Você está na página 1de 57

CIÊNCIA DA TERRA E DA VIDA

GEOLOGIA DO 9º ANO DE ESCOLARIDADE


Disciplina de Ciências Naturais

Setembro de 2011
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
FREY LDA

Guia do Professor e do
Aluno
Texto de Apoio
ADILSON FREIRE com a
Colaboração dos Professores HELOISA FORTES E EEPIFANIO BARROS
2010

Nesta pequena ficha consta todos os conteúdos


programáticos que vão ser abordados no 9º ano, conteúdos
esses que, além de serem essenciais na formação dos
alunos, tem grande pertinência e actualidade. O seu
tratamento exige um esforço não só no aspecto científico,
mas também no componente pedagógico. Neste sentido o
Guia do Professor e do Aluno pretende ser uma ajuda no
trabalho e na aprendizagem a desenvolver ao longo do ano.
Gostaria que tirassem o máximo de partido do material
apresentado. Ele constitui uma base de trabalho que, depois
de analisada, pode ser adaptada ao perfil de cada um.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
COSMOLOGIA (cosmo – ordem/mundo + logia – discurso/estudo)

Cosmologia – é a ciência que estuda a origem, estrutura e evolução do universo. É tão antiga
como a humanidade e podemos, de certa forma, dizer que surgiu quando o espírito humano
tentou compreender e explicar o mundo que o rodeia.

Origem Do Universo

O homem sempre procurou conhecer e explicar tudo aquilo que lhe rodeia e os fenómenos
naturais que acontecem.

Das várias teorias formuladas para explicar a origem do Universo aquela que foi aceite é teoria
formulada em 1931 por Lemaitre (astrónomo Belga).

Segundo Lemaitre: “Há vários bilhões de anos, toda matéria e o espaço estaria concentrado
num pequeníssimo átomo – átomo primitivo. Esse “átomo” seria extremamente denso e
quente. Depois teria sofrido uma súbita explosão dando início à expansão do Universo,
baixando a sua temperatura”. - Teoria do Átomo Primitivo.

Mais tarde dois astrónomos (Alpher e Smart), e um astrofísico americanos, Gamow,


desenvolveram a teoria de Lemaitre e designaram - a de Teoria de BIG BANG, Grande
Explosão ou Teoria Evolutiva.

Teoria de BIG BANG


“Segundo esta teoria o Universo surgiu a partir de uma explosão primordial, ocorrida
a aproximadamente 15 bilhões de anos. Essa explosão ocorreu em função da grande
concentração de massa e energia.”

Expansão Do Universo
Os cientistas (Smart, Alpher e Gamow) explicaram apenas a origem do Universo, mas não a
sua expansão.

Em 1929-1930, astrónomo norte - americano Edwin Powell Hubble não só apoiou como
também demonstrou a expansão do universo através do afastamento das galáxias. Enunciou
uma lei, - Lei de Hubble, que diz o seguinte: “A velocidade com que as galáxias se afastam
uma das outras é directamente proporcional à distância relativa que existe entre estas
galáxias.”
© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais
50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Também afirma que a expansão do Universo é igual em todas as direcções, independentemente
da posição das galáxias no espaço.

Os Principais Constituintes Do Universo

Universo/Cosmo – é tudo o que existe na terra e fora dela. Ou ainda, é o conjunto de todos os
Astros ou Corpos Celestes, espaço, energias,etc.

Astronomia – ciencia que estuda a posiçao, os movimentos e a constituiçao dos corpos


celestes.

Astros ou Corpos Celestes: são corpos/materias de diferentes naturezas que existem no espaço
celeste ou no espaço cósmico.

Ex: estrelas, planetas, cometas, átomos, moléculas, energias, etc., isto é, toda a matéria e
radiação existente no espaço

No universo os astros estão agrupados em galáxias

Galáxia – estrutura geralmente em forma de um disco, que se desloca no espaço. É a unidade


básica do universo, constituída por, astros, gases e poeiras cósmicas.

OBS: Na parte observável do universo existe mais de 100 mil milhões de galáxias semelhantes
à nossa, que é designada de Via Láctea ou Caminho de Santiago.

Via Láctea – é a galáxia que contem o sol.

Na Via Láctea os astros agrupam-se em sistemas. Estes sistemas são chamados sistemas de
astros.

O sistema de astros onde se encontra o nosso planeta chama-se Sistema Solar.

Constituintes Do Sistema Solar

Sistema solar: é um conjunto formado por uma estrela (o sol), por oito planetas, vários
satélites, vários asteróides, cometas e meteoritos.

Estrela: é um astro com luz própria e cintilante.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
No universo existem vários biliões de estrelas mas o sistema solar só tem uma estrela que é o
Sol.

O sol é uma estrela de grandeza média em comparação com as outras estrelas. É o centro do
Sistema Solar e representa cerca de 99,8% da sua massa total.

Asteróides  - (pequenos corpos rochosos) que giram ao redor do Sol, principalmente entre
Marte e Júpiter, mas também em outros quadrantes do sistema solarem.

Cometas - (pequenos objectos congelados de órbitas extremamente excêntricas)

Existem dois tipos de estrelas quanto ao tamanho em relação ao sol:

1. Estrelas Super gigantes - são estrelas maiores do que o sol;


2. Estrelas Anãs - são estrelas menores do que o sol.

Planetas: são astros sem luz própria e geralmente frios que giram ao redor de uma estrela.

Ex: Mercúrio, Vénus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno Úrano e Neptuno.

Os planetas recebem a luz das estrelas. Os planetas do sistema solar recebem a energia (energia
luminosa e energia calorífica) do sol.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Localização da Terra no Espaço

A terra é o terceiro planeta do sistema solar a contar a partir do sol e é mais de um milhão de
vezes menor do que o sol. A distância entre o sol e a terra é de 150 milhões de quilómetros.

A segunda estrela mais próxima da Terra é designada de Estrela Próxima e se encontra a uma
distância de 272000x maior do que a distância entre a Terra e o Sol.

Classificação Dos Planetas

Quanto a descrição das suas órbitas à volta do sol, os planetas classificam-se em dois tipos:

 Planetas Principais ou Primários: são planeta que giram directamente à volta do sol.
Ex: Do Mercúrio ao Neptuno;

 Planetas Secundários ou Satélites: são planetas que giram directamente à volta dos
planetas principais e indirectamente à volta do sol.
Ex: A lua é o único satélite natural do planeta terra; Callisto, Ariel, Miranda, Europa.

Os planetas principais têm dois tipos de movimentos: movimentos de Translação ou de


Revolução e movimento de Rotação.

Movimento de Translação ou de Revolução: é o movimento que os planetas principais fazem


à volta do sol. E o da terra dura 365 dias e 6 horas e 9 minutos – um ano.

Movimento de Rotação: é o movimento que os planetas fazem a volta dos seus próprios eixos.
E o da terra dura 23 horas, 56 minutos e 4 segundos - 24 horas.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Classificação Dos Planetas Principais

Classificam –s e os planetas principais tendo enconta a Dimensão, Densidades ou as suas


Posições em Relação à Zona dos Asteróides.

1) Quanto á Dimensão, estes planetas classificam-se em:

 Planetas Menores ou Terrestres ou Telúricos - de diâmetro inferior ou


sensivelmente próximo a da Terra. Ex: Mercúrio, Vénus, Terra e Marte;

 Planetas Maiores ou Gigantes Gasosos - possuem diâmetros bastante superiores


aos dos planetas telúricos. Ex: Júpiter, Saturno, Úrano e Neptuno;

2) Quanto à Densidade/composição química, os planetas principais classificam-se em:

 Planetas mais densos: são todos os planetas menores. São mais densos porque são
constituídos, principalmente, por elementos mais densos como o ferro (Fe), o
magnésio (Mg), o silício (Si) e o oxigénio (O2).

 Planetas menos densos: são todos os planetas maiores. São menos densos porque
são constituídos, principalmente, por elementos menos densos – os gases – hélio
(He) e néon (Ne).

3) Quanto à sua posição em relação à zona dos asteróides, os planetas principais


classificam-se em:

 Planetas interiores: são os planetas que se encontram entre o sol e a zona dos
asteróides. Ex: Mercúrio, Vénus, Terra e Marte;
 Planetas exteriores: são os planetas que se encontram depois da zona dos
asteróides.
Ex: Júpiter, Saturno, Úrano, Neptuno.

Meteoritos – são fragmentos rochosos de tamanho muito variável que frequentemente atingem
os planetas terrestres e os seus satélites.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Quadro De Comparação Da Terra Com Os Outros Planetas
Diâmetro Massa em Distância Tempo de Tempo Nº de Principais Temp.
Equatorial relação á Média ao Sol Mov. de de Mov. de Satélites constituintes da Média ºC
em relação (terra=1) (milhões Km) Rotação Translação Atmosfera
(terra = 1)
Km

Sol 109 333434 - - - - - -


Mercúrio 0.38 0.06 58 59 Dias 88 Dias 0 - +430 Dia
-180 noite
Vénus 0.96 0.82 108 243 Dias 225 Dias 0 CO2, H2O, Ar, N2 +480
Terra 1 1 150 23h56m 365 Dias 1 CO2, H2O, H2 +22
Ar, O2
Marte 0.53 0.11 228 24h37m 687 Dias 2 Ar, N2, CO2 -23
Júpiter 11.26 318 778 9h55m 11,9 Anos 30 H2, He, NH3 -123
Saturno 9.46 95 1427 10h40m 29,5 Anos 17 H2, He, CH4 -180
Úrano 4.1 15 2870 16h 84 Anos 15 H2, He, CH4 -218
Neptuno 3.9 17 4500 187h 165 Anos 8 H2, He, CH4 -228
Diâmetro da Terra é de 12756km, e a Massa da terra é de 6x1024kg

Exploração Espacial

Desde os tempos mais remotos que a observação do universo tem despertado a curiosidade do
homem. Faziam observações a vista desarmadas e tiravam as suas conclusões.

