as
múltiplas concepções de infância em diferentes espaços educa- Processo de cuidar e educar
cionais. Essa perspectiva pedagógica consolida-se, na contem- Quando se propõe a trabalhar com crianças bem pequenas,
poraneidade, a partir de uma crítica histórica, política, socioló- deve-se ter como princípio, conhecer seus interesses e necessi-
gica e antropológica aos conceitos de criança e infância. Dessa dades. Isso significa saber verdadeiramente quem são saber um
forma, difere-se das pedagogias centradas na criança que tive- pouco da história de cada uma, conhecer a família, as caracte-
ram sua emergência nos movimentos da Escola Nova do final do rísticas de sua faixa etária e a fase de desenvolvimento em que
se encontra, além de considerar o tempo que permanecem na
século XIX e início do século XX, na Europa e nos Estados Unidos
escola. Só assim pode-se compreender quais são as reais possi-
(Veiga, 2007; Formosinho et al, 2007), e que, no Brasil, estão
bilidades dessas crianças, lembrando que, para elas, a fase ini-
representadas pelos Pioneiros da Educação como Anísio Teixeira
cial é a porta de entrada para uma vida social mais ampla, longe
e Lourenço Filho.
do ambiente familiar.
Se as pedagogias ativas, centradas na criança, estabeleciam Cuidar e educar é impregnar a ação pedagógica de consci-
à crítica a pedagogia tradicional a partir dos conhecimentos so- ência, estabelecendo uma visão integrada do desenvolvimento
bre a criança produzidos pelas investigações do campo da bio- da criança com base em concepções que respeitem a diversida-
logia e da psicologia evolutiva, uma Pedagogia da Infância com- de, o momento e a realidade, peculiares à infância. Desta forma,
preende que toda e qualquer ação educativa exige considerar as o educador deve estar em permanente estado de observação e
crianças e os contextos socioculturais que definem sua infância. vigilância para que não transforme as ações em rotinas meca-
Toma as crianças como seres humanos dotados de ação social, nizadas, guiadas por regras. Consciência é a ferramenta de sua
portadores de história, capazes de múltiplas relações, produ- prática, que embasa teoricamente, inova tanto a ação quanto à
tores de formas culturais próprias construídas com seus pares, própria teoria. Cuidar e educar implica reconhecer que o desen-
apesar de profundamente afetados pelas culturas e sociedades volvimento, a construção dos saberes, a constituição do ser não
das quais fazem parte. Afirma a infância como uma categoria ge- ocorre em momentos e de maneira compartimentada.
racional, social e histórica e geograficamente construída, hete- A criança é um ser completo, tendo sua interação social e
rogênea, atravessada pelas variáveis de gênero, classe, religião construção como ser humano permanentemente estabelecido
e etnia. em tempo integral. Cuidar e educar significa compreender que
5 Fonte: www.docs.uninove.br 6 Texto adaptado de Maria Carmen Silveira Barbosa

15
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

o espaço/tempo em que a criança vive exige seu esforço par- realização das atividades em si, portanto a partir do momento
ticular e a mediação dos adultos como forma de proporcionar em que se esta trocando ou alimentando uma criança, ao mes-
ambientes que estimulem a curiosidade com consciência e res- mo tempo se está educando/estimulando a mesma.
ponsabilidade. Na educação infantil o “cuidar” é parte integrante da edu-
Portanto, neste trabalho faz-se uma reflexão baseada na cação, embora possa exigir conhecimentos, habilidades e instru-
observação sobre o que consiste o cuidar e o educar, bem como, mentos que exploram a dimensão pedagógica. Cuidar de uma
discute-se as bases do significado de cuidar e educar, ressaltan- criança em um contexto educativo demanda a integração de
do seu caráter de unicidade, ao invés de dupla tarefa. vários campos de conhecimento e a cooperação de profissionais
Assim sendo, constatamos durante nossa observação, no de diferentes áreas.
Centro de Educação Infantil Nona Virgínia, que há um espaço O cuidado precisa considerar, principalmente, as necessi-
físico adequado, o qual oferece um pátio externo ensolarado dades das crianças, que quando observadas, ouvidas e respei-
onde as crianças brincam livremente e também participam de tadas, podem dar pistas importantes sobre a qualidade do que
jogos dirigidos e outras atividades. Oferece boa ventilação, ilu- estão recebendo. Os procedimentos de cuidado também preci-
minação, organização espacial, decoração, as quais influem de sam seguir os princípios de promoção da saúde. Para se atingir
forma acentuada para obter um bom desempenho com o gru- os objetivos dos cuidados com a preservação da vida e com o
po. O mobiliário usado contempla não só a qualidade de rigidez, desenvolvimento das capacidades humanas, é necessário que
segurança e estabilidade, mas também proporciona o conforto as atitudes e procedimentos estejam baseadas em conhecimen-
necessário às crianças. tos específicos sobre desenvolvimento biológico, emocional, e
Apenas um fator negativo foi constatado na sala observada, intelectual das crianças, levando em conta diferentes realidades
esta conta com 24 crianças de 03 a 18 meses, para 2 atendentes sócio-culturais (BRASIL, 1998, p. 25).
e 1 estagiaria, num período de 6 horas consecutivas, fechando Nesta instituição observada, em especial, na sala do berçá-
a carga horária em 12 horas diárias, seguindo o mesmo procedi- rio, as ações relativas ao cuidar, por sua vez, são apresentadas
mento anterior o segundo turno. O excesso de crianças dificulta de forma a ressaltar o desenvolvimento integral da criança, en-
que os objetivos das atividades sejam alcançados em sua pleni- volvendo aspectos afetivos, relacionais, biológicos, alimentares
e referente à saúde. O contexto sócio-cultural aparece como
tude. Com isso não é possível manter uma atenção especial e
determinante nas construções humanas e nas necessidades
individual, de carinho e estimulação permanente que cada uma
básicas de sobrevivência, diferentes em cada cultura, com isso,
deveria receber.
fica claro, no papel designado ao cuidar, a necessidade de en-
De contrapartida, a qualificação dos profissionais tem in-
volvimento e comprometimento do professor com a criança em
fluenciado para a atual situação da instituição observada, pois a
todos os seus aspectos, e a compreensão sobre o que ela sente
maioria de seus profissionais está com uma formação na área de
e pensa o que traz consigo a sua história e seus desejos.
pedagogia participando de programas de formação continuada.
É de suma importância que as instituições de educação
Nesta instituição em especial a sala do berçário, onde cen-
infantil incorporem de maneira integrada as funções de cui-
tramos nossa reflexão e observação, as educadoras trabalham dar e educar, não mais diferenciando, nem hierarquizando os
enfocando a concepção histórico-cultural com caráter educati- profissionais e instituições que atuam com crianças pequenas
vo-pedagógico, estas procura fazer o seu trabalho pedagógico ou àqueles que trabalham com as de mais idade. A educação
da melhor forma possível, estimulando as crianças, direcionan- infantil, na instituição observada, esta associada a padrões de
do as brincadeiras, onde cada uma é planejada, conduzida e mo- qualidade. Essa qualidade advém de concepções de desenvol-
nitorada. Nesse caso, a ação do educador é fundamental. Ele es- vimento que consideram as crianças nos seus contextos sociais,
trutura o campo das brincadeiras, por meio da seleção da oferta ambientais, culturais e, mais concretamente, nas interações e
de objetos, fantasias, brinquedos, dos arranjos dos espaços e práticas sociais que lhes fornecem elementos relacionados às
do tempo para brincar, dormir e alimentar-se, a fim de que as mais diversas linguagens e ao contato com os mais variados co-
crianças alcancem objetivos de aprendizagens predeterminados nhecimentos para a construção da autonomia.
sem limitar sua espontaneidade e imaginação. A instituição de educação infantil deve tornar acessível
Mas nem sempre as instituições de educação infantil foram a todas as crianças que a freqüentam, indiscriminadamente,
assim, durante muito tempo, estas, incluindo as brasileiras, or- elementos da cultura que enriquecem o seu desenvolvimento
ganizavam seu espaço e sua rotina diária em função de idéias de e inserção social. Cumpre um papel socializador, propiciando
assistência, de custódia e de higiene da criança. o desenvolvimento da identidade das crianças, por meio de
Modificar essa concepção de educação assistencialista sig- aprendizagens diversificadas, realizadas em situações de intera-
nifica atentar para várias questões que vão além dos aspectos ção (BRASIL, 1998, p. 23).
legais. Envolve, principalmente, assumir as especificidades da Pode-se oferecer às crianças, condições para as aprendiza-
educação infantil e rever concepções sobre a infância, as rela- gens que ocorrem nas brincadeiras e àquelas advindas de situ-
ções entre classes sociais, as responsabilidades da sociedade e o ações pedagógicas intencionais ou aprendizagens orientadas
papel do Estado diante de crianças pequenas. pelos adultos. Contudo, é importante ressaltar que essas apren-
Além disso, não podemos deixar de falar da ação conjunta dizagens, de natureza diversa, ocorrem de maneira integrada
dos educadores e demais membros da equipe da instituição (co- no processo de desenvolvimento infantil. Educar significa, por-
zinheira, faxineira e coordenadora), pois é essencial para garan- tanto, propiciar situações de cuidados, brincadeiras e aprendi-
tir que o cuidar e o educar aconteçam de forma integrada. Essa zagens orientadas de forma integrada e que possam contribuir
atitude é contemplada desde o planejamento educacional até a para o desenvolvimento das capacidades infantis de relação in-

16
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

terpessoal, de ser e estar com os outros em uma atitude básica portante é que a instituição seja pensada não como instituição
de aceitação, de respeito e confiança, e o acesso, pelas crianças substituta da família, mas como ambiente de socialização dife-
aos conhecimentos mais amplos da realidade social e cultural. rente do familiar. Nela se dá o cuidado e a educação de crianças,
Nesse processo, a educação infantil poderá auxiliar o de- que aí vivem, convivem, exploram, conhecem, construindo uma
senvolvimento das capacidades de apropriação e conhecimento visão de mundo e de si mesmas, constituindo-se como sujeito.
das potencialidades corporais, afetivas, emocionais, estéticas e A todo instante em que se relaciona com outras pessoas, se
éticas, na perspectiva de contribuir para a formação de crianças é educador e educando, pois se ensina e aprende-se trocando
felizes e saudáveis. experiências e pratica-se o cuidar e o educar nas mais diversas
Sendo assim, o processo educativo é realizado de várias atividades rotineiras. As crianças pequenas ainda estão desven-
formas: na família, na rua, nos grupos sociais e, também, na dando o mundo, tudo é novo, deve ser trabalhado e aprendido,
instituição. Educar, nessa primeira etapa da vida, não pode ser não são independentes e autônomas para os próprios cuidados
confundido com cuidar, ainda que crianças (especialmente as pessoais, precisam ser ajudadas e orientadas a construir hábitos
de zero a 18meses) necessitem de cuidados elementares para e atitudes corretas, estimuladas na fala e aprimoradas em seu
garantia da própria sobrevivência. O que deve permear a discus- vocabulário.
são não são os cuidados que as crianças devem receber, mas o A vida na instituição infantil deve funcionar com base na
modo como elas devem recebê-los, já que se alimentar, assear- tríade pais-educadores crianças. O bom relacionamento entre
-se, brincar, dormir, interagir são direitos inalienáveis à infância. esses três personagens é fundamental durante o processo de
Para educar, faz-se necessário que o educador crie situações inserção da criança na vida escolar, além de representar a ação
significativas de aprendizagem, se quiser alcançar o desenvolvi- conjunta rumo à consolidação de uma pedagogia voltada para
mento de habilidades cognitivas, psicomotoras e socioafetivas, a infância. Separar o que é dever dos pais e o que é dever do
mas e, sobretudo, fundamental que a formação da criança seja educador pode significar a perda de certos momentos de for-
vista como um ato inacabado, sempre sujeito a novas inserções, mação e aperfeiçoamento do indivíduo que, em alguns casos,
a novos recuos, a novas tentativas. poderão jamais ser vivenciados novamente e acarretar danos
Torna-se necessária uma parceria de todos para o bem-es- em sua vida para sempre.
Finalmente o educador não pode trabalhar somente com o
tar do educando. Cuidar e educar envolve estudo, dedicação,
intelectual da criança, não são máquinas sem sentimentos. Em
cooperação, cumplicidade e, principalmente, amor de todos os
todo momento deve sentir e proporcionar às crianças momen-
responsáveis pelo processo, que se mostra dinâmico e em cons-
tos que lhes façam crescer, refletir e tomar decisões direciona-
tante evolução.
das ao aprendizado com coerência e justiça, o que não é tarefa
Para que os projetos educativos das instituições possam,
fácil.7
de fato, representar esse diálogo e debate constante, é preci-
so ter educadores que estejam comprometidos com a prática
educacional, capazes de responder às demandas familiares e
das crianças, assim como às questões específicas relativas aos
cuidados e aprendizagens infantis. POLÍTICAS EDUCACIONAIS.
A formação do educador infantil deve estar baseada na con-
cepção de educação infantil. Deve buscar a superação da dicoto- A Política Educacional pertence ao grupo de Políticas Pú-
mia educação/assistência, levando em conta o duplo objetivo da blicas sociais do país. Este instrumento de implementação dos
educação infantil de cuidar e educar. movimentos e referenciais educacionais se faz presente através
O educador precisa perceber que, desde bem pequenas, as da Legislação Educacional.
crianças apresentam atitudes de interesse em descobrir o mun- Para que possamos compreender melhor o significado des-
do que as cerca, elas são curiosas e querem respostas a seus sa política, se faz necessário saber o que é Política Pública. Essa
porquês, o trabalho do educador é estimular e orientar as ex- Política é de responsabilidade do Estado, com base em organis-
periências por elas vividas e trazidas de casa, para que, no seu mos políticos e entidades da sociedade civil, se estabelece um
dia-a-dia, elas possam construir seu próprio conhecimento. processo de tomada de decisões que derivam nas normatiza-
O agir pedagógico deve atender às reais necessidades das ções do país, ou seja, nossa Legislação.
crianças, deve ser criativo, flexível, atendendo à individualidade As Políticas Públicas envolvem todos os grupos de necessi-
e ao coletivo. Será o eixo organizador da aquisição e da cons- dades da sociedade civil, que são as Políticas Sociais, estas de-
trução do conhecimento, a fim de que a criança passe de um terminam o padrão de proteção social implementado pelo Esta-
patamar a outro na construção de sua aprendizagem. Pensar do, voltadas em princípio, à redistribuição dos benefícios sociais
sobre isto implica reinventar o espaço de salas para que neles (INEP, 2006, p. 165), dentre eles o direito a educação. Para que
se deem as interações do sujeito com o mundo físico e social, este direito seja garantido com qualidade e de forma universal é
oportunizando-lhe vivências e situações de troca de ponto de implementada a Política Educacional.
vista, tomadas de decisões, sendo promovido, assim, sua auto- No decorrer dos anos no Brasil a Política Educacional fora
nomia e cooperação, tão importantes para a formação de um definida de formas diferentes, por ser um elemento de normati-
novo cidadão. zação do Estado e que envolve interesses políticos diversos, no
Portanto, podemos concluir dizendo que as instituições entanto, a Política Educacional de um país deve ser guiada pelo
infantis são um dos contextos de desenvolvimento da criança. povo, respeitando o direito de cada indivíduo e assegurando o
Além de prestar cuidados físicos, ela cria condições para o seu bem comum.
desenvolvimento cognitivo, simbólico, social e emocional. O im- 7 Fonte: www.pedagogiaaopedaletra.com

17
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Compreende-se, que de fato o exercício de construir uma para a vida produtiva. O ensino de nível técnico é ministrado de
Política, não trata-se de um trabalho fácil de ser realizado, pois forma independente do ensino médio regular. Este, entretanto,
circunda uma nação, seus anseios, objetivos e valores, e estes é requisito para a obtenção do diploma de técnico.
elementos não podem ser esquecidos por aqueles que assim fa- A educação superior abrange os cursos de graduação nas di-
zem nascer o molde da educação de um povo. ferentes áreas profissionais, que são disponíveis aos candidatos
Trazendo a memória alguns dos documentos que foram que tenham concluído o ensino médio ou equivalente e tenham
elementares a produção das Políticas Educacionais do nosso sido classificados dentro do número de vagas em processos se-
país, faz-se presente e ainda atual às dificuldades educacionais letivos específicos. A pós-graduação também faz parte do nível
do Brasil o Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova de 1932, superior de educação e compreende programas de especializa-
marco na definição de prioridades e metas educacionais que ne- ção, mestrado, doutorado e pós-doutorado.
cessitavam ser efetivadas. O documento, como o próprio título Com a Lei nº 9.394/96 (LDB) o grande objetivo tornou-se
faz referência, foi o pioneiro e notável instrumento de regula- normatizar o sistema educacional e garantir acesso igualitário
mentação da situação educacional brasileira, não funcionando para todos com relação à educação. Essa lei, de forma geral, ofe-
apenas como um alerta a sociedade, mas também, como inspi- rece um conjunto de definições políticas que orientam o sistema
ração ao surgimento das Leis que regem a nossa educação. educacional e introduz mudanças importantes na educação bá-
Principal fonte de implementação da educação nacional e sica do Brasil.
das políticas que assim as definem é a Lei de Diretrizes e Bases Desse modo, a nova proposta para a educação brasileira
da Educação Nacional (LDB), que no avanço dos anos foram re- tem como meta a democratização e universalização do conhe-
formuladas até o modelo atual datado de 1996 que sofreram cimento básico, oferecendo educação e cuidado com a escola-
alterações de acordo com os governos. rização, assumindo um caráter intencional e sistemático, que
oferece uma atenção especial ao desenvolvimento intelectual,
A organização do Sistema Educacional Brasileiro ocorre por sem descuidar de outros aspectos como o físico, o emocional, o
meio dos sistemas de ensino da União, dos Estados, do Distrito moral e o social (Lei nº 9394/96).
Federal e dos Municípios. A Constituição Federal de 1988 e a Lei Sobre a Educação e a Escola no Brasil, Saviani (1987) identi-
de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), instituída pela
fica quatro importantes concepções utilizadas na organização e
lei nº 9394, de 1996, são as leis que regem o sistema educacio-
funcionamento da escola: a concepção humanista tradicional, a
nal brasileiro em vigor.
moderna, a analítica e a dialética.
A atual estrutura do sistema educacional regular no Brasil
A concepção humanista tradicional identifica a educação
consiste na educação básica – educação infantil, ensino funda-
a partir de uma visão pré-concebida do homem, o qual é vis-
mental e ensino médio – e a educação superior. Os municípios
to como tendo uma essência que não pode ser modificada. A
têm a função educacional de atuar no ensino fundamental e na
partir dessa concepção, sugere que a educação deve ser feita
educação infantil; já os Estados e o Distrito Federal são respon-
conforme a essência humana, e a partir disso entende que as
sáveis pelo ensino fundamental e ensino médio. E o governo fe-
mudanças realizadas nas pessoas por meio do processo educa-
deral exerce uma função redistributiva e supletiva na educação,
devendo prestar assistência técnica e financeira aos Estados, ao tivo são simples acidentes. Essa concepção tradicional possui
Distrito Federal e aos Municípios, bem como deve organizar o uma vertente religiosa que prevaleceu até a Idade Média e uma
sistema de educação superior no país. vertente leiga feita por pensadores modernos como modo de
A educação infantil, primeira etapa da educação básica, é consolidação da hegemonia da burguesia. Como princípios, de-
realizada em creches, para crianças com até três anos de idade, fende a existência de sistemas públicos de ensino que sejam lei-
e nas pré-escolas, para crianças de 4 a 6 anos. O ensino fun- gos, universais, gratuitos e centrados no educador que deve ser
damental, com duração mínima de nove anos, (Conforme a LEI imitado pelos seus educandos.
11.274 DE 06/02/2006), é obrigatório e gratuito na escola pú- A segunda concepção educacional é a humanista moderna
blica, devendo o Poder Público garantir sua oferta para todos, que possui também um conceito prévio de homem, mas consi-
inclusive aos que não tiveram acesso na idade própria para o dera que a existência do homem é anterior à sua essência e dis-
mesmo. so resulta que para esta corrente educacional o homem é “um
O ensino médio, etapa que finaliza a educação básica, tem ser completo desde o nascimento e inacabado até a morte”.
duração mínima de três anos e oferece uma formação geral ao Assim, essa corrente defende que o aspecto psicológico
educando, podendo incluir programas de preparação geral para predomina sobre o lógico e transfere o cerne do processo edu-
o trabalho e, de forma facultativa, a habilitação profissional. cativo do adulto para a criança considerando as suas atividades
Além do ensino regular, a educação formal possui as se- de existência, considerando que a educação segue o ritmo de
guintes modalidades específicas: a educação especial, para os vida que varia segundo as diferenças individuais, desconsideran-
portadores de necessidades especiais; a educação de jovens e do, na educação, esquemas predefinidos e lógicos.
adultos, para aqueles que não tiveram acesso ou continuidade Uma terceira concepção proposta foi a analítica, que formu-
de estudos no ensino fundamental e médio na idade própria la o seu conceito de educação com base na tarefa educacional
para os mesmos. que é definida como aquela que oferece um significado lógico à
A educação profissional está integrada às diferentes formas linguagem em função do seu contexto (tempo, lugar, a situação,
de educação, ao trabalho, às ciências e à tecnologia, com o ob- a identidade, os temas de interesse e as histórias pessoais) tanto
jetivo de conduzir ao permanente desenvolvimento de aptidões do educador quanto daqueles a quem ele se dirige.

18
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Por último, a concepção dialética considera a educação a A resolução que orienta e institui a implementação da BNCC
partir do conjunto das relações sociais e, assim, aborda os pro- na Educação Infantil e no Ensino Médio foi publicada no dia 22
blemas educacionais compreendidos dentro de um contexto de dezembro de 2017.
histórico. Qual é o prazo para implementação nas escolas?
Nota-se, então, que a escola brasileira, pensada segundo os Existe um comitê especial responsável por acompanhar a
moldes liberais, tem a missão de redimir os homens do seu du- implantação da nova base nas escolas públicas e privadas, que
plo pecado histórico: a ignorância (miséria moral) e a opressão deverá ocorrer até o dia 31 de dezembro de 2020.
(miséria política) (ZANOTTI, 1972). Até lá, o grupo de especialistas deve propor debates, discus-
Portanto, a articulação das concepções de educação com a sões acerca dos temas referentes aos desafios da implementa-
sociedade brasileira possui um aspecto estrutural e é sustentada ção e nortear ações a serem tomadas pelo governo para a con-
pelas práticas e projetos sociais, por meio dos quais os interes- cretização do novo currículo.9
ses, os princípios e os pressupostos do grupo social dominante
tornam-se propósitos e valores do senso comum, ideologia com- A base curricular do ensino brasileiro tem passado por di-
partilhada pelo conjunto de sociedade e é essa lógica que torna
versas mudanças, dentre elas, temos a lei a seguir.
o pensamento liberal hegemônico e a burguesia além de classe
Lei nº 13.415/2017
dominante, também dirigente.8
- Altera a LDB
- Altera o Fundeb
- Altera a CLT
- Revoga a Lei 11.161/2005
BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR – BNCC; - Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas
de Ensino Médio em Tempo Integral.
A Base Nacional Comum Curricular é um documento que
determina o conjunto de competências gerais que todos os alu- Quais as implicações?
nos devem desenvolver ao longo da Educação Básica — que in-
clui a Educação Infantil, o Ensino Fundamental e o Ensino Médio. Implicações curriculares, com flexibilização e aligeiramento
Esse conhecimento pretende assegurar uma formação hu- da formação
mana integral com foco na construção de uma sociedade inclu- - Altera o formato de financiamento público com privatização
siva, justa e democrática. Para a primeira etapa da Educação - Atinge a formação docente
Básica, a escola deve garantir seis direitos de desenvolvimento e - Impacta a docência da rede particular de ensino
aprendizagem, de forma que todas as crianças tenham oportu- - Não assegura novos recursos
nidades de aprender e se desenvolver.
Após a aprovação da nova Base Nacional Comum Curricular Implicações Curriculares
(BNCC), em dezembro de 2017, começaram as discussões visan- Carga horária do ensino médio será ampliada de forma pro-
do a melhor forma de implementar as novas diretrizes da BNCC gressiva (§ 1º, Art. 24 LDB – nova redação) para mil e quatro-
na Educação Infantil de todo o país. centas horas, devendo os sistemas de ensino oferecer, no prazo
Nessa etapa da Educação Básica, a BNCC define direitos de máximo de cinco anos, pelo menos mil horas anuais de carga
aprendizagem e os campos de experiências substituem as áre- horária, a partir de 2 de março de 2017.
as do conhecimento do Ensino Fundamental. Em cada campo Ou seja, só existe prazo para se chegar às mil horas, ou seja,
existem objetivos de aprendizado e desenvolvimento do aluno, uma hora em relação a carga horária atual.
em vez de unidades temáticas, objetos de conhecimento e ha- A Lei não faz referência clara como essa expansão irá acon-
bilidades.
tecer no ensino médio noturno. Apenas determina que os siste-
É responsabilidade das escolas garantir que seus alunos re-
mas de ensino disporão sobre a oferta de educação de jovens e
ceberão, em sala de aula, as competências gerais estabelecidas
adultos e de ensino noturno regular, adequado às condições do
pelo documento. Dessa forma, o cenário educacional nacional
se torna mais justo e igualitário para todas as crianças. educando, conforme o inciso VI do art. 4°.”
O primeiro texto sugerido no projeto foi discutido e elabo- O ensino da arte, especialmente em suas expressões regio-
rado em conjunto com 116 especialistas em educação. A pro- nais, constituirá componente curricular obrigatório da educação
posta foi aberta à consulta pública até março de 2016, quando básica, mas não especifica se atingirá os itinerários formativos
foi revisada. do ensino médio. É provável que não.
Em maio do mesmo ano, a segunda versão do documento Obriga a oferta de língua inglesa a partir do sexto ano do
foi divulgada. Quase um ano depois, em abril de 2017, a terceira ensino fundamental.
e última versão foi revelada e apresentada ao Conselho Nacional A Lei dispõe que a integralização curricular poderá incluir, a
de Educação (CNE). critério dos sistemas de ensino, projetos e pesquisas envolvendo
No mesmo ano, o CNE preparou audiências públicas em cin- os temas transversais. Portanto, não necessitará de ser tratado
co regionais. O objetivo era alcançar colaborações para a elabo- para o conjunto dos estudantes.
ração da norma instituidora da BNCC. No dia 15 de dezembro, o A inclusão de novos componentes curriculares de caráter
projeto foi homologado e seguiu para a aprovação do Ministério obrigatório na Base Nacional Comum Curricular dependerá de
da Educação (MEC). aprovação do CNE e de homologação pelo Ministro de Estado
8 Fonte: www.educador.brasilescola.uol.com.br/www.portaled- da Educação.
ucacao.com.br/www.infoescola.com 9 Fonte: www.educacaoinfantil.aix.com.br

19
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

A BNCC definirá direitos e objetivos de aprendizagem do en-


sino médio, conforme diretrizes do Conselho Nacional de Educa- PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: FUNDAMENTOS
ção, nas seguintes áreas do conhecimento: PARA ORIENTAÇÃO, PLANEJAMENTO E IMPLEMENTA-
I - linguagens e suas tecnologias; ÇÃO DE AÇÕES NA CRIAÇÃO DE CONDIÇÕES PARA O DE-
II - matemática e suas tecnologias; SENVOLVIMENTO HUMANO, COM FOCO NO EDUCAN-
III - ciências da natureza e suas tecnologias; DO, DENTRO DO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM.
IV - ciências humanas e sociais aplicadas.
O projeto político-pedagógico, também chamado de PPP, é
A parte diversificada dos currículos, definida em cada siste- um documento que definirá diretrizes, metas e métodos para
ma de ensino, deverá estar harmonizada à BNCC e ser articulada que a instituição de ensino consiga atingir os objetivos a que se
a partir do contexto histórico, econômico, social, ambiental e propõe. O PPP visa melhorar a capacidade de ensino da escola
cultural. como uma entidade inserida em uma sociedade democrática e
A BNCC referente ao ensino médio incluirá obrigatoriamen- de interações políticas.
te estudos e práticas de educação física, arte, sociologia e filoso- O documento traz, em detalhes, todos os objetivos, dire-
fia. Portanto, não haverá a obrigatoriedade de disciplinas. trizes e ações que devem ser valorizados durante o processo
Obrigatoriedade apenas para o ensino da língua portugue- educativo, fim último da escola. Nesse sentido, o PPP precisa
sa e da matemática nos três anos do ensino médio, assegurada expressar claramente a síntese das exigências sociais e legais da
às comunidades indígenas, também, a utilização das respectivas instituição e os indicadores e expectativas de toda a comunida-
línguas maternas, e de língua inglesa. de escolar.
Outras línguas estrangeiras, em caráter optativo, preferen- Em outras palavras, a cultura da escola precisa estar de-
cialmente o espanhol, poderão ser ofertadas de acordo com a monstrada nesse documento, no qual devem constar, com cla-
disponibilidade de oferta, locais e horários definidos pelos sis- reza, os valores da instituição, sua situação presente e caminhos
temas de ensino. para melhorar os pontos negativos. O PPP funciona como um
A carga horária destinada ao cumprimento da BNCC não guia para as ações a serem desenvolvidas na escola.
poderá ser superior a mil e oitocentas horas do total da carga Esse documento tem elaboração anual obrigatória pela le-
horária do ensino médio. Ou seja, próximo a 69% do total da gislação, de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação
carga horária. Nacional (LDBEN 9.394/96). Essa obrigatoriedade tem como
pano de fundo a possibilidade de que todos os membros envol-
Itinerários Formativos vidos na comunidade escolar tenham acesso ao projeto, poden-
O currículo do ensino médio será composto pela BNCC e por do dele participar e nele interferir sempre que necessário, a fim
itinerários formativos, que deverão ser organizados por meio da de que seja fruto de uma construção democrática.
oferta de diferentes arranjos curriculares, conforme a relevân- Apesar de obrigatório, o projeto político-pedagógico costu-
cia para o contexto local e a possibilidade dos sistemas de ensi- ma ser ignorado por muitos gestores, que não compreendem o
no, a saber: seu alcance e, por isso, não dedicam a ele a devida importância.
I - linguagens e suas tecnologias; As consequências para quem incorre nessa prática são terríveis:
II - matemática e suas tecnologias; o documento é escrito às pressas, apenas para o cumprimento
III - ciências da natureza e suas tecnologias; da legislação, e serve de enfeite na estante do diretor.
IV - ciências humanas e sociais aplicadas; Esse é um grande equívoco que tem como preço a diminui-
V - formação técnica e profissional. ção ou a estagnação da educação oferecida por aquela escola.
Não é necessário grande esforço para perceber do que se trata
Poderá ser composto itinerário formativo integrado, que se e de como é importante se dedicar com afinco à elaboração do
traduz na composição de componentes curriculares da BNCC e projeto político-pedagógico. Basta se ater às três palavras que
dos itinerários formativos. formam o conceito:
Os sistemas de ensino, mediante disponibilidade de vagas
na rede, possibilitarão ao aluno concluinte do ensino médio cur- Projeto
sar mais um itinerário formativo de que trata o caput. Refere-se a um documento escrito que registra, de manei-
ra formal, objetivos, estratégias e métodos para a realização de
Acesse o link a seguir e tenha acesso ao documento na ín- determinadas ações. Dessa forma, escolas, creches, prefeituras
tegra: e secretarias de educação devem estabelecer essas metas e pro-
http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2017/lei- por meios de transformá-las em realidade, com o envolvimento
-13415-16-fevereiro-2017-784336-publicacaooriginal- de toda a comunidade escolar.
-152003-pl.html
Político
Esse termo é fundamental, porque traz a função social da
escola e a insere em um processo democrático e de interações
sociais. Notadamente, a escola também é uma instituição po-
lítica, e seu ensino precisa ter essa característica como norte
para formar cidadãos preocupados e responsáveis em relação
ao mundo em que vivem.

20
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Pedagógico Contexto
O termo “pedagógico” também serve para que a escola O contexto em que a escola está situada e a comunidade
nunca se esqueça de que todos os seus objetivos, métodos, téc- que é atendida por ela são pontos fundamentais para a defini-
nicas e estratégias devem ser voltados ao processo de ensino e ção de metas e objetivos no projeto político-pedagógico. A mis-
aprendizagem, que decorre justamente do contato constante e são pouco significará se não estiver condizente com a realidade
cotidiano com os alunos da instituição. da instituição e das famílias que ela atende.
Por isso, faz-se necessário, para orientar as ações que se-
Integração e democracia no processo de elaboração rão desenvolvidas, conhecer o panorama da comunidade. Isso
Cabe à escola construir sua proposta pedagógica, de modo pode ser feito de várias formas. A equipe de elaboração do PPP
a atender aos membros da comunidade em que se localiza. Para pode, por exemplo, fazer um levantamento de dados utilizando
atingir os resultados esperados e necessários, o projeto políti- os documentos da matrícula dos alunos ou, então, elaborar uma
co-pedagógico precisa ser elaborado de forma democrática e pesquisa, a fim de obter informações mais específicas, como a
colaborativa. situação socioeconômica das famílias.
Isso significa permitir e estimular a presença e a participa- Aqui, também deve ser descrita a participação das famílias
ção da comunidade, dos alunos, das famílias e de demais agen- no processo de ensino e aprendizagem: o que se espera delas
tes nos debates relacionados à fixação das metas e objetivos. e quais compromissos e parcerias elas podem assumir com a
Essa própria integração entre diversos setores sociais no proces- escola.
so de produção e consolidação do PPP já é, por si só, um exercí-
cio de democracia que só tem a engrandecer o trabalho final e Dados sobre o aprendizado
aprimorar os resultados das estratégias adotadas. Muito interessa a pais e responsáveis saber a média de
Com essa discussão participativa e aberta, a equipe de aprovação de determinada série, por exemplo. Esse tipo de in-
gestão escolar, prefeituras e secretarias de educação tendem a formação, em conjunto com outros dados internos da institui-
cobrar mais de si mesmas, a fim de atingir os objetivos. Sendo ção, também deve constar no PPP.
assim, permitem-se também abrir espaço para as críticas cons- O número de alunos que a escola tem (total e por segmen-
trutivas da sociedade, o que faz com que os resultados sejam to), taxas de reprovação, médias de notas e avaliações: todos
alcançados. esses indicativos, aliados a dados mais amplos (regionais, muni-
cipais etc.), colaboram para fortalecer a imagem e a transparên-
Como se constitui o PPP cia da gestão escolar.
Se elaborado da maneira adequada, o PPP adquire um cará-
ter de guia, que indica o norte das ações de professores, alunos, Recursos
colaboradores, família e de toda a comunidade escolar. É impor- Quando se fala em recursos, o primeiro pensamento que
tante que ele seja preciso o suficiente para não deixar dúvidas vem à mente é relacionado à gestão financeira, certo? Mas ela é
aos agentes da educação sobre como implementar as mudanças apenas uma parte desse item, que inclui, ainda, recursos huma-
necessárias. nos, físicos e tecnológicos.
Um projeto político-pedagógico precisa contemplar os se- É fundamental que seja feita uma descrição minuciosa da
guintes itens: estrutura física, dos colaboradores e dos recursos tecnológicos
de que a escola dispõe. Só assim será possível partir da reali-
Identificação da escola dade, com suas faltas e seus problemas, em busca de soluções
A identificação é o primeiro elemento a compor o projeto. possíveis.
Sugere-se que, nessa parte inicial, constem o nome e o CNPJ da
instituição, bem como o local em que ela funciona. Também é Diretrizes pedagógicas
indicado inserir o nome da entidade mantenedora, do diretor e As diretrizes de um projeto assemelham-se ao percurso de
do coordenador pedagógico. um caminho. Por onde seguir, e como seguir, são as perguntas a
É possível, ainda, colocar o nome dos membros participan- serem feitas na hora de elaborar esse item do PPP. Os conteúdos
tes da equipe de elaboração do PPP. ministrados e o método de ensino que a escola adota devem ser
descritos.
Missão Lembre-se de que existe uma base curricular nacional, mas
Na sequência, é descrita a missão da escola: os valores, as cada instituição tem liberdade para construir sua grade de disci-
crenças e os princípios sobre os quais se processa a educação plinas de acordo com a cultura local. Imprescindível se faz a co-
naquele ambiente. É interessante, nesse item, iniciar contando laboração dos professores, visto que o conhecimento específico
a história da instituição, desde o seu surgimento, que altera- de cada área pode ajudar a definir as diretrizes de toda a escola.
ções sofreu ao longo do tempo etc. Isso é importante porque
demonstra a gênese desse princípios e valores citados no pará- Planos de ação
grafo anterior. O PPP não é composto apenas por ideias e propostas. Para
Como eles tendem, ao longo do tempo, a se consolidar, essa que ele de fato funcione, deve conter planos de ação, isto é,
é uma parte do PPP que não precisa ser ajustada todos os anos as estratégias que serão implantadas para atingir os objetivos.
— a não ser que mudanças significativas venham a ocorrer na Devem ser elencadas as ações a serem desenvolvidas, os setores
escola. responsáveis pela execução das tarefas e os recursos necessá-
rios para isso.

