Você está na página 1de 30

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS

CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO


LATIM BÁSICO I

Magister: ......................................

Nomen discipuli: .............................................................. Turma: ..........................


1

A) Língua analítica x língua sintética


Uma das características marcantes do latim é o seu sintetismo em comparação com o
analitismo do português.
Comparemos a mesma mensagem em latim e português:
Português: a menina dá uma rosa à amiga
Latim: puella amicae rosam dat

Mesmo não conhecendo o latim, é possível ver a correspondência pela simples


comparação com o português:
dá ...................... dat
amiga ................ amicae
rosa ................. rosam

Não havendo semelhança quanto à forma, mas por dedução, por serem os elementos
restantes após a correspondência feita anteriormente, relacionaremos:
menina ................. puella

Recompondo as frases com os elementos relacionados, veremos o seguinte:


Português: menina dá rosa amiga
Latim: puella dat rosam amicae

Nesta recomposição, observamos que a frase latina está completa de acordo com o
texto original, o que não acontece com o português. Este fato nos leva a concluir que os artigos
e a preposição do português não aparecem no latim.
De fato, uma das características do latim é a de não apresentar artigos; a preposição,
no caso acima, não é necessária. Observamos, portanto, que com menos palavras o latim
passa a mesma mensagem que o português, o que nos leva a confirmar a consideração inicial
a respeito do sintetismo do latim e do analitismo do português.

B) Desinência, flexão, caso e declinação

1. Desinência: é a parte final, mutável das palavras.


2. Flexão: é a propriedade de variação da desinência, segundo a função sintática que
as palavras podem exercer na oração. Uma mesma palavra pode apresentar tantas
desinências e, portanto, pode ser flexionada tantas vezes quantas forem as funções
sintáticas que tiver de exercer.
3. Caso: é a forma que a palavra apresenta, com sua desinência apropriada para
indicar a função sintática que exerce na oração.
4. Declinação: é o conjunto de casos que uma palavra pode apresentar. De acordo
com o tema que as palavras apresentem, estas se agrupam formando as
declinações, que no latim são cinco. Cada declinação tem suas próprias
desinências

C) Casos: sintaxe dos casos

NOMINATIVO: é o caso do sujeito e do predicativo do sujeito.


GENITIVO: é o caso do adjunto adnominal designando, por vezes, a posse.
DATIVO: é o caso que indica a pessoa, ser ou coisa beneficiada ou prejudicada pela
ação verbal – corresponde no português ao objeto indireto.
ACUSATIVO: é o caso do objeto direto.
ABLATIVO: é o caso do adjunto adverbial, indicador da circunstância verbal, que pode
ser de tempo, causa, instrumento etc.
2

No latim, como já se falou, os termos da oração não têm ordem fixa, o que determina a
função das palavras é a sua desinência.

 Equus currum trahit


 Currum equus trahit
O cavalo puxa o carro
 Trahit equus currum
 Currus trahit equum (o carro puxa o cavalo) - frase absurda

Lembrando: no Português (língua analítica), a frase tem uma estrutura rígida (S+ V+ Os)

 Puella musicam cantat.


 Musicam puella cantat.
 Cantat puella musicam. (A menina canta uma música.)

 ................................ Frase absurda

1. Traduza e marque as frases absurdas:


a) Puella equum videt. .................................................................................................................
b) Equus puellam videt. ...............................................................................................................
c) Dominus vitam cantat. .............................................................................................................
d) Murus puellam videt. ................................................................................................................
e) Puella murum videt. .................................................................................................................
f) Servus laudat dominum. ..........................................................................................................
g) Equum servus trahit. ................................................................................................................
h) Puellam laudat murus. ................................................................................................................

Tabela de desinências nominais


1a Declinação 2a Declinação
Predominância de palavras de gênero feminino Predominância de palavras de gênero
masculino

Singular Plural Singular Plural


 Nominativo: -a - ae  Nominativo: -us, -er , -ir -i
 Acusativo: - am - as  Acusativo: - um - os
Exceções: palavras de gênero masculino da 1 a Exceções: palavras de gênero feminino da 2 a
declinação: nauta, poeta, agricola, incola, pirata declinação: pirus, malus, fagus (árvores)
e auriga.
 Puella  Discipula  Dominus  Romanus
 Magistra  Serva  Magister  Petrus
 Domina  Stella  Vir  Filius
 Amica  Luna  Lupus  Campus
 Aquila  Vita  Servus  Discipulus

Alea jacta est.


(A sorte está lançada)
Exercícios:
1. Traduza:
a) Servus equum videt. ...............................................................................................................
b) Servum dominus videt. ...........................................................................................................
c) Dominum equus videt. ............................................................................................................
d) Dominus medicum amat..........................................................................................................
e) Medicus philosophum audit. ...................................................................................................
f) Philosophus dominum amat. ...................................................................................................
g) Poeta amicum laudat. ..............................................................................................................
h) Lucia amicam visitat. ................................................................................................................
i) Dominus filium audit. ................................................................................................................
j) Femina filiam amat. .................................................................................................................
3
2. Transforme as frases anteriores segundo o modelo e traduza:
 Servus equum videt. Servum equus videt.

3. Forme frases utilizando os seguintes verbos na 3 a pessoa do singular e substantivos:


Verbos: Substantivos:
 Audit = ouve  Puella = a menina  Amica = a amiga
 Videt = vê  Rosa = a rosa  Equus = o cavalo
 Mittit = envia  Legatus = o embaixador  Medicus = o médico
 Vocat = chama  Dominus = o senhor  Populus = o povo
 Servus = o escravo

4. Algumas frases abaixo não têm sentido. Quais são?


a) Equus campum amat. ..............................................................................................................
b) Servus murum videt. ................................................................................................................
c) Murus dominum vocat. .............................................................................................................
d) Dominus servum vocat. ...........................................................................................................
e) Poetam Graecia visitat. ............................................................................................................
f) Domina statuam ornat. .............................................................................................................
5. Primeiro observe e depois passe para o plural:

 Puellae statuas ornant. (As meninas enfeitam as estátuas) 1a declinação


 Lupi agnos vident. (Os lobos vêem os cordeiros) a
2 declinação

a) Fera silvam habitat. ..................................................................................................................


b) Cantat poeta stellam. ................................................................................................................
c) Domina et serva statuam ornant. .............................................................................................
d) Agnus timet lupum. ..................................................................................................................
e) Servus aram ornat. ..................................................................................................................
f) Ursus speluncam habitat ...................................................................................
g) Nauta et poeta fabulam narrant. ..............................................................................................
h) Puella et dominus captant muscam. .........................................................................................
i) Aquila non muscam captat, sed ranam. ..................................................................................
j) Dominus servum et feminam videt. ..........................................................................................

6. Decline os substantivos:
Nominativo Acusativo
Singular Plural Singular Plural
Bestia
Circus
Filius
Hortus
Insula
Liber
Magister
Vir
Arbiter
Puer
7. Traduza as frases:
a) Lucia amicas visitat. .................................................................................................................
b) Poetae nautas laudant. ............................................................................................................
c) Nauta naviculam gubernat. ......................................................................................................
d) Vulpecula gallinas videt. ..........................................................................................................
e) Gallinae vulpeculam timent. .....................................................................................................
f) Poetae amant litteras. ..............................................................................................................
g) Discipula philosophiam discit. ..................................................................................................
h) Magistra litteras docet. .............................................................................................................
i) Poeta Graeciam visitat. ............................................................................................................
j) Ferae silvam habitant. ..............................................................................................................
k) Pirata naviculam capit. .............................................................................................................
l) Alas habent aquila et ciconia. .................................................................................
4
m) Cantat poeta lunam et stellas. ..................................................................................................
n) Amicas et collegas invenit discipula. ........................................................................................
o) Domina et servae statuas ornant. .............................................................................................
p) Ornant magistram sapientia e doctrina. ....................................................................................
q) Viam agricola percurrit. .............................................................................................................
r) Agricola mulam, vaccas et oviculas venditat. ...........................................................................

Nomes neutros da 2a Declinação


Geralmente designam seres assexuados.
“O emprego do neutro não é lógico, em latim. Alguns seres sexuados são designados por palavras
neutras, como scortum (prostituta) ou mancipium (escravo). Os seres assexuados são designados
indiferentemente por palavras masculinas, femininas ou neutras.” (Zélia de Almeida Cardoso)

Singular Plural Exemplos:


Nominativo - um -a  Templum  verbum
Acusativo  Fatum  oppidum
- um -a

Exercícios:
1. Decline os substantivos, indicando o gênero:
Nominativo Acusativo
Singular Plural Singular Plural
Argentum
Asellus
Caseus
Filius
Frumentum
Liber
Hortus
Insula
Verbum
Templum
Iurgium
Oppidum
Regina
Corvus
Remedium

2. Traduza e passe para o plural:


a) Puer amicum visitat. .................................................................................................................
b) Aper silvam habitat. ..................................................................................................................
c) Vir et femina filium amant. .......................................................................................................
d) Servus templum ornat. .............................................................................................................
e) Monstrum nautam non terret. ...................................................................................................
f) Maria visitat oppidum. ..............................................................................................................
g) Magister discipulum laudat. ......................................................................................................
h) Puella fatum cantat. ..................................................................................................................

3. Traduza:

a) Lupus agnum videt. ................................................................................................................


Lupi agnos vident. ..................................................................................................................
b) Agnus timet lupum. ..................................................................................................................
Agni lupos timent. ...................................................................................................................
c)Puer amicum visitat. ..................................................................................................................
Pueri amicos visitant. ...............................................................................................................
c) Aper silvam habitat. ..................................................................................................................
Apri silvas habitant ..................................................................................................................
d) Magister discipulum laudat. .....................................................................................................
Magistri discipulos laudant. .....................................................................................................
5
e)Vir et femina filium amant. .........................................................................................................
Viri et feminae filios amant. ......................................................................................................
e) Servus templum ornat. ............................................................................................................
Servi templa ornant. .................................................................................................................
f) Puer equos iungit. ...................................................................................................................
Puer et servi equos iungunt. ....................................................................................................