Em épocas mais modernas começaram a utilizar instrumentos (telescópio, foguetões, naves


satélites artificiais, sondas, etc) que fornecem um número cada vez maior de informações sobre
o universo a que pertencemos.

O 1º telescópio para melhor observar e estudar os astros foi inventado por Galileu. Mas
actualmente existem telescópios muito sofisticados na Rússia, nos Estados Unidos, no Japão e
noutros países desenvolvidos.

Mais tarde foram colocados no espaço vários satélites artificiais.

 A era espacial teve o seu inicio a 4 de Outubro de 1957 com o lançamento para o espaço
dos primeiros satélites artificiais Sputnik I e Sputnik II (satélites soviéticos) e
posteriormente o Explorer (satélite americano) em 1958.
 Em Abril de 1961 um astronauta soviético – Iuri Gagarine – foi pela primeira vez ao
espaço dando uma volta completa à lua.
 Em Julho de 1969 os astronautas – Niel Armstrong e Edwin Aldrin – pisaram pela
primeira vez a superfície lunar usando a nave Apollo 11.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Dos vários satélites artificiais colocados no espaço, alguns giram muito rapidamente à volta da
terra enquanto outros giram muito lentamente. Os satélites que giram muito lentamente à volta
da terra são chamados Satélites Estacionários.

Tipos De Satélites Artificiais

Satélite Artificial é qualquer corpo feito pelo homem e colocado em órbita ao redor da
Terra ou de qualquer outro planeta.

De acordo com as suas funções no espaço existem cinco tipos de satélites:

1. Satélites de Telecomunicações: são satélites utilizados para as comunicações via fax,


telefone, telemóvel, e-mail, etc.
Estes tipos de satélites são os mais abundantes no espaço.

Em 1964 foi colocada no espaço uma rede se satélites de telecomunicações nos oceanos
Pacifico, Índico e Atlântico.

2. Satélites Meteorológicos: são satélites utilizados para prever o estado do tempo


atmosférico.

3. Satélites de Teledetecção: são satélites utilizados para fazer a previsão das colheitas e
dos recursos naturais.

4. Satélites Científicos: são utilizados na geologia, para estudar a terra, e na astronomia,


para estudar os astros.

5. Satélites Militares ou Espiões ou de reconhecimentos: são satélites utilizados para


fins militares.

Estrutura Da Terra

A terra tem duas estruturas - Estrutura Interna e a Estrutura Externa.

A estrutura interna começa do solo até a parte mais profunda da terra – o núcleo). E a externa
começa do solo até a última camada da atmosfera.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Estrutura Interna Da Terra
A terra tem uma forma mais ou menos esférica e o seu raio mede aproximadamente 6400km.
Por isso é difícil estudar o seu interior.

Para estudar o interior da terra utilizaram - se e utilizam - se dois métodos:

 Métodos Directos: baseiam - se:


1. Recolha de amostras (rochas) na superfície terrestre numa profundidade até 8 km;
2. Recolha de amostras (rochas) numa profundidade entre os 20 e os 25 km;
3. Dados dos vulcões (no manto).

 Métodos Indirectos: baseiam - se:


1. Dados geofísicos: sismologia; densidade das rochas; compressibilidade das
rochas; rigidez das rochas;
2. Dados científicos: dados físicos; dados químicos; dados astronómicos ou dados
da planetologia;

OBS: É impossível conhecer o interior da terra utilizando apenas os métodos directos porque
eles só nos fornecem dados muito superficiais do interior da terra.

Os métodos indirectos, principalmente a sismologia (através do comportamento das ondas


sísmicas durante a sua propagação), é que nos fornecem melhores informações sobre o interior
da terra.

Analisando o comportamento das ondas sísmicas durante a sua propagação no interior da terra,
o homem ficou a saber que o interior da terra está dividido em três grandes zonas com
composições física e química diferentes e com densidade crescente. Estas três zonas são:
Crosta ou Crusta, Manto e Núcleo.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
 CROSTA: é a zona mais superficial da terra. É rígida e constitui os continentes e os
fundos dos oceanos, dos mares, dos rios, etc.

A crosta divide – se em: Crosta Oceânica e Crosta Continental.

Crosta Continental - é a mais espessa e pode atingir profundidades que varia entre os 30 e os
70 km (até 30 km nas planícies e até 70 km nas montanhas).

Crosta Oceânica – é a mais extensa e a sua espessura varia entre os 5 e os 10 km nos oceanos, e
a da Crosta Continental.

 MANTO: é a zona situada entre a crosta e o núcleo.

Há três subcamadas do manto: manto superior, manto médio e manto inferior.

1. Manto Superior ou Manto Litosférico: é a camada do manto que fica logo em


baixo da crosta. É muito rígida.

2. Manto médio ou Astenosfera: é a camada média do manto. Contem 1% de


materiais fundidos misturados com 99% de materiais sólidos. Isso faz com que
este manto seja um manto plástico, menos rígido do que os outros mantos.

3. Manto inferior ou Mesosfera: é a camada mais profunda do manto. É bastante


rígida. A rigidez deste manto aumenta de cima para baixo.
 Núcleo: é a última zona da terra. É o centro da terra. Tem elevada densidade.
© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais
50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
O núcleo é formado pelo ferro e pelo níquel.

Há dois tipos de núcleos com diferentes propriedades físicas: o núcleo Externo e


Interno.

 O núcleo externo é líquido ou tem comportamento de líquido e o núcleo interno


é sólido.

Estrutura Externa Da Terra

Externamente a terra é constituída por quatro camadas ou esferas:

o Litosfera, Hidrosfera, Atmosfera e Biosfera.

Litosfera - é a camada mais superficial do globo terrestre. É formada pela crosta e pelo manto
superior. Modificando-se origina os solos. Ex: As areias, as pedras, as poeiras, as rochas;

Hidrosfera - é a camada líquida da terra. Ex: oceanos, lagos, rios, mares, etc.

Atmosfera - é a camada gasosa que envolve a terra. Começa na superfície terrestre e vai até
alguns quilómetros de altitude.

Biosfera - é a camada terrestre formada pelos seres vivos e pelo meio onde se encontram.

OBS: As esferas da estrutura externa da terra interpenetram-se, isto é, numa esfera encontram-
se elementos das outras esferas.

Importância Da Atmosfera Terrestre

A atmosfera é importante porque: -

 A atmosfera absorve parte da energia que depois é enviada para a superfície terrestre,
 Protege assim a terra de aquecimento e de arrefecimentos repentinos;
 Protege a terra dos meteoritos e a camada de ozono absorve parte dos raios ultravioleta;

A atmosfera troca matéria (água, oxigénio, azoto, carbono, etc.) e energia com a biosfera e com
a hidrosfera.

Terra – Planeta Activo


© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais
50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
As acções do vento, da água, da temperatura, da pressão atmosférica, etc., os sismos e as
erupções vulcânicas são testemunhas de que a terra é um planeta em constante actividade.

A água, o vento, a pressão atmosférica, a temperatura e os seres vivos são Agentes Externos
Modificadores da Crosta Terrestre.

Os sismos e as erupções vulcânicas são Agentes Internos Modificadores da Crosta.

As rochas são consideradas outras testemunhas da actividade geológica – actividade da terra –


devidas às modificações constantes que sofrem.

Sismologia

Sismologia: é o ramo da geofísica que estuda os sismos e os fenómenos relacionados com a sua
ocorrência.

Sismos ou Tremores de Terra: são vibrações ou abalos bruscos da crosta terrestre, mais ou
menos intensa e de curta duração e localizados.

Sismólogo – é a pessoa que se dedica ao estudo do sismo.

Sismógrafo – aparelho utilizado para detectar e registar as ondas sísmicas.

Sismograma – papel que fazem o registo do abalo sísmico. Dá-se informações sobre: o tempo e
intervalo de chegada das ondas; amplitude, energias libertadas e velocidade das ondas.

Sismograma

Estações Sismográficas – lugares equipados com aparelhos que registam as vibrações do


interior da terra.

O sismo pode acontecer na superfície ou debaixo da água.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
 Se acontecer na superfície, o sismo chamar – se - á Terramoto.
 Se acontecer debaixo da água (nos mares, nos oceanos, etc.), o sismo chamar – se - á
Maremoto.

Terramotos - ocorrem quando o epicentro dos sismos se localiza no continente.


Maremotos - ocorrem quando o epicentro dos sismos se localiza no Oceano.
Tsunamis - são grandes ondas marinhas (grandes vagas) que se formam durante os maremotos.
Microsismo - sismos de fraca intensidade e por vezes imperceptíveis.

Sismos Preliminares ou Premonitórios - sismos de fraca intensidade que antecedem


terramotos.

Réplicas - sismos fracos que sucedem um terramoto.

Como É Que Acontece Um Sismo?

O interior da terra é constituído por rochas desordenadamente sobrepostas. As rochas que se


encontram em cima pressionam fortemente aquelas que estão em baixo. A rocha fortemente
pressionada deforma-se porque possui uma certa elasticidade. Se a força de pressão ultrapassar
o limite de elasticidade a rocha parte-se originando vibrações ou ondas sísmicas que propagam
em todas as direcções do interior da terra. Subindo na vertical, atingindo a superfície terrestre.

Hipocentro ou Foco Sísmico - é a zona ou local a profundidade onde se origina o sismo.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Epicentro - é o ponto, na superfície da terra, onde se faz sentir o sismo.

Nota: No epicentro a intensidade sísmica é maior do que nos outros pontos atingidos pelas
ondas sísmicas na superfície terrestre, isto é, quanto mais perto do epicentro maior é a
intensidade de se sentir o sismo.

Falha: é a fractura na crosta terrestre onde as pressões são mais fortes. Nas zonas de falha os
riscos sísmicos são maiores.

Raios sísmicos – direcção perpendicular à frente de onda.


Frentes de onda – superfície em que todos os pontos se encontram no mesmo estado de
vibração, ou seja, estão em fase.

Tipos de Sismo
Os sismos classificam - se baseando na sua origem ou na profundidade do seu hipocentro.

