Você está na página 1de 4

CONTEÚDO: URBANIZAÇÃO E OS DESASTRES AMBIENTAIS

Desastres Naturais: Os Desastres Naturais representam um conjunto de fenômenos


que fazem parte da geodinâmica terrestre, portanto, da natureza do planeta. Quando
ocorrem, podem trazer consequências catastróficas para o ser-humano e por mais que a
tecnologia na área seja avançada, muitos desastres naturais são imprevisíveis. Eles são
fenômenos naturais e representam a mudança de ciclo na Terra, no entanto, nos tempos
atuais, essas ocorrências tem aumentado de maneira significativa, o que nos leva a crer
nas estatísticas e estudos sobre o meio ambiente. Nesse sentido, muitos desastres têm
ocorrido porque o planeta Terra está sofrendo cada vez mais, com o aquecimento global
e o efeito estufa, o que leva ao aumento dos desastres naturais, ocasionados pelo
desiquilíbrio da natureza. Para os seres humanos, muitos danos e prejuízos são
resultantes dos desastres naturais, os quais geram diversos impactos na sociedade. Por
sua vez, para a natureza, os desastres naturais auxiliam na renovação e manutenção dos
ecossistemas, formação do relevo, abastecimento das fontes hídricas naturais, dentre
outros.

Ações antrópicas negativas para o meio ambiente: Atualmente, a sociedade apresenta


um modo de produção e ação sobre o meio ambiente cada vez mais insustentável.
Muitos recursos da natureza têm sido usados pelo homem de maneira desregrada,
demonstrando certa despreocupação com a sua disponibilidade. A industrialização
associada à mentalidade capitalista de produção e consumo exagerado desencadeou
ações que visam apenas à obtenção de lucro, aumentando então os problemas
socioambientais, visto que produzir mais requer explorar mais os recursos naturais. A
ação do homem tem acelerado a degradação da natureza, o desmatamentos, poluição
de rios, mares e florestas, e o uso indevido da água e de energia, por exemplo, vêm
provocando alterações diversas. O que antes parecia distante da nossa realidade agora já
faz parte do cotidiano de muitas pessoas, como o racionamento de água, o horário de
verão em alguns países como alternativa para diminuir o consumo de energia,
inundações recorrentes, secas devastadoras e mudanças climáticas.

ATIVIDADE:

1) Dê exemplos de desastres causados pela ação humana:


Poluição em Minamata (1954):
O problema em Minamata iniciou-se após uma indústria lançar várias toneladas de
mercúrio no oceano. Essa contaminação afetou peixes e outros organismos, fazendo
com que o mercúrio entrasse na cadeia alimentar. Com o tempo, o mercúrio atingiu o
homem, desencadeando problemas no sistema nervoso dos moradores da região, que
começaram a ter convulsões e descontrole das atividades motoras. Várias pessoas
morreram por causa da contaminação.

Acidente em Chernobyl (1986):


O acidente em Chernobyl, na Ucrânia, ocorreu após a explosão de um reator, que
espalhou radiação e contaminou várias pessoas. De acordo com organizações não
governamentais, morreram cerca de 80 mil pessoas em virtude da radiação e várias
outras foram contaminadas e sofreram problemas graves de saúde, como câncer.

Vazamento de óleo na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro (2000):


Uma mancha negra com tamanho equivalente a quatro campos de futebol tomou a Baía
de Guanabara. Os 1,3 milhão de litros de óleo que contaminaram as águas partiram de
um vazamento nos dutos da Refinaria de Duque de Caxias (Reduc), da Petrobras. O
ecossistema dos manguezais próximos à região foram contaminados, uma unidade de
conservação natural foi afetada e toneladas de peixes morreram, o que comprometeu a
economia local, baseada na pesca. O vazamento é considerado um dos acidentes
ambientais mais graves de toda a América do Sul.

Vazamento de Petróleo no Golfo do México (2010):


O vazamento de petróleo no Golfo do México ocorreu após a explosão de uma
plataforma da petrolífera inglesa British Petroleum. A explosão levou pessoas à morte e
liberou aproximadamente cinco milhões de barris de petróleo no mar. O petróleo
derramado matou milhares de animais e contaminou vários outros. Em virtude
da poluição da região e da morte de peixes, a atividade econômica na área foi afetada,
uma vez que o turismo e a pesca diminuíram.

Incêndio na Ultracargo, no Porto de Santos (2015): Um incêndio nos tanques de


combustíveis do Terminal Químico de Aratu, da empresa Ultracargo, entrou para a
história. A explosão de uma válvula, devido a um erro operacional, originou o fogo que
levou nove dias para ser controlado e mobilizou agentes de todo o litoral paulista.Na
ocasião, os bilhões de litros de água utilizados para controlar as chamas voltaram às
águas. A quantidade de oxigênio no mar caiu drasticamente e a temperatura aumentou
7°C. Por consequência, nove toneladas de 142 espécies de peixes morreram. A
qualidade do ar na região também foi gravemente afetada.

Rompimento da barragem de Brumadinho, em Minas Gerais (2019):


Com o rompimento da barragem I na mina Córrego do Feijão, da mineradora Vale. O
mar de lama destruiu tudo o que encontrou pela frente: casas, plantações, pousadas,
estradas e vegetação. Segundo a empresa, cerca de 300 funcionários estavam
trabalhando no local na hora do rompimento. Devido ao curso dos rejeitos e ao
rompimento inesperado, o episódio fez mais de 241 vítimas fatais, de acordo com os
dados divulgados em maio de 2019. Segundo análise do Ibama, os rejeitos de minério
devastaram 133,27 hectares de vegetação nativa da Mata Atlântica e 70,65 hectares de
Áreas de Preservação Permanente (APP). O Rio Paraopeba, afluente do São Francisco,
foi gravemente contaminado. O impacto ambiental foi devastador e ainda não pode ser
totalmente mensurado.

2) Você já ouviu falar em algum desastre causado por fenômenos naturais?


Dê exemplos:

Tsunami na Indonésia:
Em dezembro de 2004, um dia depois do Natal, um tsunami de magnitude 9,1 (numa
escala até 10) se formou no Oceano Índico e chegou a atingir 13 países. Entre esses, a
Indonésia foi a mais afetada, com cerca de 37.000 mortos, de um total de 226.306
feridos, números calculados pelo Centro de Pesquisas Geológicas dos EUA (USGS).

Furacão Katrina:
Na manhã do dia 29 de agosto de 2005, a tempestade tropical que havia se formado nas
Bahamas chegou ao litoral sul dos EUA, onde saltou da categoria um para a cinco, na
escala Saffir-Simpson de furacões (em uma escala de um até cinco). A cidade mais
atingida foi New Orleans, que abrigava a maioria das 1.800 vítimas do desastre,
segundo autoridades locais. Até hoje, a cidade ainda guarda resquícios do Katrina, com
casas destruídas e abandonadas.

Ciclone em Mianmar:
Em 2008, o violento ciclone Nargis chegou até Mianmar, desencadeando uma onda
enorme que vitimou sua população. O número de mortos da tragédia, de acordo com
balanço do Exército, chegou a 80.000, além de cerca de 1 milhão de desaparecidos,
segundo a Organização das Nações Unidas. Durante a passagem da onda, uma prisão
local, onde diversos presos políticos estavam confinados, foi atingida. As autoridades se
recusaram a mover os presos, causando uma rebelião que deixou mais de 30 mortos.

Terremoto no Chile:
Em 2010, cidades inteiras na costa do Chile foram atingidas e destruídas por um
terremoto de 8,8 graus, deixando mais de 800 mortos, 800 mil desabrigados e um
prejuízo aproximado de 30 bilhões de dólares. Os tremores também desencadearam um
tsunami, que provocou ondas que atingiram até 300 metros em terra firme.

Desabamento no Rio de Janeiro:


Apesar de o Brasil não ser prejudicado por terremotos ou tsunamis, em janeiro de 2011,
a região serrana do Rio de Janeiro sofreu um dos maiores desastres naturais da história
do país. Na madrugada do dia 12, milhões de metros cúbicos de água e lama desceram
pelas encostas da região a uma velocidade 150 km/h, resultando em mais de 900 mortos
e 30 mil desabrigados, segundo levantamento da prefeitura de Nova Friburgo. As
cidades mais atingidas pela tragédia foram Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis.

3) Observe as imagens abaixo, escolha uma e comente sobre ela: