Você está na página 1de 7

Roteiro de Estudos para a Área Fiscal - Parte 1

maio de 2008

Caros concurseiros sofredores,

Nestas minhas duas primeiras colunas inéditas aqui no CPC gostaria de responder de uma
vez só a dezenas de candidatos que me enviaram emails perguntando sobre como organizar
o estudo das disciplinas, por quais delas começar, quais dar mais ênfase etc.

Então vamos às minhas opiniões/sugestões. Como sempre, siga se as achar interessantes e


sinta-se à vontade para fazer mais perguntas por email. Não sou o dono da verdade, muito
longe disso, então adaptem minhas sugestões ao seu “feeling” também.

Não dará para escrever tudo em uma coluna só, então vou dividir em duas. Daqui a 15 dias
sairá a segunda parte.

O estudo de cada uma separadamente, quais livros utilizar e outras orientações mais serão
dados pelo Deme. Nós combinamos assim: ele ficará responsável por destrinchar cada
disciplina da área fiscal com mais profundidade, como já fez há um ano com Direito
Constitucional, quando escrevíamos no site do Ponto dos Concursos, e eu darei as
orientações mais gerais, assim a gente não repete muito os assuntos. E cada um de nós é
melhor em cada um destes temas, assim fica bom para ambos e para você.

Deixo bem claro que praticamente não fiz cursos, os professores indicados por mim são
devidos aos constantes elogios que ouço dos seus alunos. Existem outros tantos excelentes
professores, que porventura eu possa ter esquecido. Vários desses que indicarei não
conheço, mas sei dos elogios que recebem.

Estas dicas terão que ser muito alteradas se você tiver em mente o concurso do Fiscal do
Trabalho. Não tenho muita idéia sobre este concurso. São dicas mais para a área fiscal
tradicional, chamada de Auditoria. Abrange a Receita Federal do Brasil e Fiscais de ICMS e
ISS. Este texto é baseado no principal concurso que existe nessa área, o de Auditor Fiscal da
Receita Federal do Brasil (AFRFB). Para os outros, mereceria muitas adaptações/alterações.

Na área fiscal eu e o Deme dividimos as disciplinas em 3 grupos distintos, a saber:

a) disciplinas básicas;

b) disciplinas secundárias ou intermediárias;

c) disciplinas específicas.

Essa nossa classificação não tem nada a ver com a classificação feita pela ESAF, que divide
em Conhecimentos Gerais, Específicos e Especializados.

Para podermos prosseguir, eis o quadro das disciplinas do último AFRF, realizado em 2005:
Cada grupo tem suas peculiaridades, que descreverei a seguir.

a) Disciplinas Básicas

São elas: Contabilidade Geral, Direitos Tributário, Constitucional e Administrativo e


Português.

Características:

1) aparecem em todos os concursos fiscais e quase sempre valem muitos pontos, pelo
menos quando bancas decentes e inteligentes são responsáveis pela prova;

2) são imensas e muito conceituais, ou seja, são menos decorebas em média que as
outras. As pessoas demoram muito mais tempo para aprendê-las do que para assimilar as
demais. Eu chutaria umas 100 a 200h de horas líquidas de estudo em média para cada uma.
E em contabilidade isso ainda pode ser pouco. Claro que isso em média, porque os
candidatos variam muito de acordo com a formação que possuem, facilidade para
memorização e aprendizado etc.;

3) para algumas um livro só não basta, tem que usar mais do que um. Sempre tendo um
livro como base, os outros são para apoio e exercícios;

4) a chance da banca cobrar estas disciplinas com profundidade é maior do que nas
outras, logo, não tem jeito, tem que estudá-las muito bem;

5) por mais que a prova venha difícil, os aprovados sairão bem nelas. Vai haver milhares
de candidatos sabendo muito delas no dia da prova, e você não pode deixar de ser mais um;

6) tem que ter como meta acertar uns 80% de cada uma. Como você saberá isso? Ora
bolas, fazendo as provas anteriores até chegar a este índice de acertos. Sempre tendo como
base o nível das provas da ESAF, a principal e com certeza a melhor banca na área;

7) deverão ser estudadas com muita antecedência, sem qualquer previsão de edital.
Depois do edital você só vai dar uma aparada nas arestas, aprender algum assunto novo que
tenha aparecido no programa, fazer questões, ler seus resumos, dar uma decorada na
legislação etc.;

