Você está na página 1de 18

DIREITO

ADMINISTRATIVO
- DESENVOLVIMENTO DO DIREITO ADMINISTRATIVO -

Marco Histórico do Direito Administrativo: REVOLUÇÃO FRANCESA - Estado de Direito -


Império da lei

Marco Jurisprudencial: CASO BLANCO (Corte de Conflito: prevalência do contencioso


administrativo)

Critério de Definição: Serviço Público, Poder Executivo, Relações Jurídicas Estatais, Finalidade
Pública, Residual e administração pública.

ADMINISTRAÇÃO EM SENTIDO FORMAL: conjunto de órgãos e pessoas que


exercem a função administrativa X ADMINISTRAÇÃO EM SENTIDO MATERIAL:
serviços públicos, atividades de polícia, fomento e intervenção (função
administrativa).

Fomento: incentivos voltados ao desenvolvimento econômico e social,


atuação das agências reguladoras

Intervenção: competência da União para regulamentar o expediente


bancário (STJ), competência dos Municípios para definir o horário de
funcionamento do comércio local (STF - SV), impossibilidade de restrição
instalação de estabelecimentos na mesmas área, salvo postos de
combustíveis (STF - SV)

Função administrativa: atividade direta, concreta e imediata voltada a


realização do interesse público

SISTEMA DE JURISDIÇÃO UMA (inafastabilidade) X SISTEMA DUALISTA: (contencioso e justiça


comum)

Fontes: lei em sentido amplo, princípios, costumes, jurisprudência, doutrina, precedentes


administrativos
- CONSTITUCIONALIZAÇÃO DO DIREITO ADMINSITRATIVO -

Paradigma inicial: legalismo (atuação administrativa apenas mediante autorização legal)

Paradigma pós-guerra: revolução kantiana -> pós-positivismo -> neoconstitucionalismo

Democratização dos Estados; Expansão dos Direitos Fundamentais;


Fortalecimento da Jurisdição Constitucional

Constitucionalização do Direito Administrativo

CONSTITUCIONALIZAÇÃO-INCLUSÃO do Direito Administrativo: regulamentação


da Administração Pública na CF

CONSTITUCIONALIZAÇÃO-RELEITURA do Direito Administrativo: (a) Juridicidade,


(b) Sindicabilidade do Mérito Administrativo, (c) Relativização da Supremacia do
Interesse Público; (d) Consensualismo (Privatização do Direito Adminsitrativo, s.g.
contratos de parceria); (e) Adminsitração Dialógica (Adminsitração
Patrimonialista, Burocrática, Gerencial e Dialógica): maior participação popular
nos processos decisórios
- REGIME DA ADMINSITRAÇÃO PÚBLICA -

Conjunto de regras e princípios que regulamentam a atuação administrativa em prol da


satisfação do interesse público primário (poder-dever)

Interesse público PRIMÁRIO (interesse da COLETIVIDADE): prevalecente.

Interesse público SECUNDÁRIO (interesse da ADMINISTRAÇÃO): protegido se


alinhado com interesse público primário.

Normas: Princípios x Regras:

Diferença QUANTITATIVA: alto grau de abstração dos princípios x alta


determinabilidade das regras

Diferença QUALITATIVA: ponderação como solução dos conflitos entre princípios


e avaliação da validade na antinomia entre regras (mitigação das regras: liminar
contra Fazenda Pública)

Princípios EXPRESSOS: CF X Princípios IMPLÍCITOS: não veiculados na CF

Pedras angulares do Direito Administrativo: SUPREMACIA do interesse público e


INDISPONIBILIDADE do interesse público (AMBOS MITIGADOS)

SUPREMACIA DO INTERESSE PÚBLICO: relação de VERTICALIDADE entre Administração e


administrados. PRERROGATIVAS LEGÍTIMAS (cláusulas exorbitantes, privilégios processuais,
imunidade tributária, atributos dos atos administrativos, impenhorabilidade dos bens públicos,
precatórios). INTERESSE PÚBLICO PRIMÁRIO. Exercício com RAZOABILIDADE: relativização em
face dos DIREITOS FUNDAMENTAIS e da INDEFINIÇÃO entre interesse público e interesse
particular.

