Você está na página 1de 36

Símbolos na Maçonaria

A Maçonaria não é uma escola de simbolismo, mas um lugar onde um bom


número de símbolos é usado como ferramenta para despertar a consciência,
melhorar a compreensão e promover a auto-transcendência.

Ele mantém o simbolismo de várias tradições antigas e aparece como uma


linguagem universal, uma linguagem que cada um percebe de acordo com as
capacidades de seu entendimento, sua faculdade de raciocínio, o estado de
despertar de sua consciência.

As percepções e interpretações de um símbolo são muitas vezes subjetivas,


porque dependem do conhecimento que temos de uma coisa e da tendência
que devemos querer focar em uma de nossas interpretações.

O símbolo escapa de qualquer definição que afirme ser dogmática.

As representações simbólicas são menos limitadas do que as da linguagem


comum, que geralmente se mostram limitadas, até inadequadas, para
expressar um sentimento.

O símbolo é qualquer coisa que possa ser considerada um sinal figurativo de


um objeto ou nome. Isso nos mostra que o simbolismo não é de longe
reservado exclusivamente aos maçons.

A palavra grega sumbolon significa "sign", portanto uma representação


concreta de uma idéia abstrata. É a representação figurativa sugerindo uma
idéia, um conceito - é uma ponte entre o abstrato e o concreto. É uma maneira
de aprender a ver de outra maneira.

 Símbolo maçônico, simbolismo e


simbolismo
Por Chemin47 em General em 2 de junho de 2015 às 09:32

Pratique simbolismo

Todos nós, maçons, queremos tornar-nos melhores e mais esclarecidos.


Sabemos que fomos treinados, na vida secular, a reagir e desejar nos tornar
homens "livres", ou seja, homens que agem de acordo com seu próprio caminho.

O homem livre é precisamente o ideal de si proposto pelo chamado caminho


"iniciático" que combina introspecção com pedagogia e leva a uma
transformação do ser em si. Para conseguir isso, o Iniciado - aquele que segue
esse caminho - pratica o simbolismo.

Antes de evocar essa prática do simbolismo e entender seu profundo


significado, gostaria de tentar colocar alguma ordem nesses conceitos, como
simbolismo , simbolismo e símbolos .
Simbolismo ou simbolismo?

Jean Chevalier distingue o simbolismo , como uma ciência positiva baseada na


existência de símbolos, sua história, suas leis, simbolismo , uma ciência
especulativa baseada na essência do símbolo e em suas conseqüências
normativas. Os dois termos não são, portanto, sinônimos . Então, vamos tentar
ver mais claramente!

Simbolismo
O Robert Dictionary define o substantivo " simbolismo " como o uso de
símbolos, figuração por símbolos ou um sistema de símbolos.

Simbolismo maçônico

Quando falamos em simbolismo maçônico , falamos tanto do uso de certos


símbolos pelos maçons quanto da figuração de idéias e conceitos.

O simbolismo maçônico é baseado no uso de símbolos específicos.


Consequentemente, a prática do simbolismo reside no uso, no uso de símbolos.
Nesse sentido, o simbolismo maçônico é muito mais que um catálogo definido
de símbolos. Não há nada fixo. Só existe porque é vivido, usado, compartilhado,
discutido, sujeito às mais diversas interpretações pessoais.

O simbolismo maçônico não é uma teoria. Ele só pode ser abordado, dissecado e
compreendido pelos maçons em uma abordagem de apropriação e envolvimento
interno que requer trabalho pessoal obrigatório se ele deseja que sua iniciação
seja genuína.

Para o maçom que está envolvido na prática do simbolismo, o sistema de


símbolos está presente diante dele como um objetivo dado que ele deve se
apropriar, dentro de uma tradição. O simbolismo maçônico é um mundo em si
que merece ser explorado até o último detalhe.

Vamos sintetizar essa primeira abordagem, definindo o simbolismo maçônico


como sendo o uso vivido de um sistema coerente de símbolos representando
idéias ou conceitos e possivelmente abrindo-se para uma transcendência da
realidade sensível .

O simbolismo
Segundo o dicionário de Robert , o simbolismo é antes de tudo a lógica
simbólica, depois a ciência ou a teoria geral dos símbolos, finalmente um
conjunto de símbolos relacionados a um domínio específico, a um povo, a uma
época.

Simbolismo maçônico
O conhecimento da linguagem simbólica é essencial para entender o ensino
maçônico esotérico.

Simbolismo maçônico é o conjunto de símbolos e simbolismos. Desenvolve


uma ordem dos simbolismos e símbolos que o constituem. Assim, o simbolismo
da construção e o simbolismo das ferramentas vêm em primeiro lugar. Eles estão
intimamente ligados ao simbolismo bíblico. Depois vêm outros simbolismos que
são ordenados e desenvolvidos de acordo com ritos e graus. Assim, a ordem
constitutiva do simbolismo maçônico é dividida em tantos símbolos e
simbolismos sobrepostos quanto a tradição maçônica.

O simbolismo maçônico requer os seguintes sistemas simbólicos: cosmologia,


arquitetura, geometria, ferramentas e instrumentos, cores, números (passos,
baterias, idades etc.), palavras e senhas sagradas, diagrama. corporal (ordem,
sinais, etc.).

O simbolismo maçônico é uma linguagem ; é uma ciência ; ela é uma arte .

Como linguagem , o simbolismo maçônico tem um caráter universal. Se as


línguas profanas se desenvolveram adaptando-se às circunstâncias locais e
temporais da vida comunitária, a linguagem simbólica permaneceu inalterada.
Um modelo simbólico é universal quando pertence a um passado distante (que
verificamos ao procurar modelos análogos nos restos de civilizações antigas) e
quando pertence a civilizações distantes no espaço (o que verificamos
procurando modelos semelhantes em vários continentes).

Como arte , o simbolismo maçônico expressa a vida da imaginação criativa.

O simbolismo maçônico é uma ciência lógica e indutiva, que estuda os símbolos


do corpus maçônico como um objeto externo. Nesse sentido, o simbolismo
maçônico é exposto em obras como a de Jules Boucher . Os símbolos estão
listados lá, explicados usando considerações históricas e esotéricas.

Como ciência , o simbolismo tem suas leis.

o A primeira dessas leis é a " lei da correspondência ".

O mesmo símbolo pode ter vários significados. É por isso que se diz que o
símbolo é ambivalente. A lei da correspondência pode, portanto, ser expressa da
seguinte maneira: "para o mesmo significante simbólico correspondem vários
significados".

Tomemos o exemplo do modelo simbólico binário "Sol - Lua", que apresenta


um caráter universal no sentido de que é usado por muitas tradições espalhadas
no tempo e distribuídas no espaço. Esse modelo simbólico formado pela
associação dessas duas imagens desencadeia processos relacionais como Dia -
Noite; Luz - Escuridão; Edição - Refletir; Dar - Receber; Ensinar - Aprender…
Os vários processos listados “correspondem”; todos são expressáveis pelo único
modelo simbólico Sol - Lua.
o A segunda dessas leis é a " lei de correlação ".

Esta lei tem a seguinte redação: "o mesmo significado pode ser expresso por
vários significantes simbólicos".

Vários significantes A, B, C, D. o mesmo significado 1 pode ser expresso por


vários significantes A, B, C, D,…

Começamos a partir do modelo simbólico do quadrado inscrito em um círculo.

Do ponto de vista da figuração simbólica, o quadrado pode ser substituído por


uma cruz ortogonal com ramos iguais, porque as duas figuras geométricas têm
quatro ângulos retos e quatro segmentos retos isométricos. Também pode ser
substituído por um conjunto de quatro pontos dispostos nos vértices de um
quadrado.

Da mesma forma, o círculo pode ser substituído por seu centro.

Todas essas figuras têm, portanto, o mesmo significado. Esses modelos são
"correlativos".

Também podemos ir da geometria para os números. Portanto, a contraparte do


quadrado é quatro; a contraparte do círculo é o número um.

Passando para o domínio das ferramentas maçônicas, o modelo simbólico


"Quadrado - Bússola" é correlativo ao modelo "Quadrado - Círculo", sendo o
Quadrado a contrapartida da Praça e o número Quatro, e a Bússola sendo a
contrapartida do Círculo e do número um.

Voltemos agora à prática do simbolismo.

Pratique simbolismo

Praticar simbolismo é olhar para tudo o que existe como uma grande escrita
criptografada. É pensar e falar em linguagem. O objetivo do nosso trabalho não
é aprender ou memorizar o máximo de conhecimento, mas, ao contrário, falar
com seu ego, usar sua experiência, a imaginação e o uso do símbolo para dar à
luz. em si mesma a verdade, ou pelo menos se dê o desejo e a vontade de buscá-
la. É reconhecer a realidade como ela é, ou seja, tornar-se. O importante não é o
conhecimento em si, mas a assimilação desse conhecimento. É a melhoria da
personalidade que se busca.

A prática do simbolismo libera idéias recebidas com a condição de que não seja
dogmática, ou seja, que não seja concebida como uma memorização de
afirmações não verificadas. Trabalhar nas ferramentas da Maçonaria é reunir o
que está espalhado no homem: razão, intuição, imaginação.

O simbolismo especificamente maçônico propõe abordar, entre os símbolos,


aqueles que se referem à construção. As ferramentas dos construtores devem ser
consideradas as ferramentas da construção do homem livre. Construir o templo é
tornar-se, tornar-se um ser iluminado, ou seja, verdadeiramente livre.

Assim, no grau de Aprendiz, os símbolos da Maçonaria são essencialmente


ferramentas de construção: linha de prumo, nível, bússola, quadrado ... e figuras
geométricas, essencialmente o triângulo. A geometria constitui a entrada real no
mundo imaginário, estando sujeita a rigoroso rigor em termos de raciocínio e
regras. Cultivar geometria é essencial para tirar proveito do ensino maçônico.