8) são as disciplinas que definem sua classificação, ou seja, é nelas que você terá que
acumular muitos pontos para ser aprovado. Nas outras disciplinas você vai se preocupar
mais em não ser eliminado e em acumular mais alguns pontinhos;

9) só com estas 5 disciplinas você gastará uns 60% do seu tempo total de estudo. De todo
o tempo que o Deme estudou e eu também, e anotamos tudo direitinho desde o primeiro dia
de estudos, deu exatamente isso, 60% do tempo total gasto por cada um. Eu em quase 6
meses, ele em quase 3 anos, com seus resultados muito superiores aos meus, óbvio, mas a
proporção foi a mesma para nós dois, 60%;

10) se você fizer as contas, verá que exatamente 60% do total de pontos do último
concurso de AFRF, em 2005, correspondeu a estas 5 disciplinas, 180 em 300 possíveis. As
outras 9 disciplinas corresponderam a 40%, os outros 120 pontos.

Então que conclusões tiramos disso tudo? Ora bolas, que estas disciplinas você deve se
preocupar em estudar muito no início. Estudar bastante até chegar a um bom índice de
acertos em provas, pelo menos uns 70%. O Deme e eu ficamos um bom tempo só
estudando estas 5 disciplinas, sem olhar o resto.

Agora, se você faz algum curso que dê todas as disciplinas de uma vez, qual nossa
sugestão? Nós diríamos para você de forma alguma perder o andamento das aulas das
outras disciplinas, estude pelo menos um pouco para acompanhar as aulas. Preste atenção,
anote os detalhes, faça alguns resumos e exercícios, enfim, o suficiente para acompanhar
razoavelmente as aulas. Mas na hora de estudar em casa, preocupe-se em estabelecer um
número de horas de estudo muito maior para estas 5 do que para as outras.

Se você não tiver uma boa base em exatas, aconselhamos que você inclua pelo menos uma
das duas de exatas, Matemática Financeira ou Estatística, no meio destas 5. Escolha uma à
vontade, o que importa aqui é exercitar seu lado esquerdo do cérebro, desenvolver mais
rapidamente seu raciocínio lógico, a velocidade em fazer contas e relembrar a matemática
básica esquecida lá atrás (frações, potências, raízes, divisão “com vírgula” etc). Assim, teria
de cara 6 disciplinas para encarar firme por alguns meses, as 5 básicas mais a de exatas por
você escolhida.

Contabilidade Geral é o grande calo da maioria dos concurseiros. Não adianta um candidato
pensar que fará um cursinho ou estudará por algum livro que seu problema estará resolvido.
Não, você só vai começar a ter idéia do buraco em que está se metendo. Muita gente desiste
da vida de concurseiro quando se dá conta disso.

Quem dá aula de Contabilidade Geral só toma pedrada. O pessoal acha que em um curso de
40 ou 60h o cara vai fazer milagre. Não dá, é impossível. Claro que uma aula com um bom
professor é ótimo para esclarecer as coisas, mas não dispensa você de muitas horas de
estudo em casa, com certeza mais de 200h líquidas só para esta disciplina. E não adianta
reclamar, quase todo aprovado passou por isso. Se alguém disse para você que passar para
fiscal é mole, mentiu descaradamente ou então não tem a mínima noção do que falou.

Se você puder fazer depois alguma turma só de exercícios ou de assuntos mais avançados,
seria excelente também.

Você tem que estudar o material teórico, cair matando nos exercícios resolvidos e depois
tentar fazer tudo sozinho. Você vai ralar mais do que bunda de cobra para chegar a um nível
legal. Mas quer um consolo? Todo mundo que insistiu, conseguiu. Você não vai ser diferente
de ninguém.
De professores recomendo Antônio César (RJ), Sérgio Adriano (SP), Silvio Sande (Salvador),
João Imbassahy e Biu (Recife).

Português sempre foi a disciplina que mais eliminou no AFRFB, acho que com exceção do
último concurso, que foi Informática. De professores recomendo Cláudia Kozlowski, Décio
Sena, Marcelo Rosenthal, Márcia (SP) e outros tantos.

Em Direito Tributário temos excelentes professores: Ricardo Alexandre e Alexandre Lugon


são dois grandes nomes.

Em Direito Constitucional temos Cristina Luna, Vicente Paulo e Sérgio Valladão.

Em Direito Administrativo temos Gustavo Barchet, Cláudio José (RJ) e Cyonil (SP).

Como escrevi lá em cima, claro que dei só alguns nomes de professores, existem outros
tantos excelentes por aí.

