Você está na página 1de 123

VesselIQ Xpress

Angiotomografia

Imagination at work 1
Aviso

Atenção:
Os materiais contidos neste curso/documento destinam-se apenas para fins educacionais. Este curso/documento
não estabelece especificações, procedimentos operacionais ou métodos de manutenção para nenhum dos produtos
mencionados. Sempre se refira aos materiais oficialmente escritos (identificados) fornecidos com o produto para
especificações, procedimentos operacionais e requisitos de manutenção. Configurações disponíveis para qualquer
produto mencionado, vai depender de requisitos e normas do mercado local. As Ilustrações neste curso/documento
podem não representar todas as configurações do produto. Este curso/documento não abrange a operação de cada
acessório.

Material de Treinamento Proprietário - propriedade de GE Healthcare. Os materiais contidos neste curso/documento


destinam-se apenas para fins educacionais.

Nenhuma conclusão diagnóstica pode ser inferida ou foram incluídas nestes materiais. Todo diagnóstico clínico deve
ser feito por um médico qualificado. Todos os nomes de paciente ou outro informação de saúde protegida ou dados
contidos em qualquer imagem dentro deste material são fictícios. Qualquer semelhança com pessoas reais é mera
coincidência.

2
Introdução:
Este curso destina-se a ajudar o aluno a utilizar de forma adequada as
informações geradas pelos scan, entender sua melhor maneira de aquisição e
tempo de contraste em determinados exames e revisar os protocolos de aquisição
de acordo com a estrutura a ser estudada.

Angio Tomografia é um exame de diagnostico por imagem com utilização de


meios de contraste permitindo uma melhor visualização de veias e arterias do
corpo.

Público Alvo
Operadores de Tomografia Computadorizada (CT). Outros tecnólogos, biomédicos
e estudantes também poderão se beneficiar deste programa.

3
Objetivos de Aprendizagem
Ao final deste curso, o participante deverá ser capaz de:
• Realizar exame e ser capaz de indentificar possiveis patologias vasculares

• Realizar exames vasculares, utilizando tecnicas de Smart Prep e Bolus Timing.


• Utilizar de forma adequada o meio de contraste.
• Trabalhar o pós processamento com reformatações , reconstrução 3D e análise
vasos com softwares adequados para estenose e aneurismas

Imagination at work 4
Informações Gerais

5
Informações Gerais Sistema Circulatorio

➢ O sistema circulatório é um sistema do


órgão que move nutrientes, gases e
resíduos a partir de células e para ajudar a
combater doenças e ajudar a estabilizar a
temperatura do corpo e do pH para
manter a homeostase.

➢ Os componentes principais do sistema


circulatório humano são os seguintes:

• Coração

• Sangue

• vasos sanguíneos.
6
Informações Gerais Vasos Sanguíneos
➢ Os vasos sanguíneos são a parte do
sistema circulatório, que transportam
sangue por todo o corpo.

➢ Existem três tipos principais de vasos


sanguíneos:

▪ ARTÉRIAS : que transportam o sangue


oxigenado para longe do coração

▪ CAPILARES : que permitem a troca


efectiva de água e produtos químicos
entre o sangue e os tecidos

▪ VEIAS : que transportam o sangue dos


capilares deoxigenated volta para o
coração.
7
Informações Gerais Doenças dos vasos sanguíneos -
Aterosclerosis
➢ A aterosclerose é uma doença na qual a
placa se acumula no interior das suas
artérias.

➢ A placa é constituída por gordura,


colesterol, cálcio, e outras substâncias
encontradas no sangue.

➢ Com o tempo, a placa endurece e estreita


as artérias.

➢ O fluxo de sangue rico em oxigênio que vai


para os órgãos e outras partes do seu corpo
é reduzido. Isso pode levar a problemas
graves, incluindo ataque cardíaco, acidente
vascular cerebral, ou mesmo a morte.

8
Informações Gerais Doenças dos vasos sanguíneos -
Aterosclerosis
➢ A aterosclerose pode afetar qualquer artéria do corpo,
incluindo as artérias do coração, cérebro, braços,
pernas e pelvis.

➢ Como resultado, diversas doenças podem se


desenvolver com base no qual as artérias afetadas
são:

▪ A doença arterial coronariana (DAC).

▪ A doença da artéria carótida. Essas artérias fornecem


sangue rico em oxigênio para o cérebro.

▪ A doença arterial periférica (DAP). Isso ocorre quando


a placa se acumula nas principais artérias que
fornecem sangue rico em oxigênio para as pernas,
braços e pélvis.

9
Informações Gerais Doenças dos vasos sanguíneos
- placa arterial
➢ A placa arterial desenvolve-se em
resposta a uma lesão da parede
arterial, que pode ser causada por
vários fatores.

