Você está na página 1de 186

© Francieme Costa, 2014

Coordenação de Produção
Francieme de Melo Lobato Costa

Revisão
Beatriz Teixeira
Cleo Pinheiro
Deice Teixeira

Revisão Final
Francieme de Melo Lobato Costa

Imagens da capa
© Masson / © pressmaster / © Rawpixel (Fotolia)

MaurícioNascimento.com

Proibida a reprodução total ou parcial desta publicação sem a prévia


autorização do autor. © Todos os direitos reservados ao autor.

Produção e Distribuição:
Editora Semente de Vida
Rua Padre Senepa 72, Ipiranga
Cep 04264-100 - São Paulo/SP

(11) 2063.7563
vendas@sementedevida.com.br
www.sementedevida.com.br
@Semente_de_Vida
SUMÁRIO
23 Prefácio

27 Introdução

31 Apresentação

35 1. Só vale a pena se for para Ele

47 2. A nossa vida e a Palavra

59 3. Comunicação Virtual

75 4. Nossa vida com Cristo

93 5. Centro da vontade de Deus

113 6. A Força da Comunicação

125 7. Conhecimento

147 8. Chamar a atenção de Deus

161 9. Adormecidos em um sono profundo

179
* agradecimentos*

A Deus, que criou o plano maravilhoso


de salvação e me deu a vida.

A Jesus, que aceitou deixar a Sua glória para me resgatar.

Ao Espírito Santo, Doce Amigo e Companheiro


de todas as horas.
Em especial aos meus pais João e Ana Adélia, que insistiram
para que eu nascesse. Vocês são meu exemplo, meu
referencial na Terra. Sou muito grata a Deus por ter-me dado
vocês. Não poderia ter nascido em outra família.

Aos meus irmãos Jander e Jender, por compartilharem


comigo momentos especiais da vida. Estar com vocês é

crescemos, constituímos família, e mantemos


nosso vínculo de amor.

Às minhas cunhadas, irmãs que eu não tive, Lígia e Márcia.


Amo vocês, porque, além de se tornarem parte de mim, ainda
me deram dois grandes presentes: meus sobrinhos que tanto
amo, Gabriela e Mateus.
Ao meu esposo pelos anos de caminhada. Cesar,
aprendi com você a ser mais moderada, paciente e,
principalmente, a caminhar nos passos de Deus.
Você é um homem de caráter admirável!

Gabriel e Lucas, sempre digo que vocês


são o melhor presente de Deus para mim. Minha frase
preferida, desde que vocês nasceram, é:
Vocês são os amores da minha vida.
Aos meus Pastores Renê e Marita Terra Nova, que me
receberam no MIR em 1994. Com certeza, não sou a mesma
que cheguei, em nenhum aspecto.

Aos queridos Arão e Ester Amazonas, instrutores dos meus


primeiros passos na fé. Vocês não desistiram de mim, quando
tudo parecia perdido.

Ao casal mais feliz de toda a Terra, Wilson e Cláudia Ayub,


nossa caminhada já soma décadas. Temos uma história que
jamais poderá ser esquecida.
À minha amada avó, Francisca, que partiu quando eu tinha
apenas seis anos. A primeira grande mulher de Deus que
conheci. As marcas de Cristo que ela deixou em mim estão
vivas até hoje. E, por sua causa, através do seu testemunho,
conheci Jesus. Ela vivia Jesus muito mais do que falava.
Enquanto escrevo estas poucas linhas, posso lembrar-me de
todos os seus ensinamentos e de como ela cuidava de mim.
Sou hoje o resultado, principalmente, das suas orações
e da doutrina que me ensinou.
À Beatriz Teixeira, que tem uma inteligência admirável
e uma percepção incrível. Ao escrever este livro, percebi
o quanto valeu a pena cada noite que passamos juntas,

nesses anos de caminhada.

À Cleo Pinheiro, que não hesitou me atender pelas


madrugadas e revisar os textos do meu livro, com muita
atenção. Obrigada por entender meu tempo sempre.
Você tem sido uma amiga, uma irmã.

À Deice Teixeira, minha mestra com carinho. Pode ser


que exista alguém igual a você na língua portuguesa, mas
melhor, eu não conheço. Com você aprendi que a verdadeira
comunicação é dizer muito em poucas palavras. E foi
o que tentei neste livro.

Ao Maurício Nascimento, que que fez a capa, de forma


única, e diagramou com carinho meu livro.
* PREFÁCIO *
Existem coisas que só chegam na hora certa, pois precisam de
um tempo muito extenso para serem trabalhadas, e o resultado
ser, exatamente, correspondente à expectativa.

Nós sabemos que diamantes, pedras preciosas, assim como as


pérolas, têm preços elevadíssimos, por causa da sua consistência
e pelo tempo de espera para estarem prontos. Não é diferente

sabedoria, de perguntas respondidas e revelações, tudo isso


em um tema tão atualizado e abordado por poucos.

Este livro será como a pedra que faltava para que a construção

angular é a que dá sustentação à obra. E é assim que eu vejo

P refácio 23
O livro da autora Francieme Costa chegou a tempo, pois eu
insistia demasiadamente para que ela escrevesse e colocasse
suas brilhantes e relevantes ideias no papel, para que leitores

conteúdos de tamanha relevância.

Conhecendo a mente da autora, a maneira como aborda, des-


creve, discute, palestra, ministra e escreve sobre temas vari-
ados, sei que este livro será um introdutório de tantos outros
que virão, pois essa mulher tem sido uma catalizadora de in-
formações e uma divulgadora de pensamentos de vida.

fundo, não é para qualquer indivíduo, pois sou conhecedor de


muitos nobres extremamente inteligentes, mas que não sabem
consolidar a arte de comunicação. A comunicação limpa é a
ferramenta mais importante no século 21 para que pessoas
comecem a ser mentoreadas e instruídas de forma contun-
dente, pois os ensinos rasos, sem nenhum atrativo, estão soltos
no mercado comum, e alguns até apelidados de best seller,
apenas como propaganda de estímulo indutivo, quando o con-
teúdo não passa de um marketing fraudado.

mentado no Livro Sagrado, a Bíblia, somado ao conteúdo de

em nada, a desejar em relação a teses de doutorado, as quais

compêndio escrito por Francieme, em muito, supera teses que

24 F rancieme c osta
foram fabricadas para abastecer mercado e não contribuir com
a ciência do pensamento.

para repensar costumes e culturas cotidianas que já estavam


incrustadas nas paredes do intelecto, e somos obrigados a lim-
par nossos lócus para inserir pensamentos novos.

Muito inteligente e estimulante, a sensibilidade da autora faz


com que a verdade exposta neste material nos faça ser um in-
divíduo melhor em todos os aspectos, como pessoa, cônjuge,
pais e cidadão social.

De fato, como descreve a autora, o século é confuso, mas é


maravilhoso viver, quando se tem um sonho e nos agarramos

tem causado neuroses e gerado seres psicóticos, além de nos

mais além, pois somos convocados a olharmos para dentro de


nós mesmos, e vermos se essa ansiedade cibernética, oriunda
das redes sociais perversas, já não geraram em nós autositos
internos que nos arrancaram do centro do propósito e nos

assim como um trabalho exaustivo para colocar essa pérola na


mão do leitor. A escritora tem uma mente privilegiada e uma
doutrina de vida que é aprovada em toda a sua conduta. Por

P refácio 25
pois faz parte da sinceridade do seu caráter e não há dolo na
sua convocação.

Ainda existem pessoas que se importam com conteúdo, qua-


lidade e valores, por isso eu sei que este livro será uma bússola
de grande valor, no relatório interior de cada um que o adquirirá,
pois depois que passeamos nas páginas desta joia preciosa,

muitos aspectos e mudados totalmente em outros tantos.

Desde sempre eu sabia que seria um êxito pleno, portanto, re-


comendo e aprovo.

Dr. Renê Terra Nova,


Autor de mais de 150 títulos.

26 F rancieme c osta
* INTRODUÇÃO *
Escrever o primeiro livro é, literalmente, a arte de dar à luz.
Não importa quão impactante ele seja ou não para o leitor.

O livro que está em suas mãos é o primeiro de muitos que


pretendo escrever. Ainda que não saiba quanto tempo levarei

uma graça especial, que, no meu caso, considero que veio de


Deus, para conseguir transmitir tudo que se quer com leveza,
a depender do assunto.

Como não poderia deixar de ser, Deus, em primeiro lugar, foi


quem me conduziu a escrever sobre . Senti
que seria um livro apropriado para nossa época e também para
as vindouras. Não quero ser presunçosa. Mas a questão é que

I ntrodução 27
caminhamos a passos rápidos demais para o nada. E sei que é
exatamente assim que muitos se sentem.

Jesus foi um Mestre que sempre levou os discípulos e as

permitia que elas saíssem da mesma forma. Contudo, a de-


cisão de mudança cabia apenas a cada uma delas. Nisso Ele
não interferia, como também não pretendo interferir, apenas

Claro que tudo isso só foi possível com a ajuda do Doce e


Querido Espírito Santo. Sei que Ele conduzia minha mente,
meus pensamentos, meus dedos, para que não escrevesse nada
que fosse contrário à direção dEle. Para mim, tal ajuda foi
imprescindível.

na vida e não quer se amoldar a padrões que não fazem bem.


Também foi escrito para ser aplicado naquilo que você, e
somente você, julgar necessário, tanto na sua vida como uma
indicação para a vida de outros.

com coordenação, edição e revisão de livros, mas esta foi


uma decisão difícil e muito protelada. Contudo, Deus abriu as
portas, sinalizou que era o tempo e eu fui em busca de cumprir
meu ideal.

28 F rancieme c osta
não fala de mim, apenas em alguns mo-
mentos. Fala da nossa humanidade, da Bíblia, da contem-
poraneidade, do passado, presente e futuro.

Sou grata por saber que, em algum lugar, pessoas serão levadas

em cada linha, em cada frase, em cada parágrafo, em cada


capítulo.

I ntrodução 29
* APRESENTAÇÃO *

mentos, pensamentos, atitudes, ausências, silêncios, hiatos...


Em tudo podemos aprender uma lição.

Na vida, a verdadeira sabedoria consiste, não em procurar ser


melhor que o outro e vencer o próximo, mas em procurar ser
melhor a cada dia, permitindo-se ser transformado pelo poder
do Espírito Santo.

surgiu de momentos em que eu estava


comigo mesma, eu e Deus, eu com a Palavra, eu com os mui-

situações, circunstâncias, adversidades, momentos, pessoas e,


principalmente, sobre a necessidade de mudança, não apenas
do ser humano e do mundo, mas, principalmente, minha.

A presentAção 31
a ponto de querer mudar e compreender: mudar para quê?
Mudar para vencer eu mesmo. Mudar para vencer minhas
limitações e debilidades. Mudar para transformar as fraquezas
em vitórias. Mudar para compartilhar ensinamentos. Mudar
para ir além. Porque Deus tem sempre mais, muito mais para
cada um de nós.

Nas idas e vindas, permanecer ou sair, fazer ou desfazer? Ou


continuar em busca da essência de ser o que Deus projetou
para nós? Só alcançamos o outro lado se decidirmos nos es-
forçar para isso.

Existem situações nas quais somos tendenciosos a tirar os


nossos olhos da Palavra e colocá-los dentro de nós, das nossas
emoções, do que estamos sentindo. Esquecemo-nos de que
pensamentos são passageiros, mas a Palavra de Deus é eterna,
permanece para sempre. E é nessa Palavra que precisamos
pautar nossos sentimentos, pensamentos, emoções, e, prin-
cipalmente, as nossas decisões.

não é um livro de ensinamentos (mas


talvez seja!). É um livro que levará você a encontrar assuntos

que pode precisar ser ajudado.

transformado, pois não fomos chamados por Deus para per-

32 F rancieme c osta
manecermos como estamos, mas para, a cada dia, subirmos
um degrau e caminharmos de glória em glória.

mudança tem que gerar em nós uma transformação que nos


faça ir além do que pensamos, pedimos ou imaginamos, exa-
tamente como a Bíblia diz que deve ser.

do lugar. Não há nada mais triste do que, diante de um erro


ou de uma situação que exige mudança, sermos chamados a
atenção e não estarmos dispostos a abrir mão e nos corrigir.

Verdade é que todas as experiências pelas quais passamos,


que são difíceis de aceitar, entender, que nos fazem chorar e
roubam a paz, quando resolvidas, fazem de nós pessoas que

nos mais fortes para hoje e mais sábios e preparados para o


amanhã, recebendo, assim, o futuro que nos está proposto.

A presentAção 33
capítulo 1
só vale a pena se for para ele
Talvez a Igreja de Cristo nunca tenha trabalhado tanto, nem
mesmo na época da Igreja Primitiva, como trabalhamos agora.
Estamos sempre envolvidos em diversas atividades, e, por isso,
andamos tão cansados. E, claro, que tanto trabalho assim terá
consequências. Algumas irreparáveis, quando não remediadas
a tempo.

Observe que não era tão comum assim antes encontrar cristãos
depressivos, não com a mesma frequência que encontramos
hoje. Sofrendo de estresse crônico?! Você lembra de algum
personagem bíblico assim? Pois é! Hoje muitos estão em de-
pressão, mesmo sabendo que a alegria do Senhor é a nossa
força, como descrito em Neemias 8:10b. E o estresse também
tomou conta da vida de muitos líderes.

