Você está na página 1de 71

INTRODUÇÃO TECIDO TEGUMENTAR

A pele, ou cútis, maior órgão do corpo humano, é um órgão de revestimento complexo e


heterogêneo, constituída essencialmente de três grandes camadas de tecidos: Epiderme,derme e
uma camada subjacente a hipoderme.

http://repassarinformacoes.blogspot.com.br/2014/10/tecido-epitelial-e-conjuntivo-biologia.html

A pele funcionalmente age como um envoltório de proteção ao meio externo controlando a perda de
fluidos corporais evitando a penetração de substancias estranha e nociva ao organismo, atuando
assim como uma capa protetora e uma barreira impermeável a muitas substâncias.

A pele tem como suas, as funções de manutenção homeostática e de revestimento, além de


desempenhar também a função sensitiva, defendendo-nos contra agressores externos.

Entretanto o avançar dos anos provoca uma diminuição da elasticidade, provocando


fragilidade, atrofia, perda de vasos sanguíneos, colágeno e gordura. E todas estas alterações
provocam o envelhecimento cutâneo que se exteriorizam através de rugas, linhas de expressão e
flacidez.

2
O envelhecimento cutâneo devido à exposição ao sol é conhecido como “fotoenvelhecimento” e
conduz a degeneração das fibras elásticas e colágenas, ao aparecimento de manchas pigmentadas e
ocorrência de lesões pré-malignas e malignas.

Os ácidos são todas as substâncias que possuem seu pH inferior ao da pele,


transformando-a em uma região ácida, proporcionando um peeling químico (esfoliação) que poderá
ser muito superficial, superficial, médio ou profundodependendo de sua porcentagem e seu pH
(BORGES, 2010)

FUNÇÕES

O sistema tegumentar recobre o corpo, protegendo-o contra o atrito, a perda de água, a invasão de
micro-organismos e a radiação ultravioleta. Converte moléculas precursoras em vitamina D e tem um
papel na percepção do tato, na termorregulação, na excreção de substâncias e na secreção de
lipídios protetores e de leite.

CONSTITUINTES

É constituído pela pele (tegumento ou cútis) e os seus anexos: pelos, unhas, glândulas sebáceas,
sudoríparas e mamárias.

REVISÃO : HISTOLOGIA, ANATOMIA E FISIOLOGIA DO TECIDO PITELIAL

Epiderme:

A epiderme, estruturalmente considerada a camada mais externa, é avascular e impermeável por


causa da presença, no espaço intercelular, de lipídeos como colesterol, ésteres e ceramidas, desta
forma, é constituída por queratinócitos, responsáveis pelo corpo da epiderme e de seus anexos
(pêlos, unhas e glândulas), camada basal denominada stratum germinativum responsável pela
renovação celular, melanócitos responsáveis pela produção de melanina e pigmentação da pele, e
células com função imunológica vital, como as células de Langerhans (CL)

3
A epiderme é um tecido dinâmico que está em constante renovação celular, de modo que a perda de
células pela superfície do estrato córneo fica balanceada pelo crescimento de células nas camadas
inferiores da epiderme, que são mantidas por células-tronco pluripotentes que residem na camada
basal e estão presentes durante a vida inteira.

Desta forma, a epiderme é formada por células empilhadas, na forma de camadas, que são definidas
pela posição (profundidade), forma, morfologia e grau de maturação, sendo distinguidas em cinco
camadas.
A epiderme é dividida em:

Extrato córneo (superfície da pele).

Extrato Granuloso.

Extrato Espinhoso.

Extrato Germinativo.

A epiderme começa com o extrato germinativo, tendo formatos diferentes, pois se tivessem
formatos iguais, elas se juntariam fazendo com que a mesmas não se renovassem. Com a renovação
do extrato germinativo, as células irão subir, transformando-se no extrato espinhoso. Seguindo o
mesmo processo, as células irão subir, convertendo-se no extrato granuloso e depois se
transformando no extrato córneo (sem núcleo). Por isso a pele escama (renovação da pele), pois a
célula não vive muito tempo sem núcleo. As células da pele são lábeis (tempo de vida curto, se
reproduzem rapidamente).
A renovação celular epidérmica ou turn over é um fenômeno cuja frequência diminui
progressivamente, juntamente com outros parâmetros, conforme a pele envelhece. Assim, a pele
envelhecida possui coloração menos uniforme, aspereza ao toque e a função barreira prejudicada,
resultando em menor hidratação cutânea.

A camada basal ou camada germinativa tem a função de produzir novas células, essa camada forma
posteriormente depressões e cristas que se refletem na superfície da pele nas impressões digitais.
Uma camada consistente em grandes células poliédricas, contendo tonofibrilas delgadas, que é a
camada espinhosa. Uma camada constituída de células mortas densamente reunidas contendo
queratina, que forma a resistência da superfície da epiderme, a camada córnea. A camada granulosa
que contém grânulos de queratino-hialina em suas células. As células da epiderme geralmente se
descamam durante a segunda parte da vida uterina e podem ser encontradas nolíquido amniótico.

4
A epiderme é invadida por células da crista neural durante os três primeiros meses, essas células
sintetizam o pigmento melanina, que por meio dos prolongamentos dendríticos podem ser
transferidos para outras células. Depois do nascimento, esse melanócito é o responsável pela
pigmentação da pele

Toda a superfície cutânea está provida de terminações nervosas capazes de captar estímulos
térmicos, mecânicos ou dolorosos. Essas terminações nervosas ou receptores cutâneos são
especializados na recepção de estímulos específicos. Na epiderme não existem vasos sanguíneos.
Assim, os nutrientes e oxigênio chegam à epiderme por difusão a partir de vasos sanguíneos da
derme.

Nas regiões da pele providas de pelo, há terminações nervosas específicas nos folículos capilares e
outras chamadas terminais ou receptores de Ruffini.
As primeiras, formadas por axônios que envolvem o folículo piloso, captam as forças mecânicas
aplicadas contra o pelo. Os terminais de Ruffini, com sua forma ramificada, são receptores térmicos
de calor.

Na pele desprovida de pelo e também na que está coberta por ele, encontram-se ainda três tipos de
receptores comuns:

 Corpúsculos de Paccini:
Captam especialmente estímulos vibráteis e táteis. São formados por uma fibra nervosa cuja
porção terminal, amielínica, é envolta por várias camadas que correspondem a diversas
células de sustentação. A camada terminal é capaz de captar a aplicação de pressão, que é
transmitida para as outras camadas e enviada aos centros nervosos correspondentes.

 Discos de Merkel:
São responsáveis pela sensibilidade tátil e de pressão. Uma fibra aferente costuma estar
ramificada com vários discos terminais destas ramificações nervosas. Estes discos estão
englobados em uma célula especializada, cuja superfície distal se fixa às células epidérmicas
por um prolongamento de seu protoplasma. Assim, os movimentos de pressão e tração
sobre epiderme desencadeiam o estímulo.

 Terminações Nervosas Livres:


Sensíveis aos estímulos mecânicos, térmicos e especialmente aos dolorosos. São formadas
por um axônio ramificado envolto por células de Schwann, sendo que os dois são envolvidos

5
por uma membrana basal. Na pele sem pelo encontram-se, ainda, outros receptores
específicos:

Na pele sem pêlo encontram-se, ainda, outros receptores específicos:

 Corpúsculos de Meissner:
São da sensibilidade tátil, estão nas saliências da pele sem pelos (como nas partes mais altas
das impressões digitais). São formados por um axônio mielínico, cujas ramificações terminais
se entrelaçam com células acessórias.

 Bulbos Terminais de Krause:


São receptores térmicos de frio, formados por uma fibra nervosa cuja terminação possui
forma de clava (arma de guerra medieval). Situam-se nas regiões limítrofes da pele com as
membranas mucosas. São encontrados ao redor dos lábios e dos genitais.
A epiderme é mais espessa ao nível da palma e da planta e mais delgada nas pálpebras,
prepúcio, pequenos lábios vaginais e escroto.

RECEPTORES DE SUPERFÍCIE SENSAÇÃO PERCEBIDA

Receptores de Krause Frio

Receptores de Ruffini Calor

Discos de Merkel Tato e pressão

Receptores de Vater-Pacini Pressão

Receptores de Meissner Tato

Terminações nervosas livres Principalmente dor

Fonte: http://www.afh.bio.br/tegumentar/tegumentar.as

Nas camadas inferiores da epiderme estão os melanócitos, células que produzem melanina,
pigmento que determina a coloração da pele. A Melanina dá a cor do amarelo ao negro para a pele.
A quantidade de um indivíduo para o outro é a mesma, o que diferencia a tonalidade da pele é o
Pigmento caroteno.
A melanina é o principal pigmento epidérmico, controlado pelo hormônio melanócito-estimulante
(MSH) da adeno-hipófise (lobo anterior).

6
Anexos da epiderme:

Glândulas sudoríparas e sebáceas:Encontram-se mergulhadas na derme, e tem origem epidérmica.

Glândula sudorípara: O suor (composto de água, sais e um pouco de uréia) é drenado pelo ducto das
glândulas sudoríparas, enquanto a secreção sebácea (secreção gordurosa que lubrifica a epiderme e
os pelos) sai pelos poros de onde emergem os pelos.

Glândula sebácea:
As glândulas sebáceas sãoespecializadas na produção de sebo substância destinada a proteger e
lubrificar a superfície do corpo e os pêlos.

 Unhas.

 Pêlos.

Os pêlos são acessórios da pele. Chamados lanugem ao nascimento, são substituídos pelos vilos e são
responsáveis pela manutenção da temperatura corporal. São células fundidas, mortas e
queratinizadas, formadas por uma parte externa (haste) e uma interna (raiz). A base do folículo é o
bulbo que contém a papila (vascularização responsável pela nutrição) e a matriz (que tem a função
de formar novos pelos).

Os pêlos se apresentam como proliferações epidérmicas sólidas, penetrando na derme subjacente.


Os brotos capilares invaginam-se em sua extremidade terminal, onde essas invaginações (as papilas
capilares) são preenchidas rapidamente de mesoderma, no qual se desenvolvem vasos e
terminações nervosas.ocorrem à formação da haste do pelo, em consequência as células no centro
dos brotos capilares tornam-se fusiformes e queratinizadas, enquanto as células periféricas tornam-
se cuboides, dando origens à bainha epitelial do pêlo.

O mesênquima circundante forma a bainha da raiz dérmica, um pequeno músculo liso, também
derivado do mesênquima, que está geralmente preso à bainha da raiz dérmica, o músculo eretor do
pelo. Em virtude das proliferações das células epiteliais na base da haste, haverá um empurrão do
pelo para cima. No fim do terceiro mês já se podem visualizar pelos na região dos lábios e
sobrancelha. A parede epitelial do folículo piloso possui um pequeno broto penetrando no
mesoderma circundante, no qual as células desse broto formam as glândulas sebáceas. As células das
glândulas sebáceas degeneram-se, formando uma substância com alta concentração de lipídio
secretado no folículo piloso e, daí, ela chega até a pele.

7
Ciclo de vida do pêlo.

Os cabelos crescem meio milímetro por dia, estando distribuídos por várias regiões do corpo e, de
acordo com estas regiões, recebem denominações especiais tendo, inclusive, espessuras diferentes:

 Cabelos, couro cabeludo.

 Supercílios, órbitas.

 Cílios, nas pálpebras.

 Vibrissas, vestíbulo nasal.

 Tragos, meato acústico externo.

 Bigode, lábio superior.

 Barba, face.

 Hircos, axilas.

 Pubes, região pubiana, monte púbico.

Não há pelos na palma, na planta e no dorso das falanges distais.

Pêlo:

1. Bainha radicular interna.


2. Membrana de Huxley.
3. Membrana de Henley.
4. Bainha radicular externa.
5. Membrana hialina.
6. Bainha do tecido conjuntivo.

Haste do pelo:

7. Medula.
8. Córtex.
9. Cutícula.

O couro cabeludo é um tipo especial de cútis que recobre a calvária, caracterizado por duas
lâminas densas (cório externamente e pericrânio internamente, aderido ao periósteo). Entre essas
duas lâminas ocorre um tecido frouxo, não gorduroso, que é o tecido subaponeurótico.

8
As unhas são células da epiderme, firmemente aderidas, duras e queratinizadas. Possuem
corpo, margem livre e raiz. Seu corpo é rosado em razão da capilarização. Tem a função de
possibilitar a manipulação de pequenos objetos e proteção da extremidade dos dedos.

Recobrem parcialmente o dorso das falanges distais de mãos e pés, com a função precípua de
protegê-las. Duas faces (superficial e profunda) e quatro bordas (laterais, proximal e distal). A face
profunda assenta sobre o cório, que a esse nível chama-se leito ungueal. A face superficial é convexa.
A borda proximal constitui a raiz da unha.

 Curiosidades sobre as unhas e pelos

Unhas e pelos são constituídos por células epidérmicas queratinizadas, mortas e compactadas.
Na base da unha ou do pelo há células que se multiplicam constantemente, empurrando as células
mais velhas para cima. Estas, ao acumular queratina, morrem e se compactam, originando a unha ou
o pelo. Cada pelo está ligado a um pequeno músculo eretor, que permite sua movimentação, e a
uma ou mais glândulas sebáceas, que se encarregam de sua lubrificação.

Derme

Derme ou cório, do latim corium = couro, significando a membrana espessa que resulta após
ter sido curtida a pele de certos animais e que se sobrepõem à epiderme. É constituída de tecido
conjuntivo (mesodérmico) denso. Na palma e planta a derme é percorrida por cristas e sulcos,
utilizáveis para identificação individual (papiloscopia ou dactiloscopia). É na derme que encontramos
a raiz dos pelos e a maioria das glândulas anexas, sendo ainda aqui onde termina pelo menos uma
das extremidades das fibras musculares dos músculos cutâneos da cabeça, pescoço, palma, dartos
escrotal e grandes lábios, músculo aréolo-papilar da mama e eretores dos pêlos.

A derme é derivada dos dermátomos e do mesoderma da placa lateral (ou mesoderma lateral),
os quais, por sua vez, derivam-se dos somitos. Durante o terceiro e quarto mês o córion forma
muitas estruturas irregulares que se projetam para cima da epiderme, que são as papilas dérmicas,
onde cada uma dessas papilas geralmente possui um pequeno capilar ou uma terminação nervosa
sensorial. A camada mais profunda da derme, o subcorion, contém muito tecido adiposo.
A derme, localizada imediatamente sob a epiderme, é a segunda camada, porém principal
parte da pele. É um tecido conjuntivo frouxo que contém fibras proteicas, vasos sanguíneos,
terminações nervosas, órgãos sensoriais e glândulas. É mais espessa na palma das mãos e plantas
dos pés. Possui papilas dérmicas e corpúsculos de Meissner (do tato) e outros. As principais células

9
da derme são os fibroblastos, responsáveis pela produção de fibras e de uma substância gelatinosa, a
substância amorfa, na qual os elementos dérmicos estão mergulhados.

