Você está na página 1de 100

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS


PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MINERAL

MICHEL WILLYAM PAIXÃO DA SILVA

MODELAGEM E CARACTERIZAÇÃO DE UMA JAZIDA DE


AREIA DO MUNICÍPIO DE IGARASSU-PE

RECIFE
2015
MICHEL WILLYAM PAIXÃO DA SILVA

MODELAGEM E CARACTERIZAÇÃO DE UMA JAZIDA DE


AREIA DO MUNICÍPIO DE IGARASSU-PE

Dissertação apresentada ao Programa


de Pós-Graduação em Engenharia
Mineral, da Universidade Federal de
Pernambuco, como requisito parcial à
obtenção do título de mestre em
Engenharia Mineral, com área de
concentração em Minerais Industriais.

Orientador: Dr. Belarmino Barbosa Lira

RECIFE
2015
Catalogação na fonte
Bibliotecária Margareth Malta, CRB-4 / 1198

S586M Silva, Michel Willyam Paixão da.


Modelagem e caracterização de uma jazida de areia do município de
Igarassu-PE / Michel Willyam Paixão da Silva. - Recife: O Autor, 2015.
100 folhas, il., gráfs., tabs.

Orientador: Prof. Dr. Belarmino Barbosa Lira.


Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco.
CTG. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mineral, 2015.
Inclui Referências e Anexos.

1. Engenharia Mineral. 2. Areia. 3. Lavra. 4. Jazida. I. Lira,


Belarmino Barbosa. (Orientador). II. Título.

UFPE

622.35 CDD (22. ed.) BCTG/2015-266


UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MINERAL
PARECER DA COMISSÃO EXAMINADORA
DE DEFESA DE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DE
MICHEL WILLYAM PAIXÃO DA SILVA
“MODELAGEM E CARACTERIZAÇÃO DE UMA JAZIDA DE AREIA DO
MUNICÍPIO DE IGARASSU-PE”

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: MINERAIS INDUSTRIAIS

A comissão examinadora composta pelos professores abaixo, sob a presidência


do Dr. Belarmino Barbosa Lira
MICHEL WILLYAM PAIXÃO DA SILVA, Aprovado.
Recife, 14 de Agosto de 2015.

_________________________________________________________________
Prof. Dr. BELARMINO BARBOSA LIRA
Orientador (UFPB)

_________________________________________________________________
Prof. Dr. JÚLIO CÉSAR DE SOUZA
Examinador Interno (UFPE)

_________________________________________________________________
Prof. Dr.ª GICÉLIA RODRIGUES
Examinador Externo (UFPB)
A meu pai Anselmo, minha mãe Ângela
e meu irmão Mickey.
A minha esposa Alexciane e a toda a
minha família.
AGRADECIMENTOS

Em primeiro lugar a DEUS que me Abençoou e me Deu a Graça de concluir este


trabalho.
A minha família que está sempre comigo, me apoiando, incentivando, ensinando,
protegendo e me acolhendo.
A minha esposa Alexciane Vieira, a qual amo e sou feliz ao seu lado.
Aos meus amigos e irmãos em Cristo, pois com eles aprendo a viver.
A Mineração Petribú, pertencente à Usina São José, pelo apoio nos trabalhos de
campo.
Aos Laboratórios de Tecnologia Mineral – LTM, de Planejamento de Lavra –
LAPLA, de Isótopos Estáveis - LABISE e ao Núcleo de Estudos Geoquímicos,
todos da UFPE, e ao Laboratório de Ensaio de Materiais e Estruturas – LABEME,
da UFPB, pelos trabalhos realizados.
A CAPES pelo auxílio da bolsa de estudo.
Aos funcionários da UFPE e do PPGEM, em especial Edna Santos e Voleide
Barros, pelo carinho e atenção.
Ao professor Eldemar Menor pela colaboração na parte de análises química semi-
quantitativa e de Difratometria de Raio-X.
A todos que contribuíram para a formulação deste trabalho, principalmente ao
orientador, professor Dr. Belarmino Barbosa Lira e ao coorientador professor Dr.
Júlio César de Souza.
“O homem sem temor a Deus é como
um grão de areia; mas, se teme ao
Senhor, ele é como uma rocha
inabalável.”
HELGIR GIRODO
RESUMO

Este trabalho apresenta a modelagem e caracterização de uma jazida de areia e


analisa a viabilidade técnica da mesma, para que a areia seja utilizada como
agregado para construção civil. A jazida mineral está localizada às margens da
rodovia federal BR-101, à noroeste do município de Igarassu, região
metropolitana do Recife-PE e pertence a uma mineração local. Primeiramente, foi
realizada uma pesquisa mineral no local do depósito, através de levantamentos
geológicos, levantamentos topográficos e sondagens, para cubagem do mesmo.
Em seguida, foram efetuadas várias análises físicas e químicas das
características do material a ser extraído, tais como: caracterização e qualidade,
análises granulométricas, análise química semi-quantitativa e análise de difração
de raios-X. Na sequência, foi executada a modelagem geológica do corpo
mineral, através do software DATAMINE STUDIO 3.0, para avaliar o seu
potencial, sua dimensão e a viabilidade da lavra. Além disso, foram fornecidos
subsídios para a elaboração de um projeto do empreendimento mineiro a ser
implantado: lavra, carregamento e transporte, beneficiamento (com uma unidade
de classificação) e os principais equipamentos necessários para este
empreendimento. A partir dos resultados obtidos, constatou-se a viabilidade da
areia para ser utilizada como agregado miúdo na construção civil, com a
necessidade do tratamento prévio da mesma para se adequar as normas da
ABNT, e obteve-se um volume médio de cerca de 7,5 milhões de metros cúbicos,
ressaltando a exequibilidade da exploração da jazida com uma vida útil de
aproximadamente 60 anos, para uma produção média de 25.000 m³/mês.

Palavras-chave: Areia. Lavra. Jazida.


ABSTRACT

This work presents the modeling and characterization of a sand mine and analyze
the technical feasibility of the same, so that sand be used as aggregate for civil
construction. The mineral deposit is located on the edge of federal highway BR-
101, to the northwest of the city of Igarassu, metropolitan area of Recife-PE and
belongs to a local mining. First, a mineral survey was conducted at the site of
deposit, through geological surveys, topographical surveys and drilling to cubage
the same. Then, they were made several physical and chemical analysis of the
characteristics of the material to be extracted, such as: characterization and
quality, granulometric analyses, semi-quantitative chemical analysis and
diffractometry analysis of X-ray. Following, it was executed the geological
modeling of the mineral body, through datamine STUDIO 3.0 software to assess
their potential, their dimension and viability of the mining operation. In addition,
subsidys were provided for the elaboration of a mining project design to be
implemented: mining, loading and transportation, beneficiation (with a
classification unit) and the main equipment needed for this project. From the
results, the feasibility of sand was found to be used as kid aggregate in civil
construction, with the need for pretreatment of the same to suit the ABNT, and
obtained an average volume of about 7,5 million cubic meters, emphasizing the
exequibility of deposit exploration with a lifespan of about 60 years, to an average
production of 25,000 m³/month.

Key-words: Sand. Mining. Deposit.


LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Figura 1 – Lavra pelo método de Desmonte Hidráulico. ..................................... 21


Figura 2 – Lavra pelo método da Dragagem. ...................................................... 23
Figura 3 – Lavra pelo método de Desmonte Mecânico. ...................................... 24
Figura 4 – Log Washer. ....................................................................................... 26
Figura 5 – Scrubber. ........................................................................................... 27
Figura 6 – Lavador de Rosca. ............................................................................. 28
Figura 7 – Peneira Vibratória Horizontal. ............................................................ 29
Figura 8 – Classificador Espiral........................................................................... 30
Figura 9 – Ciclone. .............................................................................................. 31
Figura 10 – Localização da jazida. ........................................................................ 33
Figura 11 – Mapa com acessos à Igarassu. ......................................................... 34
Figura 12 – Mapa geológico de Igarassu-PE. ....................................................... 35
Figura 13 – Furos de sondagem. .......................................................................... 38
Figura 14 – Equipamento realizando o trabalho de sondagem. ............................ 39
Figura 15 – Amostra da areia da jazida sendo quarteada. .................................... 40
Figura 16 – Strings ligando os furos de sondagem. .............................................. 44
Figura 17 – Material compactado encontrado na jazida. ....................................... 50
Figura 18 – Vista tridimensional da jazida dividida em vários triângulos. .............. 62
Figura 19 – Determinação do modelo geológico da jazida de areia...................... 63
Figura 20 – Vista tridimensional da jazida preenchida por blocos......................... 64
Figura 21 – Peneira tipo “banana”......................................................................... 66
Figura 22 – Esquema de funcionamento da peneira tipo “banana”....................... 67
Figura 23 – Unidade de classificação a ser implantada. ....................................... 69
Figura 24 – Equipamento para realização da sondagem. ..................................... 94
Figura 25 – Escavações mostrando o perfil do solo. ............................................. 94
Figura 26 – Escavações mostrando o perfil do solo. ............................................. 95
Figura 27 – Escavações mostrando o perfil do solo. ............................................. 95
Figura 28 – Escavações mostrando o perfil do solo. ............................................. 96
Figura 29 – Equipamentos fazendo o carregamento do material. ......................... 96
Figura 30 – Vista da jazida. ................................................................................... 97
Figura 31 – Vista da jazida. ................................................................................... 97
Figura 32 – Área requerida para implantação da jazida. ....................................... 98

Gráfico 1 – Curva granulométrica da amostra B. ................................................ 52


Gráfico 2 – Distribuição Granulométrica Representativa de todo o depósito de
areia. 55
Gráfico 3 – Difratograma de raios-X. ................................................................... 58
Gráfico 4 – Difratograma de raios-X. ................................................................... 59
Gráfico 5 – Difratograma de raios-X. ................................................................... 59
Gráfico 6 – Curva granulométrica da amostra 1.................................................. 78
Gráfico 7 – Curva granulométrica da amostra 2.................................................. 79
Gráfico 8 – Curva granulométrica da amostra 3.................................................. 80
Gráfico 9 – Curva granulométrica da amostra 4.................................................. 81
Gráfico 10 – Curva granulométrica da amostra 5.................................................. 82
Gráfico 11 – Curva granulométrica da amostra 6.................................................. 83
Gráfico 12 – Curva granulométrica da amostra 7.................................................. 84
Gráfico 13 – Curva granulométrica da amostra 8.................................................. 85
Gráfico 14 – Curva granulométrica da amostra 9.................................................. 86
Gráfico 15 – Curva granulométrica da amostra 10................................................ 87
Gráfico 16 – Curva granulométrica da amostra 11................................................ 88
Gráfico 17 – Curva granulométrica da amostra 12................................................ 89
Gráfico 18 – Curva granulométrica da amostra 13................................................ 90
Gráfico 19 – Curva granulométrica da amostra 14................................................ 91
Gráfico 20 – Curva granulométrica da amostra 15................................................ 92
Gráfico 21 – Curva granulométrica da amostra 16................................................ 93

Quadro 1 – Forma de ocorrências e métodos de extração. .................................. 20


Quadro 2 – Resumo das atividades realizadas em campo e os respectivos
equipamentos. 39
Quadro 3 – Resumo dos experimentos realizados e seus respectivos
equipamentos e laboratórios. ................................................................................ 47
Quadro 4 – Coordenadas, profundidades e características dos furos de
sondagem. 49
LISTA DE TABELAS

Tabela 1 – Participação por uso de Areia. .......................................................... 19


Tabela 2 – Massa unitária (agregado miúdo). ..................................................... 51
Tabela 3 – Análise granulométrica da amostra B................................................ 52
Tabela 4 – Dados da amostragem dos 16 furos de sondagem selecionados para
compor a análise granulométrica representativa do material. ............................... 54
Tabela 5 – Limites granulométricos do agregado miúdo (areia). ........................ 55
Tabela 6 – Resultado das análises químicas semi-quantitativas. ....................... 57
Tabela 7 – Volumes dos triângulos obtidos pelo software DATAMINE. .............. 61
Tabela 8 – Análise granulométrica da amostra 1. ............................................... 78
Tabela 9 – Análise granulométrica da amostra 2. ............................................... 79
Tabela 10 – Análise granulométrica da amostra 3. ............................................... 80
Tabela 11 – Análise granulométrica da amostra 4. ............................................... 81
Tabela 12 – Análise granulométrica da amostra 5. ............................................... 82
Tabela 13 – Análise granulométrica da amostra 6. ............................................... 83
Tabela 14 – Análise granulométrica da amostra 7. ............................................... 84
Tabela 15 – Análise granulométrica da amostra 8. ............................................... 85
Tabela 16 – Análise granulométrica da amostra 9. ............................................... 86
Tabela 17 – Análise granulométrica da amostra 10. ............................................. 87
Tabela 18 – Análise granulométrica da amostra 11. ............................................. 88
Tabela 19 – Análise granulométrica da amostra 12. ............................................. 89
Tabela 20 – Análise granulométrica da amostra 13. ............................................. 90
Tabela 21 – Análise granulométrica da amostra 14. ............................................. 91
Tabela 22 – Análise granulométrica da amostra 15. ............................................. 92
Tabela 23 – Análise granulométrica da amostra 16. ............................................. 93
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

