Você está na página 1de 7

ARTROPLASTIA

Indicações

 Coxartrose (a nível da anca)

 Gonartrose (a nível do joelho)

 Artrite reumatóide (a nível de todas as articulações)

São as que têm maior incidência

 Outras

Os 2 primeiros termos são de diagnósticos e estes doentes são candidatos a cirurgia – Próteses

Artrose

Processo patológico que causa a Degenerescência Articular resultante da destruição


progressiva dos tecidos que compõem as articulações

A causa é idiopática

Sabe-se que se formam osteófitos (libertam-se para dentro das cartilagens e destroem-nas)
nas zonas aonde se processa a articulação dos 2 ossos e que são estes que vão desgastar a
cartilagem articular

Pensa-se que pode ter haver com a postura e os hábitos alimentares da pessoa

Sinais e Sintomas

 Dor

 Deformidade Articular

o Redução do movimento  Limitação da mobilidade

 Incompetência funcional  Deambula com dificuldade

o Claudicação

 Ruídos Articulares (geralmente causados pela fricção dos osteófitos ou pela sua
libertação)

Articulações mais afectadas

 Articulações de carga

o Coxofemoral

o Joelho

o Coluna
o Tibio-társica

o Clavícula

o Húmero

Artrose da Anca

 Deformidade em flexão  Aumento da lordose lombar (Mecanismo Compensatório da


flexão da anca – Dá-lhe conforto)

 Deformidade em adução  Aparente encurtamento do membro (aproximação da


linha média)

 Deformidade em rotação externa  Pé virado para fora (Muito Visível)

Tratamento

Tratamento Conservador

 Fisioterapia

 Evitar esforços físicos

 Usar auxiliares de marcha (lado oposto)

 Reduzir o peso (no caso de doentes obesos)

 Exercício físico (natação)

Porque tem efeito de relaxamento

 Administração de anti-inflamatórios e analgésicos (tratamento para a dor)

Coma toma de AINEs muitos doentes desenvolvem patologia gástrica, devido à má toma (fora
das refeições,…)

Tratamento Cirúrgico

Substituição da articulação por componentes artificiais

Cirurgia é normalmente programada

 Prótese da Anca

 Prótese do joelho

Cuidados Pré-Operatórios

 Colheita de dados

 Pré-operatório, cuidados gerais


Doente vá nas condições ideais, doentes obesos devem perder peso, doente deve conhecer
todos os exercícios que pode ou não fazer antes da cirurgia

 Pré-operatório cuidados específicos

o Prevenção de infecção (terapêutica)

o Ensino de exercícios respiratórios e dos membros inferiores

o Posicionamentos

o Prevenção do tromboembolismo (meias e terapêutica)

Cuidados Pós-Operatórios

 Monitorizar os sinais vitais

 Decúbito dorsal com triângulo de abdução

Doentes não podem fazer abdução além da linha média

 Elevar o calcâneo do membro operado

 Aplicação de gelo

 Vigilância do penso e drenos (Hemodreno)

 Despiste de compromisso neuro circulatório

 Levante 24 a 48 horas sem carga no membro operado

Normalmente às 24h, doente tira os drenos, algaliação e acessos e depois faz o levante

Artoplastia da Anca

Articulação Artificial

Artroplastia Parcial

Artroplastia Total

Substituição da articulação coxofemoral (acetábulo e fémur) por


materiais artificiais
Tipos de Prótese Total

 Híbrida

O Componente femoral é cimentado, porém, o componente acetabular é aparafusado no osso

Muito cara, mas com maior durabilidade

o 1 Componente cimentado – fémur

o 1 Componente não cimentado – acetábulo

 Cimentada

O acetábulo é preparado colocando-se polimetilmetacrilato para fixar à cavidade acetabular. O


canal medular do fémur é alargado; a aste do componente femoral é impactado dentro do
canal medular.

Usa um tipo de cimento que promove uma interfase perfeita entre a prótese e o osso

Pode causar a doença do cimento

o 2 Componentes cimentados

 Não cimentada

É realizado o mesmo procedimento que na anterior mas o componente femoral é encaixado


sobre pressão sem cimentar.

o 2 Componentes não cimentados

A escolha depende do cirurgião e da idade do doente

Objectivos

 Restabelecer a forma e a biomecânica da articulação

 Devolver a estabilidade e mobilidade

 Suprimir a dor

Material para pós-operatório


Triângulo de abdução

 Mantém a anca em abdução (2dias)

 Previne a luxação da prótese, porque


toda aquela musculatura sofreu uma
incisão

Se ocorrer precisa de voltar ao bloco

Podem ir prescritos para o pós-operatório tardio e quando o


doente já teve alta

Normalmete quando um doente faz luxação é porque já estava propenso a tal

Os doentes podem ter de usar Bota Anti-Rutativa, para evitar a rotação interna (luxação
posterior) e a externa (luxação anterior)

Complicações

 Infecção

Alta incidência, pois os doentes são muito susceptíveis

Doente tem de ter muito cuidado com infecções, principalmente as dentárias (disseminam-se
por via hematogénica)

 Tromboembolismo pulmonar

Principalmente quando o sosso é rimado na cirurgia

Ocorre mais nas próteses cimentadas

 Luxação

Situação que ocorre devido ao enfraquecimento da musculatura

o Doentes debilitados

o Doentes que não fizeram exercícios, para fortalecer a musculatura

Planeamento da alta

 Exercícios de adução e abdução até à linha média

Por vezes podem fazer flexão e extensão com um elástico

 Flexão do joelho e coxa sempre inferior a 90º

 Elevar a perna operada em extensão

 Deitar-se de bruços por períodos de pelo menos meia hora por dia
 Não se sentar em cadeiras baixas

 Fazer bicicleta adaptada (para não fazerem flexão da anca acima dos 90º)

 Deambulação sempre com canadianas (variável)

Ensino

 Para prevenir a luxação:

o Não deve rodar na cama para o lado operado

o Não deve levantar a perna com o joelho esticado

Proibido (para prevenção da luxação)

 Sentar em cadeiras baixas

 Apanhar objectos do chão

 Deitar sobre o lado operado

 Carregar pesos – para todas as cirurgias

 Conduzir automóvel

Só com autorização médica

Normalmente a partir das 6semanas após a cirurgia

 Andar sem canadiana ou bengala

6 a 12 semanas de pós–operatório

 Anca praticamente indolor


 Melhoria na amplitude de movimentos

 Retomar actividade (deambulação sem auxiliar de marcha)

 Não deve Retomar actividades pesadas

Deve

 Repousar

 Usar sanita alta

 Dormir com almofada entre os membros inferiores

 Continuar a fazer exercícios que aumentem a força muscular

 Cumprir o programa de fisioterapia

2Tipos

o 1 Sozinho

o 1 Fisioterapia