21
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

O que a escola ganha ao investir no documento Dificultar e burocratizar o acesso ao projeto político-peda-
Ao tornar esse guia formal e claro sobre como a escola pre- gógico
cisa se posicionar na sociedade, o plano político-pedagógico Infelizmente, é comum, também, que as escolas, mesmo
pode ser consultado por profissionais, alunos, pais, prefeitura tendo o cuidado de elaborar seu PPP, o deixem guardado em
e secretarias de educação. Isso deve ser feito periodicamente, a arquivos físicos ou em pastas de computador. A transparência é
cada tomada de decisão importante e estratégica para o rumo fundamental. E esse documento precisa estar facilmente dispo-
do aprendizado nas instituições de ensino. nível a todas as pessoas, de dentro ou fora da escola.
Por consequência, esse processo de gestão se torna muito Uma sugestão é imprimir o projeto e deixá-lo em um lugar
mais simplificado, ágil e fácil. Assim, escolas, diretores, gestores acessível ou, ainda, enviá-lo por e-mail a pais, professores e fun-
e outros profissionais responsáveis tomam suas atitudes da ma- cionários.
neira mais adequada e coerente com o pensamento vigente na
instituição. Não levar em conta conflitos de ideias em debates
Não é fácil engajar toda a comunidade e contar com a par- Durante as reuniões pedagógicas ou, também, nas discus-
ticipação de todos os agentes sociais envolvidos no processo, sões que eventualmente surgirem na elaboração do PPP, podem
mas, quanto mais pessoas participarem dos debates relativos à emergir ideias contrastantes que provoquem conflitos. Não ar-
elaboração do PPP e se envolverem com a questão, melhor será quive um debate mal resolvido — incentive a chegada a um con-
para os resultados pretendidos e para a comunidade escolar senso de forma democrática.
como um todo. Desse modo, cada sujeito participante desenvolverá um
Dessa forma, a instituição adquire mais identidade, rumo, sentimento de pertencimento àquela comunidade, e saberá que
força e coesão para desenvolver seu trabalho pedagógico da sua participação foi relevante.
melhor forma possível. Em uma primeira discussão, poucos po-
dem aparecer, mas a tendência é que esses indivíduos se tor- Confundir os tipos de documentos
nem transformadores e multiplicadores, atraindo mais pessoas Pode parecer um erro bobo, mas ainda existem muitas es-
para as conversas, que serão, de fato, as responsáveis pelos ajus- colas que confundem — ou trocam deliberadamente — o pro-
tes ao projeto político-pedagógico e, consequentemente, pela jeto político-pedagógico por portfólios ou outros documentos
sua evolução. institucionais de marketing. Esses documentos devem estar pre-
sentes, mas não podem compreender todo o PPP, muito menos
Erros comuns que escolas cometem ao elaborar o projeto substituí-lo.
Como vimos no primeiro tópico, o PPP é um documento
fundamental e deve estar presente e disponível para toda a É bom lembrar que o projeto político-pedagógico não é um
comunidade educativa. Porém, elaborá-lo da forma adequada, documento estanque. Ao contrário, ele deve ser marcado pela
com a participação de todos os segmentos, é um desafio. flexibilidade e sua elaboração precisa ser periódica para que ob-
Alguns descuidos podem ser evitados, a fim de fazer com jetivos e metas sejam reavaliados de tempos em tempos e os
que ele seja muito mais efetivo para a instituição de ensino. Se- resultados sirvam, dessa forma, para a melhoria da atuação da
lecionamos alguns erros que sua escola pode e deve prevenir ao escola.10
elaborar o projeto político-pedagógico. Confira:

Projeto político-pedagógico feito por terceiros


Como muitas escolas ainda não dão a devida atenção à ela- CURRÍCULO COMO CONSTRUÇÃO SÓCIO HISTÓRICO
boração do PPP, ou pior, o negligenciam, reduzindo o documen- E CULTURAL.
to à mera obrigação formal, acabam por encomendar e comprar
PPPs prontos.
E esses documentos “terceirizados” são elaborados por São vários os conceitos que se tem de currículo, dentre eles,
consultores ou especialistas de fora, o que não faz sentido al- temos o referido por Traldi (1984, p. 25) de que “currículo é um
gum, já que eles não estão inseridos na realidade da instituição. plano para a aprendizagem, em que tudo o que se conheça so-
A comunidade precisa participar do processo para que ele seja bre o processo da aprendizagem terá aplicação para a sua elabo-
realmente eficaz. ração”, considerando o mesmo, como um aspecto a ser reprodu-
zido, modificado e reconstruído no decorrer do tempo.
“Reciclar” todos os anos o mesmo PPP O processo de compreensão do conceito de currículo, não
É verdade que ações que deram certo merecem ser repli- pode ser dado através de conceitos anteriormente formados, à
cadas no futuro. No entanto, não é o que muitas escolas fazem medida que no mundo ocorrem constantes transformações, a
com seus PPPs. É comum — e altamente não recomendável construção do conhecimento e do campo do currículo precisa
— que algumas instituições mantenham o mesmo projeto por ser repensada, sem desconsiderar o espaço e o tempo em que
anos, sem se atentarem às mudanças econômicas, tecnológicas se inserem, tornando, assim, necessário criar novas perspectivas
e até socioculturais da comunidade. para que se forme um próprio conceito.
Os gestores que são coniventes com essa prática fazem Como se vê atualmente, as dificuldades no ensino aumen-
apenas pequenas modificações para enviar o documento anual- tam, principalmente, caso a organização do currículo escolar
mente à secretaria municipal de educação. Quem paga por isso contraste com a realidade vivenciada pelo aluno, impossibilitan-
são os alunos e toda a comunidade. 10 Fonte: www.proesc.com

22
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

do-lhe de participar dela de forma mais crítica. Propõe-se nesse as potencialidades, capacidades, necessidades e interesses na-
artigo, problematizar aspectos concernentes à história e evolu- turais da criança. O currículo não se baseia nas matérias de es-
ção do currículo, bem como o seu norteamento para a constru- tudo convencionais que expressam a lógica do adulto, mas nas
ção do conhecimento em sala de aula. atividades e ocupações da vida presente de modo que a escola
se transforme num lugar de vivência daquelas tarefas requeri-
O Currículo Escolar: Aspectos Históricos das para a vida em sociedade. O aluno e o grupo passam a ser
São diversas as definições para o conceito do que venha a o centro de convergência do trabalho escolar (LIBÂNEO, 2004,
ser o currículo, isto pode ser percebido na existência de inúme- p. 62 e 63).
ros autores que tendem a abranger o referente tema, cada um O trajeto do currículo escolar como produto cultural pro-
com a sua própria concepção, tendo em vista as diversas temá- va a nítida relação entre os sujeitos que planejam o currículo e
ticas exploradas por eles que giram em torno desse assunto, o aqueles a quem ele é destinado. As transformações no conceito
que faz com que cada indivíduo possua também a sua própria de currículo e escola tornam o aluno um sujeito com identidade
definição, desde que seja levado em consideração o contexto so- própria, visto como um determinante em potencial para a socie-
cial e histórico em que vive o aluno. Etimologicamente, a palavra dade. O aumento de conceito para o campo do currículo, faculta
currículo vem do latim curriculum, perpassando uma noção de o aparecimento de autores que passam a levá-lo em conta.
conjunto de dados integrados e variáveis para cada pessoa, ob- Na mesma linha de pensamento, Traldy (1984, p. 33) afirma
servando as suas necessidades, os seus problemas, os seus inte- que currículo é uma sucessão de experiências escolares adequa-
resses, e tudo aquilo que contribua para o seu desenvolvimento. das a produzir de forma satisfatória, a contínua reconstrução da
A partir do século XVIII, a criança passou a ser considera- experiência, sendo o papel do mestre preparar o ambiente para
da como um ser diferenciado na sociedade, possuindo suas que esta sucessão se faça de tal forma que promova o desen-
próprias características. Tal fato decorreu através da ascensão volvimento dos alunos e os faça atingir os fins de autodireção,
da família burguesa, na qual a sociedade passou por profundas no redirecionamento de suas capacidades, potencialidades e
mudanças econômicas e industriais, ocasionando assim a reor- atividades.
ganização da escola. Nesse contexto, surge também um novo Influenciado pelas ideias de Dewey e Kilpatrick, Teixeira in-
modelo de currículo escolar, centrado nas experiências da crian- troduziu inovações no modelo do currículo brasileiro, conside-
ça (ACÚRCIO, 2003). rando que deveria haver uma relação cada vez mais aproximada
O currículo escolar não surgiu num ritmo acelerado, vem de entre o desenvolvimento social, moral e intelectual do aluno,
um processo de transformação lento, e é sintomático seu surgi- sem deixar de lado as suas emoções. Novas perspectivas em re-
mento, uma vez que mantém uma relação associada diretamen- lação ao currículo eram evidentes na reorganização da instrução
te entre aluno-escola-sociedade, motivo de sua amplitude cada pública na Bahia. (...) Teixeira chamou, assim, a atenção para a
vez mais diversificada. importância de se organizar o currículo escolar em harmonia
Observando o panorama histórico do currículo, podemos com os interesses, as necessidades e os estágios de desenvolvi-
perceber a relação que se estabeleceu a partir do século XIX, mento das crianças baianas (MOREIRA, 1990, p. 85).
expandindo-se pelo século XX entre o ensino e a sua amplitude Tais ideias foram propagadas e defendidas por muitos estu-
que vai além da sala de aula. Nessa época, vários autores pas- diosos da educação, resultando assim, em reformas importan-
saram a escrever acerca deste assunto cujas áreas mais comuns tes no sistema educacional (como a Reforma Campos) de vários
eram “Aritmética; Artes Plásticas e Artesanatos; Saúde, Educa- estados brasileiros, com o objetivo de propor novas formas de
ção Física e Segurança; Segurança; Linguagem; Música; Ciência; se pensar o currículo. Posteriormente, a disciplina Currículos e
Estudos Sociais, etc” (TRALDI, 1984, p. 36). Somente nos últimos Programas foram introduzidos no Brasil com o propósito de con-
anos do século XIX, passou-se a pensar num currículo voltado tribuir com a formação do professor, e consequentemente, do
para as experiências vividas pelo aluno, o qual serviria como veí- aluno, buscando valorizar as funções que ambos desempenha-
culo de transmissão de valores julgados necessários para o cres- vam na sala de aula.
cimento integral de cada um deles, partindo da sua realidade, Não podemos apresentar completamente a história do
que na maioria das vezes, contrasta com a realidade vivenciada currículo, mesmo porque a sua abrangência corresponde a con-
na escola. textos variados que se dão social e historicamente. Embora a
Partindo da premissa de que a formação integral do alu- eficácia de um currículo bem estruturado seja alvo de bastantes
no não se concretiza apenas pela formação intelectual, Dewey, discussões entre teóricos, as unidades de ensino oferecidas nas
principal representante da pedagogia Progressiva, refletiu inú- grades curriculares das escolas em sua maioria, tornam-se cada
meras ideias nas quais a educação deveria ser feita pela ação. vez mais conteudistas, fazendo com que o aluno, não passe de
Nessa perspectiva, pode-se entender a educação como um pro- um mero receptor, desconsiderando as suas necessidades edu-
cesso gradativo que não depende apenas do ensino oferecido cativas, as quais deveriam ocupar lugar central desde o planeja-
pela escola. mento curricular.
A escola não é uma preparação para a vida, é a própria vida; Nesta perspectiva, Piletti (1995, p. 15) afirma que, o aluno
a educação é o resultado da integração entre o organismo e o não é mais visto como um ser passivo que deve apenas assimilar
meio através da experiência e da reconstrução da experiência. os conhecimentos que lhe são transmitidos pelos seus professo-
A função mais genuína da educação é a de prover e estimular a res. É visto, antes de mais nada, como um ser ativo que aprende
atividade própria do organismo para que alcance seu objetivo não através do contato com professor e com a matéria (conteú-
de crescimento e desenvolvimento. Por isso, a atividade escolar do), mas através de todos os elementos do meio.
deve centrar-se em situações de experiência onde são ativadas

23
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

A Relação entre o Currículo e a Construção do Conheci- acordo com Moreira (1990, p. 54): “paralelamente às mudan-
mento ças na vida social, a escola deveria transformar-se e organizar-se
Embora seja um dos elementos mais importantes, se não cientificamente de modo a compensar os problemas da socie-
o mais importante da escola, o currículo ainda vem sendo en- dade mais ampla e contribuir para o alcance de justiça social”.
carado como um elemento de pouca relevância, no que diz O aluno deve participar ativamente do processo de ensino
respeito à prática educativa. A organização curricular norteia a realizado pela escola, sendo entendido não apenas como obje-
prática educativa do professor, e embora não ofereça soluções to, mas como sujeito da prática de ensino. O professor em con-
prontas, deve priorizar a melhoria da qualidade de ensino. Para sideração a individualidade de cada um, tendo em vista o con-
Teixeira (1976, p. 58), a escola tem de se fazer prática e ativa, e texto cada vez mais diversificado da sala de aula, no qual cada
não passiva e expositiva, formadora e não formalista. Não será a aluno possui características distintas.
instituição decorativa pretensamente destinada á ilustração dos Outro aspecto básico que merece destaque na organização
seus alunos, mas a casa que ensine a ganhar a vida e a participar curricular é a forma de como se avalia a aprendizagem do aluno.
inteligente e adequadamente da sociedade. A avaliação deve estar incorporada ao currículo a partir do mo-
O papel concebido à escola é muito diversificado e impor- mento que se faz presente na sala de aula. São muitas as esco-
tante, pois este ambiente, além de atender às necessidades las que não permitem que haja uma melhoria nos métodos de
educacionais das crianças, deve garantir-lhes um lugar especial, avaliação, permanecendo conservadoras, embora vivamos em
oferecendo todas as condições necessárias ao seu aprendizado, constantes transformações.
além disso, pode também contribuir na formação de competên- Traldy (1984) acrescenta que em uma proposta de educa-
cias e habilidades consideradas essenciais para o desenvolvi- ção transformadora e de currículo com um enfoque crítico, só
mento de sua criticidade. se pode falar em um processo de avaliação que seja compatível
A estrutura e organização do currículo é muito importante com essa concepção de educação e de currículo.
para a aprendizagem da criança, uma vez que possibilita a pro- O processo de avaliação na sala de aula deve estar de acordo
moção de meios que facilitam o processo de ensino, tendo em com as particularidades de cada sujeito presente em tal proces-
vista a reciprocidade e a integridade da mesma com relação às so, respeitando as diferenças no currículo escolar, e, por sua vez,
atividades envolvidas. O problema é que na maioria das vezes na sala de aula. Avaliar, não significa dar todo o conteúdo até
os métodos e os conteúdos de ensino são pensados fora do am- o final do ano e cobrar o que foi ensinado, por meio de inúme-
biente escolar. ras provas, que acabam se tornando quase o único instrumen-
Para Traldy (1984), um bom currículo escolar, é aquele que to, termômetro a medir o que os alunos e alunas aprenderam
se fundamenta numa concepção de educação que: Pressupõe (OLIVEIRA, 2003). A partir dessa reflexão teórica, percebemos
que o aluno seja sujeito de seu processo de aprendizagem; privi- o currículo, como um parâmetro que norteia a prática educati-
legia principalmente o saber que deve ser produzido, sem rele- va, o qual precisa ser planejado de acordo com a realidade de
gar a segundo plano o saber que o aluno já possui; as atividades cada escola e dos sujeitos nela envolvidos, e atualizado devido
de currículo e ensino não são separadas da totalidade social e às constantes transformações sociais.
visam à transformação crítica e criativa do contexto escolar, e Tem-se a educação como único meio digno capaz de fazer
mais especificamente de sua forma de se organizar; essa trans- com que o indivíduo ascenda social e intelectualmente, através
formação ocorre através do acirramento das contradições e da da produção de múltiplos conhecimentos que o levam à ação
elaboração de propostas de ação, tendo em vista a superação transformadora de si e do mundo. É preciso pensar o currículo
das questões apresentadas pela prática pedagógica. como algo que norteia a prática do professor na sala de aula,
A escolha dos conteúdos deve partir da realidade concreta exigindo, entretanto, a consideração das competências ante-
do aluno, considerando desde a essência dos dados ao contexto riormente formadas pelos alunos, caso contrário, o seu ensino
em que está inserida a escola, dando mais ênfase à interação continuará a mesma coisa, sem inovações, sem estímulos, tor-
professor-aluno, valorizando a participação de ambos nas toma- nando assim, algo que faz bem, que promove transformação e
das de decisões, promovendo a integração do conteúdo, sele- desenvolve o senso crítico, em algo que não passe de um mero
cionando-o conforme as necessidades das partes envolvidas. conteúdo.
Há, porém, que se levantar fatores definitivos na construção O professor, bem como toda a equipe que compõe a escola,
do currículo, tal como podemos observar nas palavras de Morei- deve criar um meio educacional adaptado às condições locais
ra (1990, p. 49): No nível da teoria curricular, um interesse em do aluno dentro e fora da escola. Isto favorece o envolvimento
controle é claro quando as tarefas curriculares correspondem à escola-aluno, promovendo um relacionamento capaz de ocasio-
a) definição dos elementos ou variáveis relevantes envolvidos nar a identificação de ambas as partes, não somente no campo
no currículo; e b) criação de um sistema de tomada de decisões intelectual, mas também em reflexões sobre nós mesmos como
para o planejamento curricular. seres humanos. Mediante a isso, procurou-se nesse estudo,
Ao chegar à escola, a criança já traz de casa um conjunto de apresentar alguns dos muitos estudos e pesquisas que eviden-
habilidades e competências que precisam ser desenvolvidas, e ciaram a importância do currículo como fator indispensável para
por sua vez, definidas pelo professor. Além de promover o de- o bom desenvolvimento da criança no processo educacional.11
senvolvimento dessas habilidades, o professor precisa aprender
a interagir, perguntar e fazer bons questionamentos, sendo fle-
xível para mudanças metodológicas que surgirem no decorrer
de sua prática, em todas as áreas curriculares, fazendo com que
o currículo se torne mais próximo da identidade do aluno. De 11 Fonte: www.editorarealize.com.br

24
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

O que se entende por avaliação formativa na educação


AVALIAÇÃO E REGISTRO. infantil?
A avaliação na Educação Infantil deve ser uma prática amo-
A educação infantil é uma das fases mais importantes da rosa e acolhedora. Avaliar as crianças de 0 a 5 anos implica aco-
jornada educacional de qualquer aluno. É nessa fase que inicia- lhê-las no seu ser e no seu modo de ser. Segundo Nicolau (2002)
mos o processo de formação, onde exige-se cuidados para que precisa-se considerar o desenvolvimento da criança focalizando
a criança cresça e torne-se um cidadão consciente dos seus di- as suas várias dimensões, além da saúde, aspectos psicomoto-
reitos e deveres. res, atenção, esquema corporal, percepção, lateralidade, orien-
Observar as crianças é essencial para se ter um bom projeto tação espaço-temporal, coordenação motora, linguagem, ope-
pedagógico na educação infantil e identificar possíveis dificulda- rações do pensamento e sociabilidade.
des dos alunos. Nesse caso, o professor é peça fundamental, é Na Educação Infantil, o processo avaliativo, apesar de não
ele que acompanha, observa e leva conhecimentos as crianças. utilizar notas, fica preso a relatórios desrespeitosos para com a
Quando o professor é um bom observador, ele consegue sele- criança realizados pelos educadores por obrigação da instituição
cionar os materiais ideais, planejar atividades adequadas e fazer escolar, porém avaliar não se limita a escrever esses tipos de
perguntas que orientem as crianças a entender melhor o mundo relatórios, mas a um processo que integra o desenvolvimento da
e o ambiente escolar que as rodeia. aprendizagem dos alunos e a atuação e formação dos professo-
Cada criança reage e aprende de forma diferente, por isso, é res, devendo ser uma prática contínua, global e questionadora.
preciso entender seus interesses, o que mais chama atenção, o Essa é a proposta da LDB nº 9.394/96 “Na Educação Infantil a
que tranquiliza as relações, a personalidade, tudo isso para que avaliação far-se-á mediante acompanhamento e registro do seu
o educador possa analisar e rever suas práticas pedagógicas. desenvolvimento, sem o objetivo de promoção, mesmo para
o acesso ao Ensino fundamental.” (Lei de Diretrizes e Bases da
Avaliação na educação infantil Educação Nacional 9394/96, seção II)
A educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem A avaliação formativa realiza-se de maneira contínua ao lon-
por objetivo o desenvolvimento da criança de 0 a 5 anos de ida- go de diferentes atividades e situações de aprendizagens. Acre-
de em seus aspectos: social, afetivo, cognitivo e motor. Este nível dita-se que avaliação proporciona informações que servem para
de ensino vem conquistando um público cada vez maior e nasce ajustar ou mudar a atuação educativa adaptando o ensino às ca-
da necessidade da família em encontrar parceiros para a educa- racterísticas e às necessidades dos alunos. Daí a importância dos
ção dos filhos pequenos. relatórios, que servem como instrumentos de reflexão produzi-
Soares, (1998) afirma que mesmos os pais que tem condi- dos pelo professor que reflitam as conquistas de seus alunos.
ções de oferecer mais atenção e cuidados aos seus filhos meno- Segundo Hoffmann:
res, interessa-se pela educação infantil, mais pela função educa- O significado de relatórios de avaliação (como sugiro de-
cional do que assistencial. nominá-los) deve desvincular-se de exigências burocráticas das
A Lei e Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394/96 instituições. Quando elaborados, precisam resguardar o princi-
considera a educação infantil, mais do que uma simples etapa, pio de favorecer o prestar atenção as crianças em seu desen-
trata-se da construção de estruturas de base sociais, afetivas e volvimento. Não podem ser elaborados, por outro lado, a inter-
cognitivas que determinam e possibilitam as novas construções valos bimestrais ou semestrais, mas devem resultar de anota-
de aprendizagens. ções frequentes, sobre o cotidiano de cada criança, de modo a
A educação infantil não é uma etapa obrigatória à criança, a subsidiar permanentemente o trabalho junto a ela, desvelando
família pode optar por alternativas, mas o Estado é obrigatório caminhos ao educador para ajudar a ampliar suas conquistas.
oferecê-la para todas as crianças que necessitarem ou quiserem (HOFFMANN. 2005, p. 87)
recebê-la. “O dever do Estado para com a educação será efeti-
vado mediante a garantia de [...] atendimento em creche e pré- Avaliação: Observação, Registro e Intervenção Pedagógica
-escola às crianças de zero a seis anos.” (Constituição Federal, Ser educador é gestar em si a sensibilidade pedagógica da
art. 208, IV). inconformidade, da inconcretude, lançando-se na empreitada
É nos primeiros anos de vida que o ser humano está apto de não se contentar com as explicações fáceis, superficiais e com
a aprender, dessa forma todos os aspectos considerados no de- a rotina mecânica que ofusca, muitas vezes, a criticidade e a
senvolvimento infantil: social, afetivo, cognitivo e motor é palco criatividade. (SILVA, 2004,p.17)
do processo de ensino e aprendizagem. Silva (2004) apresenta uma reflexão sobre o papel desem-
Soares (1998), afirma que cada criança possui uma natureza penhado pelo professor, frente aos muitos desafios que apre-
singular que a caracteriza como ser que sente e pensa o mundo, sentam no cotidiano escolar. Dentre esses, a responsabilidade
de um jeito muito próprio. Por meio da interação com as pesso- do processo avaliativo na perspectiva da avaliação formativa,
as e com o meio que a cerca, a criança vai conhecendo o mundo que é o compromisso com a aprendizagem e com o desenvolvi-
e se autoconhecendo. mento de todos os alunos.
Compreender, conhecer e avaliar o jeito particular das Assim, avaliar o aluno, assumindo o compromisso com a
crianças serem e estarem no mundo é o grande desafio da edu- aprendizagem, implica conhecê-lo. E, para isso é preciso obser-
cação infantil. vá-lo. A observação atenta e reflexiva é, portanto um dos pro-
cedimentos fundamentais para a prática avaliativa formativa, e
ocorre durante a rotina de trabalho desenvolvida pelo professor
com e para os alunos, nos diversos tempo e espaços escolares.

25
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

A esse respeito Villas Boas apresenta algumas orientações: de Por exemplo, se o educador pede uma atividade em classe,
onde anotar? Que quantidade de anotações deve ser feita? O ele observa quais alunos ficaram felizes, quais não gostaram da
que anotar? Como anotar? Quando anotar? Que comentários ideia e quais não expressam nada. A partir daí, você consegue
sobre as necessidades individuais dos alunos. analisar diversos pontos na criança.
Hoffmann (2008) confirma essa ideia, colocando que não Desta forma, uma sugestão é fazer a sequência de ques-
há como acompanhar vários alunos, ao mesmo tempo, sem re- tionamentos: qual é o projeto pedagógico? Qual é meu plane-
gistros diários, contínuos, articulados em tempo e significados. jamento para colocá-lo em prática? Quais resultados pretendo
A expressão do sentido da avaliação, pelo educador, se dá alcançar? A partir disso, é possível criar perguntas que orientem
através do que ele anota, registra, escreve sobre o aluno. É ine- a observação, que nada mais é do que a forma de entender o
rente à ação pedagógica a mobilização do professor em termos desenvolvimento de cada criança a partir da proposta e ativida-
das perguntas: o aluno aprendeu? Desenvolveu-se? Como ocor- des realizadas.
reu/ocorre a sua aprendizagem? Consciente ou inconsciente,
todo o educador exerce a sua profissão mobilizado pelo desejo/ Repasse suas observações
necessidade do ensinar/aprender melhor. Bem como organiza Conversar com coordenadores e com a família sobre o com-
e vive experiências educativas desencadeadas por esse desejo. portamento das crianças é indispensável, até mesmo para ajudá-
(HOFFMANN, 2001, p.135) -los a superar dificuldades encontradas. O acompanhamento do
desenvolvimento da criança em uma dobradinha família e escola,
Outras questões poderão ser somadas a essas, tendo em por isso, informar aos responsáveis sobre sua evolução é de ex-
vista outros aspectos que o professor julgue necessários para trema importância.
as suas reflexões e para a promoção de melhores condições de Algumas escolas enviam essas observações por meio da
aprendizagem do aluno. agenda digital, um app escolar, para, de forma rápida e segura,
Hoffmann (2007) exemplifica dois pressupostos básicos de manter a conexão entre escola e famílias. Com a agenda escolar
uma proposta da Educação Infantil: observação e a reflexão já digital, as informações são enviadas diretamente para o celular
mencionada acima por SILVA (2004). do responsável. No aplicativo da Agenda Edu, as escolas infor-
Primeiro, a professora oferece brinquedos aos alunos, onde mam sobre a rotina dos alunos com resumo diário (onde há o
eles descobrem formas diferentes para manuseá-los, não há in- campo das observações), alimentação, saúde, mural de fotos,
terferência da professora nas manifestações das crianças. comunicados, eventos, mensagens diretas e outras funcionali-
Segundo, foi a partir das próprias crianças que a atividade dades que ajudam na comunicação entre escola e família.
se desenvolveu. O que exigiu da professora foi uma observação
permanente, uma disponibilidade real frente às crianças, um A importância da ambientação da sala de aula
prestar atenção em todas, de modo a atender qualquer particu- A ambientação da sala de aula tem um papel muito impor-
lar forma de interagir com o material. tante no processo de aprendizagem e na observação da crian-
Esse relato confirmará as orientações do Referencial Curri- çada. É nela que damos início a aprendizagem, abrimos portas,
cular Nacional para a Educação Infantil, que percebe a avaliação despertamos a curiosidade e a criatividade.
como um procedimento contínuo, levando em consideração os Além disso, as salas de aulas possuem aspectos determi-
processos vivenciados pelas crianças, resultado de um trabalho nantes na construção de conhecimentos, autonomia e na convi-
intencional do professor. vência com o outro. A sala de aula precisa ser um ambiente esti-
Este relatório deverá constituir-se em instrumento para a mulante para os pequenos, onde eles possam aprender através
reorganização de objetivos, conteúdos, procedimentos, ativida- de atividades lúdicas, pois é onde os alunos vivenciaram grande
des, e como forma de acompanhar e conhecer cada criança e parte da sua rotina escolar.
grupo. Deve basear-se na observação cuidadosa do professor. O A dica é: busque organizar o espaço infantil de forma que
registro de suas observações sobre cada criança e sobre o grupo o ambiente proporcione harmonia nos aspectos psicológicos e
será um valioso instrumento de avaliação. biológicos da criança. É necessário que a criança sinta-se à von-
É recomendável que o professor atualize, sistematicamen- tade e feliz por estar em determinado ambiente, facilitando as-
te, suas observações, documentando mudanças e conquistas. sim, o contato visual, a identificação de dificuldades e oferecen-
Deve-se levar em conta que, por um lado, há uma diversidade do à criança segurança e autonomia.
de respostas possíveis a serem apresentadas pelas crianças, e, O professor é a pessoa mais próxima do aluno na escola,
por outro, essas respostas estão frequentemente sujeitas a alte- por isso, cabe a ele estar sempre atento e observar os alunos,
rações, tendo em vista não só a forma como as crianças pensam a fim de identificar pontos positivos, pontos de dificuldades e
e sentem, mas a natureza do conhecimento. Nesse sentido, a buscar as melhores soluções para o processo de aprendizagem
avaliação tem um caráter instrumental para o adulto e incide e desenvolvimento das crianças, sem esquecer a importância de
sobre os progressos apresentados pelas crianças. compartilhar as informações com os responsáveis.
Ao visitar escolas de educação infantil e conversar com
O que observar professores e coordenadores, notamos uma queixa surgindo
Você deve estar se perguntando por onde começar e o com certa frequência – a dificuldade em preencher registros.
que observar, mas a verdade é que você deve observar a crian- Dispensadas ao patamar de tarefa burocrática, essas anotações
ça como um todo. A forma de falar, se movimentar, interagir, deveriam, na realidade, servir como ferramenta pedagógica, au-
temperamento, relacionamento com as outras crianças e com xiliando educadores na reflexão de suas atividades e do desen-
a família. volvimento das crianças.

26
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Um registro se torna o suporte que o professor precisa para Considere se eles se mostraram interessados e participaram se
tomar decisões quanto às suas turmas, para traduzir o apren- conseguiram compreender orientações e se adquiriram algum
dizado aos pais de seus alunos e, eventualmente, para redigir novo conhecimento.
os relatórios semestrais (ou trimestrais, em algumas escolas), Registre também o próprio trabalho: qual foi a atuação
que apresentam as conclusões do trabalho em sala de aula. Para do professor em sala, de que forma isso estimulou as crianças,
cumprir essas funções, contudo, o registro deve ser bem estru- como trabalhou problemas de relacionamento ou de aprendi-
turado. zagem. Dessa forma, além de criar um retrato das habilidades e
desafios das crianças, os educadores são capazes de se autoava-
O que estou registrando? liar e, se preciso redefinir suas ações. Seja honesto, nem todas as
Dependendo de sua finalidade, os registros podem ter enfo- aulas fluem tranquilamente. Houve imprevistos ao usar material
ques distintos: na rotina, nas atividades ou nas crianças. de apoio? Algum acontecimento em que não soube como agir?
Decisões que poderiam ser repensadas? A crítica momentânea
- Registros com foco na rotina: mostram uma imagem ge- ajuda a traçar um caminho mais consistente nas próximas aulas.
ral da sala de aula naquele dia – quem estava presente e quem Inclua a produção das crianças – tanto os originais, no caso
faltou quem chorou quem se alimentou ou se recusou a comer, de pinturas ou colagens, quanto fotos das atividades. Apesar de
problemas de comportamento, etc.. É interessante acrescentar esses resultados estarem claros agora, imagine tentar se lem-
ainda notas sobre dúvidas ou curiosidades que surgiram duran- brar do trabalho de cada uma daqui a um mês. As imagens fa-
te a aula, perguntas dos alunos ou conteúdos a pesquisar. Isso cilitam esse acesso adiante. Outra ideia é anotar algumas falas
mantém o professor conectado ao interesses da classe, e mostra das crianças que despertaram atenção. Elas são, afinal, o centro
que ele está disposto a estimular seus interesses. do registro.
A avaliação formativa é uma proposta avaliativa, que inclui a
- Registros de atividades: descrevem um exercício feito com avaliação, no processo ensino-aprendizagem. Ela se materializa
as crianças. Devem incluir o objetivo da atividade, quais os ma- nos contextos vividos pelos professores e alunos e possui como
teriais empregados (desde objetos até as músicas cantadas), função, a regulação das aprendizagens. Para ocorrer essa regula-
quais ações os alunos deveriam realizar e o que realizaram, de ção, é necessário que ela trabalhe com procedimentos que esti-
fato. Explique como eles se organizaram, o que produziram e o mulem a participação dos autores do processo. Ela baseia-se em
que aprenderam enquanto produziam. Lance perguntas: a clas- princípios, que decorrem do cognitivismo, do construtivismo, do
se fez silêncio e se dedicou à proposta? Fugiram ao tema? Por interacionismo, das teorias socioculturais e das sociocognitivas.
que (e para qual assunto)? As questões levantadas por eles fo- Ela trabalha sob a ótica das aprendizagens significativas.
ram pertinentes? Um planejamento deve ser organizado para a efetivação de
uma avaliação formativa e, assim, guiar as ações do professor.
- Registros sobre as crianças: eles pontuam o comportamen- Essas ações devem incluir tarefas contextualizadas, que levem
to e desenvolvimento de cada criança individualmente, e podem os alunos a estabelecerem relações para solucioná-las, condu-
trazer considerações não só sobre o aprendizado cognitivo, mas, zindo-os ao desenvolvimento de suas competências. Tarefas que
também, o emocional – e como ele está interferindo, positiva proponham problemas complexos para os mesmos resolverem,
ou negativamente, no desenvolvimento. Algumas escolas fazem aplicando os conhecimentos veiculados pelos conteúdos curri-
esse acompanhamento através de tabelas com listas de objeti- culares.
vos. Essa é uma forma visualmente simples, mas garanta que Os instrumentos avaliativos, que serão utilizados e, as com-
haja, complementarmente, espaço para comentários. petências avaliadas deverão ser esclarecidas aos alunos, antes
de serem aplicados. As correções dos instrumentos avaliativos
Todos esses formatos de registro são válidos e costumam devem analisar as estratégias cognitivas e metacognitivas, uti-
ser feitos simultaneamente, já que têm diferentes propósitos. lizadas pelos alunos. Na elaboração desses instrumentos, os
Registros da rotina, por exemplo, são os mais comuns e, por professores devem fazer um intercâmbio, analisando o que foi
vezes, obrigatórios, porque expõem o cuidado diário da escola elaborado e fazendo observações para contribuir com a elabo-
com as crianças. Uma série de registros individuais, porém, é ração. Um instrumento importante e que não pode deixar de
mais útil e mais interessante em uma reunião entre pais e pro- estar presente, em uma avaliação formativa, é a auto-avaliação.
fessor do que uma descrição do todo. A avaliação formativa é fundamentada no paradigma
construtivista. Na perspectiva construtivista, as pessoas desen-
O que é relevante anotar? volvem construções por meio dos significados e dos sentidos
- Processo de aprendizagem das crianças; que atribuem aos fenômenos, que as rodeiam, nos contextos
- O trabalho do professor; em que vivem, havendo múltiplas realidades resultantes des-
- Portfólio e impressões da atividade; sas construções. É uma perspectiva relativista, pois se destina
- Reflexão e planejamento futuro. à compreensão dos processos cognitivos e metacognitivos dos
alunos e os de ensino, não havendo a possibilidade de avaliar,
A trajetória das crianças não é feita só de sucessos, e os re- em sua totalidade, os saberes dos alunos, a subjetividade, são
gistros devem ser fiéis a isso. Valorize os processos: escreva so- inerentes à avaliação.
bre as tentativas e descobertas, não apenas resultados. Anote, A avaliação das aprendizagens ocorre como um elemento
inclusive, falhas e dificuldades ainda não superadas, pois isso é o do processo de ensino-aprendizagem; há uma integração entre
que vai ajudar a discernir os próximos passos para aquela turma. avaliação, ensino e aprendizagem, fazendo desses três elemen-

27
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

tos parte de todo um processo que só tem sentido, se desen- Os professores são agentes fundamentais no processo en-
volvido de maneira integral. Para o desenvolvimento de uma sino-aprendizagem e devem posicionar-se diante da avaliação
avaliação coerente é necessária uma diversidade de instrumen- formativa, organizando o processo de ensino de maneira ativa
tos, que realmente, façam o levantamento das aprendizagens e planejada. A definição dos objetivos do processo de ensino é
construídas. importante para fazer o aluno sentir-se autor desse processo.
A avaliação formativa possibilita aos professores acompa- Por isso, devem ser propostas atividades diversificadas e ade-
nhar as aprendizagens dos alunos, ajudando-os no seu percurso quadas ao nível de desenvolvimento do aluno, pois este precisa
escolar. É uma modalidade de avaliação fundamentada no diálo- receber um opinião permanente, que o ajude a perceber os mo-
go, que possui como objetivo, o reajuste constante do processo vimentos necessários para alcançar as aprendizagens, além de
de ensino. Exige muito envolvimento por parte do professor; exi- ser um instrumento efetivo na comunicação entre os autores do
ge-lhe uma disponibilidade de tempo, que vai além do dispen- processo. As informações colhidas por meio da avaliação devem
sado no momento das aulas, pois entre suas atividades, passa a ser utilizadas pelo professor para o planejamento de suas aulas
ser necessária, a construção de um registro sobre cada aluno e a O aluno também é um agente ativo no processo avaliati-
atualização desse registro, sempre que novos dados surgirem. É vo, portanto, possui algumas responsabilidades, que devem ser
fundamental planejar, diariamente, as atividades que serão de- observadas, para que as aprendizagens ocorram de maneira
senvolvidas pelos alunos e elaborar estratégias individualizadas. satisfatória. Eles precisam participar dos processos de apren-
A respeito da contribuição da avaliação formativa, para o dizagem, utilizando os instrumentos de avaliação, como uma
desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem, Esteban forma de perceberem como seus conhecimentos estão sendo
(2004) faz considerações: construídos, realizando todas as atividades que lhes forem pro-
Avaliar o aluno deixa de significar fazer um julgamento so- postas, demonstrando interesse e buscando novas atividades,
bre a sua aprendizagem, para servir como momento capaz de por iniciativa própria, que levem à aprendizagem. Eles precisam,
revelar o que o aluno já sabe os caminhos que percorreu para também, utilizar o feedback oferecido pelo professor e regular
alcançar o conhecimento demonstrado, seu processo de cons- suas aprendizagens por intermédio da análise de seus processos
trução do conhecimento, o que o aluno não sabe e o caminho cognitivos e metacognitivos. Os alunos precisam, ainda, condu-
zir processos de auto-avaliação e serem autores de sua própria
que deve percorrer para vir, a saber, o que é potencialmente re-
aprendizagem, demonstrando iniciativa e autonomia.
velado em seu processo, suas possibilidades de avanço e suas
Professores e alunos são responsáveis pelo bom andamen-
necessidades para a superação, sempre transitória, do não sa-
to do processo de ensino-aprendizagem. O professor possui um
ber, possa ocorrer. (p.19).
papel preponderante no que tange à organização dos processos
Nessa perspectiva, a avaliação trabalha com um contexto,
e à distribuição do feedback. Já os alunos devem ter uma atua-
no qual os conhecimentos estão em construção e são estes que
ção efetiva nos processos, que se referem à auto-regulação e à
devem conduzir à ação educativa. O conhecimento existe em
auto-regulação das suas aprendizagens.
uma dimensão coletiva e, a riqueza da heterogeneidade exis-
Perrenoud (1999) explora três modalidades da avaliação
tente no grupo é que impulsiona a condução dos processos. A formativa, sob a perspectiva das regulações: regulações retroati-
comunicação das construções, dos saberes é o centro de um vas, regulações interativas e regulações pró-ativas. Para o autor,
processo avaliativo, numa perspectiva formativa. essas modalidades de avaliação não ocorrem de maneira estan-
A avaliação formativa proporciona condições para as regula- que, mas sim, de forma relacional, pois aparecem associadas,
ções retroativas das aprendizagens (Perrenoud, 1999), uma vez combinadas, interligadas.
que as dificuldades dos alunos são detectadas, após o processo
de ensino-aprendizagem, normalmente, por meio do teste. Esse Considerando o avanço na educação nos últimos anos, per-
tipo de avaliação possui um caráter pontual, pouco interativo, é cebe-se que a avaliação da aprendizagem é um dos temas de-
orientada para a verificação da consecução dos objetivos com- batidos pelos estudiosos da educação, sendo esta preconizada
portamentais e possui exigência cognitiva reduzida. Percebemos na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394/96.
que essa avaliação, descrita por Allal (citado em Onofre, 2000), Ao longo da história das sociedades a avaliação fez parte das
não atinge as reais intenções da avaliação formativa, mas é a atividades desenvolvidas pelos povos e teve como fundamento
que prevalece, atualmente, nos sistemas educativos. É uma ava- as concepções culturais, religiosas ou cientificas da época.
liação, que faz parte de um processo pedagógico, que integra No Brasil a avaliação foi influenciada pela educação jesuítica
processos avaliativos e processo ensino-aprendizagem, tendo que se caracterizava pela memorização e fixação da aprendiza-
caráter interativo. Sua principal função é a de regular e melhorar gem. Esta modalidade de avaliação fez parte do ato pedagógico
as aprendizagens dos alunos; é a de conseguir com que os alu- até as últimas décadas do século XX.
nos desenvolvam as suas competências de domínio cognitivo e No final do século XX a avaliação torna-se palco das discus-
metacognitivo. sões e o educando é considerado o centro do processo da apren-
Para alcançar a finalidade da avaliação formativa é necessá- dizagem. Dessa forma, o ato de avaliar torna-se diagnóstico e
rio que professores e alunos assumam responsabilidades espe- formativo com o objetivo de favorecer o desenvolvimento da
cíficas no processo avaliativo. Como chama atenção Perrenoud aprendizagem do aluno.
(1999): “(...) a avaliação formativa demanda uma relação de Esta modalidade de avaliação denominada formativa teve
confiança entre alunos e professores” (p. 96). Ela exige da parte início na educação Infantil, primeira etapa da educação básica,
dos professores a capacidade de fazer as articulações necessá- sendo esta norteada nos Referenciais Curriculares da Educação
rias para possibilitar a regulação das aprendizagens. Infantil promulgado em 1997.