4. Identifique: caso, número e gênero; passe para o nominativo singular.


Caso e número Gênero Nominativo Sg.
Alimenta
Amicas
Arenam
Avi
Brachia
Carros
Circum
Desiderium
Equum
Ferae
Frumenta
Fundos
Libros
Magistri
Vitam

Adjetivos de 1a Classe
Como elemento modificador do substantivo, servindo-lhe como atributo (adjunto adnominal ou aposto) ou
predicativo, o adjetivo, via de regra, concorda com o substantivo em gênero número e caso.
(Zélia de Almeida Cardoso)

Os adjetivos são apresentados nos dicionários com três formas: o nominativo masculino singular, o
nominativo feminino singular e o nominativo neutro singular. Os adjetivos de 1ª. classe seguem a
declinação dos substativos amicus, puella e bellum.

 Forma do dicionário: -US, -A, -UM Bonus, a, um


Magnus, a, um
Masculino feminino neutro
2a D 1a D 2a D

Observe a flexão nominal:


 Discipulus bonus  Puer bonus  Puella bona  Bonus nauta  Bona pirus
M M M F F M M F F

Verba volant, scripta manent.


(As palavras voam, as coisas escritas
permanecem)

Alguns adjetivos:
 Malus, a, um – mau, desonesto (a)  Pulcher, chra, chrum – bonito
 Altus, a, um – alto (a)  Laetus, a, um – alegre, feliz
 Parvus, a, um – pequeno  Animosus, a, um – corajoso
 Piger, gra, grum – preguiçoso  Sedulus, a, um – zeloso
 Laboriosus, a, um – trabalhador  Blandus, a, um – brando, meigo
6

M
a Lupus magnus (plural) lup...... magn...... / Vastus ager (plural) vast..... agr......
g
i Alta silva (plural) alt...... silv...... / Magnum oppidum (plural) magn.... oppid......
s
t Poeta magnus (plural) poet...... magn..... / puella pulchra (plural) puell..... pulchr....
r
a

Exercícios:
1. Complete:
Singular Nominativo Magn___ popul___ Singular Nominativo Laet___ puell___
Acusativo Magn___ popul___ Acusativo Laet___ puell___

Plural Nominativo Magn___ popul___ Plural Nominativo Laet___ puell___


Acusativo Magn___ popul___ Acusativo Laet___ puell___

2. Concorde os adjetivos
 Vast_____ Gallia  Mult _____ puellae  Nov _____ populi
 Populum germanic_____  Clar_____ lunam  Vast_____ imperium
 Pauc_____ amici  Laet _____ filius  Alt _____ murum
 Saev_____ poenas  Saev_____ dominus  Rosa odor______
 Parv_____ equos  Parv_____ puellam  Bon_____ amicam

3. Faça o que se pede: Identifique o caso e o gênero dos substantivos e concorde os adjetivos
com os substantivos.
Caso / gênero Liber Industriosus Piger
Viros
Feminas
Puerum
Magistri
Nauta
Poetam
Puellae
Magnus Famelicus Pulcher
Agni
Asinum
Ciconias
Hircos
Taurum
Vaccam
Amplus Sinister Exiguus
Agros
Campi
Circum
Fundus
Loci
Stagna
Gratus Molestus Mirus
Donum
Fabulae
Historiam
Lucrum
Otia
7
4. Coloque no nominativo sem mudar de número (os substantivos neutros estão
sublinhados) e traduza:

malum dominum – clarum templum – magnam puellam – nova imperia – multos viros –
magnum periculum – laetos amicos – bonam filiam – necessaria bella – duras poenas

5. Amplie as frases abaixo através dos adjetivos colocados entre parênteses:

a) Frase base: Agricola hostiam sacrificat et agros exercet. (O agricultor sacrifica uma vítima e
cultiva os campos)
______________ agricola hostiam sacrificat et agros exercet. (beatus,a,um – feliz)
- ______________ agricola _______________hostiam sacrificat et agros exercet.
(tener,era,erum – tenro)
- ______________ agricola _______________ hostiam sacrificat et ______________agros
exercet. (laetus,a,um – fértil)

VI- Coloque no nominativo sem mudar de número (os substantivos neutros estão
sublinhados) e traduza:

malum dominum – clarum templum – magnam puellam – nova imperia – multos viros –
magnum periculum – laetos amicos – bonam filiam – necessaria bella – duras poenas

Pars prima
A Vida Cotidiana
Primeiros atos: - a “salutatio”- Os romanos levantavam-se cedo. Ao raiar do sol, os
filhos e os escravos dirigiam-se ao chefe da casa e com ele faziam o sacrifício e a prece. Logo
a seguir, o dominus recebia os clientes, aos quais dava conselhos e ensinamentos. Era a
cerimônia da salutatio. Os clientes saudavam o dominus com as palavras: ave, domine! ou
salve, domine! Muitas vezes havia um verdadeiro desfile de clientes diante do patrão, que
recorria ao nomenclator, se quisesse saber os nomes dos que não guardava na memória. A
audiência destinada à salutatio durava até a segunda hora, o que correspondia a 8h e 13 min
no verão, e 9h e 46 min no inverno, pois a partir da terceira hora, isto é às 8h e 13 min no verão
e 9h 46 min no inverno, começavam as audiências na justiça. Os sacrifícios e as solenidades
sociais da família, as núpcias, a festa da colação do nome, o recebimento da toga eram
realizados logo cedo, prima luce. Podemos dizer que as visitas de felicitações, as condolências,
as atividades profissionais se processavam antes do meio-dia.
O café da manhã - O café da manhã chamava-se: ientaculum; o almoço: prandium; e o
jantar: cena. Anteriormente o almoço era denominado cena e o jantar, vesperna.
O ientaculum, servido no decorrer da terceira hora, constava de pão ensopado no vinho
ou misturado com mel, tâmaras, azeitonas, bolos e queijo. Havia grande variedade de pães: o
pão preto - panis acerosus, castrenis, plebeius, rusticus; o pão de rala - panis secundarius; pão
branco - panis candidus, mundus; pão de trigo puro - panis siligineus.

O almoço - o prandium realizava-se ao meio-dia e constava de frios, peixes, carnes,


legumes, frutas e vinho.
Os cereais e legumes mais empregados eram os seguintes: lentilhas (lentes), favas
(fabae), tremoços (lupini), couve (brassica, caulis), grão-de-bico (ciceres), alho porró (porrum),
alface (lactuca). Dentre os bulbos e raízes, destacavam-se: a cebola (caepa), o alho (allium), o
rabanete (rapa), nabo (napus), rabão-de-cavalo (raphanus) etc.
As frutas usuais eram: maçã (malum), pera (pirum), ameixa (prunum), uvas (uvae),
cereja (cerasum), noz (nux), castanha (castanea), amêndoa (nux, amygdala).
Os romanos eram carnívoros e comiam carne de boi (caro bubula), carne de vitela (caro
vitulina), carne de carneiro (caro agnina), carne de porco (caro suilla). Comiam, ainda, carne de
veado (cervus), de burro selvagem (onager) e uma espécie de preá (glis). A carne podia ser
assada (assato), cozida (elixa), no espeto (in prunis). As aves também eram apreciadas,
destacando-se o fenicóptero ou flamingo (phoenicopterus), cuja língua constituía delicioso
prato, a cegonha (ciconia), o pavão (pavo). Os peixes eram conservados em salmoura (genes,
8
maenae), os mais freqüentes nos cardápios eram os seguintes: a muréia (muraena), o sargo
(mugil, mullus), o escaro (scarus), o esturjão (acipenser).
Um dos pontos característicos da cozinha romana é o emprego ilimitado de molho de
peixe (garum), não preparado na ocasião de ser servido, mas feito através de um longo
processo. Esse molho também tinha o nome de allec, linquamen, oxygarum, muria. O sabor
dependia de qualidade dos peixes empregados na sua preparação.
A merenda era uma pequena refeição entre o almoço e o jantar.
A parte depois do meio-dia era destinada à sesta (meridiatio), às diversões, aos
exercícios ginásticos no Campo de Marte e ao banho. Os exercícios consistiam em jogo de
péla (pila), bola (gollis), jogo de bola em que os jogadores se dividiam em dois campos
(sphaeromachiae) e o jogo de bola de três jogadores (trigonaria).
Os banhos - Os romanos preferiam o banho quente, que serve para relaxar os
músculos. Ricos, pobres e escravos costumavam banhar-se diariamente. Nos primeiros
tempos, eles costumavam lavar todas as manhãs os braços e as pernas, e somente se
banhavam de oito em oito dias. Alguns banhavam-se no Tibre e outros, num compartimento da
casa, perto da cozinha - lavatrina. Somente quando foi generalizado o uso dos banhos quentes
é que as salas de banho (balnea) passaram a figurar nas habitações. Datam do século II a. C
os primeiros balneários, organizados pela comuna ou por um empreiteiro e entregues ao
conductor, sob certas condições. A entrada para os banhos era paga e o preço variava em
torno de um quarto de asse (quadrans) para os homens. Os meninos tinham entrada livre. Na
época do Império os banhos constituíam motivo de prazeres faustosos. Esses
estabelecimentos de banhos públicos eram geralmente denominados de thermae, que se
compunham das seguintes partes: o apodyterium, o frigidarium, o tepidarium, o caldarium.
O apodyterium era o vestiário do banhista. O frigidarium ou cella frigridaria era a sala de
banhos frios, onde havia uma espécie de piscina, cisterna, baptisterium. O tepidarium era o
local em que banhistas transpiravam, a sauna. O caldarium era a sala de água quente, a maior
de todas.
Algumas termas possuíam salas de ginástica (sphaeristerium ou ephebum), esta última
destinada aos jovens. No interior das termas ou nas proximidades das termas havia tabernas
(popinae), onde egressos dos banhos encontravam o que beber ou comer.
Nas termas havia compartimentos destinados aos homens e outros às mulheres e,
quando isto não acontecia, horários diferentes eram estabelecidos para os dois sexos.
Os banhistas deviam levar objetos de uso pessoal, tais como soda (aphronitrum), que
fazia o papel de sabão, toalhas (lintea, sabana). Convém esclarecer que o sapo era uma tintura
para os cabelos. Escravos exerciam diversos misteres durante o banho do dominus: um
balneator ficava a seu lado durante o banho; outro, iatraliptes, incumbia-se das massagens;
outro, alipilus, o depilava.

