Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA - PPGS


PROGRAMA DA DISCIPLINA REDES, SOCIABILIDADES E PODER.
Professor Breno Augusto Souto Maior Fontes

O fenômeno “redes”, em uma primeira definição, pode ser compreendido a


partir da leitura de processos interativos estruturados em um conjunto de nós
(atores) conectados entre si. Diferindo diretamente da noção de interação
social (que tem o campo restrito de análise das díades) as redes incorporam
noções tanto de práticas dos atores, orientados a partir de seus interesses,
como também a partir das posições destes atores na estrutura reticular, que
possibilitam chances mais ou menos importantes no processo de alocação de
recursos.
Esta definição é suficiente ampla para que alguns cientistas incorporem ao
fenômeno reticular – com as ressalvas das orientações de ação de atores
movimentos por desejos, interesses e paixões, que são restritas a campos
reticulares de origem nas interações entre humanos – a uma gama importante
de fenômeno, muitos deles não inscritos necessariamente no campo social.
Assim, fala-se de estruturas de redes de alimentação, redes neurais, redes de
comunicação, redes de transporte....
O curso a ser oferecido pretende oferecer aos inscritos uma visão mais ampla
da ideia de redes sociais, a partir da ideia do pensamento relacional, que tem
sido objeto de atenção de diversas disciplinas acadêmicas, como a economia,
a ecologia, a ciência política. Há alguns que falam em novo paradigma, ou
guinada paradigmática – algo como uma abordagem que seja mais competente
na análise de fenômenos complexos, principalmente a partir da expansão das
redes mediadas pela internet – outros afirmam que, na verdade, esta
abordagem já vem sido trabalhada há algum tempo nas ciências sociais.
Pretendemos apresentar aos inscritos uma visão retrospectiva da ideia de
redes, a partir de três pontos centrais: (a) que as análises que privilegiam o
fenômeno reticular não são recentes, e que é importante resgatar algumas
mais centrais que existiam antes da grande mudança teórico-metodológica
proporcionada pela Análise de Redes Sociais (ARS); (b) que os cientistas
sociais que fazem uso do instrumento teórico das redes empregam diversas
soluções metodológicas que incluem análises qualitativas (fenomenologia,
etnografia, etnometodologia, ground analysis, entre outras), quantitativas
(principalmente a partir do instrumental metodológico fornecido pela ARS), ou
mistas; (c) que é inegável a grande revolução de pesquisa nas ciências sociais
provocadas pelo advento da informática. Relativamente à análise de redes
sociais, diversos softwares foram lançados no mercado a partir do final da
década de 1990, proporcionando aos cientistas sociais poderosos instrumentos
de pesquisa.
A partir destas considerações preliminares, propomos o curso sobre redes
organizado a partir de três campos principais:
(a) Orientações teóricas para a pesquisa em redes sociais.
(b) A Análise de Redes Sociais (ARS)
(c) Caminhos metodológicos: alguns exemplos de pesquisas empíricas
utilizando-se do paradigma das redes sociais.
O curso será organizado em seminários semanais, com participação dos
alunos na discussão dos temas propostos. Para cada tema será distribuída
uma bibliografia básica, norteadora das discussões, e um conjunto de textos
suplementares. Serão distribuídas durante o semestre 15 sessões semanais,
com carga horária total de 60 horas. As temáticas a serem discutidas estão
abaixo descritas:

1. O pensamento relacional na sociologia: primeiras aproximações


2. A sociologia relacional de Georg Simmel
3. Mauss e o fato social total: espaços complexos de campos reticulares
4. O manifesto de Mustafa Emirbayer: entre o ator e a estrutura.
5. A sociologia relacional de C. White
6. Realismo crítico e sociologia relacional
7. Bruno Latour e a sociologia relacional
8. Primeiras aproximações de uma ciência da complexidade – A análise
de Redes Sociais
9. A análise de redes sociais: alguns conceitos centrais
10. A análise de redes sociais: alguns conceitos centrais
11. Construindo uma sociologia reticular: aproximações metodológicas
12. Exemplos de pesquisas sobre redes: redes sociais e saúde
13. Exemplos de pesquisa sobre redes: capital social
14. Pesquisa sobre redes: associações voluntárias
15. Pesquisa sobre redes: comunidades virtuais

BIBLIOGRAFIA PRELIMINAR

ARCHER, Margaret. Structure, Agency and the Internal Conversation.