Tipos De Sismo Quanto À Origem

Quanto à sua origem os sismos classificam-se como sendo Natural e Artificial:

1. Sismos Naturais e as suas causas

 Sismos Tectónicos - são sismos que resultam da mobilidade das placas litosfericas.
 Sismo de Colapso – resulta do desabamento de grutas ou cavernas e desprendimento de
massas rochosas nas encostas das montanhas.
 Sismos Vulcânicos - são sismos que resultam da deslocação dos magmas e das outras
actividades vulcânicas.

2. Sismos Artificiais - são sismos que resultam das explosões ou vibrações de natureza variada,
provocada pelo homem tais como explosão de minas, desabamento de minas, explosão
nucleares, etc.

Tipos De Sismo Quanto À Profundidade Do Hipocentro

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Classificando os sismos quanto à profundidade do hipocentro, temos:

1. Sismos Superficiais – ocorrem entre a superfície e os 70 km de profundidade (85%);


2. Sismos Intermédios - ocorrem entre os 70 e os 350 km de profundidade (12%);
3. Sismos Profundos - ocorrem entre os 350 e os 670 km de profundidade (3% dos
sismos).

Onda Sismica
Onda Sísmica - é a propagação em todas as direcções da energia libertada do hipocentro.

Tipos De Ondas Sismicas

Quanto à origem, as ondas sísmicas classificam-se em:


 Ondas Sísmicas Interiores ou Profundas - são ondas originadas a partir do hipocentro;
 Ondas Sísmicas Superficiais: são ondas sísmicas geradas das ondas sísmicas
interiores.

Ondas Sísmicas Interiores ou Profundas:


 Ondas P e Ondas S

Características das Ondas P


 São Ondas Primárias – porque são Comportamento das Ondas P
as primeiras ondas a atingir a  Propagam – se em profundidade;
superfície terrestre;  É mais rápida e consegue se
 São Ondas Longitudinais - porque propagar em todos os meios
a vibração das partículas ocorre na (sólidos, líquidos e gasoso);
mesma direcção do movimento das  São as que tem menor amplitude em
ondas, relação as ondas S;
 São Compressivos e de Dilatação -  Atravessam zonas líquidas com
apertam e delatam os materiais menor velocidade do que quando
rochosos; atravessam zonas sólidas.

Ver a figura abaixo:

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Características das Ondas S.

 São Ondas Secundárias - porque Comportamento das ondas S


atinge a superfície terrestre em
 Propagam – se em meio sólido;
segundo lugar;
 Não se propaga no núcleo externo;
 São Ondas Transversais - porque a
 Tem menor velocidade do que as
vibração das partículas é
ondas P;
perpendicular à direcção de
 Estas ondas não atravessam zonas
propagação da onda;
líquidas mas contornam-nas.

Ondas Sísmicas Superficiais

As ondas interiores quando atingem a superfície terrestre originam as ondas sísmicas


superficiais.

 As ondas superficiais são também chamadas Ondas Longas, Ondas Longae porque são
elas que atingem maiores distâncias na superfície da terra. São responsáveis pelas
grandes catástrofes, pelas grandes destruições, por todos os efeitos provocados, pelo
sismo, à superfície.

Existem dois tipos:


© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais
50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
 Ondas de Love (L) e Ondas de Rayleigh (R).

Comportamento das Ondas L

 Propagam com menor velocidade do que as ondas interiores;


 Causam, geralmente, grandes estragos quando o sismo é de grande intensidade;
 São as únicas que se fazem sentir a superfície terrestre;

Actividade Sismica

A actividade sísmica pode ser avaliada por meio de duas grandezas:

1. Intensidade Sísmica – é uma grandeza que descreve os efeitos produzidos pelos sismos
sobre as as populações, construções humanas e terreno atingido pelo sismo.

2. Magnitude – consiste na avaliação da quantidade de energia liberada no hipocentro.

Determinação Da Intensidade

A intensidade é determinada por uma Escala denominada de Escala de Intensidade, de


Marcalli ou de Qualitativa.
 Esta escala é utilizada para classificar os sismos de acordo com a sua intensidade, ou
seja, de acordo com os efeitos que eles provocam à superfície. Esta escala tem 12 graus,
variando de I a XII, não recorrendo a casas decimais.

Esta escala é pouco rigorosa é pouco exacta, porque:


 É subjectiva, pois baseia - se na observação dos efeitos provocados pelos sismos,
baseia-se nos danos provocados pelo sismo e na forma como as pessoas sentiram o
sismo;
 A classificação é feita com base em inquéritos à população, dependendo, por isso, das
respostas dadas;
 Não são utilizadas todas as respostas dadas, mas sim as respostas da maioria das
pessoas;

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
 Há sismos que não são detectados pelas pessoas, só são detectados e registados pelos
sismógrafos.

Com base na Intensidade Sísmica determinada pela Escala de Mercalli, constroem - se


mapas, também chamados Cartas de Isossistas.

Isossistas – são linhas curvas e fechadas que unem pontos com a mesma Intensidade Sísmica.

Pontos Isossistas - são pontos ou locais na superfície terrestre, ligados por uma linha curva
numa carta sismográfica, onde o sismo é sentido com a mesma intensidade.

Linhas Isossistas - são linhas curvas utilizadas nas cartas sismográficas para ligar dois ou mais
pontos com a mesma intensidade sísmica.

De isossista para isossista, a intensidade varia um grau, aumentando da periferia para o


centro.

O Centro da carta de Isossistas corresponde ao Epicentro do sismo, logo corresponde ao


ponto onde a intensidade sísmica atingiu o seu valor máximo. Chama - se por isso zona
epicentral ou zona pleistossísmica.

Determinação Da Magnitude Sismica

A magnitude é determinada por uma Escala denominada de Escala de magnitude, de Richter


 É utilizada para classificar os sismos com base na energia libertada no hipocentro.
Esta escala é aberta, ou seja, não tem limite superior, inicia-se no grau 0, podendo ir até
às décimas (0; 0.1; 0.2; ...;8.9; 9...), No entanto nunca se tinham registado um sismo
com magnitude superior a 9, contrario ao que acontece na actualidade.
© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais
50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Esta escala é mais rigorosa e exacta que a de Mercalli - Sieberg porque:
 É objectiva, uma vez que tem por base cálculos matemáticos e registos gráficos, tendo,
por isso, maior rigor científico.

A escala de Richter pode ser convertida na escala de Mercalli e vice-versa, utilizando as


fórmulas seguintes:

M
M == 11 ++ 2/3
2/3 xx II II == (3M-
(3M- 3)
3) //
22 2/3xI
2/3xI
M – Magnitude

I – Intensidade

Medidas a Adoptar em caso de Sismo

Antes do Sismo
 Informa-te acerca dos sismos e seus Durante o Sismo
efeitos;  Se estiveres na rua mantém-te
 Prepara a tua casa de forma a torná- afastado de edifícios e taludes que
la mais segura; possam desabar;
 Ensina todos os familiares a desligar  Protege-te no vão de uma porta
a electricidade e a fechar a água e o interior bem alicerçada;
gás;  Nunca utilizes os elevadores durante
 Ter sempre à mão uma lanterna ou após um sismo (podem não ser
eléctrica, um rádio transístor portátil seguros);
e pilhas de reserva;  Conta em voz alta e devagar até
 Ter em local certo um extintor e um cinquenta, ajuda a acalmar;
estojo de primeiros socorros, para se  Domina o pânico;
saber exactamente onde estão caso  Se estás num local com muita gente,
sejam necessários; não te precipites para a saída, nem
 Armazenar água e alimentos corras para a rua.
enlatados para dois ou três dias;

41Após o Sismo
© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais
50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
 Não faças lume nem ligues interruptores.
 Corta a água e o gás e desliga a electricidade.
 Calça sapatos e protege a cabeça. Prepara agasalhos.
 Não te precipites para a escada nem para a saída.
 Acalma os outros.
 Colabora com as equipas de socorro.
 Presta os primeiros socorros se houver feridos.

Escala de Mercalli Modificada (1956) — versão completa


Graus de intensidade sísmica

I Imperceptível Apenas registado pelos aparelhos de precisão, ou sismógrafos.


Sentido por um muito reduzido número de pessoas em repouso, em
II Muito fraco
especial pelas que habitam em andares elevados.
Sentido por um pequeno número de habitantes. Bem sentido nos
III Fraco
andares elevados
Sentido dentro das habitações, podendo despertar do sono um pequeno
IV Medido número de pessoas. Nota-se a vibração de portas e janelas e das loiças
dentro dos armários.
Praticamente sentido por toda a população, fazendo acordar muita
gente. Há queda de alguns objectos menos estáveis e param os
V Pouco Forte
pêndulos dos relógios. Abrem-se pequenas fendas nos estuques das
paredes.
Provoca início de pânico nas populações. Produzem-se leves danos nas
VI Forte habitações, caindo algumas chaminés. O mobiliário menos pesado é
deslocado
Caiem muitas chaminés. Há estragos limitados em edifícios de boa
construção, mas importantes e generalizados nas construções mais
VII Muito Forte
frágeis. Facilmente perceptível pelos condutores de veículos
automóveis em trânsito. Desencadeia pânico geral nas populações.
Danos acentuados em construções sólidas. Os edifícios de muito boa
VIII Ruidoso construção sofrem alguns danos. Caiem campanários e chaminés de
fábricas.
Desmoronamento de alguns edifícios. Há danos consideráveis em
IX Desastroso
construções muito sólidas
Muito Abrem-se fendas no solo. Há cortes nas canalizações, torção nas vias
X
Desastroso de caminho de ferro e empolamentos e fissuração nas estradas.
Destruição da quase totalidade dos edifícios, mesmo os mais sólidos.
Caiem pontes, diques e barragens.
XI Catastrófico Destruição das redes de canalização e das vias de comunicação.
Formam-se grandes fendas no terreno, acompanhadas de desligamento.
Há grandes escorregamentos de terrenos
Destruição total. Modificação da topografia. (Este grau nunca foi
XII Cataclismo
presenciado no período histórico.)

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Localização Geográfica Dos Sismos

O planeta terra encontra - se dividido em diferentes zonas sísmicas.