INDISPONIBILIDADE DO INTERESSE PÚBLICO: imposição de RESTRIÇÕES aos gestores em prol


da conservação do interesse público; OBSERVÂNCIA TODOS OS DEMAIS PRINCÍPIOS:
legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da eficiência, sem prejuízo da margem de
DISCRICIONARIEDADE: autorização legal para alienação, concurso, licitação; MITIGAÇÃO pela
possibilidade de TRANSAÇÃO (não se trata de renúncia): NCPC, JEF, ARBITRAGEM (de direito e
com publicidade): PPP, CONCESSÕES.
LEGALIDADE: aspecto NEGATIVO: respeito à LIBERDADE INDIVIDUAL: autonomia privada:
proteção contra intervenções indevidas; aspecto POSITIVO: sujeição da administração pública
a LEI; ideia de JURIDICIDADE (conformidade com o direito); MITIGAÇÃO por MP (atividade
legislativa) e no ESTADO DE SÍTIO (atividade de governo)!?

IMPESSOALIDADE: em relação aos ADMINISTRADOS: isonomia FORMAL (concurso, licitação,


precatórios, nomeação de ruas), isonomia MATERIAL (cotas) X em relação à ADMINISTRAÇÃO
PÚBLICA: teoria do órgão: teoria da dupla garantia; publicidade institucional

MORALIDADE: Moralidade JURÍDICA: lealdade, boa-fé, publicidade; controle de LEGITIMIDADE


(LACP, LAP, LIA); Nepotismo (SV 13): 3º grau, prescindibilidade de regulamentação, iniciativa
de lei concorrente; exceção de cargos políticos (não engloba tribunais de conta), salvo notória
incapacidade técnica ou inaptidão moral

PUBLICIDADE: regime democrático; atuação TRANSPARENTE: atos PÚBLICOS e ACESSÍVEIS


(editais, portais da transparência); publicação é publicidade máxima, mas nem sempre é
necessária; MITIGAÇÃO: interesse social, intimidade (ULTRASSECRETO 25, SECRETO 15,
RESERVADO 5); possibilidade de divulgação da REMUNERAÇÃO DOS AGENTES PÚBLICOS:
privacidade restrita.

EFICIÊNCIA: EC 19/98; Administração Pública GERENCIAL e DIALÓGICA; ECONOMICIDADE:


otimização dos recursos, mas não se trata do único o objetivo a ser perseguido: “barato as
vezes sai caro”; OTIMIZAÇÃO DA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA (contrato de gestão).
PRESTEZA DOS SERVIDORES (estágio probatório, avaliações periódicas)

RAZOABILIDADE: postulado; devido processo legal material; previsão na LPAD; adequação,


necessidade, proporcionalidade; direito inglês e alemão; controle do mérito e de sanções.

AUTOTUTELA: inafastabilidade da jurisdição inglês não impede a adm. pública e revogar ou


anular seus atos; limitação: PRAZO DECADENCIAL (LPAD).

CONSENSUALIDADE: administração pública democrática/dialógica: súditos convolados em


parceiros; abertura dos CANAIS DE DELIBERAÇÃO (audiências públicas, sg. licenciamento
ambiental, PPP) e ATOS DE COOPERAÇÃO (convênios, parcerias: OS, OSCIP)
TUTELA: controle finalístico sobre entidades

HIERARQUIA: delegação, avocação, fiscalização, imposição de sanções; mesma pessoa jurídica


(diferente da vinculação).

MOTIVAÇÃO: explicitação das causas; fundamento: CIDADANIA; CF: ART. 93, X: se judiciário
tem que motivar, demais poderes também devem fazê-lo; atos RESTRITIVOS (prisma
razoabilidade), motivação PER RELATIONE, teoria dos MOTIVOS DETERMINANTES

CONTINUIDADE: GREVE dos servidores por LEI ESPECÍFICA (lei de greve do setor privado);
impossibilidade de greve por AGENTES DE SEGURANÇA PÚBLICA; caráter ininterrupto dos
SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS (exceções: inadimplemento, razões técnicas, prédios público
onde são realizadas atividades essenciais); exceção do CONTRATO NÃO CUMPRIDO e
OCUPAÇÃO TEMPORÁRIA.

ESPECIALIDADE: criação de órgãos ou entidades voltadas a finalidade específica: eficiência.

SEGURANÇA JURÍDICA. CF: direito adquirido, ato jurídico perfeito, coisa julgada; LPAD:
impossibilidade de retroação de entendimentos, decadência da prerrogativa de anular ou
revogar atos. LINDB: consolidação de atos nulos exauridos, regimes de transição, divulgação de
súmulas; CONFIANÇA LEGÍTIMA: caráter subjetivo (direito subjetivo à nomeação)

PRESUNÇÃO LEGITIMIDADE: inversão do ônus da prova; autoexecutoridade.

CONTROLE JUDICIAL: inafastabilidade da jurisdição; sistema de jurisdição uma; curso forçado


administrativo; convivência com autotutela (sindicabilidade).
- ORGANIZAÇÃO DA ADMINSITRAÇÃO PÚBLICA -

1. "DESCONCENTRAÇÃO"

#DISTRIBUIÇÃO VERTICAL DE ATRIBUIÇÕES

#CRIAÇÃO DE ÓRGÃOS DENTRO DE UMA MSM PJ

#HIERARQUIA

1.1. "ÓRGÃOS"

#UNIDADE DE COMPETÊNCIA DESPERSONALIZADA

#ÓRGÃOS INDEPENDENTES: PERSONALIDADE JUDICIÁRIA (SÚMULA STJ)

#HIERARQUIA: ÓRGÃOS INDEPENDENTES (TOPO DA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA,


COMPETÊNCIA DEFINIDA NA CF); ÓRGÃOS AUTÔNOMOS (DIRETAMENTE VINCULADOS AOS
ÓRGÃOS INDEPENDENTES, RESPONSÁVEL PELA FORMULAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS,
AUTONOMIA TÉCNICA, ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA); ÓRGÃOS SUPERIORES (COMANDO E
DIREÇÃO DE ATIVIDADES, AUTONOMIA TÉCNICA), ÓRGÃOS SUBALTERNOS (MERA EXECUÇÃO)

#ÂMBITO: ÓRGÃOS CENTRAIS (ATRIBUIÇÃO POR TODO O ÂMBITO DE ATUAÇÃO) E LOCAIS


(ATRIBUIÇÃO EM APENAS PARTE DO ÂMBITO DE ATUAÇÃO)

#ESTRUTURA: ÓRGÃOS COMPOSTOS (MAIS DE UM ÓRGÃO) E ÓRGÃOS SIMPLES (COMPOSTOS


POR APENAS UM ÓRGÃO)

#ATUAÇÃO FUNCIONAL: ÓRGÃOS SINGULARES (APENAS UM AGENTE PÚBLICO) E COLEGIADOS


(INTEGRADOS POR MAIS DE UM AGENTE PÚBLICO)
2.2. DESCENTRALIZAÇÃO

#CRIAÇÃO DE ENTIDADES OU DELEGAÇÃO DE ATRIBUIÇÕES A OUTRA PESSOA JURÍDICA,


CONTROLE FINALÍSTICO.

#DESCENTRALIZAÇÃO POLÍTICA: CF (UNIÃO, ESTADOS, DF, MUNICÍPIOS)

#DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (REALIZADA PELA LEI, CONTRATO OU ATO


ADMINISTRATIVO)

A) DESCENTRALIZAÇÃO TERRITORIAL (LC): CRIAÇÃO DE TERRITÓRIOS

B) DESCENTRALIZAÇÃO POR OUTORGA (LO): CRIAÇÃO DE ENTIDADES, TRANSFERÊNCIA DA


TITULARIDADE E DA EXECUÇÃO DO SERVIÇO.

