Você está na página 1de 49

Aula 04 - Moléculas, células e tecidos

Biologia p/ ENEM 2017 (Com videoaulas)


Professor: Daniel dos Reis Lopes

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

AULA 04: Metabolismo energético: fotossíntese e


respiração. Estrutura e fisiologia celular: núcleo.
Diferenciação celular. Codificação da informação
genética. Síntese proteica.

SUMÁRIO PÁGINA
1. Metabolismo energético: fotossíntese e respiração 01
2. Estrutura e fisiologia celular: núcleo e diferenciação 16
celular
3. Codificação da informação genética e síntese proteica 19
4. Questões comentadas 31
5. Bibliografia consultada 43

1. Metabolismo energético: fotossíntese e respiração

Vimos, no fim da aula 03, como os organismos realizam inúmeros


processos metabólicos que se dividem, basicamente, em reações anabólicas
e catabólicas. No anabolismo, as células utilizam energia disponível para, a
partir de moléculas mais simples, sintetizar moléculas mais complexas e
mais energéticas. O catabolismo é o inverso, onde moléculas mais
energéticas são quebradas gerando moléculas mais simples e liberando
energia. Como exemplo de anabolismo temos o processo de fotossíntese,
através do qual os seres fotoautotróficos utilizam a energia luminosa para
33320407821

sintetizar moléculas orgânicas. Como exemplo de catabolismo temos o


processo de respiração celular, onde moléculas orgânicas são quebradas
para a liberação de energia na forma de ATP. Esses dois processos fazem
parte do chamado metabolismo energético e este será o nosso próximo
assunto.

INTRODUÇÃO AO METABOLISMO ENERGÉTICO


Os seres vivos realizam diversos processos de transformação
energética e nesse contexto existe uma molécula chave chamada ATP
(adenosina trifosfato). O ATP é a moeda energética das células pois é capaz

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 1 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

de armazenar pequenas quantidades de energia e disponibilizá-la para os


mais diversos processos, como o transporte de substâncias pela membrana,
a reprodução celular e a locomoção dos organismos.

Fig. 01: Estrutura da molécula de ATP.

As ligações entre os grupos fosfato desta molécula carregam energia


que pode ser liberada quando um desses fosfatos é perdido gerando ADP
(adenosina difosfato) e um fosfato inorgânico livre. Assim, podemos
agrupar todas as reações metabólicas que levam a célula a produzir esse
ATP como metabolismo energético, que inclui os processos de
fotossíntese e respiração celular.
Esses dois processos estão integrados, como é possível observar na
figura 02.

33320407821

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 2 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

Fig. 02: Fluxo de energia através dos seres vivos e a relação entre fotossíntese e respiração
celular.

Podemos considerar, para a maior parte dos seres vivos, que a


introdução da energia nos ecossistemas depende da energia luminosa do
Sol, que é capturada pelos organismos fotossintetizantes. Eles a utilizam
para produzir suas moléculas orgânicas a partir de gás carbônico e água.
Esse processo libera ainda gás oxigênio. A respiração celular, por sua vez,
33320407821

utiliza as moléculas orgânicas e o gás oxigênio produzidos na fotossíntese


para a liberação de energia na forma de ATP. Como produtos desse
processo, temos o gás carbônico e a água, que são novamente utilizados
na fotossíntese fechando esse ciclo. A energia retorna ao ambiente na forma
de calor emitido pelos seres vivos.
Os seres fotoautotróficos são, portanto, e de forma geral,
autossuficientes em relação a outros organismos. Já os seres
heterotróficos necessitam dos seres autotróficos ainda que indiretamente,
pois são eles que produzem a matéria orgânica que flui através dos níveis

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 3 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

de uma cadeia alimentar. Já conversamos sobre isso na aula 01 mas é


sempre bom lembrar.
O metabolismo energético se divide em dois conjuntos de processos:
 Nutrição: é a obtenção de moléculas orgânicas, que pode
acontecer de maneira heterotrófica ou autotrófica. São essas
moléculas orgânicas que atuarão como combustível para os
processos de obtenção de ATP.
 Produção de ATP: pode ocorrer através da respiração
aeróbica, da respiração anaeróbica e da fermentação, utilizando
as moléculas orgânicas obtidas pela nutrição dos organismos.

Usando uma linguagem bem informal, é como se você comesse para


ter combustível para usar na respiração celular, que por sua vez, libera ATP
para suas células utilizarem nos mais diversos processos.
Vamos ver agora os dois principais processos relacionados ao
metabolismo energético e algumas de suas alternativas.

FOTOSSÍNTESE
Os seres autotróficos são capazes de realizar transformações de
energia para produzir as moléculas orgânicas que vão servir de alimento
para eles. A fotossíntese se diferencia da quimiossíntese justamente pela
origem desta energia que os organismos utilizam em seus processos de
produção.
33320407821

A fotossíntese é realizada pela maior parte dos organismos autotróficos


do nosso planeta e inclui as plantas, as algas e algumas bactérias. Eles
utilizam a energia luminosa vinda do Sol para sintetizar suas moléculas
orgânicas de acordo com a equação geral abaixo:

LUZ

6CO2 + 12H2O C6H12O6 + 6O2 + 6H2O

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 4 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

C6H12O6 = glicose
O2 = gás oxigênio
CO2 = gás carbônico
H2O = água

Utilizando as plantas como exemplo de organismos fotoautotróficos,


podemos dizer que elas utilizam o gás carbônico absorvido da atmosfera e
a água absorvida do solo para sintetizar glicose e gás oxigênio, com o auxílio
da energia luminosa solar.
Nos seres eucariontes, esse processo acontece nos cloroplastos. Essas
organelas são compostas por duas membranas, uma interna e outra
externa. No seu interior situam-se vários discos chamados tilacoides,
organizados em pilhas chamadas grana. O espaço ao redor dos tilacoides
contendo diversas substâncias (inclusive seu DNA próprio) dissolvidas na
água é chamado de estroma.

33320407821

Fig. 03: Visão geral do cloroplasto e seus componentes.

É na membrana dos tilacoides que se localizam as moléculas de


clorofila, o principal pigmento fotossintetizante e o responsável pela cor
verde da maior parte dos vegetais. Nos seres procariontes esses pigmentos
situam-se em regiões da membrana plasmática.
A fotossíntese ocorre em 2 conjuntos de reações químicas chamadas:
 Fase Fotoquímica: dependente de luz e também chamada de fase
clara.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 5 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

 Fase Química: não dependente de luz e também chamada de


fase escura. Não usaremos a expressão fase escura porque isso
gera a falsa impressão de que essa fase só ocorre na ausência
de luz, o que não é verdade.

Fase Fotoquímica
Esta fase começa com a absorção de luz pelas moléculas de clorofila
presentes nas membranas dos tilacoides. A energia luminosa excita os
elétrons da clorofila e faz com que eles passem para outras moléculas
situadas na membrana do tilacoide chamadas aceptores de elétrons.
A luz também é responsável pela fotólise da água, que consiste na
quebra desta molécula liberando gás oxigênio, íons hidrogênio e elétrons.
O gás oxigênio será liberado no ambiente e poderá ser utilizado na
respiração celular, os elétrons vão repor aqueles que foram perdidos pelas
moléculas de clorofila sob ação da luz e os íons hidrogênio serão utilizados
no processo de fotofosforilação que veremos mais à frente.
Os elétrons liberados pelas clorofilas vão passar por uma série de
aceptores até serem captados por uma molécula chamada NADP+ (fosfato
de dinucleotídeo de nicotinamida-adenina), que, ao ganhar um elétron,
ganha também um próton e se converte a NADPH. Durante este percurso,
estes elétrons perdem parte de sua energia, que é utilizada para bombear
os íons hidrogênio produzidos na fotólise da água do estroma para o interior
33320407821

do tilacoide, onde vão se acumular. O retorno desses íons hidrogênio para


o estroma acontece unicamente através de um complexo enzimático
chamado ATP-sintetase, que utiliza esse fluxo de íons para produzir ATP.
Como essa síntese de ATP depende da luz, o processo é denominado
fotofosforilação.
Resumindo, a fase fotoquímica consiste na fotólise da água e na
fotofosforilação. Esses processos, em conjunto, liberam gás oxigênio para
o ambiente, ATP e NADPH, sendo esses dois últimos necessários para a fase
química da fotossíntese que veremos a seguir.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 6 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

Fig. 04: Esquema da fase fotoquímica, mostrando o processo de fotólise da água e a fotofosforilação.

