Você está na página 1de 7

ISO 55000:

Saiba como
implementar
a gestão de ativos
na sua empresa
ISO 55000:
Saiba como implementar a gestão de ativos na sua empresa
Considerada um divisor de águas na história da gestão controle de custos e otimizar o desempenho.
de ativos, a série ISO 55000, lançada em 2014, definiu
um padrão global que permite o gerenciamento de As normas ABNT ISO 55000 são
ativos de forma consistente e sustentável ao longo do consideravelmente mais abrangentes que a
tempo, reduzindo custos com manutenções, períodos de antiga PAS-55, que durante anos foi a única
inatividade e aumentando a eficiência operacional. referência para as práticas de gestão de
ativos físicos. Apesar de ter evoluído do
Apenas alguns dias após o lançamento da ISO 55000 padrão britânico, a ISO 55000 foi além da
e duas outras normas – ISO 55001 e 55002 –, que PAS-55 por trazer um conjunto de padrões
complementam a série, as normas ABNT ISO 55000, 55001 internacionais para a gestão de ativos
e 55002, adaptadas ao cenário brasileiro, também foram físicos ao longo de todo o ciclo de vida
apresentadas. A primeira especifica os requisitos para do ativo, dando apoio às empresas para
estabelecer, implementar e manter o sistema de gestão atuar de forma mais efetiva, segura e
de ativos da empresa, enquanto a segunda e a terceira econômica – consequentemente com
oferecem diretrizes para a aplicação do sistema. maior nível de confiabilidade.

Esse conjunto de normas é que vai direcionar uma gestão Continue acompanhando nosso
de ativos eficiente, permitindo que a empresa implante e-book e saiba mais sobre os
um processo sistemático e coordenado para gerenciar de conceitos mais importantes da
forma otimizada e sustentável seus ativos, sistemas de ISO 55000, bem como um guia de
ativos, desempenho, riscos e ciclo de vida. como implementar a gestão de
ativos na sua empresa.
A ISO é aplicável a qualquer tipo de organização,
independentemente da sua dimensão e dos ativos geridos.
Para empresas que buscam padrões internacionais e atuam
em mercados competitivos, a implementação da gestão de
ativos de acordo com a ISO é fundamental, pois significa
seguir um padrão internacional para obter valor, garantir o

Coleções de normas brasileiras ISO 55000

ABNT NBR ISO 55000


Gestão de ativos – Visão geral, fundamentos e terminologia: definição de ativos,
gestão de ativos e sistema de gestão de ativos no sentido mais amplo

ABNT NBR ISO 55001


Requisitos para sistema de gestão de ativos: requisitos necessários para um
sistema de gestão de ativos integrado

ABNT NBR ISO 55002


Guia para implantação do sistema de Gestão de Ativos conforme o ciclo
PDCA (planejar, desenvolver ou executar, verificar e agir).
Principais conceitos da ISO 55000

A ISO 55000 encoraja os gestores a terem uma visão mais ampla de seus ativos, considerando sua contribuição
para os objetivos do negócio. Por isso, é fundamental que a gestão de ativos e o planejamento da manutenção
estejam alinhados aos objetivos estratégicos antes de definir qualquer solução.

Além dos tradicionais KPIs de gestão de ativos, como RAV e nível de disponibilidade, existem três conceitos
importantes que devem ser considerados na implementação da gestão de ativos de acordo com a ISO 55000.
Veja a seguir:

1. Custo total de propriedade


O Custo Total de Propriedade é uma análise que deve levar em conta todos os custos relacionados à
propriedade e operação de um ativo. A ISO 55000 encoraja as empresas a observarem os custos de uma
perspectiva do ciclo de vida, incluindo, por exemplo, custos de compra, instalação, operação, manutenção
e outros.

2. Gestão de riscos para proteger ativos e o negócio


A ISO 55000 determina que cada decisão deve se basear em uma avaliação de riscos. Portanto,
é fundamental contar com uma estratégia de gestão de riscos para avaliar possíveis caminhos
considerando as consequências dos incidentes e a probabilidade de ocorrerem.

3. Otimização contínua
Outro princípio importante da ISO 55000 é a sua otimização contínua, que precisa ser avaliada
de tempos em tempos, de acordo com a evolução do negócio, para acompanhar as necessidades
do mercado.

Termos e definições conforme a ABNT NBR ISO 55000:2014

Ativo: item, algo ou entidade que tem valor real ou potencial para uma organização

Organização: pessoa ou grupo de pessoas que tem suas próprias funções com
responsabilidades, autoridades e relacionamentos para atingir seu objetivo

Portfólio de ativo: ativos que estão dentro do escopo do sistema de gestão de


ativos

Sistema de gestão de ativos: sistema de gestão para a gestão de ativos cuja


função é estabelecer a política de gestão de ativos e seus objetivos

Gestão de ativos: atividade coordenada de uma organização para obter


valor a partir dos ativos
Principais benefícios de uma gestão
de ativos eficiente

A implementação de um sistema de gestão de ativos baseado na ISO


55000 é uma decisão estratégica para a empresa, equilibrando custos e
riscos e aumentando a qualidade do serviço e o desempenho operacional.

