Você está na página 1de 15

Teatro

da Cerca
de São

jan fev mar


Bernardo

2011
Editorial

A temporada teatral ainda nem vai a meio e já tem um Num trimestre marcado pela incerteza quanto ao futuro
momento incontornável. “1974”, o mais recente trabalho (só daqui a um ou dois meses saberemos com exactidão
do Teatro Meridional, estreado em co-produção os efeitos dos cortes anunciados pelo Ministério da Cul-
com o Teatro Nacional D. Maria II, é um daqueles espec- tura para 2011), a programação do TCSB parece desafiar
táculos que entra directamente para a história do teatro a crise. Os regressos da Companhia de Teatro de
português – pela ambição da proposta, pela harmoniosa Braga (com um programa que inclui dois espectáculos na
articulação das várias linguagens que se cruzam em palco, mesma noite) e do Teatro das Beiras (com um texto
pela radicalmente poética interpelação que faz aos espec- de José Sanchis Sinisterra) e a estreia de “BCC”, o novo
tadores/cidadãos/fazedores deste país. Poder recebê-lo no espectáculo da Marionet, asseguram, com o Meridional,
TCSB e partilhá-lo com o nosso público lembra-nos de uma oferta muito diversificada do teatro que actualmente
como faz sentido, numa História que patina, continuar a se faz em Portugal.
fazer e a oferecer teatro. Angelica Liddell, que o Citemor apresentou a Coimbra
O Prémio Europa Novas Realidades Teatrais, que acaba de e ao país há alguns anos e que hoje é um dos nomes mais
receber como reconhecimento pela originalidade e con- importantes do teatro espanhol, retoma o ciclo das Jorna-
sistência do seu percurso artístico, é apenas o mais recente das de Dramaturgia Espanhola Contemporânea, programa
sinal da importância do Teatro Meridional no teatro euro- que se estenderá ao longo de todo o ano, em articulação
peu e lusófono. Ao longo da quarta residência artística com a criação artística d’A Escola da Noite.
que organizamos, vamos ter oportunidade de conhecer No início de Março, com um programa próprio a anunciar
de perto esse percurso. Para além de “1974”, o programa posteriormente, o TCSB volta a ser um dos palcos da Se-
reserva-nos um outro momento muito especial: o justa- mana Cultural da Universidade de Coimbra.
mente celebrado “Contos em Viagem – Cabo Verde”. E,
ainda, o recital de poesia de Natália Luíza, um workshop,
debates, exposições e documentários. A Escola da Noite, Janeiro de 2011
jan b e ç a d o jan
a
A C aptista 28 e 29
B + se xt a e
21h30
sá bado

o A c t o
teatro

Úl t i m
A Cabeça do Baptista + Último Acto
COMPANHIA DE TEATRO DE BRAGA

A Cabeça do Baptista
Alberto Saco, conhecido por “El Jándalo”, chega a uma aldeia para se
vingar de Don Igi, o assassino da sua mãe. Pepona, actual companheira
de Don Igi, evita com frieza e crueldade os planos de Saco, numa
história com óbvias afinidades com a de S. João Baptista, Salomé e
Herodes.
autor Ramón del Valle Inclán encenação Manuel Guede Oliva
tradutor António Pescada cenografia e figurinos escultor Rui
Anahory actores Solange Sá, Waldemar Sousa, Rui Madeira,
Carlos Feio, Jaime Soares, Rogério Boane, André Laires
Último Acto
Um retrato cruel e cómico sobre as relações de poder no teatro, um
olhar descarnado sobre as práticas e a cultura teatrais e o entendi-
mento ou desconhecimento que delas fazemos.
um espectáculo de Anna Langhoff, Alexej Schipenko e Rui
Madeira desenho de luz Fred Rompante ambiente sonoro Luís
Lopes criação vídeo Frederico Bustorff actores Solange Sá,
Waldemar Sousa, Rui Madeira e Vicente Magalhães

