Você está na página 1de 252

FROM BABYLON TO TIMBUKTU

“Uma história de raças negras antigas,


incluindo os hebreus negros.”

Até tempos comparativamente recentes, o


conhecimento de que a África negra era o
assento de civilizações e culturas altamente
envolvidas durante uma época em que a
Europa estava era limitada a um pequeno
grupo de estudiosos. Que grandes impérios,
como Gana, e, mais tarde o Mali floresceu
durante séculos enquanto a Europa dormia
através da idade das Trevas, o que tem sido
ignorado pelos historiadores. Milhares de
anos antes disso, como Rudolph R. Windsor
observa neste livro esclarecedor, a civilização
começou com as raças negras da África e da
Ásia, incluindo os hebreus, que os tempos
bíblicos eram negros. Então, a Europa
ocidental não tinha nações como tal, e seus
habitantes da Idade da Pedra tinham apenas
as ferramentas mais cruas e viviam em
cavernas.

Devido à literatura escassa sobre as


contribuições dos negros para a civilização
mundial, a maioria das pessoas hoje tem a
opinião errada de que as raças negras têm
pouca história real. Não sabia, por exemplo,
que os antigos hebreus, mesopotâmios,
fenícios e egípcios eram negros. Agora, um
crescente corpo de literatura apresenta a
ilustre história dos negros e suas enormes
contribuições.

Este livro cuidadosamente pesquisado é uma


adição significativa a este campo vital do
conhecimento. Ele apresenta detalhes
fascinantes da história, desde os primeiros
tempos registrados, das raças negras do
Oriente Médio e da África. A discussão de
Windsor sobre a civilização islâmica e o
movimento dos hebreus negros para todas as
partes da África é edificante e absorvente. Os
leitores, independentemente da raça,
encontrarão esta história factual de uma
herança nobre um valioso enriquecimento
para o conhecimento da história mundial.
Biografia

Rudolph Windsor nasceu em Long Branch,


Nova Jersey. Depois de morar em várias
comunidades de Jersey, sua família se
instalou na Filadélfia, onde frequentou o
Community College, estudando Psicologia e
Ciência Política; Gratz College, onde se
especializou em Estudos Hebraico / Aramaico.
Além disso, ele tem quatro filhos e uma filha.

Ele diz do livro: "Meu motivo na escrita era


dar a verdadeira história do afro-americano,
que foi excluído dos livros didáticos". O
professor Windsor é um forte defensor do
desenvolvimento econômico e cultural da
comunidade negra. Ao servir a comunidade,
ele foi membro e presidente de várias
organizações, foi um delegado da Conferência
do Poder Negro de 1968 e foi designado
delegado, em nome dos judeus etíopes, para
conhecer o Sr. Makonen, funcionário da
Missão etíope para as Nações Unidas no início
da década de 1970.

Além disso, o Sr. Windsor é o autor do livro:


O vale dos Ossos secos; subtitulado, as
condições que enfrentam pessoas negras na
América. Como resultado de algumas
dificuldades com várias empresas de livros, o
Sr. Windsor estabeleceu sua própria empresa
chamada Publicações da série dourada de
Windsor. Em 1988, Windsor redesenhou seu
primeiro livro; da Babilônia a Timbuktu.

Mais uma vez, o Sr. Windsor ao longo dos


anos, apareceu em programas de rádio e TV,
ensinou conferências em congregações,
organizações, universidades e viajou para a
Europa e o Oriente Médio.
Prefácio

Este livro destina-se a complementar a


literatura existente sobre a história hebraica
africana e negra. Para obter um
conhecimento de fundo da história das raças
negras, o leitor é instado a começar no início
e continuar até o fim. O objetivo é apresentar
material que não só informará e interessará o
leitor, mas transmitirá a verdade,
autoconfiança e orgulho racial ao homem
negro e, ao mesmo tempo, ilumina o público
em geral sobre as contribuições para a
civilização das antigas raças negras.

Eu consultei muitos estudiosos na compilação


deste trabalho. Basil Davidson é uma
autoridade na história africana; Além disso,
Allen H. Godbey e Joseph Williams são
excelentes estudiosos sobre os hebreus
negros, mas não hesitei em diferir deles em
alguns casos.

Me convém expressar minha dívida com a


faculdade do Colégio Gratz que me ensinou
muito e ajudou a tornar este livro possível.
Entre estes, há estudiosos tão distinguidos
como Dr. Elazar Goelman (Dean), Daniel
Isaacman (Registrador), Dr. William
Chomsky, Dr. Samuel Pitlik, Dr. Samuel
Kurland, Dr. Sidney M. Fish, Dr. Esra
Shereshevsky, Dr. Samuel T. Lachs, Abraham
Martham, Rabi Shlomo Balter e Rabi Shlomo
Margalit. Eu também quero expressar minha
gratidão a minha família, tios e amigos que
me deram muito encorajamento.

Rudolph W. Windsor
INDICE

1 Civilização Negra Antiga


Sumer e Kush

2 A Origem da Raça Branca

3 Cultura afro-asiática vai para a Europa


Os egípcios

4 Os judeus negros originais


Resumo
Árabes negros, judeus negros e etíopes
Gênesis do cristianismo na Etiópia e na
Arábia
O nascimento do Islã
O primeiro estágio da revolução islâmica
Islã e Judaísmo
As duas filhas do judaísmo
O segundo estágio da revolução islâmica

5 Civilização negra na África


Egito: A Terra do Nilo
O Reino antigo
Mitologia egípcia
O Médio Oriente
O Novo Reino ou o Novo Império
Ikhnaton ou Amenhotep IV
Previsão de Moisés
Ramses II
Cush (Etiópia)
Cushite Conquest
Retenção da Identidade Cushite
Os hebreus de origem negra do Egito e
Etiópia
Tabiban Kamant e Wasambara Jewish
Os judeus da República Malgaxe
Os judeus negros do norte da África
O Império Judeu Negro de Gana
Eldad the Danite
O Império do Mali
O Império de Songhay

6 A Dispersão Final dos Judeus Negros


da África
Início da África do Norte
Os cananeus e fenícios na África
A Cidade e a Linguagem de Hannibal
O Império Moor
Excepcionais judeus negros
A expulsão dos judeus da Espanha e de
Portugal
Os judeus africanos ocidentais durante o
comércio de escravos
Os judeus negros de Angola
Os judeus entre os Ashantees
Os judeus negros de Dahomey
Judeus Yoruba da Nigéria

Conclusão

Epílogo
Capítulo 1

CIVILIZAÇÃO NEGRA ANTIGA

Mais de seis mil anos atrás, na terra chamada


Mesopotâmia, desenvolveu a civilização mais
notável conhecida da humanidade. Esta
civilização foi centrada entre os rios Tigris e
Eufrates. Esses rios começam nas montanhas
da Armênia e circulam em direção sul-leste
em direção ao Golfo Pérsico. O solo desta
área é tremendamente fértil devido aos
depósitos aluviais trazidos pelos dois rios. A
civilização europeia desenvolveu-se a partir
da antiga civilização negra. Sem essa
civilização negra, a dominação branca e a
influência como a conhecemos hoje teriam
sido improváveis.

Várias tribos diferentes estavam


entrincheiradas na parte sul da região do
Tigris-Eufrates. Esta seção do sul foi
conhecida em diferentes momentos por
muitos nomes, entre os quais estão Sumer,
Akkad (ou Accad) e Caldéia; mas o nome
mais conhecido é a Babilônia. Esta área
também era a localização do Jardim do Éden,
e as pessoas desta região eram negras.

Eu provarei de forma conclusiva que os


negros têm a história mais antiga de todos os
seres humanos. A melhor fonte disponível a
prova é a história dos judeus, conhecida
como a Bíblia. Em Gênesis 2:10 está escrito:
"E um rio saiu do Éden para regar o jardim, e
daí se separou e se tornou quatro cabeças".
Havia quatro rios que irrigavam o Jardim do
Éden. Devo citar primeiro os rios terceiro e
quarto; então eu vou para os rios primeiro e
segundo, porque se encaixa melhor na minha
linha de raciocínio. Gênesis 2:14 lê: "E o
nome do terceiro rio é Hiddekel: é isso que
vai para o leste da Assíria. E o quarto rio é o
Eufrates".

Comentadores e estudiosos identificaram o


rio Hiddekel; eles dizem que é o rio Tigris.
Agora devo citar Gênesis 2:13: "E o nome do
segundo rio é Giom: o mesmo é o que
compõe toda a terra da Etiópia". Porque o
Jardim do Éden está associado à terra da
Etiópia, podemos concluir que as pessoas
eram pretas. Rashi, o comentarista do século
XI na Bíblia, disse que o Gihon é o rio Nilo
que se curva através da África oriental. Rashi,
provavelmente, faz isso porque o Nilo flui na
Etiópia e para o Egito.

O Dr. Speiser, que era professor na


Universidade da Pensilvânia, disse: "Não há
nenhuma base para o desvio do Gihon para a
Etiópia (ele quis dizer a Etiópia na África),
para não mencionar o Pishon em várias
regiões remotas do mundo." Eu concordo
com o Dr. Speiser que não devemos procurar
o Gihon na África, nem o Pishon em uma área
remota da Terra; mas que devemos buscar o
Pishon e o Gihon no vale do Tigris-Eufrates.
Havia duas nações etíopes na antiguidade
(leste da Etiópia e oeste da Etiópia). Este
ponto, o Dr. Speiser não conseguiu elucidar,
possivelmente por causa de um descuido.
Havia uma civilização etíope no sul da
Mesopotâmia (Babilônia), mas as pessoas
nessa região não usaram seu nome tribal,
Ehiopia, para designar sua nacionalidade.
Eles se chamavam pelo nome das cidades
que eles construíram e habitavam, ou se
chamavam por um evento que acontecia lá;
Por exemplo, Deus confundiu o idioma das
pessoas comiam a Torre de Babel (Babel
significa confusão em hebraico).

É por isso que as tribos etíopes se chamavam


babilônicas, referindo-se ao nome da cidade
que construíram. São muitas nações que não
são designadas por sua verdadeira
nacionalidade; Por exemplo, os australianos
brancos vieram para a Inglaterra, mas os
ingleses que vivem na Austrália não se
chamam pelo nome ancestral. Eles se
chamam pelo nome do país que colonizaram,
o que é Autrália. As pessoas da Austrália
estão representadas nas Nações Unidas pelo
nome de sua nação (Austrália) e não sob seu
nome ancestral, a Inglaterra.

As pessoas que residiam na parte inferior do


vale do Tigre-Eufrates eram etíopes, de tez
negra. Nós lemos em Gênesis 10: 8 que
"Cush gerou Nimrod; ..." A palavra Cush
significa a Etiópia, e Cush foi o pai dos
etíopes. Para o significado da palavra Cush,
veja Webster's New Collegiate Dictionary.
Nimrod era um poderoso conquistador e
construtor etíope na terra de Shinar.
Encontramos em Gênesis 10: 8-10, que
Nimrod governou cidades como: Babilônia,
Erech, Accad (ou Akkad); Todas essas
cidades estão situadas na terra de Shinar.
Outro nome para Shinar é Sumer. Essa
civilização era de ordem alta e uma das
civilizações mais antigas da antiguidade. Em
Gênesis 10: 7 lemos: "E os filhos de Cush:
Seba e Havilah, ..." Agora aprendemos que
Havilah era filho de Cush, que era etíope. A
palavra Havilah tornou-se o nome de uma
tribo e uma região, conhecida como a Terra
de Havilah; Além disso, estudiosos
localizaram esta terra perto do Golfo Pérsico.

Em busca da Terra de Havilah, descobrimos


que havia outro Havilá que era um dos filhos
de Joktan (leia Gênesis 10: 26-29); mas este
Havilah foi da linha de Shem, leia Gênesis
10:22. Noé teve três filhos: Shem, Ham e
Japeth. Os filhos de Shem se chamam
Shemites. Os filhos de Ham são chamados
Hamitas, e os filhos de Japé são chamados de
jafitas. Não devemos confundir Havilah, o
filho de Joktan, com Havilah, filho de Cush, é
pretendente em Gênesis 2:11 para ser o
Havilah da Terra de Havilah; porque Havilah
era um Cushite (etíope), sua habitação seria
naturalmente adjacente ao seu irmão,
Nimrod, que governou a Babilônia.

Abraão foi um dos pais das doze tribos de


Israel; e o pai de Abraão (Terah) veio da
terra de Ur dos caldeus, Gênesis 11: 26-28. A
terra de Ur dos Caldeus estava localizada na
parte sul do Eufrates.

Os caldeus eram uma das muitas tribos


cusitas. Cush significa preto, de acordo com o
dicionário bíblico. Este dicionário define ainda
mais: "Cush, o nome de um filho de Ham,
aparentemente o mais velho, e de um
território ou territórios ocupados por seus
descendentes. Os Cushites pareciam ter se
espalhado por caminhos que se estendem do
Nilo superior para o Eufrates e o Tigre rios. A
história oferece muitas conexões entre
Babilônia, Arábia e Etiópia ". Há evidências
mais do que suficientes de que as antigas
nações de Babilônia, Akkadia, Suméria,
Caldéia foram habitadas por tribos cusitas
(etíopes), em todos os lados dos rios Tigris e
Eufrates.
Os rios Pishon e Gihon mencionados em
Gênesis 2: 11-13, fazem o vento e
atravessam a Terra de Havilah, em algum
lugar perto do Golfo Pérsico. Embora seja
difícil identificar esses dois rios exatamente,
provavelmente o centro do Jardim do Éden
estava na parte inferior do vale do Tigris-
Eufrates. Esta foi a região mais fértil do
Oriente Médio, com seus muitos canais e
lagos. Não era de admirar que fosse chamado
de Jardim do Éden. Estava tão bem regada
que a vegetação parecia melhor do que um
parque inglês. Os rios Tigris e Eufrates se
juntam antes de chegarem ao Golfo Pérsico;
então eles se separam novamente, fazendo
quatro rios dos canais desses dois rios. Esta é
uma das teorias das autoridades mais
votadas.

Os nomes modernos dos rios que fluem para


o Tigris e o Eufrates são: o Grande Zab (sul
de Nínive), o Zab pequeno (sul do Grande
Zab); o rio Diyala flui para o Tigris em Bagdá,
no Iraque.
Sumer e Kish

Antes da dispersão da humanidade na "Torre


de Babel", esta região não se chamava
Babilônia. Foi só depois da confusão do
idioma e da dispersão do povo, que o nome
de Babel foi dado à Torre. Esta conclusão é
alcançada por via lógica. Qual era o nome
dessa região e da Torre antes da confusão da
linguagem e da dispersão: o Dicionário de
Webster (seção do modelo) diz que Sumer é
a divisão sul da antiga Babilônia.

Além disso, este mesmo dicionário diz na


página 849, sumério: "a população pré-
semita do Vale do Eufrates inferior. "

A "população pré-semita" significa que os


sumérios negros estavam lá primeiro. Este
ponto está em harmonia com a minha
posição original de que as pessoas na
Mesopotâmia inferior eram os etíopes
orientais. Esses sumérios ou etíopes e seus
parentes parecem ter se estabelecido ao
longo de tratos da Mesopotâmia à Índia. Esta
área inclui agora: sul do Irã, Afeganistão,
Paquistão e noroeste da Índia. As primeiras e
segundas alusões a Suméri na Bíblia estão
em Gênesis 10:10, 11: 1 sob o nome de
Shinar. O dicionário de Webster (seção do
modelo) sugere essa relação de Shinar e
Sumer. Existe definitivamente uma relação
de sangue entre as tribos dravídicas da Índia
e os sumérios etíopes. A civilização suméria
precedeu a Babilônia. Os sumérios fundaram
cidades que existiram mais de 4.000 anos,
B.C, tais como: Eridu, Lagash, Nippur, Kish e
Ur. Arqueólogos em Ur e Kish. As estatuetas
sumérias antiquadas se assemelham às
estatuetas da civilização dravídica.
Capítulo 2

A ORIGEM DA RAÇA BRANCA

Após a destruição da humanidade pelo


dilúvio, Noé e sua esposa, esses três filhos e
suas esposas foram os únicos que foram
salvos. (Os filhos de Noé eram Sem, Jambo e
Jafé. Dos três filhos de Noé estava toda a
terra povoada.) A Arca descansava no monte
Ararat. Mt. Ararat estava localizado na terra
da Armênia. As palavras Armenia e Ararat
significam um terreno alto.

A terra inteira nesse momento era de um


discurso e de um único idioma. A maioria das
pessoas morava na planície de Shinar; em
hebraico, o vale de Shinar. Os homens
começaram a se reunir no território e a
construir uma torre até o céu. O historiador
judeu, Flavius Josephus, diz: "O ouro também
os envolveu para enviar colônias para o
exterior para o povoamento completo da
terra", mas as pessoas não obedeceram a
Deus. Agora, quando o homem estava no
processo de construção da torre, Deus
reprovava sua construção porque mostrava
uma descrença no mundo. O Divino prometeu
a Noé que Ele não iria destruir a terra
novamente pela água. Nimrod, o etíope, era
um homem poderoso e um conquistador. Ele
segurou o povo sob sua ditadura. Quando
Deus considerou o que foi feito, confundiu o
idioma dos homens e espalhou-os para as
quatro direções da terra.

Os filhos de Noé foram: Sem, Jambo e Jafé,


porque o mundo foi povoado desses três
filhos de Noé, é apropriado classificar os
homens somente de acordo com essa
classificação: semitas, hamitas e jafitas; e
não Caucasoide, Mongoloide, ou Negroide. A
categoria Latter é uma classificação
antropológica moderna que abordaremos
mais detalhadamente mais adiante.

As partes da terra habitadas pelos filhos de


Shem foram: partes do território da Assíria e
Elam (Pérsia) a leste do rio Tigris, da parte
oriental da Síria e partes da península
arábica. Todos os filhos de Shem eram
negros. Esta posição será apoiada por
argumentos e fatos mais tarde. A segunda
classificação da humanidade foi o Hamites,
que controlou os grandes centros de
civilização na antiguidade (4.000 aC) logo
após o dilúvio. Esta civilização incluiu o
continente africano, a terra de Canaã (Israel),
partes da Arábia, Síria, Fenícia, Turquia,
Babilônia, Pérsia do Sul (Irã), Paquistão
Oriental e grande parte da Índia.

A terceira classificação da humanidade era os


jafitas, de Jafé, que era o filho mais novo de
Noé. A descendência de Jafé ocupou as "Ilhas
dos Gentios", os territórios terrestres do Mar
Mediterrâneo na Europa e partes da Ásia
Menor - de onde se espalharam para o norte
por todo o continente europeu e uma grande
parte da Ásia.

Após a arca de Noé descansar na Montanha


de Ararat e a dispersão dos filhos dos homens
na "Torre de Babel", os descendentes de
Japheth viajaram para o oeste, norte e
nordeste da Montanha de Ararat e montanhas
do Cáucaso.

Os japoneses se estabeleceram perto das


montanhas Taurus e Amanus na Turquia. Eles
viajaram para o rio Tanais no sudeste da
Rússia e, na Europa, para Cádiz (Espanha).

Os filhos de Jafé foram: Gomer, Magog,


Javan, Tubal, Meshech e Tiras (Gene 10: 2).
Gomer era o antepassado dos primeiros
cimerianos e dos Cimbri mais atrasados,
incluindo outros ramos da família celta, e dos
dias atuais Gaels da Irlanda, da Escócia e das
Ilhas das Ilhas Hebrides. Estes cimerianos
foram descritos por Homero, o grego, como
habitando um lugar remoto de neblina e
escuridão. Este lugar estava localizado ao
norte do Mar Negro.

O segundo filho de Jafé foi Magog, o pai dos


Magogites. Flavio Josefo disse que os gregos
chamavam essas pessoas citas. Os citas
incluíram todas as tribos errantes que
moravam principalmente perto do norte do
mar Negro e do mar Cáspio. Eles eram
considerados pelos antigos como
tremendamente carentes de inteligência e
civilização.

O terceiro filho de Jafé era Madai, o pai dos


medos. Estavam localizados na parte sul do
Mar Cáspio; e depois se uniram aos persas
para formar uma raça.

De Javan, o quarto filho de Jafé, vieram os


ionianos e todos os gregos.

Tubal, o quinto filho de Jafé, em associado a


Javan (Isaías 66:19). Mesec e Tubal (Ezeq.
32:26 e 39: 1) são nações do norte (norte do
ponto focal da terra de Israel). Josefo
identificou os descendentes de Tubal com os
primeiros ibéricos (Iberes). Eles eram os
habitantes do território entre os mares do
Mar Cáspio e Euxine, que é a Geórgia no sul
da Rússia. O último filho de Jafé foi Tiras, pai
ou antepassado dos tracios. Esta terra,
Thrace, estava situada ao norte da Turquia,
Ásia Menor e nordeste da Grécia. O neto de
Japheth, Ashkenaz, formou a raça germânica;
No idioma hebraico, a palavra significa
alemão.

Em 378 A.D, as tribos germânicas estavam


em movimento. Eles eram conhecidos sob
estes nomes: Lombards, Burgundians,
Franks, Saxons, Angles, Jutes, Ostrogoths,
Visigoths, Suevis e Vandals.
Essas dez tribos bárbaras germânicas se
estabeleceram em toda a Europa ocidental e
se misturaram com as nações modernas da
Europa ocidental, como as conhecemos hoje.
Todas essas tribos eram descendentes de
Japheth.

As pessoas antigas não classificaram as raças


de acordo com a cor da pele, como as nações
modernas da Europa e da América. Os
antigos, incluindo os gregos e romanos,
identificaram pessoas de acordo com seus
nomes nacionais ou tribais. Eles usaram
nomes como visigodos, vândalos, saxões,
etíopes, cartagens, judeus, árabes, persas,
babilônios, egípcios e mouros. Eles não
usaram o termo Negro (que é um termo
moderno) para se referir às raças negras ou a
palavra Caucasiano para se referir às raças
brancas. Dividir o mundo ao longo de uma
linha de cores foi uma idéia que se originou
com os supremistas brancos na Europa após
o Renascimento. Os europeus não tiveram
nenhuma civilização excelente imediatamente
após a queda da Grécia e Roma.
Durante a Idade Média, as nações negras da
África e da Ásia tiveram a maior influência
política, econômica, educacional e militar no
mundo. Neste momento, a Europa existia em
um estado de escuridão por mil anos. No
século XVII e mais tarde, a Europa começou
a emergir da lama da ignorância, e certos
alemães e outros conceberam-se como
pertencentes a uma raça superior. Johann F.
Blumenback, um alemão (1752-1840), foi o
primeiro a dividir a humanidade com base na
cor da pele. Até este momento, não foram
feitas tais tentativas. Sua classificação
estabeleceu uma linha de cores, em
detrimento das gerações posteriores.

O Sr. Blumenback classificou cinco raças


principais da humanidade: o caucasiano, o
mongol, o etíope, o americano (os índios
americanos) e o malaio. Além disso,
considerou que o caucasiano era a raça
original. Clarumenbach, o antropólogo,
chamou os brancos após as Montanhas do
Cáucaso (estas montanhas estão situadas
entre os mares do Preto e do Mar Cáspio),
porque achava que os mais brancos se
originavam ali. Blumenbach era um racista e
também era J. A. Gobineau. Um terceiro
homem chamado H. S. Chamberlain queria
avançar a supremacia da raça nórdica branca
e sua cultura. Estes atribuíram valor e
importância psicológica à raça. Este foi o
racismo e a perseguição dos judeus na
Alemanha nazista. T. R. Garth escreveu em
seu livro Race Psychology (1931), Qualquer
disposição de nossa parte para reter de
alguma raça o direito

Como eu provarei, as primeiras civilizações


começaram no norte da África e no Oriente
Médio entre as raças negras. Leia sobre os
asiáticos negros em: Herbert Wendt's Iniciou
em Babel, um livro sobre a origem das
corridas (pp. 125-129 e p.368).

Nós temos mais do que prova adequada de


que as raças brancas começaram perto das
montanhas do Cáucaso e, a partir daí, elas se
espalharam para o norte, noroeste e nordeste
na Europa e na Rússia asiática. Agora,
sabemos que os Japhites (europeus) são
brancos hoje. Eles eram originalmente
brancos a partir de seu antepassado,
Japheth, ou uma mudança se materializou na
cor da pele dos descendentes de Japheth?
Esta questão é difícil de responder. Foi-me
dito que Japheth era um homem negro, mas
queria ser branco, então Deus o mudou para
um homem branco. Falta evidência para essa
teoria. No entanto, cientistas e antropólogos
encontraram diferentes tipos de mutações em
certas partes do mundo. Uma mutação física
é uma variação ou mudança súbita, a prole
diferente de seus pais em alguma
característica excepcional; também uma
mudança importante nos cromossomos ou
genes que determinam a hereditariedade. O
cabelo louro entre os aborígenes australianos
negros é um exemplo de uma mutação; e
provavelmente os albinos são um bom
exemplo de mutações com sua pele branca,
cabelo lã, lábios grossos e narizes etíopes.
Qualquer mudança repentina do normal deve
ser considerada como uma mutação. Outros
exemplos de mutações são loirismo ou
brancura entre macacos, macacos e
chimpanzés.
Principais mutações ou mudanças ocorreram
entre os descendentes de Japheth. Isso é
óbvio devido à sua pele branca. Em outras
palavras, eles eram negros ao mesmo tempo,
mas sua pele mudou para branco. Esse
fenômeno pode ser entendido em vista da
população mundial total. Em dois países da
população do mundo, existem pessoas
coloridas. Essa é uma proporção de 2-1. Dois
dos três filhos de Noé permaneceram negros.
Sabemos que isso é verdade porque muitas
pessoas em toda a África, Ásia, América
Latina e as ilhas do Oceano Pacífico são
amarelas, castanhas ou pretas. Eles têm
características faciais como os africanos
congênitas, especialmente os vietnamitas, os
filipinos, os povos da Índia (eles são uma
mistura de dravidianos negros e indo-
europeus), tailandeses, birmaneses,
indonésios, guineenses, Sumatrans e os
aborígenes da Austrália, etcétera. . Você
pode ter uma boa idéia das características
dessas pessoas lendo as revistas geoprásicas
e observando os estudantes estrangeiros que
vêm desses países.
Houve uma invasão indo-européia
(germânica) do Oriente Médio entre 2000 e
1500 aC. Essas tribos germânicas se
misturaram com as pessoas negras em todos
os lugares que viajaram. Esta mistura fez das
pessoas na Síria, na Babilônia, na Assíria, na
Pérsia, na Índia e em partes da Arábia muito
mais claras. Agora, a cor das pessoas nesta
região varia de marrom a amarelo. As
invasões grega e romana também tornaram
essas pessoas no Oriente Médio mais leves.
Outro fato que não devemos esquecer é que
os mouros e os árabes do norte da África
capturaram e estupraram mulheres
européias. Como resultado, a África do Norte
capturou e estuprou mulheres européias.
Como resultado, os norte-africanos ficaram
mais leves. Ao mesmo tempo, essas pessoas
no norte da África e no Oriente Médio eram
todas negras. Os brancos misturaram seu
sangue com negros na Ásia, África e no
Hemisfério Ocidental. Apesar disso, as
pessoas coloridas do mundo controlam cerca
de três quilômetros da área geográfica da
Terra. Porque as pessoas coloridas do mundo
estão em uma maioria, é apropriado inferir
que os brancos sempre foram uma minoria e
que os negros são o povo original da
humanidade.

É interessante e significativo aprender que os


Japhites (europeus) viajaram para noroeste,
norte e nordeste da região montanhosa do
Cáucaso para a Europa.

Isso me dá a impressão de que os Japhites


estavam isolados ou que se isolavam da
civilização e dominação de Nimrod, que
começava na terra da Mesopotâmia.

Quando os Japhites se separaram na "Torre


de Babel", a teoria e probabilidade é que eles
ficaram brancos. Há muitos casos de
indivíduos que ficam brancos na história
bíblica judaica. Quando Deus queria mostrar
a Moisés um milagre, ele tornou sua mão
branca na neve; então ele voltou a voltar
para sua cor original (preto). No antigo
Israel, quando um homem tinha uma mancha
branca em sua pele, ou cabelos brancos ou
amarelos, ou pele branca um tanto
avermelhada, ele era impuro. Todas as
pessoas que foram vítimas desta doença
vergonhosa foram isoladas fora do
acampamento ou da cidade. Aqueles que
tinham lepra eram chamados de leprosos e
tinham que gritar "impuro, impuro". Todas as
pessoas do mundo antigo que tinham cabelos
amarelos e lepra eram desprezadas e
segregadas. Esta é uma das razões pelas
quais os supremistas brancos discriminam os
negros hoje. Miriam e Aaron falaram contra
Moisés e difamaram seu personagem porque
se casou com uma mulher etíope. Como uma
punição, Deus atingiu Miriam com lepra e ela
ficou "branca como a neve". Agora, muitas
pessoas se enganaram pensando que Miriam
e Aaron falaram contra ela porque ela tem
uma mulher negra; Mas este não é o caso,
porque Miriam, Aaron e Moisés eram todas
pessoas negras. Eles falaram contra Moisés
porque a mulher etíope era de uma religião
diferente. A questão da cor não existia no seu
dia.

Para provar o seu ponto de vista, os israelitas


habitavam entre os Hamitas (cananeus,
heteus, amorreus, perizeus, heveus e
jebuseus). Eles se casaram entre si. "Todos
os filhos de Israel fizeram o mal aos olhos do
Senhor, e serviram a Baalim" (o Deus ídolo).
Por ter servido o ídolo, Baalim, o Deus de
Israel se irritou e os vendeu na escravidão.
Era a adoração dos ídolos, e não os
casamentos que Deus reprovava. Os
casamentos eram proibidos porque Deus
temia que as raças alienígenas persuadissem
os israelitas a adorarem seus ídolos; mas no
caso de Moisés, ele havia convertido a mulher
etíope em sua religião. Miriam e Aaron
usaram a mulher etíope como uma desculpa
para desafiar a autoridade de Moisés.

Era uma disputa familiar de ciúmes entre os


três.

Além disso, Miriam e Aaron eram mais velhos


do que Moisés. Eles disseram: "O Senhor
realmente falou apenas por Moisés? Ele
também não falou por nós?" E o Senhor ouviu
isso. Em outro caso de lepra, Deus mostrou a
Moisés alguns milagres para mostrar aos
filhos de Israel, que eles acreditariam que
Moisés foi enviado por Deus. Neste caso, a
mão de Moisés ficou branca.
Naaman e Gehazi tinham lepra. Escreverei
um resumo desta história: Naaman foi o
capitão do exército sírio. Ele adquiriu lepra
(furúnculos e branqueamento da pele). Ele
queria curar-se. Então ele ouviu falar de
Eliseu, o profeta. Eliseu disse-lhe para
mergulhar sete vezes no rio Jordão. Naaman
obedeceu e ele foi curado. Uma recompensa
foi oferecida a Eliseu, mas ele recusou. Um
servo de Eliseu, chamado Geazi, queria a
recompensa que seu mestre (Eliseu) recusou.

Então Geazi correu para procurar Naamã.