Camdrige, UK, Cambridge University Press, 2003
BARABÁSI, Albert-László. Linked. How Everything is Connected to Everything
Else and What It Means for Business, Science and Everyday Life. New York:
Penguin Books Ltd., 2003.
BOTT, Elizabeth. Family and Social Network: Roles, Norms, and External
Relationships in Ordinary Urban Families. London, Tavistock Publications
Limited, 1957.
DÉPELTEAU, François. The palgrave Handbook of relational Sociology. Cham,
Palgrave, 2018
DONATI, Pierpaolo; ARCHER, Margaret. The relational Subject. Cambridge,
UK,Cambridge University Press, 2015
DONATI, Pierpaolo. Relational Sociology: A new Paradigm for the social
sciences. London, Routledge, 2012
HARDY, Melissa; BRYMAN, Alan. Handbook of Data Analysis. London, Sage
Publications, 2004.
BREIGER, R. L. et al. Social control and social networks: a model from Georg
Simmel. London, Cambridge University Press, 1990.
CASTELLS, Manuel. The rise of the network society. Cambridge, MA,
Blackwell, 1997.
CHRISTAKIS, Nikolas. Connected: the surprising Power of our social networks
and how they shape our lives. New York, Little Brown Co, 2009
COLEMAN, James S. Social Theory, Social Research and a Theory of Action.
The American Journal of Sociology, v. 91, n. 06, p. 1309-1335, May 1986.
DEGENNE, A.; FORSÉ, M. Les réseaux sociaux. Une analyse structurale en
Sociologie. Paris, Armand Colin, 1994
DONATI, Pierpaolo. Teoria Relazionale della Società. Milano, Francoangeli,
2008.
EMIRBAYER, Mustafa. Manifest for a relational sociology. The American
Journal of Sociology, v. 103, n. 2, p. 281-317 Sep. 1997.
EMIRBAYER, Mustafa. Network analysis, Culture and the Problem of Agency.
The American Sociological Review, v. 99, p. 411-1454, May 1994.
FONTES, B. A. S. M., EICHNER, Klaus. Sobre a Estruturação de Redes
Sociais em Associações Voluntárias: Estudo empírico de Organizações Não
Governamentais da cidade do Recife. Sociedade e Estado, v. 16, p. 186-221,
2002.
FONTES, Breno Augusto; MARTINS, Paulo Henrique. Construindo o conceito
de rede de vigilância em Saúde. In: ______Redes Sociais e Saúde. Recife,
Editora da UFPE, 2006.
FONTES, B. A. S. M. Redes Sociais e enfrentamento Psíquico: sobre como as
pessoas reconstroem suas vidas. In: FONTES, Breno; DA FONTE, Eliane.
(Orgs.). Desinstitucionalização, Redes Sociais e Saúde Mental: Análise de
experiências da Reforma Psiquiátrica em Angola, Brasil e Portugal. Recife,
UFPE, 2010.
FONTES, Breno Augusto. La formation du capital social dans une communauté
à faible revenu cellule. GRIS, n. 10 p. 191-208, 2004
FONTES, Breno Augusto. Redes Sociais e Poder local. Recife, Editora da
UFPE, 2012
FONTES, Breno Augusto. Redes, práticas associativas e poder local. Curitiba,
Editora Appris, 2011
GRANOVETTER, Mark. Economic Action and Social Strcuture: The Problem of
Embeddedness. American Journal of Sociology, v. 91, p. 481-510, Nov. 1985.
GRANOVETTER, Mark. The Strength of weak Ties. American Journal of
Sociology, v. 78, 1973.
HANNEMAN, Introduction to Social Network Methods. [s/d] Disponível em:
<:http://faculty.ucr.edu/~hanneman/nettext/Introduction_to_Social_Network_Met
hods.pdf>.
SCOTT, John; CARRINGTON, John (edts). The Sage Handbook of Social
Network Analysis. London, Sage, 2011
STEGBAUER, Christian; HÄUSSLING (Hrsg). Handubuch Netzwerkforschung.
VS Verlag, Wiesbaden 2010,
STEGBAUER, Christian. Netzwerkanalyse und Netzwerktheorie. Wiesbaden,
VS Verlag für Sozialwissenschaften, 2008.
STEGBAUER, Christian (Hrsg) Handbuch Netzwerkforschung. Wiesbaden, VS
Verlag für Sozialwissenschaften, 2010.
HOLLSTEIN, Bettina; STRAUSS, lorian. (Hrsg.) Qualitative
Netzwerkanalyse. Wiesbaden, VS Verlag für Sozialwissenschaften, 2006
LAZEGA, E. Réseaux sociaux et structures relationnnelles. Paris, Presses
Universitaires de France, 1998. (“Que Sais-Je” Collection, n. 3399
MIZRUCHI, Mark S. Social network analysis recent achievements and current
controversies. Acta Sociologica, v. 37, p. 329-343, 1994.
LATOUR, Bruno.
MOLINA, Jose Luis. El análisis de redes sociales: Una introducción. Edicions
Bellaterra, Barcelona, 2000.
MOEBIUS, Stephan. (2002) Simmel Lesen Moderne, Dekonstruktive und
Postmoderne Lektüren der Soziologie von Georg Simmel. Stuttgart
PRECOSOLIDO, Bernice A.; RUBIN, Beth. The web of group affiliation
revisited: social life, postmodernism, and sociology. American Sociological
Review, v. 5, p. 52-76, Feb. 2000.
PUTNAM, Robert D. Bowling alone the collapse and revival of American
community. New York, Simon & Schuster, 2000.
SCOTT, John. Social Network Analysis: a Handbook. London, Sage
Publications, 1997.
SIMMEL, Georg. (1988) La tragédie de la Culture et autres essais. Paris,
Editions Rivages.
SIMMEL, Georg. Philosophische Kultur. Frankfurt am Main, Zweitausendeins
SIMMEL, Georg. (1964) Conflict and the Web of Group-Affilitations. New York,
The Free Press.
SIMMEL, Georg. How society is possible? American Journal of Sociology, v. 16,
1910/1911.
SIMMEL, Georg. Sociologie : Etudes sur les formes de la socialisation. Paris,
PUF, 1999
VARANDA, Marta; REGO, Raquel; FONTES, Breno. A análise de
redes sociais em língua Portuguesa. INSNA – International Network for Social
Network Analysis. SUNBELT XXX, Riva Del Garda (TN), Italy, 2010.
WELLMAN, Barry. The community question: The Intimate Networks of East
Yorkers. American Journal of Sociology, n. 84, p. 1202 – 31, Mar. 1979
WHITE, Harrison. Identity and control. A structural theory of social action.
Princeton, NJ, Princeton University Press, 1992

Você também pode gostar