O jantar (Cena) – era a principal refeição dos romanos e começava uma hora depois do
banho. Nos primeiros tempos, toda família comia sentada no atrium. Na época clássica, o
triclinium passou a ser o local mais adequado para a cena. O nome triclinium provém da
existência dos três leitos que circundavam a peça, os quais eram chamados summus, medius e
imus. A mesa era, geralmente, retangular mas também podia ser em forma de círculo (orbes).
Assim, cada triclinium comportava nove pessoas.
Um recipiente adequado (lagoena) continha vinho, que podia ser utilizado à vontade;
noutro ficava o sal (salinum) um terceiro, aceta bulum, o vinagre.
A toalha da mesa (mantele) só apareceu no I século depois de Cristo e o guardanapo
(mappa) era fornecido pelo anfitrião. Como não se conhecia o garfo, eles comiam com os
dedos. No entanto, a colher (cochlear, ligula) era conhecida e muito usada. Havia o hábito de
tomar bebidas quentes, de modo que o vinho era misturado com água quente tirada de um
vasilhame adequado (caldarium).
A cena constava de três partes: a gustatio, a cena propriamente dita e a secunda
mensa.
A gustatio ou simplesmente gustus eram as entradas, com a finalidade de provocar o
apetite. A cena propriamente dita era principal parte da refeição. Num determinado momento se
pedia silêncio e uma oferenda era feita aos deuses Lares.
A cena constava de peixes, carne de aves e de animais domésticos e selvagens, e
grande variedades de vinhos, e pão.
Durante as refeições, os convidados costumavam levantar-se para provocar vômito e
depois voltavam à mesa com maior apetite para ingerir novos alimentos, como se nada
9
houvesse acontecido. Devemos esclarecer que, geralmente, este gesto tinha objetivos
terapêuticos.
As secundae mensae eram a sobremesa e constavam de doces, frutas e vinhos.
Menu para um banquete romano
Entradas Pratos principais Sobremesa
 Mariscos e ovos  Gamo selvagem assado com  Fricassê de rosas em pastel
 Mamas de porco recheadas com molho de cebolas, arruda,
ouriços-do-mar salgados tâmaras-de-jericó, uvas-passas,  Tâmara secas recheadas com
 Pasta de miolos cozidos com leite e azeite e mel nozes e pinhões, cozidas em mel
ovos  Ostras cozidas com molho doce
 Cogumelos de árvore cozidos, com  Arganaz recheado com carne de
molho de peixe gordo apimentado porco e pinhões  Bolos quentes africanos de
 Ouriços-do-mar com condimentos,  Presunto cozido com figos e vinho doce com mel
mel e molho de azeite com ovo. empanado, com mel;;
 Flamingo cozido com tâmaras  Frutas

Primeira questão:
Faça uma relação da vida cotidiana romana com a moderna.

Segunda questão:
Há muitas palavras em latim, no texto, que mantiveram sua escrita e o seu significado
semelhante ao Português. Liste essas palavras em latim e diga a qual termo corresponde na
Língua Portuguesa.

Verbo “ESSE”
Ser, estar, haver

Sum, es, esse, fui


a a a
1 pes. Presente do Ind. 2 pes. P.I Infinitivo 1 pes. do pretérito perfeito

Presente do Indicativo

Sum (sou)
Es (és)
Est (é)
Sumus (somos)
Estis (sois)
Sunt (são)

1. No latim não existem artigos como no 2. Pluralia tantum (somente plural):


português. A forma unus, a, um Divitiae, arum – reliquiae, arum –
significa um só, um mesmo, um único, Athenae,arum – primitiae, arum –
Não corresponde, portanto, ao nosso arma, orum.
artigo indefinido. Como “núpcias” e “amazonas” no
português.

3. Os pronomes possessivos: 4. A coordenação é feita através das


Meus, a, um; tuus, a, um; partículas:
Noster, tra, trum; suus,a, um Et = e amicitia et otium;
Flexionam-se como os adjetivos. -que (vem posposto ao segundo termo da
coordenação) = e amicitia otiumque

5. O adjetivo pode ser substantivado: a 6. Os Advérbios


forma do masculino é usada para
indicar pessoas: Multi (muitos, muitas No latim, como em português, os
pessoas), Boni (os bons, as pessoas advérbios não flexionam. A forma
10
boas). encontrada no dicionário é a mesma
 Multi amicos visitant. Muitas pessoas empregada na frase.
visitam os amigos.
 Heri = ontem
A forma neutra é utilizada para indicar  Ibi = aí
coisas: Bona (as coisas boas), Multa  Cito = cedo
(muitas coisas).
 Multa incognita sunt. Muitas coisas
são desconhecidas.

Exercícios:
1. Faça a concordância dos predicativos:
a) Agricola (necessarius, a, um) est. ...........................................................................................
b) Poetae (clarus, a, um) sunt. .....................................................................................................
c) Domini (malus, a, um) sunt. .....................................................................................................
d) Vicini (bonus, a, um) sunt. .......................................................................................................
e) Templum (antiquus, a, um) est. ...............................................................................................
f) Puellae (laetus, a, um) sunt. ....................................................................................................

Carpe diem
(Aproveite o dia)
2. Siga o modelo:
 Equus parvus est. Servus parvum equum videt.
a) Dominus malus est. .................................................................................................................
b) Romani multi sunt. ...................................................................................................................
c) Luna clara est. .........................................................................................................................
d) Equus magnus est. ..................................................................................................................
e) Amici pauci sunt. ......................................................................................................................

3. Traduza:
a) Uvae acerbae non sunt. ...........................................................................................................
b) Saepe periculosa est umbrosa silva. .......................................................................................
c) Asini tardi, sed agitati sunt equi. ..............................................................................................
d) Monstrum horrendum et violentum est. ...................................................................................
e) Uva et alia poma nondum matura sunt. ...................................................................................
f) Tyranni semper iniqui sunt. .....................................................................................................
g) Tua prudentia sapientiaque amicos faciunt laetos. ..................................................................
h) Muscae agitatae sunt et molestae. ..........................................................................................
i) Sollertia mea, inquit vulpecula, maxima est. ............................................................................
j) Quam blandus, inquit lupus, et albus agnus est! Nam ego famelicus sum. Certe habeo
prandium optimum. ..................................................................................................................

4. Escolha, na relação abaixo, as palavras adequadas ao sentido da frase:

Aper – Liber – Faber – Puer


a) _______________ pueros delectat.
b) _____________ agros vastant.
c) Pigri _________________ non laborant.
d) Dominus ______________ vituperabat.

5. Texto para tradução:


Puella cantat ...........................
Puella cantat. Magistra educat. Aquila volat. ....................................................................
Puellae cantat. Magistrae educant. Aquilae volant. ....................................................................
Discipula saltat. Poeta recitat. Agricola laborat. ....................................................................
Ranae natant. Reginae regnant. Nautae navigant. ..................................................................

6. Complete com a desinência adequada:


a) Populus romanus templ_______ aedificat. (templum)
11
O povo romano constrói templos.
b) Verb_______ volant, script_______ manent. (verbum – scriptum)
As palavras voam, os escritos permanecem.
c) Exempl______ necessaria sunt. (exemplum)
Os exemplos são necessários.
d) Specto templ _______.
Observo o templo.
e) Bell_____ templa delevit. (bellum)
A guerra destruiu os templos.
f) Roman____ bell_____ gesserunt. (romanus)
Os romanos fizeram guerras.

7. Texto para tradução:

Domina et servae ......................................


Lucretia imperat. Anna, Drusilla et ...........................................................................
Lucilla obtemperant. Lucretia domina est. ...........................................................................
Anna, Drusilla et Lucilla servae sunt. ...........................................................................
Servae amant dominam. Hodie Lucretia ...........................................................................
convivias exspectat. Ideo servae sedulae sunt. ...........................................................................
Anna cenam parat, Lucilla mensam ornat, ...........................................................................
Drusilla portam servat. Domina amat servas. ..............................................................

8. Passe para o latim:


a) Os agricultores cultivam os campos e têm cavalos, asnos, galinhas e pombas.
(agricola – colunt – ager – habent – equus – asinus – gallina – columba)

b) Os bons operários fazem facas, espadas e lanças.


(bonus, a, um – faber – faciunt – culter – gladius – hasta)

c) Os grandes marinheiros não temem os perigos.


(magnus, a, um – nauta – non – timent – periculum)

d) Os deuses ouvem os homens. (deus – audiunt – vir)

9. Preencha as lacunas com as desinências adequadas:

a) Serva sedul _____ est. (A escrava é cuidadosa).


b) Puer sedul _____ est. (O menino é cuidadoso)
c) Valeria et Lucia non bon _____ puell _____ sunt. (Valéria e Lúcia não são boas meninas)
d) Serva et servus sedul _____ sunt. (A escrava e o escravo são cuidadosos)
e) Discipuli pigr _____ discipul _____ bon _____ non sunt. (Os alunos preguiçosos não são bons
alunos)
f) Agricola et poeta laborios_____ sunt. (O agricultor e o poeta são trabalhadores)
g) Templum et oppidum magn_____ sunt. (O templo e a cidade são grandes)
h) Poeta est aegrot_____. (O poeta está doente)
i) Nauta et agricola animos_____ sunt. ( O marinheiro e o agricultor são corajosos)
j) Fagus umbros_____ est. Fagi magn_____ sunt. (A faia é sombria. As faias são grandes)
k) Templum et ara sunt pulchr_____. (O templo e o altar são lindos)
l) Auxilium fuit magn_____ (O auxílio foi grande
m) Auxilia fuerunt magn _____ (Os auxílios foram grandes)
n) Exemplum et verba fuerunt mir_____ (O exemplo e as palavras foram admiráveis)
o) Vir et femina sunt bon _____ amic_____ (O menino e a mulher foram bons amigos)
p) Lupus et agnus sunt fer_____. (O lobo e o cordeiro são ferozes)
q) Vulpecula dolos____ est. (A raposa é astuciosa)
12

Algumas preposições que regem acusativo:


1. Indicam deslocamento – lugar para, até, por onde
 Puer ad oram natat. O menino nada até a praia.
 Theseus in Cretam navigat. Teseu navega para Creta.
 Per hortos migrare iucundum est. Caminhar pelos jardins é agradável.