SUDENE - Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste


IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
CPRM - Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais
DNPM - Departamento Nacional de Produção Mineral
ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas
NBR - Norma Brasileira
DNER - Departamento Nacional de Estradas de Rodagem
ANEPAC - Associação Nacional das Entidades de Produtores de Agregados
para Construção Civil
ROM - Run of Mine
GPS - Global Positioning System
NEG - Núcleo de Estudos Geoquímicos
LABISE - Laboratório de Isótopos Estáveis
UFPE - Universidade Federal de Pernambuco
DRX - Difração de Raio-X
LTM - Laboratório de Tecnologia Mineral
COD - Crystallography Open Dates
CSV - Comma Separated Values
LABEME - Laboratório de Ensaio de Materiais e Estruturas
UFPB - Universidade Federal da Paraíba
LAPLA - Laboratório de Planejamento de Lavra
APP - Área de Preservação Permanente
CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente
PAE - Plano de Aproveitamento Econômico
EIA - Estudo de Impcto Ambiental
RIMA - Relatório de Impacto Ambiental
SIGMINE - Sistema de Informações Geográficas da Mineração
PIB - Produto Interno Bruto
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ............................................................................................. 14
1.1 JUSTIFICATIVA ........................................................................................... 15
1.2 OBJETIVOS ................................................................................................. 16
1.2.1 Objetivo Geral ............................................................................................. 16
1.2.2 Objetivos Específicos ................................................................................ 16
2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ....................................................................... 17
2.1 DEFINIÇÃO DE AREIA ................................................................................ 17
2.2 TIPOS DE DEPÓSITOS DE AREIA ............................................................. 18
2.3 USOS E DESTINAÇÃO DA AREIA.............................................................. 18
2.4 MÉTODOS DE LAVRA E BENEFICIAMENTO DA AREIA .......................... 19
2.4.1 Desmonte hidráulico .................................................................................. 20
2.4.2 Dragagem .................................................................................................... 22
2.4.3 Desmonte mecânico .................................................................................. 24
2.4.4 Carregamento e Transporte de Areia ....................................................... 25
2.4.5 Beneficiamento da Areia............................................................................ 25
2.4.5.1 Lavagem e Desagregação ........................................................................... 26
2.4.5.2 Peneiramento ............................................................................................... 28
2.4.5.3 Classificação e Deslamagem ....................................................................... 29
2.5 ASPECTOS AMBIENTAIS DA LAVRA DE AREIA....................................... 31
3 DADOS SOBRE O LOCAL DA JAZIDA ...................................................... 33
3.1 LOCALIZAÇÃO ............................................................................................ 33
3.2 GEOLOGIA .................................................................................................. 34
4 METODOLOGIA........................................................................................... 36
4.1 LEVANTAMENTO GEOLÓGICO ................................................................. 37
4.2 LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO ............................................................ 37
4.3 SONDAGEM ................................................................................................ 38
4.4 CARACTERIZAÇÃO E QUALIDADE ........................................................... 40
4.5 ANÁLISE QUÍMICA SEMI-QUANTITATIVA ................................................. 41
4.6 ANÁLISE DE DRX ....................................................................................... 41
4.7 MODELAGEM GEOLÓGICA ....................................................................... 42
4.7.1 Análise e Tratamento dos Dados .............................................................. 43
4.7.2 Modelo Geológico em 3D........................................................................... 44
5 RESULTADOS E DISCUSSÕES ................................................................. 48
5.1 SONDAGEM ................................................................................................ 48
5.2 CARACTERIZAÇÃO E QUALIDADE ........................................................... 50
5.3 ANÁLISE QUÍMICA SEMI-QUANTITATIVA ................................................. 56
5.4 ANÁLISE DE DRX ....................................................................................... 58
5.5 MODELAGEM GEOLÓGICA ....................................................................... 60
5.5.1 Calcúlo da Reserva de Areia ..................................................................... 60
6 PROJETO DO EMPREENDIMENTO ........................................................... 65
7 CONCLUSÕES ............................................................................................ 70
REFERÊNCIAS ........................................................................................................ 72
ANEXO A ENSAIOS GRANULOMÉTRICOS ........................................................... 78
ANEXO B REGISTRO FOTOGRÁFICO ................................................................... 94
1 INTRODUÇÃO

Segundo o site da Sociedade dos Mineradores de Areia do Rio Jacui Ltda.


(2015), a areia é um dos materiais mais importantes para o bem estar da
sociedade moderna. Ela é o segundo bem mineral mais consumido no mundo,
superado apenas pela água. No Brasil, a produção de areia é duas vezes maior
que a de ferro.
De acordo com o Sumário Mineral de 2014 do Departamento Nacional de
Produção Mineral (DNPM), a maior parte da areia produzida no Brasil é
consumida na indústria da construção civil. Sua aplicação encontra-se dividida
entre os subsetores de revenda (lojas de materiais de construção), concreto pré-
misturado, fabricação de pré-moldados de concreto, concreto asfáltico e material
para compor a base/sub-base de rodovias.
O Relatório Técnico 31 do Ministério de Minas e Energia (2009) afirma que
os recursos minerais de areia são abundantes, pois a areia natural advém de
processos intempéricos, seguidos ou não de outros processos do ciclo das
rochas, como erosão, transporte e deposição, que se estabelecem de maneira
constante, em todo o planeta. Mas, em alguns casos, podem não ocorrer recursos
minerais suficientes para atender à demanda regional e a região precisa trazer
areia de outros locais.
Apesar de ser um mineral abundante e apresentar baixo valor unitário, o
consumo de areia é um importante indicador do perfil socioeconômico de
desenvolvimento de um país, estado ou região metropolitana. O que mais chama
a atenção no setor de agregados é o fato de estar diretamente ligado à qualidade
de vida da população tais como: a construção de moradias, armazéns para os
programas de abastecimento voltados para alimentação, saúde e saneamento
básico (onde estão incluídos os sistemas de captação, adução, tratamento e
distribuição de água e esgoto), educação, transporte (pavimentação e construção
de rodovias, vias públicas, ferrovias, hidrovias, portos, aeroportos, pontes,
viadutos, pátios e estações) entre outros (SILVA, 2012).

14
O desenvolvimento de uma sociedade está diretamente ligado à indústria
da construção civil, pois esta fornece condições básicas para a população obter
uma vida digna e de qualidade (FERNANDES, 2007 apud BAREA, 2013).

1.1 JUSTIFICATIVA

A Região Metropolitana do Recife apresenta-se como o principal polo


populacional e econômico do Estado de Pernambuco. Segundo dados do IBGE
(2010), a região engloba 14 municípios que, juntos, ocupam uma área total de
2.768 km², a população da chamada Grande Recife é de 3,9 milhões de
habitantes que geram um PIB de R$ 76 bilhões. Bezerra (2012) afirma que essa
região experimenta, nos últimos anos, um forte crescimento econômico que
amplia a ocupação dos espaços territoriais e a demanda por bens e matérias
primas diversas.
A dieta mineral é ativada pela demanda da construção civil, exigindo a
abertura de novas minas ou a importação de produtos in natura ou
industrializados de outras regiões do país (BEZERRA, 2012).
Devido ao grande consumo de areia pela indústria da construção civil no
mundo, torna-se cada vez mais importante e necessário a instalação de novas
minerações neste setor. Estas devem ser locadas, de preferência, o mais próximo
possível dos grandes centros urbanos, pois os mesmos são os maiores
consumidores deste produto.
Este trabalho faz um estudo para determinar a viabilidade técnica e
econômica de uma jazida para lavra de areia para construção civil, que está
dentro das características citadas acima, ou seja, na cidade de Igarassu, região
metropolitana do Recife-PE, que é um grande centro urbano.

15
1.2 OBJETIVOS

1.2.1 Objetivo Geral

Explorar uma jazida de areia localizada à noroeste da cidade de Igarassu-


PE, pertencente a uma mineração local, através de levantamentos geológicos e
topográficos, sondagens, análises químicas e físicas, com o intuito de analisar a
viabilidade desta areia para emprego como agregado para construção civil.
Realizar a modelagem geológica deste corpo mineral, através do software
Datamine Studio 3.0, avaliando assim o seu potencial, em termos de volume, e a
possibilidade da lavra deste depósito. Por fim, fornecer subsídios para a
elaboração de um projeto de uma mineração com uma unidade de classificação
da areia, de referência, e a sua viabilidade.

1.2.2 Objetivos Específicos

 Analisar as características da areia a ser lavrada e correlacionar com seu


possível uso como material para construção civil;
 Efetuar a Modelagem Geológica da jazida.
 Avaliar o potencial da jazida, sua dimensão e a viabilidade da lavra;
 Fornecer subsídios para um projeto de um empreendimento mineiro: lavra
e beneficiamento;

16
2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2.1 DEFINIÇÃO DE AREIA

Segundo a Norma Brasileira 9935 (2011) da Associação Brasileira de


Normas técnicas, a areia é um agregado miúdo originado através de processos
naturais ou artificiais de desintegração de rochas ou proveniente de outros
processos industriais.
Bauer (1995), do ponto de vista geológico, define areia como um sedimento
clástico inconsolidado de grãos em geral quartzosos de diâmetros entre 0,06 e
2,00 mm.
Entretanto, materiais decompostos e mantidos in situ (manto de alteração
de pedreiras), que não sofreram qualquer tipo de transporte também são areia. O
transporte, por sua vez, pode ser fluvial e eólico. Este último traz para os grãos
elevado grau de arredondamento. Isto é muito bom porque aumenta a
trabalhabilidade da argamassa ou concreto, embora piore a aderência dos grãos
à pasta (ALMEIDA & LUZ, 2012).
A norma NBR 7225 da ABNT, que fala sobre Materiais de Pedra e
Agregados Naturais, classifica a areia em três produtos diferentes:
 Areia grossa, -2+1,2 mm;
 Areia média, -1,2+0,42 mm;
 Areia fina, -0,42+0,075 mm.
Enquanto que a norma NBR 7211, que fala à respeito do Agregado para
Concreto, apresenta quatro tipos diferentes de areia:
 Areia grossa;
 Areia média;
 Areia fina;
 Areia muito fina.
As definições para areia, apresentadas por cada norma, divergem uma da
outra. Além disso, a norma NBR 7225 considera a areia como um material
17
puramente natural, ao mesmo tempo que a NBR 7211 inclui as areias
provenientes da britagem. De um modo geral, não existe correspondência entre
as duas normas. A NBR 7225 considera o tamanho máximo de 2 mm, ao passo
que a NBR 7211 admite de 5 a 12% de partículas acima de 4,8 mm (CHAVES &
WHITAKER, 2012).
De acordo com Chaves e Whitaker (2012), os fatores mais importantes que
devem ser levados em consideração na hora de definir areia, principalmente para
uso na construção civil, são: a distribuição granulométrica, a forma dos grãos e a
composição mineralógica.

2.2 TIPOS DE DEPÓSITOS DE AREIA

A areia é extraída de leito de rios, várzeas, depósitos lacustres, mantos de


decomposição de rochas, pegmatitos e arenitos decompostos. No Brasil, cerca de
70% da areia é produzida em leito de rios (QUARESMA, 2009).
De acordo com Bueno (2010), os principais ambientes geológicos onde é
extraída a areia para construção civil são:
 Leitos de rios;
 Planícies costeiras;
 Planícies e terraços aluviais de fundos de vale (pretéritos);
 Coberturas de morros constituídas por formações sedimentares arenosas
mais antigas;
 Coberturas de morros com mantos de alteração de rochas quartzosas.

2.3 USOS E DESTINAÇÃO DA AREIA

Segundo o site da Associação Nacional das Entidades de Produtores de


Agregados para Construção Civil (2015), o consumo de areia está dividido em

18
vários segmentos da construção civil. Estes segmentos estão na base dos ramos
de edificações e de construção pesada, que constituem a formação de moradias e
infraestrutura do país. A Tabela 1 apresenta estes principais segmentos e a
participação de cada um deles.

Tabela 1 – Participação por uso de Areia.


SEGMENTO PARTICIPAÇÃO (%)
Concreteira 20
Construtora 15
Pré-fabricados 10
Revendedor 10
Usina de Asfalto 5
Argamassas 35
Órgãos Públicos 3
Outros 2
Fonte: ANEPAC, 2014.

2.4 MÉTODOS DE LAVRA E BENEFICIAMENTO DA


AREIA

Um dos fatores mais importantes no planejamento da lavra é a natureza de


operação, se a seco ou a úmido, pois algumas operações de lavra são aplicáveis
apenas a úmido ou a seco e em alguns casos podem ocorrer as duas formas. Os
métodos de lavra empregados na extração de areia são basicamente três e
dependem da natureza do depósito que está sendo lavrado, de suas
características intrínsecas, da região onde ele se encontra, das suas condições
de planejamento e reabilitação ambiental e da escala de produção (SIMITH &
COLLIS, 2001). O Quadro 1 apresenta uma correlação entre as formas de
ocorrência de areias e os métodos mais usuais empregados para sua extração.

19
FORMA DE OCORRÊNCIA MÉTODOS DE EXTRAÇÃO
Não coesa, encontrada nos leitos de rios atuais. Dragagem
Não coesa, encontrada nas planícies e terraços Desmonte Hidráulico ou
aluviais. Dragagem
Não coesa, encontrada em dunas litorâneas.
Areia consolidada na forma de arenitos ou Desmonte Mecânico
quartzitos, formando platôs, com escarpas.
Quadro 1 – Forma de ocorrências e métodos de extração.
Fonte: ANEPAC, 2014.

A seguir são apresentadas as características básicas de cada um destes


três métodos.

2.4.1 Desmonte hidráulico

O desmonte hidráulico é frequentemente utilizado em depósitos horizontais


e sub-horizontais que possuem matérias primas minerais com grandes
quantidades de areia de quartzo, que desagrega-se facilmente, e em regiões
onde haja uma alta disponibilidade de água (PISSATO, 2009).
Quaresma (2009) afirma que o desmonte hidráulico consiste na aplicação
de um jato de água, através de um monitor, que o direciona sobre o talude a ser
desmontado, fazendo com que uma polpa (composta por cerca de 15% em
massa de material sólido) se forme e seja carreada pela ação da gravidade. Neste
tipo de desmonte, a altura das bancadas não devem ultrapassar os 20 metros.
Para facilitar o direcionamento do transporte da polpa, originada na superfície dos
taludes, canaletas podem ser instaladas, assim como mais de um monitor na
frente de lavra, a qual assume formas irregulares de avanço.
Segundo o autor, a polpa converge para um ponto na parte inferior da
bancada e posteriormente é succionada por uma draga, que a transfere para as
estapas seguintes de tratamento.

