Você está na página 1de 122

Faculdade de Direito da Universidade Lusíada

Direito da actividade comercial

Titulo I
Parte geral
1. Evolução histórica do direito comercial
O direito comercial enquanto sistema normativo autónomo regulador da
actividade mercantil, surgiu na época medieval, por volta do século XII, na
Flandres em Itália.
O fraco poder político central e o desenvolvimento do comércio, associado às
corporações de mercadores, que tinham os seus estatutos e tribunais próprios
permitiu que os comerciantes se organizassem, controlando a produção,
distribuição comercial, passando então a ser a classe dominante. O direito
comercial surge assim criado pelos mercadores para regular as suas próprias
actividades.
O direito do comércio – ius mercatorum – surge assim, ajustado à realidade
mercantil adequada às suas características, contrapondo-se ao direito comum
romano-canónico.
O ius mercatorum, tinha como fontes:
- Costumes mercantis;
- Estatutos das corporações de mercadores;
- Jurisprudência dos tribunais consulares;

Pelo que ficou exposto, resulta que o direito comercial nasceu de uma raiz
subjectivista, uma vez que apareceu por iniciativa dos comerciantes para regular
as suas próprias actividades.
Mas o direito comercial pode também ser visto de um teor objectivista, se
atendermos ao acto em si, que será objectivamente comercial, independentemente
da qualidade das pessoas que os pratiquem.
Em Portugal, apesar da proximidade face à Catalunha e à França, nomeadamente
às feiras de Champagne e Lyon, o direito comercial não se autonomizou como
ramo do direito regulador per si, das relações de índole comercial. A actividade
comercial era regulada sobretudo por costumes e por algumas leis constantes nos
forais.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
-1-
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Este atraso do desenvolvimento do direito comercial ficou a dever-se


essencialmente à centralização estatal rígida, à pouca influência dos mercadores
burgueses e à inexistência de tribunais de comércio. Nem a força dos
descobrimentos impulsionou a criação e autonomização do direito comercial.

Em 1807 é lançado o code de commerce, que marca o início de uma nova etapa do
direito comercial, acentuando sobretudo o seu carácter objectivo, pondo um pouco
de lado a perspectiva subjectiva com que tinha aparecido, apesar de mais tarde o
código alemão voltar a adoptar uma construção subjectivista do direito comercial.
Com o código francês acentua-se o carácter objectivo do direito comercial, o que
decorre da defesa dos princípios de igualdade, fraternidade e da liberdade, assim o
que passa a interessar é o acto de comércio em si e não a qualidade da pessoa que
pratica o acto.
O primeiro código comercial português nasceu em 1833 pelas mãos de Ferreira
Borges, e o actual redigido por Veiga Beirão, em 1888, adoptam uma perspectiva
objectivista do direito comercial. Assim estabelece o art. 1 CCM “A lei comercial
rege os actos de comércio sejam ou não comerciantes as pessoas que neles
intervém.” Ou seja, para que um acto seja comercial, não é necessário que seja
praticado por um comerciante.
2. Noção de direito comercial português
O direito comercial pode ser entendido como um conjunto de normas jurídicas
que disciplinam os actos de comércio e os comerciantes.
Contudo, o comércio, poder ser entendido em dois sentidos:
1. Comércio em sentido económico: é entendido como actividade de
interposição de circulação de bens ou de interposição de trocas. Há,
todavia certas actividades que embora integrantes do conceito de comércio
em sentido económico não fazem parte do comércio em sentido jurídico,
como sucede com as indústrias extractivas, agricultura, serviços artesanais
e profissões liberais. O comércio em sentido económico é assim entendido
como conjunto de actividades que pertencem ao chamado sector terciário
da economia, relativas à circulação de bens. O sector primário diz respeito
APONTAMENTOS - T.Nogueira
-2-
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

às actividades agrícolas, silvícolas, pesca, indústria extractiva. O sector


secundário engloba o artesanato e as indústrias transformadoras. No sector
terciário destacam-se as actividades económicas de prestação de serviços e
de comércio. Como se vê o comércio constitui apenas uma das várias
actividades económicas que pertencem ao sector terciário.
2. Comércio em sentido jurídico: é entendido como actividade de
interposição de circulação de bens ou de interposição de trocas, mas
englobando também indústrias, serviços bem como actos que não se
situam somente nos domínios do comércio em sentido económico. O
comércio em sentido jurídico, engloba assim um conjunto de actividades
económicas a que num dado país e num dado momento se aplicam as leis
comerciais. O legislador quis não apenas abranger as actividades de
intermediação, mas todas as actividades económicas que fossem objecto
de normas mercantis.

Actualmente as normas jurídicas mercantis não se esgotam na regulação dos actos


materialmente comerciais, mas também se aplicam aos chamados actos
formalmente comerciais, isto é, actos cuja relevância jurídica deriva não da
própria natureza intrínseca do acto nem da capacidade do comerciante, mas da
mera circunstancia formal que é o preenchimento por alguém de uma determinado
esquema jurídico pré-estabelecido pelo legislador. Assim sucede por exemplo
com a subscrição de uma letra de câmbio

3. Fontes do direito comercial português


As formas de manifestação e revelação do direito comercial, podem resultar de:
Fontes internas: CRP nos art. 61.º 81.º 82.º e 86.º; Código comercial e leis
substitutivas, doutrina e jurisprudência, cujo papel se destaca sobretudo na
interpretação de cláusulas gerais e conceitos indeterminados, na integração de
lacunas e na definição de princípios normativos. Os usos possuem ainda alguma
importância.
Fontes externas: convenções internacionais, art. 8.º n.º 2 CRP, regulamentos e
directivas da EU, art. 8.º n.º 3 CRP.
APONTAMENTOS - T.Nogueira
-3-
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

4. A autonomia do direito comercial e a sua relação com o direito civil


A autonomia do direito comercial face ao direito civil, manifesta-se a dois níveis:
1. Autonomia formal ou legislativa assente na reunião das normas
comerciais num diploma unitário, num código, separado do CC.
2. Autonomia substancial, traduzida num corpo normativo que regula de
modo especial, divergente do direito comum as relações jurídico-
comerciais. A autonomia substancial do direito comercial tem vindo a
decair desde o século XIX, pela verificação de um forte movimento em
prol da unificação de todo o direito privado, que já se implementou por
exemplo no Brasil. Defendem os unitaristas que a separação do direito
privado contraria a unidade da vida económica, sendo cada vez mais
comum a generalização de instrumentos comercias na vida civil, como
as letras de cambio, cheques, etc. sendo ainda cada vez mais visível,
devido à influencia capitalista, a extensão de princípios de direito
comercial ao direito civil.

Em Portugal, o direito comercial mantém a sua autonomia legislativa e


substancial. A lei civil por sua vez, é de aplicação subsidiária, enquanto direito
privado comum, ou seja, o direito civil intervêm para regulamentação de
matérias comerciais quando o direito comercial se mostre insuficiente, aplica-se
subsidiariamente por ser lei comum. Assim consta do art. 3.º CCM “Se as
questões sobre direitos e obrigações comerciais não puderem ser resolvidas, nem
pelo texto da lei comercial, nem pelo seu espírito, nem pelos casos análogos nela
prevenidos, serão decididas pelo direito civil”.
Conclui-se que o direito comercial é direito privado especial, com regras
diferentes do direito civil comum. O primeiro ramo surge muitas vezes como
fragmentário, aberto ao recurso ao direito civil. Por isso, o direito civil não serve
apenas para integrar lacunas, porque muitas das omissões comerciais visam um
claro recurso à lei civil, por exemplo no que se refere ao regime geral do negócio
jurídico.
O direito civil, é um direito privado comum, porque as suas normas regulam de
um modo geral as relações entre os sujeitos privados. O direito comercial por sua
APONTAMENTOS - T.Nogueira
-4-
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

vez, é um direito especial porque apenas regula uma parte específica das relações
que se verificam entre sujeitos privados.

Titulo II
Dos actos de comércio em geral
1. Noção de acto de comércio
Segundo o art. 2 Com “Serão considerados actos de comércio todos aqueles que
se acharem especialmente regulados neste Código, e, além deles, todos os
contratos e obrigações dos comerciantes, que não forem de natureza
exclusivamente civil, se o contrário do próprio acto não resultar”.
A 1.ª parte do artigo refere-se aos actos objectivamente comerciais, isto é,
aqueles que o são independentemente da qualidade da pessoa que os pratica.
A 2.ª parte do artigo refere-se aos actos subjectivamente comercias, isto é,
aqueles qualificados como tal, em virtude de serem praticados por um sujeito que
tem qualidade de comerciante.

A doutrina tem entendido que é impossível construir um conceito unitário e


homogéneo de acto de comércio, apesar de além fronteiras, nomeadamente em
Itália se ter tentado a sua construção com base em três critérios:
Assim, seriam actos de comercio aqueles que:
1. Tivessem finalidade especulativa ou lucrativa;
2. Se destinassem a interposição de trocas;
3. Derivassem da existência de uma empresa;
Nenhum destes critérios possibilita contudo, a construção de um conceito unitário
de acto de comércio; há desde logo, actividades especulativas, como agricultura
que não são qualificadas como comerciais; além disso, o Estado pode também
praticar actos de comércio sem fim lucrativo. Por outro lado, também o critério da
interposição das trocas é insuficiente, porque existem actos comercias que não
carecem de troca como fiança, penhor, etc. Por último a existência de empresa não
é determinante porque existem actos de comércio praticados ocasionalmente sem
suporte empresarial.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
-5-
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

2. Actos de comércio objectivos


São aqueles regulados no código comercial como tal, assim existe uma
enumeração ou catálogo: exemplo, fiança, empresas, mandato, conta corrente,
penhor, empréstimo, seguro, aluguer, etc.
Relativamente à maioria dos actos o código estabelece uma disciplina específica,
contudo, um acto pode ser objectivamente comercial, ainda que a lei para ele não
preveja um regime específico, é o caso do aluguer que é regulado pelo CC, mas
que nem por isso, deixa de ser um acto objectivamente comercial.
Daqui podemos concluir que mesmo os actos comerciais para os quais o código
não estabelece disciplina específica ficam sujeitos às regras comuns dos actos de
comércio em geral.
Para além dos actos objectivamente comerciais previstos no Com são ainda
considerados actos objectivamente comerciais, aqueles constantes de:
1. Lei avulsa que substitui o CCM: toda a lei avulsa que substitui o
CCM será, em princípio comercial por uma questão de coerência;
assim são objectivamente comerciais os actos constitutivos das
sociedades comerciais previstos no Cód. Sociedades Comerciais que
substituem artigos do CCM.
2. Lei avulsa que se auto-qualifica como comercial: O RAU possui um
capítulo relativo apenas ao arrendamento comercial e industrial,
estabelecendo regras específicas, quanto à cessação de exploração do
estabelecimento e o trespasse comercial ou industrial. Este capítulo
visa essencialmente actividades e empresas e como tal deve ser
considerado como contendo actos objectivamente comerciais.
3. Leis analógicas à lei comercial; na maioria dos casos uma lei não se
qualifica como comercial, daí que seja necessário analisar se a matéria
por ela regulada diz respeito a situações análogas à àquela regulada
pela lei comercial.

A este propósito cumpre analisar o artigo 230.º CCM, que apresenta uma lista, que
apesar de desactualizada, de actividades consideradas comerciais.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
-6-
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Haver-se-ão por comerciais as empresas, singulares ou colectivas, que se


propuserem:
As críticas podem começar logo, aqui, uma vez que, existem empresas que podem
não ser consideradas como comerciais, em virtude da lei, como acontece com o
Estado Autarquias Locais, que ainda que desenvolvam actividades de natureza
comercial, não podem ser considerados comerciais.
Parte da doutrina entende que o termo empresa deve ser entendido como sinónimo
de empresário, contudo, outra parte da doutrina, como Coutinho de Abreu,
entende que o termo empresa é usado como sinónimo de série de actos comerciais
objectivos, porque a lei rege os actos de comércio sejam ou não comerciantes as
pessoas que os praticam.

3. Qualificação dos actos de comércio por analogia:


Analogia iuris: Analogia feita a partir de princípios jurídicos gerias de direito
comercial, mas que não possuem consagração legal. O recurso a este tipo de
analogia, isto é, disciplinar casos omissos mediante aplicação de princípios gerias
através de indução, não é todavia, unânime. Tal concepção apenas é aceite pela
doutrina que vê nos actos de comércio um conceito unitário, contudo, não
podemos esquecer que tal posição pode levar a insegurança e a incerteza.
Analogia legis: analogia feita a partir de uma norma jurídica, estende-se um
regime a uma situação não prevista na lei, mediante recurso a uma semelhante
consagrada normativamente. O recurso a este tipo de analogia é pacificamente
aceite.

4. Princípios de direito comercial


O professor José Reis, não exclui a possibilidade de recurso à analogia iuris,
porque considera que existem princípios basilares que são essenciais, para
qualificar certas actividades, que de outra forma não seriam qualificáveis como
comerciais. Por exemplo, não há nenhuma norma que qualifique como comerciais
APONTAMENTOS - T.Nogueira
-7-
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

os actos de empresas de serviços, como cafés, restauração, oficinas, que são


qualificadas como empresas comerciais mediante o recurso à analogia. Não faria o
mínimo sentido que empresas como agencias viagem, de transportes, restauração,
que prestam serviços ano fossem qualificadas como comerciais. Assim extrai-se o
primeiro princípio de direito comercial: qualquer actividade de prestação de
serviços exercida por uma empresa transforma-a em empresa comercial,
assim as empresas de prestação de serviços são em regra comerciais.
Contudo, a prestação de serviços apenas é considerada comercial se for exercida
no âmbito de uma empresa, e não meramente a título individual.
Um segundo princípio de direito comercial diz-nos que os negócios sobre em
empresas, como o trespasse e a locação de estabelecimento comercial, apesar de
não serem qualificados genericamente como actos comerciais, devem ser
entendidos genericamente como actos objectivamente comerciais.
Devendo o comércio jurídico abranger o comércio em sentido económico
implicando este a troca, então concluímos que toda a actividade de interposição de
trocas deve ser tida como acto objectivamente comercial. Apesar desta
qualificação não constar da lei, deve entender-se que toda actividade de
interposição de trocas constitui acto objectivamente comercial.
O contrato de concessão comercial, é um contrato duradouro mediante o qual o
concedente se obriga a vender bens ao concessionário, que embora sendo muito
usado é um contrato atípico, não constando por isso, da lei. Não obstante, ele
consubstancia um acto de interposição nas trocas, por isso, devemos considerar a
concessão comercial como acto objectivamente comercial.
O art. 3 Com estabelece a possibilidade de recurso à analogia para regular os actos
já qualificados como comercias, o artigo aplica-se assim, nos casos em que o acto
é qualificado como comercial embora não tenha regulamentação, temos por isso,
uma lacuna de regulamentação.
Existe, todavia, lacunas de qualificação, quando o acto não é qualificado como
comercial, apenas o passando a ser em virtude do recurso à analogia.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
-8-
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

5. Actos de comércio subjectivo


Os actos objectivamente comercias não têm de ser praticados por um sujeito
determinado para serem qualificados como comerciais, porque a sua qualificação
em nada se relaciona com a qualidade do sujeito. Por outro lado, já os actos de
comércio subjectivamente comerciais, dependem da qualidade e do estatuto do
sujeito que os pratica.
Para que um acto seja subjectivamente comercial é necessário que estejam
preenchidos três requisitos, um de natureza positiva e dois de natureza negativa.
1. É necessário que o sujeito seja um comerciante, sendo que nos termos do art.
13.º n.º1 CCM são comerciantes “São comerciantes:
1.º As pessoas, que, tendo capacidade para praticar actos de comércio, fazem
deste profissão;
2.º As sociedades comerciais”
Contudo, nem todos os actos praticados por comerciantes são actos
subjectivamente comerciais, é necessário estarem preenchidos mais dois requisitos
de índole negativa:
2. Os actos para serem subjectivamente comerciais, não podem ser de natureza
exclusivamente civil. Sendo que só são de natureza exclusivamente civil os actos
de natureza extra-patrimonial, como actos familiares e sucessórios. Assim só são
actos de comércio aqueles de natureza patrimonial.
3. Mas nem todos os actos praticados por comerciantes de natureza patrimonial
são subjectivamente comerciais, tal só sucede “se do contrário do próprio acto
não resultar” art 2 CCM in fine.
Assim, um acto patrimonial praticado por um comerciante, só não é
subjectivamente comercial, se da prática do acto resultar o contrário, isto é desde
que haja desconexão com a actividade praticada pelo comerciante.
Ex: A, comerciante dono de uma sapataria dirige-se a uma loja de informática
para comprar um computador.
O primeiro requisito está preenchido porque o comprador é um comerciante, o
segundo também porque o acto é claramente de natureza patrimonial, quanto ao
terceiro, o acto será subjectivamente comercial, salvo se da prática do próprio acto
se induzir o contrário. Assim, se por qualquer circunstância resultar a falta de
APONTAMENTOS - T.Nogueira
-9-
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

conexão entre o acto e a actividade comercial, por exemplo se o filho for com ele
para escolher a sua prenda de aniversário, o acto não será subjectivamente
comercial. Note-se que o comerciante não necessita de se identificar como tal,
basta que haja conexão entre o acto e a actividade, sendo que a falta de conexão
pode resultar, do que é dito, do resultado da compra e das circunstâncias que
rodeiam a prática do acto.

6. Classificação dos actos de comércio


6.1 Actos de comércio autónomos:
São actos qualificados como actos comerciais por si mesmos, independentemente
da ligação com outros actos.
6.2 Actos de comércio acessórios:
são aqueles que devem a sua comercialidade ao facto de se ligarem ou se
conexionarem com actos mercantis. São exemplos:
1. Fiança, art. 101.º CCM “Todo o fiador de obrigação mercantil, ainda
que não seja comerciante, será solidário com o respectivo afiançado”
A fiança só segue acessoriamente o regime do CCM nos casos em que
ela se destine a afiançar uma obrigação mercantil.
2. Mandato, art. 231.º CCM “Dá-se mandato comercial quando alguma
pessoa se encarrega de praticar um ou mais actos de comércio por
mandado de outrem” O mandato, segue nestes termos acessoriamente
CCM se pelo seu conteúdo se destine a praticar actos de comércio.
3. Empréstimo, art. 394.º CCM “Para que o contrato de empréstimo seja
havido por comercial é mister que a cousa cedida seja destinada a
qualquer acto mercantil” Assim, o empréstimo seguirá acessoriamente
o regime do CCM se se destinar a cobrir uma actividade mercantil.
Note-se que nos termos do art. 395.º CCM “O empréstimo mercantil é
sempre retribuído”, sendo que ao contrário do que se passa com o
direito comum, nos termos do art. 396.º CCM “O empréstimo
mercantil entre comerciantes admite, seja qual for o seu valor, todo o
género de prova”

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 10 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

4. Penhor: art. 397.º CCM “Para que o penhor seja considerado


mercantil é mister que a dívida que se cauciona proceda de acto
comercial” nestes termos para que o penhor seja acessoriamente
comercial a divida garantida tem de advir de acto comercial.
5. Depósito: art. 403.º CCM “Para que o depósito seja considerado
mercantil é necessário que seja de géneros ou de mercadorias
destinados a qualquer acto de comércio” assim para que o depósito
seja acessoriamente comercial a mercadoria alvo de depósito tem de
ser destinada a actos de comércio.

6.4 Actos formalmente comerciais


São esquemas negociais usados para a realização de operações mercantis
económicas que não são actos de comércio nem se inserem na actividade
comercial, contudo, estão regulados na lei comercial, e portanto merecem
qualificação de actos de comércio.
É o caso do negócio cambiários, assim, A não comerciante, vende seu carro a B
também não comerciante, para seu uso pessoal. Aqui tanto a compra como a
venda são civis, nos termos do art. 464.º n.º 1 CCM “Não são consideradas
comerciais:
1,º As compras de quaisquer cousas móveis destinadas ao uso ou consumo do
comprador ou da sua família, e as revendas que porventura desses objectos se
venham a fazer” não sendo o preço pago, ambos convencionam a emissão de uma
letra de câmbio, passando o acto a ser de comércio, porque tal é instituído pela lei.
6.5 Actos substancialmente comercias
São aqueles que pela sua natureza são considerados comerciais. Note-se que tanto
os actos formalmente comercias como os substancialmente comerciais seguem o
mesmo regime.
6.6 Actos bilateralmente comerciais
São actos cuja comercialidade se verifica em relação a ambas as partes, como por
exemplo, se A produtor de automóveis vende o automóvel X ao concessionário Y,
quer a compra, quer a venda são comerciais, art. 463.º n.º 1 CCM “São
consideradas comerciais:
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 11 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

1.º As compras de cousas móveis para revender, em bruto ou trabalhadas, ou


simplesmente para lhes alugar o uso”

6.7 Actos unilateralmente comerciais


São actos cuja comercialmente se verifica apenas em relação a uma parte
contratual. Assim, E professor compra a B concessionário, um automóvel, para
seu uso pessoal, aqui a venda é objectivamente comercial nos termos do art. 463.º
n.º3 CCM “3.º A venda de cousas móveis, em bruto ou trabalhadas, e as de
fundos públicos e de quaisquer títulos de crédito negociáveis, quando a aquisição
houvesse sido feita no intuito de as revender” contudo, a compra é civil, art. 464.º
n.º 1 CCM “Não são consideradas comerciais:
1,º As compras de quaisquer cousas móveis destinadas ao uso ou consumo do
comprador ou da sua família, e as revendas que porventura desses objectos se
venham a fazer;”
Aos actos unilateralmente comerciais aplica-se a lei comercial conforme
estabelece o art. 99 CCM “Embora o acto seja mercantil só com relação a uma
das partes será regulado pelas disposições da lei comercial quanto a todos os
contratantes, salvo as que só forem aplicáveis àquele ou àqueles por cujo
respeito o acto é mercantil, ficando, porém, todos sujeitos à jurisdição comercial”
Assim os actos unilateralmente comerciais são regulados pela lei comercial
exceptuando-se as disposições da lei comercial que só forem aplicáveis àquele
ou àqueles por cujo respeito a lei é mercantil. Daqui decorre que existem
disposições que não se vão aplicar porque essas apenas se aplicam a actos
mercantis e não aos restantes, assim acontece com o art. 100.º CCM “Nas
obrigações comerciais os co-obrigados são solidários, salva estipulação
contrária.
§ único. Esta disposição não é extensiva aos não comerciantes quanto aos
contratos que, em relação a estes, não constituírem actos comerciais”
Assim a solidariedade passiva não se estende às compras civis, porque em relação
a estes compradores, não há a prática de nenhum acto comercial.
Ex: A e B advogados compram a uma empresa material informático, para o seu
escritório. O acto como se constata é unilateralmente comercial, porque apesar da
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 12 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

venda ser comercial, a compra é civil, art. 463.º e 464.º CCM. Contudo, o negócio
vai ser regulado no seu todo pela lei comercial, em cumprimento com o disposto
no art. 99 CCM; porém, no caso do não pagamento, o vendedor só poder exigir a
cada um dos co-obrigados, a uma quota-parte na dívida, e nunca a totalidade
porque o regime da solidariedade típico do comércio não se aplica nestes casos
conforme o estipulado no art. 100.º CCM

Resumo
Requisitos cumulativos para um acto ser subjectivamente comercial
1. O SUJEITO TEM DE SER COMERCIANTE – Artº 13º – O sujeito
adquire a qualidade de comerciante quando pratica reiteradamente, em nome
próprio e profissionalmente actos de comércio;
2. O ACTO NÃO PODE TER NATUREZA EXCLUSIVAMENTE CIVIL –
Os actos que não são exclusivamente civis, são patrimoniais, os actos que são
exclusivamente civis, são pessoais. Actos exclusivamente civis: casamento,
perfilhamento, etc.
3. O QUE RESULTA – Há conexão com a actividade? Não há conexão com a
actividade?. Neste ponto, para averiguar se há ou não conexão, há que apelar à
“teoria da impressão do declaratário” (o homem médio, o bom pai de família).
Pode-se verificar:
• Resulta que tem conexão com o acto do comércio;
• Resulta que não tem conexão com o acto do comércio;
• Não resulta que não haja conexão com o acto do comércio. Dupla negativa,
logo positiva, logo há conexão.

QUEM É COMERCIANTE – Aquele que pratica, em nome próprio, de forma


reiterada, tendo capacidade de exercício, actos objectivos e absolutos. Actos que
são comerciais pela sua essência – Artº 13º c/ 7º

Artº 230 – Norma qualificadora. É aqui que o legislador tipifica as empresas


comerciais

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 13 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

FUNÇÃO DO ARTº 230 – Visa catalogar e qualificar quais as empresas que são
comerciais.
EMPRESAS COMERCIAIS – Organização de factores produtivos com
autonomia técnico-funcional. É uma actividade e é uma massificação de actos,
logo esses actos que decompõem estas actividades estão tipificados na lei – Artº
230 – embora de forma implícita. Estes actos, dado que estão tipificados na lei (de
forma implícita) são actos objectivos.

Desta forma, segundo a tese de Vasco Lobo Xavier, derivado à multiplicidade, ou


massificação de actos, não se vislumbra, facilmente, a que acto diria respeito o
Artº 230.
Assim sendo será qualificado como acto do comércio, todo e qualquer dos actos
praticados pelo titular da empresa, na exploração desta. Serão actos de comércio
objectivos, à luz da primeira parte do artº 2º. Assim sendo, tratando-se de actos
comerciais, cuja prática corresponde ao exercício do comércio, para efeitos de
atribuição da qualidade de comerciante, nos termos do artº 13/1, o titular da
empresa deverá ser considerado comerciante, uma vez que, como titular da
empresa em questão, no exercício das suas funções empresariais, pratica, de forma
reiterada, actos implícitos, que, sendo implícitos, são fundamentais, sendo estes
actos, também fundamentais, uma vez que estão tipificados no Artº 230.

Para Vasco Lobo Xavier, os actos têm de ser fundamentais para a actividade do
comércio, ou seja, têm de ter conexão com o próprio sujeito. Caso seja
fundamental teremos de aferir se o referido acto é objectivo implícito, civil ou
subjectivamente comercial.
Para Coutinho de Abreu, os actos têm de ser típicos da actividade do comércio,
ou seja caracterizadores da actividade do comércio. Assim sendo, se o acto é
típico teremos de aferir se o referido acto é objectivo implícito, civil ou
subjectivamente comercial.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 14 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

QUADRO DE VERIFICAÇÃO DOS ACTOS


1. SE NÃO FOR COMERCIANTE:
a) Ver se o acto é objectivamente comercial de forma explícita, ou seja, se
está tipificado na lei;
b) Se não for, é civil.

2. SE FOR COMERCIANTE:
a) Ver se o acto é objectivamente comercial de forma explícita, ou seja, se
está tipificado na lei;
b) Se não for, pode ser subjectivamente comercial;
c) Se não for, é civil.

3. SE FOR COMERCIANTE E TITULAR DE UMA EMPRESA:


a) Ver se o acto é objectivamente comercial de forma explícita;
b) Se não for, ver se é objectivamente comercial de forma implícita;
c) Se não for, ver se o acto é subjectivamente comercial;
d) Se não for, é civil.

Responsabilidade por dividas


REGIME DE BENS – Artº 1717 ss CC.

1. REGIME DE COMUNHÃO DE BENS ADQUIRIDOS – Artº 1721 CC.


• Bens Comuns – Regra geral, os bens adquiridos, a título oneroso, na
constância do matrimónio;
• Bens próprios – Os bens que os cônjuges levaram para o casamento e os que
adquiriram, a título gratuito, na constância do matrimónio, por sucessão ou
doação.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 15 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

2. REGIME DE COMUNHÃO GERAL DE BENS – Tudo é comum. Todos


os bens são comuns. Os bens de ambos, anteriores e posteriores ao casamento.

3. REGIME DE SEPARAÇÃO DE BENS – Todos os bens são próprios de


cada um. Cada um tem os seus bens. Se há um bem dos dois, então há
compropriedade.

REGIME DO ARTº 1691/1-d) - Segundo esta norma, nos regimes de comunhão


de adquiridos ou de comunhão geral, as dívidas contraídas por qualquer dos
cônjuges no exercício do comércio são da responsabilidade de ambos os cônjuges.

Desta forma respondem por elas todos os bens comuns do casal e, na insuficiência
deles, solidariamente, os bens próprios de qualquer dos cônjuges – Artº 1695/1.
Só assim não será, de acordo com o Artº 1691/1-d), se se provar que as ditas
dívidas, embora derivadas da actividade comercial do devedor, não foram
contraídas em proveito comum do casal, ou seja é sobre o cônjuge que recai o
ónus da prova.
Por outro lado, segundo o Artº 15º do Código Comercial, “as dívidas comerciais
do cônjuge comerciante presumem-se contraídas no exercício do seu comércio”.

Desta forma o credor do comerciante para se valer do regime do Artº 1691/1-d),


não precisa de provar que a dívida foi contraída no exercício do comércio pelo
devedor.
Cabe-lhe apenas provar que a dívida é comercial, ou seja, que resulta de um acto
do comércio.
Há assim uma presunção legal, ilidível, desde que o cônjuge do devedor consiga
provar que a dívida, embora comercial, não derivou do exercício do comércio do
mesmo devedor ou que a dívida, apesar de ter sido efectuada do exercício do
comércio do devedor, não foi contraída em proveito comum do casal.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 16 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

O cônjuge do devedor poderá, ainda, para evitar que os seus bens respondam pela
dívida, ilidir a presunção do Artº 15º do C. Com., provando que a dívida não tem
qualquer conexão com o exercício do comércio do devedor.

DIREITO À MEAÇÃO (meação de bens) – É a quota ideal que cada um dos


cônjuges tem, relativamente aos bens comuns, ou seja, que cada um tem em face
do património comum. Só funciona para a Comunhão de adquiridos e para a
comunhão de bens.

REGRA GERAL – O regime de bens não influencia a natureza da dívida,


excepto uma situação: A prevista no Artº 1691/1 d) do CC c/ Artº 5º C.
Comercial.

Capítulo I
Os sujeitos
Secção I
Dos comerciantes
1. Sujeitos qualificáveis como comerciantes
Art. 7 CCM “Toda a pessoa, nacional ou estrangeira, que for civilmente capaz de
se obrigar, poderá praticar actos de comércio, em qualquer parte destes reinos e
seus domínios, nos termos e salvas as excepções do presente Código”
Artigo13.º
Quem é comerciante
São comerciantes:
1.º As pessoas, que, tendo capacidade para praticar actos de comércio, fazem
deste profissão;
2.º As sociedades comerciais

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 17 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

1.1 Requisitos essenciais para obtenção da qualidade de comerciante no caso


das pessoas singulares:
1. Quando se fala em capacidade para praticar actos de comércio, estamos a
referir-nos à capacidade de exercício, isto é, à capacidade de agir per si, ou
mediante procurador voluntário. Só em casos excepcionais é que um incapaz pode
ter qualidade de comerciante, nomeadamente se for devidamente representado
pelos representantes legais para o efeito, e estes tenham sido devidamente
autorizados pelo tribunal. O artigo 1889.º n.º 1 al C CC estabelece que “ 1. Como
representantes do filho não podem os pais, sem autorização do tribunal:
Adquirir estabelecimento comercial ou industrial ou continuar a exploração do
que o filho haja recebido por sucessão ou doação;”
Assim, apesar da exploração ficar a cargo dos representantes legais do incapaz,
estes últimos mediante autorização do tribunal, podem adquirir ou continuar a
exploração de estabelecimento comercial, mas quem adquire a qualidade de
comerciante é o incapaz e não os representantes.

2. Além do sujeito ter capacidade de exercício, terá que fazer do comércio


profissão. Como sabemos, há certos actos de comércio, que apesar da sua
natureza não atribuem a quem os pratica a qualidade ou estatuto de comerciante,
assim, acontece nos actos subjectivamente comerciais, em que a qualidade do acto
depende de prévia qualificação dos sujeitos. O mesmo se passa com determinados
actos formalmente comerciais que podem ser usados ou não para a realização de
operações mercantis e a sua prática ainda que habitual não denota o exercício de
um actividade comercial. Assim um agricultor que recorre frequentemente ao
crédito aceitando por isso, letras de câmbio não exerce qualquer profissão
comercial pelo facto de habitualmente praticar actos de comércio cambiário.
A doutrina entende também que prática de certos actos acessórios não conduz à
qualificação do sujeito como comerciante.
Em conclusão é necessário que o sujeito faça do comércio profissão de modo
reiterado e habitual, não se exigindo contudo, que a actividade seja única e
principal nem que seja exercida ininterruptamente.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 18 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

3. Só são comerciantes as pessoas que exerçam a profissão em nome próprio, a


título pessoal, ou mediante representante. Por isso, um mero empregado pratica
actos comerciais em nome de outrem, não sendo por isso, qualificado como
comerciante.

