Você está na página 1de 5

Entrevista Rev Med (São Paulo). 2005 jan.-mar.;84(1):38-42.

Prof. Dr. Jorge Elias Kalil Filho(1)

R.M.: Como foi a graduação do senhor na resposta imune era controlada geneticamente e suas
Universidade Federal do Rio Grande do Sul? O senhor implicações no desencadeamento de doenças.Então,
participou de algum Projeto de Iniciação Científica? resolvi buscar essa formação no exterior. Nessa época
era residente em Clínica Médica. A oportunidade
Prof. Kalil: Quando entrei na Faculdade de surgiu quando participei de um curso de Imunologia
Medicina, o curso estava sofrendo muitas ministrado por professores franceses no Rio. Graças
reformulações. Em muitas delas participei como a meu conhecimento de Genética atuei mais como
representante de turma. Foram experiências muito um auxiliar de ensino no módulo de Imunogenética
interessantes. Durante a graduação fui convidado a do que propriamente um aluno. No fim tinha convite
trabalhar no Centro de Processamento de Dados da para ir para a França. Casei e fui em 1978 sem bolsa
Universidade por meu desempenho no Vestibular. Isto e com muitas dificuldades. Fui trabalhar num
abriu-me muitas portas. Dentre elas destaco a laboratório que sabia, de antemão, ser muito bom em
aproximação com o departamento de Genética que imunogenética. Trabalhei com um indivíduo que
me levou a iniciar-me cientificamente. A Genética na pesquisava em genética somática, ou seja, a ação
UFRGS era e é muito forte despertando em mim a dos genes diretamente e não estudos de herança
vontade de pesquisar e que levou-me à carreira gênica que na época eram mais utilizados pelos
acadêmica e científica. geneticistas.Trabalhávamos com cultura e fusão de
células na busca de funções e controles gênicos.Isto
R.M: Lendo seu currículo e sua história abriu-nos a possibilidade de produzirmos anticorpos
acadêmica, vimos que o senhor trabalhou com um monoclonais por fusão celular. Em 1976 havia sido
pesquisador ganhador de um Prêmio Nobel. Como descrita esta técnica em que era feita a fusão de
foi essa experiência? células de baço de animal imunizado com células de
mieloma, processo esse que imortalizava as células
Prof. Kalil: Durante a graduação, resolvi que produtoras de anticorpos,Esta metodologia propiciou
iria trabalhar com Imunologia, uma ciência pouco a Kohler e Milstein ganharem o Prêmio Nobel de
conhecida na época mas que estava na base de Medicina. Produzimos, assim, anticorpos monoclonais
grande parte da fisiopatologia das doenças. Eu contra antígenos HLA-DR, expresso na superfície de
buscava uma formação mista de clínica e pesquisa. algumas células e cuja complexidade estrutural e
Resolvi entrar na pós-graduação. Procurei entre os funcional começava apenas a ser descrita.
cursos oferecidos no Brasil e descobri que os então Produzimos ferramentas importantes para estes
existentes eram fundamentalmente de imunologia estudos o que nos permitiu várias pubicações neste
experimental, mais voltados para imunologia de tema “quente”. Nós éramos referência na Europa na
doenças parasitárias ou, no máximo, doenças produção de anticorpos monoclonais contra antígenos
infecciosas, áreas que não me atraíam. Sempre me de superfície celular. Somados os trabalhos
interessei por imunogenética, ou seja, como a publicados após minha volta ao Brasil, o número de

(1)
Prof. Titular da Disciplina de Alergia e Imunologia Clínica da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP). Diretor do
Laboratório de Imunologia do InCor - Instituto do Coração do HC - FMUSP.