C) DESCENTRALIZAÇÃO POR DELEGAÇÃO/POR COLABORAÇÃO (CONTRATO OU ATO


ADMINSITRATIVO): TRANSFERÊNCIA DA EXECUÇÃO (E NÃO DA TITULARIDADE) DA ATIVIDADE
A DELEGATÁRIAS
ESTADO, GOVERNO E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ESTADO: UNIDADE POLÍTICA SOBERANA DOTADA DE PERSONALIDADE JURÍDICA (TERRITÓRIO,


POVO, SOBERANIA)

FORMAS DE ESTADO: UNITÁRIO (PODER POLÍTICO CENTRALIZADO COM POSSIBILIDADE DE


DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA) X FEDERAL (PODER POLÍTICO DESCENTRALIZADO:
UNIDADES AUTÔNOMAS)

FEDERALISMO DUAL (DIVISÃO RÍGIDA DE ATRIBUIÇÕES: EUA)

FEDERALISMO COOPERATIVO (COMPETÊNCIAS COMUNS E CONCORRENTES)

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM SENTIDO AMPLO: ATIVIDADES DE GOVERNO: FIXAÇÃO DE


DIRETRIZES / AMPLA DISCRICIONARIEDADE

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM SENTIDO ESTRITO: ATIVIDADES EXECUÇÃO / VINCULAÇÃO AO


PRINCÍPIO DA JURIDICIDADE

A) ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM SENTIDO FORMAL/ORGÂNICO: CONJUNTO DE


ÓRGÃOS E PESSOAS DE TODOS OS PODERES QUE DESEMPENHAM FUNÇÕES
ADMINISTRATIVAS: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIRETA E INDIRETA, INCLUINDO
EMPRESAS PÚBLICAS E SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA

B) ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM SENTIDO MATERIAL/OBJETIVO: ATIVIDADES


VOLTADAS A REALIZAÇÃO DO INTERESSE PÚBLICO DE FORMA DIRETA, IMEDIATA E
CONCRETA (FUNÇÃO ADMINISTRATIVA)

B1) SERVIÇOS PÚBLICOS: ATIVIDADES PRESTADAS EM PROL DA COLETIVIDADE


E DO FUNCIONAMENTO DA MÁQUINA ADMINSITRATIVA
B2) PODER DE POLÍCIA: ATIVIDADE RESTRITIVA DE DIREITOS E ATIVIDADES EM
PROL DO INTERESSE PÚBLICO

B3) FOMENTO: ATIVIDADES DE INCENTIVO VOLTADAS AO DESENVOLVIMENTO


ECONÔMICO E SOCIAL (ATOS DE COOPERAÇÃO: OS, SISTEMA S, OSCIP)

B4) INTERVENÇÃO: ATUAÇÃO DO ESTADO NA ECONOMIA DE FORMA DIRETA


(EMPRESAS ESTATAIS) OU INDIRETA (REGULAÇÃO, FISCALIZAÇÃO)

PEDRAS ANGULARES DO DIREITO ADMINISTRATIVO

#SUPREMACIA DO INTERESSE PÚBLICO:

- RELAÇÃO DE VERTICALIDADE

- CLÁUSULAS EXORBITANTES, PRERROGATIVAS PROCESSUAIS, INTERVENÇÃO


NA PROPRIEDADE PRIVADA, ATRIBUTOS DOS ATOS ADMINISTRATIVOS

- RELATIVIZAÇÃO PELOS DIREITOS FUNDAMENTAIS (PROPORCIONALIDADE)

#INDISPONIBILIDADE DO INTERESSE PÚBLICO:

- SUJEIÇÕES: OBSERVÂNCIA DA LEGALIDADE, DA MORALIDADE.

- LICITAÇÕES, CONCURSOS, REGRESSO OBRIGATÓRIO CONTRA SERVIDOR

- RELATIVIDADE: TRANSAÇÃO (CPC, LEI DE ARBITRAGEM, PPP, CONCESSÕES)

OBS: INTERESSE PÚBLICO PRIMÁRIO: COLETIVIDADE: PREVALÊNCIA


OBS: INTERESSE PÚBLICO SECUNDÁRIO: DIREITOS PATRIMONIAIS DA ADMINISTRAÇÃO
PÚBLICA: PROTEGIDO SE ALINHADO AO INTERESSE PÚBLICO PRIMÁRIO

ENTIDADES ADMINSTRATIVAS

AUTARQUIA: CRIADA (E EXTINTA) POR LEI ESPECÍFICA / ATIVIDADES DE ATIVIDADES TÍPICAS DE


ESTADO / RESPONSABILIDADE OBJETIVA (ENTE INSTITUIDOR: RESPONSABILIDADE
SUBSIDIÁRIA) / NÃO SOFRE FALÊNCIA / PESSOA JURÍDICA DE DIREITO PÚBLICO / BENS
PÚBLICOS: IMPRESCRITÍVEIS, IPENHORÁVEIS E ALIENALIDBIDADE CONDICIONADA /
PRERROGATIVAS PROCESSUAIS: PRECATÓRIOS E EXECUÇÃO FISCAL E REEXAME NECESSÁRIO E
PRAZOS EM DOBRO

FUNDAÇÃO: DIREITO PÚBLICO OU PRIVADO / CRIADA OU AUTORIZA POR LEI / ATIVIDADES DE


CUNHO SOCIAL (LC)

FUNDAÇÕES DE DIREITO PÚBLICO: MESMO REGIME DAS AUTARQUIAS

FUNDAÇÕES DE DIREITO PRIVADO: REGIME PREDOMINANTEMENTE PRIVADO, S.G.


SEM PRERROGATIVAS PROCESSUAIS / BENS PRIVADOS / EMPREGADOS CELETISTAS

OBS: IMUNIDADE TRIBUTÁRIA SE APLICA A TODAS AS FUNDAÇÕES

OBS: ESTABILIDADE DOS SERVIDORES NÃO SE ESTENDE AS FUNDAÇÕES DE


DIREITO PRIVADO
EMPRESAS ESTATAIS

CONCEITO: PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PRIVADO INTEGRANTES DA ADMINISTRAÇÃO


PÚBLICA INDIRETA, AUTORIZADAS POR LEI A EXPLORAÇÃO DE ATIVIDADE ECONÔMICA OU A
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS.

ESPÉCIE: SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA OU EMPRESA PÚBLICA

OBS: SOCIEDADE DE ECONOMISTA MISTA:

COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ESTADUAL

SOCIEDADE ANÔNIMA

CAPITAL PÚBLICO E PRIVADO

PLURIPESSOAL

SEMPRE EMPRESARIAL (JUNTA COMERCIAL)

OBS: EMPRESA PÚBLICA:

COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL (EMPRESA PÚBLICA FEDERAL)

QUALQUER TIPO SOCIETÁRIO, A UNIÃO PODE CRIAR TIPO ESPECÍFICO.

CAPITAL “100% PÚBLICO” (ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA)

UNIPESSOAL OU PLURIPESSOAL

EMPRESARIAL OU SIMPLES (JUNTA OU RCPJ)

OBS: SE UM PARTICULAR PODE PARTICIPAR DE UMA SOCIEDADE DE ECONOMIA


MISTA, E UMA SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA PODE PARTICIPAR DE UMA EMPRESA
PÚBLICA, ENTÃO UMA EMPRESA PÚBLICA PODE TER CAPITAL PRIVADO.

OBS: COMPETEM À “JUSTIÇA DO TRABALHO” DEMANDAS AJUIZADAS POR EMPREGADOS


PÚBLICOS VISANDO O RECONHECIMENTO DE DIREITOS TRABALHISTAS

NATUREZA JURÍDICA: PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PRIVADO


REGIME JURÍDICO: HÍBRIDO (PRÓPRIO DAS EMPRESAS PRIVADAS EM RELAÇÕES
TRABALHISTAS, CIVIS, TRIBUTÁRIAS E COMERCIAIS COM APLICAÇÃO DAS REGRAS REFRENTES A
CONCURSOS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E CONTROLE PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS)