Zonas Sísmicas - são zonas do planeta terra onde acontecem sismos com maior frequência.

As zonas sísmicas são quatro:

 Zona Circum-Pacifica ou Anel do Fogo do Pacifico - desta zona fazem parte a costa
ocidental do continente americano, as ilhas da Páscoa e dos Galápagos, as ilhas
Curilhas, Kamtchatka, costa oriental do Japão e a Nova Zelândia.

Nesta zona acontece a maior número de sismos;

 Cintura Alpino-Himalaia - esta zona localiza-se entre o continente euro-asiático e o


continente africano. Começa nos Açores e termina na fossa de Java;

 Zona Sísmica Médio-Oceânica: esta zona situa-se entre os oceanos Atlântico e Índico;

 Linha Sísmica do Vale do Rifte Afro-Arábico: esta linha engloba a zona dos grandes
lagos do continente africano, o mar vermelho, a ilha do Bouvet e o oceano Antártico.

Vulcanologia

Vulcanologia - é o capitulo da geologia que se ocupa no estuda dos vulcões.

Vulcanismo - é o conjunto de manifestações vulcânicas e das teorias que explicam as causas


destas manifestações.

Vulcanólogo - é o especialista no estudo dos vulcões.

Vulcões - são aberturas na crusta terrestre por onde se dá o derrame de lava, cinzas, vapor de
água e outros gases, vindos do interior do planeta.

Como É Que Se Forma O Magma?

O magma forma-se no interior da terra a partir da fusão das rochas.

Sabe - se que a temperatura da terra aumenta a medida que aumenta a profundidade. Por cada
100 metros de profundidade a temperatura da terra aumenta 3 graus Célsius. Numa
profundidade entre os 15 e os 70 Km (na crosta terrestre) a temperatura chega a atingir os 1200

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
– 1300 graus Célsius. A estas temperaturas elevadas as rochas fundem-se, formando a lava. As
lavas misturam-se com os gases, no interior da terra, e formam o magma.

Lava - é uma matéria rochosa em estado de fusão resultante do magma empobrecido em gases.

Magma - é um material rochoso fundido, rico em gases, que se encontra armazenado na câmara
magmática.

O magma é uma mistura complexa de silicatos. Os gases que entram na composição do magma
são: CO, CO2, SO2, SO3, HCl, H2 e vapor de água.

Estrutura De Um Aparelho Vulcânico

Aparelho vulcânico - é o conjunto formado pelo vulcão na superfície e pelas zonas profundas
de onde provêm os materiais expelidos.

Um aparelho vulcânico tem a seguinte constituição:

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Chaminé Vulcânica: é uma coluna ou fractura, mais ou menos cilíndrica, que liga a câmara
magmática com a cratera;
Cratera: é a abertura, mais ou menos circular, na superfície da terra por onde sai o magma.

Câmara magmática - reservatório de magma, situado em profundidade.

Cone vulcânico – é uma estrutura em forma cónica, resultante da acumulação de lava e

produtos sólidos à volta da cratera.

Cone Vulcânico Secundário Ou Parasita: é o cone vulcânico que se forma no cone vulcânico
principal.

Erupção Vulcânica - é a saída ou ascensão (subida) do magma, fragmentos de rochas e outros


produtos para a superfície.

Ao atingir a superfície terrestre as partes constituintes do magma separam-se, indo os gases


para a atmosfera e as lavas depositam-se e consolidam-se a volta da cratera, formando o cone
vulcânico.

Sinais precursores de uma Erupção Vulcânica

 Abalos sísmicos;

 Elevação da temperatura do solo e das águas dos nascentes;

 Aumento da actividade fumarola.

Causas Das Erupções Vulcânicas


As causas das erupções vulcânicas são as seguintes:

 Fraca densidade do magma em relação ao resto da crosta;


 Elevada pressão que o magma exerce sobre as paredes da câmara magmática;
 Fractura ou falha na superfície terrestre que atinge a câmara magmática;

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Tipos De Erupção Vulcânica

O geofísico francês Lacroix, baseando nos tipos de actividade vulcânica, classificou as


erupções vulcânicas em quatro tipos: Havaiano ou Hawaino, Estromboliano, Vulcaniano e
Peleano.

1. Erupções Vulcânicas Do Tipo Havaiano Ou Hawaiano

É caracterizada pela subida de magma


fluido e a actividade vulcânica é do tipo
efusivo. O cone vulcânico é baixo. Não há
explosão nem projecção de piroclásticos.
Há formação de grandes escoadas – rio de
lavas.

Ex: Vulcões Mauna Loa e Kilauea nas ilhas


Havai ou Hawai.

2. Erupções Vulcânicas Do Tipo Estromboliano

É caracterizada pela subida de magma


pouco viscoso e a actividade vulcânica é do
tipo misto (efusivo/explosivo). O cone
vulcânico é misto. Há explosão com
projecção de piroclástos e formação de
extensas escoadas de lavas.

Ex: Vulcão Stromboli nas ilhas Lipari na


Itália, Vulcão dos Capelinhos nos Açores
em Portugal, Vulcão do Fogo na ilha do
Fogo (Cabo-Verde) em 1995.
Esquema representativo da Erupção do tipo
Estromboliano

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
3. Erupções Vulcânicas Do Tipo Vulcaniano

É originado pela subida de magma viscoso


e a actividade vulcânica é do tipo
explosivo. O cone vulcânico é alto. Há
explosão violenta com projecção de
bombas, lapilli e cinzas

Ex: vulcão Vulcano nas ilhas Lipari na


Itália, vulcão na ilha de Cracatoa na
Indonésia.
Esquema representativo da Erupção do tipo
Vulcaniano

4. Erupções Vulcânicas Do Tipo Peleano

É caracterizada pela subida de magma


extremamente viscoso e a actividade
vulcânica é do tipo explosivo/catastrófico.
O cone vulcânico é muito alto e apresenta,
em cima da cratera, uma estrutura chamada
agulha vulcânica ou domo ou cúpula.

Ex: vulcão de Santa Helena nos Estados


Unidos da América e o vulcão da Montanha Esquema representativo da Erupção do tipo
Pelada na ilha Martinica. Vulcaniano

OBS: O nome de cada tipo de Erupção Vulcânica vem do nome do local onde foi estudado pela
1ª vez ou ainda pode vir do nome do Cientista que o estudou pela 1ª vez.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Tipos De Magma

Magma - é um material rochoso fundido, rico em gases, que se encontra armazenado na câmara
magmática.

Qualquer magma é composto quimicamente pelo Ferro, Magnésio e pela Sílica. O ferro e o
magnésio estão sempre ligados entre si. Portanto, quando a percentagem de sílica aumenta, a
percentagem de ferro e magnésio diminui e vice-versa.

O tipo de magma depende da sua composição química. Assim temos quatro tipos de magma:

 Magma Fluido - magma pobre em sílica (-50% de sílica) e rico em ferro e magnésio. É
um magma básico. Resulta da fusão do basalto;
 Magma pouco Viscoso - é um magma com 50% à 60% de sílica;
 Magma Viscoso - é um magma rico em sílica (com mais ou menos 70% de sílica) e
pobre em ferro e magnésio. É um magma ácido. Resulta da fusão do granito;
 Magma Extremamente Viscoso: é um magma com mais de 70% de sílica.

Actividade Vulcânica - é a separação dos constituintes do magma (lava e gases) e o respectivo


comportamento destes constituintes durante esta separação.

Tipos De Actividade Vulcânica

 Actividade Vulcânica Do Tipo Efusivo - é aquela que apresenta uma lenta emissão de
lavas, bastante fluidas, que podem deslocar – se a grandes distancias.

Neste tipo de actividade a lava separa - se muito facilmente dos gases. E esta actividade
só se verifica nas erupções vulcânicas do tipo Havaiano.

 Actividade Vulcânica Do Tipo Misto - é aquela que apresenta períodos de tranquila


emissão de lava, que alternam com pequenas explosões devido a pouca viscosidade do
magma.

Estas explosões não são perigosas porque os materiais sólidos voltam a cair na cratera.
A lava separa-se com certa dificuldade dos gases.

Este tipo de actividade só se verifica nas erupções vulcânicas do tipo estromboliano.


© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais
50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
 Actividade Vulcânica Do Tipo Explosivo - é a que apresenta uma emissão violenta
dos seus produtos, sob a forma de explosões. Há projecção de materiais sólidos e um
violento desprendimento dos gases. Tem origem em magma viscoso.

Este tipo de actividade só se verifica nas erupções vulcânicas do tipo Vulcaniano.


OBS: Neste tipo de actividade vulcânica as escoadas lávicas são muito curta ou pode
não haver escoadas lávicas

 Actividade Vulcânica Do Tipo Explosivo/Catastrófico


Tem origem magma extremamente viscoso. A lava separa-se com extrema dificuldade
dos gases. O magma consolida - se na chaminé vulcânica formando um tampão que, ao
ser empurrado por novas emissões de magma vindo da câmara magmática, acaba por
formar uma estrutura em cima da cratera chamada domo, cúpula ou agulha vulcânica.
Neste tipo de actividade vulcânica as escoadas lávicas são muito curta ou pode não
haver escoadas lávicas.

Este tipo de actividade só se verifica nas erupções vulcânicas do tipo Peleano.

OBS: O tipo de actividade vulcânica depende do tipo de magma. O tipo de magma depende da
percentagem de cada um dos componentes químicos do magma.

Natureza dos produtos da actividade vulcânica:

a) Gasoso – Ex: vapor de água, co2, hidrogénio, monóxido de enxofre, flúor, etc.
b) Sólidas – Ex: Piroclastos – materiais expelidos cujo acumulação origina rochas
piroclásticos.

