Você está na página 1de 13

Conceitos IRS

IRS - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas


Singulares;
Direto: Incide imediatamente sobre o rendimento e é atribuído diretamente a
uma pessoa (contribuinte);

De base mundial: Aplica-se à totalidade dos rendimentos dos residentes em


IRS - Imposto sobre o rendimento das Portugal e ainda sobre os não residentes pelos rendimentos obtidos em
pessoas singulares Portugal;

Pessoal: Tem em conta a situação económica e social do contribuinte e do seu


UFCD 0575 50 horas Carina Reis agregado familiar - estado civil, número de dependentes, grau de deficiência (se
existir;

2 Formadora: Carina Reis

Conceitos IRS Incidência pessoal ou subjectiva


Periódico: Tem uma natureza anual, uma vez que incide sobre o valor Ficam sujeitas a IRS as pessoas singulares que residam em território
dos rendimentos obtidos entre 1 de janeiro e 31 de dezembro; português e as que, nele não residindo, aqui obtenham rendimentos;

Declarativo: É determinado com base nas informações que constam na


declaração de rendimentos – tecnicamente designada por Declaração
Modelo 3 – que cada contribuinte tem o dever de entregar anualmente;

Progressivo (por escalões): Quanto mais elevado o escalão de


rendimento sujeito a imposto, maior a taxa, mas só até um determinado
nível, ou seja, quem ganha mais, paga uma taxa de imposto superior.

3 Formadora: Carina Reis 4 Formadora: Carina Reis

1
Conceito de agregado familiar IAS – Indexante de Apoios Sociais
Os cônjuges não separados judicialmente de pessoas e bens, O IAS foi criado, em 2006 pela Lei n.º 53-B/2006, de 29 de
ou os unidos de facto, e os respetivos dependentes; Dezembro, tendo entrado em vigor no início de 2007;

Cada um dos cônjuges ou ex-cônjuges, respetivamente, nos Objetivo de substituir o salário mínimo mensal como valor
casos de separação judicial de pessoas e bens ou de base de referência para o cálculo e atualização das
declaração de nulidade, anulação ou dissolução do casamento, contribuições, das pensões e outras prestações sociais.
e os dependentes a seu cargo;
2018 – 428,90€
O pai ou a mãe solteiros e os dependentes a seu cargo;
2019 – 435,76€
O adotante solteiro e os dependentes a seu cargo.

5 Formadora: Carina Reis 6 Formadora: Carina Reis

Incidência real ou objectiva Rendimentos da categoria A – Art. 2º


Incide sobre o valor anual dos rendimentos das categorias: Os rendimentos da categoria A dizem respeito
Categoria A - Rendimentos do trabalho dependente; aos rendimentos do trabalho dependente;
Categoria B - Rendimentos empresariais e profissionais;

Categoria E - Rendimentos de capitais;

Categoria F - Rendimentos prediais;

Categoria G - Incrementos patrimoniais;

Categoria H - Pensões.

7 Formadora: Carina Reis 8 Formadora: Carina Reis

2
Rendimentos da categoria A – Art. 2º Rendimentos da categoria A – Art. 2º
Consideram-se rendimentos do trabalho dependente todas as As remunerações dos membros dos órgãos estatutários das pessoas
coletivas e entidades equiparadas;
remunerações pagas ou postas à disposição do seu titular
As remunerações acessórias, nelas se compreendendo todos os
provenientes de:
direitos, benefícios ou regalias não incluídos na remuneração principal
Trabalho por conta de outrem prestado ao abrigo de contrato individual
que sejam auferidos devido à prestação de trabalho ou em conexão com
de trabalho ou de outro a ele legalmente equiparado;
esta e constituam para o respetivo beneficiário uma vantagem económica.
Exercício de função, serviço ou cargo públicos;
As remunerações auferidas na qualidade de deputado no Parlamento Europeu.

9 Formadora: Carina Reis 10 Formadora: Carina Reis

Rendimentos da categoria A – Art. 2º Rendimentos da categoria A – Art. 2º


Remunerações acessórias:
Remunerações acessórias:
As importâncias despendidas, obrigatória ou facultativamente, pela entidade patronal:
Os abonos de família e respetivas prestações complementares, exceto na
Com seguros e operações do ramo «Vida», contribuições para fundos de pensões, fundos
parte em que não excedam os limites legais estabelecidos (pagos pela de poupança-reforma desde que constituam direitos adquiridos e individualizados dos
entidade patronal); respetivos beneficiários;