M/16 > 50’ + 60’ > 6 a 10 € (espectáculo no âmbito da Rede CUL-


TURBE — Braga, Coimbra e Évora)
fev
fev
Angelicall 5e6
Lidde sába do e do
16h00
mingo

III Jornatuda de conferência / leitura

D ra m a rgia III Jornada de Dramaturgia Espanhola Contemporânea


Espanhnoelaa ANGELICA LIDDELL

Contempo
Angelica Liddell (Figueres, Girona, 1966) é uma das mais originais e
destacadas dramaturgas do teatro espanhol contemporâneo. Licen-
ciada em Psicologia e Arte Dramática, é também produtora, actriz,
encenadora e poetisa, com obras publicadas e estreadas em Espanha,
em Portugal, na Alemanha e em vários países da América Latina.
Recebeu, entre outros, o Prémio de Dramaturgia Inovadora Casa
de América (2003), o Prémio SGAE de Teatro (2004), o Prémio Ojo
Crítico Segundo Milénio (2005), o Prémio Notodo del Público (2007)
e o Prémio Valle-Inclán (2008).
A Escola da Noite dedica-lhe a terceira Jornada de Dramaturgia Es-
panhola Contemporânea, como habitualmente composta por uma
conferência da própria autora e por uma sessão de leituras de excer-
tos de obras suas, no TCSB.

conferência
Angelica Liddell
16h00, sábado
leitura
excertos de obras de Angelica Liddell, pel’A Escola da Noite
16h00, domingo

entrada livre > apoios: Instituto Cervantes, Curso de Estudos Artísti-


cos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra
fev i d ê n c i a fev
r e s
ar tística 7 a 13 domingo

Teatro
segunda a

l
Meridiona
Quarta residência artística acolhida no TCSB.
Oportunidade única para conhecer de perto o trabalho e o percurso
artístico de uma das mais interessantes companhias portuguesas, pres-
tes a comemorar o seu vigésimo aniversário e várias vezes premiada,
nacional e internacionalmente.
Para além dos espectáculos (ver páginas seguintes), o programa inclui:

workshop de interpretação
MIGUEL SEABRA
sala-estúdio da Bonifrates, 9 a 11/02 10h00>14h00
destinatários: actores/actrizes e alunos/as do ensino artístico
conferência
sobre o processo criativo do Teatro Meridional
TCSBar, 9/02, quarta 18h00
documentário
de PATRÍCIA POÇÃO sobre a criação de “1974”
TCSBar, 11/02, sexta 21h30
exposição de fotografia
de SUSANA PAIVA sobre a criação de “1974”
foyer do TCSB, 7 a 13/02, segunda a domingo, 10h00>24h00
conversas com o público
no final da primeira sessão de cada espectáculo
TCSBar, 8, 10 e 12/02, terça, quinta e sábado, 23h00

[inscrição no workshop: 75€; restantes iniciativas c/ entrada livre]


fevContoCs aebmo fev
8e9
Viagem-Verde 21h30
terça e quar
ta

residênticciaa
teatro
Contos em Viagem - Cabo Verde
artís o
Teatr TEATRO MERIDIONAL
l
M diona
e ri
No cais imenso que é a ilha, contam-se “pedaços” de estórias e poe-
mas, como quem canta e reza. Uma actriz e um músico fazem da
literatura o pretexto da viagem, tendo como itinerário as palavras de
autores cabo-verdianos.
Os textos atravessam o tempo, cruzam as ilhas, visitam poetas e es-
critores, dão voz e ritmo a personagens, a sensibilidades, a imaginários
das estórias da história, num lugar a falar de si mesmo.