➢ Uma vez que a lesão ocorre, uma


cascata inflamatória é iniciada :

▪ Placa fibrosa de gordura ou placa


vulnerável : é a mais prevalente,
Gordura e colesterol
representando cerca de 80% do acumulando-se na parede
volume da placa. Pode facilmente da artéria
quebrar, causando um coágulo de
sangue, de forma que possa impedir
fluxo de sangue.

▪ A placa remanescente é uma placa


calcificada dura.
10
Informações Gerais Doenças dos vasos sanguíneo
➢ Um aneurisma é uma dilatação de um vaso Aneurisma
sanguíneo causada por doença ou
enfraquecimento da parede do vaso.

➢ Aneurismas ocorrem mais comumente em:

▪ Artérias na base do cérebro (o círculo de


Willis)

▪ Aorta , a artéria principal que vem do


coração, é assim chamado aneurisma da
aorta.

➢ À medida que o tamanho de um aneurisma


aumenta, há um aumento do risco de
ruptura, o que pode resultar em hemorragia
grave ou outras complicações, incluindo a
morte súbita.

11
Doenças dos vasos sanguíneos -
Informações Gerais malformações arteriovenosas

➢ Malformações Arteriovenosas (MAV) são defeitos


do sistema circulatório, que geralmente acredita-se
que surgem durante o desenvolvimento
embrionário ou fetal ou logo após o nascimento.

➢ Eles são compostos de emaranhados de artérias e


veias.

➢ As artérias transportam o sangue rico em oxigênio


para fora do coração, e para as células do corpo.
➢ As veias retornam o sangue pobre em oxigênio
para os pulmões e coração.

❖ A presença de um MAV interrompe esse processo


cíclico vital.

12
Informações Gerais Doenças dos vasos sanguíneos
Dissecção Aórtica
➢ A dissecção arterial refere-se à formação
anormal e geralmente abrupta, de um
rasgo ao longo da parede interior de uma
artéria.

➢ Isso cria dois canais; o canal original para o


fluxo de sangue (luz verdadeira) e do novo
canal de fluxo adicional (luz falsa).

➢ Dissecção aórtica é a forma mais comum


que afeta a aorta. Ela ocorre em cerca de
24 pessoas por milhão por ano nos EUA.

➢ Isso pode resultar numa diminuição


significativa no fluxo de sangue para vários
órgãos e tecidos.

13
Informações Gerais Doenças dos vasos sanguíneos -
aterosclerose :Tratamento
➢ Aterectomia: remoção da placa arterial.

➢ Angioplastia: técnica de alargamento


mecanicamente de um vaso sanguíneo
estreitado ou obstruído.
**balões firmemente dobradas são passados
para os locais apertados e depois inflado para um
tamanho fixo durante aproximadamente 2
minutos para pressionar abrir o bloqueio e criar
um canal que aumenta o fluxo sanguíneo através
da artéria.

➢ STENT é um tubo de malha pequena que é


usado para tratar artérias estreitadas ou
enfraquecidos no corpo.

14
Informações Gerais Vantagens e Benefícios
Clinicos
➢ Avaliação de vasos arteriais em áreas-
chave (cérebro, rins, pélvis, pernas,
pulmões, coração, tórax, abdome e
pescoço).

➢ Identificação de doenças: estenose,


aneurismas, malformações MAV,
dissecções.

➢ Avaliação e quantificação, em Estenose.

➢ Planejamento pré-cirúrgico / implantação


de stent.

➢ Controle pós-cirúrgico / seguimento da


doença.

15
Informações Gerais CTA oferece vantagens
➢ Informações suficientes para a decisão sobre as outras
terapêutica e os custos de imagem reduzidos. modalidades de imagem
➢ Técnica de imagem menos invasiva e mais médica
apurada.

➢ Mostra anatomia tanto vascular como não


vascular.

➢ Menos tempo e menos dose radiação, e


menos angiografia de raios-X e sem
necessidade de punção arterial.

➢ Alternativa à MRI em pacientes com acesso


limitado ou nenhum periférico ou com stents
e próteses metálicas.

➢ Descreve informações 3D para melhor


visualização

16
Meios de contraste

17
Meios de contraste

➢ Os contrastes iodados não iônicos (baixa osmolalidade)


apresentam vantagem em relação à segurança sobre os agentes
iônicos, e são de um custo mais elevado.

➢ Toda a controvérsia quanto a utilização baseia-se no alto custo


que no Brasil é de 3 a 4 vezes superior aos agentes iônicos.

➢ O melhor contraste, caracteristicas e fatores que influenciam sua


seleção vamos entender agora.

18
Meios de contraste
Meios de Contraste Iodado
➢ O “ iodado” no contexto de Contraste Iodado
refere se ao fato de estes agentes usarem o
Iodo como fonte de radioopacidade !

➢ De todos os aproximados 103 elementos


“químicos” ; aqueles da tabela da periódica
lembram?
❖ O Iodo tem as propriedades adequadas que o
tornam o melhor componente na formação de
meios de contraste.