São estruturas encontradas na derme:

 Vasos Sanguíneos.

 Glândulas Sudoríparas.

 Glândulas Sebáceas.

 Folículo Espinhoso.

 Vasos Linfáticos.

As Glândulas Sebáceas se concentram no folículo piloso, onde se abrem diretamente, por


curto ou largo ducto, no canal do pelo, estrutura com a qual são sempre vistas. A contração do
músculo eretor ajuda a expelir o conteúdo gorduroso.Não existem em pele glabra (sem pelos). Nas
pálpebras encontramos dois tipos de glândulas sebáceas modificadas: as glândulas társicas e as
glândulas ciliares sebáceas. Na aréola mamária também encontramos outra modificação dessas
estruturas que são as glândulas areolares.
Estas glândulas não existem nas palmas das mãos e na planta dos pés. Estas secretam sebo,
que impede o ressecamento do elo, a evaporação excessiva de água, mantém a pele macia e evita a
proliferação de certas bactérias.

As Glândulas Sudoríferas são constituídas por um fino e longo tubo que no início se enovela,
chamado corpo da glândula, profundamente situado no cório, chegando mesmo a ultrapassá-lo e
atingir o TCSC. São responsáveis pela produção e transporte do suor, secretando-o através do poro
sudorífero, atuando como regulador térmico. Podem ser:

• Apócrinas: Abrem-se nos folículos e são estimuladas durante o estresse emocional e excitação
sexual.

• Écrinas: Compõem toda a pele com exceção da margem dos lábios, leitos ungueais e
tímpanos.

As Glândulas Ceruminosas produzem cerume. São presentes única e exclusivamente no meato


acústico externo. Seus ductos abrem-se diretamente na superfície ou nos ductos das glândulas
sebáceas. Uma barreira viscosa é formada por pelos e cerume. Ainda temos outros tipos de
glândulas:

10
 Glândulas vestibulares nasais, localizadas no vestíbulo nasal.

 Glândulas axilares, região axilar, cujo produto sofre decomposição, exalando cheiro próprio e
individual, o qual é mais acentuado em certas raças ou por ocasião da puberdade.

 Glândulas circumanais, localizadas na cútis que circunda o ânus.

 Glândulas mamárias ou mamas.

A primeira indicação de uma glândula mamária é encontrada sob a forma de um


espessamento em faixa da epiderme, que é a linha mamária ou a crista mamária. Essa linha estende-
se de cada lado do corpo da base do membro anterior à região do membro posterior em um embrião
de sete semanas, salientando-se de que essa linha desaparece com o tempo, mas pequena parte
dela persiste na região torácica e penetra no mesênquima subjacente.
A partir daí ela forma 16 a 24 brotos que dão origem por sua vez a pequenos botões sólidos.
Ao fim da vida pré-natal, os brotos epiteliais formam os ductos lactíferos e os botões formam
pequenos ductos e alvéolos da glândula. Inicialmente, os ductos lactíferos desembocam em uma
pequena fossa epitelial, logo depois do nascimento essa fossa é transformada no mamilo pela
proliferação do mesênquima subjacente.

Tela Subcutânea ou Tecido Celular Subcutâneo (TCSC)

Está sob a pele, encontrada profundamente à derme, formado por tecido conjuntivo frouxo
(areolar) e gordura (panículo adiposo – células gordurosas ou adipócitos).Permite o deslizamento da
pele sobre os planos subjacentes, oferece proteção (amortecedor) contra choques mecânicos,
também sendo um isolante térmico. Constitui-se em verdadeiro sistema de armazenamento de
gordura (nossa reserva energética). Em alguns locais o TCSC é exíguo ou inexistente, como nas
pálpebras, pavilhão da orelha, prepúcio, escroto, e pequenos lábios vaginais.

11
ENVELHECIMENTO CUTÂNEOE DISTÚRBIOS DE PIGMENTAÇÃO

Envelhecimento

O envelhecimento é um processo biológico quealtera a estrutura e a função dos órgãos e, no casoda


pele, que é um órgão externo, sofre as agressões do meio ambiente e das radiações solares,
modificando seu aspecto.

O envelhecimento pode ser dividido emintrínseco e extrínseco.

Conceito de envelhecimento

O envelhecimento é um processo biológico, universal, estocástico, dinâmico e progressivo, no qual


ocorrem modificações morfológicas, funcionais, bioquímicas e psicológicas que reduzem a
capacidade de adaptação do indivíduo ao meio ambiente, afetando sua integridade e permitindo o
surgimento das doenças crônicas, com impacto sobre a saúde e a qualidade de vida.

Tipos de envelhecimento

Intrínseco:

Também chamado de cronológico, biológico ou celular representa um complexo processo


quecomeça em nível molecular e obedece intrinsecamente a um programa genético individual, ao
qual se sobrepõem às agressões impostas pelo meio ambientes.

Características clínicase fisiológica do envelhecimento intrínseco:


Clinicamente, o envelhecimento intrínseco é atrófico e resulta na perda progressiva daelasticidade,
na atrofia da pele, e no aumento das linhas de expressão.
Os sinaisfisiológicossão a atrofia epidérmica, o achatamento da junção dermo-epidérmica atividade
metabólica mais lenta e o aumento do tamanho dos corneócitos com a idade.

Extrínseco ou fotoevenlhecimento:

O envelhecimento extrínseco é causado por fatores externos como:


 Fumo,
 Uso excessivo de álcool,
 Má nutrição,
 Poluição ambiental,

12
 Clima
 Principalmente pela exposição excessiva solar.
A exposição aguda ou crônica a raios UVB e UVA penetram respectivamente na epiderme e na derme
reticularinduzindo a modificações nos fibroblastos,colágeno e elastina, causando rugas,flacidez,
pigmentação irregular e engrossamento da pele.

Algumas características clínicase fisiológica do envelhecimento extrínseco:

Adelgamento da camada espinhosa,


achatamento da junção dermoepidérmica,
Queratinóciotos envelhecidos e resistentes
apoptose, redução no número de melanócitos,
deposição de material amorfo na derme,
descamações; desidratação,
afinamento do colágeno e elastina (amorfas),
redução proteínas, água, glicoaminoglicana e
proteoglicana, diminuição das fibras colágenas,
hipotonia tissular e muscular, ptoses do nariz,
pálpebras inferiores e superiores e das bochechas,
discromia, rugas , pele seca, pálida, diminuição da
elasticidade e extensibilidade. , sulcos cutâneos
nasogeniano e pré-auriculares,olheiras, edemas e
bolsas palpebrais, melanoses.

Distúrbios de pigmentação – Síntese da melanina

Derivada do grego melas (preto), a melanina se constitui como um polímero protéico originado da
oxidação da tirosina pela enzima tirosinase para a diidroxifenilalanina (DOPA) dentro de células
especializadas denominadas melanócitos, os quais são encontrados na lâmina basal da epiderme,
nos folículos pilosos e, menos frequentemente, na derme e também no aparelho ocular, na retina,
no ouvido, no sistema nervoso central e nos pêlos. São formados dois tipos de melanina:
Eumelaninas- Constituem em um grupo homogêneo de pigmentos pardos, insolúveis, resultantes da
polimerização oxidativa de compostos indólicos derivados da DOPA.
Feomelaninas - correspondentes a um grupo heterogêneo de pigmentos pardos avermelhados,
solúveis em meio alcalino, constituídas por benzotiazidas e benzotiozóis (derivados da cistenildopa).

13
Melanócitos

São células dendríticas que na epiderme, em conjunto com queratinócitos, formam uma unidade
funcional denominada “unidade epidermo-melânica” (UEM) e interagem de forma fechada na
produção e distribuição de melanina humana durante o processo de pigmentação

A síntese da melanina ocorre na membrana de organelas denominadas melanossomas, as quais


contêm enzimas específicas responsáveis pelo controle da síntese de pigmentos.
Dessa forma, a pigmentação da pele depende da natureza química da melanina, da atividade da
tirosinase nos melanócitos e da transferência da melanina aos queratinócitos vizinhos.
A cor natural da pele é constitutiva, ou seja, determinada por fatores genéticos ou então facultativos,
a qual depende da exposição ao sol, processo de envelhecimento e influências hormonais.
A pigmentação resultante é finalmente diminuída pela degradação da melanina durante a ascensão
dos queratinócitos até a região do estrato córneo. A melanina remanescente desse processo é
perdida pro processo de descamação.
A produção aumentada de melanina em decorrência da estimulação direta ou indireta é uma reação
defensiva da pele a fim de proteger-se contra as agressões solares. Após a irradiação do sol os
melanossomas se reagrupam em torno do núcleo a fim de proteger o material genético da célula e
assim, além de promover à coloração da pele, pêlos e cabelos a melanina promove foto proteção,
agindo como um filtro solar, difratando ou refletindo a radiação solar.
A estimulação do melanócito por fatores endógenos ou exógenos leva a um aumento da produção
de melanina epidérmica ou dérmica o que causa manchas hipercrômicas. Fatores genéticos,
metabólicos, nutritivos, endócrinos, físicos, químicos, inflamatórios, infecciosos e neoplásicos são
alguns dos fatores etiopatogênicos de relevância para o prognóstico como também para fins de
classificação das discromias. Porém, são freqüentes as discromias que não apresentam causas
conhecidas.

Célula Melanócito

14
PEELINGS

CONCEITO

O termo peelings e origina do inglês to peel = descamar, pelar.

TIPOS DE PEELINGS

Peelings Mecânicos: Diamante e cristal


São peeling realizados através das abrasão e lixamentos. Por definição, a microdermabrasão consiste
num tratamento não-invasivo da epiderme, que remove a camada superficial de células mortas e já
danificadas, revelando a camada de células cutâneas intactas que se encontra por baixo.

 Peeling Diamante: O peeling de diamante é um tipo de microdermoabrasão. É realizado por


meio de uma manopla em forma de caneta com ponteiras diamantadas de granulometrias
diferentes que promovem um “lixamento” suave da pele. Trabalha apenas nas camadas mais
superficiais da epiderme. Neste tipo de peeling só existe a pressão negativa que também
pode ser ajustada. A pele é suavemente sugada pela manopla e o lixa mento é efetuado pelo
profissional por meio do contato da manopla com a pele.

 Peeling cristal: O peeling de cristal é um equipamento mecânico gerador de pressão negativa


e positiva simultânea em que são utilizados micro grânulos de óxido de alumínio,
quimicamente inertes, jateados pela pressão positiva sobre a superfície da pele em uma

15
velocidade controlada, provocando erosão nas camadas da epiderme sendo ao mesmo
tempo sugados pela pressão negativa (são sugados os cristais e os resíduos de pele). Os
aparelhos de microdermoabrasão possuem um botão de ajuste que permite exercer maior
ou menor pressão no jateamento dos cristais.

Peeling enzimáticos:
São peelings que utilizam enzimas proteolíticas que hidrolisam a queratina diminuindo a espessura
da camada córnea. As enzimas mais utilizadas são a papaína, encontrada na Caricapapaya (papaia), e
a bromelina, encontrada no Ananassativus (abacaxi). Enzima da abóbora - Pumpking. ARAZYME da
aranha, e outros.
PROTOCOLO:
Fórmulas peeling enzimático:
Renew Zyme…..................40%
Gel q.s.p...........................15g

Após preparar a pele, aplicar na face com mão enluvada, deixar de 10 a 15 minutos. Realizar de 7 em
7 dias ou quinzenal. 3 a 6 sessões.

Para obter um melhor resultado, associe o Renew Zyme com Romã em cápsulas.

Home care: Fórmula uso tópico


Renew Zyme........................... 5%
Lumin White............................ 5%
ProTG3....................................5%
Calmaline................................ 3%
Gel Creme.qsp........................30g

16
PEELINGS QUÍMICOS

Refere-se à aplicação de agente químico sobre a pele, que pode provocar a destruição acelerada e
controlada da epiderme e parte da derme, levando à esfoliação com remoção de lesões, seguida pela
regeneração de novos tecidos, resultando em espessamento da epiderme, depósito de colágeno,
reorganização dos elementos estruturais e aumento do volume dérmico.Este também pode receber
a denominação de quimioesfoliação, resurfacing químico ou quimiocirurgia.

HISTÓRICO
 1550 AC. Foram descritos sobre peelings químicos na medicina egípcia, no papiro de Ebers
Relatórios também são encontrados na literatura antiga grega e romana.

 Aolongo dos séculos passados, algumas fórmulas foram transmitidaspelas populações


ciganas.

 Os dermatologistas começaram a mostrar interesse por peelings no século XIX.

 Em 1874, em Viena, o dermatologista Ferdinand Von Hebra utilizou a técnica para tratar
melasma, doença de Addison e efélides.

 Em 1882, emHamburgo, Paul G. Unna descreveu as ações do ácido salicílico,da resorcina, do


ácido tricloroacético (ATA) e do fenol sobre apele. Seu trabalho inicial foi seguido por muitos
outros.

 O uso de fenol foi desenvolvido após a Primeira Guerra Mundial na França.

 Na Inglaterra, Mac Kee já havia trabalhado com fenol para o tratamento de cicatrizes, mas
não publicouseus resultados até 1952.
 Enquanto isso, nos Estados Unidosdurante a década de 1940, Eller e Wolff forneceram a
primeiradescrição sistemática sobre a utilização de fenol, ácido salicílico,resorcina e neve
carbônica para o tratamento de cicatrizes.

 Amoderna era dos peelings iniciou-se nos anos 60 com o desenvolvimento de soluções
modificadas de fenol (adição de óleo de cróton, septisol e água) por Baker e Gordon, e
avaliação histológicade resultados, comparando efeitos entre fenol e ATA.

17
 Abase científica para tratamentos com ATA foi ampliada na décadade 1970 e início da
seguinte por meio da comparação dosefeitos histológicos entre três concentrações do ATA.

 Paralelamente, alfa-hidroxi ácidos (AHA) foram desenvolvidospor Van Scott e Yu para


peelings mais superficiais indicados para o tratamento de hiperqueratose. Posteriormente foi
desenvolvido peeling com ácido glicólico.

 A descrição de combinações deduas substâncias por Brody e Hailey, e depois por Monheit
para alcançar efeitos de profundidade média proporcionou progressos no uso dos peelings.
O desenvolvimento mais recente é o uso de lipohidroxi-ácido (LHA)

CLASSIFICAÇÃO APROXIMADA EM RELAÇÃO À PROFUNDIDADE

 Muito superficiais: removem o extrato córneo – profundidadede 0,06mm;


 Superficiais: provocam esfoliaçãoepidérmica − da camadagranulosa até a basal (0,45mm);
 Médios: atingem a derme papilar (0,6mm);
 Profundos: atingem a derme reticular média (0,8mm).

