Você está na página 1de 169

Rede de Computadores

Rede de Computadores

Denivaldo Lopes

Denivaldo Lopes 1
Rede de Computadores

Sumário

• Parte I – Conceitos básicos


• Parte II – Rede de Computadores e Sist. Operacionais
• Parte III – Serviços de Rede de Computadores
• Parte III – Programação com TCP e UDP
• Parte IV – Segurança da Informação e legislação

Denivaldo Lopes 2
Rede de Computadores

Sumário
• Parte I – Conceitos Básicos
– Definições
– Internet, Intranet, Web
– Características da Internet
– Exemplo de rede de computadores
– Tipos de redes
– Topologias de redes
– Conexões utilizadas
– Protocolo TCP/IP
– IP (Internet Protocol)
– URL (Uniform Resource Locator)
– DNS (Domain Name System)
– DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol)
– IP NAT (Network Address Translator)
– CIDR (Classless-Inter Domain Routing)
– Proxy
– Equipamentos de rede computadores

Denivaldo Lopes 3
Rede de Computadores

Definições

• Rede de computadores “é uma conexão estruturada


de sistemas computacionais e dispositivos periféricos
que trocam dados quando necessário para executar
uma função específica”. [Fonte: IEEE glossário, IEEE
Std 610.7-1995]

Denivaldo Lopes 4
Rede de Computadores

Definições

• Rede de computadores “é formada por um conjunto de


máquinas eletrônicas com processadores capazes de
trocar informações e compartilhar recursos, interligados
por um sub-sistema de comunicação, ou seja, é quando
há pelo menos dois ou mais computadores, e outros
dispositivos interligados entre si de modo a poderem
compartilhar recursos físicos e lógicos, estes podem ser
do tipo: dados, impressoras, mensagens (e-mails), entre
outros”. [Fonte: Wikipedia, Link:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_de_computadores]

Denivaldo Lopes 5
Rede de Computadores

Internet, Intranet e Web


• Internet: é a rede mundial de computadores, baseada no conjunto de
protocolos TCP/IP. É uma rede formada por outras redes de computadores em
escala global;

• Intranet: é uma rede limitada ao escopo de uma organização, interligando


apenas os nós internos de uma organização. É uma rede formada por outras
redes, mas limitadas ao escopo de uma organização;

• Extranet: é uma rede limitada ao escopo de uma organização, mas que


permite o acesso externo por parceiros. O acesso externo é limitado e
controlado;

• Web: é um dos serviços disponíveis na Internet, também conhecida como


WWW (World Wide Web), acessada por meio de um browser Web;

• Serviços da Internet: são serviços que são fornecidos por meio da Internet tais
como Web (HTTP/HTTPS), E-mail (SMTP), Transferência de Arquivos (FTP),
streaming (e.g. Netflix), VoIP.

Denivaldo Lopes 6
Rede de Computadores

Internet, Intranet e Web


• Características da Internet:
– Descentralizada: não há um ponto de centralização da
Internet. O tráfego de dados pode seguir vários caminhos,
mesmo na falta ou falha de uma parte dela;
– Neutra: todos os dados que trafegam na Internet devem ser
tratadas da mesma forma, não havendo distinção ou restrição
de transferência de dados (sem bloqueio ou alteração na
velocidade de transmissão) por parte das redes que formam a
Internet. Tratamento isonômico na transferência dos dados
por parte das redes que formam a Internet;
– Aberta: significa que qualquer um pode se juntar a Internet,
necessitando apenas fazer as conexões físicas e seguir os
protocolos padronizados da Internet. Ser aberta não significa
anarquia, mas sim que os participantes interagem
obedecendo padrões.
Denivaldo Lopes 7
Rede de Computadores

Exemplo de rede de computadores

Nó “A” - Laptop Nó “B” - Smartphone Nó “C” - Desktop Nó “D” - Multifuncional Nó “E” - Servid

Roteador Wireless
Switch

Denivaldo Lopes 8
Rede de Computadores

Tipos de redes

• Tipos de redes:
– LAN (Local Area Network);
– CAN (Campus Area Network);
– MAN (Metropolitan Area Network);
– WAN (Wide Area Network).

• Outros tipos:
– VLAN (Virtual Local Area Network);
– WLAN (Wireless Local Area Network);
– SAN (Storage Area Network).

Denivaldo Lopes 9
Rede de Computadores

Topologias de redes de computadores


• Topologias de redes:
– Barramento;
– Estrela; Rede em barramento

– Anel (token ring).

Fluxo das
mensagems

Fluxo das
mensagems

Rede em estrela - O switch faz o envio das


Rede em anel (Token Ring) - As mensagens
mensagens de “nó” para “nó”
passam por um nó e é repetida para o
seguinte nó.
Denivaldo Lopes 10
Rede de Computadores

Conexões utilizadas em redes de computadores

• Conexões utilizadas:
– Cabo coaxial;
– Cabo de par trançado;
– Cabo de fibra ótica.
– Sem fio (IEEE 802.11, 3G/4G, rádio LMDS, satélite).

Denivaldo Lopes 11
Rede de Computadores

Conexões utilizadas em redes de computadores

• Cabo coaxial

Denivaldo Lopes 12
Rede de Computadores

Conexões utilizadas em redes de computadores

• Cabo de par trançado

Denivaldo Lopes 13
Rede de Computadores

Conexões utilizadas em redes de computadores

• Cabo de fibra ótica.

Denivaldo Lopes 14
Rede de Computadores

Conexões utilizadas em redes de computadores

• Conexões sem fio:


– Há vários padrões de comunicação sem fio:
• IEEE 802.11;
• 3G, 4G e 5G;
• rádio LMDS;
• Satélite.

Denivaldo Lopes 15
Rede de Computadores

Conexões utilizadas em redes de computadores

• Conexões sem fio:


– IEEE 802.11:

Denivaldo Lopes 16
Rede de Computadores

Conexões utilizadas em redes de computadores

• Conexões sem fio:


– IEEE 802.11:
• IEEE 802.11a: frequência 3,7GHz ou 5,0GHz, largura de banda 20MHz,
velocidade de transferência 6,0Mbps a 54Mbps;
• IEEE 802.11b: frequência 2,4 GHz, largura de banda 22 MHz, velocidade
de transferência 1 Mbps a 11 Mbps;
• IEEE 802.11g: frequência 2,4 GHz, largura de banda 20 MHz, velocidade
de transferência 6 Mbps a 54Mbs;
• IEEE 802.11n: frequência 2,4 GHz ou 5,0 GHz, largura de banda 20 MHz
ou 40MHz, velocidade de transferência 7,2 Mbps a 72,2 Mbs (largura de
banda 20MHz), velocidade de transferência 15 Mbps a 150 Mbps
(largura de banda de 40 MHz);
• IEEE 802.11ac: frequência 5,0 GHz, largura de banda 20 MHz
(velocidade de transferência 87,6Mbps), 40 MHz (velocidade de
transferência 200Mbps), 80MHz (velocidade de transferência
433,3Mbps) e 160 MHz (866 Mbps);
• IEEE 802.11ad: frequência 60 GHz, largura de banda 2160 MHz,
velocidade de transferência 6.912 Mbps;
Denivaldo Lopes 17
Rede de Computadores

Conexões utilizadas em redes de computadores

• Conexões sem fio:


– Wireless baseada na rede de telefonia móvel:
• 3G: frequência , velocidade de transferência 7Mbps (no
Brasil, 1Mpbs – HSPDA pode atingir 5-30Mpbs), latência
ms;
• 4G: frequência , velocidade de transferência 100Mbps,
latência ms;
• 5G: frequência 6GHz (possivelmente), velocidade de
transferência 10Gbps, latência 1ms;

Denivaldo Lopes 18
Rede de Computadores

Conexões utilizadas em redes de computadores

• Conexões sem fio:


– Rádio LMDS:

Denivaldo Lopes 19
Rede de Computadores

Conexões utilizadas em redes de computadores

• Conexões sem fio:


– Satélite

Denivaldo Lopes 20
Rede de Computadores

Conexões utilizadas em redes de computadores

• Conexões sem fio:


– Largura de banda:

Denivaldo Lopes 21
Rede de Computadores

Conexões utilizadas em redes de computadores

• Conexões sem fio:


– Comunicação via wireless pode gerar prejuízos à saúde?
– A hipótese das ondas eletromagnéticas de micro-ondas
gerarem prejuízos a saúde nas pessoas é improvável, desde
que sejam obedecidos os padrões aprovados pelos órgãos
regulamentadores (e.g. ANATEL);
– A frequência utilizada pelos padrões (IEEE 802.11, 3G/4G/5G,
rádio LMDS e Satélite) não é ionizante e carrega pouca
energia. Sendo assim, não é capaz de afetar o DNA de seres
vivos;
– Por outro lado, as ondas eletromagnéticas na faixa
ultravioleta, raios X e raios gama são ionizantes e altamente
prejudiciais aos seres vivos.