19
Meios de contraste
Meios de Contraste Iodado
E por que o Iodo e não outros materiais ?
➢ O Chumbo por exemplo, é altamente tóxico para o nosso
organismo, já o iodo nem tanto ! Ele possui toxicidade inferior
ao chumbo ou outros metais.

➢ O Iodo pode ser formulado para ser solúvel em água.

➢ O Iodo pode ser formulado para ser biologicamente inativo, de


modo a minimizar a interferência com as funções celulares.
20
Meios de contraste
Meios de Contraste Iodado
➢ O Lipiodol, aquele utilizado nos estudos de mieolografia; um
dos primeiros contrastes iodados da década de 20, foram
formulados para se dissolverem em óleos ao invés de água.

➢ Já o primeiro contraste iodado solúvel em água foi o iodeto de


sódio, mas ele era altamente tóxico e possuia baixo contraste
radiográfico, sabem por que? :

❖ O iodeto de sódio possui apenas um átomo de Iodo por átomo


de sódio, logo o feixe de raios passa facilmente por esse
componente, além do mais, os átomos livres de Iodo são
reativos as proteínas corpóreas causando toxicidade. 21
Meios de contraste
Meios de Contraste Iodado
➢ Olhando a fórmula já nos damos conta que temos 3 moléculas
de Iodo, e com isso a atenuação dos Raios X melhora.

O contraste Iônico é composto por íon


radiopaco de carga negativa (ânion) e Íon
de carga positive (cátion) que se
desassociam ao serem injetados no
organismo interferindo com os processos
fisioloógicos normais.

22
Meios de contraste
Meios de Contraste Iodado
➢ O desafio seguinte era desenvolver uma molécula não iônica e que se
dissolvesse na água. Ou seja não poderia se desassociar para íons em
soluções, e a idéia foi se livrar do cátion. Logo, as 3 posições no anel
de benzeno que não foram ocupadas pelo Iodo, agora tem a hidroxila (
OH – que nada mais é do que um átomo de Oxigênio e Hidrogênio ),
isso faz com que a solubilidade da água seja retida .
➢ Os grupos hidroxila criam regiões carregadas na molécula as quais
tornam-na solúvel em água.
Os meios de contraste não-
iônicos não se disassociam na
solução. A molécula tri-iodada é
solúvel em água por causa dos
grupos de hidroxila (OH)
localizados nas cadeias laterais
unidas ao anel central.
23
Meios de contraste
Osmolalidade
➢ Osmolalidade é um propriedade de todos os fluídos, ou ainda
pode-se dizer que ela descreve a concentração de partículas em
uma solução.

➢ Quando existe uma diferença na concentração de particulas em


um meio ou uma solução, dizemos que ocorre a osmolalidade, a
troca , o equilibrio entre esses dois meios.

➢ A ingestão de líquidos, por exemplo, é necessário para que


ocorra a correta osmolalidade dos fluídos corpóreo....como o
sangue !
24
Meios de contraste
Comparando a Osmolalidade dos contrastes
Iônico e Não - Iônicos

25
Meios de contraste
Concentração de Iodo
➢ A concentração de Iodo determina a sua radiopacidade e está
ligado a qualidade de imagem.

26
Meios de contraste
Toxicidade Iônica

➢ Os íons como Sódio, Cálcio e Potássio estão ligados a funções


celulares- condução de impulsos elétricos, neuro transmissores e
função renal dentro de outras funções, logo são bastantes reativos
por causa da sua natureza e podem atuar em distintos graus no
Cérebro, sistema circulatório e coração .

27
Meios de contraste
Toxicidade Osmolar
➢ Sabemos que o processo de osmolalidade ocorre todo o tempo em
nossas células.
➢ Quando essas células são expostas a breves, porém intensas
mudanças na osmolalidade e se pudessemos monitorá-las
microscopicamente , essas mudanças são tão profundas a ponto de
causar em algumas situações , a sua morte ! ( e aqui estamos falando
de um volume extra corpóreo de C+ de aprox 90ml em menos de 15
sec )
➢ Contração celular.
➢ Vasodilatação.
➢ Perda de função celular.
➢ Calor e rubor são efeitos causados pela hiperosmolalidade. 28
Meios de contraste
Toxicidade Renal
➢ O rim é considerado um filtro , o C+ injetado pela corrente sanguínea deverá
ser eliminado por eles.
➢ Devido as reações que sabemos que ocorrem em nossas céculas, a interação
do meio de C+ com esse órgão tão importante deve ser observado com
cuidado.
✓ Pacientes com : isuficiência cardíaca grave, diabetes, pacientes com
mieloma múltiplo e muitas outras patologias associadas poderiam ser
descritas como fator preponderante ao uso de C+, portanto o que você deve
levar em conta ao uso do meio de C+ é o exame laboratorial conhecido como
Cretinina Sérica.
✓ Valores > 1.5mg/ dl é considerado evidência de perda da função renal em
adultos.

29
Meios de contraste
DIFERENÇA entre: Toxicidade (osmolar e Iônica)
x
Quimiotoxicicidade
➢ Toxicidade : envolve propriedades físicas de íons e moléculas.
➢ Quimiotoxicidade: é descrita como sendo responsável pela “forma da
molécula” específica e como ela se ajusta as outras moléculas do
corpo, ou seja ela abrange reações químicas entre o C+ e as diversas
moléculas do corpo.
▪ Exemplos :
• Dor de cabeça
• Náuseas e vômitos
• Espirros e ou tosse
• Reações epidérmicas
• Broncoespasmos ou laringoespasmos e choque anáfilático !! 30
Meios de contraste
Informações de Segurança
➢ Reações adversas com causa de morte são raras ( 6,6 por milhão ).
➢ O choque anafilático possui uma incidência de 50 por milhão de casos.
➢ Pacientes com doenças cardiovasculares podem esar mais propensos a
reações graves.
➢ Pacientes com história de alergia ao amendoim, pólen e etc...e também ao
Iodo podem ter reações alérgicas na proporção de 2 X 1.
➢ Pacientes com história de reação alérgica ao C+, também são suscetiveis a
uma reação na proporção de 3x1.
➢ Idade de 20-40 anos estão propenssos a reações alérgicas, ainda de causas
desconhecidas, estudas fatores como maturação do sistema imunológico.

31
Angio Tomografia

32
Angiotomografia
Princípios e Cuidados

Que direção tomar

33
Angiotomografia
Princípios e Cuidados

➢ O exame de Angiotomografia Computadorizada é considerado um exame especial


por se tratar de um exame dinâmico que requer certos cuidados de preparo e
formas de aquisição.
➢ Escolher o protocol adequado para cada região a ser estudada, e reduzindo dose de
radiação .
➢ Quantidade certa de contraste a ser injetado durante o tempo de exame.
➢ Identificar pacientes potencialmente alérgicos.
➢ Em dúvida da realização do exame ver anamneses e perguntar ao medico
responsável.
➢ Material adequado e disponível.
➢ Orientar bem o paciente sobre o exame e os possíveis sintomas que possa sentir.

34
Angiotomografia
Princípios e Cuidados

35
Protocolos de aquisição

Smartprep / Timing Bolus

36
Protocolos de Aquisição
Smart
Smart Prep Prep
Rx
➢Enter the SmartPrep Rx
Protocolos de Aquisição
Smart Prep
Protocolos de Aquisição
Smart Prep
Monitor Phase

Imagem de Imagem
referencia do atualizada em
smartprep tempo real de
monitoração

Dados com os
resultados de
ROI e do tempo
decorrido
Curva de
densidade (ROI)
e tempo
Protocolos de Aquisição
Timing Bolus
➢ A localização para o Timing Bolus
pode ser determinada a partir de
uma imagem do Scout, ou uma
série digitalizada anteriormente
com a mesma referência
anatômica.

➢ Digitando o local em ambos os


campos (inicio de localização) e
(localizaçao final).

40
Protocolos de Aquisição
Timing Bolus
Protocolo

• Tipo de aquisição
• Numero de imagens
• Espessura de corte

41
Protocolos de Aquisição
Timing Bolus
Protocolo

• Intervalo
• Ma

42
Protocolos de Aquisição
Timing Bolus

O primeiro ponto está a 10 seg devido ao delay inicial

Scout 90ᵒ e 180º SFOV Large


Referência Anatômica SN DFOV 25 cm
Modo de Scan Axial Algoritmo de recon STD
Tempo de Rotação 1seg KV 120

Espessura 5 mm (1i) mA 40

Intervalo 0 mm Delay 10 seg


ISD 1 seg Fluxo 5 ml/seg

Núm. De Imagens 15 Contraste 20 ml Contraste + 20 ml Salina 43


Protocolos de Aquisição Linha 16 canais
Angio Cerebral

Scout 90ᵒ SFOV Head


Referência Anatômica OM DFOV 22 - 25cm
Modo de Scan Helicoidal Algoritmo de recon STD
Tempo de Rotação 1 seg KV 120 ou 140
Espessura/Intervalo 1,25 mm/1,25 mm mA Até 140
Retro Recon (esp/int) 1,25mm/0.5mm Contraste 3-3.5ml/seg até 1.5/kg
Pitch 1.5 : 1 Delay Smartprep ou 12 seg
Velocidade 7.5 Fotografia Até 20 imagens/folha