textos António Aurélio Gonçalves, António Nunes, Arménio


Vieira, Baltasar Lopes da Silva / Oswaldo Alcântara, Fátima
Bettencourt, Germano de Almeida, João Vário, José Lopes,
Manuel Ferreira, Manuel Lopes, Orlando Pereira Ramos
Rodrigues, Ovídio Martins selecção de textos e dramaturgia
Natália Luíza direcção cénica e desenho de luz Miguel Seabra
interpretação Carla Galvão (texto), Fernando Mota (música)
música original e espaço sonoro Fernando Mota espaço cénico e
figurinos Marta Carreiras

M/6 > 60’ > 6 a 10€ (25% de desconto na compra de bilhete duplo
“Contos em Viagem” + “1974”)
fev a l d o s fev
t u g
Por Poetas 10
21h30
quinta

residênticciaa
recital
Portugal dos Poetas
artís o TEATRO MERIDIONAL
Teatr
l
M diona
e ri
Procurar a identidade de Portugal através das palavras dos poetas, foi
este o sentido do caminho.
Reflectir depois, através dos diferentes poemas, que há na maneira de
ser e sentir portuguesa uma matriz que atravessa o tempo e que, ape-
sar das suas características individuais, encontramos nas palavras de
cada poeta um espelho que nos devolve uma ressonância identitária.

texto Eça de Queirós, Luiz Vaz de Camões, Guerra Junqueiro,


Miguel Torga, Sophia de Mello Breyner Andresen, Jorge de
Sena, Fernando Pessoa, Manuel Alegre, Ana Hatherly, José
Régio, Álvaro de Campos, Almada Negreiros, Antero de
Quental, Natália Correia, António Lobo Antunes, Vitorino
Nemésio, Ruy Belo, Alexandre O’Neill pesquisa, dramaturgia e
interpretação Natália Luíza desenho de luz Miguel Seabra
TCSBar > M12 > 60’ > entrada livre
2 9 16 23 30 31
A Cabeça do Baptista
+ Último Acto
CTB
21h30

6 13 20 27
JDEC JDEC Ay, Carmela!
ANGELICA LIDDELL ANGELICA LIDDELL TEATRO DAS BEIRAS
conferência 16h00 leitura 16h00 21h30
Residência Artística Meridional
workshop
exposição Susana Paiva
conferência 18h00 documentário 21h30

mar
Contos Portugal 1974
em viagem dos Poetas
21h30 21h30 21h30

6 13 20 27
Semana Cultural BCC
da Universidade de Coimbra MARIONET
21h30 (quarta a sábado) (domingo) 16h00
[Em cada trimestre, um(a) convidado(a) d’A Escola da Noite partilha com os
espectadores a(s) sua(s) escolha(s) da programação apresentada.]

a minha escolha
CRISTINA JANICAS*

A Escola da Noite brinda-nos, no primeiro trimestre de 2010, com


algumas propostas inovadoras que acontecem noutras paragens.
N’A Escola da Noite são teimosos e teimam em não se fechar sobre
si mesmos e em dialogar com outros criadores de diferentes áreas
artísticas.
Podemos saciar a fome e a sede de actividades criativas e artísticas
que habitualmente não passam por aqui. A sede e a fome são difíceis
de saciar e os famintos gostam de comer mas também de provar dife-
rentes paladares.
Vão estar em Coimbra Ramón del Valle-Inclán, Manuel Guede Oliva,
Anna Langhoff, Angelica Liddell, Miguel Seabra, Susana Paiva, Natália Luí-
za, Sanchis Sinisterra, Gil Nave... E é com eles que podemos dialogar e
saciar a nossa fome e sede.
…o diálogo com Ramón del Valle-Inclán e Manuel Guede Oliva per- ACESSO
mite-nos trilhar os caminhos da avareza, da luxúria e da morte… através do Pátio da Inquisição
…o diálogo com Anna Langhoff possibilita-nos pensar as relações do ou a partir da Rua da Sofia, pela
teatro com o poder… Ladeira do Carmo
…com a residência artística do Teatro Meridional vamos perder o ESTACIONAMENTO nos Parques
fôlego e assistir a momentos irrepetíveis. Saliento o espectáculo Con- do Mercado e do Bota Abaixo
Teatro
tos em Viagem – Cabo Verde, uma construção que leva para o palco
pedaços de Cabo Verde numa interpretação de Carla Galvão. Quanto AUTOCARROS 1A, 2A, 2F, 2T, 4, 5,