20
Almeida (2002) diz que o tratamento busca primeiramente separar a areia
dos outros materiais, realizando na maioria das vezes, uma classificação
granulométrica que separa as frações finas e as frações mais grosseiras, do
material desejado. Em algumas situações, o tratamento pode incluir apenas um
peneiramento grosseiro em peneira estática e a decantação em tanques para
eliminação do material argiloso em um ou mais estágios.
A autora relata também que depois de passar por um processo de
clarificação natural, nas bacias de decantação, a água resultante destas bacias é
reaproveitada e reconduzida em circuito fechado, voltando a fazer parte das
etapas do processo produtivo. A medida que vão secando, os tanques de
decantação vão produzindo uma camada de solo propícia a revegetação.
Esta forma de minerar exibe algumas vantagens quando comparada com o
método de demonte mecânico, tais como baixo investimento inicial e alta
produção e recuperação na lavra, no entanto apresenta como desvantagens a
baixa seletividade, a alta diluição da polpa nas bacias de acumulação, a grande
necessidade de água e a limitação à depósitos inconsolidados (PISSATO, 2009).
A Figura 1, abaixo, apresenta um resumo das principais etapas e
operações realizadas neste tipo de desmonte.

Figura 1 – Lavra pelo método de Desmonte Hidráulico.


Fonte: IPT, 2002.

21
2.4.2 Dragagem

De acordo com Almeida (2002), a dragagem de areia (Figura 2) se dá


sobre as camadas de sedimentos arenosos que se encontram em leitos
submersos de diversos tipos de reservatórios de água. Geralmente esses
depósitos possuem uma espessura que varia desde poucos metros a dezenas de
metros.
A autora também relata que a retirada do material ocorre através de um
sistema de bombeamento que realiza a sucção da polpa originada a partir da
superfície de ataque do leito submerso. A polpa é conduzida por meio de uma
tubulação que atinge o ponto de sucção no fundo da água.
Segundo Quaresma (2009), o sistema de bombeamento deste método de
desmonte pode ser montado sobre dois tipos de barcaças:
 barcaça móvel, que se desloca por autopropulsão ou com auxílio de um
barco reboque, realizando o transporte do minério;
 barcaça com ancoragem fixa, com o minério sendo transportado por
tubulação sustentada sobre tambores flutuantes.
Quanto a forma de extração do minério, o autor afirma que, dependendo do
local onde a extração é realizada (em leitos de rio ou em lagos), duas
possibilidades podem ocorrer:
 Na primeira, a areia (polpa areia+água) do leito do curso dágua é
succionada por uma draga semi-estacionária flutuante, equipada com um
conjunto moto-bomba, e em seguida bombeada para o beneficiamento
através de tubulações. O deslocamento da draga no leito do curso dágua é
realizado por cabos de aço fixados nas margens;
 Na segunda possibilidade, a areia é succionada de dentro dos
compartimentos de um barco (batelão), por uma draga estacionária que
está embarcada nele, e bombeada para o beneficiamento através de
tubulações. O batelão navega até o ponto de extração da polpa e retorna
para o porto com seus compartimentos cheios para serem descarregados
pela draga estacionária.

22
Com relação às vantagens deste método, o autor relata que a dragagem
apresenta uma alta produtividade, se comparada com outras formas de extração,
além de um baixo custo operacional e uma boa recuperação. Mas ao mesmo
tempo, afirma que este método extrativo requer uma considerável quantidade de
água, aliada a uma boa desagregação do material a ser desmontado, bem como
uma alta diluição da polpa originada e uma baixa seletividade na lavra.
O autor conclui dizendo que este método de desmonte também pode ser
aplicado na extração em área de várzea, com circuito em cava fechada. Nesse
tipo de extração, a água juntamente com as partículas finas retornam para uma
lagoa em circuito fechado e sem ligação direta com os cursos d’água. As dragas
de sucção são inseridas quando o nível do lençol freático é atingido, a areia e o
cascalho são conduzidos para os locais de estocagem, onde acontece a
drenagem natural, já as partículas finas e a água, são direcionadas de volta para
a lagoa ou para uma lagoa de decantação de finos através de canaletas e/ou
canais coletores.
As operações de tratamento para este tipo de desmonte são similares às
utilizadas no método de desmonte hidráulico (ALMEIDA, 2002).

Figura 2 – Lavra pelo método da Dragagem.


Fonte: IPT, 2002.

23
2.4.3 Desmonte mecânico

Dos três métodos de desmonte apresentados neste trabalho, o desmonte


mecânico, Figura 3, é o método mais simples. Indicado para depósitos não
inundados (secos), onde a superfície apresenta boa sustentação para
equipamentos pesados de escavação e transporte, o desmonte mecânico
consiste basicamente da escavação mecânica direta do minério através de
escavadeiras, pás-carregadeiras, tratores e posterior carregamento em
equipamentos de transporte, como por exemplo, os caminhões basculantes.
Estes, por sua vez, transportam o material desmontado para a planta de
beneficiamento (para tratamento) ou levam o material direto para as pilhas de
estocagem ou ainda a areia segue direto para a comercialização nas lojas
(SILVA, 2012).

Figura 3 – Lavra pelo método de Desmonte Mecânico.


Fonte: www.google.com.br/imghp, 2015.

24
2.4.4 Carregamento e Transporte de Areia

A areia produzida nas minerações é transportada diretamente dos silos de


areia e segue para os caminhões ou para os pátios de estocagem, com a ajuda
do uso de pás carregadeiras. Os caminhões utilizadosdos no transporte da areia
para o mercado consumidor possuem caçambas com capacidades que variam de
10 a 20 metros cúbicos. A distância média entre os portos de areia e os centros
consumidores é de cerca de 100 quilômetros (FERREIRA & FONSECA JÚNIOR,
2012). Em algumas situações, a areia é transportada por barco ou por trêm.

2.4.5 Beneficiamento da Areia

O beneficiamento da areia é relativamente simples, se comparados com o


de outras substâncias minerais. Ele consiste no desagregamento das partículas e
na remoção de impurezas finas (lavagem e desagregação), na classificação
granulométrica (peneiramento) e no desaguamento ou deslamagem (secagem),
que separam granulometricamente as frações interessantes aos setores de
aplicação (ALMEIDA & LUZ, 2012).
Um dos principais objetivos do beneficiamento da areia para construção
civil é assegurar que cerca de 95% da massa do material resultante se enquadre
na faixa granulométrica - 4,8 mm + 0,075 mm (QUARESMA, 2009).
A seguir, serão apresentadas as principais etapas do beneficiamento de
areia e os equipamentos utilizados em cada uma delas.

25
2.4.5.1 Lavagem e Desagregação

Chaves e Whitaker (2012) declaram que a lavagem e a desagregação da


areia devem ser as primeiras operações a serem realizadas em um fluxograma.
Segundo eles, estas operações de beneficiamento são fundamentais nas cavas
secas, ou seja, nos depósitos onde ocorre o desmonte hidráulico. Já nas minas
operadas por dragagem, os autores afirmam que estas etapas não tem muita
importância. Os equipamentos utilizados nestas operações são descritos a seguir:
O log washer, apresentado na Figura 4, é uma espécie de tanque que
possui dois eixos giratórios, nos quais estão presas várias palhetas que, ao
girarem, batem e agitam a polpa intensamente. Através do movimento das
palhetas, a areia que entra pela parte inferior do tanque é transportada até a parte
de cima do equipamento. Ao se movimentarem entre as palhetas, as partículas
inconsolidadas se desagregam e a cobertura de argila é removida, devido ao
intenso atrito superficial e aos impactos sofridos. Após atravessarem todo o
equipamento, as partículas sólidas são descarregadas como um underflow, ao
passo que a lama gerada transborda como um overflow (CHAVES & WHITAKER,
2012).

Figura 4 – Log Washer.


Fonte: www.trioproducts.com, 2015.

26
O scrubber, Figura 5, é um tambor giratório de aço inoxidável que possui
várias aletas em seu interior, cuja função é elevar e despencar as partículas. Seu
funcionamento se assemelha ao de um moinho de bolas, somando-se a lavagem
convencional e o peneiramento rotativo. O giro do tambor faz com que o material
caia sobre a polpa, que se encontra no fundo do tambor, provocando uma intensa
atrição das partículas sólidas e desagregação das coberturas de lama. Como
resultado o material alimentado é desagregado e a areia liberada. Na descarga do
aparelho é colocada uma peneira para separar as partículas grosseiras limpas, da
lama. Muitos aparelhos têm injeção de jatos d'água, sob pressão, para ajudar a
desagregação. Na peneira, outros jatos d'água completam a lavagem (CHAVES &
WHITAKER, 2012)

Figura 5 – Scrubber.
Fonte: www.durgametals.com/drum-scrubber.htm, 2015.

O lavador de rosca, mostrado na Figura 6, destina-se à lavagem e


desaguamento de partículas finas, de granulometria abaixo de 10 mm (3/8"). Ele é
empregado com sucesso para a remoção de superfinos prejudiciais à preparação
de concreto e argamassa. O equipamento é composto de um tanque de
decantação, o qual possui uma ou duas roscas que giram dentro dele, fazendo
com que as partículas mais densas se precipitem, sejam retiradas e
transportadas. As partículas mais finas ficam em suspensão na água, devido à

27
agitação ou turbulência provocadas pela injeção de águas inferiores, pelo
movimento rotacional da hélice e pela própria alimentação. Estes finos são
removidos juntos com a água por transbordamento, sendo a mesma coletada por
calhas laterais e direcionada para o duto de rejeito, situado na parte traseira da
máquina (METSO, 2005).

Figura 6 – Lavador de Rosca.


Fonte: www.maqbrit.com.br/lavador_rosca.html, 2015.

2.4.5.2 Peneiramento

O peneiramento da areia é uma operação fundamental na produção deste


material, uma vez que na jazida ela se apresenta em diversas granulometrias.
Para tal operação, são utilizadas peneiras de elevada frequência, com diversas
formas de movimento, tais como: circular, vertical e horizontal. Além disso, a
relação entre frequência, amplitude do movimento vibratório e a malha de
peneiramento devem ser relacionadas, pois conforme a malha da peneira diminui
a frequência de vibração aumenta e a amplitude também diminui. A Figura 7
mostra uma peneira vibratória horizontal com dois decks (CHAVES & WHITAKER,
2012).
As peneiras horizontais são usadas principalmente para classificação em
via seca ou úmida. Por ser horizontal, não há carreamento de água com o

28
material retido e a menor velocidade permite maior tempo de residência,
melhorando a eficiência de classificação, condição apropriada para malhas mais
finas. Usam movimentos lineares, o que requer duas linhas de vibradores para
gerar este movimento, tornando-as mais caras que as peneiras inclinadas.
Possuem maior tendência ao entupimento, quando comparadas com as peneiras
de movimento circular. São usadas também para peneiramento convencional
quando há limitação de altura, caso típico de conjuntos móveis. Nestes casos, é
preciso levar em consideração a limitação na abertura máxima da tela,
usualmente ao redor de 65 mm (2 ½”) (BOSCARATO, 2006).

Figura 7 – Peneira Vibratória Horizontal.


Fonte: www.peneiravibratoria.blogspot.com.br/2012/11/peneira-vibratoria.html, 2015.

2.4.5.3 Classificação e Deslamagem

A classificação e a deslamagem são processos que ocorrem a úmido. A


deslamagem trata da retirada das lamas indesejáveis para as operações
posteriores ou para a qualidade do material resultante. Geralmente são utilizados
dois equipamentos para estas operações: os classificadores espirais e os
hidrociclones (CHAVES & WHITAKER, 2012).

29
O classificador espiral, Figura 8, consiste de um tanque, que possui uma
espiral em seu interior, a qual gira, agitando a polpa (água + areia) e a mantendo-
a em suspensão. A densidade e viscosidade da polpa dependem da proporção de
sólidos e água. O classificador é alimentado pelas partículas sólidas e as mesmas
decantam ou não na polpa. As partículas que precipitam são arrastadas para
parte superior do tanque com o auxílio da espiral. As que ficam suspensas na
polpa, transbordam do equipamento (CHAVES, 2004).
Os classificadores espirais são fabricados em diferentes tamanhos, o que
lhes dá uma faixa de capacidades muito ampla (desde cerca de 60 até cerca de
1.720 t/h de lama eliminada pelo overflow). A faixa de separação (d95) vai de
cerca de 800 µm a 74 µm (CHAVES, 2004).

Figura 8 – Classificador Espiral.


Fonte: www.ore-beneficiation.com.br/2-3-spiral-classifier.html, 2015.

Os hidrociclones, Figura 9, consistem de uma câmara cilíndrica com o


fundo cônico na qual o material é alimentado tangencialmente e classicado em
dois produtos, o fino no overflow e o material mais grosso no underflow. A parte
inferior do equipamento é conhecida como apex e a superior vortex finder. Como
entra de forma tangencial, a polpa cria um movimento rotacional no interior do
equipamento, semelhante a um redemoinho (CHAVES & WHITAKER, 2012).

30
De acordo com Chaves e Whitaker (2012), os classificadores espirais
possuem uma maior eficiência de classificação (85 a 90 %) do que os ciclones (60
a 70 %).

Figura 9 – Ciclone.
Fonte: www.ore-beneficiation.com.br/2-3-spiral-classifier.html, 2015.

2.5 ASPECTOS AMBIENTAIS DA LAVRA DE AREIA

Embora a Resolução CONOMA nº 369 (2006) considere a atividade de


extração de areia para construção civil como de interesse social, esta atividade
gera problemas ambientais e de conflito com as comunidades vizinhas,
particularmente em regiões que ainda não fizeram o seu ordenamento territorial.
Dentre os principais impactos ambientais causados pela extração de areia, pode-
se citar: a geração de efluentes com particulados nos rios, as cavas inundadas
com alteração do nível freático, a alteração paisagística, o desmatamento, a

31
emissão de particulados atmosféricos oriundos da circulação de caminhões fora
de estrada e o barulho provocado pelas máquinas (QUARESMA, 2009).
A lavra de areia em cavas inundadas provoca alterações significativas na
paisagem e a destruição da camada de solo vegetal, dando origem à cavas
enormes, que podem chegar a 300 metros de comprimento, 50 de largura e 5 de
profundidadede. Além disso, esta prática deixa um passivo ambiental que
normalmente não é recuperado (ALMEIDA & LUZ, 2012).
Outro fator grave e preocupante é que as empresas de mineração, ao
realizarem a retirada da areia abaixo do nível do lençol freático, acabam
contaminando a água por óleo liberado pelas dragas, lixo, entulhos e etc, além de
contribuir para a ploriferação de insetos. Muitas comunidades que vivem próximas
às áreas de mineração de areia, principalmente as de baixa renda, não possuem
saneamento básico e para obterem água, acabam recorrendo à perfuração de
poços rasos no local, consumindo água contaminada pelas mineradoras
(PFALTZGRAFF, 1994).
A reabilitação de áreas mineradas em um conceito mais amplo da
mineração não é visto apenas do ponto de vista de proteção ambiental e
conservação, mas como parte do planejamento financeiro e viabilidade do projeto
de produção de agregado, considerando os aspectos – econômico, social e
ambiental. Dependendo do tipo de depósito lavrado, a topografia, hidrogeologia e
cavas podem ser reabilitadas para agricultura, parque aquático para lazer e etc
(SIMITH & COLLIS, 2001).

32
3 DADOS SOBRE O LOCAL DA JAZIDA

3.1 LOCALIZAÇÃO

A jazida se encontra às margens da BR 101, no município de Igarassu, que


se localiza na região metropolitana do Recife, capital do estado de Pernambuco.
O município de Igarassu faz divisa a norte com Goiana, a sul com Paulista e
Abreu e Lima, a leste com Itamaracá, Itapissuma e o Oceano Atlântico e a oeste
com Tracunhaém e Araçoiaba. A Figura 10, abaixo, mostra a localização exata da
jazida.

Figura 10 – Localização da jazida.


Fonte: www.google.com.br/maps, 2014.

A unidade territorial de Igarassu possui uma área de 305.560 km2, o que


representa 0,33% do Estado de Pernambuco. O município está localizado
geograficamente a uma latitude de 7° 50’ 00” sul e a uma longitude de 34° 54’ 30”
oeste, com uma altitude de aproximadamente 19 metros. A distância da cidade

33
para a capital é de 32,3 km e o acesso se dá através das rodovias pavimentadas
BR 101 e PE 035 (BELTRÃO et al, 2005).
A seguir, é apresentado na Figura 11, um mapa com os acessos à
Igarassu.

Figura 11 – Mapa com acessos à Igarassu.


Fonte: www.google.com.br/maps, 2014.

3.2 GEOLOGIA

O município de Igarassu encontra-se inserido, geologicamente, na


Província Borborema, sendo constituído do Complexo Salgadinho e dos
sedimentos das formações Beberibe e Gramame, do Grupo Barreiras e dos
Depósitos Flúvio-marinhos e Aluvionares (BELTRÃO et al., 2005). A Figura 12
mostra o mapa geológico da cidade, com suas unidades litoestratigráficas.

34
UNIDADES LITOESTRATIGRÁFICAS CONVENÇÕES GEOLÓGICAS

Cenozóico Contato geológico


Depósitos aluvionares (a): areia,
Q2a
cascalhos e níveis de argila.
CONVENÇÕES CARTOGRÁFICAS
Depósitos flúvio-marinhos (fm): depósitos indiscriminados
Qfm de pântanos e mangues, flúvio-lagulares e litorâneos.
Sede Municipal
Grupo barreiras (b): arenito e conglomerado,
ENb
intercalções de siltito e argilito. Rodovias

Mesozóico Limites Irtermunicipais


Formação Gramame (g): calcário margoso,
K2g fosforito na base (marinho raso). Rios e riachos

Formação Beberibe (be): arenito mal selecionado, arenito


K2be
calcífero (fluvial entrelaçado e transicional)

Paleoproterozóico
PPjs Complexo Salgadinho: ortognaisse tonalítico a granítico

Figura 12 – Mapa geológico de Igarassu-PE.


Fonte: CPRM, 2005.

35
4 METODOLOGIA

A metodologia da pesquisa foi dividida em quatro etapas principais:


observações de campo efetuadas através de visitas técnicas ao local da jazida;
levantamentos de dados e informações referentes à exploração da areia;
exploração mineral e realização de ensaios de laboratório para caracterização do
material.
 1ª Etapa – Observações de campo: conhecimento preliminar da área com
observação dos elementos presentes na mesma e em seu entorno.
 2ª Etapa – Levantamentos de dados: levantamentos de bibliografias sobre
minerações de areia de forma genérica, para entendimento dos métodos
de lavra, principais impactos ambientais e medidas de controle ambiental,
questões socioeconômicas, de normas técnicas e de legislações federais,
estaduais e municipais.
 3ª Etapa – Exploração mineral: levantamentos geológicos pormenorizados
da área, levantamento topográfico de superfície (localização da poligonal
requerida e marcação dos pontos de sondagem através de um aparelho de
GPS de precisão e Estação Total), estudos dos afloramentos e suas
correlações; abertura de escavações utilizando escavadeira hidráulica,
sondagens rotativas no corpo mineral e amostragens sistemáticas.
 4ª Etapa – Ensaios de laboratório: análises físicas e químicas das amostras
e dos testemunhos de sondagens; ensaios de beneficiamento do material
para obtenção de concentrados de acordo com as especificações do
mercado; análise dos resultados obtidos e elaboração do relatório final do
diagnóstico.

36
4.1 LEVANTAMENTO GEOLÓGICO

O termo levantamento geológico designa genericamente as atividades de


cartografia geológica ou mapeamento geológico. O seu propósito básico é
estabelecer a natureza, a forma tridimensional, a posição espacial, a origem, a
idade, a evolução, e a importância regional ou global dos corpos rochosos
(LADEIRA, 2009).
O levantamento da jazida de areia se deu de forma simples e objetiva,
fazendo-se uso das ferramentas necessárias para tal, tais como: caderneta de
campo, câmeras fotográficas, imagens de satélite, etc.
O local da jazida foi percorrido e avaliado por técnicos especializados, que
recolheram amostras da areia para análise do material e realizaram anotações
pertinentes sobre a mesma. Além disso, foram extraídas imagens tanto terrestres
como aéreas (satélite) para avaliação da jazida.

4.2 LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO

Segundo o site da Superfície Geomática (2015), o levantamento


topográfico consiste na determinação da altimetria e planimetria do conjunto de
pontos notáveis existentes na jazida. Com recurso a instrumentos, técnicas e
métodos específicos que permitem a sua posterior representação gráfica em
planta com o nível de detalhe pretendido, regista-se tanto o relevo natural como
artificial da mesma.
Na jazida, o levantamento topográfico consistiu na localização da Poligonal
requerida e marcação dos pontos de sondagem através de GPS de precisão e
Estação Total.

37
4.3 SONDAGEM

Segundo o Grupo de Pesquisa Mineral do Instituto Federal do Rio Grande


do Norte (2012), a sondagem é a culminação dos processos de prospecção
mineral, ela fornece a maior parte das informações para a avaliação final de um
prospecto e, em última análise, determina se o prospecto é uma jazida mineral
(passivo de se tornar uma mina). As amostras coletadas são cuidadosamente
selecionadas e ajudam a delinear a geometria do depósito mineral, calcular seu
volume e fornecer importantes detalhes estruturais.
Foram realizados 19 furos de sondagem com uma profundidade variando
entre 12 e 24 m, utilizando-se uma perfuratriz rotativa com uma broca de 2” de
diâmetro. Dos 19 furos, foram selecionados 16, devido aos furos de número 4, 9 e
17 não apresentarem resultados satisfatórios: o primeiro, após 4 metros de
profundidade, apresentou uma camada de arenito compactado, no segundo não
se encontrou areia e o furo 17 só atingiu a camada do arenito compactado. Foram
coletadas amostras destes 16 furos selecionados para caracterização
granulométrica e mineral. A localização dos furos de sondagem são apresentados
na Figura 13. A Figura 14 mostra a perfuratriz em operação.

Figura 13 – Furos de sondagem.


Fonte: www.google.com.br/maps, 2014.

38
Figura 14 – Equipamento realizando o trabalho de sondagem.
Fonte: Lira, B. B., 2014.

No Quadro 2, são apresentados os trabalhos realizados no local da jazida e


os equipamentos utilizados para realização dos mesmos.

TRABALHO EQUIPAMENTO
Caderneta de campo;
Levantamento Geológico. Câmeras fotográficas;
Imagens de satélite.
Estação total;
Levantamento Topográfico.
GPS de precisão;
Abertura de Escavações Visitáveis, Execução de Escavadeira hidráulica;
Sondagens no Corpo Mineral e Amostragens Perfuratriz Rotativa com
Sistemáticas. broca de 2”.
Quadro 2 – Resumo das atividades realizadas em campo e os respectivos equipamentos.

39
4.4 CARACTERIZAÇÃO E QUALIDADE

A caracterização é uma etapa fundamental para o aproveitamento da areia,


de forma otimizada, pois fornece os subsídios mineralógicos e texturais
necessários ao correto dimensionamento da rota de processo, ou permite
identificar etapas do processamento cuja correção melhora o seu rendimento
global (NEUMANN; SCHNEIDER; ALCOVER NETO, 2002).
Parte de uma amostra de areia que de modo geral, representa a jazida
analizada como um todo, foi enviada para o Laboratório de Análises de Materiais
e Estruturas-LABEME do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental – DECA
da Universidade Federal da Paraíba – UFPB. Ela foi submetida às análises para
verificação de massa unitária, do volume de vazios, massa específica, distribuição
granulométrica e teor de matéria orgânica.
Utilizaram-se as normas, ABNT NBR NM 45 – Agregados – Determinação
da massa unitária e do volume de vazios, ABNT NBR NM 52 – Agregado miúdo –
Determinação da composição granulométrica e DNER-ME 055/95 – Areia –
Determinação de impurezas orgânicas. A Figura 15, abaixo, exibe a areia sendo
quarteada no laboratório.

Figura 15 – Amostra da areia da jazida sendo quarteada.


Fonte: Lira, B. B., 2014.

40
4.5 ANÁLISE QUÍMICA SEMI-QUANTITATIVA

A fluorescência de raios-X é uma técnica não destrutiva que permite


identificar os elementos presentes em uma amostra (análise qualitativa) assim
como estabelecer a proporção (concentração) em que cada elemento se encontra
presente na amostra. Nela, uma fonte de radiação de elevada energia (radiação
gama ou radiação X) provoca a excitação dos átomos da substância que se
pretende analisar (ANDRADE, 2012).
Outra parcela da amostra da areia da jazida em forma de pó, que
representa a jazida como um todo, com granulometria abaixo de 200 mesh, foi
enviada para o NEG LABISE – Núcleo de Estudos Geoquímicos e Laboratório de
Isótopos Estáveis da UFPE – Universidade Federal de Pernambuco.
A amostra foi secada em estufa a 100 °C. Uma porção da amostra seca foi
colocada em uma mufla a 1000°C por 2 horas, para determinação de perda ao
fogo. Uma porção da amostra seca foi colocada em uma cápsula de alumínio e
prensada em uma prensa hidráulica com 25 toneladas de força. Na pastilha
prensada foi feita a análise química semi-quantitativa de elementos pesados e
alguns leves. O valor da perda ao fogo foi adicionado aos resultados da varredura
que foram então recalculados para 100%. A análise química foi realizada usando
um espectrômetro de fluorescência de raios-X Rigaku, modelo RIX 3000,
equipado com tubo de Rh e 6 cristais analisadores.

4.6 ANÁLISE DE DRX

A difração de raios X é uma técnica indicada para determinar as fases


cristalinas presentes em diversos materiais, dentre eles os minerais. Isso
acontece porque os átomos se ordenam em planos cristalinos separados entre si
por distâncias da mesma ordem de grandeza dos comprimentos da onda dos
raios X. Quando se incide um feixe de raios X em um cristal, o mesmo interage

41
com os átomos presentes, gerando o fenômeno de difração de raios X. Ela ocorre
segundo a Lei de Bragg, a qual estabelece a relação entre os planos que a
originaram (característicos para cada fase cristalina) (ALBERS et al, 2002).
Uma fração da amostra da areia que representa a jazida como um todo foi
submetida à fragmentação em um pilão de porcelana e em seguida peneirada em
uma peneira com abertura de 200 mesh. Depois disso, uma quantidade de 10 g
do material passante pela peneira foi enviada para o LTM – Laboratório de
Tecnologia Mineral da UFPE – Universidade Federal de Pernambuco.
A análise de DRX foi realizada no equipamento Bruker D2 PHASER.
Operando com voltagem de 30 kV e corrente de 10 mA, com irradiação de Cu-Kα1
= 1.54060 Å e usando o detector Bruker-Lynxeye. A faixa de leitura foi de 2θ: 4 –
80°; passo: 0,0202°/s; tempo de contagem por passo: 0,5 s; fenda na saída dos
raios x: 0,4 mm, rotação da amostra: 20 rpm.
Para a indexação foi usado o aplicativo DIFRAC.EVA_Bruker com o banco
de dados COD - Crystallography Open Dates.

4.7 MODELAGEM GEOLÓGICA

A modelagem geológica da jazida foi realizada através do software


DATAMINE STUDIO 3.0. Esta ferramenta é fundamental na geração de um
modelo tridimensional da jazida e muito importante no desenvolvimento dos
cálculos dos volumes da mesma.
O DATAMINE proporciona um conjunto de comandos para entrada e
manipulação de dados associados a um amplo nível de capacidades estatísticas,
gráficas e de processamento especialmente para dados geológicos e de
mineração. A sondagem em qualquer orientação e com variações de azimute e
de inclinação, são facilmente manejados, neste caso podemos combinar dados
com diferentes intervalos de amostra (GOPINATH et al., 2003 apud BASTOS,
2013)

42
O software utiliza uma combinação de modelamento de wireframes (para
superfícies, estruturas e etc.) e modelos de blocos para representar com exatidão
estruturas geológicas e a variação de teores em uma jazida. As ferramentas para
o modelamento de wireframes incluem um conjunto de algoritmos e operações
booleanas que permitem combinar e dividir grupos de wireframes. Uma vez
modeladas às estruturas, o DATAMINE pode converter as wireframes em um
modelo de blocos e proporcionar um amplo número de métodos de interpolação,
tanto estatístico, como geoestatístico, incluindo técnicas para o desdobramento
de estruturas complexas (BASTOS, 2013).
As características da jazida mineral foram definidas a partir dos dados de
sondagem (comprimento dos furos, descrição litológica dos furos, espessura das
camadas) e topografia (coordenadas dos furos) obtidos em campo.

