Você está na página 1de 215

PRÉ ENEM

2019
BIOLOGIA
Biologia

Citologia: metabolismo energético – Arroz com feijão

Resumo

Respiração Aeróbica
O objetivo da respiração celular aeróbica é a obtenção de energia a partir da quebra de glicose, na presença do
gás oxigênio (O2).

Equação geral da respiração: C6H12O6 + 6 O2 → 6 CO2 + 6 H2O

A energia formada estará na forma de ATP, adenosina trifosfato, uma molécula fundamental para o
metabolismo do corpo, já que o rompimento das ligações fosfato (formando ADP, adenosina difosfato) libera
energia para a execução de funções vitais. A respiração celular pode ser dividida em três etapas: Glicólise, Ciclo
de Krebs e Cadeia Respiratória.

Glicólise
A quebra da glicose (glicólise) consiste na quebra de uma molécula de glicose (C6H12O6) em duas moléculas de
piruvato (C3H4O3), sendo quatro H captados por 2 NADs (moléculas carreadoras de hidrogênio). É um processo
anaeróbico e ocorre no citosol.

A glicólise produz saldo de 2 ATPs, pois produz 4, mas consome 2 para ser realizada. É uma etapa comum aos
fermentadores e aos aeróbicos. Entre a Glicólise e o Ciclo de Krebs, há uma fase preparatória, na qual o piruvato
perde um CO2, dois H que são captados pelo NAD e se torna um acetil, que se combina a Coenzima A (CoA) e
entra, por fim, no ciclo.

Ciclo de Krebs:
Uma série de reações que modificam o piruvato em diversas moléculas, liberando 2 GTP (uma molécula similar
ao ATP), CO2, NAD2H e FAD2H (outros carreadores de Hidrogênio, como NAD, porém com menor rendimento
energético). O CO2 é descartado, enquanto o NAD2H e o FAD2H são usados na Cadeia Respiratória. O Ciclo de
Krebs ocorre na matriz mitocondrial.

1
Biologia

Cadeia Respiratória:
Os NAD2H e FAD2H passam a transportadores encontrados nas cristas mitocondriais (citocromos) e são
transportados um a um por eles, liberando elétrons, o que rende energia para o bombeamento de H + para o
espaço intermembrana. Ao chegar no último transportador, o elétron vai para o último aceptor de elétrons, o
oxigênio.
Os H+ são bombeados através de uma enzima que funciona como um canal de H +, conhecida como ATP-
sintase. Isso faz com que os H+ voltem ao espaço interno da mitocôndria, a matriz mitocondrial. A ATP-sintase
então produz ATP em massa conforme há passagem de H+ por ela, produzindo então uma alta quantidade de
ATP. O papel do oxigênio é combinar-se com estes H+, impedindo a acidose da célula, formando então água.

2
Biologia

Respiração Anaeróbica
A respiração anaeróbica apresenta as mesmas etapas que a respiração aeróbica: glicólise, ciclo de Krebs e
cadeia respiratória. A diferença é que neste tipo de respiração não há presença de oxigênio, sendo o aceptor
final de elétrons outros compostos, como o nitrogênio ou o enxofre. Este tipo de metabolismo é comum, por
exemplo, em bactérias que participam do ciclo do nitrogênio.
Exemplo de respiração anaeróbica: C6H12O6 + 4 NO3 → 6 CO2 + 4 NO3 + 2 N2 + ATP

Fermentação
A fermentação é um processo anaeróbico, que envolve a obtenção de energia a partir da glicólise, e subsequente
formação de produtos secundários, que variam de acordo com o processo fermentativo. Há diversas formas
de fermentação, mas as duas principais são:

• Fermentação lática: Devolução do H para o piruvato pelo NAD2H, formando lactato/ácido lático. É
realizada por lactobacilos e pelas células musculares, principalmente. Gera apenas 2 ATP. Pode ser
empregada para fabricação de iogurte.

• Fermentação alcoólica: O piruvato sofre uma descarboxilação, liberando CO2. Isso origina uma molécula
de acetaldeído, que receberá dois H oriundos do NAD2H, formando um etanol. É realizada apenas por
fungos, em especial as leveduras. Pode ser utilizada para fabricação de combustíveis, pães, massas,
bebidas alcoólicas, entre outros produtos. O CO2 liberado faz a massa do pão crescer e o etanol pode ser
usado para consumo (cervejas, vinhos) ou para combustível.

3
Biologia

• Fermentação acética: Após a fermentação alcoólica, o álcool etílico é parcialmente oxidado, formando o
ácido acético. Este tipo de fermentação é comum para produção de vinagre.

A fotossíntese é o processo de síntese de matéria orgânica através da luz. A principal estrutura responsável por
este processo é o cloroplasto, uma estrutura que se assemelha as bactérias, com DNA circular, ribossomos 70s
e membrana dupla. Além disso, o cloroplasto possui estruturas que são peculiares como:

Lamelas: projeções da membrana interna onde ficam dispostos os tilacoides


Tilacoides: onde ocorrerá a Fase Clara da fotossíntese
Granum: conjunto de tilacoides
Estroma: local onde ocorre a Fase Escura da fotossíntese

A equação geral da fotossíntese é:

4
Biologia

Fase Clara ou Fotoquímica


Fotofosforilação Cíclica
Nesta fase a clorofila é excitada pela luz e os elétrons vão passando através de transportadores deixando a
energia para a transformação de ADP em ATP

Disponível em: http://salabioquimica.blogspot.com.br/2014/06/fotossintese-fases-clara-e-escura.html

Fosforilação Acíclica e Fotólise da água


Nesta fase o elétron excitado pela luz sai da clorofila A, passando por transportadores, porém, não voltam a
clorofila A e param no NADP. Esta clorofila A que necessita dos elétrons é reabastecida pela clorofila B, que
perde elétrons pela excitação da luz. A molécula de água sofre fotólise e é quebrada em H+ + OH-, onde os
elétrons do OH- vão para a clorofila B, equilibrando-a. Os H+ se juntam ao NADP, formando NADP2H e o restante
servirá para a formação do oxigênio.

Disponível em: http://salabioquimica.blogspot.com.br/2014/06/fotossintese-fases-clara-e-escura.html

5
Biologia

Fase escura ou Enzimática


Nesta fase é utilizado os ATPs e NADP2H da fase clara juntamente com o CO2. Este CO2 será fixado em ribulose
bifosfato no ciclo de Calvin-Benson. Neste processo é liberado após duas voltas no ciclo 2 PGAL, que servirão
para a formação da glicose.

Disponível em: http://salabioquimica.blogspot.com.br/2014/06/fotossintese-fases-clara-e-escura.html

6
Biologia

Alguns fatores podem interferir na taxa de fotossíntese. São eles:

• Concentração de CO2

Sem CO2, a taxa de fotossíntese é nula. Conforme aumenta sua concentração, a taxa fotossintética aumenta
junto, até determinado ponto, considerado o ponto de saturação, em que a taxa de fotossíntese deixa de
aumentar, não importa quanto CO2 seja fornecido.

• Intensidade luminosa

A fotossíntese também exige intensidade luminosa. Sem luz, sem fotossíntese. A respiração, por outro lado,
independe da intensidade luminosa, e muitas vezes esses dois pontos são cobrados juntos.
Se a taxa de fotossíntese é abaixo da taxa de respiração, a planta está consumindo suas reservas, como em I.
Em II, a planta faz fotossíntese e respira em igual proporção, não havendo nem consumo nem criação de
reservas. A partir de III, a planta produz mais do que consome, logo, forma reservas energéticas. Há um ponto
a partir do qual não importa quanta luz seja adicionada, a planta não irá fazer mais fotossíntese, esse ponto é
chamado ponto de saturação luminosa.

7
Biologia

Quimiossíntese
É o processo de geração de energia através da oxidação de substâncias inorgânicas para a produção de
substâncias orgânicas como a glicose. Somente as bactérias são capazes de realizar esta atividade. Elas
obedecem a esta equação geral.

Disponível em: https://descomplica.com.br/blog/biologia/resumo-fotossintese-e-quimiossintese/

Segue um exemplo com nitrobactérias:

8
Biologia

Exercícios

1. No século XVII, um cientista alemão chamado Jan Baptista van Helmont fez a seguinte experiência para
tentar entender como as plantas se nutriam: plantou uma muda de salgueiro, que pesava 2,5 kg, em um
vaso contendo 100 kg de terra seca. Tampou o vaso com uma placa de ferro perfurada para deixar passar
água. Molhou diariamente a planta com água da chuva. Após 5 anos, pesou novamente a terra seca e
encontrou os mesmos 100 kg, enquanto que a planta de salgueiro pesava 80 kg.
BACKER, J. J. W.; ALLEN, G. E. Estudo da biologia. São Paulo: Edgar Blucher, 1975 (adaptado).

Os resultados desse experimento permitem confrontar a interpretação equivocada do senso comum de


que as plantas
a) absorvem gás carbônico do ar.
b) usam a luz como fonte de energia.
c) absorvem matéria orgânica do solo.
d) usam a água para construir seu corpo.
e) produzem oxigênio na presença de luz.

2.

No esquema representado, o processo identificado pelo número 2 é realizado por:


a) seres herbívoros.
b) fungos fermentadores.
c) bactérias heterótrofas.
d) organismos produtores.
e) microrganismos decompositores.

9
Biologia

3. A célula fotovoltáica é uma aplicação prática do efeito fotoelétrico. Quando a luz incide sobre certas
substâncias, libera elétrons que, circulando livremente de átomo para átomo, formam uma corrente
elétrica. Uma célula fotovoltaica é composta por uma placa de ferro recoberta por uma camada de
selênio e uma película transparente de ouro. A luz atravessa a película, incide sobre o selênio e retira
elétrons, que são atraídos pelo outro, um átomo condutor de eletricidade. A película de ouro é conectada
à placa de ferro, que recebe os elétrons e os devolve para o selênio, fechando o circuito e formando uma
corrente elétrica de pequena intensidade.
DIAS, C. B. Célula fotovoltaica. Disponível em: http://super.abril.com.br. Acesso em: 16 ago. 2012 (adaptado)

O processo biológico que se assemelha ao descrito é a


a) fotossíntese.
b) fermentação.
c) quimiossíntese.
d) hidrólise do ATP.
e) respiração celular.

4. Pesquisadores conseguiram estimular a absorção de energia luminosa em plantas graças ao uso de


nanotubos de carbono. Para isso, nanotubos de carbono “se inseriram” no interior dos cloroplastos por
uma montagem espontânea, através das membranas dos cloroplastos. Pigmentos da planta absorvem
as radiações luminosas, os elétrons são “excitados” e se deslocam no interior de membranas dos
cloroplastos, e a planta utiliza em seguida essa energia elétrica para a fabricação de açúcares. Os
nanotubos de carbono podem absorver comprimentos de onda habitualmente não utilizados pelos
cloroplastos, e os pesquisadores tiveram a ideia de utilizá-los como “antenas”, estimulando a conversão
de energia solar pelos cloroplastos, com o aumento do transporte de elétrons. Nanotubos de carbono
incrementam a fotossíntese de plantas.
Disponível em: http://lqes.iqm.unicamp.br. Acesso em: 14 nov. 2014 (adaptado).

O aumento da eficiência fotossintética ocorreu pelo fato de os nanotubos de carbono promoverem


diretamente a
a) utilização de água.
b) absorção de fótons.
c) formação de gás oxigênio.
d) proliferação dos cloroplastos.
e) captação de dióxido de carbono.

5. Há milhares de anos o homem faz uso da biotecnologia para a produção de alimentos como pães,
cervejas e vinhos. Na fabricação de pães, por exemplo, são usados fungos unicelulares, chamados de
leveduras, que são comercializados como fermento biológico. Eles são usados para promover o
crescimento da massa, deixando-a leve e macia.
O crescimento da massa do pão pelo processo citado é resultante da
a) liberação de gás carbônico.
b) formação de ácido lático.
c) formação de água.
d) produção de ATP.
e) liberação de calor.

10
Biologia

6. "Todas as reações químicas de um ser vivo seguem um programa operado por uma central de
informações. A meta desse programa é a auto-replicação de todos os componentes do sistema,
incluindo-se a duplicação do próprio programa ou mais precisamente do material no qual o programa
está inscrito. Cada reprodução pode estar associada a pequenas modificações do programa."
M. O. Murphy e l. O’neill (Orgs.). O que é vida? 50 anos depois — especulações sobre o futuro da biologia. São Paulo: UNESP.
1997 (com adaptações).

São indispensáveis à execução do “programa” mencionado acima processos relacionados a


metabolismo, autoreplicação e mutação, que podem ser exemplificados, respectivamente, por:
a) fotossíntese, respiração e alterações na sequência de bases nitrogenadas do código genético.
b) duplicação do RNA, pareamento de bases nitrogenadas e digestão de constituintes dos alimentos.
c) excreção de compostos nitrogenados, respiração celular e digestão de constituintes dos alimentos.
d) respiração celular, duplicação do DNA e alterações na sequência de bases nitrogenadas do código
genético.
e) fotossíntese, duplicação do DNA e excreção de compostos nitrogenados.

7. A fotossíntese é importante para a vida na Terra. Nos cloroplastos dos organismos fotossintetizantes, a
energia solar é convertida em energia química que, juntamente com água e gás carbônico (CO2), é
utilizada para a síntese de compostos orgânicos (carboidratos). A fotossíntese é o único processo de
importância biológica capaz de realizar essa conversão. Todos os organismos, incluindo os produtores,
aproveitam a energia armazenada nos carboidratos para impulsionar os processos celulares, liberando
CO2 para a atmosfera e água para a célula por meio da respiração celular. Além disso, grande fração dos
recursos energéticos do planeta, produzidos tanto no presente (biomassa) como em tempos remotos
(combustível fóssil), é resultante da atividade fotossintética.
As informações sobre obtenção e transformação dos recursos naturais por meio dos processos vitais
de fotossíntese e respiração, descritas no texto, permitem concluir que
a) o CO2 e a água são moléculas de alto teor energético.
b) os carboidratos convertem energia solar em energia química.
c) a vida na Terra depende, em última análise, da energia proveniente do Sol.
d) o processo respiratório é responsável pela retirada de carbono da atmosfera.
e) a produção de biomassa e de combustível fóssil, por si, é responsável pelo aumento de CO2
atmosférico.

11
Biologia

8. Anabolismo e catabolismo são processos celulares antagônicos, que são controlados principalmente
pela ação hormonal. Por exemplo, no fígado a insulina atua como um hormônio com ação anabólica,
enquanto o glucagon tem ação catabólica e ambos são secretados em resposta ao nível de glicose
sanguínea.
Em caso de um indivíduo com hipoglicemia, o hormônio citado que atua no catabolismo induzirá o
organismo a
a) realizar a fermentação lática.
b) metabolizar aerobicamente a glicose.
c) produzir aminoácidos a partir de ácidos graxos.
d) transformar ácidos graxos em glicogênio.
e) estimular a utilização do glicogênio.

9. A maioria dos seres vivos atuais obtém energia por meio da respiração celular, também chamada
respiração aeróbica por utilizar o oxigênio atmosférico. Esse tipo de respiração compõe-se de três etapas:
glicólise, ciclo de Krebs e cadeia respiratória. Indique corretamente em quais compartimentos da célula
ocorrem, respectivamente, as diferentes etapas da respiração.
a) Citosol, mitocôndria, mitocôndria.
b) Citosol, citosol, mitocôndria.
c) Mitocôndria, mitocôndria, citosol.
d) Mitocôndria, citosol, mitocôndria.
e) Citosol, mitocôndria, citosol.

10. A maioria dos seres vivos obtém energia necessária para a realização de seus processos vitais por meio
da quebra da molécula de glicose. A energia liberada resultante dessa degradação é tão grande que
mataria a célula se fosse realizada de uma única vez. Essa degradação ocorre em etapas denominadas
a) glicólise, ciclo do ácido cítrico e cadeia respiratória.
b) cadeia respiratória, ciclo do ácido cítrico e glicose.
c) glicogênese, glicólise e ciclo do ácido cítrico.
d) glicose, glicogênese e cadeia respiratória.
e) ciclo do ácido cítrico, glicose e glicólise.

12
Biologia

Gabarito

1. C
Para o senso comum, o crescimento das plantas ocorre através da absorção de matéria orgânica do solo,
porém a fotossíntese que é a responsável pela produção de matéria orgânica nas plantas.

2. D
Podemos observar que a seta 1 indica o processo de respiração celular, onde ocorre a quebra da glicose
(C6H12O6) e a liberação de gás carbônico (CO2). Já o processo 2 indica a fixação do gás carbônico na
forma de glicose. Esse processo 2 é exclusivo de organismos produtores.

3. A
A fotossíntese é o processo bioquímico que utiliza a energia da luz solar para a produção de matéria
orgânica – glicose. De modo similar, a célula fotovoltaica se utiliza dessa mesma forma de energia para
gerar energia elétrica. (fotossíntese, fotólise da água, matéria orgânica)

4. B
Os cloroplastos necessitam da captação de fótons para excitar os elétrons da clorofila, durante a
fotofosforilação. Os nanotubos aumentam a absorção luminosa (fótons) de comprimentos de onda
normalmente não utilizados pelos cloroplastos, potencializando a fase fotoquímica da fotossíntese.

5. A
No processo de fermentação alcoólica realizado pelas leveduras, há liberação de etanol e CO2, e é essa
liberação de CO2 que faz com que a massa cresça.

6. D
Como exemplos de metabolismo, nós temos a respiração celular, na autoreplicação temos a duplicação do
nosso material genético e as alterações das bases nitrogenadas pertencentes ao nosso DNA pode ser um
exemplo de mutação.

7. C
O processo de fotossíntese captura a energia luminosa e a transforma em matéria orgânica que será usada
em outros processos tanto vegetais quando animais.

8. E
O glucagon é secretado em situações de hipoglicemia, mobilizando reservas energéticas, como o glicogênio
hepático.

9. A
A glicólise ocorre no citosol ou hialoplasma, já o ciclo de krebs ocorre na matriz mitocondrial e a cadeia
respiratória ocorre nas cristas mitocondriais.

10. A
As etapas que remetem a respiração aeróbica são a glicólise, o ciclo de krebs (também chamado de ciclo
do ácido cítrico) e cadeia respiratória (também chamado de fosforilação oxidativa).

13
Biologia

Citologia: metabolismo energético – Gourmet

Resumo

Respiração Aeróbica
O objetivo da respiração celular aeróbica é a obtenção de energia a partir da quebra de glicose, na presença do
gás oxigênio (O2).

Equação geral da respiração: C6H12O6 + 6 O2 → 6 CO2 + 6 H2O

A energia formada estará na forma de ATP, adenosina trifosfato, uma molécula fundamental para o
metabolismo do corpo, já que o rompimento das ligações fosfato (formando ADP, adenosina difosfato) libera
energia para a execução de funções vitais. A respiração celular pode ser dividida em três etapas: Glicólise, Ciclo
de Krebs e Cadeia Respiratória.

Glicólise
A quebra da glicose (glicólise) consiste na quebra de uma molécula de glicose (C6H12O6) em duas moléculas de
piruvato (C3H4O3), sendo quatro H captados por 2 NADs (moléculas carreadoras de hidrogênio). É um processo
anaeróbico e ocorre no citosol.

A glicólise produz saldo de 2 ATPs, pois produz 4, mas consome 2 para ser realizada. É uma etapa comum aos
fermentadores e aos aeróbicos. Entre a Glicólise e o Ciclo de Krebs, há uma fase preparatória, na qual o piruvato
perde um CO2, dois H que são captados pelo NAD e se torna um acetil, que se combina a Coenzima A (CoA) e
entra, por fim, no ciclo.

Ciclo de Krebs:
Uma série de reações que modificam o piruvato em diversas moléculas, liberando 2 GTP (uma molécula similar
ao ATP), CO2, NAD2H e FAD2H (outros carreadores de Hidrogênio, como NAD, porém com menor rendimento
energético). O CO2 é descartado, enquanto o NAD2H e o FAD2H são usados na Cadeia Respiratória. O Ciclo de
Krebs ocorre na matriz mitocondrial.

1
Biologia

Cadeia Respiratória:
Os NAD2H e FAD2H passam a transportadores encontrados nas cristas mitocondriais (citocromos) e são
transportados um a um por eles, liberando elétrons, o que rende energia para o bombeamento de H + para o
espaço intermembrana. Ao chegar no último transportador, o elétron vai para o último aceptor de elétrons, o
oxigênio.
Os H+ são bombeados através de uma enzima que funciona como um canal de H+, conhecida como ATP-
sintase. Isso faz com que os H+ voltem ao espaço interno da mitocôndria, a matriz mitocondrial. A ATP-sintase
então produz ATP em massa conforme há passagem de H+ por ela, produzindo então uma alta quantidade de
ATP. O papel do oxigênio é combinar-se com estes H+, impedindo a acidose da célula, formando então água.

2
Biologia

Respiração Anaeróbica
A respiração anaeróbica apresenta as mesmas etapas que a respiração aeróbica: glicólise, ciclo de Krebs e
cadeia respiratória. A diferença é que neste tipo de respiração não há presença de oxigênio, sendo o aceptor
final de elétrons outros compostos, como o nitrogênio ou o enxofre. Este tipo de metabolismo é comum, por
exemplo, em bactérias que participam do ciclo do nitrogênio.
Exemplo de respiração anaeróbica: C6H12O6 + 4 NO3 → 6 CO2 + 4 NO3 + 2 N2 + ATP

Fermentação
A fermentação é um processo anaeróbico, que envolve a obtenção de energia a partir da glicólise, e subsequente
formação de produtos secundários, que variam de acordo com o processo fermentativo. Há diversas formas
de fermentação, mas as duas principais são:

• Fermentação lática: Devolução do H para o piruvato pelo NAD2H, formando lactato/ácido lático. É
realizada por lactobacilos e pelas células musculares, principalmente. Gera apenas 2 ATP. Pode ser
empregada para fabricação de iogurte.

• Fermentação alcoólica: O piruvato sofre uma descarboxilação, liberando CO2. Isso origina uma molécula
de acetaldeído, que receberá dois H oriundos do NAD2H, formando um etanol. É realizada apenas por
fungos, em especial as leveduras. Pode ser utilizada para fabricação de combustíveis, pães, massas,
bebidas alcoólicas, entre outros produtos. O CO2 liberado faz a massa do pão crescer e o etanol pode ser
usado para consumo (cervejas, vinhos) ou para combustível.

3
Biologia

• Fermentação acética: Após a fermentação alcoólica, o álcool etílico é parcialmente oxidado, formando o
ácido acético. Este tipo de fermentação é comum para produção de vinagre.

A fotossíntese é o processo de síntese de matéria orgânica através da luz. A principal estrutura responsável por
este processo é o cloroplasto, uma estrutura que se assemelha as bactérias, com DNA circular, ribossomos 70s
e membrana dupla. Além disso, o cloroplasto possui estruturas que são peculiares como:

Lamelas: projeções da membrana interna onde ficam dispostos os tilacoides


Tilacoides: onde ocorrerá a Fase Clara da fotossíntese
Granum: conjunto de tilacoides
Estroma: local onde ocorre a Fase Escura da fotossíntese

A equação geral da fotossíntese é:

4
Biologia

Fase Clara ou Fotoquímica


Fotofosforilação Cíclica
Nesta fase a clorofila é excitada pela luz e os elétrons vão passando através de transportadores deixando a
energia para a transformação de ADP em ATP

Disponível em: http://salabioquimica.blogspot.com.br/2014/06/fotossintese-fases-clara-e-escura.html

Fosforilação Acíclica e Fotólise da água


Nesta fase o elétron excitado pela luz sai da clorofila A, passando por transportadores, porém, não voltam a
clorofila A e param no NADP. Esta clorofila A que necessita dos elétrons é reabastecida pela clorofila B, que
perde elétrons pela excitação da luz. A molécula de água sofre fotólise e é quebrada em H+ + OH-, onde os
elétrons do OH- vão para a clorofila B, equilibrando-a. Os H+ se juntam ao NADP, formando NADP2H e o restante
servirá para a formação do oxigênio.

Disponível em: http://salabioquimica.blogspot.com.br/2014/06/fotossintese-fases-clara-e-escura.html

5
Biologia

Fase escura ou Enzimática


Nesta fase é utilizado os ATPs e NADP2H da fase clara juntamente com o CO2. Este CO2 será fixado em ribulose
bifosfato no ciclo de Calvin-Benson. Neste processo é liberado após duas voltas no ciclo 2 PGAL, que servirão
para a formação da glicose.

Disponível em: http://salabioquimica.blogspot.com.br/2014/06/fotossintese-fases-clara-e-escura.html

6
Biologia

Alguns fatores podem interferir na taxa de fotossíntese. São eles:

• Concentração de CO2

Sem CO2, a taxa de fotossíntese é nula. Conforme aumenta sua concentração, a taxa fotossintética aumenta
junto, até determinado ponto, considerado o ponto de saturação, em que a taxa de fotossíntese deixa de
aumentar, não importa quanto CO2 seja fornecido.

• Intensidade luminosa

A fotossíntese também exige intensidade luminosa. Sem luz, sem fotossíntese. A respiração, por outro lado,
independe da intensidade luminosa, e muitas vezes esses dois pontos são cobrados juntos.
Se a taxa de fotossíntese é abaixo da taxa de respiração, a planta está consumindo suas reservas, como em I.
Em II, a planta faz fotossíntese e respira em igual proporção, não havendo nem consumo nem criação de
reservas. A partir de III, a planta produz mais do que consome, logo, forma reservas energéticas. Há um ponto
a partir do qual não importa quanta luz seja adicionada, a planta não irá fazer mais fotossíntese, esse ponto é
chamado ponto de saturação luminosa.

7
Biologia

Quimiossíntese
É o processo de geração de energia através da oxidação de substâncias inorgânicas para a produção de
substâncias orgânicas como a glicose. Somente as bactérias são capazes de realizar esta atividade. Elas
obedecem a esta equação geral.

Disponível em: https://descomplica.com.br/blog/biologia/resumo-fotossintese-e-quimiossintese/

Segue um exemplo com nitrobactérias:

8
Biologia

Exercícios

1. As reações metabólicas podem ser classificadas em dois processos metabólicos. O processo no qual as
reações levam à síntese de biomoléculas é denominado:
a) metabolismo oxidativo
b) oxidação
c) catabolismo
d) anabolismo
e) metabolismo redutivo

2. As hemácias humanas foram selecionadas ao longo da evolução de modo a que desempenhassem hoje
em dia suas funções de maneira eficiente. Durante este processo evolutivo, as mitocôndrias e os núcleos
foram perdidos na fase madura. Quais dos processos biológicos a seguir continuam a ocorrer, nas
hemácias maduras, apesar desta adaptação?
a) Cadeia transportadora de elétrons.
b) Ciclo de Krebs.
c) Glicólise.
d) Replicação.
e) Transcrição.

3. O crescente aumento da temperatura ambiental traz como uma de suas consequências a redução do
O2 dissolvido na água. Em temperaturas mais altas os seres aquáticos, em sua maioria pecilotérmicos
(ou de sangue frio), se aquecem e têm sua taxa metabólica aumentada. Esse conjunto de efeitos se torna
um problema porque o aumento do metabolismo torna esses seres aquáticos:
a) Menos ativos, exigindo menos energia e menor consumo de O2 na respiração.
b) Mais ativos, exigindo mais energia e menor consumo de O2 na respiração.
c) Mais ativos, exigindo mais energia e maior consumo de O2 na respiração.
d) Menos ativos, exigindo menos energia e maior consumo de O2 na respiração.
e) Mais ativos, exigindo menos energia e maior consumo de O2 na respiração.

4. Na fabricação de iogurtes e coalhadas, utilizam-se “iscas”, isto é, colônias de micro-organismos que


realizam a fermentação do leite. Em relação a esse processo, é correto afirmar que:
a) consiste em respiração aeróbica.
b) é realizado por vírus anaeróbicos láticos.
c) resulta da liberação de ácido lático e energia.
d) resulta na formação de ácido acético e CO.
e) resulta na liberação de etanol.

9
Biologia

5. A respiração aeróbica se processa em três etapas distintas: Glicólise, Ciclo de Krebs e Cadeia Respiratória,
que visam à liberação de energia a partir da quebra de moléculas orgânicas complexas. Assinale a
alternativa correta com relação a essas etapas.
a) Através da cadeia respiratória, que ocorre nas cristas mitocondriais, há transferência dos
hidrogênios transportados pelo NAD e pelo FAD, formando água.
b) Das etapas da respiração, a glicólise é uma rota metabólica que só ocorre nos processos aeróbios,
enquanto o ciclo de Krebs ocorre também nos processos anaeróbios.
c) O ciclo de Krebs e a glicólise ocorrem no citoplasma.
d) No ciclo de Krebs, uma molécula de glicose é quebrada em duas moléculas de ácido pirúvico.
e) A utilização de O2 se dá no citoplasma, durante a glicólise.

6. Normalmente, as células do organismo humano realizam a respiração aeróbica, na qual o consumo de


uma molécula de glicose gera moléculas de ATP. Contudo em condições anaeróbicas, o consumo de
uma molécula de glicose pelas células é capaz de gerar apenas duas moléculas de ATP.

Qual curva representa o perfil de consumo de glicose, para manutenção da homeostase de uma célula
que inicialmente está em uma condição anaeróbica e é submetida a um aumento gradual de
concentração de oxigênio?
a) 1
b) 2
c) 3
d) 4
e) 5

10
Biologia

7. Muitas contaminações do solo por combustíveis orgânicos chegam ao solo sub-superficial, onde a
disponibilidade de oxigênio é mais baixa. Assim, uma das propostas existentes no Brasil é a de que a
atividade de degradação por microrganismos anaeróbicos presentes nesses solos seja estimulada, já
que são ricos em ferro oxidado. Nessa situação, o ferro exerceria função fisiológica equivalente à do
oxigênio, que é a de:
a) Reduzir os poluentes orgânicos.
b) Catalizar as reações de hidrólise.
c) Aceitar elétrons da cadeia respiratória.
d) Doar elétrons para a respiração anaeróbia.
e) Complexar-se com os poluentes orgânicos.

8. A fotossíntese é um processo físico-químico realizado por organismos clorofllados. Nos vegetais, é


dividido em duas fases complementares: uma responsável pela síntese de ATP e pela redução do NADP+
e a outra pela fixação de carbono.
Para que a etapa produtora de ATP e NADPH ocorra, são essenciais
a) água e oxigênio.
b) glicose e oxigênio.
c) radiação luminosa e água.
d) glicose e radiação luminosa.
e) oxigênio e dióxido de carbono.

9. A fabricação de cerveja envolve a atuação de enzimas amilases sobre as moléculas de amido da cevada.
Sob temperatura de cerca de 65 °C, ocorre a conversão do amido em maltose e glicose. O caldo obtido
(mosto) é fervido para a inativação das enzimas. Após o resfriamento e a filtração, são adicionados o
lúpulo e a levedura para que ocorra a fermentação. A cerveja sofre maturação de 4 a 40 dias, para ser
engarrafada e pasteurizada.
PANEK, A. D. Ciência Hoje, São Paulo, v. 47, n. 279, mar. 2011 (adaptado).
Dentre as etapas descritas, a atividade biológica no processo ocorre durante o(a)
a) filtração do mosto.
b) resfriamento do mosto.
c) pasteurização da bebida.
d) fermentação da maltose e da glicose.
e) inativação enzimática no aquecimento.

11
Biologia

10. Pesquisadores conseguiram estimular a absorção de energia luminosa em plantas graças ao uso de
nanotubos de carbono. Para isso, nanotubos de carbono “se inseriram” no interior dos cloroplastos por
uma montagem espontânea, através das membranas dos cloroplastos. Pigmentos da planta absorvem
as radiações luminosas, os elétrons são “excitados” e se deslocam no interior de membranas dos
cloroplastos, e a planta utiliza em seguida essa energia elétrica para a fabricação de açúcares. Os
nanotubos de carbono podem absorver comprimentos de onda habitualmente não utilizados pelos
cloroplastos, e os pesquisadores tiveram a ideia de utilizá-los como “antenas”, estimulando a conversão
de energia solar pelos cloroplastos, com o aumento do transporte de elétrons. Nanotubos de carbono
incrementam a fotossíntese de plantas.
Disponível em: http://lqes.iqm.unicamp.br. Acesso em: 14 nov. 2014 (adaptado).

O aumento da eficiência fotossintética ocorreu pelo fato de os nanotubos de carbono promoverem


diretamente a
a) utilização de água.
b) absorção de fótons.
c) formação de gás oxigênio.
d) proliferação dos cloroplastos.
e) captação de dióxido de carbono.

12
Biologia

Gabarito

1. D
Denominamos anabolismo as reações que levam à produção de novas moléculas.

2. C
As hemácias fazem fermentação lática, que só utiliza a etapa da glicólise para a geração de energia.

3. C
Em temperaturas elevadas, o metabolismo destes animais acelera, exigindo assim maior consumo de
oxigênio para produção de ATP, oxigênio este que estará em falta devido a menor solubilidade do gás no
líquido quente.

4. C
Os microorganismos ao fazerem o processo de fermentação lática do leite, liberam ácido lático e produzem
energia.

5. A
Na cadeia respiratória há a liberação de hidrogênios pelos NAD e FAD que irão ajudar na formação de ATP
e depois formar a água ao se juntarem com o gás oxigênio.

6. E
O metabolismo anaeróbico gera menos ATP por glicose consumida, então o consumo de glicose em
condições anaeróbicas é alto. Conforme a célula recebe oxigênio e passa ao metabolismo aeróbico, a taxa
de consumo de glicose para a formação de ATP diminui.

7. C
A função do Ferro, neste caso, é agir como um aceptor de elétrons, assim como o oxigênio o faz na
respiração aeróbica.

8. C
A radiação luminosa é fundamental para que ocorra as etapas da fase clara da fotossíntese, excitando a
clorofila e gerando atp. A água também é importante para o processo de fotólise que permite a liberação
de elétrons para a clorofila e de hidrogênios para o NADP.

9. D
O processo utilizado para a fabricação de cerveja é a fermentação. Ocorre a conversão de maltose em
glicose e, na respiração anaeróbia, a transformação da glicose em gás carbônico e álcool etílico.

10. B
Os cloroplastos necessitam da captação de fótons para excitar os elétrons da clorofila, durante a
fotofosforilação. Os nanotubos aumentam a absorção luminosa (fótons) de comprimentos de onda
normalmente não utilizados pelos cloroplastos, potencializando a fase fotoquímica da fotossíntese.

13
Biologia

Citologia: Organelas

Resumo

As células, estudadas no campo da Citologia, são a unidade básica da vida. Do mais complexo vegetal ou animal
à mais primitiva bactéria, pode-se observar uma estrutura celular. De modo geral, são estruturas microscópicas,
delimitadas pela membrana plasmática, e dotadas de um metabolismo próprio, capazes de se reproduzir.
Podem ser definidas como eucariontes ou procariontes.