Obs.:Quanto mais profundos, mais aparentes serão os resultados, porém aumentarão também os
riscos e o desconforto noperíodo após o procedimento.

PEELING SUPERFICIAL

Limita-se a uma remoção da camada maissuperficial. A descamação inicia-se cerca de vinte e quatro
a quarenta e oito horas após o procedimento e perdura por cinco a sete dias. A aparência da pele é
normal com uma leve descamação, sendo que o paciente pode continuar seu dia-a-dia normal.pode
ser utilizado em todos os tipos de pele e em qualquer áreado corpo, pois dificilmente apresenta
complicações. Para se obter bons resultados devem ser realiza de maneira seqüencial e em intervalos
pequenos. 1 ( uma) vez por semana.
Alguns estudos sugerem até 2x por semana. Por precaução, se for à primeira vez do paciente em seu
consultório, o indicado é que seja semanal, para conhecera sensibilidade cutânea dele.

18
INDICAÇÃO PEELING SUPERFICIAL
O resurfacings uperficial é indicado para casos de:
 Acne,
 Foto envelhecimento leve,
 Eczema hiperquerostático,
 Queratose actínica,
 Rugas finas
 Melasma

PEELING MÉDIO

Indicados quando a pele já apresenta asperezas como às ceratoses e rugas mais pronunciadas. Para
se obter e manter melhores resultados são necessários sessões repetidas. Dependendo do agente
utilizado e sua concentração necessita de sete a quinze dias para o retorno a vida normal.

PEELING PROFUNDO

O peeling profundo induz uma reação inflamatória no tecido mais profundo causando uma necrose
pelo agente esfoliante. Tem ação na camada da derme reticular da pele. A quimioesfoliação
profunda provoca a formação de muitas crostas na pele. O procedimento exige uso de curativos e a
recuperação deste pode durar até uns 30 dias. É indicado para os casos de lesões epidérmicas,
manchas, cicatrizes, discromias actínicas, rugas, queratoses, melasma e lentigos.

OBS: O PEELING PROFUNDO É REALIZADO APENAS POR MÉDICOS.

CATEGORAIS PROFISSIONAIS E OS NÍVEIS DE PROFUNDIDADE NO PEELING:

 Esteticista -Muito superficial e superficial


 Tecnólogo–Muito superficial e superficial
 Farmacêutico - Muito superficial, Superficial e médio
 Enfermeiro -Muito superficial, Superficial e médio
 Biomédico – Muito superficial e superficial e médio
 Médico – Muito superficial, Superficial, médio e profundo.

19
FATORES QUE DETERMINAM A PROFUNDIDADE DO PEELING

Características da pele:
 Espessura da epiderme,
 Densidade de folículos,
 Grau de foto agressão,
 Sexo (a pele masculina é mais oleosa, dificultando a penetração),
 Fototipo (quanto mais baixo, maior a penetração),
 Integridade da barreira epidérmica,
 Preparo prévio,
 Limpeza precedente à aplicação do agente esfoliante,
 Procedimentos anteriores recentes e uso de isotretinoína oral.

Agente químico:
 Características físico-químicas,
 Volume,
 Concentração,
 Veículo,
 Tempo de exposição;

Modo de aplicação:
 Uso de cotonetes,
 Pincel,
 Dedos enluvados ou gaze,
 Oclusão ou não da área tratada,
 Pressão e fricção durante a aplicação,
 Número de camadas,
 Frequência do procedimento.

O profissional deve possuir conhecimentos adequados dos diferentes agentes para esfoliações
químicas, do processo de regeneração da pele, da técnica, bem como da identificação e tratamento
de complicações.

20
MECANISMO DE AÇÃO DOS PEELINGS QUÍMICOS

1º - É a estimulação do crescimento epidérmico mediante a remoção do estrato córneo.

2º - Provocar a destruição de camadas especifica da pele lesada. Ao destruir as camadas e substituí-


las por tecido mais normalizado, obtém-se um melhor resultado estético.

3º - Induzir no tecido uma reação inflamatória mais profunda que a necrose produzida pelo agente
esfoliante.

PROCESSO DE CICATRIZAÇÃO PÓS PEELING

Diferentes classificações didáticas são utilizadas para facilitar o entendimento de um processo


totalmente dinâmico e com fases tão interdependentes como a cicatrização. Existem autores que
consideram três estágios no processo de cicatrização: inicialmente um estágio inflamatório, seguido
por um de proliferaçãoe finalizando com o reparoem um estágio de remodelação.
Outros autores classificam de uma forma mais completa dividindo o processo em cinco fases
principais:

1 º – Coagulação:
A coagulação é imediata após o surgimento da ferida. Essa fase depende da atividade plaquetária e
da cascata de coagulação. Ocorre uma complexa liberação de produtos. Substâncias vasoativas,
proteínas adesivas, fatores de crescimento e proteases são liberadas e ditam o desencadeamento de
outras fases. A formação do coágulo serve não apenas para coaptar as bordas das feridas, mas
também para cruzar a fibronectina, oferecendo uma matriz provisória, em que os fibroblastos,
células endoteliais e queratinócitos possam ingressar na ferida.

2º - inflamação:
Intimamente ligada à fase anterior, a inflamação depende, além de inúmeros mediadores químicos,
das células inflamatórias, como os leucócitos polimorfonucleares (PMN), macrófagos e linfócitos. Os
PMN chegam no momento da injúria tissular e ficam por período que varia de três a cinco dias; são
eles os responsáveis pela fagocitose das bactérias. O macrófago é a célula inflamatória mais
importante dessa fase. Permanece do terceiro ao décimo dia. Fagocita bactérias, desbrida corpos
estranhos e direciona o desenvolvimento de tecido de granulação. Alta atividade fagocitária dos
macrófagos é observada após trauma. Os linfócitos aparecem na ferida em aproximadamente uma
semana. Seu papel não é bem definido, porém sabe-se que, com suas linfocinas, tem importante

21
influência sobre os macrófagos. Além das células inflamatórias e dos mediadores químicos, a fase
inflamatória conta com o importante papel da fibronectina. Sintetizada por uma variedade de células
como fibroblastos, queratinócitos e células endoteliais, ela adere, simultaneamente à fibrina, ao
colágeno e a outros tipos de células, funcionando assim como cola para consolidar o coágulo de
fibrina, as células e os componentes de matriz. Além de formar essa base para a matriz extracelular,
tem propriedades quimiotáticas e promove a psonização e fagocitose de corpos estranhos e
bactérias

3º - proliferação:
Dividida em três subfases, a proliferação é responsável pelo "fechamento" da lesão propriamente
dita.

 Fase 1 - Reepitelização:Faz-se a migração de queratinócitos não danificados das bordas da


ferida e dos anexos epiteliais, quando a ferida é de espessura parcial, e apenas das margens
nas de espessura total. Fatores de crescimento são os prováveis responsáveis pelos
aumentos das mitoses e hiperplasia do epitélio.
Sabe-se que o plano de movimento dos queratinócitos migrantes é determinado também
pelo conteúdo de água no leito da ferida. Feridas superficiais abertas e ressecadas
reepitelizam mais lentamente do que as ocluídas.

 Fase 2 - Fibroplasia e formação da matriz:É extremamente importante na formação do


tecido de granulação (coleção de elementos celulares, incluindo fibroblastos, células
inflamatórias e componentes neovasculares e da matriz, como a fibronectina, as
glicosaminoglicanas e o colágeno).
A formação do tecido de granulação depende do fibroblasto, célula crítica na formação da
matriz. Longe de ser apenas produtor de colágeno, o fibroblasto produz elastina,
fibronectina, glicosaminoglicana e proteases, estas responsáveis -pelo desbridamento e
remodelamento fisiológico.

 Fase 3 - Angiogênese :Essencial para o suprimento de oxigênio e nutrientes para a


cicatrização. Inicialmente as células endoteliais migram para a área ferida, a seguir ocorre
proliferação das células endoteliais, acesso para as células responsáveis pelas próximas fases.

22
4º - Contração da ferida:
É o movimento centrípeto das bordas da ferida (espessura total). As feridas de espessura parcial não
contam com essa fase. Uma ferida de espessura total tem contração mesmo quando há enxertos,
que diminuem em 20% o tamanho da ferida. Em cicatrizes por segunda intenção a contração pode
reduzir 62% da área de superfície do defeito cutâneo.

5 - Remodelação.
É a última das fases; ocorre no colágeno e na matriz; dura meses e é responsável pelo aumento da
força de tensão e pela diminuição do tamanho da cicatriz e do eritema. Reformulações dos
colágenos, melhoria nos componentes das fibras colágenas, reabsorção de água são eventos que
permitem uma conexão que aumenta a força da cicatriz e diminui sua espessura. A neovasculatura
diminui, e tardiamente a cicatriz é considerada avascular. Uma cicatrização normal tem
aproximadamente 80% da força de tensão da pele normal, não é volumosa e é plana.

FATORES QUE INTERFEREM NA CICATRIZAÇÃO

Muitas variáveis tanto de ordem geral como de ordem local influenciam esse longo e complexo
processo. É fundamental uma completa e minuciosa anamnese, para avaliação de todos os fatores
que podem interferir na cicatrização.

Fatores gerais :
 Idade,
 O estado nutricional do paciente,
 A existência de doenças de base, como diabetes, alterações cardiocirculatórias e de
coagulação, aterosclerose, disfunção renal, quadros infecciosos sistêmicos e uso de drogas
sistêmicas.

Fatores locais :
 A técnica cirúrgica,
 Formação de hematomas,
 Infecção,
 Reação de corpo estranho,
 Uso de drogas tópicas,
 Ressecamento durante a cicatrização.

23
Esses fatores devem ser de conhecimento do profissional e merecem atenção especial.

INDICAÇÃO PEELING QUÍMICO

Ao indicar um peeling, o biomédico deve analisar o perfil psicológicodo paciente, sua atividade
profissional e tempo disponívelpara afastamento. Oferecer informação detalhadaatravés de material
educativo, indicar o preparo prévio e esclarecersobre o período de descamação e os benefícios
esperados.
 Rítides,
 Melanoses,
 Queratoses actínicas,
 Melasma,
 Hiperpigmentação pós inflamatória,
 Acne vulgar nos grausI, II e III e suas seqüelas,
 Cicatrizes atróficas,
 Atrofia tegumentar adquirida,
 Queratose capilar,
 Para clareamento da pele
 Foto envelhecimento.
 Efélides
 Ictiose lamelar (doença cutânea hereditária rara
 (Que ocorre em recém-nascidos),
 Queratose folicular,
 Psoríase
 Líquen plano

CRITÉRIOS PARAINDICAÇÃO DE PEELING

Os critérios utilizados para indicação de cada tipo de peeling:


 Idade,
 Fototipo,
 Área a tratar,
 Grau de fotoenvelhecimento,

24
 Objetivos a alcançar,
 Habilitação do biomédico aplicador,
 Além dos fatores inerentes a cada paciente em particular.

CONTRA-INDICAÇÃO PEELING

Contra indicação absoluta :


 Pele com ferimentos,
 Cicatrizes de pós-operatório recente,
 Herpes zoster,
 Alergia aos ácidos.
 Pele eczematosa ou com queimaduras de sol;
 Na gravidez e na lactação.

Contraindicação relativa :
 São para peles sensíveis,
 Eritema solar ou após depilação imediata.
 Igualmente, não devem ser utilizados simultaneamente outros tratamentos tópicos,
especialmente outros agentes queratolíticos,
 Cicatrização deficiente ou formação de quelóides,
 História de hiperpigmentação pós-inflamatória permanente,
 Uso de isotretinoína oral há menos de seis.

Observação :A exposição ao sol durante o tratamento com peeling é proibida para prevenção de
manchas na pele como também seu envelhecimento precoce.

PROGRAMA PARA PEELING QUÍMICO

 Consulta: usar toda semiologia biomédica para garantir eficácia e segurança.


 Pré-peeling: Uso de fórmulas despigmentantes, uso de nutracêuticos/Fotoproteção tópico e
oral.
 Peeling: Escolher o ativo específico para o tratamento, adotar todas as medidas de segurança
durante o procedimento.

25
 Pós peeling: Manutenção entre os peelings, com fórmulas para potencializar o resultado,
hidratação e manutenção do manto hidrolipídico.
 Reepeling :Ter cuidado para escolher os intervalos após uma recuperação da pele.

CONSULTA

Anamnese detalhada, documentação fotográfica, uso da luz de Wood ou Visia, termo de


consentimento esclarecido é obrigatório.
A anamnese deve incluir histórico médico, grau deexposição ao sol, ocupação profissional,
antecedentes de herpes simples, tratamento com isotretinoína nos últimos seis meses,tendência
para queloides e hiperpigmentação pós-inflamatória,
medicamentos em uso, comprometimento imunológico e tabagismo,o qual pode alterar a evolução
dos procedimentos profundos,mas não é relevante nos superficiais.

No exame dermatológico é preciso observar:


 Fototipo,
 Grau de fotoenvelhecimento,
 Atividade sebácea (pele oleosa ou seca),
 Presença de hiperpigmentação pós-inflamatória,
 Presença ou história queloide, infecção ou inflamação preexistente.

Luzde Wood: Mecanismo de ação


A luz UV (Wood) produz uma coloração diferenciada no rosto, permitindo a visualização de regiões
da face que necessitam de tratamento, observando a profundidade das manchas, presença de
oleosidade, lesões pigmentares, ressecamento, entre outros. A partir disso, a luz branca é
responsável por comparar essa regiões.Através de um espelho que
existe dentro do aparelho, o paciente tem a mesma visão de quem
está do outro lado, fazendo com que o profissional e o cliente
consigam observar ao mesmo tempo.

Exemplos de Análises:
 Azul – Pontos normais e saudáveis
 Branco – Camada grossa de células epiteliais mortas
 Roxo fluorescente – Desidratação

26
 Marrom – Pigmentação
 Laranja – Oleosidade
 Amarelo Claro/Laranja Claro – Acne ou Comedões
 Branco-Amarelado/Cobre-Alaranjado – Pitiríase Versicolor e Malassezia Furfur
 Verde Fluorescente – Pseudômonas
 Vermelho-Coral – Eritrasma Roxo Escuro em grandes áreas – Maquiagem, base, ou protetor
solar.

Indicações de Uso:

É utilizado para diagnósticos e análise da pele, tais como:

 Verificação da profundidade de manchas;


 Verificação da oleosidade;
 Ressecamentos;
 Discromias;
 Lesões Pigmentares, entre outros.

Visia Análise Complexion ®


Fornece avaliações de pele significativas na tela e via relatórios impressos e acompanhamento do
progresso do tratamento. A tecnologia para análise da subsuperfície vermelho / marrom oferece
visualização de melanina e doenças vasculares.

Análise de pele

Proporciona um Zoom na imagem de alta resolução para um exame próximo de áreas de interesse
tais como rugas, danos solares, vasinhos, etc.

27
Visão de 3D - exibe uma área da pele do seu paciente em uma imagem tridimensional ampliada que
pode ser girada no espaço. A imagem 3D pode ser processada na cor natural da pele, tom
acinzentado ou sem cor. Em detalhe microscópico o seu paciente pode ver a textura superficial de
sua pele, incluindo características tais como as rugas, poros e cicatrizes de espinhas. Captura e
analisa automaticamente as visões esquerda, direita e frontal da face.

Fotografia UV - O modo de fotos UVavalia os danos solares e a imagem em UV fluorescente revela


porfirinas. As imagens em UV podem ser visualizadas em cores ou não. Permite impressão de
relatórios e saber a idade da pele do paciente.

PREPARO PRÉ-PEELING

O preparo prévio deve ser iniciado pelo menos duas semanas antes do procedimento, posto que
reduz o tempo de cicatrização, permite penetração mais uniforme do agente e diminui o risco de
hiperpigmentação pós-inflamatória.

Objetivo
 Reduzir atividade melanocitária

 Reduzir espessura da camada córnea

 Estimular o turn over celular


Vantagens

 Menor tempo de cicatrização

 Penetração mais uniforme do agente

 Menor risco de hiperpigmentação pós peeling

 Conceito de “esquema de manutenção”

28
PRÉ TRATAMENTO

 AHAs
 Vitamina C pura+ferúlico
 Tretinoína-AR
 Despigmentantes
 Niacinamida PC (Vit.B3)

PREPARO - FOTOPROTEÇÃO

 Uso diário
 Evitar exposição UV direta
 Fator acima 30 foto estável
 Físico e ou Químico
 Protetor da mitocôndria
 UVB/UVA (+) PPD >=10
 Proteção IF-A
 Formar hábito.

PRINCIPAIS ATIVOS ESFOLIANES PARA PEELINGS QUÍMICOS

PEELING ÁCIDO RETINÓICO

Uso exclusivo de médico

Ácido retinóico, tretinoína ou vitamina A ácida . É um agente anti-acnéico e anti-psoríasico eficaz,


que atua sobre receptores nucleares nas células-alvo, estimulando assim a mitose e a renovação das
células. É a primeira escolha para o tratamento da acne e do fotoenvelhecimento cutâneo. Número
de sessões:de 6 a 10.
Não se deve associar o ácido retinóico e o peróxido de benzoílana.
Concentrações de uso: 5 a 12%.Pode ser manipulado com neutracolor em veículo gel, loção, creme
ou propilenoglicol.

29
Mecanismo de ação: Superficial
 Afinamento e compressão do extrato córneo;
 Reversão de atipias em células epidérmicas;
 Dispersão da melanina na epiderme;
 Estimulação da deposição dérmica do colágeno;
 Aumento da deposição de glicosaminoglicanos;
 Aumento da neovascularização da derme.

Indicação:
 Fotoenvelhecimento leve a moderado,
 Melasma,
 Acne,
 Estrias
 Cicatrizes superficiais
 Hiperpigmentação pós-inflamatória
 Tratamento seguro para foto tipo alto IV- VI

Contra indicação absoluta :


 Não deve ser recomendado a gestantes ( teratogênico).

PEELING ÁCIDO GLICÓLICO


É o AHA mais curto, dois átomos de carbono. Extraído da cana-de-açúcar, ou sintetizado a partir do
formaldeído, éextremamente hidrofílico. Uma solução de ácido glicólico a 3% em pH 3 é capaz de
acidificar as primeiras camadas de corneócitos, em quanto a 10% e pH 3, causa acidificação mais
profunda e mais rápida da epiderme.

Mecanismo de ação:
O acido glicólico age na atenuação das rugas, por aumentar a síntese de glicosaminoglicanas, que
tem capacidade de fixar a molécula de água nos tecidos, aumentando assim o turgor da pele,
melhorando o aspecto das rugas superficiais e médias,entre outras substancias intercelulares da
derme que aumentam sua síntese, estimulando por exemplo os fibroblastos a produzir colágeno e
elastina.

30
Características:
Penetração variável, mais utilizado para os superficiais em concentrações entre 30 e 70%. A
penetração pode variar conforme o pH da formulação. Quanto mais baixo o pH, maior é a chance de
o ácido glicólico penetrar, podendo aprofundar-se muito em áreas mais sensíveis.

Observação: Uma solução de ácido glicólico (AG) 70% com pH 2,75 tem 48% deAG livre. Se o pH for
0,6, todo ácido estará livre. A solução de AG 50% com pH 1,2 tem 48% de AG livre
A apresentação pode ser sob a forma de solução mistura de água e álcool, propilenoglicol, ou ainda
em gel, o que facilita a aplicação.

 O ácido glicólico causa epidermólise (FROSTING) em prazo que varia de três a sete minutos,
dependendo do tipo de pele.
 Diminui a coesão dos queratinócitos,
 Aumenta a absorção dos clareadores,
 Estimula a regeneração da derme superficial,
 Não é absorvido, portanto não é tóxico,
 Necessita de neutralização com água ou bicarbonato de sódio 10%,
 Peelings seriados de ácido glicólico, com intervalos quinzenais, permitem excelentes
resultados,
 Tempo, pH e concentração dependente,
 Infecções e cicatrizes, quando o procedimento é bem conduzido, são raras,
 O herpes labial deve ser prevenido com anti-herpéticos orais nos casos de história prévia,
 Indicado para fototipo I, II e III.

PEELING ÁCIDO MANDÉLICO


Ácido mandélico é o AHA de maior peso molecular, de absorção lenta da pele, indicado
principalmente a peles sensíveis, é obtidodo extrato de amêndoas amargas, utilizado para combater,
hiperpigmentações em fototipos altos,o acido mandélico é bastante utilizado em cremes
rejuvenescedores com combinações de vitaminas A,C e E, para tratamento de rugas finas,linhas de
expressão, melhora da textura da pele e para clarear manchas.

Mecanismo de ação :
O ácido mandélico melhora a textura da pele porque sua pequena molécula penetra além da camada
córnea, atingindo a derme, na camada mais superficial. O ácido mandélico atua dissolvendo o
cimento intercelular, promovendo a descamação e tornando a superfície da pele homogênea,
proporcionando um toque suave. Na camada mais profunda estimula a produção de colágeno e inibe

31
a formação de melanina, demonstrandoefeito no tratamento de melasma. O ácido mandélico
também tem atividade bactericida, o que o torna eficaz no tratamento da acne, combatendo o
Propioni bacterium acnes. Este ácido é uma opção entre os alfa-hidroxiácidos. Pode ser usado em
formulaçõesa 5% uso diário e 35 a 50% % para peelings no consultório.

Propriedades
 Atividade cosmecêutica (sendo um AHA)

 Atividade antibacteriana

 Supressão da pigmentação irregular

 Tratamento da acne inflamatória não-cística

 Necessária neutralização com bicarbonato a 5% e água

 Pode ser associado com TCA;

 Rejuvenescimento da pele foto lesada

 Preparação da pele para o peeling com laser

 04 a 6 sessões com intervalosde 15 a 21 dias.

Principais indicações:

 Hipercromias
 Peelings em fototipos de risco (4 a 6)
 Acne ativa ou cicatricial
 Envelhecimento cutâneo
 Óstios dilatados
 Rugas e vincos

PEELING ÁCIDO SALICÍLICO

Ácido salicílico é um beta-hidroxiácido ou ácido 2-hidroxibenzóico, extraído do Salix Alba(salgueiro


branco). A ação esfoliante induz a esfoliação da camada córnea provavelmente por dissolução das
lamelas (cimento celular) e/ou ao aumento da proteólise dos corneodesmossomas( queratolítico). É
formulado a 20 ou 30% em solução hidroalcoólica e a 40 ou 50% sob forma de pasta ou gel para
aplicação em membros superiores. A descamação se inicia em torno do 4-5º dia prolongando-se por
cerca de 10 dias, com eritema mínimo podendo ser repetidos entre 2 a 4 semanas.
Atenção: Não fazer em várias partes na mesma sessão.

32
Indicação:
Queratose actinicas e seborréias, lentigos no dorso da mão, no ante-braço e para atenuação das
rugas, fotoenvelhecimento leve a moderado, melasma e cicatrizes superficiais de acne, sendo
excelente agente para tratar quaisquer transtornos da pele escura.

Observação: É contra-indicado para pacientes alérgicos ao ácido salicílico

A absorção percutânea do ácido salicílico pode levar ao salicismo, que pode ser:
 leve: provocando respiração acelerada, zumbidos, diminuiçãoda audição, tontura, náuseas,
vômitos e dores abdominais;
 grave: desencadeando alterações do SNC com distúrbios mentais (simulando intoxicação
alcoólica).
 Reações alérgicas
 hiperpigmentação pós-inflamatória.

NOVIDADE :
Um novo derivado do ácido salicílico foi introduzido com a adição de uma cadeia de lipídios, o lipo-
hidroxiácido,que tem maior lipofilia em comparação ao ácido salicílico, promovendo mecanismo de
ação mais específico e maior efeito queratolítico. Também modifica o estrato córneo tornando-omais
fino, flexível e resistente ao enrugamento e a rachaduras. Embora tenha mostrado bons resultados
em pacientes com acnes, ainda está sendo estudada sua eficácia no melasma.

PEELING ÀCIDO FÍTICO:

O ácido fítico é um alfa-hidroxiácido (hexafosfato de inositol) é um ácido orgânico obtido do farelo de


arroz, aveia ou gérmen de trigo. É compatível com ácido glicólico, ácido kójico, ácido retinóico.

Mecanismo de ação:
 Antiinflamatória,
 Antioxidante e hidratante,
 Clareamento,
 Ação inibidora sobre a tirosinase.

33
Características do ácido fítico:

 Deve ser colocado como prioridade como clareador de peles com alto grau de sensibilidade,
como peles brancas e sensíveis ou peles que sofreram grandes agressões por qualquer
processo químico ou físico, pois ele tem um alto poder hidratante.
 Substitui hoje a hidroquinona
 Dispensa neutralização,
 Atuação terapêutica de maneira não agressiva.
 Não provoca sensação de queimadura.
 A solução é aplicada na face e mantida até o dia seguinte.
 Pode ser repetido 2x por semana,
 É agente muito seguro e efetivo para tratamento de melasma.

O tratamento médio de manchas hipercrômicas é de 2 a 6 sessões.Recomenda-se usar de 0,5 a 2,0


%.O pH de estabilidade é de 4,0 a 4,5.

ÁCIDO KÓJICO: AÇÃO DESPIGMENTANTE

Ácido kójico é uma substância produzida por um cogumelo japonês chamado koji,utilizado também
na fermentação do arroz para produção de saque.

Características do ácido Kójico:

 Não causa irritação nem fotos sensibilização,uso durante o dia,


 Não oxida epode ser associado ao ácido glicólico, vitamina C e outros ativos,
 É um dos despigmentantes naturais mais eficientes do mercado,
 Efeito despigmentante,e anti-séptico impedindo a proliferação de fungos e bactérias na
pele.
 Ácido kójico age inibindo a formação da melanina. Quela os íons cobre e bloqueia a ação da
tirosinase, acabando com as manchas.
 O efeito do ácido kójico ocorrerá após 2 a 4 semanas de uso contínuo.
 Algumas pessoas podem demorar um pouco mais, especialmente aquelas com pele oleosa
ou muito espessa,
 Os resultados vão melhorando à medida que se continua a aplicação por até 6 meses.

34
PEELING ÁCIDO TRICLOROACÉTICO-ATA

Ácido tricloroacético ou TCA é um produto orgânico, ocorrendo na forma de cristais Deliqüescente,


solúveis em água, álcool etílico e éter. Essa substância permite a realização de peelings superficiais,
médios e profundos

 ATA 10% − peeling superficial.


 ATA 10 a 30% − peeling médio.
 ATA 35 a 50% − peeling profundo.

Observação: Diluído em água destilada.

Características:

 Produto tem ação cáustica;


 ATAa 30% é usado para o tratamento de cicatrizes da acne e fotoenvelhecimento;
 Acima de 30% dessa concentração é usado no condiloma acuminado,verrugas e peelings mais
profundos;
 Não provoca toxicidade sistêmica;
 Provoca necrose por coagulação, causa epidermólise profunda com um processo inflamatório
residual que pode ter duração de atéoito semanas;
 Risco de formação de cicatrizesem concentrações acima de 50%, que não se recomendam;
 Causa frosting, lesão com cor branca por precipitação das proteínas da epiderme causando
necrose por coagulação;
 Quanto mais profundo for o peeling, mais intenso e mais rápido será a formação do frost;
 Dependendo da concentração remove a camada superficial da pele e até a própria derme;
 TCA é um procedimento mais arriscado que o peeling de fenol para peeling profundo.

Indicação:

 Melasmas,
 Efélides,
 Cicatrizes de acne,
 Queratose actinicas,
 Rugas finas,
 Hiperpigmentação pós-inflamatória,
 Fotoenvelhecimento.

35
Variações com ATA:

Se for adicionado metilsalicilato, consegue-se ativação do ATA. Esse fármaco funciona como
carreador, aumentando ograu de penetração e fazendo com que o branqueamento sejamais rápido e
intenso.

Formulação metilsalicilato:

ATA 35% / Metil salicilato 5-10%/Polisorbato 1% / Água destilada – qsp

A adição de saponinas também torna sua aplicação maisuniforme.

Formulação com saponinas:


ATA 35% / complexo de saponinas 5%

ATA Obagi Blue Peel®


Outra variação do peeling de ATA, é composto de concentração fixa de ATA adicionada a uma
basenão iônica azul que contém glicerina e saponinas.

Em estudo com 18 mulheres coreanas, comparou-se esse peeling a uma aplicação de laser de erbium
1550nm; a melhora em ambos os lados foi significativa em melasma, sem diferença entre as duas
terapias.

PEELING ÁCIDO PIRÚVICO:

O ácido pirúvico é alfacetoácido. Penetra a pele em um a dois minutos e não tem toxicidade
sistêmica. Seu mecanismo de ação é a epidermólise que surge em intervalo de 30 a 60 segundos. É
realizado com concentrações de 50%, 60% e 80% do ácido diluído em etanol.
.
Indicação

 Envelhecimento extrínseco,
 Acne
 Cicatrizes superficiais,
 Antimicrobianas e antiseborreicas,
Características
 A preferência é que seja aplicado com gaze levemente úmida, e pouco atrito;
 O eritema seguido por frosting, pode ocorrer entre dois e cinco minutos e deve ser retirado
com água imediatamente e neutralizar;.
 O eritema resultante do tratamento pode durar de 15 dias a dois meses.

