Você está na página 1de 6

Traqueostomia – Parte 2

Principais Cuidados de Enfermagem com


Traqueostomia

1 Concluir o protolocolo;

2 Observar se há excesso de secreções periestomais, excesso de secreções


intratraqueais, tiras de traqueostomia sujas ou úmidas, curativo de
traqueostomia sujo ou úmido, fluxo de ar diminuído na cânula de
traqueostomia, ou sinais e sintomas de obstrução de via respiratória que
exijam aspiração;

Justificativa: indicar qual é a necessidade de cuidados com traquesotmia.

3 lavar as mãos, calçar as luvas de procedimento e colocar óculos de


proteção facial, se necessário.

Justificativa: Reduzir a transmissão de microorganismos;

4 Aplicar o sensor do oxímetro de pulso.

Justificativa: fornecer monitoramento para dessaturação de oxigênio durante o


procedimentos;

5 Aspirar traqueostomia – antes de remover as luvas retire o curativo


sujo da traqueostomia e descarte na luva com o cateter de aspiração
enrolado.

Justificativa: remover as secreções para evitar oclusão da cânula externa


enquanto a interna é retirada. Reduz a necessidade do paciente tossir;

6 Lavas as mãos preparar o material na mesa de cabeceira:

Justificativa: possibilita a realização calma e organizada dos cuidados da


traqueostomia.

a) Abrir o kit de traqueostomia estéril. Abrir duas embalagens de gaze


10cmx10cm usando técnica asséptica e despejar soro fisiológico em uma
delas. Manter a segunda embalagem seca. Abrir as duas embalagens de
aplicadores com ponta de algodão e despejar o soro fisiológico em uma delas;

b) Abrir uma embalagem de curativo estéril para traqueostomia;

c) Abrir o pacote com a cuba estéril e enchê-la com soro fisiológico até a
altura de 1 a 2,5 cm;

d) Abrir a embalagem com a escova estéril pequena e colocá-la na bacia


estéril, com técnica asséptica;

e) Preparar uma faixa de esparadrapo suficientemente longa para envolver o


pescoço do paciente 2 vezes, cerca de 60 a 75cm, considerando uma pessoa
adulta. Cortar as extremidades em diagonal. Reservar em uma área seca.

Justificativa: o corte das extremidades da tira na diagonal ajuda a inseri-la no


orifício.
f) Se usar fixados para traqueostomia comercialmente disponível, abrir a
embalagem de acordo com as instruções do fabricante;

7 Hiperoxigenar os pulmões do paciente usando um ventilador ou


aplicando uma fonte de oxigênio bem folgada sobre a traquesotmia.

Justificativa: obrigatório, caso o paciente tenha níveis de saturação de


oxigênio menores que 92%. Ajuda a reduzir a quantidade de dessaturação do
oxigênio.

8 Calçar luvas estéreis. Manter a mão dominante esterelizada por todo


procedimento.

Justificativa: reduz a transmissão de microorganismos;

9 Cuidados com a cânula interna de traqueostomia:

a) ao mesmo tempo em que tocar somente a superfície externa da cânula,


destravar e retirar a cânula interna com a mão não dominante. Soltar a cânula
interna na cuba com soro fisiológico.

Justificativa: remove a cânula interna para limpeza. O soro fisiológico solta as


secreções da cânula interna.

b) Colocar o colar de traqueostomia, a sonda em “T” ou a fonte de ventilação


de oxigênio sobre a cânula externa. (obs: pode não ser possível fixar os
instrumentos da sonda em “T” e de ventilação de oxigênio a todas as cânulas
externas quando a cânula interna for removida).

Justificativa: mantém o suprimento de oxigênio para o paciente conforme o


necessário;

c) Para evitar a dessaturação de oxigênio nos pacientes afetados, pegar com


rapidez a cânula interna e usar uma escova pequena para remover as
secreções da parte interna e externa da cânula interna.

Justificativa: a escova da traqueostomia oferece força mecânica para remoção


de secreções espessas ou secas.

d) Segurar a cânula interna sobre a cuba e enxaguar com soro fisiológico,


usando a mão não dominante para despejá-lo;

e) Substituir a cânula interna e prender o mecanismo de “trava”. Reaplicar a


ventilação após hiperventilar os pulmões do paciente, se necessário.

Justificativa: prende a cânula interna e restabelece o suprimento de oxigênio;


10 Traqueostomia com cânula interna descartável:

a) Remover a nova cânula da embalagem do fabricante;

b) Ao mesmo tempo que tocar apenas a superfície externa da cânula, retirar a


cânula interna e substituí-la pela nova cânula. Travar na posição.

c) Descartar a cânula interna contaminada no recipiente apropriado e


reconectar a ventilação ou o suprimento do oxigênio.

