Você está na página 1de 7

Aula – Direito Civil – Familia e Sucessões

PLANO DE VALIDADE DO CASAMENTO


IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS E CAUSAS SUSPENSIVAS
O matrimônio é subordinado a certos requisitos, proibindo quem não
se encontrar nas condições nele arroladas de convolar núpcias.
Impedimento matrimonial é a ausência de requisitos para o
casamento. Impede portanto, a realização de casamento válido.
Causa suspensiva da celebração do matrimônio é denominada por
alguns autores de impedimento impediente ou meramente proibitivo
ou ainda, impedimento suspensivo. Mas, na verdade, não se trata de
impedimento, visto ser fato suspensivo do processo de celebração.
• IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS
 IMPEDIMENTOS – ARTIGO 1521 CC – CASAMENTO NULO
 CAUSAS DE ANULAÇÃO DO CASAMENTO – ARTIGO 1550
CC – CASAMENTO ANULÁVEL
 CAUSAS SUSPENSIVAS DO CASAMENTO – ARTIGO 1523
CC – CASAMENTO IRREGULAR ( imposição de sanção de
natureza patrimonial – eficácia).
Conforme o Código Civil:
• DO CASAMENTO NULO
• Art. 1.521. Não podem casar:
I - os ascendentes com os descendentes, seja o parentesco
natural ou civil;
II - os afins em linha reta;
III - o adotante com quem foi cônjuge do adotado e o adotado
com quem o foi do adotante;
IV - os irmãos, unilaterais ou bilaterais, e demais colaterais, até
o terceiro grau inclusive;
V - o adotado com o filho do adotante;
VI - as pessoas casadas;
VII - o cônjuge sobrevivente com o condenado por homicídio ou
tentativa de homicídio contra o seu consorte.

• → CASAMENTO ENTRE PARENTES EM LINHA RETA:


• I – não podem casar os ascendentes com descendentes,
seja o parentesco natural ou civil – ( pais com filhos)
 Parentesco natural: pessoas que mantém o vínculo de
consanguinidade
 Parentesco civil: pessoas que mantém o vínculo socioafetivo
 → CASAMENTO ENTRE PARENTES EM LINHA RETA:

 I – não podem casar os ascendentes com descendentes,


seja o parentesco natural ou civil – ( pais com filhos)
 Parentesco natural: pessoas que mantém o vínculo de
consanguinidade
 Parentesco civil: pessoas que mantém o vínculo socioafetivo

• II – Casamento entre afins em linha reta


Parentesco por afinidade é aquele travado entre o cônjuge ou
companheiro (a) e os parentes do outro,
tanto na linha reta ( sogra e genro, sogro e nora, padrasto e
enteada)como na linha colateral ( cunhado)
OBS: Artigo 1595 §2ᵒCC - Na linha reta, a afinidade não se
extingue com a dissolução do casamento ou da união estável
( isso significa que jamais poderemos nos casar com a nossa
sogra!!)

• III – Casamento entre o adotante com quem foi cônjuge


do adotado e do adotado com quem o foi do adotante
→Ex: O adotado se casar com a ex-mulher do seu pai, ou o pai
se casar com a ex-esposa de seu filho.

• IV- Casamento entre colaterais


**Parentes colaterais: aqueles que não descendem uns dos
outros, derivando, porém, de um mesmo tronco comum.
*IRMÃOS: proíbe o casamento entre irmãos, unilaterais ou
bilaterais, e demais colaterais, inclusive de terceiro grau.
*TIO e SOBRINHA: ( Colaterais de terceiro grau): restrição visa
a preservação da prole (doenças) em decorrência da
proximidade parental.

• V- Casamento entre o adotado e o filho do adotante


Não se permite, pois na perspectiva constitucional do vínculo
adotivo, esse casamento estaria sendo contraído entre IRMÃOS.
OBS: O adotado insere-se como filho na família do adotante,
para todos os efeitos de direito.

• VI- Casamento entre pessoas casadas


• ** Bigamia – Artigo 235 CP: Contraír alguém, sendo casado,
novo casamento:
Pena- reclusão de dois a seis anos.
Assim, será NULO o casamento de quem ainda não teve
dissolvido, pelo divórcio ou pela morte de seu consorte, o
vínculo matrimonial anterior.
• VII- Casamento entre o cônjuge sobrevivente com o
condenado por homicídio ou tentativa de homicídio
contra o seu consorte.
• → NULO será o casamento entre o cônjuge sobrevivente e o
condenado por homicídio consumado ou tentado contra o seu
consorte.