Quando ele o encontrou, ele pediu a
recompensa e disse que seu mestre o havia
enviado pela recompensa e disse que seu
mestre o havia enviado. Isso, é claro, era
uma mentira. Quando Geazi voltou a Eliseu,
Eliseu disse: "Eu sei que você não adquiriu
roupas, jardas de oliveiras e todo tipo de
riqueza por meio de subterfúgios. Portanto, a
lepra que Naamã teria se debruçará para
você e para você semente (descendentes)
para sempre"; e ele partiu de sua presença
um leproso "tão branco como a neve". Este
tipo de hanseníase afetou os órgãos
reprodutivos (genes e cromossomos que
determinam características hereditárias) em
seu corpo. Isso significava que todos os seus
filhos produziam descendentes brancos,
mesmo que ele fosse um homem negro no
início. Esta foi a maldição de Geazi.
Capítulo 3

CULTURA AFRO-ASIÁTICA VAI PARA A


EUROPA

Os verão, os babilônios e os etíopes eram


pessoas negras. Contribuíram para o avanço
da civilização. Por estudar astrologia, eles
eram capazes de formular muitos princípios
da astronomia. Esses negros eram tão sagaz
e hábil que conseguiram dividir os anos em
meses, semanas, horas, minutos e segundos.
Em matemática, eles desenvolveram o
sistema decimal.

O mais famoso dos reis da Babilônia foi


Hamurabi, que governou cerca de 2150 aC.
Ele foi notável por sua codificação de um
sistema de leis fundado em retaliação como a
medida punitiva para o crime. Ele também
estabeleceu uma semana de sete dias, com o
último dia um dia de descanso ou sábado.
Essa idéia foi adotada pelos hebreus e depois
transmitida aos gregos, romanos e outros
europeus.

A literatura dos babilônios é bastante


interessante. Há muito tempo, esses negros
escreveram com um instrumento afiado em
comprimidos de argila. Milhares desses
comprimidos foram encontrados; e alguns
deles revelam uma obra popular conhecida
como Enuma Elishor the Creation Epic. A
história de como o mundo começou derivou
dos babilônios.

Após a dispersão da humanidade na "Torre de


Babel", os Hamites negros migraram para o
leste, o sul, o sudoeste e o oeste. Estes
Hamites negros se estabeleceram na terra de
Canaã (mais tarde foi chamado Israel). A
terra de Canaã recebe é o nome do filho mais
novo de Ham, que era Canaã. Os cananeus
eram os aborígenes primordiais da terra de
Canaã. Podemos chamá-los de africanos por
causa de sua relação de sangue com os
outros habitantes do continente africano.
Havia onze tribos cananitas que viviam na
terra de Canaã e a cercavam antes que os
israelitas negros a possuíssem.

As maiores cidades culturais e comerciais


desses cananeus negros eram Tire e Sidon,
às vezes escrevia Zidon. Esta cidade recebe o
nome de Sidon, filho primogênito de Canaã.
Os Sidonianos e os Tyrianos eram da mesma
raça, e seus reis governavam sobre ambas as
cidades.

Em muitos livros de história, você vai ler


sobre os Sidonianos sob o nome de Fenícia.
Os gregos chamavam os fenícios dos
Sidonianos (terra da palmeira) porque
encontraram muitas palmeiras três lá; mas
os sidônios chamaram a sua nação pelo nome
de Kennan (Canaã). Fenícia, ou terra dos
Sidonianos, estava localizada ao norte da
Palestina, ao longo da costa do Mar
Mediterrâneo; delimitada por esse mar a
oeste e pelas cordilheiras do Líbano a leste.
Tire e Sidon foram fundados cerca de 2300
aC. As Tabelas Tell-el-Amarna mostram que
Tiro foi um lugar de grande força no século
XV aC. Sidon ainda era mais velho. Durante
muito tempo era a única cidade negra fenícia
conhecida pelos gregos.

Mesmo depois que Tiro assumiu a liderança,


os gregos e os hebreus falaram dos fenícios
como sidônios, e o rei Ethbaal de Tiro é
chamado de Rei dos Zidonianos.
Esses negros dominavam filosofia,
astronomia, geometria, aritmética e
navegação. Eles tinham bons portos, o que
lhes permitia navegar para terras distantes
como: Chipre, Sardenha, Creta, Rodes, Cádiz
(na Espanha), Sicília, Carthage (no norte da
África, perto de Túnis), Tânger, Ophir e Ilhas
Canárias. Esses fenícios também eram
especializados em trabalhos de metal,
agulhas e bordados. Eles extraíram tintura de
marisco abundante nas águas adjacentes.
Este corante tornou-se conhecido mais tarde
como Tyrian roxo. Eles fizeram o vidro da
areia branca da costa mediterrânea.

Os fenícios falaram uma língua Hamitic-


semítica tão alinhada ao hebraico que fenícios
e hebraicos, embora dialetos diferentes,
praticamente podem ser considerados como a
mesma língua. Como foi dito anteriormente,
havia onze tribos cananitas: Sidonianos,
Hitites, Jebuseus, Amorreus, Gigarsitas,
Hivites, Arkites, Sinitas, Arvaditas, Zemaritas
e Hamathitas. O hebraico tem sua origem na
língua cananeita. Quando Abraão veio da
região de Babilônia para a terra de Canaã,
encontrou o idioma cananês semelhante à
sua própria língua. Abraão se comunicou
muito bem com os habitantes da nova terra,
adotou a língua cananeana, fez certas
modificações, e tornou-se conhecido como
hebraico. A língua hebraica era muito
semelhante ao cananeu diz o dicionário da
Bíblia. Fenícios ou cananeus podem ser
classificados como uma língua africana
porque os cananeus eram irmãos de sangue
de egípcios, etíopes, nubianos, sudaneses e
outros africanos. Os fenícios estabeleceram
uma colônia no norte da África chamada
Carthage, e eles (os cartagineses) sempre se
consideravam cananeus.

Quando Moisés levou os israelitas negros do


Egito (norte-leste-africano), Moisés morreu
no deserto. O Josué levou os israelitas à terra
de Canaã e despojou os cananeus. Agora,
está escrito em um livro judeu chamado
Talmud Babilônico:

“Pois quando os africanos vieram implorar os


judeus antes de Alexandre de Macedônia,
eles disseram que Canaã nos pertence, como
está escrito, a terra de Canaã com a sua
costa; e Canaã foi o antepassado dessas
pessoas (nós mesmos).”

Estes cananeus ou africanos foram expulsos


da terra de Canaã por Josué. Cerca de 332
B.C. Alexandre conquistou a Palestina.
Conforme mencionado acima, os africanos
chegaram a Alexandre alegando que a terra
de Canaã pertencia a eles. O ponto que eu
quero elucidar é que esses cananeus se
consideravam africanos. Consequentemente,
podemos dizer corretamente que a língua
hebraica-cananeita é uma das línguas
africanas.

Muitas das casas particulares desses negros


estavam equipadas com cisternas para
armazenar água.

A riqueza da Fenícia (ou Carthage) se


baseava em procedimentos técnicos
clandestinos na fabricação, minas secretas de
metais vantajosos e caros, postos ocultos de
comércio secreto nas áreas remotas da
Etiópia para os Pilares de Hércules. Seu
conhecimento de navegação permitiu que
eles alcançassem as Ilhas Britânicas e o
Oceano Ártico.

O alfabeto inglês derivava de duas antigas


nações negras: o alfabeto fenício-cananeu e o
hebraico. Os fenícios tinham uma poderosa
marinha; eles eram um grande comerciante.
Quando os fenícios trocaram com os gregos,
os gregos não tinham um alfabeto. Como
resultado, eles adotaram o alfabeto fenício
para realizar negócios. Os gregos passaram
este alfabeto para os romanos, e os romanos
o transmitiram às tribos anglo-saxônicas
alemãs. Então foi trazido para as ilhas
britânicas. As duas primeiras letras do
alfabeto fenício e hebraico são Aleph e Bet,
que é semelhante ao alfabeto wolrd.

Os fenícios negros também deram um


sistema de pesos e medidas aos europeus.

A cidade de Carthage foi chamada de "Rainha


do Mar". Os cartagineses controlaram o
comércio no mar Mediterrâneo. Uma nova
nação surgiu na península da Itália (Roma,
que desafiou o interesse comercial e a
supremacia de Cartago no Mediterrâneo. Este
estado de hostilidade levou a três longas
guerras chamadas Guerras Punicas. A
primeira Guerra Punica foi nos anos 264-241
BC, principalmente batalhas navais que a
Itália venceu. A segunda Guerra Punica foi
travada nos anos 218-201 aC. Um general
negro, o nome Hannibal, era a figura
extraordinária que fez o que era considerado
impossível ao atravessar os Alpes com
elefantes. Na Itália, ele foi vitorioso sobre os
romanos. Ele era muito engenhoso e astuto.
Quando ele entrou em uma situação difícil ao
mesmo tempo, ele dirigiu rebanhos de gado
para os romanos. Suas vitórias inesperadas
surpreenderam e aterrorizaram a cidade de
Roma. Mas, no final, porque da falta de
homens e suprimentos, ele teve que retornar
à África (Carthage). A terceira Guerra Punica
foi nos anos 149-146 aC e lutou contra Zama
na África. Por causa da habilidade de
Hannibal na guerra, sua estratégia é ensinada
em colégios militares em todo o mundo.

Os egípcios

Os egípcios são africanos e descendentes dos


hamitas. Todos os Hamites são descendentes
de seu pai, Ham. O primeiro egípcio se
chamava Mizraim de acordo com os hebreus.
Este Mizraim era filho de Ham (Gênesis 10:
6).

Estudantes antigos e modernos


estabeleceram a localização de Mizraim como
o Egito. A palavra Mizraim é uma forma
plural, que significa o Alto e o Baixo Egito.

Cerca de trinta trezentos anos antes da era


cristã, o Egito foi dividido em dois reinos. Um
grande Pharoah preto (Rei) chamado Menes
uniu esses dois reinos pela conquista. Os
faraós posteriores usavam uma insígnia
dinástica em sua coroa; a serpente do Baixo
Egito, representando o tempo em que o Egito
foi dividido.

Estes faraós subseqüentes continham o título


de "Rei do Alto e Baixo Egito". Depois que o
Egito foi unido, sua marinha saiu para o
Mediterrâneo e trocou com os habitantes das
cidades costeiras e ilhas, como Creta e
Chipre.

Há milhares de anos, os egípcios


estabeleceram governos poderosos e
construíram impérios que se estendiam em
todas as direções. Eles até dominaram seus
irmãos cananitas na Palestina por um longo
período de tempo. Estes egípcios negros
eram proficientes em matemática, medicina,
engenharia e agricultura. Eles usaram
geometria para resurvey a terra todos os
anos após o rio Nilo transbordou. Pitágoras, o
matemático grego, aprendeu matemática dos
egípcios negros. Aliás, a álgebra veio da
palavra árabe aljebr, e isso significa a ciência
das equações. Quando os negros mouros
conquistaram Espanha e Portugal, levaram a
álgebra para a Europa.

"E Mizraim gerou Ludim e Anamim, e


Lehabim, Naphuhim e Pathrusim, e Casluhim,
de quem vieram filisteus (filisteus) e
Caphtorim". Quando Mizraim gerou seus
filhos, moraram no Egito; exceto os
Caphtorim e os filisteus que habitaram a ilha
de Creta no mar Mediterrâneo.

Nos tempos remotos, as pessoas não só da


Ásia e da África eram negras, mas também
as pessoas das terras do sul do país no Mar
Mediterrâneo. As raças negras que
controlavam o comércio e as colônias
estabelecidas no Mediterrâneo eram fenícios
e filisteus.

Hebert Wendt, em seu livro, começou em


Babel, diz que Creta foi um poder dominante
durante o século II a. C. Este poder cretense
não poderia ser mais do que parte do império
fenício-cartagineso, porque a cidade de
Carthage não caiu até o ano de 146 aC.

Onde a civilização e a cultura européias


começaram: os estudiosos dizem que veio da
África e da Ásia através da Creta. Os
investigadores consideram Creta como o
berço da cultura européia. Existem muitos
mitos em torno da ilha de Creta. Um é: "Foi
para Creta que Zeus (pai dos deuses)
sequestrou a princesa fenícia Europa e ali
gerou três filhos". Zeus veio na forma de um
touro branco e abominou uma princesa
negra, porque os fenícios eram pessoas
negras. Alguns estudiosos acreditam que,
antes da penetração indo-européia do sul da
Europa e da Ásia, a Grécia se chamava
Europa. Provavelmente alguns cretenses se
instalaram na Grécia.
Herbert Wendt diz que o nome da Europa é
derivado da palavra semítica ereb para ser
algo escuro, ignorante e misterioso, e,
portanto, a Europa era a parte escura da
Terra.

Um cataclismo social (terremoto) atingiu a


ilha de Creta e destruiu sua capital em
Knossos cerca de 2.000 aC. Esses filisteus
negros migraram de Caphtor (Creta) para a
terra de Canaã e se estabeleceram ao longo
da costa sul da Palestina. A terra da Palestina
obtém é o nome dos filisteus que habitaram
aquela região.
Capítulo 4

OS JUDEUS NEGROS ORIGINAIS

Originalmente, todos os Hamites e Shemites


(ou semitas) eram negros. Abraão era um
Shemite preto e um descendente de Shem. O
nome de Abraham era Abram antes de ser
referido como Abraham. Os três patriarcas
hebraicos eram Abraão, Isaque e Jacó. Este
Jacob gerou 12 filhos, que mais tarde
geraram as doze tribos de Israel. Abraão era
o pai não só da nação hebraica-israelita, mas
também da nação árabe.

Agora, a mãe e a avó da nação árabe eram


mulheres egípcias Hamite negras, e os pais
da nação árabe eram Abraham e Ismael
(Shemites pretos). Em certo momento, havia
dificuldades entre Sarah (a esposa de
Abraão) e Agar, serva de Sara; então Agar
fugiu da casa de Abraão e morou no deserto.
Josefo, o historiador judeu, escreveu que
Ismael casou com uma egípcia. Como
resultado, ele gerou doze filhos: Nebajoth,
Kedar, Adbeel, Mibsam, Mishma, Dumah,
Massa, Hadar, Tema, Jetur, Naphish e
Kedemah.

Estes doze filhos tornaram-se doze tribos e


habitaram a região do Eufrates até o Mar
Vermelho na península arábica. Este país é
conhecido hoje como a Arábia. Para eles que
não acreditam que os antigos árabes eram
negros.

Gostaria de deixar claro um ponto. Se sua


mãe e minha avó eram pretas, eu acho que
você teria muitas características coloridas.

Abraão, Isaque, Jacó e as doze tribos de


Israel eram todas pessoas negras. Isso eu
vou provar a você por um método gradual.

Depois que José foi vendido no Egito como


um escravo, encontramos no capítulo
quarenta e dois de Gênesis que ele se tornou
o vice-rei do Egito. Os dez irmãos de José
vieram para o Egito (o Egito está na África)
para comprar corne porque uma fome estava
na terra. Todos os recém-chegados que
vieram ao Egito tiveram que comprar milho
de Joseph; mas quando os dez irmãos de
José chegaram à África não o reconheceram.
Eles não o reconheceram porque José cresceu
e os egípcios eram negros como os filhos de
Jacó. Os dez filhos de Jacob consideraram
que Joseph era outro egípcio negro. Sabemos
que isso é verdade porque os dez irmãos
voltaram e relataram ao pai: "O homem que
é o senhor da terra nos falou
aproximadamente..." Além disso, se Joseph
tivesse sido branco, ele teria despertado a
curiosidade de seus irmãos muito
rapidamente. Nós realmente não demos mais
que os israelitas eram negros; mas, por
razões de argumento, vou oferecê-lo.

Em muitos lugares da Bíblia, encontramos os


filhos de Jacó e os israelitas posteriores que
levam mulheres cananeus pretas para
esposas. Se os antigos israelitas não fossem
originalmente pretos, eles seriam após a
mistura de homens e mulheres cananeus
negros.

Quando o rei (Faraó) do Egito promulgou um


edito para lançar todos os bebês do sexo
masculino hebraico para o rio Nilo, Miriam e
sua mãe escondiam o bebê Moisés em uma
cesta junto ao rio. Enquanto isso, a filha de
Pharoah veio sabia que o bebê era um hebreu
e ela o adotou. Se Moisés tivesse sido um
bebê branco, teria sido difícil escondê-lo da
raiva de seu pai. No período de Moisés, os
egípcios negros escravizaram judeus negros.

Outro ponto para provar que os judeus eram


negros são as leis da lepra, escritas no
décimo terceiro capítulo do Levítico, e
explicadas no segundo capítulo deste livro.

O fenômeno mais estranho e surpreendente


sobre a lepra bíblica foi que a pele ficou
branca. Essas leis da lepra foram dadas à
nação de Israel e não podiam se candidatar a
uma nação branca.

Herbert Wendt escreveu em seu livro, It


Began in Babel: "Todas as indicações
apontam para o fato de a Ásia ser o berço da
raça negra".

Está escrito no livro de Daniel 7: 9: "Percebi


até que os tronos fossem abatidos, e o antigo
dos dias se sentasse, cuja roupa era branca
de neve, e os cabelos de sua cabeça como lã
pura, o seu trono era como a chama ardente
e suas rodas como fogo ardente ".
O significado deste versículo é o seguinte:
"Eu vi até que os tronos fossem derrubados".
Os tronos foram colocados e erguidos. "E o
Ancião dos dias que estavam sentados no
trono." E os cabelos de sua cabeça como lã
pura. “Daniel viu uma forma antropomórfica
de Deus julgando as nações sob a aparência
de um homem venerável com um homem
negro de cabelos de lã”. Daniel, O profeta, e
as pessoas em seu ambiente (os babilônios)
devem ter tido os cabelos de lã para ele
sonhar com Deus com cabelos lã.

Muitos israelitas nos tempos bíblicos se


casaram com tribos cananitas-hamíticas; e se
os judeus não fossem negros, os israelitas
tornaram-se muito mais escuros (de uma
garantia) após a mistura.

Resumo

Há evidências mais do que suficientes para


provar que todos os israelitas originais eram
negros, incluindo as nações vizinhas no
Oriente Médio: devemos considerar a
evidência de que os dravidianos eram os
negros originais da Índia; que os cusitas
(etíopes) habitaram o sul da Mesopotâmia;
que Abraão e Ismael se casaram com
mulheres africanas (egípcios); que os
cananeus pertencem à família das nações
africanas; aquele antigo Israel se casou com
essas tribos cananeus pretas; no momento
em que José era viccrito do Egito, seus
irmãos não podiam distingui-lo dos egípcios
negros porque José era negro; Depois que o
Faraó promulgou o decreto cruel para
extirpar os machos hebreus, apenas um
Moisés negro poderia ter sido escondido
efetivamente por qualquer período de tempo
entre os egípcios negros; que Daniel teve um
sonho de um Deus antropomórfico com
cabelos lãos; que as leis da lepra bíblica do
tempo poderiam ser aplicadas apenas a
pessoas muito escuras com cabelos pretos.
Os judeus negros da Índia, da Abissínia
(Etiópia) e da África Ocidental consideram-se
os judeus originais por causa da pureza de
seu sangue israelita; Isto foi afirmado por
Allen H. Godbey.

Agora sabemos que a Ásia era o berço da


raça negra. Como essas pessoas na Ásia
ficaram mais claras? Há cinco respostas a
esta questão: (1) A invasão indo-européia ou
a invasão germânica da Ásia, (2) A invasão
grega do Oriente Médio, (3) A invasão
romana do Oriente Médio e Norte da África,
(4) O comércio de escravos judeus, e (5) O
comércio de escravos árabes. Os invasores
indo-europeus penetraram no Oriente Médio
e se misturaram com os asiáticos negros tão
distantes quanto a Índia durante o segundo
milênio.

Os citas europeus passaram pelo sul da


Rússia e Ásia Central até as fronteiras da
China. Durante as invasões grega e romana,
seus soldados se estabeleceram no Oriente
Médio e no norte da África para disseminar a
cultura grega e romana. Além disso, eles se
casaram com mulheres coloridas. Os judeus
venderam escravos brancos aos árabes em
toda a África e na Ásia. Quando os negros
mouros do norte da África conquistaram
Portugal e a Espanha, eles transportaram
milhares de escravos brancos de
descendentes germânicos para a África.
Todas essas pessoas brancas que vieram ou
foram trazidas para a África e a Ásia foram
absorvidas pela população nativa.

Árabes negros, judeus negros e etíopes

Arábia, a terra da descendência de Ismael,


filho de Abraão, é limitada ao leste pelo
Oceano Índico, no nordeste pelo Golfo
Pérsico, ao norte pelo deserto árabe e ao
oeste pelo Mar Vermelho. A região mais fértil
desta península é o sul e o sudoeste.

Em um ponto, quase atinge a Etiópia, que


está na África. Havia muitas tribos Cushites
(etíopes) que viviam nas seções do norte,
oeste e sul da Arábia. Os árabes tiveram uma
longa história de relações sexuais com os
etíopes na península da Arábia e com os
etíopes em todo o Mar Vermelho no
continente africano. James Bruce (autor de
Travels to Discover the Source of Nile) diz
que as pessoas no Iêmen, a Arábia,
particularmente aquelas da costa de Saba
(Sheba), eram reputadas abissinhas (etíopes)
desde os primeiros períodos até a conquista
dos muçulmanos. Muitos dos árabes não são
pretos hoje por causa do cruzamento com
escravos brancos em suas famílias e haréns.

É um fato conhecido que havia etíopes que


habitavam a Arábia no norte, sudoeste e
sudeste. Como esses etíopes estabeleceram o
domicílio (residência) no sudoeste da Arábia?
Como os etíopes viviam em torno do Golfo
Pérsico no norte da Arábia, é altamente
provável que eles migrassem para o sudeste
e o sudoeste. É óbvio que os Cusitas
habitaram partes vitais da Arábia antes do
nascimento dos progenitores dos árabes.
Raama, filho de Cush, era o pai do Cushite
Sheba e Dedan (Gênesis 10: 7); cerca de
2300 aC. As tribos de Raama tornaram-se
comerciantes notáveis (Ezequiel 27:22). Os
descendentes de Raamah moravam no
sudeste da Arábia, e os descendentes de
Havilá residiam no sudoeste da Arábia, que é
o Iêmen. Este Havilá era filho de Cush. Além
disso, Cush foi o patriarca de todas as tribos
etíopes na Babilônia, na Arábia, na Índia e no
rio Nilo. Os cusitas eram residentes da Arábia
logo após a confusão das línguas em
Babilônia (2247 aC), mas Ismael, pai dos
árabes, não nasceu até 1896, aC. Minha
conclusão é que os etíopes estavam na Arábia
antes dos árabes.

No ano 1012 aC. uma rainha etíope chamada


Bilkis visitou o rei Salomão em Jerusalém.
Bilkis veio do Reino de Sheba no sul da
Arábia. Sheba fazia parte do império etíope.
Este império incluiu o Alto Egito, a Etiópia e
partes da Arábia, que incluiu o Reino de
Sheba. O historiador judeu, Flavio Josefo,
chama essa rainha, a rainha do Egito e a
Etiópia. Chamar essa rainha, a Rainha da
Etiópia, é apropriada quando você conhece o
histórico e a genealogia dos primeiros
habitantes da Arábia. A Rainha de Sabá
também é conhecida como a Rainha do Sul.
O Reino de Seba e a Etiópia eram um dos
impérios ao sul da terra de Israel. Devemos
lembrar que, no mapa, o Iêmen, a Arábia
quase toca a Etiópia na África.

É óbvio que a rainha de Sheba tinha mais de


um nome, porque é conhecida pelos etíopes
pelo nome de Makeda. No entanto, não é
estranho que ela tenha mais de um nome. A
história etíope de Mekeda, a rainha de Sheba,
nos é transmitida pelos arquivos da
Abissínios. Este importante documento é
conhecido como "Kebra Nagast" ou "honra
dos Reis". A conta etíope relaciona o
intinerário da rainha da Etiópia para
encontrar o rei Salomão em Jerusalém, ela
veio com um trem excelente, um séquito de
oficiais, criados e riqueza abundante.
Enquanto ela estava em Jerusalém, ela ficou
apaixonada pelo rei Salomão por causa da
organização de seus assuntos, sua riqueza,
sua sabedoria, seu entendimento e aparência
física. Além disso, a história diz que o rei
Salomão gerou uma criança pela rainha da
Etiópia; essa criança se chamava David ou
Menilek 1.

A rainha voltou a Seba (ou Saba) com


Menilek 1. Depois que Menilek permaneceu
na Etiópia há alguns anos, sua mãe enviou-o
ao rei Salomão para ser educado foi coroado
o Rei da Etiópia em Jerusalém, e naquele
momento ele aceitou o nome de David .
Muitos especialistas na lei de Mose,
especialmente um de cada tribo, o
acompanharam para a Etiópia para serem
juízes em seu reino.

A partir desses especialistas, os Umbares


atuais (ou juízes supremos, três dos quais
sempre administram ao Rei) são ditos serem
descendentes. Na companhia deste comitê
veio também Azarias, filho de Zadok, ex-
sumo sacerdote, e trouxe com ele uma
transcrição hebraica da lei. O presente
Falashas, o negro da Etiópia, reivindica a
descendência dos judeus que retornaram de
Jerusalém com o filho de Salomão, Menilek.

A partir desses especialistas, os Umbares


atuais (ou juízes supremos, três dos quais
sempre administram ao Rei) são ditos serem
descendentes. Na companhia deste comitê
veio também Azarias, filho de Zadok, ex-
sumo sacerdote, e trouxe com ele uma
transcrição hebraica da lei. O presente
Falashas, o negro da Etiópia, reivindica a
descendência dos judeus que retornaram de
Jerusalém com o filho de Salomão, Menilek.
Além disso, o atual imperador da Etiópia,
Haile Selassie, reclama descendência do rei
Salomão, a rainha de Sheba e Menilek 1. A
rainha de Sheba morreu por cerca de 986 aC.
depois de ter reinado quarenta anos. Menilek
1 ascendeu à torne, e sua posteridade, dizem
os documentos da Etiópia, reinou desde
então. James Bruce, o explorador inglês, diz:
"Esta não é uma nova doutrina. Tem sido
sustentada de forma tenaz e contínua desde
os primeiros registros do período em que
toda a Etiópia era judaica e, em anos
posteriores, depois de terem abraçado o
cristianismo. Além disso," diz James Bruce,
"todas as nações adjacentes concordam com
a conta etíope, sejam adversários ou amigos,
em relação à rainha de Sheba. Eles só
diferem em nome da rainha". Mais uma vez,
este escritor diz: "Todos os habitantes da
costa da Arábia Felix eram conhecidos como
etíopes desde os tempos mais antigos até
depois da conquista islâmica. Essas pessoas
eram os súditos da Rainha da Etiópia. Eles
eram pagãos, então convertidos ao judaísmo
durante o tempo da construção do Primeiro
Templo; e eles eram judeus desde então até
o ano 622 A.D. (como a tradição diz), quando
se tornaram muçulmanos pela espada de
Maomé ".
Antes da introdução das três religiões
influentes na Arábia (judaísmo, cristianismo e
mahometanismo), os árabes adoravam as
estrelas, os ídolos e a pedra da Kaaba.

Escreverei sobre a história dos judeus na


Arábia. Então escreverei sobre os cristãos na
Arábia; e por último, escreverei sobre os
mahometanos que surgiram no século VII
A.D.

Milhares de judeus migraram para o Egito e a


Arábia, quando o general romano Tito,
destruíram a cidade de Jerusalém, DC 70.
Quando os judeus se rebelaram contra o A.D.
130, o Imperador Adriano enviou o general
Julius Severus à Palestina para suprimir a
revolta. A perseguição e as restrições
impostas aos judeus eram tão grandes que
um grande número de judeus fugiu para a
Arábia. A tradição dos judeus yemenitas
coloridos da Arábia relata que os primeiros
judeus vieram à Arábia com o profeta,
Jeremias, logo antes que Nabucodonosor
destruísse o Primeiro Templo.
Ao considerar os judeus da Arábia, não
podemos esquecer os judeus que
acompanharam a Rainha de Saba e seu filho,
Menelik 1. É óbvio por muitos indícios de que
a rainha de Sheba ou seu filho, Menelik,
transferiram sua capital de Seba para a
Etiópia em África; ou que tinham uma
segunda capital em Aksum, Etiópia, na ordem
de uma residência de verão. Não é
exatamente conhecido quando a capital foi
transferida ou quando Aksum entrou em
prominência como um estado judeu, mas
provavelmente ocorreu entre os anos 990 e
575 aC. Nessa data, os persas conquistaram
a Arábia, resultando na imigração de mais
Sabaeans e Habashites (Abyssinians) para a
Etiópia. Muitos dos líderes e habitantes deste
estado Aksumite tornaram-se judeus e
assumiram o domínio político da antiga
Etiópia, chamado Aksum. O Império Aksumite
foi governado por imigrantes Himiatríes da
Arábia, 1º e 2º séculos. Segundo a tradição,
o centro religioso considerou a Arca da
Aliança trazida de Jerusalém pela prole do Rei
Salomão e da Rainha de Sabá.
Basil Davidson disse que o grande período da
Etiópia começou logo após A.D. 50 quando
Aksum tornou-se a capital de uma nova linha
de reis. É óbvio que esses reis eram judeus.
O sucesso do monopólio comercial nos
tempos antigos, em ambos os lados do Mar
Vermelho, entre eles. África e Arábia,
significavam o controle político e militar de
portos-chave. Esta é a razão pela qual a
Etiópia e o sul da Arábia foram incluídos em
um império.

Havia muita rivalidade comercial entre Saba


(Sheba), Himyar, Habesh e Aksum, que
resultou em muitas guerras.

Todos os reis e muitos dos habitantes dessas


cidades eram judeus em um momento ou
outro. O professor Godbey diz que é um
ponto de destaque da tradição voltando ao
tempo de Salomão, tanto para a Abissínia
quanto para o Iêmen, que os reis hebraicos
antigos dos dois lados do Mar Vermelho
tinham o título "Bar Negash" ou "Reis do
Mar". Os reis Himyarite posteriores, após 250
aC, controlaram ambos os lados do Mar
Vermelho. Quando os prósperos reis
Himyaritas mudaram sua religião, eles
colocaram o pretexto do extremismo religioso
com os motivos para a guerra contra seus
rivais comerciais. Os Reinos de Raidan e
Himyar foram unidos contra Habesh, Sheba e
Hadramaut cerca de 500 B.C. As rivalidades
entre essas alianças levaram a frota romana
ao movimento militar no Golfo Árabe cerca de
1 aC. para capturar o porto de Aden. Quando
o poder romano declinou, havia reis judeus
em Hadramaut, Sheba e Iêmen continuando
as rivalidades econômicas no comércio.
Durante o primeiro, segundo, terceiro, quarto
e quinto séculos, o judaísmo era
politicamente poderoso na Arábia. Esse poder
era baseado no monopólio do comércio. Havia
muitos reis judeus. Abu Kariba, Masruk, Dhu
Nuwas, etcétera; o mais notável foi Dhu
Nuwas. Ele será levado em consideração mais
tarde.

O Génesis do Cristianismo na Etiópia e


na Arábia

Sobre o A.D 329, um grupo de Tyrians


(fenícios) foi embarcado para a Índia. Seu
navio encontrou o desastre ao longo da costa
da Etiópia, e os únicos sobreviventes eram os
dois filhos do líder. Esses meninos foram
capturados pelos etíopes e levados ao
tribunal do rei.

Frumentius, um dos meninos, tornou-se


instrutor para Abraha, o príncipe. Abraha
tornou-se rei da Etiópia. Frumentius ensinou
o cristianismo ao príncipe herdeiro Abraha e
outros. Frumentius viajou para o Império
Bizantino (Império Romano Oriental). Ele
teve uma audiência com a cabeça temporal,
Constantino o Grande, e a cabeça
eclesiástica, São Atanásio. Os líderes do
império ficaram tão impressionados com suas
habilidades que o ajudaram.