Denivaldo Lopes 22
Rede de Computadores

Conexões utilizadas em redes de computadores


A radiação
• Conexões sem fio: ionizante é capaz
de interferir nas
estruturas das
células, do DNA e
do átomo,
podendo gerar
mutações e
outros danos
nocivos ao ser
humano.

Espectro eletromagnético
Fonte: O Espectro Eletromagnético na Natureza, Data de Acesso: 08/08/2019, Link:
http://labcisco.blogspot.com/2013/03/o-espectro-eletromagnetico-na-natureza.html
Denivaldo Lopes 23
Rede de Computadores

Conexões utilizadas em redes de computadores

• Conexões sem fio:


– Embora a faixa do espectro eletromagnético utilizado na
comunicação sem fio não seja ionizante, deve-se tomar
algumas precauções para preservar a saúde:
• Instalação de torres de celular (Estação de Rádio Base - ERB) a uma
distância de no mínimo 50 metros* de escolas, hospitais, creches e
prédios residenciais;
• A potência das antenas das ERBs deve ser limitada de acordo com
as normas da ANATEL;
• Pessoas devem evitar exposição ou utilização prolongada de
smartphones (preferencialmente, deve-se utilizar fone de ouvido,
pois permite afastar o smartphone da cabeça do usuário).

* Alguns trabalhos científicos apontam que a longa exposição a


radiação não ionizante também pode trazer prejuízos a saúde, pois
pode afetar a temperatura dos seres vivos, dentre outros prejuízos.
Denivaldo Lopes 24
Rede de Computadores

Conexões utilizadas em redes de computadores

• Conexões sem fio:


– Os valores de SAR (taxa de absorção específica)* adotados pela ANATEL.

• Veja:
– Lei nº 11.934, de 5 de maio de 2009, link: https://www.anatel.gov.br/legislacao/leis/426-lei-11934
– Ato nº 458, de 24 de janeiro de 2019, link: https://www.anatel.gov.br/legislacao/atos-de-requisitos-
tecnicos-de-gestao-do-espectro/2019/1237-ato-458#anexoA
Denivaldo Lopes 25
Rede de Computadores

Protocolo TCP/IP

• Protocolo
– No contexto de rede de computadores, um protocolo
estabelece as regras para transmissão de dados entre
sistemas computacionais.

– Exemplos de protocolos:
• TCP/IP: família de protocolos utilizados na Internet e em Intranets;
• DNP3: protocolo para ambientes industriais, permitindo a
comunicação entre equipamentos e/ou sistemas supervisórios;
• Profibus: utilizado para suportar a comunicação em processos de
automação;
• Modbus: é utilizado para interligar PLCs e outros equipamentos.

Denivaldo Lopes 26
Rede de Computadores

Protocolo TCP/IP

• Protocolo TCP/IP
– É um conjunto de protocolos que suportam a
comunicação de dados entre computadores
interligados por uma rede;

– Inicialmente, este foi inventado em 1969 pelo


Department of Defense Advanced Research
Projects do governo dos EUA no contexto do
projeto ARPANET (Advanced Research Project
Agency Network).

Denivaldo Lopes 27
Rede de Computadores

Protocolo TCP/IP

Nó “A” - Laptop Nó “B” - Smartphone Nó “C” - Desktop Nó “D” - Multifuncional Nó “E” - Servidor

Aplicação Aplicação Aplicação Aplicação Aplicação


(HTTP, FTP, Telnet, ...) (HTTP, FTP, Telnet, ...) (HTTP, FTP, Telnet, ...) (HTTP, FTP, Telnet, ...) (HTTP, FTP, Telnet, ...)
Transporte Transporte Transporte Transporte Transporte
(TCP, UDP, ...) (TCP, UDP, ...) (TCP, UDP, ...) (TCP, UDP, ...) (TCP, UDP, ...)
Rede Rede Rede Rede Rede
(IP, ...) (IP, ...) (IP, ...) (IP, ...) (IP, ...)
Link Link Link Link Link
(Ethernet, ...) (Ethernet, ...) (Ethernet, ...) (Ethernet, ...) (Ethernet, ...)

Denivaldo Lopes 28
Rede de Computadores

Endereço IP

• IP (Internet Protocol) é uma camada de protocolo


de rede (network) do protocolo de comunicação
TCP/IP.

– Um endereço IP é utilizado para identificar uma


máquina das outras. Ex:
• 208.172.48.254 (IP v4 – comprimento 32 bits)
• fe80::34d9:1056:69ba:d99f (IP v6 – comprimento 128bits)

– Um endereço IP é representado por 32 bits (IPv4) e


128 bits (IPv6).

Denivaldo Lopes 29
Rede de Computadores

Endereço IP

• Exemplos de endereços IP.


– IP v4 (32 bits são utilizados):

200 . 137 . 130 . 15


1 1 0 0 1 0 0 0 1 0 0 0 1 0 0 1 1 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 1 1 1 1
B29

b25

b21

b17

b13
b31
b30

b28
b27
b26

b24
b23
b22

b20
b19
b18

b16
b15
b14

b12
b11
b10
b9

b5

b1
b8
b7
b6

b4
b3
b2

b0
Legenda: B (Bytes), Exemplo: B0 – Byte 0
b (bits), Exemplo: b0 – bit 0
OBS:
- 32 bits organizados em 4 grupos de 8 bits, para serem vistos e
manipulados como inteiros (variando de 0 a 255).

Denivaldo Lopes 30
Rede de Computadores

Endereço IP

• Exemplos de endereços IP.


– IP v6 (128 bits são utilizados):
A1BC:ABD2:2DFF:C86F:2F2F:104D:8C4B:201F
A1 BC AB D2 2D FF C8 6F 2F 2F 10 4D 8C 4B 20 1F
B15 B14 B13 B12 B11 B10 B9 B8 B7 B6 B5 B4 B3 B2 B1 B0

Legenda: B (Bytes), Exemplo: B0 – Byte 0


b (bits), Exemplo: b0 – bit 0
1 F
OBS:
- 128 bits organizados em 8 grupos de 16 bits,
0 0 0 1 1 1 1 1
para serem vistos e manipulados como valores
hexadecimais (variando de 0000 a FFFF).
b7
b6
b5
b4
b3
b2
b1
b0
Denivaldo Lopes 31
Rede de Computadores

Endereço IP

• IP (Internet Protocol)
– Os endereços IPv4 são codificados em 32bits, seja um
total de 4.294.967.296 de endereços únicos
disponíveis.

– Entretanto, estes números IPs não são suficientes para


atender a grande demanda. Por isso, criou-se o IPv6.

– O IPv6 tem 16 bytes (128bits) com o qual é possível se


criar 2128 endereços únicos.

Denivaldo Lopes 32
Rede de Computadores

Endereço IP

• IP (Internet Protocol)
– Exemplo de rede com nós e seus endereços IPv4.
Nó “A” - Laptop Nó “B” - Smartphone Nó “C” - Desktop Nó “D” - Multifuncional Nó “E” - Servidor

IPv4: IPv4:
IPv4: IPv4: 192.168.26.104 192.168.26.105
192.168.26.101 192.168.26.102
IPv4:
192.168.26.103

Switch
Access Point

Denivaldo Lopes 33
Rede de Computadores

Endereço IP

• IP (Internet Protocol)
– Quais endereços IPs são importantes para
configurar um nó em uma rede de computadores?

Endereço IP do nó

Endereço IP da máscara da rede

Endereço IP do gateway

Endereço IP do servidor de DNS primário

Endereço IP do servidor de DNS secundário


Denivaldo Lopes 34
Rede de Computadores

Endereço IP
• IP (Internet Protocol)
– Quais endereços IPs são importantes para configurar um
nó em uma rede de computadores?
• Endereço IP do nó: identifica uma máquina (exemplo,
computador, smartphone, impressora) na rede;
• Máscara de sub-rede: é um endereço IP que serve para identificar
a parte do “endereço IP do nó” que corresponde a rede e ao host
(exemplo, computador, smartphone, impressora), ou seja, serve
como “máscara” em uma operação AND com o Endereço IP do nó;
• Gateway padrão: é um endereço IP que serve para identificar o nó
que interliga uma rede a outras redes;
• Endereço IP do DNS:
– DNS primário: identifica o nó da rede que faz a resolução de nomes, isto
é, traduz uma URL em endereço IP, exemplo, http://www.ufma.br”
corresponde ao endereço IP “200.137.132.7”;
– DNS secundário: é o nó da rede que faz a resolução de nomes no caso do
DNS primário estar indisponível.

