Você está na página 1de 982

TOMO II

Oriente
C O O R D E N A Ç Ã O G E R A L

JOSÉ EDUARDO FRANCO


Projecto financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia
Programa Operacional Ciência e Inovação 2010 (POCI 2010) do Quadro Comunitário
de Apoio III e Comparticipação pelo Fundo Comunitário Europeu FEDER

Nota ao título Arquivo Secreto do Vaticano: No nome original, Archivio Segreto Vaticano.
Em italiano, o termo “vaticano” conserva a sua função de adjectivo, originariamente
aplicado à colina homónima de além-Tibre. Admitindo que, para muitos leitores
portugueses, tal função desapareceu sob a corrente substantivação, optámos por ceder
à conveniência desta tradução, cientes embora da sua menor precisão.
COLECÇÃO ARQUIVOS SECRETOS
DIRECTORES
Annabela Rita
Fernando Cristóvão

Título
Arquivo Secreto do Vaticano
Expansão Portuguesa – Documentação
Tomo II: Oriente
Coordenação Geral da edição
José Eduardo Franco
Direitos Reservados
© Esfera do Caos Editores
Design
DesignGlow
Impressão e Acabamento
Papelmunde SMG Lda
Depósito Legal
328036/11
ISBN
978-989-680-032-1

1ª Edição: Junho de 2011

ESFERA DO CAOS EDITORES


Campo Grande
Apartado 52199
1721-501 Lisboa
esfera.do.caos@netvisao.pt
www.esferadocaos.pt
T O M O II
O riente
C O O R D E N A Ç Ã O C I E N T Í F I C A

JOÃO FRANCIS CO MARQ UES


JO SÉ CARLO S LOPES DE MIRANDA

C O O R D E N A Ç Ã O G E R A L

JOSÉ EDUARDO FRANCO


ORGANIGRAMA
Arquivo Secreto do Vaticano
Nunciatura de Lisboa
Expansão Portuguesa – Documentação

{Costa Ocidental de África e Ilhas Atlânticas, Oriente e Brasil}

Instituições Financiadoras e Coordenadoras | Primeira Fase: 1998-2000


· Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses ·
· Centro de Estudos Damião de Góis ·

Instituições Financiadoras e Coordenadoras | Segunda Fase: 2005-2011


· Fundação para a Ciência e a Tecnologia ·
· Centro de Estudos dos Povos e Culturas
de Expressão Portuguesa – Universidade Católica Portuguesa ·
· CLEPUL, Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas
e Europeias – Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa ·
· Instituto Europeu de Ciências da Cultura Padre Manuel Antunes ·

Coordenador do Projecto | Primeira Fase: Artur Teodoro de Matos


Coordenador do Projecto | Segunda Fase: José Eduardo Franco

Consultores Científicos
Arnaldo do Espírito Santo, João Francisco Marques,
Luís Machado de Abreu, Manuel Saturino Gomes

Equipa de Investigação
Cláudia Castelo, Fernanda Santos, Maria Filomena Borja de Melo,
Giulia Rossi Vairo, José Carlos Lopes de Miranda, José Eduardo Franco,
Luís Pinheiro, Mário Neves Santos, Paula Xavier

Secretariado de Revisão Pré-Editorial


José Carlos Lopes de Miranda (coordenador)
Cristiana Lucas, Fernanda Santos, João Teles e Cunha, Maria Luísa Gama,
Marta Marecos Duarte, Paula Carreira, Susana Alves

Revisão Editorial
Ricardo Ventura
PLANO DOS VOLUMES

TOMO I
Costa Ocidental de África e Ilhas Atlânticas
Coordenação Científica
Arnaldo do Espírito Santo
Manuel Saturino Gomes

TOMO II
Oriente
Coordenação Científica
João Francisco Marques
José Carlos Lopes de Miranda

TOMO III
Brasil
Coordenação Científica
Luís Machado de Abreu
José Carlos Lopes de Miranda
Índice

TOMO II
ORIENTE 11
Archivio Segreto Vaticano
Archivio della Nunziatura in Lisbona

Prefácio 13
JOÃO FRANCISCO MARQUES

Introdução 15
JOSÉ CARLOS LOPES DE MIRANDA

Gráficos 39

Sumários da Documentação 45
TOMO II

ORIENTE

Archivio Segreto Vaticano


Archivio della Nunziatura in Lisbona
Prefácio

O rio da história é alimentado pelo caudal da memória que por via oral e escrita
vai deixando marcas ou vestígios do passado. Assim se caminha ao encontro do
acontecido, saciando a curiosidade e a sede de conhecer nunca satisfeitas, acerca do
que tem sido, na feliz designação de Marc Bloch, a vida dos homens no tempo. A
globalidade da rede multissecular da missionação europeia, que os descobrimentos
ibéricos iniciaram nos espaços continentais de que se assenhoreavam, continua a ser
mina, em aberto, imensa e sedutora. A pesquisa e a crítica de há muito a penetram
como focos de luz que, iluminando ignoradas e escuras galerias, permitem ver o
fenómeno em sua inteira extensão e labirínticos contornos nunca suficientemente
explorados. Nichos arquivísticos, nacionais e estrangeiros, têm atraído o interesse de
investigadores portugueses cujo aturado labor e ambição dos projectos fizeram jus a
um reconhecimento imorredoiro. Silva Rego [Documentação para a História das
Missões do Padroado Português do Oriente], António Brásio [Monumenta Missio-
nária Africana] e Artur Basílio de Sá [Documentação para a História das Missões
do Padroado Português do Oriente. Insulíndia] acodem de imediato como cabou-
queiros pertinazes de valia difícil de superar, tal a grandiosidade dos acervos legados.
Junta-se-lhes, na circunstância, a série documental afim [Archivio Segreto Vaticano
/ Archivio della Nunziatura in Lisbonna – Documentação Sumariada Referente ao
Oriente] que a avisada e benemérita “Comissão dos Descobrimentos” promoveu e
subsidiou, quantum satis, agora oferecida ao público em colectivo trabalho execu-
tado sob a orientação e surpreendente dinamismo do Doutor José Eduardo Franco,
seu máximo responsável. Não sendo os documentos compilados transcritos em sua
inteireza textual, as súmulas apresentadas de cada um não escamoteiam em nada o
essencial do conteúdo dos mesmos, o que possibilita a análise exploratória preten-
dida e ajuizar do interesse da integral leitura do escrito. A metodologia seguida obri-
gou, como de não difícil entendimento se percebe, a ingente e beneditina colheita e
cuidada sumariação de que resultou o repositório de cerca de cinco milhares docu-
mentos expedidos pela Nunciatura de Lisboa e pelo Vaticano em cujo Arquivo
Secreto se encontram. O período a que pertence a maioria vai dos finais da era seis-
centista aos início do século último, no fundo cobrindo uma muito longa duração, em
que Portugal conheceu as Invasões Francesas, a instauração da Monarquia Liberal e
o advento da República, que correspondeu ao acentuado declínio e agonia do
Padroado. De resto, o pomo da discórdia incidia sobre controvérsias e atritos jurisdi-
cionais, graves como lamentáveis, entre a Nação Fidelíssima e a Santa Sé através da
Propaganda Fide, que superintendia a evangelização missionária em terras da gen-

www.lusosofia.net 13
· TOMO II ORIENTE ·

tilidade onde habitava esse outro diferente – rácico, cultural e religioso – a converter
à fé católica. Aliás, tudo se passava em espaços territoriais que sofriam inevitáveis
mudanças de soberania e governação política, pertenças da imensa Ásia, da Índia à
China, e da África meridional, do Atlântico ao Índico. Placas giratórias permanece-
ram até quase nossos dias Goa e Macau que abrangiam áreas da Península Industâ-
nica, África Oriental, Pérsia e sudeste asiático, bem como o grande império Azul
Celeste até tocar a Coreia, aonde os missionários portugueses semearam cristanda-
des. Na órbita do Padroado, o contencioso com a Propaganda Fide, nos séculos XVIII
e XIX, aqui assinalado – objecto de escândalo, como seria natural, para os poderes
indígenas – enraizava não apenas no direito consuetudinário da apresentação de bis-
pos pela Coroa Lusitana, como na reivindicação de cristãos luso-descendentes de
serem identificados como portugueses, também por causa da provisão de ofícios.
Problemas afloram nesta documentação a merecer rastreio sistemático,
referentes à inculturação e aculturação religiosa, com a missionação jesuítica em
destaque; à penetração dinâmica da pujante instituição das Missões Estrangeiras de
Paris; aos vestígios da língua portuguesa nas orações, confissões auriculares e cate-
quese em territórios onde já havia desaparecido a soberania política; ao papel
desempenhado pela Nunciatura sediada no Rio de Janeiro durante a estadia da Corte
e cativeiro de Pio VII por Napoleão Bonaparte, a rarefacção das marcas culturais da
presença lusa em irremediável declínio e à hostilidade dos missionários estrangeiros
ao episcopado do Padroado, apesar da procura de um modus vivendi com os agentes
credenciados da Sé Apostólica romana. As reformas introduzidas, no direito concor-
datório, quando julgadas pertinentes e inadiáveis, no decurso da segunda metade de
oitocentos não travaram, como o Ultimatum de triste memória pôs a nu, a decadên-
cia do Padroado. A expulsão pombalina dos jesuítas e o banimento das ordens reli-
giosas em 1834 já o haviam, aliás, mortiferamente minado e a República acabou por
consumar, não obstante o veemente e dramático alerta de D. António Barroso que,
como poucos, conhecia a realidade. E quantos nomes dessa plêiade de missionários
de apostólico zelo, espalhados no que continuava a ser o Além-Mar português, não
aparecem mencionados neste repositório documental e incalculável valor histórico?
Mais: esta mole informativa, pela sua variedade e abundância, potencializa ainda
respostas a um leque de outras questões que, postas por historiadores criativos,
podem ser continuamente trazidas à comunidade científica.
Os anais da gesta missionária portuguesa só se enriquecem, acentuemo-lo, com
o escavar sem desfalecimento, apesar dos horizontes de laicismo e indiferentismo, de
memoriais adormecidos em vários e nutridos tesouros como este que os investigado-
res desta preciosíssima empresa em boa hora oferecem ao público estudioso interes-
sado em tão importante temática.

JOÃO FRANCISCO MARQUES

Faculdade de Letras da Universidade do Porto

14 www.clepul.eu
Introdução

O acervo documental aqui elencado procede do fundo da Nunciatura Apostólica


em Portugal, que se acha hoje no Arquivo Secreto Vaticano. Torná-lo acessível, atra-
vés de indicações sumárias que remetam o investigador para novos endereços, é
empresa da maior estima e momento para a historiografia portuguesa.
Um dos mais promissores desses endereços seria talvez a história da resistência
social indígena à redefinição da jurisdição eclesiástica nos territórios do Padroado.
Consta destes volumes uma rica documentação nesse sentido, não só no âmbito
diplomático, mas também na correspondência privada dos missionários e na vida
social anónima. Esta é indagável, não só na sobredita correspondência, como nos
pedidos de privilégios, de dispensas, de breves, de absolvição de censuras e, posto
que onde menos se esperaria, em perto de uma centena de processos de inquirição
sobre idoneidade ao episcopado. Além das peças documentais de menor valor infor-
mativo nesse sentido, como certidões de estudos e de ordens sacras, eles reúnem
preciosos depoimentos acerca do candidato e da Sede a prover (quando não da Sede
de origem do candidato, em tratando-se de transferência). Há porém, sobretudo no
primeiro volume do acervo, um timbre mais altissonante em função do qual nos
propomos estruturar a presente contextualização, a saber, o da missionação em con-
texto persecutório. Trata-se ainda, em todo o caso, de um “conflito de jurisdições” ou,
para ir mais longe, um conflito entre sentimentos de pertença que a modernidade foi
agudizando até às guerras do século XX.
Vejamos como.
Subjaz ao próprio nome – e, a fortiori, à autorepresentação – da Modernidade
um programa de reposição das coordenadas filosóficas, sociais e políticas da Anti-
guidade. Daí a concepção moderna do passado mais próximo (um milénio inteiro,
afinal) como uma era insignificante, designada em função de ambas: a idade “do meio”.
Não cabe aqui a análise de tantas rupturas que esse espírito dito renascentista viria
realmente a significar para o Ocidente. À contextualização em objecto, interessa
sobretudo a consideração da vertente política e a ela prevalentemente nos referiremos.
Ora, nesse aspecto, avulta à partida um traço macroscópico. A pertença do
homem antigo à sua Cidade é total e exaustiva. O seu horizonte existencial e religioso,
delineado por um mercado de satisfações imanentes, entre mistagogias e cultos ofi-
ciais, não se alarga além da dimensão cívica. Melhor: tende a restringir-se a essa
dimensão. É por isso que o ordenamento jurídico romano não titubeia no reconheci-
mento do tradicional direito de optio divinitatis mas não pode abdicar do disposto em
matéria cultual pela autoridade pública competente. De facto, até os irredutíveis

www.lusosofia.net 15
· TOMO II ORIENTE ·

Judeus, corifeus do Deus único e transcendente, enquanto aguardavam a realização


das suas promessas messiânicas, lá se iam encaixando nessa equívoca liberdade de
culto. Mas, para isso, tinham que comprar, literalmente, através de um tributo, a isen-
ção do culto público que a consciência lhes vedava. Tratando-se, para mais, de um
número de isentos, praticamente contido em nítidos limites étnicos e confinado por um
voluntário isolamento social, essa compra satisfazia a pretensão absolutista da Cidade
antiga e sossegava, senão os povos, ao menos as autoridades. Autorizado pelo jus civile,
também o Deus transcendente e revelado a Israel se tornava de algum modo um deus
da Cidade, e o seu culto era por isso um culto lícito (religio licita).
O sistema funcionou até aparecerem na cena cívica os seguidores (a secta) de
um Ressuscitado que inaugurara um novo Eon. Como os Judeus, também eles pre-
tendiam adorar o Deus transcendente, fora do mundo, portanto, e exterior à Cidade.
Mas, à diferença deles – e com a agravante de ignorarem qualquer tranquilizadora
barreira étnica e social – não podiam comprar algo que já era seu, pois as promessas
messiânicas estavam cumpridas. Eram algo presente e real, e não futuro, desde que
Cristo ressuscitara na carne inaugurando assim o eon ou saeculum definitivo. Para
essa gente que vivia do lado de cá do fim do mundo (hujus saeculi), o horizonte
absoluto da Cidade antiga ficava radicalmente relativizado. Cristo, o Primogénito de
muitos (no dizer de Paulo) tornara-os Cidadãos de outra Cidade, o Céu. E, doravante,
qualquer cidade mundana teria que se medir com o destino eterno do homem. Até ao
ano 311,1 pairará sobre eles um interdito de Nero (non licet esse christianos), que os
condenou por “ateus”. Ateus, entenda-se, em relação aos gestos do culto em que se
expressava e assegurava oficialmente - no sentido etimológico de “serviço” e “obe-
diência” – a pertença à Cidade. Acresce que, na cosmovisão animista dos antigos,
essa recusa da religião pública se traduzia numa repugnância quase física, dada a
identificação dos ídolos, primeiro com os daimones e, depois, com os “demónios” da
literatura apocalíptica inter-testamentária. Também por isso eram ditos, em grego,
asebeioi, isto é, ímpios, sem religião. Faltava-lhes a pietas, o sentimento filial de
pertença e submissão à pátria, cuja solidez fora garantida pela virtude da religio, ou
cultus deorum, em que – dissera-o Cícero espelhando um lugar-comum – Roma
sempre se distinguira acima das demais cidades, granjeando assim o seu imperium
civile. Não admira pois que o título de condenação não tardasse a assumir explicita-
mente uma reivindicação por parte do poder político. A diferença do cristão vinha a
ser fundamentalmente o metro eterno com que media a sociedade e esse poder (que
a cristandade, não por acaso, chamará “temporal”). No contexto de uma sua preten-
são absoluta, essa diferença era percebida como recusa da cidadania e o cristão tor-
nava-se hostis publicus, um inimigo do Estado, diríamos hoje.
O que é certo é que, de facto, num primeiro momento, a dimensão religiosa
(que, na realidade dos factos, significava “idolátrica”) permanece alheia tanto à auto-

1
Neste ano, pela primeira vez, um rescrito de Galério, reflectido dois anos depois, em Milão,
no famoso pacto de Constantino e Licínio, reconhece o valor e a legitimidade das orações dos
cristãos pelo Imperador e pela República (Cfr. Lactantii, de mortibus persecutorum, XXXV).

16 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

-percepção, como à hetero-percepção do cristianismo. Os apologetas procuraram o


diálogo (ou a polémica), não com os sacerdotes nem com os mistagogos orientais,
mas sim com outros parceiros e interlocutores que lhes pareciam mais conaturais,
isto é, os filósofos, tal como eram vistos no período helenista. As suas escolas (em
latim, sectae) é que eram originariamente designadas pelo sufixo grego ismos e tam-
bém eles diziam viver sob o signo da busca da Verdade e do Bem (verum et bonum).
Com efeito, só quando o cristianismo, precisamente em Roma, tomar consciência de
ser religião (e fá-lo-á por excelência ao reivindicar, num significativo híbrido filosó-
fico-religioso, o estatuto antes inaudito de religio “vera”)2, é que os cultos, a partir do
paradigma cristão, se passarão a designar com tal sufixo.
Esta já não é, para o nosso propósito, uma consequência de somenos. Por ela se
pode ver que, uma vez identificado o cristianismo com a dimensão religiosa, foi
afectada muito mais a noção de “religião” do que a de “cristianismo”. A questão da
Verdade passa a ser relevante para o culto dos deuses, e este, antes metafisicamente
agnóstico e relativista, passa a ser encarado como um sistema – ultimamente frus-
trado, embora, se não for Revelado – de afirmações potencialmente válidas do ponto
de vista metafísico. Este aspecto não nos pode ser indiferente pois pauta toda a histó-
ria da missionação. Por um lado, a possibilidade de uma filosofia cristã permitirá
ainda aos missionários da modernidade o exercício da controversia escolástica junto
dos bonzos. Procedente de fins do século XVIII, a documentação aqui alusiva à
Coreia ilustra esse tipo originário de penetração cultural conatural ao cristianismo
das origens. Integrado numa embaixada a Pequim chefiada pelo pai, o coreano Ly do
Documento nº 524,3 (Ly-Seun-Houn, mais conhecido pela transcrição inglesa Lee-
-Sung-Hoon), foi expressamente enviado por Ly-Byok (Lee Byeok) que, como filósofo
em busca da verdade, lera as obras de Ricci, vindas de Pequim (milagres dos ideo-
gramas chineses!), e fundara um cenáculo de letrados-catecúmenos em Chon-Jin-An,
hoje sede de um grande santuário. A correspondência formal que com ele entreteve o
Bispo de Pequim dá conta de não tratar com nenhuma autoridade religiosa e é
estruturada nos moldes do diálogo filosófico (na De Deo verax disputatio ele teria
aprendido a “Ciência do Céu”).4 E isso não obstava à consideração destes dois corea-
nos como os fundadores da Igreja Católica no país.
Por outro lado, não seria decerto fácil encontrar um equivalente da Filosofia em
todos os povos que a primeira globalização trouxe ao contacto com o cristianismo. De

2
A expressão já presente em Tertuliano, posto que com um significado de outro alcance, generali-
zar-se-á só a partir da paz de Constantino.
3
Trata-se de um resumo de uma Rélation de l’établissement du Christianisme dans le royaume de
Corée, rédigée en latin par Mgr de Govéa, évêque de Péking, et adressée le 15 août 1797, a Mgr de
Saint-Martin, évêque de Caradre et vicaire apostolique de la province du Sutchuen en Chine: traduite
sur une copie reçue â Londres, le 21 juillet 1798, que pode ler-se na íntegra em Henri Leclercq, Les
Martyrs, Recueil de pièces authentiques sur les martyrs depuis les origines du christianisme jusqu’au
XX siècle, Tours, 1921 (Vol. XIII, La Révolution et l’Extrême Orient, pp. 164 a 168).
4
Vide Pierre Byun Ki-Yung, Vue générale sur les quelques dix mille ans d’histoire spirituelle et
culturelle du peuple coréen, Sanctuaire de Chon Jin An, Swon, 1999.

www.lusosofia.net 17
· TOMO II ORIENTE ·

modo que as categorias de pré-compreensão a que, espontaneamente, o missionário


fará apelo para enquadrar o anúncio cristão, na falta (e mesmo não só na falta) de um
contexto filosófico, serão precisamente as da religião, que acaba assim por funcionar
como o “culturema” universal mais conatural à maturidade do cristianismo. Se lhe
viesse a faltar esse caminho mais curto para o Evangelho, o missionário ficaria
mesmo eventualmente desconcertado. Assim se sentia Frei João dos Santos na sua
missão à Etiópia Oriental (Évora, 1609): “Não adoram a Deus nem têm ídolos a que
adorem, nem imagens, nem templos, nem usam sacrifícios. E assim, dificultosa-
mente se convertem nem aceitam a lei de Cristo que muitas vezes lhes pregamos”.5
Grande parte do dinamismo missionário que perpassa esta documentação radica
precisamente na possibilidade de enxertar os sacramentos cristãos em tantos signifi-
cantes religiosos arquetípicos (templos, ritos, sacerdócio, sacrifício) com base numa
analogia que lhes permitia ter parte, desde sempre, no significado salvífico cristão.
Ora esta consideração parece paradoxal, quando confrontada com uma sombra
que atravessa toda a nossa documentação relativa à China. O Documento nº 497, por
exemplo, é uma carta do Último Jesuíta Português na Corte Chinesa,6 missionário
em Pequim havia vinte e nove anos, a recorrer de uma pena de suspensão a divinis a
que se expusera juntamente com outros três ex-Jesuítas, «por conivência com uma
cerimónia chinesa (Ko teu) que seria por sua intrínseca natureza, supersticiosa»…
Referimo-nos à memória da condenação dos “ritos chineses”. A questão nunca dei-
xou de preocupar todas as sucessivas levas de missionários e neófitos ou clérigos
indígenas. Em 1806, ano seguinte ao do falecimento do Jesuíta, o Padre Georges
d’Alary, destinatário da carta constante do Documento nº 774, compunha durante a
sua estadia em Macau umas apreciadas “instruções para lidar com as susperstições
chinesas”. Com toda a probabilidade, são essas instruções que constituirão o grosso
do manual da matéria, intitulado “Documentos da recta razão (…) coligidos para uso
dos alunos chineses e vietnamitas, bem como dos catequistas em geral, editados por
Monsenhor Jean-Louis Taberd, Bispo de Isaurópolis”. 7 O que estava em causa era,
além da adopção de termos religiosos (a começar pelo próprio nome de Deus) extraí-
dos dos clássicos chineses, o dever de renunciar à idolatria. À sensibilidade nossa
contemporânea, em que o político e o religioso se distinguem à saciedade, o argu-

5
Cit. Apud Pedro Miranda, O ideal de um cristianismo depurado de religião?, in “Brotéria” 144
(1997), p. 451.
6
Assim António Graça de Abreu, Padre José Bernardo de Almeida, o Último Jesuíta Português na
Corte Chinesa, in “Actas do Colóquio Internacional sobre o Humanismo Latino e as Culturas do
Extremo Oriente”, Fondazione Casamarca – Itália e Cátedra Humanismo Latino – Faculdade de
Letras da Universidade do Porto, Macau 6 a 8 de Janeiro de 2005, Inter-University Institute of
Macau, 2005.
7
Documenta rectae rationis seu forma instructionis ad usum alumnorum sinensium, anamitarum,
necnon et cathechistarum concinnata, a J. L. Taberd, episcopo Isauropolitano edita, Serampore,
Fredericnagori vulgo, ex typis J. C. Marshman, 1839 – cfr. Éditorial, Notices Biographiques et
Nécrologies, in “Révue des Archives des MEP”, n.º 217 (1999), p. 3. Depois do tirocínio de
Macau, o Padre Alary (1731-1817), das Missões Estrangeiras de Paris, foi missionário no Reino
de Sião e posteriormente Reitor do Seminário do seu Instituto.

18 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

mento dos Jesuítas – isto é, da relevância cívica, e não propriamente religiosa, de


ritos gregários ligados ao culto dos antepassados e do imperador – pode colher bas-
tante bem. Mas o mesmo não aconteceria com os fiéis chineses, a quem eles quere-
riam poupar desnecessárias rupturas culturais. Por outro lado, do ponto de vista
político, seria inevitável, mais cedo ou mais tarde, a ruptura entre eles e um Império
idólatra, um poder absoluto caucionado por uma idolatria ou, quanto mais não fosse,
por um equívoco que consistia em expressar cultualmente a pertença ao mundo. Os
gestos da religião, numa mente cristã, adquirem um alcance radical e são reservados
para exprimir a pertença do homem ao seu horizonte último, o Céu, e não ao mundo.
«Sede religiosos, sim, mas para com Deus…», apelava um apologeta do século III aos
seus concidadãos. E este apelo é tanto mais significativo quanto o contexto em que
nos aparece, a modo de premissa irrenunciável, é o de uma tentativa de provar a
lealdade cívica dos cristãos, pois acrescenta: «… se quereis que Ele seja propício ao
Imperador».8 Nisso – vê-lo-emos melhor adiante – profetizava a possibilidade de
uma nova fundamentação religiosa do Poder. Mas não deixava de justificar a impo-
pular demarcação dos cristãos em relação aos ritos romanos (a religione romano-
rum) com base, não só na vacuidade das divindades, como na natureza intrinseca-
mente segunda da Cidade e do Poder, que viria a ser chamado “temporal”. Os ritos a
que se recusavam exprimiam uma pertença indevida a César; eram o culto de uma
majestade inferior (religio secundae majestatis).9 Ora, entre muitos dos que, na
Europa, faziam a campanha da condenação (motivados, embora, por vezes, mais
contra os Jesuítas do que contra os ritos chineses) não é de excluir que guardassem
ainda na sensibilidade religiosa pessoal o paradigma da perseguição antiga e a
repugnância face culto idólatra da Cidade. Precisamente porque carregados de reli-
gião cívica e patriótica, os cultos dos antepassados e o arquétipo do imperador divino
(ou celeste, que fosse) acabariam por exigir, lá longe, na China, uma resistência que,
na Europa, também já urgia mas ficaria adiada enquanto os príncipes e os ministros
do Estado moderno continuassem vestidos de cristãos e camuflassem, sob a “protec-
ção” da Igreja, a perseguição que já iam realmente movendo ao seu insubmisso hori-
zonte de eternidade. No tempo das luzes, geralmente sem o saberem (sublinhe-se
geralmente para ressalvar os Jesuítas e, a breve trecho, os “Religiosos”, enquanto
tais), os cristãos já se andavam de novo tornando na Europa hostes publici; mas foi
aos fiéis chineses que tocou inaugurar (e toca ainda hoje continuar) a nova época de
perseguição geral que a Modernidade já tinha prometido ao anunciar a restauração
da Antiguidade.

Dizíamos há pouco que a identificação entre o cristianismo e a religião afectou


mais a noção da segunda do que a do primeiro; e pudemos individuar, desde logo, o
facto de a religião com isso adquirir uma conotação filosófica. Agora, com esta inter-
pretação do dilema missionário acerca dos ritos chineses, vem a propósito aprofun-

8
“Esto religiosus in Deum, qui vis illum propitium imperatori”. Cfr. Tertulliani Apologeticum, XXXIV, 3.
9
Ibidem, XXXV, 5.

www.lusosofia.net 19
· TOMO II ORIENTE ·

dar essa outra carga que o cristianismo injectou no campo semântico do religioso e
que pode iluminar grandemente o ambiente persecutório para que remete a genera-
lidade da missionação dos séculos XVIII e XIX. Referimo-nos ao já aludido horizonte
de eternidade que na linguagem corrente lhe é ainda hoje inerente. A Religião assim
entendida, isto é, como antónimo do Século, gera um poder, e portanto uma cidada-
nia, designados por “espirituais”, que se constituem como pertença prioritária e
disputam o homem à pretensão absoluta da Cidade. É abismante a sensação de
reminiscência clássica que repassa a leitura dos modernos acta martyrum, quer no
Japão de seiscentos, quer na Coreia, na China e Cochincina de sete e oitocentos. Em
toda a parte se adivinha uma reedição do conflito com a Cidade idólatra, com os seus
ídolos funcionários e o seu violento esforço de coesão; como também a reedição do
argumento da primeira apologética – e da sua incomunicabilidade – a saber, de que
os cristãos, além de inocentes, são os melhores e mais leais dos cidadãos, enquanto é
o próprio Deus quem constitui a autoridade e as leis, desde que justas.10 O “meca-
nismo social victimário”,11 a perversão do aparelho jurídico e da justiça, o drama
comunitário dos confessores e dos lapsi submetidos dias a fio às mais obscenas tor-
turas, a espiritualidade agónica, a perquisição das casas e confisco de livros e objec-
tos do culto, as movimentações da retaguarda social de apoio, tudo remete para o
confronto arquetípico entre Cristo e Roma. Quem ler os frios relatos das testemu-
nhas, revive inevitavelmente a leitura dos acta martyrum primitivos e não pode
deixar de se interrogar sobre a exacta repetição destas coordenadas.12

10
Cfr. Tertulliani Apologeticum, XXXIII, 1: “Noster est magis Caesar, a Deo nostro constituto…”
Esteada nas Cartas de Pedro (orate pro rege) e de Paulo (omnis auctoritas a Deo), tal atitude dos
cristãos face ao Poder político acabara por vingar sobre tendências mais apocalípticas destina-
das às margens da heterodoxia. Apesar da sua simpatia por elas, o próprio Tertuliano, que
acabaria montanista na busca de um cristianismo radical sem compromisso algum com o sae-
culum, e, para mais, num contexto persecutório exacerbado, não pudera deixar de reflectir esta
atitude já amplamente partilhada.
11
A expressão, indispensável para compreender qualquer fenómeno persecutório, provém da
antropologia girardiana (cfr. GIRARD, René, La violence et le Sacré, Ed. Grasset, Paris, 1972).
12
Naturalmente, dado o contexto geralmente persecutório do Extremo Oriente, numerosas são
as passagens, por este acervo, de futuros mártires, alguns dos quais canonizados. No I Volume,
por exemplo, é possível reconhecer Stº Inácio Delgado y Cebrián, Bispo e Mártir (aludido nos
Documentos n.º 655 e 939, destinatário da carta constante do n.º 660 e autor de outra nos
nn. 665 e 668), morto por inanição numa jaula aos 76 anos de idade, em 1838 – foi canonizado
em 1988 juntamente com uma multidão de vietnamitas mártires dos séculos XVII a XIX;
S. Gabriel Dufresse, Bispo, com mais trinta companheiros leigos e Stº Agostinho Zhao Rong
(Agostinho Tchau, na grafia do Documento n.º 876) – estes últimos foram canonizados no ano
2000 pelo Papa João Paulo II e a sua memória consta no martirológio romano, a 9 de Julho, sob
o título de Santo Agostinho Zhao Rong e 119 companheiros mártires; de maneira análoga à do
protomártir dos Actos, este, soldado de profissão, iniciou-se na fé como chefe da escolta na
execução capital do Bispo; os Documentos nº 641 e 1009 testemunham o início da carreira
missionária do Servo de Deus Odorico da Collodi, Presbítero e Mártir (1778-1834) – sobre ele
pode ler-se GIURLANI, Silvio, Padre Odorico da Collodi, Missionário Martire in Cocincina;
Biografia del servo di Dio, Lucca, 1935. Sem que nos conste algum processo de beatificação, é
também venerado localmente como mártir o Franciscano Gioachino Salvetti, aludido no I Volume
em 17 Documentos com notícias da perseguição, autor de cartas com o n.º 839 e 842 e

20 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Entre as vicissitudes persecutórias da China, amplamente reflectidas na docu-


mentação do I Volume do Oriente, acha-se uma, protagonizada pelo Padre Adeodato
de Santo Agostinho, que ilustra na perfeição esta nossa leitura. O incidente, basica-
mente a intersecção de um portador de correspondência privada chegado de Macau,
dá origem a interrogatórios, prisões, torturas, confiscos, intimações à apostasia,
culminando com uma centena de condenações várias ao cabo de dois anos de exte-
nuante opressão. É objecto de um pormenorizado relato, datado de Pequim, a 10 de
Outubro de 1807, pelo Padre Louis Lamiot, outra das nossas frequentes personagens;
o qual relato se pode ler na impressionante recolha de Henry Leclercq, no mesmo
Tomo em que, significativamente (vê-lo-emos em breve), agrupa a França da Revolu-
ção e o Extremo Oriente.13
De todos os factos aí referidos, ressalta um punctum dolens, a saber, que as
cartas que desencadeiam as suspeitas do aparelho burocrático imperial e estão na
origem de tantos tormentos, teriam a ver com a vexata quaestio da partilha de juris-
dição eclesiástica entre o Padroado (missionários portugueses) e o Vicariato Apostó-
lico (missionários italianos da Propaganda Fide). Após quezílias insolutas, o Padre
Adeodato terá consultado o Dicastério romano competente e, entre outra correspon-
dência de rotina, chegavam-lhe, via Macau, certas instruções sobre a difícil partilha.
A reflexão mais pertinente, fá-la o próprio Lamiot, interpolando no relato o seu
desabafo: «“Disputam este país”, diziam entre si os mandarins, “quando ele pertence
somente ao nosso Imperador”. Mas como se há de fazer entender, a homens que não
são mais do que matéria, o que é uma jurisdição espiritual»?14 Um dos populares
chineses apanhados nas malhas dos interrogatórios até parece ter-se saído bastante
bem: «“Os aguadeiros dividem entre si as ruas e os bairros de Pequim. Quem alguma
vez imaginou que isso seja atentar contra os direitos do Império? A nossa religião
consiste na prática de orações, de jejuns e de boas obras, etc. [uma frase que parece
saída do séc. III!] De maneira que, quando nos dividimos para a exercitar, não somos
mais sediciosos do que os aguadeiros da cidade”…»15
Se tão sensata argumentação não colhia algum sucesso é porque o Poder se
tinha previamente capacitado de que essa religião, à diferença do negócio dos agua-

destinatário de outras com o n.º 802 e 946 – viria, em 1815, a ser Vicário Apostólico de Chansi
com o título de Bispo de Euriense e a exercer penosamente o seu ministério até à morte, em 1843,
em consequência de uma paralisia nos membros inferiores contraída nos rigores do cárcere.
13
Henri Leclercq, Les Martyrs, Recueil de pièces authentiques sur les martyrs depuis les origines du
christianisme jusqu’au XXème siècle, Tours, 1921 (Vol. XIII, La Révolution et l’Extreme Orient,
pp. 332-371).
14
«‘Ils se disputent ce pays’, disaient les mandarins, ‘tandis qu'il appartient à notre Empereur’. Quel
moyen de faire entendre à des hommes qui ne sont que matière, ce que c'est qu'une juridiction spiri-
tuelle»?, ibidem, p. 368.
15
«Les porteurs d'eau se divisent entre eux les rues et les quartiers de Péking. Qui a jamais imaginé
que ce soit attenter aux droits de l'empire? Notre religion consiste à prier, jeûner, faire des bonnes
oeuvres, etc. Ainsi, quand nous nous divisons pour l'exercer, nous ne sommes pas plus rebelles que
les porteurs d'eau de la ville», ibidem, p. 368.

www.lusosofia.net 21
· TOMO II ORIENTE ·

deiros, implicava realmente uma pertença dos seus cidadãos a outra cidade e, justa-
mente, intuía nisso a subtracção ao seu domínio totalitário. Como explicar a qualquer
Império, a qualquer Reich ou República Popular – em suma, a qualquer Cidade
absoluta – que cada homem pode aceder a um horizonte que a ultrapassa? Se não
conhece outro fim que não o de constituir todo o sentido da existência humana, como
pode conceber relativizar-se sem se anular? Nenhum Pretor nem nenhum Mandarim
tinha conhecimento das duas esferas irredutíveis do Poder a que o cristianismo
entretanto habituou o Ocidente. Por isso, não se podia dar uma pertença que não
ameaçasse a outra. Aqui radicava, com vimos, a incapacidade de compromisso, em
matéria ritual, entre a Cúria em Roma e o Palácio Celeste, em Pequim. Nesse conflito
de pertenças radica também o preço de sangue pago pelos cristãos chineses pelo
século XX adentro, quando o mesmo Império, arrombadas as portas pelas potências
ocidentais, colheu, precisamente numa ideologia dos invasores que tinha a particula-
ridade de negar o Céu, uma sólida maneira de conseguir continuar a ser ele mesmo o
Céu dos seus súbditos. O conflito e o seu preço de violência persistem aliás, ainda
hoje, para além do declínio das ideologias, na irredutibilidade dos católicos a essa
tentativa “neo-regalista” e “neo-galicana” que é a Igreja Patriótica.

Outra reflexão, posto que sem o apoio do texto, cabe-nos a nós fazê-la, melhor,
depreendê-la, do contexto do mesmo relato.
Partimos ainda da consideração inicial. Nesse milénio dito “do meio”, tanto o
saber como o poder se exerciam no novo horizonte da vocação do homem à eternidade.
Nem a Razão nem o Estado eram por isso absolutos. Quer isso dizer, por um lado, que
era possível admitir a existência de Verdade para além da Razão. E nem por isso as
verdades últimas, inacessíveis à Razão, tinham de ficar de fora das contas do conheci-
mento, para lhe não perturbarem a indagação das penúltimas. Com efeito, a não haver
restrições de parte na consideração de todos os factos documentados, a Companhia de
Jesus, vítima do seu estatuto paradigmático na resistência a ambas as absolutizações,
fornece uma prova viva de que, independentemente das suas preferências filosóficas
aristotélicas, a hierarquização do saber pelo metro da Revelação, de modo algum era
incompatível com o método experimental nas ciências da natureza.16
Perdoe-se-nos este breve excurso sobre a absolutização da Razão – essa nova
deusa a quem a Révolution reconsagrou grotescamente a Catedral de Paris! – e vol-

16
Veja-se abundante documentação em José Eduardo Franco, O Mito dos Jesuítas; em Portugal, no
Brasil e no Oriente, Lisboa, Gradiva, 2007, Vol. II, p. 377 e ss). Também no nosso périplo docu-
mental, pese embora o pouquíssimo tempo que lhes resta para permanecer em cena, se acha ainda
um ou outro Jesuíta integrado na Ordem. No processo de inquirição de idoneidade do espanhol
Padre Francisco Laínez, apresentado por D. Pedro II para Bispo de Meliapor (Documento
n.º 1145), figura o depoimento de um físico Jesuíta em actividade no Colégio de Stº Antão.
Trata-se do francês Louis Nöel Bourzes, que, por uma sua Letter to Father Estienne Souciet,
concerning the Luminous Appearance Observable in the Wake of Ships in the Indian Seas, &c. (Taken
from the Ninth Volume of Letters of the Missionary Jesuits) é hoje considerado pioneiro e precursor
de Benjamin Franklin, na sua teoria sobre a fosforescência marítima (cfr. Newton Harvey,
Benjamin Franklin’s views on the Phosphorence of the Sea, Princeton, Princeton University, 1939).

22 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

temos ao prometido ângulo prevalentemente político do nosso discurso. Era possível


admitir Verdade para além da Razão, dizíamos. Pois bem, também era possível con-
ceber a existência de Poder para além do Estado. No ocidente católico, a tensão nunca
se relaxou, nem na teoria nem na prática, e, na afirmação das duas esferas do poder,
nunca a teocracia medieval se absolutizou. Com a nova carga semântica da “Religião”, o
sacerdócio pertencia à ordem do “eterno” ou “espiritual” e não se podia confundir com
o âmbito de competência específico do “secular” ou “temporal”. Por outro lado, o poder
político, precisamente por já não ser todo o poder ao perceber-se agora como mera-
mente secular, carecia mais do que nunca da chancela divina a que estava natural-
mente acostumado. A mestria da Cristandade medieval esteve em não negar, simples-
mente, ao Poder, essa chancela tão conatural à saúde dos povos (embora não lhe
tenham faltado, como nas origens, radicalismos heterodoxos nesse sentido…) mas sim
em exigir-lhe que fosse buscar fora de si mesmo essa caução de legitimidade. Com isso,
cada esfera aceitou a irredutível heterogeneidade da outra. Tal pacto não é isento de
riscos. Mas, em maior ou menor equilíbrio, ante a pretensão eclesial de societas per-
fecta, o Poder político teve de aprender, até à modernidade, a ir buscar fora de si, acei-
tando-lhe a heterogeneidade, a caução da legitimidade divina.
Nunca é demais sublinhar que esta relação, que os modernos veriam em termos
de “aliança entre o trono e o altar”, foi inaugurada na problemática possibilidade de
um César cristão e nem sempre se processou na harmonia das esferas. Nem foi pro-
priamente escrupulosa a observação dos respectivos âmbitos de competência. Que o
digam a questão das investiduras, as excomunhões e interditos dos monarcas, e
todos os tipos de guelfos e gibelinos. Todavia, ao referir súbditos e soberanos a uma
mesma caução, transcendente, sim, mas com um específico âmbito de acção na
Cidade (outra coisa não é a “jurisdição espiritual”), fundou realmente uma via cristã
para a legitimação sacral do poder. E em todo o caso, que nenhum dos dois, trono ou
altar, tenha logrado reduzir o outro à unidade17 prova precisamente que nunca se
dissolveu essa tensão entre as duas esferas, vital para limitar o poder da Cidade e
preservar o verdadeiro alcance da liberdade humana. Diminuído ou perdido de vista
o seu horizonte eterno, pelo contrário, essa liberdade hipoteca-se ao Poder e a Cidade
absolutiza-se. Secularização e Absolutização caminharam juntas, porque a primeira,
sob a aparência do relativismo metafísico (e hoje ético), consiste na realidade em
trazer o absoluto para dentro do mundo.
Claro, estamos a falar de uma especificidade do Sul católico, viabilizada decerto
pelas circunstâncias que deram azo ao fenómeno do papado. Num primeiro

17
Entre outras óbvias circunstâncias favoráveis a esta irredutibilidade (que vêm a convergir na
emergência do Papado) tenha-se ainda em conta que, no mundo latino, o Altar aparece refor-
çadamente como algo não pertencente ao Século, dada a antiquíssima extensão ao clero, san-
cionada depois pela lei positiva do celibato, de uma conotação, de si, monástica. Tal conotação
funciona como segunda barreira à secularização do clero, por mais “secular” que, tecnicamente,
possa chamar-se, para se distinguir do “religioso”. A heterogeneidade do Trono, por sua vez,
não poderia achar-se mais garantida, num contexto geral de transmissão dinástica do poder,
essencialmente vinculada, pois, ao matrimónio.

www.lusosofia.net 23
· TOMO II ORIENTE ·

momento da modernidade, a Norte, a carta de Lutero aos príncipes alemães e a


experiência “anglicana” abriram caminho a um cristianismo de Estado sem voz
alternativa real, restrito, ao modo do cesaropapismo oriental, ao horizonte nacional.
Deste modo, a marcha da absolutização podia encobrir a sua correlação necessária
com a da secularização. Também num segundo momento, a Sul, exigindo-lhe paula-
tinamente cedências de tipo regalista e galicano e impondo-lhe o pesado tributo de
pactuar com o anticongreganismo larvar, na supressão dos Jesuítas,18 os déspotas
iluminados (na realidade, os seus “ministros”) tentaram a reabsolutização sem secu-
larização, isto é, com a Religião disponível, a das massas. Mas no Sul essa Religião
permanecera católica. Se foi no Sul que se desencadeou e continua activo o Laicismo
de Estrita Observância, foi porque a reabsolutização do Estado enfrentava, na versão
católica, o escolho dessa dimensão originária do cristianismo, praticamente neutrali-
zada a norte, com a Reforma, como, havia muito, a oriente, com o cesaropapismo. A
reabsolutização moderna do poder – esse processo que parecia culminar no tene-
broso preço de sangue do martirológio do século XX 19 mas continua hoje a buscar
nas experiências da legiferação juspositivista a bandeira da liberdade absoluta – teve
assim, no Sul, de se fazer contra a Religião.

Ora, este foi o clima político em que se formaram os protagonistas do nosso


acervo documental, os missionários. Foi no virar de sete para oitocentos que se
desencadeou nas elites dirigentes a ilusão da Liberdade através da submissão ao
Estado absoluto, autor e não devedor da sua própria legitimidade. Daí – e não pro-
priamente da intersecção cronológica – a afinidade espontaneamente intuída, na
referida recolha de Leclercq,20 entre a França da Revolução e o Extremo Oriente. Em

18
Bem documentados se acham os últimos Jesuítas vagantes que, na China, juntamente com os da
Rússia, quase logravam constituir uma ponte sobre o vazio, até à restauração da Ordem. Apare-
cem, entre outros, o Padre José de Espinha SJ (1722-1778), que foi Presidente do Tribunal Impe-
rial de Astronomia, o botânico Padre João Loureiro SJ (1717-1791), autor da Flora Cochinchinen-
sis (Lisboa, 1790) e o Padre José Bernardo de Almeida SJ (1708-1805). São os últimos Jesuítas
Portugueses Astrónomos na China (1583-1805), conforme o já clássico título do Padre Francisco
Rodrigues SJ (Apostolado da Imprensa, Porto, 1925). No pano de fundo das tentativas restaura-
cionistas da Companhia, avulta também na presente inventariação a figura de François-Marie
Halnat (1760-1808) que esteve entre os primeiros companheiros do Padre Nicola Paccanari, um
soldado de profissão que, pelo fim de setecentos, sonhou, no Oratório romano del Caravita
(contíguo à Igreja de S. Inácio), restaurar a sua Ordem. Depois de baldadas tentativas, a partir da
Inglaterra, de se unir à residual Companhia de Jesus na Rússia Branca, acabou por realizar a sua
vocação apostólica nas Missões Estrangeiras de Paris. Falecido o fundador em circunstâncias
obscuras, os padres “paccanaristas” viriam quase todos a pedir admissão à Companhia restaurada,
em 1814. Sobre as personagens e vicissitudes da restauração, frequentemente aludidas no presente
acervo, pode ver-se INGLOT, Marek, La Compagnia di Gesù nell’Impero Russo (1772-1820) e la sua
Parte nella Restaurazione Generale della Compagnia, Ed. PUG, Roma, 1997.
19
Em RICCARDI, Andrea, Il secolo del Martirio; i cristiani nel novecento, Mondadori, Roma,
2000, pode respigar-se uma parte da imponente recolha dos mais de doze mil relatos autênticos
chegados a Roma e catalogados pela Comissão Pontifícia Novos Mártires, em resposta ao apelo
de João Paulo II na Tertio Millennio Adveniente.
20
Cfr. supra, nota 14.

24 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

ambos os quadrantes, o cristianismo revive as origens, e uma multidão de mártires


atesta, aquém e além-mar, o mesmo conflito entre o horizonte eterno da Pessoa e a
divindade imanente da Cidade. Acresce que, na França, de onde procediam tantos
missionários,21 faltava já, à lealdade cívica, a mediação “positiva” do Rei, entretanto
substituída por um objecto directo e “natural”, a Nação. «On disait “vive le Roi”, on
dira “vive la Nation”», terão proclamado na decapitação do Rei. De sorte que, junto
da Revolução, a Nação, tornada único fundamento da legitimidade do Estado e ini-
miga, doravante, de todo o Estado não-nacional, contraiu o vício da hematofagia, tão
típico de todos os ídolos, sem excepção para os modernos.
Para os missionários, há em tudo isto uma consequência ambivalente. Pese
embora o estatuto de potenciais “inimigos públicos” (dizia-se “ultramontanos”) com
que a Pátria os perseguia, os Religiosos levavam consigo, também eles, o espírito do
tempo. A pertença nacional significava pois, para estes missionários de oitocentos,
(como a fortiori para as autoridades portuguesas) muito mais do que teria signifi-
cado para Xavier, Ricci, Nobili, Anchieta, todos eles “estrangeiros” e todos eles
actuantes no Padroado, no tempo e no contexto em que essa ideia de Padroado ainda
fora possível.
Daqui procedem duas considerações muito pertinentes ao nosso propósito,
uma sobre o profundo significado, só aparentemente contraditório (e embora não
isento de custos) da ideia de Real Padroado; outra, sobre as novas “estruturas de
plausibilidade” do mundo social e da sua cúpula religiosa,22 partilhadas quer pelas
pessoas concretas dos missionários europeus, quer pelas cristandades indígenas e
mestiças. Ambas acham fértil terreno de análise neste II Tomo, sobretudo no 2º
Volume.
A primeira, sobre o real alcance da ideia de Padroado, aparenta algum atrito
com o que ficou acima dito sobre o processo de reabsolutização do poder no Sul
católico. Trata-se com efeito de uma jurisdição espiritual nas mesmas mãos que
detêm o poder temporal.23 Todavia, há que ter em conta que essa jurisdição é, a um

21
Não podemos deixar de assinalar quanto o nosso acervo atesta a vitalidade das Missões Estran-
geiras de Paris. Passa diante de nós, só no I volume, uma vintena de figuras ilustres, todas facil-
mente documentáveis nos seus Arquivos em rede. Nomes como os dos Bispos Labartette, d’Adran,
Champenois, dos Mestres D’Alary e Bilhère, e a assídua correspondência do Padre Letondal com o
Núncio bastariam a comprová-la. Sobre Nicolau Champenois (1734-1811), das Missões Estran-
geiras de Paris, missionário no Malabar (cfr. Documento n.º 829); pode ler-se Anne Claire Pes-
neaud, Mgr. Champenois, Évêque de Dolicha (1734-1810), Missionnaire dans la Mission malabare des
Indes, Paris, MEP, 2000). Sobre o Padre Bilhère, Michel Dupouy, Thomas Bilhère (1723-1809),
héros des Missions Etrangères pendant la Révolution Française, Paris, MEP, 2002.
22
Recorremos a consagradas categorias sociológicas de Peter Berger, The Sacred Canopy, Anchor
Books Ed., Nova Yorque, 1969.
23
O conúbio, espontâneo e pouco categorizado para os cristãos “portugueses”, escandalizava, pelo
contrário os missionários apostólicos: «Finché vi saranno i Padri Francescani Portoghesi disubi-
dienti, vi sarà sempre molto a soffrire… Non hanno in bocca che il padronato del loro Re, come se
egli fosse Papa in queste terre», lamenta o Barnabita Paolo Nerini, em relatório à Propaganda
Fide, sobre a sua missão no Pegu. O facto é que, até certo ponto, era-o mesmo… (Sobre esta
missão barnabita e a Igreja na Birmânia, muito representativa do confronto entre o Padroado e

www.lusosofia.net 25
· TOMO II ORIENTE ·

tempo, extraordinária e revogável. Originariamente motivada pela sua funcionali-


dade na provisão de ofícios eclesiásticos em contexto feudal, foi o fruto histórico,
geralmente inócuo, de uma dada “harmonia das esferas”. Só a urgência de uma infra-
-estrutura para a evangelização, no momento da expansão global das potências
hispanas (destacadas, para mais, como novo epicentro católico no pano de fundo da
redefinição religiosa da Europa), lhe viria a conferir o alcance, de si acidental, que lhe
conhecemos. O compromisso fora concebível no quadro ideal da Europa dos prínci-
pes cristãos timentes Deum e na suposição da responsabilização pessoal pelo exercí-
cio do poder. Ora estas condições encetaram de facto o seu processo de elisão nos
príncipes da Renascença e já pouco resta delas no despotismo iluminado. Mas a
defesa canónica da sua manutenção formal para além do ancien régime pôde man-
ter-se graças a uma especificidade que, por si só, bastaria a depurá-la do seu tom
teológico inevitavelmente “lusitano”, a saber, o facto de se tratar sempre de uma
delegação de faculdades não próprias. E na verdade, a natureza delegada da jurisdi-
ção espiritual do Rei temporal (com o preço tangível da confirmação pontifícia de
cada apresentado) basta para fazer a abissal diferença. Pensemos como seria ocioso
o próprio nome de um “Real Padroado Britânico”. Quando unus sufficit non oportet
duos convenire… Pelo que, a um olhar minimamente perspicaz, mais do que um
(efectivo) relaxar da tensão entre as duas esferas do poder, o instituto do Padroado –
sobretudo a sua manutenção para além das condições harmónicas que o geraram –
funcionou na Cristandade hispana como sintoma da irredutível dualidade dessas
esferas e factor agudizante da permanente tensão em que se relacionam.
A segunda consideração versa sobre as novas coordenadas que pautam o
mundo social e a identidade colectiva, para já, do que hoje diríamos os “recursos
humanos” do Padroado, os missionários europeus. E é que esse tempo e esse con-
texto – dizíamos há pouco – em que a ideia de Padroado ainda fora possível vem a
ser também, pese embora o rasgão da Reforma e o esboçar das afirmações nacionais,
o último tempo em que não seria necessário escrever “união europeia” com maiús-
cula. É certo que, no pico da perseguição – entre portugueses, espanhóis, franceses,
italianos, irlandeses, alemães, holandeses, croatas, austríacos, húngaros… –, os
relatos testemunham uma unidade que só podia radicar na prioridade da filiação
eclesial. Mas, no pequeno quotidiano, tal não impedia o lealismo nacional de seguir o
seu curso e de forjar o dilema moderno entre a Pátria e a Igreja. Concomitantemente,
não será de excluir, também, neste âmbito, que fiéis de várias gerações fossem na
prática sensíveis ao tom “lusitano”, (no sentido da rima de significado com “angli-
cano”, “galicano”, etc.), com que o Regalismo procurou domesticar o catolicismo. É
que, no séc. XVIII, ainda fora possível ser-se português sem naturalidade portu-
guesa, sem nenhuma raça particular, nem sequer nenhuma língua particular, mas

a nova jurisdição ordinária, seguimos, usufruindo de abundante documentação inédita da casa-


-mãe de S. Carlo ai Catinari, Filippo Lovison, La Missione dei Chierici Regolari di S. Paolo (Bar-
nabiti) nei Regni di Ava e Pegu (1722-1832), Archivio Storico dei Barnabiti di Roma, 2005. Para
este excerto, cfr. p. 132).

26 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

tão-somente por se ser cristão do Padroado. À auto-percepção destes cristãos


(quando muito luso-descendentes) como “portugueses”, correspondia uma equili-
brada hetero-percepção como tal, por parte dos missionários estrangeiros. Missioná-
rio Apostólico na Birmânia (sob jurisdição de S. Tomé de Meliapor), o Padre Sigis-
mondo Calchi, Barnabita, comunica aos superiores, em 1722, as amarguras que lhe
advieram de uma ordem do franciscano Frei António das Chagas, a título de Gover-
nador do Bispado (embora não reconhecido pela Propaganda Fide): «Era doravante
proibido – conta ele – a todos os poucos cristãos portugueses, sob pena de excomu-
nhão, falar-lhe, aproximar-se dele, aconselhá-lo, ou arranjar-lhe o que quer que fosse
nem que se tratasse de algo necessário à própria vida”.24 Mais para o fim do século,
um certo cristão, de nome Gianci (grafia italiana para Janchi), comandante dos
guarda-costas do Rei do Pegu, é dado pelo Padre Cortenovis como “português”, tal
como todos os seus colegas de corpo. A sua portugalidade teria muito pouco a ver
com a geografia e com a cultura, se é verdade que «se mostrou tão interessado na
cultura europeia que foi pedir ao Padre Gerardo Cortenovis (missionário “adversá-
rio”!), quando ele passou por Ava, que lhe fizesse um retrato de história, política e
religião dos estados europeus para o apresentar ao Rei»!25 Procedem desta mesma
comunidade, sempre dita “portuguesa”, dois dos três primeiros padres “indígenas”
da Igreja Birmanesa, ordenados em 1793, ao serviço de Monsenhor Cortenovis: o
Padre José Maungui Rodrigues, de Quiansaroa e o Padre Inácio de Brito, de Ran-
gum.26 Um atentado, de que escapou o Padre Melchior Carpani por manifesta falta

24
“… sotto pena di scommunica, a tutti li puochi cristiani Portoghesi, di non parlarmi, agiustarmi,
consiliarmi, o somministrarmi cosa benché necessaria alla vita humana” (cfr. Lovison, op. cit. p. 59).
25
“…il portoghese Gianci, che si era mostrato tanto interessato alla cultura europea da pregare
Gherardo Cortenovis, che si trovava in Ava, di «farli un ritratto d’istoria, politica, e di religione
degli stati di Europa per presentarlo al Re” (Ibidem, p. 302).
26
Ibidem, p. 356. Este último, poliglota e polígrafo, espelha nos seus títulos o carácter italiani-
zante do novo contexto cristão: Uma Grammatica Barmana per gli italiani; Um Dizionario ita-
lianobarmano- pali, Um volume de Sermões em língua barmana; 4) Farmacologia barmana com
nomenclatura italiana e latina, e uma Recolha de Hinos e Cânticos religiosos em português e em
latim. O português andava já a confinar-se ao papel de “língua-de-culto”. Uns anos antes (1752),
o relatório do Padre Paolo Nerini dá azo a uma imagem muito plausível desta comunidade.
Marcá-la-iam peculiaridades litúrgicas e canónicas legitimadas por “privilégios do padroado”
(provavelmente seria mais o isolamento a determiná-las), como trinar em dia de fiéis defuntos,
(“come nel Santissimo Natale”, observa escandalizado o italiano), suprimir a Anunciação coinci-
dente com IV Feira Santa e prescindir de dispensa em impedimento matrimonial de afinidade de
I grau. Mas o que mais escandaliza o estrangeiro são efeitos da longa radicação local, como o auto-
-sustentamento das missões pelo comércio (em cujas rotas elas haviam tido origem, não esqueça-
mos) e, com sumo escândalo, o aroma sincretista que o missionário imputa à influência jesuítica:
«fanno commercio, quantunque siano Francescani, scusandosi con dire che è pel mantenimento della
Missione; e nella notte di Natale ammettono su la piazza della loro chiesa concerto di strumenti, che
servono ogni giorno a far sinfonia per il Demonio (leia-se, usados no culto dos ídolos), ed una balle-
rina del paese per trattenere allegramente il popolo cristiano e gentile che concorre alla Festa» (ibi-
dem, p. 137). Para avaliarmos a isenção do parecer, tenhamos presente que o mesmo missionário
se insurgia pouco antes (ibidem, p. 136) contra as orações em português impostas aos neófitos.
Ainda hoje a historiografia eclesiástica sobre o Padroado usa pintar a Santa Inculturação, toda do
lado da Propaganda Fide. Mas não dependerá a inculturação mais autêntica – aquela que resulta

www.lusosofia.net 27
· TOMO II ORIENTE ·

de jeito do facínora (prendera-se-lhe a lâmina às pregas do hábito!), foi perpetrado


em 1773 por «uno dei padri portoghesi, di nome Fra Gaetano Maria Canarino», (o
qual, a julgar pelo apodo, seria indiano)27. Curiosamente, no mesmo relatório
enviado ao Padre Angelo Cortenovis, Carpani, pouco depois de referir a trágica morte
do seu janízaro, “fra Gaetano Maria Canarino, portoghese”, acrescenta que «o golfo
de Bengala, se achava inteiramente abandonado pelas naus portuguesas e tanto
assim era que nenhum português morava então no Reino de Pegu».28 Como se pode
ver, na pena de um estrangeiro (talvez não na boca dos indígenas…) já coexistem
duas acepções da designação de “português”, a moderna, no sentido de “política e
etnicamente português” e a antiga, equivalente a “cristão do Padroado”, “eclesiasti-
camente português”.
Cem anos depois, cristãos como os dezasseis párocos da Igreja Uniata Siro-
-Malabar, súbditos de Sua Majestade Britânica que, em 1887, pedem, em latim, “um
bispo siro nomeado pela Santa Sé” ainda podem encarnar essa pertença a Portugal
na identificação com um Rei, a quem chamam “seu”;29 mas até esse lhes será tirado.
Este tipo de população, normalmente sobrevoado na historiografia eclesiástica,30

do encontro entre dois sujeitos culturais realmente distintos – de um preço mínimo pago em
sincretismo? E como pode haver missionários sem encontro entre duas culturas? A menos que
existisse um Cristianismo sem cultura…
27
Ibidem, p. 263.
28
“…il golfo del Bengala, ora interamente abbandonato dalle navi portoghesi, tanto che nessun
portoghese dimorava nel Regno del Pegù” (cfr. Ibidem, p. 269).
29
Cfr. Documento n.º 2883.
30
Infelizmente não é só este o aspecto ignorado na dita historiografia. A qual, estruturada sempre
sobre a instituição da Propaganda Fide como “recondução da actividade missionária a um âmbito
estritamente espiritual”, usa reduzi-la, na anterior “sujeição aos Padroados”, à dimensão temporal
da colonização. De onde decorreria, por exemplo, por interesses coloniais e preconceitos rácicos,
a exclusão de clero indígena, preocupação tão central no novo Dicastério (assim um texto respei-
tabilíssimo como a História da Igreja conhecida por Fliche/Martin, seus iniciadores. Veja-se, na
edição italiana – Ed. San Paolo, Roma, 1995 – no Tomo XVII/2, Massimo Marocchi, La Congrega-
zione de Propaganda Fide, pp. 363-378). Nisto se confunde o Padroado com a sua lenta degene-
rescência, por um lado, e, por outro, teorias e factos. Anterior ao conceito de colonização, a mis-
sionação portuguesa começou por funcionar com base numa analogia entre pares, na relação
diplomática com o Manicongo (veja-se João Francisco Marques, A Religião na Expansão Portu-
guesa - Vectores e Itinerários da Evangelização Ultramarina: O Paradigma do Congo, in “Revista de
História das Ideias”, Coimbra, vol. 14 (1992), pp. 117-141). Precede em muitos anos a Congre-
gação (1514), a primeira ordenação episcopal de neófito indígena (D. Henrique do Congo, inte-
grado na embaixada D. Tristão da Cunha, com algum escândalo sim, mas dos romanos cardeais,
decerto mais modernos que os ainda um tanto medievos portugueses). Também do Padroado, e
muito anterior à Congregação foi o primeiro seminário europeu para a formação de um clero
indígena, o Colégio de Stº Elói, fundado por D. Manuel para os jovens “fidalgos” congoleses, para
não falarmos, no significado, independente do sucesso, da primeira tentativa em África, no Con-
vento de S. Vicente do Cabo, actualmente em território senegalês (veja-se, sobre este particular,
Julieta Araújo & José Ernesto Oliveira dos Santos, Os Portugueses e o Reino do Congo. Primeiros
Contactos, In AA.VV., “Missionação Portuguesa e Encontro de Culturas”, Braga, UCP e Comissão
Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1993, pp. 637-660). Mesmo
nos sécs. XVII e XVIII, a fortiori para o XIX, o suposto exclui fenómenos muito amplos e factos de
grande valor simbólico. Por ironia da História, por exemplo, teve de ser um indiano e clérigo do

28 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

representava no fundo uma persistência da Cristandade, já que fora gerado na sua


característica relação de harmonia entre as duas esferas de poder.31 Também sobre
ela se abate agora o dilema moderno entre as duas pertenças. Para muitos destes
cristãos que, nas suas línguas indígenas e em latim,32 pediam a integração no
Padroado, a jurisdição formalmente romana do Vicariato implicava renunciar ao
único vínculo jurídico que dava corpo ao seu sentimento de portugueses. Que um
poder emprestasse a sua infra-estrutura jurídica e institucional para dar corpo ao
outro, era agora praxe residual, a extinguir a breve trecho. Na instituição, em 1622,
da Sagrada Congregação de Propaganda Fide, com que Roma deliberara tomar conta
do que era seu, já estava implicada, à cabeça, a redefinição jurisdicional das Igrejas
filiadas na Metrópole goesa. Mas se essa redefinição se viu obrigada a três séculos de
marcha lenta e tortuosa,33 não foi somente decerto devido a uma oposição pouco mais
que formal de um Padroeiro que, para mais, se andava comportando como concessio-
nário mau-pagador. A impressão que fica ao leitor da documentação latina da Nuncia-
tura abona em favor do grande papel que, nessa obstrução, terá também tido o real
sentimento de pertença a Portugal partilhado por muitos fiéis que, nas circunstâncias
concretas, não dispunham de outro meio jurídico para o encarnar, que não o da Igreja.

Padroado, posto que não benquisto, o primeiro Vigário Apostólico nomeado pela nova Congrega-
ção, em 1638 (Veja-se François Combaluzier, Mathieu de Castro, Vicaire Apostolique de l’Idalcan,
Pegu et Golconde, in “Révue d’Histoire Écclesiastique,” Lovaina, 38 (1943), pp. 131-151. Hoje –
pese embora a remoção do facto por serôdios pruridos anticoloniais – é ainda no que resta do
tecido social do Padroado que continuam muitas Igrejas da Índia a assentar e a perpetuar-se pelo
clero e pela sucessão apostólica. Anualmente, nas listas episcopais constantes da liturgia papal da
Epifania para a imposição dos pálios, pode verificar-se sistematicamente que o maior fornecedor
de nomes portugueses não é o Brasil (onde todos falam português), mas sim a Índia (onde nin-
guém o fala).
31
Nisto acerta plenamente o cliché historiográfico. A “magna carta do missionário moderno”
(uma instrução aos Vigários Pallu e La Motte) apresenta o novo missionário como “qualcuno
che tutto giudica sub specie aeternitatis” (cfr. Marocchi, ibidem, p. 373). Depois, cotejando esse
texto fundador, o autor continua: La preocupazione di spezzare ogni collusione com le autoritá
politiche ispira anche gli avvertimenti che riguardano il viaggio per le Indie. Essi infatti dovevano
evitarei i territori occupati dal Portogallo o che dipendevano in qualche modo dal Portogallo e per-
correre invece la via di terra attraverso la Siria, la Mesopotamia, la Persia e l’India! O ponto de
exclamação, nosso evidentemente, quer bradar modestamente aos céus, por tão flagrante e
reiterado incumprimento da “magna carta” da missionação moderna. Tal como a antiga, que se
misturou com as rotas comerciais do Mediterrâneo, a moderna missionação não podia passar
sem análoga infra-estrutura no Atlântico e no Pacífico; a qual, a Sagrada Congregação, esbati-
dos os primeiros ímpetos reformistas, colheu sem escrúpulo onde a havia, a começar pelo
Padroado, fornecendo-lhe, mediante umas satisfações formais de parte a parte, os recursos
humanos que neste escasseavam. As ideias correntes sobre a instituição, assumidas num texto
desta responsabilidade, continuam a brotar de um espírito programático inicial que ficou radi-
calmente incumprido e não resistiria ao simples folhear destes nossos volumes de documentos.
32
Cfr. Documentos nn. 2877 e 2878.
33
Em 1916, o Arcebispo de Goa, em carta dirigida ao Núncio (cfr. Documento n.º 4747), ainda
refere que as despesas referentes ao território inglês (parte da arquidiocese de Goa, a maior
parte da diocese de Damão e as dioceses de Cochim e Meliapor – passaram a ser pagas pelo
Ministério das Colónias, a título de despesas de soberania. E acrescenta, com amarga mordaci-
dade: «É a isto que agora chamam Padroado».

www.lusosofia.net 29
· TOMO II ORIENTE ·

Isso explicaria porque, forçados pelo novo curso das coisas a separar as duas pertenças,
cristãos de longa data, embora, se sentiriam prioritariamente portugueses, a ponto de
sustentarem os numerosos cismas documentados nestes volumes e de ameaçarem
denunciar a própria Concordata de 1886. Praticamente todo o III volume (Documentos
nº 3095 a 3853) reflecte a atribulada aplicação das concordatas ante a contestação de
fiéis não decerto etnicamente nem linguisticamente portugueses, sobretudo os de
Ceilão (como tampouco o seriam os omnipresentes cismáticos tonquinenses). No
mesmo contexto, para vencer gradualmente a resistência, se pode também com-
preender a paciência canónica com que se foi estipulando uma casuística de isenções
da jurisdição ordinária, de modo a oferecer uma válvula de escape às famílias mais
irredutíveis. É esse o objecto de um decreto da Propaganda Fide, de 1877,34 que
acaba por recomendar aos Ordinários de Damão e Bombaim a elaboração de um
catálogo de isentos devidamente actualizado, reconhecendo implicitamente a pressão
dos candidatos e o abuso do estatuto. Os tempos longos da Santa Sé e a própria dis-
tância geográfica terão ajudado à paciência necessária para a estratégia da cedência
calculada, tão bem conhecida do pescador à linha, quando reconhece a vitalidade da
presa: «Os do Padroado não obedecem» – queixa-se o Vigário Geral de Puna – «de
sorte que quase todos os goeses recebem de cara descoberta aquela condenação [do
jornal O Anglo-Lusitano, por incitação ao cisma] e prosseguem com novas e inaudi-
tas injúrias contra o Delegado Apostólico, contra o Cardeal Rampolla e a Propa-
ganda Fide (...) Estão eles acostumados a desprezar todas as decisões da Santa Sé
que lhes não agradam e, ao mínimo pretexto, a reivindicar clamorosamente novos
favores e privilégios (…) E aos bispos deles, com seus clamores impertinentes, honra-
-os a Santa Sé com novos privilégios enquanto, a contra-gosto, os bispos da Propa-
ganda Fide vão contando as concessões».35 Façamos excepção aos bispos, de que
também constam cordatas tentativas de mediação e composição dos seus rebanhos.
O desabafo do Vigário de Puna tem de ser forçosamente parcial nesta extensão geral
de má vontade ao episcopado do Padroado, se é certo que, no mesmíssimo ano, «o
Arcebispo-Primaz informa o Núncio de que visitou as missões do Sul, chegando até
Ceilão, e participou numa reunião com os Vigários Apostólicos do Maduré, Jaffra,
Pondichery e Bombaim e com Monsenhor Persico, enviado da Santa Sé, com o fito de
estabelecerem um modus vivendi entre as duas jurisdições».36 Aliás, por esta altura,
era já bem mais perceptível uma óbvia solidariedade de fundo da Hierarquia ecle-
siástica, nacionalmente compósita, em detrimento de uma solidariedade nacional
todos os dias posta em causa pela hostilidade do aparelho político. Em 1883, o Nún-
cio agradece ao Arcebispo Primaz, D. António Sebastião Valente, a eficaz defesa que

34
Cfr. Documento nº3024.
35
Quiséramos, como é próprio, citar o original. A cópia da carta, num latim que recordamos
fluído e elegante, consta do Documento nº 3598. Infelizmente, com grande decepção presente,
só dispomos do resumo com as citações na nossa versão vernácula. O tempo de Arquivo urgia e
voava, recomendado mais síntese do que análise.
36
Cfr. Documento nº 2695.

30 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

de si tomara face a uma campanha difamatória por parte “dos jornais e do governo”.
A carta é em latim mas releva do âmbito puramente pessoal. Confortado embora pela
solidariedade eclesiástica que lhe garantira o Arcebispo, ele teme que a proverbial
distância e contemporização de Roma jogue em seu desfavor: «se por um lado “de
inimigos da Igreja, nada mais ele poderia esperar”, por outro, via-se então “a braços
com os seus superiores que, decerto pela distância, não entendiam bem a questão”».37
Mas o que vem mais ao nosso caso é o fito com que fecha a carta: «Roga o Núncio ao
Arcebispo “que escreva ao Papa expondo o seu ponto de vista sobre a lastimável situa-
ção das dioceses portuguesas e testemunhando a intransigência e escassa fiabilidade do
governo”»; ou seja, acossado pelas autoridades civis (outrora ditas “temporais”) do
Padroado, ele espera a sua apologia junto de Roma, nada mais, nada menos, que das
autoridades religiosas (outrora ditas “espirituais”) do mesmíssimo Padroado. Estava
quebrada e mais que quebrada a harmonia das esferas que tornara possível tal institui-
ção. E na nova interacção dos sentimentos de pertença, a Hierarquia, pelo menos, a
que estava no topo, via mais longe. Como sempre, porém, havia que contar com a dife-
rente marcha das solidariedades de base social mais extensa, a que “os jornais e o
governo” emprestariam habilmente foros jurídicos e eco diplomático. Tendo a Santa Sé
que manter o interlocutor político, o Núncio temeria justamente que a sua própria
queda fosse oferecida na bandeja diplomática das cedências.
O certo é que, como se vê, a diatribe do Vigário Geral de Puna – que acaba por
exprimir «o seu ardente desejo de pôr remédio a tão grandes males pela abolição da
perniciosa instituição do Padroado» – é imediatamente motivada pelas “delongas da
Santa Sé” na resolução de uma contenda, a saber, a disputa da capela de Sant’Ana,
ocupada abusivamente pelos “goeses”, “a quem seria inútil” (naturalmente, como
estrato originário da cristandade, detinham todo o património eclesiástico histó-
rico…) depois de ter sido atribuída aos fiéis da jurisdição ordinária, a quem seria
“imprescindível”. É natural que a relação entre cristãos das duas jurisdições degene-
rasse por vezes em confronto aberto. Tal não admira; pois, até entre os missionários,
as animosidades nacionais haviam chegado, já desde o século anterior, a traduzir-se
em episódios de desesperada violência. O conflito aludido no Documento nº 985,
uma carta de um dos irmãos Cortenovis, Barnabitas, figuras tutelares da Igreja bir-
manesa, tivera foros de atentado à mão armada da parte de um dos franciscanos
portugueses (o qual, para desprimor da sua causa junto das mentes nativas, acabaria
comido por um crocodilo).38 Note-se que em todos estes casos – Ceilão, Tonquim,
Birmânia… – se trata de Igrejas geograficamente afastadas do diminuendo raio de
presença política e comercial de Portugal.39

37
Cfr. Documento nº 2857.
38
Cfr. supra, Lovison, op. cit., p. 269.
39
Outra Igreja que, em circunstâncias semelhantes porfiava em ser portuguesa, é a de Singa-
pura. Aquele que é tido por seu primeiro padre, vindo da vizinha Malaca, foi Joaquim Freire
Brumber, destinatário de uma carta aludida no Documento n.º 1194. Aí se dirigiu logo nos
primeiros dois ou três anos após a fundação da nova cidade, em 1822, para construir a sua

www.lusosofia.net 31
· TOMO II ORIENTE ·

Ao mesmo tempo, porém, quer pelo princípio da realidade dos destinatários, quer
pela língua eminentemente não-nacional que a todos unia, o primeiro dicionário da
língua birmana, da autoria do também Barnabita Monsenhor Giovanni Percoto, não
dispensa a mediação do português (latim-português-birmano).40 Há pois nestes
homens a persistência de uma união europeia sem maiúscula, anterior à restrição
secular-nacional, quer pela prioridade de fundo da pertença religiosa sobre a secular,
quer pela capacidade efectiva de exprimir essa pertença numa língua não nacional.41

Como temos vindo casualmente a sugerir, era em latim que se fazia a ponte de
umas para outras nações evangelizadoras e destas para as nações a evangelizar. Em
latim foi redigido em Macau o manual já referido para formar os catequistas e os
seminaristas chineses e vietnamitas nas lides com as “superstições chinesas”.42 Num
tempo em que urgia obviar à proibição, na China imperial, de ensinar chinês a

primeira capela, na origem da actual Igreja de S. José (vide AA.VV., Glimpses and Memories of St
Joseph's Church and the Portuguese Mission in Singapore 1825-1999, Church of St. Joseph, Sin-
gapura, 1999, pp.7-9).
40
A comunidade ainda poderia dizer-se linguisticamente portuguesa (em 1788, o Padre Alessan-
dro Azimonti, chegado a Mergui, cidade Siamesa agora em mãos birmanesas, dizia a um colega
que os “seus cristãos falavam todos o português” e que ele mesmo o entendia e falava satisfato-
riamente, servindo-se dele para a catequese e para as confissões (“Li miei cristiani parlano tutti il
portoghese, io intendo e parlo quella lingua bastantemente, e della medesima mi servo per far loro il
catechismo, e confessarli”) – e acrescenta, sublinhando o contraste com os “portugueses” de
Rangum que «estes tinham para com ele uma especial atenção e não lhe deixavam faltar nada”!
(Eglino poi hanno un’attenzione particolare per me e non mi lasciano mancare nulla. Qui ho trovato
casa e chiesa molto buona”). Mas, tornando à questão que aqui nos interessa, a da língua, há que
considerar que, já uns 50 anos antes, Monsenhor Gallizia mandara uns missionários dedicar-se
«allo studio della lingua portoghese dell’India, che era molto diversa dal portoghese d’Europa» (cfr.
Lovison, op. cit., p. 117).
41
É também aos quadros desta europeia catolicidade que as novas exigências filológicas das
Luzes têm de ir buscar figuras-ponte para a raiz semítica do Ocidente. Quase ao mesmo tempo,
em Coimbra e em Madrid, pontificavam nas cátedras de “línguas orientais”, mercê da erudita
poliglossia do Colégio Urbaniano que os formara, dois missionários cristãos maronitas, Padres
Paulo Hodar e Elias Scidiac (cfr. Documentos nº 907 e 928). Hodar, celebrado ainda hoje pelos
círculos arabistas portugueses, foi professor de Hebraico no Convento de Jesus e depois cha-
mado à iluminada Universidade pombalina. Com ele aprendeu árabe Frei António do Rosário
Baptista, confessor de D. Carlota Joaquina e autor das Instituições da lingua arabiga para uso das
escholas da Congregação da Terceira Ordem (Lisboa, 1774). Sidiac, segundo a descrição do Docu-
mento que lhe alude, achar-se-ia em Roma em 1778, “a pedir ajuda para a Igreja Siro-Malabar”.
Todavia, deve notar-se que, não obstante, por solidariedade natural, o Padre Elias Scidiac se
dispusesse a procurar assuntos siro-malabares, a sua presença em Roma era-lhes substancialmente
alheia. Cristão maronita natural de Alepo, foi desde a juventude aluno do Colégio Urbaniano e,
à data em causa, aguardava de Pio VI a resposta a uma súplica de dispensa do juramento mis-
sionário para aceder a um honroso convite da corte da Madrid, onde viria a percorrer brilhante
carreira, primeiro como “intérprete de línguas orientais” (como aluno do Urbaniano, dominava
também o italiano e o latim) e depois como Bibliotecário. Como Hodar em Coimbra, alcando-
rou-se pela sua obra a figura tutelar do arabismo hispânico. Veja-se Manuel A. Rodrigues, D. Paulo
Hodar, Presbítero Maronita Professor de Línguas Orientais na Universidade de Coimbra (1773-
-1780), in “Boletim do Arquivo da Universidade de Coimbra” 7 (1985) 1-66.
42
Vide supra, nota 8.

32 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

estrangeiros, o perito Padre Joaquim Gonçalves Afonso, CM, (autor de uma interes-
sante carta constante do Documento nº 347), ao elaborar o seu dicionário Chinês
para uso de estrangeiros escolhe espontaneamente a mesma língua não nacional.
Podemos surpreendê-la também nas aventuras do já referido Padre José Bernardo
de Almeida SJ, de cuja participação fúnebre nos dá conta, entre outras notícias da
intermitente hostilidade imperial, o Documento nº 795. Falecido a poucos anos da
restauração da sua Ordem, distinguiu-se na corte como cirurgião e amigo do valido
do Imperador Quianlong (a quem D. José mandara obsequiosa embaixada),43 tendo
sido nomeado para dirigir o grupo de missionários estrangeiros que o serviram como
intérpretes na desastrada embaixada britânica do General McCartney. São muito
fundadas – e expressas, aliás, numa advertência de um missionário francês contem-
porâneo hostil aos portugueses – as suspeitas de que a tradução, aliada à vantagem
de uma familiaridade de quase 30 anos quer com a mente chinesa, quer com a corte
imperial, tenha sido utilizada cum grano salis para precipitar o fracasso da embai-
xada. É que a parte inglesa, sujeita aos intérpretes estipulados pelo Imperador, teve
de se entender com estes na língua da união europeia sem maiúscula, que era tam-
bém a língua da “Religião da Europa”44, o latim. Na resposta olímpica do Imperador,
a empáfia britânica terá sofrido talvez mais do que, de si, estava a pedir…45 Mais
surpreendente a quem olha os factos dois séculos volvidos, mas plenamente coerente
com aquela função, é a utilização do latim para facilitar a comunicação não só entre
os missionários europeus de vária nacionalidade mas, sobretudo, entre este e o clero
nativo, da China e da Indochina. S. Francisco Régis-Clet, cujo decreto de nomeação
consta do nosso Documento nº 866, apercebendo-se de que tinha sido mal entendido
numa carta ao seu confrade vicentino Paulo Song (que nela vira uma acusação de
preguiça), apressa-se a esclarecê-lo, por via das dúvidas… em latim.46
Dois séculos apenas são também volvidos sobre outro facto extraordinário
vivamente documentado no nosso acervo e não decerto alheio a esta estranha “união

43
A este propósito veja-se descrição e enriquecedora perspectiva em A. M. Martins do Vale, A
embaixada enviada pelo rei Dom José I ao imperador Qianlong, em 1752, vista pelo procurador das
missões estrangeiras de Paris em Macau, in “Anais de História de Além-Mar”, ed. João Paulo
Oliveira e Costa, vol. 5, Dez. (2004), pp. 509-536.
44
Tanto na China como na Coreia os missionários eram proibidos de pregar a “religião da
Europa” e os confessores, na hora da libertação, exortados a abandonar a “religião da Europa” e
a conformar-se aos costumes e religião do seu país (veja-se, por exemplo, Rélation de
l’établissement du Christianisme dans le royaume de Corée, rédigée en latin par Mgr de Govéa,
évêque de Péking… in, H. Leclercq, op. cit., p. 176.
45
Vide António Graça de Abreu, op. cit. p. 55.
46
S. Francisco Régis Clet, Presbítero e Mártir, da Congregação da Missão, beatificado em 1900
e canonizado no ano 2000, chegou a Macau em 1790, acompanhado do então Diácono
François Marie Lamiot, seu confrade. Vide DAVITT, CM, Thomas, A Fresh look at Francis Clet,
in “Colloque; Journal of the Irish Province of the Congregation of the Mission”, n.º 2 (1980),
pp. 13 a 32 e, hujusdem, Francis Clet as seen in his letters in “Vincentiana”, n.º 5 (2001), pp. 2
a 8.

www.lusosofia.net 33
· TOMO II ORIENTE ·

europeia” dotada de uma língua e religião, tanto mais próprias quanto mais univer-
sais. Tal facto, que ilustra talvez o traço mais dinâmico dessa identidade europeia
universalista já então em extinção (é óbvia a sua insustentabilidade, no tempo em
que se estreou o explosivo conceito político de “espaço vital” dos estados nacionais…)
indicia uma Europa que era ainda fundamentalmente um facto de consciência, sem
indexação propriamente geográfica.47 Mercê da persistência – anacrónica que fosse –
do Padroado, a partir de 1808, muitas pessoas que na África, na Índia, na China, na
Tartária, no Tibete, na Malásia, em Singapura, na Indonésia, na Birmânia, no Cam-
bodja, na Tailândia, herdassem ou abraçassem essa “Religião da Europa”, teriam
uma parte conspícua da sua vida, mesmo quotidiana, governada a partir da capital de
um Portugal, também ele, de natureza escassamente geográfica. Era então natural
(veja-se o Documento nº 136) que, no Rio de Janeiro, fizessem escala um francês, o
Padre Raffael Umpierres,48 e um italiano, Frei Giuseppe Maria da Morrone, em trân-
sito para Macau. Em tom bastante rotineiro, o Cardeal Fontana, Prefeito da Propa-
ganda Fide, escreve ao Internúncio deixado na agora periférica Lisboa, “remetendo
uma carta dirigida a Monsenhor Marchini, Procurador da mesma Sagrada Congrega-
ção em Macau, para que seja enviada a Monsenhor Marefoschi, Núncio Apostólico de
Portugal, e de lá (isto é, do Rio) possa ser enviada às Índias Orientais”.49 De facto, a
sede da sua Nunciatura acompanhou a Rainha ao Rio de Janeiro e foi de lá que
informou Roma, proveu bispados e paróquias, concedeu faculdades ordinárias e
extraordinárias (estas durante o cativeiro papal na França, sem comunicação com a
Santa Sé), concedeu dispensas de impedimentos matrimoniais e sacramentais, aten-
deu apelos, cominou e absolveu censuras, emitiu os mais diversos Breves (desde a
regulamentação das vestes corais dos cónegos de Macau50 à concessão de Oratórios
privados, públicos e semi-públicos,51 mandou dinheiro, livros e relíquias vindos de
Roma, aprovou e enviou missionários de toda a Europa católica… até ao dia em que
os bons comerciantes de Lisboa declararam Portugal independente do Brasil e exigi-
ram com burguesa pusilanimidade, que viesse definhar, numa Europa doravante

47
A representar de maneira rocambolesca essa Europa mental, aparecem-nos no I Volume
(cfr. Documentos nº, 96, 564 e 908) as figuras dos Padres, pai e filho, Caetano Victorino e José
Custódio e de Faria. Este último é o romanesco “Abade Faria”, tido por fundador da ciência do
hipnotismo, imortalizado na personagem homónima do Conde de Monte Cristo de Alexandre
Dumas. Às numerosas peripécias da consagrada biografia do luso-goês que, juntamente com o
pai e mentor, como ele recém-ordenado Padre, deslumbrou primeiro a corte de D. José e depois
os círculos revolucionários de Paris, deverá acrescentar-se uma polémica teológica por indagar,
decerto concomitante à conclusão do seu doutoramento no Colégio Urbaniano de Roma, e
provavelmente especificada no Documento nº 908.
48
Trata-se do Procurador da SC de Propaganda Fide na China de 1823 a 1837, mais tarde céle-
bre como professor de mandarim no Colégio Urbaniano (vide Josef Mtzler, Das Archiv der
Missionsprokur de S.C. de Propaganda Fide in Canton, Macao, Hong-Kong, Roma, PAU, 2000,
pp. 77 a 139).
49
Cfr. Documento nº 642.
50
Cfr. Documento nº 441.
51
Cfr. Documentos nº 402, 405, 415, 445, 446.

34 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

cada vez mais estreita, um Rei coroado ao longe, que soubera tirar da ameaça napo-
leónica uma ocasião para medir Portugal pela vastidão dos Trópicos.52
Sublinhemos finalmente o maior dos paradoxos que procede da impossibili-
dade de continuar a pertencer a esta efectiva união europeia. É que sem essa possibi-
lidade, vedada pelas novas circunstâncias da secularização e da absolutização, não há
defesa que valha ao Padroado. Quem ler o Diário Português de Frei Paulino de
S. Bartolomeu,53 facilmente se dá conta de que não seriam propriamente “calúnias”
os juízos sombrios com que, na sua India Orientalis Christiana (impressa em Roma,
em 1794, após uns vinte anos de missão no Padroado), o reputado indiólogo carme-
lita irritava o Conde de Anadia.54 O Estado português que, em nome do seu Rei, se
desdobra retoricamente em exigências de juramentos, fundamentações jurídicas e
enervantes diplomacias em prol do Padroado, é o mesmo que o mina por dentro,
desfazendo-lhe a estrutura congreganista que sempre o alimentara. É o próprio
Patrono que aniquila o Padroado, simplesmente porque este, quer pela necessária
abertura internacional, quer pela sua natureza anti-secularizante, deu em estorvar,
mais do que caucionar, a sua nova pretensão de poder.
Em 1777, dissipada por enquanto “apenas” a rede pedagógica e missionária
jesuítica, ainda temos notícia, no Documento nº 76, do envio de quatro capuchinhos
italianos para Angola.55 No virar para oitocentos, o Frei Raimondo di Dicomano que

52
Sobre esta experiência sui generis de Portugal, pode ler-se com proveito SCHULTZ, Kirsten,
Tropical Versailles: Empire, Monarchy, and the Portuguese Royal Court in Rio de Janeiro, 1808-
-1821, Routledge Ed., Nova Iorque, 2001. Na p. 149 oferece-se bom repertório documental sobre
uma curiosa figura de cuja prisão nos dá conta o Núncio no Documento n.º 963. Trata-se do
Padre Joaquim de Sousa Ribeiro, pretenso Bispo de S. Domingos, pioneiro do abolicionismo
entre os índios e os escravos negros do Nordeste.
53
Paulino de S. Bartolomeu, OCD, é o nome de religião de Ivan Filip Vezdin (Hof am Leitha-
berge, 1748 – Roma, 1806), erudito austríaco de origem croata, “missionario in India, pioniere
dell’indologia, padre della filologia indoeuropea, fedele e devoto collaboratore del dotto Mecenate
Cardinale Stefano Borgia”, como consta da lápide gravada pela cidade de Velletri, por ocasião do
II centenário da sua morte, na fachada do antigo Museu Borgiano, onde acumulou grande parte
da sua bagagem científica. Consumado erudito, autor de um Viaggio alle Indie Orientali, um
clássico da indologia, domina na perfeição o português (esteve um ano em Lisboa antes de
partir para a Índia), e é personagem muito assídua no I volume do presente Tomo, também por
via de uma caixa de livros que se lhe extraviou e por que a Nunciatura parece ter movido mun-
dos e fundos. Para o fascinante Diário Português, veja-se uma interessante publicação bilingue
numa Revista da Faculdade de Letras de Zagreb: TNikica Talan, O "indiólogo" croata Ivan Filip
Vesdin (1748-1806) e as "Índias Portuguesas", in “Studia Romanica et Anglica Zagrabiensia”
(SRAZ)”, Vol. 51 (2006), pp. 57-101.
54
Cfr. Documento n.º 984.
55
Sobre as vicissitudes destes quatro Capuchinhos e dos seus derradeiros sucessores sob o reinado
de Dª Maria II, bem como sobre as assíduas relações entre a missão Capuchinha e o Reino do
Congo, pode ver-se uma recente tese de doutoramento que não deixaria de beneficiar da consulta
deste fundo: Kabolo Iko Kabwita, Le royaume kongo et la mission catholique, 1750-1838: du déclin à
l'extinction, avec préface de Guy Bedouelle, Paris, Karthala Éditions, 2004. Veja-se também
Teobaldo Filesi e Isidoro Villapadierna, La “Missio Antiqua” dei Cappuccini nel Congo (1645-1835)
– Studio preliminare e guida delle fonti, Istituto Storico dei Cappuccini, Roma, 1978.

www.lusosofia.net 35
· TOMO II ORIENTE ·

jura fidelidade ao Padroado no Documento nº 1061 ainda sagrou e coroou D. Aleixo I


e o seu sucessor D. Henrique I, Reis do Congo.56 A sagração dos reis do Congo tor-
nara-se uma prerrogativa dessa secular missão capuchinha que, pela estranheza do
clima, dizimara regularmente centenas de perseverantes italianos e espanhóis. Em
1834, porém, já não há retórica que possa mascarar o esvaziamento do Padroado.
Frei Paolo da Bene, o último representante da missão capuchinha, cuja partida nos é
referida no Documento nº 978, tem de deixar Angola na célere execução do ilumina-
díssimo decreto. À última dinastia dos Manicongo faltará de vez quem sagre o suces-
sor. Está prestes a começar a nova colonização ao estilo da Conferência de Berlim. O
próprio Acordo Missionário da República parecerá arrepiar algum caminho ante a
necessidade de recrutar efectivos para a nova presença colonial. Mas não espelha
mais que uma fatalidade: a do patético fracasso de tentar formar, no Seminário das
Missões que D. João VI fundara, uns confrangedores missionários civis, eivados de
cidadania e religião-pátria. Fizeram-se alguns doutos cidadãos (partituras há até, no
notável espólio musical de Cernache do Bonjardim, ufanamente assinadas pro
memoria pelo “cidadão Fulano”…)57; mas não deixaram rasto nas Missões.
Outros o fizeram e fazem ainda, também a partir de Cernache do Bonjardim.58
Observadas no nosso cenário documental, as dimensões dessa gesta actual são relati-
vamente modestas. São porém proporcionadas a uma cultura que se foi fechando do

56
Frei Raimundo de Dicomano é autor de uma relevante Informazione presentata all'Ill.mo e
Ecc.mo Sig.re Dom Michele António de Mello, Governatore e Capitano Generale del Regno d'Angola
per F. Raimondo di Dicomano, Missionario Cap.no Italiano della Provincia di Toscana; nella quale
descrive tutto ciò che vedde e osservò ne i tre anni, che stette missionando nell Congo, sopra i cos-
tumi, le opinioni religiose e politiche delle Nazioni de' Neri dell'Affrica Occidentale, confinanti colli
stati di sua Maestà Fedelissima, e che gli sono tributarie, e che abitano al Nord della città di
S. Paolo dell'Assunzione. Cfr. BRÁSIO, António Duarte, Frei Raimundo de Dicomano, Informação
do reino do Congo, 1798, Separata de “Studia”, 34, Lisboa, 1972.
57
Está em curso a catalogação do seu acervo documental. Nele avulta, entretanto, um arquivo
musical que atesta um impressionante nível de formação e capacidade executiva nas mais
diversas formações vocais e instrumentais. Mercê da graciosa cedência quer da Sociedade Mis-
sionária, quer do autor da transcrição, P. Pedro Miranda, foi possível executar, na Semana
Santa bracarense de 2008, na Igreja de Santa Cruz, uma anónima Dominga de Ramos conforme o
Rito Bracarense, para coro a cappella (SATB), a partir de cópia datada de 1863. A obra, em cuja
opção ritual não é descabido farejar um pouco do lusitanismo que temos vindo a referir,
empresta o título a uma gravação publicada em Roma, pelo Instituto Português de Santo Antó-
nio, com alguns excertos seus (cfr. Dominga de Ramos conforme o Rito Bracarense & aliae Portu-
galiae Sacrae Cantiones, ab Ançãble Concentu in Ecclesia Sancti Antonii Lusitanorum in Urbe
peractae, die 25.10.03, Romae, Ed. IPSAR, 2003). Conforme a respectiva nota crítica, “nela se
manifesta a eficácia litúrgica de uma polifonia rigorosamente a cappella, perfeitamente identifi-
cável como música do séc. XIX, mas sem qualquer preocupação de revivalismo, bastante inspi-
rador de muitos compositores europeus coevos e superado nos verdadeiramente grandes”.
58
Encarregado da sua fundação foi D. Manuel Joaquim da Silva, da Ordem Militar de Avis,
Arcebispo titular de Adrianópolis, cujos préstimos são aqui encarecidos em carta do Cardeal
Gonzaga ao Núncio (cfr. Documento n.º 937). Estão presentes no I Volume dois irmãos seus
também Bispos do Padroado, D. Marcelino José da Silva, Bispo de Macau aqui aludido (cfr. et
Documentos n.º 40 a 42 e 1137), e o vicentino D. Eusébio Luciano Gomes da Silva (cfr. Docu-
mento n.º 22), nomeado Bispo de Nanquim mas precocemente falecido em Goa.

36 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

lado de cá do tempo e se habituou a viver com mais janelas para o seu pátio interior,
e menos vistas para o horizonte eterno; uma cultura que dificilmente compreende a
questão das missas caídas, um outro nó górdio que atravessa muitas das nossas
caixas.59 Tanto o excesso permanente de sufrágios encomendados como o sincero
embaraço dos peticionários, atestam uma conciliação, hoje desconhecida, entre a
labuta do dia a dia e o horizonte definitivo de onde se não deveria nunca arredar os
olhos. Que não “caiam” hoje missas só é coisa de espantar por serem tão poucos os
que as dizem.
É em todo o caso (e à parte as missas, que só a alguns cabiam) deveras impres-
sionante constatar este facto: Quantas das agremiações “religiosas” que desfilam
antes de nós, documento a documento, sobreviveram ao séc. XIX? Onde estão os
nossos Bernardos e os nossos Trinitários, os Freires de Cristo, de Santiago da
Espada, de Avis, onde as Mónicas e as Canossianas, os Agostinhos e demais Cónegos
Regrantes, os Lóios, os Lazaristas ou Vicentinos, os Filipinos, os Teatinos?... O grosso
das congregações religiosas que protagonizam esse cenário não voltou a erguer-se em
Portugal, após os golpes de oito e novecentos. Para o encontrarmos, paradoxalmente,
temos de ir até países onde foi menos branda a tormenta, como a Espanha, a França,
e até a Europa da cortina de ferro, onde hoje é comum poder-se visitar uma cúria
provincial no seu edifício original (como é sabido, salva alguma excepção por via de
transacção privada, os nossos edifícios congéneres, herança hoje tantas vezes de
ignaro turismo, continuaram até há bem pouco tempo arruinados ou assinalados por
chaimites e carros-tanque). Foi de facto entre nós misteriosamente mais persistente
e eficaz, posto que incruenta, a repressão das “Religiões”, dessa vida que por anto-
nomásia se chama “religiosa”, precisamente por romper com o Século e atestar a
presença das “coisas últimas”.
Não faltaram porém excepções a recomeçar das cinzas, embora esbulhadas de
património, nem novos carismas de raiz. Juntamente com muitas centenas de portu-
gueses agregados em velhas e novas congregações religiosas e em variegadas institui-
ções,60 a Sociedade Missionária da Boa Nova, constituída por Pio XI em 1930 como

59
São 33 Documentos, só no I Volume.
60
Só naturais da Arquidiocese de Braga, operavam no virar do milénio mais de 500 missioná-
rios, distribuídos por uma trintena de instituições. O dado, entre tantos outros respeitantes a
cinco séculos de gesta missionária, resulta de um estudo comemorativo impulsionado por
D. Eurico Dias Nogueira, então Arcebispo Primaz emérito, para assinalar a dimensão
evangelizadora dos quinhentos anos dos Descobrimentos: João Francisco Marques, A Arquidiocese
de Braga na Evangelização do Além-Mar, Braga, Ed. Comissão Arquidiocesana para as
comemorações dos Cinco Séculos de Evangelização e Encontro de Culturas, Faculdade de
Teologia de Braga da UCP, Cabido da Sé Metropolitana e Primacial, 2002. Muitos nomes dos
últimos dois séculos aí investigados, podem ser identificados no nosso acervo, nomeadamente os
Agostinhos do Pópulo (hoje sede de DRM e de pelouros camarários) e alguns destacados vultos
episcopais como D. Frei Amaro José de Santo Thomaz, primeiro bispo residente de Moçambique
(cfr. Documento 58 e ss; veja-se João Francisco Marques, O Dominicano bracarense D. Fr. Amaro
José de Santo Thomaz, primeiro bispo residente de Moçambique, in AA.VV., “Estudos em
Homenagem ao Professor Doutor José Marques”, II Vol., Porto, Faculdade de Letras, 2006,
pp. 331-358) e D. João Crisóstomo Amorim Pessoa, eminente figura do crepúsculo do Padroado,

www.lusosofia.net 37
· TOMO II ORIENTE ·

Sociedade Missionária Portuguesa, dá continuidade a essa eminente dimensão da


sua identidade de cristãos e de portugueses (por esta ordem, naturalmente). Os seus
120 membros, espalhados em Portugal, Moçambique, Angola, Brasil, Zâmbia e
Japão, formados, muitos deles, à sombra inspiradora do Convento de Cristo, preser-
vam hoje a essência do grandioso acidente histórico que foi o Real Padroado de Por-
tugal.

JOSÉ CARLOS LOPES DE MIRANDA

Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias


Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Católica Portuguesa


Centro Regional de Braga

autor de célebre Memoria sobre o real Padroado Portuguez nas Provincias Ultramarinas, e parte
relevante na negociação de nova Concordata, (cfr. Documento 1108 e ss. Veja-se Franquelim
Neiva Soares, D. João Crisóstomo de Amorim Pessoa, Arcebispo de Braga (1810-1888), Cantanhede,
Ed. Santa Casa da Misericórdia, 1990; e ainda João Francisco Marques, A Obra Oratória de D. João
Crisóstomo de Amorim Pessoa, in “Actas do Congresso Internacional comemorativo do IX Cen-
tenário da Dedicação da Sé de Braga, VOl. II/2, UCP, Cabido Metropolitano, pp. 543-557). Mais
precioso é porém, decerto (e, quem sabe, pertinente para o processo de beatificação em curso) o
vário conjunto de peças do Documento nº 1116, integrantes do processo de inquirição sobre a
idoneidade ao episcopado do Servo de Deus D. António Barroso, natural do arciprestado de Bar-
celos.

38 www.clepul.eu
Gráficos


Apresenta-se a seguir, em forma gráfica, a indicação estatística da incidência de determinados
dados quantitativamente relevantes, selecionados a partir da documentação sumariada.

www.lusosofia.net
www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

CARGOS E ESTATUTOS ECLESIÁSTICOS

DIOCESES

www.lusosofia.net 41
· TOMO II ORIENTE ·

LÍNGUA DOS DOCUMENTOS

ORDENS RELIGIOSAS

42 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

PAPAS MAIS REFERIDOS

TIPOLOGIA DOCUMENTAL

www.lusosofia.net 43
www.clepul.eu
Sumários da Documentação

[1] 1800, Outubro, 10, Roma


Carta dirigida ao Núncio Apostólico em Portugal, Monsenhor Pacca, pelo
Cardeal Consalvi, noticiando a prisão do Bispo de Cochim, em Lisboa, no Con-
vento dos Remédios dos Carmelitas Descalços, e pedindo intervenção a favor do
referido Prelado.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 8 (3), FL. 94-94V.

[2] 1814, Agosto, 17, [Rio de Janeiro]


Rascunho da carta [do Núncio] ao Conde de Aguiar sobre a questão da
nomeação real do Bispo de Malaca para Arcebispo da Baía, esperando a confirma-
ção do Papa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 9 (5), FLS. 6-7V.

[3] 1814, Agosto, 31, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] ao Cardeal Secretário de Estado sobre a questão
da nomeação do Bispo de Malaca para Arcebispo da Baía.
Obs. Documento em italiano.
Uma anotação no documento indica que este foi enviado juntamente com
outra carta de 28 do mesmo mês e ano; noutra anotação, em português, acres-
centa-se que foi expedida uma segunda via a 9 de Setembro do ano supra.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 9 (5), FLS. 9, 10 E 11.

[4] 1814, Junho, 21, [Rio de Janeiro]


Carta enviada [pelo Núncio] ao Marquês de Aguiar [Secretário de Estado] para
acompanhar o envio de dois Breves papais relativos ao problema da nomeação do
Bispo de Malaca como Arcebispo da Baía.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 9 (5), FL. 12-12V.

[5] 1816, Dezembro, 30, [Rio de Janeiro?]


Rascunho da carta [do Núncio?] ao Cardeal Consalvi sobre a situação canó-
nica de D. Francisco de S. Dâmaso que, sendo ainda Bispo de Malaca, fora eleito,
pelo Rei, Arcebispo da Baía, e sobre a respectiva má conduta no governo da nova
Diocese; morte do referido Prelado e eleição do novo Vigário Capitular na pessoa
do Cónego Francisco Borges Leal.
Obs. Documento em italiano.
A paginação do documento não respeita a sequência do texto.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 9 (5), FLS. 14-17.

www.lusosofia.net 45
· TOMO II ORIENTE ·

[6] 1789, Agosto, 19, Roma


Carta de [Monsenhor] Carlos Maria Federici ao Núncio acusando a recepção
de um despacho de 30 de Julho desse ano, mencionando que não tinha recebido
os documentos relativos à nomeação dos novos Bispos de Macau e Nanquim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (2), FL. 62-62V.

[7] 1819, Janeiro, 25, Rio de Janeiro


Rascunho da carta do Núncio Apostólico em Portugal, Monsenhor João
Francisco Compagnoni Marefoschi, Arcebispo de Damiata, ao Cardeal Consalvi,
acompanhando o envio do processo de Frei Tomás de Noronha, Dominicano da
Congregação das Índias Orientais, nomeado Bispo de Cochim, mas acusando não
ter recebido a sua Profissão de Fé; e referindo a necessidade de uma dispensa
extraordinária por impedimento de ilegitimidade de nascimento do nomeado.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (2), FL. 75-75V.

[8] 1685, Outubro, 25, [Lisboa]


Ofício de Mendo de Fóios Pereira [Secretário de Estado] para o Internúncio,
a participar a nomeação régia do Padre João do Casal para Bispo de Macau.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 4.

[9] 1693, Outubro, 3, [Lisboa]


Ofício de Mendo de Fóios Pereira [Secretário de Estado] [para o Núncio], a
participar a nomeação régia do Padre Frei Pedro Pacheco, da Ordem dos Pregado-
res, para Bispo de Cochim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 6.

[10] 1738, Julho, 11, [Lisboa]


Ofício de Pedro da Mota e Silva [Secretário de Estado] para o Arcebispo de
Tarso [Núncio Apostólico], a participar a nomeação régia do Padre Policarpo de
Sousa, da Companhia de Jesus, para Bispo de Pequim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 8.

[11] 1742, Agosto, 4, Vila das Caldas[da Rainha]


Ofício de Pedro da Mota e Silva [Secretário de Estado] para o Arcebispo de
Laodiceia [Núncio Apostólico], a participar a nomeação régia de Frei Lourenço
de Santa Maria, Menor Reformado e Missionário Apostólico do Seminário do
Varatojo, para Arcebispo de Goa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 9-9V.

[12] 1742, Junho, 17, [Lisboa]


Ofício de Pedro da Mota e Silva [Secretário de Estado] para o Arcebispo de
Laodiceia [Núncio Apostólico], a participar a nomeação régia de Frei Francisco
de Santa Rosa de Viterbo, dos Menores Observantes da Província dos Algarves,
para Bispo de Nanquim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 11.

46 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[13] 1744, Dezembro, 29, [Lisboa]


Ofício de Pedro da Mota e Silva [Secretário de Estado] para o Arcebispo de
Nicomédia [Núncio Apostólico], a participar a nomeação régia de Frei António
da Encarnação, da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho, natural do Brasil
Provincial da Província de Goa, para Bispo de Nanquim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 12.

[14] 1744, Dezembro, 29, [Lisboa]


Ofício de Pedro da Mota e Silva [Secretário de Estado] para o Arcebispo de
Nicomédia [Núncio Apostólico], a partipar a nomeação régia do Padre Clemente
José, da Companhia de Jesus missionário na Índia, para Bispo de S. Tomé de
Meliapor.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 14.

[15] 1745, Dezembro, 7, [Lisboa]


Ofício de Pedro da Mota e Silva [Secretário de Estado] para o Arcebispo de
Nicomédia [Núncio Apostólico], a participar a nomeação régia de Frei Miguel de
Bulhões, da Ordem dos Pregadores, para Bispo de Malaca.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 15.

[16] 1752, Fevereiro, 8, [Lisboa]


Ofício de Pedro da Mota e Silva [Secretário de Estado] para o Arcebispo de
Nicomédia [Núncio Apostólico], a participar a nomeação régia do Padre Godo-
fredo Lambekoven, da Companhia de Jesus, para Bispo de Nanquim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 17.

[17] 1755, Fevereiro, 26, [Lisboa]


Ofício de Pedro da Mota e Silva [Secretário de Estado] para o Arcebispo de
Petra, Núncio Apostólico, a participar a nomeação régia do Padre Mestre
Frei Teodoro de Santa Maria, dos Eremitas Calçados de Santo Agostinho e Vigário
Provincial da Congregação de Goa, para Bispo de S. Tomé de Meliapor.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 18.

[18] 1758, Março, 6, Belém


Ofício de José Sebastião de Carvalho e Melo [Secretário de Estado] [para o
Núncio], a participar a nomeação régia de Frei Bernardo de S. Caetano, dos Eremi-
tas Calçados de Santo Agostinho da Congregação de Goa, para Bispo de S. Tomé
de Meliapor.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 19.

[19] 1778, Abril, 29, Lisboa


Ofício do Visconde de Vila Nova de Cerveira [Secretário de Estado] [para o
Núncio], a participar a nomeação régia de Frei Manuel de Santa Catarina, dos
Carmelitas Descalços, para Bispo de Cochim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 20.

www.lusosofia.net 47
· TOMO II ORIENTE ·

[20] 1778, Junho, 3, Lisboa


Ofício do Visconde de Vila Nova de Cerveira [Secretário de Estado para o
Núncio], a participar a nomeação régia de Frei João Damasceno, dos Eremitas
Descalços de Santo Agostinho, para Bispo de Pequim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 22.

[21] 1782, Abril, 19, [Lisboa]


Ofício do Visconde de Vila Nova de Cerveira [Secretário de Estado] para
Monsenhor Gaudêncio Antonini, Internúncio Apostólico, a participar a nomeação
régia de Frei Alexandre da Sagrada Família, Missionário Apostólico e religioso pro-
fesso dos Menores Reformados do Seminário de Brancanes, para Bispo de Malaca.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 24.

[22] 1798, Julho, 27, Lisboa


Ofício de José de Seabra da Silva [Secretário de Estado] para o Arcebispo de
Tiana [Núncio Apostólico], a participar a nomeação régia do Padre Eusébio Luciano
de Carvalho da Silva, da Congregação da Missão de S. Vicente de Paulo, para Bispo
de Nanquim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 26.

[23] 1782, Agosto, 2, Queluz


Ofício do Visconde de Vila Nova de Cerveira [Secretário de Estado] para
Monsenhor Gaudêncio Antonini [Internúncio Apostólico], a participar a nomea-
ção régia de Frei Alexandre de Gouveia, da Ordem Terceira da Penitência, para
Bispo de Pequim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 28.

[24] 1782, Agosto, 2, Queluz


Ofício do Visconde de Vila Nova de Cerveira [Secretário de Estado] para
Monsenhor Gaudêncio Antonini [Internúncio Apostólico], a participar a nomea-
ção régia de Frei António da Assunção, da Ordem dos Eremitas Calçados de
Santo Agostinho, para Bispo de S. Tomé de Meliapor.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 30.

[25] 1804, Outubro, 20, Mafra


Ofício do Conde de Vila Verde [Secretário de Estado] para o Arcebispo de
Nisibi, Núncio Apostólico, a participar a nomeação régia do Doutor José Caetano
para Arcebispo de S. Tomé de Meliapor.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 32.

[26] 1804, Julho, 16, Queluz


Ofício do Conde de Vila Verde [Secretário de Estado] para o Arcebispo de
Nisibi, Núncio Apostólico, a participar as nomeações régias do Doutor Frei Joa-
quim de Ataíde, dos Eremitas Calçados de Santo Agostinho e Pregador Régio,
para Bispo de Meliapor; e do Doutor Frei Francisco de S. Dâmaso Guimarães, dos

48 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Menores Observantes da Província de Portugal, também Pregador Régio, para


Bispo de Malaca.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 34.

[27] 1805, Dezembro, 18, Queluz


Ofício do Conde de Vila Verde [Secretário de Estado] para o Arcebispo de
Nisibi, Núncio Apostólico, a participar a nomeação régia do Padre Teodoro Bote-
lho Homem, presbítero secular, para Arcebispo de Cranganor.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 36.

[28] 1817, Março, 15, Rio de Janeiro


Ofício do Conde da Barca [Secretário de Estado] para Monsenhor Vicente
Macchi, Delegado Apostólico, a participar a nomeação régia de Frei Paulo de
S. Tomás de Aquino, da Ordem dos Pregadores Província de Goa, para Arcebispo
de Cranganor.
Obs. No fl. 38 encontra-se uma cópia do presente ofício.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 39.

[29] 1825, Junho, 17, Lisboa


Ofício de Fernando Luís Pereira de Sousa Barradas [Ministro dos Negócios
Eclesiásticos] para o Arcebispo de Nazianzo [Núncio Apostólico], a participar a
nomeação régia de Frei José Joaquim da Imaculada Conceição Amarante, dos
Menores Observantes da Província de Portugal, para Arcebispo de Cranganor.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 40.

[30] 1825, Julho, 7, Lisboa


Ofício de Fernando Luís Pereira de Sousa Barradas [Ministro dos Negócios
Eclesiásticos] para o Arcebispo de Nazianzo, Núncio Apostólico, a participar a
nomeação régia de Frei Estêvão de Jesus Maria, religioso da Província de Santa
Maria da Arrábida, para Bispo de S. Tomé de Meliapor.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 42.

[31] 1833, Março, 8, Caxias


Ofício de Luís de Paula Furtado de Castro do Rio de Mendonça para o Cardeal
Giustiniani, Pro-Núncio Apostólico, a participar a nomeação régia de Frei José das
Dores, dos Eremitas Calçados de Santo Agostinho, para Bispo de Cochim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 44.

[32] 1772, Julho, 13, Lisboa


Ofício do Marquês de Pombal [ao Núncio], a participar a nomeação régia do
Padre Alexandre da Silva Pedrosa Guimarães, licenciado em Cânones, para Bispo
de Macau.
Obs. Este documento faz parte de um conjunto de participações de nomea-
ções episcopais das quais não existem os relativos processos no Arquivo
(informação fornecida na respectiva capilha).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 89.

www.lusosofia.net 49
· TOMO II ORIENTE ·

[33] 1817, Março, 15, Rio de Janeiro


Ofício do Conde da Barca [Secretário de Estado] para o Delegado Apostó-
lico, Monsenhor Vicente Macchi, a participar a nomeação régia de Frei Tomás de
Noronha, da Ordem dos Pregadores da Província de Goa, para Bispo de Cochim.
Obs. Este documento faz parte de um conjunto de participações de nomea-
ções episcopais das quais não existem os relativos processos no Arquivo
(informação fornecida na respectiva capilha).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (4), FL. 93.

[34] 1749, Outubro, 15, [Lisboa ?]


Ofício de Pedro da Costa e Silva [Secretário de Estado] para o Arcebispo de
Nicomédia, Núncio Apostólico, a participar a nomeação régia do Doutor António
Taveira de Neiva Brum, Frade Conventual da Ordem Militar de Santiago, para
Arcebispo de Goa em substituição do actual Prelado, a quem o Rei deu licença
para se demitir por motivos de saúde.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 11.

[35] 1753, Dezembro, 16, Roma


Carta do Cardeal Valenti ao Núncio Apostólico em Lisboa sobre o envio dos
processos de nomeação dos Bispos de Macau, Cabo Verde e S. Tomé.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 13-13V.

[36] 1773, Outubro, 4, Oeiras


Oficio do Marquês de Pombal [para o Núncio], a participar a nomeação régia
de Frei Francisco da Assunção Brito, que fora Bispo de Pernambuco, para Arce-
bispo de Goa em substituição de D. António Brum da Silveira, a quem o Rei deu
licença para se demitir.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 17.

[37] 1783, Fevereiro, 3, Salvaterra de Magos


Ofício do Visconde de Vila Nova de Cerveira [Secretário de Estado para o
Núncio], a participar a nomeação régia de Frei José da Soledade, dos Carmelitas
Descalços e Governador do bispado de Cochim, para Bispo daquela sede, vaga
pela promoção do actual Prelado a Arcebispo de Goa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 38.

[38] 1783, Fevereiro, 3, Salvaterra de Magos


Ofício do Visconde de Vila Nova de Cerveira [Secretário de Estado para o
Núncio], a participar a nomeação régia de D. Frei Manuel de Santa Catarina, que
era Bispo de Cochim, para Arcebispo Primaz de Goa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 40.

[39] 1784, Fevereiro, 23, Salvaterra de Magos


Ofício de Aires de Sá e Melo [Secretário de Estado] para o Núncio], a parti-
cipar a nomeação régia de D. Alexandre da Sagrada Família, Bispo de Malaca,
para Bispo de Angola.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 42.

50 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[40] 1789, Julho, 27, Lisboa


Ofício de José de Seabra da Silva [Secretário de Estado] para o Núncio], a
participar a nomeação régia do Padre Marcelino José da Silva, Doutor em Sagrada
Teologia e Freire da Ordem Militar de São Bento de Avis, para Bispo de Macau.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 44.

[41] 1789, Julho, 28, [Lisboa]


Rascunho de carta [do Núncio] ao Cardeal Boncompagni, Secretário de Estado
da Santa Sé, sobre a nomeação do Padre Marcelino José da Silva, da Ordem Mili-
tar de São Bento de Avis, para Bispo de Macau e do Padre Eusébio Luciano de
Carvalho, da Congregação da Missão, para Bispo de Nanquim, com os relativos
processos.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 52.

[42] 1801, Dezembro, 23, Queluz


Ofício do Visconde de Balsemão [Secretário de Estado] para o Cardeal Pacca
[Núncio], a participar que o Rei, atendendo à demissão de D. Marcelino José da
Silva do bispado de Macau, houve por bem nomear Frei Manuel de São Gualdino,
Menor Reformado da Província de Santa Maria da Arrábida, para essa Diocese.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 56.

[43] 1814, Maio, 13, [Rio de Janeiro]


Rascunho de uma carta [do Núncio] para o Marquês de Aguiar, Ministro
Assistente do Real Despacho, acusando a recepção do ofício a respeito da nomea-
ção de Frei Francisco de S. Dâmaso Guimarães, Bispo de Malaca, para Arcebispo
da Baía.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 60.

[44] 1811, Dezembro, 21, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Conde de Aguiar sobre o impedi-
mento de Frei Joaquim de Menezes Ataíde, Bispo de Meliapor, para se ocupar do
Bispado do Funchal em qualidade de Vigário Apostólico e nomeação, para o Bis-
pado de Meliapor, do Padre Francisco [Ferreira] de Azevedo, Vigário de Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 111-111V.

[45] s.d. [1811 ?], s.l.


Rascunho do ofício [do Núncio? para o Conde de Aguiar?] relativo aos
processos de nomeação para Meliapor e Moçambique.
Obs. Documento em italiano. É provável que este documento seja um post-
-scriptum, uma nota ou um acrescento, já que é apenas um trecho, incom-
pleto.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 112.

www.lusosofia.net 51
· TOMO II ORIENTE ·

[46] 1812, Fevereiro, 6, [Rio de Janeiro]


Rascunho da carta [do Núncio] para o Conde das Galveias sobre as objec-
ções à nomeação do Vigário de Macau para Bispo de Meliapor e à de Frei Joaquim
da Nazaré, Prelado de Moçambique, para um Bispado titular in partibus infide-
lium.
Obs. Documento em italiano e latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FLS. 113 E 114-116V.

[47] 1816, Março, 6, [Rio de Janeiro]


Rascunho da carta [do Núncio] ao Cardeal Consalvi, Secretário de Estado,
tratando do estado de saúde da Rainha e de outros assuntos respeitantes à família
real; refere ainda a questão das nomeações e permutas de Bispados de Meliapor e
Funchal.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FLS. 117-120V.

[48] 1811, Dezembro, 18, Rio de Janeiro


Ofício do Conde de Aguiar [Secretário de Estado] para o Arcebispo de
Nísibe, Núncio Apostólico de Sua Santidade, a participar que o Príncipe Regente
nomeou o Padre Francisco Ferreira de Azevedo, Vigário de Macau, para Bispo de
Meliapor.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 121.

[49] 1814, Maio, 13, Rio de Janeiro


Ofício do Marquês de Aguiar para o Núncio, a participar a nomeação de
Frei Francisco de S. Dâmaso, Bispo de Malaca, para Arcebispo da Baía.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 123.

[50] 1814, Setembro, 1, Macau


Carta do Bispo eleito de Meliapor, D. Francisco [Ferreira de Azevedo], ao
Núncio, sobre a demora na expedição do processo para a confirmação do autor
no novo cargo.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 125.

[51] [Cerca de 1811 a 1814, s.l.]


Requerimento de D. Francisco Ferreira de Azevedo, Bispo eleito de Meliapor,
dirigido [ao Núncio], pedindo dispensa do impedimento de filiação ilegítima.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 127.

[52] 1814, Setembro, 3, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para o Bispo eleito de Meliapor [D. Fran-
cisco Ferreira de Azevedo], sobre a dispensa do impedimento de filiação ilegí-
tima, necessária para a confirmação na cátedra da referida Diocese.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 129.

52 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[53] 1817, Novembro, 15, Rio de Janeiro


Ofício de Tomás António de Vila Nova Portugal [Secretário de Estado] para
o Núncio, a participar a nomeação de Frei Joaquim de Ataíde, Bispo de Meliapor,
para a Diocese de Elvas.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 132.

[54] 1818, Novembro, 30, Roma


Ofício enviado pelo Cardeal Consalvi [Secretário de Estado da Santa Sé ao
Núncio] Monsenhor Cherubini, a acusar a recepção de despachos sobre a nomea-
ção e permutas de Bispos nas Dioceses de Meliapor, Elvas, Funchal e Beja.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 136.

[55] 1827, Agosto, 3, Caldas da Rainha


Carta de D. Bernardo, Bispo do Algarve, ao Núncio, Cardeal Franzoni, sobre
a nomeação de Frei Estevão de Jesus Maria, Bispo de Meliapor, para a Diocese de
Angra.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 132.

[56] 1782, Abril, 6, Lisboa


Cópia de ordem régia dirigida ao Marquês [do Pombal], Presidente do Real
Erário, para que este ordene ao Tesoureiro-Mor do mesmo erário que entregue
anualmente a côngrua de um conto e seiscentos mil réis a D. Alexandre da Silva
Pedrosa Guimarães, Bispo de Macau. O Marquês mandou que se cumprisse e
registasse a 16 de Abril de 1782, na Junqueira.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 147.

[57] 1789, Setembro, 16, Roma


Ofício [da Secretaria de Estado da Santa Sé] para o Núncio Apostólico,
pedindo informações sobre o pagamento da côngrua anual ao Bispo resignatário
de Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 10 (5), FL. 150-150V.

[58] 1783, Janeiro, 10, Lisboa


Ofício do Visconde de Vila Nova da Cerveira [Secretário de Estado] para o
Núncio, no qual participa que, a instâncias do Rei de Portugal, o Papa acedeu à
nomeação do actual Administador da jurisdição eclesiástica de Moçambique, Rios
de Sena e Sofala, Frei Amaro José de S. Tomás, para Bispo in partibus, tornando-se
necessário que a Nunciatura formalize o respectivo processo de habilitação.
Nota: Trata-se do primeiro bispo residente de Moçambique. Veja-se MAR-
QUES, João Francisco, «O Dominicano bracarense D. Fr. Amaro José de
Santo Thomaz, primeiro bispo residente de Moçambique», in AA.VV., Estu-
dos em Homenagem ao Professor Doutor José Marques, II Vol., Faculdade de
Letras, Porto, 2006, pp. 331-358.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 11 (1), FL. 7.

www.lusosofia.net 53
· TOMO II ORIENTE ·

[59] 1789, Setembro, 16, Roma


Ofício selado dirigido por Monsenhor Filipe Campanelli, Núncio Interino, ao
Papa Pio VI sobre a nomeação de Bispos do Brasil, Moçambique e Oriente para Bispos
in partibus, respectivamente: Frei Francisco de Azevedo Coutinho, da Ordem Militar
de Santiago da Espada e Frei Amaro José de S. Tomás, da Ordem dos Pregadores.
Obs. Documento em italiano e latim, sendo este último datado de 19 de
Novembro de 1782.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 11 (1), FLS. 11-12V.

[60] 1782, Novembro, 21, Roma


Carta de Monsenhor Filipe Campanelli, Auditor, ao Internúncio [Monsenhor
Gaudêncio Antonini] sobre a propriedade da expressão «metropolitana», para desig-
nar a Igreja de Cranganor. Notícias relativas à nomeação de prelados para o Brasil,
Moçambique e S. Tomé.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 11 (1), FL. 13-13V.

[61] 1804, Novembro, 20, Mafra


Ofício do Conde de Vila Verde [Secretário de Estado] a participar ao Arcebispo
de Nísibe, Núncio Apostólico, que o Príncipe Regente nomeou D. Vasco de Nossa
Senhora da Boa Morte, Cónego Regrante de Santo Agostinho, para Bispo in partibus e
administrador da jurisdição eclesiástica de Moçambique, Rios de Sena e Sofala.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 11 (1), FL. 21.

[62] 1816, Dezembro, 14, [Rio de Janeiro]


Rascunho da carta [do Núncio] ao Cardeal Consalvi com a notícia da sagra-
ção dos Bispos de Angola, Azoto in partibus infidelium (Prelado de Goiás), em 29
de Setembro, Olinda, S. Tomé (em África) e Leontópolis in partibus infidelium
(Prelado de Moçambique), em 28 de Outubro; questões relativas aos processos e
documentação destes bispos.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 11 (1), FLS. 31-32.

[63] 1819, Fevereiro, 18, Rio de Janeiro


Ofício de Tomás António de Vila Nova Portugal [Secretário de Estado], a
participar a Monsenhor Marefoschi, Arcebispo de Damiata, Núncio Apostólico, a
nomeação régia de D. Francisco Ferreira de Azevedo, Bispo eleito de Meliapor,
para Prelado e Administrador da jurisdição eclesiástica de Goiás, e solicitando ao
Papa a passagem do referido Prelado a Bispo in partibus.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 11 (1), FL. 33-33V.

[64] 1786, Outubro, 23, Caldas [da Rainha]


Ofício do Visconde de Vila Nova de Cerveira [Secretário de Estado], a
participar [ao Núncio] a nomeação régia de Frei Manuel de Jesus, Governador do
bispado de S. Tomé de Meliapor, para Bispo daquela Diocese.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 11 (1), FL. 58.

54 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[65] 1789, Janeiro, Lisboa


Carta [do Núncio] ao Arcebispo de Goa a pedir-lhe que receba a Profissão
de Fé de Frei Manuel de Jesus, nomeado Bispo de S. Tomé de Meliapor.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 11 (1), FL. 60.

[66] [Cerca de 1786-1789]


Rascunho da carta [do Núncio para o Secretário de Estado] sobre a nomea-
ção de Frei Manuel de Jesus, dos Agostinhos da Congregação da Índia, para Bispo
de Meliapor.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 11 (1), FL. 61.

[67] 1815, Março, 3, Rio de Janeiro


Cópia de carta de Monsenhor Lourenço [Caleppi, Núncio e Arcebispo de
Nísibe, ao Secretário de Estado], acusando a recepção de correspondência relativa
a processos de várias Igrejas; questões relacionadas com o processo de Frei Fran-
cisco de S. Dâmaso Guimarães, Bispo de Malaca, nomeado para a Igreja Metropoli-
tana da Baía.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 11 (1), FLS. 74-75.

[68] 1814, Agosto, 27, Rio de Janeiro


Rascunho de uma carta [do Núncio] ao Cardeal Secretário de Estado com
notícias de várias nomeações e permutas de bispos relativas à Sé Patriarcal de
Lisboa, a Évora, Baía, S. Paulo e Malaca.
Obs. Documento em italiano. Em nota, lê-se que, no mesmo ano, foi enviada
uma 2.ª via desta carta, a 9 de Setembro, e uma 3.ª via, a 7 de Outubro. A
paginação do documento não respeita a sequência do texto.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 11 (1), FLS. 76-78.

[69] 1825, Novembro, 30, Roma


Carta do Cardeal Somaglia [ao Núncio Apostólico em Lisboa] sobre a nomea-
ção do Arcebispo de Cranganor; o autor diz que, em caso de transferência para
Angra, seriam necessárias mais informações para compilar o respectivo processo.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 11 (2), FL. 96.

[70] 1818, Outubro, 15, Roma


Carta do Cardeal Consalvi para o Núncio Monsenhor Marefoschi, Arcebispo
de Damiata, acusando a recepção de dois despachos datados de 10 de Julho. O
autor trata ainda de assuntos relacionados com a elevação das Prelazias de Goiás,
Cuiabá e Mato Grosso e Moçambique a Bispados.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 11 (4), FL. 41.

www.lusosofia.net 55
· TOMO II ORIENTE ·

[71] 1818, Outubro, 14, Roma


Carta do Secretário da Congregação Consistorial ao Núncio Apostólico em
Lisboa sobre a criação de novos Bispados nas Prelazias de Goiás, Cuiabá e
Moçambique; pedido de informações relativas à situação da Igreja nestas terras.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 11 (4), FLS. 43-45V.

[72] [Cerca de 1811, s.l.]


Rascunho de carta [do Núncio?] sobre a questão da instituição de novos
bispos nas sedes vacantes de Portugal e domínios ultramarinos durante o período
de impedimento de recurso ao Papa. São mencionadas as Dioceses de Beja, Évora,
Crato, Lisboa, Pernambuco, Funchal, Meliapor, Angra, Angola e S. Tomé.
Obs. A paginação não respeita a sequência do texto.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 11 (4), FLS. 118-122 E 123V.

[73] [Cerca de 1810-1814, s.l.]


Carta de Frei Joaquim de Nossa Senhora da Nazaré, Prelado eleito de Moçambi-
que, dirigida ao Príncipe Regente, enviando-lhe um discurso em que se desaprova
a sagração de bispos eleitos pelos Arcebispos Metropolitanos durante o período
de impedimento de recurso ao Papa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 11 (4), FLS. 133-137.

[74] 1774, Dezembro, 17, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, dirigida ao Núncio Apostólico em Portugal, Arcebispo de Petra, sobre o
embarque do Padre Paulino de S. Bartolomeu para a missão do Malabar e o envio
de livros para o mesmo local; dificuldades da missão do Congo.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Paulino de S. Bartolomeu O.C.D. é o nome de religião de Ivan Filip
Vezdin (Hof am Leithaberge, 1748 – Roma, 1806), erudito austríaco de ori-
gem croata, “missionario in India, pioniere dell’indologia, padre della filolo-
gia indoeuropea, fedele e devoto collaboratore del dotto Mecenate Cardinale
Stefano Borgia”, como consta da lápide gravada pela cidade de Velletri, por
ocasião do II centenário da sua morte, na fachada do antigo Museu Bor-
giano, onde acumulou grande parte da sua bagagem científica.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 30 (1), FL. 8.

[75] 1774, Outubro, 10, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, dirigida ao Núncio Apostólico em Portugal, Arcebispo de Petra, sobre a via-
gem de dois missionários (o Padre Paulino de S. Bartolomeu e um companheiro)
para a missão do Malabar; sobre o pedido de autorização do referido Padre para
levar consigo livros de doutrina em língua malabárica; e as dificuldades da missão
do Congo.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 30 (1), FL. 9.

56 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[76] 1777, Maio, 22, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, dirigida ao Núncio Apostólico em Portugal, Arcebispo de Petra, acusando a
recepção de uma carta de 22 de Abril, referindo a atitude da Rainha a respeito das
missões, bem como a expedição de quatro Padres Capuchinhos italianos ao
Congo: Estêvão Maria de Castelletto, no cargo de Prefeito, Paulo António de
Varazze, Jacinto de Faenza e Sebastião de Bastia, missionários; a necessidade de
apoio dos governadores portugueses de Luanda e S. Tomé para esta expedição.
Comunica a urgência de enviar pessoas aptas para a Diocese vacante na Índia
Oriental. Envio de um Padre Carmelita Descalço para a missão do Grão-Mogol.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Sobre as vicissitudes destes quatro Capuchinhos e dos seus derradei-
ros sucessores sob o reinado de D.ª Maria II, bem como sobre as assíduas
relações entre a missão Capuchinha e o Reino do Congo, pode ver-se uma
recente tese de doutoramento que não deixaria de beneficiar da consulta
deste fundo: KABWITA, Kabolo Iko, Le royaume kongo et la mission catholi-
que, 1750-1838: du déclin à l’extinction, com prefácio de Guy Bedouelle, Kar-
thala Editions, Paris, 2004. Veja-se também FILESI, Teobaldo e VILLAPA-
DIERNA, Isidoro, La “Missio Antiqua” dei Cappuccini nel Congo (1645-1835)
– Studio preliminare e guida delle fonti, Istituto Storico dei Cappuccini, Roma,
1978.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 30 (1), FLS. 10-11.

[77] 1777, Setembro, 6, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, dirigida ao Núncio Apostólico em Portugal, Arcebispo de Petra, sobre o caso
das Ilhas, Salsete e Canácona, e ainda de Macau. Partida dos missionários Capuchi-
nhos italianos: Boaventura de Veneza para S. Tomé e Luís de Sena e Bernardino
de Locarno para o Congo e Angola.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 30 (1), FL. 12-12V.

[78] 1777, Setembro, 30, Lisboa


Rascunho da carta [do Núncio] dirigida ao Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, sobre o caso das Ilhas, Canácona e Salsete, e
ainda de Macau. Embarque de missionários Capuchinhos italianos para as mis-
sões ultramarinas.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 30 (1), FL. 14-14V.

[79] 1777, Julho, 1, [Roma]


Rascunho de uma carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congrega-
ção de Propaganda Fide, a Monsenhor Bernardino Mutti, Núncio Apostólico em
Portugal, Arcebispo de Petra, sobre a expedição de quatro Padres Capuchinhos
italianos ao Congo: Estêvão Maria de Castelletto, Paulo António de Varazze,
Jacinto de Faenza e Sebastião de Bastia; a necessidade de apoio dos governadores

www.lusosofia.net 57
· TOMO II ORIENTE ·

portugueses de Luanda e S. Tomé para esta expedição. Envio de um Carmelita


Descalço para o Mogol. Dioceses vacantes na Índia Oriental.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Cfr. Documento nº 76.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 30 (1), FL. 15-15V.

[80] 1778, Agosto, 25, [Lisboa]


Rascunho de uma carta [do Núncio] ao Prefeito da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide sobre os conflitos surgidos entre os missionários destinados à mis-
são de São Tomé, nomeadamente os Padre Lucas de Roccabianca e Boaventura de
Ceriana, e o Prefeito Padre Boaventura de Veneza. Pedido de intervenção da Propa-
ganda para resolver a situação. Envio de missionários para Angola e Rio de Janeiro.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 30 (1), FL. 16-18.

[81] 1780, Julho, 15, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, ao Núncio Apostólico em Lisboa, a solicitar o envio de missionários de
diversas ordens para o Congo e Songo, e que, lá chegados, ocupem os mesmos
hospícios que os Capuchinhos. Pedido para informar o Rei da questão e para
tomar uma resolução.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Vide Documento nº 76
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 30 (1), FL. 19-20.

[82] 1779, Março, 6, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, ao Núncio, sobre o envio de missionários Capuchinhos para a Índia e
S. Tomé.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 30 (1), FL. 21-21V.

[83] 1774, Abril, 22, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Portugal, referente à má
conduta dos religiosos portugueses em Calcutá (Diocese de Meliapor, na Índia
Oriental), em particular dos Agostinhos (nomeadamente: Padres Francisco da
Assunção, Caetano da Madre de Deus, Bento de São Silvestre, João de São Nicolau
e António de São Nicolau), às queixas que se levantaram contra eles e ao pedido
de intervenção do Bispo de Meliapor.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 5-5V.

[84] 1774, Junho, 30, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Portugal, sobre a próxima

58 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

chegada a Lisboa do Padre Paulino de S. Bartolomeu, Carmelita Descalço desti-


nado à missão do Malabar, com uma caixa de livros de doutrina impressos em
língua malabar. Pede ao destinatário que dê assistência ao referido Padre e ao seu
companheiro, Padre Francisco de Sales.
Obs. Documento em italiano. Na parte superior da carta encontra-se um
pequeno papel escrito em português, no qual consta o nome do portador da
presente missiva: Inácio Pedro Quintela.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 7.

[85] 1774, Maio, 5, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Portugal, recomendando-
-lhe os Padres Paulino de S. Bartolomeu e Francisco de Sales, Carmelitas Descalços
destinados à missão do Malabar.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 8.

[86] 1774, Setembro, 22, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Portugal, acusando a
recepção da carta de 30 de Agosto, que tratava do embarque do Padre Paulino de
S. Bartolomeu, Carmelita Descalço destinado à missão do Malabar, sem o seu
companheiro (Padre Francisco de Sales), que já embarcara em França.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 9.

[87] 1775, Abril, 5, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Portugal, informando-o de
que o Padre Paulino de S. Bartolomeu não embarcou para o Malabar e dando-lhe
instruções para recuperar a caixa de livros de doutrina que o referido eclesiástico
levava consigo, e expedi-la ao srs. Pedemonte e Ardizzone, agentes da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide em Cádiz.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 11-11V.

[88] 1775, Maio, 11, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Portugal, pedindo-lhe que
avise o Padre Paulino de S. Bartolomeu, Carmelita Descalço – que partirá de
França num navio para um porto do Oriente, embarcado na qualidade de capelão
– no sentido de recuperar a caixa de livros de doutrina e levá-la consigo; solici-
tando-lhe também que peça ao Núncio em França todo o apoio necessário ao
embarque daquele padre.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 12-12V.

www.lusosofia.net 59
· TOMO II ORIENTE ·

[89] 1775, Junho, 22, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Portugal, comunicando-
-lhe que o Núncio de França avisou que o Padre Paulino de S. Bartolomeu, Carme-
lita Descalço, poderá embarcar para um porto do Oriente; pedindo-lhe que con-
ceda àquele padre o dinheiro necessário para a viagem.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 13.

[90] 1775, Julho, 13, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Portugal, acusando a recep-
ção da carta de 13 de Junho, entregue pelo portador Uslenghi; pedindo-lhe notí-
cias sobre a partida do Padre Paulino de S. Bartolomeu para um porto do Oriente
e sobre o dinheiro que lhe foi adiantado para a viagem.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 14.

[91] 1775, Agosto, 19, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Portugal, agradecendo-lhe
as providências que tomou a respeito das cartas que lhe foram entregues pelo Padre
Boaventura de Santa Catarina, missionário proveniente da missão do Malabar.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 15.

[92] 1777, Agosto, 9, [Lisboa]


Rascunho da carta [do Núncio] para o Prefeito da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide sobre o pedido de intervenção, formulado pelo Vigário do Mogol
e pelo Arcebispo de Goa, a respeito dos factos ocorridos na ilha de Salsete e em
Canácona (Goa), e em Bombaim [não especificados]; dificuldades no tratamento
dos negócios estrangeiros, causadas pela transferência da corte e do ministério
para o Palácio de Queluz.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 16-17.

[93] 1779, Julho, 27, [Lisboa]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, sobre a chegada a Lisboa do Padre José Cariati,
da missão do Malabar, com outro padre e dois meninos enviados para o colégio
Urbaniano, e sobre a sua próxima ida a Roma para conversar com o Papa acerca
daquela missão. A carta refere ainda a necessidade de se suspender a partida do
novo Bispo, Padre João de Santa Margarida, Carmelita Descalço, a fim de se discu-
tir a situação daquela Diocese.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 18-18V.

60 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[94] 1779, Agosto, 26, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, acusando a recepção
da carta de 17 de Julho e informando sobre a chegada do Padre José Cariati com
outro padre e dois estudantes para o colégio Urbaniano, agradecendo o acolhi-
mento que lhes foi dispensado; refere o adiamento da partida do novo Bispo,
D. João de Santa Margarida, para o Malabar; e a ordem enviada ao Padre José Antó-
nio de Mondoví, Capuchinho da missão do Malabar, para regressar ao Piemonte.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 20-20V.

[95] 1780, Janeiro, 29, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a chegada a
Lisboa dos dois padres da missão do Malabar e dos jovens estudantes do Colégio
Urbaniano; e sobre a viagem de D. João de Santa Margarida, Carmelita Descalço,
destinado a Coadjutor do Vigário Apostólico do Malabar, de Génova para Lisboa,
e daqui para a Índia. Pede ao destinatário que adiante o dinheiro necessário para
as despesas da viagem e o ajude no que puder.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 22-22V.

[96] 1780, Março, 18, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre o regresso
do Padre José de Faria a Goa após concluir os seus estudos no Colégio Urba-
niano. Pede ao destinatário que favoreça o seu embarque.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 23.

[97] 1780, Setembro, 28, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, remetendo um
envelope para ser entregue ao Bispo de Cochim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 24.

[98] 1780, Maio, 4, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre o regresso
de D. João de Santa Margarida, Carmelita Descalço destinado à missão do Mala-
bar, a Roma, onde seria condecorado com a Ordem do Esporão de Ouro e se
muniria de alfaias sagradas e de têxteis para a missão do Malabar e para oferecer
ao Rei de Travancor.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 25-25V.

www.lusosofia.net 61
· TOMO II ORIENTE ·

[99] 1780, Novembro, 25, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a viagem do
Padre Roverizzi, Barnabita, missionário destinado ao Pegu; e as caixas de livros de
doutrina cristã em língua malabar, de missais e rituais caldaicos enviadas pelo
agente de Livorno, Lourenço Bartoletti, para serem entregues aos Padres José
Cariati e Tomé Pareamakel e distribuídos nas missões do Malabar.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 26.

[100] 1780, Setembro, 2, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a viagem do
Padre José Alexandre Roverizzi, Barnabita, missionário destinado aos Reinos de
Ava e Pegu. Pede ao destinatário que acolha e assista o referido Padre.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 27-27V.

[101] 1780, Dezembro, 2, Lisboa


Rascunho da carta [do Núncio] para o Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, remetendo cartas provenientes do Brasil que lhe
serão entregues pelo Sr. Nicolau Trimani, Tenente de Artilharia, entre as quais
uma que lhe foi enviada pelo Padre Paulino de S. Bartolomeu, missionário Carmelita
Descalço no Malabar, sobre assuntos relativos às missões.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 28.

[102] 1780, Outubro, 24, Lisboa


Rascunho da carta [do Núncio] para o Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, acusando a recepção de cartas de 2 e 28 de
Setembro; remetendo um bilhete do Bispo de Cochim, referindo-se às despesas de
viagem para a missão do Pegu do Padre Roverizzi, Barnabita; e às caixas com
livros e estampas para a missão do Malabar embarcadas num navio sueco.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 29-29V.

[103] 1781, Março, 6, [Lisboa]


Rascunho de uma carta [do Núncio] para o Cardeal Antonelli, prefeito da
Sagrada Congregação de Propaganda Fide, acusando a recepção da obediência do
Padre Bernardino de Locarno pela sua transferência da missão do Congo para a de
São Tomé; e de duas cartas, de 4 de Setembro e de 25 de Novembro, sobre a
entrega aos Padres José Cariati e Tomé Pareamakel das caixas com livros para a
missão do Malabar; informando da partida, a 26 de Fevereiro, do Padre Roverizzi,
Barnabita, para Macau, e depois para o Pegu. Nota de despesas de viagem dos
missionários e da expedição das caixas de livros; referindo a conduta dos Padres
Capuchinhos italianos Fidel de Pistóia, destinado ao Rio de Janeiro, e Vital, da
Província de S. José, destinado ao Pernambuco.

62 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. Documento em italiano.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 30-31V.

[104] 1782, Dezembro, 14, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Tiro, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre o exame do
Padre Carlos Maria de Alatri, pregador Capuchinho italiano em Lisboa, proposto
pelos seus superiores à Sagrada Congregação de Propaganda Fide para missionário
no Tibete.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 32-32V.

[105] 1784, Julho, 10, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Tiro, Núncio Apostólico em Lisboa, acompanhando um
envelope para ser entregue ao Arcebispo de Cranganor; e acusando a recepção de
um bilhete da China enviado com a carta de 15 de Junho.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 34.

[106] 1784, Junho, 1, [Lisboa]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, sobre uma conversa tida com o Secretário de
Estado dos Negócios Ultramarinos, Martinho de Melo e Castro, relativa à questão
de Maduré [não especificada]; e sobre a nomeação de missionários nacionais para
a missão de Goa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 35-35V.

[107] 1781, Abril, 7, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a caixa de
livros de doutrina e missais em língua malabar que deverão ser entregues aos
Padres José Cariati e [Tomé] Pareamakel, para que estes os distribuam gratuita-
mente pela cristandade do Malabar e a Monsenhor Carlos de S. Conrado, Vigário
Apostólico, para a missão do Mogol; e sobre a expulsão da China dos ex-Jesuítas
portugueses, Padres Espinha e Loureiro.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Trata-se do Padre José de Espinha (1722-1778), que foi Presidente do
Tribunal Imperial de Astronomia da China, e do botânico Padre João Loureiro
(1717-1791), autor da Flora Cochinchinensis (Lisboa, 1790). São, com o
Padre José Bernardo de Almeida (1708-1805 – cfr. infra, Documento 795), os
últimos Jesuítas Portugueses Astrónomos na China (1583 – 1805), conforme o já
clássico título do Padre Francisco Rodrigues SJ (Apostolado da Imprensa,
Porto, 1925).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 37-38.

www.lusosofia.net 63
· TOMO II ORIENTE ·

[108] 1781, Abril, 11, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre as cartas
enviadas à mesma pelo Vigário Apostólico do Mogol e por outros missionários,
com notícias relativas aos Padres Cariati e Pareamakel e a Mar Thomas [VI],
Bispo dos cismáticos siro-caldeus.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 39-39V.

[109] 1783, Dezembro, 13, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Tiro, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre o insucesso
do negócio de Maduré [não especificado]; e sobre a necessidade de convencer a
Rainha de Portugal a enviar missionários para aquelas paragens.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 40 E 41V.

[110] 1787, Novembro, 20, Coulão


Cópia de carta de Tomé Inácio Cabeça e de outros cristãos da Diocese de
Cochim para Sua Majestade Fidelíssima de Portugal, sobre o estado da igreja de
Coulão e a má conduta do Governador da Diocese, Frei José da Soledade. A carta
faz referência a factos escandalosos ocorridos sob o governo do referido Padre:
tentativa de lucrar com a administração do sacramento da confirmação; uso arbi-
trário da faculdade de excomungar os cristãos da Diocese.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 42-48.

[111] 1790, Dezembro, 1, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Tiana, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a partida, de
Génova para Lisboa, de três missionários Capuchinhos, os Padres Juvenal de
Niza, João Maria de Camaiore e Ângelo de Caraglio, destinados à missão do
Tibete; e questões relativas ao pagamento das viagens.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 50-50V.

[112] 1790, Fevereiro, 24, [Lisboa]


Extracto de carta [do Núncio para o Prefeito da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide] em que se refere ao estado de sede vacante da Igreja de Cranga-
nor, à divisão da Diocese entre cristãos de rito latino e de rito siro[-malabar], e ao
Padre siro-malabar, [Tomé] Pareamakel.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 52.

[113] 1791, Maio, 25, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Tiana, Núncio Apostólico em Lisboa, comunicando-lhe

64 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

que a Sagrada Congregação de Propaganda Fide recomenda que não se deva


nomear um Sacerdote de rito siro-malabar para o Arcebispado de Cranganor, mas
também não se deverá deixar por mais tempo aquela sede vacante.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 54-54V.

[114] 1791, Abril, 2, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide para o Arcebispo de Tiana, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre três missioná-
rios Capuchinhos destinados ao Tibete, Padres Luís Maria de Città di Castello,
Boaventura de Salino e João Maria de Camaiore; questões relativas à viagem e ao
pagamento das respectivas despesas; e acerca do envio da patente de leitor de
filosofia e teologia ao Padre André Fitzgerald.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 56-57.

[115] 1791, Setembro, 17, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Tiana, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre o regresso a
Bombaim de Frei Matias de Monte Faria após concluir os seus estudos no Colégio
Urbaniano; e o seu embarque no porto de Lisboa com destino à Índia.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 58.

[116] 1793, Junho, 5, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Tiana, Núncio Apostólico em Lisboa, acompanhada de
uma missiva que deverá ser enviada para Madrasta, via Lisboa ou Londres.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 60.

[117] 1793, Fevereiro, 13, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para Monsenhor Bellisomi, Arcebispo de Tiana e Núncio Apostólico em
Lisboa, acusando a recepção de uma carta do Arcebispo de Goa endereçada ao
Papa e remetendo a respectiva resposta do Pontífice, bem como cartas da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide para o Tibete e para Bombaim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 62.

[118] 1802, Abril, 3, Roma


Carta do Cardeal Gerdil, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Cardeal Pacca, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a nomeação de
dois novos prelados para as sedes vacantes de Goa e S. Tomé de Meliapor; a
necessidade de fazer regressar de Cranganor um pároco de nome Vicente (devido
às péssimas notícias que têm surgido sobre ele) e escolher um substituto.

www.lusosofia.net 65
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Documento em italiano.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 64-65.

[119] 1803, Fevereiro, 5, Roma


Carta do Cardeal Borgia, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Nísibe, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre os Padres
Casimiro de Taggia e Rafael de Bene, missionários destinados às missões do
Tibete e de Madrasta (podem trocar de destino um com o outro); e o exame dos
Padres Capuchinhos destinados à missão do Congo.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Vide Documento nº 76.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 66-66V.

[120] 1803, Julho, 30, Roma


Carta do Cardeal Borgia, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe, Núncio Apostólico em Lis-
boa, transmitindo uma ordem para o Padre Casimiro de Taggia regressar a Roma
e não embarcar para a missão de Madrasta ou, no caso de já ter partido, rogando
seja a mesma endereçada directamente ao Padre Bento de Monte Rotondo, Pre-
feito daquela Missão.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 67.

[121] 1804, Junho, 30, Roma


Carta do Cardeal Borgia, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe, Núncio Apostólico em Lis-
boa, comunicando-lhe que o Prefeito dos Capuchinhos da missão do Tibete pede
que se consiga a confirmação do senhor [Manuel António da Rocha] no cargo de
Cônsul residente em Calcutá, e louvando a sua acção de protecção para com a
referida missão.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 68.

[122] 1804, Agosto, 25, Roma


Carta do Cardeal Borgia, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe, Núncio Apostólico em Lis-
boa, acusando a recepção da carta de 21 de Junho sobre os novos Bispos nomea-
dos para Meliapor e para Malaca e informando-o de que os escolhidos são do
agrado da Sagrada Congregação de Propaganda Fide.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 69.

[123] 1805, Agosto, 24, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe, Núncio Apostólico em Lis-
boa, acusando a recepção da carta de 22 de Junho acerca das decisões tomadas

66 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

por D. Manuel de São Gualdino, Bispo de Macau; agradecendo as informações


recebidas sobre as missões de Madrasta e do Tibete; remetendo um anexo com
informações secretas.
Obs. Documento em italiano. Em anexo um fólio cifrado (fl. 71). Anotação
no canto superior esquerdo: «Jesuítas da Rússia».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 70-70V.

[124] 1806, Junho, 14, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, recomendando-lhe os Padres Francisco Maria Halnat e Raimundo Segni,
destinados às missões do Coromandel e de Ava e Pegu, respectivamente; e tra-
tando de questões relativas à sua passagem por Lisboa e ao seu embarque para a
Índia, bem como de despesas de viagem.
Obs. Documento em italiano.
Nota: O Padre François-Marie (1760-1808) foi um dos primeiros compa-
nheiros do Padre Nicolau Paccanari, um soldado de profissão que, pelo fim
de setecentos, sonhou, no Oratório romano del Caravita (contíguo à Igreja
de S. Inácio), restaurar a Companhia de Jesus. Depois de baldadas tentativas,
a partir da Inglaterra, de se unir à residual Companhia de Jesus na Rússia
Branca, acabou por realizar a sua vocação apostólica nas Missões Estrangeiras
de Paris. Falecido o fundador em circunstâncias obscuras, os padres “paccana-
ristas” viriam quase todos a pedir admissão à Companhia restaurada, em 1814
(sobre as personagens e vicissitudes da restauração, frequentemente aludidas
no presente acervo, pode ver-se INGLOT, Marek, La Compagnia di Gesù
nell’Impero Russo (1772-1820) e la sua Parte nella Restaurazione Generale della
Compagnia, Ed. PUG, Roma, 1997).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 73.

[125] 1806, Agosto, 30, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, acusando a recepção de informações sobre os Padres César de Caravaggio e
António Maria de Veneza, missionários destinados ao Tibete; e tratando de ques-
tões relativas às despesas de viagem e à estadia em Lisboa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 74.

[126] 1806, Outubro, 4, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, recomendando-lhe o Padre Pedro Estêvão Mazzanti, toscano, Sacerdote Secu-
lar com patente de Missionário Apostólico para os Reinos de Ava e Pegu; e tratando
de questões relativas à sua estadia em Lisboa e ao seu embarque para a Índia.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 75.

www.lusosofia.net 67
· TOMO II ORIENTE ·

[127] 1807, Janeiro, 30, Roma


Carta de Monsenhor Giorgi, Secretário da Sagrada Congregação de Propa-
ganda Fide, para Monsenhor Caleppi, Núncio Apostólico em Lisboa, enviando-lhe
um rescrito para ser entregue ao Bispo de Meliapor.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 76.

[128] 1807, Junho, 17, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a suspensão
do passaporte pedido pelo Padre David Germag[hian], monge Armeno-Mequitarita
de Veneza destinado às missões de Bengala e Madrasta, até a Sagrada Congregação
ser informada; comunicando transmitir estas notícias ao Abade, Monsenhor Acôn-
cio Kiuver, para obter esclarecimentos a propósito dos tais monges.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 78.

[129] 1807, Junho, 12, Veneza


Carta de Monsenhor Estêvão Acôncio Kiuver, Arcebispo de Sírmia e Abade
Geral [Perpétuo da Congregação dos Monges Doutores Armeno-Mequitaritas da
Ordem de Santo Antão Abade para o Núncio], recomendando o Padre David Ger-
maghian, Sacerdote da sua Congregação, que pretende obter o passaporte para
Londres.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 80-80V.

[130] 1807, Junho, 12, Veneza


Atestado de Monsenhor Estêvão Acôncio Kiuver, Arcebispo de Sírmia e Abade
Geral Perpétuo da Congregação dos Monges Doutores Armeno-Mequitaritas da
Ordem de Santo Antão Abade, certificando que o Padre David Germaghian per-
tence à sua Congregação e se dirige para Londres com a sua autorização, na
sequência de um pedido dos arménios católicos aí residentes (fornecendo alguns
dados sobre o referido Padre).
Obs. Documento em italiano e espanhol. No fim do documento consta um
pequeno texto em espanhol, subscrevendo o que se afirma na parte superior.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 81-81V.

[131] 1816, Outubro, 17, Roma


Carta de Monsenhor Domingos [Giorgi], Arcebispo de Mira e Secretário [da
Sagrada Congregação de Propaganda Fide para o Núncio], recomendando-lhe o
Padre Pedro Estêvão Mazzanti, Sacerdote Secular, toscano, destinado a Missioná-
rio Apostólico nos Reinos de Ava e Pegu; e tratando de questões relativas à sua
estadia em Lisboa e ao seu embarque para a Índia.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 82.

68 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[132] 1816, Março, 26, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Litta, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, remetendo uma carta do Padre Rafael de Bene,
Missionário Capuchinho no Tibete, e outra escrita pelo Superior das Missões do
Malabar, Bispo de Halicarnasso, tratando de umas averiguações relativas ao colé-
gio de Pulo Pinang.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 83.

[133] 1816, Setembro, 4, Roma


Rascunho de carta [do Núncio para o Prefeito da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide] sobre a ajuda prestada ao Padre Sebastião Xavier, Teatino,
missionário italiano em Goa, para continuar a sua viagem para o Brasil.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 84.

[134] 1817, Junho, 14, Roma


Tradução de carta do Cardeal Litta, Prefeito [da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide], para Monsenhor Vicente Macchi, Delegado Apostólico em Lis-
boa, sobre notícias relativas à má conduta e indisciplina de alguns Padres Agosti-
nhos Calçados da Congregação de Goa empenhados nas Missões do Bengala.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 85-85V.

[135] 1817, Junho, 14, Roma


Carta do Cardeal Litta, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide] para Monsenhor Vicente Macchi, Auditor da Nunciatura, sobre notícias
relativas à má conduta e indisciplina de alguns Padres Agostinhos Calçados da
Congregação de Goa empregados nas Missões do Bengala.
Obs. Documento em italiano. Ver documento anterior.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 86-86V E 87V.

[136] 1817, Agosto, 9, Lisboa


Rascunho de carta [do Núncio para o Cardeal Litta, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide], acusando a recepção de notícias sobre a con-
duta de alguns Agostinhos Calçados da Congregação de Goa empenhados nas
Missões do Bengala, e sobre a perseguição aos cristãos na China; dando conta da
partida dos Padres Rafael Umpierre e José Maria de Morrone para o Rio de
Janeiro, em trânsito para Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 88-89.

[137] 1818, Maio, 9, Roma


Ofício do Cardeal Litta, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda Fide],
para Monsenhor Cherubini, Delegado Apostólico em Lisboa, enviando a patente para
Frei António de Civitavecchia, irmão leigo Capuchinho requisitado pelos missioná-
rios de Madrasta, e dando instruções relativas ao seu embarque para a Índia.

www.lusosofia.net 69
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Documento em italiano.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 90.

[138] 1816, Maio, 15, Roma


Carta do Cardeal Carafa para Monsenhor Macchi, Internúncio Apostólico em
Lisboa, recomendando-lhe o Padre Sebastião Xavier, italiano, missionário Teatino
que regressava a Goa depois de ter terminado as suas comissões na Congregação
de Propaganda Fide; e dando-lhe instruções relativas à sua estadia em Lisboa e ao
seu embarque para a Índia.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 92.

[139] 1819, Julho, 10, Roma


Ofício do Cardeal Fontana, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Cherubini, Internúncio Apostólico em Lisboa, remetendo
uma carta para ser entregue a Monsenhor Miles Prendergast, Bispo de Centúria e
Vigário Apostólico do Malabar, logo que chegue ao Rio de Janeiro.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 94.

[140] 1820, Janeiro, 29, Roma


Ofício do Cardeal Fontana, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide] para Monsenhor Marefoschi, Arcebispo de Damiata e Núncio Apostólico no
Rio de Janeiro, acusando a recepção da carta em que o destinatário lhe comuni-
cava a chegada ao Brasil de Monsenhor Miles Prendergast, Bispo de Centúria e
novo Vigário Apostólico do Malabar.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 96 E 97V.

[141] 1821, Agosto, 18, Roma


Ofício do Cardeal Fontana, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Cherubini, Internúncio Apostólico em Lisboa, agrade-
cendo as notícias favoráveis referentes aos Padres Filipinos de Goa recebidas
pelas cartas de 30 de Maio e 30 de Junho; e lembrando que no Colégio Chinês de
Nápoles se aguardam os quatro novos alunos chineses que já chegaram a Lisboa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 98 E 99V.

[142] 1822, Janeiro, 26, Roma


Ofício do Cardeal Fontana, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Cherubini, Internúncio Apostólico em Lisboa, sobre a contro-
vérsia entre o Arcebispo de Goa e os Padres Carmelitas Descalços de Chimbel.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 100 E 101V.

70 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[143] 1822, Abril, 20, Roma


Ofício do Cardeal Consalvi para Monsenhor Cherubini, Auditor da Nuncia-
tura Apostólica em Lisboa, sobre a alteração do percurso dos missionários desti-
nados ao Tibete [não especificados]: em vez de irem para a Índia por Lisboa,
deverão ir por Alexandria e embarcar no Suez para chegar directamente à Índia; e
remetendo a resposta ao pedido [não especificado] do Padre Tiago Warting.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 102-102V E 103V.

[144] 1823, Dezembro, 13, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia, Decano do Sacro Colégio, para Monsenhor Tiago
Filipe Franzoni, Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico em Lisboa, acusando a
recepção de duas cartas de Monsenhor Zenóbio [Benucci], Bispo de Térmia e Vigá-
rio Apostólico do Tibete (datadas de 25 de Junho e 3 de Julho de 1823), sobre o
pagamento das despesas efectuadas na sua deslocação para Calcutá.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 104-104V E 105V.

[145] 1823, Novembro, 22, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia, Decano do Sacro Colégio, para Monsenhor
Tiago Filipe Franzoni, Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico em Lisboa,
sobre duas memórias enviadas ao Papa: uma pelo Padre Frei António da Concei-
ção, da Congregação dos Terceiros Carmelitas Descalços de Goa, e outra por mui-
tos indivíduos da população de Bengala, implorando o estabelecimento de uma
missão na orla do rio Ganges; e sobre a controvérsia surgida em 1815 entre o
Arcebispo de Goa e os Padres Carmelitas Descalços relativamente à jurisdição
sobre o convento de Chimbel.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 106 E 107V.

[146] 1824, Fevereiro, 21, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia, Pró-Prefeito, para Monsenhor Tiago Filipe
Franzoni, Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico em Lisboa, acusando a
recepção de uma carta de 3 de Janeiro sobre a controvérsia entre o Arcebispo de
Goa e os Terceiros Carmelitas Descalços [relativa à jurisdição sobre o convento
de Chimbel] e agradecendo ter escrito aos Prefeitos das missões do Brasil a pedir
informações relativamente à sua situação.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 108 E 109V.

[147] 1824, Fevereiro, 3, [Lisboa]


Cópia de parágrafo de carta [da Nunciatura] para o Sr. Dias Santos e Costa,
em Londres, relativa ao envio da quantia de seiscentos e oito mil, oitocentos e
vinte e um réis para Monsenhor Zenóbio [Benucci], Vigário Apostólico do Tibete,
em Calcutá.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 110.

www.lusosofia.net 71
· TOMO II ORIENTE ·

[148] 1824, Maio, 8, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia, Pró-Prefeito, para Monsenhor Tiago Filipe
Franzoni, Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico em Lisboa, sobre as notí-
cias recebidas acerca do Padre António da Conceição, dos Terceiros Carmelitas
Descalços de Goa, e a controvérsia entre o Arcebispo de Goa e os Padres Carmeli-
tas Descalços [relativa à jurisdição sobre o convento de Chimbel].
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 111 E 112V.

[149] 1824, Maio, 29, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia, Pró-Prefeito, para Monsenhor Tiago Filipe
Franzoni, Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico em Lisboa, comuni-
cando-lhe que o Cabido da Igreja Metropolitana de Goa é autorizado a rezar os
ofícios votivos nos dias excluídos.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 113 E 114V.

[150] 1824, Julho, 3, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia, Pró-Prefeito, para Monsenhor Tiago Filipe
Franzoni, Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico em Lisboa, recomen-
dando-lhe os Padres Paulo de Gradoli e Gregório de Bene, Capuchinhos destina-
dos à missão de Madrasta; e dando-lhe instruções relativas à sua estadia em Lis-
boa e ao transporte para a Índia.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 115 E 116V.

[151] 1824, Novembro, 18, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia, Pró-Prefeito, para Monsenhor Tiago Filipe
Franzoni, Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico em Lisboa, pedindo-lhe
que entregue dinheiro aos missionários Capuchinhos Frei Gregório Maria de
Bene e Frei Paulo de Gradoli, destinados à missão de Madrasta, logo que estes
cheguem a Lisboa, para enfrentarem as despesas de viagem.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 117 E 118V.

[152] 1824, Novembro, 27, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia, Pró-Prefeito, para Monsenhor Tiago Filipe
Franzoni, Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico em Lisboa, recomen-
dando-lhe o Padre Jorge de Génova, Capuchinho destinado à missão de Madrasta;
e dando-lhe instruções para facultar ao dito missionário a quantia necessária ao
prosseguimento da sua viagem para a Índia.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 119 E 120V.

[153] 1824, Março, 27, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia, Pró-Prefeito, para Monsenhor Tiago Filipe
Franzoni, Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico em Lisboa, acusando a

72 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

recepção de uma carta de 13 de Dezembro de 1823, sobre o envio de setecentos


escudos para Monsenhor Zenóbio [Benucci], Vigário Apostólico no Tibete, e
outras questões relativas a pagamentos.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 121 E 122V.

[154] 1825, Janeiro, 8, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia, Pró-Prefeito, para Monsenhor Tiago Filipe
Franzoni, Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico em Lisboa, sobre as desor-
dens ocorridas na missão de Madrasta, devido à má conduta dos Capuchinhos
responsáveis por aquela missão, e a necessidade de substituí-los quanto antes.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 123-123V.

[155] 1825, Junho, 30, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia para o Núncio Apostólico em Lisboa, referindo
que aguarda informações sobre o Bispo nomeado para Meliapor.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 125.

[156] 1825, Agosto, 30, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia para o Núncio Apostólico em Lisboa, acusando a
recepção das informações favoráveis a respeito do Bispo nomeado para Meliapor;
e referindo que aguarda o respectivo processo.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 127.

[157] 1825, Agosto, 30, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia para o Núncio Apostólico em Lisboa, acusando a
recepção de um ofício sobre a má conduta do Bispo de Cochim (caso parecido
com o do Cardeal Maury, [Arcebispo] de Paris, e o do Bispo de Nancy).
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 129-129V.

[158] 1825, Setembro, 24, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia, Pró-Prefeito, para Monsenhor Tiago Filipe
Franzoni, Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a falta de
operários na missão portuguesa de Pondicherry e o envio de missionários do
Seminário das Missões Estrangeiras de Paris.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 131 E 132V.

[159] 1825, Abril, 30, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia, Pró-Prefeito, para Monsenhor Tiago Filipe
Franzoni, Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico em Lisboa, acusando a
recepção de um despacho sobre o reembolso do dinheiro gasto pelo destinatário

www.lusosofia.net 73
· TOMO II ORIENTE ·

com as viagens, para Londres, dos missionários Capuchinhos destinados a


Madrasta.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 133 E 134V.

[160] 1825, Janeiro, 8, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia, Pró-Prefeito, para Monsenhor Tiago Filipe
Franzoni, Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a viagem,
entre Lisboa e Londres, de três missionários destinados a Madrasta.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 135 E 136V.

[161] 1825, Julho, 30, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia, Pró-Prefeito, para Monsenhor Tiago Filipe
Franzoni, Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico em Lisboa, acusando a
recepção de correspondência de Macau e do Tibete anunciando-lhe a morte de
Monsenhor Zenóbio [Benucci], Vigário Apostólico do Tibete; e dando-lhe instru-
ções para recuperar os setecentos escudos enviados ao falecido Prelado.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 137 E 138V.

[162] 1827, Maio, 26, Roma


Ofício do Cardeal Capellari, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Cardeal Franzoni, Pró-Núncio Apostólico em Lisboa, agradecendo-
-lhe por ter conseguido recuperar a letra de câmbio enviada ao falecido Monse-
nhor Zenóbio Benucci, Vigário Apostólico do Tibete.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 139.

[163] 1829, Agosto, 26, [Lisboa]


Rascunho de ofício [do Núncio] para o Cardeal Capellari, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, sobre a recuperação da letra de câmbio de sete-
centos escudos enviada a Monsenhor Zenóbio Benucci.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 141-141V.

[164] 1829, Maio, 2, Roma


Ofício do Cardeal Cappelari, Prefeito, para Monsenhor Alexandre Giusti-
niani, Arcebispo de Petra e Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a intenção de
recuperar os setecentos escudos que a Sagrada Congregação de Propaganda Fide
enviou ao Cardeal Franzoni, na altura Núncio em Lisboa, para serem entregues a
Monsenhor Zenóbio Benucci, Vigário Apostólico do Tibete, já falecido, e que o
referido Núncio depositou no Banco dos Srs. Ambrosi em Lisboa, de onde se
endossou uma letra de câmbio de Londres para Calcutá.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 142.

74 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[165] 1830, Setembro, 29, Roma


Ofício do Cardeal Albani para o Núncio Apostólico em Lisboa, acusando a
recepção do relatório do Arcebispo de Goa relativo à sua Igreja e remetendo um
Breve de Indulgência Plenária por dois dias para a capela da Senhora do Socorro,
na Província de Bardês.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 144-144V.

[166] 1830, Dezembro, 4, Roma


Ofício do Cardeal Cappelari, Prefeito, para Monsenhor Alexandre Giusti-
niani, Arcebispo de Petra e Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a situação do
bispado de Pequim, administrado provisoriamente pelo Bispo de Nanquim e
carente de missionários de qualquer ordem e nação; e a solicitação do Duque do
Cadaval para que a missão de Moçambique seja provida de missionários italianos.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 146 E 147V.

[167] 1830, Janeiro, 6, Goa


Relação sobre o estado da Igreja de Goa, integrante de um processo de
inquirição sobre qualidades pessoais relativo à provisão daquele bispado. Consta
de nove parágrafos com as respostas a certos quesitos prévios, consistindo o I e o
II na descrição histórico-geográfica da Diocese, igrejas consagradas e ofícios ecle-
siásticos, e enumeração das sufragâneas da sua Província eclesiástica. O III e o IV
respondem a diversos quesitos prévios referentes à idoneidade moral do clero
(secular e regular, respectivamente) e ao desempenho das suas funções. Descreve-
-se ainda o estado dos cenóbios femininos (V), dos seminários (fontes de subsis-
tência e curriculum) (VI), das confrarias e hospitais (VII). Depois de uma Breve
informação sobre a piedade e moralidade dos fiéis (VIII) solicitam-se ao Papa
diversas faculdades e instruções a respeito de dispensas de impedimentos matri-
moniais em caso de disparidade de culto e expõe-se a necessidade de mais bispos
para os domínios portugueses. Em apêndice, encerra-se o relatório elencando as
paróquias da ilha de Goa, especificando o número de almas de cada uma.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FLS. 148 E 151V.

[168] 1831, Abril, 15, Roma


Rascunho da carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa comunicando-lhe
que o relatório sobre o estado da Igreja de Goa foi remetido à Sagrada Congrega-
ção do Concílio; e enviando-lhe o Breve de Indulgência Plenária por dois dias
para a capela da Senhora do Socorro, na Província de Bardês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 152-152V.

[169] 1832, Abril, 26, Roma


Ofício do Cardeal Bernetti para o Núncio sobre as faculdades requeridas
pelo Prelado de Moçambique, sujeito à jurisdição do Arcebispo Metropolitano de
Goa.

www.lusosofia.net 75
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Documento em italiano.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (1), FL. 153-153V.

[170] 1793, Junho, 25, s.l.


Extracto de «Honourable Company’s Commands», parágrafo 35, sobre a
controvérsia entre o Arcebispo de Goa e os Padres Carmelitas relativa à jurisdição
sobre os cristãos de Bombaim. Neste extracto, a Companhia inglesa da Índia
Oriental afirma que lhe é indiferente quem oficia nas igrejas católicas de Bombaim
(os Padres de Goa ou os Carmelitas) e para reconciliar os dois partidos determina
que duas das quatro igrejas sejam entregues aos Padres portugueses e as outras
duas à missão carmelita.
Obs. Documento impresso em inglês. Anexo ao documento dos fls. 12-15.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 7.

[171] 1794, Dezembro, 15, Bombaim


Carta de Miguel Lima de Sousa [para o Núncio] acusando a recepção da
carta de 13 de Abril de 1793; referindo-se à controvérsia entre o Arcebispo de
Goa e os Padres Carmelitas relativamente à jurisdição nas igrejas de Bombaim,
bem como às respostas do Papa e da corte de Londres à representação de um dio-
cesano de Goa contra o mau comportamento dos missionários apostólicos (o pri-
meiro escusou-se a intervir no assunto; a segunda procurou reconciliar os dois
partidos mandando dar duas das quatro igrejas ao partido goês e as outras duas
aos clérigos da Sagrada Congregação de Propaganda Fide) manifestando-se contrá-
rio à permanência dos missionários apostólicos em Bombaim a administrarem
igrejas numa Diocese alheia (de Goa).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 9-11.

[172] 1794, Dezembro, 20, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Arcebispo de Tiana e Núncio
Apostólico no Reino de Portugal e seus domínios, acusando a recepção da carta
de 13 de Abril de 1793 com o Breve do Papa Pio VI em resposta à sua representa-
ção sobre a controvérsia que o opõe aos missionários da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide relativamente à jurisdição sobre os cristãos e as igrejas de Bom-
baim. Defende que, ao contrário do que constava no referido Breve, as desordens
existentes em Bombaim não resultam de um diferendo entre as cortes de Lisboa e
Londres, mas das intrigas causadas pelos referidos missionários. Explica que a
corte inglesa, no extracto que mandou a Bombaim, se afirma indiferente à escolha
dos cristãos se sujeitarem a este ou àquele Prelado e sugere que se dividam as
quatro igrejas locais pelos dois partidos (goês e da Propaganda). Comunica que as
ordens da corte de Londres foram cumpridas, mas defende que o ideal seria que
os missionários da Sagrada Congregação de Propaganda Fide saíssem para a mis-
são do Grão-Mogol e deixassem todas as igrejas de Bombaim sujeitas à autoridade
da Arquidiocese de Goa. Denuncia o facto de os ditos missionários receberem e
ordenarem clérigos fugidos de Goa e permitirem o exercício do sacerdócio aos
que foram suspensos por mau comportamento ou outros crimes (p.e. o menorista
Agostinho Vicente Rodrigues e o seu tio Padre João da Costa).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 12-15.

76 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[173] s.d., s.l.


Cronologia dos prelados e estabelecimentos eclesiásticos de Goa, entre 1534
e 1843.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 16-21V.

[174] 1688, Março, 20, Lisboa


Carta de Arcebispo de Rodes para o Arcebispo de Goa enviando-lhe um tres-
lado que o Cardeal Durazzi lhe remeteu de uma carta que alguns Cristãos de Serra
escreveram ao Padre Antonino sobre o estado miserável daquela cristandade;
pedindo-lhe que mande àquela missão um Visitador ou informador para acudir à
sua desolada situação.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 26-26V.

[175] 1785, Março, 11, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Arcebispo de Tiro e Núncio
Apostólico no Reino e domínios de Portugal sobre a abundância de festas em
Oratórios Privados e as razões pelas quais tem proibido tais festas: primeiro, por-
que as paróquias se despojam das festas; segundo, porque não se permite nos
oratórios missa cantada; terceiro, porque as festas dão azo a banquetes, festins e
outras desordens.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 28-28V.

[176] 1788, Abril, 11, Lisboa


Minuta da carta do Arcebispo de Tiana e Núncio Apostólico para o Arce-
bispo Primaz do Oriente, acusando a recepção das cartas de 18 de Fevereiro e de
12 de Março sobre as dúvidas levantadas por algumas corporações religiosas de
Goa, quando o destinatário quis iniciar a sua reforma em conformidade com os
Breves de que fora relator o Núncio anterior, Cardeal Ranuzzi, de 7 de Maio de
1784 e 4 de Março de 1785; transmitindo-lhe as faculdades para reformar os
Padres Congregados de São Filipe de Neri (que não foram mencionados no
segundo Breve); esclarecendo que os Breves acima referidos não impõem um
tempo determinado para a execução da reforma; confirmando toda a autoridade
que foi concedida ao destinatário por aqueles Breves.
Obs. Inclui citações em latim. No canto superior esquerdo, consta em ita-
liano que se trata de uma carta facultativa do Cardeal Bellisomi para o Arce-
bispo de Goa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 30-31V.

[177] 1799, Maio, 5, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para D. Rodrigo de Sousa Coutinho,
remetendo a lista dos três eleitos pela Província de São Tomé, dos Religiosos
Observantes de São Francisco e pela Província da Madre de Deus, dos Religiosos
Reformados, para que sejam apresentados ao Núncio, em ordem à escolha, os
nomes que irão presidir ao capítulo de cada Província, no caso de vir a faltar o
Arcebispo de Goa, actual Visitador e Reformador das ordens religiosas da Índia.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 32.

www.lusosofia.net 77
· TOMO II ORIENTE ·

[178] 1800, Abril, 24, Queluz


Carta de Rodrigo de Sousa Coutinho para o Arcebispo de Damiata e Núncio
Apostólico de Sua Santidade, remetendo o requerimento do Arcebispo de Goa
relativo ao governo das ordens religiosas do Estado da Índia, na sua falta.
Obs. Inclui em anexo o documento anterior.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 34.

[179] 1799, Junho, 5, Goa


Minuta anexa à carta enviada pelo Arcebispo Primaz do Oriente a
D. Rodrigo de Sousa Coutinho, apresentando ao Rei a necessidade de tomar
providências, em caso de morte ou incapacidade sua, a respeito do governo das
ordens religiosas de que era Reformador e Visitador. A minuta incide particular-
mente nas provisões mais urgentes, a saber, a apresentação ao Núncio de três
nomes de cada uma das duas Províncias franciscanas (S. Tomé e Madre de Deus)
para a presidência do Capítulo e para o Juízo de segunda instância. São assim
nomeados, por ordem de preferência, para a Província de S. Tomé, Frei Francisco
de S. Tiago, Frei António da Penha de França e Frei António de S. Tomé. Por sua
vez, para a Província da Madre de Deus, Frei Teodoro de Nossa Senhora dos
Anjos, Frei Francisco de Assis e Frei Domingos da Conceição. Termina a minuta
rogando ao Núncio faculdades para acumular cargos de governo nos indigitados,
dada a escassez de religiosos para os preencher.
Obs. Documento em latim. Minuta anexa à carta enviada pelo Arcebispo
Primaz do Oriente a D. Rodrigo de Sousa Coutinho, 32 (2), fls. 32-33.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 36-36V.

[180] 1805, Janeiro, 12, Goa


Cópia de carta [do Arcebispo de Goa] para as Províncias dos Observantes de
S. Francisco e dos Reformados da Madre de Deus de Goa, remetendo a carta do
Núncio de 21 de Abril de 1804 com o Breve que determina a conservação da
reforma, exortando-os à observância das suas constituições.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 38-38V.

[181] 1809, Maio, 26, Rio de Janeiro


Carta do Conde de Anadia [Secretário de Estado] para o Arcebispo de Nísibe
e Núncio Apostólico, remetendo uma carta do Arcebispo de Goa, através da qual
se percebem os motivos do Príncipe Regente para pedir a ampliação do Breve de
Reformador para o Arcebispo Coadjutor de Goa, com a faculdade de fundir numa
só as duas Províncias franciscanas.
Obs. Inclui o documento seguinte em anexo.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 41.

[182] 1808, Fevereiro, 15, Goa


Cópia de carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Coadjutor do Arcebispo de
Goa, para o Visconde de Anadia [Secretário de Estado], sobre o estado de relaxação
das duas Províncias de franciscanos existentes em Goa (de S. Tomé e da Madre de
Deus) e os motivos e vantagens da proposta de fusão das referidas Províncias.

78 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. A cópia foi feita na Secretaria de Estado, a 26 de Maio, 1809, por José
Manuel Plácido de Morais. Anexa ao documento anterior.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 43-44V.

[183] 1808, Fevereiro, 12, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Núncio Apostólico no Reino
de Portugal e seus domínios, acusando a recepção dos dois rescritos com as
faculdades [não especificadas] que o Papa Pio VII lhe concedeu por meio da
Sagrada Congregação de Propaganda Fide; referindo-se ao naufrágio do navio
Ceilão Novo, onde seguia uma carta sua para o Núncio e no qual morreu o
desembargador, chanceler e secretário de Estado José Caetano Pacheco Tavares;
transmitindo opinião favorável sobre o desembargador Diogo Vieira; informando
que a presente missiva segue no navio Rainha dos Anjos, que transporta o último
Governador, o tenente-general Francisco António da Veiga Cabral, a quem o
autor diz que deve «muitas obrigações».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 45-46.

[184] 1807, Abril, 5, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Núncio Apostólico no Reino
de Portugal e seus domínios sobre o estado de decadência e corrupção dos
Carmelitas Descalços, a cuja culpa atribui a separação da Província de Portugal da
Congregação de Espanha. Expõe que o generalato de Portugal passou de sete para
três anos e tornou-se impossível encontrar nesse curto período de tempo um
indivíduo capaz de exercer o lugar de geral.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 47-48.

[185] 1815, Junho, 6 - 1816, Janeiro, 13, Goa


Requerimento do Padre Manuel Caetano Estaço das Neves, Pároco da Igreja
de Pangim, preso no aljube de Goa, por ordem do Arcebispo, por ter desobede-
cido a uma portaria sua, pedindo para lhe serem restituídos os frutos do seu
benefício.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 49-57.

[186] 1809, Novembro, 25, Rio de Janeiro


Cópia de carta do Visconde de Mirandela, Francisco António de Veiga
Cabral, para o Conde de Anadia [Secretário de Estado] com informações desfavo-
ráveis sobre o Padre Manuel Caetano Estaço das Neves, Vigário da freguesia de
Pangim, suspenso pelo Arcebispo de Goa, o qual deveria, por sentença da
Nunciatura, continuar no exercício das suas funções.
Obs. Anexo ao documento seguinte.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 58-58V.

[187] 1809, Março, 20, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa, acusando a recepção
das cartas de 5 e 13 de Abril de 1807; informando que os Carmelitas de Portugal e
Algarve se portaram bem nas circunstâncias de revolução vividas ultimamente no

www.lusosofia.net 79
· TOMO II ORIENTE ·

Reino e que, antes de sair de Lisboa, os dispensou da celebração do Capítulo,


ficando os Padres do governo nos seus lugares.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 59-59V.

[188] 1810, Dezembro, 18, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Núncio Apostólico no Reino
de Portugal e seus domínios, agradecendo-lhe por ter suspendido o progresso da
queixa que o Padre Manuel Caetano Estaço das Neves apresentou contra si ao
Tribunal da Legacia, pedindo ressarcimento pelos danos e prejuízos que teve com
procedimento judicial que contra ele correu na Relação de Goa; também se quei-
xou para a Secretaria de Estado, acusando o autor de dar muita despesa aos páro-
cos nas Visitas que fazia. Conta que em 1808 o dito Vigário extorquiu dinheiro
aos fregueses de Pangim para a celebração do dia de São Sebastião mas, como os
fregueses prometeram entregar o resto das esmolas no fim da festa, impediu a
missa solene da festividade. O autor, por portaria, mandou-o completar a festa;
ele não obedeceu. Por este motivo foi preso, só saiu da prisão porque o Vice-Rei
intercedeu por ele.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 60-60V.

[189] 1810, Junho, 18, [Rio de Janeiro]


Rascunho da carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa sobre vários assun-
tos, nomeadamente sobre as notícias animadoras que o Cardeal di Pietro lhe
enviou referentes ao Papa (que se encontrava em Savona, em paz e de boa saúde);
a morte do Conde de Anadia, a nomeação do Conde das Galveias para Secretário
de Estado, as determinações régias no sentido do aumento dos réditos dos semi-
nários de Goa e Macau; as ordens régias aos governadores para ajudarem os bis-
pos; o atraso do Coadjutor do Arcebispo de Goa em iniciar a Visita às duas
Províncias franciscanas, apesar de já ter o Breve necessário; o mapa que o Padre
Provincial dos Reformados da Madre de Deus lhe mandou para provar que na sua
Província existem setenta e nove religiosos e pedindo que não se proceda à união
das duas Províncias franciscanas; a necessidade de ouvir o destinatário sobre o
projecto de união daquelas Províncias.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 62-63V.

[190] 1809, Dezembro, 16, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Arcebispo de NÍsibe e Núncio
Apostólico, acusando a recepção de vária correspondência; congratulando-se com
a ida do Príncipe e do destinatário para o Brasil; dando conta das preces que
mandou fazer pelo Papa; referindo-se à necessidade de prelados em quatro Dioce-
ses da Ásia, particularmente no arcebispado de Cranganor, sem Prelado havia
mais de quarenta anos. Em post-scriptum, certifica, a propósito das representações
dos religiosos de São Domingos ao Núncio, que é verdade o que eles alegam rela-
tivamente a estarem a ser oprimidos pelo Prelado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 64-64V.

80 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[191] 1810, Novembro, 13, Anjuna


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Núncio Apostólico no Reino
de Portugal e seus domínios, sobre a controvérsia entre o autor e o seu Coadjutor,
relativa à jurisdição deste último. O Coadjutor considera que lhe compete fazer
tudo aquilo que o Arcebispo não puder fazer pessoalmente. Defende, portanto,
que este último lhe devia remeter o exame de todos os clérigos e o seu despacho,
e que escreveu aos Reitores dos seminários neste sentido; bem como o devia
encarregar da Visita à Província de Bardês. Por seu turno, o Arcebispo explica que
o direito é claro a propósito da autoridade do Coadjutor: este só pode exercer
jurisdição ordinária se o Prelado estiver mentecapto ou inábil para o seu ministé-
rio, ou lhe encomendar determinados actos.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 65-66V.

[192] 1809, Abril, 24, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Núncio Apostólico no Reino
de Portugal e seus domínios, dando-lhe conta do conteúdo das cartas que lhe
escreveu nas monções de 1807 e 1808 e que se perderam; agradecendo a protec-
ção que o destinatário tem dispensado à Religião dos Carmelitas Descalços; refe-
rindo-se à reforma das Províncias da Madre de Deus e dos Menores Observantes
de S. Tomé, que devia ser feita pelo seu Coadjutor, à reacção negativa das referi-
das Províncias e à renúncia do Coadjutor ao cargo de Reformador.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 67-68.

[193] 1810, Outubro, 22, Pangim


Cópia de carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo Coadjutor
de Goa, para o Padre Mestre Reitor [do seminário] de Chorão, informando-o de
que, daí em diante, passa a examinar todos os confessores da Diocese e afirmando
que tudo o que é do ofício pastoral e que o Arcebispo Primaz do Oriente não
pode fazer, lhe cabe por direito executar.
Obs. Anexa ao documento seguinte.
Uma carta de igual teor foi também enviada ao Mestre do seminário de Rachol.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 70-70V.

[194] 1810, Dezembro, 27, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Núncio Apostólico no Reino
de Portugal e seus domínios sobre a interpretação errónea que o seu Coadjutor
faz das próprias competências (considera que lhe pertence fazer tudo o que o
Arcebispo não puder executar); e a carta que dito Prelado escreveu aos reitores
dos seminários [procurando apropriar-se de uma autoridade que não é a sua].
Obs. Em anexo remete o documento anterior.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 72-72V.

[195] 1810, Junho, 22, Rio de Janeiro


Minuta da carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa sobre a pretensão do
Padre Manuel Caetano Estaço das Neves, Vigário de Pangim, apresentada ao Tribunal

www.lusosofia.net 81
· TOMO II ORIENTE ·

da Legacia, de recorrer à Santa Sé para ser indemnizado de prejuízos e danos provo-


cados pelo procedimento que contra ele se teve na Relação Primacial de Goa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 73.

[196] 1810, Junho, 22, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa, D. Frei Manuel de
Santa Catarina, a participar que a representação que os Padres Dominicanos lhe
enviaram a respeito do governo do seu anterior Vigário Geral lhe mereceu todo o
crédito e, portanto, decidiu nomear o destinatário para Visitador Apostólico dos
mesmos por um período de cinco anos; pede-lhe um parecer sobre as providên-
cias permanentes a tomar para o bem da mesma Ordem e sobre os requerimentos
de três religiosos seus (só se refere explicitamente ao do Padre Frei Vicente de
São José Banino e Silva relativo à dispensa geral do impedimento de ilegitimidade
de nascimento para todos os cargos da Ordem).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 74-75.

[197] 1811, Abril, 1, [Rio de Janeiro]


Rascunho da carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa acusando a recep-
ção de correspondência sobre o relacionamento entre o destinatário e o seu
Coadjutor; alegrando-se por ter prevenido com o Breve de 11 de Agosto de 1810
as insinuações do destinatário relativas à Ordem Dominicana; remetendo em
anexo uns papéis que testemunham a atitude do autor perante o capítulo sobre
tolerância religiosa incluído no Tratado entre Portugal e a Inglaterra.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 76-76V.

[198] 1811, Abril, 25, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Núncio Apostólico no Reino
de Portugal e seus domínios sobre as razões pelas quais o autor decidiu declarar a
Congregação de São Domingos de Goa independente da Província de Portugal, e
os novos estatutos da referida Congregação.
Obs. Inclui um anexo sobre as «Razões porque declarando independente a
Congregação de S. Domingos, se lhe não deu o título de Província». Para ser
erigida em Província necessita de seis conventos formais, onde se achem em
vigor a observância e disciplina regulares e onde existam quatro religiosos
efectivos. A Congregação de S. Domingos só tem quatro conventos formais
(três na ilha de Goa e um em Macau); os de Damão e de Diu por falta de
réditos não podem sustentar senão os seus Vigários; e os de Moçambique e
Sena não têm rendimentos fixos e, como servem de escola aos religiosos que
passam para as missões de África, não podem ter número determinado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 77-77V E 79-80.

[199] 1811, Maio, 21, [Rio de Janeiro]


Rascunho de Breve do Núncio Monsenhor Lourenço [Caleppi], concedendo
ao Arcebispo de Goa faculdades apostólicas para que possa absolver as suplican-
tes religiosas [de Santa Mónica] da satisfação das missas a que estivesse obrigado
o seu convento até à publicação do presente indulto.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 81-81V.

82 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[200] 1811, Abril, 27, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Núncio Apostólico no Reino de
Portugal e seus domínios sobre o restabelecimento da concórdia entre o autor e o
seu Coadjutor, a quem encomendou as celebrações de Quinta-feira Santa e o Ponti-
fical da Ressurreição; a separação da Congregação de São Domingos de Goa da Pro-
víncia de Portugal e a declaração da eleição de Portugal, como carente de validade.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 82-83.

[201] 1811, Dezembro, 22, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Núncio Apostólico no Reino
de Portugal e seus domínios sobre a fundação, devida à caridade de uma senhora
rica, de uma nova igreja em Calcutá, erigida em nova paróquia (até então, ali só
havia uma igreja para trinta ou quarenta mil cristãos, sem regulamento, por ser
dependente da vontade dos fabriqueiros seculares e do Vigário); a boa aceitação
do seu regulamento entre o povo; o mau acolhimento por parte da primeira paró-
quia, que pretende a extinção da nova e a redução da nova igreja a capela filial da
igreja que já existia.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 84-84V.

[202] 1811, Dezembro, 31, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Núncio Apostólico no Reino
de Portugal e seus domínios, sobre a má vontade e denúncias falsas de alguns
fregueses de Ribandar contra o Encomendado Padre Maximino Guerreiro Antão,
que o autor quis pôr naquela igreja por ser muito velho e indolente o respectivo
pároco; a queixa julgada, no Juízo Contencioso; a sentença favorável ao Enco-
mendado; e a apelação para a Nunciatura feita pelos caluniadores.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 86-87.

[203] 1811, Dezembro, 10, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Núncio Apostólico no Reino
de Portugal e seus domínios, na qual diz que aguarda as resolução do destinatário
a respeito dos Padres Dominicanos para as executar; comenta o pedido do Vigário
de Pangim para ser promovido a Bispo de Meliapor; presta informações favoráveis
sobre o Padre Gabriel Arcanjo de Carvalho, antigo Inquisidor do Santo Ofício;
refere-se à redução e absolvição das missas caídas, requeridas pelas religiosas de
Santa Mónica, pelos Padres Dominicanos e pelos Padres de Santo Agostinho;
comunica as faculdades de Governador requeridas pelo Padre Frei José da Anun-
ciação, Governador do bispado de Malaca e Timor; informa que o menorista
Paulo Caraviel, de rito caldaico, pertencente ao arcebispado de Cranganor, retirou
o seu pedido para ser ordenado contra os sagrados cânones.
Obs. Em anexo remete o documento do fl. 99-99v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 88-89V.

[204] 1811, Dezembro, 12, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Núncio Apostólico no Reino
de Portugal e seus domínios sobre, entre outros assuntos, o relacionamento entre

www.lusosofia.net 83
· TOMO II ORIENTE ·

o autor e o seu Coadjutor, que já se normalizou; a Visita que fez à Província de


Salsete; as disposições que aguarda que o destinatário lhe comunique a respeito
da Ordem dos Dominicanos; a posição do destinatário perante o capítulo sobre
tolerância religiosa incluído no Tratado com a Inglaterra; o bom comportamento
dos Padres Dominicanos Frei Manuel de S. Joaquim Neves e Estanislau de
S. Domingos Torres.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 90-91.

[205] 1812, Julho, 8, Rio de Janeiro


Minuta de carta [do Núncio] para o Deão [do Cabido Metropolitano de Goa]
acusando a recepção da carta de 29 de Fevereiro do corrente ano; e congratulando-se
com o facto de o destinatário ter sido escolhido pelo novo Arcebispo [de Goa] para
seu assistente.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 92.

[206] 1818, Dezembro, 15, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Núncio
Apostólico dos Reinos Unidos de Portugal, Brasil e Algarve informando-o de que já
solicitou ao Ministro de Estado que Sua Majestade mande pedir a Roma o seu Pálio.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 93-94.

[207] 1812, Junho, 18, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Coadjutor do Arcebispo de Goa, na
qual acusa a recepção da missiva de 12 de Dezembro último; congratula-se com a
restauração da harmonia entre o destinatário e o Arcebispo de Goa; comenta a
oposição que os Padres Franciscanos Observantes e Reformados têm feito às dis-
posições do destinatário relativamente à eleição dos Padres da Província Refor-
mada; pede informações sobre o Frei João da Conceição, religioso da Província
dos Franciscanos Reformados, actualmente Comissário da Terra Santa no Ben-
gala, e que pretende ser nomeado Missionário Apostólico.
Obs. Resposta ao documento seguinte.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 95-96.

[208] 1811, Dezembro, 12, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Coadjutor do Arcebispo de Goa,
para o Núncio Apostólico, na qual se refere ao restabelecimento da harmonia
entre o autor e o Arcebispo de Goa e ao meio de que os Franciscanos se servem
para satisfazer as obrigações de missas (referindo-se a «os hábitos dos defuntos,
cujo pano custa muito menos do que importa a esmola que se dá»); manifesta-se
contrário à separação dos Dominicanos, que considera muito prejudicial; e pede
para ser dispensado da reforma dos Regulares.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 97-98.

[209] 1811, Outubro, 3, Goa


Provisão de D. Frei Manuel de Santa Catarina, Arcebispo de Goa e Primaz
do Oriente, relativa à absolvição das missas caídas rogada pelas religiosas do con-
vento de Santa Mónica de Goa.

84 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. Conserva o Selo de lacre. Anexa ao documento dos fls. 88-89v.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 99-99V.

[210] 1812, Fevereiro, 19, Goa


Cópia de carta de D. Frei Manuel [de Santa Catarina], Arcebispo Primaz do
Oriente, para o Deão [do Cabido Metropolitano de Goa], nomeando-o seu
1.º assistente e nomeando outrossim o Cónego Henrique José de Meneses seu
2.º assistente.
Obs. Carta copiada em Goa, a 28 de Fevereiro de 1812, por Simão António
de Carvalho, Cónego prebendado da Sé Primacial de Goa em substituição do
Secretário do Cabido.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 101-101V.

[211] 1811, Dezembro, 15, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Núncio Apostólico na corte do
Rio de Janeiro e seus domínios, na qual pede notícias sobre o Papa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 103-103V.

[212] 1812, Fevereiro, 29, Goa, Paço da Sé Primacial


Carta do Cónego José Paulo da Costa Pereira de Almeida para o Arcebispo
de Nísibe e Núncio Apostólico no Reino de Portugal e seus domínios, comuni-
cando-lhe a morte do Arcebispo [D. Manuel de Santa Catarina] de Santa Catarina;
informando-o de que o novo Prelado da Diocese, D. Frei Manuel de São Gual-
dino, o elegeu seu assistente e o dispensou do ponto do coro; e pedindo-lhe que
confirme aquela nomeação e o isente do coro.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 105-106.

[213] 1812, Junho, 17, [Rio de Janeiro]


Rascunho da carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa acusando a recep-
ção de diversas missivas; dando-lhe notícias sobre o estado de saúde do Conde
das Galveias, a morte de quatro conselheiros de Estado e do infante de Espanha,
D. Pedro Carlos de Bourbon e Bragança; e referindo-se à redução das missas, à
nova paróquia erigida em Calcutá e ao restabelecimento da harmonia entre o
destinatário e o seu Coadjutor.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 107-108V.

[214] 1813, Setembro, 30, [Rio de Janeiro]


Rascunho da carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa, na qual acusa a recep-
ção da carta de 30 de Dezembro último sobre, entre outros assuntos, a alteração dos
estatutos dos Dominicanos no que respeita às eleições; refere-se à continuação da
Visita e da reforma das Províncias Franciscanas Observante e Reformada; pede-lhe
que presida ao capítulo dos Padres Observantes da Província de São Tomé; comenta o
relacionamento do destinatário com os Padres Regulares (Padres Teatinos do Chim-
bel, Terceiros do Carmo, Congregados de S. Filipe de Neri e Agostinhos); considera a
situação da Província da Madre de Deus preocupante e manda anular as eleições do
próximo Capítulo se forem eleitos indivíduos indignos; solicita o parecer do destina-

www.lusosofia.net 85
· TOMO II ORIENTE ·

tário sobre as pretensões de Frei Henrique de Santo Agostinho, Frei Pedro de Santa
Quitéria, Frei Bernardino de Sena e Frei João da Conceição; dá-lhe instruções para
impedir que os Padres Francis-canos de Goa vão para o Pegu onde, segundo denún-
cias do Vigário Apostólico do Grão-Mogol, têm causado distúrbios aos missionários
Barnabitas enviados pela Sagrada Congregação de Propaganda Fide.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 109-114V.

[215] 1815, Janeiro, 16, Igreja de Sirolá, Bardês


Carta do Padre António José de Albuquerque, Pároco da igreja de Sirulá, de
Bardês, [para o Núncio] na qual se queixa de «violência e extorsões» praticadas
pelo Arcebispo de Goa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 115-115V.

[216] 1815, Maio, 31, Rio de Janeiro


Rascunho da carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa, acusando a recepção
da carta de 3 de Dezembro último; participando-lhe a fuga de Napoleão da ilha de
Elba e a ida do Papa para Génova; comentando o estado de relaxação da Diocese de
Goa, a introdução de doutrinas «perversas» (do Concílio de Pistóia, de Voltaire, de
Rousseau e de outros «apóstolos do erro») no seio da comunidade de fiéis, e os
conflitos de jurisdição entre magistrados civis e o destinatário; tentando convencer
este último a não renunciar ao cargo e a continuar a Visita às Províncias Francisca-
nas da Madre de Deus e de S. Tomé; lastimando a relaxação da Província da Madre
de Deus e a vida escandalosa levada pelo ex-Provincial Frei José do Carmo e pelos
seus companheiros Frei Bernardino [de Sena] e Frei Francisco Xavier; pedindo-lhe
que aguarde as determinações do Papa acerca da inobservância das Províncias
Dominicana e Agostiniana; afirmando que o destinatário tem autoridade, como
ordinário do convento de Chimbel, para castigar o Padre Frei António da Concei-
ção pelas suas heresias e blasfémias; garantindo-lhe que, enquanto os Freis Henri-
que de Santo Agostinho e Pedro de Santa Quitéria não melhorarem o seu compor-
tamento, não atenderá as suas súplicas; elogiando-o por ter sanado ad cautelam as
nulidades do Capítulo dos religiosos de São João de Deus.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 116-119.

[217] 1815, Maio, 20, [Rio de Janeiro]


Rascunho da carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa acusando a recep-
ção da carta de 3 de Dezembro do ano anterior sobre o estado de corrupção da
Diocese de Goa, que afecta também os respectivos religiosos, e agendando para
uma próxima oportunidade a resposta aos vários pontos daquela missiva.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 121-121V.

[218] 1816, Janeiro, 14, [Rio de Janeiro]


Rascunho da carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa sobre o regresso do
Papa à Santa Sé; o progresso das doutrinas «erróneas» em Goa; as ordens a espe-
rar do Príncipe Regente para que as determinações do destinatário não encontrem
obstáculos da parte do poder civil; a situação da Província Franciscana Reformada
da Madre de Deus, e a concessão de um novo Breve de Visitador Apostólico
daquela Província ao destinatário.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 122-125V.

86 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[219] 1816, Dezembro, 14, Rio de Janeiro


Rascunho da carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa sobre, entre outros
assuntos, o conflito entre o destinatário e os Padres de Chimbel que não reconhe-
cem a sua autoridade; as providências tomadas pelo Príncipe Regente para não
haver conflitos de jurisdição entre civis e eclesiásticos.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 126-127V.

[220] 1816, Janeiro, 15, Rio de Janeiro


Rascunho do bilhete [do Núncio] para o Arcebispo de Goa acompanhando
cópia da Bula Dogmática da Condenação solene do Concílio de Pistóia.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 128.

[221] 1819, Fevereiro, 12, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Nún-
cio Apostólico dos Reinos Unidos de Portugal, Brasil e Algarves informando-o de
que o novo pároco de Raia, Padre José Maria de Albuquerque, quer obrigar o
povo que vive fora dos muros de Rachol a reconhecê-lo como seu pastor e a ser
adicto à sua freguesia; mas o povo quer continuar adicto à igreja de Rachol
situada dentro da respectiva praça, na qual se tem refugiado quando há invasões.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 129-129V.

[222] 1819, Novembro, 7, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Nún-
cio Apostólico dos Reinos Unidos de Portugal, Brasil e Algarves, acusando a
recepção de oito cartas do destinatário e explicando-lhe que durante a Visita ao
Reino do Canará foi atacado pela febre amarela e esteve cinquenta dias entre a
vida e a morte.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 130.

[223] 1820, Setembro, 1, s.l.


Carta do Núncio ao Arcebispo de Goa. Lamenta o Núncio não ter obtido
resposta a um pedido que enviara ao Bispo de Macau, a saber, de instruir um pro-
cesso acerca das qualidades pessoais do Padre Veríssimo Serra, que el-Rei apre-
sentara para a sede episcopal de Pequim (vacante por morte de D. Joaquim de
Sousa Saraiva), e de elaborar um breve relatório sob o estado da mesma Igreja.
Escusando o Bispo sufragâneo pela penosa distância, vem o Núncio entregar a
diligência ao Arcebispo.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 132.

[224] 1825, Março, 8, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Nún-
cio Apostólico no Reino de Portugal remetendo cópia do ofício que enviou ao
Conde de Subserra, [Ministro Assistente ao despacho do gabinete de Sua Majes-
tade Fidelíssima], a respeito do Pálio que já devia ter recebido há muito tempo.

www.lusosofia.net 87
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Em anexo, remete cópia da carta (de Goa, 8 de Março de 1825) para o
Conde de Subserra pedindo-lhe que faça solicitar a Roma o Pálio que lhe
cabe como Arcebispo de Goa. No fl. 35 encontra-se uma carta de igual teor,
mas com data de 9 de Março de 1825. No fl. 137, encontra-se outra cópia da
carta para o Conde de Subserra.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 133 E 136.

[225] 1824, Março, 16, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa oferecendo-lhe os
seus préstimos e pedindo-lhe informações sobre o estado das missões de que foi
encarregado pela Sagrada Congregação de Propaganda Fide.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 134.

[226] 1825, Outubro, 30, Roma


Ofício do Cardeal Somaglia para o Núncio em Lisboa, dizendo-lhe que não
foi feita nenhuma diligência por parte do actual Arcebispo de Goa, ou do ministé-
rio régio de Lisboa em seu nome, para obter o novo Pálio; e garantindo-lhe a res-
pectiva concessão se o Embaixador de Portugal em Roma o pedir.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 139-139V.

[227] 1827, Janeiro, 27, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Arce-
bispo de Nazianzo, Núncio Apostólico no Reino de Portugal e Algarve, infor-
mando-o de que publicou a Bula que estende o Jubileu do Ano Santo a todo o
orbe; e explicando-lhe que não procurou por si próprio o Pálio porque não podia
pagar as despesas inerentes que se fazem em Roma.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 141-141V.

[228] 1829, Abril, 25, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa na qual lhe anuncia
a morte do Papa Leão XII e a eleição do novo Papa, Pio VIII, e lhe pede que aceite
o encargo de Visitador e Presidente do próximo Capítulo Provincial dos Obser-
vantes de S. Francisco.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 143-143V.

[229] 1809, Dezembro, 16, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Arcebispo de Nísibe e Núncio
Apostólico sobre a eleição de Frei José de S. Caetano para Prior-Geral dos Carmeli-
tas Descalços.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 146.

[230] 1810, Dezembro, 20, Goa


Ordem do Vigário Provincial da Congregação dos Eremitas de Santo Agosti-
nho, Frei Joaquim de Carvalho, para que o secretário, Frei António da Assunção,
treslade a determinação capitular de 16 de Novembro de 1810, na qual se proíbe

88 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

o arrendamento das fazendas que possuem as casas da Congregação, seguida da


respectiva cópia.
Obs. O presente documento foi enviado ao Núncio. Conserva o selo de lacre.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 148.

[231] s.d., s.l.


Requerimento de Frei Joaquim de Carvalho, Vigário Provincial dos religio-
sos Eremitas Calçados de Santo Agostinho da Índia Oriental, dirigido [ao Nún-
cio], no qual pede a confirmação da provisão do Arcebispo de Goa relativa à
absolvição das missas que os conventos tinham atrasadas.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 150.

[232] 1811, Maio, 20, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa, D. Frei Manuel de
Santa Catarina, na qual acusa a recepção de vária correspondência; garante que
terá em atenção a súplica dos religiosos de São João de Deus e a pretensão do
Vigário de Pangim, Padre Manuel Caetano Estaço das Neves; lamenta a continua-
ção dos conflitos entre o destinatário e o seu Coadjutor e exorta-o a aceitar o
auxílio deste último nas funções episcopais; pede informações sobre o Padre
Gabriel Arcanjo de Carvalho, Inquisidor do Santo Ofício, que aspira à distinção
de Protonotário Apostólico; congratula-se com a boa conduta dos Padres Teati-
nos, aos quais confirma os indultos que a Santa Sé lhes havia concedido; refere-se
a várias súplicas que lhe foram dirigidas para absolvição de missas atrasadas,
nomeadamente dos Padres Dominicanos e dos Agostinhos, e consulta o destinatá-
rio sobre o assunto; informa-o de que o Papa, em Janeiro, se encontrava em Savona.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 152-154V.

[233] s.l., s.d.


Ordem de Frei Joaquim de Carvalho, Provincial [dos Eremitas de Santo
Agostinho], para que o Secretário, Frei António da Assunção, treslade o termo do
Definitório, feito a 6 de Outubro de 1809, sobre as providências relativas ao
governo da Congregação, e o do Discretório, feito a 14 de Novembro de 1809,
sobre a mesma matéria, seguida das cópias referidas.
Obs. O presente documento foi enviado ao Núncio. Conserva o selo de lacre.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 155-156.

[234] 1810, Dezembro, 20, Goa


Carta de Frei Cândido de S. Joaquim, [Provincial dos Eremitas de Santo
Agostinho], para o Núncio Apostólico, comunicando-lhe que, apesar de o seu
governo ter chegado ao fim, não partiu para Portugal devido à situação de
instabilidade que lá se vive.
Obs. Anotação em italiano no canto superior esquerdo: «respondeu-se em
14 de Maio de 1811, e aprovou-se que permanecesse na Índia até que se
possa ter certeza sobre a sorte de Portugal».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 157-157V.

www.lusosofia.net 89
· TOMO II ORIENTE ·

[235] 1811, Dezembro, 5, Calcutá


Certidão passada por Frei Francisco dos Prazeres, Vigário da Igreja de Nossa
Senhora do Rosário de Calcutá, na qual certifica que o desmembramento feito a 6
de Outubro de 1811, por ordem do Arcebispo de Goa, da paróquia de Nossa
Senhora das Dores, «foi concluído com total satisfação» sua e «do povo católico»
daquela localidade.
Obs. A certidão é reconhecida por Frei António da Assunção, Secretário da
Congregação dos Eremitas Calçados de Santo Agostinho, com data de 18 de
Fevereiro de 1812.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 159.

[236] 1810, Junho, 18, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para o Arcebispo Coadjutor de Goa acu-
sando a recepção da carta de 5 de Dezembro último; agradecendo os cuidados que
teve com a saúde do Missionário Apostólico, [Padre] Luís Fontana; confirmando
a notícia de que o Papa, até 25 de Janeiro, se encontrava em Savona; remetendo
um exemplar da circular que dirigiu ao episcopado português e ao da América
espanhola sobre a situação do Papa; transmitindo-lhe a autorização pontifícia
para usar o Pálio; exortando-o a iniciar a reforma das duas Províncias Francisca-
nas e comentando a possibilidade de as unir; enviando um requerimento do Padre
Frei João Rainha dos Anjos, da Província da Madre de Deus, que pretende ser
habilitado para os cargos e ofícios da sua Província; pedindo-lhe que obtenha
junto do Padre Frei Luís de Nossa Senhora dos Remédios informações sobre a
Província [Dominicana?]; afirmando que tem dúvidas sobre o mau governo do
último Vigário Provincial da Congregação Dominicana, Frei Joaquim Manuel de
Santa Ana; escusando-se a deferir para já o requerimento do Padre Frei José de
Nossa Senhora e Silva; nomeando-o Visitador Apostólico da Congregação Domini-
cana.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 161-163 E 164-
-164V.

[237] 1811, Outubro, 3, Goa


Cópia de provisão de Frei Manuel de Santa Catarina, Arcebispo de Goa e
Primaz do Oriente, dirigida à Congregação de Goa dos Eremitas Calçados de
Santo Agostinho relativa à redução das missas atrasadas dos conventos e do colé-
gio daquela Ordem.
Obs. A cópia é autenticada por Frei António da Assunção, Secretário da Con-
gregação de Goa dos Eremitas Calçados de Santo Agostinho, com data 19 de
Fevereiro de 1812.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 165-166V.

[238] [1814], s.l.


Requerimento apresentado [ao Núncio] pelo Prepósito da Congregação do
Oratório de S. Filipe de Neri de Goa e pelos seus Padres, no qual suplicam a redu-
ção das pensões e outros encargos pios com que se acham agravados os fundos e
bens das suas casas de Santa Cruz dos Milagres e de Nossa Senhora do Carmo.

90 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. Anotação no canto superior esquerdo: «Expedido o Breve a 3 de Julho


de 1815». Em anexo, remetem o parecer favorável do Arcebispo Primaz à
sua representação e cópia da súplica dirigida ao Núncio na monção de 1813,
implorando a graça da redução das pensões e outros encargos pios.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 167-167V E
169-171V.

[239] 1817, Janeiro, 29, Goa


Carta de Frei Francisco Xavier da Madre de Deus [para o Núncio] felici-
tando-o por ter sido elevado ao cardinalato; acusando a recepção da carta de 1 de
Junho de 1815; e explicando que não se queixou das infracções cometidas na
eleição dos Definidores da sua Província por despeito, mas porque foram eleitos
indivíduos impedidos e inabilitados pelas leis e decretos pontifícios.
Obs. Inclui citação em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 175-177V.

[240] 1817, Janeiro, 25, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Nún-
cio Apostólico dizendo que o Breve de Reformador da Província da Madre de
Deus não apareceu e que não se julga capaz de realizar esse trabalho.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 179-179V.

[241] 1829, Junho, [?], s.l.


Carta ao Arcebispo de Goa. A carta, não assinada, conta ter chegado bem
àquela cidade o Padre Próspero, missionário carmelita, «mergulhado em crimes
até ao pescoço». Acusa a recepção de cartas de apresentação previamente envia-
das pelo Arcebispo e pelos superiores do dito réu, pelas quais se congratula de o
conhecer «por dentro e por fora». Acede à sentença clemente do Arcebispo, a
saber, de o confinar ao Carmelo, e diz ter entretanto escrito para Roma «em favor
daquele miserável», pedindo a seus Superiores que lhe levantem ou diminuam a
«merecida pena».
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 180.

[242] s.d., s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para o Padre ex-Provincial, Frei José das
Dores, na qual acusa a recepção da carta de 5 de Janeiro exortando-o a advertir o
novo Vigário Provincial das desordens que será necessário reformar; e escusa-se a
responder ao seu novo requerimento.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 181.

[243] 1819, Novembro, 28, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Nún-
cio Apostólico dos Reinos Unidos de Portugal, Brasil e Algarves na qual pede ao
destinatário que conceda ao Padre Mestre Frei José da Piedade, do convento de
Santo Agostinho, os privilégios de ex-Provincial.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 182-182V.

www.lusosofia.net 91
· TOMO II ORIENTE ·

[244] 1816, Dezembro, 4, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa nomeando-o
Visitador-Geral e Presidente do Capítulo Provincial dos Franciscanos Observan-
tes de S. Tomé; comunicando-lhe as mesmas faculdades que já lhe tinha transmi-
tido por ocasião do Capítulo passado, por carta de 30 de Setembro de 1813.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 183.

[245] 1820, Janeiro, 13, Goa


Carta de D. Frei Manuel de São Gualdino, Arcebispo de Goa, para o Núncio
Apostólico dos Reinos Unidos de Portugal, Brasil e Algarve, sobre o projecto do
Padre Mestre Frei António da Virgem Maria Teixeira, de violar a clausura do con-
vento das religiosas de Santa Mónica, denunciado a seculares de primeira gran-
deza pelo Padre Mestre Frei José das Dores.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 184-185V.

[246] 1822, Fevereiro, 23, Goa


Requerimento dirigido [ao Núncio] pelo Vigário Provincial da Província da
Madre de Deus dos Reformados da Índia Oriental e pelos Padres do Definitório
(Frei Manuel do Carmo, Vigário Provincial, Frei José do Carmo, 1.º Padre e
Sub-Rogado, Frei João da Sagrada Família, 2.º Definidor, Frei Caetano da
Anunciação, 3.º Definidor, Frei António de São Vicente, 4.º Definidor, Frei Fran-
cisco Xavier da Madre de Deus, Custódio e Secretário da Definição) a respeito da
nomeação do presidente do próximo Capítulo e à dispensa dos interstícios.
Obs. O documento conserva o selo maior (de lacre) da Província da Madre
de Deus de Goa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 186.

[247] 1820, Julho ou Agosto, s.l.


Rascunho de Breve [do Núncio] para o Arcebispo de Goa nomeando-o
Visitador e Reformador Apostólico da Ordem dos Teatinos.
Obs. Anotação no canto superior esquerdo em italiano: «o Núncio morreu e
o Breve não foi assinado».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 188.

[248] 1820, Julho ou Agosto, s.l.


Rascunho de Breve [do Núncio] para o Arcebispo de Goa nomeando-o Presi-
dente do Capítulo dos Franciscanos de Goa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 189.

[249] 1811, Dezembro, 16, s.l.


Carta de Monsenhor Gabriel Arcanjo de Carvalho, Capelão [de Sua Santi-
dade], para o Arcebispo de Nísibe, Núncio Apostólico, acusando a recepção da
carta de 21 de Maio pela qual o destinatário o certificou que terá em atenção a sua
pretensão [de ser elevado à dignidade de Protonotário Apostólico]; e remetendo
uma memória, na qual consta que um natural do Estado da Índia e um natural da
freguesia de Santa Ana das Ilhas foram Protonotários Apostólicos.

92 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. Atenção, não se encontra a referida memória, mas antes uma carta diri-
gida ao Vigário António José de Meneses, datada de 11 de Dezembro de
1811, e a resposta deste, datada de 12 de Dezembro de 1811, ambas relativas
a Monsenhor Leonardo Pais, natural de S. Brás, Vigário de S. Tomé e Proto-
notário Apostólico.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 191-194.

[250] 1813, Janeiro, 4, Goa


Carta do Cónego José Paulo da Costa Pereira de Almeida para o Arcebispo
de Nísibe, Núncio Apostólico, agradecendo-lhe por ter acolhido favoravelmente a
sua súplica [o teor da mesma não é especificado], conforme lhe participou o seu
amigo e patrício, o Desembargador Manuel José Gomes Loureiro.
Obs. Rascunho da resposta do Núncio no canto superior esquerdo, com data
de Rio de Janeiro, 23 de Setembro de 1813, «O Breve passado a favor do
suplicante ser-lhe-á entregue pelo desembargador Manuel José Gomes Loureiro,
nomeado chanceler da Relação de Goa».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 195-196.

[251] 1815, Janeiro, 13, Goa


Carta do Cónego José Paulo da Costa Pereira de Almeida para o Arcebispo
de Nísibe, Núncio Apostólico, agradecendo o Breve que lhe foi entregue pelo
desembargador Manuel José Gomes Loureiro e pedindo protecção ao destinatário
para os Padres Terceiros Carmelitas Descalços do Convento de Chimbel.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 197-197V.

[252] 1816, Janeiro, 15, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para o Deão da Sé de Goa, Cónego José
Paulo da Costa Pereira de Almeida, dizendo que, relativamente aos Padres de
Chimbel que o destinatário lhe recomendou, aproveitará todas as ocasiões que se
lhe ofereçam para os beneficiar.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 199-199V.

[253] 1820, Junho, s.l.


Cópia da carta do Núncio ao Arcebispo de Goa. Acusa a recepção de uma
carta de 15 de Dezembro do ano anterior, congratulando-se pela sentença anexa
acerca da nulidade do atentado matrimónio de António Lobo com Francisca Coe-
lho de Lacerda. Acrescenta ainda não haver recebido até ao momento nenhum
apelo, que prevê inútil, dada a perícia da sentença e a integridade dos juízes.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 201.

[254] 1819, Janeiro, 13, Goa


Carta do Vigário Geral do Arcebispado de Goa, Paulo António Dias da Concei-
ção, para o Núncio Apostólico, a participar-lhe que, na presente monção, seguem uns
autos de apelação para o Tribunal da Nunciatura da decisão da Relação Eclesiástica
de Goa, segundo a qual o matrimónio contraído por António Lobo Gama e D. Fran-

www.lusosofia.net 93
· TOMO II ORIENTE ·

cisca, filha de António Manuel Coelho Pereira de Lacerda, foi considerado nulo; e a
informá-lo de que o Arcebispo de Goa partiu para a Visita às missões do Canará a 9
do corrente, onde havia um século não ia um Prelado diocesano.
Obs. Em anexo: «Cópia do acórdão da Relação do Arcebispado de Goa».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 202-205 E 207.

[255] 1636, Maio, 27, s.l.


Cópia do Breve In supereminenti, de Paulo V (executado a partir de uma
cópia autêntica do notário Pedro Leitão Tinoco), feita pelo notário João de Morais
e conferida pelo Notário Apostólico Carlos Mercatello. Paulo V acede aos rogos
de Filipe II de Portugal, de desmembrar a Província de Goa, dada a vastidão das
distâncias implicadas, instituindo uma administração especial para Moçambique
[mais tarde chamada Vigararia e depois Prelazia] atribuindo-lhe os territórios que
vão desde o cabo Gardafui até ao cabo da Boa Esperança – Mombaça, Zanzibar,
Ampaza, Cabeceira, Sofala, Sena, Tete e Cuama. Concede ainda a el-Rei a facul-
dade de nomear entre o clero regular ou secular um Vigário ou Administrador,
aprovado pela Mesa da Consciência e Ordens Militares e sujeito à jurisdição do
Arcebispo de Goa tão somente quanto à sua pessoa.
Obs. Documento em latim. A cópia data-o de 21 de Janeiro de 1412 («anno
millesimo quadringentesimo decimo secundo»). A cópia autêntica ou,
decerto, o original, traria a data de 1612.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 210-213.

[256] 1806, Abril, 25, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para Frei Manuel de São Gualdino, Coadju-
tor do Arcebispo de Goa, solicitando a intervenção do destinatário na resolução
dos problemas das missões da Ásia e informando-o sobre as desordens e tráficos
irregulares ocorridos na Província da Madre de Deus de Goa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 214-215V.

[257] 1788, Abril, 11, Lisboa


Rascunho de carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa acusando a recep-
ção das cartas de 18 de Fevereiro e de 12 de Março de 1787, nas quais o destina-
tário lhe participou as dúvidas levantadas pelas corporações religiosas da Índia
quando quis iniciar a sua reforma na conformidade dos Breves do Núncio ante-
rior, o Cardeal Ranuzzi, de 7 de Maio de 1784 e 3 de Março de 1785.
Obs. O teor do presente rascunho é igual ao da minuta que se encontra nos
fls. 30-31v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 216-216V, 217
E 218-218V.

[258] 1811, Janeiro, 1, Goa


Carta de [Monsenhor] Gabriel Arcanjo de Carvalho para o Núncio Apostó-
lico, Arcebispo de Nísebe, acompanhando o requerimento (e outros documentos
justificativos) para ser provido no lugar de Protonotário Apostólico.

94 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. Anotação no canto superior esquerdo do 1.º fólio, em italiano: em 21


de Maio de 1811, respondeu-se que se iria ter a sua súplica em consideração.
Entretanto pediram-se informações ao Arcebispo de Goa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 219 E 220-227V.

[259] s.d., s.l.


Resumos de cartas enviadas de Goa pelo Arcebispo daquela Diocese para o
Núncio, entre 25 de Abril e 12 de Dezembro de 1811.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 230-231V.

[260] 1818, Dezembro, 15, Goa


Carta de D. Frei Manuel de São Gualdino, Arcebispo de Goa, para o Núncio
Apostólico dos Reinos Unidos de Portugal, Brasil e Algarve, agradecendo as cartas
que o destinatário lhe enviou; e fazendo votos para que o relacionamento entre
ambos seja tão bom quanto o que tinha com o Núncio anterior, o Cardeal Caleppi.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 232-232V.

[261] 1819, Novembro, 15, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Nún-
cio Apostólico dos Reinos Unidos de Portugal, Brasil e Algarve, sobre a sentença
dada na Relação do Arcebispado de Goa contra o Vigário de Pangim, que assistiu
e deu a benção ao casamento [considerado nulo] contraído entre António Lobo
da Gama [e Francisca Coelho de Lacerda]; e historial dos conflitos entre o autor e
o referido Vigário.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 234-235V.

[262] 1819, Junho, 9, s.l.


Rascunho da nomeação do Arcebispo de Goa para a presidência de um Capí-
tulo da Província Franciscana de S. Tomé. A nomeação baseia-se no pedido insistente
(semel et iterum) dos religiosos interessados, bem como no «afamado zelo» posto
pelo Arcebispo na «extirpação da perversidade espalhada pelo Diabo naquela
região», e sublinha que a carta tem a força de Breve.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 236-236V.

[263] 1820, Julho, 13, Rio de Janeiro


Rascunho de carta do Arcebispo de Damiata e Núncio Apostólico para o
Arcebispo de Goa nomeando-o Visitador e Reformador Apostólico da Ordem dos
Teatinos, atendendo ao pedido dos mesmos Padres.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 237.

[264] 1818, Dezembro, 16, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Nún-
cio Apostólico dos Reinos Unidos de Portugal, Brasil e Algarve sobre a sentença
da Relação do Arcebispado de Goa, considerando nulo o casamento contraído

www.lusosofia.net 95
· TOMO II ORIENTE ·

entre António Lobo da Gama e Francisca Coelho de Lacerda, invocando por fun-
damento canónico o rapto de sedução e o facto de ter ficado a raptada em poder
do sedutor; e as consequências negativas que podem advir de uma decisão contrá-
ria por parte do Tribunal da Nunciatura. Informa que o pai da seduzida é um dos
primeiros fidalgos de Goa, aparentado com fidalgos da corte.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 238-240.

[265] 1825, Março, 2, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Nún-
cio Apostólico de Portugal, sobre o parecer desfavorável que transmitiu ao Papa
acerca da súplica de Frei António da Conceição («o promotor do cisma de Chim-
bel»), que pretendia que a missão de Bengala fosse entregue aos Padres Terceiros
do Carmo de Chimbel; e a recusa do autor em ordenar os regulares que não
sabem latim. Informa que as religiões em Goa não têm europeus (excepto a de
Santo Agostinho) e só querem filhos da terra que sejam mestiços, os quais não
sabem sequer ler português.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 242-243.

[266] 1826, Janeiro, 31, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Nún-
cio Apostólico de Portugal advertindo-o de que o Padre ex-Inquisidor que vai
para a Europa já se foi despedir dele.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 244.

[267] 1830, Abril, 20, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa pedindo-lhe para
aceitar o cargo de Visitador e Presidente do próximo Capítulo Provincial dos
Padres Reformados da Província da Madre de Deus.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 246-246V.

[268] 1830, Setembro, 22, Goa


Rascunho da carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa pedindo-lhe que,
uma vez que não aceita presidir aos futuros Capítulos das Províncias Francisca-
nas, queira pelo menos conceder para os ditos Capítulos dispensas dos interstí-
cios ou qualquer outra dispensa necessária.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 247-247V.

[269] s.d., s.l.


Requerimento dos Definidores e Visitadores dos Eremitas de Santo Agosti-
nho da Índia Oriental apresentado [ao Núncio] relativo ao Breve de superioridade
de lugar que o destinatário concedeu ao Padre Mestre Frei José das Dores,
Inquisidor do Santo Ofício de Goa, pelo qual ficaram os suplicantes privados do
que por direito lhes cabia segundo as precedências que as Constituições da sua
Ordem lhes dão.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FL. 248.

96 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[270] s.d. [1814], [Goa]


Cópia das propostas apresentadas pelo [Arcebispo]-Primaz [do Oriente] aos
Padres de Chimbel relativas à jurisdição do Visitador, à eleição capitular do Pre-
lado Superior e aos respectivos estatutos.
Obs. Anotação no canto superior esquerdo do 1.º fólio: recebido a 6 de Maio
de 1815.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 6-7.

[271] 1814, Fevereiro, 4, [Goa]


Carta de Frei José Leite de Macedo para o Arcebispo Primaz do Oriente, em
resposta às propostas do destinatário relativas à jurisdição do Visitador, aos esta-
tutos dos Padres de Chimbel e à eleição capitular do Prelado Superior.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 8-11V.

[272] 1814, Janeiro, 15, [Goa]


Carta de Frei Paulo de S. Tomás de Aquino para o Arcebispo Primaz do
Oriente em resposta às propostas deste, na qual aborda a questão da jurisdição do
Arcebispo sobre a sua Congregação depois de concluída a Visita anual; e a dos
votos empatados numa eleição capitular de Prelado Superior.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (2), FLS. 14-15V.

[273] 1814, Janeiro, 29, Goa


Carta do Padre Caetano Bragança [para o Arcebispo Primaz do Oriente] em
resposta às sugestões deste, relativas à Visita e aos estatutos da Congregação de
Chimbel.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 18-20V.

[274] 1813, Dezembro, 3, Malim


Carta de Frei Tomás de Noronha [para o Arcebispo Primaz do Oriente] em
resposta às considerações deste sobre a Visita à Congregação de Chimbel e à elei-
ção do respectivo Prelado Superior.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 22.

[275] 1813, Dezembro, 13, Malim


Carta de Frei Tomás de Noronha [para o Arcebispo Primaz do Oriente]
continuando a responder às propostas do destinatário a propósito da Visita à
Congregação de Chimbel e da eleição do seu Prelado Superior.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 24-26.

[276] 1815, Janeiro, 16, Goa


Certidão dos autos de justificação passada por José Francisco de Sousa,
escrivão da Ouvidoria-Geral do Cível e das Justificações, a pedido do Prior do
Convento de Chimbel, em que consta que o requerente e a sua comunidade são
«úteis ao público e não têm prestado nota alguma das suas pessoas em vício
algum».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 28-28V.

www.lusosofia.net 97
· TOMO II ORIENTE ·

[277] 1815, Janeiro, 5, Ribandar


Cópia autenticada da sentença de justificação do bom comportamento dos
Padres de Chimbel, lavrada por António Ribeiro de Carvalho.
Obs. A cópia foi feita por José Francisco de Sousa, em Goa, 16 de Janeiro de
1815.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 29-37.

[278] 1793, Março, 30, Lisboa


Cópia de carta patente do Geral da Congregação de Portugal, Frei José de
S. Caetano, elaborada por Frei José de Santa Doroteia, Secretário, para o Prior do
Convento de Chimbel e seus sucessores, concedendo-lhes as faculdades de que
dispõe em matéria de jurisdição.
Obs. A cópia foi feita por Frei Aleixo de S. José, Prior do Convento de
Chimbel, e Frei Caetano da Purificação, Secretário. Conserva o selo da Ordem
dos Carmelitas Descalços. Este documento está anexo à carta que se encon-
tra nos fls. 42-43v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 39.

[279] 1815, Janeiro, 5, Goa


Cópia autenticada do atestado da boa conduta do Prior do Convento de
Chimbel e da sua comunidade passado pelo Conde de Sarzedas.
Obs. A cópia foi feita por José Maria de Sousa e autenticada por António
Ribeiro de Carvalho, em Goa, a 7 de Janeiro de 1815.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 40-41.

[280] 1815, Janeiro, 10, Goa


Carta de Frei Aleixo de S. José, Prior, [para o Núncio] sobre a perseguição
movida pelo Arcebispo de Goa, Frei Manuel de São Gualdino, aos Padres de
Chimbel, que o autor atribui ao facto de a sua congregação ter merecido a estima
do anterior Arcebispo, D. Frei Manuel de Santa Catarina.
Obs. Em anexo remete cópia da carta patente que se encontra no fl. 39.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 42-43V.

[281] 1815, Junho, 1, Rio de Janeiro


Rascunho da carta [do Núncio] para Frei Aleixo de S. José, Prior dos Car-
melitas Descalços do Convento de Chimbel, em Goa, acusando a recepção da
carta de 17 de Janeiro último; lamentando o conflito entre o Arcebispo de Goa e a
comunidade de Chimbel em matéria de jurisdição; e dizendo que nada pode fazer
sem conhecer os estatutos da comunidade de Chimbel e a respectiva aprovação
pelo Papa Pio VI.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 44-44V.

[282] 1815, Janeiro, 17, Goa


Carta de Frei Aleixo de S. José, Prior do Convento de Chimbel, [para o
Núncio] sobre o conflito entre o Arcebispo de Goa e a comunidade de Chimbel
em matéria de jurisdição. O Arcebispo suspendeu os Padres de Chimbel de con-

98 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

fessar e pregar e suspendeu o Padre Mestre Frei António da Conceição da sua


Cadeira. No entanto, o Prior de Portugal transmitiu ao Prior de Goa toda a autori-
dade e poderes para governar como Prelado Superior. É, portanto, escusada e
incompatível a chamada superioridade do Arcebispo de Goa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 45-45V.

[283] 1816, Janeiro, 18, Goa


Carta de Frei Aleixo da Sagrada Família, Prior dos Carmelitas Descalços do
Convento de Chimbel, [para o Núncio] sobre a perseguição movida pelo Arce-
bispo de Goa, D. Frei Manuel de São Gualdino, à Congregação da Senhora do
Carmo de Chimbel com o objectivo de ser seu Prelado Superior contra os estatu-
tos daquela congregação. Apresenta os motivos pelos quais o Arcebispo de Goa
persegue a comunidade de Chimbel: porque a comunidade foi tratada com estima
e distinção pelo anterior Arcebispo, D. Frei Manuel de Santa Catarina; porque o
Arcebispo pretende estender a sua jurisdição ordinária aos religiosos de Chimbel
como se fossem clérigos seculares, bem como ao regime interno e economia do
convento. Expõe os procedimentos escandalosos que o Arcebispo teve para com a
congregação de Chimbel: descompôs, suspendeu da sua Cadeira e excomungou o
Padre Mestre Frei António da Conceição; suspendeu todos os outros religiosos de
confessar e pregar; invadiu o convento com soldados e mandou prender o supe-
rior, Frei Filipe de Santo Elias.
Obs. Remete em anexo um conjunto de documentos cujos fólios estão
numerados de 1 a 71.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 47-51V E 53-
-123V.

[284] 1816, Dezembro, 4, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para Frei Aleixo da Sagrada Família, Prior
dos Carmelitas Descalços do Convento de Chimbel, sobre o conflito entre o
Arcebispo de Goa e a Congregação de Chimbel. Em resposta às cartas de 18 de
Janeiro e 7 de Maio de 1816 afirma que, quando chegarem os documentos que
pediu, tomará uma decisão imparcial; informa que o Padre Frei António da Con-
ceição ainda não chegou [ao Rio de Janeiro] e manifesta o desejo de que ele se
volte a recolher ao convento, procurando ser absolvido da excomunhão que lhe
foi infligida [pelo Arcebispo de Goa, D. Frei Manuel de São Gualdino].
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 125-125V.

[285] s.d., s.l.


Requerimento do Vigário Capitular e dos Padres do Convento da Senhora
do Carmo de Chimbel, apresentado ao Arcebispo de Goa, para que este lhes
levante a suspensão de confessarem e de pregarem.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 128-129V.

[286] 1818, Dezembro, 18, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Nún-
cio Apostólico dos Reinos Unidos de Portugal, Brasil e Algarve sobre decisão da

www.lusosofia.net 99
· TOMO II ORIENTE ·

Congregação dos Bispos e Regulares de Roma, considerando que os Padres de


Chimbel não estão isentos da autoridade do Arcebispo de Goa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 130-131.

[287] 1819, Junho, [?], Rio de Janeiro


Rascunho de uma carta do Núncio ao Arcebispo de Goa a respeito do conten-
cioso de jurisdição com os Padres do Seminário de Chimbel. Acusa a recepção de
cartas enviadas de Goa a 18 de Dezembro do ano anterior e a 9 de Janeiro do cor-
rente, bem como uma exposição sobre a eleição capitular do Prior dos Padres de
Chimbel mandada celebrar pelo Arcebispo enquanto Delegado Apostólico, e aconse-
lha-o a reconhecer todas as prerrogativas do Prior a eleger enquanto a questão da
insenção não tiver resposta definitiva da Santa Sé. Escusa-se ainda de pronunciar o
seu juízo pessoal por temer piorar a situação no caso de discrepância com a sentença
a haver. O secretário que redige a carta acrescenta ainda um parágrafo, sugerindo ao
Arcebispo um argumento histórico a alegar a favor das suas pretensões, mas submete-
a ao juízo do Núncio em nota marginal redigida em português.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 132.

[288] 1819, Março, 26, Chimbel


Cópia de procuração passada pelo Prior do Convento da Senhora do Carmo
de Chimbel, Frei Aleixo da Sagrada Família, e outros Padres daquele convento (Frei
Caetano da Purificação, Frei Filipe de Jesus, Frei Clemente da Mãe Dolorosa, Frei
Sebastião das Angústias, Frei Marçal de Santa Teresa, Frei Francisco do Amor
Divino, Frei Aleixo de São José, Frei José das Dores, Frei José de Santa Ana,
Frei João da Cruz, Frei Manuel de Nazaré, Irmão Frei André da Madre de Deus,
Irmão Frei Inácio da Piedade, Irmão Frei Boaventura de Cristo, José Maria dos
Remédios e Francisco João Xavier Colaço) a favor do Padre Frei António da Con-
ceição e, faltando este, do Padre Frei Francisco de Santa Ana, para que tratem dos
interesses do convento junto do Príncipe Regente, do Prior-Geral dos Carmelitas
Descalços de Portugal, do Núncio e do Papa.
Obs. A cópia foi feita por José Maria de Sousa, em Goa, 29 de Novembro de
1819.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 133-134.

[289] 1819, Dezembro, 4, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Nún-
cio Apostólico dos Reinos de Portugal, Brasil e Algarve, queixando-se de que os
Padres de Chimbel continuam a não reconhecer a sua autoridade, apesar de já
saberem que não serão incorporados na Província de Portugal.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 135-136V.

[290] 1819, Dezembro, 4, Panelim


Lista enviada pelo [Arcebispo]-Primaz [do Oriente] [ao Núncio] com os
nomes dos Padres que actualmente integram a Congregação de Chimbel, cargos
exercidos, situação actual e apreciações sobre o carácter de alguns dos Padres.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 137-137V.

100 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[291] 1819, Abril, 21, Panelim


Cópia de provisão do [Arcebispo-]Primaz [do Oriente] para os Padres de
Chimbel retirando-lhes a jurisdição para ouvirem confissões.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 139-140.

[292] 1819, Janeiro, 9, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Nún-
cio Apostólico dos Reinos de Portugal, Brasil e Algarve sobre a desobediência da
Congregação de Chimbel à sua autoridade.
Obs. Em anexo remete o documento dos fls. 143-145v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 141-142.

[293] 1819, Janeiro, 8, Chimbel


Carta de Frei Aleixo da Sagrada Família, Prior, Frei Filipe de S. Elias,
Frei Vicente de Santa Ana, Frei Aleixo de São José, Frei Caetano da Purificação,
Frei José das Dores, Frei Filipe de Jesus, Frei Clemente da Mãe Dolorosa, Frei Se-
bastião das Angústias, Padre Frei José de Santa Ana, Frei Bernardo da Soledade,
Frei João da Cruz, Padre Frei Marçal de Santa Teresa, Frei Manuel de Nazaré,
Frei Francisco do Amor Divino e Frei Bento de Santa Catarina para o Arcebispo
de Goa, sobre a suspensão da eleição do novo Prior do Convento de Chimbel.
Obs. Anexo ao documento com dos fls. 141-142.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 143-145V.

[294] 1819, Janeiro, 6, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Nún-
cio Apostólico dos Reinos de Portugal, Brasil e Algarve, remetendo o seu parecer
sobre a súplica de um Padre do Bengala relativa à dispensa de jejuns e dias santos
para ser entregue ao Cardeal Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda Fide
que a solicitara; participando que consta que cinco Padres de Chimbel (entre os
quais se encontram todos os mestres) querem deixar o hábito «por não aderirem
ao cisma»; e comentando a desobediência dos restantes Padres da Congregação
de Chimbel à sua autoridade.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 147-148.

[295] 1820, Janeiro, 13, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Nún-
cio Apostólico dos Reinos de Portugal, Brasil e Algarve, sobre a persistência dos
Padres de Chimbel na desobediência à sua autoridade, contra os conselhos do
destinatário, e o descrédito dos referidos religiosos em Goa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 149-149V.

[296] 1820, Janeiro, 17, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Nún-
cio Apostólico dos Reinos de Portugal, Brasil e Algarve, sobre o descrédito dos
Padres de Chimbel em Goa e a prisão do Frei Filipe de Santo Elias pelos outros

www.lusosofia.net 101
· TOMO II ORIENTE ·

religiosos do Convento de Chimbel, por aquele ter reconhecido a autoridade do


autor, mas com o pretexto de o dito clérigo frequentar uma casa de seculares.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 150-150V.

[297] 1820, Julho, 26, Goa


Rascunho da carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa acerca da resolução
do conflito entre este e os Padres de Chimbel. Até chegar uma decisão da Santa
Sé, o Arcebispo de Goa terá jurisdição ordinária imediata sobre os Padres e o
Seminário na presidência das eleições e na Visita anual.
Obs. Nota no canto superior esquerdo, em italiano: última carta escrita ao
Arcebispo.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 151-152V.

[298] 1818, Agosto, 4, Galera Novo Paquete


Carta de Frei António Conceição [para o Núncio] sobre a «perseguição»
movida aos Padres de Chimbel pelo Arcebispo de Goa, por aqueles Padres não se
quererem submeter à sua jurisdição excepto durante Visita anual e a presidência
da eleição do Prelado (conforme consta nos estatutos).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 153-154.

[299] 1819, Janeiro, 18, Chimbel


Carta de Frei Aleixo da Sagrada Família [Prior dos Carmelitas Descalços do
Convento de Chimbel para o Núncio], na qual acusa a recepção da carta de 3 de
Dezembro de 1817 sobre o conflito entre a sua comunidade e o Arcebispo de Goa
em matéria de jurisdição. A comunidade considera-se isenta da jurisdição que o
Arcebispo de Goa quer exercer sobre ela e pede ao Núncio que tome uma
providência face às perseguições movidas por D. Frei Manuel de São Gualdino.
Obs. Remete em anexo um conjunto de documentos.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 155-159 E 161-
-165V.

[300] 1819, Junho, 4, Rio de Janeiro


Rascunho de uma carta do Núncio ao Prior dos Padres do Seminário de
Chimbel a respeito do contencioso de jurisdição com o Arcebispo de Goa. Acusa
a recepção de cartas enviadas a 18 de Janeiro e 4 de Fevereiro do corrente ano,
bem como um libelo suplicatório em que se rogava ao Núncio que isentasse os
Padres do Seminário de Chimbel da jurisdição do Arcebispo de Goa até a Santa Sé
se pronunciar definitivamente. Lamentando explicitamente a natureza do pedido,
escusa-se o Núncio, declarando que a questão depende ainda da decisão de Pio VI
e nada lhe compete entretanto decidir. Exorta por fim o prior e os seus à unidade
e à paz, bem como à obediência ao Arcebispo.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 170.

[301] 1819, Setembro, 4, Roma


Carta do Cardeal Carafa, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, ao Arcebispo de Goa, a respeito do contencioso de jurisdição com os Padres
do Seminário de Chimbel. Comunica o parecer do plenário da Congregação, reu-

102 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

nida a 22 de Agosto do corrente ano, segundo o qual não são de atribuir ao actual
Arcebispo e aos seus sucessores todas as prerrogativas do seu antecessor a respeito
do Seminário, por de algumas delas gozar a título pessoal (havendo ele mesmo sido
Carmelita antes de ser elevado ao episcopado e desempenhado funções de Delegado
do geral da sua Ordem). Ordena porém que se observem as regras e constituições
deixadas pelo anterior Arcebispo e confirmadas por Breve de Pio VI, sem atender a
qualquer privilégio ou isenção, confiando à consciência do destinatário o modo de
proceder quanto às penas canónicas em que incorreram entretanto os Terceiros
Carmelitas por haver recorrido ao poder civil.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 171-171V.

[302] 1819, Fevereiro, 4, Chimbel


Carta de Frei Aleixo da Sagrada Família [Prior dos Carmelitas Descalços do
Convento de Chimbel para o Núncio], sobre a perseguição movida aos Padres de
Chimbel pelo Arcebispo de Goa e a obediência à Província dos Carmelitas Descal-
ços de Portugal, protestada aquando da publicação dos estatutos da Congregação de
Chimbel.
Obs. Remete cópia da obediência professada pela comunidade de Chimbel à
Província de Portugal.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 172-172V.

[303] 1819, Fevereiro, 2, [Chimbel]


Cópia feita por Frei Caetano da Purificação, Secretário, do assento (de 14 de
Outubro de 1792) e declaração que se fez aquando da publicação da Bula, pela
qual foram confirmados os estatutos de 3.º Ordem Claustral dos Descalços de
Nossa Senhora do Carmo da Reforma de Santa Teresa. Na declaração consta que
«esta nova Congregação, ainda que sujeita aos ordinários de Goa, é em tudo
sujeita à Congregação de Portugal».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 175.

[304] 1819, Fevereiro, 1, Goa


Instrumento dado e assinado em pública-forma do assento da Bula de confir-
mação dos estatutos da Congregação de Chimbel, de 14 de Outubro de 1790.
Documento feito no escritório de José Maria de Sousa, tabelião-geral de notas.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 177.

[305] 1820, Julho, 28, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para o Prior da Congregação de Nossa
Senhora do Carmo de Chimbel, sobre as providências tomadas por si a propósito
do conflito entre aquela Congregação e o Arcebispo de Goa.
Obs. O teor desta carta é igual ao do documento de 32 (3), fls. 151-152v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 179-179V.

[306] 1819, Dezembro, 19, Goa


Carta de Frei Vicente de Santa Ana [para o Núncio] sobre o desrespeito dos
Padres de Chimbel para com um ofício do destinatário relativo à sujeição da

www.lusosofia.net 103
· TOMO II ORIENTE ·

Congregação de Chimbel à autoridade do Arcebispo de Goa na eleição do Prior, e


pela declaração do Arcebispo de Goa segundo a qual o Convento não estava
unido à Congregação de Portugal nem sujeito ao seu Prior-Geral; e o estado do
Convento de Nossa Senhora do Carmo. Denuncia irregularidades nas eleições e a
prisão do Padre Frei Filipe de Santo Elias, que tinha reclamado junto do Arce-
bispo de Goa a inabilidade dos outros três Definidores eleitos (Frei Aleixo de São
José, Frei José das Dores e Frei Clemente da Mãe Dolorosa).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 180-185.

[307] 1819, Janeiro, 6, Panelim


Cópia de provisão de Frei Manuel de São Gualdino, Arcebispo de Goa, diri-
gida ao Prior e aos Padres Terceiros do Carmo de Chimbel a propósito do cisma
que resultaria da eleição que aqueles Padres pretendiam fazer do novo Prior, sem
antes o reconhecerem [a ele Arcebispo] como seu legítimo Prelado Superior e
sabendo que não pertenciam à Província de Portugal. Manda que não se proceda
à eleição e se mantenha o actual Prior, até que chegue oficialmente a decisão da
Santa Sé ou até que o Núncio determine nova eleição.
Obs. A cópia foi efectuada por Francisco da Costa, oficial maior da Câmara
Pontifícia, a 1819, Janeiro, 8.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 186-186V.

[308] 1819, Janeiro, 6, s.l.


Ordem do Arcebispo Primaz para que a sua provisão [vd. supra] seja entre-
gue ao Prior do Convento de Chimbel e lida perante toda a comunidade; e ates-
tado do Prior, Frei Aleixo da Sagrada Família, em como a providência foi lida
perante toda a comunidade, autenticado por Manuel Gomes, escrivão.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 188-188V.

[309] 1819, Dezembro, 26, Goa


Carta de Frei Bento de Santa Catarina [para o Núncio] sobre o estado de
descrédito e inobservância do Convento de Nossa Senhora do Carmo de Chimbel
e a necessidade de o respectivo governo ser entregue ao Arcebispo de Goa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 190-193.

[310] 1820, Janeiro, 19, Chimbel


Carta de Frei Aleixo da Sagrada Família [para o Núncio] referindo-se ao
estado «miserável» da sua Congregação de Nossa Senhora do Carmo, perseguida
pelo Arcebispo de Goa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 194.

[311] 1819, Junho, 4, s.l.


Rascunho de uma carta do Núncio ao Arcebispo de Goa. Nela se responde
ao pedido dos Padres Carmelitas de Chimbel, Frei Mariano de Jesus Maria e José,
Frei Lourenço de Santa Maria, Frei Clemente de Nossa Senhora das Dores e
Frei Bernardo da Soledade, de conservar o hábito religioso fora do convento, re-
metendo o assunto para a decisão do Arcebispo.

104 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. Documento em latim.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 196.

[312] s.d., s.l.


Requerimento de Frei Paulo do Espírito Santo, Procurador do Convento de
Nossa Senhora do Carmo de Chimbel, dirigido [ao Núncio], solicitando a redu-
ção dos encargos de missas em face da decadência das rendas dos prédios que o
convento tem em diversas partes das ilhas e Províncias de Salsete e Bardês.
Obs. Remete um conjunto de documentos em anexo, cujos fólios estão nume-
rados de 1 a 9.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 197-207V.

[313] s.d., s.l.


Requerimento do Prior do Convento da Senhora do Carmo de Chimbel,
Frei Aleixo da Sagrada Família, [para o Núncio], suplicando-lhe que determine
que a Congregação de Chimbel continue sob o seu governo e na observância dos
estatutos e que o Arcebispo de Goa, D. Frei Manuel de São Gualdino, não se intro-
meta no seu governo.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FL. 209-209V.

[314] 1820, Janeiro, 12, Chimbel


Carta de Frei Aleixo da Sagrada Família [para o Núncio] acusando a recep-
ção da carta de 10 de Junho de 1819, na qual o Núncio o exortava a sujeitar-se à
jurisdição do Arcebispo de Goa até chegar uma resolução definitiva da Santa Sé;
referindo-se à perseguição movida pelo Ordinário Diocesano de Goa à Congrega-
ção de Nossa Senhora do Carmo de Chimbel, e ao plano desta comunidade de se
submeter à Província de Portugal.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 211-212V.

[315] 1820, Janeiro, 18, s.l.


Carta do Padre Frei José de Santa Ana [para o Núncio] sobre o estado da
Congregação de Nossa Senhora do Carmo de Chimbel, conflitos internos (que
opõem os partidários da sujeição ao Arcebispo de Goa aos partidários da sujeição
à Província de Portugal) e desrespeito para com um ofício do destinatário ins-
tando a que a comunidade se submetesse à jurisdição do Ordinário Diocesano de
Goa até chegar uma decisão definitiva da Santa Sé.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 213-214V.

[316] 1820, Julho, 30, [Chimbel]


Carta de Frei Inocêncio das Neves Portugal [para o Núncio], dando-lhe o
seu parecer sobre o modo de resolver o conflito entre a Congregação de Nossa
Senhora do Carmo de Chimbel e o Arcebispo de Goa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (3), FLS. 215-220V.

[317] 1785, Janeiro, 29, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Arcebispo de Tiro, Núncio
Apostólico no Reino de Portugal e seus domínios, na qual acusa a recepção das

www.lusosofia.net 105
· TOMO II ORIENTE ·

fórmulas da Profissão de Fé e juramento de fidelidade que devia fazer, bem como as


que o Bispo de Meliapor, o Bispo de Cochim e o Bispo de Pentacómia, Prelado de
Moçambique, deviam prestar nas suas mãos; só envia as suas fórmulas de Profissão
de Fé e as do Bispo de Cochim, porque o Bispo de Meliapor entretanto faleceu e o
Bispo de Pentacómia ainda não foi a Goa por não ter sido avisado pela Secretaria.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 4-4V.

[318] 1806, Julho, 5, Lisboa


Rascunho da carta [do Núncio para o Bispo de Meliapor] concedendo-lhe a
prorrogação da dispensa de residência anteriormente solicitada.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 5.

[319] 1805, Dezembro, 4, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para o Padre Urbano de Bastia, Prefeito da
Missão do Rio de Janeiro, recomendando-lhe o Padre Felisberto de Bene que,
tendo sido destinado à missão de Madrasta, a abandonou por motivos de saúde,
passando à missão do Rio de Janeiro.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 6-6V.

[320] 1818, Novembro, 23, Cochim


Cópia da carta de Frei Tomás de Noronha para o Arcebispo de Damiata e
Núncio Apostólico pedindo-lhe que sejam enviados para a Costa da Pescaria pelo
menos dois Padres Jesuítas, onde fazem muita falta. Recomenda que vão munidos
de amplas faculdades e vestidos com o hábito branco.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 7-7V.

[321] s.d., s.l.


Requerimento de Frei Tomás de Noronha, Bispo eleito de Cochim, dirigido
[ao Núncio], suplicando dispensa da obrigação de rezar as horas canónicas e a
missa conforme o rito da sua Diocese, visto não haver ali Cabido ou Colegiada.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 11.

[322] 1818, Dezembro, 9, Cochim


Carta de Frei Tomás de Noronha, Governador e Bispo eleito de Cochim,
para o Núncio Apostólico, sobre problemas entre o autor e os seus confrades
Dominicanos [resultantes de ter sido nomeado Bispo e ter continuado a exercer o
cargo de Prior da sua Congregação Dominicana, porque considerava que só devia
deixar aquele cargo depois de ter sido confirmado Bispo pelo Papa]; e questões
relativas ao seu processo canónico (envio de documentos).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FLS. 14-15.

[323] 1819, 5.ª Nona de Junho, Rio de Janeiro


Rascunho da carta do Núncio ao Bispo eleito de Cochim. Responde a duas
cartas do ano anterior, uma a respeito de uma questão surgida com os Dominica-
nos da Diocese e outra sobre os novos Jesuítas a enviar àquela região com o

106 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

pedido anexo de erigir uma Diocese em Ceilão, dando conta das diligências efec-
tuadas junto da Santa Sé e escusando-se de não ter agido junto dos ministros de
el-Rei, por tal lhe parecer precoce.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 16-16V.

[324] 1820, Julho, Lisboa


Rascunho da carta [do Núncio] para o Bispo de Cochim, agradecendo-lhe o
zelo com que defende a religião na sua Diocese.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 17.

[325] 1817, Setembro, 6, Panelim


Requerimento (s.d., s.l.) do Bispo eleito de Cochim, pedindo ao Arcebispo
de Goa que mande transcrever um termo de 3 de Novembro de 1775 do livro dos
assentos do Conselho da Congregação Dominicana da Índia, referente à abertura
das vias de sucessão, por ter terminado o quadrénio do Vigário Geral, o Inquisi-
dor Frei Manuel de S. Tomás, e ainda não ter chegado nova patente do Provincial
de Portugal, a quem a Congregação estava sujeita. Seguido de cópia do referido
termo, selada e assinada pelo Arcebispo Primaz do Oriente.
Obs. Conserva o selo de armas do Arcebispo Primaz do Oriente. Anotação
no canto superior esquerdo em italiano: documentos sobre o processo do
Bispo de Cochim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 19-19V.

[326] 1818, Dezembro, 23, Goa


Cópia do termo de Profissão de Fé de Frei Tomás de Aquino e Noronha no
Convento de S. Domingos, a 21 de Abril de 1787, passada por Frei Manuel de
Sousa, Mestre de estudos e Mestre de noviços. Antecedida do respectivo requeri-
mento do Padre Querubim Furtado, procurador do Padre Mestre Frei Tomás de
Noronha, e de despacho favorável do Vigário Geral (de 22 de Dezembro de 1818).
Obs. Anotação no canto superior esquerdo em italiano: documentos sobre o
Bispo de Cochim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 21-21V.

[327] 1808, Janeiro, 27, [Lisboa]


Rascunho de carta do Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico para o Dou-
tor Provisor, pedindo-lhe que guarde três caixas, até nova ordem, que lhe serão
entregues pelo Conde de Gestas e recomendando-lhe o referido Conde, assim
como três Padres, Missionários Apostólicos, Halnat, Segni e Joaquim de Vernante.
Obs. O canto superior direito do documento está rasgado. Sobre Halnat,
vide supra, Documento nº 124.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 25.

[328] 1809, Novembro, 3, Lisboa


Carta do Bispo de Malaca [para o Núncio], acusando a recepção da carta de
4 de Maio último; explicando que ainda não partiu para a sua Diocese porque,

www.lusosofia.net 107
· TOMO II ORIENTE ·

durante a invasão francesa, era impossível arranjar transporte e, depois disso,


ainda não surgiu nenhuma oportunidade.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 26-26V.

[329] 1811, Outubro, 22, Poço do Bispo


Carta do Bispo de Malaca para o Núncio Apostólico narrando as diligências
que fez para conseguir embarcar para a sua Diocese; explicando que não pôde
cumprir a ordem régia de se recolher ao seu bispado porque, destituído de bens
patrimoniais, não tem forma de pagar as despesas da viagem e a Real Junta da
Fazenda da Marinha não lhe pagava a côngrua desde 1808, nem providenciou
qualquer transporte.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FLS. 27-28.

[330] 1812, Abril, 19, Poço do Bispo


Carta do Bispo de Malaca para o Núncio Apostólico, referindo que as
diligências para partir para a sua Diocese não têm afrouxado, mas que a viagem
não depende de si, como lhe poderá confirmar o portador da presente missiva, o
Padre Frei Pantaleão dos Mártires.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 29.

[331] 1817, Junho, 14, Macau


Instrumento de treslado em pública-forma do requerimento de Frei Paulo de
S. Tomás de Aquino dirigido ao Arcebispo de Goa, Frei Manuel de São Gualdino,
e da portaria deste, atestando a boa conduta do suplicante e a prorrogação da
licença para se ausentar de Goa e residir «num país mais temperado».
Obs. Anexo ao documento dos fls. 36-37.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FLS. 34-35V.

[332] 1817, Novembro, 7, Macau


Carta de Frei Paulo de S. Tomás de Aquino para o Cardeal Caleppi, Núncio
no Reino de Portugal, Brasil e Algarve, informando-o de que foi nomeado por Sua
Majestade Arcebispo de Cranganor, pedindo a protecção do destinatário para a
sua Diocese, referindo-se ao bom conceito que os Arcebispos de Goa, Frei Manuel
de Santa Catarina e Frei Manuel de São Gualdino faziam da sua pessoa, e quei-
xando-se do mau feitio do Bispo de Macau.
Obs. Remete em anexo o documento dos fls. 34-35v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FLS. 36-37.

[333] 1825, Julho, 9, Lisboa


Rascunho da Profissão de Fé enviada ao Papa por Frei José Joaquim da
Imaculada Conceição, por apresentação régia Arcebispo de Cranganor, com ine-
rente pedido de confirmação apostólica.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 38-38V.

108 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[334] 1806, Abril, 26, Lisboa


Cópia autenticada de atestado passado pelos cirurgiões aprovados na Corte
de Lisboa, José Joaquim Moreira Loureiro, José António de Lima e João José
Durão, sobre o estado de saúde do Bispo de Meliapor e o tratamento necessário.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 41-41V.

[335] 1805, Junho, 20, Lisboa


Cópia autenticada de atestado passado a respeito da moléstia do Bispo de
Meliapor pelos cirurgiões assistentes, José Joaquim Ribeiro e Joaquim Romeiro,
sopesando o seu estado de saúde e as consequências negativas de uma longa via-
gem para um país «incompatível com a constituição do enfermo».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FLS. 42-43.

[336] 1805, Novembro, 9, Almada


Cópia autenticada de atestado passado pelo cirurgião da Armada Real da
Marinha, no qual certifica que trata há três anos o Bispo de Meliapor de umas
chagas nas pernas, que o impossibilitam de habitar em regiões quentes e húmidas
e de prosseguir viagem para a sua Diocese.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 44-44V.

[337] 1806, Abril, 26, Lisboa [do original]


Cópia autenticada de atestado passado por José Joaquim Ribeiro, aprovado
em Cirurgia e Anatomia pela Real Junta do Proto-Medicato, no qual certifica que
assiste o Bispo de Meliapor há mais de um ano para curativo das úlceras crónicas
que tem nas pernas, e que esta doença o impede de viajar por mar e de viver em
climas quentes.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FLS. 45-46.

[338] 1806, Maio, 8, Lisboa


Cópia autenticada de atestado passado por Luís José de Figueiredo e Sousa,
lente jubilado em medicina na Universidade de Coimbra e primeiro médico do
Hospital de S. José, em Lisboa, sobre a causa das chagas crónicas nas pernas do
Bispo de Meliapor, que o impossibilitam de viajar por mar. O atestado foi reconhe-
cido a 13 de Janeiro de 1806.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 47-47V.

[339] 1805, Março, 15, [Roma]


Cópia de parágrafo de carta da Sagrada Congregação de Propaganda Fide
[para o Núncio] sobre o pedido do Bispo de Meliapor para adiar por um ano a sua
partida para a respectiva Diocese.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 48.

[340] 1805, Novembro, 27, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para o Bispo de S. Tomé de Meliapor sobre a
carta pastoral do destinatário e sobre o seu estado de saúde.

www.lusosofia.net 109
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Documento em italiano.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 49-49V.

[341] 1807, Junho, 2, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para o Bispo de Meliapor, remetendo-lhe a
resposta do Papa à súplica [não especificada] referente ao Padre Frei Antonio José
de Cosseine, Capuchinho.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 51.

[342] 1814, Junho, 11, Macau


Carta de D. Francisco, Bispo eleito de Meliapor, [para o Núncio], remetendo
o nome do Comissário dos Padres da Propaganda Fide de Madrasta, Frei João
Fideliz; referindo-se à desobediência dos mesmos Padres, que não querem sujeitar
as suas autoridades apostólicas ao Vigário Geral de Meliapor, Frei José da Graça.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 52.

[343] 1810, Agosto, 22, Rio de Janeiro


Cópia de carta do Conde de Galveias [para o Núncio], comunicando-lhe que
Sua Alteza Real concedeu autorização ao Bispo de Meliapor para se demorar em
Lisboa por motivos de saúde.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 54.

[344] 1810, Agosto, 28, s.d., s.l.


Rascunho de carta do Núncio para o Bispo de Meliapor, acusando a recepção
da carta de 27 de Abril; e enviando cópia de carta do Conde de Galveias comuni-
cando-lhe a autorização régia para o destinatário se demorar em Lisboa.
Obs. Remete em anexo cópia da carta que o Conde das Galveias lhe enviou
(vd. 32(4), fl. 54).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 55.

[345] 1807, Agosto, 31, Lisboa [da cópia]


Cópia autenticada de requerimento, despacho e certidão relativos à dispensa
de residência alcançada da Santa Sé pelo Bispo de Meliapor.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 56.

[346] 1810, Abril, 27, Lisboa


Carta do Bispo de Meliapor para o Arcebispo de Nísibe, acusando a recepção
da carta de 1 de Julho de 1809; referindo que continua impossibilitado, por motivos
de saúde, de se dirigir para a sua Diocese; lembrando a dispensa de residência que o
Papa lhe concedeu; dando conta dos progressos da religião católica na sua Diocese
e de outras informações sobre a mesma que lhe chegaram através de Londres.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FLS. 57-58.

[347] 1813, Dezembro, 14, Macau


Carta do Padre Joaquim Gonçalves Afonso, da Congregação da Missão, para o
Secretário da Legacia Apostólica no Rio de Janeiro, sobre o conflito entre os religiosos

110 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Capuchinhos de Madrasta e o Governador do bispado de S. Tomé de Meliapor. O


governo protestante interveio e determinou que o Bispo de São Tomé [de Meliapor]
não tem direito de nomear ou depor o Superior dos Capuchinhos em Madrasta, nem
a pessoa nomeada para este cargo pelo Prefeito tem direito de exercer actos paro-
quiais na Diocese de São Tomé sem obter patente do Bispo para esse fim.
Nota: O Padre Joaquim Gonçalves Afonso, CM, é autor de um célebre
diccionário de Latim-Chinês, feito tanto mais notável quanto viveu num
tempo em que era proibido ensinar chinês aos estrangeiros.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FLS. 59-59V E 60V.

[348] s.d., s.l.


Carta do Bispo de Meliapor para o Arcebispo de Nísibe, pedindo-lhe que
transmita ao Papa a sua súplica de dispensa de residência por motivos de saúde,
enquanto durar o seu impedimento de saúde.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 61.

[349] 1818, Dezembro, 16, Goa


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Arcebispo de Goa, para o Nún-
cio Apostólico dos Reinos Unidos de Portugal, Brasil e Algarve, acusando a recep-
ção dos exemplares da Profissão de Fé que os nomeados por Sua Majestade para
Arcebispo de Cranganor e para Bispo de Cochim deviam fazer nas suas mãos;
remetendo a Profissão de Fé e o processo do Bispo eleito de Cochim, e advertindo
que o Arcebispo eleito de Cranganor está em Macau; participando que nomeou o
Bispo eleito de Cochim para Governador episcopal daquela Diocese.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FLS. 65-66V.

[350] 1784, Outubro, 18, Goa


Carta do Arcebispo eleito de Goa para o Arcebispo de Tiro e Núncio Apostó-
lico, avisando que o Padre Frei Filipe de Todos os Santos viaja para Lisboa e acu-
sando a recepção das fórmulas para os eleitos Arcebispo de Cranganor e Bispo de
Cochim fazerem Profissão de Fé nas suas mãos.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 69-69V.

[351] 1779, Outubro, 29, Bombaim


Carta de António Pinto da Glória, estudante da Propaganda Fide, [para o
Núncio] informando que chegou a Bombaim no dia 12 depois de uma difícil via-
gem, e que começou «a trabalhar na vinha do Senhor».
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 70.

[352] 1778, Setembro, 28, Belém, a bordo do navio La Stella del Mare
Carta de António Pinto da Glória, aluno da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, [para o Núncio] informando-o de que o navio em que viajava de Génova para
Lisboa está de quarentena, e pedindo-lhe ajuda para conseguir sair, uma vez que o
seu destino final é Bombaim e que o navio para a Índia partirá em breve.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 71-71V.

www.lusosofia.net 111
· TOMO II ORIENTE ·

[353] 1780, Abril, 29, Génova


Carta de Frei João de Santa Margarida, Carmelita Descalço, Bispo eleito de
Claudiópolis, [para o Núncio] sobre os entraves levantados pela corte portuguesa
ao embarque, em navios com a sua bandeira, de missionários destinados pela
Sagrada Congregação de Propaganda Fide à missão do Malabar.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 74.

[354] 1781, Março, 8, Lisboa


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre Paulino de S. Bartolomeu, Car-
melita Descalço, Missionário Apostólico no Malabar, acusando a recepção de duas
cartas, datadas de 14 de Dezembro de 1778 e de 28 de Fevereiro de 1779, sobre o
envio de duas caixas de livros em língua malabar; as notícias recebidas acerca do
Padre Cariati e do Bispo cismático Mar Thomas [VI]. Diz que já mandou entregar
ao Hospício de S. João Nemopuceno a carta do destinatário.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 76.

[355] 1785, Março, 29, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre Paulino de S. Bartolomeu, Car-
melita Descalço e Missionário Apostólico no Malabar, acusando a recepção de
uma carta do destinatário de 26 de Janeiro, referindo as desordens verificadas no
Malabar e uma proposta de possível resolução dos problemas.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 77-77V.

[356] 1785, Dezembro, 3, Lisboa


Certidão passada pelo Secretário da Nunciatura, Juliano Cataldi, na qual
certifica que Jacinto Fernandes Bandeira pagou ao Cardeal Ranuzzi, Núncio
Apostólico em Portugal, duzentos mil réis por ordem do Arcebispo de Goa, que
recebeu seiscentas rupias pertencentes ao Padre Frei Filipe de Todos os Santos,
missionário Carmelita Descalço, falecido na viagem para Portugal.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 78.

[357] 1803, Outubro, 23, Chandernagor


Carta de Frei Juliano de Roma, Capuchinho, para Monsenhor Caleppi, Nún-
cio Apostólico em Portugal, sobre um altar portátil para ser utlizado na missão; a
guerra entre a armada inglesa e a de Madrasta.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 79-79V.

[358] 1803, Outubro, 9, Chandernagor


Carta de Frei Juliano de Roma, Capuchinho, [para o Núncio] sobre a imi-
nência de guerra e a situação da igreja católica em Chandernagor.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 81.

112 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[359] 1803, Agosto, 6, Madrasta


Carta do Padre Bento de Monte Rotondo, Prefeito Apostólico da Missão de
Madrasta, para o Núncio Apostólico em Portugal, sobre a necessidade de missioná-
rios da Propaganda Fide na missão de Madrasta; a conduta do Administrador epis-
copal, Padre José da Piedade, Agostinho, que despreza as ordens da Sagrada Con-
gregação de Propaganda Fide e vexa publicamente os seus missionários, dizendo
que «todos os propagandistas são ladrões que vêm furtar o pão dos portugueses,
nós somos na nossa casa, aqui a Propaganda não tem de fazer nada»; e a chegada
a Madrasta dos Padres Eustáquio e Juliano [Romano].
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 83-83V.

[360] 1804, Dezembro, 28, Darná


Carta do Padre Rafael de Bene, missionário Capuchinho do Tibete, [para o Nún-
cio] sobre a necessidade de mais missionários e apoio financeiro naquela missão.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FLS. 85 E 86V.

[361] 1804, Março, 28, Macau


Carta de Frei Joaquim, Menor Observante [para o Núncio], informando que
a caixa dos missais se encontra na sua posse.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 87.

[362] 1806, Setembro, 27, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para Frei Rafael Cicala, Padre da Congrega-
ção da Missão e Secretário do Vigário Apostólico do Mogol em Bombaim, infor-
mando-o de que já enviou para Roma as cartas do destinatário e rementendo-lhe
certo livrinho pelo Padre Júlio César de Caravaggio, Capuchinho destinado à
missão do Hindustão.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 89.

[363] 1805, Dezembro, 2, Bombaim


Carta de Frei Rafael Cicala, Padre da Congregação da Missão e Secretário do
Vigário Apostólico do Mogol, para Monsenhor Caleppi, Núncio Apostólico em
Portugal, enviando correspondência destinada a Roma (através do navio portu-
guês Rosália) e dizendo que aguarda certo livrinho.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 90.

[364] 1806, Setembro, 27, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para Manuel António da Rocha, Cônsul de
Sua Majestade Fidelíssima em Calcutá, acusando a recepção da carta de 3 de
Fevereiro e dizendo que não deixará de recomendar José Joaquim Mendes, amigo
do destinatário, ao Visconde da Anadia.

www.lusosofia.net 113
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Documento em italiano.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 92-92V.

[365] s.d., s.l.


Representação de Matias Lopes Fernandes, dirigida ao Núncio Apostólico de
Portugal, relativa ao testamento deixado por Francisco Lopes Higino, filho do
suplicante, nas mãos dos missionários romanos da Sagrada Congregação de Pro-
paganda Fide no Pegu.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 93.

[366] 1806, Abril, 26, Funchal


Carta de Frei António de Rodi, Capuchinho, Missionário Apostólico no
Tibete, [para o Núncio] dando notícias sobre a viagem entre Lisboa e o Funchal,
o acolhimento que lhe foi dispensado pelo Bispo do Funchal e a sua estadia
naquela ilha.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 94.

[367] 1806, Novembro, 17, Bettiah


Carta de Frei Romualdo para Frei Rafael de Bene, Superior e Procurador da
Missão do Tibete e Grão-Mogol, em Chandernagor, sobre o seu possível regresso
a Portugal antes de a missão acabar; a chegada à Missão do Padre Marcelino [de
Ravena].
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FLS. 96 E 97V.

[368] 1806, Dezembro, 15, Bettiah


Carta de Frei Romualdo para Frei Rafael de Bene, Superior e Procurador da
Missão do Tibete, em Chandernagor, sobre a situação da Missão do Tibete e a
próxima chegada de um Delegado do Papa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FLS. 98 E 99V.

[369] 1807, Fevereiro, 6, Bettiah


Carta de Frei Romualdo para Frei Rafael de Bene, Superior e Procurador da
Missão do Tibete, em Chandernagor, sobre a situação daquela Missão; as dificul-
dades com o Bispo; e a próxima chegada do Visitador Apostólico.
Obs. Documento em italiano e latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FLS. 100-100V E 101V.

[370] 1806, Setembro, 3, Bhagalpur


Carta de Frei Marcelino de Ravena, Capuchinho, para Monsenhor Lourenço
Caleppi, Núncio Apostólico em Portugal, dando-lhe conta da sua viagem até à
Missão de Bhagalpur; remetendo correspondência; e informando-o sobre o conflito
na Missão do Tibete entre o Prefeito, Juliano de Roma, e Rafael de Bene, Superior
e Procurador da mesma Missão.

114 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. Documento em italiano. Com selo de lacre.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FLS. 102 E 103V.

[371] 1812, Outubro, 29, Rio de Janeiro


Minuta de carta [do Núncio] para [o Padre] Manuel Conforti, sobre a perse-
guição aos cristãos no império da China, a falta de Padres na missão de Pequim, o
trabalho missionário e de instrução de jovens eclesiásticos no novo seminário
estabelecido em Macau pelo Bispo de Pequim e no novo colégio geral de Pulo Pi-
nang [Pulau Pinang]; o acolhimento com que o senhor Olivier o recebeu, a ele e
ao Padre Frei Adeodato de Santo Agostinho, à chegada ao colégio de Pinang.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 104-104V.

[372] 1806, Dezembro, 10, Bettiah


Carta de Frei Marcelino de Ravena para Frei Rafael de Bene, Superior e
Procurador da Missão do Tibete, em Chandernagor, sobre o Padre Ângelo de
Caraglio e a sua tentativa de criar desordens na missão de Bhagalpur.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FLS. 106-107V.

[373] 1813, Abril, 26, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para o Padre Reginaldo, Missionário Apos-
tólico em Pulo Pinang [Pulau Pinang], remetendo cópia da carta que escreveu a
Monsenhor João Luís Florens [das Missões Estrangeiras de Paris Vigário Apostólico
de Sião], a 10 de Novembro de 1812, sobre o Colégio de Pinang, caro à Sagrada
Congregação de Propaganda Fide e necessário à manutenção das missões; exor-
tando-o a contribuir para a conservação e prosperidade do referido colégio e a
proteger os eclesiásticos empregados naquela obra, principalmente o Padre Leton-
dal, que foi o seu fundador.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 108-108V.

[374] 1807, Dezembro, 23, Bhagalpur


Carta de Frei Marcelino de Ravena para Rafael de Bene, informando-o de que
tenciona deixar a missão de Bhagalpur e regressar a Bettiah por causa das controvér-
sias com o Prefeito, que o privou das faculdades de Missionário Apostólico.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 109-109V.

[375] 1815, Janeiro, 3, Madrasta


Carta do Padre [João] Fidel [de Cúneo], missionário Capuchinho em
Madrasta, [para o Núncio] dizendo que ainda não escreveu a relação sobre o
estado da Missão por falta de tempo; garantindo que as notícias que têm chegado
ao destinatário não são verdadeiras e remetendo uma carta do Prefeito.
Obs. Documento em italiano. O documento não está completo.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 110.

www.lusosofia.net 115
· TOMO II ORIENTE ·

[376] s.d., s.l.


Rascunho de carta do [Núncio?], sobre a organização da Missão de Madrasta;
as faculdades dos Padres missionários e a sua administração dos bens.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 113.

[377] 1812, Janeiro, 30, Bombaim


Carta do Padre Rafael Cicala, Padre da Missão de S. Vicente de Paulo e Secre-
tário do Vigário Apostólico do Mogol, [para o Núncio] remetendo correspondência
para Roma; agradecendo o livrinho que o destinatário lhe enviou em 1806 e
pedindo outro e alguns exemplares dos últimos Breves de Pio VII.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 115-115V.

[378] 1814, Março, 9, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre Rafaele Cicala, acusando a recep-
ção da carta de 30 de Janeiro juntamente com outra do Patriarca de Constantinopla;
informando que, desde a invasão de Roma pelos franceses que não recebe o livro
pretendido, mas que espera receber de Inglaterra alguns exemplares.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 117.

[379] 1814, Dezembro, 6, Calcutá


Carta de Isabel Gracia para o Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico, na
qual pede privilégio para o altar-mor da nova igreja de Nossa Senhora das Dores
[em Calcutá] e indulgência plenária para o dia da festa da padroeira.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 118.

[380] 1816, Janeiro, [3], s.l.


Extracto de uma carta enviada [pela Nunciatura] à Sagrada Congregação de
Propaganda Fide sobre os pedidos feitos pelo Prefeito de Madrasta, Frei João Bap-
tista, relativos à ampliação da faculdade de delegação em todos os seus missioná-
rios Capuchinhos e à admissão de novos missionários.
Obs. Documento em português e italiano. Ver documento seguinte.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 120.

[381] 1816, Janeiro, 15, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para Frei João Baptista, Prefeito Apostólico da
Missão de Madrasta, informando-o de que remeteu à Sagrada Congregação de Propa-
ganda Fide a carta que o destinatário lhe tinha escrito a 3 de Janeiro do ano anterior.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 121.

[382] 1807, 8 Calendas de Abril, s.l.


Rascunho de uma carta do Núncio, redigida para dar conhecimento de uma
outra da Congregação de Propaganda Fide dirigida aos Bispos e Vigários Apostóli-
cos do Oriente.

116 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. Documento em latim.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 122.

[383] s.d., s.l.


Carta de Frei Paulino de S. Bartolomeu, Carmelita, ao Núncio, congratulando-
-se por uma licença que alcançara, de permanecer em determinado hospital até
nova ordem.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 124.

[384] 1780, Agosto, 1, Lisboa


Carta do Padre José Alexandre Roverizzi, Barnabita, Missionário Apostólico des-
tinado pela Sagrada Congregação de Propaganda Fide aos Reinos de Ava e Pegu, [para
o Núncio] pedindo-lhe que lhe arranje alojamento em Lisboa enquanto aguarda o
embarque para a Índia.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 125.

[385] 1816, Novembro, 4, Bandel de Bengala [Hugli]


Carta de Frei Francisco dos Prazeres [para o Núncio], sobre o pedido de
dispensa do impedimento matrimonial apresentado por João Valente, natural e
morador de Calcutá.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 127-127V.

[386] s.d., s.l.


Representação do Presidente e Irmãos da Mesa da [Confraria de Nossa Senhora
do Monte do Carmo,] da freguesia de Nossa Senhora do Rosário de Calcutá, diri-
gida [ao Núncio], a respeito da transferência da festa da sua padroeira para o mês
de Dezembro.
Obs. Anotação no canto superior esquerdo em italiano: «mandado em latim
à Sagrada Congregação de Propaganda em 23 de Janeiro de 1816.»
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 129.

[387] s.d., s.l.


Representação da Mesa da Confraria de Nossa Senhora do Monte do Carmo,
da freguesia de Nossa Senhora do Rosário de Calcutá, dirigida [ao Núncio], a
respeito da transferência da festa da sua padroeira para o domingo que se segue
ao 16 de Julho (que calha em dia de trabalho).
Obs. Anotação no canto superior esquerdo em italiano: «mandado em latim
à Sagrada Congregação de Propaganda em 23 de Janeiro de 1816.»
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 131.

[388] s.d., s.l.


Requerimento de Frei Luís de Santa Rita, Agostinho Calçado e Vigário da
igreja de Calcutá, [para o Núncio] a respeito da transferência da festa de Nossa

www.lusosofia.net 117
· TOMO II ORIENTE ·

Senhora do Monte do Carmo para o Domingo que se segue ao dia 16 de Julho


(que calha em dia de trabalho).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 32 (4), FL. 133.

[389] 1804, Janeiro, 10, Macau


Carta de D. Frei Manuel [de São Gualdino], Bispo de Macau, para
D. Alexandre de Sousa, pedindo-lhe que apresente ao Papa o requerimento que
junto envia e lhe transmita a resposta com a brevidade possível para por ela regular
com segurança a sua conduta [o assunto do requerimento não está especificado].
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 6.

[390] 1806, Fevereiro, 23


Cópia, com colação do Secretário da Nunciatura, de um Breve de Pio VII
com a descrição das faculdades (todas delimitadas no tempo e em número de
casos) concedidas a D. Manuel de Santa Catarina, Arcebispo de Goa, e a seu
Coadjutor, D. Manuel de São Gualdino: dispensas de impedimentos matrimo-
niais, indulgências por ocasião de erecção de oratórios privados, dispensas de
obrigações festivas e abstinência quaresmal, sanações de irregularidades em
Capítulos religiosos.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 8-8V E 10.

[391] 1810, Julho, 11, Rio de Janeiro


Breve de nomeação – da autoria do Núncio, em virtude da «extraordinária
autoridade apostólica» – do Cónego Alexandre António Pereira, para Coadjutor,
com direito de sucessão, do Deão da Sé de Macau. A nomeação baseia-se numa
exposição recebida a respeito da idade e enfermidades do actual Deão.
Obs. Documento em latim. Nota, em italiano, no canto superior esquerdo:
«Não chegou a ter efeito em Macau».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 8, 8V E 10.

[392] 1806, Dezembro, 18, Macau


Carta de D. Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo de
Macau, para o Núncio Apostólico, apresentando uma visão desoladora do estado
da Diocese e da religião em Macau; referindo que os chineses aumentam
despropositadamente o preço de tudo e que a costa está infestada de piratas;
pedindo ao destinatário que patrocine junto do Papa a sua renúncia, fundada na
desobediência dos seus diocesanos e na pobreza da Igreja macaense.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 11-12.

[393] 1806, Fevereiro, 8, Macau


Carta de D. Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim, Bispo de
Macau], para o Núncio Apostólico, pedindo-lhe que obtenha do Papa a comuta-
ção da esmola em dívida, na sequência do incumprimento de vários encargos de
missas, para encetar com esse valor um fundo para os pobres da sua Diocese.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 13.

118 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[394] 1806, Janeiro, 31, Macau


Carta de Frei Francisco da Luz, Bispo de Macau, para o Núncio Apostólico,
pedindo que o Papa autorize a Diocese de Macau a vender uma morada de casas
que são da Mitra, e que autorize os diocesanos devotos da Nossa Senhora da Boa
Morte a celebrar no dia 13 de Agosto a respectiva festividade.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 15-15V.

[395] 1806, Janeiro, 2, Macau


Carta de Frei Francisco da Luz, Bispo de Macau, para o Núncio Apostólico,
anunciando que chegou a Macau; informando que as ossadas do Cardeal [Mail-
lard de] Tournon foram levadas para a Europa pelo Patriarca de Alexandria e que,
relativamente às ossadas de vários cristãos mortos pela fé no Japão e na China,
mandou fazer na igreja «um lugar decente onde vão ser colocadas»; pedindo
autorização pontifícia para poder estender as graças que a Bula da Cruzada con-
cede aos chineses que a quiserem; queixando-se de estar «num sítio onde tudo é
pompa por fora e miséria por dentro»; pedindo relíquias de santos; referindo que
o cisma de Tonquim está a chegar ao fim, mas que continuam as perseguições aos
cristãos na China; entre outros assuntos.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 17-18V.

[396] 1806, Janeiro, 2 [?], Macau


Rascunho de parágrafo da carta do Bispo de Macau para o Núncio Apostó-
lico de Lisboa, pedindo o envio de algumas relíquias, nomeadamente da Santa
Cruz, de Santa Bárbara, de Santo António, de São Francisco de Assis, da Verónica,
e pedindo licença para poder recitar o ofício desta no seu bispado.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 20.

[397] 1807, Janeiro, 17, Macau


Carta de Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo de Macau,
[para o Núncio] sobre a sagração do Bispo de Nanquim a 10 de Agosto de 1806; a
perseguição aos cristãos em Pequim, que já está moderada; e a desobediência do
clero de Macau à sua autoridade: «Em Macau tudo vai de mal a pior (...) já estive
para sacudir os sapatos e ausentar-me; até as freiras me são desobedientes (...)».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 21.

[398] 1809, Outubro, 25, Macau


Cópia de carta de Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo
de Macau, [para o Secretário da Nunciatura?] expondo a situação que se vive em
Macau, resultante da intromissão do poder temporal, (o Padre Letondal foi insul-
tado e os Padres Caetano e Justino foram presos, sem qualquer culpa); afirmando
que gostava de ter licença para renunciar; enviando cumprimentos para o Bispo
de Mariana e para o Núncio Apostólico.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 22-22V.

www.lusosofia.net 119
· TOMO II ORIENTE ·

[399] 1808, Março, 30, Macau


Carta de Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo de
Macau, para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Nísibe, enviando inclusa a sua
conta [para o Papa]; avisando que pelo navio Bom Jesus segue um missionário
francês [Ozanon]; insistindo novamente em que quer ser dispensado do cargo;
informando que o Padre Frei Joaquim [Salvetti] ainda continua preso; partici-
pando que, com o fim das perseguições em Pequim, tudo voltou ao normal; quei-
xando-se das intrigas contra os sacerdotes e dos problemas com as autoridades
civis; anunciando que a missão de Malaca e Timor está arruinada (os ingleses
destruíram a antiga fortaleza que os portugueses tinham fundado em Malaca, os
malaios não deixam entrar nenhum missionário, os Padres Dominicanos não vão
para lá, nem querem ver lá outros religiosos); refere-se ao movimento cismático
em Tonquim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 23-24V.

[400] 1809, Abril, 22, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Bispo de Macau, acusando a recepção
da carta de 30 de Março de 1808 com a conta para o Papa, os documentos de
juramento super ritibus sinensibus de dez missionários e três maços da parte do
[Padre] Marchini.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 25-25V.

[401] 1810, Maio, 4, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] para o missionário francês [Ozanon] comu-
nicando-lhe que a soma de cinquenta piastras destinada a facilitar a sua viagem de
Lisboa para França não lhe poderá ser enviada para a Baía, e será devolvida ao
Procurador das Missões, Padre Letondal.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 26-26V.

[402] 1810, Julho, 20, [Rio de Janeiro]


Rascunho da carta [do Núncio] para o Bispo de Macau, acusando a recepção
das cartas de 24 de Fevereiro, 4 de Março e 6 de Novembro de 1809; incitando à
realização de preces públicas pelo Papa; remetendo circular para o Santo Jubileu;
participando que o clérigo francês Ozanon se encontra na Baía e quer aí conti-
nuar, que o Conde de Anadia [Secretário de Estado] faleceu e foi substituído pelo
Conde das Galveias, que Sua Alteza Real mandou ordens aos governadores para
colaborarem com os bispos; procedendo à sanação do impedimento matrimonial
cuja dispensa fora pedida pelo destinatário em favor dos dois cunhados Manuel
Pereira e Antónia Vicência Cortelha; concedendo o Breve de um Oratório reque-
rido pelo Desembargador Arriaga; entre outros assuntos.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 27-30V.

[403] 1810, Julho, 25, [Roma]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Bispo de Macau, informando-o de
que o escusa de todas as Missões de Macau e referindo-se a um requerimento de

120 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Manuel de Sousa Magalhães, Provedor da Santa Casa da Misericórdia que, de


momento, não pode satisfazer por causa das suas ocupações.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 31-31V.

[404] 1811, Maio, 20, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Bispo de Macau sobre o regresso do
Comendador Arriaga ao exercício de cargo de Ouvidor em Macau e a intenção do
destinatário, de renunciar ao bispado de Macau.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 32-32V.

[405] 1811, Março, 7, Macau


Carta de Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo de
Macau, para o Núncio Apostólico, intercedendo por José dos Santos Baptista e
Lima que, tendo havia anos obtido um Breve para missa em casa, pretende colo-
car o Oratório num lugar mais cómodo e decente para que os seus parentes, que
se comunicam pelo interior dos quintais das casas, gozem da mesma graça; mani-
festando-se contra a passagem de fundos administrados por eclesiásticos para a
administração civil; apresentando alguns pedidos de freiras de Macau, relacionados
com a celebração da festividade de Nossa Senhora da Defença e com o enterro das
mesmas dentro do convento com a assistência de frades; prestando informações
sobre a Misericórdia de Macau; queixando-se da sua falta de autoridade [face ao
poder civil]; e defendendo que as reais instruções referentes às missões poderão
determinar o fim da missão de Macau, que não tem meios para se auto-sustentar.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 33-35V.

[406] 1811, Maio, 20, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta do Núncio para o Coadjutor de Goa, D. Frei Manuel de
São Gualdino, congratulando-se com o facto de o destinatário se ter recolhido ao
Convento da Madre de Deus; solicitando informações sobre a forma como os
Padres Franciscanos satisfazem os legados e um parecer sobre a redução dos
encargos de missas; comunicando-lhe que falou com o Ministro de Estado, Conde
das Galveias, sobre as necessidades que passam os Padres Franciscanos das duas
Províncias, Observante e Reformada, «mas nas circunstâncias actuais de tanta
angústia não é possível esperar maiores esmolas das que já costuma passar-lhes o
religiosíssimo Príncipe Regente».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 36-37.

[407] 1812, Junho, 6, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta do Núncio para o Bispo de Macau, acusando a recepção
das cartas de 6 de Fevereiro e de 7 de Março do ano anterior e de 4 de Janeiro do
corrente ano; participando que o Príncipe Regente perdeu em cinco meses quatro
conselheiros de Estado e o seu sobrinho e genro, o infante de Espanha, D. Pedro
Carlos de Bourbon e Bragança; comentando a perseguição no interior da China à
religião católica; mostrando-se contrário à pretensão do Provedor da Misericórdia
de Macau de ser incensado; informando que não concederá às freiras de Macau o

www.lusosofia.net 121
· TOMO II ORIENTE ·

indulto de relaxação das leis da clausura na ocasião do enterro de uma delas;


anuindo ao pedido de José dos Santos Baptista e Lima.
Obs. Vd. fls. 33-35v e 41-42.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 38-40V.

[408] 1812, Janeiro, 4, Macau


Carta de Frei Francisco da Luz, Bispo de Macau, para o Núncio Apostólico e
Arcebispo de Nísibe, sobre a perseguição à religião católica em Pequim, a publica-
ção de três decretos contra o catolicismo e a afixação dos mesmos «nas esquinas de
Macau»; a actividade de um missionário chinês, André Chan, que fundou uma
escola de primeiros rudimentos para os chineses cristãos no interior da China; a
situação da Igreja em Macau, onde o poder temporal não respeita o poder eclesiás-
tico.
Obs. Nota no canto superior esquerdo, em italiano: recebida a 12 de Abril de
1812 pelo navio São Miguel e respondida a 6 de Junho, como no rascunho.
Vd. rascunho da resposta nos fls. 38-40v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 41-42.

[409] 1812, Dezembro, 27, Macau


Carta de D. Joaquim José Leite para o Bispo de Macau, sobre o desinteresse do
Bispo de Pequim em fazer uma representação à Corte em conjunto com o Bispo de
Macau [o assunto da representação não está especificado].
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 43.

[410] 1813, Dezembro, 23, Macau


Carta de Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo de Macau,
para o Núncio Apostólico, informando que dispensou um rapaz de um impedimento
matrimonial porque o caso era do foro da consciência, para o qual tem autoridade;
consentiu que os procuradores da Mitra vendessem um prédio e que o cemitério da
Catedral fosse transferido para outro lugar porque estava dentro da cidade; devido a
intrigas, as suas relações com o Bispo de Pequim continuam a ser más.
Obs. Nota no canto superior esquerdo, em italiano: recebida a 6 de Abril de
1814.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 44-45.

[411] 1812, Dezembro, 31, Macau


Carta de Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo de
Macau, para o Núncio Apostólico, queixando-se das intrigas que voltaram o Bispo
de Pequim contra si; pedindo ao destinatário que convença a Corte a transmitir
ao Bispo, e não a seculares, as ordens reais respeitantes a eclesiásticos; requerendo
licença para não usar o hábito da sua Província, pois em vez de edificar, seria
motivo de zombaria.
Obs. Nota no canto superior esquerdo, em italiano: resposta a 10 de Maio de
1813, como na cópia anexa. Vd. fl. 48-48v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 46-47V.

122 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[412] 1813, Maio, 10, Rio de Janeiro


Cópia de carta do Núncio para o Bispo de Macau, D. Frei Francisco [de
Nossa Senhora da Luz Chacim], referindo-se à assinatura de uma concordata
entre o Papa e Napoleão, ao desentendimento do destinatário com o Bispo de
Pequim e com os Padres de Rilhafoles, e à possível mediação do Padre Marchini
na contenda; e autorizando-o a não usar o hábito da sua Ordem, até que o caso
possa ser apresentado directamente ao Papa.
Obs. Nota no fim do documento, em italiano: juntou-se um post-scriptum a
26 de Julho de 1813, a propósito da possível concordata com o Bispo de
Pequim. Resposta ao documento anterior. Vd. fls. 46-47v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 48-48V.

[413] 1814, Fevereiro, 23, Macau


Carta do Bispo de Macau para o Núncio Apostólico sobre a incorporação no
cofre das missões de um fundo da Congregação de Rilhafoles dado a risco de mar;
os sacerdotes que compram censos a 10%.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 49-49V.

[414] 1814, Janeiro, 15, Macau


Carta de Frei Francisco[de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo de Macau,
para o Secretário do Núncio, Camilo Luís de Rossi, pedindo que este sane um
matrimónio que o autor dispensou do impedimento do primeiro grau de afini-
dade transversal, uma venda de umas casas e de um chão, o casamento católico
entre um inglês herege e uma francesa católica; informando que mudou o cemité-
rio para uns terrenos cedidos por um morador.
Obs. Nota no canto superior esquerdo, em italiano: recebida a 22 de Maio de
1814.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 50-51V.

[415] 1815, Janeiro, 19, Macau


Carta de D. Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo de
Macau, para o Núncio Apostólico, referindo-se às perseguições contra a religião
católica na China; e recomendando o pedido de António Goulart Silveira e de sua
mulher Rosa Perpétua Pereira de um Breve de Oratório, e um pedido de dispensa
do impedimento matrimonial público do primeiro grau de afinidade transversal.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 52-52V.

[416] s.d., Macau


Rascunho de parágrafo da carta do Bispo de Macau para o Núncio Apostó-
lico, pedindo que interceda por ele junto do Santo Padre para obter licença para
juntar «fundos» e «interpretar a vontade dos defuntos nos legados incompatí-
veis», sem reduzir o número das missas.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 53.

www.lusosofia.net 123
· TOMO II ORIENTE ·

[417] 1813, Abril, 28, Panelim


Cópia de acórdão da Relação de Goa, assinado por José Paulo da Costa
Pereira de Almeida, Henrique José Meneses e Noronha, António José de Ataíde e
António Francisco Gomes, determinando que um clérigo extravagante não pode
ser obrigado ao serviço da Catedral.
Obs. Apontamento no verso do último fólio: «Acórdão Supremo da Relação de
Goa a favor do Padre Faustério Coelho dos Santos e de todo o clero de Macau».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 53-54.

[418] 1825, Dezembro, 19, Macau


Carta de Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo de Macau,
para o Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico, na qual comenta a morte do Papa
Pio VII e a eleição do novo Pontífice Leão XII e transmite as suas preocupações relati-
vamente ao estado da Igreja no Bispado de Macau: os frades que têm os seus princi-
pais em Goa querem ser isentos e independentes do Bispo de Macau, os escândalos
dos Padres de São Vicente de Paulo aparecem nas gazetas macaenses, alguns dos
membros do Cabido de Macau são desobedientes, as missões de Macau «estão na
última desgraça», só os seis missionários chineses penetram no interior do Bispado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 55-56.

[419] 1816, Fevereiro, 5, Rio de Janeiro


Rascunho de carta do Núncio para o Bispo de Macau, na qual lhe participa
que o Papa regressou a Roma; remeteu para Roma o papel com a assinatura do
destinatário para que seja lavrado nele a procuração relativa à Visita ad limina;
transmitiu à Sagrada Congregação de Propaganda Fide o pedido de dispensa do
impedimento público de primeiro grau de afinidade transversal; a mesma Sagrada
Congregação determinou que os Padres de São José não podem dar dinheiro a
risco de mar e que o destinatário tem que devolver-lhes as oito mil patacas que
depositaram no cofre que o Bispo administra.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 57-58V.

[420] s.d., s.l.


Tradução de parágrafo de carta do Bispo de Macau para o Núncio Apostó-
lico, na qual pede ao Papa licença para unir fundos deixados por património e
para interpretar a vontade dos defuntos nos legados incompatíveis, sem reduzir o
número das missas.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 59.

[421] 1827, Fevereiro, 13, Macau


Carta de Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo de Macau,
para o Núncio Apostólico nos domínios de Portugal, participando que logo no
início do seu governo tinha ordenado que nenhum confessor absolvesse qualquer
penitente sem a entrega ou denúncia dos livros maus, mas que esta determinação
não está a ser seguida.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 60.

124 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[422] 1831, Junho, 20, Macau


Carta do Vigário Capitular da Basílica de São Paulo para o Auditor do
Supremo Tribunal da Legacia, expondo que o falecido Bispo [de Macau] lhe
escreveu a 13 de Abril de 1826 a dizer que Luís Carlos de Miranda lhe havia de
entregar uma esmola para ajudar à reedificação da Basílica de São Paulo, mas o
portador e a esmola nunca apareceram.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 61-62.

[423] s.d., s.l.


Requerimento [do Padre] Narciso Firmiano, Tesoureiro-mor da catedral de
Macau, para Sua Alteza Real, como Padroeiro do Cabido de Macau, pedindo a
graça da aposentadoria com a manutenção da sua côngrua.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 63.

[424] 1825, Setembro, 14, Macau


Carta de Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo de Macau,
para o Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico nos domínios de Portugal,
queixando-se do estado da cidade e da Diocese de Macau («A libertinagem nesta
cidade chegou a um ponto incalculável, e as missões feitas num fantasma da reli-
gião: e o Bispo nada pode»); pedindo a faculdade para dispensar do impedimento
matrimonial de primeiro grau de afinidade transversal.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 65-65V.

[425] 1826, Fevereiro, 9, Macau


Carta de D. Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo de Macau,
para o Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico em Portugal, remetendo a decenal
para o destinatário, a fazer chegar à Sagrada Congregação de Propaganda Fide (envia-a
aberta para o destinatário ver «a miséria» do seu Bispado, «onde nem padres nem
freiras, nem clérigos podem sofrer o jugo da obediência e da decência»).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 67.

[426] 1805, Novembro, 20, Macau


Rascunho de parágrafo de D. [Manuel] de São Gualdino, Coadjutor com direito
de sucessão do Arcebispo de Goa, para o Núncio [Apostólico] em Portugal, acusando
a recepção das bulas; remetendo dois juramentos e pedindo que lhe seja enviado
quanto antes o Pálio, necessário para exercer devidamente as funções de Arce-
bispo.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 70.

[427] s.d. [Cerca de 1805, Novembro, 20], s.l.


Tradução de um parágrafo de carta enviada de Macau, a 20 de Novembro de
1805, ao Núncio em Portugal, por D. [Manuel] de São Gualdino, Coadjutor com
direito de sucessão do Arcebispo de Goa, acusando a recepção das bulas e reme-
tendo-lhe os dois juramentos; pedindo que lhe seja remetido o Pálio, para poder
exercer devidamente as suas funções.

www.lusosofia.net 125
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Documento em italiano.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 70.

[428] s.d., s.l.


Requerimento dirigido ao Núncio por Luís Manuel de Barros e Joaquim
Domingos Cardoso, irmãos leigos da Congregação da Missão, prestes a partir para
o Seminário de Macau, pedindo licença para tocarem nos vasos sagrados, relíquia
e alfaias pertencentes ao altar.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 73.

[429] s.d., s.l.


Requerimento dirigido ao Núncio por [Monsenhor] Domingos Pedro Vieira
Ribeiro, Presbítero Regular da Diocese de Macau, relativo ao uso do Breve de
Protonotário Apostólico.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 74-75.

[430] 1809, Março, 7, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide em Macau], [para o Núncio] intercedendo a favor do pedido
de Manuel Magalhães, Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Macau, para
que os seus sucessores possam gozar de um direito e honra de que os seus prede-
cessores sempre gozaram [não especificado].
Obs. Documento em italiano. Nota no canto superior esquerdo, em italiano:
«Não se concedeu.»
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 76.

[431] 1809, Março, 7, Macau


[Rascunho ?] de carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [das Mis-
sões], referindo o pedido de Manuel Magalhães, Provedor da Santa Casa da Miseri-
córdia para a conservação, pelos seus sucessores, dos direitos dos quais sempre
gozaram os predecessores (como se pode verificar no memorial em anexo).
Obs. Documento em italiano. O memorial que foi enviado em anexo não foi
encontrado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 76.

[432] 1809, Fevereiro, 25, Macau


Carta de Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo de Macau,
para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Nísibe, pedindo-lhe que proteja o Padre
Rodrigo da Madre de Deus, portador da presente missiva, «que vai fugindo dos
Chinas para não ser vítima do seu furor».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 78.

[433] 1810, Julho, 11, Rio de Janeiro


Breve do Núncio concedendo ao [Cónego] Alexandre António Pereira a dig-
nidade de Coadjutor Perpétuo do Deão actual da catedral de Macau.
Obs. Documento em latim. Nota, em italiano, no canto superior esquerdo:
«Não teve efeito em Macau.»
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 80-81.

126 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[434] 1810, Março, 14, S.C. [Sua Casa]


Carta do Cónego Alexandre António Pereira para o Núncio, informando que
apresentou os requerimentos do Cabido de Macau ao Conde das Galveias e que este
permitiu que o Bispo de Macau ficasse encarregue da verificação dos indultos.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 82.

[435] 1810, Julho, 20, Rio de Janeiro


Carta do Cónego Alexandre António Pereira para o Núncio acusando a recep-
ção de um bilhete para o Bispo de Macau e aceitando encarregar-se da entrega do
mesmo.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 83.

[436] 1810, Fevereiro, 8, S. C. [Sua Casa]


Carta do Cónego Alexandre António Pereira para o Núncio, remetendo um
documento para ser anexo ao requerimento de José Joaquim Pereira [assunto não
especificado].
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 84.

[437] 1810, Fevereiro, 7, S. C. [Sua Casa]


Carta do Cónego Alexandre António Pereira [deputado da cidade de Macau],
para o Núncio, pedindo-lhe que tome em consideração os requerimentos que junto
envia [assunto não especificado].
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 85.

[438] 1810, Março, 17, S. C. [Sua Casa]


Carta do Cónego Alexandre António Pereira para o Núncio participando-lhe
que, a 13 do corrente, Sua Alteza Real lhe fez mercê do hábito de Cristo, e
pedindo-lhe que aprove a referida mercê.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 86.

[439] 1810, Julho, 19, Rio de Janeiro


Indulto de Monsenhor Lourenço, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico,
para António Joaquim de Oliveira Matos, deputado do Senado de Macau, conce-
dendo-lhe uma relíquia autêntica do Santíssimo Lenho da Cruz de Cristo com
uma indulgência associada.
Obs. Conserva o selo do Núncio. No final do texto está escrita a seguinte
nota: «O presente indulto outrossim continuará depois da morte do dito
António Joaquim de Oliveira Matos a sua mulher, no caso de sobreviver-lhe,
e aos seus sucessores, a quem se transmitirá a posse da mesma relíquia.»
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 87-87V.

[440] 1812, Junho, 4, Rio de Janeiro


Cópia de carta [do Núncio] para o Cabido de Macau agradecendo a carta de
9 de Janeiro último.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 89.

www.lusosofia.net 127
· TOMO II ORIENTE ·

[441] 1811, Fevereiro, 9, Macau


Carta do Cónego Alexandre António Pereira [para o Núncio], informando-o
de que foi nomeado Arcediago e pedindo-lhe que lhe obtenha indulto régio para
poder usar do Breve Apostólico concedido ao Cabido de Macau, autorizando os
seus membros a endossar roquetes, faixas, golas e meias roxas.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 90-90V.

[442] 1812, Junho, 3, Rio de Janeiro


Cópia da carta [do Núncio] para o Arcediago [Alexandre António Pereira]
felicitando-o pela sua nomeação; comunicando-lhe que o Conde das Galveias está
a morrer e que não sabe se no navio Carolina irá a Real Determinação a respeito
do Coronel Simões de Araújo Rosas, que o destinatário lhe tinha recomendado.
Obs. Resposta ao documento seguinte.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 91.

[443] 1811, Março, 16, Macau


Carta do Cónego Alexandre António Pereira [para o Núncio], informando-o
de que chegou a Macau; pedindo-lhe que interceda junto do Conde das Galveias a
favor do Coronel da Milícia Simão de Araújo Rosas, que serve em Macau há vinte
e dois anos sem receber soldo, para que lhe seja administrado o soldo correspon-
dente à sua patente.
Obs. Nota no canto superior esquerdo, em italiano: resposta em 3 de Junho
de 1812, «como era cópia.»
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 92-92V.

[444] 1812, Janeiro, 9, Macau


Carta do Cónego António Francisco de Miranda, Deão, e do Cónego Vicente
José António da Fonseca Campos, Secretário do Cabido, para o Núncio, agrade-
cendo-lhe por ele ter distinguido o Cabido de Macau com a sua protecção.
Obs. Nota no canto superior esquerdo, em italiano: «recebida a 12 de Abril
de 1812 e respondida a 4 de Junho de 1812, como na cópia.»
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 94-94V.

[445] s.d., s.l.


Requerimento de António Goulart da Silveira [para o Núncio] solicitando a
faculdade para ouvir missa em Oratório Privado na sua residência.
Obs. Nota no canto superior esquerdo, em italiano: «não foi concedida em
Junho de 1814, tendo em vista o grande número de Oratórios em Macau e o
reduzido número de Sacerdotes.»
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 96-96V.

[446] 1814, Junho, 20, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para o Bispo de Macau, referindo-se à par-
tida do Secretário da Nunciatura para Roma, onde se avistará com o Papa; e expli-
cando que não acedeu ao pedido de António Goulart da Silveira porque existe em
Macau um grande número de Oratórios particulares.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 97.

128 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[447] 1815, Junho, 6, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Bispo de Macau, acusando a recepção
da carta de 14 de Setembro de 1814 e referindo-se ao conteúdo das suas últimas
cartas, em que anunciava a libertação do Papa, posto que perdurassem situações
críticas; informando-o de que Bonaparte voltou a França e que todos os Sobera-
nos se lhe opõem.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 98.

[448] 1815, Junho, 6, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Bispo de Macau, acusando a recepção
da carta de 16 de Setembro de 1814, em que comunicava a libertação do Papa
pelos franceses e comentando alguns factos de política internacional; e referindo-
-se à renúncia do Arcebispo de Goa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 98.

[449] 1815, Junho, 10, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Bispo de Pequim, em Macau, acusando
a recepção da carta de 20 de Fevereiro e de 15 de Outubro de 1814, que enviou
para a Sagrada Congregação de Propaganda Fide, informando que os pedidos depen-
dem agora dela, uma vez que foi restabelecida a correspondência com Roma.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 98-99.

[450] 1815, Junho, 10, [Rio de Janeiro]


Rascunho da carta [do Núncio] para o Padre Marchini, Procurador [da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide] em Macau, informando-o de que enviou as suas
cartas de 20 de Fevereiro e de 9 de Outubro de 1814 à Sagrada Congregação de
Propaganda Fide.
Obs. Documento em italiano.
Trata-se de três documentos nos mesmos fólios com datas e destinatários diver-
sos.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 98-99.

[451] 1816, Junho, 18, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Bispo de Macau, enviando-lhe uma
carta de resposta do Papa; informando-o de que já foi nomeado o Procurador que
há-de representar o destinatário na Visita ad Sagrada limina; participando-lhe que
foi promovido [o autor] à Sagrada Púrpura no Consistório de 8 de Maio último.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 100-100V.

[452] [1814 ?, Macau]


Lista de santos e respectivas datas de celebração, enviada pelo Bispo [de Ma-
cau, ao Núncio], pedindo-lhe que aprove o rito dos mesmos para a Catedral e bis-
pado de Macau.

www.lusosofia.net 129
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Nota, em italiano, no canto superior esquerdo: «A Sagrada Congrega-


ção dos Ritos concede alguns decretos em Janeiro e Fevereiro de 1815.»
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 101.

[453] s.d., s.l.


Requerimento de Manuel de Sousa Magalhães, Provedor da Santa Casa da
Misericórdia de Macau [para o Núncio], pedindo-lhe que autorize a continuação
da seguinte prática, proibida pelo actual Bispo de Macau: nas igrejas e capelas que
são da administração da Misericórdia e nas missas cantadas que nelas se celebram
e a que o Provedor assiste, este também é incensado pelo Diácono.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 102.

[454] 1826, Fevereiro, 8, Macau


Carta de D. Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo de Macau,
para o Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico em Portugal, recomendando um
requerimento que junto envia [atendendo «às distâncias e viagens de mar para onde
seus prelados o podem enviar, como Timor, Moçambique, Goa, de cujos sítios certa-
mente não pode ter notícias de sua família senão de ano a ano»].
Obs. Não se encontra o requerimento acima mencionado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 103.

[455] s.d., s.l.


Requerimento de António Goulart da Silveira e sua mulher, Rosa Perpétua
da Silveira, [para o Núncio] pedindo a faculdade de mandarem celebrar missa nas
casas da sua nova residência.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 104-104V.

[456] 1821, Março, 7, Macau [do despacho]


Cópia de requerimento de [Monsenhor] Domingos Pedro Vieira, da Diocese
de Macau, dirigido [ao Bispo de Macau], pedindo despacho para poder usar do
Breve de Protonotário Apostólico obtido da Santa Sé, e do qual tomou posse há
cinco meses. No canto superior esquerdo, encontra-se o despacho [do Bispo de
Macau], dado em Macau, a 7 de Março de 1821, pelo qual se manda que o supli-
cante declare se tem termo da posse que alega e, assinando-o, volte a apresentar
requerimento para ser deferido como for justo.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 105-105V.

[457] 1821, Março, 14, Macau [do despacho]


Cópia de requerimento de [Monsenhor] Domingos Pedro Vieira Ribeiro, Pres-
bítero Regular da Diocese de Macau, dirigido [ao Bispo de Macau], pedindo-lhe que
ordene ao escrivão daquele Juízo que comprove se o suplicante deu cumprimento
à intimação do Ordinário diocesano, uma vez que o escrivão se nega a dar vista
daquele acto. No canto superior esquerdo encontra-se o despacho, dado em Macau,
a 14 de Março de 1821, intimando o escrivão a informar se o suplicante deu cum-
primento à ordem e qual o motivo para negar a vista. No final do fólio, o escrivão,
Manuel da Encarnação Ribeiro, esclarece que está gravemente doente e ignora se o
suplicante deu cumprimento à intimação da ordem.

130 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. A ordem a que o documento faz referência deve ser a explicitada no


documento seguinte.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 106.

[458] 1821, Março, 10, Macau [do despacho]


Cópia de requerimento de [Monsenhor] Domingos Pedro Vieira Ribeiro, da
Diocese de Macau, dirigido ao [Bispo de Macau], no qual expõe que, tendo sido
intimado a comparecer na casa do Vigário Geral, pretende que lhe seja concedida
vista da mesma intimação «para se munir bem do seu conteúdo». No canto supe-
rior esquerdo encontra-se o despacho, dado em Macau, a 10 de Março de 1821,
mandando o suplicante dirigir-se ao Vigário Geral «que lhe dará vistas e o mais
que for a bem da sua justiça».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 107.

[459] [1821, Macau]


Cópia de requerimento de [Monsenhor] Domingos Pedro Vieira Ribeiro
dirigido [ao Bispo de Macau?], pedindo que o Breve de Protonotário Apostólico
que obteve da Santa Sé seja registado no Arquivo da Câmara Eclesiástica para que
se possa executar. Explica que a ordem do Bispo proibindo-o de usar o Breve teve
em conta um aviso oficial da Secretaria do Ultramar, anterior ao Beneplácito
Régio, que o suplicante obteve da Secretaria dos Negócios Interiores do Reino e
das Mercês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 108-108V.

[460] 1821, Março, 13, Macau [do despacho]


Cópia de requerimento de [Monsenhor] Domingos Pedro Vieira Ribeiro [diri-
gido ao Bispo de Macau] rogando que o seu pedido [que o Breve de Protonotário
Apostólico que obteve da Santa Sé seja registado no Arquivo da Câmara Eclesiás-
tica para que se possa executar] seja deferido. O despacho manda o suplicante
esclarecer uma expressão usada no requerimento.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 109.

[461] 1821, Março, 13, Macau [do despacho]


Cópia de requerimento de [Monsenhor] Domingos Pedro Vieira Ribeiro, diri-
gido [ao Bispo de Macau], apelando da suspensão de usar o Breve de Protonotário
Apostólico que obteve da Santa Sé para a Metrópole de Goa. No canto superior
esquerdo encontra-se o despacho, segundo o qual não há lugar à apelação e man-
dando cumprir o que foi ordenado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 110-110V.

[462] s.d., s.l.


Cópia de requerimento de [Monsenhor] Domingos Pedro Vieira Ribeiro,
dirigido [ao Bispo de Macau], pedindo que lhe seja concedido o despacho solici-
tado nos anteriores requerimentos. O Bispo volta a proibir o suplicante de usar as
insígnias de Protonotário, em virtude do real aviso de 30 de Dezembro de 1819.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 111.

www.lusosofia.net 131
· TOMO II ORIENTE ·

[463] 1829, Abril, 25, [Lisboa]


Rascunho de carta do Núncio para o Vigário Capitular e Cabido da Catedral
de Macau, acusando a recepção da missiva de 8 de Fevereiro de 1828 com a notí-
cia da morte do Bispo de Macau; participando que o Papa Leão XII faleceu e que
foi eleito um novo Pontífice – Pio VIII.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 112-112V.

[464] 1807, Fevereiro, 2, [Macau]


[Cópia de declaração ?] de Inácio Vieira Ribeiro perante [o Bispo de Macau],
na qual afirma que quer desfazer o mal que procurou fazer a um Sacerdote, e que
o único remédio para alívio da sua alma é uma desistência sua bem formalizada e
retida em segredo.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 118-118V.

[465] 1807, Fevereiro, 2, Macau


[Cópia de desistência?] voluntária de Inácio Vieira Ribeiro de todo e qual-
quer efeito que possa vir a seu favor pelas diligências que fez em prejuízo do
[Padre] Narciso Firmiano, feita e celebrada nas mãos do Bispo de Macau e na
presença de três testemunhas (Joaquim Vieira Ribeiro, José dos Santos Baptista e
Lima e Agostinho António Espada). O Tabelião Público de notas da cidade de
Macau, Nicolau Pereira, escreveu a desistência e autenticou a cópia.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 118-118V.

[466] 1813, Maio, 11, Rio de Janeiro


Cópia de carta [do Núncio] para o Padre Joaquim José Leite sobre o pro-
blema do esfriamento da boa inteligência entre os eclesiásticos [em Macau].
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 121.

[467] 1804, Julho, 30, Roma


Ofício do Cardeal Borgia [Secretário da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, com resposta negativa ao requerimento do Bispo de Macau, relativo ao
dinheiro do Seminário utilizado nos contratos ditos do «risco de mar» – o autor
trata do problema da usura.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 123-123V.

[468] 1804, Setembro, 15, Macau


Cópia de pedido dos [Padres de São José de Macau ?] no sentido de
recuperarem oito mil patacas que o primeiro Superior do Real Colégio de São José
deu a «risco de mar», na intenção de vir a ter um rendimento para sustentar
aquela casa, ficando menos dependente da Real Fazenda, e que foi mais tarde
incorporado no cofre do Real Dinheiro porque a prática de dar dinheiro a «risco
de mar» foi condenada por Sua Alteza e pelo Bispo de Macau; seguida de cópia da
provisão de Frei Manuel de São Gualdino, Bispo de Macau, que determina a
incorporação do referido dinheiro no cofre do Real Dinheiro para ser usado nos

132 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

gastos das Missões do Bispado de Macau e nas do de Nanquim. Como até à data
do pedido [?] nenhum missionário da Congregação de São José partiu para as
missões, não usufruiram do dinheiro que lhes pertence. Querem saber como
podem retirá-lo do cofre e querem obter para tal a autorização da Santa Sé, se for
necessária.
Obs. Nota em italiano no canto superior esquerdo: «veja-se o que escreve o
Monsenhor Núncio ao Monsenhor Bispo em 1816.»
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 125-126V.

[469] 1817, Fevereiro, 15, Macau


Carta de D. Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo de
Macau, para o Núncio Apostólico, remetendo vários documentos: uma ordem do
Provincial dos Franciscanos da Madre de Deus de Goa, o qual pretende obstar às
intenções do Rei que, pelo aviso de 17 de Maio de 1810, autorizou o autor a pro-
mover a observância das leis monásticas nos regulares, e denúncias de freiras de
Macau [não especifica].
Obs. Envia em anexo vários documentos que se encontram nos fls. 132-133,
134-135, 136, 138 e 140.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 129-129V.

[470] 1825, Novembro, 12, Macau


Cópia de carta de D. Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo
de Macau, [para o Núncio?] sobre os crimes [não especificados] do Padre Frei José
de Santa Ana, denunciados pela baronesa de São José de Porto-Alegre, síndica do
Mosteiro de Santa Clara. Pede que o dito religioso seja transferido para Goa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 131.

[471] 1816, Dezembro, 6, Macau


Instrumento de treslado em pública-forma de ordem do Padre Frei José do
Carmo, Vigário Provincial do Convento da Madre de Deus em Goa, incluída no
auto de requerimento do Padre Frei José de Santa Ana, com a qual procura impe-
dir o Bispo de Macau de interferir nos estabelecimentos regulares. O instrumento
foi elaborado pelo Padre Domingos António Pereira, escrivão da Câmara Episco-
pal de Macau.
Obs. Anexo ao documento do fl. 129-129v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 132-133.

[472] 1816, Dezembro, 7, Macau [da cópia legal]


Cópia legal, atestada pelo escrivão da Câmara Espiscopal de Macau, de uma
carta de Soror Ana Josefa de Nossa Senhora da Boa Hora para o Bispo de Macau,
na qual denuncia as desordens ocorridas no Mosteiro de Santa Clara, nomeada-
mente a violação da clausura.
Obs. A carta está escrita num português muito deficiente. Anexa ao docu-
mento do fl. 129-129v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 134-135.

www.lusosofia.net 133
· TOMO II ORIENTE ·

[473] 1816, Dezembro, 7, Macau [da cópia legal]


Cópia legal, atestada pelo escrivão da Câmara Espiscopal de Macau, de uma
carta de Soror Rosa Maria para o Bispo de Macau, na qual denuncia as desordens
ocorridas no Mosteiro de Santa Clara.
Obs. A carta está muito mal escrita e é muito difícil de ler. Anexa ao docu-
mento do fl. 129-129v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 136-136V.

[474] 1816, Dezembro, 7, Macau [da cópia legal]


Cópia legal, atestada pelo escrivão da Câmara Espiscopal de Macau, de uma
carta de Maria para o Bispo de Macau, na qual denuncia as desordens ocorridas
no Mosteiro de Santa Clara.
Obs. A carta está muito mal escrita. Anexa ao documento do fl. 129-129v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 138.

[475] [1817, Fevereiro, 15, Macau]


Resumo, enviado pelo Bispo [de Macau] ao Núncio, do que se acha decla-
rado nas cartas de denúncia: violação da clausura (os padres conversam com as
freiras de dia e de noite).
Obs. Anexo ao documento do fl. 129-129v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 140-140V.

[476] 1802, Março, 26, Roma


Carta do Cardeal Leonardo Antonelli, do título de Santa Rufina, Arcipreste
da Basílica de S. João de Latrão e Penitenciário-mor da Santa Sé, ao Superior-Ge-
ral da Congregação da Missão, concedendo-lhe, pela autoridade apostólica de que
goza na matéria em causa, a ele, pessoalmente, e a todos os superiores das res-
pectivas casas, diversas faculdades (de confissão Sagradamental, absolvição ou
comutação de censuras e penas canónicas, dispensas de impedimentos matrimo-
niais), sendo essas faculdades extensíveis a todos os presbíteros da Congregação.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 142-143V.

[477] 1812, Novembro, 11, Rio de Janeiro [do despacho]


Cópia de requerimento de quatro sacerdotes da Congregação da Missão
residentes na corte do Rio de Janeiro, que vão brevemente partir para Macau,
dirigida ao [Núncio], pedindo-lhe que lhes seja concedida a jurisdição e as facul-
dades necessárias ao exercício da salvação das almas, no caso de não se poder
recorrer a outra autoridade. Seguida de despacho favorável do Núncio, conce-
dendo aos suplicantes a jurisdição necessária para poderem fazer uso das faculda-
des da Sagrada Penitenciaria a favor dos fiéis.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 144-145.

[478] s.d., s.l.


Requerimento do Superior do Real Colégio de São José da Congregação da
Missão na cidade de Macau [para o Núncio], pedindo-lhe a prorrogação das

134 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

faculdades que a Sagrada Penitenciaria havia concedido à Congregação da Missão


de Macau e aos missionários da dita Congregação residentes em Pequim.
Obs. Nota, em italiano, no canto superior esquerdo: «Esta súplica foi apre-
sentada em Junho de 1814 e S. E. não concedeu a prorrogação pedida».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 146.

[479] 1826, Fevereiro, 1826, Macau [do despacho]


1826, Fevereiro, 7, Macau [da atestação]
1826, Fevereiro, 9, Macau [do reconhecimento]
Requerimento de Frei Luís de Santa Rosa Pereira, dirigido ao [Bispo de
Macau], dando conta da situação em que se encontram as suas irmãs e pedindo
autorização para lhes dar assistência e protecção. Seguido do despacho do Bispo
de Macau, da atestação do Cónego e Cura da Sé Catedral, Padre António José
Victor, e do reconhecimento do Tabelião de Notas, José Gabriel Mendes.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 148-149.

[480] s.d., [Rio de Janeiro]


Requerimento dos sacerdotes da Congregação da Missão actualmente resi-
dentes no Rio de Janeiro e destinados a Macau, dirigido ao Núncio, solicitando a
concessão de várias faculdades: prorrogação das faculdades da Sagrada Peniten-
ciaria; faculdade de dispensa de votos pelo tempo da viagem para Macau; jurisdi-
ção paroquial nas terras onde não houver Bispo ou Pároco católico.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 150-150V.

[481] 1819, Janeiro, Goa


Carta do Padre Provincial Joaquim Manuel de Santa Rita para o Núncio
Apostólico e Arcebispo de Damiata sobre a situação das religiosas do Convento de
Santa Clara de Macau.
Obs. Resposta ao documento seguinte.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 152-154.

[482] 1817, Dezembro, 1, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre Provincial dos Franciscanos da
Província da Madre de Deus de Goa, comunicando-lhe que recebeu uma denún-
cia formal relativa aos escândalos e desordens ocorridos no Convento de Santa
Clara de Macau; e pedindo-lhe que tome providências para repor a observância
regular no dito convento.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 156-157.

[483] 1825, Agosto, 3, Macau [da cópia]


Cópia, elaborada pelo escrivão da Ouvidoria-Geral, António Vicente do Rosá-
rio Aggensborg, dos autos originais existentes no cartório da Ouvidoria-Geral de
Macau (compostos por ofício, citação e atestação) relativos à fuga do Padre Joaquim
Gonçalves Afonso, da Congregação de São Vicente de Paulo, morador no Colégio
de São José, com a ajuda do encarregado do regime do dito colégio, o Padre Luís
Alves Gonzaga.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FLS. 158-160V.

www.lusosofia.net 135
· TOMO II ORIENTE ·

[484] 1824, Março, 26, Macau [1.º despacho]


1824, Maio, 21, Macau [2.º despacho]
Cópia de requerimento dos Padres Luís Gonzaga e Joaquim Gonçalves
Afonso, dirigido ao [Bispo de Macau], pedindo-lhe que seja declarado se foram
suspensos por serem pronunciados ou por se terem ausentado sem licença. Pelo
primeiro despacho são mandados assinar o requerimento; e do segundo despacho
consta: «Não está em termos, e tirando folha corrida reconhecerão de seus escan-
dalosos crimes em apoiar a rebelião contra o governo legítimo».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 162.

[485] 1825, Agosto, 1, Macau [do despacho]


Cópia de requerimento do [Padre] Luís Alves Gonzaga, dirigido ao Gover-
nador, pedindo para ser posto em liberdade e autorizado a continuar as suas anti-
gas funções de Director do Colégio de São José de Macau. Seguida do despacho
do Governador, considerando que o suplicante não merece a confiança do
governo, mas colocando-o em liberdade.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 164-164V.

[486] 1825, Outubro, 3, Macau [do despacho]


Cópia de requerimento do [Padre] Joaquim Gonçalves Afonso, dirigido ao
[Bispo de Macau ?], explicando que não sabia que não se podia ausentar sem
licença e que ouviu missa durante o tempo que esteve em Manila (em Macau não
ouviu por medo); e pedindo deferimento. Do despacho desfavorável consta que o
medo que o suplicante alega não o eximia de cumprir com as leis da Igreja.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 166-166V.

[487] 1825, Outubro, 1, Macau [do despacho]


Cópia de requerimento do [Padre] Joaquim Gonçalves Afonso dirigido ao
[Bispo de Macau ?], pedindo autorização para continuar a exercer as ordens, uma
vez que já regressou a Macau. Seguida do despacho, mandando o suplicante pro-
var que está livre de censuras e irregularidades.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 168.

[488] 1826, Fevereiro, 11, Macau


Carta de D. Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo de Macau,
para o Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico de Portugal, enviando um docu-
mento extraído de vários ditos de moradores e o ofício que o autor dirigiu ao Gover-
nador de Macau, para que sejam acrescentados ao processo do Mosteiro de Santa Clara.
Obs. Não se encontram os documentos acima referidos.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 170.

[489] 1815, Janeiro, 30, Macau


Carta de Frei António da Assunção de Maria Santíssima para o Núncio
Apostólico e Arcebispo de Nísibe, pedindo-lhe que lhe envie relíquias, entre elas,
a de Santo António, para mandar para Manila, onde fez um altar de São José e
outro de Santo António, e onde esteve alguns anos a curar-se.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 172.

136 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[490] s.d., s.l.


Carta de Frei António da Assunção de Maria Santíssima para o Núncio Apos-
tólico, pedindo-lhe a faculdade de poder abrir coroa para sempre (ampliação do
indulto que já lhe fora concedido de abrir a coroa por um ano, o qual ainda não
executara).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 174.

[491] 1815, Janeiro, 20, Macau


Carta de Frei António da Assunção de Maria Santíssima para o Núncio Apos-
tólico e Arcebispo de Nísibe, congratulando-se com a notícia da libertação do Papa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 175.

[492] 1816, Fevereiro, 6, [Rio de Janeiro ?]


Rascunho de carta do Núncio para Frei António da Assunção de Maria
Santíssima, em companhia do Bispo de Macau, respondendo que não concede a
ampliação do indulto e informando que já não dispõe de relíquias para lhe enviar,
devido à longa duração do seu ministério.
Obs. Resposta à carta do fl. 178-178v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 176-176V.

[493] 1818, Dezembro, 22, Manila


Carta de D. Frei Francisco [de Nossa Senhora da Luz Chacim], Bispo de
Macau, para o Núncio Apostólico, sobre a impiedade dos confessores do Mosteiro
de Santa Clara, de Macau [não especifica]. Espera que o destinatário resolva o
problema. Pede para que um morador de Macau [não especifica] possa ter missa
em casa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 177.

[494] 1815, Abril, 24, Macau


Carta de Frei António da Assunção de Maria Santíssima para Monsenhor
Lourenço Caleppi, Núncio Apostólico e Arcebispo de Nísibe, rogando a graça de
usar coroa para sempre e pedindo relíquias de Santos, entre elas uma de Santo
António.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 178-178V.

[495] 1817, Dezembro, 1, [Lisboa]


Rascunho de carta do Núncio para o Bispo de Macau sobre as desordens
causadas por algumas religiosas do Convento de Santa Clara de Macau, depen-
dente do Provincial de São Francisco da Província da Madre de Deus de Goa.
Afirma que irá promover por todos os meios oportunos o fim das desordens.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 180-180V.

[496] 1822, Janeiro, 15, Cernache do Bonjardim


Carta de D. Marcelino [José da Silva], Bispo de Macau, para o Núncio,
intercedendo a favor do Padre Frei Leonardo da Encarnação, Guardião do Con-
vento de São José de Cernache do Bonjardim, que pretende que o seu Provincial

www.lusosofia.net 137
· TOMO II ORIENTE ·

aceite a sua renúncia à Guardania e lhe conceda licença para se ausentar por
algum tempo do convento.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (1), FL. 181-181V.

[497] 1787, Setembro, 28, [Pequim]


Carta do Padre José Bernardo, missionário em Pequim havia vinte e nove
anos, ao Núncio, recorrendo de uma pena de suspensão a divinis em que incor-
rera juntamente com outros três ex-Jesuítas, por conivência com uma cerimónia
chinesa (Ko teu), considerada, «por sua intrínseca natureza, supersticiosa». Baseia
a defesa no facto de tal prática não ter sido nunca «assim definida pela cabeça da
Igreja» e denuncia os verdadeiros motivos da perseguição, ligados a disputas
sobre bens temporais. Invoca por testemunhas os senhores Paulo Ma e José Fu,
em cujas casas pregou no dia 9 de Junho e 19 de Julho de 1787.
Obs. Documento em latim.
Nota: Cfr. Documentos nº 107 e 795
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 6-6V.

[498] 1804, Março, 28, A bordo do navio Modesta


Carta de D. Joaquim de Sousa Saraiva, Bispo eleito de Pequim [para o Nún-
cio], agradecendo o livro que o destinatário lhe enviou; informando-o de que o
navio partirá no dia seguinte; mandando-lhe cumprimentos dos [Padres] Izoardi
e Salvetti e do Sr. Correia.
Nota: O Franciscano Joaquim Salvetti viria, em 1815, a ser Vicário Apostólico
de Chansi com o título de Bispo de Euriense e a exercer penosamente o seu
ministério até à morte, em 1843, em consequência de uma paralisia nos
membros inferiores contraída nos rigores do cárcere.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 8.

[499] 1804, Junho, 7, Rio de Janeiro


Carta de D. Joaquim de Sousa Saraiva, Bispo Coadjutor de Pequim, para o
Núncio Apostólico em Lisboa, dando-lhe conta da forma com correu a viagem até
ao Rio de Janeiro, do local em que está hospedado (o Mosteiro de São Bento), da
recepção que o Governador lhe tem dispensado, da partida para o Oriente na
semana seguinte.
Obs. Nota, em italiano, no canto superior esquerdo: resposta a 26 de Outu-
bro de 1804 para Macau, «como no registo.»
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 10 E 11V.

[500] 1806, Dezembro, 29, Macau


Carta de D. Joaquim [de Sousa Saraiva], Bispo de Tipasa e Coadjutor de
Pequim, para o Núncio Apostólico em Lisboa, sobre o fim das perseguições aos
europeus na China («já os cristãos de Pequim respiram, já concorrem às igrejas
sem susto, e se fazem nestas as funções eclesiásticas; mas ainda (…) está em
dúvida se serão admitidos novos europeus no serviço do Imperador»). Diz que o
Padre João Pinto, testemunha ocular das perseguições, poderá informar o desti-
natário de tudo o que viu.

138 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. Nota, em italiano, no canto superior esquerdo: recebida a 10 de Maio


de 1807 e respondida «directamente» a 27 de Janeiro de 1808.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 12.

[501] s.d., s.l.


Carta do [Padre] Bruno Pereira, Sacerdote da Congregação da Missão, para o
[Núncio?], informando-o de que o navio em que viaja o Padre João Pinto ainda
não chegou e que não recebeu outras cartas para remeter para Roma.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 15.

[502] 1808, Novembro, 11, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Bispo de Tipasa, Coadjutor [de Pequim],
acusando a recepção da carta de 8 de Abril, informando-o da sua chegada ao Bra-
sil e da difícil situação em que se encontram o Pontífice e o Colégio dos Cardeais
por causa da ocupação de Roma pelos franceses, entre outros assuntos.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 17-17V.

[503] 1809, Abril, 28, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Bispo de Tipasa, Coadjutor de
Pequim, fazendo referência à correspondência enviada e recebida (a última é de 8
de Janeiro de 1809); remetendo para que lhe sejam entregues, pelo Padre Mar-
chini, esta carta e uma cópia da carta circular em que anunciava a sua chegada ao
Brasil, dirigida aos bispos dos domínios portugueses, e um livrinho impresso
contendo documentos oficiais. O autor acrescenta que enviou para a Sagrada Con-
gregação de Propaganda Fide a carta de 8 de Janeiro.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 18-18V.

[504] 1812, Novembro, 10, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para os Bispos de Pequim e de Macau, anun-
ciando a partida, do Rio de Janeiro, de quatro padres missionários e dois irmãos
leigos para [Macau e Pequim]; referindo a prisão do Papa em França, em Fontaine-
bleau; acusando a recepção da carta de 22 de Fevereiro.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 19-19V.

[505] 1813, Abril, 26, Rio de Janeiro


Minuta de carta do Núncio para o Bispo de Pequim, enviando-lhe o voto de
um teólogo da Nunciatura em resposta às perguntas que o destinatário colocava
na carta de 10 de Janeiro de 1812, a respeito da natureza dos contratos [não espe-
cificado]; dando-lhe conta da situação do Papa, que foi transferido para o castelo
de Vincennes, perto de Paris.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 20.

www.lusosofia.net 139
· TOMO II ORIENTE ·

[506] 1814, Junho, 20, Rio de Janeiro


Rascunho de carta do Núncio para o Bispo de Pequim, comunicando-lhe
que o Secretário da Nunciatura irá nos próximos dias a Roma e, nessa ocasião,
colocará na presença do Papa os quesitos a que o destinatário se referia na sua
carta de 21 de Dezembro de 1813.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 21-21V.

[507] 1816, Fevereiro, 6, s.l.


Rascunho da carta do Núncio para o Bispo de Pequim, voltando a informar
que remeteu as cartas do destinatário à Sagrada Congregação de Propaganda Fide;
certificando que o Papa se acha restituído à Santa Sé; congratulando-se com o
facto de o Bispo estar a progredir no entendimento dos caracteres chinas.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 22-22V.

[508] 1814, Janeiro, 14, Macau


Carta de D. Joaquim [de Sousa Saraiva], Bispo de Pequim, para Francisco
José de Paiva, procurando averiguar o que aconteceu ao seu correio, que deveria
ser entregue ao Núncio Apostólico no Rio de Janeiro. A missiva é seguida de
atestado de Francisco José de Paiva, certificando que é verdade que entregou a
Tomás Beal, no início de 1813, a bolsa que o Bispo dirigia ao Núncio. O Tabelião
Público de notas de Macau, Nicolau Pereira, reconhece o assinado supra, a 31 de
Janeiro de 1814.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 23-23V E 24.

[509] 1814, Janeiro, 30, Macau [da carta]


1814, Janeiro, 31, Macau [da declaração]
1814, Janeiro, 31, Macau [do reconhecimento]
Carta de D. Joaquim [de Sousa Saraiva], Bispo de Pequim, para [o Padre]
José Joaquim Pereira Miranda, procurando averiguar o que aconteceu ao seu cor-
reio que deveria ser entregue ao Núncio Apostólico no Rio de Janeiro. Seguida de
declaração do mesmo [Padre] José Joaquim Pereira de Miranda e de reconheci-
mento do Tabelião Público.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 25-26.

[510] 1814, Janeiro, 30, Macau [da carta]


1814, Fevereiro, 1, Macau [da declaração]
1814, Fevereiro, 1, Macau [do reconhecimento]
Carta de D. Joaquim [de Sousa Saraiva], Bispo de Pequim, para [o Padre] Luís
Alves Gonzaga, procurando averiguar o que aconteceu ao seu correio, que deveria ser
entregue ao Núncio Apostólico no Rio de Janeiro; seguida de declaração do [Padre]
José Joaquim Pereira de Miranda e de reconhecimento do Tabelião Público.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 27-28.

[511] 1809, Fevereiro, 25, Macau


Carta de D. Joaquim [de Sousa Saraiva], Bispo de Pequim, para o Núncio
Apostólico, na qual informa que o seu antecessor, D. Frei Alexandre de Gouveia,

140 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

morreu a 6 de Julho de 1808 e deixou nomeado para Vigário Geral, na ausência


do autor, o Padre Veríssimo Monteiro da Serra; expõe que ainda não pôde entrar
em Pequim; informa que a entrada das tropas inglesas em Macau causou um
rebuliço no império chinês e ainda não sabe que influência terá no seu destino
pessoal; pede ao destinatário para conceder a todos os Bispos e Vigários Apostóli-
cos da China a faculdade para dispensa da disparidade de culto; e solicita para si e
para o Bispo de Nanquim a faculdade de dispensar no primeiro grau de afinidade,
e a extensão a todos os Bispos e Vigários Apostólicos da China do Breve do Papa
Pio VI para os Bispos do Brasil.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 29-29V.

[512] 1809, Janeiro, 29, Macau


Carta de D. Joaquim [de Sousa Saraiva], Bispo de Pequim, [para o Núncio]
na qual lhe comunica que o seu antecessor, D. Frei Alexandre de Gouveia, faleceu
a 6 de Junho de 1808 e deixou nomeado para Vigário Geral o Padre Veríssimo
Monteiro da Serra enquanto o autor não chegasse a Pequim. Pede-lhe a faculdade
para dispensas do impedimento de disparidade do culto e o poder de dispensar
em todos os demais impedimentos que são do direito eclesiástico. Solicita ainda
que a comunicação do Breve de 26 de Janeiro de 1796, do Papa Pio VI para os
Bispos do Brasil, se estenda a todos os Bispos e Vigários Apostólicos da China.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 31-31V.

[513] 1825, Dezembro, 15, Macau


Carta do Padre José Joaquim de Miranda, Sacerdote da Congregação da Mis-
são, para Monsenhor Franzoni, Arcebispo de Nazianzo e Núncio Apostólico em
Portugal e seus domínios, referindo-se à viagem que fez com mais três Congrega-
dos de Lisboa até Macau, onde chegou a 24 de Outubro; comentando que, face à
necessidade de matemáticos no império chinês, espera que o Imperador concorde
com o ingresso do autor e dos seus acompanhantes; informando que o Bispo de
Pequim ainda não está sagrado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 32 E 33V.

[514] 1808, Janeiro, 27


Rascunho de carta [do Núncio] para D. Joaquim [de Sousa Saraiva], Bispo
de Tipasa e Coadjutor do Bispo de Pequim, comunicando-lhe que dirigiu a sua
carta, de 29 de Dezembro de 1806, e as súplicas de que tratava, à Sagrada Con-
gregação de Propaganda Fide.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 35.

[515] 1810, Janeiro, 25, Macau


Carta de D. Joaquim [de Sousa Saraiva], Bispo de Pequim, para o Núncio,
sobre a melhoria da situação dos europeus na China segundo as informações que
lhe foram transmitidas pela carta do Padre [José Nunes] Ribeiro: o Padre Adeo-
dato foi libertado e regressou à sua igreja; o Governador dos europeus em
Pequim, que movia forte perseguição aos cristãos, foi degolado. Refere que se
estão a fazer diligências para a entrada do autor na China.

www.lusosofia.net 141
· TOMO II ORIENTE ·

Nota: Sobre as vicissitudes desta perseguição, veja-se a relação redigida pelo


Padre Lamiot em LECLERCQ, Henri, Les Martyrs, Recueil de pièces authenti-
ques sur les martyrs depuis les origines du christianisme jusqu’au XXème siècle,
Tours, 1921 (Vol. XIII, La Révolution et l’Extreme Orient, pp. 332-351).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 37-37V.

[516] [1809], s.l.


Transcrição de uma notícia do Bell’s Weekly Messenger, de 27 de Agosto de
1809, intitulada «Carta d’Estado da China». Trata-se da carta de estado que o
“Isontoe” de Cantão dirigiu a 3 de Dezembro de 1808 ao comandante mais velho,
capitães, oficiais e outros pertencentes aos navios ingleses no porto de Huangpu
sobre a introdução de soldados estrangeiros em Macau e exigindo a sua retirada.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 39-40.

[517] 1813, Maio, 7 e 10, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta do Núncio para o Bispo de Pequim, acusando a recepção
da carta de 3 de Janeiro «com os papéis extremamente interessantes da Coreia»;
defendendo que se deve esperar pela reabertura da comunicação com a Santa Sé
para se consultar o Papa acerca da nomeação de um Coadjutor para o autor;
pedindo-lhe que não solicite um Coadjutor directamente ao Príncipe Regente;
referindo-se à falta de notícias sobre o Papa; e remetendo um parecer de um teó-
logo da Nunciatura acerca das perguntas formuladas pelo destinatário a propósito
da natureza de uns contratos [não especificado].
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 41-41V.

[518] 1811, Agosto [?], 30 [?], s.l.


Carta de Miguel de Arriaga Brum da Silveira, do Conselho de Sua Majestade,
para o Bispo de Pequim, afirmando que é vedada qualquer alienação a estangeiros
mas que homens casados têm comprado prédios em nome das mulheres.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 43 E 44V.

[519] 1813, Janeiro, 3, Macau


Carta de D. Joaquim [de Sousa Saraiva], Bispo de Pequim, para o Núncio
Apostólico, remetendo em 3.ª via um importante ofício para ser entregue a Sua
Alteza Real [não especifica o assunto].
Obs. De acordo com o rascunho do fl. 41-41v, deve tratar-se de um ofício
sobre a Coreia.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 45.

[520] 1812, Junho, 4, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta do Núncio para o Bispo de Pequim, em Macau, agrade-
cendo o relógio solar que o destinatário lhe ofereceu; congratulando-se com o
trabalho desenvolvido pelo Bispo durante a actual perseguição aos cristãos na
China, nomeadamente a fundação do seminário; informando-o de que o Conde
de Galveias está em convalescença e que em cinco meses morreram quatro conse-

142 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

lheiros de Estado: o Marquês de Angeja, o Conde de Linhares, o Marquês de Belas


e o Marquês de Pombal.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 49-50.

[521] s.d., s.l.


Instrução elaborada por D. Frei Alexandre [de Gouveia], Bispo de Pequim, e
enviada ao [Núncio], sobre o restabelecimento das Missões na China. Salienta a
necessidade de um Seminário destinado à formação do clero chinês na Diocese de
Pequim; de um Cabido na Catedral de Pequim totalmente sujeito ao Bispo e
constituído só por portugueses; da restituição de um legado que a Rainha, mulher
de D. João V, deixou à missão de Pequim; e da conservação de portugueses no
Tribunal Matemático.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 51-56.

[522] 1813, Janeiro, 6, Macau


Carta de D. Joaquim [de Sousa Saraiva], Bispo de Pequim, para o Núncio
Apostólico, enviando cartas da Coreia para o Príncipe Regente; expondo que
comprou umas casas com dinheiro que juntou da sua côngrua por um preço mais
elevado do que elas realmente valiam e que depois as vendeu a um irlandês
casado em Macau com uma portuguesa (Eduardo Hogan), que não chegou a
pagar as casas, e entretanto embarcou num navio que se perdeu; o autor deman-
dou as casas em Juízo e recuperou-as. Julga que não lesou a sua Igreja nem as leis
de Sua Alteza Real, que proibem a venda a estrangeiros.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 57-58V.

[523] 1827, Janeiro, 13 [s.l.]


Extracto-cópia de uma carta datada de Pequim, 25 de Setembro de 1826, do
Padre Mateus Sin, da Congregação [da Missão], narrando certos preocupantes
indícios de perseguição (o Imperador requerera um catálogo pormenorizado dos
bens eclesiásticos portugueses e franceses).
Obs. Documento em latim.
Nota: Trata-se decerto do Padre Mateus Xue, Superior da Missão de Pequim
entre 1820 e 1835, que, precisamente pelo receio da perseguição, retirou o
respectivo governo para a Mongólia.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 59-59V.

[524] 1797, Agosto, 15, Pequim


Cópia de resumo de memória do Bispo de Pequim, D. Frei Alexandre de Gou-
veia, sobre a introdução da religião cristã na Coreia, feita por Ly [Seung-Houn] que,
em 1784, acompanhou seu pai, que era embaixador, a Pequim e ali se instruiu no
cristianismo; os primeiros baptismos e catequização; as perseguições (a primeira teve
lugar em 1788) e os seus mártires; a ida à Coreia de um primeiro missionário chinês,
enviado pelo Bispo de Pequim a pedido de cristãos coreanos, de nome Sabba Chi e
João Po, cuja presença foi denunciada ao Rei e deu azo a novas perseguições.
Obs. O documento tem o seguinte título: «Resumo da Relação do Bispo de
Pequim, Frei Alexandre de Gouveia, em que se vê o princípio da religião
cristã na Coreia».

www.lusosofia.net 143
· TOMO II ORIENTE ·

Nota: Ly-Seun-Houn (mais conhecido pela transcrição inglesa Lee-Sun-


ghoon), é o enviado de Ly-Byok que leu as as obras de Ricci, vindas de
Pequim, e fundou na década anterior um cenáculo de jovens catecúmenos
em Chon-Jin-An, hoje sede de um grande santuário. Entreteve correspon-
dência formal com o Bispo de Pequim. Tanto ele como o referido missioná-
rio chinês (Padre Cun-Mum-Mo) pereceram na perseguição de 1801. Os
dois coreanos leigos são hoje considerados os fundadores da Igreja Católica
no país. Esta e a documentação afim que se segue pode ser particularmente
relevante para esclarecer pontos controversos sobre a morte de Ly-Byok e
fornecer nomes raramente registados dos primeiros peticionários de uma
sucessão apostólica para aquela Igreja nascente. A Relação pode ler-se na
íntegra em LECLERCQ, Henri, Les Martyrs, Recueil de pièces authentiques sur
les martyrs depuis les origines du christianisme jusqu’au XXème siècle, Tours,
1921 (Vol. XIII, La Révolution et l’Extreme Orient, pp. 164-168). Vide et
BYUN KI-YUNG, Pierre, Vue generale sur les quelques dix mille ans d’histoire
spirituelle et culturelle du peuple coréen, Sanctuaire de Chon Jin An, Swon,
1999.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 63-70.

[525] 1800, Fevereiro, 13, Queluz


Cópia da carta dirigida pelo Príncipe Regente aos Juízes, Veradores e Procu-
rador do Senado da Câmara de Macau, remetendo-lhes cópia da Carta Régia que
na mesma data endereça ao Superior dos Padres da Congregação da Missão de
Lisboa, relativa ao restabelecimento das Missões na China para que façam cum-
prir as suas disposições.
Obs. Em anexo remete o documento seguinte.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 71.

[526] 1800, Fevereiro, 13, Queluz


Cópia de carta do Príncipe Regente para o Superior dos Padres da Congrega-
ção da Missão de Lisboa com determinações tendentes a suprir a falta de eclesiás-
ticos nas Missões da China.
Obs. Anexa ao documento anterior.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 72-73V.

[527] 1812, Fevereiro, 25, Dezembro, 20, Macau


Cópia da correspondência relativa à permanência do Padre Ferreti em
Macau, trocada entre o Bispo de Pequim, o Bispo de Macau, o Senado de Macau e
o Governador de Macau.
Obs. Anexo ao documento seguinte (fls. 81-90).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 74-80.

[528] 1812, Dezembro, 29, Macau


Cópia de carta do Bispo de Pequim para o Príncipe Regente, sobre a situação
do Bispado de Pequim; as tentativas de interferência no governo do Seminário de
São José de Macau, propriedade da Congregação das Missões Portuguesas da

144 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

China, por parte do Arcebispo de Goa; os obstáculos levantados pelo Governador


à permanência em Macau do Padre Tiago Ferreti, [um dos quatro missionários da
Propaganda Fide vindos de Pequim, onde os cristãos estão a ser perseguidos],
enquanto permite que negociantes estrangeiros se demorem na cidade e faz negó-
cios com eles; a violação da imunidade eclesiástica cometida pelo Governador ao
mandar prender o Padre Ferreti; as vantagens, para a educação dos seminaristas,
da permanência do Padre Ferreti em Macau.
Obs. Em anexo, remete cópia da correspondência relativa à permanência do
Padre Jacob Ferreti em Macau trocada entre o Bispo de Pequim, o Bispo de
Macau, o Senado de Macau e o Governador de Macau. Vd. documento anterior.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 81-90.

[529] 1812, Dezembro, 29, Macau


Carta de D. Joaquim [de Sousa Saraiva], Bispo de Pequim, para o Núncio
Apostólico, narrando as providências tomadas (em vão) para conservar o Padre
Tiago Ferreti consigo em Macau e os obstáculos que enfrentou. Refere-se à situa-
ção da Diocese de Pequim.
Obs. Documento em mau estado de conservação.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 91-92V.

[530] 1813, Dezembro, 21, Macau


Carta de D. Joaquim [de Sousa Saraiva], Bispo de Pequim, para o Núncio
Apostólico, na qual acusa a recepção da carta de 10 de Novembro de 1812; refere-
-se à intriga concertada entre o Bispo de Macau, o Governador e [Miguel de]
Arriaga com vista à expulsão do Padre Ferretti; aceita a resposta dos teólogos da
Nunciatura a propósito dos censos que fez com o Bispo de Macau no cofre dos
pobres e diz-se disposto a desfazê-los; participa que ordenou ao seu Vigário Geral,
o Padre José Nunes Ribeiro, que executasse as directrizes do Núncio a respeito
dos bens da Catedral e da casa de São José; diz que o seu seminário chinês vai
bem e que está a aprender os caracteres chineses; pede autorização para publicar
uma obra de ensino da língua chinesa segundo o seu método e uma Teologia
Moral; entre outros assuntos.
Obs. No final do texto, afirma que remete cópia da carta que enviou ao
Príncipe Regente a respeito do Padre Ferreti (fls. 81-90); o acórdão de Goa
no caso do Padre Faustino; a proclamação do Imperador da China; a carta
do Padre [Veríssimo Monteiro] Serra, [anterior Vigário Geral de Pequim].
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 93-95V.

[531] 1812, Novembro, 12, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta do Núncio para o Bispo de Pequim, transmitindo-lhe o
voto desfavorável dos teólogos da Nunciatura relativamente à venda dos bens da
Catedral de Pequim e do órgão. O autor também expõe a sua discordância com a
referida alienação.
Obs. Nota, em italiano, no canto superior direito: «Carta reservada e de
consciência».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 96-98V.

www.lusosofia.net 145
· TOMO II ORIENTE ·

[532] 1813, Janeiro, 2, Macau


Cópia de Carta de D. Joaquim [de Sousa Saraiva], Bispo de Pequim, para Sua
Alteza Real, com a qual envia uma tradução das cartas que no ano anterior os
cristãos da Coreia escreveram ao Papa e ao seu antecessor, que ainda julgavam
vivo; refere-se à situação da Igreja na Coreia e na China e às perseguições de que
tem sido alvo; pede que a sua renúncia seja aceite; considera necessário que o seu
sucessor entre oculto na China para conhecer directamente a sua Diocese.
Obs. Em anexo, remete a tradução das «Cartas dos cristãos da Coreia ao
Sumo Pontífice e ao Bispo de Pequim» (fls. 100-117v). Trata-se de uma
cópia enviada ao Núncio, em anexo à carta que se encontra no fl. 119-119v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 99-99V E 118-118V.

[533] 1811, Dezembro, 9 - 1811, Dezembro, 28


Tradução de duas cartas dos cristãos da Coreia, a primeira para o Papa e a
segunda para o Bispo de Pequim. A primeira trata da introdução e evolução da
religião cristã na Coreia; da situação geográfica e política da Coreia, que dificulta
a penetração do cristianismo; do temor do governo coreano relativamente às
intenções dos europeus e da necessidade de lhe garantir que os europeus apenas
querem propagar a religião e não ocupar o Reino; das perseguições aos cristãos e
dos seus mártires. A segunda aborda com mais pormenor as várias perseguições
aos cristãos na Coreia; o martírio do cristão Ly [Seung-Houn], regressado à
Coreia em 1784, e dos cristãos coreanos Columba, Ágata, Lutgardo, Tomé, Agos-
tinho, entre outros.
Obs. Em anexo ao documento anterior (fls. 99-99v e 118-118v).
Nota: Veja-se obs. Doc. 524
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 100-117V.

[534] 1813, Janeiro, 3, Macau


Carta de D. Joaquim [de Sousa Saraiva], Bispo de Pequim, para o Núncio
Apostólico, remetendo tradução das cartas da Coreia e uma cópia do ofício que
manda ao Príncipe Regente sobre o mesmo assunto. Refere-se à renúncia e à
nomeação do seu sucessor.
Obs. Em anexo remete o documento dos fls. 99-99v e 118-118v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 119-119V.

[535] 1815, Julho, 3, [Rio de Janeiro]


Rascunho de ofício [do Núncio] para o Cardeal di Pietro, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, fazendo referência ao envio da carta de 14 de
Janeiro de 1815 do Bispo de Pequim para Roma e as gravuras/impressos feitos
pelos cristãos da Coreia.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 121.

[536] 1814, Fevereiro, 20, Macau [do original]


Extracto de carta do Bispo de Pequim para o Núncio sobre a intriga do Bispo
de Macau com o Governador e [Miguel de] Arriaga, que deu azo à expulsão do

146 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Padre Ferreti. Aceita a resposta do destinatário relativa ao lucro do censo das


casas a dez por cento.
Obs. Extracto de 2.ª via da carta que o Bispo de Pequim enviou ao Núncio,
recebida no Rio de Janeiro a 30 de Julho de 1814.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 122.

[537] 1788, Dezembro, 4, Macau


Carta do Padre Letondal, Procurador das Missões Estrangeiras de Paris, ao
Padre António da Purificação, eleito Bispo de Nanquim pelo Arcebispo de Goa,
em resposta a um seu pedido de missionários europeus, enunciando pormenori-
zadamente os custos implicados.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 127-128.

[538] s.d., s.l.


Memorial [do Núncio] sobre os primeiros três bispos do Japão (de 1566).
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 131-131V.

[539] 1800, Fevereiro, 3, Queluz


Cópia de carta régia dirigida pelo Príncipe Regente ao Superior dos Padres
da Congregação da Missão de Lisboa com determinações tendentes a suprir a falta
de eclesiásticos nas Missões da China.
Obs. Vd. outra cópia de igual teor supra.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 135-136.

[540] 1810, Maio, 25, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para o Conde das Galveias encomendando-
-lhe o Padre Cláudio Francisco Letondal, Procurador das Missões Estrangeiras
junto da Sagrada Congregação [de Propaganda Fide] para que possa regressar a
Macau, onde já foi missionário durante vinte anos, sem quaisquer dificuldades.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 137 E 139.

[541] 1810, Maio, 29, Rio de Janeiro


Cópia de nota do Conde de Galveias para o Núncio Apostólico, comuni-
cando-lhe que o Príncipe Regente acede ao pedido do destinatário e, pelo primeiro
navio que largar para Macau, serão expedidas ordens do Governo para que não se
ponham obstáculos ao regresso do Padre Letondal àquela cidade.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 140.

[542] 1810, Maio, 31, s.l.


Rascunho da carta do Núncio Apostólico para o Conde de Galveias, agrade-
cendo as ordens expedidas para Macau a favor do Padre Cláudio Francisco de
Letondal, Procurador [das Missões Estrangeiras de Paris] junto da Sagrada Con-
gregação de Propaganda Fide e pedindo que as comunique ao Príncipe Regente.
Refere as dificuldades do Padre Letondal em regressar a Macau.

www.lusosofia.net 147
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Documento em italiano.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 142.

[543] 1810, Junho, 1, [Rio de Janeiro]


Nota do Conde de Galveias para o Núncio, garantindo-lhe que não deixará
de comunicar ao Príncipe Regente os agradecimentos do destinatário relativos às
ordens expedidas para Macau em favor do Padre Letondal.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 143.

[544] 1811, Fevereiro, 12, Macau


Carta de Miguel de Arriaga Brum da Silveira para o Núncio Apostólico, afir-
mando que os serviços que tem prestado aos missionários da Santa Sé são uma forma
de satisfazer os seus deveres de cristão e de ministro de um soberano católico.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 145-147.

[545] 1816, Outubro, 7, Rio de Janeiro


Nota do Conde da Barca para o Cardeal Caleppi, Núncio Apostólico de Sua
Santidade, comunicando-lhe que, perante a perseguição ao cristianismo na China,
o Príncipe Regente não julga vantajosa para os bispados de Pequim e Nanquim a
pretendida mudança dos seus prelados.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 148-149.

[546] 1831, Junho, 13


Rascunho de carta do Núncio Apostólico e Arcebispo de Petra ao Visconde de
Santarém, Ministro dos Negócios Estrangeiros, recomendando que os objectos dos
missionários da Sagrada Congregação [de Propaganda Fide], de partida para Macau,
Padres Polignano e Donato, napolitanos, sejam expedidos para aquele destino.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 151 E 152V.

[547] 1776, Fevereiro, 12, Roma


Cópia de bilhete de Monsenhor Borgia, Secretário da [Sagrada Congregação
de] Propaganda Fide, para o Cardeal de Bernis, sobre o reembolso do dinheiro
emprestado em 1761 pelo Padre Borsel, Procurador dos Jesuítas franceses da China,
a [Monsenhor] Palladini, Procurador da mesma Sagrada Congregação em Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 155-155V.

[548] 1777, Setembro, 11, Roma


Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 157-157V.

[549] 1777, Agosto, 12


Rascunho de carta [do Núncio] para o Prefeito [da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide], acusando a recepção das ordens e instruções relativas ao Bispo

148 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

de Macau e referindo a necessidade de nomear um Bispo para a sé vacante de


Nanquim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 158-158V.

[550] 1777, Novembro, 15, Roma


Carta do Cardeal Castelli para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Petra
sobre a conduta e as desordens causadas pelo Bispo de Macau; recomendando-lhe
a expedição de duas caixas de livros para o Malabar e referindo a propósito os
Bispados vacantes da China e das Índias Orientais.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 159-159V.

[551] 1778, Fevereiro, 18, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide] para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Petra, referindo as medidas a
tomar para resolver as desordens, os problemas nas missões da China; sobre a
necessidade de nomear um Bispo para a Diocese vacante de Pequim: o autor pro-
põe o Padre João Simonetti, Agostinho Descalço, romano, ou o Padre Nicolau
Simonetto, Sacerdote Secular, napolitano, Procurador em Cantão para as Missões
das Índias Orientais; e sobre a necessidade de nomear um Coadjutor para o Bispo
de Nanquim (propõe o nome de Monsenhor Natanael Burger, alemão, Menor
Reformado, Vigário Apostólico de Missão de Chensi e Chansi ou o Padre António
de Ósimo, italiano, Menor Observante, missionário na Província de Shandong.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 161-162

[552] 1778, Abril, 7, Lisboa


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda [Fide], acusando a recepção da carta de 19 de Feve-
reiro com a nota dos missionários existentes na China e concordando com a pro-
posta do Padre João Damasceno para Bispo da sé vacante de Pequim e de um
Coadjutor para o velho Bispo de Nanquim; referindo a conduta moral do Bispo de
Macau e do Arcebispo de Goa; referindo a expedição de duas caixas de livros para
o Malabar e a chegada [a Lisboa] de nove Capuchinhos missionários.
Obs. Documento em italiano e em mau estado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 163-164.

[553] s.d., s.l.


Lista dos missionários operantes na China e informações sobre eles.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 165-165V.

[554] 1778, Junho, 6, Roma


Carta do cardeal Castelli ao Núncio Apostólico e Arcebispo de Petra sobre a
próxima nomeação dos bispos das Missões da China [Pequim e Nanquim].

www.lusosofia.net 149
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Documento em italiano.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 167.

[555] 1778, Janeiro, 15, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], ao Núncio Apostólico e Arcebispo de Petra, informando-o sobre a próxima
partida, de Génova, de missionários destinados ao Brasil; sobre o envio de algu-
mas patentes, e sobre as desordens causadas pelo Bispo de Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 168-169.

[556] 1778, Abril, 4, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], ao Núncio Apostólico e Arcebispo de Petra, acusando a recepção da carta
do Padre Gregório da Apresentação; sobre as medidas a tomar contra o Arcebispo
de Goa e o Bispo de Macau. Em anexo, o autor remete um fólio referindo a con-
duta do Arcebispo de Goa e uma lista dos missionários Agostinhos de partida
para Lisboa.
Obs. Documento em italiano. Os textos anexos não foram encontrados.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 170-170V.

[557] 1778, Fevereiro, 5, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], ao Núncio Apostólico e Arcebispo de Petra, sobre o atraso no envio das
ordens régias com as intruções a tomar contra o Bispo de Macau; sobre a activi-
dade desenvolvida pelo Bispo de Penafiel, [D. Frei Inácio de S. Caetano], a favor
da nação siríaca de Alepo; e sobre o envio do Padre Boaventura de Veneza para a
missão de S. Tomé, junto com o Padre Bernardino de Locarno.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 172-172V.

[558] 1789, Setembro, 19, Roma


Carta/ofício do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propa-
ganda Fide], para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Tiana, pedindo esclarecimen-
tos sobre o requerimento, apresentado ao Rei, de protecção para os missionários
franceses em Macau; e sobre as queixas dos Bispos portugueses das Índias Orien-
tais contra os Vigários Apostólicos.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 174-174V.

[559] 1789, Dezembro, 23, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide] para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Tiana, pedindo informações sobre
os bispos nomeados para as Dioceses de Macau e Nanquim pela Coroa portu-
guesa, e solicitando-o para que escuse aos novos eleitos, dando-lhe intruções sobre
as actividades a desenvolver (compor as discórdias internas à missão), nomeada-

150 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

mente na acção de acolhimento dos missionários estrangeiros. O autor pede infor-


mações também relativamente às Missões em África, Ásia e América, recomen-
dando a nomeação de um Sacerdote de rito latino para a igreja de Cranganor;
perguntando pelo Padre Tomé Pareamakel aí colocado pelo Arcebispo de Goa; e
referindo as queixas apresentadas contra o Bispo de Cochim.
Obs. Documento em italiano. No fim do documento há um post-scriptum
bastante extenso contendo cópia de um decreto de 1765, de D. Bartolomeu
Mendes, Bispo de Macau, em que autorizava a permanência de missionários
não portugueses em Macau.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 176-178V.

[560] 1778, Maio, 5, […]


Rascunho de carta [do Núncio] para o [Prefeito da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide] acusando a recepção da carta relativa ao Arcebispo de Goa e a
nota dos missionários Capuchinhos; informando-o sobre a próxima eleição dos
Bispos de Pequim e Nanquim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 180.

[561] 1778, Maio, 9, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Petra, referindo os candidatos
para o bispado de Pequim, Padre João Damasceno, e para o Coadjutor de Nan-
quim, Monsenhor Natanael Burger; sobre a instância apresentada contra o Bispo
de Macau e o Arcebispo de Goa pela Rainha/Governo português; e sobre a expedi-
ção de duas caixas de livros de doutrina para o Malabar.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 181-182.

[562] 1778, Julho, 23, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Petra, recomendando-lhe o aluno,
Padre António Pinto, destinado ao Grão-Mogol; e informando-o da nomeação do
Padre João Damasceno, Agostinho Descalço, para Bispo de Pequim e do Padre
Natanael Burger, Menor Reformado, para Coadjutor do Bispo de Nanquim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 183-184.

[563] 1779, Setembro, 2, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Petra, acusando a recepção da
carta de 25 de Julho e agradecendo o apoio oferecido ao Padre José Cariati e aos
seus companheiros, chegados a Lisboa do Malabar; e solicitando a nomeação,
quanto antes, de um novo Procurador da Sagrada Congregação na China, pois
tinha falecido o antigo.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZLISBONA, 33 (2), FL.

www.lusosofia.net 151
· TOMO II ORIENTE ·

[564] 1779, Outubro, 12, [Lisboa]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, sobre a súplica apresentada pelo Padre José
Cariati ao Rei sob instância de D. Caetano Vitorino de Faria [não é especificado o
assunto], e dizendo-se temporariamente impossibilitado de fornecer notícias relati-
vas ao novo Procurador da Sagrada Congregação em Macau.
Obs. Documento em italiano.
Nota: O mencionado Caetano Vitorino de Faria é pai e mentor do famige-
rado Abbé Faria, que viria a inspirar a personagem homónima do Conde de Monte
Cristo, de Alexandre Dumas.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 187-188.

[565] 1780, Fevereiro, 19, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Petra, referindo a conduta irregular
dos ex-Jesuítas Padre José Espinha em Pequim e do seu colega Padre Loureiro, em
Cantão, e anunciando a chegada a Lisboa dos Padres Francisco José [da Torre] e João
Baptista Marchini, destinados à Província da Sagrada Congregação na China.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Sobre os ditos ex-Jesuítas, vide Documento nº 107.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 189-189V.

[566] 1780, Abril, 18, [Lisboa]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Castelli, [Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide], acusando a recepção da carta de 19 de Feve-
reiro, referindo as medidas tomadas de acordo com o Secretário de Estado dos
Negócios Ultramarinos acerca da expulsão de Espanha, a entrega das faculdades
apostólicas ao Vigário Apostólico do Mogol.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 190-191.

[567] 1778, Julho, 17, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Petra, acusando a recepção da
notícia do falecimento do Padre Nicolau Simonetto, Procurador da Sagrada Con-
gregação em Cantão, que se mudou de Macau por causa dos conflitos com D. Ale-
xandre da Silva Pedrosa Guimarães, Bispo daquela cidade.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 193-193V.

[568] 1773, Março, 31, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Petra, pedindo para intervir junto
do Governo português contra o ex-Jesuíta José Espinha, que causou o cisma. O
autor envia uma nota em anexo sobre a conduta irregular do referido padre para
que seja apresentada à corte [não foi encontrado o anexo].

152 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. Documento em italiano.


Nota: Sobre o dito ex-Jesuíta, vide Documento nº 107.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 195.

[569] 1780, Abril, 20, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Petra, referindo o embarque para
a China do Padre Francisco José da Torre, Procurador da Sagrada Congregação na
China, e do Padre João Baptista Marchini; refere ainda as medidas tomadas contra
o ex-Jesuíta português [Padre José] Espinha em Pequim, o atraso na partida do
Padre João de Santa Margarida para o Malabar; e a chegada a Lisboa de seis
missionários, mais o Prefeito, destinados à Baía.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Sobre o dito ex-Jesuíta, vide Documento nº 107.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 197-198.

[570] [s.d.], Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Petra, sobre o caso dos ex-Jesuítas
portugueses em Pequim e nomeadamente sobre [o Padre José] Espinha.
Obs. Documento em italiano. Está rasgado e não se pode ler completamente
o conteúdo da carta.
Nota: Sobre os ditos ex-Jesuítas, vide Documento nº 107.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 199-199V.

[571] 1780, Março, 24, Roma


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Castelli, [Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide], referindo o embarque para a China do Padre
Francisco José da Torre, Procurador das Missões, e do seu companheiro; as
medidas tomadas para a expulsão dos domínios portugueses do ex-Jesuíta [Padre
José] Espinha. Refere o destino do Padre João de Santa Margarida, Coadjutor do
Vigário Apostólico, para a missão do Malabar.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Sobre o dito ex-Jesuíta, vide Documento nº 107.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 200-201.

[572] 1790, Julho, 28, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Tiana, recomendando-lhe os
Capuchinhos da Missão do Tibete chegados a Lisboa. O autor refere a pretensão
do governo português, de enviar missionários [Capuchinhos] italianos para as
missões do ultramar sem serem examinados pela Sagrada Congregação ou pelos
Bispos delegados, portanto sem terem as patentes necessárias, com o risco de que,
uma vez chegados ao destino, possam ter de voltar para trás. O autor comenta por
pontos a memória apresentada pelo Núncio para que seja permitido aos missioná-
rios franceses e da Sagrada Congregação estabelecerem-se em Macau.

www.lusosofia.net 153
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Documento em italiano.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 202-205.

[573] 1789, Janeiro, 9, [Lisboa]


Memória [do Núncio] dirigida ao Núncio em França sobre as dificuldades e
as perseguições sofridas pelos missionários franceses da Sagrada Congregação,
entre outros, em Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 206-207.

[574] 1789, Janeiro, 9, [s.l.]


Cópia do bilhete escrito pelo Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congrega-
ção de Propaganda Fide, ao Cardeal de Bernis, sobre a súplica apresentada pelos
directores do Seminário das Missões Estrangeiras de Paris à Rainha para obter a
protecção da Corte portuguesa a favor dos missionários franceses em Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 208-208V.

[575] 1790, Setembro, 1, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Tiana, sobre as negociações com
o governo português em Macau. O autor pede informações sobre os dois missioná-
rios Capuchinhos, Padre Luís Maria de Città di Castello e Padre Boaventura de
Solino, destinados ao Tibete.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 210-211V.

[576] 1789, Março, 14, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide] para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Tiana, informando-o da chegada a
Nápoles de dois estudantes chineses do colégio da Sagrada Família, Marcos Chang
e João Lei.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 212.

[577] 1790, Outubro, 6, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Tiana, remetendo-lhe a resposta
para o Bispo de Macau para que permitisse a permanência em Macau dos missioná-
rios.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 214-214V.

[578] 1791, Janeiro, 22, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Tiana, acusando a recepção da

154 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

carta de 25 de Novembro sobre as negociações com a Corte portuguesa para tute-


lar os missionários estrangeiros em Macau e para permitir a permanência destes
naquela cidade.
O autor pede informações sobre o embarque dos missionários Capuchinhos
destinados ao Tibete.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 218-218V.

[579] 1793, Janeiro, 26, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Tiana, sobre a morte do Bispo de
Nanquim destinado à Diocese de Goa, e sobre a consequente necessidade de
nomear um novo Prelado para Goa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 220.

[580] s.d., s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para o Secretário de Estado ou à Sagrada
Congregação da Sagrada Congregação de Propaganda Fide sobre a Carta Régia de
17 de Março de 1800, relativa aos abusos autorizados pelo governo português.
Obs. Documento em italiano. O autor remete em anexo a tradução da carta
régia (fls. 223-225) e a tradução da carta do Arcebispo de Goa de 5 de Maio
de 1805.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 222-22V, 223-
-225V.

[581] [Cerca de 1800, Março, 17, Lisboa]


Tradução da Carta Régia, após prévia consulta ao Conselho Ultramarino,
relativamente ao Bispo de Macau, que tinha feito um reclusório para as “mulheres
de maus costumes”.
Obs. Documento em italiano. Em anexo ao documento anterior.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 223-225V.

[582] [Cerca de 1805, Maio, 5, Goa]


Tradução de uma carta do Arcebispo de Goa, datada de 5 de Maio de 1805,
sobre o objecto da mesma decisão régia e sobre os péssimos efeitos produzidos
por esta, também na sua amplíssima Diocese.
Obs. Documento em italiano. Em anexo ao documento do fls. 222-222v,
223-225v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 225-226V.

[583] 1803, Agosto, 28, [Lisboa]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Borgia, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, informando-o sobre a chegada a Lisboa de
D. Marcelino José da Silva, ex-Bispo de Macau, e do Sr. Manuel Correia, Procura-
dor da Sagrada Congregação em Macau. O autor diz que os dois forneceram

www.lusosofia.net 155
· TOMO II ORIENTE ·

informações sobre o estado da região, os seminários jesuítas, a falta de missioná-


rios e o perigo de cisma num dos estabelecimentos portugueses do Reino de Sião.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 228-229.

[584] 1804, Maio, 12, Roma


Carta do Cardeal Borgia, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Nísibe, Monsenhor Caleppi, acu-
sando a recepção da carta de 31 de Março, em que o Núncio lhe comunicava a
nomeação do Bispo de Nanquim e do Coadjutor para o Arcebispo de Goa e para o
Bispo de Pequim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 230-231.

[585] 1794, Julho, 26, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Cardeal Bellisonni em Lisboa, pedindo-lhe para se encontrar com o
Sr. Galli e outro banqueiro, para com eles estabelecer o envio, para o Procurador
da Sagrada Congregação em Macau, cada ano, da quantia fixa de cinco mil «pezzi
forti» de Espanha.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 232-232V.

[586] 1804, Março, 20, [Lisboa]


Rascunho da carta [do Núncio] para o Cardeal Borgia, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, sobre a súplica apresentada pelo Superior e pelos
Padres missionários do Seminário da Congregação em Macau, pedindo para utiliza-
rem o dinheiro da Propaganda para investirem em negócios, «os riscos do mar».
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 234.

[587] 1804, Março, 31, [Lisboa]


Rascunho da carta [do Núncio] para o Cardeal Borgia, Prefeito [da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide], sobre a utilização dos bens da Companhia de
Jesus nas missões após a sua extinção.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 235-236.

[588] 1804, Junho, 2, Roma


Carta do Cardeal Borgia, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda Fide],
para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Nísibe, sobre a nomeação do Bispo de Nan-
quim, o envio de caixas de livros para a China; a assistência dada aos missionários
Salvetti e Izoardi destinados à China; o próximo envio de dois missionários Capuchi-
nhos, o Padre Felisberto de Ceva e João Fidel de Cúneo, para Madrasta.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 237.

156 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[589] 1805, Maio, 30, Roma


Carta do Cardeal [Miguel] de Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Pro-
paganda Fide], para o Padre Pedro Francisco Viguier, Superior dos Padres da Congre-
gação da Missão da China, acusando a recepção das cartas de 12 de Março e de 3 de
Abril, e remetendo-lhe as patentes para ele e para os missionários destinados à China,
acrescentando que devem obedecer aos Bispos e Vigários Apostólicos locais.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 238-238V.

[590] 1805, Junho, 6, Roma


Decreto da Sagrada Congregação de Propaganda Fide assinado pelo Cardeal
di Pietro, seu Prefeito, e pelo Secretário, o Arcebispo Domingos Coppola, apro-
vando para missionário na China o Padre João José Ghirlain, designado pelo
Superior-Geral da Congregação da Missão, especificando as faculdades inerentes,
bem como a sua futura dependência dos Bispos ou Vigários Apostólicos dos locais
aonde for enviado, segundo o juramento previsto pela Constituição Apostólica Ex
quo de Bento XIV.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 240.

[591] 1805, Junho, 1, Roma


Decreto da Sagrada Congregação de Propaganda Fide, assinado pelo Cardeal
di Pietro, seu Prefeito, e pelo Secretário, o Arcebispo Coppola, aprovando para
missionário na China o Padre Pedro Francisco Viguier, designado pelo Superior-
-Geral da Congregação da Missão, especificando as faculdades inerentes, bem
como a sua futura dependência dos bispos ou Vigários Apostólicos dos locais para
onde for enviado, segundo o juramento previsto pela Constituição Apostólica Ex
quo de Bento XIV.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 242.

[592] 1806, Novembro, 30, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Núncio Apostólico, sobre a concessão, por parte
da Corte portuguesa, dos estabelecimentos que pertenceram aos Jesuítas em
Pequim aos missionários da Congregação.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 244.

[593] 1806, Outubro, 15, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Núncio Apostólico e Arcebispo de Nísibe, acu-
sando a recepção da carta de 27 de Agosto, com que enviava também correspon-
dência do Bispo de Macau e do Coadjutor de Pequim; referindo o embarque para
Lisboa do Padre Antonio de Caiazzo, missionário destinado à China. O autor
recomenda também ao Núncio o dito Padre por causa de desordens em Macau.

www.lusosofia.net 157
· TOMO II ORIENTE ·

Anuncia a chegada a Lisboa do Padre Pedro Estêvão Mazzanti, toscano, missioná-


rio destinado à missão de Ava e Pegu.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 246-247V.

[594] 1807, Março, [?], [Lisboa]


Rascunho de carta [do Núncio] à Sagrada Congregação [de Propaganda Fide]
sobre o fim das perseguições contra os missionários portugueses e os cristãos
chineses em Macau, mas não contra os franceses e os italianos.
Obs. Documento em italiano. A numeração dos fólios não está correcta.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 248 E 250,
248-248V E 250.

[595] 1815, Outubro, 6, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Litta, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, acusando a recepção de sete cartas dos alunos
do Seminário de Chansi dirigidas à Sagrada Congregação, remetendo-lhe cartas
do Bispo de Macau e do Prefeito de Madrasta (sobre as discussões entre ele e o
Vigário Geral de Meliapor). O autor informa também que chegaram ao Rio de
Janeiro o Padre Francisco Zenóbio [Benucci] de Florença, Capuchinho, e um
outro religioso, destinados à missão de Angola (o primeiro como Prefeito).
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 248-248V.

[596] 1807, Janeiro, 31, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico, reme-
tendo-lhe correspondência proveniente das Índias Orientais e da China; pedindo-
-lhe que retenha em Lisboa o Padre Filipe Bink, do Tonquim; remetendo as facul-
dades destinadas ao Coadjutor do Arcebispo de Goa; referindo a nomeação do
Coadjutor do Bispo de Pequim e Bispo de Nanquim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 251-251V.

[597] 1809, Maio, 2, [Lisboa ?]


Rascunho da carta [do Núncio] para o Prefeito da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide remetendo-lhe da China várias cartas, entre as quais a do Coad-
jutor de Pequim, traduzida em anexo [não se encontra] e a do Bispo de Macau,
em parte traduzida pelo autor, onde trata do estado das missões nas Índias
Orientais. O autor refere a confirmação das perseguições contra os católicos.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 252-253V.

[598] 1816, Outubro, 16


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Litta, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, sobre a resposta do governo português à pro-

158 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

posta da Sagrada Congregação para a troca da Diocese entre o Bispo de Pequim e


o de Nanquim. O autor transmite também a morte do Padre Francisco António de
Pistóia, missionário Capuchinho de Angola.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 254-254V E 259-
-259V.

[599] 1816, Setembro, 20, [Lisboa]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Litta, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, sobre a nota compilada para o Conde da Barca,
Ministro e Secretário de Estado para os Negócios da Marinha e do Ultramar, para
que seja apresentada ao Rei, referindo a hipótese de troca de Dioceses entre o
Bispo de Pequim e o de Nanquim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 255-256.

[600] 1816, Setembro, 19, [Lisboa]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Conde da Barca, Ministro e Secretário
de Estado para os Negócios da Marinha e do Ultramar, sobre a proposta de troca
de Dioceses entre o Bispo de Pequim, D. Joaquim de Sousa Saraiva, e o Bispo de
Nanquim, D. Caetano Pereira.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 257-258.

[601] 1817, Janeiro, 16, Roma


Carta do Cardeal Litta, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda Fide],
para Monsenhor Vicente Macchi, Auditor da Nunciatura, recomendando-lhe dois
missionários, Padre José Maria de Morrone, Menor Observante, e Padre Rafael
Umpierres, Secular, destinados a Macau (o segundo provavelmente será nomeado
Coadjutor do Padre João Baptista Marchini, Procurador das missões em Macau).
Obs. Documento em italiano.
Nota: O Padre Raffael Umpierres, Procurador da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide na China de 1823 a 1837, distingiu-se depois como profes-
sor de mandarim no Colégio Urbaniano (vide MTZLER, Josef, Das Archiv
der Missionsprokur de S.C. de Propaganda Fide in Canton, Macao, Hong-
Kong, PAU, Roma, 2000, pp. 77 a 139).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 260-260V E 261V.

[602] 1817, Fevereiro, 17, Roma


Carta do Cardeal Litta, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Vicente Macchi, Auditor da Nunciatura, remetendo-lhe
uma carta para que seja entregue ao Padre Marchini pelos dois missionários de
partida para Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 262 E 263V.

www.lusosofia.net 159
· TOMO II ORIENTE ·

[603] 1817, Abril, 13, Lisboa


Carta [do Auditor da Nunciatura? ao Cardeal Prefeito da Sagrada Congrega-
ção de Propaganda Fide] sobre a chegada a Lisboa dos dois missionários, Padres José
Maria de Morrone, Menor Observante, e Rafael Umpierres, secular, destinados a
Macau, e sobre a hipótese de o segundo ser nomeado Coadjutor do Procurador das
Missões da Sagrada Congregação em Macau, Padre João Baptista Marchini.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 264-264V.

[604] 1816, Dezembro, 13, Roma


Carta do Cardeal Litta, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda Fide],
para o Cardeal Caleppi, Pró-Núncio Apostólico de Portugal, acusando a recepção
de várias cartas, entre as quais a de 16 de Dezembro de 1815, sobre o pedido de
dispensa apostólica para alguns dias festivos e de abstinência, apresentado pelo
Padre Manuel de Santa Teresa, Superior da Missão dos Agostinhos no Bengala.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 266.

[605] 1818, Agosto, 26, Roma


Carta do Cardeal Fontana, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Cherubini, Internúncio Apostólico em Lisboa, sobre a morte
de D.[Joaquim] Saraiva, Bispo de Pequim, e sobre os seus possíveis sucessores
(Padre [José Nunes] Ribeiro, Lazarista, já Vigário Geral do falecido Prelado; Padre
Veríssimo Serra, missionário em Pequim; Padre Joaquim Gonzalez (sic), do Seminá-
rio de São José de Macau).
Obs. Documento em italiano.
Nota: Trata-se decerto do Padre Joaquim Gonçalves Afonso de quo cfr. supra
Documento nº 347.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 267-267V E 268V.

[606] 1819, Novembro, 29, Roma


Carta do Cardeal Fontana, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Padre Mestre Inocêncio, Carmelita Calçado do Rio de Janeiro, sobre
a morte do Bispo de Pequim, D. [Joaquim] Saraiva, e a necessidade de encontrar
um sucessor.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 269-269V E 270V.

[607] 1821, Dezembro, 11, Roma


Carta do Cardeal Fontana, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Cherubini, Internúncio Apostólico em Lisboa, sobre o
envio para o Tibete do Padre Zenóbio [Benucci] Maria de Florença, actual Pre-
feito das missões dos Capuchinhos em Luanda, e mais quatro sacerdotes; refe-
rindo também a viagem que eles devem enfrentar para chegar ao destino.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 271-271V.

160 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[608] 1816, Junho, 30, Roma


Carta do Cardeal Litta, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Cardeal Caleppi, Pró-Núncio Apostólico no Rio de Janeiro, acusando a
recepção das cartas de 3 de Julho, 6 de Outubro, 26 de Dezembro de 1815 e 23 de
Janeiro de 1816; referindo a prorrogação dos indultos pedidos pelo Prefeito dos
Padres Teatinos de Goa e sobre várias questões relativas às missões das Índias
Orientais, entre as quais a proposta de troca de Dioceses entre o Bispo de Pequim
e o Bispo de Nanquim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 273-274V.

[609] 1827, Abril, 28, Roma


Carta do Cardeal Cappellari, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propa-
ganda Fide], para o Cardeal Fanzoni em Lisboa, remetida ao Bispo de Macau,
sobre a concessão de faculdades para dispensar do impedimento de primeiro grau
de afinidade transversal.
Obs. Documento em italiano.
Nota: O Cardeal Cappellari, monge Camaldúlo, é o futuro Gregório XVI, o
último não-bispo eleito Papa na sequência do veto da Espanha ao Cardeal
Giustiniani, tendo sido, já bispo-eleito de Roma, sagrado para o efeito pelo
Cardeal Pacca, que fora Núncio em Portugal.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 275.

[610] 1828, Setembro, 13, Roma


Carta do Cardeal Cappellari, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propa-
ganda Fide], para Monsenhor Alexandre Giustiniani, Arcebispo de Petra e Núncio
Apostólico, pedindo ao Núncio para interceder junto da Corte para que não se
apoie a candidatura do Padre Veríssimo Serra para o bispado de Pequim; faz refe-
rência aos missionários da Congregação de S. Vicente de Paulo que se encontram
no Seminário de Macau.
Obs. Documento em italiano. O documento conserva um selo de lacre.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 277 E 278.

[611] 1830, Agosto, 28, Roma


Carta do Cardeal Cappellari, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propa-
ganda Fide], para Monsenhor Alexandre Giustiniani, Arcebispo de Petra e Núncio
Apostólico, remetendo cópia de um relatório sobre a conduta do Padre Veríssimo
Serra na China.
Obs. Documento em italiano. O documento conserva um selo de lacre.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 279 E 280V.

[612] [Cerca de 1830, Agosto, 28]


«Cópia do relatório sobre a conduta irregular Padre Veríssimo Serra em
Pequim.»
Obs. Documento em italiano. O documento contém citações em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 281-282.

www.lusosofia.net 161
· TOMO II ORIENTE ·

[613] 1830, Outubro, 30, [Lisboa]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Mauro Cappelari, Prefeito da
Sagrada Congregação de Propaganda [Fide], referindo o encontro tido com o
Duque de Cadaval para informá-lo acerca da conduta do Padre Veríssimo Serra,
Bispo de Pequim. O autor transmite a intenção de fundar um convento de
Capuchinhos em Moçambique.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 283.

[614] 1833, Maio, 25, [Lisboa]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Pedicini, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, referindo a possível nomeação do Padre Elias,
ex-Guardião do Convento dos Franciscanos de Macau, para um bispado nas
Índias Orientais, e sobre as próximas nomeações dos bispos para as sés vacantes
de Goa, Macau, Angola e Cochim e para a Prelazia de Moçambique.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 284.

[615] 1780, Janeiro, 11, Nápoles


Carta do Padre Germano Fatigati para o Núncio Apostólico, remetendo-lhe
uma carta dirigida ao Padre Francisco José da Torre, Procurador das Missões da
Sagrada Congregação de Propaganda Fide em Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 285.

[616] 1780, Maio, 20, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Núncio Apostólico e Arcebispo de Petra, acusando a recepção da
carta de 18 de Abril em que o informava do embarque do [Padre Francisco José]
da Torre e do seu colega, Padre Marchini, para Macau. O autor recomenda a
chamada dos ex-Jesuítas Espinha e Loureiro, residentes, respectivamente, em
Pequim e Cantão, para que regressem a Portugal.
Obs. Documento em italiano. Sobre os ditos ex-Jesuítas, vide Documento nº 107.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 286.

[617] 1805, Junho, 29, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico, sobre o
embarque gratuito dos missionários destinados a Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 287.

[618] 1805, Maio, 30, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico,
recomendando-lhe o Padre Pedro Francisco Viguier, destinado a Superior dos

162 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Padres da Congregação na China, e outros missionários, e remetendo-lhe as


patentes relativas.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 288.

[619] 1806, Março, 15, Roma


Carta do Arcebispo de Mira, Secretário [da Sagrada Congregação de Propa-
ganda Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico,
sobre a expedição de uma caixa de livros destinada às missões do Tonquim Oci-
dental, Cochim e Macau.
Obs. Documento em italiano. Numa nota do Núncio, num registo superior
do lado esquerdo, acusa-se a recepção da carta em data de 3 de Maio de
1806, apontando que incumbiu o Padre Marchini de transmitir a notícia da
recepção da caixa de livros, uma vez chegados a Macau.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 288 E 290V.

[620] 1806, Dezembro, 17, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Núncio Apostólico, recomendando-lhe dois sacer-
dotes que partiram de Livorno com destino à China, com paragem em Lisboa, e
autorizando a partida do Padre António de Caiazzo, destinado a Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 291.

[621] 1807, Julho, 15, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico, acu-
sando a recepção de correspondência; informando o Núncio de que ficava à
espera de novas instruções da Congregação relativamente à troca de dioceses
entre o Bispo de Nanquim e o Coadjutor de Pequim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 292-292V.

[622] 1807, Agosto, 15, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Núncio Apostólico, recomendando-lhe o Padre
João Fontana, destinado às missões da China.
Obs. Documento em italiano. Numa nota do Núncio, no registo superior do
documento, do lado esquerdo, aponta que em carta de 14 de Julho de 1807
tinha recomendado à Sagrada Congregação que não chegassem missionários
a Lisboa antes de Abril ou Setembro.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 293.

[623] 1815, Junho, 24, Lisboa


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Litta, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, remetendo-lhe uma carta do Padre Marchini, de

www.lusosofia.net 163
· TOMO II ORIENTE ·

Macau, dirigida ao Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda Fide, infor-


mando-o da situação da Igreja no império chinês.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 294-294V.

[624] 1816, Setembro, 14, Roma


Carta do Cardeal Litta, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Vicente Macchi, Auditor da Nunciatura Apostólica,
pedindo-lhe para encontrar um embarque gratuito para os missionários destina-
dos à Cochinchina, que partiriam na Primavera. O autor acusa a recepção da
cópia de duas cartas dos cristãos da Coreia.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 295 E 296V.

[625] [1815, Junho, 13, Lisboa ?]


Apontamento do Núncio sobre alguns fólios importantes para a Sagrada
Congregação, relativos às missões da China, que devem ser devolvidos.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 297.

[626] 1815, Dezembro, 30, Lisboa


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Litta, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, remetendo-lhe cópia da carta escrita pelos cris-
tãos da Coreia ao Bispo de Pequim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 298.

[627] 1827, Junho, 16, Roma


Carta do Cardeal Cappellari, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propa-
ganda Fide], para o Cardeal Tiago Filipe Franzoni em Lisboa, acusando a recep-
ção da carta dirigida à Sagrada Congregação sobre o estado da Igreja na China e
nomeadamente em Pequim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 299.

[628] 1816, Outubro, 13, Lisboa


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Litta, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, referindo o próximo embarque de dois missio-
nários seus para a Cochinchina.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 301-301V.

[629] 1831, Junho, 25, Lisboa


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Carlos Maria Pedicini, Pre-
feito da Sagrada Congregação de Propaganda Fide, referindo a chegada a Lisboa de
dois Padres da Congregação provenientes de Londres, Frei Afonso di Donato,

164 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

napolitano, Menor Observante, e Frei Nicolau Polignano, Agostinho [?], destina-


dos a Macau; e sobre a procura de um oportuno embarque para eles.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 302-302V E 309.

[630] 1831, Julho, 22, Lisboa


Carta de Frei Afonso Maria di Donato de Nápoles [para o Núncio], dizendo
que pode partir logo como capelão de um navio, se tiver autorização.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 303.

[631] s.d., s.l.


Apontamento [do Núncio] sobre dinheiro pago a missionários e ao Superior
dos Capuchinhos italianos [em Lisboa].
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 304.

[632] 1831, Junho, 18, Lisboa


Recibo de José Francisco Plovers sobre o embarque de Frei Afonso [di]
Donato para Macau.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 306.

[633] 1831, Junho, 11, Lisboa


Recibo de José Francisco Plovers para José Tostão pelo uso de um fato.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 307.

[634] 1831, Agosto, 17, [Lisboa]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Carlos Maria Pedicini, Pre-
feito da Sagrada Congregação de Propaganda Fide, acusando a recepção da carta
de recomendação de dois missionários, Padre Afonso de Nápoles, Menor Obser-
vante, e Padre Nicolau Polignano, Agostinho, destinados à missão da China; e
informando-o da partida dos dois padres e das despesas por eles suportadas.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 308.

[635] 1831, Outubro, 1, Roma


Carta de Monsenhor Castruccio Castracane, Secretário, por conta do Cardeal
Prefeito ausente, para Monsenhor Giustiniani, Núncio Apostólico e Arcebispo de
Petra, agradecendo o acolhimento reservado aos missionários da Congregação,
Padre Afonso de Nápoles, Menor Observante, e o Padre Nicolau Polignano,
Agostinho, destinados à missão de Macau.
Obs. Documento em italiano. O documento conserva o selo de lacre.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 310 E 311V.

[636] 1831, Agosto, 8, Roma


Carta do Cardeal Pedicini, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Alexandre Giustiniani, Núncio Apostólico e Arcebispo de

www.lusosofia.net 165
· TOMO II ORIENTE ·

Petra, acusando a recepção da carta de 25 de Junho e referindo ter ordenado o


reembolso para as despesas suportadas pelo Núncio em prol dos missionários
partidos com destino a Macau. O autor pede informações sobre o estado da reli-
gião na China.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 312 E 313V.

[637] 1815, Setembro, 30, Roma


Carta do Cardeal Doria Pamphili para Monsenhor Vicente Macchi, Auditor
da Nunciatura Apostólica em Lisboa, acusando a recepção da carta de 24 de
Junho e da carta do Padre Marchini, Procurador da Congregação em Macau,
sobre o estado das missões na China.
Obs. Documento em italiano. O documento conserva um selo impresso.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 314 E 315V.

[638] 1817, Fevereiro, 18, Roma


Carta do Cardeal Litta, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Vicente Macchi, Auditor da Nunciatura Apostólica em
Lisboa, recomendando-lhe o sacerdote chinês Padre Lucas Pham, aluno do Colé-
gio de Nápoles, de regresso à sua pátria, e pedindo-lhe para providenciar opor-
tuno embarque.
Obs. Documento em italiano. O documento conserva um selo impresso.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 316 E 317V.

[639] 1817, Agosto, 30, Roma


Carta do Cardeal Litta, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Vicente Macchi, Auditor da Nunciatura Apostólica, refe-
rindo a partida do Padre Lucas Pham, aluno do Colégio Chinês de Nápoles, para
Lisboa. O autor remete uma carta a ele dirigida e pede que lhe dê o dinheiro
necessário para a viagem a Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 318.

[640] 1817, Agosto, 29, Livorno


Carta do Padre Carlos Ceresia, «doutor e agente da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide em Livorno», para Monsenhor Vicente Macchi, Auditor da Nun-
ciatura, sobre o sacerdote chinês Lucas Pham de regresso a Macau, recomen-
dando-o a fim de lhe facilitar a permanência em Lisboa e o embarque para a
China.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 320-320V E 321V.

[641] 1818, Abril, 14, Roma


Carta do Cardeal Litta, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Cherubini, Auditor do Núncio Apostólico, recomen-
dando-lhe o Padre Odorico de Collodi, Menor Observante, destinado à Cochin-

166 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

china, e pedindo para lhe facultar o alojamento, o dinheiro e um embarque para


chegar ao seu destino.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 322 E 323V.

[642] 1819, Setembro, 25, Roma


Carta do Cardeal Fontana, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Cherubini, Internúncio em Lisboa, remetendo uma carta
dirigida ao Padre Marchini, Procurador da Sagrada Congregação em Macau, para
que seja enviada a Monsenhor Marefoschi, Núncio Apostólico de Portugal, e de lá
possa ser enviada através do Rio de Janeiro com destino às Índias Orientais.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 324.

[643] 1821, Agosto, 4, Roma


Carta do Cardeal Fontana, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Cherubini, Internúncio Apostólico em Lisboa, acusando a
recepção da carta dirigida ao Padre Marchini, Procurador da Sagrada Congrega-
ção em Macau. O autor fala sobre as missões da China, das perseguições sofridas
pelos missionários, mas também do momento favorável, devido ao novo “Rei”
[Daoguang].
Obs. Documento em italiano. O documento conserva um selo impreso.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 326 E 327V.

[644] 1831, Julho, 2, Roma


Carta do Cardeal Pedicini, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Alexandre Giustiniani, Arcebispo de Petra e Núncio
Apostólico, recomendando-lhe os dois missionários, o Padre Afonso de Nápoles,
Menor Observante, e o Padre Nicolau Polignano, Agostinho, destinados à missão
de Pequim (governada pelo Bispo de Nanquim, também administrador da sé
vacante de Pequim).
Obs. Documento em italiano. No canto superior direito está registado pelo
Núncio que os misssionários partiram no dia 31 de Julho, enquanto a carta
foi recebida no dia 1 de Agosto. O documento conserva um selo de lacre.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FLS. 328-329V.

[645] 1833, Abril, 13, Roma


Carta do Cardeal Pedicini, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Cardeal Alexandre Giustiniani, sobre a possível nomeação do Padre
Elias, ex-Guardião do Convento de S. Francisco de Macau e Bispo de Macau. O
autor faz referência às cartas escritas pelo Padre Rafael Umpierres, Procurador da
Congregação, sobre as qualidades do referido Prelado.
Obs. Documento em italiano e em latim. Em anexo remete cópia das res-
postas às cartas do Padre Rafael Umpierres pelo Vigário Capitular de Macau,
e do Padre do Convento de S. Francisco a Monsenhor Borgia sobre o mesmo
assunto [cartas em latim e italiano].
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (2), FL. 330-331

www.lusosofia.net 167
· TOMO II ORIENTE ·

[646] s.d., s.l.


Memória sobre o princípio da missão de Tonquim e os seus Superiores. Não
está assinada nem endereçada.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 4-6V.

[647] 1802, Janeiro, 19, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, [para o Núncio] remetendo-lhe uma carta de Monsenhor
Borgia e um artigo de uma carta do Bispo de Tonquim sobre alguns impostores.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 8.

[648] 1801, Maio, 20, [Tonquim Oriental]


Extracto de uma carta pessoal do Vigário Apostólico de Tonquim ao Padre
João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação de Propaganda Fide
em Macau, queixando-se da liberdade de acção e propaganda – alcançada junto
da Rainha, do Núncio e de muitas outras personalidades de relevo – de um certo
sacerdote, «corifeu dos cismáticos». Diz ainda o Vigário ter escrito ao Núncio
rogando que tudo faça para o coagir a voltar à Europa.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 10-10V.

[649] 1802, Novembro, 7, Lisboa


Rascunho da carta [do Núncio] falando da vinda dos tonquinenses a Lisboa.
Refere as atitudes do Ministro Sousa Coutinho a fim de impedir a eleição de
alguns bispos.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 12.

[650] 1803, Outubro, 6, [s.l.]


Rascunho da carta [do Núncio?] ao Padre João Baptista Marchini comen-
tando, em dois item, o cisma dos tonquinenses, no primeiro; e o Breve que rece-
beu, no segundo, bem como a entrada dos missonários na China, dificultada pelo
Governador de Goa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 13.

[651] 1802, Janeiro, 9, [Roma]


Cópia da carta [do Cardeal Secretário de Estado] para D. Luís Álvares,
encarregado dos Negócios de Portugal, referindo a carta de 31 de Dezembro, de
Sua Alteza Real o Príncipe Regente de Portugal e dos Algarves, relativamente à
destinação de um Bispo ao Tonquim. Refere ainda que Sua Santidade está preocu-
pada com a dificuldade na mudança de Vigários Apostólicos de Pequim, com os
perigos contra a religião, e com os missionários apostólicos da Propaganda.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 15-17.

168 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[652] 1802, Janeiro, 10, Roma


Carta de [?] [ao Núncio Apostólico], pronunciando-se acerca do despacho
de 5 de Dezembro, acerca da lei da consaguinidade, do Breve do Papa Pio VI, e do
bispado de Tonquim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 18-18V.

[653] 1802, Janeiro, 10, Roma


Carta de Man[?] [para o Núncio Apostólico], referindo a nomeação de
D. Frei Manuel de São Gualdino. Faz o inventário dos despachos e das contas do
Erário Régio. Refere ainda outros assuntos, como a erecção de um bispado em
Tonquim, havendo a breve trecho o Prefeito [da Sagrada Congregação de Propa-
ganda Fide?] necessidade de notícias.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 19-22V.

[654] s.d, s.l.


Cópia de carta [do Bispo de Macau] para os Procuradores da Missão de Ton-
quim [que se encontram em Portugal] exortando-os a regressar e a acabar com o
cisma que dilacera o Tonquim, respeitando os Vigários Apostólicos enviados pelo
Papa, enquanto não for nomeado novo Bispo, de comum acordo entre Portugal e
a Santa Sé. Diz saber que os destinatários foram induzidos pelos Jesuítas, Padres
Horta e Carneiro e que, involuntariamente, foram os propagadores do cisma que
dilacera Tonquim e da desobediência ao Papa (que lhes enviara os Vigários Apostó-
licos), bem como da obediência ao Bispo de Macau.
Obs. Faz conjunto com os dois documentos seguintes. Está numerado com
o número 3.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 23-23V.

[655] s.d., s.l.


Cópia de carta [do Bispo de Macau para os cristãos de Tonquim] di-
zendo-lhes, em resposta a uma consulta destes, para obedecerem em tudo aos
Vigários Apostólicos e usarem os livros que estes determinaram. Explica que não
pôde assumir o cargo de Bispo de Tonquim porque aí já havia o Bispo D. Inácio
Delgado, espanhol, e Monsenhor Jacinto, francês.
Obs. Faz conjunto com o documento anterior e com o seguinte.
Nota: Trata-se de Santo Inácio Delgado y Cebrian, Bispo e Mártir, morto por
inanição numa jaula aos 76 anos de idade, em 1838. Foi canonizado em
1988 juntamente com uma multidão de vietnamitas mártires dos séculos
XVII a XIX.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 24-24V.

[656] s.d., s.l.


Tradução da proclamação dirigida pelo Bispo de Macau aos senhores da Mis-
são chamada portuguesa de Tonquim, esclarecendo-os acerca do que se tem pas-
sado em Lisboa com os procuradores tonquinenses: os referidos procuradores

www.lusosofia.net 169
· TOMO II ORIENTE ·

enganaram o Príncipe de Portugal dizendo que não tinham Bispo nem Padres; o
Príncipe nomeou o autor para Bispo de Tonquim mas, sabendo que havia em
Tonquim um Bispo espanhol e outro francês, aos quais os destinatários não que-
riam obedecer, mandou o autor para Macau e deixou de acreditar nos procurado-
res. Lembra-lhes que podiam pedir um Bispo português, mas não podiam deso-
bedecer aos bispos que já lá se encontravam, pois assim estavam a criar um cisma.
Obs. Faz conjunto com os documentos anteriores. Está numerado com o
número 2.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 25-25V.

[657] s.d., [Macau?]


Rascunho de post-scriptum [do Núncio para ?] referindo a carta que escreveu
ao Vigário Apostólico de Tonquim, da qual remeteu o original em primeira via, e
espera resposta para depois ir tratar da viagem a Goa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 27.

[658] s.d., s.l.


Cópia de carta do Bispo de Macau para Sua Alteza Real sobre as diligências
para acabar com o cisma de Tonquim e fazer regressar de Lisboa os [procurado-
res] tonquinenses. Explica que Tonquim pertence ao Padroado Português e expõe
os motivos pelos quais os tonquinenses de Lisboa são cismáticos (não querem
reconhecer a autoridade com que Clemente XIV extinguiu os Jesuítas; seguem o
Padre Filipe do Rosário, que abandonou o Vigário Apostólico espanhol e enca-
beça o partido denominado da Companhia de Jesus, de que foi feito procurador e
enviado para Lisboa; fomentam a desobediência dos tonquinenses rebeldes).
Afirma que os cismáticos foram induzidos por dois Jesuítas e que não são movi-
dos pelo zelo dos direitos de Portugal.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 28-28V.

[659] 1803, Outubro, 20, Macau


Cópia de declaração do Padre Rodrigo da Madre de Deus Lien, dos Procura-
dores de Tonquim, dirigida aos cristãos de Tonquim, na qual declara que a pre-
tensão de obterem um Bispo português para Tonquim é impossível de conseguir,
porque o Rei de Portugal soube que o Padre Filipe [do Rosário] e os seus quatro
companheiros o enganaram, dizendo que não havia Bispo e Padres em Tonquim.
Exorta-os a obedecerem aos prelados que existem em Tonquim.
Obs. Pertence ao mesmo conjunto que os documentos dos fls. 23-23v, 24-24v
e 25-25v. Está numerado com o número 4. Foi enviado em anexo ao docu-
mento dos fls. 54-55v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 30.

[660] 1805, Março, 1 [do original]


Cópia de carta [do Bispo de Macau] para o Bispo de Tonquim, D. Inácio
[Delgado], remetendo quatro papéis em branco selados com o selo das suas
armas, para que sejam preenchidos em seu nome conforme o destinatário man-

170 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

dar, a fim de se dissiparem de vez as pretensões dos cismáticos [a ter um Bispo


português].
Obs. Anexo aos documentos dos fls. 35-39.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 31.

[661] s.d., s.l.


Cópia traduzida de carta dos cristãos de “Xo-Chim” para o Bispo de Macau,
Frei Manuel de São Gualdino, na qual lhe agradecem por lhes ter enviado os
Padres Miguel Sié e Rafael Ijou para pregarem a fé na Província de Cantão. Estes
Padres não conseguiram ir a Hainão, mas fizeram muitos baptismos (mais de
cem) nas aldeias de “Ton-Eu-Zont” e “Xon-Seu-Zont”. Entretanto o mandarim
mandou prendê-los e eles tiveram de fugir. Os autores da carta rogam ao desti-
natário que lhe envie Padres para ali ampliarem a conversão e frisam: «Este nosso
desejo é mais forte que a fome ou a sede e dificultosamente se pode explicar,
ainda que escrevessemos até apodrecer a pena».
Obs. Anexo ao documento dos fls. 35-39.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 31-31V.

[662] 1803, Fevereiro, 12


Carta [de ? ao Núncio Apostólico], referindo a audácia do Sacerdote tonqui-
nense Filipe Bink, acusado de manter graves desordens no Vicariato. O Sacerdote
é acusado de não obedecer à autoridade do Vigário Apostólico, uma vez que foi
suspenso das suas funções, mas celebrou missa na mesma, e de fazer parte de
uma facção de insubordinados contra a autoridade do Vigário. Refere-se ainda
que este Sacerdote poderá fomentar um perigosíssimo cisma. Sugere atenção ao
Tonquim e prudência no tratamento do caso.
Obs. Documento em italiano. No fl. 42-42v encontra-se um documento de
igual teor, mas cifrado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 32-32V.

[663] 1805, Março, 3, Macau


Carta de Frei Manuel [de São Gualdino], Bispo de Macau, para o Núncio
Apostólico, na qual se mostra surpreendido pelo facto de os tonquinenses que
foram a Lisboa ainda não terem regressado; informa-o sobre o êxito que têm tido
as suas diligências a respeito do cisma do Tonquim; conta que no ano anterior
mandou dois sacerdotes chineses até “Xo-Chim”, onde havia numerosos catecúme-
nos por baptizar, e que, no corrente ano, mandou o Padre Frei José, espanhol,
com um Padre chinês; refere que incumbiu também o Padre espanhol de ir ao
Tonquim entregar uma carta ao respectivo Bispo; tece elogios ao Bispo de Pequim
e mostra-se solidário com este, face ao prejuízo causado à Igreja e às missões de
Pequim, pela dotação que a prória Igreja tirou ao Bispo, deixando-o sem meios de
subsistência; critica o seu antecessor por ter caído «na rede» do Padre Manuel
Correia Valente, que o convenceu a pedir à corte a doação de todos os bens
ex-jesuíticos aos Padres Congregados.
Obs. Em anexo remete os documentos dos fls. 31 e 31-31v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 35-39.

www.lusosofia.net 171
· TOMO II ORIENTE ·

[664] 1805, Novembro, 20, Macau


Carta de D. Frei Manuel, Coadjutor e futuro sucessor do Arcebispo de Goa,
para o Núncio Apostólico, na qual o informa de que o cisma está extinto no Ton-
quim; envia-lhe cópia da carta que dirige a Sua Alteza Real; comunica que vai
tratar de extinguir no Sião uma desordem semelhante [à de Tonquim]; diz que
chegaram as suas Bulas, mas não o Pálio; pede faculdades apostólicas; pergunta se
os bispos da Ásia não podem gozar das mesmas faculdades que o Papa Pio VI
concedeu aos bispos da América.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 40-41V.

[665] 1804, Agostro, 5, Tonquim Oriental


Carta do Vigário Apostólico de Tonquim Oriental, D. Frei Inácio Delgado,
ao Núncio, congratulando-se pelo fim do cisma que atormentara a sua Igreja nos
últimos anos, agradecendo a retenção do sacerdote refractário na Europa e
rogando que obste às suas tentativas de aí alcançar novos apoios. Termina ainda
defendendo-se de certas calúnias, e pedindo ao Núncio que manifeste ao Príncipe
Regente ter aquela Igreja mais missionários do que no tempo «em que a Compa-
nhia ainda existia naquele Reino». Em anexo apresenta ainda a estatística, por si
conferida e assinada a 30 de Junho de 1804, dos Sacramentos administrados por
47 sacerdotes do clero secular ao longo do ano de 1803.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 44-46V.

[666] 1805, Novembro, 20, Macau


Carta de Frei Manuel [de São Gualdino], Bispo de Macau, para o Núncio
Apostólico, na qual se mostra surpreendido pelo facto de os tonquinenses que
foram a Lisboa ainda não terem regressado; informa-o sobre o êxito que têm tido
as suas diligências a respeito do cisma do Tonquim; conta que no ano anterior
mandou dois Padres chineses até “Xo-Chim”, onde havia numerosos catecúmenos
por baptizar e que, no corrente ano, mandou o Padre Frei José, espanhol, com um
Padre chinês; refere que incumbiu também o Padre espanhol de ir ao Tonquim
entregar uma carta ao respectivo Bispo; tece elogios ao Bispo de Pequim e mostra-
-se solidário com este, face ao prejuízo causado à Igreja e missões de Pequim pela
dotação que a própria Igreja tirou ao Bispo, deixando-o sem meios de subsistên-
cia; critica o seu antecessor por ter caído «na rede» do Padre Manuel Correia
Valente, que o convenceu a pedir à corte a doação de todos os bens ex-jesuíticos
aos Padres congregados.
Obs. Trata-se da 2.ª via da carta de 3 de Março de 1805 (vd. fls. 35-39); o
texto é igual.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 48-49.

[667] 1805, Janeiro, 7, Macau


Carta de D. Frei Manuel, Bispo de Macau e eleito Arcebispo de Goa, para o
Núncio Apostólico, na qual informa que o cisma do Tonquim está controlado e
que, quando chegarem os tonquinenses de Lisboa, tudo ficará terminado; acusa a
recepção da notícia da sua nomeação para Arcebispo de Goa; pede diversas

172 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

faculdades apostólicas; remete cópia da conta que envia ao Príncipe; afirma que a
situação das ordens religiosas em Goa exige uma reforma.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 50-51V.

[668] 1808, Julho, 15, Tonquim Oriental


Carta do Vigário Apostólico do Tonquim Oriental, D. Frei Inácio Delgado, ao
Núncio, agradecendo uma missiva de Abril de 1807, congratulando-se por uma pen-
são que lhe fora atribuída, e pedindo Missais, Rituais e Novos Testamentos, que havia
mais de cinco anos não recebiam e escasseavam naqueles anos turbulentos.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 52-52V.

[669] s.d., [Macau]


Carta de Frei Manuel de São Gualdino, Bispo de Macau, para o Núncio
Apostólico, na qual participa que chegou a Macau a 7 de Setembro e foi alvo de
uma «recepção pomposa»; tece comentários pejorativos acerca do carácter dos
portugueses de Macau; afirma que a cidade de Macau só é dos portugueses no
nome, pois depende dos chineses para sobreviver («os chinas são senhores abso-
lutos, os portugueses são verdadeiros escravos dos chinas», de cujos mantimentos
dependem e a quem têm de pagar para obter autorização dos Mandarins para
«levantar uma parede, abrir uma janela, consertar um telhado»); refere breve-
mente a situação das missões: estendem-se à Província de Cantão e à ilha de Hai-
não, contam ao todo cinco mil cristãos (a cidade de Macau conta com outros
cinco mil), não são visitadas pelo Bispo de Macau, porque este não tem licença do
Imperador para entrar no império chinês; diz que em Macau, principalmente
entre as mulheres, se fala uma língua nova, mistura de português, inglês, caste-
lhano e chinês; comunica que conseguiu que os procuradores dos tonquinenses
cismáticos prometessem obediência aos seus bispos e dirigissem uma proclama-
ção aos seus mandatários no mesmo sentido; pede licença para juntar fundos dei-
xados para património.
Obs. Em anexo, remete os documentos dos fls. 23-23v, 25-25v, 30 e 56.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 54-55V.

[670] s.d., [Macau]


Cópia de declaração do Bispo de Macau para os procuradores da missão de
Tonquim rebelde, participando que o Príncipe de Portugal, enganado pelos
Padres Filipe do Rosário, Francisco José e Tomé Vicente, quis nomear um bispo
para Tonquim, mas veio a saber que aí já havia dois bispos e que aqueles não lhes
queriam obedecer. Priva dos Sacramentos os destinatários, enquanto não obede-
cerem aos bispos Vigários Apostólicos.
Obs. Anexo ao documento anterior.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 56.

[671] 1802, Fevereiro, 10, Roma


Ofício do Cardeal Consalvi para o Cardeal Pacca, em Lisboa, comunicando a
instância apresentada ao Rei pela Santa Sé contra a nomeação do novo Bispo de

www.lusosofia.net 173
· TOMO II ORIENTE ·

Tonquim bem como a possível nomeação do Padre Frei Manuel de São Gualdino
para Bispo de Macau, entre outros assuntos.
Obs. Documento em italiano. Uma parte do documento está cifrada. No
canto superior esquerdo refere-se que não foi possível descodificar a passa-
gem em cifra porque não se conhecia a chave.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 57-58.

[672] 1810, Julho, 18, [Rio de Janeiro]


Rascunho da carta [do Núncio] a enviar aos Vigários Apostólicos de Tonquim
Oriental e Tonquim Ocidental. Acusa a recepção de uma carta enviada pelo Vigário
Apostólico de Tonquim Ocidental a 15 de Junho de 1808, dando conta da sua
incolumidade, e lamenta a turbulência dos tempos que corriam na Europa. Em
parágrafo especificamente dirigido ao Vigário de Tonquim Ocidental diz ter entre-
gado ao Padre Marchini, Procurador da Sagrada Congregação de Propaganda Fide
em Macau, certas diligências a respeito dos livros a enviar às missões. Por sua vez,
em parágrafo especificamente dirigido ao Vigário de Tonquim Oriental, dá conta de
um dos seus padres mandado de volta à Europa com suspensão a divinis, a exercer
de novo as ordens Sagradas em S. Salvador da Baía e de outro, Filipe Bink de seu
nome, que, residindo em Lisboa embora, já lhe não poderia ser nocivo.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 59-60.

[673] 1783, Fevereiro, 17, Cantão


Carta de Monsenhor Francisco José da Torre, Procurador da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, [para o Núncio] remetendo várias missivas diri-
gidas à Sagrada Congregação.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 64-65V.

[674] 1783, Janeiro, 5, Cantão


Carta do Padre Francisco José da Torre, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, [para o Núncio] remetendo correspondência dirigida à
Congregação e uma caixinha destinada a Monsenhor Borgia, Secretário da Con-
gregação.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 66.

[675] 1830, Fevereiro, 11, Macau


Carta do Padre Rafael Umpierres, procurador interino da Congregação de
Propaganda Fide, para o Núncio, remetendo vária correspondência para a Con-
gregação. O autor fornece um relatório detalhado sobre a situação da Igreja e das
missões na China, referindo as perseguições sofridas pelos padres chineses e a
degeneração do clero local; transmite igualmente um extracto de uma carta rela-
tiva a Monsenhor Fontana, Vigário Apostólico de “Suchinem”, escrita em 1829.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 67-68.

174 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[676] 1788, Janeiro, 27, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Vice-Procurador da Sagrada Congre-
gação de Propaganda Fide, [para o Núncio] recomendando cinco jovens chineses
para que fossem educados na fé cristã no Colégio de Nápoles.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 71-71V.

[677] 1788, Novembro, 18, Macau


Carta do Procurador da Congregação de Propaganda Fide na China, rela-
tando [ao Núncio] o estado lastimável das igrejas de Nanquim, sede recentemente
vacante, e de Pequim, quanto à penúria de meios e de missionários. Recomenda
instantemente o Procurador novos recrutamentos na Europa e a formação de mis-
sionários autóctones «que corram menos riscos entre os seus compatriotas».
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 72-75.

[678] 1789, Dezembro, 26, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Vice-Procurador da Sagrada Congre-
gação de Propaganda Fide, [para o Núncio] recomendando um jovem chinês para
ser educado na fé cristã no Colégio de Nápoles; faz referência à correspondência
dirigida à Congregação entregue pelo Padre António da Purificação sobre o
estado das missões na China.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 78-78V.

[679] 1790, Janeiro, 8, Macau


Carta do Procurador da Congregação de Propaganda Fide na China a um
Bispo recentemente regressado a Portugal, dando conta da sua actividade: corres-
pondência e subvenções financeiras daquela Sagrada Congregação, chegada de
novos missionários, sagração de um novo Vigário Apostólico para Nanquim. Na
mesma carta anuncia estar para escrever uma carta ao Núncio e encomenda-se
para isso aos bons ofícios do destinatário.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 79-80.

[680] 1807, Julho, 29, Lisboa


Rascunho da carta [do Núncio] para o Padre Marchini [Vice-Procurador da
Sagrada Congregação de Propaganda Fide], sobre o Padre Antonio de Caiazzo,
Menor Observante, destinado à missão de Macau, e sobre a caixa de livros que lhe
seria entregue; remete vária correspondência para diferentes destinatários.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 81-81V.

[681] 1803, Dezembro, 29, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador Sagrada Congregação de
Propaganda Fide, [para o Núncio] acusando a recepção de três cartas de 13, 26 e

www.lusosofia.net 175
· TOMO II ORIENTE ·

28 de Abril entregues por D. Manuel de São Gualdino, sobre o estado das missões
na China. O autor pede ao Núncio para intervir junto do governo português em
favor das missões chinesas.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 82-83.

[682] 1804, Fevereiro, 15, s.l.


Extracto de carta do Bispo Melipotanense, Vigário Apostólico do Tonquim
Oriental, para o Padre João Baptista Marchini, comunicando a situação da Igreja
no Tonquim e as medidas tomadas pelo Núncio.
Extracto de carta do Vigário Apostólico da Cochinchina, para o Padre João
Baptista Marchini, sobre dois cismáticos repatriados.
Obs. Documento em castelhano e francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 84-84V.

[683] s.d., s.l.


Questionário (com as perguntas e as respectivas respostas) relativo à con-
duta dos Procuradores das missões da Propaganda Fide espanholas e chamadas
francesas; ao eventual comprometimento da cidade de Macau com os mandarins,
resultante da introdução dos missionários daquela Congregação no Império da
China; e aos prejuízos que daí poderiam resultar para o Padroado Português.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 87-89.

[684] 1804, Novembro, 20, Lisboa


Rascunho da carta [do Núncio] para o Padre Marchini [Procurador da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide], remetendo-lhe duplicados de correspondência.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 90.

[685] 1804, Novembro, 20, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, [para o Núncio] referindo a chegada de dois missionários da
Congregação, e acusando a recepção da carta de 27 de Março e da caixa de livros
enviados por Monsenhor Borgia. O autor pede ao Núncio que intervenha junto
do governo português para que seja permitida aos missionários estrangeiros a
entrada na China.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 92-93.

[686] 1806, Abril, 12, Lisboa


Rascunho da carta [do Núncio] para o Padre Marchini, [Procurador da
Sagrada Congregação de Propaganda Fide], sobre a caixa de livros destinada às
missões do Tonquim Ocidental e da Cochinchina.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 94.

176 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[687] 1804, Junho, 11 [data de recepção]


Cópia de carta [do Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda Fide para
o Núncio], sobre três padres destinados às missões da Congregação, Padre Ino-
cêncio de Montealboddo, Padre Casimiro de Taggia e Padre [António José] de
Cosseine. O autor comenta a conduta irregular destes, que não se adaptavam à
actividade missionária (o primeiro foi jogador, o segundo viveu junto com uma
mulher casada em Roma, o terceiro partiu sem autorização para Madrasta, e deve-
ria ser preso pelos seus comportamentos).
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 95.

[688] 1808, Outubro, 14, Lisboa


Rascunho da carta [do Núncio] para o Padre Marchini, Procurador da
Sagrada Congregação de Propaganda Fide em Macau, referindo-se à sua chegada
ao Rio de Janeiro e às perseguições sofridas pelo Papa e pela Igreja em Roma por
causa dos franceses. O autor pede a transmissão destas notícias aos bispos da
China.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 96.

[689] 1781, Janeiro, 30, Lisboa


Rascunho da carta [do Núncio] para os Padre Francisco José da Torre e João
Baptista [Marchini], acusando a recepção da correspondência e remetendo cartas
para eles. O autor refere o envio de três missionários, dois franceses e o Padre
Roverizi, Barnabita genovês, destinados ao Pegu.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 97-97V.

[690] 1809, Abril, 22, Lisboa


Rascunho da carta [do Núncio] para o Padre Marchini [Procurador da
Sagrada Congregação de Propaganda Fide em Macau], acusando a recepção de
várias cartas, entre as quais uma do Colégio Chinês de Nápoles, e de um saqui-
nho de seda amarela contendo uma carta do Bispo de Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 98-98V.

[691] 1810, Julho, 15, Lisboa


Rascunho da carta [do Núncio] para o Padre João Baptista Marchini, Procura-
dor da Sagrada Congregação de Propaganda Fide em Macau, acusando a recepção de
correspondência e informando-o de que iria remeter ao Sr. António Joaquim Oli-
veira Matos [Deputado do Leal Senado de Macau] vários objectos, livros, relíquias e
coroas espanholas, enviados pelo Núncio de Espanha. O autor refere a prisão do
Papa em Avinhão pelos franceses e a dificil situação da Igreja em Roma e em
Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 99-101V.

www.lusosofia.net 177
· TOMO II ORIENTE ·

[692] 1811, Novembro, 2, Lisboa


Rascunho da carta [do Núncio] para o Padre Marchini [Procurador da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide em Macau], acusando a recepção de vária corres-
pondência chegada através de navios diferentes e referindo a resposta dada ao Bispo
de Pequim relativa às faculdades a conceder aos Bispos e Vigários Apostólicos da
China.
Obs. Documento em italiano. Num post-scriptum, o Núncio diz que o Con-
cílio Nacional reunido em Paris foi dissolvido por ordem de Napoleão, que
mandou prender metade dos padres conciliares.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 103-104.

[693] 1802, Junho, 6 [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre Marchini, Procurador da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide em Macau, acusando a recepção de vária corres-
pondência; dando-lhe notícias acerca da situação do Papa; fazendo uma breve
referência às faculdades a conceder aos Vigários Apostólicos, nomeadamente ao
do Tonquim Oriental (remete uma carta específica sobre este assunto). O autor
trata do colégio de Pulo Pinang, que necessitava de mais missionários, e das
faculdades concedidas ao novo Procurador da Província [Dominicana] do Santís-
simo Rosário das Filipinas, Padre João Baptista Melano; remete a memória apre-
sentada ao Rei em Novembro de 1808 sobre a tolerância religiosa e a resposta do
governo português de acordo com o parecer da Inglaterra, pedindo que a trans-
mitisse aos Bispos de Macau e de Pequim.
Obs. Documento em italiano. A paginação não respeita a ordem do documento.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 105-108.

[694] 1813, Abril, 26, Rio de Janeiro


Rascunho da carta [do Núncio] para o Padre Marchini [Procurador da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide em Macau], que aproveitou a passagem de um
navio para lhe remeter várias missivas; faz referência à correspondência recebida e já
enviada para diversos bispos da China. O autor trata também do colégio de Pinang e
do incêndio, que destruíra muitas casas, no mês de Junho do ano passado.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 109-109V.

[695] 1813, Julho, 5, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre Marchini, Procurador da
Sagrada Congregação de Propaganda Fide em Macau, acusando a recepção de
várias cartas; refere o caso do Padre [Tiago] Ferreti [não especificado] e discursa
sobre o colégio de Pinang. O autor trata da conferência ocorrida entre o Papa e
Napoleão, que resultou na compilação de uma Concordata – a este propósito, o
Núncio transcreve extractos de cartas, recebidas de prelados franceses.
Obs. Documento em italiano e francês.
Nota: O caso não especificado será certamente o da expulsão decretada pelo
Governo.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 111-111V.

178 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[696] 1813, Julho, 5, Rio de Janeiro


Rascunho da carta [do Núncio] para o Padre Marchini, Procurador da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide em Macau, acusando a recepção de várias cartas;
refere o caso do Padre [Tiago] Ferreti [não especificado] e discursa sobre o colé-
gio de Pinang. O autor trata da conferência ocorrida entre o Papa e Napoleão, que
resultou na compilação de uma Concordata – a este propósito, o Núncio trans-
creve extractos de cartas, recebidas de prelados franceses.
Obs. Documento em italiano e francês. Documento de teor idêntico ao anterior.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 112-112V.

[697] 1813, Outubro, 7, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre Marchini [Procurador da
Sagrada Congregação de Propaganda Fide em Macau], referindo-se à possibilidade
de alguns missionários de Pequim se mudarem para a missão de Pegu; e sobre as
vicissitudes da assinatura da Concordata entre o Papa, preso na França, e Napo-
leão – a este propósito o Núncio transcreve extractos de cartas recebidas de prela-
dos franceses.
Obs. Documento em italiano e francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 112-112V

[698] 1814, Junho, 20, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre João Baptista Marchini, Procu-
rador da Sagrada Congregação de Propaganda Fide em Macau, remetendo uma
carta para o Bispo de Nanquim, em que se refere às últimas notícias relativas ao
Papa (libertação do Pontífice e reabertura das comunicações com a Santa Sé) e
pede que transmita este conteúdo aos outros bispos da China. O autor acusa a
recepção de várias cartas.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 113-113V.

[699] 1816, Setembro, 27, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre João Baptista Marchini, Procu-
rador da Sagrada Congregação de Propaganda Fide em Macau, referindo a sua
elevação ao cardinalato; acusa a recepção de correspondência e remete-lhe uma
lista com os nomes dos padres que foram vítimas de perseguições na China. O
autor refere como positiva a possível troca de Dioceses entre o Bispo de Pequim e
o de Nanquim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 114-115V.

[700] s.d., s.l.


Tradução para português de uma carta do Padre Marchini que não chegou a
ser utilizada. Refere escândalos na Igreja, nomeadamente as expulsões dos mis-
sionários estrangeiros.
Obs. Documento em italiano no original. Tradução portuguesa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 116-118V.

www.lusosofia.net 179
· TOMO II ORIENTE ·

[701] 1816, Fevereiro, 6, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre Marchini, Procurador da
Sagrada Congregação de Propaganda Fide em Macau, acusando a recepção de
várias missivas; refere as vicissitudes do Papa em Itália durante a dominação de
Napoleão e a continuação das perseguições dos missionários na China.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 119-120.

[702] s.d., [Rio de Janeiro?]


Envelope de uma carta dirigida ao Cardeal Caleppi, Núncio Apostólico em
Portugal.
Obs. Documento em italiano. O documento conserva um selo impresso.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 121.

[703] 1809, Março, 23, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre Marchini [Procurador da
Sagrada Congregação de Propaganda Fide em Macau], remetendo-lhe várias car-
tas, entre as quais uma dirigida ao Bispo de Tipasa, Coadjutor do Bispo de
Pequim, e acusando a recepção de correspondência.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 122-123.

[704] s.d., s.l.


Index librorum da caixa – n.o 1 – enviada por intermédio do Padre António
de Caiazzo.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 124.

[705] [Cerca de 1808, Janeiro, 25], s.l.


Index librorum da caixa – n.o 2 – enviada a 25 de Janeiro de 1808.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 125.

[706] s.d., s.l.


Index librorum da caixa – n.o 3 – enviada e «recomendada ao Sr. Fontana».
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 126.

[707] 1817, Dezembro, 1, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre João Baptista Marchini, Procu-
rador da Sagrada Congregação de Propaganda Fide em Macau, informando-o da
sua chegada ao Rio de Janeiro a 27 de Outubro; recomenda-lhe o Padre Frei José
Maria de Morrone, Menor Observante, destinado à missão da Cochinchina, e o
Padre Rafael Umpierres. O autor refere também ter encontrado na correspondên-
cia do seu predecessor duas cartas relativas ao estado das missões, que ele dirigira
à Sagrada Congregação.

180 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. Documento em italiano.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 127-127V.

[708] 1803, Fevereiro, 3, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, [para o Núncio] remetendo uma missiva dirigida ao Prefeito
da mesma Sagrada Congregação em Roma e uma caixinha contendo retratos de
ídolos chineses e algumas imagens feitas numa pedra particular da China, para
Monsenhor Borgia.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 128-128V.

[709] 1803, Janeiro, 11, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, [para o Núncio] remetendo correspondência dirigida à mesma
Sagrada Congregação em Roma.
Obs. Documento em italiano. No canto superior esquerdo diz-se que obteve
resposta a 8 de Abril de 1806.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 130.

[710] 1806, Dezembro, 11, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, para o Núncio], remetendo cartas dirigidas à mesma Sagrada
Congregação e recomendando o Padre Cañon, Agostinho espanhol, missionário
em Manila, que se encontrava em viagem de regresso para a sua Província.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 132-132V.

[711] 1809, Março, 7, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide para o Núncio], recomendando o Sr. António Joaquim de
Oliveira Matos [Deputado do Leal Senado de Macau] durante a sua permanência
no Rio de Janeiro.
Obs. Documento em italiano. Em cima do documento existe um apontamento
do Núncio, no qual diz que lhe respondeu a 25 de Julho de 1810.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 134-134V.

[712] 1812, Janeiro, 3, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide para o Núncio] recomendando o Padre António de Santa Bár-
bara, Dominicano, de regresso à sua Província de Portugal.
Obs. No canto superior esquerdo do documento, um apontamento do Nún-
cio informa que a carta foi recebida a 12 de Abril de 1812 e respondida na
data de 6 de Junho. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 136.

www.lusosofia.net 181
· TOMO II ORIENTE ·

[713] 1812, Novembro, 10, [Rio de Janeiro]


Post-scriptum [do Núncio] para ser inserido na carta dirigida ao Padre Mar-
chini [Procurador da Sagrada Congregação de Propaganda Fide], a 10 de Novem-
bro de 1812, remetendo, abertas, as cartas enviadas ao Vigário Apostólico da
Cochinchina e ao Padre Letondal, de modo que o destinatário as pudesse ler antes
de as entregar.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 138.

[714] 1810, Dezembro, 31, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini [Procurador da Sagrada Congregação
de Popaganda Fide em Macau para o Núncio], acusando a recepção de correspon-
dência que foi entregue a quem devia e remetendo-lhe cartas. O autor diz ter
conhecimento da situação da Igreja em Roma, do Papa e do Colégio dos Cardeais;
refere o estado da Igreja na China, as perseguições sofridas pelos padres estran-
geiros e a necessidade de missionários, sobretudo nas missões da China e na
Cochinchina. O autor refere também o previsto embarque do Padre Letondal
(com cinco jovens chineses para Pulo Pinang), que se viu obrigado a regressar a
Macau por não ter autorização do Núncio e pela oposição do Governador.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 139-142V.

[715] s.d., s.l


Inquérito sobre a conduta dos Procuradores das Missões da Propaganda Fide na
China, espanhóis, franceses e estrangeiros em geral, e sobre as relações, em Macau,
entre os missionários e os mandarins, com as respectivas respostas. Segue uma nota
explicativa sobre o Real Padroado da Coroa portuguesa.
Obs. Documento em castelhano
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 143-146.

[716] s.d., s.l


Index librorum de uma caixa enviada.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 147.

[717] s.d., s.l. (24 da Lua Sexta do Ano 15 do Império de Jiaquing [1810])
«Representação feita ao Imperador da China contra a religião cristã» con-
tendo a compilação de dez artigos para regulamentar a presença dos missionários
europeus no Império chinês, [transcrita pelo Padre João Baptista Marchini, Pro-
curador da Sagrada Congregação de Propaganda Fide em Macau].
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 148-149V.

[718] s.d., s.l.


[Transcrição da tradução, pelo Padre João Baptista Marchini, Procurador da
Sagrada Congregação de Propaganda Fide em Macau], do decreto do Imperador da

182 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

China contra a religião cristã e, em particular, contra o Padre Adeodato de Santo


Agostinho, Agostinho Descalço, chamado em chinês “Je-Tien-Szu”, acusado de
ter propagado a «seita» dos cristãos na China e de ter mantido correspondência
com chineses e tártaros. Para o padre é prevista a cadeia e a proibição de comunicar
com qualquer pessoa, e a queima dos livros de doutrina.
Obs. Documento em italiano. Em anexo ao documento seguinte.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 150-151.

[719] 1805, Outubro, 4, Macau


Duplicado da Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide em Macau, para o Núncio], sobre a violenta perse-
guição sofrida pelos missionários na China e a hostilidade do Imperador contra a
religião cristã, bem como as medidas que tomou perante esta situação.
Obs. Documento em italiano. Em anexo ao documento, remete a tradução do
decreto do Imperador chinês publicado na Gazeta Oficial (cfr. documento
anterior).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 152-153V.

[720] 1805, Setembro, 15, Macau


Duplicado da Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [da
Sagrada Congregação de Propaganda Fide em Macau, para o Núncio], sobre as
violentas perseguições sofridas pelos missionários na China; refere as vicissitudes
de três missionários, os Padres João Tristão, João António de Pompeiana e, em
particular de Joaquim Salvetti, que foi preso em Cantão e, posteriormento liber-
tado após pagamento de resgate. O autor refere que ainda não se sabe qual será o
destino do referido sacerdote, mas que depende do juízo final do Imperador; e
propõe uma nova via para introduzir missionários europeus na China através da
Cochinchina e do Tonquim.
Obs. Documento em italiano. Em anexo remete a cópia de um parágrafo da
carta enviada em 10 de Novembro de 1802 sobre os diferendos entre o
Império chinês e os missionários portugueses.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 154-158V.

[721] 1806, Janeiro, 8, Macau


Duplicado da carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide em Macau para o Núncio] sobre as violentas
perseguições sofridas pelos padres missionários europeus na China, em particular
em Pequim; refere as vicissitudes de dois missionários franceses a quem foi reti-
rada a autorização imperial para entrar na referida cidade; e menciona o caso do
Padre Joaquim Salvetti, preso e julgado no tribunal do Vice-Rei.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 159-162.

[722] 1806, Janeiro, 8 [?], Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide em Macau], avisando ter remetido ao capelão do navio

www.lusosofia.net 183
· TOMO II ORIENTE ·

S. Francisco Xavier as cartas para o Núncio; refere a prisão do Padre Joaquim Sal-
vetti em Cantão e a perseguição não violenta na Província de Sichuan, da qual
fornece dados estatísticos relativos à difusão da fé.
O autor remete um artigo da carta do Vigário Apostólico de Sichuan, dada a
11 de Novembro de 1806, sobre a presumida hostilidade do Imperador chinês
contra a religião cristã.
Obs. Documento em italiano. O artigo (fl. 164) está escrito em francês. Na
parte superior do documento acusa-se a recepção da correspondência men-
cionada, que foi respondida em 25 de Setembro de 1806.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 163-164.

[723] s.d., s.l.


Cópia da carta do Padre Marchini, [Procurador da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide em Macau] para o Bispo de Macau, justificando a sua permanên-
cia nesse bispado apesar de contrária aos conselhos do Bispo, dizendo que talvez
não existam as condições de perigo que o obrigassem a retirar-se. O autor, embora
admitindo as perseguições sofridas pelos missionários, afirma também que não
foram violentas.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 165-168V.

[724] 1805, Novembro, 28, Macau


Duplicado da Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide em Macau para o Núncio], remetendo e acu-
sando a recepção de várias missivas. O autor informa que chegaram os Padres
Iluminado de Castagnole delle Lanze, João Demaris e Rodrigo da Madre de Deus,
intérprete de língua chinesa; refere a nomeação do Coadjutor do Bispo de Pequim
e as perseguições contra a religião cristã, que dificultavam a entrada dos missio-
nários europeus na China, em particular em Pequim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 169-170V.

[725] 1806, Dezembro, 15, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador das Missões [da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide em Macau para o Núncio], remetendo várias
cartas. O autor refere os efeitos das perseguições do Imperador da China e apre-
senta o Padre Francisco Carlos Langlois do Seminário [das Missões Estrangeiras]
de Paris, missionário francês do Tonquim, enviado para Roma como Procurador
do Colégio da Sagrada Congregação de Propaganda Fide.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 171-172V.

[726] 1809, Março, 4, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide em Macau para o Núncio], referindo as relações entre os

184 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

ingleses e o governo chinês; informa-o de que enviou cartas pelos navios Bom
Jesus e Carolina com a transmissão da notícia sobre a libertação do Padre Salvetti.
Obs. Documento em italiano e português. O documento não é completo:
começa com um apontamento em cima que diz «fólio 2». Em anexo está um
extracto de uma carta do Bispo de Nanquim ao Padre Marchini, dada em
Pequim em 8 de Outubro de 1808, sobre o falecimento do Sr. [D. ] Alexandre
[de Gouveia] e sobre a possibilidade do autor se mudar para Pequim. Desta
carta não se faz referência no texto da missiva endereçada ao Núncio.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 173 E 174.

[727] 1808, Março, 31, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide em Macau, para o Núncio], acusando a recepção da missiva
de 5 de Julho com anexos; menciona os problemas ligados à passagem de missio-
nários europeus para as províncias interiores do Império da China; refere as ten-
tativas de intervir para a libertação do Padre Salvetti, preso em Cantão; e remete
cartas das Missões que estavam sob a sua jurisdição.
Obs. Documento em italiano. A carta foi recebida em 17 de Abril de 1809 e
foi respondida em 22 de Abril.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 175 -176V.

[728] 1808, Abril, 10, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide em Macau, para o Núncio], remetendo cartas das Missões e
referindo a situação crítica dos missionários de Pequim. O autor faz também
menção à invasão de Portugal pelos franceses.
Obs. A resposta à carta foi dada em Março de 1809. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 177-177V.

[729] 1809, Janeiro, 22, Cantão


Carta do Governador de “Hang Xan” ao Procurador [da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide] de Macau, acerca do missionário italiano Padre Joaquim
[Salvetti], preso em Cantão e condenado a três anos devido a desordens. Termi-
nado esse prazo, o Governador pede que o sacerdote seja reconduzido à sua
pátria, na Europa, sem mais demoras sob pretexto algum.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 179.

[730] 1809, Dezembro, 30, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador das Missões da Sagrada
Congregação de Propaganda [Fide em Macau, para o Núncio], fazendo referência
à correspondência enviada; comunica a chegada a Pulo Pinang do [Padre] Fon-
tana, enviado de propósito para colaborar na fundação do colégio geral. O autor
dá ainda informações sobre a chegada do Padre [Joaquim Domingos] Salvetti e do
Padre António de Nápoles à Cochinchina para poder entrar na China; e pede
confirmação a respeito da notícia da presumida libertação do Papa e dos cardeais
por Napoleão.

www.lusosofia.net 185
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Documento em italiano. A carta foi recebida a 1 de Outubro de 1810


entregue pelo Abade Chaumont.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 180-181.

[731] 1811, Março, 12, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide [em Macau, para o Núncio] comunicando ter feito um mapa
geral das missões, que lhe remete em cópia; e informa-o sobre o envio de corres-
pondência através de navios.
Obs. Documento em italiano. A carta foi recebida a 21 de Julho de 1811 e a
resposta foi dada a 6 de Junho de 1812.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 182-182V.

[732] s.d., s.l.


Conjunto de perguntas e respostas, sem assinatura de quem escreve ou
menção do destinatário das mesmas. O documento refere a missionação das dife-
rentes nações, italiana, espanhola e francesa, através dos tempos, referindo os
territórios e os distritos de missionação, bem como as autoridades que gerem os
mesmos; revela preocupação com os meios para criar missionários nativos e
estrangeiros, bem como com a qualidade dos mesmos, no respeito pelo Evangelho
e pela propagação da Fé.
Obs. Documento em português.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 183-190V.

[733] 1811, Fevereiro, Casa [?]


Cópia de Carta do Padre João Baptista Marchini, referindo a sua preocupação
com o bem das missões, no interesse da Igreja e da Religião, pedindo um parecer
relativamente às missões; refere as intrigas na Igreja provocadas pelos Padres da
Companhia.
Obs. Documento em português.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 191-191V.

[734] 1811, Janeiro, 24, Macau


Cópia de Carta do Padre João Baptista Marchini, em que diz estar ocupado
na correspondência com o Núncio do Rio de Janeiro; refere as vantagens das mis-
sões.
Obs. Documento em português.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 193-194.

[735] 1811, Janeiro, 11, [Macau ?]


Carta de resposta ao Padre João Baptista Marchini, referindo o zelo inalcançá-
vel dos missionários estrangeiros, elogiando as missões em Macau e dando conta
dos obstáculos dos missionários, intercedendo a favor deles. Refere a autorização
concedida ao Padre Letondal para voltar a Macau.
Obs. Documento em português.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 194-194V.

186 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[736] 1811, Janeiro, 26, s.l


Carta do Padre João Baptista Marchini a S. Alvarenga [?], acerca de um
missionário da Propaganda Fide, cuja imprudência foi ponderada em Macau e em
Lisboa, atribuindo-lhe por pena o desterro. Descreve-se essa imprudência, que
consistiu em ter feito prosélitos chineses e tártaros.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 195-195V.

[737] 1811, Janeiro, 31. Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide em Macau], [para o Núncio] informando-o sobre a expedição
de correspondência e o estado das missões. O autor comunica várias notícias
relativas a diversos Padres missionários e à morte de [D. Alexandre de] Gouveia.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 196-196V.

[738] [Ca. 1811, Janeiro, 28, Macau]


Carta [do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide em Macau, para o Núncio] felicitando-o pela sua chegada ao
Rio de Janeiro. O autor trata dos problemas dos missionários, sobretudo estran-
geiros, para entrar na China, falando do caso do Padre Salvetti, que foi preso; da
situação das missões das Províncias internas que se encontravam relativamente
tranquilas (fornece dados estatísticos).
Obs. Documento em italiano. O documento parece estar incompleto.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 198-199V.

[739] 1811, Janeiro, 28, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, [para o Núncio] referindo a conferência tida com Miguel
Arriaga sobre os missionários da Propaganda Fide e também sobre a missão da
Província de “Huquang”, sob a jurisdição do Vigário Apostólico de “Chansi”, que
a confiou a um padre chinês, surgindo problemas quando chegou o novo sacer-
dote da Propaganda Fide. O autor trata também do privilégio de ter um Oratório
particular, obtido pelo Padre Manuel Corripio, da Ordem dos Pregado-res, Procu-
rador da Província do Santíssimo Rosário das Filipinas
Obs. Documento em italiano. A paginação não respeita a ordem interna do
documento (começa pelo fl. 201).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 200-203.

[740] 1812, Fevereiro, 22. Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, [para o Núncio] referindo as medidas tomadas pelo Impera-
dor da China contra os missionários e a fé cristã; refere a partida dos missionários
Padre Anselmo de Santa Margarida, Padre Salvetti, Padre Adeodato e Padre Con-
forti, de Pequim para Macau com destino a outras missões.

www.lusosofia.net 187
· TOMO II ORIENTE ·

O autor pede informações sobre o Papa e, em geral, sobre a Igreja na Europa,


não tendo recebido desde há cinco anos notícias da Sagrada Congregação.
Obs. Documento em italiano. No canto superior esquerdo está registado que
a carta foi recebida a 16 de Agosto de 1812 e que o Núncio respondeu a 10
de Novembro.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 204-205V.

[741] s.d., s.l.


Artigo para correcção e transformação posterior do códice inscrito como
«Colectânea de Decretos da Sagrada Congregação de Propaganda Fide».
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 206-211.

[742] 1807, Dezembro, 8. Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, [para o Núncio] acusando a recepção de correspondência
com várias datas, da Nunciatura e da Congregação; sobre o estado das missões
nas províncias internas e a clandestinidade em que tinham de operar os padres de
Pequim; e, em geral, sobre as perseguições contra a religião cristã. O autor refere
a próxima chegada de nove missionários que seriam dirigidos para diferentes
destinos (Sião, Cochinchina, Tonquim).
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 212-213.

[743] 1811, Novembro, 30. Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, [para o Núncio] fazendo referência ao estado de decadência
das missões na China e em particular de Pequim; menciona as medidas tomadas
contra os missionários europeus pelo Imperador chinês.
O autor trata dos problemas – do Papa, da Igreja em Roma e da Congregação
de Propaganda Fide – que influíram negativamente sobre as missões.
Obs. Documento em italiano. Esta carta foi recebida a 12 de Abril de 1812 e
o Núncio respondeu-lhe a 6 de Junho.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 214-215V.

[744] 1811, Fevereiro, 8. Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, para o Núncio], referindo a correspondência mantida com
Miguel Arriaga e a memória por si redigida, dada a «24 de la luna sexta del año
del imperador Jiaquing 15 (1810)», sobre a situação dos missionários europeus
em Pequim, que remete em anexo.
Obs. Documento em italiano. A memória está escrita em castelhano. No
canto superior esquerdo está registado que lhe foi respondido a 6 de Junho
de 1812.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 216-219.

188 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[745] 1812, Janeiro, 5. Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, [para o Núncio] acrescentando mais notícias sobre as perse-
guições do Imperador da China contra a religião cristã, nomeadamente contra os
missionários de Pequim.
Obs. Documento em italiano. No canto superior está registado que a carta
foi recebida a 12 de Abril de 1812 e obteve resposta a 6 de Junho.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 220-221.

[746] 1812, Janeiro, 10, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, [para o Núncio] informando sobre a chegada a Cantão de
quatro missionários italianos expulsos de Pequim, que foram acolhidos pelos
ingleses; e sobre os decretos imperiais proclamados contra a religião cristã e as
consequências sofridas pelas missões.
Obs. Documento em italiano. No canto superior esquerdo está registado que
a carta foi recebida a 12 de Abril de 1812 e obteve resposta a 6 de Junho.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 222-223.

[747] 1815, Março, 1, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini [Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, para o Núncio], acompanhando o envio de uma caixa de chá
(«cha chu lan» ou «cha perola»).
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 224.

[748] s.d., s.l.


Post-scriptum do Padre João Baptista Marchini [Procurador da Sagrada Con-
gregação de Propaganda Fide], remetendo duas cartas de um amigo (não especi-
fica o nome).
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 226.

[749] 1815, Maio, 8, Macau


Factura impressa, preenchida por Sebastião Lopes Ramos, capitão de um
navio com destino ao Rio de Janeiro, declarando ter embarcado uma caixa de chá
a remeter ao Núncio Apostólico quando lá chegasse.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 228-228V.

[750] 1815, Novembro, 31, Rio de Janeiro


Factura de Sebastião Lopes Ramos [capitão de um navio com destino ao Rio
de Janeiro], para o Núncio, relativa à entrega de uma caixa de chá.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 229-229V.

www.lusosofia.net 189
· TOMO II ORIENTE ·

[751] 1815, Novembro, 28. Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, para Monsenhor Vicente Macchi, Delegado Apostólico em
Lisboa, remetendo duas cartas relativas ao estado das missões e pedindo informa-
ções do Núncio, que se encontrava no Rio de Janeiro, e do Cardeal Camillo de
Rossi, estabelecido em Roma.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 230.

[752] 1816, Março, 12. Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, [para Monsenhor Vicente Macchi] Delegado Apostólico em
Lisboa, remetendo-lhe correspondência para ser enviada para Roma e Paris.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 232.

[753] 1817, Fevereiro, 27. Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, para Monsenhor Vicente Macchi [Delegado Apostólico em
Lisboa], remetendo uma carta para o Cardeal Litta.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 234.

[754] 1821, Fevereiro, 4. Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, para Monsenhor Cherubini, Delegado Apostólico em Lisboa,
recomendando quatro jovens chineses destinados ao Colégio de Nápoles, pedindo
que lhes facultasse o dinheiro necessário para a viagem. O autor remete corres-
pondência para a Congregação; comenta também o governo do novo Imperador
da China, Daoguang, inimigo da religião cristã.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 236.

[755] 1813, Dezembro, 20, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini [Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide], [para o Núncio] solicitando o indulto em favor do [Padre]
Bernardo Aleixo de Lemos e Faria, Secretário da Nunciatura, para comer carne
nos dias não consentidos e poder eventualmente oferecer comida a alguns fami-
liares; e para poder ter um Oratório particular, uma vez que as igrejas em Goa
eram bastante distantes e dispersas.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 238-238V.

[756] 1813, Dezembro, 16, [Macau?]


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide para o Núncio] acusando a recepção de correspondência;

190 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

refere a atitude do Governo chinês em conformidade com as ordens da corte, a


respeito da missão de Pequim e sobre o [Padre] Letondal, que se encontrava
doente em Pondicherry; trata da nomeação de novos Bispos, Vigários Apostólicos
e Coadjutores.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 240-241V.

[757] 1812, Novembro, 29, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide [para o Núncio], acusando a recepção de correspondência; refere o
caso do Padre [Tiago] Ferreti, missionário sexagenário, a quem foi negado pelo
governo permanecer em Pequim para dar aulas no seminário. O autor agradece ao
Núncio por ter concedido ao Padre [João Baptista] Melano o privilégio de ter um
Oratório particular; trata da necessidade de fundar um colégio geral nas Índias,
sobretudo depois do incêndio que destruiu o colégio de Pulo Pinang, causando vários
danos e perdas de dinheiro; refere a perseguição contra a religião cristã no Império
chinês; e fornece informações relativas a diversos missionários.
Obs. Documento em italiano. A carta foi recebida a 1 de Maio de 1813. Em
anexo remete cartas e artigos que não se encontram.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 242-244.

[758] 1813, Dezembro, 26, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide], [para o Núncio], comentando a proposta do [Padre] Chau-
mont de nomear um patriarca e bispos indígenas. O autor transmite um artigo da
carta de 18 de Setembro, escrita pelo Vigário Apostólico de Sichuan e pede auto-
rização para o Padre João [Battista] Melano ler os livros «proibidos».
Obs. Documento em italiano e latim. A carta foi recebida a 6 de Abril de
1814. Em anexo remete uma carta do Vigário Apostólico no Tonquim para o
Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda Fide anunciando a morte do
seu Coadjutor, Monsenhor José Calvo (a carta não se encontra).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 245-246.

[759] 1814, Novembro, 20. Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador [da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, para o Núncio], referindo os festejos nas missões, pela liber-
tação do Papa. Em post-scriptum, o Procurador comenta positivamente a activi-
dade nas missões do Cónego Narciso Firmiano, Tesoureiro da Catedral. Em anexo
remete cartas e memoriais (não se encontram no documento).
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 247-248.

[760] 1815, Abril, 15, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, [para o Núncio] remetendo e acusando a recepção de cor-
respondência. O autor refere as perseguições movidas contra os seminários pelo

www.lusosofia.net 191
· TOMO II ORIENTE ·

governo chinês, nomeadamente em Sichuan (Suchuen), e sobre o estado da mis-


são da baixa Cochinchina, administrada por três franciscanos italianos. O Procu-
rador defende a intervenção da Sagrada Congregação.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 249-250.

[761] 1817, Fevereiro, 17, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, para Monsenhor Vicente Macchi, Delegado Apostólico em
Lisboa, remetendo uma carta para a Sagrada Congregação e uma encomenda para
o Superior do Colégio Chinês de Nápoles. O autor remete também uma carta do
Imperador da China relativa à embaixada britânica.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 251.

[762] 1813, Janeiro, 11, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, [para o Núncio] apresentando a súplica do [Padre] João
Richenet, Procurador das Missões da Congregação da França, para poder ficar na
China. O autor refere também o plano de D. Marcelino [José da Silva], aprovado
em 1803 pela corte de Lisboa, para prover às necessidades das missões do
Padroado através de sacerdotes da Congregação, cuja execução fora irregular.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 253-254.

[763] 1816, Fevereiro, 5, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, para Monsenhor Vicente Macchi, Delegado Apostólico em
Lisboa, informando-o da remessa de uma carta para a Sagrada Congregação e de
correspondência vária da Província de Chansi e ainda sobre a Visita ad limina de
D. [Joaquim] Saraiva, Bispo de Pequim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 255.

[764] 1818, Junho, 10, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, [para o Núncio] acusando a recepção da carta de 1 de
Dezembro. O autor refere a chegada dos dois missionários que o Núncio lhe
recomendou, os Padres José Maria de Morrone e Rafael Umpierres; trata de ate-
nuar a perseguição contra a religião cristã. Num post-scriptum, fala também do
requerimento de Oratório privado apresentado por António Susarte [?]. Em
anexo remete cópia de carta para a Sagrada Congregação, de 19 de Fevereiro de
1818, sobre a morte do Bispo de Pequim, D. Joaquim de Sousa Saraiva, e propõe
alguns candidatos à respectiva sucessão.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 257-259.

192 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[765] 1818, Dezembro, 15, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, para o Núncio Apostólico, acusando a recepção da carta de
5 de Maio. O autor refere a falta de informações relativas às missões, uma vez que
ainda não tinham chegado os mensageiros. Num post-scriptum, acrescenta que
chegaram as cartas dos missionários da Província de Sichuan (Suchuen) contendo
notícias sobre a continuação das perseguições contra a religião cristã.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 260-261V.

[766] 1819, Setembro, 16, Macau


Carta do Padre João Baptista Marchini, Procurador da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide, para Monsenhor Cherubini, Delegado Apostólico em Lisboa,
remetendo ao Cónego Regular André Morais Sarmento, de regresso a Lisboa,
cartas e processos relativos a dois cristãos martirizados em 1773.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 262-262V.

[767] 1831, Junho, 20. Macau


Carta do [Padre] Rafael Umpierres, Procurador interino da Sagrada Congre-
gação de Propaganda Fide, [para o Núncio?] sobre o estado deplorável das missões
e o envio de missionários.
Obs. Documento em italiano. Há um apontamento no canto inferior esquerdo
em que se lê que foram enviadas as cartas para o Padre Afonso Maria de
Nápoles através do Procurador interino, [Padre] Rafael Umpierres.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 265-265V.

[768] 1824, Dezembro, 20, Macau


Carta do [Padre] Rafael Umpierres, Procurador interino da Sagrada Congre-
gação de Propaganda Fide, para o Núncio, remetendo missivas, telas com imagens
impressas de animais e um pano bordado para a Sagrada Congregação.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 267.

[769] 1825, Dezembro, 13, Macau


Carta do [Padre] Rafael Umpierres, Procurador interino da Sagrada Congre-
gação de Propaganda Fide, para o Núncio, acompanhando o envio de cartas e de
uma caixinha contendo livros e duas cabeças de dragão em madeira, para a
Sagrada Congregação. O autor refere a tentativa do Padre [Veríssimo Monteiro]
Serra, nomeado – pelo Rei, mas não pela Santa Sé – Bispo de Pequim, de usurpar
o governo da Diocese ao Padre [José Nunes] Ribeiro, Vigário Geral, autorizado
neste cargo pelo Pontífice.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 269-269V.

www.lusosofia.net 193
· TOMO II ORIENTE ·

[770] 1826, Janeiro, 1, Macau


Carta do [Padre] Rafael Umpierres, Procurador interino da Sagrada Congre-
gação de Propaganda Fide, para o Núncio, acusando a recepção da missiva de 12
de Novembro de 1825 e remetendo correspondência das missões. O autor refere a
irregular conduta do Padre [Veríssimo Monteiro] Serra, nomeado Bispo de Pequim
pelo Rei de Portugal, mas não pelo Papa, odiado pelo Imperador chinês, e a rebe-
lião contra o Padre [José Nunes] Ribeiro, Vigário Geral da mesma Diocese.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FLS. 271-272.

[771] 1832, Março, 19, Macau


Carta do [Padre] Rafael Umpierres, Procurador interino da Sagrada Congre-
gação de Propaganda Fide, para o Núncio, fazendo referência à correspondência
enviada e dando informações sobre alguns missionários (o regresso do Padre José
Maria de Morrone à Europa, por motivos de saúde; a aplicação no estudo dos
caracteres chineses dos Padres Afonso [di Donato] e Nicolau [Polignano]; a ida
do Padre Henriques para Nanquim).
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 273.

[772] 1832, Janeiro, 12, Macau


Carta do [Padre] Rafael Umpierres, Procurador interino da Sagrada Congre-
gação de Propaganda Fide, para o Núncio, acusando a recepção da carta de 20 de
Junho de 1831, comentando a sorte das missões portuguesas na China, agravadas
com a morte do Arcebispo de Goa. O autor opina que a única solução poderia ser
o envio de mais missionários; recomenda-lhe o Padre José Maria de Morrone, de
regresso à Província de Roma por motivos de saúde.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (3), FL. 274-274V.

[773] s.d., s.l.


«O secretário da Nunciatura procurará logo depois das festas ao Sr. J. M.
Barroso, para lhe mostrar as cartas recebidas da Inglaterra, pelas quais consta
haver-se pago ali o importe da sabida subscrição, e já pelo último paquete o dito
secretário escreveu ao correspondente em Londres para mandar vir os recibos e
mostrá-los a S. Sria., com que falando ficará de inteligência sobre o arbítrio que se
houver de tomar.»
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 6.

[774] 1806, Agosto, 24, Lisboa


Minuta de carta do [Núncio ou do Secretário do Núncio?] para os Padres
Jorge Alary e Bilhère, da Casa das Missões Estrangeiras em Paris, enviando-lhes
duas cartas do Padre Letondal, Procurador das Missões em Macau, e oferecendo-
-se para lhe remeter, a ele ou a outro eclesiástico na China, a correspondência que
os destinatários quiserem dirigir-lhe. Alude à perseguição na China.
Obs. Documento em francês.

194 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Nota: Durante a sua estadia em Macau, o Padre Georges Alary (1731-1817)


missionário no Reino de Sião e posteriormente reitor do seminário das MEP,
redigiu umas apreciadas “instruções para lidar com as susperstições chinesas” que
com toda a probabilidade constituem o grosso das Documenta rectæ rationis seu
forma instructionis ad usum alumnorum sinensium, anamitarum, necnon et catechis-
tarum concinnata / a J.-L. Taberd, episcopo Isauropolitano edita. – Serampore : Fre-
dericnagori vulgo, ex typis J.-C. Marshman, 1839. (cfr. Archives des MEP, Notices
Biographiques et Nécrologies, nº 217, in http://archivesmep.mepasie.net). Sobre o
Padre Bilhère, vide DUPOUY, Michel, Thomas Bilhère (1723-1809), héros des Mis-
sions Etrangères pendant la Révolution Française, MEP, Paris, 2002.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 8-8V.

[775] 1806, Dezembro, 22, Macau


Carta do Padre Cláudio Letondal, Procurador das Missões Estrangeiras de
Paris, ao Núncio, congratulando-se pelo favor de que goza o seu Instituto missio-
nário junto da Nunciatura e rogando-lhe enviar por vias mais seguras certas car-
tas de grande importância para as missões: uma, ao Prefeito da Sagrada Congre-
gação de Propaganda Fide e outra ao Sr. Tomás Coutts – nesta incluindo por sua
vez diversas missivas ao Padre Chaumont, Reitor do seminário das Missões Estran-
geiras – em Londres. Tiveram todas elas por portador o Padre Tomás Cañon,
Agostinho, «que muito tinha a contar sobre aquelas missões».
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 10.

[776] 1806, Janeiro, 30, Macau


Carta do Padre Cláudio Francisco Letondal, Procurador das Missões Estrangei-
ras de Paris, ao Núncio, em que se descreve mais pormenorizadamente o fascículo
de cartas enviado no mês anterior pelo navio S. Francisco Xavier. Acrescenta um
relatório sobre o estado das missões em dois exemplares, sendo um para o Núncio
e outro para D. Marcelino [José da Silva], antigo Bispo de Macau, tudo enviado
agora pelo navio Bom Jesus de Além.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 12-12V.

[777] 1806, Janeiro, 18, Macau


Carta do Padre Cláudio Francisco Letondal, Procurador das Missões Estrangei-
ras de Paris, ao Núncio. Envia ao Núncio e, por este, ao colega Padre Dinis Boiret,
do Seminário da Sagrada Congregação de Propaganda Fide em Roma, alguns cate-
cismos recentemente editados em chinês e outros fascículos de correspondência
através do Padre Salvador de S. Luís Gonzaga, Agostinho espanhol que vai a
Madrid procurar missionários para a sua Província de S. Nicolau, nas Filipinas.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 14-14V.

[778] 1807, Julho, 21, Lisboa


Rascunho de carta [do Núncio] para o [Padre] Cláudio Francisco Letondal,
Procurador das Missões Estrangeiras de Paris, acusando a recepção da carta de 22

www.lusosofia.net 195
· TOMO II ORIENTE ·

de Outubro de 1806 com as outras que vinham inclusas, as quais enviou aos seus
respectivos destinos (Sagrada Congregação de Propaganda Fide e Londres).
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 16-16V.

[779] 1806, Janeiro, 10, Macau


Carta do Padre Cláudio Francisco Letondal, Procurador das Missões Estrangei-
ras de Paris, ao Núncio. Apresenta novo fascículo de correspondência não especi-
ficada que quer ainda mandar pelo mesmo navio e recomenda que lho envie a Lon-
dres com a maior segurança. Em apontamento anexo (fl. 19) redigido em italiano,
lê-se: «dois pacotes vindos de Macau para o Sr. Thomas Coutts e companhia, Lon-
dres».
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 17.

[780] 1807, Setembro, 1, Londres


Cópia de carta do Padre Dinis de Chaumont para [o Padre Letondal ?] sobre
a ida do destinatário para Macau exercer o cargo de Procurador das Missões, em
vez de seguir para o seu destino inicial – Pondicherry. Recomenda-lhe a língua
que deve aprender, português, referindo a dificuldade na aprendizagem de lín-
guas orientais e tece considerações acerca do posto que o destinatário irá ocupar.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 20-21.

[781] 1809, Abril, 24, Malaca


Carta do Padre Cláudio Francisco Letondal, Procurador das Missões Estrangei-
ras de Paris, ao Núncio. Regressado de Pulo Pinang, passando por Manila, aproveita
um navio que parte de Macau para o Brasil, tendo por portadores o Cónego Alexan-
dre Pereira, e o Sr. Joaquim de Oliveira Matos [Deputado do Leal Senado de Macau].
Impressionado pela miséria da Igreja de Malaca, anuncia tencionar ir de novo a
Manila recolher algum dinheiro para os Dominicanos que a administram.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 22-23V.

[782] 1809, Fevereiro, 11, Macau


Carta do Padre Letondal, Procurador das Missões Estrangeiras, para o Nún-
cio Apostólico junto de Sua Majestade Fidelíssima, sobre as dificuldades com que
se depara em Macau: falta de missionários, falta de recursos pecuniários, má von-
tade do governo local para com os missionários estrangeiros, que utilizam a
cidade como ponto de apoio à missionação no império chinês; a situação religiosa
em Macau.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 25-28.

[783] 1811, Dezembro, 17, Macau


Cópia de carta do [Padre] Cláudio Francisco Létondal, Procurador das Mis-
sões Estrangeiras, para o Bispo de Nísibe, Núncio de Sua Santidade na Corte do

196 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Rio de Janeiro, sobre o pedido de um Coadjutor para Monsenhor João Labartette,


Bispo de Veren e Vigário Apostólico da missão do Reino da Cochinchina, Camboja,
etc., já que o anterior, Monsenhor d’Adran, falecera; fundação de um novo semi-
nário de asiáticos em Pulo Pinang, dirigido pelas Missões Estrangeiras.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 31-31V.

[784] 1811, Janeiro, 2, Macau


Carta do [Padre] Cláudio Francisco Létondal, Procurador das Missões Estran-
geiras, para o Arcebispo de Nísibe e Núncio de Sua Santidade na Corte do Rio de
Janeiro, acusando a recepção das cartas de 17 e 25 de Julho, com a autorização do
Príncipe Regente para continuar em Macau; de uma carta do destinatário para o
Vigário Apostólico do Sião, Bispo de Mitelópolis, pedindo-lhe que dê instruções
aos seus missionários em Pulo Pinang para colaborarem com o [Padre] Létondal,
e de várias cartas para Bispos e Vigários Apostólicos da China.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 33-34.

[785] 1803, Abril, 10, Roma


Carta de Monsenhor [Dinis] Boiret para o Arcebispo de Nísibe, Núncio de
Sua Santidade em Portugal, agradecendo-lhe a forma como tratou o seu irmão e
os missionários seus confrades; dizendo-lhe que enviará uma caixa de livros para
ser entregue a Monsenhor [João José] Demaris e ao Padre Illuminato em Macau,
caso estes já tenham deixado Lisboa, e que os procuradores das missões que estão
em Macau lhes farão chegar os cálices.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 37 E 38V.

[786] 1806, Dezembro, 17, Roma


Carta de Monsenhor [Dinis] Boiret [para o Núncio] recomendando-lhe dois
missionários das Missões Estrangeiras destinados a Macau: Luís Bonaventure (35
anos, de Besançon) e Luís Fontana (27 anos, da Diocese de Ivreia, no Piemonte).
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 39.

[787] 1806, Dezembro, 17, Roma


Carta do Padre Dinis Boiret para o Arcebispo de Nísibe, Núncio de Sua
Santidade em Portugal, remetendo correspondência para os missionários que
partiram de Livorno para Lisboa e que a Sagrada Congregação de Propaganda
recomenda ao destinatário (só refere o [Padre] Caseau). Remete também corres-
pondência para um seu irmão, a residir em Londres.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 41 E 42V.

[788] 1807, Julho, 11, Roma


Carta do Padre Dinis Boiret para o Arcebispo de Nísibe, Núncio de Sua
Santidade em Portugal, acusando a recepção das duas cartas dirigidas à Sagrada

www.lusosofia.net 197
· TOMO II ORIENTE ·

Congregação, que o destinatário lhe enviou; comentando que aguarda a ida do


[Padre] Langlois – entretanto já chegado a Lisboa – a Roma; remetendo duas car-
tas: uma para o [Padre] Chaumont, contendo uma decisão da Sagrada Congrega-
ção, para o Bispo do Quebeque, no Canadá; e outra para o irmão.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 43 E 44V.

[789] 1807, Julho, 15, Lisboa


Rascunho de carta [do Núncio] para o [Padre] Dinis Boiret, Procurador das
Missões Estrangeiras em Roma, participando-lhe que convenceu o [Padre] Lan-
glois a ir a Roma, conforme era desejo do destinatário; e que o [Padre] Caseau vai
voltar a Roma, na companhia do [Padre] Langlois.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 45.

[790] 1807, Abril, 28, Roma


Carta do Padre Dinis Boiret para o Arcebispo de Nísibe, Núncio de Sua
Santidade em Portugal, agradecendo-lhe a protecção que tem dado ao seu irmão;
e pedindo-lhe que assegure a troca de correspondência entre o autor e o irmão.
Obs. Documento em francês. O documento foi carimbado de trás para a
frente.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 46 E 47V.

[791] 1807, Setembro, 11, Roma


Carta dos [Padres Dinis] Boiret e [Carlos] Langlois [para o Núncio], agrade-
cendo-lhe a forma como trata os missionários que passam por Lisboa a caminho
das respectivas missões; participando-lhe que o [Padre] Halnat foi destinado à
missão do Malabar, na costa do Coromandel, e que deve embarcar em qualquer
navio que vá para Madrasta, Bombaim ou Bengala; recomendando-lhe um missio-
nário que deve chegar proximamente a Lisboa, irmão do [Padre] Fontana, e que
irá substituir o [Padre] Caseau, que não quis ir a Roma e seguiu para a Suíça;
remetem uma carta para ser enviada para a missão de Macau.
Obs. Documento em francês.
Nota: Sobre Halnat, vide supra, Documento nº 124.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 48-49.

[792] 1817, Janeiro, 17, Macau


Cópia de Carta do Padre João Baptista Marchini para o [Padre] Richenet
participando-lhe que a embaixada de Sir Jorge Staunton e Lord Amherst à China
não obteve nenhuma informação sobre os Padres missionários [Francisco Maria]
Lamiot, [Francisco Régis] Clet e Joaquim [Salvetti].
Obs. Documento em francês.
Nota: Trata-se de S. Francisco Régis Clet, Presbítero e Mártir, da Congrega-
ção da Missão, beatificado em 1900 e canonizado no ano 2000, que chegou a
Macau em 1790, acompanhado do então Diácono [Francisco Maria] Lamiot,
seu confrade. Cfr. DAVITT, CM, Thomas, A Fresh look at Francis Clet, in

198 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

“Colloque; journal of the Irish Province of the Congregation of the Mis-


sion”, nº 2 (1980), pp. 13 a 32 e, hujusdem, Francis Clet as seen in his letters
in “Vincentiana”, nº 5 (2001), pp. 2 a 8.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 50-50V.

[793] 1803, Outubro, 9, Roma


Carta de [Monsenhor] Dinis Boiret [para o Núncio] agradecendo-lhe as
atenções que tem tido com o seu irmão; pedindo-lhe que proteja o portador da
presente missiva, [Padre] José Estêvão Izoardi, destinado às missões da China, e o
Padre Bellisent, francês, que poderá ser obrigado a passar por Lisboa para ir para
a China, se em Inglaterra lhe recusarem passagem.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 54.

[794] s.d., s.l.


Cópia de carta de Luís da Cruz para o Arcebispo de Nísibe remetendo-lhe o
último número de O Investigador e perguntando se o destinatário quer renovar a
assinatura.
Nota: O Investigador Portuguez em Inglaterra, com o subtítulo de Jornal Lite-
rário, Político, etc., mensário impresso em Londres entre 1811 e 1819, foi um
importante veículo de intervenção política da Corte do Rio de Janeiro.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 56.

[795] 1806, Dezembro, 30, Londres


Carta do Padre Chaumont [para o Núncio] participando-lhe que a tomada
de Hamburgo pelos franceses impede qualquer comunicação directa entre a
Inglaterra e Roma; dando-lhe conta de várias informações que lhe foram transmi-
tidas pelo [Padre João] Pinto [Gomes], missionário português em Pequim, que
obteve autorização do Imperador para se retirar: a perseguição aos cristãos em
Pequim diminuiu muito em 1805; o Padre Bernardo, ex-Jesuíta português, presi-
dente do Tribunal das Matemáticas, morreu no final de 1805; uma cabala que
quer destruir todos os estabelecimentos europeus em Pequim esforçou-se para
que fosse nomeado um chinês pagão, mas o ministro nomeou o Bispo de Pequim
para presidente, e o Padre [José Nunes] Ribeiro, Lazarista português; o imperador
deu cem onças de prata para as exéquias do Padre Bernardo e enviou alguma
ajuda ao Padre Adeodato [de S. Agostinho], exilado no ano anterior por sua
ordem, em Gehol, na Tartária.
Obs. Documento em francês.
Nota: Cfr. Documento nº 107. Trata-se dos derradeiros missionários portu-
gueses a privar com a corte de Pequim. O Padre José Bernardo de Almeida SJ
(1708-1805), que morreu a poucos anos da restauração da sua Ordem, aí se
distinguiu como cirurgião e amigo do valido do Imperador Quianlong,
tendo sido nomeado para dirigir o grupo de missionários estrangeiros que o
serviram como intépretes na desastrada embaixada britânica de Lorde
McCartney (vide ABREU, António Graça de, Padre José Bernardo de Almeida,
o Último Jesuíta Português na Corte Chinesa, in “Actas do Colóquio Interna-

www.lusosofia.net 199
· TOMO II ORIENTE ·

cional sobre o Humanismo Latino e as Culturas do Extremo Oriente”, Fon-


dazione Casamarca – Itália e Cátedra Humanismo Latino – Faculdade de
Letras da Universidade do Porto, Macau 6 a 8 de Janeiro de 2005, Inter-Uni-
versity Institute of Macau, 2005).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 58-58V.

[796] 1807, Abril, 28, Londres


Carta do Padre Chaumont [para o Núncio] agradecendo-lhe por facilitar a
correspondência com Roma; referindo-se às notícias que recebeu do Bispo de Doli-
que [Fr. Dolicha, It. Doliche, Lat. Dolichen], encarregado da missão de Madrasta,
sobre o trabalho dos Padres Capuchinhos [não especifica]; dizendo que espera
que sejam falsas as notícias acerca do falecimento do Papa.
Obs. Documento em francês.
Nota: O Bispo de Dolique é Monsenhor Nicolau Champenois (1734-1811),
das Missões Estrangeiras de Paris, missionário no Malabar (cfr. documento
nº 829; cfr. et PESNEAUD, Anne-Claire, Mgr. Champenois, évêque de Dolicha
(1734-1810), missionnaire dans la Mission malabare des Indes, MEP, Paris,
2000).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 60-60V.

[797] 1806, Novembro, 11, Roma


Carta do [Padre] Chaumont para o Arcebispo de Nísibe, Núncio Apostólico
em Lisboa, agradecendo-lhe os serviços que lhe tem prestado; recomendando o
[Padre] Langlois, da missão de Tonquim, que chegará brevemente a Lisboa e que
deverá partir depois directamente para Roma.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 62 E 63V.

[798] 1807, Agosto, 4, Londres


Carta do Padre Chaumont para o Arcebispo de Nísibe, Núncio Apostólico
em Lisboa, acusando a recepção dos pacotes com a carta do destinatário de 12 de
Junho; dizendo que recebeu uma carta do [Padre] Langlois; referindo que arran-
jou uma forma mais rápida de enviar pequenas cartas para Roma, mas que terá de
continuar a enviar os pacotes através do Núncio; informando que o [Padre] Boi-
ret, a 26 de Junho, ainda não sabia da chegada do [Padre] Langlois; tecendo
comentários acerca da guerra de Napoleão.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 64-64V E 65V.

[799] 1807, Setembro, 22, Londres


Carta do Padre Chaumont para o Arcebispo de Nísibe, Núncio Apostólico
em Lisboa, remetendo duas cartas para o [Padre] Halnat dizendo que espera que
o [Padre] Langlois tenha chegado bem a Roma; congratulando-se com o facto de
o [Padre] Fontana já ter partido; comentando que aconteceu o que se temia em
Portugal [a invasão francesa], o que impede o envio de missionários.
Obs. Documento em francês.

200 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Nota: Sobre o Padre Halnat, vide supra, Documento nº 124.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 66 E 67V.

[800] 1809, Março, 1, Londres


Carta do Padre Dinis de Chaumont para o Arcebispo de Nísibe, Núncio Apostó-
lico junto de Sua Majestade Fidelíssima no Rio de Janeiro, na qual, entre outros
assuntos, acusa a recepção da missiva de 28 de Novembro último; tece considerações
sobre a situação da Igreja e do clero franceses, bem como da Santa Sé, face ao avanço
de Napoleão; transcreve parte da carta que os Padres Boiret e Langlois lhe enviaram
de Roma; refere-se às cartas que tem recebido de Macau (algumas falam da próxima
partida do Bispo Coadjutor de Pequim); diz que os pacotes do Padre Marchini para o
Cardeal Prefeito da Propaganda Fide não devem ter chegado ao seu destino.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 68-69V.

[801] 1809, Outubro, 30, Londres


Carta do Padre Dinis de Chaumont para o Arcebispo de Nísibe, Núncio
Apostólico, junto de Sua Majestade Fidelíssima no Rio de Janeiro, acusando a
recepção da missiva de 25 de Junho último; informando que recebeu um bilhete
dos [Padres] Boiret e Langlois pelo qual foi avisado de que o Cardeal di Pietro
deu ordem à Coutts & Co. para lhe entregar uma soma para as missões; reme-
tendo uma carta do Bispo de Pequim para o destinatário e um texto do jornalista
Pelletier sobre a usurpação dos domínios da Santa Sé por Napoleão.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 70-71V.

[802] 1807, Junho, 23, Londres


Carta do Padre Dinis de Chaumont para o Arcebispo de Nísibe, Núncio
Apostólico em Lisboa, acusando a recepção da carta de 3 de Junho e dando indi-
cações sobre o envio de correspondência (moradas).
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 72-72V E 73V.

[803] 1807, Junho, 16, Londres


Carta do Padre Dinis de Chaumont [para o Núncio] acusando a recepção da
carta de 11 de Maio; congratulando-se com a chegada do [Padre] Langlois a Lis-
boa e com a sua próxima partida para Roma, onde o [Padre] Boiret o aguarda;
dizendo que este o informou de que os [Padres] Caseau e Fontana, destinados a
Macau, embarcaram para Lisboa em Livorno e levaram uma carta para ser entregue
ao autor, que ainda não a recebera.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 74-74V.

[804] 1807, Abril, 14, Londres


Bilhete do Padre Dinis de Chaumont [para o Núncio] remetendo uns paco-
tes [cujo conteúdo não é especificado] oriundos de Pondicherry.

www.lusosofia.net 201
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Documento em francês.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 76.

[805] 1807, Setembro, 1, Londres


Bilhete do Padre Dinis de Chaumont para o Arcebispo de Nísibe, Núncio
Apostólico em Lisboa, acusando a recepção das cartas de Roma que o destinatário
lhe enviou.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 78 E 79V.

[806] 1809, Setembro, 10, Londres


Carta do Padre Dinis de Chaumont para o Arcebispo de Nísibe, Núncio
Apostólico no Rio de Janeiro, informando-o de que recebeu os pacotes da China e
que o Padre Marchini, pensando que o Núncio estava em Londres, como anuncia-
ram os jornais da América, lhe pediu para o visitar em seu nome e entregar-lhe a
carta que junto envia.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 80.

[807] 1810, Junho, 28, Pulo Pinang


Cópia de carta datada do paço episcopal de Banguecoque a 16 de Junho de
1809, com as faculdades concedidas por D. Arnoldo António, Vigário Apostólico
do Reino de Sião, ao Padre Letondal, Procurador-Geral «nas Índias». Referem-se
as ditas faculdades à fundação de um seminário na ilha de Pulo Pinang, esten-
dendo-se à pregação e à administração dos Sacramentos e à consagração de capela
própria.
Obs. Documento em latim. O documento está numerado de trás para a frente.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 82-82V.

[808] 1810, Agosto, 7, Londres


Bilhete assinado por La Pointe e dirigido ao Arcebispo de Nísibe, Núncio
Apostólico no Rio de Janeiro, no qual afirma que lhe escreveu no final do ano
anterior e não obteve resposta; interessa-se pelo estado de saúde do destinatário; e
refere que tem obrigações para com o Padre Chaumont.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 83-83V.

[809] 1810, Maio, 22, Rio de Janeiro


Cópia de carta [do Núncio] para o Padre Chaumont, na qual faz votos de que o
destinatário tenha recebido as cartas de 30 de Dezembro e 4 de Fevereiro, com outras
inclusas; remete os pacotes que recebeu da China; acusa a recepção de carta de 4 de
Outubro sobre o assunto relativo ao Padre Letondal [favorecer a sua permanência em
Macau, ameaçada devido ao facto de ser francês]; refere as dificuldades para os portu-
gueses na China, resultantes do mapa feito pelo Padre Adeodato.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 86-86V.

202 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[810] 1809, Setembro, 6, Londres


Carta do Padre Dinis de Chaumont para o Arcebispo de Nísibe, Núncio
Apostólico no Rio de Janeiro, na qual, entre outros assuntos, acusa a recepção da
missiva de 15 de Maio; informa-o sobre o estado da religião na Europa (a situação
da Santa Sé e do Papa, a tomada de posição dos Bispos da Irlanda condenando [as
posições regalistas de] Blanchard, o clero francês); participa-lhe que recebeu em
fins de Maio as cartas de Macau datadas de Agosto de 1808, com notícias sobre a
tentativa de ocupação de Macau pela frota inglesa e a oposição dos chineses.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 88-89V.

[811] 1810, Junho, 5, Londres


Carta do Padre Dinis de Chaumont [para o Núncio] sobre, entre outros
assuntos, o apoio dos Bispos, reunidos em Paris, a Bonaparte. Pede notícias do
[Padre] Ozanon que, segundo o Padre Letondal, embarcou no Bom Jesus d’Além;
queixa-se de que, estando quase toda a Índia submetida ao domínio inglês, é
impossível enviar missionários franceses para aquelas missões.
Obs. Documento em francês. Em anexo, cópia de extracto do jornal oficial
Le Moniteur com as questões relativas à Concordata, colocadas aos Bispos
reunidos em Paris por ordem de S. M. [Napoleão Bonaparte], e as respectivas
respostas.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 90-91V E 93-94V.

[812] 1811, Julho, 4, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre Chaumont, participando-lhe
que irá escrever ao Pró-Vigário do Bispo de Mitelópolis, Vigário Apostólico do
Sião, dizendo-lhe que o colégio de Pulo Pinang é e deve ser independente dele.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 92.

[813] 1811, Outubro, 2, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre Chaumont, sobre o dinheiro
que o destinatário deveria ter recebido da parte da Propaganda Fide, para as mis-
sões, e que ainda não recebeu.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 97.

[814] 1811, Agosto, 7, Londres


Carta do Padre Dinis de Chaumont para o Arcebispo de Nísibe, Núncio
Apostólico no Rio de Janeiro, acusando a recepção da carta de 18 de Maio; infor-
mando-o de que, por uma carta de um comerciante de Madrasta, de 6 de Janeiro,
soube que o Superior da Missão de Pondicherry faleceu a 1 de Novembro, sem ter
sagrado o seu sucessor, nomeado havia muito tempo; perguntando-lhe se recebeu
cartas de Macau.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 100 E 101V.

www.lusosofia.net 203
· TOMO II ORIENTE ·

[815] 1810, Setembro, 5, Londres


Carta do Padre Dinis de Chaumont para o Arcebispo de Nísibe, Núncio
Apostólico no Rio de Janeiro, comunicando, entre outros assuntos, as notícias
que recebeu sobre o Papa e as notícias que lhe chegaram de Macau, nomeada-
mente que o governo local não deixa entrar os missionários estrangeiros que se
dirigem à China.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 102-102V E 103V.

[816] 1810, Agosto, 8, Londres


Carta do Padre Dinis de Chaumont para o Arcebispo de Nísibe, Núncio
Apostólico no Rio de Janeiro, acusando a recepção da carta de 9 de Junho; agra-
decendo-lhe por ter escrito ao Bispo de Mitelópolis a propósito da jurisdição
sobre o colégio de Pinang; transmitindo-lhe notícias relativas ao Papa; entre outros
assuntos.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 104-104V E 105V.

[817] 1811, Outubro, 2, Londres


Carta do Padre Dinis de Chaumont para o Arcebispo de Nísibe, Núncio
Apostólico no Rio de Janeiro, acusando a recepção da carta de 4 de Julho; agrade-
cendo-lhe por tencionar escrever ao Sr. [Padre] Rectenwald [acerca da jurisdição
sobre o colégio de Pinang]; informando-o de que o Padre Letondal está na ilha de
Pinang; transmitindo-lhe notícias de França.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 107-108V.

[818] 1812, Maio, 5, Londres


Carta do Padre Dinis de Chaumont para o Arcebispo de Nísibe, Núncio Apos-
tólico no Rio de Janeiro, acusando a recepção da carta de 19 de Janeiro; dando notí-
cias sobre o Papa e a situação em França; enviando dinheiro para as missões da
Propaganda Fide de Pondicherry, China, Cochinchina, Tonquim e Sião.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 109-110V.

[819] 1812, Outubro, 21, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre Chaumont, acusando a recep-
ção das cartas de 30 de Junho e 3 de Agosto, entre outros assuntos [sem relevân-
cia para o Oriente].
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 111-112.

[820] 1812, Novembro, 20, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre Chaumont sobre a partida de
um navio para Macau, que leva dois missionários portugueses da Congregação de
São Vicente de Paulo; diligências feitas em favor do colégio de Pinang.

204 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. Documento em francês.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 115-116V.

[821] 1813, Fevereiro, 1, Londres


Carta do Padre Dinis de Chaumont para o Arcebispo de Nísibe, Núncio
Apostólico no Rio de Janeiro, acusando a recepção da carta de 21 de Outubro; e
remetendo cópia de carta do Sr. [Padre] Langlois; entre outros assuntos.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 117-117V E 118V.

[822] 1812, Novembro, 20, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Abade Chaumont, acusando a recep-
ção da carta de 4 de Agosto e dizendo que recebeu as peças dos neófitos da Coreia
[não especificado].
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 119-119V.

[823] 1813, Junho, 10, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre [Chaumont] sobre, entre outros
assuntos, a dificuldade de correspondência devido à guerra entre a Inglaterra e os
Estados Unidos; o incêndio nas missões pertencentes ao colégio de Pinang; o
Padre Ferreti, obrigado a sair de Macau e a passar a Malaca. Acusa a recepção das
cartas de 4 e 25 de Novembro e de 1 de Fevereiro.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 120-120V.

[824] 1813, Outubro, 9, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre [Chaumont] acusando a recep-
ção da carta de 31 de Maio; congratulando-se com as notícias sobre o Papa; infor-
mando-o de que irá enviar uma carta ao Padre Marchini transmitindo-lhe as res-
postas que o destinatário obteve de Paris relativas às missões; entre outros assuntos.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 121.

[825] s.d., s.l.


«Cartas dos Vigários Apostólicos e missionários na China, além daquelas
que se encontram na posição relativa ao cisma do Tonquim Oriental».
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 126.

[826] 1775, Fevereiro, 25, Cochim, Verapólis


Carta de Frei Anastásio de S. Jerónimo, Carmelita Descalço e Vigário Geral
da Sé vacante do Vicariato Apostólico na Província do Malabar e Vigário Superior
da missão, [para o Núncio] comentando negativamente a possibilidade do Padre
Francisco de Sales da Mãe Dolorosa, que fora um missionário de péssima conduta
no Malabar, ser novamente enviado para a mesma missão. O autor pede ao Nún-

www.lusosofia.net 205
· TOMO II ORIENTE ·

cio para reter o referido Padre até que a Sagrada Congregação se pronuncie sobre
o destino dele.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 127-127V.

[827] 1779, Março, 2, Verápolis


Carta de Frei Francisco de Sales, Vigário Apostólico do Malabar [ao Nún-
cio]. Agradece terem-lhe sido enviados por mão do capitão Manuel de Freitas
Silva os novos catecismos malabares «segundo o espírito da Sagrada Congregação
de Propaganda Fide». Solicita que lhe sejam enviados as cartas e os subsídios
anuais da mesma Congregação por via portuguesa, dado serem de prever-se
fechadas as vias inglesa e francesa por causa da guerra. Encomenda-se à protecção
e bons ofícios do destinatário, sobretudo por se achar aquela Igreja em grande
isolamento e necessidade, contando embora ao presente cento e vinte mil cristãos
distribuídos por noventa aldeias. Queixa-se ainda haver-lhe sido retida na alfân-
dega de Lisboa uma encomenda que lhe trazia o Padre Paulino [de S. Bartolo-
meu], pedindo que se faça o possível para a reaver, pois o portador já fizera todos
os esforços para a libertar. Nela se continham rituais romanos, missais, martiroló-
gios actualizados, tudo coisas «de que ali se sentia uma extrema necessidade».
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 128-129V.

[828] 1779, Janeiro, 21, Verápolis


Carta de recomendação do Vigário Apostólico do Malabar, dirigida ao Nún-
cio, em favor do irmão José Huber, da Congregação dos Irmãos das Escolas Pias,
que abandonara a vida religiosa chegando posteriormente a apostatar. Declara o
Vigário Apostólico havê-lo absolvido das penas canónicas, cominada e cumprida
a justa penitência, e roga que o recomende em Viena de Áustria, lugar da sua
profissão religiosa, onde augura a sua readmissão.
Obs. Documento em latim. No sobrescrito, redigida em italiano, uma nota
diz ter sido dada ao dito irmão uma carta de recomendação datada de 16 de
Outubro de 1780.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 130-131V.

[829] 1806, Junho, 24, s.l.


Carta de apresentação – dirigida a Monsenhor Nicolau Champenois, Supe-
rior das Missões [ex-jesuíticas] da Costa de Coromandel – de dois missionários
insistentemente pedidos à Sagrada Congregação de Propaganda Fide. Trata-se do
Padre Raimundo Segni, napolitano, e do Padre Francisco Maria Halnat.
Obs. Documento em latim. Anotação, redigida em italiano, informa que a
mesma carta foi também enviada a Monsenhor Marcelo Cortenovis, Vigário
Apostólico em Ava e Pegu.
Nota: Sobre Halnat, vide supra, Documento nº 124. Sobre Cortenovis, vide
infra, documento nº 985.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 132.

206 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[830] 1804, Novembro, 26, Bombaim


Carta de Frei Pedro de Alcântara, Vigário Apostólico de Mogol, [para o
Núncio] acompanhando uma carta para o Prefeito da Sagrada Congregação e
fazendo referência a outra, já enviada via Goa, contendo o relatório do Vicariato
de Mogol, bem como outras informações.
Obs. Documento em italiano. A carta foi recebida em 21 de Julho de 1806; e
foi respondida em 27 de Setembro de 1806.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 133-133V.

[831] s.d., s.l


Rascunho de uma carta a enviar ao Vigário Apostólico de Sião recomen-
dando as intenções e diligências do Padre Letondal, em ordem à fundação de um
seminário na ilha de Pulo Pinang.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 135-136.

[832] 1811, Julho, 11, Tonquim Ocidental


Carta de Monsenhor Tiago Benjamim Longer, Vigário Apostólico do Ton-
quim Ocidental [ao Núncio]. Acusa a recepção de uma carta enviada por dupla
via a 18 de Julho do ano anterior, agradecendo a solicitude do destinatário para
com a sua missão e congratulando-se por ele prosseguir a sua solícita acção em
prol das missões. Após este prólogo, expõe a eclesiologia paulina e nela funda-
menta as instruções por si dadas a todos os sacerdotes do vicariato sobre as inces-
santes orações (missas e rosário coram populo) pela incolumidade do Pontífice. Dá
conta em seguida da ordenação de quatro sacerdotes indígenas e termina lamen-
tando as calamidades que se abatem sobre aquele Reino.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 137-138.

[833] 1814, Março, 3, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] acusando recepção de missiva dirigida ao
Prefeito da Sagrada Congregação e fazendo referência à situação da Igreja na
Europa, nomeadamente à Concordata de 25 de Janeiro de 1813 entre Napoleão e
o Papa, que nunca foi subscrita pelo Pontífice.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 139.

[834] 1812, Novembro, 6, [Rio de Janeiro]


Rascunho da carta [do Núncio] para o Bispo de Veren, Vigário Apostólico na
Cochinchina, na qual lhe comunica as notícias disponíveis sobre o Papa; e o
exorta a conferir ordens sagradas a titulo missionis a um eclesiástico francês que se
encontra no seu vicariato.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 140-140V.

www.lusosofia.net 207
· TOMO II ORIENTE ·

[835] 1812, Novembro, 10, [Rio de Janeiro]


Rascunho da carta [do Núncio] para Monsenhor [João Luís] Florens, Bispo
eleito de Sozópolis, Vigário Apostólico do Sião, na qual lamenta que o Bispo de
Mitelópolis não o tenha consagrado seu sucessor antes de morrer; salienta o inte-
resse da Sagrada Congregação de Propaganda Fide na consolidação do colégio de
Pinang e pede a colaboração do destinatário nesse sentido.
Obs. Documento em francês.
Documento rasgado, em mau estado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 141-142V.

[836] 1814, Maio, 12, Cochinchina.


Carta de Monsenhor João Labartette, Bispo de Veren, para o Núncio Apos-
tólico, Arcebispo de Nísibe, acusando a recepção da carta de 6 de Novembro de
1812 com notícias sobre o Papa; e esclarecendo que o candidato a que o destina-
tário se referia naquela missiva ainda não está pronto para receber as ordens
sagradas.
Obs. Documento em francês. Resposta ao documento do fl. 140-140v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 143-143V.

[837] 1804, Janeiro, 3, Madrid


Carta do Arcebispo de Niceia para o Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostó-
lico em Lisboa, referindo o embarque dos Padres Iluminado de Castagnole delle
Lanze, Menor Observante, e João Demaris, missionários apostólicos destinados à
Província da China.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 148-149.

[838] 1804, Janeiro, 2, Macau


Carta de Frei João António de Pompeiana, Missionário Apostólico na China,
[para o Núncio], anunciando a chegada em Macau em 6 de Setembro depois de uma
viagem de quatro meses; comunica o seu próximo destino (Huquang ou Chansi).
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 150-151.

[839] 1804, Junho, 2, Rio de Janeiro


Carta de Frei Joaquim Salvetti [para o Núncio], dando notícias sobre a che-
gada ao Rio de Janeiro e a permanência temporária nesta cidade.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 152.

[840] 1804, Setembro, 6, Roma


Carta do Cardeal Borgia, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para os Srs. Pedemonte e Ardizzone, agentes da mesma Sagrada Congregação
em Cádiz, referindo o embarque dos Padres Iluminado de Castagnole delle Lanze,
Menor Observante, e João José Demaris, Missionários Apostólicos destinados à
China.

208 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. Documento em italiano.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 155 E 156V.

[841] 1805, Novembro, 1, Madrid


Carta [de Monsenhor] Gravina [?] para o Núncio em Lisboa sobre o embar-
que de missionários da Sagrada Congregação de Propaganda Fide.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 157-158.

[842] 1804, Dezembro, 15, Macau


Carta de Frei Joaquim Salvetti [para o Núncio] dando conta da sua viagem
do Rio de Janeiro para Macau.
Obs. Documento em italiano. A carta foi recebida em 19 de Agosto de 1805
e foi respondida em 8 de Abril de 1806.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 159-160.

[843] 1807, Março, 19, A bordo de navio


Carta do Sr. [Padre] Luís Caseau, Missionário Apostólico, [para o Núncio]
anunciando a chegada à China, de três missionários (ele, mais dois Padres), que,
porém, ainda não conseguiram desembarcar.
Obs. Documento em italiano. A carta foi recebida a 31 de Março; há um
apontamento do Núncio onde se lê que, a 2 de Abril de 1807, foram decididos
os destinos dos missionários: Luís Caseau para os Lóios, Luís Fontana para os
Remédios e Joaquim de Vernante para Santo António dos Capuchos.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 161.

[844] s.d., s.l.


Envelope com o endereço de «Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e
Núncio Apostólico de Sua Santidade junto da Corte de Portugal em Lisboa»
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 163.

[845] 1807, Julho, 27, s.l.


Carta do [Embaixador] Rayneval para o Visconde de Strangford, Ministro Ple-
nipotenciário de Sua Majestade Britânica [em Lisboa], pedindo um passaporte
britânico para o Missionário Apostólico Padre António de Caiazzo, enviado a Ton-
quim, antes de embarcar no navio português A Carolina, rumo a Macau, uma vez
que a Nunciatura Apostólica tinha conseguido o mesmo para outro missionário.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 164.

[846] 1808, Março, 20, Macau


Carta do Padre António de Caiazzo, Missionário Apostólico, [para o Nún-
cio] dando conta da viagem e da chegada a Macau no dia 16 de Janeiro de 1808 e
tratando do seu próximo destino, para a missão de Tonquim.

www.lusosofia.net 209
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Documento em italiano. A carta foi recebida em 17 de Abril de 1809 e


foi respondida a 19 de Outubro [?].
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 165-165V E 166V.

[847] [1806, Janeiro, 12, Macau]


«Relatório do que aconteceu aos dois missionários Frei João Demaris e
Frei Iluminado de Castagnole delle Lanze, Menor Observante da Província
Romana, embarcados em Livorno para Cadiz» compilado pelo mesmo Frei Ilumi-
nado de Castagnole delle Lanze, dando conta da viagem efectuada.
Obs. Documento em italiano. Trata-se talvez de um anexo ao documento
fl. 175.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 167-168.

[848] 1804, Dezembro, 27, Cantão


Carta do Padre [Lázaro] M[ário] Dumazel, francês, ao Núncio Apostólico,
em que fala dos anos que passou emigrado em Itália. Refere que actualmente é
missionário na China. Recorre ao Núncio como pessoa de confiança a quem
deseja encarregar de enviar dois pacotes, um com o Cardeal Mattei e outro com o
Cardeal Brancadoro, cujo destino é Itália, desejando assegurar a chegada destes.
Obs. Documento em francês. O Padre Dumazel foi, com Lamiot, companheiro
de missão de S. Francisco Régis Clet (vide Documento nº 792).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 169-169V E 170V.

[849] s.d., s.l.


Carta do Padre [Lázaro] M. Dumazel, francês, ao Núncio Apostólico, refe-
rindo uma carta que lhe será enviada com um pacote do Procurador da Propa-
ganda em Macau.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 171.

[850] 1806, Abril, 8, Cantão


Carta [do Núncio] ao Padre [Lázaro] Dumazel, missionário em Cantão,
dizendo que no mês de Outubro recebeu a sua carta de 27 de Abril [?] de 1804 e,
tendo recolhido os dois pacotes que estavam indicados, um para ao Cardeal Mat-
tei e outro para o Cardeal Brancadoro, reenviou-os. Espera que entretanto eles os
tenham recebido, bem como às cartas que remeteu.
Obs. Documento em francês. Na margem esquerda do documento encontra-
-se a seguinte nota; «aqui está uma carta de Monsenhor Cardeal Mattei».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 172.

[851] 1805, Janeiro, 12, Macau


Carta do [Padre João Estêvão] Izoardi, missionário, [para o Núncio] dando
conta da passagem pela América e pelas costas da Ásia na sua viagem até Macau;
informando que o Padre Salvetti deverá partir no corrente ano para a Província de
Chansi, na China, e que o autor irá para a Cochinchina dentro de duas ou três
semanas; refere-se à falta de missionários nas missões da Ásia e aos entraves que
os mandarins têm colocado à paz religiosa declarada pelo Rei da Cochinchina.

210 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. Documento em francês. Em anexo: dados relativos à administração de


Tonquim Ocidental, em 1803, e no Vicariato de Sichuan (em francês Sutchuen),
na China, em 1804: número de convertidos, número de baptismos, número de
confissões e número de confirmações. Izoardi diz não dispor de mais dados.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 173-174V.

[852] 1806, Janeiro, 12, Macau


Carta de Frei Iluminado de Castagnole delle Lanze, missionário da Propa-
ganda Fide, ao Núncio, acompanhando o relatório da viagem feita até Macau e a
remessa das cartas do Procurador, dos missionários Padres [João António de]
Pompeiana e [Joaquim] Salvetti.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 175-176V.

[853] 1806, Janeiro, 30, Macau


Carta de Frei Iluminado de Castagnole delle Lanze, Menor Observante e
missionário da Propaganda Fide, [para o Núncio] dando conta dos momentos
difíceis da viagem para Macau; e tratando da morte do Cardeal Borgia, Prefeito da
Sagrada Congregação, e do Cardeal Di Pietro, que o substituiu.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 177-177V.

[854] s.d., s.l.


Envelope com o endereço de «Monsenhor Coppola, Arcebispo de Mira e
Secretário da Propaganda em Roma».
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 178.

[855] 1808, Maio, 16, Cochinchina


Carta do Padre José Izoardi, missionário, [para o Núncio] acusando a recep-
ção de uma carta e dando notícias sobre o estado da religião cristã e das missões
no Reino da Cochinchina.
Obs. Documento em italiano. Foi respondido em 17 de Julho de 1810.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 182-182V.

[856] 1809, Setembro, 30, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre Luís Fontana, Missionário
Apostólico em Bombaim, acusando a recepção da carta de 31 de Março e comen-
tando positivamente a possibilidade de fundar um colégio em Pulo Pinang.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 184-184V E 187.

[857] s.d., s.l.


Cópia de uma parte da carta escrita pelo Padre Luís Fontana, missionário em
Bombaim, a 31 de Março de 1809, para o Núncio, dando conta da viagem para
Bombaim, das atenções recebidas sobre o navio O Robusto pelo Sr. Caldeira,

www.lusosofia.net 211
· TOMO II ORIENTE ·

sobrecarga, e pelo comandante José Máximo da Cunha, e do acolhimento do


Coadjutor de Goa, D. Manuel de São Gualdino.
Obs. Documento em italiano. A carta encontra-se inserida entre o fl. 184 e o
fl.187; talvez se trate de um anexo ao documento anterior (fls. 184-184 v e 187).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 185-185V.

[858] 1807, Janeiro, 10, Macau


Carta do Padre Demaris, Missionário Apostólico, [para o Núncio] agrade-
cendo as atenções que este lhe concedeu durante a sua estadia em Lisboa e infor-
mando-o de que na missão da China a religião fez progressos, apesar do pequeno
número de Padres; informa que o Coadjutor do Vigário Apostólico da missão da
China morreu e que o Vigário Apostólico da missão da China, [Bispo de] Tabraca,
lhes enviou quatro estudantes com vista ao lançamento de um colégio geral para as
missões da China, devendo partir para Manila para receber aqueles jovens e obter
autorização de Madrid para o estabelecimento do dito colégio em Manila.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 188.

[859] 1804, Março, 3, [?]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre Províncial de São Francisco da
Cidade e ao superior de Rilhafolles recomendando-lhes os dois missionários des-
tinados à China, os Padres João Estêvão Izoardi e Joaquim Salvetti, Menor Obser-
vante, acabados de chegar.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 189.

[860] [1804, Março, 3, s.l.]


Bilhete a acrescentar à carta [do Núncio] para o superior de Rilhafolles.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 190.

[861] 1804, Outubro, 29, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para o Padre João António de Pompeiana,
Menor Observante, missionário em Macau, acusando a recepção da carta de 1 de
Janeiro.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 191-191V.

[862] 1804, Outubro, 29, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para o Padre Frei Joaquim Salvetti, Menor
Observante, missionário em Macau, acusando a recepção da carta de 2 de Junho.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 192-192V.

[863] 1805, Junho, 1, Roma


Decreto da Sagrada Congregação de Propaganda Fide, assinado pelo Cardeal
di Pietro, seu Prefeito, e pelo Secretário, Monsenhor Coppola, aprovando para

212 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

missionário na China o Padre Luís Francisco Maria Lamiot, designado pelo Supe-
rior-Geral da Congregação da Missão, especificando as faculdades inerentes bem
como a sua futura dependência dos bispos ou Vigários Apostólicos dos locais
aonde for enviado, segundo o juramento previsto pela Constituição Apostólica Ex
quo de Bento XIV.
Obs. Documento em latim. Com selo.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 195.

[864] 1805, Junho, 1, Roma


Decreto da Sagrada Congregação de Propaganda Fide, assinado pelo Cardeal
di Pietro, seu Prefeito, e pelo Secretário, o Arcebispo Domingos Coppola, apro-
vando para missionário na China o Padre João Francisco Richenet, designado
pelo Superior-Geral da Congregação da Missão, especificando as faculdades ine-
rentes e a sua futura dependência dos bispos ou Vigários Apostólicos dos locais
aonde for enviado, segundo o juramento previsto pela Constituição Apostólica Ex
quo de Bento XIV.
Obs. Documento em latim. Com selo.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 197.

[865] 1805, Junho, 1, Roma


Decreto da Sagrada Congregação de Propaganda Fide, assinado pelo Cardeal
di Pietro, seu Prefeito, e pelo Secretário, o Arcebispo Domingos Coppola, apro-
vando para missionário na China o Padre [Lázaro] Dumazel, designado pelo
Superior-Geral da Congregação da Missão, especificando as faculdades inerentes e
a sua futura dependência dos bispos ou Vigários Apostólicos dos locais aonde for
enviado, segundo o juramento previsto pela Constituição Apostólica Ex quo de
Bento XIV.
Obs. Documento em latim. Com selo.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 199.

[866] 1805, Junho, 1, Roma


Decreto da Sagrada Congregação de Propaganda Fide, assinado pelo Cardeal
di Pietro, seu Prefeito, e pelo Secretário, o Arcebispo Coppola, aprovando para
missionário na China o Padre João Francisco Régis Clet, designado pelo Supe-
rior-Geral da Congregação da Missão, especificando as faculdades inerentes e a
sua futura dependência dos Bispos ou Vigários Apostólicos dos locais aonde for
enviado, segundo o juramento previsto pela Constituição Apostólica Ex quo de
Bento XIV.
Obs. Documento em latim. Com selo.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 201.

[867] 1805, Junho, 1, Roma


Decreto da Sagrada Congregação de Propaganda Fide, assinado pelo Cardeal
di Pietro, seu Prefeito, e pelo Secretário, o Arcebispo Coppola, aprovando para
missionário na China o Padre Rouby, designado pelo Superior-Geral da Congre-
gação da Missão, especificando as faculdades inerentes e a sua futura dependência

www.lusosofia.net 213
· TOMO II ORIENTE ·

dos bispos ou Vigários Apostólicos dos locais aonde for enviado, segundo o jura-
mento previsto pela Constituição Apostólica Ex quo de Bento XIV.
Obs. Documento em latim. Espaço vazio a preencher com os nomes próprios,
no original. Com selo.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 203.

[868] 1805, Junho, 1, Roma


Decreto da Sagrada Congregação de Propaganda Fide, assinado pelo Cardeal
di Pietro, seu Prefeito, e pelo Secretário, o Arcebispo Coppola, aprovando para
missionário na China o Padre Pedro Vicente Maria Minguet, designado pelo
Superior-Geral da Congregação da Missão, especificando as faculdades inerentes e
a sua futura dependência dos bispos ou Vigários Apostólicos dos locais aonde for
enviado, segundo o juramento previsto pela Constituição Apostólica Ex quo de
Bento XIV.
Obs. Documento em latim. Com selo.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 205.

[869] s.d., s.l.


Apontamento [do Núncio] com o endereço do Sr. [Padre] Pedro Francisco
Viguier, Superior dos Padres da Sagrada Congregação da Missão da China em
Lisboa, comunicando que abriu a carta dirigida à Sagrada Congregação datada de
30 de Junho de 1806.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 207-207V.

[870] s.d., s.l. [cerca de 1803]


Memória que o Procurador da Sagrada Congregação de Propaganda Fide
apresentou em Outubro de 1803 ao Bispo de Macau, Frei Manuel de São Gual-
dino com as instruções, estruturadas por pontos, para a elaboração do relatório
sobre as missões da China a entregar ao Rei.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 208-209V.

[871] [Depois de 1803, Outubro, s.l.]


Cópia de uma memória que o Procurador da Sagrada Congregação de Propa-
ganda Fide apresentou em Outubro de 1803 ao Bispo de Macau, D. Frei Manuel
de São Gualdino, na qual aborda alguns pontos que este deveria focar quando
desse conta das missões da China a Sua Alteza, a bem da religião e da propagação
da fé no império chinês, como a falta de missionários portugueses; a necessidade
de deixar entrar e permanecer em Macau os missionários da Propaganda, contra-
riando uma ordem que costumava ser transmitida pelos governadores do Estado
da Índia aos governadores de Macau, uma vez que a entrada daqueles na China
em nada prejudica a jurisdição do Padroado e contribui para a difusão da fé.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 210-212V.

214 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[872] 1812, Janeiro, 2, Macau


Carta de António Joaquim de Oliveira Matos [Deputado do Senado de Macau]
para o Núncio Apostólico sobre a difícil situação da religião católica no império
chinês, onde está a ser perseguida: os sacerdotes estão impossibilitados de exercer
o seu ministério; aguarda-se a chegada dos quatro padres franceses da Propaganda
que havia muitos anos residiam em Pequim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 214-215V.

[873] 1807, Junho, 5, Lisboa


Carta de Frei Tomás Cañon, da Província dos Agostinhos Calçados das Fili-
pinas, para o Núncio Apostólico na corte de Lisboa, agradecendo-lhe por ter
recebido favoravelmente a súplica feita em nome da sua Província para defender
junto da Sagrada Congregação de Propaganda a pretensão da mesma Província a
reassumir a Província de Kiansi no império da China, convertida em grande parte
pelos missionários Agostinhos Calçados das Filipinas.
Obs. Documento em castelhano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 216-216V.

[874] 1807, Junho, 4, [?]


Carta de Frei Tomás Cañon para o Núncio, sobre a súplica apresentada em
nome da Província dos Agostinhos Descalços das Filipinas para reassumir a Pro-
víncia de Kiansi no império da China enviando mais missionários.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 216-216V.

[875] 1807, Junho, 4, [?]


Nota [do Núncio] sobre a súplica apresentada pelo Padre Frei Tomás Cañon,
Agostinho Calçado da Província das Filipinas, para que possa ser nomeado Vigá-
rio Apostólico das missões da Província de Kiansi um missionário da mesma
ordem.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 218

[876] 1816, Roma


Impresso da Tipografia da Câmara Apostólica com a alocução de Pio VII no
Consistório Secreto de 23 de Setembro de 1816. Nela se congratula com o flores-
cimento das missões da China e a constância provada na perseguição. Refere-se o
exílio e posterior martírio de Monsenhor Gabriel Dufresse e de trinta e três cris-
tãos às mãos dos mandarins, no dia 14 de Setembro de 1815. (Perorara o mártir
em juízo sobre «a vanidade dos ritos chineses, a inocência dos cristãos e a ver-
dade da sua religião»). Narra-se ainda, também ao modo das Acta Martyrum, a tor-
tura do Padre Agostinho Tchau (Zhao), de 73 anos de idade. Finalmente nomeiam-
-se os novos cardeais.
Obs. Documento em latim.
Nota: Os dois mencionados mártires foram canonizados no ano 2000 pelo
Papa João Paulo II e a sua memória consta no martirológio romano, a 9 de

www.lusosofia.net 215
· TOMO II ORIENTE ·

Julho, sob o título de Santo Agostinho Zhao Rong e 119 companheiros már-
tires. De maneira análoga à do protomártir dos Actos, o segundo iniciou-se
na fé como chefe da escolta do primeiro.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 219-223.

[877] 1818, Abril, 15, Cochinchina [do original]


Extracto de uma carta da Cochinchina [sem referência ao autor] para o
Padre Marchini, sobre o período de permanência da fragata La Cybèle no porto de
Touron; a interferência do príncipe e dos mandarins para que o Conde de Kerga-
riou não se encontrasse com o Rei, que estava doente.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 225-225V.

[878] s.d., s.l.


Lista estruturada cronologicamente com os nomes dos Padres missionários,
Jesuítas, Dominicanos, Franciscanos e Agostinhos de diversas nacionalidades, envia-
dos para a China.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 227-231.

[879] s.d., s.l.


Transcrição de parte de uma notícia publicada no Moniteur Universal sobre
um jovem que residiu vários anos em Cantão e que, conhecendo perfeitamente a
língua e os costumes chineses, foi impedido de publicar as suas memórias sobre
os costumes chineses por razões políticas, porque os missionários portugueses
denunciaram a publicação ao ministério como um crime capital.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 233.

[880] 1804, Março, 10, [Lisboa]


Exemplar do segundo suplemento da Gazeta de Lisboa, n.º 10.
Obs. Documento impresso.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 235-236V.

[881] 1804, Setembro, 18, [Lisboa]


Exemplar da Gazeta de Lisboa, n.º 38.
Obs. Documento impresso.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FLS. 237-238V.

[882] 1805, Julho, 8, s.l. [do original]


Cópia de notícia publicada no Le Moniteur Universal, n.º 289, segundo a qual
o Rei do Tonquim reconquistou os seus estados a um tirano perseguidor dos cris-
tãos que lhos havia usurpado; e fez publicar um édito proibindo que os cristãos
fossem incomodados nos seus estados. Na notícia consta também que, em 1802,
vinte missionários das Filipinas foram enviados ao Reino do Tonquim, onde bapti-
zaram seis mil, seiscentos e doze crianças e duzentos adultos, e distribuíram a
comunhão a duzentos e oito mil, quinhentos e cinquenta e dois indivíduos.

216 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. Documento em francês.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 239.

[883] 1811, Julho, 19 [do original]


Cópia de decreto emanado do Tribunal do Crime contra a difusão da reli-
gião cristã pelos europeus na China.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 240-240V.

[884] 1818, Junho, 10, Macau


Carta de Frei José Maria de Morrone [para o Núncio] dando conta da via-
gem para Macau, que demorou quatro meses, e do acolhimento recebido quando
aí chegou.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 33 (4), FL. 242.

[885] [1802, Roma]


«Instruções da Sagrada Congregação de Propaganda Fide para Monsenhor
Caleppi, novo Núncio em Portugal», relativas às missões, às igrejas e ao Padroado
da Coroa portuguesa.
Obs. Documento em italiano e latim. Não está assinado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 5-32V.

[886] [Ca. 1802, Roma]


Texto da [Sagrada Congregação de Propaganda Fide] [para o Núncio] a pro-
pósito da nomeação do novo Bispo do Tonquim, Frei Manuel de São Gualdino,
feita pela corte portuguesa. Inclui história da missão de Tonquim.
Obs. Documento em italiano e latim. Não está assinado. No canto superior
esquerdo, em ambos os fólios, está escrito, embora riscado: extracto da carta
do Cardeal Pacca.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 34-36V.

[887] [Depois de 1786, Janeiro, 17, Roma]


«Notícias retiradas de volumes da Sagrada Congregação de Propaganda Fide
e de cartas de Monsenhor Antonini» relativas às missões do Padroado da Coroa
portuguesa.
Obs. Documento em italiano. Não está assinado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 38-38V.

[888] [1801, Roma]


«Pro memoria confidencial e secreto» dirigido [pela Sagrada Congregação de
Propaganda Fide] a Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio em Portu-
gal, relativo às missões e ao Padroado da Coroa portuguesa na Ásia.
Obs. Documento em italiano. Não está assinado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 39-40V.

www.lusosofia.net 217
· TOMO II ORIENTE ·

[889] [1801, Roma]


Pro memoria dirigida pela [Sagrada Congregação de Propaganda Fide] [ao
Núncio] sobre a controvérsia com a Coroa portuguesa acerca do Padroado do
Oriente.
Obs. Documento em italiano e latim (citações de bulas). Não está assinado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 41-49V.

[890] s.d., s.l.


Extracto de uma exposição dirigida [ao Núncio] pela Sagrada Congregação
de Propaganda sobre a controvérsia relativa ao Padroado Universal do Oriente
reivindicado pela coroa de Portugal, os argumentos da Corte de Lisboa, e a posi-
ção da Santa Sé face ao assunto.
Obs. Documento em italiano e latim (citações de bulas). Os fólios não estão
numerados segundo a ordem original.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 51-58V.

[891] 1823, Março, 23, [Roma]


Instruções dirigidas por Monsenhor Pedro Caprano, Arcebispo de Icónio,
Secretário da Sagrada Congregação de Propaganda, a Monsenhor Franzoni, Nún-
cio Apostólico em Portugal, relativas às missões e ao Padroado Universal reivindi-
cado pela Coroa portuguesa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 60-61V.

[892] 1789, Abril, 29, Roma


Instruções dirigidas pelo Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada Congrega-
ção de Propaganda, ao Arcebispo de Tiana, Núncio Apostólico em Lisboa, acerca
das missões e do Padroado Universal reivindicado pela Coroa portuguesa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 62-68V.

[893] [Ca. 1679], s.l.


Discurso sobre o Padroado dos reis de Portugal aos bispos nas Índias Orien-
tais.
Obs. Documento copiado da Colecção Manuscrita da Real Biblioteca da Ajuda
e traduzido para italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 72-81.

[894] 1679, Julho, 2, s.l.


Cópia da resposta do Bispo de Heliópolis enviada à Sagrada Congregação de
Propaganda relativa à exposição apresentada pelo Embaixador de Portugal sobre o
Padroado do Oriente, reivindicado pela corte portuguesa.
Obs. Documento em italiano e latim (citação de bulas). Faz referência ao
documento precedente.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 83-112V.

218 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[895] s.d., s.l.


Memória sobre o estado da religião, as missões, o relacionamento com o
governo local e as perseguições aos missionários europeus na China.
Obs. Documento em italiano. Não está assinado, nem endereçado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 114-132V.

[896] s.d., s.l.


Exposição das queixas da corte de Portugal dirigida à Sagrada Congregação
de Propaganda Fide sobre a consagração de Monsenhor João Damasceno Saluzzi,
missionário da Propaganda, como Bispo de Pequim, considerada pela Rainha de
Portugal atentatória ao seu Real Padroado sobre a Igreja de Pequim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 138-158V.

[897] 1775, Agosto, 17, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre um livro
recentemente publicado em Lisboa sobre as missões, do qual tomou conheci-
mento pelo Padre Paulino de S. Bartolomeu.
Obs. Documento em italiano e latim (citações de carta).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 164-164V.

[898] 1775, Junho, 3, Lisboa


Rascunho de carta [do Núncio] para [o Prefeito da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide] sobre a recuperação das caixas de livros de doutrina cristã
impressos em língua malabar e em português; a necessidade de enviar novos
padres para as missões.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 165-165V.

[899] 1779, Agosto, 26, Roma


Carta do Cardeal Castelli para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em
Lisboa sobre as obrigações do Bispo de Cálamo («calamense»), Vigário Apostó-
lico do Mogol, em zonas sob jurisdição do arcebispado de Goa, a saber, as Dioce-
ses de Baçaim e Canará.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 166-167.

[900] 1781, Julho, 17, Lisboa


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Antonelli, Prefeito da Congre-
gação de Propaganda, sobre a Bula do bispado de Pequim para ser entregue a
Monsenhor João Damasceno; a pensão devida ao Bispo de Nanquim; a casa dos
Jesuítas de Macau; a chegada, de Livorno, de caixas de estampas; o juramento exi-
gido pela Coroa portuguesa aos missionários da Propaganda, entre outros assuntos.
Obs. Documento em italiano. O texto não está completo.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 168-169V.

www.lusosofia.net 219
· TOMO II ORIENTE ·

[901] 1792, Junho, 29, Roma


Cópia de carta do [Padre] Vicente Colizzi Miselli para o [Padre] Filipe Neri
de Santa Rita, Missionário Apostólico, sobre o dinheiro guardado pelos Menores
Observantes e a recuperação dos rescritos favoráveis à Congregação do Oratório
de Goa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 171-171V E 172.

[902] 1777, Dezembro, 6, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, com considerações
vagas acerca das missões e dos missionários da Propaganda.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 173-173V.

[903] 1777, Agosto, 14, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda Fide,
para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre o envio de doze
missionários para o Congo, o Brasil e o Mogol, e as caixas com livros destinadas ao
Malabar; e com instruções relativas aos bispados vacantes da Índia Oriental.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 174-175.

[904] 1799, Janeiro, 12, Florença


Carta dirigida a Monsenhor Pacca, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a quan-
tia de quarenta «colonnati» recebida pelo destinatário e destinada à Sagrada Con-
gregação [de Propaganda Fide] e sobre as pessoas encarregadas de administrá-la.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 176.

[905] 1777, Setembro, 9, s.l.


Minuta de carta [do Núncio] para o Cardeal Castelli, Prefeito [da Sagrada
Congregação] de Propaganda Fide, sobre o envio de doze Capuchinhos italianos,
missionários da Propaganda, para o ultramar; as diligências feitas para encontrar a
caixa de livros do Padre Paulino de S. Bartolomeu; o envio para o Malabar das
duas caixas de livros que estão na Nunciatura; e o provimento dos bispados vacan-
tes na Índia Oriental.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 178.

[906] 1778, Setembro, 13, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito [da Sagrada Congregação] de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a partida,
para S. Tomé, do Prefeito [da respectiva missão], Padre Boaventura de Veneza,
acompanhado pelo Padre Raimundo de Veneza (originalmente destinado à Baía),
e não pelos Padres Lucas de Roccabianca e Boaventura de Ceriana (enviados para

220 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

o Congo), com os quais podiam surgir problemas de convivência; o zelo da


Sagrada Congregação no fornecimento de patentes e de missionários para os
domínios portugueses; a passagem a Bombaim do aluno D. António Pinto, e envio
do Padre João de S. Margarida, Carmelita Descalço, para o Malabar.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Sobre os Capuchinhos do Congo, vide Documento nº 76.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA 34 (2), FLS. 179-180.

[907] 1780, Setembro, 5, [Lisboa]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Prefeito da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide sobre as informações enviadas pelo Padre Boaventura de
Ceriana, Prefeito das Missões do Congo e Angola; a herança do Padre Paulo
Hodar, falecido em Coimbra e pertencente à Congregação de S. Isaías do Monte
Líbano; a chegada das duas caixas de livros [destinadas ao Malabar]; e as despesas
da viagem do Padre José Alexandre Roverizzi Barnabita, Missionário Apostólico
no Pegu.
Obs. Documento em italiano.
Nota: O aludido maronita, celebrado pelos círculos arabistas portugueses,
foi professor de Hebraico no Convento de Jesus e depois chamado à ilumi-
nada universidade pombalina. Veja-se RODRIGUES, Manuel A., D. Paulo
Hodar, Presbítero Maronita Professor de Línguas Orientais na Universidade de
Coimbra (1773-1780), in “Boletim do Arquivo da Universidade de Coimbra”
7 (1985) 1-66. Com ele aprendeu árabe Frei António do Rosário Baptista,
confessor de D. Carlota Joaquina e autor das Instituições da lingua arabiga
para uso das escholas da Congregação da Terceira Ordem (Lisboa, 1774).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 181-181V.

[908] 1780, Junho, 22, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação] de Propa-
ganda Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a dis-
puta teológica levantada no colégio Urbaniano pelo aluno [Padre] José Custódio
Faria, de Goa; o regresso do Padre João de S. Margarida a Pavia, por ordem da
Sagrada Congregação; a expulsão dos ex-Jesuítas, Padres Espinha e Loureiro de
Pequim e Cantão respectivamente.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Cfr. Doc. 564. O mencionado Padre José Custódio Faria é o roma-
nesco “Abade Faria”, tido por fundador da ciência do hipnotismo, imortali-
zado na personagem homónima do Conde de Monte Cristo. Às numerosas
peripécias da consagrada biografia do luso-goês que, juntamente com o pai,
como ele recém-ordenado Padre, deslumbrou primeiro a corte de D. José e
depois os círculos revolucionários de Paris, deveria acrescentar-se esta alu-
dida polémica teológica, decerto concomitante à conclusão do seu doutora-
mento no Colégio Urbaniano de Roma (Theologicae Propositiones de Existen-
tia Dei, Deo Uno, et Divina Revelatione, Romae, Typis Sac. Congregationis de
Propaganda Fide, 1780). Sobre os Padres Espinha e Loureiro, vide Doc. 107.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 182-182V.

www.lusosofia.net 221
· TOMO II ORIENTE ·

[909] 1780, Outubro, 4, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação] de Propa-
ganda Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, comuni-
cando-lhe que o Bispo de S. Paulo [de Luanda] abandonou as suas pretensões de
expedir missionários para o Congo e de exercer jurisdição sobre os da Propa-
ganda; referindo-se ao pagamento do viático do Padre Roverizzi, Barnabita, desti-
nado à missão de Pegu; informando-o de que as caixas de livros destinadas ao
Malabar deverão ser transportadas pelos Padres Cariati e Pareamakel; pedindo-lhe
que intervenha a favor da expulsão dos ex-Jesuítas Espinha e Loureiro, de Pequim
e Cantão respectivamente.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Sobre os ditos ex-Jesuítas, vide Documento nº 107.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 183-183V.

[910] 1779, Setembro, 30, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito [da Sagrada Congregação] de Propaganda
Fide, para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a nomeação
do Padre Luís de Savignano para Prefeito da Baía; a fixação da residência do
Procurador da Sagrada Congregação de Propaganda em Macau; e a expulsão do
ex-Jesuíta Espinha de Pequim.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Sobre o dito ex-Jesuíta, vide Documento nº 107.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 184-184V.

[911] 1790, Abril, 21, Roma


Carta do Cardeal [Pallota ?] para o Núncio Apostólico em Lisboa acusando a
recepção do ofício de 25 de Março e referindo-se às missões e aos bispos a elas
destinados; questões relativas a pagamentos.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 185-185V.

[912] 1792, Julho, 18, Roma


Carta do Cardeal Antonelli para o Arcebispo de Tiana, Núncio Apostólico
em Lisboa, na qual acusa a recepção de algumas cartas provenientes de Macau
[não especifica quais, nem sobre que assuntos]; e pede que os ofícios oriundos da
China e da Índia lhe sejam enviados até ao mês de Outubro de cada ano.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 187.

[913] 1793, Fevereiro, 27, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Propaganda, para o Arcebispo de
Tiana, Núncio Apostólico em Lisboa, na qual acusa a recepção das duas cartas de
Bombaim que o destinatário lhe enviou [não especifica de quem são, nem de que
tratam]; e remete uma carta para o Procurador Apostólico em Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 189.

222 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[914] 1806, Setembro, 20, Roma


Carta cifrada do Cardeal di Pietro, Prefeito da Propaganda, para Monsenhor
Caleppi, Arcebispo de Nísibe, Núncio Apostólico em Lisboa.
Obs. Documento em italiano. Com selo branco.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 190-191V E 192V.

[915] 1818, Abril, 25, Roma


Ofício do Cardeal Litta, Prefeito da Propaganda, para Monsenhor Cherubini,
Delegado Apostólico em Lisboa, sobre os procedimentos relativos à selecção e
expedição de missionários para os domínios portugueses; o envio dos Padres
Gabriel e Pedro António de Malta para Angola; questões relativas ao pagamento
dos viáticos; e conduta exemplar dos missionários Capuchinhos de Angola.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 193-194.

[916] 1784, Março, 6, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito da Propaganda, para o Arcebispo de Tiro,
Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a necessidade de missionários em Maduré;
notícias positivas sobre o Padre Francisco António Fleming, Dominicano irlan-
dês, Reitor do Colégio Urbaniano.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 195.

[917] 1815, Janeiro, 7, Lisboa


Rascunho de carta [do Núncio] para [o Prefeito da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide] sobre o pagamento devido ao Conde Caetano de Veneza; o
regresso da família real a Portugal; e a resolução do governo português favorável
ao envio de missionários da Propaganda para os seus domínios ultramarinos.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 197-198.

[918] 1816, Dezembro, 23, Roma


Ofício do Cardeal Litta, Prefeito da Propaganda, para o Auditor da Nuncia-
tura Apostólica de Lisboa, agradecendo-lhe o empenho em conseguir o embarque
gratuito dos missionários da Propaganda destinados à Cochinchina, e tratando
questões relativas à patente e ao viático do Padre Lourenço de Sassari, destinado a
Madrasta.
Obs. Documento em italiano. Com selo branco.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 199-200V.

[919] 1817, Fevereiro, 8, Lisboa


Rascunho de carta [do Núncio] para [o Prefeito da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide], respondendo à carta de 23 de Dezembro do ano anterior sobre
o embarque gratuito de três missionários destinados pela Sagrada Congregação à
Cochinchina; a entrega da patente ao Padre Frei Lourenço de Sassari; e o relatório

www.lusosofia.net 223
· TOMO II ORIENTE ·

acerca do estado da missão do Congo transmitido pelo Padre Frei Zenóbio de


Florença, Prefeito de Angola.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Sobre a missão do Congo, vide Documento nº 76.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 201.

[920] 1824, Janeiro, 10, Roma


Carta do Cardeal Júlio Somaglia para Monsenhor Filipe Franzoni, Arcebispo
de Nazianzo, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre o pedido do Capuchinho
Frei João de Poitiers para não seguir para a missão a que fora destinado, por moti-
vos de saúde.
Obs. Documento em italiano. Com Selo de lacre.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 202-202V E 203V.

[921] 1790, Fevereiro, 24, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Arcebispo de Tiana, Núncio Apostólico em Lisboa, acusando a
recepção das cartas de 27 de Agosto de 1789 e 21 e 28 de Janeiro de 1790;
comentando as medidas tomadas para que o arcebispado vacante de Cranganor
não seja ocupado pelo Padre Tomé Pareamakel [de rito siro-malabar]; e a um pro
memoria sobre o estado da igreja no Malabar e a controvérsia entre católicos de
rito latino e católicos de rito siro-malabar; remetendo uma carta do Reitor do
Colégio Chinês de Nápoles para ser entregue ao senhor Galli sobre o reembolso
do dinheiro dispendido com os alunos chineses.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 204-205.

[922] [Reinado de D. Maria I, antes da Regência, s.l.]


Pro memoria enviado ao Núncio para ser apresentado à corte. Nele se expõem
os factos relativos ao cisma iniciado em 10 de Fevereiro de 1787, quando alguns
clérigos indianos se recusaram a submeter-se à jurisdição de qualquer episcopado
europeu e propuseram para a sucessão da sede arquiepiscopal de Cranganor o
Padre Tomé Pareamakel. Os signatários haviam declarado que, caso a Rainha de
Portugal não anuísse, sonegariam o direito de padroado e se transfeririam da
obediência ao Arcebispo de Goa para a do Patriarca siro-caldeu [vulgo, dos Cristãos
de S. Tomé]. Começa o memorial por enunciar as diligências, junto da Rainha, dos
Padres Caetano Vitorino, Francisco Caetano Couto, José Cariati e Tomé Pareama-
kel, acusando-os de querer multiplicar as sedes episcopais do Padroado Português
com o mero fito de lhes obter pessoalmente as mitras. Descreve em seguida os fac-
tos anteriores, citando o núcleo do manifesto, redigido em português, datado de
Angamale, ante o altar de S. Jorge, a 10 de Fevereiro de 1787. Des-creve-se ainda o
papel e as posições dos intervenitentes na polémica que se seguiu e apresentam-se
quatro argumentos para não se reconhecerem as pretensões dos signatários e se
nomear para a sede Arquiepiscopal de Cranganor um «homem europeu e portu-
guês, insigne em prudência e doutrina, que com suavidade e muita cautela, reduza
e confirme na fé os cristãos do Malabar».

224 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. Documento em latim, anexo ao documento anterior.


Nota: Sobre Caetano Vitorino, vide supra, Documento nº 564.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 207-211.

[923] 1823, Março, 22, Roma


Ofício de Monsenhor Pedro Caprano, Arcebispo de Icónio, Secretário da
Propaganda, para Monsenhor Franzoni, Núncio Apostólico em Portugal, com
informações sobre missões que pertencem ou têm relação com os domínios por-
tugueses.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 212.

[924] [Ca. 1823, Março, 22, Roma]


Pro memoria (A) sobre o estado das missões que pertencem ou têm relação
com os domínios portugueses.
Obs. Documento em italiano. Anexo ao documento do fl. 212.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 213-214.

[925] [Ca. 1823, Março, 22, Roma]


Pro memoria (B) sobre o estado das missões que pertencem ou têm relação
com os domínios portugueses.
Obs. Documento em italiano. Anexo ao documento do fl. 212.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 215-216V.

[926] 1822, Abril, 27, Lisboa


Cópia de carta da Sagrada Congregação de Propaganda Fide para Monsenhor
Cherubini, Auditor da Nunciatura Apostólica em Lisboa, pedindo-lhe informa-
ções sobre o estado da zona da Baixa Cochinchina; e apresentando uma breve
história dos últimos acontecimentos ocorridos na missão da Cochinchina.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 217.

[927] 1776, Fevereiro, 8, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Portugal, sobre as cartas
enviadas pela Sagrada Congregação ao Vigário Apostólico do Tonquim e Cochin-
china e ao novo Bispo de Macau, sobre a expulsão dos Jesuítas.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 220.

[928] 1778, Agosto, 22, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre o paga-
mento da viagem de Génova para Lisboa do Padre António Pinto, aluno do Colé-
gio Urbaniano, e diligências tendentes ao seu embarque para Bombaim; o Padre

www.lusosofia.net 225
· TOMO II ORIENTE ·

Elias Scidiac, sacerdote sírio que se encontra em Roma para pedir ajuda para a
Igreja siro-malabar.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Não obstante, por solidariedade natural, o Padre Elias Scidiac se dis-
pusesse a procurar assuntos siro-malabares, a sua presença em Roma era-
-lhes substancialmente alheia. Cristão maronita natural de Alepo, foi desde a
juventude aluno do Colégio Urbaniano e, à data em causa, aguardava de
Pio VI a resposta a uma súplica de dispensa do juramento missionário para
aceder a um honroso convite da corte da Madrid, onde viria a percorrer bri-
lhante carreira, primeiro como “intérprete de línguas orientais” (como aluno
do Urbaniano, dominava também o italiano e o latim) e depois como Bibliote-
cário. Como Hodar em Coimbra, alcandorou-se pela sua obra a figura tutelar
do arabismo hispânico.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 221-221V.

[929] 1779, Novembro, 27, Roma


Carta do Cardeal Castelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Arcebispo de Petra, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre o desejo
dos sacerdotes malabares de se subtrairem à direcção dos missionários europeus;
o acolhimento dispensado pelo Abade dos Beneditinos ao Padre Cariati e seus
companheiros; o embarque (em Génova) para a Índia Oriental dos Padres Fran-
cisco José da Torre, da Congregação de S. João Baptista, novo Procurador, e João
Baptista Marchini; a obediência transmitida ao Padre José António de Mondoví.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 223-224.

[930] 1804, Novembro, 15, Roma


Carta do Cardeal Dugnani, Pró-Prefeito [da Sagrada Congregação de Propa-
ganda Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico
em Lisboa, sobre a relação entre o Bispo de Meliapor e o Padre António de Cos-
seine e os missionários da Propaganda; a atitude favorável do novo Bispo de
Macau face às missões; e o embarque de Livorno para Cádiz de dois missionários
da Propaganda, os Padres João José Demaris e Iluminado de Castagnole delle
Lanze, destinados à China.
Obs. Documento em italiano, parcialmente cifrado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 225-226V.

[931] 1806, Abril, 2, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, sobre as faculdades requeridas pelo Coadjutor do Arcebispo de Goa; e envio
de caixa de livros para o Padre Marchini, para serem utilizados no Tonquim Oci-
dental, Cochinchina e Sichuan.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 227.

226 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[932] 1817, Setembro, 13, Roma


Carta de Monsenhor Pedicini, Secretário [da Sagrada Congregação de Propa-
ganda Fide], para Monsenhor Macchi, Auditor da Nunciatura em Portugal, reme-
tendo carta do Secretário da Sagrada Congregação dos Bispos e Regulares, para o
Arcebispo de Goa.
Obs. Documento em italiano. Com selo branco.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 228-229V.

[933] 1817, Outubro, 31, Lisboa


Rascunho de carta [do Núncio] para Monsenhor Carlos M. Pedicini, Secretá-
rio da Sagrada Congregação de Propaganda Fide, na qual acusa a recepção da carta
de 13 de Setembro; refere-se ao pagamento do dinheiro que a Sagrada Congrega-
ção entregou ao missionário Capuchinho Padre José Maria de Macerata e aos viá-
ticos dos Capuchinhos destinados ao Brasil e a África; informa que o Padre Lucas
Pham, aluno do Colégio Chinês de Nápoles, chegou a Lisboa, e trata de questões
relativas à sua estadia na capital portuguesa e ao seu embarque para Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 230-230V.

[934] 1820, Dezembro, 16, Roma


Ofício do Cardeal Fontana, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Cherubini, Internúncio Apostólico em Lisboa, sobre a necessi-
dade de missionários nos domínios portugueses e as diligências no sentido do
recrutamento de novos missionários em Portugal.
Obs. Documento em italiano. Com selo branco.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 231-232V.

[935] 1821, Setembro, 8, Roma


Ofício do Cardeal Fontana, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Cherubini, Internúncio Apostólico em Lisboa, sobre a
chegada a Nápoles dos quatro chineses enviados pelo Padre Marchini; a má con-
duta de alguns Capuchinhos no Real Hospício de Lisboa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 233.

[936] 1790, Agosto, 18, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Arcebispo de Tiana, Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a preparação e
o recrutamento de missionários; a controvérsia relativa ao Padroado Universal reivin-
dicado pela Coroa portuguesa no Oriente; as desordens e conflitos de jurisdição nos
três vicariatos apostólicos do Malabar, de Pondicherry e dos Reinos de Ava e Pegu.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 235-242.

[937] 1793, Agosto, 31, Roma


Carta do Cardeal Gonzaga para o Arcebispo de Tiana, Núncio Apostólico em
Lisboa, acusando a recepção da carta de 1 de Agosto sobre o recrutamento de

www.lusosofia.net 227
· TOMO II ORIENTE ·

missionários para a Índia; e concordando com os juízos favoráveis acerca de


D. [Manuel Joaquim] da Silva, Arcebispo de Adrianópolis e Provisor Vigário
Geral do Crato, e do seu irmão, o Bispo de Macau.
Obs. Documento em italiano.
Nota: O Arcebispo titular de Adrianópolis foi o fundador do Seminário das Mis-
sões de Cernache do Bonjardim, ainda hoje fecundo a cargo da Sociedade Mis-
sionária Portuguesa. É irmão de dois outros Bispos do Padroado, D. Marcelino
José da Silva, Bispo de Macau, aqui aludido, e D. Eusébio Luciano Gomes da
Silva, nomeado Bispo de Nanquim mas precocemente falecido em Goa.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 243-243V.

[938] 1803, Junho, 11, Roma


Carta do Cardeal Borgia, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda Fide],
para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lisboa, sobre
a passagem dos missionários da Propaganda para a Índia; as decisões do Rei relativa-
mente à difusão da fé [não especificadas]; a suspensão do embarque do Padre Casi-
miro de Taggia, Capuchinho destinado à missão do Tibete; e o possível embarque de
dois missionários para as missões francesas da China ou Cochinchina.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 245-246.

[939] 1803, Junho, 25, Roma


Carta do Cardeal Borgia, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, sobre a selecção de missionários para o Congo e Angola, Tibete e Madrasta e
o regresso [à Europa?] dos Padres Inocêncio de Montalboddo e Casimiro de Tag-
gia; o juramento exigido pela Coroa portuguesa aos missionários da Propaganda;
as desordens nas missões dos Capuchinhos do Rio de Janeiro e da Baía, e o pro-
gresso da de Pernambuco; o conflito entre os Padres tonquinenses e o seu ordiná-
rio (remete uma carta de D. [Inácio] Delgado sobre este assunto).
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 247-248V.

[940] 1803, Novembro, 19, Roma


Carta do Cardeal Borgia, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, sobre o envio de seis missionários para o Congo e Angola (nomeadamente o
Padre Luís de Cíngoli); o pedido de dinheiro feito pelo Padre Rafael de Bene para
continuar a viagem para a missão de destino; as obediências para o Padre Casi-
miro de Taggia, Capuchinho destinado ao Tibete, e para o Padre Inocêncio de
Montalboddo, destinado a Madrasta; o viático do Padre Gaspar de Vicência; o
projecto de nomear um Capuchinho para Procurador-Geral das Missões e a
indisponibilidade do Padre José Maria de Florença para tal tarefa.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Sobre os Capuchinhos vide Documento nº 76.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 249-250V.

228 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[941] 1803, Maio, 15, Roma


Carta do Cardeal Consalvi [Secretário de Estado da Santa Sé], para o Núncio
Apostólico em Lisboa, sobre a controvérsia entre a Coroa portuguesa e a Santa Sé
relativa ao Padroado Universal do Oriente; questões referentes aos passaportes
passados aos missionários da Propaganda e ao juramento exigido aos mesmos.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 251-252.

[942] 1804, Fevereiro, 25, Roma


Carta do Cardeal Borgia, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, sobre a oposição do Procurador-Geral dos Capuchinhos à designação de um
Sacerdote para Procurador das Missões nos domínios portugueses; a nomeação
temporária para este cargo do Padre José Maria de Florença; a necessidade de
falar com o Padre Gaspar de Vicência a respeito deste assunto.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 253-253V.

[943] 1804, Maio, 12, Roma


Carta do Cardeal Borgia, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, acusando a recepção da carta de 18 de Fevereiro, que trata da intenção,
manifestada pelas autoridades holandesas, de favorecer o embarque dos missioná-
rios da Propaganda nos seus navios destinados à Índia.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 255.

[944] 1805, Agosto, 31, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, sobre as súplicas endereçadas ao Papa pelo Bispo de Meliapor (estabelecer a
sua residência em Calecute durante seis meses; nomear o Lente de Teologia para
o Colégio de Santa Rita, dos Padres Agostinhos de Goa; impor uma taxa aos
Padres da sua Diocese para construir um seminário; conceder indulgências).
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 256-257V.

[945] 1807, Setembro, 15, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, sobre o pagamento das despesas de viagem e o embarque de missionários da
Propaganda; e o projecto de criação de uma nova missão.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 258-259.

www.lusosofia.net 229
· TOMO II ORIENTE ·

[946] 1803, Outubro, 8, Roma


Carta do Cardeal Borgia, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide] para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe, Núncio Apostólico em Lis-
boa, recomendando dois missionários que devem embarcar para a China: o Padre
José Estêvão Izoardi e Joaquim Salvetti, da Ordem dos Menores Observantes.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 260-260V.

[947] 1804, Maio, 1, Roma


Carta do Cardeal Consalvi, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, sobre o compromisso das autoridades holandesas (assumido pelo ministro
Van Gransveld) no sentido de facilitar a passagem dos missionários da Propa-
ganda para a Índia, através dos seus navios.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 261.

[948] 1805, Abril, 15, Roma


Carta do Cardeal Dugnani, Pró-Prefeito [da Sagrada Congregação de Propa-
ganda Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em
Lisboa, sobre a viagem dos missionários Padres João José Demaris e Iluminado de
Castagnole delle Lanze; o presente solicitado pelos senhores Bandeira e Caldas; a
carta enviada a D. Manuel de São Gualdino sobre a nomeação do novo Bispo.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 262-263V.

[949] 1806, Julho, 15, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, acusando a recepção das missivas de 1 de Abril e de 4 e 5 de Junho e os
documentos anexos referentes às missões da Baía e do Rio de Janeiro; transmi-
tindo-lhe resoluções relativas à missão do Tibete e informando-o de que os livros
a enviar para a China também devem servir para as missões do Tonquim Ociden-
tal, Cochinchina e Sichuan, e que o responsável pelo envio é o Padre Marchini.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 264-264V.

[950] 1806, Novembro, 30, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, acusando a recepção da carta de 6 de Setembro e outros documentos;
comenta a impossibilidade dos [Padres] Segni e Halnat prosseguirem viagem.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Sobre Halnat, vide supra, Documento nº 124.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 265.

230 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[951] 1806, Fevereiro, 25, Livorno


Carta do Caetano Celesia [mercador], agente [da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostó-
lico em Lisboa, acompanhando uma caixa de livros.
Obs. Documento em italiano. Em anexo: lista dos livros e do número de
exemplares remetidos.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 266 E 268.

[952] 1806, Junho, 30, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, sobre a partida, de Lisboa para os seus destinos, de missionários da Propa-
ganda e as patentes para os Lazaristas destinados à China. Acusa a recepção de
um ofício cifrado.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 269-269V.

[953] 1807, Setembro, 30, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, sobre a caixa de terços para os [Padres] Marchini e Letondal. Acusa a recepção
de correspondência e de cartas cifradas.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 270-270V.

[954] 1807, Agosto, 8, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para o Núncio em Portugal, relativa às cartas enviadas pelo destinatário ao
Padre Isidoro Dominguez, Vigário Geral da Igreja Católica em Gibraltar e ao Padre
Fergusson, que abandonou o exercício das suas ordens.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 272.

[955] 1804, Abril, 14, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, acusando a recepção da carta de 21 de Janeiro sobre o regresso a Itália dos
Capuchinhos, Padre Casimiro de Taggia e Padre Inocêncio de Montalboddo, que
a Sagrada Congregação decidiu não enviar em missão; o destino incerto dos reli-
giosos, uma vez regressados a Itália.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 273.

[956] 1807, Julho, 30, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, acusando a recepção de uma carta cifrada.

www.lusosofia.net 231
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Documento em italiano.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 274.

[957] 1807, Fevereiro, 14, Roma


Carta de Monsenhor Domingos [Coppola], Arcebispo de Mira e Secretário
[da Sagrada Congregação de Propaganda Fide] para Monsenhor Caleppi, Arce-
bispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lisboa, sobre a expedição do Ordinário
da Índia Oriental e China.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 275.

[958] 1807, Maio, 30, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, acusando a recepção da carta de 8 de Abril e tratando do embarque de mis-
sionários da Propaganda.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 276.

[959] 1807, Fevereiro, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, acusando a recepção de um rescrito com a carta de 9 de Janeiro.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 277.

[960] 1807, Janeiro, 31, Roma


Carta do Cardeal di Pietro, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, sobre a chegada a Lisboa do Padre Leitor António de Caiazzo e do Padre
Pedro Mazzanti; o embarque dos Padres seculares Luís Lascau e Luís Fontana, e
do Padre Reformado Joaquim de Vernante, missionários destinados à China e à
Índia Oriental respectivamente, levando dois relicários para oferecer um aos
senhores Bandeira e Caldas e outro à sobrinha do Rei do Congo; e a necessidade
de «operários evangélicos» na missão de Angola.
Obs. Documento em italiano. Com selo de lacre.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 279-279V.

[961] [Entre 1827 e 1833, Roma]


Ofício do Cardeal Pedicini, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Alexandre Giustiniani, Arcebispo de Petra e Núncio Apostó-
lico em Lisboa, perguntando se no Hospício dos Capuchinhos de Lisboa há reli-
giosos dotados de qualidades morais convenientes à missionação apostólica que
possam ser enviados para Pernambuco e para o Congo.
Obs. Documento em italiano. Com selo de lacre.
Nota: Sobre a Missão dos Capuchinhos do Congo, vide Documento nº 76.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 280-281V.

232 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[962] 1815, Agosto, 5, Roma


Carta do Cardeal Litta, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Vicente Macchi, Auditor da Nunciatura Apostólica de
Lisboa, acusando a recepção de notícias sobre as missões do Congo e Angola;
referindo-se à chegada dos novos missionários Capuchinhos destinados ao Rio de
Janeiro, excepto o Padre Fidel de Florença que fracturou uma perna; a conduta
escandalosa do Padre Eugénio de Florença, enviado por Monsenhor Caleppi para
Angola; e o pagamento do viático dos missionários da Propaganda.
Obs. Documento em italiano. Com selo branco.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 282-282V E 283V.

[963] 1815, Setembro, 23, Lisboa


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Litta, Prefeito [da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide], acusando a recepção de uma carta de 5 de
Agosto; comunicando a partida de todos os missionários Capuchinhos para os
seus destinos; a conduta do Padre Fidel de Florença, destinado à missão de
Angola; a prisão, em Pernambuco, do [Padre] Joaquim de Sousa Ribeiro, que,
munido de falsas bulas, pretendia passar por Bispo da Ilha de S. Domingos.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Sobre este pretenso Bispo de S. Domingos, pioneiro do abolicionismo
entre os índios e os escravos negros do Nordeste, pode ver-se bom repertório
documental em SCHULTZ, Kirsten, Tropical Versailles: Empire, Monarchy, and
the Portuguese Royal Court in Rio de Janeiro, 1808-1821, Routledge, Nova Iorque,
2001, p. 149.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 284-284V.

[964] 1832, Maio, 26, [Lisboa]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Carlos Maria Pedicini, Pre-
feito [da Sagrada Congregação de Propaganda Fide], com indicação dos religiosos
do Hospício dos Capuchinhos italianos de Lisboa habilitados para as missões de
Pernambuco e Congo.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Sobre a Missão dos Capuchinhos, vide supra, Documento nº 76.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 285.

[965] 1832, Julho, 25, [Lisboa]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Tomás Bernetti, Secretário de
Estado da Santa Sé, remetendo cartas dos Vigários Capitulares de Goa e de Angola
com súplicas destinadas ao Papa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 286.

[966] 1805, Janeiro, 22, [Lisboa]


Rascunho da carta [do Núncio] para Monsenhor Coppola sobre a situação
do Hospício dos Padres Capuchinhos de Lisboa e o Padre superior destinado

www.lusosofia.net 233
· TOMO II ORIENTE ·

àquele estabelecimento; e os Padres Barnabé de Perúsia, Francisco Maria de Gra-


disca, Felisberto de Ceva e João Fidel de Cúneo.
Obs. Documento em italiano. A carta foi expedida cifrada. O texto está ina-
cabado e em mau estado. A numeração dos fólios não corresponde à ordem
original.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 290, 291, 292,
293 E 294-294V.

[967] [1805, ?, 22, Lisboa]


Rascunho da carta [do Núncio] para Monsenhor Coppola sobre as desor-
dens na missão de Madrasta; e a desunião entre os Capuchinhos do Rio de Janeiro
e sobretudo entre os da Baía.
Obs. Documento inacabado em italiano. A carta foi expedida cifrada.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 295-295V.

[968] 1807, Junho, 9, [Lisboa]


Rascunho da carta [do Núncio] para o Cardeal di Pietro, [Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide], sobre o objectivo da viagem à Europa do Padre
Mestre Tomás Cañon, da Ordem de Santo Agostinho, da Província das Filipinas
(tentar que a Sagrada Congregação restitua à sua Província as missões de Kiansi na
China e que sejam administradas por um Vigário Apostólico da Ordem de Santo
Agostinho, o Padre João Segni. Este projecto já tem a protecção do Rei de Espanha,
que pretende conseguir o jus-padroado e a nomeação do novo Bispo).
Obs. Documento em italiano. A carta foi expedida cifrada e com carácter par-
ticular.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 296-296V E 300.

[969] 1807, Outubro, 10, [Lisboa]


Rascunho da carta [do Núncio] para o Cardeal di Pietro [Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide], sobre a súplica do Padre Mestre Tomás Cañon;
a pretensão do Rei de Espanha de obter da Santa Sé o jus-padroado e a nomeação
do Prelado do novo bispado de Kiansi na China, e a contestação que os portugue-
ses podem fazer a tal projecto; o projecto de estabelecimento em Lisboa de um
Procurador-Geral para as missões.
Obs. Documento em italiano. A carta foi expedida cifrada. O presente texto
faz referência ao documento anterior.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 297-299V.

[970] 1807, Agosto, 29, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para a Sagrada Congregação de Propaganda
Fide acusando a recepção de uma carta cifrada de 23 de Julho; comunica a pró-
xima partida de Jesuítas da Rússia para a China.
Obs. Documento em italiano. A carta foi expedida cifrada.
Nota: Sobre os Jesuítas da Rússia e a restauração da Ordem, cfr. supra, Docu-
mento nº 124.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 301.

234 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[971] 1808, Janeiro, 22, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para o Cardeal di Pietro [Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide], sobre o embarque gratuito de três missioná-
rios: Francisco Maria Halnat, Raimundo Segni e Joaquim de Vernante; o paga-
mento do dinheiro entregue àqueles missionários; e uma carta de Calcutá sobre as
necessidades da população católica local.
Obs. Documento em italiano. A carta foi expedida cifrada. Inclui referência
ao documento dos fls. 297-299v. Numa nota à margem consta que a carta foi
entregue ao Padre Vicente Sangermano, Barnabita, e expedida com o correio
de 6 de Fevereiro de 1808.
Nota: Sobre Halnat, vide supra, Documento nº 124.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 302-304.

[972] 1814, Dezembro, 10, Rio de Janeiro


Rascunho da carta [do Núncio] para o Cardeal Litta [Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide], acusando a recepção de uma carta de 18 de
Junho, comunicando a restituição do Papa a Roma e a necessidade do restabele-
cimento da correspondência com a Sagrada Congregação.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 306-306V.

[973] 1814, Junho, 16, Lisboa


Rascunho da carta [do Secretário da Nunciatura] para o Cardeal di Pietro
[Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda Fide], enviando uma pequena
missiva com informações sobre o estado das missões do Brasil, Angola e Ásia.
Obs. Documento em italiano e em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 307-307V.

[974] 1815, Junho, 7, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Litta [Prefeito da Sagrada Con-
gregação de Propaganda Fide], enviando cartas dos Bispos de Pequim e de Macau e
do Padre João Baptista Marchini para a Sagrada Congregação. Refere-se aos pro-
blemas causados pelos Padres Capuchinhos no Brasil, à necessidade de uma selec-
ção mais cuidadosa dos missionários, à perseguição aos cristãos na China, ao bom
relacionamento com os ingleses.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 308-309V E 311.

[975] 1816, Maio, 4, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Litta [Prefeito da Sagrada Con-
gregação de Propaganda Fide], enviando cartas do Procurador da Sagrada Congre-
gação em Macau, Padre João Baptista Marchini, sobre a continuação da persegui-
ção aos cristãos na China.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 312-312V.

www.lusosofia.net 235
· TOMO II ORIENTE ·

[976] 1817, Outubro, 8, Lisboa


Rascunho da carta [do Núncio] para o Cardeal Litta [Prefeito da Sagrada Con-
gregação de Propaganda Fide], acusando a recepção da carta de 2 de Agosto e refe-
rindo-se aos viáticos dos Capuchinhos destinados às missões do Brasil, de Angola
e do Congo; e à conduta séria e edificante, em Livorno, do Padre Lucas Pham,
aluno do Colégio Chinês de Nápoles, destinado à missão de Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FL. 314-314V.

[977] 1816, Janeiro, 23, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Litta [Prefeito da Sagrada Con-
gregação de Propaganda Fide], sobre a partida para Angola dos missionários Capu-
chinhos Padres Frei Jesualdo de Florença e Pedro Paulo de Bene; o aproveita-
mento da boa correspondência entre o Papa e o Príncipe Regente de Inglaterra no
sentido de obter a protecção do governo inglês para os missionários da Propa-
ganda Fide na Índia; o envio de dois ou três missionários para o Cabo da Boa
Esperança; a recomendação feita aos Padres Dominicanos da Congregação de Goa
no sentido de anualmente apresentarem um relatório acerca do estado da respec-
tiva cristandade.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Frei Pedro Paulo de Bene ficará no posto até ao decreto do “mata-fra-
des”. É o último representante da antiga missão Capuchinha de Angola
(cfr. supra, doc. 76).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 315-316V.

[978] [1816, Rio de Janeiro]


Memória de [Camillo] Rossi [Secretário da Nunciatura], para o Cardeal Litta
[Prefeito da Sagrada Congregação de Propaganda Fide], acerca das pretensões de
Portugal relativas ao Padroado Universal da China (juramento exigido pela Coroa
portuguesa aos missionários da Propaganda para lhes conceder passaporte; continua-
ção da perseguição aos cristãos na China; expulsão de Macau do Padre Tiago Ferreti;
etc.) e as respectivas negociações entre o Núncio e o governo português.
Obs. Documento inacabado em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 317, 318-320V.

[979] 1815, Outubro, 26, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Litta, [Prefeito da Sagrada Con-
gregação de Propaganda Fide], comunicando a partida de três Capuchinhos para
Angola; remetendo carta do Prefeito dos Padres Teatinos de Goa com várias súplicas,
súplica dos Padres da Congregação do Oratório de Goa, à qual está confiada a missão
de Ceilão, carta do Bispo de Macau, carta do Superior da Missão dos Agostinhos do
Bengala, Padre Frei Manuel de Santa Teresa, e carta do Superior dos Padres de São
Vicente de Paulo do Seminário de São José de Macau, pedindo licença apostólica para
comprar com dinheiro da Congregação casas e censos reais.
Obs. Documento em italiano e latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 321-324 E 326-
-326V.

236 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[980] 1828, Julho, 23, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Cappellari, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, sobre a chegada a Macau do Bispo eleito de
Pequim; e a conduta dos Padres de S. Vicente de Paulo em Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (2), FLS. 327-328.

[981] 1679, Abril, 24, Lisboa


Cópia de carta de D. Pedro II, Rei de Portugal, ao Papa Inocêncio XI, sobre a
controvérsia entre a Coroa portuguesa e a Sagrada Congregação de Propaganda
Fide em matéria de jurisdição no Padroado Português do Oriente no que toca à
conversão dos «infiéis».
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 4-5V.

[982] [Ca. 1774]


Memória do governo português sobre a introdução de novos vicariatos
apostólicos em Tonquim e na Cochinchina para resolver as desordens nas mis-
sões daquelas regiões; as controvérsias relativas à jurisdição do Padroado Portu-
guês do Oriente; o papel de intermediário entre a Santa Sé e o Governo português
desempenhado pelo Padre Francisco Maria Sapi.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 6-10V.

[983] [Ca. 1780]


Tradução de carta do Marquês do Louriçal, Ministro Plenipotenciário da
Rainha de Portugal em Roma, para o Papa, sobre o descontentamento de D. Maria
relativamente ao Bispo de Pequim, D. Frei João Damasceno [Saluzzi], Agostinho
Descalço, romano, que Sua Majestade tinha condescendido em eleger Bispo para
pôr fim ao conflito de jurisdição que dilacerava aquela Igreja; a má conduta do
referido Prelado; pedido de remoção do mesmo do lugar e necessidade de nomear
um novo Bispo.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 12-15V.

[984] 1804, Abril, 18, Palácio de Queluz


Carta do Visconde da Anadia, [Secretário de Estado], para o Arcebispo de
Nísibe, Núncio Apostólico de Sua Santidade, sobre a má conduta dos missionários
da Congregação de Propaganda Fide, que intrigam junto dos fiéis contra o Padroado
Português do Oriente; e a renovação das faculdades de Reformador das Religiões
de Goa concedidas ao Arcebispo Primaz do Oriente.
Obs. Em anexo: cópia da carta do Arcebispo Primaz do Oriente; «Notícia
participada da Costa do Malabar» relativa às «calúnias» contra o Padroado
Português do Oriente, incluídas num livro impresso em Roma em 1794,
para uso dos Vigários Apostólicos do Malabar, denominado India Orientalis

www.lusosofia.net 237
· TOMO II ORIENTE ·

Christiana; e extracto desta obra, escrita pelo Padre Paulino de S. Bartolo-


meu, Carmelita Descalço.
Nota: Vide Documento nº 74.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 17-17V, 18-18V,
19 E 20-21V.

[985] 1787, Setembro, Rangum


Extracto de carta do Padre Marcelo Cortenovis para a Sagrada Congregação
de Propaganda Fide sobre a chegada de Frei Patrício de S. José, Vigário de Vara e
Visitador da missão dos Reinos de Ava e Pegu, enviado pelo Governador do bis-
pado de Meliapor; e o conflito entre os Padres portugueses e os missionários da
Propaganda.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Marcelo e Gerardo Cortenovis, Barnabitas, são duas figuras fundantes
da Igreja Birmanesa, dado o papel da sua missão na impressão da língua
birmane, e autores de abundante epistolário conservado na Casa Generalícia
de S. Carlo ai Catinari. O conflito aludido teve foros de atentado à mão armada
da parte de um dos franciscanos portugueses. O que não impediu que o
primeiro diccionário da língua birmana, da autoria do Barnabita Monsenhor
Percoto, não dispensasse a mediação do português (latim-português-bir-
mano). Veja-se LOVISON, Filippo, La Missione dei Chierici Regolari di
S. Paolo (Barnabiti) nei Regni di Ava e Pegu (1722-1832), Archivio Storico dei
Barnabiti di Roma, 2005.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 23-24.

[986] 1805, Julho, 31, Roma


Ofício do Cardeal Consalvi, [Secretário de Estado da Santa Sé], para o Nún-
cio em Lisboa, sobre a nota entregue pelo Comendador Pinto, enviado extraordi-
nário e Ministro Plenipotenciário da corte portuguesa, e a resposta do autor.
Obs. Documento em italiano.
Em anexo: cópia da resposta e da nota acima referidas. Vd. fls. 27-28v e 29-30.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 25.

[987] 1805, Julho, 31, s.l.


Cópia de nota diplomática do Cardeal Consalvi para o Ministro de Portugal
sobre as providências tomadas na sequência da representação feita pelo destinatá-
rio relativa ao Bispo da Propaganda, que se introduziu em Bombaim e que procu-
rava subtrair os católicos locais à jurisdição do Arcebispo de Goa.
Obs. Documento em italiano. Anexo ao documento do fl. 25.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 27-28.

[988] 1805, Julho, 24, [Roma?]


Cópia de nota diplomática do Comendador Pinto, enviado extraordinário e
Ministro Plenipotenciário do Príncipe Regente de Portugal, para o Cardeal Con-
salvi, Secretário de Estado da Santa Sé, sobre o Bispo da Propaganda que se introduziu

238 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

em Bombaim e que pretende subtrair os católicos locais à jurisdição espiritual do


Arcebispo de Goa.
Obs. Documento em francês. Anexo ao documento do fl. 25.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 29-30.

[989] s.d., s.l.


Cópia do Breve de Pio VI [Jamdudum a Goanis Archiepiscopis, de 23 de Janeiro
de 1793], dirigido a D. Manuel, Arcebispo de Goa. Nele se fundamenta a passa-
gem de Bombaim para a jurisdição dos Vigários Apostólicos – de que havia tempo
se queixavam os Arcebispos de Goa e os ministros de Sua Majestade Fidelíssima –
na extrema necessidade em que ficaram aquelas Igrejas desde a expulsão dos
Jesuítas pelos ingleses, em 1718.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 31-32V.

[990] 1807, Agosto, 29, Roma


Carta endereçado ao Arcebispo de Goa, assinada pelo Prefeito da Sagrada
Congregação de Sagrada Congregação de Propaganda Fide, Cardeal Gerdil e pelo
seu Secretário, o Arcebispo Domingos Coppola. Nela declara ter o Cardeal Pre-
feito levado ao Papa uma questão de confito de jurisdição entre o Vigário Apostó-
lico do Grão Mogol e o Arcebispo de Goa, de que o primeiro se queixara.
Recorda-lhe depois um Breve de Pio VI, de 23 de Janeiro de 1793, de que envia
cópia aos dois contendentes, e esclarece que Surrate e Puna não pertencem à
Arquidiocese de Goa.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 33-34.

[991] 1804, Julho, 28, Roma


Carta do Cardeal Borgia, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico em Lis-
boa, acusando a recepção das cartas de 2 e 19 de Maio e de 18 de Junho; comuni-
cando as queixas do Visconde da Anadia, Ministro e Secretário de Estado da Marinha
e Ultramar, contra os missionários da Propaganda, especialmente contra os de
Cranganor, que supostamente inculcam nos fiéis o desrespeito pelos prelados
ordinários; referindo-se à publicação do livro do Padre Paulino e S. Bartolomeu,
Carmelita Descalço.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 35-35V.

[992] 1814, Junho, 7, s.l.


Rascunho de nota [do Núncio] para o Comendador António de Araújo de
Azevedo, Ministro e Secretário de Estado da Marinha e Ultramar, sobre a ordem
dada pelo governo de Macau ao Padre Tiago Ferreti para sair do território e
outras ordens contra os missionários estrangeiros nos domínios portugueses do
Oriente.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 37-42.

www.lusosofia.net 239
· TOMO II ORIENTE ·

[993] s.d., s.l.


Rascunho de nota anexa a uma carta [do Núncio] sobre a desconfiança dos
ministros da corte portuguesa relativamente à Sagrada Congregação de Propa-
ganda Fide.
Obs. Documento inacabado em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 43-44V.

[994] 1818, Dezembro, 7, [Lisboa]


Rascunho de carta [do Núncio] para Tomás António Vila Nova Portugal [Secre-
tário de Estado], acusando a recepção da carta de 5 de Dezembro e participando-lhe
a nomeação do Padre Veríssimo Monteiro da Serra para Bispo de Pequim.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 46.

[995] 1818, Dezembro, 5, Santa Cruz


Ofício de Tomás António Vila Nova Portugal [Secretário de Estado], para o
Arcebispo de Damiata, Núncio Apostólico, a participar a nomeação régia do Padre
Veríssimo Monteiro da Serra para Bispo de Pequim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 47.

[996] 1833, Fevereiro, 12, Braga


Cópia de carta do Conde de Basto [Secretário de Estado], para Frei José das
Dores, Agostinho Calçado, comunicando-lhe que foi nomeado Bispo de Cochim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 48.

[997] 1790, Novembro, 20, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Bellisomi, Arcebispo de Tiana e Núncio Apostólico em
Lisboa, sobre o embarque em Lisboa e o pagamento das passagens de três missio-
nários Capuchinhos destinados pela Sagrada Congregação de Propaganda Fide ao
Tibete (Padres Juvenal de Niza, João Maria de Camaiore e Ângelo de Caraglio).
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 53.

[998] 1791, Junho, 1, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Bellisomi, Arcebispo de Tiana e Núncio Apostólico em
Lisboa, sobre o embarque em Lisboa e o pagamento dos viáticos de três missioná-
rios Capuchinhos destinados pela Sagrada Congregação de Propaganda Fide ao
Tibete.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 55.

[999] 1804, Dezembro, 15, Roma


Carta do Cardeal Dugnani, Pró-Prefeito [da Sagrada Congregação de Propa-
ganda Fide], para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e Núncio Apostólico

240 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

em Lisboa, sobre os novos prelados nomeados pela corte portuguesa; a doença do


Cardeal Borgia; o pedido do Padre Juliano, Capuchinho, missionário no Tibete,
relativo à faculdade de usar altar portátil.
Obs. Documento em italiano. Em post-scriptum, comunica a notícia da
morte do Cardeal Borgia, ocorrida a 23 de Novembro. Com selo branco.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 57-57V E 58V.

[1000] s.d., s.l.


Apontamento acerca do Padre Felisberto de Ceva, Capuchinho destinado à
missão de Madrasta, sujeito pela quinta vez a uma «colica biliosa».
Obs. Documento em italiano. O texto está inacabado e não foi assinado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 59.

[1001] [Ca. 1807, Janeiro, 31]


Interpretação de carta cifrada dirigida [ao Núncio] sobre o reembolso devido
à Sagrada Congregação de Propaganda Fide pela Corte portuguesa, relativo aos
viáticos de três padres e dois irmãos leigos enviados para missões existentes em
domínios portugueses.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 60-60V.

[1002] 1807, Junho, 15, Roma


Formulário, devidamente assinado pelo Cardeal Prefeito da Sagrada Congrega-
ção de Propaganda Fide, de um decreto de nomeação de um missionário para a
China, a designar pelo Superior-Geral da Congregação da Missão, especificando
as faculdades inerentes e a sua futura dependência dos bispos ou Vigários Apos-
tólicos dos locais para onde fôr enviado, segundo o juramento previsto pela
Constituição Apostólica Ex quo, de Bento XIV.
Obs. Documento em latim. O espaço em branco para o nome do indigitado
não chegou a ser preenchido, tratando-se embora de um documento assinado
e selado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 62.

[1003] 1805, Junho, 14, Roma


Carta do Cardeal Pacca para Monsenhor Macchi sobre o pagamento dos viáti-
cos dos missionários enviados para os domínios ultramarinos portugueses.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 64-64V.

[1004] 1815, Fevereiro, 18, Roma


Cópia de carta do Cardeal Pacca, Pró-Secretário de Estado, [para o Núncio]
agradecendo as notícias sobre o pagamento dos viáticos dos missionários envia-
dos para os domínios ultramarinos portugueses.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 65-65V.

www.lusosofia.net 241
· TOMO II ORIENTE ·

[1005] [1815, Janeiro, 5, Lisboa]


Carta de Miguel Pereira Forjaz [Secretário da Regência], para Monsenhor
Vicente Macchi, Delegado Apostólico de Sua Santidade, sobre o envio, pela
Sagrada Congregação de Propaganda Fide, de três missionários Capuchinhos para
África, e questões relativas ao transporte dos referidos missionários até Lisboa e
de Lisboa para Angola.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 67-67V.

[1006] [1815, Agosto, 3, Lisboa]


Carta de Miguel Pereira Forjaz [Secretário da Regência], para Monsenhor
Vicente Macchi, Delegado Apostólico de Sua Santidade, sobre a viagem dos
missionários italianos destinados a Angola.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 68.

[1007] 1818, Outubro, 3, Roma


Ofício do Cardeal Litta para Monsenhor Cherubini, Auditor da Nunciatura,
pedindo-lhe que a carta anexa seja entregue ao Padre Jesualdo Maria de Florença,
Capuchinho; e acusando a recepção da carta do destinatário de 7 de Setembro.
Obs. Documento em italiano. A carta para o Padre Jesualdo Maria de Florença
não se encontra.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 71 E 72V.

[1008] 1818, Agosto, 22, Roma


Ofício do Cardeal Litta para Monsenhor Cherubini, Auditor da Nunciatura
Apostólica em Lisboa, sobre o reembolso, devido pela Corte portuguesa à Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, pelo pagamento dos viáticos dos missionários
enviados para os domínios portugueses.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 73.

