Você está na página 1de 13

RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015

Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação
pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada

1
pensar o curriculo

CURRÍCULO DA CIDADE: ORIENTAÇÕES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DA CIDADE DE SÃO PAULO.

Um documento que fosse um norte e respeitasse a história e a formação do professor de artes, visando que o professor possa
ter o olhar mais amplo e trabalhe a vontade.

Foi levado a debate e geram ideias que constroem o currículo advindo de vários olhares, vários direcionamentos e pode
considerar varias vertentes teóricas:
Trabalho colaborativo
Partindo da realidade da sala de aula
Professores consultados (GT) que atuam na sala de aula .

A CONCEPÇÃO E FUNDAMENTAÇÃO (Do debate sobre os fundamentos do Ensino da Arte nos últimos tempos)
BNCC de 2017 A BNCC coloca em evidência as várias linguagens de expressão da arte(dança, música, artes visuais, teatro e
artes integradas) e propõe a necessidade de o processo de ensino-aprendizagem de arte ser articulado em seis dimensões do
conhecimento (criação, crítica, estesia, expressão, fruição e reflexão).

ABORDAGEM: Triangular, Territórios da Arte e Cultura,Interculturalidade, Multiculturalismo, Cultura Visual, Educação Inclusiva,
Teatro do Oprimido, entre outros presentes nos movimentos de valorização e inserção do ensino de dança, música e teatro na
escola. Tendências Educacionais Que São Colocadas Hoje Na Contemporaneidade

2
pensar o curriculo

O currículo é aberto, não é fechado, coloca questões específicas da arte Não está a serviço de nenhuma área , as áreas
se integram

PENSAR: Como o prof. pode olhar para o currículo de artes? potencializar seu trabalho e não perder sua essência, ser
autor do seu próprio percurso poético, estético, artístico e educativo

ESTRUTUTA
CAMPOS CONCEITUAIS
OBJETOS DE CONHECIMENTOS
OBJETIVOS QUE O PROF .TEM PARA SUA TURMA A PARTIR DE ESTUDOS DE SUA REALIDADE

Construído de maneira ampla, por onde começar? Daquilo que ele acha fundamental:
5 linguagens: música dança artes visuais teatro artes hibridas/integradas:

Ex. Tridimensionalidade esta presente em varias linguagens. (Palco que dança, corpo, som que ocupa espaço)
Conceito comum que podem transitar em várias linguagens, pode potencializar sua área de formação.

NÃO SE TRATA DE DEFENDER UM TRABALHO POLIVANTE, MAS INTERDISCIPLINAR.

3
pensar o curriculo

REFERÊNCIAS QUE ORIENTAM A MATRIZ DE SABERES

1. Princípios éticos, políticos e estéticos definidos pelas Diretrizes Curriculares Nacionais (BRASIL, 2013, p. 107-108),
orientados para o exercício da cidadania responsável, que levem à construção de uma sociedade mais igualitária, justa,
democrática e solidária. PRINCÍPIOS EXPLICITADOS NO ESQUEMA DA MATRIZ DE
SABERES:
1. Pensamento Científico, Crítico e Criativo
2. Resolução de Problemas
Saber: Descobrir possibilidades diferentes, brincar, avaliar
Para: Inventar, reinventar-se, resolver problemas
3. Comunicação
Saber: Utilizar as múltiplas linguagens, como: verbal, verbo-
visual, corporal, multimodal,
brincadeira
Para: Exercitar-se como sujeito dialógico, criativo, sensível
4. Autoconhecimento e Autocuidado
5. Autonomia e Determinação
6. Abertura à Diversidade
7. Responsabilidade e Participação
8. Empatia e Colaboração 4
9. Repertório Cultural
pensar o curriculo

5 LINGUAGENS: ARTE VISUAIS, DANÇA, TEATRO, MÚSICA ARTES INTEGRADAS/HÍBRIDAS.


Cada professor tem uma formação específica em uma área e pode potencializar o conhecimento, mas é direito do aluno
estudante conhecer varias linguagens, e assim o prof. pela mediação cultural pode alimentar esse projeto trazendo diversas
áreas, trabalhando com conceitos que podem ser ampliados para diversas linguagens, e outras áreas do conhecimento.

O Currículo da Cidade organiza-se por Áreas do Conhecimento e Componentes Curriculares:


Linguagens: Arte, Educação Física, Língua Brasileira de Sinais – Libras, Língua Inglesa, Língua Portuguesa, Língua Portuguesa
para Surdos
Matemática: Matemática
Ciências da Natureza: Ciências Naturais
Ciências Humanas: Geografia e História

O professor mediador está ligado em sua prática também à educação dialogal. A potência da “mediação cultural” está na
possibilidade de criar experiências significativas no encontro com as produções artísticas e culturais, na reflexão de como a
arte afeta estudantes e professores. As produções artísticas criadas em diferentes linguagens (artes visuais, teatro, dança,
música e artes integradas) são apresentadas aos estudantes sob um olhar mediado pela ótica da educação libertadora,
diálogos reflexivos, críticos e estésicos. Nessa proposição, o estudante pode ter espaço para perceber-se como fruidor e
produtor de arte e cultura, bem como o professor se posiciona como um mediador de encontros significativos com a arte.