Frumentius foi promovido ao status de bispo


e retornou à Etiópia. O bispo ergueu e
estabeleceu uma igreja na Etiópia com o
apoio do novo rei Abraha.

Pela confissão do cristianismo de Abraha, ele


se tornou um judeu-cristão. Ele estava
ansioso para a propagação de sua nova fé na
terra de seus antepassados, a península
arábica.
Reunindo uma expedição militar dos etíopes,
Abraha cruzou o Mar Vermelho com suas
forças navais e exército. Ele derrotou os
árabes negros e conquistou a cidade pagã de
Meca após um longo cerco. Depois de ter
introduzido o cristianismo na Arábia, Abraha
voltou ao seu Capitólio em Aksum, Etiópia.

No início do século VI, o poder judaico no


Iêmen alcançou o seu ponto de vista. Esse
poder era dominante em Yathreb, mais tarde
chamado Medina. Este foi o tempo da Era de
Ouro dos judeus negros no Iêmen, para
nunca mais ser encontrado novamente. Esses
empresários empresários mantiveram o
comércio internacional em uma multiplicidade
de commodities com o Oriente e o Ocidente;
e os convertidos árabes ao judaísmo se
casaram com os judeus originais.

Dhu Nuwas era um desses árabes que se


converteram ao judaísmo. Ele era o rei do
Iêmen cerca de 500 A.D. Os sábios judeus
foram convidados a ensinar o judaísmo às
pessoas em geral. Quando Dhu Nuwas ouviu
que os judeus estavam sendo perseguidos
nos comerciantes bizantinos e 20 mil cristãos
na Arábia. Este ato imprudente provocou a
queda do reino judaico. O judaísmo não
estava destinado a ser divulgado dessa
maneira. "Não pelo poder, não pelo poder,
mas pelo meu espírito, diz o Senhor".

Os cristãos, em sua terrível hora de


desespero, fizeram um sério apelo ao
Imperador do Império Bizantino em
Constantinopla, mas Justiniano hesitou em
mobilizar uma força militar por derrotas
romanas anteriores na Arábia.

O imperador foi aconselhado pelo Abouna


(Patriarca) da Igreja Copta em Alexandria, no
Egito, para apelar a São Elasbaan, o
Imperador da Etiópia. St. Elesbaan recebeu
os enviados e prometeu ajudar os cristãos no
Iêmen.

St. Elesbaan organizou e mobilizou um


exército de mais de 65.000 africanos. Ele
nomeou um dos seus mais sagazes generais,
Abraha, para ser seu comandante. Abraha
transbordou o Mar Vermelho com 150 navios
e uma grande empresa de elefantes. Quando
as duas forças opostas se confrontaram, os
judeus foram derrotados, e os etíopes
triunfantes marcharam para Zhafar e
capturaram-no.

Os etíopes governaram a Arábia neste


momento com uma mão de ferro.

Abraha, o etíope, construiu um maravilhoso


templo em Saana para atrair os peregrinos
(árabes pagãos) que passaram por esse país
conquistado no caminho para o templo de
Meca. Além disso, Abraha desenvolveu
incentivos extravagantes e adicionais para
atrair os árabes a não irem a Meca.

Um dos árabes considerou as ações de


Abraha como uma afronta à sua religião.
Como resultado, ele colocou esterco no altar
do templo de Abraha.

As reações de Abraha foram imediatas e


vigorosas para o sacrilégio deste árabe
pagão. Abraha equipou um exército de 41 mil
homens, cavaleiros e elefantes blindados e
marchou para Meca para destruir o templo.
Antes de Abraha chegar a Meca, seu exército
foi maltratado por uma tempestade de areia.
Além disso, a virada caiu em suas forças.
Apesar dessas dificuldades, o general chegou
a Meca com forças adequadas para intimidar
os habitantes da cidade. Capitularam e
abriram os portões da cidade.

Quando Abraha estava andando sob o arco


dos portões da cidade, seu elefante branco
permaneceu em um ponto e não se movia.
Por causa disto, regozijo-se entre os árabes.
Reconhecendo um ato de Deus, atacaram
violentamente os etíopes e transformaram a
história do mundo. Abraha partiu de Meca e
morreu de pequena varíola e mortificação.

Por causa da obstinação do elefante de


Abraha, os árabes chamaram esse período,
"A Era do Elefante", e apenas o nascimento
de Maomé é considerado mais importante.

Logo após este evento, nasceu Mohammed


Ibn Abdullah, A.D.570. Ele mudou a religião
de toda a península da Arábia antes de
morrer.

O nascimento do Islã

No momento do nascimento de Maomé, quais


eram os eventos internacionais ou as
condições operacionais? A resposta a esta
questão é necessária para a compreensão do
rápido surgimento do Império Muçulmano.

O império romano, no nascimento de Maomé,


foi dividido em duas partes: o Império
Ocidental com a capital em Roma e o Império
Bizantino com a capital em Constantinopla. O
Império Romano no oeste colapsou A.D. 476
depois de muitos ataques e incursões
bárbaras. As tribos germânicas cruzaram as
fronteiras e penetraram em todo o território
do Império Ocidental, incluindo a África.

O Império Oriental foi privado de seu vigor


por guerras repetidas com Parthia (Pérsia).
Este império não conseguiu manter suas
posses com firmeza.

A imposição constante de impostos pesados,


a escassez de soldados e trabalhadores
agrícolas, o esgotamento econômico, uma
grande classe de escravos e o influxo dos
bárbaros com guerras freqüentes trouxeram
desordem e enfraqueceram os impérios
ocidentais e orientais.
Com a derrota do poder judaico e cristão na
Arábia, o palco estava agora preparado para
o surgimento de um novo poder na cena
mundial; Esse novo poder era a Arábia.

O Império Árabe, com sua nova religião


(Islã), estabeleceu a superestrutura de sua
cultura nas ruínas do Império Romano no
Oriente Médio, África e partes da Europa.

A Europa permaneceu adormecida e inativa


durante mil anos (através da Idade das
Trevas), enquanto o Império Muçulmano
dominava o mundo civilizado progressista.
Voltemos, agora, a pesquisar o surgimento da
religião e do império muçulmanos na Arábia.

Quando nasceu Mohammed, muitos árabes


ainda adoravam o sol, as estrelas, os
espíritos e os ídolos. Os árabes possuíam
trezentos e sessenta ídolos, um para cada dia
do ano.

Mohammed nasceu A.D 570, quatro anos


após a morte do imperador Justiniano. Ele
era descendente da tribo de Koreish e da
família de Hashem. Sua mentalidade era
prodigiosa. Na sua juventude, ele nunca foi
ensinado a ler ou a escrever, mas sua
imaginação era superlativa. Mohammed era
um homem extraordinariamente bonito e
eloquente em motivar os homens com o
poder das palavras.

Nos primeiros anos da vida de Maomé, ele


passou seu tempo como pastor. Devemos
lembrar que muitos homens bem sucedidos
surgiram de condições insignificantes e
humildes. Observando o sol de dia e as
estrelas à noite deixaram a oportunidade
para que Mohammed contemplasse a solidão
e refletisse sobre os acontecimentos e as
profundidades deste mundo.

Depois que Mohammed se tornou um camelo-


motorista, ele viajou para terras remotas e
intrigantes. Ele conduziu suas caravanas para
a Pérsia, a Síria e o Egito, negociando
negócios com comerciantes de todo tipo. Em
suas viagens de negócios, encontrou judeus,
cristãos e membros de outras seitas. Ele os
interrogou sobre os princípios de suas
religiões. Ele frequentava o ambiente dos
judeus e seus rabinos, principalmente porque
eram comerciantes e um grupo étnico
onipresente. Por não poder ler ou escrever,
seus ouvidos estavam atentos e interessados
em tudo o que os judeus se referiam a ele.
Mohammed aprendeu e extraiu muito da
religião judaica, e agravou-a com sua nova
religião, o Islã.

Quando Kadijah, uma viúva rica, ouviu falar


da boa reputação de Mohammed, ela o
empregou no negócio. Ele seguiu um negócio,
negociou-o com bons resultados e voltou
para casa em um momento vantajoso.

Mohammed ficou maravilhado com a beleza


de Kadijah. Ele não a tinha visto antes,
porque ele havia recebido sua posição por
procuração. Kadijah ficou imensamente
satisfeito pela forma como conduziu os
assuntos e a maneira como ele se apresentou
a ela.

Mohammed não era um homem alto, mas ele


tinha ombros tão largos que parece um
gigante. Mohammed tinha o cabelo liso e
encaracolado que lhe dava uma excelente
aparência.
Finalmente, Mohammed casou-se com
Kadijah, a mulher rica da cidade de Meca,
quando tinha cerca de quarenta anos de
idade.

O Primeiro Estágio da Revolução


Islâmica

De acordo com Alvin L. Bertrand, a maioria


dos movimentos de massa passa por quatro
etapas ou fases para completar um ciclo
inteiro, mas Eric Hoffer, o estibador, postula
três estágios: o palco vocal, o estágio
fanático e o palco dos homens praticos de
ação .

Mohammed passou muitos dias nas colinas


fora de Meca. Ele estava imerso
profundamente nas condições deploráveis de
seu povo e ele queria afastá-los da torpeza
moral e da idolatria. Parecia-lhe que o anjo
Gabriel apareceu, comissionando-o para
articular uma nova religião para substituir o
antigo. Aliás, Gabriel era o mesmo anjo que
apareceu em uma visão do profeta hebreu,
Daniel. Mohammed gradualmente chegou a
acreditar que ele era um profeta, e expôs sua
religião aos membros de sua família. Ele saiu
para o Templo Holly para pregar as multidões
que se reuniram para adorar os ídolos. Com
estas palavras, começou a primeira fase da
Revolução Islâmica: La ilaha illa Allah,
Mohammed rasul Allah! (Não há Deus senão
Alá, e Maomé é o profeta de Deus).

Aliás, por esta altura, o Antigo Testamento


hebraico tinha sido traduzido para o árabe, e
os árabes ficaram entusiasmados com a
leitura dos seus grandes antepassados na
história dos patriarcas hebraicos. Este fato
ajudou apenas Mohammed a inspirar aos
árabes o sentimento de nacionalismo e
orgulho racial, porque tinham lido na
Escritura hebraica que Ismael deveria se
tornar uma "grande nação".

Mohammed planejou a primeira etapa de sua


revolução minando e desacreditando as
crenças e costumes estabelecidos, e
questionando outras instituições políticas,
sociais e religiosas. Mohammed atacou os
comerciantes e os governantes de Meca que
empregaram o poço de Ismael e a Kaaba
(templo) por ganho monetário. Não só ele
falou contra a idolatria, mas também contra
as empresas do vinho na cidade de Taif,
Mohammed foi obrigado a deixar a cidade.

Quando Mohammed voltou para a cidade de


Meca, a oposição se intensificou contra ele.
Uma lei foi promulgada para que alguém que
aceitasse o Islã seria exilado. Quando os
líderes da cidade de Meca foram informados
de que Mohammed fugiu de Meca para
Yathrib. A noite da luta de Maomé contra
Yathrib (mais tarde chamada Medina, a
cidade do profeta) é conhecida como a
Hegira, o vôo.

O calendário maometano começa com o ano


da hegira. É o evento mais importante na
história islâmica. A hegira ocorreu em D. 622
quando Mohammed tinha cinquenta e três
anos de idade.

Chegando a Yathrib, Mohammed encontrou


os habitantes muito hospitaleiros para ele e
para sua nova religião. Havia dois fatores que
contribuíram para esta hospitalidade: (1)
Havia muitos judeus influentes em Yathrib
que eram aliados com os outros árabes. Estes
judeus introduziram a concepção de um deus.
Além disso, os árabes eram um pouco
tolerantes com os judeus. (2) em uma
peregrinação ao templo em Meca, alguns dos
melhores cidadãos de Yathrib foram
convertidos pelos ensinamentos de Maomé
quando ele morava em Meca. Finalmente, os
peregrinos retornaram a Yathrib e divulgaram
sua nova religião. Esses convertidos
poderiam facilmente aceitar o Islã porque
foram influenciados em grande medida pelo
conceito de um deus dos judeus.
Eventualmente, Mohammed foi proclamado
governante da cidade, e em sua homenagem
o nome de Yathrib foi mudado para Medina.

Islã e Judaísmo

O profeta Maomé adotou muitos princípios e


leis da religião judaica: antes de tudo, a idéia
básica do monoteísmo, que é a crença em um
deus. A confissão judaica da unidade de Deus
é: Shma Israel Adonai Elohenu Adonai ehad!
(Ouça, oh Israel, o Senhor nosso Deus, o
Senhor é um!) O slogan mahometano é o
seguinte: La ilaha illa Allah, Mohammed rasul
Allah! (Não há Deus além de Deus, e Maomé
é o profeta de Allah!)

Mohammed adotou, também, os principais


detalhes do Calendário judaico, o Dia da
Expiação, o Sábado, a maior parte da Bíblia e
as narrativas do Medrash e muitos pontos da
lei ritual. Aliás, os judeus rezam três vezes
por dia de frente para a cidade de Jerusalém,
e os muçulmanos (crentes verdadeiros)
rezam cinco vezes por dia de frente para a
cidade de Meca.

Tentando o seu melhor, Mohammed procurou


converter os judeus em sua nova religião,
mas sem sucesso. Os judeus eram inflexíveis
e resistentes à mudança. A alta estima que o
Profeta considerava para os judeus era
transformada em inimizade, e em vez de
tudo, ele os considerava concorrentes.
Mohammed precisava da confirmação dos
judeus influentes para validar sua missão, já
que todos os novatos precisam do apoio de
alguém influente. Mohammed, portanto, se
voltou contra os judeus e tornou-se seu
atormentador.
As duas meninas do Judaísmo

A prole do judaísmo é o cristianismo e o


islamismo. Agora a história estava se
repetindo! Os defensores do cristianismo
disseram aos judeus: aceitamos sua bíblia,
moral e monoteísmo. Somente, receba de
nós Jesus Cristo, o grande profeta, o Messias,
de quem todos os profetas falaram na
Escritura. Porque os judeus recusaram, foram
desprezados e odiados.

Mohammed tentou construir sua religião tão


perto quanto pudesse depois da religião
judaica. Ele preferiu os judeus aceitando
muitas de suas leis e tradições. Quando os
judeus se recusaram a se converter, ele
ordenou a seus seguidores que parassem de
se voltarem para a Cidade Santa de
Jerusalém em oração, mas sim de recorrerem
à cidade de Meca. Ele mudou o Judeu Yom
Kippur (o Dia da Expiação ou Dia Rápido),
que aceitou no mês de Ramadã. Mohammed
mudou o sábado judeu de sábado a sexta-
feira. Temos outro paralelo com o
cristianismo. No quarto século, a Igreja
mudou o sábado para o domingo e
reorganizou seu calendário para separar a
Páscoa da Páscoa.

Como o cristianismo, também, Mohammed


incluiu suas acusações da Bíblia (Corão)
sobre os judeus. No entanto, o Alcorão
glorifica muitas personalidades bíblicas.

Para conquistar os pagãos na Igreja, o


cristianismo, adotou muitos costumes e
tradições bárbaras. Do mesmo modo,
Mohammed, para ganhar a lealdade dos
árabes pagãos, adotou muitos dos seus
costumes queridos. A pedra de Kaaba (um
ídolo) deveria receber uma grande
consideração na nova religião; também o
templo pagão em Meca era permanecer como
uma visão santa.

O Segundo estágio da Revolução


Islâmica

O estágio fanático da maioria das revoluções


é um caso bestial, implacável, sangrento e
caótico. As gargantas dos homens são
cortadas de "orelha a orelha". Existe uma
ausência de racionalização e conjuntos de
fanatismo extremo.
Então foi com Mohammed. Ele chegou a um
ponto de não retorno. Ele se tornou um
extremista religioso para dar ao seu povo
uma vida melhor em uma escala rápida.
Mohammed chegou à conclusão de que todos
os meios de persuasão estavam esgotados. O
período de paciência foi passado e ele não foi
dito: "Eu, o último dos profetas, sou enviado
com uma espada! A espada é a chave para o
céu e o inferno. Todos os que desenham em
nome da Fé serão recompensados! "
Mohammed tornou-se um profeta marcial, e
os pagãos e os juizes obstinados se tornaram
suas vítimas.

No ano 627 ocorreu a Batalha dos Foss. As


tribos judaicas foram derrotadas pelos
exércitos de Maomé. Setecentos judeus
foram reunidos no mercado e ofereceram a
alternativa "o Alcorão ou a espada". Mas os
judeus devotos estavam acostumados ao
martírio. Eles não hesitaram em sua escolha.
Mohammed realizou sua ameaça bestial,
executou os judeus e as mulheres foram
vendidas.
Havia outra cidade a nordeste da Medina
chamada Chaibar. Esta cidade era a sede do
poder judaico na Arábia. Após um longo
cerco, a cidade capitou para Mohammed. Sob
o governo de Omar, os judeus de Chaibar
foram transplantados para a Síria.

Mohammed atacou a tribo depois da tribo e


da caravana depois da caravana que estavam
indo para a cidade de Meca. Esses atos
enfureceram os maçons e eles equiparam um
grande exército para destruir Maomé. Na
batalha que se seguiu, Mohammed quase foi
morto.

Finalmente, o profeta reuniu suas forças e


entrou na cidade de Meca. Toda a cidade foi
abandonada porque seus habitantes tinham
medo de Maomé. Mohammed dizimou os
ídolos em Meca. No entanto, ele não demoliu
o Templo. Quando os maçons viram que
Maomé não destruiu seu Templo, eles
voltaram para a cidade e se juntaram a sua
religião.
O terceiro estágio de qualquer revolução é
marcado pela preservação e continuação da
nova ordem.

O sucessor de Mohammed foi Abu Bekr; ele


era chamado califa. Abu Bekr escreveu os
discursos e sermões de Maomé. Por essa
altura, o islamismo dominou tenazmente a
vida dos árabes.
Capítulo 5

CIVILIZAÇÃO NEGRA NA ÁFRICA

Antes de embarcar nossa viagem para a


civilização da África, acho que seria
interessante para os leitores e estudantes da
história africana saber como o continente
africano recebeu seu nome.

Em primeiro lugar, em períodos antigos, os


hebreus negros se referiam ao Egito (o
guardião do portão nordeste da África) como
a Terra do Presunto. Os etnólogos hebreus
adotam o nome homónimo (Cam) porque
estavam conscientes do fato de que muitos
dos descendentes de Jambo viajavam da Ásia
para o sul e habitaram o continente que hoje
conhecemos como África. Parece que não
houve semitas ou indo-europeus na Terra e
Cam (África) antes da escravização dos
hebreus e da invasão de Hyksos. A antiga
Palestina fazia parte da Terra de Cam antes
que os hebreus vieram e expulsaram os
cananeus Hamitic.
Parece que os primeiros antropólogos e
etnólogos classificaram as raças com base no
desenvolvimento cultural, e não com base no
parentesco; mas os hebreus são uma
exceção. Os primeiros gregos distinguiram
entre os helenos e os bárbaros porque
queriam que seu próprio povo aparecesse
superior. Alguns deles afirmam que eles
originaram tudo. Os romanos avançados
sentiram-se culturalmente superiores às
tribos bárbaras do norte, e eles escravizaram
muitos desses bárbaros. Os egípcios
subjugaram e venderam outras tribos
africanas que eram inferiores a elas em
cultura e se conceberam como raciais e
culturalmente superiores a outras pessoas
submissas.

Os estudiosos gregos se interessaram por


pessoas negras seiscentos anos após a
fundação de Naucratis, uma colônia grega no
delta do Nilo. Cerca de 1 B.C. Os
historiadores grego Strabo e Diodorus
classificaram as raças etíope (raças negras no
interior da África). Os gregos receberam
escravos do Alto Nilo e a oeste do Nilo
adjacentes ao reino etíope. Herbert Wendt
cita Aristotele, que diz que os pigmeus
vieram do Alto Nilo, que é a Etiópia. Em
grande parte da literatura grega, ao se referir
ao africano, os gregos usavam a palavra
etíope. Além disso, os mapas da África
durante a Idade Média mostram esse
continente como a Etiópia. Sabendo que a
maior parte da África era chamada Etiópia, o
professor de zoologia e antropologia, Johann
F. Blumenbach, classificou as espécies
humanas em cinco categorias, caucasianos,
mongóis, americanos (índios), malaias e
etíopes. Observe, o pai da antropologia
moderna não usa o termo negro, mas etíope.

Mas o nome moderno deste continente é a


África. É derivado dos descendentes de
Abraão e Keturah. Esses descendentes são
Ophren (ou Apher) e Japhran.

O historiador judeu negro, Flavius Josefo,


escreveu o seguinte: Ophren, o neto de
Abraão através de Keturah, liderou uma
expedição militar contra a Líbia e capturou-a.
Quando seus netos colonizaram esse lugar,
eles o chamaram (de seu nome) da África.
Na língua latina, o mundo da África é After,
que é semelhante a Ophren (ou Apher). O F
no mundo depois e o Ph em Apher são
intercambiáveis em muitas línguas.

No norte da África, o romano ganhou uma


vitória militar (o período da Terceira Guerra
Punica). Ostensivelmente, os romanos
emprestaram o mundo depois dos antigos
lóbi que chamaram seu país Apher.

O continente africano é uma gigantesca


massa de terra. Sua superfície terrestre é
quase quatro vezes maior do que os Estados
Unidos.

Como e onde a África recebeu sua população


negra? Vinha do sul, do leste, do norte, do
oeste, através dos oceanos poderosos, ou
essa população se originou no interior do
continente através de um processo gradual
de evolução? Herbert Wendt e Basil Davidson
dizem que presumivelmente veio da
Mesopotâmia (Babilônia). A história dos
antigos judeus negros indica que os primeiros
patriarcas do povo africano migraram da
Babilônia, mas há uma tendência entre
muitos estudiosos para ignorar fontes
judaicas (por causa do preconceito) e
procurar em outro lugar a solução nas
mitologias da nações. Muita verdade se
perdeu na adoração de muitos deuses e na
dedicação de muitos reis.

Podemos colocar credibilidade nos registros


judeus que registram a etnologia e as
migrações dos antepassados dos africanos?
Penso que sim, porque Abraão veio do distrito
de Babilônia, que era o berço da civilização.
Abraão teve as tradições orais transmitidas
de Noé e Shem. Abraão tornou-se obediente
ao único deus verdadeiro; portanto, seus
descendentes conseguiram transmitir uma
longa religião, história, cultura e linguagem
ininterruptas. Nenhuma outra nação no
antigo Oriente Próximo pode se gabar ou
reivindicar tanto. Mesmo tão grande como o
Egito, sua antiga religião e língua estão agora
extintas.

Os Hamites começaram a chegar na África a


partir do Oriente Médio entre 5000 e 3500
aC. Estes Hamites eram (de acordo com os
hebreus): Mizraim (Egito), Phut (Somalilândia
e para o oeste) e Cush (Etiópia). Os fenotros
cananitas Hamitic não colonizaram o norte da
África até o século IX aC, quando
estabeleceram a cidade de Carthage em
Túnis.

Os egípcios e seus descendentes são Ludim,


Anamim, Lehabim, Naphtuhim, Pathrusim,
Casluhim, Philistim e Caphtorim. O
Naphtuhim estabeleceu-se no delta do Nilo e
Pathrusim é a cidade de Pathros, no Alto
Egito.

Anamim e Casluhim também se


estabeleceram em várias seções do Egito.
Mas os Lehabim e Ludim ocuparam o
território a oeste do Egito, agora chamado de
Líbia e no oeste.

Caphtorim ocupou a ilha de Creta no Mar


Mediterrâneo, e Philistim finalmente habitou a
costa inferior da Palestina. Quando os
israelitas sob Joshua Be Nun invadiram a
terra de Canaã, muitas tribos Hamitic-
Canaanitas migraram para o norte da África.

Os cusitas habitavam o leste da África ao


longo da costa e partes do interior. Mais
etíopes e Shemites negros atravessaram o
Mar Vermelho do extremo sul da Arábia e
viajaram para o interior da África. Todo o
continente africano foi povoado do norte e do
leste. Mary Hastings Bradley, durante sua
jornada pela Tanganyika, relata uma história
do experiente Watusi da Ruanda. Ela diz que
eles têm uma teologia exata - o relato da
criação do mundo, e uma tradição que eles
derrubaram do norte. Também Hermman
Norden escreve sobre o povo de Uganda, está
ao sul do Nilo e a leste do Congo.

O terceiro filho de Ham é Phut, às vezes


escrito Put.

Os descendentes de Put foram encontrados


em toda a área abaixo do deserto do Saara.
Eles usam os nomes Futa, Foul, Fulas, Poul,
Poulbe e Fulbe. Essas tribos dissidiram-se em
toda a África da Somalilândia para o Senegal.

O professor Godbey diz que eles: "Prefixaram


seu nome para amostrar todos os distritos de
qualquer extensão que eles já tenham
ocupado. Eles têm Futa-Torro perto do
Senegal, Futa-Jallon e Futa-Bondu ao norte
da Serra Leoa. Também há Futa- Kasson,
Futa-Zora, Futa-Ferlo e Futa-Dugu."

Egito: A Terra do Nilo

A civilização mais extraordinária nos tempos


antigos, na extremidade ocidental do
Crescente Fértil, era a do Egito. Quais as
condições que contribuíram para a grandeza
do Egito?

Os fatores que possibilitaram a eminência


desses negros foram as condições climáticas
e a geografia. As condições que
desempenharam grande parte no
desenvolvimento da civilização egípcia foram
o rio Nilo, um clima quente, uma saída para o
Mar Mediterrâneo e o Mar Vermelho. O Egito
é o Nilo.

Um fato muito peculiar sobre o Egito é que


tem pouca chuva. O rio Nilo atravessa seu
país por cerca de setecentos e cinquenta
milhas das terras altas da Etiópia,
transbordando seus bancos uma vez por ano,
durante o solstício de verão. À medida que o
Nilo flui em direção ao Mar, a água derruba
os depósitos aviários de terra negra, fazendo
terras aráveis a ambos os lados do Nilo no
Vale. A combinação de solo fértil, o Nilo como
canal de irrigação, interagindo com um não
clima, produziu para o Egito grandes
quantidades de milho e grãos, o que ajudou a
alimentar uma crescente população urbana e
grandes exércitos. Como resultado da
prosperidade egípcia, encontramos os antigos
hebreus que vão ao Egito para comprar
milho. Os cientistas sociais sabem que, para
alcançar a expansão militar, o
desenvolvimento econômico é um pré-
requisito, e o Egito resolveu esse problema
no início do seu desenvolvimento.

A inundação anual do Nilo sobre os seus


bancos contribuiu com um estímulo para
aprender, especialmente em astronomia e
geometria.

Os sacerdotes queriam calcular o período


exato da inundação do Nilo. Para realizar
isso, envolveram matemática e dividiram o
ano em doze meses de trinta dias. Nosso
calendário de hoje é padronizado após o
calendário egípcio.
Novamente, porque o Nilo transbordou seus
bancos, esse evento transformou os marcos
dos proprietários. O setor imobiliário teve que
ser re-examinado, linhas e ângulos
desenhados. Esta necessidade levou à criação
de geometria que se tornou, também,
necessária na construção, na engenharia e na
guerra.

O Nilo rezou um papel importante, também,


como fonte de comunicação e transporte para
manter uma união do Alto e do Baixo Egito
como um reino autônomo. Os egípcios do
norte poderiam negociar com o sul, porque os
ventos fortes, durante a maior parte do ano,
podiam empurrar veleiros contra as
correntes.

A concentração das pessoas ao redor do Nilo


foi um fenômeno que incentivou a construção
de navios e estimulou o comércio marítimo
com outras nações do Mar Mediterrâneo; Isso
aumentou as forças navais do Egito,
eventualmente no Mar Vermelho, e com
todos os fatores acima mencionados que
operam para o Egito, ela se tornou uma
grande força no início de seu
desenvolvimento.

O Reino do Ouro

A história das dinastias na civilização do Egito


pode ser dividida em três períodos. Eles são
os seguintes: o Reino Velho ou a Idade da
Pirâmide, o Reino do Médio e o Novo Reino ou
o Império Novo.

O primeiro rei da Primeira Dinasty do reino


antigo era Menes. A data de sua adesão ao
trono era de cerca de 3500 aC. Ele usava
uma dupla coroa única que simbolizava a
unidade do Alto e Baixo Egito. A cobra era o
símbolo no norte, e o falcão era o símbolo no
norte, e o falcão era o símbolo no sul.

Quando chegou a Terceira Dinasty, o Egito


estava bem no caminho da grandeza (2980-
2900 aC). O rei mais notável neste momento
era Zoser. Com seu poder, riqueza e a ajuda
de seu conselheiro, Imhotep, ele promoveu a
cidade de Memphis, expandiu e fortaleceu o
reino, os túmulos, os templos e as pirâmides
em terraços.
Durante a administração do rei Zoser, vivia
no Egito o intelectual mais fenomenal de seu
tempo. Esse homem era Imhotep, o mestre.
Ele se destacou em muitas atividades
acadêmicas e foi preeminente no campo da
medicina. J. A. Rogers diz que ele
diagnosticou e prestou terapia a mais de
duzentas doenças do corpo humano.

Os egípcios praticavam a auscultação (a


escuta de sons no corpo), cirurgia, química e
reconhecimento de doenças por suas
características. Imhotep examinou os órgãos
vitais internos e externos do corpo sistêmico
humano. Além disso, ele investigou o sistema
circulatório.

Heródoto diz que os egípcios eram


especialistas no campo da medicina e o país
estava envolvido com médicos.

Em seu tempo, Imhotep também foi


reconhecido como sábio, sacerdote, filósofo,
poeta, escriba, mago, astrônomo e arquiteto.
Mitologia egípcia

No panteão egípcio havia muitos deuses. Os


deuses mais famosos eram Osiris, Isis e
Horus. Esses deuses formaram uma tríade; o
número três aparentemente tinha uma
importância mística para os egípcios. Horus
era o filho do deus do sol (Osiris) e a deusa
da lua (Isis). A tríade era muito comum no
mundo antigo e chegou ao nosso dia.
Anteriormente, Osiris era o deus do Nilo e Isis
representava o deus da terra.

Os egípcios também adoraram os animais, a


natureza e os doze deuses; Hércules era um
desses doze deuses. Herodoto, o historiador
grego, diz que os gregos adotaram o deus
negro (Hércules) dos egípcios. Quando os
gregos e romanos assumiram os deuses da
Ásia e da África; às vezes mudaram seus
nomes e cores.

Voltemos agora à nossa tríade, Osiris, Isis e


Horus. Penso que mais do que qualquer outro
deus, a lenda de Osiris sofreu uma grande
transformação através da passagem da
história. No começo, tenho certeza, ele era
um deus subsidiário, mas o surgiu para o
status de um deus do sol. Na mitologia
egípcia, a lenda diz que Osiris era o rei do
Egito e casou com sua irmã Isis. Quando
Osiris foi à guerra, seu irmão, Set, o
assassinou. Set eventualmente cortou o
corpo em catorze peças e espalhou-o sobre
uma área remota.

Isis, desinteressante, começou a procurar os


fragmentos e os encontrou, exceto o pálido
(pênis), que havia sido comido por um
caranguejo do Nilo.

Isis recompôs o corpo de seu marido morto,


conectando habilmente as partes. Ela então
efetuou os ritos de embalsamamento e isso
restaurou o corpo para a vida eterna.

Foi sempre considerado no Egito que a


preservação do corpo intacta era necessária
para a vida eterna da alma.

