Você está na página 1de 2

Tópico 8 - PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INCLUSIVAS MEDIADAS PELA LUDICIDADE

1. Segundo a autora no que consiste a ludicidade como mediadora?


Segundo a autora a ludicidade como mediadora é um meio pelo qual a criança poderá
desenvolver sua criatividade, seu espírito de liderança e a capacidade de atuar em grupo,
sua capacidade de socialização, sua autonomia, criticidade, pois através dos jogos em
grupo a crianças aprende a repartir, a ouvir e até mesmo a ter um espírito de liderança,
oportunizando a partir daí a inclusão. Que irá propiciar uma grande influencia no que
concerne o desenvolvimento do educando, principalmente o alunado com necessidades
educacionais especiais (NEE), isso porque através destas atividades lúdicas a criança tem
a sua curiosidade propiciada, desenvolvendo sua autoconfiança, concentração e
linguagem, além de estimular a organização dos seus pensamentos. Portanto o educador
ao recorrer a mediações lúdicas seja por jogos ou brincadeiras, ele cria um ambiente
motivacional que permite o educando com necessidades especiais participarem ativamente
do seu processo de ensino aprendizagem, de forma que essas assimilações sejam
adquiridas por meio da vivencia das experiencias, que serão futuramente incorporadas na
suas atitudes e construção de saberes. A autora ainda afirma que são essas praticas de se
apropriar da ludicidade como mediadora que permite e auxilia a construção de práticas
pedagógicas mais inclusivas destes alunos com necessidades especiais, pois reconhece e
favorece a potencialidade individual destes, promovendo o desenvolvimento do raciocínio,
a se utilizar dos gestos como meio para exteriorizar suas ideias, emoções e pensamentos,
além do contato e reconhecimento do próprio corpo e suas possibilidades ou seja seu
autoconhecimento.

2. No filme podemos ver algumas atividades escolares em que a brincadeira é parte


do currículo e de grande valor para a integração dos colegas. Retomando a
construção do currículo na Educação Infantil aspectos do desenvolvimento que
precisam ser consideradas. Destaque das atividades realizadas pelos personagens
que participaram para o desenvolvimento Cognitivo; Sensório-perceptiva;
linguística; emotiva; motora ampla e refinada; de autoajuda e Social.
DESENVOLVIMENTO COGNITIVO: Na minha percepção acredito que todas as atividades
realizadas pelos personagens Maria e Nicolás contribuíram para o desenvolvimento
cognitivo, pois estimularam o interesse de ambos pelo ambiente, pelo brincar e
consequentemente o aprender.
SENSÓRIO-PERCEPTIVA: A atividade realizada pelos personagens Maria e Nicolás que
demonstrou o desenvolvimento sensório-perceptiva foi quando Nicolás conseguiu chutar a
bola sozinho, pois ele conseguiu realizar a ponte entre o desenvolvimento físico e o
desenvolvimento cognitivo, sem que ela precisasse puxar a corda, ele entendeu que era
para chutar.
LINGUÍSTICA: Em todo momento a personagem Maria estimula ao conversar, questionar
e explicar as brincadeiras este processo de comunicação, ignorando as limitações que o
personagem Nicolás possui, ela em nenhum momento desiste desta troca, mas a que fica
mais destacada foi o momento da contação da história.
EMOTIVA: Durante todas as atividades houve uma equivalência entre as construções
afetivas e cognitivas, mas a que fica evidente até por ser mostrado a visão do Nicolás
diante desta é no momento da dança.
MOTORA AMPLA E REFINADA: Quando a personagem Maria, vê as impossibilidades do
amigo ela não desiste e faz uso das cordas para que ele se divirta e consiga brincar. E
assim o auxilia para o desenvolvimento da coordenação motora ampla e fina, ao amarrar
suas mãos as de Nicolás ela brinca de palmas, amarra o pé dele e o estimula a jogar
futebol, empinar pipa e até a segurar a espada para uma “luta”, mas a que pode ser
associada por mostrar um resultado é o futebol.
AUTOAJUDA: Maria utiliza as cordas não somente como um mecanismo para auxiliar a
movimentação de Nicolás, ela as utiliza como recursos simples e eficientes para o inserir
nas brincadeiras, promovendo então a autoajuda, a interação e inclusão do amigo.
SOCIAL: Quando Nicolás chega ele é percebido pelos demais alunos como diferente,
menos para Maria que tenta de todas as formas se comunicar com ele e também de
socializar, a primeira tentativa de inclui-lo na brincadeira que acontece no intervalo que é
pular corda ela busca esse desenvolvimento social com os demais, mesmo que eles
permaneçam relutantes, com as diferenças do novo amigo, a segunda é a tentativa com o
futebol, sendo julgada pelos demais alunos como “esquisita” ela não desiste e continua a
estimular o desenvolvimento do seu amigo.