28
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

O documento provocou mudanças diretas no procedimento educação é “ação exercida pelas gerações adultas sobre as ge-
pedagógico do educador infantil e a avaliação formativa foi o rações jovens para adaptá-las a vida social; trabalho sistemati-
marco da mudança. Observar e registrar faz parte do procedi- zado, seletivo, orientador, pelo qual nos ajustamos à vida, de
mento do educador. O professor gesta o processo de ensino e acordo com as necessidades ideais e propósitos dominantes; ato
aprendizagem por meio de estratégias, em que o educando par- ou efeito de educar; aperfeiçoamento integral do ser humano,
ticipa ativamente das atividades. polidez, cortesia”.
Esta nova forma de avaliar a criança provoca mudanças nas De acordo com este pensamento, a educação está em to-
práticas pedagógicas do educador, que agora a percebe como dos os lugares e no ensino de vários saberes. Assim, não há um
um ser dotado de vários aspectos: social, afetivo, cognitivo, mo- modelo específico de educação e, a escola não é o único lugar
tor e espiritual. Aspectos observados e registrados, tendo em onde ela acontece, e talvez, nem seja o melhor; nem o professor
vista o crescimento do educando. é o seu único agente. Existem inúmeras educações e estas são
É importante compreender que a utilização da avaliação relativas ao tipo de sociedade vigente.
formativa enriquece o processo de ensino-aprendizagem. Ofere- Assim, a educação é uma forma de reproduzir, transmitir e
ce aos professores e alunos momentos de observação, reflexão construir ou inovar os saberes que compõe uma cultura. Signi-
e ação, para diagnosticar e direcionar o trabalho pedagógico. fica, então, que a educação de uma sociedade tem identidade
O aluno é visto como o sujeito de sua própria aprendiza- própria. Para ilustrar essa relação entre tipo de sociedade e tipo
gem, porque é um ser reflexivo, autônomo, criativo e com po- de educação, transcrevo o trecho de uma carta de Benjamin
tencialidades que se manifestarão à medida que são aguçados. Franklin, citada por Carlos Brandão no seu livro “O que é Educa-
A avaliação está diretamente ligada à metodologia utilizada ção” (1984, p. 8-9). Nela, observa-se claramente a relação entre
pelo professor, uma metodologia que está a serviço da formação educação, sociedade e cultura.
do aluno para uso social. “Nós estamos convencidos, portanto, que os senhores de-
Ao desenvolver essa metodologia, isto implica em propiciar sejam o bem para nós e agradecemos de todo coração. Mas
momentos de interação entre os alunos e professores/alunos. aqueles que são sábios reconhecem que diferentes nações têm
A procura de novas perspectivas pedagógicas é sem dúvida, concepções diferentes das coisas e, sendo assim, os senhores
a busca de práticas que levem a democratização de um ensino não ficarão ofendidos ao saber que a vossa ideia de educação
significativo, com maior sucesso na aprendizagem. não é a mesma que a nossa... Muitos dos nossos bravos guer-
É importante ressaltar que as propostas das leis que orien- reiros foram formados nas escolas do Norte e aprenderam toda
tam a educação em relação à avaliação, são interessantes e pro- a vossa ciência. Mas, quando eles voltavam para nós, eles eram
vocam mudanças no ato educativo, tendo em vista o exercício maus corredores, ignorantes da vida da floresta e incapazes de
da cidadania. suportarem o frio e a fome. Não sabiam como caçar o veado,
Para desenvolver esta proposta é necessário o empenho matar o inimigo e construir uma cabana, e falavam a nossa lín-
dos educadores, que necessitam de um esforço coletivo, apro- gua muito mal. Eles eram, portanto, totalmente inúteis. Não ser-
fundamentos teóricos a respeito da mesma, além do desejo in- viam como guerreiros, como caçadores ou como conselheiros.
terno de mudança em todos os envolvidos na educação. Ficamos extremamente agradecidos pela vossa oferta e, embora
Concluindo observar e refletir para dar continuidade às não possamos aceitá-la, para mostrar a nossa gratidão oferece-
ações educativas não é sinônimo de uma prática que se destina mos aos nobres senhores de Virgínia que nos enviem alguns dos
a julgar o valor de resultados alcançados pela criança ao térmi- seus jovens, que lhes ensinaremos tudo o que sabemos e fare-
no de determinado períodos de trabalho com ela. A avaliação, mos, deles, homens.”
concebida como observação, reflexão e ação, encaminha forte- O ponto fraco da educação está nos seus agentes, pois com
mente o educador e esse aprofundamento, na medida em que é consciência ou não, reproduzem as ideologias que atendem aos
impelido a encontrar respostas aos questionamentos decorren- grupos isolados e hegemônicos da sociedade. A educação, por-
tes da adoção de uma postura investigativa.12 tanto, reflete a sociedade em que ocorre. Em sociedades tribais,
por exemplo, ela é comunitária e igualitária; já em nossa socie-
dade capitalista é específica, individualista e desigual.
Segundo Luckesi (1994), quando se fala de função social da
ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA CENTRADA NO PROCES- educação, precisa-se pensar sobre a relação sociedade versus
SO DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO DO EDU- educação. Neste sentido, existem aqueles que entendem que a
CANDO: CICLOS – OS TEMPOS DA VIDA HUMANA. educação tem a função de redimir a sociedade; alguns conside-
ram que a educação reproduz a sociedade; e outros concebem
que a educação tem a função de contribuir para a transformação
Nos dicionários, a educação aparece definida como: “ação da sociedade.
e efeito de educar, de desenvolver as faculdades físicas, inte- Aqueles que consideram a educação como redentora da so-
lectuais e morais da criança e, em geral, do ser humano; dis- ciedade entendem que a sociedade é um conjunto de pessoas
ciplinamento, instrução, ensino” – Dicionário contemporâneo que sobrevivem num organismo harmônico, porém, com alguns
da Língua Portuguesa, Caldas Aulete. Já no pequeno dicionário indivíduos que ficam à margem. À educação importa integrar
brasileiro de Língua portuguesa, Aurélio Buarque de Holanda, todos na estrutura social, através da aquisição de habilidades,
12 Fonte: www.pedagogia.com.br/www.jornadaedu.com.br/ valores necessários a vida e convivência social. Neste sentido,
www.naescola.eduqa.me/www.univar.edu.br/Por Tânia Mara a educação escolar seria um elemento “fora” da sociedade e,
de Souza Moura através da qual, todos os indivíduos passariam por ela, apro-

29
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

priar-se-iam de valores e habilidades e se integrariam ao corpo tende que a educação escolar deve instruir, programar e opera-
social, cada qual com sua especificidade. Assim, a escola inter- cionalizar o ensino, a fim de formar indivíduos para integrar-se
feriria na sociedade, determinando-a, “curando suas mazelas”, no mundo do trabalho, formando indivíduos acríticos e eficien-
promovendo a coesão e a integração social. tes ao mercado produtivo.
Os que são reprodutivistas entendem que a educação faz Em oposição aos liberais, temos os progressistas que con-
parte da sociedade. É uma instância dentro da sociedade e está sideram os aspectos sociopolíticos da educação. Nesta visão,
ao seu serviço. Ou seja, os reprodutivistas percebem que a edu- tem-se a pedagogia libertadora e libertária que tem em comum
cação não cura as mazelas; ao contrário reproduz as desigualda- o antiautoritarismo, a valorização da experiência vivida, a auto-
des, os preconceitos, a violência etc., existentes na sociedade. gestão escolar, construída a partir dos debates, assembléias e
Implica dizer que a educação é um elemento da própria socieda- votações. A libertadora enfatiza que o âmbito da escola consiste
de e, por isso, determinada por seus condicionantes econômi- numa relação entre professores e alunos, mediados pela reali-
cos, sociais e políticos. Neste sentido, a concepção reprodutivis- dade, da qual extraem os conteúdos de aprendizagem, atingem
ta é uma postura crítica e até pessimista quanto à relação entre um determinado nível de consciência dessa mesma realidade
sociedade versus educação. social e interferem nela, transformando-a.
Já os transformadores compreendem a educação como A libertária espera que a escola proporcione uma transfor-
elemento mediador, isto é, não concebem a educação como mação na personalidade do aluno no sentido autogestionário,
redentora e nem como reprodutora. Possuem uma visão mais isto é, a escola é o espaço de participação grupal. Tudo é re-
realista da educação, contrapondo-se ao otimismo da visão re- solvido a partir da instituição. Assembléias, conselhos, eleições,
dentorista e ao pessimismo da concepção reprodutivista. As- votações, associações constituem o ponto de partida para todas
sim, os transformadores entendem que a educação pode agir as decisões do processo educativo. Neste sentido, o foco da for-
estrategicamente, melhorando a sociedade econômica, social e mação escolar é o coletivo, a autogestão, a autonomia e a parti-
politicamente. Assim, a educação, junto com outras formas de cipação do indivíduo.
organização pode contribuir para a superação das contradições A pedagogia crítico-social dos conteúdos concentra-se no
sociais vigentes na sociedade. papel da escola como a difusora dos conteúdos, não abstratos,
A partir da exposição destas concepções, pode-se concluir mas concretos, isto é, a escola é o local de apropriação do saber
que a força da educação está no processo de produção e repro- e, esta apropriação contribui para eliminar a seletividade social
dução ou transformação de crenças e ideias, de qualificações e consequentemente projetar a transformação social. Assim, a
e especialidades que envolvem as trocas de símbolos, bens e escola deve garantir um bom ensino aos alunos, objetivando a
poderes que, em conjunto, constroem diferentes tipos de so- apropriação dos conteúdos escolares básicos, relacionando-os
ciedades. Porém, sou partidário da concepção segundo a qual ao contexto vivido e, mediados pelo docente, esses alunos in-
a educação não é a única instituição que pode transformar a tervenham e participem ativamente nas situações socioeconô-
sociedade, mas, sem ingenuidades, indubitavelmente, pode dá micas e políticas da sociedade em que vivem.
excelente contribuição para uma sociedade com mais oportuni- A partir da exposição das concepções liberais e progressis-
dades para os mais carentes. tas, ressalta-se que no contexto da sociedade capitalista, o papel
que a escola deve desempenhar deve estar voltado para uma
Função social da escola perspectiva transformadora. Neste sentido, cita-se pertinente-
Quando se fala de função social da Escola, percebe-se que mente o pensamento de Buss (2008, p. 9):
no cenário educacional brasileiro existem duas concepções pe- A escola é mediadora do processo educacional e formadora
dagógicas gerais denominadas de liberais e progressistas. Fun- dos sujeitos de sua história e da história do seu entorno. Tem a
damentados em Luckesi (1994), expor-se-á o papel da escola de função de incorporar o patrimônio cultural da humanidade; (re)
acordo com estas concepções, que por sua vez, se ramificam em construir o saber historicamente acumulado e apropriar-se do
concepções que denominamos a seguir: saber produzido e acumulado pela humanidade. A Escola possui
Quanto à concepção liberal temos, primeiramente, a con- ainda duplo papel, ou seja, de formar não somente os indivíduos
cepção tradicional, que entende a escola como uma instituição para o mercado de trabalho, mas também uma cultura que, vem
que vai preparar o individuo intelectual e moralmente para as- por sua vez, penetrar, auxiliar e modificar a cultura da sociedade
sumir uma posição na sociedade. O seu compromisso é com a atual.
transmissão da cultura, a fim de formar indivíduos capazes de se
integrar a vida em sociedade. Gestão e administração escolar
Quanto à concepção renovada progressista, considera o Como se vê que a escola, historicamente construída pela
papel da escola com a finalidade de adequar as necessidades humanidade, foi ampliando seu papel, acumulando tanto o pa-
individuais ao meio social e, para isso, ela deve se organizar de pel de socializar e multiplicar os saberes científicos quanto assu-
forma a retratar, o quanto possível, a vida. A escola deve propor- mindo a formação para o exercício da cidadania e a inserção dos
cionar experiências aos alunos que satisfaçam seus interesses e indivíduos ao mercado de trabalho. Assim, a escola tornou-se
às exigências da sociedade, objetivando sua autoeducação num um ambiente cujo objetivo é a formação de pessoas. Neste sen-
processo de construção e reconstrução da realidade, em conso- tido, segundo Libâneo et al. (Educação Escolar: políticas, estru-
nância com suas estruturas cognitivas. tura e organização, 2007, p. 315):
Já a concepção liberal tecnicista, numa perspectiva de um (...) seus objetivos dirigem-se para a educação e a formação
sistema social harmonioso, orgânico e sistemático, considera a de pessoas; seu processo de trabalho tem uma natureza emi-
escola como uma modeladora de comportamentos, assim en- nentemente interativa, com forte presença das relações inter-

30
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

pessoais; o desempenho das práticas educativas implica uma A Educação é um fenômeno cultural. Acontece em todos os
ação coletiva de profissionais; o grupo de profissionais tem ní- lugares e de diferentes maneiras. Muitas vezes pode está a ser-
veis muito semelhantes de qualificação, perdendo relevância as viço das classes dominantes, mas também é considerada a mola
relações hierárquicas; os resultados do processo educativo são propulsora para o crescimento, integração efetiva na sociedade
de natureza muito mais qualitativa que quantitativa; os alunos e emancipação da pessoa.13
são ao mesmo tempo, usuários de um serviço e membros da or-
ganização escolar.
Em se tratando de formação de pessoas, a missão de cada
Escola torna-se mais importante quando verificamos o que diz a EDUCAÇÃO INCLUSIVA.
Lei de diretrizes e Bases da Educação no seu artigo 2º (...) “a mis-
são de cada Escola, de cada gestor, de cada professor, é promo-
ver o pleno desenvolvimento do educando, preparando-o para a De acordo com o Mini-dicionário Aurélio (2004), incluir (in-
cidadania e qualificando-o para o trabalho” clusão) significa: 1Conter ou trazer em si; compreender, abran-
Pleno desenvolvimento significa dar conta de várias outras ger. 2Fazer tomar parte; inserir, introduzir. 3Fazer constar de lis-
dimensões que, trabalhadas, culminam com a plenitude do ser ta, de série, etc; relacionar.”
humano. Quão diferente seria se a cada atividade, o professor e Para Monteiro (2001): “[...] A inclusão é a garantia, a todos,
toda a equipe escolar tivesse em mente que estará promovendo do acesso contínuo ao espaço comum da vida em sociedade, uma
o pleno desenvolvimento do educando! sociedade mais justa, mais igualitária, e respeitosa, orientada
Com uma missão tão nobre, a escola precisa pensar sua ad- para o acolhimento a diversidade humana e pautada em ações
ministração e o dispositivo legal, lei 9.394/96 no seu Art. 12, atri- coletivas que visem a equiparação das oportunidades de desen-
bui as seguintes incumbências aos estabelecimentos de ensino: volvimento das dimensões humanas (MONTEIRO, 2001, p. 1).”
I - elaborar e executar sua proposta pedagógica; De acordo com Mantoan (2005), inclusão:
II - administrar seu pessoal e seus recursos materiais e fi- “É a nossa capacidade de entender e reconhecer o outro e,
nanceiros; assim, ter o privilégio de conviver e compartilhar com pessoas
diferentes de nós. A educação inclusiva acolhe todas as pessoas,
III - assegurar o cumprimento dos dias letivos e horas-aula
sem exceção. É para o estudante com deficiência física, para os
estabelecidas;
que têm comprometimento mental, para os superdotados, para
IV - velar pelo cumprimento do plano de trabalho de cada
todas as minorias e para a criança que é discriminada por qual-
docente;
quer outro motivo. Costumo dizer que estar junto é se aglomerar
V - prover meios para a recuperação dos alunos de menor
no cinema, no ônibus e até na sala de aula com pessoas que não
rendimento;
conhecemos. Já inclusão é estar com, é interagir com o outro.”
VI - articular-se com as famílias e a comunidade, criando
Em se tratando de educação partimos do pressuposto de
processos de integração da sociedade com a escola;
que inclusão é a idéia de que todas as crianças têm o direto de se
VII - informar pai e mãe, conviventes ou não com seus fi- educar juntos em uma mesma escola, sem que esta escola exi-
lhos, e, se for o caso, os responsáveis legais, sobre a frequência ja requisitos para ingresso e não selecione os alunos, mas, sim,
e rendimento dos alunos, bem como sobre a execução da pro- uma escola que garanta o acesso e a permanência com sucesso,
posta pedagógica da escola; (Redação dada pela Lei nº 12.013, dando condições de aprendizagem a todos os seus alunos.
de 2009). Tudo isso é possível na medida em que a escola promova
mudanças no seu processo de ensinar e aprender, reconhe-
A partir do processo de redemocratização do país, iniciado cendo o valor de cada criança e o seu estilo de aprendizagem,
na década de 1980, a Escola passou por muitas mudanças, so- reconhecendo que todos possuem potencialidades e que estas
bretudo, do ponto de vista administrativo, tendo em vista que a potencialidades devem ser desenvolvidas.
escola “define-se como unidade social que reúne pessoas que Quando pensamos em uma escola inclusiva, é necessário
interagem entre si, intencionalmente, operando por meio de es- pensar em uma modificação da estrutura, do funcionamento e
truturas e de processos organizativos próprios, a fim de alcançar da resposta educativa, fazendo com que a escola dê lugar para
objetivos educacionais”. Libâneo (2007, p. 316). todas as diferenças e não somente aos alunos com necessidades
A Constituição de 1988 e a LDB de 1996, determinam a au- especiais.
tonomia da escola no sentido de elaborar sua própria proposta A fim de mudar a sua prática educativa, a escola deverá de-
pedagógica, organizar e administrar sua estrutura e funciona- senvolver estratégias de ensino diferenciadas que possibilitem
mento. A partir daí, várias concepções de administração con- o aluno a aprender e se desenvolver adequadamente. De acor-
solidar-se-iam no âmbito da escola, destacando-se a mudança do com Carvalho (2000, p. 111) “A proposta inclusiva pressupõe
do termo administração para o de gestão escolar, dando assim, uma ‘nova’ sociedade e, nela, uma escola diferente e melhor do
uma conotação de maior participação dos envolvidos no proces- que a que temos.” E diz ainda,
so educacional escolar. “Mas aceitar o ideário da inclusão, não garante ao bem in-
Assim, segundo Libâneo (op.cit. p. 323): tencionado mudar o que existe, num passe de mágica. A esco-
“a organização e os processos de gestão assumem diferen- la inclusiva, isto é, a escola para todos deve estar inserida num
tes modalidades, conforme a concepção que se tenha das finali- mundo inclusivo onde as desigualdades não atinjam os níveis
dades sociais e políticas da educação em relação à sociedade e abomináveis com os quais temos convivido.”
à formação dos alunos”. 13 Fonte: www.meuartigo.brasilescola.uol.com.br

31
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

A escola é o espaço primordial para se oportunizar a inte- competências, poderes e responsabilidades educacionais. As
gração e melhor convivência entre os alunos, os professores e ferramentas estão aí, para que as mudanças aconteçam, urgen-
possibilita o acesso aos bens culturais.Portanto é preciso que temente, e para que reinventemos a escola, desconstruindo a
a escola busque trabalhar de forma democrática, oferecendo máquina obsoleta que a dinamiza, os conceitos sobre os quais
oportunidades de uma vida melhor para todos independente ela se fundamenta os pilares teórico-metodológicos em que ela
de condição social, econômica, raça, religião, sexo, etc. Todos os se sustenta.”
alunos têm direito de estarem na escola, aprendendo e partici- Em busca de uma escola de qualidade, objetivando uma
pando, sem ser discriminado ou ter que enfrentar algum tipo de educação voltada para a emancipação e humanização do alu-
preconceito por motivo algum. no, é fundamental que o sistema educacional prime por uma
Segundo Haddad (2008) “[...] o benefício da inclusão não é educação para todos, onde o enfoque seja dado às diferenças
apenas para crianças com deficiência, é efetivamente para toda existentes dentro da escola. Uma tarefa nada fácil, que exige
a comunidade, porque o ambiente escolar sofre um impacto transformações acerca do sistema como um todo e mudanças
no sentido da cidadania, da diversidade e do aprendizado.” Na significativas no olhar da escola, pensando a adaptação do con-
Constituição Federal (1988) a educação já era garantida como texto escolar ao aluno.
um direito de todos e um dos seus objetivos fundamentais era, Com o objetivo de construir uma proposta educacional in-
“promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, clusiva e responsável é fundamental que a equipe escolar te-
sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.” nha muito claro os princípios norteadores desta proposta que
No (artigo 3º, inciso IV) da Constituição Federal (1988), como devem estar calcados no desenvolvimento da democracia. De
também no artigo 205, a educação é declarada como um direito acordo com o documento Diretrizes Nacionais para a Educação
de todos, devendo ela garantir o pleno desenvolvimento da pes- Especial (2001, p. 23) os princípios norteadores de uma educa-
soa, o seu exercício de cidadania e a qualificação para o traba- ção inclusiva são:
lho. A educação inclusiva é reconhecida como uma ação política, - Preservação da dignidade humana;
cultural, social e pedagógica a favor do direito de todos a uma - Busca de identidade;
educação de qualidade e de um sistema educacional organizado - Exercício de cidadania.
e inclusivo.
À escola cabe a responsabilidade em atender as diferenças,
ALGUMAS DIVERSIDADES NO CONTEXTO DA ESCOLA PÚBLICA
considerando que para haver qualidade na educação é neces-
A realidade que permeia as escolas públicas apresenta de-
sário assegurar uma educação que se preocupe em atender a
safios a serem enfrentados, ou pelo menos, a serem colocados
diversidade.
como reflexão aos professores e a toda a comunidade escolar,
Segundo Mantoan (2005, p.18), se o que pretendemos é
preocupada com os novos rumos e um novo caminhar do pro-
que a escola seja inclusiva, é urgente que seus planos se redefi-
cesso de ensino e aprendizagem.
nam para uma educação voltada para a cidadania global, plena,
livre de preconceitos e que reconhece e valoriza as diferenças. A seguir, o presente texto apresentará as diversidades nor-
A educação inclusiva visa desenvolver valores educacionais e malmente encontradas na escola e que hoje despontam como
metodologias que permitam desenvolver as diferenças através desafios para a ação docente do educador.
do aprender em conjunto, buscando a remoção de barreiras na 7.1 DIVERSIDADES RELIGIOSAS
aprendizagem e promovendo a aprendizagem de todos, princi- Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele,
palmente dos que se encontram mais vulneráveis, em contrapo- por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender; e se
sição com a escola tradicional, que sempre foi seletiva, conside- podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar. Nelson
rando as diferenças como uma anormalidade e, desenvolvendo Mandela
um ensino homogeneizado Carvalho (2000). O respeito à diversidade é um dos valores de cidadania mais
Corroborando a afirmação de Carvalho, Araújo (1988, p. 44) importantes, sendo fundamental valorizar cada pessoa, inde-
diz: pendente de qual religião pertença, tendo consciência de que
“[...] a escola precisa abandonar o modelo no qual se es- cada uma teve e tem sua contribuição ao longo da história. As-
peram alunos homogêneos, tratando como iguais os diferentes, sim, as diferentes expressões religiosas devem ser consideradas
e incorporar uma concepção que considere a diversidade tanto na escola, especialmente na escola pública.
no âmbito do trabalho com os conteúdos escolares quanto no Para melhor entender este novo universo conceitual e de
das relações interpessoais. É preciso que a escola trabalhe no conteúdo, Silva (2004, p. 140) esclarece dizendo,
sentido de mudar suas práticas de ensino visando o sucesso de “Ensino de religiões, estudo de diversidades, exercícios de
todos os alunos, pois o fracasso e o insucesso escolar acabam alteridade: estes sim podem ser conteúdos trabalhados na es-
por levar os alunos ao abandono, contribuindo assim com um cola pública. Da mesma forma que o professor de literatura faz
ensino excludente.” referência a diversas escolas literárias; da mesma forma que o
A educação inclusiva, dentro de um processo responsável, professor de História enfatiza diversos povos, assim o ensino de
precisa garantir a aprendizagem a todas as pessoas, dando con- religiões deve enfatizar diversas expressões religiosas, conside-
dições para que desenvolvam sentimentos de respeito à diferen- rando que as religiões fazem parte da aventura humana.“
ça, que sejam solidários e cooperativos. De acordo com Manto- A escola precisa valorizar os fenômenos religiosos como
an, (2008, p.2): patrimônio cultural e histórico, buscando discutir princípios, va-
“Temos de combater a descrença e o pessimismo dos aco- lores, diferenças, tendo em vista a compreensão do outro. Por
modados e mostrar que a inclusão é uma grande oportunida- isso é importantíssimo que o professor trabalhe com os alunos
de para que alunos, pais e educadores demonstrem as suas atitudes de tolerância e respeito às diferenças desenvolvendo

32
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

um trabalho com a diversidade religiosa. E ele pode estar utili- Diversidades de gênero
zando-se das aulas de Ensino Religioso para estar fazendo este Vivemos em uma sociedade pluralista, onde o respeito à in-
trabalho ou de quaisquer outras situações em suas áreas de dividualidade e o direito de expressão devem ser considerados.
conhecimento, tomando o cuidado em refletir com os alunos A escola pública deve ser o espaço das liberdades democráticas.
o maior número possível de expressões religiosas existentes na Segundo Gomes (1998, p.116), “Entre preconceitos e discrimi-
sociedade, buscando garantir o direito de livre expressão de cul- nações, cabe à escola pública o importante papel de proporcio-
to, evitando-se o proselitismo ou intolerância religiosa. nar a seus alunos um modelo de tolerância a ser aplicado na
Ao estar abordando estas questões religiosas, especialmen- sociedade.”
te nas aulas de Ensino Religioso, é preciso que se tome o cuida- Ao se abordar a questão de gênero, logo vem a idéia de gê-
do para não realizar catequese dentro da escola, pois a escola nero ligada aos sexos masculino e feminino, enfatizando a ques-
pública não é confessional e, portanto, não pode se reduzir a tão da exclusão da mulher, sempre desprivilegiada na socieda-
nenhum tipo específico de religião, o que pode causar crime de de ao longo da história. Essa exclusão é marcada na sociedade
discriminação. Segundo a LDB 9394/96, em seu artigo 33º pode- em diversas situações, como mercado de trabalho, política etc,
mos encontrar o seguinte esclarecimento, privilegiando o homem, e enxergando-o com capacidade de li-
“O Ensino Religioso, de matrícula facultativa, é parte inte- derança, força física, virilidade, capaz de garantir o sustento da
grante da formação básica do cidadão e constitui disciplina dos família e atender ao mercado de trabalho, etc, em contraposição
horários normais das escolas públicas do ensino fundamental, a mulher vista como reprodutora, com a responsabilidade por
assegurando o respeito a diversidade cultural religiosa do Brasil, cuidar dos filhos, da família, das atividades domésticas, etc.
vedadas quaisquer formas de proselitismo.” (BRASIL, 1996) Muitas transformações vêm ocorrendo nas relações de sexo
A liberdade religiosa é um dos direitos fundamentais da na sociedade, fazendo com que essa visão sobre a mulher seja
humanidade, como afirma a Declaração Universal dos Direitos desmistificada e dando oportunidades às mulheres para divi-
Humanos (1948) em seu art. XVIII: direm os mesmos espaços profissionais e pessoais com os ho-
Toda pessoa tem o direito à liberdade de pensamento, cons- mens, apesar de ainda haver uma grande desproporção e divi-
ciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de são de poderes que favorecem mais aos homens, discriminando,
por sua vez, o sexo feminino.
religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião ou
Mas quando se trata a questão de gênero na sociedade
crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observância,
não podemos relacionar somente ao sexo feminino ou mascu-
isolada ou coletivamente, em público ou particular.( NACÕES
lino, pois atualmente abrange também outras formas culturais
UNIDAS, 1948.)
de construção de sexualidade humana, vistos muitas vezes com
A própria Constituição Brasileira (1988) em seu art. 5º, in-
desprezo e com atitudes discriminatórias na sociedade e, mes-
ciso VI diz:
mo, na escola, como os homossexuais, um grupo que, assim
“É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo
como as mulheres, sofreram e continuam sofrendo discrimina-
assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na ções ao longo dos séculos e, tem sofrido com os estigmas, este-
forma da lei, a proteção aos locais de culto e as suas liturgias.” reótipos e preconceitos.
(BRASIL, 1998, p. 5). É preciso desconstruir os preconceitos e estereótipos em
É preciso cuidar para que não seja realizado dentro da es- termos de diferença sexual, possibilitando a inclusão de todas
cola discriminação quanto as diversidades religiosas existentes as pessoas, sejam elas do sexo feminino ou masculino e, consi-
mantendo equilíbrio e imparcialidade, em busca de uma edu- derando as múltiplas formas em que estes podem se desdobrar,
cação de qualidade. É um grande desafio para a escola pública pois a diferença na orientação sexual e nas formas como as di-
levar os alunos a reflexão sobre a diversidade de nossa cultura, ferenças de gênero se estabelecem, não justificam a exclusão.
marcada pela religiosidade. É preciso enxergar o mundo presente nas relações humanas e
Segundo Heerdt, (2003, p. 34) aceitar que a diversidade baseada na igualdade e na diferença
“É fundamental que as escolas incentivem os educandos a é possível.
conhecer a sua própria religião, a ter interesse por outras formas A escola precisa levar a reflexão sobre as diferenças e pre-
de religiosidade, valorizando cada uma e respeitando a diversi- conceitos de gênero, buscando sensibilizar a todos os envolvidos
dade religiosa, sem nenhum tipo de preconceito.” na educação para as situações que produzem preconceitos e re-
A escola pública deve trabalhar no sentido de ampliar os sultam em desigualdades, muito presentes no cotidiano escolar,
limites quanto aos vários tipos de culturas religiosas, desmon- onde muitas vezes preponderam falas ou situações diversas de
tando os preconceitos, fazendo com que todos sejam ouvidos e distinção de sexo entre os alunos. É preciso ter consciência que
respeitados, pois intolerância religiosa é desrespeito aos direitos o enaltecimento da diferença de gênero traz aspectos negativos,
humanos. De acordo com o Código Penal Brasileiro constitui cri- desconsiderando muitas vezes o direito, a habilidade e a capaci-
me (punível com multa e até detenção), zombar publicamente dade de cada pessoa.
de alguém por motivo de crença religiosa, impedir ou perturbar De acordo com Vianna e Ridenti (1998, p. 102)
cerimônia ou culto, e ofender publicamente imagens e outros “O ambiente escolar pode reproduzir imagens negativas e
objetos de culto religioso. Assim, cada cidadão precisa assumir a preconceituosas, por exemplo, quando professores relacionam o
postura do respeito pelo ser humano, independente de religião rendimento de suas alunas ao bom comportamento, ou quando
ou crença, tendo consciência de que cada pessoa pode fazer sua as tratam como esforçadas e quase nunca como potencialmen-
opção religiosa e manifestar-se livremente de acordo com os te brilhantes, capazes de ousadia e lideranças. O mesmo pode
princípios de cada cultura. ocorrer com os alunos quando estes não correspondem a um
modelo masculino predeterminado.”

33
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

A escola, como bem aponta o material pedagógico “Educar Segundo Caldart (2005, apud DCE Educação do Campo,
para a diversidade – um guia para professores sobre orientação 2006) “[...] A escola precisa cumprir sua vocação universal de
sexual e identidade de gênero”, tem a função de contribuir para ajudar no processo de humanização, com as tarefas específicas
o fortalecimento da autoestima dos alunos, independente do que pode assumir nesta perspectiva.” Ao mesmo tempo, é cha-
gênero, buscando afirmar o respeito pelo outro, bem como o mada a estar atenta às particularidades dos processos sociais do
interesse pelos sentimentos dos outros, independente das suas seu tempo histórico e ajudar na formação das novas gerações
diferenças, É preciso que cada um reconheça no outro: homem, trabalhadoras e de militantes sociais.
mulher, homossexual, etc, pessoas com necessidades, interes- Os alunos advindos do campo precisam se sentir parte do
ses, sentimentos... e que estas possuem seu valor na sociedade processo e terem o seu valor reconhecido pela sociedade, a co-
e precisam ser valorizados e terem os mesmos direitos garanti- meçar pela escola, que trabalha no sentido de desenvolver a hu-
dos a qualquer cidadão. manização e a emancipação dos cidadãos.