 Exemplos de Piroclastos: cinzas vulcânicas, areias vulcânicas, lapilli ou


bagacina, bombas vulcânicas e blocos vulcânicos.
o Cinzas Vulcânicas: são muito finas e resultam da pulverização de
gotas de lava;
o Areias Vulcânicas: têm o mesmo tamanho que as areias normais;
o Lapilli ou Bagacina: são fragmentos com tamanho médio de grão
de ervilha (são pedrinhas);
© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais
50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
o Bombas Vulcânicas: são fragmentos grosseiros com forma
arredondada;
o Blocos Vulcânicos: são fragmentos grosseiros com forma angular

c) Liquida – Ex: Lava

Actividade Vulcânica Em Cabo-Verde

As ilhas de Cabo-Verde são de origem vulcânica. Isto é, testemunhado pela existência de


basaltos nos vales perto do litoral.

Ex: Vulcão Ilha do Fogo

O ponto mais alto da ilha tem 2829m, que é precisamente o ponto mais alto do vulcão.

A falha de monte beco foi a única responsável pela erupção de 1995, foi através do qual é que
se deu a ascensão do magma e teve cinco bocas.

O Professor Dr. Orlando Ribeiro nos seus estudos constatou que entre 1500 a 1957 houve 25
erupções vulcânicas em Cabo Verde e com mais uma de 1995, faz no seu todo 26 erupções
vulcânicas.

Erupção de 1995

Em 1995 os meios de comunicação estavam muito mais avançados, por isso foi possível a
transmissão do decorrer da actividade vulcânica de 2 de Abril.

Três dias antes houve na região um pequeno tremor de terra e segundo a opinião de alguns
moradores, os copos se tremiam nas estantes, sobre a mesa, etc.

Depois voltou a ocorrer novamente tremor de terra até que as 11 horas e 45 mn do dia 2, houve
uma fase explosiva ou seja ocorreu a erupção vulcânica.

De 2 a 22 de Abril – Vulcanismo Central – fase efusiva e explosiva do Tipo Estromboliano. De


22 Abril a 26 de Maio – Vulcanismo Fissural – fase efusiva do Tipo Hawaiana. Esta actividade
vulcânica é do tipo misto.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Fenómenos Vulcânicos Secundários

Os fenómenos vulcânicos secundários são cinco:

1. Sismos Vulcânicos - São sismos que resultam da deslocação lateral ou vertical do


magma ou ainda pode resultar de outras actividades vulcânicas.

2. Fumarolas Ou Actividades Fumarólicas

Fumarolas - emanações de pequenas nuvens de vapor a temperaturas elevadas,


libertadas através de fendas do cone vulcânico

Existem dois tipos de fumarolas: sulfataras e mofetas.

 Sulfataras: são fumarolas que libertam compostos de enxofre (SO 2, SO3 e H2S)
juntamente com o vapor de água;

As sulfataras podem originar depósitos de enxofre com interesse económico.

 Mofetas: são fumarolas que libertam dióxido de carbono e vapor de água

3. Nascentes Termais
Fontes de água, a elevada temperatura, contendo dissolvidas substâncias minerais,
normalmente com valor medicinal.

4. Géiseres: Jactos de água quente e vapor projectados a enorme altura e


intermitentemente:
Os géisers só existem, actualmente, em dois países – na Islândia e nos Estados Unidos
da América.

5. Aumento Da Pluviosidade
Acontecendo uma actividade vulcânica é lançada para a atmosfera uma certa quantidade
de vapor de água e de cinzas finas. Na atmosfera, o vapor de águas e as cinzas
arrefecem-se. O vapor de água condensa-se a volta das partículas de cinzas formando
várias gotas de água, fazendo aumentar assim a pluviosidade.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Riscos e Benefícios das Actividades Vulcânicas

Riscos das Actividades Vulcânicas:

o Formação de nuvens ardentes com cerca de 100º (as pessoas morrem sufocados por
cinzas e gases);
o Casas soterradas por materiais vulcânicas;
o Ocorrência de sismos e trovoadas:

Nuvem Ardente - grande quantidade de gases e poeiras, libertados por um vulcão, com
elevadas temperaturas.

Benefícios das Actividades Vulcânicas:

o Centrais geotérmicas (a água passa pelas rochas vulcânicas e depois é usada na


produção de energia);
o Solos férteis (os materiais expelidos pelos vulcões são muito férteis);
o Paisagens espectaculares, atraindo excursões de visitantes e às encostas dos vulcões,
funcionando assim como pólos turísticos que desenvolvem a região;
o O calor das actividades vulcanicas é utilizado para a gastronomia;
o Em algumas partes do Mundo, materiais valiosos como o ouro, o ferro, o enxofre e os
diamantes têm origem na actividade vulcânica;

Distribuição Geográfica Dos Vulcões Activos

O planeta terra contém, actualmente, vários vulcões activos distribuídos por diferentes partes do
globo. Depois de cada actividade vulcânica, os vulções entram em repouso ou período de
dormência que pode durar dezenas ou centenas de anos.

Durante o período de repouso o vulcão pode emitir pequenas quantidades de gás e, por vezes,
de lava. Pode ainda ficar em repouso total.

Nota: Um vulcão é considerado extinto só 25000 anos depois da última erupção vulcânica.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Os vulcões activos estão distribuídos geograficamente em três alinhamentos seguintes:

1. Anel Ou Círculo Do Fogo Do Pacífico


Este alinhamento situa-se à volta do oceano pacífico. Neste alinhamento encontra-se
mais de metade dos vulcões activos existentes na terra. Ex: de alguns vulcões activos
situados neste alinhamento: vulcões das Filipinas, vulcões das Antilhas, vulcões da
Indonésia, vulcões do Japão, etc.

2. Alinhamento Euro-Asiático
Neste alinhamento encontram-se os vulcões activos situados a volta do mar
mediterrâneo e da Ásia Menor. São exemplos destes vulcões activos os vulcão Vesúvio,
vulcão Etna e vulcão Stromboli.

3. Alinhamento Do Atlântico
Neste alinhamento encontram-se os vulcões activos situados nas ilhas do oceano
atlântico, tais como o vulcão do Fogo em Cabo-Verde, o vulcão da Islândia e o vulcão
dos Açores.

Rochas – Outras Testemunhas Da Actividade Geológica

As rochas são os materiais constituintes da terra. Encontram-se em constantes transformações.


Podem modificar-se superficialmente ou profundamente e podem até desaparecer. Por causa
destas constantes transformações é que as rochas são consideradas testemunhas da actividade da
geológica – actividade da terra.

Conceito Das Rochas e de Minerais

Rochas - são grandes massas naturais sólidas ou liquidas com certa uniformidade.

As Rochas são geralmente Sólidas. Ex: areias, argilas, granito, carvões naturais, mármore,
basalto, etc.

Há também Rocha Líquida. Ex: o petróleo.

As rochas são constituídas por um ou mais minerais.


© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais
50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Minerais - são substâncias inorgânicas sólidas ou liquidas com uma determinada composição.

Os minerais classificam-se, quanto à sua predominância na rocha, em:


 Minerais Essenciais - são minerais que caracterizam a rocha pela sua predominância.
 Minerais Acessórios - são aqueles minerais que só aparecem algumas vezes na rocha e
por isso não caracterizam a rocha.

Os minerais também se classificam quanto à cor em:

 Minerais Félsicos ou Siálicos - são minerais de cor clara. Estes minerais têm a cor clara
porque são constituídos principalmente por sílica;

Ex: feldspatos, feldspatóides, plagióclases e quartzo.

 Minerais Máficos - são minerais de cor escuras. Estes minerais têm a cor escura porque
são constituídos principalmente por ferro e magnésio

Ex: piroxenas anfíbolas, biotite e olivina.

Diversidade Das Rochas

As Rochas são diferentes quanto à Origem, à Cor, à Estrutura, à Dureza, à Variedade e


Percentagem de minerais constituintes, etc.

Quanto à origem, temos três tipos de rochas:

 Rochas Magmáticas ou Ígneas;

 Rochas Sedimentares;

 Rochas Metamórficas.

Rochas Magmáticas

Rochas Magmáticas - são rochas que resultam da consolidação do magma.

Ex: o Granito, o Gabro, o Basalto e o Riólito.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Génese (Formação) Das Rochas Magmáticas

Formado no interior da terra e estando a elevadas pressões, o magma pode subir. O magma,
subindo, pode sair para a superfície terrestre ou pode ficar no interior da terra mais próximo da
superfície.

 Se o magma sair para a superfície terrestre, consolida-se e forma uma rocha chamada
Rocha Magmática Vulcânica ou Rocha magmática Extrusiva. Ex: Basalto e Riólito

 Se o magma não sair e ficar no interior da terra próximo da superfície, aí consolida-se e


forma uma rocha chamada Rocha Magmática Plutónica ou Rocha Magmática
Intrusiva. Ex: Granito e Gabro.

Textura Das Rochas Magmáticas

Textura De Uma Rocha - é o grau de cristalização desta rocha.

Uma rocha pode ser totalmente ou parcialmente cristalizada ou pode ser totalmente não
cristalizada:

 Se uma rocha é totalmente cristalizada, diz-se Rocha com Textura


Holocristalina ou Rocha Holocristalina;
 Se uma rocha é parcialmente cristalizada, diz-se rocha com Textura
Hemicristalina ou Rocha Hemicristalina;
 Se uma rocha não tem cristal, diz-se Rocha com Textura Vítrea ou Rocha
Vítrea. A rocha terá um aspecto vítreo – vidro vulcânico;

O magma consolida-se muito mais rapidamente na superfície terrestre do que no interior da


terra.

A textura de uma rocha e o tamanho dos cristais depende da rapidez da consolidação do


magma. Assim:

o Se o magma não atingir a superfície consolida - se lentamente no interior da terra e


forma Rocha Magmática Holocristalina com Cristais Desenvolvidos.

Os minerais desenvolvidos são chamados Fenocristais.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
o Se o magma atingir a superfície consolida - se rapidamente e forma Rocha Magmática
Holocristalina com Cristais Pequenos ou Rocha Magmática Hemicristalina ou
Rocha Magmática Vítrea.

Os minerais pequenos são chamados micrólitos.

o Se o magma começar a consolidar lentamente no interior da terra e depois rapidamente


na superfície, forma Rocha Magmática com Fenocristais misturados com micrólitos
ou rocha magmática com fenocristais e micrólitos e com uma zona vítrea ou ainda
rocha magmática com fenocristais e zona vitrea.