Fase Química
Esta fase pode ocorrer tanto na presença de luz quanto na ausência,
desde que os reagentes necessários para que ela ocorra estejam
disponíveis. Acontece no estroma e é nesse processo que ocorre a fixação
do carbono em moléculas orgânicas. O gás carbônico é utilizado no
chamado Ciclo de Calvin ou Ciclo das Pentoses, que consiste em uma
33320407821

sequência de reações químicas que utilizam, além do gás carbônico, os


NADPH e os ATP oriundos da fase fotoquímica. O produto final dessa fase
não é, na realidade, a glicose, e sim um carboidrato de três carbonos que
pode ser usado na síntese de amido ou de sacarose. Utilizamos a glicose de
forma didática porque ela pode ser gerada na degradação tanto do amido
quanto da sacarose e é ela que será o combustível da respiração celular.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 7 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

Fig. 05: As reações do Ciclo de Calvin. Repare no gasto de ATP e na utilização de NADPH oriundos
da fase fotoquímica.

O esquema abaixo resume a fotossíntese e mostra como a fase


fotoquímica e a fase química estão interligadas.

33320407821

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 8 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

Fig. 06: Resumo da fotossíntese.

Existem alguns seres procariontes como certas bactérias e árqueas que


sintetizam suas moléculas orgânicas sem usar a energia luminosa. Esse
processo, chamado quimiossíntese, utiliza a energia da oxidação de
moléculas inorgânicas para alimentar o Ciclo de Calvin e produzir seus
carboidratos.

RESPIRAÇÃO CELULAR
33320407821

A respiração aeróbica, ou seja, aquela que utiliza o gás oxigênio, é


a forma mais comum de produção de ATP entre os seres vivos atuais. Por
isso, ela é utilizada muitas vezes como um sinônimo de respiração celular
apesar de existirem outros tipos de respiração que não utilizam o gás
oxigênio. Vamos ver como ocorre a respiração aeróbica e depois
comentaremos os outros processos de obtenção de ATP presentes nos
organismos.
A organela responsável pela respiração aeróbica em células
eucariontes é a mitocôndria. É nela onde ocorre a maior parte das reações
responsáveis pela produção de ATP nessas células. Sua estrutura é formada
Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 9 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

por uma membrana externa e outra interna que forma diversas dobras no
interior desta organela. As dobras são chamadas cristas mitocondriais. A
parte mais interna da mitocôndria é chamada matriz mitocondrial e é onde
estão os ribossomos e o DNA pertencentes a essa organela. O espaço entre
a membrana externa e a interna é chamado de espaço intermembranas.

Fig. 07: A mitocôndria e suas partes.

Nas células procariontes, como não há mitocôndrias, as reações que


fazem parte do processo de respiração aeróbica acontecem no citoplasma
da célula e também por ação de enzimas aderidas à membrana plasmática.
A equação geral da respiração celular é:

C6H12O6 + 6O2 6CO2 + 6H2O


33320407821

ATP
C6H12O6 = glicose
O2 = gás oxigênio
CO2 = gás carbônico
H2O = água

Assim, de forma muito resumida, podemos dizer que a glicose é


oxidada pelo gás oxigênio, gerando gás carbônico e água, liberados no

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 10 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

ambiente. Essa oxidação libera a energia contida na glicose e, para isso,


conta com diversas reações químicas.
Desta forma, a respiração aeróbica acontece em 3 etapas, cada uma
com seu conjunto de reações:
 Glicólise
 Ciclo de Krebs (Ciclo do Ácido Cítrico)
 Fosforilação oxidativa

Glicólise
O termo glicólise significa quebra da glicose e é justamente isso que
acontece nesse processo, uma divisão da glicose pela metade de sua
molécula, originando um carboidrato de 3 carbonos chamado ácido pirúvico.
Esse processo ocorre mesmo na ausência de gás oxigênio e tem um
saldo energético de 2 moléculas de ATP, 2 moléculas de NADH e ainda 2
íons hidrogênio, conforme reação geral a seguir:

Essa reação sintetiza o processo de glicólise que é, no entanto,


composto por 10 passos, todos eles catalisados por suas respectivas
33320407821

enzimas e ocorrendo no citoplasma tanto de células procariontes quanto


de eucariontes. Observe que para o saldo de 2 ATP, é necessário um
investimento de igual quantidade, que acarreta na liberação de 4 ATP. Por
isso, esse saldo de 2 moléculas. O NAD (nicotinamida adenina
dinucleotídeo) é um transportador de íons hidrogênio. Ao capturar um
desses íons ele é convertido em NADH, que é a sua forma reduzida.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 11 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

Ciclo de Krebs
O Ciclo de Krebs ou Ciclo do Ácido Cítrico ocorre na matriz mitocondrial
de células eucariontes ou no citoplasma de células procariontes. Nos
eucariontes, ele começa com a entrada do piruvato (forma ionizada do ácido
pirúvico) na mitocôndria onde será oxidado gerando uma molécula
chamada acetil-coenzima A, que, por sua vez, entrará efetivamente no Ciclo
de Krebs. Este ciclo nada mais é do que um conjunto de reações que vão
concluir a oxidação da glicose, que começou na etapa anterior. Com isso,
serão liberadas moléculas de gás carbônico, pequena quantidade de ATP,
mais NADH, íons hidrogênio, e outro transportador desses íons chamado
FAD (flavina adenina dinucleotídeo), que na sua forma reduzida converte-
se a FADH2. O gás carbônico produzido será liberado no ambiente e os
NADH, FADH2 e íons hidrogênio serão usados na próxima etapa que é
chamada de fosforilação oxidativa.

33320407821

Fig. 08: Resumo do Ciclo de Krebs, mostrando a liberação de CO2, NADH, FADH2, íons hidrogênio e
ATP.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 12 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

Fosforilação Oxidativa
A fosforilação oxidativa consiste na adição de fosfatos às moléculas de
ADP, gerando ATP, por intermédio de diversas reações de oxidação
sequenciais. Isso ocorre na membrana mitocondrial interna de eucariontes
ou na membrana plasmática de procariontes.
A fosforilação oxidativa se divide em cadeia transportadora de
elétrons e quimiosmose.

Fig. 09: Esquema da fosforilação oxidativa.

Lembra daqueles NADH, FADH2 e íons hidrogênio liberados na glicólise


e no Ciclo de Krebs? Pois é agora que eles vão ser usados para produzir
grande quantidade de ATP. O NADH e o FADH2 liberam elétrons em
33320407821

complexos proteicos situados na membrana interna da mitocôndria. Esses


elétrons são transportados por uma sequência de moléculas cada vez mais
eletronegativas até atingirem o gás oxigênio, que é chamado de aceptor
final de elétrons nesse processo. É ele que recebe esses elétrons e se
combina com íons hidrogênio para formar a água liberada na respiração.
Assim, a ausência de gás oxigênio paralisa a cadeia transportadora de
elétrons e, consequentemente o Ciclo de Krebs também, devido à falta de
NAD e FAD em suas formas oxidadas.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 13 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

O fluxo de elétrons entre os complexos proteicos libera energia capaz


de forçar os íons hidrogênio em direção ao espaço intermembranas da
mitocôndria. Lá eles se acumulam, criando um gradiente de concentração
que tende a se equilibrar com a difusão desses íons de volta à matriz.
Acontece que esses íons só podem voltar através de um complexo
enzimático chamado ATP-sintetase que utiliza esse movimento de íons H+
para sintetizar ATP. Esse fluxo de íons H+ de volta à matriz mitocondrial é a
quimiosmose.
Eu sei que esse processo é bastante complexo, mas o esquema abaixo
vai te ajudar a ter uma visão geral das etapas, que é justamente aquilo que
o ENEM vai exigir de você.

33320407821

Fig. 10: Resumo das etapas da respiração aeróbica em eucariontes.