O momento a partir do qual uma pessoa singular é considerada comerciante não


está bem definida na lei, a sua qualificação pode depender de um de vários actos:
O início da atribuição da qualidade de comerciante pode determinar-se pela
prática de actos reveladores da intenção do propósito, do exercício habitual de
uma actividade comercial. Na Alemanha e em Itália, sustenta a doutrina que a
qualidade de comerciante se adquire aquando da prática de actos preparatórios
com vista a organizar uma empresa, entre nós Coutinho de Abreu perfilha esta
posição.
1.2 As pessoas colectivas como comerciantes:
Além das pessoas singulares também as sociedades comercias podem ser
comerciantes, e acordo com o art. 1.º Código das Sociedades Comerciais (CSC)
são sociedades comercias:
1. Requisito substancia: Aquelas que tenham por objecto a prática de
actos de comércio;”
2. Requisito formal: E adoptem o tipo de sociedade em nome colectivo,
de sociedade por quotas, de sociedade anónima, de sociedades em
comandita simples ou de sociedade em comandita por acções”
As sociedades comercias adquirem qualidade de comerciantes a partir do
momento em que adquirem personalidade jurídica, não sendo necessário que
pratiquem actos de comércio, art. 5.º CSC “ As sociedades gozam de
personalidade jurídica e existem como tais a partir da data do registo definitivo
do contrato pelo qual se constituem, sem prejuízo do disposto quanto à
constituição de sociedades por fusão, cisão ou transformação”.
A nossa lei comercial permite que as sociedades que tenham exclusivamente por
objecto a prática de actos não comerciais, adoptem um dos tipos formais previstos
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 19 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

no n.º 1 CSC, sendo-lhe aplicado o regime das sociedades comerciais, art. 1 n.º 4
CSC. Esta sociedades – sociedades civis sob forma comercial - não praticam
contudo, actos subjectivamente comercias nem são comerciantes.

Além das sociedades comercias, há outras pessoas colectivas que podem ser
comerciantes, como empresas públicas, empresas municipais e intermunicipais,
entidades públicas empresariais, agrupamentos complementares de empresas e
agrupamentos europeus de interesses económicos cooperativos. Estas entidades,
podem ser comerciantes, quando tenham por objecto a prática de actos
comerciais.
Podendo estas entidades ser qualificadas como comerciantes, onde será que elas
se enquadram no n.º 1 ou no n.º 2 do art. 13.ºCCM?
Alguma doutrina, entende que quando o n.º 1 se refere a “pessoas” apenas tem
como objectivo abarcar pessoas físicas; Coutinho de Abreu não subscreve esta
posição, porque em regra as pessoas tanto podem ser singulares como colectivas,
dai que o termo usado abarca as duas realidades. Alguns autores entendem que o
enquadramento de tais entidades se deve fazer nos termos do n.º 2 do art. 13.º
CCM.

2. Sujeitos não qualificáveis como comerciantes


Existem determinados sujeitos que a lei exclui expressamente da qualidade de
comerciantes, a saber:
1. Sector agrícola: Não são qualificáveis como comerciantes as pessoas
singulares ou colectivas que exerçam actividade agrícola. Sendo que o
sector agrícola deve ser aqui entendido de modo amplo, de modo a
abranger também a silvicultura, pecuária, criação de animais, etc. Esta
conclusão retira-se dos seguintes artigos: 230.º nº 1 1.ª parte CCM
“Haver-se-ão por comerciais as empresas, singulares ou colectivas,
que se propuserem: Transformar, por meio de fábricas ou
manufacturas, matérias-primas, empregando para isso, ou só
operários, ou operários e máquinas” e art.230.º parágrafo único ” Não
se haverá como compreendido no n.º 1.º o proprietário ou o
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 20 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

explorador rural que apenas fabrica ou manufactura os produtos do


terreno que agriculta acessoriamente à sua exploração agrícola, nem
o artista industrial, mestre ou oficial de ofício mecânico que exerce
directamente a sua arte, indústria ou ofício, embora empregue para
isso, ou só operários, ou operários e máquinas” e 464.º n.º 2 CCM
“Não são consideradas comerciais: As compras de quaisquer cousas
móveis destinadas ao uso ou consumo do comprador ou da sua
família, e as revendas que porventura desses objectos se venham a
fazer”,
2. Artesãos: Os produtores manuais, ditos artesãos, não são considerados
comercias, porque o art. 464.º n.º 3 CCM exclui do comercio a
actividade artesanal. “Não são consideradas comerciais: As compras
que os artistas, industriais, mestres e oficiais de ofícios mecânicos que
exercerem directamente a sua arte, indústria ou ofício, fizerem de
objectos para transformarem ou aperfeiçoarem nos seus
estabelecimentos, e as vendas de tais objectos que fizerem depois de
assim transformados ou aperfeiçoados” ainda que ferreiros, sapateiros,
mecânicos, cabeleireiros, exerçam a sua actividade de modo
empresarial, não são considerados comerciantes.
3. Profissionais liberais: São aqueles profissionais que exercem de modo
habitual e autónomo a actividade intelectual sujeita a controlo
deontológico de uma ordem profissional, bem como trabalhadores
autónomos, como pintores, escultores, músicos, são entidades que não
são considerados como comerciantes.
4. Situações de incompatibilidade legal: o art. 14.º CCM impossibilita a
adopção da qualidade de comerciante a quem por lei ou disposição
especial esteja impedido.” É proibida a profissão do comércio: 1.º Às
associações ou corporações que não tenham por objecto interesses
materiais; 2.º Aos que por lei ou disposições especiais não possam
comerciar. A impossibilidade legal de prática de comércio pode
resultar de regras de direito público ou de regras de direito privado. Os
limites de direito privado, são relativos, uma vez que podem ser
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 21 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

superados mediante a intervenção de terceiro em relação ao qual a


incompatibilidade foi criada. Assim, um gerente não pode negociar por
conta própria um negócio concorrente com o do que dirige, salvo
consentimento em contrário, art. 253.º CCM “ Nenhum gerente poderá
negociar por conta própria, nem tomar interesse debaixo do seu nome
ou alheio em negociação do mesmo género ou espécie da de que se
acha incumbido, salvo com expressa autorização do proponente”
Outros exemplos de regras deste tipo, 254.º n.º 1 CSC; 398.º n.º 3 CSC;
428.º n.º 1 CSC 477.º CSC; Existem ainda incompatibilidades de
direito públicas, absolutas porque não podem ser derrogadas, assim os
magistrados não podem desempenhar qualquer função pública ou
privada, salvo a de docente ou investigação sem fins lucrativos.
5. Insolvente: O insolvente é aquele que não pode cumprir as suas
obrigações vencidas, perdendo a possibilidade de disposição do seu
património. Em regra, no caso de insolvência culposa, o juiz na
sentença que decretará a insolvência, deverá frisar a impossibilidade do
insolvente praticar actos de comércio por um período variável de 2 a
10 anos.
6. Entidades colectivas: As associações e fundações que não tenham por
objecto interesses materiais, não podem ser comerciantes. Esta norma,
não impede contudo, que tais entidades fiquem impossibilitadas de
praticar actos de comércio desde que respeitem os limites da sua
capacidade jurídica, conforme o estabelecido no art. 160.º CC,
contudo, apesar de praticarem actos de comércio, não podem ser
qualificadas como comerciantes. O art. 17.º CCM proíbe ainda a
designação de comerciantes a associações de fins desinteressado ou
altruístico, embora possam também praticar actos de comércio.” O
Estado, o distrito, o município e a paróquia não podem ser
comerciantes, mas podem, nos limites das suas atribuições, praticar
actos de comércio, e quanto a estes ficam sujeitos Às disposições deste
Código” Uma associação recreativa pode, por exemplo, explorar um
bar, isto não vai contra princípio da especialidade do fim, contudo, da
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 22 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

prática destes actos de comércio, tais entidades não adquirem a


qualidade de comerciantes.

3. Consequências jurídicas da qualificação de um acto como comercial


1. As obrigações comercias seguem nos termos do art. 100.º CCM o regime
da solidariedade, afastando assim o regime regra da responsabilidade
conjunta vigente do direito civil, “Nas obrigações comerciais os co-
obrigados são solidários, salva estipulação contrária”;
2. A taxa de juro das obrigações comerciais é superior à taxa de juro das
obrigações civis. Nas obrigações civis, a taxa de juro é de 4 % ao passo
que nas obrigações comerciais a taxa de juro é de 9%, segundo a portaria
597/ 2005 de 19 de Julho.
3. A prescrição de algumas obrigações comerciais possui um prazo mais
curto, art. 317 CC. Os comerciantes de prestação de serviços só podem
reclamar os seus créditos no prazo de dois anos, sendo que os
comerciantes de hotelaria e restauração esse prazo é de apenas meio ano
art. 316.º CC “Prescrevem no prazo de seis meses os créditos de
estabelecimentos de alojamento, comidas ou bebidas, pelo alojamento,
comidas ou bebidas que forneçam, sem prejuízo do disposto na alínea a)
do artigo seguinte”.
4. Presunções relativas ao cônjuges constantes do art., 15 CCM “As dívidas
comerciais do cônjuge comerciante presumem-se contraídas no exercício
do seu comércio” e do art. 1691.º n.º 1 al. d CC. “São da responsabilidade
de ambos os cônjuges: As dívidas contraídas por qualquer dos cônjuges
no exercício do comércio, salvo se se provar que não foram contraídas em
proveito comum do casal, ou se vigorar entre os cônjuges o regime de
separação de bens;” Assim pelas dívidas contraídas pelo cônjuge
comerciante, no exercício da sua actividade respondem, além dos bens do
próprio comerciante, os bens comuns do casal e os bens próprios do outro
cônjuge, salvo, se entre eles vigorar o regime de separação de bens. A lei
procura assim salvaguardar os interesses de quem contrata com os

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 23 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

comerciantes. Para que não haja comunicação das dívidas do


comerciante, este terá que ilidir as duas presunções:
A do art. 15.º CCM, e provar que a dívida contraída não se relaciona com a
actividade comercial.
A do art. 1691.º CC e provar que a dívida não foi contraída no interesse do
casal.
3. Estatuto dos comerciantes
A qualificação de uma entidade ou sujeito como comerciante, implica a
verificação de três consequências constantes:
Artigo18.º
Obrigações especiais dos comerciantes
Os comerciantes são especialmente obrigados:
1.º A adoptar uma firma;
2.º A ter escrituração mercantil;
3.º A fazer inscrever no registo comercial os actos a ele sujeitos;
4.º A dar balanço, e a prestar contas.

Secção II
A empresa
1. A empresa em sentido jurídico
Saber o que é uma empresa em sentido jurídico, isto é, o que o que ela consiste, o
que a caracteriza e distingue dos restante fenómenos jurídicos, não é fácil,
existindo alguns autores que começam por oferecer um conceito pré-jurídico de
empresa e a caracterizam como produto da vida, contudo, no dizer de Coutinho de
Abreu ser rejeitada tal posição.
Para designar o fenómeno empresarial, empregam-se palavras como “empresa” e
“estabelecimento” sendo que em tese geral, não haverá problemas em utiliza-las
como sinónimos.
Não há nenhum conceito geral e operacional de empresa, Orlando de Carvalho,
todavia, defende que só será empresa aquilo que tiver como fim a produção de
algo destinado à troca, a empresa será assim um centro emissor e receptor de

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 24 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

mensagens produtivas, em constante interacção caracterizando-se pela sua


organização autónoma, do ponto de visa financeiro e funcional.
Coutinho de Abreu define a empresa como uma unidade jurídica fundada em
organização de meios que constitui um instrumento de exercício relativamente
estável e autónomo de uma actividade comercial.
1. Autonomia financeira: as trocas realizadas com exterior têm como
objectivo proporcionar rendimentos suficientes para cobrir custos de
exploração e para conferir margem de lucro, de modo a incentivar a
continuação do processo produtivo;
2. Autonomia funcional: caracteriza-se pelo facto da empresa ter de
sobreviver sem o empresário que a detém, ela poder por isso, ser
negociada, não o sendo a empresa nada vale no mercado.

1.1 A empresa em sentido objectivo e subjectivo


Empresa em sentido subjectivo: empresa como sujeito jurídico que exerce uma
actividade económica, de modo autónomo do empresário.
Empresa em sentido objectivo: empresa como instrumento ou estruturas
produtivo-económicas, objecto de direitos e negócios, através da qual se exercem
actividades de interposição de trocas – maxime a compra de coisas para revenda,
mas também actividade industrial transformadora, serviços, etc.
A empresa entendida de um ponto de vista objectivo possui três características:
1. Bem negociável com lugar no mercado: assim sobre a empresa
podem ser realizados diversos negócios, como compra, venda, locação,
comodato, usufruto,
2. Bem transferível e retrotransferível: a empresa tem de ser
negociável, tem de possuir um valor económico ou patrimonial e
transpessoal, ou seja, cindível da pessoa que a criou ou a quem
pertença num dado momento. Daí que a sua transferência definitiva
seja possível
3. Bem irredutível: na medida em que a empresa não se pode limitar à
soma dos elementos que a compõem, ela tem de ser autónoma face a
esses elementos.
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 25 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

A empresa é composta por um conjunto de elementos que a compõem, por ser


uma realidade complexa a sua qualificação doutrinal não é unânime. Apesar desta
não ser uma questão de muito relevo, ficam enumeradas as posições de alguns
autores que mais se debruçaram sobre esta matéria:
Antunes Varela, defende que a empresa é uma universalidade de direito; Oliveira
Ascensão defende que se trata de uma universalidade de facto, ao passo que
Coutinho de Abre olha a empresa como uma realidade composta.
Por interpretação a contrario, do art. 205.º CC concluímos que a empresa é uma
coisa móvel, ela não está em regra, dependente de um elemento, encontra-se num
espaço, fábrica, escritório, armazém, mas este não é, em geral, imperativo, porque
a mudança de instalações não altera a sua essência, além disso, é cada vez mais
usual nos nossos dias a existência de estabelecimentos sem suporte físico, por
isso, se diz que a empresa é uma realidade imóvel incorpórea sui genis.

1.2 Quando é que temos uma empresa?


Pré-empresa: aquela que está apta a funcionar, mas que ainda não entrou em
funcionamento, não possuindo assim ainda valores de exploração. Resta saber se
isto deve ou não ser tratado unitariamente pelo direito? De acordo com a doutrina
dominante apesar de não estar ainda a funcionar um complexo de bens de
produção organizados poderá a pré-empresa ser considerada comercial, se se
revelar apta para se realizar um fim económico produtivo jurídico comercialmente
definido, ou seja, apto para garantir clientela que lhe permita viver. Se assim
suceder existe já uma organização produtiva, pelo que o direito não pode deixar
de ver tal realidade como empresa. Imagine-se que o individuo quer arrendar um
espaço para instalar a empresa, o arrendamento deve ser tratado como comercial?
Aqui o critério essencial para determinar o regime é a imagem projectada ao
público, se a pré-empresa já possui valor dentro do público ela deve ser tratada
unitariamente pelo direito. A empresa encontra-se já numa situação de aviamento,
isto é, está preparada para o caminho produtivo, porque possui capacidade
produtiva e aptidão para realizar o fim económico a que foi criado. A clientela,
não é essencial para o aviamento da empresa, ela é apenas uma das manifestações

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 26 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

do aviamento do estabelecimento juntamente com fornecedores, financiadores,


etc.
Empresas já em funcionamento, dotadas de valores de produção, que por
qualquer factor estão desfalcadas de elementos essenciais de produção: nestes
termos a actividade comercial fica temporariamente suspensa, os bens que restam
servem para exprimir a permanência de um concreta organização produtiva
qualificável como empresa., mantêm-se contudo, as relações de facto com
clientes, fornecedores e financiadores. Imagine-se que uma empresa sofre um
incêndio, onde ficam destruídos elementos produtivos. Aqui, a solução não pode
ser unitária, e depende dos valores gerados enquanto a empresa funcionar, se o
publico, apesar da fatalidade ainda a considera como empresa ou não. Quanto à
mais tempo a empresa funcionar de menos bens físico precisa para funcionar
porque os valores de exploração e organização ganham cada vez mais peso da
economia da empresa por contraposição aos bens corpóreos.
Distinção da empresa e das suas secções ou sucursais: como sabemos uma
empresa pode não estar concentrada numa mesma unidade produtiva, e integrar
várias secções possuindo armazéns, departamentos a funcionar com autonomia
organizativa uns em relação aos outros. As secções, armazéns departamentos não
possuem autonomia jurídica são antes partes integrantes da empresa, dependem
deste, e estão sujeitas à direcção geral da empresa. Tal só não sucede nos casos em
que estes departamentos possuam valor tranferencial. Note-se que a empresa não
tem personalidade jurídica quem tem é a sociedade comercial.

2. Tipologia das empresas


Empresas comerciais:
1. Sector privado;
2. Sector público;
3. Sector cooperativo;
Empresas do Sector Privado:

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 27 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Em regra, num estabelecimento comercial explorado por uma pessoa singular


respondem pelas dívidas contraídas na exploração desse estabelecimento, quer os
bens a ele afectados quer os bens restantes do indivíduo.
Para acabar com este regime, o nosso legislador instituiu em 86 pelo DL 248/86
um procedimento de limitação da responsabilidade empresarial intitulado o
estabelecimento individual de responsabilidade limitada – E.I.R.L. art. 1 “
Qualquer pessoa singular que exerça ou pretenda exercer uma actividade
comercial pode constituir para o efeito um estabelecimento individual de
responsabilidade limitada” n.º 2 “ O interesse afectará ao estabelecimento
individual de responsabilidade limitada uma parte do seu património, cujo valor
representará o capital do estabelecimento.” n.º 3 “ uma pessoa só pode ser titular
de um único estabelecimento individual de responsabilidade limitada.”
O E.I.R.L é um património autónomo separado do restante património autónomo
do comerciante individual, aqui apenas respondem pelas dívidas contraídas no
desenvolvimento da actividade os bens de que o património é instrumento, art.
10.º n.º 1 “ Sem prejuízo no disposto no art. 22.º, o património do estabelecimento
individual de responsabilidade limitada responde unicamente pelas dívidas
contraídas no desenvolvimento das actividades compreendidas no âmbito da
respectiva empresa” e 11.º n.º1” Pelas dívidas resultantes de actividades
compreendidas no objecto do estabelecimento individual de responsabilidade
limitada respondem apenas os bens a este afectadas”. DL. Assim uma pessoa
singular pode exercer a actividade comercial mas limitando a sua responsabilidade
ao capital investido.

Empresas do Sector Público:


Integram o sector público empresarial as diferentes formas pelas quais o estado,
municípios e associações exercem a actividade comercial, a saber:
1. Empresas públicas do Estado;
2. Empresas municipais e inter-municipais, e Serviços
municipalizados;
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 28 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Empresas públicas do estado: DL 558/99 de 17 de Dezembro que instituiu o


regime do sector empresarial do estado, incluindo as bases gerais do estatuto das
empresas públicas do estado.
1. Sociedades comerciais controladas pelo estado: são sociedade que
funcionam nos termos do direito privado, sendo contudo reguladas e
controladas pelo estado nomeadamente pelas directrizes traçadas pelo
Conselho Ministros e pelo Ministro da tutela, sujeitando-se a
fiscalização da inspecção-geral de finanças, art. 3.º n.º 1; 7.º n.º 1; 16.º;
11.ºº a 14.º RSEE,
2. Entidades Públicas Empresariais: possuía antes da reforma de 99
carácter institucional, actualmente as EPE´s são constituídas por
capitais públicos, instituídas por DL com vista à prossecução do
interesse público, sendo alvo de um controlo administrativo e
financeiro bastante apertado, art. 3.º; 2.º; 23.º; 40.º

Empresas municiais e intermunicipais: reguladas pelo DL 58/98 de 18 de


Agosto, que disciplina as empresas de âmbito municipal e intermunicipal, que os
municípios e as associações de municípios podem criar par a prossecução de fins
reconhecidos de interesse público e desde que o objecto delas se contenha no
âmbito das suas atribuições.
Estas empresas podem assumir três formas diferenciadas:
1. Empresas públicas, são aquelas em que o município ou as associações
de municípios detenham a totalidade do capital.
2. Empresas de capital público, aquelas em os municípios ou as
associações de municípios, detenham participação do capital em
associação com outras entidades públicas.
3. Empresas de capitais maioritariamente públicos: aquelas em que os
municípios ou associações de municípios detenham maioritariamente o
capital em associação com entidades privadas.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 29 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Para grande parte da doutrina, estas duas últimas empresas constituem um novo
tipo de sociedades comerciais, porque apesar da sua designação, o seu regime é
semelhante ao das sociedades comerciais, possuindo inclusive, capital social. O
seu regime segue grande parte do direito privado, salvo no que se refere ao
processo de recuperação e insolvência.

Empresas do Sector Cooperativo: trata-se de empresas de entidades colectivas


sem fins lucrativos mas de solidariedade social, nomeadamente associações
mutualistas.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 30 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Titulo II
Sinais distintivos de comércio

1. A firma
Como sabemos, nos termos do art. 18.º n.º 1 CCM uma das obrigações especiais
dos comerciantes é a adopção de uma firma. Esta obrigação assume, contudo,
contornos muito diferentes consoante estejamos perante uma pessoa singular, isto
é, uma comerciante em nome individual ou perante uma pessoa colectiva, isto é,
uma sociedade comercial. No que se refere às pessoas singulares a não
constituição de uma firma significa a não obtenção de uma nome comercial, sem
contudo, ser aplicado qualquer sanção ao comerciante. No caso das sociedades
comerciais, a sua constituição implica necessariamente a obtenção do certificado
de admissibilidade da firma, o que significa que a constituição de uma firma no
caso de pessoas colectivas é requisito constitutivo para sua formação.

1.2 Noção
A firma pode ser definida como o nome comercial de um comerciante, servindo
para identificar a sua actividade comercial. A firma tem ainda como função
identificar todas as pessoas colectivas, ainda que não pratiquem actos de
comércio. Qualquer pessoa colectiva tem de possuir uma firma, mesmo que não
seja comerciante, embora a firma se destine por excelência a caracterizar
comerciantes.
1.3 Formas de constituição de uma firma
O mecanismo de constituição de uma firma está regulado pelo Registo Nacional
de Pessoas Colectivas, que estabelece nos artigos 36.º a 38.º as formas pelas quais
podem ser constituídas firmas.
A análise deste artigo permite concluir, que existem três formas pelas quais
podem ser denominadas as firmas das pessoas colectivas:
1. Nome dos sócios que a compõem;
2. Denominação fantasia, mediante expressão alusiva à actividade desenvolvida;
3. Denominação mista, onde conste o nome dos sócios e expressão alusiva à
actividade desenvolvida;
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 31 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

A firma do comerciante individual por sua vez, nos termos do art. 38.º RNPC
apenas pode ser constituído “O comerciante individual deve optar uma só firma,
composta pelo seu nome, completo ou abreviado, conforme seja necessário para
identificação da pessoa, podendo aditar-lhe alcunha ou expressão alusiva à
actividade””
1. Pelo nome civil do comerciante ou alcunha que é conhecido;
2. Denominação mista, onde conste o nome individual do comerciante e uma
expressão alusiva à actividade desenvolvida;

2. Nome do estabelecimento:
É o sinal nominativo que designa ou individualiza um estabelecimento, visando
essencialmente distingui-lo dos demais.
3. Insígnia do estabelecimento
É o sinal figurativo ou emblemático individualizador de um estabelecimento,
visando essencialmente distingui-lo dos demais.

4. Princípios jurídicos
1. Princípio da verdade: de acordo com este princípio a designação da
firma não pode induzir o público nem quem contrata com o
comerciante, em erro, a firma deve por isso, identificar o comerciante
de modo claro e verdadeiro. O nome de uma firma, pode não dar por si
qualquer indicação quando à natureza ou actividade exercida pela
mesma, como sucede no caso das denominações fantasia. Contudo,
quando o nome da firma conter tais informações elas devem ser
fidedignas. No que concerne às sociedades comerciais, quando a sua
designação, conter o nome dos sócios, deverá, na eventualidade de um
deles sair, ser alterada. O sócio que sair poderá sempre autorizar que a
sociedade continue a usar o seu nome, mas neste caso, para não haver
violação do principio da verdade, será responsabilizado pelos prejuízos
que causar a terceiro, pelo que continua a responder com seu
património apesar de formalmente não fazer parte da sociedade

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 32 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

2. Principio da novidade: a constituição de uma firma tem de ser


novidade nos sentido desta ser distinguível das demais anteriormente já
registadas. A firma nova é aquela que atendendo às duas características
gráficas e fonéticas, se vai integrar no mercado distinguindo-se das
restantes ainda que próximas quanto à actividade exercida. De acordo
com o art. 33.º RNCP o princípio da novidade possui dois corolários
diferenciados consoante estejamos no âmbito de comerciantes em
nome individual e sociedades comerciais. “ As firmas e denominações
devem ser distintas e não susceptíveis de confusão ou erro com as
registadas ou licenciadas no mesmo âmbito de exclusividade, mesmo
quando a lei permita a inclusão de elementos utilizados por outras já
registradas, ou com designações de instituições notoriamente
conhecidas”
I. No caso de comerciantes em nome individual, a sua
protecção apenas se verifica se o comerciante aditar ao seu nome civil uma
designação alusiva à actividade por ele desempenhada, art. 38.º RNPC. Em regra a
protecção conferida a este tipo de firmas cinte-se a determinada circunscrição
territorial, não obstante, o comerciante em nome individual poderá requerer
protecção em todo território nacional, mediante pedido dirigido ao director geral
dos serviços e registos, desde que a actividade exercida se estenda para lá da
circunscrição onde o comerciante se encontra registado, art. 38.º 4 e 5 RNPC “ Os
comerciantes individuais que não usem como firma apenas o seu nome completo
ou abreviado têm direito ao uso exclusivo da sua firma desde a data do registo
definitivo na conservatória competente e no âmbito da competência territorial
desta” Os comerciantes individuais que exerçam actividades para além da
circunscrição referida no número anterior e aditem ao seu nome expressões
distintivas alusiva ao objecto do seu comércio podem ter direito ao uso exclusivo
da firma em todo território nacional, se pelo Director Geral dos Registos e do
Notariado lhes for deferida a correspondente solicitação”
II. No caso de sociedades comercias, a protecção conferida
estende-se independentemente da designação, a todo o território nacional, art. 37.º
n.º 2 RNPC. “ As sociedades comerciais e as sociedades civis sob forma
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 33 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

comercial têm o direito ao uso exclusivo da sua firma em todo território


nacional”.
O princípio da novidade aplica-se a comerciantes que exerçam entre si actividades
comerciais de qualquer tipo, e não apenas no que concerne a actividades
concorrentes.
3. Princípio da capacidade distintiva: um comerciante para ser aceite
como firma nos termos do RNPC tem de contar com um conjunto de
elementos distintivos que lhe permitam distinguir a nova firma das
restantes, não se trata aqui de sinais distintivos relacionados com o
princípio da novidade, mas antes sinais individualizadores. Uma firma
deve ser identificada por um nome que a possa individualizar e
diferenciar das restantes, não pode ser identificada com recurso a sinais
fracos, isto é, sinais que pelas suas características vagas ou facilmente
apropriáveis por todos se confundem. Não pode ser sinal distintivo de
uma firma a designação genérica de “padaria” “discoteca” sem mais
aditivos, nem a designação de exclusiva de nomes usuais no âmbito do
comércio, como “grande hotel” “café super”
4. Princípio da unidade: de acordo com este princípio um comerciante
em nome individual, art. 38.º RNPC apenas pode ter uma firma, “ O
comerciante individual deve adoptar uma só firma, composta pelo seu
nome, completo ou abreviado, conforme seja necessário para
identificação da pessoa, podendo aditar-lhe alcunha ou expressão
alusiva à actividade exercida”. O mesmo se passa em relação às
sociedades comercias, art. 9.º CSC. Há todavia, uma excepção aplicada
aos comerciantes em nome individual, uma vez que a estes é permitido
a constituição de nova firma para a exploração do EIRL, art. 40.º
RNPC. “ A firma de estabelecimento individual de responsabilidade
limitada é composta pelo nome do seu titular acrescido ou não de
referência ao objecto do comércio nele exercido e, pelo aditamento
“estabelecimento individual de responsabilidade limitada ou E.I.R.L.”
5. Princípio da licitude: trata-se de um princípio residual segundo o
qual a constituição da firma tem de obedecer à lei, aos bons costumes e
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 34 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

à boa fé. O art. 32.º n.º 4 RNPC enumera determinadas características


que não podem constar das firmas. “Das firmas e denominações não
podem fazer parte: a) expressões que possam induzir em erro quanto à
caracterização jurídica da pessoa colectiva, designadamente o uso,
por entidades com fim lucrativo, de expressões correntemente usadas
da designação de organismos públicos ou se associações sem
finalidade lucrativa. b) Expressões que sugiram de forma enganadora
uma capacidade técnica, financeira ou de âmbito de actuação
manifestamente desproporcionado relativamente aos meios
disponíveis ou que correspondam a qualidades ou excelências em
detrimento de outras. c) expressões proibidas por lei ou ofensivas da
moral ou dos bons costumes. d) expressões incompatíveis com o
respeito pela liberdade de opção politica, religiosa ou ideológica. e)
expressões que desrespeitem ou se apropriem ilegitimamente de
símbolos nacionais, personalidades épocas ou instituições cujo nome
ou significado seja de salvaguardar por razoes históricas, patrióticas,
cientificas, institucionais, culturais ou outras atendíveis”

5. Mecanismos de protecção da firma:


A tutela legal das firmas, dirige-se apenas para firmas registadas, uma vez que só
após o registo é que o titular da mesma pode possuir legitimas expectativas de ser
protegido. Existem duas formas de tutela:
1. Tutela preventiva: efectuada mediante um certificado de
admissibilidade de registo das firmas por parte do registo
nacional de pessoas colectivas. Tal certificado apenas será
emitido no caso da sua constituição respeitar os princípios de
constituição das firmas. Em regra o comerciante refere três
nomes que prefere por ordem hierárquica, o registo escolhe de
acordo com a preferência do comerciante. No caso das pessoas
colectivas o certificado de registo é requisito constitutivo, art.
54.º e 55.º RNPC, a ausência de certificado implica a não
existência de pessoa colectiva. Por sua vez, a emissão do
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 35 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

certificado a uma pessoa colectiva confere a presunção de


exclusividade da firma registada nos termos do art. 35.º n.º 2
RNPC, podendo muito embora, tal vir a ser contestado.
2. Tutela repressiva: traduz-se a possibilidade de requerer a
declaração de nulidade ou revogação do registo de firma
anteriormente registada, de modo a que esta perca o direito de
uso executivo de determinada designação. Existe ainda a
possibilidade de pedir uma indemnização a quem use de modo
ilícito a designação de uma firma, nos termos dos artigos 35.º
n.º 4, 60.º e 62.º RNPC. “ O uso ilegal de uma firma ou
denominações confere aos interessados o direito de exigir a
sua proibição, bem como a indemnização pelos danos daí
emergentes, sem prejuízo da correspondente acção criminal, se
a ela houver lugar”
Excepcionalmente poderá haver tutela de firmas não registadas, de acordo com
dois institutos:
1. O comerciante em nome individual que use uma firma sem a registar,
não se encontra como vimos protegido, mas poderá excepcionalmente
reagir contra terceiros por via do instituto da concorrência desleal
prevista no art. 317.º código de propriedade industrial. De acordo com
este instituto não pode um comerciante cometer actos contrários aos
usos do comércio, nomeadamente adoptar designações semelhantes, ou
factos distintivos de outras firmas, sob pena de ser accionado contra si
uma acção de responsabilidade civil nos termos gerias do 483.º CC.
2. Existe ainda outro instituto conhecido como Membros da União de
Paris, que congrega um conjunto de membros comerciantes titulares
de firmas com sede na U.E. estes comerciantes estão protegidos em
todo o espaço da união quanto à sua designação e sinais distintivos
quer nos países onde se encontram registados quer nos países que
embora o sendo, exercem actividade.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 36 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

6. Alteração da firma
Consta do art. 56.º RNPC que a alteração da designação de uma firma deverá ter
lugar sempre que tal se mostre imperativo para dar cumprimento ao princípio da
verdade, o que acontece por exemplo, no caso de saída de um sócio da sociedade
comercial ou no caso do comerciante em nome individual alterar o seu nome civil.

7. Transmissão da firma
O art. 44.º RNPC como sabemos, em cumprimento do princípio da verdade, não
existe uma verdadeira transmissão da firma, quando muito pode verificar-se um
aditamento ao nome de uma firma, fazendo referencia à anterior. 1. O adquirente,
por qualquer título entre vivos, de um estabelecimento comercial pode aditar à
sua própria firma a menção de haver sucedido na firma do anterior titular do
estabelecimento, se esse titular o autorizar, por escrito” 2. Tratando-se de firma
de sociedade onde figure o nome de sócio, a autorização deste é também
indispensável. 3 No caso de aquisição, por herança ou legado, de um
estabelecimento comercial, o adquirente pode aditar à sua própria firma do
anterior titular do estabelecimento, com a menção de nele haver sucedido. 4. É
proibida a aquisição de uma firma sem a do consentimento a que se achar
ligada”.