5
pensar o curriculo

CAMPOS CONCEITURAIS SE REPETEM EM VARIAS LINGUAGENS


OBJETOS DO CONHECIMENTO TBM O PROF. PODE ASSOCIAR UM SABER AO OUTRO

PROFESSOR TER LIBERDADE DE CONHECER SEU PROPRIO TRABALHO, TRABALHO AUTORAL MESMO COM DIRETRIZES,
QUE ELE PRECISA CONHECER

CAMPOS CONCEITUAIS:
Ideias de Território da Arte e Cultura, proposta da prof.Mirian Celeste Martins e Gisa Picosque (2010), pioneiras que
constroem a ideia de currículo rizomático, onde prof. Pode caminhar pra onde tem maior interesse.
Existe planejamento mas existe um trabalho continuo e processual.

“que trazem o desafio na construção de um currículo-mapa em que o professor traça percursos e escolhe caminhos.
Com foco no trabalho autônomo e autoral do professor, essa proposição se baseia no pensamento rizomático, conceito
filosófico desenvolvido por Deleuze e Gattari (1995), do qual deriva uma série de princípios, como o da conexão, da
heterogeneidade e da multiplicidade dos saberes”

PROPOSTA: Não é fechadoLinguagens artísticas, formas e conteúdos, patrimônio cultural e com bases nessas ideias
foi construído o currículo da cidade, junto com o GT de prof. da rede, que escolheram o campo conceitual território que
é próximo da realidade de São Paulo.
6
pensar o curriculo

Os Campos Conceituais no Currículo da Cidade – Educação de Jovens e Adultos – Arte: Ideias e Ações Germinadoras

• Arte e Tecnologia • Contextos e Matrizes Culturais • Corporeidade e Identidade • Elementos de Linguagem •


Materialidade• Mundo do Trabalho • Patrimônio Cultural• Processo de Criação

ARTE E TECNOLOGIA : importante que se estude quais são as mídias, como são as redes de comunicação em massa de
informação, como a arte transita nesses espaços, como se nutrem .

CONTEXTOS E MATRIZES CULTURAIS: A questão cultural, a história cultural do povo brasileiro, valorizando a africana e afro
descendente, européia, indígena formação do nosso país e culturas que continuam chegando, imigrantes que estão
chegando, fazer relações com o presente.

Perceber e dar voz e empoderamento , perceber as relações e conflitos das tensões da cidade de São Paulo e como isso gera
arte Campo conceitual rico , identidade cultural.

CADA LINGUAGEM ARTÍSTICA TEM SEUS CÓDIGOS ELEMENTOS: “artes visuais” (linha, cor forma luminosidade, plano,
forma)  como que essas habilidades ajudam os alunos a construir, perceber, ler imagens, apreciar e também a ser uma
pessoa que se expressa por meio dessas linguagens?
7
pensar o curriculo

Arte é complexa mas não precisa ser complicada, mas é preciso pensar nas muitas formas de construir!
“Podemos criar complexa rede de saberes em que a poesia das "imagens, da palavra falada e escrita, do gesto e do
movimento traça suas tramas”

•CORPOREIDADE: Esse corpo é cultural, está presente no mundo, ajuda compreender a auto imagem, analisam imagem do
outro, mas como é a leitura desse corpo? Como que o corpo está representado na arte?
-Achar caminhos para que os alunos compreendam sua identidade corporal, sua estética corporal, e quando o corpo está
presente na arte, e como pode ser estudado.

POR CORPOREIDADE, COMPREENDEMOS:

“busca por outros modos de compreender a realidade do corpo”, que se vive intencionalmente a partir da relação que os
sujeitos travam diretamente com o mundo, por meio da experiência, situando o corpo como lugar e origem de todo saber
(ALVIM, 2014 apud ALVES, 2017, p. 25).

“É uma concepção que se opõe à visão dualista ocidental que entende racionalidade e sensibilidade como forças antagônicas,
considerando a razão como instância superior e mais valorizada” (PORPINO, 2006 apud ALVES,2017, p. 25).

8
pensar o curriculo

MATERIALIDADE: Área importante porque é a matéria que dá forma sustentabilidade, estesia, poética que está presente
na obra artística A materialidade não é fruto do acaso.

Na arte contemporânea tem uma relação entre matéria e poética, intenção artística.
Determinado material potencializa sua ideia,Meio ,veículo,Intenção poética que chegue ao apreciador.

PONTO DE VISTA DE CONHECER, DE ESCOLHAS DE MATERIAIS: como também investigar quais materialidades são
interessantes em seus projetos artísticos.
Questões contemporâneas, meios suportes veículos, orgânicas, industrializadas, reaproveitáveis, sustentabilidade.

MUNDO DO TRABALHO na cidade de São Paulo existe um público diverso, estudantes que tem interesse de se colocar
no mercado de trabalho, um mundo diversificado e “conhecer” pode abrir caminhos.

TRABALHO E ENSINO DE ARTE: pode mudar concepções, abrir horizontes ao universo das profissões da questão
estética, e como isso é construído.

LINGUAGENS CONVERGENTES: publicidade, arquitetura, moda, designer estão ligadas a artes mas tem uma função e
usam estudos e nutrem de territórios da arte para construir sua s habilidades.

Conhecer linguagens produções, conhecimentos ligados a várias profissões é muito importante


9
pensar o curriculo

•PATRIMÔNIO CULTURAL: fundamental, sentimento de pertencimento, tempo histórico, sentir sujeito dessa história e
sociedade.

Sujeito participativo e consciente Contribuir para preservação e bens materiais e imateriais


Relação do cotidiano e do conhecimento da escola que é fundamental para o aluno se perceber, vivendo esse mundo
culturalmente

Professor pode trabalhar desde patrimônio imaterial, material Tudo construído pelo povo brasileiro Perceber a
própria historia enquanto brasileiro, paulista

•PROCESSO DE CRIAÇÃO: abre portas para os estudantes perceberam como eles criam, o que move o artista, motivação,
intenção, porque escolheu determinada linguagem, determinado assunto, autoral, processo de criação dele, ideia de
memória, intenção artistica, poética,” poesis” Como o outro cria e ele mesmo cria

“Embora, ainda hoje, seja comum as pessoas se referirem a grandes artistas como “gênios” com “dom artístico”, a partir
do início do século XX, as concepções de criação na arte estiveram mais ligadas a atitudes em pesquisar, experimentar e
ousar. Nesse sentido, este campo conceitual pode contribuir para que os estudantes compreendam o processo de criação
na vida e na arte.”

10
pensar o curriculo

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO  foi organizado para as quatro etapas (Alfabetização, Básica, Complementar e Final) e
apresenta uma Matriz de Saberes, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, os Eixos Estruturantes, os Objetos de
Conhecimento e os Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento de cada Componente Curricular.

CONCEITO DE EDUCAÇÃO INTEGRAL  Tem como propósito essencial promover o desenvolvimento integral dos
estudantes, considerando as suas dimensões intelectual, social, emocional, física e cultural.
CONCEITO DE EQUIDADE todos os estudantes são sujeitos íntegros, potentes, autônomos , capazes de aprender e
desenvolver-se, contanto que os processos educativos a eles destinados considerem suas características e seu contexto e
tenham significado para suas vidas. BUSCAMOSfortalecer políticas de equidade, explicitando os objetivos de
aprendizagem e desenvolvimento, garantindo as condições necessárias para que eles sejam assegurados a cada jovem e
adulto da Rede Municipal de Ensino, independentemente da sua realidade socioeconômica, cultural, étnico-racial ou
geográfica.

CONCEITO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA Respeitar e valorizar a diversidade e a diferença, reconhecendo


o modo de ser, de pensar e de aprender de cada estudante,propiciando desafios adequados às suas características
biopsicossociais, apostando nas suas possibilidades de crescimento e orientando-se por uma perspectiva de educação
inclusiva, plural e democrática.

11
pensar o curriculo

AVALIAÇÃO

É possível e necessário, por meio desse processo, como aponta


Fernandes(2008), melhorar não só o que se aprende e, portanto, o
que se ensina, mas como se aprende ou como se ensina.

São ações desafiadoras que merecem investimento e cuidado se


efetivamente quisermos garantir o direito de todos por uma
educação de qualidade, com equidade.

O CURRÍCULO DA CIDADE ORGANIZA-SE A PARTIR DOS SEGUINTES ELEMENTOS: • Matriz de Saberes - Explicita os
direitos de aprendizagem que devem ser garantidos a todos os estudantes da Rede Municipal de Ensino ao longo de
toda a Educação Básica. • Temas Inspiradores - Conectam os aprendizados dos estudantes aos temas da atualidade. •
Etapas - Definem as quatro etapas em que se divide o Ensino Fundamental na modalidade EJA na Rede Municipal de
Ensino. • Eixos Estruturantes - Organizam os Objetos de Conhecimento. • Objetos de Conhecimento :Indicam o que os
professores precisam ensinar a cada etapa em cada um dos componentes curriculares. • Objetivos de Aprendizagem e
Desenvolvimento - Definem o que cada estudante precisa aprender a cada etapa em cada um dos componentes 12
curriculares.
pensar o curriculo

É FUNDAMENTAL RECONHECER que os estudantes da EJA fazem parte dos milhões de brasileiros privados dos bens
simbólicos e materiais que a escolarização deveria garantir.NECESSIDADE DE EDUCAR JOVENS E ADULTOS e a função dessa
escolarização são pontos que permeiam esse currículo, trazendo à tona algumas possíveis respostas a esses questionamentos.
Uma explicação otimista para a existência dessa modalidade reside no fato desses sujeitos desejarem os estudos em busca de
realização pessoal e também a busca por uma cidadania responsável. Isso deve ser levado em consideração, pois em grande
parte dos casos, as pessoas atendidas pela EJA tiveram o seu direito à educação negado em algum momento da vida, o que
torna imperativo reverter esse quadro. 13

Você também pode gostar