FERMENTAÇÃO E RESPIRAÇÃO ANAERÓBICA


A respiração aeróbica, conforme visto, depende da presença de gás
oxigênio. Mas na ausência dessa substância, existem métodos alternativos
para a produção de ATP. O mais comum é a fermentação. Este processo
é realizado por diversas bactérias, fungos e também por células animais
como as encontradas nos músculos de seres humanos. A fermentação é
Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 14 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

muito menos eficiente na produção de ATP do que a respiração aeróbica,


pois ela não oxida completamente a glicose. O ATP gerado é apenas o
disponibilizado na glicólise. Ela utiliza aceptores finais de elétrons diferentes
do gás oxigênio e, por isso, gera produtos diferentes da respiração aeróbica
como o etanol, no caso da fermentação alcoólica e o ácido láctico, no
caso da fermentação láctica. Ambos os tipos de fermentação são
utilizados na produção de bebidas e alimentos como a cerveja e o iogurte.
Na fermentação alcoólica, além do etanol, também há a liberação de gás
carbônico. É o acúmulo desse gás que faz a massa de um bolo crescer, após
a adição de fermento biológico.

Fig. 11: Esquema resumido do processo de fermentação.

A respiração anaeróbica também não utiliza o gás oxigênio como


aceptor final de elétrons, mas se diferencia da fermentação pois possui
33320407821

cadeia transportadora de elétrons e, por isso, também é capaz de gerar


grandes quantidades de ATP, como na respiração aeróbica. Existem
bactérias que utilizam o íon sulfato no lugar do gás oxigênio e liberam gás
sulfídrico no ambiente, no lugar da água. Outros seres procariontes, como
as árqueas, são capazes de usar o gás carbônico ou o ácido acético como
aceptores finais de elétrons, liberando gás metano na atmosfera, que, como
comentamos anteriormente, é um gás que contribui para o efeito estufa.
Esse gás também é utilizado em aterros sanitários, devido à concentração

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 15 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

de seres decompositores anaeróbicos, para a produção de energia nos


chamados biodigestores.

Por fim, vale à pena comentar que não são só as moléculas de glicose
que podem ser usadas na respiração celular. Os carboidratos em geral, os
lipídeos, as proteínas e as bases nitrogenadas podem ser convertidos em
diversas substâncias intermediárias desse mecanismo e integrar a produção
de ATP nas células, conforme a figura abaixo ilustra.

33320407821

Fig. 12: Integração metabólica para ingresso na respiração celular.

2. Estrutura e fisiologia celular: núcleo

Vimos, na aula 03, como o surgimento de invaginações na membrana


plasmática de células procariotas deu origem ao sistema de
endomembranas das células eucariotas. Esse sistema de endomembranas
inclui o núcleo, o retículo endoplasmático e o complexo de Golgi, todas
organelas intimamente relacionadas. Vamos ver, nesta parte da aula, como

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 16 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

o núcleo é capaz de controlar todas as atividades celulares pela expressão


do material genético nele contido. Vem comigo!
O núcleo é responsável pelo comando e controle das atividades
celulares. É nele que o DNA é replicado e transcrito. Ele é envolvido por
uma membrana dupla chamada carioteca, que é contínua ao retículo
endoplasmático e apresenta inúmeros poros que permitem a passagem de
diversas substâncias.

Fig. 13: Visão geral do núcleo em intérfase.

A figura acima representa o núcleo celular durante a intérfase, ou seja,


enquanto a célula não está em processo de divisão. É nesse estado que o
33320407821

material genético pode ser lido e expressado. O DNA, quando a célula está
em intérfase, apresenta-se em um estado pouco condensado chamado
cromatina. Quando a célula vai se dividir, o DNA se condensa fortemente
formando os cromossomos. Portanto, cromatina e cromossomos são
apenas 2 nomes para definir o estado de enovelamento do DNA.
A cromatina é composta por DNA e proteínas chamadas histonas, que
ajudam a organizar o material genético. Existem 2 tipos de cromatina, de
acordo com o grau de enovelamento do material genético:
 Eucromatina: muito pouco enovelada

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 17 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

 Heterocromatina: pouco enovelada


Apenas as regiões da cromatina que estão muito pouco enoveladas, ou
seja, na forma de eucromatina, é que poderão ser lidas pelas enzimas que
vão desencadear a expressão gênica. Isso ajuda a explicar como células de
um mesmo organismo, contendo exatamente o mesmo material genético,
podem ser tão diferentes. A diferenciação celular dá origem aos
diferentes tecidos apresentados na maioria dos seres pluricelulares e isso
ocorre justamente devido às diferentes regiões da cromatina que estarão
na forma de eucromatina e, consequentemente, sendo expressadas.
Em uma imagem de microscopia eletrônica, a eucromatina mostra-se
mais clara do que a heterocromatina, indicando seus diferentes graus de
enovelamento, conforme figura abaixo.

Eucromatina

Heterocromatina

33320407821

Fig. 14: Microscopia eletrônica evidenciando os diferentes tipos de cromatina no núcleo interfásico.

O nucléolo, região mais escura e central da figura acima, é o local


onde ocorre síntese de grande parte do RNA que vai formar os ribossomos.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 18 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

Podemos dizer, portanto, que quanto maior for a quantidade e tamanho dos
nucléolos de uma célula, maior será a sua capacidade de produzir proteínas.

3. Codificação da Informação Genética e Síntese Proteica

Os ácidos nucleicos são um grupo de substâncias responsáveis pela


codificação, transmissão e expressão das informações para a formação e o
funcionamento de um organismo. Eles formam, portanto o chamado código
genético, que é comum a todos os seres vivos, ou seja, é universal. Isso
é uma das evidências da ancestralidade comum de todos os organismos do
nosso planeta.
As duas moléculas que compõem esse ácido nucleico são:
 DNA: ácido desoxirribonucleico
 RNA: ácido ribonucleico
Ambas são polímeros de unidades chamadas nucleotídeos e é
justamente na composição química deles que o DNA se diferencia do RNA.
Um nucleotídeo é composto por uma base nitrogenada, um fosfato
e uma pentose.

Base
Nitrogenada
Fosfato
33320407821

Pentose
Fig. 15: Estrutura de um nucleotídeo

O que diferencia o DNA do RNA é o tipo de pentose presente


(desoxirribose no DNA e ribose no RNA) e os tipos de bases nitrogenadas
que formam seus nucleotídeos. Lembre-se que uma pentose é um

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 19 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

monossacarídeo de 5 carbonos. Na figura acima é possível ver 2 desses


carbonos numerados: o carbono 3’ e o carbono 5’. Isso é importante para
a ligação entre os nucleotídeos.

Fig. 16: As 5 bases nitrogenadas componentes dos ácidos nucleicos.

As bases nitrogenadas citosina (C), adenina (A) e guanina (G) são


comuns tanto ao DNA quanto ao RNA. Já a timina (T) só aparece no DNA e
é substituída pela uracila (U) no RNA. 33320407821

Na figura 15 é possível ver que 2 carbonos da pentose estão


numerados: o carbono 3’ e o carbono 5’. É justamente por intermédio deles
que os nucleotídeos adjacentes vão se ligar, utilizando para isso os fosfatos.
Cada fosfato se liga a um carbono 3’ de um nucleotídeo e ao carbono 5’ do
nucleotídeo adjacente, por ligações do tipo fosfodiéster.

DNA
É no ácido desoxirribonucleico (ADN em português) que estão
armazenadas todas as informações genéticas de um organismo. Além das
características já citadas acima, é importante frisar que o DNA se organiza
Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 20 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

em uma fita dupla de nucleotídeos. Os nucleotídeos dessas fitas opostas


apresentam complementariedade uns com os outros, o que determina os
padrões de pareamento entre as fitas.

Fig. 17: Padrão de pareamento entre as bases nitrogenadas do DNA.

Assim, os nucleotídeos contendo a base nitrogenada adenina sempre


vão parear com os que contêm timina. Do mesmo modo, os nucleotídeos
contendo a base nitrogenada guanina sempre vão parear com os que
33320407821

contêm citosina. Desta forma, em um fragmento de DNA, a quantidade de


guaninas é sempre igual à de citosinas, e a quantidade de adeninas é
sempre igual à de timinas. Isso nos leva à seguinte relação matemática:

A+G=T+C ou A+C=T+G

Portanto, se uma questão informar que um pedaço de DNA tem 20%


de seus nucleotídeos contendo adenina, você já sabe que ele também
contém 20% de nucleotídeos contendo timina, afinal eles estão sempre

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 21 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

pareados. Consequentemente, os 60% restantes serão divididos


igualmente entre citosinas (30%) e guaninas (30%).
As fitas complementares do DNA apresentam orientação antiparalela,
pois os terminais 3’ e 5’ de cada uma estão invertidos, conforme a figura
abaixo:

Fig. 18: Orientação antiparalela do DNA.

