Você está na página 1de 4

ITB BRASÍLIO FLORES DE AZEVEDO

Figuras de linguagem
Profa. Lídia Lerbach

Comparação: É a comparação direta de qualificações entre Ironia: Consiste na inversão de sentido: afirma-se o contrário
seres, com o uso do conectivo comparativo (como, assim do que se pensa, visando à sátira ou à ridicularização. Ex.
como, bem como, tal qual, etc.). Ex.: Minha irmã é bondosa Adoro ficar em fila de banco!
como um anjo.
Metáfora: Assim como a comparação, consiste numa relação Anáfora: consiste na repetição da mesma palavra no início
de semelhança de qualificações. É, porém, mais sutil e exige dos versos. Ex.: “Grande no pensamento, grande na ação,
muita atenção do leitor para ser captada, porque dispensa os grande na glória, grande no infortúnio, ele morreu
conectivos que aparecem na comparação. Ex: Minha irmã é desconhecido e só." (Rocha Lima)
um anjo.
Prosopopeia (ou personificação): é a atribuição de
características humanas a seres não-humanos. Ex.: A velha Aliteração: consiste em repetir sons consonantais idênticos
árvore chorava suas derradeiras lágrimas. ou semelhantes em um verso. ex.: Vozes veladas /
veludosas vozes.
Catacrese: É o emprego de um termo figurado por falta de
um termo próprio para designar determinadas coisas. É uma
metáfora desgastada pelo uso excessivo. Ex. O braço do Assonância: consiste em repetir sons de vogais idênticos ou
sofá. Dente de alho. Embarcar no ônibus, trem, metrô, avião. semelhantes em um verso. ex.: "As mãos do mar que vêm e
Metonímia: É a utilização de uma palavra no lugar de outra, vão, / As mãos do mar pela areia / Onde os peixes estão. /
mas ambas têm entre si alguma relação de sentido, como As mãos do mar vêm e vão / Em vão. / Não chegarão / Aos
abaixo: peixes do chão.
- O autor pela obra: Você já leu Camões (algum
livro de Camões)? Paronomásia: é a utilização de palavras parônimas num
- O efeito pela causa: Com muito suor, construíram enunciado. Por exemplo, os trocadilhos. Ex. O cavaleiro é um
sua casa. (Construíram com trabalho que causa o cavalheiro.
suor)
- O instrumento pela pessoa que dele se utiliza: Gradação: É a maneira ascendente ou descendente como as
Os microfones foram atrás dos jogadores. (Os ideias podem ser organizadas na frase. Ex.: De repente o
repórteres foram atrás dos jogadores.) problema se tornou menos alarmante, ficou menor, um grão,
- O recipiente (continente) pelo conteúdo: Jonas um cisco, um quase nada.
já bebeu duas garrafas de uísque (ele bebeu, na
verdade, o conteúdo de duas garrafas de uísque);
Paralelismo: Genericamente, PARALELISMO significa toda
- O símbolo pelo que ele simboliza: O povo
a forma de construção que reproduz um mesmo esquema,
aplaudiu as medidas tomadas pela Coroa (a coroa,
sobretudo se trata-se de correspondências verticais entre as
aqui, é símbolo da monarquia, do rei).
frases. ex.: "Com estrelas na alma, com visões na mente";
- O lugar pelo produto: Ele sempre fuma um
Havana. (charuto produzido em Havana).
- A parte pelo todo: Mãos e braços se agitavam na Hipérbato: é a troca na sequência normal dos termos da
multidão (na verdade, eram as pessoas que oração, há uma inversão da ordem direta dos termos. Ex.
agitavam suas mãos e braços). Ouviram do Ipiranga às margens plácidas, de um povo
- O abstrato pelo concreto: A juventude de ontem heroico o brado retumbante …”
não pensa como a de antigamente (Os jovens de A sequência lógica seria:“Ouviram o
hoje...) brado retumbante de um povo heroico, às margens plácidas
do Ipiranga. 
- O singular pelo plural: O paulista adora trabalhar
(Os paulistas...)
- A marca pelo produto: usa-se o nome da marca Apóstrofe: uso de vocativo para dar ênfase ao verso. Ex. “Ó,
para referir-se ao produto. Ex. Bombril, chiclete, mar salgado,/ quanto do teu sal / são lágrimas de Portugal.”
danone...
- A matéria pelo objeto: Você tem fogo (isqueiro)? Perífrase / Antonomásia: expressão que substitui o nome
Sinestesia: É a figura que proporciona a ilusão de mistura de de algo / alguém. (apelidos). Ex. O rei do rock (Elvis Presley).
percepções, mistura de sentidos. Ex.: Você gosta de cheiro- A cidade luz (Paris). O país do futebol (Brasil).
verde [cheiro=>olfato / verde=>visão]; Que voz aveludada ela
tem. [voz=>audição / aveludado=>tato]. Elipse: é a omissão de um termo ou de uma oração inteira,
Eufemismo: É uma maneira de, por meio de palavras mais que fica subentendida pelo contexto. Ex. Como estávamos
polidas, tornar mais suave e sutil uma informação de cunho com pressa, preferi não entrar. (Nessa frase, houve a
desagradável e chocante. Ex.: Infelizmente ele se foi (em vez omissão dos pronomes nós e eu, sujeitos, respectivamente,
de ele morreu). de “estávamos” e “preferi”).
Hipérbole: uso intencional do exagero na expressão das
ideias. Ex.: Estou morrendo de sede.
Zeugma: é um tipo de elipse, mas aqui omite-se um termo
Antítese: É a aproximação de palavras ou expressões que que já apareceu antes na frase. Ex. Eu gosto de gatos, meu
exprimem ideias contrárias, adversas. Ex.: E Carlos, jovem namorado, de cachorros. (omitiu-se o verbo ‘gosta’)
de idade e velho de espírito, aproximou-se.