A membrana celular, também chamada membrana plasmática ou plasmalema, delimita a superfície celular, e
é algo que todas as células têm em comum. Ela evita o vazamento do conteúdo interno da célula ao ambiente,
mas também controla a passagem de substâncias pela célula, estejam elas tentando entrar ou sair. É composta
por uma dupla camada lipoproteica, sendo produzida a partir de fosfolipídios e proteínas. É possível observar,
além dessas proteínas, moléculas de colesterol e glicídios ao longo da membrana das células animais, que
servem uma função de reconhecimento celular. É uma estrutura dinâmica e em constante movimento.

O citoplasma é a porção da célula entre o núcleo e a membrana plasmática, e é onde ocorre a maior parte das
reações químicas do organismo. O fluido citoplasmático é composto especialmente por água, proteínas, sais
minerais e açúcares, mas no caso das células animais, pode abrigar gordura e glicogênio. O citosol ou
hialoplasma é esta parte coloidal do citoplasma onde ocorrem nos procariotas, a maioria das reações químicas
do metabolismo. Já nos eucariotas, embora muitas das vias metabólicas se desenvolvam no citosol, outras
ocorrem dentro dos organelas.

1
Biologia

Também há o citoesqueleto é responsável por manter a forma da célula e as junções celulares, auxiliando nos
movimentos celulares. É constituído por proteínas bastante estáveis filamentosas ou tubulares.

Organelas celulares
• Retículo Endoplasmático Rugoso: Uma série de sacos achatados, sua membrana é repleta de ribossomos
aderidos. Sua principal função é a síntese de proteínas a serem exportadas ao meio extracelular.
• Retículo Endoplasmático Liso: Suas membranas formam cisternas, e apresenta função de
armazenamento (produzindo vacúolos), age na desintoxicação do organismo (metabolizando álcool por
exemplo) e sintetiza lipídios.
• Complexo Golgiense: Bolsas membranosas empilhadas, lembrando pratos, tendo função de
armazenamento, transformação, empacotamento e secreção de substâncias recebidas para o meio
extracelular. Sintetiza glicídios e forma lisossomos.
• Lisossomos: bolsas membranosas contendo enzimas digestivas. É responsável pela digestão intracelular
de materiais que adentram a célula. Pode destruir as organelas desgastadas para recicla-las (autofagia),
bem como a apoptose, processo de morte programada da célula.

2
Biologia

• Mitocôndria: Usina energética da célula, produz ATP através da respiração celular. Apresenta DNA próprio,
sempre idêntico ao materno, já que são sempre herdadas da mãe. Teoriza-se que mitocôndrias foram
bactérias fagocitadas por células eucariontes e passaram a viver em simbiose com estas células, numa
relação mutualística. Evidências para isso são o DNA circular das mitocôndrias, ribossomos 70s e a
presença de dupla-membrana. O nome desta teoria é Teoria Endossimbionte.

• Cloroplasto: Organela presente em células vegetais, também se encaixa na Teoria Endossimbionte, tendo
origem similar a da mitocôndria. O cloroplasto é repleto de clorofila, e realiza a fotossíntese.

• Centríolos: Auxiliam na divisão celular animal, auxiliando na movimentação dos cromossomos durante a
divisão. Formam cílios e flagelos. Os centrossomos são agrupamentos de centríolos, dispostos juntos.
• Ribossomos: Sintetizam proteínas, são compostos de RNA ribossomal. Os ribossomos livres no
citoplasma sintetizam proteínas para uso interno da célula.
• Peroxissomos: Organelas esféricas que metabolizam H2O2, um radical livre. Dentro destas organelas, há
catalase, uma enzima que quebra H2O2 em H2O + O2.

3
Biologia

4
Biologia

5
Biologia

Exercícios

1. Os trabalhadores que lidam com amianto podem ser acometidos por uma doença chamada silicose. As
células do epitélio pulmonar desses indivíduos fagocitam partículas de sílica presentes no ar. Como
essas partículas não podem ser digeridas, acumulam-se no interior de uma organela celular. O acúmulo
de sílica acaba rompendo a organela e ocasionando a destruição generalizada das células por ação de
enzimas digestivas.

A organela envolvida na silicose é o(a)


a) peroxissoma.
b) complexo de Golgi.
c) lisossoma.
d) mitocôndria.
e) retículo endoplasmático liso.

2. Meristema é um grupo de células caracterizadas pela capacidade de se dividirem indefinidamente,


produzindo as novas células necessárias ao crescimento da planta. Ao observar uma célula, um
pesquisador visualizou uma estrutura delimitada por uma dupla camada de membrana fosfolipídica,
contendo um sistema complexo de endomembranas repleto de proteínas integrais e periféricas. Verificou
também que, além de conter seu próprio material genético, essa estrutura ocorria em abundância em
todas as regiões meristemáticas de plantas.
Qual seria essa estrutura celular?
a) Cloroplasto.
b) Mitocôndria.
c) Núcleo.
d) Retículo endoplasmático.
e) Lisossomo

6
Biologia

3. A síntese das proteínas é o processo por meio do qual as células biológicas geram novas proteínas.
Várias organelas estão envolvidas, como ribossomos, retículo endoplasmático, complexo de golgi, entre
outros. O retículo endoplasmático e o complexo de Golgi são organelas celulares cujas funções estão
relacionadas. O complexo de Golgi
a) recebe proteínas sintetizadas no retículo endoplasmático.
b) envia proteínas nele sintetizadas para o retículo endoplasmático.
c) recebe polissacarídeos sintetizados no retículo endoplasmático.
d) envia polissacarídeos nele sintetizados para o retículo endoplasmático.
e) recebe monossacarídeos sintetizados no retículo endoplasmático e para ele envia polissacarídeos.

4. A estratégia de obtenção de plantas transgênicas pela inserção de transgenes em cloroplastos, em


substituição à metodologia clássica de inserção do transgene no núcleo da célula hospedeira, resultou
no aumento quantitativo da produção de proteínas recombinantes com diversas finalidades
biotecnológicas. O mesmo tipo de estratégia poderia ser utilizada para produzir proteínas recombinantes
em células de organismos eucarióticos não fotossintetizantes, como as leveduras, que são usadas para
produção comercial de várias proteínas recombinantes e que podem ser cultivadas em grandes
fermentadores.
Considerando a estratégia metodológica descrita, qual organela celular poderia ser utilizada para
inserção de transgenes em leveduras?
a) Lisossomo, pois realiza digestão intracelular.
b) Mitocôndria, pois fornece energia e possui material genético próprio.
c) Peroxissomo, pois evita estresse oxidativo.
d) Complexo golgiense, pela criação de vesículas.
e) Retículo endoplasmático, pois é capaz de sintetizar proteínas.

7
Biologia

5. Visando explicar uma das propriedades da membrana plasmática, fusionou-se uma célula de
camundongo com uma célula humana, formando uma célula híbrida. Em seguida, com o intuito de
marcar as proteínas de membrana, dois anticorpos foram inseridos no experimento, um específico para
as proteínas de membrana do camundongo e outro para as proteínas de membrana humana. Os
anticorpos foram visualizados ao microscópio por meio de fluorescência de cores diferentes.

A mudança observada da etapa 3 para a etapa 4 do experimento ocorre porque as proteínas


a) movimentam-se livremente no plano da bicamada lipídica.
b) permanecem confinadas em determinadas regiões da bicamada.
c) auxiliam o deslocamento dos fosfolipídios da membrana plasmática.
d) são mobilizadas em razão da inserção de anticorpos
e) são bloqueadas pelos anticorpos.

8
Biologia

6. Uma indústria está escolhendo uma linhagem de microalgas que otimize a secreção de polímeros
comestíveis, os quais são obtidos do meio de cultura de crescimento. Na figura podem ser observadas
as proporções de algumas organelas presentes no citoplasma de cada linhagem.

Qual é a melhor linhagem para se conseguir maior rendimento de polímeros secretados no meio de
cultura?
a) I
b) II
c) III
d) IV
e) V

7. Os primeiros seres vivos da Terra surgiram na água há cerca de 3,5 bilhões de anos. Sem a água,
acreditam os cientistas, não existiria vida. Ela forma a maior parte do volume de uma célula, daí sua
importância no funcionamento dos organismos vivos. Na célula,
a) o plasto retém a maior parte da água, formando uma dispersão chamada citosol.
b) o hialoplasma é constituído de água e moléculas de proteína, formando uma dispersão chamada
coloide.
c) o lisossoma é constituído de água e moléculas de proteína, formando uma dispersão chamada
citosol.
d) o ribossoma retém a maior parte da água, formando uma dispersão chamada gel.
e) o retículo endoplasmático retém a maior parte da água, formando uma dispersão chamada colóide.

9
Biologia

8. Uma das causas da infertilidade masculina é a teratospermia, uma alteração na morfologia dos
espermatozoides que passam a ter a cabeça redonda, não havendo a formação do acrossomo, que é
uma vesícula repleta de enzimas digestivas, localizada na cabeça do espermatozoide, sendo essencial à
sua penetração no ovócito e à fertilização. A organela que produz o acrossomo é denominada
a) complexo de Golgi ou complexo golgiense.
b) mitocôndria.
c) retículo endoplasmático granuloso.
d) retículo endoplasmático liso.
e) peroxissomo.

9. Em algumas células de defesa de nosso corpo, é possível observar uma grande quantidade de
lisossomos. Isso se deve ao fato de que essas organelas:
a) realizam respiração celular, fornecendo mais energia para as células de defesa.
b) realizam a produção de proteínas necessárias para a célula de defesa.
c) garantem a produção de lipídios, moléculas que fornecem energia para a célula.
d) realizam a digestão intracelular, processo fundamental para a realização de fagocitose.
e) realizam a oxidação de substâncias e produzem peroxido de hidrogênio.

10. A droga cloranfenicol tem efeito antibiótico por impedir que os ribossomos das bactérias realizem sua
função. O efeito imediato desse antibiótico sobre as bactérias sensíveis a ele é inibir a síntese de:
a) ATP.
b) DNA.
c) proteínas.
d) RNA mensageiro.
e) lipídios da parede bacteriana.

10
Biologia

Gabarito

1. C
A organela responsável pela digestão intracelular é o lisossomo(a).

2. B
A região meristemática possui alta atividade mitótica, demandando alto gasto energético, portanto
dependente da atividade das mitocôndrias.

3. A
Nas células eucarióticas, as proteínas sintetizadas no retículo endoplasmático rugoso são transferidas ao
complexo de Golgi.

4. B
A mitocôndria e o cloroplasto são as únicas organelas que apresentam DNA e RNA e poderiam tem o seu
material genético editado.

5. A
A membrana tem composição lipoproteica e com estrutura baseada em um mosaico fluido, ou seja, as
proteínas e lipídios não possuem posição fixa na membrana. A migração de proteínas na membrana
decorre de sua fluidez. Como observado na figura, as proteínas marcadas se movimentaram ao longo da
bicamada fosfolipídica.

6. A
Levando em conta que se está buscando uma célula com maior índice secretor e que a função de secreção
está diretamente atrelada ao Complexo Golgiense, o mais correto seria buscar a linhagem celular com
maior porcentagem de Complexo Golgiense, sendo esta a Linhagem I.

7. B
O hialoplasma é a parte mais líquida da célula, onde se encontra a maior parte da água na célula e algumas
proteínas.

8. A
O acrossomo é formado pela fusão do complexo de golgi (complexo golgiense).

9. D
Algumas das células de defesa do organismo realizam fagocitose, englobando as partículas estranhas e
realizando a digestão intracelular delas. Essa digestão ocorre com a ação dos lisossomos.

10. C
Os ribossomos são as organelas com função de síntese de proteínas.

11
Biologia

Ecologia: ciclos biogeoquímicos e desequilíbrio

Resumo

Os ciclos biogeoquímicos são aqueles que relacionam elementos abióticos do meio ambiente, elementos
químicos e os seres vivos. Os ciclos importantes são: ciclo do carbono, ciclo do oxigênio, ciclo da água e ciclo
do nitrogênio.

Ciclo do Carbono
O ciclo do carbono se inicia com a fixação deste elemento pelos seres autotróficos, através da fotossíntese ou
quimiossíntese, e fica disponível para os consumidores e decompositores. Durante a respiração celular e a
fermentação, o gás carbônico retorna para o meio ambiente. O CO2 também é liberado para a atmosfera na
queima de combustíveis fósseis como carvão mineral, gasolina e óleo diesel, e durante a queimada de florestas,
contribuindo para o agravamento do efeito estufa.

Ciclo do Oxigênio
O ciclo do oxigênio também está relacionado a estes processos: durante a fotossíntese, o oxigênio é liberado
para a atmosfera e, durante a respiração celular e a combustão, ocorre o consumo deste gás. Na estratosfera,
o oxigênio é transformado em ozônio (O3) por ação dos raios ultravioletas, formando a camada de ozônio,
importante contra a entrada em excesso dessa radiação planeta, cuja exposição pode aumentar a incidência
de câncer de pele, pela interferência com o material genético.

1
Biologia

Ciclo da Água
O ciclo da água mostra o caminho da água no ambiente: sua forma gasosa, após condensada, sofre
precipitação, e então em seu estado líquido, pode evaporar ou se infiltrar no solo formando lençóis freáticos.
Ele pode ser dividido em ciclo curto da água, onde não há presença de seres vivos, ou ciclo longo da água, onde
os seres vivos participam com a transpiração.

Ciclo do Nitrogênio
Leguminosas, como o feijão, a lentilha e a ervilha, possuem uma associação mutualística com bactérias do
gênero Rhizobium, que formam nódulos em suas raízes e realizam o processo de fixação. Esse processo
transforma o nitrogênio atmosférico (N2) em amônia (NH3).
Bactérias nitrificantes, Nitrossomonas e Nitrobacter, fazem o processo de conversão da amônia em nitrito (NO2-
) e posteriormente em nitrato (NO3-), respectivamente. O nitrato é o principal produto no solo aproveitado pelos
vegetais, por meio do processo da assimilação. Esse nitrogênio é passado ao longo da cadeia alimentar para
os consumidores.
Bactérias e fungos decompositores retornam ao solo esse nitrogênio presente nos seres vivos na forma de
amônia (NH3). Para fechar o ciclo, há conversão do nitrato em nitrogênio atmosférico pelas bactérias
desnitrificantes.

Amônio

2
Biologia

Desequilíbrios Ecológicos
Os desequilíbrios ecológicos ocorrem quando o bom funcionamento de um ecossistema se quebra, podendo
interferir tanto nos fatores bióticos quanto abióticos. Os desequilíbrios mais graves são aqueles que ocorrem
por conta da ação antrópica, ou seja, com a interferência da ação humana.

• Agravamento do Efeito Estufa: O efeito estufa é um efeito natural, responsável por manter a temperatura
na Terra constante, porém com a emissão de gases estufas, como o gás carbônico e o metano, esta
função de reter calor tem se agravado, aumentando a temperatura do planeta.

• Buraco na Camada de Ozônio: A camada de ozônio protege a superfície da Terra da incidência direta de
raios ultravioletas. Com a liberação de certos gases, como o CFC (Cloro-fluor-carbono), a camada se
desfaz, e a incidência dos raios uV pode aumentar o risco de mutações e câncer.

• Chuva Ácida: Com o aumento de ácidos na atmosfera, como o NOX, SOX HNO3 e H2SO4, a água da chuva
se acidifica, podendo danificar prédios e monumentos, além de poluir corpos de água e o solo.

3
Biologia

• Inversão Térmica: É outro processo natural, onde ocorre a troca de massas de ar quente e fria, e a massa
de ar fria fica mais próxima da superfície. Porém em cidades onde há muita poluição, esta fica presa na
camada de ar fria, não sofrendo a conversão, e pode causar diversos problemas respiratórios.

• Magnificação Trófica: O acumulo de compostos não biodegradáveis dentro de uma cadeia ou teia
alimentar causa esse desequilíbrio. Organismos com maiores níveis tróficos são os mais afetados.

• Eutrofização Artificial: Com a liberação de compostos orgânicos em corpos de água, por exemplo esgoto,
há uma proliferação de organismos decompositores, seguido pela diminuição do oxigênio da água,
causando a morte de organismos aeróbicos. Também pode acontecer de modo menos frequente com
fertilizantes, ou seja, matéria inorgânica, sobre ambientes aquáticos.

4
Biologia

• Desertificação: Ocorre quando uma área que antes era fértil se torna pobre em relação ao solo e à
biodiversidade, devido à degradação do ambiente. Pode ocorrer por questões climáticas naturais ou pela
ação humana.

5
Biologia

Exercícios

1. Os ciclos biogeoquímicos, também chamados de ciclos da matéria, garantem que os elementos circulem
pela natureza. Entre as afirmações a seguir, marque aquela que melhor explica o papel dos
decompositores nesses ciclos.
a) Os decompositores garantem a fixação dos elementos químicos no solo.
b) Os decompositores, ao degradar os restos de seres vivos, garantem espaço para que novos
nutrientes sejam adicionados ao ambiente.
c) Os decompositores permitem, ao decompor os restos dos organismos, que substâncias presentes
nesses seres possam ser utilizadas novamente.
d) Os decompositores permitem que o fluxo de energia ocorra em vários sentidos.
e) Os decompositores são principalmente fungos, bactérias, algas e protozoários

2. Um exemplo clássico de mutualismo ocorre entre as bactérias fixadoras do gênero Rhizobium e as raízes
das plantas leguminosas, formando as bacteriorrizas. Os ciclos biogeoquímicos representam o
movimento de um ou mais elementos na natureza e estão intimamente ligados aos processos
geológicos, hidrológicos e biológicos. Entre os ciclos a seguir, marque aquele que envolve a participação
de bactérias do gênero Rhizobium e leguminosas.
a) Ciclo do carbono.
b) Ciclo do nitrogênio.
c) Ciclo do enxofre.
d) Ciclo do fósforo.
e) Ciclo do cloro.

6
Biologia

3. Apesar de vital, o acesso fácil à água potável ainda não é algo normal e evidente no planeta Terra. A
sobrevivência humana depende da água e, apesar de mais de 70% da Terra ser coberta pelo líquido, isso
não significa que ela esteja disponível em abundância. Dos 1,4 bilhão de quilômetros cúbicos existentes
em nosso planeta, apenas 2,5% são potáveis. E das reservas globais de água doce, apenas 0,3% é de
acesso relativamente fácil, em rios ou lagos.
Disponível em: <https://www.dw.com/pt-br/%C3%A1gua/t-36470818>.

Com relação à água, é CORRETO afirmar:


a) A água é eliminada pelas plantas, à noite, por transpiração, o que aumenta a temperatura interna do
indivíduo.
b) A água dos oceanos, rios e lagos evapora e, por um processo de sublimação, volta à Terra para
recomeçar um novo ciclo.
c) A água ocupa a maior porção da superfície terrestre, porém a produtividade primária líquida do
ambiente aquático é insignificante, inferior a 0,1.
d) A água, apesar de participar de diversos processos vitais para os seres vivos, pode, quando
contaminada, se tornar um grande vetor de disseminação de diversas doenças, como a febre
amarela.
e) A água é uma das matérias-primas fundamentais da fotossíntese: seus átomos de hidrogênio vão
formar a matéria orgânica fabricada nesse processo e seus átomos de oxigênio se unirão para
formar o gás oxigênio (O2).

4. Os restos de matéria orgânica, bactérias, produtos nitrogenados e sulfurados no petróleo indicam que
ele é o resultado de uma transformação da matéria orgânica acumulada no fundo dos oceanos e mares
durante milhões de anos, sob pressão das camadas de sedimentos que foram se depositando e
formando rochas sedimentares. Esse combustível, ao ser utilizado, promove a liberação de CO2 para a
atmosfera e está diretamente relacionado com o agravamento do efeito estufa. Entre as alternativas a
seguir, marque aquela que indica corretamente o nome do processo realizado para a conversão de
energia dos combustíveis fósseis.
a) Decomposição.
b) Respiração.
c) Combustão.
d) Fossilização.
e) Fotossíntese.

7
Biologia

5. Mudanças da atmosfera terrestre podem causar impacto a nível ambiental ou à saúde humana, por meio
da contaminação por gases, partículas sólidas, líquidos em suspensão, material biológico ou energia. A
queima de combustíveis fósseis eleva as concentrações de SO2 e CO2 na atmosfera, que causam,
respectivamente, os seguintes efeitos:
a) Efeito estufa e aumento da temperatura da atmosfera.
b) Chuva ácida e efeito estufa.
c) Degradação da camada de ozônio e efeito estufa.
d) Degradação da camada de ozônio e chuva ácida.
e) Chuva ácida e câncer de pele.

6. O DDT foi amplamente usado até a descoberta de que essa substância pode demorar cerca 30 anos para
se degradar. E o uso não se restringia só para a eliminação de insetos, sendo aplicado também por
agricultores no controle de pragas nas lavouras. Esta utilização trouxe riscos ainda maiores, uma vez que
a substância tóxica pode se infiltrar no solo contaminando os lençóis freáticos e mananciais. Num lago
poluído por produtos clorados, como o DDT, o grupo da cadeia trófica que deverá apresentar maior
concentração do produto é o dos:
a) peixes planctófagos.
b) peixes carnívoros.
c) aves piscívoras.
d) fitoplâncton.
e) zooplâncton.

7. Um lago é uma depressão natural na superfície da Terra que contém permanentemente uma quantidade
variável de água. Essa água pode ser proveniente da chuva, duma nascente local, ou de curso de água,
como rios e glaciares geleiras que desaguem nessa depressão. A contaminação das águas apresenta
consequências devastadoras. Um terço da humanidade vive em estado contínuo de doença ou debilidade
como resultado da impureza das águas. O excesso de nutrientes, provocando desequilíbrio nos
ecossistemas, é denominado de:
a) efeito estufa
b) inversão térmica
c) amonificação
d) eutrofização
e) compostagem

8
Biologia

8. A fotossíntese é o processo biológico predominante para a produção do oxigênio encontrado na


atmosfera. Aproximadamente 30% do nosso planeta é constituído por terra, onde se encontram grandes
florestas, e 70% por água, onde vive o fitoplâncton.
Considerando-se estas informações e o ciclo biogeoquímico do oxigênio, pode-se afirmar que
a) as florestas temperadas e a Floresta Amazônica produzem a maior parte do oxigênio da Terra;
b) a Floresta Amazônica é a principal responsável pelo fornecimento de oxigênio da Terra;
c) as algas microscópicas são as principais fornecedoras de oxigênio do planeta;
d) a Mata Atlântica é a maior fonte de oxigênio do Brasil;
e) os manguezais produzem a maior parte do oxigênio da atmosfera.

9. Se por um lado a Revolução Industrial instituiu um novo patamar de tecnologia e, com isso, uma melhoria
na qualidade de vida da população, por outro lado os resíduos decorrentes desse processo podem se
acumular no ar, no solo e na água, causando desequilíbrios no ambiente. O acúmulo dos resíduos
provenientes dos processos industriais que utilizam combustíveis fósseis traz como consequência o(a)
a) eutrofização dos corpos-d’ água, aumentando a produtividade dos sistemas aquáticos.
b) precipitação de chuvas ácidas, danificando florestas, ecossistemas aquáticos e construções.
c) mudança na salinidade dos mares, provocando a mortalidade de peixes e demais seres aquáticos.
d) acúmulo de detritos, causando entupimento de bueiros e alagamento das ruas.
e) presença de mosquitos, levando à disseminação de doenças bacterianas e virais.

10. Devido ao aquecimento global e à consequente diminuição da cobertura de gelo no Ártico, aumenta a
distância que os ursos polares precisam nadar para encontrar alimentos. Apesar de exímios nadadores,
eles acabam morrendo afogados devido ao cansaço. A situação descrita acima
a) enfoca o problema da interrupção da cadeia alimentar, o qual decorre das variações climáticas.
b) alerta para prejuízos que o aquecimento global pode acarretar à biodiversidade no Ártico.
c) ressalta que o aumento da temperatura decorrente de mudanças climáticas permite o surgimento
de novas espécies.
d) mostra a importância das características das zonas frias para a manutenção de outros biomas na
Terra.
e) evidencia a autonomia dos seres vivos em relação ao habitat, visto que eles se adaptam rapidamente
às mudanças nas condições climáticas

9
Biologia

Gabarito

1. C
Os decompositores promovem essa espécie de reciclagem, convertendo a matéria orgânica em matéria
inorgânica, que pode novamente ser utilizada.

2. B
Essa associação é fundamental para a fixação do nitrogênio atmosférico em amônia, que será depois
convertida a nitrito e nitrato, podendo ser assimilada pelos vegetais e passada ao longo da cadeia alimentar.

3. E
A água faz parte da equação global da fotossíntese, fundamental para esse processo. O hidrogênio fará
parte da glicose, enquanto o oxigênio será liberado para a atmosfera.

4. C
O carbono pode retornar à atmosfera de dois modos, ou pela respiração, ou pela combustão, como no caso
da queima de combustíveis fósseis.

5. B
Os óxidos de enxofre e nitrogênio provocam o fenômeno da chuva ácida, ao reagirem com a água. O CO2,
por outro lado, agrava o efeito estufa, promovendo o aumento da temperatura terrestre global.

6. C
Deve-se observar que as substâncias que não são eliminadas pelo corpo se acumulam nos indivíduos mais
altos da cadeia alimentar. Nesse caso, as aves que se alimentam de peixes daquela região.

7. D
Matéria orgânica depositada em lagos, principalmente esgoto, propicia a decomposição por fungos e
bactérias, levando a um aumento exagerado de nutrientes nessa região. Esse desequilíbrio ecológico recebe
o nome de eutrofização.

8. C
As grandes florestas formam uma comunidade clímax, fazendo com que a taxa de oxigênio gerado seja
equivalente a taxa de consumo desse gás. As algas oceânicas permanecem então como a maior fonte de
O2 da atmosfera

9. B
A queima de combustíveis fósseis libera óxidos de nitrogênio e de enxofre que reagem com a água,
formando ácidos que precipitam juntamente com as chuvas.

10. B
A morte dos ursos polares reflete o impacto causado pelo derretimento das geleiras, alertando os prejuízos
à biodiversidade decorrente do aquecimento global

10
Biologia

Ecologia: conceitos, cadeias, populações e relações ecológicas

Resumo

Conceitos e Ecologia de Populações


Os níveis de organização em biologia ajudam a separar esta área da ciência, tão ampla, em partes menores,
que podem ser estudadas em conjunto ou separadamente. Na ecologia, os níveis estudados são:
• População: Organismos da mesma espécie que vivem em um mesmo local ao mesmo tempo.
• Comunidade: Populações de diferentes espécies que vivem em um mesmo local ao mesmo tempo.
• Ecossistema: Conjunto dos fatores bióticos (seres vivos) e abióticos (luz, temperatura, pH, etc.).
• Biosfera: Conjunto de todos os ecossistemas da Terra.

Outros conceitos importantes para estudar a ecologia são:

• Seres Autótrofos: São os organismos que conseguem produzir seu próprio alimento. Podem ser
chamados de produtores, sendo fotossintetizantes (realizam a fotossíntese) ou quimiossintetizantes
(realizam a quimiossíntese).

• Seres Heterótrofos: São os organismos que não produzem seu próprio alimento. Podem ser consumidores
(organismos que se alimentam de outros organismos) ou decompositores (degradam a matéria orgânica).

• Habitat: Na ecologia, habitat é o lugar onde uma espécie vive. Determina a distribuição das espécies no
ambiente. É o “local” onde se encontra a espécie.

1
Biologia

• Nicho ecológico: São as atividades de uma espécie, como esta se relaciona com outros indivíduos e com
o ambiente (por exemplo, comportamento alimentar, reprodutivo, etc). É a “função” da espécie no ambiente
e na ecologia.

População é o conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que vivem e ocupam uma mesma área ao mesmo
tempo. O tamanho populacional equivale ao número de indivíduos de uma população, enquanto a densidade
populacional pode variar de acordo com as alterações do meio, e é determinada pela seguinte fórmula:
D = N/S
Onde D = densidade; N = número de indivíduos da população; S = unidade de área ou de volume.

Os principais fatores que modificam esta densidade são a imigração (novos indivíduos chegam na população),
a emigração (os indivíduos saem da população), a natalidade (indivíduos que nascem em uma população) e
mortalidade (número de indivíduos que morre em uma população). A imigração (I) e a natalidade (N) aumentam
a densidade populacional, enquanto a emigração (E) e a mortalidade (M) diminuem a densidade.

O potencial biótico é a capacidade de uma população para crescer em condições favoráveis, ou seja, é a
capacidade dos seres vivos se multiplicarem através da reprodução. Já a resistência do meio é o conjunto de
fatores que limitam o crescimento populacional, impedindo um crescimento exponencial da população, e geram
como consequências a competição, o parasitismo e o predatismo.

2
Biologia

Cadeias e Teias Alimentares


Cadeia alimentar é a transferência de matéria e energia entre organismos em um ecossistema, onde o
organismo é alimento de apenas um outro ser vivo. Nível trófico é o nível que o organismo ocupa na cadeia
alimentar, e indica o nível de nutrição.
• Produtor: Primeiro Nível Trófico → Autotróficos
• Consumidor Primário: Segundo nível trófico → herbívoros
• Consumidor Secundário: Terceiro nível trófico → carnívoros

Os decompositores, apesar de muitas vezes não serem mostrados em imagens de cadeias tróficas, possuem
um papel importante na reciclagem de nutrientes, transformando a matéria orgânica em inorgânica. Assim, os
nutrientes são disponibilizados novamente no ambiente e retornam a cadeia alimentar. Os decompositores são
representados principalmente por fungos e bactérias.

A matéria obedece a um ciclo, onde pode ser transformada em matéria orgânica nos seres vivos através da
fotossíntese, onde estará presente posteriormente em toda a cadeia trófica. Os decompositores são os
responsáveis por transformar a matéria orgânica existente em matéria inorgânica, reiniciando assim o ciclo. Já
o fluxo de energia sempre seguirá um fluxo unidirecional, pois parte da energia é perdida ao longo da cadeia
trófica.

Linhas pretas: matéria orgânica. Linhas amarelas: energia

A Teia Alimentar é o conjunto de cadeias alimentares, e um organismo pode ser alimento para mais de um outro
ser vivo, fazendo com que um mesmo indivíduo possa ocupar mais de um nível trófico.

3
Biologia

Relações Ecológicas
Podemos classificar as relações dos seres vivos de duas formas:

• Ecobiose: estuda as relações dos seres vivos com o meio, envolvendo componentes abióticos (químicos,
físicos ou geológicos).

• Alelobiose: estuda a relação dos seres vivos entre si, ou seja, apenas relações entre componentes bióticos.
As relações de alelobiose podem ser harmônicas (nenhum dos indivíduos é prejudicado) ou desarmônicas (pelo
menos um dos indivíduos é prejudicado). Ainda, podem ser intra específicas (mesma espécie) ou
interespecíficas (espécies diferentes). São utilizados os símbolos de positivo + (para indicar uma vantagem na
relação), o negativo – (para indicar um prejuízo para o indivíduo) e o 0 (representando uma indiferença na
relação, ou seja, não se afeta nem positivamente nem negativamente).

• Relações harmônicas

4
Biologia

• Relações desarmônicas

Veja a seguir Mapas mentais sobre os assuntos

5
Biologia

6
Biologia

Exercícios

1. A cobra-coral tem hábito diurno, alimenta-se de outras cobras e é terrícola, ou seja, caça e se abriga no
chão. A jararaca - Bothrops jararaca - tem hábito noturno, alimenta-se de mamíferos e é terrícola. Ambas
ocorrem, no Brasil, na floresta pluvial costeira. Essas serpentes:
a) disputam o mesmo nicho ecológico, assim, competem por nutrientes.
b) constituem uma população, sendo da mesma espécie.
c) compartilham o mesmo hábitat.
d) realizam competição intraespecífica, numa relação desarmônica.
e) são comensais, se aproveitando de restos de alimentos.

2. Shiitake, cujo nome científico é Lentinula edodes, é um cogumelo comestível nativo do leste da Ásia. A
espécie é o segundo cogumelo comestível mais consumido no mundo. Seu nome de origem japonsa
significa shii (uma árvore parecida com carvalho) e take (cogumelo).
Disponível em: <https://www.greenme.com.br/alimentar-se/alimentacao/2775-shiitake-propriedades-usos-e-
contraindicacoes>.

O cogumelo shitake é cultivado em troncos, onde suas hifas nutrem-se das moléculas orgânicas
componentes da madeira. Uma pessoa, ao comer cogumelo shitake, está se comportando como:
a) Produtor.
b) Consumidor primário.
c) Consumidor secundário.
d) Consumidor terciário.
e) Decompositor.

3. Ecossistema é o conjunto dos relacionamentos que a fauna, flora, microorganismos (fatores bióticos) e
o ambiente, composto pelos elementos solo, água e atmosfera (fatores abióticos) mantém entre si.
Todos os elementos que compõem o ecossistema se relacionam com equilíbrio e harmonia e estão
ligados entre si. Marque a alternativa que contenha os organismos indispensáveis para manter um
ecossistema:
a) Carnívoros e herbívoros.
b) Produtores e herbívoros.
c) Produtores e decompositores.
d) Produtores, herbívoros e decompositores.
e) Produtores, carnívoros e decompositores.

7
Biologia

4. As orquídeas e a erva de passarinho são plantas que fazem fotossíntese e vivem sobre outras plantas.
As orquídeas apenas se apoiam sobre as plantas, enquanto a erva de passarinho retira água e sais
minerais das árvores em que vivem. A diferença é que a primeira não consome os recursos da planta
hospedeira, enquanto que a segunda retira recursos para seu desenvolvimento. Assinale a alternativa
correta quanto às relações da erva de passarinho e das orquídeas com as plantas hospedeiras,
respectivamente.
a) amensalismo e parasitismo
b) parasitismo e epifitismo
c) parasitismo e predatismo
d) parasitismo e protocoperação
e) protocoperação e epifitismo

5. Duas espécies, A e B foram colocadas em 3 recipientes. Nos dois primeiros, observamos o crescimento
ao longo do tempo, quando as espécies estão isoladas. No entanto, no recipiente 3, a união dos indivíduos
das duas espécies gera o efeito observado no gráfico.

Sabendo que as duas espécies ocupam num mesmo ecossistema o mesmo nicho ecológico, é provável
que:
a) se estabeleça entre elas uma relação harmônica.
b) se estabeleça uma competição interespecífica.
c) se estabeleça uma competição intraespecífica.
d) uma das espécies seja produtora e a outra, consumidora.
e) uma das espécies ocupe um nível trófico elevado.

8
Biologia

6. Com relação às interações que ocorrem entre os organismos de uma comunidade, podemos considerar,
corretamente, que:
a) Na cooperação intra-específica, indivíduos da mesma espécie vivem disputando dentro da colônia
por recursos naturais.
b) Sociedades são grupos de organismos de mesma espécie em que os indivíduos apresentam algum
grau de cooperação, comunicação e divisão de trabalho, conservando relativa independência e
mobilidade.
c) Do ponto de vista ecológico, a predação é uma relação entre organismos da mesma espécie, que
altera a densidade populacional de presas e predadores, causando graves desequilíbrios ambientais.
d) Para que sejam considerados parasitas os organismos devem viver, necessariamente, no interior do
corpo dos hospedeiros.
e) Não é possível haver uma combinação (-,0) em uma relação ecológica.