É possível ver também, na figura 18, que o pareamento entre os


nucleotídeos das fitas complementares é feito por pontes de hidrogênio.
33320407821

Podemos comparar, assim, a estrutura do DNA como a de uma escada onde


os degraus são formados pelas bases nitrogenadas (em verde e laranja) e
os corrimões são formados pelas pentoses (azul) e pelos fosfatos (amarelo).
Essa dupla fita apresenta-se espiralada formando a característica dupla
hélice familiar a todos, conforme a figura abaixo.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 22 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

Fig. 19: Dupla hélice do DNA, mostrando ainda o pareamento entre as fitas complementares.

RNA
O RNA é um ácido nucleico que se apresenta, normalmente como uma
fita simples em espiral. Possui 3 tipos principais, cada um com suas
respectivas funções:
 RNAm – mensageiro: é ele que leva as informações contidas nos
genes que estão no DNA para que as respectivas proteínas sejam
33320407821

produzidas.
 RNAt – transportador: responsável por transportar os
aminoácidos específicos durante a síntese de proteínas.
 RNAr – ribossomal: forma a estrutura dos ribossomos.
É importante lembrar que o RNA não possui nucleotídeos contendo
timina. A uracila aparece em seu lugar.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 23 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

Fig. 20: Estrutura do RNA, mostrando a presença da uracila (U) no lugar da timina.

Já vimos como as moléculas responsáveis pelas informações genéticas


são compostas, mas ainda fica uma pergunta: como essas informações são
lidas e expressadas para gerar as características dos seres vivos?
Essa pergunta é explicada pelo chamado dogma central da biologia
molecular. 33320407821

Fig. 21: Dogma central da biologia molecular.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 24 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

A figura acima representa o fluxo da informação genética até desde o


DNA até as proteínas. A exceção a esse fluxo unidirecional é o caso de
alguns vírus, que podem, através do processo de transcrição reversa,
produzir moléculas de DNA tendo como molde um RNA.

Conceito de Gene: Um gene é um trecho de DNA que contém informação


para formar uma proteína. Isso acontece em 2 processos:
 Transcrição
 Tradução

Existem, no entanto, diversas regiões do DNA que não são codificantes,


ou seja, não são traduzidas em proteínas. Algumas investigações acerca do
papel que essas regiões não codificantes podem desempenhar apontam que
eles podem atuar na regulação da expressão de outros genes. Outra
hipótese é que esse chamado DNA lixo sirva como uma espécie de proteção
contra mutações em regiões codificantes, já que a probabilidade de um erro
acontecer em uma região importante do DNA torna-se menor devido à
presença desses trechos.
A transcrição ocorre no núcleo de células eucariontes e no citoplasma
de células procariontes. A tradução ocorre nos ribossomos que podem estar
livres no citoplasma ou aderidos ao retículo endoplasmático rugoso, tanto
em células procariontes quanto em células eucariontes.
33320407821

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 25 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

Fig. 22: À esquerda, célula procarionte e à direita célula eucarionte.

Observe que, em células eucariontes, após a transcrição, existe o


processamento do RNA que pode cortar ou adicionar elementos a ele. Isso
pode gerar diferentes polipeptídeos a partir de um mesmo produto de
transcrição. Isso gera uma plasticidade fenotípica aos indivíduos, pois o
mesmo conjunto de genes pode, de acordo com as condições ambientais,
ser expressado de maneira diferente.
Transcrição
É a produção de RNA a partir de um molde de DNA. Esse processo dá
origem a todos os tipos de RNA e depende de uma enzima chamada RNA-
polimerase. Essa enzima se liga a pontos específicos do DNA, desfaz as
33320407821

pontes de hidrogênio entre os nucleotídeos das fitas complementares, e


começa a adicionar ribonucleotídeos complementares aos
desoxirribonucleotídeos da fita molde do DNA. De acordo com os padrões
de pareamento, a síntese de RNA vai ocorrer da seguinte forma:
DNA - RNA
A - U
T - A
C - G
G - C

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 26 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

Vamos ver como ocorre a transcrição em 4 etapas abaixo


representadas.
1. A transcrição se inicia com a ligação da RNA-polimerase em uma
região do DNA que sinaliza o início da síntese de RNA.

2. A RNA-polimerase rompe as pontes de hidrogênio entre os


nucleotídeos complementares e começa a adicionar nucleotídeos de
RNA.

3. A RNA-polimerase vai elongando o RNA no sentido 5’ – 3’.

33320407821

4. Quando a enzima atinge o sítio de terminação, ela desliga do DNA


e o RNA transcrito está pronto. A enzima pode ser usada para
transcrever outros trechos de DNA.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 27 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

Vamos ver um exemplo de transcrição de um trecho hipotético de DNA


para que não restem dúvidas sobre o processo:

DNA ATG CCC AAG CTA GGT TTT TAT Fita complementar
TAC GGG TTC GAT CCA AAA ATA Fita molde

RNA AUG CCC AAG CUA GGU UUU UAU

Cada trinca de nucleotídeos em um RNA mensageiro é chamado de


códon. No processo de tradução, para cada códon, um aminoácido é
adicionado à proteína em produção.

Tradução
É a síntese de proteínas a partir da informação contida em um RNA
mensageiro. A tradução depende do RNAm a ser traduzido, ribossomos,
RNA transportadores e aminoácidos que serão usados para formar as
proteínas.
O RNAm recém transcrito sai do núcleo (em células eucariontes)
através dos poros da carioteca e se liga a um ribossomo. Lá, para cada
códon, haverá um anticódon respectivo em um RNA transportador. Cada
33320407821

RNA transportador carrega um aminoácido específico que será adicionado à


proteína que vai sendo formada no ribossomo. As ligações peptídicas entre
os aminoácidos são catalisadas pelos complexos existentes nos próprios
ribossomos. Existe, portanto, pelo menos 1 anticódon para cada 1 dos 20
aminoácidos.
Obs: O código genético é redundante, mas não é ambíguo. Isso
ocorre pois 1 aminoácido pode ser transportado por mais de um RNAt
(redundância), mas cada RNA transportador carrega apenas 1 tipo de
aminoácidos (não há ambiguidade).

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 28 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

Fig. 23: Tradução. Em vermelho está o RNAm. Em azul claro os RNAt e em azul escuro os
aminoácidos.

A tabela abaixo faz a correspondência entre os códons (trincas do


RNAm) e os respectivos aminoácidos. Observe que: mais de um códon é
traduzido em um mesmo aminoácido; o códon AUG é traduzido no
aminoácido Metionina que é sempre o primeiro a ser adicionado (códon de
33320407821

início); existem três códons que sinalizam o término da tradução – UAA,


UAG e UGA.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 29 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

Fig. 23: Tabela de correspondência entre códons e aminoácidos.

Finalmente, as proteínas sintetizadas nos ribossomos podem assumir


suas funções específicas como integrantes do citoesqueleto e de diversas
organelas, enzimas livres no citoplasma, ou ainda integrar as membranas
celulares e ser exportadas como produtos de secreção.
Assim temos a relação entre as informações contidas no código
genético (genótipo) e a expressão dessas informações (fenótipo). O
fenótipo é resultado não só do genótipo mas também do ambiente onde se
33320407821

encontra o organismo.

Na próxima aula vamos ver como as células se dividem,


falaremos sobre biotecnologia e estudaremos os principais tecidos
animais e vegetais. Até a próxima e bom estudo!

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 30 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

4. QUESTÕES COMENTADAS
01. (ENEM – 1998 Amarela Q31) João ficou intrigado com a grande quantidade
de notícias envolvendo DNA: clonagem da ovelha Dolly, terapia gênica, testes de
paternidade, engenharia genética, etc. Para conseguir entender as notícias,
estudou a estrutura da molécula de DNA e seu funcionamento e analisou os dados
do quadro a seguir.
I
ATCCGGATGCTT
TAGGCCTACGAA

II
ATCCGGATGCTT

UAGGCCUACGAA

III
UAGGCCUACGAA

Metionina Alanina Leucina Glutamato

IV
Bases nitrogenadas: A = Adenina
T = Timina
C = Citosina
G = Guanina
U = Uracila
Analisando-se o DNA de um animal, detectou-se que 40% de suas bases
nitrogenadas eram constituídas por Adenina. Relacionando esse valor com o
emparelhamento específico das bases, os valores encontrados para as outras
bases nitrogenadas foram:

(A) T = 40%; C = 20%; G = 40% 33320407821

(B) T = 10%; C = 10%; G = 40%


(C) T = 10%; C = 40%; G = 10%
(D) T = 40%; C = 10%; G = 10%
(E) T = 40%; C = 60%; G = 60%

02. (ENEM – 1998 Amarela Q32) Em I (na questão 01) está representado o
trecho de uma molécula de DNA. Observando o quadro, pode-se concluir que:
(A) a molécula de DNA é formada por 2 cadeias caracterizadas por sequências de
bases nitrogenadas.
(B) na molécula de DNA, podem existir diferentes tipos de complementação de
bases nitrogenadas.
(C) a quantidade de A presente em uma das cadeias é exatamente igual à
quantidade de A da cadeia complementar.
(D) na molécula de DNA, podem existir 5 diferentes tipos de bases nitrogenadas.
(E) no processo de mitose, cada molécula de DNA dá origem a 4 moléculas de DNA

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 31 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

exatamente iguais.