Finalmente, Isis produziu um filho após a


morte de seu marido. Este nascimento
póstumo foi "concebido pela união com o
cadáver do marido, milagrosamente
reanimado por seus encantos". Esta mitologia
lembra a um dos espíritos que entra na
Virgem Maria, concebendo assim o filho
Jesus.

Depois, a deusa recuou para o pântano de


Buto para fugir da raiva de Set, que usurpou
o trono, e para levantar seu filho Horus até o
dia em que ele fosse maduro o suficiente
para se vingar da morte de seu pai. De
acordo com outra versão, Set descobriu que
Isis deu à luz Horus. Set entrou nos pântanos
sob a forma de uma cobra e atravessou
Horus, deixando-o à beira da morte.

Finalmente, Isis foi informada de que o mal e


a escuridão persistiriam até que Horus fosse
curado.

Muitos reis do início do Egito foram


deificados, ritualmente identificados na
hierarquia solar como filhos de Ra. Ra
permaneceu o deus supremo, e Osiris, Isis e
Horus, seu filho foram incorporados na
família de Ra, o panteão solar. Alguns dos
faraós foram considerados na religião solar
como sendo a encarnação de Horus o Ancião,
filho de Ra, ou o filho físico do próprio Ra.
A ligação de Osiris e Isis com cultos de
fertilidade foi constantemente enfatizada a
partir da Era do Império em diante, o que
encorajou sua entrada gradual no reino dos
vivos. Osiris tornou-se o líder deste mundo e
do submundo, e seu nome (no hieróglifo) da
Vigésima Dinastia em diante era o disco solar
em vez do olho.

As histórias e as lendas da mitologia egípcia


antiga são volumosas e interessantes. Eles
têm seus homólogos no Oriente e no
Ocidente, na Babilônia, na Grécia e em Roma.
Da Grécia e de Roma, a cultura e a civilização
se espalham por todo o continente europeu.

Agora, para encerrar a história do Reino


Velho, basta mencionar o fato de que Khufu,
o primeiro rei da Quarta Dinasty Memphite,
erigiu a maior pirâmide. Pepi, o terceiro e
maior rei da Sexta Dinastia (2590-2570)
enviou algumas expedições contra os
beduínos do Sinai e para a Palestina; No
entanto, o Egito foi definido para um período
de declínio. O Pepi 2 reinou 90 anos (2566-
2476 aC), o maior reinado registrado na
história; geralmente um período de
retrocesso sem intercorrências, com o rei
dominado na maior parte do tempo por uma
poderosa aristocracia. O Reino Velho e os
primeiros mil anos de história registrada
terminam com a Oitava Dinastia. Este foi o
início do período de anarquia excessiva.

O Oriente Médio

O Reino do Médio consistiu em nove dinastias


que duraram um período de mil anos. Por
causa da condição da anarquia, a necessidade
da hora era para líderes fortes. Esta liderança
foi encontrada nas XII e XII dinastias.
Mentuhotep 2 completou a conquista da
dinastía Heracleopolitan. A capital deste reino
foi transferida mais de trezentas milhas ao
sul de Memphis para a cidade de Tebas.
Obviamente, a capital foi removida para
Tebas, de modo que seria menos sujeito a
ataques de invasores asiáticos. Mais uma vez,
os poderosos faraós governaram o Alto e o
Baixo Egito. Quando os novos reis
restabeleceram a lei, a ordem e a paz, os
egípcios criaram mais melhorias e obras
públicas.
Amenemhet 3 da duodécima dinastia (1849-
1801) e outros faraós estabeleceram diques e
construíram reservatórios colossais para
preservar a água do Nilo para irrigação
terrestre. Eles cavaram um canal através da
terra entre o delta do Nilo e o Mar Vermelho.
Os egípcios sofisticados escavaram canais
milhares de anos antes de um engenheiro
francês (De Lesseps) cavar o canal de Suez
A.D. 1869. Os antigos egípcios eram mestres
meticulosos em engenharia de construção;
Eles eram muito precisos com os menores
detalhes. Milhares de escravos de todo o
mundo conhecido foram forçados sob
rigorosa regulamentação e regras estritas
para construir templos, monumentos e
pirâmides para os faraós deificados
megalómanos.

A duodécima dinastia apareceu na cena


internacional como uma monarquia
fortemente organizada. Os reis tinham
relações diplomáticas com reinos remotos.
Sesostris 3, quinto rei da dinastia (1887-1849
aC) conquistou duzentas milhas do Vale do
Nilo até a segunda catarata; estabeleceu
relações com a costa do Mar Vermelho; ele
enviou expedições militares para a península
do Sinai também para a Síria. Neste
momento, o comércio foi bem sucedido em
grande escala.

Durante este Reino do Médio, a civilização


egípcia fez sua primeira influência profunda
em outras partes da África, como Nubia,
Wawat, Cush, etcétera.

Sobre o tempo do reinado de Amenemhet 4


(1801-1792) e os estágios iniciais da Décima
Terceira Dinastia, o Egito passou por um
longo período de confusão e invasão.

Os egípcios foram tão tremendamente


desunidos que negligenciaram a defesa do
reino. Colapsou facilmente, cerca de 1788 aC.
, antes de uma onda de invasores conhecidos
como Hyksos ou Shepperd Kings. Esses
Hyksos dominaram o Egito por cerca de
duzentos anos. Este período é conhecido
pelos egípcios como a "Grande Humilhação".

Agora, após uma longa investigação


exaustiva, parece que Hyksos eram
descendentes dos antigos Horitas ou Hurrians
AT Olmstead confessa que "há muita
obscuridade sobre o seu rosto. Podemos pelo
menos afirmar que eram semitas do oeste e
que seu principal centro de poder era norte
da Síria ".

Eu não concordo com Olmstead quando ele


diz que são japoneses, indo-iranianos ou
indo-europeus, descendentes do que hoje
somos a raça branca. Mas eu concordo com
Olmstead quando ele diz que o centro de seu
poder estava no norte da Síria. Os Hurrianos
vieram das partes do sul das montanhas do
Cáucaso e estabeleceram sua nova capital em
Mitanni, na Síria e na Assíria. Esses Hurrians
começaram a atravessar o caminho para o
mundo negro do Oriente Médio, cerca de
1800 aC.

Herbert Wendt escreve o seguinte: "Nos


antigos epopeus sumérios, a terra de
Churrum é mencionada ao sul do Cáucaso e,
no Antigo Testamento, os Hurrianos
aparecem como os Chori (ou os Horitas). Em
1720 aC ou quase conquistaram, sob o nome
de Hyksos, o Reino do Egito, onde reinavam
como Reis Shepperd ".
Quando os Hurrianos invadiram o Oriente
Médio, eles eram uma raça branca ou de pele
clara. Eles se misturaram com a população
negra indígena e assumiram a residência
permanente entre eles. Em todos os lugares
em que viajaram, estabeleceram colônias.

Durante o segundo milênio, os Hurrianos


invadiram o Egito sob o nome de Hyksos.
Eles vieram com cavalos e carros, que
aterrorizavam os egípcios. Os egípcios nunca
tinham visto cavalos antes, e os egípcios
provavelmente nunca tinham visto uma
população tão heterogênea de pessoas
brancas, amarelas, castanhas claras e
chocolate. Assim, os Hyksos entraram no
Egito e estabeleceram as Décimo Quinta e
Décima Sexta dinastias. Essas dinastias são
conhecidas pelos egípcios como o período da
"Grande Humilhação". Durante este período,
os egípcios tiveram que sofrer insultos para
seus deuses e cultura de alienígenas.

Muitos estudiosos pensam que os Hyksos


estavam no poder no Egito quando os
hebreus antigos vieram para viver e comprar
milho. Isso significaria que os hebreus
migraram para o Egito entre 1788 e 1580. Os
Hyksos eram hospitaleiros para os hebreus
porque eram os próprios alienígenas. Foi um
dos faraós Hyksos que elevou Joseph, o sábio
hebraico, ao cargo de vice-rei do Egito. Por
isso, Joseph salvou o Egito da fome.

No processo do tempo, os egípcios da cidade


de Tebas, no Alto Egito, travaram guerras de
libertação contra os Hyksos. O novo poderoso
líder egípcio nativo defendeu uma ardente
política nacionalista para recuperar o controle
do governo. Como resultado, os Hyksos
foram expulsos do Egito.

O Novo Reino ou o Novo Império

"Agora, surgiu um novo rei sobre o Egito, que


não conhecia José. E ele disse ao seu povo,
eis que o povo dos filhos de Israel é mais e
mais poderoso do que nós. Vamos, vamos
lidar sabiamente com eles; eles se
multiplicam, e acontecem, quando falham em
qualquer guerra, eles se juntam também aos
nossos inimigos, e lutam contra nós, e assim
os levantem da terra ".
Muitas provas apontam para o fato de que o
novo faraó que ascendeu ao trono era
Ahmose i ou Ahmese, o primeiro rei da
brilhante Dança da Oitava (1580-1557 aC).
Ele restabeleceu o governo em Tebas;
expulsou os Hyksos e instituiu algo como
uma forma de governo fascista. Este governo
era um regime nacionalista autocrático,
exercendo regimentação da indústria,
censura rígida e supressão forçada da
oposição.

O período da dinastia nacionalista marcou um


ponto de viragem na fortuna dos hebreus.
Eles já foram bem pensados pelos Reis
Hyksos derrubados. Agora eles perderam seu
status favorecido e suas contribuições
anteriores para a nação foram ignoradas. Sua
liberdade de movimento foi restringida, o
genocídio masculino foi decretado, e
gradualmente os hebreus foram reduzidos à
escravidão. "

"Portanto, eles colocaram sobre eles os


maquinistas para afligê-los com seus fardos.
E eles construíram para as cidades do tesouro
do Faraó, Pithom e Raamses."
"Mas quanto mais eles os afligiram, mais eles
se multiplicaram e cresceram. E eles foram
agredidos por causa dos filhos de Israel.”

"E eles fizeram suas vidas amargas com forte


escravidão, em argamassa e tijolo, e em
tijolos, e em todos os tipos de serviço no
campo: todo o seu serviço, em que os fez
servir, foi com rigor".

"E o rei do Egito falou às parteiras hebraicas,


das quais o nome de um era Shiphrah, e o
nome do outro Puah: "E ele disse: quando
fizeres o escritório de uma parteira para as
hebreus, e vê-las sobre as bancas, se for um
filho, então o matarás; mas, se for filha,
viverá."

Durante o período em que os hebreus eram


escravos para Faraó, eles construíram muitas
das estruturas megalíticas: os hebreus
ergueram algumas pirâmides, cavaram
muitos canais para o rio, construíram muros
para as cidades e as muralhas, eles
construíram os salões em Karnak Para
Thutmose 1, eles construíram torres de
templo, hipostilo, salões e um obelisco para
Amenhotep 3; pelo edito de Ramsés 2, eles
construíram em Tebas, o templo do
Rameseum, com suas colossais estátuas de si
mesmo, e eles construíram as cidades do
tesouro de Pithom e Ramsés.

Naturalmente, os hebreus não eram os únicos


escravos no Egito.

Havia escravos etíopes, nubianos, cananeus,


sírios e pessoas das Ilhas do Mar Egeu; Mas
os escravos hebraicos estavam na maioria.

O Novo Reino ou a Era do Império Novo


consistiam nas personalidades negras mais
notáveis e notáveis conhecidas, não só no
Egito, mas em todo o mundo civilizado. Eram
homens brilhantes possuidores de galanteria
e capacidade para reorganizar as
administrações civis e militares.

Depois que os invasores asiáticos humilharam


os egípcios, as pessoas rapidamente
esqueceram suas fobias de cavalos e
aprenderam a usar carros. Eles fabricaram
armas sofisticadas fora de ferro. Os generais
organizaram cavaleiros e outros soldados em
poderosas forças expedicionárias para
conquistar a Síria, Mitanni e território que se
estende até a quarta catarata do Nilo.

No ano de 1501 aC. O quarto rei da décima


oitava dinastía se entronizou. Ele era
Thutmose 3 conhecido como o mais
acentuado, porque ele usava esta insígnia em
sua coroa. Mas o homem 3 era filho de
Thutmose 1 e uma concubina Isis. Suas
qualidades de rosto eram pura tinta negra,
um nariz largo e lábios grossos. Ele reinou
em conjunto com sua esposa e meio-irmã,
Rainha Hatshepsut; governou sozinho (1481-
1447 B.c.) Thutmose era um dos maiores reis
egípcios. Ele começou seu governo ao
depositar seu pai em uma revolução do
palácio, mas com sua rainha, foi
temporariamente, afastado pela revolução de
Thutmose 1 (seu pai) e 2 (seu irmão).
Eventualmente, ele recuperou o controle do
governo, invadiu a Síria com um grande
exército (1479), derrotou o rei de Cades em
Megiddo.

Thutmose 3 realmente viveu até sua


reputação como o zangão voador. Ele realizou
dezessete campanhas militares na Ásia. Sua
marinha conquistou as ilhas do mar Egeu e as
adicionou ao seu colossal império.

Ikhnaton ou Amenhotep 4

Muitos anos após a morte de Thutmose 3, um


novo rei chamado Amenhotep 4 tornou-se um
inovador religioso. Ele não era um excelente
soldado ou governador. Ele acreditava em um
deus, o deus do sol, Aten, que dominava
todas as criaturas vivas.

Por estar excessivamente preocupado com a


religião, ele negligenciou o reino. Ele ordenou
que os templos dos antigos deuses egípcios
fossem fechados, e ele expulso o sacerdócio.
Além disso, ele mudou seu nome de
Amenhotep para Ikhnaton, o que significa
"Aten está satisfeito". Ele transferiu sua
capital de Tebas para Tell el-Amarna.

Quando Ikhnaton tentou revolucionar a


religião, este ato dividiu a aristocracia egípcia
e enfraqueceu o governo. Além disso,
Ikhnaton estava muito ocupado para enviar
assistência militar aos aliados egípcios ou a
países remotos do império que estavam
ameaçados de revolta ou invasão.
Predizer de Moisés

Um dos reis das Décimo Oitava ou Décimo


Nove Dinastias foi informado por seu
astrólogo (ou escriba sagrado) de que uma
criança nasceria na nação hebraica. Se ele
fosse autorizado a viver, ele traria o reino
egípcio para uma condição baixa. A criança
nasceu; seu nome era Moisés.

Ele foi criado de maneira milagrosa, no


próprio palácio do faraó por sua filha. A
trama para destruir Moisés em sua infância
falhou. A filha de Faraó adotou Moisés como
seu filho. Ela veio a seu pai e disse: "Eu criei
uma criança que é de uma forma divina e de
uma mente generosa, e como eu o recebi da
generosidade do rio, de uma maneira
maravilhosa. Eu pensei que era bom para o
adoptar por meu filho e pelo herdeiro do seu
reino ". Quando ela colocou a criança na mão
de Faraó, ele abraçou a criança e colocou sua
diadema em sua cabeça. Mas Moisés lançou o
diadema no chão, e, de um modo infantil, ele
o torceu e marcou. O escriba sagrado viu
tudo isso (ele era o mesmo astrólogo que
predisse que o nascimento de Moisés
derrubaria o Reino egípcio). Por isso, o
astrólogo gritou de uma maneira aterradora,
dizendo: "Este, ó Rei !, esse filho é aquele de
quem Deus anunciou, que, se o matarmos,
não correremos perigo, ele próprio oferece
um atestado para a previsão do mesmo,
pisoteando o seu governo e pisando em sua
diadema ".

O astrólogo defendeu ter Moisés executado


para libertar os egípcios do medo e privar os
hebreus da esperança e da liberdade. Neste
momento intenso, a filha do faraó levou a
criança calmamente. Porque o rei amava sua
filha, ele não estava disposto a machucá-la.
Quando os eventos chegaram a esta junção,
a Divina Providência protegeu Moisés,
prevalecendo sobre o rei para poupar. Moisés
foi educado, como Josefo diz, e é altamente
provável que ele tenha recebido a melhor
educação que o mundo antigo poderia dar.

Devemos lembrar que o Egito possuía


instituições de ensino superior e que o palácio
e o templo de Pharao eram o principal centro
da classe educada. Moisés foi apenas um líder
religioso ignorante, está bastante errado.
Moisés conheceu as ciências políticas, sociais
e naturais do Egito: ele aprendeu o sistema
religioso, o sistema político, a matemática, a
geometria, a biologia, a química, a anatomia,
as línguas estrangeiras, o direito, a
engenharia e as táticas militares.

Josefo escreve o seguinte: "Moisés chegou na


idade da maturidade e ele mostrou suas
virtudes e habilidades para os egípcios. Os
egípcios interpretaram as ações de Moisés
como seu destino iminente e a elevação dos
hebreus".

Durante o curso da história egípcia, houve


muitas guerras com o reino Cushite da
Etiópia (às vezes esta região é conhecida
como Nubia).

Quando Moisés atingiu a idade de


maturidade, os etíopes estavam fazendo
incursões no território egípcio. Os egípcios
estavam em estado de amarga destruição por
causa desses ataques predatórios. Josefo
disse que penetraram até a cidade de Minphis
perto do delta do Nilo. Por causa da urgência
da situação militar, os egípcios fizeram um
inquérito através dos oráculos e das
profecias. Foi dito pelo deus para assegurar a
assistência de Moisés. Então Faraó ordenou a
sua filha que trouxesse Moisés a sua
presença, mas primeiro o faraó teve que
jurar a sua presença, mas primeiro o faraó
teve que jurar a sua filha que não lhe
aconteceria nenhum infortúnio. Moisés foi
levado à presença do faraó, informado da
deterioração da situação militar e da
generalização do exército egípcio. Os
sacerdotes egípcios deram apenas uma
aprovação tácita à sua nova missão; eles
eram céticos de sua lealdade e esperavam
que ele fosse morto nas batalhas que se
seguissem. Os hebreus eram muito
exuberantes por causa da promoção de
Moisés. Eles esperavam que Moisés os
libertasse.

Moisés empatou o exército e marchou para o


sul. Ele não seguiu o Nilo, mas tomou a rota
terrestre, sabendo do fato de que os etíopes
ficariam mais vigilantes comiam o rio. Mas a
rota terrestre apresentou um perigo grave.
Foi habitada com serpentes mortais, que esta
área produziu em números de massa.
Legends diz que essas cobras voam no ar e
descem sobre os homens inconscientes. Por
essa razão, Moisés inventou um plano
engenhoso para combater essas criaturas
malignas. Ele encheu cestas com um animal
chamado Ibes e os transportou junto com
ele. Esses Ibes são muito perigosos para a
família das cobras; Eles voam após as cobras
e as consumem completamente. Quando
Moisés se aproximou da terra das serpentes,
soltou os Ibes, e eles destruíram as cobras.

Então Moisés pode sobre os etíopes em


segredo; conquistou-os na batalha e
derrubou suas cidades. Os que escaparam
recuaram para Saba (Sheba), sua capital.
Josefo diz que Saba era uma cidade real dos
etíopes que o imperador Cambieses da Pérsia
depois renomeou Meroe, depois de sua irmã.
A capital da Etiópia costumava estar
localizada em Napata (no quarto caterato).
Mais tarde foi movido para Meroe. Moisés
encontrou a cidade de Meroe bem fortificada.
Estava cercada por um muro alto, e havia um
rio ao redor da parede que fazia parecer uma
ilha. A cidade foi construída tão fortemente
que, quando a água do rio se tornou violenta,
não podia mover as bases da cidade. A
cidade Meroe era extremamente difícil de
subjugar e o exército estava inativo. Então a
filha do rei etíope viu a Moisés enquanto ele
conduzia o exército perto do muro, lutando
com uma grande galanteria. Ela finalmente
arranjou um tratado de paz com Moisés,
concordando em render a cidade se ele se
casasse com ela. Moisés consumou o
casamento e partiu com sua esposa para o
Egito.

Moisés voltou para a capital do Egito durante


o reinado de um dos reis da Dinastia XIX,
provavelmente Ramsés 1 ou Seti 1. Os
egípcios odiaram ainda mais Moisés quando
descobriram que ele estava bem sucedido na
batalha. Os egípcios tornaram-se suspeitos
de Moisés porque achavam que iriam incitar
uma insurreição de escravos, então eles
conspiraram para assassiná-lo. Quando
Moisés soube da conspiração, ele escapou
para a terra de Midiã.
Ramses 2

Ramses 2 era o quarto rei da Dinastia XIX


(1292-1225 aC) e o filho de Seti 1. Ele era
puro preto, tinha lábios grossos e um nariz
largo como o povo do Sudão ocidental hoje.
Ele era um faraó de guerra, trabalhador e
enérgico, governando o Egito por sessenta e
sete anos. Nos primeiros anos de seu
reinado, ele se dedicou à importante
campanha contra os hititas. Em Cades, perto
da Síria, a batalha era indecente. Finalmente,
ele assinou um tratado de paz permanente
com o rei dos heteus, casou-se com a filha do
rei; e os demais anos de sua vida eram
relativamente pacíficos.

Ramses 2 também é conhecido por seus


projetos nacionais de trabalho público.
Porque esses projetos exigiam o trabalho
forçado de milhares de escravos hebreus, ele
é conhecido como o Faraó da opressão. Ele
era uma personalidade jactanciosa, vaticosa e
tétrica que procurava surpreender a
humanidade ao cobrir o país com esculturas
megalíticas. Este Ramses transferiu a capital
para o delta do Nilo. Os judeus negros
construíram as cidades do tesouro, Pithom e
Ramsés. Ramsés desenvolveu o delta do Nilo
e fez com que os escravos construíssem os
megalitos do Egito: a colunata em Luxor e
seu gigantesco pilão, em frente ao qual
colocou seis estátuas colossais de si mesmo.

Cada uma dessas estátuas tinha quase


sessenta pés de altura. Ramses 2 apagou os
nomes de seus antecessores dos registros e
substituiu o dele. Este Ramsés também
construiu o salão hypostyle em Karnak e o
templo chamado "The Ramesseum" perto de
Tebas.

Durante este período, o Egito gozava de um


alto grau de prosperidade; um grande boom
logo antes da recessão. Quando Merneptah,
filho de Ramsés 2, chegou ao trono, todo o
império se desmoronava.

Moisés entrou no Egito, provavelmente


durante o reinado de Ramsés 2 ou
Merneptah. Ele (Moisés) foi comissionado
pelo Deus de Israel para descer ao Egito e
dizer ao Faraó que deixasse o povo dele ir.
Moisés não teve grande dificuldade em entrar
no palácio de Faraó; Ele havia sido criado no
palácio do rei, e ele conhecia o protocolo
egípcio. Ele decidiu entrar no palácio no
momento em que Faraó estava entretendo
vários embaixadores de nações estrangeiras.

Depois que o Egito ficou fraco e aterrorizado


com o flagelo das dez pragas, Faraó
concordou em emancipar os escravos
hebreus.

Começando com o reinado de Merneptah e os


reis da vigésima dinastia, o Egito estava em
declínio.

Houve revoltas em todo o Império. É evidente


que a emancipação dos escravos hebreus
pode ter desencadeado essas revoltas,
produzindo uma reação em cadeia. A
fraqueza em casa e o ataque dos inimigos
externos marcaram a derrota e o declínio do
Império. No décimo século aC, os líbios
invadiram o Egito e estabeleceram a
Vigésima segunda Dinastia das Bubastitas.
Sob esta Dinastia Líbia, o Egito tentou reviver
o império. Sheshonk ou Shishak invadiram a
Palestina e entraram em combate com a
Dinastia Davídica.

Naquele tempo, a maioria das tropas de


Shishak eram liabas e cusitas. Após duzentos
anos de governo líbico, os cusitas invadiram o
Egito e o Oriente Médio, fazendo-se um
grande poder. Então os assírios, os
babilônios, os persas, os gregos, os romanos
e os árabes invadiram o Egito
consecutivamente, terminando o domínio
egípcio.

Cush (Etiópia)

O antigo país de Cush estava na região do


Sudão Oriental da África. Durante a Idade
Média, os Sudans não estavam unidos e
organizados como um único país. O mundo
afro-asiático considerou o Sudão como esse
território que se estendeu do deserto do
Saara quase para o Equador, é a parte mais
ampla de quase 1000 milhas; também se
estendeu do Oceano Atlântico para as terras
altas da Etiópia, no leste, é a maior parte de
cerca de 4000 milhas. Esta vasta área inclui
países como o Sudão moderno, Chade, Níger,
Mali, Guiné, Senegal, Gâmbia, Alto Volta, etc.
. Durante o período colonial, esta área foi
dividida em duas partes chamadas Sudão
francês no oeste e Sudão egípcio anglo no
leste.

A palavra Sudão é uma palavra árabe que


significa preto. Os árabes chamaram essa
vasta área Bilad es Sudan (o território dos
negros) porque as tribos aqui eram tribos
muito pretas e não misturadas.

Ao lidar com o reino de Cush, descobrimos


que está localizado no Sudão Oriental, perto
do Mar Vermelho. O país de Cush situado a
ambos os lados do rio Nilo entre a terceira e
a sexta cataratas. A nação moderna chamada
Sudão ocupa esse território. As cidades
importantes do antigo Cush foram Napata,
Meroe, Musawarat, Kurru, Kurgas e Naga.
Havia duas civilizações do povo etíope no
continente africano: uma estava nas terras
altas da Etiópia com sua capital em Axum; O
segundo foi localizado na região do atual
Sudão com a sua capital em Napata e outras
vezes, em Meroe.
As pessoas do antigo país de Cush foram
chamadas Nuba ou Nubians como sub-
nomes; outros subnomes que eles usam são
Bejas ou Bisharin, que são sub tribos. Essas
pessoas, seria correto dizer, são os etíopes
do norte que vivem no Sudão. Os escritores
europeus fazem uma prática de chamar tribos
variadas na África pelo nome dos negros
conhecidos. Os verdadeiros africanos são
realmente africanos, independentemente do
que eles pareçam. Os africanos têm seus
próprios nomes tribais e eles não precisam
das denominações européias de Nigritians,
negros, Negrillos ou negroides.

Conquista Cushita

Quando o poder dos reis líbios do Egito


começou a diminuir no século VIII, o norte do
rei etíope. Piankhi, marchou de sua capital de
Napata e invadiu o Egito. O rei Cushite de
Napata e Meroe foram subservientes à coroa
egípcia por mais de 1000 anos. Eles
renderam tributo principalmente em ouro,
marfim, escravos, gado e homens de
combate. Naquele tempo, os etíopes eram
bastante descarados para desafiar o maior
império do mundo. As tropas de elite de
Piankhi e suas poderosas forças navais
atacaram a cidade após a cidade até
chegarem a Memphis. Hermópolis caiu diante
dele.

Mesmo a capital de Osorkon 3 em Heliopolis


não conseguiu suportar seus avanços. O
inimigo capitulou na capital e a supremacia
da Etiópia foi estabelecida no Egito.

Rogers diz que "Piankhi navegou para sua


casa no sul, seus navios carregados de prata,
ouro, cobre, roupas e tudo do norte, todos os
produtos da Síria e todos os macios doces da
terra de Deus. Sua Majestade navegou rio
acima com um coração contente, as margens
de ambos os lados estavam júbilo. Oeste e
Cantando no Oriente: Oh, poderoso
governante Piankhi, você ganhou o domínio
do Norte... "

Cerca de 712 B.C. surgiu outro rei (etíope)


sobre a cidade de Napata. Este novo rei se
chamava Shabaka ou Sabacon, o irmão de
Piankhi. Ele estabeleceu o vigésimo quinto
(Ethiopian) Dynast no Egito. De acordo com
Manetho, ele queimou Bocchoris vivo, o
governante alegado da Vigésima Quarta
Dinastia.

Durante a longa história do Oriente Médio,


sempre houve guerras entre os poderes
militares ao norte da terra de Israel (por
meio da Síria) e as potências militares ao sul
de Israel (Egito). Israel foi o betsah bain
hapatish vehasadan (o ovo entre o martelo e
a bigorna).

No tempo de Acaz e Ezequias, os reis de


Judá, a Assíria e o Egito eram os grandes
poderes. Ambos os poderes ameaçaram a
independência do pequeno estado de Judá,
mas com a ajuda de Deus, ela sobreviveu. O
profeta Isaías disse ao rei Acaz que parasse e
não fazia nada; Em outras palavras, Isaías
quis dizer que não faça alianças com a Assíria
ou com o Egito, mas confie no Deus de
Israel!

Um dos mais famosos generais de Shebaka


era Taharka ou Tirhakah, filho de Piankhi.
Este general etíope avançou contra
Senaquerib, o rei da Assíria, enquanto os
assírios estavam ameaçando a existência de
Judá. Taharka capturou a Filostia no ano 688
aC, mas foi derrotado em Eltekeh, a oeste de
Jerusalém, pelos assírios. Taharka também
foi o terceiro rei da Vigésima quinta dinastia
egípcia (715-663). Em primeiro lugar, ele
derrotou Esarhaddon, mas três anos depois
(671), ele foi expulso da cidade de Memphis e
nunca mais retornou.

A Etiópia, este estado africano, tornou-se um


grande poder, mesmo que fosse apenas por
um período de cem anos. Se Assíria não
tivesse surgido quando o fizesse, a Etiópia
provavelmente teria durado mais de cem
anos como poder do Mediterrâneo ocidental.
Como os etíopes foram derrotados pelos
assírios, não devemos concluir que sua
existência e influência foram sufocadas ou
sufocadas. Na verdade, Rogers diz que
Nastasen, um rei dos etíopes mais tarde,
derrotou o grande conquistador persa,
Cambysis em 525 aC.

Neste momento, os etíopes continuaram a


exercer uma influência política e econômica
sobre as tribos africanas para o sul e o oeste.
Da mesma forma que a cultura e a civilização
se espalham da Grécia e de Roma em todo o
continente europeu, da mesma forma que a
cultura e a civilização se espalham do Egito e
da Etiópia para outras partes do continente
africano.

Parece que a civilização Cushite se


desenvolveu em duas etapas, primeiro na
famosa cidade de Napata e segunda na
cidade industrial de Meroe. O poder político
Napata se baseou na riqueza do ouro. Aqui
está uma excelente descrição da abudância
do ouro na Etiópia: "Cambyses colocou sua
autoridade no Nilo, depois de Tebas e a
primeira catarata na Etiópia. Este país exótico
despertou a curiosidade dos persas, com seus
elefantes, marfim e ouro. Eles disseram que
os prisioneiros na Etiópia usavam grilhões de
ouro ". A dominação etíope no Nilo começou
a subir após o declínio dos reis da Líbia no
Egito durante o século X. Kashta foi um dos
maiores reis de Napata; ele começou a
conquista do Egito, que seu filho Piankhi
continuou. A cidade de Napata estava
localizada dentro da curva do rio entre a
terceira ea quarta cataratas.

A história é testemunha do fato de que as


maiores civilizações se desenvolveram ao
lado das margens dos rios e assim foi com as
cidades etíopes de Napata e Meroe.

Meroe era uma cidade maior do que Napata.


Foi localizado entre a quinta e a sexta
cataratas e entre os rios Nilo e Atbara. Meroe
é uma cidade muito antiga. Como você leu,
Moisés, o hebraico, liderou um exército
egípcio contra ele cerca de 1350 aC.
Obviamente, estava parado quando
Thutmosis 1 (1540-1501) estabeleceu sua
fronteira sul no território etíope. Esta
fronteira foi localizada após Napata quase
para a quinta catarata. Entre 595 e 550, a
capital de Cush foi transferida de Napata para
Meroe; O principal motivo para essa
transferência foi devido aos ataques persas
contra a Etiópia após 595 aC. Outros dois
motivos provavelmente contribuíram para a
remoção da capital: uma, a cidade de Meroe
estava cercada por pastagens contendo três
espécies dispersas; Dois, havia grandes
depósitos de minério de ferro encontrados
nesta área.

