Você está na página 1de 20

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

Instituto Multidisciplinar em Saúde


Campus Anísio Teixeira – Colegiado de Psicologia

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO PROFISSIONALIZANTE I

Local de Estágio: Serviço de Psicologia – Universidade Federal da Bahia-


Campus Anísio Teixeira
Estagiária: Thainá Sousa Campos

Vitória da Conquista
Maio/2017
Identificação

Estagiária: Thainá Sousa Campos


Local de Estágio: Serviço de Psicologia – Universidade Federal da Bahia-
Campus Anísio Teixeira

Supervisora: Patrícia Martins de Freitas

Período de estágio:
23 de janeiro de 2017 a 31 de maio de 2017
Carga horária total: 102 horas
Carga Horária Semanal: 08 horas

_________________________________ _________________________________
Thainá Sousa Campos Prof.ª. Dr.ª. Patrícia Martins de Freitas
Estagiária Supervisora de Estágio
ÍNDICE

1. Introdução 01
1.1 Caracterização do local de estágio 02
2. Fundamentação Teórica 02
3. Atividades Desenvolvidas 03
4. Considerações Finais 05
5. Referências Bibliográficas 06
Anexo I 07
1. Introdução

O Estágio Profissionalizante I com ênfase direcionada para a Neuropsicologia


estabelecido no Serviço de Psicologia da Universidade Federal da Bahia – IMS/CAT
em Vitória da Conquista busca atender crianças e adolescentes com demandas
relacionadas aos transtornos do desenvolvimento, tendo como objetivos a avaliação e
reabilitação neuropsicológicas, bem como o acompanhamento do indivíduo e sua
família durante o período de vigência do estágio. A neuropsicologia do
desenvolvimento é uma área do conhecimento que possibilita a investigação científica
das alterações cognitivas e psicossociais dentro de uma perspectiva do ciclo da vida. O
foco dessas investigações tem sido as crianças com alterações desenvolvimentais
ocasionadas por lesões no sistema nervoso central durante os primeiros anos de vida.
A avaliação Neuropsicológica baseou-se no histórico pessoal, escolar e familiar da
criança ou adolescente, na aplicação dos instrumentos específicos para a identificação
de tal transtorno e na elaboração da hipótese diagnóstica de acordo com os resultados
dos testes aplicados e das informações obtidas.
Após a obtenção do diagnóstico, partiu-se então para a elaboração de um plano
de Reabilitação Neuropsicológica voltado especialmente para o paciente. Este plano
leva em consideração suas principais dificuldades, o desenvolvimento das habilidades
até então pouco desenvolvidas, psicoterapia para que todos os aspectos emocionais,
comportamentais e sociais sejam contemplados, além de envolver os familiares para
que haja melhor adesão e efetivação da reabilitação e os resultados sejam notórios em
um menor espaço de tempo.
A partir do momento em que são realizadas as avaliações, são elaborados os
relatórios com as hipóteses diagnósticas e entregues aos responsáveis em devolutiva
dos atendimentos. Após esse processo, é realizado o acompanhamento continuado com
o objetivo de reduzir os déficits identificados durante o processo de avaliação.
Durante o período do estágio, buscou-se aprimorar e capacitar os estagiários
para que pudessem reconhecer as principais características relacionadas ao Transtorno
do Desenvolvimento através da aplicação de escalas, testes e questionários a fim de
estabelecer uma hipótese diagnóstica fidedigna aos comportamentos apresentados pelo
indivíduo e relatados também por seus familiares.
1.1 Caracterização do local do estágio
O Serviço de Psicologia da Universidade Federal da Bahia – Campus Anísio
Teixeira em Vitória da Conquista atende a comunidade e região desde 2013. Os
serviços oferecidos pelo mesmo consistem em Avaliação e Reabilitação
Neuropsicológicas para crianças e adolescentes; Psicoterapia e acompanhamento
psicológico para crianças, adultos, adolescentes e idosos. Os pacientes chegam ao
Serviço de Psicologia através de encaminhamentos e demanda espontânea.
Há ainda, os atendimentos realizados em diferentes correntes teóricas
supervisionados por professores especialistas em suas respectivas áreas de atuação. O
Serviço de Psicologia fornece também, atendimento aos discentes e docentes da
Universidade Federal da Bahia IMS/CAT.
O Serviço de Psicologia contribui para o melhor funcionamento do setor da saúde
pública, especificamente nos campos concernentes à saúde mental infantil. As práticas
realizadas são de fundamental importância para a ampliação dos conhecimentos e o
desenvolvimento de atividades cada vez mais aperfeiçoadas, a fim de fornecer à
população um serviço cada vez mais capacitado.