Se ainda resta dúvidas das vantagens de estar de acordo com um


padrão internacional para manter a competitividade do negócio, antes de
entendermos implementar a gestão de ativos no seu negócio, veja a seguir
alguns dos principais benefícios de dar início a essa ação na sua empresa:

Melhor desempenho financeiro


Melhore o ROI e reduza custos, preservando, ao mesmo tempo, o valor dos ativos
sem sacrificar a realização em curto ou longo prazo dos objetivos internacionais

Melhores decisões de investimento


Otimize a tomada de decisão e equilibre os custos, riscos, oportunidades e o
desempenho

Redução de riscos de gestão


Melhore a saúde, a segurança, a boa vontade e a reputação do seu negócio por meio da
redução do impacto ambiental e social – resultando em passivos reduzidos, como multas
e penalidades

Melhores serviços e saídas


Assegure o desempenho dos ativos e gere serviços e produtos que atendam e superem as
expectativas de clientes e stakeholders

Demonstração de responsabilidade social


Melhore a capacidade da organização de reduzir emissões, conservar recursos e se adaptar às
mudanças climáticas por meio de práticas empresariais socialmente responsáveis

Demonstração de conformidade
Ofereça transparência na conformidade com requisitos legais, estatuárias e regulamentares,
aderindo a padrões, políticas e processos

Melhor reputação
Satisfaça o cliente e os stakeholders e aumente a confiança

Mais sustentabilidade organizacional


Gerencie efeitos de curto e longo prazo, despesas e desempenho para melhorar a sustentabilidade das
operações da organização

Maior eficiência e eficácia


Reveja e melhore processos, procedimentos e desempenho de ativos para melhorar a eficiência e a eficácia,
e a realização dos objetivos organizacionais

Agora que você conhece os benefícios de uma gestão de ativos eficiente, continue acompanhando o e-book e
veja nossas dicas para implementá-la.
1. Planeje a gestão de ativos na empresa
Nessa primeira etapa, é preciso abordar o planejamento para implantar
o sistema de gestão de ativos, o conhecimento e as ferramentas
necessárias. Neste cenário, estabelece-se o escopo do sistema de
gestão de ativos e sua abrangência dentro da empresa.

O primeiro passo é entender o contexto da organização, identificando


questões externas e internas que afetam a realização dos objetivos
organizacionais e do sistema de gestão de ativos, por meio de perguntas
como:

• O que gera valor para a empresa?


• Qual é o foco do seu negócio?
• Quais são os resultados esperados?

Depois disso, é importante entender as expectativas e requisitos de cada


stakeholder, como cada item interage com o sistema e quais são os objetivos mais
importantes a serem considerados.

Para determinar o escopo do sistema de gestão de ativos, deve-se ter uma lista dos
ativos que vão ser tratados pelo sistema, e estes vão fazer parte do portfólio de ativos
a ser considerado. Todos os ativos que não estiverem no escopo podem ou não ser
tratados.

O escopo também deve cobrir processos internos e funções que fazem interface com
fornecedores externos, serviços terceirizados e transações nacionais ou internacionais,
além de incluir localizações geográficas e prazos. Com isso, é possível determinar o
conjunto de processos, denominado sistema de gestão de ativos, por meio da identificação
e especificação de cada processo usado na gestão de ativos.

2. Execução dos objetivos da gestão de ativos

Os objetivos da gestão de ativos são especificados e derivados como parte do Plano Estratégico
de Gestão de Ativos, definido no estágio de que falamos anteriormente.

Entre as questões típicas abordadas por esses objetivos estão, no caso da gestão de ativos, os
conceitos de que falamos anteriormente, como custo total de propriedade, retorno sobre o capital
investido e nível de serviço, disponibilidade do sistema de ativos e custo unitário do produto ou
serviço, no caso dos sistemas de ativos, ou ainda confiabilidade, RAV e custo do ciclo de vida, no caso
dos ativos.

As etapas que dizem respeito à aquisição de ativos também são importantes, pois impactam diretamente
no ciclo de vida dos equipamentos e, por isso, devem ser revistas periodicamente com base nas informações
de desempenho dos ativos em operação e com base na necessidade de atualização tecnológica.

A especificação de cada novo ativo deve considerar normas e padrões da empresa, e a rotina do negócio
deve incluir ainda a avaliação e a otimização contínua de normas, padrões e especificações que precisam do
alinhamento de difere e a rotina deve incluir uma revisão contínua de normas, padrões e especificações que
devem ser alinhadas entre as diferentes áreas de gestão de ativos, levando em consideração desempenho,
custo e risco.
3. Gestão de riscos
Uma boa gestão de ativos sempre deve estar associada a uma estratégia eficiente de gestão de riscos. Entender
todas as possíveis causas, efeitos e probabilidades de falhas críticas ou de baixa criticidade é fundamental para
garantir bons níveis de disponibilidade, evitar paralisações e uma série de riscos ao negócio que podem gerar altos
custos.