Para que o estudo do simbolismo estimule a mente, reunindo todas as suas


faculdades, razão, intuição, pensamento que globaliza e pensamento que
atravessa, deve-se admitir que respostas diferentes também são admissíveis.
Cada resposta é uma luz e cada luz participa da luz sem nunca ser toda a luz por
si mesma.

A frase "AQUI TUDO É SÍMBOLO", extraída do ritual de iniciação até o


Primeiro Grau, descreve o caminho simbólico: na verdade, diz "Aqui, queremos
aprender a olhar para a modalidade simbólica de tudo o que existe".

O estudo dos símbolos maçônicos e o estudo maçônico dos símbolos não têm
nada a ver com a memorização das "palavras dos professores", cujo objetivo
seria colocá-las em conformidade com uma representação geral do mundo que é
obrigatória. A aposta na abordagem do símbolo é o despertar de faculdades
adormecidas precisamente pelo aprendizado da conformidade no mundo secular.

Os símbolos
O universo da Maçonaria iniciática é preenchido por símbolos . Templo, porta,
colunas, ferramentas ... Tudo é um símbolo em uma loja maçônica porque o
símbolo aparece como a única maneira de "falar iniciação".

Presente no âmbito de uma dialética específica, no tempo e no espaço, eles


servem como vetores principais para a transmissão do Conhecimento aos
Iniciados; por outro lado, ajudam a mascarar os fundamentos essenciais do
espírito maçônico e a trabalhar aos olhos dos leigos.

O que é um símbolo?

Podemos definir o símbolo como sendo um segmento da experiência finita que


nos oferece, em sua plenitude emblemática, um significado ou uma chave para
acessar uma realidade que se abre na investigação do "o que pensar?" " Essa
abertura intervém como a marca de um avanço em direção ao conteúdo inscrito
pelo símbolo e com o qual todos devem se aproximar, começar de novo a
explorar esse processo de questionamento que inevitavelmente provém do
pensamento.

A característica de um símbolo é carregar uma infinidade de significados que


não podem ser incluídos em uma definição de dicionário. Cada símbolo ilumina
uma faceta do próprio princípio da criação, de unidade inacessível ao espírito
humano.
O símbolo é um conjunto que reúne vários elementos, de modo que o todo é
mais e algo diferente da soma das partes. É da união dessas facetas e dos
múltiplos aspectos do símbolo que nascem as luzes que iluminam a Loja.

Se queremos conhecer a natureza de um símbolo, devemos estudar em particular


seu nome e a razão que está na origem dessa atribuição, não deixando de
analisar sua forma, seu número e seu som, o que o que leva a buscar sua função.

" Nenhum símbolo é simples ", diz Jung , " porque o símbolo sempre cobre uma
realidade complexa que está tão além de qualquer expressão verbal que
dificilmente é possível expressá-la de uma só vez . "

Sinais concretos, diretamente perceptíveis pelos sentidos humanos, os símbolos


maçônicos evocam informações abstratas através de um código convencional.

Podem se tornar símbolos, objetos (por exemplo, espátula ), emblemas (por


exemplo, delta é o emblema do Grande Arquiteto do Universo e, por extensão, o
da Criação ), conceitos abstratos, mas também palavras ( Tubalcain ), ou
mesmo letras tomadas isoladamente ( J. , B. ) Ou números considerados
individualmente ou projetados matematicamente em um quadrado ou cubo. O
meio não importa, porque é o significado que cria o símbolo.

O símbolo não pode ser inventado: ele é criado. Emergindo do inconsciente


individual ou coletivo, ele tem uma vida que escapa ao homem, mas é
condicionada por ele. Parece que vem quem sabe onde, quando o universo que o
integra está pronto para revelar toda a sua dimensão.

Teste de classificação de alguns símbolos presentes no Primeiro


Grau

Símbolos míticos

Pedra bruta e pedra polida; o templo a ser construído; o grande arquiteto do


universo; o Star Vault; a iluminação; as estrelas; as tochas; a espada flamejante;
os Glaives; a corda entrelaçada; a bengala do mestre de cerimônias; os símbolos
do banquete de pedidos ...

Símbolos fundamentais

o Os quatro elementos: a terra; água, fogo, ar;


o O Gabinete de Reflexão; o templo maçônico; as colunas do templo; a
cadeia da união; o Altar dos Juramentos; o Nadir e o Zenith; a
pavimentadora de mosaico; os pilares e o tapete da loja; Maços de
Oficiais; o número 3; o Lodge…

Símbolos instrumentais

O cinzel e o malho; Linha de prumo e nível; a praça; a bússola; a regra

Símbolos de vestimenta
O avental e as luvas; o arnês, o longo colar; as roupas do candidato durante a
iniciação.

Símbolos de sinal

O sinal de ordem; baterias manuais; o abraço; caminhar; circumambulação;


tocar; os cofres; as cadeias de união…

Símbolos de som

Os aplausos; baterias de marreta; palavras; a coluna da harmonia; os silêncios ...

Símbolos de tempo

Meio-dia, meia-noite.

Símbolos de ponto

Os símbolos da iniciação; a porta baixa; as jóias das várias funções dos oficiais
dignitários (geralmente penduradas no colar) ...

São quase cem símbolos que os aprendizes precisam descobrir e tentar


interpretar.

Símbolos maçônicos são geralmente escritos com uma letra maiúscula.

É somente através do estudo de símbolos que se pode alcançar o esoterismo. É


considerando apenas o exotismo dos símbolos, ou seja, interpretando-os em um
sentido quase literal, que chegamos a julgar os ritos obsoletos e desatualizados.

O estudo aprofundado dos símbolos e, em particular, dos símbolos maçônicos


pode percorrer um longo caminho. Tudo abaixo é um símbolo. As próprias
palavras são, na realidade, apenas símbolos de idéias.

A Maçonaria e os maçons têm a tendência irritante de usar a palavra " símbolo "
em todos os molhos, o que levou ao empobrecimento da palavra. Muitos
"símbolos" e sua "explicação" são apenas truques tristes. Aqui estão alguns
exemplos: luvas brancas simbolizam pureza. O avental simboliza o trabalho. O
quadrado simboliza retidão. A Bússola simboliza inteligência…

Por definição, um símbolo não pode ser explicado, não pode ser transmitido.
Diz-se que é transcendente e incomunicável . O símbolo passa pela vida interior
do ser; dirige-se ao coração, à alma, ao espírito. O símbolo está despertando; é
movimento ascendente. Nunca está congelado, mesmo para o homem que a
apreendeu.

Para concluir, sempre provisoriamente ...


O método simbólico não seria o antídoto para todo sectarismo ou dogmatismo?
Não é um instrumento de abertura para os outros, para o universo e para o
interior de si mesmo?

Nesta placa, são essencialmente as palavras " simbolismo " e " simbólico " que
tentei diferenciar porque são usadas com muita frequência, erroneamente, como
sinônimos.

Simbolismo é o uso de símbolos. É também a interpretação de sua essência, da


fundação de objetos ou imagens como suporte para símbolos (exemplo: o
simbolismo da Bússola). Ainda é uma escola de pensamento considerada de
acordo com seus símbolos: freqüentemente falamos de simbolismo maçônico.

Simbolismo é a teoria dos símbolos. É também o conjunto de interpretações de


um símbolo, enquanto o simbolismo considera apenas um aspecto (exemplo: o
simbolismo do quadrado). Finalmente, o simbolismo também é todo o sistema
simbólico de um grupo de pensamentos: podemos evocar o simbolismo
maçônico.

Essas tentativas de definição são matizadas, como sua origem, ou seja, o


símbolo !

Nosso método de trabalho baseia-se no trabalho ritual realizado com e nos


símbolos dentro do cosmos da loja, porque a comunhão com esses símbolos
possibilita despertar a inteligência do coração. É o ritual que dá corpo ao
espiritual e revive todas as forças criativas. Os rituais de iniciação falam da
criação em espírito através do jogo de símbolos, verdadeiras palavras de vida
que tornam presentes as funções rituais cumpridas pelos Irmãos. Portanto, os
rituais ligam os símbolos para dar-lhes todo o significado e nos permitir vivê-
los.

Participar de rituais é um ato importante para todos os Irmãos da Loja, e cada


ritual é um novo nascimento, tanto da própria Loja como de cada um de seus
Irmãos.

A:. F:. AB

Bibliografia

Baudouin Bernard - Dicionário de Maçonaria

Editions De Vecchi, Paris, 1995 - Página 150

Béresniak Daniel - Ritos e símbolos da Maçonaria

Volume I: "The Blue Lodges"

Edições Detrad, Paris, 1997 - Páginas 3 a 5


 

Beresniak Daniel - Aprendizado maçônico, uma escola de despertar?

Edições Detrad, Paris, 1983 - Páginas 27 a 36

Berteaux Raoul - O simbolismo do posto de Aprendiz

Edições Edimaf, Paris, 1986 - Páginas 9, 59 a 66, 68 a 71

Boisdenghien Guy - A vocação de iniciação da Maçonaria - Trilhas da


Tradição

Editions l'Etoile, Bruxelas, 1999 - Páginas 96 a 98, 101 a 104

Boucher Jules - o simbólico maçônico

Edições Dervy, Paris, 1995 - Páginas XV a XVIII

Ferré Jean - Dicionário simbólico e prático de Maçonaria

Edições Dervy, Paris, 1994 - Páginas 249 a 251

Guigue Christian - Treinamento maçônico

Edições Guigue, Mons-en-Baroeul, 1995 - Páginas 270 a 272

Mondet Jean-Claude - A Primeira Carta

O Aprendiz do Rito Escocês Antigo e Aceito

Editions du Rocher, Mônaco, 2007 - Página 99

Nefontaine Luc - Símbolos e simbolismo na Maçonaria - Volume 2

Edições da Universidade de Bruxelas, Bruxelas, 1997


Páginas 17 a 23, 33, 104 a 128, 139 a 149, 178

 O simbolismo e origem dos símbolos


maçônicos
Por Chemin47 em General em 2 de junho de 2015 às 18:52

1. Introdução

A Maçonaria não inventou o simbolismo! Ele herdou o simbolismo das tradições


antigas, às vezes desaparecido. As representações simbólicas são menos
limitadas do que a linguagem comum. É por isso que eles são mais adequados
para serem o veículo de verdades transcendentes. O simbolismo abre
possibilidades para concepções ilimitadas. É a linguagem iniciática por
excelência. Liga o presente ao passado e ao futuro.