2. Fundamentação Teórica
O Estágio Profissionalizante em Neuropsicologia prioriza os casos em que há uma
suspeita de algum Transtorno do Desenvolvimento. A partir de então, busca-se
investigar as principais demandas trazidas pela criança/adolescente, seus familiares e
os indivíduos que convivem dentro e fora do ambiente escolar.
Realiza-se então, uma investigação para que possa estabelecer-se quais escalas e
métodos que serão utilizados durante a avaliação.
De acordo com Azambuja et al. (2004), a avaliação neuropsicológica é
recomendada em qualquer caso onde exista suspeita de uma dificuldade cognitiva ou
comportamental de origem neurológica. Essa dificuldade pode auxiliar no diagnóstico
e tratamento de diversas enfermidades neurológicas bem como os problemas de
desenvolvimento infantil, comprometimentos psiquiátricos, alterações de conduta,
entre outros (demandas atendidas pelos estagiários). A contribuição da avaliação
neuropsicológica na criança é extensiva ao processo de ensino-aprendizagem, pois
permite estabelecer algumas relações entre as funções corticais superiores, como a
linguagem, a atenção e a memória, e a aprendizagem simbólica (conceitos, escrita,
leitura, etc.).
Ainda de acordo com Azambuja et al. (2004), o modelo neuropsicológico das
dificuldades da aprendizagem pretende reunir uma amostra de funções mentais
superiores envolvidas na aprendizagem simbólica, as quais estão, obviamente,
correlacionadas com a organização funcional do cérebro. Dessa maneira, a
aprendizagem não se processa normalmente, e pode-se então ocasionar uma disfunção
ou lesão cerebral.
Após o processo de avaliação neuropsicológica, elabora-se então um relatório com
hipótese diagnóstica. Esse documento é entregue a família e a escola. Deste modo,
procura-se então, elaborar estratégias para que os déficits cognitivos e de aprendizagem
sejam diminuídos e que os prejuízos sejam cada vez menores.
A reabilitação neuropsicológica é um conjunto de diferentes estratégias terapêuticas
e educacionais com o objetivo na recuperação ou a habilitação de funções cognitivas,
assim como nas consequências comportamentais, emocionais e psicossociais
priorizando a qualidade de vida do sujeito (Riddoch, Humphreys; Stiles, 2000).
A reabilitação neuropsicológica consiste em treinos comportamentais, programas
de estimulação cognitiva, grupo de mães, treinamento de pais e orientação nas escolas
dos pacientes atendidos.
Durante o período de estágio, procura-se adaptar os processos de reabilitação ao
tempo disponível para o atendimento do paciente que, neste caso, corresponde a um
semestre letivo.
Tanto os procedimentos de avaliação e reabilitação neuropsicológicas são montados
a partir das supervisões realizadas com o orientador de estágio e discutidos com os
outros estudantes participantes.