As falhas consideradas críticas, segundo o relatório original que produziu o Reliability-Centered Maintenance
(RCM), são aquelas que impactam consideravelmente a segurança. Trata-se de falhas que vão causar às
empresas consequências altamente impactantes para o negócio, algo que pode variar de acordo com o setor.

No caso do setor de óleo e gás, por exemplo, uma falha relacionada à segurança certamente é considerada
crítica. Por outro lado, no setor farmacêutico as falhas críticas provavelmente estão relacionadas à capacidade
da produção de estar em conformidade com a regulamentação local. Ou seja, a gestão de ativos, por meio
da gestão de riscos, permite à empresa entender as potenciais perdas das falhas em seus equipamentos.

Uma boa maneira de começar é analisando os riscos de cada um dos ativos do portfólio, classificando-os
em diferentes níveis e determinando as ações a serem tomadas em cada nível de criticidade. No caso
dos riscos mais críticos, por exemplo, é fundamental determinar a existência de estratégias ou tarefas
de manutenção para evitar a falha ou reduzir seu nível de criticidade.

Por outro lado, para as falhas com baixo nível de criticidade, cujas consequências para as operações
são leves e, em alguns casos, aceitáveis, outras estratégias podem ser definidas, como sinalizações
e avisos, estratégias para evitá-las e definição de procedimentos e controles.

4. Monitoramento da operação

Nesta etapa, avalia-se a operação, controla-se processos e monitora-se os riscos com o apoio
dos gestores para garantir que o planejamento definido seja colocado em prática e atenda as
expectativas de cada área do negócio e dos diferentes stakeholders.

Isso é feito por meio do acompanhamento de métricas para medição do desempenho


financeiro da gestão de ativos. Nesta etapa, é fundamental adotar indicadores alinhados
com os objetivos estratégicos da empresa e que sejam implantados em todos os níveis da
organização.

As auditorias internas são bons instrumentos para assegurar que a gestão de ativos
esteja de acordo com as necessidades da organização, podendo identificar falhas nos
procedimentos e oportunidades de melhorias.
5. Otimização contínua
É fundamental contar com políticas de gestão e manutenção capazes de dar suporte a uma otimização contínua
da estratégia de gestão de ativos, buscando novas maneiras de aumentar a eficiência e reduzir os custos com
manutenção, considerando aspectos como custos operacionais, riscos de falhas, impacto das falhas (com o
apoio da gestão de riscos) e o retorno financeiro ao longo do ciclo de vida dos ativos – considerando o nível de
desempenho e o custo de manutenção de cada equipamento.

Para tomar as melhores decisões, é fundamental contar com tecnologias que possibilitem o monitoramento das
condições dos ativos, oferecendo dados de inspeções e manutenções, bem como registros de falhas e outras
informações sobre o estado dos equipamentos. Com essas informações, é possível otimizar continuamente a
estratégia para reduzir cada vez mais o número de falhas e melhorar a estratégia de manutenção, evitando,
por exemplo, as sessões de manutenção preventiva desnecessárias.

Por meio do monitoramento do estado dos ativos, é possível estabelecer critérios para realizar identificações
e análises e descobrir, de maneira mais específica, a origem das falhas e eliminá-las. Uma delas é
estabelecer critérios por meio de gatilhos necessários para realizar a análise da origem da falha como,
por exemplo, a frequência de eventos específicos que geralmente antecedem o problema, como aumento
de temperatura da máquina ou vibrações.

Uma estratégia de monitoramento do estado do ativo permite aos responsáveis pelas manutenções
avaliarem o significado de cada evento de maneira contínua, ou ainda contar com soluções de análise
de dados capazes de interpretar essas informações para sugerir otimizações.

Veja como a Atech pode ajudar


Por meio da plataforma OKTO, a Atech, empresa do Grupo Embraer que acumula mais de uma
década de conhecimento estratégico adquirido com a atuação nos mercados de Defesa e
Controle de Tráfego Aéreo, oferece uma série de soluções para Gestão de Ativos que integram
tecnologia e décadas de conhecimento estratégico e operacional.

Capaz de operar globalmente, o OKTO torna a gestão de ativos mais eficiente e confiável,
reduzindo os ciclos dos processos e facilitando o monitoramento das condições dos ativos
minuto a minuto.

A Solução OKTO para Gestão Estratégica de Ativos Powered by Orion eAPI atua como uma
poderosa ferramenta de consolidação e análise, transformando dados em informações
para embasar decisões estratégicas relacionadas à gestão de ativos e alinhadas com
as diretrizes da ISO 55000, e levando sua estratégia de gestão de ativos ao próximo
nível para criar operações de alta eficiência por meio da unificação de dados de
múltiplos sistemas, instrumentos e bancos de dados.

Para conhecer melhor o portfólio da


Atech para sua empresa, entre em
contato conosco: (11) 3103-4600

Você também pode gostar