38
Kalil JEK. Entrevista.

Rev Med, São Paulo, 79(2-4):36-44, abr.-dez., 2000


trabalhos publicados em 5 anos de trabalho no exterior Penso que assim, não se contribuí apenas para o
chega perto de 30, algo absolutamente maravilhoso desenvolvimento científico, mas também para toda uma
para um aluno. Em 1980 recebemos a notícia de que estrutura do país. Concluindo, a experiência lá fora foi
o professor chefe de nossa unidade, chamado Jean maravilhosa, tanto pessoalmente como
Dausset, havia ganho o Prêmio Nobel de Medicina e profissionalmente. Deixou-me uma boa formação
Fisiologia. Este prêmio foi devido justamente à científica, experiência técnica e experiência
descoberta das moléculas HLA, antígenos administrativa por ter dirigido um laboratório, que até
leucocitários humanos, que tinham um papel hoje é válida. Sem falar que ter sido aluno de Prêmio
fundamental na rejeição de transplantes, como ele já Nobel, algo reconhecido internacionalmente.
havia demonstrado. Mais tarde se viu que aquelas
moléculas controlavam todo o processo de resposta R.M.: E como esta a Imunologia hoje em dia
imune. Foi uma experiência maravilhosa estar no Brasil?
trabalhando em um lugar onde o chefe conquistou o
Prêmio Nobel de Medicina. Naquela época, eu já Prof. Kalil: A Imunologia se desenvolveu muito.
dirigia um de seus laboratórios. O ex-diretor, que se Eu lembro que, há 22 anos, quando voltei da França
chamava Marc Fellous, estava no seu ano sabático, e fui ao I Congresso Brasileiro de Imunologia, em
que é algo comum em países desenvolvidos. Neles, 1983, o Congresso tinha um pequeno público de 60
após trabalhar seis anos, o indivíduo tem o sétimo pessoas e as contribuições ainda eram relativamente
para sair de suas atividades normais e se dedicar a modestas. Atualmente, você vai a congressos que têm
uma outra atividade que ele queira. Rotineiramente, mais de 900 pessoas, incluindo alunos. A minha
o que as pessoas fazem é passar seis anos geração é composta de profissionais muito bem
trabalhando normalmente: dando aulas, fazendo capacitados e especializados, de modo que há uma
pesquisas, trabalho administrativo, comissões e no diversidade de áreas em Imunologia muito grande.
sétimo ano, abandonam tudo e vão para outro serviço Certamente a área de imunologia parasitária
dedicar-se somente à atividade de pesquisa. Ele foi permanece sendo muito forte por aqui, porém nós
fazer o ano sabático em Israel e eu fiquei como chefe também temos uma cobertura muito maior nas
do laboratório de produção de anticorpos diferentes áreas da Imunologia. Acho que elas ainda
monoclonais. Foi uma experiência bárbara, riquíssima têm que crescer, como, por exemplo, a imunologia de
para mim. Eu era chefe de um dos laboratórios do tumores e a área de auto-imunidade. Nós somos o
ganhador do Prêmio Nobel de Medicina, ajudava na segundo país do mundo em número de transplantes
discussão do futuro do laboratório. Tudo isso, sendo de rim e nossa contribuição na imunologia de
bolsista de um país latino americano. Com o prêmio, transplantes é relativamente modesta; nós podemos
o professor Jean Dausset ganhou muito status e, contribuir mais. A qualidade da pesquisa brasileira em
numa visita do primeiro ministro francês ao laboratório, Imunologia melhorou muito se olharmos todos os
o professor falou sobre a dificuldade que havia em índices de produtividade e contribuição, somada ao
contratar pessoas estrangeiras. O primeiro ministro impacto das publicações. A Imunologia brasileira é
me disse: “Não tem problema, se você quiser contratar muito forte hoje em dia e existe um reconhecimento
esse pesquisador estrangeiro, nós contratamos.” disso, tanto que o próximo Congresso Internacional
Assim, recebi um convite para ficar definitivamente lá. de Imunologia vai ser justamente no Brasil. O XIII
Tive boas conversas com grandes amigos de lá e, Congresso Internacional de Imunologia será realizado
segundo eles, era muito interessante viver e ter uma no Rio de Janeiro em 2007 e serei o presidente. Nós o
carreira na França. Sem dúvida, a vida para um cientista trouxemos ao Brasil porque existe vontade e
era mais fácil lá; porém eu sentia que estava em dívida reconhecimento da comunidade de pesquisa na área
com meu país e que deveria voltar e desenvolver mais de Imunologia de fazer esse Congresso aqui.
pesquisas aqui. Levei isso muito a sério e voltei para o
Brasil. Mais tarde, morei algum tempo nos Estados R.M.: O senhor trabalha com várias linhas de
Unidos onde fui professor convidado da Universidade pesquisa, entre elas Febre Reumática, Imunologia de
de Stanford e onde também recebi um convite para Transplantes e Doença de Chagas. Como estão essas
ficar lá, mas da mesma maneira, achei que deveria áreas aqui no Brasil e como é a participação do senhor
voltar. Hoje não me arrependo. Talvez, cientificamente, nessas atividades?
tivesse me desenvolvido mais e vivesse com mais
tranqüilidade. Aqui temos que fazer muita coisa para Prof. Kalil: Bom, realmente nós trabalhamos
um bom rendimento; porém é grande a gratificação de com diferentes linhas de pesquisa. Na verdade, nosso
se fazer alguma coisa apesar das dificuldades do país. foco são fundamentalmente questões ligadas ao