Denivaldo Lopes 35
Rede de Computadores

Endereço IP

• IP (Internet Protocol)
– Máscara de rede/sub-rede

Para descobrir a parte do endereço que identifica a rede, basta fazer um AND do
“Endereço IP” do nó com a “Máscara de sub-rede”. Então:
IP do nó 200.137.130.18
Máscara de rede AND 255.255.255.00
Parte do IP que identifica a rede 200.137.130.00

É mais fácil de visualizar a operação AND, quando se utiliza a representação binária


dos endereços IPs.
Denivaldo Lopes 36
Rede de Computadores

Endereço IP
• IP (Internet Protocol)
– Máscara de rede/sub-rede
200.137.130.18
1 1 0 0 1 0 0 0 1 0 0 0 1 0 0 1 1 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0 1 0
B29
b31
b30

b28
b27
b26
b25
b24
b23
b22
b21
b20
b19
b18
b17
b16
b15
b14
b13
b12
b11
b10
b9
b8
b7
b6
b5
b4
b3
b2
b1
b0
255.255.255.0
Os bits iguais a 0 servem
Os bits iguais a 1 servem para identificar a rede para identificar o host

1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0
B29
b31
b30

b28
b27
b26
b25
b24
b23
b22
b21
b20
b19
b18
b17
b16
b15
b14
b13
b12
b11
b10
b9
b8
b7
b6
b5
b4
b3
b2
b1
b0
Denivaldo Lopes 37
Rede de Computadores

Endereço IP
• IP (Internet Protocol)
– Máscara de rede/sub-rede
IP do nó 200.137.130.18
Máscara de rede AND 255.255.255.00
Parte do IP que identifica a rede 200.137.130.00

1 1 00100010001001100000100001001 0
AND 1 1 11111111111111111111110000000 0
1 1 00100010001001100000100000000 0

200 137 130 0

Denivaldo Lopes 38
Rede de Computadores

Endereço IP

• IP (Internet Protocol)
– Outros endereços IPs importantes em uma rede:
• Endereço IP de broadcast: este endereço não corresponde a
um nó específico na rede, mas sim todos os nós da mesma
rede (envio de um para todos da mesma rede). Exemplo: IP
de um nó: 192.168.26.4, endereço multicast: 192.168.26.255;
• Endereço IP da subrede: serve para identificar a subrede na
qual o nó está inserido;
• Endereço IP de loopback (ou localhost): é o endereço que
identifica o próprio nó, servindo para comunicação local, ou
seja, este endereço é utilizado para comunicação entre os
aplicativos de um mesmo nó. O endereço de loopback
definido é “127.0.0.1”.

Denivaldo Lopes 39
Rede de Computadores

Endereço IP

• IP (Internet Protocol)
– Outros endereços IPs importantes em uma rede:
• Como em toda faixa de endereço IP (network address
range) temos IP da rede e IP de broadcast, então se
deve descontar estes endereços do total de endereços
de hosts disponíveis, ficando “utilizáveis” apenas o
número de hosts menos dois. Por exemplo:
– Uma faixa de endereço IP 192.168.26.X/24 tem máscara de
rede 255.255.255.0 (identifica a rede), sobra 8 bits para
identificar os hosts. Neste caso, tem-se 256 endereços IPs
disponíveis, mas apenas 254 são utilizáveis, já que o endereço
192.168.26.0 identifica a rede/sub-rede e 192.168.26.255
identifica o endereço de broadcast.

Denivaldo Lopes 40
Rede de Computadores

Endereço IP
• IP (Internet Protocol): Endereços Ips necessários em
uma rede TCP/IP IPv4: 192.168.26.103
IPv4: 192.168.26.101 IPv4: 192.168.26.102 IPv4: 192.168.26.104 IPv4: 192.168.26.105
Máscara: 255.255.255.0
Máscara: 255.255.255.0 Máscara: 255.255.255.0 Máscara: 255.255.255.0 Máscara: 255.255.255.0
Gateway: 192.168.26.1
Gateway: 192.168.26.1 Gateway: 192.168.26.1 Gateway: 192.168.26.1 Gateway: 192.168.26.1
DNS: 192.168.26.2
DNS: 192.168.26.2 DNS: 192.168.26.2 DNS: 192.168.26.2 DNS: 192.168.26.2

Nó “A” - Laptop
Nó “B” - Smartphone Nó “E” - Servidor
Nó “C” - Desktop Nó “D” - Multifuncional

IPv4: 192.168.26.2

Switch
Access Point

IPv4: 192.168.26.1 Nó “F” - Servidor DNS

Nó “G” - Gateway
IPv4: 192.167.33.1

Denivaldo Lopes 41
Rede de Computadores

Endereço IP

• IP (Internet Protocol)
– O endereço IP somente assegura que o dado chegará à
uma máquina específica (nó da rede).

– Como identificar a aplicação que receberá um dado em


uma máquina específica (nó da rede)?
• A porta de comunicação assegura que o dado será enviado a uma
aplicação específica em execução na máquina com o endereço IP
especificado.

– A porta de comunicação é representada por um valor


inteiro de 16 bits, ou seja, uma interface de rede pode ter
até 216 portas de comunicação.

Denivaldo Lopes 42
Rede de Computadores

Endereço IP

• IP (Internet Protocol) e Portas Endereço IP identifica um


único nó na rede, ou seja,
Nó “A” - Laptop distingue os nós.
Portas servem para
IPv4: distinguir as aplicações
192.168.26.101 dentre várias em um
mesmo nó.

Aplicação A Aplicação B Aplicação C Aplicação D Relação entre aplicações e


portas de comunicação do
nó “A”.

Porta 80 Porta 23 Porta 21 Porta 443

TCP ou UDP

Pacote

Porta 443 dado

Porta 21 dado

Porta 23 dado

Porta 80 dado
Denivaldo Lopes 43
Rede de Computadores

Endereço IP

• IP (Internet Protocol) e Portas


– Um número de porta pode ser de 0 à 65535, pois as portas
são representada por 2 bytes (16 bits).

– As portas de 0-1023 são registradas por serviços do


sistema operacional ou outros serviços específicos.

– Estas portas (de 0 à 1023) são registradas pelo IANA e são


chamadas de Well Know Ports (IANA, Data: 03/03/2019,
Link: http://www.iana.org/assignments/port-numbers).

Denivaldo Lopes 44
Rede de Computadores

Endereço IP

• IP (Internet Protocol) e Portas


– Portas padronizadas e registradas no IANA:
Nome de serviço Porta Descrição
ftp-data 20 Dados do File Transfer Protocol
ftp 21 File Transfer Protocol
ssh 22 The Secure Shell (SSH) Protocol
telnet 23 Telnet (serviço de acesso remoto)
smtp 25 Simple Mail Transfer
domain 53 Domain Name Server
http 80 World Wide Web HTTP
ntp 123 Network Time Protocol
https 443 http protocol over TLS/SSL
Denivaldo Lopes 45
Rede de Computadores

URL

• URL (Uniform Resource Locator)


– É um endereço que serve para localizar um
recurso na rede.

Denivaldo Lopes 46
Rede de Computadores

URL

• URL (Uniform Resource Locator)


– Exemplo:
• http://www.dee.ufma.br
• http://www.deinf.ufma.br

br fr pt edu com

com edu org ufma

dee deinf demat

www ftp www ftp


Denivaldo Lopes 47
Rede de Computadores

URL

• URL (Uniform Resource Locator)


• A URL é um ponteiro para um recurso específico em um site particular na Internet.
– Ex: http://www.dee.ufma.br
• A sintaxe de uma URL pode ser definida por:

protocolo://nomeHost[ :porta]/caminho/nomeArquivo#seçãoArquivo
Protocolos:
– file: um arquivo:file://C:\JDBC_drivers\Javadoc\allclasses-frame.html)

– http: uma página Web ou um servidor Web (ex. :http://www.dee.ufma.br)

– ftp: um servidor FTP (par exemple :ftp://ftp.dee.ufma.br)

nomeHost: é um servidor (www.dee.ufma.br) que tem um recurso ou é um endereço


IP (ex.: 208.172.48.254). No caso de um nome de servidor, um servidor de
DNS(Domain Name System) é necessário para descobri o endereço IP.

Denivaldo Lopes 48
Rede de Computadores

URL

• URL (Uniform Resource Locator)


protocolo://nomeHost[ :porta]/caminho/nomeArquivo#seçãoArquivo

porta : quando a porta é padronizada por um protocolo, ela é opcional. Por


exemplo, o protocolo HTTP usa a porta 80 (padrão).
As portas padrões estão registradas pelo IANA e são chamadas de Well Know Ports
(http://www.iana.org/assignments/port-numbers).

caminho: indica o local dentro de um diretório físico ou lógico no qual o recurso


pode ser encontrado.

nomeArquivo: específica o nome do arquivo que será baixado pela aplicação


cliente.

#seçãoArquivo: é um ponteiro dentro de um arquivo HTML.