O minério de ferro representou um grande


impulso para a civilização de Cush e outras
tribos africanas. L. Rogers, F. Adams e W.
Brown (escritores europeus) afirmam que:
"Há evidências de que, nos dias em que os
europeus ainda estavam satisfeitos com
ferramentas de pedra rudes, os africanos
haviam inventado a arte de fundir ferro". As
escavadoras encontraram até mesmo os
fornos em que o minério de ferro foi fundido
e encontraram montanhas de escórias de
ferro.

Retenção de Identidade Cushite

Embora os egípcios dominassem partes da


Etiópia por mais de mil anos, os etíopes, em
grande medida, mantiveram sua própria
identidade, idéias e costumes. Os cusitas
nunca foram absorvidos (nacionalmente) na
estrutura social egípcia. Foi postulado por
algumas autoridades que os faraós da
vigésima quinta dinastia (etíope) aceitaram
deuses egípcios; No entanto, esses reis foram
enterrados em suas tumbas em uma posição
que concedeu a tradição etíope, mas não de
acordo com os costumes egípcios.

Após o ano 500 B.C. surgiu uma cultura


Cushite mais distinta, semelhante a um
"Renascimento Cushite". Os deuses são os
deuses de Meroe, e não o Egito. O bastão de
pedra, simbolo do poder do deus Amun,
estava de fora do templo de Naga, uma
cidade de Cushite. Os Meroites empregaram a
escrita jeroglífica egípcia em seu templo, mas
depois de 225 B.C. Eles inventaram seu
próprio alfabeto mesmo antes de Roma se
tornar um grande poder. Eles começaram a
criar cerâmica fina com seus próprios estilos
originais. Além disso, eles construíram
templos majestosos e palácios de design
bonito. Muitas das ruínas do antigo Cush
ainda estão em Meroe, Musawarat, Naga e
perto de Napata. Basil Davidson diz que esses
sites estão esperando que mais arqueólogos
(com tempo e dinheiro) sejam escavados.

Os cusitas construíram um poderoso império


em África que se estendia por toda parte. Sua
influência política e militar se estendeu ao
Mar Vermelho, ao reino Axumite ao sul.
Constatou-se que a influência etíope se
estendeu ao lago Chade e ao território de
Uganda. Havia mesmo comércio com a
Arábia, Índia, China, Egito, Axum e as tribos
vizinhas.

Cush não era um playboy no cenário


internacional, mas foi reconhecido e
conhecido entre os maiores poderes do dia.
Os egípcios lutaram guerras sucessivas com
os egípcios, hebreus, assírios, persas e, sob o
reino de Axumite, lutaram contra os árabes.
Cush era um poder sofisticado e, durante sua
grandeza, ela se tornou a amante do sul. A
grandeza da Etiópia está escrita nos anais
das nações antigas; Ela despachou seus
embaixadores para as nações conhecidas de
seu dia. Herodoto soube dessa terra, ele
chamou as pessoas Aithiops; Na língua grega,
esta palavra significa rosto queimado. Ele
nunca os chamou pelo nome nacional, que é
Cush.

Finalmente, a civilização nas terras altas da


antiga Etiópia em Axum começou a se
levantar. O Ezana de Axum marchou até a
cidade de Meroe e atacou-a, pondo fim à sua
grandeza. As causas das guerras entre Meroe
e Axum provavelmente foram competição
comercial e o influxo de Nubians do Sahara.

Os hebreus de origem negra do Egito e


Etiópia

De que período podemos certificar a


existência de hebreus negros no Egito e na
Etiópia? É certo que os israelitas estavam no
Egito e na Etiópia durante o período do rei
Takelot do Egito (Vigésima terceira dinastia
de Tanite, cerca de 725 aC) e o profeta Isaías
de Jerusalém; porque lemos em Isaías 11:11
que: "E acontecerá naquele dia, que o Senhor
retomará a mão pela segunda vez para
recuperar o resto do seu povo, que será
deixado da Assíria e de Egito, e de Pathros
(Alto Egito) e de Cush (Etiópia) ... "Em Isaías
27:13, entendemos que os perdidos de Judá
estão na terra do Egito; Em 19:18, o profeta
é positivo que cinco cidades (com judeus e
convertidos Egiptianos) aceitarão o Deus de
Israel e falarão o idioma de Canaã (hebraico).
Cerca de setenta anos depois de Isaías, o
Profeta Sofonias (3:10) diz: "De além do rio
da Etiópia, os meus suplicantes, a filha dos
meus dispersos, trarão a minha oferta".
Muitas autoridades concordaram que Sofonias
estava falando sobre os judeus dispersos e
que colonizaram a região em e em torno da
Etiópia.

Como os profetas e historiadores hebreus,


por exemplo, Josefo, sabiam que os judeus
estavam no Egito e na Etiópia, a próxima
questão é o que são algumas das teorias são
as seguintes: o rei Salomão casou-se com a
filha do rei do Egito. Obviamente, esse
casamento foi por razões econômicas e
políticas (1 Reis 11: 1). Salomão queria
manter a paz, a segurança e o comércio
internacionais. É provável que ele tenha
arranjado com o faraó, seu sogro, para
estabelecer colônias comerciais judeus no rio
Nilo. Por sinal, Salomão casou-se com as
filhas de muitos reis para mantê-los sob seu
controle econômico e político.

Em 1 Reis 9:26, lemos que "o rei Salomão fez


uma marinha de navios em Ezion-geber que
está ao lado de Eloth, na margem do Mar
Vermelho na Terra de Edom. E Hiram (o Rei
de Tiro ou Fenícia) enviou na marinha, seus
servos, marinheiros que conheciam o mar,
com os servos de Salomão ".

"E vieram a Ofir e buscaram daqui ouro,


quatrocentos e vinte talentos, e trouxeram-
no ao rei Salomão". Muitos estudiosos
postularam que a terra de Ophir está na
costa leste da África, isto seria em território
etíope. Parece altamente provável que
Salomão estabelecesse colônias comerciais ao
longo das costas leste e oeste do Mar
Vermelho. A Etiópia antiga tinha depósitos de
ouro excessivos para satisfazer a necessidade
de Salomão. Como já foi mencionado
anteriormente, as tropas persas de Cambyses
disseram: "os prisioneiros na Etiópia usavam
grilhões de ouro".

A rainha de Sabá visitou Salomão: o fato de


que sua visita ocorre após a viagem da
marinha de Salomão-Hiram a Ophir sugere
que, na mente do escritor, Ophir estava
associado ao território daquela rica Rainha de
Sabá.
Aparentemente, quando a marinha de
Salomão veio a Ophir, a Rainha de Sheba
ouviu falar sobre a grandeza de Salomão.
Josefo, o historiador judeu, certificou o fato
de que a rainha de Sheba era a rainha do
Egito e da Etiópia.

Isso significaria que colonias comerciais


judaicas estavam estabelecidas em seu
território. Josefo também diz que a cidade
real dos etíopes era Saba (ou Sheba - as
duas palavras são intercambiáveis).

De acordo com os etíopes e os judeus negros


deste país, a rainha de Sabá deu à luz um
filho de quem eles dizem que Salomão era o
pai; Além disso, eles dizem que outros judeus
negros acompanharam a Rainha de volta à
Etiópia.

O nome da criança a quem deu à luz foi


Menilek.

Anos mais tarde, quando a história está


relacionada, Menilek retorna a Jerusalém por
sua educação. Em sua viagem de regresso à
Etiópia, Salomão enviou com ele alguns dos
principais sacerdotes e oficiais. Todos esses
eventos ocorreram durante o século X. B.
Dessa forma, provavelmente a primeira
colônia judaica organizada na Etiópia.

No mesmo século, Sheshak, o rei do Egito,


invadiu a Palestina (1 Reis 14:25). Sem
dúvida, ele deve ter transportado muitos
judeus para o Egito e a Etiópia porque ele
tomou prisioneiros com ele, e seu exército
consistiu em líbios e etíopes. Durante o final
do oitavo ou início do século VII, o general
etíope Tirhaka invadiu a Palestina capturou
mais do que algumas cidades. O profeta
Isaías certamente sabia que ele estava
falando quando falou dos exilados dos
israelitas no país de Tirhakah naquele
momento. Mesmo o avanço do poderoso
exército asirio motivaria muitos israelitas a se
refugiar no Egito, na Líbia e na Etiópia. Mais
uma vez, as incursões do poderoso exército
do rei Nabucodonosor de Babilônia (nos anos
698-675) na Palestina, sem dúvida, causaram
que as rápidas e numerosas ondas
migratórias dos israelitas escapassem para a
África do Norte e do Leste. Em Jeremias 44:
1, o Profeta se dirige aos judeus no Egito e
aos judeus que vivem em Pathros, que é o
sul do Egito. Jeremias diz aos judeus (no
décimo primeiro verso) que eles não estão a
salvo de Nabucodonosor. Este aviso
naturalmente influenciaria muitos judeus para
migrar mais para a Etiópia e o deserto do
Saara.

Na época do Profeta Sofonias (cerca de 630


aC), a Etiópia e as terras adjacentes de
Uganda e Quénia estavam pululando com
judeus negros. Diz Sofonias (3:10): "De além
dos rios da Etiópia, meus suplicantes, a filha
dos meus dispersos trará a minha oferta".
Este versículo é uma indicação de que os
israelitas estariam multiplicando e fazendo
conversos entre os habitantes além dos rios
da Etiópia. Sem dúvida, este profeta teve
comunicação com os judeus nesta área
remota.

Os "rios da Etiópia" se conectam ao sistema


de água do Nilo no coração da Etiópia: o rio
Atbara se estende desde as terras altas da
Etiópia moderna até o Nilo; O Nilo Azul se
estende, da direção de Addis Abeba, na
direção noroeste para o Nilo. Perto de Uganda
e do norte do Congo é o rio Bahr el Ghazal.
Tem 500 milhas de extensão, no sudoeste do
Sudão; formado pela confluência dos rios
Bahr el Arab e Jur no noroeste do Alto Nilo;
Ele flui para o leste para se unir no Late No
com o Bahr el Jebel e formar o Nilo Branco.

Estas áreas são "além dos rios da Etiópia";


além disso, existem registros ou tradições
orais da existência de tribos judaicas
profundamente "além dos rios da Etiópia"?
Joseph J. Williams cita um caso particular.

Ele disse: "Não há poucas dúvidas, senão em


algum lugar no passado sombrio,
provavelmente por meio da Abissínia, uma
onda de cultura hebraica penetrou no Distrito
dos Lagos da África Oriental", se possamos
creditar as seguintes citações:

Falando em Uganda a oeste do lago Victoria e


nordeste do Congo belga; "Tem um governo
nativo organizado, com uma tradição de
trinta e três reis e uma linha lendária que
remonta ao rei Davi. É uma história pround.

As lendas falam sobre o povo do Uganda que


atravessava os séculos do Nilo (lembra, além
dos rios da Etiópia) há séculos atrás, e
subjugava todas as tribos cujo país
atravessavam. Eles reivindicam a maior
civilização nativa da África ".

O relatório acima é altamente credível em


todos os seus detalhes, se tivermos em
mente o que eu escrevi referente aos judeus
egípcios e cusptais. O que pode ser
questionado sobre o povo de Uganda não é a
sua identidade, mas a vitalidade do judaísmo
de sua religião.

Judeus Tabiban Kamant e Wasambara

O professor Allen S. Godbey diz que o mundo


Tabiban significa smiths; Ele localizou esses
judeus na Etiópia central.

Os judeus Tabiban eram realmente Falashas,


mas foram obrigados a aceitar um
cristianismo nominal. Eles eram como os
judeus marranos da Espanha, obrigados a
aceitar uma religião contra a vontade deles. A
palavra Falasha em amárico, a língua oficial
da Etiópia, significa imigrantes. Os Falashas
não se chamavam por esse nome; eles
usaram o nome "Bet Israel" (a casa de
Israel), mas os Abyssianos os chamaram de
Falashas.

Como as outras tribos na Etiópia chamavam a


casa de Israel Falashas ou imigrantes, isso
sugeriria que, talvez os Falashas ou os
imigrantes, isso sugerisse que talvez os
judeus Falasha chegassem à Abissínia mais
tarde; portanto, eles foram condenados ao
ostracismo porque não aceitaram o
cristianismo.

Os Falashas mantiveram o monopólio dos


comércios especializados na Etiópia: eram
trabalhadores de couro, oleiros, pedreiros e
pedreiros.

Os judeus Kamant foram separados em duas


classes: o Keberti (homenageado), destes
escolhidos os sacerdotes, e os Yetanti
(pessoas pequenas ou insignificantes). Por
sinal, essas duas classes foram chamadas por
nomes que são semelhantes ao hebraico. Os
judeus Kamant consideram Moisés altamente
e muitas outras personalidades do Antigo
Testamento; Eles observam Yom Kippur e as
festas dos mortos. Como eles permanecem
isolados de outros judeus, cristãos e pagãos,
eles aprendem muito pouco do mundo
externo.

Cerca de trezentos quilômetros ao sul do


território dos Falashas vivem o povo de
Wasambara. Eles são uma variedade de cores
de marrom claro a preto. Em suas terras
encontram-se instituições de asilo (cidades de
refúgio), são como as cidades levíticas
encontradas no Antigo Testamento. O
professor Godbey diz: "Tomado com
sacrifícios, onde quer que o judaísmo seja
reconhecido, deve ter sido introduzido pelos
comerciantes judeus iemenitas ou Himíatrica
em tempos muito antigos".

Cerca de trezentos quilômetros ao sul do


território dos Falashas vivem o povo de
Wasambara. Eles são uma variedade de cores
de marrom claro a preto. Em suas terras
encontram-se instituições de asilo (cidades de
refúgio), são como as cidades levíticas
encontradas no Antigo Testamento. O
professor Godbey diz: "Tomado com
sacrifícios, onde quer que o judaísmo seja
reconhecido, deve ter sido introduzido pelos
comerciantes judeus iemenitas ou Himíatrica
em tempos muito antigos".

Quanto ao povo Wasambara ao longo da


costa leste da África, em frente à Ilha de
Zanzibar, sabemos muito pouco.

Mas é um fato conhecido entre estudiosos


que comerciantes judeus do Iêmen
negociaram ao longo dessa costa. É possível
que as colônias judaicas tenham sido
estabelecidas lá em uma data precoce.

Também é uma probabilidade de as tribos


judaicas migrarem do norte. Eu mostrei
anteriormente que os imigrantes judeus
atravessaram o Mar Vermelho na Etiópia e
que os imigrantes judeus migraram do Egito
para a Etiópia. Minha conclusão é esta: a
nação da Etiópia tornou-se uma confluência
ou encruzilhada de uma onda de cultura e
assentamentos hebraicos. Aqui na Etiópia era
o grande centro dos judeus negros; eles
trocaram idéias, alguns se estabeleceram
para dizer, outros partiram para o oeste e o
sul.
Joseph L. Williams citando Walter Chicele
Ploughden, o cônsul britânico na Abissínia,
agredida com a minha conclusão. Depois que
o conselheiro britânico revisou os registros e
tradições nacionais, ele concluiu: "Duas
coisas estão certas de que, em um período
muito posterior, seis soberanos de pura raça
e fé judaica reinaram em Gondar e que até
hoje numerosos judeus são encontrados em
toda Abissínia. Considere também altamente
provável que (seja qual for a época em que
possa ser colocada) toda a Abissínia foi de
persuasão judaica antes da sua conversão,
pois mesmo aqueles que adotaram o credo
cristão ainda mantêm ... numerosas formas e
observâncias ".

Como podemos concluir a partir dos registros


acima e outros, os cristãos da Abissínia já
eram judeus. Aliás, Salomão Grazel, em seu
livro A History of the Jews, afirmou que ainda
existem 100.000 judeus negros na Etiópia
que não são cristãos.

Depois que o rei Abraha da Etiópia aceitou o


cristianismo no século IV, A.D., ocorreu uma
grande mudança que foi desastrosa para a
existência dos judeus: tornaram-se vítimas
de perseguições que duraram muitos séculos.
Desde o surgimento do cristianismo na
Etiópia, o judaísmo vem diminuindo. No
entanto, apesar das pressões sociais e da
discriminação, 100.000 judeus negros
conseguiram sobreviver. Esta multidão de
judeus, sobrevivendo sob condições hostis,
prova sua maior força numérica no início de
sua história.

Os judeus da República Malgaxe

Há uma ilha perto da costa sudeste da África


chamada República Malgaxe; O antigo nome
para esta ilha era Madagascar. Perto da parte
oriental desta ilha na ilha de St. Marie, existe
um grupo de judeus negros que se chamam
Zafin Ibrahim, "descendentes de Abraão".

O professor Allen H. Godbey diz que a mesma


escrita alfabética que estava presente na
Palestina cerca de 650 aC. apareceu ao
mesmo tempo na Malásia. Além disso, ele
diz, uma vez que os Hovas de Madagascar
são membros da família malaia que
provavelmente imigram do Camboja, isso
indica a conexão histórica com os judeus de
Madagascar. Como os judeus da Etiópia, do
Uganda e de Wasambara, há uma
multiplicidade de sobrevivências, complexos,
paternos e traços encontrados em judeus
encontrados entre os judeus de Madagascar,
como os seguintes: o dia contado do pôr ao
pôr-do-sol, muitos dias rápidos, o comer de
carne bovina, o festival do Ano Novo, a
criação de um pequeno fogo na primeira noite
da festa; eles têm rituais de purificação das
pessoas; Eles roçam o sangue do ritual do
Ano Novo nos postes da porta. O último ritual
poderia relembrar a cerimônia da Páscoa que
é observada no mês de Abiv; Este mês é o
primeiro mês do Ano Novo civil judeu. Neste
mês, os reis de Israel foram inaugurados.

Os judeus negros do norte da África

No ano 331, que Alexandre o Grande


derrotou o imperador persa, Dario na Batalha
de Gaugamela (incorretamente chamado
Arbela), um novo mestre emergiu no cenário
mundial e transformou a história e a cultura
de três continentes. No entanto, Alexander
morreu no auge de sua vida aos trinta e dois
anos devido à devassidão e à intoxicação.
Antes da morte de Alexandre, seu desejo era
estabelecer um estado euro-asiático. Seu
esquema era amalgamar os gregos com os
asiáticos. Isto foi implementado pelo amplo
casamento de suas tropas com as mulheres
coloridas do leste. A maioria de suas tropas
permaneceu nos países subjugados e tornou-
se absorvida pela população nativa.

Após a morte de Alexandre, seu vasto


império foi dividido entre seus generais.
Ptolomeu recebeu o Egito e Seleucus recebeu
a Ásia. Com o passar do tempo, houve uma
guerra constante entre essas duas dinastias.
No ano de 198 aC, os descendentes do
general Seleucus tinham sua capital na Síria,
ao norte da Palestina. Neste mesmo ano, a
dinastia selêucida na Síria obrigou o Egito a
abandonar a Palestina, a terra dos judeus. O
rei da Síria neste momento era Antíoco 3.

Quando Antíoco 4 usurpou o trono na Síria


(175-163 aC), ele manteve o pensamento de
unir o império de Alexandre. Isso significou a
conquista do Egito. No entanto, a província
que limitava o Egito era a Palestina, que
estava em seu caminho. Neste momento, os
judeus não aceitavam a cultura grega, no
entanto, Antíoco estava determinado a
helenizar os judeus.

O exército de Antíoco entrou na Palestina


para apoiar Menelaus, o líder do partido pró-
sírio. Como resultado, muitos judeus foram
mortos; outros escaparam para as colinas e
para o Egito. Somente os judeus que
apoiaram as políticas de Antíoco
permaneceram em Jerusalém.

Um decreto foi promulgado interceptando a


observância dos feriados, do sábado e da
circuncisão. Uma estátua de Júpiter foi
erguida no templo sagrado acima do altar. A
esta estátua, as pessoas trouxeram os
sacrifícios de uma carne de porco, o animal
que é uma abominação para os judeus. Por
causa desta perseguição religiosa, o sumo
sacerdote legítimo (Onias 3) e muitos outros
judeus fugiram para países africanos como o
Egito, a Etiópia e a Cereja (Líbia). Ao longo
dos últimos vinte e cinco anos, os principais
fatores que contribuíram para a migração
social dos judeus foram guerras,
perseguições religiosas e comércio. Todos
esses fatores estavam operando e originaram
a população judaica africana.

No ano de 65 aC, os exércitos romanos sob o


general Pompeu capturaram Jerusalém. Em
70 A.D General Vespasian e seu filho, Titus
pôs fim ao estado judeu, com grande abate.
Durante o período dos governadores militares
da Palestina, muitos atentados e atrocidades
foram cometidos contra o resíduo do povo.
Durante o período de Pompeu a Júlio, estima-
se que mais de 1.000.000 de judeus fugiram
para a África, fugindo da perseguição romana
e da escravidão. Os mercados de escravos
estavam cheios de escravos judeus negros.

E o Senhor te dispersará entre todos os


povos, desde o fim da terra até o outro; e
servirás a outros deuses, que nem tu nem
teus pais conhecem, nem madeira nem pedra
(Deuteronômio 28:64).

Esta profecia e todo o resíduo das profecias


contidas em Deuteronômio 28: 15-68
aconteceu com os judeus negros depois de
desobedecerem as leis de Deus. Muitas
nações transportaram os judeus para a
escravidão, e os filhos de Israel transmitiram
para todos os continentes.

O filósofo judeu, Philo (cerca de 40 aC 40


A.D), que morava em Alexandria, no Egito,
disse que um milhão de judeus residiam na
Líbia e no Egito a partir do Catabathmos até
as fronteiras da Etiópia. O professor A. H.
Godbey diz que Philoleaves nos duvida sobre
quais limites da Etiópia ele quis dizer. Eu
acho que Philo significou os limites ocidental
e sul da Etiópia, porque o profeta, Sofonias,
mencionou: "De além dos rios da Etiópia ...
as filhas dos meus dispersos". Havia um
período de mais de seiscentos anos entre
Sofonias e Filo; e considerando as novas
ondas de imigrantes que vieram para a
África, eles tiveram seiscentos anos para
penetrar em todas as fronteiras da Etiópia. E.
Schurer escreveu que o hebraico era
detectável por suas inscrições da fronteira
egípcia a oeste em todo o norte da África até
Mauretania. A. H. Godbey diz que Jerome
(340-420 A.D., um dos quatro Médicos da
Igreja) escreveu que os judeus se
espalharam da extremidade ocidental de
Mauretania para a Índia. Agora, a antiga
Mauretania incluiu parte do território no
Oceano Atlântico, Marrocos e parte da Argélia
moderna. É certo que os judeus haviam
migrado em todo o norte da África no
segundo século. Alguns estudiosos consertam
a data anterior a isso.

O historiador e geógrafo grego, Strabo (63


aC, 24 dC) disse, a respeito dos judeus de
Cirene (Líbia): "Agora, esses judeus já
entraram em todas as cidades e é difícil
encontrar um lugar na terra habitável que
não tem admitiu esta tribo dos homens e não
é possuída por ela, e aconteceu que o Egito e
Cirene, como tendo os mesmos
governadores, e muitas outras nações imitam
seu modo de viver, mantem grandes corpos
desses judeus de uma forma peculiar maneira
(status privilegiado), e crescer para uma
maior prosperidade com eles e fazer uso das
mesmas leis com essa nação também ".

Após a queda da metrópole cartaginesa no


norte da África, o poder romano tornou-se
dominante nos Estados do Barbery.
Sob a soberania e o poder romanos, os
judeus da Ásia e da África do Norte se
rebelaram contra os judeus. Os judeus se
consideravam numerosos o suficiente para
desafiar a autoridade romana no leste e no
sul. Por causa de seus números, os judeus
quase subjugavam seus adversários que os
obrigaram a sofrer muitas atrocidades e
indignidades. O imperador Trajano enviou seu
general, Turbo, para trazer lei e ordem. Em
vez de trazer lei e ordem, o ato de supressão
da insurreição trouxe um massacre. A
supressão da rebelião sob o slogan de "lei e
ordem" pode ser boa em princípio; mas uma
coisa boa pode ser levada até muito longe;
então foi nesse caso. Os pagãos e os
romanos atacaram os judeus
indiscriminadamente, tanto os soldados
judeus como a população pacífica não
envolvida, sem piedade. Como resultado
desse ataque implacável, muitos judeus
fugiram para as partes do noroeste da África
conhecidas como Tunísia, Argélia, Marrocos e
Mauretania. Muitos outros judeus fugiram
para as áreas onde Roma não tinha
jurisdição, isto era para a região do sul, o
deserto do Saara e o Sudão. Grayzel diz:
"Essa é a explicação de como o primeiro
deserto do Saara adquiriu tribos judaicas
endurecidas por uma tradição de luta e
possui características físicas (negros) que,
segundo dizem, ainda as aproximam muito
de perto da população judaica original da
Palestina".

Os judeus são pessoas omnipresentes; eles


parecem existir em todos os lugares. No
início do século VI eles são encontrados na
Espanha antes da conquista mumomã. A
Espanha é conhecida pelos judeus como a
terra clássica do cripto-judaísmo, porque
fingiram o cristianismo, mas praticavam o
ritual judeu em segredo. Já no período
romano, os judeus da Espanha tinham sido
numerosos e influentes. Muitos deles
alegaram ser descendentes de judeus nobres
em Jerusalém que foram levados ao exílio
pelo general Titus. Após a invasão dos
Visigodos (tribo germânica), a situação
melhorou os judeus porque os visigodos
adotaram a forma ariana do cristianismo e
eles preferiam os judeus.
No entanto, quando se converteram ao
catolicismo, tornaram-se zelosos como
qualquer outro neófito. O rei Recered subiu
ao trono em 589; Este foi o início de
promessas religiosas severas contra os
judeus. Quando o rei Sisebut (ou Sisibot)
ocupou o trono, houve uma prevalência do
maior fanatismo religioso. Em 616 A.D, o
grande choque veio; o rei ordenou o batismo
de todos os judeus em seu domínio, sob a
pena de expulsão e a perda de todos os seus
bens. Segundo as autoridades católicas,
noventa mil abraçaram o cristianismo neste
momento. Isto foi um batismo forçado. No
século VII, os judeus foram ameaçados com a
pena da escravidão se eles fossem
encontrados praticando o judaísmo. Essa
política cruel causou que muitos judeus
fugissem para o Mediterrâneo e a costa oeste
da África. O ponto mais austral da Espanha
depois de atravessar o mar leva você para o
norte ou o oeste da África. Ao longo da Idade
Média muitos governos europeus expulsaram
seus judeus; esses judeus negros migraram
para países vizinhos, Turquia e África.
O Senhor causará que você seja ferido diante
de seus inimigos; sairá de um lado contra
eles, e fugirá sete caminhos antes deles; e
será removido em todos os reinos da terra
(Deuteronômio 28:25)

Os imperadores bizantinos, nos séculos


quinto e sexto, perseguiram constantemente
os judeus; portanto, multidões de judeus
foram obrigadas a migrar para o deserto do
Saara para o sul. Por esta altura, o deserto
do Saara estava fortemente ocupado com
judeus negros.

Os árabes se afastaram da Arábia no século


VII. No ano 640 A.D, eles atacaram o Egito e
continuaram em toda a África. Então, uma
rainha judia chamada Diah Cahena organizou
um exército composto de judeus e berberes
para impedir a penetração dos muçulmanos
no norte da África.

Esta raça venceu os árabes, e o povo da


África se alegrou em sua vitória. Anos depois,
os mahometanos lutaram contra o exército
dessa reina judaica mais uma vez e ela foi
derrotada. Ela foi derrotada pela segunda vez
por causa dos ciúmes de pessoas diferentes
em várias tribos. Tendo se tornado
disfarçado, seu filho tornou-se muçulmano e
participou da conquista islâmica da Espanha
no ano 711 A.D.

O Império Judeu Negro de Gana

O antigo império preto de Gana estabelecido


no Sudão ocidental. Durante o período
colonial, o oeste do Sudão foi chamado de
África Ocidental Francesa: o limite norte
desta região é o deserto do Saara; A fronteira
ocidental e sul é o Lago Chade. Alguns rios
desta região são o Senegal, a Gâmbia, o
Volta, o Benue, o Logone e, por último, o
famoso rio Níger. Este rio flui das terras altas
da Guiné, nordeste, para as famosas cidades
de Timbuktu e Gao; então faz uma curva
brusca e flui para o sudeste em direção à
cidade de Benin na Nigéria.

Nos tempos antigos, os cartagineses do norte


da África penetraram no deserto do Saara e
no Sudão ocidental durante o segundo e
terceiro séculos B.C. Quando o norte e o leste
da África tinham acumulado mais de um
milhão de judeus, esses judeus iniciaram
uma migração contínua para a região do rio
Nilo.

De acordo com as pesquisas de Nahum


Slouschz: "Tradição dos comerciantes judeus
no Sahara remonta aos tempos bíblicos".
Slouschz continua: "E não é de todo
surpreendente encontrar em cada parte dos
traços do deserto - e até mesmo
sobreviventes - de um judaísmo primitivo
que, de uma vez, desempenhou um papel
importante em toda a região do Saara, do
Senegal, até as próprias fronteiras da
Somalilândia ".

Como mencionei anteriormente, esta região


que se estende em toda a largura da África,
abaixo do deserto do Saara do Senegal para
a Somalilândia, é conhecida como o Sudão ou
a África negra.

Entre o segundo eo terceiro século, os judeus


negros da Arábia continuaram a migrar pelo
Mar Vermelho para a Etiópia. O maior êxodo
dos judeus ocorreu durante a perseguição
dos árabes liderados por Mohammed. Ele
havia dito na cama moribunda que queria que
o Islã fosse supremo em toda a Arábia.

Havia uma tribo judaica chamada Rechab que


atravessava o Mar Vermelho e migrou para o
extremo do Sudão ocidental.

Ao mesmo tempo em que os judeus


migraram para o oeste do Sudão da Etiópia,
eles também migraram para o sul da Líbia,
Tunísia, Argélia e Marrocos, para a região
fértil entre os rios do Senegal e do Níger.
Quando os judeus do norte e do leste se
encontraram entre esses dois rios,
estabeleceram uma confluência ou
encruzilhada no oeste da África, onde os
homens poderiam trocar sua cultura, idéias e
mercadorias. Essas migrações judaicas
prosseguiram com grande frequência de
cerca de 300 A.D, e continuaram com a maior
regularidade por doze mil anos. Joseph J.
Williams aponta o curso dos judeus migraram
para o Nilo passando Memphis, Elephantine,
Khartum, e então viraram o oeste em
Kordofan, no centro do Sudão. Na região do
Nilo Branco, Williams pensa que alguns
judeus se estabeleceram no país do Shilluk,
no sul do Sudão e Uganda.

Ele continua rastreando a migração do


Kordofan (indo para o oeste) para Darfur,
Lago Chade, Kano e depois para os países do
rio Níger.

A habitação original do povo Songhay era


Gounguia, Koukya ou Kuka. Este lugar estava
situado no país Dendi e conhecido como
Dendina, deitado perto do rio Níger na
fronteira noroeste, que agora é o estado
moderno da Nigéria. Muitos estudiosos
pensam que o povo de Songhay veio do Egito
ou da Etiópia, porque existem muitos
complexos de cultura egípcia entre eles; por
exemplo, a preparação do cadáver do funeral.