Diversidades do campo Alunos com necessidades educacionais especiais


A escola atende em seu cotidiano, muitos alunos advindos Aos alunos com necessidades educacionais especiais de-
de diversos grupos, entre eles, possui os alunos do campo com vem ser garantidos os mesmos direitos e as mesmas oportuni-
sua cultura e seus valores que precisam ser reconhecidos e va- dades dos alunos ditos “normais”, pois a escola é o espaço de
lorizados, pois são muitas as influências e contribuições trazidas formação para todos. Segundo Carvalho (2000, p. 106) “Enquan-
por eles, principalmente em relação ao trabalho, a história, o to espaço de formação, diz respeito ao desenvolvimento, nos
jeito de ser, os conhecimentos e experiências, etc. educandos, de sua capacidade crítica e reflexiva, do sentimento
A LDB 9394/96 (1996), reconhece a diversidade do campo e de solidariedade e de respeito às diferenças, dentre outros va-
as suas especificidades, estabelecendo as normas para a educa- lores democráticos.”
ção do campo em seu artigo 28. O movimento pela inclusão oportuniza o direito de todos
A escola precisa refletir sobre a educação para as pessoas do os alunos de estarem juntos aprendendo, tendo suas especifi-
campo, que muitas vezes são obrigados a aceitar e desenvolver cidades atendidas. Assim, a Lei abre espaço também aos alunos
com necessidades educacionais especiais a serem atendidos em
seu processo educativo dentro de um currículo totalmente urba-
escolas especiais ou escolas regulares, de acordo com suas es-
no, que desconhece a realidade e as necessidades do campo.
pecificidades.
As pessoas que vivem no campo têm sua cultura, seus sa-
A Constituição Federal de 1988 define, em seu artigo 205, a
beres de experiência, seu cotidiano, que acabam sendo esqueci-
educação como um direito de todos, garantindo o pleno desen-
dos, fazendo com que percam sua identidade, supervalorizando
volvimento da pessoa, o exercício da cidadania e a qualificação
somente o espaço urbano, quando eles têm muitos conheci-
para o trabalho.
mentos a serem considerados e aproveitados pela escola.
No artigo 206, inciso 1, estabelece a “igualdade de condi-
Na maioria das vezes esses alunos advindos do campo pre- ções de acesso e permanência na escola”, como um dos princí-
cisam deixar seu habitat para irem estudar nas cidades. pios para o ensino e, garante, como dever do Estado, a oferta do
Seria muito importante que a educação desses alunos fos- atendimento educacional, preferencialmente na rede regular do
se realizada no e do campo, privilegiando a cultura ali no seu ensino (art. 208).
espaço, de acordo com sua realidade. Porém esses alunos são A atual LDB 9394/96 (1996) também assegura aos alunos
retirados do seu espaço e trazidos para os centros urbanos para com necessidades educacionais especiais o atendimento, em
que o seu processo de escolarização aconteça, o que acaba colo- seu artigo 4, inciso 3 “atendimento educacional especializado
cando em risco suas vidas em meios de transportes precários e gratuito aos educandos com necessidades especiais, preferen-
estradas rurais ruins. O povo do campo quer ver garantido o seu cialmente na rede regular de ensino.”
direito à educação, mas que este seja assegurado ali no ambien- A escola é a responsável em oportunizar aos alunos o acesso
te em que vivem, atendendo as suas especificidades. aos conhecimentos historicamente produzidos, principalmente
De acordo com Caldart (2002, apud DCE Educação do Cam- a escola pública regular, considerada o local preferencial para
po, 2006, p. 27) “[...] o povo tem o direito de ser educado no a escolarização formal dos alunos com necessidades especiais,
lugar onde vive; o povo tem o direito a uma educação pensada tendo como forma de complementação curricular os apoios e
desde o seu lugar e com sua participação, vinculada à sua cultu- serviços especializados.
ra e às suas necessidades humanas e sociais.” É chegada a hora de a escola oferecer oportunidades a
Já que este direito de ter a educação ali onde vive deixou de todos os alunos indiscriminadamente, como um direito essen-
existir e, enquanto essa realidade permanece, é necessário que cial na vida de cada cidadão, inclusive os com necessidades
se promovam reflexões e discussões acerca da vida no campo, especiais. Assim, a escola regular precisa se preocupar em re-
valorizando os alunos do campo que frequentam a escola urba- fletir com seus alunos o conceito de diferença e de especial,
na, que não podem ser marginalizados ou discriminados por sua salientando que não são somente os alunos com necessidades
condição geográfica. especiais que são diferentes e especiais, mas todos nós e que,
Muitos assuntos relacionados à vida no campo podem ser as mesmas oportunidades devem ser dadas a todos, para que
abordados pelos professores em seu dia-a-dia da sala de aula possam obter sucesso em sua vida escolar e pessoal e assim,
como reforma agrária, MST, desenvolvimento sustentável, cul- exercer a cidadania.
tura, produção agrícola, entre outros, primando por fazer com Há a necessidade de criar dentro da escola espaços para
que estes alunos sintam-se valorizados dentro da escola e que diálogos, trocas de idéias e experiências, a fim de reconhecer
tenham sua cultura, forma e estilo de vida valorizados . os alunos considerados como especiais e valorizá-los dentro do

34
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

ensino regular, visando remover barreiras frente à diferença e desconstruir o mito da democracia racial na sociedade brasilei-
reconhecer que cada aluno possui as suas potencialidades e, a ra; mito este que difunde crença de que, se os negros não atin-
eles, devem ser oportunizadas, condições de acesso, permanên- gem os mesmos patamares que os não negros, é por falta de
cia e sucesso na escola regular. competência ou interesse, desconsiderando as desigualdades
Carvalho (2006) afirma que é necessário desmontar o mito seculares que a estrutura social hierárquica cria com prejuízos
de que os professores do ensino regular não estão preparados para o negro.”
para trabalhar com esses alunos e que não são alunos do ensi- Para que haja realmente a construção de um país demo-
no regular e sim da educação especial, onde terão os chama- crático, faz-se necessário que todos tenham seus direitos garan-
dos especialistas para atendê-los. A escola, enquanto instituição tidos e sua identidade valorizada, a começar pela escola que,
aberta a todos, precisa superar o sentimento de rejeição que infelizmente, continua desenvolvendo práticas preconceituosas
os alunos com necessidades especiais enfrentam e, lutar para detectadas no currículo, no material didático, nas relações entre
que tenham as mesmas oportunidades que são oferecidas aos os alunos, nas relações entre alunos, e não poucas vezes até pro-
outros alunos assegurando-lhes o desenvolvimento da aprendi- fessores. Segundo Pinto (1993, apud Rosemberg, 1998, p. 84)
zagem. Assim é preciso algumas modificações no sistema e na “[...]
escola como: “ao que tudo indica, a escola, que poderia e deveria contri-
- no currículo e nas adaptações curriculares; buir para modificar as mentalidades antidiscriminatórias ou pelo
- na avaliação contínua do trabalho; menos para inibir as ações discriminatórias, acaba contribuindo
- na intervenção psicopedagógica; para a perpetuação das discriminações, seja por atuação dire-
- em recursos materiais; ta de seus agentes, seja por sua omissão perante os conteúdos
- numa nova concepção de especial em educação, etc. didáticos que veicula, ou pelo que ocorre no dia-a-dia da sal de
aula.”
Diversidade etnico-racial e cultura afro-brasileira e africa- Corroborando o que diz Pinto, Silva (2002, p. 140) afirma
na que:
Somos uma sociedade sem preconceitos? Há igualdade de “Os dados mostram claramente que o sistema educacio-
direitos entre negros e brancos em nossa sociedade? nal brasileiro é seletivo e discriminatório, porque seleciona em
Presenciamos situações de preconceito em nosso dia-a-dia, especial os pobres, os negros, os mulatos os nordestinos.” “[...]
evidenciadas em frases como estas: “pessoa de cor “, “a coisa Assim sendo, a marginalização cultural e o racismo estão entre
tá preta”, “olha o cabelo dela”, “olha a cor do fulano”, “tem o as principais razões que explicam as grandes taxas de evasão e
pezinho na senzala”, “serviço de preto”, etc? repetência na escola básica.”
A escola é responsável por trabalhar no sentido de pro- A educação é o fato de maior eficácia para contribuir para
mover a inclusão e a cidadania de todos os alunos, visando a a promoção dos excluídos. Por isso, muitas ações têm sido de-
eliminar todo tipo de injustiça e discriminação, enxergando os sencadeadas no sentido de reconhecimento e valorização do
seres humanos dotados de capacidades e valorizando-os como negro, garantindo a eles as mesmas condições, numa constante
pessoas, principalmente dos afro-descendentes, marcados por luta contra o racismo e o preconceito. Luta esta que deve ser
um histórico triste na educação e na sociedade brasileira de dis- de todos, todos que acreditam num país democrático, justo e
criminação, racismo e preconceito. igualitário.
A escola tem o importante papel de transformação da hu- Atualmente, a escola e a sociedade têm se preocupado com
manidade e precisa desenvolver seu trabalho de forma demo- a criação de representações positivas sobre o negro, possibili-
crática, comprometendo-se com o ser humano em sua totalida- tando uma inserção social do negro em alguns setores da socie-
de e respeitando-o em suas diferenças. De acordo com Ribeiro dade, mudando aos poucos a situação do negro. Um exemplo
(2004, p. 7) “[...] a educação é essencial no processo de forma- real e recente disso é a Presidência dos Estados Unidos, sendo
ção de qualquer sociedade e abre caminhos para a ampliação da conquistada por um negro: Barako Obama. O próprio estabele-
cidadania de um povo.” cimento da Lei nº 10.639/03 que altera a LDB 9394/96 já retrata
Os afrodescendentes devem ser reconhecidos em nossa so- a preocupação na reflexão acerca do preconceito e da discrimi-
ciedade com as mesmas igualdades de oportunidades que são nação, buscando democratizar e universalizar o ensino, garan-
concedidas a outras etnias e grupos sociais, buscando eliminar tindo a todos os alunos o reconhecimento e valorização de sua
todas as formas de desigualdades raciais e resgatar a contribui- cultura, de sua história, de sua identidade, e, assim, combater o
ção dos negros na formação da sociedade brasileira e, assim, racismo e as discriminações, educando cidadãos orgulhosos de
valorizar a história e cultura dos afro-brasileiros e africanos. seu pertencimento étnico-racial tendo seus direitos garantidos e
Segundo as DCN para a Educação das Relações Étnicos-Ra- sua identidade valorizada.
ciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Afri-
cana (2003, p. 5) Diversidade sócio-econômica e cultural
“Reconhecimento implica justiça e iguais direitos sociais, A escola pública possui em sua grande maioria alunos pro-
civis, culturais e econômicos, bem como valorização da diver- venientes de uma classe sócio-econômica cultural desfavoreci-
sidade daquilo que distingue os negros dos outros grupos que da, de famílias que possuem uma condição de vida desfavorável
compõem a população brasileira. E isto requer mudança nos dis- e que, na maioria, possuem dificuldades de aprendizagem. São
cursos, raciocínios, lógicas, gestos, posturas, modo de tratar as alunos filhos da classe trabalhadora, cujo pais permanecem a
pessoas negras. Requer também que se conheça a sua história e maior parte do dia fora de casa trabalhando como empregados
cultura apresentadas, explicadas, buscando-se especificamente em indústrias, lojas, casas de família, em trabalhos sazonais

35
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

como bóias-frias na zona rural, cortadores de cana, pedreiros, tabelece em seu artigo 78, que aos índios devem ser proporcio-
garis, empregadas domésticas, etc. Muitos pais encontram-se nadas a recuperação de suas memórias históricas, a reafirmação
até desempregados, realizando um “bico” aqui ou ali. Esses de suas identidades étnicas e a valorização de suas línguas e ci-
compõem a maioria dos alunos que a escola pública atende e ências. Aos índios, suas comunidades e povos devem ser garan-
que precisa dar conta, oportunizando condições de aprendiza- tidos o acesso às informações, conhecimentos técnicos e cientí-
gem, num processo de qualidade. ficos da sociedade nacional e das demais sociedades indígenas
Eles são alunos que estão à margem da sociedade, e que e não-índias. O Plano Nacional de Educação (2001) estabelece
muitas vezes passam por diversas circunstâncias perversas, objetivos e metas para o desenvolvimento da educação esco-
como a fome, situações de violência, problemas com alcoolismo lar indígena diferenciada, intercultural, bilíngüe e de qualidade.
e drogas, situações de abandono, entre outros. Esses são os ver- Muitas ações em relação à educação escolar dos indígenas já
dadeiros excluídos da sociedade que estão na escola clamando foram realizadas, porém ainda se percebe um quadro desigual,
por ajuda. E as condições sócioeconômicas e culturais é um dos fragmentado e pouco estruturado de oferta e atendimento edu-
fatores que podem interferir, e muito, no desempenho escolar cacional aos índios.
dos alunos. A diversidade dos povos indígenas precisa ser considerada
O desafio da escola é este: possibilitar a essa grande maio- de fato, exigindo iniciativas diferenciadas por serem portadores
ria o acesso à escola, mas garantindo-lhes permanecer e ter de tradições culturais específicas. A escolarização dos indígenas
sucesso no processo de ensino e aprendizagem, pois o acesso precisa acontecer a partir do paradigma da especificidade, da
ao conhecimento historicamente elaborado é que poderá dar a diferença, da interculturalidade e da valorização da diversidade
esses alunos, muitas vezes excluídos do sistema e da sociedade, lingüística desenvolvendo assim, ações culturais, históricas e lin-
condições para transformar suas vidas e possibilitar uma maior güísticas.
inserção na comunidade, podendo atuar como cidadãos, capa- Os indígenas precisam ser respeitados e incluídos nos siste-
zes de transformá-la. mas de ensino do país, tendo a sua diversidade étnica valorizada
O sistema, a escola, os professores, precisam reconhecer e que entre os indígenas e não indígenas haja um diálogo tole-
nesses alunos os seres humanos que ali estão e clamam por rante e verdadeiro.
uma oportunidade, que sonham com uma perspectiva de vida A proposta é por uma educação escolar indígena diferencia-
melhor e que querem ter seus direitos de cidadãos garantidos. da, que possibilite a inclusão deste grupo no sistema educacio-
É preciso destruir o histórico de exclusão e desigualdade do sis- nal, tendo respeitadas as suas peculiaridades. Por isto, muitos
tema escolar público, reconhecendo em cada aluno suas poten- investimentos têm sido realizados com relação a educação es-
cialidades. colar dos indígenas, principalmente em relação aos professores,
A escola precisa se preocupar em oferecer um ensino pú- capacitando professores indígenas que conhecem a realidade,
blico de maior qualidade, que possa compensar, pelo menos a história e a cultura do seu grupo ao longo de todo o processo
parcialmente, as dificuldades de aprendizagem. É preciso que se histórico brasileiro.
fique claro que as crianças que vivem em ambientes desfavorá- A questão da educação escolar indígena é uma grande evo-
veis também podem ter um nível de aprendizagem satisfatória. lução e conquista. Muitas reflexões e muitas ações ainda pre-
Cabe à escola oportunizar essas condições, oferecendo o apoio cisam ser desencadeadas com o objetivo de valorização e pre-
necessário aos alunos em condições sócioeconômicas e cultu- servação da cultura indígena, propiciando o reconhecimento
rais desfavoráveis, ajudando-os a superar as dificuldades e ca- dos indígenas como sujeitos da história e que a eles devem ser
rências do contexto onde vivem, procurando destruir o histórico garantidos o acesso aos direitos de qualquer cidadão.
de exclusão e desigualdade do sistema escolar público.
A lei preconiza a universalização da educação para todos,
Diversidade indígena garantindo o direito ao acesso, a permanência e ao sucesso dos
Uma outra diversidade verificada no interior da escola pú- alunos. No entanto, a realidade educacional contemporânea co-
blica, que vem sendo muito valorizada atualmente é com rela- loca a escola pública como o palco da diversidade, pois ali se
ção à educação escolar indígena. encontram alunos de diferentes grupos. A diferença entre os
Os indígenas também clamam por processos educacionais grupos é visível e o trabalho pedagógico precisa voltar-se à dife-
que lhes permitam o acesso aos conhecimentos universais, mas rença, oportunizando o direito de educação para todos.
que valorize também suas línguas e saberes tradicionais. Vale destacar que o trabalho com a diversidade está ligado à
A Constituição de 1988 reconheceu o direito dos índios (au- proposta de inclusão, que emerge como um grande desafio para
tóctones) de permanecerem índios e de terem suas tradições e a educação, pois, pensar em inclusão pressupõe uma série de fa-
modos de vida respeitados. Em seu art. 210 fica assegurado aos tores, principalmente os que dizem respeito aos alunos. Assim,
povos indígenas o direito de utilizarem suas línguas maternas pensar em inclusão, não é só dirigir o olhar para os alunos com
e processos próprios de aprendizagem buscando transformar a necessidades especiais, mas sim, para todos aqueles alunos que
instituição escolar em um instrumento de valorização e sistema- estão nas salas de aula, que muitas vezes sofrendo preconceitos
tização de saberes e práticas tradicionais, ao mesmo tempo em e discriminações por pertencer a este ou aquele grupo.
que possibilita aos índios o acesso aos conhecimentos universais Trabalhar com uma proposta de diversidade, propiciando
e a valorização dos conhecimentos étnicos. oportunidades de inclusão a todos os alunos na escola, não é
A partir da Constituição de 1988 e mais fortemente na LBB uma tarefa fácil, uma vez que não se resume apenas na garantia
9394/96 os indígenas passaram a ser reconhecidos legalmente do direito de acesso. É preciso que lhes sejam garantidas as con-
em suas diferenças e peculiaridades. A LDB 9394/96 (1996) es- dições de permanência e sucesso na escola.

36
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Para que o processo de inclusão ocorra satisfatoriamente é democrática e participativas para novos empreendimentos das
preciso que haja investimento em educação, senão é um proje- atividades em áreas que são envolvidas na demanda de apren-
to fadado ao insucesso, pois a escola precisa oferecer estrutura dizagem da escola, tanto desde o servente ao diretor e todo o
adequada para que ele ocorra. A dura realidade das condições corpo docente e discente, dentre outros os departamentos es-
de trabalho e os limites da formação profissional, o número ele- colares como secretarias e os departamentos de orientações
vado de alunos por turma, a rede física inadequada, o despre- educacionais.
paro para ensinar “alunos especiais” ou diferentes são fatores a A participação deve ser manifestada em vários momentos
ser considerados no processo de inclusão que garanta a partici- da instituição escolar, em que os participantes do corpo da esco-
pação de todos os alunos e o sucesso, evitando-se assim o alto la, estejam integrados em estabelecer condições para resolver
número de alunos evadidos e até os retidos no ano letivo. as questões sociais e políticas da instituição, com possibilidades
É de extrema relevância que a escola, especialmente a pú- de avançar o currículo educacional sem muito prejuízo da for-
blica, reconheça as diferenças, valorizando as especificidades e mação dos alunos.
potencialidades de cada um, reconhecendo a importância do Do ponto de vista político, desenvolver a democracia cons-
ser humano, lutando contra os estereótipos, as atitudes de pre- tituindo características fundamentais em grupo centrado, esta-
conceito e discriminação em relação aos que são considerados belecendo metas com objetivo de serem alcançados, no sentido
diferentes dentro da escola. de estabelecer normas em uma transformação continua, desen-
É preciso que todos tenham clareza de que sempre vai haver volvendo a consciência do processo como um todo, bem como
diferenças, mas é possível minimizá-las, desde que haja interes- das nuances de seus múltiplos desdobramento.
se em propiciar uma educação de qualidade a todos. Portanto é A democracia ultrapassa e transcende a participação, de
preciso haver uma transformação da realidade com o objetivo que depende, sem nunca lhe escapar (parafraseando Morin,
de diminuir a exclusão dos alunos, especiais ou não do sistema 1985).
educacional. É necessário que se proponha ações e medidas que A participação, independentemente de sua natureza, nível
visem assegurar os direitos conquistados, a melhoria da quali- de abrangência e contexto em que ocorre se manifesta em três
dade da educação, o investimento em uma ampla formação dos dimensões convergentes entre si: política, pedagógica e técnica.
A participação no ambiente escolar independe da dimen-
educadores, a remoção de barreiras físicas e atitudinais, a pre-
são. Esta separação é apenas para uma análise didática, porque
visão e provisão de recursos materiais e humanos entre outras
todas elas representam a didática, o dia a dia da escola. Com
possibilidades.
elas, pode-se compreender a ação participativa na escola, com
Como diz Mantoan (2008, p. 20)
o objetivo de melhorá-la.
“O essencial, na nossa opinião, é que todos os investimen-
“Sem competência técnica não é possível realizar nenhum
tos atuais e futuros da educação brasileira não repitam o pas-
projeto pedagógico”... “No entanto: A dimensão técnica não é
sado e reconheçam e valorizam as diferenças na escola. Temos
um fim em si mesmo, mas ela é fundamental por se construir no
de ter sempre presente que o nosso problema se concentra em veículo para alcance dos resultados.”(Heloísa Luck).
tudo o que torna nossas escolas injustas, discriminadoras e ex- O conhecimento técnico é fundamental para constituir o al-
cludentes, e que, sem solucioná-lo, não conseguiremos o nível cance dos resultados. Tornando claras as dimensões da escola,
de qualidade de ensino escolar, que é exigido para se ter uma aprimorando a ação dos professores, desenvolvendo as compe-
escola mais que especial, onde os alunos tenham o direito de ser tências técnicas.
(alunos), sendo diferentes.” (grifo nosso). Na construção de um projeto político pedagógico, é neces-
Precisamos ser otimistas e transformar em realidade o so- sário estabelecer uma relação entre as idéias e as estratégias,
nho de uma educação para todos, nos convencendo das poten- ter um método que consiste a concepção do grupo associado
cialidades e capacidades dos seres humanos, acreditando que, com os processos de execução. Desta forma o conhecimento
somando nossas diferenças, poderemos provocar mudanças sig- técnico, dá a base para o desenvolvimento das ações e garante a
nificativas na educação e na sociedade, diminuindo preconcei- participação coletiva e estimula a interação.
tos e estereótipos e tornando nosso país mais humano, fraterno, É importante apoiar o trabalho da escola num todo. Estimu-
justo e solidário.14 lando a participação dos pais através de reuniões e palestras,
envolverem os pais nos projetos desenvolvidos pelos professo-
res e alunos. Também é interessante promover reuniões forma-
doras para todos os funcionários da escola, dinamizando o rela-
GESTÃO PARTICIPATIVA NA ESCOLA. cionamento interpessoal. Reconhecer e estimular a participação
de todos na construção dos projetos.
Promover formação para os professores, a fim de estimulá-
Trata-se como é resolvida as questões de participação em -los. Analisar a cultura da comunidade e envolve-la nos projetos
reuniões entre os dirigentes e professores, no qual são discuti- da escola. Realizar um trabalho de articulação desenvolvendo
dos assuntos relacionadas a gestão escolar, e as atitudes que são as habilidades do grupo e dando condições fundamentais para
tomadas nas decisões relacionados aos professores e alunos, realizarem o trabalho.
dentre os assuntos são discutidos o desenvolvimentos das con- Dentro desses valores elencados por Heloísa Luck, estão a
dições das disciplinas aplicadas, no qual os alunos estão apren- interação e a dinâmica das práticas sociais; garantindo a partici-
dendo ou não, precisando sempre estarem repensando sobre a pação democrática, respeitando as ideias nas tomadas de deci-
aplicação das atividades educacionais, e até mesmo uma gestão sões.15
14 Fonte: www.diaadiaeducacao.pr.gov.br 15 Fonte: www.webartigos.com/www.melinalelis.blogspot.com

37
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

mente pelo enfermeiro que possui como uma de suas atividades


FREIRE, P. PEDAGOGIA DA AUTONOMIA. 21ª ED. SÃO a prática da educação em saúde. A obra se reverte em leitura
PAULO: PAZ E TERRA, 2002. obrigatória e de extrema importância para todos os profissionais
que transitam na prática educativa, qualquer que seja a opção
A ideia central do livro é a formação docente permeada pela política do educador: crítico ou conservador.16
reflexão sobre a prática educativa em favor da autonomia do ser
dos educandos. Apresenta 144 páginas divididas em três capítu-
los com leitura de fácil compreensão. GADOTTI, M. EDUCAÇÃO INTEGRAL NO BRASIL:
O livro mantém-se, como na 1ª edição de 1996, com uma INOVAÇÕES EM PROCESSO. SÃO PAULO: EDITORA E
linguagem clara, porém às vezes repetitiva e introduz a pedago- LIVRARIA INSTITUTO PAULO FREIRE, 2009.
gia da autonomia explicando suas razões para analisar a prática
pedagógica do professor em relação à autonomia do Ser e de
Saber do educando. É uma cópia fiel da 1ª edição excetuando o Cap.1 Educação integral e tempo integral
titulo do 1º capitulo que era denominado “Não há docência sem No passado houveram filósofos e educadores que pensa-
discência” e atualmente é intitulado “Prática docente: primeira ram em uma escola integral entendendo que o ser humano é
reflexão”. um ser de múltiplas dimensões que se desenvolve ao longo de
Este primeiro capítulo está subdividido em nove subcapítu- toda vida.
los. Discorre sobre os saberes indispensáveis à prática docente Moacir analisa várias tendências pedagógicas, inspirando-
de educadores e a importância de uma reflexão sobre a forma- -se nas idéias de Paulo Freire para a construções de escolas e
ção docente e a prática educativa-crítica. Enfatiza que quem en- ensino aprendizagem
sina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. - Educação Nova - direito biológico de cada indivíduo e
Não há docência sem discência, portanto ambos são sujeitos como dever do estado deveria garanti-lo;
deste processo e não se reduzem à condição de objeto um do Escola Parque (Anísio Tiexeira) - haviam escolas parques e
outro. escolas classes até 18 anos, visava alternar atividades intelectu-
O segundo capítulo, também subdividido em nove sub- ais com atividades práticas.
capítulos, destaca que ensinar não é transferir conhecimento, - Centros integrados a educação pública (Darcy Ribeiro)
mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a - Centros integrados de atendimento a criança (cieps) que
sua construção. Ressalta que ensinar exige consciência do ina- mudou de nome e não de orientação para Centro de atenção
cabado, o reconhecimento de ser condicionado, respeito à au- integral a Criança (ciacs) - ambos englobavam em um mesmo es-
tonomia do ser do educando, bom-senso, humildade, tolerân- paço educação escolar, saúde, esporte, creche, educação para o
cia, apreensão da realidade, alegria, esperança, curiosidade e a trabalho, proteção especial à criança e desenvolvimento comu-
convicção de que mudar é possível. Conforme o autor, funda- nitário. O alunos eram estimulados a permanecerem na escola
mental é que professor e alunos saibam que suas posturas são por tempo integral.
dialógicas, abertas, curiosas e indagadoras enquanto falam ou - A implantação da não reprovação, avaliação por objetivos
enquanto ouvem. concluídos.
O terceiro capítulo, intitulado “Ensinar é uma especifici- - Progressão continuada - a escola escolhe voluntariamente
dade humana”, com nove subcapítulos, descreve a educação se tornar integral e se prepara para isso com os docentes, alu-
como um ato de intervenção no mundo. Ninguém é sujeito da nos, pais e comunidades. Ela precisa estar em constante trans-
autonomia de ninguém. A autonomia vai se construindo na ex- formação.
periência de inúmeras decisões que são tomadas a partir de um
saber construído. O autor entende a prática educativa como um Objetivos da escola integral - sendo ou não de tempo integral
exercício constante em favor da produção e do desenvolvimento - Educar para e pela cidadania
da autonomia de educadores e educandos, não somente trans- - Criar hábitos de estudo de pesquisa
mitindo conteúdos, mas redescobrindo, construindo e ressigni- - Auxiliar hábitos alimentares e de higiene
ficando estes conhecimentos, participando de suas realidades - Suprimir a falta de opções oferecidas pelos pais ou famílias
históricas, pessoais, sociais e existenciais. - Ampliar a aprendizagem dos alunos além do tempo em
Nessa obra, Paulo Freire expõe os saberes necessários à sala de aula
prática docente e orienta educadores a refletirem sobre sua prá-
tica pedagógica, modificando o que considerarem necessário, Cap.2 O bairro, a cidade, a criança e a educação integral
aperfeiçoando seu trabalho e fazendo diariamente opções pelo Não se pode falar de cidade educadora sem educação in-
melhor, não de forma ingênua, mas com a certeza de que se há tegral. A cidade de hoje está sendo construída somente para
tentativas, há esperanças e possibilidades de mudanças. adultos e as crianças não tem espaço para brincar que não é
Diante do exposto, a obra em questão apresenta-se como somente um direito mas um dever.
uma literatura atual sobre os saberes necessários à prática Para uma educação integral precisamos de uma pedagogia
educativa vislumbrando a autonomia dos sujeitos. Este livro da cidade articulada com uma cidade como pedagogia, isto é,
torna-se interessante para educadores e demais profissionais, uma cidade onde todos os seus espaços e agentes “assumam
pois ressalta a formação pedagógica e seus conceitos, os quais sua responsabilidade educativa no conjunto de um projeto con-
podem ser aplicados em todas as relações de ensino-aprendiza- junto”. (GÓMEZ-GRANELL; VILA, 2009, p. 16)
gem. Esta prática é muito utilizada na área da saúde, especial- 16 Fonte: www.periodicos.ufpe.br

38
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

De acordo com Padillha, a educação precisa ser sociocultural e socioambiental, em todos os cantos. Foi com base nessa tese que
criou o conceito de “Município que Educa”. Os conceitos de “Cidade Educadora”, “Município Educador Sustentável” e “Município que
Educa” retomam o que o poeta grego Simônides já sustentava seis séculos antes de Cristo: “Polis andra didaskei”. (É a cidade que
educa o homem).

Cap3. Tempo integral e qualidade sociocultural da educação


Ampliar a jornada escolar exige menos recursos do que se pode imaginar. Mas, exige muita imaginação, vontade política e inte-
gração de diversos programas, escolar está assentada no conceito de educação integral, que articula todas as ações do governo às
demandas da população, entendendo que todas elas têm a ver, direta ou indiretamente, com a educação.
Avaliação constante dos professores e aperfeiçoamento é necessário para garantir progresso e qualidade. segundo Jussara vieira
a profissão vive hoje uma crise profunda por professores tensionados por muitos fatores.
A escola é para todos, logo os alunos mais pobres sendo inclusos precisam de recursos e meios para acompanhar todo o processo
de aprendizagem (condução, material, uniforme, alimentação).
Precisamos da escola também para educar a cidade, o município, o país, para redistribuir renda, para construir uma nova cultura
política, fundada no diálogo, na escuta, na vivência da democracia em todos os espaços sociais.

Cap 4. Escola cidadã, cidade educadora e educação integral


Brasil - abandono gira em torno de 20% e a reprovação em torno de 40% e esse quadro custa mais caro para o país do que qual-
quer inovação.
Educação cidadã informal ou não, todos tem informação, se diminui a desigualdade.
Escola cidadã enraizada no movimento de educação popular comunitária, quem opera mudança é o coletivo e não somente go-
vernantes. Educadora quando todos os seus habitantes usufruem da mesmas oportunidades de formação, de desenvolvimento e de
entretenimento que ela oferece.
Assim, cidade (civitas) é uma comunidade política cujos membros, os cidadãos, se autogovernam e cidadão é a pessoa que goza
do direito de cidade. “Cidade”, “cidadão”, “cidadania” referem-se a uma certa concepção da vida das pessoas, daquelas que vivem de
forma “civilizada” (de civilitas, afabilidade, bondade, cortesia), participando de um mesmo território, autogovernando-se, construindo
uma “civilização”.
A relação educação cidadã e educação integral é fundamental.
O sonho da minha escola, diz Georges Snyders (1988, p. 210), em seu livro Alegria na escola, não é “suprimi-los” e substituí-los
por uma “cultura extraescolar”, mas valorizá-los e buscar a alegria e a intensa “satisfação cultural” proporcionadas pela construção
do saber elaborado.

Cap 5. Inovações educacionais em processo


O autor apresenta algumas escolas que implantaram o conceito de tempo integral e de educação integral.

Leva em conta todos os aspectos cognitivos e político-sociais;


Apucarana (PR) Programa de educação
Quatro pactos foram aplicadas com a comunidade: Pacto pela Educação, Pacto pela Res-
integral, instituído por lei municipal
ponsabilidade Social, Pacto pela Vida e Pacto por uma Cidade Saudável.

Porto Alegre (RS) Cidade Escola Ações voltadas para o dia a dia na comunidade.

Oferece para os alunos do ensino infantil e fundamental, em situação de risco pessoal e


Vitória (ES) Educação em tempo In-
social, assistência integral por meio de um conjunto de políticas sociais integradas e articu-
tegral
ladas pelo poder público municipal.

Tem o objetivo de promover a cultura do voluntariado, estimulando a participação das


crianças e dos jovens. Com esse programa, o Instituto oferece o “Selo Escola Voluntária”
Ariquemes (RO) Escola solidária
às escolas que desenvolvem projetos que promovem o voluntariado educativo e a solida-
riedade, entendendo que o trabalho voluntário faz parte da formação integral do jovem.

39
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Inspirado nos princípios da Cidade Educadora;


Docentes em tempo integral;
Estagiários e estudantes do ensino médio e superior acompanham as crianças na mobili-
dade pelo bairro;
Nova Iguaçu (RJ) Bairro escola No bairro, agentes do Trânsito, da Defesa Civil, do Ordenamento Urbano, da Limpeza Ur-
bana e da Saúde, atuam como educadores, na atenção voltada para a proteção da criança;
Sustenta-se no princípio da democracia participativa;
Novos espaços escolares;
Escola ensina e aprende com o bairro que ensina e aprende com a escola e se reinventam.

Tem por objetivo contribuir para com a melhoria da qualidade da educação, por meio da
ampliação da jornada educativa dos alunos do ensino fundamental e com ações de forma-
Belo horizonte (MG) Escolas Integra- ção nas diferentes áreas do conhecimento;
das, uma ampliação da Escola Plural Uma ação do programa é o projeto “Colorindo meu caminho”: a escola oferece o cimen-
de ARROYO to, a areia, a tinta e os moradores, em mutirão, vão reformando ruas, calçadas, pintando
paredes, muros, casas, definindo, em conjunto, a cor da sua casa e aprendendo a viver em
coletividade;

Os CEUS, que oferece atividades educadoras para os além matriculados, alunos de baixa
renda;
Programa da Escola Cidadã, compõe o cenário de inovações da política educacional: a
elaboração do Projeto Eco-Político-Pedagógico com ampla participação popular; o forta-
lecimento da gestão democrática por meio dos Conselhos de Gestão Compartilhada e do
projeto Sementes de Primavera; a reorientação curricular da educação infantil, do ensino
fundamental e da educação de adultos e a formação continuada de gestores, professores
e funcionários;
“Escolinha do Futuro”, que tem como objetivo promover a inclusão social por meio de ativi-
dades esportivas a cerca de 10 mil crianças matriculadas no Ensino Fundamental;
“Programa de Educação Inclusiva”. A inclusão social é prioridade no atendimento às ne-
Osasco e Sorocaba (SP) Educação cessidades da população e reorganização da sociedade. Este Programa tem como eixos de
integral, escola cidadã, cidade edu- trabalho formação, acessibilidade, assessoria à gestão da educação inclusiva, comunicação
cadora e informação com processos de diagnóstico, monitoramento e avaliação para inclusão edu-
cacional das pessoas com deficiência, produzindo novos conhecimentos e perspectivas de
ação para a inclusão social de todos;
“Lego nas Escolas”, que usa kits de jogos para estimular o raciocínio lógico dos alunos, a
partir de problemas e questões propostos por professores, transformando-os em protago-
nistas do aprendizado.
Programa Amigos do Zippy, destinado aos alunos da primeira série do Ensino Fundamental,
busca desenvolver na criança um conhecimento de si, favorecendo a exploração das suas
próprias emoções, sentimentos e subjetividades;
Programa Caravana da Cultura que articula diversas ações e alternativas de lazer e entre-
tenimento nos bairros da cidade aos finais de semana, incluindo atividades recreativas,
culturais e esportivas.

Cap. 6 Princípios da educação integral, integrada, integradora e em tempo integral


Surge o debate Co-responsabilização dos agente públicos da educação (prestação de contas, dar visibilidade às suas ações) favo-
recendo inovação educacional.
Princípio geral da educação integral é o da integralidade que refere-se à base da educação, que deve ser integral, omnilateral e
não parcial e fragmentada. Também como princípio organizador do currículo escolar promovendo a integração de todos os conheci-
mentos de forma interdisciplinar, transdisciplinar, intercultural, intertranscultural e transversal, baseando a aprendizagem nas vivên-
cias dos alunos.
A educação integral proporciona a troca da formação do conhecimento simbólico pelo sensível. Além do conhecimento simbóli-
co – linguístico, matemático – e do conhecimento sensível, da arte, da dança, da música, que nos ajuda a melhor conviver, a melhor
sentir, existe o conhecimento técnico-tecnológico, que deve nos ajudar a melhor fazer, a sermos mais curiosos e criativos
Princípios e valores que o autor crê ser importante para a escola integral:
Conectividade - escola-comunidade, escola-bairro, requalificação urbana, sensação de pertencimento, mobilização.