44
Protocolos de Aquisição Linha 16 canais
Angio Carótidas

Scout 90ᵒ e 0º SFOV Medium / Large


Referência Anatômica SN DFOV 25 - 30 cm
Modo de Scan Helicoidal Algoritmo de recon STD
Tempo de Rotação 0,8 seg KV 120
Espessura 2.5 mm mA mA automático
Intervalo 2.5 mm Contraste 2-3ml/seg
Pitch 1.5 : 1 Delay Time 15 seg ou smartprep
Velocidade 15 Fotografia Até 20 imagens/folha

45
Protocolos de Aquisição Linha 16 canais
Angio TEP

Scout 90ᵒ e 180º SFOV Large


Referência Anatômica SN DFOV ± 36 cm
Modo de Scan Helicoidal Algoritmo de recon STD
Tempo de Rotação 0.8 seg KV 120
Espessura 2.5 mm mA automático
Intervalo 2.5 mm Contraste 3 ml/seg (± 1,5ml/kg)
Pitch 1.5 : 1 Delay Time Smartprep ou 13 seg
Velocidade 15 Fotografia Até 20 / folha

46
Protocolos de Aquisição Linha 16 canais
Angio Torácica

Scout 90ᵒ e 180º SFOV Large


Referência Anatômica SN DFOV ± 36 cm
Modo de Scan Helicoidal Algoritmo de recon STD
Tempo de Rotação 0.8 seg KV 120
Espessura 2.5 mm mA automático
Intervalo 2.5 mm Contraste 3 ml/seg (± 1,5ml/kg)
Pitch 1.5 : 1 Delay Time Smartprep ou 18-20 seg
Velocidade 15 Fotografia Até 20 / folha

47
Protocolos de Aquisição Linha 16 canais
Angio Abdominal

Scout 90ᵒ e 180º SFOV Large


Referência Anatômica XY DFOV 30 - 50 cm
Modo de Scan Helicoidal Algoritmo de recon STD
Tempo de Rotação 0,8 seg KV 120
Espessura 2.5 mm mA automático
Intervalo 2.5 mm Contraste 3,5 ml/seg (± 1,5ml/kg)
Pitch 1.5 : 1 Delay Time Smartprep ou 25 seg
Velocidade 15 Fotografia Até 20 / folha

48
Protocolos de Aquisição Linha 64 canais
Membros Inferiores

Scout 90ᵒ e 180º SFOV Large


Referência Anatômica XY DFOV 30 - 50 cm
Modo de Scan Helicoidal Algoritmo de recon STD
Tempo de Rotação 0,8 seg KV 120
Espessura 2.5 mm mA automático
Intervalo 2.5 mm Contraste 3,5 ml/seg (± 1,5ml/kg)
Pitch 1.5 : 1 Delay Time Smartprep ou 25 seg
Velocidade 15 Fotografia Até 20 / folha

49
Protocolos de Aquisição Linha 16 canais
Membros Inferiores

Scout 90ᵒ e 180º SFOV Large


Referência Anatômica XY DFOV 30 - 50 cm
Modo de Scan Helicoidal Algoritmo de recon STD
Tempo de Rotação 0,8 seg KV 120
Espessura 2.5 mm mA automático
Intervalo 2.5 mm Contraste 3,5 ml/seg (± 1,5ml/kg)
Pitch 1.5 : 1 Delay Time Smartprep ou 25 seg
Velocidade 15 Fotografia Até 20 / folha

50
Protocolos de Aquisição Linha 64 canais
Angio Cerebral

Scout 90ᵒ SFOV Head


Referência Anatômica OM DFOV 22 - 25cm
Modo de Scan Helicoidal Algoritmo de recon STD
Tempo de Rotação 0.4 seg KV 120 ou 140
Espessura 1,25 mm mA Até 140
Intervalo 1,25 mm Contraste 4 ~4.5 ml/seg até 1.5/kg
Pitch/Velocidade 1.375 : 1 / 27.5 Delay Smartprep ou 12 seg
Colimação 20 mm Fotografia Até 20 imagens/folha
51
Protocolos de Aquisição Linha 64 canais
Angio Carótidas

Scout 90ᵒ e 0º SFOV Medium / Large


Referência Anatômica SN DFOV 25 - 30 cm
Modo de Scan Helicoidal Algoritmo de recon STD
Tempo de Rotação 0,4 seg KV 120
Espessura 1.25 mm mA mA automático
Intervalo 1.25 mm Contraste 4 ~4.5 ml/seg
Pitch 1.375 : 1 Delay Time Smartprep
Velocidade 55 Fotografia Até 20 imagens/folha

52
Protocolos de Aquisição Linha 64 canais
Angio TEP

Scout 90ᵒ e 180º SFOV Large


Referência Anatômica SN DFOV ± 36 cm
Modo de Scan Helicoidal Algoritmo de recon STD
Tempo de Rotação 0.4 seg KV 120
Espessura 1.25 mm mA automático
Intervalo 1.25 mm Contraste 4 ~ 4.5 ml/seg (± 1,5ml/kg)
Pitch 1.375 : 1 Delay Time Smartprep
Velocidade 55 Fotografia Até 20 / folha