da Cerca
a 1974, não há uma única razão que se destaque para assistir a este 6, 7, 7T, 10, 11, 11C, 19, 24, 24T, 25,
espectáculo.Todas são essenciais: a música original do Zé Mário Branco, 27, 28, 29, 30, 36, 36F, 42 e 103

de São
a possibilidade do teatro pensar o ser português, a qualidade inques-
CONTACTOS E RESERVAS
tionável dos trabalhos produzidos pelo Teatro Meridional…
Bernardo
Teatro da Cerca de São Bernardo
…o diálogo com Sinisterra e Gil Nave permitir-nos-á pensar a condição
da arte e dos seus protagonistas perante as circunstâncias envolventes 3000-097 COIMBRA Portugal
do poder. tel. 239 718 238
Esta programação resume-se em poucas palavras: diálogo, diferentes fax 239 703 761
olhares e perspectivas da arte sobre o real e uma deliciosa ementa para telm. 966 302 488
saciar a nossa fome e sede. geral@aescoladanoite.pt
weblog.aescoladanoite.pt
*Leia a versão integral do texto em weblog.aescoladanoite.pt www.aescoladanoite.pt
fev
1974 fev
12 e 13 21h30
mingo
sába do e do

residênticciaa
teatro
1974
artís o TEATRO MERIDIONAL
Teatr
l
M diona
e ri
Tendo como objectivo temático a identidade portuguesa, 1974 re-
flecte a nossa contemporaneidade e cruza três períodos da História
recente de Portugal: a Ditadura, a Revolução de Abril e a entrada de
Portugal na Comunidade Europeia.
Onze actores percorrem o tempo de um país, inscrevendo no es-
paço teatral fragmentos de situações ou instantes impressivos que,
partindo do real, são retrabalhados numa linguagem que ultrapassa a
mimesis ou a ilustração, tendo-se escolhido um ponto de vista senso-
rial (mas simultaneamente forte e impressivo) para dizermos de nós
identitariamente, nesta travessia pela história.

encenação Miguel Seabra assistência artística Jean Paul Buchieri


dramaturgia Francisco Luís Parreira espaço cénico e figurinos Marta
Carreiras desenho de luz Miguel Seabra música original e sonoplastia
José Mário Branco interpretação Carla Galvão, Claúdia Andrade,
David Pereira Bastos, Emanuel Arada, Filipe Costa, Inês Lua,
Inês Mariana Moita, João Melo, Miguel Damião, Rui M. Silva e
Susana Madeira co-produção TNDM II

M/12 > 80’ > 6 a 10€ (25% de desconto na compra de bilhete duplo
“Contos em Viagem” + “1974”)
fev C a r m e l a ! fev
A y, 18 e 19 21h30
se xt a e sá bado

teatro
Ay, Carmela!
TEATRO DAS BEIRAS

Perdidos numa noite de nevoeiro e fome, dois anónimos “artistas de


variedades” caem em território “inimigo”. Aí, em troca da “liberdade”,
são obrigados a apresentar o seu espectáculo às tropas vencedoras
e aos prisioneiros vencidos. Que fazer à representação para “sobre-
viver” em tão díspar plateia? Como resistir ou ceder sem abalar a
dignidade?
José Sanchis Sinisterra na indagação pelos territórios obscuros da
teatralidade, dos seus limites e fronteiras, organiza um “material cé-
nico” desafiador da sensibilidade e inteligência dos espectadores.

texto José Sanchis Sinisterra tradução e encenação Gil Salgueiro


Nave cenografia e figurinos Luís Mouro interpretação Fernando
Landeira e Sónia Botelho sonoplastia Helder Filipe Gonçalves
desenho de luz Vasco Mósa

