Você está na página 1de 64

Proteção Radiológica e Biossegurança

PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

Para os profissionais que atuam em qualquer modalidade da radiologia, é de


extrema importância o conhecimento sobre radioproteção.
Afinal, pacientes, público em geral, meio ambiente e o próprio profissional
de radiologia estão sujeitos a um grande risco: A radiação ionizante.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

Sabemos que a radiação é essencial na medicina, sendo utilizada no


diagnóstico e na terapia, no entanto, se não tivermos os devidos cuidados,
ela proporciona malefícios irreparáveis.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

O poder da radiação lhe permite interagir e danificar células e podem, por


exemplo, induzir a quebra da molécula do DNA ou causar um dano em uma
seção dessa molécula, o que resultará em um dano somático no próprio
indivíduo ou genético nos seus descendentes.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

Frequentemente o dano causado pela radiação é reparado pelas próprias


células, que apresentam sistemas de reparo específicos, mediados por
enzimas, para diferentes tipos de lesão. Entretanto, quando isso não ocorre,
temos os seguintes malefícios:
MORTE CELULAR;
INCAPACIDADE DE REPRODUÇÃO
OU AINDA...
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

Modificação celular permanente, devido à alteração das sequências gênicas


responsáveis pelo controle da multiplicação celular normal.
Essa transformação celular é a primeira de uma série de etapas que
pode levar a formação de um CÂNCER.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

EFEITO DETERMINÍSTICO

“A imediata relação “causa e efeito”, entre a exposição de um organismo a


uma alta dose de radiação ionizante e os sintomas atribuídos à perda das
funções de um tecido biológico, caracterizam o que se chama de efeitos
determinísticos”
(BIRAL, 2002, p.121).
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

EFEITO DETERMINÍSTICO

Os efeitos determinísticos apresentam um limiar de dose.


O efeito é clinicamente observável apenas quando a dose da radiação é
acima deste limiar.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
EFEITO DETERMINÍSTICO
O limiar é diferente entre diferentes indivíduos devido à diferença de
sensibilidade entre os mesmos.
A severidade do dano é proporcional à dose, a partir do limiar. Por
exemplo, os efeitos na pele são:
 Eritema* (de 3 a 5 Gy);
 Descamação úmida (20 Gy);
 Necrose (50 Gy).
* Vermelhidão da pele.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

EFEITO DETERMINÍSTICO

Para efeitos determinísticos, as principais fontes de informação vêm de


estudos sobre os efeitos colaterais da radioterapia, das bombas atômicas em
Hiroshima e Nagasaki e de graves acidentes nucleares.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

ALGUNS ACIDENTES RADIOATIVOS COM EFEITOS


DETERMINÍSTICOS
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
Argentina | La Plata | 1968
Soldador boliviano encontrou fonte de 137Cs e guardou no bolso do avental
durante aproximadamente 18 horas.
120 dias após o acidente 180 dias após o acidente
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
Brasil | Goiânia | 1987
Cápsula contendo 137Cs encontrada numa clínica de radioterapia
abandonada.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
Tailândia | Samut Prakan | 2000
Cabeçote contendo uma fonte de 60Co, usado em radioterapia, foi
parcialmente desmontado em um depósito onde era mantido sem
autorização das autoridades tailandesas.
23 dias após o acidente 7 semanas após o acidente
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
Polônia | Bialystok | 2001
Cinco pacientes são submetidos a alta exposição durante tratamento de
radioterapia, após queda de energia e posterior restauração do sistema.
4 meses após o acidente 15 meses após o acidente
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
EFEITO ESTOCÁSTICO
Para baixas taxas de exposição os efeitos das radiações são estocásticos e
podem causar efeitos somáticos e hereditários.
O dano ao DNA de uma única célula pode gerar uma célula transformada
que mantém preservada a capacidade de reprodução.
Geralmente tumores originam-se de uma única célula.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
EFEITO ESTOCÁSTICO
Um único evento pode ser suficiente, e por causa disso, os efeitos
estocásticos das radiações ionizantes não apresentam limiar de dose.
Qualquer dose de radiação, mesmo muito pequena, pode resultar em
efeito estocástico.
Quanto maior a dose, maior a probabilidade de ocorrência.
São acumulativos.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÃO IONIZANTE

Os Efeitos podem ser classificados em função do nível de dano biológico.

 Efeitos Somáticos
 Efeitos Hereditários
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÃO IONIZANTE

EFEITOS SOMÁTICOS

 Afetam diretamente a pessoa irradiada;


 Dependem da dose absorvida, da região e da área do corpo irradiada;
Exemplo: A medula óssea é muito sensível às radiações ionizantes.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÃO IONIZANTE

EFEITOS HEREDITÁRIOS

 Afetam os descendentes da pessoa irradiada;


 É acumulativo e não depende da dose de radiação absorvida;
Exemplo: Irradiação das células dos órgãos reprodutores.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÃO IONIZANTE

Os Efeitos podem ser classificados em função do tempo de manifestação

Efeitos Imediatos
Efeitos Tardios
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÃO IONIZANTE

EFEITOS IMEDIATOS

Ocorrem a partir de poucas horas ou algumas semanas após a irradiação.

Exemplo: Radiodermite (inflamação cutânea resultante da ação de radiação


ionizante) e queimaduras.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÃO IONIZANTE

•EFEITOS TARDIOS

Ocorrem muito tempo após a irradiação.

Exemplo: Câncer.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
PRINCIPIOS E FATORES DE RADIOPROTEÇÃO
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
PRINCÍPIOS DE RADIOPROTEÇÃO

Justificação
Otimização
Limitação de Dose
Prevenção de Acidentes
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
PRINCÍPIO DA JUSTIFICAÇÃO

Onde houver atividade com exposição à radiação ionizante, deve-se


justificá-la, levando-se em conta os benefícios advindos.
Na medicina, esse princípio aplica-se de modo que todo exame
radiológico deve ser justificado individualmente, avaliando a
necessidade da exposição e as características particulares do indivíduo
envolvido.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
PRINCÍPIO DA JUSTIFICAÇÃO

É proibida a exposição que não possa ser justificada, incluindo a exposição


às radiações ionizantes com o objetivo único de demonstração, treinamento
ou outros fins que contrariem o princípio da justificativa.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
PRINCÍPIO DA OTIMIZAÇÃO
A proteção radiológica é otimizada quando as exposições empregam a
menor dose possível de radiação, sem que haja perda na qualidade da
imagem.
Toda exposição deve manter o nível mais baixo possível de radiação
ionizante.
Deve-se planejar rigorosamente as atividades com radiação ionizante,
analisando-se em detalhe o que se pretende fazer e como será feito. Nessa
análise deve-se estabelecer medidas de proteção necessárias para alcançar
o menor nível de exposição possível.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
PRINCÍPIO DA LIMITAÇÃO DE DOSE
As doses de radiação não devem ser superiores aos limites estabelecidos
pelas normas de radioproteção de cada país.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
PRINCÍPIO DA LIMITAÇÃO DE DOSE

Esse princípio aplica-se para limitação de dose nos trabalhadores


ocupacionalmente expostos à radiação ionizante e para o público em geral.
O limite individual de dose efetiva para o trabalhador da área de
radiações ionizantes é 20 mSv/ano e para o público em geral é de
1mSv/ano.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
PRINCÍPIO DA LIMITAÇÃO DE DOSE

O princípio da limitação da dose não se aplica aos pacientes, pois se


considera que possíveis danos causados pelo emprego de radiações
ionizantes sejam muito menores que o benefício proporcionado.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
PRINCÍPIO DA PREVENÇÃO DE ACIDENTES

O uso, consciente, da radiação oferece ao homem imensos benefícios, mas


as devidas precauções se tornam necessárias para que possamos obter os
melhores resultados a partir do uso dessa energia.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
PRINCÍPIO DA PREVENÇÃO DE ACIDENTES
Deve-se desenvolver os meios e implementar as ações necessárias para
minimizar a contribuição de erros humanos que ocasionem exposições
acidentais.
Fazer usos de EPI (Equipamento de Proteção Individual) e EPC
(Equipamento de Proteção Coletivo) é essencial para manter os
profissionais, pacientes e demais indivíduos em segurança, quanto ao uso
das radiações.
Manter a organização do ambiente de trabalho, bem como a manutenção
dos equipamentos, para prevenir possíveis acidentes.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
FATORES DE RADIOPROTEÇÃO

Tempo
Blindagem
Distância
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
FATORES DE RADIOPROTEÇÃO - TEMPO

A redução do tempo de exposição ao mínimo necessário, para uma


determinada técnica de exames, é a maneira mais prática para se reduzir a
exposição à radiação ionizante.
Realizar rodízio entre técnicos para as realizações de radiografias em leitos
de UTI é uma forma de limitar-se a exposição dos profissionais à radiação.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
FATORES DE RADIOPROTEÇÃO - BLINDAGEM
Os equipamentos de proteção individual (EPI) são obrigatórios nos
serviços de radiologia conforme as normas da Vigilância Sanitária. Dentre
eles pode-se citar:
Luva Plumblífera;
Óculos Plumblífero;
Protetor de tireoide;
Protetor de gônadas;
Avental Plumblífero;
Saiote Plumblífero.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
FATORES DE RADIOPROTEÇÃO - TEMPO

A blindagem coletiva também é importantíssima!


As salas de raios-x devem ser blindadas com chumbo ou equivalente.
Pisos e tetos em concreto podem ser considerados como blindagens,
dependendo da espessura da laje, tipo concreto, distância da fonte e fator
de ocupação das áreas acima e abaixo da sala de raios-x.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
FATORES DE RADIOPROTEÇÃO - DISTÂNCIA

Quanto mais distante da fonte de radiação, menor a intensidade do feixe.


A intensidade de radiação é inversamente proporcional ao quadrado da
distância da fonte.
Quanto maior a distância, menor a intensidade da radiação.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
PORTARIA 453

A PORTARIA 453, de 01 de junho de 1998 aprova o Regulamento Técnico que


estabelece as diretrizes básicas de proteção radiológica em radiodiagnóstico
médico e odontológico, dispõe sobre o uso dos raios-X diagnósticos em todo
território nacional e dá outras providências.
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
PORTARIA 453

A Proteção Radiológica tem a finalidade de fornecer condições seguras


para atividades que envolvam radiações ionizantes.
É necessário que o profissional tenha pleno conhecimento do assunto.

Sugestão de Leitura: PORTARIA 453/98.


***Estará disponível junto ao Material de Apoio***
Proteção Radiológica e Biossegurança
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 31
(AOCP-PINHAO/2009) Qual o limite de dose equivalente anual preconizado para
um profissional:
(A) 100 mSv.
(B) 30 mSv.
(C) 20 mSv.
(D) 45 mSv.
(E) 150 mSv.
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 31
(AOCP-PINHAO/2009) Qual o limite de dose equivalente anual preconizado para
um profissional:
(A) 100 mSv.
(B) 30 mSv.
(C) 20 mSv.
(D) 45 mSv.
(E) 150 mSv.
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 32
(AOCP-PINHAO/2009) Os efeitos provados pela exposição à radiação são
chamados de:
(A) Estocásticos e probabilísticos.
(B) Determinísticos e probabilísticos.
(C) Estocásticos e definitivos.
(D) Estocásticos e determinísticos.
(E) Determinísticos e definitivos.
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 32
(AOCP-PINHAO/2009) Os efeitos provados pela exposição à radiação são
chamados de:
(A) Estocásticos e probabilísticos.
(B) Determinísticos e probabilísticos.
(C) Estocásticos e definitivos.
(D) Estocásticos e determinísticos.
(E) Determinísticos e definitivos.
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 33
(AOCP-EBSERH/2013) A dose limite ocupacional anual e sua unidade de medida
para pés e mãos, exceto os cristalinos, são, respectivamente:
(A) 0,5 mSv.
(B) 500 Sv.
(C) 500 mSv.
(D) 1,50 mSv.
(E) 50 mSv.
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 33
(AOCP-EBSERH/2013) A dose limite ocupacional anual e sua unidade de medida
para pés e mãos, exceto os cristalinos, são, respectivamente:
(A) 0,5 mSv.
(B) 500 Sv.
(C) 500 mSv.
(D) 1,50 mSv.
(E) 50 mSv.
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 34
(AOCP-EBSERH- UFES/2013) Os efeitos em que a probabilidade de ocorrência é
proporcional à dose de radiação recebida, sem a existência de limiar. Isto significa
que doses pequenas, abaixo dos limites estabelecidos por normas e recomendações
de radioproteção, podem induzir aos efeitos:
(A) genéticos.
(B) imediatos.
(C) estocásticos.
(D) determinísticos.
(E) tardios.
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 34
(AOCP-EBSERH- UFES/2013) Os efeitos em que a probabilidade de ocorrência é
proporcional à dose de radiação recebida, sem a existência de limiar. Isto significa
que doses pequenas, abaixo dos limites estabelecidos por normas e recomendações
de radioproteção, podem induzir aos efeitos:
(A) genéticos.
(B) imediatos.
(C) estocásticos.
(D) determinísticos.
(E) tardios.
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 35
(AOCP-EBSERH- UFES/2013) Princípio de proteção radiológica que nenhuma
prática ou fonte adscrito a uma prática deve ser autorizada a menos que produza
suficiente benefício para o indivíduo exposto ou para a sociedade, de modo a
compensar o detrimento que possa ser causado. O principio básico de proteção
radiológica referente a esse texto é o de
(A) otimização.
(B) justificação.
(C) limitação.
(D) blindagem.
(E) cálculo de barreiras.
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 35
(AOCP-EBSERH- UFES/2013) Princípio de proteção radiológica que nenhuma
prática ou fonte adscrito a uma prática deve ser autorizada a menos que produza
suficiente benefício para o indivíduo exposto ou para a sociedade, de modo a
compensar o detrimento que possa ser causado. O principio básico de proteção
radiológica referente a esse texto é o de
(A) otimização.
(B) justificação.
(C) limitação.
(D) blindagem.
(E) cálculo de barreiras.
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 36
(VUNESP/2015) Com base nos conhecimentos dos efeitos biológicos das radiações e das
normas de proteção radiológica, assinale a alternativa que, corretamente, responda à
questão: Quando necessário quem deve segurar o paciente durante o exame radiológico?
(A) Os técnicos devem efetuar tal procedimento, pois já estão expostos à radiação em sua
rotina de trabalho, além do devido controle dosimétrico.
(B) Quando esgotadas as possibilidades de contenção física por meio de outros modos, o
paciente deve ser sustentado por um acompanhante.
(C) Sempre um acompanhante, de preferência do sexo feminino e se possível não em
idade de reprodução.
(D) Deve haver rodízio entre os funcionários do local que não são ocupacionalmente
expostos.
(E) Deve ser feito um rodízio entre os profissionais, pois é benéfico distribuir
coletivamente a dose de radiação.
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 36
(VUNESP/2015) Com base nos conhecimentos dos efeitos biológicos das radiações e das
normas de proteção radiológica, assinale a alternativa que, corretamente, responda à
questão: Quando necessário quem deve segurar o paciente durante o exame radiológico?
(A) Os técnicos devem efetuar tal procedimento, pois já estão expostos à radiação em sua
rotina de trabalho, além do devido controle dosimétrico.
(B) Quando esgotadas as possibilidades de contenção física por meio de outros
modos, o paciente deve ser sustentado por um acompanhante.
(C) Sempre um acompanhante, de preferência do sexo feminino e se possível não em
idade de reprodução.
(D) Deve haver rodízio entre os funcionários do local que não são ocupacionalmente
expostos.
(E) Deve ser feito um rodízio entre os profissionais, pois é benéfico distribuir
coletivamente a dose de radiação.
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 37
(VUNESP/2015) As doses resultantes da radiação natural e dos tratamentos médicos
com raios-X não são consideradas nas doses acumuladas. Por esse motivo, recomenda-
se aos profissionais que tenham o máximo cuidado no uso dos raios-X, para evitar
exposições desnecessárias.
Assim, qualquer atividade envolvendo radiação ou exposição deve ser legitimada em
relação a outras alternativas, e produzir um benefício líquido positivo para a sociedade.
Esse princípio da proteção radiológica corresponde
(A) à justificação.
(B) à otimização.
(C) à ALARA.
(D) à limitação de dose.
(E) à limitação de dose individual.
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 37
(VUNESP/2015) As doses resultantes da radiação natural e dos tratamentos médicos
com raios-X não são consideradas nas doses acumuladas. Por esse motivo, recomenda-
se aos profissionais que tenham o máximo cuidado no uso dos raios-X, para evitar
exposições desnecessárias.
Assim, qualquer atividade envolvendo radiação ou exposição deve ser legitimada em
relação a outras alternativas, e produzir um benefício líquido positivo para a sociedade.
Esse princípio da proteção radiológica corresponde
(A) à justificação.
(B) à otimização.
(C) à ALARA.
(D) à limitação de dose.
(E) à limitação de dose individual.
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 38
Segundo as Diretrizes Básicas de Proteção Radiológica estabelecidas pela CNEN
(Comissão Nacional de Energia Nuclear), a exposição normal dos indivíduos deve
ser restrita, de modo que nem a dose efetiva nem a dose equivalente excedam o
limite de dose especificado.
Esse limite corresponde à Dose Anual, sendo considerado o período de janeiro a
dezembro de cada ano.
Os valores especificados de dose por indivíduo são:
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 38
(A) 100 mSv para indivíduo ocupacionalmente exposto (tecnólogo e técnico) e 50
mSv para o indivíduo público (pacientes, acompanhantes e etc.).
(B) 50 mSv para indivíduo ocupacionalmente exposto (tecnólogo e técnico) e 20
mSv para o indivíduo público (pacientes, acompanhantes e etc.).
(C) 50 mSv para indivíduo ocupacionalmente exposto (tecnólogo e técnico) e 10
mSv para o indivíduo público (pacientes, acompanhantes e etc.).
(D) 20 mSv para indivíduo ocupacionalmente exposto (tecnólogo e técnico) e 01
mSv para o indivíduo público (pacientes, acompanhantes e etc.).
(E) 05 mSv para indivíduo ocupacionalmente exposto (tecnólogo e técnico) e 10
mSv para o indivíduo público (pacientes, acompanhantes e etc.).
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 38
(A) 100 mSv para indivíduo ocupacionalmente exposto (tecnólogo e técnico) e 50
mSv para o indivíduo público (pacientes, acompanhantes e etc.).
(B) 50 mSv para indivíduo ocupacionalmente exposto (tecnólogo e técnico) e 20
mSv para o indivíduo público (pacientes, acompanhantes e etc.).
(C) 50 mSv para indivíduo ocupacionalmente exposto (tecnólogo e técnico) e 10
mSv para o indivíduo público (pacientes, acompanhantes e etc.).
(D) 20 mSv para indivíduo ocupacionalmente exposto (tecnólogo e técnico) e 01
mSv para o indivíduo público (pacientes, acompanhantes e etc.).
(E) 05 mSv para indivíduo ocupacionalmente exposto (tecnólogo e técnico) e 10
mSv para o indivíduo público (pacientes, acompanhantes e etc.).
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 39
(VUNESP/2013) O efeito das radiações ionizantes em um indivíduo depende basicamente
da dose absorvida, da taxa de exposição e da forma da exposição. Considerando essa
afirmativa e também com base nos conhecimentos em radioproteção, assinale a alternativa
correta.
(A) A unidade de dose absorvida é o Sievert (Sv).
(B) Na mulher, a fase da puberdade é a mais vulnerável à ação das radiações.
(C) Qualquer dose absorvida, com exceção das doses provenientes de radiação natural,
pode induzir câncer ou matar células.
(D) Quanto maiores as taxas de dose de radiação e as doses absorvidas, maiores as
probabilidades de mutações precursoras de câncer e de morte celular.
(E) A esterilização do homem por ação das radiações acontece na fase fetal, mesmo com
baixas doses, desde que estas sejam localizadas.
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 39
(VUNESP/2013) O efeito das radiações ionizantes em um indivíduo depende basicamente
da dose absorvida, da taxa de exposição e da forma da exposição. Considerando essa
afirmativa e também com base nos conhecimentos em radioproteção, assinale a alternativa
correta.
(A) A unidade de dose absorvida é o Sievert (Sv).
(B) Na mulher, a fase da puberdade é a mais vulnerável à ação das radiações.
(C) Qualquer dose absorvida, com exceção das doses provenientes de radiação natural,
pode induzir câncer ou matar células.
(D) Quanto maiores as taxas de dose de radiação e as doses absorvidas, maiores as
probabilidades de mutações precursoras de câncer e de morte celular.
(E) A esterilização do homem por ação das radiações acontece na fase fetal, mesmo com
baixas doses, desde que estas sejam localizadas.
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 40
(VUNESP/2013) “Menores de 18 anos não podem trabalhar com raios-X
diagnósticos, exceto em treinamentos”. Essa normativa está relacionada ao seguinte
princípio básico da Portaria 453, que estabelece as diretrizes básicas de proteção
radiológica:
(A) justificação da prática e das exposições médicas.
(B) otimização da proteção radiológica.
(C) limitação de doses individuais.
(D) prevenção de acidentes.
(E) obrigações básicas legais.
Proteção Radiológica e Biossegurança
Questão 40
(VUNESP/2013) “Menores de 18 anos não podem trabalhar com raios-X
diagnósticos, exceto em treinamentos”. Essa normativa está relacionada ao seguinte
princípio básico da Portaria 453, que estabelece as diretrizes básicas de proteção
radiológica:
(A) justificação da prática e das exposições médicas.
(B) otimização da proteção radiológica.
(C) limitação de doses individuais.
(D) prevenção de acidentes.
(E) obrigações básicas legais.
Na próxima aula
Falaremos sobre...
MEIOS DE CONTRASTE E EXAMES CONTRASTADOS

Você também pode gostar