Só vale a pena Se for para e le 39


Como eu estava

Lembro-me do dia em que fui a Belo Horizonte e ali, através


de uma amiga querida, tive o prazer de conhecer o Dr. Aldrin
Marshal. Ele trabalhava com o , um projeto fantástico
que leva você a ter um novo estilo de vida, e isso em todas as
áreas, priorizando o que é prioridade, a começar por você, sua
vida com Deus, sua família... E as demais coisas.

Eu me sentia cansada, muito cansada!, mas não dava o ‘braço


a torcer’. Eu parecia uma máquina de produção, só que minha
produção vinha diminuindo e eu não tinha mais o mesmo
pique. E não entendia, ou melhor, não aceitava a situação.

Antes já havia feito uns exames em Manaus e sabia que algumas


‘coisas’ não estavam muito bem. Resolvi mudar um pouco a
alimentação (apenas isso!). Mas ali, em Belo Horizonte, des-
cobri que Deus queria mais de mim.

Fiz novos exames e repeti os anteriores. No laboratório, fui


recebida como princesa, através de uma atendente cheia da
vida de Deus. Ela olhou para mim e disse que via que eu era
especial, que eu tinha algo diferente. Creio que Deus usou a
vida daquela mulher. Naquele momento, eu não via nada de
especial na minha vida, e era uma palavra que não me
cabia bem, pelo menos não naquele momento quando tudo
era igual e monótono, exceto pelo lugar e pelas pessoas.

40 F rancieme c osta
Mais uma vez os resultados comprovaram o que eu não queria
aceitar. Estava com um nível de estresse elevado, vou expressar

calma, pois tudo ia se resolver. O quadro, a depender de mim,


era reversível. Isso tudo, afora outras situações que não vou
relatar.

Fiquei superchateada, extremamente preocupada e só tinha


um pensamento: a máquina não pode parar, e, ao mesmo tem-
po: não quero morrer. E prossegui...

indo. Bem, depois do choque, de mudar a alimentação e de


tomar uma porção de fórmulas, estava melhorando. Mas sabia
que isso não era tudo. Era muito difícil para mim admitir que
eu precisava ‘dar um tempo’ de algumas tarefas.

Deus falou comigo

Verdade é que enquanto eu ia tentando administrar a situação


até chegar ao ponto de resolvê-la, Deus falou muito comigo.

que Ele não pediu, e nos cansamos para nenhum resultado


eterno, ainda que alcancemos resultados aparentes.

O que Deus ministrou ao meu coração não foi para eu deixar


minhas atividades. Ele deixou claro que isso não era desculpa

Só vale a pena Se for para e le 41


para eu parar. Mas que eu deveria, verdadeiramente, repensar
minha vida e reavaliar meus conceitos e valores. Pois quando
não estamos bem, é mais fácil procurar um culpado do que ter
que admitir que a culpa é exclusivamente sua, porque somos
nós quem permitimos que as pessoas e situações abusem de
nós.

Minha dúvida era como eu poderia continuar saudavelmente.


Engraçado querer algo que você não tem, porque você perdeu
por culpa própria. Contudo, sabia que quem não cuida da
saúde está em pecado. A chamada bíblica para nós é sermos
irrepreensíveis no espírito, alma e corpo, de acordo com I
Tessalonicenses 5:23.

ser mais tão interessante, e as palavras já não saltavam ao meu


coração como antes. Tudo por causa de algo que ia além de

estava lendo a Bíblia. Até que eu me deparei com este versículo:

Como foi duro compreender que Deus não está em muitas


coisas. Entendi que mais que saber, a mudança só vem quando
compreendemos verdadeiramente o que Deus está nos falando
e nos abrimos para a mudança que Ele quer fazer em nós.

42 F rancieme c osta
Tudo que vale a pena tem que ser feito sob o comando de
homens sim, mas com a motivação correta, ou seja, ter a in-
tenção de agradar o coração de Deus. Porque existem situ-
ações que fazemos além do que deveríamos, ou seja, além do

sobrecarregados e entra o cansaço, o estresse e, às vezes, a


depressão.

Cuidado na caminhada

trabalhar e servir no Reino de Deus. Na verdade, mais que um


trabalho, deve ser um prazer, e, assim, foi por muito tempo
na minha vida. Mas quando entra o cansaço e o enfado, você
perde o prazer e pode sofrer, sofrer muito por se culpar de não
ter mais a mesma disposição de antes.

Eu, como uma ex-perfeccionista (pela fé, porque a realidade


é: ainda em processo), tudo que vinha às minhas mãos para
fazer, eu fazia além das minhas forças, ou seja, ia de encontro à
Bíblia. Apesar de ser leitora assídua da Palavra, não conseguia
colocar em prática na minha vida o versículo de Eclesiastes
9:10, que diz: “

Só vale a pena Se for para e le 43


A própria Bíblia diz que não obedecer gera um sacrifício
desnecessário. No meu caso, prejudiquei a minha saúde, por
querer ir além e fazer o que Deus não me mandou fazer.

Talvez, como eu, você não tenha tomado o cuidado devido na


sua caminhada de servir. Você pode até estar chateado, triste
com alguém, pode ser alguém da família ou do trabalho, culpar
essas pessoas por tudo que você tem sentido. Mas, é preciso
entender que as pessoas só colocam sobre nós fardos pesados
com o nosso próprio consentimento. Logo, o problema não
está no outro, mas em nós que cedemos, indo de encontro à
Palavra de Deus.

Não podemos mudar o outro, mas podemos ser transformados


na nossa mente, onde tudo acontece primeiro, e passarmos a
ter posturas corretas, seguindo os princípios, inclusive o do
descanso, conhecido por mim, e não aplicado em minha vida.
Lembrando que
De nada adianta conhecer tão bem as Escrituras e não vivê-la
em momentos tão simples, e, ao mesmo tempo, fundamentais
na vida.

O cuidado da caminhada é nosso e de mais ninguém. Manter-


mo-nos saudáveis é uma função intransferível. É de nossa
responsabilidade saber estabelecer limites com sabedoria, para
não fazer disso uma desculpa e não servir com nossos dons e
talentos no Reino.

44 F rancieme c osta
A maioria dos super-heróis de hoje serão homens e mulheres
cansados e, se não se cuidarem, frustrados amanhã. Existem
muitas perdas nas tarefas que tomam mais do que 24 horas do
dia. E essas perdas podem ser irreparáveis.

Quantos, por seus afazeres, dizem: “O dia precisava ter mais do


que 24 horas, para eu dar conta de tudo que tenho para fazer”.
Eu, em meio as minhas maiores atividades, nunca pronunciei
essa frase, porque eu sabia, bem lá no fundo da minha alma,
que o problema não estava com Deus que criou o dia com 24
horas, mas com o homem que não sabe remir o tempo.

Existem decisões que são da nossa competência e não do


outro. Ter cuidado com o nosso corpo, nossa saúde, nossas
emoções, nosso espírito não é função de quem está sobre nós,
de um líder ou um familiar. Essa função é primordialmente
nossa, ainda que caiba ao outro ou aos outros nos auxiliar e
nos proteger.

Quando isso não acontece, somos nós quem devemos buscar


a direção da Palavra. É na Palavra que encontramos resposta
para tudo e recebemos forças para prosseguir, cuidando da
nossa caminhada com Cristo e entendendo que a força da
chamada não consiste em andarmos cansados e sobrecar-
regados.

Quando trabalhamos para Ele, Jesus, com a motivação cor-


reta no nosso coração, então se cumpre em nós Mateus

Só vale a pena Se for para e le 45


11:28-30.

A promessa não é de uma vida estressada, afadigada, depres-


siva, pesada, oprimida, mas de alívio, mansidão, humildade de
coração, encontrando descanso para nossa alma e trocando
nosso jugo pelo dEle, que é suave, e nosso fardo pelo dEle,
que é leve. Não deixará de haver jugo e fardo, mas a dimensão
é outra quando entendemos que só vale a pena se for para Ele,
caminhando com a motivação correta no coração.

Sugiro a você a leitura de dois livros que foram cruciais para


que eu tomasse algumas atitudes de mudanças em minha vida,
além da Bíblia, é claro, pois essa é imprescindível. O autor
é Bernardo Stamateas e os livros são: e
. Eu creio que adquirir conhecimento é uma fonte
poderosa de transformação e mudança para nós, tanto que
tenho um DVD falando sobre
, e dediquei um capítulo sobre o assunto
neste livro.

Quando descobrimos que algo não está bem, não podemos


esperar piorar. É preciso tomar uma decisão logo, se não,
infelizmente, pode não ter mais jeito. Mas isso exige uma

um novo começo.

46 F rancieme c osta
capítulo 2
a nossa vida e a palavra
Ainda que falemos em sonhos, a verdade é que a humanidade,
quase que literalmente, parou de sonhar. Não amamos mais
viver com o verdadeiro sentido de existência. E a maior prova
disso é que um direito que temos: a nossa qualidade
de vida.

Vivemos terrivelmente preocupados, principalmente com nós


mesmos. Hoje corremos da sala para a cozinha, de um tra-
balho para outro, enlouquecidos com o tempo que não temos,
querendo que o dia seja transformado em dois. Parece até que
Deus não sabia o que estava fazendo quando criou o dia com
24 horas. Só que Ele é Senhor de tudo, inclusive do tempo.

A nossA vidA e A P AlAvrA 51


E não paramos aí. Queremos sempre mais, e mais, e mais.
Tornamo-nos consumistas em potencial. Quanto mais temos,
mais queremos. Somos insaciáveis naquilo que Jesus disse
que não deveria ser uma preocupação nossa, como registrado
em Mateus 6:25-34, um dos textos mais lindos e que deveria
acalmar nosso coração. Mas estamos muito inquietos para ter
calma.

As palavras de Jesus são lindas e verdadeiras. Reconhecemos a


poesia, a singeleza e a verdade, mas acreditar em tudo isso, no
sentido de colocar em prática, tem sido para cada um de nós,

nos dias atuais.

Os cuidados com a vida

O texto bíblico de Mateus 6:25-34 não nos exime de nossa


responsabilidade. Os cuidados com a vida exigem, sim, com-
promisso. Mas, ainda assim, não podemos fazer muita coisa,
ou seja, temos a nossa parte, apenas isso.

Mas, então, o que aconteceu?! Perdemos o valor da vida, de


quem somos, qual o nosso propósito na Terra. Deixamos de
cumprir nossa missão, mesmo quando estamos mergulhados
nas múltiplas tarefas que só nos enfadam e roubam de nós o
prazer da existência. Na verdade, tantas tarefas, têm feito com
que o cansaço se apodere do nosso corpo. Por isso, Salomão
disse que tudo é vaidade e enfado debaixo do sol.

52 F rancieme c osta
Caminhamos a passos rápidos para o fracasso, e pensamos
estar seguindo rumo ao sucesso. O resultado tem sido uma
dívida enorme que adquirimos, tão impagável que a riqueza
não pode quitar.

Nossa saúde emocional está de mal a pior. Chegamos a nos

chora, não exercemos mais compaixão. Parece que esquecemos


que as pessoas precisam de nós. Deixamos de valorizar o que

Nossos pensamentos se confundem dentro da mente e a nos-


sa liberdade há muito está ameaçada. E isso em todas as áreas.
Dizemos que estamos vivendo a maior conquista de todos os
tempos, mas lá dentro da alma, somos prisioneiros de pessoas,

dades... Somos prisioneiros de nós mesmos.

Ocupados demais para descansar

fará mesmo a parte dEle. Então, inutilmente, queremos ajudar,


dar uma força ao Autor da Criação. Missão impossível e que já
começa fadada ao fracasso.

Nosso tempo está sempre preenchido, mas isso não diminui o


vazio da alma. Estar preenchido não nos faz completos. Dor-
mimos pouco, trabalhamos muito; amamos pouco, sofremos

A nossA vidA e A P AlAvrA 53


muito; somos como uma bomba-relógio que, a qualquer mo-
mento, pode explodir. Só que não fomos programados para
isso, não estamos preparados para essa explosão.

Vivemos como deuses! Seres humanos intocáveis! Mostramos

e não importa que tentemos imitar ou parecer um super-herói.


Não somos quem dizemos ser. Nossas palavras dizem de nós
inverdades, se as atitudes forem contrárias ao que se diz.

Demonstramos ter inteligência emocional, porque temos ou-

nossos pensamentos e proteger a alma, mas estamos despro-


tegidos. Às vezes, podemos estar ensinando uma lição na qual
ainda não fomos aprovados.

Não estamos preparados para as perdas, por menores que


elas sejam, pois no nosso mundo de competição, no jogo em
que entramos, caminhamos em uma rota contrária à Palavra
que diz:
. A nossa matemática é diferente da Bíblia no dia a dia.
Conhecemos a Verdade, mas somos sufocados pela mentira
do .

E porque queremos sempre mais e mais, não aprendemos que


nossas escolhas dependem de largar algo pequeno para ganhar
algo maior, ou largar algo maior para ganhar algo pequeno,
contanto que seja o melhor para nós, a vontade de Deus que
nos dará realização total.