40
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

ntersetorialidade - a articulação do projeto com as várias CAPÍTULO 1- O ENSINO PARA A SOCIEDADE DO CONHECI-
secretarias do governo municipal, integrando saberes e experi- MENTO: EDUCAR PARA A INVENTIVIDADE
ências de planejamento e de ação de cada setor, visando a um Neste capítulo, o autor aponta a profissão de professor
trabalho conjunto na concepção, implementação e na avaliação como paradoxal. O paradoxo está no fato de ser uma profissão
do projeto. Flexibilidade. Regime de colaboração. que deve gerar as habilidades e as capacidades necessárias ao
Interculturalidade e Intertransculturalidade. O conceito de fazer profissional na sociedade do conhecimento. Este fazer
interculturalidade é sinônimo de interação, troca e interdepen- profissional está diretamente relacionado à construção e inova-
dência cultural. A diversidade é a grande riqueza da humanida- ção contínua da sociedade do conhecimento, o que é essencial
de. Não existe hierarquia entre as culturas. para a prosperidade econômica. Ao mesmo tempo, os profes-
Intertransdisciplinaridade - o trabalho coletivo das diferentes sores também devem lutar contra os resultados problemáticos
disciplinas, associando os professores numa reflexão-ação comum. provenientes da forma como está organizada a sociedade e a
Sustentabilidade - Entendemos o conceito de sustentabili- economia do conhecimento. Um destes resultados é a desigual-
dade como suporte do Programa Bairro-Escola numa perspec- dade social (o distanciamento entre ricos e pobres).Na Revolu-
tiva ética voltada para uma cultura de paz e de justiça socioam- ção Industrial os recursos do trabalho humano se deslocaram
biental. Trabalho e renda. Economia solidária. Requalificação do campo para a cidade. Este movimento gerou fortes impactos
urbana. Qualidade de vida na organização social resultantes da superpopulação e, conse-
Informalidade - A cidade precisa ser um lugar de encontro quentemente, da miséria urbana. Este fato provocou um re-di-
e de intercâmbio entre iguais e entre diferentes. Assim, a escola recionamento dos recursos voltados à criação de grandes insti-
deverá tornar-se um grande espaço de vivências culturais e de tuições da vida e do espaço públicos, tais como a educação, as
produção coletiva do conhecimento contextualizado para um bibliotecas públicas e os grandes parques municipais visando a
mundo justo, saudável e produtivo. A cidade precisa responsabi- beneficiar as pessoas. A Revolução do conhecimento também
lizar-se pelo destino da educação de seus filhos e pelas mudan- tem provocado um redirecionamento dos recursos, mas este
ças que a escola precisa fazer agora, urgentemente, neste início tem privilegiado bolsos privados como forma de aumentar as
de milênio. Muitas crianças dizem que gostam mais de ir para a despesas dos consumidores e estimular o investimento no mer-
“escola da tarde”, porque é informal, porque é mais lúdica. Por cado de ações, o que resulta em especulações intermináveis.
que não transformar a “escola da manhã” também numa escola Esta situação favorece gastos públicos e a promoção de iniciati-
de boniteza e de ludicidade?17 vas privadas, o que coloca em risco muitas instituições, inclusi-
ve a educação. Em uma sociedade em que deveríamos obter o
máximo do trabalho dos professores e de investimento nestes,
uma vez que são os profissionais que preparam as crianças para
HARGREAVES, A. O ENSINO NA SOCIEDADE DO CO- a sociedade do conhecimento, seus salários têm sido reduzidos
NHECIMENTO: EDUCAÇÃO NA ERA DA INSEGURANÇA. pela limitação e retenção dos recursos para este setor. A profis-
PORTO ALEGRE: ARTMED, 2004. são de professor vem sendo desvalorizada. Muitos professores
têm abandonado a profissão, e desestimulados ,outros a se-
guem. Estes se encontram presos em um triângulo de interesses
O livro baseia-se nos resultados de duas pesquisas sobre e questões conflitantes, em que as laterais do triângulo podem
o aprimoramento e a reforma do ensino médio. Tais pesquisas ser representadas pela condição de catalisadores da sociedade
foram realizadas em oito escolas localizadas no Canadá e nos do conhecimento e por responsáveis de criar contrapontos à
Estados Unidos, foram financiadas pela fundação Spencer com sociedade do conhecimento e a suas ameaças à inclusão, à se-
sede neste último país, e teve o apoio de uma parceria finan- gurança pública e à vida pública. A base do triângulo representa
ciada pelo Comitê de Educação da região de Peel e pelo Minis- as baixas da sociedade do conhecimento em um mundo onde
tério da Educação e Formação de Ontário. Esta obra focaliza as crescentes expectativas com relação à educação estão sendo
fundamentalmente a natureza, o impacto da aprendizagem e do respondidas com soluções padronizadas, ofertadas a custos mí-
desenvolvimento profissionais no ensino. O autor considera a nimos. As explosões demográficas durante o que Eric Hobsbawn
época atual como propícia para uma reforma educacional am- denominou como “a era de ouro da história”, épocas posteriores
pla, uma vez que políticas, prática e conhecimento de pesquisa à Segunda Guerra Mundial, resultam em uma maior demanda
estão caminhando paralelamente e tentando um intercâmbio por professores, pois havia um otimismo sobre o poder da edu-
de aprendizagem entre si. Com este propósito, há um interesse cação e orgulho em exercer a profissão. É a era do profissional
mundial na maneira como as estratégias Key Stage , integraram autônomo, com elevados salários e status. Mas, foram poucas
os sistemas de ensino à pedagogia baseada em pesquisas e a as inovações, criadas nesta era, que perduraram. O que vemos,
um intenso aprimoramento profissional. A sociedade atual pode atualmente, é ainda a utilização de estratégias metodológicas
ser considerada como sociedade de conhecimento e esta se ca- tradicionais: alunos em sala de aulas, aulas expositivas, traba-
racteriza, sobretudo, por produzir economias do conhecimento lhos a serem realizados por alunos e métodos de pergunta e res-
que são estimuladas e movidas pela criatividade e pela inven- posta. Os países menos desenvolvidos não foram contemplados
tividade. Portanto, as escolas atuais, uma vez que fazem parte de forma digna com a riqueza econômica mundial. A ajuda foi
desta sociedade, deverão ter como norteador do processo ensi- direcionada ao estabelecimento ou à ampliação da educação
no-aprendizagem a criatividade e a inventividade. básica fundamental, de nível médio e a alfabetização, níveis de
escolaridade considerados necessários para o desenvolvimento
17 Fonte: www.meusresumosconcursos.blogspot.com econômico. Porém, os recursos foram limitados repercutindo

41
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

em baixos salários de professores e na desqualificação destes. CAPÍTULO 3 – O ENSINO APESAR DA SOCIEDADE DO CO-
Na década de 90, a média de idade dos professores em muitos NHECIMENTO I: O FIM DA INVENTIVIDADE
países da OCDE (Organização para a Cooperação Econômica e Este capítulo aponta para alguns resultados da pesquisa
Desenvolvimento) estava acima dos 40 anos. Sob as pressões da realizada nos Estados de Nova York e Ontário. Estes mostram
reforma, desânimo, níveis de estresse, as taxas de esgotamento que a reforma educacional, até aqui realizada, não tem prepa-
de professores aumentaram, mesmo em países como o Japão, rado as pessoas para a economia do conhecimento e também
onde os ciclos de reforma educacional haviam começado mais não há preparo para o enfrentamento da vida pública para além
tarde. Muitos professores começaram a se sentir desprofissio- desta economia. Os dados também apontam para os padrões
nalizados à medida que os efeitos da reforma e da reestrutura- curriculares: são suscetíveis a padronizações insensíveis à reali-
ção se faziam sentir. A reforma escolar nas nações ocidentais se dade. Este fato traz diversas consequências, como por exemplo,
justificava à medida que se faziam comparações internacionais a degradação da própria graduação, o fracasso e a frustração
com outras formas de avaliar o processo de ensino-aprendiza- dos professores. Ensinar para a sociedade do conhecimento, e
do: o milagre econômico dos “tigres” asiáticos de Hong Kong, ensinar para além dela, não precisam ser objetivos incompatí-
Cingapura, Coréia, Taiwan e Japão. Contudo, a emergente so- veis. Não é adequado tender para um lado específico do “pên-
ciedade do conhecimento necessita de muito mais flexibilidade dulo”: educando jovens para a economia ou para a cidadania e
no ensino e na aprendizagem do que foi permitido por essas a comunidade. Essas posições polarizadas trazem poucos bene-
tendências. Nessa sociedade, em constante transformação e fícios a eles, uma vez que ensinar apenas para a sociedade do
autocriação, o conhecimento é um recurso flexível, fluido, em conhecimento prepara os alunos e as sociedades para a prospe-
processo de expansão e mudança incessante. Na atualidade, co- ridade econômica, mas limita as relações das pessoas àquelas
nhecimento, criatividade e inventividade são intrínsecos a tudo instrumentais e econômicas, além de restringir as interações de
o que as pessoas realizam A exigência que hoje se tem de educar grupo ao mundo mecânico da “catraca” do trabalho em equipe
para a inventividade está pautada nas dimensões que envolvem temporário, canaliza as paixões e os desejos das pessoas para a
a sociedade do conhecimento: primeiro, esta engloba uma esfe- terapia varejista das compras e do entretenimento e para lon-
ra científica, técnica e educacional ampliada; segundo, envolve ge das interações interpessoais. Ensinar exclusivamente para
formas complexas de processamento e circulação de conheci- além da sociedade do conhecimento também poderá acarretar
mento e informações em uma economia baseada em serviços; complicações, porque se, por um lado, favorece a atitude de cui-
terceiro, implica transformações básicas da forma como as or- dado e solidariedade, desenvolve caráter e constrói identidade
ganizações empresariais funcionam de modo a poder promover cosmopolita, por outro, as pessoas estão despreparadas para a
a inovação contínua em produtos e serviços, criando sistemas , economia do conhecimento, o que poderá possibilitar a exclu-
equipes e culturas que maximizem a oportunidade para a apren- são delas. Os professores e outros deverão agora se dedicar a
dizagem mútua e espontânea. unir essas duas missões, de ensinar para a sociedade do conhe-
cimento e para além dela, em uma só, tornando-a o ponto alto
CAPÍTULO 2- O ENSINO PARA ALÉM DA SOCIEDADE DO CO- de seu propósito.
NHECIMENTO: DO VALOR DO DINHEIRO AOS VALORES DO BEM
Ensinar para além da economia do conhecimento signifi- CAPÍTULO 4 -O ENSINO APESAR DA SOCIEDADE DE CONHE-
ca desenvolver os valores e as emoções do caráter dos jovens, CIMENTO II: A PERDA DA INTEGRIDADE
ressaltar a aprendizagem emocional na mesma medida que a A melhoria dos padrões de desempenho, na forma de me-
cognitiva, estabelecer compromissos com a vida coletiva e não tas com base em disciplinas, ou ainda a ênfase excessiva com
apenas com o trabalho em equipe de curto prazo e cultivar uma base na alfabetização e nos cálculos aritméticos, acabam por mi-
identidade cosmopolita que suporte tolerância com diferenças nimizar a questão interdisciplinar importante à educação global,
de raça e gênero, responsabilidade para com os grupos excluí- que está no centro da identidade cosmopolita. É também no-
dos dentro e além da própria sociedade.Com este propósito, os tório que, na reforma padronizada, os professores são tratados
professores devem se comprometer com o desenvolvimento e como geradores de desempenhos padronizados, monitorados
com a aprendizagem profissional formal, trabalhar com os cole- de perto. Estes têm a vida profissional supercontrolada, o que
gas em grupos de longo prazo, e ter oportunidades para ensinar gera uma insatisfação quanto à perda da autonomia, criativi-
e aprender em diferentes contextos e países. Para tais compro- dade, flexibilidade restrita e capacidade limitada para exercer
missos existem desafios, um destes é equilibrar as forças caóti- seu julgamento profissional. Este fato faz desabar a comunidade
cas do risco e da mudança com uma cultura de trabalho capaz profissional, uma vez que os professores lutam de forma soli-
de gerar coerência entre as muitas iniciativas que a escola tem tária, fazendo com que o amor pela aprendizagem desapareça.
buscado. A sociedade do conhecimento é, de várias maneiras,
mais uma sociedade do entretenimento na qual imagens fuga- CAPÍTULO 5- A ESCOLA DA SOCIEDADE DO CONHECIMEN-
zes, prazer instantâneo e pensamento mínimo fazem com que TO: UMA ENTIDADE EM EXTINÇÃO
“nos divirtamos até a morte”. Na economia do conhecimento, Este capítulo mostra a experiência de uma escola bem su-
o consumidor é o centro, para a maioria das pessoas, a opção cedida. A escola de nível médio Blue Mountain, de Ontário, é
está inversamente relacionada à significação. Ensinar, para além exemplo de uma escola da sociedade do conhecimento. Desta-
do conhecimento, implica resgatar e reabilitar a ideia do ensino ca-se, sobretudo por ter, desde sua criação, seguido os princí-
como vocação sagrada, que busca uma missão social atrativa. pios de uma organização de aprendizagem e de uma comuni-
dade de aprendizagem. Esta escola promove equipes, envolve
a todos no contexto geral de suas diretrizes, utiliza a tecnologia

42
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

para promover a aprendizagem pessoal e organizacional, com- outros, como uma questão necessária à inclusão social, em que
partilha os dados e, com base no consenso, toma decisões, en- as chances sejam disponibilizadas a alunos de todas as raças,
volve os pais na definição das metas para os estudantes quando origens e habilidades iniciais. Nossa prosperidade futura está di-
estes deixam a escola. A escola referida, além de ser uma co- retamente relacionada com a nossa capacidade de inventivida-
munidade de cuidado e solidariedade, caracterizou-se por ser de, de aproveitar e desenvolver nossa inteligência coletiva para
uma comunidade de aprendizagem que dá valor diferenciado à os atributos centrais da economia do conhecimento, ou seja,
família, aos relacionamentos e à preocupação cosmopolita com para inventividade, criatividade, resolução de problemas, para
os outros no mundo. Portanto, além desta escola ensinar para a a cooperação, para flexibilidade, para a capacidade de desenvol-
possibilidade de construção e de revitalização da economia do ver redes e para lidar com a mudança e com o compromisso da
conhecimento, ensina para além desta possibilidade. No entan- aprendizagem para toda vida. O livro também aponta os custos
to, a reforma padronizada foi uma ameaça a essa escola, uma da economia do conhecimento e algumas conseqüências trazi-
vez que reciclou as transformações em políticas e as direcionou das por esta. Estas consequências podem ser percebidas em um
de volta à escola em formatos rígidos que acabaram por tornar mundo fragmentado e frenético que fragiliza as comunidades,
as mudanças inviáveis. corrói os relacionamentos, espalha a insegurança e prejudica
a vida pública. Tendo em vista estes fatores prejudiciais, fruto
CAPÍTULO 6- PARA ALÉM DA PADRONIZAÇÃO: COMUNIDA- deste tipo de economia, os professores devem ter como meta
DES DE APRENDIZAGEM PROFISSIONAL OU SEITAS DE TREINA- a preservação e fortalecimento dos relacionamentos. Ensinar
MENTO PARA O DESEMPENHO? para além da economia do conhecimento significa acrescentar à
O Capítulo 6 traz uma análise das políticas de países que agenda da reforma valores que construam comunidade, desen-
não pertencem a América do Norte, que passaram pela experi- volvam capital social e uma identidade cosmopolita. As refor-
ência de seguir um sistema educacional padronizado e, agora, mas educacionais têm visado à padronização insensível, o que
aderiram à urgência de ir além dela. Esta urgência se caracteri- torna quase impossível para muitos professores lecionar para a
za, sobretudo, pela crise de recrutamento de professores e pela sociedade do conhecimento e além desta.
necessidade de atrair e manter pessoas capazes na profissão. A proposta, apontada neste livro, é que se estabeleçam
estratégias mais sofisticadas para a melhoria na sociedade do
Existem outras tendências de mudança educacional, mas são
conhecimento, que combinem elementos de treinamento para
conflituosas. Tanto os professores, quanto as escolas das nações
o desempenho e de comunidade profissional em quase todas
e comunidades mais pobres, estão sendo submetidas a inter-
as escolas, possibilitando um diálogo crítico desde o início para
venções microgestadas nas áreas de alfabetização e aritmética,
impedir que o treinamento se torne seita complacente. Uma
assumindo um modelo de seitas de treinamento para o desem-
das grandes tarefas dos educadores é ajudar a construir um mo-
penho. Estas proporcionam aos professores apoio intensivo
vimento social dinâmico e includente de educação pública na
para a implementação das intervenções altamente prescritivas
sociedade do conhecimento, visando às seguintes propostas:•
em áreas “básicas” do currículo, que demandam benevolência Reacender seus próprios propósitos e missões morais em um
profissional. Os riscos de ir além da padronização está na possi- sistema que começou a perdê-los de vista.
bilidade do aparecimento de sistema de apartheid no desenvol- • Abrir suas ações e mentes a pais e comunidades e tam-
vimento profissional, caracterizado pelos privilégios aos ricos e bém se envolver com suas missões.
bem-sucedidos em participar da comunidade de aprendizagem • Trabalhar com seus sindicatos para que se tornem agentes
profissional, enquanto os pobres e os fracassados sejam subme- de sua própria mudança.
tidos ao treinamento de desempenho sectário. • Levantar-se corajosamente contra a injustiça e a exclusão,
onde quer que a vejam.
CAPÍTULO 7- O FUTURO DO ENSINO NA SOCIEDADE DO • Reconhecer que têm uma responsabilidade profissional
CONHECIMENTO: REPENSAR O APRIMORAMENTO, ELIMINAR O com todos, demonstrando isto por meio de redes de cuidado
EMPOBRECIMENTO de solidariedade. Para que tais propostas sejam efetivas, cinco
O Capítulo 7 traz o posicionamento contra o apartheid tarefas são exigidas de nós:
apontado anteriormente. Este posicionamento se caracteriza • Precisaremos reviver e reinventar o ensino como uma
pela tarefa essencial de redesenhar a melhoria escolar a partir missão social apaixonada, vinculada à criação de uma sociedade
de linhas de desenvolvimento, voltadas a disponibilizar a comu- do conhecimento includente, inventiva e cosmopolita, à trans-
nidade profissional a todos, e pôr fim ao empobrecimento edu- formação do mundo dos professores tanto quanto do seu traba-
cacional e social que prejudica a potencialidade de avanço que lho. Todos, inclusive os governos, terão que ajudar nisto.
muitas nações e comunidades possam ter. Sob este propósito, • Precisaremos ajudar a construir um movimento social que
a busca da melhoria e o fim da pobreza deveriam ser missões lute a favor do investimento em um sistema educacional e em
sociais e profissionais fundamentais da reforma educacional no uma sociedade de inventivos e includentes, que beneficiem a
século XXI, em um dos seus grandes projetos de inventividade todos.
social. • Precisaremos desenvolver estratégias mais sofisticadas de
melhoria escolar, que reconheçam as diferenças entre professo-
O propósito deste livro é apontar a natureza e a importância res e escolas e construam caminhos distintos de desenvolvimen-
da sociedade do conhecimento, do mundo no qual os professo- tos para todos eles.
res fazem atualmente seu trabalho. Os professores devem pre- • Precisaremos reconhecer que a inventividade, a expe-
parar os jovens para ter sucesso na economia do conhecimen- rimentação e a flexibilidade mais elevadas não deveriam ser
to, com a finalidade de sustentar a própria prosperidade e a de oferecidas apenas como recompensa a escolas afluentes e seus

43
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

professores com desempenho superior, mas como incentivos Notas e conceitos são superficiais e genéricos em relação
poderosos aos melhores professores e líderes, para que assu- à quantidade das tarefas e manifestações dos alunos. Um pro-
mam o desafio do trabalho transformador com crianças e esco- cesso contínuo de auto-avaliação está no cerne da relação entre
las em comunidades pobres nos níveis inferiores. educadores e educandos.
• Precisaremos demonstrar coragem política e integridade,
reconectando a agenda da melhoria educacional a um combate As múltiplas dimensões do olhar avaliativo
renovado ao empobrecimento social. A inventividade, o investi- Avaliação é sinônimo de controle? Sim, não resta a menor
mento e a integridade, assim como a identidade cosmopolita, são dúvida. Dizer-se que a prática avaliativa em nossas escolas não
exigidas de todos nós. De outra maneira, a insegurança e o pior é de controle institucional, social, público, é não percebê-la em
serão tudo o que teremos, e não menos do que merecemos.18 sua plenitude. Controla-se, via avaliação educacional, a quanti-
dade da ação da sociedade, do poder público, do professor, do
aluno, dos pais.
Definir objetivos é delinear o norte, o destino essencial das
HOFFMANN, JUSSARA. AVALIAR PARA PROMOVER. ações educativas, no seu sentido mais amplo.
PORTO ALEGRE: MEDIAÇÃO, 2002. Muito se tem discutido sobre interdisciplinaridade e temas
transversais, mas a análise do desenvolvimento do aluno ainda
se dá de forma fragmentada.
Os estudos em avaliação deixam para trás o caminho das
verdades absolutas, dos critérios objetivos, das medidas padro- Avaliação e Meditação
nizadas e das estatísticas, para alertar sobre o sentido essencial As novas concepções de aprendizagem propõem funda-
dos atos avaliativos de interpretação de valor sobre o objeto da mentalmente situações de busca contínua de novos conheci-
avaliação, de um agir consciente e reflexivo frente às situações mentos, questionamento e crítica sobre as idéias em discussão,
avaliadas e de exercícios do diálogo entre os envolvidos. complementação através da leitura de diferentes portadores de
Este primeiro princípio estabelece a contraposição básica texto, mobilização dos conhecimentos em variadas situações-
entre uma concepção classificatória de avaliação, de julgamento
-problema, expressão diversificada do pensamento do aprendiz.
de resultados, e a concepção de avaliação mediadora, de ação
O cenário da relação entre professores e alunos, portanto,
pedagógica reflexiva.
é constituído por diferentes dimensões do diálogo: orientar, in-
Em uma avaliação mediadora, o confronto entre objetivos
formar, questionar, aconselhar, criticar, observar, responder, ex-
pretendidos e alcançados, interesses e valores dos alunos não
plicar, corrigir, ouvir... Cada uma dessas ações pode desencadear
se destina a explicar o seu grau de aprendizagem, mas essencial-
diferentes reações, atitudes de receptividade ou de divergência
mente, a subsidiar o professor e a escola no sentido da melhor
dos alunos.
compreensão dos limites e possibilidades dos alunos e de ações
subseqüentes para favorecer o seu desenvolvimento: uma ava- A aprendizagem significativa aparece com freqüência nas
liação em síntese que se projeta a vislumbra o futuro, tem por discussões sobre avaliação, justificando-se, muitas vezes, dificul-
finalidade a evolução da aprendizagem dos educandos. dades de aprendizagem e de interesse do aluno pelo fato de se
Desenvolver estudos paralelos de recuperação significa pro- desenvolver propostas pedagógicas que não contemplem esse
por aos alunos, permanentemente, gradativos desafios e tare- pressuposto.
fas articuladas e complementares as etapas anteriores, visando No que se refere a condições prévias, há muito para se co-
sempre ao maior entendimento, à maior precisão de suas res- nhecer de uma turma de alunos, ao iniciar o trabalho pedagógi-
postas, à maior riqueza de seus argumentos. co, a partir de entrevistas com a família e dos registros da escola.
É compromisso dos pais acompanhar o processo vivido pe- As experiências de ensino por projetos pedagógicos de-
los filhos, dialogar com a escola, assumir o que lhes é de res- monstram alcançar êxito nesse sentido, à medida que os estu-
ponsabilidade. Mas é compromisso da escola compreender e dantes seguem por rumos diversos, em busca de objetos simi-
assumir os compromissos e limites de cada parte, bem como é lares.
responsabilidade do governo, que institui uma escola obrigató- Todo estudante é capaz de analisar suas condições de
ria e de direito a todas as crianças, provê-Ia de recursos huma- aprendizagem. Mesmo a criança muito pequena é capaz de re-
nos e materiais necessários oriundos dos impostos cobrados a fletir sobre suas ações e suas falas, mudando de atitudes partir
toda sociedade. de conversas com os adultos.

Outra concepção de tempo em avaliação Registros em avaliação mediadora


Muito falamos em processo quando se aborda a questão da Os conjuntos de dados que o professor constitui sobre o
avaliação. Mas o termo processo há muito perdeu seu sentido. aluno são recordes de uma história da qual ele participa e sobre
Todo o educador é consciente da necessidade de acompanhar o a qual tem compromisso de atribuir significado.
aluno ao longo do se processo de aprendizagem. Critérios de avaliação podem, por outro lado, serem enten-
Um dos grandes entraves ao melhor entendimento dos per- didos por orientações didáticas de execução de uma tarefa, por
cursos individuais é o pressuposto de tarefas iguais para todos seus aspectos formais. O que é bastante grave, pois a observa-
os aluno, de tempos de execução e ritmos de aprendizagem ho- ção do professor pode centrar-se na análise de tais aspectos.
mogêneos e de explicações ao grande grupo ao invés de ativida- O avaliador não pode ser neutro ou ausente, segundo o au-
des diversificadas. tor, porque ele toma partido, principalmente quando o objetivo
18 Fonte: www.educacadoresemluta.blogspot.com avaliado é uma pessoa.

44
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

“Como adquirir coragem para enfrentar os percalços de um A construção desses textos parte dessa visão dinâmica do
caminho desconhecido?” - perguntam - me muitos. Ninguém conhecimento e das práticas educativas, de sua condição con-
que tenha feito esse caminho, até hoje, nega que tenha valido a textualizada. Daí que, quando os sistemas de ensino, as escolas
pena! Esta, por enquanto, é a minha resposta.19 e seus profissionais se indagam sobre o currículo e se propõem a
reorientá-lo, a primeira tarefa será perguntar-nos que aspectos
da dinâmica social, política e cultural trazem indagações mais
prementes para o conhecimento, para o currículo e para as prá-
ticas educativas. Esta foi a primeira preocupação da equipe do
INDAGAÇÕES SOBRE O CURRÍCULO: - CADERNO Departamento de Políticas de Educação Infantil e Ensino Funda-
1 – OS EDUCANDOS, SEUS DIREITOS E O CURRÍCU- mental e dos autores dos textos. Esta poderá ser a preocupação
LO – ARROYO, MIGUEL; CADERNO 2 – CURRÍCULO E dos coletivos profissionais das escolas e Redes: detectar aqueles
DESENVOLVIMENTO HUMANO – ELVIRA SOUZA LIMA; pólos, eixos ou campos mais dinâmicos de onde vêm as inda-
CADERNO 3 – CURRÍCULO, CONHECIMENTO E CULTU- gações sobre o currículo e sobre as práticas pedagógicas. Cada
RA – ANTONIO FLÁVIO MOREIRA E VERA MARIA CAN- um dos textos se aproxima de um eixo de indagações: desen-
DAU; CURRÍCULO E AVALIAÇÃO – CLAUDIA MOREIRA volvimento humano, educandos e educadores: seus direitos e
FERNANDES E LUIZ CARLOS DE FREITAS. o currículo, conhecimento e cultura, diversidade e avaliação.20
Para ver o documento na íntegra acesse: http://portal.mec.
Coletivos de educadores e educadoras de escolas e Redes gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/indag3.pdf
vêm expressando inquietações sobre o que ensinar e aprender,
sobre que práticas educativas privilegiar nas escolas, nos con-
gressos de professores e nos dias de estudo e planejamento. Por
seu lado, a teoria pedagógica tem dado relevância a pesquisas MORIN, E. OS SETE SABERES NECESSÁRIOS À EDUCA-
e reflexão sobre o currículo: há teoria acumulada para reorien- ÇÃO DO FUTURO. SÃO PAULO: CORTEZ, UNESCO, 2000.
tações bem fundamentadas, teoria a que têm direito os profis-
sionais da Educação Básica. Que diálogo é possível entre a teoria
Para a educação do futuro exige-se enfrentar os problemas
acumulada e as propostas e práticas de reorientação curricular?
que para o autor, “são ignorados ou esquecidos”. Para os edu-
A reflexão sobre o currículo está instalada como tema cen-
cadores, há a preocupação de como transmitir conhecimentos
tral nos projetos político-pedagógicos das escolas e nas propos-
dentro de uma estrutura social hierarquizada e em permanente
tas dos sistemas de ensino, assim como nas pesquisas, na teoria
transformação. É um desafio para eles lidar com os novos sabe-
pedagógica e na formação inicial e permanente dos docentes.
res que a sociedade moderna exige e que contribuição terá estes
Neste período de ampliação da duração do ensino fundamen-
novos saberes na educação do futuro. Em sua análise, o autor
tal, em que são discutidas questões de tempo-espaço, avaliação,
evidencia a sociedade contemporânea e como as diferentes
metodologias, conteúdo, gestão, formação, não seria oportuno maneiras de articular dentro do universo escolar uma formação
repensar os currículos na Educação Básica? Que indagações mo- mais humana, vinculando os conhecimentos antigos, modernos
tivam esse repensar? e contemporâneos não excluindo os aparelhos eletrônicos, que
As Secretarias de Educação Municipais, Estaduais e do DF, o tantas benesses trouxeram para a formação intelectual do ho-
MEC, por meio da Secretaria de Educação Básica e do Departa- mem deste novo século. O autor expõe também, nesta obra, a
mento de Políticas de Educação Infantil e Ensino Fundamental, velocidade e a eficiência com que as informações são divulgadas
assim como os Conselhos de Educação, vêm se mostrando sen- aos quatro cantos do continente e como são dimensionados os
síveis aos projetos de reorientação curricular, às diretrizes e às processos de controle e articulação de bases sólidas na trans-
indagações que os inspiram. missão de conhecimentos que seriam universais com interesses
Os textos que compõem o documento Indagações sobre da maioria. Edgar Morin expõe na sua obra 7 capítulos ou “sete
Currículo se propõem a trabalhar concepções educacionais e a saberes” necessários á educação do futuro.
responder às questões postas pelos coletivos das escolas e das O capítulo I, As Cegueiras do Conhecimento: o Erro e a Ilu-
Redes, a refletir sobre elas, a buscar seus significados na pers- são, p. 19-33, trata da cegueira com que a educação conduz o
pectiva da reorientação do currículo e das práticas educativas. conhecimento. Para o autor, o conhecimento está, em algum
As indagações sobre o currículo presentes nas escolas e na grau, ameaçado pelo erro e pela ilusão e é dever da educação
teoria pedagógica mostram um primeiro significado: a consci- mostrar que direção tomar. Mostra também o risco do erro pro-
ência de que os currículos não são conteúdos prontos a serem vocado pelas perturbações aleatórias ou de ruídos, em qualquer
passados aos alunos. São uma construção e seleção de conheci- transmissão de informação, em qualquer comunicação de men-
mentos e práticas produzidas em contextos concretos e em di- sagens. Na busca de conhecimentos que possibilitam eliminar o
nâmicas sociais, políticas e culturais, intelectuais e pedagógicas. risco do erro, poder-se-ia considerar a repressão de manifesta-
Conhecimentos e práticas expostos às novas dinâmicas e rein- ções de afetividade, mas chegou-se à conclusão de que a afeti-
terpretados em cada contexto histórico. As indagações revelam vidade pode fortalecer o conhecimento. Embora o desenvolvi-
que há entendimento de que os currículos são orientados pela mento do conhecimento científico seja necessário para detectar
dinâmica da sociedade. Cabe a nós, como profissionais da Edu- os erros e as ilusões, é de fundamental importância reconhecer
cação, encontrar respostas. e eliminar as ilusões que advêm das teorias científicas. A educa-
19 Por Paulo Cezar 20 Fonte: portal.mec.gov.br

45
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

ção precisa ensinar, no processo ensino-aprendizagem, a condi-


ção humana com base na razão, sem esquecer a afetividade, na PERRENOUD, P. DEZ NOVAS COMPETÊNCIAS PARA
emoção. ENSINAR. PORTO ALEGRE: ARTMED, 2000. OS CICLOS
No capítulo II (p. 35-46). Os princípios do Conhecimento DE APRENDIZAGEM. UM CAMINHO PARA COMBATER O
Pertinente, trata das informações essenciais sobre o mundo, FRACASSO ESCOLAR. PORTO ALEGRE: ARTMED, 2004.
que devem ser contextualizadas com os conhecimentos do mun-
do como mundo. A educação deve viabilizar meios ao acesso O ofício de professor deve consagrar temas como a prática
às informações a todo cidadão do novo milênio. Ao homem do educativa, a profissionalização docente, o trabalho em equipe,
futuro, a educação deve preocupar-se com a pertinência do co- projetos, autonomia e responsabilidades crescentes, pedago-
nhecimento. Como organizar um ensino-aprendizagem voltado gias diferenciadas, e propostas concretas. O autor toma como
ao Contexto, o Global, o Multidimensional, o Complexo. A lógica referencial de competência adotado em Genebra, 1996, para
do pensamento depende da articulação e organização dos co- uma formação continua. O professor deve dominar saberes a
nhecimentos do mundo. serem ensinados, ser capaz de dar aulas, de administrar uma
No capítulo III, Ensinar a Condição Humana, p. 47-61, o au- turma e de avaliar. Ressalta a urgência de novas competências,
tor trata a educação do futuro como meio de um ensino voltado devido as transformações sociais existentes.. As tecnologias mu-
ao conhecimento do humano, como parte do universo. Segundo dam, o trabalho, a comunicação, a vida cotidiana e mesmo o
ele, todo o conhecimento deve ser contextualizado para ser per- pensamento. A prática docência tem que refletir sobre o mun-
tinente. É dever da educação ensinar a condição humana consi- do. Os professores são os intelectuais e mediadores, interpretes
derando a razão sem esquecer afetividade dentro da emoção. ativos da cultura, dos valores e do saber em transformação. Se
No capítulo IV, Ensinar a Identidade Terrena (p. 63-78), re- não se perceberem como depositários da tradição ou percursos
lata as consequências do medo que tomou conta no século XX, do futuro, não serão desempenhar esse papel por si mesmos.
devido ao massacre ideológico visando o poder econômico. A O currículo deve ser orientado para se designar competên-
falta de explicação lógica para tais fatos desafia a educação a cias,, a capacidade de mobilizar diversos recursos cognitivos (sa-
encontrar um meio de ensinar com coerência e a ética da com- beres, capacidades, informações, etc.) para enfrentar, solucio-
preensão. nar uma serie de situações.
O capítulo V, Enfrentar as Incertezas (p. 79-92), fala das in- Dez domínios de competências reconhecidas como prioritá-
certezas históricas ao longo dos séculos. Segundo o autor, o sur- rias na formação contínua das professoras e dos professores do
ensino fundamental:
gimento do novo não pode ser previsto, senão não seria novo. O
avanço da história surge a partir de acontecimentos decorridos
1. Organizar e dirigir situações de aprendizagem.
de inovações ou de criações internas ou locais e são tratados
- Conhecer, para determinada disciplina, os conteúdos a se-
como desvios em relação à normalidade. Essas incertezas po- rem ensinados e sua tradução em objetivos de aprendizagem:
derão ser ensinadas à luz do processo histórico da humanidade. nos estágios de planejamento didático, da analise posterior e
No capítulo VI, Ensinar a Compreensão (p. 93-104), trata do da avaliação.
problema da compreensão. Enfatiza a incompreensão generali- - Trabalhar a partir das representações dos alunos: consi-
zada entre os humanos, em meio a uma profusão de meios de derando o conhecimento do aluno, colocando-se no lugar do
comunicação modernos. O papel da educação deve ser centrado aprendiz, utilizando se de uma competência didática para dia-
num processo de uma sociedade globalizada, convivendo com logar com ele e fazer com que suas concepções se aproxime dos
as tecnologias de informação, porém sem esquecer a condição conhecimentos científicos;
humana. - Trabalhar a partir dos erros e dos obstáculos à aprendiza-
No capítulo VII, A Ética do Gênero Humano (p. 105-115), gem: usando de uma situação-problema ara transposição didáti-
trata da inseparabilidade do gênero humano como a trilogia ca, considerando o erro, como ferramenta para o ensino.
indivíduo/sociedade/espécie. No processo educacional é neces- - Construir e planejar dispositivos e sequências didáticas;
sário conduzir as interações entre os indivíduos, pois são não - Envolver os alunos em atividades de pesquisa, em projetos
apenas inseparáveis, mas co-produtores um do outro. Nessas de conhecimento.
condições, a comunidade de destino planetário permite esperar
para o futuro uma maior participação dos indivíduos e das so- 2. Administrar a progressão das aprendizagens.
ciedades, uma nova consciência humana e consequentemente - Conceber e administrar situações-problema ajustadas ao
uma solidariedade planetária do gênero humano. No ensino da nível e as possibilidades dos alunos: em torno da resolução de
ética do gênero humano, o futuro da humanidade depende de um obstáculo pela classe, propiciando reflexões, desafios, inte-
como o homem vai construir seu caminhar.21 lectuais, conflitos sociocognitivos;
- Adquirir uma visão longitudinal dos objetivos do ensino:
dominar a formação do ciclo de aprendizagem, as fases do co-
nhecimento e do desenvolvimento intelectual da criança e do
adolescente, além do sentimento de responsabilidade do pro-
fessor pleno conjunto da formação do ensino fundamental;
- Estabelecer laços com as teorias subjacentes às atividades
de aprendizagens;
- Observar e avaliar os alunos em situações de aprendiza-
gens;
21 Fonte: www.studylibpt.com

46
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

- Fazer balanços periódicos de competências e tomar deci- Discutir a questão da informática na escola;
sões de progressão; - Utilizar editores de texto;
- Rumar a ciclos de aprendizagem: interagir grupos de alu- - Explorar as potencialidades didáticas dos programas em
nos e dispositivos de ensino-aprendizagem. relação aos objetivos do ensino;
- Comunicar-se à distância por meio da telemática;
3. Conceber e fazer evoluir os dispositivos de diferenciação. - Utilizar as ferramentas multimídia no ensino.
- Administrar a heterogeneidade no âmbito de uma turma,
com o propósito de grupos de necessidades, de projetos e não Assim, quanto à oitava competência de Perrenoud, que
de homogeneidade; trabalhos nessa pesquisa, a Informática na Educação, nos fez
- Abrir, ampliar a gestão de classe para um espaço mais vas- perceber que cada vez mais precisamos do computador, porque
to, organizar para facilitar a cooperação e a geração de grupos estamos na era da informatização e por isso é primordial que
multiidades.; nós profissionais da educação estejamos modernizados e acom-
- Fornecer apoio integrado, trabalhar com alunos portado- panhando essa tendência, visto que assim como um simples
res de grandes dificuldades, sem todavia transforma-se num psi- pagamento no banco, utilizamos o computador , para estarmos
coterapeuta; atualizados necessitamos obter mais esta competência para se
- Desenvolver a cooperação entre os alunos e certas formas fazer uma docência de qualidade.
simples de ensino mútuo, provocando aprendizagens através de
ações coletivas, criando uma cultura de cooperação através de 9. Enfrentar os deveres e os dilemas éticos da profissão.
atitudes e da reflexão sobre a experiência. - Prevenir a violência na escola e fora dela;
- Lutar contra os preconceitos e as discriminações sexuais,
4. Envolver os alunos em sua aprendizagem e em seu tra- étnicas e sociais;
balho. - Participar da criação de regras de vida comum referente á
- Suscitar o desejo de aprender, explicitar a relação com o disciplina na escola, às sanções e à apreciação da conduta;
saber, o sentido do trabalho escolar e desenvolver na criança a - Analisar a relação pedagógica, a autoridade, a comunica-
capacidade de auto-avaliação. O professor deve ter em mente o ção em aula;
que é ensinar, reforçar a decisão de aprender, estimular o desejo - Desenvolver o senso de responsabilidade, a solidariedade
de saber, instituindo um conselho de alunos e negociar regras e e o sentimento de justiça.
contratos;
- Oferecer atividades opcionais de formação, à la carte; 10. Administrar sua própria formação contínua.
- Favorecer a definição de um projeto pessoal do aluno, va- - Saber explicitar as próprias práticas;
lorizando-os e reforçando-os a incitar o aluno a realizar projetos - Estabelecer seu próprio balanço de competência e seu
pessoais, sem retornar isso um pré-requisito. programa pessoa de formação contínua;
- Negociar um projeto de formação comum com os colegas
5. Trabalhar em equipe. (equipe, escola, rede);
- Elaborar um projeto de equipe, representações comuns; - Envolver-se em tarefas em escala de uma ordem de ensino
- Dirigir um grupo de trabalho, conduzir reuniões; ou do sistema educativo;
- Formar e renovar uma equipe pedagógica; - Acolher a formação dos colegas e participar dela.
- Enfrentar e analisar em conjunto situações complexas,
práticas e problemas profissionais. Contribuir para o debate sobe a sua profissionalização, com
- Administrar crises ou conflitos interpessoais. responsabilidade numa formação continua.