Za el Yemeni chegou a Kuka cerca de 300


A.D .; uma antiga residência da tribo
Songhay. Ele estabeleceu uma linha de reis
conhecida como Za, Dja, ou a Dinastia Dia.
Este fundador da primeira dinastia sudaniana
no oeste da África era um judeu negro; Seu
nome às vezes é escrito Za-al Ayaman.
Joseph J. Williams diz que um cidadão de
Timbuktu chamado Abderrahman Es-Sadi
escreveu (1652) em seu livro Tarika es Sudan
(History of the Sudan) que Za-al-Ayaman foi
derivado de dza min el-Yemen, ele veio de
Iémen. Za el Yemeni chegou ao país do Níger
por Wargla, no centro da Argélia; Wargla era
um excelente centro comercial dos judeus
negros. Dr. Barth e Professor Godbey dizem
que Za, o fundador da Primeira Dinastia
Judaica, estabeleceu sua capital mais tarde
em Gao, no leste do rio Níger.

Os árabes, os mouros e os escritores


sudaneses atribuem aos antigos hebreus
africanos negros o estabelecimento dos
primeiros impérios, "a construção dos
primeiros edifícios públicos do país, a
construção dos primeiros canais e sistemas
de irrigação e a instituição de um regime
econômico social que ainda sobrevive em
todas as comunidades saharauis”.

Por quais fatores podemos explicar o


surgimento da hegemonia e liderança
hebraica negra sobre as tribos indígenas? A
resposta é simples: os judeus entraram no
Sudão ocidental do norte e leste da África
como resultado de uma cadeia de migrações
comerciais e persecutórias. Os judeus se
estabeleceram entre as pessoas mais
civilizadas ao longo dos tempos. Eles
adotaram novos métodos de outras pessoas e
deixaram sua marca material, educacional e
moral entre as pessoas com quem residiam.
Durante muitos séculos, os hebreus tiveram
que empregar uma grande iniciativa física e
psicológica. Eles não podiam se dar ao luxo
de ser complacentes ou apáticos; Eles eram
odiados, então a apatia poderia significar
estagnação cultural ou morte. Os judeus
importaram para a parte ocidental da África
uma cultura material, educacional e moral
superior logo após 300 A.D, e esse avanço
cultural não foi duplicado ou excedido até a
ascensão do líder muçulmano, Mansa Kankan
Musa do Mali em 1312 A.D.

Nos séculos III e IV, os africanos na costa


oeste não possuíam a superioridade cultural
dos africanos nas costas norte e leste.

Os judeus negros tinham uma vantagem


sobre as tribos africanas: eles carregavam
sua cultura, história, leis e registros escritos
com eles; Isto assegurou-lhes um precedente
constante para o desenvolvimento de uma
organização social superior. Por causa da
estabilidade da cultura negra dos judeus, os
judeus não foram absorvidos na população
autóctone. Na verdade, os judeus
absorveram algumas das tribos nativas. Os
judeus usaram todas as oportunidades; eles
eram pessoas industriosas e habilidosas: nos
estados judaicos ganeses encontraram reis,
príncipes, governadores, generais,
secretários, tesoureiros, agentes de receitas,
juízes, arquitetos, engenheiros, médicos,
historiadores, intérpretes de linguagem,
matemáticos, joalheiros, escultores,
pedreiros, carpinteiros, pintores de arte,
ourives, trabalhadores de couro, oleiros,
armadores, seladores, ferreiros, agricultores,
etcétera.

O rei do hebraico preto de Gana tinha


dois títulos:

(1) Kayamaga (mestre de ouro); (2) e Gana


(chefe de guerra).
O professor Godbey diz que vinte e dois reis
de Hebreus reinaram em Gana antes da
Heguira em 622 DC e quarenta e quatro
reinaram em 790. Davidson faz referência ao
Tarikh el Fettach (História do Pesquisador)
que diz que Kumbi tinha sido a capital do
vasto país dos Kayamaga, enquanto o Tarikh
es Sudan afirma que Kayamaga tinha sido o
nome do primeiro rei deste país. É evidente
que todos os reis de Gana foram convocados
pelo título Kayamaga.

E a respeito de Kumbi, a antiga capital do


Gana, estava localizada na parte sul do atual
país do Mali.

Durante a Idade Média, o nome de Gana não


foi usado para designar o país; O nome deste
país era Aoukar, e Gana era apenas o título
de seus reis. Tendo conhecimento desse fato,
indica a grandeza e o esplendor desses reis,
porque depois do declínio da dinastia Za os
homens começaram a chamar esse país após
o título de seus reis, que é o Gana, e eu farei
o mesmo.
No século XIV, um escritor muçulmano
chamado Ibn Batuta escreveu sobre as
mulheres em uma das cidades de Gana. Ele
encontrou as mulheres de Walata de beleza
superando, e ele deveria ter sabido o que ele
estava falando porque ele viajou
amplamente. Além disso, ele achou outro fato
surpreendente: as mulheres receberam mais
respeito do que os homens, e os machos não
expressaram ressentimento nem ciúme. O
povo não percorreu sua descendência de uma
cabeça paterna, mas de sua descendência de
uma cabeça paterna, mas de seu irmão
materno. Um indivíduo legou seu legado aos
filhos de sua irmã.

A base material do estado de Gana foi


baseada na riqueza do ouro e do ferro. O uso
do ferro na África, especialmente no Gana,
revolucionou os sistemas sociais e militares.
El-Zouhri afirmou que os ghanianos lutaram
muitas guerras contra seus vizinhos, que não
usaram ferro, mas lutaram com barras de
ébano. Os ghanianos poderiam destruir seus
inimigos porque lutaram com lanças e
espadas. Os agentes de receita do rei
cobravam impostos sobre importações e
exportações e o meio de troca era ouro.

No que diz respeito ao reino de Gana, Joseph


William escreve: "Qualquer que seja o
pensamento de tradições mais ou menos
mitológicas ligadas aos primeiros judeus no
norte da África, é praticamente um fato
estabelecido que uma nação judaica -
judaica, pelo menos na fé, e talvez também
em uma extensão de longa duração no sul do
Sahara ".

Eldad the Danite

No século IX, um hebraico africano negro


chegou à cidade de Kairouan na Argélia.
Nesta cidade havia uma das famosas escolas
talmúdicas. O nome deste hebraico era Eldad
the Danite. Ele contou uma história credível
de um império hebreu ao sul do Sahara no
Sudão ocidental. De acordo com Eldad the
Danite, os hebreus no interior da África
falaram uma língua fenícia-hebraica
misturada com árabe.

Eles tinham uma religião que desceu de


Moisés e um imperador hebreu. Acreditava-se
que este imperador era chamado Tloutan ou
Boulatan. Eldad disse que pessoas desta tribo
haviam fugido do reino de Israel depois que
Senaquerib, o assírio, a tinha subjugado, e
que outras tribos israelitas como Naphtali,
Gad e Aser estavam na terra de onde ele
veio. Ele contou as leis de Moisés que
seguiram, a série completa das Escrituras,
exceto Esther e Lamentações. Ele não falou
das obras legais que foram produzidas na
Babilônia e na Palestina após a destruição do
Primeiro Templo do qual os judeus argelinos
tinham conhecimento. Essas extraordinárias
obras foram a Mishna e o Talmud. Eldad
exibiu como prova alguma cerimônia
referente ao abate de animais para
alimentação; Foi escrito em hebraico com um
matiz árabe, mas Eldad afirmou que não
conhecia outra língua além do hebraico. Em
relação à história de Eldad, o Gaon (chefe dos
judeus) assegurou às pessoas que a história
era credível.

Agradecemos as viagens e pesquisas de


Nahum Slouschz que escreveram no início do
século XX. Ele disse: "Por muitos anos, o
autor deste livro vem coletando material para
uma história das migrações judaicas para o
Sara e o Sudão. Uma parte de seu trabalho já
está concluída, o estabelecimento da
autenticidade dessas migrações. escrevendo
os árabes e as tradições orais do país, ele
agora pode adicionar as evidências
arqueológicas fornecidas pelas ruínas das
antigas cidades judaicas no Saara e no
Sudão, e as provas documentais de inscrições
hebraicas, como as de Tuat, que datam da
séculos XIII e XIV ".

Agora é um fato estabelecido que Gana era


um estado negro hebraico e, nesta
conjuntura, continuarei meus escritos sobre a
dinastia Za de Gana.

O décimo quinto principe de Za assumiu o


controle da grande cidade de Gao no Alto
Níger, A.D 1009. Seu nome era Za kasi ou
Kossoi. Até este momento, todos os reis de
Gana professaram a religião hebraica; no
entanto, no ano ocorreu uma transformação
radical: Za Kasi acumularam o Islã. Davidson,
citando o Tarikh el Fettach, diz que o rei de
Songhay (Gana) foi persuadido a se converter
ao islã pelos comerciantes da cidade de Gao,
que já se tornaram ricos e economicamente
poderosos. Muito do comércio de Gana foi
mantido com os muçulmanos do norte. Os
norte-africanos eram ardentes muçulmanos
em seus dias; e a economia e a religião eram
co-parceiros, operando de forma concertada
na cidade de Gao. Não condeno Za Kasi por
sua conversão ao Islã; na verdade, eu
justificarei suas ações. Os muçulmanos
dominavam os vínculos comerciais vitais do
Gana no norte da África e o Sahara e era bom
que a segurança do Gana fosse reconhecida
como tendo um rei mahometano.

Sobre o Islã no Sudão Ocidental, Basil


Davidson faz a seguinte observação: "O Islã
atinge os mercados do Ocidente do Sudão
pelo menos no século IX. Mas isso faz pouco
impacto inicial. Os governantes de Gana não
aceitam o Islã como uma vez de seu estado
religiões. Somente no início do século XI,
existem algumas dessas conversões, a
primeira de qualquer importância que
conhecemos sendo a do rei de Gao,
tradicionalmente em 1010, seguida da do rei
de Kanem-Bornu em 1086 ". Davidon diz:
"Estas são conversões táticas (esses reis são
muçulmanos apenas em nome), motivados
tanto pela conveniência comercial quanto
pela apreciação das realizações políticas e
religiosas e do ensino do islamismo".

Apesar do fato de que os reis de Gana


professaram o Islã, muitos dos habitantes
permaneceram judeus. El Bekri, o escritor
muçulmano, escreveu sobre Gana em 1067.
O rei de Gana, Tenkamenin, era o governante
de um grande império e conseguiu organizar
um exército de duzentos mil homens.

No século XI, um povo maometano do


noroeste invadiu a cidade de Aoudaghast no
Império do Gana. Esses invasores foram
chamados de Almoravides. No ano de 1076,
D. Abu Bakr, líder dos Almoravides, capturou
a capital do Gana; No entanto, o rei islâmico-
judeu podia manter seu trono; Tenkamenin
homenageou Abu Bakr.

Neste momento, Gao ou Gagho, a capital do


Gana, foram separados em duas cidades; A
primeira foi a residência do rei. Esta cidade
continha uma fortaleza que estava cercada
por uma parede. A segunda cidade continha
doze mesquitas em que os comerciantes
mahometanos podiam se instalar ou esperar
até que eles transacionassem seus negócios.
Esta descrição dada por El-Bekri nos deixa
com a impressão de que a cidade da
residência do rei provavelmente era habitada
principalmente por judeus, porque havia uma
grande distinção entre a residência do rei e a
residência dos mahometanos.

Na cidade de Gao, a religião islâmica era


influente, só um muçulmano poderia ser rei.
Quando um novo rei subiu ao trono, três
símbolos imperiais reais constituindo o
Alcorão, uma espada e um anel foram
recebidos pelo rei.

Ahmed Baba, nativo de Songhay, data do


início do Islã em Gana após o ano 1010. El
Bekri designa o então rei reinante como
Kanda. Barth diz que ele provavelmente é
idêntico ao rei islâmico-judeu Za Bayuki ou
Bayarkoy Kaima (de Ahmed Baba), o terceiro
rei sucessor de Za Kasi.
O Império do Mali

O Império do Mali também é chamado de


império Mellestino. A palavra Mali é derivada
de uma raiz gramatical Mandingo que é livre.
Os governantes e as pessoas do império de
Mali eram negros africanos da tribo
Mandingo. Esta tribo foi originalmente situada
no território conhecido hoje como Guiné-
Sierra Leone e para o norte. Nas margens do
Alto Níger perto da atual Serra Leoa, os
Mandingos estabeleceram sua capital em um
lugar chamado Niani.

Após o desmembramento do Império Ghanai


por invasões de muitas tribos, o Gana se
separou em vários estados. Mas na capital do
Gana, o hebraico Zakings continuou a reinar.

Muitas pessoas que estavam sujeitas a Gana


proclamaram sua independência depois que o
caos se instalou. O mais célebre dessas
pessoas eram os Mandingos que
estabeleceram o núcleo de um novo império
em meados do século XIII (1240 A.D.)
Existem vários fatores importantes que
devemos considerar para compreender o
surgimento do Mali. Em primeiro lugar, Mali
recebeu um ímpeto e uma influência
significativa de seu antecessor, Gana, para o
norte. Essa influência pode ser explicada de
maneira política, econômica e religiosa. Os
comerciantes muçulmanos do norte e o
Sahara tinham seus centros comerciais nas
cidades de Gana. Os comerciantes do
Mandingo do Mali trocados com Mali
negociaram com os muçulmanos. Naqueles
dias, e até certo ponto hoje, o comércio e a
religião operaram juntos. Os comerciantes do
Mandingo reconheceram as vantagens da
crescente cultura influente poderosa e da
religião dos muçulmanos no norte. Como
resultado, os comerciantes do Mandingo
desempenharam um papel importante no
transporte do Islã para o povo.

Os Mandingos eram um povo agrícola bem-


sucedido. Eles foram abençoados com a
disponibilidade de rios que eles usavam para
irrigação. Eles cultivaram arroz e outros
produtos básicos que contribuíram para uma
população em rápido crescimento. O povo do
Mali tinha grãos suficientes para vender às
pessoas do Sahara e ao norte. Eles
desenvolveram cidades de mercado que mais
tarde se tornaram cidades e estados. Com
suas habilidades comerciais, suas habilidades
e energia vigorosa, Davidson disse, os
Mandingos tornaram-se "ricos". Davidson
continuou: "Com o colapso de Gana (como
um império), sua chance de grande poder
político estava aberta. Eles o agarraram com
uma terra segura".

Ao lidar com os reis do Mali, Ibn Khaldun é


classificado como nossa melhor autoridade.
Ele escreveu cerca de 1376 A.D.

O rei do Mali que é credenciado pelo


estabelecimento e organização de um sistema
imperial no Mali foi Sundiata. O ano em que o
estado Mandingo subiu ao poder imperial é
datado de 1240. Neste ano, uma batalha
decisiva foi travada entre os Mandingos e um
povo de Tekrur, evidentemente Almoravides
da Mauretania medieval.
Sundiata derrotou Sumanguru e seu povo,
que capturaram o assento dos reis hebraicos
de Gana e impuseram-lhe tributo. Como
outros reis do Sudão ocidental, Sundiata
sabia que o poder dependia da riqueza; A
maior parte da riqueza estava no comércio; e
a maior parte do comércio estava nas mãos
dos muçulmanos; conseqüentemente ele se
converteu ao islamismo.

Quase cem anos após a morte de Sundiata,


surgiu um poderoso rei no Mali. O nome dele
era Mansa Musa. Durante a sua vida (1312-
1337), suas realizações transcenderam os
antecessores ". Seu império se estendeu de
leste a oeste, começando no Oceano Atlântico
até a Nigéria moderna do norte; e de norte a
sul, chegando quase do centro de Mauretania
e estendendo-se até as fronteiras da Guiné e
da Costa do Marfim.

Em 1326, D. Mansa Musa fez uma


peregrinação a Meca, a Cidade Santa dos
Maometanos. Diz-se que ele exibiu um
esplendor maravilhoso que surpreendeu os
espectadores: chegou ao leste com milhares
de soldados e mais de 60 mil guerreiros
montados. Além de seus soldados, ele tinha
quinhentos escravos, cada um carregando
uma vara de ouro pesando seis libras. Como
contribuição para as cidades sagradas, ele
deu 20 mil pedaços de ouro.

O Mali, em seu apogeu, era conhecido por


sua prosperidade e paz; Dentro do império
existia um sistema penetrante de lei, ordem e
justiça. Um visitante africano, Ibn Batuta,
tinha a dizer sobre o Sudão: "Os habitantes
tinham uma maior aversão à injustiça do que
qualquer outra pessoa. Nem o homem que
viaja nem o que fica em casa tem algo a
temer dos ladrões ou homens de violência .

Durante a vida de Mansa Musa, o comércio


aumentou em grande escala. Os
comerciantes do Mali estabeleceram estações
de retransmissão em todo o império em
centros importantes; essas empresas
chegaram ao país da floresta ao sul dos rios
Senegal e Níger.

Antes da época de Mansa Musa, a cidade de


Timbuktu foi fundada na última parte do
século XI. Barth pensa que foi primeiro um
pequeno mercado para os habitantes da
província de Rad.

Mansa Musa não é apenas lembrada por sua


peregrinação, comércio e conquistas
militares, mas também por suas construções
públicas. O rei do Mali construiu um palácio e
várias mesquitas na célebre cidade de
Timbuktu. Nas extremidades da cidade de
Timbuktu, essas mesquitas foram erguidas: a
mesquita de Jengere-ber estava localizada no
sudoeste e a mesquita de Sankore estava
localizada no bairro norte da cidade. Mansa
Musa era, de fato, um campeão da religião e
da aprendizagem islâmica. Este foi o tempo
que a cidade de Timbuktu e Jenne
começaram a subir como cidades escolares.
Concomitante com a mesquita de Sankore foi
estabelecida também a Universidade de
Sankore. Esta universidade durante o período
da dinastia de Askia the Great adquiriu uma
reputação universal como uma universidade
de teologia, direito, filosofia, medicina,
história, etcétera.

Antes de continuar, cabe-lhe explicar que o


império posterior de Songhay foi erguido
sobre a base do império de Gana. A única
diferença era que Songhay era maior na área
terrestre, mais islâmica, mais escolástica e
terminou com um rei africano nativo.

Quando o imperador Kankan Musa estava em


sua peregrinação na Arábia, Sagamandir, o
general do Mali, levou Gao a capital de Gana
ou Songhay. Então Kankan Musa voltou da
Arábia por meio de Gao e aceitou a
capitulação do rei de Gana e seus nobres.
Philip St. Laurent, que escreve um artigo
mensal sobre a história africana (ver a revista
de terça-feira) para o Boletim da Filadélfia diz
que os soldados do Mali foram criados como
prisioneiros da família dominante de Dia
Soboi (esta era a Dinastia Hebraica Za).
Entre esses prisioneiros estavam Ali Kolon, ou
Killun, e seu irmão Selmar Nar, os filhos de
Za Yasebi; Esses príncipes hebraicos foram
nomeados como páginas no tribunal de Mali
por volta de 1335 A.D. No meio tempo, Gao
foi submetido sob o sistema político do Mali,
diz Davidson, e Mansa Kankan Musa exigiu
tributo de seus governantes.
Não demorou muito para que os príncipes da
dinastia Za escapassem da corte e do
exército do Mali. Eles organizaram um
exército e lutaram contra o rei do Mali. Ali
Kolon entretinha um profundo ódio contra os
conquistadores do Mali porque eles
subjugaram seu povo. Na última parte do
século XIV, o exército de Ali Kolon (mais
tarde chamado Sonni, o libertador, Ali) fez
ataques a Niani, a capital do Mali.

Ansiando pela independência, Sonni Ali


desistiu de homenagear o Mali. Por causa das
façanhas de Sonni Ali, a Dinastia Za de Gao
adquiriu uma nova denominação; A dinastia
depois de Sonni Ali i é chamada de dinastia
Sonni ou Shi. Havia cerca de dezessete ou
dezoito reis islâmico-hebraicos nesta dinastia.

O Império de Songhay

No ano de 1464, o décimo sexto presidente


da Za, Sonni Ali, assumiu a liderança de Gao
e começou a construir um novo império.
Sonni Ali atacou muitas das tribos vizinhas,
incluindo a cidade de Timbuktu, e as trouxe
sob sua hegemonia. Por sua força, ele não
dependia demais dos muçulmanos das
cidades, mas principalmente dos habitantes
do campo. Sonni Ali nem era um bom
muçulmano; Ele aderiu à religião tradicional
de Gao e ao povo Songhay. Em quase todos
os sentidos, Songhay era um império maior
que o Mali. Sonni Ali sistematizou vários
esquemas de organização e administração
desconhecidos por seus predecessores. Ele
nomeou governadores sobre seus territórios e
organizou um exército profissional
permanente composto por anechelon,
incluindo uma marinha, no Níger.

O império Songhay parece ter começado com


Sonni Ali 1. Este foi o momento do declínio do
império de Mali no ano de 1350 A.D., mas o
vigor superior do império de Songhay não
ocorreu até o tempo de Askia o Grande.

Agora, referente ao temperamento de Sonni


Ali, muitos escritores dizem que era
incontrolável. Ele mataria muitos de seus
importantes funcionários e ministros de
Estado, depois desejando que estivessem
vivos. O secretário de Sonni Ali nesse
momento era um homem chamado El Cadr
para quem Sonni Ali havia ordenado a pena
de morte devido a uma contradição. No
decorrer do tempo chegou um livro que
ninguém na corte do rei poderia ler, mas El
Cadr; então o rei expressou remorso por sua
ação precipitada; Naquele momento, sua
secretária foi trazida à sua presença. Ao vê-
lo, Sonni Ali mostrou grande alegria e deu
presentes valiosos aos que o salvaram.

Havia outro oficial distinto do estado, que


sobreviveu à morte desta maneira, conhecido
por vários nomes como Mohammed Toure e
Abu Bekr, que sucederam Sonni Ali como
Askia the Great.

Depois que Sonni Ali completou seus


negócios em Gao, seu incansável impulso
militar o moveu. Ele atacou para o leste e o
oeste expandindo o império. Seus atos
predatórios adquiriram para ele um grande
saque, mas uma mudança de fortuna causou
sua morte. Quando ele estava atravessando o
rio Koni, ele caiu na torrente e foi afogado. O
corpo do grande rei foi preparado e
preservado de acordo com o antigo costume
egípcio; Este costume consistiu na extração
dos intestinos e na inserção do mel.

Sonni Barro, às vezes chamado Abu Kebr,


conseguiu Sonni Ali no trono, mas seu
reinado era muito curto. Após a morte de
Sonni Ali, seu mais distinguido general,
Mohammed Toure mergulhou o império na
guerra civil. Mohammed Toure lutou contra
Sonni Barro em Dangha e derrotou-o, então
Barro se refugiou em Gao, a capital.
Mohammed Toure parou por um tempo para
reorganizar seu exército antes de retomar a
guerra. Depois de uma batalha prolongada e
sangrenta, Sonni Barro foi conquistado e
forçado ao exílio.

Ao ouvir que Mohammed havia tomado o


reino de Barro, as filhas de Sonni Ali disseram
ter exclamado: "Askia! Askia! Usurper!"

Como resultado, Mohammed imediatamente


decretou que ele não fosse chamado por
nenhum outro nome do que Askia e ele se
tornou conhecido como Mohammed Askia,
fundador de uma dinastia africana nativa, o
último a existir nesta parte do Sudão.
Com a ascensão da Dinastia de Askian, a
dinastia Za-Sonni dos reis do hebraico preto
foi encerrada no ano 1492 A.D.

Para perpetuar seu domínio ilegal,


Mohammed Askia empregou a astúcia
política; ele tornou-se um zeloso muçulmano
e garantiu a confirmação das autoridades
eclesiásticas. Ele defendeu que o
mahometanismo deveria se espalhar por todo
o império. Askia descarregou um grupo de
adivinhos e cercou-se de teólogos. Ele
consultou com eles em muitos assuntos
importantes. Com o pedido de Askia, os
teólogos proclamaram uma declaração que
dizia: Sonni Ali era um herege e que a luta
contra Sonni Barro era uma guerra santa.

Cerca de três anos após a guerra civil, Askia


emulou Mansa Kankan Musa do Mali,
realizando uma longa peregrinação às cidades
sagradas no leste. Sua cavalgada consistiu
em uma grande quantidade de soldados de
infantaria e cavaliers. Nesta peregrinação foi
também um séquito de 1500 príncipes e
chefes do império. Enquanto Askia estava em
Meca, ele gastou 100 mil pedaços de ouro;
Isso foi mais do que qualquer outra régua
gastou. Em Meca, ele comprou um jardim e
criou uma instituição de caridade para o povo
do Sudão. Ele deu ao Khalif dos presentes de
Bagdá que surpreendeu toda a corte; Essas
contribuições ultrapassaram todos os outros
reis. O Khalif de Bagdá, Abassid Motewekkel,
ficou imensamente impressionado com Askia.

Com o consentimento do Khalif, Askia foi


nomeada deputada em Songhay e como sinal
de sua autoridade, o Khalif deu a Askia um
verde fez e um turbante branco.

No Cairo, Egito, Askia passou muitas horas


entre os estudiosos religiosos, formando um
conhecimento especial com um estudioso
chamado Essoyouti. Foi aqui no Cairo que a
Askia aceitou muitos conceitos avançados
sobre ciência política, que ele colocou em
prática no Sudão.

Askia voltou para sua terra natal com uma


mente alargada e muitas novas experiências.
Ele nomeou seu irmão, Omar, comandante do
exército, e ele começou a consolidar o
império em expansão inciado por Sonni Ali.
Atacando muitas tribos (incrédulos no Islã),
Askia declarou guerra aos Yollofs e ao Mossi.
Em primeiro lugar, enviou um embaixador ao
rei dos Mossi, exigindo que o rei se
convertesse ao Islã. O rei recusou e Askia
não mostrou nenhuma misericórdia na guerra
que se seguiu. Ele dizimou as aldeias de
Mossi e as cidades, tornando todos os
habitantes prisioneiros e obrigando todos a se
tornar muçulmanos. O comprimento de seu
império se estendeu do Oceano Atlântico
além do Lago Chade, no leste.

Após o ano de 1502, o exército de Askia


invadiu o estado de Mali. Os Songhays
sofreram um número tão grande de mortes
que Omar observou: "O Songhay será
exterminado". A resposta de Askia foi: "Pelo
contrário. As nações conquistadas facilitarão
nossas vidas, porque elas serão parte de nós
e nos ajudarão em nossas empresas".

Mas Askia é conhecida por mais do que suas


conquistas. Escreve Davidson: "A cultura da
literatura do Sudão Ocidental, já existente há
vários centenas de anos, floresceu em
Timbuktu durante anos que viram, na
Europa, o estrago da Guerra dos Cem anos.
Ninguém pode dizer o quanto floresceu, não o
que Os frutos que ele lê ou escreve são
perdidos ou ainda não encontrados, mas Leo
Africanus, dois séculos depois, dá alguma
medida de vida intelectual da cidade. "Em
Timbuktu", ele diz, "existem numerosos
juízes" , médicos e clérigos, todos recebendo
bons salários do rei. Ele presta grande
respeito aos homens de aprendizagem. Há
uma grande demanda por livros em
manuscritos importados da Barbary. Mais
lucro é feito a partir do comércio de livros do
que de qualquer outra linha de negócios O
rei, é claro, era Askia the Great. "

Enquanto Gao era a capital política do


Império Songhay, Timbuktu era a capital
cultural. Muitos dos alunos de Timbuktu, Gao
e Jenne foram enviados para as
universidades muçulmanas do Norte de
África, Espanha e Ásia. Além disso, muitos
homens cultos, independentemente da
nacionalidade, foram convocados para ficar
na célebre cidade de Timbuktu, onde o
dinheiro foi apropriado para sua
aprendizagem.

Para unir seu império, Askia interligou as


famílias reais por casamento. Diz Du Bois:
"Os mais altos oficiais de estado foram
escolhidos da família real ou casados com
suas princesas, assim como os principais
chefes militares, formando uma aristocracia
dinástica da maior importância para a
unidade nacional".

Para uma melhor organização administrativa,


Askia criou quatro vice-reis em seu império;
um no leste em torno do lago Chade, um
segundo estava no norte em torno de
Timbuktu e gao, um terceiro estava no
noroeste e um quarto no sudoeste. Porque o
governo de Songhay era forte. Askia
conseguiu controlar o comércio. Ele construiu
uma frota mercante e frota de guerra para
facilitar o comércio nos portos e canais que
ele construiu no rio Níger e seus ramos.
Como resultado, a economia e o comércio se
desenvolveram com um tremendo auge. A
cidade de Jenne tornou-se um caldeirão de
comércio interno; Timbuktu do comércio
internacional.

Pela primeira vez, as empresas comerciais


portuguesas estabelecidas na costa oeste da
África no ano de 1448.

Durante a vida de Askia, os navios norte-


africanos e portugueses embarcaram no
porto de Songhay em kabara, no centro do
Níger. A fim de perpetuar e facilitar o
comércio, Askia padronizou o sistema de
pesos e medidas. Não houve tolerância ao
assalto rodoviário. Alguém achou culpado
desse ato declarado incorrer em punição
máxima.

Durante o reinado de Askia 1, seu filho, Askia


Moussa, se revoltou e expulsou seu pai. Anos
depois, com a ajuda de outro filho (Ismail),
ele voltou para Gao, a capital. Depois de
reinado por trinta e cinco anos, ele morreu
em 1538.

Apesar do fato de que existia muita discrição


entre os descendentes de Askia, o forte
governo que ele criou assegurou sua
sobrevivência por muitos anos.
O caos final veio a Songhay quando os
mouros invadiram em 1591. Os mouros
vieram adquirir riqueza; eles pagaram um
preço direto por suas façanhas predadoras.
Alguns escritores estimaram que 23 mil
mouros morreram de uma forma ou outra
nas campanhas militares contra Songhay.
Depois de duas décadas, os mouros retiraram
suas forças militares de Songhay, em 1618.
Basil Davidson diz isso sobre Songhay: "Mas
se sua invasão custasse aos marroquinos
muito mais do que valia, custou a Songhay
seu lugar na história. demoliu a unidade e a
organização administrativa do estado, e
enquanto deixou Timbuktu e Gao e Djenne
como cidades consideráveis, roubou essa
civilização de sua vitalidade ...

"A partir desse momento", diz a crónica (o


Tarikh), "tudo mudou. Perigo tomou o lugar
da segurança, poderoso da riqueza. A paz
deu lugar a angústia, desastres e violência ".

Depois que os mouros se retiraram do Sudão,


as colônias estabelecidas, portuguesas,
francesas e inglesas e aproveitaram os
recursos minerais desses países.
Capítulo 6

A Dispersão final dos judeus negros da


África

Início da África do Norte

Muitos estudiosos chamam os habitantes de


"Berbers" de Norht Africa, mas não vou fazer
isso. Não gosto dessa palavra berber; Em
primeiro lugar, não é uma palavra nativa da
África, portanto, é enganosa. Os gregos e
romanos chamaram o povo do Norte da África
"berberes", o que significa bárbaros; No
entanto, as pessoas desta região têm seus
próprios nomes. O historiador grego
imparcial, Herodoto (pode ser honrado ser
dado a ele), dá os nomes originais das tribos
do norte da África. A partir do Egito,
estendendo-se ao Oceano Atlântico, são os
seguintes: Adyrmachidae, Gilligammae,
Asbytae, Auschisae, Cabalians, Nasamonians,
Numidians, Psylli, Garamantians, Macae,
Gindanes, Lolophagi, Machlyans, Auseans,
Troglodytes, Zavecians, Gyzantians,
Atarantians e os atlantes.

Heródoto diz que há quatro nações em África;


Dois são indígenas, etíopes e líbios. Os
fenícios e os gregos são recém-chegados.
Heródoto considerou todas as tribos do norte
da África como Libérias e todos os africanos
abaixo do Sahara, ele chamou de etíopes.
Estas são as duas nações indígenas na África.