O simbolismo aparece como uma linguagem universal, um conjunto de sinais,


códigos que cada um percebe de acordo com seu entendimento, sua faculdade de
raciocínio analógico e o estado de despertar interior de sua consciência.

Tentar definir um símbolo é limitá-lo e dar-lhe um significado redutor.

O símbolo não impõe nada. É uma janela aberta no universo, apoio privilegiado
que leva a uma ação subordinada à meditação. Por suas múltiplas facetas, o
símbolo sugere. É uma associação de imagens. Todo mundo vê o que sua
capacidade visual lhes permite perceber.

Embora as primeiras lojas verdadeiras dos maçons, distintas das corporações,


tenham surgido no século XVII na Escócia, a Maçonaria sempre adicionou a
essa origem histórica uma origem antiga lendária e simbólica , apoio ao trabalho
inicial de seus membros. .

As origens da Maçonaria

Os primeiros maçons posicionaram simbolicamente essa origem mítica nas


origens da arte de construir . Em um século em que as obras da paleontologia
ainda não existiam, era bastante natural que colocassem essa origem no tempo
de Adão, o primeiro homem, de acordo com a concepção da época, ao de Noé
com a construção da arca ou, com muito mais freqüência, a construção do
templo de Salomão.
Por volta de 1390, o " Regius Manuscript ", que descrevia os costumes dos
pedreiros ingleses, colocou emblemática sua empresa sob a égide de Euclides e
Pitágoras, pais da geometria, e sob a proteção do rei Athelstan da Inglaterra.

Em 1736, na França, o Chevalier de Ramsay defendeu a idéia de anexar a


Maçonaria aos Cruzados. Um pouco mais tarde, outros na Alemanha, Inglaterra
e França pensaram que deveria ser anexado à Ordem do Templo !

Após a redescoberta do antigo Egito pelos ocidentais, é natural que certos rituais
maçônicos tenham movido a origem simbólica da Maçonaria para a época da
construção das pirâmides .

Finalmente, em meados do século XIX, por ocasião da redescoberta do


patrimônio da Idade Média, o mito maçônico também naturalmente reforçou
suas referências à construção de catedrais .

Por trás de todas essas aparentes modificações simbólicas, há claramente uma


constante: a Maçonaria sempre se colocou sob o patrocínio simbólico de todos
aqueles que avançaram, ao longo da história, a arte de construir e os valores dos
quais ela reivindicações.

A Maçonaria "simbólica" ou "azul", a dos três primeiros graus da Iniciação,


empresta muitos de seus símbolos da arte de construir praticada pelos
construtores de catedrais na Idade Média, que considera como seus antecessores
e do qual ela herdou a própria noção de loja , o local onde os trabalhadores se
encontravam. Como tal, a Maçonaria ou a Arte Real têm pontos em comum com
a companhia e compartilham símbolos e valores. Mas nem todos os símbolos
maçônicos têm essa origem .

Sete origens

Isso me leva às origens dos símbolos usados pelos maçons. A Maçonaria nos
oferece muitos símbolos que devem nos permitir entender além das barreiras
sociais.

Sem entrar em detalhes ainda, digamos que os diferentes símbolos maçônicos


realmente tenham fontes diferentes. Existem os símbolos explicitamente
cósmicos e, portanto, universais ; existem símbolos de origem pitagórica ou
platônica ; ainda existem símbolos de fontes bíblicas . Existem também
símbolos de origem companheira , símbolos de origem cavalheiresca e símbolos
de natureza alquímica . Alguns são herdados da Cabala ou do Hermetismo, mas
a maioria vem das ferramentas dos cortadores de pedra . Depois, há símbolos de
origem maçônica propriamente dita. As cores também têm seu simbolismo, mas
sua fonte geralmente permanece indeterminada. Finalmente, vários números e
formas também têm seu lugar na Maçonaria e cada um tem seu próprio
simbolismo.

O caminho simbólico

A linguagem simbólica funciona de acordo com a estrutura das "línguas


sagradas". O simbolismo é uma linguagem; é uma ciência; ela é uma arte.

Como linguagem, tem um caráter universal.

Como ciência, o simbolismo tem suas leis.

Como arte, o simbolismo expressa a vida da imaginação criativa.

O simbolismo maçônico requer os seguintes sistemas simbólicos: cosmologia,


arquitetura, geometria, ferramentas e instrumentos, cores, números, palavras e
senhas sagradas, diagrama corporal.

As escolhas desses sistemas contribuem para a conquista de um todo. A


arquitetura, a geometria, as cores e as ferramentas formam um todo que diz
respeito ao "Templo", como modelo - réplica do cosmos. Nesse conjunto, a
arquitetura, a geometria e a escolha das cores se referem ao design, enquanto as
ferramentas se referem à realização.

É através de números e palavras que "conhecimento" é transmitido, sendo este


termo adotado no sentido de "gnose".

Quanto ao ensino, ele é transmitido de forma vivida por todas as imagens


agrupadas sob o signo do diagrama corporal, a saber: a ordem, o signo, a
caminhada, a bateria, a jornada, o toque de gratidão.

Mas vamos primeiro tentar entender o que é um símbolo.

A origem da palavra "símbolo"

Muitos buscadores se perguntaram " O que é um símbolo?" E já escrevi vários


livros sobre esse assunto. Ainda mais numerosos são aqueles que nunca se
fizeram essa pergunta e, no entanto, usam regularmente esse termo. Isso
provavelmente explica por que essa palavra não tem o mesmo significado em
todas as circunstâncias, por que é tão difícil de entender e, portanto, deve ser
entendido quando se fala de símbolos. De fato, o conceito de símbolo é tão rico
e vasto em seu significado, que se presta a todos os usos, mas também a todas as
confusões!

A palavra símbolo vem do grego antigo sumbolon , que deriva do verbo


sumbalein ( symballein ), que significa "reunir", "juntar", "juntar", "comparar",
"trocar", "trocar", "conhecer", "explicar".
Na Grécia, um símbolo era literal e originalmente um pedaço de cerâmica
quebrado em duas partes e compartilhado entre dois contratados. Para liquidar o
contrato, foi necessário provar sua qualidade como contratante (ou como
beneficiário), reunindo as duas peças que se encaixavam perfeitamente. O
sumbolon era, portanto, composto de dois pedaços de um objeto quebrado, de
modo que sua reunião, por uma montagem perfeita, constituía uma prova de sua
origem comum e, portanto, um sinal muito seguro de reconhecimento.

No pitagorismo, a palavra "símbolo" designa uma palavra, um ensinamento


secreto, com sua dupla face: uma expressão enigmática e um significado
profundo. O termo "símbolo" é atestado em francês desde 1380.

Na figuração, o símbolo se torna o todo que liga duas representações do mesmo


significado. Por derivação, o símbolo é reduzido ao elemento pictórico ou
audível que está vinculado a um significado oculto que ele significa.

Posteriormente, formas de abstração, como linguagem ou gestos, poderiam


substituir objetos em sua função de representar um compromisso, uma
promessa, uma aliança, um contrato, um pacto selado entre dois parceiros. Por
exemplo, um aperto de mão será o símbolo de um acordo.

Nesse sentido, um símbolo é, portanto, um objeto sensível que “colocamos lado


a lado” com uma realidade abstrata ou sobrenatural que ele pretende representar.
O símbolo é o termo visível de uma comparação cujo outro termo é invisível.

Um símbolo é percebido pela sensação e não pela razão. O símbolo, por


natureza, é sentido e não entendido. Nesse sentido, poderíamos ver o símbolo
como um emissor de energia.

É inútil analisar um símbolo para entendê-lo. Por outro lado, é necessário


perceber sua natureza para conhecê-lo intuitivamente. A intuição, nesse assunto,
é o único caminho possível. A inteligência racional, muitas vezes distorcida pelo
ensino intelectual recebido, leva à incompreensão pela aplicação de reflexos
impróprios adquiridos. E assim confundimos "inteligência cerebral" e
"inteligência do coração".

A única maneira de conhecer o significado de um símbolo, seu profundo


significado, é renascer com ele ("nascer"), e a única maneira de alcançá-lo é o da
intuição, do "l ' inteligência do coração ”.

A inteligência do coração é emoção, é a lágrima que chora sem razão aparente,


sem razão consciente.

Qualquer outra maneira é estéril, porque esclerosa as sensações que levam aos
símbolos.

Símbolos e método simbólico

A mente humana usa muitos símbolos, ou seja, imagens ou objetos que se


referem a uma realidade diferente, geralmente abstrata.
O método simbólico dá ao homem um melhor conhecimento de si mesmo. Esse
autoconhecimento deve tornar possível fazer escolhas deliberadas na vida e,
assim, trabalhar para o próprio desenvolvimento.

Muitos símbolos são comuns à Maçonaria e às religiões. No entanto, a Loja os


usa como parte de um ritual destinado a pesquisas pessoais profundamente
dentro de nosso ser. A Maçonaria é, portanto, acima de tudo, um método de
trabalho .

A Maçonaria usa muitos símbolos que datam dos tempos antigos e são
encontrados em várias culturas, como os quatro elementos , estrelas e planetas e
figuras geométricas ...

Ele ocupa, em particular, o simbolismo da construção. A Bússola e a Praça são


universalmente conhecidas!

O uso do simbolismo da luz também é uma característica importante da


Maçonaria.

Vamos agora examinar em detalhes diferentes origens possíveis de nossos


símbolos maçônicos .

Símbolos cósmicos ou universais

Um modelo simbólico é universal quando pertence a um passado distante ou a


civilizações distantes no espaço.

Estas são, por exemplo, as estrelas, o sol ou a lua, talvez porque os maçons
trabalham do "meio-dia à meia-noite".