7. Os parasitoides (misto de parasitas e predadores) são insetos diminutos que têm hábitos muito
peculiares: suas larvas podem se desenvolver dentro do corpo de outros organismos, como mostra a
figura. A forma adulta se alimenta de pólen e açúcares. Em geral, cada parasitoide ataca hospedeiros de
determinada espécie e, por isso, esses organismos vêm sendo amplamente usados para o controle
biológico de pragas agrícolas.

A forma larval do parasitoide assume qual papel nessa cadeia alimentar?


a) Consumidor primário, pois ataca diretamente uma espécie herbívora.
b) Consumidor secundário, pois se alimenta diretamente dos tecidos da lagarta.
c) Organismo heterótrofo de primeira ordem, pois se alimenta de pólen na fase adulta.
d) Organismo heterótrofo de segunda ordem, pois apresenta o maior nível energético na cadeia.
e) Decompositor, pois se alimenta de tecidos do interior do corpo da lagarta e a leva à morte.

9
Biologia

8. Um agricultor, que possui uma plantação de milho e uma criação de galinhas, passou a ter sérios
problemas com os cachorros-do-mato que atacavam sua criação. O agricultor, ajudado pelos vizinhos,
exterminou os cachorros-do-mato da região. Passado pouco tempo, houve um grande aumento no
número de pássaros e roedores que passaram a atacar as lavouras. Nova campanha de extermínio e,
logo depois da destruição dos pássaros e roedores, uma grande praga de gafanhotos destruiu totalmente
a plantação de milho e as galinhas ficaram sem alimento. Analisando o caso anterior, podemos perceber
que houve desequilíbrio na teia alimentar representada por:

a)

b)

c)

d)

e)

9. As figuras abaixo mostram o crescimento populacional, ao longo do tempo, de duas espécies de


Paramecium cultivadas isoladamente e em conjunto. Os resultados desse experimento embasaram o
que é conhecido como Princípio de Gause.

Considere o tipo de relação ecológica entre essas duas espécies e indique a afirmação correta.
a) A espécie P. aurelia é predadora de P. caudatum.
b) P. aurelia exclui P. caudatum por competição intraespecífica.
c) P. aurelia e P. caudatum utilizam recursos diferentes.
d) P. aurelia exclui P. caudatum por parasitismo.
e) P. aurelia exclui P. caudatum por competição interespecífica.

10
Biologia

10. Os vaga-lumes machos e fêmeas emitem sinais luminosos para se atraírem para o acasalamento. O
macho reconhece a fêmea de sua espécie e, atraído por ela, vai ao seu encontro. Porém, existe um tipo
de vaga-lume, o Photuris, cuja fêmea engana e atrai os machos de outro tipo, o Photinus, fingindo ser
desse gênero. Quando o macho Photinus se aproxima da fêmea Photuris, muito maior que ele, é atacado
e devorado por ela. A relação descrita no texto, entre a fêmea do gênero Photuris e o macho do gênero
Photinus, é um exemplo de:
a) comensalismo.
b) inquilinismo.
c) cooperação.
d) predatismo.
e) mutualismo.

11
Biologia

Gabarito

1. C
As espécies de cobra estão presentes num mesmo local, mas com diferenças quanto ao nicho.

2. C
Nessa cadeia, a árvore é o produtor, o shiitake é o consumidor primário, enquanto que o homem assume o
papel de consumidor secundário.

3. C
Os produtores são seres autotróficos capazes de fornecer matéria orgânica ao sistema, assim como os
decompositores possibilitam a reciclagem desse material.

4. B
A tentativa de alcançar locais mais altos e mais iluminados, sem se aproveitar de recursos da planta
hospedeira é conhecida como epifitismo. Entretanto, a partir do momento que há a retirada de água e sais
minerais, a erva de passarinho passa a ser um parasita.

5. B
Como as espécies estão ocupando o mesmo nicho, em um mesmo ambiente, elas terão que competir pelos
mesmos recursos. Desse modo, haverá uma competição interespecífica (espécies diferentes)

6. B
Na sociedade existe a divisão de tarefas em prol da população ali existente.

7. B
O parasitoide se alimenta do corpo da lagarta. As lagartas, que podem ser pragas agrícolas, se alimentam
das folhas, ou seja, são consumidores primários. Como os parasitoides se alimentam do corpo da lagarta,
ele se torna consumidor secundário.

8. B
A plantação de milho servia de alimento para os pássaros, galinhas, gafanhotos e roedores. Os gafanhotos
servem de alimento para os pássaros e esses juntamente com as galinhas e os roedores serviam de
alimento para os cachorros-do-mato, que os predavam e realizavam seu controle populacional. Com a
campanha de extermínio dos cachorros-do-mato, esse controle populacional reduziu muito, o que levou a
um aumento da população de pássaros e roedores, que atacaram as lavouras. Com a segunda campanha
de extermínio, agora de pássaros e roedores, os pássaros pararam de exercer o controle populacional dos
gafanhotos, que aumentaram muito em número e atacaram a plantação, deixando as galinhas sem
alimento. Seguindo essa linha de raciocínio podemos encontrar a alternativa que melhor se encaixe na
ordem cronológica dos acontecimentos e assim poderemos montar a cadeia alimentar.

9. E
O terceiro gráfico mostra que quando cultivadas juntas, a P. aurelia exclui P. caudatum por competição
interespecífica, onde P. aurelia possui elevada densidade, enquanto que P. caudatum tem sua densidade
bastante reduzida.

12
Biologia

10. D
Vagalumes do gênero Photuris se alimenta do macho do gênero Photinus, um caso de predação.

13
Biologia

Ecologia: sucessão ecológica e biomas – Arroz com feijão

Resumo

A sucessão ecológica é a alteração das comunidades ao longo do tempo, em um mesmo espaço. Ao olhar uma
comunidade, observa-se os valores de produtividade bruta (taxa de fotossíntese e quantidade de gases
produzidos) e produtividade líquida (produtos da fotossíntese menos o que é gasto na respiração).
Ela se inicia com uma comunidade pioneira (ou ecese), onde organismos como líquens e gramíneas se
estabelecem, e há pouca matéria orgânica e alta variabilidade de condições ambientais. A produtividade bruta
é baixa, mas a líquida é alta.
As comunidades intermediárias (ou serais) já possui um número maior de organismos.
Por fim, a comunidade clímax possui um número de organismos e condições climáticas estáveis, com alta
matéria orgânica. A produtividade líquida diminui, tendendo a zero.
Na sucessão primária, tem-se a ocupação de um ambiente novo, estéril (ex.: ilhas vulcânicas), enquanto na
sucessão secundária, tem-se a ocupação de um ambiente que já havida sido habitado antes (ex.: área de pasto
ou ambiente após uma queimada).

1
Biologia

Biociclos
Biociclos são subdivisões da Biosfera onde se distribuem os seres vivos. São divididos em:
• Talassociclo, que é o ambiente com água salgada. É o maior biociclo da Terra.

• Limnociclo é o conjunto de ecossistemas de água doce. É o menor dos biociclos e pode ser dividido em
ambiente lêntico (águas paradas) ou lótico (águas em movimento, com correnteza).

Ambientes aquáticos
Os organismos que vivem em ambientes aquáticos podem ser divididos de acordo com sua capacidade de
locomoção:
• Plâncton: seres que se deslocam passivamente na água, arrastados pelas ondas e correntes marinhas.
Podem ser heterotróficos (zooplâncton) ou autotróficos (fitoplâncton).
• Nécton: seres que se deslocam ativamente pela coluna d’água.
• Bêntos: seres que vivem associados ao fundo e substratos marinhos. Podem ser fixos (sésseis) ou móveis.

2
Biologia

• Epinociclo é o ambiente terrestre, correspondente aos continentes, ilhas e terras emersas. Possui a maior
biodiversidade de espécies, assim como a maior variedade climática e presença de barreiras geográficas.

Biomas
O Epinociclo pode ser dividido em diferentes biomas. Dentre os biomas internacionais podemos citar a tundra,
a taiga e as florestas temperadas, presentes em locais de clima frio, e deserto e savanas, com clima seco e
temperaturas altas.
Dos biomas brasileiros, temos:

Caatinga: localiza-se no sertão nordestino, com clima quente e seco, com uma vegetação formada por plantas
xerófitas.

Cerrado: é o segundo maior bioma brasileiro, localizado na região centro-oeste. Possui estação seca e chuvosa
bem definida. A vegetação possui adaptações para captação de água.

3
Biologia

Floresta Amazônica: maior bioma do Brasil, localizado na região norte e de clima quente e úmido. Possui a
maior biodiversidade do planeta, tanto de fauna quanto de flora.

Manguezal: bioma ecótono entre rios e mares, sofre frequentes inundações. Sua vegetação adaptada para o
solo encharcado e salino. É uma região de berçário de espécies marinhas.

Mata Atlântica: Presente em quase todo o litoral brasileiro. Possui um clima quente e úmido, além de uma alta
riqueza de espécies, alto endemismo e epifitismo.

4
Biologia

Mata de Araucárias: localizada na região Sul do país, caracteriza-se pela presença de pinheiros, principalmente
o pinheiro-do-paraná, também conhecido como Araucária.

Mata dos Cocais: zona de transição entre Caatinga e Amazônia.

Pampas: localizado no Sul, é uma região de alta produtividade primária líquida e muitas gramíneas.

5
Biologia

Pantanal: ocorre uma divisão de estações seca e chuvosa bem definida. Nas estações chuvosas há muitos
alagamentos de suas planícies. Possui uma alta biodiversidade.

6
Biologia

Exercícios

1. O deserto é um bioma que se localiza em regiões de pouca umidade. A fauna é, predominantemente,


composta por animais roedores, aves, répteis e artrópodes.
Uma adaptação, associada a esse bioma, presente nos seres vivos dos grupos citados é o(a)
a) existência de numerosas glândulas sudoríparas na epiderme.
b) eliminação de excretas nitrogenadas de forma concentrada.
c) desenvolvimento do embrião no interior de ovo com casca.
d) capacidade de controlar a temperatura corporal.
e) respiração realizada por pulmões foliáceos.

2. O manguezal é um dos mais ricos ambientes do planeta, possui uma grande concentração de vida,
sustentada por nutrientes trazidos dos rios e das folhas que caem das árvores. Por causa da quantidade
de sedimentos — restos de plantas e outros organismos — misturados à água salgada, o solo dos
manguezais tem aparência de lama, mas dele resulta uma floresta exuberante capaz de sobreviver
naquele solo lodoso e salgado.
NASCIMENTO, M. S. V. Disponível em: http://chc.cienciahoje.uol.com.br. Acesso em: 3 ago. 2011.

a) Para viverem em ambiente tão peculiar, as plantas dos manguezais apresentam adaptações, tais
como folhas substituídas por espinhos, a fim de reduzir a perda de água para o ambiente.
b) folhas grossas, que caem em períodos frios, a fim de reduzir a atividade metabólica.
c) caules modificados, que armazenam água, a fim de suprir as plantas em períodos de seca.
d) raízes desenvolvidas, que penetram profundamente no solo, em busca de água.
e) raízes respiratórias ou pneumatóforos, que afloram do solo e absorvem o oxigênio diretamente do
ar.

3. A Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro, ocupando cerca de 7% a 10% do território nacional.
Nesse ambiente seco, mesmo quando chove, não há acúmulo de água, pois o solo é raso e pedregoso.
Assim, as plantas desse bioma possuem modificações em suas raízes, caules e folhas, que permitem
melhor adaptação a esse ambiente, contra a perda de água e de nutrientes. Geralmente, seus caules são
suculentos e suas folhas possuem forma de espinhos e cutículas altamente impermeáveis, que
apresentam queda na estação seca.
Disponível em: www.ambientebrasil.com.br. Acesso em: 21 maio 2010 (adaptado).

Considerando as adaptações nos órgãos vegetativos, a principal característica das raízes dessas plantas,
que atribui sua maior adaptação à Caatinga, é o(a)
a) armazenamento de nutrientes por um sistema radicular aéreo.
b) fixação do vegetal ao solo por um sistema radicular do tipo tuberoso
c) fixação do vegetal ao substrato por um sistema radicular do tipo sugador.
d) absorção de água por um sistema radicular desenvolvido e profundo.
e) armazenamento de água do solo por um sistema radicular do tipo respiratório.

7
Biologia

4. A vegetação do cerrado é constituída por árvores esparsas que apresentam troncos retorcidos e raízes
profundas, disseminadas em meio a arbustos
As raízes dessas árvores são uma importante estratégia evolutiva, pois
a) aumentam a taxa de fotossíntese das árvores, o que eleva a produção de biomassa.
b) melhoram a sustentação das árvores no solo, que se torna arenoso nos períodos intensos de seca.
c) possibilitam a absorção de água de regiões mais profundas do solo, inclusive em períodos de seca.
d) dificultam a ação de predadores que se alimentam desses órgãos, provocando a morte das árvores.
e) diminuem a superfície de contato desses órgãos com a atmosfera, impedindo a perda de água por
evaporação.

5. Determinado bioma brasileiro apresenta vegetação conhecida por perder as folhas e ficar apenas com
galhos esbranquiçados, ao passar por até nove meses de seca. As plantas podem acumular água no
caule e na raiz, além de apresentarem folhas pequenas, que em algumas espécies assumem a forma de
espinhos.
Qual região fitogeográfica brasileira apresenta plantas com essas características?
a) Cerrado.
b) Pantanal.
c) Caatinga.
d) Mata Atlântica.
e) Floresta Amazônica.

6. A Caatinga é um ecossistema que se encontra nos lados equatoriais dos desertos quentes, com índices
pluviométricos muito baixos. Chove pouco no inverno e as chuvas, quando ocorrem, acontecem no verão.
Apresenta plantas semelhantes às das regiões de deserto quente, do tipo xerófitas, como as cactáceas,
com adaptações às condições de escassez de água.
SADAVA, O. et al. Vida: a ciência da biologia. Porto Alegre: Artmed. 2009 (adaptado).

Uma característica que permite a sobrevivência dessas plantas, na condição da escassez citada, é a
presença de
a) caule subterrâneo.
b) sistema radicular fasciculado.
c) folhas modificadas em espinhos.
d) parênquima amilífero desenvolvido.
e) limbo foliar desprovido de estômatos.

8
Biologia

7. A Mata Atlântica caracteriza-se por uma grande diversidade de epífitas, como as bromélias. Essas
plantas estão adaptadas a esse ecossistema e conseguem captar luz, água e nutrientes mesmo vivendo
sobre as árvores.
Disponível em: www.ib.usp.br. Acesso em: 23 fev. 2013 (adaptado).
Essas espécies captam água do(a)
a) organismo das plantas vizinhas
b) solo através de suas longas raízes.
c) chuva acumulada entre suas folhas.
d) seiva bruta das plantas hospedeiras.
e) comunidade que vive em seu interior.

8. Em uma aula de biologia sobre formação vegetal brasileira, a professora destacou que em uma região, a
flora convive com condições ambientais curiosas. As características dessas plantas não estão
relacionadas com a falta de água, mas com as condições do solo, que é pobre em sais minerais, ácido e
rico em alumínio. Além disso, essas plantas possuem adaptações ao fogo.
As características adaptativas das plantas que correspondem à região destacada pela professora são:
a) Raízes escoras e respiratórias.
b) Raízes tabulares e folhas largas.
c) Casca grossa e galhos retorcidos.
d) Raízes aéreas e perpendiculares ao solo.
e) Folhas reduzidas ou modificadas em espinhos.

9. Surtsey é uma ilha vulcânica situada perto da costa sul da Islândia. A erupção vulcânica que lhe deu
origem ocorreu na década de 1960, o que faz dela, seguramente, a ilha mais nova do Oceano Atlântico.
As primeiras espécies que aí se fixaram foram musgos e liquens. À medida que as aves foram fixando-
se na ilha, as condições do solo foram melhorando e espécies vegetais mais complexas puderam iniciar
a colonização do território. Em 1988 foi observada a presença do primeiro arbusto.
Disponível em: www.nacopadasarvores.blogspot.com.br. Acesso em: 25 maio 2012 (fragmento)

O conjunto das alterações ocorridas no ambiente descrito é exemplo de


a) nicho ecológico.
b) eficiência ecológica
c) sucessão ecológica.
d) irradiação adaptativa.
e) resistência ambiental.

9
Biologia

10. A vegetação apresenta adaptações ao ambiente, como plantas arbóreas e arbustivas com raízes que se
expandem horizontalmente, permitindo forte ancoragem no substrato lamacento; raízes que se
expandem verticalmente, por causa da baixa oxigenação do substrato; folhas que têm glândulas para
eliminar o excesso de sais; folhas que podem apresentar cutícula espessa para reduzir a perda de água
por evaporação.
As características descritas referem-se a plantas adaptadas ao bioma:
a) Cerrado.
b) Pampas.
c) Pantanal.
d) Manguezal.
e) Mata de Cocais.

10
Biologia

Gabarito

1. B
A eliminação de urina mais concentrada reduz a perda de água, evitando a desidratação em ambientes
secos. Isso acontece pois há liberação do hormônio ADH, que promove o aumento da permeabilidade e a
reabsorção de água no sistema excretor, além de estruturas glomerulares pequenas e uma alça néfrica
desenvolvida, como no caso dos roedores. Já as aves, répteis e artrópodes excretam ácido úrico, que é
insolúvel em água e evita a perda deste recurso.

2. E
Devido às características do manguezal, as plantas desse ambiente apresentam adaptações necessárias
à sobrevivência em água salobra e solo encharcado, como raízes aéreas, que absorvem o oxigênio
diretamente do ar.

3. D
A caatinga possui característica de chuvas irregulares e escassas, havendo grande período de seca. Por
isso, as plantas desse bioma apresentam diversas adaptações para sobreviver a esse ambiente, como
sistema radicular bem desenvolvido e profundo, capaz de absorver água e íons do solo.

4. C
Raízes profundas possuem um maior alcance na busca de água, localizada em porções mais distantes da
superfície do solo. Isso se torna uma adaptação importante especialmente nos períodos de seca.

5. C
Plantas da caatinga são conhecidas por forte adaptação a secas, sendo classificadas como xerófitas. A
perda de folhas e a modificação das folhas em espinhos, com caules que acumulam água (cladódios) são
características típicas da vegetação desse bioma.

6. C
As folhas modificadas em espinhos reduzem a superfície, impedindo a perda excessiva de água, além de
ser uma proteção contra a herbivoria.

7. C
Plantas epífitas não causam prejuízos às outras plantas, pois o epifitismo é uma relação +/0. Por conta do
formato de suas folhas, as bromélias captam a água da chuva, e não da planta onde ela está estabelecida.

8. C
A região descrita corresponde ao bioma brasileiro do Cerrado, que tem como característica principal solo
pobre e ácido e queimadas sazonais. Para sobreviver neste ambiente, a vegetação possui adaptações como
casca grossa e cutículas espessas, para evitar queimaduras, raízes profundas, para obtenção de água, e
galhos contorcidos, devido à toxicidade do solo.

9. C
O processo de colonização de novos ambientes por espécies pioneiras e subsequente alteração das
comunidades ali viventes é uma sucessão ecológica.

11
Biologia

10. D
De acordo com as características citadas da vegetação (raízes de ancoragem em solo lamacento e folhas
com glândulas que eliminam excesso de sais), tipifica o bioma Manguezal, um ecótono formado por
ambiente marinho, terrestre e dulcícola.

12
Biologia

Ecologia: sucessão ecológica e biomas - Gourmet

Resumo

A sucessão ecológica é a alteração das comunidades ao longo do tempo, em um mesmo espaço. Ao olhar uma
comunidade, observa-se os valores de produtividade bruta (taxa de fotossíntese e quantidade de gases
produzidos) e produtividade líquida (produtos da fotossíntese menos o que é gasto na respiração).
Ela se inicia com uma comunidade pioneira (ou ecese), onde organismos como líquens e gramíneas se
estabelecem, e há pouca matéria orgânica e alta variabilidade de condições ambientais. A produtividade bruta
é baixa, mas a líquida é alta.
As comunidades intermediárias (ou serais) já possui um número maior de organismos.
Por fim, a comunidade clímax possui um número de organismos e condições climáticas estáveis, com alta
matéria orgânica. A produtividade líquida diminui, tendendo a zero.
Na sucessão primária, tem-se a ocupação de um ambiente novo, estéril (ex.: ilhas vulcânicas), enquanto na
sucessão secundária, tem-se a ocupação de um ambiente que já havida sido habitado antes (ex.: área de pasto
ou ambiente após uma queimada).

1
Biologia

Biociclos
Biociclos são subdivisões da Biosfera onde se distribuem os seres vivos. São divididos em:
• Talassociclo, que é o ambiente com água salgada. É o maior biociclo da Terra.

• Limnociclo é o conjunto de ecossistemas de água doce. É o menor dos biociclos e pode ser dividido em
ambiente lêntico (águas paradas) ou lótico (águas em movimento, com correnteza).

Ambientes aquáticos
Os organismos que vivem em ambientes aquáticos podem ser divididos de acordo com sua capacidade de
locomoção:
• Plâncton: seres que se deslocam passivamente na água, arrastados pelas ondas e correntes marinhas.
Podem ser heterotróficos (zooplâncton) ou autotróficos (fitoplâncton).
• Nécton: seres que se deslocam ativamente pela coluna d’água.
• Bêntos: seres que vivem associados ao fundo e substratos marinhos. Podem ser fixos (sésseis) ou móveis.

2
Biologia

• Epinociclo é o ambiente terrestre, correspondente aos continentes, ilhas e terras emersas. Possui a maior
biodiversidade de espécies, assim como a maior variedade climática e presença de barreiras geográficas.

Biomas
O Epinociclo pode ser dividido em diferentes biomas. Dentre os biomas internacionais podemos citar a tundra,
a taiga e as florestas temperadas, presentes em locais de clima frio, e deserto e savanas, com clima seco e
temperaturas altas.
Dos biomas brasileiros, temos:

Caatinga: localiza-se no sertão nordestino, com clima quente e seco, com uma vegetação formada por plantas
xerófitas.

Cerrado: é o segundo maior bioma brasileiro, localizado na região centro-oeste. Possui estação seca e chuvosa
bem definida. A vegetação possui adaptações para captação de água.

3
Biologia

Floresta Amazônica: maior bioma do Brasil, localizado na região norte e de clima quente e úmido. Possui a
maior biodiversidade do planeta, tanto de fauna quanto de flora.

Manguezal: bioma ecótono entre rios e mares, sofre frequentes inundações. Sua vegetação adaptada para o
solo encharcado e salino. É uma região de berçário de espécies marinhas.

Mata Atlântica: Presente em quase todo o litoral brasileiro. Possui um clima quente e úmido, além de uma alta
riqueza de espécies, alto endemismo e epifitismo.

4
Biologia

Mata de Araucárias: localizada na região Sul do país, caracteriza-se pela presença de pinheiros, principalmente
o pinheiro-do-paraná, também conhecido como Araucária.

Mata dos Cocais: zona de transição entre Caatinga e Amazônia.

Pampas: localizado no Sul, é uma região de alta produtividade primária líquida e muitas gramíneas.

5
Biologia

Pantanal: ocorre uma divisão de estações seca e chuvosa bem definida. Nas estações chuvosas há muitos
alagamentos de suas planícies. Possui uma alta biodiversidade.

6
Biologia

Exercícios

1. Uma região de Cerrado possui lençol freático profundo, estação seca bem marcada, grande insolação e
recorrência de incêndios naturais. Cinco espécies de árvores nativas, com as características
apresentadas no quadro, foram avaliadas quanto ao seu potencial para uso em projetos de
reflorestamento na região.

Qual é a árvore adequada para o reflorestamento da região?


a) 1
b) 2
c) 3
d) 4
e) 5

2.

Dois pesquisadores percorreram os trajetos marcados no mapa. A tarefa deles foi analisar os
ecossistemas e, encontrando problemas, relatar e propor medidas de recuperação. A seguir, são
reproduzidos trechos aleatórios extraídos dos relatórios desses dois pesquisadores.
Trechos aleatórios extraídos do relatório do pesquisador P1:

I. “Por causa da diminuição drástica das espécies vegetais deste ecossistema, como os pinheiros, a
gralha azul também está em processo de extinção”.
II. “As árvores de troncos tortuosos e cascas grossas que predominam nesse ecossistema estão sendo
utilizadas em carvoarias”.

7
Biologia

Trechos aleatórios extraídos do relatório do pesquisador P2:


III. Das palmeiras que predominam nesta região podem ser extraídas substâncias importantes para a
economia regional”,
IV. “Apesar da aridez desta região, em que encontramos muitas plantas espinhosas, não se pode
desprezar a sua biodiversidade”. Ecossistemas brasileiros: mapa de distribuição de ecossistemas.
Disponível em: http://educacao.uol.com.br/ciencias/ult1686u52.jhtm. Acesso em: 20 abr. 2010 (adaptado).

Os trechos I, II, III e IV referem-se, pela ordem, aos seguintes ecossistemas:


a) Caatinga, Cerrado, Zona dos Cocais e Floresta Amazônica.
b) Mata de Araucárias, Cerrado, Zona dos Cocais e Caatinga.
c) Manguezais, Zona dos Cocais, Cerrado e Mata Atlântica.
d) Floresta Amazônica, Cerrado, Mata Atlântica e Pampas.
e) Mata Atlântica, Cerrado, Zona dos Cocais e Pantanal.

3. Muitas espécies de plantas lenhosas são encontradas no cerrado brasileiro. Para a sobrevivência nas
condições de longos períodos de seca e queimadas periódicas, próprias desse ecossistema, essas
plantas desenvolveram estruturas muito peculiares.
As estruturas adaptativas mais apropriadas para a sobrevivência desse grupo de plantas nas condições
ambientais do referido ecossistema são:
a) Cascas finas e sem sulcos ou fendas.
b) Caules estreitos e retilíneos.
c) Folhas estreitas e membranosas.
d) Gemas apicais com densa pilosidade.
e) Raízes superficiais, em geral, aéreas.

8
Biologia

4. A ocupação predatória associada à expansão da fronteira agropecuária e acelerada pelo plantio da soja
tem deflagrado, com a perda da cobertura vegetal, a diminuição da biodiversidade, a erosão do solo, a
escassez e a contaminação dos recursos hídricos no bioma cerrado. Segundo ambientalistas, o cerrado
brasileiro corre o risco de se transformar em um deserto. A respeito desse assunto, analise as afirmações
a seguir.
I. Considerando-se que, em 2006, restem apenas 25% da cobertura vegetal original do cerrado e que,
desse percentual, 3% sejam derrubados a cada ano, estima-se que, em 2030, o cerrado brasileiro se
transformará em deserto.
II. Sabe-se que a eventual extinção do bioma cerrado, dada a pobreza que o caracteriza, não causará
impacto sistêmico no conjunto dos biomas brasileiros.
III. A substituição de agrotóxicos por bioinseticidas reduz a contaminação dos recursos hídricos no
bioma cerrado.

É correto o que se afirma


a) apenas em I.
b) apenas em III.
c) apenas em I e II.
d) apenas em II e III.
e) em I, II e III

5. A análise de esporos de samambaias e de pólen fossilizados contidos em sedimentos pode fornecer


pistas sobre as formações vegetais de outras épocas. No esquema a seguir, que ilustra a análise de uma
amostra de camadas contínuas de sedimentos, as camadas mais antigas encontram-se mais distantes
da superfície.

Essa análise permite supor-se que o local em que foi colhida a amostra deve ter sido ocupado,
sucessivamente, por
a) floresta úmida, campos cerrados e caatinga.
b) floresta úmida, floresta temperada e campos cerrados.
c) campos cerrados, caatinga e floresta úmida.
d) caatinga, floresta úmida e campos cerrados.
e) campos cerrados, caatinga e floresta temperada.

9
Biologia

6. As florestas tropicais estão entre os maiores, mais diversos e complexos biomas do planeta. Novos
estudos sugerem que elas sejam potentes reguladores do clima, ao provocarem um fluxo de umidade
para o interior dos continentes, fazendo com que essas áreas de floresta não sofram variações extremas
de temperatura e tenham umidade suficiente para promover a vida. Um fluxo puramente físico de
umidade do oceano para o continente, em locais onde não há florestas, alcança poucas centenas de
quilômetros. Verifica-se, porém, que as chuvas sobre florestas nativas não dependem da proximidade do
oceano. Esta evidência aponta para a existência de uma poderosa “bomba biótica de umidade” em
lugares como, por exemplo, a bacia amazônica. Devido à grande e densa área de folhas, as quais são
evaporadores otimizados, essa “bomba” consegue devolver rapidamente a água para o ar, mantendo
ciclos de evaporação e condensação que fazem a umidade chegar a milhares de quilômetros no interior
do continente.
A. D. Nobre. Almanaque Brasil Socioambiental. Instituto Socioambiental, 2008, p. 368-9 (com adaptações).

As florestas crescem onde chove, ou chove onde crescem as florestas? De acordo com o texto,
a) onde chove, há floresta.
b) onde a floresta cresce, chove.
c) onde há oceano, há floresta.
d) apesar da chuva, a floresta cresce.
e) no interior do continente, só chove onde há floresta.

10
Biologia

7. A Uma pesquisadora deseja reflorestar uma área de mata ciliar quase que totalmente desmatada. Essa
formação vegetal é um tipo de floresta muito comum nas margens de rios dos cerrados no Brasil central
e, em seu clímax, possui vegetação arbórea perene e apresenta dossel fechado, com pouca incidência
luminosa no solo e nas plântulas. Sabe-se que a incidência de luz, a disponibilidade de nutrientes e a
umidade do solo são os principais fatores do meio ambiente físico que influenciam no desenvolvimento
da planta. Para testar unicamente os efeitos da variação de luz, a pesquisadora analisou, em casas de
vegetação com condições controladas, o desenvolvimento de plantas de 10 espécies nativas da região
desmatada sob quatro condições de luminosidade: Uma sob sol pleno e as demais em diferentes níveis
de sombreamento. Para cada tratamento experimental, a pesquisadora relatou se o desenvolvimento da
planta foi bom, razoável ou ruim, de acordo com critérios específicos. Os resultados obtidos foram os
seguintes:

Para o reflorestamento da região desmatada,


a) a espécie 8 é mais indicada que a 1, uma vez que aquela possui melhor adaptação a regiões com
maior incidência de luz.
b) recomenda-se a utilização de espécies pioneiras, isto é, aquelas que suportam alta incidência de luz,
como as espécies 2, 3 e 5.
c) sugere-se o uso de espécies exóticas, pois somente essas podem suportar a alta incidência
luminosa característica de regiões desmatadas.
d) espécies de comunidade clímax, como as 4 e 7, são as mais indicadas, uma vez que possuem boa
capacidade de aclimatação a diferentes ambientes.
e) é recomendado o uso de espécies com melhor desenvolvimento à sombra, como as plantas das
espécies 4, 6, 7, 9 e 10, pois essa floresta, mesmo no estágio de degradação referido, possui dossel
fechado, o que impede a entrada de luz.

11
Biologia

8. Na transpiração, as plantas perdem água na forma de vapor através dos estômatos. Quando os
estômatos estão fechados, a transpiração torna-se desprezível. Por essa razão, a abertura dos
estômatos pode funcionar como indicador do tipo de ecossistema e da estação do ano em que as plantas
estão sendo observadas. A tabela a seguir mostra como se comportam os estômatos de uma planta da
caatinga em diferentes condições climáticas e horas do dia.

Considerando a mesma legenda dessa tabela, assinale a opção que melhor representa o comportamento
dos estômatos de uma planta típica da Mata Atlântica.

a)

b)

c)

d)

e)

12
Biologia

9. Surtsey é uma ilha vulcânica situada perto da costa sul da Islândia. A erupção vulcânica que lhe deu
origem ocorreu na década de 1960, o que faz dela, seguramente, a ilha mais nova do Oceano Atlântico.
As primeiras espécies que aí se fixaram foram musgos e liquens. À medida que as aves foram fixando-
se na ilha, as condições do solo foram melhorando e espécies vegetais mais complexas puderam iniciar
a colonização do território. Em 1988 foi observada a presença do primeiro arbusto.
Disponível em: www.nacopadasarvores.blogspot.com.br. Acesso em: 25 maio 2012 (fragmento)

O conjunto das alterações ocorridas no ambiente descrito é exemplo de


a) nicho ecológico.
b) eficiência ecológica
c) sucessão ecológica.
d) irradiação adaptativa.
e) resistência ambiental.

10. A vegetação apresenta adaptações ao ambiente, como plantas arbóreas e arbustivas com raízes que se
expandem horizontalmente, permitindo forte ancoragem no substrato lamacento; raízes que se
expandem verticalmente, por causa da baixa oxigenação do substrato; folhas que têm glândulas para
eliminar o excesso de sais; folhas que podem apresentar cutícula espessa para reduzir a perda de água
por evaporação.
As características descritas referem-se a plantas adaptadas ao bioma:
a) Cerrado.
b) Pampas.
c) Pantanal.
d) Manguezal.
e) Mata de Cocais.

13
Biologia

Gabarito

1. B
As plantas com raízes mais fundas irão conseguir alcançar o lençol freático, podendo absorver água e sais
minerais. Já a superfície da folha coberta com cera evita a perda excessiva de água, além de proteger contra
a dessecação e contra os incêndios naturais.

2. B
I. As araucárias, também chamadas por vezes de pinheiro-do-Paraná, são gimnospermas típicas da
região Sul do Brasil.
II. Vegetação de caules tortuosos e cascas grossas são típicas do Cerrado, no semiárido brasileiro. Essas
adaptações são conhecidas como escleromorfismo oligotrófico aluminotóxico, decorrentes do solo
rico em metais pesados e pouco nutritivo.
III. Palmeiras são recorrentes na costa, sendo representativas da mata dos cocais.
IV. A Caatinga é uma região árida cujas plantas apresentam adaptações ao clima seco, como a presença
de espinhos no lugar das folhas, mas ainda assim apresenta uma biodiversidade expressiva.

3. D
A alta pilosidade protege as gemas apicais contra o fogo. Queimadas são comuns no Cerrado, e as plantas
são adaptadas a esse ambiente. Se ocorrer uma queimada, os pelos queimam, mas não a gema apical, que
permanece intacta.

4. B
Com o menor aporte de agrotóxicos, menor será a contaminação por esses componentes no solo e nos
corpos d’água, gerando menos impacto aos seres vivos.

5. A
Ao longo do processo sucessional, a abundância de epífitas é caracterizada de um bioma quente e úmido,
com alta biodiversidade. Após um certo tempo esta vegetação passou a ser composto ptincipalmente por
gramíneas, característico do campos de cerrado e por fim a presença de cactos, uma planta adaptada ao
clima seco, característico de um bioma de clima árido ou semi-árido, onde se encontra a caatinga.

6. B
Com a presença da floresta, há o aumento da umidade, fazendo com que chova.

7. B
As espécies pioneiras são adaptadas a uma alta insolação, sendo indicadas para o reflorestamento de uma
reegião desmatada.