[1009] 1818, Abril, 14, Roma


Ofício do Cardeal Litta para Monsenhor Cherubini, Auditor da Nunciatura
Apostólica em Lisboa, recomendando-lhe que o Padre Odorico de Collodi, mis-
sionário destinado pela Sagrada Congregação de Propaganda Fide à Cochinchina,
seja embarcado gratuitamente em Lisboa e lhe seja paga a viagem e fornecido
alojamento durante a sua permanência na capital portuguesa.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Sobre Odorico de Collodi (1778-1834), vide GIURLANI, Silvio, Padre
Odorico da Collodi, Missionário Martire in Cocincina; Biografia del servo di
Dio, Lucca, 1935.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 75.

[1010] 1820, Julho, 8, Roma


Ofício do Cardeal Júlio Somaglia, Pró-Prefeito [da Sagrada Congregação de
Propaganda Fide], para Monsenhor Cherubini, Internúncio Apostólico em Lisboa,

242 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

pedindo informações sobre o missionário que chegou a Lisboa vindo do Bengala e


os motivos pelos quais abandonou a missão.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 77.

[1011] 1821, Abril, 14, Roma


Ofício do Cardeal Fontana, Prefeito [da Sagrada Congregação de Propaganda
Fide], para Monsenhor Cherubini, Internúncio Apostólico em Lisboa, sobre os
missionários do Brasil e da Índia Oriental, com referência elogiosa aos Padres
Filipinos de Goa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 79 E 80V.

[1012] 1822, Dezembro, 7, Roma


Ofício do Cardeal Consalvi para Monsenhor Cherubini, Auditor da Nuncia-
tura em Lisboa, participando a cessação do serviço do Padre [Tiago] Warting
como educador em Londres e a possibilidade do mesmo regressar à sua missão de
origem; anunciando a partida, de Génova para Lisboa, do Padre João de Potríes,
missionário Capuchinho destinado ao Congo, e do seu companheiro leigo,
Frei Francisco Chestalgar, [catalães]; e recomendando-lhe que trate do embarque
daqueles para o seu destino.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Sobre os ditos Capuchinhos, vide Documento nº 76.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 81 E 82V.

[1013] 1825, Março, 9, Lisboa


Carta de D. Miguel António de Melo [Secretário de Estado], para o Arce-
bispo de Nazianzo sobre a passagem gratuita para Inglaterra, concedida por Sua
Majestade a dois missionários, e passagem para Angola, a bordo da primeira
embarcação da Coroa que para ali partir, concedida ao missionário destinado
àquela capitania.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 83.

[1014] 1802, Maio, 20, Génova


Passaporte assinado por João Piaggio, Cônsul Geral e encarregado dos negó-
cios da Real Corte de Portugal na república Lígure, autorizando o Padre
Frei Casimiro de Taggia, da Província romana, religioso Barbadinho da Ordem de
S. Francisco, a passar para o Tibete.
Obs. Documento impresso, preenchido à mão.
Nota: Um estudo do epistolário do Cônsul de Portugal pode ver-se em
SILVI, Sandro, L’ultimo Jommelli e il Portogallo nel carteggio Giovanni Piag-
gio-João António Pinto da Silva, in “LUISI, F., ADDAMIANO, A., TANGARI,
N., (a cura di), Sub tuum praesidium confugimus; Scritti in memoria di mon-
signor Higini Anglès”, Genova, 2000, pp. 292-323.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 87-87V.

www.lusosofia.net 243
· TOMO II ORIENTE ·

[1015] 1803, Janeiro, 7, Lisboa


Ofício do Visconde da Anadia [Secretário de Estado], para o Núncio Apostó-
lico, comunicando-lhe a resolução de Sua Alteza Real de conceder ao missionário
Frei Casimiro de Taggia, destinado à missão do Tibete, «licença para poder ir por
capelão do navio Europa e demorar-se no Rio de Janeiro o tempo que for necessá-
rio até achar ocasião de embarcar para o seu destino».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 88.

[1016] 1803, Abril, 4, Queluz


Cópia de passaporte assinado pelo Visconde da Anadia [Secretário de Estado],
autorizando Frei João António de Pompeiana, Menor Observante de S. Francisco,
destinado às missões da China, a passar para Macau.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 89.

[1017] 1803, Março, 23, Queluz


Cópia de passaporte assinado pelo Visconde da Anadia [Secretário de Estado],
autorizando Frei Julião de Roma, missionário mandado pela Sagrada Congregação
de Propaganda Fide para as missões do Tibete, a passar para aquele território.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 90.

[1018] [1803, Maio, 28, Queluz]


Cópia de passaporte assinado pelo Visconde da Anadia [Secretário de
Estado], autorizando Frei José Crispim e Frei Filipe Neri de Florença, Barbadi-
nhos italianos destinados às missões de Angola e Congo, a passarem para Angola.
Obs. Sobre estes e demais Capuchinhos do Congo, vide Documento nº 76.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 91.

[1019] 1804, Março, 17, [Lisboa]


Cópia de carta [do Visconde da Anadia, Secretário de Estado] para o Arce-
bispo de Nísibe, Núncio Apostólico, enviando os passaportes para dois missioná-
rios que vão para a China e pedindo desculpas pela demora na expedição dos
mesmos.
Obs. O documento não está assinado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 92.

[1020] 1805, Março, 28, Lisboa


Cópia de carta [do Visconde da Anadia, Secretário de Estado] para o Núncio
Apostólico, remetendo os passaportes para dois missionários que vão para a China.
Obs. O documento não está assinado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 94.

[1021] 1805, Março, 27, Salvaterra de Magos


Cópia de passaporte assinado pelo Visconde de Anadia [Secretário de Estado],
autorizando Frei Iluminado de Castagnole delle Lanze, mandado pela Sagrada
Congregação de Propaganda Fide para as missões da China, a passar para Macau.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 96.

244 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[1022] 1807, Agosto, 14, Lisboa


Bilhete do Visconde da Anadia [Secretário de Estado] para o Arcebispo de
Nísibe, Núncio Apostólico, dizendo que aguarda a visita do destinatário entre as 4
e as 8 horas da tarde.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 97.

[1023] 1807, Maio, 29, Sítio de S. João dos Bem Casados


Bilhete do Visconde da Anadia [Secretário de Estado, para o Núncio], reme-
tendo-lhe a portaria para o Padre Luís Fontana.
Obs. Em resposta ao documento do fl. 107.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 99.

[1024] 1807, Julho, 11, [Lisboa]


Bilhete da [Secretaria de Estado da Marinha e Ultramar], em nome do Vis-
conde de Anadia [Secretário de Estado], para o Núncio Apostólico, acompa-
nhando um passaporte solicitado pelo destinatário.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 100.

[1025] 1802, Dezembro, 27, Queluz


Alvará com força de lei assinado pelo Príncipe Regente com providências
para regular o que deve observar-se na partida dos navios do Reino e nas escalas
dos navios da Ásia pelos portos do Brasil.
Obs. Documento impresso.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 102-105.

[1026] 1807, Maio, 8, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para o Visconde de Anadia [Secretário de
Estado], pedindo um passaporte para o Padre Luís Fontana, sacerdote secular,
piemontês, destinado pela Sagrada Congregação de Propaganda Fide à missão do
Tonquim, estando próxima a partida do navio Bom Jesus d’Além para Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 106.

[1027] 1807, Maio, 26, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para o Visconde de Anadia [Secretário de
Estado], pedindo um passaporte para o Padre Luís Fontana, Sacerdote secular,
piemontês, destinado pela Sagrada Congregação de Propaganda Fide à missão do
Tonquim, estando próxima a partida do navio Robusto para Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 107.

[1028] 1818, Fevereiro, 4, Lisboa


Carta de Miguel Pereira [Forjaz, Secretário da Regência], para Monsenhor José
Cherubini, Delegado Apostólico, sobre o pagamento dos viáticos dos missionários
enviados pela Sagrada Congregação de Propaganda Fide para os domínios portugue-
ses.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 108-108V.

www.lusosofia.net 245
· TOMO II ORIENTE ·

[1029] 1817, Dezembro, 10, Roma


Declaração de Tiago Bassanelli, cobrador da Sagrada Congregação de Propa-
ganda Fide, no qual afirma que recebeu do Comendador Pinto, Ministro de Por-
tugal junto da Santa Sé, cento e seis escudos como reembolso da soma adiantada
pela mesma Sagrada Congregação ao Padre José Maria da Macerata, Capuchinho,
enviado para a missão do Rio de Janeiro, para a sua viagem de Roma até Lisboa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 110.

[1030] [1817, Outubro, 29, Lisboa]


Carta de Miguel Pereira [Forjaz, Secretário da Regência], para o Marquês de
Borba, sobre o pagamento dos viáticos dos missionários da Propaganda enviados
para as missões situadas nos domínios portugueses, e com referência concreta ao
pagamento do viático do Padre Frei José Maria de Macerata, Capuchinho, enviado
para a missão do Rio de Janeiro.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 111-112.

[1031] 1808, Novembro, 12, Janeiro


Passaporte assinado pelo Visconde da Anadia [Secretário de Estado], autori-
zando Frei Joaquim de Vernante, Franciscano Reformado, a passar para o Tonquim,
para cujas missões foi destinado pela Sagrada Congregação de Propaganda Fide.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 113.

[1032] 1803, Março, 23, Queluz


Tradução do texto do formulário do passaporte assinado pelo Visconde da
Anadia [Secretário de Estado], autorizando a passagem para o Tibete dos mis-
sionários destinados àquelas missões.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 114.

[1033] [1803, Maio, 28, Queluz]


Cópia de carta do Visconde da Anadia, Ministro e Secretário de Estado, para
Fernando António de Noronha, Governador e Capitão-Geral de Angola, recomen-
dando-lhe os religiosos Frei José de Crispim e Frei Filipe Neri de Florença, Bar-
badinhos italianos, destinados às missões de Angola e Congo, que seguem no
navio Carolina para aquele Reino.
Obs. Sobre estes e demais Capuchinhos do Congo, vide Documento nº 76.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 115-115V.

[1034] 1774, Agosto, 7, Génova


Carta do Padre Jerónimo Serafim da Santíssima Trindade, Carmelita Des-
calço, agente da Sagrada Congregação de Propaganda Fide, [para o Núncio] sobre
a caixa de livros expedida para a missão do Malabar.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 117-117V.

246 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[1035] 1780, Outubro, 9, Génova


Carta do Padre Jerónimo Serafim da Santíssima Trindade, Carmelita Descalço,
agente da Sagrada Congregação de Propaganda Fide, [para o Núncio] sobre o embar-
que feito em Livorno por Lourenço Bartoletti, também agente da mesma Sagrada
Congregação, de duas caixas, de livros e estampas, endereçadas ao destinatário.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 118.

[1036] 1803, Abril, 6, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para o Sr. Bandeira [proprietário do navio Bom
Jesus d’Além], sobre o embarque do Padre João António de Pompeiana, Menor Obser-
vante de S. Francisco, destinado às missões da China, no navio Bom Jesus d’Além.
Obs. Documento inacabado em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 119-119V.

[1037] s.d., s.l.


Cópia da fórmula do passaporte para os missionários destinados à missão do
Tibete e à de Madrasta, enviada pelo Rei em 1803.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 120.

[1038] 1804, Fevereiro, 7, Lisboa


Carta do Ministro Plenipotenciário da República Batava para o Arcebispo de
Nísibe, Núncio da Santa Sé, assegurando que o seu governo procurará facilitar a
passagem para a Índia dos missionários da Propaganda a bordo de navios holan-
deses após o restabelecimento da paz.
Obs. Documento em francês.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 121-121V.

[1039] 1804, Agosto, 26, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para [Jacinto Fernandes] Bandeira, agrade-
cendo a forma como Frei João António de Pompeiana foi tratado durante a
viagem para Macau a bordo do navio Bom Jesus d’Além.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 122.

[1040] 1805, Março, 25, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para [Jacinto Fernandes] Bandeira, recomen-
dando o embarque do Padre João José Demaris, destinado às missões da China, no
navio Bom Jesus d’Além.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 123-123V.

[1041] 1805, Abril, 3, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para o Senhor Bandeira, agradecendo-lhe
por ter facilitado o embarque do Padre João José Demaris, destinado às missões
da China, no navio Bom Jesus d’Além.

www.lusosofia.net 247
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Documento em italiano.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 124.

[1042] 1805, Julho, 30, s.l.


Rascunho da carta [do Núncio] para o Conselheiro Jacinto Fernandes Ban-
deira, recomendando-lhe o embarque do Capuchinho italiano Padre Frei João
Fidel de Cúneo, destinado pela Sagrada Congregação de Propaganda Fide à missão
de Madrasta, no navio O Triunfo.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 125-125V.

[1043] 1805, Agosto, 28, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para o Padre Salvattori, Menor Observante,
remetendo-lhe o passaporte expedido por ordem do Príncipe Regente e dando-lhe
instruções gerais relativas à viagem e ao trabalho na missão a que foi destinado
pela Sagrada Congregação de Propaganda Fide [não especificada].
Obs. Documento em italiano. O presente rascunho serviu de modelo às car-
tas enviadas a outros missionários da Propaganda Fide (Padres Rafael de
Bene, Iluminado de Castagnole delle Lanze, Izoardi e Demaris).
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 127-128.

[1044] 1807, Setembro, 2, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para Jacinto da Costa Bandeira sobre o
embarque de um missionário destinado pela Sagrada Congregação de Propaganda
à Índia, no navio… [as reticências estão no rascunho].
Obs. Documento em italiano. Na mesma data foi enviada uma carta de igual
teor a Manuel da Silva Franco, e no dia seguinte, a Miguel de Penafirme. Nos
originais só variava o nome do navio. Trata-se pois de uma minuta.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 129.

[1045] 1807, Maio, 5, s.l.


Rascunho de carta [do Núncio] para o Senhor Bandeira recomendando-lhe o
embarque do missionário Padre Luís Fontana, destinado pela Sagrada Congrega-
ção de Propaganda Fide à missão do Tonquim, no navio Bom Jesus d’ Além que
segue para Macau.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 130-130V.

[1046] 1807, Junho, 15, Roma


Formulário, devidamente assinado pelo Cardeal Prefeito da Sagrada Congrega-
ção de Propaganda Fide, de um decreto de nomeação de um missionário para a
China, a designar pelo Superior-Geral da Congregação da Missão, especificando
as faculdades inerentes e a sua futura dependência dos bispos ou Vigários Apos-
tólicos dos locais aonde for enviado, segundo o juramento previsto pela Consti-
tuição Apostólica Ex quo de Bento XIV.

248 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. Documento em latim. O espaço em branco para o nome do indigitado


não chegou a ser preenchido, tratando-se embora de um documento assinado
e selado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 131.

[1047] 1774, Maio, 27, Génova


Carta do Padre Jerónimo Serafim da Santíssima Trindade, Carmelita Des-
calço, agente da Sagrada Congregação de Propaganda Fide, [para o Núncio] sobre
a chegada, a Roma, dos missionários destinados pela Sagrada Congregação de
Propaganda Fide ao Malabar, Padre Francisco de Sales e Padre Paulino de S. Barto-
lomeu, Carmelita Descalço; e instruções relativas ao transporte de uma caixa de
livros e estampas destinada à missão do Malabar.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 133-133V.

[1048] 1774, Junho, 20, Génova


Carta do Padre Jerónimo Serafim da Santíssima Trindade, Carmelita Descalço,
[para o Núncio] recomendando-lhe os missionários destinados pela Sagrada Con-
gregação de Propaganda Fide ao Malabar, Padre Francisco de Sales e Padre Paulino
de S. Bartolomeu, Carmelita Descalço. A carta trata ainda de questões relativas à
viagem e ao transporte de uma caixa de livros e estampas.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 135-135V.

[1049] 1774, Junho, 25, Génova


Carta do Padre Jerónimo Serafim da Santíssima Trindade, Carmelita Des-
calço, [para o Núncio] sobre a caixa de livros destinada ao Malabar.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 137.

[1050] s.d., s.l.


Lista de algumas missões portuguesas e dos missionários a elas destinados.
Inclui informações sobre o estado de saúde de alguns deles.
Obs. Documento em italiano. O título do documento é: «Nota delle missioni
alle quali sono destinati li cinque Padri di fresco arrivati in questo nostro ospizio».
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 138 E 140.

[1051] s.d., s.l.


Apontamento do pedido do Padre Pedro Bento de Filostrano, de um passa-
porte para passar ao Malabar.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 141.

[1052] s.d., s.l.


Carta do Missionário Apostólico Frei João António de Pompeiana para o
Núncio Apostólico, agradecendo as atenções do destinatário para consigo.

www.lusosofia.net 249
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Documento em italiano.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 143-144V.

[1053] 1823, Dezembro, 16, s.l.


Rascunho de carta do Núncio Apostólico para o Padre Dalla Bella [?]
pedindo informações sobre o estado da missão [não especificada] e a conduta dos
missionários.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 146-146V.

[1054] 1825, Março, 23, s.l.


Rascunho de uma carta de apresentação do Núncio [ao Vigário Apostólico
de Londres] – em virtude de um mandato recebido do Cardeal Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide a 8 de Janeiro daquele ano – de três novos mis-
sionários Capuchinhos prestes a partir para Madrasta. São eles os Padres Jorge de
Génova, Padre Paulino de Gradoli e Gregório Maria de Bene.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 147.

[1055] 1831, Setembro, 22, Londres


Carta do Senhor Forbes para Monsenhor Alexandre Giustiniani, Arcebispo
de Petra [e Núncio em Lisboa], acompanhando um pacote selado com livros.
Obs. Documento em inglês. Conserva um selo da Forbes & Company.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 148-149V.

[1056] 1825, Maio, 10, Londres


Carta do Vigário Apostólico de Londres ao Núncio. Responde a uma carta de
recomendação levada por três missionários Capuchinhos chegados a Londres a 10
de Maio, com partida prevista para Madrasta dentro de dez dias. Aproveita ainda
o Vigário Apostólico de Londres para se congratular com a cordial hospitalidade
de que os ditos missionários foram objecto durante a permanência em Lisboa.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 150.

[1057] 1781, Março, 12, Paris


Cópia de um extracto de carta do Padre Dinis Boiret, Procurador-Geral das
Missões Estrangeiras de Paris, à Sagrada Congregação de Propaganda Fide, sobre
um juramento devido ao «pretenso padroado» que foi imposto a dois missioná-
rios daquele instituto por ocasião da partida de Lisboa para a Índia, a 6 de Feve-
reiro daquele ano. Manifesta ainda a sua apreensão a respeito do conteúdo de tal
juramento, que teme lesar a «autoridade da Sé Apostólica e a jurisdição dos seus
vigários».
Obs. Documento em latim. Trata-se de um anexo ao documento do fl. 156-
-156v.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 155.

250 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[1058] 1781, Abril, 7, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito, para o Arcebispo de Petra, Núncio
Apostólico em Lisboa, sobre o juramento exigido pela Coroa portuguesa aos mis-
sionários estrangeiros destinados aos domínios portugueses, antes de permitir o
embarque dos mesmos para o seu destino.
Obs. Documento em italiano. Em anexo remete o documento do fl. 155.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 156-156V.

[1059] 1781, Junho, 16, Roma


Rascunho de carta [do Núncio] para o Cardeal Antonelli, Prefeito da Sagrada
Congregação de Propaganda Fide, acusando a recepção da carta de 7 de Abril
sobre o juramento exigido pela Coroa portuguesa aos missionários estrangeiros
destinados aos domínios portugueses; referindo-se aos problemas levantados pelos
missionários franceses à prestação desse juramento.
Obs. Documento em italiano. Resposta ao documento anterior.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 158-159.

[1060] 1790, Junho, 19, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito, para Monsenhor Bellisomi, Arcebispo
de Tiana e Núncio Apostólico em Lisboa, sobre os viáticos dos Padres Luís Maria
de Città di Castello e Boaventura de Salino, Capuchinhos destinados pela Sagrada
Congregação de Propaganda Fide à missão do Tibete. A carta refere ainda as pos-
síveis controvérsias que poderão surgir a propósito do juramento exigido pela
Coroa portuguesa aos missionários que passam por Lisboa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 160-161.

[1061] 1790, Julho, 30, [Lisboa] [do original]


Cópia da fórmula de um juramento feito em 30 de Julho de 1790, na Secre-
taria de Estado, por Frei José Maria de Florença e Frei Raimundo de Dicomano,
Capuchinhos italianos destinados à missão de Angola.
Obs. Documento em italiano.
Nota: Frei Raimundo de Dicomano, que coroou D. Aleixo I e o seu sucessor
D. Henrique I, Reis do Congo, é autor de uma Informazione presentata all'Ill.mo e
Ecc.mo Sig.re Dom Michele António de Mello, Governatore e Capitano Generale del
Regno d'Angola per F. Raimondo di Dicomano, Missionario Cap.no Italiano della
Provincia di Toscana; nella quale descrive tutto ciò che vedde e osservò ne i tre anni,
che stette missionando nell Congo, sopra i costumi, le opinioni religiose e politiche
delle Nazioni de' Neri dell'Affrica Occidentale, confinanti colli stati di sua Maestà
Fedelissima, e che gli sono tributarie, e che abitano al Nord della città di S. Paolo
dell'Assunzione. Cfr. BRÁSIO, António Duarte, Frei Raimundo de Dicomano,
Informação do reino do Congo, 1798, Separata de “Studia”, 34, Lisboa, 1972.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 162.

[1062] [s.d., s.l.]


Texto da fórmula de juramento concertada entre Monsenhor Bellisomi,
Núncio Apostólico em Lisboa, e os Padres Capuchinhos.

www.lusosofia.net 251
· TOMO II ORIENTE ·

Obs. Documento em português e italiano.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 163.

[1063] 1790, Julho, 30, [Lisboa] [do original]


Cópia da fórmula de juramento feito na Secretaria de Estado por dois mis-
sionários, Frei José Maria de Florença e Frei Raimundo de Dicomano, destinados
à missão de Angola.
Obs. Documento em italiano. Documento idêntico ao do fl. 162.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 164.

[1064] [Ca. 1790, Lisboa]


Cópia traduzida de uma carta do Secretário de Estado, Martinho de Melo e
Castro, dirigida ao capítulo da missão de Angola por ocasião do envio de dois
missionários.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 164V.

[1065] 1793, Dezembro, 7, Roma


Carta do Cardeal Antonelli, Prefeito, para Monsenhor Bellisomi, Arcebispo
de Tiana e Núncio Apostólico em Lisboa, acusando a recepção das cartas de 8 e
24 de Outubro sobre o apoio dado pela Corte portuguesa ao Padre Frei Inácio de
Bolonha, superior dos Capuchinhos; comunicando-lhe o envio de missionários
Capuchinhos para os Reinos de Angola, Congo, S. Tomé e Príncipe e Brasil; e
contestando o juramento exigido pela Coroa portuguesa aos missionários estran-
geiros destinados aos domínios portugueses.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FLS. 166-167.

[1066] 1803, Junho, 25, Roma


Carta do Cardeal Borgia, Prefeito, para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de
Nísibe e Núncio Apostólico em Lisboa, acusando a recepção da carta de 4 de
Abril; agradecendo-lhe por ter conseguido pôr fim à controvérsia relativa ao
juramento exigido pela Corte portuguesa aos missionários da Propaganda Fide
destinados aos domínios portugueses.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 168-168V.

[1067] 1803, Dezembro, 3, Roma


Carta do Cardeal Borgia, Prefeito, para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de
Nísibe e Núncio Apostólico em Lisboa, acusando a recepção da carta de 27 de
Outubro referente ao passaporte para o Padre Rafael de Bene, obtido sem fazer o
juramento à Coroa portuguesa; informando-o da chegada a Roma do Padre José
de Cosseine, da missão de Madrasta.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 169.

252 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[1068] 1803, Fevereiro, 5, s.l.


Carta de D. Manuel, Arcebispo de Évora, [ao Núncio] escusando-se das suas
delongas a respeito de um gravíssimo e difícil encargo recebido em Agosto ante-
rior, que o reteve demasiado tempo em casa, ocupando-se dos trabalhos curiais,
da religião, da igreja e da razão de Estado.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 170.

[1069] 1803, Fevereiro, 3, Paço


Carta do Visconde da Anadia [Secretário de Estado], para o Arcebispo de
Nísibe, Núncio Apostólico de Sua Santidade, comunicando-lhe que o Arcebispo
de Évora foi nomeado Comissário Delegado do Príncipe Regente para tratar com
o destinatário das questões relativas à controvérsia entre a corte portuguesa e a
Santa Sé acerca do Padroado Real de Portugal na Ásia e em África.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 171.

[1070] 1805, Setembro, 6, Roma


Formulário da Sagrada Congregação de Propaganda Fide, impresso e preenchido
à mão, de um Decreto de nomeação do Padre Eugénio de Florença, Capuchinho, para
a missão do Pará, com a descrição e limitação das respectivas faculdades. Assinam o
Cardeal di Pietro, Prefeito, e o Arcebispo Domingos Coppola, Secretário.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 34 (3), FL. 173.

[1071] 1785, Março, 2, Goa


Carta do Arcebispo Primaz do Oriente para o Arcebispo de Tiro, Núncio
Apostólico no Reino e domínios de Portugal, a informá-lo de que não remeteu em
Fevereiro a fórmula de Profissão de Fé do Prelado de Moçambique porque este
ainda não tinha recebido o ofício da Secretaria de Estado, que só chegou no cor-
rente ano, com as Bulas apostólicas da sua sagração; portanto dirigiu ao dito Pre-
lado as providências para ele se transportar a Goa [para fazer a Profissão de Fé].
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 35 (4), FL. 29-29V.

[1072] s.d., s.l.


Cópia de requerimento do Padre José Salvador Borges, clérigo secular, apre-
sentado pelo seu Procurador, Joaquim de R. Monteiro, a Sua Alteza Real expondo
que uma mulher dissoluta (que o suplicante, quando paroquiava a freguesia de
Cortalim, não conseguindo reabilitar, quis mandar prender) o denunciou com
falsas acusações ao Tribunal do Santo Ofício, o que teve como consequência o
degredo do suplicante para Moçambique, suspenso a divinis; pede permissão para
retomar livremente o exercício das ordens ou, pelo menos, licença para celebrar a
missa de modo a poder viver decentemente com a respectiva esmola.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 35 (4), FL. 30-30V.

[1073] 1807, Março, 31, [Lisboa]


Cópia de ordem assinada pelo Visconde de Anadia, [Secretário de Estado],
em nome do Príncipe Regente, dirigida ao Bispo de Olba, Prelado de Moçambi-

www.lusosofia.net 253
· TOMO II ORIENTE ·

que, mandando-o embarcar na presente monção para a sua Prelazia; e partici-


pando-lhe que a Côngrua dos Prelados de Moçambique foi aumentada em quatro-
centos mil réis por resolução régia de 17 do corrente, tomada em consulta à Mesa
da Consciência e Ordens.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 35 (4), FL. 31.

[1074] 1810, Janeiro, 6, Rio de Janeiro


Carta do Bispo de Olba para o Núncio Apostólico sobre o Padre José Salvador
Borges, clérigo canarim mandado para Moçambique pelo Tribunal da Inquisição e
que em Moçambique deu azo a diversas queixas a respeito da sua conduta. Apesar
de o Governador e de o Capitão-Geral Francisco Paula de Albuquerque do Amaral
Cardoso o terem recomendado ao autor e de este o ter admoestado paternalmente e
depois castigado, as queixas continuaram. A explicação do Vigário Geral, em res-
posta ao despacho do Governador foi tal, que o Padre Borges não voltou a requerer
em benefício próprio e o Governador não voltou a falar no assunto.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 35 (4), FLS. 33-34.

[1075] 1811, Janeiro, 28, Rio de Janeiro


Carta de D. Vasco, Bispo de Olba, para o Núncio Apostólico informando-o
de que durante a sua estadia em Moçambique o Padre António Dias da Conceição
mostrou sinais de ter entrado no espírito da penitência e que, por isso, merece a
graça que pede [não especificada].
Obs. Embora a data inscrita a tinta no documento seja 1811, a lápis consta
1810.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 35 (4), FL. 35.

[1076] 1810, Dezembro, 15, Rio de Janeiro


Nota do Conde das Galveias para o Núncio Apostólico de Sua Santidade
transmitindo-lhe, por ordem de Sua Alteza Real, a petição do Padre José Salvador
Borges, exilado em Moçambique por sentença da Inquisição de Goa, para que o
destinatário a defira como julgar conveniente.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 35 (4), FL. 36.

[1077] [1810, Moçambique]


Requerimento do Padre José Salvador Borges para o Núncio Apostólico
pedindo que este o absolva da inabilidade para o exercício das funções sacerdotais
em que incorreu por sentença do Tribunal do Santo Ofício de Goa, que também o
condenou a cinco anos de degredo em Moçambique por ter cometido o crime de
solicitação. Junto envia vários documentos anexos, nomeadamente uma atestação
que comprova que o seu tempo de degredo está a chegar ao fim e uma atestação
em favor do seu bom comportamento em Moçambique.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 35 (4), FL. 38-40-45.

[1078] 1811, Março, 11, [Rio de Janeiro]


Rascunho da carta [do Núncio] para o Padre José Salvador Borges, de
Moçambique, negando-lhe a absolvição da inabilidade perpétua para celebrar e
confessar; exortando-o a uma conduta exemplar para compensar o seu passado.

254 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Obs. No fl. 47-47v encontra-se um texto de rascunho igual a este.


ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 35 (4), FL. 39.

[1079] 1811, Março, 13, [Rio de Janeiro]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Conde das Galveias referindo a carta
escrita ao Padre José Salvador Borges, desterrado em Moçambique, em que lhe
comunicava não ter podido conseguir obter a pedida dispensa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 35 (4), FL. 49.

[1080] 1811, Dezembro, 10, Moçambique


Sentença da causa de justificação passada a pedido do justificante José Antó-
nio de Araújo e Lima, Cavaleiro professo da Ordem de Cristo e Capitão-Mor das
Cabaceiras, relativa aos motivos que apresenta a favor da obtenção da dispensa
para casar a sua segunda filha Tomásia Joaquina de Araújo e Lima com o seu
genro Pedro Semião, viúvo da sua primeira filha.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 35 (4), FLS. 51-72.

[1081] 1812, Dezembro, 15, Convento de São Domingos


Carta de [a assinatura está cortada] para o Núncio Apostólico comunicando-
-lhe que, tendo-se informado acerca do pedido de José António de Araújo e Lima
relativo à dispensa para casar a sua segunda filha [Tomásia Joaquina de Araújo e
Lima] com o seu genro [Pedro Semião], lhe disseram que o suplicante o quer fazer
por avareza, para poupar o dote da segunda filha.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 35 (4), FL. 73-73V.

[1082] s.d., s.l.


Apontamento relativo a Francisco de Paula, morador na Rua de São Bento
no Quartel dos Soldados, que perdeu a mulher e a filha debaixo das ruínas da sua
casa alagada ao pé do Padeiro na Rua do Rodovalho.
Obs. No cabeçalho lê-se “Sr. Joaquim do Rosário Monteiro”.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 35 (4), FL. 75.

[1083] 1825, Janeiro, 28, Moçambique


Carta de D. Frei Bartolomeu dos Mártires, Bispo de S. Tomé e Prelado de
Moçambique, para o Núncio Apostólico, sobre a morte do Papa Pio VII e a eleição
de Leão XII, a chegada do destinatário a Portugal, e o Santo Jubileu que o novo
Pontífice concede.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 35 (4), FL. 76-76V.

[1084] 1833, Abril, 10, [Lisboa]


Rascunho da carta [do Núncio] para Frei Mestre João das Dores, Carmelita
Descalço de Braga, exortando-o a aceitar o cargo de Prelado de Moçambique para
o qual foi nomeado; entre outros assuntos relacionados com o Convento dos
Remédios em Braga.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 35 (4), FL. 77-77V.

www.lusosofia.net 255
· TOMO II ORIENTE ·

[1085] 1812, Abril, 21, Rio de Janeiro


Carta de Frei Joaquim de Nossa Senhora da Nazaré, Prelado eleito de Moçam-
bique, ao Núncio, com o parecer positivo a respeito de determinado pedido de
dispensa de impedimento matrimonial (afinidade não especificada contraída por
anterior legítimo matrimónio).
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 35 (4), FL. 79.

[1086] s.d., s.l.


Rascunho de carta do Núncio ao Conde das Galveias. Trata-se da indeferição
de um pedido de absolvição de censura eclesiástica (suspensio a divinis) que lhe
fora apresentado em favor do Padre José Salvador Borges, condenado, além disso,
pela inquisição de Goa, ao exílio em Moçambique, onde se achava já, com muitas
dificuldades em prover ao seu sustento. Dispõe-se porém o Núncio a atribuir-lhe
uma pensão mensal a especificar na carta.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 35 (4), FL. 80.

[1087] 1811, Dezembro, 10, Moçambique


Atestado passado por Frei José Nicolau de Jesus Maria Pegado, Vigário Geral
de Moçambique, em como António de Araújo e Lima é um dos principais mora-
dores de Moçambique e quer casar a sua segunda filha com o genro por bons
motivos.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 35 (4), FL. 81-81V.

[1088] 1810, Junho, 22, Rio de Janeiro


Rascunho de carta [do Núncio] para o Arcebispo de Goa acompanhando o
envio da circular relativa ao indulto do jubileu concedido no Brasil; e autorizando
o destinatário a publicar o mesmo jubileu nos Bispados da Índia.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 39 (3), FL. 48.

[1089] 1814, Dezembro, 29, Roma


Carta do Cardeal Pacca para Monsenhor Macchi, [Delegado Apostólico] em
Lisboa, agradecendo o envio de cópia do Breve de Pio IV relativo a concessões
várias aos Bispos do Brasil e Índia Oriental Portuguesa. Reflexões sobre o con-
teúdo do Breve e aplicabilidade do mesmo no Brasil, Índia e Madeira.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 39 (3), FL. 150-150V.

[1090] Junho, 5, [Rio de Janeiro ?]


Rascunho de Breve concedido [pelo Núncio] ao Arcebispo de Goa,
D. Frei Manuel de São Gualdino, nomeando-o e outorgando-lhe as faculdades de
Visitador Apostólico das Províncias Franciscanas dos Menores Observantes de
São Tomé e dos Menores Reformados da Madre de Deus, de Goa.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 39 (4), FLS. 61-63V.

256 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[1091] 1810, Junho, 22, [Rio de Janeiro]


Rascunho da carta [do Núncio] ao Arcebispo de Goa pedindo-lhe que dele-
gue em Frei José da Anunciação, Administrador do Bispado de Malaca e Timor, as
faculdades de que este carece, no caso de o actual Bispo ainda o não ter feito.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 39 (4), FL. 236-236V.

[1092] 1800, Março, 17, Lisboa [da resolução]


Cópia da resolução do Príncipe Regente D. João dirigida ao Bispo de Macau,
sobre o conflito existente entre o destinatário e o Desembargador Ouvidor de Macau
em matéria de jurisdição secular. Conformando-se com o parecer do Conselho
Ultramarino, não aceita o pedido de demissão do referido Prelado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 39 (4), FLS. 237-238V.

[1093] 1743, Fevereiro, 16, Roma


Cópia (retirada do original existente no Arquivo do Cabido da Sé de Olinda)
de um Breve emanado da Sagrada Congregação de Propaganda Fide em que se
anuncia aos Bispos das Índias Orientais e Ocidentais que o Papa Bento XIV con-
cede aos vigários capitulares legitimamente eleitos na vacância daquelas sés as
faculdades de que gozam os bispos.
Obs. Texto em latim, com resumo em italiano e português.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 39 (5), FL. 181-181V.

[1094] 1812, Dezembro, 18, [Rio de Janeiro]


Rascunho do ofício [do Núncio] para o Conde de Aguiar [Secretário de
Estado], acusando a recepção da participação oficial, datada de 17 de Dezembro,
da nomeação de D. Frei Alexandre da Sagrada Família, Bispo de Malaca, para
Bispo de Angra, do Padre Frei João Damasceno Póvoas para Bispo de Angola, e do
Padre Frei Bartolomeu dos Mártires para Bispo de São Tomé, em África. Irá dar
início à formação dos respectivos processos de habilitação canónica.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 53 (1), FLS. 118.

[1095] 1814, Dezembro, 3, Roma


Ofício do Cardeal Pacca para Monsenhor Caleppi, Arcebispo de Nísibe e
Núncio Apostólico no Rio de Janeiro, acusando a recepção de ofícios datados de
24 de Março de 1809 e de 8 de Julho de 1814, acompanhando os processos para
os novos bispos nomeados, respectivamente do Padre Manuel de Sousa de Car-
valho pela Igreja de Beja; do Padre João Damasceno Póvoas pela Igreja de Angola;
do Padre António de S. José Bastos, Abade titular da Sé de Olinda; do Padre Fran-
cisco de S. Dâmaso Guimarães, Bispo de Malaca, em trânsito, nomeado pela Prela-
zia de Goiás com um título de Bispo in partibus infidelium.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 53 (1), FLS. 119.

[1096] 1818, Julho, 27, [Rio de Janeiro]


Rascunho do ofício [do Núncio] para Tomás António de Vila Nova Portugal,
[Secretário de Estado], remetendo o processo de Frei Joaquim [de Nossa Senhora

www.lusosofia.net 257
· TOMO II ORIENTE ·

da Nazaré], Bispo de Leontópolis e Prelado de Moçambique, nomeado Bispo do


Maranhão, e do Padre Carlos da Cunha, nomeado Patriarca de Lisboa.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 53 (1), FLS. 121 A 122.

[1097] 1825, Julho, 30, Bemposta [Lisboa]


Carta de Fernando Luís Pereira de Sousa Barradas, [Secretário de Estado],
para o Arcebispo de Nazianzo, Núncio Apostólico, acusando a recepção de carta
de 28 de Julho com o processo de habilitação de Frei Estevão de Jesus Maria,
nomeado Bispo de Meliapor.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 53 (1), FL. 124.

[1098] 1802, Fevereiro, 20, Belém [Lisboa]


Ofício em nome do Visconde de Balsemão [Secretário de Estado], dirigido [ao
Núncio], Cardeal Pacca, acusando a recepção do processo do Bispo eleito de Macau.
Obs. O documento não está assinado.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 53 (1), FL. 133.

[1099] 1825, Julho, 7, Bemposta [Lisboa]


Ofício de Fernando Luís Pereira de Sousa Barradas [Secretário de Estado],
para o Arcebispo de Nazianzo, Núncio Apostólico, acusando a recepção do pro-
cesso de habilitação de Frei José Joaquim da Imaculada Conceição, nomeado Bispo
de Cranganor.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 53 (1), FL. 144.

[1100] [Ca. 1807], s.l.


Bilhete [do Núncio] ao Secretário de Estado dos Negócios Interiores, pedindo
o pagamento das propinas para os processos dos novos bispos das Igrejas de
Pequim, Nanquim, Goa, Macau, Angola e Baía.
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 53 (1), FLS. 167.

[1101] 1807, Maio, 21, [Lisboa]


Rascunho de carta [do Núncio] para o Comendador Araújo, sobre o paga-
mento das propinas dos processos relativos aos prelados nomeados para as Igrejas
de Pernambuco, Rio de Janeiro e Cranganor (por um total de seiscentos e onze
mil e quatrocentos réis).
Obs. Documento em italiano.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 53 (1), FL. 168.

[1102] 1819, Fevereiro, 3, Rio de Janeiro


Ofício de Tomás António de Vila Nova Portugal [Secretário de Estado], para
o Arcebispo de Damiata, Núncio Apostólico, acusando a recepção dos processos
dos bispos eleitos de Mariana e Cochim e do Arcebispo de Cranganor; e partici-
pando que será entregue a D. Nicolau Pistagnesi o pagamento devido por aqueles
processos e pelo do Bispo do Maranhão.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 53 (1), FL. 169.

258 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

[1103] 1783, Janeiro, 27, Lisboa


Processo de inquirição sobre a idoneidade do Padre Frei Amaro José de
S. Tomás, Dominicano, professor de teologia, nomeado por D. Maria I para a
Prelazia de Moçambique, para ascender ao episcopado. Depõem duas testemu-
nhas, Frei Crispim de S. Tomás e Frei Manuel Baptista Dourado, respondendo aos
catorze quesitos da forma e assinando em data de 17 de Janeiro de 1783. Em
anexo, a certidão de baptismo. Assinam o Núncio e o Secretário da Nunciatura.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 55 (1), FLS. 6-10.

[1104] 1804, Novembro, 12. Lisboa


Processo de inquirição sobre a idoneidade ao episcopado de Frei Vasco José
Lobo de Nossa Senhora da Boa-Morte, Cónego Regular de S. Agostinho, dos Crú-
zios de Coimbra, nomeado pelo Príncipe Regente para a Prelazia de Moçambique.
Depõem duas testemunhas, D. Luís de Nossa Senhora do Carmo, Prior de
S. Vicente de Fora, e Frei Duarte da Incarnação, Procurador-Geral da Congrega-
ção de Santa Cruz de Coimbra, respondendo aos quatorze quesitos da forma e
assinando em data de 12 de Novembro de 1804. Em anexo, as certidões de bap-
tismo e da ordenação de presbítero, bem como do grau de Mestre em Teologia,
passada esta por D. Marcelino da Incarnação, Prior de Santa Cruz de Coimbra e
Chanceler da Academia, e ainda um curriculum e o certificado de mestre jubilado,
redigido em português, e a Profissão de Fé, impressa, com o respectivo jura-
mento. Assinam o Núncio e o Secretário da Nunciatura, bem como duas testemu-
nhas, Domingos Leite de Azevedo e Manuel António de Morais Sarmento.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 55 (1), FLS. 12-27V.

[1105] 1811, Julho, 6, Rio de Janeiro


Processo sobre a idoneidade do Padre Frei Joaquim de Nossa Senhora da
Nazaré, Franciscano da Província portuguesa de Nossa Senhora da Arrábida,
nomeado Prelado da Igreja de Nossa Senhora da Conceição, de Moçambique, para
ascender ao episcopado. Depõem duas testemunhas, o Padre Frei José de Nossa
Senhora de Monserrate da mesma Província, ex-Lente de Teologia e Pregador
Régio, e o Padre António Avelino da Anunciação, da Ordem de Cristo, professor
de Filosofia e Teologia e Pároco eleito da Igreja de Nossa Senhora da Nazaré, no
Maranhão, respondendo aos quatorze quesitos da forma. Em anexo, a Profissão
de Fé, impressa, com o respectivo juramento. Assinam o Núncio e o Secretário.
Obs. Documento em latim. Uma nota redigida em latim e assinada pelo
secretário no verso da Profissão de Fé, informa que o original foi mandado
para Roma a 20 de Novembro de 1816, tendo sido colocada esta cópia em
seu lugar.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 55 (1), FLS. 29-36V.

[1106] 1818 Junho, 9, Rio de Janeiro


Processo de inquirição sobre a idoneidade de D. Joaquim [de Nossa Senhora]
da Nazaré, Bispo titular de Leontópolis e Prelado de Moçambique, para ser transfe-
rido para a Sé Episcopal do Maranhão, vacante por morte de D. Luís de Brito

www.lusosofia.net 259
· TOMO II ORIENTE ·

Homem, segundo o pedido de D. João VI. Depõem duas testemunhas, Padre


Frei José de Nossa Senhora de Monserrate da mesma Província, ex-Lente de Teo-
logia e Pregador Régio, e o Padre Frei Francisco de Santa Gertrudes, Franciscano
da Província de Nossa Senhora da Conceição do Rio de Janeiro, pregador, respon-
dendo aos quatorze quesitos da forma. Segue-se o processo de inquirição sobre o
estado da Diocese em causa. Depõem também duas testemunhas: D. Sebastião
Gomes da Silva Besford, Cavaleiro da Ordem de Cristo, e D. Joaquim António da
Cunha, Cavaleiro professo da Ordem de Cristo, Tenente-Coronel do exército, que
respondem aos treze quesitos da forma, sobre a situação histórica e geográfica da
Diocese, ofícios e dignidades eclesiásticas nela vigentes, sobre a administração
dos Sacramentos e o culto na sé catedral, propriedades e fontes de subsistência,
mosteiros e hospitais, sobre o seminário e a formação do clero, e sobre o tempo
de sede vacante. Em anexo, o impresso da Profissão de Fé, com uma nota manus-
crita, redigida em latim pelo Núncio, dando fé de haver sido a mesma pronun-
ciada na sua presença. Assinam o Núncio e o Secretário.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 55 (1), FLS. 38-46V.

[1107] 1883, Março, 20, Lisboa


Processo de inquirição sobre a idoneidade do Padre António Tomás da Silva
Leitão e Castro, Prelado de Moçambique, para ascender ao episcopado. Depõem
duas testemunhas, o Cónego Manuel Lourenço de Gouveia, Deão da Sé de Macau,
e o Padre Pedro Henrique da Costa Pereira, Pároco da igreja do Santíssimo Sagrada-
mento, em Lisboa, respondendo aos quatorze quesitos da forma. Em anexo, a
certidão de baptismo; uma cópia da carta do Cardeal Giacobini [Secretário da
Sagrada Congregação de Propaganda Fide], redigida em italiano e datada de 1 de
Março de 1883, deferindo o pedido de elevação ao episcopado, apresentado pelo
Ministro da Marinha, e acordando a necessária dispensa acerca da ilegitimidade
de nascimento; a certidão da ordenação de presbítero; uma cópia do atestado de
idoneidade moral e intelectual passado pelo Arcebispo de Mitilene, e pelo Vigário
Capitular, D. José Pereira de Paiva Pita, Mestre de Teologia do candidato; um
atestado de constância e fidelidade no exercício das ordens, em português, pas-
sado pelo Pároco da igreja do Santíssimo Sagradamento, em Lisboa, onde o candi-
dato residira nos últimos dois anos; sete extractos-cópia de documentos relativos
às anteriores nomeações do candidato, de todas constando nota de idoneidade e
bom desempenho das anteriores funções; impresso da Profissão de Fé e jura-
mento; e um rascunho das respostas dadas pela primeira testemunha.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 55 (1), FLS. 49-87.

[1108] 1861, Janeiro, 31, Lisboa.


Processo de inquirição sobre o exercício do episcopado e a idoneidade de
D. João Crisóstomo de Amorim Pessoa, Bispo de Cabo Verde, para ascender à Sé
Metropolitana e Primacial de Goa – vacante pela transferência de D. Frei José da
Silva Torres para o Título Arquiepiscopal de Palmira – por nomeação de
D. Pedro V, bem como o relativo processo de inquirição sobre o estado da Igreja

260 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

de Goa. Depõem duas testemunhas, o Padre Manuel José Fernandes Cicouro,


Doutor em Direito Canónico, Comendador da Ordem de S. Bento de Avis, Chan-
tre da Patriarcal e Vigário Geral do Patriarcado, e o Cónego João de Deus Antunes
Pinto, Juiz da Cúria Eclesiástica do Patriarcado, Procurador de Negócios da Casa
Real, convocado ex officio, respondendo aos quatorze quesitos da forma. Segue-se
o processo de inquirição sobre o estado da Diocese em causa. Depõem também
duas testemunhas: o Sr. José Ferreira Pestana, professor da Faculdade de Mate-
mática, membro do Conselho de Sua Majestade, ex-Governador-Geral das Índias,
e o Padre Fernando Tomás de Brito, da Arquidiocese de Goa, que respondem aos
treze quesitos da forma, sobre a situação histórica e geográfica da Diocese, ofícios
e dignidades eclesiásticas nela vigentes, sobre a administração dos Sacramentos e
o culto na sé catedral, propriedades e fontes de subsistência, mosteiros e hospi-
tais, sobre o seminário e a formação do clero, e sobre o tempo de sede vacante.
Em anexo, uma carta do Núncio, redigida em latim, enviando ao Bispo de Coim-
bra o formulário da Profissão de Fé a pronunciar na sua presença pelo candidato;
o impresso da Profissão de Fé, com uma nota manuscrita, redigida em latim pelo
Bispo de Coimbra, D. Manuel de Lemos, e datada de 5 de Fevereiro de 1861,
dando fé de haver sido a mesma pronunciada na sua presença e de mais três tes-
temunhas infra-escritas, o Cónego José Duarte Coelho do Rego, o Arcediago Joa-
quim Alves Pereira, e o Secretário da Câmara Eclesiástica, Padre Marcelino José
de Vasconcelos; cópia de uma carta do Núncio, em italiano, datada de Lisboa, 8
de Fevereiro de 1861, ao Cardeal Antonelli, Secretário de Estado, a remeter para
Roma o processo. Cópia de carta do Núncio, em italiano, com a mesma data,
endereçada ao Ministro e Secretário de Estado da Marinha e do Ultramar, dando
conta da remissão do processo para Roma; carta do Ministério da Marinha e do
Ultramar, redigida em português, com assinatura ilegível, participando oficial-
mente o decreto real da transferência em causa, datado de 22 de Outubro.
Obs. Documento em latim.
Nota: Sobre esta eminente figura do crepúsculo do Padroado, autor de céle-
bre Memoria sobre o real Padroado Portuguez nas Provincias Ultramarinas, e
parte relevante na negociação de nova Concordata, veja-se SOARES, Fran-
quelim Neiva, D. João Crisóstomo de Amorim Pessoa, Arcebispo de Braga (1810-
-1888), Ed. Santa Casa da Misericórdia, Cantanhede, 1990; e ainda; MAR-
QUES, João Francisco, A Obra Oratória de D. João Crisóstomo de Amorim Pes-
soa, in “Actas do Congresso Internacional comemorativo do IX Centenário da
Dedicação da Sé de Braga,, VOl. II/2, UCP, Cabido Meropolitano, pp. 543-557.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 55 (1), FLS. 91-105V.

[1109] 1865, Julho, Lisboa


Rascunho dos depoimentos a integrar o processo de inquirição sobre a
idoneidade do Padre Luís Alves Feijó, nomeado Bispo de Cabo Verde. Respondem
aos treze quesitos da forma os Padres António Gaspar Borges, da paróquia de
Nossa Senhora dos Anjos, e António José Afonso, da paróquia de Nossa Senhora
da Incarnação. Segue-se o rascunho do relativo processo de inquirição sobre o
estado da Igreja de Santiago, com as respostas do Sr. Carlos José Caldeira aos
treze quesitos da forma sobre a situação histórica e geográfica da Diocese, ofícios

www.lusosofia.net 261
· TOMO II ORIENTE ·

e dignidades eclesiásticas nela vigentes, sobre a administração dos Sacramentos e


o culto na sé catedral, propriedades e fontes de subsistência, mosteiros e hospitais,
sobre o seminário e a formação do clero, e sobre o tempo de sede vacante.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 55 (1), FLS. 113-113V, 117-
-117V, 121, 126-127.

[1110] 1865, Julho, 29, Lisboa


Processo de inquirição sobre a idoneidade do Padre José Luís Alves Feijó,
Trinitário, Bacharel in utroque jure, Vigário Geral da Diocese de Bragança,
nomeado por D. Luís I para a sede episcopal de Cabo Verde, vacante pela transfe-
rência de D. João Crisóstomo de Amorim Pessoa para a sede metropolitana e pri-
macial de Goa. Respondem aos treze quesitos da forma os Padres António Gaspar
Borges, da paróquia de Nossa Senhora dos Anjos, e António José Afonso, da
paróquia de Nossa Senhora da Encarnação. Segue-se o processo de inquirição
sobre o estado da Diocese em causa. Depõem o Padre José Maria de Sousa Mon-
teiro, Protonotário Apostólico e Secretário da Nunciatura, deputado ad casum por
haver sido Secretário-Geral do Governo Civil de Cabo Verde, e Carlos José Cal-
deira, que respondem aos treze quesitos da forma, sobre a situação histórica e
geográfica da Diocese, ofícios e dignidades eclesiásticas nela vigentes, sobre a
administração dos Sacramentos e o culto na sé catedral, propriedades e fontes de
subsistência, mosteiros e hospitais, sobre o seminário e a formação do clero, e
sobre o tempo de sede vacante. Assinam o Núncio e o Secretário. Em anexo, carta
do Ministério da Marinha e do Ultramar, datada do Paço, 15 de Maio de 1865, e
assinada por Sá da Bandeira, comunicando ao Núncio a nomeação e apresentação
em causa; a certidão de baptismo; a certidão das ordens Sagradas, em latim, pas-
sada por D. Pedro Alcântara Jimenez, Governador sede vacante da Diocese de
Ciudad Rodrigo; certidão do acto de formatura pela Faculdade de Direito da Uni-
versidade de Coimbra; o impresso da Profissão de Fé, com nota em latim dando
conta de haver a mesma sido pronunciada na presença do Núncio e de duas tes-
temunhas, a saber, o Secretário e o Sr. Diogo António da Silveira.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 55 (1), FLS. 137-156V.

[1111] 1871, Maio, 22, Lisboa


Processo de inquirição sobre a idoneidade do Padre José Dias Correia de Car-
valho, Vigário Pró-Capitular da Diocese de Beja, nomeado por D. Luís I para a sede
episcopal de Santiago de Cabo Verde. Respondem aos treze quesitos da forma os
Padres Rodrigo de Vasconcelos Pereira e Sousa, Cónego Regular de Santo Agosti-
nho, Juiz do Supremo Tribunal da Cúria Patriarcal e Pároco da Igreja de Nossa
Senhora do Socorro, em Lisboa, e João Manuel Rodrigues Lima, Juiz do mesmo
Supremo Tribunal e Pároco da Igreja das Mercês, em Lisboa. Segue-se o relativo
processo de inquirição sobre o estado da Diocese em causa. Depõem o Padre José
Maria de Sousa Monteiro, Oficial titular da Secretaria de Estado para os Negócios
Marítimos e Ultramarinos, Secretário-Geral honorário da Província de Cabo Verde,
e José Tavares de Macedo, do Conselho de Sua Majestade Fidelíssima, Oficial-Mor

262 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

titular da mesma Secretaria de Estado, que respondem aos treze quesitos da forma
sobre a situação histórica e geográfica da Diocese, ofícios e dignidades eclesiásticas
nela vigentes, sobre a administração dos Sacramentos e o culto na sé catedral, pro-
priedades e fontes de subsistência, mosteiros e hospitais, sobre o seminário e a for-
mação do clero, e sobre o tempo de sede vacante. Assinam o Núncio e o Secretário.
Em anexo, a certidão de baptismo, em português; a certidão das ordens Sagradas,
passada pelo Padre José Inácio de Meira, escrivão da Câmara Eclesiástica; certidão
do acto de formatura pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra; a
nomeação de Professor do Seminário de Beja; o impresso com a Profissão de Fé,
com nota em latim dando fé de haver a mesma sido pronunciada na presença do
Núncio e de duas testemunhas, a saber, Aristides Reinaldo e José Tomasini.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 55 (1), FLS. 161-193V.

[1112] 1884, Março, 24, Lisboa


Processo de inquirição sobre a idoneidade do Padre Joaquim Augusto de Bar-
ros, Pároco de S. Salvador de Torqueda, Arquidiocese de Braga, nomeado por
D. Luís I para a sede episcopal de Santiago de Cabo Verde, vacante pela transfe-
rência de D. José Dias Correia de Carvalho para a Sé de Viseu. Respondem aos treze
quesitos da forma António José de Carvalho Portela e o Padre José Tomás Teixeira
Ramalho, Pároco da igreja de Nossa Senhora do Monte Sião em Lisboa. Segue-se o
relativo processo de inquirição sobre o estado da Diocese em causa. Depõem o
Cónego Joaquim Maria Constantino Ferreira Pinto, da Sé de Angola, e o Cónego
José Maria Pinto, de Santiago de Cabo Verde, que respondem aos treze quesitos da
forma, sobre a situação histórica e geográfica da Diocese, ofícios e dignidades ecle-
siásticas nela vigentes, sobre a administração dos Sacramentos e o culto na sé cate-
dral, propriedades e fontes de subsistência, mosteiros e hospitais, sobre o seminário
e a formação do clero, e sobre o tempo de sede vacante. Assinam o Núncio e o
Secretário. Em anexo, carta da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha e do
Ultramar, datada de 22 de Março de 1884 e assinada por Manuel Pinheiro Chagas,
comunicando ao Núncio a nomeação de el-Rei; rascunho de uma carta do Núncio,
em italiano, ao Ministro das Colónias e da Marinha, com data de 26 de Março de
1884, remetendo o presente processo; idêntica carta endereçada ao Cardeal Secretá-
rio de Estado; a certidão de baptismo, em português; a certidão das ordens Sagra-
das, passada por D. José Joaquim de Azevedo e Moura, Arcebispo Primaz; a nomea-
ção e o acto de tomada de posse da paróquia de S. Salvador de Torqueda, em portu-
guês; o impresso com a Profissão de Fé, com nota manuscrita dando fé de haver a
mesma sido pronunciada na presença do Núncio e de duas testemunhas, a saber,
João Baptista Guidi e Mateus António Rossi.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 55 (1), FLS. 197-213V.

[1113] 1884, Março, 19, Lisboa


Processo de inquirição sobre a idoneidade do Padre Henrique José Reed da
Silva, Prelado de Moçambique, para ser elevado ao episcopado. Respondem aos
treze quesitos da forma o Padre Francisco António Quintão, que foi Pároco em
Moçambique, e o Padre António Mendes Belo, Vigário Geral do Patriarcado.

www.lusosofia.net 263
· TOMO II ORIENTE ·

Assinam o Núncio e o Secretário. Em anexo, carta da Secretaria de Estado dos


Negócios da Marinha e do Ultramar, em português, datada de 18 de Março de
1884 e assinada por Manuel Pinheiro Chagas, apresentando ao Núncio o pedido
de el-Rei; rascunho de uma carta do Núncio, em italiano, ao Ministro das Coló-
nias e da Marinha, com data de 19 de Março de 1884, remetendo o presente pro-
cesso; idêntica carta endereçada ao Cardeal Secretário de Estado; carta do Pre-
lado, recentemente sagrado Bispo com o título in partibus de Filadélfia, datada de
Chelas, 21 de Maio de 1884, enviando ao Núncio o juramento de fidelidade pré-
vio à sagração episcopal; o impresso com a Profissão de Fé, com nota manuscrita
dando fé de haver a mesma sido pronunciada na presença do Núncio e das mes-
mas testemunhas já mencionadas; certidão de baptismo, em português; a certidão
das ordens Sagradas passada por D. José Maria da Silva Ferrão de Carvalho Mar-
tins, Bispo de Miranda e Bragança; acta da sessão do Cabido com a nomeação, em
português, de Vigário Capitular, sede vacante, da Diocese de Angola e Congo;
carta das faculdades eclesiásticas concedidas por D. José Sebastião Neto, Bispo de
Angola e Congo, ao Vigário-Capitular; carta de nomeação de chantre do Cabido,
assinada pelo mesmo Bispo, com os respectivos juramentos (Profissão de Fé e
observância dos estatutos da catedral); carta do mesmo Bispo ao clero, em portu-
guês, justificando a sua longa ausência em virtude das Visitas Pastorais em curso,
e anunciando a nomeação e descrevendo as faculdades de Provisor da Diocese na
pessoa do presente candidato; certidão de estudos, em português, referente às
cadeiras de Dogmática e Moral, passada pelo Padre Camilo António de Fontoura
Carneiro, Secretário do Real Colégio das Missões Ultramarinas; idem a respeito
das cadeiras de Direito Canónico e Teologia Sagradamental; idem a respeito das
cadeiras de Dogmática Especial e Hermenêutica Sagrada; idem a respeito da cadeira
de História Eclesiástica.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 55 (1), FLS. 216-243.

[1114] 1886, Dezembro, 4, Lisboa.


Processo de inquirição sobre a idoneidade do Padre João Gomes Ferreira,
Superior da missão de Timor, da Diocese de Macau, apresentado por D. Luís I
para a sede episcopal de Cochim. Respondem aos treze quesitos da forma o Padre
Joaquim Inácio, Reitor do Colégio Missionário de Cernache do Bonjardim, e o
Padre José António Pires, professor do mesmo colégio. Segue-se o relativo pro-
cesso de inquirição sobre o estado da Diocese em causa. Depõem Monsenhor
Francisco Herculano Cordeiro, da Diocese de Lisboa, e o Cónego Domingos
Exaltação da Anunciação Pinto, da Sé de Cochim, que respondem aos treze quesi-
tos da forma, sobre a situação histórica e geográfica da Diocese, ofícios e dignida-
des eclesiásticas nela vigentes, sobre a administração dos Sacramentos e o culto
na sé catedral, propriedades e fontes de subsistência, mosteiros e hospitais, sobre
o seminário e a formação do clero, e sobre o tempo de sede vacante. Assinam o
Núncio e o Secretário. Em anexo, carta da Secretaria de Estado dos Negócios da
Marinha e do Ultramar, datada do Paço da Ajuda, 29 de Novembro de 1886, assi-
nada por Henrique de Macedo, comunicando ao Núncio a a nomeação de el-Rei; a
certidão de baptismo, em português; a certidão das ordens Sagradas, passada pelo

264 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

Padre Joaquim Inácio, Reitor interino do Colégio das Missões Ultramarinas; cer-
tidão de estudos, passada pelo Padre António José Boavida, Superior do mesmo
colégio.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 55 (1), FLS. 247-257V.

[1115] 1886, Dezembro, 22, Lisboa


Processo de inquirição sobre a idoneidade de D. Henrique José Reed da
Silva, apresentado por D. Luís I para a sede episcopal de D. Tomé de Meliapor.
Respondem aos treze quesitos da forma Monsenhor Alfredo Elviro dos Santos,
Juiz da Cúria Patriarcal e o Padre Joaquim Inácio, Reitor do Colégio das Missões
Ultramarinas. Segue-se o relativo processo de inquirição sobre o estado da Dio-
cese em causa. Depõem o Cónego Domingos Exaltação da Anunciação Pinto, da
Sé de Cochim, e Monsenhor Francisco Herculano Cordeiro, da Diocese de Lisboa,
que respondem aos treze quesitos da forma, sobre a situação histórica e geográfica
da Diocese, ofícios e dignidades eclesiásticas nela vigentes, sobre a administração
dos Sacramentos e o culto na sé catedral, propriedades e fontes de subsistência,
mosteiros e hospitais, sobre o seminário e a formação do clero, e sobre o tempo
de sede vacante. Assinam o Núncio e o Secretário. Em anexo, carta da Secretaria
de Estado dos Negócios da Marinha e do Ultramar, datada do Paço da Ajuda, 29
de Novembro de 1886, assinada por Henrique de Macedo, comunicando ao Nún-
cio a a nomeação de el-Rei; rascunho de carta enviada pelo Núncio ao Conse-
lheiro Henrique de Macedo, Ministro da Marinha e do Ultramar, datada de 3 de
Dezembro de 1886, acusando a recepção de três ofícios de nomeação régia, sendo
o primeiro o do processo em causa e os demais referentes à nomeação do Padre
António Pedro da Costa, Pároco da Igreja de S. Salvador, Santarém, para a sede
episcopal de Damão e Crangranor, e do Padre João Gomes Ferreira, Superior da
missão de Timor, para a sede episcopal de Cochim; o impresso com a Profissão de
Fé, com nota manuscrita dando fé de haver a mesma sido pronunciada na pre-
sença do Núncio e de duas testemunhas, a saber, António José de Figueiredo [?] e
Francisco Bernardo Sarmento de Trigueiros.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 55 (1), FLS. 262-272V.

[1116] 1891, Abril, 17, Lisboa.


Processo de inquirição sobre a idoneidade do Padre António de Sousa Bar-
roso, nomeado Prelado de Moçambique, para ser elevado à Ordem Episcopal.
Respondem aos treze quesitos da forma o Padre Joaquim José Teixeira Bastos e o
Cónego José Maria da Cruz Simeão. Assinam o Núncio e o Secretário. Em anexo,
carta da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha e do Ultramar, datada de
23 de Abril de 1891, acusando a recepção do processo canónico em causa, bem
como o relativo a D. António Dias Ferreira, nomeado e apresentado para Bispo de
Angola e Congo; carta da mesma Secretaria, datada de 12 de Maio de 1891, acu-
sando a recepção de uma nota a respeito das propinas devidas à Nunciatura pela
instrução dos mesmos processos; rascunho da referida nota, em português,
datada de 4 de Maio de 1891; carta de D. António Barroso, Prelado de Moçambi-

www.lusosofia.net 265
· TOMO II ORIENTE ·

que, ao Núncio, datada de Inhambane, 4 de Março de 1891, agradecendo o tele-


grama que lhe comunicara a sua nomeação para a sede de Angola e Congo e
solicitando os bons ofícios do destinatário junto do Ministro da Marinha e do
Ultramar quanto à obtenção de subsídios para a missão que se apresta a deixar,
«seguindo directamente para Angola»; certidão de baptismo; certidão das Ordens
Sagradas, passada por D. José Maria da Silva Ferrão de Carvalho Martins, Bispo de
Miranda e Bragança; cópia do decreto da nomeação régia; certidão de estudos
passada pelo Padre Camilo António de Fontoura Carneiro, Secretário do Colégio
das Missões Ultramarinas; nomeação de Vigário da Vara e Superior das missões
do Congo, datada do Paço de Luanda, 14 de Janeiro de 1886, por D. António
Tomás da Silva Leitão, Bispo de Angola e Congo; o impresso da Profissão de Fé,
com nota manuscrita dando fé de haver a mesma sido pronunciada na presença
do Núncio e de duas testemunhas, a saber, o Cónego José Maria da Cruz Simeão e
e António José de Figueiredo.
Obs. Documento em latim.
Nota: O presente documento pode revestir-se de peculiar oportunidade face
ao processo de beatificação em curso.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 55 (1), FLS. 277-300V.

[1117] 1685, Agosto, 29, s.l.


Processo de inquirição sobre a idoneidade de D. Alberto de S. Gonçalo, dos
Cónegos Regrantes de S. Agostinho, Congregaçao dos Crúzios de Coimbra, Prior
do mosteiro de S. Vicente de Fora, nomeado por el-Rei para a sede metropolitana
de Goa. Respondem a quinze quesitos prévios (sobre a relação com o indigitado,
condição de nascimento, recepção e exercício das ordens Sagradas, pureza de fé e
costumes, qualidades humanas e formação intelectual, propriedades ou rendi-
mentos, e o voto final quanto à promoção em causa) os Padres Frei Carlos da
Trindade, Frei Teodósio de Santo Agostinho, Frei Diogo da Luz, e Frei Jerónimo
dos Anjos, da mesma Ordem, e ainda Frei Manuel de S. Tiago, Franciscano.
Segue-se o relativo processo de inquirição sobre o estado da Diocese em causa.
Depõem Frei Laurentino de Santo António, Franciscano da Província de S. Tomé,
e o Padre Damião Vieira de Abreu, da Arquidiocese de Braga, que foi Vigário
Geral da Arquidiocese de Goa; os quais respondem aos treze quesitos da forma,
sobre a situação histórica e geográfica da Diocese, ofícios e dignidades eclesiásti-
cas nela vigentes, sobre a administração dos Sacramentos e o culto na sé catedral,
propriedades e fontes de subsistência, mosteiros e hospitais, sobre o seminário e a
formação do clero, e sobre o tempo de sede vacante.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 60 (1), FLS. 4-17V.

[1118] 1742, Agosto, 18, Lisboa


Processo de inquirição sobre a idoneidade de Frei Lourenço de Santa Maria,
Franciscano do Seminário Apostólico do Varatojo, nomeado por el-Rei D. João V
para a sede metropolitana de Goa. Respondem a catorze quesitos prévios (sobre a
relação com o indigitado, condição de nascimento, recepção e exercício das ordens
Sagradas, pureza de fé e costumes, qualidades humanas e formação intelectual,

266 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

propriedades ou rendimentos, e o voto final quanto à promoção em causa)


D. Bernardo António de Melo Osório, Prelado da Igreja Patriarcal de Lisboa e
Bispo eleito de Idanha, D. Luís Vaz Guedes Pinto, Prelado da mesma Igreja, e os
Padres Martim Afonso de Sousa e Jorge de Melo Manuel, também do Patriarcado.
Segue-se o relativo processo de inquirição sobre o estado da Diocese em causa.
Depõem Frei Diogo Pantoja, Agostinho Calçado, Mestre de Teologia e Reitor do
colégio de Lisboa, e Frei João de Santa Mónica, da mesma Ordem, que respondem
aos treze quesitos da forma sobre a situação histórica e geográfica da Diocese,
ofícios e dignidades eclesiásticas nela vigentes, sobre a administração dos Sacra-
mentos e o culto na sé catedral, propriedades e fontes de subsistência, mosteiros e
hospitais, sobre o seminário e a formação do clero, e sobre o tempo de sede
vacante. Assinam o Núncio e o Secretário. Em anexo, a certidão de ordens Sagra-
das, passada pelo Padre João Nunes da Silveira, Vigário Geral do Patriarcado de
Lisboa; a certidão de baptismo, em português.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 60 (1), FLS. 19-34.

[1119] 1749, Outubro, 24, Lisboa


Processo de inquirição sobre a idoneidade de Frei António Taveira de Neiva
Brum, da Ordem Militar de Santiago, nomeado por el-Rei Fidelíssimo para a Sede
Arquiepiscopal de Goa, bem como sobre o estado daquela Igreja Metropolitana.
Respondem a catorze quesitos prévios (sobre a relação com o indigitado, condi-
ção de nascimento, recepção e exercício das ordens Sagradas, pureza de fé e
costumes, qualidades humanas e formação intelectual, propriedades ou rendi-
mentos, e o voto final quanto à promoção em causa) o Padre Manuel de Almeida
de Carvalho, Doutor in utroque jure, o Cónego Fernando José de Castro, professor
emérito de Direito Civil em Coimbra, e o Padre João de Seixas, da Companhia de
Jesus, Superior da casa professa de S. Roque, Lisboa. Segue-se o relativo processo
de inquirição sobre o estado da Diocese em causa. Depõem o Padre Alberto Cae-
tano de Figueiredo, Teatino, Superior da Casa da Divina Providência, Lisboa, e o
Padre Alexandre Cabral, da Companhia de Jesus, Mestre em Teologia, que
respondem aos treze quesitos da forma, sobre a situação histórica e geográfica da
Diocese, ofícios e dignidades eclesiásticas nela vigentes, sobre a administração
dos Sacramentos e o culto na sé catedral, propriedades e fontes de subsistência,
mosteiros e hospitais, sobre o seminário e a formação do clero, e sobre o tempo
de sede vacante. Assinam o Núncio e o Secretário. Em anexo, uma declaração
assinada pelo Núncio em como ouviu as necessárias testemunhas, acerca do bap-
tismo do candidato; o impresso com a Profissão de Fé, com nota manuscrita
dando fé de haver a mesma sido pronunciada na presença do Núncio e de duas
testemunhas, a saber, António de Sousa e Luís António; uma declaração assinada
pelo Doutor Fernando Pires Mourão, com data de 23 de Outubro de 1749, sobre
o longo conhecimento que tem do indigitado, atestando a sua «pureza de sangue
de ambos os costados e a suavidade dos seus costumes»; duas certidões das
ordens Sagradas, uma para o Diaconado, outra para o Presbiterado, passadas por
Monsenhor José Henrique Correia da Gama, Prelado Doméstico e Assistente ao
Sólio Pontifício, Administrador da Sé de Lisboa, sede vacante; pergaminho com o

www.lusosofia.net 267
· TOMO II ORIENTE ·

Diploma do Doutoramento em Direito Canónico pela Universidade de Coimbra;


nomeação para o cargo de Juiz-Geral das Ordens Militares, datada de Lisboa, 30
de Maio de 1738 (em português).
Obs. Documento em latim. O processo obviou à falta da certidão de baptismo
(decerto pela dificuldade em obtê-la brevemente, sendo o inquirido natural
do Faial) com o primeiro anexo.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 60 (1), FLS. 36-54.

[1120] 1773, Outubro, 10, Lisboa


Rascunhos para o processo de inquirição sobre a idoneidade de Frei Fran-
cisco da Assunção e Brito, Agostinho, Bispo de Pernambuco, nomeado por
D. José I para a Sede Arquiepiscopal de Goa, vacante pela demissão de D. António
Taveira Brum da Silveira, bem como sobre o estado daquela Igreja Metropolitana.
Terão respondido a catorze quesitos prévios (sobre a relação com o indigitado,
condição de nascimento, recepção e exercício das ordens Sagradas, pureza de fé e
costumes, qualidades humanas e formação intelectual, propriedades ou rendi-
mentos, e o voto final quanto à promoção em causa) D. Pedro de Melo da Silveira
e Brito, Bispo de Portalegre, D. Alexandre da Silva Pedrosa Guimarães, Bispo de
Macau, D. José Joaquim Justiniano Mascarenhas Castelo Branco, nomeado Bispo
Coadjutor do Rio de Janeiro. Segue-se o rascunho do relativo processo de inquiri-
ção sobre o estado da Diocese em causa, sem a identificação – ainda a preencher
em espaço vazio – dos autores dos depoimentos. Respondem estes aos treze que-
sitos da forma, sobre a situação histórica e geográfica da Diocese, ofícios e digni-
dades eclesiásticas nela vigentes, sobre a administração dos Sacramentos e o culto
na sé catedral, propriedades e fontes de subsistência, mosteiros e hospitais, sobre
o seminário e a formação do clero, e sobre o tempo de sede vacante. Assinam em
conjunto o segundo depoimento, Frei José de S. Guilherme, Agostinho, Comissá-
rio Provincial da sua Ordem na China, António Bernardo [?] Ribeiro, José Santos
de Brito e Carlos de Miguéis.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 60 (1), FLS. 56-68.

[1121] 1783, Fevereiro, 21, Lisboa.


Cópia autenticada pelo Secretário da Nunciatura, com data de 28 de Feve-
reiro de 1783, do processo de inquirição sobre o exercício do episcopado de
D. Manuel de Santa Catarina, Bispo de Cochim, nomeado por D. Maria I para a
Sede Arquiepiscopal de Goa, prestes a vagar pela renúncia de D. Francisco da
Assunção e Brito, bem como sobre o estado daquela Igreja. Respondem a dez que-
sitos prévios (sobre a relação com o indigitado, condição de nascimento, recepção
e exercício das ordens Sagradas, pureza de fé e costumes, qualidades humanas e
formação intelectual, propriedades ou rendimentos, e o voto final quanto à pro-
moção em causa) D. Francisco Xavier Lobo da Gama, Cavaleiro da Ordem de
Cristo, Capitão-Mor [?] da Armada, (Dux Maior Navis Bellicae) e D. António da
Fonseca Salazar, que respondem também aos treze quesitos da forma sobre a
situação histórica e geográfica da Diocese, ofícios e dignidades eclesiásticas nela
vigentes, sobre a administração dos Sacramentos e o culto na sé catedral, proprie-

268 www.clepul.eu
· ARQUIVO SECRETO DO VATICANO ·

dades e fontes de subsistência, mosteiros e hospitais, sobre o seminário e a forma-


ção do clero, e sobre o tempo de sede vacante. Em anexo, o impresso da Profissão
e Fé, em duplicado, preenchido e assinado pelo Deão da Sé de Goa, Cónego Antó-
nio da Silveira de Menezes, com duas notas manuscritas, com data de 29 de
Dezembro de 1784, dando fé de haver sido a mesma pronunciada com o respec-
tivo juramento antes da imposição do Pálio, no dia 21 de Novembro do mesmo
ano, diante do Deão e de mais quatro testemunhas do Cabido, a saber, os Cóne-
gos Caetano Manuel Correia, Caetano da Costa Taveira, Mestre-Escola da Sé, e
João José Correia da Silva.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 60 (1), FLS. 70-77V.

[1122] 1804, Maio, 19, Lisboa.


Processo de inquirição sobre o exercício do Episcopado de D. Manuel de
São Gualdino, Bispo de Macau, nomeado pelo Príncipe Regente Coadjutor com
direito de sucessão do Arcebispo de Goa, D. Manuel de Santa Catarina, bem como
sobre o estado daquela Igreja. Respondem a dez quesitos prévios (sobre a relação
com o indigitado, condição de nascimento, recepção e exercício das ordens
Sagradas, pureza de fé e costumes, qualidades humanas e formação intelectual,
propriedades ou rendimentos, e o voto final quanto à promoção em causa)
Frei Pedro da Purificação, Franciscano da Estrita Observância, que foi Guardião
do Convento de S. Pedro de Alcântara, e Frei Domingos da Santíssima Trindade,
da mesma Ordem, que foi Secretário da Província da Arrábida. Sobre o estado da
Igreja de Goa, depõem D. Joaquim José Mendes da Cunha, do Conselho do Prín-
cipe Regente, e José Gomes Loureiro, da Diocese de Braga, respondendo aos treze
quesitos da forma sobre a situação histórica e geográfica da Diocese, ofícios e
dignidades eclesiásticas nela vigentes, sobre a administração dos Sacramentos e o
culto na sé catedral, propriedades e fontes de subsistência, mosteiros e hospitais,
sobre o seminário e a formação do clero, e sobre o tempo de sede vacante. Em
anexo, Profissão de Fé, manuscrita, em duplicado, assinada pelo indigitado com
nota do próprio punho dando fé de a haver pronunciado diante de D. Francisco
de Nossa Senhora da Luz, Bispo de Macau, a 1 de Outubro de 1805. Assina ainda
o mesmo Bispo apondo o próprio selo.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 60 (1), FLS. 78-86.

[1123] 1843, Abril, 8, Lisboa.


Processo de inquirição sobre a idoneidade ao episcopado de Frei José da
Silva Torres, Beneditino, Professor de Filosofia Racional e Moral em Coimbra,
nomeado por D. Maria II para a Sede Arquiepiscopal de Goa, vacante desde 1831
por morte de D. Manuel de São Gualdino, bem como sobre o estado daquela
Igreja. Respondem a treze quesitos prévios (sobre a relação com o indigitado,
condição de nascimento, recepção e exercício das ordens Sagradas, pureza de fé e
costumes, qualidades humanas e formação intelectual, propriedades ou rendi-
mentos, e o voto final quanto à promoção em causa) os Padres Sebastião Pais de
Miranda, Pároco da Igreja do Santíssimo Sagradamento, em Lisboa, e

www.lusosofia.net 269
· TOMO II ORIENTE ·

Frei António Simões, dos Carmelitas Calçados. Sobre o estado da Igreja de Goa,
depõem o Dr. Joaquim António de Morais Carneiro, Juiz do Supremo Tribunal
Civil, e o Dr. Manuel Felicíssimo Lousada de Araújo de Azevedo, Juiz Forâneo,
respondendo aos treze quesitos da forma sobre a situação histórica e geográfica da
Diocese, ofícios e dignidades eclesiásticas nela vigentes, sobre a administração
dos Sacramentos e o culto na sé catedral, propriedades e fontes de subsistência,
mosteiros e hospitais, sobre o seminário e a formação do clero, e sobre o tempo
de sede vacante. Em anexo, carta do Ministério da Marinha e do Ultramar (em
português), datada de 30 de Março de 1843 e assinada por Joaquim José Falcão
remetendo ao Núncio a documentação necessária ao processo da confirmação,
que recebera do Arcebispo eleito; uma série de certidões passada pelo Secretário
da Universidade de Coimbra, Dr. Vicente José de Vasconcelos e Silva, transcre-
vendo do livro do Noviciado de Tibães a parte respeitante à tomada de hábito,
uma certidão de estudos da Universidade (em português), o assento do baptismo
(em português); a nomeação, pelo Abade-Geral, Frei Bento do Pilar, para Lente
de Teologia do Colégio de S. Bento, em Coimbra (em português), comunicação
ao Bispo-Conde de Coimbra da mesma nomeação pedindo as faculdades sacer-
dotais para a Diocese, assinada pelo D. Abade do Colégio, Frei Francisco do Loreto
e Melo, concessão das mesmas faculdades, nomeação de examinador dos concur-
sos do Bispado de Évora, (em português) assinada pelo Cónego António José
Lopes de Morais, tudo conferido e assinado pelo Tabelião José Pinto de Maga-
lhães. Por fim, o impresso da Profissão e Fé, preenchido e assinado, com duas
notas manuscritas, com data de 5 de Abril de 1843, dando fé de haver sido a
mesma pronunciada com o respectivo juramento; uma assinada pelo Núncio,
outra pelas duas testemunhas, a saber, Filipe Valentini e António de Figueiredo.
Obs. Documento em latim.
ARCHIVIO SEGRETO VATICANO, ARCH. NUNZ. LISBONA, 60 (1), FLS. 88-107V.

[1124] 1685, Agosto, 21, s.l.


Processo de inquirição sobre a idoneidade ao episcopado do Bispo eleito de
Cochim, não nomeado, [Frei Pedro da Silva, Agostinho, apresentado por el-Rei a
7 de Setembro de 1685] bem como sobre o estado daquela Igreja. Respondem a
quinze quesitos prévios (sobre a relação com o indigitado, condição de nasci-
mento, recepção e exercício das ordens Sagradas,