03. (ENEM – 2000 Amarela Q02) No processo de fabricação de pão, os


padeiros, após prepararem a massa utilizando fermento biológico, separam
uma porção de massa em forma de “bola” e a mergulham num recipiente
com água, aguardando que ela suba, como pode ser observado,
respectivamente, em I e II do esquema abaixo. Quando isso acontece, a
massa está pronta para ir ao forno.

Um professor de Química explicaria esse procedimento da seguinte


maneira: “A bola de massa torna-se menos densa que o líquido e sobe. A
alteração da densidade deve-se à fermentação, processo que pode ser
resumido pela equação

C6H12O6  2C2H5OH + 2CO2 + energia.


glicose álcool comum gás carbônico”

Considere as afirmações abaixo.


I A fermentação dos carboidratos da massa de pão ocorre de maneira
espontânea e não depende da existência de qualquer organismo vivo.
II Durante a fermentação, ocorre produção de gás carbônico, que se vai
acumulando em cavidades no interior da massa, o que faz a bola subir.
III A fermentação transforma a glicose em álcool. Como o álcool tem maior
densidade do que a água, a bola de massa sobe.

Dentre as afirmativas, apenas:


(A) I está correta.
(B) II está correta. 33320407821

(C) I e II estão corretas.


(D) II e III estão corretas.
(E) III está correta.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 32 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

04. (ENEM – 2004 Amarela Q57) A identificação da estrutura do DNA foi


fundamental para compreender seu papel na continuidade da vida. Na década de
1950, um estudo pioneiro determinou a proporção das bases nitrogenadas que
compõem moléculas de DNA de várias espécies.
Exemplos de BASES
materiais NITROGENADAS
analisados ADENINA GUANINA CITOSINA TIMINA

Espermatozóide 30,7% 19,3% 18,8% 31,2%


humano

Fígado humano 30,4% 19,5% 19,9% 30,2%

Medula óssea de 28,6% 21,4% 21,5% 28,5%


rato

Espermatozóide 32,8% 17,7% 18,4% 32,1%


de ouriço do mar
Plântulas de 27,9% 21,8% 22,7% 27,6%
trigo

Bactéria E.coli 26,1% 24,8% 23,9% 25,1%

A comparação das proporções permitiu concluir que ocorre emparelhamento entre


as bases nitrogenadas e que elas formam:

(A) pares de mesmo tipo em todas as espécies, evidenciando a universalidade da


estrutura do DNA.
(B) pares diferentes de acordo com a espécie considerada, o que garante a
diversidade da vida.
(C) pares diferentes em diferentes células de uma espécie, como resultado da
diferenciação celular. 33320407821

(D) pares específicos apenas nos gametas, pois essas células são responsáveis
pela perpetuação das espécies.
(E) pares específicos somente nas bactérias, pois esses organismos são formados
por uma única célula.

05. (ENEM – 2005 Amarela Q41) Um fabricante afirma que um produto


disponível comercialmente possui DNA vegetal, elemento que proporcionaria
melhor hidratação dos cabelos. Sobre as características químicas dessa molécula
essencial à vida, é correto afirmar que o DNA:

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 33 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

(A) de qualquer espécie serviria, já que têm a mesma composição.


(B) de origem vegetal é diferente quimicamente dos demais pois possui clorofila.
(C) das bactérias poderia causar mutações no couro cabeludo.
(D) dos animais encontra-se sempre enovelado e é de difícil absorção.
(E) de características básicas, assegura sua eficiência hidratante.

06. (ENEM – 2007 Amarela Q13) Ao beber uma solução de glicose


(C6H12O6), um corta-cana ingere uma substância
(A) que, ao ser degradada pelo organismo, produz energia que pode ser
usada para movimentar o corpo.
(B) inflamável que, queimada pelo organismo, produz água para manter a
hidratação das células.
(C) que eleva a taxa de açúcar no sangue e é armazenada na célula, o que
restabelece o teor de oxigênio no organismo.
(D) insolúvel em água, o que aumenta a retenção de líquidos pelo
organismo.
(E) de sabor adocicado que, utilizada na respiração celular, fornece CO2
para manter estável a taxa de carbono na atmosfera.

07. (ENEM – 2007 Amarela Q56) Todas as reações químicas de um ser


vivo seguem um programa operado por uma central de informações. A meta
desse programa é a auto-replicação de todos os componentes do sistema,
incluindo-se a duplicação do próprio programa ou mais precisamente do
material no qual o programa está inscrito. Cada reprodução pode estar
associada a pequenas modificações do programa.
M. O. Murphy e l. O’neill (Orgs.). O que é vida? 50 anos
depois — especulações sobre o futuro da biologia. São Paulo:
UNESP. 1997 (com adaptações).

São indispensáveis à execução do “programa” mencionado acima processos


relacionados a metabolismo, autorreplicação e mutação, que podem ser
exemplificados, respectivamente, por:
(A) fotossíntese, respiração e alterações na sequência de bases
nitrogenadas do código genético.
(B) duplicação do RNA, pareamento de bases nitrogenadas e digestão de
33320407821

constituintes dos alimentos.


(C) excreção de compostos nitrogenados, respiração celular e digestão de
constituintes dos alimentos.
(D) respiração celular, duplicação do DNA e alterações na sequência de
bases nitrogenadas do código genético.
(E) fotossíntese, duplicação do DNA e excreção de compostos nitrogenados.

08. (ENEM – 2008 Amarela Q52) Define-se genoma como o conjunto de


todo o material genético de uma espécie, que, na maioria dos casos, são as
moléculas de DNA. Durante muito tempo, especulou-se sobre a possível
relação entre o tamanho do genoma — medido pelo número de pares de
bases (pb) —, o número de proteínas produzidas e a complexidade do
organismo. As primeiras respostas começam a aparecer e já deixam claro
que essa relação não existe, como mostra a tabela abaixo.
Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 34 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

Nome Tamanho No de
Espécie comum estimado do proteinas
genoma (pb) descritas
Oryza sativa Arroz 5.000.000.000 224.181
Mus musculus Camundongo 3.454.200.000 249.081
Homo sapiens Homem 3.400.000.000 459.114
Rattus Rato 2.900.000.000 109.077
norvegicus
Drosophila Mosca-da-fruta 180.000.000 86.255
melanogaster
Internet: www.cbs.dtu.dk e <www.ncbi.nlm.nih.gov>

De acordo com as informações acima:

(A) o conjunto de genes de um organismo define o seu DNA.


(B) a produção de proteínas não está vinculada à molécula de DNA.
(C) o tamanho do genoma não é diretamente proporcional ao número de
proteínas produzidas pelo organismo.
(D) quanto mais complexo o organismo, maior o tamanho de seu genoma.
(E) genomas com mais de um bilhão de pares de bases são encontrados
apenas nos seres vertebrados.

09. (ENEM – 2008 Amarela Q53) Durante muito tempo, os cientistas


acreditaram que variações anatômicas entre os animais fossem
consequência de diferenças significativas entre seus genomas. Porém, os
projetos de sequenciamento de genoma revelaram o contrário. Hoje, sabe-
se que 99% do genoma de um camundongo é igual ao do homem, apesar
das notáveis diferenças entre eles. Sabe-se também que os genes ocupam
apenas cerca de 1,5% do DNA e que menos de 10% dos genes codificam
proteínas que atuam na construção e na definição das formas do corpo. O
restante, possivelmente, constitui DNA não-codificante. Como explicar,
então, as diferenças fenotípicas entre as diversas espécies animais? A
33320407821

resposta pode estar na região não-codificante do DNA.