O subsídio de refeição na parte em que exceder o limite legal Os abonos para falhas devidos a quem, no seu trabalho, tenha de movimentar numerário;

estabelecido ou em que o exceda em 60 % sempre que o respetivo Os subsídios de residência ou equivalentes ou a utilização de casa de habitação

subsídio seja atribuído através de vales de refeição; (4,77€ - 7,63▓) fornecida pela entidade patronal;

As importâncias despendidas pela entidade patronal com viagens e estadas, de


turismo e similares, não conexas com as funções exercidas pelo trabalhador ao
serviço da mesma entidade;

11 Formadora: Carina Reis 12 Formadora: Carina Reis

3
Rendimentos da categoria A – Art. 2º Deduções categoria A – Art. 25º
Consideram-se remunerações: Aos rendimentos brutos da categoria A deduzem-se, até à sua
concorrência, e por cada titular que os tenha auferido, os seguintes
Ordenados, salários, vencimentos, gratificações, percentagens,
montantes:
comissões, participações, subsídios ou prémios, senhas de
A) (euro) 4 104
presença, emolumentos, participações em multas e outras
Elevada até 75 % de 12 vezes o valor do IAS desde que a diferença resulte de
remunerações acessórias, ainda que periódicas, fixas ou quotizações para ordens profissionais suportadas pelo sujeito passivo e que sejam
indispensáveis ao exercício da respetiva atividade desenvolvida exclusivamente por
variáveis, de natureza contratual ou não.
conta de outrem (exemplo contabilista quotas mensais).

Contribuições obrigatórias para regimes de proteção social e para


subsistemas legais de saúde excederem o limite fixado na alínea A) aquela
dedução é pelo montante total dessas contribuições.
13 Formadora: Carina Reis 14 Formadora: Carina Reis

Deduções categoria A – Art. 25º Deduções categoria A – Art. 25º


B) As indemnizações pagas pelo trabalhador à sua entidade patronal C) As quotizações sindicais, na parte em que não
por rescisão unilateral do contrato individual de trabalho sem aviso prévio
constituam contrapartida de benefícios de saúde,
em resultado de sentença judicial ou de acordo judicialmente
educação, apoio à terceira idade, habitação, seguros ou
homologado ou, nos restantes casos, a indemnização de valor não
superior à remuneração de base correspondente ao aviso prévio; segurança social e desde que não excedam, em relação a
cada sujeito passivo, 1 % do rendimento bruto desta categoria,
sendo acrescidas de 50 %.

15 Formadora: Carina Reis 16 Formadora: Carina Reis

4
Rendimentos Categoria H – Art. 11º Deduções Categoria H – Art. 53º
Consideram-se pensões: Aos rendimentos brutos da categoria H são ainda
As prestações devidas a título de pensões de aposentação ou de reforma,
deduzidas:
velhice, invalidez ou sobrevivência, bem como outras de idêntica As quotizações sindicais, na parte em que não constituam

natureza e ainda as pensões de alimentos; contrapartida de benefícios relativos à saúde, educação, apoio à terceira
idade, habitação, seguros ou segurança social e desde que não excedam,
As prestações a cargo de companhias de seguros, fundos de pensões, ou
quaisquer outras entidades, devidas no âmbito de regimes complementares em relação a cada sujeito passivo, 1 % do rendimento bruto desta

de segurança social em razão de contribuições da entidade patronal, e que categoria, sendo acrescidas de 50 %;

não sejam consideradas rendimentos do trabalho dependente; As contribuições obrigatórias para regimes de proteção social e para
subsistemas legais de saúde, na parte que exceda o montante da
dedução (4104).

17 Formadora: Carina Reis 18 Formadora: Carina Reis

Rendimentos Categoria B – Art.3º Rendimentos Categoria B – Art.3º


Consideram-se rendimentos empresariais e profissionais: Os provenientes da propriedade intelectual ou industrial.
Os decorrentes do exercício de qualquer atividade comercial,
industrial, agrícola, silvícola ou pecuária; • Direitos de Autor
Direito de • Direitos Conexos
Os auferidos no exercício, por conta própria, de qualquer Autor
• Programas de
computador
atividade de prestação de serviços, incluindo as de carácter
científico, artístico ou técnico, qualquer que seja a sua natureza; Propriedade
Intelectual

• Marca
Propriedade • Patente
Industrial
• Desenhos
industriais

19 Formadora: Carina Reis 20 Formadora: Carina Reis

5
Rendimentos Categoria B – Art.3º Rendimentos Categoria B – Art.3º
Consideram-se ainda rendimentos desta categoria As importâncias auferidas, a título de indemnização, conexas

As importâncias relativas à cessão temporária de exploração de com a atividade exercida, nomeadamente a sua redução,

estabelecimento; suspensão e cessação, assim como pela mudança do local do

Os subsídios ou subvenções no âmbito do exercício da atividade respetivo exercício;

empresarial e profissional; Os rendimentos prediais imputáveis a atividades geradoras de


rendimentos empresariais e profissionais;
Os provenientes da prática de atos isolados referentes a
atividade; Os rendimentos de capitais imputáveis a atividades geradoras
de rendimentos empresariais e profissionais;
Consideram-se rendimentos provenientes de atos isolados os que
não resultem de uma prática previsível ou reiterada.

21 Formadora: Carina Reis 22 Formadora: Carina Reis

Rendimentos Categoria B – Art.4º Momento da Tributação


É opção do sujeito passivo manter os rendimentos prediais na Os rendimentos empresariais e profissionais ficam sujeitos a
categoria F ou enquadrá-los na categoria B;
tributação desde o momento em que para efeitos de IVA seja
Não foi previsto qualquer período de permanência em nenhuma das
obrigatória a emissão de fatura;
categorias.;
Os sujeitos passivos são obrigados a emitir uma fatura por cada transmissão de bens ou
A opção pode ser exercida na declaração de início de atividade ou em prestação de serviços.

declaração de alterações; Ou desde o momento do pagamento ou colocação à


disposição dos respetivos titulares.

23 Formadora: Carina Reis 24 Formadora: Carina Reis

6
Formas de determinação dos rendimentos
empresariais e profissionais – Art. 28º Regime Simplificado – Art. 28º
A determinação dos rendimentos empresariais e Ficam abrangidos pelo regime simplificado os sujeitos passivos

profissionais faz-se: que, no exercício da sua atividade, não tenham

Com base na aplicação das regras decorrentes do regime ultrapassado no período de tributação imediatamente

simplificado; anterior um montante anual ilíquido de rendimentos


desta categoria de 200 000€.
Com base na contabilidade (organizada).
Os sujeitos passivos abrangidos pelo regime simplificado
podem optar pela determinação dos rendimentos
com base na contabilidade.

25 Formadora: Carina Reis 26 Formadora: Carina Reis

Regime Simplificado – Art. 28º Regime Simplificado – Art. 28º


A aplicação do regime simplificado cessa: Os titulares de rendimentos da exploração de
200 00€ seja ultrapassado em dois períodos de tributação estabelecimentos de alojamento local na modalidade de
consecutivos; moradia ou apartamento podem, a cada ano, optar pela
Num único exercício, em montante superior a 25 % (250 tributação de acordo com as regras estabelecidas para
000€) a categoria F. (Aditado pela Lei n.º 42/2016, de 28 de dezembro)
Casos em que a tributação pelo regime de contabilidade
organizada se faz a partir do período de tributação
seguinte ao da verificação de qualquer desses factos.

27 Formadora: Carina Reis 28 Formadora: Carina Reis

7
Rendimentos Cat. B - Rendas Atos isolados- Art. 30º
Com a reforma do Código do IRS (CIRS) em 2015 o Na determinação do rendimento tributável dos atos
arrendamento pode constituir uma autêntica isolados:
atividade empresarial, em função do número de prédios Aplicam-se os coeficientes previstos para o regime simplificado,
arrendados e das ações que os senhorios poderão ter que quando o respetivo rendimento anual ilíquido seja inferior ou
desenvolver para gerir o seu património imobiliário, passando igual a (euro) 200 000;
a prever a possibilidade da sua tributação no âmbito Sendo o rendimento anual ilíquido superior a (euro) 200 000,
da categoria B. aplicam-se, com as devidas adaptações, as regras aplicáveis aos
sujeitos passivos com contabilidade organizada (IRC)

29 Formadora: Carina Reis 30 Formadora: Carina Reis

Aplicação de coeficientes Regime


Simplificado – Art. 31º Rendimentos da categoria E – Art. 5º
Rendimentos abrangidos Tributação Consideram-se rendimentos de capitais os frutos e demais
a) Vendas de mercadorias e produtos, bem como prestações de serviços do
setor da hotelaria, restauração e bebidas, com exceção das que se
0,15
vantagens económicas;
desenvolvam no âmbito da atividade de exploração de estabelecimento de
alojamento local;
b) Prestações de serviços da lista de atividade do artigo 151.º do Código
0,75
do IRS;
c) Prestações de serviços não previstas acima; 0,35
d) Rendimentos de royalties, "know how" e outros rendimentos (de
0,95
capitais, prediais, mais-valias de incrementos patrimoniais);
e) Subsídios ou subvenções não destinados à exploração; 0,30
f) Subsídios destinados à exploração e restantes rendimentos da Cat. B; 0,10
g) Rendimentos decorrentes de prestações de serviços efetuadas pelo
1
sócio a uma sociedade abrangida pelo regime de transparência fiscal;

31 Formadora: Carina Reis 32 Formadora: Carina Reis

8
Rendimentos da categoria E – Art. 5º Rendimentos da categoria E – Art. 5º
Os frutos e vantagens económicas referidos anteriormente compreendem, c) Os juros, os prémios de amortização ou de reembolso e as
designadamente: outras formas de remuneração de títulos da dívida pública,
a) Os juros e outras formas de remuneração decorrentes de contratos de
obrigações, títulos de participação, certificados de consignação,
mútuo e outros que proporcionem, a título oneroso, a disponibilidade
temporária de dinheiro ou outras coisas fungíveis;
obrigações de caixa ou outros títulos análogos;

b) Os juros e outras formas de remuneração derivadas de depósitos à ordem ou d) Os juros e outras formas de remuneração de suprimentos,
a prazo em instituições financeiras, bem como de certificados de depósitos e de abonos ou adiantamentos de capital feitos pelos sócios à
contas de títulos com garantia de preço ou de outras operações similares ou
sociedade;
afins;

33 Formadora: Carina Reis 34 Formadora: Carina Reis

Rendimentos da categoria E – Art. 5º Rendimentos da categoria E – Art. 5º


e) Os juros e outras formas de remuneração devidos pelo h) Os lucros e reservas colocados à disposição dos associados
facto de os sócios não levantarem os lucros ou remunerações ou titulares e adiantamentos por conta de lucros, com
colocados à sua disposição; exclusão daqueles a que se refere o artigo 20.º;

f) O saldo dos juros apurado em contrato de conta corrente; i) O valor atribuído aos associados na amortização de partes

g) Os juros ou quaisquer acréscimos de crédito pecuniário sociais sem redução de capital;

resultantes da dilação do respetivo vencimento ou de mora no j) Os rendimentos distribuídos das unidades de participação
seu pagamento; em fundos de investimento;

35 Formadora: Carina Reis 36 Formadora: Carina Reis

9
Rendimentos da categoria E – Art. 5º Rendimentos da categoria E – Art. 5º
l) Os rendimentos auferidos pelo associado na associação em n) Os rendimentos decorrentes do uso ou da concessão do
participação e na associação à quota;
uso de equipamento agrícola e industrial, comercial ou
m)Os rendimentos provenientes de contratos que tenham por objeto a
científico, quando não constituam rendimentos prediais, bem
cessão ou utilização temporária de direitos da propriedade intelectual
como os provenientes da cedência, esporádica ou
ou industrial ou a prestação de informações respeitantes a uma
experiência adquirida no setor industrial, comercial ou científico, quando continuada, de equipamentos e redes informáticas, incluindo
não auferidos pelo respetivo autor ou titular originário, bem como os transmissão de dados ou disponibilização de capacidade
derivados de assistência técnica; informática instalada em qualquer das suas formas possíveis;
o) Os juros que não se incluam em outras alíneas deste
artigo lançados em quaisquer contas correntes;
37 Formadora: Carina Reis 38 Formadora: Carina Reis

Rendimentos da categoria E – Art. 5º Rendimentos da categoria E – Art. 5º


p) Quaisquer outros rendimentos derivados da simples aplicação de capitais; a) São excluídos da tributação um quinto do rendimento, se o
q) O ganho decorrente de operações de swaps de taxa de juro;
resgate, adiantamento, remição ou outra forma de antecipação
r) A remuneração decorrente de certificados que garantam ao titular o direito a
de disponibilidade, bem como o vencimento, ocorrerem após
receber um valor mínimo superior ao valor de subscrição

s) As indemnizações que visem compensar perdas de rendimentos desta cinco e antes de oito anos de vigência do contrato;
categoria;
b) São excluídos da tributação três quintos do rendimento, se
t) Os montantes pagos ou colocados à disposição do sujeito passivo por
o resgate, adiantamento, remição ou outra forma de
estruturas fiduciárias, quando tais montantes não estejam associados à sua
liquidação, revogação ou extinção. antecipação de disponibilidade, bem como o vencimento,
ocorrerem depois dos primeiros oito anos de vigência do
contrato.
39 Formadora: Carina Reis 40 Formadora: Carina Reis