3. Atividades Desenvolvidas
A Avaliação Neuropsicológica consiste na análise do histórico pessoal, escolar e
familiar da criança através da Anamnese, na aplicação dos instrumentos de avaliação
específicos para faixa etária, para a identificação de déficits que estejam relacionados
ao Transtorno do Desenvolvimento, neste caso, instrumentos que visam avaliar a
atenção, capacidade cognitiva, concentração, memória, competência social e QI
(Quociente de Inteligência) e na elaboração da hipótese diagnóstica de acordo com os
resultados dos instrumentos aplicados e das informações obtidas.
Dessa maneira, a Avaliação Neuropsicológica na perspectiva do estágio teve por como
atividades:
 Avaliar crianças e seus respectivos familiares, identificando as
principais demandas;
 Propor projetos de avaliação e intervenção e efetuá-los posteriormente;
 Obter a capacidade de indicar o desenvolvimento atual da criança, a
maneira como ela enfrenta determinadas situações de aprendizagem,
além dos recursos e dos processos que faz uso em distintas atividades;
 Conhecer e reconhecer o que ela é capaz de fazer e os papeis que pode
desempenhar, mesmo que com a mediação e interferência de outros;
 Permitir a elaboração de estratégias de ensino adequadas às demandas
de cada criança;
 Ampliar e considerar a prática social;
 Estabelecer os níveis de apoio necessários para garantir o seu
desenvolvimento e atender as suas necessidades;
 Analisar a necessidade de intervenção medicamentosa;
 Encaminhar o relatório às escolas em que as crianças estão inseridas
com a finalidade de viabilizar práticas de inclusão dentro deste âmbito;
Após a elaboração das atividades propostas durante a avaliação, relatórios
neuropsicológicos (Anexo 1) foram efetuados com a hipótese diagnóstica. Este
relatório foi entregue aos responsáveis durante o procedimento de devolutiva da
avaliação que foi realizada pelos estudantes.
Posteriormente, ocorreu a aplicação dos treinos cognitivos e treinamento de
pais, através do acompanhamento neuropsicológico contínuo tendo como função
direcionada, a redução dos déficits identificados durante o processo de avaliação e
melhorias na qualidade de vida da criança, além do trabalho realizado com os
responsáveis e atuação no campo escolar onde a criança está inserida.
O primeiro contato com a família da criança/adolescente se deu através da
anamnese, momento este em que foram coletadas informações a partir de uma
entrevista objetiva, dentro do contexto ambulatorial. Nessa entrevista, buscou-se
coletar o maior número de informações sobre a criança, as principais demandas
relacionadas ao comportamento, interação social, relação com os familiares (presença
ou ausência de conflitos), histórico da gravidez, presença de doenças crônicas, nível de
independência em atividades diárias, entre outros.
O primeiro passo foi realizar uma avaliação neuropsicológica para que se
pudesse mensurar os prejuízos cognitivos e as funções intactas.
Continuou-se a avaliar a criança/adolescente enquanto o tratamento está em andamento,
desta forma, o tratamento pode ser modificado ou alterado em resposta a uma
informação observada.
A partir de então, montou-se um programa de reabilitação neuropsicológica
estruturado atendendo as dificuldades apresentadas durante o processo de avaliação.
Para o planejamento das intervenções adequadas, ocorreram revisões de
literatura e discussões sobre funções executivas, comportamento social e Deficiência
Intelectual, a fim de chegar a um adequado programa de reabilitação de acordo a criança
atendida.
A Reabilitação Neuropsicológica deve atender aos seguintes pontos:
 Deve especificar o comportamento ou a função cognitiva a ser trabalhada;
 Determinar os objetivos do tratamento;
 Monitorar o progresso durante o período de reabilitação;
 Fazer modificações caso sejam necessárias;

4. Considerações Finais
Com as práticas realizadas durante o Estágio Profissionalizante I, almejou-se a
diminuição dos déficits identificados durante a reabilitação neuropsicológica da
criança/adolescente, facilitando os progressos em diversos âmbitos, tais como a
qualidade de vida, interações sociais e familiares.
Esperou-se ainda que os atendimentos realizados pelos estudantes tenham sido
satisfatórios para a população, conseguindo suprir as demandas de maneira clara e
organizada, com o conhecimento adequado para um diagnóstico e tratamento eficaz em
relação aos casos de Transtornos do Desenvolvimento.
Para o contexto em que a criança vive, pôde-se perceber que os indivíduos passaram
a identificar as necessidades da mesma e suas singularidades, pois, a evolução do
quadro da criança dependeu da relação existente entre a criança e os indivíduos daquele
determinado contexto. Mudar o pensamento sobre a diferença é necessário para a
interação social da criança. Pois à medida que a criança é vista sob o ângulo de suas
limitações, surge o pensamento que está sempre associado a impossibilidade da
permanência da mesma em diferentes contextos de interação.
A partir das estratégias utilizadas houve a promoção da integração entre os espaços
frequentados pela criança/adolescente buscando o bem-estar da mesma.
Por fim, para os envolvidos na execução das propostas do estágio, esperou-se que
os mesmos conseguissem aprofundar seus conhecimentos teóricos sobre a
Neuropsicologia e os Transtornos Globais do Desenvolvimento, conseguindo aliar a
teoria com as experiências práticas obtidas ao longo do período do estágio. Alcançando
uma experiência cientifica e profissional que beneficie futuras produções e atendendo
a comunidade de maneira capacitada.
5. Referências Bibliográficas

- COSTA, Danielle I.; AZAMBUJA, Luciana S.; PORTUGUEZ, Mirna


W. and COSTA, Jaderson C.. Avaliação neuropsicológica da criança. J. Pediatr.
(Rio J.) [online]. 2004, vol.80, n.2, suppl., pp.111-116. ISSN 0021-7557.