8. Vicissitudes das firmas


A perda do direito ao uso de firma e denominações, consta do art. 60.º RNPC, “
cabe ao RNPC declarar a perda do direito ao uso de firmas ou denominações
quando se verificar terem sido violados os princípios consagrados no art. 32.º e
33.º ou ainda nas condições previstas no artigo seguinte.” 2 A declaração pelo
RNPC da perda do direito ao uso de firma ou denominação implica o
cancelamento dos correspondentes registos em todos os serviços em que se
encontram lavrados”

Qualquer interessado pode requerer ao RNPC a declaração de perda do direito ao


uso de firma ou denominação de terceiro, mediante prova de determinadas
situações, previstas no art. 61.º RNPC:
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 37 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

1. Falta de inscrição da firma ou denominações no FCPC pelo seu titular,


directamente ou por intermédio da conservatória competente,
consoante os casos, decorrido um ano sobre o prazo em que o deveria
ter feito. Neste caso, o RNPC pode declarar a perda do direito ao uso
da firma ou denominação e promover o cancelamento dos
correspondentes registos, desde que os interessados tenham sido
notificados, para a sede declarada ao RNPC a fim de regularizarem a
situação e o não fizerem no prazo de três meses, a contar da
notificação.
2. Não exercício pelo titular de actividade pelo titular da firma ou
denominação durante um período superior a 10 anos.

De acordo com o art. 62.º RNPC “ o uso ilegal de uma firma ou denominação
confere aos interessados o direito de exigir a sua proibição, bem como a
indemnização pelos danos dai emergentes, sem prejuízo da correspondente acção
criminal, se a ela houver lugar”.

Secção II
A propriedade industrial
O Código de Propriedade Industrial divide-se em duas partes:
1. Parte geral – Comum a todos os sinais distintivos do comércio;
2. Parte Especial – Composto por normas reguladoras para cada sinal distintivo
do comércio.
Artº 4 e 257 do Código da Propriedade Industrial – Estes dois artigos admitem
explicitamente o direito de propriedade de coisas incorpóreas, ou seja, de sinais
distintivos do comércio. Assim sendo, vamos recorrer ao regime do direito de
propriedade geral – Artº 1302 e 1303 CC, para os sinais distintivos do comércio.

O direito de propriedade industrial é um direito real. Há um direito de gozo.


No entanto, é um direito de propriedade temporário – Artº 242 CPI – a duração
deste direito é de 10 anos, renováveis. Este direito, no entanto, pode caducar, se,

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 38 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

p. ex. não forem pagas as taxas ou se não se usar o direito durante cinco anos –
Artº 36 e 245.

É uma propriedade funcionalizável, tem uma determinada função. Se são sinais


distintivos, são para deles se fazer uso. Raramente se podem produzir alterações
no direito de propriedade industrial. Não temos o poder de modificação dos sinais
distintivos do comércio – Artº 241. Por exemplo, não se pode mudar o nome,
pode-se alterar ou mudar o tipo de reclame, tipo de letra, cor, mas não o nome.

Registo– É o registo que nos dá o direito oponível a utilizar os sinais distintivos


do comércio – Artº 232.

O nome e a insígnia
1. Noção
O nome e a insígnia são coisas diferentes apesar de se encontrarem associados.
Diferentemente do que se passa com a constituição das firmas, em que a sua
constituição é obrigatória, a constituição de nome e de insígnia é facultativa.
Contudo, normalmente é usual a adopção de um nome, até porque grande parte do
aviamento do estabelecimento está dependente da sua capacidade para se
distinguir dos restantes estabelecimentos concorrentes, sendo que essa distinção
passa em grande parte pelo nome do estabelecimento.
O nome pode ser entendido como o sinal nominativo constituído por palavras,
que designa ou individualiza um estabelecimento enquanto a insígnia diz respeito
a um sinal figurativo ou emblemático, constituído por, desenhos, símbolos, sinais
figurativos que identificam o estabelecimento, assim consta do art. 284.º do
código de propriedade industrial, (CPI). “ Considera-se insígnia de
estabelecimento qualquer sinal externo composto de figuras desenhos, simples
combinações com os nomes ou denominações referidos no artigo anterior, ou
com outras palavras ou divisas desde que o conjunto seja adequado a distinguir o
estabelecimento”.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 39 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Quer o nome quer a insígnia estão regulados nos artigos 282.º ss CPI. “ Todos os
que tiverem legítimo interesse, designadamente agricultores, criadores,
industriais, comerciantes e demais empresários, domiciliados ou estabelecidos
em qualquer lugar do território português, têm o direito de adoptar um nome e
uma insígnia para designar, ou tornar conhecido, o seu estabelecimento, nos
termos das disposições seguintes.”
Tal como sucedeu com a firma, relativamente ao nome e insígnia vamos estudar
os princípios que norteiam a sua constituição, bem como a sua garantia. Quanto
aos princípios que se devem observar na constituição do nome insígnia, eles são
os mesmos operados na constituição das firmas, embora devam ser interpretados
em moldes diferenciados precisamente porque agora estamos num âmbito de
protecção diferente.

2. A constituição do nome e insígnia


de acordo com os artigos 283.º e 284.º CPI, a constituição do nome e insígnia
obedece ao princípio da liberdade, qualquer nome, expressão, desenho, símbolo é
válido, não tendo o nome de ter qualquer relação com o estabelecimento ou com a
actividade prestada. art. 283.º “ Podem constituir nome de estabelecimento: As
denominações de fantasia ou específicas; Os nomes históricos, excepto se o do
seu emprego resultar ofensa da consideração que, geralmente, lhes é atribuída;
O nome da propriedade ou do local do estabelecimento, quando este seja
admissível, ou acompanhado de um elemento distintivo; O nome, os elementos
distintivos da firma ou denominação social e o pseudónimo, ou alcunha, do
proprietário; O ramo de actividade do estabelecimento, quando acompanhado
por elementos distintivos.”
A constituição da insígnia, obedece a este princípio, pelo que pode ser adoptado
qualquer insígnia desde que “ o conjunto seja adequado a distinguir o
estabelecimento”, art. 284.º n.º 1 CPI.

3. Princípios jurídicos
1. Princípio da verdade: este princípio não pode ser entendido nos
mesmos moldes em que é visto para a firma, aqui o nome ou insígnia
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 40 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

obedecendo ao princípio da liberdade, pode não revelar qualquer


indicação sobre a natureza da actividade podem ser fantasia, estes
podem não ter qualquer tipo de relação com a actividade desenvolvida
pelo estabelecimento. Deste modo, o princípio da verdade deve ser
encarado segundo uma perspectiva em que o nome e a insígnia não
podem conter afirmações ou símbolos que não sejam verdade, por
exemplo o nome do estabelecimento conter o nome civil do seu titular
e este ser mal identificado. O principio da verdade encontra
consagração legal, das alíneas a a e do art. 285.º CPI: “ Não podem
fazer parte do nome ou insígnia de estabelecimento: O nome
individual, que não pertença ao requerente, salvo se provar o
consentimento ou legitimidade do seu uso; a frima ou a denominação
social que não pertença ao requerente, ou apenas parte característica
das mesmas, se for susceptível de induzir o consumidor em erro ou
confusão, salvo se se provar o consentimento ou a legitimidade do seu
uso; As expressões “antigo armazém, antiga casa, antiga fábrica,” e
outras semelhantes, referidas a estabelecimentos cujo o nome ou
insígnia sejam registados a favor de outrem, a não ser que se prove o
consentimento do respectivo proprietário; As expressões “antigo
empregado, antigo mestre, antigo gerente “ e outras semelhantes,
referidas a outra pessoa singular ou colectiva, salvo se se provar o
consentimento desta; as indicações de parentesco e as expressões de
“herdeiro, sucessor, representante, ou agente” e outras semelhantes,
excepto se se provar a legitimidade do seu uso”
2. Princípio da novidade: a constituição de um nome e insígnia, para
cumprirem a sua função individualizadora, têm de ser novidade nos
sentido destes serem distinguíveis dos demais nomes e insígnias
anteriormente já registadas. Ao exigir-se que a constituição de um
nome e de uma insígnia obedeça a este princípio estão a salvaguardar-
se, simultaneamente os interesses dos comerciantes, mas também
interesses públicos, de protecção dos bons costumes. O princípio da
novidade vêm expresso no art. 285.º CPI: “ Não podem fazer parte do
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 41 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

nome ou insígnia de estabelecimento: O nome individual, que não


pertença ao requerente, salvo se provar o consentimento ou
legitimidade do seu uso; a frima ou a denominação social que não
pertença ao requerente, ou apenas parte característica das mesmas, se
for susceptível de induzir o consumidor em erro ou confusão, salvo se
se provar o consentimento ou a legitimidade do seu uso; As expressões
“antigo armazém, antiga casa, antiga fábrica,” e outras semelhantes,
referidas a estabelecimentos cujo o nome ou insígnia sejam registados
a favor de outrem, a não ser que se prove o consentimento do
respectivo proprietário; As expressões “antigo empregado, antigo
mestre, antigo gerente “ e outras semelhantes, referidas a outra
pessoa singular ou colectiva, salvo se se provar o consentimento
desta; as indicações de parentesco e as expressões de “herdeiro,
sucessor, representante, ou agente” e outras semelhantes, excepto se
se provar a legitimidade do seu uso” para sabermos se um nome ou
insígnia, é ou não confundível com outros já existentes, temos de
atender à sua fonética, grafia, ao ramo de actividade em que se
encontra, à localização geográfica, dimensão, etc. No âmbito das
firmas, a sua designação abrangia firma concorrentes e não
concorrentes, pelo que o nome não poderia em caso algum ser usado,
assim sucede porque uma firma apode exercer várias actividades.
Relativamente ao nome e à insígnia de um estabelecimento ou
empresa, apesar deles se distinguirem uns dos outros com base
sobretudo no nome, não lhes é atribuída personalidade jurídica, assim,
este princípio quanto as empresas vale apenas para estabelecimentos
concorrentes. Assim podemos afirmar o princípio da especialidade,
uma vez que a novidade é apenas exigida para estabelecimentos com
objecto idêntico ou afim. Esta orientação retira-se literalmente do art.
285.º al. g CPI: “Não podem fazer parte do nome ou insígnia de
estabelecimento: Os elementos constitutivos da marca, ou desenho ou
modelo, protegidos por outrem para produtos idênticos ou afins aos
que se fabricam ou vendem no estabelecimento a que se pretende dar o
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 42 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

nome ou a insígnia, ou para serviços idênticos ou afins aos que nele


são prestados.” Assim, não podem fazer parte do nome de um
estabelecimento, nomes confundíveis com marcas e produtos afins
produzidos por outro estabelecimento. Assim, poderá existir uma
marca de sapatos progresso, porque actualmente o estabelecimento que
existe com este nome é um café, não há perigo de confusão. Contudo,
já não poderá haver um bar com o mesmo nome, porque induziria o
cliente em erro.
3. Princípio da capacidade distintiva: De acordo com este princípio, o
estabelecimento protegido pelo nome e sinal distintivo, tem de se
diferenciar dos restantes estabelecimentos, com base em sinais
distintivos integrantes do nome e da insígnia, sendo que tal
diferenciação ano se pode fazer mediante recurso a sinais fracos e
francos, isto é, sinais que pela sua generalidade não são
individualizares e sinais que pela sua apropriação genérica são podem
ser usado. Assim, estes sinais não podem ser constituídos por nomes ou
figuras especificas como “discoteca” “padaria”
4. Princípio da unidade: De acordo com o princípio da unidade,
estabelecido no art. 282.º CPI “Todos os que tiverem legítimo
interesse, designadamente agricultores, criadores, industriais,
comerciantes e demais empresários, domiciliados ou estabelecidos em
qualquer lugar do território português, têm o direito de adoptar um
nome e uma insígnia para designar, ou tornar conhecido, o seu
estabelecimento, nos termos das disposições seguintes” casa
estabelecimento deve possuir apenas um nome e uma insígnia, o que
poderá levantar alguns problemas no que concerne à designação das
sucursais e secções. Estas entidades não possuem autonomia jurídica,
mas apenas de facto, pelo que o critério que devemos usar deve atender
ao seu grau de autonomia, assim se a sucursal se torna uma empresa
separada apenas vinculada à empresa mãe em termos formais, deve ser
registada de modo autónomo. Sendo que no que se refere à transmissão
do nome e da insígnia, temos de atender às geras gerais, assim, se a
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 43 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

sucursal for autonomizada poderá ficar com o nome de origem se


empresa mãe adoptar outro nome ou então se tal ano se verificar,
deverá a sucursal ser registada com outro nome.
5. Princípio da licitude: Trata-se de um princípio residual segundo o
qual o nome e insígnia de estabelecimento têm de obedecer à lei, aos
bons costumes e à boa fé. art. 285.º al. f CPI ex vie, art. 239.º CPI.

4. Protecção do nome e da insígnia de um estabelecimento:


A protecção legal de nome e insígnias cinge-se essencialmente aos nomes e
insígnias registadas. Assim, apesar do registo não ser constitutivo de direitos e ter
eficácia meramente declarativa, pelo que se traduz num ónus jurídico, ou seja, na
verificação de uma vantagem para o onerado, o registo tem efeitos importantes no
que concerne à protecção de nomes e insígnias, art. 295.º CPI. A protecção é
desencadeada em regra, quando se assiste à violação do princípio da novidade,
sendo que esta protecção se poderá verificar de quatro modos:
1. Tutela preventiva: o titular de um estabelecimento que tome conhecimento do
pedido de registo de um nome e insígnia semelhante ou confundível com o seu
pode apresentar a oposição do pedido, por isso, é que todos os pedidos são
registados no Boletim da Propriedade Industrial, art. 290.º CPI: “ Da
apresentação do pedido é publicado aviso no Boletim da Propriedade Industrial,
para efeito de reclamação de quem se julgar prejudicado pela eventual concessão
de registo” A reclamação é feita segundo os trâmites previstos no art. 17.º ss CPI:
2. Tutela repressiva: no caso do registo ser concedido, qualquer comerciante que
tenha conhecimento, sobretudo o titular do estabelecimento ofendido, da
existência de um registo de nome e insígnia confundível com um já existente
pode, requerer a proibição do uso nos termos gerais.
3. Poderá ainda haver lugar à declaração de nulidade ou anulação do registo do
nome e da insígnia, nos termos do art. 298.º e 299.º CPI. Paralelamente poderá
ainda haver lugar a responsabilidade civil nos termos gerais no caso de haver
danos resultantes do uso indevido do nome ou insígnia confundível.
Nota: no artigo 298.º CPI existe uma gralha, assim onde se lê art. 283.º a 285.º
deve corrigir-se 283.º a 284.º CPI.
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 44 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

4. O art. 333.º CPI, estabelece ainda a possibilidade de aplicação de coima, “ É


punido com coima de € 3000 a € 30000, caso se trate de pessoa colectiva e de €
750 a € 7500, caso se trate de pessoa singular, quem, sem consentimento do
titular do direito, usar no seu estabelecimento, em anúncios, correspondência
produtos ou serviços ou por qualquer outra forma, nome ou insígnia que
constitua reprodução, ou que seja imitação de nome ou de insígnia já registada
por outrem “
5. Poderá ainda o lesado ser indemnizado nos termos gerais, art. 483º CC.
 Excepcionalmente poderá haver tutela de nomes e de insígnias não registadas,
de acordo com dois institutos:
4.1 A concorrência desleal
1.O comerciante que use um nome ou insígnia sem registar, não se encontra como
vimos protegido, mas poderá excepcionalmente reagir contra terceiros por via do
instituto da concorrência desleal prevista no art. 317.º código de propriedade
industrial, e art. 24.º n.º 1 al. d CPI. De acordo com este instituto não pode um
comerciante cometer actos contrários aos usos do comércio, nomeadamente
adoptar designações semelhantes, ou factos distintivos de outras firmas, sob pena
de ser accionado contra si uma acção de responsabilidade civil nos termos gerias
do 483.º CC.
A concorrência desleal é definida como “todo o acto de concorrência contrário às
normas e usos honestos de qualquer ramo de actividade económica”
2. Existe ainda outro instituto conhecido como Membros da União de Paris, que
congrega um conjunto de membros comerciantes titulares de firmas com sede na
U.E. estes comerciantes estão protegidos em todo o espaço da união quanto à sua
designação e sinais distintivos quer nos países onde se encontram registados quer
nos países que embora o sendo, exercem actividade.
5. Transmissão do nome e da insígnia:
A transmissão do nome e da insígnia de um estabelecimento apenas se faz em
conjunto com o trespasse do estabelecimento, nunca se podem transferir se o
estabelecimento em si também não for, sob pena de violação do princípio da
verdade, art. 31.º n.º 3 CPI: “ os direitos emergentes do pedido de registo ou do
registo de nomes ou insígnias de estabelecimento só podem transmitir-se, a título
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 45 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

gratuito ou oneroso, com o estabelecimento, ou parte do estabelecimento, a que


estão ligados”.
Em regra a transmissão do nome e insígnia faz parte do âmbito natural, pelo que
não será necessário cláusula expressa para a sua transmissão, art. 31.º n.º 4 CPI “
sem prejuízo do disposto no número seguinte, a transmissão do estabelecimento
envolve os respectivos nome e insígnia, que podem continuar tal coo estão
registados, salvo se o transmitente os reservar para outro estabelecimento,
presente ou futuro”.
Existem contudo, certos casos em que, a transmissão do nome e da insígnia estão
sujeitos ao âmbito convencional, sendo necessário, cláusula expressa para sua
transmissão, art. 31.º n.º 5 CPI “ Se no nome ou insígnia de estabelecimento ou na
marca figurar o nome individual, a firma ou a denominação social do titular ou
requerente do respectivo registo, ou de quem ele represente, é necessária
cláusula para a sua transmissão.”
A transmissão do nome ou insígnia está sujeita a averbamento no instituto
nacional da propriedade industrial, nos termos do art. 30º CPI, alias como
estabelece o n.º 2 desse artigo a transmissão apenas produz efeitos “ em relação
a terceiros depois da data do respectivo averbamento”
6. Extinção dos direitos emergentes do uso do nome e insígnia:
Os direitos emergentes do nome e da insígnia podem ser extinguidos por três
mecanismos:
1. Nulidade, art. 298.º e 33.º CPI, o regime da nulidade é aquele dos
termos gerais, assim, a nulidade é invocável a todo tempo por qualquer
interessado, art. 33.º n.º 2 CPI. Os seus efeitos não se produzem ipso
iure, antes têm de ser declarados judicialmente, art. 35.º n.º 1 CPI. Os
casos gerais de nulidade constam do art. 33.º CPI, embora o art. A
ausência dos requisitos previstos no art. 284.º CPI geram também a
nulidade.
2. Anulação, art. 34.º e 299.º CPI: os casos de anulação do uso de nome
ou insígnia podem reconduzir-se a três casos, sendo que o direito de
anulação, tem de ser proposto em acção para o efeito, nos 10 anos

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 46 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

subsequentes à “data do despacho de concessão do registo,” art. 299.º


n.º 2 CPI:
I. Casos do art. 34.º CPI relativos a pedidos efectuados por
quem não tenha legitimidade para tal;
II. Casos do art. 285.º CPI onde constam fundamentos do
direitos recusa de registo de nome ou insígnia;
III. Casos em que se assista a situações de concorrência desleal,
mesmo que esta seja efectuada de modo não intencional.
3. Caducidade: art. 37.º e 300.º CPI. Nestes artigos estão previstas
diferentes situações em que se assiste à caducidade do direito de uso de
nome e insígnia:
I. Caducidade resultante do decurso do tempo, art. 37.º al. a
CPI, pelo que o direito de uso de nome e insígnia, caduca nos 10 anos seguintes
ao registo, embora se admita a sua renovação, art. 293.º CPI “ A duração de
registo é de 10 anos, contados da data da respectiva concessão, podendo ser
indefinidamente renovado por iguais períodos”
II. Caducidade resultante do não pagamento de taxas, art. 37.º
al. b CPI. A previsão das taxas consta do art. 346.º ss CPI.
III. Caducidade em caso de encerramento ou liquidação do
estabelecimento, art. 300.º al. a CPI.
IV. Aquando do registo, o comerciante propõe como nome da
estabelecimento, três designações, sendo escolhendo apenas uma, nas restantes
caducam.
Garantias quando o nome e insígnia se encontram registados:

- O registo tem eficácia constitutiva;


- Quem tem o registo efectuado pode pedir a anulabilidade do
registo posterior;
- Obtém a condenação de um terceiro, por uso ilegítimo do seu
nome ou insígnia;

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 47 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

- Pode-se apresentar reclamação sobre pedido de um registo novo


– Artº 235 e 236;
- Podemos participar crimes e contra-ordenações;
- Direito a indemnização por perdas e danos sofridos, nos termos
do 483 CC e 257 CPI;
- Possibilidade de se requerer vistorias – Artº 20;
- Possibilidade de interpor Providências Cautelares.

Secção III
A marca
1. Noção
A marca é um sinal distintivo susceptível de representação gráfica, destinada
sobretudo a distinguir certos produtos de outros produtos idênticos ou afins. Os
princípios orientadores na constituição da marca estão em consonância com o que
se disse em relação à constituição da firma, nome e insígnia, e vêm regulados nos
art. 222.º ss CPI.

1.1 Constituição de uma marca


A constituição das marcas é muito mais aleatória do que a constituição das firmas,
assim, uma marca pode ser constituída por um sinal nominativo, por sinais
auditivos, por desenhos, símbolos, combinação de sons, de palavras, desenhos etc.
As marcas identificam produtos, quer eles sejam produzidos por empresas ou não,
assim sucede porque apensar da grande parte das produtos serem produzidos em
empresas, pode um produto ser produzido por um não empresário, como sucede
com os cientistas, investigadores, e pessoas famosas que registam o seu nome.

2. Espécies de marcas
As marcas podem ser de diferentes espécies atendendo a diversos critérios:
2.1 natureza das actividades a que se ligam
Mmarcas de indústria, de comércio, de agricultura, de serviços, etc. art. 225.º al.
a, b, c, e.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 48 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

2.2 Atendendo aos possíveis titulares das marcas


Podem ser individuais ou colectivas, sendo que estas últimas não têm
necessariamente que ser exploradas por uma multiplicidade de pessoas, basta que
seja usada por uma entidade mas que defende interesses de múltiplos sujeitos,
como acontece com a marca por exemplo de uma carne de raça. As marcas
colectivas, constam do art. 228.º CPI “ Entende-se por marca colectiva uma
marca de associação ou uma marca de certificação. 2. Podem constituir marca
colectiva os sinais ou indicações utilizados no comércio para designar a origem
geográfica dos produtos ou serviços”
A este propósito cumpre diferenciar:
Marcas de associação, art. 229.º CPI “ uma marca de associação é um sinal
determinado pertencente a uma associação de pessoa singulares ou colectivas,
cujo membros o usam, ou têm intenção de usar, para produtos e serviços
relacionados com o objecto da associação” assim sucede com a marca de carne
arouquesa.
Marcas de certificação, art. 230.º CPI “ Uma marca de certificação é um sinal
determinado pertencente a uma pessoa colectiva que controla os produtos ou os
serviços ou estabelece normas a que estes devem obedecer”

2.3 As marcas podem ainda ser notórias ou marcas de prestígio:


São marcas notórias, aquelas que embora não sendo registadas no nosso pais,
são conhecidas em Portugal, pelo que conforme estabelece o art. 241.º CPI
Esta norma tem assim como objectivo, salvaguardar o interesse público e
acautelar a possibilidade de confusão, evitando que um empresário português se
aproveite de uma marca estrangeira, e a adopte nos seus produtos idênticos ou
semelhantes, sendo que não sendo a marca registada em Portugal não poderia o
registo ser recusado se esta norma não existisse.
Exige-se assim a identidade de produtos bem como a notoriedade da marca em
causa.
Marcas de prestígio: são macas que embora não sendo registadas no nosso pais,
são aqui conhecidas, a diferença em relação às marcas notórias relaciona-se com o
âmbito de protecção quanto à espécie de produtos, uma vez que já não se exige a
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 49 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

possibilidade de confusão de produtos derivados da sua afinidade, não é


necessário que exista identidade de produtos, passando-se assim sobre o requisito
da possibilidade de confusão. “ Sem prejuízo do disposto no artigo anterior, o
pedido de registo será igualmente recusado se a marca, ainda que destinada a
produtos ou serviços sem identidade ou afinidade, constituir tradução, ou for
igual ou semelhante, a uma marca anterior que goze de prestígio em Portugal ou
na Comunidade Europeia, se for comunitária, e sempre que o uso da marca
posterior procure tirar partido indevido do carácter distintivo ou do prestígio da
marca, ou possa prejudica-las”
Não se exige aqui a identidade de produtos, mas apenas o risco de associação com
uma marca do mercado português dotada de grande prestígio relativamente aos
seus produtos, aqui protege-se sobretudo a tentativa de usurpação da marca por
associação.
3. Função das marcas
Durante muito tempo a principal função das marcas limitou-se a ser distintiva, a
distinguindo sobretudo produtos afins e a indicar a origem do produto.
Actualmente a marca não é só vista do ponto de vista de finalidade distintiva de
produtos afins, mas também como uma finalidade informativa, pelo que a marca
nos dá a conhecer diferentes características do produto em causa, como a origem.
Paralelamente, a marca tem ainda como função satisfazer interesses do seu
comercializador, uma vez que é um excelente meio de publicidade.

A marca pode ser constituída de modo quase ilimitado, mas terá sempre
subjacentes questões relacionadas com marketing e com a obtenção da maior
clientela possível. Assim, a marca protege sobretudo o seu titular.
Por último a marca tem ainda como função, garantia de qualidade do produto.
Em suma a marca tem como funções: distintiva; publicitária, indicação de origem,
protecção do comercializador; garantia de qualidade.

4. princípios jurídicos
1. Princípio da verdade: o princípio da verdade no que concerne à
constituição das marcas tem de ser entendido com uma certa
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 50 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

maleabilidade, até porque a designação da marca, quase nunca


corresponde à designação do produto, apenas em casos gritantes é que
este princípio poderá ser violado.
2. Princípio da novidade: uma marca que é registada tem de ser nova, ou
seja, tem de conferir ao seu titular o seu direito de uso exclusivo. A
protecção das marcas é efectuada em relação às restantes que digam
respeito a produtos afins ou idênticos, assim se houver a possibilidade
de confusão ou associação de marcas, devemos atender ao produto que
ela identifica, sendo que se for um produto semelhante ou afim o
registo da marca deve ser recusado, vigora aqui também o princípio da
especialidade: art. 238.º al. m CPI “ É ainda recusado o registo de
marcas que contendam em todo ou alguns dos seus elementos:
reprodução ou imitação, no todo ou em parte, de marca anteriormente
registada para produtos ou serviços idênticos ou afins que possa
induzir em erro ou confusão o consumidor ou que compreenda o risco
de associação coma marca registada” a redacção do artigo é clara,
apenas é deixado ao intérprete a análise do que são produtos afins, é
importante esclarecer o que isto seja, sendo que se entende como
produtos afins aqueles que embora sendo diferentes são substitutos
entre si. A este propósito devemos atender ao disposto no art. 245.º
CPI que estabelece o que constitui a imitação ou usurpação da marca.
O artigo estabelece requisitos cumulativos: “ A marca registada
considera-se imitada ou usurpada por outra, no todo ou em parte,
quando, cumulativamente: a marca registada tiver prioridade; sejam
ambas destinadas a assinalar produtos idênticos ou afins; tenham tal
semelhança gráfica, figurativa ou fonética ou outra que induza
facilmente o consumidor em erro ou confusão, ou que compreendas
um risco de associação com marca anteriormente registada, de forma
que o consumidor não as possa distinguir senão depois de um exame
atento ou confronto. N.º 2 para efeitos da alínea b do n.º 1: Os
produtos que estejam inseridos na mesma classe de classificação de
Nice podem não ser considerados afins; Os produtos e serviços que
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 51 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

não estejam inseridos na mesma classificação de Nice podem ser


considerados afins. N.º 3 Considera-se imitação ou usurpação parcial
de marca o uso de certa denominação de fantasia que faça parte de
marca alheia anteriormente registada.” Este artigo deixa de fora
aquelas marcas que sendo semelhantes se destinam a produtos
diferentes, porque entende a lei que nestes casos não há possibilidade
de confusão. Por isso, se a marca se tentar apropriar do prestígio da
outra não obstante da diferenciação de produtos, o seu titular o gozará
da protecção conferida pelo art. 242.º CPI relativo às marcas de
prestígio. Note-se apenas que para aferir a possibilidade de confusão de
produtos temos de atender ao consumidor médio, ao produto em causa,
e ao tipo de púbico a que o produto se destina. O princípio da
novidade, tem ainda aplicação importante no que se refere à protecção
de marcas que apesar de se referirem a produtos diferentes, podem
gerar a risco de associação. Assim um comerciante de DVD não
poderá dar-lhes a marca de Soni, porque haveria possibilidade de
confusão com uma marca já registada apesar de não haver identidade
dos produtos. Note-se por fim que, o princípio da novidade quanto ao
registo de marcas, abrange outros sinais distintivos, por isso, o registo
de uma marca deve ser recusado se a sua designação possuir elementos
de “firma, denominação social, logótipo, nome e insígnia de
estabelecimento, ou apenas parte característica do mesmo, que não
pertençam ao requerente, ou que o mesmo não esteja autorizado a
usar, se for susceptível de induzir o consumidor em erro ou confusão”
art. 239.º al. f CPI. Note-se contudo que a lei também protege os casos
em que a marca está a ser usurpada pelo nome de uma empresa, sendo
a protecção da marca feita ao abrigo do art. 285.º n.º 1 al. g CPI
“Fundamentos de recusa
1 - Não podem fazer parte do nome ou insígnia de estabelecimento: Os
elementos constitutivos da marca, ou desenho ou modelo, protegidos
por outrem para produtos idênticos ou afins aos que se fabricam ou
vendem no estabelecimento a que se pretende dar o nome ou a
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 52 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

insígnia, ou para serviços idênticos ou afins aos que nele são


prestados;”

3. Princípio da capacidade distintiva: de acordo com este princípio a


marca de um determinado produto, deve permitir que este se distinga
dos seus concorrentes, a marca deve assim estar apta para poder
identificar um produto, por isso, a marca não pode adoptar designações
com recurso a sinais fracos e francos, isto é, sinais que pela sua
generalidade não são individualizares e sinais que pela sua apropriação
genérica são podem ser usados. art. 222.º CPI. “A marca pode ser
constituída por um sinal ou conjunto de sinais susceptíveis de
representação gráfica, nomeadamente palavras, incluindo nomes de
pessoas, desenhos, letras, números, sons, a forma do produto ou da
respectiva embalagem, desde que sejam adequados a distinguir os
produtos ou serviços de uma empresa dos de outras empresas” “ Não
obedecem ao princípio da capacidade distintiva as marcas, art. 223.º
CPI “ as marcas desprovidas de qualquer carácter distintivo; os sinais
constituídos exclusivamente, pela forma imposta pela própria natureza
do produto, pela forma do produto necessária à obtenção de um
resultado técnico ou pela forma que confira um valor substancial ao
produto; os sinais constitutivos, exclusivamente por indicações que
possam servir no comércio para designar a espécie, a qualidade, a
quantidade, o destino, o valor, a proveniência geográfica, a época ou
meio de produção do produto ou da prestação do serviço, ou outras
características dos mesmos; as marcas constituídas exclusivamente
por sinais ou indicações que se tenham tornado usuais na linguagem
corrente ou nos hábitos leais e constantes do comércio; as cores, salvo
se forem combinada entre si ou com gráficos, dizeres ou outros
elementos de forma peculiar e distintiva”. No caso da marca violar o
princípio da capacidade distintiva, o seu registo deve ser recusado, art.
238.º n.º 1 al. a e b CPI. Assim, não são marcas os sinais específicos,
descritivos, e genéricos. Os específicos são aquele que designam um
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 53 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

produto, como “ovo”. Os sinais descritivos referem-se directamente a


características ou propriedade dos produtos, “lã pura”. Os signos
genéricos designam um género ou categoria de produtos “refresco”
para laranjadas. Do mesmo modo, não podem as marcas ser
constituídas por sinais de uso comum.

5. A tutela legal das marcas


Dirige-se apenas para marcas registadas, uma vez que só após o registo é que o
titular da mesma pode possuir legitimas expectativas de ser protegido. O registo
da marca a “ confere ao seu titular o direito de propriedade e do exclusivo da
marca para os produtos e serviços a que esta se destina”, art. 224.º CPI. Assim, o
seu titular tem o direito de impedir o uso e usurpação da sua marca por parte de
terceiros, nos termos estabelecidos no art. 11.º e 12.º CPI.

5.1 O princípio da prioridade cronológica


Em regra, vigora quanto ao registo das marcas o princípio da prioridade
cronológica, contudo, existem dois casos especiais em que se protegem marcas
cujo registo não foi prioritário.
1. Art. 227.º CPI “ aquele que usar marca livre ou não registada por
prazo não superior a 6 meses te, durante esse prazo, direito de
prioridade para efectuar o registo, podendo reclamar conta o que for
requerido por outrem”
2. Nos casos em que o pedido de registo tenha sido apresentado por um
nacional dos Estados-membros da convenção de Membros da União de
Paris, ou membro da OMC, o pedido gozará, em Portugal de direito de
prioridade durante seis meses a partir da data do primeiro pedido, art.
12.º CPI.

A nível internacional existe um acordo denominado Convenção de Madrid, para


a protecção de marcas, que criou um mecanismo de troca de informações entre
diferentes entidades nacionais encarregadas de registo das marcas, art. 248.º CPI “
o titular de um registo de marca, de nacionalidade portuguesa ou domiciliado ou
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 54 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

estabelecido em Portugal, pode assegurar, nos termos do Acordo de Madrid


relativo ao Registo Nacional de Marcas, a protecção da usa marca nos Estados
que aderiram ou vierem a aderir a esse acordo.” Este acordo permite assim que a
marca goze de protecção em todo território dos estados-membros, o que facilita o
controlo da imitação.