4.7.1 Análise e Tratamento dos Dados

Os dados de sondagem, tais como: comprimento do furo, cota do furo,


localização, litologias foram condensadas em planilhas do Microsoft Excel no
formato CSV, (separado por vírgulas), tais como: Collars (coordenadas x, y e z da
boca dos furos), Assays (logs de sondagem com as litologias presentes).
Os arquivos foram importados para o DATAMINE e criados arquivos
correspondentes que tem a forma de collars.txt, e geology.txt, no formato binário.
Os arquivos de entrada foram agrupados e condensados em um só arquivo:
drillholles.
O arquivo drillholles contém a posição e orientação de cada furo de
sondagem e adicionalmente, informações de litologia em 3 dimensões.

43
4.7.2 Modelo Geológico em 3D

A partir da introdução dos dados de sondagens e topografia no software


DATAMINE as ferramentas de modelamento geoestrutural permitiram a criação
de um sólido representativo do corpo mineral e a construção das seções verticais
do jazimento. Para representação do sólido foram elaboradas strings contendo
informações sobre a areia baseadas nas seções verticais norte-sul e leste-oeste.
Essas poligonais foram usadas para confecção de uma malha triangulada,
base para o modelo geológico.
A superfície pode ser modelada com uma malha triangulada de pontos. O
termo técnico usado no software para definir esse tipo de modelo chama-se
wireframe. A partir da interpretação geológica que resultou na criação das
poligonais e após esta etapa partiu-se para malha triangulada (wireframe).
As wireframes da areia foram construídas a partir de strings que são
ligadas furo a furo através de algoritmo de triangulação automática de poligonais
(figura 16).

Figura 16 – Strings ligando os furos de sondagem.


Fonte: Autor, 2015.

O modelo de blocos foi criado a partir de blocos ou células retangulares,


cada uma contendo informações sobre teor, tipo de rochas, grau de oxidação,

44
etc.. O tamanho dessas células foi definido pelo usuário e baseado em vários
fatores como os afastamentos entre os furos, o método de lavra e as estruturas
geológicas ao redor do corpo mineral.
A célula “mãe” é a maior célula permitida no modelo. O conceito de “célula
mãe” é, em grande parte, um termo descritivo. O único produto visível, baseado
nas dimensões da célula mãe, é a restrição ao tamanho máximo das células e o
fato de que as células nunca devem ultrapassar as fronteiras da célula mãe
(PORTER, 2005).
A modelagem de blocos é, sobretudo, uma aproximação dos volumes
abaixo de uma topografia ou regiões especificadas dentro de um corpo 3D com as
zonas mineralizadas. Em ambos os casos, as superfícies e os volumes 3D são
usualmente definidos usando wireframes. Células são usadas pelo fato de que
elas podem fornecer atributos a zonas específicas dentro da zona mineralizada.
Como exemplo pode ser dado o teor de ouro orientado por um veio de quartzo
que pode variar com a localização (PORTER, 2005).
As subcélulas permitem a você subdividir as “células mãe” em células
menores para melhor se enquadrar à forma das wireframes. Quanto mais se
permite partir as células, melhor é o ajuste. O truque é ajustar o nível de divisão
das células para ter um ajuste razoável sem exceder o que é prático. As fronteiras
geológicas são as melhores aproximações (PORTER, 2005).
No quadro 3, a seguir, são apresentados os experimentos realizados, os
equipamentos utilizados e os respectivos laboratórios nos quais os mesmos foram
feitos.

45
EXPERIMENTO EQUIPAMENTOS INSTITUIÇÃO
Análise Agitador por vibração;
LABEME –
Granulométrica Conjunto de peneiras da série Tyler;
UFPB
por Peneiramento. Balança com precisão de três casas decimais;
Estufa a 100 °C;
Mufla a 1000 °C;
Análises Químicas Balança com precisão de três casas decimais;
NEG LABISE
Semi- Prensa hidráulica com 25 toneladas de força;
– UFPE
quantitativas. Espectrômetro de fluorescência de raios-X,
equipado com tubo de Rh e 6 cristais
analisadores.
Balança com resolução de 50 g;
Concha de agregados, de fundo plano;
Determinação da
Estufa para 105 (± 5) °C;
Massa Unitária e LABEME -
Haste de adensamento com extremidade
do Volume de UFPB
semi-esférica (16 x 600 mm);
Vazios-Método C.
Recipiente metálico cilíndrico, rígido e com
alças.
Balança com capacidade mínima de 1 kg
(resolução 0,1 g);
Estufa capaz de manter a temperatura no
Determinação da intervalo de 100 a 110 °C;
Massa Específica Molde tronco-cônico, de 40 mm de diâmetro
LABEME -
e Massa superior, 90 mm de diâmetro inferior e 75 mm
UFPB
Específica de altura;
Aparente. Soquete metálico com 340 g de massa e
superfície de compactação circular plana, com
25 mm de diâmetro;
Ventilador ou secador regulável.
Determinação de Balança com Cap. Mínima de 1 kg e LABEME -
Impurezas sensibilidade de 0,01 g; UFPB
Orgânicas 200 g de agregado miúdo seco ao ar;

46
Água destilada;
Hidróxido de sódio (soda cáustica);
Frasco Erlenmeyer com rolha esmerilhada de
250 ml;
Colorímetro ou kit com Soluções Padrão;
Bruker D2 PHASER;
Detector Bruker-Lynxeye;
Análise de DRX LTM - UFPE
DIFRAC.EVA_Bruker;
Crystallography Open Dates.
Modelagem LAPLA -
Software DATAMINE STUDIO 3.0.
Geológica UFPE
Quadro 3 – Resumo dos experimentos realizados e seus respectivos equipamentos e laboratórios.

47
5 RESULTADOS E DISCUSSÕES

5.1 SONDAGEM

No quadro 4, estão relacionados os furos de sondagem com suas


respectivas coordenadas geográficas, a profundidade atingida em cada
perfuração e uma breve caracterização do material encontrado.
Observa-se que os furos 4, 9 e 17 não apresentaram areia. No furo 4, a
partir de 4 m perfurados, encontrou-se uma camada de um argilito compactado, o
mesmo argilito que é encontrado no furo 17. Prosseguiu-se com a perfuração até
atingir-se a profundidade de 20 metros, na expectativa de encontrar-se areia após
a camada, o que não aconteceu. No furo 9, a perfuração foi interrompida após
alcançar-se 12 metros de profundidade, devido ao fato de não se acreditar que se
atingiria mais a camada de areia. Como este furo se encontra na extremidade da
malha de perfuração, a ausência de areia indica o provável término da jazida. Já
no furo 17, a interrupção ocorreu mais cedo. Após se deparar com um arenito
compactado durante 3 metros de perfuração, desistiu-se de prosseguir perfurando
e iniciou-se a perfuração do furo 18.

48
FURO COORDENADAS (ZONA 25M) PROF. (m) OBSERVAÇÃO
1 S 07°43’16,6” W 34°57’42,9” 20 Areia.
Após 4 m de material
2 S 07°43’13,3” W 34°57’46,0” 20
compactado, areia.
3 S 07°43’03,1” W 34°57’43,4” 22 Só areia.
Areia e a 4 m um
4 S 07°43’07,0” W 34°57’43,4” 20
argilito compactado.
5 S 07°43’06,1” W 34°57’44,6” 20 Areia.
6 S 07°43’20,4” W 34°57’55,6” 20 Areia.
7 S 07°43’03,0” W 34°57’30,7” 20 Areia.
Só areia
8 S 07°43’16,4” W 34°57’49,4” 20
(5 m areia lavada)
9 S 07°43’34,0” W 34°57’49,3” 12 Sem areia.
Com 4 m, camada
10 S 07°43’10,0” W 34°57’49,4” 20
compactada de ~ 4 m.
11 S 07°42’50,8” W 34°57’19,3” 20 Areia.
12 S 07°43’10,0” W 34°57’48,4” 20 Areia.
13 S 07°43’06,3” W 34°57”44,6” 20 Areia.
14 S 07°43’31,0” W 34°57’43,4” 20 Areia.
15 S 07°42’50,8” W 34°57’13,3” 20 Areia.
16 S 07°42’58,0” W 34°57’17,0” 24 Areia.
17 S 07°42’57,3” W 34°57’28,3” 3 Arenito compactado.
18 S 07°42’55,4” W 34°57’32,6” 24 24 m areia.
19 S 07°43’05,2” W 34°57’32,0” 24 24 m areia.
Quadro 4 – Coordenadas, profundidades e características dos furos de sondagem.
Fonte: LABEME, 2014.

A partir dos resultados atingidos com o trabalho de sondagem e


apresentados no Quadro 4 acima, observou-se que a jazida apresentou, uma
camada compactada de argila silte e de areia de média para grossa, além de uma
camada de arenito compactado. As espessuras destas camadas variam de

49
acordo com as coordenadas dos furos. Este material se apresenta litificado e
compactado. A figura 17, a seguir, ilustra uma parte deste material.

Figura 17 – Material compactado encontrado na jazida.


Fonte: Lira, B. B., 2014.

No anexo B podem ser visualizadas mais figuras como esta, contendo fotos
do local da jazida, da geologia da área, dos equipamentos utilizados na mesma e
da área requerida no DNPM.

5.2 CARACTERIZAÇÃO E QUALIDADE

A determinação da massa unitária e do volume de vazios, observada na


Tabela 2, caracteriza o material como um agregado miúdo. Esta caracterização foi
realizada em uma parcela da amostra recolhida da jazida que, de um modo geral,
a representa como um todo. O material foi caracterizado como uma areia para ser
utilizada na construção civil como agregado miúdo, com uma massa unitária de

50
1,38 kg/dm³, em acordo com as normas da ABNT NBR NM 45: 2006. Apesar da
caracterização ser realizada para uma única amostra, a análise visual das demais
amostras vão resultar na mesma classificação. O mesmo se observa com relação
à análise das impurezas orgânicas.
Foi enviada para o Laboratório de Ensaios de Materiais e Estruturas –
LABEME da Universidade Federal da Paraíba – UFPB uma porção da amostra
representativa do depósito para a determinação de impurezas orgânicas. A
solução de hidróxido de sódio com ácido tânico que permaneceu em contato com
o agregado durante 24 horas ficou mais clara que a solução padrão. Este
resultado mostra que a areia em análise pode ser utilizada na produção de
argamassa, uma vez que, a mesma apresenta baixa contaminação orgânica e no
processo de classificação a úmido pode-se retirar o material orgânico.
Com relação à massa específica, as amostras apresentam um valor em
torno de 2,57 g/cm³. A massa unitária é sumarizada na Tabela 2, que apresentou
um valor de 1,38 kg/dm³ que a caracteriza como um agregado miúdo para
construção civil.

Tabela 2 – Massa unitária (agregado miúdo).


DISCRIMINAÇÃO 1ª Det. 2ª Det. 3ª Det. Média
Massa do recipiente + amostra (kg) 27,48 27,65 27,70 27,61
Massa do recipiente (kg) 3,50 3,50 3,50 3,50
Massa da amostra (kg) 23,98 24,15 24,20 24,11
Volume do recipiente (dm³) 17,50 17,50 17,50 17,50
Massa unitária estado solto (kg/dm³) 1,37 1,38 1,38 1,38
Fonte: LABEME, 2014.

A Tabela 3 mostra o resultado da análise granulométrica realizada para a


amostra B, que representa a jazida como um todo. Pode-se dizer que esta análise
granulométrica, de modo geral, representa a distribuição granulometrica média da
jazida.

51
Tabela 3 – Análise granulométrica da amostra B.
PENEIRA (mm) PESO RETIDO (g) (%) RETIDA (%) RETIDA ACUMULADA
4,75 0 0 0
2,36 22,3 2,23 2,23
1,18 233,1 23,31 25,54
0,6 401,3 40,13 65,67
0,3 246,1 24,61 90,28
0,15 73,5 7,35 97,63
Resíduo 23,7 2,37 -
Total 1000 100
Fonte: LABEME, 2014.

O gráfico 1 exibe a curva granulométrica gerada a partir dos dados da


Tabela 3. A curva em vermelho refere-se à curva gerada, as áreas em azul do
gráfico representam a zona ótima e a zona utilizável para areias com uso na
construção civil. Verifica-se que a areia em análise, na faixa acima de 1,2 mm,
não se enquadra como um agregado para construção civil, na amostra B,
ressaltando a necessidade de classificar a areia da jazida.

Gráfico 1 – Curva granulométrica da amostra B.

0 0,15 0,3 0,6 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

52
A Tabela 4 apresenta uma análise granulométrica realizada com 16
amostras de areia, extraídas do local da jazida. Abaixo dos números das
amostras, estão descritos os valores do peso retido nas peneiras para cada
amostra. No lado direito, está a análise granulométrica representativa de todas as
amostras juntas, ou seja, a análise granulométrica da combinação das 16
amostras apresentadas.
Observa-se que a areia apresenta-se praticamente uniforme, em todas as
seções, os resultados granulométricos são basicamente semelhantes o que
caracteriza uma uniformidade do jazimento.
Comparando-se os resultados das análises granulométricas das amostras
com as do anexo, observa-se que na amostra 8 da tabela 14, o material
apresenta uma mudança no comportamento. Esta mudança no comportamento é
decorrente do furo ter apresentado um material mais grosso, em consequência da
carreamento deste material por água de chuva. Entretanto, apesar desta amostra
ter um tratamento diferenciado das demais, ela foi incorporada para definição da
análise granulométrica global.
O Gráfico 2 apresenta a distribuição granulométrica representativa das 16
amostras selecionadas. É possível notar a semelhança entre a curva
granulométrica das 16 amostras selecionadas com a curva granulométrica da
amostra B. Devido à homogeneidade do material da jazida, tanto uma como a
outra pode ser considerada como representativa de toda a jazida. Pode-se
observar que o material é composto basicamente de areia média com uma baixa
percentagem de material grosso.
O anexo A desta dissertação apresenta a análise granulométrica realizada
nas 16 amostras retiradas dos furos de sondagem efetuados na jazida.

53
Tabela 4 – Dados da amostragem dos 16 furos de sondagem selecionados para compor a análise granulométrica representativa do material.

FUROS % % AP
PR (g)
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 RET ACP (mm)

0,4 0,5 5,2 9,4 0 2,5 3,6 0 14 0 0 0,5 2,7 0 3,4 2 44,2 0,4 100 4,75
48,2 39,1 52,8 45,2 22,3 12,3 31,1 0,5 25 7,7 0,5 11,5 25,4 0,2 22,7 40,5 385 3,46 96 2,36
127,8 108,3 149 95,7 233,1 57,9 105,2 15 140 164,2 15 428 96 11,1 91,8 175 2013,1 18,1 78 1,18
190,5 192,2 170 216,5 401,3 190,1 186,2 235 605 395,9 215 630 157 259,9 179,9 234,7 4459,2 40,1 37,9 0,6
138,6 165 148,2 155,2 246,1 124,8 136,9 380 155 298 265 85 120,5 234,3 114,5 122,8 2889,9 26 11,9 0,3
29,3 34,8 47,7 36,2 73,5 30,3 38,1 125 143 95,9 155 69 34,1 36,8 31 30 1009,7 9,1 2,84 0,15
10,2 11,3 15,3 8,5 23,7 8,6 14,1 35 55 38,3 15 40 10,7 7,2 11,8 10,2 314,9 2,84 - -
545 551,2 588,2 566,7 1000 426,5 515,2 790,5 1137 1000 665,5 1264 446,4 549,5 455,1 615,2 11116 100 - -

PR: Peso Retido; % RET: Porcentagem Retida; % ACP: Porcentagem Acumulada Passante; AP: Abertura da Peneira.

Fonte: LABEME, 2014.

54
Gráfico 2 – Distribuição Granulométrica Representativa de todo o depósito de areia.

0 0,15 0,3 0,6 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

O material arenoso foi caracterizado quanto a sua granulometria e segundo


a NBR 7225 e apresentou em torno de 4% de areia grossa, 3% de areia fina e
93% de areia média.
A granulometria é determinada segundo a NBR 7217 e deverá atender os
limites inferiores utilizável e ótimo apresentados na Tabela 5.

Tabela 5 – Limites granulométricos do agregado miúdo (areia).


PENEIRAS ABNT NBR LIMITES INFERIORES AREIA EM
NM-ISO 3310-3 (mm) ZONA UTILIZÁVEL ZONA ÓTIMA ANÁLISE
2,36 0 0 0
1,18 5 20 22
0,6 15 35 62
0,3 50 65 88
0,15 85 90 97
Fonte: LABEME, 2014.

55
Verifica-se, a partir da Tabela 5, que a areia em análise não se enquadra
dentro dos limites inferiores das zonas utilizável e ótima, necessitando de uma
classificação granulométrica para se adequar a norma NBR 7217.

5.3 ANÁLISE QUÍMICA SEMI-QUANTITATIVA

A Tabela 6 apresenta o resultado das análises químicas semi-quantitavas


efetuadas em uma amostra da areia que representa a jazida como um todo,
utilizando-se o método da fluorescência de raios-X. Os resultados estão
expressos em peso (%) e tr = traços.
É possível notar-se que a maior parte da composição química da amostra é
representada pela sílica (SiO2) e pela alumina (Al2O3), o que justifica a presença
majoritária dos minerais quartzo (SiO2) e caulinita (Al2Si2O5(OH)4) na areia, o que
é positivo para a finalidade que se deseja aplicar este material.
O resultado obtido com a Análise de DRX (Páginas 58 e 59) vem
comprovar a presença destes dois minerais, além da presença da dolomita
(CaMg(CO3)2), o que consolida os resultados e faz uma relação com a
Fluorescência de Raios-X.

56
Tabela 6 – Resultado das análises químicas semi-quantitativas.
COMPOSTO PESO (%)
SiO2 91,0
Al2O3 5,9
K2O 0,6
TiO2 0,4
Fe2O3T 0,4
CaO 0,2
Na2O 0,1
P2O5 0,1
MgO 0,1
ZrO2 tr
Cr2O3 tr
Rb2O tr
CuO tr
SrO tr
ZnO tr
NiO tr
PF 1,2
Total 100,0
Fonte: NEG LABISE, 2014.

Conforme cálculos estequiométricos, o material arenoso é composto


basicamente por:
 85% de Quartzo – dióxido de silício (SiO2);
 14,9% de Caulinita – silicato de alumínio hidratado (Al2Si2O5(OH)4),
inclusive com a variedade Nacrita;
 0,4% de Rutilo – dióxido de Titânio (TiO2);
 0,4% de Hematita – óxido de ferro III (Fe2O3);
 0,3% de Dolomita – carbonato de cálcio e magnésio (CaMg(CO3)2).
Total: 101,0%
De acordo com o resultado das análises químicas semi-quantitativas,
realizadas através da fluorescência de raios-X, a areia em questão não apresenta

57
nenhum impedimento para ser comercializada como agragado para construção
civil.

5.4 ANÁLISE DE DRX

Os gráficos 3, 4 e 5, a seguir, expressam o resultado das análises de


difratometria de raios-X, executadas em uma amostra de areia da jazida, que a
representa como um todo. O terceiro gráfico é uma ampliação do segundo, que
por sua vez, é uma ampliação do primeiro gráfico.

Gráfico 3 – Difratograma de raios-X.

Qz
Intensidade (µa)

Qz

Qz

Ângulo de Difração 2θ (graus)

Fonte: LTM, 2014.

58
Gráfico 4 – Difratograma de raios-X.

Qz Qz Qz
Intensidade (µa)

Dol.
Caul.
Caul. Dol. Dol. Caul.

Ângulo de Difração 2θ (graus)

Fonte: LTM, 2014.

Gráfico 5 – Difratograma de raios-X.

Qz Qz Dol.

Qz
Intensidade (µa)

Caul.

Caul.
Dol.
Dol.

Caul.

Ângulo de Difração 2θ (graus)

Fonte: LTM, 2014.

As análises mostram claramente a presença de quartzo, caulinita (inclusive


a variedade Nacrita) e Dolomita. Os principais picos do quartzo são representados
pela cor vermelha e estão localizados no eixo horizontal dos gráficos à 20,85,
26,65 e 50,14 (2θ), os picos da caulinita aparecem na cor azul, situados à 12,33°,
24,85° e 62,26° (2θ), os da dolomita estão na cor roxa e aparecem à 30,99°,
41,17° e 51,13° (2θ).

59
Para efeito de construção civil, o material é adequado, com uma pequena
precaução com um eventual aumento na concentração de dolomita, cujo foco de
origem não é conhecido.

5.5 MODELAGEM GEOLÓGICA

5.5.1 Calcúlo da Reserva de Areia

Através do software DATAMINE STUDIO 3.0 foi possível a determinação


do volume da reserva de areia. Utilizando o método dos triângulos, foram obtidos
22 triângulos para o cálculo do volume total da jazida. A Tabela 7 mostra o
volume obtido para cada triângulo gerado e o valor da soma destes volumes.

60
Tabela 7 – Volumes dos triângulos obtidos pelo software DATAMINE.
TRIÂNGULO VOLUME (m³)
1 1.705.227,25
2 280.804,92
3 190.855,56
4 131.062,03
5 45.294,61
6 1.105.223,38
7 264.188,67
8 222.698,14
9 66.420
10 8.151,25
11 37.094,06
12 93.851,21
13 2.576,88
14 45.639,75
15 461.197,72
16 288.961,39
17 1.000.829,81
18 201.334,2
19 456.299,48
20 140.198,73
21 1.135.277
22 434.290,98
TOTAL 8.317.477,02
Fonte: LAPLA, 2015.

O valor obtido para o volume total foi de 8.317.477,02 m³. O valor da


tonelagem da reserva medida pelo DATAMINE foi obtido multiplicando o valor da
densidade de 2,57 t ̸ m3 pelo volume calculado acima de 8.317.477,02 m3, que
resultou em 21.375.915,94 de toneladas.
A Figura 18 a seguir mostra uma vista tridimensional da jazida em questão,
divida em vários triângulos para o cálculo do volume.

61
Figura 18 – Vista tridimensional da jazida dividida em vários triângulos.
Fonte: Autor, 2015.

O modelo das wireframes representa a forma geométrica dos corpos


(Figura 19) e também permite a criação do modelo de blocos (Figura 20). As
wireframes foram modeladas a partir da ligação das strings, que foram
constituídas por vários pontos em 3D os quais são unidos por uma linha. As
wireframes formaram triângulos que foram ligados para formar uma superfície
sobre os quais o modelo de blocos pôde ser construído e o volume calculado.
A partir das wireframes, o volume definido pelo contorno pôde ser
calculado com precisão. O resultado foi de 6.976.230,22 m³, que é equivalente a
uma massa de 17.928.911 de toneladas.

62
Figura 19 – Determinação do modelo geológico da jazida de areia.
Fonte: Autor, 2015.

O modelo de blocos foi construído baseado nas wireframes e arquivos dos


furos criados. O modelo tem um limite superior definido pela topografia e usou a
wireframe do volume do corpo mineral para controlar os limites internos entre
minério e estéril.
O valor calculado a partir do modelo de blocos foi de 6.703.923,4 m³ ou
17.229.083 toneladas. A diferença entre os valores obtidos pelo método das
wireframes e pelo método dos blocos foi de 272.307 m³, que corresponde a
699.828,9 toneladas. A porcentagem de discrepância entre os volumes foi de
4,1%.
A desigualdade de valores do método de triângulos em relação aos
métodos das wireframes e dos blocos foi de 1.341.246,8 m³ e 1.613.553,62 m³
respectivamente. A porcentagem de disparidade foi de 19,2% e 24,1%
respectivamente.

63
Figura 20 – Vista tridimensional da jazida preenchida por blocos.
Fonte: Autor, 2015.

Diante da determinação da reserva de areia baseada no DATAMINE foi


possível determinar a viabilidade e a vida útil da jazida, bem como o faturamento
com a lavra da mesma. Para a quantidade de material acima, cerca de
18.000.000 de toneladas, e para uma produção prevista de 25.000 toneladas por
mês, a vida útil da jazida será de aproximadamente 60 anos.
Com o preço médio atual da tonelada de areia média em torno de R$
32,00, segundo o Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da
Construção Civil da Caixa Econômica Federal (2015), o faturamento bruto da
jazida será em torno de R$ 9.600.000,00 por ano.

64
6 PROJETO DO EMPREENDIMENTO

Como o depósito de areia estudado trata-se de um depósito não inundado


e a sua superfície apresenta suporte para equipamentos pesados, o método de
desmonte indicado para a jazida é o desmonte mecânico. Para este método será
necessário uma escavadeira hidráulica sobre esteiras com capacidade de
caçamba de 3,5 m³ e uma potêcia mínima de 6 ton., uma pá carregadeira sobre
rodas com capacidade de caçamba de 3,0 m³ e potência mínima de 5 ton. e
caminhões tipo caçamba basculante com capacidade de 16 m³ e potência de 25
toneladas.
A unidade de beneficiamento deverá compor de um sistema de
peneiramento a úmido, seguido da classificação de finos. Inicialmente deverá ser
instalada a unidade de peneiramento e posteriormente à classificação
granulométrica da peneira, deve vir a unidade de classificação de finos
(hidrociclonagem). Há necessidade de se analisar a instalação de um sistema de
limpeza dos materiais orgânicos utilizando um “Hidro-clean”, que é um sistema de
limpeza de alta pressão de misturas de matéria prima para partículas, variando de
0 a 70 mm de diâmetro, adequado especialmente à indústria de areia e cascalho.
A taxa de alimentação de material é ajustável de acordo com o nível de
contaminação e sujeira desse material. Um consumo de apenas 0,12 a 0,20 m³ de
água é necessário para limpar uma tonelada de terra ou argila contaminada, com
um gasto de apenas 0,3 a 0,5 kWh de energia elétrica.
Uma das possibilidades da peneira a ser instalada é a peneira “banana”.
Segundo o site da Haver & Boecker Latinoamericana (2015), esta peneira tem
como característica principal a utilização de várias inclinações do “deck”, que
resulta em maiores capacidades e velocidades de transporte, resultando numa
menor altura da camada de areia, facilitando a aproximação dos finos nas
aberturas. A Figura 21 abaixo ilustra este tipo de peneira.
As peneiras tipo “banana” possuem decks de inclinações variáveis ao longo
do comprimento da peneira. No trecho da alimentação, começam com ângulos
bem maiores que as inclinadas convencionais (na faixa de 25 a 35°) e terminam

65
usualmente na faixa de 5 a 10°. Para permitir esta baixa inclinação no setor da
descarga, utilizam-se movimentos lineares, o que as tornam mais caras quando
comparadas às peneiras inclinadas convencionais de mesmo tamanho
(BOSCARATO, 2006).

Figura 21 – Peneira tipo “banana”.


Fonte: Metso, 2006.