- FREITAS, Patrícia Martins de. Programa de Extensão – Ambulatório de


NeuroPsicologia do Desenvolvimento. Vitória da Conquista, Setembro, 2012;

- RIDDOCH M, J.; HUMPHREYS, G. W. (Orgs.) Cognitive neuropsychology and


cognitive rehabilitation. Hove, UK: Erlbaum.
ANEXO I

Serviço de Psicologia da Universidade Federal da Bahia


Relatório de Avaliação Neuropsicológica

ESTAGIÁRIA: Thainá Sousa Campos


Prof.ª. ORIENTADORA: Patrícia Martins de Freitas
PACIENTE: Luiz Otávio Santos Lessa Andrade, 09 anos.

Motivo da Consulta:
A mãe de Luiz Otávio procurou o Serviço de Psicologia apresentando uma
grande preocupação em relação a uma possível queda brusca no processo de
aprendizagem – baixas notas e fraco desempenho escolar, apresentando esses
comportamentos desde junho de 2016. Passou a se recusar a escrever, não lê facilmente e
atualmente está cursando o segundo ano do ensino fundamental após repetir a alfabetização
por duas vezes. Ainda de acordo com a responsável, Luiz Otávio apresenta grande
agressividade frente a frustrações e em casos em que o mesmo é contrariado. A mãe relatou
que Luíz Otávio é desatento e não fica quieto.

Procedimentos de Avaliação:
Foi realizada uma Avaliação Neuropsicológica a fim de investigar o perfil
cognitivo e comportamental da criança, identificando sinais que permitam o
diagnóstico clínico e funcional. Foram utilizados instrumentos adequados para esta
finalidade. A avaliação foi realizada em dez sessões, com duração de 60 minutos. A
primeira sessão foi realizada com a mãe para dar início a anamnese e colher dados sobre
o histórico e informações sobre a criança. Posteriormente foram realizadas a aplicação
de instrumentos com a criança durante sete sessões e foram utilizados os seguintes
instrumentos: Matrizes Progressivas de Raven; Teste de Desempenho Escolar (TDE);
Escala de Maturidade Mental Colúmbia; Questionário de Avaliação da Qualidade de
Vida em Crianças (AUQEI); Bateria de Avaliação Neuropsicológica do Processamento
Lexical (BANPLE).
História Clínica:
A gestação de Luíz Otávio foi tranquila. De acordo com a mãe, a gravidez foi
planejada havendo apoio emocional, não havendo quaisquer intercorrências e uso de
medicamentos. Luíz Otávio nasceu pesando três quilos e medindo quarenta e nove
centímetros, chorou ao nascer. A mãe relatou uma crise convulsiva quando tinha dez
meses não havendo motivo aparente. A mãe o amamentou até os cinco anos. Luíz
Otávio apresentou sorriso social aos três meses, ficando de pé aos nove meses.
No ano de 2013, a mãe procurou o Serviço de Psicologia da UFBA para Luíz
Otávio. Na ocasião, a queixa apresentada pela responsável era de que Luíz Otávio
preferia brincadeiras de menina (brincar de casinha, bonecas), demonstrando muita
preocupação em relação a essa situação. Luíz Otávio passou por um processo de
psicoterapia, recebendo alta depois de realizadas algumas sessões e a partir da
sinalização da mãe de que os comportamentos referidos à queixa inicial estavam
extintos. Nesta ocasião, foi levantada a hipótese diagnóstica de Transtorno de
Identidade de Gênero/Disforia de Gênero (DSM –V F64.2).
Em entrevista de anamnese atual (2017), a mãe relatou que Luíz Otávio ainda
demonstra interesse em brincadeiras femininas, mas esse interesse ocorre em menos
frequência do que quando relatado em 2013.

História Escolar:
A mãe relatou no presente momento que Luíz Otávio sofreu bulliyng por parte
de colegas na escola em que estudava a levando a tirá-lo da instituição. O bullying era
caracterizado por piadas dos colegas que se referiam a ele como “menininha” e
“mulherzinha”. A mãe acredita ainda que não houve posicionamento da escola contra
as atitudes dos alunos mesmo diante da sua reclamação.
Repetiu a alfabetização – primeiro ano do Ensino Fundamental. Mudou de
escola e atualmente cursa o segundo ano do Ensino Fundamental em uma instituição
particular de ensino.
A mãe atribui a queda brusca na aprendizagem e seu “bloqueio” ao período em
que Luíz Otávio deixou de residir com uma tia e passou a residir definitivamente com
os pais e a imã mais velha, esse fato ocorreu em junho de 2016.
Em visita à escola, buscou-se identificar as principais dificuldades encontradas
por Luiz Otávio no contexto escolar. De acordo com a diretora da instituição, Luiz
Otávio apresenta resistência ao fazer as atividades (mesmo aquelas que vão para casa)
não as executando. Apresenta ainda pouco interesse pelas atividades realizadas em sala
de aula, embora se interesse pelas aulas de artes. Ainda segundo a diretora da
instituição, Luiz Otávio possui boa convivência com os colegas, brincando e
interagindo sem maiores intercorrências. Relatou ainda que, em contexto escolar, nunca
presenciou comportamentos agressivos por parte do mesmo.

História Familiar:
Luíz Otávio tem um bom relacionamento com os pais. É apegado mais a mãe.
Dorme sozinho em seu próprio quarto, tendo um horário certo para dormir, não
apresentando problemas para dormir.
Tem uma boa relação com a irmã mais velha, havendo poucas brigas e
discussões.
A irmã afirma que Luíz Otávio é bastante agitado, apresentando muita
resistência na realização das atividades da escola e ficando agressivo quando tentam
obrigá-lo a realizar atividades das quais não quer realizar. Esses comportamentos de
agressividade se caracterizam, segundo a mesma, por arremessar objetos que estão ao
seu alcance, amassar as tarefas da escola e gritar. Ainda de acordo com as informações
colhidas com a irmã, Luíz Otávio possui um gato como animal de estimação, com quem
ele brinca durante o dia. No entanto, a irmã afirmou que a criança abraça o animal com
muita força, machucando as vezes, e que também é comum a criança morder, bater e
jogar o animal para o alto, obrigando-o a brincar.

Atividades de Vida Diária:


Luiz Otávio não apresenta dificuldade em ir tomar seu banho. Não possui a
habilidade de amarrar o próprio cadarço, precisando de ajuda para realizar essa e outras
atividades diárias. Durante a manhã, assiste televisão e brinca. Durante o período da
tarde, está na escola.
Aspectos Emocionais:
O aspecto emocional mais presente na vida da criança é a agressividade e raiva.
Luíz Otávio apresenta comportamento agressivo diante às frustrações, possuindo
ataques de raiva quando não encontra algo e quando é contrariado, principalmente
quando é obrigado a realizar atividades que não quer.
A criança é bastante carinhosa e amável com as pessoas que convive e se
envolve rápido com aqueles que eram desconhecidos.

Aspectos Comportamentais:
A criança é bastante agitada não possuindo dificuldades em obedecer a
comandos. Apresenta ainda, comportamentos infantilizados para a idade – possui
dificuldade na pronúncia de algumas palavras e a fala é infantilizada.
Em relação a comportamentos sexuais, os pais relataram que a criança não
apresenta comportamentos referentes à essas questões.
Brincadeiras:
Em relação a brincadeiras, a criança prefere brincar sozinha. Normalmente
brinca de futebol com os colegas na escola. Brinca com uma vizinha de “casinha”,
“escolinha” e “fazer comidinhas”.
Luíz Otávio gosta de várias brincadeiras, mas repete muito a brincadeira de
“fazer comidinhas”.