2. Indica tempo Per multas horas vulpecula ambulat. Por muitas horas a raposa caminha.
 Inter – entre [Inter amicos = Entre amigos]  Contra – contra [Contra latinos = contra os latinos]
 Apud – junto a [Apud tyrannum = junto ao tirano] Trans – além de [Trans iniuriam = além da injúria]
 Ante – diante [Ante portam = diante da porta]  In – para (para dentro de) [Puer it in rivum = o
 Post – Após [Post diluvium = após o dilúvio] menino vai para o rio]

Tradução :
Lucius avum visitat
Lucius avum visitat. Nam avus benignus est et doctus: libenter laborat et multas
fabulas narrat. Lucius valde gaudet. Hodie caelum serenum et clarum est. Itaque
iucundum est avum visitare.
Fundus immensus est et horti placidi amoenam villam ornant. Lucius primo intrat
stabulum. Ibi videt perpastas gallinas, multos tauros et vaccas, porcos gulosos,
hircos barbatos, albos tenerosque agnos. Deinde agros percurrit: videt fluvios et
plantas pulchras; etiam umbrosa silva valde Lucium delectat. Sed subito procul
clamat bestia, et Lucium terret. Servi rident et exclamant:
- Quietus asellus timidum puerum conturbat. Vero urbani pueri vitam rusticam
nesciunt. Itaque tanta pericula inveniunt.

Deus Apolo inspirou o uso Charlton Heston, no papel do herói


da coroa de louro Ben-Hur, segura uma coroa de louros
Por que os heróis romanos e gregos
usavam coroas de louro?

Apolo se O uso da planta era uma homenagem ao


deus grego Apolo. Conta a Mitologia que Apolo
apaixonou por se apaixonou por uma ninfa chamada Dafne,
filha do Deus Peneio. Mas a moça não
uma ninfa mas partilhava do mesmo sentimento e, para livrar-
se do admirador, fugiu para as montanhas.
não foi
Apolo continou a persegui-la e, quando ia
correspondido. pegá-la, Dafne pediu proteção ao pai. Para
salvá-la, Peneio transformou-a em um loureiro.
Para fugir dele A árvore foi consagrada a Apolo. Na Roma e
na Grécia o louro era símbolo de vitória. “Os
a ninfa foi vencedores de competições eram coroados
com folhas da planta e, quando um
transformada comandante ganhava uma batalha, enviava o
pergaminho com a notícia para o Senado
em loureiro
envolto em folhas de louro”, diz a historiadora
Maria Corassin, da Universidade de São Paulo.

SUPER INTERESSANTE ANO 10 No 2 FEVEREIRO 1996

Pars altera
13

A Vestimenta dos Romanos


A indumentária masculina – A matéria prima usada na confecção era a lã; a pele de
cabra com que se fabricava um tecido chamado cilicium; o linho, empregado nas vestes das
mulheres e para fazer lenços – sudarium; o algodão e a seda.
Os homens usavam uma peça interna, a tunica, por cima da qual vestiam a toga, que
era uma espécie de costume nacional dos romanos. Nos primeiros tempos, somente a toga era
usada, pois em lugar da tunica havia, apenas, uma tanga (subligar, subligaculum, campestre,
cinctus). Por cima da toga e a fim de se protegerem contra o frio, usavam sobretudos de várias
espécies (laena) para o inverno, e lacena, abolla, alicula nas demais estações.
A tunica era uma peça da parte superior, confeccionada com lã. Não devia ser
confundida com a camisa de linho – tunica interior, subucula ou strictoria, também chamada de
camisia, no baixo império. A tunica não tinha mangas, ou quando as tinha, não iam além do
cotovelo. Em casa, a indumentária se restringia à tunica.
A toga era obrigatoriamente usada para cobrir a túnica sempre que se pretendesse sair
de casa, quer para ir à cidade, quer para ir ao fórum. No princípio era uma peça simples, mas
pouco a pouco, tornou-se elegante e difícil de ser usada. Era feita de fazenda de lã branca. No
início consistia numa simples peça retangular, mas com o decorrer do tempo, aumentou de
dimensão; a fazenda era cortada em semicírculo, e tornou-se complicada de ser vestida, a tal
ponto que havia um escravo designado para ajudar o dominus (senhor), nessa operação. Os
oradores caprichavam na apresentação duma toga bem talhada e elegante. A toga mais antiga
cobria o braço direito e, fazendo uma volta, sem arte, em torno do busto, não formava uma
prega (sinus). Havia outra modalidade de toga, que prendia o braço direito e formava o sinus e
um umbo ou nodus. O nodus ou umbo era denominação dada ao pano da peça interior tirada
para o exterior.
Apesar de ter sido a toga, no início, também usada na guerra, os romanos, por questões
práticas, criaram o cinctus gabinus, que a substituía em ocasiões de guerra. O talhe dado ao
cinctus gabinus era de tal forma, que permitia aos dois braços ficarem livres para qualquer
movimento. Posteriormente, o cinctus gabinus foi substituído pelo sagum, que passou a
constituir a indumentária da paz. O sagum era uma peça muito ampla, afivelada no ombro,
chanfrada em triângulo, por cima da cabeça.
Havia muitas variedades de sagum: o burrus, a lacerna, a laena e a abolla. O birrus ou
burrus era uma capa vermelha e dotada de um capuz. A lacerna era usada para defender-se
da chuva e também tinha um capuz (cucullus). No império, a lacerna transformou-se em
vestimenta civil e, em lugar das grossas lacernae de outras eras, apareceram lacernae brancas
ou de cores vivas. A laena era feita de espessa fazenda de lã de pelos longos, que se colocava
sobre os ombros. Na época do Império, a laena foi usada por toda a gente, de ambos os sexos.
A abolla, muito semelhante à laena, de origem estrangeira, era uma capa contra o mau tempo.
O pallium foi a indumentária que paulatinamente, e, por questão de comodidade, foi
utilizada pelos romanos para substituir a toga. Era mais curto do que esta e permitia muito
maior liberdade de movimentos.
A paenula era uma capa sem mangas, que servia para preservar do frio e do mau
tempo.
Indumentária feminina – Na indumentária feminina, distinguimos a tunica, a stola e
vestimentas superiores.
A tunica (tunica interior, subucula, interula) era uma camisa que as romanas usavam por
cima da pele; por baixo dessa tunica e como porta-seio ou soutien havia uma fascia pectoralis,
também de mamillare, strophium ou taenia.
A stola era uma túnica, que ia até os pés, com mangas até a metade do braço. A parte
inferior era bordada – instita – e havia um talho por volta da cintura. De início, ambos os sexos
usavam a toga ou stola, mas com o decorrer dos tempos, esta última foi reservada somente às
mulheres. A mulher que aparecesse com a toga denotava impudicicia (falta de pudor).
A principal peça usada na parte superior, era ricinium ou reicinium, de forma
quadrangular, que cobria os ombros e a cabeça. A pala substituía o ricinium; era de forma
ampla e não restrita às matronas, pois as estrangeiras e as cortesãs também a usavam.
Adornos – O anel – anulus – era o único adorno dos homens. O anel de ouro era a
insígnia característica dos cavaleiros.
14
No entanto, as mulheres usavam grande variedade de adornos: broches: fibulae,
espécies de brinco: inaures, braceletes: armillae, colares: monila, fitas: vittae, mitrae, caliendra,
redes: reticula, etc.
Barba – Não é verdade que os antigos desconheciam o uso de fazer a barba. Os jovens
não tiravam a barba logo que ela começasse a despontar; esperavam um pouco, até que já
houvesse aspecto de barba compacta. Nesse momento, era cortada, em solenidade
consagrada à divindade – depositio barbae. Nas ocasiões de nojo, os homens deixavam
crescer a barba – barbuam demittere, promittere, submittere.
Cabelo – Os escravos tinham a cabeça raspada. Os jovens e o pessoal doméstico
podiam ter cabelos compridos. Os adultos livres cortavam o cabelo, num determinado
comprimento.
As mulheres o tinham curto ou o deixavam crescer para enrolá-lo em forma de coque –
tutulus. Elas pintavam o cabelo com tinturas especiais – sapo, spuma batava.

O calçado – Os romanos calçavam sandálias, sapatos ou botas.


Os calcei eram os sapatos característicos dos cidadãos romanos. Além do simples
calceus, havia o calceus patricius e os calceus senatorius. O primeiro, também chamado
calceus mulleus, era de couro vermelho com sola alta, dotados de colchetes – malleoli, ligados
por cordões de couro de preto - corrigiae ou alutae e fechado por uma lingüeta de película –
ligula. O calceus senatorius era preto e de forma semelhante à do calceus patricius.
Na neve e na lama, principalmente na campanha, os romanos usavam o pero, uma
espécie de meia-bota. O compagus era um sapato preto, que somente cobria os dedos e subia
por trás do calcanhar, sendo preso por meio de correias que envolviam a perna.
As sandálias podiam ser de laço (soleae, sandalia) ou sem laços – socii. As correias de
couro, que as fixavam, tinham o nome de habenae, amenta, abstragula. Era indecoroso
apresentar-se em público calçando sandálias. A caliga era uma sandália militar muito
resistente.
Chapéu – Os romanos não conheciam o chapéu e mantinham a cabeça nua, que era
coberta por um capuz – cucullus, quando chovia. As jovens romanas também não cobriam a
cabeça, mas as matronas tinham a obrigação de mostrar a sua dignidade, cobrindo-a com a
palla.

Primeira Questão: Faça uma relação da vestimenta romana com a moderna

O VERBO

Em latim, a conjugação do verbo se conhece pela terminação do infinitivo


presente.
Há, em latim, 4 conjugações:

1a) amo, amas, amare, amavi, amatum

Presente do Ind. Pretérito Perf. Supino


1a e 2a pessoas infinitivo 1a pes. sg.