As imagens da lua e do sol são emprestadas da cosmologia.

O Sol e a Lua

O Sol e a Lua , as duas estrelas mais visíveis, são frequentemente associados a


um modelo simbólico binário no qual os dois elementos constituintes são ligados
pelo princípio da complementaridade.

O Sol é a estrela do dia, fonte de vida e luz; a lua da noite. Um é ativo, o outro
passivo. São duas expressões diferentes da luz que reina permanentemente sobre
o mundo. Um brilha na luz do dia, o outro na escuridão da noite, mas sempre
com radiação suficiente para iluminar os homens em busca da evolução no
caminho de seu devir.

O simbolismo do Sol e da Lua deve ser explorado porque conta todas as


expectativas e todos os medos do homem. A percepção de tempo e espaço, calor
e luz, fertilidade, o ritmo das estações, o ideal de si, os deuses, os ritos, os mitos
fundadores das religiões estão envolvidos e informados pelo que é dito e
sonhava com essas duas estrelas. Eles são os primeiros marcos daqueles que
olham para o céu. O trabalho sobre esses símbolos é formativo para os maçons,
cuja vocação é conhecer o homem e melhorá-lo.

The Starry Vault

Além das imagens da Lua e do Sol, a Tabela Lodge apresenta uma constelação
de estrelas com algumas curvas desenhando nuvens. O Cofre Estrelado tem
valor simbólico apenas como um elemento "complementar" ao elemento Terra
ou ao elemento Templo que o substitui. A combinação dos dois elementos forma
um modelo simbólico binário, correlativo ao modelo Équerre - Compas.

O cofre estrelado é na verdade o céu, o cofre celeste pontilhado de estrelas. É o


símbolo do caráter cósmico e universal do templo e da própria Maçonaria. É por
isso que o teto do templo, tradicionalmente cravejado de estrelas em fundo azul,
é chamado de "cofre estrelado". A contemplação de um céu estrelado nos traz
grande tranquilidade e uma notável paz de espírito. Isso nos encoraja a meditar
mais do que sonhar acordado. O cofre constelado dos templos maçônicos é o
símbolo de sua universalidade e, simultaneamente, de sua verdadeira
transcendência.

Segundo o astrofísico, o universo é infinito no tempo e no espaço. O homem é


um ser finito - aparentemente - que, portanto, não pode - com razão - conceber o
infinito. Portanto, ele não pode mais conceber as respostas para as perguntas que
sua angústia nesse infinito cria para ele.

Somente o universo tem essas respostas; e eles são oferecidos ao homem dentro
de símbolos. É por isso que o símbolo cósmico não pode ser inventado,
fabricado pelo homem. Só pode ser anotado e, se necessário, reproduzido,
copiado.

Para entender a natureza do símbolo e o significado do simbolismo, devemos,


portanto, aceitar este postulado de que o Universo contém as respostas para
todas as perguntas, incluindo as mais fundamentais, e que estão contidas nos
símbolos.
Se o homem deseja encontrar essas respostas, ele deve e basta que seja capaz de
decifrar o significado dos símbolos. Para isso, é necessário entender primeiro o
que é um símbolo, para não criar o objeto errado.

Por ser um objeto natural, um símbolo é universal, tanto na dimensão espacial


quanto na dimensão temporal.

E seu significado profundo e oculto dependerá da própria natureza deste objeto,


desta planta, deste animal. Nesse sentido, o símbolo é uma porta aberta para a
compreensão do mundo, uma vez que cada símbolo extrai da natureza o seu
significado oculto, portanto revelador.

Os símbolos não impõem, eles sugerem; eles não ensinam, eles despertam.
Confiar nos símbolos para avançar é o primeiro a afirmar e preservar a própria
liberdade e a dos outros. Mas também significa caminhar no seu próprio ritmo,
sem restrições, sem prazo definido. O simbolismo ignora o dogma e revela a
verdade.

Os símbolos contêm a verdade, o homem procura ali (e às vezes encontra lá) seu
pedaço de verdade, pessoal e incomunicável. Encontrá-lo é viver a harmonia em
si mesma.

Isso mostra como a abordagem dos símbolos é uma abordagem completamente


subjetiva, excluindo absolutamente a objetividade e o racionalismo. Isso
significa que o mero estudo do uso de símbolos nas civilizações não pode de
maneira alguma levar à sua integração como ferramenta para a progressão
individual.

Por outro lado, os símbolos universais e cósmicos devem permitir que o Homem
que os apreenda e dê vida à sua interpretação contribua para restabelecer ou
fortalecer a harmonia cósmica universal.

Símbolos de origem pitagórica ou platônica

Entre os símbolos maçônicos, os quatro elementos, a pedra cúbica ... são de


origem pitagórica ou platônica.

Transcrevo em silêncio os símbolos específicos do segundo grau, o do grau de


Companheiro.

Os quatro elementos

Dentro da estrutura da filosofia natural, a teoria dos Quatro Elementos é uma


maneira tradicional de descrever e analisar o mundo. Na iniciação maçônica, os
quatro elementos significam uma purificação pelo fogo , água, ar e terra . É
indiscutível que a origem desses quatro elementos e sua compreensão eram parte
integrante das iniciações antigas. No entanto, a astrologia os utiliza sem
discernir seu significado cósmico e os interpreta com mais ou menos felicidade.

Cada elemento tem uma função ambivalente, como qualquer símbolo,


dependendo de como é abordado, seja no aspecto benéfico ou mal. No dia de sua
recepção, o Destinatário é levado a tomar consciência da interação dos
elementos porque, durante as três viagens à Loja, onde ele passa por purificações
por ar , água e fogo , com os olhos vendados, o O postulante tem os sentidos em
alerta, principalmente a audição e o toque. O ar e a água representam diferentes
estados da matéria, assim como a terra, enquanto o fogo corresponde à energia
que se transforma em matéria e vice-versa. A terra é a imagem do concreto, ao
contrário dos outros três elementos. O Destinatário, portanto, deixa o concreto
para ser confrontado com manifestações de energia mais abstratas, porque
ninguém pode construir sobre o ar, a água ou o fogo. Só podemos construir na
terra o receptáculo de todas as formas. Se a Terra , que representa uma forma
fixa de espaço, pode ser qualificada como estática , os outros três elementos ,
pelos quais o Destinatário é testado e purificado, são dinâmicos .
O Destinatário deixa o mundo terrestre do Think Tank para dar seus primeiros
passos no mundo aéreo que corresponderá ao das idéias, do mundo
intermediário. O iniciado, neste estágio, é confrontado com o reino da mente.
Confrontado com idéias contraditórias, ele deve usar sua faculdade de
discernimento para encontrar o caminho, sem se perder nos aspectos
contraditórios da dualidade.

A idéia que o homem tem do universo é estritamente relativa a si mesmo. Além


disso, antes de ousar falar em conquistar a "verdade", cada um de nós deve
primeiro se dedicar ao estabelecimento da "verdade" dele!

A pedra cúbica

Situada no Oriente, a Pedra Cúbica é considerada o símbolo da função


"Conhecimento" dominada pelo Venerável Mestre. Por seu aspecto finito, é
assimilado ao perfeito controle intelectual e à mais alta elevação moral.

Símbolo do trabalho acabado e perfeito, a Pedra Cúbica formula todos os


aspectos da ciência tradicional. Quem quer que a encontre deve entender que
essa ciência não é fruto do progresso, mas a expressão do conhecimento das leis
da harmonia, totalmente definidas desde a criação do mundo. Assim, como quer
a Tradição, o Iniciado [1] , como o escultor que deve perceber a obra no bloco de
pedra antes de cortá-lo, deve procurar descobrir essas leis e, portanto, não é de
forma alguma então um criador, mas mais precisamente um descobridor.

Usando o quadrado e a régua, é provável que a forma obtida, com suas linhas e
ângulos de tamanho, participe da construção do edifício. Além de seu aspecto
funcional como material de construção, a forma cúbica também possui um
caráter eminentemente simbólico. Suas superfícies iguais, seus ângulos
idênticos, suas linhas semelhantes contribuem para a criação do cubo, que, por
excelência, é uma forma perfeita em termos de simetria, harmonia e equilíbrio.

O cubo seria o sólido mais perfeito, pelo menos para a classe de aprendiz. Se
tiver seis faces, oito vértices e doze arestas, deve-se notar que é impossível ver
mais de três faces ao mesmo tempo e que o cubo possui três eixos de simetria.

A Pedra Cúbica seria a representação da perfeição intelectual e espiritual que o


Aprendiz deveria se esforçar para alcançar nele o mais rápido possível, mas
principalmente depois de alcançar o posto de Companheiro. Portanto, poderia
ser um guia, um terminal, em qualquer caso, um ponto de encontro.

As imagens de pedra cúbica ou cúbica são emprestadas do comércio do pedreiro.

Símbolos bíblicos

Também existem símbolos de fontes bíblicas, como o volume da lei sagrada , a


pedra bruta , as colunas Jakin e Boaz , a pavimentadora de mosaicos .
A Bíblia está cheia de símbolos, como costuma ser o caso de textos sagrados.
Eles são usados para tentar expressar o inexprimível (o sentimento de Deus, fé,
pressentimentos ...).

O livro do Apocalipse é um bom exemplo de um livro bíblico rico em símbolos


(o dragão, o cordeiro, a besta, os quatro cavaleiros etc.). É difícil ler para quem
não é especialista.

Os números na Bíblia também têm significado simbólico. Por exemplo, 4 = o


mundo, 7 = perfeição, 40 = o tempo de uma geração, etc.

Assim, para entender um símbolo bíblico, às vezes é necessário ler os outros


relatos bíblicos onde esse símbolo aparece, a fim de encontrar um significado
comum e entendê-lo melhor.

A inspiração bíblica é lembrada pelas duas colunas que adornam a entrada das
lojas, mas as imagens das duas colunas são emprestadas da arquitetura.

O volume da lei sagrada

Sobre o altar de juramentos é colocado o volume da lei sagrada na forma de um


livro aberto. Representa o livro da Palavra criativa, manifestada sob o aspecto da
revelação. A Tradição revelada pelo Volume da Lei Sagrada em seu sentido
esotérico é uma fonte de conhecimento e meditação. O Eterno criou o mundo
pela Palavra que está encarnada na linguagem sagrada e na palavra ritual que
contém a essência primordial. Um livro fechado mantém seu segredo. Um livro
aberto ensina quem o lê, revela o que está oculto.

Este livro contém uma mensagem dupla. O primeiro inclui ensino externo,
representado por dogmas e uma lei moral exotérica. A segunda mensagem
desenvolve uma cosmogonia [2] e contém uma mensagem simbólica a ser
decifrada e que é de natureza esotérica. O segundo não exclui o primeiro, mas,
pelo contrário, lança luz ao abrir o campo indefinido de possibilidades e nos
permite ir além dos estreitos limites da dualidade.

Alguns consideram que o Volume da Lei Sagrada contém a mensagem de uma


Tradição atemporal, sendo esta a expressão da relação entre Verdade e
Sabedoria, mas em um nível inferior, contém uma lei moral na qual deve basear-
se todo maçom.
Pedra bruta

Fisicamente, a pedra bruta é a pedra bruta extraída de uma pedreira. É o


material principal da Maçonaria que terá que ser cortado, modelado e ajustado
para que possa ser incorporado à Maçonaria, ao edifício, ao Templo.

Trabalhar com pedra bruta significa dar contornos precisos à dimensão ética,
moral e espiritual do homem; é trazer à tona a matéria vulgar original, a melhor
e a mais forte, através de um trabalho constante que apaga imperfeições.

Essa transformação, que ocorrerá com o tempo, é uma reminiscência do


processo fusional da alquimia. Finalmente, trata-se de reações e modificações
em cadeia em questão, como o maçom, auxiliado pelos instrumentos de seu
construtor (cinzel, marreta, quadrado, nível, linha de prumo, régua ... ) refina seu
material de base - ele próprio - para obter uma forma perfeita.

A pedra bruta é o símbolo do Aprendiz, com todas as imperfeições de sua


mente e seu coração, as quais ele deve aplicar para corrigir. Através da Iniciação
Maçônica, que é um renascimento, ele gradualmente se livra de tudo o que a
sociedade lhe trouxe artificial e ruim. Ele recupera sua liberdade de pensar. Com
as duas ferramentas que a Loja lhe oferece - o Cinzel e o Macete - ele começa a
esculpir sua pedra e espera conseguir torná-la perfeita como bem entender.

A pedra bruta que o aprendiz trabalha não é apenas uma imagem de si mesmo,
é também um elemento que carrega o segredo da construção, e essa construção é
de origem celestial. Essa pedra áspera, de aparência tão modesta, não contém
toda a harmonia do templo?

A interpretação segundo a qual o Aprendiz deve "desbaste a pedra bruta" e tende


a se transformar em "pedra cortada" é uma alegoria que expressa progresso ao
longo do tempo, através da educação, em direção a um estado de perfeição.

As colunas Jakin e Boaz

As duas colunas - J e B - marcam simbolicamente a transição entre o mundo


secular e o universo dos iniciados, induzindo a transformação de quem
ultrapassa esse limite, característico do processo iniciático.

Segundo a Bíblia, as colunas de bronze do Templo de Salomão marcavam o


ponto em que o homem e o divino, o profano e o sagrado se encontravam,
fundidos, dando a todos os que buscavam sinceramente o material e os valores
próprios de sua busca. espiritual. Para Jean Ferré , as Colunas, como símbolos
da Loja, materializariam o ponto em que o homem e o divino, o profano e o
sagrado se interpenetram.

Raoul Berteaux simplesmente sugere que as duas colunas idênticas na entrada


da Loja formam um tipo binário de tipo gêmeo. Uma das colunas carrega a letra
J e a outra a letra B. Se o simbolismo das cores for usado, a coluna J deve ser
vermelha enquanto a coluna B deve ser branca ou preta. Mas, se nos atermos ao
texto bíblico, como sugere Jules Boucher , as duas colunas eram feitas de latão
e ambas eram da cor natural desse metal. Para diferenciá-los, alguns queriam
adicionar cores, mas essa adição é arbitrária e questionável.

Pavimentadora de mosaicos

Alex Horne considera que a definição do Pavimento Mosaico como um


elemento arquitetônico do Templo é mítica , e que não há evidências
arqueológicas ou bíblicas capazes de confirmar a validade dessa definição. Além
disso, do ponto de vista arquitetônico, a Pavimentadora de Mosaicos é de origem
greco-romana e não de hebraico.

Esses ladrilhos em preto e branco dispostos em um padrão quadriculado


correspondem a duas luzes: a do dia e a real, a da noite com suas ilusões e
sonhos. Simboliza a justaposição de opostos.

De acordo com Christian Guigue , para tentar perfurar o significado da


Pavimentadora de Mosaicos, devemos voltar à origem do adjetivo mosaico
relacionado a Moisés, porque é no universo do Decálogo e da lei mosaica que
devemos procurar a lições, oposições, rupturas, dependências ou potencial de
economia.

Para facilitar a percepção desse emblema complexo, o símbolo deve ser


interpretado analisando os elementos que se destacam na Pavimentadora de
Mosaicos: branco e preto, a relação numérica do pavimento, a escala e a
diversidade de elementos. estados de ser, a passagem axial ou acesso ao centro
do universo que corresponde a uma projeção em um determinado futuro do
retorno do Escolhido à sua origem divina.

Como as duas colunas, o Pavimento Mosaico usa um simbolismo aparentemente


binário. Mas, na realidade, esse simbolismo é ternário.

O verdadeiro iniciado, digno do nome, sempre buscando além das aparências,


bem como o controle de si mesmo, percebe que o branco é apenas o aspecto
complementar do preto e que não há ladrilhos brancos ou pretos no Pavimento
Mosaico, a partir do momento em que ele direciona sua mente para as linhas
virtuais que formam os ladrilhos lado a lado. Mediana, essas linhas estão,
portanto, fora da dualidade branco-preta e juntas formam o elemento ternário do
símbolo.

Assim, o Pavimento Mosaico poderia indicar aos maçons a justiça do caminho


do meio de uma Iniciação bem conduzida, uma maneira pela qual as
contradições da vida profana são gradualmente resolvidas.
Símbolos de uma fonte cavalheiresca

Pelo menos dois símbolos maçônicos têm sua origem na cavalaria. Estas são a
espada e o abraço fraterno.

A espada

O uso da espada é atestado na Maçonaria Francesa no século 18 , onde muitos


candidatos eram cavalheiros e, portanto, portadores de uma espada. Agora
acessível aos maçons que não eram nobres, a espada se estabeleceu como o
símbolo da irmandade, de uma certa idéia de igualdade defendida pelos ideais
maçônicos.

Seu uso ocorre em diferentes momentos do ritual, principalmente nos momentos


mais solenes: Abertura e Encerramento de Obras, execução das Obrigações pelo
Destinatário. As circunstâncias em que sua presença é mais notável são, sem
dúvida, quando os maçons formam o cofre de aço durante a Recepção de um
Dignitário na Loja e durante a cerimônia de Iniciação de um leigo.

A espada é o principal atributo das funções de Expert e Roofer. A do Venerável


Mestre é a espada flamejante que ele usa ao receber uma classificação.

[3]
Em um estudo sobre o simbolismo da espada, Coomaraswamy mostra que a
espada deriva de uma raiz ou de um arquétipo que é um raio.

O simbolismo da espada é rico e complexo. Permite que a justiça seja feita. É


um símbolo de proteção, vigilância, coragem e autoridade. Pelo poder que dá, a
Espada simboliza força, poder, a capacidade de agir e dominar os elementos.

O abraço fraterno

O abraço é sem dúvida um dos primeiros sinais que o aprendiz de maçom


aprende. Como tal, é carregado com um simbolismo muito forte. É praticado na
forma de uma chave tripla. É dado em três etapas (esquerda, direita, esquerda)
entre irmãos que têm prazer em conhecer.

É o beijo da paz e da fraternidade, a marca de um apego fraterno entre dois


irmãos. Pode variar de acordo com os ritos, mas na maioria das vezes é
acompanhado por três pancadas da palma da mão direita no ombro esquerdo do
irmão, que é recompensado com o abraço.

O abraço pode ter origem no "beijo da paz" usado na liturgia ou no beijo da


antiga cavalaria. Uma das principais cerimônias observadas na recepção de um
cavaleiro consistia geralmente em dar três golpes na ponta da espada no ombro
ou no pescoço daquilo que um cavaleiro armado e depois o beijavam.

Símbolos de natureza alquímica ou herdados do hermetismo

A Maçonaria visa treinar Iniciados, isto é, homens no sentido mais belo da


palavra. O maçom deve, portanto, operar sobre si mesmo uma transmutação
semelhante à dos alquimistas.

Atualmente, os últimos alquimistas espirituais são chamados maçons.


Atualmente, em seus templos deístas ou humanistas, eles não fazem a pedra
filosofal. No entanto, deve-se notar que, nas Lojas, é feito uso de enxofre , sal e
mercúrio .

Isso ocorre no Gabinete de reflexão, um pequeno cubículo escuro no qual o


Profano, futuro maçom, passará no primeiro teste simbólico de sua iniciação. Na
parede, encontramos a conhecida máxima alquímica "VITRIOL" (Visita
Interioram Terrae Rectificandoque Invenies Occultum Lapidem), que significa
"Visite o interior da terra e, corrigindo-a, você encontrará a pedra escondida (dos
sábios)".

Este lema se aplicava aos alquimistas operativos em busca da matéria-prima. Em


seu sentido simbólico, aplicava-se aos seguidores espirituais, depois a todos
aqueles que usavam o simbolismo alquímico, como base de sua própria filosofia.

Em nossos locais de iniciação, também encontramos símbolos de origem


alquímica:

- Na pequena mesa onde o Neófito escreve seu testamento filosófico, existem


três garrafas contendo os três elementos básicos de toda transmutação, enxofre ,
sal e mercúrio .

- O galo , símbolo da luz renascida depois da noite. Sua música acompanha o


nascer do dia. Também representa mercúrio alquímico.

A mensagem maçônica desse teste pode ser entendida da seguinte forma: o


futuro Iniciado é apenas uma matéria-prima chamada "pedra bruta" pelos
maçons, que passará pelos testes. Os últimos são chamados de alquimia:
putrefação , coagulação e dissolução . Respectivamente, eles correspondem no
simbolismo maçônico à morte , ressurreição e iniciação .

Existem pontos comuns entre essas duas artes, que são alquimia e maçonaria.
Ambos deixaram uma essência manual (companheirismo para os maçons) e
prática para alcançar uma arte intelectual e espiritual.

Seus símbolos são muito semelhantes e, em mais de uma maneira, o jovem


iniciado Mason poderia encontrar pontos em comum com os seguidores da
filosofia alquímica.

O maçom é o alquimista moderno de uma matéria-prima chamada homem.


Vamos listar as semelhanças:

o Como o adepto, o maçom quer transformar simbolicamente uma pedra


bruta (materia prima) em uma pedra cortada (pedra filosofal, perfeita).
o A matéria-prima, como o leigo, deve passar pelos testes dos quatro
elementos: água, terra, ar e fogo.
o A morte ou putrefação é necessária para obter uma ressurreição
(iniciação, fênix), bem como uma nova vida.
o Antes da iniciação maçônica, o leigo deve se desfazer de seus metais
(impuros), pois a matéria-prima teve que ser purificada várias vezes de
sua infame gangue.
o O quinto elemento alquímico, a quintessência, é encontrado na Iniciação,
possibilitado pelos quatro elementos, mas também se pode dizer que ele
é encontrado na egrégora maçônica.

Pode ser definido da seguinte forma: consenso mágico de que a soma coletiva
dos pensamentos expressos é maior que a soma individual dos pensamentos dos
membros do grupo.

Essa idéia é encontrada na Bíblia quando está escrita: "Quando vocês dois
pensarem em meu nome, estarei entre vocês". Egregore é, portanto, uma forma
de quintessência espiritual.

o Por mais que os filósofos alquimistas desejem alcançar total harmonia


com o mundo natural, os maçons também desejam alcançar uma
Iniciação sempre renovada para uma perfeita harmonia da humanidade.

Os maçons afirmam ser os alquimistas modernos da sociedade. Muito antes do


nosso tempo, os chamados Rose-Croix perseguiam o mesmo objetivo.

Assim, três símbolos maçônicos, que têm seu lugar e sua importância no
Gabinete de Reflexão, são de natureza alquímica ou herdados do hermetismo:
representações de sal , enxofre e mercúrio .

De acordo com Ambelain , autor do simbólico das ferramentas na arte real ,


foram os rosacruzes que entraram conscientemente nas lojas maçônicas nos
séculos XVII e XVIII e que introduziram o hermetismo e a alquimia ali .

Para Daniel Béresniak , “ A Grande Obra Alquímica e a Construção do Templo


são, na realidade, alegorias no espelho. Eles projetam um no outro. Eles
significam a arte de tornar o homem alienado, um escravo de suas paixões, um
homem livre de seus atos, capaz de distinguir entre ação e reação. O objetivo
da alquimia é, portanto, salvar o homem de sua escravidão ”.

Sal

O sal tem sido um dos elementos básicos da alquimia, a ciência da transmutação,


juntamente com o enxofre e o mercúrio. A esse respeito, geralmente é atribuído
um caráter "neutro", estabilizador e reequilibrador.
Do ponto de vista simbólico, o sal precisava estar presente no ritual de iniciação
dos maçons, que é parte de uma dinâmica de transformação do ser. É por isso
que o encontramos no Gabinete de Reflexão, durante a primeira Iniciação, que
faz passar um homem do mundo profano para o mundo sagrado dos Iniciados.

O sal é um dos primeiros elementos oferecidos à visão de futuro iniciada no


coração do Gabinete de Reflexão, onde ele escreve sua vontade simbólica. É a
pedra inicial que pavimenta o caminho da iniciação, a primeira percepção da
respiração que a acompanhará no silêncio que lhe é oferecido e que aprenderá,
se tem capacidade e se a aceita, ouvir d primeiro depois escute.

O sal simbólico que repousa no coração da Terra, a primeira jornada real de


iniciação, vem na forma cristalina do nosso sal de cozinha. Mas, essa imagem,
como todos os nossos símbolos, é uma representação de elementos com
significados mais complexos. A abordagem maçônica envolve não insistir nas
aparências, mas buscar, como Rabelais disse, a "medula substancial" das coisas,
o significado oculto por trás dos véus da primeira forma.

Assim, entender o sal, como o de todos os símbolos maçônicos, oferece ao novo


aprendiz as ferramentas de analogia que lhe permitirão acessar seus significados.

O sal é geralmente por excelência, por sua função principal, o símbolo da


hospitalidade. É, portanto, imediatamente parte do espírito de irmandade que
inicialmente caracteriza a Maçonaria.

Mercúrio

Corpo simples, prateado, líquido à temperatura ambiente, o mercúrio é um metal


considerado por muito tempo um dos principais elementos da vida. Como tal,
pertence automaticamente ao simbolismo alquímico, para o qual a transmutação
é uma ação fundamental.

No universo maçônico, ainda envolto em sua dimensão hermética, o mercúrio


desempenha um papel significativo nos rituais de iniciação. Esta é a razão pela
qual se encontra no Gabinete de Reflexão, onde o indivíduo deve entrar durante
a iniciação, na companhia de enxofre (princípio masculino) e sal em que os dois
anteriores se encontram.

Enxofre

O enxofre é considerado o princípio energético que, por sua ação sobre o


mercúrio, participa da Grande Obra.

Simbolicamente, representa o Espírito que age sobre a matéria. Assim,


assimilamos à criação, ao sol, ao positivo, ao caráter masculino.

Como princípio ativo da alquimia, o enxofre tinha que estar presente no


processo de iniciação dos maçons, que concebe a elevação espiritual e
intelectual do iniciado apenas em sua transformação permanente. É por isso que
o enxofre é encontrado no Gabinete de Reflexão, o primeiro passo decisivo em
uma longa série de provações, onde o postulante realmente faz contato com o
universo sagrado dos Iniciados e gradualmente se vê desapegado do mundo
profano. Desse ponto de vista, o enxofre é considerado de certa forma o núcleo
incandescente, gerador de energias, a partir do qual desenvolverá a dinâmica
maçônica que animará a trajetória do iniciado ao longo de sua vida.

Para Irene Mainguy , sal, enxofre e mercúrio são três princípios herméticos,
puramente simbólicos. O enxofre é um símbolo do espírito, mercúrio, alma, sal,
símbolo da sabedoria e do conhecimento. Eles estão dispostos em um copo, que
é o símbolo ideográfico da descida ao centro, tronco invertido do cone; é no
fundo do copo que os resíduos são depositados.

Este alquímico ternário, sal, enxofre e mercúrio, reunidos no Gabinete de


Reflexão, não está falando imediatamente com o Destinatário, sem saber que ele
tem todo o conhecimento hermético. Segundo o hermetismo, relacionado à
Grande Obra e à transmutação de metais, tudo é composto de enxofre, mercúrio
e sal.

O enxofre ternário alquímico, mercúrio e sal, podem ser combinados com o


espírito ternário, a alma e o corpo.

Também presentes no gabinete de reflexão, símbolos como a ampulheta e a


foice são mais universais e sua respectiva fonte permanece indeterminada.

Símbolos de origem propriamente maçônica

Restam os símbolos de origem propriamente maçônica, que são o Gabinete de


Reflexão , a Cadeia de União ou mesmo os Três Passos do Aprendiz .

O Gabinete de Reflexão

O Gabinete de Reflexão se apresenta como uma espécie de câmara de ar entre


dois mundos onde o futuro Iniciado retira os aspectos profanos de seu ser para se
tornar receptivo à Luz de Iniciação que lhe será oferecida. O objetivo é isolar o
destinatário de seu ambiente familiar, separá-lo do mundo secular. Durante esse
isolamento, ele é confrontado com quatro fatores ambientais: silêncio, solidão,
imobilidade e escuridão. Esses fatores devem favorecer seu confronto consigo
mesmo, porque de repente ele se encontra em um universo desconhecido que ele
pode perceber como hostil.

O Gabinete de Reflexão simboliza uma descida interior para o centro da terra. A


transição de um ciclo para outro é realizada no escuro, o que também
corresponde a uma mudança de estado. Esse condicionamento é explicado pela
necessidade de estar ciente da força real de suas convicções em seus
compromissos vitais.

Este local de meditação, que encena tudo relacionado à morte, permite que todos
façam uma incursão em seu túmulo antes do tempo! É por isso que ele deve ser
enterrado na terra, o que é ainda mais perceptível se o gabinete estiver localizado
nas adegas.

O Gabinete de Reflexão convida o postulante a morrer para si mesmo para


renascer e o incita a continuar o curso de sua existência, retificando, a fim de
despertar sua consciência para outra dimensão para dar outro sentido à sua vida.
Esse momento privilegiado de meditação torna possível fazer um balanço do
passado e realizar antecipadamente uma morte simbólica virtual, devendo essa
passagem levar a um novo começo.

A cadeia da união

Os Irmãos reunidos ritualmente e formando uma corrente ao redor da Mesa de


Lojas levam o nome de Cadeia de União, que é praticada "longa" ou "curta", de
acordo com a importância da assembléia.

Para Irène Mainguy , “ a Cadeia da União é um gesto ritual, uma conexão


ativa pela união das mãos de todos os participantes de uma Loja, ao contrário
da corda atada com a qual é frequentemente confuso e que é uma representação
estática ”.