8. E
A planta de mata atlântica tem uma resposta fisiológica de fechamento estomático menos eficiente quando
comparada a uma planta da caatinga; mas responderá as alterações ambientais abrindo ou fechando seus
estômatos.

14
Biologia

9. C
O processo de colonização de novos ambientes por espécies pioneiras e subsequente alteração das
comunidades ali viventes é uma sucessão ecológica.

10. D
De acordo com as características citadas da vegetação (raízes de ancoragem em solo lamacento e folhas
com glândulas que eliminam excesso de sais), tipifica o bioma Manguezal, um ecótono formado por
ambiente marinho, terrestre e dulcícola.

15
Biologia

Engenharia Genética – Arroz com feijão

Resumo

A engenharia genética consiste em técnicas de manipulação e recombinação dos genes, utilizando


conhecimentos científicos de diversas áreas, seja de processos bioquímicos e metabólicos, anabolismo nuclear
e genética. A partir dessas áreas e experimentos é possível reconstruir e mesmo criar novas sequências de DNA
ou mesmo seres vivos. A engenharia genética pode ser aplicada em diversos campos, sendo os mais
relacionados ao nosso dia a dia a medicina e a agropecuária.
Para todas essas técnicas serem possíveis de acontecer, a engenharia genética utiliza ezimas endonucleases,
que irão cortar o DNA em fragmentos específicos, e enzimas ligases, que irão unir os fragmentos.

• Enzimas de Restrição (endonucleases): responsáveis por cortar o DNA em pontos específicos


• DNA Ligase: unem os fragmentos de DNA

Clonagem
É quando temos indivíduos geneticamente idênticos. Ela pode acontecer de maneira natural (divisão binária de
bactérias, gêmeos homozigotos) ou com a ação humana, que neste caso consiste em colocar o núcleo de um
ser vivo em um óvulo anucleado de um outro ser vivo.
A ovelha Dolly é um exemplo clássico e bastante conhecido, e ela viveu durante seis meses apenas, devido ao
envelhecimento precoce devido ao desgaste dos telômeros (extremidades do DNA, que, quando curtos, realizam
menos mitoses e são indicativos de idade celular avançada). No Brasil também tivemos um caso de clonagem
de caprino, com a clonagem da bezerra Vitória em 2001.
A clonagem tem principalmente duas aplicações:
• Clonagem reprodutiva: Objetiva reproduzir um novo ser geneticamente igual a um já existente. Implementa-
se o núcleo de uma célula somática adulta em um óvulo anucleado. O embrião formado é implementado
em um útero onde irá se desenvolver o clone. É o caso da criação de Dolly, citada anteriormente. Importante
lembrar que casos de clonagem reprodutiva em humanos não são feitos devido a questões bioéticas, éticas,
sociais ou até mesmo religiosas que podem influenciar nas decisões. Na agropecuária, este processo é

1
Biologia
importante para manter os animais mais fortes e eficientes no gado ou haras, sem precisar contar com as
incertezas de um cruzamento (que não necessariamente dará uma prole com as características desejadas).

• Clonagem terapêutica: Retira-se o núcleo de uma célula somática de um paciente e o implementa em um


óvulo anucleado. Este óvulo então se desenvolve in vitro, ou seja, em uma placa em condições artificiais,
durante alguns dias. Quando as células estão desenvolvidas o suficiente, sofrem a diferenciação do tecido
desejado e são implementados no paciente, com objetivo de recuperar ou reconstruir um tecido.

2
Biologia
Existem também técnicas para a clonagem vegetal, onde uma planta parental é utilizada para produzir mudas
replicadas, com mesma composição genética. É um processo que também pode ser considerado como
reprodução assexuada.

• Enxertia: Ocorre quando há a união dos tecidos entre duas plantas, fazendo com que esses tecidos se unam
e vire uma planta só. A planta inserida é o enxerto, e a base é o porta-enxerto, com as funções de transporte
de substâncias. O porta-enxerto deve ser uma planta de crescimento rápido, e essa técnica é utilizada para
recuperação de plantações que foram atacadas por pragas, por exemplo, visto que o crescimento do enxerto
vai ser mais rápido por se aproveitar das raízes do porta-enxerto.

• Estaquia: Corta-se um galho da planta mãe e, ao enterrar este galho, ele cria raizes e forma uma nova planta.
Essa técnica é utilizada para criar novas mudas e aumentar o tamanho da plantação.

• Cultura de tecidos: Fragmentos de tecidos são retirados da planta mãe e colocadas em uma gelatina com
nutrientes e hormônios do crescimento. Esses fragmentos de tecido se desenvolvem em plântulas que ao
atingirem determinado tamanho, são transferidas para um vaso com terra para o desenvolvimento
completo das raízes e do novo vegetal. Essa técnica é utilizada para produção de mudas com finalidade
comercial, por exemplo, venda de orquídeas.

3
Biologia
Células-tronco
Células-tronco são células com capacidade de originar diferentes células do corpo humano e formar diferentes
tecidos. Elas podem ser encontradas em embriões, sendo chamadas de células-tronco embrionárias, que podem
ser totipotentes (totalmente indiferenciadas) ou pluripotentes (com grau de direrenciação equivalente ao seu
folheto embrionário) e em vários outros órgãos e tecidos humanos, como a medula óssea e a pele (células-
tronco adultas, também chamadas de multipotentes). Atualmente as células-tronco do cordão umbilical podem
ser retiradas e armazenadas, com aplicação clínica, semelhantes às da clonagem terapêutica.

Reação em Cadeia da Polimerase (PCR)


Nesta técnica, ocorre a fragmentação da molécula de DNA ao coloca-la em altas temperaturas. Estes fragmentos
são adicionados junto com primers, moléculas que iniciam a autoduplicação, e com enzimas chamadas de TAQ
Polimerase. Quando a temperatura abaixa, a TAQ Polimerase trabalha em conjunto com os primers para a
formação de novas cadeias de DNA. Estas novas cadeias serão cópias dos fragmentos formados com a quebra
do DNA.

4
Biologia
Testes de DNA (DNA Fingerprint)

A partir do DNA Fingerprint, é possível reconhecer bases de DNA, sendo utilizada principalmente quando é
necessário fazer o reconhecimento de pessoas, seja em um teste de paternidade ou em uma análise criminalista.
Neste processo, o DNA é cortado em diversos fragmentos por enzimas de restrição e são colocados para análise
em Eletroforese. Na eletroforese as amostras são colocadas em uma placa com um gel, e uma corrente elétrica
é liberada, fazendo com que os fragmentos do DNA se desloquem. Os fragmentos maiores, mais pesados, não
se movem muito, ficando na parte mais de cima, e os menores, mais leves, vão para parte mais inferior da placa.
A partir disto, é possível ver quais fragmentos são iguais nas diferentes amostras.
No caso de uma análise criminalística, o DNA testado e o DNA do culpado apresentação as mesmas faixas (que
podem ser chamadas de bandas) coloridas, indicando que ali há um fragmento de DNA. No caso de testes de
paternidade, o DNA da criança terá metade das faixas iguais as da mãe, e a outra metade iguais as do pai.

OGM e Transgenia

OGM, ou organismos geneticamente modificados são aqueles que tiveram sua sequência gênica alterada ou
modificada de alguma forma. Caso este organismo tenha essas modificações sem receber material genético de
outra espécie, ele será um OGM simples, apenas. Caso haja implementação de material genético de espécies
diferentes, teremos um transgênico.
Os transgênicos têm como objetivo melhorar e aprimorar um organismo a partir da implementação de novas
características ao organismo, como por exemplo resistência a pragas (agricultura) e produção de insulina
(importante no tratamento de diabetes), entre outros.

Existem discussões acerca da utilização de transgênicos, com fortes pontos a favor e contra a utilização destes
métodos]

5
Biologia
• VANTAGENS
− Expansão do conhecimento científico
− Aumento da qualidade nutritiva e da produtividade (maior resistência às pragas)
− Redução de custos
− Uso mais eficiente do solo (ex. plantio direto), evitando erosão

• DESVANTAGENS
− Ignora agrossistemas sustentáveis e seu uso no ambiente
− Atende apenas grandes produtores
− Aumento dos casos de alergia
− Seleção de pragas resistentes
− Perda de biodiversidade e erosão genética

6
Biologia

Terapia gênica
Na terapia gênica, há a transferência de material genético com objetivo de substituir ou completar um código
genético, previnindo ou curando determinadas doenças hereditárias. Esse DNA pode ser transferido
diretamente entre as células (terapia in vivo) ou ele pode ser retirado, replicado em laboratório, e depois utilizado
no tratamento (terapia ex vivo).
O DNA é inserido na célula a partir de vetores, que transportam a molécula para o núcleo celular. Ao ser
incorporado no material genético, este fragmento será transcrito e traduzido, produzindo as proteínas de
interesse.

Projeto Genoma Humano


O projeto genoma humano teve como objetivo determinar a sequência das bases nitrogenadas do DNA humano,
identificando e mapeando todos os genes presentes nos 24 cromossomos existentes na espécie humana (22
autossômicos e os 2 sexuais, o X e o Y). A partir dessas informações, é possível identificar áreas com anomalias,
propensão a doenças ou mesmo melhor entendimento do desenvolvimento do organismo e das células.

Novos rumos
A utilização de biotecnologia tem exercido mudanças significativas no nosso cotidiano. Como perspectivas, há
estudos para tornar mais acessível a determinação da sequência de bases de cada indivíduo, podendo, assim,
reconhecer mutações e prever a ação de medicamentos.
O câncer ainda é um desafio. Sabemos que são causados por diversas mutações e a interferência de forma
específica nessas células poderia melhorar as taxas de cura.
Doenças genéticas causadas por mutações em genes importantes, como anemia falciforme e distrofia
muscular, poderiam ser curadas com a incorporação do gene em falta ou substituição do gene que sofreu a
mutação.

1
Biologia

Exercícios

1. Engenharia Genética é o ramo da ciência que reune diversas técnicas para fins de manipulação dos genes
de qualquer organismo a partir de experimentos artificiais.
Enzimas de restrição são fundamentais à engenharia genética porque permitem:
a) a passagem de DNA através da membrana celular.
b) inibir a síntese de RNA a partir de DNA.
c) inibir a síntese de DNA a partir de RNA.
d) cortar DNA onde ocorrem sequências específicas de bases.
e) modificar sequências de bases do DNA.

2. A ovelha Dolly foi o primeiro mamífero a ser clonado com sucesso a partir de uma célula adulta. Em 1999
foi divulgado na revista Nature que Dolly poderia tender a desenvolver formas de envelhecimento precoce,
uma vez que os seus telômeros eram mais curtos que os das ovelhas normais. Uma maneira de se obter
um clone de ovelha é transferir o núcleo de uma célula somática de uma ovelha adulta A para um óvulo
de uma outra ovelha B do qual foi previamente eliminado o núcleo. O embrião resultante é implantado no
útero de uma terceira ovelha C, onde origina um novo indivíduo. Acerca do material genético desse novo
indivíduo, pode-se afirmar que:
a) o DNA nuclear e o mitocondrial são iguais aos da ovelha A.
b) o DNA nuclear e o mitocondrial são iguais aos da ovelha B.
c) o DNA nuclear e o mitocondrial são iguais aos da ovelha C.
d) o DNA nuclear é igual ao da ovelha A, mas o DNA mitocondrial é igual ao da ovelha B.
e) o DNA nuclear é igual ao da ovelha A, mas o DNA mitocondrial é igual ao da ovelha C.

3. A utilização de transgénicos é uma abordagem para a produção de determinados compostos de


interesse comercial, medicinal ou agronómico, por exemplo. O primeiro caso público foi a utilização da
bactéria E. coli, que foi modificada de modo a produzir insulina humana em finais da década de 1970.
Para definir um organismo transgênico, deve haver:
a) Clivagem artificial do DNA
b) Incorporação de informações genéticas de outra espécie
c) Troca de todo o material genético
d) Adição de genes de outro indivíduo da mesma espécie
e) Síntese de proteínas obrigatoriamente humanas por outros animais.

2
Biologia

4. O teste de paternidade por DNA é uma metodologia molecular utilizada para determinar se dois indivíduos
possuem vínculo biológico ou não, comparando as sequências de DNA entre eles. Pode ser utilizado
como prova legal para reivindicações de herança, direitos paternos, benefícios sociais e outras
circunstâncias que necessitam de uma prova de parentesco. Nos exames para teste de paternidade, o
DNA, quando extraído do sangue, é obtido:
a) das hemácias e dos leucócitos, mas não do plasma.
b) das hemácias, dos leucócitos e do plasma.
c) das hemácias, o principal componente do sangue.
d) dos leucócitos, principais células de defesa do sangue.
e) dos leucócitos e das globulinas, mas não das hemácias.

5. A terapia celular tem sido amplamente divulgada como revolucionária por permitir a regeneração de
tecidos a partir de células novas. Entretanto, a técnica de se introduzirem novas células em um tecido,
para o tratamento de enfermidades em indivíduos, já era aplicada rotineiramente em hospitais. A que
técnica refere-se o texto?
a) Vacina.
b) Biópsia.
c) Hemodiálise.
d) Quimioterapia.
e) Transfusão de sangue.

6. Um geneticista observou que determinada plantação era sensível a um tipo de praga que atacava as
flores da lavoura. Ao mesmo tempo, ele percebeu que uma erva daninha que crescia associada às plantas
não era destruída. A partir de técnicas de manipulação genética, em laboratório, o gene da resistência à
praga foi inserido nas plantas cultivadas, resolvendo o problema.
Do ponto de vista da biotecnologia, como essa planta resultante da intervenção é classificada?
a) Clone.
b) Híbrida.
c) Mutante.
d) Dominante.
e) Transgênica.

3
Biologia

7. Cinco casais alegavam ser os pais de um bebê. A confirmação da paternidade foi obtida pelo exame de
DNA. O resultado do teste está esquematizado na figura, em que cada casal apresenta um padrão com
duas bandas de DNA (faixas, uma para o suposto pai e outra para a suposta mãe), comparadas à do
bebê.

Que casal pode ser considerado como pais biológicos do bebê?


a) 1
b) 2
c) 3
d) 4
e) 5

4
Biologia

8. Em um laboratório de genética experimental, observou-se que determinada bactéria continha um gene


que conferia resistência a pragas específicas de plantas. Em vista disso, os pesquisadores procederam
de acordo com a figura.

Do ponto de vista biotecnológico, como a planta representada na figura é classificada?


a) Clone.
b) Híbrida.
c) Mutante.
d) Adaptada.
e) Transgênica.

5
Biologia

9. A reação em cadeia da polimerase (PCR, na sigla em inglês) é uma técnica de biologia molecular que
permite replicação in vitro do DNA de forma rápida. Essa técnica surgiu na década de 1980 e permitiu
avanços científicos em todas as áreas de investigação genômica. A dupla hélice é estabilizada por
ligações hidrogênio, duas entre as bases adenina (A) e timina (T) e três entre as bases guanina (G) e
citosina (C). Inicialmente, para que o DNA possa ser replicado, a dupla hélice precisa ser totalmente
desnaturada (desenrolada) pelo aumento da temperatura, quando são desfeitas as ligações hidrogênio
entre as diferentes bases nitrogenadas.
Qual dos segmentos de DNA será o primeiro a desnaturar totalmente durante o aumento da temperatura
na reação de PCR?

a) c) e)

b) d)

10. O mapeamento de toda a sequência de nucIeotídeos existente nos 23 pares de cromossomos humanos
a) é o que ainda falta fazer após a conclusão do projeto Genoma Humano em 2003.
b) é a condição necessária para se saber o número de moléculas de RNA existentes em nosso
organismo.
c) é o que nos permitiria conhecer qual a real proporção de proteínas em relação às moléculas de DNA
que possuímos.
d) é o que foi conseguido pelos pesquisadores há alguns anos, sendo apenas um passo no
conhecimento de nosso genoma.
e) significa decifrar o código genético, que só foi descoberto depois da conclusão do projeto Genoma
Humano em 2003.

6
Biologia

Gabarito

1. D
As enzimas de restrição são capazes de clivar o DNA, isto é, cortar em determinadas regiões.

2. D
O DNA nuclear é oriundo da célula que doou o núcleo, enquanto que o DNA mitocondrial é daquela que doou
a célula com o citoplasma, sem o núcleo.

3. B
Para definir um transgênico, o trecho de DNA acrescentado deve ser oriundo de outra espécie.

4. D
Hemácias não possuem núcleo, sendo assim, não há material genético (DNA) disponível. As globulinas são
proteínas, não sendo compostas de DNA. Assim, a célula que pode ser usada é um leucócito, tendo em
vista a presença de núcleo.

5. E
Transfusões sanguíneas configuram transplante de células uma vez que o sangue é um tecido, e o indivíduo
receptor receberá células/elementos figurados, como hemácias e leucócitos.

6. E
O recebimento de material genético, por engenharia genética, de um indivíduo de outra espécie, torna o ser
vivo um transgênico.

7. C
Todas as bandas coloridas do teste do bebê devem ter vindo de um dos parentais, assim como as bandas
em branco também devem combinar com ao menos um dos pais. Na sétima banda, de cima pra baixo, do
bebê, apenas a mãe no casal 3 e o bebê apresentam coloração, logo, o bebê é da mãe 3.

8. E
A transgenia consiste em um exemplo de engenharia genética, onde o DNA de um organismo é retirado e
adicionado ao DNA de outro organismo, que se torna capaz de expressar estes genes. No experimento
citado na questão, o DNA da bactéria resistente a pragas foi retirado e implantado no DNA da planta e, a
partir disto, a planta também se torna resistente a estas pragas.

9. C
Citosina e Guanina se ligam através de três ligações de hidrogênio, enquanto Adenina e Timina se ligam
através de duas ligações de hidrogênio. A molécula em questão sofrerá desnaturação mais facilmente
devido ao maior número de pares A-T.

10. D
O projeto genoma humano delimitou a sequência de nucleotídeos dos cromossomos humanos, sendo isso
um ponto inicial para o estudo da varabilidade genética humana e expressividade de genes, conhecimentos
relacionados ao genoma que ainda podem ser desenvolvidos.

7
Biologia

Engenharia genética - Gourmet

Resumo

A engenharia genética consiste em técnicas de manipulação e recombinação dos genes, utilizando


conhecimentos científicos de diversas áreas, seja de processos bioquímicos e metabólicos, anabolismo nuclear
e genética. A partir dessas áreas e experimentos é possível reconstruir e mesmo criar novas sequências de DNA
ou mesmo seres vivos. A engenharia genética pode ser aplicada em diversos campos, sendo os mais
relacionados ao nosso dia a dia a medicina e a agropecuária.
Para todas essas técnicas serem possíveis de acontecer, a engenharia genética utiliza ezimas endonucleases,
que irão cortar o DNA em fragmentos específicos, e enzimas ligases, que irão unir os fragmentos.

• Enzimas de Restrição (endonucleases): responsáveis por cortar o DNA em pontos específicos

• DNA Ligase: unem os fragmentos de DNA

Clonagem
É quando temos indivíduos geneticamente idênticos. Ela pode acontecer de maneira natural (divisão binária de
bactérias, gêmeos homozigotos) ou com a ação humana, que neste caso consiste em colocar o núcleo de um
ser vivo em um óvulo anucleado de um outro ser vivo.
A ovelha Dolly é um exemplo clássico e bastante conhecido, e ela viveu durante seis meses apenas, devido ao
envelhecimento precoce devido ao desgaste dos telômeros (extremidades do DNA, que, quando curtos, realizam
menos mitoses e são indicativos de idade celular avançada). No Brasil também tivemos um caso de clonagem
de caprino, com a clonagem da bezerra Vitória em 2001.
A clonagem tem principalmente duas aplicações:
• Clonagem reprodutiva: Objetiva reproduzir um novo ser geneticamente igual a um já existente. Implementa-
se o núcleo de uma célula somática adulta em um óvulo anucleado. O embrião formado é implementado
em um útero onde irá se desenvolver o clone. É o caso da criação de Dolly, citada anteriormente. Importante
lembrar que casos de clonagem reprodutiva em humanos não são feitos devido a questões bioéticas, éticas,
sociais ou até mesmo religiosas que podem influenciar nas decisões. Na agropecuária, este processo é

1
Biologia
importante para manter os animais mais fortes e eficientes no gado ou haras, sem precisar contar com as
incertezas de um cruzamento (que não necessariamente dará uma prole com as características desejadas).

• Clonagem terapêutica: Retira-se o núcleo de uma célula somática de um paciente e o implementa em um


óvulo anucleado. Este óvulo então se desenvolve in vitro, ou seja, em uma placa em condições artificiais,
durante alguns dias. Quando as células estão desenvolvidas o suficiente, sofrem a diferenciação do tecido
desejado e são implementados no paciente, com objetivo de recuperar ou reconstruir um tecido.

2
Biologia
Existem também técnicas para a clonagem vegetal, onde uma planta parental é utilizada para produzir mudas
replicadas, com mesma composição genética. É um processo que também pode ser considerado como
reprodução assexuada.

• Enxertia: Ocorre quando há a união dos tecidos entre duas plantas, fazendo com que esses tecidos se unam
e vire uma planta só. A planta inserida é o enxerto, e a base é o porta-enxerto, com as funções de transporte
de substâncias. O porta-enxerto deve ser uma planta de crescimento rápido, e essa técnica é utilizada para
recuperação de plantações que foram atacadas por pragas, por exemplo, visto que o crescimento do enxerto
vai ser mais rápido por se aproveitar das raízes do porta-enxerto.

• Estaquia: Corta-se um galho da planta mãe e, ao enterrar este galho, ele cria raizes e forma uma nova planta.
Essa técnica é utilizada para criar novas mudas e aumentar o tamanho da plantação.

• Cultura de tecidos: Fragmentos de tecidos são retirados da planta mãe e colocadas em uma gelatina com
nutrientes e hormônios do crescimento. Esses fragmentos de tecido se desenvolvem em plântulas que ao
atingirem determinado tamanho, são transferidas para um vaso com terra para o desenvolvimento
completo das raízes e do novo vegetal. Essa técnica é utilizada para produção de mudas com finalidade
comercial, por exemplo, venda de orquídeas.

3
Biologia

Células-tronco
Células-tronco são células com capacidade de originar diferentes células do corpo humano e formar diferentes
tecidos. Elas podem ser encontradas em embriões, sendo chamadas de células-tronco embrionárias, que podem
ser totipotentes (totalmente indiferenciadas) ou pluripotentes (com grau de direrenciação equivalente ao seu
folheto embrionário) e em vários outros órgãos e tecidos humanos, como a medula óssea e a pele (células-
tronco adultas, também chamadas de multipotentes). Atualmente as células-tronco do cordão umbilical podem
ser retiradas e armazenadas, com aplicação clínica, semelhantes às da clonagem terapêutica.

Reação em Cadeia da Polimerase (PCR)


Nesta técnica, ocorre a fragmentação da molécula de DNA ao coloca-la em altas temperaturas. Estes fragmentos
são adicionados junto com primers, moléculas que iniciam a autoduplicação, e com enzimas chamadas de TAQ
Polimerase. Quando a temperatura abaixa, a TAQ Polimerase trabalha em conjunto com os primers para a
formação de novas cadeias de DNA. Estas novas cadeias serão cópias dos fragmentos formados com a quebra
do DNA.

4
Biologia

Testes de DNA (DNA Fingerprint)


A partir do DNA Fingerprint, é possível reconhecer bases de DNA, sendo utilizada principalmente quando é
necessário fazer o reconhecimento de pessoas, seja em um teste de paternidade ou em uma análise criminalista.
Neste processo, o DNA é cortado em diversos fragmentos por enzimas de restrição e são colocados para análise
em Eletroforese. Na eletroforese as amostras são colocadas em uma placa com um gel, e uma corrente elétrica
é liberada, fazendo com que os fragmentos do DNA se desloquem. Os fragmentos maiores, mais pesados, não
se movem muito, ficando na parte mais de cima, e os menores, mais leves, vão para parte mais inferior da placa.
A partir disto, é possível ver quais fragmentos são iguais nas diferentes amostras.
No caso de uma análise criminalística, o DNA testado e o DNA do culpado apresentação as mesmas faixas (que
podem ser chamadas de bandas) coloridas, indicando que ali há um fragmento de DNA. No caso de testes de
paternidade, o DNA da criança terá metade das faixas iguais as da mãe, e a outra metade iguais as do pai.

5
Biologia

OGM e Transgenia
OGM, ou organismos geneticamente modificados são aqueles que tiveram sua sequência gênica alterada ou
modificada de alguma forma. Caso este organismo tenha essas modificações sem receber material genético de
outra espécie, ele será um OGM simples, apenas. Caso haja implementação de material genético de espécies
diferentes, teremos um transgênico.
Os transgênicos têm como objetivo melhorar e aprimorar um organismo a partir da implementação de novas
características ao organismo, como por exemplo resistência a pragas (agricultura) e produção de insulina
(importante no tratamento de diabetes), entre outros.

Existem discussões acerca da utilização de transgênicos, com fortes pontos a favor e contra a utilização destes
métodos]

• VANTAGENS
− Expansão do conhecimento científico
− Aumento da qualidade nutritiva e da produtividade (maior resistência às pragas)
− Redução de custos
− Uso mais eficiente do solo (ex. plantio direto), evitando erosão

• DESVANTAGENS
− Ignora agrossistemas sustentáveis e seu uso no ambiente
− Atende apenas grandes produtores
− Aumento dos casos de alergia
− Seleção de pragas resistentes
− Perda de biodiversidade e erosão genética

6
Biologia

Terapia gênica
Na terapia gênica, há a transferência de material genético com objetivo de substituir ou completar um código
genético, previnindo ou curando determinadas doenças hereditárias. Esse DNA pode ser transferido diretamente
entre as células (terapia in vivo) ou ele pode ser retirado, replicado em laboratório, e depois utilizado no
tratamento (terapia ex vivo).
O DNA é inserido na célula a partir de vetores, que transportam a molécula para o núcleo celular. Ao ser
incorporado no material genético, este fragmento será transcrito e traduzido, produzindo as proteínas de
interesse.

Projeto Genoma Humano


O projeto genoma humano teve como objetivo determinar a sequência das bases nitrogenadas do DNA humano,
identificando e mapeando todos os genes presentes nos 24 cromossomos existentes na espécie humana (22
autossômicos e os 2 sexuais, o X e o Y). A partir dessas informações, é possível identificar áreas com anomalias,
propensão a doenças ou mesmo melhor entendimento do desenvolvimento do organismo e das células.

Novos rumos
A utilização de biotecnologia tem exercido mudanças significativas no nosso cotidiano. Como perspectivas, há
estudos para tornar mais acessível a determinação da sequência de bases de cada indivíduo, podendo, assim,
reconhecer mutações e prever a ação de medicamentos.
O câncer ainda é um desafio. Sabemos que são causados por diversas mutações e a interferência de forma
específica nessas células poderia melhorar as taxas de cura.
Doenças genéticas causadas por mutações em genes importantes, como anemia falciforme e distrofia muscular,
poderiam ser curadas com a incorporação do gene em falta ou substituição do gene que sofreu a mutação.

7
Biologia

Exercícios

1. Se retirarmos o núcleo de uma célula-ovo de rã e o substituirmos por outro núcleo diploide de uma célula
de tecido epitelial normal de rã já adulta, a nova célula-ovo assim formada será capaz de produzir outra rã
normal. Dentre as alternativas a seguir, a que apresenta a melhor explicação sobre o que ocorre neste
caso, em relação à sequência funcional do DNA da célula diploide doadora, é:
a) Foi integralmente inativada.
b) Foi integralmente mantida ativa.
c) Expressou-se como na célula epitelial.
d) Expressou-se como um gameta haploide.
e) Deletou trechos de genes para diferenciar as células uma das outras.

2. O nascimento da ovelha Dolly foi considerado o primeiro clone de mamífero gerado artificialmente. Um
dos objetivos dessa pesquisa é a melhoria da pecuária, através da formação de rebanhos homogêneos.
Clones, no entanto, ocorrem naturalmente no cotidiano, lembra o geneticista Ademar Freire Maia em um
artigo do Boletim "Germinis" do Conselho Federal de Biologia. Qual seria a desvantagem biológica de um
rebanho de clones?
a) Maior variabilidade genética
b) Maior expectativa de duração da vida do clone
c) Um rebanho de clones seria constituído de indivíduos geneticamente idênticos e igualmente
suscetíveis ao impacto ambiental.
d) Apresenta baixa necessidade tecnológica para ser realizada.
e) Capacidade de produção em massa de novas ovelhas.

3. As luciferases são enzimas que catalisam reações biológicas transformando energia química em energia
luminosa. No vaga-lume há um gene que determina produção de luciferase. Por meio da engenharia
genética, esse gene foi transferido para uma célula vegetal, que foi regada com luciferina. O resultado
desse experimento indica que a planta:
a) incorporou um segmento de RNA do vaga-lume, a partir do qual as células da planta produziram
luciferase, de forma contínua.
b) incorporou um segmento de RNA do vaga-lume, a partir do qual as células da planta produziram DNA
e luciferase.
c) incorporou um segmento de DNA do vaga-lume, que possibilitou às células da planta a produção de
luciferase, enzima que catalisa a reação da luciferina para a formação de luz.
d) incorporou um segmento de DNA do vaga-lume, que não possibilitou a produção de RNA nem de
luciferase.
e) não expressou o gene do vaga-lume.

8
Biologia

4. Um novo método para produzir insulina artificial que utiliza tecnologia de DNA recombinante foi
desenvolvido por pesquisadores do Departamento de Biologia Celular da Universidade de Brasília (UnB)
em parceria com a iniciativa privada. Os pesquisadores modificaram geneticamente a bactéria Escherichia
coli para torná-la capaz de sintetizar o hormônio. O processo permitiu fabricar insulina em maior
quantidade e em apenas 30 dias, um terço do tempo necessário para obtê-la pelo método tradicional, que
consiste na extração do hormônio a partir do pâncreas de animais abatidos.
Ciência Hoje, 24 abr. 2001. Disponível em: http://cienciahoje.uol.com.br (adaptado).

A produção de insulina pela técnica do DNA recombinante tem, como consequência,


a) o aperfeiçoamento do processo de extração de insulina a partir do pâncreas suíno.
b) a seleção de microrganismos resistentes a antibióticos.
c) o progresso na técnica da síntese química de hormônios.
d) impacto favorável na saúde de indivíduos diabéticos.
e) a criação de animais transgênicos.

5. A estratégia de obtenção de plantas transgênicas pela inserção de transgenes em cloroplastos, em


substituição à metodologia clássica de inserção do transgene no núcleo da célula hospedeira, resultou no
aumento quantitativo da produção de proteínas recombinantes com diversas finalidades biotecnológicas.
O mesmo tipo de estratégia poderia ser utilizada para produzir proteínas recombinantes em células de
organismos eucarióticos não fotossintetizantes, como as leveduras, que são usadas para produção
comercial de várias proteínas recombinantes e que podem ser cultivadas em grandes fermentadores.
Considerando a estratégia metodológica descrita, qual organela celular poderia ser utilizada para inserção
de transgenes em leveduras?
a) Lisossomo.
b) Mitocôndria.
c) Peroxissomo.
d) Complexo golgiense.
e) Retículo endoplasmático.

6. Duas doenças não infecciosas que preocupam o homem moderno são a diabetes e o mal de Alzheimer.
Enquanto a cura de diabetes está sendo pesquisada através da engenharia genética, testes de laboratório
utilizando a melatonina indicaram bons resultados para controlar o mal de Alzheimer. A identificação de
genes responsáveis por diversas doenças, como a diabetes, por exemplo, pode possibilitar, no futuro, o
uso da terapia gênica. Essa técnica tem por objetivo "corrigir o efeito da mutação"...
a) induzindo mutações nos genes responsáveis pela doença.
b) inserindo cópias extras do alelo mutado.
c) substituindo o alelo mutado ou adicionando uma cópia correta do alelo.
d) produzindo proteínas funcionais em organismos de outra espécie.
e) inibindo a expressão do gene mutado nas células secretoras da proteína.

9
Biologia

7. O resultado de um teste de DNA para identificar o filho de um casal, entre cinco jovens, está representado
na figura. As barras escuras correspondem aos genes compartilhados.

Qual dos jovens é o filho do casal?


a) I
b) II
c) III
d) IV
e) V

8. "Nasceu no dia 27 de março de 2014, na Universidade de Fortaleza - Unifor, a primeira cabra clonada e
transgênica da América Latina. Chamada pelos cientistas de Gluca, ela possui uma modificação genética
que deverá fazer com que ela produza em seu leite uma proteina humana chamada glucocerebrosidase,
usada no tratamento da doença de Gaucher. Trata-se de uma doença genética relativamente rara, porém
extremamente custosa para o sistema público de saúde. Segundo informações levantadas pelos
pesquisadores, o Ministério da Saúde gasta entre RS 180 milhões e RS 250 milhões por ano com a
importação de tratamentos para pouco mais de 600 pacientes com Gaucher no Brasil.
As drogas importadas são baseadas em proteinas produzidas in vitro, cultivadas em células transgênicas
de hamster ou cenoura. A proposta da pesquisa brasileira é produzir a glucocerebrosidase no País, no leite
de cabras transgênicas, a custos muito inferiores ao da produção em células em cultura."
Texto adaptado do Jornal O Estado de São Paulo, 14/04/2014.

Baseando-se em alguns conceitos citados pelo texto, como transgênicos e clonagem, marque a alternativa
CORRETA.
a) Clonagem é a produção de indivíduos geneticamente iguais. É um processo de reprodução sexuada
que resulta na obtenção de cópias geneticamente idênticas do ser vivo.
b) A clonagem pode ser obtida através da transferência do núcleo de uma célula somática da cabra que
originou a Gluca, para um óvulo anucleado.
c) Sabe-se que a clonagem é um processo fácil de ser obtido. Em 1996, a ovelha Dolly nasceu depois
de apenas 2 tentativas que fracassaram.
d) Os transgênicos são organismos vivos modificados em laboratório, onde se altera o código genético
de uma espécie com introdução de uma ou mais sequências de DNA, provenientes do mesmo
organismo.
e) Transgênicos e Organismos Geneticamente Modificados (OGM) são sinônimos. Todo transgênico é
um organismo geneticamente modificado, e todo OGM é um transgênico.

10
Biologia

9. Alguns grupos de pesquisa brasileiros estão investigando bactérias resistentes a íons cloreto, como
Thiobacillus prosperus, para tentar compreender seu mecanismo de resistência no nível genético e, se
possível, futuramente transferir genes relacionados com a resistência a íons cloreto para bactérias não
resistentes usadas em biolixiviação (um tipo de biorremediação de efluentes), como Acidithiobacillus
ferrooxidans. Considerando as principais técnicas utilizadas atualmente em biologia molecular e
engenharia genética, a transferência de genes específicos de uma espécie de bactéria para outra deve ser
feita através
a) de cruzamentos entre as duas espécies, produzindo um híbrido resistente a íons cloreto.
b) da transferência para a bactéria não resistente de um plasmídeo recombinante, que contenha o gene
de interesse previamente isolado da bactéria resistente, produzindo um Organismo Geneticamente
Modificado (OGM).
c) da transferência de todo o genoma da bactéria resistente para a nova bactéria, formando uma espécie
nova de bactéria em que apenas o gene de interesse será ativado.
d) da simples clonagem da bactéria resistente, sem a modificação da bactéria suscetível a íons cloreto.
e) da combinação do genoma inteiro da bactéria suscetível com o genoma da bactéria resistente,
formando um organismo quimérico, o que representa uma técnica muito simples em organismos sem
parede celular, como as bactérias.

10. “A Engenharia Genética, mais apropriadamente chamada tecnologia do DNA recombinante, é um conjunto
de técnicas que permite aos cientistas identificar, isolar e multiplicar genes dos mais diversos organismos.
Envolvem, frequentemente, o isolamento, a manipulação e a introdução do DNA num chamado ‘corpo de
prova’, geralmente para exprimir um gene.” Conforme representado na figura abaixo, a utilização de
vetores é uma das principais ferramentas dessas “novas possibilidades” da Engenharia Genética.

Essa importância do uso de vetores se justifica por que:

a) Os plasmídios são encontrados no núcleo das células eucariotas e, ao serem transportados para as
bactérias, podem carregar genes de interesse para serem copiados.
b) Vírus, lipossomos e plasmídios, que funcionam como vetores, têm a função de promover a intensa
proliferação da célula de interesse, quando nela são inseridos, como acontece com bactérias
geneticamente modificadas.
c) Os plasmídios permitem a manipulação do material genético do DNA de todas as células, uma vez
que permitem tornar o DNA circular, de mais fácil manuseio pelos cientistas.
d) Os plasmídios são formados por DNA bacteriano e, por não possuírem genes vitais à bactéria, podem
ser manipulados, permitindo a inserção de genes, sem levar a bactéria à morte.
e) Os lipossomos, claramente representados no esquema acima, constituem os principais vetores
utilizados em Engenharia Genética, uma vez que são de fácil manipulação e podem entrar e sair
livremente das células.

11
Biologia

Gabarito

1. B
Toda célula possui o mesmo material genético, ativando vários genes na vida embrionária. Se há a formação
de um clone, com diversos tecidos e células DNA será expresso de modos distintos em diferentes células.

2. C
Um clone reduz a variabilidade genética, fazendo com que impactos ambientais atinjam maior número de
indivíduos ao mesmo tempo.

3. C
A questão descreve um exemplo de transgenia, onde um fragmento de DNA do vagalume foi inserido, a partir
de técnicas de engenharia genética, no material genético da planta, fazendo com que a proteína em questão
seja sintetizada.

4. D
A técnica permite a obtenção de insulina em maior quantidade e em apenas um terço do tempo que levaria
a técnica tradicional, o que causaria diretamente um impacto positivo na saúde dos diabéticos, dependentes
deste hormônio para regulação de sua glicemia.

5. B
A mitocôndria, devido a sua origem endossimbiótica, possui DNA próprio. A presença deste DNA próprio
favorece que essa organela seja utilizada para transgenia.

6. C
A terapia gênica consiste na transferência de material genético, visando a prevenção ou a cura de doenças.
Ao substituir/adicionar alelos normais, a mutação seria eliminada.

7. C
A ausência da 3ª barra tanto na mãe como no pai, exclui a possibilidade dos filhos serem o I e o V. Com o
mesmo raciocínio, podemos excluir os indivíduos II e IV, pela presença das barras inferiores, não presentes
nos pais. Desse modo, o indivíduo compatível, que apresenta os trechos presentes em pelo menos um dos
pais, é o número III.

8. B
Na clonagem, utiliza-se um núcleo diplóide, proveniente de uma célula somática, inserindo-o em um óvulo
anucleado, para o desenvolvimento do novo indivíduo.

9. B
Ao transferir um plasmídeo com o gene de interesse para outras bactérias, criam-se organismos
geneticamente modificados que, agora com esse fragmento de DNA no organismo, consegue se
autoduplicar e manter essa característica na população.

10. D
Os plasmídeos são fragmentos de Dna, que ficam no citoplasma bacteriano e não são essenciais para a
sobrevivencia desses organismos, apresentando apenas genes complementares independentes do DNA
cromossômico.

12
Biologia

Evolução - Feijão com Arroz

Resumo

Evolução é o processo através no qual ocorrem as mudanças ou transformações nos seres vivos ao longo do
tempo, dando origem a espécies novas. A evolução é suportada por diferentes evidências, chamadas de
evidências da evolução, como por exemplo:
• Registo fóssil;
• Evidências genéticas e bioquímicas, observando características citológicas e moleculares;
• Embriologia comparada, observando características semelhantes ao longo do desenvolvimento dos
organismos;
• Órgãos vestigiais;

Outros conceitos importantes para a evolução são:


• Homologia: mesma origem embriológica de estruturas de diferentes organismos, sendo que essas
estruturas podem ter ou não a mesma função. As estruturas homólogas sugerem ancestralidade comum.

• Analogia: refere-se à semelhança morfológica entre estruturas, em função de adaptação à execução da


mesma função. As asas dos insetos e das aves são estruturas diferentes quanto à origem embriológica,
mas ambas estão adaptadas à execução de uma mesma função: o voo. São, portanto, estruturas análogas.

1
Biologia

• Convergência evolutiva: quando espécies evolutivamente distintas apresentam características


semelhantes, e costumam apresentar órgãos análogos.

• Irradiação adaptativa: quando espécies que descendem de um mesmo ancestral em comum possuem
uma ampla diversidade, e costumam apresentar órgãos homólogos.

2
Biologia

Teorias evolutivas
Antes da teoria da evolução, acreditava-se no fixismo, onde todas as espécies surgiram no mundo da mesma
forma como elas são hoje em dia.
A teoria da evolução diz que os organismos se alteram ao longo do tempo. As principais teorias são:
• Lamarckismo: Lamarck foi o primeiro cientista a ir contra o fixismo. Ele criou a lei do uso e desuso e a lei
da transmissão dos caracteres adquiridos. Na verdade, nenhuma destas proposições são leis científicas.
• Darwinismo: Charles Darwin formulou a seleção natural em seu livro “A Origem das Espécies”, para explicar
a evolução dos seres. Ela diz que, em determinado ambiente, organismos com características mais
vantajosas sobrevivem e são selecionados, enquanto os outros morrem. A seleção natural pode ser
direcional, disruptiva ou estabilizadora:

Neodarwinismo: Também é conhecida como teoria sintética da evolução, ela inclui e relaciona a genética e a
variabilidade. São fatores que aumentam a variabilidade genética a mutação e o crossing over, enquanto a
seleção natural e a deriva gênica a diminuem.

A especiação é a formação de novas espécies. O conceito de espécie mais utilizado é o conceito biológico, que
diz que indivíduos são da mesma espécie quando conseguem se reproduzir e ter prole fértil. A especiação pode
ocorrer de forma linear, como na anagênese, ou se bifurcando e formando grupos irmãos, como na
cladogênese.

3
Biologia

Ela também pode ser:

• Alopátrica: É a mais comum, onde uma população, antes unida, é dividida por uma barreira geográfica, e
ocorre seleções independentes nas duas novas populações. Mesmo que a barreira seja removida, as
populações são de espécies diferentes.
• Simpátrica: Uma população em determinada área pára de se reproduzir com alguns dos indivíduos da
espécie (seja por motivo comportamental ou alterações genéticas), sem a presença de barreiras
geográficas, e com isso há uma especiação.

4
Biologia

5
Biologia

Exercícios

1. O Neodarwinismo é a teoria evolutiva atualmente aceita por toda a comunidade científica. O início do
século XX é inaugurado com o redescobrimento das leis de Mendel e marcado pelo desenvolvimento
explosivo da genética. Isso permitiu aos cientistas conhecer e compreender os mistérios das variações
que Darwin nunca soube explicar, pelo desconhecimento de algumas estruturas biológicas na época.
A teoria moderna da evolução, ou teoria sintética da evolução, incorpora os seguintes conceitos à teoria
original proposta por Darwin
a) mutação e seleção natural.
b) mutação e adaptação.
c) mutação e recombinação gênica.
d) recombinação gênica e seleção natural.
e) adaptação e seleção natural.

2. Considerando diferentes hipóteses evolucionistas, analise as afirmações abaixo e as respectivas


justificativas.
A – O Urso Polar é BRANCO porque vive na NEVE!
B – O Urso Polar vive na NEVE porque é BRANCO!

As afirmações A e B podem ser atribuídas, respectivamente, a:


a) Lamarck e Darwin.
b) Pasteur e Lamarck.
c) Pasteur e Darwin.
d) Darwin e Wallace.
e) Wallace e Darwin.

3. “O ambiente afeta a forma e a organização dos animais, isto é, quando o ambiente se torna muito
diferente, produz ao longo do tempo modificações correspondentes na forma e organização dos
animais… As cobras adotaram o hábito de se arrastar no solo e se esconder na grama; de tal maneira
que seus corpos, como resultado de esforços repetidos de se alongar, adquiriram comprimento
considerável…”
O trecho citado foi transcrito da obra Filosofia Zoológica de um famoso cientista evolucionista. Assinale
a alternativa que contém, respectivamente, a ideia transmitida pelo texto e o nome do seu auto
a) Seleção natural Charles Darwin.
b) Herança dos caracteres adquiridos Jean Lamarck.
c) Lei do uso e desuso Jean Lamarck.
d) Seleção artificial Charles Darwin.
e) Herança das características dominantes Alfred Wallace.

6
Biologia

4. A investigação de semelhanças entre o comportamento dos seres humanos em comparação aos dos
chimpanzés perdura há várias décadas. Mesmo conjugando essas duas espécies igual ramo evolutivo,
separadas por 4 milhões de anos de adaptação distinta, guardam menos de 2% de diferença genética,
isso quer dizer que seus genes se assemelham em 98%. Essas análises do DNA de chimpanzés
permitiram concluir que o homem é mais aparentado com eles do que com qualquer outro primata. Isso
permite concluir que:
a) o chimpanzé é ancestral do homem.
b) o chimpanzé e o homem têm um ancestral comum.
c) o homem e o chimpanzé são ancestrais dos gorilas.
d) a evolução do homem não foi gradual.
e) os chimpanzés são tão inteligentes quanto o homem, apresentando, inclusive, linguagem verbal.

5. Quais as características presentes nos indivíduos de uma espécie afim de que possamos afirmar que os
mesmos são mais adaptados em comparação a outros indivíduos da mesma espécie:
a) são maiores e solitários.
b) comem mais e apresentam cores vibrantes.
c) vivem mais e reproduzem mais.
d) apresentam mais membros como pernas ou patas.
e) são mais fortes.

6. A evolução é uma teoria que afirma que os seres vivos sofreram modificações ao longo do tempo. Essa
teoria é sustentada por algumas evidências, como a presença de estruturas que apresentam origem
embrionária semelhante, mas nem sempre a mesma função. Essas estruturas são chamadas de:
a) Homólogas.
b) Heterólogas.
c) Análogas.
d) Isólogas.
e) Plurólogas.

7. A mutação, a migração, a deriva genética e a seleção natural têm efeitos diferentes na variação genética
dentro das populações e entre as populações. Considerando populações diferentes, assinale a alternativa
que apresenta o fator que tem MAIOR CHANCE DE DIMINUIR a variação genética entre populações.
a) Mutação.
b) Recombinação.
c) Crossing over.
d) Migração.
e) Reprodução sexuada.

7
Biologia

8. São condições necessárias ao aparecimento de novas espécies:


a) A existência de diferenças genéticas dentro das populações, o isolamento geográfico e o reprodutivo.
b) A não-ocorrência de mutação e seleção natural.
c) A existência de recombinação genética e a ação da seleção natural.
d) A não-existência de diferenças genéticas dentro das populações e o isolamento reprodutivo.
e) A não-ocorrência do isolamento reprodutivo e mutação.

9. As baleias de barbatanas (misticetos) se alimentam de plâncton (krill e copépodos) e suas barbatanas


são utilizadas para filtrá-los. Nos flamingos, o mecanismo de filtração é bastante parecido, pois esses
animais apresentam uma mandíbula inferior grande, com extremidade anterior curva, franjas córneas
inseridas na mandíbula superior e língua grande e grossa, estruturas que permitem a retenção de
pequenos animais, como anelídeos, insetos e moluscos, presentes na água doce.

As características físicas dos dois animais que lhes conferem a capacidade de filtração mencionada no
texto resultam de um fenômeno conhecido como.
a) evolução convergente.
b) evolução divergente.
c) isolamento reprodutivo.
d) irradiação adaptativa.
e) transgenia

10. Há milhares de anos, uma ilha separou-se do continente. As espécies encontradas atualmente nessa ilha
são bem diferentes das espécies continentais, embora sejam aparentadas. O processo inicial, que
desencadeou o surgimento dessas espécies na ilha, foi
a) convergência.
b) isolamento reprodutivo.
c) isolamento geográfico.
d) mutação.
e) recombinação gênica..

8
Biologia

Gabarito

1. C
Darwin descreveu a teoria da seleção natural, porém sem indicar como as alterações nos organismos eram
geradas. O Neodarwinismo veio para acrescentar os novos conhecimentos às teorias originais do
darwinismo.

2. A
Na primeira afirmativa, acredita-se que o meio induziu uma alteração na espécie, uma ideia lamarckista. No
segundo caso, por ser branco, o urso está melhor adaptado ao ambiente, assim, seguindo os princípios de
Darwin.

3. C
“Como resultado de esforços repetidos de se alongar, adquiriram comprimento considerável” – tipicamente
mostra uma conclusão errônea de que o motivo de uma característica estar presente em uma espécie é o
maior uso dela ao longo da vida.

4. B
Mesmo tendo tamanha similaridade genética, as espécies se originaram de um ancestral em comum

5. C
Seres que sobrevivem mais apresentam uma maior probabilidade de se reproduzir, e também deixam
descendentes com seus genes e características na população.

6. A
Estruturas homólogas são aquelas que apresentam mesma origem evolutiva, mesmo que não apresentem
mesma função.

7. D
A migração faz com que haja mistura entre as populações de diferentes áreas, e com o cruzamento entre
esses indivíduos, o genótipo deles também vai se misturar. Onde antes haviam duas populações com
genótipos distintos, agora haverão populações com genótipos identicos, misturados.

8. A
De acordo com o conceito biológico de espécie, duas populações são de espécies diferentes quando eles
não conseguem mais se reproduzir ou produzir desendentes férteis, isso por conta de um isolamento
reprodutivo. Este isolamento usualmente está relacionado a um isolamento geográfico dos indivíduos.

9. A
Os animais apresentam estruturas com mesma função (filtração da água para obtenção de alimentos)
porém de origem embrionária diferente (nas baleias, a filtração ocorre por dentes modificados em barbas
ósseas, enquanto nos flamingos as franjas são derivadas do bico, com constituição córnea)

10. C
A separação das populações continentais da população das ilhas causou um isolamento geográfico entre
esses organismos, onde cada ambiente promoveu diferentes pressões seletivas, promovendo a diversidade.

9
Biologia

Evolução - Gourmet

Resumo

Evolução é o processo através no qual ocorrem as mudanças ou transformações nos seres vivos ao longo do
tempo, dando origem a espécies novas. A evolução é suportada por diferentes evidências, chamadas de
evidências da evolução, como por exemplo:
• Registo fóssil;
• Evidências genéticas e bioquímicas, observando características citológicas e moleculares;
• Embriologia comparada, observando características semelhantes ao longo do desenvolvimento dos
organismos;
• Órgãos vestigiais;

Outros conceitos importantes para a evolução são:


• Homologia: mesma origem embriológica de estruturas de diferentes organismos, sendo que essas
estruturas podem ter ou não a mesma função. As estruturas homólogas sugerem ancestralidade comum.

• Analogia: refere-se à semelhança morfológica entre estruturas, em função de adaptação à execução da


mesma função. As asas dos insetos e das aves são estruturas diferentes quanto à origem embriológica,
mas ambas estão adaptadas à execução de uma mesma função: o voo. São, portanto, estruturas análogas.

1
Biologia

• Convergência evolutiva: quando espécies evolutivamente distintas apresentam características


semelhantes, e costumam apresentar órgãos análogos.

• Irradiação adaptativa: quando espécies que descendem de um mesmo ancestral em comum possuem
uma ampla diversidade, e costumam apresentar órgãos homólogos.

2
Biologia

Teorias evolutivas
Antes da teoria da evolução, acreditava-se no fixismo, onde todas as espécies surgiram no mundo da mesma
forma como elas são hoje em dia.
A teoria da evolução diz que os organismos se alteram ao longo do tempo. As principais teorias são:
• Lamarckismo: Lamarck foi o primeiro cientista a ir contra o fixismo. Ele criou a lei do uso e desuso e a lei
da transmissão dos caracteres adquiridos. Na verdade, nenhuma destas proposições são leis científicas.
• Darwinismo: Charles Darwin formulou a seleção natural em seu livro “A Origem das Espécies”, para explicar
a evolução dos seres. Ela diz que, em determinado ambiente, organismos com características mais
vantajosas sobrevivem e são selecionados, enquanto os outros morrem. A seleção natural pode ser
direcional, disruptiva ou estabilizadora:

Neodarwinismo: Também é conhecida como teoria sintética da evolução, ela inclui e relaciona a genética e a
variabilidade. São fatores que aumentam a variabilidade genética a mutação e o crossing over, enquanto a
seleção natural e a deriva gênica a diminuem.

A especiação é a formação de novas espécies. O conceito de espécie mais utilizado é o conceito biológico, que
diz que indivíduos são da mesma espécie quando conseguem se reproduzir e ter prole fértil. A especiação pode
ocorrer de forma linear, como na anagênese, ou se bifurcando e formando grupos irmãos, como na
cladogênese.

3
Biologia

Ela também pode ser:

• Alopátrica: É a mais comum, onde uma população, antes unida, é dividida por uma barreira geográfica, e
ocorre seleções independentes nas duas novas populações. Mesmo que a barreira seja removida, as
populações são de espécies diferentes.
• Simpátrica: Uma população em determinada área pára de se reproduzir com alguns dos indivíduos da
espécie (seja por motivo comportamental ou alterações genéticas), sem a presença de barreiras
geográficas, e com isso há uma especiação.

4
Biologia

5
Biologia

Exercícios

1. Leia os trechos seguintes, extraídos de um texto sobre a cor de pele humana.


“A pele de povos que habitaram certas áreas durante milênios adaptou-se para permitir a produção de
vitamina D.”
“À medida que os seres humanos começaram a se movimentar pelo Velho Mundo há cerca de 100 mil
anos, sua pele foi se adaptando às condições ambientais das diferentes regiões. A cor da pele das
populações nativas da África foi a que teve mais tempo para se adaptar porque os primeiros seres
humanos surgiram ali.”
(Scientific American Brasil, vol.6, novembro de 2002).

Nesses dois trechos, encontram-se subjacentes ideias:


a) da Teoria Sintética da Evolução, que explica as mutações ao longo do tempo.
b) darwinistas, com a seleção natural.
c) neodarwinistas, avaliando a recombinação gênica.
d) lamarckistas, no qual o meio determina as alterações nas espécies.
e) sobre especiação, principalmente alopátrica.

2. Uma das formas de combate ao Aedes aegypti, mosquito que transmite a dengue, zika e chikungunya, é
a pulverização de inseticida, popularmente conhecido como fumacê. A nuvem de fumaça de inseticida
espalhada pelas ruas e residências tenta matar o mosquito para evitar que mais gente contraia dengue
e zika.
O emprego maciço dos inseticidas sintéticos tem provocado o aparecimento de indivíduos resistentes
ao veneno. Em 1964, havia pelo menos 140 espécies que tinham adquirido resistência aos vários
inseticidas, das quais 80 eram vetores de doenças, como os anófeles. Essa resistência ocorre porque os
inseticidas:
a) provocam mutações nas células somáticas, quando incorporados pelo ser vivo.
b) selecionam os indivíduos, preservando os mais resistentes, que irão originar outras gerações
resistentes.
c) provocam uma adaptação dos indivíduos, por meio do desenvolvimento de defesa imunológica
contra o inseticida.
d) somente são absorvidos por indivíduos geneticamente modificados em laboratório.
e) provocam a morte apenas dos machos, favorecendo o desenvolvimento de resistência nas fêmeas.

6
Biologia

3. Evolução é a mudança das características hereditárias de uma população de seres vivos de uma geração
para outra. Este processo faz com que as populações de organismos mudem e se diversifiquem ao longo
do tempo. Em relação às evidências da evolução biológica, é correto afirmar que:
a) um órgão vestigial, como o apêndice vermiforme no homem, não é evidência da evolução, porque é
uma estrutura atrofiada e sem função aparente.
b) a pata dianteira de um cavalo e a asa de um morcego constituem evidência da evolução, porque são
estruturas homólogas, apesar de o cavalo ter perdido os dedos, enquanto no morcego estes não só
foram mantidos como alongados.
c) a asa de uma ave e o élitro (asa dura) de um besouro podem ser considerados como evidência da
evolução, porque são estruturas análogas, que possuem origem embriológica diferente.
d) os fósseis constituem uma evidência da evolução, porque mostram que os organismos atuais são
mais especializados e mais adaptados que os extintos.
e) a embriogênese é uma evidência da evolução, porque mostra que uma célula ovo evolui para mórula,
blástula, gástrula e embrião, que, finalmente, evolui para o indivíduo adulto.

4. A seleção natural configura-se como o principal conceito dentro da teoria da evolução proposta por
Darwin. Observe as alternativas abaixo e marque aquela que indica corretamente a ideia de seleção
natural.
a) Os organismos mais fortes sobrevivem e transmitem essa característica para os seus descendentes.
b) Os organismos mais fortes conseguem reproduzir-se e impedir a reprodução dos mais fracos.
c) Os organismos mais aptos são selecionados pelo meio e todos os organismos mais fracos são
extintos.
d) Os organismos mais aptos a sobreviver no ambiente apresentam maior chance de reprodução e
transmissão da característica vantajosa para os seus descendentes.
e) Apenas os organismos mais fortes reproduzem-se e produzem descendentes férteis.

5. A partir da teoria da evolução, é aceito que os organismos são aparentados e descendem de um ancestral
comum. Com relação às evidências da evolução, assinale o que for correto.
a) Os órgãos de mesma origem embrionária e com semelhanças anatômicas são chamados de
análogos.
b) As comparações de DNA entre as diferentes espécies não têm revelado grau de semelhança entre
os genes e não podem ser utilizados em estudos evolutivos.
c) Órgãos análogos são aqueles que têm a mesma origem embrionária e funções diferentes.
d) Os órgãos vestigiais não são utilizados nos estudos de evolução por, em nenhum momento,
indicarem relações evolutivas.
e) O braço humano, a nadadeira do golfinho e a asa do morcego são estruturas homólogas.

7
Biologia

6. Os pesquisadores Robert Simmons e Lue Scheepers questionaram a visão tradicional de como a girafa
desenvolveu o pescoço comprido. Observações feitas na África demonstraram que as girafas que
atingem alturas de 4 a 5 metros, geralmente se alimentam de folhas a 3 metros do solo. O pescoço
comprido é usado como uma arma nos combates corpo a corpo pelos machos na disputa por fêmeas.
As fêmeas também preferem acasalar com machos de pescoço grande. Esses pesquisadores
argumentam que o pescoço da girafa ficou grande devido à seleção sexual; machos com pescoços mais
compridos deixavam mais descendentes do que machos com pescoços mais curtos.
(Simmons and Scheepers, 1996. American Naturalist Vol. 148: pp. 771-786. Adaptado)

Sobre a visão tradicional de como a girafa desenvolve um pescoço comprido, é CORRETO afirmar que:
a) na visão tradicional baseada em Darwin, a girafa adquire o pescoço comprido pela lei de uso e desuso.
As girafas que esticam seus pescoços geram uma prole que já nasce com pescoço mais comprido
e, cumulativamente, através das gerações, o pescoço, em média, aumenta de tamanho.
b) na visão tradicional baseada em Lamarck, a girafa adquire o pescoço comprido com a sobrevivência
diferencial de girafas. Aquelas com pescoço comprido conseguem se alimentar de folhas
inacessíveis às outras, e deixam, portanto, mais descendentes.
c) na visão tradicional baseada em Lamarck, a girafa adquire o pescoço comprido pela lei do uso e
desuso. Aquelas com pescoço comprido conseguem se alimentar de folhas inacessíveis às outras,
e deixam, portanto, mais descendentes.
d) na visão tradicional baseada em Darwin, a girafa adquire o pescoço comprido com a sobrevivência
diferencial de girafas. Aquelas com pescoço comprido conseguem se alimentar de folhas
inacessíveis às outras, e deixam, portanto, mais descendentes.
e) na visão tradicional baseada em Darwin, a girafa adquire o pescoço comprido com a sobrevivência
diferencial de girafas. As girafas que esticam seus pescoços geram uma prole que já nasce com
pescoço mais comprido e, cumulativamente, através das gerações, o pescoço, em média, aumenta
de tamanho.

7. Um pesquisador observou que os vaga-lumes de uma dada população (A) emitem sinais luminosos
longos e azulados e que os de outra população (B) emitem sinais curtos e avermelhados; observou
também que os animais da população A não se cruzam com os da população B. Essas observações
exemplificam um caso de isolamento reprodutivo do tipo
a) mecânico.
b) estacional.
c) ecológico.
d) gamético.
e) etológico.

8
Biologia

8. Experimentos realizados no século XX demonstraram que hormônios femininos e mediadores químicos


atuam no comportamento materno de determinados animais, como cachorros, gatos e ratos, reduzindo
o medo e a ansiedade, o que proporciona maior habilidade de orientação espacial. Por essa razão, as
fêmeas desses animais abandonam a prole momentaneamente, a fim de encontrar alimentos, o que
ocorre com facilidade e rapidez. Ainda, são capazes de encontrar rapidamente o caminho de volta para
proteger os filhotes.
VARELLA, D. Borboletas da alma: escritos sobre ciência e saúde. Companhia das Letras, 2006 (adaptado).

Considerando a situação descrita sob o ponto de vista da hereditariedade e da evolução biológica, o


comportamento materno decorrente da ação das substâncias citadas é.
a) transmitido de geração a geração, sendo que indivíduos portadores dessas características terão
mais chance de sobreviver e deixar descendentes com as mesmas características.
b) transmitido em intervalos de gerações, alternando descendentes machos e fêmeas, ou seja, em uma
geração recebem a característica apenas os machos e, na outra geração, apenas as fêmeas.
c) determinado pela ação direta do ambiente sobre a fêmea quando ela está no período gestacional,
portanto todos os descendentes receberão as características.
d) determinado pelas fêmeas, na medida em que elas transmitem o material genético necessário à
produção de hormônios e dos mediadores químicos para sua prole de fêmeas, durante o período
gestacional.
e) determinado após a fecundação, pois os espermatozoides dos machos transmitem as
características para a prole e, ao nascerem, os indivíduos são selecionados pela ação do ambiente.

9. A recapitulação é uma ideia audaciosa e influente, associada especialmente a Ernst Haeckel. Segundo a
teoria da recapitulação, as fases de desenvolvimento de um organismo (ontogenia) correspondem à
história de sua espécie (filogenia). A aparência transitória de estruturas semelhantes a fendas branquiais
no desenvolvimento de humanos e outros mamíferos é um exemplo notável. Os mamíferos evoluíram de
um estágio ancestral de peixe e suas fendas branquiais embrionárias recapitulam tal ancestralidade.
RIDLEY, M. Evolução. Porto Alegre: Artmed, 2006 (adaptado).

Com base nos pressupostos da teoria da recapitulação, a assertiva que melhor a resume é:
a) “A ontogenia recapitula a filogenia”.
b) “A vida recapitula a morte dos antepassados”.
c) “A teoria da vida recapitula a história da vida”.
d) “A aparência transitória é um exemplo notável”.
e) “A ontogenia consiste na formação das brânquias dos peixes”.

9
Biologia

10. “As mudanças climáticas podem trazer grande confusão para o padrão existente da diversidade das
plantas, com consequências que ainda nos são desconhecidas para os ecossistemas e para a
humanidade”, afirmou o cientista Jan Henning Sommer, da Universidade de Bonn. O estudo não permite
conclusões absolutas sobre que espécies irão desaparecer, se adaptar ou migrar para outras regiões.
Disponível em: http://www.mudancasclimaticas.andi.org.br/node/1365/

O termo “se adaptar”, usado acima, deve ser compreendido, do ponto da moderna teoria evolutiva,
admitindo-se que os vegetais sofrem:.
a) mutações intencionais, selecionadas pelo ambiente e transmitidas aos ascendentes, sendo uma
interpretação neodarwinista.
b) mutações ao acaso, selecionadas pelo ambiente e transmitidas aos descendentes, sendo uma
interpretação neodarwinista.
c) mudanças intencionais para sobreviver e passam estas características à descendência, sendo uma
interpretação lamarquista.
d) mudanças condicionadas pelo uso e desuso, selecionadas pelo ambiente e transmitidas aos
ascendentes, sugerindo uma interpretação darwinista.
e) mutações ao acaso, selecionadas pelo ambiente e transmitidas aos descendentes, sendo assim
uma interpretação lamarquista.

10
Biologia

Gabarito

1. D
As ideias de Lamarck, como “lei” do uso e desuso e da transmissão dos caracteres adquiridos, indicam que
o meio induz alterações nos indivíduos ao longo do tempo, e que essas novas características passariam
para os descendentes, o que sabemos hoje ser afirmativas incorretas.

2. B
A exposição ao inseticida favorece a pressão seletiva sobre os vetores com resistência à substância. Com
a reprodução desses animais, essas características podem ser passadas para a descendência.

3. B
Estruturas homólogas são aquelas que possuem um mesmo ancestral em comum (são ambos mamíferos)

4. D
Pela seleção natural, indivíduos com características adaptativas mais vantajosas para determinado
ambiente conseguem sobreviver naquele ambiente, conseguindo se reproduzir e gerando descendentes,
que também terão estas características vantajosas.

5. E
Humanos, golfinhos e morcegos são mamíferos, que apresentam um mesmo ancestral comum e, por mais
que os membros tenham funções diferentes, o crescimento ósseo de todos esses animais ocorre de
maneira semelhante.

6. D
Pela seleção natural de Darwin, girafas com pescoço comprido apresentam características adaptativas
para conseguir se alimentar em árvores mais altas, o que aumenta sua taxa de sobrevivência em
comparação com as girafas de pescoço curto, que sem se alimentarem, morrem e não deixam
descendentes.

7. E
Como o comportamento reprodutivo dos insetos é diferente, dizemos que há um isolamento etológico. Este
tipo de isolamento reprodutivo pode ocorrer, por exemplo, quando há especiação simpátrica (não há
migração nem presença de barreira geográfica).

8. A
A característica em questão é determinada por genes, e transmitidas através das gerações no momendo
da fecundação. Fêmeas que apresentam esse comportamento conseguem ter um maior cuidado parental,
permitindo uma maior taxa de sobrevivência dos filhotes que também terão essas características, e
também cuidarão de seus filhotes. Fêmeas sem esse comportamento acabam tendo uma maior chance
de perder sua prole, e a falta desse comportamento acaba diminuindo na população pela ausência de
descendentes sem estes genes.

9. A
A ontogenia fala sobre o desenvolvimento embrionário dos organismos. Ao estudar esse desenvolvimento,
nos diferentes grupos, é possível observar as diferenças e semelhanças entre os processos, permitindo que
essas informações sejam aplicadas a analises filogenéticas, demonstrando as relações evolutivas.

11
Biologia

10. B
As mutações são eventos aleatórios no material genético dos indivíduos, e caso essas características
tragam vantagem a estes, eles terão uma maior taxa de sobrevivência e reprodução, transmitindo esses
genes (consequentemente as características) aos descendentes. Essa relação de seleção natural com
aspectos bioquímicos e moleculares é visto na teoria sintética da evolução, o neodarwinismo.

12
Biologia

Fisiologia humana

Resumo

Digestão Humana
• Boca: faz a digestão mecânica através dos dentes e química através da amilase salivar (ptialina). O pH da
boca é 7.

• Faringe: tubo comum ao sistema digestório e respiratório, onde o ar vai para a laringe e o alimento vai para
o esôfago

• Esôfago: tubo onde começa o movimento do peristáltico para empurrar o bolo alimentar durante todo o
tubo digestivo

• Estômago: lugar onde é secretado o suco gástrico contendo ácido clorídrico que torna o pH ácido. Ali
ocorre a digestão das proteínas pela ação da pepsina. No recém-nascido existe uma enzima chamada
renina para a digestão das proteínas presentes no leite. O pH do estômago é 2.

• Duodeno: é a primeira parte do intestino delgado, onde é secretado o suco entérico com enzimas para
digerir proteínas, lipídios e carboidratos. Neste local há a atuação de duas glândulas anexas: o fígado, que
produz a bile que servirá para emulsificar gorduras e o pâncreas que secretará bicarbonato de sódio para
manter o pH 8, além de enzimas para a digestão proteínas, lipídios, carboidratos e ácidos nucleicos.

• Jejuno-íleo: local onde há microvilosidades para aumentar a superfície de contato na absorção de


micronutrientes

• Intestino grosso: ele é dividido em:


1. ceco - é onde se encontra o apêndice que tem um papel secundário de armazenar células de defesa
2. cólon - ali são reabsorvidos água e sais minerais. As fezes são remodeladas para a saída no ânus
3. reto - parte final onde as fezes estão prontas para ser eliminadas no ânus.
4. ânus - parte final do tubo digestivo onde são eliminadas as fezes

1
Biologia

Respiração Humana
• Fossas Nasais: estrutura que possuem pelos e muco para retenção de impurezas presentes no ar. Além
disso, eles servem para aquecer o ar inalado.

• Faringe: estrutura comum ao sistema digestório e respiratório, onde encaminha o ar para a laringe

• Laringe: possui uma válvula chama glote que se abre para a passagem de ar e se fecha para a passagem
do alimento, evitando assim que o alimento obstrua a passagem do ar. Ali também são encontradas as
cordas vocais, onde permitem a saída dos sons emitidos para a comunicação.

• Traqueia e Brônquios: tubo rígido com discos cartilaginosos para evitar que a traqueia se feche e um
epitélio ciliado secretor de muco para retirada de patógenos ou impurezas.

• Bronquíolos: tubos ramificados onde se encontram os alvéolos

• Alvéolo: lugar onde ocorre a troca gasosa em um processo chamado hematose (saída de gás carbônico e
entrada de oxigênio)

• Diafragma: estrutura muscular que ajudará no processo de inspiração e expiração

O controle respiratório é mediado pela acidez sanguínea, já que quando realizamos alguma atividade física,
liberamos muito gás carbônico e consequentemente o íon bicarbonato, deixando o sangue ácido. Esta acidez
sensibiliza o bulbo que controla o ritmo respiratório e acelera a respiração para que você libere mais CO 2,
alcalinizando o sangue.

• CO2: é transportado pelo sangue principalmente através do íon bicarbonato dissolvido no plasma

• O2: é transportado pelo sangue principalmente através da oxiemoglobina

Obs.: o monóxido de carbono (CO) possui uma ligação estável com a hemoglobina, impedindo a hemoglobina
de se ligar a outra molécula. Assim, caso seja inalado este gás em grandes quantidades pode levar a morte.

2
Biologia

Circulação Humana
A circulação humana é fechada e ocorre em um coração com quatro cavidades. A circulação é separada em
duas fases:

• Circulação sistêmica ou grande circulação: Percorre do ventrículo esquerdo até o átrio direito; nessa
circulação, o sangue oxigenado fornece gás oxigênio aos diversos tecidos do corpo, além de trazer ao
coração o sangue não oxigenado dos tecidos.

• Circulação pulmonar ou pequena circulação: Percorre do ventrículo direito até o átrio esquerdo. Nessa
circulação, o sangue passa pelos pulmões, onde é oxigenado.

O coração humano é dividido em quatro cavidades: Dois átrios e dois ventrículos, esquerdos e direitos. O sangue
venoso chega ao coração pelas veias cavas, indo para o átrio direito. Do átrio direito, o sangue é bombeado ao
ventrículo direito, que manda o sangue para os pulmões pelas artérias pulmonares, onde o sangue venoso será
oxigenado, tornando-se arterial, através do processo da hematose. O sangue, agora arterial, volta ao coração
através das veias pulmonares, chegando ao átrio esquerdo, passa ao ventrículo esquerdo, e deixa o coração
pela artéria aorta, que distribuirá o sangue pelo corpo, completando o ciclo.

3
Biologia

Os movimentos cardíacos são conhecidos como sístole e diástole e são controlados pelo nódulo sinoatrial
(marcapasso natural). A contração é chamada sístole, enquanto o relaxamento é chamado diástole. Para
manter o ritmo cardíaco, enquanto os átrios estão em sístole, os ventrículos estão em diástole, e vice- versa.

Excreção Humana
A principal excreta nitrogenada humana é a ureia, sintetizada no fígado a partir da amônia, no ciclo da ureia. O
principal órgão excretor humano são os rins, que sintetizam a urina a partir de suas unidades funcionais, os
néfrons. Os rins podem ser divididos em uma região periférica (córtex) e uma região mais interna (medula). Os
néfrons estão localizados no córtex, e terminam em túbulos coletores que, juntos, formam as pirâmides renais.
Essa urina formada nos néfrons segue das pirâmides renais até o cálice renal, uma câmara no interior do rim,
e de lá segue até a pelve renal, que forma um tubo, originando o ureter, que segue até a bexiga, onde a urina
será armazenada até ser eliminada pelo canal da uretra.

O néfron é a unidade funcional renal, onde ocorre a filtração de sangue para a eliminação da ureia pela urina. O
sangue chega ao glomérulo em alta velocidade por arteríolas, e a alta pressão extravasa diversas substâncias,
como água, glicose, sais minerais (como Sódio), ureia e aminoácidos (não proteínas, já que estas são moléculas
grandes demais). Essas substâncias formam o filtrado glomerular, que é captado pela Cápsula de Bowman. Ao

4
Biologia

longo do túbulo contorcido proximal e da alça descendente (parte proximal da Alça de Henle) há uma
reabsorção dos solutos, com exceção da ureia, mediada pelo hormônio aldosterona.O retorno destas
substâncias à corrente sanguínea pode aumentar a pressão arterial, sendo então inibidores de aldosterona
populares remédios contra alta pressão arterial.
A partir da segunda metade da Alça de Henle (porção da alça ascendente) e do tubulo contorcido distal, há a
reabsorção de água, mediada pelo hormônio ADH, que abre canais proteicos conhecidos como aquaporinas,
filtrando a água presente nessa urina semi-formada, deixando-a mais concentrada e evitando a desidratação
por desperdício de água. A produção de ADH pode ser inibida pelo consumo de álcool, o que significa que a
reabsorção de água estará prejudicada, o que causa a exagerada diurese quando o indivíduo está alcoolizado.
A deficiência na produção ou insensibilidade ao efeito do ADH é causa resultante da doença Diabetes Insipidus,
que é caracterizada por intensa diurese, sede e potencial desidratação do indivíduo. No caso da diabetes
mellitus, doença agregada a um quadro de excesso de açúcar no sangue, essa glicose excedente permanece
na urina, não sendo completamente absorvida, e retendo água por ser osmoticamente ativa. Essa retenção de
água é o motivo dos diabéticos terem muita vontade de urinar.

Controle nervoso
• Sistema nervoso central: Formado pelo encéfalo e pela medula. A região chamada de massa cinzenta é
formada pelos corpos celulares (externa no encéfalo e interna na medula) e a massa branca é formada
pelos denditros e axônios (interna no encéfalo e externa na medula).

• Formado pelos gânglios nervosos e nervos.

O sistema nervoso também pode ser dividido em sistema nervoso somático e sistema nervoso autônomo. O
sistema nervoso somático está relacionado aos movimentos controlados voluntariamente ou mesmo de
reação à estímulos externos de maneira involuntária. Um exemplo de resposta involuntária deste sistema é o
ato reflexo. A partir de um estímulo, o nervo sensorial (também chamado de nervo sensitivo ou aferente) leva o
estímulo até a medula óssea e retorna ao músculo pelo nervo motor (também chamado de nervo eferente),
realizando o movimento.
O sistema nervoso autônomo é responsável pela manutenção das funções vitais, feitas inconscientemente,
para manter respiração, digestão e circulação por exemplo. Ele pode ser dividido em:
• Parassimpático: Responsável por controlar o metabolismo em situações de repouso e calma.
• Simpático: Responsável por controlar o metabolismo em situações de estresse e atenção.

5
Biologia

Controle Endócrino
Através da coordenação endócrina é feita a homeostase do corpo, onde o organismo consegue manter as
condições internas necessárias para a vida. Quando ocorre uma mudança no sistema, o organismo prepara
uma resposta para essa variação, que chamamos de retroalimentação ou feedback. O feedback pode ser
classificado como positivo ou negativo e é definido como um conjunto de respostas que o organismo produz
diante de um desequilíbrio ou uma necessidade corporal.

• Hipófise: Dividida em duas partes, é responsável pela produção, recebimento e secreção de hormônios.
Possuem glândula mestre que estimula a produção de outros hormônios em várias glândulas do corpo. É
dividida em hipófise anterior (adenohipofise - produz e secreta seus próprios hormônios) e hipófise
posterior (neurohipófise - recebe hormônios produzidos pelo hipotálamo e os secreta na corrente
sanguínea)

6
Biologia

• Pineal: Também conhecida como epífise neural, essa glândula secreta o hormônio melatonina,
responsável pelos ritmos do corpo (ciclo circadiano), relógio biológico e sono. Ela também é responsável
pela nossa entrada na puberdade. No escuro, essa glândula apresenta uma maior funcionamento do que
na parte clara do dia, em que esse hormônio é produzido em menor quantidade.

• Tireoide: Glândula responsável por regular o metabolismo celular, através dos hormônios tiroxina (T4) e
triiodotironina (T3). A carência desses hormônios pode originar a doença chamada Cretinismo, em que a
falta desses hormônios gera problemas no desenvolvimento de ossos, tecidos e é responsável por um
retardo mental.

• Paratireoide: Glândula responsável pela produção do hormônio paratormônio, que regula a concentração
de cálcio e fósforo no sangue. É esse hormônio que retira o cálcio dos ossos para a corrente sanguínea. O
paratormônio atua em feedback negativo com a calcitonina, responsável pela incorporação do cálcio nos
ossos.

• Pâncreas: Responsável pela produção de insulina e glucagon, faz o controle da glicose no sangue e
apresenta o mecanismo de feedback negativo com esses hormônios (um inibe a ação do outro). Esses
dois hormônios são produzidos pelas ilhotas de Langerhans, também conhecidas como ilhotas
pancreáticas.

• Adrenais: Também chamada de suprarrenais, são as glândulas que estão localizadas acima dos rins. Cada
adrenal é envolvida por uma cápsula e dividida em duas partes: córtex (camada externa) e medula (parte
central). As glândulas adrenais secretam hormônios importantes para o bom funcionamento do
organismo. A adrenalina estimula o sistema simpático, preparando o organismo para “luta ou fuga”. A
aldosterona age nos rins, aumentando a reabsorção de sódio e água. O cortisol é conhecido como
“hormônio do estresse”, agindo de forma contrária à insulina, de modo a aumentar a glicemia.

• Gônadas: Também conhecidas como testículos, nos homens, e ovários, nas mulheres, são glândulas
secretoras de hormônios sexuais. Estes hormônios estão inibidos durante a infância, e a partir da
puberdade passam a ser liberados por estímulo do FSH e LH, liberados pela hipófise. A presença deles
promove o aparecimento de características sexuais secundárias, como pelos e voz grossa em homens, e
desenvolvimento dos seios e ciclo menstrual nas mulheres.

Reprodução Humana
O sistema reprodutor masculino é formado por pênis, testículos, epidídimos, glândulas seminais, próstata,
glândulas bulbouretrais, ductos deferentes e uretra. O sistema reprodutor feminino é composto por vagina,
ovários, tubas uterinas, útero, vulva, clitóris, monte do púbis, bulbo do vestíbulo e glândulas vestibulares. As
mamas também fazem parte do sistema genital da mulher. As gônadas (ovário e testículo) são responsáveis
pela produção dos gametas a partir da meiose, originando células haploides (n=23) - óvulo e espermatozóide -
cuja união formará o zigoto.
Os hormônios hipofisários (FSH e LH) são fundamentais para o controle da reprodução, tanto masculina,
mantendo constante a produção de espermatozóides, quanto feminina, regulando o ciclo menstrual. O homem,
a partir da puberdade, mantém a produção de espermatozóides quase até o final da vida. As mulheres, por sua
vez, iniciam a maturação do primeiro folículo na puberdade e para de menstruar na menopausa. Assim, as
mulheres possuem um determinado período fértil durante a vida.
O hormônio hipofisário FSH inicia o ciclo fazendo o recrutamento de alguns folículos ovarianos. Esses folículos
em maturação passam a secretar estrogênio que, inicialmente, realiza um feedback negativo na hipófise. No
entanto, sob altas concentrações, o estrogênio é capaz de estimular a liberação de LH pela hipófise, o que
marcará a ovulação por volta do 14º dia. O corpo lúteo se forma a partir do que restou da liberação do ovócito

7
Biologia

secundário de dentro do folículo. Ele é responsável pela produção de progesterona e na preparação do corpo
feminino para uma possível gravidez.
Se não houver fertilização, o corpo lúteo se degenera em corpo albicans, promovendo a queda dos hormônios
ovarianos. Isso induz a menstruação. Caso haja a fertilização, com a formação do zigoto, há a produção de
HCG, um hormônio que indica ao organismo a presença de um embrião, prolongando a vida do corpo lúteo até
o desenvolvimento da placenta.

8
Biologia

Exercícios

1. TEXTO I
Um estudo chinês vem anunciando resultados promissores para o desenvolvimento de um
anticoncepcional para homens. O tratamento, com eficácia de 99%, consiste em aplicar-se, no
interessado, uma injeção mensal de testosterona.
Folha de S.Paulo, 8 maio 2009. (Adaptado)
TEXTO II

Considerando-se essas informações e outros conhecimentos sobre o assunto, é CORRETO afirmar que
a testosterona injetada:
a) age sobre os túbulos seminíferos, inibindo a espermatogênese.
b) bloqueia diretamente as funções das células de Leydig.
c) inibe a liberação dos hormônios LH e FSH pela hipófise.
d) reduz a produção de gonadotrofinas na glândula pineal.
e) aumenta a produção de cortisol pela suprarrenal.

2. A ocorrência de razoável quantidade de guerras e guerrilhas no mundo atual é bastante preocupante,


especialmente quando se considera a possibilidade de serem usadas armas nucleares. A radioatividade
produzida por essas armas pode resultar em mutações no material genético dos indivíduos, o que, se
ocorresse durante uma gestação, por exemplo, poderia levar a prejuízos futuros na função de diversos
órgãos da criança em desenvolvimento. A respeito das funções que poderiam ser prejudicadas em
consequência da má-formação de alguns órgãos, é correto afirmar:
a) Digestão química de carboidratos por lesão no fígado.
b) Digestão química de proteínas por lesão na boca.
c) Absorção de nutrientes orgânicos por lesão no intestino grosso.
d) Controle da glicemia por lesão no pâncreas exócrino.
e) Crescimento e metabolismo por lesão na tireoide.

9
Biologia

3. O processo de digestão nos humanos é composto por duas fases: uma mecânica, na qual a correta
mastigação é essencial, e outra enzimática, controlada por hormônios da digestão. Sobre estes
hormônios, analise as afirmações a seguir e marque a alternativa correta.
a) As gorduras parcialmente digeridas, presentes no quimo, estimulam as células do duodeno a
liberarem o hormônio secretina, que provoca a eliminação da bile pela vesícula biliar.
b) A acidez do quimo, que chega ao duodeno, estimula certas células da parede intestinal a liberarem,
especialmente, o hormônio colecistoquinina, que agirá no pâncreas, estimulando-o a liberar,
principalmente, bicarbonato de sódio.
c) A secreção do suco gástrico é estimulada por impulsos nervosos e pelo hormônio gastrina,
produzido no estômago.
d) A digestão de proteínas inicia-se no estômago e completa-se no duodeno por ação de três proteases
secretadas pelo pâncreas: enteroquinase, pepsina e procarboxipeptidase.
e) A doença celíaca causa um aumento na absorção de água, sendo importante para otimizar o
metabolismo energético.

4. “Os seres vivos necessitam de um suprimento de energia capaz de manter sua atividade metabólica.
Essa energia é extraída dos alimentos, que podem ser produzidos pelos próprios organismos, no caso
dos autótrofos, ou obtidos a partir de uma fonte orgânica externa, no caso dos heterótrofos. As
substâncias orgânicas, tais como proteínas, carboidratos e lipídios, devem ser desdobradas em
compostos mais simples e mais solúveis, de tal maneira que possam ser assimiladas pelo organismo. A
esse processo de transformação dos alimentos em compostos relativamente mais simples, absorvíveis
e utilizáveis denominamos digestão.”
R. Paulino. “Biologia Atual”, Ed. Ática, 1996. p. 296.

Com relação a esse assunto, assinale a preposição verdadeira:

a) A mastigação, a deglutição e os movimentos peristálticos constituem a digestão química.


b) A digestão do amido é rápida e ocorre no estômago, sob a ação das peptidases.
c) A bile não tem enzimas, mas apresenta sais biliares, que emulsificam os lipídios, transformando-os
em gotículas menores que facilitam a digestão das gorduras.
d) Os nutrientes digeridos são absorvidos principalmente no intestino grosso, onde as células epiteliais
das vilosidades apresentam expansões digitiformes as microvilosidades, que aumentam,
consideravelmente, a superfície de absorção dos nutrientes.
e) Pessoas que tiveram sua vesícula biliar extirpada não apresentam dificuldade em digerir lipídios e,
por isso, podem fazer uma dieta rica em gorduras.

10
Biologia

5. O ar dos pulmões é constantemente renovado, de modo a garantir um suprimento contínuo de gás


oxigênio ao sangue que circula pelos alvéolos pulmonares. Com relação a esse assunto, julgue os itens
abaixo e assinale a alternativa correta:
a) O diafragma sobe e as costelas descem, aumentando o volume da caixa torácica e forçando o ar a
entrar nos pulmões.
b) A entrada de ar nos pulmões denominada de inspiração dá-se pela contração da musculatura do
diafragma e dos músculos intercostais.
c) Durante a expiração ocorre uma compressão da caixa torácica favorecendo a liberação do excesso
de oxigênio.
d) Em regiões de altitudes elevadas a respiração é facilitada devido à baixa tensão de oxigênio no ar.
e) A atividade muscular, relativamente intensa, aumenta a taxa de CO2 no sangue, e
consequentemente reduz a frequência respiratória.

6. Num incêndio é comum o indivíduo morrer, antes por asfixia, do que por queimaduras. Tal situação ocorre,
porque:
a) a fumaça destrói os leucócitos.
b) as plaquetas são destruídas na presença do monóxido de carbono.
c) a hemoglobina combina-se com o monóxido de carbono, formando um composto estável, tornando-
se irrecuperável.
d) a hemoglobina combina-se com todo o oxigênio disponível.
e) a hemoglobina, nessa situação, só transporta dióxido de carbono.

7. Uma dona de casa encostou a mão num ferro quente e reagiu imediatamente por meio de um ato reflexo.
Nessa ação, o neurônio efetuador levou o impulso nervoso para o
a) encéfalo.
b) a medula espinhal.
c) os receptores de dor da mão.
d) os receptores de calor da mão.
e) os músculos flexores do antebraço.

11
Biologia

8. Poucas descobertas científicas deste século despertaram tanto interesse e controvérsia quanto a da
pílula anticoncepcional. Pesquisas realizadas nas décadas de 1940 e 1950 permitiram sua elaboração, a
partir da evidência de que determinados hormônios esteróides eram capazes de bloquear a ovulação em
ratas e macacas. Essa pílula contém certos hormônios
a) hipofisários que inibem a produção normal de hormônios ovarianos.
b) hipofisários que estimulam a produção normal de hormônios ovarianos.
c) ovarianos que inibem a produção normal de certos hormônios hipofisários.
d) ovarianos que estimulam a produção normal de certos hormônios hipofisários.
e) hipofisários e ovarianos que alteram o ciclo menstrual.

9. A hipófise produz e secreta uma série de hormônios que têm ação em órgãos distintos, sendo, portanto,
considerada a mais importante glândula do sistema endócrino humano. Sobre os hormônios hipofisários,
é correto afirmar que:
a) O FSH, produzido na hipófise anterior, facilita o crescimento dos folículos ovarianos e aumenta a
motilidade das trompas uterinas durante a fecundação.
b) A vasopressina, secretada pelo lobo posterior da hipófise, é responsável pela reabsorção de água
nos túbulos renais.
c) O hormônio adrenocorticotrópico (ACTH) é um esteroide secretado pela adenohipófise e exerce
efeito inibitório sobre o córtex adrenal.
d) O comportamento maternal e a recomposição do endométrio, após o parto, ocorrem sob a influência
do hormônio prolactina.
e) O hormônio luteinizante atua sobre o ovário e determina aumento nos níveis do hormônio folículo
estimulante (FSH) após a ovulação.

10. O coração humano apresenta uma série de peculiaridades para que a circulação sanguínea se dê de
forma eficiente. Assinale a opção que apresenta a afirmativa correta em relação a estas características.
a) A musculatura mais espessa do ventrículo esquerdo é necessária para aumentar a pressão do
sangue venoso.
b) O sangue oxigenado nos pulmões entra no coração pela veia pulmonar, e o sangue rico em gás
carbônico entra nos pulmões pela artéria pulmonar.
c) As válvulas do coração têm por função permitir o refluxo do sangue para a cavidade anterior durante
o processo de diástole.
d) As paredes internas do coração permitem uma certa taxa de difusão de gases, o que faz com que
esse órgão seja oxigenado durante a passagem do sangue por ele.
e) A separação das cavidades do coração impede o maior controle do volume sanguíneo.

12
Biologia

Gabarito

1. C
A testosterona atua realizando um feedback negativo ao nível da hipófise, reduzindo a liberação de LH e
FSH.

2. E
Os hormônios tireoidianos são importantes para o metabolismo corporal, assim como para o crescimento,
visto que, mesmo na presença de altos níveis de GH (hormônio do crescimento), a criança com deficiência
de hormônios tireoidianos não cresce adequadamente para a idade.

3. C
A gastrina é responsável por estimular a liberação do suco gástrico, responsável por diminuir o pH do
estômago.

4. C
O papel da bile consiste em emulsificação dos lipídios, facilitando, assim, a ação de lipases pancreáticas.

5. B
A contração dos músculos citados na inspiração aumenta o volume da caixa torácica, de modo que a
pressão interna diminua.

6. C
Em um incêndio, há a liberação de monóxido de carbono, que ao se combinar com a hemoglobina forma
uma ligação estável (a carboxiemoglobina), impedindo que o oxigênio consiga se ligar e que o indivíduo
tenha uma respiração eficiente.

7. E
O neurônio efetuador ou neurônio motor irá passar a informação contida no impulso nervoso para o
músculo realizar o movimento.

8. C
Estrogênio e progesterona são hormônios ovarianos que realizam um feedback negativos com os
hormônios hipofisários FSH e LH, não permitindo assim que a mulher ovule.

9. A
O FSH é o principal hormônio que estimula o folículo ovariano e juntos com o LH, promove a ovulação.

10. B
Há passagem de sangue venoso pelas artérias pulmonares e passagem de sangue arterial pelas veias
pulmonares, após a hematose.

13
Biologia

Microrganismos e doenças – Arroz com feijão

Resumo

Vírus
Os vírus são seres acelulares, isto é, sem células, que se encontram no limiar entre a vida e a matéria bruta. São
seres microscópicos, compostos basicamente por uma cápsula proteica (capsídeo viral) envolvendo um
material genético, que pode ser DNA ou RNA, mas não ambos (salvo a exceção, os citomegalovírus). A partícula
viral encontrada fora da célula hospedeira é conhecida como vírion.
É fundamental salientar que vírus são seres obrigatoriamente parasitas intracelulares, não apresentando
metabolismo ou reprodução fora de uma célula hospedeira.
Alguns vírus podem apresentar um envelope externo ao capsídeo, composto por duas camadas lipídicas
derivadas da membrana plasmática da célula hospedeira e proteínas virais imersas nestas camadas.
As proteínas virais determinam o tipo de célula que o vírus irá parasitar, sendo eles normalmente altamente
específicos quanto aos seus hospedeiros. Bacteriófagos, por exemplo, infectam apenas bactérias.
O mecanismo de reprodução viral no interior da célula depende principalmente do material genético do vírus
em questão.

Vírus de DNA

Um exemplo de vírus de DNA são os bacteriófagos, vírus que infectam bactérias. A partir do momento em que
o vírus reconhece a membrana da célula hospedeira, seu capsídeo adere-se à célula em questão. Ele introduz
seu DNA no interior da célula e abandona o capsídeo proteico no meio extracelular.
O DNA viral invade a célula e impede que ela prossiga com seu metabolismo normal. A partir deste ponto, os
mecanismos de transcrição e duplicação estarão direcionadas para a produção de novos vírus, duplicando DNA
viral e transcrevendo e traduzindo as proteínas do capsídeo, usando os ribossomos do hospedeiro. Conforme
ocorre a replicação e a montagem, eventualmente a célula se rompe, liberando novos vírions no meio. Este é o
chamado ciclo lítico.
Outra possibilidade é que o vírus adote o ciclo lisogênico, ligando seu DNA ao cromossomo daquela célula. Ele
permanece inativo, e permite que a célula continue sua vida normalmente. A célula sofrerá mitoses,
multiplicando assim também o DNA viral, contido em seu cromossomo. Todas as células geradas a partir deste

1
Biologia

momento então estarão infectadas. Sob determinado estímulo ou condição, esse vírus pode abandonar o ciclo
lisogênico e entrar no ciclo lítico, formando novos vírions.

Retrovírus

Os retrovírus são um grupo de vírus de RNA que inclui o HIV, causador da AIDS.
A principal característica dos retrovírus é a presença de uma enzima viral chamada transcriptase reversa. A
transcriptase reversa é capaz de sintetizar DNA a partir de uma fita de RNA. Após essa transcrição reversa, o
novo DNA viral se une ao DNA da célula hospedeira e começa a comandar a produção de novos RNAs virais e
do capsídeo proteico, montando novos vírions que serão liberados.

Vírus de RNA

2
Biologia

Os vírus de RNA podem ser de cadeia positiva ou negativa.


No caso dos vírus de RNA com fita positiva, o sentido da fita é o mesmo sentido do RNAm, que pode ser
traduzido mediante a infecção do hospedeiro, formando novos RNAs virais. O sentido do RNA dos vírus de fita
RNA negativa, no entanto, é o contrário, então é necessário copiar um RNAm complementar no sentido positivo.
Isso se dá pelo uso de uma enzima viral chamada RNA-polimerase dependente de RNA, empacotada no vírion
junto ao RNA.

Reino Monera

O reino monera engloba bactérias, cianobactérias e arqueobactérias. São seres unicelulares e procariontes
(sem núcleo delimitado), importantes no meio ambiente por fazerem a decomposição, juntamente com os
fungos, e a participam de todas as etapas do ciclo do nitrogênio.
Provocam doenças nos seres humanos e outros animais, mas também podem fazer parte da “flora microbiana”,
trazendo inclusive benefícios.

3
Biologia

Estrutura celular
Possuem citoplasma, ribossomos 70S e DNA circular, e não possuem organelas membranosas, como
mitocôndria e retículo endoplasmático.
Os plasmídeos são estruturas de DNA circular presentes no citoplasma que podem carregar genes de virulência
(o que deixa a bactéria mais perigosa nas infecções) e genes de resistência (ficam “imunes” aos antibióticos).
A importância do plasmídeo é que ele pode ser replicado e passado a outras bactérias.
Além da membrana plasmática e da parede celular, algumas bactérias possuem cápsula, que aumenta a
capacidade de invasão e adesão ao hospedeiro, facilitando a infecção.

Classificação
As bactérias podem ser classificadas quanto a forma, coloração Gram e ao tipo de metabolismo.
I. Quanto a forma:
• Cocos - esféricas
• Estreptococos - em cadeias
• Estafilococos - “em cacho de uva”
• Bacilos - cilíndricas
• Espiroquetas - forma helicoidal
• Víbrios - em forma de vírgula.

4
Biologia

II. Quanto a coloração Gram:

Dependendo da composição da parede celular, as bactérias podem ser classificadas de acordo com a cor que
assumem na coloração de Gram. Podem ser gram positivas se forem coradas em roxo ou gram negativas se
forem coradas em vermelho.

III. Quanto ao metabolismo:


• Aeróbias - Necessitam de oxigênio para sobreviver.
• Anaeróbias facultativas - vivem tanto na presença quanto na ausência de oxigênio
• Anaeróbias obrigatórias - não sobrevivem na presença de O2. (ex: Clostridium tetani (bactéria que causa o
tétano)

Reprodução
Bipartição - é a forma de reprodução assexuada em que ocorre a duplicação do DNA bacteriano e a posterior
divisão celular. Essa forma de reprodução permite o crescimento exponencial das bactérias.

5
Biologia

I. Conjugação
A partir da união do citoplasma de duas bactérias a partir do pili sexual, há a passagem de plasmídeos que
codificam proteínas importantes para a virulência ou resistência a antimicrobianos.

II. Transformação
As células bacterianas são capazes de capturar material genético presente no meio, oriundo de outras
bactérias mortas, por exemplo.

6
Biologia

III. Transdução
Ocorre por meio de um bacteriófago, um vírus que infecta bactérias. A transferência de material genético
ocorre porque um vírus, ao utilizar a maquinaria celular para a sua replicação, pode montar partículas virais
contendo trechos do DNA bacteriano. Quando tenta infectar outra célula, transfere esse segmento de DNA
para essa nova bactéria, podendo passar genes de resistência ou de virulência.

Esporulação não é considerada uma forma de reprodução em si. Isso porque uma célula mãe de determinadas
espécies cria uma estrutura altamente resistente à condições extremas, podendo retornar à forma vegetativa
quando as condições ambientais voltarem a ser favoráveis.

Protozoários
Os protozoários e as algas fazem parte do reino Protista. Os Protozoários são seres unicelulares, eucariontes
e heterótrofos. São classificados de acordo com o meio de locomoção em:
• Rizópodes - se locomovem por meio de pseudópodes
• Flagelados - possuem flagelo (ex: giardia)
• Ciliados - múltiplos cílios cobrem o protozoário. ex: paramécio
• Esporozoários- não possuem estruturas de locomoção. São todos parasitas. Ex: Plasmodium falciparum
(agente etiológico da malária)

7
Biologia

A maioria dos protozoários se divide por cissiparidade (reprodução assexuada).

Algas
São organismos autotróficos (produzem o próprio alimento), pois possuem pigmentos como a clorofila. Já
foram classificados no reino vegetal, mas não possuem tecidos organizados. São classificadas de acordo com
seus pigmentos:
• Verdes (Clorofíceas) - algumas espécies são comestíveis
• Vermelhas (Rodofíceas) - possuem uma substância gelatinosa conhecida como Agar, utilizado na indústria
alimentícia e na cultura microbiológica
• Pardas (Feofíceas) - há espécies comestíveis
• Douradas (Crisofíceas) - compõem em grande parte o plâncton
• Cor de fogo (Pirrofíceas) - responsáveis pela maré vermelha

8
Biologia

Fungos
Popularmente conhecidos como mofo ou bolor, os fungos fazem parte do Reino Fungi e são seres:

• Eucariontes, Unicelulares ou pluricelulares, heterotróficos - não produzem seu próprio alimento.


• Se associam com algas, formando os líquens
• Se associam com raízes de plantas, formando as micorrizas
• Podem ser decompositores
• Há fungos aeróbios e anaeróbios facultativos (leveduras).
• Realizam digestão extracelular. Há a liberação de enzimas para fora do corpo para ocorrer a digestão.
Posteriormente, os nutrientes são absorvidos e distribuídos por difusão.
• São divididos em: zigomicetos, basidiomicetos, ascomicetos e deuteromicetos

Os fungos estão presentes no nosso cotidiano, por exemplo:

• Antibióticos - A penicilina é produzida por um fungo para inibir o crescimento bacteriano (Relação ecológica
desarmônica interespecífica - Amensalismo)
• Shitake, Shimeji, Champignon são comestíveis. ( Atenção! Não se deve comer fungos da natureza, pois a
maior parte deles produz substâncias tóxicas que podem ser até letais)
• A levedura Saccharomyces cerevisiae é utilizada na produção do pão e da cerveja, por meio da fermentação.
• frieiras, sapinho, histoplasmose, candidíase são doenças causadas por fungos, assim, também podem ser
parasitas

9
Biologia

Morfologia

Os fungos podem ser pluricelulares ou unicelulares. Fungos pluricelulares possuem estruturas visíveis
chamadas corpos de frutificação, que seria o “chapéu” do cogumelo.
Os fungos possuem filamentos de células conhecidas como hifas e seu conjunto é conhecido como micélio.
Os fungos mais complexos apresentam hifas septadas e isso os tornam mais resistentes. Ainda, apresentam
uma parede celular formada por quitina.

Reprodução
Podem se reproduzir de forma assexuada e sexuada. Assexuadamente a partir:

• do brotamento em seres unicelulares;


• fragmentação, em que um micélio se fragmenta, originando novos micélio;
• e esporulação, em que há a formação de esporos a partir dos esporângios, estruturas altamente
resistentes a condições extremas.

Já na forma sexuada, ocorre a fusão de duas hifas haploides

10
Biologia

Principais doenças

Viroses Bacterioses Protozooses


Transmissão Resfriado, gripe, Tuberculose -
pelo ar caxumba, rubéola,
sarampo, catapora,
caríola, meningite
Transmissão Hepatite A Cólera, difteria Amebíase
pelo água e
alimentos
contaminados
Transmissão Dengue, febre Febre tifóide, Doença de
por vetores amarela, zika, peste negra Chagas, malária
chikungunya
Sexualmente Hepatite B e C, Herpes, Clamídia, Tricomoníase
transmissíveis AIDS gonorréia, síflis

11
Biologia

Exercícios

1. Vetor é todo ser vivo capaz de transmitir um agente infectante, de maneira ativa ou passiva. Algumas
doenças virais podem ser transmitidas de pessoa para pessoa, mas existem algumas que necessitam
de vetores para serem transmitidas. Entre as doenças citadas a seguir, marque a única que é transmitida
por um vetor.
a) herpes.
b) febre chikungunya.
c) resfriado.
d) AIDS.
e) gripe.

2. Os cientistas acreditam que um vírus similar ao HIV ocorreu pela primeira vez em algumas populações
de chimpanzés e macacos na África, onde eram caçados para servirem de alimento. O contato com o
sangue do macaco infectado durante o abate ou no processo de cozinhá-lo pode ter permitido ao vírus
entrar em contato com os seres humanos e se tornar o HIV. A respeito das formas de adquirir o vírus,
marque a alternativa que não indica uma forma de contágio.
a) Contato sexual desprotegido.
b) Ingestão de leite materno contaminado.
c) Compartilhamento de seringas e agulhas.
d) Abraços e apertos de mão.
e) Transfusão de sangue contaminado.

3. A teníase ou solitária é uma infecção intestinal ocasionada principalmente por dois grandes parasitas
hermafroditas da classe dos cestódeos, conhecidos como Taenia solium e Taenia saginata. A respeito
dessa condição, assinale a correta:
a) A ingestão de carne malcozida contendo cisticercos causa a cisticercose.
b) A Taenia saginata, além de ventosas, possui ganchos na sua extremidade anterior.
c) Uma pessoa se torna hospedeira intermediária da tênia quando ingere seus ovos, resultando na
cisticercose humana.
d) O cozimento da carne, antes de ingeri-la, é a única maneira de se prevenir contra as teníases.
e) A Tênia adulta costuma se localizar no intestino grosso, mas antes passa pelo pulmão.

12
Biologia

4. Saneamento básico é a atividade relacionada ao abastecimento de água potável, o manejo de água


pluvial, a coleta e tratamento de esgoto, a limpeza urbana, o manejo de resíduos sólidos e o controle de
pragas e qualquer tipo de agente patogênico, visando à saúde das comunidades. Qual das doenças a
seguir não apresenta a ingestão de água contaminada como forma de transmissão?
a) Hepatite.
b) Giardíase.
c) Esquistossomose.
d) Rotavírus.
e) Cólera.

5. Assimm como as briófitas, as algas não apresentam tecidos verdadeiros. Porém, elas conseguem
apresentar um tamanho com grandes dimensões, enquanto as briófitas sempre tem um tamanho
reduzido. Isso ocorre porque
a) As algas não apresentam parede celular e absorvem mais água
b) As algas estão dentro da água, podendo absorve-la por todas as células do corpo
c) As briófitas não apresentam equivalentes das raízes, conseguindo água apenas quando chove
d) As briófitas não crescem por conta de problemas com a sustentação, enquanto as algas apresentam
um preenchimento por esclerênquima que mantém o corpo estável
e) As algas se reproduzem com grãos de pólen, enquanto nas briófitas os gametas masculinos são
flagelados.

6. Certos agentes infecciosos são formados apenas por material genético protegido por uma cápsula de
proteína. Estes seres só conseguem se reproduzir quando invadem uma célula e utilizam suas estruturas,
terminando por destruí-la. Estes agentes são
a) bactérias.
b) fungos.
c) protozoários.
d) vírus.
e) platelmintos

7. Os protozoários são seres que apresentam as seguintes características:


a) Podem ser uni ou pluricelulares. Os pluricelulares apresentam um conjunto de filamentos formando
seu corpo. Reproduzem-se por meio de esporos. São decompositores.
b) São unicelulares heterótrofos. Suas células apresentam núcleo. A maioria se locomove por meio de
pseudópodes, cílios ou flagelos.
c) São unicelulares autótrofos ou heterótrofos, sem núcleo. Podem viver isolados ou formar colônias.
d) Não são formados por células, não se alimentam, não respiram. Possuem apenas material genético
e uma cápsula de proteína.
e) São organismos procariontes heterotróficos, e são classificados de acordo com o polissacarídeo que
faz o revestimento da membrana celular.