39
Rev Med (São Paulo). 2005 jan.-mar.;84(1):38-42.

reconhecimento imunológico, ou seja, o que dia-a-dia. Dessa maneira, isso é feito por pessoas
estudamos nessas três linhas de pesquisa é como extremamente qualificadas que trabalham comigo.
um determinado peptídeo é apresentado pelas Dentre essas, 3 que foram meus alunos de doutorado,
moléculas HLA para o sistema imune, como é feito o que são: a professora Luiza Guilherme, que conduz
reconhecimento pelo receptor da célula T, e após esse o trabalho de doença reumática cardíaca e é
reconhecimento, que tipo de resposta imune é professora livre docente pela USP; o professor Edécio
desencadeada, do tipo Th1, Th2, reguladora, etc. Para Cunha Neto, responsável pelo projeto de doença de
isso, utilizamos os modelos que foram referidos: Chagas, e também é livre docente pela USP e a
Chagas, que é uma doença parasitária e doença doutora Verônica Coelho, que cuida do projeto de
reumática cardíaca, que é uma doença desencadeada transplante. Existem outros doutores que trabalham
por uma bactéria. Quanto ao primeiro modelo, nós conosco em outras linhas. Trabalhamos com alergia,
postulamos que as lesões não são devidas ao parasita asma, AIDS, imunodeficiências primárias e
diretamente, mas sim à resposta auto-imune imunoterapia do câncer. Minha contribuição atualmente
desencadeada pela presença do parasita. Estudamos é discutir toda a estratégia de pesquisa, ou seja, para
como os peptídeos do parasita são reconhecidos e que lado vamos continuar avançando; além do trabalho
desencadeiam uma resposta de auto-imunidade e, com alunos de pós-graduação, com os quais tenho
conseqüentemente, que tipo de agressão pode reuniões semanais, independente de serem meus
acontecer. Já em relação ao segundo modelo, alunos ou de qualquer outra pessoa que vem ao meu
sabemos claramente que é o Streptococcus que laboratório.
desencadeia a resposta auto-imune e que leva à febre
reumática. Na linha de transplantes, estudamos como R.M.: Fale mais sobre o Prêmio que ganhou
é feito o reconhecimento dos aloantígenos, ou seja, recentemente da Academia de Ciências do Terceiro
os antígenos do doador, pela via indireta e que tipo Mundo?
de resposta eles iniciam. Se formos analisar conceitual
e tecnologicamente, essas questões não são muito Prof. Kalil: Na verdade, esse foi o primeiro
diferentes do que estudamos nas outras doenças. prêmio verdadeiramente internacional que recebi. Já
Pesquisamos, também, como é o controle da ganhei alguns prêmios internacionais, como aquele
amplificação de sinal nessas respostas de transplante, que citei da Sociedade Americana de Imunogenética
o que engloba o reconhecimento de moléculas e Histocompatibilidade. Nesse prêmio da academia,
próprias do indivíduo, como, por exemplo, as proteínas a TWAS (Third world Academy of Sciences), fui
do choque térmico. Além disso, temos uma outra linha, solicitado pela Academia Brasileira a mandar meu
na qual trabalhamos há muito tempo: o estudo dos currículo e meus trabalhos da linha de pesquisa sobre
antígenos endoteliais, que não são do Complexo auto imunidade pós infecciosa para concorrer. Para
Principal de Histocompatibilidade (MHC) e que estão dizer a verdade, eu não esperava que fosse ganhar;
envolvidos nas etapas de rejeição vascular. Esse a TWAS é dominada pelos países em desenvolvi-
trabalho relativo a endotélio e rejeição vascular nos mento da Ásia: China, Afeganistão, Índia e Paquistão
deu uma série de prêmios, entre eles o prêmio de e poucos brasileiros já ganharam esse prêmio.A
melhor trabalho estrangeiro no Congresso Americano TWAS durante sua reunião anual, escolhe um cientista
de Imunogenética e Histocompatibilidade. Esse para o mundo inteiro pelo conjunto de sua obra em
trabalho que nós desenvolvemos de auto-imunidade uma área do conhecimento. Em nossa área tem
pós-infecciosa tem sido conceitualmente muito medicina e biologia. A contribuição científica tem que
importante. Nós somos um dos líderes mundiais em ser feita em países em desenvolvimento. No dia 22
doença reumática cardíaca e todos os conceitos que de novembro, recebi um fax dizendo que após a
nós estabelecemos, que são novos, principalmente reunião da academia havia ganho o prêmio de Biologia
de como o agente infeccioso desencadeia 2004. Foi uma decisão feita pela comissão científica,
efetivamente a doença auto-imune, são reconhecidos que tem, como eu disse, uma grande maioria de
internacionalmente. Recentemente isso foi ressaltado, representantes daqueles países. Sem dúvida fiquei
tanto que ganhei um prêmio, internacional, da extremamente gratificado e feliz por um
Academia de Ciências dos Países em reconhecimento do esforço do trabalho científico,
Desenvolvimento. Assim, nossa contribuição é essa, mesmo com todas as dificuldades que existem. Eu
e para que esses trabalhos se desenvolvam, não sei se esperava ter um reconhecimento em nível
evidentemente, tenho um grande número de pessoas internacional. Foi realmente gratificante, um estímulo
e doutores que são chefes de grupos. Hoje tenho enorme não só pra mim, mas para todo o grupo que
menos tempo de conduzir um trabalho científico no participou. Em novembro, receberei o prêmio na

40
Kalil JEK. Entrevista.

Rev Med, São Paulo, 79(2-4):36-44, abr.-dez., 2000


biblioteca de Alexandria. Até hoje me emociono e fico os venenos feito nos países de primeiro mundo não
arrepiado ao pensar nisso. funcionam para nós. No primeiro mundo eles trabalham
com um universo de cinco a dez tipos de vespas e no
R.M.: Como funciona a parte financeira e Brasil temos 465 tipos de vespas distintas, levando a
estrutural do Laboratório? E como são as outras uma série de questões. Nós somos referências nisso
atividades de Imunologia na Faculdade de Medicina e em diversas outras áreas em que treinamos outras
e Complexo? pessoas. Desse modo, nós temos campos de atuação
distintos: uma parte mais de pesquisa, com um pouco
Prof. Kalil: Com o passar dos anos e com o de serviço no InCor e no Instituto Central do HC-
crescimento do nosso laboratório aqui no InCor, FMUSP, mais os serviços clínicos tanto de internação
fizemos do mesmo uma referência, realizando como de ambulatório. Eu acredito que esse conjunto
pesquisa de ponta. Utilizamos equipamentos de de laboratórios, ambulatórios e enfermaria nos coloca
biologia molecular e celular e proteômica que são numa posição muito privilegiada em termos de
absolutamente o que há de mais moderno no imunologia médica no Brasil, onde conseguimos fazer
momento. Nele, trabalham 80 pessoas de diferentes coisas que vão desde a pesquisa mais fundamental
níveis, desde iniciação cientifica até livre docência e até a aplicação clinica direta e isso tem sido muito
além do que já foi dito, prestamos serviços direto à gratificante. Conseguimos formar pessoas em
comunidade, já que ele é um dos laboratórios de diferentes níveis, tanto médicos como não médicos.
referência para histocompatibilidade em transplantes. Temos compartilhado essa experiência em termos
Isso tudo foi possível devido à força e grandeza do nacionais através do I.I.I. (Instituto de Investigação em
InCor somados à constante busca de verba para Imunologia), o qual eu dirijo e que foi criado em 2001,
pesquisa. Esta verba vem de instituições federais quando o governo brasileiro criou o programa dos
como a FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos) Institutos do Milênio. Estes institutos totalizam 15,
e o CNPQ (Conselho Nacional de Desenvolvimento abrangendo todas as áreas do conhecimento. Três são
Científico e Tecnológico), de instituições estaduais da área biomédica, sendo que um desses é o nosso
como a FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa instituto. Existem sete instituições que trabalham
do Estado de São Paulo), da iniciativa privada, de conosco em diferentes regiões do Brasil, tanto no
laboratórios farmacêuticos e também de projetos interior de São Paulo como na Bahia, Minas Gerais e
internacionais. Durante muito tempo fui pesquisador Brasília e são complementares nas suas atividades,
do Howard Hughes Medical Institute. O aviador tanto de pesquisa como nas atividades clínicas.
Howard Hughes, após sua morte, deixou muito
dinheiro para a pesquisa, nosso laboratório se R.M.: Como é a residência em Imunologia
beneficiou muito deste projeto, foi uma força muito aqui na faculdade?
grande para o nosso laboratório. O laboratório detém
as técnicas mais modernas que se pode ter em Prof. Kalil: A nossa residência é uma das
imunologia. Dentre as outras atividas, temos a nossa especialidades pertencentes à Clínica Médica. Somos
Disciplina de Imunologia Clínica e Alergia; uma uma das pouquíssimas residências em Imunologia
enfermaria com doze leitos, onde internamos, por Clínica que existem no Brasil. Trabalhávamos em um
exemplo, pacientes imunodeficientes, com SIDA, com regime especial de residência, que hoje em dia é
asma de difícil controle e pacientes que fazem parte reconhecida pelo MEC e somente há mais uma ou
duas residências reconhecidas nesta especialidade
de protocolos de pesquisa, sobretudo asmáticos nos
no país. Começamos após os residentes terem tido a
quais fazemos algum tipo de provocação. Temos uma
formação básica em clínica médica durante dois anos.
câmara muito moderna de provocação, onde tentamos
Em nossa residência, temos o R1, que recebe um
descobrir qual a causa de asma de um determinado enfoque mais no trabalho de enfermaria e o R2, com
indivíduo. Tenha ele asma de causa comum ou asma um enfoque maior no trabalho ambulatorial. Na
ocupacional. Além disso, temos os nossos verdade, é uma especialidade muito ambulatorial e
ambulatórios, que são muito ativos. Existem acreditamos que uma formação complementar na
ambulatórios de imunodeficiências primárias e enfermaria, depois de ter passado por dois anos na
secundárias, de asma, de alergia, de rinite alérgica e clínica médica, fortalece o residente em relação à
de alergia de pele. Temos também um setor de questão das doenças mais graves dessa
imunoterapia, no qual somos referências nacionais para especialidade. Nós trabalhamos e queremos trabalhar
imunoterapia contra insetos, uma vez que os insetos cada vez mais com o sistema de interconsultas, uma
daqui são diferentes dos insetos do primeiro mundo e vez que o imunologista clínico é freqüentemente

41
Rev Med (São Paulo). 2005 jan.-mar.;84(1):38-42.

chamado para dar sua opinião no problema de clínica clínica. O médico clínico tem que dar muitos plantões,
médica dentro dos pacientes regulares. Isso ocorre, normalmente em periferias, para conseguir uma renda
principalmente, nos casos de imunodeficiências de uma suficiente no início. Do mesmo modo, a atividade
forma geral, nas quais há uma incapacidade de científica às vezes é complicada em termos de
resposta a diferentes agentes infecciosos e também remuneração. Com o tempo, as pessoas que são
nos casos de reações adversas a drogas e nos competentes naquilo que fazem, mesmo sendo na
diferentes tipos de alergias alimentares. Com esse tipo carreira científica, terminam encontrando um lugar ao
de trabalho, oferecemos, aqui dentro do hospital, o sol. A iniciação científica é importante porque durante
treinamento para o residente e acreditamos que isso a graduação deve haver uma conotação prática de
terá uma diferença muito grande na sua atividade médica atendimento ao doente para a formação do médico
em geral. Temos também em andamento, estudos generalista e, freqüentemente, o aluno não tem um
preliminares de pesquisa clínica em imunoterapia do contato maior do que é a produção de conhecimento.
câncer. A residência tem crescido e a procura também. Na iniciação científica ou em nossas cadeiras dentro
Acredito que os residentes têm tido uma excelente do currículo nuclear, nas quais existem alguma
formação: muitos deles se entusiasmam com a parte conotação cientifica, ele é exposto ao significado do
científica, fazendo algum tipo de pós-graduação. que é gerar conhecimento dentro da medicina. Acho
Atualmente, a residência, que contava com duas vagas, muito enriquecedor para o aluno e também acredito
tem três. que atividades de pesquisa oferecem efetivamente uma
noção real daquilo que ele pode fazer quando obter
R.M.: E para terminar, qual a opinião do sua graduação. Acredito que se tivéssemos um
senhor sobre a importância da Iniciação Científica para aumento da iniciação cientifica, teríamos mais médicos
o graduando? cientistas e os médicos, em geral, quando se dedicam
e buscam formção são excelentes cientistas. Quem
Prof. Kalil: A iniciação científica para o sabe no futuro consigamos evoluir e formar aqui no
graduando vai mostrar até que ponto ele tem realmente Brasil o MD/PhD, fato possível nas universidades
o pendor para aquilo, tem a vocação, tem a vontade americanas, e assim daríamos ao médico a formação
para se dedicar a isso. A vida científica no Brasil é de pesquisador também. Para mim foi fundamental.
mais complicada do que a vida do médico que faz Tudo começou aí.

42

Você também pode gostar