Resultados da Avaliação Neuropsicológica

MATRIZES PROGRESSIVAS COLORIDAS DE RAVEN

As Matrizes Progressivas Coloridas de Raven destina-se à avaliação do


desenvolvimento intelectual de crianças de 5 a 11 anos de idade. A aplicação do Raven
foi individual, realizada no dia 17/03/2017, com duração de 15 minutos. A criança
examinanda apresentou uma pontuação de 12 acertos, concernente ao percentil 12,
indicando que apenas 12% da população teve um percentil igual ou menor que o seu.
A pontuação obtida indica que, em comparação com a amostra de normatização do
teste, Luíz Otávio apresenta classificação V, ou seja, a criança apresenta-se como
“Intelectualmente Deficiente”.
Matrizes Progressivas Coloridas (Raven)

Grau Percentil Descrição Verbal


I >95 Intelectualmente Superior
II+ =90 Definitivamente acima da média na capacidade Intelectual
II >=75 Definitivamente acima da média na capacidade Intelectual
III+ >mediana ou =50 Intelectualmente Médio
III >25<75 Intelectualmente Médio
III- <mediana Intelectualmente Médio
IV <25 Definitivamente abaixo da média na capacidade Intelectual
IV- <=10 Definitivamente abaixo da média na capacidade Intelectual
V =5 Intelectualmente Deficiente

TESTE DE DESEMPENHO ESCOLAR – TDE


O TDE é um instrumento psicométrico que busca oferecer de forma objetiva
uma avaliação das capacidades fundamentais para o desempenho escolar, mais
especialmente da escrita, aritmética e leitura. O TDE foi aplicado em Luíz Otávio,
individualmente, com duração de 20 minutos no total. O resultado foi compatível com
classificação inferior em todas as capacidades: escrita, aritmética e leitura, para a sua
idade e série escolar, como se observa na tabela abaixo:

RESULTADOS DO TDE
ESCORE BRUTO CLASSIFICAÇÃO PREVISÃO DE
ESCORE BRUTO
(EB)
ESCRITA 00 Inferior 22
ARITMÉTICA 04 Inferior 13
LEITURA 01 Inferior 58
TOTAL 05 Inferior 43

ESCALA DE MATURIDADE MENTAL COLÚMBIA

A Escala de Maturidade Mental Colúmbia fornece estimativa da capacidade de


raciocínio geral. No nível H, o nível designado para uso com as crianças da idade de
Luíz Otávio, 9 anos e 7 meses. Ele respondeu corretamente 26 de 68 pontos,
apresentando índice de maturidade 6I, no qual o número 6 designa o número
correspondente aos anos e a letra “I” acrescentada designa os 6 meses inferiores de um
dado grupo de anos (0-5 meses), ou seja, o 6I designa todas as crianças com idade de 6
anos e 0 meses até 6 anos e 5 meses. O seu Resultado Padrão de Idade (RPI) é de 26
(segundo as normas para escolas particulares), e o estanino 4 forneceu um outro meio
de expressar o seu desempenho como abaixo da média para crianças de sua idade, em
relação a capacidade de raciocínio com conceitos pictóricos.

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM


CRIANÇAS E ADOLESCENTES (AUQEI)
A AUQEI trata-se de uma escala destinada à avaliação da qualidade de vida de
crianças de 4 a 12 anos de idade, considerando a subjetividade dos pacientes
envolvidos. A escala busca avaliar a sensação subjetiva de bem-estar da criança,
partindo da premissa que a criança em desenvolvimento é capaz de se expressar quanto
a sua subjetividade. Seu ponto de corte é 48 pontos. Dentro desta escala, quanto maior
o escore bruto obtido, maior a qualidade de vida da criança.
Luíz Otávio obteve 46 pontos. Indicando um nível abaixo do ponto de corte
referente à sua satisfação correspondente aos quesitos avaliados: Funções, autonomia,
família e lazer.

BATERIA DE AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA DO PROCESSAMENTO


LEXICAL – BANPLE

A Bateria de Avaliação Neuropsicológica do Processamento Lexical –


BANPLE é constituída de oito tarefas lexicais. Esta analisa os déficits nos diferentes
níveis da compreensão e produção de palavras isoladas. De acordo com o referido
modelo os déficits cognitivos observados na infância podem comprometer a
compreensão e produção da fala em qualquer dos três níveis: fonológico; lexical e
semântico. Foram aplicadas as tarefas de Figura-Figura, Discriminação de Fonemas,
Discriminação de Palavras e PseudoPalavras.

