Você está na página 1de 2

ESCOLA SECUNDÁRIA DA LOURINHÃ

CURSO EFA | Disciplina CLC | Tema 3 Saúde | RA1

Prof. V. Matos
Turma: S3 Nº: Nome:
Pág. 1 de 2

Proposta de trabalho

A Beleza Através dos Tempos


O que torna uma pessoa feia ou bela é, na verdade, um mistério. Mas cada lugar
e cada época estabelecem critérios para definir a aparência desejável às pessoas, ainda
que muitas delas superem esses critérios por causa de sua personalidade, de sua
segurança, de sua capacidade de adaptação ou de seu poder.

Um erro comum quando se fala sobre padrões de beleza é imaginar que eles se
aplicam mais às mulheres: "Isso não faz sentido. Basta observar as esculturas gregas
para saber o quanto a beleza masculina era valorizada naquela sociedade, e a força com
que aqueles padrões chegaram até nós", afirma o historiador Luiz Eduardo Simões de
Souza. "A beleza andrógina que se vê hoje também não é novidade. Se observarmos as
figuras do Egipto Antigo, por exemplo, veremos que os tipos ideais de ambos os sexos
eram bem parecidos: morenos e longilíneos."

A beleza também não foi sempre fundamental para a aceitação das pessoas pela
sociedade: "Na Idade Média, por exemplo, o padrão de beleza feminina praticamente
não existia: bastava ser mulher e respirar, que estava tudo bem", brinca o historiador.
Foi com o Renascimento que houve o resgate do ideal greco-romano de beleza, e o
corpo voltou a ter um papel importante nos valores da sociedade ocidental. Foi nessa
época que as mulheres gordinhas (na verdade, as mulheres nobres que conseguiam se
alimentar direito) se tornaram referenciais de beleza. "Mas não era como agora. Essas
referências serviam muito pouco para as pessoas comuns", assinala do historiador.

Da mesma forma, as burguesas coradas e bem vestidas se tornaram o referencial


de beleza no século 19. Num grupo menor, também, os românticos pálidos que podiam
passar o dia sem fazer nada viraram símbolos de beleza. "Nos dois casos, observa-se
que o que determina a beleza é a posição social. Aquilo que um rico pode ter passa a ser
o ideal a alcançar."

Mas o que dizer do século 20? Foram tantas as mudanças que a gente chega a se
perder: as beldades da década de 20 se parecem mais com as de hoje, por exemplo, do
que com a rechonchuda Marilyn Monroe da década de 50. "Mas o padrão que se
estabeleceu nos últimos dez ou quinze anos, principalmente, é o que se pode chamar de
'padrão aborígene': o bonito é introduzir coisas no corpo, como o silicone e os
anabolizantes, ou mesmo tatuagens e piercings." O único problema é que, assim como
acontece com os aborígenes, corremos o risco de ficar cada vez mais parecidos uns com
os outros. "Isso faz sentido", conclui o historiador, "pois é totalmente coerente com a
sociedade de consumo capitalista em que vivemos."

Fonte da notícia: http://saude.terra.com.br/interna/0,,OI277352-EI1521,00-


A+beleza+atraves+dos+tempos.html
ESCOLA SECUNDÁRIA DA LOURINHÃ
CURSO EFA | Disciplina CLC | Tema 3 Saúde | RA1

Prof. V. Matos
Turma: S3 Nº: Nome:
Pág. 2 de 2

Tarefas:

I.
Discussão dos argumentos presentes na notícia.

II.
Pesquisa e ilustração de vários ideias de beleza ao longo da história (elaboração
de powerpoint).
a) Antigo Egipto
b) Antiga Grécia
c) Antiga Roma
d) Idade Média
e) Renascimento
f) Século XIX
g) Anos 20 (séc. XX)
h) Anos 40-50 (séc. XX)
i) Anos 60 (séc. XX)
j) Anos 70 (séc. XX)
k) Anos 80 (séc. XX)
l) Anos 90 (séc. XX)
m) E hoje? O que é “belo” e o que é “feio”? E por quanto tempo? O que quer isso
dizer?

Bom Trabalho!

Interesses relacionados