2a) Deleo, deles, delere, delevi, deletum


15
3a) Dico, dicis, dicere, dixi, dictum

4a) Audio, audis, audire, audivi, auditum

As formas que constituem uma conjugação distribuem-se por dois sistemas:


um, o do Infectum (ou do presente), que agrega formas verbais que têm em
comum a indicação de um processo ainda em realização: “laudas”(louvas),
“laudabas” (louvavas), “laudabis” (louvarás); outro, o do Perfectum (ou do
perfeito), que agrupa formas verbais que têm em comum a indicação do processo
acabado: : “laudavisti” (louvaste), “laudaveras” ( louvaras).

Cada sistema tem seu tema (radical). O verbo latino possui, então, um tema
do Infectum e um tema do Perfectum.

Encontraremos o tema do Infectum assim:


a) 1 ,2a e 4a conjugações: corta-se a desinência –s da 2a pessoa do singular do
a

presente do indicativo;
b) 3a conjugação: corta-se a desinência – o, da 1a pessoa do singular do indicativo
presente.

E o tema do Perfectum encontra-se assim:


Em todas as conjugações corta-se a desinência – i da 1a pessoa do singular
do pretérito perfeito do indicativo.

FLEXÕES VERBAIS
1 – Para os tempos do Infectum
1. Presente do Indicativo  o – s – t – mus – tis – nt (1a e 2a C)
 o – is – it – imus – itis- unt (3a C)
 o – s – t – mus – tis – unt (4a C)

2. Pretérito Imperfeito do Indicativo  (a) bam – bas – bat – bamus – batis – bant (1a C)
 (e) bam – bas – bat – bamus – batis – bant (2a, 3a e 4a C)

1. Futuro Imperfeito do Indicativo  bo – bis – bit – bimus – bitis , bunt (1a e 2a C)


 am – es – et – emus – etis – ent (3a e 4a C)

4. Presente do Subjuntivo  em – es – et – emus – etis – ent (1a C)


 am – as – at – amus – atis – ant (2a, 3a e 4a C)

5. Pretérito Imperfeito do Subjuntivo basta acrescentar ao infinitivo as desinências pessoais:


 m – s – t – mus – tis – nt

6. Imperativo 1a C - a (tu) 2a C - e 3a C - e 4a C - i
- ate (vós) - ete - ite - ite

2 – Para os tempus do Perfectum


2. Pretérito Perfeito do Indicativo  i – isti – it – imus – istis – erunt
16
3. Pretérito + que Perfeito do Indicativo  Eram – eras – erat – eramus – eratis – erant

4. Futuro Perfeito do Indicativo  Ero – eris – erit – erimus – eritis – erint

5. Pretérito Perfeito do Subjuntivo  Erim – eris – erit – erimus – eritis – erint


5. Pretérito + que Perfeito do Subjuntivo  Issem – isses – isset – issemus – issetis – issent

Exercícios:
1. Conjugue o Presente do Indicativo e o Pretérito Perfeito em todas as pessoas:
a) aedifico, as, are avi, atum (edificar)
b) terreo, es, ere, terrui, itum (aterrorizar)
c) duco, is, ere, duxi, ductum (conduzir)
d) rapio, is, ere, rapui, raptum (raptar)
e) venio, is, ire, veni, ventum (vir)
6. Traduza – Os Druidas
1) Druidae sacerdotes sunt. ......................................................................................................
2) Galli eos multum colunt. .........................................................................................................
3) Druidae enim religionem curant. ............................................................................................
4) Arbitri quoque et medici sunt. .................................................................................................
5) Controversias decernunt et poenas constituunt. ...................................................................
6) Druidae ludos aperiunt. ...........................................................................................................
7) Discipuli ad eos veniunt. ..........................................................................................................
7. Trabalhando o texto – Estrutura gramatical:
Encontre, em cada frase latina, sujeito, verbo, objeto direto ou predicativo.
Sujeito Predicativo Objeto direto Verbo
Frase 1
Frase 2
Frase 3
Frase 4
Frase 5
Frase 6
Frase 7

8. Manejo das formas declinadas – na lista abaixo, coloque no singular as palavras que estão
no plural e vice-versa, mantendo o mesmo caso:
 Frase 1 – druidae ......................................  Frase 5 – controversias .............................
 Frase 2 – galli ........................................... poenas .....................................
 Frase 4 – arbitri .........................................  Frase 6 – ludos ..........................................
medici ........................................  Frase 7 – discipuli .....................................

9. O manejo dos verbos – Transcreva os verbos e coloque-os no singular.


Verbo no plural Verbo no singular Forma do Dicionário
Frase 1
Frase 2
Frase 3
Frase 4
Frase 5
Frase 6
Frase 7

10. Liste os verbos do texto “Lucius avum visitat” fornecendo o tempo verbal, a pessoa, a forma
do dicionário, a conjugação e a tradução (infinitivo):
Verbo Tempo Pessoa Forma do Dicionário Conjugação Tradução
1. visitat Presente do ind. 3a pessoa do sg. Visito, as, are, avi, atum 1a C. visitar

11. Passe para o latim:


Deuses Gauleses Vocabulário:
 Gallus – Mercurius – colo, is, ere, colui, cultum
a) Os gauleses veneram muito Mercúrio. – multum (adv.)
17
b) Na verdade, o deus conduz os viajantes e  Enim – duco, is, ere, duxi, ductum –
defende os mercadores. peregrinabundus – defendo, is, ere, di, sum –
c) Os gauleses também veneram Minerva. mercatores (acusativo pl.)
d) Minerva ensina as artes.  Quoque – Minerva
 Doceo, es, ere, docui, doctum – industria

11. Preencha as lacunas:


a) Servi ......................... .......................... (agricola; benignus, a, um) laudant.
b) Roma antiqua ......................... ........................ (multus, a, um – provincia) habet.
c) Paulus narrat ......................... (fabula) et Petrus .............................(audio, is, ire, ivi, itum).
d) Discipuli aperiunt .................(liber) et legunt .................... ................. (fabula; novus, a, um).
e) ......................... ........................ (multus, a, um – incola [M]) hodie per silvam migrant.

12. Faça o que se pede:


Traduza Forma do dicionário Radical do infectum Radical do Perfectum
1. Duco
2. Pugnant
3. Capitis
4. Aperiunt
5. Venitis
6. Audit
7. Curatis
8. Colunt
9. Amas
10. Venit
11. Legimus
12. Habent
13. Cantamus
14. Spectat
15. Ignorant

13. Traduza:
a) Paulus et Aemilius, boni amici, cenant. (ceno, as, are, avi, atum = jantar)
b) Luna lucet sed stellae scintillant. (luceo, es, ere, luxi = brilhar / scintillo, as, are, avi, atum =
brincar)
c) Laboratis et ludimus (laboro, as, are, avi, atum = trabalhar / ludo, is, ere, luxi, lusum =
brincar)
d) Canto et ludis.
e) Pueri scribunt et legunt puellae. (scribo, is, ere, scripsi, scriptum = escrever/ lego, is, ere,
legi, lectum = ler)
f) Petrus cantat et Paulus audit.
g) Viri laborant et filii perambulant. (perambulo, as, are, avi, atum = passear)

14. Traduza:
César compara os costumes dos Germânicos aos dos Gauleses
a) Mores Germanici multum discrepant.
b) Germani enim druidas non habent.
c) Tamen res divinas curant.
d) Sed dei pauci sunt.
e) Nam tantum solem et Vulcanum et lunam colunt.
f) Reliquos deos ignorant.
g) Agriculturam neglegunt, sed multas venationes faciunt et saepe pugnant.
h) Magna est gloria cum vicinos pellunt.

Vocabulário – Mores = costumes / Germanicus, a, um = germânico / multum (adv.) =muito / discrepo,


as, are, avi, atum = ser diferente / tamen = entretanto / res = coisas / sed = mas / paucus, a, um = pouco
/ nam = pois / tantum = somente / reliquus, a, um = restante, demais / neglego, is, ere, lexi, lectum =
negligenciar / cum = quando / vicinus = vizinho / pello, is, ere, pepuli, pulsum = expulsar.
18

Pars tertia
A Medicina Romana
Plínio, o velho, escreveu que “durante seis séculos os romanos viveram sem médicos”.
Não viveram, entretanto, sem remédios. O receituário primitivo dos romanos faz largo uso de
ervas (a medicina era uma verdadeira scientia herbarum) de mistura de inúmeras práticas e
fórmulas supersticiosas. O contato com a civilização helenística rasgou novos horizontes para a
arte de curar, mas não conseguiu suprimir as velhas praxes supersticiosas.
O ensino da Medicina. – Os conhecimentos médicos dos egípcios conservaram, na
época romana, seu milenar prestígio. Alexandria era grande centro de medicina e os que lá
haviam estudado gozavam de prestígio. Na cidade fundada por Alexandre estudava-se
anatomia por meio de dissecação de cadáveres. Tertuliano e S. Agostinho, apoiados no
testemunho de Celso, acusaram a escola de Alexandria de prática de vivissecção em criaturas
humanas.
Em Roma, entre os professores de medicina dignos de nota, figura o grego
Asclepíades, contemporâneo de Lucrécio, que fundou, na capital, uma escola de medicina.
Asclepíades criticava os que, baseados em Hipócrates, confiavam na “vis medicatrix naturae”
(força curativa da natureza), e acentuava a necessidade de medidas atuantes para que o
processo curativo se desenvolvesse cito, tuto, iucunde (com rapidez, com segurança e
favoravelmente). As escolas eram constituídas, primitivamente, pelo mestre, e pelos discípulos
que o cercavam e o acompanhavam nas visitas aos enfermos. Posteriormente, foram criados
colégios de médicos, a fim de serem debatidos os assuntos relacionados com a profissão. Os
imperadores foram, cada vez mais, demonstrando interesse pelos ensinos médicos: fizeram
construir para os mesmos salas especiais (auditoria).