53
Protocolos de Aquisição Linha 64 canais
Angio Torácica

Scout 90ᵒ e 180º SFOV Large


Referência Anatômica SN DFOV ± 36 cm
Modo de Scan Helicoidal Algoritmo de recon STD
Tempo de Rotação 0.4 seg KV 120
Espessura 1.25 mm mA automático
Intervalo 1.25 mm Contraste 4 ~ 4.5 ml/seg (± 1,5ml/kg)
Pitch 1.375 : 1 Delay Time Smartprep
Velocidade 55 Fotografia Até 20 / folha

54
Protocolos de Aquisição Linha 64 canais
Angio Abdominal

Scout 90ᵒ e 180º SFOV Large


Referência Anatômica XY DFOV 30 - 50 cm
Modo de Scan Helicoidal Algoritmo de recon STD
Tempo de Rotação 0,4 seg KV 120
Espessura 1.25 mm mA automático
Intervalo 1.25 mm Contraste 4 ~4.5 ml/seg (± 1,5ml/kg)
Pitch 1.375 : 1 Delay Time Smartprep
Velocidade 55 Fotografia Até 20 / folha

55
Protocolos de Aquisição Linha 64 canais
Membros Superiores

Scout 90ᵒ e 0º Angulação não


Referência Anatômica Other SFOV Medium ou Large
Modo de Scan Helicoidal DFOV 20 - 30cm
Tempo de Rotação 0,4 seg Algoritmo de recon STD / BONE
Espessura 1.25 mm KV 120
Intervalo 1.25 mm mA automático
Pitch 1.375 : 1 Contraste 4 ~ 4.5 ml/seg (± 1,5ml/kg)
Velocidade 55 Fotografia Até 20 / folha

56
Protocolos de Aquisição Linha 64 canais
Membros Inferiores

Scout 90ᵒ e 0º Angulação não


Referência Anatômica Other SFOV Medium ou Large
Modo de Scan Helicoidal DFOV 20 - 30cm
Tempo de Rotação 0,4 seg Algoritmo de recon STD / BONE
Espessura 1.25 mm KV 120
Intervalo 1.25 mm mA automático
Pitch 1.375 : 1 Contraste 4 ~4.5 ml/seg (± 1,5ml/kg)
Velocidade 55 Fotografia Até 20 / folha

57
Anatomia Vascular

58
Anatomia Vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA AXIAL EM MIP ( MÁXIMA INTENSIDADE DE PROJEÇÃO

Arteria Basilar

59
Anatomia vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA AXIAL EM MIP ( MÁXIMA INTENSIDADE DE PROJEÇÃO

Arteria Basilar

Art Cerebral Posterior

60
Anatomia vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA AXIAL EM MIP ( MÁXIMA INTENSIDADE DE PROJEÇÃO

Glandula
Pineal
Calcificada

Art Cerebral Media


61
Anatomia vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA AXIAL EM MIP ( MÁXIMA INTENSIDADE DE PROJEÇÃO

Plexo Coróide
62
Anatomia vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA AXIAL EM MIP ( MÁXIMA INTENSIDADE DE PROJEÇÃO

Aneurisma na
Arteria Cerebral
Media Esq

63
Anatomia vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA AXIAL EM MIP ( MÁXIMA INTENSIDADE DE PROJEÇÃO

Arteria Cerebral
Anterior

Ventriculo Lateral

Sangue

64
Seio Sagital
Anatomia vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA SAGITAL EM MIP ( MÁXIMA INTENSIDADE DE PROJEÇÃO

Arteria Cerebral Media


Direita

65
Anatomia vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA SAGITAL EM MIP ( MÁXIMA INTENSIDADE DE PROJEÇÃO

Arteria Carotida Interna

Arteria Vertebral

66
Anatomia vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA SAGITAL EM MIP ( MÁXIMA INTENSIDADE DE PROJEÇÃO

Arteria Cerebral Anterior

67
Anatomia vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA SAGITAL EM MIP ( MÁXIMA INTENSIDADE DE PROJEÇÃO

Seio Sagital

Ventriculo
Lateral

Glândula Pineal Calc.

68
Anatomia vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA CORONAL EM MIP ( MÁXIMA INTENSIDADE DE PROJEÇÃO

Ventriculo Lateral Anterior


com Sangue

Cerebral Anterior

Seio
Esfenoidal

69
Anatomia vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA CORONAL EM MIP ( MÁXIMA INTENSIDADE DE PROJEÇÃO

Aneurisma

Artéria Cerebral
Media

70
Anatomia vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA CORONAL EM MIP ( MÁXIMA INTENSIDADE DE PROJEÇÃO

Atéria Basilar

71
Anatomia vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA CORONAL EM MIP ( MÁXIMA INTENSIDADE DE PROJEÇÃO

Seio Sagital

Glândula Pineal Calc.

