Você está na página 1de 5

Heterotopias da Subjetividade no espaço urbano

a partir dos autorretratos de Vivian Maier.

Dandara Ferreira 1

Resumo

Este artigo fará uma breve análise teórica de algumas acepções acerca da
subjetividade no espaço urbano, como espaço de identidade, a partir dos autorretratos
da fotógrafa americana Vivian Maier. Ela, que também, trabalhava como babá,
fotografou excessivamente as cidades por onde passou, os seus personagens,
incluindo ela mesma. Conhecemos pouco sobre a sua biografia, mas seus retratos e
autorretratos nos dizem muito sobre a artista. Ao se auto fotografar externou sua
identidade, tendo a cidade como pano de fundo. O paradoxo entre o excesso de
fotografias tiradas e o fato dela não as ter revelado, seriam investigações sobre a
própria individualidade inserida em contextos coletivos e urbanos? Seriam desejos de
um dia ter um reconhecimento pelos outros? Corpo e espaço são elementos
fundamentais na problematização de seu trabalho.

Palavras-chave

subjetividade; espaço urbano; autorretrato; Vivian Maier.

Referencial Teórico

1
Formada em cinema pela FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado) e,
atualmente, pós graduanda em Comunicação pela Universidade de Brasilia (UNB), na
linha de pesquisa Imagem, Estética e Cultura Contemporânea. Trabalha com cinema e
publicidade. Tem um alto domínio da língua portuguesa e se comunica bem em
espanhol.
Michel Foucault, pela abordagem sobre a heterotopia; Annateresa Fabris e Roland
Barthes pela abordagem sobre autorretrato e fotografia.

Objetivos

GERAL

O objetivo geral do trabalho é desenvolver uma analise sobre a representação do “eu”


nos espaços urbanos a partir dos autorretratos da fotógrafa Vivian Maier.

ESPECÍFICOS

-Analisar a produção da artista Vivian Maier, seus trabalhos de autorretrato, trazendo


contribuições para pensar a arte na construção da subjetividade e do olhar do outro
sobre a identidade e personalidade de Maier;

-Analisar como a artista Vivian Maier quis se representar por meio das suas obras;

-Analisar o corpo como linguagem de expressão e afirmação na imagem, nas obras de


Vivian Maier.

Metodologia

O desenho dessa pesquisa parte de um estudo sobre os autorretratos da fotógrafa


Vivian Maier (1926-2009) por apresentar um trabalho extenso de autoimagem, por meio
da fotografia. Foi subversiva na linguagem da sua arte, ocupando um lugar de
destaque como autora em espaços onde antes não havia muitas obras protagonizadas
por mulheres.

Além do estabelecimento da bibliografia será realizada a pesquisa de campo,


documental, para o levantamento de materiais relevantes a essa pesquisa. Serão
realizadas buscas nos acervos a fim de documentar e selecionar materiais como
jornais, revistas, documentos, entrevistas, palestras, exposições, desenhos, fotos,
vídeos, filmes, etc.

As leituras de textos e livros serão acompanhadas de visitas a bibliotecas, visando a


obtenção de informações que deem sustentação teórica à pesquisa.

Desse modo, a pesquisa buscará responder ao objetivo geral aqui proposto, bem como
aos objetivos específicos, centrado em fontes secundárias que, na maior parte dos
casos, são de fácil acesso.

Resultados Esperados

Por meio desta pesquisa, espera-se entender o universo da fotógrafa Vivian Maier e
compreender a contribuição do espaço urbano, como espaço de identidade para a
auto-afirmação da artista. O projeto ainda está em fase inicial, por meio de pesquisa
bibliográfica e imagética. Já tem uma introdução desenvolvida e um artigo sobre o
tema.

Referências

ARBUS, Diane citado por DYER, Geoff. O instante contínuo: uma história particular da
fotografia. Trad. Donaldson M. Garschagen. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

AUMONT, Jacques. A imagem. 11 ed. Campinas: Papirus, 2006. a

BARTHES, Roland. A câmara clara: nota sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira, 1984.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade. Zahar, Rio de Janeiro, 2005.

CUMMING, Laura. A face to the world on self- potraits. London, Harper Press, 2009.
DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Ed.34, 1998.

DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico e outros ensaios. Campinas: Papirus, 2006.

FABRIS, Annateresa. Identidades virtuais: uma leitura do retrato fotográfico. Belo


Horizonte: UFMG, 2004.

FERNANDES JUNIOR, R. Fotografias deserdadas II – Vivian Maier. [S.I.]: Icônica,


2011. Disponível em: <http:/iconica.com.br/site/fotografias-deserdadas/>. Acesso: 5 de
dez. 2019.

FOUCAULT, Michel. As Palavras e as Coisas. Lisboa: Portugália, 1968 [1966].

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

KOSSOY, Boris. Realidades e ficções na trama fotográfica. 3.ed. São Paulo: Ateliê
Editorial, 2002.

LACAN, Jacques. O estádio do espelho como formador da função do eu. In: Escritos.
Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

LASCH, Christopher. A cultura do narcisismo: a vida americana numa era de


esperanças em declínio. Rio de Janeiro: Imago, 1983.

LEITE, Amanda M. P. Fotografias para ver e pensar. Tese de Doutorado apresentada


ao Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Santa
Catarina (UFSC), 2016.
MAIER, V; MALOOF, J; DYER, G. Vivian Maier: Street Photographer. New York:
powerHouse Books, 2011.
MALOOF, John (coordenação). Vivian Maier: uma fotógrafa de rua. São Paulo:
Autêntica, 2014.

MANGUEL, Alberto. Lendo imagens: uma história de amor e ódio. São Paulo:
Companhia das Letras, 2001.

RICOEUR, Paul. O si-mesmo como um outro. Campinas: Papirus, 1991.

SONTAG, Susan. Sobre fotografia. Trad. Rubens Figueiredo. São Paulo: Companhia
das Letras, 2007.
TAYLOR, Charles. As fontes do self: a construção da identidade moderna. São Paulo.
Ed. Loyola, 1997.

Filmografia

A Fotografia Oculta de Vivian Maier (FINDING Vivian Maier 2013)

IMAGINE: Vivian Maier – Who took nanny’s pictures? (2013)

Você também pode gostar