PESSOAL: CELETISTAS. DISPENSA MOTIVADA. PROIBIÇÃO DE CUMULAÇÃO. OBSERVÂNCIA DO


TETO SE SUBSIDIADAS. NOMEAÇÃO DE DIRIGENTES NÃO PODE SER CONDICIONADA A
APROVAÇÃO DO PARLAMENTO (SEPARAÇÃO DOS PODERES)

STF (REPERCUSSÃO GERAL): COMPETE À JUSTIÇA COMUM PROCESSAR E JULGAR


CONTROVÉRSIAS RELACIONADAS À FASE PRÉ-CONTRATUAL DE SELEÇÃO E DE ADMISSÃO DE
PESSOAL E EVENTUAL NULIDADE DO CERTAME EM FACE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA,
DIRETA E INDIRETA, NAS HIPÓTESES EM QUE ADOTADO O REGIME CELETISTA DE
CONTRATAÇÃO DE PESSOAL.

OBS: EMPRESAS ESTATAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS EXCLUSIVOS: IMUNIDADE TRIBUTÁRIA


(EBCT/INFRAERO)

CRIAÇÃO E EXTINÇÃO: LEI AUTORIZATIVA ESPECÍFICA + REGISTRO DOS ATOS CONSTITUTIVOS

STF: ALIENAÇÃO CONTROLE ACIONÁRIO: LICITAÇÃO + AUTORIZAÇÃO LEGISLATIVA

OBS: A ALIENAÇÃO DO CONTROLE ACIONÁRIO DAS SUBSIDIÁRIAS E CONTROLADAS NÃO


DEPENDE DE AUTORIZAÇÃO LEGISLATIVA E PODE DISPENSAR LICITAÇÃO SE FOREM
OBSERVADOS OS PRINCÍPIOS ADMINISTRATIVOS

OBJETO:

PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PÚBLICO

(RESPONSABILIDADE OBJETIVA COM RESPOSANBILIDADE ESTATAL SUBSIDIÁRIA)

EXPLORAÇÃO DE ATIVIDADE ECONÔMICA

(RESPONSABILIDADE SUBJETIVA SEM REPONSABILIDADE ESTATAL SUBSIDIÁRIA)


CONTRATOS: ACRÉSCIMO DE 25% PARA BENS E SERVIÇOS E DE 50% PARA SERVIÇOS DE
ENGENHARIA CASO O CONTRATADO ACEITE (ALTERAÇÃO SEMPRE BILATERAL)

OBS: CONTRATOS DE ESTATAIS REGIDOS PELO DIREITO PRIVADO / DURAÇÃO DE ATÉ CINCO
ANOS / HOMOLOGAÇÃO DA LICITAÇÃO GERA DIREITO SUBJETIVO / INIDONEIDADE RESTRITA A
EMPRESA ESTATAL / FASE ÚNICA PARA RECURSOS, SALVO INVERSÃO DE FASES EM QUE
HAVERÁ RECURSO PARA CADA FASE / DOIS CASOS DE LICITAÇÃO DISPENSADA (SERVIÇOS E
BENS INTEGRANTES DO OBJETO SOCIAL E PARCEIRO DEFINIDO POR SUAS ESPECIFICIDADES /
DISPENSA (100 E 50 MIL, SENDO POSSÍVEL A ALTERAÇÃO PELO CONSELHO DE
ADMINISTRAÇÃO) / INEXIGIBILIDADE SERVIÇO DE NOTÓRIA ESPECIALIZAÇÃO E FORNECEDOR
EXCLUSIVO / PREFERÊNCIA PARA PREGÃO NA AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS COMUNS /
INAPLICABILIDADE DA LEI N. 8666/93 (SALVO CRIMES E CIRTÉRIOS DE DESEMPATE) / REGIME
CONTRATAÇÃO INTEGRADA E SEMI-INTEGRADA

OBS: CONTRATOS DAS DEMAIS ENTIDADES REGIDOS PELO DIREITO PÚBLICO E


SUBSIDIARIAMENTE PELO DIREITO PRIVADO

CONTROLE: POLÍTICO (CHEFE DO EXECUTIVO - NOMEAÇÕES), ADMINISTRATIVO (MINISTÉRIO)