A grande vantagem das peneiras tipo “banana” está nas aplicações onde o
material contém alta quantidade de finos, condição na qual existe um ganho
significativo de capacidade em relação às peneiras convencionais. O ganho
relativo, comparado com as peneiras inclinadas convencionais, depende da
quantidade de finos presentes na alimentação. Considera-se que, com a
alimentação contendo menos de 30% de fração passante, não existem ganhos no
uso da peneira banana. Porém, podem ter a capacidade dobrada quando existem
grande quantidade de finos, como no caso de minério de ferro. Nas aplicações
onde a quantidade de finos é baixa, caso típico de repeneiramento, o uso de
peneira tipo “banana” é conceitualmente incorreto (BOSCARATO, 2006).
A Figura 22, a seguir, mostra o esquema de funcionamento deste tipo de
peneira.

66
Figura 22 – Esquema de funcionamento da peneira tipo “banana”.
Fonte: Metso, 2006.

Boscarato (2006) afirma que o princípio de funcionamento das peneiras


tipo “banana” baseia-se na alta velocidade no trecho inicial, permitindo manusear
grande volume sem derramamento. A alta velocidade resulta em menor altura da
camada de produto, o que provoca o contato rápido das partículas finas desde o
trecho inicial da peneira, conseguindo-se retirar grande quantidade de finos
rapidamente. Os trechos seguintes, de inclinações decrescentes, possuem
velocidades cada vez menores e têm a função de obter maior eficiência de
classificação.
Outra alternativa da peneira é o sistema de vibração linear, operando com
as seguintes características:
 Amplitude variável;
 Frequência e amplitude ajustáveis;
 Classificação a úmido;
 Menor necessidade de altura entre alimentação e descarga;
 Cortes entre 0,4 e 10 mm;
 Possibilidade de dois decks de classificação;
 Construção horizontal;
67
 Utilização de bolas batedoras para minimizar entupimento de telas.
Para se obter o máximo de rendimento das peneiras tipo “banana”, é
fundamental que se faça uma alimentação bem distribuída. Caso contrário, em
função da alta velocidade, uma boa parte da área de peneiramento é perdida. O
uso de aberturas retangulares no sentido do fluxo, com relação
comprimento/largura escalonada ao longo da peneira, também é prática
importante para maximizar o rendimento (BOSCARATO, 2006).
As peneiras tipo “banana” originais começavam com a inclinação típica de
35° no lado da alimentação. A prática mostrou que a velocidade, com esta
inclinação, tornava-se muito alta, o que, em muitos casos, provocava a perda de
rendimento de classificação e desgaste excessivo da tela nesta região. A
tendência atual das peneiras tipo banana é a utilização de inclinações iniciais
mais moderadas, entre 25 e 30° (BOSCARATO, 2006).
Para operação, estes equipamentos requerem alimentador vibratório,
esteiras, bombas de polpa e equipamentos para reaproveitamento da água, a
exemplo dos espessadores. O reaproveitamento da água poderá ainda ser feito
através da instalação de barragens de rejeitos. A instalação de um poço
artesiano, energia elétrica trifásica e uma unidade de apoio (escritório,
equipamentos laboratoriais e sistema computacional) são essenciais.
Para se processar o material mais compacto, que se encontra associado
ao depósito da areia e está a uma profundidade média de 4 m e em alguns pontos
praticamente aflora, será necessário a instalação de uma unidade de cominuição,
com um moinho de martelo para desagregar este material.
A unidade a ser instalada deverá ter a versatilidade de beneficiar dois
materiais: um composto de areia média e fina, conforme pode se observar na
análise granulométrica realizada para a areia em estudo (Tabela 3, página 52) e
um segundo material composto de uma areia média e grossa associada a um
argilito e silte.
Para a unidade de beneficiamento, pode-se utilizar uma peneira de dois
“decks” para uma separação da areia grossa, acima de 2,36 mm e uma areia
média, abaixo de 2,36 mm e acima de 0,3 mm. O “undersize” desta peneira,
composto de areia fina e material orgânico, deverá ser classificado em uma
unidade de hidrociclonagem. O “oversize” da hidrociclonagem conterá água e

68
material orgânico e o "undersize” areia fina lavada. Entretanto, esta configuração
muda, se optarmos pela instalação de um “Hidro-clean”.
Com relação ao material mais compactado, será necessário a aquisição de
um moinho de martelo e na sequência, os equipamentos referenciados acima.
Entretanto, este moinho será de baixa capacidade.
A Figura 23, a seguir, apresenta um projeto, elaborado pela Metso, para a
unidade de classificação a ser implantada. O projeto é composto por um peneira
vibratória tipo banana, com dois decks (para separação da areia grossa e média),
correias transportadoras e um moinho de martelo.

Figura 23 – Unidade de classificação a ser implantada.


Fonte: Metso, 2013.

69
7 CONCLUSÕES

De acordo com os resultados obtidos através dos testes de caracterização


e qualidade realizados nas amostras de areia retiradas da jazida em questão,
constatou-se que o material pode ser utilizado na construção civil como agregado
miúdo, com uma massa unitária de 1,38 kg/dm³, em acordo com as normas da
ABNT NBR NM 45: 2006, como também ser utilizado na produção de argamassa,
uma vez que o mesmo apresenta baixa contaminação orgânica e no processo de
classificação a úmido pode-se retirar este material.
Com relação à caracterização granulométrica, a areia em análise, na faixa
acima de 1,2 mm, não se enquadra como um agregado para construção civil,
ressaltando a necessidade de classificar a areia da jazida.
O material arenoso, segundo a NBR 7225, apresentou em torno de 4% de
areia grossa, 3% de areia fina e 93% de areia média e requer uma classificação
granulométrica para se adequar a norma NBR 7217.
Segundo o resultado obtido na análise química semi-quantitativa e na
análise de DRX, o material arenoso é composto basicamente por: Quartzo,
Caulinita (inclusive a variedade Nacrita), Rutilo, Hematita e Dolomita, o que não
impede o seu uso como agregado para construção civil.
A partir dos resultados obtidos com os levantamentos topográficos e a
sondagem, verificou-se que a jazida apresentou, a uma profundidade que oscila
de 1 a 4 m, uma camada compactada de argila silte, e areia de média para
grossa, que se apresenta litificada e compactada. Este material deve ser
separado da areia por métodos de beneficiamento adequados.
O software DATAMINE STUDIO 3.0 apresentou um valor para o volume da
jazida, em torno de 18.000.000 (dezoito milhões) de toneladas. Esta quantidade
de material garantirá uma vida útil da jazida será de aproximadamente 60 anos e
um faturamento bruto em torno de R$ 9.600.000,00 (nove milhões e seiscentos
mil) por ano, com o valor atual da areia em torno de R$ 32,00 (trinta e dois) /
tonelada. Estes dados de volume e faturamento são consideráveis para se
justificar a implantação do empreendimeto.

70
Devido às características da jazida, a areia devará ser lavrada pelo método
de desmonte mecânico, utilizando para isso: uma escavadeira hidráulica sobre
esteiras, uma pá carregadeira sobre rodas e caminhões tipo caçamba basculante.
Para o beneficiamento da areia será necessário um sistema de
peneiramento a úmido, seguido da classificação de finos, um sistema de limpeza
de alta pressão de misturas de matéria prima para partículas, variando de 0 a 70
mm de diâmetro, uma peneira tipo banana, um alimentador vibratório, esteiras,
bombas de polpa e equipamentos para reaproveitamento da água, a instalação de
barragens de rejeitos, um poço artesiano, energia elétrica trifásica e uma unidade
de apoio (escritório, equipamentos laboratoriais e sistema computacional), a
instalação de uma unidade de cominuição com um moinho de martelo para
desagregar este material, peneira de dois “decks” para uma separação da areia
grossa, acima de 2,36 mm e uma areia média, abaixo de 2,36 mm e acima de 0,3
mm e uma unidade de hidrociclonagem.
Devido às características do depósito e o método de lavra a ser
empregado, os impactos ambientais decorrentes da extração dessa areia podem
ser revertidos e sua mitigação é relativamente simples.
A localização desta jazida é privilegiada em relação às demais que
fornecem areia para a Região Metropolitana do Recife e cidades vizinhas, sendo
um ponto estratégico para comercialização do seu material.

71
REFERÊNCIAS

ALBERS, A. P. F. et al. Um método simples de caracterização de argilominerais


por difração de raios X. Scielo. São Paulo, Cerâmica, Mar 2002, vol.48, no.305,
p.34-37. ISSN 0366-6913. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/ce/v48n305/a0848305.pdf>. Acesso em: 29 jun. 2015.

ALMEIDA, Raquel Olimpia Peláez Ocampo. Revegetação de Áreas Mineradas:


Estudo dos Procedimentos Aplicados em Minerações de Areia. 2002. Dissertação
(Mestrado em Engenharia Mineral) – Escola Politécnica da Universidade de São
Paulo, USP, São Paulo.

ALMEIDA, S. L. M. de; LUZ, A. B. da (Ed.). Manual de agregados para


construção civil. 2ª Edição. Rio de Janeiro: CETEM, 2012. 228 p. il. ISBN
9788561121457

ANDRADE, Carlos Eduardo Silva. Análise e Caracterização de Cinzas do


Processo de Incineração de Resíduos de Serviço de Saúde para
Reaproveitamento. 2012. Dissertação (Mestrado em Engenharia Química) –
Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química, UFMG, Belo Horizonte.

ARAUJO, Jacqueline Madalena de Melo. Impactos Socioambientais da


Mineração de Brita no Município de Jaboatão dos Guararapes: estudo de
caso da mineração Usibrita. 2011. Dissertação (Mestrado em Engenharia Mineral)
– Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mineral, UFPE, Recife.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. Agregados –


Determinação da Composição Granulométrica. NBR 7217. Rio de Janeiro,
ago. 1987.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. Agregados -


Determinação da massa unitária e do volume de vazios. NBR NM 45. Rio de
Janeiro, Mar. 2006.

72
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. Agregado
miúdo - Determinação da massa específica e massa específica aparente.
NBR NM 52. Rio de Janeiro, out. 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. Agregados para


Concreto - Especificação. NBR 7211. Rio de Janeiro, mai. 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. Agregados -


Terminologia. NBR 9935. Rio de Janeiro, fev. 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. Materiais de


Pedra e Agregados Naturais. NBR 7225. Rio de Janeiro, jun. 1993.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES DE PRODUTORES DE


AGREGADOS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL – ANEPAC. Indústria de Agregados
do Brasil: Avanços Rumo à sustentabilidade. Disponível em:
<www.anepac.org.br>. Acesso em: 18 Mar. 2015.

BAREA, Marco Antônio Schmidt. Análise da Viabilidade Técnica e Econômica


da Utilização do Agregado Miúdo de Britagem de Rocha Basáltica em
Argamassa de Revestimento. Pato Branco: 2013. 71 p. Trabalho de Conclusão
de Curso – Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Departamento de
Construção Civil.

BASTOS, Flávia de Freitas. Aplicação da Terrace Mining como alternativa


para lavra de gipsita na região do Araripe – Pernambuco. 2013. Dissertação
(Mestrado em Engenharia Mineral) – Programa de Pós-Graduação em
Engenharia Mineral, UFPE, Recife.

BAUER, L. Falcão. Materiais de construção 5ª edição. Livros Técnicos e


Científicos Editora. São Paulo, 1995.

73
BELTRÃO, Breno Augusto et al. Diagnóstico do Município de Igarassu. Recife:
Ministério de Minas e Energia / Secretaria de Geologia, Mineração e
Transformação Mineral, 2005, 22 p.

BEZERRA, Marcelo Soares. A Sustentabilidade da Produção de Minerais


Industriais em Regiões Metropolitanas – Um Estudo de Caso. Holos, Natal, vol. 5,
ano 28, p. 12, ago 2012. Disponível em:
<http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/1109/592>. Acesso em:
20 jun. 2015.

BOSCARATO, Márcia. Novas Tecnologias em Peneiras Vibratórias. Metso Brasil


Indústria e Comércio Ltda. São Paulo, fev. 2006. Disponível em:<
http://www.metso.com/br/news_br.nsf/WebWID/WTB-060217-2256D-
5806C?OpenDocument>. Acesso em: 28 jun. 2015.

BUENO, R. I. S. (2010). Aproveitamento de Areia Gerada em Obra de


Desassoreamento – Caso Rio Paraíba/SP, Dissertação de Mestrado em
engeharia, 109 p, EPUSP.

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e


Índices da Construção Civil. Disponível em: <www.caixa.gov.br>. Acesso em:
21 Mar. 2015.

CHAVES, A. P. Teoria e prática do Tratamento de Minérios. São Paulo,


Signus, 2004, vol. 2 (segunda edição).

CHAVES, Arthur Pinto; WHITAKER William. Operações de Beneficiamento de


Areia, Capítulo 11. In: ALMEIDA, S. L. M. de; LUZ, A. B. da (Ed.). Manual de
agregados para construção civil. 2ª Edição. Rio de Janeiro: CETEM, 2012. 228
p. il. ISBN 9788561121457

DATAMINE. Studio 3. Disponível em: <www.dataminesoftware.com>. Acesso em:


05 fev. 2015.

74
DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM – DENER. Areia -
determinação de impurezas orgânicas. DNER-ME 055/95. Norma rodoviária.
Rio de Janeiro, Nov. 1995.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL – DNPM. Sumário


Mineral 2014. Brasília: DNPM, 2015. vol. 34. 141 p. Disponível em: <
http://www.dnpm.gov.br >. Acesso em: 20 jun. 2015.

FERREIRA, Gilson Ezequiel; FONSECA JUNIOR, Carlos Alberto Felix. Mercado


de Agregados no Brasil. Capítulo 2. In: Manual de Agregados para Construção
Civil. 2ª Edição. Rio de Janeiro: CETEM, 2012.

HAVER & BOECKER LATINOAMERICANA. Peneiras Vibratórias. Disponível


em: < http://www.haverbrasil.com.br/pt/equipamentos/index.php?sec=mineral>.
Acesso em: 10 ago. 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Banco de


Dados – Cidades. Disponível em: <
http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=261160&search=p
pernambuc|recife>. Acesso em: 22 jun. 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Cidades.


Disponível em: <www.ibge.gov.br>. Acesso em: 21 Mar. 2015.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO


GRANDE DO NORTE. Grupo de Pesquisa Mineral. Sondagem Geológica. Natal,
2012. Disponível em: <www2.ifrn.edu.br/pesquisamineral/?p=1036>. Acesso em:
05 fev. 2015.

LADEIRA, Eduardo A.. Análise da Informação Geológica do Brasil. Relatório


Técnico 10 – Informação Geológica do Brasil. Brasília: Ministério de Minas e
Energia / Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral – SGM,
2009. 110 p.

75
MAXWELL. Fundamentos Teóricos da Técnica de Análise Espectrométrica
por Fluorescência de Raios-X. Disponível em: <www.maxwell.vrac.puc-
rio.br/18799/18799_6.PDF>. Acesso em: 05 fev. 2015.

METSO BRASIL IND. E COM. LTDA.. Lavadores de Rosca. Disponível em:


<http://www.metso.com/inetMinerals/Brazil/mm_Brazilcontent.nsf/WebWID/WTB-
050607-2256F-2CDE7/$File/Lavadores_PT.pdf>. Acesso em: 26 jun.2015.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Conselho Nacional do Meio Ambiente –


CONAMA. Resolução CONAMA Nº 369. Brasília, 2006. p 94-101. Disponível em:
<http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=489>. Acesso em: 14
out. 2015.

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Secretaria de Geologia, Mineração e


Transformação Mineral – SGM. Produto 22 – Agregados para Construção Civil
- Relatório Técnico 31, Perfil de areia para construção civil. Brasília, 2009.
p.1-33.

NEUMANN, Reiner; SCHNEIDER, Claudio Luiz; ALCOVER NETO, Arnaldo.


Caracterização Tecnológica de Minérios – Parte II. In: LUZ, Adão Benvindo da;
SAMPAIO, João Alves; FRANÇA, Sílvia Cristina A. Tratamento de Minérios. 5
Ed. Rio de Janeiro: CETEM, 2010. p. 85-137.

PISSATO, E (2009). Gestão da mineração de areia no município de


Guarulhos: aproveitamento de resíduos finos em cerâmica vermelha. Tese
de Doutorado pela EPUSP, 115 p, São Paulo, 2009.

PFALTZGRAFF, P. A. S. (1994). Aspectos Ambientais da Lavra de Areia.


Exemplo da Área Produtora do Rio São João. Dissertação de mestrado do
Programa de Pós-Graduação em Geologia da UFRJ, 1994.
PORTER, Sara. Studio 3 – Manual de Treinamento em Geologia do Studio 3.
Datamine Latin America – Brasil. Nova Lima: fev. 2005. Disponível em: <

76
http://pt.scribd.com/doc/207060732/Tutorial-Datamine-3-Geologia-
portugues#scribd>. Acesso em: 09 out. 2015.

QUARESMA, Luiz Felipe. Agregados para construção civil: Relatório Técnico


31 – Perfil de Areia para Construção Civil. Brasília: Ministério de Minas e Energia /
Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral-SGM, 2009. 33p.

SIMITH, M. R.; COLLIS, L. (2001). Extraction in Aggregates: Sand, Gravel and


Crushed Rock Aggregates for Construction Purposes. M. R. Simith and L.
Collis. London, 2001, p. 23 – 105. 3rd Edition. Published by Geological Society.

SOCIEDADE DOS MINERADORES DE AREIA DO RIO JACUI LTDA - SMARJA


Palestra do Diretor-Presidente Sandro Alex de Almeida. Disponível em:
<www.smarja.com.br/historico.html>. Acesso em: 20 jun. 2015.

SILVA, Gustavo Alexandre. Diagnóstico do setor de agregados para a


construção civil na região metropolitana de Natal – RN. Recife: 2012. 193 p.
Dissertação de mestrado – Universidade Federal de Pernambuco. Programa de
Pós-Graduação em Engenharia Mineral.

SUPERFÍCIE GEOMÁTICA. Topografia. Disponível em:


<http://www.superficie.pt/web/topografia>. Acesso em: 10 ago. 2015.

77
ANEXO A ENSAIOS GRANULOMÉTRICOS

RELATÓRIO DOS ENSAIOS GRANULOMÉTRICOS

ENSAIOS REALIZADOS COM OUTRAS 9 AMOSTRAS DA AREIA

Tabela 8 – Análise granulométrica da amostra 1.


Peneira (mm) Peso Retido (g) %Retida % Retida acumulada
4,75 0,40 0,07 0,07
2,36 48,20 8,84 8,92
1,18 127,80 23,45 32,37
0,6 190,50 34,95 67,32
0,3 138,60 25,43 92,75
0,15 29,30 5,38 98,13
Resíduo 10,20 1,87
TOTAL 545,00
Fonte: LABEME, 2014.

Gráfico 6 – Curva granulométrica da amostra 1.

0 150 300 600 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

78
Tabela 9 – Análise granulométrica da amostra 2.
Peneira (mm) Peso Retido (g) %Retida % Retida acumulada
4,75 0,50 0,09 0,09
2,36 39,10 7,09 7,18
1,18 108,30 19,65 26,83
0,6 192,20 34,87 61,70
0,3 165,00 29,93 91,64
0,15 34,80 6,31 97,95
Resíduo 11,30 2,05
TOTAL 551,20
Fonte: LABEME, 2014.

Gráfico 7 – Curva granulométrica da amostra 2.

0 150 300 600 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

79
Tabela 10 – Análise granulométrica da amostra 3.
Peneira (mm) Peso Retido (g) %Retida % Retida acumulada
4,75 5,20 0,88 0,88
2,36 52,80 8,98 9,86
1,18 149,00 25,33 35,19
0,6 170,00 28,90 64,09
0,3 148,20 25,20 89,29
0,15 47,70 8,11 97,40
Resíduo 15,30 2,60
TOTAL 588,20
Fonte: LABEME, 2014.

Gráfico 8 – Curva granulométrica da amostra 3.

0 150 300 600 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

80
Tabela 11 – Análise granulométrica da amostra 4.
Peneira (mm) Peso Retido (g) %Retida % Retida acumulada
4,75 9,40 1,66 1,66
2,36 45,20 7,98 9,63
1,18 95,70 16,89 26,52
0,6 216,50 38,20 64,73
0,3 155,20 27,39 92,11
0,15 36,20 6,39 98,50
Resíduo 8,50 1,50
TOTAL 566,70
Fonte: LABEME, 2014.

Gráfico 9 – Curva granulométrica da amostra 4.

0 150 300 600 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

81
Tabela 12 – Análise granulométrica da amostra 5.
Peneira (mm) Peso Retido (g) %Retida % Retida acumulada
4,75 0,00 0,00 0,00
2,36 22,30 2,23 2,23
1,18 233,10 23,31 25,54
0,6 401,30 40,13 65,67
0,3 246,10 24,61 90,28
0,15 73,50 7,35 97,63
Resíduo 23,70 2,37
TOTAL 1000,00
Fonte: LABEME, 2014.

Gráfico 10 – Curva granulométrica da amostra 5.

0 150 300 600 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

82
Tabela 13 – Análise granulométrica da amostra 6.
Peneira (mm) Peso Retido (g) %Retida % Retida acumulada
4,75 2,50 0,59 0,59
2,36 12,30 2,88 3,47
1,18 57,90 13,58 17,05
0,6 190,10 44,57 61,62
0,3 124,80 29,26 90,88
0,15 30,30 7,10 97,98
Resíduo 8,60 2,02
TOTAL 426,50
Fonte: LABEME, 2014.

Gráfico 11 – Curva granulométrica da amostra 6.

0 150 300 600 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

83
Tabela 14 – Análise granulométrica da amostra 7.
Peneira (mm) Peso Retido (g) %Retida % Retida acumulada
4,75 3,60 0,70 0,70
2,36 31,10 6,04 6,74
1,18 105,20 20,42 27,15
0,6 186,20 36,14 63,30
0,3 136,90 26,57 89,87
0,15 38,10 7,40 97,26
Resíduo 14,10 2,74
TOTAL 515,20
Fonte: LABEME, 2014.

Gráfico 12 – Curva granulométrica da amostra 7.

0 150 300 600 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

84
Tabela 15 – Análise granulométrica da amostra 8.
Peneira (mm) Peso Retido (g) %Retida % Retida acumulada
4,75 0,00 0,00 0,00
2,36 0,50 0,06 0,06
1,18 15,00 1,90 1,96
0,6 235,00 29,73 31,69
0,3 380,00 48,07 79,76
0,15 125,00 15,81 95,57
Resíduo 35,00 4,43
TOTAL 790,50
Fonte: LABEME, 2014.

Gráfico 13 – Curva granulométrica da amostra 8.

0 150 300 600 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

85
Tabela 16 – Análise granulométrica da amostra 9.
Peneira (mm) Peso Retido (g) %Retida % Retida acumulada
4,75 14,00 1,23 1,23
2,36 25,00 2,20 3,43
1,18 140,00 12,31 15,74
0,6 605,00 53,21 68,95
0,3 155,00 13,63 82,59
0,15 143,00 12,58 95,16
Resíduo 55,00 4,84
TOTAL 1137,00
Fonte: LABEME, 2014.

Gráfico 14 – Curva granulométrica da amostra 9.

0 150 300 600 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

86
Tabela 17 – Análise granulométrica da amostra 10.
Peneira (mm) Peso Retido (g) %Retida % Retida acumulada
4,75 0,00 0,05 0,05
2,36 7,70 0,77 0,82
1,18 164,20 16,41 17,23
0,6 395,90 39,57 56,80
0,3 298,00 29,79 86,59
0,15 95,90 9,59 96,17
Resíduo 38,30 3,83
TOTAL 1000,00
Fonte: LABEME, 2014.

Gráfico 15 – Curva granulométrica da amostra 10.

0 150 300 600 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

87
Tabela 18 – Análise granulométrica da amostra 11.
Peneira (mm) Peso Retido (g) %Retida % Retida acumulada
4,75 0,00 0,00 0,00
2,36 0,50 0,08 0,08
1,18 15,00 2,25 2,33
0,6 215,00 32,31 34,64
0,3 265,00 39,82 74,46
0,15 155,00 23,29 97,75
Resíduo 15,00 2,25
TOTAL 665,50
Fonte: LABEME, 2014.

Gráfico 16 – Curva granulométrica da amostra 11.

0 150 300 600 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

88
Tabela 19 – Análise granulométrica da amostra 12.
Peneira (mm) Peso Retido (g) %Retida % Retida acumulada
4,75 0,50 0,04 0,04
2,36 11,50 0,91 0,95
1,18 428,00 33,86 34,81
0,6 630,00 49,84 84,65
0,3 85,00 6,72 91,38
0,15 69,00 5,46 96,84
Resíduo 40,00 3,16
TOTAL 1264,0
Fonte: LABEME, 2014.

Gráfico 17 – Curva granulométrica da amostra 12.

0 150 300 600 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

89
Tabela 20 – Análise granulométrica da amostra 13.
Peneira (mm) Peso Retido (g) %Retida % Retida acumulada
4,75 2,70 0,60 0,60
2,36 25,40 5,69 6,29
1,18 96,00 21,51 27,80
0,6 157,00 35,17 62,97
0,3 120,50 26,99 89,96
0,15 34,10 7,64 97,60
Resíduo 10,70 2,40
TOTAL 446,40
Fonte: LABEME, 2014.

Gráfico 18 – Curva granulométrica da amostra 13.

0 150 300 600 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

90
Tabela 21 – Análise granulométrica da amostra 14.
Peneira (mm) Peso Retido (g) %Retida % Retida acumulada
4,75 0,00 0,00 0,00
2,36 0,20 0,04 0,04
1,18 11,10 2,02 2,06
0,6 259,90 47,30 49,35
0,3 234,30 42,64 91,99
0,15 36,80 6,70 98,69
Resíduo 7,20 1,31
TOTAL 549,50
Fonte: LABEME, 2014.

Gráfico 19 – Curva granulométrica da amostra 14.

0 150 300 600 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

91
Tabela 22 – Análise granulométrica da amostra 15.
Peneira (mm) Peso Retido (g) %Retida % Retida acumulada
4,75 3,40 0,75 0,75
2,36 22,70 4,99 5,74
1,18 91,80 20,17 25,91
0,6 179,90 39,53 65,44
0,3 114,50 25,16 90,60
0,15 31,00 6,81 97,41
Resíduo 11,80 2,59
TOTAL 455,10
Fonte: LABEME, 2014.

Gráfico 20 – Curva granulométrica da amostra 15.

0 150 300 600 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

92
Tabela 23 – Análise granulométrica da amostra 16.
Peneira (mm) Peso Retido (g) %Retida % Retida acumulada
4,75 2,00 0,33 0,33
2,36 40,50 6,58 6,91
1,18 175,00 28,45 35,35
0,6 234,70 38,15 73,50
0,3 122,80 19,96 93,47
0,15 30,00 4,88 98,34
Resíduo 10,20 1,66
TOTAL 615,20
Fonte: LABEME, 2014.

Gráfico 21 – Curva granulométrica da amostra 16.

0 150 300 600 1,18 2,36 4,75 6,30

Fonte: LABEME, 2014.

93
ANEXO B REGISTRO FOTOGRÁFICO

Figura 24 – Equipamento para realização da sondagem.


Fonte: Lira, B. B. 2014.

Figura 25 – Escavações mostrando o perfil do solo.


Fonte: Lira, B. B. 2014.

94
Figura 26 – Escavações mostrando o perfil do solo.
Fonte: Lira, B. B. 2014.

Figura 27 – Escavações mostrando o perfil do solo.


Fonte: Lira, B. B. 2014.

95
Figura 28 – Escavações mostrando o perfil do solo.
Fonte: Lira, B. B. 2014.

Figura 29 – Equipamentos fazendo o carregamento do material.


Fonte: Lira, B. B. 2014.

96
Figura 30 – Vista da jazida.
Fonte: Lira, B. B. 2014.

Figura 31 – Vista da jazida.


Fonte: Lira, B. B. 2014.

97
Figura 32 – Área requerida para implantação da jazida.
Fonte: SIGMINE – DNPM.

98