Literatura Médica. – Passemos a anotar alguns nomes de famosos médicos e autores


de obras de medicina da Antigüidade Romana.
Mencionemos, em primeiro lugar, Celso (ou Aurelius Cornelius Celsus), autor da obra
De re medica, escrita pelo ano 30 de nossa Era. A De re medica foi escrita em excelente
linguagem, e é sob muitos aspectos a mais legível e melhor ordenada obra médica antiga que
possuímos. Celso compilou ou, simplesmente, traduziu do grego. Seu tratado está dividido em
oito livros e abrange os seguintes assuntos: História da Medicina, dietas, princípios gerais da
terapêutica e de patologia, enfermidades internas, externas e cirurgia. Celso menciona, entre,
outros assuntos relacionados com a cirurgia, operações de cirurgia plástica no rosto e na boca,
bem como a extirpação de cálculos, e focaliza até a extração de dentes. Celso é o primeiro a
usar termos como cardiacus e insania. Descreve o processo inflamatório: “rubor et tumor, cum
calore et dolore” (vermelhidão e inchação, com calor e dor). Possivelmente Celso não tenha
sido médico. Plínio nomeia-o entre os autores e não entre os médicos.
Outro autor de obra médica escrita em latim é Scribonius Largus, médico da imperatriz
Messalina; Scribonius escreveu a De Compositione Medicamentorum (Sobre a composição dos
remédios).
Rufus de Éfeso exerceu sua profissão em Roma na época de Trajano e deixou algumas
dezenas de obras, das quais poucas e incompletas chegaram até nós. Rufus fez interessantes
descrições de dissecação; é notável seu estudo sobre anatomia do olho. Distinguiu entre
nervos motores e sensoriais e estudou, com precisão, entre outras doenças, a lepra e a peste
bubônica.
Soranus de Éfeso, contemporâneo de Rufus, foi o maior ginecologista da Antigüidade.
Deixou cerca de trinta obras sobre os mais diversos temas. No século passado foi encontrada a
mais famosa de suas obras “Sobre as doenças de mulheres”.
Aretaeus de Capadócia deixou-nos tratados sobre doenças agudas e crônicas. Nenhum
autor médico supera Aretaeus na viva descrição da doença.
Galeno (130 – 200) figura, ao lado de Hipócrates, como um dos mais brilhantes vultos
da Medicina Antiga. Sua vida nos é conhecida principalmente através de seus escritos. Nasceu
em Pérgamo e aí fez os primeiros estudos, completando-os, mais tarde, nos principais centros
de medicina. Em 161 estabeleceu-se em Roma onde adquiriu fama, muitas amizades e
inimizades, pois denunciou a ignorância de muitos médicos da Capital. Os tratados de medicina
19
de Galeno abrangem, de um modo geral, as seguintes matérias: introdução à medicina;
comentários a Hipócrates; estudos de anatomia e fisiologia; estudos de etiologia e de
diagnóstico; estudos de higiene, dietética, farmacologia e terapêutica.
A Profissão Médica – Pelo século III ªC começaram a aparecer em Roma os médicos
procedentes do oriente helenizado. Apesar da oposição dos velhos romanos, como Catão (que
chegou a escrever sobre os médicos:” Vêm para matar-nos a todos”), a capital do Império foi
invadida por um exército de discípulos de Esculápio, que faziam magníficos negócios, apesar
da desconfiança de que estavam rodeados por sua arte suspeita e por serem forasteiros.
Havia em Roma diversas especialidades distintas a que se dedicavam os médicos. Os
que tratavam doenças internas eram chamados clinici (clínicos). Os clínicos ilustres chegavam
junto ao enfermo levando consigo um séquito de médicos principiantes; auscultavam, tocavam,
observavam e, em virtude do ofício de mestres, faziam auscultar, tocar e observar. Marcial
descreve uma dessas cenas: “Estava indisposto; eis que logo Símaco vem visitar-me
acompanhado de cem discípulos: tocaram-me cem mãos, cem mãos geladas. Não estava com
febre, agora estou”.
Os cirurgiões também se especializavam. Havia um Fannius, laringólogo; um Eros,
cirurgião estético, e um Alcon, operador de hérnias e de fraturas.
Os oculistas (medici oculari) tratavam das doenças dos olhos, mas não podiam receitar
óculos, pois os mesmos constituem uma invenção bem posterior.
Remédios e Instrumentos – Desde épocas remotas, o paterfamilias romano
costumava preparar os remédios caseiros para os doentes de sua família. Como em Roma não
houvesse farmácias, cabia aos médicos o preparo de suas receitas. É interessante observar
que, nesse ponto, gozavam os profissionais de grande liberdade. Vejamos alguns exemplos de
medicamentos empregados.
Ervas, raízes, ungüentos, emplastos eram usados e abusados. Das plantas medicinais
sobressaía o laserpicium que Plínio chama de um dos maiores dons da natureza. O suco da
raiz do laserpício era sobremaneira apreciado e tinha múltipla aplicação nas convalescenças,
nos estados de prostração, nas digestões difíceis, nos distúrbios circulatórios e nas doenças
das mulheres. Era empregado para curar feridas e chagas e para amadurecer os abcessos,
curava a dor de garganta, asma e mil e uma outras moléstias; servia também como antídoto
contra mordeduras de cobras e picadas de escorpiões, apenas se revelava impotente contra
dores de dente. Nesses casos dolorosos aconselhava-se a polpa da abóbora com absinto e
sal. Lavar a boca com sangue de tartaruga três vezes ao ano ou dissolver sal sob a língua pela
manhã em jejum, eram indicações para a boa conservação dos dentes.
Contra as devastações da calvície, receitava-se uma infusão de vinho, açafrão, pimenta,
laserpício e excremento de rato.
As enfermidades dos olhos eram tratadas com colírios preparados com substâncias
vegetais como resina de mirra, açafrão e pós minerais.
As descobertas arqueológicas fornecem preciosas informações sobre a habilidade dos
cirurgiões romanos. Foi encontrada apreciável quantidade de instrumentos cirúrgicos de ferro
e de bronze, tais como bisturis, sondas, pinças, fórceps, agulhas, ventosas etc. Alguns desses
instrumentos são comparáveis, pela perfeição com que foram fabricados, aos congêneres
modernos.
Assistência Médica Oficial: Higiene – Na época imperial, o Estado organizou um
serviço de médicos públicos. Archiatri (designação dos médicos públicos) foram nomeados
para diferentes cidades e instituições. As cidades menores podiam ter cinco médicos públicos,
que estavam isentos de impostos, as cidades mais importantes podiam ter sete e as cidades
ainda mais importantes podiam ter dez. Era natural que o maior número de médicos fosse
permitido para as capitais, devido à sua importância. Os archiatri tinham a obrigação principal
de atender aos pobres e gozavam de elevada consideração.
Os romanos deram grande atenção aos problemas de saneamentos e higiene. Desde a
época dos Tarquínios, Roma possuía cloacas. A Lei das XII Tábuas proibia os enterros dentro
recinto das cidades. Os quatorze grandes aquedutos, que abasteciam a capital com abundante
água, são a prova eloqüente da preocupação dos governantes com a limpeza.

Primeira questão:
Faça uma relação da medicina romana com a moderna.

Segunda questão:
20
Há muitas palavras em latim, no texto, que mantiveram sua escrita e o seu significado
semelhante ao Português. Liste essas palavras em latim e diga a qual termo correspondem na Língua
Portuguesa.
Ilustrações

Sacerdotes celtas
davam as cartas
21
Quem foram os druidas?

Eles não eram tão bonzinhos quanto Panoramix, o


mago que prepara a poção da força para os gauleses
nas histórias em quadrinhos de Asterix, o Gaulês.
“Consta que faziam julgamentos, decretavam penas e
até promoviam sacrifícios humanos entre os celtas”,
diz o historiador Edgard Leite, da Universidade do
Estado do Rio de Janeiro. Esse povo habitou a Europa
ocidental até ser dominado pelos romanos, no século l
a C. Os druidas eram sacerdotes. A principal fonte de
informações sobre eles é o imperador romano Júlio
César. Segundo César, alguns tinham muito prestígio
e eram considerados intermediários entre o mundo
dos deuses e o dos homens. Suas reuniões, cercadas
de mistério, aconteciam nas florestas. Ali trocavam
saberes.
Os romanos e, mais tarde, os cristãos, os
combateram vigorosamente. Na Gália, eles foram
dizimados nos primeiros anos de nossa era. Na
Irlanda, mais ou menos na mesma época, perderam
suas funções religiosas e viraram poetas, historiadores
ou juízes. Mas Edgard Leite acredita que a tradição
céltica não se perdeu totalmente após a cristianização:
“uma prova disso é a presença do druida Merlin na Panoramix, é o druida na série de histórias
saga britânica do Rei Arthur, personagem lendário que em quadrinhos Asterix, o Gaulês
teria vivido entre os séculos V e VI”.
SUPER INTERESSANTE ANO 13 No 11 NOVEMBRO 1999
Objeto direto oracional

a) Puella videt servum. A menina vê o escravo.


Substantivo objeto direto.

b) Puella videt servum laborare. A menina vê o escravo trabalhar.


Objeto direto oracional.

c) Puella videt servum portare aquam. A menina vê o escravo carregar água.


Objeto direto oracional.

f) Puella videt servos vinum bibere. A menina vê os escravos beberem vinho.


Objeto direto oracional.

g) Magister dicit discipulos esse sedulos. O professor diz os alunos serem aplicados
ou
Objeto direto oracional. O professor diz que os alunos são aplicados.

Principais características desse tipo de oração subordinada:


a) o infinitivo (laborare, portare, bibere, esse) permanece invariável quanto à pessoa e
número (não se flexiona);
b) o sujeito desse infinitivo fica no caso acusativo ;
c) o infinitivo, além do sujeito em acusativo, pode estar relacionado com outro
acusativo que, por sua vez, lhe serve de objeto direto : aquam, vinum;
d) pode haver até mesmo um predicativo em acusativo: SEDULOS, que se refere ao
sujeito do infinitivo – DISCIPULOS.