• OPOSIÇÃO DOS IMPEDIMENTOS


• ARTIGO 1522 CC : podem ser opostos até o momento da
celebração do casamento, por qualquer pessoa capaz.
OBS: razão pela qual o local da celebração do matrimônio deve
ser aberto ao público, não se permitindo solenidade de portas
fechadas.

• Quais serão os efeitos jurídicos CASAMENTO NULO

A infringência de qualquer desses impedimentos desemboca na


NULIDADE do matrimônio celebrado.
OBS: ARTIGO 1563 CC:
“A sentença que decretar a nulidade do casamento retroagirá à
data da sua celebração, sem prejudicar a aquisição de direitos,
a título oneroso, por terceiros de boa-fé, nem a resultante de
sentença transitada em julgado”.

DO CASAMENTO ANULÁVEL
ARTIGO 1550 CC

Art. 1.550. É anulável o casamento: (Vide Lei nº 13.146,


de 2015) (Vigência)
I - de quem não completou a idade mínima para casar;
II - do menor em idade núbil, quando não autorizado por
seu representante legal;
III - por vício da vontade, nos termos dos arts. 1.556 a
1.558;
IV - do incapaz de consentir ou manifestar, de modo
inequívoco, o consentimento;
V - realizado pelo mandatário, sem que ele ou o outro
contraente soubesse da revogação do mandato, e não
sobrevindo coabitação entre os cônjuges;
VI - por incompetência da autoridade celebrante.
§ 1o. Equipara-se à revogação a invalidade do mandato
judicialmente decretada.
§ 2o A pessoa com deficiência mental ou intelectual em
idade núbia poderá contrair matrimônio, expressando
sua vontade diretamente ou por meio de seu responsável
ou curador. (Incluído pela Lei nº 13.146, de 2015)
(Vigência)

I – NUBENTE QUE NÃO COMPLETOU IDADE MÍNIMA PARA CASAR


Idade núbil: 16 anos completos

II- NUBENTE EM IDADE NÚBIL SEM AUTORIZAÇÃO PARA O


CASAMENTO
Autorização dos pais ou representantes, ou ainda do juiz

III- VÍCIOS DE VONTADE


Será anulável o casamento quando ocorrer vício de vontade na sua
celebração, ou seja, a vontade dos nubentes deve ser livre e de boa-
fé.

IV- DA OMISSÃO LEGAL DE REFERÊNCIA A OUTROS VÍCIOS DE


CONSENTIMENTO
Erro essencial sobre a pessoa de um dos cônjuges ou coação.
Condutas dolosas – erro essencial

V-ERRO ESSENCIAL SOBRE A PESSOA DE UM DOS CÔNJUGES –


artigo 1556 CC
“ O casamento pode ser anulado por vício de vontade, se houve por
parte de um dos nubentes, ao consentir, erro essencial quanto à
pessoa do outro”.
** esse erro deverá ser de tal impacto que torne insuportável a vida
em comum.
Artigo 1557:
I – Quanto à identidade, honra e boa fama:
Nome e identidade falsos, por exemplo, comportando-se durante o
noivado como se fosse outra pessoa.
Ex: Cônjuge que se submeteu à cirurgia para redesignação de sexo e
não informou ao outro nubente.
II – Quanto à existência de cometimento de crime
Poderá ser anulado casamento por erro essencial, em virtude de
ignorância de crime, anterior ao casamento, que torne insuportável a
vida conjugal.
III- Quanto à existência de defeito físico irremediável que não
caracterize deficiência ou patologia transmissível
Haverá invalidade em decorrência da ignorância, anterior ao
casamento, de defeito físico irremediável que não caracterize
deficiência ou de moléstia grave e transmissível, pelo contágio ou
herança, capaz de por em risco a saúde do outro cônjuge ou de sua
descendência.
**ex: marido com impotência coeundi,
** HIV
DA COAÇÃO
É ANULÁVEL O CASAMENTO EM VIRTUDE DA COAÇÃO
Quando o consentimento de um ou de ambos os cônjuges houver
sido captado mediante fundado temos de mal considerável e iminente
para a vida, a saúde e a honra, sua ou de seus familiares.
(EX: violência psicológica, declaração de vontade viciada)

NUBENTE INCAPAZ DE CONSENTIR OU DE MANIFESTAR O SEU


CONSENTIMENTO
Haverá anulabilidade no matrimônio do incapaz de consentir ou de
manifestar com clareza o seu entendimento.
( Ex: pessoa induzida quimicamente, embriaguez)
- INCOMPETÊNCIA DA AUTORIDADE CELEBRANTE
Será considerado inexistente e não simplesmente inválido.