5.2 O registo
O registo da marca confere ao seu titular o direito de propriedade sobre a mesma,
assim este pode usar a marca em todos os seus produtos, serviços, podendo
inclusive transmitir a marca, quer de modo definitivo quer mediante
licenciamento, sem a respectiva transmissão da empresa, art. 262.º CPI “ Os
registos de marcas são transmissíveis se tal não for susceptível de induzir o
público em erro quanto à proveniência do produto ou do serviço ou aos
caracteres essenciais para a sua apreciação.”
Trespassando-se um estabelecimento, transmite-se naturalmente a marca, a ele
legadas, do mesmo modo, transferindo-se um estabelecimento a título temporário,
vale também a regra da transmissão natural.
A transmissão inter vivos das marcas quando não integrada num negócio sobre o
estabelecimento, deve fazer-se por documento escrito, art. 31.º n.º 6 CPI. Sendo
que em qualquer dos casos, a transmissão só produz efeitos em relação a terceiros
depois do respectivo averbamento no INPI, art. 30.º n.º 1 e 2 CPI:.
Note-se que os direitos conferidos pelo registo de marca no nosso pais, são
eficazes em todo território nacional, art. 4.º CPI

Exemplo
Se, por exemplo o Sr. A começa a usar certa marca sem registo, e B
posteriormente começa a usar a mesma marca e requer o respectivo registo ao
INPI, a lei protege o interesse do Sr. A, concedendo-lhe o direito de pedir e obter
para sí o registo da marca em detrimento do Sr. B, mas com uma condição: a de
que o uso de A ainda não tenha excedido a duração de seis meses e ele apresente a
sua reclamação dentro desse prazo. O uso da marca confere, portanto, um direito
de prioridade para o seu registo, embora apenas limitado no tempo.
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 55 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Pode, no entanto acontecer outra situação, de marcas ainda não registadas, o INPI
pode reconhecer, que sendo uma marca usada pelo Sr. A, e aparecendo o Sr. Ba
requerer o registo, B pretende fazer concorrência desleal a A, ou que esta é
possível independentemente as sua intenção, pode recusar o registo requerido por
B.

O registo da marca confere ao seu titular um direito sobre esta pelo prazo de 10
anos, renováveis (art. 255.º CPI).

6. Tutela das marcas:


O titular da marca pode igualmente reagir contra o uso ilícito ou usurpação da sua
marca por terceiros:
1. Pode o registo da marca posterior ser recusado em virtude da violação do art.
245.º CPI e 239.º al. m CPI.
2. Pode ainda o detentor do registo da marca requerer a anulação do registo,
nomeadamente por violação do princípio da novidade, nos termos do art. 266.º
CPI. Que estabelece os casos em que o registo da marca é anulável, sem prejuízo
do disposto no art. 34 do mesmo diploma.
3. Possibilidade de requerer a inibição do uso da marca nos termos do ar. 258.º
CPI mediante a acção inibitória,” O registo da marca confere ao seu titular o
direito de impedir terceiros, sem o seu consentimento, de usar, no exercício de
actividades económicas qualquer sinal igual, ou semelhante em produtos ou
serviços idênticos ou afins daqueles para os quais a marca foi registada, e que,
em consequência da semelhança entre os sinais e da afinidade dos produtos e
serviços, possa causar um risco de confusão, ou associação no espírito do
consumidor” sendo que se este uso gerar danos será ainda possível accionar o
infractor mediante responsabilidade civil nos termos do art., 483.º CC.
4. Além disso, existe ainda a possibilidade de punição por via criminal pelo uso
ilegal de marcas nos termos do art. 323.º e 234.º CPI

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 56 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

6.1 Tutela marcas não registadas ou marcas de facto


A protecção de marcas não registadas, isto é, das marcas de facto, pode fazer-se
por duas vias:
1. O titular de uma marca não registada, não se encontra como vimos protegido,
mas poderá excepcionalmente reagir com base no art. 24.º n.º 1 CPI contra
terceiros por via do instituto da concorrência desleal prevista no art. 317.º código
de propriedade industrial. De acordo com este instituto não pode um comerciante
cometer actos contrários aos usos do comércio, nomeadamente adoptar
designações semelhantes, ou factos distintivos de outras firmas, sob pena de ser
accionado contra si uma acção de responsabilidade civil nos termos gerias do
483.º CC.
2. Poderá ainda o lesado socorrer-se do instituto conhecido como Membros da
União de Paris, que congrega um conjunto de membros comerciantes titulares de
firmas com sede na U.E. estes comerciantes estão protegidos em todo o espaço da
união quanto à sua designação e sinais distintivos quer nos países onde se
encontram registados quer nos países que embora o sendo, exercem actividade.
3. Gozam ainda de especial protecção as marcas de facto notoriamente
conhecidas, nos termos já analisados do art. 241.º CPI.

6.2 Limitações dos direitos conferidos pelo registo


Apesar do registo conferir ao seu titular o direito de propriedade sobre a marca, há
determinados aspectos que lhe são vedados, conforme o disposto no art. 260.º
CPI: Além disso, importa ainda referir o princípio do esgotamento, do art. 259.º
CPI

7. Extinção dos direitos conferidos pelas marcas, art. 265.º CPI:


1. Por nulidade: o registo na marca é nulo nos casos previstos no art.
33.º e quando a sua concessão desrespeitar o disposto nos artigos
238.ºal. a a c e 239.º al. a a e i, l CPI. A declaração pode ser requerida
a todo tempo, por qualquer interessado ou pelo MP, art. 33.º n.º 2 e 35.º
CPI. Note-se contudo que a eficácia retroactiva da nulidade contém
algumas limitações, constantes do art. 36.º CPI.
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 57 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

2. Por anulação: a anulabilidade pode ser requerida quando a sua


concessão infringir o disposto nos art. 34.º art. 266.º al. f a h art. 239.º e
240.º a 242.º CPI. As acções podem ser propostas pelo MP ou por
qualquer interessado dentro de um prazo de 10 anos a contar da data do
despacho de concessão do registo.
3. Por caducidade: o registo da marca caduca independentemente da
invocação de causa quando tiver expirado o seu prazo de duração e por
falta de pagamento de taxas, art. 37.º a caducidade opera ainda se as
respectivas causas forem invocadas nos termos do art. 255.º, 269.º e
270.º CPI.

Nota: nos termos do art. 255.º CPI os direitos conferidos pelo registo caducam no
prazo de 10 anos, contudo, a sua renovação é admitida sem qualquer limite
temporal diferentemente do que acontece com as patentes em que o prazo de
registo é limitado.

8. Transmissão das marcas


A marca pode ser total ou parcialmente transmitida com grande liberdade
independentemente da transmissão da empresa, porque ela não está ligada de
modo imperativo a esta, embora lhe esteja associada, a empresa sobrevive
perfeitamente sem a marca, pode haver a sua transmissão sem haver violação do
princípio da verdade, desde que tal transmissão não seja susceptível de induzir o
publico em erro, art. 262.º CPI “Os registos de marcas são transmissíveis se tal
não for susceptível de induzir o público em erro quanto à proveniência do
produto ou do serviço ou aos caracteres essenciais para a sua apreciação” 2.
Quando a transmissão for parcial em relação aos produtos ou serviços, deve ser
requerida cópia do processo, que servirá de base a registo autónomo, incluindo o
direito ao título. 3. Aos pedidos de registo é aplicável o disposto nos números
anteriores e, no caso de transmissão parcial, os novos pedidos conservam as
prioridades a que tinham direito” Será possível induzir o público em erro, nos
casos em que a transmissão da marca contenha o nome ou insígnia do

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 58 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

estabelecimento do transmitente, o mesmo se passará se os produtos embora


sendo da mesma marca sejam de qualidade inferior.
A marca, tal como os restantes elementos regulados no CPI faz parte do âmbito
natural de uma empresa, pelo que havendo transmissão desta naturalmente se
transmitem (a)s marca(s) a ela associadas, salvo convenção em contrário. Esta
solução não decorre de modo directo da lei, e apesar desta não estar muito
correcta, podemos inferir tal solução do art. 31.º n.º 1 e 4.º CPI. “Os direitos
emergentes de patentes, de modelos de utilidade, de registos de topografias de
produtos semicondutores, de desenhos ou modelos e de marcas podem ser
transmitidos, total ou parcialmente, a título gratuito ou oneroso” 4 “Sem prejuízo
do disposto no número seguinte, a transmissão do estabelecimento envolve os
respectivos nome e insígnia, que podem continuar tal como estão registados,
salvo se o transmitente os reservar para outro estabelecimento, presente ou
futuro” Como se constata o n.º 1 refere-se a patentes, marcas, desenhos ( insígnia)
mas no n.º 4 a marca não consta apesar de constar todos os elementos referidos no
n.º 1. Tem-se entendido que estamos perante um lapso de escrita, pelo que se
devem ter como incluída no n.º 4 a marca.
Assim, a marca pode ser livremente transferida, estando contudo sujeita ao regime
do art. 30.º n.º 2 CPI, ou seja, para que a transmissão produza efeitos para
terceiros é necessário o seu registo, “Os factos referidos no número anterior só
produzem efeitos em relação a terceiros depois da data do respectivo
averbamento.”
A forma que deve ser observada para a transmissão da firma consta do art. 31.º n.º
6 CPI “A transmissão por acto inter vivos deve ser provada por documento
escrito, mas se o averbamento da transmissão for requerido pelo cedente, o
cessionário deve, também, assinar o documento que a comprova ou fazer
declaração de que aceita a transmissão.”

9. Licenciamento da marca
A transmissão da marca como ficou exposta implica a sua transmissão definitiva
por parte do cedente. Não obstante, a marca pode ser alvo de outro tipo de
contratos de transmissão não definitiva da mesma, trata-se de contratos que
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 59 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

permitem transmitir a título meramente temporário, um conjunto total ou parcial


de direitos de uso de certa marca, em todo ou em parte do território português, e
que são conhecidos como licenciamento da marca, o 32.º CPI prevê a
possibilidade de licenciamento para os sinais distintivos em geral e o art. 264.º
estabelece tal possibilidade de modo particular para as marcas. “Os direitos
referidos no n.º 1 do artigo anterior podem ser objecto de licença de exploração,
total ou parcial, a título gratuito ou oneroso, em certa zona ou em todo o
território nacional, por todo o tempo da sua duração ou por prazo inferior”
art. 264.º CPI “O titular do registo de marca pode invocar os direitos conferidos
pelo registo contra o licenciado que infrinja qualquer cláusula, ou disposição, do
contrato de licença, em especial no que respeita ao seu prazo de validade, à
identidade da marca, à natureza dos produtos ou serviços para os quais foi
concedida a licença, à delimitação da zona ou território ou à qualidade dos
produtos fabricados ou dos serviços prestados pelo licenciado.”
O contrato de licenciamento deverá observar a forma escrita, art. 32.º n.º 3 CPI
“O contrato de licença está sujeito a forma escrita.”
E a licença terá de ser registada para produzir efeitos face a terceiros, art. 31.º n.º
2 CPI “Os factos referidos no número anterior só produzem efeitos em relação a
terceiros depois da data do respectivo averbamento.”
Salvo estipulação em contrário, o licenciado goza, para todos os efeitos legais, das
faculdades conferidas ao titular do direito objecto da licença, salvo as excepções
previstas no art. 32.º CPI:
5 -A licença presume-se não exclusiva.
6 - Entende-se por licença exclusiva aquela em que o titular do direito renuncia à
faculdade de conceder outras licenças para os direitos objecto de licença,
enquanto esta se mantiver em vigor.
7 - A concessão de licença de exploração exclusiva não obsta a que o titular
possa, também, explorar directamente o direito objecto de licença, salvo
estipulação em contrário.
8 - Salvo estipulação em contrário, o direito obtido por meio de licença de
exploração não pode ser alienado sem consentimento escrito do titular do direito.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 60 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

9 - Se a concessão de sublicenças não estiver prevista no contrato de licença, só


pode ser feita com autorização escrita do titular do direito
Sendo o contrato de licenciamento meramente temporário, será que o cedente
poderá efectuar sobre cessionário alguma espécie de controlo? Entende-se que
sim, que poderá haver um controlo de qualidade do produto associado à marca,
para que seja mantido o grau de qualidade que os consumidores estão habituados a
associar àquela marca. Assim, se houver esta possibilidade a licença caducará, art.
269.º n.º 1 al. b CC “A marca se tornar susceptível de induzir o público em erro,
nomeadamente acerca da natureza, qualidade e origem geográfica desses
produtos ou serviços, no seguimento do uso feito pelo titular da marca, ou por
terceiro com o seu consentimento, para os produtos ou serviços para que foi
registada” Verificando-se algumas das circunstâncias aqui previstas, haverá um
incumprimento do contrato de licenciamento e eventualmente responsabilidade
civil, que poderá levar à sua resolução, por violação do princípio da verdade e da
protecção do público.
Semelhante ao contrato de licença é o contrato atípico de merchandising de
marca, através do qual o titular de uma marca registada de prestígio concede a
outrem o direito de usar o signo para distinguir produtos não idênticos nem afins
dos produtos para que ela foi registada.

10. Recompensas (arts. 271.º e ss)

As recompensas são os prémios ou distinções conferidos aos industriais,


comerciantes, agricultores e outros empresários, que são seus proprietários (art.
273.º) São exemplificativamente enumeradas no art. 271º.

As recompensas só podem ser aplicadas aos produtos e serviços a respeito dos


quais foram concedidas (art. 218.º CPI).

O seu registo, além de conceder aos titulares o direito de propriedade e de uso


exclusivo, por tempo indefinido, constitui também uma garantia de veracidade da
recompensa e da autenticidade do título da sua concessão (art. 4, n.º 2) e uma
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 61 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

condição indispensável para que le a possa ser condicionada às marcas ou nome


ou insígnia de estabelecimento (art. 218.º CPI).

Só podem ser transmitidas em conjunto com o estabelecimento ou parte de


estabelecimento a que estão ligadas (art. 31.º CPI).

Usurpação:
• Imitação – Quando há alguns elementos comuns susceptíveis de
confundibilidade;
• Contratação ou reprodução – Alguém está a utilizar uma marca sem sequer
a ter modificado.

Como se afere uma imitação:


• Critério Subjectivo – A imitação deve ser apreciada pelas semelhanças e não
pelas diferenças, de acordo com o olhar de um homem médio – Artº 193 –
Conceito de imitação;
• Critério subjectivo – Devemos averiguar as semelhanças – Artº 193-1-c)

Artº 193/2 – 1ª Parte – CRITÉRIO OBJECTIVO – Primeiro vamos aferir se os


produtos são da mesma gama (procurar os elementos comuns a marca originária e
a segunda marca. Apurar a confundibilidade ( 189/1/m)e, em função disso vamos
às questões:
• Questão de facto – Há ou não semelhanças entre as marcas;
• Questão de direito – Saber se há imitação em função das semelhanças e
diferenças.

Garantias do registo de marcas


Artº. 189/1/M
Artº 32/1/A – 34 e 186
Artº 264 e 2654
Artº 211 – Transmissão da marca

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 62 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Artº 274
Ver artº 829 /A CC - Sanão pecuniária compulsória

MARCA DE FACTO – marca não registada . Esta , marca não obtém a


tutela que lhe dá o direito da marca registada 170 e 189

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 63 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Titulo III
Títulos de crédito

1. Conceito de crédito
CRÉDITO – Troca de prestação presente por prestação futura. Este deferimento
das prestações pode resultar de:
• Convenção das partes ou;
• O crédito pode fazer parte da própria estrutura do negócio jurídico. Exemplo:
um crédito.

Títulos de crédito (TC): Sendo o crédito a troca de uma prestação presente por
uma prestação futura, pelo que os títulos de crédito são documentos escritos
constitutivos pois os direitos só podem ser exercidos com a sua presença, sendo
direitos cartulares (documentais) ou sejam direitos incorporados no título, cujo
exercício não pode ser efectuado sem a sua presença, sendo por isso eficaz, seguro
e rápido na transmissão dos respectivos créditos, vêm assim facilitar essa troca.

Túlio Ascarelli: TC, são documentos escritos, subscritos, nominais à ordem ou ao


portador.

2. Características
- 4 Cumulativas:
- Incorporação ou legitimação
- Circulabilidade
- Literalidade
- Autonomia

Incorporação ou legitimação: A posse ou a titularidade é essencial para o


exercício do direito nele mencionado ou para a sua transmissão, de que advém 2
consequências:

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 64 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

- Mesmo que o possuidor não seja o titular original, a posse do


título habilita-o a exigir o direito nele incorporado ou referido e
a transmiti-lo a terceiro
- O direito não poderá ser exercido por quem não tenha a sua
posse

A lei presume que o possuidor é o seu verdadeiro proprietário, pelo que o devedor
terá de cumprir perante o seu portador, e caso o possuidor não coincida com o seu
verdadeiro titular este só poderá exigir o direito de regresso do possuidor.

Circulabilidade: O TC, surgiu para tornar mais céleres as transacções comerciais,


devendo ser transmissíveis, podendo o titular deste direito transmiti-lo livremente
realizando assim o valor dele sem necessidade de esperar pelo seu vencimento.

Literalidade: o direito cartular é literal, pelo que o direito do TC é decidido


exclusivamente pelo seu teor.

Autonomia – Art.º 17 LULL: Esta autonomia é relativa à relação subjacente, não


podendo ser opostas ao portador do título, quaisquer vícios que resultem da
relação subjacente, no entanto esta autonomia pode sofrer uma excepção por
questões de má fé ou ética. Assim o TC tem autonomia face aos portadores
anteriores, cujos vícios não podem ser oponíveis ao actual proprietário, a não ser
que o possua de má fé cfr. art.º 16.

2.1 Classificação dos TC quanto à circulabilidade:


 Nominativos
 Ordem
 Portador
Nominativos: Possuem o nome do possuidor, para cuja transmissão exige-se o
nome do novo proprietário, devendo ser inscritos no livro de registo, ex. acções

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 65 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Ordem: Transmissão através de endosso, que pode ser nominativo (à ordem de


F...), ou em branco, passando o TC neste caso ao portador.

Portador: O portador é o possuidor, a transmissão efectua-se pela entrega do TC.

Cheque: Ordem de pagamento à vista dada pelo sacador ao Banco (sacado), pode
ser Nominativo, à ordem ou ao portador:
- Nominativo: Quando tem o nome do beneficiário e é cruzado,
tendo a clausula “não à ordem”.
- Ordem: Quando tem o nome do beneficiário, mas não é cruzado
- Portador: Quando não tem nome, está em branco.

Letra: Ordem de pagamento a prazo, dada pelo credor (sacador), sobre o devedor
(sacado), regra geral é um TC à ordem, podendo transformar-se em TC ao
portador pelo endosso em branco.
O endossante é co-responsável solidariamente perante terceiros no pagamento da
letra, só não sendo responsável o último tomador, como é responsável o sacador,
quando o banco lhe antecipa o valor TC

São obrigações cambiárias Abstractas em 2 sentidos:


- Não têm causa função típica, podendo prosseguir várias causas
funções
- São independentes da causa que está na origem da sua emissão,
logo não podem sofrer os vícios da sua causa, p. ex. letra de
favor

Pelo que sempre que exista falta de pagamento ou falta de aceite, essa recusa deve
ser certificada através de protesto junto do notário, cfr. art.º 44 LULL.
O protesto pode ser dispensado sempre que exista a clausula se “sem protesto” ou
“sem despesas”.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 66 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

3. Prescrição – Art.º 70 LULL: Em relação aos intervenientes:


- Aceitante: É de 3 anos a contar do vencimento da letra
- Portador: É de 1 ano a contar da data do protesto
- Endossante c/ endossante ou c/sacador: É de 6 meses a contar
da data em que pagou ou que foi accionado.
- Avalista: Mesmo prazo dos avalizados, art.º 32 LULL

Regras: A prescrição só interrompe, em relação ao obrigado notificado, e a


extinção da obrigação pecuniária abstracta, não leva à extinção por prescrição da
relação subjacente.

Saque: Acto pelo qual o sacador emite uma ordem de pagamento ao sacado, o
sacador é também solidariamente responsável pelo pagamento da obrigação
pecuniária constante do TC caso haja endossos, caso o sacado não o pague o TC
na data do seu vencimento.

Aceite – Art.º 21 e ss. LULL: Declaração de vontade pela qual o sacado assume a
obrigação cambiária principal, ou seja a de pagar na data do seu vencimento uma
determinada quantia, que está inscrita no TC.
Art.º 22, O sacador também pode proibir na própria letra a sua apresentação a
aceite, caso em que é uma letra pagável à vista, que em caso de não pagamento, a
acção será proposta só contra o sacador e os endossantes, cfr. art.º 44 LULL.

Endosso – Art.º 11 e ss. LULL: Com o endosso realiza-se a dinâmica da letra


(circulabilidade), que consiste na ordem de pagamento dada pelo sacador (ou
endossante), ao aceitante para que este pague a letra no vencimento ao seu
portador, feita através de uma declaração no verso da letra seguida da assinatura
do endossante, o endosso abrange a totalidade do crédito cartular, se
eventualmente fosse parcial era Nulo (art.º 12.1.2 LULL).
A letra poderá não ser endossável, se nela for aposta cláusula de “não à ordem”
ou chamado endosso proibido (art.º 11 LULL), neste caso a letra não se poderá

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 67 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

transmitir através de endosso, o que quer dizer que só se poderá transmitir


aplicando as regras da cessão de créditos (art.º 563 CC).
O endossante assume a obrigação de garantir tanto o aceite como do pagamento
da letra para com o endossado (art.º 15 LULL), pelo que todos os endossantes são
solidariamente responsáveis pelo cumprimento da obrigação cambiária.

Aval – Art.º 30 a 32 LULL: Negócio jurídico cambiário unilateral, pelo qual um


terceiro ou mesmo um signatário da letra, o avalista, se obriga ao seu pagamento
como garante de um dos subscritores, co-obrigados cambiários, os afiançados ou
avalizados, o qual deve conter os termo “bom por aval a F...”, se não indicar
nome, se o aval for dado em branco, esse aval beneficiará sempre o sacador. O
aval tanto pode dizer respeito à totalidade do crédito como só a parte do mesmo.

Livrança – Art.º 75 LULL: Promessa de pagamento de determinada quantia,


dada pelo subscritor a favor do tomador ou endossado.

Extracto de factura: TC à ordem, que pressupõe a realização de um contrato de


compra e venda de mercadorias entre comerciantes sediados em território
português, em que o preço desse contrato deve ser pago em prazo certo, não tendo
sido emitida letra ou livrança, o qual se transmite por simples endosso feito no
próprio extracto da factura que foi emitida.

Conhecimento de Depósito (CD), Cautela de Penhor (CP) e Warrant (W):


O CD, é um contrato de depósito mercantil, art.º 408 a 424 C. Com. Através do
qual um determinado comerciante, disponibiliza o seu armazém para serem
depositadas determinadas mercadorias, pertencentes a um determinado cliente, é
um TC à ordem que representa os direitos relativos às mercadorias depositadas,
bastando a transmissão por endosso desse mesmo título, para operar
imediatamente a transmissão de todos os direitos relativos ás mercadorias, não
sendo necessário a circulação física das mercadorias. O CD é emitido em
duplicado e em caso de empréstimo, podem ser dadas essas mercadorias como
garantia, sendo emitida uma CP (penhor mercantil sobre mercadorias) ou
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 68 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Warrant, sendo destacado o duplicado que fica em poder do credor pignoratício,


sendo este também um título de crédito à ordem, cfr. art.º 411 C. Com. Sendo
transmitido por mero endosso, podendo ambos transformarem-se em TC ao
portador se forem endossados em branco.

Acções: Títulos representativos de participação no capital social de uma sociedade que


podem ser nominativos ou ao portador, art.º 271, 276 e 299.2 CSC.
Podem existir acções escriturais, que não têm existência física, dando-se a transmissão
por registo junto da soc. emitente ou do intermediário financeiro.

Obrigações: Títulos representativos do valor de um empréstimo, feito à sociedade


emitente, que tem sempre por base um contrato de mútuo, entre a entidade emitente e
uma pluralidade de mutuantes, art.º 348 e 352 CSC.
4. Função e conceito de título de crédito:
Os títulos de crédito são documentos - qualquer objecto elaborado pelo homem com o fim
de reproduzir ou representar uma pessoa, coisa ou facto, mas nem todos os documentos
podem ser considerados títulos de crédito.
Só os documentos escritos, aqueles que representem declarações de ciência ou vontade
em forma de texto escrito, se enquadram no conceito.
Os títulos de crédito comprovam determinados factos - declarações de vontade - mas não
podem ser havidos como documentos meramente probatórios.
São documentos constitutivos, pois são indispensáveis para a própria constituição,
exercício e transmissão dos direitos que neles são mencionados, os quais não podem
subsistir sem o respectivo título. Mas nem todos estes documentos constitutivos são
considerados títulos de crédito, pois este tem uma eficácia que ultrapassa a de mera
constituição do direito: o título adere permanentemente ao direito, de modo tal que é
indispensável para que o direito possa ser exercido e transmitido, para que o seu titular
possa dispor dele. São por isso documentos dispositivos.
Os títulos de crédito destinam-se a tornar mais simples, rápida e segura a circulação da
riqueza e a concessão do crédito. A par de formas directas de circulação da riqueza, os
títulos de crédito representam uma forma indirecta de a fazer circular: eles tornam
simplesmente possível e fácil que a riqueza se transmita através da sua circulação, em vez
dos bens, circulam os documentos que a representam, pois é mais simples, rápido e
seguro transmitir papéis escritos do que os próprios bens a que eles aludem.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 69 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Na Idade Média, dados os riscos enormes que comportava o transporte, por estradas
pouco seguras e infestadas de salteadores, de grandes quantias de dinheiro, os
comerciantes começaram a entregar o seu numerário a banqueiros, que lhes entregavam
em troca uma carta dirigida a um outro banqueiro estabelecido na localidade onde o
comerciante pretendia efectuar pagamentos, normalmente de mercadorias que ia adquirir
para o seu comércio.
Com o decurso do tempo, tornou-se progressivamente usual utilizar a própria letra para
novos pagamentos, escrevendo nela sucessivas ordens de pagamento a favor de novos
destinatários. Cada título passou a servir para solver sucessivas obrigações, promovendo-
se desta forma a facilitação da concessão e transmissão de créditos.

Desta origem do primeiro dos títulos até ao presente, uma longa evolução decorreu, mas
sempre tendo como base a mesma função: satisfazer de forma eficaz as necessidades da
vida económica no que toca à simplicidade, rapidez e segurança da circulação da riqueza.
Por isso, aos títulos de crédito se chama títulos negociáveis ou circuláveis.

O título garante ao titular do direito que só a ele pertence o direito e não a qualquer outra
pessoa que pretenda arrogar-se tal titularidade. Assim, a emissão do título de crédito
incentiva o credor a conceder o crédito pelo meio próprio de cada espécie de títulos.
Favorece também a posição do devedor: se este paga a quem se mostra legitimado pela
posse do título segundo a respectiva lei de circulação, liberta-se da obrigação, mesmo
que, na realidade, essa pessoa não fosse o verdadeiro titular.
Dá aos terceiros de boa fé, que venham a adquiri-lo, a tranquilidade de que serão, um
após outro, sucessivos titulares de direitos, sem que lhes possam ser opostas pelo devedor
as excepções oponíveis aos anteriores possuidores.
O título de crédito é assim um documento necessário para exercitar o direito liberal e
autónomo nele mencionado.

5. Características gerais do título de crédito


A confiança constitui a base do desempenho da função dos títulos de crédito. Para que
essa confiança exista, é essencial que o regime para eles traçado proteja ao máximo os
interesses do titular do direito, do devedor e daqueles que venham a adquiri-los de boa fé.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 70 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Todos eles se disporão a aceitar a emissão e transmissão dos títulos se puderem ter
absoluta confiança em que:
- O titular é quem tem o título em seu poder e por isso está habilitado
para exercer o direito nele referido;
- Cada titular poderá com toda a facilidade transmitir esse título, para
realizar o valor dele, sem necessitar de esperar pelo cumprimento da
obrigação correspondente ao direito nele mencionado;
- O teor literal do título corresponde ao direito que ele representa;
- A posição jurídica do actual detentor do título não poderá ser posta
em causa pela invocação de excepções oponíveis aos anteriores
detentores do título;

Estas quatro exigências correspondem às características gerais dos títulos de crédito:


Incorporação / legitimação, circulabilidade, literalidade e autonomia.

A diferenciação entre o título e o direito nele representado é a seguinte: o título é um bem


móvel, pois é tratado pela ordem jurídica como uma coisa, que serve de suporte ou
veículo corpóreo ao direito, e que circula ou é transmitido segundo regras que lhe são
bem próprias.
Daí resulta que são diferentes o direito sobre o título, por um lado, e o direito mencionado
no título, por outro, sendo do direito sobre o título que decorre a titularidade nele
mencionado.
O direito sobre o título configura-se como um direito real, que tem o título por objecto, ao
passo que o direito mencionado no título pode ser uma de entre várias naturezas: na maior
parte são direitos de crédito.

O direito cartular tem a sua origem numa relação jurídica que precede o nascimento do
título de crédito - a relação subjacente ou fundamental - da qual podem resultar, ou
apenas um direito para uma das partes e correlativa obrigação para a outra, ou recíprocas
direitos e obrigações para as duas ou mais partes em confronto.

Incorporação ou legitimação:

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 71 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

A detenção do título é indispensável para o exercício e a transmissão do direito nele


mencionado.
Deve considerar-se que tal característica consiste em que a posse do título legitima o
portador para exercer ou transmitir o direito. É mais preciso designar esta característica
por legitimação activa, visto que ela se refere à posição jurídica do sujeito activo do
direito, à sua aptidão jurídica para exercê-lo ou transmiti-lo.
É a posse, ou melhor, a detenção material do título segundo as regras da circulação que
para ele estão definidas, que confere ao seu possuidor a legitimação formal para exercer
ou transmitir o direito que o título refere.

Surgem duas consequências muito importantes: mesmo que o possuidor do título não seja
o verdadeiro titular do direito, ele estará legalmente habilitado a exerce-lo ou transmiti-lo.
O titular do direito estará impossibilitado de exercê-lo ou transmiti-lo se não tiver a posse
do título. Só o possuidor formalmente legítimo do título é que pode exercer o direito
cartular, só ele é que pode transmitir para outrem esse direito.
Isto resulta de uma presunção jurídica de que o possuidor do título está de boa fé e de que
é ele o verdadeiro dono, o titular do direito sobre o próprio título.
O regime jurídico dos títulos de crédito assenta numa presunção de boa fé dos sucessivos
detentores do título.
Ao substituir por essa presunção a regra geral do direito civil, que exige a coincidência da
titularidade do direito com a legitimidade para o seu exercício, o regime dos títulos de
crédito visa reforçar as condições de circulabilidade dos títulos e o desempenho da sua
correlativa função jurídico - económica.

Há igualmente que considerar uma legitimação passiva, relativa à posição e interesse do


devedor. Este pode desonerar-se validamente da sua obrigação se a cumprir perante o
detentor do título segundo a respectiva lei de circulação.
Esta situação de legitimação passiva constitui uma inegável e relevante vantagem para o
devedor, que incentiva a sua decisão de se obrigar através do título de crédito. É que ele
não precisa de verificar senão a legitimação formal do possuidor do título, ou seja, só
carece de certificar-se se o portador dele tem legitimidade activa para exercer o direito
cartular.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 72 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Não é exigível ao devedor que verifique se o detentor do título é o verdadeiro titular do


direito. E, por consequência se cumprir perante o detentor do título, fica desobrigado, não
podendo ser acusado de ter pago a quem não fosse o verdadeiro credor.

Circulabilidade:
Os títulos de crédito destinam-se a circular. A sua própria destinação jurídico - económica
implica a potencialidade de serem transmitidos da titularidade de uma pessoa para a de
outra, sucessivamente.
Os documentos que não comportem a possibilidade de circulação não podem ser
considerados como títulos de crédito. Não basta a mera possibilidade da circulação para
que determinados documentos possam como tais ser qualificados. É necessário que esses
documentos sejam destinados à circulação.
Isto não significa que a circulação dos títulos de crédito não possa ser de modo nenhum
condicionada ou regulada.

Literalidade:
O direito cartular é um direito literal, porque para a determinação da sua existência,
conteúdo, limites e modalidades daquele direito é exclusivamente decisivo o teor do
próprio titulo.
E é assim porque a estrita ligação do título com o direito que ele incorpora torna
logicamente indispensável que tal direito valha apenas nos termos que são revelados
pelos dizeres do documento.
Os sucessivos portadores do título podem estar seguros de que só os termos do próprio
título é que os vincula. Nem o possuidor pode exigir ao devedor o que não conste do
título, nem o devedor pode alegar meios de defesa que o documento não mencione.
Os títulos de crédito valem precisamente segundo os termos que a sua letra revela, para
que a sua circulabilidade seja plena.
A letra do título não tem de exprimir todas as regras e condições pertinentes ao direito
cartular.
A literalidade não assume intensidade igual em todos os títulos.
É mais directa e completa nos títulos abstractos, que são aqueles que, além de não terem
uma causa-função típica, são independentes da respectiva causa concreta.
É indispensável que o documento dê a conhecer todos os elementos identificadores dos
termos, limites e modalidades de cada obrigação constante do título.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 73 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Já nos títulos causais, cuja causa-função é típica e única, estando o título a ela vinculado,
esta característica surge mais difusa. Não se cogita de incluir senão os elementos
indispensáveis para a identificação da sociedade emitente e a delimitação básica da
situação jurídica do titular.