Exercícios:
1- Traduza:
a) Discipuli sciunt librum esse novum.
b) Agricola videt agrum amplum esse.
c) Agricola scit vicinum multos tauros habere.
d) Gallus audit vulpeculam falsa verba dicere.
22
e) Petrus dicit Paulum optimum discipulum esse.
f) Discipuli respondent esse scholam optimam.
g) Villicus negat vulpeculam stultam esse.
h) Gallinae vulpeculam esse dolosam credunt.
i) Discipuli magistrum fabulam novam narrare audiunt.

Tradução 2: Data de entrega: ..... / ......

Vulpecula et gallinae

Vulpecula esurit. Per campos ambulat et cibum quaerit. Denique ad


stabulum venit. Prope stabulum, dolosa vulpecula perpastas gallinas videt.
- Nunc – inquit vulpecula – amicae sumus: nam veram amicitiam inter
bestas sugere scio. Vero agni non iam lupos timent, neque lupi insidias
parant.
Gallinae timent vulpeculam. Nam sciunt vulpeculas verba vana dicere.
Statim ad stabulum advolant et iam super tectum considunt.
Armatus villicus appropinquat et confectam vulpeculam fugere videt.

1a Declinação 2a Declinação
Singular Plural Singular Plural
Nominativo -a -ae Nominativo -us, -er, ir / -um (N) -i / -a (N)
Acusativo -am -as Acusativo -um -os / -a (N)
Genitivo -ae -arum Genitivo -i - orum

 Domus feminae  Domus domini


 Domus feminarum  Domus dominorum

Exercícios:
1. Traduza e depois coloque os genitivos no plural:
a) puellae avus - .........................................................................................................................
b) dei ira - ...................................................................................................................................
c) servi dominus - .......................................................................................................................
d) socius pueri - ..........................................................................................................................
e) amicus viri - .............................................................................................................................
f) oppidi murus - .........................................................................................................................
g) magna dei templa - .................................................................................................................
h) periculum belli - ......................................................................................................................
i) virtus feminae - .......................................................................................................................

2. Coloque no genitivo singular e plural:

Nominativo Sg. Genitivo Singular Genitivo Plural


magna ira
malus servus
saevum consilium
parvus vir
Novum oppidum

3. Passe para o latim:


a) Rômulo é o senhor de uma cidade famosa.
(Romulus, i – dominus, i – oppidum, i – clarus, a, um)

b) Piratas cruéis raptam a filha do bom marinheiro.


23
(pirata,ae – saevus, a, um – rapio, is, ere, rapui, raptum – nauta, ae)

c) A coragem dos gauleses é grande.


(audacia, ae – gallus, i – magnus, a, um)

4. Idem:
O Rapto de Sabella
a) Sabella é filha de um sabino.
b) O coração da jovem está feliz porque ela observa os jogos.
c) Mas ela ignora o plano cruel de Rômulo e dos romanos.
d) De repente um homem rapta Sabella.
e) Então a ira dos parentes da jovem é grande.
f) Entretanto, eles não defendem a moça porque temem a coragem dos companheiros de
Rômulo.
Vocabulário:
a) Sabella, ae – filia, ae – sabinus, i / b) animus, i – puella, ae – laetus, a, um – quia –
specto, as, are, avi, atum – ludus, i / c) sed – ignoro, as, are, avi, atum – consilium, i –
saevus, a, um – rmanus, i / d) repente (adv.) – rapio, is, ere, rapui, raptum / e) tum –
ira, ae – propinquus, i / f) tamen, defendo, is, ere, di, sum – timeo, es, ere, ui – socius,i

Verbo ESSE

Pretérito Imperfeito do Indicativo


(Era, havia, estava, existia)
Eram
Eras
Erat
Eramus
Eratis
Erant

Exercícios:
1) Passa os verbos do texto “O Rapto de Sabella” para o Pretérito Imperfeito do Indicativo:
a) .............................................................. d) .............................................................
b) .............................................................. e) .............................................................
c) .............................................................. f) .............................................................

2) Passa para o latim:


a) Os romanos enfeitavam os templos dos deuses.
(romanus,i – orno, as, are, avi, atum – templum, i – deus, i)

b) O perigo da guerra sangrenta amedrontava o agricultor.


(periculum, i – bellum, i – cruentus, a, um – terreo, es, ere, ui, itum – agricola, ae)

c) Os jogos de bola encantavam o povo romano.


(ludus, i – pila, ae – delecto, as, are, avi, atum – populus, i)

d) O templo da cidade antiga era grande.


(oppidum, i – antiquus, a, um – magnus, a, um)

e) O anúncio da tempestade medonha amedrontava os tímidos marinheiros.


(nuntius, i – procella, ae – formidolosus, a, um – conturbo, as, are, avi, atum – timidus, a, um)

Tradução 3: Data de entrega: ..... / ......


Raptus Sabinarum:
a) Penuria feminarum Romulum et socios torquet.
b) Tum Romulus conubium apud finitimos quaerit.
24
c) Sed finitimi conubiam recusant, audaciam populi Romani timent.
d) Itaque rem saevam sed necessariam Romulus facit.
e) Animi molestiam dissimulat, ludos parat, finitimos vocat.
f) Magna turba venit: Sabini multi sunt.
g) Inter spectaculum Romani Sabinorum filias rapiunt.
h) Sabini fugiunt, puellae flent.
i) Sed Romulus ad eas accedit, solacium dat et iram placat.
j) Sic Romani matrimonium faciunt.
Vocabulário:
 Sabina, ae = sabina
a) penuria, ae = falta/ femina, ae = mulher/ Romulus, i = Rômulo/ socius, ii = companheiro/ torqueo, es,
ere, torsi, tortum = atormentar
b) tum = então/ conibium, ii = casamento/ apud = junto de – preposição de acusativo/ quaero, is, ere,
quaesivi, quaesitum = procurar; finitimus, i = vizinho
c) sed = mas/ recuso, as, are, avi, atum = recusar/ audacia, ae = coragem/ populus, i = povo/ timeo, es,
ere, ui = temer
d) itaque = por isso/ rem = coisa (acusativo)/ saevus, a, um = cruel/ necessarius, a, um = necessário
(a) / facio, is, ere, feci, factum = fazer
e) animus, i = coração, espírito / molestia, ae = preocupação/ dissimulo, as, are, avi, atum = dissimular/
ludus, i = jogo / paro, as, are, avi, atum = preparar/ voco, as, are, avi, atum = chamar
f) magnus, a, um = grande / turba, ae = multidão/ venio, is, ire, veni, ventum = vir
g) inter = preposição de acusativo = durante / filia, ae = filha/ rapio, is, ere, rapui, raptum = raptar
h) fugio, is, ire, fugi, fugitum = fugir / puella, ae = moça / fleo, fles, flere, flevi, fletum = chorar
i) ad eas = até elas / accedo, is, ere, essi, essum = chegar/ solacium, ii = consolo / do, as, are, dedi,
datum = dar / ira, ae = raiva / placo, as, are, avi, atum = acalmar
j) sic = assim/ matrimonium, ii = casamneto
4) Passa para o pretérito imperfeito do indicativo os verbos das frases a, b, c, h, i:

5) Responde, observando o modelo:


Si servus vivit, cujus vita est?
Servi vita est.

a) Si poeta vivit, cujus vita est? ...................................................................................................


b) Si villicus vivit, cujus vita est? ..................................................................................................
c) Si populus vincit, cujus victoria est? ........................................................................................
d) Si concordia vincit, cujus victoria est? .....................................................................................
e) Si vinum olet, cujus odor est? .................................................................................................
f) Si corona olet, cujus odor est? ................................................................................................
g) Si legatus laborat, cujus labor est?..........................................................................................
h) Si domina laborat, cujus labor est?..........................................................................................

6) Redije em latim, preenchendo as lacunas com a desinência conveniente:

Roma era a rainha da Europa, Ásia e Roma Europ........ et Asi........ et Afric........


África. Os poetas cantavam as glórias e as regin..... erat. Terr........ domin....... glori........ et
vitórias da rainha das terras, celebravam os victori......... poet....... cantabant, de....... et
deuses e as deusas, narravam a vida dos de........ celebrabant, incol............. vit..........,
habitantes, dos senhores e dos escravos. domin............. et serv.............. narrabant.

7) Passa para o latim:


a) Os poetas cantam as alegrias da vida.
(canto, as, are, avi, atum – laetitia, ae – vita, ae)
b) Os bons companheiros não dão maus exemplos.
(bonus, a, um – socius, i – non – do, as ,are, dedi, datum – malus, a, um – exemplum, i)
c) As uvas da floresta deleitavam as mulheres e os servos.
(uva, ae – silva, ae – delecto, as, are, avi, atum – femina, ae – servus, i)
d) A vigilância dos marinheiros salva a pátria.
(vigilantia, ae – nauta, ae – servo, as, avi, atum – patria, ae)
25
Caso Dativo
É o caso do objeto indireto e do complemento nominal.

1a Declinação 2a Declinação
Singular Plural Singular Plural
Nominativo -a -ae Nominativo -us, -er, ir / -um (N) -i / -a (N)
Acusativo -am -as Acusativo -um / um (N) -os / -a (N)
Genitivo -ae -arum Genitivo -i - orum
Dativo -ae -is Dativo -o - is

 Dare donum puellae (dar um presente à menina)


 Dare donum puero (dar um presente ao menino)

1- A partir do modelo abaixo, forme frases segundo o esquema [sujeito + OD + OI + verbo]:

Vacca – Diana – Romanus – immolat


Romanus vaccam Dianae immolat.

a) Amicus – dominus – equus – dat: ............................................................................................


b) Filius – litterae – avus – legit: ...................................................................................................
c) Aqua – serva – puella – dat: .....................................................................................................
d) Diana – multae arae – Romani – dedicabant: .........................................................................
e) Deus – viri – vitae donum – dat: ............................................................................................
2- Completa com um dos elementos em Dativo:
a) (Feminae – Dianae) Sacrificia ........................................ grata sunt.
b) (deo – servis) Sacerdotes magnum sacrum ...................................... faciebant.
c) (patriae – equis) Pauci viri ............................... aquam petunt.
d) (rivo – oppido) Dominus clarus multa bella ............................... gerit.
e) (poenae – viro qui oppidum defendit) Arma ............................................................necessaria
sunt.

