Você está na página 1de 6

Amarchande Daniel Maricoa

Planificação Educacional

Universidade Rovuma
Nacala - Porto
2019
Amarchande Daniel Maricoa

Resolução de Exercícios da cadeira de Planificação Educacional

Trabalho de carácter avaliativo da Cadeira


de Planificação Educacional, Leccionada
no I Semestre do 4º ano no Curso e
Licenciatura em Ensino Básico pela
Docente: Dezena Vicente

Universidade Rovuma

Nacala - Porto

2019
Lição 1

1.A planificação é um processo contínuo que se preocupa com as maneiras adequadas para
chegar lá, tendo em vista a situação presente e possibilidades futuras, para que o
desenvolvimento da Educação atenda tanto às necessidades do desenvolvimento da sociedade,
quanto às do indivíduo.

Pode-se também definir a planificação como sendo uma reflexão abstracta, explícito, que
escolhe e organiza acções, antecipando os resultados esperados. Esta reflexão busca alcançar, da
melhor forma possível, objectivos pré-definidos e à ela recorremos nos casos em que a situação o
exige, quer dizer, quando lidamos com realidades complexas, sistémicas, dinâmicas, de enorme
importância social, que envolvam avultados recursos humanos, financeiros, materiais.

Planificação processo de busca de equilíbrio entre meios e fins, entre recursos e objectivos,
visando o melhor funcionamento de empresas, instituições, sectores de trabalho, organizações
grupais e outras actividades humanas

2. Planificação Educacional

Segundo LIBANEO (2001) é um processo de reflexão e decisões sobre organização,


funcionamento, proposta pedagógica da instituição.

É processo contínuo que se preocupa com as maneiras adequadas para chegar lá, tendo em vista
a situação presente e possibilidades futuras, para que o desenvolvimento da Educação atenda
tanto às necessidades do desenvolvimento da sociedade, quanto às do indivíduo.

É tomada de decisão sobre a acção a ser empregue, para o alcance de objectivos, um processo de
abordagem racional e científica dos problemas da Educação, incluindo definição de
prioridades e levando em conta a relação entre os diversos níveis do contexto educacional.

3. Na planificação educacional podemos encontrar dois tipos de planificação a saber:

 Planificação estratégica e
 Planificação tradicional.
Lição 2

1. Planificação tradicional tem um carácter racional, prescritivo, burocrático portanto,


sem a necessária consideração dos aspectos socioculturais e surgiu nas organizações com a
burocratização das mesmas, o que foi acompanhado pela “tecnificação”, isto é pela crescente
aplicação da ciência, cada vez mais com carácter disciplinar ou especializado. Esta planificação,
entre outras, apresenta como limitações o fato de ser rígida, inflexível, dela resultarem planos
para serem aplicados mecanicamente, sem um exercício de reflexão.

2. Vantagens do Planificação tradicional

 Reflecte mais a realidade ou a visão dos que planeiam e não dos actores organizacionais
e, como corolário, ela não promove mudanças qualitativas na organização.
 Apresenta como limitações o fato de ser rígida, inflexível, dela resultarem planos para
serem aplicados mecanicamente, sem um exercício de reflexão.

Desvantagens

 A planificação tradicional tem poucas possibilidades de promover mudanças


qualitativas nas organizações na medida em que ela é uma planificação muito
matemática, “idealizada”, ela tem a crença de que é possível fazer previsões perfeitas e de
que se podem quantificar os fenómenos sociais.

3. Este tipo de planificação pode ser utilizado:

 Num mundo ideal, sem crises, sem contingências em que tudo acontece como
deveria acontecer, pois é razoável afirmar que os planos que resultam desta
planificação servem mais para se dizer que há planificação, legitimando assim as
actividades realizadas do que para, deveras, guiar os actores organizacionais.

Liçao3

1. A planificação estratégica é um processo que permite estabelecer uma direcção a ser


seguida pela escola, com o fim de optimizar dos recursos disponíveis, por via disso, melhor
servir a sociedade. é um processo de gestão que apresenta, de maneira integrada, o aspecto futuro
das decisões institucionais, a partir da formulação da filosofia da instituição, sua missão, sua
orientação, seus objectivos, suas metas, seus programas e as estratégias a serem utilizadas
para assegurar a sua implantação.

Nesta ordem e ideia, a planificação estratégica também pode ser vista como a forma pela qual a
escola define como um todo, com vista a alcançar os seus próprios objectivos.

2. A planificação estratégica também pode ser vista como a forma pela qual a escola define
como se mobiliza (organização, disposição, motivação), como um todo, com vista a alcançar os
seus próprios objectivos. Há ainda um outro aspecto de importância capital nesta definição. O
planeamento estratégico não é somente um exercício de análise e tomada de decisões, ela não
termina nestas decisões, ela inclui planos operacionais de acção, que indicam as acções
concretas que cada uma das unidades (o director da escola, o sector pedagógico, a secretaria, a
contabilidade, etc.) deve implementar para o alcance dos objectivos estratégicos.

3.Vantagens

 Não é somente um exercício de análise e tomada de decisões, ela não termina nestas
decisões, ela inclui planos operacionais de acção, que indicam as acções concretas que
cada uma das unidades (o director da escola, o sector pedagógico, a secretaria, a
contabilidade, etc.) deve implementar para o alcance dos objectivos estratégicos.
 É uma planificação atenta à complexidade da organização, dando também atenção às
dinâmicas sociopsicológicas que ocorrem na organização.

Desvantagens

 Está projectado para um futuro qualitativamente melhor.


 É integrado, ele incorpora todas as vertentes da escola, desde a curricular, à financeira, a
infra- estrutural, de recursos humanos;

Lição 4

A planificação estratégica como Factor Crítico do Sucesso Escolar

A planificação educacional tem por finalidade “ fazer algo vir à tona, fazer acontecer,
concretizar, e para isto é necessário „amarrar‟, „condicionar‟, estabelecer as condições –
objectivas e subjectivas – prevendo o desenvolvimento da acção no tempo (o que vem primeiro,
o que vem em seguida), no espaço (onde vai ser feita), as condições materiais (que recursos,
materiais, equipamentos serão necessários) e políticas (relações de poder, negociações,
estruturas), bem como a disposição interior.

A planificação faz com que a escola, como um todo, tenha uma direcção. A planificação
educacional se mostra um instrumento crítico para que a escola seja bem-sucedida, na medida
em que ela lida com uma realidade complexa e sistémica dinâmica, de enorme importância social
e que envolve avultados recursos humanos, financeiros, materiais.

Lição 5

O Papel do Director de Escola na Construção do Plano Estratégico da Escola

 A ele compete zelar pela realização dos objectivos educacionais, pelo bom desempenho
de todos os participantes da comunidade escolar e alcance dos padrões de qualidade
definidos pelo sistema de ensino e legislação vigente.
 O DE deve, acima de tudo, conseguir com que o ambiente escolar efectivamente leve ao
desenvolvimento de aprendizagens significativas, que possibilitem o desenvolvimento
dos alunos.
 Portanto, o foco principal da actividade do DE deve ser o de os alunos terem sucesso na
escola, quer dizer que desenvolvam as saberes que era suposto desenvolverem.
 Pelos nossos interesses didácticos, referir-nos apenas à competência de planificações e
organização do trabalho escolar. .
 Estabelece na escola a prática do planeamento como um processo fundamental de gestão,
organização e orientação das acções em todas as áreas e segmentos escolares, de modo a
garantir a sua materialização e efectividade.
 Promove a construção da visão, missão e valores com os participantes da comunidade
escolar e a sua tradução em planos específicos de acção, de modo a integrá-los na
organização e modo de fazer das diferentes áreas de actuação da escola. Reforça e
orienta a prática de planeamento em diversos níveis e âmbitos de acção como
instrumento de orientação do trabalho quotidiano, de modo a dar-lhe unidade,
organização, integração e operacionalidade.