Ex.: http://www.dee.ufma.br/~dlopes/Links.html#_Business_Process

Denivaldo Lopes 49
Rede de Computadores

URL

• URL (Uniform Resource Locator)


– Exemplo: Tradução de URL para IPv4 ou IPv6
• http://www.dee.ufma.br

IPv4: 200.137.130.2

br fr pt edu com

com edu org ufma

IPv4: 200.137.130.2
dee deinf demat

www ftp www ftp


Denivaldo Lopes 50
Rede de Computadores

DNS

• DNS (Domain Name System)


– “(1) DNS é um banco de dados distribuído
implementado em uma hierarquia de servidores de
nome (servidores DNS), e (2) um protocolo de camada
de aplicação que permite que hospedeiros consultem
o banco de dados distribuído” [Fonte: James F. Kurose e
Keith W. Ross, Redes de computadores e a Internet, 3ª edição,
Pearson, 2006].

– O protocolo DNS utiliza a porta 53 e o protocolo da


camada de transporte UDP.

Denivaldo Lopes 51
Rede de Computadores

DNS
Servidor de DNS da Cloudfare
IPv4 “1.1.1.1”

Funcionamento Básico
1. Servidor de DNS qual é
o ip de “www.ufma.br”?

Modem da NET

Servidor – “calhau” alias “www”


Internet no domínio “ufma.br.”
IPv4: 2. “www.ufma.br” tem o
192.168.1.101 ip “200.137.132.7”
hostname “LESERC-21"
Roteador Wifi

IPv4:
200.137.132.7

Denivaldo Lopes 52
Rede de Computadores

DNS
Servidor de DNS da Cloudfare
1. Mensagem do protocolo HTTP IPv4 “1.1.1.1”
“GET /” enviada para
“200.137.132.7”

Modem da NET

Internet
IPv4:
192.168.1.101
hostname “LESERC-21"
Roteador Wifi

2. Mensagem do protocolo HTTP


“200 OK” e contendo a página IPv4:
“index.htm” 200.137.132.7

Denivaldo Lopes 53
Rede de Computadores

DNS

• DNS (Domain Name System): DNS é um banco de dados Lista de root servers pode ser encontrada no site do IANA,
distribuído e hierárquico. link: https://www.iana.org/domains/root/servers
root

Servidor DNS “root”


Tabela DNS
ip: 199.9.14.201
br = 184.168.221.44
fr=120.79.16.27

br fr

Servidor DNS “br” Servidor DNS “fr”


ip: 184.168.221.44 Tabela DNS ip: 120.79.16.27 Tabela DNS
ufma = 200.137.132.2 eseo = 193.49.148.13

ufma eseo
Servidor DNS “ufma” Servidor DNS “eseo”
ip: 200.137.132.2 Tabela DNS ip: 193.49.148.13
www = 200.137.132.7 Tabela DNS
dee = 200.137.130.2 www = 151.80.219.180

dee
Servidor DNS “dee”
ip: 200.137.130.2 Tabela DNS
www = 200.137.130.2
Denivaldo Lopes 54
Rede de Computadores

DNS
• DNS (Domain Name System): Resolução de nomes em
detalhe. Servidor de DNS da Cloudfare
IPv4 “1.0.0.1” root
Servidor DNS “root”
ip: 199.9.14.201

Tabela DNS
br = 184.168.221.44
fr=120.79.16.27
2 Servidor root quem é
1. Servidor de DNS qual é “www.ufma.br”?
o ip de “www.ufma.br”? Servidor DNS “br”
3 Eu conheço “br” que é br ip: 184.168.221.44
181.168.221.44.
Modem da NET
Tabela DNS
4. Servidor “br” quem é ufma = 200.137.132.2
“www.ufma”?

Internet 5. Eu conheço “ufma” que


IPv4: 8. “www.ufma.br” tem o
ip “200.137.132.7” é 200.137.132.2.
192.168.1.101
hostname “LESERC-21" 6. Servidor DNS “ufma”
Roteador Wifi
quem é “www”? Servidor DNS “ufma”
ufma
ip: 200.137.132.2
www
7. “www” é 200.137.132.7. Tabela DNS
www = 200.137.132.7
dee = 200.137.130.2

Servidor – “calhau” alias “www”


no domínio “ufma.br.”
IPv4:
200.137.132.7

Denivaldo Lopes 55
Rede de Computadores

DNS

• DNS (Domain Name System): root servers

Denivaldo Lopes 56
Rede de Computadores

DNS

• DNS (Domain Name System)


– Servidores de DNS gratuitos:
• IPv4:
– Cloudfare: 1.1.1.1 ou 1.0.0.1
– Google: 8.8.8.8 ou ip: 4.4.4.4
• IPv6:
– Cloudfare: 2606:4700:4700::1111 ou 2606:4700:4700::1001
– Google: 2001:4860:4860::8888 ou 2001:4860:4860::8844

– Servidores de DNS com proteção e serviços para a família:


• OpenDNS:
– 208.67.222.123
– 208.67.220.123

Link do OpenDNS: https://www.opendns.com/home-internet-security/

Denivaldo Lopes 57
Rede de Computadores

DNS
• DNS (Domain Name System): Qual o melhor servidor de DNS?

0,062 segundos (0,062 s) ou


62 ms

Denivaldo Lopes 58
Rede de Computadores

DNS
• DNS (Domain Name System)
– DNS e URL estão inter-relacionados pelos nomes
dos domínios. O DNS permite uma organização
hierárquica de cadastro e descoberta de domínios.
A URL identifica um recurso na Internet.

– Para que um “nó” da rede encontre um recurso, é


necessário acessar as informações contidas nas
tabelas dos servidores DNS.
OBS: A experiência de navegação na Web depende de vários fatores, dentre eles:
- A velocidade do link de comunicação (dado em Mbits/s ou Gbits/s), quanto
maior melhor;
- O tempo gasto para resolver os nomes (i.e. tradução de URL para IP, dado em
ms), quanto menor melhor.
Denivaldo Lopes 59
Rede de Computadores

DHCP

• DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol)


– Um endereço IP pode ser atribuído a um “nó” de maneira
estática ou dinâmica;

– Endereço IP estático é quando o endereço IP, máscara de


rede, gateway e DNS são atribuídos na configuração da
interface de rede de forma permanente e manualmente;

– Endereço IP dinâmico é quando o endereço IP, máscara de


rede, gateway e DNS são requisitados a um servidor de
DCHP toda vez que o “nó” for iniciado (i.e. ligado);

Denivaldo Lopes 60
Rede de Computadores

DHCP

• DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol)


– DHCP é um protocolo que permite que hosts possam obter
um endereço IP e outras informações para fazer parte de
uma rede de maneira dinâmica;

– Utilizando DCHP, um host solicita ao servidor de DHCP as


informações necessárias (e.g. um endereço IP, máscara de
rede, gateway e DNS) para se tornar um nó ativo em uma
rede;

– DHCP faz parte da “camada de aplicação” e utiliza a porta


68 (UDP).
Denivaldo Lopes 61
Rede de Computadores

DHCP
• DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol)
Nó “A” sem endereço IP Nó “E” - Servidor DHCP

Discover
Cliente DHCP procura por
servidores DHCP (broadcast)

Offer
Servidor DHCP envia uma oferta ao Cliente
DHCP (endereço IP, máscara, gateway, DNS)

Request
Cliente requisita a oferta do servidor DHCP

Ack
Servidor DCHP aloca o IP para o Cliente e
envia uma confirmação
Denivaldo Lopes 62
Rede de Computadores

IP NAT

• IP NAT (Network Address Translation)


– É uma técnica que consiste em fazer a troca dos endereços dos
pacotes. É empregada para separar uma rede interna de uma
rede externa;

– Quando o endereço IPv4 começou a ficar escasso, o NAT foi a


solução para permitir que “nós” em uma rede interna pudessem
receber endereços IP privados (digo não roteáveis na Internet);

– Para que estes “nós” pudessem acessar a Internet, um único


endereço IP público se fazia necessário (digo roteável na
Internet);

– Na prática, várias redes internas poderiam utilizar as mesmas


faixas de endereços privados, e.g. 192.168.26.*.

Denivaldo Lopes 63
Rede de Computadores

IP NAT

• IP NAT (Network Address Translation)


– Endereços IP privados:
• 10.0.0.0 a 10.255.255.255 (10.0.0.0 /8)
• 172.16.0.0 a 172.31.255.255 (172.16.0.0 /12)
• 192.168.0.0 a 192.168.255.255 (192.168.0.0 /16)
• OBS: IP privados não são roteáveis na Internet, servem
apenas para identificar os “nós” nas redes internas.