72
Anatomia Vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA AXIAL

Artéria
Carótida

Veia Jugular

Artéria
Vertebral

73
Anatomia Vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA AXIAL

Cartilagem

Via Aérea

Carótidas Comum
74
Anatomia Vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA AXIAL

Veia Subclávia

Carótida Comum

Artéria Subclávia

75
Anatomia Vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA SAGITAL E CORONAL

Artéria Carótida
Vertebral Interna

Carótida
Comum

76
Anatomia Vascular CABEÇA E PESCOÇO
REFERENCIA SAGITAL E CORONAL

Carótida
Interna
Carótida
Externa

Carótida
Comum

77
Anatomia Vascular TÓRAX
REFERENCIA AXIAL

Veia Subclávia 78
Anatomia Vascular TÓRAX
REFERENCIA AXIAL

Artérias Subclávia 79
Anatomia Vascular TÓRAX
REFERENCIA AXIAL Veia Subclávia

Art. Braquiocefálica

80

Carótida Comum Art. Subclávia


Anatomia Vascular TÓRAX
REFERENCIA AXIAL

81
Arco Aórtico
Anatomia Vascular TÓRAX
REFERENCIA AXIAL

Aorta Ascendente

Tronco da
Artéria
Pulmonar

82
Aorta Descendente
Anatomia Vascular TÓRAX
REFERENCIA AXIAL

Átrio
Esquerdo

Veias 83

Pulmonares
Anatomia Vascular TÓRAX
REFERENCIA AXIAL
Ventriculo
Direito

84
Ventriculo
Esquerdo
Anatomia Vascular TÓRAX
REFERENCIA CORONAL

85
Ventrículo Dir. e Esq.
Anatomia Vascular TÓRAX
Aorta Ascendente
REFERENCIA CORONAL

Válvula
Aórtica

Ventriculo Esq. 86
Anatomia Vascular TÓRAX
REFERENCIA CORONAL Art. Subclávia

Carótida Comum

Veia Portal

87

Átrio Esq. Artéria Pulmonar


Anatomia Vascular TÓRAX
REFERENCIA CORONAL Artéria Pulmonar

Aorta

Artéria Veia 88

Esplênica. Espleênica
Anatomia Vascular ABDOMEM E PELVE
REFERENCIA AXIAL

Artéria
Esplênica

89
Aorta
Anatomia Vascular ABDOMEM E PELVE
REFERENCIA AXIAL

Art. Hepática

Art. Mesentérica Sup.

Pâncreas

90
Anatomia Vascular ABDOMEM E PELVE
REFERENCIA AXIAL

Veia Cava

Veia Renal Esq

91
Art. Renal Dir.
Anatomia Vascular ABDOMEM E PELVE
REFERENCIA AXIAL

Aorta Calcif.

Trombo na Aorta
Aorta

92
Anatomia Vascular ABDOMEM E PELVE
REFERENCIA AXIAL

Iliaca Comum (D/E)

93
Anatomia Vascular ABDOMEM E PELVE
REFERENCIA AXIAL

Iliacas Comum Dir. e Esq.

94
Anatomia Vascular ABDOMEM E PELVE
REFERENCIA AXIAL

Ilíaca Interna
Ilíaca Externa

95
Anatomia Vascular ABDOMEM E PELVE
REFERENCIA AXIAL

Art. Femoral

96
Anatomia Vascular ABDOMEM E PELVE
REFERENCIA AXIAL

Art. Femural Art. Femoral


Profunda

97
Anatomia Vascular ABDOMEM E PELVE
REFERENCIA CORONAL

Artérias Hepáticas
e Esplênica

Artérias
Mesentéricas

98
Anatomia Vascular ABDOMEM E PELVE
REFERENCIA CORONAL

Aorta

Trombo na Aorta

Femural Profunda 99
Art. Femoral
Anatomia Vascular ABDOMEM E PELVE
MODELOS VOLUMÉTRICOS EM 3D

Hepatic Splenic
Artery Artery
Lt Renal
Rt Renal Artery
Artery

SMA
Aorta

Common
Iliac
External
Iliac

Internal
Iliac Profunda
Femoris
100
Anatomia Vascular ABDOMEM E PELVE
MODELOS VOLUMÉTRICOS EM 3D

Hepatic Splenic
Artery Artery
Lt Renal
Rt Renal Artery
Artery

SMA
Aorta

Common
Iliac
External
Iliac

Internal
Iliac Profunda
Femoris
101
Anatomia Vascular ABDOMEM E PELVE
MODELOS VOLUMÉTRICOS EM 3D