6. Participar da administração da escola. Os ciclos de aprendizagem. Um caminho para combater o


- Elaborar, negociar um projeto da instituição; fracasso escolar
- Administrar os recursos da escola; Os ciclos de aprendizagem plurianuais estão sendo discuti-
- Coordenar, dirigir uma escola com todos os seus parceiros dos em inûmeros sistemas educacionais no mundo. A idéia de
(serviços para escolares, bairro, associações de pais, professores base é simples : substituir as etapas anuais de progressão por
de línguas e cultura de origem); etapas de ao menos dois anos ; fixar objetivos de aprendizagem
- Organizar e fazer evoluir, no âmbito da escola, a participa- para cada ciclo e capacitar os professores para orientar e facilitar
ção dos alunos. os percursos de formaçao das crianças, como já fazem durante
o ano letivo.
7. Informar e envolver os pais. Mas por que alterar pro fundamente a organização do tra-
- Dirigir reuniões de informação e de debate; balho escolar ? Philippe Perrenoud explicita com consistência e
- Fazer entrevistas; clareza os fundamentos pedagógicos dessa inovação estrutural
- Envolver os pais na construção dos saberes. e os passos necessários para colocá-la em prática, afirmando
que esse é o caminho para tornar a escola mais justa e eficaz.
8. Utilizar novas tecnologias. Esta obra também conta com a valiosa contribuiçao de Elba
As novas tecnologias da informação e da comunicação Siqueira de Sa Barreto e Eleny Mitrulis, professoras da Faculdade
transformam as maneiras de se comunicar, de trabalhar, de de- de Educação da USP, que contextualizam essa proposta na reali-
cidir e de pensar. O professor predica usar editores de textos, dade brasileira, descrevendo sua trajetória e desafios.22
explorando didáticas e programas com objetivos educacionais. 22 Fonte: www.lidialindislay.blogspot.com

47
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

- “num mundo em que se defronta a afirmação de uma ra-


RIOS, T. A. COMPREENDER E ENSINAR: POR UMA zão instrumental e a de um irracionalismo é preciso encontrar o
DOCÊNCIA DA MELHOR QUALIDADE. SÃO PAULO: equilíbrio, fazendo a recuperação do significado da razão articu-
CORTEZ, 2001. lada ao sentimento e, no que diz respeito ao ensino, à reapro-
priação do afeto no espaço pedagógico”.
CAPÍTULO I. COMPREENDER E ENSINAR NO MUNDO CON- Compreender o mundo “A filosofia se caracteriza como
TEMPORÂNEO uma busca amorosa de um saber inteiro”, através dela pode-se
Neste capítulo a autora aponta a associação entre Filosofia e refletir com clareza, de forma ampla e profunda. Ela nos orienta
Didática, e mostra como estes saberes humanos historicamente num esforço de compreensão que é a desconstrução da signi-
situados, corroboram para a formação contínua da competência ficação, o valor dos objetos sobre os quais se volta. “O gesto
do professor. A Filosofia é a reflexão e a compreensão da atu- inaugural da filosofia é aquele em que o pensamento não se re-
ação dos seres humanos no mundo. Didática é a preocupação conhece no regaço de um saber que já se tem, mas no jogo de
com o ensino, a socialização, criação e recriação. É necessário um aprender que não termina, (...) não no repouso finalmente
verificar as características do contexto, nos quais eles desem- conseguido do resultado, mas no movimento incessante da as-
penham suas funções e quais as alternativas para que estes su- piração e da busca; não a arrogância triunfante da posse, mas na
jeitos possam “fazer acontecer”. De quem é a responsabilidade medicância ansiosa do desejo.” (Larrosa, 1997:36)
pelo ensino? Há uma grande preocupação com relação a isso, Parece fundamental aqui o desprender-se do que já possu-
levando-se a encontrar no campo da educação a perspectiva de ímos. A Filosofia nos convida a essa releitura constante, através
um novo olhar sobre a ciência do ensinar. Nosso mundo, nosso da busca pela admiração. Aristóteles afirmava que a admiração
tempo - precariedade e urgências Com a passagem do milênio, é o primeiro estímulo que o ser humano tem para filosofar. A
no novo século, onde se afirma uma crise de significados da vida pergunta filosófica por exelencia é: de onde viemos? Para onde
humana, das relações interpessoais, institucionais e sociais, fa- vamos? Por isso a necessidade de estarmos sempre nos questio-
z-se a necessidade de refletir os possíveis caminhos através da nando: Saulet (1995) nos diz que um bom começo seria nos per-
Filosofia e da Didática. “(...) O futuro não pode ser uma continu- guntarmos: onde estamos? E porque não nos indagarmos sobre
ação do passado” (Hobsbawm, 1997:562). as coisas que nos fascinam, que nos intrigam? As respostas estão
A crise aponta para duas vertentes: perigo e oportunidades. na vivência das situações-limite, ou situações problemáticas. Ao
Quando consideramos o apenas o perigo, podemos nos apro- refletir-se sobre o próprio trabalho, questiona-se a sua validade,
priar de uma perspectiva negativa, “Ignorando as alternativas de o seu significado, quando se problematiza uma situação, abre-se
superação”. Mas se levarmos em consideração a perspectiva de espaço para novas perspectivas exige-se uma nova práxis.
oportunidade, seremos remetidos à crítica, “(...) um momento Essas busca por respostas tem ponto em dois seguimentos:
fértil de reflexão e de reorientação da prática”. (Rios, 1993ª:77). - Na prática – na experiência do cotidiano - Na reflexão crítica –
Este mundo, definido como pós- moderno, tem a referência de sobre os problemas que essa prática trás como desafios.
uma modernidade antecedente, que caracterizou-se como um Ensinar o mundo Didática em grego didaktika, derivado do
período em que a razão é tida como um elemento explicador e verbo didasko - significado “relativo ao ensino”. Para Coménio (o
transformador do mundo. “(...) Ser moderno implicava em lan- pai da didática) - “a arte de ensinar”. A definição de Didática en-
çar-se à aventura da razão instrumental, tecnológica”. Globaliza- globa duas perspectivas: - uma ciência que tem um objeto pró-
ção – “(...) fenômeno da expansão de inter-relações, principal- prio - uma disciplina que compõe a grade curricular dos cursos
mente de natureza econômica, em escala mundial, entre países de formação de professores.
e sociedades de todo o mundo”. Esta “globalização” tem refle- Segundo a autora, “é importante considerar o ensino como
xos: progresso tecnológico e o crescimento da pobreza em todas uma prática social específica, que se dá no interior de um pro-
as regiões do mundo. A globalização é marcada pela convivência cesso de educação e que ocorre informalmente, seja de maneira
com a exclusão social. espontânea, ou formalmente, de maneira sistemática, intencio-
Segundo Rios afirma-se que, estamos num mundo desen- nal e organizada”. A maneira formal, sistemática e organizada é
cantado, que despreza alguns valores fundamentais na constru- a que nos diz respeito como educadores. Acontece dentro do
ção do mundo e do humano. Neste mundo complexo, também ensino escolar, a partir do momento que se define objetivos, se
se tornam mais complexas as tarefas dos educadores. Que ati- organiza conteúdos a serem explorados, da proposta de uma
tudes tomar, qual caminho seguir, dentro deste caótico contex- avaliação do processo. A relação professor-aluno vem carregada
to, há possibilidades no campo do trabalho docente? A autora de significados. “Por intermédio do gesto de ensinar, o profes-
ressalta algumas demandas que se configuram como desafios: sor, na relação com os alunos, proporciona a eles, num exercício
- “um mundo fragmentado exige para a superação da frag- de meditação, o encontro com a realidade, considerando o sa-
mentação, uma visão de totalidade, um olhar abrangente e, no ber que já possuem e procurando articulá-lo a novos saberes e
que diz respeito ao ensino, a articulação estreita dos saberes e práticas. Possibilita aos alunos a formação e o desenvolvimento
capacidades”; de capacidades, habilidades cognitivas e operativas”. (Libâneo,
- “um mundo globalizado requer, para evitar a massificação 1991:100)
e a homogeneidade redutora, o esforço de distinguir, para unir a Logo, o ensino através da ação específica do docente ca-
percepção clara de diferenças e desigualdades e, no que diz res- racteriza-se como uma ação que se articula à aprendizagem. A
peito ao ensino, o reconhecimento de que é necessário um tra- frase “quem ensina, ensina algo a alguém” é muito ouvida, mas
balho interdisciplinar que só ganhará sentido se partir de uma nos perguntamos se é compreendida pelos educadores. Porque
efetiva disciplinaridade”; se ensinamos a alguém, subentende-se que alguém aprendeu

48
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

alguma coisa. Porém a autora compartilha uma frase que escuta cia, quase sempre é usado para se referir a múltiplos conceitos
com frequência, e que nos leva a refletir: “O professor afirma como: capacidade, saber, habilidade, conjunto de habilidades,
que ensinou e que infelizmente os alunos não aprenderam”. 6 especificidade.
“Um bom professor é reconhecido pela sua didática”. Esta é um Portanto, no que se refere à Qualidade observa-se: progra-
instrumento essencial para todo educador que almeja ser bom ma de computadores, qualidade de um atleta, o controle de
naquilo que faz. Esse conceito é identificado como um “saber qualidade de produtos industriais. O que realmente é importan-
fazer”. te não são as palavras, os termos, e sim os objetos da realidade
A Didática “deve ser entendida em seu caráter prático de que eles se referem. No que diz respeito à educação de quali-
contribuição ao desenvolvimento do trabalho de ensino, realiza- dade refere-se à história da educação brasileira. Recentemente,
do no dia a dia da escola, e desmandado pela sociedade concre- menciona-se com frequência a necessidade de competência no
ta à área pedagógica”. (Oliveira, M.R.S., 1993:133-134). Didática trabalho do educador. Qualidade ou qualidades? Há uma mul-
e Filosofia da Educação: uma interlocução Gilberto Gil, “Hoje o tiplicidade de significados: educação de qualidade, se refere a
mundo é muito grande, porque a Terra é pequena” e no “Vasto uma série de atributos que essa educação supostamente deva
Mundo” de Drumond, o “mundo cuja extensão se torna maior ter. Usando a palavra Qualidade com a maiúscula, é na verdade
em função da intervenção contínua que os seres humanos fa- um conjunto de “qualidades”.
zem sobre ele, construindo e modificando a cultura e a história. Conforme a citação da autora, para Aristóteles, “a qualidade
Perguntas: Como ser professor neste mundo? O que é ensinar? é uma das categorias que se encontram em todos os seres e in-
Como e de que modo os alunos aprendem? dicam o que eles são ou como estão. As categorias são: substân-
A fragmentação do conhecimento, da comunicação e das cia, quantidade, qualidade, relação, tempo, lugar, ação, paixão,
relações comprometem a prática educativa. Portanto, é preciso posição e estado”. A educação é um processo de socialização
um novo olhar e uma articulação estreita de saberes e capaci- da cultura, no qual se constroem, se mantêm e se transformam
dades para que a Filosofia da Educação abranja o processo edu- os conhecimentos e os valores. A esta definição chama-se ca-
cativo em todos os aspectos. “A Didática necessita dialogar com tegoria da “substância”. Se este processo de socialização se faz
a diversidade dos saberes da docência, enfrentar os desafios e com a imposição de conhecimentos e valores, ignorando as ca-
buscar alternativas para pensar e repensar o ensino”. Conforme racterísticas dos educandos, diremos que é uma má educação.
Rios, as perguntas clássicas precisam ser recolocadas e a partir Toda educação tem qualidades. Ela pode ser boa ou má. A boa
delas novos questionamentos devem ganhar corpo. educação pela qual desejamos e lutamos, é uma educação cujas
O professor necessita questionar-se não apenas no seu dis- qualidades carregam um valor positivo, firmada no diálogo, na
curso, mas, principalmente na sua prática. Não há mais espaço construção da cidadania. Competência ou competências? Como
para o “professor de antigamente”. Este contexto implica a revi- se abriga qualidade no conceito de competência? O termo é re-
são de conteúdos, de métodos, do processo de avaliação, novas cente e passa a ser uma referência constante.
propostas e novas organizações curriculares. Perrenoud reconhece que “a noção de competência tem
múltiplos sentidos” e segundo sua afirmação: “(...) uma com-
Capítulo II. COMPETÊNCIA E QUALIDADE NA DOCÊNCIA petência como uma capacidade de agir eficazmente em um
Capítulo destinado à “reflexão sobre a articulação dos con- tipo definido de situação, capacidade que se apoia em conhe-
ceitos de competência e de qualidade no espaço da profissão cimentos, mas não se reduz a eles. Para enfrentar da melhor
docente”. Termos empregados com vários significados que ge- maneira possível uma situação, 9 devemos em geral colocar em
ram equívocos e contradições. A autora defende a ideia de que jogo e em sinergia vários recursos cognitivos complementares,
ensino competente é um ensino de boa qualidade. Trata- se de entre os quais os conhecimentos”. (Perrenoud, 1997:7) Para ele
refletir sobre os saberes que se encontram em relação à forma- As competências utilizam, integram, mobilizam conhecimentos
ção e à prática dos professores. “O conceito de qualidade é tota- para enfrentar um conjunto de situações complexas. E ainda, “a
lizante, abrangente, multidimensional.” competência implica, também, uma capacidade de atualização
A qualidade deve ser analisada em todos os aspectos que dos saberes”.(1996:135) “Como guia, um referencial de compe-
possam articular a ordem técnica e pedagógica aos de caráter tências adotado em Genebra - 1996 para a formação contínua”,
político - ideológico. Hoje a qualidade é considerada segundo (lista das 10 competências):
Enguita(1995:95-96) como um grito de guerra, em torno do qual - Organizar e dirigir situações de aprendizagem;
se devem juntar todos os esforços. Há uma necessidade de su- - Administrar a progressão das aprendizagens;
perar-se a retórica da qualidade e denunciar eevitar o “discurso - Conceber e fazer evoluir os dispositivos de diferenciação;
competente”, que segundo Chauí (2007:7) é um discurso insti- - Envolver os alunos em suas aprendizagens e em seu tra-
tuído. balho;
A reflexão sobre os conceitos de competência e qualidade - Trabalhar em equipe;
têm o propósito de ir em busca de uma significação que se al- - Participar da administração da escola;
terou exatamente em virtude de certas imposições ideológicas. - Informar e envolver os pais;
Em busca da significação dos conceitos: o recurso à lógica formal - Utilizar novas tecnologias;
permite analisar os conceitos em sua própria constituição. - Enfrentar os deveres e dilemas éticos da profissão;
Para Aristóteles, a lógica foi chamada de organon, necessá- - Administrar sua própria formação contínua.
ria em todos os campos do conhecimento. A compreensão dos Sobre as dez comperencias de Perrenoud, a autora ressalta:
termos tem sofrido modificações em virtude das características “Considerando essa lista, (...) competências são as capacidades
dos contextos em que são utilizados. Assim, o termo Competên- que se apoiam em conhecimentos. A capacidade de envolver os

49
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

alunos em suas aprendizagens,(...) compreende-se que é funda- Alteridade e autonomia - É no convívio que se estabelece
mental considerar a situação em que se desenvolve o trabalho, a identidade de cada pessoa na sociedade. A ação docente e a
na medida em que ela mobiliza determinados saberes e deman- construção da felicidadania :
da a organização de novas capacidades, em virtudes do processo 1. Construir a felicidadania na ação docente - é reconhecer
que se desenvolve, técnica e politicamente”. O termo é usado o outro; ( É importante que se considerem todos os outros com
como sinônimo de outros termos como: capacidade, conheci- que se relaciona o professor na comunidade escolar)
mento, saber. Apresenta também, quatro tipos diferentes de 2. Construir a felicidadania na ação docente - é tomar como
competências: (1998:14-16): referência o bem coletivo; 13 (princípios que vão nortear a ação
- competência intuitiva; do professor. O que ensinar? Como ensinar? Para quem ensinar?
- competência intelectiva; Perguntas que caminham juntas com outras como: Por que ensi-
- competência prática; nar? Para que ensinar? Se o que se pretende, como finalidade, é
- competência emocional. formar a cidadania, as respostas serão orientadas por ela.
“Na medida em que os conceitos de capacidade, conheci- 3. Construir a felicidadania na ação docente - é envolver-
mento, saber apontam para algo desejável, e portanto bom, po- -se na elaboração e desenvolvimento de um projeto coletivo de
de-se perceber a relação entre a ideia de competência, usada no trabalho;
plural, e a ideia de qualidade, considerada esta como portadora 4. Construir a felicidadania na ação docente - é instalar na
de um sentido positivo”. É necessário trabalhar com a perspec- escola e na aula uma instância de comunicação criativa;
tiva coletiva presente nas noções de qualidade e competencia 5. Construir a felicidadania na ação docente - é criar espaço
que são ampliadas na construção coletiva. no cotidiano da relação pedagógica para a afetividade e a ale-
gria;
Capítulo III. DIMENSÕES DE COMPETÊNCIA 6. Construir a felicidadania na ação docente - é lutar pela
“A educação será tão mais plena quanto mais esteja sen- criação e pelo aperfeiçoamento constante de condições viabili-
do um ato de conhecimento, um ato político, um compromisso zadoras do trabalho de boa qualidade.
ético eu uma experiência estética”. Paulo Freire A autora che-
ga a uma definição de competência que a apresenta como uma Capítulo V. CERTEZAS PROVISÓRIAS
totalidade, ou seja, uma pluralidade de propriedades (conjunto “O trabalho docente só serve para colaborar na construção
de qualidades de caráter positivo) mostrando suas dimensões: da felicidadania”. Faz-se aqui uma reflexão sobre a formação e a
Técnica, Política, Ética, Estética e a estreita relação entre elas. “É prática docente. Quando a autora “brinca” com as palavras, se
dessa prática que se deverá partir, fazendo um esforço de ver na dá a entender que ela está “diminuindo” o valor do professor,
totalidade, e é a ela que se retornará para, ao ampliar a compre- que “só” serve para isso. Mas para que possamos ter uma com-
ensão dos conceitos, torná-la mais consistente e significativa”. preensão melhor da sua fala, nos leva a refletir sobre o “isso”
Dimensão técnica: A capacidade de lidar com os conteúdos, Felicidadania. Leva-nos a uma reflexão sobre a formação e a prá-
conceitos, comportamentos e atitudes, e a habilidade de cons- tica docente, sem o qual esse “isso” Não se constrói.
truí-los e reconstruí-los com os alunos; Para isso é necessário articular os conceitos de competência
Dimensão estética: Diz respeito à presença da sensibilidade e de qualidade que visam à possibilidade de uma intervenção
e sua orientação numa perspectiva criadora. significativa no contexto social. A melhor qualidade se revela
Dimensão política - diz respeito à participação na constru- na escolha do conteúdo que será utilizado pelo educador, como
ção coletiva da sociedade e ao exercício de direitos e deveres. base para a mediação de conhecimentos. O critério que orienta
Dimensão ética - diz respeito à orientação da ação fundada a escolha do melhor conteúdo é o que aponta para a possibili-
no princípio do respeito e da solidariedade, na direção da reali- dade dos exercícios da cidadania e da inserção criativa na socie-
zação de um bem coletivo. dade.
A melhor metodologia é a “que tem como referência as
Capítulo IV. FELICIDADANIA características do contexto em que se vive, no desejo de criar,
Apresenta a ressignificação da cidadania, junção dos ter- superar limites e ampliar possibilidades”. É aquela que faz a lei-
mos felicidade e cidadania. Contem em si a realização individual tura mundo do seu educando e considera seus conhecimentos
e coletiva. Cidadania – Não tem uma essência única. Identifica- prévios. “A melhor qualidade revela-se na sensibilidade do ges-
-se com a participação eficiente e criativa no contexto social. to docente na orientação de sua ação, para trazer o prazer e a
Democracia – É um valor universal porque diz respeito à alegria ao contexto de seu trabalho e da relação com os alunos.
criação e à manutenção da vida com dignidade. Sinônimo de so- Alegria no melhor sentido, resultante do contato com o mundo
berania popular, ou seja: a participação através do voto - “as de- e da ampliação do conhecimento sobre ele”. “A melhor qualida-
cisões políticas”. É necessário criar espaço para que se possam de não é sinônimo de “qualidade total””.
construir conjuntamente as regras de estabelecer os caminhos. Na verdade a melhor qualidade é na opinião da autora, uma
Felicidade – “É aquele modo de estar-no-mundo que ninguém “qualidade ausente”. “O ensino da melhor qualidade é aquele
queria perder.(...) O modo feliz de ser-no-mundo corresponde que cria condições para a formação de alguém que sabe ler, es-
a uma sentimentalidade inteligente, criadora e livre (...) O que crever e contar. Ler não apenas as cartilhas, mas os 15 sinais do
Aristóteles diz, na realidade, é que a felicidade consiste em viver mundo, a cultura de seu tempo. Escrever não apenas nos ca-
inteligentemente. E como (...) a inteligência do homem é criado- dernos, mas no contexto de que participa, deixando seus sinais,
ra, trata-se, em última análise, de viver criativamente. seus símbolos. Contar não apenas números, mas sua história,

50
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

espalhar sua palavra, falar de si e dos outros. Contar e cantar nas as suas relações com os alunos em sala de aula e, com os outros
expressões artísticas, nas manifestações religiosas, nas múltiplas atores escolares na escola. Eis a razão do título do livro, Saberes
e diversificadas investigações científicas”. docentes e formação profissional.
O livro divide-se em duas partes inter complementares: o
Terezinha Azerêdo Rios, compartilha através do seu livro, saber dos professores em seu trabalho e o saber dos professo-
sua tese de doutorado defendida na Faculdade de Educação da res em sua formação. Na introdução Tardif nos interpela com
USP, mesmo sendo um trabalho acadêmico reflexões para fazer vários questionamentos e nos deixa inquietos e curiosos para
o educador, pensar, refletir, rever, questionar sua prática. Ser conhecer as respostas. Quais os saberes que servem de base ao
educador requer um comprometimento com o amor a educação ofício de professor? Quais são os conhecimentos, o saber-fazer,
e com o amor ao educando. as competências e as habilidades que os professores mobilizam
A busca pela felicidadania, deve ser um caminho a ser per- diariamente, nas salas de aula e nas escolas, a fim de realizar
corrido pelo educador. A autora deixa claro que a qualidade do concretamente as suas diversas tarefas? Qual é a natureza des-
trabalho na educação é fundamental. Mas é preciso questionar ses saberes? Como esses saberes são adquiridos? Esses são al-
o significado que se dá à qualidade, adverte a autora. Os temas guns exemplos dentre tantos questionamentos apresentados.
foram abordados nas dimensões técnica, política e ética, com o Na primeira parte encontram-se capítulos que esclarecem vá-
objetivo de proporcionar uma dinâmica numa perspectiva esté- rios aspectos referentes aos saberes dos professores e a segun-
tica, com a presença mais forte da sensibilidade. da parte constituída de três capítulos realiza uma análise dos
Rios fez isso articulando Didática e Filosofia, a fim de en- resultados das pesquisas sobre os investimentos financeiros e
riquecer aquela com esta num percurso crítico. A aula não se das diretrizes para a formação do professor.
limita a sala , vai além de suas paredes, alcança o envolvimento No primeiro capítulo “Os professores diante do saber: esbo-
do educador com o educando, alcança a troca de saberes, onde ço de uma problemática do saber docente”, o autor realiza a in-
ensinar e aprender caminham em constante diálogo. “Esse tra- terlocução entre saberes sociais e educação, é dado ênfase que
balho, vale repetir, só serve para procurar fazer a vida melhor. Se o professor é aquele que sabe alguma coisa e o ensina a alguém.
nos incomodamos com o “só”, assim colocado, podemos tirá-lo. É com muita propriedade, que Tardif apresenta os quatro sabe-
E teríamos: esse trabalho serve para procurar fazer a vida me- res que constroem a profissão docente: os saberes da formação
lhor. Mas é preciso incluí-lo, de outro modo: esse trabalho – e profissional (das ciências da educação e da ideologia pedagógi-
todo saber nele envolvido – só serve se procurar fazer a vida da ca), os saberes disciplinares, os saberes curriculares e os saberes
melhor qualidade”.23 experienciais. É dada toda a ênfase aos saberes experienciais
como aquele que surge na e pela prática, validados pelo profes-
sor e acoplados na constituição de seu profissionalismo. Nesse
capítulo, também é feita toda uma revisão histórica, definindo
TARDIF, M. SABERES DOCENTES E FORMAÇÃO PRO- os vários papéis exercidos pelo professor até a “conquista” da
FISSIONAL. PETRÓPOLIS: VOZES, 2002. autonomia que começa a exigir do professor novas definições
políticas e sociais na profissão. “Saberes, tempo e aprendizagem
do trabalho no magistério” é o segundo capítulo do livro e tra-
Nesta obra, o autor traz pesquisas feitas nessa área nos paí- ta das questões de ordem da transformação que ocorre com a
ses mencionados , o que traz informações que permitem discus- identidade profissional do professor ao longo dos anos. Os anos
sões referente à formação profissional dos professores. de profissão mudam a identidade profissional, assim como,
É apresentado pesquisas educacionais a partir de 90; desta- a maneira de trabalhar. Nesse sentido, Tardif compactua com
ca a avaliação das reformas implantadas até a virada do século Schön, quando aponta que as aprendizagens profissionais são
com ênfase à formação profissional dos professores e à visão temporais e, que à medida que o tempo passa, novas ações sur-
dos saberes; traz ao palco das discussões as experiências exis- gem a partir das experiências interiorizadas e reavaliadas. Tem-
tentes na prática pedagógica no mundo anglo saxão e, mais re- -se o social como ferramenta de construção do profissionalismo
centemente, nos países europeus. docente. Para comprovar esse fato as pesquisas dos autores
Até a década de 80, as pesquisas não levavam em conta a Raymond, Butt e Yamagishi (1993), de Lessard e Tardif (1996),
experiência da sala de aula e existia uma cisão entre os conhe- de Tardif e Lessard (2000) são apresentadas para exemplificar a
cimentos oriundos da universidade e a realidade do cotidiano construção do profissionalismo através do coletivo e, várias falas
escolar. Na época, os pesquisadores revelavam suas pesquisas de professores (sujeitos da pesquisa) ilustram as fases iniciais
nas descobertas de teorias encontradas nas bibliotecas de uni- da carreira e as transformações oriundas da experiência que se
versidades. acumula com o passar dos anos. Ou seja, o professor aprende a
Tardif em suas pesquisas não desconsidera, em hipótese trabalhar trabalhando. Vários aspectos significativos dos sabe-
alguma, a relação dos conhecimentos oriundos das universida- res experienciais são apresentados e discutidos ao término do
des com os saberes extraídos e produzidos na prática docente. capítulo. O terceiro capítulo do livro, “O trabalho docente, a pe-
Como pesquisador, seus estudos defendem essa prática intera- dagogia e o ensino: interações humanas, tecnologias e dilemas”,
tiva entre saber profissional e os saberes das ciências da educa- apresenta uma discussão muito interessante do papel da peda-
ção. De acordo com o autor, o saber dos professores é o saber gogia como instrumento de trabalho do professor. Discute as
deles e está relacionado com a pessoa e a identidade deles, com várias interações que se estabelecem no cotidiano pedagógico
a sua experiência de vida e com a sua história profissional, com e as ferramentas utilizadas para essa interação. A coerção, a au-
23 Fonte: www.ebah.com.br toridade e a persuasão fazem parte das tecnologias da interação

51
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

e são utilizadas pelo professor no processo pedagógico. O autor -americano e canadense e a diferença entre o real e o ideal para
enfatiza que não tem sentido pensar conceitos como Pedagogia, a consolidação de uma formação docente almejada. Mesmo nos
Didática, Aprendizagem, dentre outros, sem integrá-los às situa- países desenvolvidos os investimentos financeiros não são sufi-
ções concretas do trabalho docente. Outra observação realizada cientes para atender ao desejo da reforma, assim como, propor-
com precisão pelo autor, é a diferenciação entre o trabalho do cionar aos professores das universidades as devidas horas para
professor e o trabalho industrial. Entre o trabalho pedagógico que pudessem acompanhar os alunos da formação inicial nos
e o trabalho industrial a diferença reside na possibilidade de projetos e pesquisas no interior dos muros escolares.24
materialização, ou seja, no processo produtivo industrial a vi-
sualização dos resultados é desvelada com mais rapidez que no
trabalho pedagógico. “Elementos para uma prática educativa” e
“O professor enquanto ‘ator racional’” são o quarto e quinto ca- VASCONCELLOS, CELSO S. PLANEJAMENTO - PROJE-
pítulos. No quarto capítulo, o saber do professor é relacionado a TO DE ENSINO APRENDIZAGEM E PROJETO POLÍTICO
alguns estereótipos designados à profissão docente. O ofício de PEDAGÓGICO, SÃO PAULO: LIBERTAD, 2002.
professor é historiado desde a Grécia antiga. Na linha histórica
do tempo, são apresentados autores como Platão, Aristóteles e
Rousseau. Tardif retrocede na história e apresente a educação Celso S. Vasconcellos é Doutor em Educação pela Universi-
como arte, a educação enquanto técnica guiada de valores e a dade de São Paulo, mestre em História e Filosofia da Educação
educação enquanto interação. No entanto, esses três aspectos pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
da revisão histórica realizada por ele não esgotam a discussão e Planejar é antecipar ações para atingir certos objetivos, que
mais oito modelos recentes que integram a prática pedagógica vêm de necessidades criadas por uma determinada realidade, e,
são apresentados. No último capítulo da primeira parte, Tardif sobretudo, agir de acordo com essas ideias antecipadas.
apresenta porque se distancia da teoria de Schön, visão cogni- Para se realizar um bom planejamento é necessário consi-
tivista, pois centraliza seus estudos na racionalidade docente, derar três dimensões básicas:
partindo das vivências/experiências que constroem seus sabe- – A realidade
res profissionais. A segunda parte do livro “O saber dos profes- – A finalidade
sores e sua formação“ é construída a partir do capítulo seis “Os – O plano de ação – são guias de orientação para esta fase:
professores enquanto sujeitos do conhecimento”, do capítulo objetividade, coerência e flexibilidade
sete “Saberes profissionais dos professores e conhecimentos Não nesta mesma ordem porque, diversas vezes, olhar pri-
universitários” e do capítulo oito “Ambigüidade do Saber docen- meiro a realidade desanima o grupo e iniciar com os sonhos se-
te”. Nesses três últimos capítulos o autor discute os trabalhos ria mais animador, porém a avaliação da realidade precisa acon-
de pesquisa (dos professores universitários), juntamente com o tecer em algum momento do planejamento.
trabalho do professor (professor de ofício). Tardif é enfático ao Não é possível realizar um processo de ensino aprendiza-
apontar que não se pode mais cindir o trabalho do professor da gem sem planejar, está inerente ao ser humano, sempre temos
pessoa do professor. Neste sentido, as universidades, que repre- um plano e esse assunto é muito sério, precisa ser planejado
sentam os grandes centros de pesquisa, precisam considerar o com qualidade e intencionalidade.
professor como o principal agente do sistema escolar. É nos om- Em alguns contextos o planejamento é encarado como
bros do professor que se encontra a estrutura responsável pela um instrumento de controle sendo burocrático e autoritário, e
missão educativa. Portanto, é imprescindível que as pesquisas nestes casos se o professor não consegue cumprir ele é incom-
científicas de educação considerem o saber-fazer dos professo- petente. A redemocratização e o movimento da sociedade tem
res. Tanto na América do Norte quanto na maioria dos outros mudado esse quadro fazendo com que o planejamento seja um
países de cultura anglo-saxônica (Austrália, Inglaterra, dentre real instrumento de trabalho.
outros) e de forma mais recente em parte da Europa (Bélgica, O projeto político pedagógico é um dos produtos do pla-
França, Suíça) a preocupação com o resgate ao valor profissional nejamento (projeto curricular, projeto de ensino e aprendiza-
dos agentes educativos, mas especificamente do professor, tem gem) que podem ou não estar materializados em formas de
sido alvo de discussões para fundamentar novas epistemologias documentos e o ideal é que estejam. Quando falamos do pla-
ao ofício. Diante desse fato, Tardif discute a questão da inclusão nejamento anual das escolas, temos como referência o projeto
dos saberes do professor de ofício (aquele que atua na sala de político pedagógico.
aula) nas pesquisas realizadas pelos professores universitários O projeto político pedagógico são os ideais daquele contex-
(pesquisadores). O saber-fazer existente na prática do cotidiano to e na hora do planejamento anual ele deve ser usado como
escolar e, representado naquilo que o autor denomina de sub- algo vivo, como um termômetro para toda a comunidade esco-
jetividade do trabalho docente, deve ser incorporado à pesquisa lar saber se o trabalho está sendo planejado está se aproximan-
universitária e aproveitado para a formação de futuros profes- do dele ou não. Ele deve ser público e explicitado.
sores. Desta forma, o autor apresenta alguns modelos implanta- Nas escolas o coordenador pedagógico é o responsável pelo
dos em outros países na formação de futuros professores, como processo de planejamento. É preciso prever momentos especí-
no caso do modelo inglês, que desde 1992 dois terços da forma- ficos para cada tipo de assunto e ser firme na coordenação. Às
ção inicial foi transferida para o meio escolar. Talvez utopia para vezes, há uma tentação muito grande em ficar gastando tempo
a realidade brasileira, mas vale a pena observar os resultados do planejamento com problemas menores, administrativos ou
dessa iniciativa. Nas considerações finais, Tardif apresenta a dis- burocráticos. Então, é muito importante planejar o planejamen-
cussão das reformas implantadas no sistema educacional norte- 24 Fonte: www.educacadoresemluta.blogspot.com.br

52
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

to, reservando momentos específicos para cada assunto, e ser • e interior, através de pensamento; Aos sete, oito anos, ela
rigoroso no cumprimento dessa organização. Ele precisa ser um se torna abreviada e deixa de ser egocêntrica e se torna inter-
coordenador pedagógico forte, mas onde buscar apoio para se nalizada.
fortalecer? Em alguns casos, há o apoio da direção, mas é muito O pensamento e a fala unem-se em pensamento verbal.
importante que ele faça parte de um grupo com outros profis- Neste significado há um sentido cognitivo e um afetivo, que
sionais no mesmo cargo para trocar experiências e sentir que sempre estão intimamente entrelaçados.
não está sozinho nesse trabalho.
O autor sugere a reunião pedagógica semanal, com todos A formação de conceitos passa por três estágios:
os professores daquele ciclo, daquele período. É um momen- 1.sincrético – agrupamento de objetos com nexos vagis e
to imprescindível para planejar um trabalho de qualidade com subjetivos;
coerência entre os professores, além de ser um momento de 2.complexo – agrupamento por fatos, concretos, não lógi-
socialização. cos, por isso variáveis;
As primeiras aulas, principalmente dos ensinos iniciais de- 3.conceitos – abstrai-se suas características e resume-se em
vem ser planejadas com mais cuidados. Existem estudos que síntese.
mostram que a boa relação professor/aluno pode ser decidida
nessas aulas. Há pesquisas que vão além e apontam os primei- A linguagem organiza o conhecimento.
ros instantes da primeira aula como determinantes do sucesso Os conceitos são espontâneos, sem organização do cotidia-
da atividade docente. Então, se o professor tem de preparar no e científico quando sistemático e organizados, incluem-se
bem todas as aulas, as primeiras precisam de mais cuidado. E num sistema mediado por símbolos e implica FPS.
não é só determinar os conteúdos a serem abordados, os obje- Através da aprendizagem a criança desperta os processos
tivos a atingir e a metodologia mais adequada. É, sobretudo, se de desenvolvimento porque o cérebro trabalha a atividade psi-
preparar, tornar-se disponível para aqueles alunos, acreditando cologia e a cultura tornando-se o homem biológico e cultural,
na possibilidade do ensino e da aprendizagem, estando inteira- em sócio-histórico. Mas cada um dá um significado particular a
mente presente naquela sala de aula, naquele momento.25 essas vivências.
A memória, a percepção, a atenção e o pensamento são
funções mentais. O cognitivo e o afetivo unem-se e organiza a
consciência e faz-se compreender o pensamento. Assim, a cons-
ciência é a organização do comportamento imposto por práticas
VYGOTSKY, L.S. A CONSTRUÇÃO DO PENSAMENTO E sócio-culturais.26
DA LINGUAGEM. SÃO PAULO: MARTINS FONTES, 2001.

Há uma interação constante e interrupta entre o processo


interno e influências do mundo social. A interação social e e por TECNOLOGIA EDUCACIONAL: DESCUBRA SUAS
uso de signos se dá oelas Funções Psicológicas Superiores, FPS, POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA. LIGIA SILVA LEITE-
isto é, a consciência e o controle são constituídos pela cultura e EDITORA VOZES
símbolos, onde: a representação mental e a significação dos sím-
bolos (cultura) internaliza no indivíduo e dá-se o comportamen- A ideia central do texto recai sobre o estudo da relação en-
to neste processo; e a palavra, o signo, tem função de mediar tre educação, tecnologia e escola.
interações sociais, permitindo a apropriação de diversos bens . A tecnologia está presente na nossa sociedade estendendo-
O pensamento infantil assume uma direção social ao indi- -se aos ambientes escolares. Destaca-se, porém que a produção
vidual. de tecnologias encontra-se diretamente ligada aos interesses
A elaboração da consciência ocorre a partir de uma cres- capitalistas, chegando a todos os espaços possíveis para atender
cente apropriação dos modos da ação culturalmente elabora- o desejo dos usuários.
dos, apropriados pelo contato social, pelo processo de interna- Na década de 60 o Brasil tinha como objetivo inserir o país
lização. no mercado econômico mundial como produtor e consumidor
de bens. Dessa forma, procurava levar para sala de aula novas
A fala egocêntrica tecnologias produzidas pela sociedade industrial da época, pre-
As origens sociais do funcionamento mental em direção do conizando um estudo tecnicista.
desenvolvimento intelectual prosseguem do social ao individual A partir dos anos 80, o desenvolvimento de uma visão mais
pela internalização, fala e as relações sociais são interiorizadas e crítica em relação à tecnologia educacional, direcionou-a no
organizadas e atuam sobre as atividades. Inicialmente comuni- sentido de proporcionar inovações na prática pedagógica com
cativas vão constituir atividade mental, verbalizada e intelectiva objetivo de desenvolver integralmente o homem.
de formação de processos côo imaginação, organização, plane- Segundo LEITE (2004) cabe à escola agir com e sobre as tec-
jamento, memória, vontade, etc. nologias. A educação precisa dominar o potencial educativo das
As falas podem ser: tecnologias, colocando-as a serviço do desenvolvimento de um
• exterior, oral; egocêntrica, da criança até 4 anos; é expan- projeto pedagógico que vise a construção da autonomia dos alu-
dida e vocalizada como característica de fala para o outro. nos, formando-os para o pleno exercício da cidadania.
25 Fonte: www.meusresumosconcursos.blogspot.com 26 Fonte: www.lidialindislay.blogspot.com.br

53
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

É importante que, na escola, o Projeto Pedagógico apresen- nitivo, afetivo, psicomotor e social. Esse acompanhamento pode
te uma concepção em que a tecnologia propicie aos professores ser efetuado com o uso de instrumentos como a observação e
e alunos a aquisição de conhecimentos. O que se espera é que o os registros individuais da criança, através dos quais é possível o
professor crie condições para que o aluno desenvolva um olhar professor examinar suas dificuldades, seus avanços e suas con-
crítico da utilização das tecnologias. quistas.
Entretanto considera-se necessário que o professor domine b) Segundo a lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional,
a utilização pedagógica das tecnologias, não como um recurso deve ser realizada mediante o acompanhamento do desenvolvi-
mecânico, mas visando o domínio crítico da linguagem tecnoló- mento da criança, através de registro sem a preocupação com a
gica, que ele tenha conhecimento em relação às tecnologias dis- promoção para o Ensino Fundamental.
poníveis no momento, fazendo o melhor uso pedagógico destas. c) A avaliação como uma forma de julgar qualidade do ob-
Portanto o planejamento é essencial para determinar o al- jeto avaliado, para aceitá-lo ou transformá-lo, isto é, “como um
cance dos objetivos e direcionar o uso dos recursos tecnológicos julgamento de valor sobre manifestações relevantes da realida-
no desenrolar do processo ensino-aprendizagem.
de tendo em vista uma tomada de decisão”. Assim, qualquer ati-
LEITE (2004) destaca que os meios de comunicação de mas-
vidade profissional requer o uso da avaliação.
sa educam coletivamente os indivíduos pois transmitem infor-
d) As alternativas “A”, “B” e “C” estão corretas.
mações de maneira rápida. Cabe à escola formar um leitor críti-
co para assimilar de fato o que é importante e o que esta sendo
repassado com o objetivo de manter os interesses da classe 04. (ICAP). Um projeto pedagógico poderá ser orientado
dominante. Deve-se observar todos os meios que influenciam o por três grandes diretrizes:
convívio social, as formas de pensar, sentir e se relacionar com I. Posicionar-se em relação às questões sociais e interpre-
o conhecimento. tar a tarefa educativa como uma intervenção na realidade no
A reflexão sobre os meios de comunicação de massa como momento presente;
produtos culturais, suas consequências sociais e ideológicas e a II. Não tratar os valores apenas como conceitos ideais;
realização de uma leitura crítica da comunicação é fator deter- III. Incluir essa perspectiva no ensino dos conteúdos das
minante para formação de leitores críticos do mundo.27 áreas de conhecimento escolar.
Assinale a alternativa correta:
a) Apenas o item I está correto.
EXERCÍCIOS b) Apenas o item II está correto.
c) Apenas o item III está correto.
01. (IMPARH/2015 - Prefeitura de Fortaleza – CE) A esco- d) Apenas os itens I e III estão corretos.
la contemporânea, caracterizada por ser democrática, está e) Todos os itens estão corretos.
sempre em defesa da humanização, baseada nos princípios de
respeito e solidariedade humana, busca assegurar uma apren- 05. (FUMARC/2018 – SEE/MG) De acordo com Vasconcelos
dizagem significativa. Na perspectiva de atender aos desafios (2005), Projeto Político-Pedagógico é o plano global da institui-
impostos pela sociedade atual, a escola vem se organizando ção. Pode ser entendido como a sistematização, nunca definiti-
internamente reconhecendo e respeitando as(os): va, de um processo de planejamento participativo, que se aper-
a) políticas públicas, analfabetismos, fisiologias. feiçoa e se concretiza na caminhada, que define claramente o
b) diferenças, gêneros, diferentes tipos de gestão. tipo de ação educativa que se quer realizar. É um instrumento
c) diversidades, diferenças sociais, potencialidades. teórico-metodológico para a intervenção e mudança da reali-
d) intervenções governamentais, participações, articula- dade. É um elemento de organização e integração da atividade
ções.
prática da instituição nesse processo de transformação.
(Fonte: VASCONCELLOS, Celso dos S. Planejamento: proje-
02. (IESES/2015 – IFC/SC) Sobre os objetivos dos jogos e
to de ensino–aprendizagem e projeto político-pedagógico. São
brincadeiras na Educação Infantil, assinale a alternativa INCOR-
Paulo, Libertad Editora, 2005. Coleção Cadernos Pedagógicos).
RETA:
a) Estimular no aluno o espírito de competição. Diante do texto, analise as asserções a seguir:
b) Oportunizar à criança formas de solucionar problemas I. O Projeto Político-Pedagógico está relacionado com a or-
práticos, que as situações dos jogos e brincadeiras oferecem. ganização do trabalho pedagógico em dois níveis: na organiza-
c) Favorecer a auto expressão. ção da escola como um todo e na organização da sala de aula,
d) Despertar na criança o sentido de grupo, ensinando-a a incluindo sua relação com o contexto social imediato, procuran-
conviver com outras crianças, praticando cooperação, lealdade, do preservar a visão de totalidade.
cortesia e respeito aos semelhantes. PORQUE
II. O Projeto Político-Pedagógico, sendo a sistematização
03. (IMA/2015 - Prefeitura de Canavieira/PI) A respeito da de um processo de planejamento participativo, substitui o Re-
avaliação de aprendizagem no contexto da educação infantil, gimento Escolar e dá o devido suporte para a elaboração dos
indique a única opção verdadeira. planos de ensino e dos planos de aula.
a) Nessa etapa da Educação Básica, a avaliação não tem Está CORRETO o que se afirma em:
o objetivo exclusivo de verificar o rendimento da criança, mas a) I e II são proposições falsas.
acompanhar o seu desenvolvimento em todos os aspectos: cog- b) I e II são proposições verdadeiras e II é uma justificativa
27 Fonte: www.estudandoeducacaoetecnologia.blogspot.com correta de I.