– Endereços IP públicos e privados:


• Pode-se fazer a analogia de endereços públicos com os
números de telefone gerenciados pela empresa de
telefonia, enquanto os endereços privados podem ter a
analogia de ramais gerenciados pelo PABX.
Denivaldo Lopes 64
Rede de Computadores

IP NAT
• IP NAT (Network Address Translation)
Nó “A” - Laptop Nó “B” - Smartphone Nó “C” - Desktop Nó “D” - Multifuncional Nó “E” - Servidor

http://www.gmail.com

IPv4: IPv4:
IPv4: IPv4: 192.168.26.104 192.168.26.105
192.168.26.101 192.168.26.102
IPv4:
192.168.26.103

Switch
A requisição “http://www.gmail.com” é feita com
endereço ip privado “192.168.26.103”

Access Point
Interface de rede 1 Interface de rede 2
IPv4 (endereço privado): IPv4 (endereço público):
192.168.26.1 200.137.130.32
Rede 1 - domínio “dee.ufma.br”
Nó ”E“
Servidor NAT A requisição “http://www.gmail.com” é feita com
endereço ip público “200.137.130.32”

Quando o resultado da requisição HTTP é


retornado, o servidor NAT sabe para qual Internet
“nó” entregar o resultado desta requisição.
Denivaldo Lopes 65
Rede de Computadores

IP NAT
• IP NAT (Network Address Translation)
Duas redes internas com a mesma faixa de endereço IP privados, mas externamente
as requisições são feitas através do endereço IP público (diferentes) do seu NAT.

Nó “A” - Laptop Nó “B” - Smartphone Nó “C” - Desktop Nó “D” - Multifuncional Nó “E” - Servidor Nó “A” - Laptop Nó “B” - Smartphone Nó “C” - Desktop Nó “D” - Multifuncional Nó “E” - Servidor

IPv4: IPv4: IPv4: IPv4:


IPv4: 192.168.26.104 192.168.26.105 IPv4: IPv4: 192.168.26.104 192.168.26.105
IPv4:
192.168.26.101 192.168.26.102 192.168.26.101 192.168.26.102
IPv4: IPv4:
192.168.26.103 192.168.26.103

Switch Switch
Nó ”E“ Nó ”E“
Servidor NAT Servidor NAT
Access Point Access Point

Interface de rede 1 Interface de rede 2 Interface de rede 1 Interface de rede 2


IPv4 (endereço privado): IPv4 (endereço público): IPv4 (endereço privado): IPv4 (endereço público):
192.168.26.1 200.137.130.32 192.168.26.1 200.137.130.33
Rede 1 - domínio “dee.ufma.br” Rede 2 - domínio “deinf.ufma.br”

Internet

Denivaldo Lopes 66
Rede de Computadores

CIDR

• CIDR (Classless-Inter Domain Routing)


– Inicialmente, os endereços IPv4 eram divididos em classes.
– As classes de endereços IPs foram estabelecidas através
dos quatro bits iniciais.
– A classe C foi reservada para endereço interno.

Classe Bits iniciais Início Fim Máscara de subrede Redes Endereços


IP/Rede
A 0 0.0.0.0 127.255.255.255 255.0.0.0 128 16.177.216
(2^24)
B 10 128.0.0.0 191.255.255.255 255.255.0.0 16.384 65536 (2^16)

C 110 192.0.0.0 233.255.255.255 255.255.255.0 2.097.152 256


(2^8)
D 1110 224.0.0.0 239.255.255.255

E 1111 240.0.0.0 255.255.255.255

Denivaldo Lopes 67
Rede de Computadores

CIDR

• CIDR (Classless-Inter Domain Routing)


– Entretanto, a divisão e distribuição de endereços em
classes implicava no desperdício de endereços IPs.
– Exemplo:
• Caso uma rede tenha 48 máquinas, então seria necessário uma faixa
de endereços IP da classe C (256 endereços para host por rede). Por
exemplo:
– IPs de 192.168.26.1 a 192.168.26.48.
• Entretanto, baseado em classes, toda a faixa de IPs seria reservada
como segue:
– IPs de 192.168.26.0 a 192.168.26.255;
– Os endereços de 192.168.26.49 a 192.168.26.254 seriam
desperdiçados.
– Para resolver o problema de desperdício de endereços
IPs, o CIDR foi criado, substituindo as classes de IP.

Denivaldo Lopes 68
Rede de Computadores

CIDR

• CIDR (Classless-Inter Domain Routing)


– Com o intuito de aumentar a longevidade do endereço IPv4, o CIDR foi
proposto.
– O CIDR se relaciona com as classes (não mais utilizadas) da seguinte
forma.
Classe Bits iniciais Início Fim Máscara de subrede CIDR Redes Endereços
IP/Rede
A 0 0.0.0.0 127.255.255.255 255.0.0.0 /8 128 16.177.216
(2^24)
B 10 128.0.0.0 191.255.255.255 255.255.0.0 /16 16.384 65536 (2^16)

C 110 192.0.0.0 233.255.255.255 255.255.255.0 /24 2.097.152 256


(2^8)
D 1110 224.0.0.0 239.255.255.255

E 1111 240.0.0.0 255.255.255.255

– /8, /16 e /24 indicam quantos bits da esquerda para a direita são
utilizados para indicar a máscara, para obter a subrede; e os bits restantes
indicam o host.

Denivaldo Lopes 69
Rede de Computadores

CIDR

• CIDR (Classless-Inter Domain Routing)


– Exemplo:
• Caso uma rede tenha 48 máquinas, então seria necessário uma faixa
de endereços IP da classe C (256 endereços para host por rede). Por
exemplo:
– IPs de 192.168.26.1 a 192.168.26.48.
• Entretanto, baseado em classes, toda a faixa de IPs seria reservada
como segue:
– IPs de 192.168.26.0 a 192.168.26.255;
– Os endereços de 192.168.26.49 a 192.168.26.254 seriam desperdiçados.
– Com o CIDR, basta especificar cada endereço IP como:
• Dado o endereço com a notação CIDR: 192.168.26.5/25
• Isto significa que 25 bits da esquerda para a direita indicam os bits da
máscara, assim, temos a máscara: 255.255.255.128.
• A faixa de endereços seria 192.168.26.0 a 192.168.26.127.
• Dado o endereço com a notação CIDR: 192.168.26.140/25
• Isto significa que a máscara será 255.255.255.128, mas a faixa de
endereços será de 192.168.26.128 a 192.168.26.255.
Denivaldo Lopes 70
Rede de Computadores

CIDR

• CIDR (Classless-Inter Domain Routing)


– Em 1996, por meio do RFC1918, o IANA reservou algumas faixas para
endereçamento interno IPv4.

Endereço inicial Endereço Final Bloco CIDR Endereços IPs

10.0.0.0 10.255.255.255 10/8 16.777.216

172.16.0.0 172.31.255.255 172.16/12 1.048.576

192.168.0.0 192.168.255.255 192.168/16 65.536

RFC1918 - Address Allocation for Private Internets, Data de acesso: 24/06/2018, Link: https://tools.ietf.org/html/rfc1918

– Classes não são mais utilizadas, tendo sido substituídas pelo CIDR na
prática.

– Para facilitar o cálculo de endereços e máscaras, há programas como o


sipcalc (Link: http://sipcalc.tools.uebi.net/).

Denivaldo Lopes 71
Rede de Computadores

CIDR

• CIDR (Classless-Inter Domain Routing)


– Exemplo de execução do sipcalc.

Denivaldo Lopes 72
Rede de Computadores

CIDR

• CIDR (Classless-Inter Domain Routing)


– Exemplo de execução do sipcalc, separando a rede
192.168.26.0 em duas subredes, colocando /25.
1ª rede 2ª rede

Denivaldo Lopes 73
Rede de Computadores

CIDR

• CIDR (Classless-Inter Domain Routing)


– Exemplo de execução do sipcalc, separando a rede
192.168.26.0 em quatro subredes, colocando /26
1ª rede 2ª rede

Denivaldo Lopes 74
Rede de Computadores

CIDR

• CIDR (Classless-Inter Domain Routing)


– Exemplo de execução do sipcalc, separando a rede
192.168.26.0 em quatro subredes, colocando /26
3ª rede 4ª rede

Denivaldo Lopes 75
Rede de Computadores

Proxy
• Proxy
– É um intermediário entre um “nó” e outros “nós” .
Basicamente, é utilizado para que vários “nós
clientes” possam acessar outros “nós servidores”.
O fluxo de dados passa apenas pelo proxy. Os demais fluxos de
dados são bloqueados, geralmente, por um firewall.

Internet

Proxy

Denivaldo Lopes 76
Rede de Computadores

Equipamentos de rede de computadores

switch
Interface de rede
gateway

Access Point
Roteador Wireless

Roteador
firewall

Modem ADSL
Denivaldo Lopes 77
Rede de Computadores

Equipamentos de rede de computadores

Interface de rede: é um dispositivo que permite a interligação


de um nó “computador” a uma rede de computadores.
Interface de rede

switch: é um dispositivo que faz o chaveamento ou


interligação de diferentes nós de uma rede de computadors.

switch

Denivaldo Lopes 78
Rede de Computadores

Equipamentos de rede de computadores

Roteador: faz a interligação de nós ou outras redes, escolhendo a


melhor rota para que uma mensagem atinja seu destino.
roteador

gateway: faz a interligação entre redes, marca a extremidade de uma


rede. Geralmente, um gateway permite a troca de mensagens entre
protocolos diferentes. Por exemplo, uma rede VoIP e a Internet.

gateway

Denivaldo Lopes 79
Rede de Computadores

Equipamentos de rede de computadores

Access Point: permite a interligação de vários computadores com


interfaces wireless com uma rede cabeada.
Roteador wireless: além de fazer a interligação de vários
Access Point computadores, permite também o roteamento de mensagens
Roteador Wireless entre redes.

Model ADSL: permite o acesso para a Internet através de um ISP


(Internet Service Provider).
Modem ADSL
Firewall: faz a filtragem de mensagem da Internet para uma rede
interna ou vice-versa, bloqueando o trânsito de mensagens
potencialmente nocivas.
firewall
Denivaldo Lopes 80
Rede de Computadores

Equipamentos de rede de computadores

• Como se relacionam estes equipamentos?


Interface de rede rede A

switch gateway

rede B

switch
Interface de rede
Access Point
Roteador Wireless

Denivaldo Lopes 81
Rede de Computadores

Equipamentos de rede de computadores

• Como se relacionam estes equipamentos?


Interface de rede rede A

gateway
switch
firewall

roteador

Interface de rede
Access Point
Roteador Wireless
Internet

Denivaldo Lopes 82
Rede de Computadores
O firewall pode também ter a
funcionalidade de gateway
Equipamentos de rede de computadores

• Como se relacionam estes equipamentos?


Interface de rede rede A

gateway
switch
firewall

roteador

Interface de rede
Access Point
Roteador Wireless
Internet

Denivaldo Lopes 83
Rede de Computadores

Vídeos complementares
• Assistir aos vídeos
– Como funciona a Internet
– CGI - Como funciona a Internet - Parte 1
– CGI - Como funciona a Internet - Parte 2
– CGI - Como funciona a Internet - Parte 3
– Como funciona a Internet? Parte 4: Governança da Internet
– CGI - O que é IPv6
– A importância do DNS nas redes, explicada pelo NIC.br.
– CGI - IETF e padrões da Internet
– CGI - Hora certa na Internet
– Endereço IP (classes, máscaras, etc)
– Endereço IP – nic.br (parte 1)
– Endereço IP – nic.br (parte 2)
– Como registrar um domínio .br?
– A importância da hora certa na Internet e o NTP.br, explicados pelo NIC.br
– Como e por que implantar IPv6 na minha empresa

Denivaldo Lopes 84
Rede de Computadores

Sumário

• Parte I – Conceitos básicos


• Parte II – Rede de Computadores e Sist. Operacionais
• Parte III – Serviços de Rede de Computadores
• Parte IV – Programação com TCP e UDP
• Parte V – Segurança da Informação e legislação

Denivaldo Lopes 85
Rede de Computadores

Sumário

• Parte II – Rede de Computadores e Sist. Operacionais


– Configuração da interface de rede no Windows 7
– Configuração da interface de rede no Windows 10
– Prompt de comandos do Windows 10
– Windows: comandos e rede de computadores
– Linux: visão geral
– Terminal de comandos do Linux
– Configuração da interface de rede no Linux Ubuntu
– Linux: comandos e rede de computadores

Denivaldo Lopes 86
Rede de Computadores

Configuração da interface de rede no Windows 7

• Painel de controle

Denivaldo Lopes 87
Rede de Computadores

Configuração da interface de rede no Windows 7

• Configuração da interface de rede

Denivaldo Lopes 88
Rede de Computadores

Configuração da interface de rede no Windows 7

• Configuração da interface de rede


Configurado para utilizar DHCP
(endereçamento dinâmico)

Denivaldo Lopes 89
Rede de Computadores

Configuração da interface de rede no Windows 7

• Configuração do host

Denivaldo Lopes 90
Rede de Computadores

Configuração da interface de rede no Windows 10


• Abrindo o painel de controle

2. Painel de Controle

1. Procurando por
“Painel de Controle”

Denivaldo Lopes 91
Rede de Computadores

Configuração da interface de rede no Windows 10


• Abrindo “Central de Rede e Compartilhamento”

Denivaldo Lopes 92
Rede de Computadores

Configuração da interface de rede no Windows 10

• Alterar as configurações do adaptador

Denivaldo Lopes 93
Rede de Computadores

Configuração da interface de rede no Windows 10


• Escolhendo as “Propriedades” da interface “Ethernet”

Denivaldo Lopes 94
Rede de Computadores

Configuração da interface de rede no Windows 10


• Escolhendo o “Protocolo IP Versão 4 (TCP/IPv4)

1º seleciona

2º Clicar no botão

Denivaldo Lopes 95
Rede de Computadores

Configuração da interface de rede no Windows 10


• Configurando o endereço IP: dinâmico
Propriedades de configuração

Configurado para utilizar DHCP


(endereçamento dinâmico)

Denivaldo Lopes 96
Rede de Computadores

Configuração da interface de rede no Windows 10


• Configurando o endereço IP: estático

Configurado para
endereçamento IP estático

DNS configurado para


“1.1.1.1” (DNS da Cloudfare) e
“8.8.8.8” (DNS do Google)

Denivaldo Lopes 97
Rede de Computadores

Prompt de comandos do Windows 10

• Comandos no Windows: Prompt de Comandos

2. Linha de comando
do Windows

1. Procurando pelo
programa de “Linha de
comando do Windows”

Denivaldo Lopes 98
Rede de Computadores

Prompt de comandos do Windows 10

• Comandos no Windows: Prompt de Comandos


– Prompt de comando do Windows

Denivaldo Lopes 99
Rede de Computadores

Prompt de comandos do Windows 10


• Comandos no Windows: Prompt de Comandos
– Comandos básicos por linha de comando:
• cls: limpa a janela de comando;
• dir: lista os diretórios e arquivos;
• cd: troca de diretórios;
• mkdir: cria um diretório;
• rmdir: remove (apaga) um diretório;
• copy: copia arquivos;
• rename: renomeia o nome de arquivos;
• type: apresenta o conteúdo de um arquivo texto;
• exit: encerra a janela do prompt de comando.

Denivaldo Lopes 100


Rede de Computadores

Prompt de comandos do Windows 10


• Comandos no Windows: Prompt de Comandos
– Comandos básicos por linha de comando:

Denivaldo Lopes 101


Rede de Computadores

Prompt de comandos do Windows 10


• Comandos no Windows: Prompt de Comandos
– Comandos básicos por linha de comando:

2. Resultado... tela limpa.

1. Comando para limpar a tela

Denivaldo Lopes 102


Rede de Computadores

Prompt de comandos do Windows 10

• Comandos básicos por linha de comando:

Denivaldo Lopes 103


Rede de Computadores

Prompt de comandos do Windows 10

• Comandos básicos por linha de comando:

Denivaldo Lopes 104


Rede de Computadores

Prompt de comandos do Windows 10

• Comandos básicos por linha de comando:

Denivaldo Lopes 105


Rede de Computadores

Windows: comandos e rede de computadores

• Comandos no Windows e rede de computadores:


– hostname: lista o nome do computador local;
– ping: faz um teste de comunicação entre o computador local e
o computador remoto;
– nslookup: utiliza o “resolver” para resolver nomes (URL para
endereço IP);
– ipconfig: mostra as interfaces de rede e sua configuração;
– tracert: apresenta a rota de pacotes entre o computador local e
o computador remoto.

Denivaldo Lopes 106


Rede de Computadores

Windows: comandos e rede de computadores

Denivaldo Lopes 107


Rede de Computadores

Windows: comandos e rede de computadores

Denivaldo Lopes 108


Rede de Computadores

Windows: comandos e rede de computadores


Nome do computador (host) que
oferece o serviço de
Domain Name System (DNS)

Endereço IP do computador que


oferece o serviço de DNS
Nome do computador (host) que
executa o servidor Web do DEE

Nome real do computador (host) que


executa o servidor Web do DEE

Endereço IP do computador
www.dee.ufma.br

Outro nome para o servidor Web do DEE

Denivaldo Lopes 109


Rede de Computadores

Windows: comandos e rede de computadores

Endereço IP versão 6

Endereço IP versão 4
Endereço IP do
gateway

Denivaldo Lopes 110


Rede de Computadores

Windows: comandos e rede de computadores

Apresenta o rastreamento dos pacotes


(caminho percorrido) até chegar ao
host www do domínio “net.com.br”.