54 F rancieme c osta
Augusto Cury, no livro ,
diz: “Todas as escolhas implicam perdas. Quem não estiver
preparado para perder o trivial, não é digno de conquistar o
essencial. E, se formos amigos da sabedoria, descobriremos
que o essencial são as pessoas que amamos”.

Quão grande verdade! O fato de não sabermos escolher entre


o trivial e o essencial tem nos levado a deixar de ganhar o
melhor que está preparado para nossas vidas. Por isso, temos
sofrido angústias terríveis e subtraído mais que adicionado.
Ainda que nossa linguagem seja de grandeza e multiplicação,
impressionamos a muitos, mas não conseguimos impressionar
a nós mesmos, pois sabemos quem somos de fato.

Atropelando o tempo

Constantemente atropelamos o tempo, porque não sabemos


esperar. Parecemos intensos, mas somos vagos. Caminhamos
rápido no sentido que mais deveríamos ir devagar. Temos
adoecido emocionalmente e adquirido mecanismos de defesas
para distrairmos os outros daquilo que em nós mais chama a
atenção.

Somos agitados quando deveríamos ter calma. Somos es-


tressados quando a Bíblia nos ensina a ser longânimos. Parece
que cada dia mais se torna difícil viver o Fruto do Espírito
nesse mundo de meu Deus. Não mais conseguimos ser

A nossA vidA e A P AlAvrA 55


diferentes ou fazer diferença, pois nossa forma de viver, em
muito, assemelha-se ao mundo.

Com a desculpa da evolução, a Igreja Pós-moderna veio para

era anormal, passou a ser normal. E se você não compactua


com tais pensamentos modernos, porque eles estão aquém da
Palavra, você passa a caminhar sozinho, como se estivesse na
contramão.

E porque atropelamos o tempo e o curso natural estabelecido


por Deus na Sua Palavra, o resultado tem sido vivermos an-
gustiados, mesmo quando insistimos em mostrar que tudo
está bem.

A indústria do entretenimento

Vou dedicar um capítulo para , contudo,


não posso deixar de registrar aqui que hoje, se não estivermos
atentos, buscamos socorro não mais em Deus ou na Bíblia,
mas na indústria do entretenimento.

Enganamo-nos nas Redes Sociais. Buscamos distração e en-


contramos tédio. Conversamos virtualmente, mas não sabemos
mais o que é olhar nos olhos, ter relacionamento íntimo e
profundo. Todos são “amigos”, mas as amizades verdadeiras
estão quase em extinção.

56 F rancieme c osta
Sabemos muito sobre máquinas e cada vez menos sobre pes-
soas. E olha que nunca se estudou tanto o ser humano como
em nossa época. Mas somos complexos demais e as pessoas
de hoje, inteligentes de menos, pois não se esforçam para
desenvolver seu potencial.

Nossas amizades, coleguismos passageiros. Olhar para o pró-


ximo e sentir a dor dele é uma realidade muito distante. Esta-
mos ocupados demais para nos importar.

Parecemos maduros em muitas áreas, mas somos meninos


imaturos quando se trata de amor, construção de relaciona-
mento. O próximo, aquele que está ao nosso lado, na maioria
das vezes, não tem o valor que a Bíblia dá a ele.

Será possível mudar?!

A nossA vidA e A P AlAvrA 57


capítulo 3
comunicação virtual
Os tempos mudaram e nos tornamos dependentes da indústria
,
quando, em 1993, a internet chegou até nós.

Fomos envolvidos pela através da internet,


uma ferramenta maravilhosa, que nos tem aproximado de
pessoas que amamos e estão distantes, tem-nos conectado
ao mundo com informações úteis e que nos dá satisfação e

A maioria de nós se move pela era digital. Não sabemos mais


viver sem os aparelhos facilitadores que chegaram a nossas
mãos pela fantástica tecnologia, obras engenhosas de homens
inteligentes.

C omuniCação V irtual 65
Contudo, a internet tem o outro lado, assim como uma moeda.
É fato que, nos dias atuais, não temos mais privacidade, pelo
menos não quando estamos conectados. Há muito que um
acontecimento, que antes era particular, que dizia respeito a
um grupo restrito, depois da internet, ou seja, das redes sociais,
passa a ser do conhecimento de todos.

Tudo é público

Tudo é público, a partir da , da internet que


nos leva ao futuro, faz-nos viver conectados ao presente e tem
o poder de nos devolver ao passado.

Voltar ao passado pode ser uma experiência maravilhosa e não


de nostalgia. Relembrar o tempo de infância e adolescência e,
para muitos, da fase adulta, é mais que uma possibilidade, é
realidade no mundo virtual. E que realidade gostosa é rever
o que marcou nossas vidas, imagens que estavam guardadas e
vivas na mente e que, em apenas um click, ganham novamente
movimento, som, cor.

podem também ser revividos. Mas, da mesma forma, lem-


branças dolorosas, o passado que não queremos reencontrar,
também estão disponíveis em imagens que sinalizam tragédias,
acidentes, mortes etc.

66 F rancieme c osta
nizar um momento. E momentos são bons e ruins, e alguns
são extremamente ruins. Então a internet registra, eterniza o
que é belo e o que é feio, o que é bom e o que é ruim, o que é
certo e o que é errado.

Tudo agora não é mais apenas um acontecimento, é um re-


gistro para a posteridade, para a eternidade terrena. A história
é recordada várias vezes no particular e no mundo. Nada
mais é exclusivo, único. Claro que não podemos correr da
contemporaneidade nem nos livrar dos prejuízos da Pós-
Modernidade e das eras que virão.

Assim como recebemos as benesses que os recursos tecno-


lógicos oferecem, também não temos como não aprender a
ós e contras.
Se a era da tecnologia nos permite eternizar o belo, mesmo
sem querer, o que é feio também é eternizado.

A condição humana

Tornamo-nos reféns de um sistema, as redes sociais, o poder


da era digital. Tudo está disponível em apenas um click. A
nossa condição humana mostra que somos falíveis. Contra
fatos não há argumentos. Diante de tudo que se nos apresenta,

ter o poder nas mãos.

C omuniCação V irtual 67
precisamos admitir que muitos são os benefícios e, talvez,
maiores ainda os prejuízos. E, por causa dos prejuízos, nem
sempre é possível apenas virar a página, esquecer ou recomeçar.
Por quê? Porque o erro está sempre presente, sempre bem
perto, como um fantasma que assombra de dentro para fora e
de fora para dentro.

A internet que informa e dá a sensação de liberdade é a mesma


que aprisiona. A sensação é a de que a vida virtual controla a
real, quando deveria ser o contrário. Mas lá no fundo, sabemos
que não é. Tudo agora pode ser digitalizado, recordado,
revivido, . É como se o passado não fosse passado.
Ele está no presente e pode também estar no futuro.

Nossa condição humana diz que estamos interligados. Esse é


o poder da internet, das redes de comunicações, da
que nos colocam em escala mundial. Somos usuários
de computadores, aparelhos, dispositivos que permitem o
acesso às informações, das mais simples às mais complexas;
das mais culturais às mais vis.

Vítimas de um sistema

Quando decidi escrever um capítulo sobre


, foi porque não poderia deixar de registrar que, se não
estivermos atentos, somos completamente envolvidos por esse
sistema, ainda que não percebamos quão mergulhados estamos.

68 F rancieme c osta
Chamo de sistema porque fomos amoldando-nos, ajustando-
nos, e, sinceramente, parece mesmo que não há como ser
diferente. O que vemos hoje é que muitos acham mais fácil

desabafar e expor-se, do que buscar socorro em Deus e na


Bíblia.

Enganamo-nos nas redes sociais. O que deveria ser distração


pode se transformar em doença, em tédio. Muitas são as
conversas virtuais e, por isso, quase ninguém mais sabe o que
é olhar nos olhos, ter um relacionamento íntimo e profundo.

Todos são “amigos”, mas sabemos que as amizades não são

sabemos muito sobre máquinas e cada vez menos sobre


pessoas. E olha que nunca se estudou tanto o ser humano como
em nossa época. Mas o ser humano continua indecifrável.

A dependência virtual

tornaram hoje dependentes virtuais. Isso faz com que os valo-


res sejam efêmeros.

Na internet, as amizades são, na maioria das vezes, coleguismos


stamos ocu-
pados demais para nos importar.

C omuniCação V irtual 69
Em 2013, revistas, jornais, sites e muitos outros meios de
comunicação divulgaram que a dependência virtual era real.
Que complexidade! O real misturado ao virtual e o virtual
adoeceu o real que buscava apenas entretenimento.

vem ganhando cada vez mais força, já podia ser considerada


vítima da . O que era entretenimento
passou a ser considerado um transtorno.

Só é considerado transtorno porque, no mundo virtual mis-


turado ao real, perdeu-se a noção, principalmente, do tempo.

acontecendo ao seu redor. Isso faz com que o comportamento


se torne contrário, demonstrando atitudes que revelam
desarranjo, desarmonia, desordem e pode – quase que como
via de regra – tornar-se uma perturbação da saúde espiritual,
emocional e física.

Creio que a tendência não é melhorar, mas piorar. A cada


dia surgem no mercado inúmeras opções para se mergulhar
no virtual. Não largamos o celular para nada, ele contém
. Será?! Sim, tudo que precisamos para nosso benefício e
também prejuízo.

se sentem dignos de desligar o aparelho. Não sabemos mais


viver sem eles. A importância pode ser considerada similar
ao ar que respiramos, à água que bebemos. Exagero?! Julgue

70 F rancieme c osta
você mesmo a sua causa, sem transferir para o outro o que só
compete a você.

O transtorno para os dependentes virtuais pode ser observado


a partir da abstinência de pelo menos um dia sem o celular,
sem o computador, sem um aparelho que possa conectar o
indivíduo à internet. O desespero de quem sofre do transtorno
é considerado o mesmo para aquele que é viciado em droga,
por exemplo, o que mostra que já se transformou em uma
compulsão.

Não estar conectado representa muito mais do que não


estar acessível a outros ou tendo acesso a outros, mas um
pânico, uma ansiedade que pode ser incontrolável. Psicólogos
defendem que inúmeros transtornos podem ser ocasionados
pelo vício.

Para esses casos, já existem clínicas especializadas, e o mercado,


infelizmente, parece promissor, tanto no Brasil como em
outros países. Porque perdemos os limites entre o real e o
virtual, o virtual passou a dominar o real, como se fosse um
caminho sem volta.

Se formos verdadeiros conosco e com as pessoas que amamos,

chegar à conclusão de que à medida que a velocidade da internet


tem chegado a nós, também temos caminhado velozmente
para um mergulho que se tem tornado, diariamente, mais
profundo.

C omuniCação V irtual 71
Lembro que a , de 02 de Outubro de 2013,
trouxe uma reportagem abordando dados sobre os malefícios

empresa de análises de audiências online, o Brasil era recorde


no registro de 105 milhões de pessoas conectadas no primeiro
trimestre do ano. Também mostrava que o brasileiro passava
mais tempo no YouTube e nas redes sociais do que os

Usuários ou Viciados

Quem somos nós? A Bíblia diz que


). Não há como deixar
de usar a internet nos dias atuais. Não há como deixar de

conectado. Isso seria o mesmo que regredir.

Contudo, precisamos saber onde estamos e quem somos no


mundo virtual. Não podemos perder a noção do real. E isso é
tão fácil de acontecer e tão difícil de reconhecer.

Eu trabalho intrinsicamente ligada à internet. Reconheço a

mente em Dezembro de 2012, comecei um processo de


desintoxicação. Por trabalhar com comunicação, estou en-
volvida com as redes sociais pessoais e institucionais. Isso
exige uma interatividade incrível e, por vezes, cansativa.

72 F rancieme c osta
três vezes por dia, aproximadamente 25 redes sociais. Claro
que para isso é preciso estar conectado, interligado, antenado,

Como a Bíblia nos instrui, o reconhecimento é sempre o


primeiro passo, seguido a ele vem a decisão. Decidi estar

do que pessoalmente. Isso é possível, mas


é difícil. É como uma tentação, um vício para o qual você
precisa de domínio próprio para vencer.

É muito interessante estar ligado, interligado, conectado a


tudo e a todos. Só que tudo isso tem um preço e, facilmente,
é possível tornar-se um viciado sem perceber e, o pior, sem
admitir.

Hoje, considero-me usuária moderada da internet. Não me


sinto escrava da indústria do entretenimento, do sistema.
Também nunca me considerei viciada, sempre tentei ver mais
pelo lado do trabalho do que pelo lado pessoal. Mas minha
função exigia de mim uma posição virtual.

Sei que a chamada de Deus para nós, através de Jesus, é a


liberdade. E sei também que, sem perceber, podemos ser víti-
mas e perder, em um simples click que nos prende horas a

midade com Deus e o prazer do relacionamento face a face,


olho no olho.

C omuniCação V irtual 73
A internet está a nosso dispor; com ela, o mundo virtual
esbarrando no real. Para o mal que bate à nossa porta diaria-
mente, a Bíblia nos instrui:

74 F rancieme c osta
capítulo 4
nossa vida com cristo
A nossa vida com Cristo requer inúmeros pré-requisitos para
vivermos em abundância e termos o melhor da Terra. São
situações, momentos, requisições, de acordo com a Palavra
de Deus, que precisamos para viver os sonhos, a realidade,
exercer nossa fé, caminhar em unidade e, acima de tudo, para
ter um caráter irrepreensível, como o Senhor requer de nós.

Quanto ao caráter, desde Gênesis, Deus trata conosco sobre


como devemos proceder, de acordo com os princípios da
Palavra. Somos tendenciosos a nos desviar, porque facilmente
as seduções batem à porta, como aconteceu com Caim, em

não.

V ida em abundância e o melhor da terra 83


Verdade é que mesmo quando nascemos de novo, nossa
vigilância deve ser constante para que nosso caráter seja irre-

coisas deste mundo, com pensamentos que nos tirem daquilo


que é o chamado de Deus para nós.

A Bíblia tem inúmeros versículos que apontam para o que


precisamos ter em Deus, como o caráter de Cristo, vida irrepre-
ensível, conduta ilibada, testemunho etc. Mas em Filipenses
4:8, encontramos um versículo que traz uma chamada para

O texto de Filipenses 4:8 tem muito a ver com o tema deste


livro,
pensamento que devemos ter, seremos pessoas melhores e
com um caráter aprovado.

característica e que nos distingue, difere de outros. É o que nos


é próprio, peculiar; são as características atribuídas no decor-
rer da vida.

Caráter está ligado aos nossos traços pessoais, particulares,


modo de ser, logo está relacionado à nossa índole, natureza e

nosso caráter e determinam nossa conduta e a concepção


moral.

84 F rancieme c osta
A chamada de Filipenses 4:8 é para pensarmos, analisarmos,

trabalhada a pensar no que é:

1. Verdadeiro

Pensar no que é verdadeiro deve levar-nos a andar conforme


a verdade, falar a verdade. Se andarmos conforme a verdade
e falarmos a verdade, seremos autênticos, sinceros. Isso nos
levará a sermos pessoas com qualidades imprescindíveis, al-
guém que é sem mistura ou alteração.

Se como alguém que nasceu de novo, não andamos pela


verdade, representa que nos movemos na mentira. E esse tem
sido um perigo muito grande para a Igreja de Cristo. Tornamo-
nos pessoas desacreditadas, que vivem como os seres comuns,
trapaceando, enganando, difamando.

Ainda que os dias sejam maus, precisamos viver na contramão


do mundo. Essa é a proposta bíblica. Então, pensar sobre o
que é verdadeiro em nossos dias é esforçar-se para viver uma
autenticidade que não pode ser esquecida.

V ida em abundância e o melhor da terra 85


A verdade se opõe à mentira, também se opõe a viver uma
aparência contrária à realidade. E sobre a realidade e o ser ver-
dadeiro, muitos confundem tudo isso com a coragem de dizer
o que pensam, ou seja, usam o poder de expressão e a liber-
dade da democracia para imporem as suas ideias.

Essa falta de coerência nada tem a ver com pensar no que


é verdadeiro. Tal fato deve levar-nos a transcender, a ousar
viver pautado na verdade, mesmo se estivermos rodeados de
mentira. Nossas convicções em Deus, no que é do Alto, deve
permanecer e nos levar além do que nossos olhos veem.

2. Honesto

A honestidade é uma qualidade daquele que possui um caráter


honesto, que se move com decência, com honra, com inte-
gridade. Ser uma pessoa honesta é o mesmo que ser uma pes-
soa reta, que não aceita corrupção.

Encontrar uma pessoa honesta nos dias de hoje parece ser tão
raro como encontrar uma agulha no palheiro. Porém, o que
é raro torna-se valioso. Ter essa qualidade faz da pessoa uma
joia de valor inestimável.

Creio que quando a Bíblia diz que devemos pensar no que é


honesto é para que tiremos os olhos do que vemos ao nosso
redor. Ficar pensando que é difícil ser honesto ou encontrar
uma pessoa honesta só nos leva a pensamentos de tristeza.

86 F rancieme c osta
Contudo, quando pensamos no que é honesto, somos re-

não nos desvirtuarmos por qualquer coisa.

Honestidade é qualidade é uma qualidade adquirida não um


valor com o qual nascemos. O honesto não engana, não tra-
paceia, não ludibria. Sua esperteza não está no que o mundo
apresenta, e sim no crédito conquistado que é mais importante
do que ganhar vantagem sobre outros.

Aquele que é honesto dispensa usar máscaras. Seu caráter fala


mesmo quando ele está em silêncio. É como se fosse uma

vado em suas atitudes.

Andar pelo caminho certo e não seguir a trilha errada. Subir


pela escada, quando poderia pegar o elevador (alguém que
possa promovê-lo)... É assim que procede a pessoa honesta.

de saber que a chegada tem sabor de conquista, sem mancha,


é algo compensador.

3. Justo

Ser uma pessoa justa é proceder corretamente, buscando a


justiça, a equidade. É agir de acordo com a verdade, com o
que é exato. A Bíblia diz que devemos ter balança justa. Que
missão difícil recebemos de Deus!

V ida em abundância e o melhor da terra 87


Ser uma pessoa ajustada, imparcial, reta, tudo isso são carac-
terísticas de quem é justo e isso nada tem a ver com bondade.
A prática da bondade pesa para quem amamos, para quem
queremos fazer bem. Ou seja, independe de merecimento.

Ser justo é uma característica de Deus. Ele, mesmo sendo um


Deus Bom, sabe pesar, não pela bondade, mas pela justiça,
nossas ações. Claro que, não obstante sabe agir com misericór-
dia sobre nossos atos falhos, quando entendemos o poder do
arrependimento e a rota do perdão. O arrependimento é um

poder de recomeçar.

Pensar no que é justo é sair do natural para o sobrenatural.


É entrar em dimensões que não encontramos em homens
comuns, mas que podem ser vividas naqueles que se esforçam
para adquirir qualidades possíveis, mesmo quando parecem
impossíveis.

4. Puro

Pureza está ligada à essência, completude. Ter pureza é não


ter mistura, não ser adulterado. É não se deixar vencer pelos
padrões deste mundo; não ter mácula, ser incorrupto, correto,
casto, genuíno, inocente, singelo. Como viver o puro? Como
estar livre de impurezas? Será possível não sofrer alteração, ser
transparente, ter integridade, não ter mancha, ser irrepreensível?
Sabemos que até a água não é tão pura assim, tanto que

88 F rancieme c osta
Diante de tudo que vivemos, é muito fácil perder a pureza,
misturar-se e se deixar contaminar na essência.

sempre, obedecermos à Palavra de Deus, que tem o melhor


para nós.

5. Amável

Devemos pensar no que é amável, naquilo que deve ou pode


ser amado, que merece amor, consideração, respeito, a nossa

dócil, gentil, respeitoso, agradável e amoroso.

Como é bom pensar no que é amável. Enche a mente e o co-

termos o prazer que ele proporciona para lidarmos com pessoas.

Quando pensamos no que é amável, desenvolvemos afeição,


compaixão, ternura; somos inclinados a olhar com outros
olhos, atraídos, não pela paixão do momento, mas pela satis-
fação que vai além do desejo. Porque o amor envolve o nosso
ser e cria vínculos de dependência com Deus e com as pessoas
que amamos.

V ida em abundância e o melhor da terra 89


Quando Filipenses diz que devemos pensar no amor, não
está referindo-se às formas do amor, mas nos motivando a
amar, independente de tudo e de todos, porque o pensamento

amáveis e de bem com a vida.

6. De boa fama

Ter boa fama é ter uma reputação aprovada, um bom conceito


entre as pessoas, alcançar renome. Não está ligado a ser uma
celebridade, mas a ser a expressão da glória de Deus na Terra,
a ter um nome reconhecido como homem de Deus, como um
ser humano que está construindo uma história digna de ser
contada e admirada.

Ser uma pessoa de boa fama é ser notável, ou seja, é ser


aprovado no testemunho, como podemos ler em Eclesiastes
7:1, que diz: E em
Provérbios 22:1, está escrito:

Mais importante que ter fama é ter boa fama. Muitos se tor-
nam conhecidos pelos seus atos insanos. E há os que digam:
“contanto que falem em mim, tudo bem!”. A verdade bíblica
não consiste em ter fama, mas em ter uma boa fama, ser apro-
vado na sociedade não por fazer parte de um sistema, por viver
amordaçado pelas imposições sociais, mas por fazer diferença
sem perder a sua essência.

90 F rancieme c osta
Ter fama pode fazer de você uma pessoa sem privacidade e
estar rodeado de pessoas que estão ao seu lado não pelo que
você é, mas pelo que conquistou. Ter boa fama fará de você
uma pessoa de conduta ilibada, desejada pelo ser e não pelo
ter. E isso faz toda a diferença.

Filipenses 4:8 ensina-nos a pensar em

Pensar é considerar, analisar, discorrer, meditar, ponderar,

que nos faz tomar a consciência do que precisamos e produz


em nós mudança nos nossos conteúdos. Porque quando pensa-

queremos alcançar e somos transformados. Se, como cristãos,


não temos essas características, não podemos ser considerados

A Igreja de Cristo está carente de todas essas características.


Nosso caráter está misturado ao mundo, nossa essência con-
taminada pela Pós-Modernidade. Estamos mergulhados em
tantos movimentos que não vivemos mais pautados pelos
Princípios Bíblicos. Esquecemos que ser santo e andar em
santidade é ser separado. Não vamos sair do mundo, mas nos-
sa vida deve ser separada, de tal forma que mostremos que
somos diferentes.

V ida em abundância e o melhor da terra 91


capítulo 5
centro da vontade de deus
desde a hora do nosso nascimento. Não queremos sair do útero,
lugar aconchegante, de proteção e segurança, da comodidade
de sermos alimentados por um cordão umbilical... Mas nem

não predomina, visto que contraria o processo estabelecido


por Deus.

Nascemos e crescemos, o que já nos faz mais que vencedores,


porque somos vitoriosos desde a fecundação, quando ven-
cemos aquela grande corrida e chegamos primeiro. Nosso
prêmio? A vida. E, no processo do crescimento, temos que nos
moldar a inúmeras situações, ultrapassar barreiras, enfrentar as

C entro da vontade de d eus 97


adversidades e lutar, lutar muito, porque viver é uma missão
árdua e, ao mesmo tempo, prazerosa.

Às vezes, somos criados em um lar cristão, mas sabemos que


essa não é a realidade da maioria de nós, para quem o proces-
so da conversão se deu, quase sempre, em um momento de

jeito, Jesus entra, liberta, cura, transforma e restaura. Foi assim


com você?

Nossa história com Jesus

Quando conhecemos Jesus e entregamos a Ele a nossa vida,


passamos a viver em uma outra dimensão. De imediato, a
alegria é quase incontrolável e pensamos que os problemas
acabaram. Só que os problemas não acabam. Com o passar do
tempo, percebemos que há momentos que eles até parecem
ser mais intensos e as batalhas mais árduas do que antes.

crises. Mas existe um diferencial em nossas vidas, a partir da


nossa história com Jesus. Passamos a ter o que antes nós não
tínhamos, a paz e a fé: uma nos dá equilíbrio e a outra nos

cientes para que continuemos avançando e crescendo na nossa


caminhada.

98 F rancieme c osta
Em meio às crises que nos assolam, batalhas travadas e perdidas,

nosso coração, vai crescendo um desejo, o desejo de viver para


Ele e de sermos, verdadeiramente, transformados, a tal ponto
de podermos dizer o mesmo que o Apóstolo Paulo disse:

Na nossa história com Cristo, se queremos ser a expressão da


Sua glória na Terra, precisamos vencer muitos sentimentos e
situações, como:

Vontades

Só estaremos no centro da vontade de Deus se renunciarmos às


nossas vontades que insistem em bater de frente com a vonta-
de dEle, que é boa, perfeita e agradável. Sempre queremos
para nós o que é bom. E quando Deus não nos atende com o
bom que queremos é porque Ele tem para nós o melhor. Mas
até entendermos essa realidade, sofremos, principalmente,
porque vivemos em um mundo cada vez mais imediatista.

nosso Mestre, abandonar as obras da carne, que estão relatadas


em Gálatas 5, para dar lugar ao Fruto do Espírito. É o Fruto

C entro da vontade de d eus 99


do Espírito em nós que nos tira do centro da nossa vontade,
quando agíamos por nossos prazeres e deleites, éramos egoís-
tas, avarentos, presunçosos, soberbos, cheios de vaidades,
carnais, e nos faz viver no centro da vontade de Deus.

Creio que muitos já ouviram falar da vontade permissiva


de Deus e da vontade central de Deus. Não estou aqui para
explicar sobre elas, mas para falar de nossa posição no centro
da vontade de Deus, no lugar que Ele projetou para nós desde
a criação do mundo.

Pensamentos

Nossos pensamentos fervilham na mente de forma intrigante.


Quantas vezes, mesmo sem querer, não conseguimos parar de

apesar de sabermos que esses pensamentos não estão em linha


com a Palavra de Deus para nós, e, automaticamente, não estão
em linha com a Sua vontade, que é boa, perfeita e agradável.

Existem pensamentos que alimentamos de tal forma, que são


difíceis de serem demolidos. Quanto mais os alimentamos,
mais geramos expectativas erradas de que podemos continuar
com eles martelando em nossa cabeça. Quanta ilusão!

Se queremos viver no centro da vontade de Deus, precisamos


vencer os pensamentos humanistas, os pensamentos que nos

100 F rancieme c osta


colocam em contato com nossas vontades e que nada tem a
ver com os planos e propósitos de Deus para nós.

Não é à toa que a Bíblia diz que nossos pensamentos precisam


estar guardados em Cristo Jesus e nos direciona sobre o que
devemos pensar.

O centro da vontade de Deus

meu coração a certeza de que eu estava no centro da vontade


dEle e exatamente no lugar onde Ele me queria naquele mo-
mento.

Fui muito confrontada, ministrada sobre o fato de que estar

tisfeito, ou seja, não necessariamente vai representar que es-


tamos onde queremos estar. Contudo, como a Bíblia diz que

centro da vontade de Deus é sempre o melhor lugar para se


estar, quer entendamos o porquê ou não.

C entro da vontade de d eus 101


Enquanto escrevo este capítulo, imagino quantas pessoas
amargam a dura realidade de que, pelo fato de estarem insa-
tisfeitas consigo mesmas ou com a situação na qual se encon-
tram em determinados momentos, podem, erroneamente,
pensar que não estão no centro da vontade de Deus. Imagino
também que podem até mesmo ter pensamentos de dúvida se,
de fato, este lugar existe, o centro da vontade de Deus.

Algumas vezes somos ensinados de forma errada ou enten-


demos errado a vontade de Deus. Pensamos que ela sempre
estará casada com a nossa vontade. E isso não é verdade. Estar
no centro da vontade de Deus nem sempre vai representar,
para nós, de imediato, felicidade plena, porque o lugar onde
Ele nos quer pode não ser onde queremos estar.

Entender que estar no centro da vontade de Deus pode ou


não representar felicidade plena não é fácil para alguns, diria
que para ninguém. Contudo, estando ou não felizes momenta-
neamente, as coisas de Deus ajustam-se no tempo dEle e não
no nosso e, quando isso acontece, e permanecemos onde Ele
quer, encontramos o que tanto buscávamos.

O maior Exemplo dessa realidade foi Jesus no Getsêmani.


Contudo, Ele não fez a Sua vontade nem Se deixou levar pelos
pensamentos que assolavam a Sua mente; preferiu cumprir a
vontade do Pai.

102 F rancieme c osta


Permanecer no centro da vontade de Deus

Permanecer no centro da vontade de Deus e não ceder à sua

obediência, de matar a carne e de fazer, não o que queremos,


mas o que agrada o coração do Pai.

Fico admirada com a forma como Deus trata conosco. Ele ja-
mais subestima nossa inteligência, jamais blefa conosco. Jesus,
inclusive, foi muito claro e Suas palavras não tinham rodeios.
Ele disse:

Creio que permanecer no centro da vontade de Deus nos


fará, em alguns momentos, enfrentar sentimentos que não
esperávamos nutrir por crer que estamos no centro da vontade
de Deus. Se analisarmos detalhadamente o versículo, vamos

Alcançar a paz

A paz é um dos sentimentos mais desejados pelo ser humano. É


terrível conviver com ausência de paz, porque ela é responsável
pela calma, por aquele estado de tranquilidade que sentimos
na alma. E Jesus, em meio aos Seus ensinamentos, diz:

paz não é encontrada em nenhum outro, a não ser nEle.

C entro da vontade de d eus 103


A paz é o único sentimento capaz de nos manter equilibrados
em meio às guerras. Em meio à agitação, conseguimos vencer
as perturbações quando temos paz na nossa alma. Somente
através da paz conseguimos raciocinar em linha com a Palavra
de Deus e acreditar que Ele acalmará as tempestades da vida
e nos ajudará a vencer a ira que insiste em nos levar a querer
fazer justiça com as próprias mãos.

A paz representa o lado bom da vida, como o sossego, a


tranquilidade, a harmonia, o equilíbrio, a moderação, a quie-
tude da alma, o alívio... Jesus é extremamente coerente em Sua

Vencer a agonia

leva a viver momentos de terrível agonia, ou seja, ter algum


tipo de sofrimento momentâneo e intenso, ser afetado por
perturbações na alma, mesmo quando lutamos contra.

nia que ela produz na alma, roubando a paz, que é um direi-


to conquistado na Cruz. Jesus quer que, em meio às nossas

104 F rancieme c osta


limitações, às agonias da vida, possamos vencer e descobrir
que podemos ir além do que imaginamos.

mundo pode ser comparada a uma sensação de que ainda que


estejamos tentando acertar parece que algo está errado? Tudo
isso pode fazer com que uma certa tristeza envolva o nosso
coração, por não compreendermos os processos nos quais

de não estar no centro da vontade de Deus pode ocasionar


uma preocupação desnecessária que gera ansiedade e nos faz
esquecer que não devemos andar ansiosos por coisa alguma,
outro ensinamento do nosso Mestre Jesus.

Se existe um sentimento aterrorizante é a agonia, causada pela

que rouba a alegria, o contentamento e até o prazer de viver.

A angústia pode sim ser um sentimento plausível em um


deter minado momento da nossa vida. Jesus disse que seria
assim. Agora, cabe a nós sabermos como lidar com ela, não
deixar que ela nos aprisione e entender que o que tivermos que
passar, passaremos, mas atravessaremos o rio e chegaremos
do outro lado com os pés enxutos. Essa é a vontade de Deus
para nós.

insegurança. E claro que Jesus sabia disso, porque conhecia

C entro da vontade de d eus 105


Ter bom ânimo

Ter bom ânimo é o mesmo que se esforçar, é descobrir que em

mobilizar as forças, sejam elas físicas, emocionais e espirituais.

se esforçar para isso.

Por que ter bom ânimo requer esforço? Porque uma pes-
soa desanimada está sem vigor, sem energia e sem coragem.
Quando Jesus disse que precisamos de bom ânimo, estava di-

nos esforçar muito.

Quem se esforça para realizar algo usa todas as forças do


seu espírito, alma e corpo. Jesus estava dizendo que há forças
dentro do homem que precisam ser ativadas para ele conseguir
ter êxito na sua jornada. Até porque praticamente tudo na vida
é conquistado por esforço.

Ter bom ânimo, que requer gerar esforço, é algo que Jesus
não pode fazer por nós. Ele nos dá a paz e nos fortalece, mas

que assolam a alma e nos animar, crendo que o mais Ele fará.

106 F rancieme c osta


A parte de Deus é sempre nos ensinar o caminho e segurar
nossa mão. A nossa parte é obedecer, crer, compreendendo que
somente através de esforço veremos as promessas cumpridas.
E mais, sabendo que todo esforço requer persistência, pois
muitas vezes a caminhada pode ser longa. E toda persistência
requer fé, porque é necessário acreditar que Deus agirá mesmo
quando tudo parece contrário.

pessoa desanimada é desmotivada e pode perder a direção da-


quilo que lhe foi proposto. Em outras palavras, era como se
Jesus estivesse dizendo que ter ânimo é ter alegria, vontade de
conquistar, de fazer acontecer. É sentir a sensação agradável
de bem-estar mesmo quando tudo não vai bem.

Verdade é que só tem bom ânimo quem se esforça para


vencer os dias maus e conquistar, dentro de si, o sentimento
de que tudo vai dar certo, apesar dos problemas, obstáculos,
adversidades. Ter bom ânimo é não se deixar vencer por
sentimentos destrutivos, que causam baixa autoestima e a
sensação de incapacidade. Ter bom ânimo é ter o sentimento de

e crendo que tudo vai dar certo, porque Deus é conosco.

desânimo tome conta da sua vida. E uma pessoa desanimada

E quem não produz não tem resultados satisfatórios, só

C entro da vontade de d eus 107


negativos. Somente com esforço e bom ânimo a tristeza bate
em retirada e a pessoa começa a vislumbrar as promessas de
Deus.

Sem bom ânimo nos tornamos mal-humorados, só enxerga-


mos derrota pela frente, tornamo-nos negativos, apáticos,

desmotivados, desmotivamos os que estão ao nosso redor.


E há ainda algo mais sério, perdemos a iniciativa, tudo se torna

não percebemos que é horrível para os outros ter que conviver


conosco.

A falta de bom ânimo é o desânimo. E uma pessoa desanima-


da parece ter um câncer na alma. Vive depressivo, é pessimista,
e eu creio que, em alguns casos, precisa de tratamento com
um especialista. Ou seja, precisa de oração, leitura da Palavra,
e algo mais, que pode ser uma terapia que ajuda e faz a pessoa
tornar-se um vencedor, como Deus projetou para os Seus

Viver sem ânimo é viver no fundo do poço, nada tem graça.


Não importa o quanto as pessoas façam, o desanimado nun-
ca enxerga. O bom ânimo nos impulsiona a prosseguir na
caminhada, porque
paralisados. Quando temos bom ânimo, levantamos os que
estão caídos, despertamos sonhos, enfrentamos os obstáculos
e estamos sempre prontos a começar de novo, se for preciso.

108 F rancieme c osta


Jesus venceu o mundo

nós, também podemos vencer. Como Mestre, Jesus sabia que,


sem paz, sem entender a realidade de que no mundo teríamos

Evangelho que transforma.

Em Jesus, temos o nosso Exemplo Maior. E que exemplo!

padecer morte de Cruz. Lembrando que Jesus não tinha pecado


e dolo algum se achou em Sua boca. Por isso, venceu o mundo
e é o nosso Referencial. Ele venceu, porque não desanimou,
mesmo nos momentos mais difíceis como no Getsêmani.

Fico pensando o que seria de nós se Jesus não tivesse vencido.


Se não fosse o Seu bom ânimo em não desistir de nós, apesar
de nossas falhas, debilidades, desobediências, limitações. Fico
pensando nos grandes homens da Bíblia que vieram antes de
nós. Como seria se eles não tivessem gerado esforço e bom
ânimo? Com certeza, não teríamos chegado até aqui.

E o que dizer daqueles que, mesmo sem conhecer Jesus, tiveram


bom ânimo para abrir caminhos para que alcançássemos
nosso bem-estar. Você já imaginou as estradas que foram
construídas... Quanto esforço, quanto bom ânimo. E Jobs,
quanta pestana ele queimou para alcançar o nível de tecnologia
do iPhone, iPad, iPod, hoje tão bem copiados pelas imitações.

C entro da vontade de d eus 109


Esforço e bom ânimo são as molas propulsoras para toda e
qualquer conquista. E isso em todas as áreas. A humanidade
avançou com a luz elétrica, rádio, TV, internet, por causa de
esforço e bom ânimo de muitos. Se os inventores não tivessem
esforço e bom ânimo e parassem na primeira experiência que
não deu certo (porque quase 100% das vezes não dá certo de
primeira), não teríamos progresso.

Quando foi que você viu um líder desanimado ou uma pessoa


desanimada avançar, trazer uma ideia nova ou um projeto? Pelo
contrário, desanimados, quando abrem a boca, é só para falar
do que está cheio o coração: de desânimo, frustração, decepção
e contagiam negativamente todos os que estão ao redor.

Existem momentos que nosso desejo de acertar e de per ma-


necer no centro da vontade de Deus faz com que nossos pés
queiram correr além do que eles conseguem alcançar. Sofre-
mos e não conseguimos olhar para o Alto, para receber o bom
ânimo que nos faz vencer o mundo.

Observe que, na maioria das vezes, temos sonhos e anseios


(e não há pecado nenhum nisso!), mas porque pensamos que
nossos sonhos e anseios são bons (e eles podem ser!), so-
fremos quando Deus nos revela o que Ele tem para nós e nos
deparamos com uma realidade bem diferente da que estava

centro da vontade de Deus, sentimos a dor da renúncia e,


depois, descobrimos que o que é bom nós sabemos escolher,
mas o que é melhor, só Deus pode nos dar.

110 F rancieme c osta


do o que Jesus deixou claro, que nossa caminhada não seria de
facilidades. E quão grande verdade é essa, porque no caminho
encontramos pedras, lama, sol, chuva, pessoas agradáveis e
desagradáveis, alegrias e tristezas...

percurso. Mas, para os que têm bom ânimo, a boa notícia é


que Ele venceu o mundo e nós podemos vencer e alcançar a
incorruptível coroa de glória.

O que Jesus estava nos ensinando quando declarou:

era que as lutas seriam

nos lastimando, deveríamos buscar a paz que está à nossa dis-

permitir aprender com as situações e nos tornarmos mais


fortes.

No centro da vontade de Deus, por muitas vezes vamos cho-


rar, vamos sofrer, vamos relutar. Tudo isso é permitido. Mas se
entregar NÃO! Porque Deus não tem prazer na vida daqueles
que olham para trás e retrocedem.

C entro da vontade de d eus 111


capítulo 6
a força da comunicação
A comunicação está a nosso dispor, vivemos com todas as
facilidades da era digital. Mas, que comunicação é essa? Falar
demais é comunicar-se bem?

A comunicação é extensa, possui uma força inimaginável.


Podemos alcançar quem está do outro lado do mundo pela
comunicação. E dentro desse universo poderoso, as formas
de se comunicar são variadas: profundas, rasas, construtivas,
destrutivas, simples, complexas, prolixas, exatas, qualitativas,
quantitativas, claras, confusas, técnicas, abstratas. Cada forma

o seu objetivo.

A forçA dA comunicAção 117


1. Palavras

Comunicamo-nos mais claramente através das palavras, mas


não somos limitados às palavras; a comunicação vai além.
Palavras contêm vida ou morte, coragem ou medo, vitória
ou derrota, alegria ou tristeza, bênção ou maldição. Palavras
possuem um poder muito forte, portanto podem nos afastar
ou nos aproximar das pessoas.

Deus formou o mundo pela Palavra (Gênesis 1). Jesus é o


Verbo, a Palavra (João 1:1). O poder da palavra construiu tudo,
inclusive o homem e a mulher, dotados da palavra, do poder
de se comunicar entre si, com Deus e com todos os animais.
Nossas palavras podem fazer nascer um mundo do caos, como
podem fazer do mundo um caos.

Dependemos das palavras! Palavras estão em toda parte. Livros,


revistas, sites, redes sociais, jornais, outdoor... Variando de
forma e conteúdo, o objetivo é sempre o mesmo: comunicar,

estilos, conceituar o que há de novo no mercado, apresentar


produtos e serviços... Ao mesmo tempo que é fragmentária é
complicada. Contudo, o que as palavras podem produzir em
nós geram efeitos eternos.

118 F rancieme c osta


A Bíblia diz que se com a boca confessarmos que Jesus é o

expressadas corretamente, aproximam-nos de Deus e das


pessoas.

2. Olhar

O olhar é uma forma muito expressiva da comunicação. A


Bíblia atribui aos olhos uma grande responsabilidade: a luz; eles
são candeia. Com certeza, em algum momento da vida, você
foi marcado por uma imagem. E, de forma rápida e intensa,
um impacto foi causado em suas emoções, despertando
sentimentos e lembranças que você guarda até hoje.

palavras não conseguem expressar ou que o outro não está


preparado para ouvir, além de expressar atenção. Foi assim
que Jesus procedeu com Pedro, quando este O negava diante
dos homens.

Aquele olhar levou Pedro ao arrependimento


e a produzir frutos no Reino.

A forçA dA comunicAção 119


Jesus, naquele momento de dor, mostrou a Pedro que Se im-
portava com ele, apesar de sua atitude errada. Eu amo ler
Provérbios 15:3. Deus
nos olha como Pai para que tenhamos cuidado de olhar na Sua
direção e registrar imagens que nos marquem positivamente
e nos curem tão profundamente, fazendo do fracasso do
passado uma história com a qual podemos aprender para não
repetir os mesmos erros.

3. Toque

O toque expressa amor, carinho, respeito, como também


pode expressar desrespeito, desafeto. Os judeus conheciam

tocados por Jesus, através da imposição de mãos. E quando


os discípulos quiseram impedir, o Senhor os repreendeu,
pois sabia a necessidade que temos de receber o toque como
expressão de amor.

Há momentos em que não temos palavras e não conseguimos


sequer olhar o outro, mas um toque pode expressar exatamente
a comunicação que queremos transmitir ou receber, compre-

O toque é uma fonte inesgotável de expressar o que sentimos.


Podemos ser renovados a partir de um carinho, um aperto de

120 F rancieme c osta


muda nossas atitudes, alegra o nosso dia. O toque informa o
que as palavras não dizem e o olhar não conseguiu expressar.

4. Atitudes

Atitudes, pequenos gestos, comunicam e expressam senti-

amamos ou mesmo de quem não conhecemos pode alcançar


uma vida no mais profundo do seu ser. Isso é tão verdade,
que a atitude de Jesus de ter decidido morrer na Cruz pela
humanidade resultou em vida a mim e a você.

O gesto da mulher, a atitude em se preocupar com o profeta e


pedir ao marido para construir um quarto resultou em muitos
benefícios para si e para toda a família. Tenha gestos de amor
para com as pessoas; suas atitudes precisam ser independentes
de momentos, circunstâncias. Você nunca saberá o que Deus
pode trazer como recompensas sobre sua vida por conta de
seus gestos e atitudes de amor.

A forçA dA comunicAção 121


5. Sons

Os sons têm muita expressão, eles têm uma força de comu-


nicação incrível. Observe que as músicas, através da melodia e
não apenas das palavras, levam-nos a sensações de paz, amor,
refrigério, assim como algumas também causam inquietude,
impaciência, melancolia.

Sons comunicam o que queremos expressar, mas o outro só

é fazer-se compreender e corresponder o


poder de compreensão do outro, utilizando-se das ferramentas
que Deus já nos deu.

6. Silêncio

Há momentos em que as palavras não resolvem, o olhar não vai


alcançar a dimensão do que se precisa, o toque é dispensado,
os gestos e atitudes podem não ser aceitos, os sons tornam-
se desnecessários, demonstrar determinados comportamentos

122 F rancieme c osta


comunicar o que queremos que o outro entenda.

O silêncio é uma forma muito forte de expressar comunica-


ção. Jesus nos ensinou muito no momento em que não falou

demonstrar mais sabedoria do que lançando palavras soltas ao


vento (Provérbios 10:19).

Longas explicações podem ser substituídas pelo silêncio e


ainda assim enriquecer a percepção da mensagem. O silêncio
fala pelo que pode ser lido no ar, grita sem emitir som ne-
nhum e potencializa um momento para sempre. Foi assim que
Jesus nos ensinou em Seu momento de silêncio, registrado em
Isaías 53:7.

Muitas vezes, não é fácil saber silenciar quando tudo parece


gritar ao nosso redor. Mas o silêncio é uma sábia atitude para
os momentos em que nada mais resolve. Ele comunica o que
queremos e causa um impacto fenomenal quando as palavras
já foram esgotadas e tudo o mais falhou.

O silêncio pode, até mesmo, aumentar nossa potencialidade


de comunicação, pois calar é um exercício que só é praticado
por quem aprendeu a viver todas as fases da comunicação e,
creia, pode incomodar e surtir maior efeito do que qualquer
outra forma, quando empregado na hora certa.

A forçA dA comunicAção 123


, nos dias de hoje, perdeu a sua for-
ça como você verá em muitos capítulos deste livro. E isso
aconteceu por inúmeras situações e circunstâncias que pas-
saram a fazer parte da nossa vida e que pensamos serem

Todos nós precisamos saber nos comunicar. Talvez, precise-

deixada de lado na era da cibernética, como vimos no capítulo


.

sas palavras sejam faladas, olhadas, tocadas, gesticuladas ou


silenciadas, contanto que consigamos expressar o que que-
remos e também o que o outro precisa ouvir, saber e aprender.

A comunicação verdadeira é aquela que produz aprendiza-


do, completando o outro através da mensagem que recebe.
É sempre uma via de mão dupla, com perguntas e respostas,
com companheirismo e contradições, que, quando somadas,
levam-nos a uma dimensão maior.

124 F rancieme c osta


capítulo 7
conhecimento
Muitos versículos falam sobre conhecimento, mas escolhi

aprofundar em Deus, de forma a descobrirmos a Verdade que


Jesus veio nos apresentar, e vivermos a liberdade que Ele nos
entregou na Cruz do Calvário, quando morreu.

O que é conhecimento

Conhecimento é aprofundar-se em:

. algo;
. uma ideia;
. um conceito;

C onheCimento 135
. uma situação;
. alguém.

Nós, como seres humanos, temos dois extremos, na maioria


das vezes. Ou somos reservados (não nos damos a conhecer,
de imediato), ou revelamos nossa vida em cinco minutos.

Conhecimento é mais do que se informar apenas, é saber, é


conhecer por que se buscou instrução, até compreender ao
máximo que puder sobre o assunto do seu interesse. É cons-
truir e ser construído, é tomar consciência verdadeira.

O conhecimento transforma nossos pensamentos sobre o que


conhecíamos ou não, e nos leva a construir os princípios de
Deus que são eternos e imutáveis. Então, passamos a saber, a
ter consciência de como devemos proceder para ter êxito.

Quando conhecemos sobre algo, sobre alguém, sobre uma


realidade, podemos falar com propriedade, porque temos os
códigos e as informações corretas dentro de nós. O nosso
conhecimento passa a ser uma informação com utilidade,
a partir de uma experiência real e não abstrata.

Quando não conhecemos, não compreendemos, não entende-


mos. Por exemplo, se você não sabe Física, você vai olhar aquela

apenas um emaranhado que causa desespero. Para quem tem


conhecimento da matéria, resolver uma equação é fácil e mesmo
que seja difícil, o conhecimento o levará à solução do problema.

136 F rancieme c osta


O conhecimento vai muito além de ser apenas ensinado por
alguém. Necessitamos, sim, de alguém para derramar co-
nhecimento sobre nós, mas só adquirimos conhecimento, ver-
dadeiramente, se formos à busca dele. É mais que desejar, é
preciso mergulhar em algo; requer ação.

Nossa falta de êxito em muitas áreas da nossa vida, mesmo


após termos recebido Jesus como Senhor e Salvador, está ba-
seada em falta de conhecimento ou conhecimento errado.

Tipos de conhecimento

Não podemos conhecer Jesus com base nos conhecimentos


divididos em categorias, como:

. Conhecimento empírico – adquirido no dia a dia, com


erros e acertos;

. Conhecimento intelectual – o raciocínio, o pensamento do


homem;

. Conhecimento popular – conhecimento de uma determi-


nada cultura;

. Conhecimento sensorial – conhecimento comum entre se-


res humanos e animais;

conhecido como real, porque

C onheCimento 137
trabalha com análises baseadas em provas, mas que pode ser
contrariado pela fé;

construção de ideias e conceitos;

. Conhecimento teológico – adquirido a partir da fé.

Todos esses conhecimentos são importantes, mas, a partir da


Bíblia, vejamos o que o conhecimento produz.

1. Alegria

(como é feliz, como é alegre)

O conhecimento produz felicidade, alegria. Logo, a falta dele


produz tristeza, baixa autoestima. Não podemos ser felizes sem
conhecimento. Não podemos ser alegres sem conhecimento, é
o que nos diz Provérbios 3:13.

Muitos confundem sabedoria com conhecimento. Observe


que, se temos falta de sabedoria, a Bíblia diz que podemos
pedir a Deus e nos preparar para recebê-la.

138 F rancieme c osta


Agora, quando não temos conhecimento, não adianta pedir
a Deus, pois só adquirimos conhecimento quando nos esfor-
çamos para alcançá-lo. Então, a sabedoria, recebemos de Deus,
mas o conhecimento depende do nosso esforço pessoal.

A Bíblia diz que feliz é o homem que adquire conhecimento.


Adquirir é tornar-se proprietário de; é como se fosse um
negócio, uma compra em que ninguém quer sair perdendo.
Adquirimos conhecimento quando empenhamos esforço con-
tínuo. Quando adquirimos conhecimento, fortalecemo-nos e

Adquirir conhecimento é agregar bens que não são materiais;


é tornar-se rico em si mesmo; uma riqueza que ninguém pode
roubar. Só adquirimos conhecimento quando eu entendemos

viver melhor nesta Terra.

Ninguém adquire conhecimento apenas por ir à escola. O pro-


fessor traz a informação, mas cabe a nós nos aprofundarmos
no conhecimento que queremos. Porque o conhecimento
que recebemos de outrem torna-se verdadeiro na nossa
vida, quando, pela experiência, aprendemos a mais do que
recebemos, ou seja, vamos além da teoria.

C onheCimento 139
2. Construção

O conhecimento é uma construção de bases sólidas, constru-


ção de verdade, construção de competência, construção de
saber onde estamos entrando e o que devemos fazer. A falta
do conhecimento causa destruição.

mados na Rocha que é Jesus, porque Ele possui a Verdade. Ele


é a Verdade Suprema.

Quantas vitórias, quanto poder de Deus poderíamos ter se


mergulhássemos no Livro, a Bíblia, e entendêssemos o que
está escrito por detrás das letras, ou seja, se tivéssemos, de
fato, conhecimento.

Eu entendo que se eu aceitei Jesus, eu vou para o Céu. Mas é


o quanto eu tenho de conhecimento sobre Jesus, sobre Seu
Reino, Sua Palavra, Sua vontade e Suas promessas para mim,
que me levarão a ter uma vida em abundância aqui na Terra.

Se apenas vivemos pela Salvação e pelo Céu, teremos Salvação


e chegaremos ao Céu, mas podemos ser destruídos em muitas
áreas e até mesmo levarmos uma vida miserável aqui na Terra.

Quando temos conhecimento de que podemos ter mais que


a Salvação e alcançar o Céu, que João 10:10 é uma verdade

140 F rancieme c osta


para nós, então estabelecemos parâmetros de avaliação para
nossas construções e desconstruções. Será que o que pen-
samos de nós mesmos ou o que disseram a nosso respeito tem
critérios de verdade?

Diante da crise da razão ou da emoção, que estamos vivendo


neste século e que só tende a aumentar, porque comercializa
e vulgariza não apenas a mulher, mas o ser humano, o que
vamos escolher? A verdade da Palavra de Deus, que diz que
podemos ser exatamente quem o Senhor quer que sejamos, ou
esses pensamentos destrutivos?

Creio que cada um de nós precisa ter o conhecimento da relação


que quis nos destruir no passado com quem nos tornamos

nova criação em Cristo, aceitando ter a mente transformada


pela Palavra, como descrito em Romanos 12:1,2. Somente
através de uma mente renovada, que recebe conhecimento é
que podemos desconstruir os conceitos errados.

Como aceitar a opinião dos outros sem saber se essas ideias

mesmos e não nos importar tanto com o que as pessoas pensam

nos importamos com o que não tem relevância, e somos mais


construídos em nós mesmos, através da verdade.

C onheCimento 141
3. Aceitação

O conhecimento nos leva à aceitação. A falta dele nos leva à


rejeição – uma das maiores armas do diabo contra nós seres

Em relação às mulheres, essa verdade é ainda mais forte.


Sofremos pelo cabelo, nariz, seio, bumbum, corpo etc. Quan-
do um nível de conhecimento, de entendimento bate à nossa
porta, não devemos nos fechar para que não entre. Quando
agimos assim, estamos rejeitando a chance de viver feliz, mais
leve, mais, mais...

enfrentar. O que não podemos é, por causa de uma realidade


que ainda não tivemos forças para mudar, viver com baixa
autoestima. É importante não aceitar, mas saber conviver com
essa realidade até vê-la transformada.

4. História

142 F rancieme c osta


O conhecimento que adquirimos ao longo da vida nos permite
construir um legado em nossa família que será perpetuado por
gerações. A falta dele nos faz cair no esquecimento.

Ao longo da Bíblia, tem sido assim. Só nos lembramos de quem


fez história, seja ela boa ou má. E, no nosso caso, queremos
fazer história em Deus para lembranças que serão eternas na
memória daqueles que aprenderão com nossas experiências.

Daí a necessidade de conhecermos a Bíblia e vivermos por


ela. Devemos nos esforçar para alcançar o maior nível que
pudermos dentro dos padrões do Reino, dos princípios que
foram estabelecidos para o povo de Deus.

Não podemos ser limitados se servimos a um Deus que tudo


pode. Viver na Terra sem usufruir o que Deus tem para fazer
em nós e através de nós, é viver pela metade.

5. Liberdade

Quando somos discípulos de Jesus, precisamos:

. Permanecer na Palavra;

C onheCimento 143
. Conhecer a Verdade;

. Receber Libertação.

O contrário da liberdade é a escravidão. Jesus morreu por mim


e por você para que sejamos livres.

A Bíblia diz:

testemunho interior, pela liberdade que temos nEle. Mas a

que temos essa essência.

Creio que a Igreja de Cristo está sendo de


tantos conceitos errados que foram injetados em sua alma,
essência como pessoa que tem cheiro, cor, pele e necessidade
de se expressar.

Sentimentos tóxicos, que ainda existem em algumas pessoas,


pela ilegitimidade de não reconhecerem a sua potencialida-

de Deus possamos descobrir, de fato, quem somos e o que


podemos conquistar.

Temos que ser parecidos com o Pai e com o Filho, Jesus. Há


tantas pessoas desejando ser parecidas com outras, mas nós
temos Alguém muito especial com quem devemos nos parecer.

144 F rancieme c osta


Você precisa mudar conceitos internos e externos acerca da
sua vida, sua família, seu trabalho, seu ministério, sua cidade.
Os conceitos que vêm de dentro ou de fora, mas que não estão
em linha com o que a Palavra diz sobre a sua vida, não servem
para ser absorvidos.

É verdade que alguns desses conceitos até podem melhorar


a autoestima, mudar alguns contextos e históricos, mas o que
fará mesmo a diferença é ter o entendimento de quem somos
por dentro, do que Cristo fez em nós e o que Ele quer fazer
através de nós.

É possível saber quem somos em Deus e as vitórias que


podemos alcançar quando adquirimos conhecimento e nos
tornamos livres em Deus. Não uma liberdade que macula o
que é santo, mas que nos faz viver a essência do Reino em
todo lugar, e, principalmente, dentro da nossa casa, com as
pessoas que amamos.

Deus, consiste em ter um nível de conhecimento elevado, de


forma que produza em nós uma mudança de vida que nos
faça parecer com o Pai, imitando o caráter de Jesus e nos
submetendo às orientações do Doce Espírito Santo.

C onheCimento 145
Verdade é que fomos chamados por Deus para ser mais do
que vencedores. Talvez você não acredite, mas você nasceu
para vencer.

146 F rancieme c osta


capítulo 8
chamar a atenção de deus
Neste capítulo, quero mencionar dois personagens bíblicos que
foram incríveis na coragem e ousadia para chamar a atenção
de Jesus. Eles enfrentaram circunstâncias, pessoas, distâncias,
obstáculos e tudo o que foi preciso para terem um encontro
com o Mestre, que fosse um diferencial em suas vidas.

Muitos outros poderiam ser mencionados, pois suas histórias


enriquecem nossas vidas e nos mostram como é possível cha-
mar a atenção de Deus, porque Ele olha o coração e não o
exterior. Ele olha a motivação e o desejo de mudança e não o
pecado.

Falar de todos não é possível, pelo menos não aqui, não agora.

C hamar a atenção de deus 153


sinamento.

Zaqueu, o homem que queria ver Jesus

A história de Zaqueu é muito interessante. Ele soube que


Jesus havia entrado em Jericó e que atravessaria a cidade. Por
ser um judeu rico – chefe dos cobradores de impostos e que
trabalhava para os romanos – ele poderia ter mandado uma
comitiva para dizer ao Mestre que queria vê-lO, mas não o fez.

Por um motivo que a Bíblia não revela qual foi, Zaqueu


decidiu fazer algo inusitado para ver Jesus. Sendo um homem
de baixa estatura, ele sabia que não conseguiria ver Jesus no

que algumas traduções bíblicas chamam de sicômoro.

à que Zaqueu subiu. É uma árvore de tronco forte, com uma

154 F rancieme c osta


foi para aquele homem importante na cidade, ainda que não

Interessante como, quando queremos verdadeiramente algo,


vencemos obstáculos e não nos importamos com o que as
pessoas vão pensar de nós. Zaqueu não se deixou vencer pela

sumiria no meio deles. Então, usou a sábia estratégia da árvore.

çamos em busca do nosso objetivo, ou nos deixamos paralisar


pelos obstáculos, sendo facilmente vencidos pelo desânimo.

Quando criança, cantávamos um corinho na Igreja assim:


“Zaqueu pequeno quase anão, desejava ver Jesus. Então, subiu
numa árvore alta, cuja rua ao Mestre conduz. E o Salvador
para ele olhou, quando ia ali passar. E disse: Zaqueu, desce
depressa, pois em tua casa vou pousar. Então, depressa Zaqueu
desceu e com alegria recebeu Jesus”. E foi bem assim mesmo.

A decisão estava acima da estatura, da circunstância que pode-


ria impedir Zaqueu de ver Jesus. E porque decidiu e agiu,
mesmo diante de uma grande multidão, Jesus olhou para ele.
Naquele momento, Jesus olhou para o coração sincero de
Zaqueu, para o seu gesto corajoso e audacioso. Só que Jesus
não apenas olhou, Jesus começou um diálogo com ele.

C hamar a atenção de deus 155


Jesus mandou que Zaqueu descesse da árvore. Eles conver-
sariam no mesmo nível, não de baixo para cima ou de cima
para baixo, mas na horizontalidade. Zaqueu, diante do convite
do Mestre, não hesitou em descer. Podemos imaginar a alegria
que sentiu, na condição de pecador, ao saber que receberia
Jesus para um jantar. Ele não esperava tanto.

Zaqueu recebeu, naquele momento, Salvação. Veja como


a Bíblia descreve a cena:

Não há registro nesse texto de que outras pessoas tenham


chamado a atenção de Jesus como o pequeno Zaqueu, cujo

seguiu tirar os olhos de Jesus da multidão para ver a par-


ticularidade, a necessidade de um homem.

156 F rancieme c osta


mais lindas e mais emocionantes do Novo Testamento. Ela
aparece como um , ainda que tudo tenha o tempo certo,
como diz Eclesiastes 3, e nada fuja ao controle de Deus, como
podemos ler em Mateus 21.

e, de repente, no meio da multidão, uma mulher cheia de fé,


que com certeza sabia que Ele já havia operado milagres na
vida de outras mulheres, arrasta-se em meio à multidão. Ela
não andava, não tinha forças para andar, pois há 12 anos sofria

A Bíblia não diz seu nome, mas cita implicitamente as carac-

a atenção do Mestre. Sua perseverança foi sem igual. Mesmo


dando de encontro com muitos, o toque da mulher nas vestes
de Jesus chamou a Sua atenção. Ele parou para dizer que sentiu
que dEle saíra poder.

C hamar a atenção de deus 157


Como pode alguém que não anda, apenas arrasta-se, ter
encontrado forças para vencer a multidão e tocar em Jesus?
Tanto sofrimento envolvia a vida daquela mulher, tantas feridas
na alma, como o desprezo por ser considerada imunda na
época em que vivia. Todo o seu dinheiro havia sido entregue,
em vão, aos médicos que nada puderam fazer por ela.

Eu imagino o que deve ter passado em sua mente quando

acendido em seu coração, e foi tão intensa que ela encontrou


forças para enfrentar a multidão e, por detrás, tocar nas vestes
do Senhor. Ela estava convicta de que:

Que testemunho de fé maravilhoso. Como ela creu, cumpriu-


se. A Bíblia diz que imediatamente
.

daquela mulher? O que ela deve ter sentido ao ouvir:


. É lindo ver que ela, temendo e tremendo, aproximou-
se, prostrou-se diante de Jesus e disse a Ele ter sido ela quem
Lhe tocara.

Talvez, após tanta discriminação, o temor e o tremor fossem


pelo conhecimento que ela tinha das leis, por saber que era
uma mulher imunda – assim eram consideradas as mulheres
durante a menstruação, imagine uma mulher que vertia sangue

158 F rancieme c osta


há 12 anos. O que ela não sabia era que Jesus não tinha apenas
cura física para sua vida, Ele não queria simplesmente estancar
a hemorragia do seu corpo, mas o sangramento do seu coração.

Jesus olhou para aquela mulher e disse:


Chego a me
emocionar imaginando a cena, os detalhes que compuseram
esse momento. Jesus, diante de um pedido de um pai em

assim, Ele parou tudo para olhar a dor daquela mulher.

fechou os olhos para o real e abriu os olhos da fé, que veem o


sobrenatural. Que lição de vida!

de sangue, vejo que só é possível chamar a atenção de Deus


quando enfrentamos circunstâncias, pessoas, distâncias, obs-
táculos, e tudo o que for preciso, como a religiosidade, para
ter mos um encontro com o Mestre, que marque as nossas
vidas e nos permita escrever uma história tão surpreendente
quanto a de Zaqueu e tão emocionante como a da mulher com

C hamar a atenção de deus 159


capítulo 9
Adormecidos em um sono profundo
Este capítulo não é dedicado à Bela Adormecida, até porque

minhar por fé, um que nos leva sempre além do que


pedimos, pensamos e imaginamos. O que quero abordar aqui
é a questão de estarmos, em algumas áreas, adormecidos, sob
um sono profundo, precisando de um despertar.

Gosto muito do texto de Efésios 5:14-16. Na verdade, para


mim, esse despertar começa no capítulo 4, quando Paulo, edu-
cadamente, faz uma convocação a vivermos de forma digna ao
Evangelho, à Bíblia.

Como líder, Paulo sabia que não bastava apenas mudar um


estilo de vida, de gentio para cristão, era necessário mais que

A dormecidos em um sono profundo 165


isso, era necessário manter um estilo de vida que diferenciasse
os cristãos dos gentios, visto que viviam misturados, na mesma
comunidade. E ele explica vários princípios que precisavam ser
cumpridos.

Todo o texto de Efésios 4 fala sobre fatores essenciais para


nossa vida, como cristãos. Quando esses fatores não são ob-
servados, facilmente, vamos perdendo a nossa diferença e nos
tornando comuns, compactuando com as práticas do mundo.

E, à medida que tudo se vai tornando normal, começamos a


adormecer e, se não abrirmos os olhos a tempo, podemos cair
em um sono profundo, do qual não temos forças para acordar
sozinhos. Precisaremos, nesse caso, não de um príncipe en-
cantado que nos beije para acordar, mas de alguém disposto
a nos estender a mão e nos devolver para o caminho de onde
jamais deveríamos ter saído.

Quero abordar somente alguns desses fatores, pois todos seria


impossível, devido à riqueza que cada um deles contém.

166 F rancieme c osta


1. Pensamentos obscurecidos

que estamos com a mente confusa, embaçada, poluída, sem

sobre vários assuntos ao mesmo tempo.

Paulo estava insistindo com os cristãos, o que mostra que eles


já haviam sido advertidos várias vezes a não viver mais como
os gentios, na futilidade dos seus pensamentos.

Interessante como o Apóstolo Paulo era preocupado com


a questão da mente. Ele sabia que os pensamentos estavam
ligados às nossas emoções, desejos, sentimentos, às questões
da nossa alma. Sabia também que pensamentos geravam ideias
e, consequentemente, ações que, a depender dos pensamentos,
gerariam um comportamento mundano ou digno de um cristão.