Autonomia:
O direito representado pelo título de crédito é autónomo, em dois sentidos:
1 - Existe a autonomia face ao direito subjacente. O direito cartular tem a sua origem
numa relação jurídica logicamente anterior ao surgimento do título - a relação subjacente
ou fundamental. O direito cartular é autónomo do direito subjacente;
2 - Existe a autonomia face aos portadores anteriores. O direito cartular é autónomo,
porque cada possuidor do título, ao adquiri-lo segundo a sua lei de circulação, adquire o
direito nele referido de um modo originário, independentemente da titularidade do seu
antecessor e dos possíveis vícios dessa titularidade. Todo se passa como se o direito
cartular não fosse propriamente transmitido, mas adquirido de forma originária, de cada
vez que o título circula para um novo titular;

6. Títulos impróprios
Habitualmente não são considerados como títulos de crédito certos documentos que,
muito embora tenham, em geral, as mesmas características daqueles, não as têm
geneticamente, também se afastando deles no tocante à sua função jurídico-económica e,
por isso, quanto à característica de circulabilidade, sendo designados como impróprios.

Dentro destes documentos, é usual distinguir ainda duas categorias:


1 - Os títulos de legitimação - têm por função conferir ao seu possuidor a legitimação
activa para o exercício de certos direitos e, consequentemente, também conferem à outra
parte a correspectiva legitimação passiva. Mas não têm por função própria a circulação,
não se destinam a viabilizar e facilitar a transmissão de direitos, e, por isso, não são
verdadeiros e próprios títulos de crédito, muito embora não estejam impedidos de
circular, mas não foi para a circulação que foram concebidos e emitidos - bilhetes de
entrada em salas de espectáculo, bilhetes de transporte transmissíveis, etc..;

2 - Os comprovantes de legitimação - conferem igualmente a legitimação activa e


passiva relativamente ao exercício de certos direitos, mas nem sequer têm a possibilidade

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 74 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

de circular, por serem intransmissíveis - bilhetes de avião, passes de transportes


colectivos, etc...;

7. Tipologia – Classificações:
Critério da causa-função, ou do nexo com a relação subjacente
Segundo este critério, consideram-se duas espécies de títulos:
1 - São títulos causais os que se destinam a realizar uma típica e única causa - função
jurídico económica, inerente a um determinado tipo de negócio jurídico subjacente, do
qual resultam direitos cuja transmissão e exercício o título se destina a viabilizar ou
facilitar. Exemplo disso são as acções das sociedades anónimas.
2 - São títulos abstractos aqueles que não têm uma causa-função típica, pois são aptos a
representar direitos emergentes de uma pluralidade indefinidamente vasta de causas-
funções. Estes títulos são independentes da respectiva causa. O devedor não pode invocar
contra o portador do título excepções fundadas na relação subjacente, que é a causa
mediata da sua obrigação e do correlativo direito do portador.
A abstracção da causa significa que o direito e a obrigação cartular são independentes da
sua causa, no sentido de que eles são vinculativos independentemente dos vícios de que
tal causa possa padecer, os quais são inoponíveis ao portador.
A relação subjacente ou fundamental é apenas a causa mediata ou remota do título e de
cada direito / obrigação cartular, no sentido de que este visa incorporar um dos direitos
originados por aquela relação jurídica, direito esse que poderia perfeitamente subsistir
sem o título de crédito.

Quer os títulos causais, quer os abstractos, têm sempre uma dada causa: nenhum direito
surge sem uma causa, nenhuma transmissão de direito se opera sem uma causa. O que
pode ocorrer é que o título seja propício a dar guarida apenas ao direito provindo de um
dado tipo de causa - será o tipo causal - ou que ele tenha aptidão de recobrir direitos
oriundos de uma variedade atípica de causas - será um título abstracto.

8. Critério do conteúdo do direito cartular:

A maior parte dos títulos de crédito hoje em uso incorporam direitos de crédito em
sentido estrito, geralmente direitos a uma prestação pecuniária, e por isso se designam

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 75 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

como títulos de crédito propriamente ditos. É o que sucede com: as letras e livranças, os
cheques, os extractos de factura, etc...

Outros títulos denominam-se títulos representativos, porque incorporam direitos sobre


determinadas coisas, em geral mercadorias, como a guia de transporte, etc... Atribuem ao
seu possuidor, juntamente com o direito de crédito à entrega das mercadorias, também um
direito real sobre estas.

Em terceiro lugar, existem os títulos de participação social, assim designados por


incorporarem uma situação jurídica de participação social, ou seja, o complexo de direitos
e obrigações que integra a qualidade de sócio de uma sociedade. É o que sucede com as
acções das sociedades anónimas.

Os títulos de crédito propriamente ditos e os títulos representativos, estes apenas quando


representem coisas fungíveis, têm uma importância particularmente relevante no plano do
direito processual civil, dado constituírem, em geral, títulos executivos: com efeito o
art.°46 al. c) do C.P.Civil., atribui essa qualidade às letras, livranças, cheques, extractos
de factura, etc... e quaisquer outros escritos particulares, assinados pelo devedor, dos
quais conste a obrigação de pagamento de quantias determinadas, ou de entrega de coisas
fungíveis.

9. Critério do modo de circulação:


Esta classificação é clássica e a de maior importância prática por ela ter como fulcro a
função essencial dos títulos de crédito: a circulação.
Segundo este critério do modo de circulação, os títulos podem ser:
- Ao portador
- À ordem
- Nominativos.

Títulos ao portador: São os que não identificam o seu titular e transmitem-se por mera
tradição manual, por entrega real do documento: o titular é quem for detentor do
documento - art.°483 do C. Com.
O possuidor presumir-se-á sempre o titular do crédito de propriedade do título e, com ele,
do direito cartular, estando por isso legitimado para o exercer.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 76 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Títulos à ordem: São os que mencionam o nome do seu titular, tendo este, para transmitir
o título e, com ele, o direito cartular, apenas de nele exarar o endosso: uma declaração
escrita, no verso do título, ordenando ao devedor que cumpra a obrigação para com o
transmissário e / ou manifestando a vontade de transmitir para este o direito incorporado -
art.°483 do C. Com.
Este endosso que produz o efeito de transmitir a propriedade do título e o direito cartular,
diz-se endosso translativo. Dele importa distinguir, por não terem essa finalidade nem
esse efeito outros tipos de endosso.
O chamado endosso em branco, caracterizado por não mencionar o nome do endossado,
limitando-se o endossante a subscrever o título, o qual passa a partir de então a ser um
título ao portador em vez de um título à ordem, porque ele passará a circular, de pleno
direito, por mera tradição, enquanto não for inserido o nome de detentor no espaço em
branco.

Títulos nominativos: Mencionam também o nome do seu titular e a sua circulação exige
um formalismo complexo, do qual é exemplo modelar o regime da circulação das acções
nominativas: para que a sua transmissão seja válida, deve ser exarada nos próprio título,
pelo transmitente, uma declaração de transmissão, bem como que nele seja lavrado a
quem pertence, isto é, que no local adequado seja inserido o nome do novo titular; além
disso, é ainda necessário o averbamento do acto no livro de registo da acções da
sociedade emitente.

10. Critério da natureza da entidade emitente:


São títulos públicos aqueles que são emitidos pelo Estado e por outros entes públicos
legalmente habilitados para tanto, aos quais se refere o art.º 483 do C. Com. como títulos
públicos negociáveis: são os títulos de dívida pública.
Todos os demais títulos de crédito são títulos privados, por as pessoas ou entidades que os
emitem não terem natureza de entes públicos ou não actuarem nessa condição.

Possibilidade de criação de títulos de crédito:

O princípio da autonomia da vontade, ou da liberdade contratual, consagrado amplamente


no art.º405 do C. Civil, poderá conferir suporte à possibilidade de criação de títulos de
crédito inominados, que não se integrem em nenhum dos tipos de títulos caracterizados e

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 77 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

regulados na lei. Porém, essa possibilidade genérica sofre limitações muito significativas,
que reduzem a bem pouco o seu alcance:
I. Quer a lei, quer a natureza das coisas, podem restringir a certas categorias de
pessoas ou entidades a emissão de certos títulos de crédito. É o que se passa com os
títulos de dívida pública, que só podem ser emitidos por entes públicos legalmente
competentes; ou com as acções, que só podem ser emitidas por sociedades anónimas ou
em comandita por acções; ou os títulos de participação que só podem ser emitidos por
empresas públicas ou sociedades anónimas pertencentes maioritariamente ao Estado.

II. Quando os títulos nominados são admitidos apenas em determinadas


modalidades, correspondentes a certas leis de circulação - os cheques só podem ser à
ordem ou ao portador; as livranças só podem ser à ordem; as acções e obrigações só
podem ser nominativas ou ao portador, etc... - não é lícito emitir títulos desses em
modalidades não consentidas por lei.
III. Extrai-se da conjunção dos art.°280 e 458 do C. Civil a exigência de uma causa
lícita para que o negocio jurídico seja válido, o que implica a proibição genérica dos
negócios abstractos, salvo norma legal em contrário. Os títulos abstractos são válidos
apenas e na medida em que normas legais os permitam, mas não será lícito criar outros
títulos abstractos.
IV. Há que ter presente a proibição de negócios unilaterais que gerem uma obrigação
de prestar fora dos casos previstos em lei, contida no art.°457 do C. Civil. Desta proibição
resulta a inadmissibilidade da criação de títulos de crédito inominados - que seriam títulos
de crédito propriamente ditos - que contenham a promessa unilateral de uma prestação,
dado que nos negócios abstractos vigora o principio da tipicidade taxativa ou “numerus
clausus”.

No escasso terreno de aplicação deixado livre por estas restrições é que poderá conceber-
se a criação de títulos de crédito inominados.
11. Principais títulos de crédito - Os títulos cambiais: Letra, Livrança e
Cheque
A Letra:

A letra é um título de crédito através do qual o emitente do título - sacador dá uma ordem
de pagamento - saque, de uma dada quantia, em dadas circunstâncias de tempo e lugar, a

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 78 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

um devedor - sacado, ordem essa a favor de uma terceira pessoa - tomador. Ex.: o sacador
A (credor) dá ordem de pagamento ao sacado B (devedor) a favor do tomador C (Banco).

O sacado só assume a obrigação mencionada no título - obrigação cambiária, se e quando


aceitar a ordem, assinando transversalmente no rosto do título, acto este que se denomina
aceite e converte o sacado em aceitante.

Como título de crédito rigorosamente formal, a letra é destinada à circulação, a qual se


efectua através de endosso, sendo portanto, um título à ordem. O tomador poderá assumir
a qualidade de endossante, transmitindo a letra a um endossado, o qual, por sua vez,
poderá praticar acto idêntico a favor de um outro endossado e assim por diante. Ex.: o
tomador C pode endossar ao endossado D a letra.

O principal obrigado da letra é o aceitante, que assume a obrigação de pagar a quantia


nela mencionada, ao portador legitimado por uma série ininterrupta e formalmente
correcta de endossos, ao tempo do vencimento e no local devido.
Mas não é só o aceitante que se obriga em virtude da letra: todos os subscritores do título
se obrigam a efectuar a prestação nele referida. Obrigam-se solidariamente, embora a
obrigação dos demais subscritores seja apenas uma garantia.
Cada um dos endossantes promete ao seu endossado e aos posteriores endossados que a
letra será aceite e paga pelo sacado, obrigando-se solidariamente ao seu pagamento se
este não o fizer.

Temos assim uma sucessão de co-obrigados à mesma prestação, que forma a chamada
cadeia cambiária, na qual têm posições diversas apenas na medida em que cada um se
obriga só perante os posteriores titulares, embora todos se obriguem solidariamente
perante o portador.

Há ainda um outro tipo de obrigação cambiária de garantia, que é a resultante do aval,


acto pelo qual uma qualquer pessoa garante o pagamento dela por um dos subscritores.

Resta referir que a eficácia das obrigações cambiárias de garantia depende, em regra, da
comprovação da falta de aceite ou de pagamento pelo sacado, que o portador deve
promover através do protesto no cartório notarial competente.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 79 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

A Livrança:
A livrança menciona uma promessa de pagamento de uma certa quantia, em dadas
condições de tempo e lugar, pelo seu subscritor ou emitente, a favor do tomador ou de um
posterior endossado que for seu portador legítimo no vencimento.

A livrança é um título à ordem, transmissível por endosso, e rigorosamente formal.


Na livrança existem apenas inicialmente os dois mencionados personagens e não três,
como ocorre na letra.
Todos os subscritores são co-obrigados solidariamente e formando uma cadeia cambiária,
dependendo também do protesto a efectivação das obrigações de garantia, que são as do
subscritor, endossados e avalistas.

O Cheque:
O cheque exprime uma ordem de pagamento, de determinada quantia, dada por um
sacador a um sacado, que tem a peculiaridade de ser necessariamente um banqueiro, ou
uma instituição de crédito habilitada a receber depósitos de dinheiro mobilizáveis por
essa forma, e a favor de uma pessoa denominada tomador, que pode ser ou não
individualizada. O cheque constitui um meio de pagamento, ao próprio depositante ou a
terceiro, a realizar por força do depósito que o sacador tem na instituição de crédito.
Como o cheque é livremente circulável, ele pode desempenhar a função de transmitir o
crédito, o direito ao pagamento pelo banco da quantia nele mencionada, porque a ordem
de pagamento e os sucessivos actos de transmissão do título não têm uma causa-função
típica, antes podem ter como causa relações subjacentes da mais variada espécie, trata-se
de um título abstracto.
Quanto à forma de circulação, o cheque pode ser título à ordem, quando contém o nome
do beneficiário da ordem de pagamento, que o pode transmitir por endosso; e pode ser
título ao portador, quando não contém o nome do beneficiário da ordem, sendo
transmissível por mera entrega real.
É ainda concebível o cheque pagável a determinada pessoa, mas com a cláusula "não à
ordem", o qual, à semelhança da letra, só é transmissível pela forma e com os efeitos de
uma cessão ordinária de créditos.
O cheque é também um título rigorosamente formal.
No cheque, o sacador e os endossados são solidariamente responsáveis pelo pagamento
do cheque, no caso de falta de cumprimento do sacado, devendo a falta deste, em

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 80 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

princípio, ser comprovada por protesto ou declaração equivalente, a realizar no prazo da


apresentação a pagamento.
As obrigações dos demais subscritores do cheque podem ser garantidas por terceiro,
mediante aval.
Todos os subscritores do cheque são co-obrigados solidariamente e formando uma cadeia
cambiária, que abrange o sacador, os endossados e os avalistas, como obrigados em
garantia.

Outras formas de garantir ao portador o seu recebimento, são:


O cheque visado pelo banco sacado a pedido do emitente e antes de este o entregar ao
beneficiário, contém em si mesmo a prova da existência de provisão na data do visto e de
que tal quantia foi bloqueada pelo banco, o que garante o seu pagamento.
O cheque cruzado que só pode ser pago a um banqueiro ou a um cliente do banco sacado;
fica mais preservado o beneficiário do cheque contra as consequências de extravios, pois
só poderá ser pago por intermédio de um banco sacado, ou a uma pessoa facilmente
identificável, por ser cliente do banco sacado.
O cheque a levar em conta, que é aquele em que o sacador ou portador proíbem o
pagamento em numerário, só podendo ser pago por lançamento em escrita.

O cheque comprado (vulgo cheque bancário), que se caracteriza por ser emitido por um
banco contra si mesmo: ele é ao mesmo tempo o sacador e o sacado. Uma pessoa que
pretenda remeter ou levantar fundos para outra praça compra o cheque ao banco, que o
emite a favor da pessoa indicada pelo comprador.
O cheque viagem, que é uma espécie de cheque comprado, caracterizado por conter a
assinatura do tomador, lançada no cheque no momento da compra, devendo o tomador
nele lançar uma segunda assinatura, para evitar fraudes, quando pretender receber o seu
montante no banco, ou transmiti-lo.

Extracto de factura:
O extracto de factura é um título de crédito em sentido restrito, à ordem, que deve ser
emitido sempre que, no contrato de compra e venda mercantil a prazo entre comerciantes,
a obrigação de pagar o respectivo preço não for titulada por uma letra.
A emissão deste título pressupõe a realização de uma compra e venda de mercadorias
entre comerciantes estabelecidos no território nacional português, na qual o preço deva
ser pago a prazo certo.
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 81 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

O vendedor deve emitir uma factura, que será acompanhada de um extracto e remetida ao
comprador. Este deverá ficar com a factura e aceitar o extracto, devolvendo-o ao
vendedor dentro do prazo aplicável.
O extracto factura envolve necessariamente a cláusula à ordem, expressão com a qual o
legislador quis claramente caracterizá-lo como um título de crédito, visto ser destinado à
circulação, que pode ser realizada por endosso.
Trata-se de um título rigorosamente formal, visto enumerar com detalhe os elementos que
ele deve mencionar.

Os subscritores do extracto de factura serão, em regra, o emitente (vendedor), o aceitante


e os endossantes. A responsabilidade de qualquer deles poderá ser garantida por um
terceiro, por meio de aval.
O extracto é susceptível de protesto, quer por falta de aceite ou de devolução, quer por
falta de pagamento no vencimento. O protesto é dispensado para que seja efectivada a
responsabilidade do aceitante e do respectivo avalista.
Os endossantes e respectivos avalistas do extracto de factura são obrigados
solidariamente, como garantes do pagamento, perante o portador legítimo do título.
A responsabilidade solidária destes co-obrigados fundamenta-se na regra geral dos art.º
100 e 101 do C. Com.
Tem sido muito controvertido o significado e valor da exigência legal de emissão do
extracto da factura nos contratos de compra e venda, referidos no art.°1 do DL n°19.490,
registando-se na doutrina duas correntes de opinião. A aceite é a que afirma que a falta de
emissão do extracto de factura, quando se verifique a hipótese do artigo mencionado,
acarreta a nulidade absoluta do contrato de compra e venda respectivo, por falta de forma
legalmente exigida, podendo o devedor apenas pedir a declaração judicial do aludido
vício e a consequente restituição da mercadoria ou do seu valor.

Conhecimento de depósito e Cautela de penhor (warrant):


Os art.°408 a 424 do C. Com. regulam uma especial modalidade do contrato de depósito
mercantil, consistente no depósito de géneros e mercadorias em armazéns gerais.
Os armazéns gerais são armazéns autorizados pelo Governo a receber em depósito
géneros e mercadorias, mediante caução, pelo preço fixado nas respectivas tarifas -
art.°94 do C. Com.

Guia de transporte e conhecimento de carga:


APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 82 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Revestem a natureza de títulos de crédito os documentos que formalizam o contrato de


transporte de mercadorias, que é um acto de comércio regulado nos art.°366 e seguintes
do C. Com. Pode definir-se como o contrato pelo qual uma pessoa singular ou colectiva,
constituída em empresa para a explorar a actividade transportadora - o transportador - se
obriga para com uma pessoa que lhe entrega determinadas coisas móveis - o expedidor - a
transportá-las de um determinado lugar para outro, mediante remuneração - o frete -
fazendo entrega do objecto do transporte, no local do destino, a outra pessoa - o
destinatário. O expedidor e o destinatário podem ser a mesma pessoa - art.°371 do C.
Com.

Acções:
Denomina-se acção cada uma das fracções, de valor igual, em que se divide o capital
social de uma sociedade anónima, bem como as participações no capital de uma
sociedade em comandita por acções que sejam detidas pelos sócios comanditários.
As acções podem ser representadas por títulos predispostos para a circulação e que
reúnem as características gerais dos títulos de crédito, os quais são igualmente
denominados - acções.

As acções são títulos de participação social que representam uma situação jurídica de
sócio, um feixe de direitos e obrigações de seu titular face à sociedade emitente. As
acções incorporam essa situação jurídica, pois os respectivos titulares só podem exercer
os direitos pertinentes à sua condição de accionistas desde que detenham os títulos. Só
podem transmitir essa situação jurídica através da alienação dos próprios títulos, segundo
as modalidades que a lei consente.

Tais modalidades são apenas duas: acções ao portador e nominativas. A emissão por uma
sociedade de acções de ambas ou apenas de uma destas espécies decorre do que estiver
previsto nos seus estatutos.

As acções ao portador transmitem-se entre vivos por tradição real.


As acções nominativas transmitem-se mediante:
- Declaração de transmissão a favor do transmissário “pertence a ...”,
escrita no título, seguida da assinatura do transmitente

- Averbamento no livro de registo de acções da sociedade emitente;


APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 83 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Todas estas formalidades condicionam a própria validade da transmissão. A transmissão


das acções considera-se efectuada no quinto dia a contar da data da apresentação dos
títulos à sociedade para esse fim.

A sujeição ao regime de registo ou depósito das acções nominativas - para as quais é


obrigatório - e ao portador - para as quais é facultativo.
Este regime, que visa controlar a transmissão e titularidade das acções para fins fiscais, é
independente da disciplina da circulação das acções.
O depósito dos títulos pode ser efectuado em instituições de crédito, sociedades
correctoras, etc... autorizadas a exercer a actividade de guarda de valores mobiliários.

As acções escriturais têm necessariamente que ser registadas, uma vez que não são
representadas por títulos.
A par das acções ordinárias, podem ser estatutariamente criadas acções preferenciais que
conferem certos direitos especiais aos accionistas delas detentores. Existem duas
categorias destas acções preferenciais:

- Acções preferenciais sem voto – Art.º 341 a 344 CSC: conferem aos
seus titulares todos os direitos das acções ordinárias, excepto o de
voto e ainda o direito a um dividendo prioritário, não inferior a 5% do
seu valor nominal, bem como o direito a um reembolso prioritário em
caso de liquidação da sociedade.

- Acções preferenciais remíveis – Art.º 345 CSC: são acções que


gozam de um determinado privilégio patrimonial, e que ficam
sujeitas a remissão em data determinada.

Obrigações:

Denominam-se obrigações os títulos negociáveis que, numa mesma emissão, conferem


direitos de créditos iguais, para o mesmo valor nominal, art.º 348 CSC.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 84 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Consistem em partes, de igual valor, em que se divide o débito colectivo assumido, sob
determinadas formas e condições, pelas sociedades e demais entidades autorizadas a
emiti-las.

As obrigações têm como causa ou fundamento um contrato de mútuo, que a entidade


emitente contrai perante uma pluralidade indeterminada de mutuantes, os quais se
constituem nessa qualidade mediante a subscrição de uma ou mais fracções do montante
global do empréstimo, subscrição essa em regra aberta ao público.

No nosso país, podem emitir obrigações: - sociedades anónimas; - sociedades por quotas;
- outras entidades, mediante autorização por despacho do Ministro das Finanças;
A emissão de obrigações deve ser deliberada pelos sócios, estando também sujeita a
registo comercial.

Os titulares das obrigações - obrigacionistas - podem reunir-se numa assembleia própria,


à qual compete deliberar sobre os assuntos de interesse comum.
A lei determina que, para cada emissão de obrigações, seja designado um representante
comum dos respectivos obrigacionistas, ao qual cabe praticar, em nome de todos eles, os
actos de gestão destinados à defesa dos interesses comuns.

As obrigações são títulos de crédito em sentido restrito, pois representam direitos de


crédito dos seus titulares em relação à entidade emitente.

Quanto à forma de circulação, podem ser nominativas ou ao portador, transmitindo-se


segundo formalismo idêntico aos das acções das mesmas espécies.
A lei prevê a possibilidade de emissão de modalidades especiais de obrigações.

Outros títulos:

Os títulos de participação são títulos de crédito, que apenas podem ser emitidos por
empresas públicas ou sociedades anónimas de capitais maioritariamente pertencentes ao
Estado, directa ou indirectamente, e que conferem direito a uma remuneração anual
composta de uma parte fixa e de uma variável - esta dependente da actividade ou dos
resultados da empresa apenas podendo ser reembolsados em caso de liquidação da
empresa. Podem ser nominativos ou ao portador.
APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 85 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Os papéis comerciais constituem títulos de crédito, semelhantes às obrigações,


obrigatoriamente nominativos, representativos de empréstimos de curto prazo - não
superior a dois anos.

Os créditos de depósito são títulos emitidos pelas instituições de crédito, representando


depósitos nelas constituídos em moeda nacional e livremente negociáveis, acarretando a
sua circulação a transferência de todos os direitos relativos aos depósitos que
representam. São títulos à ordem, pois circulam por endosso, com a especialidade de
neles não ser admissível o endosso em branco.

11. Extinção e reforma dos títulos de crédito:


título de crédito extingue-se quando se extinguir o documento em si mesmo ou pela
extinção do direito cartular. Temos como causas de extinção referentes ao próprio título:
- a destruição ou extravio do documento;
- a ineficácia do título;
Temos como causas de extinção do direito cartular: - o pagamento; . - a prescrição;
A destruição e extravio do documento: a reforma dos títulos de crédito
O título é um objecto material, um documento escrito, geralmente em papel, o que o torna
muito facilmente perecível ou degradável, assim como sujeito a inúmeras causas de perda
ou extravio, voluntárias ou involuntárias.
A característica da incorporação ou legitimação implica que só pude ser exercido ou
transmitido o direito cartular mediante a posse material do título. A inutilização do
documento implica a destruição do título de crédito, pois implica a impossibilidade do
exercício ou transmissão do respectivo direito.
O extravio priva o respectivo titular da sua posse, condição indispensável para a sua
legitimação activa, equivale em consequências à destruição do documento.
O direito não pode ser transmitido nem exercitado sem o suporte material da posse do
título, o que conduz a um resultado prático equivalente à extinção daquele direito.

A lei não leva tão longe o alcance da característica da incorporação, antes dispõe o meio
técnico-jurídico adequado para assegurar a sobrevivência do direito cartular, através da
chamada reforma dos títulos de crédito.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 86 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

A reforma consiste na reconstituição do título, através de emissão de um novo


documento, equivalente ao que foi destruído ou extraviado, possibilitando assim a
incorporação do direito no novo título. O título reformado equivale juridicamente ao que
desapareceu, como se fosse o mesmo documento.
O art.°367 do C. Civil prevê genericamente a reforma de quaisquer documentos escritos
que tenham desaparecido, a qual deve ser efectuada por via judicial, a fim de lhe conferir
a indispensável segurança.
Quanto aos títulos de crédito, existe uma norma específica prevendo a sua reforma, que é
o art.°484 do C. Com. Este artigo refere-se a letras, acções, obrigações e mais títulos
comerciais transmissíveis por endosso, que tenham sido destruídos ou perdidos.
Em virtude de o art.°484 do C. Com. aludir apenas aos títulos transmissíveis por endosso,
leva a compreender apenas os títulos à ordem. Mas não parece que tenha sido esse o
pensamento do legislador, uma vez que o corpo do art.°484 do C. Com. Também se refere
a acções e obrigações, títulos estes que apenas podem ser nominativos ou ao portador.

Não é igual o regime da reforma dos títulos destruídos e dos perdidos ou desaparecidos.
O legislador teve manifestamente em conta a circunstância de que, quanto aos primeiros,
não existe o risco de virem a reaparecer, que existe quanto aos segundos.
Daí que se preveja a publicação de avisos convidando a pessoa que tiver o título
desaparecido em seu poder a vir apresentá-lo.
A sentença que deferir a reforma deve declarar sem valor o título desaparecido, sem
prejuízo dos direitos que o portador possa exercer contra o requerente.

12. Ineficácia do título:


A ineficácia dos títulos pode resultar de: - norma legal; - decisão judicial; - vontade do
emitente;
Resulta da lei, por exemplo depois de protestado por falta de pagamento;
Resulta de declaração judicial, quando o tribunal assim decida, por exemplo numa acção
de anulação ou reforma do título.
Resulta da vontade do emitente quando, sobre permissão legal, este declara ineficaz certo
título, de forma directa ou como consequência indirecta de outra declaração.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 87 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

13. Extinção do direito cartular:


O título de crédito também se extingue quando ocorre a extinção do direito nele
incorporado, a qual pode ficar a dever-se à generalidade das causas de extinção das
obrigações.
O cumprimento constitui a forma natural e mais frequente de extinção do direito cartular.
Só assim acontece com o cumprimento efectuado pelo obrigado principal.
O cumprimento deve ser acompanhado da cessação da circulação da título, pela sua
entrega ao obrigado que efectuar o pagamento, para que não suceda que, apesar de
cumprida a obrigação, o título continue a circular, correndo o obrigado o risco de ter de
pagar duas vezes.
Só o pagamento total extingue o direito cartular.
Parte 1
A Letra de câmbio:
1. Requisitos formais da letra
A letra é um título rigorosamente formal, o que implica que o acto gerador da sua
emissão, o saque - tem de respeitar um conjunto de requisitos de forma, que são
indispensáveis para que o documento produza efeitos como letra.
Estes requisitos formais constam dos vários números do art.°1 da LULL, a qual impõe
que a letra contenha:

1. A palavra "letra", inserta no próprio texto do título e expressa na língua


empregada para a redacção do título - a finalidade é advertir claramente quaisquer
potenciais interessados da natureza do título e o seu regime.
2. O mandato (ordem) puro e simples de pagar uma quantia determinada - a letra
deve conter a ordem de pagamento, que não pode conter cláusulas acessórias que lhe
condicionem ou restrinjam o sentido e alcance. Qualquer condição ou restrição aposta ao
saque fará com que o documento não produza efeitos como letra. A ordem de pagamento
tem de respeitar a uma quantia determinada. Não é permitida a convenção de juros nas
letras pagáveis no dia fixado.
3. O nome daquele que deve pagar (sacado) - a letra tem de indicar expressamente a
pessoa à qual a ordem de pagamento é dirigida, identificando-a pelo seu nome. Se o
sacador for comerciante identifica-se pela sua firma. O uso de indicações indirectas torna
o documento insusceptível de produzir efeitos como letra. O sacado pode ser o próprio
sacador.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 88 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

4. A época do pagamento - a letra pode ser sacada: à vista pagável no acto de


apresentação ao sacado; a um certo tempo, vence-se decorrido um certo prazo sobre o
aceite ou o protesto por falta de aceite; a um certo tempo de data decorrido um certo
prazo sobre a data do saque. Se não houver qualquer menção da época do pagamento,
entender-se-á pagável à vista. Não pode adoptar-se uma regra de vencimento diferente
daquelas quatro.
5. A indicação do lugar em que se deve efectuar o pagamento - a menção do lugar
do pagamento, se não constar da letra, é suprida, valendo o lugar indicado ao lado do
nome do sacado, como seu domicílio. Caso falte também a menção do domicílio do
sacado, ou haja uma indicação deficiente de um lugar, o documento será insusceptível de
valer como letra.
6. O nome da pessoa a quem ou à ordem de quem deve ser paga (tomador) - a
indicação do nome do tomador deve ser feita de modo a possibilitar a sua identificação. A
lei exige a indicação do nome, não sendo lícita uma referência indeterminada, o que a
tornaria nula. Será nula a letra sacada ao sacador. É lícito na letra o endossa ao portador,
mas não o saque ao portador.
7. A indicação da data e do lugar onde a letra é passada - quanto ao lugar do saque,
se ele faltar, vale como tal o lugar indicado ao lado do nome do sacador. Se mesmo esta
menção faltar, a essencialidade do requisito em causa determina que o documento não
produzirá efeito como letra.
8. A assinatura de quem passa a letra (sacador) - o saque é o acto gerador da letra,
que lhe confere valor e identidade próprios e implica o nascimento da obrigação
cambiária do sacado. O sacado tem de assinar a letra.

2. Falta dos requisitos essenciais. A letra em branco


A consequência da falta de um ou mais dos requisitos essenciais da letra, quando não seja
suprida ou suprível é a sua nulidade: o documento não produzirá efeito como letra.
Tal não significa que o documento que, por falta de um requisito ou mais, seja nulo como
letra, não possa ter algum valor. Terá valor probatório.
É permitido que a letra não contenha todos os requisitos formais no momento da sua
emissão, pois uma letra em branco pode vir a valer como letra, que terá de ser
completada, de modo a respeitar todos aqueles requisito no momento do seu vencimento.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 89 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

A letra em branco deve ser completada em consonância com o pacto de preenchimento


celebrado entre as partes. Este pacto não está sujeito a forma. A violação do pacto de
preenchimento constitui o chamado preenchimento abusivo da letra em branco.