10
Rendimentos da categoria F – Art. 8º Rendimentos da categoria F – Art. 8º
Consideram-se rendimentos prediais as rendas dos São havidas como rendas:
prédios rústicos, urbanos e mistos pagas ou colocadas à As importâncias relativas à cedência do uso do prédio ou de
disposição dos respetivos titulares, quando estes não parte dele e aos serviços relacionados com aquela cedência;
optarem pela sua tributação no âmbito da categoria B. As importâncias relativas ao aluguer de maquinismos e
mobiliários instalados no imóvel locado;
A diferença, auferida pelo sublocador, entre a renda recebida
do subarrendatário e a paga ao senhorio;

41 Formadora: Carina Reis 42 Formadora: Carina Reis

Rendimentos da categoria F – Art. 8º Rendimentos da categoria F – Art. 8º


As importâncias relativas à cedência do uso, total ou parcial, As importâncias relativas à constituição, a título oneroso, de
de bens imóveis, para quaisquer fins especiais, direitos reais de gozo temporários, ainda que vitalícios,
designadamente publicidade; sobre prédios rústicos, urbanos ou mistos;

As importâncias relativas à cedência do uso de partes As indemnizações que visem compensar perdas de
comuns de prédios em regime de propriedade horizontal; rendimentos desta categoria.

43 Formadora: Carina Reis 44 Formadora: Carina Reis

11
Rendimentos Categoria G – Art.9º Mais valias – Art. 10º CIRS
Constituem incrementos patrimoniais, desde que não Constituem mais-valias os ganhos obtidos que, não sendo
considerados rendimentos empresariais e profissionais, de
considerados rendimentos de outras categorias:
capitais ou prediais, resultem de:
As mais-valias;
a) Alienação onerosa de direitos reais sobre bens imóveis e afetação de
As importâncias auferidas em virtude da assunção de obrigações de não
quaisquer bens do património particular a atividade empresarial e
concorrência, independentemente da respetiva fonte ou título;
profissional exercida em nome individual pelo seu proprietário;
As indemnizações devidas por renúncia onerosa a posições contratuais
b) Alienação onerosa de partes sociais e de outros valores mobiliários;
ou outros direitos inerentes a contratos relativos a bens imóveis.

45 Formadora: Carina Reis 46 Formadora: Carina Reis

Mais valias – Art. 10º CIRS Mais valias – Art. 10º CIRS
c) Alienação onerosa da propriedade intelectual ou industrial f) Operações relativas a warrants autónomos, quer o warrant
ou de experiência adquirida no setor comercial, industrial ou seja objeto de negócio de disposição anteriormente ao
científico, quando o transmitente não seja o seu titular exercício ou quer seja exercido, neste último caso
originário; independentemente da forma de liquidação;

d) Cessão onerosa de posições contratuais ou outros direitos g) Operações relativas a certificados que atribuam ao titular o
inerentes a contratos relativos a bens imóveis; direito a receber um valor de determinado ativo subjacente;

e) Operações relativas a instrumentos financeiros derivados, h) Cessão onerosa de créditos, prestações acessórias e
com exceção dos considerados rendimentos categoria E; prestações suplementares.

47 Formadora: Carina Reis 48 Formadora: Carina Reis

12
Regime transitório da categoria G –
Art.5º Lei 442-A/88 de 30 de Novembro Deduções à coleta – Art.78º
À coleta são efetuadas, nos termos dos artigos
Os ganhos que não eram sujeitos ao imposto de mais-valias,
subsequentes, as seguintes deduções relativas:
criado pelo código aprovado pelo Decreto-Lei n.º 46 373, de 9
a) Aos dependentes do agregado f) Importâncias respeitantes a
de Junho de 1965, bem como os derivados da alienação a familiar e aos ascendentes que pensões de alimentos;
vivam em comunhão de habitação g) Exigência de fatura;
título oneroso de prédios rústicos afectos ao exercício de uma com o sujeito passivo;
h) Os encargos com lares;
actividade agrícola ou da afectação destes a uma actividade b) Despesas gerais familiares;
i) As pessoas com deficiência;
c) As despesas de saúde e com
comercial ou industrial, exercida pelo respectivo proprietário, j) Dupla tributação internacional;
seguros de saúde;
só ficam sujeitos ao IRS se a aquisição dos bens ou k) Aos benefícios fiscais.
d) As despesas de educação e
formação; l) AIMI
direitos a que respeitam tiver sido efectuada depois da
e) Aos encargos com imóveis;
entrada em vigor deste Código. - 1 de janeiro de 1989.
49 Formadora: Carina Reis 50 Formadora: Carina Reis

13