54
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

c) I e II são proposições verdadeiras, mas II não é uma justi- educando se cuida. Levando em consideração essa afirmação e
ficativa correta de I. tendo como parâmetro as indicações no documento “Sinais de
d) I é uma proposição falsa e II é uma proposição verdadeira. Alerta: a educação e o cuidado permanente das crianças” (SME
e) I é uma proposição verdadeira e II é uma proposição falsa. Curitiba), para observá-las em seu desenvolvimento pleno e
integral, com atenção às suas especificidades e necessidades
06. (NUCEPE/2015 - SEDUC-PI) O processo de inclusão es- individuais, identifique as afirmativas a seguir como verdadei-
colar pode prever como uma das metodologias a individualiza- ras (V) ou falsas (F):
ção do ensino, através de planos específicos de aprendizagem ( ) Na organização do tempo para os momentos de atenção
para o aluno. No entanto, deve-se evitar pessoal, a professora precisa garantir a possibilidade de realizar
a) fazer um currículo individual paralelo para alguns alunos. um ritual que envolva a criança pequena nas ações de cuida-
Caso isto aconteça, estes alunos ficam à margem do grupo, pois do, despertando-a para a consciência de si, pela nomeação do
as trocas significativas feitas em uma sala de aula necessaria- corpo, dos sentimentos e da necessidade do asseio para o seu
mente acontecem em torno dos objetos de aprendizagem. bem-estar.
b) levar em conta a diversidade, pois em uma sala de aula ( ) O cuidado do bebê pelo adulto exige disponibilidade
as aprendizagens necessariamente acontecem em torno dos ob- emocional, o que implica certa empatia que lhe permite desen-
jetos de aprendizagem que são pensados para todos os alunos. volver afeto e interesse por introduzir o bebê no mundo da cul-
c) as flexibilizações curriculares no processo de inclusão tura, pela palavra que antecipa, acalma e envolve, enquanto o
educativa, pois é necessário pensá-las para um grupo de alunos gesto acolhe e dirige a ação para atendê-lo em sua necessidade.
e as diversidades que o compõem, e não para alguns alunos to- ( ) Alguns sinais que devem preocupar os professores acerca
mados isoladamente. da visão de bebês: não brinca com as mãos na frente dos olhos,
d) atender as outras diversidades que aparecem cotidiana- deixa de explorar partes do corpo (ex.: levar o pé à boca) e de
mente na comunidade. Deve-se atender individualmente quem interagir com as pessoas pelo contato visual.
realmente precisa, ou seja, os alunos com deficiências. ( ) Num ambiente preparado para crianças de 3 anos realiza-
e) trabalhar os temas com todos os alunos da turma, pois rem desafios de movimentação com objetos diversos dispostos
alguns alunos, com determinados problemas, não precisam al- em suportes – tablados e mesas –, a professora deve estar alerta
cançar objetivos de natureza acadêmica, e sim de natureza fun- quanto a alguns desajustes ou disfunções no desenvolvimento
cional. neuropsicomotor delas que podem se manifestar: esbarrar em
muitos obstáculos, derrubar objetos e não conseguir agarrá-los,
07. (UPENET/IAUPE – 2017 – UPE) Na educação contempo- não brincar de encaixar, rosquear ou empilhar.
rânea, a organização curricular tem como foco Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta, de
a) a organização sequencial de disciplinas de um curso. cima para baixo.
b) o conjunto de atividades planejadas para um curso. a) V – F – F – V.
c) o processo dinâmico de organização e construção do co- b) V – F – F – F.
nhecimento pelo estudante. c) F – V – F – V.
d) o percurso da vida educacional e profissional de uma pes- d) F – V – V – F.
soa. e) V – V – V – V.
e) as normas e orientações dadas durante um programa ou
curso. GABARITO

08. (CESPE/2017 – SEDF) Teóricos como Piaget e Vygotsky 1 C


evidenciaram que a criança se desenvolve na interação com o
meio histórico-cultural em que vive. Considerando essa infor- 2 A
mação e tendo em vista que a criança precisa do outro, da na- 3 D
tureza e da inter-relação possível entre esses elementos, julgue
4 E
o próximo item.
A criança exige cuidados e atendimento específicos; por 5 E
isso, é necessária uma conduta que a mantenha sempre lim- 6 A
pa e em contato com objetos de conhecimento escolarizados.
Sua exposição demasiada a elementos não estruturados ou à 7 C
natureza — barro, areia, água, árvore, jardins — assim como a 8 ERRADO
liberdade em excesso podem não resultar em aprendizagem. 9 E
( ) Certo
( ) Errado

08. (NC/UFPR – 2019 - Prefeitura de Curitiba/PR) O bi-


nômio cuidar e educar, entendido como um processo único,
evidencia nessas ações dimensões profundamente imbricadas
que se complementam, exigindo do profissional que atua com
a criança pequena a compreensão de que, ao cuidar se educa e,

55
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

ANOTAÇÃO __________________________________________________

___________________________________________________ __________________________________________________

___________________________________________________ __________________________________________________

___________________________________________________ __________________________________________________

__________________________________________________ __________________________________________________

__________________________________________________ __________________________________________________

__________________________________________________ __________________________________________________

__________________________________________________ __________________________________________________

__________________________________________________ __________________________________________________

__________________________________________________ __________________________________________________

__________________________________________________ __________________________________________________

__________________________________________________ __________________________________________________

__________________________________________________ __________________________________________________

__________________________________________________ __________________________________________________

__________________________________________________ __________________________________________________

__________________________________________________ __________________________________________________

__________________________________________________ __________________________________________________

__________________________________________________ __________________________________________________

__________________________________________________ __________________________________________________

__________________________________________________ __________________________________________________

__________________________________________________ ___________________________________________________

__________________________________________________ ___________________________________________________

__________________________________________________ ___________________________________________________

__________________________________________________ ___________________________________________________

__________________________________________________ ___________________________________________________

__________________________________________________ ___________________________________________________

__________________________________________________ ___________________________________________________

__________________________________________________ ___________________________________________________

__________________________________________________ ___________________________________________________

__________________________________________________ ___________________________________________________

56
CONHECIMENTOS DA LEGISLAÇÃO

Constituição da República Federativa do Brasil - promulgada em 5 de outubro de 1988, Artigos 5°, 37 ao 41, 205 ao 214, 227 ao
229 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Lei Federal n.° 8.069, de 13/07/90 - Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Lei Federal n.° 9.394, de 20/12/96 - Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Lei Federal n.º 13.005, de 25/06/14 – Aprova o Plano Nacional de Educação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Lei Federal nº. 12.764, de 27/12/2012 - Política Nacional de Proteção aos Direitos da Pessoa com o Espectro . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
Lei Federal nº. 13.146, de 06/07/2015. Capítulo IV – Do Direito à Educação. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. . . . . 83
Resoluções da Câmara de Educação Básica – 2010 a 2018 disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?Itemid=866&i-
d=12816&option=com_content&view=articl . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
MEC – Publicações para a Educação Especial disponíveis em: http://portal.mec.gov.br . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Lei Complementar 761, de 30 de novembro de 2017, que dispõe sobre o Plano de Carreira e o Estatuto do Magistério Público Munici-
pal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Lei Complementar 15/92 de 28 de Maio de 1992, que dispõe sobre o Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Praia Gran-
de. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
CONHECIMENTOS DA LEGISLAÇÃO

XV - é livre a locomoção no território nacional em tempo de


CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar,
BRASIL - PROMULGADA EM 5 DE OUTUBRO DE 1988, permanecer ou dele sair com seus bens;
ARTIGOS 5°, 37 AO 41, 205 AO 214, 227 AO 229. XVI - todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em
locais abertos ao público, independentemente de autorização,
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE desde que não frustrem outra reunião anteriormente convoca-
1988 da para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à au-
TÍTULO II toridade competente;
Dos Direitos e Garantias Fundamentais XVII - é plena a liberdade de associação para fins lícitos, ve-
CAPÍTULO I dada a de caráter paramilitar;
DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS XVIII - a criação de associações e, na forma da lei, a de co-
operativas independem de autorização, sendo vedada a interfe-
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qual- rência estatal em seu funcionamento;
quer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros XIX - as associações só poderão ser compulsoriamente dis-
residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, solvidas ou ter suas atividades suspensas por decisão judicial,
à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: exigindo-se, no primeiro caso, o trânsito em julgado;
I - homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, XX - ninguém poderá ser compelido a associar-se ou a per-
nos termos desta Constituição; manecer associado;
II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma XXI - as entidades associativas, quando expressamente au-
coisa senão em virtude de lei; torizadas, têm legitimidade para representar seus filiados judi-
III - ninguém será submetido a tortura nem a tratamento cial ou extrajudicialmente;
desumano ou degradante; XXII - é garantido o direito de propriedade;
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o XXIII - a propriedade atenderá a sua função social;
anonimato; XXIV - a lei estabelecerá o procedimento para desapropria-
V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agra- ção por necessidade ou utilidade pública, ou por interesse so-
vo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem; cial, mediante justa e prévia indenização em dinheiro, ressalva-
VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sen- dos os casos previstos nesta Constituição;
do assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, XXV - no caso de iminente perigo público, a autoridade
na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias; competente poderá usar de propriedade particular, assegurada
VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assis- ao proprietário indenização ulterior, se houver dano;
tência religiosa nas entidades civis e militares de internação co- XXVI - a pequena propriedade rural, assim definida em lei,
letiva; desde que trabalhada pela família, não será objeto de penhora
VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença para pagamento de débitos decorrentes de sua atividade pro-
religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invo- dutiva, dispondo a lei sobre os meios de financiar o seu desen-
car para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar- volvimento;
-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei; XXVII - aos autores pertence o direito exclusivo de utiliza-
IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, ção, publicação ou reprodução de suas obras, transmissível aos
científica e de comunicação, independentemente de censura ou herdeiros pelo tempo que a lei fixar;
licença; XXVIII - são assegurados, nos termos da lei:
X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a a) a proteção às participações individuais em obras cole-
imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo tivas e à reprodução da imagem e voz humanas, inclusive nas
dano material ou moral decorrente de sua violação; atividades desportivas;
XI - a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela po- b) o direito de fiscalização do aproveitamento econômico
dendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso das obras que criarem ou de que participarem aos criadores, aos
de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, du- intérpretes e às respectivas representações sindicais e associa-
rante o dia, por determinação judicial; (Vide Lei nº 13.105, de tivas;
2015)(Vigência) XXIX - a lei assegurará aos autores de inventos industriais
XII - é inviolável o sigilo da correspondência e das comuni- privilégio temporário para sua utilização, bem como proteção
cações telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas,
às criações industriais, à propriedade das marcas, aos nomes de
salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na for-
empresas e a outros signos distintivos, tendo em vista o interes-
ma que a lei estabelecer para fins de investigação criminal ou
se social e o desenvolvimento tecnológico e econômico do País;
instrução processual penal;(Vide Lei nº 9.296, de 1996)
XXX - é garantido o direito de herança;
XIII - é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou pro-
XXXI - a sucessão de bens de estrangeiros situados no País
fissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabe-
será regulada pela lei brasileira em benefício do cônjuge ou dos
lecer;
filhos brasileiros, sempre que não lhes seja mais favorável a lei
XIV - é assegurado a todos o acesso à informação e resguar-
pessoal do “de cujus”;
dado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profis-
sional; XXXII - o Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do
consumidor;

1
CONHECIMENTOS DA LEGISLAÇÃO

XXXIII - todos têm direito a receber dos órgãos públicos in- XLVIII - a pena será cumprida em estabelecimentos distin-
formações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo tos, de acordo com a natureza do delito, a idade e o sexo do
ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de res- apenado;
ponsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindí- XLIX - é assegurado aos presos o respeito à integridade fí-
vel à segurança da sociedade e do Estado; (Regulamento)(Vide sica e moral;
Lei nº 12.527, de 2011) L - às presidiárias serão asseguradas condições para que
XXXIV - são a todos assegurados, independentemente do possam permanecer com seus filhos durante o período de ama-
pagamento de taxas: mentação;
a) o direito de petição aos Poderes Públicos em defesa de LI - nenhum brasileiro será extraditado, salvo o naturaliza-
direitos ou contra ilegalidade ou abuso de poder; do, em caso de crime comum, praticado antes da naturalização,
b) a obtenção de certidões em repartições públicas, para ou de comprovado envolvimento em tráfico ilícito de entorpe-
defesa de direitos e esclarecimento de situações de interesse centes e drogas afins, na forma da lei;
pessoal; LII - não será concedida extradição de estrangeiro por crime
XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário político ou de opinião;
lesão ou ameaça a direito; LIII - ninguém será processado nem sentenciado senão pela
XXXVI - a lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídi-
autoridade competente;
co perfeito e a coisa julgada;
LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus bens
XXXVII - não haverá juízo ou tribunal de exceção;
sem o devido processo legal;
XXXVIII - é reconhecida a instituição do júri, com a organiza-
LV - aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e
ção que lhe der a lei, assegurados:
a) a plenitude de defesa; aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla
b) o sigilo das votações; defesa, com os meios e recursos a ela inerentes;
c) a soberania dos veredictos; LVI - são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por
d) a competência para o julgamento dos crimes dolosos meios ilícitos;
contra a vida; LVII - ninguém será considerado culpado até o trânsito em
XXXIX - não há crime sem lei anterior que o defina, nem julgado de sentença penal condenatória;
pena sem prévia cominação legal; LVIII - o civilmente identificado não será submetido a iden-
XL - a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu; tificação criminal, salvo nas hipóteses previstas em lei; (Regula-
XLI - a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos di- mento)
reitos e liberdades fundamentais; LIX - será admitida ação privada nos crimes de ação pública,
XLII - a prática do racismo constitui crime inafiançável e im- se esta não for intentada no prazo legal;
prescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei; LX - a lei só poderá restringir a publicidade dos atos pro-
XLIII - a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis cessuais quando a defesa da intimidade ou o interesse social o
de graça ou anistia a prática da tortura , o tráfico ilícito de en- exigirem;
torpecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como cri- LXI - ninguém será preso senão em flagrante delito ou por
mes hediondos, por eles respondendo os mandantes, os execu- ordem escrita e fundamentada de autoridade judiciária compe-
tores e os que, podendo evitá-los, se omitirem; (Regulamento) tente, salvo nos casos de transgressão militar ou crime propria-
XLIV - constitui crime inafiançável e imprescritível a ação de mente militar, definidos em lei;
grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucio- LXII - a prisão de qualquer pessoa e o local onde se encontre
nal e o Estado Democrático; serão comunicados imediatamente ao juiz competente e à famí-
XLV - nenhuma pena passará da pessoa do condenado, po- lia do preso ou à pessoa por ele indicada;
dendo a obrigação de reparar o dano e a decretação do perdi- LXIII - o preso será informado de seus direitos, entre os
mento de bens ser, nos termos da lei, estendidas aos sucessores quais o de permanecer calado, sendo-lhe assegurada a assistên-
e contra eles executadas, até o limite do valor do patrimônio cia da família e de advogado;
transferido;
LXIV - o preso tem direito à identificação dos responsáveis
XLVI - a lei regulará a individualização da pena e adotará,
por sua prisão ou por seu interrogatório policial;
entre outras, as seguintes:
LXV - a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela auto-
a) privação ou restrição da liberdade;
ridade judiciária;
b) perda de bens;
c) multa; LXVI - ninguém será levado à prisão ou nela mantido, quan-
d) prestação social alternativa; do a lei admitir a liberdade provisória, com ou sem fiança;
e) suspensão ou interdição de direitos; LXVII - não haverá prisão civil por dívida, salvo a do respon-
XLVII - não haverá penas: sável pelo inadimplemento voluntário e inescusável de obriga-
a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos ção alimentícia e a do depositário infiel;
do art. 84, XIX; LXVIII - conceder-se-á habeas corpus sempre que alguém
b) de caráter perpétuo; sofrer ou se achar ameaçado de sofrer violência ou coação em
c) de trabalhos forçados; sua liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso de poder;
d) de banimento;
e) cruéis;

2
CONHECIMENTOS DA LEGISLAÇÃO

LXIX - conceder-se-á mandado de segurança para proteger CAPÍTULO VII


direito líquido e certo, não amparado por habeas corpus ou ha- DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
beas data, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso de Seção I
poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no DISPOSIÇÕES GERAIS
exercício de atribuições do Poder Público;
LXX - o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado Art. 37. A administração pública direta e indireta de qual-
por: quer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e
a) partido político com representação no Congresso Nacio- dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impes-
nal; soalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao
b) organização sindical, entidade de classe ou associação seguinte: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de
legalmente constituída e em funcionamento há pelo menos um 1998)
ano, em defesa dos interesses de seus membros ou associados; I - os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis
LXXI - conceder-se-á mandado de injunção sempre que a aos brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em
falta de norma regulamentadora torne inviável o exercício dos lei, assim como aos estrangeiros, na forma da lei;(Redação dada
direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas ineren- pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
tes à nacionalidade, à soberania e à cidadania; II - a investidura em cargo ou emprego público depende de
LXXII - conceder-se-á habeas data:
aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e
a) para assegurar o conhecimento de informações relativas
títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou
à pessoa do impetrante, constantes de registros ou bancos de
emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações
dados de entidades governamentais ou de caráter público;
para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e
b) para a retificação de dados, quando não se prefira fazê-lo
por processo sigiloso, judicial ou administrativo; exoneração;(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19,
LXXIII - qualquer cidadão é parte legítima para propor ação de 1998)
popular que vise a anular ato lesivo ao patrimônio público ou de III - o prazo de validade do concurso público será de até dois
entidade de que o Estado participe, à moralidade administrati- anos, prorrogável uma vez, por igual período;
va, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural, fican- IV - durante o prazo improrrogável previsto no edital de
do o autor, salvo comprovada má-fé, isento de custas judiciais e convocação, aquele aprovado em concurso público de provas ou
do ônus da sucumbência; de provas e títulos será convocado com prioridade sobre novos
LXXIV - o Estado prestará assistência jurídica integral e gra- concursados para assumir cargo ou emprego, na carreira;
tuita aos que comprovarem insuficiência de recursos; V - as funções de confiança, exercidas exclusivamente por
LXXV - o Estado indenizará o condenado por erro judiciário, servidores ocupantes de cargo efetivo, e os cargos em comis-
assim como o que ficar preso além do tempo fixado na sentença; são, a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos,
LXXVI - são gratuitos para os reconhecidamente pobres, na condições e percentuais mínimos previstos em lei, destinam-se
forma da lei: (Vide Lei nº 7.844, de 1989) apenas às atribuições de direção, chefia e assessoramento; (Re-
a) o registro civil de nascimento; dação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
b) a certidão de óbito; VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre as-
LXXVII - são gratuitas as ações de habeas corpus e habeas sociação sindical;
data, e, na forma da lei, os atos necessários ao exercício da cida- VII - o direito de greve será exercido nos termos e nos li-
dania.(Regulamento) mites definidos em lei específica; (Redação dada pela Emenda
LXXVIII - a todos, no âmbito judicial e administrativo, são Constitucional nº 19, de 1998)
assegurados a razoável duração do processo e os meios que ga- VIII - a lei reservará percentual dos cargos e empregos pú-
rantam a celeridade de sua tramitação. (Incluído pela Emenda blicos para as pessoas portadoras de deficiência e definirá os
Constitucional nº 45, de 2004) critérios de sua admissão;
§ 1º As normas definidoras dos direitos e garantias funda- IX - a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo
mentais têm aplicação imediata. determinado para atender a necessidade temporária de excep-
§ 2º Os direitos e garantias expressos nesta Constituição
cional interesse público;
não excluem outros decorrentes do regime e dos princípios por
X - a remuneração dos servidores públicos e o subsídio de
ela adotados, ou dos tratados internacionais em que a República
que trata o § 4º do art. 39 somente poderão ser fixados ou alte-
Federativa do Brasil seja parte.
rados por lei específica, observada a iniciativa privativa em cada
§ 3º Os tratados e convenções internacionais sobre direi-
tos humanos que forem aprovados, em cada Casa do Congresso caso, assegurada revisão geral anual, sempre na mesma data e
Nacional, em dois turnos, por três quintos dos votos dos res- sem distinção de índices;(Redação dada pela Emenda Constitu-
pectivos membros, serão equivalentes às emendas constitucio- cional nº 19, de 1998) (Regulamento)
nais.(Incluído pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)(Atos XI - a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos,
aprovados na forma deste parágrafo: DLG nº 186, de 2008, DEC funções e empregos públicos da administração direta, autár-
6.949, de 2009, DLG 261, de 2015, DEC 9.522, de 2018) quica e fundacional, dos membros de qualquer dos Poderes da
§ 4º O Brasil se submete à jurisdição de Tribunal Penal Inter- União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, dos
nacional a cuja criação tenha manifestado adesão. (Incluído pela detentores de mandato eletivo e dos demais agentes políticos e
Emenda Constitucional nº 45, de 2004) os proventos, pensões ou outra espécie remuneratória, perce-

3
CONHECIMENTOS DA LEGISLAÇÃO

bidos cumulativamente ou não, incluídas as vantagens pessoais XXI - ressalvados os casos especificados na legislação, as
ou de qualquer outra natureza, não poderão exceder o subsídio obras, serviços, compras e alienações serão contratados me-
mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Fede- diante processo de licitação pública que assegure igualdade de
ral, aplicando-se como limite, nos Municípios, o subsídio do Pre- condições a todos os concorrentes, com cláusulas que estabe-
feito, e nos Estados e no Distrito Federal, o subsídio mensal do leçam obrigações de pagamento, mantidas as condições efeti-
Governador no âmbito do Poder Executivo, o subsídio dos De- vas da proposta, nos termos da lei, o qual somente permitirá as
putados Estaduais e Distritais no âmbito do Poder Legislativo e o exigências de qualificação técnica e econômica indispensáveis à
subsidio dos Desembargadores do Tribunal de Justiça, limitado garantia do cumprimento das obrigações.(Regulamento)
a noventa inteiros e vinte e cinco centésimos por cento do sub- XXII - as administrações tributárias da União, dos Estados,
sídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal do Distrito Federal e dos Municípios, atividades essenciais ao
Federal, no âmbito do Poder Judiciário, aplicável este limite aos funcionamento do Estado, exercidas por servidores de carreiras
membros do Ministério Público, aos Procuradores e aos Defen- específicas, terão recursos prioritários para a realização de suas
sores Públicos; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº atividades e atuarão de forma integrada, inclusive com o com-
41, 19.12.2003) partilhamento de cadastros e de informações fiscais, na forma
XII - os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do da lei ou convênio.(Incluído pela Emenda Constitucional nº 42,
Poder Judiciário não poderão ser superiores aos pagos pelo Po- de 19.12.2003)
der Executivo; § 1º A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e
XIII - é vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer es- campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo,
pécies remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal informativo ou de orientação social, dela não podendo constar
do serviço público; (Redação dada pela Emenda Constitucional nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pes-
nº 19, de 1998) soal de autoridades ou servidores públicos.
XIV - os acréscimos pecuniários percebidos por servidor pú- § 2º A não observância do disposto nos incisos II e III impli-
blico não serão computados nem acumulados para fins de con- cará a nulidade do ato e a punição da autoridade responsável,
cessão de acréscimos ulteriores;(Redação dada pela Emenda nos termos da lei.
Constitucional nº 19, de 1998) § 3º A lei disciplinará as formas de participação do usuário
XV - o subsídio e os vencimentos dos ocupantes de cargos na administração pública direta e indireta, regulando especial-
e empregos públicos são irredutíveis, ressalvado o disposto nos mente: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de
incisos XI e XIV deste artigo e nos arts. 39, § 4º, 150, II, 153, III,
1998)
e 153, § 2º, I;(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19,
I - as reclamações relativas à prestação dos serviços públi-
de 1998)
cos em geral, asseguradas a manutenção de serviços de atendi-
XVI - é vedada a acumulação remunerada de cargos públi-
mento ao usuário e a avaliação periódica, externa e interna, da
cos, exceto, quando houver compatibilidade de horários, obser-
qualidade dos serviços;(Incluído pela Emenda Constitucional nº
vado em qualquer caso o disposto no inciso XI: (Redação dada
19, de 1998)
pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
II - o acesso dos usuários a registros administrativos e a in-
a) a de dois cargos de professor;(Redação dada pela Emen-
formações sobre atos de governo, observado o disposto no art.
da Constitucional nº 19, de 1998)
5º, X e XXXIII;(Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de
b) a de um cargo de professor com outro técnico ou cientí-
fico; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) 1998)
c) a de dois cargos ou empregos privativos de profissionais III - a disciplina da representação contra o exercício negli-
de saúde, com profissões regulamentadas;(Redação dada pela gente ou abusivo de cargo, emprego ou função na administração
Emenda Constitucional nº 34, de 2001) pública. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
XVII - a proibição de acumular estende-se a empregos e § 4º - Os atos de improbidade administrativa importarão a
funções e abrange autarquias, fundações, empresas públicas, suspensão dos direitos políticos, a perda da função pública, a in-
sociedades de economia mista, suas subsidiárias, e sociedades disponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário, na forma
controladas, direta ou indiretamente, pelo poder público;(Reda- e gradação previstas em lei, sem prejuízo da ação penal cabível.
ção dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) § 5º A lei estabelecerá os prazos de prescrição para ilícitos
XVIII - a administração fazendária e seus servidores fiscais praticados por qualquer agente, servidor ou não, que causem
terão, dentro de suas áreas de competência e jurisdição, prece- prejuízos ao erário, ressalvadas as respectivas ações de ressar-
dência sobre os demais setores administrativos, na forma da lei; cimento.
XIX – somente por lei específica poderá ser criada autarquia § 6º As pessoas jurídicas de direito público e as de direito
e autorizada a instituição de empresa pública, de sociedade de privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos da-
economia mista e de fundação, cabendo à lei complementar, nos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros,
neste último caso, definir as áreas de sua atuação; (Redação assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos
dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) de dolo ou culpa.
XX - depende de autorização legislativa, em cada caso, a § 7º A lei disporá sobre os requisitos e as restrições ao ocu-
criação de subsidiárias das entidades mencionadas no inciso an- pante de cargo ou emprego da administração direta e indireta
terior, assim como a participação de qualquer delas em empresa que possibilite o acesso a informações privilegiadas. (Incluído
privada; pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

4
CONHECIMENTOS DA LEGISLAÇÃO

§ 8º A autonomia gerencial, orçamentária e financeira dos Art. 38. Ao servidor público da administração direta, autár-
órgãos e entidades da administração direta e indireta poderá quica e fundacional, no exercício de mandato eletivo, aplicam-se
ser ampliada mediante contrato, a ser firmado entre seus ad- as seguintes disposições:(Redação dada pela Emenda Constitu-
ministradores e o poder público, que tenha por objeto a fixação cional nº 19, de 1998)
de metas de desempenho para o órgão ou entidade, cabendo I - tratando-se de mandato eletivo federal, estadual ou dis-
à lei dispor sobre: (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, trital, ficará afastado de seu cargo, emprego ou função;
de 1998) II - investido no mandato de Prefeito, será afastado do car-
I - o prazo de duração do contrato; go, emprego ou função, sendo-lhe facultado optar pela sua re-
II - os controles e critérios de avaliação de desempenho, di- muneração;
reitos, obrigações e responsabilidade dos dirigentes; III - investido no mandato de Vereador, havendo compatibi-
III - a remuneração do pessoal.” lidade de horários, perceberá as vantagens de seu cargo, empre-
§ 9º O disposto no inciso XI aplica-se às empresas públicas go ou função, sem prejuízo da remuneração do cargo eletivo, e,
e às sociedades de economia mista, e suas subsidiárias, que re- não havendo compatibilidade, será aplicada a norma do inciso
ceberem recursos da União, dos Estados, do Distrito Federal ou anterior;
dos Municípios para pagamento de despesas de pessoal ou de IV - em qualquer caso que exija o afastamento para o exercí-
custeio em geral.(Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de cio de mandato eletivo, seu tempo de serviço será contado para
1998) todos os efeitos legais, exceto para promoção por merecimento;
§ 10. É vedada a percepção simultânea de proventos de V - na hipótese de ser segurado de regime próprio de pre-
aposentadoria decorrentes do art. 40 ou dos arts. 42 e 142 com vidência social, permanecerá filiado a esse regime, no ente fe-
a remuneração de cargo, emprego ou função pública, ressalva- derativo de origem. (Redação dada pela Emenda Constitucional
dos os cargos acumuláveis na forma desta Constituição, os car- nº 103, de 2019)
gos eletivos e os cargos em comissão declarados em lei de livre Seção II
nomeação e exoneração. (Incluído pela Emenda Constitucional DOS SERVIDORES PÚBLICOS
nº 20, de 1998)
§ 11. Não serão computadas, para efeito dos limites re- (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 18, de 1998)
muneratórios de que trata o inciso XI do caput deste artigo, as Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municí-
parcelas de caráter indenizatório previstas em lei. (Incluído pela pios instituirão, no âmbito de sua competência, regime jurídico
Emenda Constitucional nº 47, de 2005) único e planos de carreira para os servidores da administração
§ 12. Para os fins do disposto no inciso XI do caput deste pública direta, das autarquias e das fundações públicas.(Vide
artigo, fica facultado aos Estados e ao Distrito Federal fixar, em ADIN nº 2.135-4)
seu âmbito, mediante emenda às respectivas Constituições e Lei Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municí-
Orgânica, como limite único, o subsídio mensal dos Desembar- pios instituirão conselho de política de administração e remu-
gadores do respectivo Tribunal de Justiça, limitado a noventa in- neração de pessoal, integrado por servidores designados pelos
teiros e vinte e cinco centésimos por cento do subsídio mensal respectivos Poderes(Redação dada pela Emenda Constitucional
dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, não se aplicando o nº 19, de 1998) (Vide ADIN nº 2.135-4)
disposto neste parágrafo aos subsídios dos Deputados Estaduais § 1º A fixação dos padrões de vencimento e dos demais
e Distritais e dos Vereadores. (Incluído pela Emenda Constitucio- componentes do sistema remuneratório observará: (Redação
nal nº 47, de 2005) dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
§ 13. O servidor público titular de cargo efetivo poderá ser I - a natureza, o grau de responsabilidade e a complexidade
readaptado para exercício de cargo cujas atribuições e responsa- dos cargos componentes de cada carreira; (Incluído pela Emen-
bilidades sejam compatíveis com a limitação que tenha sofrido da Constitucional nº 19, de 1998)
em sua capacidade física ou mental, enquanto permanecer nes- II - os requisitos para a investidura; (Incluído pela Emenda
ta condição, desde que possua a habilitação e o nível de escola- Constitucional nº 19, de 1998)
ridade exigidos para o cargo de destino, mantida a remuneração III - as peculiaridades dos cargos.(Incluído pela Emenda
do cargo de origem. (Incluído pela Emenda Constitucional nº Constitucional nº 19, de 1998)
103, de 2019) § 2º A União, os Estados e o Distrito Federal manterão es-
§ 14. A aposentadoria concedida com a utilização de tempo colas de governo para a formação e o aperfeiçoamento dos ser-
de contribuição decorrente de cargo, emprego ou função públi- vidores públicos, constituindo-se a participação nos cursos um
ca, inclusive do Regime Geral de Previdência Social, acarretará o dos requisitos para a promoção na carreira, facultada, para isso,
rompimento do vínculo que gerou o referido tempo de contri- a celebração de convênios ou contratos entre os entes federa-
buição. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019) dos.(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
§ 15. É vedada a complementação de aposentadorias de § 3º Aplica-se aos servidores ocupantes de cargo público o
servidores públicos e de pensões por morte a seus dependentes disposto no art. 7º, IV, VII, VIII, IX, XII, XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX,
que não seja decorrente do disposto nos §§ 14 a 16 do art. 40 XX, XXII e XXX, podendo a lei estabelecer requisitos diferencia-
ou que não seja prevista em lei que extinga regime próprio de dos de admissão quando a natureza do cargo o exigir. (Incluído
previdência social. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 103, pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
de 2019)

5
CONHECIMENTOS DA LEGISLAÇÃO

§ 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os contribuição e os demais requisitos estabelecidos em lei com-
Ministros de Estado e os Secretários Estaduais e Municipais se- plementar do respectivo ente federativo. (Redação dada pela
rão remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela Emenda Constitucional nº 103, de 2019)
única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, § 2º Os proventos de aposentadoria não poderão ser infe-
abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie remu- riores ao valor mínimo a que se refere o § 2º do art. 201 ou
neratória, obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 37, X superiores ao limite máximo estabelecido para o Regime Geral
e XI. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) de Previdência Social, observado o disposto nos §§ 14 a 16.(Re-
§ 5º Lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Mu- dação dada pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019)
nicípios poderá estabelecer a relação entre a maior e a menor § 3º As regras para cálculo de proventos de aposentadoria
remuneração dos servidores públicos, obedecido, em qualquer serão disciplinadas em lei do respectivo ente federativo.(Reda-
caso, o disposto no art. 37, XI.(Incluído pela Emenda Constitu- ção dada pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019)
cional nº 19, de 1998) § 4º É vedada a adoção de requisitos ou critérios diferen-
§ 6º Os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário publica- ciados para concessão de benefícios em regime próprio de pre-
rão anualmente os valores do subsídio e da remuneração dos vidência social, ressalvado o disposto nos §§ 4º-A, 4º-B, 4º-C e
cargos e empregos públicos. (Incluído pela Emenda Constitucio- 5º. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019)
nal nº 19, de 1998) § 4º-A. Poderão ser estabelecidos por lei complementar do
§ 7º Lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos respectivo ente federativo idade e tempo de contribuição dife-
Municípios disciplinará a aplicação de recursos orçamentários renciados para aposentadoria de servidores com deficiência,
provenientes da economia com despesas correntes em cada previamente submetidos a avaliação biopsicossocial realizada
órgão, autarquia e fundação, para aplicação no desenvolvimen- por equipe multiprofissional e interdisciplinar. (Incluído pela
to de programas de qualidade e produtividade, treinamento e Emenda Constitucional nº 103, de 2019)
desenvolvimento, modernização, reaparelhamento e racionali- § 4º-B. Poderão ser estabelecidos por lei complementar do
zação do serviço público, inclusive sob a forma de adicional ou respectivo ente federativo idade e tempo de contribuição dife-
prêmio de produtividade. (Incluído pela Emenda Constitucional renciados para aposentadoria de ocupantes do cargo de agente
nº 19, de 1998) penitenciário, de agente socioeducativo ou de policial dos ór-
§ 8º A remuneração dos servidores públicos organizados gãos de que tratam o inciso IV do caput do art. 51, o inciso XIII do
em carreira poderá ser fixada nos termos do § 4º.(Incluído pela caput do art. 52 e os incisos I a IV do caput do art. 144. (Incluído
Emenda Constitucional nº 19, de 1998) pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019)
§ 9º É vedada a incorporação de vantagens de caráter tem- § 4º-C. Poderão ser estabelecidos por lei complementar do
porário ou vinculadas ao exercício de função de confiança ou respectivo ente federativo idade e tempo de contribuição dife-
de cargo em comissão à remuneração do cargo efetivo.(Incluído renciados para aposentadoria de servidores cujas atividades se-
pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019) jam exercidas com efetiva exposição a agentes químicos, físicos
Art. 40. O regime próprio de previdência social dos servido- e biológicos prejudiciais à saúde, ou associação desses agentes,
res titulares de cargos efetivos terá caráter contributivo e soli- vedada a caracterização por categoria profissional ou ocupação.
dário, mediante contribuição do respectivo ente federativo, de (Incluído pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019)
servidores ativos, de aposentados e de pensionistas, observados § 5º Os ocupantes do cargo de professor terão idade míni-
critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial. (Reda- ma reduzida em 5 (cinco) anos em relação às idades decorrentes
ção dada pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019) da aplicação do disposto no inciso III do § 1º, desde que com-
§ 1º O servidor abrangido por regime próprio de previdên- provem tempo de efetivo exercício das funções de magistério na
cia social será aposentado: (Redação dada pela Emenda Consti- educação infantil e no ensino fundamental e médio fixado em
tucional nº 103, de 2019) lei complementar do respectivo ente federativo. (Redação dada
I - por incapacidade permanente para o trabalho, no cargo pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019)
em que estiver investido, quando insuscetível de readaptação, § 6º Ressalvadas as aposentadorias decorrentes dos cargos
hipótese em que será obrigatória a realização de avaliações peri- acumuláveis na forma desta Constituição, é vedada a percepção
ódicas para verificação da continuidade das condições que ense- de mais de uma aposentadoria à conta de regime próprio de
jaram a concessão da aposentadoria, na forma de lei do respec- previdência social, aplicando-se outras vedações, regras e condi-
tivo ente federativo; (Redação dada pela Emenda Constitucional ções para a acumulação de benefícios previdenciários estabele-
nº 103, de 2019) cidas no Regime Geral de Previdência Social.(Redação dada pela
II - compulsoriamente, com proventos proporcionais ao Emenda Constitucional nº 103, de 2019)
tempo de contribuição, aos 70 (setenta) anos de idade, ou aos § 7º Observado o disposto no § 2º do art. 201, quando se
75 (setenta e cinco) anos de idade, na forma de lei complemen- tratar da única fonte de renda formal auferida pelo dependente,
tar; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 88, de 2015) o benefício de pensão por morte será concedido nos termos de
III - no âmbito da União, aos 62 (sessenta e dois) anos de lei do respectivo ente federativo, a qual tratará de forma dife-
idade, se mulher, e aos 65 (sessenta e cinco) anos de idade, se renciada a hipótese de morte dos servidores de que trata o §
homem, e, no âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos Mu- 4º-B decorrente de agressão sofrida no exercício ou em razão
nicípios, na idade mínima estabelecida mediante emenda às res- da função.(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 103,
pectivas Constituições e Leis Orgânicas, observados o tempo de de 2019)

6
CONHECIMENTOS DA LEGISLAÇÃO

I - ao valor da totalidade dos proventos do servidor falecido, ato de instituição do correspondente regime de previdência
até o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime complementar. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de
geral de previdência social de que trata o art. 201, acrescido de 15/12/98)
setenta por cento da parcela excedente a este limite, caso apo- § 17. Todos os valores de remuneração considerados para o
sentado à data do óbito; ou (Incluído pela Emenda Constitucio- cálculo do benefício previsto no § 3° serão devidamente atuali-
nal nº 41, 19.12.2003) zados, na forma da lei.(Incluído pela Emenda Constitucional nº
II - ao valor da totalidade da remuneração do servidor no 41, 19.12.2003)
cargo efetivo em que se deu o falecimento, até o limite máximo § 18. Incidirá contribuição sobre os proventos de aposen-
estabelecido para os benefícios do regime geral de previdência tadorias e pensões concedidas pelo regime de que trata este
social de que trata o art. 201, acrescido de setenta por cento da artigo que superem o limite máximo estabelecido para os be-
parcela excedente a este limite, caso em atividade na data do nefícios do regime geral de previdência social de que trata o art.
óbito.(Incluído pela Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003) 201, com percentual igual ao estabelecido para os servidores ti-
§ 8º É assegurado o reajustamento dos benefícios para tulares de cargos efetivos.(Incluído pela Emenda Constitucional
preservar-lhes, em caráter permanente, o valor real, conforme nº 41, 19.12.2003)
critérios estabelecidos em lei.(Redação dada pela Emenda Cons- § 19. Observados critérios a serem estabelecidos em lei do
titucional nº 41, 19.12.2003) respectivo ente federativo, o servidor titular de cargo efetivo
§ 9º O tempo de contribuição federal, estadual, distrital ou que tenha completado as exigências para a aposentadoria vo-
municipal será contado para fins de aposentadoria, observado o luntária e que opte por permanecer em atividade poderá fazer
disposto nos §§ 9º e 9º-A do art. 201, e o tempo de serviço cor- jus a um abono de permanência equivalente, no máximo, ao
respondente será contado para fins de disponibilidade.(Redação valor da sua contribuição previdenciária, até completar a idade
dada pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019) para aposentadoria compulsória.(Redação dada pela Emenda
§ 10 - A lei não poderá estabelecer qualquer forma de con- Constitucional nº 103, de 2019)
tagem de tempo de contribuição fictício. (Incluído pela Emenda § 20. É vedada a existência de mais de um regime próprio
Constitucional nº 20, de 15/12/98) de previdência social e de mais de um órgão ou entidade gestora
§ 11 - Aplica-se o limite fixado no art. 37, XI, à soma to- desse regime em cada ente federativo, abrangidos todos os po-
tal dos proventos de inatividade, inclusive quando decorrentes deres, órgãos e entidades autárquicas e fundacionais, que serão
da acumulação de cargos ou empregos públicos, bem como de responsáveis pelo seu financiamento, observados os critérios,
outras atividades sujeitas a contribuição para o regime geral de os parâmetros e a natureza jurídica definidos na lei complemen-
previdência social, e ao montante resultante da adição de pro- tar de que trata o § 22.(Redação dada pela Emenda Constitucio-
ventos de inatividade com remuneração de cargo acumulável na nal nº 103, de 2019)
forma desta Constituição, cargo em comissão declarado em lei § 21. A contribuição prevista no § 18 deste artigo incidirá
de livre nomeação e exoneração, e de cargo eletivo. (Incluído apenas sobre as parcelas de proventos de aposentadoria e de
pela Emenda Constitucional nº 20, de 15/12/98) pensão que superem o dobro do limite máximo estabelecido
§ 12. Além do disposto neste artigo, serão observados, em para os benefícios do regime geral de previdência social de que
regime próprio de previdência social, no que couber, os requisi- trata o art. 201 desta Constituição, quando o beneficiário, na for-
tos e critérios fixados para o Regime Geral de Previdência Social. ma da lei, for portador de doença incapacitante. (Incluído pela
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019) Emenda Constitucional nº 47, de 2005) (Revogado pela Emenda
§ 13. Aplica-se ao agente público ocupante, exclusivamente, Constitucional nº 103, de 2019) (Vide Emenda Constitucional nº
de cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exo- 103, de 2019)
neração, de outro cargo temporário, inclusive mandato eletivo, § 22. Vedada a instituição de novos regimes próprios de
ou de emprego público, o Regime Geral de Previdência Social. previdência social, lei complementar federal estabelecerá, para
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019) os que já existam, normas gerais de organização, de funciona-
§ 14. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios mento e de responsabilidade em sua gestão, dispondo, entre
instituirão, por lei de iniciativa do respectivo Poder Executivo, outros aspectos, sobre:(Incluído pela Emenda Constitucional nº
regime de previdência complementar para servidores públicos 103, de 2019)
ocupantes de cargo efetivo, observado o limite máximo dos I - requisitos para sua extinção e consequente migração
benefícios do Regime Geral de Previdência Social para o valor para o Regime Geral de Previdência Social;(Incluído pela Emen-
das aposentadorias e das pensões em regime próprio de previ- da Constitucional nº 103, de 2019)
dência social, ressalvado o disposto no § 16.(Redação dada pela II - modelo de arrecadação, de aplicação e de utilização dos
Emenda Constitucional nº 103, de 2019) recursos;(Incluído pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019)
§ 15. O regime de previdência complementar de que trata o III - fiscalização pela União e controle externo e social;(Inclu-
§ 14 oferecerá plano de benefícios somente na modalidade con- ído pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019)
tribuição definida, observará o disposto no art. 202 e será efeti- IV - definição de equilíbrio financeiro e atuarial;(Incluído
vado por intermédio de entidade fechada de previdência com- pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019)
plementar ou de entidade aberta de previdência complementar. V - condições para instituição do fundo com finalidade pre-
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019) videnciária de que trata o art. 249 e para vinculação a ele dos
§ 16 - Somente mediante sua prévia e expressa opção, o recursos provenientes de contribuições e dos bens, direitos e
disposto nos§§ 14 e 15 poderá ser aplicado ao servidor que ti- ativos de qualquer natureza;(Incluído pela Emenda Constitucio-
ver ingressado no serviço público até a data da publicação do nal nº 103, de 2019)

7
CONHECIMENTOS DA LEGISLAÇÃO

VI - mecanismos de equacionamento do deficit atuarial;(In- II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o


cluído pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019) pensamento, a arte e o saber;
VII - estruturação do órgão ou entidade gestora do regime, III - pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas, e co-
observados os princípios relacionados com governança, contro- existência de instituições públicas e privadas de ensino;
le interno e transparência;(Incluído pela Emenda Constitucional IV - gratuidade do ensino público em estabelecimentos ofi-
nº 103, de 2019) ciais;
VIII - condições e hipóteses para responsabilização daqueles V - valorização dos profissionais da educação escolar, garan-
que desempenhem atribuições relacionadas, direta ou indireta- tidos, na forma da lei, planos de carreira, com ingresso exclusi-
mente, com a gestão do regime;(Incluído pela Emenda Constitu- vamente por concurso público de provas e títulos, aos das redes
cional nº 103, de 2019) públicas; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 53, de
IX - condições para adesão a consórcio público;(Incluído 2006)
pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019) VI - gestão democrática do ensino público, na forma da lei;
X - parâmetros para apuração da base de cálculo e definição VII - garantia de padrão de qualidade.
de alíquota de contribuições ordinárias e extraordinárias.(Incluí- VIII - piso salarial profissional nacional para os profissionais
do pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019) da educação escolar pública, nos termos de lei federal. (Incluído
Art. 41. São estáveis após três anos de efetivo exercício os pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006)
servidores nomeados para cargo de provimento efetivo em vir- Parágrafo único. A lei disporá sobre as categorias de traba-
tude de concurso público. (Redação dada pela Emenda Consti- lhadores considerados profissionais da educação básica e sobre
tucional nº 19, de 1998) a fixação de prazo para a elaboração ou adequação de seus pla-
§ 1º O servidor público estável só perderá o cargo:(Redação nos de carreira, no âmbito da União, dos Estados, do Distrito
dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) Federal e dos Municípios. (Incluído pela Emenda Constitucional
I - em virtude de sentença judicial transitada em julgado; nº 53, de 2006)
(Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) Art. 207. As universidades gozam de autonomia didático-
II - mediante processo administrativo em que lhe seja asse- -científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial,
gurada ampla defesa; (Incluído pela Emenda Constitucional nº e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino,
19, de 1998) pesquisa e extensão.
III - mediante procedimento de avaliação periódica de de- § 1º É facultado às universidades admitir professores, téc-
sempenho, na forma de lei complementar, assegurada ampla nicos e cientistas estrangeiros, na forma da lei. (Incluído pela
defesa.(Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) Emenda Constitucional nº 11, de 1996)
§ 2º Invalidada por sentença judicial a demissão do servidor § 2º O disposto neste artigo aplica-se às instituições de pes-
estável, será ele reintegrado, e o eventual ocupante da vaga, se quisa científica e tecnológica. (Incluído pela Emenda Constitu-
estável, reconduzido ao cargo de origem, sem direito a indeni- cional nº 11, de 1996)
zação, aproveitado em outro cargo ou posto em disponibilidade Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado
com remuneração proporcional ao tempo de serviço. (Redação mediante a garantia de:
dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) I - educação básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) aos
§ 3º Extinto o cargo ou declarada a sua desnecessidade, o 17 (dezessete) anos de idade, assegurada inclusive sua oferta
servidor estável ficará em disponibilidade, com remuneração gratuita para todos os que a ela não tiveram acesso na idade
proporcional ao tempo de serviço, até seu adequado aproveita- própria; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 59, de
mento em outro cargo.(Redação dada pela Emenda Constitucio- 2009) (Vide Emenda Constitucional nº 59, de 2009)
nal nº 19, de 1998) II - progressiva universalização do ensino médio gratuito;
§ 4º Como condição para a aquisição da estabilidade, é obri- (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 14, de 1996)
gatória a avaliação especial de desempenho por comissão insti- III - atendimento educacional especializado aos portadores
tuída para essa finalidade. (Incluído pela Emenda Constitucional de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino;
nº 19, de 1998) IV - educação infantil, em creche e pré-escola, às crianças
até 5 (cinco) anos de idade; (Redação dada pela Emenda Consti-
CAPÍTULO III tucional nº 53, de 2006)
DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO V - acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e
Seção I da criação artística, segundo a capacidade de cada um;
DA EDUCAÇÃO VI - oferta de ensino noturno regular, adequado às condi-
ções do educando;
Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado VII - atendimento ao educando, em todas as etapas da edu-
e da família, será promovida e incentivada com a colaboração cação básica, por meio de programas suplementares de material
da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu didáticoescolar, transporte, alimentação e assistência à saúde.
preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 59, de 2009)
trabalho. § 1º O acesso ao ensino obrigatório e gratuito é direito pú-
Art. 206. O ensino será ministrado com base nos seguintes blico subjetivo.
princípios: § 2º O não-oferecimento do ensino obrigatório pelo Poder
I - igualdade de condições para o acesso e permanência na Público, ou sua oferta irregular, importa responsabilidade da au-
escola; toridade competente.

8
CONHECIMENTOS DA LEGISLAÇÃO

§ 3º Compete ao Poder Público recensear os educandos no § 3º A distribuição dos recursos públicos assegurará priori-
ensino fundamental, fazer-lhes a chamada e zelar, junto aos pais dade ao atendimento das necessidades do ensino obrigatório,
ou responsáveis, pela freqüência à escola. no que se refere a universalização, garantia de padrão de qua-
Art. 209. O ensino é livre à iniciativa privada, atendidas as lidade e equidade, nos termos do plano nacional de educação.
seguintes condições: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 59, de 2009)
I - cumprimento das normas gerais da educação nacional; § 4º Os programas suplementares de alimentação e assis-
II - autorização e avaliação de qualidade pelo Poder Público. tência à saúde previstos no art. 208, VII, serão financiados com
Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino recursos provenientes de contribuições sociais e outros recursos
fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum e orçamentários.
respeito aos valores culturais e artísticos, nacionais e regionais. § 5º A educação básica pública terá como fonte adicional de
§ 1º O ensino religioso, de matrícula facultativa, constituirá financiamento a contribuição social do salário-educação, reco-
disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino lhida pelas empresas na forma da lei. (Redação dada pela Emen-
fundamental. da Constitucional nº 53, de 2006)
§ 2º O ensino fundamental regular será ministrado em lín- § 6º As cotas estaduais e municipais da arrecadação da con-
gua portuguesa, assegurada às comunidades indígenas também tribuição social do salário-educação serão distribuídas propor-
a utilização de suas línguas maternas e processos próprios de cionalmente ao número de alunos matriculados na educação
aprendizagem. básica nas respectivas redes públicas de ensino. (Incluído pela
Art. 211. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Muni- Emenda Constitucional nº 53, de 2006)
cípios organizarão em regime de colaboração seus sistemas de Art. 213. Os recursos públicos serão destinados às escolas
ensino. públicas, podendo ser dirigidos a escolas comunitárias, confes-
§ 1º A União organizará o sistema federal de ensino e o dos sionais ou filantrópicas, definidas em lei, que:
Territórios, financiará as instituições de ensino públicas federais I - comprovem finalidade não-lucrativa e apliquem seus ex-
e exercerá, em matéria educacional, função redistributiva e su- cedentes financeiros em educação;
pletiva, de forma a garantir equalização de oportunidades edu- II - assegurem a destinação de seu patrimônio a outra esco-
cacionais e padrão mínimo de qualidade do ensino mediante la comunitária, filantrópica ou confessional, ou ao Poder Públi-
assistência técnica e financeira aos Estados, ao Distrito Federal co, no caso de encerramento de suas atividades.
e aos Municípios; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº § 1º - Os recursos de que trata este artigo poderão ser des-
14, de 1996) tinados a bolsas de estudo para o ensino fundamental e médio,
§ 2º Os Municípios atuarão prioritariamente no ensino fun- na forma da lei, para os que demonstrarem insuficiência de re-
damental e na educação infantil. (Redação dada pela Emenda cursos, quando houver falta de vagas e cursos regulares da rede
Constitucional nº 14, de 1996) pública na localidade da residência do educando, ficando o Po-
§ 3º Os Estados e o Distrito Federal atuarão prioritariamen- der Público obrigado a investir prioritariamente na expansão de
te no ensino fundamental e médio. (Incluído pela Emenda Cons- sua rede na localidade.
titucional nº 14, de 1996) § 2º As atividades de pesquisa, de extensão e de estímulo e
§ 4º Na organização de seus sistemas de ensino, a União, os fomento à inovação realizadas por universidades e/ou por insti-
Estados, o Distrito Federal e os Municípios definirão formas de tuições de educação profissional e tecnológica poderão receber
colaboração, de modo a assegurar a universalização do ensino apoio financeiro do Poder Público. (Redação dada pela Emenda
obrigatório. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 59, Constitucional nº 85, de 2015)
de 2009) Art. 214. A lei estabelecerá o plano nacional de educação,
§ 5º A educação básica pública atenderá prioritariamente de duração decenal, com o objetivo de articular o sistema nacio-
ao ensino regular. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, nal de educação em regime de colaboração e definir diretrizes,
de 2006) objetivos, metas e estratégias de implementação para assegurar
Art. 212. A União aplicará, anualmente, nunca menos de a manutenção e desenvolvimento do ensino em seus diversos
dezoito, e os Estados, o Distrito Federal e os Municípios vinte e níveis, etapas e modalidades por meio de ações integradas dos
cinco por cento, no mínimo, da receita resultante de impostos, poderes públicos das diferentes esferas federativas que con-
compreendida a proveniente de transferências, na manutenção duzam a: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 59, de
e desenvolvimento do ensino. 2009)
§ 1º A parcela da arrecadação de impostos transferida pela I - erradicação do analfabetismo;
União aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, ou pe- II - universalização do atendimento escolar;
los Estados aos respectivos Municípios, não é considerada, para III - melhoria da qualidade do ensino;
efeito do cálculo previsto neste artigo, receita do governo que IV - formação para o trabalho;
a transferir. V - promoção humanística, científica e tecnológica do País.
§ 2º Para efeito do cumprimento do disposto no “caput” VI - estabelecimento de meta de aplicação de recursos pú-
deste artigo, serão considerados os sistemas de ensino federal, blicos em educação como proporção do produto interno bruto.
estadual e municipal e os recursos aplicados na forma do art. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 59, de 2009)
213.

9
CONHECIMENTOS DA LEGISLAÇÃO

Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado as- § 7º No atendimento dos direitos da criança e do adolescen-
segurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta te levar-se- á em consideração o disposto no art. 204.
prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, § 8º A lei estabelecerá: (Incluído Pela Emenda Constitucio-
ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respei- nal nº 65, de 2010)
to, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de I - o estatuto da juventude, destinado a regular os direitos
colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, dos jovens; (Incluído Pela Emenda Constitucional nº 65, de 2010)
exploração, violência, crueldade e opressão. (Redação dada Pela II - o plano nacional de juventude, de duração decenal, vi-
Emenda Constitucional nº 65, de 2010) sando à articulação das várias esferas do poder público para a
§ 1º O Estado promoverá programas de assistência integral execução de políticas públicas. (Incluído Pela Emenda Constitu-
à saúde da criança, do adolescente e do jovem, admitida a par- cional nº 65, de 2010)
ticipação de entidades não governamentais, mediante políticas Art. 228. São penalmente inimputáveis os menores de de-
específicas e obedecendo aos seguintes preceitos: (Redação zoito anos, sujeitos às normas da legislação especial.
dada Pela Emenda Constitucional nº 65, de 2010) Art. 229. Os pais têm o dever de assistir, criar e educar os
I - aplicação de percentual dos recursos públicos destinados filhos menores, e os filhos maiores têm o dever de ajudar e am-
à saúde na assistência materno-infantil; parar os pais na velhice, carência ou enfermidade.
II - criação de programas de prevenção e atendimento espe-
cializado para as pessoas portadoras de deficiência física, senso-
rial ou mental, bem como de integração social do adolescente e
do jovem portador de deficiência, mediante o treinamento para LEI FEDERAL N.° 8.069, DE 13/07/90 - DISPÕE SOBRE
o trabalho e a convivência, e a facilitação do acesso aos bens e O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE.
serviços coletivos, com a eliminação de obstáculos arquitetôni-
cos e de todas as formas de discriminação. (Redação dada Pela
Emenda Constitucional nº 65, de 2010) O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) é uma lei fe-
§ 2º A lei disporá sobre normas de construção dos logradou- deral (8.069 promulgada em julho de 1990), que trata sobre os
ros e dos edifícios de uso público e de fabricação de veículos de direitos das crianças e adolescentes em todo o Brasil.
transporte coletivo, a fim de garantir acesso adequado às pesso- Trata-se de um ramo do direito especializado, dividido em
as portadoras de deficiência. partes geral e especial, onde a primeira traça, como as demais
§ 3º O direito a proteção especial abrangerá os seguintes codificações existentes, os princípios norteadores do Estatuto.
aspectos: Já a segunda parte estrutura a política de atendimento, medi-
I - idade mínima de quatorze anos para admissão ao traba- das, conselho tutelar, acesso jurisdicional e apuração de atos
lho, observado o disposto no art. 7º, XXXIII; infracionais.
II - garantia de direitos previdenciários e trabalhistas; A partir do Estatuto, crianças e adolescentes brasileiros,
III - garantia de acesso do trabalhador adolescente e jovem sem distinção de raça, cor ou classe social, passaram a ser re-
à escola; (Redação dada Pela Emenda Constitucional nº 65, de conhecidos como sujeitos de direitos e deveres, considerados
2010) como pessoas em desenvolvimento a quem se deve prioridade
IV - garantia de pleno e formal conhecimento da atribuição absoluta do Estado.
de ato infracional, igualdade na relação processual e defesa téc- O objetivo estatutário é a proteção dos menores de 18
nica por profissional habilitado, segundo dispuser a legislação anos, proporcionando a eles um desenvolvimento físico, men-
tutelar específica; tal, moral e social condizentes com os princípios constitucionais
V - obediência aos princípios de brevidade, excepcionali- da liberdade e da dignidade, preparando para a vida adulta em
dade e respeito à condição peculiar de pessoa em desenvolvi- sociedade.
mento, quando da aplicação de qualquer medida privativa da O ECA estabelece direitos à vida, à saúde, à alimentação, à
liberdade; educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade,
VI - estímulo do Poder Público, através de assistência jurí- ao respeito, à liberdade, à convivência familiar e comunitária
dica, incentivos fiscais e subsídios, nos termos da lei, ao acolhi- para meninos e meninas, e também aborda questões de polí-
mento, sob a forma de guarda, de criança ou adolescente órfão ticas de atendimento, medidas protetivas ou medidas socioe-
ou abandonado;
ducativas, entre outras providências. Trata-se de direitos direta-
VII - programas de prevenção e atendimento especializado
mente relacionados à Constituição da República de 1988.
à criança, ao adolescente e ao jovem dependente de entorpe-
Para o Estatuto, considera-se criança a pessoa de até doze
centes e drogas afins. (Redação dada Pela Emenda Constitucio-
anos de idade incompletos, e adolescente aquela compreendida
nal nº 65, de 2010)
§ 4º A lei punirá severamente o abuso, a violência e a explo- entre doze e dezoito anos. Entretanto, aplica-se o estatuto, ex-
ração sexual da criança e do adolescente. cepcionalmente, às pessoas entre dezoito e vinte e um anos de
§ 5º A adoção será assistida pelo Poder Público, na forma idade, em situações que serão aqui demonstradas.
da lei, que estabelecerá casos e condições de sua efetivação por Dispõe, ainda, que nenhuma criança ou adolescente será
parte de estrangeiros. objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, explo-
§ 6º Os filhos, havidos ou não da relação do casamento, ou ração, violência, crueldade e opressão, por qualquer pessoa que
por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações, proibidas seja, devendo ser punido qualquer ação ou omissão que atente
quaisquer designações discriminatórias relativas à filiação. aos seus direitos fundamentais. Ainda, no seu artigo 7º, discipli-

10
CONHECIMENTOS DA LEGISLAÇÃO

na que a criança e o adolescente têm direito à proteção à vida e 3. Promover a execução de suas decisões, podendo requisi-
à saúde, mediante a efetivação de políticas sociais públicas que tar serviços públicos e entrar na Justiça quando alguém, injusti-
permitam o nascimento e o desenvolvimento sadio e harmonio- ficadamente, descumprir suas decisões.
so, em condições dignas de existência. 4. Levar ao conhecimento do Ministério Público fatos que o
As medidas protetivas adotadas pelo ECA são para salva- Estatuto tenha como infração administrativa ou penal.
guardar a família natural ou a família substituta, sendo está ulti- 5. Encaminhar à Justiça os casos que a ela são pertinentes.
ma pela guarda, tutela ou adoção. A guarda obriga a prestação 6. Tomar providências para que sejam cumpridas as medi-
de assistência material, moral e educacional, a tutela pressupõe das sócio-educativas aplicadas pela Justiça a adolescentes infra-
todos os deveres da guarda e pode ser conferida a pessoa de até tores.
21 anos incompletos, já a adoção atribui condição de filho, com 7. Expedir notificações em casos de sua competência.
mesmos direito e deveres, inclusive sucessórios. 8. Requisitar certidões de nascimento e de óbito de crianças
A instituição familiar é a base da sociedade, sendo indis- e adolescentes, quando necessário.
pensável à organização social, conforme preceitua o art. 226 da 9. Assessorar o Poder Executivo local na elaboração da pro-
CR/88. Não sendo regra, mas os adolescentes correm maior ris- posta orçamentaria para planos e programas de atendimento
co quando fazem parte de famílias desestruturadas ou violentas. dos direitos da criança e do adolescente.
Cabe aos pais o dever de sustento, guarda e educação dos 10. Entrar na Justiça, em nome das pessoas e das famílias,
filhos, não constituindo motivo de escusa a falta ou a carência para que estas se defendam de programas de rádio e televisão
de recursos materiais, sob pena da perda ou a suspensão do pá- que contrariem princípios constitucionais bem como de propa-
trio poder. ganda de produtos, práticas e serviços que possam ser nocivos à
Caso a família natural, comunidade formada pelos pais ou saúde e ao meio ambiente.
qualquer deles e seus descendentes, descumpra qualquer de 11. Levar ao Ministério Público casos que demandam ações
suas obrigações, a criança ou adolescente serão colocados em judiciais de perda ou suspensão do pátrio poder.
família substituta mediante guarda, tutela ou adoção. 12. Fiscalizar as entidades governamentais e não-governa-
Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e edu- mentais que executem programas de proteção e socioeducati-
cado no seio da sua família e, excepcionalmente, em família vos.
substituta, assegurada a convivência familiar e comunitária, em Considerando que todos têm o dever de zelar pela digni-
ambiente livre da presença de pessoas dependentes de substân- dade da criança e do adolescente, pondo-os a salvo de qual-
cias entorpecentes. quer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório
Por tal razão que a responsabilidade dos pais é enorme no ou constrangedor, havendo suspeita ou confirmação de maus-
desenvolvimento familiar e dos filhos, cujo objetivo é manter ao -tratos contra alguma criança ou adolescente, serão obrigato-
máximo a estabilidade emocional, econômica e social. riamente comunicados ao Conselho Tutelar para providências
A perda de valores sociais, ao longo do tempo, também são cabíveis.
fatores que interferem diretamente no desenvolvimento das Ainda com toda proteção às crianças e aos adolescentes, a
crianças e adolescentes, visto que não permanecem exclusiva- delinquência é uma realidade social, principalmente nas gran-
mente inseridos na entidade familiar. des cidades, sem previsão de término, fazendo com que tenha
Por isso é dever de todos prevenir a ocorrência de ameaça tratamento diferenciado dos crimes praticados por agentes im-
ou violação dos direitos das crianças e dos adolescentes. Tanto putáveis.
que cabe a sociedade, família e ao poder público proibir a venda Os crimes praticados por adolescentes entre 12 e 18 anos
e comercialização à criança e ao adolescente de armas, muni- incompletos são denominados atos infracionais passíveis de
ções e explosivos, bebida alcoólicas, drogas, fotos de artifício, aplicação de medidas socioeducativas. Os dispositivos do Es-
revistas de conteúdo adulto e bilhetes lotéricos ou equivalentes. tatuto da Criança e do Adolescente disciplinam situações nas
Cada município deverá haver, no mínimo, um Conselho Tu- quais tanto o responsável, quanto o menor devem ser instados
telar composto de cinco membros, escolhidos pela comunidade a modificarem atitudes, definindo sanções para os casos mais
local, regularmente eleitos e empossados, encarregado pela so- graves.
ciedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do Nas hipóteses do menor cometer ato infracional, cuja con-
adolescente. duta sempre estará descrita como crime ou contravenção penal
O Conselho Tutelar é uma das entidades públicas compe- para os imputáveis, poderão sofrer sanções específicas aquelas
tentes a salvaguardar os direitos das crianças e dos adolescentes descritas no estatuto como medidas socioeducativas.
nas hipóteses em que haja desrespeito, inclusive com relação a
seus pais e responsáveis, bem como aos direitos e deveres pre- Os menores de 18 anos são penalmente inimputáveis, mas
vistos na legislação do ECA e na Constituição. São deveres dos respondem pela prática de ato infracional cuja sanção será des-
Conselheiros Tutelares: de a adoção de medida protetiva de encaminhamento aos pais
1. Atender crianças e adolescentes e aplicar medidas de ou responsável, orientação, apoio e acompanhamento, matri-
proteção. cula e frequência em estabelecimento de ensino, inclusão em
2. Atender e aconselhar os pais ou responsável e aplicar programa de auxílio à família, encaminhamento a tratamento
medidas pertinentes previstas no Estatuto da Criança e do Ado- médico, psicológico ou psiquiátrico, abrigo, tratamento toxicoló-
lescente. gico e, até, colocação em família substituta.

11
CONHECIMENTOS DA LEGISLAÇÃO

Já o adolescente entre 12 e 18 anos incompletos (inim- Antes de iniciado o procedimento de apuração do ato infra-
putáveis) que pratica algum ato infracional, além das medidas cional, o representante do Ministério Público poderá conceder
protetivas já descritas, a autoridade competente poderá aplicar o perdão (remissão), como forma de exclusão do processo, se
medida socioeducativa de acordo com a capacidade do ofensor, atendido às circunstâncias e consequências do fato, contexto
circunstâncias do fato e a gravidade da infração, são elas: social, personalidade do adolescente e sua maior ou menor par-
1) Advertências – admoestação verbal, reduzida a termo e ticipação no ato infracional.
assinada pelos adolescentes e genitores sob os riscos do envol- Por fim, o Estatuto da Criança e do Adolescente institui me-
vimento em atos infracionais e sua reiteração, didas aplicáveis aos pais ou responsáveis de encaminhamento
2) Obrigação de reparar o dano – caso o ato infracional seja a programa de proteção a família, inclusão em programa de
passível de reparação patrimonial, compensando o prejuízo da orientação a alcoólatras e toxicômanos, encaminhamento a tra-
vítima, tamento psicológico ou psiquiátrico, encaminhamento a cursos
3) Prestação de serviços à comunidade – tem por objetivo ou programas de orientação, obrigação de matricular e acompa-
conscientizar o menor infrator sobre valores e solidariedade so- nhar o aproveitamento escolar do menor, advertência, perda da
cial, guarda, destituição da tutela e até suspensão ou destituição do
4) Liberdade assistida – medida de grande eficácia para o pátrio poder.
enfretamento da prática de atos infracionais, na medida em O importante é observar que as crianças e os adolescentes
que atua juntamente com a família e o controle por profissio- não podem ser considerados autênticas propriedades de seus
nais (psicólogos e assistentes sociais) do Juizado da Infância e genitores, visto que são titulas de direitos humanos como quais-
Juventude, quer pessoas, dotados de direitos e deveres como demonstrado.
5) Semiliberdade – medida de média extremidade, uma A implantação integral do ECA sofre grande resistência de
vez que exigem dos adolescentes infratores o trabalho e estudo parte da sociedade brasileira, que o considera excessivamen-
durante o dia, mas restringe sua liberdade no período noturno, te paternalista em relação aos atos infracionais cometidos por
mediante recolhimento em entidade especializada crianças e adolescentes, uma vez que os atos infracionais estão
6) Internação por tempo indeterminado – medida mais ficando cada vez mais violentos e reiterados.
extrema do Estatuto da Criança e do Adolescente devido à pri- Consideram, ainda, que o estatuto, que deveria proteger e
vação total da liberdade. Aplicada em casos mais graves e em educar a criança e o adolescente, na prática, acaba deixando-os
sem nenhum tipo de punição ou mesmo ressocialização, bem
caráter excepcional.
como é utilizado por grupos criminosos para livrar-se de respon-
Antes da sentença, a internação somente pode ser deter-
sabilidades criminais fazendo com que adolescentes assumam
minada pelo prazo máximo de 45 dias, mediante decisão funda-
a culpa.
mentada baseada em fortes indícios de autoria e materialidade
Cabe ao Estado zelas para que as crianças e adolescentes se
do ato infracional.
desenvolvam em condições sociais que favoreçam a integrida-
Nessa vertente, as entidades que desenvolvem programas
de física, liberdade e dignidade. Contudo, não se pode atribuir
de internação têm a obrigação de:
tal responsabilidade apenas a uma suposta inaplicabilidade do
1) Observar os direitos e garantias de que são titulares os
estatuto da criança e do adolescente, uma vez que estes nada
adolescentes;
mais são do que o produto da entidade familiar e da sociedade,
2) Não restringir nenhum direito que não tenha sido objeto as quais têm importância fundamental no comportamento dos
de restrição na decisão de internação, mesmos.
3) Preservar a identidade e oferecer ambiente de respeito e
dignidade ao adolescente, LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990
4) Diligenciar no sentido do restabelecimento e da preser-
vação dos vínculos familiares, Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá
5) Oferecer instalações físicas em condições adequadas, e outras providências.
toda infraestrutura e cuidados médicos e educacionais, inclusive
na área de lazer e atividades culturais e desportivas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o Congresso
6) Reavaliar periodicamente cada caso, com intervalo má- Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
ximo de seis meses, dando ciência dos resultados à autoridade
competente. Título I
Uma vez aplicada as medidas socioeducativas podem ser Das Disposições Preliminares
implementadas até que sejam completados 18 anos de idade.
Contudo, o cumprimento pode chegar aos 21 anos de idade nos Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a proteção integral à criança e
casos de internação, nos termos do art. 121, §5º do ECA. ao adolescente.
Assim como no sistema penal tradicional, as sanções pre- Art. 2º Considera-se criança, para os efeitos desta Lei, a pes-
vistas no Estatuto da Criança e do Adolescente apresentam pre- soa até doze anos de idade incompletos, e adolescente aquela
ocupação com a reeducação e a ressocialização dos menores entre doze e dezoito anos de idade.
infratores. Parágrafo único. Nos casos expressos em lei, aplica-se ex-
cepcionalmente este Estatuto às pessoas entre dezoito e vinte
e um anos de idade.

12
CONHECIMENTOS DA LEGISLAÇÃO

Art. 3º A criança e o adolescente gozam de todos os direi- § 2o Os profissionais de saúde de referência da gestante ga-
tos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da rantirão sua vinculação, no último trimestre da gestação, ao es-
proteção integral de que trata esta Lei, assegurando-se-lhes, por tabelecimento em que será realizado o parto, garantido o direito
lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades, de opção da mulher. (Redação dada pela Lei nº 13.257, de 2016)
a fim de lhes facultar o desenvolvimento físico, mental, moral, § 3o Os serviços de saúde onde o parto for realizado asse-
espiritual e social, em condições de liberdade e de dignidade. gurarão às mulheres e aos seus filhos recém-nascidos alta hospi-
Parágrafo único. Os direitos enunciados nesta Lei aplicam-se talar responsável e contrarreferência na atenção primária, bem
a todas as crianças e adolescentes, sem discriminação de nasci- como o acesso a outros serviços e a grupos de apoio à amamen-
mento, situação familiar, idade, sexo, raça, etnia ou cor, religião tação. (Redação dada pela Lei nº 13.257, de 2016)
ou crença, deficiência, condição pessoal de desenvolvimento e § 4o Incumbe ao poder público proporcionar assistência
aprendizagem, condição econômica, ambiente social, região e psicológica à gestante e à mãe, no período pré e pós-natal, in-
local de moradia ou outra condição que diferencie as pessoas, clusive como forma de prevenir ou minorar as consequências do
as famílias ou a comunidade em que vivem.(incluído pela Lei nº estado puerperal. (Incluído pela Lei nº 12.010, de 2009) Vigência
13.257, de 2016) § 5o A assistência referida no § 4o deste artigo deverá ser
Art. 4º É dever da família, da comunidade, da sociedade em prestada também a gestantes e mães que manifestem interesse
geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a em entregar seus filhos para adoção, bem como a gestantes e
efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, mães que se encontrem em situação de privação de liberdade.
à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, (Redação dada pela Lei nº 13.257, de 2016)
à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e § 6o A gestante e a parturiente têm direito a 1 (um) acom-
comunitária. panhante de sua preferência durante o período do pré-natal, do
Parágrafo único. A garantia de prioridade compreende: trabalho de parto e do pós-parto imediato. (Incluído pela Lei nº
a) primazia de receber proteção e socorro em quaisquer 13.257, de 2016)
circunstâncias; § 7o A gestante deverá receber orientação sobre aleitamen-
b) precedência de atendimento nos serviços públicos ou de to materno, alimentação complementar saudável e crescimento
relevância pública; e desenvolvimento infantil, bem como sobre formas de favore-
c) preferência na formulação e na execução das políticas so- cer a criação de vínculos afetivos e de estimular o desenvolvi-
ciais públicas; mento integral da criança. (Incluído pela Lei nº 13.257, de 2016)
d) destinação privilegiada de recursos p