Silepse: é a concordância ideológica entre os termos de uma


Paradoxo ou Oxímaro: É a fusão de conceitos opostos num oração, isto é, a concordância não de acordo com a
mesmo enunciado. Ex.: “Incêndio em mares de água gramática, mas sim com o sentido ideológico. Há 3 tipos:
disfarçado! / Rio de neve em fogo convertido” (Gregório de
Matos)
- de gênero: Vossa excelência é muito justo, cumpre com frase se inclui no verbo que concorda com a ideia de
as normas e as leis. (o termo justo concorda está n o “nós’).
masculino, concordando com a pessoa a quem se refere,
não com a expressão feminina, V. Excelência).
Polissíndeto: repetição enfática dos conectivos. Ex. "Deus
criou o sol e a lua e as estrelas. E fez o homem e deu-lhe
- de número: A população chegou agitada ao comício, inteligência e fê-lo chefe da natureza."
levavam cartazes e apitos. (o verbo concorda com a ideia
de que são muitas pessoas).
Assíndeto: é a ausência dos conectivos entre as orações
coordenadas. Ex."Vim, vi, venci.”
- de pessoa: O problema é que os três queremos
comemorar o aniversário no mesmo dia. (aqui o autor da

EXERCÍCIOS

01. (VUNESP) No trecho: "...dão um jeito de mudar o e) Prosopopeia


mínimo para continuar mandando o máximo", a figura de
linguagem presente é chamada: 07. “Eu já lhe disse um bilhão de vezes para não exagerar
a) metáfora
quando falar!”
b) hipérbole
c) hipérbato a) comparação
d) anáfora b) hipérbole
e) antítese c) apóstrofe
   d) hipérbato
02. (PUC - SP) Nos trechos: "O pavão é um arco-íris de e) metonímia
plumas"
a) metáfora “Ó não guardes, que a madura idade
b) comparação te converta essa flor, essa beleza,
c) metonímia em terra, em cinzas, em pó, em sombra, em nada.”
d) hipérbole (G. de Matos)
e) anáfora
08. Pode-se destacar nos versos acima a ocorrência de:
  