Caracterização Das Rochas Magmáticas Vulcânicas (Exemplo - Basalto)

 É uma rocha magmática vulcânica de cor escura;


 A sua textura pode ser holocristalina ou hemicristalina ou vítrea. Só que raramente
tem textura vítrea;
 É uma rocha afanítica porque os seus minerais não se distinguem uns dos outros à vista
desarmada;
 Os minerais essenciais do basalto são: piroxenas e plagióclases básicas (geralmente
labradorite);
 Os minerais acessórios do basalto são: horneblenda, olivina, ilmenite, magnetite,
biotite (mica preta), etc.;
 Apresenta aspecto compacto;
 A sua fractura da superfície recente é geralmente baça (sem brilho) porque os seus
cristais têm tamanho pequeno.

Utilização do Basalto

Como é uma rocha dura e escura, é utilizada:


 No enquadramento de portas e janelas;
 No calcetamento das ruas;
 Na construção de casas;
 Na construção de diques (represas de águas correntes ou reservatórios de água com
comportas);

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Caracterização Das Rochas Magmáticas Plutónicas (Exemplo-Granito)

As rochas magmáticas plutónicas resultam da consolidação do magma no interior da terra.


Como exemplos destas rochas temos o Granito e o Gabro.

Caracterização Do Granito

 É uma rocha magmática plutónica de cor geralmente clara (esbranquiçada, amarelada ou


rósea). Por vezes contem elementos de cor escuros em maior ou em menor quantidade.
Por isso aparecem granitos róseos, amarelados e variedades mais ou menos acinzentados
e azulados;
 Tem sempre textura holocristalina;
 É uma rocha fanerítica porque os seus cristais são macroscópicos ou seja são visíveis a
vista desarmada. Os seus cristais têm cores diferentes: acinzentados, brancos ou róseos;
 Os minerais essenciais do granito são: feldspatos alcalinos (ortóclases e microclina) e
quartzo;
 Os minerais acessórios do granito são: turmalinas, moscovite (mica branca),
anfíbolas, horneblenda, feldspatos não alcalinos, feldspatoides e piroxenas;
 No terreno o granito apresenta aspecto maciço e fracturas;

OBS: De acordo com a predominância de um ou de outro mineral acessório assim se denomina


o granito: Granito Horneblêndico, Granito Moscovítico, etc;

Utilização do Granito

Apesar de ser uma rocha dura, o Granito é facilmente talhável. Esta propriedade permite que
seja usada com diversos fins, tais como:

 Construção de Igrejas, de casas, de barragens, Estátuas e peças ornamentais;

 Pavimentos de ruas e estradas (paralelos);

 Docas e cais de embarque;

 Revestimentos interiores e exteriores...

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Tipos de Granitos

Observando os granitos pela sua textura, distinguem - se os seguintes tipos de granito:

1. Granitos Granulares: são os granitos cujos minerais constituintes apresentam cristais


justapostos e com tamanho mais ou menos igual;

2. Granitos Porfiróides: são granitos onde alguns cristais dos minerais são mais
desenvolvidos do que outros;

3. Granitos Pegmáticos: são granitos cujos minerais têm todos os cristais muito
desenvolvidos;

4. Granitos Pegmatíticos Gráficos: nestes granitos o quartzo forma cristais alongados e


paralelos no seio dos feldspatos.

Equivalência Das Rochas Magmáticas

Os magmas que formam as rochas magmáticas são diferentes quanto a viscosidade. Assim,

 Se o magma que à superfície forma o basalto, se consolidar no interior da terra forma o


gabro. O gabro tem as mesmas características que o basalto, embora tem sempre textura
holocristalina devido a consolidação lenta do magma no interior da terra. São rochas
magmáticas equivalentes.

Tanto o Basalto como o Gabro resultam da consolidação de magmas fluidos. Por isso têm cor
escura;

 Se o magma que no interior da terra forma o granito, se consolidar na superfície forma o


riólito. O riólito tem as mesmas características que o granito, embora pode ter textura
diferente do granito devido a consolidação rápida do magma na superfície. São rochas
magmáticas equivalentes.

Tanto o Granito como o Riólito resultam da consolidação de magmas viscosos. Por isso têm
cor clara.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Rochas Sedimentares

Rochas Sedimentares: são rochas que resultam da acumulação de sedimentos.

Génese Ou Formação Das Rochas Sedimentares

Na formação das rochas sedimentares participam os agentes de geodinâmica externos que são o
vento, a temperatura, a água, as pressões atmosféricas e os seres vivos.

Estes agentes, actuando sobre uma determinada rocha situada na superfície terrestre, alteram as
propriedades desta rocha possibilitando assim a formação de uma rocha sedimentar.

As Rochas Sedimentares formam-se em quatro (4) fases:

1 Fase: Meteorização E Erosão: na meteorização as propriedades da rocha são alteradas


por acção dos agentes de geodinâmica externos e na Erosão a rocha é fragmentada
(desagrega-se formando fragmentos) por acção do vento ou da água ou dos seres vivos;

2 Fase: Transporte: nesta fase os fragmentos rochosos são levados pelo vento ou pela
água ou pelos seres vivos e depositados noutro local;

3 Fase Sedimentação: estes fragmentos depositados ligam-se entre si formando


sedimentos;

4 Fase: Diagénese: os sedimentos acumulados consolidam-se e cimentam-se, isto é, são


ligados pelas substâncias dissolvidas na água;

Classificação Das Rochas Sedimentares

Quanto à origem dos sedimentos, as rochas sedimentares classificam-se em:

 Rochas Sedimentares Detríticas;


 Rochas Sedimentares De Precipitação;
 Rochas Sedimentares Organogénicas Ou Biogénicas Ou De Origem Orgânica;

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Rochas Sedimentares Detríticas

Rochas Sedimentares Detríticas: são rochas formadas a partir da acumulação de detritos de


outras rochas;

Dependendo da ligação ou não dos detritos, as rochas sedimentares detríticas podem ser:

 Rochas Sedimentares Detríticas Móveis: são rochas cujos detritos encontram-se soltos
(desagregados).
Ex: argilas (detritos muito fino), areias (detritos mais ou menos fino) e calhaus
(detritos grosseiros);

 Rochas Sedimentares Detríticas Lapidificadas: rochas em que os detritos encontram-


se ligados entre si.
Ex: argilitos ou xistos argilosos, arenitos e conglomerados.

Os detritos das rochas sedimentares detríticas móveis podem ligar – se entre si e formar
rochas sedimentares detríticas lapidificadas. Assim:

o Conglomerados: resultam da ligação dos detritos dos calhaus;


o Arenitos: resultam da ligação dos detritos das areias;
o Argilitos ou xistos argilosos: resultam da ligação dos detritos das argilas.

Areias
Quanto à constituição, existem diferentes tipos de areias:
 Areias Siliciosas - São areias constituídas por grãos de quartzo (sílica). Por isso têm cor
branca.

 Areias Ferruginosas - São areias constituídas por óxidos de ferro. Podem ter cor
vermelha ou amarela.

 Areias Calcárias - São areias constituídas por grãos de quartzo (sílica) misturados com
partículas de calcário. Têm cor branca.

 Areias Basálticas - São areias constituídas por grãos de basalto. Têm cor preta.
 Areias Conquíferas - São areias constituídas por grãos de quartzo (sílica) misturados
com restos de conchas.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
 Areias Argilosas - São areias constituídas por grãos de quartzo (sílica) misturados com
argilas.

Propriedades Das Areias

As propriedades das areias são:

 Cor: Variada (Branca, preta vermelha, amarela, etc)


 Dureza: os grãos de sílica riscam o vidro;
 As areias são rochas muito permeáveis (deixam passar as águas depois da saturação);
 Efervescência: Não faz efervescência (reagem) na presença do ácido clorídrico, a
excepção da areia calcária;
 Origem: As areias podem ter origem granítica ou basáltica ou calcária.
 São insolúveis na água;

Aplicações das Areias: As areias são utilizadas no fabrico de vidro, na cerâmica, na construção
civil, etc.

Propriedades Das Argilas

As argilas apresentam as seguintes propriedades:


 Cor: a argila apresenta cor variável. Pode ser cinzenta ou amarela ou avermelhada ou
azulada ou negra. A argila quando apresenta cor branca constitui o caulino;
 Por acção do calor a argila endurece e modifica as suas propriedades;
 A argila não funde quando submetida à temperatura elevada;
 A argila é moldável (plástica) quando amassada com água;
 A argila sedimenta-se mais rapidamente na água salgada do que na água doce;
 A argila é permeável quando está seca e é impermeável quando molhada;
 Quando humedecida a argila cheira à barro;
 A argila é untuosa ao tacto;
 A argila adere à língua;

Aplicações das Argilas: As argilas são utilizadas para fazer telhas, tijolos, olaria (potes, vasos,
bonecos, bindes, etc.), etc.
© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais
50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Rochas Sedimentares De Precipitação – são rochas que se formam a partir de precipitação
química de compostos químicos dissolvidos na água.

1. Sal - Gema (Formação)

Resulta da precipitação de sais por evaporação das águas marinhas retidas em lagos ou
lagunas salgada. São rochas formadas por agregados de grão de sal comum – Nacl.

2. O Calcário - forma-se também por deposição de substâncias dissolvidas na água.

O calcário é constituído essencialmente por Calcite (mineral do calcário).

A Calcite é quimicamente composta por carbonato de cálcio (CaCO3).

Génese (Formação) Do Calcário

O carbonato de cálcio, por acção das águas gasocarbónicas (H 2O + CO2), é transformado em


hidrogenocarbonato de cálcio ou bicarbonato de cálcio – Ca(HCO3)2 – solúvel na água simples.

Tradução química da génese do calcário

CaCO
CaCO33 ++ CO
CO22 ++ H
H22O
O Ca(HCO
Ca(HCO33))22

Com a diminuição do dióxido de carbono, o cálcio precipita-se em forma de carbonato


insolúvel na água. Este processo é reversível – reacção reversível.