As mãos devem ser removidas para otimizar o contato e eliminar qualquer tipo
de material isolante que possa prejudicar a qualidade dessa preciosa comunhão.
A Cadeia de União é vivida por todos os membros presentes, sem distinção de
categoria. É constituído opcionalmente antes do Encerramento das Obras e
obrigatoriamente para a incorporação de um novo Aprendiz na Loja.

Para Irene Mainguy , a Union Union cumpre o duplo papel de um escudo


protetor e de um transmissor / receptor de influências benéficas para cada
pedreiro. Simboliza como deve ser uma irmandade humana permanente e
profunda na terra. Essa cadeia une os maçons fora do espaço e do tempo. O
mundo das aparências mantém os seres fisicamente prisioneiros, mas os espíritos
são livres além dos muros do templo, das fronteiras e dos mares, as mãos unidas
em uma cadeia de união estabelecem a sustentabilidade da irmandade, que deve
reinar entre todos os lados a terra.

Para Guy Boisdenghien , a Union Union, composta por uma série de anéis
engajados um no outro, é o emblema da ação conjunta . Na Maçonaria, assume
a forma teórica do Círculo (Céu) e as mãos entrelaçadas passam de Irmão para
Irmão o influxo combinado da Loja .

Para Christian Guigue , a Cadeia de União é uma comunhão espiritual


coletiva realizada pelos irmãos presentes, ligados física e imaterialmente pela
alma e pelo coração uns dos outros. É essa conjunção específica que chamamos
de egregore . Causa o choque vibracional de uma energia "espiritual" pela
realização do círculo triplo simbólico, pela corrente constituída nos três níveis e
planos particulares.

A Cadeia de União é a materialização da solidariedade , da fraternidade que


une os maçons.

Quando todas as condições são atendidas intencionalmente, flui entre os


participantes como uma corrente magnética real , um regulador de energia .
Quando a Loja funciona bem, quando o Venerável constrói unidade em sua
Oficina, há "uma corrente que passa". Um fenômeno é criado, sendo que cada
link é transmissor e receptor.

Os três passos do aprendiz

Cada grau de alvenaria simbólica é caracterizado por uma etapa diferente que é
evocada pela expressão " tomar as medidas " e que é obrigatória ao entrar na
loja individualmente. A Marcha , acompanhada de sinais especiais em cada
nível, é obrigatória para todos os Maçons que entram em uma Loja quando as
Obras estão abertas.

Dar passos é colocar os dois pés em ângulo reto, dar um passo à frente, voltar
ao quadrado três vezes sucessivas. Qualquer pedreiro que entre no templo após a
abertura das obras deve andar ritualmente. A cada passo, o segundo pé se junta
ao pé colocado para a frente, em ângulo reto.

A caminhada de três etapas é a do aprendiz. Colocada como outros símbolos do


Primeiro grau sob o reinado do Número três, a Caminhada do Aprendiz
raramente é praticada. Acompanhado pelo Sinal da Ordem, ele só ocorre quando
um Irmão chega muito tarde durante a Roupa ou durante a introdução ritual de
uma delegação de visitantes ou dignitários. É sempre lembrado durante a
cerimônia de iniciação de um leigo.

Os símbolos herdados da Cabala

A origem judaico-cristã de certos símbolos maçônicos é mais do que clara. Eles


também misturam elementos da alquimia e da cabala de acordo com as notas.

A Cabala , às vezes escrita Cabbalah , é uma tradição esotérica do judaísmo,


apresentada como a "Lei Oral e Secreta" dada por YHWH a Moisés no Monte
Sinai, juntamente com o "Direito Público e Escrito" que chamamos " a Torá ”.

A palavra " Kabbalah " ( Qabalah em hebraico) significa "recepção". É,


portanto, sobre a sabedoria de receber. O termo às vezes é interpretado como
"tradição". O cabalista é, portanto, quem recebeu ( Qibel ) a tradição. A palavra
"Kabbalah" não designa um dogma, mas uma corrente dentro do judaísmo e um
estado de espírito .

Dizem que os maçons entraram em contato com a Kabbalah judaica através do


intermediário da Kabbalah cristã, uma Kabbalah revisitada a partir do século XV
por humanistas renascentistas, de Pic de la Mirandole a Guillaume Postel .

A Cabala pretende ser uma ferramenta para ajudar a entender o mundo no


sentido em que incita a modificar nossa percepção do mundo (o que chamamos
de "realidade", apesar da subjetividade de nossa percepção). Para fazer isso, a
Kabbalah fornece a seus seguidores um diagrama sintético: a Árvore da Vida ou
a Sephiroth, e outras chaves de leitura para vários trabalhos, bem como uma
profusão de conceitos (graus de significado, contração, etc.)

Oferece respostas para perguntas essenciais sobre a origem do universo, o papel


do homem e seu futuro. O objetivo é ser uma ferramenta para trabalhar consigo
mesmo e um meio de entender outros sistemas de pensamento.

A Maçonaria tradicional teria emprestado da Cabala o simbolismo do fogo .

Fogo

Na filosofia chinesa, o fogo é um dos cinco elementos, além de metal, água,


madeira e terra. Entre os alquimistas ocidentais, é um dos quatro elementos
inertes básicos que compõem cada matéria com água, ar e terra, de acordo com
os ensinamentos anteriores de Aristóteles. O fogo é um elemento central de
várias doutrinas baseadas nos quatro elementos. O fogo está naturalmente
associado ao Sol, que também é uma fonte de calor e luz. O fogo também é um
símbolo de purificação.

O fogo continua sendo um dos maiores símbolos por causa de seu significado e
papel. De origem divina, vinda do céu, anima, vivifica e espiritualiza. É um
ótimo tema iniciático, sendo a Luz emanada do Fogo.
A importância do fogo é revelada na gnose cristã, na esotérica sufi, mas também
na Cabala.

Símbolos de origem associada

A origem companheira da Maçonaria é uma das teses divulgadas pelos


historiadores. De fato, encontramos na Maçonaria a maioria dos símbolos
usados por mais de mil anos pelos Compagnons du Devoir. As notas
permaneceram as mesmas por muito tempo: Aprendizes, Companheiros e
Mestres.

Os símbolos e rituais da Maçonaria e do Companheirismo são muito diferentes,


embora tenham alguns elementos em comum. Assim, a praça e a bússola são as
insígnias das duas fraternidades.

O quadrado e a bússola , o maço e o cinzel , o nível e o prumo , a régua e a


alavanca , a espátula estão entre os símbolos que vêm do companheiro.

Como os ritos, os símbolos variam de uma sociedade para outra e de uma


profissão para outra. Eles definem a identidade adequada de cada companhia e
expressam seus valores e princípios: a bengala, as fitas, o apelido têm um forte
valor simbólico quanto à tradição da Companhia.

Outros símbolos que ainda hoje encontramos representados em todos os lugares,


em nossas casas, em nossas igrejas, em monumentos, é claro, a famosa Bússola
cruzada com a Praça, o templo de Salomão, mãos entrelaçadas, as bengalas
dispostas em uma cruz e talvez menos conhecidas as palmas das mãos, o
labirinto, o cachorro, as abelhas e a colméia ou a coroa de flores ...

As cores

O simbolismo das cores diz respeito ao historiador, ao sociólogo, ao psicólogo,


ao estilista, mas também a todos aqueles que seguem uma jornada espiritual
pessoal. Uma literatura abundante é dedicada a ele, e em campos muito variados,
do simbolismo esotérico ao símbolo gráfico e passando pela arte religiosa e
companhia. De acordo com os campos, lugares ou épocas, os significados das
cores são semelhantes ou diferentes, até contraditórios, porque cada civilização,
cada grupo, forjou um simbolismo emanado de sua própria cultura.

As cores ocupam um lugar excepcional no simbolismo tradicional desde o início


da humanidade. Eles tinham o mesmo significado entre todos os povos dos
tempos antigos. Essa conformidade indica uma origem comum que está ligada
ao berço da humanidade e encontra sua energia mais alta na religião da Pérsia.
Sua língua, intimamente ligada à religião, passa pela Índia, China, Egito, Grécia,
Roma ... reaparece na Idade Média, e os vitrais das catedrais góticas encontram
sua explicação nos Vedas [4]. e as pinturas dos templos egípcios!

Os formulários
O simbolismo das figuras geométricas é o estudo das figuras geométricas
(ponto, linhas, superfícies, volumes) como símbolos, na sua capacidade de
designar, de significar ou até de agir.

O simbolismo das figuras geométricas diz respeito às dimensões como símbolos,


em seu poder de representar analogicamente, a serem interpretadas, portadoras
de significado e valores, além do aspecto prático ou científico.

Entramos no estudo de figuras geométricas como símbolos (simbologia   [5] ) ou


como sistemas (simbólicos) ou no exame de sua capacidade de designar,
significar e até exercer influência (simbolismo).

Toda figura geométrica em geral tem seu simbolismo. Representa os limites, a


extensão das coisas. A esfera representa o ambiente perfeito; o círculo representa
o espaço fechado.

Por simbolismo de figuras geométricas, entendemos a capacidade de uma figura


de designar algo diferente de si mesma. Por exemplo, o círculo transmite o
simbolismo da perfeição. O simbolismo das figuras, portanto, diz respeito à sua
capacidade de representar: não apenas para significar seres ou pensamentos,
talvez para agir, influenciar, ativar mentes ou coisas, mas também para ser
interpretado. O simbolismo é, portanto, o poder de uma coisa designar,
significar, revelar.

Um simbólico é um conjunto, um sistema de símbolos. O simbolismo das


figuras diz respeito ao sistema que significa figuras: por um lado, elas formam
um sistema, um todo, um todo, um complexo; por outro lado, cada um entra em
uma rede de símbolos, forma uma constelação com outros símbolos (cada um
chama seu oposto, seu fim, etc.).

Vamos examinar algumas figuras muito presentes no simbolismo maçônico.

O triângulo

Esta figura pertence ao simbolismo do número três. Assim, pode ser investido de
significados com conotação pitagórica e, possivelmente, colocado em relação a
outras figuras geométricas. No simbolismo da Maçonaria, que dá um lugar
importante a essa figura e onde é qualificado, por exemplo, como um Delta
luminoso ou um triângulo sublime, o triângulo pode até, dependendo de sua
espécie, corresponder a um elemento: a água é associado ao triângulo retângulo;
a terra, no triângulo equilátero; fogo, com um triângulo isósceles; e o ar no
triângulo escaleno ...

O triângulo também pode, e de maneira mais trivial, se encontrar cada vez que
se trata de simbolizar tríades. É o caso, por exemplo, do simbolismo republicano
(" liberdade - igualdade - fraternidade "), mas também do cristianismo, onde
essa figura hoje é comumente associada à Trindade.

No entanto, é interessante notar que o triângulo não é frequentemente


representado nos primeiros monumentos cristãos, numa época em que a
relutância em representar Deus diretamente era importante e onde, se poderia
imaginar, o triângulo poderia ter oferecido uma alternativa conveniente .

No esoterismo, o triângulo simboliza o fogo, o coração, o sexo masculino e a


espiritualidade quando aponta para cima. Quando aponta para baixo, representa
o sexo feminino, a água e a fertilidade.

The Square

Uma figura perfeita que evoca estabilidade e solidez, o quadrado é um dos


quatro símbolos mais universais, junto com o círculo, o centro e a cruz. A praça
é o emblema do mundo que foi criado, equilibrado e fixo. É também o emblema
da natureza em oposição ao incriado e ao criador. Esta figura geométrica evoca a
progressão realizada do evento.

Resume o simbolismo do número quatro, a ordem do Universo e a necessária


oposição dos opostos. É um símbolo de unidade, completude e equilíbrio das
quatro funções psíquicas: pensamento, sensação, intuição, sentimento.

Representa a perfeição da Criação, a ordem do mundo, segurança, equilíbrio,


harmonia, rigor moral. Simboliza a Terra e o cosmos.

Símbolo em relação à terra, o quadrado é uma figura fixa em seus quatro lados,
que impede o fluxo de energia, diferentemente do círculo. Isso pode indicar uma
parada, especialmente com o tempo. Tentativa de estabilizar, medo do
desconhecido, solidificação, estagnação, o quadrado evoca a matéria, uma
necessidade de aperfeiçoar o momento presente e, assim, interromper as
reminiscências do passado.

Na arquitetura sagrada, o quadrado é frequentemente associado ao círculo para


expressar a dualidade céu-terra.

Eu passo em silêncio a figura característica do segundo grau, a do grau de


Companheiro.

Números

A origem do número está provavelmente ligada a uma necessidade de


apropriação. Contar é medir, medir a extensão de um ativo: contar o número de
cabeças de um rebanho, medir uma parcela de terra, qualificar uma proporção. A
contagem envolve uma série de processos intelectuais que, embora naturais em
nosso tempo, não são tão óbvios quanto isso! Portanto, para contar o número de
animais em um rebanho, ainda é necessário qualificar o que é semelhante ao que
é diferente, ou seja, selecionar e discriminar, portanto, classifique os objetos por
família, raças, semelhanças, diferenças, analogia; em outras palavras, estruturar
o pensamento .

A aritmética ou operação em números é uma etapa posterior que permite, a partir


da contagem, fazer operações não mais no real, mas no próprio número.
Outra propriedade dos números é a de caracterizar ritmos , com base em fatos
recorrentes. É a medida do tempo, é o ciclo das estações, mas também é a
possibilidade de prever de acordo com o conhecimento real ou suposto dos
ritmos da natureza.

E, finalmente, o número pode caracterizar a harmonia , a proporção entre as


coisas, o equilíbrio que também é justiça.

A linguagem dos números é, portanto, uma linguagem universal que torna o


universo perceptível, inteligível ao pensamento humano.

De fato, há números por toda parte na Maçonaria, começando com o símbolo


ternário (triângulo ou pirâmide), imagem simbólica por excelência de tudo que
é pedreiro.

O Número três , o mais usado de todos os números maçônicos, é representado


por uma infinidade de símbolos: as três Grandes Luzes (Volume da Lei sagrada,
Quadrado, Bússola), pelo Triângulo divino que representa ao mesmo tempo os
três mundos ( matéria, espírito, alma) e sua unidade, mas também as três
dimensões do espaço. A isto podemos acrescentar que os três graus da
Maçonaria Azul, que são os graus de Aprendiz, Companheiro e Mestre, são
estabelecidos pela revelação progressiva da quadratura hermética do círculo
universal.

O número cinco é o meio, o eixo central dos nove primeiros números. Essa
posição faz dele o símbolo da união, harmonia, equilíbrio e conquista, mas
também de uma noção menos óbvia: a da perfeição. Os cinco representam o
universo, um centro onde um eixo vertical e um eixo horizontal se cruzam. Essa
cruz (os quatro) se torna o símbolo da radiação de energia (os cinco), que sai do
centro e se espalha pelos quatro cantos do mundo, em direção aos quatro pontos
cardeais.

O número cinco também representa a energia da união da mente e da matéria: é


a soma do primeiro número par (2) e do primeiro número ímpar (3). Esse
casamento do princípio celestial 3 e do princípio terrestre da mãe 2 nada mais é
do que a união do céu e da terra.

Se o misticismo toca as harmonias do coração, a Maçonaria e seu simbolismo


tocam as harmonias da estrutura do mundo, portanto, na extensão do universo,
tanto em suas formas (geometria) quanto nas relações matemáticas que mantêm
entre eles seus componentes (aritmética divina). É assim que o Templo de
Salomão deve refletir esse universo e que, buscando a Luz, qualquer maçom é
capaz de desvendar os segredos das leis universais que governam esse templo. O
corpo humano é a imagem secreta e o santuário.

É por isso que a Iniciação e os ensinamentos da Maçonaria estão tão


intimamente ligados à sabedoria dos filósofos gregos como Platão e Pitágoras .

No que diz respeito ao Número sete , os Trabalhadores da Grande Obra


adquirem Força através do estudo dos sete símbolos iniciáticos fundamentais;
eles alcançam a beleza através da prática das sete artes liberais ou ciências
liberais; eles alcançam a sabedoria pelas sete virtudes maçônicas.

Mas o número sete também evocaria sete outras virtudes: as três virtudes
teológicas (que têm Deus por objeto) e as quatro virtudes cardeais, que são as
virtudes essenciais e fundamentais.

Para concluir, pelo menos temporariamente ...

O caminho dos símbolos é um caminho de liberdade, onde todos estabelecem


seus próprios limites, que podem variar conforme o interior evolui, mas que
ninguém mais pode conhecer. Nesse caminho, cada um avança em seu próprio
ritmo, para e recomeça de acordo com sua conveniência, e encontra apenas o
que lhe convém - ou mais precisamente, dá origem à sua própria consciência o
que ele tinha inconscientemente.

Para entender o que é um símbolo, você deve primeiro perceber que ele tem
mais a intenção de ser sentido do que explicado, observado e analisado.

É por isso que, quando escrevi essas poucas páginas, meu objetivo não era impor
nada, mas propor; não para mostrar, mas para sugerir. Assim, pode nascer, para
alguns, uma vibração em harmonia com a expectativa interior, às vezes
inconsciente.

A:. F:. AB

[1] Literalmente, "aquele que é colocado no começo" do caminho.

[2] A cosmogonia (do grego cosmo- "mundo" e gon- "engendrar") foi, em 1762,
definida pelo Dicionário da Academia Francesa , como "ciência ou sistema de
formação do universo".

[3] Coomaraswamy AK, O simbolismo da espada, em Etudes Traditionnelles n °


217, janeiro de 1938, pp. 11 a 17.

[4] O Veda é um "conhecimento revelado" transmitido oralmente de brâmane


para brâmane dentro do Vedismo, Brahmanismo e Hinduísmo até os dias atuais.
Esse conhecimento, agora reunido em um conjunto de textos, teria sido revelado
ao ouvir os sábios indianos chamados Rishi . Os hindus acreditam que o Veda é
eterno e único.

[5] Simbologia é a teoria dos símbolos.

Bibliografia

Ambelain Robert - simbólico das ferramentas na arte real

Edimaf Editions, Paris, 1996

 
Baudouin Bernard - Dicionário de Maçonaria

Edições De Vecchi, Paris, 1995

Behaeghel Julien - Símbolos e Iniciação Maçônica

Editions du Rocher, Mônaco, 2002

Béresniak Daniel - Ritos e Símbolos da Maçonaria

Volume I: "Les Loges Bleues" - Edições Detrad, Paris, 1997

Berteaux Raoul - O simbolismo do posto de Aprendiz

Edimaf Editions, Paris, 1986

Boucher Jules - simbolismo maçônico

Edições Dervy, Paris, 1995

Chevalier, Jean e Gheerbrant Alain

Dicionário de símbolos

Mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números

"Livros" - Edições Robert Laffont, Paris, 1982

Coletivo - Enciclopédia da Maçonaria

Edições E. Saunier, Le livre de Poche, Paris, 2002

Dachez Roger - História da Maçonaria Francesa

O que eu sei PUF, Paris, 2003


 

Danielou Jean - símbolos cristãos primitivos

1961

Anuncie Marie e Caradeau Jean-Luc

Símbolos maçônicos iluminados por suas fontes antigas

Edição de Trajetórias, 2009

Ferré Jean - Dicionário de símbolos maçônicos

Editions du Rocher, Mônaco, 1997

Girard, Marc - Símbolos na Bíblia

Pesquisas de novas séries, 26

Edições Cerf - Bellarmin, Montreal, 1992

Mainguy Irene

O simbólico maçônico do terceiro milênio

Edições Dervy, Paris, 2001

Negrier Patrick - símbolos maçônicos de suas fontes

Edições Teletes, Paris, 1998

Sédillot Carole e Zana Elisabeth - ABC do símbolo

Edições Jacques Grancher, 2007

 
Signier Jean-François e Thomazo Renaud - Sociedades secretas

Edições Larousse, 2005

Trévoux Guy - A origem dos ritos e símbolos maçônicos

Mônaco, Edições do Rocher, 2002