Denivaldo Lopes 111


Rede de Computadores

Windows: comandos e rede de computadores

Apresenta o cache da tabela de DNS


local.

Denivaldo Lopes 112


Rede de Computadores

Windows: comandos e rede de computadores

Limpa o cache da tabela de DNS local.

Denivaldo Lopes 113


Rede de Computadores

Linux: visão geral


• GNU/Linux
– É um sistema operacional baseado no Kernel Linux e
Projeto GNU, por isso, se chama GNU/Linux.
– Seu código fonte é distribuído sob a licença GPL/GNU,
sendo que qualquer pessoa pode utilizar, modificar e
distribuir livremente. A modificação é condicionada a
fornecer uma versão gratuita sob a licença GPL;

– Bibliografia:
• Guia Foca Linux, Data de acesso: 21/09/2019, Link:
http://guiafoca.org/

Denivaldo Lopes 114


Rede de Computadores

Linux: visão geral


• Características do GNU/Linux:
• Arquitetura: núcleo monolítico (monolithic kernel);
• Portabilidade: funciona em diversas plataformas de hardware,
por exemplo, smartphone, tablets, TVs, desktops, servidores e
mainframes;
• Código fonte livre e gratuito (licença GPL/GNU);
• Multitarefa: executa várias tarefas em paralelo (suporta
concorrência e paralelismo físico);
• Preemptivo: o kernel determina a ordem e o tempo de
execução dos programas (os programas são executados ao
longo do tempo de maneira intercalada, dando a ilusão de que
são executados ao mesmo tempo);
• Multiusuário: vários usuários podem estar logados ao mesmo
tempo;
• Obedece as normas do IEEE 1003 - POSIX (Portable Operating
System Interface);

Denivaldo Lopes 115


Rede de Computadores

Linux: visão geral

• Características do GNU/Linux:
• Multissessão: permite a existência de várias contas de
usuários na mesma máquina;
• Multiprocessamento: suporta vários processadores no
modelo SMP (Symmetric Multi-Processing);
• Segurança: em geral, o GNU/Linux é um sistema
operacional com uma relativa “segurança” desde que
adequadamente configurado e atualizado.
• Programas gratuitos: LibreOffice, compiladores (C, C++,
Fortran, etc), servidores Web (Apache), SGBD (MySQL,
PostgreeSQL), dentre outros.

Denivaldo Lopes 116


Rede de Computadores

Linux: visão geral

• Linux
– Várias distribuições do sistema GNU/Linux:

Denivaldo Lopes 117


Rede de Computadores

Terminal de comandos do Linux


• Linux Ubuntu

• Canonical, Ubuntu, Data de acesso: 08/08/2019, Link: https://ubuntu.com/


• Ubuntu Wiki, Data de acesso: 22/09/2019, Link: http://wiki.ubuntu-br.org/
• Mundo Ubuntu, Data de acesso: 08/08/2019, Link:
http://www.mundoubuntu.com.br/tutoriais/apostilas-em-pdf
Denivaldo Lopes 118
Rede de Computadores

Terminal de comandos do Linux


• Comandos básicos do Linux
– ls: lista os diretórios e arquivos;
– cd: troca o diretório corrente;
– mkdir: cria um diretório;
– rm: remove um diretório;
– cp: copia um arquivo para outro arquivo (diretório);
– less: apresenta o conteúdo de um arquivo texto;
– vi: abre um editor de texto básico;
– gedit: editor de texto em modo gráfico;
– clear: limpa a tela do terminal;
– exit: encerra o terminal;
– pwd: lista o nome do diretório corrente;
– uname: apresenta a versão do linux;
– kill: serve para terminar um processo em execução;
– top: lista informações sobre desempenho e utilização de recursos: processador,
memória, etc.
– history: apresenta o histórico de comandos digitado;
– man: apresenta o manual sobre o comando passado como parâmetro.

Denivaldo Lopes 119


Rede de Computadores

Terminal de comandos do Linux


• Linux Ubuntu

Denivaldo Lopes 120


Rede de Computadores

Terminal de comandos do Linux


• Linux Ubuntu

Denivaldo Lopes 121


Rede de Computadores

Terminal de comandos do Linux


• Linux Ubuntu

Denivaldo Lopes 122


Rede de Computadores

Terminal de comandos do Linux


• Linux Ubuntu

Denivaldo Lopes 123


Rede de Computadores

Terminal de comandos do Linux


• Linux Ubuntu

Denivaldo Lopes 124


Rede de Computadores

Terminal de comandos do Linux


• Linux Ubuntu

Denivaldo Lopes 125


Rede de Computadores

Terminal de comandos do Linux


• Linux Ubuntu

Denivaldo Lopes 126


Rede de Computadores

Terminal de comandos do Linux


• Linux Ubuntu

Denivaldo Lopes 127


Rede de Computadores

Configuração da interface de rede no Linux Ubuntu

• Linux Ubuntu

Denivaldo Lopes 128


Rede de Computadores

Configuração da interface de rede no Linux Ubuntu

Denivaldo Lopes 129


Rede de Computadores

Configuração da interface de rede no Linux Ubuntu

Denivaldo Lopes 130


Rede de Computadores

Configuração da interface de rede no Linux Ubuntu

Denivaldo Lopes 131


Rede de Computadores

Linux: comandos e rede de computadores

Denivaldo Lopes 132


Rede de Computadores

Linux: comandos e rede de computadores

Denivaldo Lopes 133


Rede de Computadores

Linux: comandos e rede de computadores

Denivaldo Lopes 134


Rede de Computadores

Linux: comandos e rede de computadores

Denivaldo Lopes 135


Rede de Computadores

Linux: comandos e rede de computadores

Denivaldo Lopes 136


Rede de Computadores

Sumário

• Parte I – Conceitos básicos


• Parte II – Rede de Computadores e Sist. Operacionais
• Parte III – Serviços de Rede de Computadores
• Parte IV – Programação com TCP e UDP
• Parte V – Segurança da Informação e legislação

Denivaldo Lopes 137


Rede de Computadores

Serviços de rede por meio do Linux


• Dentre os serviços de rede, podemos destacar aqueles
gerenciados pelas ferramentas:
– Servidor SSH: permite fazer o acesso remoto ao console de um
computador de maneira segura e confiável;
– Servidor Web: é um programa que permite o acesso as páginas HTML,
fotos, scripts, dentre outros objetos que são obtidos e interpretados pelo
browser Web como Firefox, Internet Explorer e Chorme;
– Servidor FTP: permite acessar arquivos de maneira remota e segura com
sua variação SFTP;
– Servidor Samba: permite o compartilhamento de recursos como arquivos,
pastas, impressoras, dentre outros, sendo compatível com o serviço de
compartilhamento do Windows;
– Firewall: UFW é um firewall básico para proteção (http://wiki.ubuntu-
br.org/UFW).

• Bibliografia:
– Guia Foca GNU/Linux, Data de acesso: 21/09/2019, Link: http://guiafoca.org/
Denivaldo Lopes 138
Rede de Computadores

Sumário

• Parte I – Conceitos básicos


• Parte II – Rede de Computadores e Sist. Operacionais
• Parte III – Serviços de Rede de Computadores
• Parte IV – Programação com TCP e UDP
• Parte V – Segurança da Informação e legislação

Denivaldo Lopes 139


Rede de Computadores

Sumário

• Parte IV – Programação com TCP e UDP


– Comunicação Assíncrona e Síncrona
– Programação em C com UDP
– Programação em C com TCP

Denivaldo Lopes 140


Rede de Computadores

Comunicação Assíncrona e Síncrona

• C é uma linguagem de programação que


permite a passagem de mensagens:
– Assíncronas.
– Síncronas.
• A passagem de mensagem assíncrona é
implementada pela utilização de datagramas e
socket.
• A passagem de mensagem síncrona é obtida
pela utilização de socket.

Denivaldo Lopes 141


Rede de Computadores

Comunicação Assíncrona e Síncrona


• As mensagens podem ser trocadas de forma bloqueante ou não
bloqueante. Isto define o tipo de sincronização utilizado no envio e
na recepção da mensagem.
Tipos de sincronização

receive Bloqueante Não bloqueante


send
Bloqueante 1 -
Não bloqueante 2 3
• A situação 1 apresenta tanto o transmissor quanto o receptor do tipo bloqueante. Neste caso, a mensagem é
trocada de forma síncrona, pois o receber e o emissor aguardam até que ambos estejam prontos para trocar a
mensagem e aguardam o final da transmissão.
• A situação 2 mostra o transmissor do tipo não bloqueante e o receptor do tipo bloqueante. Neste caso, a
mensagem é enviada e o transmissor não aguarda que o receptor esteja pronto para recebê-la e sem aguardar
que a mensagem chegue a seu destino. Por outro lado, o receptor deve aguardar até que chegue uma mensagem
e após prossegue seu processamento. Este tipo de transmissão é conhecido como assíncrono, pois o emissor e o
receptor não se sincronizam para trocar a mensagem.
• A situação 3 é um pouco esquisita, mas pode ser identificada como um mecanismo de interrupção.