M/16 > 135’ com intervalo > 6 a 10 € (espectáculo no âmbito da rede


CULTURBE - Braga, Coimbra e Évora)
m a rSemal ndaa
Cultusriadade
UniveCroimbra
de

(Re)
inventar
Pelo segundo ano consecutivo, o Teatro da Cerca de São
Bernardo acolhe parte da programação externa da Semana
Cultural da Universidade de Coimbra, em 2011 dedicada ao
tema “(Re)inventar a cidade”.

a cidade
O programa, a anunciar brevemente, incidirá sobre a importân-
cia da criação artística n(est)a cidade, enquanto elemento que
a diferencia e potencia o seu desenvolvimento. Um momento
de celebração, de mostra, de interrogação e debate sobre o
estado das artes em Coimbra.
m a r
BCC
Blindn
Carboopy
C
teatro
BCC Blind Carbon Copy
MARIONET
16 a 20
mar
bado 21h30
quarta a sá go 16h00
do in
m

As alterações climáticas são um fenómeno que poderá ter dramáticas


consequências na forma como o Homem vive e se relaciona com o
ambiente que o rodeia. A perspectiva científica dá-nos uma dimensão
racional e objectiva da questão, a perspectiva artística uma dimensão
subjectiva e emocional. As duas juntas poderão ser uma chamada de
atenção para o Homem comum, cultural e biológico, de cujas acções
poderão resultar diferentes desfechos para um problema real e pre-
sente mas que parece ainda tão distante a ponto de poder ser igno-
rado no dia-a-dia.
BCC é a reflexão artística da marionet sobre o tema, baseada nas
amostras que recolheu ao longo de uma residência artística no Insti-
tuto do Mar — Centro Interdisciplinar de Coimbra (IMAR-CIC), onde
acompanhou vários projectos científicos que procuram determinar
eventuais influências do fenómeno das alterações climáticas nas co-
munidades biológicas aquáticas e nas funções dos ecossistemas dos
rios portugueses através da experimentação laboratorial, no campo e
por modelação matemática.

texto e encenação Mário Montenegro residência artística com o


apoio IMAR — CIC
> 6 a 10 € (40% de desconto para profissionais das ciências)
Teatro
grafismo Ana Rosa Assunção créditos (capa; imagem do
espectáculo “1974”) Susana Paiva; (pág. 4) Paulo Nogueira; (pág.
da Cerca 6) Angelica Liddell; (págs. 8, 10) Patrícia Poção; (págs.12, 18)

de São
Susana Paiva; (pág.17) Augusto Baptista; (pág. 20) Paulo Nuno
Silva; (pág. 24) Marionet. Agenda n.º 9 | impressão Litografia
Bernardo de Coimbra: 7500 exemplares.

propriedade apoios:
Câmara Municipal de Coimbra
companhia residente, gestão e programação
A Escola da Noite
direcção artística | programação
António Augusto Barros
administração | produção
Pedro Rodrigues
fornecedores oficiais do TCSB:
direcção técnica
Rui Valente
comunicação | mecenato | serviço educativo RESTAURANTE O PÁTIO COIMBRACÓPIA
Isabel Campante
imagem
Ana Rosa Assunção
equipa técnica
Alfredo Santos, Carlos Figueiredo, Danilo
Pinto, Eduardo Gama, João Constantino
elenco
Igor Lebreaud, Maria João Robalo, Miguel
Magalhães, Sofia Lobo
bilheteira | bar | frente de casa agradecimentos:
GATO, CRL.
serviços de limpeza Brigada de Intervenção-Exército Português, C.M.Montemor-o-Velho,
Cláudia Natividade (Servilimpe) C.M.Tábua, Cena Lusófona, Cooperativa Bonifrates, TEUC
A Escola da Noite é uma estrutura financiada por:

A rede CULTURBE - Braga, Coimbra e Évora é financiada por: