Você está na página 1de 7

Universidade Zambeze

Faculdade de Ciências e Tecnologias

Engenharia Civil e Engenharia Informática

FICHA TEORICA n0:1 de Engenharia e Sociedade

1.1. Obrigações do Engenheiro

Segundo Mazda (1998), a legislação governamental sobre a indústria tem vindo a crescer de
uma forma considerável, desde o início da revolução industrial. Mazda considera que esta
situação é, de certa forma, influenciada pelas pressões das instituições comerciais que, desde
então, têm entrado em vigor de uma forma crítica. Deste modo, o engenheiro, não só deve
conhecer a toda a legislação, relacionada com a indústria, em vigor, como também deve
entender os seus objetivos, de modo que seja capaz de trabalhar em instituições públicas ou
privadas satisfazendo todos os requisitos necessários.

Modernamente, para além de acima exposto, o engenheiro necessita de manter um alto nível
de conhecimento das obrigações sociais e ambientais impostas as organizações pelas
comunidades em que elas operam (Smith, 1994). Os requisitos e as normas da sociedade no
presente e no futuro devem ser entendidos, de modo que possam ser satisfeitas as
necessidades das gerações actuais e futuras;

Porém, Walley e Whiteehead (1994), reconhecem que isto não é simples, especialmente
porque, conforme ilustra a Figura 1, o engenheiro deve encontrar soluções simultâneas para
os conflitos que possam existir entre as necessidades da sociedade, dos proprietários, dos
trabalhadores, dos clientes e dos fornecedores da empresa. Todos estes têm poderes sobre a
organização e os seus interesses devem ser tomados em conta pelo engenheiro, ao mesmo
tempo que este deve trabalhar confinado dentro do quadro legal, das responsabilidades
sociais e profissionais e das pressões da competição e da comunidade.

Algumas da obrigações impostas ao engenheiro, tais como a necessidade de evitar


preconceitos baseados em raça, religião ou sexo, são relativamente simples de as definir e
seguir (Echiejile, 1995). As outras, como as inerentes à questões éticas, são mais difíceis de
as classificar e, portanto, de legislar sobre elas.

Elaborado: Eng. Stelio Moutinho


1.2. Responsabilidades Sociais

Todos os grupos profissionais possuem regras de conduta que devem ser seguidas pelos seus
membros, dependendo das suas áreas de conhecimento. No caso dos engenheiros,
consideram-se determinadas áreas de responsabilidade social como sendo as principais que,
na prática, constituem imperativos morais para os engenheiros. Estas áreas são:

 A proteção do ambiente;

 A responsabilidade sobre os empregados;

 A ética profissional

 A proteção do consumidor;

 A contribuição para o bem-estar da humanidade, e

 Evitar prejudicar aos outros.

1.2.1. Proteção do Ambiente

Modernamente, é obrigação de todo o engenheiro possuir a sensibilidade do impacto de todas


as atividades da sua empresa sobre os ambientes humanos, físico e natural. E é, também,
responsabilidade do engenheiro tomar providência para protecção do ambiente dos efeitos
das atividades da sua empresa. Em adição, segundo Mazda, o engenheiro é obrigado a estar
consciente de existência da legislação sobre a proteção do meio ambiente, tendo em
consideração que:

i. A poluição originada pelas operações diárias da sua empresa deve ser eliminada.
– O engenheiro deve assegurar que os processos usados para a fabricação dos
produtos não criem desperdícios que possam contaminar o ambiente e que os produtos
em si, não criem nenhum risco ambiental durante a utilização. As considerações
ambientais devem ser primordiais em todos os estágios do ciclo da vida dos produtos,
desde o projeto à eventuais sucatas, passando pela distribuição aos consumidores.
Modernamente, é recomendável que os produtos sejam feitos de material descartáveis,
de formas a não criar perigo para o ambiente quando eles chegam ao fim da vida útil.

ii. Os aspetos de higiene e de segurança inerentes ao ambiente de trabalho são


primordiais. – Nesta área existe sempre uma rígida legislação governamental.
Contudo, especialmente nos casos em que são introduzidos novos produtos ou novos
processos de fabricação, as legislações não podem ser adequadas, pois carecem de
uma definição clara. Nestas circunstâncias, torna-se da responsabilidade do
engenheiro tomar todas as precauções de formas a assegurar que não hajam erros que
ponham em risco a segurança das pessoas e dos bens.

Elaborado: Eng. Stelio Moutinho


iii. O uso dos recursos naturais, principalmente os não renováveis, na fabricação dos
produtos deve ser minimizado. – Isto é aplicável a todas as formas de recursos
naturais, desde que estes sejam usados nos produtos ou nos processos utilizados para a
sua fabricação.

1.2.2. Responsabilidade sobre os empregados

As obrigações do engenheiro relativamente aos outros empregados da empresa são


frequentemente esquecidas. Mas, é importante destacar que é o engenheiro que deve
assegurar que todos os empregados sejam adequadamente formados e que as suas habilidades
sejam desenvolvidas, de modo que eles possam trabalhar eficazmente e possuam
oportunidades de se expressarem, contribuindo para o sucesso da empresa.

Entretanto, antigamente era comum dizer-se: ˝ O trabalhador que tem um desempenho


satisfatório, dá-se bem na empresa e normalmente ele mantêm o emprego˝. Infelizmente, no
presente ambiente consideravelmente competitivo muitas empresas, bem como quase todos
os trabalhadores já se apercebem que já não existem empregos para toda a vida.

Desta forma, o engenheiro deve reconhecer que nenhuma organização pode oferecer carreiras
profissionais vitalícias e que todos os trabalhadores estão constantemente a procura de novas
oportunidades. O engenheiro deve, também, estar consciente de que quando o trabalhador
deixa a empresa vai para o mercado de trabalho com todos os conhecimentos e habilidades
profissionais que mais tarde podem ser utilizados a favor dos competidores. Por isso, o
engenheiro deve lidar com os trabalhadores de uma forma muito responsável.

1.2.3. Ética Profissional

É sabido que as empresas não são avaliadas através do comportamento ético dos seus
trabalhadores. Contudo, o engenheiro deve ser responsável do ponto de vista do seu
comportamento ético.

De facto, o engenheiro deve evitar de tomar atitudes como: ˝se o que eu faço é legal, então é
ético.˝ Pois, para os trabalhadores, o engenheiro representa a empresa no que diz respeito as
atividades produtivas. Por isso, todos os procedimentos que o engenheiro toma, representam
a política da empresa. Com efeito, geralmente o engenheiro é culpado pelos insucessos das
empresas, quando este segue positivamente práticas não éticas.

Segundo Mazda (1998), o engenheiro deve reconhecer a importância da tecnologia, por afetar
a qualidade de vida da sociedade, e deve aceitar as suas obrigações pessoais ante à profissão
que exerce. Por isso, todo o engenheiro deve se comprometer com altos desígnios da ética e
conduta profissionais. Estes são:

i. Assumir a Responsabilidade Profissional – O engenheiro deve assumir a


responsabilidade na tomada de decisão de engenharia tendo em consideração a saúde,

Elaborado: Eng. Stelio Moutinho


a segurança e o bem-estar públicos e, caso seja necessário, deve revelar prontamente
os fatores que possam pôr em risco o público ou o ambiente.

ii. Evitar Conflitos de Interesse – No exercício das suas atividades, o engenheiro deve
evitar conflitos de interesse, reais ou possíveis e revelar às partes afetadas se elas
existirem.

iii. Ser Honesto e Realista – Ao fazer declarações ou estimativas, como base em dados
disponíveis, o engenheiro deve ser honesto e realista.

iv. Rejeitar o Suborno – No exercício das suas funções, o engenheiro deve rejeitar
suborno e a corrupção em todas as suas formas.

v. Promover a Compreensão da Tecnologia - O engenheiro deve melhorar a


compreensão da tecnologia, a sua aplicação apropriada e as suas potenciais
consequências.

vi. Manter Competência Tecnologia – O engenheiro deve manter e melhorar a


competência tecnológica.

vii. Aceitar a Crítica – O engenheiro deve aceitar e fazer críticas honesta relativas aos
trabalhos técnicos, reconhecer e corrigir os seus erros e dar crédito apropriado às
contribuições dos outros.

viii. Ser Justo - O engenheiro deve tratar com justiça à todos, independentemente de
fatores como: a raça, a religião, género, idade ou origem ética.

ix. Evitar Prejudicar aos Outros – No exercício das suas funções, o engenheiro deve
evitar prejudicar aos outros, suas propriedades, reputação ou emprego, por ações
falsas ou maliciosas.

x. Auxiliar aos Colaboradores - O engenheiro deve assistir aos colegas ou


subordinados nos seus desenvolvimentos profissionais e ajudá-los a seguir os
princípios éticos.

1.2.4. Proteção do Consumidor

Os consumidores devem receber uma adequada informação sobre os produtos


manufacturados durante a fase de ˝marketing˝ destes. Isto porque os consumidores
necessitam de obter informação que lhes permita tomar decisões correctas, na escolha de
produtos que possam satisfazer as suas necessidades. Isto significa que toda documentação
e/ou literatura de venda devem ser mais factuais e menos convidativos para a compra dos
produtos. E é da responsabilidade do engenheiro preparar cuidadosamente toda a informação
sobre a utilização e segurança do produto, de formas a assegurar que o produto seja usado
corretamente.

Elaborado: Eng. Stelio Moutinho


Além disso, o engenheiro deve evitar que o produto seja propositadamente projectado para
uma obscelescência planificada. Isto significa que o engenheiro não deve projectar produtos
para avaliar num período de tempo específico (um pouco mais longo que o período de
garantia).

1.2.5. Contribuição para o bem-estar da Humanidade

Este imperativo moral é relativo à qualidade de vida de todas as pessoas e, por isso, torna
obrigatória a proteção dos direitos humanos. Sendo assim, um dos principais objectivos do
engenheiro deve ser o de minimizar as consequências negativas dos sistemas de engenharia,
incluindo as ameaças à saúde e segurança públicas. Isto significa que, durante o projecto ou a
implementação de um determinado sistema ou produto, o engenheiro deve assegurar que o
produto do seu esforço satisfaça as necessidades sociais e evite danos ao ambiente.

Além disso, um ambiente social seguro e o bem-estar da humanidade incluem


necessariamente o ambiente natural seguro. Por isso, todo o engenheiro que projecta e
desenvolve produtos deve estar atento e dar conhecimentos aos outros sobre os possíveis
danos ao ambiente local ou global.

1.2.6. Evitar Prejudicar aos Outros

Em Engenharia, ˝prejudicar˝ significa causar danos ou impactos negativos tais como perda
de informação, perda de propriedade, danificação de bens materias ou impactos ambientais
indesejados.

Por isso, o engenheiro é proibido a usar a tecnologia de modo a resultar em prejuízo à


qualquer ser humano, quer seja; o utilizador, o público em geral, o empregado ou o
empregador.

Em Engenharia, ainda ˝acção prejudicial˝ é toda a acção intencional de destruição ou


modificação dos trabalhos dos outros, causando perdas ou gastos desnecessários de recursos,
tais como: materiais, tempo, mão-de-obra ou recursos financeiros.

Na vida prática de engenharia, considera-se uma ˝Acão bem-intencionada˝ aquela que, em


cumprimento das funções atribuídas, pode causar um prejuízo inesperado. E uma das
maneiras de evitar tais situações é a de considerar cuidadosamente os possíveis impactos em
todos aqueles afetados pela decisão feita durante as fases de projeto ou de implementação.

Além disso, em ambiente laboral, o engenheiro tem adicional obrigação de reportar qualquer
sinal de perigo no sistema que pode resultar sérios danos humanos ou materiais.

1.3. Responsabilidades Profissionais

Na prática excelência é a obrigação mais importante de qualquer profissional. Por isso, o


engenheiro deve procurar alcançar alta qualidade e estar consciente das sérias consequências
negativas da sua baixa qualidade de desempenho.

Elaborado: Eng. Stelio Moutinho


Deste modo, o engenheiro é obrigado a alcançar a alta qualidade, a eficiência, a eficácia e a
dignidade, através do processo ou do produto do seu trabalho. E, por isso, no âmbito
profissional, o engenheiro deve assumir as seguintes responsabilidades:

 Adquirir e manter a competência profissional;

 Promover a profissão do engenheiro; e

 Conhecer e respeitar a legislação existente.

1.3.1 Adquirir e Manter a Competência Profissional

A excelência profissional depende consideravelmente do indivíduo. Por isso, todo o


engenheiro tem a responsabilidade de adquirir e manter a sua competência profissional. E,
sendo assim, todo profissional de engenharia é obrigado a conhecer os padrões exigidos para
determinados níveis de competência e tentar atingir aqueles padrões através da melhoria do
seu conhecimento técnico.

Na prática, a melhoria de conhecimento técnico e da competência profissional podem ser


alcançados de várias maneiras, sendo as mais comuns as seguintes:

 A formação académica;

 Os estudos independentes;

 A participação em estágios profissionais

 A participação em cursos profissionais

 A participação em eventos (seminários, congressos, conferências, etc.); ou

 O envolvimento em organizações profissionais

Importa referir que a aquisição e a manutenção do conhecimento técnico e da competência


profissional, especialmente em Engenharia, dependem da contínua atualização profissional.
Assim, sejam quais forem as circunstâncias, o engenheiro deve procurar se atualizar.

1.3.2 Promover a Profissão do Engenheiro

O engenheiro tem a responsabilidade de compartilhar o conhecimento técnico com o público,


promovendo a compreensão da Engenharia, o seu impacto para a sociedade e as suas
limitações. Este imperativo implica a obrigação e a necessidade de contrariar e esclarecer
qualquer despectiva errada relacionada à Engenharia.

Deste modo, o engenheiro deve procurar ser perceptível, directo e objectivo ao efectuar uma
descrição, apresentação, avaliação ou recomendação de um sistema ou de um produto da
Engenharia. Isto porque, o engenheiro deve estar sempre em posição de absoluta confiança e,
por isso, tem a responsabilidade de proporcionar informação objetiva e credível ao público.

Elaborado: Eng. Stelio Moutinho


1.3.3 Conhecer e Respeitar a legislação Existente

O engenheiro deve conhecer e obedecer a legislação existente à nível local, distrital,


provincial, nacional ou internacional, salvo se esta incorporar certas obrigações não éticas.
Além disso, as políticas e os procedimentos das organizações em que o engenheiro está
envolvido também devem ser respeitados.

Importa realçar que, quando o engenheiro comete uma violação da lei ou aos regulamentos,
consciente ou inconscientemente, ele é civicamente responsabilizado pela Acão e pelas
possíveis consequências.

1.4. Legislação Governamental

De acordo com Ryley (1995), Os Governos influenciam os funcionamentos diários das


organizações pela aplicação de leis que, apesar de variarem dependendo dos países em que as
empresas operam, todas têm objectivos e conteúdos similares. E, em geral, as leis sobre as
questões industriais são principalmente classificadas.

 Nas que regulam a conduta das empresas em relação aos seus empregados;

 Nas que protegem o meio ambiente;

 Nas que protegem os consumidores; e

 Nas que regulam a formação dos trabalhadores.

Elaborado: Eng. Stelio Moutinho