Você está na página 1de 5

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO

TRIBUTÁRIO

Seminário V

SEGURANÇA JURÍDICA E PROCESSO:


RECURSOS, AÇÃO RESCISÓRIA
E COISA JULGADA

Módulo Tributo e Segurança Jurídica

Questões de casa

Aluno: Miguel Tadeu Bertanha de Abreu

Versão 2018

Seminário V
O conteúdo desse material é de propriedade intelectual do ©UNIFAI/IBET: é proibida sua utilização, manipulação ou reprodução, por
pessoas estranhas e desvinculadas de suas atividades institucionais sem a devida, expressa e prévia autorização.
SEGURANÇA JURÍDICA E PROCESSO:
RECURSOS, AÇÃO RESCISÓRIA
E COISA JULGADA

Questões
1. Tomando o conceito fixado por Paulo de Barros Carvalho 1
acerca do princípio da segurança jurídica:
“dirigido à implantação de um valor específico, qual seja o de
coordenar o fluxo das interações inter-humanas, no sentido de
propagar no seio da comunidade social o sentimento de
previsibilidade quanto aos efeitos jurídicos da regulação da
conduta.”
Pergunta-se:
a) Que é segurança jurídica? Qual sua relevância?

Resposta:

b) Indicar limites objetivos previstos no direito positivo que


resguardam o valor da segurança jurídica. Indique dispositivos
da Constituição Federal de 1988 e do Código Tributário Nacional
que confirmem sua resposta.

Resposta:

c) Como poderia ser resguardada a segurança jurídica no contexto


social em hipóteses como a de mudança de orientação de
jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, como se deu no
1
. In Curso de direito tributário. 15ª edição. São Paulo: Saraiva, 2003, p. 149.

O conteúdo desse material é de propriedade intelectual do ©UNIFAI/IBET: é proibida sua utilização, manipulação ou reprodução, por
pessoas estranhas e desvinculadas de suas atividades institucionais sem a devida, expressa e prévia autorização.
caso do direito à manutenção do crédito de ICMS na hipótese de
saída de mercadorias com redução de base de cálculo (sobre
essa questão ver RE 161.031/MG e 174.478/SP – Anexos I e II)?

Resposta:

d) As prescrições do CPC/15 voltadas à estabilização da


jurisprudência vêm ao encontro da realização da segurança
jurídica (vide arts. 9º, 10, 926, 535, §§ 5º, 6º, 7º e 8º 927 ambos
do CPC/15)?

Resposta:

2. Qual o conteúdo e alcance do termo “precedente” utilizado pelo


CPC/15? Jurisprudência e precedente são termos sinônimos
dentro do sistema jurídico brasileiro? Os precedentes são
normas jurídicas? Se sim, de que tipo? O verbo “observar”,
veiculado pelo art. 927 do CPC/15, significa que os julgadores
estão vinculados aos precedentes judiciais? Esta obrigação
pode ser reputada instrumento hábil para garantia da segurança
jurídica? (Vide arts. 926, 927, 988, IV do CPC/15).

Resposta:

3. Que são recursos de fundamentação vinculada? E de


fundamentação livre? Exemplifique indicando ao menos dois
recursos de fundamentação vinculada e de fundamentação livre.

Resposta

4. Que é prequestionamento: (i) na visão da doutrina; e (ii) na visão


da jurisprudência dos Tribunais Superiores?

Resposta:

O conteúdo desse material é de propriedade intelectual do ©UNIFAI/IBET: é proibida sua utilização, manipulação ou reprodução, por
pessoas estranhas e desvinculadas de suas atividades institucionais sem a devida, expressa e prévia autorização.
5. A empresa Xpto propôs ação de repetição de indébito tributário
em face da União, obtendo decisão, transitada em julgado junto
ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região, reconhecendo
a inconstitucionalidade da lei instituidora do tributo pago e
condenando a União na restituição. Iniciada a fase de
cumprimento de sentença contra a União sobreveio decisão de
mérito do STF, em Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin),
julgando a mesma lei constitucional (isto significa que a referida
Adin foi julgada improcedente e que o controle de
constitucionalidade exercido foi o concentrado). Pergunta-se:

a) É necessário o ajuizamento de ação rescisória pela União


objetivando a desconstituição da coisa julgada para não ter que
cumprir a sentença que a condenou à restituição do tributo? Se
afirmativa sua resposta, indicar o fundamento legal contido no
CPC/15 que respalde sua conclusão. Se negativa sua resposta,
justifique-a indicando a solução processual que a União deve
adotar, bem como o dispositivo do CPC/15 que respalde sua
conclusão. (vide Anexo III)

Resposta:

b) Tendo havido modificação posterior da jurisprudência do STF,


em sentido oposto ao da coisa julgada e por meio de controle
difuso de constitucionalidade, em recurso extraordinário em que
houve o reconhecimento da repercussão geral da matéria, a
conclusão a que você chegou na resposta “a” muda. Justifique.

Resposta:

6. Há efeitos práticos na alteração do termo “lei” referido no art.


485, V, do CPC/73, para o termo “norma” trazido pelo art. 966,
V, do CPC/15? Se sim, qual ou quais?

Resposta:

7. Um contribuinte recolheu determinado tributo a partir de uma


base de cálculo prevista em lei. A instrução normativa
O conteúdo desse material é de propriedade intelectual do ©UNIFAI/IBET: é proibida sua utilização, manipulação ou reprodução, por
pessoas estranhas e desvinculadas de suas atividades institucionais sem a devida, expressa e prévia autorização.
regulamentadora (IN n. 01/02) esclareceu que, na base de
cálculo, não deveria ser considerado o valor do transporte pago
a terceiro (frete). Um ano depois, a IN n. 03/03 esclareceu que o
frete pago a terceiro integraria a base de cálculo do tributo em
questão. Nesse contexto, o contribuinte consultou você
questionando a necessidade de complementação do
recolhimento durante a vigência da IN n. 01/02. O que você
responderia? Analise os arts. 100, 103 e 146 do CTN na
resposta.

Resposta:

O conteúdo desse material é de propriedade intelectual do ©UNIFAI/IBET: é proibida sua utilização, manipulação ou reprodução, por
pessoas estranhas e desvinculadas de suas atividades institucionais sem a devida, expressa e prévia autorização.