Você está na página 1de 83

ARTE . VISUAL .

ENSINO
Ambiente Virtual de Aprendizagem

Professor Doutor PESQUISA EM ARTE I


Isaac Antonio Camargo

Curso de Artes Visuais


Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

HISTÓRIA DA ARTE Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Acesse: www.artevisualensino.com.br

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


APRESENTAÇÃO
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
A disciplina Pesquisa em O desenvolvimento desta
Arte I corresponde a disciplina é presencial e se
primeira etapa de baseia no método
abordagem de expositivo amparado por
investigação sobre as projeção de textos e
manifestações artísticas imagens como recurso de
que ocorreram desde os apoio pedagógico.
primeiros momentos da O material produzido se
humanidade até os dias constituem em Objetos de
de hoje. Aprendizagem e são
O caráter conceitrual da publicados no Ambiente
disciplina é o fio condutor Virtual de Aprendizagem:
para estes estudos. ARTE VISUAL ENSINO.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


A função deste material é a Além deles há Links para
de atuar como apoio Instituições de Arte,
didático/pedagógico e, além Museus, Galerias, Sites de
disso, como repositório e Artistas e outras
memória da disciplina e informações destinadas a
reforçar o aprendizado, apoiar e ampliar o
portanto, deve ser conhecimento sobre Arte
continuamente consultado. Visual.
Está disponível em
AULAS / Arte e Pesquisa.
Neste mesmo site, em
textos e livros que subsidiam
a disciplina estão disponíveis
no mesmo local em TEXTOS
está disponível o material de
apoio teórico, livros e textos
em formato digital.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


As disciplinas de A ementa e Programa de
Pesquisa em Arte I e II execução da disciplina
servem de base para o estão organizados
desenvolvimento do conforme segue:
Trabalho de Conclusão de
Curso.
Ao final de dois semestres
cada estudante deverá
elaborar um pré-projeto
de pesquisa para
desenvolvimento do TCC
e apresentar ao provável
orientador.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


PESQUISA EM ARTE I Bibliografia básica:
EMENTA: ECO, Umberto. Tradução Gilson Cesar
Cardoso de Souza. Como se Faz uma
Referências teóricas sobre os Tese. São Paulo: Perspectiva, 2007.
fundamentos conceituais para BRITES, Blanca e Elida Tessler. O Meio
uma pesquisa em arte e sobre como Ponto Zero: metodologia de
arte. Reflexões sobre projetos pesquisa em artes plásticas. Porto
Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2002.
de pesquisa em Arte. ZAMBONI, Silvio. A Pesquisa em Arte:
Princípios para uma um paralelo entre arte e ciência.
epistemologia, que tome o Campinas – SP: Autores Associados,
fenômeno artístico como 1998.
objeto de estudo e produção Bibliografia complementar:
intelectual acadêmica. A
produção artística e o CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa
Qualitativa em Ciências Humanas e
processo de pesquisa poética Sociais. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes,
visual. Orientações gerais da 2006. GUARINELLO, Maria Carla de
estrutura lógica do texto para Araújo Moreira (org). Arte em Pesquisa.
elaboração e redação técnica Londrina – PR: Eduel, 2004. MATTAR
de um texto científico. NETO, João Augusto. Metodologia
Científica na era da Informática. São
Paulo: Saraiva, 2008.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
PROGRAMA A partir daqui serão
1- Introdução: abordadas questões
gerais e específicas dentro
O que é Arte. da Pesquisa e do
2- Questões de Pesquisa contexto da Arte cuja
e da Pesquisa na Arte. finalidade é esclarecer,
3- Pesquisa em Arte: ampliar e aprofundar o
Poéticas e Processos. conhecimento neste
campo de atuação.
4- A Pesquisa Sobre Arte:
Teorias e Epistemologia.
5- Problematizações e
projetos de Pesquisa no
campo da Arte Visual.
6- Propostas e projetos.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
A pesquisa no campo da Arte No segundo caso, o da
pode ser desenvolvida sob duas Pesquisa em Arte, o objeto
vertentes: A Pesquisa Sobre é o processo de realização
Arte e a Pesquisa Em Arte. artística sob a ótica de
Embora pareçam ser a mesma quem produz Arte: como,
coisa, são diferentes. porque e para que produz.
As diferenças estão no enfoque Neste sentido a abordagem
e também no Objeto de desta vertente investe na
Pesquisa. Poética eleita por cada
No primeiro caso, a Pesquisa artista para a realização de
sobre Arte toma como objeto as sua produção estética.
manifestações artísticas
produzidas ao longo da história
Este é o campo da própria
que podem ser abordadas pelas criação, realização
diferentes teorias que apoiam os estético/poética na qual o
estudos da Arte, inclusive a artista desenvolve suas
biografia dos artistas. proposições e processos.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Portanto o que interessa Nestas preleções iniciais,
nesta disciplina é abordar há vários pressupostos e
as questões que conceitos que devem ser
determinam o tratados e esclarecidos
desenvolvimento destas antes de nos
aprofundarmos nas
vertentes de pesquisa para questões da Pesquisa
clarear seus percursos. propriamente dita.
No contexto do Ensino de Um deles é buscar o
Arte é necessário abordar entendimento do que é
tais vertentes no intuito de Arte.
orientar os futuros É por aqui que
profissionais para a começamos esta trajetória
iniciação nos estudos da de Pesquisa no campo da
Arte e desenvolvimento de Arte...
seus projetos poéticos ou
teóricos.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Frederico de Moraes, crítico Ao fazer isto, também
e historiador de Arte editou, destitui parte da visão
em 2002, pela Record, um hegemônica que se quer da
livro chamado: Arte é o que Arte dentro de uma
eu e você chamamos Arte: sociedade burguesa e
801 definições sobre Arte e capitalista.
o Sistema de Arte. O texto reflete a diversidade
Neste livro identifica uma contextual pela qual a Arte
série de questões sobre a vem passando nas últimas
Arte suscitadas por diversas décadas ou do século
pessoas: estudiosos, passado para cá.
filósofos, políticos, artistas. Portanto, pensar O que é
Tem por meta esclarecer Arte é um estímulo para
que o conceito de Arte iniciar as investigações à
muda no percurso da seu respeito.
história.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
1. Introdução:
O que é Arte?
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Esta é uma pergunta O motivo pelo qual não
recorrente e habitualmente existem respostas universais
colocada por quem se inicia no é exatamente porque não
existe Arte universal.
conhecimento da Arte. Por mais que o mundo
Deve-se alertar que não há só ocidental europeizado e
uma resposta para isto, mas colonizador tenha investido e
milhares. tentado promover uma certa
No entanto, tais respostas hegemonia em torno de um
sempre são dadas em função conceito único, isto não se
efetivou.
do tempo e do lugar em que
Se há coincidências de
são feitas, ou seja, não há uma entendimento, elas são
resposta atemporal ou mesmo decorrentes de um sistema
universal para isto, mas de difusão cultural poderoso
respostas que pertencem a e impositivo que ignora os
cada momento. saberes e cultura locais.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Então, se considerarmos Traduzindo, só se pode
que não há uma acepção considerar Arte algo manifesto,
hegemônica de Arte que ou seja, realizado e tornado
contemple a todos, vale acessível aos sentidos por
tentar delimitar uma meio de sua configuração
compreensão que sirva de física ou conceitual,
referencial, pelo menos para formalizada esteticamente
as reflexões aqui realizadas. como Obra de Arte.
Assim raciocinando, pode-se Independente da Modalidade
dizer que: Expressiva ou das Substâncias
Arte é a manifestação de Expressão que utilize:
sejam visuais/plásticas,
estética da humanidade.
sonoras, cênicas, audiovisuais
O caráter tautológico desta
ou literárias sua motivação é,
resposta atende ao percurso
por definição, estética.
didático aqui proposto.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Aqui vale fazer um Modalidade artística ou de
destaque sobre o conceito Expressão Artística aqui se
de Obra de Arte. refere às categorias e aos
modos por meio dos quais
Do Latim, Opera, que a Obra de Arte é realizada,
significa ação, trabalho ou de acordo com as
o resultado dele. substâncias de expressão
Para efeito de que caracterizam sua
entendimento neste texto, Poética, seja Visual,
Obra de Arte corresponde Sonora, Cênica,
Audiovisual ou Literária.
ao resultado do trabalho
Dentro de cada uma delas
de criação artística são identificadas
realizado por um autor, subcategorias que se
em qualquer Modalidade referem às várias Poéticas.
artística.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Destas subcategorias, Percebe-se que, além das
identificadas pelas chamadas Bidimensionais e
diferentes Poéticas Tridimensionais, há também a
Expressivas no campo categoria identificada de
Visual, por exemplo, Conceitual e também as que
podem ser destacadas operam no contexto do
Audiovisual, que existem
aquelas que atuam em
virtualizadas através de
superfícies, chamadas de projeção em monitores ou no
Bidimensionais como o espaço. Hoje em dia , este tipo
Desenho, a Pintura, a de manifestação formal
Gravura, a Fotografia ou incorpora outros elementos
Tridimensionais como a como som e movimento,
Escultura, os Entalhes, A constituído manifestações
Modelagem e Montagens. Sincréticas.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Tais manifestações integram Estas manifestações
diferentes Poéticas para espacializadas, ao
constituírem suas obras, portanto, contrário dos objetos,
não são apenas bi ou tri operam por meio de
dimensionais mas além disso, contágio, um modo de
interdimensionais,
compelir, induzir alguém a
transdimensionais e
multidimensionais configurando o
participar, dialogar, fruir.
que se chama também de Maneiras que movem os
Realidade Virtual. Performers, autores que
Nesta mesma linha pode-se falar realizam manifestações
das manifestações ambientais corporais, atuam em
que, embora usem tempo real diante dos
eventualmente objetos, ocupem o espectadores que, neste
espaço e o deslocamento caso, são cooperadores
temporal, não se enquadram na do processo estético.
categoria de tridimensionais.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Estas variações Um Sistema envolve
expressivas fazem com vários núcleos, partes ou
que o conceito de Obra de elementos interligados que
Arte se estenda, interaja e agem e interagem entre si.
expanda com maior O Sistema de Arte, como
intensidade e tal, pode compreender
extensividade a partir da várias instâncias,
década de 60 do século dependendo do ponto de
XX, quando passaram a vista do qual se observa.
ser consideradas modos Em princípio ele se
de expressão artística constituiria de apenas dois
reconhecidas e elementos: o da Produção
justificadas pelo Sistema e da Apreciação.
de Arte vigente.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
No entanto, como o passar O Apreciador, ou destinatário da
do tempo, foram necessários produção artística, também se
expandiu. Não é apenas um
ou criados novos estágios no
sujeito de corpo e alma ou
Sistema de Arte. Se mente, mas também entidades
tomarmos como referência o constituídas na e pela obra que
nível da produção, vê-se que assumem personalidades
ele passou a incorporar, além míticas, simbólicas, rituais e até
do próprio criador/destinador, mercantis como os detentores
novas possibilidades do poder, da economia, da mídia
de informação e difusão, bem
expressivas, novos materiais, como das instituições que atuam
novos processos e em benefício ou na apropriação
procedimentos ampliando o da Arte.
espectro de recursos e A impessoalidade substitui a
pessoas possíveis. pessoalidade mas não a
personalidade.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Como antes afirmado as Calma que explico!
manifestações artísticas devem A explicação para tal
ser, por definição, Estéticas, caso entendimento tem por
contrário, não se enquadram no base a concepção e uso
contexto da Arte mas em do termo Estética.
ambientes e circunstâncias para- Aisthésis, do grego,
artísticas, ou pior, pseudo- traduzido por Estésico,
artísticas (mercantis ou referente à sensação, ao
comerciais).
sensório e, até, sensível.
Portanto a condição de ser
Trata da percepção
Estética é essencial e, sem ela, a
Obra de Arte é apenas aparato
fenomênica e não da
sensível, eventualmente
compreensão cognitiva ou
simbólico, funcional e/ou conceitual do que seja
ornamental cumprindo parte do Arte, isto só acontece no
desiderato de tais obras mas não século XVIII.
seu desígnio absoluto.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
As discussões em torno da Tal aproximação, tem por base a
Estética como categoria de idealização que os gregos
valor vem desde a Grécia. usavam para a realização de
Naquela época era vista, suas Obras de Arte concebidas
filosoficamente, como sob a ótica de Belo Metafísico
equivalente à ética e à lógica, não natural, mas ideal,
neste sentido considerada idealizado, independente de se
como correspondente ao bem aproximar do mundo visível.
e ao bom e se aproxima do Esta visão acabou se
conceito de Belo, expandindo além dos tempos
especialmente em defesa de gregos induzindo à crença de
um ideal de perfeição que o Belo correspondia ao
absoluto, por definição, bonito, ao agradável, ao
metafísica, devedora das harmonioso, aspectos formais
ideias de Platão. também valorizados pela Arte
Grega.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Obviamente, a influência da Para os gregos a Estética
filosofia grega é marcante não existia, mas fazia parte
no campo da Arte e, das reflexões gerais
consequentemente, muito orientadas dentro da
daquilo que sabemos, Filosofia, a questão da Arte
entendemos, assimilamos e era subjacente e não uma
apropriamos, vem desta preocupação prioritária.
base cultural. Embora em alguns
Não se pode negar a momentos os filósofos se
contribuição grega ao referissem a Arte, não o
pensamento ocidental, no faziam no intuito de explicá-
entanto, muitas vezes esta la ou orientar sua produção,
contribuição ou sua mas para enquadrá-la ou
interpretação parcial mais não dentro de um sistema
confunde do que ajuda. filosófico maior.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Quem traz, de fato, a questão A partir do pensamento
da Estética para o campo da Baumgarteano, os
Arte no pensamento moderno pensadores da Arte passam
é o filósofo alemão Alexander a usar este termo e ampliar
Gottlieb Baumgarten, ao o seu conceito no intuito de
editar, em 1735, Meditações atender às demandas deste
Filosóficas Sobre as
campo de conhecimento,
Questões da Obra Poética e
ao deixar seus escritos de
assim a Estética passa,
1750-58, sobre Estética. Para além de ser aceita como
ele a Estética atua como uma Ciência da Arte, como
espécie de transição entre o Disciplina para seu estudo.
sensório e perceptivo do
mundo e o sensível e
cognitivo para a Obra de Arte.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Seguindo esta linha de Por exemplo: uma peça
raciocínio a Estética se publicitária pode conter
revela como pressuposto uma imagem agradável,
e condicionante das bonita, formal e
manifestações artísticas plasticamente bem
sem a qual as Obras de realizada mas, ainda
Arte não se consolidam assim, lhe falta a condição
como tais. anterior e formativa que é
Portanto, uma Obra de a de traduzir o Estésico
Arte é uma manifestação enquanto apreensão,
portadora de sentido relação, reflexão,
estético não qualquer experiência e
manifestação portadora experimentação do mundo
de qualquer sentido. para o Estético.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
O choro de uma criança, A Estética é a base das
embora seja uma operações Poéticas. Por
manifestação sensível e meio dela é que os criadores
olham para o mundo, para o
acessível, não tem
contexto e distinguem o que
qualquer propósito
pode, deve ou interessa
estético. No entanto, a transmutar em Obras de Arte.
interpretação do choro de As escolhas feitas pela Arte,
uma criança no contexto ao longo do tempo, não
de uma peça teatral, tem foram somente escolhas
as condicionantes formais, mas também
estéticas necessárias intelectuais, sociais e
para configurá-lo como humanas, portanto a Arte é
um campo de diálogo e
parte de uma Obra Arte
reflexão sobre quem somos.
cênica, portanto, Estética.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Poética vem do Grego, Para este trabalho o
Poiein, que se refere ao entendimento de Poética
fazer, realizar, construir. está reduzido à
A Poética Aristotélica falava compreensão de que os
do processo de constituição fazeres da Arte Visual são
do texto verbal, entretanto,
decorrentes de
procedimentos de caráter
no Renascimento, se
estético-cognitivos e
recorre ao uso pragmáticos cujo resultado
indiscriminado do termo são Obras de Arte, sejam
Poética para falar das elas materializadas em
manifestações artísticas em objetos, no espaço,
geral, isto contribuiu para virtualizadas ou
difusão e generalização do proposições conceituais.
uso indiscriminado do
termo.
O Campo Expandido do Desenho Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
1.2- Poéticas Visuais

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Olhando para o percurso A partir dai, os artistas
da Arte Visual, vamos passam a se distinguir dos
entender que os artesãos assumindo uma
procedimentos poéticos posição social mais
foram se transformando respeitada no contexto
no decorrer do tempo. intelectual. Daí em diante
De certo modo a os artistas são
produção artística esteve reconhecidos pela sua
muito tempo relacionada à personalidade estética,
artesania e não havia especialmente os grandes
distinção entre uma e nomes do Renascimento
outra. No Renascimento referenciados como
isto começa a mudar com gênios da Arte.
a fundação das Mais tarde, a tradição
Academias de Arte. acadêmica se desenvolve
com a Arte Francesa.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Na França, a influência Os fazeres técnicos da
dos artistas e das Arte Visual, antes
academias Italianas vinculados ao artesanal,
proporciona o surgimento depois organizados
das Ècole de Beaux-Arts racionalmente pelas
que subvencionam o academias por meio das
Neoclássico e a expansão habilidades performáticas
deste modelo de ensino dos artistas e ordenado
para vários países do pela geometria é
mundo, inclusive o Brasil. minimizado pelo advento
A ruptura com as Belas do Modernismo, que
Artes promovida pela instaura seus fazeres a
Modernidade no século partir de processos
XIX, trouxe o que se vinculados à inventividade,
passou a chamar de Artes à criatividade e à
Plásticas. experimentação.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


A libertação das formas Assim surge o que se
promovida pelo chamou de Artes
Modernismo dispensa, de Plásticas, ou seja,
um lado, a necessidade manifestações nas quais a
da reprodução do mundo manipulação dos materiais
visível e também a era um fator de alto grau
necessidade da de significância.
manutenção precisa das O virtuosismo técnico
técnicas construtivas exigido pela Academia é
tradicionais. A substituído pela
experimentação passa a experimentação criativa
ser um valor importante e dos procedimentos
os artistas a usam com técnicos, materiais e
intensidade quer em conceituais.
relação às técnicas
quanto aos materiais.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Plástica do grego Plastikós As Artes Plásticas
se refere às transformações consagram a materialidade
impostas à argila na e a objetualidade em
modelagem das formas. contraponto à
Este é o sentido que representação imagética
ampara a Arte Plástica, clássica.
aquela que advém da Embora a expressividade
manipulação, transformação resida, em grande parte, na
dos materiais. Tais ações materialidade Moderna, a
criativas são empreendidas visualidade decorrente
diretamente sobre as destes fazeres também
matérias pelos artistas. As importam e significam na
Obras de Arte são também medida em que tais
os objetos e suportes nos imagens desafiam a mimese
quais residem sua de observação da tradição
esteticidade. clássica.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Tal mimese é A Figuratividade, perdida
gradualmente recuperada pela corporeidade dos
pela construção de objetos na Modernidade,
imagens realizadas por retorna por meio dos
meio de aparelhos. A aparelhos e das mídias de
Fotografia, embora nascida constituição e distribuição
no século XIX, atinge sua de imagens.
autonomia estética e As chamadas Artes
técnica no século XX. A Visuais incorporam as
Fotografia e depois o Artes Plásticas e
Cinema, recuperam, parte expandem seu conceito ao
da visualidade perdida pela ponto de, hoje em dia,
Modernidade. Sob esta cobrirem intervenções,
nova ótica surge o que se instalações e
chama de Arte Visual. performances.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Neste sentido as Poéticas Contemporaneamente o
Visuais constituem um Desenho, a Pintura,
campo extenso no qual as Escultura, Gravura,
manifestações priorizam a Fotografia, Cinema,
Visualidade a Virtualidade Vídeo, Instalações,
operando em detrimento Intervenções,
da materialidade. Performances e
A Cultura Visual passa a Audiovisuais, digitais ou
ser uma tendência não, convivem num
reforçada em fins do mesmo ambiente estético
século XX e uma e conceitual.
característica do mundo Tanto os fazeres manuais
contemporâneo midiático quanto conceituais fazem
e digital. parte das manifestações
de hoje em dia.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
2. Questões de Pesquisa e
da Pesquisa na Arte

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Curiosidade gera Esta curiosidade,
pesquisa, investigação, originariamente natural, é
busca, descoberta, transformada em Método,
conhecimento, tudo isto que passamos a chamar
se refere à necessidade de Pesquisa.
humana, instaurada
desde seus primeiros
tempos de existência que,
pela curiosidade inata
para compreender os
fenômenos com os quais
convive e observa
também associa seus
comportamentos, em
busca de meios para
compreender tais
manifestações.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Por princípio, Toda Pesquisa é Assim, convencionou-se
Científica! chamar de Pesquisa às
Sciencia do latim se refere a investigações sistemáticas
Conhecimento, logo, à Ciência. destinadas à construção do
Portanto, toda busca ou conhecimento nas
construção de conhecimento é diferentes áreas: humanas,
uma atitude de caráter físicas, biológicas,
científico. tecnológicas entre outras
Pode-se entender que chamar possíveis, cujos domínios
de Científica a uma pesquisa é sejam necessários para a
distingui-la de levantamentos, consolidação do saber ou
abordagens e investigações para o desenvolvimento do
superficiais ou escolares, cujos ser humano na sua
métodos ou procedimentos integralidade.
carecem de sistematização.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Na medida em que a A Ciência, portanto, não é
civilização se desenvolveu senso comum, é
também se especializou. As conhecimento sistematizado,
práticas, hábitos e costumes então, todo conhecimento
do senso comum também se especializado, ordenado por
transformaram e assumiram meio de sistemas
diferentes posturas na epistemológicos, teóricos e
sociedade, alguns se terminológicos se constitui
tornaram eruditos e em Ciência.
dependentes do Assim é a Ciência e nela a
aprofundamento e expansão Arte está incluída na medida
de métodos e processos, em que as metodologias
outros permaneceram no aplicadas aos seus estudos
senso comum. respeitam tais procedimentos
em número e grau.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Com o passar do tempo A outra área é chamada de
habituou-se a separar a Pesquisa Aplicada, embora
Pesquisa em áreas possa surgir da Pesquisa
diferenciadas de acordo Básica, se dedica ao
com sua natureza e desenvolvimento de
objetivos. A Pesquisa processos e procedimentos
Básica, Pura ou cujos fins se destinam à
Fundamental se dedica à obtenção de resultados
busca do conhecimento em pragmáticos como
si, independente de seu
produtos, processos e
uso prático. Em geral é
sistemas que proporcionem
chamada de Pesquisa
benefícios sociais e
Teórica embora também
também ou principalmente
recorra a abordagens
experimentais.
econômicos.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
O potencial de retorno Outra questão é o hábito de
econômico da Pesquisa chamar às pesquisas de
Aplicada acaba estimulando Quantitativas ou de
mais investimentos Qualitativas que se refere a
financeiros, especialmente um tipo de entendimento
no mundo liberal/capitalista, que aprofunda a diferença
entre as que lidam com
pelo retorno que tais
dados verificáveis
investimentos podem matemática ou
promover. Por isso, na estatisticamente e as que
maioria das vezes, é este operam por meio de
tipo de pesquisa que tem conceitos e proposições
mais investimento por parte dependentes
dos setores públicos e exclusivamente das
privados. habilidades do pesquisador.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Cabe reforçar que Portanto, distinguir
Pesquisa é o nome que conhecimentos
se atribui aos considerando alguns úteis e
procedimentos e outros inúteis, é uma
processos de busca, discriminação de caráter
produção e funcional em prol do regime
aprofundamento do econômico dominante que,
por meio de várias
conhecimento adquirido
estratégias formais e
ou construído pela
discursivas, reprime o
humanidade ao longo do
desenvolvimento da Ciência
tempo, independente da
de interesse humano para
área na qual tal torná-la apenas um bem
conhecimento é obtido. econômico.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


As pesquisas no campo da Neste sentido as pesquisas
Arte atendem e respondem neste campo são, em sua
às mesmas necessidades maioria, de natureza Básica
dos demais campos de e, portanto, em nada
conhecimento humanos. Sua diferem das demais
localização, em geral, é o abordagens científicas,
das Humanidades, onde comumente adotadas pelo
também se encontram a campo das Ciências
História, a Filosofia, Estética, Humanas, tampouco das
Antropologia, Sociologia, teorias que a amparam e
entre outras abordagens consolidam. Atualmente este
científicas, recorrendo aos tipo de abordagem tem sido
procedimentos chamados de chamada nesta área de
Qualitativos. Pesquisa sobre Arte.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


A Pesquisa sobre Arte Neste sentido, pode-se
estabelece uma diferença dizer que os procedimentos
conceitual e essencial com da Pesquisa em Arte se
outro procedimento comum aproximam da Pesquisa
no contexto da Arte que é Aplicada na medida em
chamado de Pesquisa em que buscam transformar o
Arte e se refere aos pensamento artístico em
procedimentos poéticos Manifestações Expressivas
constitutivos das Obras de por meio de procedimentos
Arte, cuja responsabilidade pragmáticos que geram
é atribuída, em princípio, resultados perceptíveis e
aos seus produtores e não observáveis, tanto quanto
aos estudiosos da Arte em os demais campos da
geral. ciência.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Talvez a resistência para A Ciência Básica ou
aceitar também as Aplicada só interessa a
Pesquisas em Arte no este contexto econômico
campo da Ciência Aplicada na medida em o
ocorra por conta de que as desenvolvimento de tais
Manifestações Artísticas conhecimentos possam
como tais não se dedicam à
servir de subsídio ao lucro.
produção de bens de
consumo e serviços que
Neste aspecto tanto faz se
possam ser explorados nos as pesquisas são
moldes recorrentes da desenvolvidas na Física,
economia capitalista. Este é na Química, na História,
um dos estigmas impostos, na Biologia ou na Arte, se
principalmente, às Ciências não geram bens, pouco
Humanas neste contexto. importa.
O Campo Expandido do Desenho Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
2.1- Fontes, Registro e
Documentação.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Toda pesquisa se dedica a De todo modo chamamos
um Objeto de Estudo, ou de Fontes a todos os
seja, a um Corpus Documentos envolvidos
constituído por tal Objeto, pela investigação.
como um Objetivo, Eixo que Fontes podem ser Textos,
é o Foco central da Objetos, Monumentos,
investigação. Obras de Arte como
Este Objeto pode ser também relatos,
depoimentos, entrevistas,
também o Problema ou a observação direta de
Questão principal da condutas e
pesquisa. comportamentos. Estas
Independente do tipo de Fontes podem ser
estudo seja teórico ou Primárias ou Diretas como
prático, é necessário também Secundárias ou
conhecer a Teoria que o Indiretas.
envolve e o orienta.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Registros são os meios que Durante muito tempo a
assumem as fontes quando Historiografia não admitia
processadas pela palavra documentos que não
ou imagem tornando-se fossem escritos, o conceito
então Documentos. de Pré-História e História é
Assim é possível justamente a distinção entre
desenvolver investigações o período em que não havia
sobre diferentes escrita e o seu surgimento.
manifestações humanas ou Entretanto, as imagens
naturais. Ao observar a criadas pelo ser humano,
Natureza, por exemplo, como também seus
pode-se descrevê-la artefatos passaram a ser
textualmente ou por meio tidos como documentos e
de imagem, portanto, cria- possibilitaram o surgimento
se um Registro e/ou de outro campo científico, a
Documento. Arqueologia.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Atualmente tanto os
textos quanto as imagens
produzidas por meio da
mão humana ou das
tecnologias disponíveis
como a fotografia ou
vídeo, analógicos e
digitais são Registros e
Documentos passíveis de
serem estudados e
investigados pelos
diferentes campos da
Ciência.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


3. PESQUISA EM ARTE:
Poéticas e Processos.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


A Pesquisa em Arte se O investimento nos
apoia nos vários e processos constitutivos de
diferentes procedimentos de Obras de Arte, em
caráter conceitual e qualquer de suas
pragmáticos que orientam modalidades expressivas,
condutas e proposições na seja visual, sonora,
realização da produção cênica, audiovisual ou
artística se dedicando ao literária, implica no
desenvolvimento de suas domínios de habilidades
Poéticas que geram suas cognitivas e psicomotoras.
manifestações. Mente e corpo são
A principal característica da exigidos em diferentes
Pesquisa em Arte é a Práxis
níveis na produção
Expressiva.
artística.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
A partir destas colocações A vertente da Pesquisa
pode-se reforçar a existência sobre Arte é de
das duas vertentes de responsabilidade dos
pesquisa já apontadas e estudiosos, cujas
definidas no contexto da Arte: pesquisas recorrem às
a que se referere à busca do teorias e metodologias
conhecimento por meio da
que buscam compreender
abordagem das
manifestações artísticas
e expandir o
realizadas pelo ser humano conhecimento da Arte
desde a pré-história e outra através da produção
que se refere aos meios, às manifesta na sociedade
estratégias e procedimentos desde seus primeiros
dos produtores destas tempos.
manifestações.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
A outra vertente, da Pesquisa Se tomarmos o percurso
em Arte, é de cronológico da Arte Visual
responsabilidade dos seus para tentar clarear o
produtores, ou seja, dos conceito de Artista, vamos
indivíduos que chamamos ou perceber que, na maioria
chamávamos de Artista. das vezes, nem sempre
Hoje em dia o termo e mesmo este foi o termo mais
o conceito de Artista, como o adequado para nos referir
entendíamos originariamente, ao agente responsável
não cobre mais o que os pela geração das
produtores de Arte fazem, manifestações chamadas
dada a complexidade da Arte de artísticas.
Atual. Portanto o termo não É necessário falar um
atende com clareza ao fazer pouco sobre este
de quem faz Arte. personagem.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


O Artista ou Produtor de
Arte
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
As Manifestações Artísticas, A função intelectual do
como se sabe, só produzem produtor de arte só vem a
sentido se realizadas, se tornar reconhecida a
constituídas por meio de partir do Renascimento.
substâncias expressivas Até o século XIX as
dentro de suas modalidades atividades do artista eram
próprias, em suas poéticas. configuradas em grande
No entanto, nem sempre, parte dependentes de suas
esta foi a compreensão habilidades motoras.
aceita ou compartilhada.
Inicialmente o artista era o A Modernidade liberta a
artesão que dominava as motricidade da produção
habilidades motoras para a artística e instaura as
realização de objetos proposições, intervenções e
conceituais, simbólicos ou performances tratadas como
ornamentais. Conceituais.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Considerando tais A mudança de status ou
transformações, hoje em estado do artista, também
dia, os artistas são implica em mudanças dos
conceituados de modos estatutos da Arte, seus
diferentes do que eram sistemas, meios de
nos séculos anteriores, realização e manifestação.
logo, compreender a Arte
atual implica também em
compreender os modos
por meio dos quais ela é
realizada e, como
consequência, as
Estratégias Discursivas
adotadas por eles.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Logo, falar sobre o Artista Embora ainda tenha valor o
não é simples, dada a domínio de habilidades para
diversidade e a manipulação de
complexidade dos fazeres instrumentos e materiais
da Arte. Se para o utilizados na criação de
contexto da tradição Obras de Arte,
especialmente na realização
artística bastava
de objetos, isto não é uma
reconhecer as habilidades prioridade da produção
de reproduzir/criar artística contemporânea. A
imagens que dialogassem expansão dos
com o mundo natural e procedimentos criativos do
com as tematizações fazer manual para o corpo,
requeridas pela sociedade para o ambiente, o espaço,
de seu tempo, atualmente as performances e atuações
isto não basta. destituíram quase que por
completo a objetualidade.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
A “artisticidade” não reside Logo, saber o que é ou
apenas nos objetos como não um “artista” é antes
antes, mas também nas identificar os
proposições, atitudes e procedimentos dos quais
performances realizatórias. se utiliza para performar,
As manifestações de Arte fazer, realizar,
atuais nem sempre tem empreender, promover,
corpos físicos e produzir “Obras de Arte”
materialidade, podem ser que, por sua vez não são
apenas um momento, uma só coisas, mas estados,
atitude, uma ação que circunstâncias e situações,
esvanece no tempo e no então é necessário
espaço. identificar critérios para
Arte é mais essência e classificação e não
cognição e menos objetos e apenas a nomeação.
manufatura.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Os critérios utilizados para As instituições, por sua vez,
isto mudam de acordo com dependem de recortes de
a compreensão ou interesse ordem técnica, políticas ou
de quem os usa. conceituais com as quais
Para os estudiosos basta se convivem ou pactuam para
o criador se dedica às admitirem a presença de um
manifestações estéticas que ou outro produtor, de uma
dialogam com a ou outra obra.
contemporaneidade mas, Enfim, este universo
para o crítico, nem sempre nebuloso que se considera
uma atitude mais aberta o da Arte atual depende, e
atende aos seus critérios de muito, da educação e do
julgamento. O mesmo pode ensino tanto dos produtores
ser dito dos marchands, dos quanto dos fruidores.
galeristas e especuladores.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Genericamente é chamado Entretanto, tais imagens,
de Artista alguém que antes de serem
produz algo que produzidas para
corresponde ao que a viabilizarem valores
sociedade considera Arte. estéticos e conceituais,
Entretanto, nem sempre a eram destinadas a rituais
sociedade entendeu a Arte de caráter propiciatório e
da mesma maneira. simbólico, logo, não eram
Na pré-história pode-se o tipo de Arte que se
dizer que o sujeito que considera hoje em dia,
produzia o que chamamos, tampouco o sujeito que a
posteriormente de Arte,
produzia poderia ser
chamado, então, de
possuía habilidades
Artista, seria no máximo
cognitivas e psicomotoras
um Xamã ou feiticeiro...
para realizar imagens.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Na antiguidade o pouco de Ainda na sociedade
simbolismo que restou da Arte medieval o regime feudal e
pré-histórica foi absorvido pela o domínio religioso também
propaganda ideológica e mantiveram a Arte atrelada
política que servia à aos seus interesses e sem
manutenção do poder liberdade para expressar os
anseios ou interesses dos
dominante, fosse dos Faraós e
grupos minoritários.
seus sacerdotes, do domínio Durante todo este tempo os
grego ou do império romano Artistas eram artesãos
para a criar ou auxiliar a especializados na prestação
manutenção do poder de serviços dedicados à
adquirido. Assim a Arte produção de imagens
participa dos Palácios, Templos destinadas à ornamentação
e Túmulos enaltecendo seus e relatos sobre os
governantes. detentores do poder.

O Campo Expandido do Desenho Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Embora cumprindo funções A formação destes
ideológicas e decorativas, produtores era realizada
as manifestações de modo informal e
decorrentes da Arte revelam conduzida pelos
também a práxis de seus proprietários das oficinas
produtores por meio de dos diferentes ofícios em
suas habilidades técnicas troca da acolhida e de
ou plásticas, esta é a alimentos para os
constante que tem se Aprendizes. Mestres,
revelado desde estes Oficiais e Aprendizes eram
períodos. O problema é que as funções típicas destes
estas habilidades eram
ambientes destinados a
produzir as imagens que
construídas individualmente
ocupavam os espaços
ou definidas pelas Guildas e
públicos ou privados.
corporações de ofício.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
A grande mudança deste O ensino Acadêmico não
perfil subserviente vai dispensa as habilidades
ocorrer no Alto manuais e artesanais ao
Renascimento com a contrário, ele as aprofunda e
criação das Academias de especializa ao ponto de
Arte. A partir daí este ensino torná-las uma referência no
passa a ser sistematizado e campo da Arte e constituir
valorizar, além das as Escolas estilísticas
habilidades técnicas, o clássicas como a do próprio
conhecimento sobre Renascimento as do
filosofia, história e Maneirismo, Barroco e do
geometria. A partir dai surge Neoclassicismo francês
o conceito de Artista como constituída pelas Belas
passamos a entender e a Artes da qual também
debater. herdamos o estilo.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Voltando à questão do A versão tradicional
Artista, a versão investe na habilidade
novecentista é a que ainda técnica e na performance
perdura, apesar da estética como prioridade
passagem do tempo e das para o fazer da Arte. A
transformações estéticas significação de tudo o que
que a Modernidade e Pós- o artista faz está
modernidade trouxeram para confinada e contida mais
a Arte atual. nos objetos de Arte que
Tomando por referência o realiza e menos nos
recorte da tradição, entende- conceitos que os orientam.
se o Artista como alguém
Dai a validação maior de
seu trabalho por meio das
capaz de transformar algo
habilidades que
em sentido, em expressão,
demonstra.
em Arte.
O Campo Expandido do Desenho Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Entretanto os domínios A Arte de cognição,
necessários a um artista chamada de Arte
compreendem, Conceitual, que passa a
principalmente, as orientar boa parte das
manifestações
habilidades de caráter contemporâneas, não exige
cognitivo mas também tanto as habilidades do
psicomotoras, tanto quanto fazer manual mas
são exigidas em outras intelectual, neste sentido o
profissões e fazeres que artista atual é mais um
não os da Arte. gestor de ideias, projetos e
Desde as Vanguardas potencialidades tornando-os
Históricas as questões da viáveis por meio da
motricidade nas habilidades visualidade, instalação,
interatividade, promovendo
artísticas deixaram de ser a participação coletiva.
prioritárias.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Pertencer hoje à categoria Pode-se dizer que, ao invés
de Artista requer o de Artistas, a melhor
envolvimento integral em referência para identificar
todas as instâncias dos tais profissionais seria na
processos constitutivos que produção estética, atividade
recorrem tanto aos meios por meio da qual esta
produção geraria Obras de
tradicionais quanto atuais
Arte por meio do exercício
para a produção/realização de seu labor, lançando mão
de Obras de Arte. de diferentes saberes e
Os Artistas atuais, fazeres, para dar existência
diferentes dos mixed media a elas. Na falta de melhor
modernos são hoje os expressão, pode-se
multimídia contemporâneos. continuar a referir a estas
pessoas como Artistas.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
4. A Pesquisa Sobre Arte:
Teoria e Epistemologia.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


As Teorias da Arte são as THEORIA, do grego,
abordagens conduzidas se refere ao conjunto
pelos estudiosos que, ao organizado de dados ou
longo do tempo, se princípios que servem à
dedicaram à sua explicação de diferentes
abordagem para conhecê- fenômenos.
la, entendê-la, produzi-la, Tais fenômenos podem
explicá-la, desenvolve-la ocorrer na natureza ou na
ou difundi-la. cultura e analisados na
ciência ou na arte.
Em síntese, é possível
recorta um conjunto de As teorias podem assumir
diferentes abordagens,
abordagens que servem
características, perfis,
de amparo ao seu recortes ou ideologias.
conhecimento.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Uma teoria apresenta um No campo da Arte pode-se
modo de pensar e de falar a dizer que há algumas
respeito de um assunto, abordagens recorrentes que
matéria de observação, podem ser destacadas para
pesquisa ou conhecimento. contextualizar esta questão.
As teorias revelam pontos Estas abordagens amparam
de vista, lugares de os estudos da Arte em seus
observação, conjunto de diferentes enfoques quer
informações, vocabulários, sejam Históricos, Estéticos,
recortes e especificidades Analíticos ou Críticos.
que dão caráter ao Portanto, em qualquer
conhecimento e revelam a abordagem há sempre,
identidade, própria de um explicita ou implicitamente,
campo específico do saber. um referencial teórico de
suporte.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Epistemologicamente as No campo da Ciência a
teorias tem por fim Epistemologia apoia o
apontar a natureza e conhecimento erudito em
razões para o detrimento das crenças,
desenvolvimento de um do senso comum e das
determinado campo de opiniões subjetivas.
conhecimento. Neste sentido, as teorias
Episteme, do grego, se aqui apontadas, mediante
refere às bases teóricas diferentes abordagens,
do conhecimento. Estuda recortes ou aproximações,
a origem, a estrutura, os se configuram como
métodos e a validade do possibilidades. A escolha
conhecimento, relaciona-se do pesquisador é feita por
com a metafísica, a lógica e afinidade ou racionalidade.
a filosofia da ciência.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Alguns autores se Giulio Carlo Argan
dedicaram a identificar as e Maurizio Fagiolo admitem
abordagens mais comuns uma abordagem iconológica
no campo de estudo da e não tratam da
arte. fenomenológica e da
Para Jean-Luc Chalumeau, psicológica apontadas por
há cinco grandes famílias Chalumeau.
de teorias da arte: Arnold Hauser admite uma
1. Fenomenológica categoria filosófica e outra
2. Psicológica folclórica ou popular. Estes
3. Sociológica autores, por sua vez, se
4. Formalista apoiam em outros e assim
5. Estruturalista ou sucessivamente. Logo as
Semiótica. teorias estão sempre em
expansão.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Assim as teorias se Somando, até aqui,
expandem e se modificam, as destacam-se dez
abordagens podem se abordagens diferentes sem
especializar ou se contar alguns autores
complementar. Nesta linha de nacionais.
raciocínio, pode-se incluir Para facilitar o
também duas outras mais
entendimento destas
recentes: A Cognitivista
defendida por Michael J. abordagens, pode-se
Parsons e outra Educacional descrever alguns de seus
defendida por Fernando aspectos e características
Hernández. e citar alguns autores que
seguem tais orientações.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Abordagem A apreensão das Obras de
Fenomenológica Arte seria decorrente de um
estado de consciência semi-
Emanuel Kant e Friedrich perceptiva e idealizadora.
Hegel podem ser
considerados os fundadores
da abordagem
Fenomenológica.
No século XX, Maurice
Merleau-Ponty e
Jean-Paul Sartre, atuam nesta
mesma linha e propõem o
desenvolvimento deste
raciocínio.
Considerando que a
percepção é a base para a
apreensão dos e
entendimento dos diferentes
fenômenos, inclusive o da
Arte.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Abordagem Psicológica A arte é uma criação que
ou Psicanalítica. expressa os sentimentos
íntimos do artista e depende
Ernest Gombrich e depois de sua genialidade.
René Huighe, Émile Mâle,
Élie Faure, André Malraux,
entre outros, defendem que
os fatores psico-sociais são
determinantes das
manifestações artísticas e,
consequentemente, um
meio para explicá-las por
meio dos sentimentos e da
índole dos artistas.
Usa de aproximações com
os autores por meio de
contatos e entrevistas e de
biografias.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Abordagem Sociológica. O artista é a expressão do
Frederick Antal foi o grupo ou da sociedade à
primeiro buscar apoio da qual ele pertence. Os
sociologia no estudo da valores e os modos de
Arte. pensar da sociedade na
qual o artista vive são
Mais tarde Arnold Hauser, determinantes da sua obra.
Michel Focault, George
Luckás, Pierre Francastel,
entre outros.
Entendem que o artista se
situa entre o seu fazer e as
condicionantes sociais que
determinam sua obra.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Abordagem Formalista. Relações como: horizontal X
Também chamada de Pura vertical, aberto X fechado,
Linear X Pictórico,
Visualidade, seus teóricos
Superfície X Profundidade,
são Conrad Fiedler, Heinrich
Fechado X Aberto,
Wolfflin, Worringer, Alois Multiplicidade X Unidade,
Riegl, Henry Focillon. entre outras possibilidades
Segundo esta vertente as são tomadas como
análises devem ser referenciais de análise para
realizadas por meio da busca da significação.
configuração formal da Obra
de Arte considerando as
relações estabelecidas entre
as diferenças decorrentes do
uso dos elementos plásticos
que as constituem.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Abordagem Iconológica ou Desenvolvem estudos
Iconográfica. sobre a Iconografia e
Aby Walburg, funda o Iconologia.
Instituto Warburg, do qual
participam também: Ernest
Cassirer, Henri Frankfort,
Arnaldo Momigliano, Ernest
Gombrich, Erwin Panofsky,
Edgar Wing, Freances Yats,
Anthony Gratton, Michael
Baxandall e Hubert Damish.
As Obras de Arte são
analisadas a partir de sua
configuração visual, da
imagem, seu estilo e
componentes simbólicos.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Abordagem Estruturalista ou Analisa-se como os
Semiótica. Significantes geram
Giulio Carlo Argan indica que Significados.
o Estruturalismo tem por Autores como Ferdinand
base os estudos de Saussure, Algirdas
desenvolvidos no campo da Julien Greimas, Roland
linguística, depois da Barthes, Umberto Eco,
semiologia e atualmente Charles Sanders Peirce,
Semiótica. entre outros, se dedicaram
Os estudos parte da a descobrir como se
Significação decorrente da constrói a sigficação.
análise da estrutura
discursiva da Obra de Arte,
ou seja, como uma Obra faz
para dizer o que diz e como
diz.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Abordagem Filosófica Leon Batista Alberti, no
As abordagens filosóficas se Renascimento, lança as
desenvolveram desde os bases para a Estética
gregos, incluindo Platão, Clássica, desenvolvida mais
Aristóteles, Plotino e outros tarde pelos franceses como
filósofos que tomaram a Arte Le Brun, Ronsard ,
como tema para suas Scaliger, Chapelain, Laudun
reflexões, fazendo com que d´Aigaliers, Roger de Piles e
surgisse dentro deste campo depois os alemães como
teórico, a Estética, consolidada Emmanuel Kant, Leibniz,
mais tarde por Alexander Wolf, Baumgarten, Lessing,
Gottlieb Baumgarten. Schiller, Hegel e mais tarde
Neste percurso, desde os Luckas, Benjamin, Marcuse,
gregos como os Epicuristas e Adorno, Habermas,
Estóicos, S. Tomás de Aquino Goodman, Danto, entre
na Idade Média, vamos muitos outros.
encontra muitos estudiosos.
Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS
Abordagem Popular ou Podem ser tomadas
Folclórica também como Étnicas ou
Antropológicas.
Hauser estabelece estas
distinções considerando as Nesta vertente encontramos
manifestações artísticas também Alois Riegl, Paul
não eruditas, ou seja, Frankl, Franger,
aquelas que prescindem Horkeheimer , Adorno,
das teorias para existir. Webster e o próprio Hauser.
Fala em arte folclórica na
medida em que se refere
aos fazeres estéticos dos
povos não letrados. Fala
também de arte popular
referindo-se aos fazeres
das camadas menos
eruditas da população de
gosto mais simples.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Abordagem Cognitivista A base desta teoria se
O contexto cognitivista se encontra na psicologia,
ocupa das Neurociências ou relaciona-se com a
Ciências da Mente. O neurologia e percepção.
desenvolvimento desta Seus autores mais
teoria é de base cognitiva, conhecidos são Howard
ordenada pelo cérebro. Gardner, Michael J. Parsons
Anderson, Chomsky, Fodor,
Neste momento o cérebro
Marr, Newell e Simon,
não é pensado através de
suas relações lógico- Pinker, Rumelhardt e
racionais, mas por meio de McClelland, Changeux,
suas ações Geschwind.
químico/neuronais, pelas
sinapses que realiza para
funcionar, aprender.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Abordagem Educacional Read acreditava possível
Embora nenhum dos ensinar por meio da Arte.
autores aqui citados tenha Outros como Arnheinm,
indicado uma vertente de Huizinga, Langer,
caráter educacional, Loewenfeld, Piaget, Morris,
optamos por selecionar Mc Millan John Dewey,
alguns estudiosos que se Eliot Eisner, Imanol Agirre,
dedicaram ou se dedicam Fernando Hernandez,
a este tipo de Michael Paersons, David
aproximação, já que, no Perkins sem contar os
campo de nossos autores nacionais que
estudos, inclui-se o do debatem as questões de
Ensino de Arte. O autor ensino há décadas como
mais conhecido deles é Augusto Rodrigues, Noêmia
Herbert Read. Varella, Ana Mae Barbosa.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Considerando o percurso Por conta disso, as
em torno das teorias aqui pesquisas só encontram
recortadas, pode-se dizer uma certa ressonância no
que os estudos sobre as contexto acadêmico mas
manifestações artísticas muito pouco no ambiente
acolhem diferentes da sociedade como um
possibilidades de todo.
pesquisa. O problema que Constata-se, portanto, que
ainda persiste no campo a falta de projetos
da Pesquisa no contexto educacionais consistentes
da Arte é, em grande impedem tanto o
parte, decorrente do baixo desenvolvimento da
investimento em formação produção quanto da
educacional, informação artística.
especialmente para a Arte.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS


Assim entendendo, uma
disciplina que se proponha
a trazer conteúdos,
conhecimentos sobre a
Pesquisa no Campo da
Arte deve, no mínimo,
preocupar-se com dois
aspectos relevantes:
1. Promover a investigação
consistente e
sistemática sobre Arte e
2. Difundir tais
investigações nos meios
e mídias disponíveis.

Prof. Dr. Isaac A. CAMARGO. Curso de Artes Visuais - UFMS