S. B. Carroll et al. O jogo da evolução. In: Scientific American Brasil, jun./2008 (com
adaptações).
A região não-codificante do DNA pode ser responsável pelas diferenças
marcantes no fenótipo porque contém
(A) as sequências de DNA que codificam proteínas responsáveis pela
definição das formas do corpo.
(B) uma enzima que sintetiza proteínas a partir da sequência de
aminoácidos que formam o gene.
(C) centenas de aminoácidos que compõem a maioria de nossas proteínas.
(D) informações que, apesar de não serem traduzidas em sequências de
proteínas, interferem no fenótipo.
(E) os genes associados à formação de estruturas similares às de outras
espécies.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 35 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

10. (ENEM – 2009 Azul Q04) Em um experimento, preparou-se um


conjunto de plantas por técnica de clonagem a partir de uma planta original
que apresentava folhas verdes. Esse conjunto foi dividido em dois grupos,
que foram tratados de maneira idêntica, com exceção das condições de
iluminação, sendo um grupo exposto a ciclos de iluminação solar natural e
outro mantido no escuro. Após alguns dias, observou-se que o grupo
exposto à luz apresentava folhas verdes como a planta original e o grupo
cultivado no escuro apresentava folhas amareladas.

Ao final do experimento, os dois grupos de plantas apresentaram


(A) os genótipos e os fenótipos idênticos.
(B) os genótipos idênticos e os fenótipos diferentes.
(C) diferenças nos genótipos e fenótipos.
(D) o mesmo fenótipo e apenas dois genótipos diferentes.
(E) o mesmo fenótipo e grande variedade de genótipos.

11. (ENEM – 2009 Azul Q10) A fotossíntese é importante para a vida na


Terra. Nos cloroplastos dos organismos fotossintetizantes, a energia solar
é convertida em energia química que, juntamente com água e gás carbônico
(CO2), é utilizada para a síntese de compostos orgânicos (carboidratos). A
fotossíntese é o único processo de importância biológica capaz de realizar
essa conversão. Todos os organismos, incluindo os produtores, aproveitam
a energia armazenada nos carboidratos para impulsionar os processos
celulares, liberando CO2 para a atmosfera e água para a célula por meio da
respiração celular. Além disso, grande fração dos recursos energéticos do
planeta, produzidos tanto no presente (biomassa) como em tempos
remotos (combustível fóssil), é resultante da atividade fotossintética.

As informações sobre obtenção e transformação dos recursos naturais por


meio dos processos vitais de fotossíntese e respiração, descritas no texto,
permitem concluir que:

(A) o CO2 e a água são moléculas de alto teor energético.


33320407821

(B) os carboidratos convertem energia solar em energia química.


(C) a vida na Terra depende, em última análise, da energia proveniente do
Sol.
(D) o processo respiratório é responsável pela retirada de carbono da
atmosfera.
(E) a produção de biomassa e de combustível fóssil, por si, é responsável
pelo aumento de CO2 atmosférico.

12. (ENEM – 2009 Azul Q16) A figura seguinte representa um modelo de


transmissão da informação genética nos sistemas biológicos. No fim do
processo, que inclui a replicação, a transcrição e a tradução, há três formas
proteicas diferentes denominadas a, b e c.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 36 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

Depreende-se do modelo que


(A) a única molécula que participa da produção de proteínas é o DNA.
(B) o fluxo de informação genética, nos sistemas biológicos, é unidirecional.
(C) as fontes de informação ativas durante o processo de transcrição são
as proteínas.
(D) é possível obter diferentes variantes proteicas a partir de um mesmo
produto de transcrição.
(E) a molécula de DNA possui forma circular e as demais moléculas possuem
forma de fita simples linearizadas.

13. (ENEM – 2010 Azul 2ª Aplicação Q53) O aquecimento global,


ocasionado pelo aumento do efeito estufa, tem como uma de suas causas
a disponibilização acelerada de átomos de carbono para a atmosfera. Essa
disponibilização acontece, por exemplo, na queima de combustíveis fósseis,
como a gasolina, os óleos e o carvão, que libera o gás carbônico (CO2) para
a atmosfera. Por outro lado, a produção de metano (CH4), outro gás
causador do efeito estufa, está associada à pecuária e à degradação de
matéria orgânica em aterros sanitários.
Apesar dos problemas causados pela disponibilização acelerada dos gases
citados, eles são imprescindíveis à vida na Terra e importantes para a
manutenção do equilíbrio ecológico, porque, por exemplo, o
(A) metano é fonte de carbono para os organismos fotossintetizantes.
(B) metano é fonte de hidrogênio para os organismos fotossintetizantes.
(C) gás carbônico é fonte de energia para os organismos fotossintetizantes.
(D) gás carbônico é fonte de carbono inorgânico para os organismos
fotossintetizantes.
(E) gás carbônico é fonte de oxigênio molecular para os organismos
heterotróficos aeróbios.

14. (ENEM – 2010 Azul 2ª Aplicação Q71) Um molusco, que vive no


33320407821

litoral oeste dos EUA, pode redefinir tudo o que se sabe sobre a divisão
entre animais e vegetais. Isso porque o molusco (Elysia chlorotica) é um
híbrido de bicho com planta. Cientistas americanos descobriram que o
molusco conseguiu incorporar um gene das algas e, por isso, desenvolveu
a capacidade de fazer fotossíntese. É o primeiro animal a se “alimentar”
apenas de luz e CO2, como as plantas.
GARATONI, B. Superinteressante. Edição 276, mar. 2010 (adaptado).

A capacidade de o molusco fazer fotossíntese deve estar associada ao fato


de o gene incorporado permitir que ele passe a sintetizar
(A) clorofila, que utiliza a energia do carbono para produzir glicose.
(B) citocromo, que utiliza a energia da água para formar oxigênio.
(C) clorofila, que doa elétrons para converter gás carbônico em oxigênio.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 37 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

(D) citocromo, que doa elétrons da energia luminosa para produzir glicose.
(E) clorofila, que transfere a energia da luz para compostos orgânicos.

15. (ENEM – 2012 Branca Q58) Os vegetais biossintetizam determinadas


substâncias (por exemplo, alcaloides e flavonoides), cuja estrutura química
e concentração variam num mesmo organismo em diferentes épocas do ano
e estágios de desenvolvimento. Muitas dessas substâncias são produzidas
para a adaptação do organismo às variações ambientais (radiação UV,
temperatura, parasitas, herbívoros, estímulo a polinizadores etc.) ou
fisiológicas (crescimento, envelhecimento etc.).
As variações qualitativa e quantitativa na produção dessas substâncias
durante um ano são possíveis porque o material genético do indivíduo
(A) sofre constantes recombinações para adaptar-se.
(B) muda ao longo do ano e em diferentes fases da vida.
(C) cria novos genes para biossíntese de substâncias específicas.
(D) altera a sequência de bases nitrogenadas para criar novas substâncias.
(E) possui genes transcritos diferentemente de acordo com cada
necessidade.

16. (ENEM – 2013 Branca Q50) Plantas terrestres que ainda estão em
fase de crescimento fixam grandes quantidades de CO2, utilizando-o para
formar novas moléculas orgânicas, e liberam grande quantidade de O 2. No
entanto, em florestas maduras, cujas árvores já atingiram o equilíbrio, o
consumo de O2 pela respiração tende a igualar sua produção pela
fotossíntese. A morte natural de árvores nessas florestas afeta
temporariamente a concentração de O2 e de CO2 próximo à superfície do
solo onde elas caíram. A concentração de O2 próximo ao solo, no local da
queda, será
(A) menor, pois haverá consumo de O2 durante a decomposição dessas
árvores.
(B) maior, pois haverá economia de O2 pela ausência das árvores mortas.
(C) maior, pois haverá liberação de O2 durante a fotossíntese das árvores
jovens. 33320407821

(D) igual, pois haverá consumo e produção de O2 pelas árvores maduras


restantes.
(E) menor, pois haverá redução de O2 pela falta da fotossíntese realizada
pelas árvores mortas.