Denivaldo Lopes 142


Rede de Computadores

Comunicação Assíncrona e Síncrona

Denivaldo Lopes 143


Rede de Computadores

Programação em C com UDP


• Programa em C com UDP – file “Client_udp.c”

Denivaldo Lopes 144


Rede de Computadores

Programação em C com UDP


• Programa em C com UDP – file “Client_udp.c”

Denivaldo Lopes 145


Rede de Computadores

Programação em C com UDP


• Programa em C com UDP – file “Client_udp.c”

Denivaldo Lopes 146


Rede de Computadores

Programação em C com UDP


• Programa em C com UDP – file “Server_udp.c”

Denivaldo Lopes 147


Rede de Computadores

Programação em C com UDP


• Programa em C com UDP – file “Server_udp.c”

Denivaldo Lopes 148


Rede de Computadores

Programação em C com UDP


• Programa em C com UDP – file “Server_udp.c”

Denivaldo Lopes 149


Rede de Computadores

Programação em C com UDP


• Programa em C com UDP – exemplo execução

Denivaldo Lopes 150


Rede de Computadores

Programação em C com TCP

• Programa em C com TCP: file “Client_tcp.c”

Denivaldo Lopes 151


Rede de Computadores

Programação em C com TCP

• Programa em C com TCP: file “Client_tcp.c”

Denivaldo Lopes 152


Rede de Computadores

Programação em C com TCP

• Programa em C com TCP: file “Client_tcp.c”

Denivaldo Lopes 153


Rede de Computadores

Programação em C com TCP

• Programa em C com TCP: file “Client_tcp.c”

Denivaldo Lopes 154


Rede de Computadores

Programação em C com TCP

• Programa em C com TCP: file “Server_tcp.c”

Denivaldo Lopes 155


Rede de Computadores

Programação em C com TCP

• Programa em C com TCP: file “Server_tcp.c”

Denivaldo Lopes 156


Rede de Computadores

Programação em C com TCP

• Programa em C com TCP: file “Server_tcp.c”

Denivaldo Lopes 157


Rede de Computadores

Programação em C com TCP

• Programa em C com TCP: file “Server_tcp.c”

Denivaldo Lopes 158


Rede de Computadores

Programação em C com TCP

• Programa em C com TCP: file “Server_tcp.c”

Denivaldo Lopes 159


Rede de Computadores

Programação em C com TCP

• Programa em C com TCP: exemplo execução

Denivaldo Lopes 160


Rede de Computadores

Sumário

• Parte I – Conceitos básicos


• Parte II – Rede de Computadores e Sist. Operacionais
• Parte III – Serviços de Rede de Computadores
• Parte IV – Programação com TCP e UDP
• Parte V – Segurança da Informação e legislação

Denivaldo Lopes 161


Rede de Computadores

Segurança da Informação

• O que é informação?
– Segundo o dicionário Aurélio online*, informação é:
1 - Dar informações a ou a respeito de.
2 - Avisar.
3 - Dar parecer sobre.
4 - Dar forma a.
5 - Ato ou efeito de informar.
6 - Notícia (dada ou recebida).
7 - Indagação.
8 - Esclarecimento dado sobre os méritos ou estado de outrem.
9 - curar por informações: acreditar piamente no que se ouve; fundar-se apenas em boatos.
10 - Tomar corpo; engrossar; desenvolver-se.
11 - Dar informações a ou a respeito de.
12 - Avisar.
13 - Dar parecer sobre.
14 - Dar forma a.
15 - Tomar informações.
16 - Procurar notícias.
17 - Tomar forma.
18 - Tomar corpo; engrossar; desenvolver-se.

* Dicionário Aurélio online, Acessado em: 14/12/2018, Link de acesso:


https://dicionariodoaurelio.com/informacao
Denivaldo Lopes 162
Rede de Computadores

Segurança da Informação

• O que é informação?
– Segundo o dicionário WordWeb*, informação é:
1. A message received and understood.

2. Knowledge acquired through study, experience or


instruction.

3. A collection of facts from which conclusions may be drawn


"statistical information".

4. (communication theory) a numerical measure of the


uncertainty of an outcome "the signal contained thousands
of bits of information".
* Dicionário WordWeb online, Acessado em: 14/12/2018, Link de acesso:
https://www.wordwebonline.com/search.pl?w=information
Denivaldo Lopes 163
Rede de Computadores

Segurança da Informação

• O que é informação?
– Segundo Waldez Luiz Ludwing informação é:
Informação é "bem econômico, comodity, (...),
difusiva, (...) não precisa de porto, nem de estrada,
nem de avião, porque são transportes muito lentos
para ela. Desconhece as fronteiras físicas e transita
em uma velocidade parecida com a da luz, não tem
passaporte e não reconhece os muros. (...) Não
admite ser trocada por nada, só topa ser
compartilhada (...)"
* Waldez Luiz Ludwing, data de acesso: 14/12/2018, Link:
https://www.youtube.com/watch?v=IvJKT-92uDw

Denivaldo Lopes 164


Rede de Computadores

Segurança da Informação

• O que é segurança da informação?


– No contexto de rede de computadores, a segurança da
informação tem por finalidade garantir e preservar o valor
da informação seja para um indivíduo ou para uma
organização.

– A segurança da informação deve garantir os seguintes


requisitos básicos:
• Identificação;
• Autenticidade;
• Autorização;
• Integridade;
• Confidencialidade;
• Não repúdio;
• Disponibilidade.
Denivaldo Lopes 165
Rede de Computadores

Segurança da Informação

• Questões sobre segurança da informação:


– Quais são os ataques na Internet?
– O que é e quais são os malwares?
– Quais são os mecanismos de segurança?
– Como protejo as contas de usuários?
– Como navegar na Internet de forma mais segura?

– Para encontrar respostas para estas perguntas,


leia a Cartilha de Segurança para Internet do
Cert.br no link: https://cartilha.cert.br/seguranca/
Denivaldo Lopes 166
Rede de Computadores

Legislação
• Leis e decretos sobre a Internet no Brasil
– LEI Nº 12.965, DE 23 DE ABRIL DE 2014, que Estabelece princípios,
garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil;
– LEI Nº 13.709, DE 14 DE AGOSTO DE 2018, que dispõe sobre a
proteção de dados pessoais e altera a Lei nº 12.965, de 23 de abril
de 2014 (Marco Civil da Internet);
– LEI Nº 13.853, DE 8 DE JULHO DE 2019, que altera a Lei nº 13.709,
de 14 de agosto de 2018, para dispor sobre a proteção de dados
pessoais e para criar a Autoridade Nacional de Proteção de Dados; e
dá outras providências.
– DECRETO Nº 8.771, DE 11 DE MAIO DE 2016, que regulamenta a Lei
nº 12.965, de 23 de abril de 2014, para tratar das hipóteses
admitidas de discriminação de pacotes de dados na internet e de
degradação de tráfego, indicar procedimentos para guarda e
proteção de dados por provedores de conexão e de aplicações,
apontar medidas de transparência na requisição de dados
cadastrais pela administração pública e estabelecer parâmetros
para fiscalização e apuração de infrações.
Denivaldo Lopes 167
Rede de Computadores

Legislação
• Outras leis correlacionadas
– LEI Nº 9.609 , DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998, que dispõe sobre a
proteção da propriedade intelectual de programa de computador,
sua comercialização no País, e dá outras providências.
– LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998, que altera, atualiza e
consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras
providências.
– LEI Nº 9.472, DE 16 DE JULHO DE 1997, que dispõe sobre a
organização dos serviços de telecomunicações, a criação e
funcionamento de um órgão regulador e outros aspectos
institucionais, nos termos da Emenda Constitucional nº 8, de 1995.
– LEI Nº 12.737, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012, que dispõe sobre a
tipificação criminal de delitos informáticos; altera o Decreto-Lei nº
2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal; e dá outras
providências.
Denivaldo Lopes 168
Rede de Computadores

Vídeos complementares

• Assistir aos vídeos


– Segurança - CGI - Pragas virtuais
– Segurança - CGI - Defenda-se dos Vírus de
Computador
– Segurança - CGI - Segurança na Internet - 1. Navegar é
preciso
– Segurança - CGI - Cartilha de Segurança para Internet
– Como registrar um domínio ".br"?
– A Internet das coisas, explicada pelo NIC.br
– O melhor antivírus 2019 para proteger o seu Android

Denivaldo Lopes 169

Você também pode gostar