Hepatic Splenic
Artery Artery
Lt Renal
Rt Renal Artery
Artery

SMA
Aorta

Common
Iliac
External
Iliac

Internal
Iliac Profunda
Femoris
102
Anatomia Vascular MEMBROS INFERIORES
REFERENCIA AXIAL

Femoral Art

103
Anatomia Vascular MEMBROS INFERIORES
REFERENCIA AXIAL

Profunda
Femoris

Femoral Art

104
Anatomia Vascular MEMBROS INFERIORES
REFERENCIA AXIAL

Femoral
Arteries

105
Anatomia Vascular MEMBROS INFERIORES
REFERENCIA AXIAL

Popliteal Art

106
Anatomia Vascular MEMBROS INFERIORES
REFERENCIA AXIAL

Anterior Tibial
Posterior Tibial

Peroneal
107
Anatomia Vascular MEMBROS INFERIORES
REFERENCIA AXIAL

Anterior Tibial

Posterior Tibial

108
Anatomia Vascular MEMBROS INFERIORES
MODELOS VOLUMÉTRICOS EM 3D

Femoral
Artery

Profunda
Femoris

Popliteal
Artery Popliteal Artery
Stenosis

Anterior Tibial Artery


Posterior Tibial
Artery
Peroneal 109
Artery
Anatomia Vascular MEMBROS INFERIORES
MODELOS VOLUMÉTRICOS EM 3D

Femoral
Artery

Profunda
Femoris

Popliteal
Artery Popliteal Artery
Stenosis

Anterior Tibial Artery


Posterior Tibial
Artery
Peroneal 110
Artery
Anatomia Vascular MEMBROS INFERIORES
MODELOS VOLUMÉTRICOS EM 3D

Femoral
Artery

Profunda
Femoris

Popliteal
Artery Popliteal Artery
Stenosis

Anterior Tibial Artery


Posterior Tibial
Artery
Peroneal 111
Artery
Pós-Processamento

112
Pós Processamento
VessellQ Xpress
Cabeça e Pescoço : Auto Segmentaçao do Osso

113
Pós Processamento
VessellQ Xpress
Auto Detecção e Análise da Aorta

Ponto inicial na
aorta colocado
automaticamente

Marcação
automática dos
vasos

Iliaca Dir e Esq ,


pontos colocados
automaticamente

114
Pós Processamento
VessellQ Xpress
Segmentação do trombo semi automático , aórtica ou qualquer grandes aneurismas de
vasos

segmentação semi-
automática do trombo
e medição do volume
está disponível por
contornos definidos
pelo usuário em duas
imagens curvas
ortogonais.

115
Pós Processamento
▪ Permite um acesso rápido do
VessellQ Xpress usuário para funcionalidade
completa do AVA em qualquer
protocolo.
Quick-AVA
▪ O usuário coloca um ou dois
pontos para a segmentação
rápida e rastreamento.

AVA um clique
Clique uma vez em qualquer parte
do vaso
AVA dois clique
Precisa depositar dois pontos

116
Pós Processamento
VessellQ Xpress
Novos Protocolos - W / personalização mais fácil

Novos protocolos de análise de


vasos atualizados que ajuda no
planejamento de colocação de
stent em várias regiões
anatômicas.

117
Pós Processamento
VessellQ Xpress
Quantificação de Estenose
▪ A detecção precoce do vaso sanguíneo estreitado para
tratamentos corretivos.
▪ O tamanho do estreitamento de vasos sanguíneos é medida
em percentagem ou mm.
▪ Permite medir o comprimento do estreitamento do vaso
sanguíneo.

Caracterização de placa pode ser gerada em um axial, curvo ou imagens MPVR

118
Pós Processamento
VessellQ Xpress
Caracterização de placa - cor de identificação por densidade adicionada

Caracterização de placa pode ser gerada em um axial, curvoou imagens MPVR

119
Conclusão

120
Conclusão :
➢ Os estudos de angiotomografia , vem ganhando prioridades no diagnóstico
do sistema circulatório.

➢ A facilidade, a rapidez, e a segurança , em que se submete o paciente a


realizar esse exame, é primordial para descartar aneurismas, disseccões,
estenoses, mal formação arteriovenosa, além de ter toda a visão anatômica
de outros órgãos que possam estar acometidos ou não.

➢ A boa técnica de aquisição com parâmetros adequados de tempo de chegada


de contraste , vão facilitar todo o trabalho de pós processamento e análise
imediata dos vasos comprometidos.

➢ Esse curso , visou otimizar, e entender melhor a técnica aplicada , desde as


vantagens e desvantagens de eleger um bom contraste, sem perder sua
qualidade.

121
Informações Gerais
Dados Bibliográficos

• https://www.questoesdefisiocomentadas.wordpress.com

• http://de.wikihow.com/Ein-Aneurysma-entdecken

• http://ionicosenaoionicos.blogspot.com.br

• http://www.acr.org/ American College of Radiology (ACR

122
OBRIGADO

123