17. (ENEM – 2013 Branca Q69) A estratégia de obtenção de plantas


transgênicas pela inserção de transgenes em cloroplastos, em substituição
à metodologia clássica de inserção do transgene no núcleo da célula
hospedeira, resultou no aumento quantitativo da produção de proteínas
recombinantes com diversas finalidades biotecnológicas. O mesmo tipo de
estratégia poderia ser utilizado para produzir proteínas recombinantes em
células de organismos eucarióticos não fotossintetizantes, como as
leveduras, que são usadas para produção comercial de várias proteínas
recombinantes e que podem ser cultivadas em grandes fermentadores.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 38 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

Considerando a estratégia metodológica descrita, qual organela celular


poderia ser utilizada para inserção de transgenes em leveduras?

(A) Lisossomo.
(B) Mitocôndria.
(C) Peroxissomo.
(D) Complexo golgiense.
(E) Retículo endoplasmático.

18. (ENEM – 2015 Azul Q47) A indústria têxtil utiliza grande quantidade
de corantes no processo de tingimento dos tecidos. O escurecimento das
águas dos rios causado pelo despejo desses corantes pode desencadear
uma série de problemas no ecossistema aquático.
Considerando esse escurecimento das águas, o impacto negativo inicial que
ocorre é o(a):
(A) eutrofização.
(B) proliferação de algas.
(C) inibição da fotossíntese.
(D) fotodegradação da matéria orgânica.
(E) aumento da quantidade de gases dissolvidos.

19. (ENEM – 2015 Azul Q48) Muitos estudos de síntese e endereçamento


de proteínas utilizam aminoácidos marcados radioativamente para
acompanhar as proteínas, desde fases iniciais de sua produção até seu
destino final. Esses ensaios foram muito empregados para estudo e
caracterização de células secretoras. Após ensaios de radioatividade, qual
gráfico representa a evolução temporal da produção de proteínas e sua
localização em uma célula secretora?
(A)

33320407821

(B)

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 39 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

(C)

(D)

33320407821

(E)

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 40 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

20. (ENEM – 2015 Azul Q69) Normalmente, as células do organismo


humano realizam a respiração aeróbica, na qual o consumo de uma
molécula de glicose gera 38 moléculas de ATP. Contudo, em condições
anaeróbicas, o consumo de uma molécula de glicose pelas células é capaz
de gerar apenas duas moléculas de ATP.

33320407821

Qual curva representa o perfil de consumo de glicose, para manutenção da


homeostase de uma célula que inicialmente está em uma condição
anaeróbica e é submetida a um aumento gradual da concentração de
oxigênio?
(A) 1
(B) 2
(C) 3
(D) 4
(E) 5

21. (ENEM – 2015 Azul Q87) O formato das células de organismos


pluricelulares é extremamente variado. Existem células discoides, como é o
caso das hemácias, as que lembram uma estrela, como os neurônios, e

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 41 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

ainda algumas alongadas, como as musculares. Em um mesmo organismo,


a diferenciação dessas células ocorre por
(A) produzirem mutações específicas
(B) possuírem DNA mitocondrial diferentes.
(C) apresentarem conjunto de genes distintos.
(D) expressarem porções distintas do genoma.
(E) terem um número distinto de cromossomos.

22. (ENEM – 2015 Azul 2ª Aplicação Q90)

No esquema representado, o processo identificado pelo número 2 é


realizado por
(A) seres herbívoros.
(B) fungos fermentadores.
(C) bactérias heterótrofas.
(D) organismos produtores.
(E) microrganismos decompositores.

23. (ENEM – 2016 Azul Q53) O esquema representa, de maneira


simplificada, o processo de produção de etanol utilizando milho como
matéria-prima.

33320407821

A etapa de hidrólise na produção de etanol a partir do milho é fundamental


para que
a) A glicose seja convertida em sacarose.
b) As enzimas dessa planta sejam ativadas.
c) A maceração favoreça a solubilização em água.
d) O amido seja transformado em substratos utilizáveis pela levedura.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 42 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

e) Os grãos com diferentes composições químicas sejam padronizados.

24. (ENEM – 2016 Azul Q56) As proteínas de uma célula eucariótica


possuem peptídeos sinais, que são sequências de aminoácidos responsáveis
pelo seu endereçamento para as diferentes organelas, de acordo com suas
funções. Um pesquisador desenvolveu uma nanopartícula capaz de carregar
proteínas para dentro de tipos celulares específicos. Agora ele quer saber
se uma nanopartícula carregada com uma proteína bloqueadora do ciclo de
Krebs in vitro é capaz de exercer sua atividade em uma célula cancerosa,
podendo cortar o aporte energético e destruir essas células.
Ao escolher essa proteína bloqueadora para carregar as nanopartículas, o
pesquisador deve levar em conta um peptídeo sinal de endereçamento para
qual organela?
a) Núcleo.
b) Mitocôndria.
c) Peroxissomo.
d) Complexo golgiense.
e) Retículo endoplasmático.

25. (ENEM – 2016 Azul Q62) Ao percorrer o trajeto de uma cadeia


alimentar, o carbono, elemento essencial e majoritário da matéria orgânica
que compõe os indivíduos, ora se encontra em sua forma inorgânica, ora se
encontra em sua forma orgânica. Em uma cadeia alimentar composta por
fitoplâncton, zooplâncton, moluscos, crustáceos e peixes ocorre a transição
desse elemento da forma inorgânica para a orgânica.
Em qual grupo de organismos ocorre essa transição?
a) Fitoplâncton.
b) Zooplâncton.
c) Moluscos.
d) Crustáceos.
e) Peixes.

26. (ENEM – 2016 Branca 2ª Aplicação Q87) Em 1950, Erwin Chargaff


33320407821

e colaboradores estudavam a composição química do DNA e observaram


que a quantidade de adenina (A) é igual à de timina (T), e a quantidade de
guanina (G) é igual à de citosina (C) na grande maioria das duplas fitas de
DNA. Em outras palavras, esses cientistas descobriram que o total de
purinas (A+G) e o total de pirimidinas (C+T) eram iguais. Um professor
trabalhou esses conceitos em sala de aula com 20 adeninas, 25 timinas, 30
guaninas e 25 citosinas.
Qual a quantidade de cada um dos nucleotídeos, quando considerada a fita
dupla de DNA formada pela fita simples exemplificada pelo professor?
(A) Adenina: 20; Timina: 25; Guanina: 25; Citosina: 30.
(B) Adenina: 25; Timina: 20; Guanina: 45; Citosina: 45.
(C) Adenina: 45; Timina: 45; Guanina: 55; Citosina: 55.
(D) Adenina: 50; Timina: 50; Guanina: 50; Citosina: 50.
(E) Adenina: 55; Timina: 55; Guanina: 45; Citosina: 45.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 43 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES

01. Como a adenina pareia com a timina, as quantidades dessas bases


nitrogenadas serão as mesmas. Do mesmo modo, as quantidades de
citosina e guanina também serão iguais entre si. Assim, teremos 40% de
timina, que somados aos 40% de adenina totalizam 80%. Os 20% restantes
dividem-se em 10% de citosina e 10% de guanina. Alternativa D.

02. A letra B está errada pois o padrão de complementação de bases


nitrogenadas é sempre o mesmo. A letra C está errada pois a quantidade
de A é igual à quantidade de T na cadeia complementar. A letra D está
errada porque no DNA podem existir 4 tipos de bases nitrogenadas (A, C,
T, G). A letra E está errada pois na mitose cada molécula de DNA origina 2
moléculas iguais. O DNA é, por fim, formado por 2 fitas complementares
compostas por sequências de bases nitrogenadas. Alternativa A.

03. A afirmativa I está errada, pois a fermentação é um processo biológico


e que depende de enzimas que só estão presentes nos seres vivos. A
afirmativa II está correta, pois como a própria reação química mostra, o
gás carbônico é produzido na fermentação. O acúmulo desse gás no interior
da massa, causa a sua expansão e a diminuição de sua densidade, o que
faz com que ela suba. A afirmativa III está errada pois o álcool é menos
denso do que a água. Alternativa B.

04. De acordo com o princípio da universalidade do DNA, todas as células


de todos os organismos apresentarão o mesmo padrão de emparelhamento
de bases nitrogenadas em suas moléculas de DNA. Alternativa A.

05. O DNA possui a mesma estrutura química em todos os seres vivos, não
tendo nada a ver com a clorofila dos vegetais. Além disso, ele não é capaz
de causar mutações em células e não se encontra sempre enovelado em
animais. Do mesmo modo, como seu nome já diz, o DNA é um ácido e não
uma base. Finamente, podemos dizer que, para a ação prometida pelo
33320407821

produto, o DNA de qualquer espécie serviria, já que sua composição é a


mesma. Alternativa A.

06. A glicose não é queimada pelo organismo e nem restabelece o teor de


oxigênio no organismo, pois esse gás é obtido pela respiração. Também não
é insolúvel em água e não é unicamente o CO2 liberado na respiração celular
que vai manter a taxa de carbono na atmosfera. A glicose é degradada na
respiração celular, processo que libera energia para movimentar o corpo,
por exemplo. Alternativa A.

07. Metabolismo: fotossíntese, excreção de compostos nitrogenados ou


respiração celular; autorreplicação: duplicação do DNA; mutação: alteração
na sequência de bases nitrogenadas do código genético. Alternativa D.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 44 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

08. Devemos lembrar que 1 gene corresponde a uma proteína. Assim,


existem vários trechos de DNA que não são genes pois não codificam
proteínas. A produção das proteínas, portanto, está vinculada à molécula
de DNA. Não há relação entre a complexidade do organismo e o tamanho
do genoma, de acordo com o quadro. Existem outros seres além dos
vertebrados portadores de genomas com mais de um bilhão de pares de
bases, como o arroz. O tamanho do genoma realmente não é diretamente
proporcional ao número de proteínas produzidas pelo organismo,
justamente por conta dos trechos de DNA não codificante. Alternativa C.

09. O DNA não-codificante não possui informações para codificar proteínas


e nem enzimas (já que estas também são proteínas). Além disso não é
formado por aminoácidos e, por não ser codificante, não possui genes. Na
verdade, é possível que as informações contidas nele, apesar de não serem
traduzidas em sequências de proteínas, interfiram no fenótipo. Alternativa
D.

10. Como as plantas foram obtidas por clonagem, o material genético delas
era o mesmo, ou seja, elas tinham genótipos idênticos. No entanto, devido
às diferentes condições ambientais (exposição ou não à luz), a manifestação
desse genótipo não foi igual nas duas plantas. Dessa forma, apresentara,
fenótipos diferentes. Alternativa B.

11. O CO2 e a água não são moléculas de alto teor energético. Elas são, na
verdade, liberadas durante a respiração celular que extrai energia dos
carboidratos, que, por sua vez, não são capazes de converter energia solar
em energia química. Quem faz isso é o aparato metabólico das células
fotoautotróficas. O processo respiratório não retira carbono da atmosfera,
ele libera através do CO2. A queima de biomassa e de combustíveis fósseis
(e não a produção) é responsável por aumentar o CO2 atmosférico. O
processo de fotossíntese é responsável por introduzir a energia luminosa
nas cadeias alimentares na forma de energia química, fazendo com que a
vida na Terra dependa disso. Alternativa C.
33320407821

12. No processo mostrado na imagem, outras moléculas participam da


produção de proteínas. O fluxo de informação genética é, quase sempre,
unidirecional. A exceção a isso é o caso dos retrovírus. Durante a transcrição
as fontes de informação ativas são as moléculas de DNA. A imagem não
relaciona as moléculas com suas formas, como diz a alternativa E. Em seres
eucariontes, ocorre o processamento após a transcrição, fazendo com que,
a partir do mesmo produto de transcrição, diferentes proteínas possam ser
formadas. Alternativa D.

13. Os organismos fotossintetizantes não utilizam o gás metano em seus


processos metabólicos, o que nos permite excluir as alternativas A e B. Os
organismos heterotróficos aeróbios obtêm oxigênio molecular diretamente
da atmosfera e não do gás carbônico, o que nos permite excluir a alternativa
E. Quanto à utilização do gás carbônico pelos organismos fotossintetizantes,
Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 45 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

sabemos que é a partir desse gás que esses organismos adquirem o carbono
inorgânico que será incorporado às moléculas orgânicas produzidas durante
a fotossíntese, como por exemplo a glicose. Alternativa D.

14. A molécula fundamental para o processo de fotossíntese é a clorofila,


pois ela é capaz de ser sensibilizada pela energia luminosa e de transferir
elétrons para uma cadeia transportadora que termina com a produção de
ATP no processo de fotofosforilação. A energia presente nas moléculas de
ATP será utilizada na produção de moléculas orgânicas. A clorofila, portanto,
não é capaz de obter energia do carbono e nem de converter gás carbônico
em oxigênio. Ela é sim capaz de transferir energia da luz para uma longa
sequência de reações que tem como objetivo produzir moléculas orgânicas
como a glicose. Alternativa E.

15. Apesar do genótipo ser o mesmo o tempo todo, as células podem alterar
seus fenótipos de acordo com os estímulos ambientais. Para isso, elas vão
expressar diferentes partes do genoma e, consequentemente, traduzir
proteínas diferentes, gerando fenótipos diferentes. Alternativa E.

16. A decomposição aeróbica das árvores mortas junto ao solo aumenta o


consumo de gás oxigênio nesse local. Alternativa A.

17. A única organela presente nas alternativas que possui material genético
próprio é a mitocôndria. Alternativa B.

18. Com a liberação desses corantes e o escurecimento das águas, a luz


fica impossibilitada de penetrar e atingir os seres fotossintetizantes, que
formam a base das cadeias alimentares aquáticas. Alternativa C.

19. O caminho realizado pelas proteínas a serem secretadas é iniciado nos


ribossomos do retículo endoplasmático. A seguir passam para o complexo
golgiense onde são modificadas e empacotadas para seres liberadas nas
vesículas de secreção. Alternativa C.33320407821

20. Em condições anaeróbicas, algumas células humanas são capazes de


realizar o processo de fermentação que, por sua vez, tem que consumir
muito mais glicose para gerar a quantidade de ATP necessária à
manutenção da homeostase do que precisaria em condições aeróbicas.
Portanto, espera-se que com o aumento da concentração de oxigênio, a
célula passe a consumir gradativamente menos glicose, já que a respiração
aeróbica é muito mais eficiente do que a fermentação no que diz respeito à
produção de ATP. Alternativa E.

21. Em um mesmo organismo, o genótipo é o mesmo em todas as células.


No entanto, a expressão de diferentes porções do genoma é que vai ser
responsável pelos diferentes tipos celulares apresentados. Alternativa D.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 46 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

22. O processo de número 2 pode ser identificado como a fotossíntese, uma


vez que o gás carbônico serve de matéria-prima para a formação de glicose.
Entre as opções, somente os organismos produtores são capazes de realizar
esse processo. Alternativa D.

23. Para que a levedura possa realizar o processo de fermentação, é


necessário que o amido (um polissacarídeo) seja quebrado em moléculas
menores como a glicose. Alternativa D.

24. Como a proteína utilizada no experimento é bloqueadora do ciclo de


Krebs, e esse processo ocorre no interior das mitocôndrias, como parte da
respiração celular, então o endereçamento tem que ser para essa organela.
Alternativa B.

25. A forma inorgânica do carbono é encontrada no gás carbônico que, ao


ser utilizado na fotossíntese realizada pelo fitoplâncton, será incorporada às
moléculas de carboidratos, sendo portanto um exemplo de sua forma
orgânica. Alternativa A.

26. As 20 adeninas vão parear com 20 timinas na fita complementar;


As 25 timinas vão parear com 25 adeninas na fita complementar;
As 30 guaninas vão parear com 30 citosinas na fita complementar; e
As 25 citosinas vão parear com 25 guaninas na fita complementar.
Somando, teremos 20 + 25 adeninas = 45; 20 + 25 timinas = 45; 30 + 25
guaninas = 55, 30 + 25 citosinas = 55. Alternativa C.

6. Bibliografia consultada

 AMABIS, J.M & MARTHO, G.R. Biologia. São Paulo: Editora Moderna,
33320407821

2010, Vol.3.

 CAMPBELL, NEIL. Biologia, Porto Alegre: Artmed Editora, 2010.

 LINHARES, S. & GEWANDSZNAJDER, F. Biologia Hoje. São Paulo:


Editora Ática, 2014, Vol. 3.

 PURVES, W. K.; SADAVA, D.; ORIANS, G. H. HELLER, H.C. Vida - A


ciência da biologia. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002, Vol. 2.

 STARR; EVERS; STARR. Biology Concepts and Applications


Without Physiology. Stamford. Cengage Learning, 2013.

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 47 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias


Biologia para o ENEM
Prof. Daniel Reis Aula 04

33320407821

Prof. Daniel Reis www.estrategiaconcursos.com.br 48 de 48

33320407821 - gabriele ostapiuk miudo dias

Você também pode gostar