36
Com o tempo o ácido pirúvico pode sofrer decomposição e formar gás de dióxido de carbono
e acetaldeído, cujos vapores, se inalados podem ser cáusticos e irritantes para as vias aéreas
superiores. A prevenção é o uso de ventilador durante a aplicação;
 É um produto de penetração imprevisível, devendo ser usado com cautela;
 A penetração muito rápida pode levar à formação de cicatrizes.
 Intervalo entre as sessões de 15 a 20 dias. 3 a 6 sessões.pH 2,5

Nota: Recentemente um estudo em pacientes com pele tipo II e III de Fitzpatrick foi conduzido por
Berardesca et al., que usaram nova formulação menos inflamatória (ácido pirúvico 50%) com
significantes benefícios na tolerabilidade, principalmente da ardência, durante a aplicação e no pós-
peeling.

PEELING DE ÁCIDO TIOGLICÓLICO

Também chamado ácido mercapto acético, é um ácido orgânico composto que inclui enxofre.Trata-
se de substância altamente solúvel em água, álcool e éter, sendo facilmente oxidável. Uso Tópico
para hipercromias hemossideróticas, é utilizado em concentrações de 5% a 12%. Tem afinidade com
o ferro semelhante à da apoferritina, tendo a capacidade de quelar o ferro da hemossiderina, por
apresentar o grupo tiólico. Como agente para peelings químicos pode ser usado na abordagem da
hipercromia constitucional periocular e em depósitos de hemossiderina como a dermatite ocre das
pernas, mostrando-se excelente adjuvante terapêutico para a abordagem dessas dermatoses.
Os peelings seriados e progressivos de ácido tioglicólico apresentam-se como ferramenta terapêutica
segura, eficiente ede baixo custo no tratamento da hipercromia periorbicular constitucional.

PEELING DE ÁCIDO TRANEXÂMICO

O ácido tranexâmico (AT), é uma droga hidrofílica inibidora da plasmina,utilizada como agente
antifibrinolítico. Seu uso como alternativa para o tratamento do melasma é recente. Estudos
recentes revelaram que seu uso tópicoprevine a pigmentação induzida por UV em cobaias e que seu
uso intradérmico intralesional ( injetável) produz clareamento rápido.

Mecanismo de ação

O AT bloqueia a conversão do plasminogênio (presente nas células basais epidérmicas) em plasmina,


por meio da inibição do ativador de plasminogênio.
A plasmina ativa a secreção de precursores da fosfolipase A2, que atuam na produção do ácido
araquidônico e induzema liberação de fator de crescimento de fibroblasto (bFGF), que é um potente
fator de crescimento de melanócito.

37
O ácido araquidônico é precursor de fatores melanogênicos, como prostaglandinas e leucotrienos.O
ativador de plasminogênio é gerado pelos queratinócitose aumenta a atividade dos melanócitos.
Apresentaníveis séricos aumentados com o uso de anticoncepcionaisorais e na gravidez. O bloqueio
dessa substância pode ser por
mecanismo parácrino, por meio do qual o AT reduz a hiperpigmentação do melasma.

Uso tópico: Ácido tranexâmico 3% a 5%, em creme, duas vezes ao dia.

Injeções intradérmicas :
Aplicar anestesia tópica com cloridrato de lidocaína 2%, após 40 minutos, fazer microperfurações
sobreas manchas, com 0,05ml de ácido tranexâmico (4mg/ml) em cada centímetro quadrado de
melasma. Procedimento uma vez por semana.

PEELING DE RESORCINA

É agente cáustico do grupo dos fenóis, mas com propriedades diferentes. Pode ser utilizado como
esfoliante em forma de soluções, geis ou pastas, em concentrações que variam de 10 a 70%, ou
associado a outras substâncias.
A pasta, utilizada em concentrações de 40 a 60%, tem sua penetração aumentada segundo o tempo
de exposição e a espessura da camada. Pode ser aplicada com espátula de madeira ou com dedos
enluvados, deixando-a em contato com a pele por até 20 minutos ou até o paciente sentir um
formigamento. Depois de seca a máscara é retirada com a espátula e o que restar com água. As
vantagens são a estabilidade e o baixo custo. Pode ser utilizada em peles mais escuras, com
tendência à hiperpigmentação.
Apresenta como desvantagem, cuja probabilidade aumenta com passagens múltiplas, a possibilidade
de reação alérgica eintoxicação.

Indicação:
 Acne,
 Discromias,
 Rugas;
 Finas;
 Hiperpigmentação pós-inflamatória.

38
PEELING DE JESSNER

A solução desenvolvida por Max Jessner é composta por:


 Ácido salicílico 14%,
 Ácido lático 14%
 Resorcina 14% em álcool 95o.

O ácido salicílico é fotossensível, e o ácido láctico absorvea água existente no ar, portanto a solução é
sensível à luz e ao ar. É peeling indicado para acne comedoniana, hiperpigmentação pós-inflamatória,
melasma e fotoenvelhecimento leve.
Mecanismo de ação
Baseia-se na propriedade queratolítica do ácido salicílico e da resorcina e na ação de epidermólise do
ácido lático.

Grau de penetração
Depende do número de camadas,podendo-se chegar a peelings médios. Provoca ardência epode ou
não ser retirado com água.
Pode ser feito na face e no corpo (pescoço, dorso),porém para evitar risco de salicismo, deve ser
feito em uma áreaa cada sessão.
Modo de aplicação
Após limpeza da pele com álcool,aplicar a solução com pincel, gaze ou algodão, de maneira uniforme.
Reaplicar nova camada após três ou quatro minutos.
Remover com água, retirando os cristais de ácido salicílico.

Níveis de profundidade

 Nível I: uma camada. Forma leve eritema e floculação esbranquiçada na superfície, como um
pó facilmente retirável.
 Nível II: duas a três camadas. Observa-se eritema mais vivo e frosting em áreas pontilhadas e
finas. Há queimação ouardor de discreto a moderado
 Nível III: três a quatro camadas. Provoca eritema importante, com áreas de frosting,e ardor
moderado.

Complicações
São relacionadas à toxicidade sistêmica da resorcina e do ácido salicílico, e se baseiam na quantidade
dessas substâncias absorvidas, que varia com a extensão da área tratada e o número de camadas
aplicadas. A intoxicação por

39
resorcina provoca:

 Tremores,
 Colapso circulatório,
 Hematúria,
 Meta-hemoglobulinemia,
 Metaglobinúria
 Hipotireoidismo.
Podem também ocorrer tonturas ou síncopes provocadas pela vasodilatação conseqüente ao uso da
resorcina. A prevenção éfeita realizando-se o procedimento preferencialmente com opaciente
deitado e com a orientação de que se levante lentamenteao final do procedimento.

Teste dermatite de contato

A resorcina pode provocar dermatite de contato. Para sua prevenção, deve ser feito teste prévio com
o agente na região retroauricular.
Deixar o produto durante 15 minutos e reavaliar após dois dias. Eritema, edema e vesículas são sinais
indicativos de reação alérgica.

O peeling de Jessner pode ser associado ao ATA 35%,ácido retinóico e ao 5-fluoracil, este no
tratamento de queratoses actínicas.

PEELING DE FENOL
O fenol ou ácido carbólico é derivado do coaltar. É peeling muito doloroso devido à ação do fenol na
derme reticular intermediária, necessitando de sedação e analgésicos.
O fenol produz a coagulação das proteínas da pele. É considerado um agente químico que produz
rejuvenescimento facial intenso, quando utilizado corretamente. Clinicamente o fenol produz efeitos
bacteriostáticos em concentrações mínimas de até 1% e, acima dessa concentração, possui ação
bactericida. É solúvel em óleos e gorduras,pode ser removidoda pele com glicerina, óleos vegetais ou
álcool etílico a 50%, no caso de entrar em contato acidentalmente.

Histórico
 1882 iniciou-se o uso do fenol com odermatologista alemão P. G. Unna, que usava para
tratamento de cicatrizes de acne.
 O peeling de fenol teve seu uso difundido durante a Primeira Guerra Mundial, que passou a
ser utilizadopara tratar cicatrizes faciais causadas por pólvora.

40
 A partir de 1950, Thomas Baker iniciou suas pesquisascom fenol para tratamento das rugas
faciais. Publicou sua clássica formulação juntamente com Gordon, em 1962.
A formulação para peeling mais conhecida com fenol é a de Baker-Gordon (1962) em concentrações
de 45 a 55%,e Heltter, que promove peeling profundo.

Fórmula de Baker- Gordon:


Fenol 88% 3ml ............................................(50%)
Água destilada 2ml....................................(44%)
Sabão liquido............................................. SeptisolR 8 gotas (2,1%)
Óleo de Cróton ..........................................3 gotas (4,5%)

Fórmula de Hetter
Fenol 88% 4ml.............................................(33%)
Água destilada 6ml.......................................(61%)
Sabão liquido ...............................................Septisol R 16 gotas (4,6%)
Óleo de Cróton.............................................2 gotas (1,4%)

Indicação:
Rugas profundas;
Queratoses actínicas por fotoenvelhecimento severo.

Contra indicação
Doença cardíaca,renal ou hepática, herpes simples, uso recente de isotretinoína,
instabilidade psicológica, predisposição a queloides, exposição contínua a raios UV, e em fototipos IV
a VI.

Efeitos locais indesejados:


Hipo e hipercromias,
Linhas de delimitação,

Demora na reepitelização.
Pré utilização
Requer uma correta e criteriosa anamnese,
Exame físico;
Exames laboratoriais prévios.

41
Absorção e toxidade
 É absorvido sistemicamente;
 Pode provocar cardiotoxidade,nefrotoxidade, hepatotoxidade e depressão do sistema
nervosocentral.
 Quinze a 20 minutos após a aplicação, 70 a 80% do fenolabsorvido é excretado pela urina.
 Podem ocorrer taquicardia,extras sístoles ventriculares, fibrilação atrial, fibrilação
ventriculare dissociação eletromecânica.
 Deve ser realizado em ambientehospitalar devido à obrigatoriedade de monitorização
cardíacado paciente,

Técnica de Aplicação Tradicional


Sedação:
Os agentes farmacológicos utilizados para a sedação consciente são: propofol, midazolam, fentanil e
ketamina em forma combinada. Anestesia intravenosa.

Preparo Prévio da Pele:


desengorduramento com éter, álcooletílico, mistura álcool-cetona ou outros solventes orgânicos. O
pêlo facial deve ser removido para evitar o desconforto do paciente.

Aplicação da Solução de Fenol:


A face é subdividida em seis áreas. Com Algodão, gaze ou cotonete é feito a aplicação do peeling na
seguinte ordem.
Testa,bochecha direita,bochecha esquerda,região perioral,região periorbital e nariz, ou nariz e
queixo, dependendo da opção do médico, mas sempre deve-se iniciar a aplicação pela área maior.

Repouso por um intervalo de 10 a 15 minutos antes da aplicação na próxima área. O fenol não afeta
o crescimento de pêlos e pode ser aplicado nas áreas com barba, supercílios e couro cabeludo.
Colocação da máscara de esparadrapo ou pomada de vaselina que será removida após 48 horas.
O uso da máscara de esparadrapo impermeável com óxido de zinco é eleva a penetração do fenol,
por diminuir a evaporação da água da formulação.

Após peeling tratado com iodeto de timol (ou outro antisséptico) que ajuda na cicatrização das
feridas.
Pacientes com dor após o peeling, utilizam analgésicos; antibióticos para evitar infecções e um creme
ou pomada vaselinada para hidratar a pele.

42
Evolução do Fenol:
Novas técnicas: Multipeel, método criado no Brasil pelo médico Dr. José Kacowicz, que é
coordenador do Ambulatório de Peeling e Quimiocirurgia, da Faculdade de medicina do ABC, e atual
presidente da International Society of Peeling and Chemical Surgery, em Madrid.

A quantidade de agente fenólico utilizada é pequena. Sem anestesia. Pós peeling sem dor. Sem uso
de máscara. Atinge a derme superficial

PEELING DE FENOL PONTUADO


Técnica, que visa diminuir os possíveis efeitos colaterais e o tempo de recuperação. Após
desengorduramento da pele com álcool, são desenhadas linhas nas áreas quese quer tratar e com o
auxílio de palitos de madeira com pontas envolvidas com algodão, aplica-se fenol 88% de forma
pontuada.
O tecido em tornode cada ponto aplicado se mantém íntegro. Os pontos são distribuídos emlinhas
sobre as rugas estáticas da face, resultando em pontos esbranquiçados, que evoluem para crostas e
descamam em atédez dias. Não há necessidade de sedação ou anestesia, pois aplicadodessa forma é
bastante suportável.

IMPORTÂNCIA DO pH e pKa

É necessário entender o pH, para escolher o melhor peeling químico para os pacientes. O pH (
potencial de hidrogeniônico), é uma unidade de medida que indica a quantidade de H+ em uma
solução, indicando sea substância é ácida, neutra ou alcalina.
Quanto menor o pH do produto, maior será a concentração de H+, mais ácida será a solução, e
maiores os riscos de irritação e dérmica e outros efeitos colaterais.
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA recomenda que os peelings químicos contendo
AHAs tenham pH a partir de 3.5, que é considerado o ideal para uma se obter uma boa relação entre
eficácia e segurança.

43
Escala de pH

http://andre-godinho-cfq-8a.blogspot.com.br/2012/12/escala-de-ph.html

Esta escala é logarítmica e aumenta em múltiplos de 10, o que significa dizer que o pH 6 é 10 vezes
mais ácido que o pH 7 e 10 vezes menos ácido que o pH 5, que indica a faixa do pH médio da pele.

pKa: O pKa é o logaritmo da constante de dissociação de um ácido, que é o valor que expressa a
potência do próprio ácido.

Observação:

pH variável de penetração - Quanto menor o pH ( mais ácido), maior poder de penetração.

pKa constante de agressividade - Quanto menor o pka, maior o poder de ação.

COMPOSTOS pKa
Ata 0,53
Fenol 10.0
Ácido acético 4.7
Ácido pirúvico 2,50
. Ácido lático 3,86
Ácido glicólico 3,83
Ácido mandélico 3,33
Ácido salicilico 2,98

44
COMPLICAÇÕES COM PEELING

As complicações variam de acordo com o tipo e profundidade do procedimento


As complicações mais comuns são:
 Alterações pigmentares: hiperpigmentação pós-inflamatória e hipopigmentação. Esta última
pode ser muito persistente e muitas vezes difícil de tratar. Podem ser utilizados
corticosteróides tópicos, tretinoína, hidroquinona ou alfa-hidroxiácidos
 Infecções: bacterianas (Staphylococcus, Streptococcus,Pseudomonas), virais (herpes simples)
e fúngicas (cândida).Devem ser tratadas de forma agressiva e adequada.
 Cicatrizes: são mais freqüentes após peelings médios ou profundos. O preparo adequado, a
escolha correta do agente e cuidados pós-operatórios podem ajudar na prevenção dessa
complicação;
 Reações alérgicas;
 Erupções acneiformes;
 Linhas de demarcação;
 Modificações texturais;
 Eritema persistente: eritema persistente por mais de três semanas
Pacientes com antecedentes de herpes simples devem fazer terapia antiviral profilática (aciclovir
200mg – 4/4 horas ou valaciclovir 500mg – 12/12 horas, durante cinco dias).

AS REAÇÕES ADVERSAS

 Ocasionais são bolhas,


 Crosta,
 Queimadura grave ou rubor,
 Edema napele,
 Escurecimento, ou clareamento da pele,
 Sensação de calor ou urticante,
 Descamação da pele pode ocorrer depois de poucos dias de tratamento.

MATERIAISNECESSÁRIOS

 Dapen
 Gazes, algodão, cotonetes
 EPIs
 Ventilador
 A solução do peeling escolhido
 Solução para neutralização

45
OBSERVAÇÕES QUANTO A SEGURANÇA NO PROCEDIMENTO

 Sempre fazer consulta prévia, com anamnese criteriosa para selecionar a conduta
terapêutica personalizada visando aplicar um tratamento sem complicações,

Para peelings médio, é obrigatório a prática do pré-peeling,


 Dependendo da escolha, fazer o teste para dermatite de contato,
 Usar todo EPIs, para procedimento,
 Colocar EPIs, no paciente ( touca, algodão no canal auditivo, óculos de proteção ou algodão,
 Áreas sensível fazer bloqueio com vaselina ou ouro agente,
 Durante a aplicação o paciente não pode falar, ou ficar com olhos abertos,
 Manter os frascos distante do paciente,
 Não usar pincel ( proibido pela ANVISA),
 Usar algodão, mãos enluvada, cotonetes ou gazes,
 Não encharcar o algodão,
 Ter sempre um ventilado, por perto,
 Solução para neutralização,
 Não sair de perto do paciente durante todo procedimento,
 Para peeling de ATA ter sempre uma seringa de 50ml, com água para urgência,
 Nunca passar a solução neutralizante, sem antes ter lavado com água em abundancia.

SELEÇÃO DE PEELING PARA CADA PACIENTE

 Cor da pele
 Oleosidade
 Fragilidade
 Fotolesão

Cor da pele: Avaliar o fototipo, para selecionar o melhor peeling

Oleosidade: Interfere no grau de penetração do agente químico, há locais com diferentes graus de
oleosidade na face, dermatite seborréia, (pele sensível),Isotretinoína prévio.

Fragilidade: peles mais frágeis dificultam a reepitelização que depende de:


Local da aplicação, número de folículos pilo - sebáceos ( face 30 X mais que pescoço e tórax , face 40
X mais que região dorsal dos braços e mãos).

CICATRIZES: face - cuidado região mandibular.

46
PRÉ PEELING

OBJETIVOS:

 Reduzir atividade melanocitária

 Reduzir espessura da camada córnea

 Estimular o turn over celular

VANTAGENS:

 Menor tempo de cicatrização

 Penetração mais uniforme do agente

 Menor risco de hiperpigmentação pós peeling

 Conceito de “esquema de manutenção”

FÓRMULAS PRÉ PEELING PARA USO TÓPICO

USO NOTURNO
Ác.retinóico………………………………………….0,05%
Hidroquinona …...……………………………….….3%
Alfa-bisabolol ……………………………………….0,5%
Ácido glicirrizico …………………………………....1%
Drieline ……………………………………………...2%
Creme/Loção boa permeação qsp ……………………………………30ml ou g.
Modo de uso: Aplicar a noite em toda região a ser tratada. Interromper 1 noite antes do peeling em
consultório. Filtro solar acima de 30 FPS com PPD acima de 16, diariamente 3x ao dia.

FÓRMULAS USO ORAL

Antes do peeling, para estimulara produção da matriz extra celular MEC. ( colágeno, elastina e
proteoglicana).

L arginina.........................................................1g
Gluosamina sulfato..........................................500mg
Exynutriment...................................................100mg
Ácido ascórbico ..............................................200mg
Zinco quelado..................................................30 mg

47
Colageno hidrolisado( colastin).......................2,0g
Base para sachê enfervescente qsp 1 sachet de 5,0g

Formular 14 sachês
Tomar 01 sachê dissolvido em água por dia, longe dos horários de alimentação.

TÉCNICA DE APLICAÇÃO - PASSO A PASSO DOS PRINCIPAIS PEELING

ACIDO GLICÓLICO 50%: protocolo em consultório – 3 a 6 sessões

Limpeza prévia da pele com sabonete líquido glico-ativo e esfoliação, se necessário desengordurar a
pele com álcool.

Aplicação rápida e uniforme com algodão, cotonete ou gaze (2 minutos ou mais),


O tempo é determinado pelo biomédico sempre observando o eritema e a queixa de queimação,
Neutralização com água, aplicar solução bicarbonato de sódio, lavar.
Aplicação de pós peeling com EFAs( ácido graxos essencial).

HOME CARE - PACIENTE

USO DIURNO – entre as sessões


 1.Sabonete neutro com glicerina, pH neutro. Lavar o rosto quando necessário. Mande 50 ml
ou indique industrializado ( Cetaphil ou Fisiogel).

 Creme de hidratação EFAS


 Filtro solar – pode ser usado de 3em 3 horas.
Modo de uso: Aplicar pela manhã e ao meio dia.

USO NOTURNO – entre as sessões


Ác. glicólico 10%, ác.fitico 4%, arbutin 4%, loção qsp...................... 30 g.

Modo de uso: Aplicar a noite nos locais desejados.

PEELING COMBINADO – GLICÓLICO 50% + RETINÓICO 10% ( 3 a 6 sessões)

PEELING 1: Limpeza prévia da pele com sabonete líquido glico-ativo e esfoliação, se necessário
desengordurar a pele com álcool.Aplicação rápida e uniforme com algodão, cotonete ou gaze (2

48
minutos ou mais), O tempo é determinado pelo biomédico sempre observando o eritema e a queixa
de queimação. Neutralização com água, aplicar solução bicarbonato de sódio, lavar.

PEELING 2:
AR, aplicar com a mão enluvada. Dar alta ao paciente, remover após 6hs.

USO DIURNO – entre as sessões

Sabonete neutro com glicerina, pH neutro. Lavar o rosto quando necessário. Creme de hidratação
EFAS. Filtro solar – pode ser usado de 3em 3 horas. Modo de uso: Aplicar pela manhã e ao meio dia.

USO NOTURNO – entre as sessões


Ác. glicólico 10%, ác.fitico 4%, arbutin 4%, Adenin 0,1 loção qsp...................... 30 g.

Modo de uso: Aplicar a noite nos locais desejados.

PEELING MANDÉLICO – 35 A 50%

Limpeza e desengorduração da pele com álcool a 70%. Aplicação da solução comgaze, algodão.
Aguardar 2 a 4 minutos e reavalia para reaplicação que pode ser repetida, Compressa friapara aliviar
o ardor . Lavar com água e neutralizar com bicarbonato. de sódio à 5% e água. Aplicar pós peeling.
Sessões: 4 a 6. Intervalos: 15 a 21 dias.

PEELING MANDÉLICO 35 A 50% + ACIDO RETINÓICO 10%

Higienização e limpeza da pele.


PEELING 1: Aplicar o Ác. Mandélico. O tempo de aplicação pode variar de 1 a 5 minutos, dependendo
da reação da pele, lavar e neutralizar com bic.de sódio a 5% .
PEELING 2: Aplicar o gel com tretinoina 5%. O paciente remove após 6 horas.
EM CASA, lava a face com água e sabonete neutro, e aplica o pós peeling, reaplica 2 x/dia, por 5 dias.
Retorno no dia seguinte para revisão.
Intervalos: 21 dias, ou a critério biomédico. Sessões: 6, ou a critério biomédico.

HOME CARE – PACIENTE

USO NOTURNO – entre as sessões


Ác. mandélico 10%, ác..fitico 4%, arbutin 4%, loção qsp.................. 30 g.
Modo de uso: Aplicar a noite nos locais desejados.

49
PEELING ÁCIDO RETINÓICO

Limpeza e desengorduração da pele. Aplicação do ácido com a mão enluvada. O paciente retira em
casa com água e sabonete neutro, conforme orientação profissional. (4 a 8 horas).

PEELING ÁCIDO RETINÓICO 5% + SOLUÇÃO JESSNER – PESCOÇO E COLO

Limpeza e desengorduração da pele.


Peeling 1: JESSNER: Aplicar 3 a 4 camadas, NÃO remover,
Peeling 2: ÁC.RETINÓICO 5% ou 10%: Aplicar uma camada sobre o Jessner, o paciente vai embora
para casa e remove com água e sabonete neutro após 4 a 8 horas. Aplicar pós peeling e FILTRO
SOLAR FÍSICO E QUÍMICO.

USO DIURNO – entre as sessões


Sabonete neutro com glicerina, pH neutro. Lavar o rosto quando necessário.

USO NOTURNO – entre as sessões


Ác. Retinóico 0,05%, ác.fitico 4%, arbutin 4%, drieline 2%, alfa-bisabolol 0,5%, loção
qsp............................30 g. Modo de uso: Aplicar a noite nos locais desejados.

PEELING SOLUÇÃO JESSNER

Limpeza e desengorduração da pele com álcool 70%,


Aplicação da solução com gaze,
Aguardar 4 a 6 minutos e reavalia para reaplicação que pode ser repetida várias vezes. Compressa
fria para aliviar o ardor .
OBS.:Uso de ventilador é fundamental para o conforto do paciente

USO DIURNO – entre as sessões


Sabonete neutro com glicerina, pH neutro. Lavar o rosto quando necessário.

USO NOTURNO – entre as sessões


Ác. Mandélico 10%, ác.fitico 4%, arbutin 4%, drieline 2%, alfa-bisabolol 0,5%, loção
qsp........................................... 30 g.
Modo de uso: Aplicar a noite nos locais desejados.

PEELING ÁCIDO SALICILICO – 15%, 20% e 30% - ACNE E OLEOSIDADE

Limpeza e desengorduração da pele com álcool a 70%,


Aplicação da solução com gaze ou algodão.

50
Aguardar alguns minutos e observar a precipitação do sal,
Remoção com água,
Compressa fria para aliviar o ardor,
Aplicar pós peeling e dar alta ao paciente.
Número de sessões: 3 a 6 -Intervalos: 15 dias, ou a critério biomédico.

USO NOTURNO – entre as sessões


Ác. Mandélico 10%, ác.fitico 4%, arbutin 4%, drieline 2%, alfa-bisabolol 0,5%, gel creme
qsp.................................. 30g.
Modo de uso: Aplicar a noite nos locais desejados

PEELING ACIDO PIRÚVICO – OLEOSIDADE, ACNE, MANCHAS –50% a 60% .

Higienização e limpeza da pele com álcool 70%

Peeling: Aplicação da solução com gaze, cotonete ou com algodão.


Deixar 1 a 5 minutos observando o eritema e o froust. Lavar com água, neutralização com
bicarbonato de sódio a 5%, lavar com água e secar os locais, aplicar pós-peeling e dar alta ao
paciente. Periodicidade: 15 dias. 4 a 6 sessões.

USO DIURNO – entre as sessões


1.Sabonete neutro com glicerina, pH neutro. Lavar o rosto quando necessário.

USO NOTURNO – entre as sessões

Ác. Mandélico 10%, ác.fitico 4%, arbutin 4%, drieline 2%, alfa-bisabolol 0,5%, ác.pirúvico 3%, gel
creme qsp........................... 30g. Modo de uso: Aplicar a noite nos locais desejados.

PEELING TIOGLICÓLICO – REMOÇÃO HEMOSSIDERINA E DERMATITE OCRE

HEMOSSIDERINA:
É um pigmento endógeno resultante da
destruição da hemoglobina, sendo
consequência do depósito em excesso
de ferro. Esse pigmento
é um produto complexo e heterogêneo,
insolúvel em água, que contém quantidades
variáveis de carboidratos, proteínas, lipídios e

ferro. http://www.infoescola.com/bioquimica/hemossiderina/

51
DERMATITE OCRE( angiodermite pigmentar):

A dificuldade que o sangue tem para retornar


para o coração nos casos de varizes,gera o que
chamamos de estase sanguínea.A Estase
Sanguínea provoca uma série de alterações nos
membros inferiores, principalmente na parte
mais distal.Ocorre migração para a pele de
elementos do sangue, e que acabam se fixando
em locais onde não deveriam estar.A presença
de ferro, derivado da hemoglobina do sangue,
acaba por dar um aspecto escuro, enferrujado
na pele da perna ou tornozelo, chamada
"Dermatite Ocre".
PROTOCOLO USO CORPORAL:

Ác.Tioglicólico 20% a 30%, Ác.Tranexâmico2%,


Aldavine 3% ,Neutrex 15%,Flavagrum PEG3%, EDTA0,1% - Gel fluído qsp 15ml.

PEELING – Aplicar nos locais, deixar agir por 10-15 minutos. Lavar e neutralizar c/ bicarbonato. de
sódio 5% Remover com água. INTERVALOS: 15 dias. Número de sessões: 4 a 8.

CORPORAL NOTURNO – HOME CARE

Ác.Tioglicólico .............................................5%
Ác.Tranexâmico……....................................1%
Haloxyl……..………………….…………...…...3%
Ácido fítico……………………........................6%
Vivilume ………………………………………...2%
Neutrex ………………………………….……..10%
Aldavine .……….…………….........................2%
Base Second skin ………………………….....qsp
FreshRoller

PACIENTE: – Aplicar nos locais, SOMENTE A NOITE, remover pela manhã seguinte. INTERROMPER 1
NOITE ANTES DO PEELING.

52
PEELING TIOGLICÓCLIO - OLHEIRAS

Ác.Tioglicólico .................................5% a 10%


Ác.Tranexâmico…...……………..…..2,0%
EDTA ……………..………….............0,1%
Neutrex ……………………..…………5,0%
Aldavine ……………...………………..2,0%
Gel boa permeação qsp …………….15ml

PEELING – Aplicar na área dos olhos, deixar agir por 3 a 5 minutos, lavar e neutralizar c/ bicarbonato.
de sódio 5% Remover com água, Aplicar pós peeling com FPS.
INTERVALOS: 15 dias. Número de sessões: 4 a 10.