03. (PUC - SP) Nos trechos: "...nem um dos autores a) metáfora
nacionais ou nacionalizados de oitenta pra lá faltava nas b) paradoxo
estantes do major" e "...o essencial é achar-se as palavras c) gradação
que o violão pede e deseja" encontramos, respectivamente, d) polissíndeto
as seguintes figuras de linguagem: e) eufemismo
a) prosopopéia e hipérbole;
b) hipérbole e metonímia;
09. Em "o meu olhar é nítido como um girassol", a
c) perífrase e hipérbole;
d) metonímia e eufemismo; expressão "como um girassol" denota circunstância de:
e) metonímia e prosopopéia. a) metáfora
b) antonomásia
04. Nos versos abaixo, ocorrem as figuras de linguagem: c) onomatopeia
Vibram d) comparação
ventos vermelhos nas folhas e) antítese
de fibra.
(G. Rosa)
10. Assinale a alternativa em que ocorre anáfora:
a) assonância e silepse;
b) aliteração e sinestesia; a) "Água de fonte ........ água de oceano ........ água de
c) metonímia e sinestesia; pranto. (Manuel Bandeira)
d) metáfora e assonância; b) "A gente almoça e se coça e se roça e só se vicia."
e) anáfora e aliteração. (Chico Buarque)
c) "Ouço o tique-taque do relógio: apresso-me então."
05. (CESGRANRIO) Na frase "O fio da ideia cresceu, (Clarice Lispector)
engrossou e partiu-se" ocorre processo de gradação. Não d) "Minha vida é uma colcha de retalhos, todos da mesma
há gradação em: cor." (Mário Quintana)
a) O carro arrancou, ganhou velocidade e capotou. e) O nosso amor é uma mentira. (Cazuza)
b) O avião decolou, ganhou altura e caiu.
c) O balão inflou, começou a subir e apagou. 11. Analise as metonímias abaixo e indique qual resposta
d) A inspiração surgiu, tomou conta de sua mente e não possui coerência.
frustrou-se. a) Em “Tinha cinco bocas para alimentar”, indica-se a parte
e) João pegou de um livro, ouviu um disco e saiu. pelo todo.
   b) Em “Dê-me dois maços”, pede-se o continente (maço)
06. Assinale a figura de linguagem predominante no pelo conteúdo (cigarro).
seguinte trecho: c) Em “Comprei um Portinari”, há uma troca do autor pela
A engenharia brasileira está agindo rápido para combater a obra.
crise de energia. d) Em “O homem ficou sem teto”, indica-se a causa pela
a) Metáfora. conseqüência.
b) Metonímia. e) Em “Tomavam um Porto”, tem-se o lugar pelo produto.
c) Eufemismo.
d) Hipérbole.
12. Na frase, “Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda.”,
temos aqui a seguinte figura de linguagem, típica do i) A Amazônia é o pulmão do mundo.
Barroco:
a) antítese j) Esta empresa não contará mais com os vossos serviços.
b) pleonasmo
c) elipse k) “Meu bem querer
d) hipérbole É segredo, é sagrado
e) gradação Está sacramentado
Em meu coração”
13 “Vozes veladas,veludosas vozes,
Volúpias dos violões, vozes veladas, l) Há dois dias meu telefone não fala, nem ouve, nem toca,
Vagam nos velhos vórtices velozes nem tuge, nem muge.” (Rubem Braga)
Dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas.”
m) As mulheres somos mais fortes do que vocês pensam.

No texto de Cruz e Sousa temos exemplo de: n) Essa é a violenta Rio de Janeiro.
a) paralelismo e anáfora
b) versos brancos o) A dupla de cantores foram recebidos sob gritos e
c) eufemismo e sinestesia aplausos dos fãs.
d) aliteração e sinestesia
p) Eles morreram de rir daquela cena.
e) hipérbole e metáfora
q) Aqueles olhos eram como dois faróis acesos.
14 Amor é um fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói, e não se sente; r) Ah! O doce sabor da vitória!
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer. s) Aquele velho é uma raposa!

t) "Aquela personagem da novela é complicada: ela chora, e


No poema de Camões temos exemplo de: grita, e sofre, e teima, e perde, e ganha, e casa, e separa.
a) metáfora e paradoxo Nunca vi igual.".
b) antítese e hipérbole
c) eufemismo e metáfora u) Ela gosta de chocolate ao leite, eu prefiro meio-amargo.
d) anáfora e sinestesia
e) paradoxo e metonímia v) Triste, arrasado, desesperado, pelo caminho, ia eu, a
sofrer, a chorar e a sorte lamentar.
15. (FUVEST) Identifique a figura de linguagem empregada
nos versos destacados: w)
“No tempo de meu Pai, sob estes galhos,
Como uma vela fúnebre de cera,
Chorei bilhões de vezes com a canseira
De inexorabilíssimos trabalhos!”
a) eufemismo
b) ironia
c) hipérbole
d) aliteração
e) sinestesia

16. Qual figura de linguagem ocorre nos versos a seguir:

a) Uma talhada de melancia com seus alegres caroços.

b) “Bomba atômica que aterra


Pomba atônita da paz
Pomba tonta, bomba atômica...”
x)
c) As estantes do major eram repletas dos autores
nacionais.

d) Uma palavra branca e fria.

e) Sinto o canto da noite na boca do vento.

f) A felicidade é como a pluma.

g) Leia mais repercussões sobre a morte da Dama de


Ferro.” (Margaret Thatcher, por Globo) y)

h) “Aumentavam as especulações sobre o que matou o Rei


do Pop aos 50 anos (…)” (Michael Jackson, por Gazeta do
Povo)
z)