Você está na página 1de 19

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM

INDUSTRIAL

Faculdade SENAI Gaspar Ricardo Junior- CFP 4.02

SOROCABA - SP

CURSO: Tecnologia em Fabricação Mecânica

Notas de Aula
“Física”

Professor: M.Sc. Diego Aparecido Carvalho Albuquerque


diego.albuquerque@msn.com

Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 1


Vetores e Escalares
Definição de Escalar: è toda grandeza física que necessita de
apenas um módulo (valor + unidade de medida) para ser
completamente caracterizada.
Exemplos de grandezas Escalares:
♦Tempo, Temperatura, Massa, Energia, Corrente elétrica, etc.
Os escalares por serem simples números, obedecem a álgebra
que estamos acostumados a utilizar.
Definição de Vetor: é toda grandeza física que necessita de
um módulo uma direção e um sentido para ser completamente
caracterizada.
Exemplos de grandezas Vetoriais:
♦ Deslocamento, Velocidade, Força, Campo elétrico, etc.
Os vetores seguem regras de soma, subtração, multiplicação,
diferentes dos escalares, as quais veremos a seguir.
Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 2
Representação:
Os escalares são representados por uma simples letra.
Exemplo: T( representa o escalar temperatura), M (massa), etc
Os vetores são representados por uma letra em negrito ou por
uma letra com uma flecha em cima.
Exemplo: F ( representa o vetor força), V (velocidade),etc
O módulo de um vetor é representado por |F| ou F.

Geometricamente um vetor pode ser representado por


uma flecha.
O tamanho desta é proporcional ao módulo do vetor, o
ângulo que a flecha forma com um eixo de referência nos
fornece a direção do vetor, e o sentido do vetor e dado pela
extremidade da flecha. Veja figura:
Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 3
A figura mostra como uma
flecha, pode ser usada para
representar um vetor. O seu
tamanho é proporcional ao
módulo do vetor. O ângulo de
45º nos fornece a direção e a
extremidade da flecha nos
indica o sentido do vetor.
Soma e Subtração de Vetores: Método Geométrico.
Soma: Dois ou mais vetores podem ser somados geometricamente,
simplesmente deslocando os vetores, sem mudar sua direção e
sentido, fazendo com que a origem de um coincida com a
extremidade do outro. O vetor soma ou resultante é obtido unindo-
se a origem do primeiro com a extremidade do último vetor, como
mostra figura:
Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 4
A figura mostra como
podemos somar
geometricamente
vetores.
Em (a) somamos os
vetores A e B e em (b)
somamos três vetores A,
B e C.
Oposto de um Vetor: è um vetor que possui o mesmo módulo
e direção, porém sentido trocado, veja:

Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 5


Subtração:
Para subtrairmos geometricamente um vetor de outro, usamos
o mesmo método da soma, porém devemos antes criar o
oposto do vetor que desejamos subtrair. Feito isso, a subtração
é feita somando-se o vetor com o oposto do outro. Veja figura:

O vetor subtração ou diferença d é indicado na figura (b)


Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 6
Algumas Propriedades:
a) Lei Comutativa: a + b = b + a
b) Lei associativa: d + ( e + f ) = ( d + e ) + f

Veja figura:

Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 7


Componentes de Vetores
A figura mostra um vetor a cuja origem coincide com a
origem de um sistema de coordenadas retangular. Se
desenharmos perpendiculares da ponta de a aos eixos, as
grandezas ax e ay assim formadas são chamadas de
componentes cartesianas do vetor a.
Este processo é chamado
decomposição ou projeção de um
vetor em suas componentes, veja a
figura. As componentes do vetor
assim obtidas podem ser positivas,
negativas ou nulas.
Em (a) as componentes são positivas
e em (b) temos uma componente
negativa bx e uma positiva by.
Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 8
Obs: Relações métricas num triângulo retângulo

Dado o triângulo abaixo, as funções trigonométricas seno, cosseno


e tangente, são definidas como:

cateto oposto b
sen θ = =
hipotenusa c
cateto adjacente a
cosθ = =
hipotenusa c
cateto oposto b
tgθ = =
cateto adjacente a
c = a + b Teorema de Pitágoras
2 2 2

Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 9


O valor das componentes ax e ay podem ser obtidos fazendo-se:

a x = a cos θ e a y = a sen θ
Uma vez que o vetor esteja decomposto
em suas componentes, podemos usá-las
para encontrar o módulo e a direção do
vetor, fazendo-se:

Modulo : | a |= a + a 2
x
2
y

ay
Direção : θ = arctg
Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012.
ax 10
Soma e Subtração de Vetores pelo Método das projeções:
Considere os vetores a e b, os quais desejamos soma-los,
usando o método das projeções.
Isso pode ser feito seguindo-se os passos:

1) Projete os
vetores e encontre
suas componentes;
ax e ay , bx e by,
conforme mostra a
figura.
Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 11
2) Encontre as
componentes resultantes
nas direções x e y, as quais
chamaremos de:
Rx= ax + bx
Ry= ay + by

3) Encontre o módulo Modulo : | R |= Rx2 + R y2


e a direção do vetor
Ry
resultante R, através Direção : β = arctg
das equações: Rx
Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 12
VETORES UNITÁRIOS
Quando decompomos um vetor em suas componentes, às
vezes é útil introduzir um vetor de comprimento unitário em
uma dada direção. Freqüentemente é conveniente desenhar
vetores unitários ao longo dos eixos de coordenadas
escolhidos. No sistema de coordenadas retangulares os
símbolos especiais i, j e k são usualmente utilizados para
indicar vetores unitários, nos sentidos positivos x, y e z
respectivamente, conforme mostra a fig.
Qualquer vetor
pode ser escrito
em termos dos
vetores unitários.
Veja os vetores a
e b.
Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 13
MULTIPLICAÇÃO DE VETORES
Como os escalares, vetores de diferentes tipos podem ser
multiplicados entre si para gerar grandezas com novas
dimensões físicas. Como os vetores possuem direção e sentido
além de módulo, a multiplicação vetorial não pode seguir as
mesmas regras algébricas da multiplicação escalar. Temos de
estabelecer novas regras:
1) Multiplicação de um vetor por um escalar: A multiplicação
de um vetor por um escalar tem significado simples: o produto
de um escalar c por um vetor a, escrito como c a, é definido
como um novo vetor cujo módulo é c vezes o módulo de a . O
novo vetor tem a mesma direção e sentido de a se c for
positivo e a mesma direção porém sentido oposto se c for
negativo.
Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 14
2) Produto Escalar: É quando multiplicamos dois vetores e o
resultado é um escalar. O produto escalar é definido como:

a⋅b = | a || b | cosθ
Onde: |a| e |b| são os módulos
dos vetores a e b e cosθ é o
co-seno do ângulo θ,
formado entre os vetores.

Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 15


3) Produto Vetorial: É quando multiplicamos dois vetores e o
resultado é um novo vetor. O produto vetorial de dois vetores
a e b é escrito como a × b e é um vetor c, onde c = a × b. O
módulo de c é definido por:

c =| a×b| =| a || b| senθ
Onde: |a| e |b| são os
módulos dos vetores a e b e
senθ é o seno do ângulo θ,
formado entre os vetores.

Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 16


A direção do vetor c obtido através do produto vetorial é sempre
perpendicular ao plano formado pelos vetores a e b e seu sentido é
dado pela regra da mão direita . Veja figura. Nesta regra devemos
desenhar os vetores a e b com origens coincidentes e imagine um
eixo perpendicular ao plano formado por a e b que passe pela
origem. Agora dobre os dedos da sua mão direita em torno desse
eixo, “empurrando” com a ponta dos dedos o vetor a sobre o vetor
b pelo menor ângulo possível entre eles e mantendo o polegar
estendido; o polegar apontará no sentido do produto vetorial a × b.

Regra da Mão
Direita

Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 17


Exercícios:
1) Com os vetores abaixo, encontre geometricamente os vetores:
a) R = A + B + C + D, b) S = A - B - C - D e c) Q = A - B + C - D

2) Dado os vetores abaixo encontre o módulo a direção e o sentido do


vetor soma, e faça um esboço do mesmo, nos seguintes casos:

Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 18


3) Encontre as componentes dos vetores
mostrados na figura ao lado. Encontre o módulo
do vetor soma e sua direção. Faça um esboço do
vetor soma. Escreva o vetor soma utilizando a
nomenclatura dos vetores unitários

4) São dados os vetores: a= 4i -3j+2k e b= -i +5j+3k. Encontre e


escreva em notação de vetores unitários os vetores: a) a + b ; b) a - b ,
c) um vetor c tal que a - b +c = 0.

Prof. M.Sc. Diego A. C. Albuquerque - Faculdade SENAI - 2º semestre de 2012. 19

Você também pode gostar