13
Biologia

8. É cada vez mais freqüente a presença de amostras da bactéria Escherichia coli patogênica em rebanhos
bovinos. A figura a seguir ilustra a participação dessa bactéria no nosso meio. Analise-a.

De acordo com a figura e o assunto abordado, analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa
CORRETA.
a) A alta incidência dessa bactéria nos rebanhos pode estar relacionada com uma contaminação da
água ingerida pelo gado.
b) O risco de contaminação seria eliminado se o gado fosse tratado em cocheiras e mantido em
ambientes fechados.
c) O gado não consegue transmitir a bactéria para sua mesma espécie.
d) A produção de toxinas pela bactéria não caracteriza um fator de virulência.
e) A bactéria E. coli caso ingerida por humanos, afeta principalmente os pulmões.

9. Os fungos são seres representados pelos cogumelos, leveduras, orelhas-de-pau e vários tipos de bolores.
São importantes na cadeia alimentar, pois constituem um dos agentes decompositores de matéria
orgânica, sendo úteis também na alimentação humana, na indústria e na medicina. Sobre esses seres,
podemos dizer corretamente que:
a) são heterótrofos e possuem grande quantidade de cloroplastos em suas células.
b) são na maioria autótrofos e responsáveis pela devolução de matéria inorgânica ao ambiente.
c) possuem amido como substância de reserva e todos são microscópicos.
d) muitas espécies são causadoras de doenças como a malária, o tétano e a tuberculose.
e) são heterótrofos e aclorofilados.

14
Biologia

10. "Nesta cidade, vacinação anti-rábica. Não deixe de levar seus cães e gatos". A Vigilância Sanitária
promove, ao longo do ano, campanha para a vacinação anti-rábica de cães e gatos. Nessas campanhas,
as pessoas não são vacinadas porque:
a) com os animais vacinados, é menor a probabilidade dos humanos contraírem a doença.
b) a raiva só ocorre em humanos quando contraída através da mordida de morcegos.
c) ainda não existe uma vacina específica para os humanos.
d) a raiva é uma doença exclusiva de cães e gatos.
e) já foram imunizadas com a vacina tríplice tomada quando criança.

15
Biologia

Gabarito

1. B
Dengue, Febre amarela, Zika e Chikungunya são doenças cujo vetor é o Aedes aegypti

2. D
Em abraços e apertos de mão não há risco de transmissão do vírus, visto que ele está presente no sangue,
secreções sexuais e em cavidades serosas. O aleitamento não pode ser feito por mães portadoras do vírus.

3. C
A ingestão de ovos leva ao desenvolvimento de cisticercos pelo corpo, o que interrompe o ciclo natural da
teníase/cisticercose.

4. C
No caso da esquistossomose, há a presença de água no ciclo da doença. No entanto, não se deve à
ingestão, mas à penetração ativa de cercarias presentes em lagos na pele humana.

5. B
Mesmo sem apresentar vasos condutores, as algas vivem em ambientes aquáticos, e com isso apresentam
uma grande superfície de contato para realizar difusão e osmose com o ambiente, diferente das briófitas
que ocupam o ambiente terrestre.

6. D
Os vírus apresentam um capsídeo proteíco, que armazena em seu interior o material genético. São parasitas
intracelulares obrigatórios, e por não terem metabolismo próprio, precisam entrar em outras células para
se reproduzir.

7. B
Os protozoários são organismos eucariontes heterotróficos unicelulares, sendo classificados
principalmente de acordo com sua forma de locomoção, que pode ser por pseudópodes, cílios ou flagelos.

8. A
A contaminação por E. coli ocorre através da ingestão de água e alimentos contaminados. Caso o gado
esteja bebendo água de uma fonte contaminada, a incidência desta doença no rebanho será maior

9. E
Os fungos apresentam digestão extracelular com nutrição heterotrófica por absorção, e também não
possuem clorofila para realizar fotossíntese, não apresentando este tipo de metabolismo.

10. A
A raiva pode ser transmitida para humanos por cães e gatos. A vacinação destes animais faz com que eles
sejam imunizados e não corram risco de pegar esta doença de outros animais, silvestres ou não, e por eles
serem os animais que mais entram em contato com os humanos, isso acaba protegendo também nossa
população.

16
Biologia

Microrganismos e doenças - Gourmet

Resumo

Vírus
Os vírus são seres acelulares, isto é, sem células, que se encontram no limiar entre a vida e a matéria bruta. São
seres microscópicos, compostos basicamente por uma cápsula proteica (capsídeo viral) envolvendo um
material genético, que pode ser DNA ou RNA, mas não ambos (salvo a exceção, os citomegalovírus). A partícula
viral encontrada fora da célula hospedeira é conhecida como vírion.
É fundamental salientar que vírus são seres obrigatoriamente parasitas intracelulares, não apresentando
metabolismo ou reprodução fora de uma célula hospedeira.
Alguns vírus podem apresentar um envelope externo ao capsídeo, composto por duas camadas lipídicas
derivadas da membrana plasmática da célula hospedeira e proteínas virais imersas nestas camadas.
As proteínas virais determinam o tipo de célula que o vírus irá parasitar, sendo eles normalmente altamente
específicos quanto aos seus hospedeiros. Bacteriófagos, por exemplo, infectam apenas bactérias.
O mecanismo de reprodução viral no interior da célula depende principalmente do material genético do vírus
em questão.

Vírus de DNA

Um exemplo de vírus de DNA são os bacteriófagos, vírus que infectam bactérias. A partir do momento em que
o vírus reconhece a membrana da célula hospedeira, seu capsídeo adere-se à célula em questão. Ele introduz
seu DNA no interior da célula e abandona o capsídeo proteico no meio extracelular.
O DNA viral invade a célula e impede que ela prossiga com seu metabolismo normal. A partir deste ponto, os
mecanismos de transcrição e duplicação estarão direcionadas para a produção de novos vírus, duplicando DNA
viral e transcrevendo e traduzindo as proteínas do capsídeo, usando os ribossomos do hospedeiro. Conforme
ocorre a replicação e a montagem, eventualmente a célula se rompe, liberando novos vírions no meio. Este é o
chamado ciclo lítico.
Outra possibilidade é que o vírus adote o ciclo lisogênico, ligando seu DNA ao cromossomo daquela célula. Ele
permanece inativo, e permite que a célula continue sua vida normalmente. A célula sofrerá mitoses,
multiplicando assim também o DNA viral, contido em seu cromossomo. Todas as células geradas a partir deste

1
Biologia

momento então estarão infectadas. Sob determinado estímulo ou condição, esse vírus pode abandonar o ciclo
lisogênico e entrar no ciclo lítico, formando novos vírions.

Retrovírus

Os retrovírus são um grupo de vírus de RNA que inclui o HIV, causador da AIDS.
A principal característica dos retrovírus é a presença de uma enzima viral chamada transcriptase reversa. A
transcriptase reversa é capaz de sintetizar DNA a partir de uma fita de RNA. Após essa transcrição reversa, o
novo DNA viral se une ao DNA da célula hospedeira e começa a comandar a produção de novos RNAs virais e
do capsídeo proteico, montando novos vírions que serão liberados.

Vírus de RNA

2
Biologia

Os vírus de RNA podem ser de cadeia positiva ou negativa.


No caso dos vírus de RNA com fita positiva, o sentido da fita é o mesmo sentido do RNAm, que pode ser
traduzido mediante a infecção do hospedeiro, formando novos RNAs virais. O sentido do RNA dos vírus de fita
RNA negativa, no entanto, é o contrário, então é necessário copiar um RNAm complementar no sentido positivo.
Isso se dá pelo uso de uma enzima viral chamada RNA-polimerase dependente de RNA, empacotada no vírion
junto ao RNA.

Reino Monera

O reino monera engloba bactérias, cianobactérias e arqueobactérias. São seres unicelulares e procariontes
(sem núcleo delimitado), importantes no meio ambiente por fazerem a decomposição, juntamente com os
fungos, e a participam de todas as etapas do ciclo do nitrogênio.
Provocam doenças nos seres humanos e outros animais, mas também podem fazer parte da “flora microbiana”,
trazendo inclusive benefícios.

3
Biologia

Estrutura celular
Possuem citoplasma, ribossomos 70S e DNA circular, e não possuem organelas membranosas, como
mitocôndria e retículo endoplasmático.
Os plasmídeos são estruturas de DNA circular presentes no citoplasma que podem carregar genes de virulência
(o que deixa a bactéria mais perigosa nas infecções) e genes de resistência (ficam “imunes” aos antibióticos).
A importância do plasmídeo é que ele pode ser replicado e passado a outras bactérias.
Além da membrana plasmática e da parede celular, algumas bactérias possuem cápsula, que aumenta a
capacidade de invasão e adesão ao hospedeiro, facilitando a infecção.

Classificação
As bactérias podem ser classificadas quanto a forma, coloração Gram e ao tipo de metabolismo.
I. Quanto a forma:
• Cocos - esféricas
• Estreptococos - em cadeias
• Estafilococos - “em cacho de uva”
• Bacilos - cilíndricas
• Espiroquetas - forma helicoidal
• Víbrios - em forma de vírgula.

4
Biologia

II. Quanto a coloração Gram:

Dependendo da composição da parede celular, as bactérias podem ser classificadas de acordo com a cor que
assumem na coloração de Gram. Podem ser gram positivas se forem coradas em roxo ou gram negativas se
forem coradas em vermelho.

III. Quanto ao metabolismo:


• Aeróbias - Necessitam de oxigênio para sobreviver.
• Anaeróbias facultativas - vivem tanto na presença quanto na ausência de oxigênio
• Anaeróbias obrigatórias - não sobrevivem na presença de O2. (ex: Clostridium tetani (bactéria que causa o
tétano)

Reprodução
Bipartição - é a forma de reprodução assexuada em que ocorre a duplicação do DNA bacteriano e a posterior
divisão celular. Essa forma de reprodução permite o crescimento exponencial das bactérias.

5
Biologia

I. Conjugação
A partir da união do citoplasma de duas bactérias a partir do pili sexual, há a passagem de plasmídeos que
codificam proteínas importantes para a virulência ou resistência a antimicrobianos.

II. Transformação
As células bacterianas são capazes de capturar material genético presente no meio, oriundo de outras
bactérias mortas, por exemplo.

6
Biologia

III. Transdução
Ocorre por meio de um bacteriófago, um vírus que infecta bactérias. A transferência de material genético
ocorre porque um vírus, ao utilizar a maquinaria celular para a sua replicação, pode montar partículas virais
contendo trechos do DNA bacteriano. Quando tenta infectar outra célula, transfere esse segmento de DNA
para essa nova bactéria, podendo passar genes de resistência ou de virulência.

Esporulação não é considerada uma forma de reprodução em si. Isso porque uma célula mãe de determinadas
espécies cria uma estrutura altamente resistente à condições extremas, podendo retornar à forma vegetativa
quando as condições ambientais voltarem a ser favoráveis.

Protozoários
Os protozoários e as algas fazem parte do reino Protista. Os Protozoários são seres unicelulares, eucariontes
e heterótrofos. São classificados de acordo com o meio de locomoção em:
• Rizópodes - se locomovem por meio de pseudópodes
• Flagelados - possuem flagelo (ex: giardia)
• Ciliados - múltiplos cílios cobrem o protozoário. ex: paramécio
• Esporozoários- não possuem estruturas de locomoção. São todos parasitas. Ex: Plasmodium falciparum
(agente etiológico da malária)

7
Biologia

A maioria dos protozoários se divide por cissiparidade (reprodução assexuada).

Algas
São organismos autotróficos (produzem o próprio alimento), pois possuem pigmentos como a clorofila. Já
foram classificados no reino vegetal, mas não possuem tecidos organizados. São classificadas de acordo com
seus pigmentos:
• Verdes (Clorofíceas) - algumas espécies são comestíveis
• Vermelhas (Rodofíceas) - possuem uma substância gelatinosa conhecida como Agar, utilizado na indústria
alimentícia e na cultura microbiológica
• Pardas (Feofíceas) - há espécies comestíveis
• Douradas (Crisofíceas) - compõem em grande parte o plâncton
• Cor de fogo (Pirrofíceas) - responsáveis pela maré vermelha

8
Biologia

Fungos
Popularmente conhecidos como mofo ou bolor, os fungos fazem parte do Reino Fungi e são seres:

• Eucariontes, Unicelulares ou pluricelulares, heterotróficos - não produzem seu próprio alimento.


• Se associam com algas, formando os líquens
• Se associam com raízes de plantas, formando as micorrizas
• Podem ser decompositores
• Há fungos aeróbios e anaeróbios facultativos (leveduras).
• Realizam digestão extracelular. Há a liberação de enzimas para fora do corpo para ocorrer a digestão.
Posteriormente, os nutrientes são absorvidos e distribuídos por difusão.
• São divididos em: zigomicetos, basidiomicetos, ascomicetos e deuteromicetos

Os fungos estão presentes no nosso cotidiano, por exemplo:

• Antibióticos - A penicilina é produzida por um fungo para inibir o crescimento bacteriano (Relação ecológica
desarmônica interespecífica - Amensalismo)
• Shitake, Shimeji, Champignon são comestíveis. ( Atenção! Não se deve comer fungos da natureza, pois a
maior parte deles produz substâncias tóxicas que podem ser até letais)
• A levedura Saccharomyces cerevisiae é utilizada na produção do pão e da cerveja, por meio da fermentação.
• frieiras, sapinho, histoplasmose, candidíase são doenças causadas por fungos, assim, também podem ser
parasitas

9
Biologia

Morfologia

Os fungos podem ser pluricelulares ou unicelulares. Fungos pluricelulares possuem estruturas visíveis
chamadas corpos de frutificação, que seria o “chapéu” do cogumelo.
Os fungos possuem filamentos de células conhecidas como hifas e seu conjunto é conhecido como micélio.
Os fungos mais complexos apresentam hifas septadas e isso os tornam mais resistentes. Ainda, apresentam
uma parede celular formada por quitina.

Reprodução
Podem se reproduzir de forma assexuada e sexuada. Assexuadamente a partir:

• do brotamento em seres unicelulares;


• fragmentação, em que um micélio se fragmenta, originando novos micélio;
• e esporulação, em que há a formação de esporos a partir dos esporângios, estruturas altamente
resistentes a condições extremas.

Já na forma sexuada, ocorre a fusão de duas hifas haploides

10
Biologia

Principais doenças

Viroses Bacterioses Protozooses


Transmissão Resfriado, gripe, Tuberculose -
pelo ar caxumba, rubéola,
sarampo, catapora,
caríola, meningite
Transmissão Hepatite A Cólera, difteria Amebíase
pelo água e
alimentos
contaminados
Transmissão Dengue, febre amarela, Febre tifóide, peste Doença de
por vetores zika, chikungunya negra Chagas, malária
Sexualmente Hepatite B e C, Herpes, Clamídia, gonorréia, Tricomoníase
transmissíveis AIDS síflis

11
Biologia

Exercícios

1. Para produzir iogurte caseiro, basta colocar uma colher de iogurte em um litro de leite fervido ainda morno,
cobrir com um pano limpo e guardar em local protegido durante 12 horas. Isto é possível, graças às
bactérias existentes no iogurte, que
a) se reproduzem rapidamente, através da simples divisão de uma célula em duas, devido à existência
de condições favoráveis de temperatura e à presença de nutrientes.
b) se reproduzem rapidamente, através da reprodução sexuada, em que duas bactérias trocam material
genético e dão origem a uma nova bactéria.
c) não se reproduzem devido à alta temperatura do leite, que provoca a morte das bactérias.
d) aumentam de tamanho, modificando a consistência do leite e dando aparência de iogurte
e) ao consumir a matéria orgânica do iogurte, quebra as macromoléculas em micromoléculas, e
proporciona um ambiente para o aparecimento de fungos

2. Considerando a tabela, que apresenta a classificação dos microrganismos segundo suas faixas ótimas
de temperaturas para multiplicação, assinale a opção correta.

a) No grupo IV, estão representados os microrganismos que vivem em ambiente extremo com altas
temperaturas (termófilos).
b) No grupo III, estão os microrganismos que crescem melhor em temperaturas altas, acima de 55°C.
c) No grupo II, estão incluídos os microrganismos que vivem em em ambiente extremo com baixas
temperaturas (psicrófilos).
d) No grupo III, estão os microrganismos que crescem em uma ampla faixa de temperaturas.
e) No grupo I, estão incluídos os microrganismos que vivem em temperatura ambiebte (mesófilos).

12
Biologia

3. As doenças virais, geralmente, não possuem um tratamento específico, sendo ideal, portanto, a
prevenção. Uma das principais formas de se prevenir de doenças como a febre amarela e a gripe, por
exemplo, é:
a) o uso de soros.
b) o consumo de vitamina C.
c) o uso de anti-inflamatórios.
d) a vacinação.
e) o uso de antibióticos

4. Assinale a opção correta, relativa às doenças transmitidas por alimentos (DTAs) que são causadas por
vírus.
a) Não existem relatos de infecções virais transmitidas por alimentos que interfiram com o sistema
nervoso central.
b) Como há liberação de baixa quantidade do agente viral nas fezes, a contaminação por falhas na
higienização dos alimentos é desprezível.
c) Na infecção por rotavírus, observa-se gastroenterite, com vômito, diarreia e dor abdominal, podendo
ocorrer febre branda.
d) Os vírus, assim como as bactérias causadoras de DTAs, possuem um núcleo bem definido, contendo
DNA fita simples.
e) A infecção por arbovírus provoca icterícia grave, com deterioração da função hepática

5. De maneira geral, os microrganismos de interesse para os alimentos podem ser divididos em dois grupos:
contaminantes ou úteis. Com relação aos microrganismos contaminantes, assinale a opção correta
a) Diferentemente das bactérias, os bolores não são capazes de produzir metabólitos tóxicos ao
homem.
b) A espécie Saccharomyces cerevisiae é uma bactéria de importância médica nas intoxicações
alimentares.
c) Os microrganismos deteriorantes não são capazes de provocar alterações nas características
organolépticas dos alimentos.
d) A bactéria Escherichia coli é utilizada como indicador de contaminação fecal na avaliação da
qualidade higiênicosanitária do alimento.
e) A ingestão direta de microrganismos contaminantes é inócua à saúde humana, devido às defesas
naturais do organismo

13
Biologia

6. Durante as estações chuvosas, aumentam no Brasil as campanhas de prevenção à dengue, que têm
como objetivo a redução da proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus da dengue.
Que proposta preventiva poderia ser efetivada para diminuir a reprodução desse mosquito?
a) Colocação de telas nas portas e janelas, pois o mosquito necessita de ambientes cobertos e
fechados para a sua reprodução.
b) Substituição das casas de barro por casas de alvenaria, haja vista que o mosquito se reproduz na
parede das casas de barro.
c) Remoção dos recipientes que possam acumular água, porque as larvas do mosquito se desenvolvem
nesse meio.
d) Higienização adequada de alimentos, visto que as larvas do mosquito se desenvolvem nesse tipo de
substrato.
e) Colocação de filtros de água nas casas, visto que a reprodução do mosquito acontece em águas
contaminadas.

7. A contaminação pelo vírus da rubéola é especialmente preocupante em grávidas, devido à síndrome da


rubéola congênita (SRC), que pode levar ao risco de aborto e malformações congênitas. Devido a
campanhas de vacinação específicas, nas últimas décadas houve uma grande diminuição de casos de
rubéola entre as mulheres, e, a partir de 2008, as campanhas se intensificaram e têm dado maior enfoque
à vacinação de homens jovens.
BRASIL. Brasil livre da rubéola: campanha nacional de vacinação para eliminação da rubéola. Brasília: Ministério da Saúde, 2009
(adaptado).

Considerando a preocupação com a ocorrência da SRC, as campanhas passaram a dar enfoque à


vacinação dos homens, porque eles
a) ficam mais expostos a esse vírus.
b) transmitem o vírus a mulheres gestantes.
c) passam a infecção diretamente para o feto.
d) transferem imunidade às parceiras grávidas.
e) são mais suscetíveis a esse vírus que as mulheres.

14
Biologia

8. A representação a seguir sintetiza o chamado dogma central da biologia celular.

Este fluxo unidirecional de informações torna-se exceção nos retrovírus, como o da AIDS, pois esses
vírus:
a) têm a capacidade de sintetizar um peptídeo diretamente a partir do ADN.
b) possuem transcriptase reversa que, a partir do ARN-m, orienta a tradução.
c) têm a capacidade de sintetizar ARN-m a partir do ADN viral.
d) possuem transcriptase reversa que, a partir do peptídeo, orienta a síntese do ARN-m.
e) têm a capacidade de sintetizar ADN a partir de ARN.

9. A leptospirose é uma doença infecciosa influenciada tanto características ambientais quanto sociais. As
favelas são áreas em que o risco de contrair essa infecção é elevado porque estão sujeitas a alagamentos,
e os moradores não têm acesso a saneamento básico. O risco também é maior para indivíduos que
trabalham com coleta de lixo ou na construção civil, uma vez que estão mais expostos à lama, ao solo e
a outros materiais contaminados.
A infecção descrita no texto é causada por
a) larvas infectantes de asquelmintos que sobrevivem no solo úmido e na água.
b) esporos de basidomicetos presentes nas fezes de ratos, pombos e morcegos.
c) vírus adquiridos quando o indivíduo não vacinado entra em áreas de transmissão.
d) bactérias espiroquetas que se multiplicam nos rins de roedores e de outros mamíferos.
e) protozoários flagelados, eliminados junto com a urina de ratos, cães e de outros animais

15
Biologia

10. A tuberculose (TB) causou grande impacto na humanidade principalmente em meados do século XIX,
onde se estima que aproximadamente um quarto da população europeia tenha morrido de tuberculose.
A descoberta de drogas eficazes contra a doença, o desenvolvimento de vacinas, atrelados a um notório
avanço na qualidade de vida da população mundial, contribuíram para expressiva queda no número de
casos da TB na maioria dos países. Todavia, mais recentemente, tem se percebido o reaparecimento
desta doença, com incidência elevada em vários locais. Tal fato pode ser associado ao surgimento da
AIDS, à diminuição da eficácia das drogas utilizadas no tratamento e à piora nas condições sanitárias de
alguns países. Sobre a tuberculose, e correto afirmar:
a) Doença infecciosa causada pelo bacilo Mycobacterium leprae, que foi descrito inicialmente por
Robert Koch.
b) A doença se caracteriza por ter uma evolução rápida e se dissemina através de aerossóis no ar que
são expelidos quando pessoas com tuberculose infecciosa tossem e ou espirram.
c) A tuberculose é considerada uma doença socialmente determinada, pois sua ocorrência está
diretamente associada à forma como se organizam os processos sociais.
d) A vacina Penta é utilizada na prevenção da tuberculose e deve ser administrada em todos os recém-
nascidos.
e) A resposta imunológica é capaz de impedir o desenvolvimento da doença e, por tal motivo, pessoas
com sistema imune mais resistente não correm risco de adquirir tuberculose.

16
Biologia

Gabarito

1. A
As bactérias conseguem se reproduzir rapidamente pela divisão binária, ou cissiparidade, se espalhando
pelo leite morno pela disponibilidade de nutrientes.

2. E
Analizando os dados da tabela, vemos que o grupo I apresenta organismos que vivem em temperaturas
ambiente, próximo aos 30-35°.

3. D
A vacinação é um método de prevenção para doenças virais, fazendo com que o indivíduo gere memória
imunológica.

4. C
O rotavírus é um vírus de RNA responsável por causar casos graves de diarréia, principalmente em crianças,
e sua contaminação ocorre através de água e alimentos contaminados.

5. D
A Escherichia coli fica no trato digestório dos organismos infectados, sendo liberada das fezes, podendo
contaminar outras regiões, como corpos d’água e campos de plantio. Ao encontrar este microorganismo
nos alimentos, significa que o alimento está contaminado com fezes.

6. C
Campanhas de combate ao mosquito vetor da Dengue consistem na eliminação de possíveis criadouros
do mosquito, um inseto aquático (fase larval vive na água), portanto, a remoção de recipientes que possam
acumular água é uma forma de combatê-lo.

7. B
Homens contaminados pela rubéola não são capazes de transmitir a doença diretamente para o feto,
tampouco há maior exposição dos homens ao vírus ou maior suscetibilidade, e não há transferência de
imunidade, mas um homem contaminado pode infectar uma mulher grávida com a rubéola, que poderá ser
transmitida ao feto por via congênita.

8. E
O retrovírus apresenta a proteína transcriptase reversa, que permite que fitas de DNA sejam formadas a
partir de fitas de RNA.

9. D
A leptospirose é uma doença causada por uma bactéria, sendo que nos centros urbanos os ratos são os
principais dispersores dessa doença, já que estas bactérias se multiplicam nos rins dos animais e são
liberadas com a urina.

10. C
A tuberculose é causada pelo bacilo de Koch, a Mycobacterium tuberculosis, e sua contaminação ocorre
através do ar, por partículas de saliva eliminadas na fala, tosse ou espirro. Classes sociais mais baixas
costumam viver em aglomerações e ter uma menor imunidade (seja por desnutrição ou por falta de

17
Biologia

saneamento básico), o que faz com que a transmissão da doença ocorra com maior facilidade e
intensidade.

18
Biologia

Problemas de genética – Arroz com feijão

Resumo

Antes de iniciar os estudos da Genética, é importante conhecer alguns conceitos:


• Genoma: conjunto haploide de cromossomos de uma espécie
• Cariótipo: conjunto diploide de cromossomos, organizados de acordo com a sua morfologia
• Locus gênico: local que o gene ocupa no cromossomo. O plural de locus é loci gênico
• Alelo: genes que ocupam o mesmo lócus.

• Genótipo: constituição de genes de determinado indivíduo (ex: genótipo Aa).


• Fenótipo: expressão de características de acordo com o genótipo e as influências do meio que vive (ex:
flores rosas).
• Homozigotos: São formados por alelos iguais (AA ou aa)
• Heterozigotos: Um locus possui dois alelos distintos. (Aa)
• Dominante: Expressam sua característica, mesmo na presença de um gene recessivo que daria origem a
outro fenótipo.
• Recessivo: Não se expressam na presença de um gene dominante.

1
Biologia
Primeira lei de Mendel
Mendel realizou experimentos com ervilhas da espécie Pisum sativum, realizando cruzamentos e anotando os
resultados. Analisou como algumas características possuíam caráter dominante em relação a outras, ditas
recessivas.
No experimento de Mendel, com o cruzamento de plantas ditas “puras”, houve o crescimento de plantas iguais
às parentais. Estas poderiam ter tanto o genótipo AA (fenótipo amarelo da semente) como aa (fenótipo verde),
assim, são homozigotas.

Cruzando-se plantas com sementes verdes (vv) e amarelas (VV), originaram apenas plantas com sementes
amarelas (Vv), heterozigotas (chamadas de híbridas por Mendel). Por fim, cruzando-se plantas Vv x Vv,
originaram 3 plantas com sementes amarelas (sendo 1 VV e 2 Vv), além de 1 planta verde (vv). Isso provou a
relação de dominância da cor amarela sobre a verde, originando a proporção de 3:1 do fenótipo em um
cruzamento de heterozigotos.

Primeira lei de Mendel


• Ausência de dominância ou dominância incompleta
Os alelos são igualmente dominantes. Por exemplo o cruzamento das flores Mirabilis: alelo V1 não possui
dominância sobre o alelo V2 e vice-versa, fazendo com que haja uma mistura do fenótipo em F1. Isso se
denomina ausência de dominância ou dominância incompleta.

2
Biologia
• Codominância
No caso da codominância, há a expressão dos dois fatores expressando o fenótipo de ambos os homozigotos,
como é o caso do boi de pelagem malhada da espécie Shorthorn.

• Gene letal
Em determinada combinação de alelos, o embrião pode se tornar inviável e ser abortado espontaneamente ou,
caso consiga nascer, morre antes da idade reprodutiva. Nos humanos, há uma rara doença conhecida como Tay-
Sachs, condicionada por um gene letal recessivo, que faz com que a criança não sobreviva aos seus primeiros
anos de vida.

3
Biologia
Heredogramas
Os heredogramas são representações das relações de herança entre as gerações, representando o parentesco
e o tipo de herança genética. Para identificar se o caráter é dominante ou recessivo, procura-se um cruzamento
teste, onde os pais devem apresentar fenótipo diferente de pelo menos um dos filhos. Isso significa que os pais
são heterozigotos, e os filhos homozigotos recessivo.

Sistemas sanguíneos
Os tipos sanguíneos são um caso de polialelia, ou alelos múltiplos, que é o fenômeno em que uma mesma
característica pode ser determinada por três ou mais alelos (formas alternativas de um gene). Os grupos
sanguíneos A, B, AB e O são determinados alelos Ia, Ib e i, respectivamente repare que, IA e IB exercem
dominância sobre o alelo i e entre IA e IB existe uma codominância.

A aglutinação é um processo simples de identificação do fenótipo no grupo sanguíneo ABO. A aglutinação ocorre
quando há o encontro do soro contendo anticorpos contra o antígeno de membrana e o sangue retirado do
indivíduo. No caso da pessoa com sangue O, não haverá aglutinação, pois falta o aglutinogênio. O mesmo
acontece com o Fenótipo Bombaim, que não pode ser identificado nesse simples teste. No indivíduo com sangue

4
Biologia
A, há aglutinação apenas na placa com o soro anti-A, enquanto que no sangue B, apenas na placa com soro anti-
B. Por fim, ocorre a aglutinação nas duas placas quando o indivíduo possui sangue AB.

• Fator Rh
Sua descoberta advém das pesquisas com o macaco Rhesus, que dá o nome desse fator. Aqueles que possuem
o fator na superfície eritrocitária são classificados como Rh+, enquanto sua ausência identifica os indivíduos Rh-
. Na transfusão sanguínea, deve-se analisar não só o sistema ABO, mas também o fator Rh, pois indivíduos Rh-
não podem receber doação de indivíduos com Rh+, pois possuem anticorpos anti-fator Rh. No entanto, Rh+ não
reage ao sangue Rh- e pode ser transfundido.

Genética do sexo
Os cromossomos autossômicos (pareados) estão relacionados com as características estruturais e funcionais
de forma geral, enquanto os sexuais (não–pareados) são responsáveis pelas características que irão definir os
sexos, como a formação das genitálias e órgãos reprodutores e outras características gerais também. O cariótipo
sexual humano é definido de maneira genérica por XX para o sexo feminino e XY para o sexo masculino.
Os cromossomos Y são mais curtos que o cromossomo X, e é nessa região mais curta onde se encontram os
genes responsáveis pelas características masculinas dos indivíduos. Existe também uma região em X que não
tem correspondência em Y, ou seja, não existem alelos em Y correspondentes a X nessa. A isso se dá o nome
de região não-homóloga.

• Herança restrita ao sexo: ocorre quando o gene está no cromossomo Y. Como exemplo a hipertricose
auricular.

• Herança ligada ao sexo: é provocada por genes nos cromossomos X. É mais comum de aparecer em
homens, já que estes precisam de apenas um cromossomo X para expressar o gene, caso ele seja recessivo.
Como exemplos, a hemofilia e o daltonismo.

• Herança influenciada pelo sexo: São características promovidas por genes autossômicos influenciados
pelo sexo do indivíduo. Como exemplo, a calvície.

Segunda lei de Mendel


A Segunda Lei de Mendel refere-se a segregação independente dos fatores. Em outras palavras, pode-se dizer
que refere-se a separação de dois (ou mais) pares de genes alelos, estando estes localizados em pares distintos
de cromossomos homólogos, durante a formação dos gametas.
Por exemplo, ao analisar simultaneamente a cor de uma semente de ervilha (verde ou amarela) e a textura de
sua casca (rugosa ou lisa), Mendel determinou que um fator não dependia do outro em sua segregação para a
formação de gametas, podendo haver ervilhas amarelas rugosas, amarelas lisas, verdes rugosas e verdes lisas.

5
Biologia
Mendel realizou o cruzamento de uma planta cujas ervilhas eram duplo-homozigotas dominantes (VVRR,
fenótipo amarela lisa) com ervilhas duplo-homozigotas recessivas (vvrr, fenótipo verde rugosa). Os únicos
gametas possíveis eram VR e vr, logo, houve a formação de uma geração F1 inteiramente duplo-heterozigota
(VvRr). O cruzamento desta geração F1 gerou a seguinte geração F2:

Proporção Genotípica de F2:


9 V_R_
3 V_rr
3 vvR_
1 vvrr

Proporção Fenotípica de F2:


9/16 Amarelas Lisas
3/16 Amarelas Rugosas
3/16 Verdes Lisas
1/16 Verdes Rugosas

É valido citar que, em casos de duplo-heterozigoto, ao analisar apenas dois pares, a proporção fenotípica
observada será sempre 9:3:3:1.

6
Biologia

Para determinar o número de gametas de determinado genótipo, basta observar o número de pares
heterozigotos (n), e elevar 2 por esse número (2n).
Ex.: Formação de gametas em AABbCCDd.
Há dois pares de alelos heterozigotos. Sem utilizar a fórmula, é possível deduzir que os gametas possíveis
são: ABCD; AbCD; ABCd; AbCd. O par AA só pode mandar A, o par Bb pode mandar B ou b, o par CC só pode
mandar C, o par Dd pode mandar D ou d. Sendo assim, há 4 possíveis combinações. O número de
heterozigotos é 2, logo, n = 2. Na fórmula, 2² = 4, comprovando que os números batem.

A Segunda Lei de Mendel também pode ser calculada como dois casos isolados de Primeira Lei de Mendel,
obedecendo a “regra do E”.
Ex.: Cruzamento VvRr x VvRr, destrinchado em Vv x Vv e Rr x Rr
Há probabilidade de ¾ para a formação de sementes amarelas (V_), enquanto há probabilidade de ¼ para a
formação de sementes lisas (rr). Caso a busca seja pela probabilidade de sementes amarelas E lisas,
multiplica-se ¾ x ¼ = 3/16, a proporção anteriormente vista.

V v
V VV Vv
v Vv vv

¾ de probabilidade de ser amarela

R r
R RR Rr
r Rr rr

¼ de probabilidade de ser rugosa

Caso os genes estejam no mesmo cromossomo, ou seja, em Linkage, a segregação NÃO será independente,
portanto, a Segunda Lei de Mendel não é absoluta.

Interação Gênica e Pleiotropia


De acordo com as leis de Mendel, cada par de alelos determina uma característica. A interação gênica, no
entanto, trata-se de um caso de segunda lei de Mendel, e o que se observa é que dois ou mais pares interagem
juntos para a expressão de uma única característica. Já na pleiotropia ocorre o oposto, e um único par determina
diversas características.

7
Biologia
Genes Complementares (herança qualitativa)

Nos genes complementares, diversos genes não-alelos interagem juntos para expressar uma única
característica qualitativa, sendo por isso também chamada “herança qualitativa”. No caso da crista das galinhas,
os genes R e E determinam diferentes formas de crista, de acordo com as combinações de alelos possíveis.

Epistasia
A epistasia é uma herança na qual um gene é capaz de inibir outro que não seja seu alelo.

Por exemplo, se o par B_ determina pelagem preta em labradores, e bb determina chocolate, o alelo epistático ee
pode determinar cor dourada, inibindo a expressão de B. Este é um caso de epistasia recessiva, já que o alelo
epistático é o recessivo. Quando o par com o alelo dominante inibir o outrogene, chamamos de epistasia
dominante, como observamos nas penas das galinhas.

8
Biologia

Herança Quantitativa

A herança quantitativa ocorre quando genes não-alelos agem de maneira aditiva para a expressão de uma
característica. Não mais há uma relação de dominância, e sim uma relação de genes aditivos (representados por
letras maiúsculas) e genes não-aditivos (letras minúsculas). Na cor da pele, por exemplo, cada aditivo determina
a produção de mais melanina, então, quanto mais genes aditivos, mais escura a pele.
Para este tipo de herança, quando temos um cruzamento entre heterozigotos, pode-se utilizar o triângulo de
Pascal para determinação das proporções dos fenótipos. Veja por exemplo o cruzamento entre dois indivíduos
com pele mulato médio AaBb x AaBb. São 4 genes envolvidos (Aa, Bb, Aa e Bb), logo vemos quais as proporções
presentes nesta linha equivalente do triângulo, como indicado abaixo:

A soma da linha é equivalente a proporção total, enquanto cada número será a proporção de determinado
fenótipo, como está indicado no quadro acima.

9
Biologia

Pleiotropia
Na pleiotropia, ocorre o oposto da interação gênica, e um único par de alelos determina várias características,
como é o caso da anemia falciforme.
Na anemia falciforme, há alteração de um único aminoácido, que resulta em uma mudança no formato da
hemácia, que, de disco bicôncavo, passa a ter formato de foice. Quando o indivíduo apresenta apenas um alelo
para anemia falciforme (Aa), ele apresenta traço falcêmico, ou seja, metade de suas hemácias são normais e
metade das hemácias são falciformes. Se o indivíduo apresenta ambos os alelos, ele terá anemia falciforme, e
todas as suas hemácias terão o formato de foice. Essa hemácia tem maior dificuldade de carregar oxigênio, e
tendência de se agrupar, formando coágulos, aumentando risco cardíaco. Além disso, são hemácias imunes a
malária, doença cujo parasita destrói as hemácias. Sendo assim, pessoas com traço falcêmico são
positivamente selecionadas em áreas cuja malária é endêmica.
A fenilcetonírua também é uma doença determinada pela polialelia, onde o par de alelos ff determina as
características como retardo mental, problema de pele e fenilalanina na urina, todas expressadas no mesmo
momento.

Um terçeiro exemplo de pleiotropia é a cor das cebolas, que pode ser vermelha ou branca. Porém a cor vermelha,
determinada por um par de genes recessivos, determina além da cor, a produção de uma substância que confere
resistência a fungos.

10
Biologia

Exercícios

1. A pigmentação da plumagem de galinhas está condicionada por dois pares de genes autossômicos,
situados em cromossomos diferentes. O gene C determina a síntese de pigmento, e seu alelo c é inativo,
determinando a cor branca. O gene I inibe a formação de pigmentos, e seu alelo i não o faz. Do cruzamento
de indivíduos CCii com indivíduos Ccli, qual a proporção de indivíduos pigmentados esperado?
a) 17%
b) 25%
c) 45%
d) 50%
e) 55%

2. Um homem pertence a uma família na qual, há gerações, diversos membros são afetados por raquitismo
resistente ao tratamento com vitamina D. Preocupado com a possibilidade de transmitir essa doença,
consultou um geneticista que, após constatar que a família reside em um grande centro urbano, bem como
a inexistência de casamentos consanguíneos, preparou o heredograma abaixo. Nele, o consultante está
indicado por uma seta.

Sabendo que a doença em questão é um caso de herança ligada ao sexo, caso esse indivíduo venha a ter
uma irmã, qual a probabilidade dela ser afetada pela doença?
a) 75%
b) 50%
c) 25%
d) 10%
e) Não tem como determinar

11
Biologia

3. A pigmentação da pela humana é condicionada por pares de genes com ausência de dominância.
Suponhamos que apenas dois pares de genes estivessem envolvidos na cor de pele: o negro seria SSTT e
o branco sstt. Um homem mulato, heterozigoto nos dois pares, tem 6 filhos com uma mulher mulata de
genótipo igual ao seu. Sobre os filhos do casal, pode-se afirmar que:
a) todos são mulatos como os pais.
b) cada um deles tem uma tonalidade de pele diferente da do outro.
c) um ou mais deles podem ser brancos.
d) a probabilidade de serem negros é maior que a de serem brancos.
e) 50% apresenta peles branca e 50% pele negra.

4. Analisando os gametas formados por indivíduos heterozigotos AaBb, um estudante percebeu a seguinte
proporção: 1⁄2 AB e 1⁄2 ab. Diante desse dado, ele pode afirmar que:
a) trata-se de um caso de segregação independente.
b) trata-se de um caso de segregação independente com crossing-over.
c) trata-se de um caso de linkage com crossing-over.
d) trata-se de um caso de linkage sem crossing-over.
e) trata-se de um caso de mitose.

5. Os esquemas mostram as possíveis transfusões de sangue tradicionais em relação aos sistemas ABO e
Rh.

Pode-se dizer que os tipos sanguíneos mais difíceis e mais fáceis para receber sangue são,
respectivamente:
a) O Rh+ e O Rh –
b) O Rh– e AB Rh+
c) A Rh– e AB Rh+
d) AB Rh+ e O Rh –
e) A Rh+ e O Rh+

12
Biologia

6. Na espécie humana, a miopia e a habilidade para a mão esquerda são caracteres condicionados por genes
recessivos que se segregam de forma independente. Um homem de visão normal e destro, cujo pai tinha
miopia e era canhoto, casa-se com uma mulher míope e destra, cuja mãe era canhota. Qual a probabilidade
de esse casal ter uma criança com fenótipo igual ao do pai?
a) 1/2
b) 1/4
c) 1/8
d) 3/4
e) 3/8

7. No heredograma a seguir, pode-se verificar a ocorrência de uma determinada síndrome genética.

Sobre esta síndrome, podemos dizer que ela é


a) Dominante autossômica
b) Recessiva restrita ao sexo
c) Dominante ligada ao sexo
d) Recessiva ligada ao sexo
e) Dominante autossômica

8. A herança da cor do olho na espécie humana geralmente é representada simplificadamente como um par
de alelos, A (dominante, determinando cor castanha) e a (recessivo, determinando cor azul). Baseando-se
nessa explicação, é correto afirmar que.
a) Filhos de um casal de olhos azuis podem ter olhos castanhos, caso os avós também tenham esse
fenótipo
b) É possível que pais com olhos castanhos tenham filhos de olhos azuis.
c) Filhos de um casal de olhos castanhos sempre terão olhos castanhos
d) O genótipo dos avós não influencia em quais características estarão presentes nos netos
e) Caso um dos pais tenha olhos azuis e o outro olhos castanhos, o filho tem sempre 25% de chance de
nascer com olhos azuis.

13
Biologia

9. A anemia falciforme é causada por uma mutação que produz uma alteração na sequência de aminoácidos
da hemoglobina, sendo que essa alteração pode ser detectada na eletroforese. O diagrama abaixo mostra
o resultado do fracionamento por eletroforese da hemoglobina extraída de três indivíduos:

Sabendo que A é normal, podemos dizer que


a) C apresenta dois tipos de hemácias, normais e falcêmicas
b) B é heterozigoto, apresentando apenas hemácias normais por conta do alelo dominante
c) O cruzamento de A com B gera apenas indivíduos com 100% das hemácias normais
d) O cruzamento de A com C gera 50% de filhos com anemia falciforme grave
e) O cruzamento de B com C gera 50% dos filhos com os dois tipos de hemácias

10. Considere o heredograma a seguir para uma determinada característica hereditária. heredograma

A análise do heredograma e os conhecimentos que você possui sobre o assunto PERMITEM AFIRMAR
CORRETAMENTE que
a) trata-se de herança restrita ao sexo.
b) os indivíduos III-2 e III-3 são homozigotos.
c) os genótipos de I-1 e IV-1 são iguais.
d) o caráter é condicionado por um gene dominante.
e) é impossível determinar a dominância do caráter.

14
Biologia

Gabarito

1. D
Temos aqui um caso de epistasia, onde
C = pigmentação
c = cor branca
I = inibe pigmentação
i = não inibe pigmentação
Ao cruzar CCii com CcIi, temos:
CC x Cc = 50% CC e 50% Cc, porém com fenótipo 100% pigmentado
ii x Ii = 50% Ii e 50% ii, ou seja, 50% dos indivíduos apresentarão pigmentação e 50% serão brancos.
CCIi – Branco (sem pigmentação)
Ccii – Com pigmentação
CCii – Com pigmentação
CCIi – Branco (sem pigmentação)

2. B
Sabendo que a herança é ligada ao sexo, também sabemos que ela está no cromossomo X. A mãe do
paciente apresenta a doença, porém ele não. Como é sempre a mãe que envia o cromossomo X para os
filhos homens, caso a doença fosse recessiva, a mãe seria XaXa, e o paciente teria a doença (XaY). Porém
com a doença sendo dominante, a mãe apresenta genótipo heterozigoto XAXa, e o paciente nasce sem a
doença por ter recebido o alelo recessivo Xa. Sabendo isso, sabemos o genótipo da mãe e do pai, logo o
cruzamento será XAXa x XaY, e a filha tem 50% de chance de nascer afetada XAXa.

3. C
Do cruzamento SsTt x SsTt, pode gerar uma prole com filhos brancos (sstt), assim, a letra C é a correta.

4. D
Os genes estão no mesmo cromossomo e, como formaram apenas 2 gametas, não ocorreu crossing over.

5. B
O sangue O Rh- apresenta aglutininas anti A, anti B e anti Rh, sendo o mais difícil para receber sangue,
enquanto o sangue AB Rh+ não apresenta nenhuma aglutinina, sendo o mais fácil de receber sangue.

6. E
Supondo que a visão é determinada pelo gene A, e a habilidade manual pelo gene B:
Homem normal e destro = AaBb (apresenta o a e o b por causa do pai ser míope e canhoto,
respectivamente)
Mulher míope e destra = aaBb (apresenta um b por conta da mãe canhota)
Aa x aa = 1/2 destro (Aa) e 1/2 canhoto (aa)
Bb x Bb = 3/4 normal (BB e Bb) e 1/4 míope (bb)
A probabilidade da criança ter o mesmo fenótipo do pai (AaBb) é 1/2 x 3/4 = 3/8

7. D
Podemos observar uma herança recessiva, pois é possível que pais com mesmo fenótipo (e genótipo
heterozigoto) tenham filhos com fenótipos diferentes (e genótipos recessivos). A herança também é ligada

15
Biologia
ao sexo, visto que apenas homens apresentam esta condição, sendo as mulheres filhas destes homens
apenas portadoras de um alelo recessivo Xa.

8. B
Como olhos azuis é uma característica recessiva, caso os pais tenham olhos castanhos, mas sejam
heterozigotos Aa, há uma possibilidade dos filhos nascerem com olhos azuis.

9. E
A, normal, apresenta dois alelos dominantes AA, por isso uma única banda mais grossa na eletroforese. C
apresenta anemia falciforme e apenas uma banda, logo sabemos que ele é homozigoto recessivo aa. B
apresenta os dois alelos, Aa, pois apresenta duas bandas. Cruzando B com C teremos
Aa x aa = 50% Aa e 50% aa
Como a anemia falciforme é um exemplo de codominância, o alelo A determina presença de hemoglobina
normal e o alelo a determina a hemoglobina falcêmica, então 50% dos filhos terão os dois tipos de hemácias
no organismo.

10. C
Vemos que a doença é recessiva, sendo que os indivíduos afetados irão apresentar todos os mesmos
genótipos, seja aa caso a doença seja autossômica, seja XaY, caso seja uma doença ligada ao sexo.

16
Biologia

Problemas de genética – Gourmet

Resumo

Antes de iniciar os estudos da Genética, é importante conhecer alguns conceitos:


• Genoma: conjunto haploide de cromossomos de uma espécie
• Cariótipo: conjunto diploide de cromossomos, organizados de acordo com a sua morfologia
• Locus gênico: local que o gene ocupa no cromossomo. O plural de locus é loci gênico
• Alelo: genes que ocupam o mesmo lócus.

• Genótipo: constituição de genes de determinado indivíduo (ex: genótipo Aa).


• Fenótipo: expressão de características de acordo com o genótipo e as influências do meio que vive (ex:
flores rosas).
• Homozigotos: São formados por alelos iguais (AA ou aa)
• Heterozigotos: Um locus possui dois alelos distintos. (Aa)
• Dominante: Expressam sua característica, mesmo na presença de um gene recessivo que daria origem a
outro fenótipo.
• Recessivo: Não se expressam na presença de um gene dominante.

1
Biologia

Primeira lei de Mendel


Mendel realizou experimentos com ervilhas da espécie Pisum sativum, realizando cruzamentos e anotando os
resultados. Analisou como algumas características possuíam caráter dominante em relação a outras, ditas
recessivas.
No experimento de Mendel, com o cruzamento de plantas ditas “puras”, houve o crescimento de plantas iguais
às parentais. Estas poderiam ter tanto o genótipo AA (fenótipo amarelo da semente) como aa (fenótipo verde),
assim, são homozigotas.

Cruzando-se plantas com sementes verdes (vv) e amarelas (VV), originaram apenas plantas com sementes
amarelas (Vv), heterozigotas (chamadas de híbridas por Mendel). Por fim, cruzando-se plantas Vv x Vv,
originaram 3 plantas com sementes amarelas (sendo 1 VV e 2 Vv), além de 1 planta verde (vv). Isso provou a
relação de dominância da cor amarela sobre a verde, originando a proporção de 3:1 do fenótipo em um
cruzamento de heterozigotos.

Primeira lei de Mendel


• Ausência de dominância ou dominância incompleta
Os alelos são igualmente dominantes. Por exemplo o cruzamento das flores Mirabilis: alelo V1 não possui
dominância sobre o alelo V2 e vice-versa, fazendo com que haja uma mistura do fenótipo em F1. Isso se
denomina ausência de dominância ou dominância incompleta.

2
Biologia

• Codominância
No caso da codominância, há a expressão dos dois fatores expressando o fenótipo de ambos os homozigotos,
como é o caso do boi de pelagem malhada da espécie Shorthorn.

• Gene letal
Em determinada combinação de alelos, o embrião pode se tornar inviável e ser abortado espontaneamente ou,
caso consiga nascer, morre antes da idade reprodutiva. Nos humanos, há uma rara doença conhecida como
Tay-Sachs, condicionada por um gene letal recessivo, que faz com que a criança não sobreviva aos seus
primeiros anos de vida.

3
Biologia

Heredogramas
Os heredogramas são representações das relações de herança entre as gerações, representando o parentesco
e o tipo de herança genética. Para identificar se o caráter é dominante ou recessivo, procura-se um cruzamento
teste, onde os pais devem apresentar fenótipo diferente de pelo menos um dos filhos. Isso significa que os pais
são heterozigotos, e os filhos homozigotos recessivo.

Sistemas sanguíneos
Os tipos sanguíneos são um caso de polialelia, ou alelos múltiplos, que é o fenômeno em que uma mesma
característica pode ser determinada por três ou mais alelos (formas alternativas de um gene). Os grupos
sanguíneos A, B, AB e O são determinados alelos Ia, Ib e i, respectivamente repare que, IA e IB exercem
dominância sobre o alelo i e entre IA e IB existe uma codominância.

A aglutinação é um processo simples de identificação do fenótipo no grupo sanguíneo ABO. A aglutinação


ocorre quando há o encontro do soro contendo anticorpos contra o antígeno de membrana e o sangue retirado

4
Biologia

do indivíduo. No caso da pessoa com sangue O, não haverá aglutinação, pois falta o aglutinogênio. O mesmo
acontece com o Fenótipo Bombaim, que não pode ser identificado nesse simples teste. No indivíduo com
sangue A, há aglutinação apenas na placa com o soro anti-A, enquanto que no sangue B, apenas na placa com
soro anti-B. Por fim, ocorre a aglutinação nas duas placas quando o indivíduo possui sangue AB.

• Fator Rh
Sua descoberta advém das pesquisas com o macaco Rhesus, que dá o nome desse fator. Aqueles que possuem
o fator na superfície eritrocitária são classificados como Rh+, enquanto sua ausência identifica os indivíduos
Rh-. Na transfusão sanguínea, deve-se analisar não só o sistema ABO, mas também o fator Rh, pois indivíduos
Rh- não podem receber doação de indivíduos com Rh+, pois possuem anticorpos anti-fator Rh. No entanto, Rh+
não reage ao sangue Rh- e pode ser transfundido.

Genética do sexo
Os cromossomos autossômicos (pareados) estão relacionados com as características estruturais e funcionais
de forma geral, enquanto os sexuais (não–pareados) são responsáveis pelas características que irão definir os
sexos, como a formação das genitálias e órgãos reprodutores e outras características gerais também. O
cariótipo sexual humano é definido de maneira genérica por XX para o sexo feminino e XY para o sexo
masculino.
Os cromossomos Y são mais curtos que o cromossomo X, e é nessa região mais curta onde se encontram os
genes responsáveis pelas características masculinas dos indivíduos. Existe também uma região em X que não
tem correspondência em Y, ou seja, não existem alelos em Y correspondentes a X nessa. A isso se dá o nome
de região não-homóloga.

• Herança restrita ao sexo: ocorre quando o gene está no cromossomo Y. Como exemplo a hipertricose
auricular.

• Herança ligada ao sexo: é provocada por genes nos cromossomos X. É mais comum de aparecer em
homens, já que estes precisam de apenas um cromossomo X para expressar o gene, caso ele seja
recessivo. Como exemplos, a hemofilia e o daltonismo.

• Herança influenciada pelo sexo: São características promovidas por genes autossômicos influenciados
pelo sexo do indivíduo. Como exemplo, a calvície.

5
Biologia

Segunda lei de Mendel


A Segunda Lei de Mendel refere-se a segregação independente dos fatores. Em outras palavras, pode-se dizer
que refere-se a separação de dois (ou mais) pares de genes alelos, estando estes localizados em pares distintos
de cromossomos homólogos, durante a formação dos gametas.
Por exemplo, ao analisar simultaneamente a cor de uma semente de ervilha (verde ou amarela) e a textura de
sua casca (rugosa ou lisa), Mendel determinou que um fator não dependia do outro em sua segregação para a
formação de gametas, podendo haver ervilhas amarelas rugosas, amarelas lisas, verdes rugosas e verdes lisas.
Mendel realizou o cruzamento de uma planta cujas ervilhas eram duplo-homozigotas dominantes (VVRR,
fenótipo amarela lisa) com ervilhas duplo-homozigotas recessivas (vvrr, fenótipo verde rugosa). Os únicos
gametas possíveis eram VR e vr, logo, houve a formação de uma geração F1 inteiramente duplo-heterozigota
(VvRr). O cruzamento desta geração F1 gerou a seguinte geração F2:

Proporção Genotípica de F2:


9 V_R_
3 V_rr
3 vvR_
1 vvrr

Proporção Fenotípica de F2:


9/16 Amarelas Lisas
3/16 Amarelas Rugosas
3/16 Verdes Lisas
1/16 Verdes Rugosas

6
Biologia

É valido citar que, em casos de duplo-heterozigoto, ao analisar apenas dois pares, a proporção fenotípica
observada será sempre 9:3:3:1.

Para determinar o número de gametas de determinado genótipo, basta observar o número de pares
heterozigotos (n), e elevar 2 por esse número (2n).
Ex.: Formação de gametas em AABbCCDd.
Há dois pares de alelos heterozigotos. Sem utilizar a fórmula, é possível deduzir que os gametas possíveis
são: ABCD; AbCD; ABCd; AbCd. O par AA só pode mandar A, o par Bb pode mandar B ou b, o par CC só pode
mandar C, o par Dd pode mandar D ou d. Sendo assim, há 4 possíveis combinações. O número de
heterozigotos é 2, logo, n = 2. Na fórmula, 2² = 4, comprovando que os números batem.

A Segunda Lei de Mendel também pode ser calculada como dois casos isolados de Primeira Lei de Mendel,
obedecendo a “regra do E”.
Ex.: Cruzamento VvRr x VvRr, destrinchado em Vv x Vv e Rr x Rr
Há probabilidade de ¾ para a formação de sementes amarelas (V_), enquanto há probabilidade de ¼ para
a formação de sementes lisas (rr). Caso a busca seja pela probabilidade de sementes amarelas E lisas,
multiplica-se ¾ x ¼ = 3/16, a proporção anteriormente vista.

V v
V VV Vv

v Vv vv

¾ de probabilidade de ser amarela

R r
R RR Rr

r Rr rr

¼ de probabilidade de ser rugosa

Caso os genes estejam no mesmo cromossomo, ou seja, em Linkage, a segregação NÃO será independente,
portanto, a Segunda Lei de Mendel não é absoluta.

Interação Gênica e Pleiotropia


De acordo com as leis de Mendel, cada par de alelos determina uma característica. A interação gênica, no
entanto, trata-se de um caso de segunda lei de Mendel, e o que se observa é que dois ou mais pares interagem
juntos para a expressão de uma única característica. Já na pleiotropia ocorre o oposto, e um único par
determina diversas características.

7
Biologia

Genes Complementares (herança qualitativa)

Nos genes complementares, diversos genes não-alelos interagem juntos para expressar uma única
característica qualitativa, sendo por isso também chamada “herança qualitativa”. No caso da crista das
galinhas, os genes R e E determinam diferentes formas de crista, de acordo com as combinações de alelos
possíveis.

Epistasia
A epistasia é uma herança na qual um gene é capaz de inibir outro que não seja seu alelo.

Por exemplo, se o par B_ determina pelagem preta em labradores, e bb determina chocolate, o alelo epistático
ee pode determinar cor dourada, inibindo a expressão de B. Este é um caso de epistasia recessiva, já que o alelo
epistático é o recessivo. Quando o par com o alelo dominante inibir o outrogene, chamamos de epistasia
dominante, como observamos nas penas das galinhas.

8
Biologia

Herança Quantitativa

A herança quantitativa ocorre quando genes não-alelos agem de maneira aditiva para a expressão de uma
característica. Não mais há uma relação de dominância, e sim uma relação de genes aditivos (representados
por letras maiúsculas) e genes não-aditivos (letras minúsculas). Na cor da pele, por exemplo, cada aditivo
determina a produção de mais melanina, então, quanto mais genes aditivos, mais escura a pele.
Para este tipo de herança, quando temos um cruzamento entre heterozigotos, pode-se utilizar o triângulo de
Pascal para determinação das proporções dos fenótipos. Veja por exemplo o cruzamento entre dois indivíduos
com pele mulato médio AaBb x AaBb. São 4 genes envolvidos (Aa, Bb, Aa e Bb), logo vemos quais as proporções
presentes nesta linha equivalente do triângulo, como indicado abaixo:

A soma da linha é equivalente a proporção total, enquanto cada número será a proporção de determinado
fenótipo, como está indicado no quadro acima.

9
Biologia

Pleiotropia
Na pleiotropia, ocorre o oposto da interação gênica, e um único par de alelos determina várias características,
como é o caso da anemia falciforme.
Na anemia falciforme, há alteração de um único aminoácido, que resulta em uma mudança no formato da
hemácia, que, de disco bicôncavo, passa a ter formato de foice. Quando o indivíduo apresenta apenas um alelo
para anemia falciforme (Aa), ele apresenta traço falcêmico, ou seja, metade de suas hemácias são normais e
metade das hemácias são falciformes. Se o indivíduo apresenta ambos os alelos, ele terá anemia falciforme, e
todas as suas hemácias terão o formato de foice. Essa hemácia tem maior dificuldade de carregar oxigênio, e
tendência de se agrupar, formando coágulos, aumentando risco cardíaco. Além disso, são hemácias imunes a
malária, doença cujo parasita destrói as hemácias. Sendo assim, pessoas com traço falcêmico são
positivamente selecionadas em áreas cuja malária é endêmica.
A fenilcetonírua também é uma doença determinada pela polialelia, onde o par de alelos ff determina as
características como retardo mental, problema de pele e fenilalanina na urina, todas expressadas no mesmo
momento.

Um terçeiro exemplo de pleiotropia é a cor das cebolas, que pode ser vermelha ou branca. Porém a cor vermelha,
determinada por um par de genes recessivos, determina além da cor, a produção de uma substância que
confere resistência a fungos.

10
Biologia

Exercícios

1. A síndrome MELAS (Miopatia Mitocondrial, Encefalopatia, Acidose Láctica e Episódios Tipo AVC) é uma
doença mitocondrial neurodegenerativa, de desenvolvimento progressivo e com um fenótipo muito
variável podendo ocorrer retardo de crescimento, convulsões generalizadas ou focais e episódios que
parecem AVC isquêmico ou acidente isquêmico transitório, que podem progredir para encefalopatia
progressiva e acidose láctica e é tratada por neurologista infantil. Considerando uma mulher afetada pela
doença espera-se que esta transmita a mesma
a) somente para suas filhas;
b) somente para seus filhos homens;
c) somente para 25% dos seus filhos homens;
d) somente para 50% de suas filhas;
e) para todos os seus filhos independentemente do sexo.

2. Inúmeros acidentes automobilísticos ocorrem diariamente em nosso país. As vias estão lotadas de
veículos, o que aumenta a quantidade de tais acidentes. De acordo com dados do Departamento Nacional
de Trânsito (DENATRAN), atualmente há cerca de 50 milhões de veículos em circulação no Brasil.
https://marciliodrummond.jusbrasil.com.br/artigos/381905869/o-passo-a-passo-em-um-acidente-de-transito

Acidentes automobilísticos são situações comuns de uso de hemocomponentes, como concentrados de


hemácias. Em uma transfusão direta de sangue entre dois indivíduos, uma pessoa com sangue do tipo
AB, Rh+ recebe sangue do tipo B, Rh–. Espera-se que, nessa transfusão, o choque
a) não ocorra, pois o soro do receptor não possui aglutininas do grupo A B O e o doador não possui o
fator Rh.
b) não ocorra, pois o receptor possui hemácias indiferentes às aglutininas anti-B do soro do doador.
c) ocorra, pois as hemácias do doador possuem o aglutinógeno B e o receptor possui o fator Rh.
d) ocorra, pois o soro do doador contém aglutinina anti-A que aglutinará as hemácias do receptor.
e) ocorra, pois o soro do receptor contém aglutininas anti-A e anti-B que aglutinarão as hemácias do
doador.

11
Biologia

3. A hemofilia é um distúrbio genético humano, que se caracteriza pela falta de um dos fatores de
coagulação sanguínea. O gene que codifica para a produção desse fator está localizado no cromossomo
X em uma região que não apresenta homologia em Y. O heredograma abaixo indica, na segunda e terceira
gerações, três famílias (A, B e C) que apresentam, em comum, um progenitor afetado por essa anomalia.

Analisando-se o heredograma, é correto afirmar:


a) na família A, apenas um indivíduo apresenta o gene causador de hemofilia.
b) não existem indivíduos portadores do gene da hemofilia na família B.
c) na família C, pelo menos um indivíduo apresenta o gene causador de hemofilia.
d) a chance de o casal II-5 x II-6 ter uma criança afetada por esse caráter é de 1/24.
e) A herança da hemofilia é restrita ao sexo.

12
Biologia

4. Sabe-se que a Síndrome de Klinefelter pode ser resultante da fertilização de um óvulo XX por um
espermatozoide normal, ou pela união de um óvulo normal com espermatozoide XY. Entretanto, verificou-
se que, na maioria das vezes, os dois cromossomos X são de origem materna. Analise o seguinte gráfico:

Dentre as afirmativas, qual podemos concluir que está correta em relação ao gráfico?
a) Existe uma relação entre a idade materna e o nascimento de crianças com a Síndrome de Klinefelter.
b) O gráfico demonstra que a maioria das mulheres têm filhos depois dos 30 anos.
c) Nas células dos portadores de Síndrome de Klinefelter, não se observa a cromatina sexual.
d) Os portadores da Síndrome de Klinefelter são de baixa estatura e são geralmente férteis.
e) Klinefelter e Turner possuem o mesmo genótipo, mas o fenótipo é diferente, visto que o primeiro é
do sexo masculino e o segundo, do sexo feminino.

5. O daltonismo é de herança ligada ao X. Uma mulher de visão normal, cujo pai é daltônico, casou-se com
um homem de visão normal. A probabilidade de crianças daltônicas na prole dessa mulher é de:
a) 1/4 dos meninos.
b) 1/4 das meninas.
c) 1/2 dos meninos.
d) 1/8 das crianças.
e) 1/2 dos meninos e 1/2 das meninas.

6. Na espécie humana existe um gene raro que causa a displasia ectodérmica anidrótica, que é uma
anomalia caracterizada pela ausência das glândulas sudoríparas. Esse gene se localiza no cromossomo
sexual X. Algumas mulheres, portadoras desse gene em heterozigose, ficam com a pele toda manchada,
formando um mosaico de manchas claras e escuras, quando se passa um corante sobre a pele. Que
mecanismo genético explica a formação dessas manchas?
a) A inibição de determinados cromossomos autossômicos pela presença de dois cromossomos X
b) A inativação aleatória de um dos cromossomos X
c) Este fato não pode ser explicado geneticamente, visto que cor da pele e mancha são características
relacionadas ao fenótipo
d) A ausência do cromossomo Y, visto que homens não apresentam mosaicismo
e) A falta de vitamina A durante o desenvolvimento das mulheres, já que na infância esta vitamina ajuda
na produção de melanina, ativando genes da cor da pele.

13
Biologia

7. Uma planta que produz rabanetes redondos foi cruzada com outra que produzia rabanetes alongados,
resultando no surgimento de 100% de plantas que produziam rabanetes ovais. Sabendo que se trata de
um caso de ausência de dominância, qual seria a proporção de rabanetes redondos ao realizar um
autocruzamento dos indivíduos da geração F1 de rabanetes?
a) 15%
b) 25%
c) 50%
d) 75%
e) 100%

8. Em meados do século XIX, Gregor Mendel realizou cruzamentos entre pés de ervilha que apresentavam
diferentes características morfológicas. Mendel avaliou a herança de fenótipos relacionados com a altura,
tipos de flores, morfologia das vagens e sementes. A partir da análise dos resultados destes
experimentos ele postulou o que ficou conhecido como as leis de Mendel. Na primeira lei de Mendel ou
a lei da Segregação dos Fatores, cada característica morfológica, observada nas plantas é determinada
por fatores que se encontram em dose dupla nesses organismos. Sobre esses fatores, é correto afirmar
que
a) Eles correspondem aos que atualmente chamamos de genes, e são encontrados em pares em
organismos diploides
b) Cada fator apresenta um alelo diferente, que em conjunto formam o locus gênico
c) Ao analizar os fatores de um indivíduo, estudamos o fenótipo dele, enquanto a expressão desses
fatores determina o genótipo
d) As chamadas linhagens puras de Mendel apresentavam fatores iguais, e hoje em dia chamaos isso
de heterozigose
e) Fatores recessivos nunca são expressados nos indivíduos.

9. Um bode sem chifres cruzou com três cabras, gerando um filhote com cada uma, como representado no
quadro abaixo:

Admita que a ausência de chifres em caprinos seja uma característica monogênica dominante, qual o
genótipo das cabras 1, 2 e 3, respectivamente?
a) Aa, aa e aa
b) Aa, Aa e AA
c) AA, AA e aa
d) aa, Aa e AA
e) aa, aa e Aa

14
Biologia

10. Considerando que, no homem, a visão normal, a cor escura dos olhos e a presença de cabelos cacheados
sejam determinados por genes dominantes (M, C e L), assinale a opção que apresenta os tipos de
gametas que serão formados em um indivíduo de visão normal homozigoto, olhos claros e cabelos
cacheados heterozigoto.
a) MCL e mcl
b) McL e Mcl
c) MMccLl
d) mcL e mcl
e) MCL e mCl

15
Biologia

Gabarito

1. E
A transmissão das informações genéticas mitocondriais se faz da mãe para os filhos, tanto meninos quanto
meninas.

2. A
O receptor não deve receber aglutinogênios que não possui. Nesse caso, pode-se doar de B para AB, assim
como de Rh para Rh +. Entretanto, o contrário não é válido.

3. C
Na família C, pelo menos o indivíduo II-5 é portador do alelo recessivo, visto que o herdou do seu pai, mesmo
sem apresentar a doença.

4. A
Quanto maior a idade materna, maior o número de filhos com alguma alteração cromossômica.

5. C
A mulher apresenta genótipo XDXd, pois o pai era daltônico (XdY). O homem com visão normal será XDY.
No cruzamento desse casal, todas as meninas terão visão normal (XDXD ou XDXd) sendo que os meninos
podem nascer 1/2 normal XDY ou 1/2 daltônico XdY.

6. B
As manchas são formadas a partir da inativação ao acaso de cromossomos X nas mulheres. As regiões
manchadas terão células com o gene anormal ativo, enquanto as regiões com coloração normal
apresentam o gene normal ativo.

7. B
A geração F1 são os rabanetes ovais. Logo teremos Ovais x Ovais = AB x AB = 25% AA (redondo), 50% AB
(ovais) e 25% BB (alongados)

8. A
Os fatores são demoninados genes. Eles se encontram em duplas pois a ervilha é diploide, e apresenta
duas copias de cada cromossomo, apresentando genes iguais em pares homólogos.

9. E
Ausência de chifres = AA ou Aa
Presença de chifres = aa
Bode = Aa (sem chifres)
Cabra 1 = aa (apresenta chifres, mas teve um filhote sem chifres por conta do A do bode [Aa])
Cabra 2 = aa (apresenta chifres, e teve um filhote também com chifres por conta da combinação com o a
do bode [Aa])
Cabra 3 = Aa (não apresenta chifres, mas possui um filhote com chifres [aa] o que indica que ela e o bode
passaram um alelo a).

16
Biologia

10. B
Visão normal = MM ou Mm
Visão míope = mm
Olhos escuros = CC ou Cc
Olhos claros = cc
Cabelo cacheado = LL ou Ll
Cabelo liso = ll
O homem apresenta visão normal homozigoto olhos claros e cabelos cacheados heterozigoto, logo seu
genótipo é MMccLl. Os gametas formados serão McL e Mcl

17
Se você chegou até o final desse eBook, é
um ótimo candidato para ajudar a gente.

Dá uma olhada aqui e veja


como, juntos, podemos
melhorar sua forma de
aprender. É tranquilinho,
chega mais!