1. Tarefa de Associação Semântica Figura-figura: A tarefa procura avaliar o acesso ao componente


semântico no processo de compreensão das palavras, teoricamente sem a necessidade de utilizar
o componente fonológico de input. Nesta atividade, dos 33 estímulos apresentados, Luíz Otávio
obteve escore bruto de 30 pontos, considerando que cada estímulo apresentado corresponde a 1
ponto.
2. A discriminação de fonemas é realizada através do input auditivo, avaliando, portanto, a
capacidade de perceber os diferentes sons da fala, sem a necessidade de acessar o significado.
Nesta atividade, dos 24 estímulos (constituídos por 24 pares de sílabas, sendo 12 diferentes e
12 iguais), Luíz Otávio obteve escore bruto de 13 pontos, considerando que cada estímulo
apresentado corresponde a 1 ponto.
3. Tarefa de Repetição de Palavras e PseudoPalavras: Através dessa tarefa é possível avaliar os
déficits articulatórios da fala e o acesso ao léxico fonológico de output. Nessa tarefa, a criança
pode repetir os estímulos orais acessando o componente semântico ou apenas o componente
fonológico. Nesta atividade, são apresentados estímulos orais (15 palavras e 15
pseudopalavras), Luíz Otávio obteve escore bruto de 27 pontos na primeira ordem e escore
bruto de 28 pontos na segunda ordem.

Hipótese Diagnóstica: Transtorno do Desenvolvimento Intelectual DSM V –F70

SÍNTESE E INTERPRETAÇÃO DOS ACHADOS:


De acordo com o DSM V, os comportamentos apresentados por Luiz Otávio são
compatíveis com a Deficiência Intelectual Moderada, caracterizada por dificuldades em
habilidades acadêmicas que envolvam leitura, escrita, matemática, tempo ou dinheiro,
sendo necessário apoio em uma ou mais áreas para o alcance das expectativas
associadas à idade. Funcionamento intelectual significativamente abaixo da média,
concomitante a limitações das habilidades adaptativas (capacidade do sujeito de
responder as normas esperadas para sua idade em seu meio cultural), dificuldades de
regulação de emoções e comportamentos de forma adequada à idade e necessita de
apoio para tomar decisões de cuidados de saúde e algumas atividades diárias, sendo
mais lento na aquisição de novas habilidades e informações quando comparado com
seus pares.
Luíz Otávio apresenta déficits em funções intelectuais como raciocínio, solução
de problemas, planejamento, pensamento abstrato, juízo, aprendizagem acadêmica,
déficits em funções adaptativas que resultam em fracasso para atingir padrões de
desenvolvimento e socioculturais em relação a independência pessoal e
responsabilidade social.
As informações colhidas com a mãe e com a escola corroboram os achados
apresentados nos testes psicológicos. Os resultados da avaliação neuropsicológica
confirmam a hipótese inicial de Deficiência Intelectual Moderada (Transtorno do
Desenvolvimento Intelectual).

Correlação Anatomoclínica:
Algumas das possíveis correlações anatomoclínicas podem estar relacionadas à
alteração na formação do córtex cerebral humano, o qual requer a interação de
mecanismos moleculares e bioquímicos muito complexos e intrigados. Qualquer
defeito em alguma das fases da embriogênese do córtex pode resultar em vários tipos
de patologias. Esses distúrbios estão reunidos sob a designação de Distúrbios do
Desenvolvimento Cortical, os quais estão entre as principais causas de Deficiência
Intelectual. Outras anormalidades relacionadas podem ser anormalidades da
proliferação e diferenciação de neurônios e da glia; anormalidades primariamente na
migração neuronal; e anormalidades da organização cortical.

RECOMENDAÇÕES:
Reabilitação Cognitiva
A reabilitação cognitiva é um processo que desenvolve o melhor funcionamento
cognitivo possível, para pessoas que possuem algum grau de comprometimento
cognitivo ou comportamental. A reabilitação cognitiva visa trabalhar com as
dificuldades cognitivas dos pacientes: problemas de memória, atenção, concentração,
linguagem, planejamento, raciocínio lento e no processamento de informações, etc.

Treino das Funções Executivas


As funções executivas são um conjunto de habilidades e capacidades que nos
permitem executar as ações necessárias para atingir um objetivo. Contem cinco
domínios: planejamento, memória de trabalho, flexibilidade cognitiva, inibição e
fluência. O treino tem como objetivo maximizar as funções executivas e prevenir futuro
declínio. Melhorando a vida da paciente em diferentes aspectos.

Acompanhamento Neuropsicológico:
O acompanhamento neuropsicológico consiste em avaliações periódicas do
caso para acompanhar a evolução e o desenvolvimento. Esse acompanhamento se
encontra em andamento.

Você também pode gostar