E FINANCEIRO (TRIBUNAIS DE CONTAS)

FALÊNCIA:

1ª CORRENTE IMPOSSIBILIDADE: SUPREMACIA DO INTERESSE PÚBLICO

2ª CORRENTE: INCONSTITUCIONALIDADE (SUBMISSÃO AO REGIME PRIVADO)

ESTRUTURA:

-DIRETORES (3 MEMBROS, 3 RECONDUÇÕES)

- CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO (OBRIGATÓRIO E PERMANENTE; 7 A 11 MEMBROS; 25%


INDEPENDENTES OU 1 MINORITÁRIO; 3 RECONDUÇÕES)

OBS: DIRETORES E CONSELHEIROS DE ADMINISTRAÇÃO:


REPUTAÇÃO ILIBADA (LEI DA FICHA LIMPA )

NOTÓRIO CONHECIMENTO (FORMAÇÃO ACADÊMICA COMPATÍVEL)

EXPERIÊNCIA (10 ANOS DE ATUAÇÃO NA ÁREA OU 4 ANOS CARGO DIREÇÃO, CHEFIA,


COMISSÃO SUPERIOR OU DOCÊNCIA)

OBS: DISPENSA-SE A EXPERIÊNCIA DE SERVIDOR CELESTISTA CONCURSADO COM MAIS


DE 10 ANOS NA ESTATAL QUE TENHA OCUPADO CARGO DE GESTÃO

OBS: NÃO PODEM SER DIRETORES E CONSELHEIROS ADMINISTRATIVOS: CONFLITO


INTERESSE; SINDICALISTA; MEMBRO DE AGÊNCIA REGULADORA; POLÍTICO
(MINISTROS, SECRETARIOS, PARLAMENTARES, FAMILIARES 3º GRAU); DIRETOR
PARTIDO OU INTEGRANTE DE CAMPANHA (36 MESES); CONTRATADO PELA ESTATAL
(03 ANOS);

- CONSELHO FISCAL (PERMANENTE, 1 MINORITÁRIO COM SUPLENTE, 1 AÇÕES PREFERENCIAIS,


1 SERVIDOR INDICADO PELO CONTROLADOR; 2 RECONDUÇÕES; 2 ANOS)

- COMITÊ ESTATUTÁRIO FISCALIZA E AVALIA MEMBROS DO CONSELHO FISCAL E


ADMINISTRATIVO (3 A 5 MEMBROS, MAIORIA INDEPENDENTE)
AGÊNCIAS REGULADORAS

AUTARQUIAS ESPECIAIS: INTERVENÇÃO INDIRETA NA ECONOMIA (SERVIÇOS PÚBLICOS E


ATIVIDADES ECONÔMICAS) POR DIREÇÃO OU INDUÇÃO

OBS: AGÊNCIAS EXECUTIVAS: QUALIFICAÇÃO ATRIBUÍDA A AUTARQUIAS E


FUNDAÇÕES: CONTRATO DE GESTÃO E PLANO DE REESTRUTURAÇÃO EM ANDAMENTO

MAIOR AUTONOMIA ADMINISTRATIVA E ORÇAMENTÁRIA: RECURSO HIERÁRQUICO


IMPRÓPRIO (VIOLAÇÃO A LEI E AS POLÍTICAS DE GOVERNO)

OBS: TEORIA DA CAPTURA: FALHA DE GOVERNO PERDA DA AUTONOMIA DA AGÊNCIA


PELA INTERFERÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA OU DO SETOR PRIVADO

DIRIGENTES (CARGOS EM COMISSÃO) COM MANDATOS FIXOS: ESTABILIDADE PROVISÓRIA:


SENTENÇA JUDICIAL, PAD, RENÚNCIA

QUARENTENA: 06 MESES (ADVOCACIA ADMINISTRATIVA)

CHANCELA DO LEGISLATIVO CONSTITUCIONAL PRA NOMEAÇÃO E INCONSTITUCIONAL PRA


EXONERAÇÃO (SEPARAÇÃO DOS PODERES)

PODER REGULATÓRIO (CARÁTER TECNICO): FOMENTO E INTERVENÇÃO

OBS: PODER REGULAMENTAR: CHEFE DO PODER EXECUTIVO (CARÁTER POLÍTICO)

DESLEGALIZAÇÃO: REBAIXAMENTO DA REGULAMENTAÇÃO DE UMA MATÉRIA DO PLANO


LEGAL PARA O PLANO ADMINISTRATIVO

CONSENSUALIDADE: DECISÕES COLEGIADAS E COM PARTICIPAÇÃO DO AGENTES REGULADOS


E DOS CIDADÃOS
PESSOAL: ESTATUTÁRIO (PODER DE POLÍCIA)

DOUTRINA CHENERY: INTANGIBILIDADE DE DECISÕES POLÍTICAS E TÉCNICAS: NECESSIDADE DE


AUTOCONTENÇÃO DO JUDICIÁRIO

DOUTRINA FUZZY: INCURSÃO DO JUDICIÁRIO SOBRE ASPECTOS TÉCNICOS ACERCA DOS QUAIS
NÃO POSSUI CAPACIDADE INSTITUCIONAL E TÉCNICA PARA INTERVIR (CANOTILHO)

PLUS: RESUMO DA LEI DE AGÊNCIAS REGULADORAS

As agências reguladoras possuem autonomia administrativa para solicitar


diretamente ao Ministério da Economia autorização para CONCURSOS;
PROVIMENTO dos cargos e alterações do QUADRO DE PESSOAL.

A lei confere NATUREZA ESPECIAL, caracterizada pela autonomia FUNCIONAL,


DECISÓRIA, ADMINISTRATIVA, FINANCEIRA e pela AUSÊNCIA DE TUTELA E DE
SUBORDINAÇÃO HIERÁRQUICA.

Obrigatoriedade de ANÁLISE DE IMPACTO OBRIGATÓRIO (AIR) antes da adoção


ou alterações de NORMAS DE INTERESSE GERAL, que subsidiarão a tomada de
decisão pelo Conselho Diretor ou Diretoria colegiada, que poderá pedir
alteração e complementação do AIR.

O processo decisório nas agências reguladoras tem o caráter COLEGIADO,


tomado pela MAIORIA ABSOLUTA dos membros do Conselho Diretor ou
Diretoria Colegiada e suas reuniões deliberativas serão PÚBLICAS, gravadas em
meio eletrônico, PUBLICADAS NA INTERNET e disponibilizadas aos interessados
nas suas sedes.

OBRIGATÓRIA a submissão de todas as propostas de alteração de atos


normativos de interesse geral dos agentes econômicos e consumidores à
CONSULTA PÚBLICA, sendo AUTORIZADA, porque mais “enrolada”, a
convocação de AUDIÊNCIAS PÚBLICAS para tomada de decisão.

O órgão máximo é o CONSELHO DIRETOR ou a DIRETORIA COLEGIADA,


composta de QUATRO conselheiros ou DIRETORES; um PRESIDENTE; DIRETOR-
PRESIDENTE, indicados pelo PRESIDENTE, após aprovação do SENADO.

Integram também a estrutura de cada agência, uma PROCURADORIA, uma


AUDITORIA e uma OUVIDORIA.

Devem ter CONDUTA ILIBADA e NOTÓRIO SABER: FORMAÇÃO ACADÊMICA


COMPATÍVEL + EXPERIÊNCIA mínima de 10 ANOS no setor público ou privado
correlato em função de direção superior ou 4 ANOS de cargo de direção ou de
chefia superior em empresa no campo de atividade da agência reguladora;

VEDADA a indicação de MINISTROS, SECRETÁRIOS, PARLAMENTARES,


DIRIGENTES PARTIDÁRIOS E CABOS ELEITORAIS (36 MESES), PARENTES DE 3º
GRAU, SINDICALISTA OU EMPRESÁRIO DO SETOR REGULADO.