Há dois tipos de Calcário, quanto ao tamanho das concreções:

 Calcário Oolítico: é calcário cujas concreções têm tamanho de ovos de peixe;

 Calcário Pisolítico: é calcário cujas concreções têm tamanho maior que os ovos de
peixe ou iguais ao tamanho de grãos de ervilhas;

As concreções formam-se por precipitação do cálcio à volta de partículas suspensas na


água. As concreções têm forma mais ou menos esférica.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Formação De Estalactite e de Estalagmite

As Estalactites E Estalagmites são exemplos de calcários que se formam em resultado da


circulação da água com substâncias dissolvidas durante a passagem pelo calcário.

 Estalactite - estrutura formada a partir do tecto das grutas das zonas calcaricas. O
dióxido de carbono liberta – se e a água deixa ficar deposito de carbonato de cálcio que
vai crescendo de cima para baixo.

 Estalagmite – estrutura formada a partir do chão das grutas, isto é, ao cair no chão
formam depósito de carbonato de cálcio que crescem de baixo para cima.

Se as Estalactites e as Estalagmites formarem na mesma direcção, elas acaba por unir formando
Coluna Calcária - resulta da união das estalactites com as estalagmites.

Em Cabo-Verde encontra-se calcário nas ilhas de Maio, Sal e, principalmente em Boavista.

Aspecto Do Calcário De Precipitação No Terreno

 No terreno calcário a vegetação é pobre;


 O calcário encontra-se estratificado no terreno e apresenta muitas fracturas.

Características Do Calcário

o Cor: os calcários puros são brancos. Podem conter impurezas. Neste caso, apresentam
tons amarelados ou negros;
o É permeável devido a sua porosidade;
o Não é muito duro. Deixa-se riscar pelo canivete e é fácil de trabalhar;
o Faz efervescência com os ácidos devido a sua composição química – existência do
carbonato de cálcio (CaCO3);
o Mineral constituinte: calcite;
o Altera-se quimicamente pela acção do calor, isto é o CaCO3 decompõe-se em CaO e
CO2.
o Constituição: além do CaCO3, o calcário também é constituído pela areia, por óxidos de
ferro e por argila.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Aplicações Dos Calcários

Os calcários aplicam-se geralmente na construção civil, no fabrico de cimento e de cal e na


construção de estátuas, produção de giz, fabricação de vidro, correcção d o ph do solo e na
ornamentação.

Rochas Sedimentares Organogénicas Oun Biogénicas


São rochas formadas a partir dos sedimentos elaborados pelos seres vivos.

Tipos de rochas Sedimentares Organogénicas

o Rochas Fitogénicas – originam a partir de restos de plantas.


Ex: Carvões e Petróleo.
o Rochas Zoogénicas – originam a partir de restos de animais.
Ex: Calcários Orgânicos.

Os Calcários Organogénicos São:

1) Calcários Coralígenos – resultam essencialmente, da deposição de estruturas


proveniente dos corais que se desenvolvem nas regiões submersas de certas costas
marinhas;

2) Calcários Conquíferos – formam - se principalmente, pela acumulação de conchas de


animais marinhos.

3) Calcários Comuns - são calcários baços e de fractura compacta. Muitas vezes


apresentam vestígios de conchas
4) Calcários Fétidos - são calcários que, quando percutidos, cheiram mal devido a grande
quantidade de matéria orgânica que contêm.

5) Calcário Cré - é um calcário de cor branco. È pulverulento (transforma-se em pó), suja


os dedos e risca como o giz.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Petróleo

O petróleo é uma rocha líquida de aspecto oleoso, por vezes, viscoso e com cheiro
desagradável.

É uma mistura de hidrocarbonetos (compostos de carbono e de hidrogénio).

O petróleo é uma rocha combustível. Produz chama iluminante e quente.

Origem Do Petróleo

A evaporação das águas e o consequente aumento da salinidade do mar, contribui para que os
seres vivos desses mares deixam de ter condições de sobrevivência e morrem. Os restos desses
seres vivos depositam numa rocha (bacia petrolífera) e vão ser decompostas sem a presença do
oxigénio, isto é, a decomposição será feita através da fermentação.

Fermentando-se, a matéria orgânica é transformada lentamente em hidrocarbonetos


(constituintes do petróleo).

O petróleo formado, como é mais leve do que a água, tem tendência a subir para a superfície.
Ao subir, o petróleo pode ficar retido nas fendas das rochas porosas vizinhas onde ficará
armazenado.

É nestas rochas que, mais tarde, o petróleo será explorado.

A rocha onde a matéria orgânica se depositou e se formou o petróleo chama-se Rocha Mãe.

As rochas porosas vizinhas da rocha mãe, onde o petróleo ficou retido, chamam-se Rochas
Armazém.

Nas rochas armazém o petróleo é sempre acompanhado por gases e pela água salgada.

Propriedades Do Petróleo

o É insolúvel na água, formando suspensões instáveis com a água;


o Não faz efervescência com os ácidos;

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
o O petróleo bruto não é facilmente inflamável à temperatura do ambiente porque é pouco
volátil à essa temperatura;

Há vários derivados do petróleo que são muito importantes, como nos mostra o quadro
seguinte:

Alguns derivados do petróleo Utilização destes derivados do petróleo no dia-a-dia

Gás Utilizada para o fornecimento de energia industrial e caseira


Essências Utilizados como carburantes para automóveis
Querosene Utilizado como combustível de turbinas de avião a jacto
Gasolina Utilizados como combustíveis para grande parte dos
automóveis
Fuel Utilizado para fornecer energia industrial e caseira
Óleos Utilizados como lubrificantes
Parafina Utilizada para fazer ceras, velas, pastilhas elásticas, etc.
Betuminosos Utilizados para o revestimento de estradas
Coque de petróleo Abrasivos e motores eléctricos

Carvões

Os carvões formam-se por acumulação de detritos vegetais.

Génese (Formação) Dos Carvões

A formação dos carvões acontece da seguinte forma:

A matéria vegetal (folhas, ramos, raízes, etc.) ao cair no solo de uma floresta será decomposta
completamente em matéria mineral na presença do oxigénio atmosférico ou por acção
microbiana.

Se a decomposição ocorrer na ausência do oxigénio ela será incompleta. E por decomposição


incompleta das matérias vegetais, na água e ao abrigo do ar, originam os carvões.

Decomposição Da Matéria Vegetal: são as alterações físicas e químicas da matéria vegetal.

Alterações Físicas Da Matéria Vegetal: a matéria vegetal torna-se cada vez mais compacta,
mais dura e desaparecem as estruturas vegetais;

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Alterações Químicas Da Matéria Vegetal: a matéria vegetal perde gradualmente as
substâncias voláteis e água e enriquece-se em carbono.

Quadro Comparativo Dos Diferentes Tipos De Carvões

Percentagem Percentagem em
Tipos de Carvões Poder Calorífico
em Carbono Substâncias Voláteis
Antracito 95% 5% 9000 Ca
Hulha 70% à 95% 30% à 5% 6000 Ca à 9000 Ca
Lignito ou lenhite 70 % 30 % 6000 Ca
Turfa 60% 40% 5000 Ca

Todos os carvões são combustíveis. Diferenciam-se pelo seu aspecto, pela percentagem de
carbono e de substâncias voláteis e ainda por outras propriedades.

O poder calorífico de um carvão depende da percentagem do carbono deste carvão como nos
mostra quadro em cima.

Características E Propriedades Dos Carvões

Características Da Turfa Propriedades Da Turfa

o Tem cor castanha ou negra; o Arde facilmente produzindo chama


o Possui vestígios ervas; fuliginosa;
o Tem aspecto terroso; o Produzem muitos fumos ao serem

o É muito leve e baça; queimadas;


o Quando arde cheira a erva;
o Absorve muita água;
o É facilmente desfeita com a mão.

o Tem cor castanha escura ou preta.

Características Do Lignito Ou Lenhite

o Possui detritos lenhosos;

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Propriedades Do Lignito Ou Lenhite o Quando arde, cheira a óleo
queimado.
o Arde facilmente com chama
fuliginosa;

Características Da Hulha Propriedades Da Hulha

o Tem cor preta; o Produz menos fumo do que a turfa e


o É compacta e folhada; o lignito;
o Possui zonas baças e zonas vítreas. o Deixa cinzas depois de arder; - é
impermeável;
o É insolúvel na água;
o Destilando a hulha, obtém-se gás.

Características Do Antracito Propriedades Do Antracito

o Tem cor preta; o Arde dificilmente;


o Émuito pesado e compacto; o Ao queimar, não cheira;
o Pode possuir detritos de vegetais; o Quando arde, não faz fumo;
o Tem brilho intenso. o Deixa cinzas depois de arder.

Rochas Metamórficas

Rochas Metamórficas: são rochas que resultam da transformação das rochas preexistentes
(rocha magmática ou rocha sedimentar) por acções físicas, químicas e mecânicas dos agentes
do metamorfismo.

Ex: Mármore, Gnaisse, Micaxisto, Ardósia, Quartzito

Metamorfismo Das Rochas: é a transformação das rochas preexistentes em rochas


metamórficas por acção dos agentes do metamorfismo em zonas profundas.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Origem Das Rochas Metamórficas
Numa bacia oceânica os sedimentos, acumulando - se, acabam por atingir uma espessura muito
elevada.

O aumento do peso da rocha formada faz afundar o fundo da bacia. À medida que se afunda, a
rocha formada vai sofrendo as acções de temperaturas e pressões cada vez mais elevadas. Por
isso esta rocha vai modificando o seu aspecto, vai perdendo as suas características e adquirindo
novas características.

Depois destas transformações, a rocha sedimentar forma uma rocha metamórfica, ou seja, por
metamorfismo esta rocha origina uma rocha metamórfica.