2- Siga o modelo:
Puer prope ficum est.
(O menino está próximo da figueira)

Puer proximus fico est.


(O menino está próximo à figueira)

a) Serva prope amphoram est. / Serva proxima ................................ est.


b) Equus prope hortum est.
c) Dominus prope agrum est.
d) Domina prope agricolam est.

3- Traduza e passe para o singular a palavra sublinhada:

a) Dominus beneficium servis dat.


b) Deus superbis resistit.
c) Deus gratiam modestis dat.
26

Tradução 4: Data de entrega: ..... / ......

Tarpeia”

a) Postquam Romani Sabinorum filias rapuerunt, Sabini bellum adversus


Romulum et Romuli socios gesserunt.
Spurius Tarpeius, que comandava a cidadela de Roma, tinha uma filha
Tarpéia, que era vestal.
b) Quondam Tarpeia aquam ad ritos extra muros oppidi petivit.
c) Rex Saibnorum, ut puellam vidit, ad eam accessit et aurum promisit.
Ele esperava que, seduzida por essa promessa, Tarpéia lhe abrisse a
cidadela.
d) Filia Spurii Tarpeii aureas militum armillas proposcit et sabinos in oppidum
duxit.
e) Ita patrem et patriam prodidit.
f) Itaque non solum rex sabinorum aurum et armillas non dedit, sed etiam
milites Sabini eam interfecerunt.
g) Nam rex: “Patrem et patriam, inquit, pordidisti”.
h) Milites in eam scuta jecerunt.

Vocabulário:
a) rapio, is, ere, rapui, raptum = raptar / gero, is, ere, gessi, gestum = fazer
b) quondam = um dia / peto, is, ere, ivi, itum = procurar, ir procurar
c) rex (nom. sg.) = rei / eam (acus. Sg. – pron. Oblíquo) = ela / ut = quando / video, is, ere,
vidi, visum = ver / accedo, is, ere, cessi, cessum = chegar, aproximar-se / promito, is, ere,
misi, missum = prometer
d) aureus, a, um = de ouro / armilla, ae = bracelete / posco, is, ere, poposci -- = exigir, pedir /
duco, is, ere, duxi, ductum = conduzir / militum (genitivo plural de 3 a Dec.)= soldados
e) ita = assim / patrem (acus. Sg. 3a Dec.) = pai / prodo, is, ere, didi, ditum = trair, entregar
f) itaque = por isso / non solum ... sed etiam = não só ... mas também / do, as, are, dedi,
datum = dar / milites (nom. pl. 3 a Dec.) = soldado / eam (acus. Sg. – pron. Oblíquo) = a /
interficio, is, ere, feci, fectum = matar
g) nam = pois / inquit = disse
h) in (prep. de acus.) = contra / scutum, i = escudo / jacio, is, ere, jeci, jactum = lançar
i)
Verbo ESSE

Pretérito Perfeito do Indicativo


(Fui, estive, houver, tive)
Fui
Fuisti
Fuit
Fuimus
Fuistis
Fuerunt
Exercícios:
1- Passa para o latim:
a) O senhor do escravo fixa o castigo. (decerno, is, ere, crevi, cretum / poena, ae)
b) Tu venceste. (vinco, is, ere, vici, victum)
c) Os homens raptam a moça.
d) Tu defendeste tuas filhas. (defendo, is, ere, fendi, fensum – tuus, a, um)
e) Rômulo foi um homem célebre. (clarus, a, um)

2- Isola o radical, a terminação, dá a desinência verbal e traduze:


Radical Desinência verbal Tempo verbal Traduza
a) defendisti
b) timuit
c) amavimus
27
d) audiverunt
e) cepistis
f) pugnavit
g) dedimus
h) fecerunt
i) constituistis
j) vicisti
k) habui

3- Coloca no perfeito o texto “O Rapto das sabinas”; frases 4 a 10:


4- Usa a forma de pretérito perfeito que convier:
a) Petrus et Paulus in horto ................................. puerum. (video, es, ere, vidi, visum)
b) Petrus II per duodequinquaginta annos .......................... . (regno, as, are, avi, atum)
c) Dominus villae vulpeculam ............................... . (fugo, as, are, avi, atum)
d) Roma populos vicinos ................................ .(vinco, is, ere, vici, victum)
e) Servus equis aquam ............................... . (apporto, as, are, avi, atum)
f) Ovidius amicis suis epistulas ........................ . (mitto, is, ere, misi, missum)

Tradução 4: Data de entrega: ..... / ......

Ad fluvium

Ad fluvium invenit lupus tenerum agnum. Lupi semper irati sunt atque famelici.
Falsa verba lupus contra dicit timidum agnum. Frustra verba frivola negat agnus.
Sed saepe nequitia verum argumentum vincit. Tum lupus prandium gratum facit.
Optimum est tenerum agnum degustare – exclamat improba gula.
Multi iniqui viri et feminae – sic scribit Phraedus poeta – falsas causas inveniunt,
et per dolum justos opprimunt.

De gustibus non est disputandum


(Sobre gosto não se discute)

Caso Ablativo
É o caso dos adjuntos adverbiais não preposicionados ou regidos por preposição especiais, do
agente da passiva, do complemento de comparação, do sujeito de particípio em orações
reduzidas (Ablativo absoluto).
(Cardoso, Zélia de Almeida. Iniciação ao Latim - Série Princípios. São Paulo, Ática, 1989)

1a Declinação 2a Declinação
Singular Plural Singular Plural
Nominativo -a -ae Nominativo -us, -er, ir / -um (N) -i / -a (N)
Acusativo -am -as Acusativo -um / um (N) -os / -a (N)
Genitivo -ae -arum Genitivo -i - orum
Dativo -ae -is Dativo -o - is
Ablativo -a -is Ablativo -o -is

Preposições:
 Algumas preposições que regem Acusativo:
1) Ad (indica proximidade) = para, até, junto de, 4) Apud = junto de, em casa de.
em direção a, perto de.  Cenat apud filium = Janta na casa do filho.
 Ad rivum manet = Permanece perto do rio.
 5) Ante = diante de, antes de.
 Ante domum = Diante da casa.
 It ad templum = Vai para o templo
6) Contra = contra.
28
 Romani contra gallos pugnant. = Os romanos
2) Per = por, por meio de, através de, durante. lutam contra os gauleses.
 Per lacrimas vir dolorem ostendit. = Através das
lágrimas o homem mostra a dor. 7) Post = depois, após
 Post mortem. = Após a morte.
3) Inter = entre, no meio de. 8) Trans = além de.
 Inter amicos vivit = Vive entre amigos.
 Trans montes = Além dos montes.

 Algumas Preposições que regem ablativo:


1) A / Ab = de, desde (de perto de) , por (agente da passiva).
 Redeo ab oppido. = Volto da cidade.

2) E / Ex = de (de dentro de)


 Redeo ex oppido. = Volto da cidade.
3) De ( de cima para baixo) = de, desde, a respeito de, sobre.
 Descendit de lectulo. = Desceu do leito.

4) Cum (indica companhia) = com.


 Ambulat cum filio. = Caminha com o filho.

5) Sine = sem.
 Vir sine amicis est. = O homem está sem amigos.

“IN” – Preposição de regência dupla


 In + acusativo (idéia de movimento) =  In + ablativo (idéia de permanência em
para, para dentro de. algum lugar) = em.
Ex.: Ambulat in Galliam = Caminha para a Ex.: cenat in oppido = Janta na cidade.
Gália.

Ablativo sem Preposição


Geralmente indica causa, meio e instrumento.

Exercícios:
1- Traduze:
a) Agricola in campo erat.
b) Poeta narrat Minotaurum in labyrinthum vivere.
c) Multi poetae non sub stellis vivunt.
d) In principio Deus creat caelum et terram.
e) Sub caelo sereno poeta lunam et stellas cantabat.
f) Agricola dicit apros multos in silva esse.
g) Rusticus in animo habet in oppido vivere.
h) In agro rusticus matura poma legebat.
i) Bonum est in jucundo otio vivere.
j) Sub imperio tyrannico vivere molestum est.

Tradução 5: Data de entrega: ..... / ......

Apud Amicas

Europa, formosa puella, amicas visitat. Optimum est


apud veros amicos esse. Sic Europa valde gaudet.
Nunc puellae per oram ambulant. Caelum serenum
est et placidae undae albam arenam mulcent. Laetae puellae
libenter cantant, ludunt et rident.
29
Subito autem taurum album prope aquam videt.
Taurus, magna bestia, puellas praeter Europam terret. Vero
taurus immensus est, inquit Europa, sed minime periculosus;
ad taurum vado. Animosa puella in taurum irruit; mox super
tergum sedet.
Taurus aquam intrat et puellam in altum oceanum
portat. Frusta flet clamatque Europa. Per multas horas taurus
natat et Europam in Cretam portat.
Subito autem taurus non iam est, sed deus! Cur
doles? Quid times? Juppiter ego sum. Beata puella es, quia
hodie sum, et in perpetuum, maritus tuus.

Exercício de Ablativo – Passa para o latim:


a) Os habitantes da cidade observavam de um alto muro.
[incola, ae / oppidum, i / specto, as ,are, avi, atum / altus, a, um / murus, i ]

b) Homero, poeta grego, conta sobre a guerra troiana.


[Homerus, i / poeta, ae / graecus, a, um / narro, as, are ... / bellum, i / troianus, a , um ]

c) Dédalo primeiro andava na Ática, depois navega para Creta.


[Daedalus, i / primo / erro, as, are, ... / Attica, ae / deinde / navigo, as, are ... / Creta, ae ]

d) O avô encantou as meninas com as novas fábulas.


[avus, i / delecto, as, are, ... / novus, a, um / fabula, ae ]

e) O menino desceu o muro. [ descendo, is, ere, di, sum ]

f) O escravo da casa matou uma cobra com o cajado.


[domus, i / neco, as, are, avi, atum / colubra, ae / baculus, i ]

g) O corvo roubou o queijo da janela da casa do agricultor.


[corvus, i / rapio, is, ere, ui, raptum / caseus, i / fenestra, ae ]