Os habitantes originais do norte da África


eram Hamites; estes Hamites eram negros
como os egípcios e este ponto foi
comprovado por Heródoto.

Como a maior parte da história no mundo


ocidental foi distorcida, torna-se necessário
que eu explique algumas dessas distorções.
Diz Heinrich Barth, um escritor europeu: "Os
habitantes de Walata são uma raça mista de
negros e brancos". Agora, a questão é:
"quem ele inclui como suas escritas?
Continua Barth:" Os brancos são bereberes e
árabes ". Esses berberes e árabes não eram
brancos nos tempos antigos. Qual é a base
deles para chamá-los de brancos? O motivo
óbvio é que ele quer atribuir a antiga
civilização avançada à raça branca para
perpetuar a filosofia da supremacia branca.
Muitos negros têm narizes retos e lábios
finos; os negros que possuem essas
qualidades têm uma morfologia branca
(forma) .

Joseph Williams disse isso sobre os negros da


África Ocidental: "Na maioria dos grupos
mistos de negros, um Songhois pode ser
identificado à primeira vista, sua pele é preta
como a deles, certamente, mas nada em sua
máscara está de acordo com suas
características bem conhecidas. O nariz do
Songhois é reto e longo, apontado e plano, os
lábios são comparativamente magros, e a
boca larga, em vez de proeminente e larga,
enquanto os olhos estão profundamente
ajustados e retos em seus obits. Um olhar
superficial mostra que o perfil se assemelha
ao dos europeus. "Alguns escritores europeus
até penetram na África mais negra e dividem
os negros de acordo com a forma dos narizes
e lábios.” Continua Williams: The Songhays,
"embora de pele preta e de cabelo lã, suas
características são muitas vezes de molde
caucasiano". Há muitos povos coloridos nos
Estados Unidos com narizes retos e lábios
finos, mesmo tão pretos como o alcatrão; e
os europeus não classificam essas pessoas
coloridas como pertencentes à raça branca.
Após uma extensa pesquisa, minha conclusão
é a seguinte: alguns escritores europeus
classificaram certas tribos na África e na Ásia
como pertencentes à raça branca; Eles fazem
isso, desde que seja psicologicamente
vantajoso, para inflar seu ego e dar-lhes um
lugar proeminente na história afro-asiática.

Não só as pessoas da África e da Ásia eram


pretas nos tempos antigos, mas também as
terras européias do Mediterrâneo.

Os cananeus e fenícios na África

O idioma que se chama hebreu-fenício ou


cananeu foi empregado nas terras chamadas
Fenícia, Palestina ou Canaã por mais de mil
anos antes que os aramaus, Abraão, Isaque e
Jacó vieram a Canaã.

Os israelitas perderam a língua aramaica e


adotaram o discurso hebraico dos cananeus.
Os comerciantes hebraico-fenícios das
cidades de Sidon e Tiro controlavam o
comércio ao longo das costas do
Mediterrâneo por mais de mil anos antes de
haverem tratados econômicos com os
israelitas. Os fenícios de língua hebraica
(cananeus) estabeleceram sua maior cidade,
Carthage em Túnis, no norte da África; Todos
os cananeus eram negros.

Antes que os fenícios estabelecessem sua


colônia (Carthage) na África, muitos
cananeus de língua hebraica migraram para o
norte da África.

Um Tosefta, citando uma fonte mais antiga,


diz que quando Joshua se aproximou de
Canaã, ele disse aos habitantes que três
cursos estavam abertos para eles: eles
poderiam sair do país, ou poderiam pedir a
paz, ou poderiam declarar guerra contra ele.
Os Girgashites, entre outros, preferiram
retirar-se para a África. O Tosefta prossegue
dizendo que os amorreus, os kadmoni, os
quenitas e os kenezites - alguns dos quais
figuram entre os fundadores de Cartago -
também foram para a África.
Essas tradições datam de um período em que
a comunicação entre a África e a Fenícia foi
contínua. Os nomes próprios de Girgash e
Kenaz são freqüentemente encontrados em
inscrições cartaginesas e fenícias.

O Talmud diz que os cananeus na África


pediram a Alexandre o Grande para restaurar
para eles o seu país, que foram tirados de
seus antepassados por Joshua ben Num.

"Essas tradições ... foram ratificadas pelos


Padres da Igreja, por isso, São Jerônimo
chama a testemunhar o Talmud para apoiar
sua afirmação de que os Girgashites
estabeleceram colônias na África e Santo
Agostinho designa os nativos da África como
cananeus".

O profeta Isaías (19:18) diz que cinco cidades


em África falarão a língua de Canaã.

Não devemos esquecer que os israelitas estão


envolvidos em empresas comerciais,
atividades e migrações desde o tratado de
Salomão com os fenícios.
Os fenícios estabeleceram sua metrópole,
Carthage, no século IX aC. Eventualmente,
eles conquistaram as tribos vizinhas da Líbia
para o Oceano Atlântico, disseminando sua
língua e cultura hebraico-fenícia, foram
revigoradas e fortalecidas pela deportação e
pela migração de hebreus enérgicos e negros
da Palestina. Ptolomeu Soter do Egito
conquistou a Síria e a Fenícia, deportando
mais de 100.000 hebreus. O rei persa
(Cambyses) já havia sancionado a
colonização de hebreus no Egito. Durante as
guerras dos Macabeus, milhares de hebreus
tornaram-se escravos e exilados.

Ptolomeu Lathyrus capturou 10.000 escravos


da região do Mar da Galiléia. Os reis do Egito,
Psamtik i e Psamtik 2, usavam guarnições
israelitas nas fronteiras egípcias perto da
Líbia. As guerras com Roma obrigaram
milhares de milhares a escapar para o norte
da África.
A Cidade e a Linguagem de Hannibal

Nas ruínas de Carthage, os arqueólogos


encontraram cerca de quatro mil inscrições
na língua antiga de Canaã. Nahum Slouschz
diz que essas inscrições datam do tempo de
Neemias, de Simão o Justo, de Hannibal e de
Hasdrubal. Diz Slouschz: "E o mais valioso de
todos, encontramos novamente a língua e a
escrita antigas de Canaã, o discurso rico e
idiomático de uma cidade que já contava
setecentos mil habitantes. E nós, escritores
hebreus, nós que escrevemos e sentimos em
nossa língua bíblica, reconheceram de uma
vez que esta linguagem chamada fenícia não
é nada mais nem menos do que o hebraico:
um dialecto hebraico puro, quase o mesmo
que se falou no país de Israel ... "

A população de Cartago derivava da Palestina


e sua civilização era de origem hebraica.
Slouschz é certo, depois de muita pesquisa,
que o idioma que Hannibal falou e no qual ele
dirigiu suas tropas foi hebraico.

Há evidências de que os cartagineses


possuíam um alto sacerdócio e suas
cerimônias e sacrifícios eram semelhantes
aos rituais encontrados no livro de Levítico.
De acordo com algumas inscrições, as tribos
hebraicas de Asher e Zebulun estavam em
Carthage desde a fundação da cidade. Nas
ruínas de Carthage foram escavadas muitas
inscrições contendo muitos nomes hebraicos
como Joab, Joas e Joel.

A cidade de Túnel não é nem árabe nem


européia. Tunis é uma cidade judaica. Em
nenhum outro lugar o judeu se sente em casa
como ele faz em Túnis. Slouschz diz tão
lindamente: "E, de fato, Tunes, o herdeiro da
Cartaia hebraica, é a Cidade Eterna dos
judeus. Pois, como a Fênix, os judeus
ressuscitaram novamente das cinzas de sua
destruição. Após o saque de Cartago , os
judeus foram encontrados novamente em
Carthage, os judeus foram encontrados
novamente em Carthage sob domínio
romano, depois das perseguições bizantinas,
eles fugiram para o deserto ...

“E mesmo sob a perseguição dos árabes, os


judeus de alguma forma conseguiram
sobreviver a uma catástrofe após uma
catástrofe ".

O Império dos Mouros

Em menos de cem anos, os árabes negros


abriram caminho completamente no norte da
África no século VII. Neste momento, os
árabes eram negros; Eles não se misturaram
muito com outras pessoas. Os árabes
penetraram no interior do deserto do Saara,
mas apenas em pequeno número para que o
território permaneça basicamente africano.

Mulay Idris, o descendente de Ali, o genro de


Maomé, trouxe o norte de Marrocos sob seu
controle no final do século VII. Seu filho e
sucessor foi Idris 2, que fundou o reino de
Fez.

Neste momento, na terra de Espanha, os


judeus negros foram perseguidos e muitos
fugiram para Marrocos e os mouros
planejavam invadir a Espanha com a ajuda de
judeus espanhóis. Enquanto isso, o enredo foi
descoberto e os judeus da Espanha sofreram
por suas intenções. No início do século VIII,
os mahometanos do Marrocos, unidos aos
judeus negros, fizeram o que chamamos de
desembarque anfíbio em Gibraltar. Essa
invasão foi bem sucedida. Nahun Slouschz diz
que: "O primeiro a pisar no solo da Espanha
era o Tarifário Geral (um judeu da tribo de
Simeão), depois de quem a ilha de Tarifa, em
frente a Tânger, foi nomeada". No entanto, o
Rock of Gibraltar, anteriormente conhecido
como Pilares de Hércules, recebeu seu novo
nome do grande conquistador majestoso
Gebel al Tarik, que significa a montanha de
Tarik.

Aqui está um relato vívido dos mouros


conquistadores descritos por um escritor que
simpatizava com a Espanha cristã: "... as
rédeas de seus cavalos eram como fogo, seus
rostos pretos como o tom, seus olhos
brilhavam como queimando velas, seus
cavalos eram rápido como os leopardos e os
cavaleiros mais ferozes do que um lobo no
redil da noite; ... os nobres godos foram
quebrados em uma hora, mais rápido do que
a língua pode dizer. Oh, Espanha sem sorte!

Estes negros mouros governaram partes de


Espanha por mais de setecentos anos.
Durante este tempo, os mouros
desenvolveram a maior civilização cultural
conhecida em qualquer lugar da Europa.

Na última metade do século XI, surgiu uma


poderosa dinastia de sultões do Senegal,
África Ocidental, conhecida como
Almoravides. Eles estabeleceram sua capital
em Marraquexe, Marrocos, e se tornaram
mestres de um novo império que incluiu
Senegal, Marrocos, Argélia, Tunes e sul da
Espanha; Este império foi ainda maior do que
a Europa Ocidental.

Neste momento, o primeiro general dos


senegaleses era Abu Bekr, que foi substituído
por um general mais forte, Yusuf ben Tachfin.

O primeiro objetivo de Yusuf era construir


uma capital elegante, com casas
maravilhosas, um palácio de mármore e
lindos canteiros de flores. A cidade que ele
construiu, Marraquexe ou Marrocos, tornou-
se o nome deste país.

Quando o poder mourisco estava em declínio


na Espanha, Yusuf cruzou o Mediterrâneo
para a Espanha para reforçar o controle dos
mouros. Ele trouxe 15 mil tropas negras com
ele e derrotou Alphonso VI com seus 70 mil
cristãos na Batalha de Zalacca. Durante as
guerras dos Almoravides, o maior
comandante e herói da literatura espanhola
foi morto; seu nome era Roderigo Diaz de
Bivar, mais conhecido como El Cid.

Os mouros eram conhecidos por mais do que


apenas conquistas.

Enquanto a parte restante da Europa estava


em estado de ignorância, os espanhóis
aproveitaram o conhecimento dos negros
mouros. Durante o governo mourisco, muitas
outras capitais da Europa eram meros
povoados, mas Cordova, a capital da Espanha
era uma cidade em expansão. Diz-se que,
após o anoitecer, alguém poderia caminhar
muitas milhas em Córdoba e nunca passar
por uma rua não iluminada por luzes
públicas. Quando uma pessoa saiu da
escuridão em Londres, ele teve que levar
uma vela ou lanterna com ele para iluminar
seu caminho e teve que usar sapatos altos
para caminhar através da lata grossa que
geralmente cobriu as estradas.
Quando muitos europeus estavam vestidos
de peles e em roupas grosseiras, os mouros
usavam sedas, lençóis e roupas de algodão.
Eles também lavaram em novecentas casas
de banho de Córdoba.

O palácio do sultão mourisco ou califa era


muito maior em beleza, conforto e riqueza do
que qualquer dos castelos dos reis medievais.
Os mouros usaram mármore extremamente
polido em sua construção. Os lados das
paredes foram esculpidos pacientemente, e
os pisos foram feitos com várias decorações
chamadas mosaicos. Dizem que os mouros
eram mestres no trabalho em mosaico.

Os árabes e Moore eram conhecidos não só


pelo seu artesanato, mas também pela
ciência. A maior parte do conhecimento da
Grécia antiga e do Próximo Oriente era
desconhecida na Europa durante o período
medieval. Os árabes entraram em estreita
relação com a cultura grega e persa. Os
árabes não destruíram essa cultura; Em vez
disso, eles trouxeram para o norte da África.
Havia muitos eruditos majestos e hebraicos
famosos no sul da Espanha. Os judeus
negros, como os árabes e os mouros, fizeram
um grande contributo não só para a
civilização afro-asiática, mas também para o
europeu. Os judeus do Oriente conheciam
grego e siríaco. Eles ajudaram a traduzir as
obras dos filósofos gregos para o árabe. Por
sua vez, essas obras foram estudadas pelos
judeus de língua árabe do norte da África e
da Espanha e traduzidas para o hebraico. Os
judeus negros do reino mourisco da Espanha
traduziram essas obras para a língua latina e,
da Espanha, as ciências dos gregos e afro-
asiáticos foram transmitidas para a Europa
ocidental.

Os homens mouros eruditos fizeram


contribuições espetaculares para filosofia,
medicina, matemática, química, astronomia e
botânica.

Eles estabeleceram academias e


universidades para os ricos; Além disso,
havia muitas escolas gratuitas. Havia
excelentes bibliotecas. O califa escolar de
Córdoba, no século X, enviou todo o mundo
para livros. A biblioteca deste califa continha
mais de quatrocentos mil volumes.
A vida normal moura era baseada na
agricultura, na fabricação e no comércio. Os
mouros trouxeram para a Espanha arroz,
pêssegos de algodão, laranjas e limões. A
cultura da seda foi introduzida na Espanha
pelos mouros. Os mouros tinham cerâmica
fina, azulejos, sedas, veludo, brocados, jóias
e produtos de couro ornamentais. A
civilização mourisca teve um efeito
gigantesco em Portugal e na Espanha; Esta é
a razão pela qual esses dois países foram as
primeiras potências européias a emergir após
a Idade das Trevas.

No decorrer do tempo, os mouros foram


conduzidos para o sul.

No século XI, El Cid conquistou a grande


cidade majestosa de Valência. Muito depois,
no século XIII, o rei de Castela conquistou
Sevilha e Córdoba. Depois, os mouros foram
empurrados para uma pequena região
chamada Granada.
Judeus negros proeminentes

Alguns dos judeus negros destacados em


Portugal, Espanha e África do Norte foram os
seguintes:

Hasdai ibn Shaprut, que viveu entre 925-975.


Ele começou sua carreira como médico e
continuou seu interesse na profissão médica,
especialmente nas drogas. Eventualmente,
ele se tornou médico para Khalif. Mais tarde,
ele fez conselhos oficiais sobre questões
diplomáticas. Ele permaneceu no centro dos
estudiosos hebreus que ele apoiava. Ele
entreteceu Moses ben Hanoch, um
representante das academias da Babilônia,
que iniciou a fundação da aprendizagem
talmúdica na Espanha.

Saadia Gaon nasceu em 892 no distrito de


Fayyum, Upper Egypt. Ele foi aprendido na
Bíblia e no Talmud, em árabe como na
literatura hebraica, em bibliotecários da
filosofia grega e árabe da Bíblia. Saadia
compôs trabalhos especiais em diversos
assuntos como filosofia, astronomia,
geografia, teologia, matemática, música,
poesia, cronologia e filologia.

Isaac de Fez, Marrocos ou Alfasi, assim


chamado porque ele veio da cidade de Fez,
morou durante o século XI.

Embora a primeira academia importante


tenha sido fundada por Moses ben Hanoch
em Córdoba, o verdadeiro fundamento da
tradição talmúdica espanhola foi estabelecido
por Alfasi. O interesse de Alfasi foi na lei
talmúdica, especialmente os vitais para os
hebreus da dispersão.

Samuel ibn Naghdela morou de 993-1056.


Ele começou como um merceeiro. Sua
aquisição de conhecimento nas línguas, na
matemática e na filosofia foi extraordinária.
Porque Samuel tinha uma bela caligrafia, ele
era nomeado secretário do grande vizir;
Nesta posição, ele pôde usar bem sua
sabedoria e conhecimento. Quando o visir
morreu, Samuel o sucedeu como conselheiro
do rei majestoso de Granada. Em várias
ocasiões, ele foi nomeado chefe dos exércitos
mouros de Granada.
Samuel ibn Naghdela também foi respeitado
nos círculos judeus. O rei de Granada elevou-
o à posição de Nagid; isto é, príncipe ou líder
dos judeus.

Moisés Maimonides era o excelente judeu


negro durante a Idade Média; ele é conhecido
como Rambam (Rabbenu Moshe ben
Maimon). Moisés nasceu em Córdoba em 30
de março de 1135, a véspera da Páscoa. Seu
pai, Maimon, era uma prole de uma grande
família de estudiosos e líderes religiosos. Sua
árvore genealógica foi atribuída ao rabino
Judá, o príncipe, compositor da Mishmah, à
casa real de Davi.

Enquanto o Talmud e Rabbinics eram os


principais assuntos de Maimonides, ele
dedicou tempo às ciências que foram
ensinadas e postuladas pelos antigos gregos
e árabes medievais. Ele recebeu seu
aprendizado sob professores hebraicos e
mouros, e em pouco tempo ele foi aprendido
nas ciências naturais, matemática, medicina,
metafísica, filosofia e lógica.
No ano de 1145, quando Moisés tinha dez
anos de idade, Abdullah-ibn-Tumart, um
fanático religioso, fundou a Dinastia dos
Almohades.

Os Almohades, que proclamaram uma


religião do monoteísmo absoluto,
conseguiram, depois de muitas batalhas,
expulsar os Almoravides (mouros negros das
terras altas de Marrocos) e estabeleceram
seu próprio domínio sobre o império mouro.

Os Almohades dirigiram um reinado de terror


e perseguição não só contra o judaísmo e o
cristianismo, mas também contra o
sectarismo no Islã. Os Almohades mostraram
sua intolerância por outras religiões. Havia
proibições contra a existência de igrejas e
sinagogas. Judeus e cristãos receberam a
única alternativa, o Islã ou a morte.

Abdulmumen, que conseguiu Abdullah-ibn-


Tumart, permitiu que os hereges se
afastassem de seu país. Os exilados cristãos
encontraram asilo no norte da Espanha. Era
difícil para os judeus encontrarem um lugar
de segurança, e muitos deles morreram pela
espada como mártires por sua religião.
Alguns dos judeus se converteram ao Islã
como um disfarce e permaneceram leais a
sua própria fé, praticando o judaísmo em
segredo.

Em meados do século XII, quando


Maimonides tinha treze anos de idade, os
Almohades cruzaram o Mediterrâneo para a
Espanha e estabeleceram seu poder na
Andaluzia. No final da primavera daquele
ano, os Almohades invadiram a cidade de
Córdoba e criaram um reino de terror e
perseguição. As magníficas sinagogas foram
destruídas, as escolas talmúdicas de Sevilha
e Lucena foram fechadas e não-crentes no
Islã, expulsão ou morte.

Por causa de toda essa turbulência e agitação


social, a família de Moisés Maimonides
decidiu se afastar daquela terra inóspita e
navegar pelo Mediterrâneo para Marrocos no
norte da África. Eles permaneceram na cidade
de Fez por cerca de cinco anos e depois
viajaram para a Palestina. Como o ambiente
não era condutor de aprender, Moisés
mudou-se para o Egito.
Moisés Maimonides continuou seus estudos
em medicina; Sua fama como médico agora
se espalhou por todo o Egito e além. Dizem-
se que Moisés foi oferecido um cargo de
médico do rei Richard the Lion-Hearted (líder
da Terceira Cruzada). Quando Moisés tinha
cerca de cinquenta anos de idade, ele foi
nomeado por Alfadhel, o vizirista do Egito,
como seu próprio conselheiro médico, e lhe
foi dado um lugar entre os médicos reais.

Moisés também foi um grande líder e juiz da


comunidade judaica egípcia. Seu filho seguiu
seus passos (religiosamente e secularmente)
recebendo a liderança das comunidades
judaicas e como médico do sultão.

Outros destacados judeus negros da Espanha


eram poetas como: Salomão ibn Gabirol,
Moisés ibn Ezra e Judá ha-Levi.

A expulsão dos judeus da Espanha e de


Portugal

Foi A.D 1492 (2 de janeiro), quando a


fortaleza mourisca de Granada se rendeu aos
exércitos do rei Ferdinand e da rainha
Isabella. Pela primeira vez desde o ano 711,
toda a Espanha estava em mãos cristãs. O
decreto para expulsar os judeus da Espanha
foi assinado em 31 de março, em um dos
corredores da grande Alhambra, o palácio dos
reis mouros de Granada. A razão dada para a
expulsão dos judeus era que se pensava que
eles corromperam os marranos (judeus
convertidos ao cristianismo) encorajando-os
em deslealdade ao cristianismo. O ultimato
dado aos judeus expirou em 1 de agosto de
1492. Mas o último grupo de judeus não
partiu até 2 de agosto de 1492. Esta data é
de estranha coincidência. Naquele dia foi o
dia 9 de Ab, o dia rápido que remanesce a
destruição dos Templos Primeiro e Segundo.
O professor Allen H. Godbey diz que o
reinado do último rei judeu do Gana terminou
em 1492.

Para satisfazer a rainha Isabella para a


Espanha, o rei Manoel de Portugal promulgou
um decreto real que expulsava os judeus e
mouros do seu país em 1496. Os judeus que
foram expulsos de Espanha e Portugal foram
espalhados pelas costas do Mediterrâneo.
Estima-se que mais de 100 mil judeus se
afastaram de Espanha e Portugal durante as
perseguições e a expulsão. Alguns desses
judeus foram para o norte da Europa, Itália e
Turquia; mas a maioria deles foi para países
muçulmanos do norte e oeste da África. Esses
judeus negros, naturalmente, irão
principalmente para os países africanos, por
causa da menor perseguição e poderiam
disfarçar-se facilmente entre os negros.

RHM Elwes dá uma descrição gráfica do judeu


português, Baruch Spinoza: "De tamanho
médio, boas características, pele um pouco
preta, cabelos encaracolados pretos,
sobrancelhas longas da mesma cor, para que
alguém possa saber com a aparência de que
ele era descendente de Judeus portugueses ".

Quando os judeus foram expulsos da


Espanha, cerca de 100 mil entraram em
Portugal. Eles foram autorizados a entrar sob
a condição de que eles pagassem o imposto
de pesquisa, com o entendimento de que eles
deixariam o país dentro de oito meses.
Também neste momento, o rei se obrigou a
levar os judeus aonde desejassem no final
dos oito meses. Quando o tempo expirou,
muitos judeus ficaram presos porque o rei
não forneceu navios suficientes no tempo.
Todos os judeus negros que foram deixados
para trás foram privados de sua liberdade e
vendidos em escravidão.

Durante o reinado do rei Joao 2 (ou João 2),


setecentos crianças negras hebraicas foram
levadas impiedosamente de seus pais em
Portugal e transportadas para a ilha de San
Thome, na costa oeste da África. Esta ilha
está localizada perto de Nigéria, Camarões e
Gabão. Allen H. Godbey diz que os
portugueses fundaram a ilha de San Thome
em 1471. No ano de 1484, o rei João 2 de
Portugal, que reinou de 1481 a 1495,
ofereceu aos judeus de seu reino a escolha
do batismo ou a colonização em San Thome .
Multidões de judeus foram enviados para esta
ilha durante o reinado do rei João 2. Esses
judeus, "Judeos", como os portugueses os
chamavam, são sérios, reservados e ricos,
mantendo a maior parte do comércio em suas
mãos.

Os portugueses foram os primeiros europeus


a se estabelecerem na costa oeste africana.
Eles vieram primeiro como comerciantes e,
em segundo lugar, como conquistadores e
escravos. Mais tarde, neste trabalho, os
judeus negros nas possessões portuguesas
na África Ocidental serão discutidos em maior
número.

Agora, voltemos aos judeus do norte da


África.

Com o afluxo de dezenas de milhares de


judeus negros de Espanha e Portugal
buscando refúgio em portos africanos,
Marrocos recebeu uma grande parte. Mas
antes dessa data, muitas tribos judaicas
estavam enraizadas em Fez, no Atlas e no
deserto. Em Marrocos houve um avivamento
da ciência majestosa e judaica em todas as
áreas. A academia hebraica em Fez competiu
com a de Kairuan, na Argélia. Houve muitos
debates e palestras entre sábios e estudiosos
dessas escolas. Eldad, o Danite, um hebreu
do reino judeu de Gana visitou essas escolas
no século IX.

Havia uma célebre faculdade hebraica em


Sijilmasa, que produziu muitos estudiosos
ilustres. Havia gramáticos, mestres da lei
talmúdica, poetas e filólogos.

Este período de bolsa de estudos judaica


chegou ao fim quando os fanáticos
Almohades ("Unitários") entraram no
caminho da guerra em 1145 e destruíram a
cidade de Sijilmasa; Este reinado de terror foi
realizado contra todos os não-Muslins. Sobre
a destruição de Siljimasa Ibn Ezra escreve:

"Eu digo, que haja luto para a comunidade de


Siljimasa, cidade de grandes estudiosos e
sábios, ela vê sua luz convertida com
sombras, os pilares dos Talmud foram
destruídos, o templo da lei foi destruído e a
Mishná foi pisada debaixo do pé ".

Existem muitas tribos e assentamentos


judeus em todo o Marrocos e no deserto do
Saara: O Ait Moussa, ou Beni-Moussa, "Filhos
de Moisés", é uma das espectaculares tribos
judaicas. Leo Africanus, um judeu convertido
mourisco, afirma que: "Os judeus do norte da
África são de qualidade híbrida: eles
proselitiam e casaram entre os gregos, os
vândalos, os romanos, os espanhóis e os
portugueses". Os judeus se casaram entre os
gregos quando estes estabeleceram sua
colônia na Líbia chamada Cyrenaica; surgiram
alguns casamentos entre judeus, romanos e
vândalos quando os dois últimos invadiram o
norte da África; e antes que os judeus fossem
expulsos da Espanha e de Portugal, havia
alguns casamentos intermarinos.
Considerando tudo isso entremegando,
muitos judeus do norte da África ainda retém
grande parte de suas características
coloridas.

De acordo com Maurice Fishburg (que foi


citado por Allen Godbey), ele "foi incapaz de
distinguir um judeu de um mahometano
enquanto passava pelas ruas de Argel,
Constantino (uma cidade do norte da África)
e Tunes. É notável que entre os não - Os
nativos judeus são vistos muitos judeus do
tipo Negroid. Fishburg visitou a África durante
o início do século XX."

Há judeus negros que vivem na multidão de


oásis no deserto do Saara. Nahum Slouschz
obteve sua informação desses judeus de três
fontes: (1) dos registros históricos dos
árabes, (2) das tradições orais dos habitantes
do Sahara, (3) da evidência arqueológica
escavada das ruínas do antigo judeu cidades
do Sahara e do Sudão, que datam do século
XIII.

A meio caminho da fronteira leste da Argélia,


há grandes assentamentos de judeus negros
em um lugar chamado Wargla, diz Slouschz.
Os judeus estavam em Wargla já em 620
A.D, de acordo com Godbey. Mais uma vez
Godbey diz: "No oásis Wargla da Argélia, a
350 milhas do Mediterrâneo, é uma colônia
de judeus tão pretos como os negros".

Na seção Ghariana da Líbia, não muito longe


de Wargla, existem os judeus trogloditas. É
relatado que os judeus fugiram para as
fortalezas da cordilheira Nefoussa por causa
da perseguição romana e árabe. Godbey cita
H.S. Cowper, que diz que os judeus da cidade
de Trípoli afirmam que eles migraram de
Gharian. Esses judeus construíram sinagogas
subterrâneas e casas subterrâneas. Slouschz
visitou as fortalezas desses judeus trogloditas
no início deste século. Os judeus construíram
compartimentos de três e quatro andares no
subsolo, contendo uma população de trinta
mil. Godbey diz que: "Hesse-Wartegg visitou
suas cidades de Beni-Abbas, Jebel Nefussa,
Yehud Abbas, Tigrena, Jebel Iffren". Eles
tinham lojas, lojas, escolas e sinagogas,
todos subterrâneos.

As conquistas desses judeus provam o que


uma sociedade perseguida pode fazer em
condições adversas. Estes judeus tinham uma
base para construir, ao contrário de outras
pessoas perseguidas; Eles tinham sua
história, cultura, leis, linguagem e
habilidades.

Entre Wargla e o Gharian, há uma cidade


judaica chamada Tigrena. Aqui, os judeus
também construíram compartimentos
subterrâneos. Nahum Slouschz diz que foi
guiado para uma antiga sinagoga que estava
localizada sem terra; neste momento, fez
uma ampla observação da aldeia que
continha vinte tribunais subterrâneos e seus
700 habitantes; Além disso, ele encontrou
um jovem que ensina hebraico.
Quando Slouschz estava nesta cidade cerca
de uma hora, os homens acabavam de voltar
do mercado; Slouschz diz que são "tudo bem,
tipo escuro". O rabino era descendente de
judeus que imigraram de Marrocos.

O rabino, neste momento, informou Slouschz


do fato de que existia no distrito muitos
vestígios de cidades judeus abandonadas e
cemitérios agora abandonados. Os judeus
deste país transmitiram a tradição oral que,
na antiguidade, constituíam a maioria da
população, mas que epidemias, guerras e
conversões freqüentes ao islamismo
reduziram seu número. Em uma ocasião,
Slouschzmet era um comerciante itinerante
judeu de Nefoussa que acabara de chegar do
Fezzan; Este judeu havia viajado por todas as
rotas do Saara; ele assegurou a Slouschz que
outros judeus existiam pelo menos no Sudão
do Leste (Chade, Sudão e Etiópia), "Uma
população de pele negra que alguns chamam
Felici e que geralmente são conhecidos entre
os Tauregs como os Krit.” Eles observam o
Sábado e são conhecidos como de origem
judaica.
Os judeus de Daggatun estão espalhados em
clãs através de muitas oásis de rotas de
caravanas do Saara e do Sudão. Godbey diz
que a palavra Daggatun significa
comerciantes; Eles estão localizados perto de
Timbuktu e centenas de milhas para o norte;
Eles também são encontrados a leste de
Timbuktu e Gao.

Os dois principais fatores que motivaram os


judeus negros a penetrar no norte da África
eram comércio e perseguição; Além disso,
esses dois fatores os levaram a migrar para a
África central, que é conhecido como o
Sudão.

O judeu ocidental africano durante o


tráfico de escravos

Os judeus negros que migraram para o Sudão


do Norte convergiram com os judeus que
migraram do Sudão oriental para os países do
rio Níger. É um fato conhecido que os judeus
e o judaísmo estavam na África mil e
quinhentos anos antes do Islã e que, em
todos os lugares, os árabes e os mouros na
Espanha e atuaram como intérpretes. Quando
os muçulmanos vieram ao Sahara, eles
encontraram os judeus negros estacionados
em todas as rotas comerciais, e posso dizer
positivamente que onde o mahometanismo
atualmente prevalece no Sudão, o judaísmo
já havia sido dominante.