3. Os negócios jurídicos cambiários:

3.1 O Saque:
Denomina-se saque o acto pelo qual o emitente - sacador - cria a letra e, pela indicação
dos elementos correspondentes aos respectivos requisitos essenciais, lhe confere a sua
específica identidade como título. Ele é a ordem de pagamento em que a letra
essencialmente consiste.
Por ele o sacador, além de ordenar ao sacado que pague ao tomador a quantia mencionada
na letra, nas demais condições de tempo e lugar desta constantes, exprime também
implicitamente a promessa, para com todos os futuros portadores da letra, de que o
sacado assumirá a obrigação cambiária principal e pagará a dívida no vencimento e, se
não o fizer, o próprio sacador está obrigado a pagá-la.
O beneficiário da ordem contida no saque, à ordem de quem ele é feito, é o tomador que
em regra será um terceiro, mas pode ser e muitas vezes é o próprio sacador.
O saque também pode ser sobre o próprio sacador, sendo, então, este sacado e sacador ao
mesmo tempo (não se vê qual seja actualmente o interesse)
Nada impede que sejam vários os sacadores da letra, desde que a ordem de pagamento
seja uma só.

3.2 O Aceite – Art.º 28 LULL:


O aceite é a declaração de vontade pela qual o destinatário do saque assume a obrigação
cambiária principal de pagar à data do vencimento, a quantia mencionada na letra a quem
for o portador legítimo desta, passando a designar-se como aceitante.
Só pelo aceite é que o sacado se obriga.
O aceite é necessariamente escrito e assinado pelo sacado na letra. O aceite é feito por
assinatura transversal do sacado no lado esquerdo do rosto da letra.
A apresentação da letra ao sacado, para o aceite, pode ocorrer até ao vencimento da letra
e ser feita pelo portador ou por um simples detentor.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 90 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

A apresentação é facultativa, podendo a letra apenas ser apresentada ao sacado para


pagamento. Pode ser tornada obrigatória, por estipulação do sacador ou de um endossado,
fixando ou não prazo para tal.
O aceite deve ser puro e simples, art.º 26. A lei permite que o aceite seja parcial quanto a
valor do saque..
Se não for feito o aceite pelo sacado, poderá sê-lo por outra pessoa: é o chamado aceite
por intervenção, que pode ocorrer devido a uma incumbência expressa na própria letra
pelo sacador, ou espontaneamente, sem incumbência, art.º 55

3.3 O Endosso – Art.º 11 e ss. LULL:


Constitui uma nova ordem de pagamento, dada pelo endossante ao sacador (?) para que
pague a letra, no vencimento, ao portador, através de uma declaração no verso da letra
seguida da assinatura.
O endosso constitui a forma natural de transmissão da letra. Pode ser transmitida mortis
causa e por acto entre vivos.
O endosso confere legitimação activa ao endossado, que passa a ser o portador da letra,
para exercer o direito cambiário. Ele transmite a propriedade do título, como coisa e
através dele o endossante assume a obrigação de garantia do aceite e pagamento da letra
pelo sacado, para com o endossado e posteriores portadores da letra.
O endosso feito posteriormente ao protesto por falta de pagamento ou ao decurso do
respectivo prazo vale apenas como cessão ordinária de créditos.

3.3.1 A cláusula “não à ordem”


Desde que na letra seja a posta a clausula “ não á ordem” ela passa a circular
como cessão de créditos. A letra quando circula por endosso é um negócio
jurídico unilateral. Quando circula por cessão ordinária de crédito é bilateral –
Artº 583 CC
Efeitos da Cessão ordinária de créditos – Artº 585 CC. Nestes casos, em que a
letra passa para cessão ordinária de créditos, perde a sua autonomia. Perde a sua
característica do direito cartular.
Perde o princípio da autonomia – Artº 587 CC. O cedente não garante o
pagamento da letra. Fica com uma relação mais ténue. Só assume o crédito – Artº
587/2 CC

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 91 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Efeitos da cessão de créditos:


- Endosso c/ cláusula valor a cobrar ou para cobrança ou por procuração – Este
endosso constitui o endossado, mandatário do endossante, passa a ser mandatário
do endossado, logo o endossado pode exercer todas os direitos inerentes à letra,
como mandatário. O endossado é, agora, mandatário do endossante;
- Endosso com cláusula valor em garantia ou valor em penhor – Permite ao
endossatário exercer os direitos resultantes do título e endossar a letra como
procurador. A este endossatário não podem ser opostas excepções por parte do seu
endossante.

Distinção entre endosso e cessão de créditos


Quando se endossa uma letra com a clausula não à ordem, proíbe-se futuros
endossos. O endossante pode opor no pagamento a relação subjacente. Sendo
posteriormente a letra transmitida por cessão ordinária de créditos, o
transmissário assume a posição do transmitente, logo endossante pode sem opor
os vícios da relação subjacente
Uma letra com a clausula não à ordem perde a característica da autonomia do
direito cartular.
Aquele que transmite uma letra com a clausula nãoà ordem não garante o
pagamento, a garante apenas a existência e a exigibilidade do credito ao temo da
cessão.

3.4 O Aval – Art.º 30 a 32 LULL:


O aval constitui um negócio cambiário unilateral, pelo qual um terceiro ou mesmo um
signatário da letra se obriga ao seu pagamento, como garante de um dos co-obrigados
cambiários.
O aval pode respeitar à totalidade ou apenas a parte do montante da obrigação do
avalizado.
Trata-se de um acto gerador de uma obrigação de garantia pessoal, que vem reforçar a
obrigação de um dado subscritor da letra, com o qual o avalista responde solidariamente.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 92 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

O aval não se confunde com a fiança, pois embora se caracterize a obrigação do avalista
como acessória da do avalizado e se use até a palavra afiançado, para referir este último, a
verdade é que logo se evidencia uma substancial diferença de regimes entre os dois
institutos. Ao passo que a nulidade da obrigação principal aproveita inteiramente ao
fiador, que fica igualmente desobrigado, já no caso de nulidade da obrigação do avalizado
por vício de fundo mantém-se a obrigação do avalista, só ocorrendo a desobrigação deste
no caso de a obrigação do avalizado ser nula por um vício de forma.

4. Características da obrigação cambiária:


São basicamente as mesmas dos títulos de crédito, já anteriormente descritas, mas com as
seguintes particularidades:
Incorporação ou legitimação - o sacado goza de legitimação passiva, ficando liberado da
sua obrigação se pagar a letra, no vencimento, a quem for o portador legítimo, o qual tem
legitimidade activa, pois só ele pode endossara a letra, art.º 14, apresenta-la para aceite
art.º 21 e apresenta-la para pagamento art.º 38.
Literalidade – A obrigação correspondente ao direito cartular é literal, não sendo
relevantes as chamadas convenções extra cartulares art.º 17.
Circulabilidade – A letra como titulo à ordem é vocacionada para a circulação
Autonomia – Art.º 17 LULL: A autonomia do direito cartular (são inoponíveis ao
portador as excepções decorrentes das relações pessoais do obrigado cambiário com os
portadores anteriores ou com o sacador) e autonomia do direito sobre o título em si
mesmo (o adquirente do título é um adquirente originário, cujo direito sobre a letra não
está sujeito à arguição de ser ilegítima a sua posse, em virtude da ilegitimidade de
qualquer dos ante-possuidores. O direito que tem por objecto a letra só não será autónomo
e o portador será obrigado a restituí-la, se quem tiver sido dela desapossado fizer prova de
qualquer das duas circunstâncias, art.º 16:

- Má fé (conhecimento, por parte do portador, no momento da aquisição da letra, de que


um possuidor anterior foi dela indevidamente desapossado) ou falta grave cometida na
sua aquisição (agindo com culpa grave, correspondente à falta daquele mínimo de
diligência com que deve agir um homem médio);
Abstracção – A posição da obrigação cambiária em face da relação subjacente ou
fundamental preexistente, é abstracta em dois sentidos:

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 93 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

- Porque não tem uma causa-função típica, podendo prosseguir várias


causas
- Porque é independente da causa e como tal, não sofre as
consequências dos vícios da sua causa;
Independência recíproca – Art.º 7 LULL: A nulidade de uma das obrigações que a letra
incorpora não se comunica às demais. Subsistência das obrigação dos demais subscritores
quando uma delas for inválida por incapacidade, assinatura fictícia ou subscrição inválida
por qualquer outro motivo. Existem algumas restrições: é indispensável que seja
formalmente válida a vinculação do sacador, pois se faltar no saque algum dos requisitos
essenciais da letra, esta será nula art.º 2; se o vício formal se verificar no endosso, ele irá
ocasionar a ilegitimidade formal dos portadores subsequentes da letra art.º 16 e 40; se a
obrigação do avalizado for nula por vício de forma, essa nulidade propaga-se à obrigação
do avalista art.º 32;

5. Vencimento e pagamento da letra – Art.º 33 e ss. LULL:


As letras pagáveis à vista vencem-se mediante a simples apresentação ao sacado, o que
deverá ser feito no prazo de um ano a contar da sua data, podendo o sacador aumentar ou
reduzir este prazo e os endossantes encurtá-lo.
Também pode o sacador estabelecer que a letra não seja apresentada antes de certa data,
contando-se então o prazo a partir desta.
A apresentação da letra à vista é simultaneamente para aceite e para pagamento: se o
sacado paga, é porque aceita, o que significa que o aceite perde autonomia e de facto não
chega a existir.
Na letra a certo termo de vista, o prazo do vencimento conta-se do aceite ou do protesto
por falta dele entendendo-se o aceite não datado como feito no último dia do prazo
A falta de apresentação das letras à vista ou a certo termo de vista implica a perda do
direito de regresso contra o sacador e os endossantes, art.º 53.
Paga a letra, o sacado tem o direito a que ela lhe seja entregue com a respectiva quitação,
sujeitando-se, se a não obtiver, a que ela seja de novo endossada e a ter de pagar de novo
a um endossado.
Pode o sacado pagar apenas parcialmente a letra, sem que o portador lhe possa recusar o
pagamento e a respectiva quitação, é a chamada reforma da letra.
Ao pagar, o sacado não tem de verificar a regularidade formal da cadeia de endossos.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 94 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

6. Protesto – Art.º 44 LULL:


A falta de aceite ou a falta de pagamento devem ser certificadas através do protesto.
Trata-se de um acto jurídico declarativo, não negocial, praticado perante notário,
destinado a comprovar e a dar conhecimento aos intervenientes na cadeia cambiária da
falta do aceite ou do pagamento, bem como a salvaguardar a integridade do direito do
portador.
Há dois protestos diferentes:

6.1 O protesto por falta de aceite


Certifica que o sacado se recusou a aceitar a letra que para tal lhe foi apresentada. E feita
contra o sacador, pois este promete ao tomador e aos posteriores endossados que o sacado
aceitará a letra. Este protesto dispensa o protesto por falta de pagamento e a apresentação
a pagamento.
6.2 O protesto por falta de pagamento
comprova que foi recusado o pagamento da letra para tal apresentada ao sacado e é feito
contra este, já que, ao aceitar a letra, se obrigou a pagá-la no vencimento.
O portador que efectuar o protesto deve avisar o sacador e o seu endossante da falta de
aceite ou de pagamento. A falta destes avisos constitui causa da obrigação de indemnizar
os prejuízos dela resultantes, art.º 45.
A falta de protesto não impede o portador de cobrar a letra do aceitante e do seu avalista,
mas inibe-o de cobrar a letra do sacador, dos endossantes e demais co-obrigados, cfr. art.º
53.

Pode o protesto ser dispensado, através de uma cláusula "sem protesto" ou "sem
despesas" a qual permitirá ao portador exercer plenamente os seus direitos de acção, sem
necessidade de protesto. Se tal cláusula for aposta pelo sacador, produz efeitos quanto a
todos os intervenientes na letra. Se aposta por um endossante ou avalista, só produzirá
efeitos em relação a ele.

7. Prescrição – Art.º 70 LULL:


O direito cartular está sujeito a prazos de prescrição extintiva, diferentes consoante as
posições dos sujeitos cambiários. Não se tratam de prazos de caducidade mas sim de
prescrição. Tais prazos são os seguintes:
- Contra o aceitante: 3 anos a contar do vencimento;

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 95 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

- Do portador contra o sacador e os endossantes: 1 ano, a contar da data do protesto, ou


do vencimento quando exista uma cláusula "sem protesto";
- Dos endossantes contra outros e contra o sacador: 6 meses a contar da data em que o
endossante pagou ou foi accionado;
- Os avalistas estão sujeitos aos mesmos termos dos seus avalizados.
A interrupção da prescrição só opera em relação àquele face ao qual foi efectuada.

8. Acções de regresso – Art.º 43, 47 e 48 LULL:


O portador da letra pode accionar os endossantes, o sacador e os demais co-obrigados:
quer se ela não for paga no vencimento, quer antes deste, se houver recusa total ou parcial
do aceite, no caso de falência, suspensão de pagamentos ou execução sem resultado dos
bens do sacado, ou no caso de falência do sacador de uma letra não aceitável.
Todos os subscritores de uma letra são solidariamente responsáveis pelo pagamento dela
perante o portador.

Exercício

Clausula “ sem despesas “


significa que podemos endossar todos os obrigados
garantia sem efectuarmos o protesto.
Caso pratico
A__________________B____________C____________D_________E
( não à ordem)
D__________ não pode endossar a letra, mas pode fazer cessão ordinária de
créditos, assim, ________________C, pode opor a____ E____a excepção do artº
17º.-
Na cessão de creditos E___assume a posição juridica de D.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 96 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Exemplo de uma letra (frente e verso com cláusula “sem despesas”

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 97 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Casos práticos
A, estudante da FDUP comprou uma máquina de café e instalou-se, durante a época de exames,
numa banca num dos corredores onde decorriam orai., servindo café. A sua actividade foi contudo,
proibida pelo conselho directivo, pelo que A acabou por vender a sua máquina de café à
Associação de Estudantes, que a passou a usar no bar que tinha instalado nas suas instalações.
Qualifique, do ponto de vista comercial, os sujeitos em causa bem como os actos por este
praticados.

 Para podermos classificar os sujeitos em causa temos de analisar se eles são ou não
comerciantes. Como sabemos com base no art. 13. CCM são comerciantes “As pessoas, que, tendo
capacidade para praticar actos de comércio, fazem deste profissão” Assim é necessário além da
capacidade, que o indivíduo faça da prática de comércio profissão e o exerça em nome próprio.
Contudo, a nossa lei é muito lacunosa, na qualificação de actividades como comerciais, por isso,
existem determinados princípios de direito comercial basilares que são essenciais, para qualificar
certas actividades, que de outra forma não seriam qualificáveis como comerciais. Nestes termos
para enquadrarmos certas actividades teremos de nos socorrer de um mecanismo conhecido como
analogia iuris, trata-se da analogia feita a partir de princípios jurídicos gerais de direito comercial,
mas que não possuem consagração legal.
Extrai-se assim um princípio geral de direito comercial, segundo o qual qualquer actividade de
prestação de serviços exercida por uma empresa transforma-a em empresa comercial, assim as
empresas de prestação de serviços são em regra comerciais. Contudo, a prestação de serviços para
ser encarada como actividade comercial, tem de ser feita no âmbito de uma empresa. Neste caso, A
apesar de exercer uma prestação de serviços, não a presta integrado numa organização empresarial,
não existe na sua actividade vectores de organização e exploração que possam ser negociados, por
isso, A não pode se qualificado como comerciante. Temos assim uma prestação de serviços civil,
que não se rege pelo direito comercial.
Quanto à Associação de Estudantes, sendo uma entidade que não tem por objecto fins lucrativos,
não pode ser classificada como comerciante. Isto não impede contudo que as entidades sem fins
lucrativos não possam exercer actos de comércio desde que tal respeite o princípio da
especialidade do fim consagrado no art. 160.º CC, nada impede a associação de explorar um bar,
isso não a torna, todavia, um comerciante, porque tal actividade é exercida não a título principal
mas a título meramente instrumental.
Uma vez concluído que os sujeitos em causa não são comerciais segue-se a qualificação
dos actos praticados, a compra da máquina e a sua posterior revenda.
A compra efectuada pelo estudante é uma compra civil, por interpretação a contraio dos artigo do
art. 463.º e 464.º n.º 1 CCM, pelo que estabelece este artigo que “Não são consideradas
comerciais: As compras de quaisquer cousas móveis destinadas ao uso ou consumo do comprador
ou da sua família, e as revendas que porventura desses objectos se venham a fazer;” A compra não
foi destinada à revenda, este acto acontece por motivos supervenientes, pelo que não se trata de
uma compra comercial, nos termos do art. 463.º CCM, mas de uma compra civil.
Temos agora que saber qual o regime que segue compra, porque apesar desta ser civil, poderá
seguir os trâmites do CCM.
O estudante, comprou a máquina numa loja, tudo leva a concluir que a venda foi comercial, assim,
a comercialidade da actividade apenas se verifica em relação a uma das partes, o acto é deste
modo, unilateralmente comercial. Para estes, estabelece o art. 99.º CCM “Embora o acto seja
mercantil só com relação a uma das partes será regulado pelas disposições da lei comercial quanto
a todos os contratantes, salvo as que só forem aplicáveis àquele ou àqueles por cujo respeito o acto
é mercantil, ficando, porém, todos sujeitos à jurisdição comercial”
Assim os actos unilateralmente comerciais são regulados pela lei comercial exceptuando-se as
disposições da lei comercial que só forem aplicáveis àquele ou àqueles por cujo respeito a lei é
mercantil. Nestes termos basta que uma das partes seja comercial para se aplicar o regime do
CCM.
Conclui-se portanto, que apesar da compra ser civil, vai estar sujeita ao regime comercial, por
força da lei mandar aplicar ao acto unilateralmente comercial o regime do CCM. Todavia, apesar
disto, não será aplicado à compra o regime da solidariedade previsto no art. 100.º CCM por tal

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 98 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

preceito estabelecer que “ Esta disposição não é extensiva aos não comerciantes quanto aos
contratos que, em relação a estes, não constituírem actos comerciais”
Relativamente ao negócio efectuado com a AE, consideramos que a venda é civil, porque a
máquina não foi adquirida como intuito de revenda, art. 463.º n.º 3 CCM a contrario. Contudo, a
compra é já comercial, porque foi comprada pela AE com intuito de explorar uma actividade
comercial. Assim, temos uma situação semelhante à acima explicada, um acto unilateralmente
comercial, que leva a que os efeitos comercia se estendam também à venda que é neste caso civil,
por força do art. 99 CCM, salvo a excepção prevista no art. 100 .º do mesmo diploma.

 B, com 17 anos, organiza periodicamente actividades radicais no rio Paiva, sendo que
para dar continuidade ao negócio, adquire dois novos barcos de borracha contraindo para tal um
empréstimo de 2.500 € junto de um tio C, que explora uma pensão.
Admita ainda que C tinha emprestado a D serralheiro3.000 € para que este pagasse a última
prestação do seu carro.
Classifique do ponto de vista comercial, os sujeitos em causa bem como os actos por este
praticados.

 Para podermos classificar os sujeitos em causa temos de analisar se eles são ou


não comerciantes. Como sabemos com base no art. 13. CCM são comerciantes “As pessoas, que,
tendo capacidade para praticar actos de comércio, fazem deste profissão” Assim é necessário além
da capacidade, que o indivíduo faça da prática de comércio profissão e o exerça em nome próprio.
Contudo, a nossa lei é muito lacunosa, na qualificação de actividades como comerciais, por isso,
existem determinados princípios de direito comercial basilares que são essenciais, para qualificar
certas actividades, que de outra forma não seriam qualificáveis como comerciais. Nestes termos
para enquadrarmos certas actividades teremos de nos socorrer de um mecanismo conhecido como
analogia iuris, trata-se da analogia feita a partir de princípios jurídicos gerais de direito comercial,
mas que não possuem consagração legal.
Extrai-se assim um princípio geral de direito comercial, segundo o qual qualquer actividade de
prestação de serviços exercida por uma empresa transforma-a em empresa comercial, assim as
empresas de prestação de serviços são em regra comerciais. Contudo, a prestação de serviços para
ser encarada como actividade comercial, tem de ser feita no âmbito de uma empresa. Neste caso,
B, exerce uma prestação de serviços integrada numa empresa, uma vez que nos encontramos
perante uma organização de valores e meios com valia autónoma que pode ser autonomamente
transferível. Além disso, B pode desde logo ser qualificado como comerciante porque exerce a
profissão nos termos exigidos pelo art. 13.º CCM. Contudo, levante-se neste caso um problema de
capacidade, uma vez que B tem apenas 17 anos, não podendo per si, realizar actos de comércio. Só
em casos excepcionais é que um incapaz pode ter qualidade de comerciante, nomeadamente se for
devidamente representado pelos representantes legais para o efeito, e estes tenham sido
devidamente autorizados pelo tribunal. O artigo 1889.º n.º 1 al C CC estabelece que “ 1. Como
representantes do filho não podem os pais, sem autorização do tribunal:
Adquirir estabelecimento comercial ou industrial ou continuar a exploração do que o filho haja
recebido por sucessão ou doação;”
Assim, apesar da exploração ficar a cargo dos representantes legais do incapaz, estes últimos
mediante autorização do tribunal, podem adquirir ou continuar a exploração de estabelecimento
comercial, mas quem adquire a qualidade de comerciante é o incapaz e não os representantes.
Uma vez enquadrado a qualificação de B como comerciante, vamos proceder à análise dos actos
por ele praticados:
Relativamente aos empréstimos, sabemos que ele é um acto acessoriamente comercial, ou seja,
deve a sua comercialidade ao facto de se ligar a um acto mercantil, podendo ser considerado como
acto comercial, quando se destine a cobrir uma actividade comercial, art. 394.º CCM “Para que o
contrato de empréstimo seja havido por comercial é mister que a cousa cedida seja destinada a
qualquer acto mercantil” Nestes termos se conclui que o empréstimo é um acto objectivamente
comercial, porque ainda que B não fosse comerciante, o acto não perderia sua comercialidade,

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 99 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

porque este é devido ao facto dele se destinar a financiar uma actividade comercial. Refira-se
apenas que o empréstimo comercial não carece de ser realizado formalmente, a lei não exige forma
específica, art. 396.º CCM “O empréstimo mercantil entre comerciantes admite, seja qual for o seu
valor, todo o género de prova”
Quanto à compra dos barcos, sendo esta praticada no âmbito de uma empresa comercial, estamos
perante um acto objectivamente comercial, art. 463.º n.º 1 CCM.
Não podemos esquecer que C tinha emprestado D serralheiro 3.000 € para que este pagasse a
prestação do carro.
C é sem dúvida à luz do art. 13.º CCM um comerciante, D contudo, não o é, porque, de acordo
com os princípios gerais de direito comerciais, uma actividade de prestação de serviços só é
considerada comercial se for realizada no âmbito de uma empresa, o que não é o caso.
Quanto ao empréstimo enquanto acto acessoriamente comercial, não é aqui, objectivamente
comercial, conforme o disposto no art. 394.º CCM porque não se destina a financiar uma
actividade comercial, mas antes particular. Questiona-se agora saber se o empréstimo poderá ser
subjectivamente comercial.
Para que um acto seja considerado subjectivamente comercial é necessário que estejam
preenchidos três requisitos, art. 2 CCM.
1. Que o sujeito seja um comerciante  porque como vimos C é comerciante,
2. Que o acto tenha natureza patrimonial  porque se destina pagamento de uma prestação
pecuniária;
3. “Se do contrário do próprio acto não resultar” Assim, um acto patrimonial praticado por
um comerciante, só não é subjectivamente comercial, se da prática do acto resultar o
contrário, isto é desde que haja desconexão com a actividade praticada pelo comerciante.
Ora é precisamente isto que resulta desta caso, não há qualquer ligação entre o
empréstimo e a actividade desenvolvida por D, pelo que o empréstimo segue os trâmites
do CC e não do CCM.

 C, alemão, residente em Portugal explora no Alentejo uma propriedade agrícola onde


cria porcos e cultiva oliveiras. Paralelamente possui uma pequena loja em Beja, a funcionar num
prédio arrendado, onde vende o azeite que produz bem como os enchidos resultantes da criação de
porcos.
A) Quid iuris?
B) Em Dezembro no ano passado C comprou tintas para pintar a sua loja e contratou um
pintor, supondo que C é considerado comerciante será o seu acto considerado subjectivamente
comercial? Quid iuris se quem comprasse as tintas fosse uma associação de agricultores que tem
como fim ajudar os agricultores a escoar seus produtos?

A) Antes de mais, temos de saber se C é ou não considerado comerciante, sendo que se


destaca logo, o facto de C ser cidadão alemão a residir em Portugal. Relativamente a esta questão,
o nosso CCM resolve no art. 7.º ao estabelecer que “Toda a pessoa, nacional ou estrangeira, que
for civilmente capaz de se obrigar, poderá praticar actos de comércio, em qualquer parte destes
reinos e seus domínios, nos termos e salvas as excepções do presente Código.” Assim, em termos
de relações comerciais os cidadãos estrangeiros estão em pé de igualdade com os portugueses.
Temos agora que analisar se C exerce ou não uma actividade comercial, sendo que
conforme decorre do art. 230.º parágrafo único, não se consideram comerciantes “proprietário ou o
explorador rural que apenas fabrica ou manufactura os produtos do terreno que agriculta
acessoriamente à sua exploração agrícola, nem o artista industrial, mestre ou oficial de ofício
mecânico que exerce directamente a sua arte, indústria ou ofício, embora empregue para isso, ou
só operários, ou operários e máquinas.” Assim, na eventualidade de C apenas se dedicar à criação
de porcos e oliveiras, não exerceria uma actividade industrial, até porque como sabemos o CCM
exclui da qualidade de comerciantes o sector agrícola, conforme decorre do art. 230.º CCM.
Contudo, neste caso, C não se dedica apenas à criação de porcos e oliveiras, mas também
à venda de azeite e dos enchidos resultantes da exploração, deste modo, paralelamente à actividade
agrícola C possui uma actividade de transformação e de venda ao público dos seus produtos. Será

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 100 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

que pelo desempenho destas actividades C já pode se considerado comerciante? Mais uma vez
temos de analisar o que dispõe o art. 230.º parágrafo único nesta matéria que refere que não serão
comerciantes “proprietário ou o explorador rural que apenas fabrica ou manufactura os produtos
do terreno que agriculta acessoriamente à sua exploração agrícola, nem o artista industrial, mestre
ou oficial de ofício mecânico que exerce directamente a sua arte, indústria ou ofício, embora
empregue para isso, ou só operários, ou operários e máquinas.” Pelo que decorre deste artigo
conclui-se que aquilo que releva é a actividade transformadora, se esta for uma actividade
acessória relativamente à exploração agrícola então, C não é considerado comerciante. Se por
outro lado, a actividade de transformação for uma actividade principal paralelamente à exploração
agrícola, C é considerado comerciante. O critério que de deve usar para qualificar uma entidade de
exploração agrícola que se ocupa também de transformação e venda do produto, será então o da
acessoriedade, mediante análise nomeadamente do tempo dispendido na actividade, no
investimento, o trabalho desenvolvido. Se se concluir que a actividade principal é actividade de
transformação, então C deverá ser considerado comercial.
Mas, C além da actividade agrícola e transformadora dedica-se ainda à venda dos seus
produtos numa loja, assim, ele vende directamente sem intermediário fornecedor os seus produtos
por si transformados. Conforme decorre do art. 464.º n.º 2 CC “Não são consideradas comerciais:
As vendas que o proprietário ou explorador rural faça dos produtos de propriedade sua ou por ele
explorada e dos géneros em que lhes houverem sido pagas quaisquer rendas” Daqui se conclui
portanto, que as venda realizadas por um produtor rural para revenda são civis, contudo, a compra
de tais produtos será comercial, nos termos do art. 463.º n.º 1 CCM, pelo que nos termos do art.
99.º CCM se aplicará quanto à compra e venda no seu todo, o regime do CCM salvo np que se
refere à solidariedade conforme estabelece o art. 100.º CCM.
Mas a questão neste caso é diferente porque C não vende o produto original, como sucederia
com fruta por exemplo, C antes de proceder à venda do produto tem de transforma-lo, será então
considerado comerciante? C só será considerado comerciante em virtude do exercício de venda de
produtos na loja, se tiver sido considerado comerciante a título transformador dos produtos, porque
neste caso, a actividade principal será a transformação, sendo a venda do mesmo produto uma
espécie de secção da indústria transformadora.
Se C não foi considerado como comerciante, em virtude da sua actividade de exploração ser
meramente acessória à exploração agrícola, então quando procede à venda dos produtos nua loja
também não deve ser considerado comerciante.

Resta apenas concluir que C preenche os requisitos do art. 13.º CC uma vez que
tendo capacidade para o exercício de direito, porque em nada resulta o contrário, faz deste
profissão e pratica os actos de comercio em nome próprio.
É ainda dito que a loja de C a funcionar em Beja, se encontra instalada num prédio
arrendado, pelo que aqui importa descortinar se se trata ou não de um arrendamento comercial, nos
termos do art. 110.º RAU “ considera-se realizado para comércio ou indústria o arrendamento de
prédios ou parte de prédios urbanos ou rústicos tomados para fins directamente relacionados com
uma actividade comercial ou industrial.” Neste caso a actividade desempenhada no prédio é uma
actividade comercial, logo, o arrendamento tem-se como comercial. Assim, apesar do
arrendamento constar de lei civil, o acto será objectivamente comercial.

B) Considerando C um comerciante, por preenchimento dos requisitos do art. 13.º CCM, o


acto de compra de tintas será subjectivamente comercial, se se encontrarem preenchidos os
respectivos requisitos, do art. 2 CCM. É primeiramente necessário que o acto seja praticado por
um comerciante, pelo que este requisito se encontra preenchido porque como vimos C é
considerado comerciante.
Além disso, os actos para serem subjectivamente comerciais, não podem ser de natureza
exclusivamente civil. Sendo que só são de natureza exclusivamente civil os actos de natureza
extra-patrimonial, como actos familiares e sucessórios. Assim só são actos de comércio aqueles de
natureza patrimonial, aqui não se suscita problemas uma vez que tratando-se de uma compra o
acto não é de natureza exclusivamente civil.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 101 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Por fim Mas nem todos os actos praticados por comerciantes de natureza patrimonial são
subjectivamente comerciais, tal só sucede “se do contrário do próprio acto não resultar” art. 2
CCM in fine. Assim, um acto patrimonial praticado por um comerciante, só não é subjectivamente
comercial, se da prática do acto resultar o contrário, isto é desde que haja desconexão com a
actividade praticada pelo comerciante.
Deste modo, se na compra das tintas, C se identificasse como comerciante do ramo
agrícola, resultaria claramente da prática do acto a falta de conexão com a sua actividade, pelo que
o acto não seria subjectivamente comercial. Se nada fosse, dito, em contrário, o acto seria encarado
como sendo subjectivamente comercial. Contudo esta diferenciação não releva porque em
qualquer dos casos o regime a aplicar seria o do CCM, porque como sabemos aos actos
unilateralmente comercias, se aplica o disposto no art. 99.º CCM pelo que “Embora o acto seja
mercantil só com relação a uma das partes será regulado pelas disposições da lei comercial quanto
a todos os contratantes, salvo as que só forem aplicáveis àquele ou àqueles por cujo respeito o acto
é mercantil, ficando, porém, todos sujeitos à jurisdição comercial” destacando-se como excepção o
regime da solidariedade previsto no art. 100.º CCM.
Além de ser subjectivamente comercial a compra seria ainda objectivamente comercial,
porque se destina ao exercício de uma actividade comercial.
Sendo a compra das tintas efectuada por uma associação de agricultores, o acto não
poderia ser qualificado como subjectivamente comercial. Assim sucede porque como sabemos os
actos subjectivamente comercias, são aqueles que são praticados por comerciantes, e uma
associação deste género não é comerciante, art. 14.º CCM É proibida a profissão do comércio: 1.º
Às associações ou corporações que não tenham por objecto interesses materiais;” As associações e
fundações que não tenham por objecto interesses materiais, não podem ser comerciantes. Esta
norma, não impede contudo, que tais entidades fiquem impossibilitadas de praticar actos de
comércio desde que respeitem os limites da sua capacidade jurídica, conforme o estabelecido no
art. 160.º CC, contudo, apesar de praticarem actos de comércio, não podem ser qualificadas como
comerciantes.
Nestes termos o que podemos suscitar é se a compra poderá ser objectivamente comercial, ao que
respondemos afirmativamente porque a tinta vai ser usada no âmbito de uma actividade comercial,
a venda de produtos dos agricultores, logo será objectivamente comercial. Mais uma vez,
destacamos que esta qualificação não é muito importante porque se a compra não fosse comercial
aplicar-se-ia na mesma o regime do CCM, por aplicação do art. 99 CCM, porque a venda será a
priori comercial.
Resta agora analisar a contratação do pintor. Como sabemos este desempenha uma
actividade de prestação de serviços, sendo que em nenhuma disposição do CCM se qualifica a
prestação de serviços como sendo uma actividade comercial, contudo, tem-se entendido a
qualificação desta actividade como sendo comercial, mediante o recurso à analogia iuris,
permitindo a partir de princípios de direito comercial, qualificar certas actividades como
comercias. Contudo, note-se que a actividade de prestação de serviços apenas é considerada de
índole comercial no caso de ser exercida no âmbito empresarial, pelo que o pinto que trabalha por
conta própria não possuindo qualquer organização empresarial por de trás da sua actividade não
poderá ser considerado como comercial.
Contudo, ainda que o pintor não pratique uma actividade comercial, por não possuir uma
empresa, a prestação de serviços por ele desempenhada será de âmbito comercial, por se destinar a
uma empresa, assim o regime jurídico a aplicar será o do CCM, em virtude do art. 99.º CCM.

 M, Guitarrista, possui uma banda de Rock “M&M sound” sendo sócio único de uma
sociedade comercial, conhecida como “Rock&Rock” que se destina à gravação e emissão de
discos. M comprou recentemente uma guitarra e uma mesa de mistura para o estúdio da editora.
C é considerado comerciante?

 Vamos começar por analisar a actividade de M enquanto músico, pelo que se conclui
do art. 464.º n.º 3 CCM “Não são consideradas comerciais: As compras que os artistas, industriais,
mestres e oficiais de ofícios mecânicos que exercerem directamente a sua arte, indústria ou ofício,

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 102 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

fizerem de objectos para transformarem ou aperfeiçoarem nos seus estabelecimentos, e as vendas


de tais objectos que fizerem depois de assim transformados ou aperfeiçoados” Assim, em regra o
nosso ordenamento jurídico exclui da actividade industrial o exercício de actividades intelectuais,
entre as quais de inclui a música. Assim, por esta via, M não pode ser considerado comerciante.
E ainda referido que M é sócio unitário de uma sociedade comercial, sendo que nos
termos do art. 13.º n.º 2 as sociedades comerciais são consideradas comerciantes. Assim, além das
pessoas singulares também as sociedades comercias podem ser comerciantes, sendo que de acordo
com o art. 1.º Código das Sociedades Comerciais (CSC) são sociedades comercias:
3. Requisito substancia: Aquelas que tenham por objecto a prática de actos de
comércio;”
4. Requisito formal: E adoptem o tipo de sociedade em nome colectivo, de sociedade
por quotas, de sociedade anónima, de sociedades em comandita simples ou de
sociedade em comandita por acções”
Contudo, apesar de M ser sócio único da sociedade, quem adquire a qualidade de comerciante é a
sociedade e não o sócio, deste modo, se conclui que por esta via M também não pode ser
considerado comerciante.
Note-se que para que a própria sociedade seja considerada comercial é necessário que além do
preenchimento do requisito formal, enumerado acima, tenha por objecto a prática de actos de
comércio. Aqui não temos qualquer dúvida em afirmar que esta sociedade pratica actos de
comércio, porque tal decorre directamente da lei, art. 230.º n.º 5 CCM “Haver-se-ão por
comerciais as empresas, singulares ou colectivas, que se propuserem: Editar, publicar ou vender
obras científicas, literárias ou artísticas”
Relativamente à compra da guitarra, parece que estamos perante uma compra subjectiva e
objectivamente civil, destinando-se o objecto para uso pessoal, subjectiva porque não é efectuada
por um comerciante e objectivamente civil porque não consta do art. 463.º nem 4634.º nem se
destina ao desenvolvimento de uma actividade empresarial. Quanto à mesa de mistura, destinada
para a gravação dos discos poderá ser uma compra subjectivamente comercial, de acordo com ao
art. 2 CCM, uma vez que, foi praticada por um comerciante, neste caso a sociedade comercial na
pessoa de M, é o acto de natureza patrimonial, e desde que o contrário do próprio acto não resultar.
De qualquer dos modos, a compra será objectivamente comercial porque de destina ao
desenvolvimento de uma actividade comercial.
De qualquer dos modos na compra da guitarra, apesar da compra ser civil aplicar-se-á o regime do
CCM em virtude da aplicação do art. 99 CCM, salvo no que concerne à aplicação do regime da
solidariedade.

Caso pratico:

A é comerciante em nome individual. É casado com B no regime de comunhão de adquiridos. Têm


dois filhos menores. Há 5 meses A comprou mercadoria diversa para revenda no seu
estabelecimento, cujo pagamento devia ser efectuado nos 30 dias seguintes, o que nunca
aconteceu.
a) Quem pode o credor responsabilizar pelo pagamento da divida?

Resolução:
O credor pode pedir responsabilidades no pagamento desta divida ao comerciante e também a sua
esposa, isto porque analisando o art. 1691º, a responsabilidade por uma divida comercial é de
ambos os cônjuges se forem casados num regime de comunhão (o que se verifica pois são casados
no regime de comunhão de adquiridos), se a divida foi contraída no exercício do comércio (que
também acontece, visto A ter comprado mercadoria para revenda no seu estabelecimento, tendo
em conta o art. 15º do código comercial – presunção) e, finalmente, se houver proveito comum do
casal (em principio existe pois todo o acto comercial gera beneficio para toda a família). E como
os requisitos são cumulativos e visto estarem preenchidos os 3, a responsabilidade é atribuída a
ambos os cônjuges.

Caso pratico:

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 103 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

C é comerciante e é casado desde 1999 no regime de comunhão geral de bens com D. C possuiu
um estabelecimento onde se dedica a venda de vinhos. No mês passado, organizou uma festa em
sua casa e foi a um hipermercado comprar 30 garrafas de vinho, as quais foram consumidas na
referida festa. Admitindo que C fica devedor dessa mercadoria, diga quem pode ser
responsabilizado por este pagamento.

Resolução:
O credor vai responsabilizar o casal na medida em que se presume do art. 15º do código
comercial, que todo o acto praticado no exercício do seu comercio, assim como se presume do art.
1691º, 1, d) que o facto que deu origem a esta divida gerou proveito comum do casal. Verificando-
se estes dois requisitos, mais o facto do casal estar casado num regime de comunhão, nos termos
do art. 1691º, 1, d) a divida comercial pode ser imputada a ambos os cônjuges pois estão
preenchidos, cumulativamente, os 3 requisitos necessários.

Caso prático: (nosso)


A comerciante em nome individual detém uma papelaria. No passado mês de Maio
adquiriu uma viatura para transporte das suas mercadorias, a qual começou a pagar
Em prestações. Em setembro passado deixou de pagar as prestações. Sabendo que A é casado com
B no regime da comunhão geral de bens e que tem dois filhos menores, verifique se é aplicável a
alínea d) do n.º 1 do 1691 do C. Civil.

Resolução:
De acordo com o n.º 1 do 1690 A tem legitimidade para contrair dívidas sem o consentimento do
cônjuge.
Quando o facto que deu origem á divida ocorreu, já eram casados, logo verifica-se o n.º 2 do 1690.
A viatura foi adquirida para o exercício do comércio segundo 15 do C. Comercial, como esta lei
estabelece uma presunção legal, logo verifica-se este requisito, a compra da viatura, ou seja o
negócio subjacente á divida gerou proveito comum do casal, mesmo que não tenha sido
imediatamente evidente a nível económico, presume-se que gerou bem-estar familiar.
Como são casados em comunhão geral de bens e a alínea d) só fala em separação de bens, logo
neste caso concreto respondem solidariamente os bens comuns do casal de acordo com1695 C.
Civil, ou na falta destes, os bens próprios de cada um.
Como se verificam os 3 requisitos e são comulativos, logo pode-se aplicar a alínea d) do n.º 1 do
1691.
Neste caso concreto é difícil ilidir quer a presunção do 15, bem como o proveito comum do casal.
Quanto á presunção do 15 é difícil de ilidir esta presunção porque o próprio enunciado diz que a
viatura foi comprada para o exercício da actividade comercial de A. Quanto á presunção do
proveito comum do casal, também esta presunção não é ilidivel porque é óbvio que ou
imediatamente ou a curto prazo esta aquisição vai gerar bem-estar familiar, na medida em que vai
permitir uma vivência familiar mais pacifica, mais calma quer a nível físico de A quer a nível
mental e intelectual.

Admita que o credor interpôs a acção contra ambos os cônjuges e que o cônjuge B contestou a
acção dizendo que se encontra separado de facto de A, isto á mais de 2 anos, sendo que A não
presta alimentos nem a B nem aos filhos. Estes factos condicionam a invocação da alínea d)
do n.º 1 do 1691?
Assim, verifica-se que não houve proveito comum do casal, sendo A e B separados á mais de
2 anos e como o negócio é de Maio passado, logo é evidente que estes factos ilidem a
presunção da alínea d) n.º 1 do 1691. È obvio que B não beneficia da aquisição da viatura.

Caso prático (nosso)


A comerciante em nome individual tem uma loja de fazendas e é casado com B desde 97 no
regime da comunhão geral de bens. Em Junho de 2000 adquiriu diversas fazendas para revender
no seu estabelecimento comercial. Não pagou o valor acordado na data devida, pelo que o credor
após diversas tentativas de acordo de pagamento decidiu interpor uma acção judicial contra A e B.
È possível aplicar a alínea d) do n.º 1 do 1691?

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 104 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Resolução:
De acordo com o n.º 1 do 1690 tem A legitimidade para contrair dívidas sem o consentimento
de B
Quanto ao facto que deu origem á divida ocorreu A e B eram casados, logo verifica-se o n.º 2
do 1690.
As fazendas foram adquiridas em pleno exercício da actividade comercial de A, logo verifica-
se a presunção legal a que se refere o 15 do C. Comercial, então também se verifica este
requisito.
Lógico é que de acordo com o n.º 1 alínea d) do 1691 que houve proveito comum do casal,
porque o proveito que advirá da revenda das fazendas irá gerar bem-estar á família, logo e
de acordo com o referido artigo verifica-se a presunção legal aí prevista, logo se verifica este
requisito.
Como são casados em comunhão geral de bens e alínea só exceptua os casados em separação
de bens, neste caso concreto e de acordo com 1695 respondem solidariamente A e B com os
bens comuns do casal.
Verificam-se os três requisitos e como são comulativos, pode o credor sem duvida alguma
interpor uma acção judicial contra A e B.
Neste caso concreto é difícil ilidir quer a presunção do 15, bem como o proveito comum do
casal. Quanto á presunção do 15 não se pode na medida em que o próprio enunciado nos diz
que A comerciante de fazendas e se as comprou para revender, é óbvio que está no pleno
exercício da sua actividade comercial. Quanto á presunção do proveito comum do casal, é
lógico que o facto que esteve subjacente á divida irá gerar lucro o que se irá reflectir a vários
níveis no que concerne ao bem-estar familiar.
Admita que em 1999 iniciou um processo de divórcio que transitou em julgado em Janeiro de
2000.
Á data do negócio que esteve subjacente á divida já não havia casamento, logo não posso
aplicar estas normas, até porque já não havia cônjuge á data do negócio.
Admita que a sentença é de Janeiro de 2001 e hoje é que a acção foi interposta.
Assim existe casamento, existe cônjuge, logo são os dois responsáveis.
Admita que estas fazendas eram quentinhas e como se estava a aproximar o Natal A
comprou as fazendas para doar a uma instituição.
Ilide a presunção do 15 porque A não comprou as fazendas as fazendas em pleno exercício
da sua actividade comercial. Ilide também o proveito comum do casal, porque não houve.
Assim, só se verifica o 3.º requisito, mas como os três requisitos são comulativos, não
podemos de forma alguma aplicar o n.º 1 alínea d) do 1691.

Caso prático (nosso)


A comerciante em nome individual, casado com B no regime da comunhão de adquiridos e
tem 2 filhos menores. A tem uma papelaria e no passado 1/10 adquiriu diverso material
escolar para revender sendo que o pagamento seria efectuado a 30 dias. Até hoje ainda não
pagou a factura e o credor pretende exigir o pagamento. Pode segundo o n.º1 da alínea d) do
1691?

Resolução:
De acordo com o n.º 1 do 1690 A tem legitimidade para contrair dívidas sem o consentimento
do seu cônjuge.
Quando o facto que deu origem á divida ocorreu A e B já eram casados, logo verifica-se o n.o
2 do 1690.
O material escolar foi adquirido para revender em pleno exercício da sua actividade
comercial de A, logo verifica-se a presunção legal a que se refere o 15, então verifica-se este
requisito.
De acordo com o n.º 1, alínea d) do 1691, houve proveito comum do casal, dado que com o
lucro da revenda do material escolar adviria uma mais valia a nível familiar e toda a família
iria beneficiar com isso, logo e de acordo com este artigo verifica-se a presunção legal aí
prevista, logo verifica-se também este requisito.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 105 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Como são casados no regime da comunhão de adquiridos e a alínea d) só exceptua os casados


em separação de bens, logo neste caso e de acordo com 1695 respondem solidariamente A e B
com os bens comuns do casal.
Verificam-se os três requisitos e como são comulativos, pode o credor exigir o seu pagamento
interpondo uma acção judicial contra A e B.
Neste caso concreto não é possível ilidir as presunções legais, ou seja, a 15 e proveito comum
do casal.

Caso pratico:
A é comerciante em nome individual e detém uma papelaria. É casado com B desde 2000, no
regime de comunhão de adquiridos e tem um filho menor. Em fevereiro de 2001 adquiriu uma
viatura para efectuar o transporte das suas mercadorias. Admita que A não efectuou o pagamento.
a) Aplicam-se os requisitos constantes no art. 1691º, 1, d)?
Neste caso é aplicável o art. 1691º, 1, d) do código civil porque:
A e B são casados no regime de comunhão de adquiridos.
A divida foi contraída no exercício do seu comercio pois A comprou a viatura para poder efectuar
o transporte da sua mercadoria e não esquecendo também que o art. 15º do código comercial,
presume que todas as dividas contraídas pelos comerciantes, o são no exercício do seu comercio.
Houve proveito comum do casal (como o próprio artigo presume) uma vez que A adquiriu a
viatura para desenvolver a sua actividade comercial e, como tal, gerar beneficio para toda a
família.
Como todos os requisitos são cumulativos e visto estarem preenchidos os 3, a responsabilidade é
de ambos os cônjuges, aplicando-se plenamente o art. 1691º, 1, d) do código civil.
b) Que bens do património do casal poderão responder pelo pagamento desta divida?
Os bens comuns do casal ou o bem próprio de qualquer um dos cônjuges (por solidariedade)
podem responder pela totalidade da divida.

Caso prático
A é comerciante em nome individual e tem um estabelecimento onde se dedica ao comércio de
vinhos. É casado com B desde 1995 no regime de comunhão de adquiridos. Têm um apartamento
propriedade de ambos, um automóvel propriedade de A e um terreno propriedade de B. em
outubro de 1998, A adquiriu vinhos para revenda, cujo pagamento não efectuou.
a) Diga se é aplicável o art. 1691º, 1, d).
Neste caso é aplicável o art. Porque:
A e B são casados no regime de comunhão de adquiridos.
A divida foi contraída no exercício do comercio, pois A comprou vinhos para revenda no seu
estabelecimento e não esquecendo também que o art. 15º do código comercial presume que todas
as dividas contraídas pelo comerciante são contraídas no exercido do seu comercio.
Houve proveito comum do casal (como o próprio art. Presume) uma vez que A adquiriu os vinhos
para desenvolver a sua actividade comercial e, como tal, gerar beneficio para toda a família.
Como todos os requisitos são cumulativos e visto estarem os 3 preenchidos, a responsabilidade é
de ambos os cônjuges, aplicando-se plenamente o art. 1691º, 1, d).
b) Dos bens constantes do enunciado, quais respondem em 1º lugar?
Segundo o art. 1695º, em primeiro lugar responde o apartamento, visto ser um bem comum do
casal. Em segundo lugar e como há solidariedade, pode responder qualquer um dos bens, sem
ordem obrigatória.

Caso prático:

A, titular de uma empresa de construção civil, é casado com B no regime de comunhão de


adquiridos.
A, adquire para a sua empresa, equipamentos de escritório e ainda duas obras de arte, destinando-
se o equipamento aos escritórios da Direcção e as obras de arte para a Sala de Reuniões.
A, não pagou os respectivos preços.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 106 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

a) Caracterize a empresa em questão.

A é titular de uma empresa reputada de comercial em face do Artº. 230/6 do C. Com., pois trata-se
de uma empresa de construção civil a qual certamente visará a construção e edificação de casas.
O Artº. 230º é uma norma qualificadora no sentido de qualificar as empresas comerciais e
consequentemente as actividades dessas empresas como comerciais.

O citado preceito, contudo, também nos fornece um elenco implícito de actos objectivamente
comerciais, em virtude de as mencionadas actividades não serem mais que uma massificação de
actos, ou seja, é possível decompor as ditas actividades em actos, os quais, porque tipificados na
lei e de acordo com o Artº. 2º/1, 1ª parte do C. Com. Serão considerados objectivamente
comerciais.

Quanto a esta problemática, existem duas posições doutrinais defendidas, uma por Lobo Xavier e
outra por Coutinho de Abreu.

Diz Lobo Xavier que os actos implícitos do Artº. 230º só serão objectivamente comerciais se
forem actos fundamentais e se houver conexão com a actividade da empresa.

Coutinho de Abreu não fala na fundamentabilidade dos actos porque, para ele, os actos do elenco
implícito do 230º só serão objectivamente comerciais se forem típicos, ou seja, característicos
daquela actividade.

Parece mais defensável esta última posição, o que corresponde a dizer que só os actos típicos ou
caracterizadores das actividades comerciais merecerão a qualificação de actos de comércio
objectivos, embora implicitamente.

b) Prove que o sujeito é comerciante.

A, porque titular de uma empresa comercial, é comerciante.

O titular de quaisquer empresas do Artº 230º é comerciante pela conjunção desse preceito com o
Artº 13º/1 e Artº 2º/1ª parte do C.Com.

Diremos que o titular de uma empresa comercial, ao desenvolver uma actividade comercial,
pratica, necessariamente, actos que se incluem na respectiva actividade.

Tais actos são objectivamente comerciais e, por isso mesmo, abrangidos na 1ª parte do artº 2º.
Deste modo ainda serão actos atributivos da qualidade de comerciante, em face do Artº 13º/1, pois
tratam-se de actos objectiva e substancialmente comerciais, praticados habitualmente
profissionalmente e com um fim em si mesmo. Logo estão preenchidos os pressupostos do Artº
13º/1.

c) Qualifique os actos em apreço.

A, adquiriu para a sua empresa equipamento de escritório e as duas obras de arte para a sala de
reuniões.

A aquisição do material de escritório e das obras de arte não parece poder ser qualificada como
acto objectivamente comercial, nem explícita nem implicitamente, pois não se trata nem de
compra para revenda (Artº 463), nem se trata de um acto típico da actividade desenvolvida pela
empresa.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 107 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Para estes actos serem reputados de comerciais, só o poderão ser subjectivamente.

Para estarmos em face de um acto subjectivamente comercial, é necessária a verificação de três


pressupostos cumulativos:
- o sujeito tem de ser comerciante e, neste caso, é, como atrás se provou;

- os actos em abstracto, de acordo com o tipo negocial, não podem ter natureza exclusivamente
civil, ou seja, terão de possuir natureza patrimonial, como é o caso em análise;

- apelando à teoria da impressão do declaratário e às circunstâncias que rodearam a prática do


acto, deveremos observar se um homem médio, colocado na posição do real declaratário,
conclui se o acto tem ou não conexão com o comércio daquele comerciante.
Daqui, temos que averiguar o que resulta e, no nosso caso, quanto à aquisição do material de
escritório resulta que tem conexão e o acto é subjectivamente comercial.

Quanto à aquisição das obras de arte, não resulta que tem conexão, e o acto é civil.

Assim, concluímos que a dívida aquisição do material de escritório é comercial e a dívida da


aquisição das obras de arte não é comercial, é civil.

d) Diga quem e que bens responderão por estas dívidas.

Dado que A é casado com B em comunhão de adquiridos, importa agora caracterizar a dívida
comercial como comunicável, pois, só assim, se responsabilizará ambos os cônjuges e o credor
verá aumentada a garantia patrimonial.

Tendo em conta o Artº. 15º do C.Com. e o Artº 1691/1-d) do CC, dir-se-á que:
- Existem duas presunções legais ilidíveis que visam facilitar a tarefa do credor e aumentar a sua
garantia.

Estas presunções facilitam a tarefa ao credor porque, em face destas duas disposições, o credor só
terá de provar que A é comerciante e que a dívida emergiu de um acto de comércio.

Provados estes dois factos, está automaticamente accionada a presunção do exercício de comércio
(Artº 15º C.Com.) e seguidamente a presunção do proveito comum (Artº 1691/1-d) CC).
Accionada a primeira presunção, a segunda é automaticamente accionada.

Se assim for, a dívida da aquisição do material de escritório é comunicável, e serão


responsabilizados ambos os cônjuges.

O cônjuge de A, na situação concreta, dificilmente conseguiria ilidir alguma das presunções mas,
se conseguisse ilidir a presunção do Artº 15º do C.Com., o credor podia ainda assim
responsabilizá-lo pelo Artº 1691/1-c) CC, tendo, todavia, o ónus de provar o proveito comum.

Se o cônjuge ilidisse a presunção do proveito comum, não seria responsabilizado.


No entanto, reafirmamos que, nesta situação, não se vislumbra qualquer possibilidade do cônjuge
ilidir qualquer das presunções.

Deste modo, responderão pela dívida todos os bens comuns do casal (Artº 1695º) e na falta ou
insuficiência deste, solidariamente, os bens de qualquer dos cônjuges.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 108 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Quanto à dívida da aquisição das obras de arte, não sendo comercial, o credor não beneficiará de
qualquer presunção, podendo, no entanto, responsabilizar ambos os cônjuges pelo Artº 1691/1-c),
mas tendo o ónus da prova de proveito comum.

Caso não consiga responsabilizar o cônjuge de A, apenas este responderá pela dívida, nos termos
do Artº 1696º/1 CC, respondendo em primeiro os bens próprios dele e, subsidiariamente, a sua
meação nos bens comuns.

2 - Caso prático:

António proprietário de um café onde exerce a sua actividade em prédio arrendado a Bento, entra
em negociações com Carlos, para efectuar o trespasse do mesmo.

António notifica Bento para que este exerça o seu direito de preferência, o que ele veio a fazer
negativamente.

António celebra então o contrato de trespasse do café com Carlos mas antes de proceder à entrega
do estabelecimento, retira todo o mobiliário, bem como as máquinas que se encontravam no
interior do recinto.

No dia seguinte, António comunica a Bento quem é o novo arrendatário.

Carlos ao deparar com o estado em que lhe foi entregue o pretenso café quer agora vir a arguir a
invalidas do negócio.

Quid Iuris?

António pode efectuar o trespasse do seu estabelecimento comercial com Carlos sem a prévia
autorização do senhorio, nos termos do Artº 115/1 RAU.
Todavia, antes de efectuar o trespasse, António tem que notificar Bento para que este tome
conhecimento das condições do trespasse e efective, ou não, o direito de preferência que a lei lhe
reconhece, nos termos do Artº 116/1 RAU.

Esta condição foi cumprida e Bento não excedeu o seu direito de preferência, logo António podia
celebrar com Carlos o contrato de trespasse.

Após a celebração do contrato de trespasse, António comunicou ao senhorio do imóvel arrendado,


o novo arrendatário, nos termos do Artº 1038-g) CC.

Carlos pode arguir a invalidade do contrato de trespasse por via do Artº 115/2-a) RAU, uma vez
que António nunca poderia ter retirado do café nem o mobiliário nem as máquinas, uma vez que
estes utensílios fazem parte do âmbito mínimo que integram o estabelecimento e que,
obrigatoriamente têm que o acompanhar.

3 - Caso prático:

António, comerciante no ramo da restauração resolveu contrair um empréstimo junto de


uma instituição bancária no sentido de remodelar o seu estabelecimento.

O empréstimo ascendeu a 10000 contos, tendo até hoje apenas pago 1000 contos.

Também no sentido de melhorar o seu estabelecimento resolveu adquirir um ecrã gigante para
instalar no seu café, melhorando assim a qualidade televisiva que proporcionava aos seus clientes.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 109 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Nada declarou nesse sentido.

António é casado com Berta no regime de comunhão geral de bens, encontrando-se separado de
facto hà 4 anos. Todavia, continua a contribuir para os encargos da vida familiar, proporcionando
aos seus filhos alguma qualidade de vida.

Diga se António é comerciante.

António para ser comerciante terá que praticar com carácter de profissionalidade e reiteradamente,
actos objectiva e substancialmente comerciais e absolutos, nos termos do Artº 13/1 C. Com.

De acordo com o Artº 2º - 1ª parte do C. Com., actos objectivos são aqueles que a lei comercial
explicitamente enumera e aqueles que se retiram do elenco implícito fornecido pelo Artº 230, que
descreve actividades que se traduzem numa massificação de actos.

António não é titular de uma empresa comercial, porque a actividade por ele desenvolvida
não consta do rol descrito no Artº 230 , mas pratica actos cuja comercialidade radica neles
próprios, ou seja, a compra e venda para revenda, explicitamente tipificada no Artº 463 C. Com..
Deste modo, o requisito necessário para que António adquira a qualidade de comerciante está
preenchido.

Pronuncie-se acerca dos actos em questão.


António contraiu um empréstimo junto de um banco para remodelar o seu
estabelecimento onde exercia a actividade de restauração.

Este acto está objectivamente tipificado no Artº 394 C.Com., mas para este acto ser
comercial tem de estar em conexão com a actividade comercial, ou seja, o empréstimo só será
qualificado como acto objectivamente comercial se tiver conexão com a actividade do
comerciante.

Verificam-se em concreto os pressupostos para que tal acto seja qualificado como
objectivamente comercial, de acordo com o Artº 2, 1ª parte.

Quanto à aquisição do ecrã gigante, há a referir que este acto não está tipificado na lei
comercial, por isso, a ser reputado de comercial, só o poderá ser subjectivamente.

Para que um acto possa ser considerado subjectivamente comercial é necessário que se
verifiquem três requisitos cumulativos, a saber:
É necessário que o sujeito seja comerciante o que é o presente caso, como atrás ficou
demonstrado;

Os actos em abstracto não podem ter natureza exclusivamente civil, ou seja, terão de
possuir natureza patrimonial, como acontece neste caso;

Apelando à teoria da impressão do declaratário e às circunstâncias que rodearam a prática


do acto, deveremos observar se um homem médio, colocado na posição do real declaratário
conclui se o acto tem ou não conexão com o comércio daquele comerciante.

Daqui temos de aferir o que resulta e no presente caso não resulta que não tenha conexão
com a actividade do comerciante.

Em situação de dúvida como a que chegamos, o acto é qualificado como subjectivamente


comercial.

Deste modo conclui-se que as dívidas emergentes, quer do empréstimo, quer da aquisição
serão reputadas como dívidas comerciais.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 110 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Quem responde pelas dívidas comerciais e em que termos:

Dado que António é casado com Berta em comunhão geral de bens, importa agora caracterizar a
dívida comercial como comunicável, pois só assim se responsabilizará ambos nos cônjuges e o
credor verá aumentada a garantia patrimonial.

Tendo em conta o Artº15 C. Com. E o Artº 1691-d) dir-se-á que existem duas presunções legais
ilidíveis que visam facilitar a tarefa do credor e aumentar a sua garantia.

Estas presunções facilitam a tarefa ao credor porque, em face destas duas suposições o credor só
terá que provar que António é comerciante e que a dívida emergiu de um acto de comércio.
Provados estes dois factos está automaticamente accionada a presunção do exercício do comércio
– Artº 15 C. Com e presunção do proveito comum – Artº 1691/1-d) CC. Accionada a primeira
presunção acciona-se automaticamente a segunda.

Sendo assim, as dívidas contraídas por António são comunicáveis e serão responsabilizados ambos
os cônjuges.

O cônjuge do António na situação concreta dificilmente conseguiria ilidir algumas das presunções,
mas, se conseguisse ilidir a presunção do Artº 15, o credor podia ainda assim responsabiliza-lo
pelo Artº 1691/1-c) CC, tendo todavia o ónus de provar o proveito comum.

Se o cônjuge ilidisse o proveito comum não seria responsabilizado. No entanto reafirmamos que,
nesta situação não se vislumbraria qualquer possibilidade do cônjuge ilidir qualquer das
presunções. Assim sendo, responderão pela dívida todos os bens comuns do casal – Artº 1695 CC

Imagine que Berta o consulta no sentido de saber se é possível responsabilizar-se pelas dívidas do
marido. O que lhe diria?

Berta apesar de estar separada de facto, recebe contribuições de António para ocorrer aos encargos
normais da vida familiar. Ocorrendo uma separação de facto, continua o cruzamento de
patrimónios, não existindo uma separação entre estes, situação que só se verifica quando haja uma
decisão judicial de separação. Nesta circunstância o cônjuge não terá qualquer hipótese de se
desresponsabilizar tendo que responder perante as dívidas contraídas por António.

Teorias DO ACESSÓRIO – Todos os actos conexos com actividades mercantis, ou seja actos
acessórios do comércio, serão comerciais, mesmo que praticados por não comerciantes – Artº 2º –
2ª parte C. Comercial.

TEORIA FRANCESA (para actos conexos):


• Os actos comerciais conexos, pelo facto de terem conexão com o exercício ou com a
actividade do agente, implicam que o agente é comerciante: A doutrina portuguesa só aceita esta
teoria se verificar o 3º requisito – O que resulta;
• Actos acessórios conexos com actos do comércio, objectivos e absolutos, ou seja, a
possibilidade dos não comerciantes virem a praticar actos acessórios de actos objectivos e
absolutos. A n/ doutrina não aceita esta teoria.

marcas
Caso prático relativo a esta matéria:

A infotrónica, produtos de informática, Lda, tem por objecto a produção e comercialização de


hardware e software para computadores pessoais. Para esse efeito explora uma cadeia de
estabelecimentos denominados “micro mestres” espalhados por todo o país, onde vende entre
outros, dois produtos da marca “masters” produzidos e distribuídos por uma empresa

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 111 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

multinacional, e as aplicações para escritório da marca “master- office”, desenvolvidas pelos seus
próprios técnicos e programadores. Para além desta vertente, a infotrónica detém ainda 100% do
capital social da “giga soluções”, informática, Lda, que produz e distribui processadores da marca
“luso intel” e monitores da marca “shell PC”

1. Poderá a proprietária da marca “masters” reagir contra a marca “master-office”? Se achar


que sim, explique em que circunstancias e por que formas?
2. A “giga soluções” foi recentemente contactada pelos proprietários das marcas intel e
shell que ameaçaram com processos judiciais no caso de as marcas “luso intel” e “shell
PC” não serem imediatamente retiradas do mercado. Parece-lhe que tem razão?
3. A, proprietário da loja de electrodomésticos “mestre micro” situada em Braga, pretende
reagir contra o nome “micro mestres”. Em que circunstâncias poderá ter sucesso?
4. A sociedade “giga solutions, Inc” multinacional com sede nos EUA, pretende também
reagir contra a firma “giga soluções” parece-lhe possível uma tal reacção contra um sinal
distintivo desta natureza?
5. A infotrónica teve conhecimento de uma empresa de software com o nome de “mestre
office. Terá alguma possibilidade de atacar o uso desse nome?

1.A marca é um sinal distintivo susceptível de representação gráfica, destinada sobretudo


a distinguir certos produtos de outros produtos idênticos ou afins. Os princípios orientadores na
constituição da marca estão em consonância com o que se disse em relação à constituição da firma,
nome e insígnia, e vêm regulados nos art. 222.º ss CPI.
“ A marca pode ser constituída por um sinal ou conjunto de sinais susceptíveis de representação
gráfica, nomeadamente palavras, incluindo nomes de pessoas, desenhos, letras, números, sons, a
forma do produto ou da respectiva embalagem, desde que sejam adequados a distinguir os
produtos ou serviços de uma empresa dos de outras empresas” “ A marca pode, igualmente ser
constituída por frases publicitárias para os produtos ou serviços a que respeitem, desde que
possuam carácter distintivo, independentemente da protecção que lhe seja reconhecida pelos
direitos de autor”
A constituição das marcas é muito mais aleatória do que a constituição das firmas, assim, uma
marca pode ser constituída por um sinal nominativo, por sinais auditivos, por desenhos, símbolos,
combinação de sons, de palavras, desenhos etc. As marcas identificam produtos, quer eles sejam
produzidos por empresas ou não, assim sucede porque apensar da grande parte das produtos serem
produzidos em empresas, pode um produto ser produzido por um não empresário, como sucede
com os cientistas, investigadores, e pessoas famosas que registam o seu nome.
Durante muito tempo a principal função das marcas limitou-se a ser distintiva, a distinguindo
sobretudo produtos afins e a indicar a origem do produto. Actualmente a marca não é só vista do
ponto de vista de finalidade distintiva de produtos afins, mas também como uma finalidade
informativa, pelo que a marca nos dá a conhecer diferentes características do produto em causa,
como a origem. Paralelamente, a marca tem ainda como função satisfazer interesses do seu
comercializador, uma vez que é um excelente meio de publicidade.
A marca pode ser constituída de modo quase ilimitado, mas terá sempre subjacentes questões
relacionadas com marketing e com a obtenção da maior clientela possível. Assim, a marca protege
sobretudo o seu titular.
Por último a marca tem ainda como função, garantia de qualidade do produto.
Em suma a marca tem como funções: distintiva; publicitária, indicação de origem, protecção do
comercializador; garantia de qualidade.
Na constituição de uma marca devem ser tidos em conta vários princípios jurídicos, que não
podem se violados, como princípio da verdade, da novidade, da capacidade distintiva, da unidade e
da licitude.
No caso em apreço, estamos perante uma situação em que a proprietária da marca de jogos masters
pretende reagir contra a marca master-office, contudo, esta pretensão apenas terá sucesso no caso
da designação da marca princípio da novidade. De acordo com este princípio uma marca que é
registada tem de ser nova, ou seja, tem de conferir ao seu titular o seu direito de uso exclusivo. A
protecção das marcas é efectuada em relação às restantes que digam respeito a produtos afins ou

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 112 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

idênticos, assim se houver a possibilidade de confusão ou associação de marcas, devemos atender


ao produto que ela identifica, sendo que se for um produto semelhante ou afim o registo da marca
deve ser recusado, pelo que vigora aqui o princípio da especialidade: art. 238.º al. m CPI “ É ainda
recusado o registo de marcas que contendam em todo ou alguns dos seus elementos: reprodução ou
imitação, no todo ou em parte, de marca anteriormente registada para produtos ou serviços
idênticos ou afins que possa induzir em erro ou confusão o consumidor ou que compreenda o risco
de associação coma marca registada” a redacção do artigo é clara, apenas é deixado ao intérprete a
análise do que são produtos afins, é importante esclarecer o que isto seja, sendo que se entende
como produtos afins aqueles que embora sendo diferentes são substitutos entre si. A este propósito
devemos atender ao disposto no art. 245.º CPI que estabelece o que constitui a imitação ou
usurpação da marca. O artigo estabelece requisitos cumulativos: “ A marca registada considera-se
imitada ou usurpada por outra, no todo ou em parte, quando, cumulativamente: a marca registada
tiver prioridade; sejam ambas destinadas a assinalar produtos idênticos ou afins; tenham tal
semelhança gráfica, figurativa ou fonética ou outra que induza facilmente o consumidor em erro
ou confusão, ou que compreendas um risco de associação com marca anteriormente registada, de
forma que o consumidor não as possa distinguir senão depois de um exame atento ou confronto.
N.º 2 para efeitos da alínea b do n.º 1: Os produtos que estejam inseridos na mesma classe de
classificação de Nice podem não ser considerados afins; Os produtos e serviços que não estejam
inseridos na mesma classificação de Nice podem ser considerados afins. N.º 3 Considera-se
imitação ou usurpação parcial de marca o uso de certa denominação de fantasia que faça parte de
marca alheia anteriormente registada.” Este artigo deixa de fora aquelas marcas que sendo
semelhantes se destinam a produtos diferentes, porque entende a lei que nestes casos não há
possibilidade de confusão. Por isso, se a marca se tentar apropriar do prestígio da outra não
obstante da diferenciação de produtos, o seu titular o gozará da protecção conferida pelo art. 242.º
CPI relativo às marcas de prestígio. Note-se apenas que para aferir a possibilidade de confusão de
produtos temos de atender ao consumidor médio, ao produto em causa, e ao tipo de púbico a que o
produto se destina. O princípio da novidade quanto ao registo de marcas, abrange outros sinais
distintivos, por isso, o registo de uma marca deve ser recusado se a sua designação possuir
elementos de “firma, denominação social, logótipo, nome e insígnia de estabelecimento, ou apenas
parte característica do mesmo, que não pertençam ao requerente, ou que o mesmo não esteja
autorizado a usar, se for susceptível de induzir o consumidor em erro ou confusão” art. 239.º al. f
CPI.
O princípio da novidade, tem ainda aplicação importante no que se refere à protecção de marcas
que apesar de se referirem a produtos diferentes, podem gerar a risco de associação.
Temos assim se analisar face ao caso em concreto, se se encontram preenchidos os requisitos que
permitem a reacção contra a marca. Assim, tem de haver possibilidade de confusão entre as partes,
possibilidade de induzir o público em erro, e registo prioritário da marca que pretende reagir, tendo
como base o consumidor médio. Analisando aspectos nominativos da marca e a sua fonética bem
como eventual possibilidade de confusão ou associação de produtos temos de concluir que poderá
de facto, haver possibilidade de confusão de associação, porque para além do nome ser idêntico, as
marcas identificam produtos facilmente associáveis, jogos de computador e software para
escritórios, resta agora saber se poderá ou não haver possibilidade de indução do público em erro,
ao que parece haverá possibilidade de indução do público em erro, embora tal avaliação no caso
concreto tenha de se basear em mais informações nomeadamente nas cores, formato das caixas em
que é embalado produto, etc.
Resta por fim, que para que a marca possa reagir, que esteja registada e que a data do registo seja
anterior àquele da marca que se pretende reagir, assim consta do art. 11 CPI “Salvo as excepções
previstas no presente diploma, a patente, o modelo de utilidade ou o registo é concedido a quem
primeiro apresentar regularmente o pedido com os elementos exigíveis” estando preenchidos estes
requisitos, havendo portanto violação do princípio da novidade, a proprietária da marca atingida
poderá reagir: poderá ser requerido a anulação do registo da marca, nos termos do art. 266.º CPI.
Que estabelece os casos em que o registo da marca é anulável, sem prejuízo do disposto no art. 34
do mesmo diploma.
Haverá ainda a possibilidade de requerer a inibição do uso da marca nos termos do ar. 258.º CPI
mediante a acção inibitória,” O registo da marca confere ao seu titular o direito de impedir
terceiros, sem o seu consentimento, de usar, no exercício de actividades económicas qualquer sinal

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 113 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

igual, ou semelhante em produtos ou serviços idênticos ou afins daqueles para os quais a marca foi
registada, e que, em consequência da semelhança entre os sinais e da afinidade dos produtos e
serviços, possa causar um risco de confusão, ou associação no espírito do consumidor” sendo que
se este uso gerar danos será ainda possível accionar o infractor mediante responsabilidade civil nos
termos do art., 483.º CC.
Por fim, a proprietária poderá ainda reagir por via criminal pelo uso ilegal de marcas nos termos
do art. 323.º e 234.º CPI.
Estes mecanismos de reacção apenas se aplicam a marcas registadas, mas imagine-se contudo, que
a marca não se encontrava registada em Portugal, ainda assim a proprietária da marca poderia
reagir, mediante três institutos. O primeiro mecanismo de protecção é aquele conferido pelas
marcas notórias, aquelas que embora não sendo registadas no nosso pais, são conhecidas em
Portugal, pelo que conforme estabelece o art. 241.º CPI “deve ser recusado o registo de marca que
no todo ou em parte essencial, constituída reprodução, imitação ou tradução de outra notoriamente
conhecida em Portugal, se for aplicada a produtos ou serviços idênticos ou afins e com ela possa
confundir-se ou se, dessa aplicação, for possível estabelecer uma associação com o titular da
marca notória”
Esta norma tem assim como objectivo, salvaguardar o interesse público e acautelar a possibilidade
de confusão, evitando que um empresário português se aproveite de uma marca estrangeira, e a
adopte nos seus produtos idênticos ou semelhantes, sendo que não sendo a marca registada em
Portugal não poderia o registo ser recusado se esta norma não existisse. Note-se contudo, que a
marca tem que ser notória, isto é objectivamente conhecida em Portugal, sob pena deste regime
não se aplicar.
O segundo mecanismo de reacção prende-se com o instituto da concorrência desleal, prevista no
art. 317.º código de propriedade industrial. De acordo com este instituto não pode um comerciante
cometer actos contrários aos usos do comércio, nomeadamente adoptar designações semelhantes,
ou factos distintivos de outras firmas, sob pena de ser accionado contra si uma acção de
responsabilidade civil nos termos gerias do 483.º CC. Por último Poderá ainda o lesado socorrer-se
do instituto conhecido como Membros da União de Paris, que congrega um conjunto de membros
comerciantes titulares de firmas com sede na U.E. estes comerciantes estão protegidos em todo o
espaço da união quanto à sua designação e sinais distintivos quer nos países onde se encontram
registados quer nos países que embora o sendo, exercem actividade.

2. A questão suscitada neste caso é semelhante à anterior relativa à constituição das


marcas e à eventual violação do princípio da novidade, vamos contudo, presumir que estas marcas
não se encontram registadas em Portugal, porque encontrando-se registada a solução é a mesma do
número anterior Assim, além dos mecanismos de protecção previstos no número anterior relativos
à protecção das marcas notórias, da concorrência desleal e da protecção dos membros da união de
paris, existe outro mecanismo que podemos chamar aqui à colação, o regime das marcas de
prestígio, são macas que embora não sendo registadas no nosso pais, são aqui conhecidas, a
diferença em relação às marcas notórias relaciona-se com o âmbito de protecção quanto à espécie
de produtos, uma vez que já não se exige a possibilidade de confusão de produtos derivados da sua
afinidade, não é necessário que exista identidade de produtos, passando-se assim sobre o requisito
da possibilidade de confusão, bastará a possibilidade de associação do produto à marca em causa. “
Sem prejuízo do disposto no artigo anterior, o pedido de registo será igualmente recusado se a
marca, ainda que destinada a produtos ou serviços sem identidade ou afinidade, constituir
tradução, ou for igual ou semelhante, a uma marca anterior que goze de prestígio em Portugal ou
na Comunidade Europeia, se for comunitária, e sempre que o uso da marca posterior procure tirar
partido indevido do carácter distintivo ou do prestígio da marca, ou possa prejudica-las.

3. Neste caso em concretos A proprietário de um estabelecimento, quer reagir contra uma marca,
baseando-se na violação do princípio da novidade. O nome e a insígnia são coisas diferentes
apesar de se encontrarem associados. Diferentemente do que se passa com a constituição das
firmas, em que a sua constituição é obrigatória, a constituição de nome e de insígnia é facultativa.
Contudo, normalmente é usual a adopção de um nome, até porque grande parte do aviamento do
estabelecimento está dependente da sua capacidade para se distinguir dos restantes

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 114 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

estabelecimentos concorrentes, sendo que essa distinção passa em grande parte pelo nome do
estabelecimento.
O nome pode ser entendido como o sinal nominativo constituído por palavras, que designa ou
individualiza um estabelecimento enquanto a insígnia diz respeito a um sinal figurativo ou
emblemático, constituído por, desenhos, símbolos, sinais figurativos que identificam o
estabelecimento, assim consta do art. 284.º do código de propriedade industrial, (CPI). “
Considera-se insígnia de estabelecimento qualquer sinal externo composto de figuras desenhos,
simples combinações com os nomes ou denominações referidos no artigo anterior, ou com outras
palavras ou divisas desde que o conjunto seja adequado a distinguir o estabelecimento”.
Quer o nome quer a insígnia estão regulados nos artigos 282.º ss CPI. “ Todos os que tiverem
legítimo interesse, designadamente agricultores, criadores, industriais, comerciantes e demais
empresários, domiciliados ou estabelecidos em qualquer lugar do território português, têm o
direito de adoptar um nome e uma insígnia para designar, ou tornar conhecido, o seu
estabelecimento, nos termos das disposições seguintes.”
De acordo com os artigos 283.º e 284.º CPI, a constituição do nome e insígnia obedece ao
princípio da liberdade, qualquer nome, expressão, desenho, símbolo é válido, não tendo o nome de
ter qualquer relação com o estabelecimento ou com a actividade prestada. art. 283.º “ Podem
constituir nome de estabelecimento: As denominações de fantasia ou específicas; Os nomes
históricos, excepto se o do seu emprego resultar ofensa da consideração que, geralmente, lhes é
atribuída; O nome da propriedade ou do local do estabelecimento, quando este seja admissível, ou
acompanhado de um elemento distintivo; O nome, os elementos distintivos da firma ou
denominação social e o pseudónimo, ou alcunha, do proprietário; O ramo de actividade do
estabelecimento, quando acompanhado por elementos distintivos.”
A constituição da insígnia, obedece a este princípio, pelo que pode ser adoptado qualquer insígnia
desde que “ o conjunto seja adequado a distinguir o estabelecimento”, art. 284.º n.º 1 CPI.
A constituição de um nome e insígnia, para cumprirem a sua função individualizadora, têm de ser
novidade nos sentido destes serem distinguíveis dos demais nomes e insígnias anteriormente já
registadas. Ao exigir-se que a constituição de um nome e de uma insígnia obedeça a este princípio
estão a salvaguardar-se, simultaneamente os interesses dos comerciantes, mas também interesses
públicos, de protecção dos bons costumes. O princípio da novidade vêm expresso no art. 285.º
CPI: “ Não podem fazer parte do nome ou insígnia de estabelecimento: O nome individual, que
não pertença ao requerente, salvo se provar o consentimento ou legitimidade do seu uso; a frima
ou a denominação social que não pertença ao requerente, ou apenas parte característica das
mesmas, se for susceptível de induzir o consumidor em erro ou confusão, salvo se se provar o
consentimento ou a legitimidade do seu uso; As expressões “antigo armazém, antiga casa, antiga
fábrica,” e outras semelhantes, referidas a estabelecimentos cujo o nome ou insígnia sejam
registados a favor de outrem, a não ser que se prove o consentimento do respectivo proprietário;
As expressões “antigo empregado, antigo mestre, antigo gerente “ e outras semelhantes, referidas a
outra pessoa singular ou colectiva, salvo se se provar o consentimento desta; as indicações de
parentesco e as expressões de “herdeiro, sucessor, representante, ou agente” e outras semelhantes,
excepto se se provar a legitimidade do seu uso” para sabermos se um nome ou insígnia, é ou não
confundível com outros já existentes, temos de atender à sua fonética, grafia, ao ramo de
actividade em que se encontra, à localização geográfica, dimensão, etc. No âmbito das firmas, a
sua designação abrangia firma concorrentes e não concorrentes, pelo que o nome não poderia em
caso algum ser usado, assim sucede porque uma firma apode exercer várias actividades.
Relativamente ao nome e à insígnia de um estabelecimento ou empresa, apesar deles se
distinguirem uns dos outros com base sobretudo no nome, não lhes é atribuída personalidade
jurídica, assim, este princípio quanto as empresas vale apenas para estabelecimentos concorrentes.
Assim podemos afirmar o princípio da especialidade, uma vez que a novidade é apenas exigida
para estabelecimentos com objecto idêntico ou afim. Esta orientação retira-se literalmente do art.
285.º al. g CPI: “Não podem fazer parte do nome ou insígnia de estabelecimento: Os elementos
constitutivos da marca, ou desenho ou modelo, protegidos por outrem para produtos idênticos ou
afins aos que se fabricam ou vendem no estabelecimento a que se pretende dar o nome ou a
insígnia, ou para serviços idênticos ou afins aos que nele são prestados.” Assim, não podem fazer
parte do nome de um estabelecimento, nomes confundíveis com marcas e produtos afins
produzidos por outro estabelecimento.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 115 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

Como sabemos, o nome do estabelecimento apenas é protegido no caso de estarmos perante um


nome registado, partindo do princípio que este requisito está preenchido, para que se possa reagir é
ainda necessário que a actividade em causa seja concorrente e que haja possibilidade de gerar
confusão no público. Atendendo ao caso podemos concluir que as actividades são pelo menos de
modo indirecto concorrentes, pele que A terá possibilidade de reagir, de acordo com os seguintes
mecanismos:
Poderá haver desde logo haver a possibilidade de requerer a inibição do uso da marca nos termos
do ar. 258.º CPI mediante a acção inibitória,” O registo da marca confere ao seu titular o direito de
impedir terceiros, sem o seu consentimento, de usar, no exercício de actividades económicas
qualquer sinal igual, ou semelhante em produtos ou serviços idênticos ou afins daqueles para os
quais a marca foi registada, e que, em consequência da semelhança entre os sinais e da afinidade
dos produtos e serviços, possa causar um risco de confusão, ou associação no espírito do
consumidor” sendo que se este uso gerar danos será ainda possível accionar o infractor mediante
responsabilidade civil nos termos do art., 483.º CC.
Poderá ainda haver lugar à declaração de nulidade ou anulação do registo do nome e da insígnia,
nos termos do art. 298.º e 299.º CPI. Paralelamente poderá ainda haver lugar a responsabilidade
civil nos termos gerais no caso de haver danos resultantes do uso indevido do nome ou insígnia
confundível. O art. 333.º CPI, estabelece ainda a possibilidade de aplicação de coima, poderá por
fim o lesado ser indemnizado nos termos gerais, art. 483º CC.

4. Neste caso estamos perante uma situação contrária da que se passava no número
anterior, temos uma marca que quer reagir contra o nome de uma empresa que usurpou o nome da
marca. Não estamos no caso em que uma marca imita o nome de uma empresa, mas sim num caso
em que um estabelecimento imita o nome de uma marca. Mais uma vez estamos no âmbito do
princípio da novidade, sendo que a protecção da marca se faz nos termos do art. 285.º n.º 1 al. g
CPI “Fundamentos de recusa
1 - Não podem fazer parte do nome ou insígnia de estabelecimento: Os elementos constitutivos da
marca, ou desenho ou modelo, protegidos por outrem para produtos idênticos ou afins aos que se
fabricam ou vendem no estabelecimento a que se pretende dar o nome ou a insígnia, ou para
serviços idênticos ou afins aos que nele são prestados;”. Mais uma vez, o requisito em causa é que
possa haver possibilidade de indução do público em erro.

CASO PRÁTICO - LETRAS

A dono de uma empresa de construção civil adquiriu a B, empresa de construção, vários


materiais no valor de 500.000 €. Acordaram os titulares das respectivas empresas que o devedor
aceitaria uma letra a 30 (trinta) dias no valor de 100.000 €, aceitaria uma letra a 60 (sessenta) dias
no valor de 200.000 € e aceitaria uma letra a 90 (noventa) dias no valor restante (200.000 €).
Todas as letras eram pagáveis em dia fixo e no banco X.
Na segunda letra (200.000 € a 60 dias) verifica-se uma cadeia de endossos, estando o
título na data de vencimento, nas mãos do Senhor E, portador legítimo.
O portador resolveu, neste segundo título, apôr uma cláusula “não à ordem” e transmiti-la
a C, seu credor. Não esquecendo que hoje, o título se encontra nas mãos do Senhor E.

QUESTÕES:

1º) Indique os intervenientes na cadeia cambiária e justifique as suas posições.

RESPOSTA
A – Sacado (art.º 1.º LULL) , pessoa sobre a qual se emite o saque, a quem é dada a
ordem de pagamento, tornando-se somente obrigado cambiário quando a mesma lhe seja
apresentada e ele a subscreva (aceite) conforme art.º 28º da LULL, sendo que o aceite é escrito na

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 116 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

própria letra e exprime-se pela palavra “aceite”, ou outra equivalente, e é assinada pelo sacado.
Como o saque também o aceite terá de ser puro e simples.
A letra pode ser apresentada ao aceite do sacado até ao vencimento, pelo portador ou até
por um simples portador (nos termos do disposto no art.º 21 da LULL).
Se o sacado recusar o aceite, não se tornará obrigado pelo pagamento da letra, nem será
garante das obrigações cambiárias nelas expressas, sendo legítimo ao portador fazer lavrar um
protesto por falta de aceite (art.º 44º LULL) e a exercer imediatamente os seus direitos (art.º 43º
LULL).

B – Sacador (art.º 1 LULL), pessoa que emite o saque, isto é, que emite uma ordem
incondicional de pagamento de uma determinada soma pecuniária, a realizar pelo destinatário
(sacado), a certa pessoa (tomador) ou à sua ordem o que acontece neste caso sendo por isso
sacador/tomador, prometendo assim o tomador (e aos sucessivos possuidores da letra)que fará com
que o sacado assuma a responsabilidade cambiária do pagamento (aceite) e pague a letra. De
acordo com o disposto no art.º 3.º da LULL o saque pode fazer-se :
a) à ordem do próprio sacador,
b) contra o próprio sacador,
c) por ordem e conta de terceiro.

C – Portador (art.º 6 LULL), que por endosso – nova ordem de pagamento que acresce ao
saque daí o dizer-se que “ o endosso é um novo saque” emitida pelo portador actual ao novo
portador e que se exprime pela fórmula aposta na letra “pague-se a ...”, (o qual deve ser puro e
simples e compreender o valor total do título, sendo nulo o endosso parcial - art.º 12 LULL) – de
B será a pessoa a quem o pagamento deverá vir a ser feito)

X – Lugar de pagamento (art.º 1.º LULL)

2º) Imagine que a primeira letra foi parcialmente paga. Pode o portador exigir, nesse
momento o restante? justifique.

RESPOSTA
O pagamento executa o cumprimento da ordem emitida pelo sacador.
O portador não pode ser obrigado a receber o se pagamento antes do vencimento da letra
(art.º 40 LULL), não pode igualmente recusar o pagamento parcial, podendo o sacado exigir que o
se faça menção da parte paga na letra e dela lhe seja dada quitação (art.º 39 LULL), podendo
relativamente na situação concreta reformar a letra pelo valor não sujeito a pagamento.
Assim, o portador a quem não seja satisfeito o pagamento integral pelo sacado ou seu
avalista, poderá então apresentá-la a pagamento da diferença não satisfeita aos outros subscritores
da letra, que com a sua intervenção se tornam também garantes, para isso porém é necessário e
indispensável que se faça certificar o não acatamento do sacado através do protesto.

3º) De quem pode o portador E exigir o pagamento do título? O que significa a clásula
“não à ordem” aposta pelo sacador?

RESPOSTA
A cláusula “não à ordem” ou equivalente (art.º 11º 2.ª parte, e art.º 77º da Lei Uniforme)
aposta na letra, implica que o direito nela representada só possa transmitir-se pela forma e com os
efeitos da cessão de créditos disciplinada nos art.º s 577º e 588º do C. Civil, dominando aí o
princípio nemo plus iuris ad alium tranferre potest quam ipse haberet, e a posição do adquirente é
profundamente vulnerável dado que de acordo com as regras da cessão de créditos (cfr. o disposto
no art.º 583º n.º 1 do C. Civil) esta só produz efeitos desde que seja notificada ao devedor ou que
este a aceite, o qual poderá opor ao cessionário, mesmo que este o ignore (art.º 789º do Código
Civil), todos os meios de defesa que lhe seria lícito invocar contra o cedente, com ressalva dos que
provenham de facto posterior à cessão (cfr. art.º 585º C. Civil).
Assim, e porque o tomador da letra sacada “não à ordem” pode endossá-la a terceiro,
simplesmente esse endosso está privado da eficácia normal, os efeitos que surte são os da cessão,

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 117 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

daí que o endossante só assuma a responsabilidade de um cedente de um crédito, respondendo pela


sua existência e legitimidade, já não pelo pagamento do sacado. Pelo que E pode exigir o
pagamento de A aceitante, dado que E é não é um portador autónomo, é mero cessionário do seu
antecessor e independentemente de boa fé podem-lhe ser opostas todas as excepções relevantes em
face dos portadores anteriores.

4º) Imagine que no terceiro título (200.000 € a 90 dias), o aceitante possui um avalista, Z,
poderá o portador, D , demandar Z em primeiro lugar? Justifique.

Z – Avalista, que se traduz numa obrigação de garantia dada por uma pessoa a favor de
outra que já é obrigada na letra, obrigação que pode ser chamada a cumprir não beneficiando da
excussão prévia da pessoa por quem se vinculou dada a disposição expressa do art.º 47.º da LULL
que determina que os sacadores, aceitantes, endossantes ou avalistas são todos “solidariamente”
responsáveis para com o portador, e este tem o direito de accioná-las individual ou
colectivamente, sem estar adstrito a observar a ordem por que elas se obrigam.
O dador de aval torna-se responsável da mesma forma que a essa por ele afiançada (art.º
39 LULL), mas a sua obrigação mantém-se , mesmo no caso de a obrigação que ele garantiu ser
nula por qualquer razão que não seja um vício de forma (art.º 32 LULL).
Não pode contudo invocar contra a o portador que estiver na relação imediata com a
pessoa avalizada os meios de defesa que se baseiem na relação fundamental invocáveis pelo
avalizado, uma vez que não é sujeito de tal relação e não estará assim na relação imediata com o
portador, pelo facto de ser só avalista de um obrigado imediato do portador.

RESPOSTA
Dada a desnecessidade de protesto para accionar o aceitante, para o exercício da
obrigação cambiária principal, bastando a apresentação do título a pagamento na data de
vencimento, o direito de acção do portador da letra de câmbio contra o avalista do aceitante não
depende igualmente de protesto por falta de pagamento contra o avalista (art.º 53 LULL).
Assim, D pode demandar em primeiro lugar Z.

5º) D é o portador legítimo da terceira letra e constata que o endossante C apôs uma
cláusula “não à ordem” e que o sacador apôs uma cláusula “sem despesas”.

CONSIDERAÇÕES PERTINENTES

A cláusula “não à ordem” ou equivalente (art.º 11º 2.ª parte, e art.º 77º da Lei Uniforme)
aposta na letra, implica que o direito nela representada só possa transmitir-se pela forma e com os
efeitos da cessão de créditos disciplinada nos art.º s 577º e 588º do C. Civil, dominando aí o
princípio nemo plus iuris ad alium tranferre potest quam ipse haberet, e a posição do adquirente é
profundamente vulnerável dado que de acordo com as regras da cessão de créditos (cfr. o disposto
no art.º 583º n.º 1 do C. Civil) esta só produz efeitos desde que seja notificada ao devedor ou que
este a aceite, o qual poderá opor ao cessionário, mesmo que este o ignore, todos os meios de defesa
que lhe seria lícito invocar contra o cedente, com ressalva dos que provenham de facto posterior à
cessão (cfr. art.º 585º C. Civil).
O sacador, um endossante ou um avalista podem, pela cláusula “sem despesas”, “sem
protesto” ou outra equivalente (art.º 46 da Lei Uniforme) aposta na letra dispensar o portador de
fazer o protesto por falta de aceite ou de pagamento,, para se habilitar a exercer os seus direitos de
acção (art.º 46 LULL).
- a) Diga de quem pode o portador exigir o pagamento do título e porquê ?

RESPOSTA
Os efeitos restritivos da cláusula “não à ordem” apenas aproveitam ao endossante que a
apôs, sendo que os efeitos da cláusula não se estendem ao endossado imediato, o endossante que a
apôs tem a normal responsabilidade cambiária, não aproveitando igualmente ao contrário do que
acontece quando inserida pelo sacador, aos demais endossantes (art.º 15 LULL).

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 118 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

A cláusula “sem despesas” quando inscrita pelo sacador estende-se a todos os signatários
da letra produzindo todos os seus efeitos em relação a todos eles (art.º 46LULL).
Pelo que o portador D pode exigir o pagamento da letra do aceitante.

- b) Imagine que o portador quer accionar os obrigados de garantia conjuntamente, mas


não realizou protesto.

RESPOSTA
Impende sobre o portador o ònus do protesto, bem como o de avisar da falta de aceite ou
pagamento o seu endossante e o seu sacador - nos termos do artigo 45 da LULL - terá de o fazer
dentro de quatro dias úteis que se seguirem ao que teria para apresentação do protesto.
Devendo cada um dos endossantes por sua vez, dentro dos dois dias úteis que se seguirem
à recepção do aviso, avisar o endossante do aviso que recebeu .
A cláusula “sem despesas” quando inscrita pelo sacador estende-se a todos os signatários
da letra produzindo todos os seus efeitos em relação a todos eles.
Pelo que o portador pode accionar os obrigados de garantia sem a realização do protesto.

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 119 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

INDICE

Titulo I......................................................................................................................1
Parte geral.................................................................................................................1
1. Evolução histórica do direito comercial...............................................................1
2. Noção de direito comercial português..................................................................2
3. Fontes do direito comercial português.................................................................3
4. A autonomia do direito comercial e a sua relação com o direito civil................4
Titulo II....................................................................................................................5
Dos actos de comércio em geral..............................................................................5
1. Noção de acto de comércio..................................................................................5
2. Actos de comércio objectivos..............................................................................6
3. Qualificação dos actos de comércio por analogia:...............................................7
4. Princípios de direito comercial.............................................................................7
5. Actos de comércio subjectivo..............................................................................9
6. Classificação dos actos de comércio..................................................................10
6.1 Actos de comércio autónomos:....................................................................10
6.2 Actos de comércio acessórios: ....................................................................10
6.4 Actos formalmente comerciais.....................................................................11
6.5 Actos substancialmente comercias...............................................................11
6.6 Actos bilateralmente comerciais.................................................................11
6.7 Actos unilateralmente comerciais................................................................12
Capítulo I................................................................................................................17
Secção I..................................................................................................................17
Dos comerciantes...................................................................................................17
1. Sujeitos qualificáveis como comerciantes .........................................................17
1.1 Requisitos essenciais para obtenção da qualidade de comerciante no caso
das pessoas singulares: ......................................................................................18
1.2 As pessoas colectivas como comerciantes:..................................................19
2. Sujeitos não qualificáveis como comerciantes...................................................20
3. Consequências jurídicas da qualificação de um acto como comercial...............23
3. Estatuto dos comerciantes..................................................................................24
Secção II.................................................................................................................24
A empresa...............................................................................................................24
1. A empresa em sentido jurídico...........................................................................24
1.1 A empresa em sentido objectivo e subjectivo..............................................25
1.2 Quando é que temos uma empresa?.............................................................26
2. Tipologia das empresas......................................................................................27
Titulo II..................................................................................................................31
Sinais distintivos de comércio................................................................................31
1. A firma...............................................................................................................31
1.2 Noção...........................................................................................................31
1.3 Formas de constituição de uma firma..........................................................31
2. Nome do estabelecimento:.................................................................................32
3. Insígnia do estabelecimento...............................................................................32
4. Princípios jurídicos.............................................................................................32

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 120 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

5. Mecanismos de protecção da firma:...................................................................35


6. Alteração da firma..............................................................................................37
7. Transmissão da firma.........................................................................................37
8. Vicissitudes das firmas.......................................................................................37
Secção II.................................................................................................................38
A propriedade industrial.........................................................................................38
O nome e a insígnia................................................................................................39
1. Noção.................................................................................................................39
2. A constituição do nome e insígnia.....................................................................40
3. Princípios jurídicos.............................................................................................40
4. Protecção do nome e da insígnia de um estabelecimento:.................................44
4.1 A concorrência desleal.............................................................................45
5. Transmissão do nome e da insígnia:..................................................................45
6. Extinção dos direitos emergentes do uso do nome e insígnia:...........................46
Secção III................................................................................................................48
A marca..................................................................................................................48
1. Noção.................................................................................................................48
1.1 Constituição de uma marca..........................................................................48
2. Espécies de marcas.............................................................................................48
2.1 natureza das actividades a que se ligam.......................................................48
2.2 Atendendo aos possíveis titulares das marcas..............................................49
2.3 As marcas podem ainda ser notórias ou marcas de prestígio: ....................49
3. Função das marcas.............................................................................................50
4. princípios jurídicos.............................................................................................50
5. A tutela legal das marcas....................................................................................54
5.1 O princípio da prioridade cronológica.........................................................54
5.2 O registo.......................................................................................................55
6. Tutela das marcas:..............................................................................................56
6.1 Tutela marcas não registadas ou marcas de facto........................................57
6.2 Limitações dos direitos conferidos pelo registo...........................................57
7. Extinção dos direitos conferidos pelas marcas, art. 265.º CPI:..........................57
8. Transmissão das marcas ....................................................................................58
9. Licenciamento da marca.....................................................................................59
10. Recompensas (arts. 271.º e ss).........................................................................61
Titulo III.................................................................................................................64
Títulos de crédito....................................................................................................64
1. Conceito de crédito.............................................................................................64
2. Características ...................................................................................................64
2.1 Classificação dos TC quanto à circulabilidade:...........................................65
3. Prescrição – Art.º 70 LULL: Em relação aos intervenientes:............................67
4. Função e conceito de título de crédito:...............................................................69
5. Características gerais do título de crédito..........................................................70
6. Títulos impróprios..............................................................................................74
7. Tipologia – Classificações:................................................................................75
8. Critério do conteúdo do direito cartular:............................................................75
10. Critério da natureza da entidade emitente:.......................................................77
11. Principais títulos de crédito - Os títulos cambiais: Letra, Livrança e Cheque. 78

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 121 -
Faculdade de Direito da Universidade Lusíada
Direito da actividade comercial

11. Extinção e reforma dos títulos de crédito:........................................................86


12. Ineficácia do título:...........................................................................................87
13. Extinção do direito cartular:.............................................................................88
Parte 1.....................................................................................................................88
A Letra de câmbio:.................................................................................................88
1. Requisitos formais da letra.................................................................................88
2. Falta dos requisitos essenciais. A letra em branco.............................................89
3. Os negócios jurídicos cambiários:......................................................................90
3.1 O Saque:.......................................................................................................90
3.2 O Aceite – Art.º 28 LULL:...........................................................................90
3.3 O Endosso – Art.º 11 e ss. LULL:................................................................91
3.3.1 A cláusula “não à ordem”......................................................................91
3.4 O Aval – Art.º 30 a 32 LULL:......................................................................92
4. Características da obrigação cambiária:.............................................................93
5. Vencimento e pagamento da letra – Art.º 33 e ss. LULL:.................................94
6. Protesto – Art.º 44 LULL:..................................................................................95
6.1 O protesto por falta de aceite ......................................................................95
6.2 O protesto por falta de pagamento...............................................................95
7. Prescrição – Art.º 70 LULL:..............................................................................95
8. Acções de regresso – Art.º 43, 47 e 48 LULL:..................................................96
Admita que o credor interpôs a acção contra ambos os cônjuges e que o cônjuge B
contestou a acção dizendo que se encontra separado de facto de A, isto á mais de 2
anos, sendo que A não presta alimentos nem a B nem aos filhos. Estes factos
condicionam a invocação da alínea d) do n.º 1 do 1691? ....................................104
Caso prático......................................................................................................106
Pronuncie-se acerca dos actos em questão.......................................................110

APONTAMENTOS - T.Nogueira
- 122 -

Você também pode gostar