Você está na página 1de 2

BIFIDUMBACTERIUM LONGUM

BENEFÍCIOS EM CRIANÇAS CELÍACAS E BEBÊS PREMATUROS


A composição microbiana do trato gastrointestinal nos PROPRIEDADES:
seres humanos sofre alterações durante a vida. Os membros do gênero Bifidumbacterium
Existem fases bem distintas descritas que são bactérias gram-positivas pertencentes ao
correspondem, respectivamente, ao nascimento, filo das actinobactérias. Capazes de inibir a
quando a microbiota começa a colonizar o intestino serina protease regulam uma grande
estéril e o período do desmame, quando há a inserção variedade de vias de sinalização celular, e
de uma dieta diferente. reconhecidas pela sua capacidade de
Estudos observacionais conduzidos até o momento relatam associações entre a suprimir respostas inflamatórias através da
disbiose intestinal, doença celíaca (DC) em crianças e enterocolite necrosante (NEC) inibição da atividade da elastase. Seus
em recém-nascidos prematuros, onde há um desequilíbrio da microbiota duodenal e produtos finais metabólicos englobam ácidos
fecal, com diminuição de Bifidumbacterium spp. e aumento no número de colônias de

Informações destinadas exclusivamente aos profissionais da saúde.


graxos de cadeia curta, vitaminas e ácidos
1,2
Bacterioides spp . graxos poli-insaturados. Neste contexto, o
acetato sintetizado por estas bactérias
EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS APRESENTAM O BENEFÍCIO DO USO DE BIFIDOBACTERIUM demonstra propriedade no aumento da
LONGUM: defesa intestinal mediada por células
epiteliais, protegendo o hospedeiro contra
2 infecções causadas por bactérias entero-
ESTUDO CLÍNICO SOBRE CRIANÇAS RECÉM DIAGNOSTICADAS COM DOENÇA CELÍACA : 6
hemorrágicas .
 REDUÇÃO DE COLÔNIAS BACTERIOIDES SPP.: Estudo comparou o tratamento de B.
longum em crianças recém diagnosticadas com DC (grupo A) em comparação ao
placebo (grupo B). O resultado demonstrou que no grupo A as bactérias foram
capazes de reduzir o número de Bacterioides fragilis na mucosa intestinal.
 REDUÇÃO DE LINFÓCITOS T CD3 MADUROS: resultados demonstram que bifidobactérias ATIVIDADES2,3,4:
exercem um efeito muito expressivo sobre esse conjunto de linfócitos,
 Anti-inflamatória;

©Todos os direitos reservados.


contribuindo para a melhor recuperação do estado inflamatório associado à fase
 Redução de citocinas pró-
ativa da doença aonde as células T conduzem a uma resposta inflamatória com
inflamatórias;
aumento da produção de citocinas pró-inflamatórias.
 Redução da colonização de
 REDUÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE TNFα: no contexto da doença celíaca, as
Bacterioides spp.;
concentrações elevadas de TNFα e interferon-ɣ411723ag contribuem para o
 Redução da permeabilidade do
aumento da permeabilidade do epitélio intestinal, favorecendo o acesso de
epitélio intestinal.
cargas mais elevadas de antígenos para a submucosa e, por conseguinte, no

www.pharmaceutical.com.br
agravamento da patogênese da DC.

Em estudo realizado constatou a eficiência da introdução de uma mistura de 4


bifidobactérias (B. breve, B bifidum, B. infantis e B. longum) na redução substancial 2,3
CONCENTRAÇÃO DE USO :
da ocorrência de enterocolite necrosante em 294 recém-nascidos prematuros 9 9
Bifidumbacterium longum 1 x 10 a 1,4 x10
internados em unidade de terapia intensiva neonatal3.
UFC/dia.

Pesquisa e Desenvolvimento: Pharmaceutical Consultoria (Maio 2014)


A microbiota de recém-nascidos prematuros é muito diferente de recém-nascidos a
termo, devido a vários fatores, mas a imaturidade do seu sistema imune e a
constante administração de antibióticos pode exibir um papel importante. A
administração de espécies de bifidobactérias na recolonização da microbiota
LITERATURA CONSULTADA:
intestinal destes recém-nascidos reduz dramaticamente a suscetibilidade a 1. Di Gioia D, Aloisio I, Mazzola G, Biavati B.
infecções4. Bifidobacteria: their impact on gut microbiota
composition and their applications as probiotics in
infants. Appl Microbiol Biotechnol. 2014 Jan;
98(2):563-77.
2. Olivares M, Castillejo G, Varea V, Sanz Y. Double-
SUGESTÃO DE FÓRMULA blind, randomised, placebo-controlled intervention
trial to evaluate the effects of Bifidobacterium
longum CECT 7347 in children with newly diagnosed
2
IOGURTE DE BIFIDUMBACTERIUM LONGUM 2 coeliac disease. Br J Nutr. 2014 Jul; 112(1):30-40.
3. Janvier A, Malo J, Barrington KJ. Cohort study of
9
BIFIDUMBACTERIUM LONGUM 1x10 UFC probiotics in a North American neonatal intensive
care unit. J Pediatr. 2014 May; 164(5):980-5.
EXCIPIENTE QSP 1un 4. Underwood MA, Kalanetra KM, Bokulich NA, Lewis
Administrar o conteúdo do sachê uma vez ao dia ZT, Mirmiran M, Tancredi DJ, Mills DA.
5. A comparison of two probiotic strains of
bifidobacteria in premature infants. J Pediatr. 2013
Dec; 163(6):1585-1591.e9.
Rua Dr. Arthur Costacurta, 550 – Área Industrial – 6. Ventura M, Turroni F, Lugli GA, van Sinderen D.
Jardinópolias/SP – CEP 14680-000 Bifidobacteria and humans: our special friends, from
Contato: (11) 5044-7234 ecological to genomics perspectives. J Sci Food Agric.
lemma@lemma.com.br / http://www.lemma.com.br 2014 Jan 30; 94(2):163-8.
lemma.supply

Você também pode gostar