Há muita prova, e ainda muito mais para ser


revelado pelos estudiosos, que existia antes
do tráfico de escravos e, posteriormente,
muitas tribos, colônias e reinos judeus na
África Ocidental:

O escritor mourisco, Leo Africanus, nos


informa sobre a existência passada de um
estado hebraico medieval chamado Kamnuria
(obviamente, sua capital) e Naghira; e este
estado estava localizado ao norte do rio
Senegal. De acordo com este judeu mourisco,
este estado negro de hebraico africano
desapareceu por seu tempo. Há duas razões
dadas para a ruína deste reino: (1) As
tempestades de areia intensivas do deserto
do Saara causaram secas e tornaram as
cidades inabitáveis; (2) a migração das Fulas
ou Fulbe em direção ao Oeste. Os Kanuri
chamam as Fulas "Fellata"; essas Fulas
transmitiram todo o Sudão do Nilo para o
Senegal. Os judeus Kanuri estão agora
localizados no Sudão central ao longo de
trilhas a centenas de quilômetros a norte, sul,
leste e oeste do lago Chade, onde migraram
do Senegal.

É a conclusão de alguns estudiosos que,


quando o reino judeu de Gana caiu, muitas
das tribos hebraicas estabeleceram
assentamentos entre as tribos africanas em
toda a África central e ocidental.

Assim, o escritor mourisco, Al Edrisi, da


Andaluzia, Espanha, escreveu no início do
século XII sobre a poderosa colônia hebraica
de Lamlam. Lamlam estava situado a cerca
de duzentas milhas a oeste de Timbuktu. Os
comerciantes hebraicos estavam então
monopolizando o comércio que se
concentrava em Timbuktu. Lamlam era
inteiramente judeu e lutou contra guerras
para manter seu controle sobre o comércio.

Edrisi também disse que havia apenas duas


cidades ao sul do Reino de Gana e continua:
"De acordo com o que o povo deste país
denuncia, os habitantes são judeus".

Quando atingiram a idade da puberdade, eles


foram marcados no semblante ou, pelo
menos, no templo com fogo, deixando
marcas de identificação. Todas as habitações
em seus países foram construídas na margem
de um rio, que fluiu para o Nilo. Edrisi
significava o rio Níger. Foi a crença de que o
Níger formou um alcance superior do Nilo.

Os hebreus africanos negros tinham


assentamentos não só no interior da África;
mas também tinham comunidades na costa
oeste da África de Marrocos a Angola.

No ano de 1856, o Dr. J. L. Wilson escreveu


sua história da África Ocidental: Ele nos
transmite a cultura religiosa composta de
alguns dos habitantes da Senegâmbia (ou do
Senegal) e da Guiné; No Senegal, ele disse
que "há uma mistura completa de
paganismo, judaísmo e mahometanismo, e é
difícil dizer qual dos três ocupa o lugar mais
proeminente ou exerce a maior influência
sobre o caráter do povo". No entanto, o
sentimento dos habitantes em relação a essa
mistura multi-religiosa foi que a combinação
das três religiões promoveu o bem-estar de
todos.

Como podemos racionalizar e explicar a


mistura do paganismo, do judaísmo e do
mahometanismo perto das ruínas do reino
judaico medieval de Kamnuria? É óbvio para
os pesquisadores que, após a ruptura dos
reinos hebraicos de Gana, Kamnúria e
Lamlam, os judeus negros migraram para
regiões remotas do interior e da costa; então
estes hebreus passaram sob a pressão da
propaganda e da influência pagã dos
muçulmanos, resultando no que é conhecido
como "difusão cultural". Se você lembrar o
que Slouschz disse, muitos judeus tornaram-
se muçulmanos, mas ainda mantiveram sua
origem judaica.

Wilson também nos informa que no norte da


Guiné há um conglomerado do judaísmo e do
paganismo combinados, e no sul da Guiné há
uma combinação de judaísmo, paganismo e
alguns vestígios do cristianismo. No norte da
Guiné, ou na Guiné Portuguesa, o judaísmo é
mais praticado; alguns dos ritos excepcionais
são purificações, a observância das luas
novas, um período designado de lágrimas
para os mortos, período durante o qual eles
usam panos de saco e cinzas; sacrifícios de
animais sangrentos, com a cuidadosa
aspersão de sangue sobre os postes da porta
e os altares; a divisão das tribos em
diferentes famílias, frequentemente em doze
partes (as doze tribos de Israel); procissões
formais, circuncisão e várias outras práticas,
provavelmente de derivação hebraica. Alguns
desses rituais, especialmente a circuncisão,
poderiam ter sido derivados dos muçulmanos,
mas somos obrigados a considerar todos os
congressos dos traços culturais hebraicos que
são indicativos da religião hebraica.

Wilson diz: "Embora os nativos da África


retem esses ritos e cerimônias externas com
a maior tenacidade, eles têm pouco ou
nenhum conhecimento de sua origem, ou o
objeto particular que eles pretendem
comemorar. Muitos deles são perfurados para
proteger-se de algum mal ameaçado, ou para
proteger um bom cobiçado. Mas na grande
maioria dos casos eles são atendidos apenas
como uma questão de hábito; e a única razão
atribuída para observá-los é que seus
antepassados fizeram o mesmo antes deles ".

É bom motivo que, se seus antepassados


observassem esses ritos hebraicos, eles
certamente eram hebreus.

Está escrito: "Eles disseram, venha e deixe-


nos cortá-los de ser uma nação, para que o
nome de Israel não esteja mais em sua
lembrança".

Como os judeus negros na América, alguns


dos judeus da Guiné não se lembram de sua
nacionalidade original. Esta ignorância
deplorável é atribuída a vários casos: (1) A
queda dos reinos hebraicos, (2) a falta de
comunicação com os centros educacionais
judeus (3) a perseguição intensa e o
desligamento deliberado da mente de sua
verdadeira nacionalidade. Assim, Nahum
Slouschz disse isso sobre os judeus islâmicos
que conheceu: "Na maioria dos casos, esses
hebreus, por raça e Mussulmen pela fé,
procuram esconder sua origem, que se
tornou um fardo para eles". Em outro
exemplo, a perseguição dos judeus negros
em Portugal era tão implacável e freqüente
que Cecil Roth nos diz que os judeus não
divulgaram a seus filhos o segredo de sua
religião até que tenham atingido a era da
razão. A religião hebraica é tal que se você
negar sua religião, você acabará por negar
sua nacionalidade. Os sociólogos e psicólogos
sabem, e a história provou que, se você
negar sua cultura e nacionalidade durante um
longo período de tempo, você vai esquecer
completamente isso através de um processo
de assimilação.

Os judeus negros vieram para a África não só


por terra, mas também por sca. Como você
recorda, no ano de 1484, o rei João de
Portugal deportou um grande número de
judeus negros para a ilha africana de San
Thome. A ilha de San Thome, perto da
Nigéria e dos Camarões, foi descoberta pelos
portugueses em 1471 e foi estabelecida como
uma colônia penal; Para esta ilha, foram
enviados judeus que não aceitam o batismo.
É óbvio que os judeus foram enviados que
não aceitariam o batismo. É óbvio que os
judeus foram deportados para San Thome,
não só para fazer uma punição para eles;
mas o motivo posterior do rei João foi
estabelecer uma base comercial com judeus
negros sofisticados em seu crescente império
na África. Com o passar do tempo, os judeus
negros em Portugal e os judeus negros nas
possessões coloniais portuguesas se
tornaram conhecidos como "portugueses
negros".

Eles foram chamados portugueses negros


porque nasceram em Portugal e conheceram
a história, a cultura e a língua de Portugal.

Como já foi mencionado, o rei João de


Portugal forneceu navios para expulsar os
judeus para qualquer país que desejassem;
no entanto, capitães portugueses sem
escrúpulos exigiram tanto dinheiro quanto
pudessem dos judeus e despejaram sua
carga humana em vários lugares ao longo da
costa oeste africana. Como resultado, Allen
Godbey escreve que Winwoode Reade
conheceu negros na Guiné, na África
Ocidental, que se chamavam portugueses e
reivindicavam descendência de Portugal;
Reade escreveu seu livro em 1864. Em outro
caso, Daniel P. Mannix nos escreve que o
capitão Cutler, um comerciante de escravos
de Boston, foi "assassinado bárbaros, ... com
dois de seus marinheiros, por uma
comunidade de portugueses negros
estabelecida perto da boca do rio Serra Leoa
".

Os portugueses foram os primeiros europeus


a negociar na costa da África Ocidental e a
estabelecer colônias em grande escala: as
Ilhas Canárias foram descobertas pelos
portugueses em 1341, cedidas a Espanha
pelo Papal Bull em 1344; O Senegal foi
descoberto pelos portugueses no século XV, e
acredita-se que os primeiros assentamentos
sejam portugueses negros; A boca do rio
Gambia foi descoberta pelos portugueses no
século XV; Sierra Leone visitou pela primeira
vez o português em 1462; Guiné descobriu
por português em 1446; a ilha de San Tomé
descoberto pelos portugueses em 1471, os
novos habitantes eram judeus negros
deportados aqui em 1484; judeus negros
migraram para a costa angolana de San
Thome entre 1484 e 1499; Os missionários
portugueses brancos chegaram a Angola até
1560, mas os colonos brancos não
estabeleceram uma comunidade até 1575.

Voltemos agora aos judeus da ilha de San


Thome.

Os estudiosos são incertos sobre o número


exato de judeus deportados para esta ilha; é
certo que o número está em milhares e talvez
em dezenas de milhares. É necessária uma
pesquisa contínua na história do hebraico
africano, especialmente na escavação de
cidades hebraicas em ruínas da África.
Quando este trabalho gigantesco for
concluído, acredito que a evidência revelará
informações que surpreenderão a
humanidade. É minha crença sincera que um
maior número de judeus negros foram
deportados para a costa ocidental da África
do que é admitido por alguns escritores.

Com o edito do rei Manoel de Portugal em


1496 (banindo os judeus de Portugal), todos
os judeus deveriam estar fora de Portugal em
outubro de 1497. No entanto, considerando
este assunto, ele decidiu cristianizar os
judeus, temendo a perda de uma população
valiosa . Ele queria o uso contínuo de seus
conhecimentos e serviços. Ele concluiu que a
única maneira pela qual os judeus podiam ser
tolerados em seu país era obrigá-los à fé
cristã. Em março de 1497, um comando foi
proclamado em todo o país para todos os
filhos hebreus entre quatro e catorze anos de
idade para serem trazidos para o batismo.
Todos os pais que não trouxeram seus filhos
voluntariamente fizeram com que seus filhos
fossem levados violentamente pelos oficiais e
forçados ao batismo. Cecil Roth escreve:

"Cenários de horror indescritível foram


testemunhados como eles foram arruinados
pelos oficiais de justiça reais. O último não
obedeceu suas instruções muito de perto,
freqüentemente agarrando jovens de ambos
os sexos até a idade de vinte. Em muitos
casos, os pais sufocaram sua prole em seu
abraço de despedida.
Em outros, eles os jogaram em poços para
salvá-los da desgraça de apostasia e depois
se mataram.

“Às vezes, até velhos homens foram


arrastados para as igrejas e batizados pela
força por fanáticos excessivamente zelosos ".

Condições horríveis como essas (e muito


pior), obrigaram muitos judeus a escapar
secretamente do país.

Estes judeus negros foram para possessões


coloniais portuguesas no oeste da África.
Lembre-se de que as possessões coloniais
portuguesas no oeste da África. Lembre-se de
que as colônias portuguesas no oeste da
África eram a Guiné, Ilha San Thome,
Senegal, Angola e algumas ilhas perto da
costa africana. Durante as perseguições em
Portugal, milhares de judeus deixaram o país.

Os judeus deixaram o país em tão grande


número que em 1499 e 1531 os reis
publicaram um decreto proibindo os novos
cristãos (judeus negros) de deixar Portugal
sem permissões especiais.
Neste momento, muitos judeus tornaram-se
cristãos por medo; muitos deles eram
conhecidos como judeus secretos, praticando
o judaísmo em segredo sob o disfarce do
cristianismo. Alguns escritores chamam esses
judeus de cristãos nominais, judeus que são
cristãos apenas com o nome, mas praticaram
o judaísmo em segredo.

Apesar de todos os preconceitos contra os


judeus negros de Portugal, eles se
destacaram em todos os negócios,
habilidades, profissões e negócios. A riqueza
dos judeus foi tremenda.

Portugal é um país pequeno do tamanho do


estado da Flórida; No entanto, no ano de
1610, os judeus sozinhos valiam 80 milhões
de ducados. Os judeus dominavam o
comércio e o comércio de exportação; tão
naturalmente o judeu negro se engajaria no
comércio e no comércio em muitas partes da
África, depois de terem fugido de Portugal.

Os judeus negros de Angola

No país chamado Gabão perto do Congo,


havia judeus negros conhecidos como
Bavumbu; Alguns escritores os chamam por
vários nomes como Mavambo, Ma-Yomba,
Mayumba e Mavumbu. O abade Proyart,
escritor francês, diz que esses judeus
mantêm a costa de Loango entre o rio Congo
e Rio Muni no Gabão. Em 1776, seu país
começou cerca de sessenta quilômetros da
costa e se estendia para o norte do Congo
cerca de duzentas milhas. Na aparência,
esses judeus negros dificilmente se
distinguem dos outros africanos. Foi relatado
que esses judeus praticam alguma
adivinhação e magia como africanos
narrativos. No entanto, eles observam
algumas cerimônias judaicas, e vivem em
comunidades separadas, não se consideram
africanos nativos. As aldeias desses judeus
estão situadas ao longo da costa do Loango
por mais de cem milhas, mesmo ao sul do rio
Congo. Godbey escreve que quando eles são
interrogados em relação à sua origem, alguns
desses judeus disseram que migraram do sul
(provavelmente Angola); alguns do norte
(provavelmente Nigéria); alguns do outro
lado das montanhas (talvez a Etiópia). Como
os judeus portugueses, os judeus Bavumbu
eram muito ativos no comércio.

Quando David Livingstone estava na África,


ele descobriu um assentamento de negros
educados em relação ao ano de 1847; Eles
estavam localizados no interior de cerca de
duzentas milhas da Costa de Loanda, e são
conhecidos como "os judeus de Angola".
Esses judeus negros estavam ativos no
comércio, ansiosos para aprender e possuíam
muito conhecimento da história e do direito
portugueses.

Em suas empresas comerciais, esses judeus


penetraram no interior das centenas de
quilômetros da costa e eram conhecidos
também como escriturários e escritores.
Livingstone considerou esses judeus serem
deportados de Portugal. St. Paul de Loanda
começou, como San Thome, como uma
colônia penal para a punição de criminosos;
Em Portugal, muitos desses judeus negros
eram considerados criminosos. Também
muitos desses judeus negros da terra de
Angola, dizia-se, vieram da Ilha de San
Thome. Todas as evidências disponíveis
indicam que os judeus da costa de Angola
eram marginais judeus portugueses.

Muitos judeus negros foram estabelecidos no


interior e ao longo da costa de Angola, Congo
e Gabão. Friedrich Ratzel escreve que as
tribos na costa do Loango e a Cabinda, no
norte do rio Congo, já foram cristianizadas.
Ratzel observou uma cerimonia de batismo
seguida da circuncisão.

No entanto, essas tribos eram de origem


judaica. O cristianismo Ratzel viu entre eles
um disfarce; A circuncisão praticada entre
eles é de derivação judaica. Os cristãos em
Portugal não praticavam a circuncisão; na
verdade, Cecil Roth escreveu que a
circuncisão entre os judeus em Portugal era
praticamente impossível; pois a descoberta
foi igual a uma sentença de morte. Godbey
escreveu sobre os judeus Mavumbu no elenco
Loango:

"Parece que o Mavumbu pode ser o


remanescente de um judaísmo muito mais
numeroso que foi violentamente atacado por
missioanários portugueses. O abade Proyart
registra que os cristãos nominais (judeus
secretos) já compram centenas de milhares".

Sempre que os judeus estavam na Espanha,


em Portugal ou em suas possessões coloniais,
eles se dissimulavam como cristãos em forma
externa, mas praticavam o judaísmo em
segredo. Muitos desses cristãos novos
conheciam os ritos cristãos melhor do que os
velhos cristãos brancos.

No ano de 1547, o escritório papal autorizou


o estabelecimento do sistema da Inquisição
em Portugal; A palavra inquisição significa
investigação ou investigação. A Inquisição
consistia em um tribunal de juízes religiosos;
o objetivo era investigar e purificar os
cristãos heréticos, pessoas que questionavam
certos princípios cristãos. Embora alguns
cristãos portugueses brancos tenham sofrido
nas mãos da Inquisição, este sistema foi
dirigido principalmente contra os novos
cristãos, os judeus negros secretos. As
Inquisições eram persistentes, horríveis e
implacáveis na totalidade de seus
procedimentos: interferiram nos assuntos
particulares dos indivíduos; intimidaram e
coagiam indivíduos para informar sobre os
vizinhos; eles empregaram uma grande
variedade de torturas horrendas contínuas,
incluindo shows públicos de seres humanos
ardentes na fogueira, e, para satisfazer seus
desejos para a punição dos hereges, eles
buscaram não só os vivos, mas também os
mortos.

García d'Orta, um judeu de Portugal, foi


descoberto como um judeu secreto; Seu
corpo foi cavado fora de seu túmulo e
queimado pela Inquisição.

Em outro caso, uma mulher judaica com o


nome de Elvira del Campo foi indiciada e
torturada por dois anos, a fim de obter uma
confissão dela. As acusações contra ela não
estavam comendo porco e colocando linho
limpo aos sábados.

Segundo esta mulher, essas acusações não


eram práticas heréticas, queria estar limpa e
a carne de porco a deixara doente.

Sempre que o judeu cristão poderia escapar


da Espanha e de Portugal fora do alcance da
Inquisição, eles tiraram o disfarce do
cristianismo e praticaram o judaísmo
abertamente, como fizeram na Turquia. No
entanto, os infelizes cristãos novos (cristãos
nominais ou judeus secretos) nas possessões
portuguesas no oeste da África, na Índia e
em outros lugares não podiam descartar o
disfarce do cristianismo. A Inquisição também
despachou seus agentes inquisitoriais para as
Ilhas Canárias, Madeira, Guiné, Índia,
América do Sul, San Thome e Angola para
buscar judeus secretos. De 1561 a 1623,
cerca de 3.800 indivíduos foram julgados:
muitos deles eram judeus cristãos da Ilha
San Tomé; eles foram encarregados de
manter os princípios judaicos, Cecil Roth
escreveu que os judeus cristãos emigraram
para a colônia portuguesa de Angola na África
Ocidental onde agentes da Inquisição foram
enviados a caçá-los em 1626.

Agora, podemos entender por que escritores


como Friedrich Ratzel consideraram as tribos
ao longo da costa Loango e Cabinda
"cristãos"; esses judeus tiveram que manter
uma aparência cristã e, particularmente, na
presença de pessoas brancas.
Qualquer europeu poderia ter sido um agente
da Inquisição.

É certo que muitos judeus negros de


Portugal, San Thome e Angola, que se
tornaram vítimas da Inquisição e perseguição
portuguesas, foram vendidos na escravatura.

Esse comércio de escravos do Atlântico durou


mais de 400 anos, de 1444 a cerca de 1880
em algumas partes da América do Sul.

Alguns estudiosos encontraram judeus negros


em toda a curvatura do rio Níger; Os países
desse território que continham judeus
africanos negros incluem o seguinte: Alta
Costa do Marfim, Gana, Toga, Dahomey e
Nigéria.

Joseph Dupuis, referente ao Je em 1824, diz:


"As terras ocupadas por essas pessoas
cobrem amplamente, entre Massina e Kaby".
Massina está localizada no sul do Mali, dentro
do rio Niger; e Kaby é encontrado na parte
sul da Costa do Marfim.
Os judeus entre os Ashantees

Entre os Ashantees da Costa do Ouro (Gana)


encontram-se judeus que observam muitos
costumes hebraicos: eles não lutam no
sábado, mas eles descansam. Eles celebram
o Ano Novo dos judeus que ocorre em
setembro ou início de outubro; Eles usaram a
palavra "Amém" no final de seu hino de ação
de graças; Como os hebreus de idade, eles se
casam apenas com sua tribo; eles realizam
casamentos entre primos cruzados.

Os judeus Ashantee têm um peitoral como o


Sumo Sacerdote no antigo Israel e está
dividido em doze partes, representando as
doze tribos de Israel. Além disso, eles têm a
malha ou o vestido de cabeça, com seu disco
de ouro na frente, que no antigo Israel tinha
uma inscrição - "Santo ao Senhor".

Os judeus negros do Dahomey

O Dr. J. Kreppel informou em 1926 que


existia uma grande comunidade hebraica de
judeus negros no interior de Dahomey, África
Ocidental. Estes hebreus têm seu próprio
templo central onde eles sacrificam animais.
No seu templo encontram-se muitas leis
gravadas em comprimidos que estão ligados
às paredes do templo. Eles têm um sumo
sacerdote, com um grande número de
famílias sacerdotais, cujos membros andam
de casa em casa, dando instruções
educacionais e religiosas a cada família da
comunidade. Além disso, esses judeus têm
seu próprio chumash (o livro cinco de Moisés)
escrito em pergaminho antigo em letras
hebraicas, mas eles não têm outros livros.

O pequeno judaísmo que eles possuíam foi


transmitido a eles de seus antepassados. O
Dr. Kreppel diz que eles observam o sábado e
outros costumes judaicos, apesar da pressão
de seu ambiente pagão.

Judeus Yoruba da Nigéria

Há judeus negros no sul da Nigéria que são


chamados de "Emo Yo Quaim", ou "Pessoas
estranhas", pelos africanos nativos, mas
esses judeus negros se chamam pelo nome
hebreu "B'nai Epraim" ou "Filhos de Efraim" .
Esses judeus afirmam que seus ancestrais
imigraram de Marrocos, fato que Godbey diz
é "apoiado por sua linguagem, uma mistura
de árabe magrebí e fala negra local. Assim,
abu (" pai ") se tornou yaba, umm (" mãe ");
O hebraico é ima. " No entanto, a maioria de
sua linguagem é semelhante aos Yorubas
pretos em torno deles. Os Yorubas
influenciaram estes judeus em grande parte
na sua vida social externa; diz-se que o
crocodilo é o animal sagrado para todos; os
sacrifícios habituais dos Yorubas parecem ser
os mesmos para os judeus.

A afirmação desses judeus yoruba é que seus


antepassados foram conduzidos de localidade
para localidade por perseguição muçulmana;
eles não encontraram descanso mesmo
quando chegaram a Tombouctuk.

Certamente a profecia foi cumprida: "E, entre


estas nações, não acharás facilidade, nem a
solo do teu pé descansará, mas o Senhor te
dará um coração trêmulo, falha de olhos e
tristeza". Estes judeus ioruba viveram no
distrito de Ondo quando Godbey escreveu em
1930; este distrito é novecentas milhas ao sul
de Timbuktu. Quando Godbey escreveu, eles
contaram cerca de duas mil pessoas em vinte
pequenas aldeias.

Perante a estrutura e a cultura políticas


hebraicas, eles têm sete líderes hereditários
da comunidade; sua liderança é a do
sacerdócio. Eles são conhecidos por terem
cópias de porções da Torá (Antigo
Testamento) preservadas em um "lugar
muito sagrado", no entanto, sua vida social
não é controlada pela Torá como muitos dos
traços culturais hebraicos entre os judeus
Ashantee. Estes judeus negros observam
certos costumes judaicos, entre os quais são
os grandes dias sagrados. De um jeito o mais
importante, esses judeus negros são como os
Yorubas, e dificilmente se distinguem deles,
exceto por algumas observâncias hebraicas
pendentes. Um dos mais notáveis entre esses
judeus negros era um jovem chamado Bata
Kindai Amgoza, ibn Lo Bagola, que foi levado
de Whydah, Dahomey, para a Escócia. Depois
de ter recebido quatro anos de educação do
homem branco, ele voltou para sua casa na
África.
O Dr. Allen H. Godbey postulou a posição de
que os judeus negros estavam na costa oeste
africana do Senegal para Angola e eles, os
judeus, foram levados a esta área do Sudão
Central pelo propagandismo muçulmano.
Tendo conhecimento dos judeus negros nos
Estados Unidos, o Dr. Godbey chegou a esta
conclusão:

"Esses fatos têm um significado peculiar


quando a presença do judaísmo entre os
negros americanos deve ser considerada.
Centenas de milhares de escravos foram
trazidos para a América da África Ocidental
durante os dias do trânsito, começando há
quase quatrocentos anos. Quanto mais de O
judaísmo sobreviveu entre os negros da
África Ocidental naquele tempo anterior.
Como comunidades perseguidas, eles
estavam mais em perigo do que outros
negros de ser atacados por partidos de
guerra e vendidos como escravos. Pode ser
considerado certo que muitos negros
parcialmente judaizantes estavam entre os
escravos trouxe para a América. Quantos
deles ainda podem conter alguns costumes
judeus aqui é outra questão ".

Antes que o Dr. Godbey publicasse seu livro,


The Lost Tribes a Myth, Rabi Matthew
organizou uma congregação hebraica em
1918 e proclamou que os negros dos Estados
Unidos e das Índias Ocidentais são os
hebreus negros originais.

Existem centenas de milhares de hebreus


africanos negros dispersos pelos Estados
Unidos, não só nas áreas urbanas, mas
também nas comunidades rurais desse país.
Com a revelação de ampla evidência
histórica, a autenticidade desses hebreus
negros não pode mais ser questionada; no
entanto, em relação à pureza de seu
judaísmo entre alguns desses judeus, essa é
outra questão.

Antes que o Dr. Godbey publicasse seu livro,


The Lost Tribes a Myth, Rabi Matthew
organizou uma congregação hebraica em
1918 e proclamou que os negros dos Estados
Unidos e das Índias Ocidentais são os
hebreus negros originais.
Existem centenas de milhares de hebreus
africanos negros dispersos pelos Estados
Unidos, não só nas áreas urbanas, mas
também nas comunidades rurais desse país.
Com a revelação de ampla evidência
histórica, a autenticidade desses hebreus
negros não pode mais ser questionada; no
entanto, em relação à pureza de seu
judaísmo entre alguns desses judeus, essa é
outra questão.
Conclusão

De acordo com a profecia bíblica, os hebreus


negros deveriam ter entrado na escravidão e
no cativeiro. Assim, lemos sobre o profeta
Jeremias dizendo: "Judá foi ao cativeiro por
causa da aflição e por grande servidão; ela
habita entre as nações; não encontra
descanso; todos os seus perseguidores a
alcançaram entre os estreitos".

A profecia é semelhante à história em um


aspecto, ou seja, ela se repete. A dualidade
na profecia foi reconhecida por muitos
estudiosos.

Como as evidências históricas indicam, os


hebreus negros foram arrebatados da costa
oeste da África e vendidos em cativeiro.
Jeremiah diz novamente:

"Pois, pois, venham os dias, diz o Senhor,


que trarei o cativeiro do meu povo Israel e
Judá, diz o Senhor; e os farei voltar para a
terra que eu dei aos seus pais, e eles deve
possuí-lo.”
"Porque acontecerá naquele dia, diz o Senhor
dos exércitos, que quebrarei o seu jugo do
seu pescoço, e estourará os teus laços, e os
estranhos não mais o farão servir.

"Mas eles (os hebreus) ferverão o Senhor,


seu Deus, e Davi, seu rei, a quem eu os
levarei.”

"Portanto, não temas, ó meu servo Jacó, diz


o Senhor, nem se assuste, ó Israel; porque,
pois, eu te salvarei de longe, e a tua semente
da terra do seu cativeiro, e Jacó voltará, e
fará esteja em repouso e tranqüilo, e o meu
deve fazê-lo com medo ".

"Porque eu estou contigo, diz o Senhor, para


te salvar: embora eu faça um fim completo
de todas as nações para onde eu te espalhei,
ainda não vou fazer um fim completo de ti;
mas eu vou corrigi-lo em medida, e não o
deixarei completamente impune ".

"O vale do osso seco", falado pelo profeta


Ezequiel, representa os nativos que mantêm
os hebreus negros sob escravidão e opressão,
e os ossos secos representam os hebreus
negros. Ezekiel diz:
"Então eu profetizei como ele me ordenou, e
o fôlego entrou neles, e eles viveram, e
levantaram-se sobre seus pés, um grande
exército demais.”

"Então ele me disse, filho do homem, esses


ossos são toda a casa de Israel: eis que eles
dizem que nossos ossos se secaram e a nossa
esperança se perdeu: somos cortados.”

"Portanto, profetiza e dize-lhes: Assim diz o


Senhor Deus: Eis que abrirei os teus
sepulcros, e fazei subir de seus sepulcros e
levá-lo para a terra de Israel".

O profeta Ezequiel chama o país onde os


hebreus negros são oprimidos, "sepulturas".

"E sabereis que eu sou o Senhor, quando abri


seus túmulos, ó meu povo, e te tirei das suas
sepulturas".

"E colocarei o meu espírito em vós, e vós


vivereis, e eu o colocarei na tua terra; então,
sabereis que eu, o Senhor, o falei, e o fiz, diz
o Senhor".
Epílogo

No momento em que escrevo estas páginas,


o Rev. Ralph Abernathy está viajando pelo
país dizendo ao povo americano: "Eu vou a
Washington para dizer aos faraós que deixem
ir meu povo". Como foi com os faraós do
antigo Egito, por isso é improvável que os
líderes em Washington concederão as
exigências da Marcha dos Pobres.

Considerando toda a violência desenfreada


nos Estados Unidos, existem muitas
indicações de que a Marcha em Washington
entrará em erupção na violência. A estrutura
de poder não concede nada sem demanda.
Quando o governo se recusa a efetuar as
reformas e a implementar a justiça, as
pessoas perdem o respeito pelas instituições
de "lei e ordem"; A lei e a ordem sem justiça
são inúteis em uma democracia. Quando as
manifestações pacíficas não suavizam a
atitude do governo, as militantes e as táticas
vigorosas devem ser empregadas pelos
militantes para prevalecer sobre o governo;
essas táticas às vezes se aproximam da
anarquia. Neste ponto tenso, um movimento
de massa pode viajar em uma das duas
direções;

Se o governo concede às demandas do povo


"tudo bem e bem", o movimento de massas
desmorona porque atingiu seu objetivo. Por
outro lado, se o governo recusa as demandas
do movimento de massas, geralmente
suprime a rebelião ou a desobediência civil.

Quando as pessoas continuam se rebelando e


o governo continua a suprimir, essa condição
leva ao fascismo e a uma ditadura. Segue o
assassinato em massa, cometido em nome da
lei e da ordem.

O Dr. Martin Luther King expressou esses


pensamentos antes de ser assassinado: "Se
as condições não mudam em breve neste
país, teremos um estado policial fascista na
década de 1970.”

Não acho que a América tenha a força moral


e vontade de resolver seu problema racial e
evitar uma aquisição fascista; mas se ação
rápida, coletiva e construtiva for tomada
imediatamente, podemos salvar as cidades
americanas do desastre. Se um estado de
polícia for estabelecido na América, isso irá
cumprir a profecia de Daniel:

"E naquele tempo, Miguel levantar-se-á, o


grande príncipe que se deparar com os filhos
do teu povo; e haverá um tempo de angústia,
como nunca houve uma vez que havia uma
nação até a mesma hora; e naquele tempo o
seu povo será libertado, todo aquele que se
achar escrito no livro." (Dn 12: 1).