Pensamentos obscurecidos confundem nosso entendimento,


fazem com que troquemos o certo pelo errado e, assim, vamo-

A dormecidos em um sono profundo 167


nos separando da vida com Deus, por causa da ignorância na
qual entramos, devido ao endurecimento dos nossos corações.

diz que, em alguns casos, acaba se

Quando nossos pensamentos estão obscurecidos, tornamo-


nos pessoas orgulhas demais para aceitar ajuda, perdemos o
entendimento da verdade e necessitamos ser chacoalhados
para voltar e fazer o caminho correto, seguindo os princípios
da Palavra de Deus.

2. Desejos enganosos

Nossos pensamentos obscurecidos levam-nos a ter desejos


enganosos. Esses desejos enganosos nos remetem à antiga
maneira de viver, afastando-nos da presença de Deus, que é
Santo e não compactua com as coisas carnais. Ele entende

168 F rancieme c osta


nossa humanidade, mas veio à Terra como Homem para
mostrar a cada um de nós que era possível vencer os desejos.

Os desejos enganosos colocam-nos na situação de impedimento


de sermos renovados no modo de pensar e, automaticamente,
também, de nos revestirmos no novo homem, da nova pes-
soa que Deus tem para nós. Isso acontece porque somos
tendenciosos a voltar a praticar os mesmos atos do passado,
quando éramos mentirosos, profanos, enganadores etc.

A Bíblia diz que não podemos nos esquecer de que somos


membros de um mesmo Corpo. Logo, quando mentimos,
profanamos, enganamos etc., estamos fazendo mal a nós
mesmos e não apenas ao próximo. E sabe o que é pior?
Ficamos tão cegos, que qualquer coisa nos deixa irados. Mas

acabar pecando, quando a Bíblia diz que, se nos irarmos, não


devemos pecar, porém resolver a questão antes que o sol se
ponha (Efésios 4:26).

Quando agimos de forma contrária à instrução que recebe-


mos, damos lugar ao diabo, ou seja, fazemos exatamente o que
não devemos fazer. Entramos em uma rota de perigo.

3. Atitudes depreciativas

A dormecidos em um sono profundo 169


Por causa dos pensamentos obscurecidos e dos desejos enga-
nosos, nossas atitudes passam a mudar. Voltamos à lama.
Roubar já não nos preocupa mais. Sim! Esse roubo pode ser em
vários níveis. E o pior deles é o roubo que cometemos contra
nós mesmos e contra as pessoas que amamos. Principalmente
em relação ao nosso tempo com Deus, conosco, com a família,
com os amigos.

Deixamos de fazer o que é útil para realizar somente o que


nos apraz. Outras vezes o mergulho no trabalho nos faz ir
muito além do que deveríamos e do que é, de fato, necessário.
Tempo perdido, que pode nunca mais ser recuperado, apenas
lamentado.

Quando nossas atitudes deixam de importar, as palavras então


já não têm nenhum valor. Contudo, o texto nos adverte que
nenhuma palavra torpe deve sair da nossa boca. Lembrando
que Mateus 12:34-37 diz:

170 F rancieme c osta


E é exatamente isso, em outras palavras, que o texto de Efésios

construção, de acordo com a necessidade, ou seja, com o


momento. E mais, nossas palavras devem ser cheias de graça
para aqueles que nos ouvem. Difícil?! Sim! Todavia, possível.

Quando nossas atitudes são depreciativas, não nos importamos


com o que falamos, com o que fazemos. E não se importar
entristece o Espírito Santo de Deus, com o qual fomos selados
para o dia da Redenção.

4. Sentimentos nocivos

dos geram desejos enganosos e atitudes depreciativas, e tudo


isso faz com que nossa alma seja contaminada por sentimentos
nocivos como:

. Amargura

Se há um sentimento que nos torna pessoas desagradáveis é


a amargura. O amargurado não vê sabor em nada e por onde
passa faz questão de registrar seu azedume, desgosto, dor,
dissabores.

A dormecidos em um sono profundo 171


A amargura faz com que a pessoa viva ansiosa, chateada,

de opressão, preocupação, desgosto, aborrecimento... Tudo

amargurado, descontente, sofrendo e vivendo um fel, um


eterno amargor.

. Indignação

O indignado só tem uma ação: desprezar e provocar as pessoas


com suas discordâncias, na maioria das vezes incabíveis,
provenientes da própria alma. Como se o sentimento de
revolta fosse mudar o mundo. Ora, se não consegue mudar ele

O resultado é frustração e irritação. E porque vive frustrado


e irritado, frustra e irrita quantos puder com seu jeito desa-
gradável de ser. E se as pessoas reagem contra essa forma

transtornada. Quanto sofrimento!

. Ira

A ira vai muito além de uma chateação, é um sentimento


crescente e intenso de raiva e ódio, que podem levar o ser
humano a um estágio de rancor. Nos primeiros segundos e
momentos de ira, acontecem os maiores crimes, as maiores
agressões.

172 F rancieme c osta


Debaixo de fortes emoções que a ira provoca, agimos sem
pensar, falamos o que não devemos, matamos o outro não
com uma arma, mas com a língua, que tem o poder de ferir
no mais profundo da alma. A ira tem um poder incontrolável
de descontrolar o ser humano, fazendo-o perder totalmente a
racionalidade.

Quantas vezes, diante de uma contrariedade para a qual não


estamos preparados, agimos como meninos mimados e nos
deixamos ser tomados pela ira, a ponto de explodirmos e per-
dermos a noção de que esperar a ira passar e se acalmar seria
o melhor a fazer.

. Gritaria

desagradável, mas um ambiente onde as pessoas gritam torna-


se insuportável. Conviver com pessoas adeptas à gritaria,
que não têm moderação da voz, deixa-nos sem palavras para
explicar quão impossível se torna o relacionamento.

Como viver em meio a gritos sucessivos, ao barulho excessivo?


Tudo isso causa um estágio de perturbação na alma. A alma
quer uma palavra suave, uma voz que fale e não imponha.
Porque o grito nos obriga a aceitar algumas ideias e fatos como
imposição, mas jamais por satisfação.

A dormecidos em um sono profundo 173


. Calúnia

desonrosa a respeito dela. De imediato, ouvimos: “Isso é uma


calúnia!”. A calúnia consiste em atribuir ao outro um fato que
não ocorreu, uma fala que não houve, uma atitude falsa, e daí
por diante.

Não estamos preparados para o desrespeito, para a calúnia.


E nos dias de hoje, pela internet, é comum vermos pessoas
sendo caluniadas, defraudadas, vítimas de ofensas que têm o
objetivo de causar descrédito e ofender a reputação moral do
indivíduo.

. Maldade

A maldade é caracterizada por atitudes de ruindade, perver-

de outros sem piedade, mas com malignidade, malvadeza,


perversidade, sem se importar com o sofrimento do próximo.

Como se relacionar com uma pessoa maldosa, que trama


pelas costas, que não garante um relacionamento de paz, um
relacionamento amigável? Podemos até tentar, mas tentar,

via de mão dupla. Não dá para caminhar sozinho, precisamos


estar de mãos dadas com quem está disposto a seguir conosco.
E maldade, assim como outros sentimentos nocivos listados
aqui, impedem uma caminhada de êxito, uma caminhada plena.

174 F rancieme c osta


O poder do perdão

É lindo ver Paulo encerrando o capítulo 4 de Efésios dizendo


que devemos ser bondosos. Porque uma pessoa bondosa é
desprovida de pensamentos obscurecidos, ela só vê o bem;
é desprovida de desejos enganosos, pois vive pela verdade;
é desprovida de atitudes depreciativas, quer ver as pessoas
felizes ao seu redor; é desprovida de sentimentos nocivos, seu
coração é limpo.

Paulo diz que devemos ser compassivos uns para com os


outros. A compaixão, característica de quem é compassivo,
não aceita egoísmo, egocentrismo, antes, compartilha com as
pessoas de momentos bons ou ruins, alegrias e sofrimentos.
Seu coração é sempre enternecido e comovido ao próximo,
procurando ser bondoso, humano e agradável com as pessoas
com as quais convive.

Você conhece alguém assim?! Com certeza! Por mais que


muitas pessoas hoje nutram na alma sentimentos nocivos,
também existem muitas pérolas de valor, gente que se importa
com gente, que valoriza o ter e não o ser, que não troca o
eterno pelo efêmero. Eu creio que você é uma dessas pessoas.
E se você não for, pode se tornar, pois o perdão tem o poder
de nos transformar em pessoas menos ensimesmadas, menos

A dormecidos em um sono profundo 175


para sermos mais, e mais, e mais, mais parecidas com o nosso
Pai.

Quanto ao nosso Pai, ao Deus Todo-Poderoso, Àquele que é


Mais, e Mais, e Mais, sabemos que mesmo sendo um Ser que
não podemos explicar, mas sentir, que não podemos medir
Seu amor, porque não há tamanho que possa mensurar, Ele Se
fez homem, fez-Se menos, só para nos alcançar.

Quando olhamos para Jesus, Sua atitude, Seu gesto de amor

muita coisa, mas ouvimos pouco; que subimos muito, mas


fomos levados à queda; que quisemos ser tanta coisa e
corremos em busca de mais e mais, quando era necessário
ser menos, esvaziarmo-nos de nós mesmos para agradar o
coração do Pai e nos aproximarmos mais de quem precisava.

176 F rancieme c osta


Independente da idade que temos, do que alcançamos, de
onde estamos, podemos estar adormecidos, precisando ser
despertados. Esse despertar pode requerer de nós que des-
çamos do nosso pedestal, para enxergar o que não vemos do
alto, aquilo que só enxergamos quando estamos no mesmo
nível.

E a depender do lugar que estamos, quando descemos, se não


estivermos atentos, o modo como descemos pode machucar-
nos de várias formas. Normalmente não estamos preparados
para descer. Na maior parte das vezes, não queremos descer.
Sabemos que subir é demorado, requer sacrifício, e descer,
descer é rápido, rápido até demais, mas requer humildade, que
em nada tem a ver com retroceder, mas com um retorno que
pode nos levar a uma elevação tão grande na nossa caminhada,
que não conseguiríamos sem voltar para começar a subir
novamente.

Encerro como comecei, porque entendo que encerrar po-


de representar um novo começo.

A dormecidos em um sono profundo 177


bibliografia
BÍBLIA, Português. Bíblia de Estudo da Mulher. Belo
Horizonte: Atos, 2002. 1346 p. Inclui introduções, notas de
estudo e concordância.

______, Português. A Bíblia Sagrada. Traduzida em


Português por João Ferreira de Almeida. Edição Corrigida
e Revisada – Fiel ao Texto Original. Sociedade Bíblica
Trinitariana do Brasil. São Paulo: s/e, 1995.

______. Português. Bíblia Anotada. The Ryrie Study Biblie.


Tradução de João Ferreira de Almeida. Edição Revista e
Atualizada no Brasil. São Paulo: Mundo Cristão, 1991.

179
______. Português. A Bíblia Anotada. Tradução Carlos
Oswaldo C. Pinto. The Ryrie Study Bible. Texto Bíblico:
versão Almeida, revista e atualizada, com introdução, esboço,
referências laterais e notas por Charles Caldwell Ryrie. São
Paulo: Mundo Cristão, 1994.

______. Português. Bíblia de Estudo Pentecostal. Antigo e


Novo Testamento. Tradução de João Ferreira de Almeida
com referências e algumas variantes, revista e corrigida. s/l:
CPAD, 1995.

______. Português. Bíblia de Referência Thompson,


com versículos em cadeia temática. Antigo e Novo
Testamento. Tradução de João Ferreirra de Almeida, Edição
Contemporânea, Vida, 1998.

______. Português. Bíblia Shedd. 2. ed. ver. e atual. no


Brasil. Editor responsável Russell P. Shedd. Tradução de
João Ferreira de Almeida. São Paulo: Vida Nova; Brasília:
Sociedade Bíblica do Brasil, 1997.

A Síndrome do Pensamento Acelerado: como e por que a


humanidade adoeceu coletivamente, das crianças aos adultos.
São Paulo: Saraiva, 2014.

______. A Fascinante Construção do Eu – Como


desenvolver uma mente saudável em uma sociedade
estressante. São Paulo: Planeta do Brasil, 2011.

180
______. Armadilhas na mente. – São Paulo: Arqueiro, 2013.

______. A ditadura da beleza e a revolução das mulheres. Rio


de Janeiro: Sextante, 2005.

STAMATEAS, Bernardo. Gente Tóxica: como lidar com


pessoas difíceis e não ser dominado por elas. 2. ed. Tradução
de Stella Baygorria. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil,
2012.

______. Emoções Tóxicas: como se livrar dos sentimentos


que fazem mal a você. Tradução de Marcelo Barão. Rio de
Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2010.

Publicadora das Assembleias de Deus, 2002.

MELO, Fabio de. Quem me Roubou de Mim? O Sequestro

Canção Nova, 2009.

TERRA NOVA, Renê. A Presença fala mais que Palavras.


São Paulo: Semente de Vida Brasil, 2012.

181
CONHEÇA TAMBÉM EM DVD

Adquira em sementedevida.com.br
CONHEÇA TAMBÉM EM DVD

Adquira em sementedevida.com.br
CONHEÇA TAMBÉM EM DVD

Adquira em sementedevida.com.br
EDITORA SEMENTE DE VIDA BRASIL
Rua Padre Senepa, 72, Ipiranga Cep 04264-100 - São Paulo/SP
vendas@sementedevida.com.br | (11) 2063-7563

Você também pode gostar