ARTIGO 1560 CC – O PRAZO PARA SER INTENTADA A AÇÃO DE


ANULAÇÃO DO CASAMENTO, A CONTAR DA DATA DA
CELEBRAÇÃO, É DE:
I- 180 dias, no caso do inciso IV do 1550
II- dois anos, se incompetente a autoridade celebrante
III- três anos, nos casos dos incisos I a IV do artigo 1557 CC
IV- quatro anos se houver coação
§ 1 Extingue-se, em cento e oitenta dias, o direito de anular o
casamento dos menores de dezesseis anos, contado o prazo para o
menor do dia em que perfez essa idade; e da data do casamento,
para seus representantes legais ou ascendentes.
§ 2. Na hipótese do inciso V do artigo 1550, o prazo para a anulação
do casamento é de cento e oitenta dias, a partir da data em que o
mandante tiver conhecimento da celebração.

Efeitos jurídicos DO CASAMENTO ANULÁVEL


Anulado o matrimônio, a sentença que o invalida retroage a seus
efeitos para atingi-lo ab initio, cancelando inclusive o seu registro,
razão porque os cônjuges retornam ao estado civil de solteiro.

• CASAMENTO PUTATIVO

MATRIMÔNIO QUE, CONTRAÍDO DE BOA FÉ POR UM OU


AMBOS OS CONSORTES, POSTO PADEÇA DE NULIDADE
ABSOLUTA OU RELATIVA, TEM OS SEUS EFEITOS
JURÍDICOS RESGUARDADOS EM FAVOR DO CÔNJUGE
INOCENTE.

ARTIGO 1561 CC
• “ EMBORA ANULÁVEL OU MESMO NULO, SE CONTRAÍDO DE
BOA-FÉ POR AMBOS OS CÔNJUGES, O CASAMENTO, EM
RELAÇÃO A ESTES COMO AOS FILHOS, PRODUZ TODOS OS
EFEITOS ATÉ O DIA DA SENTENÇA ANULATÓRIA”.

• ARTIGO 1561 CC
• § 1ᵒ Se um dos cônjuges estava de boa-fé ao celebrar o
casamento, os seus efeitos civis só a ele e aos filhos
aproveitarão.
• § 2ᵒ Se ambos os cônjuges estavam de má fé ao celebrar o
casamento, os seus efeitos civis só aos filhos aproveitarão.

• Exemplos:

SE UM DOS CÔNJUGES ESTAVA DE BOA FÉ:


Um cidadão, casado em Salvador, em uma viagem, conhece
uma moça em Belo Horizonte e, ocultando o seu estado civil,
contrai novo matrimonio, sem que a segunda mulher de nada
saiba ( Além de bigamia, casamento nulo por violação de
impedimento).
EFEITOS: O direito de herança restará extinto, e se a morte
ocorrer quando ainda em curso a ação de invalidade, o direito
sucessório do cônjuge de boa fé sobrevivente é mantido.
Quanto aos bens, o consorte inocente terá direito de haver de
volta tudo que concorreu para a formação do patrimônio
comum, inclusive doações feitas.

• SE AMBOS OS CÔNJUGES ESTAVAM DE BOA-FÉ


Ex: Duas pessoas maiores, capazes, apaixonam-se, casam-se,
sem imaginar que são imãos. (Dada a boa fé de ambos, os
efeitos do matrimonio são preservados em favor de ambos).
Efeitos: considerando a boa-fe de ambos, a partilha dos bens
deverá ser feita, segundo o regime de bens escolhido.
O direito à herança será extinto.

DO RECONHECIMENTO
• O reconhecimento da PUTATIVIDADE, pode ser feito de
oficio, preservando os efeitos do matrimônio inválido.

• EFEITOS JURIDICOS
§2ᵒ ARTIGO 1561 CC- SE AMBOS OS CÔNJUGES ESTAVAM DE
MÁ FÉ SOMENTE AOS FILHOS OS EFEITOS DO CASAMENTO
APROVEITARÃO.