E agora muitos candidatos desesperados vão ficar me indagando: “caramba, e as outras 9


disciplinas?” e eu responderei: “calma, rapaz, as outras 9 em média são menores, mais
decorebas e com mais chances de você esquecer muito se estudar com bastante
antecedência. Segure um pouco sua ansiedade, você vai estudar as outras 9 em menos
tempo do que estas 5 básicas, eu garanto.”

Terminaremos o assunto daqui a 15 dias.

Abraços a todos e boas HBC

Alexandre Meirelles
alexmeirelles@gmail.com

Roteiro de Estudos para a Área Fiscal - Parte 2


maio de 2008

Caros concurseiros sofredores,

Conforme prometido há 15 dias, hoje terminaremos o assunto da última coluna. Por favor,
não leia esta coluna sem ter lido a anterior, porque você vai boiar...

Então vamos ao que interessa.

b) Disciplinas Secundárias ou Intermediárias

São elas: Informática, Estatística, Matemática Financeira, Língua Estrangeira, Economia e


Finanças Públicas.
Características:

1) aparecem em quase todos os concursos fiscais, com exceção de Língua Estrangeira,


que só consta com certeza no AFRFB e Fiscal de ICMS-SP. Em outros concursos fiscais a
língua estrangeira é difícil pintar;

2) os aprovados têm desempenho mediano, algo em torno de 60% em média;

3) não influenciam muito na classificação, porque não valem tantos pontos, mas são as
que mais eliminam quando são exigidas notas mínimas, como no AFRFB. Português é outra
que elimina muito também;

4) no AFRFB você pode optar entre Inglês, Espanhol ou Francês, no ICMS-SP só cai
Inglês;

5) essas 6 disciplinas foram responsáveis por 60 pontos do total de 300 no último AFRF.
Então compare essas 6 secundárias com as 5 básicas, foram 60 contra 180 pontos, uma
diferença bem significativa.

Eu diria que é aconselhável estudá-las com mais afinco logo após você estar com um bom
desempenho nas básicas. Pense em acertar pelo menos uns 60% das secundárias, se
possível 70%, em média.

Se você for ruim de língua estrangeira, tente ir lendo algumas coisas na sua língua escolhida,
de vez em quando, fora do horário de estudo propriamente dito, como uma espécie de lazer.
Em vez de ficar lendo Caras, Veja, Época ou coisas similares, tente ler notícias pela Internet
ou alguma revista em uma língua estrangeira.

Há diversas boas ferramentas e sites de tradução para ajudá-lo nisso. Um bom exemplo é o
Babel Fish:

http://babelfish.altavista.com/

Se sua opção for inglês, leia textos principalmente ligados a Economia, que você pode obter
nos sites abaixo:

http://www.newsweek.com

http://www.economist.com

Comprar revistas SpeakUp em sebos também é uma boa opção. Não as compre novas, é
dinheiro jogado no lixo, compre usadas mesmo.

No AFRFB só cai interpretação de textos, não cai gramática, o que facilita muito.

Cuidado com Informática, pois foi a disciplina que mais eliminou no último AFRF. A ESAF
perdeu a noção da complexidade de suas questões. Tirar uma boa nota nesta prova é mais
para quem entende bem do assunto, mas se safar nos mínimos dá, é só cair em cima dos
livros do João Antônio e, se possível, fazer uma aula com ele ou algum outro ótimo
professor. Nesta disciplina, para quem não tem muita noção, fazer um curso com um bom
professor ajuda muito. Recomendo dois grandes professores: João Antônio e Rafael Araújo,
ambos nordestinos, mas que dão aulas pelo país.

Economia é grande e um pouco complexa também, não a deixe muito para o final. As provas
da ESAF para AFRF quase sempre foram fáceis. A prova de Economia e Finanças Públicas de
2005 foi com certeza a mais fácil de todas as disciplinas, mas não sabemos o que pode
acontecer na próxima. As provas das outras bancas geralmente são pedreira.
Finanças Públicas é pequena e fácil, contribui muito para que você não seja eliminado no
mínimo no AFRF.

Economia é outra disciplina em que um bom curso ajuda muito. Foi a disciplina que mais
boiei nos meus estudos. Ainda bem que não precisarei estudar isso nunca mais. Como
professores recomendaria Geraldo Góes, Carlos Ramos e Marlos Ferreira. Há outros muito
bons também, obviamente.

Matemática Financeira e Estatística seria o grupo de disciplinas que mais reprovaria no


último AFRF caso não tivessem errado a digitação de 3 questões, que levaram à anulação
das mesmas. Não bobeie com elas, eu estimo que uns 300 dos mil aprovados do AFRF
seriam diferentes caso não tivessem anulado as 3 questões. São pouquíssimas disciplinas
que você consegue matar tudo só com um livro, e com os 2 livros do Sérgio Carvalho vocês
são capazes disso. Claro que deverá fazer muitos exercícios, portanto, não dê esse mole de
reprovar em disciplinas com programa tão pequeno. Um bom material para exercícios de
Estatística é o livro de provas comentadas da ESAF do Professor Pedro Bello, da editora
Ferreira, um livro vermelho.

Por ser da área, prefiro não fazer comentários sobre professores, para não arrumar confusão
para o meu lado, mas há muitos excelentes por aí.

c) Disciplinas Específicas

No caso do AFRFB são: Direito Previdenciário, Comércio Internacional e Direito Internacional


Público.

Nesta categoria são incluídas as disciplinas que aparecem de surpresa no edital, e nunca
estamos livres destas novidades. Como não somos adivinhos, temos que ter em mente que
quando sair o edital já teremos que estar feras nas básicas e secundárias, e o tempo quase
todo de estudo até a prova será em cima das específicas e para aparar as arestas das
outras.

Características:

1) São chamadas de específicas porque quase sempre só caem em um concurso;

2) são muito mais decorebas que as outras;

3) como são mais decorebas, tendem a ser facilmente esquecidas se estudadas com
muita antecedência, a não ser que faça revisões periodicamente, claro;

4) geralmente são menores e fáceis de se entender e aprender em pouco tempo;

5) devem ser estudadas com mais empenho após adquirir um bom nível nas básicas e
secundárias;

6) os aprovados têm desempenho parecido;

7) o grande cuidado é acertar os 40% mínimos no caso do AFRFB, se possível mais do


que isso, para garantir uns pontinhos a mais.

Se seu caso for um concurso de fiscal de ICMS ou ISS, a Legislação seria uma disciplina
específica. Só que esta teria que ser estudada com mais antecedência, porque é grande,
complexa e sempre vale muitos pontos.

Aí vai ter gente me perguntando: "se eu acertar esses percentuais que você está falando, eu
passo?"

Então vamos conferir, baseado no último concurso de AFRFB:


Grupo de Disciplinas Pontos Possíveis Meta Pontos Obtidos
Básicas 180 80% 144
Secundárias 60 60% 36
Específicas 60 50% 30
Total 210

Com 210 pontos você seria aprovado com sobras em qualquer região fiscal (RF). A maior
nota mínima para aprovação foi de 204 para a 4ª RF. A 2ª RF que teve mínimo maior foi a
9ª, com 197 pontos.

Sei que fazer 80% nas 5 disciplinas básicas é muito difícil, eu mesmo não fiz em nenhuma
das 5, mas você pode compensar fazendo muitos pontos a mais nas secundárias e
específicas, como eu e tantos outros fizemos. Os 80% é uma meta, um norte para você ter
em mente quando estiver fazendo os exercícios em casa. Se você mantiver este nível, estará
muito bem preparado nessas disciplinas, aí mesmo que venha uma prova muito difícil e/ou
diferente, como foi em 2005, você ficará dentre as melhores notas. Se você fizer, sei lá,
65%, tudo bem, porque o resto do pessoal bem preparado também estará por aí.

Não dá para quem está começando tentar estudar todas de uma vez, o candidato vai se
perder totalmente e não vai chegar a lugar algum. Saiba estabelecer prioridades das
disciplinas a serem estudadas e siga seu programa.

Às vezes recebo emails de candidatos que começaram a estudar por disciplinas decorebas e
nunca viram decentemente Contabilidade. Caramba, desculpe-me, mas está tudo errado.
Acredito que lendo estas minhas duas últimas colunas esses candidatos tenham uma
orientação melhor agora.

Mais uma dica, para muitos, óbvia: utilizem o Google (www.google.com.br) para qualquer
procura. É impressionante o número de emails que recebo perguntando onde achar edital,
provas, resultados etc. Puxa, é só digitar no Google que você terá inúmeros sites com estas
informações.

Bem, sofredor, é isso que eu tinha para tentar ajudar vocês.

Qualquer coisa é só mandar um email, que se eu souber, vou ajudá-lo.

Em junho continuaremos nossa coluna com outras dicas mais.

Abraços a todos e boas HBC

Alexandre Meirelles
alexmeirelles@gmail.com