Você está na página 1de 2

RESENHA – TECNOLOGIA EM GESTÃO DE SEGURANÇA

TEMA: O Que é Segurança Patrimonial

AUTOR: Rômulo Lima


_____________________________________________________________________________

O QUE É SEGURANÇA PATRIMONIAL

O que é a segurança patrimonial e qual sua importância? Para entendermos o que é


realmente a segurança patrimonial e seu significado na vida prática, devemos,
primeiramente, conceituar o que é segurança. Segundo os teóricos, segurança é uma
percepção. Uma sensação de proteção que se tem quando uma série de recursos
humanos e tecnológicos, capacitados e específicos são empregados. O que chamamos
de segurança efetiva. Darei alguns exemplos: A presença de agentes (profissionais da
área de vigilância e afins) gera segurança; a estada em um ambiente fechado com
proteções físicas (grades, portões, janelas, cercas, câmeras e outros) gera segurança;
normas e procedimentos bem elaborados e sendo cumpridos fielmente gera segurança.
Aqui temos a tríade da composição da segurança, ela é fornada por esses três elementos:
os recursos humanos, técnicos e físicos (inanimados) operados pelo homem.

Todo esse sistema tem finalidade de originar uma conjuntura de ausência de risco,
causando essa “sensação” de bem-estar e proteção. Daí vê-se que a segurança em si, é
um estado. Um estado que surge por tais medidas, capazes de aflorar a condição, no
qual a vida e a propriedade privada estejam livres de perturbações, violações e
inferências. Deste modo tem-se então a segurança patrimonial. As medidas
supracitadas, aplicadas em um local ou organização devem aflorar no ser humano essa
condição e sensação. O estado causado deve constituir uma coisa permanente. Não deve
ser uma condição temporária. E as aplicações não dependem apenas do material
humano ou do departamento de segurança de um local ou organização, mas envolve
todos os seus setores, todas as pessoas colaborando e cumprindo as medidas de
segurança que forem determinadas.

Aplicada às medidas, podemos aferir a segurança privada por graus. Por não existir uma
segurança perfeita, plena ou incondicional, deve-se expressá-la dentro de padrões
aceitáveis ou não. Assim, é isso o que temos, na realidade: a segurança aceitável. Um
padrão satisfatório nessa condição. Então, para ser satisfatória, ela deve ser capaz de
retardar ao máximo uma possibilidade de violação, ou no menor prazo de tempo
possível, neutralizar infrações, conflitos e alterações que surjam e pervertam a ordem
natural, resolvendo subversões e, otimizando os processos para o andamento adequado
das funções.

Deste modo a segurança patrimonial é mais bem expressa com a presença de um


vigilante sendo o agente inibidor e coercitivo (sua importância na prática) impedindo
alterações e deslizes em locais e organizações. Assegurando a integridade física e moral
dos indivíduos sob sua guarda, protegendo o patrimônio, investigando, prevenindo e
reprimindo as ações de qualquer natureza que venha ameaçar ou dificultar o pleno
desenvolvimento das atividades quaisquer. Contribuindo para a prevenção e a
minimização de perdas. Fazendo de sua presença um nível de força fundamental para
que os processos das instituições privadas funcionem da forma mais plausível possível.
E, o conjunto dos meios humanos, técnicos e administrativos, possam se manter
operando o mais beneficamente possível cumprindo sua missão.

Você também pode gostar