OBS: as rochas sedimentares transformam-se mais facilmente em rochas metamórficas do que


as rochas magmáticas. Isto porque as rochas sedimentares nunca passaram por temperaturas e
pressões elevadas como acontece com as rochas magmáticas. Quando submetidas as
temperaturas e pressões elevadas as rochas sedimentares transformam-se logo em rochas
metamórficas em quanto que as rochas magmáticas resistem às temperaturas e pressões
elevadas porque já passaram por elas durante a sua formação.

Diversidade Das Rochas Metamórficas

Devido às acções dos agentes do metamorfismo, o calcário transforma - se em mármore; o


granito transforma - se em gneisse; a argila (xisto argiloso) transforma - se em micaxisto
(xisto metamórfico) e o arenito transforma - se em quartzito.

Agentes Do Metamorfismo

Agentes Do Metamorfismo: são factores que contribuem para a transformação das rochas
preexistentes em rochas metamórficas.

Os agentes do metamorfismo são:

 Calor: provem do magma no interior da terra. Contribui para a realização das reacções
químicas e para a cristalização ou recristalização das rochas;
 Pressão: provem do magma ou do peso dos sedimentos. Contribui para a recristalização
dos minerais e para a xistosidade;
© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais
50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
 Fluidos de circulação: são as substâncias voláteis e a água. Provêm do magma.
Contribuem para a alteração da composição mineralógica das rochas.

Tipos De Metamorfismo

De acordo com as condições em que ocorre o metamorfismo, distinguem-se dois tipos de


metamorfismo:

1 Metamorfismo Regional: este metamorfismo acontece quando os processos geológicos


atingem zonas muito extensas e profundas com temperaturas e pressões elevadas.

O metamorfismo regional ocorre com a actuação conjunta de todos os agentes do


metamorfismo:

 O calor é o agente mais importante. Aos 200 graus Celsius as reacções químicas
ocorrem muito lentamente. As reacções químicas tornam-se mais rápidas com o
aumento da temperatura;

 As pressões são também importantes. Há dois tipos de pressão:

Pressão Estática: é a pressão exercida pelos sedimentos situados em


cima da rocha preexistente;

Pressão Orientada ou “stress”: é a pressão que resulta dos movimentos


da crosta terrestre.

 Os fluidos de circulação preenchem as fendas ou fissuras das rochas e os


espaços entre os minerais.

2 Metamorfismo de Contacto: este tipo de metamorfismo ocorre quando a rocha, que


vai sofrer alterações, estão em contacto com o magma. Atingem zonas muito restritas.

Neste tipo de metamorfismo tem maior importância o calor produzido pelo magma.

Quanto mais afastada a rocha se encontrar da zona de contacto com o magma menor
será a influência do calor sobre esta rocha.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Ciclo Das Rochas

O Ciclo das Rochas é um diagrama que procura de uma forma esquemática, representar todo o
dinamismo existente na Terra, que leva às mudanças das rochas de uma classe genética a outra.
Cada uma destas transformações se dá em função de um conjunto de fenómenos físico -
químicos, que no conjunto representam a quase totalidade dos fenómenos estudados em
Geologia.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Morfologia Dos Fundos Oceânicos

Os estudos dos oceanos começaram a ser feitos recentemente porque antes não havia meios
técnicos adequados para fazer estes estudos.

Depois dos estudos dos fundos oceânicos foi elaborada a cartografia destes fundos e também
fizeram a interpretação da dinâmica destes fundos. Verificaram também que os relevos dos
fundos oceânicos são mais desnivelados do que os relevos dos continentais.

Um fundo oceânico tem sempre as seguintes estruturas: plataforma continental, talude


continental, planícies abissais, dorsais oceânicas e fossas abissais.

Plataforma Continental – é o prolongamento do continente para o mar até uma profundidade


de 200m. A sua extensão é variável de região para região.

Talude Continental - Zona imersa e inclinada que representa a fronteira entre a plataforma
continental e os fundos dos oceanos. Oscila entre 1500 a 4000m.

Gargantas Submarinas: são os vales profundos que cortam certas áreas da plataforma
continental e do talude continental.

É pelas gargantas submarinas que deslizam grandes quantidades de sedimentos.


© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais
50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Planícies Abissais - são planícies que se encontram à profundidade de 5000 metros. Ocupam a
maior parte do fundo dos oceanos.
Nas planícies abissais encontram-se, por vezes, cones vulcânicos isolados ou, outras vezes,
cones vulcânicos formando pequenos alinhamentos.

Dorsais Oceânicas - são grandes elevações que podem atingir os 5000 metros de altura.
Em alguns lugares as dorsais oceânicas emergem (saem) acima do nível das águas.

As dorsais oceânicas atingem muitos quilómetros de comprimento e são formadas por dois
alinhamentos montanhosos. No meio destes dois alinhamentos montanhosos encontra-se uma
fractura central chamada rifte.

Riftes – são vales encaixantes e profundos onde existe intensas actividades sísmicas. É
responsável pela subida do magma e também pela sua consolidação.

Fossas Abissais - são depressões estreitas, alongadas e muito profundas que existem na
periferia dos oceanos. Podem atingir umas profundidades de 6000 aos 11500 metros (no oceano
pacifico – nas Filipinas).

Teoria Tectónicas Das Placas

Segundo esta teoria a litosfera não é só constituída por uma única placa, mas sim por um
conjunto de placas que se encontram encaixadas umas as outras. Essas placas movimentam – se
afastando ou aproximando os continentes entre si.

Tipos de Placas

A. Placa norte-americana;
B. Placa sul-americana;
C. Placa euro-asiática;
D. Placa africana;
E. Placa indo-australiano;
F. Placa do pacifico,

As placas A, B, C e D – são Continentais (suportam continentes), E – Mistas (suportam


continentes e oceanos) e F – Oceânica (suportam os oceanos).

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
OBS: Para além destas placas, existem um conjunto de outras placas como Ex: Placa Nazca,
Cocos e Filipina - Oceano Pacifico; Placa Indiana – Oceano Indico.

Paleontologia

É o ramo da geologia e da biologia que se dedica ao estudo dos seres vivos de épocas
geológicas passadas.

Fósseis – são restos ou simplesmente vestígios da existência dos seres vivos que viveram a
muitos anos no nosso planeta.

Etapas da Formação de um Fóssil

1 O ser vivo cai ao rio, morre e seu corpo fica no fundo;


2 Sobre ele, vão – se depositando sedimentos, enterrando – o ser vivo;
3 As partes moles do organismo decompõem – se restando apenas o esqueleto, que ao
longo do tempo, fossiliza;
4 Mas tarde, a erosão das rochas põe a descoberto os restos dos esqueletos;

Importância dos Fósseis

 Permite determinar a idade das rochas onde ela aparece;


 Permite conhecer e reconstituir a história da terra e da vida que nela existiu e existe;
 Constituem importantes instrumentos de trabalho para interpretar o passado geológico
da terra;
 Permite determinar o ambiente e o clima em que se formou as rochas;

Tipos de Fósseis

 Fósseis Característicos ou de Idade – são fósseis que caracterizam uma época concreta
da história da terra, pois só se encontram em estratos correspondente ao período em que
viveram e em mais nenhum outro.

 Fósseis de Fácies - são fósseis que nos fornecem indicações sobre o ambiente no qual
as rochas sedimentares se formaram.

PROCESSOS DE FOSSILIZAÇÃO

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
De acordo com as condições do ser vivo e do meio, podem ocorrer diversos tipos de
fossilização. Podemos classificar estes processos em vários grupos:

 Mumificação ou Conservação é o mais raro processo de fossilização. Pode ser:

 Total - quando o ser vivo é envolvido por uma substância impermeável (por ex:
resina, gelo) que impede a sua decomposição.

 Parcial - quando as formações duras (carapaças, conchas, etc) de alguns


organismos permanecem incluídas nas rochas por resistirem à decomposição.

 Moldagem - Consiste no desaparecimento total das partes moles e duras do ser vivo,
ficando nas rochas um molde das suas partes duras. O molde pode ser:

 Molde externo - quando a parte exterior do ser vivo desaparece deixando a sua
forma gravada nas rochas.

 Molde interno - os sedimentos entram no interior da parte dura e quando esta


desaparece fica o molde da parte interna.

 Mineralização - as partes duras dos organismos tais como ossos, conchas desaparecem
ficando no lugar deles minerais.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Os trocos das árvores são bons exemplos
deste tipo de processo de fossilização

 Marcas – São pegadas,  marcas de reputação ou até fezes fossilizadas. É o tipo de


fossilização mais abundante, mais fácil e simples de ocorrer.

Ex: de pegadas na praia

Estratigrafia
É o ramo da geologia que estuda os terrenos estratigráficos.

Estratos – cada uma das camadas dos terrenos sedimentares.

Princípios Estratigráficos

Princípio da Sobreposição:

Segundo este princípio, os sedimentos mais antigos tem que ficar por baixo dos mais recentes.
Assim, numa série normal, qualquer camada que serve de base e mais antiga do que a que lhe
fica por cima.

Existem algumas excepções a este princípio. As rochas sedimentares podem sofrer processos
de erosão, dobramento e intrusão, que não vão respeitar este princípio.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011
Princípio da Continuidade:

Segundo este principio, um estrato ou camada continuo, mesmo faltando um elemento tem a
mesma idade em todos os seus pontos.  

Princípio da Idade Paleontológica:

A atribuição de uma idade relativa a um estrato (ou a um conjunto de estratos) e a


comparação de ambientes de sedimentação.

Ex: “se os estratos possuírem os mesmos fósseis, então formaram-se mais ou menos ao
mesmo tempo e em áreas com ambientes semelhantes”.

Princípio da Horizontalidade:

Segundo este princípio, os sedimentos depositam-se em camadas horizontais, pelo que,


qualquer fenómeno que altere essa horizontalidade é sempre posterior à sedimentação.

Princípio do Actualismo e das Causas Actuais:

As causas que provocaram determinados fenómenos no passado são idênticas às que


provocaram os mesmos fenómenos no presente.

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50
CIÊNCIA DA TERRA – 9º ANO DE ESCOLARIDADE

2011

© Ao encontro da Ciência O Colectivo de Biologia, C. Naturais


50

Você também pode gostar