OLHEIRA – HOME CARE


Ac.Tioglicólico2.5%,Ác.Tranexâmico1,0% , Aldavine2,0%, Vivilume2,0% ,
Drieline 2,0%, EDTA0,1%,Neutrex 5,0% Gel qsp................15ml

PACIENTE – Aplicar na área dos olhos, SOMENTE A NOITE, remover na manhã seguinte, e aplicar FPS
30 com UVB-UVA – PPD. Interromper 1 noite antes do peeling

OLHEIRA HOME CARE – DIURNO

Haloxyl.......................................................2,5%
EDTA ……………………………………..…..0,1%
Matrixyl..………...……………..…………….4,0%
Bioskinoup …………………..………..……..2,0%
Aldavine…………………….………….……..2,0%
Cafeisilane C ……..………………………….2,0%
Vivilume …………….……………….……….2,0%
Gel fluído qsp ...……..………….…............15 ml.

PACIENTE – Aplicar na área dos olhos, 2 a 3 vezes AO DIA. FPS UVA-UVB por cima.

PEELING COM ATA – SOLUÇÃO A 35% E PASTA 20% - DORSO DAS MÃOS, ANTI BRAÇOS, CERATOSE
ACTINICA.

PREPARO DA PELE COM 14 A 20 DIAS DE ANTECEDÊNCIA

53
A fórmula de Kligman
Hidroquinona .............................4%
Tretinoína...................................0,05%
Dexametasona ..........................0,05%
Creme/Gel/Gel creme qsp .........30g.
Modo de uso: Aplicar a noite, pela manhã lavar os locais e aplicar
FPS 30 UVA-UVB, 3 vezes ao dia.

USO NOTURNO
Ác.retinóico......0,05%
Hidroquinona.....4%
Dexametasona..... 0,05%,
Alfa-bisabolol........0,5%
Creme/Loção qsp …30ml.
Aplicar a noite nos locais, interromper 1 noite antes do peeling em consultório.

SOLUÇÃO DE ATA 35%E POMADA DE ATA 20%

Técnica de aplicação: 1. Limpeza e desengorduração da pele, 2. Aplicar ATA 35% solução com
cotonete nas lesões maiores, observará leve frost, 3. Aplicação da PASTA com espátula em toda a
região, e espalhar, 4. Aguardar 1 a 2 minutos, fazer uma “janelinha” e observar o eritema e o “frost”
para determinar o tempo de exposição 5. Lavar com água em abundancia . 6. Aplicação de POMADA
(omega3,6,9), 7. Alta ao paciente. Uso FPS 30 obrigatório.

PÓS PEELING - USO CONSULTÓRIO E HOME CARE

Óleo de framboesa ....................2%


Vitamina A .................................1%
Vitamina E .................................1%
Dexametasona ...........................0,05%
Alliumcepae ..............................5%
Ultragel50 .................................1%
Pomada vegetal ........................qsp 30g
Para consultório : Manipular 20g para o paciente 30g.

54
FOTOS DE PEELINGS

FIGURA 2: PEELING RESORCINA 60%


FIGURA 1: POS peeling- IMEDIATO FROSTING

PEELINGATA 20% EM PASTA

55
COMPLICAÇÕES

Herpes simples após peeling médio.

56
Eritema persistente

FÓRMULAS PARA PEELINGS COMBINADOS

Peeling de Ácido Azelaico Solução pH 3,0

Ácido Azelaico 20%, Ácido Salicílico 2%, Ácido Lático 3%, Arnica 5%
Solução hidroalcoólica..........pH 3,0qsp ........xxxx
Ação: Anti-inflamatório, bacteriostático, seboregulador (reduz a oleosidade), comedolítico, germicida
e fungicida. Esfoliante, matificante.
Indicação : Peles com tendência oleosa e acnéicas, foliculítes e rosácea, poros dilatados e abertos,
peles com espinhas e pontos negros.
Modo de usar: Preparar a pele. Aplicar até 6 camadas. Iniciar com 1 a 2 camadas na primeira sessão
e aumentar com as sessões seguintes até atingir as 6 camadas. Intervalo de 7, 15 ou 30 dias. Número
de sessões conforme a necessidade do paciente.

57
Peeling de Ácido Ferulico Solução pH 3,0

Ácido Ferúlico...... 8%,


Ácido Málico.............. 5%,
Ácido Cítrico................ 5%,
Ácido Lático.............. 5%
Solução hidroalcoólica....pH 3,0 qsp xxxx

Indicação:Peles envelhecidas por sol, vento, intempéries e cigarro. Peles desvitalizadas, secas,
apagadas, sem brilho, ásperas. Peles sensíveis, com alterações microcirculatórias, muito reativas,
com telangiectasias ou pequenos vasos na pele.

Modo de usar: Limpar e desengordurar a pele do paciente. Aplicar o peeling com cotonete. Aplicar
até 6 camadas, iniciando com 1 a 2 camadas na primeira sessão e aumentar com as sessões seguintes
até atingir 6 camadas.Pode ser aplicado no rosto todo ou pontualmente sobre as manchas.

Freqüência: Bons resultados quando utilizado em sequência, a cada 7, 15 ou 30 dias, conforme sua
profundidade. Duração do tratamento:3 a 4 meses, 1 aplicação em semanas alternadas.

Peeling de Ácido Mandélico 50% + DMAE 2% Solução pH 3,0

Ácido Mandélico.................50%
DMAE................. 2%
Solução hidroalcoólica de pH 3,0.
QSP xxxx

Indicação: fotoenvelhecimento, pigmentação irregular, acne.


Seguro para ser aplicado em peles étnicas. Efeito tensor-antiflacidez, Reafirmante, Hidratante,
Revitalizaste. Favorece a renovação celular.
Modo de usar: Recomendado para peles orientais ou morenas que normalmente apresentam
alguma resposta inesperada com os demais ácidos. 01 sessãoa cada 15 dias, conforme sua
profundidade.

58
Peeling de Jessner Plus Solução pH 2,5

Ácido Lático................. 14%,


Resorcina ......................14%,
Ácido Cítrico................... 5%,
Ácido Kójico.................. 5%,
Ácido Salicílico............... 2%,
Alpha-arbutin.................. 2%.
Solução hidroalcoólica pH 2,5. QSP xxxxx
Indicação: Melhora do aspecto geral da pele; Melasma; Comedões na acne grau I e II; Rugas muito
finas.

Modo de usar: Limpar e desengordurar a pele do paciente.Aplicar o peeling com cotonete. Aplicar
até 6 camadas, iniciando com 1 a 2 camadas na primeira sessão e aumentar com as sessões seguintes
até atingi r 6 camadas. Pode ser aplicado no rosto todo ou pontualmente sobre as manchas. Sessões
podem ser realizadas a cada 7, 15 ou 30 dias, conforme sua profundidade.

ARGIPEEL

Arginina ........................20%,

Ácido Lático.................. 20%,

Uréia.............................. 10%

Aloe vera.........................3%,

Alantoína......................... 1%

Gel de boa permeação qsp xxxxx - pH 2,5

Indicação: Melasma, Fotoenvelhecimento, Renovação Celular.

Modo de usar: Após limpar e desengordurar a pele do paciente, aplicar o peeling com cotonete ou
mão enluvada, da área mais resistente para a mais sensível.
Deixar agir 20 a 30 minutos e remover com água fria. Utilizado como pré-peeling ou pré-
procedimento. Sugestão: Utilizar o produto para preparar a pele para o uso de produtos que
contenham Epiderfill, Densiskin ou produtos com efeito lifting.

59
Nota: A Arginina é um aminoácido derivado da fermentação e purificação de plantas ricas em
açúcares. Quando associado ao ácido lático é possível potencializar a ação do alpha hidroxi ácidos
(esfoliação, turnover celular, reduzir a hiperpigmentação).

Coffee Peel

Ácido Tricloroacético............................. 15%,


Ácido Saliciílico....................................... 10% ,
Ácido Fítico............................................. 5%,
Ácido Mandélico...................................... 15%,
Ácido Ferúlico.......................................... 2%,
Ácido Ascórbico....................................... 10%,
Retinol..................................................... 2%,
CoffeeSkin.................................................. 5%
Solução Hidroalcoólica pH 2,5. Qsp xxxxxxxx

Indicação: Fotodano; Desordens de hiperpigmentação; Ceratose actínica; Rugas finas; Lentigens;


Melasma; Verrugas. Antioxidante e rejuvenescedor.
Modo de uso :Limpar e desengordurar a pele do paciente. Aplicar com gazes, cotonetes ou as mãos
enluvadas nos locais afetados, iniciando pelas áreas mais resistentes e indo para as mais
sensíveis. Deixar agir por 10 a 20 minutos. Remover com água fria em abundância. Pode ser utilizado
em qualquer tipo de pele e em qualquer parte do corpo. Repetir a aplicação a cada 21 a 30 dias.

Peeling de Ácido Lático Plus

Ácido Lático............................. 20%


Ácido Glicólico........................ 15%
Ácido Salicílico........................ 10%,
Ácido Cítrico............................... 5%
Solução hidroalcoólica pH 2,5. Qsp xxxxx

Descrição: Além de ser um AHA, faz parte da composição do fator de hidratação natural da pele,
sendo um importante fator de hidratação cutânea. O ácido láctico oferece o mesmo benefício de
outros AHAs, através da promoção da descamação, além de outros benefícios. Hidratante;
Queratolítico;Estimula a renovação celular;
Despigmentante.

Indicação:Desordens de hiperpigmentação; Ceratose actínico; Rugas finas; Lentigens;


Melasma;Fotodano.

60
Modo de uso: Limpar e desengordurar a pele do paciente.Aplicar com gazes ou cotonetes nos locais
afetados, iniciando pelas áreas mais resistentes e indo para as mais sensíveis. Deixar agir por 5 a 10
minutos. Lavar com água emabundancia e neutralizar. Intervalos de 21 a 30 dias. Número de sessões
conforme a necessidade do paciente.
Peeling de Ácido Pirúvico 50% + Ácido Latico 5% Solução pH 2,0

Ácido Pirúvico ......................50%


Ácido Latico.......................... 5%
Solução hidroalcoólica. Qspxxxx - pH 2,0
Indicação: Rugas e linha finas;- Pigmentação anormal;Acne;Hiperqueratose;
Resurfacing.
Modo de uso: Limpar e desengordurar a pele do paciente.Aplicar 2 a 3 camadas do peeling, aguardar
a solução secar e remover com água em abundância. Pode ser utilizado em sequência, a cada 15 dias,
conforme sua profundidade.

Peeling de Ácido Mandélico 20% + Ácido Cítrico 30% Solução pH 3,0

Ácido Mandélico ......................................20%


Ácido Cítrico............................................ 30%
Solução hidroalcoólica qsp xxxxxx - pH 3,0
Indicação:Rugas e linha finas; Pigmentação anormal; Acne; Resurfacing.
Modo de uso: Recomendado para peles orientais ou morenas que normalmente apresentam alguma
resposta inesperada com os demais ácidos. Sessões realizadas a cada 15 dias. Número de sessões
conforme a necessidade do paciente.

Peeling de Ácido Lático 80% + DMAE 10% Solução pH 2,5

Solução de Ácido Lático........................ 80%


DMAE.................................................. 10% pH 2,5. Qsp xxxxxx

Indicação:Fotodano; Desordens de hiperpigmentação;Ceratose actínica; Rugas


finas; Lentigens; Melasma.
Modo de uso:Pode ser utilizado em qualquer tipo de pele e em qualquer parte do corpo. Limpar e
desengordurar a pele do paciente .Aplicar cotonetes ou algodão nos locais afetados. Deixar agir por
10 a 15 minutos. E remover com água em seguida. Repetir a aplicação a cada 21 dias.

61
Sabonte de ácido glicólico

Ácido Glicólico 10% ou 20%, Alfa Bisabolol 1%, Aloe Vera 3%


Sabonete Liquido Perolado qsp100mL
indicação: Pré peeling. Pode ser usado em peles mais resistentes por 3 a 5 minutos. Em peles mais
sensíveis deixar por 2 minutos.

Solução Tri-Ácida- Desengorduramento da pele para pré peeling

Ácido Glicólico...........................10%
Salicílico.................................... 10%,
ácido Cítrico............................... 10%.
Solução alcoólica pH 3,5. Qspxxxx.
Indicação:Pré peeling
Modo de uso:Aplicar no paciente no pré peeling para desengordurar a pele, esfregando sobre a pele
com auxílio de algodão ou gaze. Em seguida aplicar o peeling.

Peeling com ácido retinóico

Acido retinóico 10%. Propilenoglicol QSP xxxxx.


Indicação:Acne, Melanose actínicas, Envelhecimento cutâneo, Fotodano
Estrias.
Modo de uso: Preparar a pele, e aplicar com mão enluvada. Realizado semanal ou quinzenal,
dependendo da sensibilidade do paciente. No mínimo 6 sessões para rejuvenescimento.

Peeling de Ácido Tricloroacético (ATA) Solução 35 à 40%

Ácido Tricloroacético 35 á 40% - Solução qsp xxxxx mL - pH 2,5


Indicação: Envelhecimento facial ,Rugas faciais, Cicatriz de acne, Manchas hipercrômicas.
Modo de usar: Antes da aplicação a pele deve ser limpa e desengordurada.
A neutralização pode ser feita com água esolução de bicarbonato de sódio. Aplicação de 15 a 21 dias.
Número de sessões conforme a necessidade do paciente.

62
Peeling de Ácido Salicílico Solução Alcóolica à 30%

Ácido Salicílico 30% - Solução hidroalcoólica qsp xxx mL - pH 2,5


Indicação: Oleosidade, acne, comedões
Modo de uso: Desengordurar a pele, aplicar o peeling, aguardar de 2 a 5 minutos. Lavar com água
em abundancia.
Nota: produz ardência. Usar ventilador.

Peeling de Ácido Glicólico Solução à 70% pH 2,5

Solução hidroalcoólica de Ácido Glicólico à 70% - pH 2,5Qspxxxx


Indicação: Rejuvenescimento cutâneo, Fotoenvelhecimento (principal indicação), Ceratoses
actínicas, Rugas finas, Melasma.
Modo usar: Pode ser utilizado em qualquer tipo de pele e em qualquer parte do corpo. Realizar o
desengorduramento da pele, aplicar o acido deixar de 3 a 5 minutos. Pode ser realizado a cada 21 ou
30 dias, conforme sua profundidade.Duração do tratamento: 3 a 4 meses, 1 aplicação em semanas
alternadas.