Justificativa: reduz a transmissão de infecção. Restaura a distribuição de


oxigênio.

11 Usar aplicadores com ponta de algodão e compressas de gaze estéril


de 10cmx10cm embebidos com soro fisiológico, limpar as superfícies
expostas da cânula externa e do estoma sob o visor em uma espaço de 5
a 10 cm em todas as direções, desde o estoma. Limpar com movimentos
circulares que vão do estoma para fora com a mão dominante disponível
para uso dos materiais estéreis.

Justificativa: com a técnica asséptica, remove as secreções do local do


estoma. O movimento circular para fora elimina o muco e outros
contaminantes desde o estoma em direção à borda;

12 Com a gaze seca de 10cmx10cm, tocar levemente a pela e as


superfícies expostas da cânula externa.

Justificativa: as superfícies secas inibem a formação de um ambiente úmido


para proliferação de microorganismos e escoriações da pele.

13 Fixar a traqueostomia. Método de fixação da traqueostomia:

a) Orientar o assistente, se houver, para calçar as luvas e segurar com


firmeza a cânula de traqueostomia no lugar certo. Com essa pessoas
segurando a cânula de traqueostomia, cortar a fixação antiga.

Justificativa: promove a higiene e reduz a transmissão de microorganismos.


Prende a cânula de traquestomia. Reduz o risco de extubação acidental.

Alerta de segurança: a pessoa que assiste na fixação não pode soltar a


cânula de traqueostomia até que a nova fixação esteja bem presa. Se for
trabalhar sem um assistente, não corte a fixação antiga até que a nova esteja
devidamente posicionada e presa.

b) Se tiver a fixação preparada, inserir uma das extremidades pelo orifício do


visor e puxar as extremidades juntas;
c) Deslizar ambas as extremidades da fixação por trás da cabeça e em torno
do pescoço até o segundo orifício e inserir uma fixação através desse.

d) Puxar com folga.

Justificativa: prende a cânula de traqueostomia.

e) Amarrar as extremidades da fixação com firmeza em um nó duplo


quadrado, deixando o espaço para um dedo espaçado ou dois de largura na
amarra.

Justificativa: a largura de um dedo de folga impede que o curativo da


traqueostomia fique apertado demais ao ser colocado e ainda evita
movimentar a cânula de traqueostomia em via respiratória inferior.

f) Inserir o novo curativo de gaze de 10cmx10cm sob a fixação limpa e o visor


de traqueostomia.

Justificativa: absorve a drenagem. O curativo evita a pressão nas cabeças da


clavícula.

13.1 Método com fixador para cânula de traqueostomia:

a) Ao calçar as luvas, manter o fixador firme na cânula de traqueostomia. Isso


pode ser feito com a ajuda de um assistente, ou sem ele, deixando o antigo
fixador no local e retirando-o somente quando o novo estiver firme.

Justificativa: evita o deslocamento acidental do cateter.

b) Alinhar a tira sob os pescoço do paciente. Certificar-se de que os


elementos de Velcro estejam em cada um dos lados da cânula de
traqueostomia;

c) Colocar as extremidade estreita das tiras debaixo e através dos orifícios do


visor. Puxar uniformemente as tiras e prendê-las com os fechos de Velcro;

d) Verificar se há espaço para apenas um dedo espaçado ou dois dedos de


largura sob a tira do pescoço;

14 Posicionar o paciente confortavelmente e avaliar a condição


respiratória.

Justificativa: promove o conforto. Alguns pacientes precisam de aspiração no


pós-cuidado da traqueostomia;

15 Certificar-se de que as fontes de distribuição de oxigênio e de


umidificação estejam no lugar e ajustados nos níveis corretos.
Justificativa: a umidificação fornece umidade para a via respiratória, torna-a
mais fácil para a sucção de secreção e diminui o risco de tampões de muco;

16 Avaliar o ajuste das novas amarras de traqueostomia e perguntar ao


paciente se cânula está confortável.

Justificativa: as fixações da traqueostomia são desconfortáveis e põem o


paciente em risco de lesão quando frouxas ou apertadas demais;

17 Examinar as cânulas interna e externa quanto a presença de


secreções.

Justificativa: a presença de secreções nas cânulas indica a necessidade de


cuidados mais frequentes com traqueostomia;

18 Avaliar o estoma quanto a sinais de inflamação, edema ou secreções


descoloradas.

Justificativa: a pele com solução de continuidade põe o paciente em risco


infecção. Uma infecção no estoma requer mudança no plano de cuidado com
a pele no entorno da traqueostomia;

19 Concluir o protocolo de pós-procedimento.

Mesmo você tendo todo o cuidado, o paciente pode apresentar problemas


com a traqueostomia.

Por isso é importante você ficar atendo para saber o que fazer nesta hora.