Ácido Tranexâmico IN & OUT

Composição Oral de Ácido Tranexâmico, terapia combinada no melasma:


Ácido Trenaxâmico 250mg - Excipiente q.s.p1 cápsula - Contém 60 cápsulas.

Composição Tópica de Ácido Tranexâmico, terapia combinada no melasma:


Ácido Trenaxâmico 3% - Gel creme qsp - Contém 30g – usar 2x ao dia

PEELINGS INDUSTRIALIZADOS - SUGESTÕES

MESOESTETIC ( Barcelona)- Tratamento para melasma: Cosmelan e Dermamelan. especializada no


desenvolvimento, fabricação e comercialização de medicamentos tópicos, produtos de saúde,
equipamentos médico-estético, cosmecêuticos e nutracêuticos para profissionais de beleza.
http://www.mesoestetic.com/

63
MENE & MOY– é uma empresa que tem como base das suas formulações estudos sobre
antienvelhecimento cutâneo dos médicos, Rômulo Mim, um cirurgião plástico brasileiro, e Laurence
Mu, um dermatologista americano. São produtos que utilizam vitamina C estabilizada com AHAs.

ATIVOS CLAREADORES

ACHROMAXYL -inibidor da atividade da tirosinase. É composto por proteínas hidrolisadas e

fermentadas, extraídas de uma planta da família Brassicaceae.

ÁCIDO KÓJICO – inibidor da tirosinse e quelante do cobre. 1 a 5%.

ALBATIN – Inibidor da dopacromo daltomerase – 0,5 a 1,5%.

ALPHA ARBUTIN – Inibidor da tirosinase – 0,2 a 2%

BIOWHITE - Inibidor da tirosinase – 2 a 4% em creme e 10% em máscaras.

ALGOWHITE - é o extrato concentrado da alga marrom Ascophyllumnodosum com propriedades

clareadoras, esfoliantes e protetoras.

MELFADE – Inibidor da tirosinase e antioxidante – 3 a 8%.

ANTIPOLLON HT – Silicato de alumínio, abosrve a melanina.

AQUA LICORICE EXTRACT PT – inibidor da tirosinade, usado 1%.

AZELOCLICINA – Inibidor tirosinase. Seguro para pele fototipo alto, hidratante e bactericida.

Resposta clareadora em 21 dias. 3 a 10%.

BELIDES - É o extrato obtido da flor da margarida (Bellisperennis).Inibidor da Endotelina-1 e a

Melanogênese, apresenta um forte efeito inibitório muito interessante sobre a melanogênese

atuando por meios inovadores como a inibição do mediador Endotelina-1 que estimula a

melanogênese.

WHITESSENSE - Despigmentante 100% Natural da Semente da Jaca que age pelo mecanismo da

inibição da Fagocitose dos melanossomas pelos queratinócitos.

NIACINAMIDA PC - Inibidor da transferência de melanossomos. 1 a 5%.

COSMOCAIR C 250 – Clareamento para grávidas. 0,1 a 1,5%.

64
CROMABRIGTH – Inibidor da tirosinase. 0,5 a 1%. Fotoprotetor.

HENTOWHITE – Inibidor da tirosinase, inibidor da transferência para queratinócitos, esfoliante leve.

1 a 3%.

HIDROQUINONA - é derivada da ubiquinona, causa a inibição reversível do metabolismo celular,

afetando a síntese do DNA e do RNA. Embora seu efeito citotóxico não se limite somente sobre os

melanócitos, as doses necessárias para inibir o metabolismo celular das outras células do organismo

são muito mais altas, comparadas às usualmente utilizadas . A hidroquinona também inibe a

atividade da tirosinase.

IDB-LIGHT- 10% de Idebenona Lipossomada , alternativa segura e eficaz à Hidroquinona .

HIDROQUISAN – Foto-sensível, hidroquinona purificada. 2 a 10%

ISOCELL CITRUS - Citroflavonóide da Casca do Limão microencapsulado com ação inibidora da

tirosinase, é altamente eficaz, devido à tecnologia de microencapsulação com Membrana

Fosfolipídica.

ASCORBOSILANE C - Previne e reduz a ação de radicais livres. Atua como coadjuvante na

normalização da pigmentação cutânea devido à inibição da melanogênese e no combate ao

envelhecimento prematuro da pele.

LUMINWHITE - Ativo biotecnológico de origem vegetal composto por Dilaurato de sacarose e extrato

de ervilha que age clareando a pele de forma natural, segura e eficaz. Lumin White age na

melanogênese e nos melanócitos.

O.D.A WHITE – Inibidor da síntese da tirosinase – 1%

SEPIWHITE MSH – Inibidor de alfa MSH – 2%

SYNOVEA HR (Hexylresorcinol) – inibidor da tirosinase e antioxidante – 0,5 a 1%.

TGP2 PEPTÍDEO – Inibidor da síntese da tirosinase e transferência de melanossoma – 3 a 10%.

WHITONYL – Inibe a tirosinase, reduz a síntese do receptor de transporte, controla pigmentação foto

induzida. 4%.

65
MODELO DE RECEITUÁRIO USO PROFISSIONAL

PAPEL
PAPEL TIMBRADO COM LOGOMARCA

Á
NOME DA FARMÁCIA
A/C: FARMACÊUTICO RESPONSÁVEL
ASSUNTO: FORMULAÇÃO DE PEELING PARA USO EM CONSULTÓRIO.

PEELING:

Ácido Glicólico...........................10%
Salicílico.................................... 10%,
ácido Cítrico............................... 10%.
Solução Hidroalcoólica QSP( quantidade suficiente para).........50ml

pH 3,0 ( só colocar o pH em casos de ser diferente que do estipulado pela ANVISA pH 3,5). O
farmacêutico já sabe o pH de segurança para todas as formulações.

Data ( obrigatório)

Carimbo profissional com todos os dados, nº inscrição no conselho e especialidade

Endereço completo e contatos ( obrigatório)

66
MODELO DE RECEITUÁRIO PACIENTE

PAPEL TIMBRADO COM LOGOMARCA

Á
NOME DA FARMÁCIA
A/C: FARMACÊUTICO RESPONSÁVEL
ASSUNTO: FORMULAÇÃO DE PEELING PARA USO EM HOME CARE.

PACIENTE: NOME COMPLETO,

FÓRMULA:

VITAMINA C.................10%
KÓJICO........................ 10%,
SERUM QSP ( quantidade suficiente para).........30ml

POSOLOGIA: ( OBRIGATÓRIO). ORIENTAÇÕES QUANTO AO USO EM CASA).

DIURNO - APÓS A LIMPEZA DA PELE APLICAR NA FACE E COLO, AGUARDAR CERCA DE 3 A 5


MINUTOS E PASSAR O FILTRO SOLAR.

Data ( obrigatório)

Carimbo profissional com todos os dados, nº inscrição no conselho e especialidade

Endereço completo e contatos ( obrigatório)

67
TERMO DE CONSENTIMENTO ESCLARECIDO

Modelo Biovitalité.

1. DEFINIÇÃO E MECANISMO DE AÇÃO DO PEELING:


O peeling é um procedimento que visa acelerar o processo de esfoliação cutânea,
promovendo a renovação celular, pelo uso de substâncias químicas. Seu mecanismo de ação
consiste na aplicação de um ou mais agentes cáusticos à pele, produzindo uma destruição
controlada da epiderme e sua reepitelialização. O processo de reepitelização da pele
resultará na renovação celular, destruição das camadas superficiais da pele envelhecida ou
lesada, obtendo-se um tecido mais jovem e sadio, com melhoria da aparência estética,
principalmente nas desordens de pigmentação e ceratoses actínicas, redução de manchas, a
indução de reação inflamatória nos tecidos mais profundos ocasionados pelo peeling químico
ativa os mediadores de inflamação induzindo a produção de colágeno novo na derme e
conseqüentemente o rejuvenescimento.

2. BENEFÍCIOS DA TÉCNICA E INDICAÇÃO :


 Revitalização (“rejuvenescimento”), Atenuação de rugas e pregas cutâneas superficiais,
atenuação de cicatrizes da acne, varicela e traumatismos,ceratoses, cicatrizes,cistos de
millium, sebáceos e comedões, elastose, Hipercromias superficiais, melasmas, estrias e
efélides

3. CONTRA INDICAÇÃO:
 Peles com tendência a hipermelanose pós-inflamatória, Cicatrizes hipertróficas e
quelóides, Queimaduras químicas, Pele com couperose e rosácea, Gravidez, Herpes e
processos inflamatórios.
 Peles negras e orientais,só podem se submeter ao tratamento com autorização do
profissional após a consulta.

4. PROCEDIMENTOS A SEREM ADOTADOS NO PRÉ- PEELING :


Fazer uso da fórmula para preparação da pele 2 semanas ou mais antes do tratamento,
se achar necessário, tomar um analgésico 01h antes do procedimento de peeling de nível
médio e usar o filtro solar de 3 em 3 horas.

68
5. PROCEDIMENTOS A SEREM ADOTADAS NO PÓS-PEELING :

1. Não usar maquiagem na primeira semana de tratamento, após esse período, com a
remoção natural da crosta, a mesma só poderá ser feita com autorização do
profissional,
2. Não usar chapinha,
3. Não usar secador de cabelo,
4. Não ficar próximo a vapor fogão,
5. Não se expor ao sol,
6. Para fazer uso do filtro solar : Primeiro higienizar a pele conforme as orientações,
secar levemente, passar o creme de uso tópico, aguardar 05 a 10 minutos e então
fazer uso do filtro solar, aguardar para passar maquiagem ( quando autorizado pelo
profissional)
7. Não realizar outros procedimentos estéticos sem comunicar o profissional para evitar
eventuais complicações,
8. Não se expor a vapores ou calor intenso tais como ( cozinhas industriais, saunas etc)
durante o período do tratamento e 30 dias após o mesmo,
9. Usar filtro solar de 3 em 3 horas, ou em mais vezes caso haja situações de excesso
de transpiração, durante todo tratamento e após o mesmo,
10. Não puxar e não forçar a retirada da crosta que se forma após o peeling, pois a
mesma protege a nova pele,
11. Não esfregar e não usar substâncias ou agentes físicos abrasivos no local tratado,
12. Para secar o local usar algo macio e ir fazendo leves toques, nunca friccionar o local,
13. Usar filtro solar dentro de casa e ao usar computador,
14. Usar somente sabonete neutro de preferência de bebê ao lavar o local,
15. Não retornar o uso de cremes com ácidos até que seja orientado;
16. Homens podem se barbear somente com aparelhos elétricos somente quando
autorizado pelo profissional;
17. Avisar caso ocorra dor, secreção purulenta ou crostas espessas;
18. Não usar substâncias químicas como agentes depilatórios, maquiagem, perfumes,
detergentes, tinturas ou spray de cabelos;
19. Não fazer uso de química nos cabelos nos primeiros 15 dias após o peeling,
20. Manter a pele hidratada fazendo uso dos dermocosméticos tópico e fórmula oral,
conforme a orientação do profissional.

69
6. REAÇÕES IMEDIATAS QUE PODEM OCORRER NO PÓS PEELING :
 Vermelhidão,
 Leve ardência,
 Edema, inchaço,
 Sensação de ardor no 1ª dia,
 Os peelings médios escurecem a pele após 48 horas de sua realização, formam crostas e
descamam por 7 a 15 dias.

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PROCEDIMENTO ESTÉTICO

Eu________________________________________________, Portador(a) do
CPF:_________________________.Pelo presente instrumento declaro ter sido esclarecido(a) pelo
Dr(a)__________________________________________inscrito (a) no Conselho Regional de xxxxxx
sob nº____________, quanto às minhas dúvidas sobre o procedimento estético:
Peeling químico de ácido_____________________________________
Declaro ainda que estou ciente sobre todos os benefícios, os riscos, as indicações, contra-indicações,
principais efeitos colaterais e advertências gerais, relacionados ao tratamento. Comprometo-me a
seguir todas as orientações e a fazer uso de todos os produtos contidos em minha prescrição
domiciliar, respeitando os horários indicados de utilização, isentando neste ato os profissionais de
estética envolvidos no procedimento, nas hipóteses de minha culpa exclusiva. Tenho ciência de que
esta obrigação de resultado está subordinada ao meu comportamento e disciplina após o
tratamento. Expresso também minha concordância e espontânea vontade em submeter-me ao
referido tratamento, assumindo a responsabilidade e os riscos pelos eventuais efeitos indesejáveis
decorrentes.

Assinatura do paciente Assinatura do Responsável pelo procedimento

Cidade (ES), data

70
REFERÊNCIAS

BALBINO CA, PEREIRA LM, CURI, R. Mecanismos envolvidos na cicatrização: uma revisão
BrazilianJournalofpharmaceuticalsciences.41 (1): 27-51, 2005.
BARQUET, A. P.; et al.; Comparação entre alfa-hidroxiacidos e poli-hidroxiacidosncosmiatria e
dermatologia. Rev. Bras. Farm., v. 87, n. 3, São Paulo, 2006. disponível em
<http://www.revbrasfarm.org.br/pdf/2006/N32006/pag_67a73_COMPARACAO.pdf> Acesso em: 14
dez. 2010.
BAUMANN, Leslie. Dermatologia Cosmética: princípios e práticas. Rio de Janeiro: Revinter, 2004.
BORGES, Fabio dos Santos. Dermato-Funcional: Modalidades Terapêuticas nas Disfunções Estéticas
.Phorte: Sao Paulo, 2006.
FITZPATRICK, R. E.; ROSTAN, E. F. Double- Blind, Half-Face Study comparing Topical Vitamin C Vehicle
for Rejuvenation of Photodamage. Dermatol.Surg., v. 28, n.3, p. 231- 236, 2002.
http://www.dermatologia.net/novo/base/fotos.shtml
http://www.galena.com.br/
http://www.medipedia.pt/home/home.php?module=artigoEnc&id=453
http://www.menemoy.com/
http://www.mesoestetic.com/
http://www.sbd.org.br/
http://www.surgicalcosmetic.org.br/
Rev. bras. geriatr. gerontol. vol.14 no.3 Rio de Janeiro 2011 http://dx.doi.org/10.1590/S1809-
98232011000300005
Revista Brasileira de Geriatria e gerontologia Print version ISSN 1809-9823
TEIXEIRA, S. P.; Fotoproteção. Rev. Bras. Med. v. 67. Especial dermatologia, São Paulo, 2010.
Disponível em <http://www.cibersaude.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_materia=4343> acesso
em: 18 dez. 2010.
VELASCO, M. V. R.; et al. Rejuvenescimento da pele por peeling químico: enfoque no peeling de
fenol. An. Bras. Dermatol. v. 79, n.1, Rio de Janeiro, 2004. Disponível em
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365-
05962004000100011&lang=pt&tlng=pt> Acesso em 12 out. 2010.

71

Você também pode gostar